Page 1

Acontece

Informativo do Instituto Federal de Pernambuco · Ano VI · Nº 40 · Maio | Junho de 2010

SOB NOVA

DIREÇÃO Novos diretores dos campi Recife e Barreiros apostam na aproximação com a comunidade e na dedicação ao trabalho para implantarem seus planos de gestão Doze de maio foi uma data para entrar na história do IFPE. Nesse dia, a vontade da comunidade escolar se concretizou através do voto direto, elegendo os novos diretores-gerais dos campi Recife e Barreiros. Passadas as eleições, o clima agora é de muito trabalho e expectativas. (continua nas páginas 4 e 5)

DeSign Criação tipográfica de aluna do curso superior de Tecnologia em Design Gráfico do Instituto Federal de Pernambuco alcança projeção internacional. Apicultura Estudantes aprendem técnica da apicultura no campus Barreiros e conhecem uma nova oportunidade de negócio no campo.

Página 8

Página 2

Casa arrumada Antigos dirigentes fazem balanço do período em que administraram os campi Recife e Barreiros, garantindo para novos gestores equilíbrio financeiro e novas aquisições

ANIVERSÁRIO Belo Jardim e Vitória de Santo Antão comemoram mais um ano de existência abrindo o calendário de aniversários dos campi do IFPE neste ano.

PROFISSÃO Investir na carreira de Segurança do Trabalho pode ser uma ótima opção de emprego certo no Estado.

Páginas 3

Página 7

Página 6

Acontece · Informativo do Instituto Federal de Pernambuco

1


Negócio

Um DOCE TRABALHO Apicultura é atividade prazerosa em sala de aula e lucrativa fora dela Que o mel é um alimento saboroso e nutritivo, todos sabem. O que muitos não imaginam é que ele pode ser um bom negócio. Índices registrados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no levantamento Produção Pecuária Municipal, mostram que em 2008 o país produziu 37.792 toneladas

de mel, convertidos em quase 200 milhões de reais. Raiene Fabiciack, professora do campus Barreiros, acha que a apicultura é interessante para o aprendizado dos alunos. Ela diz que o mel é um alimento rico e que as abelhas contribuem para a preservação do meio ambiente. “Apicultura é uma atividade agregadora: o homem não precisa sair do campo para conseguir renda e não precisa de muito tempo ou dinheiro para ter um apiário bem cuidado”, conclui ela. As aulas de Apicultura no campus contemplam o curso integrado de Agropecuária e o sequencial de Zootecnia. Nelas, a professora Raiene Fabiciack e o zootecnista Milton Primo se revezam na orientação e no acompanhamento dos estudantes. Nas turmas, em média

42 estudantes se dividem entre aulas práticas e teóricas. Hoje, o campus tem um apiário de 18 caixas (moradia das abelhas no apiário), espalhadas por diversos pontos na área. Cada caixa corresponde a uma família, que é formada por uma rainha, operárias e zangões. O mel não tem um período específico de produção: a coleta é realizada de acordo com o período de cada florada. Segundo Milton Primo, o primeiro passo no apiário é a revisão de famílias. É neste momento em que são detectadas a produção de mel, doenças e a produção da rainha e se decide qual o melhor procedimento adotado para cada grupo de abelhas. Primo explica que um pasto apícola diversificado proporciona uma produção de mel constante, embora clima, florada e outras circunstâncias interfiram na produção. “A exceção fica por conta do inverno: com as chuvas, as abelhas saem pouco em busca de néctar e produzem só o suficiente para a própria subsistência. Aí, procuramos não coletar mel para preserválas”, argumenta.

Observação e retirada dos caixilhos com mel maduro

2

Ano VI · Nº 40 · Maio | Junho de 2010


Transição

Balanço de GESTÃO A ex-diretora geral, Cláudia Sansil, conta como foram os dias à frente do campus Recife e destaca o resultado de sua administração No comando do maior campus do Brasil, o campus Recife, por pouco mais de três meses, a ex-diretora geral, Cláudia Sansil, assumiu o cargo num período de transição. Mesmo sabendo que seria realizada eleição, para um mandato tampão, resolveu aceitar a missão. “Fui com o objetivo de colaborar, atendendo ao pedido do reitor. Certamente, a experiência se constituiu num dos maiores desafios de minha vida profissional. Sinto-me honrada com a confiança do professor Sérgio e pela acolhida da comunidade e da equipe”, avalia . Para a gestora, o tempo não se revelou um bom aliado. “Assumimos num período de férias, de festas de fim de

