Page 1

POR OUTRAS PALAVRAS Boletim Informativo

N.º 2, Março 2012

POR OUTRAS PALAVRAS? O projecto POR OUTRAS PALAVRAS é um projecto pioneiro que procura estimular a existência de unidades locais de monitorização e análise de imprensa, num conjunto de 6 países da União Europeia. Em Portugal, essa unidade local reúne pública e mensalmente em Coimbra, na Casa de Chá da APPACDM, no Jardim da Sereia. Partindo de uma recolha e selecção prévia das notícias, esta reunião mensal tem como objectivo debater e entrecruzar diferentes críticas e perspectivas - o que é autorizado pela diversidade inerente a este mesmo grupo de discussão: APAV Associação de Apoio à Vítima, APPACDM Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, GRAAL Movimento Internacional de Mulheres, IEBA Centro de Iniciativas Empresariais e Sociais, Movimento SOS Racismo e Associação Não te Prives. A constituição de um grupo heterogéneo de associações e movimentos sociais, que trabalha nas mais diversas áreas da discriminação (Sexismo, LGBTfobia, Racismo, Xenofobia, Discriminação da Deficiência), tem permitido problematizar os discursos mediáticos de forma mais efectiva e informada. Considerando que as discriminações são espaço transversais de opressão que devem ser debatidos e combatidos, acreditamos que o debate interassociativo tem fortalecido, igualmente, a discussão dentro das próprias associações, que passam a estar mais atentas a um conjunto mais amplo de questões.

Boletim Informativo n.º 2 - Março de 2012 Monitorização: de 1 a 29 de Fevereiro de 2012, foram monitorizados diariamente 10 jornais de referência: 3 de âmbito regional (Campeão das Províncias, Diário As Beiras e Diário de Coimbra) e 7 de âmbito nacional (Diário de Notícias, Jornal I, Jornal de Notícias, O Expresso, O Público, Primeiro de Janeiro e Sol). Nesta edição: 1-Editorial 2-Pela positiva, alerta 3-Xenofobia 4-Estereótipos 5-Orientação sexual 6-O projecto e a parceria IN OTHER WORDS, unidade local de análise de imprensa 7-Não Te Prives, sugestões de leitura, na internet, créditos

IN OTHER WORDS é um projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita.


pela positiva Esta notícia destaca-se pela positiva, uma vez que aborda a questão da desigualdade salarial no feminino, argumentando que se trata de uma situação de discriminação que perpassa os vários sectores de emprego e as mais variadas qualificações. Acrescente-se que, através de uma descrição comparativa e ampla sobre a situação em Portugal, procurando contextualizar diferentes contextos e situações, a notícia aborda a discriminação de género presente nos salários enquanto uma situação estrutural do sistema socioeconómico. Possibilita, pois, a abertura de uma discussão sobre a discriminação das mulheres na sociedade portuguesa. in Diário de Notícias, 22/02/2012

alerta invisibilidade das iniciativas locais sobre direitos sexuais Os media locais devem ter um papel activo e preponderante na disseminação de eventos inovadores em matéria de discriminação, de forma a estimular um debate social profícuo, promovendo o desenvolvimento de um pensamento crítico e uma educação para a diversidade. Não reportar iniciativas como as que foram recentemente organizadas pela não te prives – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais (Coimbra), a propósito da comemoração de dez anos de trabalho, contribui para o silenciamento e o empobrecimento de um debate que urge ser (re) construído sistematicamente, tanto ao nível local quanto ao nível nacional.

Página 2

POR OUTRAS PALAVRAS


xenofobia A partir de uma análise sistemática das notícias relativas ao mês de Fevereiro, argumenta-se a existência de uma continuidade nos discursos sobre a imigração no espaço português. Embora, na sua grande maioria, os temas relacionados com a imigração sejam votados ao silêncio e à invisibilidade, há uma insistência mediática em relacionar a

imigração

com

o

crime.

A

notícia

‘Aumentam os crimes ligados à imigração’ funciona aqui como uma espécie de síntese daquilo que é uma realidade, espelhada num conjunto de outras notícias que se considera contribuírem

activamente

para

a

(re)

produção e perpetuação da xenofobia e do racismo, através do discurso. O título é imediatamente expressivo da correlação que a notícia procurará trabalhar; o subtítulo acaba por funcionar como uma espécie de arauto, que anuncia e reforça a ideia de que o crime ligado à imigração é um fenómeno que se estenderá no tempo e no espaço.

