Issuu on Google+

A dor pode ser conceituada como uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a lesões reais ou potenciais, podendo ser classificada em relação à sua natureza ou origem neurofisiológica. Enquanto a dor aguda se manifesta como um sintoma de alguma doença, a dor crônica por si só já pode ser considerada uma doença propriamente dita, sendo nociva e independente ao estímulo que a gerou, caracterizando um estado de dor patológica.15,22 Assim, a dor persistente, de acordo com os mecanismos dolorosos desencadeantes, se diferencia em nociceptivas e neupáticas: 15,22 Dor nociceptiva: resultado da ativação direta de nociceptores da pele e outros tecidos em resposta a uma lesão tecidual, acompanhada de inflamação. Dor neuropática: relacionada a lesões de nervos periféricos ou do sistema nervoso central. Os quadros de dores nociceptivas e neupáticas causam grande impacto na vida do paciente, sendo complexo o manejo da dor crônica, agravado pelo fato de que os analgésicos atualmente disponíveis para esta aplicação, são eficazes somente em menos de 50% dos casos e o alívio da dor geralmente é apenas parcial.15 APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Frente a este desafio, a Idealfarma apresenta o PeaFlex™, uma alternativa natural para manejo de dor crônica de origem neuropatica e nociceptiva. Diversos estudos verificaram que o PeaFlex™ é capaz de atuar sobre os mecanismo dolorosos e inflamatórios, desempenhando efetiva atividade analgésica e anti-inflamatória. PeaFlex™ pode ser utilizado tanto para manutenção quanto para o tratamento das dores patológicas, sozinho ou em associação, de forma segura e eficaz. O PeaFlex™ é composto pela palmitoiletanolamida (PEA) ou palmidrol, um derivado de ácido graxo de ocorrência natural, onde a função de carboxilato é amidado pela amina primária de etanolamina. É chamado quimicamente de N-(2-hidroxietil)hexa decanamida (Figura 1). 1-14,16-21,23

ponsáveis pela dor, e, desta forma, atuar como um agente modificador da doença. 1-14,16-21,23 Alguns autores também relacionam a PEA com a capacidade de atuar na inibição da atividade ou expressão de FAAH, ou por meio de mecanismos adicionais desconhecidos, aumentar os níveis endógenos de AEA e 2-AG, que ativam diretamente CB2 e receptores TRPV1 (“efeito entourage”). PEA, possivelmente através de uma modulação alostérica de receptores TRPV1, potencializa as ações de AEA e 2-AG nos receptores TRPV1 (“efeito entourage”). Em queratinócitos, PEA exerce efeitos anti-inflamatórios através deste mecanismo proposto. PEA ativa diretamente os receptores PPAR-a. Em neurônios sensoriais, PEA ativa os receptores TRPV1 via receptores PPAR-a. PEA aumenta a expressão dos receptores CB2 e este efeito é mediado por receptores PPAR-a. PEA também parece ativar diretamente os receptores GPR55. 1-14,16-21,23 Abreviações:

PEA: palmitoiletanolamida; AEA: anandamida; 2-AG: 2-araquidonoil-glicerol; AA: ácido araquidónico; TRPV1: receptor de potencial transitório vanilóide canal de tipo 1; CB2: receptores canabinóides 2; GPR55: receptor acoplados à proteína G 55; PPAR-α: receptores ativados por proliferador de peroxissoma tipo α; RXR: receptor X de retinóide; PPRE: elementos de resposta do proliferador de peroxissoma-α; NAPE-PLD: N-acilfosfatidiletanolamina específica fosfolipase D; FAAH: amida de ácido graxo hidrolase; MAGL: lipase monoacilglicerol; DAGL: lipase diacilglicerol.

Figura 1: Estrutura molecular do PeaFlex™.

