Page 1

InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Publicação do Instituto Federal de Minas Gerais

8

NO.

Distribuição gratuita

INTERIFMG Istock.com

www.ifmg.edu.br

Ano V • No. 8 • Julho a Dezembro de 2020

SNCT

100% conectado

IFMG PRESENTE

Em 2020, Instituto se reinventa nas plataformas on-line com iniciativas como Ensino Remoto Emergencial (Pág. 6), IFMG Presente (Pág. 11), SNCT (Pág. 9) e Cursinho Pré-IFMG (Pág. 4)

Trabalho Remoto

Relatório Anual

Arte e cultura

Patente de sensor

Levantamento dos setores de Gestão Documental e TI aponta aumento de processos eletrônicos gerados durante a pandemia.

Reformulação em documento de prestação de contas permite abordagem mais concisa e objetiva dos dados da gestão do IFMG.

Tecnologia criada por docente pode ajudar consumidor a contribuir na avaliação de produtos armazenados em temperaturas específicas.

Pág. 2

Pág. 3

Em tempos de isolamento social, Instituto promove série de projetos que apontam o poder de mobilização da comunidade acadêmica.

Pág. 5

Pág. 11

1


Instituto Federal de Minas Gerais

E D ITORIAL

EXPEDIENTE

Persistência e superação Arquivo/IFMG

O mundo vivenciou em 2020 um dos anos mais desafiadores em todos os segmentos. Passamos por profundas transformações, mas também soubemos nos unir para enfrentar os desafios causados pela pandemia da Covid-19. A suspensão das atividades presenciais lançou novos olhares para os processos de ensino-aprendizagem e às ferramentas on-line. Carlos Bernardes Rosa Junior

Reitor Substituto

A rotina de servidores e estudantes do IFMG mudou radicalmente. Com o isolamento social, o senso criativo para adaptar as relações e metodologias de ensino no mundo digital proporcionou a implantação do Ensino Remoto Emergencial (ERE), a fim de garantir aos campi alternativas viáveis para o cumprimento do calendário letivo e, consequentemente, minimizar os impactos na vida de mais de 23 mil estudantes da Instituição. Por meio de edital, disponibilizamos auxílio aos estudantes de baixa renda para a aquisição de equipamentos eletrônicos e pacotes de Internet para as aulas on-line.

INTERIFMG PUBLICAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

A tecnologia foi imprescindível durante o processo. Produzimos e doamos à comunidade mais de 25 mil protetores faciais e 39 mil litros de álcool gel, resultado de parcerias com a iniciativa privada. Além disso, o protagonismo juvenil se fortaleceu. O educador passou a estimular mais o senso de autonomia, criticidade e engajamento do estudante tanto no ambiente escolar quanto no meio onde está inserido. Os projetos se adaptaram à nova realidade virtual e se mantiveram fortemente organizados e ativos, propondo uma intensa troca de experiências com a comunidade.

Reitor Kléber Gonçalves Glória Chefe de Gabinete Angela Rangel Diretora de Comunicação Virgínia Fonseca Conselho Editorial Ana Paula Batista Denise Ferreira Joarle Magalhães Juliano Tavares Lívia Azzi Fuccio Raquel Fonseca Thiago Costa Thomás Bertozzi Virgínia Fonseca

Ainda vivemos momentos difíceis. Manter protocolos sanitários e médicos embasados cientificamente são nossa única opção. A vacina que vem por aí é motivo de esperança e significa o esforço da ciência para sairmos dessa crise. A história contará que as escolhas de nossa comunidade acadêmica foram prudentes, permitindo seguirmos com nossas vidas, dentro do possível.

Jornalista responsável Denise Ferreira MTB 11.392/MG Reportagens Ana Paula Batista, Arthur Kangussu, Denise Ferreira, Fernanda de Melo Felipe, Joarle Magalhães, Juliano Tavares, Laís Nagayama, Lorena David, Thayane Nascimento, Thomás Bertozzi, Vivian Andaki e Virgínia Fonseca Projeto gráfico e diagramação Ângela Bacon Fale conosco 31 2513 5120 jornalismo@ifmg.edu.br www.ifmg.edu.br

Esperança, empatia e gratidão. Vai passar!

I N STITUCI ONAL

Por Arthur Kangussu

Remoto e eficiente Dados levantados pelos setores de Gestão Documental e Tecnologia da Informação apresentam números relativos ao trabalho remoto no IFMG Um levantamento realizado pelos setores de Gestão Documental (SGD) e de Tecnologia da Informação (DTI) do IFMG indicou que, desde 18 de março - quando foram suspensas aulas presenciais e colaboradores passaram a atuar predominantemente de forma remota -, 21.134 processos eletrônicos foram gerados no âmbito da Instituição, até 12 de dezembro. Esse dado indica um aumento na proporção de processos gerados mensalmente, já que, no último levantamento realizado em julho, o total estava em 7,7 mil documentos.

2

Além desse dado, a pesquisa apresentou um número de 94.192 documentos eletrônicos gerados e outros 72.619 recebidos pela Instituição neste período. Entre as principais demandas, que ocasionaram a geração de processos eletrônicos, estão solicitações de informação e produção de comunicados (2.536) e pagamentos de serviços (1.928).

Na prática, o trabalho continua

Além destas, registros de férias, pagamento de material/ equipamentos, comunicações e solicitações de cunho acadêmico e comprovações e quitações de plano de saúde também foram demandas frequentes. Vale lembrar que o levantamento teve como base o SEI!, sistema de gestão eletrônico adotado pelo IFMG desde 2017.

Segundo a pesquisa, de 18 de março a 12 de dezembro, foram 9.607.686 e-mails recebidos e outros 1.526.320 enviados por membros do IFMG. Além disso, o levantamento traz também o número de compartilhamentos internos e externos de arquivos via Google Drive que, no período, ficou em 1.640.208. Por fim, o trabalho da DTI ainda apre-

A Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI) realizou, por sua vez, um levantamento que indicou o número mensal de e-mails enviados e recebidos, arquivos compartilhados no Google Drive e conexões via Google Meet. Os dados foram extraídos de relatórios mensais gerados pelo próprio Google.

senta o número de conexões via Google Meet, entre 29 de abril, data em que o serviço ficou disponível gratuitamente, até 12 de dezembro. Para o período, o número de reuniões virtuais foi de 99.609.

números do trabalho remoto

21.134 Processos eletrônicos gerados

94.192 Documentos eletrônicos gerados

72.619

Documentos eletrônicos Recebidos

9.6

milhões

de emails recebidos

99.609 1.5 milhões Reuniões virtuais

de emails enviados


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Joarle Magalhães

G E STÃO

Material foi aprovado pelo Conselho Superior do IFMG em agosto e apresentado ao Tribunal de Contas da União (TCU) em setembro