Este

texto começa por enunciar e relacionar um

in Jornal de Notícias, 03/02/2012

conjunto de crimes à imigração, estabelecendo um campo particular de tensões entre imigração e determinado tipo de crimes, tais como: ‘casamentos ilegais e falsificação de documentos e criminalidade itinerante’ (sic). Este enunciado, que na realidade procura descrever as conclusões de um seminário intitulado ‘Imigração ilegal e tráfico de seres humanos’, (re)produz a ideia de que os imigrantes, ‘independentemente da sua nacionalidade’ (sic) são perigosos e representam uma ameaça latente ao ‘bem estar’ (sic) dos portugueses (‘lusos’, como refere a notícia). No final da notícia alega-se a ideia de que há uma Europa (Portugal e Inglaterra e a Eurojust) mobilizada e moralizada contra o ‘crime’, sem que nunca se discuta a ideia de Europa, o fenómeno da imigração e as políticas que estabelecem a relação formal entre ambas. Acredita-se, ainda, que as imagens antagónicas entre a Europa e os seus imigrantes contribuem para a (re)produção do abismo entre ‘nós’ e ‘eles’ e para o reforço de ambas, enquanto categorias (politicamente construídas) e opostas. Finalmente, fica por perceber a introdução da temática ‘documentação falsa’ e ‘Irão’ no seio desta notícia. Página 3 N.º 2, Março 2012

Página 3


estereótipos Durante o mês de Fevereiro foi publicada uma panóplia de notícias de âmbito nacional, que procurava abordar questões e contextos do trabalho sexual, em Portugal. Pelo contrário, a notícia colocada em destaque relaciona-se com uma suposta incursão a um dos mais antigos jardins da cidade do Porto, mas que acaba por retratar de forma ideológica e moralista a ‘realidade’ encontrada. Começando pelo título da notícia ‘Prostituição e Medo no Jardim de São Lázaro’ e subtítulo ‘Moradores e Lojistas já receiam passar por lá’ que remetem, automaticamente, exclusão

e

para

medo,

marginalidade.

O

texto prossegue, através de uma pequena introdução, que reforça um quadro sinestésico de imagens e odores. Estas paisagens urbanas são naturalizadas, sem nunca se discutir os contextos sociais e económicos que podem contribuir para a existência de determinadas realidades sociais, limitando-se a reproduzir estereótipos e discursos dominantes sexistas, em relação às trabalhadoras do sexo. Denota-se, igualmente, que as pessoas de quem fala esta notícias são objectificadas, desconsideradas enquanto sujeitos políticos activos, dado que ninguém que constitui notícia é entrevistado, só aqueles que estão de fora têm direito à voz. Fica também por entender a utilização descontextualizada da analogia ao Bronx, justificável no sentido de remeter o/a leitor/a para um imaginário construído pelos média americanos, como um espaço de pobreza, marginalidade e segregação. Resta, somente, salientar que esta se trata de uma notícia de carácter profundamente moralis-

in Jornal de Notícias, 17/02/2012

ta, que parte de uma história de um jardim, para reproduzir discursos sexistas dominantes. Sem dúvida que com esta matéria, uma outra história poderia ter sido contada!

Página 4

POR OUTRAS PALAVRAS


orientação sexual Devido à recente proposta de Lei apresentada pelo Bloco de Esquerda, na Assembleia da República, em favor do direito de adopção para todos os casais, argumentamos que, embora os média tenham destacado amplamente esta temática, os acontecimentos

e

debates

respectivos,

acredita-se que, nesta notícia específica. o título “Chumbo da adopção por casais gay não ‘desarmará’ Bloco” e, de certa forma todo o texto, dá demasiado enfoque à questão partidária. Não se dá, desta forma, visibilidade a todo o trabalho realizado pelas diversas associações e membros da sociedade civil, sobre e para esta questão. Adverte-se, também, para a continua ficção sobre o ‘casamento homossexual’ uma vez que é, simplesmente, casamento. Seria talvez mais interessante que a notícia se focasse na questão da adopção em si, debatendo-se a adopção será estendida a todas/os cidadãs/ os ou, se pelo contrário, continuarão a haver cidadãs/os de primeira

in Público, 23/02/2012

e de segunda.

Nesta notícia, sugerirse-ia, somente, a utilização, no título, da terminologia “Adopção por casais do mesmo sexo” ou “… por casais lésbicos/ gays”, em vez de ‘por homossexuais’.

in O Primeiro de Janeiro, 23/02/2012

N.º 2, Março 2012

Página 5


o projecto e a parceria IN OTHER WORDS

1ª Reunião: Marselha, França (Fev. 2011), no parceiro Eurocircle

2ª Reu nião: M ântua , It

ia Internac Conferênc

ther Wor ional In O

ds, Mântu

a, Itália (O

ut. 2011)

ália (O

ut. 20 11

), no p romot

or Pro

vincia

di M a ntova

Visita ao parceiro italiano Articolo 3, Mântua, Itália (Out. 2011)

unidade local de análise de imprensa

Sessão de Apresentação Pública, Casa de Chá - Coimbra, 13/01/2012

Em cima: Patrícia Silva e Rita Alves, IEBA; Ana Costa, GRAAL Em baixo: Carla Duarte, IEBA; Natália Cardoso, APAV; Toni Aguilo, Não Te Prives; Gabriela Carneiro, APPACDM Coimbra; José Lucas, SOS Racismo

