Issuu on Google+

 

1  


FICHA  TÉCNICA  

SUMÁRIO  

 

 

O  FIDALGO:  

Missão  Cumprida  

 

 

 

 

3  

Rua  Duarte  de  Lemos  

Aconteceu  

 

 

 

 

4  

As  nossas  actividades    

 

 

 

5  

Área  de  Projecto  

 

 

 

 

26  

e-­‐mail:  institutoduartedelemos@clix.pt  

Jovens  Poetas    

 

 

 

 

27  

site:  www.institutoduartelemos.com.pt  

Cientificamente  falando  

 

 

 

36  

Educação  Visual  

 

 

 

 

37  

E.P.T.  -­‐  Estudos  Particulares  da  Trofa,  Lda.  

Equitação  

 

 

 

 

39  

 

Quinta  das  Horas  Vagas    

 

 

 

40  

Geopágina  

 

 

 

 

44  

 

 

 

 

45  

Clubes  em  movimento    

 

 

 

48  

Desporto  Escolar  

 

 

 

 

56  

Mundo  animal    

 

 

 

 

62  

VICE-­‐DIRECTORA  D'O  FIDALGO:  

Oficina  de  escrita  

 

 

 

 

63  

Ana  Margarida  Santos  

Big  Ben    

 

 

 

 

 

69  

Moçambique    

 

 

 

 

76  

Savais-­‐tu  

 

 

 

 

77  

3750-­‐791  Trofa  -­‐  Águeda   Tel.:  234646842  -­‐  234646628   Fax:  234646843  

 

PROPRIEDADE  E  ADMINISTRAÇÃO:  

DIRECÇÃO  DO  INSTITUTO  DUARTE  DE  LEMOS:   António  Pinho  

 

 

 

Matemática  actual  

Maria  de  Lurdes  Coelho    

DIRECTORA  D'O  FIDALGO:   Alexandra  Sucena    

 

DIRECTORES  ADJUNTOS:   Rui  Silva  

 

Nelson  Gomes  

Surf  -­‐  o  desporto  dos  deuses  

 

 

 

82  

 

O  primeiro  surfista  português    

 

 

83  

Azahar    

 

 

 

 

 

84  

Alunos,  professores  e  funcionários  do  Instituto  Duarte    

Racismo  

 

 

 

 

 

86  

de  Lemos  

Os  Simpsons  

 

 

 

 

 

87  

Diário  de  uma  turma  

 

 

 

 

88  

A  Dança  

 

 

 

 

 

90  

 

Finalistas  

 

 

 

 

 

92  

CAPA:  

Fomos  notícia!    

 

 

 

 

97  

COLABORADORES:   Clube  de  Jornalismo  

  REVISÃO  ORTOGRÁFICA:   Ana  Margarida  Santos  

Nelson  Gomes  

  2  


Missão  Cumprida?     É  absolutamente  fundamental  que  TODOS,  escola,  encarregados  de  educação  e  a  comunidade  em  geral,  assumam  as   suas   responsabilidades   no   processo   de   educação   e   formação   dos   nossos   jovens,   uma   vez   que   esta   é   uma   batalha   a   travar   por   toda   a   sociedade,   durante   todo   o   tempo,   e   não   apenas   de   algumas   partes   da   mesma,   durante   um   determinado  tempo.                   in  Editorial  d  ’O  Fidalgo  n.º36           No   editorial   do   primeiro   O   Fidalgo   deste   ano   lectivo,   no   simultaneamente   distante   e   tão   próximo   primeiro   período,   falámos   sobre   o   Sucesso   na   Escola   e   o   Êxito   na   Vida   e   lançámos   a   TODOS   NÓS   (a   magnífica   Comunidade   Educativa  do  Instituto  Duarte  de  Lemos)  o  desafio  que  agora  transcrevemos  no  início  desta  última  mensagem  deste   ano  lectivo  através  do  nosso  jornal.     O  final  de  qualquer  coisa  é  sempre  um  tempo  de  balanço.  Neste  caso,  com  o  aproximar  alucinante  do  final  de   mais   um   ano   lectivo,   é   importante   olharmos   para   o   trabalho   desenvolvido   ao   longo   destes   dez   meses   e   aferir   se   cumprimos   ou   não   aquilo   a   que   nos   propusemos   no   início   de   mais   este   percurso   e   que   solenemente   deixámos   escrito   no  primeiro  editorial.     Escrevemos,   e   provavelmente   lemos,   estas   palavras   numa   altura   em   que   ainda   não   há   “resultados   finais”,   aqueles  que  têm  a  capacidade  de  tudo  resolver  (quando  são  bons)  ou  tudo  pôr  em  causa  (quando  menos  bons).  Este   período  de  “espera”  talvez  seja  o  ideal  para  reflectirmos  sobre  o  trabalho  desenvolvido  sem  sermos  “influenciados”   pelos  resultados  finais;  esses  chegarão  a  seu  tempo.     Mais  do  que  respostas,  este  é  um  tempo  de  nos  questionarmos  sobre  o  grau  de  exigência  e  rigor  que  colocámos   na  nossa  actividade  diária,    princípios  estes  que  foram  claramente  os  valores  eleitos  pela  Direcção  Pedagógica  no  início   do  presente  ano  lectivo  como  aqueles  que  melhor  nos  poderiam,  a  TODOS,  conduzir  ao  sucesso.     Como   num   Plano   de   Recuperação,   onde   as   três   partes   intervenientes   mais   directamente   no   processo   educativo   (Escola,   Aluno   e   Encarregado   de   Educação)   assumem   um   compromisso   comum   que   visa   a   “recuperação”   de   um   determinado  aluno,  é  agora  a  altura  de  verificarmos  se  estas  mesmas  três  partes  cumpriram,  a  nível  geral,  o  Plano  de   Rigor  e  Exigência  proposto  no  início  do  ano.       Se   chegarmos   à   conclusão   que   TODOS   fizemos   o   que   estava   ao   nosso   alcance   para   chegarmos   a   bom   porto,   então  a  primeira  parte  da  Missão  estará  cumprida  e    certamente  que  podemos  aguardar  os  resultados  finais  com  uma   maior  dose  de  confiança;  caso  contrário,  a  ansiedade  tomará  conta  de  nós,  o  que,  como  sabemos,  não  é  de  maneira   nenhuma  o  estado  ideal  para  enfrentar  as  grandes  decisões  que  se  aproximam.     O   Sucesso   na   Escola,   Êxito   na   Vida,   de   que   nos   falava   o   primeiro   editorial,   é   uma   missão   de   todos.   Nesta   campanha  não  há  vencedores  nem  vencidos,  é  uma  competição  onde  ou  todos  ganhamos  ou  todos  perdemos.  Mesmo   que,  aparentemente,  todos  vençamos,  cada  um  que  falhar  a  sua  missão  constitui  uma  derrota  para  todos  os  outros   pois,  apesar  de  aparentemente  vitoriosa,  será  sempre  uma  missão  incompleta,  por  cumprir…     A   concluir,   queríamos   deixar   uma   palavra   de   grande   orgulho   e   apreço   pelo   excelente   desempenho   que   os   nossos   alunos   vêm   tendo   nos   diversos   concursos   e   projectos   em   que   o   Instituto   Duarte   de   Lemos   se   encontra   envolvido   a   nível   nacional.   Desde   sempre   que   foi   uma   opção   clara   da   nossa   escola   participar   no   maior   número   de   projectos  que  nos  eram  propostos,  com  o  aproximar  do  final  do  ano  lectivo  os  resultados  vão  sendo  conhecidos,  o  que   felizmente   se   tem   traduzido   numa   sucessão   de   excelentes   notícias   para   TODOS   NÓS.   Estas   boas   novas   que   nos   vão   chegando  constituem  claramente  o  maior  incentivo  para  que  continuemos  a  trabalhar  cada  dia  com  maior  empenho,   visando  chegar  sempre  mais  longe.       A  Direcção            3  


Aconteceu     Março     No   dia   22,   celebrámos   o   Dia   Mundial   da   Água   com  exposição  de  trabalhos.      

Abril     A   13,   os   nossos   jogadores   de   ténis   de   mesa   participaram  na  Fase  Final  de  Ténis  de  Mesa.     No   dia   17,   alguns   dos   nossos   alunos   participaram   na   etapa   regional   das   Olimpíadas   da  Química.     Quatro   alunos   do   8.º   ano   participaram   na   fase   distrital  do  concurso  Entre  Palavras/  JN,  no  dia   24.     A   23,   a   nossa   escola   participou   no   Encontro   Inter-­‐escolas  Diocesano.       No   dia   24,   três   alunas   do   9.º   ano   participaram   na  etapa  regional  das  Olimpíadas  da  Física.     A  25,  foi  comemorado  o  36.º  aniversário  do  “25   de   Abril”   com   a   distribuição   de   cravos   e   projecção  de  filmes  e  documentários.     De   26   a   30   de   Abril,   comemorámos   a   Semana   da   Matemática   com   palestras,   participação   no   Equamat  e  Maismat  e  projecção  de  filmes.     Nos  dias  28  e  29,  os  nossos  alunos  participaram   nos   concursos   Dar@Língua,   Dar+@Língua,   Equamat,  Maismat  e  Geonet.                    4  

A   29,   os   alunos   do   Instituto   Duarte   de   Lemos   dançaram   para   comemorar   o   Dia   Mundial   da   Dança.     Nos   dias   30   de   Abril   e   1   de   Maio,   os   nossos   atletas   participaram   na   Fase   Regional   de   Ténis   de  Mesa,  em  Mangualde.      

Maio  

    O   Dia   da   Europa   foi   celebrado   com   a   dinamização   de   jogos   e   actividades   sobre   a   temática  europeia,  a  9.     Nos  dias  14,  15  e  16,  realizou-­‐se  o  Encontro  de   Moral  para  os  alunos  dos  8.º  e  9.º  anos.       A   10,   as   alunas   Daniela   Génio   e   Carina   Costa   participaram   na   entrega   de   prémios   do   concurso   nacional   “Uma   Aventura...   Literária   2010”.     De   17   a   21   de   Maio,   decorreu   a   Semana   das   Leituras   e   do   Leitor,   dinamizada   pelo   Departamento  de  Línguas.     No  dia  20,  os  nossos  andebolistas  participaram   na  fase  final  do  Desporto  Escolar.     A  21,  decorreu  a  entrega  dos  prémios  literários   da   segunda   edição   do   concurso   “Prémio   D.   Duarte  de  Lemos”,  no  cine-­‐teatro  S.Pedro.     De   28   a   30,   os   nossos   alunos   participaram   no   Nacional   de   Canoagem   que   se   realizou   na   Pateira  de  Óis  da  Ribeira.        


As  Nossas                                                  Actividades… Concurso  “Ciência  na  Escola”    da  Fundação  Ilídio  Pinho      

 

 

 

 

No   passado   dia   11   de   Março,   o   Director   Pedagógico   do   Instituto   Duarte   de   Lemos,   António   Pinho,   e   a   professora   Ana   Abrantes   estiveram   presentes   na   cerimónia   de   entrega   do   prémio   de   participação  no  concurso  de  ideias  da  8.ª  edição  do  Prémio  Ciência   na   Escola   da   Fundação   Ilídio   Pinho,   no   Auditório   da   Direcção   Regional   de   Educação   do   Centro.   A   cerimónia   foi   presidida   pela   Directora   Regional,   Doutora   Helena   Libório,   pelo   Engenheiro   Ilídio   Pinho   e   pelo   Administrador   e   Vice-­‐Presidente   do   Banco   Espírito   Santo,  Dr.  José  Manuel  Espírito  Santo.   Das   394   escolas   que   apresentaram   projectos   candidatos,   apenas   cerca   de   297   foram   seleccionadas   por   um   Júri   Nacional,   sendo   34   da  Região  Centro,  nas  quais  se  Inclui  o  Instituto  Duarte  de  Lemos.   O   projecto   do   Instituto   Duarte   de   Lemos,   intitulado   “Ecoconstruções   –   Inovações   do   presente   para   o   ecofuturo”,   foi   seleccionado,   passando   à   segunda   fase,   tendo   sido   atribuído   um   prémio  no  valor  de  500€.     Este   projecto   consiste   no   envolvimento   dos   alunos   na   selecção   e   utilização   de   materiais   inovadores,   promovendo   medidas   de   ecoconstrução   e   eficiência   energética.   Sendo   os   alunos   os  

principais  intervenientes  neste  projecto,  pretende-­‐se  que  sejam  sensibilizados  para  questões  ambientais   e   que   desenvolvam   competências   de   resolução   de   problemas   no   âmbito   da   eficiência   energética,   criatividade,  autonomia,  responsabilidade  e  espírito  crítico.    

           5  


As  Nossas                                                  Actividades…  

                             Dia  Mundial  da  Água    

No   dia   22   de   Março   comemorou-­‐se,   na   nossa   escola,   o   dia   Mundial   da  

Água.  No  átrio  principal  esteve  uma  barraquinha  onde  se  encontraram  expostos   os  trabalhos  elaborados  no  âmbito  da  Área  de  Projecto  de  duas  turmas,  o  7.ºB  e   o   7.ºE.   Além   da   mostra   de   trabalhos,   foram   distribuídos   panfletos   relativos   à   importância  da  água  no  mundo  e  à  necessidade  de  a  poupar.     A  água  é  um  bem  precioso,  escasso  e  essencial  à  vida!  

   

Olimpíadas  da  Química    

No   passado   dia   dezassete   de   Abril,   três   alunas   do   Instituto   participaram   na   etapa  

Regional   das   Olimpíadas   da   Química,   que   se   realizaram   no   Departamento   de   Química   da   Universidade  de  Aveiro.  As  alunas  Andreia  Lemos,  Sara  Matos  e  Tatiana  Barroco  realizaram   provas  teórico-­‐práticas,  nas  quais  puseram  à  prova  os  conhecimentos  adquiridos  nas  aulas   de   Ciências   Físico-­‐Químicas.   Estas   alunas   manifestaram   bastante   entusiasmo   nesta   participação   que   envolveu   um   grande   número   de   escolas   da   região   centro.   Eis   as   suas   opiniões:      

           6  


As  Nossas                                                  Actividades…   “No   dia   17   de   Abril,   partimos   da   nossa   escola   para   a   Universidade   de   Aveiro.   Lá,   existia   apenas   lugar  para  uma  mútua  paixão  pela  química.  Uma  paixão  que  nos  permite  acreditar  ao  mesmo  tempo  na   magia   da   ciência,   mas   também   na   sua   explicação.   Uma   paixão   com   sede   de   descoberta,   pois   todo   o   químico  acredita  que  o  que  sabemos  é  uma  gota,  comparado   com  um  grande  oceano  de  sabedoria  por  conquistar,  já  nos   dizia   Isaac   Newton.   Pudemos   assistir   a   um   encontro   entre   tantas  substâncias  químicas,  onde  a  capacidade  de  acreditar   nas  suas  misturas  é  o  maior  talento.     Para  mim,  aquele  foi  um  dos  dias  que  me  fez  decidir  e   ter   a   total   certeza   de   que   quero   continuar   a   descobrir   esta   arte  e  um  dia  encontrar  de  novo  a  determinação,  confiança   e  coragem  num  tubo  de  ensaio,  na  esperança  de  me  tornar   uma  exploradora  de  química.”  

Sara  Matos,  9.ºA      

“No  dia  17  de  Abril,  algumas  alunas  do  nono  ano  foram  desafiadas  para  passar  um  dia  a  conhecer  a   Química  na  Universidade  de  Aveiro.   Partimos   da   escola   levando   na   nossa   mochila   espírito   de   equipa.   O   objectivo   era   darmos   o   nosso   melhor.   Logo   que   chegámos   à   Universidade,   fomos   convidadas   a   assistir   a   uma   demonstração   de   várias   experiências  que,  de  uma  forma  inconsciente,  podiam  ser  confundidas  com  um  espectáculo  de  verdadeira  

magia.  Seguiram-­‐se  ao  longo  do  dia  várias  provas  onde  tivemos  de  conviver  lado  a  lado  com  substâncias   químicas,  soluções  variadas  e  o  resultado  cabia  a  nós  criticar.   O   convívio   com   outros   jovens   e   professores,   com   uma   experiência   notável,   fez-­‐nos   perceber   que   realmente   a   ciência   do   nosso   mundo   vai   para   além   do   que   está   escrito   num   simples   manual,   passando   pela  prática  que  nós  mesmos  podemos  experimentar.   Todos   partilhávamos   a   mesma   meta:   dar   o   melhor   de   nós   e   aprender   algo   sobre   o   grande   e   misterioso  mundo  da  ciência.”  

 

           7  

 

 

 

 

 

 

 

Andreia  Lemos,  9.ºD


As  Nossas                                                  Actividades…    

ENTRE  PALAVRAS     No   passado   dia   21   de   Abril,   quatro   alunos   do   8.º   ano   e   duas   professoras   representaram   a   nossa   escola   na   final   distrital   do   Concurso   Entre   Palavras/JN,   no   Auditório   do   ISCA,   em   Aveiro.  Os  alunos  Ana  Nogueira  e  Carina  Abel,  da  turma  A,   Miguel  Torrão,  da  B,  e  Marta  Marques,  da  E,  obtiveram  um   honroso  quinto  lugar,  tendo  ficado  a  dois  pontos  apenas  do   apuramento   para   a   fase   nacional,   com   um   trabalho   subordinado   ao   tema   Redes   Sociais.   O   nosso   agradecimento   a  todas  as  turmas  do  oitavo  ano  pelo  trabalho  e  dedicação!     As  professoras  Coordenadoras  do  Entre  Palavras,   Ana  Filipa  Marques  e  Sandra  Cardoso      

Olimpíadas  Da  Física                                No   passado   dia   vinte   e   quatro   de   Abril,   três   alunas   do  Instituto  participaram  na  etapa  Regional  das  Olimpíadas   da   Física,   que   se   realizaram   no   Departamento   de   Física   da   Universidade   de   Coimbra.   As   alunas   Beatriz   Ferreira,   Diana   Tavares   e   Patrícia   Florindo   realizaram   uma   prova   teórica   e   outra   prática   nas   quais   puseram   à   prova   os   conhecimentos   adquiridos   nas   aulas   de   Ciências   Físico-­‐Químicas.   Estas   alunas  

manifestaram  

bastante  

entusiasmo  

nesta  

participação   que   envolveu   um   grande   número   de   escolas   da   região  centro.  Aqui  ficam  os  seus  testemunhos:  

           8  


As  Nossas                                                  Actividades…      

“No   dia   24   de   Abril,   tive   a   oportunidade   de   ir   às   Olimpíadas   da   Física,   na   Universidade   de   Coimbra.   No   início,   não   estava   muito   entusiasmada,   pensava   que   iria   perder   um   sábado   de   estudo   e   de  descanso.  No  entanto,  assim  que  iniciámos  a  viagem,  percebi  que  não  estava  a  perder  um  dia  para   estudar,  mas  sim  a  ganhar,  pois  iria  aprender  experiências  novas  e  divertir-­‐me  imenso.   Durante  a  viagem,  eu  e  as  minhas  colegas  divertimo-­‐nos  muito  a  ouvir  as  histórias  e  piadas   das   professoras   Ana   Abrantes   e   Carla   Sá   Reis.   Ao   princípio,   estávamos   um   pouco   nervosas   e   tímidas,   mas   descontraímos   e   aproveitámos   a   paisagem.   Quando   chegámos,   deparámo-­‐nos   com   uma   universidade   gigante   e   muito   antiga.   Dirigimo-­‐nos   às   salas   e   começámos   as   provas.   Realizámos   a   prova  prática  onde  tivemos  de  montar  um  circuito  eléctrico  e  continuámos  com  a  prova  teórica,  com   vários  problemas  complicados  de  física.   Estivemos  na  fila  da  cantina  à  espera  para  almoçar.  Mas  esta  espera  toda  valeu  a  pena,  pois  o   almoço   estava   delicioso.   Continuámos   com   a   visita   ao   Museu   da   Ciência,   a   minha   parte   preferida!   Aprendi   muito   com   esta   visita:   vimos   esqueletos   de   antepassados,   animais   embalsamados   (como   preguiças  e  algumas  aves),  visualizámos  o  efeito  que  várias  luzes  de  cores  diferentes  tinham  ao  ser   misturadas,   entre   outras   actividades.   Adorei   a   parte   do   museu,   pois   nunca   tinha   tido   a   oportunidade   de  ver  esqueletos  reais  dos  nossos  antepassados.  Acho  fascinante  a  forma  como  corpos  com  milhões   de   anos   conseguem   aguentar   tanto   tempo   intactos   (um   crânio   ainda   tinha   a   maior   parte   dos   dentes!).  É  um  mistério…   Depois   desta   visita   fantástica,   dirigimo-­‐nos   ao   Anfiteatro   da   Universidade.   Era   enorme!   Assistimos   à   entrega   de   prémios   aos   alunos   vencedores   das   Olimpíadas   da   Física.   Apesar   de   não   termos   ganho   nenhum   prémio,   ganhámos   algo   mais   importante:   um   dia   fantástico   com   novas   experiências  e  novos  amigos.   À   chegada,   vínhamos   muito   cansadas,   mas   não   deixámos   de   nos   divertir   durante   a   viagem.   E   até  ganhámos  uma  t-­‐shirt!!!”  

  A  Fidalgorialista  Patrícia  Florindo     “No   dia   24   de   Abril   de   2010,   participámos   nas   Olimpíadas   da   Física   de   2010,   em   Coimbra.   Aí,   realizámos   uma   prova   dividida   em   duas   partes:   uma   parte   prática,   relativa   à   electricidade,   e   uma   parte  teórica  relativa  a  grandezas  vectoriais.  Para  finalizar,  visitámos  o  museu  da  Ciência.   Foi   uma   experiência   enriquecedora   com   a   qual   tivemos   oportunidade   de   aprofundar   os   nossos  conhecimentos  sobre  física  e  ciência  e  conhecer  um  pouco  mais  de  Coimbra.”    

Diana  Tavares,  9.ºD  

           9  


As  Nossas                                                  Actividades…  

25  de  Abril  no  IDL     No   âmbito   das   comemorações   do   36.º   aniversário   do   25   de   Abril,   o   Departamento   de   Ciências   Sociais   e   Humanas   do   Instituto   Duarte   de   Lemos  assinalou  a  efeméride  com  um  conjunto  de   iniciativas  que  envolveram  a  comunidade  escolar.   Pela  

manhã,  

os  

alunos  

distribuíram  

às  

professoras,   funcionárias   e   mães   dos   alunos   cravos   com   poemas   alusivos   à   temática   da   liberdade,   enquanto   na   Ludoteca   da   Escola   passava   um   documentário   e   uma   galeria   de   imagens   sobre   o   período   do   Estado   Novo   e   a   Guerra   Colonial,   além   de   alguns   dos   temas   musicais  mais  marcantes  da  época  do  25  de  Abril.     Na  parte  da  tarde,  os  alunos  do  9.º  ano  de  escolaridade  dirigiram-­‐se  para  o  ginásio   onde   tiveram   a   possibilidade   de   assistir   à   declamação   de   poemas   da   autoria   de   Manuel   Alegre  e  Jorge  de  Sena,  ditos  pelas  alunas  Ana  Cláudia  e  Sara  Pinheiro,  do  9.º  B,  e  escutar  a   interpretação  da  música  “E  depois  do  Adeus”  imortalizada  por  Paulo  de  Carvalho,  por  Marta   Marques  do  8º  E,  acompanhada  ao  piano  pelo  Professor  Pedro  Lourenço.     Posteriormente,  procedeu-­‐se  à  visualização  do  filme  “Capitães  de  Abril”,  antecedida   de  uma  breve  contextualização  histórica  pelo  Director  Pedagógico  António  Pinho.     Tratou-­‐se   de   mais   um   dia   pleno   de   participação   da   comunidade   escolar,   que   dessa   forma  se  associou  a  uma  das  datas  mais  importantes  da  nossa  História  recente.  Desta  forma,   cumpriram-­‐se   plenamente   os   objectivos   associados   à   comemoração   do   Dia   da   Liberdade.   Por   um   lado,   sensibilizar   os   alunos   para   a   importância   do   conhecimento   e   divulgação   da   História   como   instrumento   fundamental   para   a   compreensão   do   mundo   em   que   vivemos;   por   outro,   salientar   o   papel   desempenhado   pelas   várias   formas   de   expressão   artística   e   cultural   (poesia,   música   e   cinema)   como   meios   de   defesa   e   de   transmissão   de   ideias   e   valores  políticos.        