Relatório de Gestão 2019 IFMG reformula documento anual de prestação de contas à sociedade de modo a apresentar abordagem mais concisa e objetiva, no formato de relato integrado Documento fundamental para prestar contas à sociedade e fortalecer a transparência na gestão institucional, o Relatório de Gestão foi apresentado pelo IFMG ao Tribunal de Contas da União (TCU) no mês de setembro. A edição do ano de exercício 2019 teve a última etapa concluída em 25 de agosto, quando o Conselho Superior votou pela aprovação. No relatório, há informações produzidas pela equipe da Reitoria e dos 18 campi. A responsabilidade pela condução do trabalhos ficou a cargo da Diretoria de Desenvolvimento Institucional. Seguindo decisões normativas do TCU, neste ano o modelo foi reformulado de modo a apresentar uma abordagem

mais concisa e objetiva, na qual grande parte das informações foram compiladas em infográficos e ilustrações, facilitando o entendimento dos números e indicadores de gestão. O relatório traz a prestação de contas dividida em seis capítulos, com informações sobre visão geral da organização e ambiente externo, planejamento e governança, gestão de risco, alocação de recursos, além de demonstrações contábeis. Para o reitor Kleber Glória, são diversos indicadores e ações que podem ser destacados. O relatório reúne dados sobre crescimento no número de novos alunos e formandos; aumento no índice de docentes com titulação; investimento de R$ 10,8 milhões na infraestrutura; aporte de R$ 820 mil em Pesquisa; fortalecimento da Extensão com 272 eventos, 249 projetos e 89 cursos realizados; mais de R$ 9

Estivemos envolvidos em pensar uma nova estrutura organizacional, a fim de iden­ tificar tarefas, organizar funções e respon­sabilidades para uma gestão de desempenho, alocando de maneira eficiente os recursos públicos”. Kléber Glória, reitor do IFMG

milhões aplicados na Assistência Estudantil; cerca de R$ 660 mil investidos na capacitação de servidores; informatização dos processos de pessoal; elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 20192023; estruturação do Ensino a Distância; e também a elevação de 8,2% no Índice de Eficiência Acadêmica. “O que buscamos é mudar o cenário da exclusão e pobreza, atuando nas regiões mais carentes de Minas Gerais, apoiando pessoas e suas famílias a superarem desafios e melhorarem a posição econômica durante sua vida. Estivemos envolvidos em pensar e implementar uma nova estrutura organizacional, a fim de identificar nitidamente as tarefas, organizar funções e responsabilidades para uma gestão de desempenho, alocando de maneira eficiente os recursos públicos”, afirma o reitor. O Diretor de Desenvolvimento Institucional, Wilson Costa, explica que a elaboração do Relatório de Gestão foi dividida em quatro fases, entre os meses de dezembro de 2019 e agosto de 2020. “No início do processo, pudemos ir aos setores pessoalmente, explicando a metodologia do trabalho, que foi compreendida e bem recebida pelos servidores, resultando em informações compiladas da base de dados de cada área, de modo a corresponder ao forma-

to de relato integrado preconizado pelo TCU. Então, quando veio a pandemia, já estávamos com a maior parte das informações coletadas”, relata. A servidora Camila Barbosa, que integrou a equipe de elaboração, acrescenta que, por causa da pandemia, houve prorrogação de 90 dias no prazo de finalização. Entre os 80 gráficos apresentados ao longo do relato, ela destaca cinco que

foram elaborados especialmente para atender decisões normativas do TCU: o mapa estratégico, a estrutura de governanças, a cadeia de valor, o fluxo de acompanhamento do PDI e o modelo de gestão de risco e controle interno. “Foi uma estrutura pensada tendo como objetivo principal explicar como a organização gera valor público para suas partes interessadas”, comenta.

Relatório em números Crescimento do Corpo Discente

10.751 novos alunos

5.435 Formação de

novos profissionais Professores Capacitados

92 % Mais de

Do corpo docente com títulos de mestrado ou doutorado, número acima da média nacional

Infraestrutura

10,8 milhões

de reais em projetos, obras, manutenção e serviços Desempenho Elevação de

8,2%

no índice de eficiência acadêmica, na comparação com o desempenho do ano anterior

9

Suporte aos estudantes

milhões

aplicados nas bolsas de assistência estudantil


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Juliano Tavares

E X TE N SÃO entre outras questões, a grade curricular do Ensino Médio está passando por uma revisão. Então, os professores que atuarão no curso montarão suas aulas de acordo com a nova estrutura curricular do IFMG. Ressalta-se, ainda, que os conteúdos serão produzidos por servidores do Instituto que foram selecionados em editais e receberão bolsas (ao todo, 18 professores das mais diversas áreas).

Istock.com

Incluir muitos

Pra ninguém ficar de fora Cursinho Pré-IFMG será ofertado on-line e contará com políticas de inclusão que envolvem apostilas impressas e linguagem em Libras Em fase de construção, o Pré-IFMG será um curso on-line para alunos do Ensino Fundamental que tenham por interesse ingressar em cursos técnicos do Instituto Federal de Minas Gerais. “A ideia desse curso surgiu a partir de uma demanda antiga de estudantes do Ensino Fundamental, pertencentes especialmente a escolas públicas. Portanto, nosso objetivo é oferecer mais condições de competitividade

para a entrada no IFMG”, explica um dos coordenadores do projeto, o diretor de Cultura, Esportes e Relações Institucionais da Pró-Reitoria de Extensão, Flávio Puff.

Revisão do currículo

Além do prof. Puff, o projeto conta ainda com a atuação da coordenadora de Projetos e Avaliação da Pró-Reitoria de Ensino, Vilma Dumont. Essa parceria é importante porque,

Formulado a partir do conceito de Massive Open Online Courses, ou seja, um curso que abranja um grande número de pessoas, o Pré-IFMG faz parte da Plataforma +IFMG (projeto da Pró-Reitoria de Extensão que envolve a oferta de cursos FIC) e funcionará por meio da oferta de vídeo-aulas e apostilas para alunos que não têm acesso à Internet – será possível baixar o caderno também.

E as ações para a inclusão do maior número possível de estudantes ainda vão além: os alunos comprovadamente carentes receberão material impresso para acompanhar as aulas. Já para os alunos surdos, os cursos contarão ainda com a Linguagem Brasileira de Sinais, ou seja, os vídeos terão Libras.

Em todo o IFMG

“Com a oferta do Pré-IFMG prevista para agosto de 2021, nós pretendemos institucionalizar uma experiência que já obteve muito êxito em alguns campi, mas que até então nunca havia sido desenvolvida no âmbito do IFMG como um todo”, conclui o prof. Puff.

