Page 1

POR OUTRAS PALAVRAS Boletim Informativo

N.º 1 Fevereiro 2012

POR OUTRAS PALAVRAS? O projecto POR OUTRAS PALAVRAS nasce da constatação de que os média ocupam um espaço único na (re)produção do conhecimento. Com uma visibilidade ímpar no espaço público, constituem-se como uma das instituições mais proeminentes na formação de opiniões e com potencial para contribuir positivamente na disseminação de uma cultura de diversidade e de combate à discriminação. O racismo, a xenofobia e outras formas de discriminação permeiam as estruturas sociais e políticas da actualidade, contribuindo para a legitimação e perpetuação de relações de poder de ‘uns’ sobre ‘outros’. O conhecimento, a sensibilização e a consciencialização, bem como algumas discussões académicas e dinâmicas sociais podem contribuir para o desenvolvimento de uma opinião pública mais crítica, autónoma e independente. Desta forma, será possível superar estereótipos e atitudes discriminatórias face a minorias e a grupos socialmente constituídos como ‘diferentes’. Os meios de comunicação social desempenham, pois, um papel crucial na formação e desenvolvimento de uma consciência para a diversidade. Para isso, é necessário que dêem a informação de forma correcta e utilizem uma linguagem objectiva e intercultural.

Este Boletim Informativo reporta-se ao período de 1 a 31 de Janeiro de 2012, durante o qual foram monitorizados diariamente 10 jornais de referência: 3 de âmbito regional (Campeão das Províncias, Diário As Beiras e Diário de Coimbra) e 7 de âmbito nacional (Diário de Notícias, Jornal I, Jornal de Notícias, O Expresso, O Público, Primeiro de Janeiro e Sol). Nesta edição, destacam-se notícias relacionadas com vários tipos de discriminações: homofobia, ciganofobia e xenofobia e também com estereótipos. Pela positiva, destaca-se a escolha de uma imagem ilustrativa, que promove a diversidade nas orientações sexuais existentes.

IN OTHER WORDS é um projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita.


pela positiva

in Jornal de Notícias, edição on line, 16/01/2012

Esta imagem ilustra uma notícia cujo título é: “As mulheres têm mais prazer sexual aos 50 do que aos 40 anos, conclui um estudo norte-americano, que vem contrariar vários mitos ligados à sexualidade feminina.” Trata-se de uma notícia relevante tanto pela temática abordada, como pela fotografia que a ilustra. Destacamos pela positiva esta imagem, onde podemos ver um beijo entre duas mulheres, numa notícia generalista sobre o prazer sexual das mulheres. Consideramos que a imagem contribui para desconstruir a normatividade heterossexual, educando para a diversidade de orientações sexuais existentes.

Foto: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

unidade local de análise de imprensa No âmbito do projecto IN OTHER WORDS foi constituída uma Unidade Local de Análise de Imprensa (ULAI), da qual fazem parte as seguintes entidades: IEBA Centro de Iniciativas Empresariais e Sociais (parceiro português do projecto), APAV - GAV de Coimbra, APPACDM de Coimbra, GRAAL, NÃO TE PRIVES e SOS RACISMO e para a qual são também convidados/as jornalistas. Esta unidade vai, durante o ano de 2012, reunir mensalmente para analisar uma selecção de notícias dos jornais monitorizados (3 regionais: Campeão

das Províncias, Diário As Beiras e Diário de Coimbra e 7 de âmbito nacional: Diário de Notícias, Jornal I, Jornal de Notícias, O Expresso, O Público, Primeiro de Janeiro e Sol). Desta análise resultam propostas, suges-

tões e recomendações para a utilização de uma linguagem mais positiva, objectiva e intercultural, que são integradas no boletim informativo POR OUTRAS PALAVAS. A sessão de apresentação pública da ULAI decorreu no dia 13 de Janeiro de 2012 e primeira reunião no dia 25 desse mês, na Casa de Chá da APPACDM, em Coimbra .

fomos notícia

Agradecemos a cobertura noticiosa que nos foi dada pelo Diário As Beiras, Diário de Coimbra e Agência Lusa. Página 2

POR OUTRAS PALAVRAS


estereótipos Os homicídios ocupam, por norma, um espaço proeminente no corpo de notícias dos órgãos de comunicação social em Portugal. Esta notícia, em particular, procura descrever um homicídio no espaço doméstico. Pode-se dizer que a história, embora narrada ao pormenor, deixa para o seu final uma questão que nos parece poder ser central para este homicídio. Ora, o último parágrafo deste artigo relata, através de fontes da PSP, que existia um historial de violência doméstica entre este casal deixando, no entanto por clarificar quem foi a vítima das agressões. Esta ausência de informação impossibilita perceber os contornos que poderiam ter conduzido ao homicídio, nomeadamente, um contexto de violência de género prolongado. Por úl ti mo, sal ien te -se q ue a men ção da “naturalidade” (nacionalidade?) dos envolvidos é desnecessária, uma vez que não se constitui como facto relevante para perceber o acontecimento, limitando-se a (re)produzir discursos estereotipados sobre os imigrantes em Portugal.