           10  


As  Nossas                                                  Actividades…      

Dia  Mundial  da  Dança    

No   âmbito   da   comemoração   do   “Dia   Mundial   da   Dança”,   o   Instituto   Duarte   de   Lemos   promoveu   uma  actividade,  dinamizada  pelo  Clube  Ar(e)s  d’Ensaio,   Núcleo   de   Dança,   cujos   principais   objectivos   foram   a   sensibilização   para   a   importância   da   Dança   como   manifestação   artística   e   forma   de   expressão   e   a   importância   da   mesma   como   meio   de   socialização.   Esta   actividade   contou   com   a   participação   de   muitos   alunos   que   mostraram   à   comunidade   escolar   diferentes   estilos   de   Dança   através   de   pequenas   coreografias   elaboradas   e   ensaiadas   pelos   mesmos.   Para   além   disso,   a   actividade   contou   com   a   participação   do   Núcleo   de   Dança   e   da   turma   do   7.ºC   que   apresentaram   duas   coreografias.   Uma   vez   que,   muitos   alunos   e   a   comunidade   escolar,   em   geral,   aderiram   à   actividade   com   entusiasmo   e   interesse,   consideramos  que  esta  actividade  foi  importante  para   a   divulgação   desta   expressão   artística,   que   começa   a   estar   cada   vez   mais   enraizada   nas   escolas.   Será   sem   dúvida  uma  experiência  a  repetir  no  próximo  ano!    

           11  


As  Nossas                                                  Actividades…    

SEMANA  DA  MATEMÁTICA         De   26   a   30   de   Abril,   decorreu   no   IDL   a   Semana   da   Matemática  recheada  de  actividades  matemáticas.     Na   segunda-­‐feira,   54   alunos   do   2.º   ciclo   assistiram   a   uma  palestra  subordinada  ao  tema  “Música  e  Matemática”.   Na   terça-­‐feira,   os   alunos   do   8.º   ano   de   escolaridade   realizaram  o  Teste  Intermédio  Nacional  de  Matemática.   Na  quarta-­‐feira,  64  alunos  do  3.º  ciclo  deslocaram-­‐se  à   Universidade   de   Aveiro   para   participar   nas   competições   “Equamat”,   “Dar@Língua”   e   “Geonet”.   Em   todas   estas   competições   obtiveram   excelentes   resultados   tendo,   inclusivamente,   recebido   prémios   destinados   às   melhores   equipas.   No   dia   seguinte,   foi   a   vez   dos   alunos   do   2.º   ciclo   colocarem  à  prova  os  seus  conhecimentos  nas  competições   “Maismat”  e  “Dar+@Língua”.  Todas  as  equipas  estão  de  parabéns  pelo  seu  desempenho.   A  semana  encerrou  com  chave  de  ouro  e,  desta  feita,  65  alunos  do  3.º  ciclo  assistiram  a  uma   palestra.   A   referida   palestra   serviu   para   conhecer   as   relações   entre   estas   duas   áreas   e   a   sua   complementaridade,   sendo   apresentada   pela   professora   Helena   Margarida   Gomes,   docente   de   Matemática   na   Escola   Superior   de   Educação   de   Viseu,   subordinada   ao   tema   “Música   e   Matemática”.    

           12  


As  Nossas                                                  Actividades…     Na   Ludoteca   da   nossa   escola,   alguns   alunos   das   turmas   do   2.º   e   3.º   ciclos   assistiram   a   um   excerto  do  filme  “Donald  no  País  da  Matemágica”  onde  tomaram  conhecimento  da  descoberta   da  escala  musical,  no  séc.  VI  a.C.,  que  orientou  os  Pitagóricos  na  construção  do  suposto  primeiro   instrumento  musical  acústico  chamado  Monocórdio.  Os  alunos  conheceram  algumas  relações  da   Matemática   e   da   Música   e   puderam   assistir   a   alguns   excertos   musicais   bastante   ligados   à   Matemática.   Em   complementaridade,   foi   elaborado   e   distribuído   por   todos   os   alunos   e   professores  um  panfleto  subordinado  a  este  tema,  justificando  tal  parentesco  com  exemplos  e   curiosidades.   Em   paralelo,   os   professores   de   Matemática,   de   acordo   com   o   nível   de   escolaridade,   realizaram   com   os   alunos,   na   sala   de   aulas,   actividades,   demonstrações   e   debates   que   reforçaram  a  compreensão  da  articulação  entre  as  disciplinas  referidas.   A  actividade  foi  do  agrado  dos  organizadores  e  satisfez  a  curiosidade  de  todos  os  alunos  que   nela  participaram.    

Equamat  e  Dar@Língua    

Nos   dias   28   de   29   de   Abril,   alguns   alunos   da   nossa   escola   participaram   em   mais   uma  

edição  das  competições  Equamat,  Dar@Língua,  Maismat  e  Dar+@Língua.  A  sua  participação  foi   extremamente   meritória,   tendo   conseguido   um   honroso   décimo   sétimo   lugar,   entre   cento   e   trinta  escolas,  na  competição  Equamat.     Ao  nível  da  Língua  Portuguesa,  nos  projecto  Dar+@Língua,  destacou-­‐se  a  equipa  formada   pelos   alunos   Ruslana   Savchuk   e   Rui   Pedro   Santos,   que   alcançou   um   excelente   segundo   lugar   entre  cinquenta  e  cinco  equipas,  ao  nível  do  5.º  ano.     Em  relação  ao  Dar@Língua,  destinado  a  alunos  do  terceiro  ciclo,  as  equipas  constituídas   pelos  alunos  Daniela  Faria  /Ana  Rita  Gouveia  e  Emanuel  Oliveira  /  Catarina  Saraiva,  terminaram   as  suas  provas,  respectivamente,  em  terceiro  e  quinto  lugar  (o  que,  entre  117  equipas  do  sétimo   ano,  se  traduz  naturalmente  numa  excelente  prestação).  

           13  


As  Nossas                                                  Actividades…

 

Uma  Aventura…   ALUNAS  DO  INSTITUTO  DUARTE  DE  LEMOS  DISTINGUIDAS            COM  2.º  E  3.º  PRÉMIOS  NO  CONCURSO  NACIONAL  “UMA   AVENTURA…  LITERÁRIA  2010”   As   alunas   Daniela   Génio   do   9.º   ano   e   Carina   Costa   do   7.º   ano   do   Instituto   Duarte   de   Lemos   foram   galardoadas   com   prémios   do   Concurso   Nacional   “Uma   Aventura…   Literária   2010”,   respectivamente  o  2.º  lugar  na  modalidade  de  ilustração  e  o  3.º  na  de   crítica  literária.    Os   trabalhos   premiados   foram   seleccionados   de   entre   10366   trabalhos   individuais   e   de   grupo   apresentados   a   concurso,   enviados   por   mais   de   seiscentas  escolas  do  ensino  básico  e  secundário  de  todo  o  país.    A  cerimónia  pública  de  entrega  de  prémios  teve  lugar  em  Lisboa,  no  decurso   da  Feira  do  Livro  patente  no  Parque  Eduardo  VII,  no  dia  10  de  Maio,  e  contou   com   a   presença   das   escritoras   Ana   Maria   Magalhães   e   Isabel   Alçada   que,   pessoalmente,  entregaram  os  prémios  às  referidas  alunas.     Os   docentes   coordenadores   de   ambos   os   trabalhos,   Nelson   Gomes   (ilustração)   e   Clara   Pires   (crítica),  acompanharam   as  referidas  alunas  na  entrega  de  prémios  deste  conhecido  concurso  que  conta  já  com  a  28.ª  edição  e  salientaram,  uma   vez  mais,  o  grande  interesse  da  participação  neste  tipo  de  iniciativas  que  visam,  acima  de  tudo,  promover  a  leitura,  escrita   e  expressão  artística  dos  nossos  alunos.     Para  além  do  merecido  reconhecimento  e  do  grande  orgulho  pelos  prémios  recebidos,  os  trabalhos  destas  “jovens   artistas”  serão  publicados  numa  edição  de  um  dos  próximos  livros  da  famosa  colecção  “Uma  aventura”.     Clara  Pires  e  Nelson  Gomes  

       

           14  

   


As  opiniões  das   alunas  vencedoras  

       Participar   neste   concurso,   neste   projecto   foi,   para   mim,  uma  experiência  muito  enriquecedora.              A   princípio   estava   uma   pouco   apreensiva,   não   sabia   se   devia   participar,   não   sabia   o   que   fazer…   mas   arrisquei,   não   com   o   objectivo   de   ganhar,   mas   sim   de   participar.   No   momento   da   concepção  do  trabalho  houve  certos  factores  que  influenciaram  o   meu   empenho,   tal   como   o   apoio   do   meu   professor   de   Educação   Visual   que   foi   essencial,   pelo   qual   agradeço.   Este   trabalho   foi   muito   interessante,   pois   aproveitei   as   aprendizagens   que   fizemos   sobre   ilustração   narrativa.   Quando   o   professor   nos   propôs   que   elaborássemos   uma   ilustração   de   um   texto,   onde   poríamos   em   prática  os  nossos  conhecimentos  nesta  matéria  e  que,  de  facto,  poderíamos  juntar  o  útil  ao  agradável,  participando   neste  concurso  simultaneamente,  achei  o  desafio  muito  motivador.            Na  hora  da  verdade,  não  queria  acreditar.  Depois  de  um  longo  dia  por  Lisboa,  do  comboio  para  metro,  até  ao   parque  Eduardo  VII,  numa  correria  constante,  a  sensação  de  ter  recebido  tal  prémio,  de  ter  sido  valorizada  pelo   meu  trabalho,  é  simplesmente  indescritível.  Posso  dizer  que  me  despeço  do  9.º  ano  e  desta  escola  em  grande,  e   penso  que  serei  lembrada  por  isso.    

            Ilustração  narrativa:  Foto  do  trabalho  premiado  da  aluna  Daniela  Génio              15  


Foi   um   prazer   participar   neste   concurso   “Uma   Aventura...   Literária   2010”.   Não   esperava   mesmo   vir   a   receber   um   prémio   pela   crítica   que   fiz   a   “Uma   Aventura  na  Falésia”.     Quando   recebi   a   carta   a   dizer   que   o   meu   trabalho   tinha   sido   premiado,   fiquei   muito   feliz   e,   ao   mesmo   tempo,   surpreendida:  no  dia  10  de  Maio  de  2010  iria  ser  a  entrega  dos   prémios.   Quando   chegou   o   dia   de   receber   o   prémio,   estava   um   bocadinho   nervosa,   mas   tudo   passou.   Fomos   de   comboio   até   Lisboa  e  depois  andámos  de  metro  para  irmos  parar  no  local  da   Feira  do  Livro  de  Lisboa.  No  local  estava  muita  gente  a  assistir  à   entrega  de  prémios  e,  quando  eu  fui  chamada  para  ir  receber  o   meu,  fiquei  um  bocado  nervosa  mas,  ao  mesmo  tempo,  feliz  por   estar  a  receber  um  prémio  das  mãos  das  autoras  dos  meus  livros   preferidos:  Ana  Maria  Magalhães  e  Isabel  Alçada.     Os   prémios   foram   um   cheque-­‐livro,   um   diploma   e   ainda   a   possibilidade   do   nosso   trabalho   ser   editado   numa   das   próximas   edições  dos  livros  da  colecção  “Uma  Aventura”.     Este  dia  foi,  para  mim,  muito  marcante  e  jamais  esquecerei   esta  experiência.   Parabéns   a   todos   os   concorrentes   que   participaram   e   nunca  desistam  de  tentar,  porque  nada  é  impossível!   Carina  Duarte  Costa  

   

Crítica  ao  livro  “Uma  Aventura  na  falésia”   Eu  achei  esta  aventura  maravilhosa  e  entusiasmante.   O  Cabo  Espichel  é  magnífico,  já  lá  estive  e  achei  lindo,  mas  quando  li  esta  aventura  entusiasmei-­‐me,  pois  não  fazia   ideia  que  ela  existisse.  Para  além  disto,  no  livro  descrevem  tudo  igual  ao  que  eu  vi.                      Adoro  todas  as  aventuras,  mas  esta  é  incrível,  só  pelo  facto  de  as  autoras  terem  utilizado  o  cabo  Espichel,  o  Farol,  a   praia   do   Lagosteiro,   entre   outros   locais,   para   escreverem   mais   uma   aventura   em   que   os   nossos   cinco   aventureiros   se   colocam  em  perigo  para  resolverem  mais  um  mistério.                      Também  achei  muito  bom  as  autoras  terem  colocado  “Paul”  e  os  cinco  amigos  a  comunicarem  em  Inglês,  pois  assim   vemos  que  a  qualquer  momento  pode  ser  necessário  utilizarmos  essa  língua  magnífica  e  de  tanta  utilidade.                      Desde  que  recebi  o  primeiro  livro  da  colecção  “Uma  Aventura”  nunca  mais  consegui  parar  de  os  ler.  Espero  que  as   autoras  continuem  a  utilizar  aspectos  da  História  de  Portugal,  os  nossos  costumes  de  Norte  a  Sul  do  país  para  que  fiquemos   também  a  saber  um  pouco  mais  sobre  a  nossa  identidade.  Adoro  a  criatividade  e  imaginação  que  é  colocada  nos  livros  e   que  nos  fazem  vibrar  ao  lermos  cada  nova  aventura.  

O  trabalho  premiado  da  aluna  Carina  Costa              16  


As  Nossas                                                  Actividades…  

 

Competição  Supertmatik   O  aluno  Élio  Teixeira  Santos,  do  8.ºC,  do  Instituto  Duarte  de  Lemos,  

é  o  2.º  no  Top  10  Nacional,  na  Competição  Supertmatik  Cálculo  Mental.   Este   é   um   excelente   resultado   atendendo   a   que   esta   competição   envolveu  muitos  milhares  de  concorrentes  de  escolas  de  todo  o  país.   Além   do   referido   segundo   lugar   em   cálculo   mental,   houve   ainda   dois   outros   alunos   do   Instituto   Duarte   de   Lemos   que   alcançaram   classificações   entre   os   dez   primeiros,   a   nível   nacional,   na   prova   relativa   às   Ciências   Naturais:   Pedro  Melo,  do  9.ºC,  alcançou  um  excelente  quarto  lugar  entre  os  alunos  do  nono  ano,  tendo  o   aluno  João  Paulo  Baltazar,  do  7.ºD,  ficado  em  décimo  lugar  na  competição  destinada  ao  sétimo   ano.       Os   resultados   alcançados   assumem   particular   relevância   uma   vez   que   se   tratam   competições   a   nível   nacional   e   que   envolveram   nos   seus   diversos   escalões   cerca   de   220.000   alunos.        

Semana  das  Leituras  e  do  Leitor   Entre  os  dias  17  e  21  de  Maio,  o  Departamento  de  Línguas  do  Instituto  Duarte  de  Lemos   levou   a   cabo   a   Semana   das   Leituras   e   do   Leitor,   que   consistiu   num   conjunto   de   iniciativas   que   tiveram  como  objectivo  fomentar  nos  alunos  o  gosto  pela  leitura.       Ao   longo   desta   semana   realizou-­‐se   o   concurso   “Quem   Quer   Ser   Dicionário?”,   a   final   do   “Campeonato  da  Língua  Portuguesa”,  o  projecto  “Convence-­‐me  a  Ler”,  além  da  dinamização  de   aulas  de  Língua  Portuguesa  na  Biblioteca.     A   Semana   das   Leituras   e   do   Leitor   no   Instituto   Duarte   de   Lemos   culminou   com   a   cerimónia   de   entrega   de   prémios   da   segunda   edição   do   Concurso   Literário   “Prémio   D.   Duarte   de   Lemos”,  que  decorreu  no  dia  21  de  Maio  no  Cine-­‐Teatro  S.  Pedro.  

           17  


As  Nossas                                                  Actividades… II  EDIÇÃO  DO  CONCURSO  LITERÁRIO  D.  DUARTE  LEMOS   CERIMÓNIA  DE  ENTREGA  DE  PRÉMIOS      

No   passado   dia   21   de   Maio,   pelas   21   horas,   decorreu   no   Cine-­‐Teatro   S.   Pedro   de   Águeda   a   cerimónia   de   entrega   de   prémios   da   segunda   edição   do   Concurso   Literário   “Prémio   D.   Duarte   de   Lemos”,  promovido  pelo  Departamento  de  Línguas   do  Instituto  Duarte  de  Lemos.   Esta  iniciativa  pretendeu  promover  o  gosto   pela   escrita   e   homenagear   o   senhor   da   Trofa,   D.   Duarte  de  Lemos.     Tal   desafio   foi   lançado   a   nível   nacional   e   teve  como  público-­‐alvo  os  alunos  do  terceiro  ciclo   do  ensino  básico.  Houve  uma  enorme  adesão  por   parte  de  várias  escolas  de  todo  o  país,  tendo  sido   apresentados   a   concurso   cerca   de   duzentos   e   cinquenta  trabalhos.    A   selecção   foi   criteriosamente   feita   por   um   júri   composto   pela   conceituada   escritora   Ana   Maria   Magalhães   (co-­‐autora   da   colecção   Uma   Aventura),   Doutora   Elsa   Corga   (vereadora   do   Pelouro   da   Cultura   e   do   Desporto   da   Câmara   Municipal  de  Águeda),  Doutora  Madalena  Teixeira   (docente   do   Ensino   Superior),   Doutoranda   Gisela   Pena  (docente  do  Instituto  Duarte  de  Lemos),  um   representante   da   Comissão   Científica   da   Porto   Editora  e  o  Director  Pedagógico  do  Instituto  Duarte  de  Lemos.   Após   rigorosa   avaliação,   foram   elencados   como   vencedores   os   trabalhos   “Quinta   das   Horas  Vagas”,  da  autoria  de  Maria  Margarida  Alves,  do  Instituto  Duarte  de  Lemos;  “Guarda-­‐Rios?   O  que  é  isso  avô?”,  da  turma  do  9.ºB  da  Escola  3/Secundária  Martinho  Árias  de  Soure,  de  Soure  e   “A  Viagem  de  Pedra”,  de  Patrícia  Florindo,  do  Instituto  Duarte  de  Lemos,  nomeadamente  com  o   primeiro,  segundo  e  terceiro  prémios.      

           18  


As  Nossas                                                  Actividades…

  O   primeiro   prémio   foi   entregue   pela   Sra.   Vereadora,   Dra.   Elsa   Corga,   o   segundo   pelo   Prof.   José   Coelho  e  pela  Prof.ª  Lurdes  Coelho,  em  representação  da   EPT   (proprietária   do   Instituto   Duarte   de   Lemos)   e   o   terceiro   pela   Doutora   Madalena   Teixeira,   em   representação   do   Júri.   As   Menções   Honrosas   foram   entregues   pelos   Profs.   António   Pinho   e   Inês   Picado,   respectivamente  Director  Pedagógico  e  Coordenadora  do   Departamento  de  Línguas  do  IDL.       Dada   a   elevada   qualidade   dos   trabalhos   apresentados   a   concurso,   o   júri   decidiu   ainda   atribuir   três   Menções   Honrosas:   “Condenados   à   Vida,   Condenados   à   Morte”,  da  autoria  de  Francisco  de  Nolasco  Santos,  da  Escola   Básica   2,3   Professor   Artur   Nunes   Vidal,   de   Fermentelos;   “A   Capuchinho  Roxo  –  O  que  realmente  aconteceu”,  redigido  por   Francisco   Cardoso,   da   Escola   Básica   dos   2/3   ciclos   Francisco   Torrinha,   do   Porto;   e   “O   Mar   de   Madalena”,   de   Maria   Madalena   de   Sá   Leitão,   da   Escola   Básica   Nicolau   Nasoni,   do   Porto.   A  cerimónia  contou  com  a  participação  do  Clube  Ar(e)s   d’Ensaio,  que  engloba  o  Núcleo  de  Teatro  e  Dança,  e  ainda  o   Clube   da   Música   do   Instituto   Duarte   de   Lemos.   Estes   pequenos   grandes   artistas,   que   tão   bem   abrilhantaram   esta   cerimónia   com   as   suas   prestações,   são   mais   uma   prova   do   espírito   que   esta   escola   promove,   o   de   uma   Escola   Viva,   Activa   e  Aberta.     O  Instituto  Duarte  de  Lemos  agradece  a  todos  quantos   tornaram   possível   esta   actividade,   desde   a   organização   do   Prémio  às  centenas  de  pessoas  que  encheram  o  Cine-­‐Teatro  S.   Pedro,   pois   cada   um   contribuiu   à   sua   maneira   para   mais   este   momento   inesquecível   na   vida   desta   instituição   que   há   treze   anos   se   vem   afirmando   inequivocamente   no   panorama   educativo,  cultural  e  social  de  Águeda.              

           19  


As  Nossas                                                  Actividades… IV  Campeonato  Escolar  SuperTmatik  Cálculo  Mental  

O   IV   Campeonato   Escolar   SuperTmatik   Cálculo   Mental   é   uma   iniciativa  ao  nível  da  educação  matemática,  com  uma  fantástica  adesão  por   parte  da  comunidade  escolar.   Em   apenas   quatro   anos,   a   participação   de   alunos   evoluiu   das   12   000,   1.ª   edição   2006/2007,   para   as   120   000   no   presente   ano   lectivo   –   1   370   escolas,   28   nacionalidades   –,   tornando   o   evento   uma   referência   a   nível   nacional  com  uma  projecção  internacional  crescente.   Destinado   a   alunos   do   Ensino   Básico   (1.º,   2.º   e   3.º   ciclos),   a   competição  baseia-­‐se  na  utilização  do  jogo  SuperTmatik  Cálculo  Mental,  um   material   didáctico   que   alia   a   estimulação   mental   ao   divertimento.   Esta   é   uma  das  estratégias  pedagógicas  de  eleição  para  gerar  motivação   extra   e,   assim,   contribuir   para   a   superação   das   tradicionais   barreiras   que   os   alunos   sentem   relativamente   à   disciplina   de   Matemática,  com  destaque  para  o  cálculo  mental.     Numa   1.ª   fase,   realiza-­‐se   o   Campeonato   intra-­‐turma   (partidas   disputadas   entre   alunos   da   mesma   turma,   mesma   escola,   para   apuramento   do   campeão   de   turma)   e,   posteriormente,  inter-­‐turma  (partidas  disputadas  entre  alunos  de   turmas  diferentes,  mesmo  escalão  de  competição,  mesma  escola,   para  apuramento  do  campeão  de  escalão  por  escola,  que  passa  à  próxima  fase).   Numa  2.ª  fase,  realiza-­‐se  o  Campeonato  inter-­‐escolas,  com  partidas  individuais,  disputadas  online   pelos  alunos  campeões  de  escola  para  apuramento  dos  campeões  internacionais  por  escalão  e  os  quatro   melhores   alunos   portugueses   que   participam   na   Final   Nacional   presencial,   em   Cascais.   Estes   quatro   alunos  recebem  o  troféu  “Estrela  de  Cristal”,  Diplomas,  Jogos  e  T-­‐shirts  oficiais  superTmatik.   O   aluno   Élio   Teixeira   Santos,   do   8.ºC,   conseguiu   um   honradíssimo   2.º   lugar   no   seu   escalão,   a   nível   nacional.  No  dia  24  de  Maio  esteve,  no  Centro  Cultural  de  Cascais,  a  participar  na  Final  Nacional.  Recebeu   os   respectivos   prémios   e   a   nossa   Escola   recebeu   um   Diploma   de   Escola   Finalista.   Estamos   muito   orgulhosos  com  o  desempenho  deste  aluno  que  levou  longe  o  nome  do  Instituto  Duarte  de  Lemos.    

           20  


21  


22  


23  


12.º  Encontro  Nacional  das  Escolas  Unesco     Decorreu,   de   14   a   16   de   Maio,   o   12.º   Encontro   Nacional   das   Escolas   Unesco,   em   Santarém,   com   a   presença   do   Embaixador   Fernando   Andresen   Guimarães,   a   Secretária   Executiva   da   Comissão   Nacional   da   Unesco,   Dra.   Manuela   Galhardo,  a  Representante  SEA  Unesco  de  Espanha,  Dra.  Rufina  Moreno  e  a  Representante  SEA  Unesco  de  Cabo-­‐               -­‐Verde,  Dra.  Glória  Pimenta.     O   Instituto   Duarte   de   Lemos,   como   escola   associada   desde   Junho   de   2001,   fez-­‐se   representar   neste   encontro   subordinado   ao   tema   “Património,   Patrimónios”,   durante   o   qual   os   representantes   das   63   escolas   do   país   procederam  à  aferição  de  dinâmicas  e  metodologias  a  levar  a  cabo  durante  o  ano  lectivo  de  2010/2011.       No  âmbito  deste  encontro  foram  consolidadas  as  parcerias  com  a  Escola  EB2,3  do  Caniço,  na  Madeira,  na  pessoa  da   Professora   Cristina   Freire,   no   sentido   de   se   continuar   a   trabalhar   no   estudo   das   matas   do   Buçaco   e   de   Laurissilva   e   com  o  Centro  de  Ensino  da  Assomada  de  Cabo  Verde,  na  pessoa  do  Dr.  Dionísio  Ferreira,  no  sentido  da  Promoção   da  Paz  por  via  do  diálogo  intercultural  e  a  Língua  Portuguesa.  