Mais preparação Os campi do IFMG têm histórico na oferta de cursos preparatórios para auxiliar as comunidades interna e externa no acesso às universidades. Algumas dessas iniciativas foram suspensas durante a pandemia, outras, têm sido adaptadas para a oferta via ensino remoto. Veja alguns exemplos.

Bambuí:

Ipatinga:

Pré-Enem Nota 1000

Pré-IFMG

Projeto Pré-IFMG

Cursinho Popular Integrar Piumhi: IFMG Aprova

Betim:

Congonhas:

Curso Coeso - Português e Literatura, Sala Virtual de Redação, Pré-Enem Química

Nas ondas do conhecimento Web rádio +IFMG entra no ar com programação musical e informações sobre cursos gratuitos EAD

Além disso, os estudantes poderão contar com quatro tutores que atuarão junto às grandes áreas do processo seletivo: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.

Está no ar em fase de testes, desde meados de dezembro de 2020, a web rádio +IFMG, canal que irá aproximar ainda mais da comunidade as ações de Ensino, Pesquisa e Extensão promovidas pelo Instituto. Inicialmente, a rádio conta com programação musical, um conjunto de vinhetas e algumas edições do programa “Minuto +IFMG”, que traz curiosidades e dicas úteis ao cotidiano, baseadas em questões científicas. Novas atrações irão estrear ao longo de 2021. O canal surgiu a partir da Plataforma +IFMG, para a qual a Proex selecionou, ao longo de 2020, bolsistas de áreas variadas. Assim, segundo o diretor de Programas e

Ouro Branco: Ribeirão das Neves: Redação para o Enem

São João Evangelista : Hora do Enem

Por Joarle Magalhães

Projetos de Extensão, Niltom Vieira Junior, a programação está sendo pensada para informar, também, sobre cursos de capacitação, oportunidades de formação profissional gratuitas, conteúdos de ciência e cultura. Posteriormente, a previsão é de que a rádio + IFMG tenha seu foco ampliado para divulgação de outras ações e comunicação institucional.

Para ouvir a rádio web + IFMG, use o QRCode ou acesse: radio.ifmg.edu.br.


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Thomás Bertozzi

CU LTU R A 9

6

20

5

23

21

1

Divulgação/IFMG

19

14

17

12

União pela arte e cultura Organizados virtualmente, diversos projetos mostram a força da arte e da cultura e continuam ativos por todo o IFMG mesmo durante o isolamento social Não foram só as aulas que tiveram seu formato adaptado para levar aos estudantes os conteúdos das disciplinas durante a pandemia de Covid-19. O isolamento social vigente desde março também não impediu a continuidade de várias ações culturais espalhadas pelo IFMG. Em clubes de cinema, encontros literários, aulas de música, programações de rádio e outras atividades, todas on-line, a troca de experiências entre alunos, servidores e comunidade externa continua viva, semeando o conhecimento.

explica a técnica em Assuntos Educacionais, Lívia Fuccio.

Organizadas em projetos e oficinas, essas atividades mostram o poder de mobilização da comunidade acadêmica e levaram a Diretoria de Arte e Cultura, ligada à Pró-Reitoria de Extensão, à construção de algo maior no âmbito do Instituto: um Programa Institucional de Cultura (PIC). “Com a criação do programa esperamos fomentar coletivos de arte e pontos de cultura voltados para redes de atuação com abertura para a comunidade externa. Também estamos pensando em intercâmbios culturais com outras instituições de ensino superior”,

Segundo Lívia, a Diretoria vem concentrando esforços em três atividades: criação de uma comissão das ações culturais e artísticas, de um coletivo de Arte e Cultura do IFMG, além de planejar um evento anual de arte e cultura. “Pretendemos identificar servidores de referência nos campi para formação da comissão de trabalho e iniciar a redação do Programa e do Plano de Cultura do IFMG. Assim vamos possibilitar a criação de calendários de eventos entre os campi, ações interligadas, dentre outras.”

O PIC foi motivado a partir da participação de alguns servidores da Diretoria no III Fórum de Gestão Cultural das Instituições de Ensino Superior (Forcult) Sudeste, no início de setembro. O evento debate a cultura nas instituições de ensino superior, além de orientar e incentivar a criação de uma política cultural em instituições que ainda não possuem tal política sistematizada, como é o caso do IFMG.

Projetos culturais em atividade no IFMG Arcos

Itabirito

1. Leitores da Cibercultura 2. Pintura e desenho como forma de lazer 3. Nas Ondas do Rádio

12. Troco na Troca

Bambuí

Ouro Preto

4. Oficina do Som 5. Exposição Virtual de Desenhos - Homenagem ao artista Quino

14. Canto coral 15. Rádio IFMG 16. Fique em casa, mas fale conosco 17. CineIF (no sofá)

Congonhas 6. Música no Campus 7. ComuniCong 8. CinInteração

Conselheiro Lafaiete 9. Dança para desenvolver o protagonismo e múltiplas inteligências no ambiente escolar 10. Intervalo cultural 11. Cine Clube

Ipatinga 13. Halloween Virtual

Piumhi 18. Arte na Rampa 19. Projeto Tradições, Memórias, Cultura e Identidade Negra 20. Biblioteca Delivery

Sabará 21. Oficina de Música Popular 22. Encantamentos e Poesia 23. Clube do Livro

Tem uma ideia de projeto cultural? A proposição de ações de Extensão nas áreas de arte e cultura pode ser feita por servidores ou estudantes e envolver as comunidades interna e externa. Os interessados podem participar por meio de editais da Proex ou dos setores de Extensão nos campi. É possível propor eventos, ações de interesse institucional, entre outras, lembrando que as atividades podem ocorrer com fomento interno, externo ou mesmo sem aporte financeiro. Todas devem estar devidamente registradas nos setores de Extensão e no Suap.

5


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

E N S I NO

Por Thomás Bertozzi

Ensino Remoto Emergencial Criada para minimizar os impactos do isolamento social, nova modalidade de ensino mobiliza a comunidade acadêmica, enfrenta desafios e colhe bons resultados

Istock.com

O documento foi concebido após muitas reuniões virtuais envolvendo diretores-gerais, docentes, técnicos administrativos e comitês. A Diretoria de Assuntos Estudantis (Dirae) se reuniu com lideranças estudantis para saber quais as iniciativas necessárias para assegurar permanência dos alunos. “Houve participação intensa e um volume elevado de contribuições. Foi uma construção coletiva, que resultou em um documento equilibrado e razoável”, destaca o pró-reitor de Ensino, Carlos Bento.

O desafio de enfrentar as excepcionalidades causadas pela pandemia de Covid-19, que alterou todas as rotinas do IFMG, exigiu um passo decisivo para continuar as aulas dos 23 mil alunos. A resposta veio com a Instrução Normativa nº 5, publicada em junho. O documento regulamenta o Ensino Remoto Emergencial (ERE), que dá segurança aos campi para planejar alternativas ao cumprimento, de forma não presencial, do calendário letivo.

