Page 1

www.iCNE WS.com.br

Indústria&Comércio Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | Ano XXXVi | Edição nº 8836 | R$ 1,50

DIÁRIO. Mais que notícias. inteligência. conhecimento.

Aroldo Murá PARA ONDE MANDAR OS DESCARTÁVEIS A FAS, Fundação de Ação Social, em Campo Coomprido, ´recebe doações que a população pode fazer de seus “inservíveis”. Mas sempre restam incertezas sobre para onde mandar móveis, roupas e objetos que podem ser úteis aos carentes. página a3

Pedro Washington Disse-me, disse!

O ambiente pré-eleitoral já está conturbado há 20 meses das eleições. Por aqui a discussão é sobre quem tem razão numa queda-debraço sobre números. Página | A2

Confiança dos empresários do setor de serviços sobe 0,3% em março O Índice de Confiança de Serviços (ICS) teve alta de 0,3% de fevereiro para março, o que mostra uma recuperação ainda tímida do setor no primeiro trimestre do ano, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

INDICADORES FINANCEIROS

Pesquisa feita pelo Disque Economia, revela variação nos preços dos chocolates

Preço de produtos de Páscoa tem variação de até 60% na capital Entre os ovos, a maior variação foi de 66%, o menor preço R$ 22,98 e o maior, R$ 38,28 página a4

MERCADO À VISTA Maiores altas

COTAÇÃO

RECRUSUL ON ENERGISA DM 12,00 EMBRATEL PAR DO * 12,70 VIVER ON NM BATTISTELLA ON

Maiores QUEDAS

0,12 0,09 0,11 0,77 0,85

COTAÇÃO

TEKA ON CEMEPE ON CHIARELLI PN INEPAR TEL ON TECNOSOLO ON

0,50 0,83 0,06 0,06 0,06

IBOVESPA Maiores altas*

Em cinco anos, cerca de 300 mil brasileiros retornaram do exterior

nacional | b1

Abate de bovinos sobe 8% e bate recorde

COTAÇÃO

PDG REALT ON NM FIBRIA ON NM OGX PETROLEO ON NM OI ON EDB N1 DURATEX ON NM

Maiores QUEDAS GOL PN N2 MARFRIG ON NM MRV ON NM V-AGRO ON NM MMX MINER ON NM

3,12 23,51 2,39 6,93 16,00

A Cervejaria Devassa abre, no dia 04 de abril, sua segunda casa em Curitiba. Localizada no Alto da XV, novo pólo gastronômico e de lazer da capital paranaense, o local tem capacidade para 200 pessoas.

COTAÇÃO 11,79 8,90 8,50 0,44 2,33

Pág. a12

CÂMBIO Moeda

Compra

Venda

Dólar turismo 1,9800

2,0800

Dólar comercial 2,0090

2,0105

Dólar paralelo 2,0900

2,2000

Euro

2,5711

2,5701

bebidas Cervejaria Devassa inaugura segunda casa em Curitiba

região sul Aumenta o índice de confiança entre pequenos e médios empresários

Ouro (Grama/R$): 105,49

A redução dos preços nos mercados interno e externo e o aumento das exportações como as principais causas que elevaram o número para 31,118 milhões de cabeças, superando os 30,713 milhões de cinco anos antes.

O Santander e o Insper divulgaram o Índice de Confiança do Empresário de Pequenos e Médios Negócios no Brasil (IC-PMN) referente ao segundo trimestre de 2013. A região Sul registrou aumento em relação ao primeiro trimestre, atingindo 74,7 pontos na pesquisa. Pág. b7

página b5

Editorial Editais na página A7

O

Setor de imóveis a todo vapor

setor imobiliário no Brasil está fortemente aquecido. Numa economia emergente, com aumento da renda e do acesso ao crédito, o brasileiro está financiando cada vez mais para realizar o sonho da casa própria. Nos dois primeiros meses deste ano, o crédito imobiliário somou R$ 12,5 bilhões, valor 15,7% acima do volume contratado no mesmo período do ano pas-