in Diário de Coimbra, 23/01/2012

homofobia Ao longo desta notícia pode notar-se que, em primeiro lugar, está ausente qualquer discussão sobre a homofobia enquanto prática discriminatória recorrente na sociedade portuguesa contemporânea. Pelo contrário, o título ‘Homossexual agredido com machadada queixa-se de discriminação’, sugere que este é um acontecimento isolado dado que personaliza o agredido e os perpetradores do ataque: “Homossexual agredido (...) queixa-se de discriminação” e “Homem terá sido atacado por dois ciganos”. Pelo contrário, se a homofobia fosse discutida e pensada como um processo discriminatório, que opera através da violência simbólica e física, permitiria que a mesma fosse considerada como um problema estrutural às sociedades contemporâneas e não como um comportamento isolado. Outro aspecto que captou a nossa atenção relaciona-se com a identificação, dos (alegados) agressores como ‘dois ciganos’. Denote-se inclusivamente que a referência à etnia dos agressores acaba por reconduzir a notícia numa outra direcção. A partir do momento em que desnecessariamente é mencionada a etnia dos (alegados) agressores, a discussão passa a centrar-se no estabelecimento de uma relação entre a presença de ciganos numa determinada área e o aumento da criminalidade. Embora tal relação venha posteriormente a ser desmentida pelo comandante da GNR, o leitor foi já levado a relacioná-los. Neste sentido, argumenta-se que este tipo de práticas discursivas, mesmo que indirectamente, contribuem para o aumento das práticas ciganofóbicas em Portugal e que, consequentemente, deveriam ser evitadas.

N.º 1 N.º 1

in Diário de Coimbra, 24/01/2012 Página 3 Página 3


ciganofobia O texto da notícia abaixo identificada destacou-se tanto pela forma como pelo conteúdo assemelhando-se mais a um artigo de opinião do que à narração de factos. Considerando que a objectividade ou a intersubjectividade devem ser uma meta quando se trata de reportar acontecimentos, não deixou de ser surpreendente a forma como esta notícia procurou traçar, de forma bastante determinista, o perfil das pessoas envolvidas.

Destaca-se que o tipo de linguagem e de expressões utilizadas (e.g. ‘estreia’; ‘alimentada’, ’concorrência’) contribuem para um tom satírico e moralista sobre os factos. Este artigo, além de reproduzir um conjunto de práticas discursivas racistas em relação a estas comunidades, fixa a diferença de forma determinista, anunciando que esta situação é imutável, não havendo nada que possa ser feito. Argumenta-se que este se trata de um exemplo preocupantes em que, sem nunca mencionar de quem se trata mas a partir de um espaço que se encontra amplamente etnicizado - o Parque Nómada. Esta notícia contribui para reforçar e perpetuar os discursos e imaginários racistas face às comunidades portuguesas ciganas em Portugal.

in Diário de Coimbra, 24/01/2012

O artigo procurou, a partir da narração dos factos, circunscrever a narrativa a uma caracterização de um grupo específico que, segundo a jornalista, reside no Parque Nómada. Sem nunca mencionar de quem se trata, a jornalista começa por marcar a diferença do ‘outro’ a partir da menção ao ADN. Segundo este artigo, a diferença é marcada no ADN e está relacionada com uma apetência natural para a criminalidade já que, segundo o artigo, estes ‘não têm hábitos de trabalho’. Em seguida o artigo enfatiza a influência do contexto familiar no desenvolvimento psico-social destes indivíduos e consequentemente procura estabelecer uma linha narrativa que firma que estes indivíduos são natural (ADN) e socialmente (família) aptos para a criminalidade, fixando e naturalizando a diferença no corpo e no espaço. Página 4

POR OUTRAS PALAVRAS


xenofobia Ao longo deste primeiro mês de monitorização de imprensa, uma das questões que mais se destacou foi a constante menção à nacionalidade dos indivíduos, quando se trata de notícias relativas a criminalidade. Por oposição, quando os crimes são cometidos por nacionais não há qualquer menção à nacionalidade dos perpetradores. Este facto revela-se bastante problemático, na medida em que não só estabelece uma relação sistemática entre crime e imigração, como demarca uma fronteira entre ‘eles’ e ’nós’, em que ‘os outros’ são sistematicamente representados e demarcados como corpos distintos da sociedade nacional. Simultaneamente, contribui para a ideia de que os problemas de criminalidade existentes são, de certa forma, alheios ao espaço da nação imaginada. Seguem-se algumas notícias exemplificativas.