As reuniões com os discentes trataram sobre auxílios estudantis, acesso à Internet e outras dúvidas. A Dirae manteve o pagamento das bolsas permanência e mobilizou a equipe do Núcleo de Assistentes Sociais para que não houvesse interrupção dos editais em andamento. O IFMG já utilizou R$ 6,5 milhões para atender 2.995 estudantes, com bolsas de até R$ 400. “No primeiro semestre, 110 alunos receberam algum auxílio de inclusão digital. Entendemos que todos os nossos estudantes foram contemplados, pois foram auxiliados de alguma forma para

conseguir esse acesso”, conta a diretora de Ensino do Campus Congonhas, Paula Caldas. Segundo ela, os discentes elogiam a dedicação dos professores e técnicos para que o ERE ocorra e alegam cansaço devido ao volume de atividades. Mas reconhecem que este é o melhor formato de ensino que pode ser oferecido no momento. Para o professor Edmar de Oliveira, diretor do Departamento de Desenvolvimento Educacional no Campus São João Evangelista, sobrecarga de trabalho, garantia de acesso à Internet e manter a motivação de professores e alunos estão entre os grandes dificuldades do ERE. “O ensino remoto tem sido um desafio, mas em avaliação realizada no campus, em setembro, a maioria dos alunos se manifestou favoravelmente ao sistema”, afirma.

Em 2020, a Dirae lançou 61 editais de apoio ao estudante, que colaboram para a permanência e o desenvolvimento acadêmico e social que estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica pudessem contratar serviços de Internet no valor de R$100 mensais durante seis meses. Além disso, o edital prevê quatro modalidades de bolsas para aquisição de computador ou notebook de até R$1.200. O diretor de Assuntos Estudantis, Paulo Lourenço, ressalta a importância do planejamento durante o período de suspensão. “Alicerçamos nossas ações de maneira a enfrentar as refrações da questão social causada pela pandemia. Além disso, a dinâmica do trabalho multicampi e a

proatividade dos envolvidos proporcionou a identificação e a resolução dos problemas que poderiam inviabilizar a permanência dos estudantes na Instituição”, afirma.

Bolsa Monitoria e R$ 190 mil para a contratação de bolsistas de Atendimento Educacional Especializado (AEE). “A manutenção dos programas de apoio ao estudante consiste em reconhecer que o foco das ações está nos alunos. Por isso, pensar a permanência estudantil foi fundamental

em um momento em que a situação social se agravou, sendo necessária a compreensão acerca do que é prioridade”, disse ele ao destacar que mais de 15 mil estudantes foram beneficiados com os auxílios previstos na Política Estudantil.

Mais de 15 mil estudantes foram beneficia­dos com os auxílios previs­tos na Política Estudantil.

Os estudantes aprovados no edital de Inclusão Digital Emergencial também puderam acumular outros benefícios ofertados pelo Programa de Assistência Estudantil. Segundo o Pró-reitor de Ensino, Carlos Bento, mais de R$ 6,4 milhões foram investidos em editais de Bolsa Permanência; R$ 2.254.400 em Inclusão Digital Emergencial; R$ 465.368,00 em

Istock.com

6

Itens avaliados: - Modalidade de oferta de aulas - Ambiente de estudos - Aspectos pedagógicos - Horários e prazos - Material didático - Avaliação - Conectividade e equipamentos

Por Ana Paula Batista

Auxílios na pandemia

Para mitigar essa questão, o IFMG lançou edital de Inclusão Digital Emergencial para

Aplicada por meio de formulários eletrônicos, a avaliação sobre o ensino remoto obteve adesão de mais de 70% dos alunos no Campus São João Evangelista. O objetivo foi obter um feedback sobre os aspectos positivos e negativos do ERE. 73% dos estudantes de cursos técnicos avaliaram os itens como ótimo, bom ou regular, proporção que sobe para 88% entre os alunos da graduação.

Discentes alegam cansaço pelo volu­me de atividades, mas reconhe­cem que este é o melhor formato que pode ser oferecido no momento.

E N S I NO

O isolamento social trouxe uma série de desafios e provocou debates sobre as estratégias de ensino durante a suspensão das atividades presenciais. A criatividade em adaptar as aulas para um novo formato e a utilização de novas ferramentas digitais ressaltou a importância do acesso à Internet e aos equipamentos eletrônicos para acompanhamento das atividades curriculares.

Pesquisa


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Thomás Bertozzi

E N S I NO

Trabalho de um ano inteiro Projetos selecionados pelo Programa Institucional de Bolsas de Ensino compõem anuário com todas as ações promovidas em 2019

Divulgação/IFMG

Publicação inédita no IFMG, Anuário de Ensino já está disponível para leitura

O Edital 105/2019 foi o início de tudo. O documento apresentou as regras do processo seletivo para concessão de auxílio financeiro do Programa Institucional de Bolsas de Ensino (Piben) do IFMG e resultou na execução de 14 projetos. Desses, a maior parte avançou ainda um capítulo mais. Seus organizadores montaram um registro completo do andamento das atividades executadas ao longo de todo o ano de 2019, no formato de artigos. São

nove ao todo, compilados numa publicação inédita no IFMG: o Anuário de Ensino. Para o pró-reitor de Ensino, Carlos Bento, é importante destacar que, desde a aprovação do regulamento do Piben, a Pró-Reitoria de Ensino (Proen) vem trabalhando para implementar, ampliar e fortalecer atividades de desenvolvimento educacional. “Nosso objetivo é promover a melhoria dos processos de ensino e de

aprendizagem nos cursos do IFMG. O sucesso dos projetos, contudo, não seria possível sem o empenho de servidores, estudantes e gestores, nos campi e Reitoria”, destacou. Três temáticas nortearam os trabalhos nesta primeira edição: a primeira trata da “Evasão e retenção”, na qual os projetos buscam as causas do abandono e reprovação nos cursos e apresentam propostas para a redução desses índices.

Aqueles relacionados à “Inovação” desenvolvem propostas pedagógicas inovadoras, em especial, o uso de tecnologias da informação. Já os trabalhos direcionados à “Educação e inclusão” analisam ações promotoras da inclusão de pessoas em ambientes educativos.

(Campus Ribeirão das Neves)

O reitor Kléber Glória destaca que o edital representou um avanço nas ações de Ensino, Pesquisa e Extensão. “Além de abordar iniciativas inovadoras, nosso intuito é registrar e valorizar ações que fazem parte do cotidiano de servidores e alunos, mas mantêm-se restritas à realidade do campus. Aqui, criamos um espaço para socializar essas contribuições com os demais colegas que assumem a missão de gerar mudança pela Educação, na Instituição e fora dela.”