   

Inter-­‐Escolas  Diocesano  de  EMRC     O   Inter-­‐Escolas   foi   uma   experiência   espectacular!   A   viagem   correu   bem   e   tivemos   oportunidade   de   conhecer   outros   alunos   e   professores.   O   local   escolhido   para   este   encontro   foi   Anadia.   Quando   chegámos,   dirigimo-­‐nos   para   um   grande   anfiteatro   ao   ar   livre   onde   passámos   parte   da   manhã   na   companhia  de  algumas  escolas.  Éramos  muitos:  cerca   de   3300   alunos   de   EMRC   da   Diocese   de   Aveiro,   a   representar   as   escolas   quase   todas.   Seguiu-­‐se   uma   longa   caminhada,   durante   a   qual,   orgulhosamente,   levámos   uma   faixa   com   a   indicação   da   nossa   zona:   «ÁGUEDA».     Durante   a   tarde   houve   tempo   para   tudo:   barraquinhas,   insufláveis,   danças,   música,   brincadeiras,   convívio…   Eu   acho   que   foi   fantástico,   divertido  e  educativo.  Espero  voltar  um  dia.  Ajudou-­‐             -­‐me  a  crescer  por  dentro  e  a  ver  que  somos  muitos  e  felizes.     Termino,  partilhando  convosco  a  mensagem  deste  ano  do  Inter-­‐Escolas:  «EMRC  diz:  Quero  ser  feliz!»      

João  Almeida,    7.ºD    

           24  


AAs  s  NNossas   ossas                                                        A  Actividades… ctividades…

     

PREGA-­‐PARAFUSOS     Neste  ano  lectivo,  2009/2010,  nas  aulas  de  Educação  Tecnológica  do  9.ºD  formou-­‐se  uma   equipa  de  trabalho,  que  ganhou  fama  pelos  trabalhos  realizados  até  ao  momento.   Esta  equipa  chama-­‐se  os  “Prega-­‐Parafusos”  e  foi  formada  no  início  do  primeiro  período.   Começou   por   ser   uma   equipa   de   manutenção   para   consertar   pequenas   coisas,   tais   como   recuperar   as   bancadas   de   trabalho   da   sala   de   Educação   Tecnológica,   entre   outras,   mas,   mais   tarde,  surgiu  a  oportunidade  de  fazer  trabalhos  maiores!       O   seu   primeiro   grande   trabalho   foi   a   construção   do   Ferramenteiro   para   a   disciplina   de   Edução   Visual.   Este   trabalho   foi   realizado   em   várias   etapas,   tendo   cada   elemento   da   equipa   realizado  tarefas  que  passaram  pela  construção  dos  suportes  para  as  ferramentas  ao  recorte  de   papel  autocolante  com  as  formas  de  diversas  ferramentas.  Mais  tarde,  a  equipa  foi  desafiada  a   construir  objectos  de  decoração  de  Natal.  Os  “Prega-­‐Parafusos”  elaboraram  três  velas  gigantes   que  decoraram  a  nossa  escola.  O  terceiro  trabalho,  no  âmbito  da  Semana  das  Expressões,  foi  a   construção  de  letras  para  a  decoração  e  identificação  do  Pavilhão  das  Artes.  Para  além  de  todos   estes  trabalhos,  esta  equipa  procedeu  ao  aproveitamento  dos  matraquilhos,  pintando  as  pernas   de  cores  vivas  para  dar  um  aspecto  mais  lúdico  ao  espaço.   Ao  longo  do  terceiro  período,  esta  maravilhosa  equipa  construiu  letras  para  a  decoração  e   identificação   da   Ludoteca   e   Refeitório/   Bar   da   escola.   A   par   deste   trabalho,   procedeu   à   construção  de  um  Aquecedor  Solar  e  de  um  banco  de  cimento  para  a  escola.  Este  último  projecto   foi  realizado  em  colaboração  com  a  disciplina  de  Educação  Visual  do  9.ºD.   Esta  equipa  foi  comandada  por  o  Professor  Nuno  Saraiva  e  tentou  dar  mais  vida  à  escola   para  que  todos  os  alunos  pudessem  desfrutar  do  melhor  que  nela  existe.                                                                                                      

           25  


Área  de  Projecto      

     

  Ao   longo   deste   ano   lectivo,   a   nossa   turma   trabalhou   o   tema   “Educação   para   o   Consumo”,   no   que   se   refere   à   Água   e   à   Electricidade.  Assim,  fizemos  uma  pesquisa  sobre  a  importância   destes   recursos,   realizámos   questionários   à   comunidade   escolar   sobre   os   hábitos   de   consumo,   elaborámos   panfletos   informativos   sobre   a   água   e   a   electricidade   e   fizemos   uma   recolha   de   dicas   importantes   para   poupar   as   mesmas.   Para   além   disso,   elaborámos   e   organizámos   alguns   materiais   que   estarão  patentes  na  exposição  de  Área  de  Projecto  no  final  do   ano.   Desta   forma,   todos   terão   oportunidade   de   aprender   que   devemos  ter  um  papel  activo  na  protecção  do  meio  ambiente,   nomeadamente  na  redução  da  utilização  dos  recursos  naturais   que   estão   à   nossa   disposição.   Se   adoptarmos   determinados   hábitos  no  nosso  dia-­‐a-­‐dia,  poderemos  ajudar  à  preservação  do   meio   ambiente   e   poupar   muito   dinheiro   nas   facturas   da   água   e   da   luz.   Lançamos   o   desafio   a   toda   a   comunidade   escolar   para   colocar   em   prática   as   dicas   que   redigimos   ao   longo   do   ano,   deixando,  ainda  uma  mensagem:      

Não  sejas  negligente,  protege  o  meio  ambiente!       Turma  do  7.ºE  

                   26  


Jovens Poetas                                        

 

Não  tenhas  medo  

Terá  sido  erro  meu?  

  “Sobe,  sobe  

  Parou.  

Não  tenhas  medo,    

E  foi  assim  que  ficou  o  relógio  do  tempo.  

A  tua  vida  vai  começar”  

Esperei  que  avançasse,  

Era  isto  que  ouvia  sempre  que  levantava  o  

mas  por  mais  que  eu  aguardasse,  

olhar.  

nem  com  o  vento  ele  se  movia.  

Estava  na  altura  de  escolher  

Resolvi  então  pensar,  

O  caminho  para  seguir,  

Pensar  por  pensar  não  havia  de  atrapalhar,  

Mas  a  escada  era  tão  alta,  

Pensei  eu  enquanto  o  ponteiro  não  se  mexia.  

Que  eu  tinha  medo  de  cair.  

Por  que  razão  isto  aconteceu?  

A  vista  era  fantástica,  

Terá  sido  erro  meu?  

Repleta  de  amizades  onde  me  apoiar,  

Como,  se  eu  nem  lhe  toquei?  

Gerando  a  coragem  que  me  fez  outro  pé  

Foi  então  que  imaginei  

levantar.  

A  possibilidade  da  minha  vontade  se  ter  

Avancei  mais  um  degrau  daquela  enorme  

tornado  realidade.  

escada  

Seria  verdade?  

Cuidadosamente  deixada  

Poderia  o  meu  desejo  estar  a  acontecer?  

Para  uma  menina  subir.  

Estaria  o  tempo  parado  

Eu  não  sou  de  fugir,  

Para  me  deixar  olhar  o  que  terei  que  

Resolvi  investir  naquilo  que  mais  me  agrada  

abandonar?  

e  foi  assim  que  mais  uma  etapa  foi  alcançada  

Faria  sentido  eu  ter  pedido  tempo  para  

Subindo  um  degrau  daquela  escada,  a  que  

recordar  o  que  terei  que  deixar?  

muitos  chamam  vida.  

Sinceramente  não  sei,  

 

mas  pelo  que  já  pensei,   Sara  Pinheiro  

Vou  aproveitar  esta  interrupção  

 

que  não  foi  minha  intenção,  

 

mas  que  me  está  a  saber  muito  bem.  

 

 

             27  

Sara  Pinheiro  


Jovens Poetas                                        

 

 

 

 

   

   

Lágrimas  de  um  sorriso  

 

 

 

      Deixada  a  sós,   Na  praia  a  ver  o  mar,   Choro…   Choro,  porque  não  tenho  motivos  para  sorrir,   Choro  por  ter  razões  para  o  fazer.   Choro,  porque  choro,   Choro  de  tristeza,   Choro  de  sofrimento,   Simplesmente,   Choro…   Ali,  à  parte  do  mundo,   Eu  choro.   Dividida  entre  todas  as  decisões     Que  são  precisas  tomar,   Aquele  sítio  é  o  único  lugar,   Em  todo  o  mundo,   Em  que  posso  chorar  e  desabafar   Comigo  mesma,  sem  ninguém  me  interrogar                    28  

  Por  que  choro   Qual  o  motivo  da  minha  tristeza   e  se  estou  bem  ou  não…   Se  me  perguntassem,  diria  que  chorava  para   passar  o  tempo   E  afirmava  convictamente  que  não  se  passava     nada,   Mas…  estaria  a  mentir.   Uma  lágrima  nunca  cai  por  cair,  há  sempre  um   motivo  para  tal!   Naquele  momento  levantei-­‐me  e  calquei   A  última  lágrima  que  iria  cair  do  meu  rosto,   Naquele  dia.   Desta  forma,   Ao  calcá-­‐la,   Esquecer-­‐me-­‐ia  do  motivo  pelo  qual  ela  tinha   caído   E  poderia  pedir  de  novo   Algo  que  não  tinha  naquele  momento:   Um  sorriso!!   Inês  Henriques,  7.ºA    


Jovens Poetas  

 

 

 

 

 

 

 

A  palavra  mágica  

 

 

                                     

 

Uma  palavra  mágica,  

E  a  palavra  é  

Eu  te  vou  contar,    

A  palavra  é  Recontar,  

Pois  ela  é  espantosa,  

Diz-­‐me  lá  então  

Espantosa  de  fartar!!!  

Se  não  é  para  todo  o  sempre  a  recordar!!!  

 

  Isabel  Beatriz,  5.ºA  

Quatro  poderes  tem     E  eu  te  vou  dizer,  

 

Um  é  não  deixar  

     

Não  deixar  de  ler.  

A  PAZ  

 

 

O  segundo  é  

A  paz  é  um  mundo  sem  guerras,  

Não  deixar  de  escrever,  

É  o  amor  e  o  carinho.  

A  não  ser,  claro,    

A  paz  é  importante  na  vida  

Que  o  texto  acabes  de  fazer!!!  

E  não  é  só  um  bocadinho.  

 

 

E  o  terceiro  

A  paz  é  de  ouro,  

Vai-­‐te  encantar,    

É  indispensável  na  vida  

Pois  ele  vai  

A  paz  é  sagrada  

Pôr-­‐te  a  cantar.  

É  uma  luta  despedida.  

 

 

Finalmente,  o  quarto  

João  Nuno  Silva,  5.ºA      

Que  te  vai  espantar,     É  dar  criatividade   Criatividade  para  sonhar.              29  

     


Jovens Poetas  

 

   

 

                                     

A  paz  é  a  calma  da  Primavera,  

A  paz  é  o  carinho.  

São  os  mares,  as  colinas  e  as  serras.  

E  é  o  amor.  

A  paz  são  os  melhores  cheiros    

A  paz  é  a  alegria.  

Que  se  podem  encontrar  na  Natureza,  

A  paz  é  a  calma  

São  os  sons  maravilhosos  da  vida,  

E  é  o  sossego.  

São  as  vistas  lindíssimas  deste  mundo!!!  

A  paz  é  a  união.  

A  paz  é  superior  a  tudo  mais,  

A  paz  é  uma  pomba  que  voa.  

Por  isso  a  paz  é:  

A  paz  é  um  grande  amigo.  

A  maravilha!  

A  paz  são  os  casais  de  namorados.   Cristiana  Correia,  5.ºA     A  paz  é  tudo  de  bom!!!  

 

Francisco  Branco,  5.ºA  

A  paz  são  as  amizades  que  nos  rodeiam,  

 

Liberdade        

A  paz  é  uma  harmonia,   A  paz  é  uma  pomba  que  voa  em  liberdade.  

 

A  paz  é  um  sol  que  nos  ilumina,    

Sem  liberdade  

A  paz  são  as  coisas  boas  que  existem,    

Nem  quero  imaginar…  

A  paz  é  o  carinho  que  nos  dão.  

Ainda  bem  que  há  36  anos  

A  paz  é  a  união,    

A  liberdade  começou  a  chegar!!!  

A  paz  é  o  que  devemos  ter  no  nosso  coração!!!  

 

Isabel  Beatriz,  5.ºA  

O  25  de  Abril  

 

Foi  uma  revolução  

A    paz  

E  tudo  começou  

A  paz  é  a  alegria,  

Com  uma  canção.  

A  paz  é  o  amor,  

 

A  paz  é  a  amizade  

O  Povo  saiu  à  rua,  

e  os  amigos.  

Pôs  cravos  nas  armas  

A  paz  é  saber  perdoar  

Os  militares  festejaram  

E  é  ser  bondoso!!!  

E  deram  boleia  às  suas  amadas!   Henrique  Jesus,  5.ºA  

      ��    30  


Jovens Poetas                                      

 

 

O  Povo  ficou  contente  

Já  imaginaram  

Por  começar  a  Democracia,  

Viver  na  Ditadura,    

Ninguém  imaginava  

As  pessoas  viviam  

O  que  Salazar  fazia.  

Em  clausura!!!  

 

 

Para  mim,  a  Liberdade  

Ninguém  tinha  liberdade,  

É  uma  coisa  difícil  de  imaginar,  

A  não  ser  Salazar,    

Só  isso  para  mim  

Pois  ele  mandava  em  tudo,  

Custa  a  tentar  imaginar.  

Enquanto  o  povo  ficava  a  chorar!!!  

 

 

A  Liberdade  é  poder  falar,  

Quando  Salazar  morreu,    

A  Liberdade  é  poder  viver,  

Veio  Marcelo  Caetano,    

É  poder  imaginar,    

Que  melhorou  um  pouco.  

E  é  poder  amigos  ter!!!!  

Aquele  ano!!!  

 

 

Chegou  a  Democracia,  

Não  governou  muito,  

A  Ditadura  acabou,    

Porque  veio  a  Revolução,  

Salazar  foi  posto  abaixo  

Que  Salgueiro  Maia  

E  uma  nova  vida  começou!!!  

Chefiou  a  instituição.  

 

 

Viver  sem  Liberdade,    

Foi  a  25  de  Abril,  

É  como  um  cão  ser,    

Que  tudo  aconteceu,  

Estar  na  cadeia  sem  ninguém,    

Foi  graças  a  Salgueiro  Maia,  

Como  se  estivéssemos  a  morrer!!!  

Que  liberdade  tenho  eu!!!  

 

 

Estamos  num  país  democrático  

Felizmente  hoje,    

E  não  num  de  Ditadura,    

Não  há  Monarquia,    

Somos  livres,  nós  falamos,  

Também  não  é  Ditadura,  

Atrás  de  nós  já  não  há  armaduras!!!  

Mas  sim  Democracia.  

Cristiana  Correia,  5.ºA              31  

Isabel  Costa,  5.ºA  


Jovens Poetas                                      

 

 

 

 

Mãe,  querida  mãe!!!  

 

 

A  minha  grande  mãe  Paula,  

Mãe,  adoro-­‐te,  

É  a  melhor  mãe  de  Portugal,  

Estás  sempre  no  meu  coração,  

Uma  mãe  como  tu,  

Às  vezes  chateio-­‐te,  mas  

No  mundo  não  há  igual.  

Quando  preciso  dás-­‐me  sempre  a  mão.  

  Miguel  Branco,  5.ºA  

  Tânia  Ferreira,  5.ºA  

 

 

 

É  o  Dia  da  Mãe,  

 

É  um  dia  especial,  

Mãe  querida,  mãe  querida,  

És  a  melhor  mãe  do  mundo,  

Adoro-­‐te  tanto  como  tu  a  mim,  

Como  tu  não  há  igual!!!  

Quero  agora  dizer-­‐te  ,  

 

Que  o  meu  amor  por  ti  não  tem  fim.  

Adoro-­‐te,  mãe!  

 

És  linda  como  uma  flor,  

Adoro-­‐te  mesmo,  

Tens  tudo  de  bom,  

És  a  melhor  mãe  do  mundo,  

Obrigado  pelo  teu  amor.  

Num  sítio  que  caiba  o  meu  amor  por  ti,  

                               Francisco  Branco,  5.ºA  

É  num  buraco  sem  fundo.     João  Nuno  Silva,  5.ºA  

   

 

O  teu  grande  carinho,  

 

O  amor  e  a  paixão,  

Mãe  é  o  teu  dia,  

Guardo-­‐os  bem  fechadinhos,  

Agradeço  o  amor  que  me  dás,  

Dentro  do  meu  coração.  

Sem  ti  não  sei  o  que  seria,  

 

Só  tu  me  dás  paz!!!   Joana  Abrantes,  5.ºA  

  Karine  Silva,  5.ºA  

           32  


Jovens Poetas                                        

 

 

 

Adoro-­‐te,  querida  mãe,  

O  teu  amor  não  tem  fim,  

Nunca  me  vou  separar  de  ti,  

Olhas  sempre  por  mim.  

O  teu  amor  é  infinito,  

Mãe,  eu  amo-­‐te  

E  o  meu  não  tem  fim.  

E  sempre  te  amarei!!        

 

   

Agradeço-­‐te,  querida  mãe,  

Isabel  Costa  5.ºA  

Sem  ti  não  havia  alegria  

 

E  no  meu  coração  

 

Estou  contigo  de  noite  e  de  dia.  

 

 

  Cristiana  Correia,  5.ºA  

 

 

 

 

 

 

 

Viva,  viva,  

 

Vamos  comemorar,  

 

Com  este  dia  especial,  

 

Que  é  de  alegrar!!!  

Poema  do  Verão  

 

  Neuza  Silva,  5.ºA    

Ó  Verão,  aventureiro,  bombástico  e  cativante,     despreocupado,  exótico,  fenomenal,  guloso,    

   

hilariante,  inigualável,  jubiloso  e  livre,  

Mãe,  eu  adoro-­‐te  

mágico,  notável,  óptimo,  precioso,  

Adoro-­‐te  muito,    

quimérico  e  relaxante,  surpreendente  e  tórrido  

Porque  és  amiga!  

único,  vivo,  xereta  e  zelador,  

Amiga,  porque  me  fazes  companhia,    

vem  com  todo  o  teu  furor!  

Ouves-­‐me  sempre,    

5.ºB  (Oficina  de  escrita)  

 

 

 

 

           33  


Jovens Poetas                                      

 

 

Feliz  Dia  da  Terra!!!    

Hoje  é  Dia  da  Terra  

 

E  nós  vamos  festejar,  

Hoje  é  Dia  da  Terra,  

Este  é  um  dia  importante,  

Por  isso  temos  de  ajudá-­‐la,  

Vem  connosco  comemorar!!!     Isabel  Beatriz,  5.ºA  

Pois  ela  está  a  sofrer,   Vá  lá,  vamos  salvá-­‐la!!!  

 

 

Ó  Mar  

A  Terra  é  a  nossa  casa,    

 

Não  a  podemos  destruir,  

Ó  Mar,  tu  és  marítimo  e  molhado.  

Vamos  todos  juntos  lutar,  

Tu  és  maravilhoso  e  mágico.  

Para  ela  persistir!!!  

Eu  entro  em  ti  e  tu  molhas-­‐me.  

 

Tu  és  majestoso  e  marinheiro.  

A  Terra  dá-­‐nos  coisas  

É  preciso  um  mapa  para  te  encontrar.  

E  uma  delas  é  o  ar,  

Tens  marisco  para  mim,  mas  às  vezes  és  

Que  todos  nós  precisamos,  

malvado.  

Mas  ele  está  a  acabar!  

Beatriz  Domingues,  5.ºD  

 

 

A  Terra  nós  temos  

A  PRIMAVERA  

De  proteger,  

Amigável,    

Para  um  futuro  melhor,  

Bondosa,    

Conseguirmos  ter!!!  

Compreensiva,  

 

Decidida,  

Mando  um  recado  

Florida,  

A  todos  os  seres  humanos:  

Garras  de  força,  

-­‐  Não  deitem  lixo  nos  rios,  

Incomparável,  

Para  não  sujar  os  oceanos!  

Jeitosa.  

 

Daniela  Tomás,  5.ºD  

 

 

 

 

           34  


Jovens Poetas                                      

 

 

A  Lua  

O  Mar  

  Andar  na  Lua  

  O  mar  é  maravilhoso,  

Sem  foguetão  

O  mar  é  manhoso,  

Com  a  cabeça  no  ar  

O  mar  é  milagroso,  

E  sem  os  pés  no  chão.  

O  mar  é  misterioso,  

  Vamos  alunar  

O  mar  é  majestoso,   O  mar  é  meticuloso,  

Ou  vamos  aterrar?  

O  mar  é  tudo  de  mau  

Somos  astronautas  

E  tudo  de  bom.  

E  vamos  viajar.  

Francisco  Vidal,  5.ºD  

  Vamos  viajar  no  Universo  

 

Pensar  e  imaginar,    

Poema  do  mar    

Chegar  à  Lua  

Ó  mar  maravilhoso,  

Sempre  a  sonhar…  

És  mágico,  majestoso,   És  marítimo,  marinheiro.  

Rui  Santos,  5.ºD    

Por  vezes  és  meigo  e  outras  matreiro.  

Poema  sobre  o  mar  

Ó  mar,  és  menino  mau.  

Ó  mar,  maduro  e  mágico  

 

 

 

És  malandro,  malvado  e  mimado.  

Magistral  e  magnético  

 

 

 

Ó  mar,  nas  tuas  águas    

Magnífico  e  magnânimo  

 

 

 

Nadam  cavalos  marinhos  

Malandro  e  maldito    

 

 

 

E  mantas  majestosas  

Mandato  e  manejo    

 

 

 

És  manchado,  és  azul  e  dourado   És  um  marujo  marinheiro.  