ano, carnaval e páscoa! A máquina é burocrática e os procedimentos nem sempre obedecem à lógica desejada pelos gestores.” Ela, no entanto, acredita que em 92 dias úteis de gestão conseguiu imprimir uma marca. Segundo a professora, o aprendizado equivaleu a um MBA. Na contabilidade das ações, destacam-se o fortalecimento do Ensino com destaque ao trabalho da Assessoria Pedagógica. A criação dos plantões pedagógicos e o reforço com a contratação de 28 docentes e sete administrativos, sendo seis Auxiliares em Laboratório. Outros investimentos na área são lembrados, como a finalização do projeto de climatização do bloco B (em fase de compra); além da humanização da sala dos professores; o retorno do atendimento à comunidade com dias marcados e a criação de um link, no site, para responder às dúvidas da comunidade.

No âmbito mais administrativo, a aquisição de 130 netbooks para serem usados pelos professores em substituição às cadernetas, a compra de outros 200 computadores destinados aos estudantes, o aumento nos valores e o dobro de oferta de bolsas de iniciação científica e de extensão, assim como as de monitoria. Destaque para os investimentos em laboratórios - só o de mecânica recebeu mais de R$ 1,3 milhões - e a celeridade nas obras da piscina. A ex-dirigente diz que começaram a planejar alguns projetos como o da Horta Comunitária, envolvendo as mulheres mil; o de cursos de extensão destinados aos pais de alunos colaboradores para retornarem ao mercado; a preparação de outros voltados à comunidade interna, como o curso de qualidade no atendimento e a ginástica laboral para os servidores, nos horários de expediente.

SALDO POSITIVO Ações da gestão anterior potencializam nova direção do campus O professor Nivaldo Ribeiro dirigiu o campus Barreiros por sete meses. Ele lembra que o tempo da gestão foi curto, no entanto, houve a receptividade da comunidade acadêmica e apoio da Reitoria para a consolidação de ações no campus. Diretor administrativo na gestão de Nivaldo, Humberto Alencar enumera algumas realizações resultantes do trabalho nos últimos meses: “Investimentos em equipamentos de laboratórios, aquisição de mais de 40 computadores, notebooks, datashows, veículos, e outros, com recursos da Acontece · Informativo do Instituto Federal de Pernambuco

também em Barreiros

ordem de R$ 500 mil”, destaca Alencar, acrescentando que a licitação para aquisição desses bens foi realizada no último dia 27 de maio. Já o antigo diretor da Instituição ressalta que a nova gestão, que tem à frente o professor Jorge Carvalho, recém-empossado, encontrará no campus Barreiros um orçamento equilibrado e condições de implementar diversas ações e obras. “Será possível trabalhar com ações imediatas e visar melhorias para a próxima gestão. O orçamento em ordem potencializa isso”, garante ele.

3


Recife

Desafio de dirigir o MAIOR

CAMPUS DO BRASIL

Novo diretor aposta no compromisso com a missão da instituição para administrar Para tornar um sonho realidade é necessário trabalho. E foi justamente isso que fez o professor Francisco Granata para se tornar diretor-geral do campus Recife. Durante dois anos, ele se preparou para disputar o cargo. O desejo foi realizado quando venceu a eleição para comandar o maior campus do IFPE. “Como administrador, por formação, sonhei com a possibilidade de ser diretor. Já tive a oportunidade de participar da gestão. A expectativa em relação a esse sonho cresceu com a construção da minha candidatura e se consolidou na campanha”, diz o professor, que ingressou no IFPE em 1997, na época da antiga ETFPE. Mestre em Administração e Comunicação, Granata destaca o envolvimento de toda a comunidade, como uma forma de se fazer a gestão pública. “O respeito à pessoa humana é parte integrante da administração”, ressalta. Com essa filosofia, ele reuniu servidores do campus que poderiam integrar sua equipe de trabalho, antes mesmo de assumir o cargo, para uma palestra com a psicóloga organizacional na área de gestão pública, Rosa Bacelar, irmã da economista Tânia Bacelar. Durante a palestra sobre gestão de competências, a psicóloga organizacional apresentou uma nova forma de administrar. “Nesse modelo, a gestão de pessoas passa pelas competências técnicas e comportamentais”, exemplifica Granata. Quem compareceu ao evento preencheu um formulário de avaliação de competências técnicas e comportamentais. Através dessas avaliações a

4

equipe da nova direção foi montada. Os gestores foram alertados sobre a necessidade de comprometimento com a missão institucional para o sucesso da gestão.

fazer seus trabalhos, mas não encontram computadores disponíveis. Claro, todos serão atendidos. Não só os do Proeja, mas também os do Integrado, Sequencial e Superiores.