“Inteligência artificial Chatbot aplicado no ensino médio para a prática do inglês” (Campus Ponte Nova)

Conheça os projetos: “Cálculo X” - Método de consolidação dos conhecimentos em Matemática para o ensino superior” (Campus Congonhas)

“Educação Financeira como código do capital intelectual no ensino médio” (Campus Ponte Nova)

“Modelando funções com logomarcas conhecidas” (Campus Ipatinga) “EaD e metodologias ativas no curso de Engenharia Civil para combater a evasão” (Campus Santa Luzia) “Olimpíada Nacional em História do Brasil e o ensino de História” (Campus Betim) “DiversiFica - Práticas pedagógicas aliadas ao debate sobre diversidade no Campus Ponte Nova”

“Permanência e êxito escolar - Análise sob a ótica discente dos cursos técnicos integrados”

“Sabaratech - Transformação digital no ensino básico de Sabará”(Campus Sabará)

O trabalho, que contou com o auxílio de duas servidoras do Campus Bambuí, a intérprete de Libras Layse Moura e a professora Vássia Soares, foi desenvolvido durante o período de pandemia, entre os meses de abril e julho. “Tive a ideia após participar de um curso on-line de Libras e também para contribuir na produção de materiais didáticos do Núcleo de

Apoio a Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (Napnee). Todo o planejamento e criação do material, desde o layout até a configuração dos links de acesso aos elementos, foi desenvolvido exclusivamente por mim”, contou.

Divulgação

Por Joarle Magalhães

Tabela periódica em Libras Material interativo é resultado de trabalho pioneiro no Brasil para ajudar no ensino de Química a estudantes surdos Professores que trabalham com Educação Inclusiva passaram a contar com uma nova ferramenta para ensinar Química a estudantes surdos. Num trabalho pioneiro, a docente do Campus Bambuí, Alda Ernestina dos Santos, desenvolveu uma tabela periódica na Língua Brasileira de Sinais, a Libras. O material é o primeiro a ser desenvolvido no país. “Tabelas periódicas em Libras são quase que novidade no Brasil, uma vez que as que

existem adaptadas são para atender principalmente alunos deficientes visuais. No processo de pesquisa, encontrei três estudos relatando a produção de tabelas em Libras, sendo todas impressas. O diferencial do material que criei é que, além de digital, sua interface é totalmente interativa”, afirma a professora. A tabela pode ser baixada no link: bit.ly/tabela-inclusiva. Ao fazer o download e abrir o arquivo, basta clicar em um dos

118 elementos químicos para ter acesso à representação em Libras e demais informações. “Apesar de ter sido criada com o intuito de auxiliar professores, a tabela é também um interessante material para alunos que desejam aprender a representação em Libras e conhecer propriedades dos elementos químicos. São apresentadas informações como número atômico, massa atômica, distribuição eletrônica, estado físico nas condições normais de temperatura e pressão e o grupo a que pertence”, explica.

7


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Laís Nagayama, Lorena David e Thayane Nascimento

Istock.com

PE SQU I SA E P ÓS - G R ADUAÇÃO

Horizontes de Inovação A partir de 2021, os campi Bambuí, Formiga, Ouro Branco, Ouro Preto, Piumhi, Ribeirão das Neves e Sabará irão contar com ambientes de inovação para o desenvolvimento de pesquisas aplicadas e novas tecnologias A crise sanitária causada pela Covid-19 evidenciou que investir em educação, ciência e tecnologia é fundamental para garantir um futuro mais seguro, com políticas públicas que viabilizem segurança, autonomia e maior expectativa de vida para a população. Contudo, em comparação com outros países, o Brasil investe apenas 1% do PIB (Produto Interno Bruto) em pesquisa e desenvolvimento, metade do percentual médio dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Ainda que diante desse cenário desafiador, o IFMG vem investindo no fomento à inovação, tecnologia e empreendedorismo. “Em função do papel que as universidades e institutos federais têm como vetores indutores de desenvolvimento local e/ou regional, o IFMG tem se articulado cada vez mais para tornar mais efetiva sua contribuição nesse processo”, avalia Tiago Simão, coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação.

8

Por meio de uma chamada pública lançada pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação, o Instituto teve as três propostas que submeteu contempladas. Os campi Formiga, Ouro Preto e Ribeirão das Neves irão contar com Laboratórios Maker juntamente com outros 110 projetos em Institutos Federais e Cefets de todo o Brasil. Serão aproximadamente R$ 190 mil para estrutura e equipamentos que serão utilizados nesses novos espaços como impressora e scanner 3D, além de kits de robótica. O IFMG também selecionou propostas para estruturação de ambientes de inovação nos campi. O projeto “Ouro Hub” do Campus Ouro Branco, primeiro lugar entre os selecionados, prevê a instalação de um ambiente de coworking e pré-incubação de negócios, uma incubadora de empresas e um espaço maker. Bambuí, Formiga, Piumhi e Sabará também tiveram suas propostas aprovadas. Ao todo, o investimento será de cerca de R$ 169 mil para reforma, aquisição de equipamentos e bolsas para os projetos.

A proposta é que estes ambientes possam proporcionar aos estudantes, pesquisadores e empreendedores condições para desenvolverem novas tecnologias, produtos e serviços, atendendo ao setor produtivo, estimulando a inovação e o empreendedorismo. Os investimentos permitirão que pesquisadores se aproximem da indústria com a possibilidade de fazerem pesquisas de maior impacto. Para Tiago Simão, além de contribuir para a formação e capacitação dos alunos do IFMG, estes projetos irão gerar impacto nas regiões em que estão inseridos. “Os ambientes de inovação tendem a funcionar como propulsores dos Arranjos Produtivos Locais (APLs). Nossa expectativa é, de fato, podermos contribuir para o desenvolvimento local, tornando nossos arranjos desenvolvidos e mais competitivos”, defende. Ainda em 2021, o NIT vem trabalhando em outras iniciativas como o Laboratório de Inovação Colaborativo (LIC), um laboratório maker móvel do IFMG; o Portal Integra, que irá utilizar inteligência artificial (IA), permitindo o mapeamento de competências e levantamento

da estrutura do IFMG para realização de pesquisas e outras demandas; e o Mapeamento dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) nas regiões em que o IFMG está inserido.

Você sabe o que é? Espaço Maker = espaço destinado para o “aprender fazendo”, que permite a integração entre conhecimento teórico e prático, permitindo o desenvolvimento de pesquisas aplicadas. Coworking = espaço que reúne a estrutura necessária para que outras empresas, profissionais e projetos desenvolvam seus negócios. Incubadora de empresas = ambiente para desenvolver novos negócios ou empreendimentos que queiram investir em novos projetos, oferecendo apoio técnico e gerencial.