 

Maníaco  e  manípulo    

 

 

 

Ó  mar  macio,    

 

 

 

 

Bem-­‐vindo  sejas!!!   Ruslana  Savchuk,  5.ºD                  35  

Ó  mar,  és  o  máximo.   Ema  Abreu,  5.ºD  


Cientificamente  Falando

 

  A  Importância  da  água     A  água  (H2O)  surgiu  na  Terra  como  consequência  de  reacções  químicas  que   ocorreram  no  nosso  planeta  durante  as  primeiras  fases  da  sua  formação.   Foi   na   água,   há   cerca   de   3800   milhões   de   anos,   que   surgiu   a   vida   na   Terra.   Os  primeiros  seres  vivos  eram  bactérias  e  algas  azuis.     A  água  que  existe  na  Terra  não  é  uma  realidade  estática.  A  quantidade  de   água  existente  na  Terra  é  sempre  a  mesma  mas  mantém-­‐se  em  constante   circulação  através  do  Ciclo  da  Água.   Todas  as  formas  de  vida,  Homem,  animais  e  plantas,  necessitam  de  água   para  sobreviver.  A  água  é  essencial  ao  nosso  corpo  (até  os  nossos  ossos  contêm  água)  e  saúde,  ajudando   no   bom   funcionamento   do   nosso   organismo   (no   trabalho   dos   rins,   intestinos,   circulação   sanguínea   e   hidratação  da  pele).   A  crescente  utilização  de  água  e  a  poluição  são,  cada  vez  mais,  questões  problemáticas  com  que  temos  de   nos  debater.     De   modo   a   não   prejudicar   o   equilíbrio   do   nosso   planeta   e   a   nossa   sobrevivência,  todos  nós  devemos  aprender  a  poupar  água.  Assim,  devemos:   • tomar  duche  em  vez  de  banho  de  imersão;   • fechar  bem  as  torneiras;   • lavar  a  roupa  na  máquina  apenas  com  a  carga  máxima;   • ajustar  a  descarga  de  água  do  autoclismo;   • usar  um  copo  quando  se  lavam  os  dentes,  em  vez  da  água  a  correr;   • lavar  a  loiça  com  uma  bacia  (sem  água  a  correr);   • usar  a  água  de  cozer  vegetais  para  fazer  sopas;   • recolher  e  armazenar  a  água  da  chuva  e  usá-­‐la  para  a  regar  e  lavar  exteriores;   • regar  as  plantas  no  final  do  dia.   Cada  um  de  nós  tem  um  papel  a  cumprir  pois,  como  refere  a  “Carta  Europeia  da  Água”  de  1968,  “A  água  é   um  património  de  todos  e  devemos  reconhecer  o  seu  valor;  cada  um  de  nós  tem  o  dever  de  a  economizar   e  de  a  utilizar  com  cuidado”.     Ana  Micaela  Fernandes  e  Diogo  Morgado,  7.ºB                  36  


37  

 


38  


Equitação  –  a  arte  de  andar  a  cavalo

 

    A   Equitação   é   um   desporto   muito   antigo,   pois   foi   há   cerca   de   5000   anos   atrás   que   os   primeiros   cavalos   foram   domesticados.  Contudo,  só  há  3500  anos  é  que  se  tornaram   cavaleiros  e  nessa  altura  os  homens  montavam  a  pêlo,  visto   não  haver  cabeçadas,  sela  ou  estribos.  O  uso  destes  materiais   só  começou  a  ser  regularmente  usado  por  volta  do  ano  1000.     Hoje   em   dia   utiliza-­‐se   os   cavalos   para   aprender   a   montar,   para   equitação   terapêutica   e   para   várias   provas  (olímpicas  ou  não  olímpicas).   Algumas  provas  olímpicas   O   ensino:   As   participações   consistem   em   provas   individuais,   julgadas   e   classificadas   por   um   júri.   Desenrolam-­‐se   num   terreno   de   40x20m   ou   60x20m,   delimitado   por   letras   como   num   picadeiro.   A   classificação   atribuída   pelo   júri   tem   em   conta   a   franqueza,   a   regularidade   dos   andamentos,   a   harmonia,   a   ligeireza   e   a   elegância   do   par   cavalo-­‐cavaleiro.   O   vencedor   é,   obviamente,   aquele   que   tiver   maior   pontuação.     O  raid:  Esta  prova  consiste  em  percorrer  uma  longa  distância  com  o  mesmo  cavalo.  Os  regulamentos  são   diferentes,  consoante  os  países.  Está  interdita  a  participação  de  cavalos  com  menos  de  4  anos  de  idade,   estando  as  provas  de  velocidade  livre  apenas  abertas  a  cavalos  com  idade  superior  a  6  anos.   O  concurso  de  obstáculos:  Num  dado  percurso,  o  conjunto  (cavaleiro  e  cavalo)  deverá  saltar  uma  série  de   obstáculos  em  uma  determinada  ordem,  com  varas  ou  barras  que  podem  ser  derrubadas.  O  derrube  de   uma  vara  ou  uma  barra  será  penalizado,  consoante  o  regulamento.   Concurso   completo:   Este   concurso   compreende   três   provas   distintas:   o   ensino,   o   cross   e   o   concurso   de   saltos  de  obstáculos.  Estas  provas  decorrem  em  dias  separados,  tendo  em  conta  que  o  concorrente  monta   o  mesmo  cavalo.   Provas  não  olímpicas   Volteio:  ginástica  sobre  o  cavalo.   A  Equitação  é  uma  arte  muito  interessante.  Se  as  tiverem  a  possibilidade  de  experimentar,  não  a  percam   porque  é  um  desporto  e  uma  arte  muito  giros.   Ana  Marta,  5.ºD              39  


O  conto  vencedor  do     II  Concurso  Literário  D.  Duarte  de  Lemos      

Quinta  das  Horas  Vagas     No   final   das   aulas,   a   minha   avó   esperava   por   mim   perto   do   portão   da   escola.   Tinha   o   carro  muito  mal  estacionado.  Provavelmente  iria  precisar  de  ajuda  para  o  conseguir  tirar  daquele   lugar.  Eu  estava  ansiosa  porque  lhe  queria  pedir  sugestões  para  participar  no  concurso  “Pensa,   Projecta  e  Realiza”.   Entrei  no  carro  e  tentei  explicar-­‐lhe:   –  Na  aula  de  Ciências...     –   Espera,   tens   que   sair   do   carro   para   me   ajudares   –   pediu   a   avó.   –   Não   consigo   sair   sem   bater  naquele  carro  vermelho...   –  Mas,  ó  avó...     –  Despacha-­‐te!  –  interrompeu  a  avó  com  um  ar  preocupado.   Gesticulei  para  a  direita,  um  pouco  para  a  frente,  para  a  esquerda  e  finalmente  para  trás  e  a   avó  conseguiu  sair  daquele  meio  lugar.   Entrei   novamente   no   carro.   A   avó   respirou   fundo   e,   mais   tranquila,   fez   a   sua   pergunta   habitual:   –  Então,  como  é  que  correu  o  teu  dia?   –   Muito   bem   –   respondi.   –   Hoje,   na   aula   de   Ciências,   surgiu   a   oportunidade   de   participar   no   concurso   “Pensa,   Projecta   e   Realiza”,   mas   preciso   de   ideias   originais   para   desenvolver   o   meu   projecto.   A  avó  ficou  uns  instantes  em  silêncio.   –   Sabes   –   disse   depois   -­‐,   quando   as   pessoas   não   têm   ideias   pedem   ajuda   à   senhora   Dona   Ideia.  Ela  dá-­‐nos  ideias  e  orienta-­‐nos  para  caminhos  que  nos  conduzem  para  a  solução  do  nosso   problema.   –  Estás  a  brincar...  não  é  possível!!  -­‐  desconfiei  e  encolhi  os  ombros.   –  Acredita  em  mim!  Dizem  que  a  Dona  Ideia  é  muito  velhinha  e  amável.  Ela  vive  na  Quinta   das  Horas  Vagas.  Se  quiseres,  podes  visitá-­‐la  –  sugeriu  a  avó.              40  


Chegámos  a  casa  e  a  conversa  ficou  por  ali;  no  entanto,  eu  já  sabia  o  que  tinha  a  fazer.  Calcei   as  sapatilhas  e,  rapidamente,  coloquei  a  minha  mochila  às  costas:  tinha  decidido  ir  de  bicicleta   procurar   a   senhora   Dona   Ideia.   Pedalei   muito   e,   apesar   de   sentir   algum   cansaço,   não   desanimei.   Quando   pensava   não   conseguir   continuar,   vi...   uma   tabuleta   que   indicava   “Quinta   das   Horas   Vagas”.   A  quinta  era  muito  grande,  cercada  por  muros  altíssimos  e  fechada  por  um  grandioso  portão   verde.  Do  lado  direito  desse  portão  havia  um  azulejo  pintado  à  mão  onde  eu  li  “Por  favor  toque  à   campainha”  e,  do  lado  esquerdo,  outro  azulejo  com  a  inscrição  “Cuidado,  a  Rita  anda  à  solta”.   Encostei  o  meu  olho  esquerdo  à  fechadura  do  portão.  Não  consegui  ver  nada.   Então,   toquei   à   campainha.   O   seu   som   era   diferente   de   todos   os   sons   que   eu   conhecia,   parecia  uma  melodia  mágica.     –  Que  estranho!  –  murmurei  baixinho  –  Ninguém  vem  abrir  o  portão.     Quase   esperança   que   alguém   aparecesse.   Foi   então   que   apareceu   uma   senhora   jovem,   bonita,   alta   e   magra.   Os   seus   olhos   eram   grandes,   negros   como   o   carvão   e   transmitiam-­‐me   confiança.   –  Olá,  boa  tarde!  –  disse  a  senhora  num  tom  bastante  acolhedor.   –  Boa  tarde!  –  cumprimentei  educadamente  a  senhora.     –  O  que  é  que  te  traz  cá,  minha  linda  menina?  –  perguntou-­‐me.   –  Venho  falar  com  a  Dona  Ideia...  –  respondi  envergonhada  –  Ela  está?   –  Sim,  está...  sou  eu!  –  afirmou  a  senhora  olhando  para  mim  risonha.   –  Ah!  Mas...  a  senhora  não  deveria  ser  velhinha?  -­‐  perguntei  confusa  e  estupefacta.   –   Entra,   entra...   vamos   beber   uma   chávena   de   chá   que   acabei   de   fazer   –   sugeriu   a   Dona   Ideia.  –  Depois  explico-­‐te  tudo.   Pairava   no   ar   algo   estranho   mas   eu   estava   maravilhada   com   a   beleza   e   variedade   de   plantas   e  flores  campestres  existentes  naquele  jardim.  Ao  fundo,  havia  uma  casa  pequena  e  simples.   A  Dona  Ideia  sentou-­‐se  a  uma  mesa  comprida  sombreada  por  uma  magnífica  tília  que  crescia   no  centro  do  jardim.     –  Senta-­‐te,  minha  menina  –  convidou-­‐me  ela.   –   Obrigada   –   agradeci   respeitosamente   enquanto   me   sentava   numa   das   cadeiras   que   estavam   perto   da   mesa   mas...   estava   ocupada   por   um   gato   muito   gordo   e   colorido.   Fiquei   embaraçada.   –  Desce,  Arco-­‐íris!  Desce!  –  ordenou  a  Dona  Ideia.   O  gato  rapidamente  saltou  da  cadeira  e  enroscou-­‐se  no  colo  da  sua  dona.              41  


A  toalha  verde-­‐clara  da  mesa  estava  desgastada,  de  modo  que  se  notava  a  madeira  escura   da  mesa  a  espreitar  pelos  buraquinhos.  As  peças  do  serviço  de  chá  não  condiziam  umas  com  as   outras.  Assim,  em  frente  da  Dona  Ideia  encontrava-­‐se  uma  chávena  azul  e  verde  pousada  num   pires  amarelo  e,  ao  lado,  um  açucareiro  branco  rachado.  O  resto  do  serviço  era  uma  miscelânea   de  cacarecos  de  vários  tamanhos,  cores  e  formas.   Enquanto  servia  o  chá,  a  minha  anfitriã  explicou-­‐me  que  as  suas  ideias  eram  a  fonte  da  sua   juventude.   –  Açúcar?  –  ofereceu  a  Dona  Ideia  ligando  o  computador  portátil  que  se  encontrava  em  cima   da  mesa.   –  Só  uma  colher!  –  respondi  descontraidamente.   –   Sempre   que   me   visitam,   gosto   muito   de   mostrar   o   meu   arquivo   das   ideias   brilhantes   onde   guardo  estas  duas  imagens  –  afirmou  a  Dona  Ideia  -­‐  A  primeira  é...   –  Mona  Lisa,  uma  pintura  de  Leonardo  Da  Vinci  –  apressei-­‐me  a  dizer.     Quando   vi   Mona   Lisa   no   écran   do   computador   lembrei-­‐me   automaticamente   de   um   programa  de  televisão  que  vira  sobre  Leonardo  Da  Vinci.  Nesse  programa,  apresentavam  várias   teorias   para   explicar   quem   estava   retratado   naquela   pintura,   embora   a   mais   aceite   era   que   Mona  Lisa  representava  o  auto-­‐retrato  do  pintor.   –  Muito  bem...  –  elogiou  a  Dona  Ideia.  –  Leonardo  Da  Vinci  foi  um  excepcional  e  brilhante   pintor   mas   distinguiu-­‐se   também   notavelmente   como   anatomista,   físico,   engenheiro,   inventor,   arquitecto,   escultor,   cartógrafo,   geólogo,   astrónomo,   compositor,   poeta,   cozinheiro   e...   matemático.     –  É  fantástico,  a  quantidade  de  actividades  que  uma  pessoa  pode  realizar  ao  longo  da  vida!  –   exclamei  muito  surpreendida.     –  Sabes  onde  nasceu  Leonardo  da  Vinci?  –  perguntou-­‐me.   –  Não  faço  ideia!  –  respondi  com  uma  ponta  de  vergonha.   –   Em   Anchiano,   perto   de   Vinci,   no   dia   15   de   Abril   de   1452.   Era   filho   de   Di   Antonio   Da   Vinci   e   de  uma  camponesa  chamada  Catarina.   –   Desculpe   interromper   mas...   não   era   Leonardo   Da   Vinci   que   escrevia   da   direita   para   a   esquerda  sendo  apenas  possível  a  leitura  dos  seus  textos  em  frente  a  um  espelho?   –  Sim,  sim,  era  ele  mesmo  –  confirmou  a  Dona  Ideia.   Sentia-­‐me   completamente   envolvida   nesta   história   quando,   de   repente...   uma   cadela   de   pêlo  preto  e  brilhante  rosnou.  Fiquei  paralisada  de  medo.     –  Chiu...  senta-­‐te  aqui  ao  meu  lado  –  implorou  a  sua  dona.              42  


A   Rita   não   obedeceu   e,   como   uma   flecha,   desapareceu.   Só   acalmei   quando   a   Dona   Ideia   me   disse   que   a   Rita   era   uma   cadela   adorável   e   inofensiva.   Depois   daquele   momento   de   aflição,   aquela  deslumbrável  senhora  continuou:   –  A  outra  imagem  é  de  Maria  Skolodowska  que  nasceu  no  dia  7  de  Novembro  de  1867.     –   Não   a   conheço!   Mas   que   interessante...   a   fotografia   não   me   é   estranha!   –   exclamei   bebendo  o  último  golinho  de  chá  de  limonete.   –  Deve-­‐se  a  ela  a  descoberta  da  radioactividade  –  afirmou  a  Dona  Ideia.   –  Ah!  Marie  Curie!  –  interrompi,  confiante.   –  Em  1903  recebeu  o  Prémio  Nobel  da  Física.     –  E  depois?  –  perguntei  de  olhos  arregalados.     –  Em  1911  recebeu  o  Prémio  Nobel  da  Química  porque  acrescentou  à  Tabela  Periódica  de   Mendeleiev  o  rádio  e  o  polónio.  O  nome  polónio  surgiu  como  uma  homenagem  à  terra  natal  de   Marie  Curie,  a  Polónia.   –   Então,   foi   a   primeira   pessoa   no   mundo   a   receber   dois   prémios   Nobel   –   acrescentei   entusiasmada.   –  Leonardo  Da  Vinci  e  Marie  Curie  foram  duas  figuras  marcantes  para  a  Humanidade  porque   estavam   sempre   atentos   ao   que   se   passava   à   sua   volta   e   dedicaram   as   suas   vidas   à   procura   incessante  de  novos  conhecimentos  –  concluiu  a  Dona  Ideia.   A  conversa  estava  muito  interessante.  Senti  uma  brisa  fresca:  estava  a  escurecer  e  a  Dona   Ideia  aconselhou-­‐me  a  ir  para  casa  porque  a  minha  avó  poderia  estar  preocupada  comigo.   Caminhámos   em   direcção   ao   portão   e   ela,   com   um   sorriso   na   cara   e   num   tom   sereno,   disse-­‐ me:   –   Sabes...   as   ideias   não   se   compram   já   feitas,   não   se   encontram   prontas   para   vender   ou   dar,   elas   vão-­‐se   construindo   devagarinho.   –   E   acrescentou   –   Não   te   esqueças,   é   tão   importante   ter   ideias  como  saber  partilhá-­‐las  com  os  outros.   Fiquei  impressionada  com  aquelas  palavras  e  agradeci:   –  Obrigada,  Dona  Ideia.   –  De  nada,  foi  um  prazer  ajudar-­‐te  –  respondeu  a  Dona  Ideia  fechando  de  seguida  o  portão.   Estava   muito   longe   de   casa;   no   entanto,   o   regresso   pareceu-­‐me   bastante   rápido,   pois   já   estava  a  magicar  no  trabalho  que  iria  realizar  para  o  concurso  de  Ciências...     Cheguei  ainda  a  tempo  do  jantar,  mas  não  me  livrei  de  um  raspanete  bem  ralhado...  Não  me   importei:  tinha  encontrado  a  minha  ideia  e  isso  era  o  mais  importante.   Maria  Margarida  Alves,  7.ºD   ��          43  


“Dia  da  Europa  -­‐  2010”

                                  No   passado   dia   10   de   Maio,   comemorou-­‐se   o   “Dia   da   Europa”   na   nossa   escola.   Durante   a   hora   de   almoço,   foram   vários   os   alunos   que   visitaram   a   Ludoteca   para   aprender   um   pouco   mais   sobre   os   nossos  parceiros  europeus  da  UE.  Testaram-­‐se  conhecimentos  em  jeito  de  competição,  mas  no  final   todos  venceram.  Localizando  países  e  bandeiras,  relembraram-­‐se  aprendizagens;  lendo  as  informações   dos  cartazes,  conheceram-­‐se  alguns  aspectos  e  figuras  ilustres  de  cada  um  dos  27  países  da  “nossa”   Europa.   O  professor:  Eduardo  Silva            44  

 


Matemática actual                                      

           

 ANO  NOVO,  PROGRAMA  NOVO     A   Matemática   é   uma   das   ciências   mais   antigas   e   é   igualmente   das   mais   antigas   disciplinas   escolares,   tendo  sempre  ocupado,  ao  longo  dos  tempos,  um  lugar  de  relevo  no  currículo.  A  Matemática  não  é  uma   ciência  sobre  o  mundo,  natural  ou  social,  no  sentido  em  que  o  são  algumas  das  outras  ciências,  mas  sim   uma   ciência   que   lida   com   objectos   e   relações   abstractas.   É,   para   além   disso,   uma   linguagem   que   nos   permite  elaborar  uma  compreensão  e  representação  desse  mundo,  e  um  instrumento  que  proporciona   formas   de   agir   sobre   ele   para   resolver   problemas   que   se   nos   deparam   e   de   prever   e   controlar   os   resultados  da  acção  que  realizamos.   A  Matemática  tem-­‐se  desenvolvido  quer  na  resposta  a  solicitações  internas  (e  sobretudo  pelo  esforço   na   resolução   de   problemas   que   lhe   são   próprios),   quer   também,   como   muitos   exemplos   da   sua   história   ilustram,  na  resposta  a  solicitações  de  outras  ciências  e  aos  problemas  que  elas  colocam.     Na   sua   História,   como   em   todas   as   ciências,   a   Matemática   sofreu   uma   grande   evolução   nos   seus   métodos,   processos   e   técnicas,   na   sua   organização,   na   sua   relação   com   outras   áreas   da   actividade   humana,  no  alcance  e  importância  das  suas  aplicações  e,  naturalmente,  na  quantidade  e  diversidade  das   áreas  que  a  constituem.  A  Matemática  sempre  permeou  a  actividade  humana  e  contribuiu  para  o  seu   desenvolvimento   e   são   hoje   múltiplos   e   variados   os   domínios   em   que   é   aplicada.   Hoje,   mais   do   que   nunca,   está   presente   em   todos   os   ramos   da   ciência   e   tecnologia,   em   diversos   campos   da   arte,   em   muitas  profissões  e  sectores  da  actividade  de  todos  os  dias.   Por   isso   hoje,   certamente   também   mais   do   que   nunca,   se   exige   da   escola   uma   formação   sólida   em   Matemática   para   todos   os   alunos:   uma   formação   que   permita   aos   alunos   compreender   e   utilizar   a   Matemática,  desde  logo  ao  longo  do  percurso  escolar  de  cada  um,  nas  diferentes  disciplinas  em  que  ela   é   necessária,   mas   igualmente   depois   da   escolaridade,   na   profissão   e   na   vida   pessoal   e   em   sociedade;   uma   formação   que   promova   nos   alunos   uma   visão   adequada   da   Matemática   e   da   actividade              45  


matemática,   bem   como   o   reconhecimento   do   seu   contributo   para   o   desenvolvimento   científico   e   tecnológico   e   da   sua   importância   cultural   e   social   em   geral;   e,   ainda,   uma   formação   que   também   promova  nos  alunos  uma  relação  positiva  com  a  disciplina  e  a  confiança  nas  suas  capacidades  pessoais   para  trabalhar  com  ela.     O  Reajustamento  do  Programa  de  Matemática  do  Ensino  Básico,  agora  designado  por  Novo  Programa   de  Matemática  do  Ensino  Básico,  é  uma  das  acções  definidas  no  Plano  de  Acção  para  a  Matemática  que   resulta   de   um   processo   de   reestruturação   dos   programas   em   vigor   desde   1991,   para   os   adequar   ao   Currículo   Nacional   do   Ensino   Básico.   Este   reajustamento   consistiu   na   elaboração   de   um   documento   único   que   engloba   para   cada   um   dos   ciclos   do   Ensino   Básico   os   objectivos,   os   temas   matemáticos,   as   orientações  metodológicas  e  aspectos  ligados  à  gestão  curricular  e  à  avaliação.   O  Novo  Programa  de  Matemática  do  Ensino  Básico  foi  homologado,  a  28  de  Dezembro  de  2007,  por  Sua   Excelência  o  Sr.  Secretário  de  Estado  da  Educação  e  foi  aplicado  em  turmas-­‐piloto,  no  território  nacional,   nos   últimos   dois   anos   lectivos.   A   partir   do   ano   lectivo   2010/2011,   será   aplicado   em   todos   os   anos   de   escolaridade,  em  todas  as  escolas  do  país.   Lamentavelmente,  apenas  nos  1.º,  3.º,  5.º,  7.º  e  10.º  anos  de  escolaridade  haverá  manuais  adaptados   ao   Novo   Programa   de   Matemática…   Os   restantes   anos   de   escolaridade   usufruirão   de   metodologias   diferentes,   materiais   diferentes,   dinâmicas   diferentes   e…   dos   mesmos   manuais   de   anos   anteriores!   Evidentemente,   os   professores   de   Matemática   desenvolverão   todo   um   trabalho   de   elaboração   de   materiais  adequados  e  instrumentos  de  trabalho  e  aprendizagem  ajustados  às  necessidades  dos  alunos.   Os  professores  de  Matemática  desta  escola,  apesar  de  lhes  ser  vedado  o  acesso,  por  parte  do  Ministério   da  Educação,  à  formação  relativa  à  implementação  do  Novo  Programa  (visto  tratar-­‐se  de  uma  Escola  do   Ensino   Particular   e   Cooperativo),   estão   a   receber   formação,   a   título   particular,   ministrada   por   um   formador  creditado.   O  próximo  ano  lectivo  será  de  mudança.  Consequentemente,  a  expectativa  é  grande,  quer  por  parte  dos   professores  de  Matemática,  quer  por  parte  dos  alunos.   Procurámos   saber   quais   são   as   expectativas   dos   alunos   relativamente   à   implementação   do   Novo   Programa   de   Matemática   no   próximo   ano   lectivo   e   as   opiniões   divergiram.   Vejamos   algumas   das   respostas  obtidas:  

           46  


“Será  uma  adaptação  a  um  novo  método  de  ensino  e  aprendizagem.  Vamos  trabalhar  em  grupo,  o  que   tem  vantagens  e  desvantagens.  Por  um  lado,  podemos  partilhar  ideias  mas,  por  outro,  há  sempre  quem   queira  brincar  em  vez  de  trabalhar.”   Ana  Duarte,  7.ºB       “Parece-­‐me   que   as   notas   dos   alunos   vão   baixar.   Nem   vamos   ter   um   manual   ajustado   ao   Novo   Programa…”                     Nuno  Marques,  8.ºC     “A   meu   ver,   este   Novo   Programa   vai   desenvolver   a   autonomia   dos   alunos   e   também   o   gosto   pela   descoberta.  Os  alunos  precisam  de  descobrir  sozinhos  sob  a  orientação  de  um  professor.”   Marta  Marques,  8.ºE      “Vamos   ter   um   Novo   Programa   e   os   manuais   não   estão   adaptados.   Os   professores   vão   ter   que   fazer   fichas  com  as  matérias  e  com  exercícios,  o  que  é  bom,  pois  serão  elaborados  de  acordo  com  as  nossas   capacidades  e  dificuldades.”   Catarina  Saraiva,  7.ºE     “Penso   que   o   facto   de   não   existir   um   manual   ajustado   aos   novos   moldes   do   Programa   vai   obrigar-­‐nos   a   pensar   mais   na   resolução   das   tarefas   propostas.   Estas   tarefas   serão   realizadas   em   grupo,   o   que   conduzirá  a  uma  maior  cooperação  entre  os  colegas.”    Eliana  Martins,  8.ºE      “Vamos   trabalhar   em   grupo,   o   que   eu   acho   fantástico!   Aprendemos   muito   uns   com   os   outros.   A   professora  vai  ter  muito  trabalho  mas,  no  final,  deve  compensar  porque  todos  os  alunos  terão  melhores   notas.”    António  Duarte,  7.ºB     “Eu  penso  que  vai  ser  mais  difícil  aprender  Matemática.”   Élio  Santos,  8.ºC     “Eu   penso   que   o   Novo   Programa   vai   ser   muito   motivador   para   os   alunos.   Podemos   descobrir   coisas   novas  de  uma  forma  diferente.”    Hermano  Moura,  7.ºB     “Pensamos  que  o  trabalho  em  grupo  será  muito  motivador  para  os  alunos  pois  exige  mais  cooperação.   No  entanto,  há  a  possibilidade  de  os  alunos  se  distraírem  mais.”                   António,  Cristiana  e  Eva,  8.ºE     “Vamos  fazer  muitos  trabalhos  em  grupo.  O  problema  é  a  brincadeira…”                     Jorge  Pires,  7.ºB     “Como  serão  as  Provas  de  Aferição  e  os  Exames?  Se  já  há  más  notas,  poderá  ser  ainda  pior…”                     Gabriela  Reis,  7.ºB     “É   bom   ver   que   há   uma   tentativa   de   inovação   no   ensino   desta   disciplina   procurando   que   os   alunos   percebam   e   interpretem   melhor   os   enunciados.   Obviamente   que   poderá   ter   a   desvantagem   de   os   alunos  se  distraírem  mais.  Aguardo  com  grande  expectativa  o  próximo  ano  lectivo.”                            Frederico  Teixeira,  8.ºE              47  


Clubes em Movimento

                                   