O que a vitória representa para o senhor? É o resultado de uma caminhada trilhada por mim e meus companheiros por mais de dois anos. O sucesso do nosso trabalho se tornou evidente com o resultado final da eleição.

O senhor tem cerca de um ano de mandato. Há tempo para colocar em prática todas as suas promessas de campanha? Nossas propostas foram construídas para um tempo curto. Com elas, vamos sinalizar mudanças e implantar diretrizes para médio e longo prazos. O que era proposta agora é um plano de gestão. Todos os novos gestores do campus Recife vão assumir o que foi previsto.

Um dos slogans de sua campanha foi “Estudante, o foco deve ser você”. Entre as propostas para o segmento, quais as primeiras que serão colocadas em prática? Já estamos incorporando este slogan. O foco da gestão é o estudante. Entre as primeiras de nossas ações está a implantação da Ouvidoria do Estudante, que vai nos ajudar a compreender os anseios da categoria. Também, de forma imediata, vamos implantar laboratórios para que os estudantes possam fazer seus trabalhos. Isso ajudará, por exemplo, aos estudantes do Proeja, que querem

Que marca o senhor quer imprimir a sua gestão? Uma aproximação com a comunidade, com destaque para o estudante. Queremos reestruturar o Grêmio e Diálogo implantar diretorias acadêmicas para aberto com a os cursos superiores. Vamos tamcomunidade bém manter um diálogo aberto com docentes e administrativos, como acadêmica será parte da construção das tomadas de um dos lemas da nova gestão decisões para a gestão escolar.

Ano VI · Nº 40 · Maio | Junho de 2010


Barreiros

Um ano de ÉTICA E TRABALHO DURO Novo diretor do campus Barreiros credita vitória no pleito à coerência de suas ações Uma relação de amor. É assim que o novo diretor-geral do campus Barreiros, professor Jorge Carvalho, define sua história com a instituição. “Tenho 28 anos de casa. Foi aqui que

O que a vitória representa para o senhor? Significa mostrar que podemos fazer as coisas limpas. Nossa campanha foi pautada pela ética e pela honestidade. Podemos fazer as coisas certas. O que nos fez ganhar foi mostrar que podemos fazer o melhor fazendo corretamente. Quais as propostas em relação aos estudantes que o senhor pretende colocar em prática? Queremos dar ao estudante ferramentas para que ele desenvolva bem e adequadamente sua formação. Queremos que ele saia daqui um profissional, um técnico, um cidaAcontece · Informativo do Instituto Federal de Pernambuco

construí minha carreira, alicercei minha família, criei filhos”, diz ele, emocionado. Eleito com 56,07% dos votos, Jorge garante que sua maior meta está no desenvolvimento do campus: “Sempre procurei contribuir enquanto professor e quando fui coordenador de curso. Agora, como diretor, meu

compromisso não só continua como é ainda maior”, diz. Agrônomo com mestrado em Fitopatologia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), ele afirma que ética e trabalho duro serão a chave de sua gestão e atribui sua vitória à coerência e sua dedicação ao campus.

dão. Para isso, vamos atuar no setor pedagógico, no refeitório, no internato e no semi-internato. Duas coisas serão feitas primeiro: a recuperação do internato e do semi-internato e melhoria e diversificação do cardápio. O estudante é nossa prioridade.

pessoas competentes e capacitadas para trabalhar na gestão. Também temos o apoio do reitor Sérgio Gaudêncio, que é muito importante para as realizações no campus. Por isso, acredito que poderemos sim trilhar os 10+10 passos.

O senhor tem cerca de um ano de mandato. Há tempo para colocar em prática todas as suas promessas de campanha? O tema de nossa campanha foi 10+10 Passos Para a Construção de um Novo Tempo. Sou consciente e sei que o tempo é curto. Mas temos uma grande vantagem: nossa equipe é formada através de critério técnico, com

Que marca o senhor quer imprimir a sua gestão? Ética, honestidade e trabalho. A gestão vai ser toda pautada nisso. Nossa equipe será formada por pessoas habilitadas e competentes para assumir os cargos – não houve negociação quanto a isso. Nosso desejo é que o campus Barreiros figure no lugar de destaque que merece.

