Issuu on Google+

Revista de Medicina Tradicional Chinesa

Observations on the Therapeutic Effect of Acupuncture and SSRIs Combination for Depression (1ª parte) Lu Mei e Wang Lingling Síntesis de Trabajos sobre la Acción Biomoduladora de la Fitoterapia Oriental y sobre las Reacciones Inmunológicas (1ª parte) Alfredo Embid O Tratamento da Omalgia através da Tuina Lurdes Carvalho As Oito Peças do Brocado no Tratamento da Hepatite Crónica Lourenço Azevedo O Cancro da Mama em MTC (1ª parte) Rogério Costa

Número 1

Maio 2005


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005 Observations on the Therapeutic Effect of Acupuncture and*SSRIS Combination for Depression Lu Mei

Wang Lingling

Depression is a kind of affective psychonosema, manifesting with obviously enduring depressive status, which is attended by depressed emotion, ability decrease and somatic discomfort. SSRIS drug has been gradually used as the chief choice for anti-depression in clinics, as it has the characteristic of higher effect, lower side effect and better safety. But clinical researches also show that it takes longer time for SSRIS to reach the improvement of anxiety and insomnia etc., and there is no difference between SSRIS and placebo in the improvement of cognize and somatic symptoms. While SSRIS still has some side effect to the digestive system, central nervous system, and vegetative nervous system. Since acupuncture is affirmatively effective to anti depression, we combined acupuncture with SSRIS to treat 36 cases of depression and got satisfied result. Here is the report.

years; average course of recent attack is 3.32±1.02 months; 19 cases are single attack and 11 are repeated attacks. According to TCM differentiation, 9 cases were caused by spleen deficiency due to liver stagnation; 11 cases were from liver qi stagnation; 6 cases from deficiency of both heart and spleen; 2 from yin deficiency of both liver and kidney; and 2 from the others.

*SSRIS : Selective Serotonin Reuptake Inhibitor satisfied the diagnosis

Main points: GV20, GV24, Yintang (EX-HN3), PC6, SP6; Modifications due to differentiations: Spleen deficiency due to liver stagnation: LR3, SP9, BL20; Liver qi stagnation: LR3, CV17, LR14; Deficiency of both heart and spleen: BL15, BL20, ST36; Yin deficiency of both liver and kidney: KI3, BL18, BL23. Modifications due to symptoms: Insomnia, amnesia: GV11, GB15; Dizziness, dreaminess: BL23, KI3; Indifference, dementia: LU11, Shixuan (EX-UE11); Delusion: GV26, GV14.

Statistics show that there is no significant difference between 2 groups in patients general condition before treatment ( P>0.05). 1.2 Treatment Method 1.2.1 Group I--Acupuncture-drug combination group 1.2.1.1 Points

1. Materials and Methods 1.1 Genneral materials 66 cases of depression patients were from Nanjing Brain Hospital, who were hospitalized in the medical psychological DEPT. and all satisfied the diagnosis standard of depression in CCMDIII. Ages are between 19~64years; sever diseases, organic diseases in brain, alcohol/drug dependence and the patients with allergic constitution are excluded; Adrenocorticosteroids, Nervous Blockage, Immune Response Modifier must be stopped 1 month before observations.

1.2.1.2 Performance The electrical stimulator (SDI II) was connected on GV20 and Yintang after needling sensation had been felt. The continuing waveform and 2HZ~4HZ frequency were selected. The stimulation current gradually amplified according to the tolerance of the patient. Normal performances were applied for other points, and needles were retained for 30minutes.

66 cases were randomly divided into Group I--acupuncture - drug combination group (36 cases) and Group II--drug only group (30 cases). There were 36 cases in Group I, including 14 males and 22 females. Among these patients average age is 43.8±14.2 years; average course of disease is 3.64±2.36 years; average course of recent attack is 2.92±1.23months; 24 cases are single attack and 12 are repeated attacks. According to TCM differentiation, 12 cases were caused by spleen deficiency due to liver stagnation; 11 cases were from liver qi stagnation; 7 cases from deficiency of both heart and spleen; 4 from yin deficiency of both liver and kidney; and 2 from the others. Among 30 cases in Group II, there were 8 males and 22 females. Average age is 45.3±14.7 years; average course of disease is 4.34±1.82

1.2.1.3 Applications of medicine Common dosage of 1 kind of SSRIS drugs, such as Fluoxetine, Sertraline, Paroxetine, Fluroxamine etc. was given to the patients according to their conditions and histories of depression. Small dosage of Benzodiazepines (BZs) drug could be temporarily used for the patients who had sever sleep disorder. 1.2.1.4 Course of treatment 5 treatments per week and 6 weeks in 1 course were performed.

2

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

1.2.2 Group II--drug only group The same medicines and course of treatment were applied in Group II. 2. Observation Items 2.1 Clinical therapeutic effect 2.1.1 Evaluation of clinical therapeutic ef fect The Score Reducing Rate (SRR) of HAMD was evaluated 6 weeks after the beginning of treatment. Cure: SRR•'75%; Obvious effect: SSR•'50%; SSR•'25%. No effect: SSR >25%.

Progress:

2.1.2 Evaluation of HAMD scale (Hamilton Depression Rating Scale) Total score and factor scores were evaluated before treatment and 1, 2, 4, 6 weeks after treatment respectively. 7 factor scores evaluated were anxiety/somatization, weight, cognition disorder, diurnal variation, dementia, sleep disorder, despair etc. 2.1.3 Evaluation of clinical gross impression scale (CGIS) The difference of Severity Impression (SI), Gross Progress Impression (GI), Effect Index (EI) between 2 groups were observed before and 6 weeks after treatment respectively. 2.2 Observation of side-effect of medicine TESS scale (treatment emergent symptoms scale) was applied to observe the side effect of medicine. Severity total score and symptom score of side effect were evaluated before and 1, 2, 4, 6 weeks after treatment. 2.3 Observation of blood plasma content of monoamine transmitter Blood plasma of 11 cases in group I and 9 in group II were collected before and 6 weeks after treatment. The content of 5HT, NE, DA were measured by RIA method, so as to observe the change of content of monoamine transmitter. Statistic analysis: the obtained data were analyzed with SPSS12.0 software. x² test was used in the compare of marked effective rate. T test was used in the compare of scale evaluation and content of monoamine transmitter in blood plasma. (Continua no próximo número)

3

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa

nº1 Maio 2005

Fitoterapia Oriental S í n t e s i s d e Tr a b a j o s s o b r e l a A c c i ó n B i o m o d u l a d o r a d e l a F i t o t e r a p i a O r i e n t a l y sobre las Reacciones Inmunológicas - 1ª Par te Alfredo Embid (Naturopata e Director da Revista Medicina Holistica)

Antecedentes

concepto de la filosofia china del universo, la naturaleza, el hombre y la enfermedad: Su base es el Yin y el Yang.Este concepto básico se ha empleado ampliamente en todas las areas de la medicina y de la farmacopea. El Yin y el Yang son complementarios en cuanto a la composición y funcionamiento de todo. Constituyen partes inseparables de la unidad que siempre está polarizada. Esa unidad puede ser una célula, una persona, el cuerpo humano, la naturaleza o la misma estructura del universo. Esto suena muy abstracto para nuestras mentes formadas en el pensamiento cartesiano y la física de Newton, del que la medicina aún no se ha apartado.