Aceleração de empresas = apoio que auxilia o crescimento de negócios em fase inicial. O apoio pode ser em forma de mentorias, aporte financeiro, acesso a networking, entre outros. Arranjos Produtivos Locais (APLs) = conjunto de fatores econômicos, políticos e sociais, localizados em um mesmo território, desenvolvendo atividades correlatas com vínculos de produção, interação, cooperação e aprendizagem.


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

S NC T Divulgação/IFMG

Por Fernanda de Melo Felipe e Vivian Andaki Cerimônia de encerramento contou com apresentação musical de alunos de SJE. Á direita, imagens de alguns dos pitchs premiados.

Festival do Conhecimento On-line e com envolvimento dos campi, Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG bateu recorde de público, com participação de todas as regiões do país Pluralidade de saberes, formatos e experiências. A edição 2020 da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) do IFMG reafirmou a diversidade de atuação do Instituto. A programação contou com 108 atividades, 9.611 inscrições e quase 3,5 mil participantes, entre alunos, ex-alunos, servidores e comunidade externa. O evento, realizado pela primeira vez em formato virtual e intercampi, ocorreu entre os dias 20 e 22 de outubro, via YouTube, Meet e Teams. Quase todas as atrações tiveram tradução em Língua Brasileira de Sinais (Libras). “Inteligência Artificial”, tema da SNCT deste ano, esteve amplamente presente na programação. Palestras, mesas-redondas, minicursos, oficinas, rodas de conversa, mostra de pitchs, e ain-

da hackathon, feira de ciências e momentos culturais estiveram entre as atividades ofertadas. De acordo com o professor Virgil Almeida, da Comissão de Tecnologia, o evento reuniu participantes de mais de 200 cidades, de todas as regiões do Brasil. Assista aos conteúdos da SNCT pelo IFMG Play e canais dos campi no YouTube.

Intercâmbio

O egresso Matheus Alves, do curso técnico em Informática do Campus Ponte Nova, foi um dos 149 convidados que contribuíram com o evento. Graduando em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Viçosa, conduziu o minicurso Neurobiologia da Violência, tema que o fascina desde o Ensino Médio. “Meu primeiro contato com o assunto aconteceu pela leitura de um livro. Desde então meu interesse por neurociências, especialmente pelas bases

Foi muito gratificante ver nosso projeto reconhecido” Ana Pacheco, integrante do projeto “Inserção profissional das mulheres na Engenharia”, pitch com maior número de curtidas e vencedor na categoria Ensino.

neurobiológicas da violência, aumentou significativamente”. Para Matheus, retornar ao IFMG como palestrante foi uma experiência gratificante, pois pôde transmitir conhecimentos complexos e aumentar o interesse dos participantes pelo assunto. Ele considera que o estudo aprofundado de um tema está relacionado à curiosidade, qualidade que os professores devem estimular em seus alunos.

Reconhecimento

Durante a cerimônia de encerramento foram anunciados os pitchs premiados da Sessão de Apresentação de Trabalhos, que teve 145 projetos de Ensino, Pesquisa/Inovação e Extensão inscritos. Trinta e três deles, distribuídos em 11 categorias, foram contemplados por mérito científico e divulgação. A estudante Ana Beatriz Pacheco, do Campus Formiga, faz parte do projeto “Inserção profissional das mulheres na Engenharia”, pitch com maior número de curtidas e vencedor na categoria Ensino. Ela explica que a produção envolveu a equipe e também a própria família, uma vez que o distanciamento social exigiu que a filmagem fosse em casa. Para a jovem pesquisadora, esse formato de mostra foi interessante para compartilhar com familiares e amigos um pouco da sua rotina como estudante de uma instituição federal. “Foi muito

gratificante ver nosso projeto ser reconhecido com a premiação. Considero uma conquista para todas as engenheiras formadas pelo IFMG que tiveram a oportunidade de contar um pouco mais sobre as lutas e desafios no mercado de trabalho”.

Balanço

O pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação, Fernando Braga, atribui o sucesso e a boa receptividade do evento pelo público à sinergia positiva da equipe envolvida na organização, que permitiu superar os desafios impostos pela pandemia. “A comunidade do IFMG teve acesso ao conhecimento produzido não só no seu campus, mas em todas as unidades. Nesse formato virtual, a SNCT conseguiu desempenhar bem o seu papel, atuando na divulgação do conhecimento científico e na disseminação da arte, da cultura, do esporte e lazer”.

Confira no QRCode a lista completa de pitchs premiados e o vídeo da cerimônia de encerramento.

Números da SNCT 2020

108 149 atividades

convidados/ facilitadores

145 pitchs

de projetos científicos e extensionistas

54

mil visualizações no Youtube

180

instituições/ campi diferentes

9


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

RECON H ECI M E NTO

Por Joarle Magalhães

Premiação internacional Uma ideia inovadora para levar saneamento básico a áreas de Belo Horizonte que não possuem rede de esgoto foi premiada, em setembro, pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID. Concorrendo com outras 169 propostas de países da América Latina e Caribe, o projeto desenvolvido no Campus Santa Luzia foi um dos vencedores do evento “e-Hackathon en Agua, Saneamiento e Higiene”, realizado virtualmente em língua espanhola. Na proposta, o grupo apresentou um modelo de negócio colaborativo entre empresa, cooperativa e instituição de ensino, de modo a viabilizar instalação e manutenção de soluções sustentáveis e de baixo custo no bairro Granja Werneck. A área, conhecida como Ocupação Izidora, está localizada na região Norte de BH, na divisa com Santa Luzia, e conta com cerca de oito mil famílias e 30 mil moradores. O professor de Engenharia Civil do campus, Daniel Augusto de Miranda, explica que, para desenvolverem o trabalho, durante os dois dias de maratona on-line, foi necessária pesquisa prévia, na qual

identificaram o local como um assentamento cuja maior demanda é o saneamento. Com a ajuda de pesquisadores que já atuam na área, ele e os alunos puderam conversar com lideranças locais e partir para a elaboração do trabalho. Segundo o docente, o projeto pretende atender as quatro ocupações (Helena Grecco, Esperança, Vitória e Rosa Leão) que formam o conjunto Izidora. “O professor Tiago Castelo Branco, que atua na PUC e na UFMG, foi um dos grandes colaboradores, pois já tem um trabalho consolidado na região. Ele compartilhou uma série de materiais e nos colocou em contato com as lideranças da comunidade. Nas reuniões que fizemos, perguntamos qual seria o maior problema e todas responderam que era a falta de tratamento de esgoto”, conta Daniel.