    Clube  H2O+   Durante   o   terceiro   período,   continuámos   a   realizar   diversas   experiências   que   se   relacionam   com   situações  do  nosso  quotidiano.  Entre  outras,  fizemos  a  destilação  da  Coca-­‐Cola  que  relacionámos  com  o   fabrico  das  bebidas  destiladas  como  a  aguardente  e  o  Whisky.           Figura:  Destilação  Simples   Estudámos   também   a   técnica   de   cromatografia   que,   antigamente,   era   utilizada   para   detectar   assinaturas  falsas  em  cheques.     Mais   uma   vez,   e   porque   a   cozinha   é   um   laboratório,   preparámos   uma   receita   deliciosa,   desta   vez   salgadinha,  que  vamos  partilhar  convosco.  Continuámos  a  tentar  construir  a  nossa  página  na  Internet  e  a   trabalhar   no   projecto,   em   conjunto   com   a   turma   do   7.ºD,   da   construção   de   um   protótipo   de   uma   “Casa   ecológica”,  no  âmbito  do  Concurso  “As  Artes  da  Física”  promovido  pela  Fundação  Ilídio  Pinho.  Já  está   muito  adiantada  e  está  a  ficar  o  máximo!     Receita  de  “Folhadinhos  de  alheira  e  maçã”     Ingredientes:   2  bases  de  massa  folhada  fresca   2  alheiras  de  peru   Maçãs  descascadas  e  laminadas     Preparação:    Com   a   ajuda   de   um   rolo   da   massa   e   farinha,   estende   a   massa   folhada  até  ficar  fininha.    Corta  em  quadrados  de  aproximadamente  15  cm  de  lado.    Corta  a  pele  da  alheira  para  retirares  apenas  o  recheio.    Coloca,   em   cima   de   cada   quadrado   de   massa   folhada,   um   pouco   de   recheio   de   alheira   e   muitos   pedacinhos  de  maçã  por  cima.    Dobra  a  massa  folhada  de  modo  a  fechar  o  recheio  e  obter  umas  “trouxinhas”.    Leva  ao  forno  até  ficarem  lourinhos…    …  Agora  é  só  saborear!!!              48  


49  


50  


Clubes em Movimento Clube  de  JORNALISMO  

                                   

   

Mais   um   ano   passado!   Pois   é,   parece   que   ainda   agora   começámos   e   já   estamos   a   acabar!   Este   é   o   sentimento  que  temos,  uma  vez  que  no  Clube  de  Jornalismo   o  tempo  passa  a  voar.  O  trabalho  é  tanto  que  nem  dá  tempo   para   respirar.   Todo   este   trabalho   tem   a   sua   recompensa   quando   o   nosso   jornal   sai   da   gráfica   e   chega   aos   nossos   leitores.     Foi  com  grande  satisfação  que,  depois  de  um  duro  e   intenso   ano   de   trabalho,   pudemos   ver   o   nosso   esforço   reconhecido.  No  dia  27  de  Maio,  tivemos  a  oportunidade  de   estar   presentes   na   entrega   de   prémios   do   concurso   “Comunica-­‐te   2.0”,   dinamizado   pela   Câmara   Municipal   de   Águeda,   que   decorreu   na   Biblioteca   Municipal   de   Águeda   Manuel  Alegre.  Este  concurso  pretendia  premiar  as  escolas,   cujos  jornais  escolares  evidenciavam  qualidade,  trabalho  de   investigação   e   participação   dos   alunos.   Este   prémio   tinha   três   categorias:   melhor   jornal,   melhor   notícia   e   melhor   vídeo-­‐reportagem.     Dos   três   prémios   entregues,   ganhámos   dois,   nomeadamente   o   da   melhor   vídeo-­‐reportagem   e   o   do   melhor  jornal.  A  nossa  escola  recebeu,  das  mãos  da  Dr.ª  Elsa   Corga   (Vereadora   da   Cultura   e   Desporto),   uma   máquina   de   filmar   e   um   computador   portátil.   Com   estes   prémios  teremos  mais  e  melhores  meios  para  desenvolver  o  nosso  trabalho  no  Clube  de  Jornalismo.  É   importante   lembrar   que   este   é   o   segundo   ano   consecutivo   que   a   nossa   escola   ganha   o   prémio   do   melhor  jornal  escolar.  Estamos  todos  de  parabéns!  Esperamos  que  o  nosso  clube  volte  a  surpreender  no   próximo  ano…   As  Fidalgorialistas  Ana  Silva  e  Patrícia  Florindo,  9.ºA    

  No  Clube  de  Jornalismo,  os  Fidalgorialistas  trabalham  exaustivamente  para  obter  boas  notícias.   Chefiados  pelas  professoras  Alexandra  Sucena  e  Carla  Rocha,  tentamos  escrever  textos  interessantes,   pondo  em  prática  as  técnicas  que  elas  nos  ensinam!     Júlia  Figueiredo,  6.ºE      

O  nosso  clube  ensina-­‐nos  muita  coisa!  Aprendemos  a  pesquisar  acerca  de  um  tema  por  nós   escolhido,  a  organizar  a  informação  e  a  redigir  os  nossos  artigos!   Este  ano  correu-­‐nos  muito  bem,  pois  foi  muito  divertido  escrever  artigos  sobre  os  animais,  o  seu   habitat  e  a  sua  alimentação.  Também  gostei  muito  de  escrever  a  notícia  sobre  Moçambique,  uma  vez   que  o  meu  pai  nasceu  lá  e  eu  queria  descobrir  mais  coisas  relacionadas  com  este  país!   Adorei  mais  um  ano  no  Clube  de  Jornalismo!  É  um  clube  sensacional,  onde  vivemos  várias   experiências  e  onde,  trabalhando,  nos  podemos  divertir   Lígia  Fernandes,  6.ºD              51  


lubes em

Clubes em Movimento

ento

                         

                                     

 

 

O   Clube   de   Jornalismo   é   o   clube   ideal   para   treinarmos   a   nossa   escrita   e   fazermos   pesquisas   relacionadas   com   os   temas  que  escolhemos.   Ao   longo   deste   ano   lectivo,   temos   trabalhado  arduamente  nas  nossas  notícias   para   proporcionar   aos   alunos   do   IDL   e   restante   comunidade   escolar   o   que   de   melhor   se   faz   por   cá.   Este   ano,   o   nosso   jornal   participou,   mais   uma   vez,   no   Concurso   “Comunica-­‐te   2.0”   promovido   pela  Câmara  Municipal  de  Águeda!   Gostamos   muito   de   andar   neste   clube!   Francisca  Noronha  e  Maria  Rosa  Ferreira,   6.ºD  

No   Clube   de   Jornalismo,   secção   Fotografia,   fizemos   muitas   actividades,   aprendemos   a   tirar   fotografias  e  a  trabalhar  com  diferentes  tipos  de  máquinas  (digitais  e  analógicas).     Foi  muito  interessante  e  divertido  trabalhar  neste  clube!   Alina  Matos,  6.ºA     Gosto   muito   do   Clube   de   Jornalismo,   pois   escrevemos   artigos   interessantes   ou   fazemos   entrevistas.  Neste  clube  precisamos  de  ser  rápidos  a  redigir  os  artigos  e  a  passá-­‐los  a  computador  para   os  poder  entregar  dentro  do  prazo  estabelecido!   Fábio  Castanheira,  8.ºA     Este  ano  lectivo,  fizemos  muitas  actividades  diferentes  no  clube.  Os  professores  ensinaram-­‐nos  o   que  era  uma  máquina  fotográfica  e  explicaram-­‐nos  como  trabalhar  com  ela!  Foi  muito  divertido!   Beatriz  Domingues,  5.ºD     Eu   gostei   muito   de   pertencer   a   este   clube,   pois   fazemos   muitas   actividades   diferentes.   Aqui   trabalhamos  a  língua  portuguesa  nos  textos  que  elaboramos  e  isso  é  uma  coisa  de  que  eu  gosto  muito!   O  jornal  é  fruto  do  trabalho  que  fazemos  ao  longo  de  cada  período.   Andreia  Fernandes,  5.ºE     Ao  longo  deste  ano,  foram  realizados  vários  trabalhos  interessantes  no  Clube  de  Jornalismo!     Gostámos   imenso   de   realizar   a   vídeo-­‐reportagem   para   o   concurso   “Comunica-­‐te   2.0”,   pois   foi   uma   experiência   inovadora   e   engraçada   que   nos   deu   muito   trabalho!   Os   outros   elementos   do   clube   também  colaboraram  neste  trabalho,  redigindo  boas  notícias!   João  Fernandes,  9.ºD                52  


Clubes em Movimento

                                    e  Rui  Santos,  9.ºC    

 

 

 

 

LUDOTECA  EM  ACÇÃO   Os   nervos   aumentam.   O   stress   dispara.   No   meio   da   animação,   os   torneios   de   PRO   EVOLUTION   SOCCER,   PICTIONARY  e  BUZZ  –  MEGA  QUIZ  entraram  na  recta  final.   Muitos   já   ficaram   pelo   caminho.   À   medida   que   se   aproximam  as  finais  dos  torneios,  nota-­‐se  a  esperança  de   ser   campeão   a   aumentar   nos   concorrentes.   Trocam-­‐se   uns   «bitaites»   salutares,   apoia-­‐se,   trazem-­‐se   claques   das   turmas.   Aproximam-­‐se   as   fases   decisivas...   Mesmo   a   brincar,   aprende-­‐se   e   melhora-­‐se,   sobretudo   na   concentração,   na   emoção,   na   definição   da   melhor   estratégia,   no   espírito   competitivo   que,   curiosamente,   une   e   faz   crescer.   É   caso   para   dizer   «Mosquitos   por   cordas»  na  Ludoteca!  

 

   

SALA  DA  CIÊNCIA

 

Saudações  a  todos,  dos  pequenos  cientistas!   Agora  que  os  primeiros  raios  de  Sol  começam  a  despontar,  é  altura  ideal  para  nós,  pequenos  cientistas,   retomarmos  os  trabalhos  hortícolas.  Depois  de  algum  tempo  de  espera,  começámos   a  ter  os  primeiros   resultados   e   foi   com   grande   alegria   que   colhemos   da   nossa   horta   alfaces,   couves   e   favas,   que   levámos   para  a  cantina  da  Escola,  onde  foram  saboreadas  por  todos  nós.   Como   não   podia   deixar   de   ser,   a   chegada   da   Primavera   foi   assinalada   na   nossa   horta   com   um   espantalho.   Mas,   não   é   um   espantalho   qualquer,   pois   vai   ser   amigo   do   ambiente,   uma   vez   que   foi   construído  com  materiais  usados.   Tem   sido   bastante   divertido  tratar   da   nossa   horta   pois,   apesar   de   ser   um  trabalho   duro,   dela   vêm   alguns  dos  alimentos  de  que  precisamos  para  o  nosso  dia-­‐a-­‐dia.   Os  pequenos  cientistas              53  


Clube  da  Música    

     

Olá!     O   Clube   da   Música,   ao   longo   do   ano,   desenvolveu   um   trabalho   contínuo,   tentando   espalhar   boa   música   pela   escola   e   até   mesmo   fora   dela.   Este   período   tivemos   apresentações   em   público   muito   importantes  e  de  grande  responsabilidade.   No  passado  dia  21  de  Maio,  participámos  na  Entrega  de  Prémios  do  II  Concurso  Literário  “Prémios   D.   Duarte   de   Lemos”,   um   evento   de   grande   importância   para   todos   nós!   Foi   sem   dúvida   uma   experiência   fantástica   preparar   todas   as   músicas   para   apresentarmos   neste   momento   tão   esperado   por   nós.   Sabíamos   que   iríamos   pisar   um   palco   onde   grandes   artistas   actuaram   e   muito   público   para   nos   ouvir.   No   dia   9   de   Junho,   também   participámos   na   comemoração   do   “Dia   Aberto”,   onde   apresentámos   algumas  das  nossas  interpretações  para  os  futuros  alunos  da  nossa  escola,  aqueles  que  estarão  no  5.º   ano  no  próximo  ano  lectivo.  Mais  uma  experiência  musical!   Agora,  ansiamos  por  mais  um  grande  momento,  o  nosso  Sarau  Cultural,  que  se  realizará  no  dia  18   de   Junho.   É   sempre   um   dia   repleto   de   emoções   e   energia!   Neste   dia,   iremos   apresentar   parte   do   trabalho   que   desenvolvemos   durante   o   ano.   E   Acreditem   que   vai   valer   a   pena   ouvir-­‐nos   e   cantem   connosco!   Por  este  ano  é  tudo!   Umas  boas  férias,  cheias  de  aventuras  e  experiências  musicais!     O  Clube  de  Música        

           54  


Os  “Stomp”   Stomp é   um   famoso   grupo   de   dança   oriundo   de   Brighton,   Reino   Unido,   que   usa   o   corpo   e   objectos    

comuns   para   criar   performances   teatrais   físicas   percussivas.   Suas   origens   musicais   remontam   ao   trabalho   do   Einstürzende   Neubauten   e   Savage   Aural   Hotbed.   A   palavra   stomp   pode   referir-­‐se   a   um   subgénero   distinto   de   teatro   físico,   onde   o   corpo   se   incorpora   a   outros   objectos   como   meio   de   produzir   percussão   e   movimento  que  ecoa  as  danças  tribais.   Eles   surgiram   na   banda   The   Yes/No   People   (London   Records),   onde   eram   conhecidos   como   Mr.   Johnson  e  Some  Things  Are  True  na  compilação  Giant.  Desde  que  se  transformaram  em  Stomp,  lançaram   músicas  e  estrelaram  na  televisão.  A  HBO  também  produziu  um  DVD,  Stomp  Out  Loud,  que  mostra  os   membros  do  grupo  fazendo  percussão  em  utensílios  domésticos  e  até  mesmo  num  depósito  de  sucata.   Os  Stomp  são  bem  conhecidos  pelo  público  português,  produzindo  ritmos  e  movimentos  de  corpos,   objectos  e  sons  aos  quais  não  se  consegue  ficar  indiferente!  Produzem  um  espectáculo  ideal  para  reunir   pessoas  de  todas  as  idades  e  gostos.  Para  eles,  a  beleza   e   a   música   estão   presentes   em   tudo:   das   botas   aos   baldes,   das   tampas   dos   caixotes   de   lixo   aos   isqueiros   e   vassouras,  dos  lava-­‐loiças  aos  garrafões,  tudo  é  motivo  e   base  para  o  movimento  e  o  som.     Os   Stomp   deixaram   de   ser   um   fenómeno   teatral   britânico  para  serem  um  sucesso  mundial  aclamado.   Podes   ver   alguns   vídeos   dos   espectáculos   por   eles   produzido   pesquisando   em   www.youtube.com.   Aqui   ficam  os  links:   •

http://www.youtube.com/watch?v=Zu15Ou-­‐jKM0  

http://www.youtube.com/watch?v=ik8jICj8juc&feature=related   Desejo-­‐te  umas  boas  férias  e  muita  energia  no  regresso!     A  Professora  de  Educação  Musical:  Catarina  Teixeira  

           55  


Desporto Escolar ACTIVIDADES  NÁUTICAS  -­‐  VELA  E  CANOAGEM  

                             

 

  Este   ano   lectivo,   os   alunos   dos   núcleos   de   Vela   e   Canoagem   participaram   em   duas   Concentrações   na   Gafanha   da   Nazaré   e   os   alunos   da   Canoagem   participaram   ainda   na   Fase   de   Apuramento   para   o   Regional  de  Canoagem.  Apesar  do  Regional  não  se  ter  realizado,  os  nossos  alunos  ficaram  apurados  para   participar  no  Nacional,  que  se  realizou  nos  dias  28,  29  e  30  de  Maio.  As  provas  foram  na  Pateira  de  Óis   da  Ribeira,  tendo  estado  seis  alunos  do  nosso  Clube  a  representar  a  Direcção  Regional  de  Educação  do   Centro   (DREC).   Para   além   dos   alunos   Alexandre   Pires,   do   9.ºD,   Leandro   Melo,   do   7.ºE,   e   Mariana   Fernandes,   do   6.ºC,     participaram   alunos   do   nosso   clube   que   frequentam   outras   escolas   de   Águeda,   sendo   estes   a   Andreia   Fernandes   e   a   Inês   Espinhal   da   Escola   Secundária   Adolfo   Portela   e   o   Emanuel   Macedo   da   Escola   Secundária   Marques   de   Castilho.   Estes   alunos   podem   participar   no   nosso   clube   devido   a   um   protocolo   estabelecido   entre   as   escolas,   a   pensar   nos   alunos   que   já   não   frequentam   o   Instituto  Duarte  de  Lemos,  mas  que  querem  continuar  a  participar  neste  Clube.  A  estes  alunos  ainda  se     juntaram   os   que   ficaram   classificados   nos   dois   primeiros   lugares   ao   nível   da   DREC,   na   prova   de   IndooKayak,  a  saber:  Daniela  Génio,  do  9.ºB,  e  Rosalina  Almeida,  do  9.ºC,  e  também  o  aluno  Alexandre   Pires,  do  9.ºD,    que  participou  nas  duas  actividades.       “Com   o   bom   tempo   a   chegar,   aumenta   a   vontade   de   praticar   Desportos   Náuticos,   pois   não   há   nada   melhor  do  que  um  belo  dia  de  sol  para  andar  de  kayak  e  para  velejar.   No   nosso   núcleo,   para   além   de   treinar   na   Pateira   de   Óis   da   Ribeira,   temos   a   oportunidade   de   participar   em   provas   com   outras   escolas   do   distrito   de   Aveiro.   Estas   provas   realizam-­‐se   na   Gafanha   da   Nazaré   debaixo   da   Ponte   da   Barra.   Neste   local   ainda   só   participámos   em   duas   Concentrações.   Para   já,   temos   registado  bons  resultados  mas,  acima  de  tudo,  temos  feito  muitas  amizades  e  transformado  este  clube   num   grupo   de   amigos   que   partilham   o   gosto   pelas   actividades   náuticas   e   também   por   dar   uns   mergulhos  no  final  das  provas  (mas  só  quando  está  bom  tempo,  pois  no  Inverno  até  arrepia!).   Nós  adoramos  este  Clube  e  é  uma  experiência  maravilhosa.   Se  pudesse  haver  mais  provas…   O  Clube  de  Vela  e  Canoagem    

           56  


Desporto Escolar ANDEBOL  

                                   

  O  Andebol  esteve  em  força!!!!   O  desporto  é  uma  ferramenta  crucial  para  a  socialização  dos  alunos.  Com  a  prática  desportiva,  o  aluno   adquire  o  respeito  dos  seus  colegas.  Quando  somos  crianças  e  adolescente  damos  muita  importância  às   aparências   e   o   desporto   é   uma   maneira   de   compensar   a   sua   falta   de   qualidades   especiais   em   outras   coisas.     Considerando  o  quadro  actual  da  modalidade,  o  Andebol,  assim  como  todos  os  desportos  colectivos,  é   caracterizado   principalmente   pelo   desporto   de   rendimento.   Nas   escolas,   o   que   se   observa   é   o   treino   altamente   especializado   -­‐   unilateral   -­‐   precocemente   em   crianças   e   adolescentes,   levando   a   consequências   como   desarmonias   no   desenvolvimento   acompanhadas   de   um   abandono   precoce   do   desporto   antes   mesmo   de   se   ter   chegado   ao   alto   nível   de   rendimento,   fenómeno   este   conhecido   por   "Drop   Out"   (Kroger   e   Roth,   2002).   Porém,   sabe-­‐se   que   esta   modalidade   pode   assumir   um   importante   papel   educacional   na   realidade   social,   principalmente   quando   levamos   em   conta   o   seu   carácter   pedagógico  em  detrimento  do  carácter  de  espectáculo.       O   Andebol   é   excelente   por   se   tratar   de   um   desporto   extremamente   fácil   de   aprender,   não   requerer   nenhuma  habilidade  específica  e  ser  maravilhoso  de  jogar,  fazendo  com  que  os  indivíduos  com  menos   aptidão   física   comecem   a   sentir   mais   segurança   para   praticar   outros   desportos.   A   partir   do   momento   que   uma   criança   ou   adolescente   se   começa   a   sentir   mais   segura,   ela   passa   a   impor-­‐se   mais   no   mundo   e   terá  mais  coragem  para  vencer  desafios  na  sua  vida.   Durante   este   período   lectivo,   os   Grupos/Equipas   do   IDL   (Infantis   e   Iniciados)   terminaram   os   seus   respectivos  Quadros  Competitivos  da  Equipa  de  Apoio  às  Escolas  de  Aveiro.  Assim,  os  Infantis  realizaram   as   suas   concentrações   relativas   ao   Projecto-­‐Piloto   (da   Federação   de   Andebol   de   Portugal),   qualificando-­‐             -­‐se  em  primeiro  lugar  e  a  respectiva  participação  na  fase  final  deste  projecto,  que  decorreu  no  dia  13  de   Junho  em  Lisboa.     No   dia   20   de   Maio,   o   mesmo   Grupo/Equipa   participou   na   fase   final   do   quadro   competitivo   do   Desporto   Escolar,  qualificando-­‐se  em  2.º  lugar.     Quanto   ao   Grupo/Equipa   de   Iniciados,   também   terminou   as   suas   concentrações,   obtendo   o   2.º   lugar   na   classificação  final.     Como   professor   responsável   por   estes   dois   Grupos/Equipas   do   IDL,   na   modalidade   de   Andebol,   aproveito   para   agradecer   a   todos   os   alunos   inscritos   nesta   modalidade   o   empenho,   interesse   e   participação  em  todos  os  treinos  e  jogos.     Vocês  são  todos  uns  campeões  e  uns  verdadeiros  homens…     Até  para  o  ano!!!   O  Professor  Responsável:  Rui  Silva              57  


Desporto Escolar BASQUETEBOL  

                                   

                      COMENTÁRIOS DE ALGUNS ELEMENTOS DESTE GRUPO DE BASQUETEBOL “Quando eu jogo basquetebol, aqui na escola, sinto uma grande felicidade porque estou a jogar o meu desporto favorito. Eu acho que o basquetebol é muito importante pois, para além de fazer bem à saúde, como qualquer outro desporto faz, cria-se entre os membros da equipa um espírito de companheirismo e de entreajuda. (Emanuel Oliveira, 7.ºE) “Gosto muito de desporto e o Basquetebol é um dos meus desportos preferidos. É muito bom ter Desporto Escolar na Escola. E ter Basquetebol na nossa escola foi ainda melhor pois, quando jogo, sinto-me bem comigo mesma. A nossa equipa tem garra e empenho.” (Ana Oliveira, 8.ºC) “Gosto muito de andar no Basquetebol porque é a minha modalidade preferida, porque gosto de Desporto, gosto de aprender novas técnicas e aperfeiçoá-las.” (Daniela Simões, 8.ºE) “Gosto de andar no Basquetebol uma vez que é uma forma de nos divertirmos e, ao mesmo tempo, praticar desporto. Gosto de ir às concentrações, conhecer novos amigos e aprender ao ver os outros a jogar.” (Carina Costa, 7.ºC) “Eu gosto de participar neste clube porque é divertido, convivemos umas com as outras, realizamos várias actividades fora da escola onde conhecemos novos colegas e criamos novas amizades.” (Beatriz Salreta, 7.ºA) “Eu gosto muito de Basquetebol. Sempre gostei. É uma maneira de criar espírito de equipa, fazer novas amizades, libertar o stress do dia-a-dia e aprofundar os meus conhecimentos, as minhas técnicas.” (Ana Morgado, 8.ºE) “Gosto de Basquetebol porque convivemos com novas pessoas, é um desporto que me dá alegria e me permite melhorar as minhas novas técnicas e espero continuar. Este ano vou entrar para as Iniciadas B do G.I.C.A. Vai ser uma experiência excelente” (Ana Silva, 8.ºE) “Eu acho que o Basquetebol é uma forma de esquecer os problemas e é um bom passatempo.” (Bianca Soares, 8.ºB) “Eu gosto do Basquetebol porque é            58  


Desporto Escolar divertido e jogamos com os amigos.” (Maria Barbeito, 6.ºD) “Para mim, o basquetebol é fixe e divertido. Serve para

                                    brincar mas também para aprender. Ao longo do ano melhorei a jogar basquetebol” (Ruslana Savchuk, 5.ºD) “Para mim, o Basquetebol é um desporto muito divertido e aprendemos muito. Adoro a modalidade e espero continuar nela” (Tânia Ferreira, 5.ºA) “Para mim, o basquetebol é um momento de descanso e dá para aliviar o stress dos testes. Eu adoro o basquetebol” (Laura Pereira, 5.ºB) “Para mim, basquetebol é a forma de fazer actividade física mais divertida e a melhor forma de fazer amigas” (Ana Gouveia, 7.ºC) “Eu gosto muito de andar no basquetebol porque convivemos com outras pessoas e divertimo-nos. No basquetebol podemos aprender novas técnicas, aperfeiçoá-las e tornar-nos mais ambiciosas” (Vanessa Pereira, 8.ºA) “Estar a treinar é das melhores coisas que faço, porque amo o desporto e o basquetebol, particularmente… Gosto de treinar aqui e da equipa que formamos todas juntas. Se uma tem um problema, todas temos e isso faz com que cada uma faça a falta que faz na nossa equipa. O basquetebol é uma paixão!” (Soraia Lucas, 9.ºC) “Vir para o basquetebol todas as quartas-feiras é óptimo pois adoro o basquetebol e divirto-me imenso porque conheço novas pessoas e crio também amizades… adoro isto!“ (Catarina Abrantes, 7.ºB) “O basquetebol ajuda-me a descontrair das aulas e é muito fixe. O professor é divertido e engraçado” (Gabriela Tavares, 5.ºD)

Resultados 2009 2010 – Infantis B – série B Classificação 1.º lugar 2.º lugar 3.º lugar 4.º lugar

Escola COLÉGIO S. JOÃO BOSCO INSTITUTO DUARTE DE LEMOS EBS Pe ANTÓNIO MORAIS DA FONSECA EB FERNANDO CALDEIRA

Pontuação Total 65 52 45 30

SE TENS MAIS DE 10 ANOS E MENOS DE 100, VEM TREINAR CONNOSCO.