O novo diretor vislumbra os estudantes como principal alvo de sua gestão

5


Profissões

Toda empresa quer

SEGURANÇA

Profissional de Segurança do Trabalho encontra mercado aquecido. IFPE proporciona formação compatível com a necessidade das empresas. Sempre entre os mais concorridos dos vestibulares do IFPE, o curso de Segurança do Trabalho é um dos mais antigos da instituição. Voltado para a formação de profissionais que atuem na prevenção de acidentes no ambiente de trabalho, o curso cobre uma ampla variedade de assuntos. “Existem dis- ciplinas muito distintas, com foco

6

na medicina do trabalho, na comunicação, no direito e também nos dispositivos de segurança”, explica a coordenadora do curso no campus Ipojuca, professora Rosemeri Pontes. Mas não é só a diversidade de disciplinas que tem atraído tantos candidatos para esse curso. As oportunidades de emprego também são diversas. Isso porque existem leis que normatizam a constituição de comissões de prevenção de acidentes e, consequentemente, a contratação de profissionais da área, como o técnico em segurança do trabalho. “Além disso, existe um fator de produtividade, as empresas têm sérios prejuízos quando seus funcionários se acidentam. Sem contar a perda humana, no caso de acidentes fatais ou que ocasionam aposentadorias precoces”, explica a professora. O técnico em Segurança

do Trabalho atua juntamente com engenheiro de segurança, organizando programas de prevenção e orientando a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). São repassadas para os funcionários informações sobre prevenção, utilização de equipamentos de segurança e proteção individual. Em muitos casos, esse profissional também é responsável pela implementação de programas de meio-ambiente e ecologia na empresa. “O curso que oferecemos cobre toda essa variedade de tarefas, formando um profissional completo”, diz Duarte. No IFPE, o curso técnico em Segurança do Trabalho é oferecido no campus Recife, nas modalidades integrada e sequencial e no campus Ipojuca, na modalidade sequencial. Nessa última modalidade, a duração é de dois anos. Já no integrado, é de 5 anos.

Ano VI · Nº 40 · Maio | Junho de 2010


Festividades

FESTA no interior Maio e junho são meses de festa nos campi Belo Jardim e Vitória de Santo Antão. Não é para menos. Aniversários são sempre algo para comemorar, e ainda mais quando se completa, respectivamente, 40 e 56 anos de história. Em Belo Jardim, nos dias 3, 4 e 5 de maio, as festividades reuniram estudantes, servidores e a população local em apresentações musicais e debates sobre temas relacionados aos cursos técnicos oferecidos pelo campus – Informática, Enfermagem, Agropecuária e Agroindústria. Não faltou reflexão e também animação. Na quarta-feira (05/05), dia do aniversário da unidade, a cidade parou para pular ao som do trio elétrico. Teve festa na rua Siqueira Campos, centro

da cidade, até quase 2h da manhã. O diretor geral do campus Belo Jardim, Geraldo Vieira, comemora. “Tivemos a participação maciça tanto de alunos e professores quanto da população local”. Para ele, a alegria não é só pelo aniversário, mas pelas recentes conquistas do campus. “Com a passagem para Instituto nós crescemos muito, temos estudantes vindos até de outros estados, como Paraíba e Alagoas. E vamos ter uma licenciatura em música”, explica. No campus Vitória, o pontapé inicial para as comemorações foi no dia 18 de maio, com o plantio de uma muda de Ipê Roxo, árvore nativa da Mata Atlântica. A programação continuou, nas semanas seguintes, com o plantio de outras 56 mudas em

comunidades de Vitória, inauguração de uma exposição fotográfica sobre a história da instituição, abertura dos jogos internos e um chá cultural que reuniu servidores aposentados. O auge da festividade aconteceu no dia do aniversário, 2 de junho, quando o campus sediou palestras sobre ensino agrícola e apresentações musicais. Para a diretora geral do campus Vitória, Velda Martins, assim como ocorreu em Belo Jardim, a comemoração de aniversário aproxima ainda mais a instituição e a população local. “As comemorações dão visibilidade ao campus e são uma forma de marcar a contribuição da escola na formação dos jovens. Além disso, assim se fortalece o ensino agrícola dentro do instituto”, afirma.