Página 6

POR OUTRAS PALAVRAS


não te prives - 10 anos em defesa dos direitos sexuais em Coimbra A 14 de fevereiro, Dia dos Namorados e das Namoradas, a associação Não te Prives – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais (NTP) celebrou 10 anos de existência em Coimbra. A NTP é uma associação de pessoas voluntárias a trabalhar na área dos direitos humanos, com dois eixos principais. Por um lado, investe no fortalecimento dos direitos das mulheres e na afirmação de novas masculinidades, desconstruindo estereótipos de género e promovendo a igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. Por outro lado, trabalha em prol dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT), combatendo todas as formas de discriminação legal, política, cultural e social com base na orientação sexual e na identidade de género. Para assinalar uma década de trabalho, a NTP preparou 10 dias de actividades, desde a exposição “10 Anos a Mudar Coimbra” e a Festa Fora do Armário com a Plataforma Anti Transfobia e Homofobia, passando por debates e sessões em escolas sobre género e feminismo, acções de rua, leituras de poesia e prosa homo/ erótica e sessões de contos infantis inclusivos ‘De Pequenin@ Se Torce a

Discriminação’, e culminando num jantar com sorteio de um Cabaz de Direitos Sexuais. Chamemos-lhe activismo, militância ou voluntariado – o fundamental é acreditar que se pode fazer a diferença, mesmo que de grão em grão. A diversidade de iniciativas e públicos abrangidos por estas temáticas demonstrou a importância de trabalhar sobre género e sexualidade de forma séria e pedagógica, mas sem cedências ao (hetero)sexismo.

Coimbra hoje é uma cidade bem diferente de há 10 anos atrás, e é com muito orgulho e redobrado sentido de responsabilidade que assumimos o nosso contributo para tornar esta cidade mais inclusiva para todas as pessoas. Ao longo da última década, desenvolvemos um conjunto de actividades na cidade. Entre estas destacase a parceria com a Campanha Fazer

Ondas, que trouxe a Portugal o barco das Women on Waves em 2004, e a corealização das Marchas contra a Homofobia e Transfobia em Coimbra desde 2010. Em 10 anos juntámos centenas de pessoas em debates que aproximaram a academia dos movimentos sociais e da sociedade civil. Em 10 anos organizámos lançamentos de livros, realizámos ciclos de cinema e campanhas, fizemos sessões em escolas secundárias e instituições de ensino superior. Em 10 anos produzimos material informativo sobre igualdade, justiça e cidadania. Em 10 anos estivemos nas ruas, em protesto, em celebração ou a distribuir material preventivo de ISTs. O nosso ponto de partida é 2002. Estamos ainda muito longe do ponto de chegada, mas queremos prosseguir a caminhada, com a participação de quem se indigna contra a discriminação. Até porque uma sociedade mais justa é aquela em que todas/os caminhamos iguais em dignidade, expectativas e direitos.

Saiba mais em: http://naoteprives.org/

sugestões de leitura - Caldeira, Carla. 2006. A Representação das Minorias Sexuais na Informação Televisiva Portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte. - Gouveia, Carlos A. M. 2005. Assumptions about gender, power and opportunity: gays and lesbians as discursive subjects in a Portuguese newspaper. In: Lazar, Michelle M. (Ed.), Feminist Critical Discourse Analysis. Gender, Power and Ideology in Discourse. London: Palgrave Macmillan, 229-250 - Nogueira, Conceição; Oliveira, João (orgs.) 2010. Estudo sobre a Discriminação em Função da Orientação Sexual e da Identidade de Género. Lisboa: CIG. Disponível em: http://www.igualdade.gov.pt/ i m a g e s / s t o r i e s / d o c u m e n t o s / d o c u m e n t a c a o / p u b l i c a c o e s / Estudo_OrientacaoSexual_IdentidadeGenero.pdf - Santos, Ana Cristina. 2006. (org.), Estudos Queer: Identidades, Contextos e Acção Colectiva, número temático da Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 76. Também disponível em http://www.ces.uc.pt/ rccs/index.php?id=937&id_lingua=1

na internet Visite o website do projecto IN OTHER WORDS em: http://www.inotherwords-project.eu/ No Facebook, pesquise por IN OTHER WORDS - POR OUTRAS PALAVRAS e GOSTE de nossa página Conheça a política e actividades da Comissão Europeia na área da Justiça em: http://ec.europa.eu/justice/index_en.htm

créditos Edição: IEBA Centro de Iniciativas Empresariais e Sociais, Março 2012 Revisão: ULAI Unidade Local de Análise de Imprensa—APPACDM Coimbra, APAV, GRAAL, NÂO TE PRIVES, SOS RACISMO Contactos: IEBA Parque Industrial Manuel Lourenço Ferreira, Lote 12—Apartado 38, 3450-232 Mortágua, ieba@ieba.org.pt N.º 2, Março 2012

Página 7

POR OUTRAS PALAVRAS N.º 2 - Março 2012  

POR OUTRAS PALAVRAS Boletim Informativo N.º 2 - Março 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you