Los resultados de nuestra búsqueda bibliográfica internacional de publicaciones clínicas y experimentales sobre la fitoterapia en Medicina Tradicional Oriental y su acción biomoduladora, e inmunoestimulante, disponibles en el Centro de Documentación del GERA (Groupe d’Études et de Recherche en Acupuncture)** para el que trabajo, contabilizan varios centenares, dentro de las casi 100.000 referencias con las que cuenta el centro. Hemos analizado algunas que nos han parecido interesantes para la eleboración de nuestro trabajo centrándonos en trabajos clínicos sobre humanos y en trabajos experimentales sobre animales. Se trata de una panorámica rápida que no pretende agotar el tema. Hay que saber que la primera farmacopea es china, al igual que el primer libro de medicina de la historia, las primeras facultades de medicina, etc. (1)

Pero sí se ha apartado la física. Y ¿ que nos dice la moderna física cuántica sobre la estructura del universo?. ¿de qué esta hecho su tejido?. ¿Es continuo o discontinuo?, ¿esta formado por ondas o por partículas?. Durante cientos de años esa polémica ha enfrentado a los físicos. Pues bien, desde De Broglie se reconoce que el universo es a la vez continuo y discontinuo. Esta formado a la vez por ondas y por partículas. Algo que evidentemente desborda el pensamiento cartesiano y la física de Newton. Pero que se enmarca prefectamente en las bases del pensamiento oriental de la más remota antigüedad que perdura hasta nuestros días. El equilibrio del Yin y del Yang en un sistema mantiene el funcionamiento normal del sistema. El exceso de uno supone una deficiencia equivalente del otro. Se dice que un fármaco que estimula el componente Yang del organismo es un fármaco Yang. Un fármaco Yin, es el que aumenta la actividad Yin del organismo. En ambos casos pertenecen a las categorías de fármacos tonificantes. Los criterios diagnósticos para establecer si hace falta dar uno u otro grupo están bien estudiados en los libros y artículos de MTO y son sencillos de aplicar.

Durante cinco siglos, por lo menos, los orientales han empleado algunas plantas reputadamente dotadas del poder de proteger la buena salud. En la medicina tradicional oriental (MTO) se han empleado con éxito plantas que hoy denominamos biomoduladoras, para prevenir y tratar desde el resfriado común a los síntomas de envejecimiento, pasando por las inmunodeficiencias. Antiguamente se las denominaba tónicos, pero en Occidente este término se asimila a los aperitivos y estimulantes del apetito y, por eso, es preferible utilizar el término moderno de biomoduladores o de adaptógenos. En 1969 I.I.Brekhman, director de los departamentos de Fisiologia e Farmacologia de la Academia de Ciencias de la antigua URSS las llamó “adaptógenos” fundamentalmente por su efecto anti-estrés. Actualmente numerosos trabajos científicos permiten ir completando el puente que une la medicina occidental y la oriental. Se han hecho impresionantes avances en la comprensión de los diferentes niveles en los que actúan esos biomoduladores o adaptógenos. A pesar de manejar los conceptos de la ciencia occidental, los orientales no han renunciado a sus conceptos tradicionales. Han combinado sabiamente y sin prejuicio ambas concepciones fisiopatológicas. Una muestra de sabiduría sin paralelo en occidente, por desgracia.La aplicación óptima de estas plantas requiere conocimientos de MTO, pero evidentemente pueden utilizarse sin ellos, simplemente conociendo sus propiedades farmacológicas. En la MTO los medicamentos se clasifican de acuerdo con el

En esencia, estos biomoduladores Yin-Yang corresponden a los Modificadores de la Respuesta Biológica (MRB) y los adaptógenos de las ciencias biomédicas y de la inmunofarmacología modernas. Biomoduladores Hasta ahora se han estudiado intensamente algunas plantas con acción Modificadora de la Respuesta Biológica de las que hay una amplia literatura experimental y clínica. En algunas de ellas se ha trabajado con la planta total y en otras sobre extractos aislados de los polisacáridos.

4

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa

Entre estas plantas, la más famosa, cara e investigada es el Radix Ginseng pero hay otras importantes como son: Radix Astragali Mongholici (Huang Qi), Herba Epidemii (Yinyanghuo), Fructus Lycii (Gou Qi Zi), Fructus Ligustri Lucidi (Nu Zhen Zi), Radix Polygoni Multiflori (He Shou Wu). Y muchas otras... Estas plantas se encuentran entre los medicamentos recetados con más frecuencia de la lista de vigorizadores o tónicos. Se hallan a menudo en las fórmulas clásicas de las recetas importantes de generaciones de médicos orientales destacados. También son los componentes ocultos o ingredientes no mencionados de muchos de los medicamentos patentados corrientes que se venden para vigorizar el Qi o la bioenergia. Estas sustancias ejercen una actividad farmacológica general sobre más de un objetivo o sistema específico. Las plantas más frecuentemente utilizadas poseen una acción sobre el sistema inmunitario, pero también sobre otros sistemas. Además, en algunos casos, esta acción es bidireccional. Pueden por ejemplo aumentar un sistema deprimido o reducir su actividad si es excesiva. Y eso es algo excepcional que ningún medicamento puede ofrecer. En algunos casos algunos trabajos sugieren que este efecto depende del estado previo del sistema (astragalus por ejemplo) en otros de la dosis (ginseng por ejemplo). O de ambos.

nº1 Maio 2005

Niveles de acción y algunos ejemplos de plantas PANAX GINSENG REN SHEN Ren Shen es la raíz seca de Panax Ginseng. El Panax Ginseng C. A. Meyer pertence a la familia de las Araliaceas, tiene diversas variedades según donde se cultive: - Panax Ginseng (Ren Sheng) Noreste de China y Corea. - Panax Quinquefolium (Xi Yan Shen), Este de EE.UU. y Canadá. - Panax Notoginseng (San Qi) Sur de China, India y Japón. La hoja, la flor y el tallo también tienen virtudes terapéuticas (aunque menos importantes). Existen varias formas de preparación de la raiz que implican nombres chinos distintos. - Simple secado al sol (Ren Sheng) - Secado en estufa, Ginseng rojo (Hong Sheng) - Secado después de pelar la corteza, Ginseng blanco (Bai Shen) El Ginseng es probablemente la planta oriental medicinal mejor conocida. Ha sido empleada a diario en Oriente por millones de personas. El nombre científico Panax significa, en la actualidad, panacea, por sus numerosos usos en la medicina tradicional oriental. De acuerdo con una revisión realizada en 1985 por cuatro renombrados farmacólogos japoneses, el ginseng no es considerado ni una panacea, ni un tónico. En lugar de eso, se piensa que “recupera el equilibrio homeostático”, ayudando a mantener una presión sanguínea, azúcar sanguíneo, energía, etc., uniformes. Esta reputación de mejorar e proteger la salud general, es una fuente, tanto de reverencia como de recelo hacia el ginseng en Occidente. Los médicos se han mostrado, durante mucho tiempo, escépticos ante las afirmaciones, con frecuencia exageradas, hechas en favor del ginseng, pero algunos científicos se están convenciendo, debido a la cada vez más abundante investigación de alta calidad (4).

Adaptógenos El término adaptógeno es un término relativamente reciente, no se encuentra en los diccionarios, ni en la literatura histórica ni médica. En occidente, el profesor Israel I. Brekhman de la academia de ciencias de la URSS fueron los pioneros de esa investigación. Posteriormente los investigadores de la Universidad de Munich H. Wagner y colaboradores han publicado una revisión de las hierbas utilizadas como “adaptógenos”. Como tales son definidas aquellas sustancias que intentan poner el organismo en un estado de resistencia reforzada inespecífica para resistir mejor las agresiones y adaptarse a situaciones de stress. Wagner describe plantas que han mostrado efectos que pueden ser descritos como adaptógenos y comenta un poco la investigación disponible y discute la investigación específica sobre cada una de ellas. Las plantas citadas son: Panax Ginseng (Ginseng asiático), Eleutherococcus senticosus (Ginseng siberiano), Withania somnífera (Ashwaganda), “Ginseng indio o Ginseng Ayurvédico” Ocimum sanctum, Rhodiola rosea y Hopea dichotoma, que se utiliza en la medicina ayurvédica.

Estudios farmacológicos Síntesis de las acciones demostradas: Cuando no se indican las referencias se refieren a las referencias: (5, 6, 7). Acción biomoduladora Efecto adaptógeno. Recupera el equilibrio homeostático: Presión arterial, Azúcar, Energía, etc. (8) Leucocitos.

También mencionan una mezcla empleada en Japón como medicina Kampo llamada Shosaikoto (2). A ellas hay que añadir la Echinacea, además de otras plantas sudamericanas (lapacho, uña de gato, maca, fafia e incluso la coca) que cita en su trabajo, nuestro amigo, el investigador argentino, Dr. Hugo Golberg (3) y sin duda muchas otras...

Acción sobre el eje hipofisosuprarrenal Aumenta la adaptación al estrés Profundo efecto anti-fatiga en animales Consolida la resistencia no específica Aumenta la habilidad (ratones y ratas) para adaptarse a estímulos excepcionales (ej. Temperaturas muy bajas o muy altas) y permite retornar rápidamente a la normalidad. La adrenalectomia-hipofisectomía suprime estos efectos. Previene cambios de peso en: adrenal, timo, bazo, tiroides (ratón estresado).