A EQUIPA DO DESPORTO ESCOLAR

           59  


Desporto Escolar TÉNIS  DE  MESA  

   

…  NOS  REGIONAIS  DE  TÉNIS  DE  MESA  EM  VISEU     Os   alunos   do   Instituto   Duarte   de   Lemos   participaram,   mais   uma   vez,   na   Fase   Final   do   Desporto   Escolar   das   Equipas   de   Apoio   à   Escola   de   Estarreja   e   Aveiro,   que   decorreu  no  Pavilhão  Municipal  de  Vagos,  no  passado  dia  13  de  Abril.  Esta  Fase  Final   contou   com   a   participação   das   escolas   EB   Dr.   João   Rocha   Pai,   Estabelecimento   de   Ensino  Santa  Joana  (Aveiro),  Escola  Básica  Integrada  de  Eixo,  EB  de  Maceda  (Ovar),  EB   de   Aguada   de   Cima   (Águeda),   Colégio   D.   José   I   (Aveiro),   Colégio   de   Calvão,   EB   José   Ferreira   Pinto   Basto   (Ílhavo),   EB   António   Dias   Simões,   EB   Monsenhor   Miguel   de   Oliveira,   Colégio   S.   João   de   Bosco   (Mogofores),   EB   de   Sever   do   Vouga,   Escola   Básica   Integrada  de  Pardilhó  e  Escola  Secundária  Dr.  João  Carlos  Celestino  Gomes.     Dos   53   alunos   que   participaram   nesta   fase,   os   do   Instituto   Duarte   de   Lemos,   Rafaela  Almeida  (Iniciado  Feminino),  Élser  Oliveira  (Iniciado  Masculino),  Paulo  Tavares   (Iniciado   Masculino)   e   Élio   Santos   (Iniciado   Masculino),   superaram   as   adversidades   próprias   desta   competição.   Nos   dias   30   de   Abril   e   1   de   Maio   participaram   também     na   Fase   Regional   do   Desporto   Escolar   que   decorreu   em   Magualde.   De   referir   que   nesta   competição  participaram  os  alunos  mais  capacitados  no  âmbito  do  Desporto  Escolar  na   modalidade  de  Ténis  de  Mesa.                

           60  

                                 


Desporto Escolar

                                   

    De   destacar   a   participação   dos   alunos   Diogo   Gomes,   João   Abrantes,   Carlos   Silva,   Paulo   Cruz,   Juliana   Almeida   e   Eunice   Santos   que,   apesar   de   não   terem   sido   apurados   para   os   Regionais   de   Ténis   de   Mesa,   demonstraram   um   grande   espírito   de   equipa,  de  entreajuda  e  uma  aceitação  da  derrota,  próprias  de  um  bom ��desportista.                       RESULTADOS   INFANTIS   2009-­‐2010   –   Escola   2.ª   classificada   na   Fase   Final/Torneio  de  Encerramento  E.A.E.   Os   nossos   craques   estão   convictos   que   terão   que   trabalhar   mais   para   melhorarem  os  níveis  de  prestação.  Em  mente  está  e  estará  sempre  o  seguinte  lema:   “Honrar  a  Escola,  honrar  a  equipa,  sem  nunca  esquecer  que,     quando  pensamos  que  atingimos  o  nosso  máximo,   podemos   sempre   dar   um   pouco   mais   de   nós,   para   alcançarmos   os   nossos   objectivos.”   Continua  a  ser  da  nossa  pretensão  colocar  como  prioridade  central  das  nossas   preocupações  a  formação  dos  jovens.   SE  TENS  MAIS  DE  10  ANOS  E  MENOS  DE  100,  VEM  TREINAR  CONNOSCO.      

A  EQUIPA  DO  DESPORTO  ESCOLAR                61  


MUNDO  ANIMAL    O  Escorpião     Achas  que  os  escorpiões  são  perigosos?  Nem  todos,  eles  só  picam  os  seres  humanos   em  auto-­‐defesa,  e  dos  1600  que  há,  apenas  25  causam  acidentes  graves.     O   escorpião   habita   em   zonas   quentes,   como   desertos,   e   suporta   temperaturas   a   mais  de  40  graus.  As  suas  cores  podem  variar  entre  amarelo-­‐palha  e  negro.  Vive   de  4  a  25  anos  e  pode  chegar  a  medir  30cm.  Costuma  alimentar-­‐se  de  aranhas,   insectos  e  outros  animais  de  pequenas  dimensões.   A   cauda   tem   um   perigoso   ferrão   com   o   poder   de   paralisar   a   presa  e,  quanto  mais  pequeno  for  o  escorpião,  mais  perigoso   se  torna  o  seu  veneno.   Muitas   pessoas   têm   uma   ideia   errada,   pensando   que   este   animal   põe  ovos;  na  verdade,  ele  dá  à  luz  pequenos  escorpiões.   Nos  países  onde  há  escorpiões,  as  pessoas  são  obrigadas  a  ter  a  máxima  higiene:  não   encostam   sequer   as   camas   à   parede   e   chegam   ao   ponto   de   ter   de   sacudir   todas   as   roupas  e  sapatos  antes  de  usar.    

O  Panda   Vive   nas   altas   montanhas   e   florestas   húmidas   da  República  Popular  da  China.   O   seu   corpo   é   às   manchas   (branco   e   preto).   Tem   a   cara   redonda,   as   orelhas   ovais   e   o   focinho  curto.   O   panda   tem   muitas   qualidades:   é   dócil,   brincalhão,  tímido  e  cativa  as  pessoas.   A   sua   alimentação   consiste   em   bambu,   insectos,   ovos,   pequenos   roedores   e   até   peixes.  Passa  o  dia  a  dormir,  abrigado  em  trocos  de  árvores  ou  fendas  de  rochas.   Na   Primavera,   durante   a   época   da   reprodução,   lutam   com   outros   pandas,   para   acasalar   com   a   fêmea   fértil.   Depois   de   uma   gestação   de   cerca   de   6   meses,   a   fêmea   dá   à  luz  uma  ou  duas  crias.   As  crias  nascem  cegas,  surdas  e  sem  pêlo,  pelo  que  precisam  de  muitos  cuidados.   Os  pandas  estão  em  vias  de  extinção,  por  isso  têm  sido  criadas  reservas.  Alguns  pandas   ficam   num   abrigo   para   ursos-­‐pandas   idosos.   Um   deles   é   a   recruta   para   pandas   da   terceira  idade.    

   

As  fidalgorialistas:  Andreia  Almeida  e  Lígia  Fernandes,  6.ºD              62  

 


Oficina  de  escrita   Roupa  Divertida     Esta   história   aconteceu   num   dia   normal   de   aulas   como   tantos   outros.   Tinha   começado   o   dia   a   fazer   tudo   normalmente   e   não   me   tinha   apercebido   de   nada   diferente   em   mim,   até   que,   de   repente,   quis   virar-­‐me   para   trás   para   falar   com   um   amigo  e  não  consegui.  Parecia  que  alguma  coisa  me  prendia  e  não  me  deixava  fazer  o   que  eu  queria,  mas  não  dei  grande  importância.   Mais   tarde,   voltei   a   passar   por   outra   situação   estranha.   Eu   estava   na   sala   de   aula   para   fazer   o   teste   de   Língua   Portuguesa   e,   quando   comecei   a   preencher   o   cabeçalho,   algo   começou   a   tomar   conta   de   mim   novamente.   Quando   eu   queria   escrever   João,   escrevia   Lavoura,   quando   queria   escrever   Carlos,   escrevia   Tavares,   quando   queria   escrever   Tavares,   escrevia   Carlos   e   quando   queria   escrever   Lavoura,   escrevia  João.   Foi  então  que  decidi  ir  pedir  ajuda  à  Francisca.  Cheguei  junto  dela  e  comecei  a   contar-­‐lhe  o  que  se  estava  a  passar  comigo  nesse  dia,  mas  ela  não  estava  a  acreditar   em   mim,   até   que   comecei   a   dançar   como   um   tolo   à   frente   de   todos   os   alunos   que   estavam  no  corredor  da  escola.   –  Já  acreditas  em  mim?  –  perguntei  eu.   – Isso   é  muito   estranho,   mas  já  sei   o   que   se  passa  contigo.   –  respondeu-­‐me  a   Francisca.   –  Diz-­‐me  então.  –  pedi-­‐lhe  já  ansioso.   Foi  então  que  a  Francisca  me  disse  que  a  minha  roupa  tinha  ganhado  vida  e  que   era  uma  roupa  muito  divertida,  porque  tinha  feito  rir  a  Laura  e  todas  as  pessoas  com  a   minha  dança  maluca.   João  Carlos  Lavoura,  5.ºC    

  Espelho  Encantado     Num   dia   de   manhã,   levantei-­‐me,   vesti-­‐me   e   fui   à   casa   de   banho   ver-­‐me   ao   espelho.  O  espelho  estava  muito  brilhante.  Toquei-­‐lhe  e  ele  disse:   –  Entra  dentro  de  mim.   Eu,  assustado,  entrei.  Quando  entrei,  parecia  que  estava  num  sótão  e  à  minha   frente  estava  outro  espelho  que  me  dizia  o  mesmo.     Eu   entrei   outra   vez.   Do   outro   lado   do   espelho,   estava   um   mundo   que   eu   nunca   tinha   visto.   Tinha   carros   flutuantes   e   não   havia   estradas.   Nesse   mundo   havia   um              63  


Oficina  de  escrita     edifício   muito   grande.   Esse   edifício   era   uma   escola   de   ciência   super   avançada.   Tinha   robots   que   faziam   tudo.   Havia   um   campo   enorme   cheio   de   painéis   solares   para   produzir   energia   para   a   cidade.   Quando   não   havia   sol   para   fornecer   energia,   tinham   baterias  muito  grandes.  Tinham  ventoinhas  eólicas  e  hidráulicas.     Na   escola   conheci   um   génio   que   me   mostrou   o   campo   dos   painéis   solares   e   outras  coisas.  Também  me  mostrou  um  projecto  que  iam  fazer.  Esse  projecto  era  um   robot   gigante   que   ia   levar   a   outros   mundos,   painéis   solares,   ventoinhas   e   o   material   para  as  barragens,  para  produzir  energia.  E  o  génio  disse  que  iam  fazer  esse  projecto,   porque  qualquer  dia  não  havia  fósseis  e  para  não  poluir  o  Mundo.   Adorei   essa   viagem   por   isso   vou   chamar-­‐lhe   «O   Mundo   das   energias   renováveis».  Gostava  que  isto  fosse  verdade.   Paulo  Coimbra,  5.ºC        

O  Tapete  Voador       Estava   na   minha   loja,   quando   apareceu   o   Sr.   António,   um   senhor   muito   rico,   que   queria   comprar   um   tapete   voador   topo   de   gama   para   oferecer   à   filha   no   dia   do   seu  aniversário.     E   eu,   esperta,   escolhi   o   melhor   topo   de   gama.   Era   vermelho,   grande,   tinha   G.P.S.   e   era   automático   (falava-­‐se   e   o   tapete   fazia   o   que   nós   queríamos:   servia-­‐nos   refeições,  bebidas  e  sobremesas).     Chamei   o   Sr.   António   e   disse-­‐lhe   que   íamos   fazer   uma   viagem   surpresa.   O   Sr.   António  ficou  desconfiado,  mas  concordou.     Levei-­‐o  a  Itália,  para  vermos  o  Papa  Bento  XVI,  os  melhores  restaurantes  onde   só  se  comia  massa  e  fomos  ver  uma  peça  de  teatro  à  capital  deste  maravilhoso  país,   Roma.     O  Sr.  António  ficou  tão  maravilhado  com  aquilo,  que  me  disse  logo:     –  Está  decidido!  Vou  comprar  este  tapete  voador  para  a  minha  querida  filha!     E  eu  fiquei  muito  feliz  por  ter  vendido  o  primeiro  tapete  topo  de  gama!     Ana  Laura  Nogueira,  5.ºC    

                   64  


Oficina  de  escrita   O  Tapete  Voador    

Um  dia  estava  eu  na  minha  loja  de  tapetes  voadores  e  chegou  um  cliente  que   queria  um  tapete  voador  topo  de  gama.     Fomos  ver  os  tapetes.  Havia  três  escolhas:     -­‐   o   “tapetoinatorr”   que   era   dourado,   com   turbo,   air   bolha,   sistema   hidropassagem,   GPS,  rádio  leitor  de  CD’s  ,  bancos  com  injecção  e  pára-­‐quedas;     -­‐  o  “tapete  3.000X”  que  era  verde  e  amarelo  florescente,  com  capota,  GPS,  almofadas   roxas,  com  turbo,  inteligente,  tinha  engenhocas  integradas  e  tinha  botão-­‐camaleão;     -­‐   e   o   “tapete-­‐mioshy”   que   era   branco   e   preto,   tinha   sistema   relaxante,   software   de   culinária,  programa  de  S.O.S.  e  internet.     O   cliente   optou   por   experimentar   o   tapete   3000X.   Sentámo-­‐nos   no   tapete   e,   logo   que   pus   a   capota,   esta   acertou   na   cabeça   do   cliente   que,   por   isto,   optou   por   experimentar  o  tapetoinatorr.     Sentámo-­‐nos  no  tapete,  descolámos  e  subimos  muito.  Eu  levei-­‐o  a  uma  cascata   e  testámos  a  air  bolha.  Quando  a  activei,  o  cliente  assustou-­‐se  e  caiu  à  água.     Voltámos  à  loja  e  o  cliente  disse:        –  Se  acontecer  mais  alguma  coisa  perigosa,  registo-­‐a  no  livro  de  reclamações.     Subimos  para  o  último  tapete,  o  mioshy.  Descolámos  e  voámos  em  direcção  a   uma  montanha,  a  uma  nuvem  verde  e  ao  monte  dos  felinos.     Fomos  para  a  loja  e  o  cliente  acabou  por  comprar  o  tapete  mioshy.            Filipe  Abreu,  5.ºC    

A  Laurinha  Invisível    

Era   sábado   de   manhã.   Levantei-­‐me,   vesti-­‐me   e   fui-­‐me   pentear   em   frente   ao   espelho.  Mas,  que  espanto  o  meu!  Estava  em  frente  ao  espelho  e  não  me  via!     Depois  desta  agitação  toda,  acalmei-­‐me.  Pensei  e  pensei  ainda  mais  e  descobri   que   estava   invisível!   Que   aventura   a   minha!   Logo   depois,   preparei-­‐me   e   fui   para   a   catequese.  O  catequista  fez  a  chamada  e  marcou-­‐me  falta.     A   catequese   terminou   e   foram   todos   para   o   campo   de   futebol.   E   eu,   esperta,   sem  ninguém  ver,  fui  ao  livrinho  e  pus  presença  no  sítio  onde  estava  o  meu  nome.     Quando   cheguei   a   casa,   a   minha   mãe   estava   a   chorar,   porque   eu   não   estava   na   cama.     –  Mãe,  estou  aqui.  –  disse  eu.  –  Só  que  estou  invisível.  Neste  momento  estou   para  me  sentar  ao  teu  colo.              65  


Oficina  de  escrita   Sentei-­‐me   no   seu   colo   e   ela   parou   de   chorar.   O   resto   do   dia   passou-­‐se   como   se   eu  fosse  uma  pessoa  normal.     Na  segunda-­‐feira,  foi  um  problema  durante  as  aulas.  Os  professores  marcaram-­‐       -­‐me  falta,  mas  eu  estava  lá.  No  fim  das  aulas,  fui  a  correr  para  casa  e,  quando  me  vi  ao   espelho,  já  não  estava  invisível!  Estava  completamente  normal!  Fiquei  tão  feliz  que  só   saltava  pela  casa!     Quando   a   minha   família   me   viu,   ficou   tão   feliz,   tal   como   eu,   que   decidiu   dar   uma  festa  em  minha  honra!     Ana  Laura  Nogueira,  5.ºC    

A  Leonor  Invisível     Numa  noite  em  que  fazia  anos,  recebi  um  frasco  que  tinha  lá  dentro  um  líquido   muito  raro  de  encontrar.  Quando  a  festa  acabou,  fui  para  o  meu  quarto,  vesti  o  pijama   e  deitei-­‐me  a  olhar  para  aquele  líquido  tão  esquisito.   Acordei   com   uma   vontade   muito   grande   de   saber   o   que   fazia   e   para   que   servia   aquele  líquido.  Então,  perguntei  à  minha  mãe:   –  Mãe,  sabes  para  que  é  que  serve  este  líquido?   –  Sim,  serve  para  te  tornares  invisível!   –  Uau!!  E  isso  acontece  mesmo?   –  Claro,  mas  nunca  bebas,  senão  ficarás  invisível  para  sempre.   –  Mas  não  há  nada  que  faça  com  que  nós  deixemos  de  ser  invisíveis?   –  Não  sei,  mas  acho  que  não!   Então,   fui   para   o   meu   quarto   olhar   bem   para   aquele   líquido.   Foi   quando   decidi   provar  uma  gotinha.  Logo  que  pus  a  minha  boca  no  frasco,  tornei-­‐me  invisível.   Fiquei   muito   confusa   e   decidi   fugir   de   casa.   Fui   para   um   sítio   onde   havia   muito   movimento,   mas   sentia-­‐me   muito   diferente   em   relação   às   outras   pessoas.   Fiquei   mesmo   muito   arrependida   de   não   ter   ouvido   a   minha   mãe.   Esse   momento   foi   terrível.   Passado  uns  dias,  encontrei  uma  senhora  que  era  mágica  e  disse-­‐lhe:   –  Pode  não  me  ver,  mas  ouça-­‐me!   –  Ok,  eu  ouço,  diga  lá!   –  Bebi  uma  poção  e  tornei-­‐me  invisível,  o  que  é  que  eu  faço?   –  Tem  de  beber  outra  vez  a  poção  que  lhe  fez  isso!   Então  lá  fui  eu  para  casa  beber  outra  vez  a  poção.  Bebi  outra  vez  e  fiquei  normal.   Parecia   um   milagre!   Dei   um   salto   de   alegria   e   contei   tudo   o   que   se   tinha   passado   à   minha  mãe.  Foi  uma  aventura  das  grandes!   De  repente,  vi  que  isto  tudo  tinha  sido  um  sonho.   Leonor  Cruz,  5.ºC              66  


Oficina  de  escrita    

As  mil  esperanças       Solidão.  Esta  é  a  palavra  na  qual  se  baseia  a  minha  vida…  ou  talvez   independência.  A  palavra  independência  também  me  resume  bastante   bem.     Sempre   estive   sozinho,   não   porque   precisasse   de   pensar,   mas   sim   porque  não   encontrava   aquela   pessoa  que  fosse  parecida  comigo.  Até   que  um  dia  deixei  de  a  procurar.     Fugi   de   casa   quando   tinha   apenas   catorze   anos.   A   causa   desta   decisão  foi  apenas  os  meus  pais  não  perceberem  o  meu  modo  de  vida.   Achavam   que   eu   não   me   tinha   habituado   à   nova   escola.   Mas   a   verdadeira   razão   para   aquilo   que   eu   passava   era   não   ter   liberdade.   Tratavam-­‐me  como  um  miúdo  de  oito  anos  e  chamavam-­‐me  sempre  de   “menino   bonito”   ou   “puto”.   Mas   eu   não   era   isso.   Era   um   rapaz   maduro   que  sabia  o  que  tinha  de  fazer  –  desaparecer.     Parti   rumo   ao   desconhecido.   Sentia-­‐me   como   Pêro   Dias   em   pleno   mar.  Sabia  apenas  que  a  oeste  ficava  a  América  e  a  sul  a  África.     A   minha   “pequena   caravela”   (era   assim   que   eu   chamava   ao   barco)   flutuou   tranquilamente   no   alto  mar  até  bater  em  algo.  Ao  tentar  perceber  o  que  se  passava,  observei  que  o  meu  barco  tinha   chegado  a  uma  grande  ilha.  Ao  vê-­‐la  desabitada,  denominei-­‐a  “Ilha  da  Solidão”.     Não   sabia   ao   certo   quantos   anos   tinham   passado,   porém   sabia   que   o   tempo   não   parava   e   via   o  “puto”  a  tornar-­‐se  num  homem.     Ao  longo  deste  tempo,  construí  uma  pequena  casa  na  qual  iria  começar  a  viver.  Não  era  uma   obra   de   engenharia   moderna,   mas   era   melhor   que   viver   ao   relento.   Sobrevivia   a   beber   o   leite   de   côco  e  a  comer  as  bananas  que  apareciam  nas  palmeiras.     Achava   que   a   minha   vida   não   poderia   ser   melhor:   viver   sem   pais,   sem   família,   sem   preocupações…   A   melhor   parte   do   dia   era   ver   o   crepúsculo.   Este   tinha   maravilhosos   tons   de   roxo   e   amarelo  como  eu  nunca  tinha  visto.     Continuava  só,  ainda  não  tinha  encontrado  ninguém  e  não  iria  encontrar.  Pelo  menos,  era  o   que  eu  pensava.     Numa  manhã,  um  corpo  veio  dar  à  costa  da  ilha.  Era  uma  mulher.  Cuidei  dela  até  esta  abrir  os   olhos.  Depois  de  tratada,  o  momento  da  partida  tinha  chegado.  Porém,  ela  não  queria  ir,  gostava   tanto  desta  vida  como  eu.  Decidi  deixá-­‐la  ficar,  pois  era  bastante  parecida  comigo.     Disse-­‐lhe  todas  as  minhas  regras  de  sobrevivência  naquele  lugar  e  ela  seguiu-­‐as  prontamente.   Seria  isto  um  indício  de  mudança?                 Ana  Rita  Gouveia,  7.ºC              67  


Oficina  de  escrita  

    Inspiração  Artística   É  tão  bom  sentir  o  cheiro  

     

 

O  Sonhador   Também  ele,  também  ele  

Da  Primavera  no  ar  

Sentiu  as  ramagens  no  seu  peito  

Os  pássaros  lá  no  céu  

Também  ele,  também  ele  

Noite  e  dia  a  cantar  

Quis  que  o  quadro  fosse  feito  

 

 

Toda  aquela  beleza  

Com  grande  delicadeza  o  desenhou  

Toda  aquela  cor  

De  forma  bonita  o  tratou  

É  maravilhoso  poder  apreciar  

Com  grande  amor  o  pintou  

Todo  aquele  esplendor  

Durante  a  vida  o  amou  

 

 

O  sol  dá  cor  

Também  ele,  também  ele  

A  toda  aquela  paisagem  

Quis  que  o  mundo  fosse  pintura  

Os  frutos  e  as  flores  

Também  ele,  também  ele    

Completam  a  imagem  

O  tratava  com  ternura  

 

 

Cheio  de  orgulho  

Também  ele,  também  ele  

Está  o  pintor  

Sentiu  o  cheiro  da  natureza  

Trabalhou  com  dedicação  

Na  sua  ilustre  vida  

E  muito  amor  

Não  houve  espaço  para  tristeza  

 

 

Que  inveja  tenho  eu  

Também  ele,  também  ele  

De  não  saber  pintar  assim  

Sentiu  o  som  da  canção  

Para  poder  criar  um  mundo  

Também  ele,  também  ele  

Que  fosse  só  para  mim  

Lhe  dava  sempre  a  sua  mão  

 

  João  Almeida,  7.ºD  

             68  

Ricardo  Santos,  7.ºD


Big Ben   SUMMER TIME IS COMING!   As   we   all   know   school   is   almost   done,   so   it’s   time   to   think   about   the   holidays!   You   can   travel   abroad,   visit   a   city,   and   go   to   a   summer   camp   or   to   the   beach!   It   doesn’t   matter   where  you  are;  the  most  important  thing  is  to  have  fun  and  to  relax.  Meanwhile,  don’t   forget  to  practise  your  English!            

WORDSEARCH Find the following list of words:      BEACH    TOWEL  CASTLE    CRAB  SAND    LOTION    SUNGLASSES  SWIMMING SUIT    BALL    ICE CREAM          

           69  


Garfield  is  on  holiday!  He’s  in  Mexico....                    