in Jornal de Notícias, edição on line, 15/01/2012 in SOL, edição on line, 15/01/2012

in Diário de Notícias, edição on line, 15/01/2012 N.º 1

Página 5


Casa de Chá da APPACDM de Coimbra é o local de reunião A Casa de Chá do Jardim da Sereia foi um projecto que surgiu de um sonho conjunto entre a APPACDM de Coimbra e a Câmara Municipal de Coimbra. A autarquia tinha no centro da cidade de Coimbra um jardim belíssimo, cheio de história, mas que estava bastante abandonado. A APPACDM tinha o sonho de poder ter um espaço, inserido na comunidade em que as competências das pessoas com deficiência pudessem ser evidenciadas e destacadas. Da conjugação destas duas necessidades surge a actual Casa de Chá. As obras de reconversão e adaptação do edifício foram executadas pela Câmara Municipal, tendo a gestão do funcionamento sido entregue à APPACDM de Coimbra. A Instituição definiu como principais objectivos da Casa de Chá: - evidenciar as competências das pessoas com deficiência - neste sentido, o

atendimento aos clientes é efectuado por jovens que frequentam a valência de actividades ocupacionais e procurando-se através da venda de produtos feitos nos vários centros evidenciar outras competências; - promover as competências profissionais dos jovens com deficiência ou incapacidade – com este objectivo o curso de qualificação profissional na área de Empregado de Mesa, decorre, na sua componente de formação tecnológica neste espaço, proporcionando uma aprendizagem real e muito próxima dos clientes; - contribuir para a sustentabilidade financeira da Instituição – ao avançar com uma nova área de negócio, pretende-se continuar com a linha de trabalho que a Organização tem vindo a procurar prosseguir de implementação de áreas de economia social que permitam aumentar a sua sustentabilidade;

- contribuir para a requalificação do espaço do Jardim da Sereia – acreditamos que ao procurar atrair novos públicos à Casa de Chá e, no cuidado que tivemos em destacar as várias particularidades do Jardim da Sereia, podemos também estar a dar o nosso contributo para a revitalização deste espaço cheio de história e beleza. Ao fim de quase um ano de funcionamento, o balanço é extremamente positivo, pois além sentirmos que os objectivos foram cumpridos, as pessoas que nos visitam destacam que aqui encontraram um espaço onde podem usufruir de uma pausa na esplanada, de um mimo especial e de, fundamentalmente, um sorriso acolhedor. Está a ser cumprido o lema “Disfrute da serenidade e descubra os sabores da inclusão” . APPACDM de Coimbra

sugestões de leitura Ferin , Isabel e Santos, Clara Almeida, Media, Imigração e Minorias Étnicas 2005-2006, Abril 2008, Colecção Estudos OI, Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Disponível para download a partir da página do Observatório da Imigração em http://www.oi.acidi.gov.pt/

o projecto e a parceria IN OTHER WORDS IN OTHER WORDS significa Web

Observatory Review, for Discrimination Alerts and Stereotypes Deconstruction é um projecto

Europeu que visa combater a discriminação, a intolerância, o racismo e a xenofobia, através da redução do

impacto da comunicação pública e de mensagens incorrectas difundidas pelos media. É co-financiado pela Directoria dos Direitos Fundamentais e Cidadania da Direcção Geral Justiça, da Comissão Europeia e desenvol-

Provincia de Mantova (promotor do projecto) e Articolo 3, de Itália; Eurocircle, de França; Diputación de Jaén e Fundación Almería Social y Laboral, de Espanha; Instituto Intercultural de Timisoara, da Roménia; Universidade de Tallin, da Estónia e IEBA, de Portugal.

vido por uma parceria composta por 8 entidades de 6 países Europeus:

na internet Visite o website do projecto IN OTHER WORDS em: http://www.inotherwords-project.eu/ No Facebook, pesquise por IN OTHER WORDS - POR OUTRAS PALAVRAS e GOSTE de nossa página Conheça a política e actividades da Comissão Europeia na área da Justiça em: http://ec.europa.eu/justice/index_en.htm

créditos Edição: IEBA Centro de Iniciativas Empresariais e Sociais, Fevereiro 2012 Revisão: ULAI Unidade Local de Análise de Imprensa—APPACDM Coimbra, APAV, GRAAL, NÂO TE PRIVES, SOS RACISMO Contactos: IEBA Parque Industrial Manuel Lourenço Ferreira, Lote 12—Apartado 38, 3450-232 Mortágua, ieba@ieba.org.pt Página 6

POR OUTRAS PALAVRAS

POR OUTRAS PALAVRAS N.º 1 Fevereiro 2012  

POR OUTRAS PALAVRAS Boletim Informativo N.º 1 Fevereiro 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you