Divulgação/Arquivo IFMG

Projeto do Campus Santa Luzia sobre saneamento vence competição e receberá recursos e consultoria do Banco Interamericano de Desenvolvimento No modelo de negócio proposto, o objetivo é que os moradores, após se organizarem em cooperativas, sejam capacitados pelo IFMG para poderem construir e instalar os dispositivos sustentáveis. A ideia é que as famílias adotem no tratamento de ef luentes o tanque de evapotranspiração (para tratamento das águas negras, oriundas do vaso sanitário) e o círculo de bananeiras (para tratamento das águas cinzas, coletadas de pias, lavatórios e chuveiros). “O custo estimado de instalação de um tanque de evapotranspiração é de R$ 1.000, ao passo que o de um círculo de bananeiras gira em torno de R$ 100. Estes valores são para atender cinco pessoas e não consideram despesas de mão de obra, já que seriam executados por moradores das ocupações”, explica.

Objetivo é que moradores sejam capacitados para construir e instalar os dispositivos sustentáveis.

Acima, equipe com moradores. Ao lado, ocupações na região metropolitana de BH.

Além de Daniel Miranda, a equipe é formada pelos estudantes Katy Neves e Nelson Xavier Neto, ambos do curso de Engenharia Civil, e pelo engenheiro e egresso do IFMG, Lorenzo Perpetuo Pinto. Com o reconhecimento, o grupo receberá como prêmio o investimento do BID, no valor de cinco mil dólares,

Por Ana Paula Batista

I NOVAÇ ÃO

Inovação sustentável Divulgação/IFMG

Startup do Campus Betim cria máquina para recarregar pincéis e visa eliminar o monopólio de venda dos refis de tinta

10

para a execução do plano de negócios; tutoria com especialistas durante o ano de 2021; e a participação de um dos membros na edição latino-americana do programa Young Water Fellowship.

Ideias inovadoras aliadas à sustentabilidade têm o poder de transformar a realidade e projetar um futuro melhor. Foi a partir deste conceito que surgiu no Campus Betim a proposta da “máquina de recarga automática de pincéis”, visando eliminar o lixo contaminado pelos recipientes e reduzir drasticamente os custos de recarga de tinta e os impactos ambientais.

e aporte financeiro no valor de R$ 57.500 da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). A equipe é liderada pelo professor Norimar Verticchio e pelos estudantes de Engenharia Mecânica, Cleberson Santos e Adriano Marinho e, Engenharia de Controle e Automação, Cleiton Alves.

O projeto participou da 1ª edição do Programa Centelha promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) - garantindo o 9º lugar

Batizada de ‘Fill’, a máquina é capaz de realizar 100 recargas antes de ser reabastecida. “O professor insere o pincel vazio na máquina e pressiona um botão que injetará a tinta no

pincel em 30 segundos”, explica Norimar sobre o funcionamento do equipamento.

eliminamos 100% do lixo contaminado com tinta”, ressalta Verticchio.

Além da preocupação ambiental, a máquina ‘Fill’ reduzirá em 80% o custo de recarga dos pincéis e dispensará o descarte do recipiente. “Atualmente, uma recarga de tinta varia entre R$ 2,80 a R$ 4,50. Na ‘Fill’, esse custo cai para R$ 0,50, significando uma redução significativa para escolas de médio e grande porte que utilizam marcadores de quadro branco nas salas de aula. Além disso, o refil do pincel não precisará ser descartado na natureza, ou seja,

Tanto a máquina de recarga quanto a adaptação do pincel geraram dois depósitos de patentes (BR 10 2019 0194200 e BR 20 2019 0179983) por meio do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT). Já a comercialização do equipamento será feita por meio da Allcanci Tecnologia e Desenvolvimento, empresa spin-off criada a partir de um projeto de sucesso do Instituto e custará ao consumidor final entre R$ 1.200 a R$ 1.500.

Além da preocupação ambiental, a máquina ‘Fill’ reduzirá em 80% o custo de recarga dos pincéis e dispensará o descarte do recipiente.


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Juliano Tavares

E NTRE VI STA

Eureka dos tempos modernos Sensor termocrômico desenvolvido por professor do IFMG vira patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial

Já existem diversos tipos de sensores no mundo. Qual seria a inovação nesse sensor? O grande diferencial deste trabalho é que nós conseguimos produzir um material polimérico (que funciona como sensor) no estado sólido e que muda de cor de forma irreversível em temperaturas sub-ambientes ou em temperaturas que podem ser pré-ajustadas (a partir da formulação da mistura polimérica). Então, quando esse material polimérico, ou seja, o sensor atinge uma determinada temperatura, a sua cor é automaticamente alterada de azul para vermelho. E uma vez que ocorra essa mudança da cor, não é mais possível voltar para

o azul novamente, por mais que a temperatura do material seja alterada para a que estava inicialmente. E qual seria a função dessa mudança de cor? Como ela pode trazer benefícios ao consumidor? Isso é um grande diferencial, pois um simples pedacinho de material polimérico pode funcionar como um dispositivo indicador. Imagine um supermercado que desliga o freezer de alimentos refrigerados para economizar energia durante a noite. Se esse pedacinho de material estiver envolvido na embalagem do produto, ao se atingir uma determinada temperatura, uma parte dessa embalagem vai mudar de cor de azul para vermelho, indicando para o consumidor que aquele produto foi exposto a uma temperatura que não é adequada para seu armazenamento. Com isso, mesmo que o estabelecimento religue o freezer, o pedacinho de polímero não mais voltará a ter a cor azul, o que indica que houve um acondicionamento inadequado.

Dessa forma, o consumidor tem como monitorar se o produto foi acondicionado/transportado de forma adequada. O mesmo vale, por exemplo, para um remédio que tem que ser acondicionado longe do calor.

Divulgação/Arquivo IFMG

O professor do Campus Betim, João Paulo Trigueiro, desenvolveu um tipo de sensor termocrômico que pode ajudar o consumidor a contribuir na avaliação de produtos que precisam ser armazenados em temperaturas específicas para não perder a qualidade. Recentemente, essa tecnologia foi patenteada pelo NIT.

Dependendo da exposição da caixa do medicamento ao calor, o sensor polimérico, que pode ser colocado na própria caixa do medicamento, irá mudar de cor de azul para vermelho, indicando para o consumidor que ele foi exposto inadequadamente à ação do calor e que isso pode ter comprometido a qualidade. Falando em qualidade, como isso poderia ajudar os órgãos de fiscalização ou mesmo o fabricante? No caso do consumidor, como já dissemos, é um grande instrumento de avaliação na hora da compra do produto. Para os órgãos fiscalizadores, pode funcionar como uma ferramenta de monitoramento e análise. Já para o fabricante que preza em fornecer um produto de qualidade para o consumo, é interessante para

que ele possa atestar para o consumidor que seu produto é bom e confiável e que, em nenhum momento, no transporte ou armazenamento, foi acondicionado de forma incorreta, o que poderia prejudicar a qualidade final do produto.