S UMMER ACTIVITIES  

         

 

Summertime   is   a   good   opportunity   to   practice   sports.   Here   are   some   examples   of   activities  you  can  do  in  the  summer  to  keep  fit.    Look  at  the  crosswords  and  write  the   following  words  in  the  correct  place.  Match  the  words  with  the  pictures.     4 LETTERS   surf   golf  6 LETTERS skiing  tennis  boxing hockey   7 LETTERS   jogging cycling   fencing   8 LETTERS   football handball   9 LETTERS   car racing   10 LETTERS   basketball   12 LETTERS snowboarding   13 LETTERS   weightlifting roller skating            70  


S PORTS BALL SUDOKU  

  It’s   time   to   think!   Every   row,   column   and   mini   grid   must   contain   each   ball.   Enjoy   yourself!                              

Help the EARTH: BE GREEN! Help  recycling  by  getting  the  can  into   Phil,  the  Blue  Box:                                    71  


BEING GREEN!                

                   

How  can  you  help  the  environment?  Read  the  green  tips  and  complete  the  spaces  with  ‘DO’  or   ‘DON’T’.   1.

_____________  drop  litter.  

2.

 _____________  recycle  plastic,  metal  and  glass.  

3.

_____________  give  your  old  clothes  and  games  to  a  charity  shop.  

4.

 _____________  write  on  both  sides  of  a  piece  of  paper.  

5.

_____________  buy  recycled  products  such  as  notebooks  and  toilet  rolls.  

6.

_____________  leave  your  TV,  CD  player  or  computer  on  standby  mode.  

7.

_____________  use  plastic  bags  to  carry  shopping  –  use  your  schoolbag  instead.  

8.

_____________  turn  off  lights  when  you’re  not  in  a  room.  

9.

_____________  open  the  window  when  the  air-­‐conditioner  is  on.  

10. _____________  leave  taps  on  when  you’re  brushing  your  teeth.   11. _____________  cycle  or  walk  to  school.   12. _____________  eat  fast  food  or  pre-­‐packed  food.   13. _____________  use  toiletries  like  soap  and  shampoo  that  have  been  tested  on  animals.   14.  _____________  join  a  conservation  group.   15. _____________  carry  out  a  survey  to  see  how  green  your  home  is.   16. _____________  talk  to  your  family  about  ways  to  help  the  environment.  

STUDENTS’ CORNER Global  warming  versus  Humankind   Global  warming  is  a  phenomenon  caused  by  the  increase  of  greenhouse  gases   in  the  atmosphere.  This  phenomenon  is  responsible  for  many  of  the  climate  changes   and   disasters,   which   are   happening   in   our   world,   such   as:   hurricanes,   floods   and   droughts.   These   natural   disasters   are   taking   our   planet   to   extreme   situations   and   both   people  and  animals  are  in  danger!  It’s  up  to  humankind  to  fight  against  this  problem!   With   several   different   actions,   we   can   make   the   difference   and   protect   planet   Earth   and  its  precious  resources!     It’s  up  to  YOU!  You  can  either  fight  for  planet  Earth  or  knock  it  out!   Daniela  Génio,  9th  B              72  


Saving  energy  protects  the  Environment   There  are  many  things  that  we  can  do  to  protect  planet  Earth  and  its  life!  We   are   all   responsible   for   the   situation   our   planet   is   going   through,   so   we   should   start   acting   quickly!   We   should   start   by   saving   as   much   energy   as   we   can!   Here   are   some   tips:  turn  off  your  TV  sets,  instead  of  leaving  them  on  standby;  replace  your  lamps  by   efficient   ones;   don’t   charge   mobile   phones   during   the   night   so   that   you   don’t   waste   energy;  and  install  solar  panels  in  your  house  because  the  use  of  alternative  energies  is   a   way   of   helping   the   environment!   Did   you   know   that   some   new   technologies   developed  by  humankind  allow  us  to  save  our  planet?  There  is  a  new  technology  that   will  soon  arrive  to  our  houses:  a  new  type  of  lamps,  called  “led”  lamps.  These  lamps   are   more   efficient   than   all   the   others;   however,   this   new   technology   will   only   be   available   in   2011.   There   is   also   a   new   type   of   solar   panel   being   developed   in   Australia.   It’s  a  solar  cell  with  the  size  of  a  hand  that  will  produce  as  much  energy  as  the  other   solar  panels.  This  will  enable  people  to  use  solar  energy  in  an  easier  way!   Manuel  Cardoso,  9th  B    

My  favourite  food  and  drink   Hello!   My   name   is   Isabel   and   my   surname   is   Costa.   I   am   eleven   years   old   and   I’m   a   student.  I  love  codfish  with  cream  and  roast  chicken.  I  like  hot  dog,  steak  and  chips.  My   favourite  fruit  is  pear  and  my  favourite  dessert  is  ice  cream.  I  love  ice  cream!  I  don’t   like   pineapple.   My   favourite   drink   is   ice   tea.   I   like   sports:   basketball,   football   and   swimming.  I  don’t  like  rugby.   Isabel  Costa,  5th  A      

Food,  drinks  and  sports     Hi,   I’m   Joana   Abrantes.   I   love   steak   and   chips   but   I   hate   pizza.   I   also   like   salad,   fish   and   soup.  My  favourite  food  is  roast  chicken,  potatoes  and  rice.  My  favourite  drink  is  water   but   I   also   like   ice   tea   and   orange   juice.   I   love   basketball   and   swimming   but   I   hate   boxing.  I  like  football  but  I  don’t  like  rugby.  My  favourite  sport  is  basketball.   Joana  Abrantes,  5th  A              73  


My  dream  job     Hi!  My  name  is  João  and  I  am  going  to  talk  about  my  dream  job.  My  dream  job  is  to  be   a   teacher!   I   would   like   to   be   a   teacher   because   I   love   teaching   new   things   to   other   people.   It   makes   me   feel   good!   It   must   be   good   to   be   proud   of   students   when   they   learn   something   new.   Being   a   teacher   is   not   easy;   it   is   a   hard   task.   My   teachers   sometimes  ask  me  if  I  really  want  to  be  a  teacher.  I  can  change  my  mind  but  right  now   it  is  my  dream  job!   João  Almeida,  7th  D      

A  free  time  activity:  watching  TV     I  like  watching  TV  in  my  free  time!  I  usually  watch  it  one  hour  a  day  during  the  week.   However,   at   the   weekends   I   watch   about   three   to   four   hours.   My   favourite   programmes   are   cartoons,   films   and   series   but   I   also   like   sports   programmes   very   much.   I   don’t   like   soap   operas   because   they   are   boring.   I   prefer   series   because   you   never   know   what   is   going   to   happen   next.   I   like   watching   TV   but   I   always   do   my   homework  first!     Leandro  Jesus,  8th  A      

Television:  advantages  and  disadvantages     I   like   watching   TV   but   I   am   not   a   TV   addict!   Although   I   don’t   have   a   favourite   programme,   I   usually   watch   television   two   hours   a   day.   I   enjoy   watching   the   news   and   documentaries   about   fishing.   I   think   TV   has   many   advantages   and   disadvantages.   On   one   hand,   it   can   be   an   interesting   hobby   because   we   can   learn   a   lot   of   new   things.   On   the   other   hand,   it   can   lead   to   health   problems,   namely   obesity.   Children   tend   to   eat   snacks  while  they  are  watching  TV  and  they  don’t  exercise  enough.   Tiago  Martins,  8th  A              74  


PLANNING  A  TRIP  TO  ENGLAND   Have  a  look  at  what  the  students  from  the  8th  D  are  going  to  do  during  their  summer   holidays!     Legoland   We  are  António  and  Joana!  These  summer  holidays  we   are   going   to   visit   England   and   we   have   decided   to   start   by   visiting  Legoland.   Legoland  is  a  famous  attraction  in  Windsor,  which  is  a   city  near  London.   We   are   going   to   visit   lots   of   places   and   different   attractions.  We  are  going  on  the  6th  of  August,  so  we  can  visit   it  from  10  a.m.  to  7  p.m.     We  are  going  to  see  all  the  special  events  like  after  dark,  live  concerts,  knights   kingdom   jousting   and   fireworks.   We   are   also   going   to   visit   the   wild   woods,   miniland   and   the   dragon.   The   only   problem   is   the   price   of   the   passes   but   we   think   we   are   going   to  buy  a  two-­‐day  pass  that  costs  about  £43.  With  a  two-­‐day  pass  we  can  go  there  any   time  and  see  whatever  we  want  to  in  those  two  days.  We  hope  it  will  be  cool!         SHAKESPEARE’S  GLOBE     Hello!   We   are   Jessica   and   Paulo   Cruz.   Like   our   classmates,   we   are   also   going   to   spend   our   holidays   in   England.   We   are   going   to   visit   Shakespeare’s   Globe,   which   is   on   the   bank   side   of   the   River   Thames   and   by   the   New   Globe   Walk   Street.   We   are   going   to   catch  a  train  at  the  local  station,  in  Cannon  Street.       On   the   24th   of   July   we   are   going   to   watch   the   play   “Anne   Boleyn”   at   7:30   p.m.   The   ticket  for  the  middle  gallery  costs  29£  per  person.     WINDSOR  CASTLE     We   are   Filipa   and   Raquel!   Next   summer   we   are   going   to  England  to  visit  the  Windsor  Castle.  We  are  going  on  the   26th   of  June.  It’s  going  to  be  great  because  we  are  going  to   London   by   plane!   We   already   have   the   tickets   to   visit   the   castle,   which   cost   28£.   In   the   castle   we   are   going   to   see   many  things,  specially  the  gardens,  because  they  are  very  big   and  beautiful.  We  are  going  stay  in  the  castle  for  3  hours!              75  


MOÇAMBIQUE           Este   país   tem   como   capital   Lourenço   Marques,   actual   Maputo,   uma   cidade   com   avenidas   largas,   prédios   altos   e   um   porto   próspero…   paisagens   maravilhosas…   As   comunicações   marítimas   e   ferroviárias   da   capital   são   utilizadas   por   outros   países:   a     África  do  Sul,  o  Zimbabué  e  a  Suazilândia.         Moçambique   fica   na   costa   oriental   de   África,   frente   a   Madagáscar.   Os   mais   importantes   recursos   naturais   deste   país   são   o   carvão   e   os   diamantes.   Em   média,   80%   dos  habitantes  deste  país  são  agricultores,  cultivam  algodão  e  caju  para  exportação,  ou   mandioca  e  trigo  que  serve  para  alimentar  as  suas  famílias.       Durante  

aproximadamente  

500  

anos,  

Moçambique   pertenceu   a   Portugal.   Os   portugueses   chegaram   em   1498,   criaram   postos  comerciais  para  escravos  e  expulsaram   outras   nações   que   tentavam   dominar   Moçambique.   No   princípio   do   século   XIX,   Portugal  conquistou  tribos  agrícolas:  Macondes,  Iaos,  Tetes  e  Rongas…  e  transformou   Moçambique  numa  colónia.     Um   dia…   em   1962,   a   FRELIMO   (Frente   de   Libertação   de   Moçambique),   iniciou   uma   longa  guerra  para  libertar  o  país  do  domínio  estrangeiro…  e  conseguiu…                    76  

                                                                     As  fidalgorialistas:  Andreia  Almeida,     Beatriz  Correia  e  Lígia  Fernandes,  6.ºD  


Savais-tu…   Convaincu?  Le  Français  est  réellement  super,  méga,  hyper  chouette?!!!  Pas  de   doute,  n’est-­‐ce  pas  ?  Alors  voici  quelques  idées,  textes  et  activités  à  réaliser  pendant   les  vacances!!!     Curiosités    

Le  muguet  et  le  1er  mai       En  France,  le  1er  mai,  les  gens  s'offrent  du  muguet.  Celui-­‐ci  se  vend  partout  et   personne  n’ose  pas  en  acheter!!!  C’est  cette  fleur  en  forme  de  clochettes  blanches  qui   sent   bon   l'arrivée   du   printemps.   On   dit   même   que   c’est   un   porte-­‐bonheur   qui   apporte   de  la  chance  et  de  la  joie  jusqu'à  l'année  suivante.     Voici  un  extrait  d’un  poème  de  Téophile  Gautier  qui  parle  du  muguet  et  qui  est   récité  par  beaucoup  d’élèves  français.   Villanella   Quand  viendra  la  saison  nouvelle,     Quand  auront  disparu  les  froids,     Tous  les  deux  nous  irons,  ma  belle,     Pour  cueillir  les  muguets  au  bois;     Sous  nos  pieds  égrenant  les  perles     Que  l'on  voit  au  matin  briller,     Nous  irons  écouter  les  merles     Siffler.     [...]   Théophile  Gautier    

           77  


Observe  le  muguet  et  découvre  les  sept  différences.  

  La  cinémathèque  du  Français                Les   élèves   de   la   neuvième   année   ont   fait   une   réflexion   sur   les   cours   de   cinémathèque  et  voici  leurs  opinions:     Adriana  Filipe,  9èmeB  nous  dit  que:              J’ai   beaucoup   aimé   les   cours   de   cinémathèque,   car   c’est   un   cours   pratique  et  on  s’habitue  à  écouter  le  français;  comme  ça  c’est  plus  facile   pour  parler.  Le  film  que  j’ai  aimé  le  plus?  Le  premier  Les  bronzes  vont  en   vacances,  parce  que  c’était  plus  drôle  et  amusant.     Flávio  Santos,  9ème  B  nous  confie:              Les   cours   de   cinémathèque   ont   été   fantastiques,   car   c’est   une   bonne   manière   de   comprendre   le   français   et   après   pouvoir   le   pratiquer.   J’ai   beaucoup   aimé   Les   bronzes   vont   en   vacances,   car   c’était   drôle   et   les   paysages  étaient  beaux.     Inês  Santos,  9ème  A  nous  commente  que:          La   cinémathèque   a   été   très   utile.   Pourquoi?   Car   on   a   appris   mieux   le   français,  en  l’écoutant.       Sara  Pinheiro,  9ème  B  dit  que:            Les   films   que   nous   avons   vu   m’ont   aidé   à   la   sonorité   de   la   langue   française.   Ces   cours   devraient   se   répéter,   car   ainsi   on   apprend   mieux   la   langue  et  à  la  parler  aussi.              78  


Elsa  Correia,  9ème  B  confie  que:              Les  films  ont  été  intéressants,  les  acteurs  et  actrices  étaient  connus  et   j’ai   beaucoup   aimé   les   voir   à   faire   leurs   papiers   activement.   En   premier,   je   pensais  que  les  films  français  n’étaient  pas  intéressants,  mais  mon  opinion   a  changé  grâce  à  ces  cours.       Beatriz  Costa,  de  la  9ème  A              Moi,  j’ai  beaucoup  aimé  les  cours  de  cinémathèque,  car  les  films  étaient   intéressants.  Le  plus  difficile  c’est  de  voir  les  films  sans  sous-­‐titrage.       Manuel  Cardoso,  9ème  B,  cinéphile              Les   cours   de   cinémathèque   m’ont   permis   de   connaître   d’autres   réalisateurs   français   et   d’autres   acteurs   aussi.   Ainsi,   j’ai   eu   une   nouvelle   vision  du  panorama  français  de  cinéma.           Les  Grandes  Vacances       Une  des  suggestions  pour  tes  grandes  vacances  c’est  de  voir  le  film   comique  du  même  nom  de  cette  rubrique  «Les  Grandes  Vacances»,  avec   Louis  de  Funès  dans  le  rôle  principal,  acteur  que  les  élèves  de  Français  ont   connu  pendant  les  cours  de  Cinémathèque  de  Français!!!    

                       79  

                     


Tu  peux  aussi  faire  les  jeux  qui  suivent:      

 SUR  LA  PLAGE  

 

  Complète  avec  les  mots  adéquats      

 

1) Il  ne  faut  pas  l’oublier  afin  qu’il  puisse  protéger  du  soleil                       2) Pierre  lisse  et  ronde  usée  par  la  mer                                                                                                         3) Petite  embarcation  que  l’on  fait  avancer  à  l’aide  de  pédales                     4) On  en  construit  souvent  avec  du  sable;  parfois,  il  y  a  même  des  concours                       5) Un  oiseau  de  la  mer                       6)  Mouvement  que  fait  l’eau  de  mer                       7)  Il  y  en  a  dans  la  mer  et  dans  les  plats  cuisinés  par  maman                 8)  Lorsqu’il  est  vert,  c’est  qu’il  n’y  a  pas  de  danger  pour  se  baigner  

   

 

           80  

 

   

 

 

 

 

 


Remplis  cette  grille  de  mots  croisés  sur  les  fruits  :       Poire,  pomme,  cerise,  framboise,  orange,  melon,  pêche,  fraise  

 

  Colorie  ce  dessin  avec  les  couleurs  suggérées   Bleu,  jaune,  vert,  rouge,  blanc,  orange.  

 

 

                     

Bonnes  vacances  et  à  l’année  prochaine!!!                      81  

 


SURF  –  o  desporto  dos  deuses               Com   as   férias   aí   à   porta   e   o   calor   a   apertar,   ficamos   todos   cheios   de   vontade   de   dar   um   pulinho  à  praia.  Por  que  não  aproveitar  para  aprender  a  surfar?  Mas  o  que  é  isso  de  Surf?   Surf  é  um  desporto  radical,  em  que  o  surfista  se  tenta  equilibrar  e  fazer  manobras  em  cima   da  sua  prancha.  Segundo  os  praticantes  deste  desporto,  o  surf  é  um  modo  de  vida  em  que  existe   um  equilíbrio  perfeito  entre  o  homem  e  a  natureza.      Existem  várias  versões  relativamente  ao  aparecimento  deste  desporto.  Uma  delas  refere   que  foram  os  havaianos  os  responsáveis  pelo  surf  que  conhecemos  nos  nossos  dias.  Para  eles,  o   surf   era   considerado   o   desporto   dos   deuses.   Isso   deve-­‐se   ao   facto   de   somente   os   reis   poderem   praticar   o   surf;   os   restantes   limitavam-­‐se   a   praticar   o   surf   deitado,   uma   espécie   de   bodyboard.   Talvez  tenha  começado  aqui  a  rivalidade  que  existe  entre  os  dois  desportos…   Nestes   tempos,   utilizavam-­‐se   pranchas   de   madeira,   que   serviam   para   deslizar   nas   ondas.   Há   registos   que   referem   que   as   primeiras   pranchas   de   madeira   chegavam   a   pesar   cerca   de   63   quilos!   O   surf   atingiu   o   auge   nos   anos   50,   nos   Estados   Unidos   da   América,   altura   em   que   as   pranchas  de  madeira  começaram  a  ser  substituídas  por  pranchas  de  fibra  de  vidro,  bastante  mais   leves.  Estas  pranchas  permitiam  ao  surfista  fazer  manobras  diferentes  e  tornar  o  surf  ainda  mais   espectacular.   Durante   as   décadas   de   70   e   80,   este   desporto   espalhou-­‐se   por   todo   o   mundo,   dando   início   ao  profissionalismo  e  a  campeonatos,  onde  há  avultados  prémios  em  dinheiro.     Curiosidades  do  surf:   -­‐  a  Austrália  é  o  país  com  maior  número  de  campeões  mundiais  de   surf;   -­‐  o  actual  campeão  mundial  é  Kelly  Slater;   -­‐  o  melhor  mar  para  desfrutar  deste  desporto  é  o  da  manhã;   -­‐  45,2%  dos  europeus  que  se  iniciam  no  surf  são  mulheres  e  39,5%   são  homens;   -­‐  14,1%  dos  praticantes  do  surf  em  Portugal  fazem-­‐no  regularmente,   sendo  os  mais  assíduos  da  Europa;   -­‐  existe  uma  linguagem  própria  no  surf  (Swell  –  Ondulação;  Aloha  –   saudação   havaiana;   Bowl   –   Onda   cavada;   Pico   –   Lugar   onda   quebram   as   ondas;   Salao–   Tubo   espaçoso;   Crowd   =   Muita   gente;   Flat   –   Mar   calmo,   sem   ondas).     As  Fidalgorialistas:  Ana  Filipa  Tavares,  9.ºD,     Inês  Oliveira  e  Liliana  Ferreira,  9.ºC              82  


O  primeiro  surfista  Português         O   surf   tem   adeptos   em   todos   os   pontos   do   mundo   e   Portugal   não   é   excepção.  Pedro  Lima,  hoje  com  78  anos,  é   um  dos  primeiros  surfistas  de  Portugal.   O   seu   gosto   por   desportos   náuticos   despertou   inicialmente   com   bodysurf,   a   seguir   com   o   bodyboard   e   só   mais   tarde   é   que   começou   a   praticar   verdadeiramente   surf  em  pé,  descobrindo  tudo  praticamente   sozinho.   O   seu   interesse   por   este   desporto   começou   em   finais   da   Segunda   Guerra   Mundial   quando   leu   uma   revista   onde   estava   Duke   Kahanamoku   a   surfar.     Para   o   primeiro   surfista   português,   praticar   surf   é   uma   maneira   de   estar   bem   na   vida,   ultrapassando   limites   pessoais   e   encontrando-­‐se  com  ele  próprio.   É   uma   forma   de   estar   bem   com   o   mar,   com   a   Natureza   e   com   a   aventura  saudável.   Pedro   Lima   ainda   pratica   surf,  mas  não  em  ondas  grandes   devido   a   lesões   que   fez   nos   ombros   numa   avalanche   de   neve.   Assim   sendo,   pratica   windsurf   durante   todo   o   ano   para  poder  passar  por  ondas  grandes  sem  ter  de  remar.  Podendo  ou  não  praticá-­‐lo,  o   mar  e  as  pranchas  vão  sempre  fazer  parte  da  sua  vida.   Segundo  este  surfista  veterano,  “O  surf  pode  ser  um  tubo  de  ensaio  da  própria  vida!”.     As  Fidalgorialistas:  Ana  Filipa  Tavares,  9.ºD,     Inês  Oliveira  e  Liliana  Ferreira,  9.ºC                      83  


AZAHAR   Un  año  de  trabajo…    

Estamos   llegando   al   final   del   año   lectivo   2009   /   2010,   momento   en   el   que   podemos   hacer   una   reflexión   sobre   todo   el   trabajo   realizado   a   lo   largo   de   estos   meses.   El   doce   de   octubre   empezamos   con   la   conmemoración   del   Día   de   La   Hispanidad,   transmitiendo   a   todos   los   alumnos   la   importancia   y   significado   de   esta   fecha,   relacionando   dos   asignaturas   importantes,   Historia   y   Español.   Fue   transmitido   a   los   alumnos   del   sexto   curso   la   contextualización   de   la   época   de   las   navegaciones   de   Cristóbal   Colón,   la   importancia   de   este   nombre   en   la   Lengua   Española  y  sus  descubiertas.  Seguimos  con  la   actividad   del   Día   de   Reyes,   el   día   seis   de   enero,  momento  importante  en  España,  que   se   relaciona   con   el   final   de   las   fiestas   de   Navidad   en   Portugal.   Los   alumnos   pudieron   comprender   las   diferencias   entre   la   cultura   de   dos   países   tan   cercanos   y   poner   en   práctica  los  conocimientos  adquiridos  en  las  clases  con  la  actividad  “Caza  al  Tesoro”  en   la   que   participaron   profesores   y   funcionarios,   a   quienes   agradecemos   toda   la   colaboración  y  disponibilidad.     Además  de  estas  actividades  hay  que  referir  que  dos  alumnas  del  octavo  curso,   Jéssica  Santos  del  8º  D  y  Lisa  Almeida  del  octavo  A  representaron  el  Instituto  Duarte  de   Lemos  en  el  IV  Premio  Pilar  Moreno  Días  de  Peña,  pintando  el  tema  “Un  viaje  cultural  a   España”.   Todavía   seguimos   esperando   una   respuesta,   pero   es   de   referir   que   los   trabajos  enviados  fueron  interesantes  y  creados  con  dedicación.   Sin   embargo   las   actividades   y   el   trabajo   realizado   por   los   alumnos   de   Español   terminará   con   “Descubriendo   España”.   Será   presentada   a   toda   la   comunidad   escolar   una  exposición  sobre  personalidades  hispanohablantes,  así  como  algunos  de  los  países   donde  se  habla  la  lengua  española,  idioma  que  va  ganando  a  lo  largo  de  los  años  más   hablantes   dadas   las   posibilidades   que   crea   al   nivel   de   los   estudios,   del   mercado   labora   y  la  proximidad  geográfica.   El   año   que   viene   seguiremos   con   más   actividades   y   más   proyectos   realizados   por  los  alumnos  y  profesores  con  la  intención  de  proyectar  esta  lengua  que  va  ganando   dimensiones  y  de  preparar  cada  vez  mejor  hablantes  de  la  lengua  española.       El  grupo  de  Español  

           84  


AZAHAR            Diviértete  un  poco  y  juega  en  Español…      

                                                                                                       Comunidades  Autónomas  de  España    

X  

S  

F  

Q  

G  

V  

E  

Q  

A  

R  

M  

Q  

A  

G  

F  

A  

Z  

N  

T  

I  

B  

Z  

K  

I  

R  

S  

D  

J  

S  

T  

L  

I  

L  

W  

R  

A  

O  

W  

H  

D  

T  

W  

F  

Y  

L  

U  

T  

P  

W  

Q  

T  

O  

J  

U  

I  

L  

T  

M  

B  

C  

R  

N  

C  

Z  

I  

H  

X  

S  

C  

J  

H  

Í  

P  

B  

M  

B  

I  

H  

A  

X  

A  

I  

R  

B  

A  

T  

N  

A  

C  

W  

X  

Y  

H  

X  

P  

Q  

G  

G  

C  

W  

Horizontal 4. Habitación donde se duerme; Vertical 1. Persona que trabaja en una tienda de ropa; 2. Material para escribir; 3. Hombre que hace la comida en un restaurante;