Plantio de mudas de Ipê-Roxo abriu festividades do aniversário do campus Vitória

Campus Belo Jardim Sua história tem início com um convênio entre os Governos Federal e Estadual, em 1958, que autoriza a instalação de um colégio agrícola no município. Mas só em 1969 seu funcionamento é autorizado e, em 5 de maio de 1970, começam as aulas das primeiras turmas. Hoje o Campus Belo Jardim oferece cursos técnicos em Agroindústria, Agropecuária, Enfermagem e Informática. Seu primeiro curso superior será de Licenciatura em Música Brasileira. Campus Vitória de Santo Antão Nasceu como Escola de Economia Doméstica Rural, em 2 de junho de 1954. No princípio, funcionava onde hoje fica o Centro Acadêmico de Vitória (CAV ), da UFPE. De 1987 a 1989, a unidade de ensino foi gradualmente transferida para a Propriedade Terra Preta, onde se encontra desde então. Atualmente, o Campus Vitória oferece os cursos técnicos de Manutenção e Suporte em Informática, Agricultura, Agricultura Familiar, Agroindústria, Agropecuária e Zootecnia. Seu primeiro curso superior será de Licenciatura em Química.

Recife – 23 de setembro (de 1909) Barreiros – 05 de novembro (de 1924) Belo Jardim – 05 de maio (de 1970)

Acontece · Informativo do Instituto Federal de Pernambuco

Ipojuca – 12 de novembro (de 2007) Pesqueira – 11 de novembro (de 1993) Vitória – 02 de junho (de 1954)

7


Destaque

Pedrina Reis, aluna de Design do IFPE, exibe, orgulhosa, suas criações

A estudante Pedrina Reis sempre foi encantada por bonecas de pano. O fascínio pelo brinquedo é tanto que serviu de inspiração para um trabalho na disciplina de diagramação, do curso de Design, no campus Recife. Pedrina, motivada pela tarefa de construir uma fonte e um dingbat (fonte que traz pequenas imagens associadas a letras), resolveu buscar na estética desses brinquedos a referência para sua criação. “O traço, a linha bordada e, sobretudo, o botão, são os elementos principais do trabalho”, diz a estudante.

Exposição em Bienal Latinoamericana e interesse de renomado estúdio checo confirmam talento dos estudantes em desenvolver projetos que vão além da sala de aula

O resultado, com o apropriado nome de “Boneca de Pano”, foi além da apresentação em sala de aula. A fonte conquistou um espaço na Bienal Latinoamericana de Tipografia, mais conhecida como Tipos Latinos. Mas não foram só os curadores da Bienal que se encantaram com as bonecas de Pedrina. O estúdio checo LAVMI entrou em contato com a estudante para comercializar seu dingbat como adesivo de parede. Professor da disciplina, Josinaldo Barbosa, explica que no processo de criação, a sensibilidade e a criatividade são importantes, mas a técnica também deve ser apurada. “É preciso haver equilíbrio, para que o trabalho tenha consistência”, explica. Pedrina concorda com o professor. O trabalho de criação de “boneca de pano” durou cerca de dois meses e incluiu uma intensa pesquisa para o repertório visual e iconográfico, além da manipulação no FontLab, software que converte o desenho da fonte em caracteres de texto. A Tipos Latino é uma exposição itinerante. No Brasil, acontecerá em São Paulo, de 26 de junho a 29 de agosto. A Bienal recebeu a inscrição de 700 trabalhos (120, só do Brasil). Foram selecionados 79 projetos. Mais informações no site do evento em: http://www.tiposlatinos.com/2010.

INFORMAÇÕES Quer conhecer melhor a fonte “Boneca de pano”?, baixe-a gratuitamente no site www.dafont.com

Expediente Reitor: Sérgio Gaudêncio | Textos: Andréa Maciel, Carol Falcão, Cláudia Sansil, Gil Accioly, Juliana Costa e Patrícia Yara | Revisão: Verônica Rodrigues | Projeto Gráfico: Adriana Oliveira | Diagramação: Ivandro Galdino e Luzivan Silva | Jornalista Responsável: Patrícia Yara (DRT: 2807) | Reprodução: Gráfica PrintColor | Tiragem: 3000 exemplares

8

Ano VI · Nº 40 · Maio | Junho de 2010

Acontece - maio/2010  

Informativo mensal do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE).

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you