Las primeras investigaciones con metodología científica moderna sobre la acción de la Medicina Oriental en las enfermedades infecciosas tanto humanas como animales, indicaban ya desde hace más de 25 años la existencia de una estimulación del sistema inmunitario que explicaban su acción eficaz sobre enfermedades bacterianas y víricas. Los resultados de los estudios farmacológicos modernos, incluyendo estudios experimentales en animales y cultivos celulares, demuestran que estas plantas son inmunomoduladores poderosos.

Tiene efecto en el contenido de: Vitamina C y colesterol adrenales, 17-cetoesteroides en orina, glucemis en el plasma y gulcogéno renal.

5

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa

Aumenta la secreción de adrenalina Aumenta la secreción de cortisol. Activa la secreción de ACTH.

nº1 Maio 2005

Promociona la división celular de la médula ósea lo que explica el aumento de hematies y leucocitos. (14) Inhibe intensamente la agregación plaquetaria experimental o patológica. Acorta el tiempo de protrombina. Efecto hemostático in vivo, pero no tiene efecto hemostatico en vitro. Este fecto, repetido en experimentos recientes, se pierde si la vena porta es ligada primero.

Metabolismo Estimula la síntesis de proteínas: en particular en las de los ácidos nucleicos ARN y ADN a nivel hepático, renal e medular. Incrementa la actividad de la ARN polimerasa en células del riñon en la rata. Aumenta el metabolismo basal en ratas tiroidectomizadas.

Acción sobre la inmunidad Estimula el sistema inmunológico (15, 16) Aumenta el número de glóbulos blancos. Aumenta la fagocitosis y la inmunidad no específica. Estimula la síntesis de inmunoglobulinas

Dosis grandes: En cortos periodos incrementan la función tiroidea (conejos) En largos periodos la función tiroidea decrece (ratas).

Acción sexual Acción anabólica. Produce un descenso de urea en sangre e hígado (ratas) (9).

Potencia la actividad sexual. Aumenta la secreción de las hormonas sexuales por estimulación de las gonadotrofinas, pues la hipofisectomía anula esta acción. Incrementa la secreción de gonadotropina Acelera la maduración sexual de las ratas. Incrementa el peso de la próstata, útero y ovarios.

Efecto en metabolismo lipídico No tiene efecto en el colesterol de conejos normales. Reduce el colesterol total si está alto. Reduce el colesterol de baja densidad (LDL) Aumenta el colesterol HDL. (10)

Acción sobre el envejecimiento

En un estudio, el uso diario de su polvo se asoció con un descenso de los lípidos y el colesterol séricos.

Acción antienvejecimiento. Efecto antioxidante (17,18) - Por captura de los radicales libres del oxígeno e inhibición de la peroxidación de los lípidos. - Por aumento de la enzima superóxidodismutasa (SOD) que inhibe la producción de radicales libres (19). - Por otras acciones inmunitarias, metabólicas, cardiovasculares, etc.

Acción sobre la glucemia Acción ligeramente hipoglucemiante por estimulación de la secreción de insulina. Actividad similar a la de la insulina. (11) Baja los niveles de glucosa en el plasma (perros con diabetes mellitus inducida). Baja la hiperglucemia inducida (epinefrina) en ratas y perros. Efecto sinérgico con la insulina, no es sustituto. Incremento del número de ribosomas Normalización de las concentraciones de aminoácidos en hígado (12)

Funciona mejor en los ancianos, y en quienes sufren de estrés prolongado: trabajo en turnos, entrenamiento intensivo, polución, sobrealimentación, bebida (20) Acción neurológica y psíquica Previene la lesión de los nervios provocada por radiación (21). Aumenta le actividad cerebral y mental. Disminuye la fatiga. Mejora el aprendizaje de la memoria. Mejora la forma física-mental. Aumento de la resistencia pilotos F.A. Coreanas (22). Mejora del sueño (23).

Tratamiento de la diabetes En casos leves: reduce glucosuria y glucemia 40-50 mg%. Se mantiene más de dos semanas después. En casos moderados: no tiene efecto significativo en el azúcar en sangre, pero reduce los síntomas (laxitud y sed). Permite bajar la dosis de insulina. Acción hepática

Efectos sobre el sistema nervioso central Efecto protector del hígado ante el tetracloruro de carbono, por los ginsenósidos de ácido oleanólico (El rojo parece ser más eficaz que le blanco) (13). Acelera el catabolismo de alcohol en el hombre sano.

Activa el sistema nervioso central. Esta acción es diferente de la de la cafeína y de la de las anfetaminas. La acción es particularmente clara sobre los centros mayores. En experimentos animales usando EEG y reflejos condicionados, se comprueba que aumenta tanto los procesos estimuladores como los inhibidores. Mejora la adaptabilidad de las respuestas nerviosas, el efecto depende del estado original del S.N. Normalmente es más bien estimulante.

Acción sobre hematopoyesis Aumenta la tasa de hemoglobina Aumenta el número de glóbulos rojos Estimula la síntesis de ARN a nivel de la medula ósea.

6

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa

En gran dosis tiene un efecto sedante. Controla el efecto inhibidor de la morfina en reflejos condicionados. Efecto inhibidor con ciertos estimulantes del SNC. Efecto sinérgico con el pentobarbital. A largo plazo no parece tener un efecto estimulante ni sedante. Mejora el agotamiento nervioso. Acorta el periodo de latencia de los reflejos nerviosos Acelera la transmisión de los impulsos nerviosos Consolida los reflejos condicionados.

nº1 Maio 2005

agentes efectivos de las hierbas medicinales chinas para tratar el Sida” Revista de Medicina Holística nº67. 15. Soloéveva T. F. et al., (Phagocytosis-stimulating effect of polysaccharides isolated from ginseng tissue culture) Antibiot Khimioter. 1989 Oct. 34 (10): 755-60. 16. Ohtani K. et al. Reticuloendothelial system-activating polyssaccharides from rhizomes of Panax japonicus. I. TochibananA and -B. Chem Pharm Bull (Tokyo). 1989. Oct. 37 (10): 258791.

Sistema nervioso periférico 17. Huang Y. S. (Effect of ginsenosides Rb1 and Rg1 on lipid peroxidation of rat in vitro) Chung Kuo I Hsueh Ko HsuehYuan Hsueh Pao. 1989 Dec. 11 (6): 460-2.

En pequeñas dosis tiene un efecto “muscarínico” en el sistema nervioso periférico, es decir efecto parasimpáticomimético. A grandes dosis tiene un efecto nicotínico, inhibe los receptores de los gánglios intermedios del sistema parasimpático. (Continua no próximo número)

18. Sun W. J. et al. (The effect of ginseng stem, leaf and rhizoma saponins on the formation of lipid peroxides in rats of various ages) Chung Kuo Chung Yao Tsa Chih. 1989 May.14 (5): 3002, 319-20.

Referencias

19. Liu & Chen, Acta Pharmacologica, Sinica 5 (2), 6/1984, 1003.

1. Alfredo Embid. “Sobre la historia de la ciencia y la tecnología en China”. Prefacio al SO Ouen vol.I. Mandala Ediciones. Madrid.

20. McCaleb, R. Conference Report: 8th N. American Ginseng Conference. HerbalGram. 1987. 16:8-12.

2. Wagner H., H. Norr, H. Winterhoff. Drugs with adaptogenic effects for strenghtening the powers of resistance. Zeitschrift fur Phytotherapie 1992, 13: 42-54.

21. Saito, H. et al. Recent Advances in Catecholamines and Stress. 1980. p.371. 22. McCaleb, R. Conference Report: 8th N. American Ginseng Conference. HerbalGram. 1987. 16:8-12.

3. Hugo S. Goldberg. “El estres en medicina. El rol terapéutico de las plantas medicinales.” Revista fitociencia año 4 nº1.

23. Rhee Y. H. et al. Panax ginseng extract modulates sleep in unrestrained rats. Psychopharmacology (Berl) 1990. 101 (4): 4868.

4. Rob Mc Caleb “hierbas para la longevidad”. Herbalgram, 19 de enero de 1991. 5. Dr. Claude Champagnart “Ginseng” Revista de Medicina Holística nº24 1990. 6. Chen Xiu “P. Ginseng” Recent Advances in Chinese Herbal Drugs. Ed. Satas, Bélgica. 7. Bensky Dan “Chinese Herbal Medicine, Matéria Médica.” Eastland press. USA. 8. Shibata, Shoji et al., Chemistry and Pharmachology of Panax in economic and Medicinal Plant Research, vol. I, 1985, Academic Press. 9. Yokozawa et al., Chem. Pharm. Bull. 35 (10), 4208-14, 1987. 10. Yokozawa et al. Chemical Pharmaceutical Bulletin. 1975. 23: 3095. 11. Li X et al. (Protective effects of Panax notoginseng saponins on experimental myocardial injury induced by ischemia and reperfusion in rat) Chung Kuo Yao Li Hsueh Pao. 1990 Jan. 11 (1): 26-9. 12. Yokozawa et al., Chem. Pharm. Bull. 35 (10), 4208-14, 1987. 13. Oura, et al. Chemical Pharmaceutical Bulletin. 1971. 19: 453. 14. Zhong Daing, Wang X., Zhao S., Fu, L “Rastreando los

7

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa

nº1 Maio 2005

O Tratamento da Omalgia através da Tuina Lurdes Carvalho (Especialista de MTC )

Introdução A Tuina é um sistema terapêutico orientado pelos fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa que utiliza manipulações para estimular pontos específicos ou outras partes do corpo, com vista a alcançar o equilíbrio fisiológico e consequentes efeitos curativos. A Tuina é parte integrante da MTC que utiliza os mesmos métodos de diagnóstico da MTC mas técnicas manuais próprias na prevenção e tratamento dos desequilíbrios verificados. A Tuina nasceu tal como a Medicina Tradicional Chinesa do tratamento clínico dos pacientes. Relativamente ao tratamento da dor pode dizer-se que a experiência do seu tratamento data de pelo menos 1600 a.C. O povo chinês sabia que palpar, pressionar ou bater nas partes do corpo afectadas podia aliviar a dor e aliviar alguns sintomas, portanto fez um esforço consciente para estudar estes efeitos. Hoje aparecem em clínica casos cada vez mais complexos de dor devido sobretudo à diminuição progressiva do Zheng Qi (Qi vital). O Diagnóstico correcto da dor e a aplicação adequada de toda a experiência clínica da Tuina no seu tratamento tem sido um desafio. Pretende-se com este artigo demonstrar a aplicação da teoria e métodos da Tuina ao tratamento de um caso de dor no ombro verificada em clínica pela autora. (1) Paciente sentado ou em posição de supinação, o médico colocase atrás do paciente. Aplicar o girar ou empurrar com um dedo (Yi Zhi Chan Tui Fa) na parte anterior do ombro e no lado interno do membro superior para cima e para baixo 5 -10 vezes, combinadas com abdução passiva e extensão do membro afectado. A manipulação é normalmente aplicada na região anterior do ombro.

Tuinalogia no tratamento da Omalgia Omalgia é também designada por Dongjiejian (ombro congelado), Jianningzheng (ombro solidificado), ou Wushijian (omalgia dos cinquenta) dado que normalmente aparece nesta faixa etária. Na medicina moderna também é designada por periartrite escapulohumeral.

(2) Paciente em posição de supinação ou sentado com o membro afectado para fora. O médico segura o punho do membro afectado com uma mão e com a outra mão aplica a manipulação de Girar no lado externo do ombro e na parte posterior da axila, combinada com Pressionar – Agarrar o Jianyu (15 IG) e o Jianzhen (9ID), aduzindo e abduzindo o membro afectado repetidamente 5 – 10 vezes.

Na MTC, a omalgia é normalmente devida a uma invasão dos meridianos por vento, frio e humidade em condições em que a pessoa apresenta Vazio de Qi vital (Zheng Qi), excesso de actividade, Vazio de Qi e Sangue e exposição do ombro destapado durante o sono ou ao vento enquanto se transpira. Esta situação causa um bloqueio dos meridianos e estagnação de Qi e sangue que causa dor. Na ciência médica moderna, a omalgia é muitas vezes relatada como devida a desordens funcionais do sistema endócrino, trauma, tensão excessiva e degeneração crónica dos tecidos à volta do ombro, os quais causam inflamação asséptica na bainha do tendão ou bursite à volta do ombro e omalgia.

(3) Paciente sentado, o médico coloca-se atrás do paciente. Aplicar as manipulações de Girar ou empurrar com um dedo as regiões cervicais e escapular, combinadas com flexão e adução acima de 90º do membro afectado 5 10 vezes. (4) Agarrar o Jianjing (21 VB) 5 -10 vezes.

Principais pontos para o diagnóstico (1) Num estado inicial a omalgia ocorre principalmente num só lado, e só em casos especiais aparece nos dois lados.

Modificação das manipulações segundo a diferenciação das síndromes

Manifestações: Dor no ombro, dificuldade em movê-lo, por vezes envolvimento do membro superior, dor nómada que agrava à noite de tal modo que o paciente não consegue dormir ou é acordado por ela.

(1) Para pacientes com dor por frio no ombro irradiando para os dedos, devem ser adicionadas as seguintes manipulações: i. Paciente sentado, o médico coloca-se ao seu lado, segura o punho do membro afectado com a mão esquerda, amassa suavemente o acrómio com a mão direita, e aumenta gradualmente a amplitude do amassar deste ponto para fora. De seguida belisca e amassa o Jianjing (21 VB) e o Tianzong (11ID) repetidamente 5 – 10 vezes. ii. Segurar o ombro do paciente com a base palmar, e executar o segurar – amassar durante 3 – 5 minutos até se obter um relaxamento e uma sensação ligeira de calor. iii. Esfregar o ombro afectado com a palma da mão até se obter uma sensação de calor.

(2) Num estado avançado, os sintomas manifestam-se por aderências nas articulações do ombro, limitações marcadas do movimento, como incapacidade de colocar as mãos atrás das costas, de pentear o cabelo, de apertar o cinto e de se vestir. Existe também rigidez, sensação de tensão ou atrofia nos músculos do ombro e dor acentuada à volta das articulações do pescoço. O teste de abdução está provado ser positivo.

(2) Para pacientes com o ombro rígido e limitação severa dos movimentos, devem ser adicionadas as seguintes manipulações: i. Segurar o ombro afectado com uma mão, clamp o punho com a outra mão, e executar a manipulação rodar ( Yao Fa) no ombro e no braço até à sua amplitude máxima durante 3 – 5 minutos. ii. Segurar o pulso do paciente e sacudir ( Dou Fa) regularmente desde cima até baixo durante 1 – 3 minutos.

Manipulações básicas Princípios terapêuticos da Tuina: Para este tipo de patologia drenar os meridianos, activar a circulação de sangue e aliviar a dor. As manipulações aplicadas devem realçar o metabolismo local, fortalecer as funções dos músculos e tendões, aliviar as aderências e lubrificar as articulações.

8

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

Para além da hora do tratamento, os pacientes com omalgia deveriam fazer uma prática pessoal de exercícios para o ombro. Os seguintes métodos podem ser praticados. i. Escalar a parede: Em frente da parede, escalar com uma ou duas mãos a parede, aumentando gradualmente a altura da escalada até ao limite possível, voltar à posição inicial suavemente. Repetir o exercício algumas vezes. ii. Puxar as mãos atrás do corpo: Colocar as duas mãos atrás do corpo, e usar a mão sã para puxar o punho do membro afectado para cima gradualmente. Repetir o exercício. iii. Rodar o ombro: Coloque uma mão na cintura, coloque o punho cerrado da outra mão perto da cintura rode o ombro para a frente a para trás gradualmente fazendo um círculo, aumente a amplitude e a frequência gradualmente. iv. Exercício com um bastão: Preparar o bastão, segurar as duas extremidades com as duas mãos, executar movimentos de elevação superior dos braços pela frente e por trás, à direita e à esquerda e movimentos da direita para a esquerda.

A dor aliviava com a pressão e com o frio (aplicação de gelo), mas quando a dor era severa nada a aliviava. Com o braço em abdução a dor era mais severa. O ombro direito e esquerdo estalavam muito. Considera-se muito forte para se queixar de dor, mas a dor é mais forte. Tem andado agitado (preocupado) porque a dor o impede de trabalhar. Fez vários tratamentos de Fisioterapia mas melhorou pouco. Fez infiltrações mas melhorou pouco. Tomava Viox 25 – 1 comprimido à noite. História pessoal e passada: Senhor divorciado com um filho já independente, a falta de dinheiro preocupava-o. Vivia sozinho, perto do mar, tinha vivido sempre em zonas costeiras. Fazia biscates, ajudava alguns amigos e trabalhava para ele numa casa que queria construir. Tinha um dia-a-dia calmo apesar de ultimamente andar preocupado com a dor. Dormia bem, na altura da consulta porque já tinha arranjado posição para dormir sem lhe doer o braço. Movimentava-se muito a dormir e desarrumava a cama toda. Dormia sem roupa quer de Verão, quer de Inverno.

Apresentação e estudo de um caso e tratamento usado:

Foi sempre saudável, gostava de comer e beber bem. Preferia comer carne e batatas do que peixe e legumes, que comia pouco. Teve Hepatite B há 6 anos mas estava curado. Bebia muito nessa altura mas deixou de beber. Não fumava. Há 3 anos fez uma limpeza às cordas vocais devido a uma tosse seca recorrente. Esta tosse continuava a aparecer com o frio, com diferenças de temperatura sobretudo passagens do calor para o frio e quando comia algumas frutos como a banana. O Pai tinha falecido com Diabetes, sofrendo também de arritmias. A mãe queixava-se de dores mas os médicos não tinham conseguido, ainda, diagnosticar a causa.

Desde a antiguidade até hoje, cada geração tem os seus próprios médicos. Os sábios divinos e os iluminados não dividem [a totalidade] nem medem [as coisas] da mesma maneira. Ainda [até mesmo eles ] devem usar compasso, esquadro e fio de prumo para obter [seus] quadrados e círculos correctamente. Consequentemente para tratar a doença, o homem tem que entender isso primeiro. [Uma vez que] entendeu uma doença pode discutir o seu tratamento(… )A compreensão de uma doença, [porém,] permite ao homem seleccionar entre mil e um tratamentos [aqueles] um ou dois que, quando usados, produzem [resultados] divinos2. Se a pessoa não compreende a doença, então as discrepâncias [entre medicamentos e doença] são muitas e o tratamento é confuso (Yu Chang, 1643 citado por Scheid Volker, 2002).

Excreções: Evacuava regularmente 1 a 2 vezes por dia, mas tinha obstipação quando se enervava, preocupava, ou pensava demasiado nas coisas. Tinha o mau hábito de conter a urina por tempo prolongado, de modo que a frequência urinária era baixa. A cor da urina era amarela. Apresentava suor espontâneo, sempre que se enervava. Outros dados relatados pelo senhor através dos 4 métodos de diagnósticos:

1Ou seja as regras e a tradição (guilu) 2 Ou seja de nível superior Caso Um caso de um constr utor que se conhecia pouco O Senhor Martinho desempregado da construção civil, com 58 anos, fazia uns biscates para se sustentar. Era um homem de 1,80 m forte, bem constituído, muito falador, com sentido de humor, que refere o seu trabalho como um serviço bruto necessitando de muito esforço físico.

Nervoso (agitação psíquica) Irritava-se com facilidade e exteriorizava Tinha calor quer de Verão quer de Inverno Preferia o calor ao frio Fazia bem as digestões Lombalgias Vista cansada (usa óculos para ler, etc) Astenia (esforçava-se para subir as escadas) Tosse seca (piorava em locais frios, era como se tivesse areia na garganta; parecia tosse alérgica dizia o paciente) Teve uma dor na zona inguinal ao mesmo tempo que a dor no ombro, foi um jeito ao sair do carro, passou, e de vez em quando voltava, agora estava tudo bem.

Queixa Principal e História da Queixa Principal: O Senhor queixa-se de uma dor no ombro esquerdo há 18 meses e de uma dor semelhante que se inicia no ombro direito. A dor no ombro esquerdo afecta a região antero-lateral do braço (meridiano Tendino Muscular (TM) do Pulmão e do Intestino Grosso). A dor no braço inicia-se na articulação do ombro e descia até à articulação do cotovelo ao longo destes meridianos. Por vezes estendia-se ao músculo peitoral, seguindo o TM do Pulmão. A dor tinha-se agravado há 8 meses, piorava com esforço, principalmente quando pegava alguma coisa deixava cair. Com o braço em repouso sentia uma dor tipo moinha (sensação de pressão, peso). Tinha acessos de dor aguda que eram do tipo facada que persistia durante 20 minutos aproximadamente.

Língua arroxeada, marcada pelos dentes, bordos vermelhos, varicosidades sublinguais. Capa branca no Aquecedor Inferior e Médio. Pulso tenso e deslizante em todas as posições, frequência de 74 bat/min e ritmo regular.

9

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

Fase 2 Passo 1

Fase 2 Passo 3

Quadro 1 – Síntese de Sinais e Sintomas

2. Organização dos dados de acordo com sintomas e sinais das Síndromes Bi

• Dor no ombro esquerdo e face antero-lateral do braço,

ao longo do MTM do P e do IG do cotovelo ao ombro e por vezes no peito. • Dor inicial no ombro esquerdo • Agitação (enerva-se com frequência) • Irritabilidade • Calor (quer no Verão quer no Inverno) • Lombalgias • Alterações visuais • Astenia (física – esforça-se para subir as escadas) • Tosse seca (piora em locais frios, é como se tivesse areia na garganta; parece tosse alérgica diz o paciente) • Língua arroxeada, • Língua marcada pelos dentes • Língua com bordos vermelhos • Língua com varicosidades sublinguais • Língua com capa amarela no Aquecedor Inferior e Médio • Pulso tenso em todas as posições • Pulso deslizante em todas as posições • Pulso – freq. 74 bat /min e ritmo regular.

Síndromes Bi Humidade • Dor fixa • Dor com sensação de peso • Dor que agrava com o movimento • Patologia persistente, recorrente que se arrasta • Articulações dolorosas • Alteração da sensibilidade na área

Organização dos dados relativos à s localização da dor e meridianos afectados A dor no ombro era uma dor máxima, 10, na escala visual analógica, tipo facada, intermitente (só surgia quando o paciente realizava o movimento que provoca a dor) era crónica, fixa, profunda que melhora com a pressão e com o frio mas existiam repetições agudas. O movimento desencadeava uma dor fulminante, após o movimento ficava uma moinha. A dor interferia de modo muito significativo com toda a actividade profissional do paciente – actividade geral, estado de ânimo, trabalho, e alegria de viver (pontuação 10). Não interferia com o sono, com a relação com os outros e com a capacidade de andar.

Fase 2

Passo 2 1. Organização dos dados de acordo com sintomas e sinais das Síndromes Gerais e de Órgãos Síndromes gerais e de órgão

A dor traduzia um bloqueio energético por plenitude humidade nos meridianos TM do Pulmão e do Intestino Grosso da articulação do cotovelo à articulação do ombro, com alteração da sensibilidade nesta zona, ora com queixas de dormência ou de ardor. Estas sensações faziam supor não só a estagnação de humidade mas a sua transformação em calor. Talvez por isso o paciente sentisse algum alívio inicial com o frio mas devido à presença de humidade esta situação contribuía para um aumento da estagnação e o não alívio da dor em situações mais severas. E por outro lado a aplicação de calor com a presença de humidade não causava, por seu lado qualquer tipo de alívio.

Estase de Qi do Fígado • Irritabilidade • Patologia tendino-muscular • Síndrome dolorosa • Pulso tenso • Lingua cor arroxeada • Lingua com varicosidades sub-linguais Vazio Qi menos importante que o Vazio de Yin do Pulmão • Astenia • Suor espontâneo • Tosse seca • Calor

Organização dos dados relativos ao temperamento do paciente O Paciente tinha um perfil temperamental com um contributo importante do Yangming metal, temperamento que o predisponha para a actividade, não emotividade e para a secundariedade, vulnerável na função do Intestino Grosso. Carácter extrovertido com tendência para as patologias digestivas e cólicas. O seu gosto pela comida e aos mesmo tempo os seus problemas digestivos, reflectem o mesmo temperamento. A esfera energética de influência do Yangming metal também o predispunha para sofrer problemas do foro respiratório, assim como também podia propiciar o aparecimento de perturbações do meridiano do Intestino grosso pela relação interior-exterior que este tem com o Pulmão.

Síndromes de órgão Vazio Yin do Fígado • Agitação • Calor • Irritabilidade • Alterações de visão • Patologia tendino-muscular • Lingua – bordos vermelhos Vazio Yin do Rim • Agitação • Calor • Lombalgias

10

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

- De seguida aplica as técnicas Girar (Gun Fa) e Empurrar com os quatro dedos (Si Zhi Tui Fa) do ponto 11IG ao 16 IG e do 5P ao 1P, e pontos Ashi. - Paciente sentado, o médico coloca-se atrás do paciente. Aplicar as manipulações de Girar ou empurrar com um dedo as regiões cervicais e escapular, combinadas com flexão e adução acima de 90º do membro afectado 5-10 vezes. - Agarrar o Jianjing (21 VB) 5 -10 vezes. A – ShaoYang – colérico B - Jue Yin – nervoso C – Tai Yang – apaixonado D – Shao Yin – sentimental E – Yang Ming – Metal – fleumático F – Tai Yin – Metal – apático G – Yang Ming – Terra – sanguíneo H – Tai Yin- Terra – amorfo

Perfil do Paciente Yang Ming Metal – IG/P Tai Yang - ID/B Shao Yang VB/TA Tai Yin Metal P fleumático, apaixonado, colérico

Diagnóstico e caracterização da dor Bi humidade envolvendo o MTM do Intestino Grosso e do Pulmão em plenitude do ponto 11IG ao 16IG e do ponto 5P ao 1P respectivamente. A síndrome Bi é agravada pela perturbação da circulação dos Qi e Sangue e pelo Calor decorrente da estase de Qi do Fígado e ainda pela perturbação da circulação dos líquidos orgânicos por Vazio do Qi e Yin do Pulmão. Princípios de Tratamento Regularização da circulação de Qi e Sangue nos meridianos Tendino-musculares do Intestino Grosso e do Pulmão; Resolver a Humidade e clarificar o calor.

Estas manipulações básicas apenas incluem pontos, meridianos e áreas locais. De seguida aplicaram-se as seguintes manipulações em pontos distais: Paciente sentado ou em posição de supinação. O médico amassa (Rou Fa) e Empurra com um dedo (Yi Zhi Chan Tui Fa) os pontos 5 TA, 9BP, 6BP. O médico Pressiona(An Fa) – Amassa(Rou Fa) o ponto 38E, ao mesmo tempo que executa as manipulações pede ao paciente para ir mexendo o ombro e braço afectados. Por último, paciente em posição de pronação. O médico aplica a técnica Ca Fa com a palma da mão na zona lombar com incidência nos pontos 23B e 52B até aquecer (cuidado para não queimar a zona ou criar vincos). Após o término do tratamento aconselhou-se ao paciente trabalho pessoal em casa. Este trabalho consistiu na prescrição dos seguintes exercícios: - Escalar a parede: Em frente da parede, escalar com uma ou duas mãos a parede, aumentando gradualmente a altura da escalada até ao limite possível, voltar à posição inicial suavemente. Repetir o exercício algumas vezes.

Aplicação: Neste caso aplicou-se um protocolo de Tui Na de acordo com a diferenciação realizada. A incidência do tratamento fez-se na área afectada pela dor e utilizaram-se manipulações em pontos distais. Manipulações básicas locais: - Paciente sentado ou em posição de supinação, o médico colocase atrás do paciente. Aplica o girar ou o empurrar com um dedo (Yi Zhi Chan Tui Fa) na parte anterior do ombro e no lado interno do membro superior para cima e para baixo 5 -10 vezes, combinadas com abdução passiva e extensão do membro afectado. A manipulação é normalmente aplicada na região anterior do ombro.

- Puxar as mãos atrás do corpo: Colocar as duas mãos atrás do corpo, e usar a mão sã para puxar o punho do membro afectado para cima gradualmente. Repetir o exercício.

- Paciente em posição de supinação ou sentado com o membro afectado para fora. O médico segura o punho do membro afectado com uma mão e com a outra mão aplica a manipulação de Girar no lado externo do ombro e na parte posterior da axila, combinada com Pressionar – Agarrar o Jianyu (15 IG) e o Jianzhen (9ID), aduzindo e abduzindo o membro afectado repetidamente 5 – 10 vezes.

11

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

- Rodar o ombro: Coloque uma mão na cintura, coloque o punho cerrado da outra mão perto da cintura rode o ombro para a frente a para trás gradualmente fazendo um círculo, aumente a amplitude e a frequência gradualmente.

- Exercício com um bastão: Preparar o bastão, segurar as duas extremidades com as duas mãos, executar movimentos de elevação superior dos braços pela frente e por trás, à direita e à esquerda e movimentos da direita para a esquerda. Entregou-se ao paciente uma folha com a figura dalguns destes exercícios: Além deste tratamento com Tuina poder-se-ia ter utilizado outra estratégia de tratamento, como por exemplo: Estratégia de tratamento: 1. Resolução do Bi Humidade - Acupunctura - Estratégia de tratamento das síndromas Bi. - Tuina - Mover o Qi e o Sangue e resolver a humidade Fitoterapia - Chinasor 22 e 14 ou 8. 2. Tonificar o Qi e o Yin do pulmão e do Rim e melhorar a condição do Yangming.

12

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

Os desequilíbrios do Fígado acabam por se manifestar em três áreas – na área das emoções, na digestão/assimilação dos alimentos e na função de movimentação do Triplo Aquecedor e a regulação que este exerce na via das águas. A partir daqui um ou vários destes quadros podem surgir: Na China as Oito Peças do Brocado (em chinês Ba Duan Jin) é talvez o sistema mais popular de Chi Kung. Embora existam várias opiniões sobre a sua origem, historicamente a criação deste sistema é atribuída ao general Yeuh Fei, considerado pela cultura histórica chinesa como um dos mais bravos e inteligentes generais que viveu durante o século X d.C.

Humidade-Calor; Estagnação do Qi do Fígado com Deficiência de Qi do Baço Pâncreas; Deficiência de Yin do Rim; Estagnação de Sangue devido à estagnação de Qi;

Diz-se que quando foi criado este sistema era composto por 12 movimentos, no entanto, durante o seu trajecto ao longo da história alguns movimentos foram-se perdendo, restando hoje um sistema composto por oito movimentos. É considerado, quase por unanimidade, como uma sequência composta por oito peças preciosas devido em parte aos efeitos que advêm da sua prática regular.

Descrição e Orientação Terapêutica das Síndromes Humidade-Calor Sintomas: Sensação de peso no corpo Sensação de distensão torácica e no hipocôndrio, às vezes com a sensação de massas Sede mas com pouca vontade de beber Possível confusão mental Náuseas, aversão a alimentos fritos ou aos óleos Boca seca com gosto amargo Urina escura e em pouca quantidade Língua com revestimento branco e gorduroso ou amarelo e gorduroso. Pulso deslizante (Hua) e rápido (Shu), macio (Ru) e rápido (Shu).

Neste artigo não vão ser descritos de forma pormenorizada cada um dos movimentos, mas apenas os seus efeitos no contexto da hepatite crónica. A sua aprendizagem deve ser feita na prática com um mestre ou instrutor de Chi Kung que, tendo em conta a constituição e condição do praticante, possa orientá-lo no sentido de uma prática correcta e eficaz. Embora na sua essência este conjunto de movimentos tenha uma mesma raiz, existem muitas escolas e também muitas formas de executar este sistema, havendo no entanto duas principais – a escola Taoista e a Budista – de onde se pensa que tenham evoluído as outras variantes tornando-se muitas vezes difícil determinar a sua escola de origem.

Orientação Terapêutica: Clarificar o Calor e remover a Humidade

A versão aqui apresentada é bastante comum e o seu objectivo é servir como ponto de partida para o tratamento da Hepatite Crónica.

Exercícios: Exercício 1 – “Sustentar o Céu” activa a circulação do Qi no Triplo Aquecedor regulando os três níveis energéticos Terra, Homem e Céu. Regulariza o processo de assimilação, distribuição e expulsão da água. A elevaçãodos braços provoca também um alargamento da caixa torácica e por consequência um fortalecimento do Qi, especialmente do Wei Qi (Qi defensivo). Psicologicamente o restabelecimento das conexões entre os três níveis energéticos vai criar uma visão mais integrada por parte do paciente em relação à sua situação presente.

Método Tradicionalmente, este sistema é executado com repetições de oito vezes nos movimentos unilaterais e quatro vezes nos movimentos bilaterais. Se o praticante é do sexo masculino deve iniciar os movimentos bilaterais pela esquerda enquanto as mulheres deverão iniciar pela direita. No caso de existir um dos lados mais frágil ou atrofiado deve-se sempre começar pelo lado oposto. Com a prática, ou no/nos movimento/os que actuam especificamente sobre a síndrome, podem ser aumentados para 12, 24 ou 36 repetições dependendo da condição do praticante. No caso de se querer praticar apenas um movimento isolado o mínimo de repetições será de 12 vezes. Dá-se no entanto ênfase para se considerar este sistema como um todo e que por si só a prática das oito peças na totalidade, embora com poucas repetições, é de longe mais benéfica que apenas uma peça com muitas repetições. Etiologia A Hepatite Crónica surge no seguimento da Hepatite Viral. A incapacidade por parte do Fígado de regular o fluir do Qi durante algum tempo vai afectar a longo prazo a circulação do Sangue dando origem com a continuidade deste padrão a um quadro de Estagnação do Qi e de Sangue severos.

Exercício 1 – “Sustentar o Céu”

13

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

Exercício 3 – “Separar o Céu da Terra” auxilia a remover a Humidade fortalece e regulariza o aquecedor médio e equilibra o elemento Madeira – Fígado, com o elemento Terra – Baço Pâncreas e Estômago. Psicologicamente torna a vontade expansiva e criativa do Fígado mais enraizada pela ligação à Terra expressa pelo BP.

Exercício 3 – “Separar o Céu da Terra” fortalece e regulariza o aquecedor médio, as funções do BP e equilibra o elemento Madeira – Fígado, com o elemento Terra – Baço Pâncreas e Estômago. Psicologicamente torna a vontade expansiva e criativa do Fígado mais enraizada pela ligação à Terra expressa pelo BP. Pode ser útil nas situações de contradomínio da Madeira sobre a Terra, este exercício ao regular o aquecedor médio apazigua o elemento Madeira e fortalece o elemento Terra

Exercício 5 – “Oscilar a cabeça e balançar o pélvis”, auxilia a remoção do Calor nomeadamente calor do Coração. O Coração está ligado ao Shen e o Shen reflecte as emoções dos outros órgãos, aos regularmos o Shen estamos a regular as emoções que são a causa principal da estagnação do Qi do Fígado.

Deficiência de Yin do Rim Sintomas: Vertigens Distúrbios de sono Sensação de peso na cintura Flacidez nas pernas Calor nas palmas das mãos e nas solas dos pés Boca seca especialmente à noite Transpiração nocturna Falta de visão e zumbidos Língua vermelha, com capa fina ou sem capa. Pulso em Corda (Xian), Pulso fino (Xi) e rápido (Shu) ou fino e em corda. Pode também apresentar-se fraco nas duas posições Chi do pulso.

Estagnação do Qi do Fígado com Deficiência do Qi do BP Sintomas: Opressão torácica com desconforto Agitação Fadiga mental Distensão ou dor móvel no hipocôndrio direito com dor envolvendo ocasionalmente dores nas costas do lado direito, peito, seio ou abaixo do umbigo Gosto amargo na boca Eructações Anorexia Fezes soltas Língua pálida ou avermelhada com saburra fina ou branca e gordurosa. Pulso em corda (Xian) ou em corda e deslizante (Hua).

Orientação Terapêutica Nutrir o Fígado e o Rim. Exercício 2 – “Estirar o arco em ambas as direcções”, executado na posição do cavaleiro de ferro fortalece os Rins o facto da intenção estar conectada com a observação de um objecto o qual devemos atingir, direcciona e melhora a visão estabilizando e direccionando o Shen. A intenção conectada com o ponto Yongquan (1R) na expiração conecta o Rim com a Terra conectando-o também com o Yin essencial. A sua actuação sobre o Meridiano Dai Mai alivia os sintomas de peso na cintura enquanto a postura de execução fortalece as pernas.

Orientação Terapêutica Regular o Fígado e fortalecer o BP. Exercícios Exercício 1 – “Sustentar o Céu” activa a circulação do Qi no Triplo Aquecedor regulando os três níveis energéticos Terra, Homem e Céu. Normaliza o processo de assimilação, distribuição e expulsão da água. A elevação dos braços provoca também um alargamento da caixa torácica e por consequência um fortalecimento do Qi especialmente do Wei Qi – Qi Defensivo. O estirar e elevar dos braços alivia as tensões ou dores que possam existir na área do tórax ou das costas ao nível das vértebras torácicas – alivia a sensação de opressão torácica. Psicologicamente o restabelecimento das conexões entre os três níveis energéticos vai criar uma visão mais integrada por parte do paciente em relação à sua situação presente.

Exercícios:

Exercício 2 – “Estirar o arco em ambas as direcções”, alivia opressão torácica, fortalece o aquecedor superior e alivia tensões nesta área. O facto da intenção estar conectada com a observação de um objecto o qual devemos atingir, direcciona e melhora a visão, ligada ao Fígado. Psicologicamente cria um sentido de direcção e a focalização num objectivo. Se o exercício for executado na posição do cavaleiro de ferro está a haver uma actuação deste exercício também sobre os Rins dando mais consistência a essa mesma visão ou objectivo e à força de vontade do praticante.

Nota: Um dos princípios de tratamento de doenças crónicas é a focalização do tratamento sobre a área de cintura e aquecedor inferior. Esta área está sujeita – e especialmente nos dias de hoje - a uma tendência para a estagnação. O seu desbloqueio permite que pontos como o Daimai (26 VB) ou o Qichong (30 E) conduzam de forma mais eficiente o Qi em direcção à terra provocando um descida do Yang, levando o Yin naturalmente a ascender da parte inferior à superior do corpo. Psicologicamente cria um sentido de direcção e a focalização num objectivo pela regulação do Shen e do Fígado. O imenso poder criativo do Fígado se não estiver direccionado acaba por ser inútil. A sua regulação quer pelo contacto com a Terra pelo ponto Yongquan, quer pela estabilização do Shen vai proteger o órgão que fornece energia mais directamente ao Fígado – o Rim. Exercício 6 – “As duas mãos tocam os pés” – Este exercício fortalece os Rins pela massagem que é executada aos mesmos pela compressão dos tecidos aquando se efectua o movimento para a frente. Promove a circulação da energia deste órgão por todo o corpo, movimentando especialmente toda a área da cintura actuando tal como o exercício 2.

Exercício 2 – “Estirar o arco em ambas as direcções”

14

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Abril 2005

Estagnação de Qi e de Sangue Sintomas: Compleição com tom de pele escura Dor com características de distensão ou dor tipo facada na zona do hipocôndrio que pode ter uma posição fixa ou móvel Anorexia Dor epigástrica e abdominal com características de distensão Dificuldade em defecar Zona do Fígado ou do BP inchada Angústia Nervosismo Sensação de massas no abdómen. Língua púrpura ou apresentando mesmo pontos escuros com capa fina. Pulso fino (Xi) ou áspero (Se). Orientação Terapêutica Regular o Qi e fazer a estagnação de Sangue. Exercícios: Exercício 1 – “Sustentar o Céu” reactiva e desbloqueia a circulação no Triplo Aquecedor regulando os três níveis energéticos Terra, Homem e Céu. Normaliza o processo de assimilação, distribuição e expulsão da água. A elevação dos braços provoca também um alargamento da caixa torácica e por consequência um fortalecimento assim como o aumento da circulação do Qi. Psicologicamente o restabelecimento das conexões entre os três níveis energéticos vai criar uma visão mais integrada por parte do paciente em relação à sua situação presente. Exercício 7 – “Apertar os punhos e abrir bem os olhos” A compressão de todos os músculos faz circular o Qi e o Sangue por todo o corpo. Ao abrir bem os olhos estamos também a actuar sobre o Fígado que é responsável pelo suave fluir Qi pelo corpo. Numa visão global em relação a todo o sistema das oito peças, solidifica os outros exercícios efectuados anteriormente.

Exercício 7 – “Apertar os punhos e abrir bem os olhos”

15

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

O Cancro da Mama em MTC (1ª Parte) Rogério Costa (Especialista em MTC) Em termos Ocidentais, somos muitas vezes levados a pensar que afinal tudo tem origem no imediato, chegando a ser interessante pensar que as nossas atitudes nada têm a ver com os nossos ancestrais. Nada mais errado. Há muitos milhares de anos, a MTC identificava e tratava o denominado cancro da mama, apesar deste se encontrar em menor escala em meio Oriental. Não pretendo com este trabalho, que tem por base a tese de licenciatura por mim elaborada nesta área, argumentar acerca das melhores terapêuticas para estes casos porque, como iremos verificar, cada caso é um caso. Não existem melhores terapêuticas quando a enfermidade se instalou, apenas as possíveis e dentro destas tenta-se, por vezes, as melhores, nem sempre com resultados satisfatórios. Abordaremos os principais padrões e síndromes que estão na origem do tratamento desta patologia segundo a Medicina Chinesa, numa visão clara que vai desde a acupunctura até à dietética, apresentando a respectiva conclusão no final. Dado a extensão deste trabalho foi necessário dividi-lo para não o tornar tão maçudo. Mas o nosso esforço deve incidir na forma de minimizar os danos infligidos por esta patologia que cresce a cada ano de uma forma assustadora. de hoje?

I. Porque se tornou importante esta patologia nos dias Talvez porque 43 mil mulheres nos Estados Unidos, 8 mil mulheres no Reino Unido, 2600 mulheres na Austrália e Nova Zelândia (apenas alguns exemplos) sofrem desta doença; em Portugal, em 1993, era já responsável por 23,6% das mortes no sexo feminino. Assustadoramente, tal como aconteceu em relação ao seu aumento em termos de mortes, viu também descer a sua incidência no que respeita ao escalão etário, passando da média de 70 anos para os 40 e hoje aparece já em adultas jovens de 28 anos. II. Que dados epidemiológicos possuímos hoje Devido à pesquisa feita em termos ocidentais, sabemos agora alguns dados interessantes, tais como: esta patologia é até seis vezes mais comum em países ocidentais, ditos desenvolvidos; pensa-se ter alguma origem genética entre determinadas famílias, e associa-se, também um risco aumentado a uma menarca precoce. Pensa-se, ainda, que a menopausa tardia aumenta também o risco, e que uma primeira gravidez de termo certo precoce, o reduz, sendo que o contrário aumenta esse mesmo risco. Relativamente à obesidade, existem hoje dados que nos levam a afirmar que esta aumenta o risco de cancro da mama, sobretudo após a menopausa. Está situado entre as classes sociais mais elevadas, sendo que o álcool e o tabaco aumentam esse risco. As mulheres sujeitas a radiações ou a exposições prolongadas em atmosferas radioactivas, vêem da mesma forma o risco aumentado.

III.

O ponto de vista da Medicina Chinesa

Vou aqui referir um pequeno apêndice explicativo por ter enunciado Medicina Chinesa e não Medicina Tradicional Chinesa. Ao contrário do que se pensa, e pese, embora, o seu postulado ter cerca de 5 mil anos, a investigação em Medicina Chinesa é, nalgumas áreas, já muito recente. Temos alguns exemplos como a craneocupuntura e a auriculoterapia, cujos estudos mais recentes fazem parte do século passado. Este facto ilustra que a Medicina Tradicional Chinesa evoluiu e evolui a cada dia, sendo hoje largamente utilizada em patologias do Século XXI. Em MTC (Medicina Tradicional Chinesa - aqui sim porque estamos a reportar-nos há cerca de 2 mil anos), as neoplasias eram identificadas com o símbolo AI, que significava rochedo – rocha, atribuíndo-se a designação de RUYAN relativamente à glândula mamária. Aparece, assim, descrito pela primeira vez em 1237 a.c. no denominado ”FU REN LIANG FANG” – “EFECTIVES PRESCRIPTIONS FOR WOMAN”, compilado nessa data por Chen Ziming. Não podemos esquecer que a Medicina Chinesa tem uma visão holistica muito particular, e, por este facto, esta patologia vai muito para além da glândula mamária, como aliás veremos. Aquilo que aparece sempre descrito como “massas” e “humores” nesta medicina, tem na sua etiologia, causas que podem ser internas (intrínsecas) e externas (factores perversos). A abordagem não é simples e tudo é importante para se elaborar um bom diagnóstico diferencial. Do ponto de vista da etiopatogenia encontramos os seguintes padrões e síndromes: § Estagnação de sangue (“xué”) ou acumulação; § Fleuma; § Humidade; § Calor-tóxico. Estes síndromes podem aparecer de uma forma isolada ou combinada, traduzindo-se numa complexidade de situações. Do ponto de vista dos órgãos e vísceras associados (“ZANG-FU”), o estômago (“WEI”) está relacionado intimamente com o seio, enquanto que o fígado (“GAN”) rege o mamilo. Ao verificarmos a tabela abaixo indicada na figura 1, ficamos com uma ideia da relação dos “ZANG-FU” com os 5 elementos. Podemos assim verificar, por exemplo, que ao Fígado (“GAN”) está associada a raiva do ponto de vista emocional; logo, pela forma holistica, já percebemos que, na Medicina Chinesa, existem muitos mais factores que concorrem para o estudo das patologias. Por outro lado percebemos, seguramente, que os aspectos mais significativos desta enfermidade são a componente psíquica aqui retratada pela associação ao Fígado (“GAN), e o estômago (“WEI”), tendo o baço como víscera associada, que nos leva para a área da alimentação ou dietética, ou seja, dos nutrientes ingeridos por cada pessoa. Estudos recentes que tiveram como base o acompanhamento de mulheres asiáticas que emigraram para os Estado Unidos, referem que, 4 gerações depois, a incidência de cancro da mama nestas mulheres descendentes era precisamente igual às mulheres tipicamente americanas. O que mudou no essencial? O stress psicológico e a alteração dos hábitos alimentares. Seguidamente iremos abordar os padrões e síndromes em Medicina Chinesa, assim como aspectos importantes na fisiologia da mulher, segundo esta medicina. O sucesso do tratamento desta patologia que tantas mulheres afecta a nível Mundial está sobretudo na medicina preventiva, na

16

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

qual se insere a Medicina Chinesa. Na Medicina Multidisciplinar, aquela que forçosamente imperará no século XXI e seguintes, o esforço conjunto é seguramente o melhor.

Bibliografia: Auteroche, B. e Navailh, P., Diagnóstico na Medicina Tradicional Chinesa, Andrei: 1992 – 2ª Edição. Deadman, Peter, A Manual of Acupuncture, Journal of Chinese Medicine Publications: 1998. Flaws, Bob, The secret of chinese pulse diagnosis, Blue Poppy Pres: 1996. Jwing – Ming, Yang, Ba Duann Gin – A Wai Dan Chi Kung Exercise Set for Improving and Mantaining Health, YMAA Publication Center. Los prodigios del Qigong – Un Ejercicio Chino para el Bienestar la Salud y la Longevidad, Mandala Ediciones. Life cultivation and reabilitation of Traditional Chinese Medicine, Publishing House of Shanghai University of Traditional Chinese Medicine. Requena, Yves, Chi Kung – The Chinese Art of Mastering Energy, Healing Arts Pres: 1996.

17

Rev. MTC, nº1


Revista de Medicina Tradicional Chinesa nº1 Maio 2005

Ficha Técnica Revista de Medicina Tradicional Chinesa

Propriedade e Administração: Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa

Direcção: Deolinda Fernandes, José Faro Edição: Filomena Serrano Design e Grafismo: Rui Martins, Filomena Serrano Parcerias: Revista Medicina Holistica Colaboram neste número: Alfredo Embid, Lourenço Azevedo, Lu Mei, Lurdes Carvalho, Rogério Costa, Wang Linling Periodicidade: Trimestral Contactos: Telefones: 21 347 56 05 / 21 347 67 26 Fax: 21 342 68 04 Sede:

Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa Rua das Portas de Santo Antão, 110 – 3º Esq. 1150-269 Lisboa

18

Rev. MTC, nº1


Revista Científica ESMTC 2005/05