           85  

 

                                  ANDALUCÍA  

                                                       ASTURIAS                                                            CANTABRIA                                                

Recuerda   el   vocabulario   estudiado…  


Racismo      

 

Racismo:  s.  m.,  denominação  atribuída  a  ofensas  verbais  ou  físicas  a   minorias,  causando  problemas  psicológicos.     Pois   é,   se   consultarmos   o   dicionário   é   quase   isto,   mais   ou   menos,   mais  para  o  mais  que  para  o  menos…     O  racismo  nota-­‐se,  o  racismo  expande-­‐se,  o  racismo  acaba  e  começa   com   uma   palavra,   uma   atitude.   Um   ser   racista   é   aquele   que   se   acha   superior,   que   acha   que   tem   direito   a   julgar   e   submeter   as   minorias   raciais   à   sua  vontade  só  porque  é  diferente...     Pergunto-­‐me:   qual   era   a   “piada”   da �� vida   se   fôssemos   todos   iguais?   É   por   isso   que   uns   são   espertos,   outros  inteligentes,  outros  divertidos,  outros  casmurros,  outros  simpáticos,  outros  antipáticos.  Na  cor  da  pele   é  a  mesma  coisa,  somos  todos  iguais,  porque  aos  olhos  do  pintor,  na  paleta,  somos  todos  tocados  pelo  mesmo   pincel  e  todos  largados  na  mesma  tela…     Pedro  Martins,  8.ºE  

O  racismo  é  um  problema  que  reflecte  o  tipo  de  sociedade  que  somos.  Actualmente,  as  pessoas  não   conseguem   lidar   com   as   diferenças,   nem   que   estas   sejam   só   numa   insignificante   cor.   “Pretos   ou   Brancos”,   somos  iguais.  Temos  a  mesma  inteligência,  os  mesmos  direitos  e  deveres.   No   livro   “Uma   Questão   de   Cor”,   de   Ana   Saldanha,   é   realmente   notável   a   falta   de   cultura   e   racismo   constantes.   Tal   como   Nina,   eu   também   penso   que   em   Portugal   não   há   tanto   racismo   como   noutros   países.   Este  problema  é  mais  um  dos  que  facilmente  podemos  solucionar,  partindo  já  das  escolas  e  de  casa,  dos  pais.   Muitas   vezes   penso   na   origem   destes   confrontos,   pois   são   intoleráveis   e   imperdoáveis.   Não   se   admite   que  se  façam  diferenças  desta  maneira!     Marta  Marques,  8.ºE       Sou   totalmente   contra   o   racismo!   Cada   pessoa   é   como   é   e   as   restantes   só   têm   de   aceitar.   Estamos   num  país  livre  e,  na  minha  opinião,  só  pessoas  ignorantes  têm  ainda  esse  tipo  de  preconceito.   O   mundo   evoluiu   e   as   pessoas   não   têm   de   ter   a   mesma   nacionalidade   ou   a   mesma   cor   de   pele.   O   que   realmente  importa  é  saber  explorar  o  interior  de  cada  um,  não  olhando  a  etnias  ou  a  qualquer  outra  coisa.   Somos  todos  diferentes  por  fora  e  por  dentro  e  ninguém  tem  o  direito  de  julgar  quem  quer  que  seja.   Penso   que   devemos   viver   todos   em   paz,   promover   a   igualdade,   oferecer   a   nossa   amizade,   solidariedade,  simpatia  e  carinho  a  todos  de  igual  modo.  Todos  têm  os  mesmos  direitos,  todos  têm  as  mesmas   oportunidades  de  ser  feliz,  porque    todos  somos  Seres  Humanos.     Daniela  Pereira  Simões,  8.ºE  

   

           86  


A  família  Simpson  transforma  qualquer   sorriso  amarelo  em  gargalhada...  

       

Os  Simpsons  

‘The  Simpsons’  é  uma  série,  criada  por  Matt  Groening  para  a  FOX,  que  retrata   de  uma  forma  cómica  o  estilo  de  vida  de  uma  família  de  classe  média  de  Springfield,   nos  Estados  Unidos  da  América.     Apesar   de   ter   estreado   a   17   de   Dezembro   de   1989,   esta   série   já   vai   na   21.ª   temporada,  contando  com  cerca  de  451  episódios.     As   personagens   principais   são   da   família   Simpson,   constituída   por   Homer     Simpson,   Marge   Simpson,   Bart   Simpson,   Elisabeth   Simpson   e   Margareth   Simpson.   Homer  Simpson,  o  pai,  é  inspector  de  segurança  numa  Central  Nuclear  e  adora  comer   donuts  e  beber  cerveja.  Quando  não  está  em  frente  à  televisão,  está  no   pub  com  os  seus  amigos.  Ele  detesta  as  suas  cunhadas  Selma  e  Patty,  é   irresponsável  mas,  no  fundo,  é  um  bom  homem.   Marge   Simpson   é   dona   de   casa   e   uma   mãe   muito   preocupada   com   os   seus   filhos.   Tem   um   enorme   cabelo   azul,   que   a   caracteriza   muito   bem.   Em   vários   episódios   tenta  arranjar  emprego,  mas  sempre  em  vão.  Ela  é  a  base   de  equilíbrio  da  família.   Barth   Simpson,   o   filho,   é   um   rapaz   de   10   anos   muito   traquina   e   indisciplinado.  Tira  más  notas  e  nem  sequer  pensa  em  estudar.  Ele  e  o  seu   melhor  amigo,  Milhouse,  fazem  as  maiores  partidas  ao  Director  Skinner  e  a   toda  a  população  de  Springfield.     Elisabeth   Simpson,   a   filha   mais   velha,   anda   no   2.º   ano   e   é   a   melhor   aluna   da   escola.   Adora   tocar   saxofone   e   estudar!   Por   vezes,   sente-­‐se   um   pouco  deslocada  naquela  família.   Finalmente,   Margareth   Simpson,   a   filha   mais   nova,   passa   o   programa   todo   a   chuchar   na   sua   chupeta.   A   sua   primeira   palavra   foi   «daddy»   no   episódio   «Lisa’s   First   Word»   e   os   espectadores   consideram-­‐na   como   a   personagem   mais   misteriosa  da  sua  família.   A  família  Simpson  conta  ainda  com  o  seu  gato,  Snowball  II,   e  com  o  seu  cão,  Santa’s  Little  Helper.     Neste   fantástico   mundo   de   personagens   animadas,   podemos   ainda   encontrar   a   professora  Edna  Krabappel,  os  polícias  como  Lou,  Eddie  e  outras  bastante  cómicas.   Se  ficaste  interessado  e  queres  saber  mais,  experimenta  consultar  os  seguintes   sites:   http://canalfox.com.br/br/series/os-­‐simpsons   http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Simpsons     As  fidalgoristas:  Francisca  Pinto  e  Maria  Ferreira,  6ºD  

           87  


Diário  de  Turma...  pelo  5.ºA    

 

 

Os  alunos  do  5.ºA  realizaram  um  Diário  de  Turma  e  eis  alguns  dos  momentos  mais   importantes  do  mesmo.     Diário,  vê  lá  bem  o  que  descobri:     O  sujeito  eu  aprendi   Ainda  faltam  os  graus,   mais  o  predicado,   que  não  posso  deixar  escapar   este  último  é  o  mais  fácil,   e  é  o  adjectivo   mas  estava  preocupado.   e  os  graus  o  seu  par!!!       A  análise  morfológica   Eu  gostei  muito  de  ler   e  a  análise  sintáctica,   “A  Menina  do  Mar”,   essas  duas  malandrecas,   é  uma  linda  história   finalmente,  já  começo  a  ter  prática!!!   para  um  dia  eu  poder  recontar!!!             Francisco  Branco      

Olá  Querido  Diário!!!  

  Eu  sou  a  Inês  Carvalho  e  deixo  aqui  uma  mensagem  sobre  a  Amizade!   A  amizade  é  uma  emoção  que  nos  faz  viver,  andar  felizes  com  todos  e  com  tudo   o   que   nos   rodeia.   Essa   felicidade   ajuda-­‐nos   a   encarar   o   nosso   dia-­‐a-­‐dia   de   forma   positiva   e   firme,   a   transformar   as   situações   menos   boas   em   factos   melhores,   a   partilhar  as  coisas  boas  e  menos  boas.   A  amizade,  para  mim,  é  um  sentimento  inato,  ou  se  tem  ou  não  se  tem!!!   Eu   penso   desta   forma   e,   por   isso,   sofro   algumas   desilusões,   pois   há   algumas   pessoas   para   quem   a   amizade   não   significa   o   mesmo   que   para   mim.   Para   essas   pessoas,  a  amizade  é  algo  superficial  e  material  e  não  um  sentimento  puro.   Sou   amiga   do   meu   amigo   independentemente   da   raça,   da   religião,   da   condição   social,  do  sexo,  das  habilitações  literárias.  Para  mim,  o  mundo  onde  não  existe  amizade   é  um  mundo  cruel  onde  impera  a  lei  do  manipulador,  o  medo,  a  angústia,  a  crueldade,   a   maldade,   a   vingança,   a   inveja…   Não   deviam   existir   esses   sentimentos   negativos,   porque  trazem  má  formação  às  novas  gerações.   Alguns  pensamentos:   A  infelicidade  tem  isto  de  bom:  faz-­‐nos  conhecer  os  verdadeiros  amigos.   A  força  da  amizade  vence  todas  as  diferenças.   O  verdadeiro  amigo  é  como  água  que  sacia  a  sede.   Obrigada,   Inês  Carvalho  

           88  


Diário  de  Turma...  pelo  5.ºA   O  piquenique  com  a  minha  família     Todos   os   anos,   no   primeiro   dia   do   mês   de   Maio,   vou   com   a   minha   família   fazer   um  piquenique  nas  matas  da  Vagueira.   Este  ano  foi  espectacular,  pois  eu  e  as  minhas  primas  começamos  a  brincar  às   raquetas,  jogámos  futebol  e  lá  pelo  meio  apanhámos  lenha.  Foi  muito  fixe!!!   Aqui  vão  umas  quadras  a  explicar  este  dia  tão  fantástico.     Dia  1  de  Maio   Para  mim  é  muito  especial   Todos  juntos  a  falar  e  a  brincar   Não  há  outro  igual!!!     Toca  a  comemorar   Sem  nunca  acabar   Vamos  festejar   Toca  a  aproveitar!!!    

Despedida  

Foi  uma  experiência  inesquecível   Partilhámos  a  nossa  “vida”   Com  toda  a  nossa  turma   Mas  chegou  a  despedida     Escrevi  o  que  não  conseguia  dizer   Pois  tinha  muito  medo   Mas  agora  estou  mais  leve   Por  que  não  me  expressei  mais  cedo?     Foi  uma  grande  ajuda  para  mim   E,  de  certeza,  também  para  os  meus  amigos   Agora  chegou  ao  fim   A  experiência  de  melhor  os  ter  conhecido.     Também  li  os  textos  todos   Parecem  feitos  com  alma   Estavam  divertidos   Para  todos  uma  PALMA.     Até  para  o  ano!!!     O  5.ºA    

           89  


A  dança…    uma  forma  de  arte  corporal!           A   dança   é   uma   das   mais   antiga   forma   de   arte   cénica,   tal   como   o   teatro   e   a   música.   A   dança   é   caracterizada   pelo   uso   do   corpo   segundo   uma   coreografia   estabelecida   ou   improvisando   (dança   livre).   É,   geralmente,   acompanhada   por   música   e   envolve  a  expressão  de  sentimentos,  sendo  tanto   uma   manifestação   artística   como   uma   forma   de   divertimento.   A   dança   expressa-­‐se   através   da   coordenação   de   movimentos   e   pode   feita   não   só   em  grandes  salões,  como  também  nas  ruas!     Existem   vários   tipos   de   dança,   sendo   os   mais   conhecidos   a   dança   a   solo   (ballet   e   sapateado),   dança   em   pares   (tango,   salsa   e   valsa),   dança   em   grupo   (dança   de   roda),   dança   cerimonial   (danças   rituais   indianas),   dança   étnica   (danças   tradicionais   de  um  pais  ou  região)  e  danças  sociais  (danças  de   salão).   A   história   da   dança   remonta   aos   tempos   pré-­‐históricos.   De   facto,   a   dança   foi-­‐se   desenvolvendo   em   função   das   necessidades   dos   homens.   Nas   tribos   primitivas,   a   dança   era   usada   como   forma   de   linguagem,   de   expressão   de   rituais,   de   celebrações,   etc.   A   dança   era   também   uma   forma   de   o   homem   primitivo   exteriorizar   as   suas   emoções,  sentimentos  e  estados  de  espírito.   Os   gregos   foram   os   primeiros   a   usar   a   dança   e   os   gestos   como   uma   teatralização   de   uma   pequena   história.   A   dança   era   considerada   um   elemento   fundamental   na   educação   e   era,   também,   utilizada   pelos   romanos   como   entretenimento,   tal   como   a   música   e   as   acrobacias.   No   Egipto,   a   dança   era   uma   forma   de   divertir   o   povo,   principalmente  utilizada  nas  celebrações  aos  seus  deuses.    

           90  


Há   cerca   de   quinhentos   anos   atrás,   em   Itália,   foi   criado   o   ballet   para   celebrar   o   casamento   entre   o   Duque   de   Milão   e   Isabel   de   Aragão.   Mais   tarde,   este   tipo   de   dança   foi   introduzido   na   corte   francesa,   através   da   união   entre   a   família   real   italiana   e   a   francesa.   O   primeiro   reconhecimento   oficial   da   dança   como   actividade   foi   apenas   em   1669,   altura   em   que   foi   fundada   a   Academia   Real   da   Dança.   Este   tipo   de   arte   era   apenas   acessível  aos  membros  da  corte,  pelo  que  era  considerada  uma  arte  elitista.   No  início  do  século  XX,  o  bailado  russo,  orientado  pelos  princípios  de  Fokine,  destaca-­‐         -­‐se  dos  restantes  tipos  de  dança.  Nesta  dança  clássica,  os  bailarinos  tentavam  aliar  a   dança   à   música,   ao   drama   e   ao   desenho.   Rodolf   Laban,   coreógrafo,   interessou-­‐se   pelo   movimento   do   corpo,   tendo   o   seu   trabalho   levado   a   dança   a   várias   dimensões,   tais   como   a   terapia  e  a  ginástica.   Mais   tarde,   surge   a   Dança   Moderna,   que   pretendia   reflectir   preocupações   sociais,   políticas,   afectivas   e   contemporâneas.   Esta   dança   baseava-­‐se   em   movimentos   do   ballet   clássico,   que   continua   a   ser   considerado   o   complemento,   ou   mesmo   a   base,  dos  restantes  tipos  de  dança.   No   início   deste   século,   a   dança   orientou-­‐se   para   a   actividade   lúdica   e   educativa,   dando   origem   à   sua   prática   em  clubes  e  escolas  de  dança  particulares  ou  oficiais.   Deixamos   aqui   a   sugestão   de   alguns   sites   onde   se   poderá   apreciar  vários  tipos  de  dança:      

http://www2.ufp.pt/Inbg/monografias/mscpaula97.pdf   http://www.youtube.com/watch?.r=KWMCUUUu4QQ   http://www.youtube.com/watch?r=U-­‐Q1ihPO2Ro8feature=channel   http://www.youtube.com/watch?r=2K4gu7mxhA&feature=channel    

As  fidalgoristas:  Francisca  Pinto  Noronha     e  Maria  Rosa  Ferreira,  6.ºD  

           91  


92  


9.ºA  

  Chegámos  e  tudo  era  tão  grande  e  tão  esquisito.  Olhávamos  uns  para  os  outros   e  era  um  “  Que  medo,  o  que  é  isto?”. Primeiro,  foi  difícil  estar,  mas  depois  sentimo-­‐nos  em  casa.  Uma  casa  que,  hoje,   consideramos   nossa,   um   lugar   que   reúne,   em   todos   os   seus   cantos,   recordações.   Memórias   muito   simples,   é   verdade,   mas   afinal   é   dessa   simplicidade   que   foi   feita   a   nossa  jornada,  um  percurso  que  reflecte,  hoje,  a  nossa  adolescência.   Uma   adolescência   insegura,   cheia   de   incertezas   e   de   medos,   uma   etapa   da   nossa  vida  que  não  vai  durar  para  sempre,  naturalmente,  mas  onde  a  felicidade  esteve   sempre  presente.  Essa  etapa,  amigos,  foi  passada  aqui,  neste  pequena  escola  amarela.   Uma   escola   que   nos   ensinou   a   aproveitar   ao   máximo   as   nossas   capacidades   e   habilidades,  um  lugar  que  nos  ensinou  as  coisas  da  vida  e  sempre  a  sorrir.     E   é   a   sorrir   que   experimentamos   estas   coisas   da   vida   quando   ela   insiste   em   tirar-­‐nos  o  que  mais  queremos,  estas  coisas  da  vida  em  nos  tirar  desta  escola,  muitos   momentos,  os  nossos  queridos  professores…     E  é  a  sorrir  que  respondemos  a  estas  coisas  da  vida  com  um  profundo  silêncio,   com   muita   comoção,   é   claro,   mas   certos   de   que,   depois   dos   nossos   queridos   professores,  ficam  os  nossos  muito  queridos  amigos.   E,   um   dia,   vamos   perceber   que   este   texto   e   todas   as   emoções   que,   a   propósito   dele,  vamos  experimentar  se  poderão  definir,  afinal,  numa  só  palavra:  SAUDADE.   9.ºA    

           93  


9.ºB   9.ºB  e  nada  mais  importa!!!     Sabem,   já   passaram   5   anos   desde   o   primeiro   dia   em   que   entrámos   por   aquela   porta!   Era   tudo   tão   enorme…  os  “grandes”  tinham  o  nosso  respeito,  as  matérias  e  aulas  pareciam  de  faculdade,  pois  ainda  era  tudo   muito  recente.     Durante   estes   anos,   conhecemos   novos   amigos,   conquistámos   a   confiança   dos   professores   e,   acima   de   tudo,  ESTUDÁMOS.     Agora  que  temos  a  certeza  que  a  despedida  está  a  chegar,  recordamos  tudo  isto  com  saudade  e  algumas   lágrimas  que  espelham  tristeza,  já  que  teremos  de  sair  daquela  que  durante  5   anos  se  tornou  a  nossa  segunda   casa   e   lágrimas   de   alegria   ao   pensar   em   todas   aquelas   pessoas   que   nos   ajudaram   a   crescer,   pessoas   essas   que   iremos  recordar  para  sempre  com  um  MEGA  sorriso.     Sempre   “activos   na   sociedade”,   como   a   nossa   querida   DT   nos   ensinou,   participámos   em   todas   as   actividades   propostas,   desde   desporto,   música   ou   artes,   como   o   teatro   e   a   dança.   Tivemos,   também,   participações   em   todos   os   Festivais   de   Teatro,   Acampamentos,   Encontros,   dramatizações,   visitas   de   estudo   ou   actividades  em  turma  que,  certamente,  irão  ficar  na  nossa  memória  por  muitos  mais  anos.     Medos,  anseios,  saudades  de  ser  criança,  mudanças,  zangas,  amores  perdidos  e  amores  vividos,  vitórias  e   derrotas,   gritos   e   nervosismo   foram   alguns   dos   sentimentos   que   nos   acompanharam   ao   longo   da   nossa   caminhada.     “Falar   do   sexo   dos   Anjos”,   ”Cambada   de   sinos”,   ”Micas   a   cena?”,   “És   feio”   e   “Ganda   Nóia!”   foram   as   expressões  mais  características  que  não  ficam  indiferentes  a  nenhum  aluno  do  9.ºB.     E  é  por  isso  que  mais  tarde  vamos  querer  voltar  para  podermos  recordar  as  amizades,  os  nossos  queridos   professores  e  funcionários  e  relembrar  o  ambiente  de  cumplicidade  onde  vivemos  parte  da  nossa  vida.     O   nosso   muito  obrigado  a  todos  aqueles  que   se  cruzaram  no  nosso  caminho  e  que  deixaram  a  sua  marca,   em  especial  à  Professora  Sandrine  que  sempre  nos  apoiou.     E  vá,  para  não  pensarem  que  se  livraram  de  nós,  até  já…   …  do  9.ºB      

                         

           94  


9.ºC        

Cinco  anos  passaram,  agora  já  temos  saudades…     Era   tudo   tão   grande   e   nós   tão   pequeninos.   No   nosso   primeiro   dia   no   IDL   alguém   nos   indicou   qual   era   o   nosso   lugar   naquela   escola,   perto   de   uma   estrela   que   dizia   5.ºC   (quem   diria   que   aquela  era  a  estrela  da  nossa  vida!).  No  início,  andávamos  todos  desorientados,  mas  ansiosos  por  uma   nova   etapa   das   nossas   vidas.   Conhecemos   novos   colegas,   professores,   funcionários,   mas   muito   mais   que   isso,   conhecemos   pessoas   que   se   revelaram   verdadeiros   amigos   e   das   quais   nunca   nos   vamos   esquecer.     Apesar  de  todas  as  nossas  desavenças,  sempre  fomos  uma  turma  unida.  E  desde  o  5.ºC   até   ao   9.ºC,   devemos   também   muito   aos   nossos   professores   que,   além   das   suas   funções   profissionais,   demonstram  ser  grandes  amigos!  A  nossa  união  deve-­‐se  a  todas  as  pessoas  que  a  permitiram  e  que   tornaram  possíveis  todos  os  nossos  grandes  momentos!   Aqui   tivemos   as   nossas   dores   de   cabeça,   fizemos   asneiras,   divertimo-­‐nos   e,   sobretudo,   fomos  felizes.  Sim!  Esta  foi  a  nossa  casa,  a  nossa  família,  onde  APRENDEMOS,  CRESCEMOS  E  VIVEMOS.   Sempre   quisemos   ser   maiores,   uns   dias   mais,   outros   dias   menos,   mas   sempre   ajudados   por  mais  um  amigo  novo  que  chegava  à  turma...  Agora  abrem-­‐se  as  portas  para  um  novo  caminho.  E  lá   passa  mais  um  ano,  para  muitos  o  último  de  todos  os  que  aqui  passámos.   Saber  que  quando  passávamos  pelo  IDL  dizíamos  “que  escola  tão  grande!”,  e  que  agora   percebemos  o  quanto  estávamos  errados.  Não  é  a  escola  que  é  grande,  mas  sim  OS  MOMENTOS  que   passámos  nela!!   AMIGOS  é  a  nossa  palavra  de  ordem!    

           95  


9.ºD  

  É  difícil  dizer  adeus...     Sempre   ouvimos   dizer   que   o   tempo   passa   por   nós   a   voar   e   não   damos   por   ele!   Até   hoje,   esta   frase   nunca   tinha   feito   tanto   sentido.   Inicialmente,   parecia-­‐nos   absurda   e   irreal   pois,   quando   se   é   criança,   o   tempo   demora   muito   tempo   a   passar.   O   que   é   certo   é   que   estes   cinco   anos   passaram   à   velocidade   da   luz   e   ainda   não   nos   mentalizámos   que   chegou   o   fim...   O   fim   de   um   ciclo   de   vida   em   que   fomos  felizes,  crescemos  e  aprendemos!   Ao   longo   destes   anos,   vivemos   momentos   bons   e   alguns   menos   bons,   chorámos,   rimos,   brincámos  e  aprendemos!  Esta  turma  funcionou  não  como  um  grupo  de  alunos  que  se  junta  numa  sala   de   aula   para   aprender,   mas   como   uma   família   que   se   apoia   e   se   preocupa.   Se   um   chora,   choramos   todos.   Se   um   ri,   rimos   todos.   Se   um   vai   embora,   vamos   todos!   É   este   sentimento   de   família   que   fez   com  que  sempre  se  acolhesse  com  carinho,  respeito,  amizade  e  tolerância  todos  aqueles  que  por  ela   foram  passando.     Assim   fomos   orientados,   assim   fomos   ensinados,   assim   fomos   conduzidos!   Por   isso,   não   esquecemos   a   professora   Susana   Domingues   e   a   professora   Alexandra   Sucena   (as   nossas   DT’s),   que   foram  aquelas  que  mais  nos  ajudaram  nos  momentos  difíceis  e  nas  indecisões.  Muito  do  que  somos   devemos  às  pessoas  que  connosco  partilharam  momentos  das  suas  vidas:  todos  os  nossos  professores   e  funcionários.     Dizer  um  adeus  é  demasiado  doloroso  para  quem  jamais  esquecerá  esta  escola!  Preferimos  dizer   um  “Até  breve”  ou  um  simples  “Tchau”...     9.ºD                                      

           96  


Fomos            

     

                       

           97  

notícia!


98  


O Fidalgo 3ª edição 2009/10