PEA é amplamente distribuída em vários tecidos, incluindo os nervosos, e seus níveis endógenos estão relacionados com os níveis de estresse, lesão e/ou dor. Estudos demonstram que o uso de PEA é capaz de reduzir inflamação e dor aguda, sendo que o efeito da administração de PEA é dose-dependente.1-14,16-21,23 PEA é produzida por uma via enzimática simples na membrana lipídica de todas as células do corpo e é facilmente degradada no citoplasma. Sendo assim, nenhum clearance hepático ou renal é necessário. 1-14,16-21,23 Diversos estudos de interação foram realizados com outros analgésicos, como a pegabalina e oxicodona, verificando que PEA reforça a atividade antinociceptiva destes outros analgésicos, sem interações prejudiciais, sendo possível o uso em associação sem riscos. 1-14,16-21,23 MECANISMO DE AÇÃO: Estudos observaram que o tratamento crônico com PEA não só é capaz de reduzir a dor, mas também preservar a morfologia do nervo periférico, diminuir o edema endoneural, o recrutamento e a ativação dos mastócitos e a produção de mediadores pró-inflamatórios em lesão local. Sendo assim, é possivel verificar que a PEA, por meio da regulação dos processos inflamatórios persistentes, pode atuar diretamente sobre as alterações no tecido nervoso res-

ESTUDO CLÍNICO: Um estudo clínico avaliou a eficácia e segurança da PEA nas síndromes de compressão do nervo: dor ciática e dor devido à síndrome do túnel do carpo. Ainda, foram revisadas as evidências pré-clínicas em modelos de invasão do nervo. Ambos os estudos farmacológicos, bem como os ensaios clínicos, apontam PEA como um composto analgésico. No total, oito ensaios clínicos foram publicados em tais síndromes de aprisionamento e 1.366 pacientes foram incluídos nestes ensaios.11 PEA provou ser eficaz e seguro em síndromes de compressão do nervo. Um estudo duplo-cego, controlado por placebo avaliou 636 pacientes com dor ciática, onde foram necessárias 1,5 semanas de tratamento (de um total de 3 semanas) para alcançar a redução da dor em 50% comparada à linha de base (Figura 2). Além disso, nenhuma interação medicamentosa ou efeito colateral e/ou incômodo foram descritos.11 Abreviações:

PEA, palmitoiletanolamida; VAS, escala analógica visual; NNT, número necessário para tratar; wk, semana.

Como resultado deste estudo, PEA demonstrou ser uma alternativa segura e relevante aos opióides e coanalgésicos no tratamento de dor neuropática, especialmente após a pregabalina ter sido ineficaz como coanalgésicos para o tratamento da dor ciática, através de um enriquecido estudo duplo cego. PEA deve ser considerada como uma nova e segura opção de tratamento para síndromes de compressão do nervo.11


POSOLOGIA Dosagem sugestiva de 400mg até 3 vezes ao dia, podendo ser alterada por profissional habilitado. Sugere-se o seguinte protocolo: Primeiros 2 meses: administrar 400mg 3 vezes ao dia (1200mg/dia). Próximos 2 meses: no caso de melhora dos sintomas, administrar 400mg 2 vezes ao dia (800mg/dia). Após 4 meses, considerar conforme a necessidade: • 400mg 2 vezes ao dia (800mg/dia). • Reduzir a administração para 400mg ao dia. • Parar a administração. Figura 2: NNT de PEA para atingir uma redução de 50 % da dor.

SUGESTÕES DE FÓRMULAS NATURAL PAINKILLER

DOR ARTICULAR

PeaFlex™................................................................................................................400mg

PeaFlex™................................................................................................................400mg

Ayuflex®..................................................................................................................500mg

FlexAble ISO®..........................................................................................................20mg

Excipiente qsp........................................................................................................1 dose

Excipiente qsp........................................................................................................1 dose

Posologia: administrar uma dose 2 vezes ao dia (a cada 12 horas)

Posologia: administrar uma dose 2 vezes ao dia (a cada 12 horas)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