Por Juliano Tavares

COM U N I CAÇÃO

Istock.com

Presente, live institucional com o objetivo de oferecer informações gerais acerca da Instituição em tempos de pandemia. Passou a ser uma forma da comunidade acadêmica se manter informada.

O ao vivo pioneiro no IFMG Com o objetivo de levar diversos assuntos à comunidade, o IFMG Presente formulou as primeiras lives do Instituto e estimulou a criação de novos formatos

Material polimérico muda de cor de forma irreversível conforme a temperatura

Em um ano em que as formas de comunicação interpessoais face a face precisaram ser interrompidas, foi necessário criar alternativas. Com isso, a comunicação via audiovisual ganhou força. Amigos e familiares passaram a se corresponder principalmente pelas “chamadas de vídeo”. Com empresas e instituições, não foi diferente. As reuniões muitas vezes passaram o ocorrer via computador. Em meio a esse cenário, surgiu o IFMG

Com isso, sempre às 16h (salvo raras exceções), o IFMG Presente traz informações sobre os mais variados assuntos. Este ano, foram realizadas cerca de 20 lives internas enfocando temas como a volta às aulas em regime remoto, saúde física e mental no período de distanciamento, programas como a plataforma +IFMG e o modelo de negócios executado pelo Polo de Inovação. Além disso, foram feitas algumas entrevistas com profissionais do IFMG, realizadas pelo jornalista da Diretoria de Comunicação, Juliano Tavares. Em todos os “programas”, a comunidade podia se manifestar por e-mail ou pelo talk, tendo por várias vezes parabenizado as apresentações ou mesmo feito perguntas.

No mês de setembro, houve mudanças no formato e na transmissão do IFMG Presente, que deixou de ser semanal e passou a ocorrer de acordo com a demanda (mas sempre às quintas-feiras, às 16h). Além disso, as apresentações e entrevistas agora ocorrem pelo IFMG Play, o canal do Instituto no YouTube, o que permite que as pessoas perguntem ou façam seus comentários pelo próprio canal. Vale ressaltar, ainda, que o IFMG Presente serviu como um piloto para outros eventos divulgados no IFMG Play, como os debates em razão do Dia do Professor e as palestras da SNCT este ano. Comissão responsável: Olímpia Souza (Gestão de Pessoas), Virgínia Fonseca (Comunicação), Carlos Bernardes (Extensão), Adriano Tonelli (Tecnologia da Comunicação).

11


InterIFMG • Julho a Dezembro de 2020

Instituto Federal de Minas Gerais

Por Arthur Kangussu

Divulgação

FI QU E P OR D E NTRO

GIRO PELOS CAMPI Arquivo IFMG

RIBEIRÃO DAS NEVES

Escreva para:

jornalismo@ifmg.edu.br

Arquivo IFMG

Este é o um espaço exclusivo para os campi. A cada edição, nossa equipe irá selecionar eventos e projetos a serem publicados.

O site “Elas na Ciência”, desenvolvido pelas alunas Ana Luiza Milson, Marcella Ferreira e Luísa Laboissiere, visa divulgar conteúdos relacionados à presença de mulheres na ciência, além de homenagear, por meio de jogos digitais, grandes mulheres cientistas. O portal foi organizado durante o período de isolamento social e as alunas realizaram reuniões virtuais com estudantes do Cefet-MG, que também participaram do projeto, e com os professores orientadores, dentre eles Michele Brandão, do IFMG.

Istock.com

Mulheres na Ciência

SÃO JOÃO EVANGELISTA

PIUMHI

Estudo sobre chips de maçã

Inovação contra Covid

Desenvolvida a partir de um trabalho de disciplina do curso técnico em Nutrição e Dietética, a pesquisa abordou técnicas de desidratação da maçã de forma prática, além da saborização da fruta com canela. O estudo foi publicado em um periódico científico, em setembro de 2020. “Ao perceber a tendência do grupo em estudar secagem de alimentos, orientei quanto a pesquisas sobre desidratação”, explica o professor do Campus São João Evangelista, João Tomaz da Silva Borges, orientador do trabalho.

Os docentes do Campus Piumhi Felipe Alves, Pedro Camargo e Humberto Melo depositaram, em maio de 2020, a patente de um ventilador mecânico desenvolvido por eles na unidade. O trabalho foi elaborado com o objetivo de auxiliar no combate à pandemia de Covid-19, por meio do fornecimento de uma alternativa à ausência de respiradores na rede pública de saúde. “É uma enorme satisfação poder contribuir para o desenvolvimento científico brasileiro, principalmente na área prioritária da saúde”, destaca o professor Pedro Camargo.

CONSELHEIRO LAFAIETE

Istock.com

Astronomia para todos O projeto de Extensão “Astronomia para Todos”, desenvolvido pelo professor de Física Fernando Jesus e pelas alunas Alexandra Barbosa e Samara Souza, está divulgando desde junho de 2020, conhecimentos astronômicos no Instagram. Criada a partir do interesse do docente e de seus alunos pelo tema, a iniciativa conta com a participação on-line das duas bolsistas por meio da produção de conteúdo na rede social. “Participar de um projeto que leva educação científica para quem quer que seja me torna mais realizada”, comenta Samara.

OURO PRETO

O projeto de Extensão “Rádio IFMG”, coordenado pelos professores Daniel Diniz e Felipe Lima, deu origem a uma programa, exibido às quartas-feiras, das 12h às 13h, na Rádio Província de Ouro Preto. Nele, alunos bolsistas apresentam um pouco da rotina do campus, temas de pesquisa e, até mesmo, organizam programas temáticos. Após o início do isolamento social, o “Rádio IFMG”, antes transmitido ao vivo, passou a ser gravado. Atualmente, o programa conta com os bolsistas Heitor Oliveira e Alice Pimenta.

Divulgação

OURO BRANCO

Foco na redação do Enem O projeto “ConTEXTO”, coordenado pelos professores Adilson Ribeiro, Ana Paula Carvalho e Denise Maia, tem o objetivo de promover, entre estudantes do Ensino Médio de todo o país, o desenvolvimento de habilidades de produção de textos, com foco na redação do Enem. Segundo os coordenadores, a partir das propostas de redação, os interessados podem enviar textos pelo site do projeto e, em até 10 dias úteis, recebem uma correção qualificada e gratuita. O “ConTEXTO” é realizado desde 2017.

Istock.com

IFMG nas ondas do rádio

Profile for IFMG - Instituto Federal de Minas Gerais

InterIFMG • No. 8 • Julho a Dezembro de 2020  

Jornal Institucional do Instituto Federal de Minas Gerais.

InterIFMG • No. 8 • Julho a Dezembro de 2020  

Jornal Institucional do Instituto Federal de Minas Gerais.

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded