Issuu on Google+

TERESINA (PI) 2 a 31 de outubro

TERESINA

12

Vereador denuncia poluição do Rio Poti Com o apoio de uma equipe do Corpo de Bombeiros, o vereador de Teresina (PI) Antonio Aguiar (PTB) realizou uma expedição náutica para denunciar a poluição excessiva e a presença de uma grande quantidade de dragas ao longo do rio Poti. Apenas nos primeiros 20 minutos de percurso, o vereador afirma ter observado a presença de doze dragas, ferramentas utilizadas para retirar areia de dentro do rio e que coloca em risco a vida dos trabalhadores responsáveis por sua operação, bem como das pessoas que se arriscam a tomar banho no leito do Poti. De acordo com o sargento Nunes, do Corpo de Bombeiros, os chamados “maraqueiros”, que controlam a draga, chegam a ficar aproximadamente uma hora submersos, em profundidades de até dez metros, respirando apenas

através de um tubo, sem qualquer garantia de segurança. “É um trabalho extremamente insalubre e perigoso”, alerta o sargento. Devidamente registrada num documentário, a expedição também expõe sinais de que o rio Poti apresenta níveis de poluição alarmantes. Segundo o vereador Antonio Aguiar, é possível observar que os aguapés estão presentes, sobretudo, no trecho do rio localizado na zona urbana da capital,

o que comprova que a proliferação dessa espécie de planta aquática está diretamente associada à quantidade de lixo despejada no rio. “Fazemos um apelo para que as autoridades fiquem atentas à situação do rio Poti. O poder público e a sociedade civil precisam unir esforços para salvar esse importante rio, que agoniza diante dos nossos olhos, no coração da nossa cidade”, afirma Aguiar.

Antônio Aguiar propõe criação do campus da Uespi na Zona Sul

O governador Wilson Martins (PSB) recebeu do vereador Antônio Aguiar (PROS) uma série de reivindicações. Após reunir-se com o parlamentar, ele autorizou um levantamento para a instalação de campus da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) na Centro Social Urbano do Parque Piauí, na Zona Sul da capital. Wilson se convenceu que um campus naquela região da capital irá beneficiar não apenas os moradores da área, mas estudantes de cidades como Palmeirais, Demerval Lobão, Monsenhor Gil, Água Branca e Bar-

ro Duro. O vereador cita como exemplo de sucesso a instalação do campus Clóvis Moura, no Grande Dirceu, há 12 anos e que hoje tem mais de 3,6 mil alunos distribuídos em oito cursos (três bachareclados e cinco licenciaturas). “Nossa conversa também serviu para que o governador tomasse conhecimento de outros três pleitos de interesse da população teresinense”, citou o vereador, elencando as solicitações: asfaltamento de todas as ruas do Mocambinho,

na Zona Norte da capital; instalação de estação de tratamento d’água na Grande Santa Maria da Codipi e troca da iluminação da ponte do Mocambinho, Leonel Brizola. O asfaltamento das ruas também vai ser viabilizado pelo governador. As outras demandas vão ser atendidas assim que houver recursos disponíveis, segundo Antônio Aguiar. Ele acrescentou que o acesso à ponte tem sido motivo de medo dos moradores, pois têm acontecido assaltos e ataques na região.

Parlamentar cobra solução para falta d’água na grande Santa Maria da Codipi

O vereador Antonio Aguiar, cobrou, em pronunciamento na Câmara Municipal de Teresina, ação concreta por parte da Agespisa, no que diz respeito à solução do problema da falta d’água nos bairros que compõe a região da grande Santa Maria da Codipi. Para o

parlamentar a situação se agrava a cada dia pois a região cresce de forma acelerada e não se vislumbra nenhuma ação por parte da Agespisa. “É inaceitável esta falta de atenção por parte da Agespisa quando se sabe que a água é vital para a sobrevivência humana” falou o vereador. Acrescentando

que “a Santa Maria da Codipi tem o privilégio de ser a única região de Teresina ladeada por dois rios, portanto, é inaceitável que a população esteja sendo servida por água de poço, onde, na maioria das casas, a água só chega à noite, sendo armazenadas em manilhas pois não tem pressão suficiente para al-

cançar a altura do chuveiro”. No pronunciamento o vereador ainda alertou para a possibilidade no colapso no fornecimento d’água daquela grande região pois, devido o longo período de estiagem poderá haver diminuição da água existente no lençol artesiano.

“É preciso que a Agespisa viabilize a solução do problema, o quanto antes melhor, deixando de perfurar poços que são paliativos e construindo uma estação de tratamento d’água, que aí sim, o problema estará resolvido”, disse Aguiar.

Antônio Aguiar consegue subestação de água para Grande Santa Maria

O vereador Antônio Aguiar (PROS) anunciou ontem que o governador Wilson Martins autorizou a construção de estação de tratamento de água para a Santa Maria da Codipi. A obra custará R$ 50 milhões e começa a ser construída ainda este ano.

A população da Grande Santa Maria da Codipi é hoje de 80 mil pessoas, mas a subestação vai atender ainda mais gente, pois compreenderá as populações de bairros como Pedra Mole, Nova Theresina, Anita Ferraz, Cidade Jardim, entre outros. “Levei o indicativo para o governador, pessoalmente, e ele auto-

rizou a Agespisa a fazer a subestação”, conta Aguiar. O presidente da Agespisa, Antônio Filho, também já anunciou o investimento, que é próprio do governo. “Recursos próprios são uma garantia extra que a obra seguirá firme, sem atropelos”, afirmou o vereador. Aguiar disse que desde a épo-

ca da campanha ouvia dos moradores da Grande Santa Maria que a falta d’água é diária na região. Os poços cavados pela Agespisa não conseguem atender a demanda. “Agora, a subestação vai resolver o problema”, diz. Ele lembra que as atuais subestações de tratamento de água estão

na Zona Sul e a água percorre longo caminho até lugares mais distantes, como a Socopo. “A subestação vai captar a água, tratar o produto, levar até os reservatórios, como grandes caixas d’água, e distribuir. Todas as etapas serão cumpridas”, comemora o parlamentar.

Câmara de Teresina cria comissão para elaborar Plano de Arborização

A Câmara de Vereadores de Teresina criou, durante audiência pública para discutir a ausência de um Plano Diretor de Arborização na capital, uma comissão que vai

receber propostas e enviar ao Executivo para que a cidade, enfim, tenha seu documento nessa área. “A audiência foi especialmente positiva porque não ficou apenas em discussões e teorias. Ela resultou em algo concreto e objetivo, que foi a criação da comissão que ficou de recolher as propostas dos diversos segmentos e atores envolvidos na questão”, disse o vereador Antônio Aguiar, do PROS, autor da proposição.

Ele argumenta que “Teresina está perdendo a condição de cidade verde. O desmatamento para construção de residências, aberturas e pavimentação de ruas e avenidas, e o crescimento do número de prédios no Centro e bairros adjacentes, tem feito com que a temperatura de Teresina se eleve a cada ano, onde, segundo o INMET, a temperatura máxima até hoje observada foi de 41,6° C, registrada no dia 24 de outubro de 2012”.

“Considerando ser a arborização urbana uma das ações (medidas) mais eficientes para reduzir o impacto do aquecimento local e consequentemente do aquecimento global, propomos a audiência pública para dialogarmos com os órgãos competentes e com a sociedade de um modo geral, sobre a elaboração de um plano diretor de arborização urbana para a cidade de Teresina”, afirmou. “O que trará vários benefícios

para a nossa cidade, tais como: Minimização do calor, melhoria da qualidade do ar (capta o CO2 e o metano e os transforma em oxigênio), combate aos raios ultravioletas, redução de propagação do som, redução do nível de material particulado (poeiras, fumaça e etc.), maior área de sombreamento, aumento da umidade ambiental e embelezamento de nossas praças, ruas e avenidas, dentre outros”, finalizou.


Pagina 12 corrigido midia