WhatsApp: 11 9 8444-0501

mulas

s nd

I

Atendimento Anápolis (GO): 0800 642-1288

ór

da

Atendimento São Paulo (SP): 0800 701-4424 | 0800 777 4224 | 11 5592-6400

F

1. BISOGNO, T. et al. Biosynthesis, Uptake, and Degradation of Anandamide and Palmitoylethanolamide in Leukocytes. The Journal of Biological Chemistry. 1997; 272(6):3315-3323. 2. CONTI, S. et al. Antiinflamatory action of endocannabinoid palmitoylethanolamide and the synthetic cannabinoid nabilone in a model of acute in¯ammation in the rat. British Journal of Pharmacology. 2002; 135:181-187. 3. COSTA B, et al. Therapeutic e ect of the endogenous fatty acid amide, palmitoylethanolamide, in rat acute in¯ammation: inhibition of nitric oxide and cyclo-oxygenase systems. British Journal of Pharmacology. 2002; 137:13-420. 4. COSTA B, et al. The endogenous fatty acid amide, palmitoylethanolamide, has anti-allodynic and anti hyperalgesic effects in a murine model of neuropathic pain: involvement of CB1, TRPV1 and PPARγ receptors and neurotrophic factors 2008;139:541–550. 5. DÉCIGA-CAMPOS, M.; RAMÍREZ-MARÍN, P.M., LÓPEZ-MUÑOZ, F.J. Synergistic antinociceptive interaction between palmitoylethanolamide and tramadol in the mouse formalin test. Eur J Pharmacol. 2015; 765:68-74. 6. DI MARZO, V. et al. Palmitoylethanolamide inhibits the expression of fatty acid amide hydrolase and enhances the anti-proliferative effect of anandamide in human breast cancer cells. Biochem. J. 2001; 358:249-255. 7. DI MARZO, V.; SKAPER, S.D. Editorial: palmitoylethanolamide: biochemistry, pharmacology and therapeutic use of a pleiotropic anti-inflammatory lipid mediator, CNS & Neorological Disorders-Drug Tarvets. v.12, p.4-6, 2013. 8. GABRIELSSON, L., MATTSSON, S. AND FOWLER, C. J. Palmitoylethanolamide for the treatment of pain: pharmacokinetics, safety and efficacy. Br J Clin Pharmacol (2016). Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/bcp.13020/epdf 9. GIORNO, R.D. et al. Palmitoylethanolamide in Fibromyalgia: Results from Prospective and Retrospective Observational Studies. Pain Ther. 2015; 4:169–178. 10. HESSELINK, J.M.K. New Targets in Pain, Non-Neuronal Cells, and the Role of Palmitoylethanolamide. The Open Pain Journal. 2012; 5:12-23. 11. HESSELINK, J.M.K. Palmitoylethanolamide, a neutraceutical, in nerve compression syndromes: efficacy and safety in sciatic pain and carpal tunnel syndrome 2015:729-734. 12. IANNOTTI, F. A.; DI MARZO V AND PETROSINO S. Endocannabinoids and endocannabinoid-related mediators: targets, metabolism and role in neurological disorders. Prog Lipid Res. 2016; 62:107-28. 13. IMPELLIZZERI, D. et al. The anti-inflammatory effects of palmitoylethanolamide (PEA) on endotoxin-induced uveitis in rats. European Journal of Pharmacology. 2015; 761(2015):28–35. 14. JAGGAR, S.I. et al. The anti-hyperalgesic actions of the cannabinoid anandamide and the putative CB2 receptor agonist palmitoylethanolamide in visceral and somatic inflammatory pain. Pain. 1998; 76(1998):189–199. 15. KLAUMANN, P. R.; WOUK, A. F. P. F.; SILLAS, T. Patofisiologia da dor. Archives of Veterinary Science. 2008; 13(1)1-12. 16. LAMBERT, D.M. et al. The Palmitoylethanolamide Family: A New Class of Anti-Inflammatory Agents? Current Medicinal Chemistry. 2002; 9:663-674. 17. MANELLI, L.D.C. et al. Delay of morphine tolerance by palmitoylethanolamide. Biomed Res Int. 2015; 2015:894732. 18. PALADINI, A. et al. Palmitoylethanolamide, a Special Food for Medical Purposes, in the Treatment of Chronic Pain: A Pooled Data Meta-analysis. Pain Physician. 2016; 19:11-24. 19. PETROCELIS, L.D. Palmitoylethanolamide enhances anandamide stimulation of human vanilloid VR1 receptors. FEBS Letters. 2001; 506(2001):253-256. 20. RE, G. et al. Palmitoylethanolamide, endocannabinoids and related cannabimimetic compounds in protection against tissue inflammation and pain: Potential use in companion animals. The Veterinary Journal. 2007; 173(2007):21–30. 21. SANTOS, F.R.B. Ação analgésica e anti-inflamatória da palmitoiletanolamida. 2014. 31p. Monografia (Residência em medicina veterinária) – Setor de cirurgia e anestesia, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, RS, 2014. 22. SELKURK, E. E. Physiology. Boston: Little, Brown & Co. 1976. 23. TSUBOI K, Takezaki N, Ueda N. The N-acylethanolamine-hydrolyzing acid amidase (NAAA). Chem Biodivers. 2007;4(8):1914–1925.

i v i d u a li z a


Lâmina PeaFlex™