sado. Os números são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

E

ntre março de 2012 e fevereiro deste ano, os empréstimos para a aquisição e construção de imóveis, utilizando recursos da poupança, somaram R$ 84,5 bilhões, 4,4% superior aos 12 meses anteriores. O volume

de empréstimos em fevereiro atingiu R$ 5,8 bilhões, 13% menor que o valor anotado em janeiro. Na comparação com fevereiro de 2012 houve crescimento de 13,8% no crédito imobiliário. Mesmo tendo milhões de pessoas em condições ruins de moradia, o Brasil mostra avanço no financiamento de imóveis. O único problema continua sendo a alto preços das unidades.

inovação Telex lança aparelho auditivo totalmente invisível no ouvido Que tal um aparelho auditivo que ninguém vê e ainda por cima tem alta qualidade de som e melhora a compreensão da fala logo no primeiro momento? Esta é a novidade da Telex Soluções Auditivas. Pág. a12

CMYK

Central de Atendimento: 41 3333.9800

e-mail: pauta@induscom.com.br


Geral/Curitiba Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A2 | Indústria&Comércio

Previsão do tempo

Mín.: 10° | Máx.: 22°

A massa de ar mais seco e frio se estabelece sobre o sul do Brasil nesta quinta-feira. O dia terá poucas nuvens e umidade do ar mais baixa no interior do Paraná. Mais ao leste a nebulosidade fica variável, com Sol predominando em boa parte do dia. Amanhecer com temperaturas mais amenas, com declínio mais caracterizado no centro-sul do Estado. fonte: www.simepar.br

Paraná Competitivo

Estado negocia instalação de fábrica de laticínios A nova unidade deve gerar 500 empregos diretos e outros 5 mil indiretos

prpress@terra.com.br

PanoramaPolítico Disse-me, disse!

O ambiente pré-eleitoral já está conturbado há 20 meses das eleições estaduais e nacional. Por aqui a discussão é sobre quem tem razão numa queda-de-braço sobre números. É o governo federal que investe mais aqui, como afirma o ministro Paulo Bernardo, R$ 3,8 bi em convênios, mais que Santa Catarina (R$ 1,9 bi) e Rio Grande do Sul (R$ 3,47), aconselhando o governador a “trabalhar em vez de ficar sentado, criticando”?, ou o secretário Haully, que é quem cuida do cofre estadual, no seu desafio ao ministro Paulo: “mostre onde estão esses recursos!” Para o secretário da Fazenda paranaense, o Paraná é a 5a. contribuição para o cofre da União e na hora de ser beneficiado aparece na 25a. colocação. “Boa vontade deles (três ministros paranaenses) seria liberar os R$ 2,4 bilhões em empréstimos, ou estarão fazendo política contra o Paraná”, insiste Haully. Como a coluna lembrou ontem, é uma pequena mostra do que virá por aí na disputa eleitoral de 2014. Já no cenário nacional, com a provocação feita pela presidente Dilma na inauguração de obra em Pernambuco, ao lado do governador Eduardo Campos, provável candidato à Presidência, ao afirmar que “ ninguém governa sozinho (...) e que precisa de companheiros comprometidos” e que, muitos dos projetos de Pernambuco foram bancados pelo governo federal, Campos na terça-feira ao criticar diretamente a MP dos Portos, iniciativa do governo federal, afirmou a empresários: “É possível fazer muito mais”, numa alusão aos poucos investimentos do governo Dilma em infra-estrutura. Como dito aqui, as brigas começaram mais cedo do que se esperava.

Autonomias estaduais

A crítica do governador Eduardo Campos à MP dos Portos, vai na mesma linha da já feita por Beto Richa. Ambos defendem um planejamento nacional que intensifique a concorrência mas “sem agredir os estados” retirando suas autonomias na administração dos portos federais concedidos.

“Abacaxi” nas mãos

A ministra Chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, encarregada pela presidente Dilma para administrar esse “affair”, que também é mal recebido pelos sindicatos dos portos, estes com interesse em manter as vantagens até hoje auferidas, afirma por sua vez que a MP moderniza os portos, sem tirar autonomia de ninguém. “A logística nacional é fundamental para a eficiência do sistema portuário”.

Entendimento

Nessa discussão ficam de fora os maiores interessados na eficiência dos portos e da infra-estrutura brasileira: os exportadores, especialmente os produtores do agro-negócio que, ainda nesta safra de soja estão tendo grandes perdas com a ineficiência mais uma vez comprovada. Melhor seria que governos sentassem à mesa para negociações e quem sabe, entregassem a infra-estrutura como um todo à iniciativa privada. Única forma de por fim a esse eterno gargalo que deprecia a produção brasileira.

Olho vivo!

Enquanto outros portos se perdem em discussões, o moderno porto privado de Itapoá, com especialização maior em containers, há pouco tempo em funcionamento, começa a estender suas garras. Com um bom volume de navios em movimentação, já anuncia em jornais de Curitiba, seus contatos com clientes paranaenses, de olho nas cooperativas do oeste.

Inclemente

As constantes negativas do ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, Às investidas de condenados no julgamento do mensalão para tentar prorrogar prazos de suas defesas (casos de José Dirceu e Ramon Hollerbach), deixa a impressão de que a depender dele, Barbosa, o STF não terá nenhuma complacência com a aplicação das penas que lhes foram impostas.

Em choque

A pressão popular sobre o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não surtiu efeito. A resistência do deputado/pastor Marco Feliciano refletiu sobre o PSC que acabou por apoiar sua permanência. Prova de que os protestos deveriam ser dirigidos ao partido que o indicou e não ao deputado.

EXPEDIENTE

Diário

Indústria&Comércio Fundado em 2 de setembro de 1976 Fundador e Presidente Odone Fortes Martins Reg.Prof. DRT/PR: 6993 (ofm@induscom.com.br) Diretor de Redação Eliseu Tisato Reg.Prof. DRT/PR: 7568 (editor@induscom.com.br) Redação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fone: (41) 3333.9800 E-mail: pauta@induscom.com.br Publicidade Legal e Assinaturas: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3334.4665 e-mail: publegal@induscom.com.br

Parque Gráfico e Circulação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3322.1012 Direção e Comercial: Rua Presidente Faria, 533 Centro - Curitiba - CEP: 80020-290 Fone: (41) 3322.1012 e-mail: diretoria@induscom.com.br comercial@induscom.com.br

NEW CAST PUBLICIDADE & MARKETING BRASÍLIA E RIO DE JANEIRO Atendimento : Flávio Trombieri Moreira – Cel.: (61) 8155 2020 Endereço: SRTVS Quadra 701 Bloco K Sala 624 – Edifício Embassy Tower – Brasília DF - Cep.: 70.340 – 908 Fone/Fax: (61) 3223 4081 E-mail: new.cast@uol.com.br / new.cast@hotmail.com

Os artigos assinados que publicamos não representam necessariamente a opinião do jornal.

Foto: Arnaldo Alves / AENotícias

O

Governo do Paraná está em negociação com empresa catarinense Tirol Laticínios para a instalação no Estado de uma fábrica de processamento de leite e derivados. A nova unidade deve gerar 500 empregos diretos e outros 5 mil indiretos. O valor do investimento não foi divulgado pela empresa. O secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, disse que o Governo vai apresentar à Tirol os benefícios do programa Paraná Competitivo. “Com o Paraná Competitivo nós fazemos as negociações caso a caso. A empresa apresenta as demandas sejam elas fiscal, de infraestrutura, mão de obra entre outras, e o corpo técnico faz a construção da melhor proposta possível aliando o interesse do investidor e do Estado”, afirma Barros. Em cerca de dois anos o programa atraiu cerca de R$ 20 bilhões em novos empreendimentos que estão gerando 120 mil empregos com carteira assinada em todas as regiões. “É o maior ciclo de industrialização da história do Estado”, reforça Ricardo Barros. Segundo informações da empresa, o Paraná disputa o empreendimento com o Rio Grande do Sul e a escolha do local deve ser

O secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, disse que o Governo vai apresentar à Tirol os benefícios do programa Paraná Competitivo

anunciada em 60 dias. A Tirol estuda a instalação da unidade na região dos Campos Gerais, onde se encontra uma das principais bacias leiteiras do Estado e que já é sede de outros grandes laticínios. O Paraná é o terceiro estado na produção nacional de leite com 3,8 bilhões por ano e possui mais de 300 laticínios

espalhados pelo Estado.

TIROL

A nova fábrica para processamento e industrialização de leite e derivados vai duplicar a produção da Tirol com a mais 2 milhões de litros de leite por dia. O foco é o mercado nacional.

A Tirol possui hoje a liderança nacional na comercialização de leites UHT. A empresa é especializada na industrialização de produtos lácteos e seu portfólio inclui leites UHT, pasteurizado, flavorizado e em pó; bebidas lácteas; creme de leite e leite condensado; queijos; iogurtes e alguns tipos de sobremesas.

Pesquisa definirá custo da passagem de ônibus para Curitiba e região O Governo do Estado – por meio da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e da Coordenadoria da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) - a Urbanização de Curitiba (Urbs) e Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) fecharam acordo ontem para realizar uma pesquisa inédita sobre a origem e o destino dos passageiros que utilizam a Rede Integrada de Transporte (RIT), que atende a Capital e outros 12 municípios. O objetivo é estabelecer o custo real da passagem de ônibus de cada linha que compõe a Rede Integrada de Transporte de Curitiba e região. A opção feita em conjunto por todas as partes foi pela realização de uma pesquisa domiciliar, com os custos divididos em três partes iguais. A escolha da metodologia foi técnica, uma vez que permitirá fazer o zoneamento, conhecer os diferentes deslocamentos dos usuários, as distâncias percorridas em ônibus, a pé, de bicicleta ou com outro meio de locomoção. Desta forma, o levantamento abrangerá um contexto maior e ainda poderá incluir a sistematização dos dados da bilhetagem eletrônica e outras

Obras na PR 158 beneficiam municípios do Sudoeste

O objetivo é estabelecer o custo real da passagem de ônibus de cada linha que compõe a Rede Integrada de Transporte de Curitiba e região

ações que forem necessários conforme a demanda levantada. O secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, disse que “a transparência no processo de licitação, a seriedade no projeto de construção de um novo modelo gestor para o transporte público, com visão para 20 ou mais anos, e a consolidação da confiança entre as partes devem ser preservados por todos”. O presidente da Urbs, Roberto Gregório, disse tratar-se de uma situação singular. “Estamos viven-

do um momento único, de transformação de governança, na busca de construir soluções para este e os próximos convênios”. Na reunião foi acordada ainda a realização de três reuniões técnicas. Uma para a operacionalização e efetivação da pesquisa origem/ destino; outra, até 7 de maio, para a estrutura de custos das tarifas, com um possível convênio para solucionar a questão; e um terceiro encontro, a partir de 8 de maio, para manter a Rede Integrada de Transporte.

Polícia Rodoviária Estadual aumenta fiscalização no feriado O Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual realizará, a partir das 15h desta quinta-feira (28), a “Operação Páscoa”, com a intensificação do policiamento nas rodovias estaduais. Com os objetivos de orientar os motoristas e coibir infrações, o efetivo de policiais será 30% maior. “Durante este período iremos realizar bloqueios, utilizar radares móveis e testes de bafômetro”, explica o major Bruno Soares da Silva, subcomandante do batalhão e responsável pela operação, que seguirá até o meio-dia de segunda-feira (01). Os policiais vão monitorar de forma mais intensa as rodovias estaduais que levam ao litoral e ao interior do Paraná. “A intenção é aumentar a fiscalização para combatermos as infrações de trânsito, principalmente o excesso de velocidade, os abusos nas ultrapassagens

e a embriaguez ao volante”, explica o major Bruno. Ele ressalta a importância de evitar estas infrações, que podem resultar em acidentes gravíssimos. O major lembra os motoristas da necessidade de verificar as condições do veículo antes da viagem - incluindo freios, pneus e faróis - e de cumprir as leis de trânsito. “Todos os quesitos relacionados à segurança das pessoas que utilizarão aquele meio de transporte devem ser revisados, pois qualquer descuido pode ser fatal”, disse. Além da realização de exames etilométricos (bafômetro), do uso de radares móveis e dos bloqueios, a Polícia Rodoviária Estadual intensificará as fiscalizações relacionadas ao uso do cinto de segurança e da cadeirinha, assim como da documentação obrigatória como licenciamento, IPVA e a carteira de

habilitação.

CADEIRINHAS

O transporte das crianças deve ser feito de acordo com a legislação, em cadeirinhas apropriadas para cada faixa etária. A regra é que recém-nascidos e bebês até 13 kg (ou um ano de idade) devem ser acomodados no “bebê-conforto”, em leve inclinação, voltados para o vidro traseiro. Crianças com peso entre 13 e 18 quilos (até 4 anos de idade) devem ser colocadas na “cadeirinha”, no banco de trás, e voltadas para frente. Já as crianças maiores, até 36 quilos ou 10 anos, devem estar em assentos de elevação presos ao banco traseiro, com cinto de três pontos. Crianças acima de 36 quilos ou 1,45 metros de altura já podem utilizar o cinto de segurança convencional.

Equipes contratadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR) trabalham para melhorar a condição da PR 158, no Sudoeste do Paraná. Os municípios de Vitorino e São Lourenço do Oeste, divisa com o Estado de Santa Catarina, estão sendo beneficiados com os serviços e os moradores estão satisfeitos. Para o agricultor, Aldino José Gutens, que tem propriedade na região, a melhoria da rodovia facilitará o fluxo local. “As obras estão ficando muito boas. Não teremos que passar e desviar mais dos buracos que estavam aqui. Ficará bem melhor e ganharei tempo ao trafegar por esta rodovia”, explicou. O trabalhador rural, Miguel Todescatto, informou que a população da região estava pedindo por melhorias na rodovia há muito tempo. “A estrada está ficando boa agora, com estes serviços. Há anos estávamos precisando dessa reforma na estrada. Pelo jeito, vai ficar melhor para escoarmos nossos produtos”, disse. Segundo o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, a conservação da PR 158 vai beneficiar, diretamente, mais de 30 mil pessoas, ajudando no desenvolvimento de Vitorino e São Lourenço do Oeste. “A melhoria permitirá atrair empresas e melhorar o escoamento de produtos locais”, afirma o secretário. As equipes contratadas pelo DER-PR estão retirando a camada asfáltica atual dos 12 quilômetros da rodovia, para colocar uma nova em cima da base já existente. O novo asfalto permitirá um melhor tráfego do trecho, oferecendo maior segurança aos motoristas.


Geral/Estadual Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A3

Aroldo MuráG.Haygert

aroldo@cienciaefe.org.br

SIM, HÁ UM LUGAR PARA OS “INSERVÍVEIS”... Quem, na cidade grande, especialmente morador de apartamentos, de classe média para cima, não se viu em palpos de aranha, algum dia, em busca de descartar um móvel usado, utensílios de cozinha ou, mesmo, um colchão? A lista pode contemplar roupas e um sem número de descartáveis do dia a dia. Nessas ocasiões, a grande dúvida é como e onde realizar o descarte, de preferência garantindo que ele seja útil a uma pessoa, instituição e/ou família necessitada? Para esse problema há solução: a Fundação de Ação Social recolhe esses denominados ‘inservíveis”. E os encaminha para instituições e pessoas físicas cadastradas necessitadas. Na verdade, o amplo espaço da Fundação de Ação Social – no Campo Comprido – é um complexo de pavilhões onde se guardam materiais, alimentos não perecíveis e utilidades que as pessoas podem encaminhar a ela. Há, além da FAS, os “braços” da fundação, um deles, o IPPC, o Instituto Pró-Cidadania, agora presidido por Francisca Cury. Por lei, a FAS é presidida pela mulher do prefeito, no caso, Márcia Fruet. Ela está, com a equipe, coordenando múltiplas ações.

Costuma dizer-se, na fundação, que fácil é conseguir apoio da comunidade para grandes datas – Natal e Páscoa, por exemplo. O grande desafio é impedir que , por exemplo, sobrem chocolates e faltem alimentos básicos, em dias marcantes, quando o espírito fraterno comanda as doações espontânea. Tarefa para o IPPC resolver, com trabalho de sistemáticos contatos com os potenciais doadores.

Coelho da Páscoa e Papai Noel.

José Pallazzo

OS CINCO ERROS NA CONDENAÇÃO DE JESUS Nos dias que correm por conta da Semana Santa sempre são lembrados certos fatos ocorridos na Roma antiga, quando era imperador romano Tibério Cláudius Nero Caesar, ou, simplesmente, Tibério César, o duro e implacável imperador que governou Roma desde seus 14 anos, morrendo, aos 77 anos, no ano 37 d.C. Foi em seu reinado que Pôncio Pilatos condenou Jesus Cristo à morte. O processo de condenação, está envolto em erros jurídicos, plenamente guardados e resguardados pela história. Segundo “Os Grandes Jesus Cristo perante Pilatos Julgamentos da História”, se Jesus fosse executado pelo Sinédrio, só o seria no dia seguinte ao da sentença, pois o direito mosaico mandava espaçar a condenação da execução.

... RÉU NÃO PÔDE APELAR A TIBÉRIO CÉSAR ...

Pilatos, porém, deu imediata execução à sua sentença, impedindo que o réu apelasse para Tibério César, como fez Paulo (Atos 25:11). Pilatos, pelo direito comparado (execução da pena) com duas testemunhas falsas (culpa jurídica), era o único dos cinco juízes (Anás, Caifás, Sinédrio Pleno, Herodes, Pilatos) que tanto podia condenar Jesus como absolvê-lo. Nem a mulher de Pilatos, Cláudia Purcula, conseguiu demovê-lo de sua decisão de crucificar Jesus Cristo. Os principais erros jurídicos ocorridos no processo foram os seguintes: 1- julgamento noturno, contrário às leis hebraica e romana, não dando ao processo publicidade; 2- conflito de jurisdição: quatro juízes no mesmo processo; 3- falta de autoridade de Anás, só para interrogar Jesus fora do Sinédrio; 4-Herodes, em Jerusalém, não tinha jurisdição sobre Jesus. Só na Galileia; 5- testemunhas falsas, aliciadas pelos juízes.

...CÓPIA DO PROCESSO ESTÁ NA ESPANHA...

Uma cópia da peça do processo está guardada (cópia autêntica) no Museu Nacional da Espanha. O texto da sentença que condenou Jesus Cristo, diz o seguinte: “No ano dezenove de Tibério César, imperador romano de todo o mundo, monarca invencível na Olimpíada Cento e Vinte e Um, e na Ilíada vinte e quatro, da criação do mundo, segundo o número cômputo dos Hebreus, quatro vezes mil cento e oitenta e sete, do progênito do Império Romano, no ano setenta e três e na Libertação do Cativeiro da Babilônia,

Março é mês de render homenagens às mulheres

sendo governador da Judéia Quinto Sérgio, sob regimento e governador da cidade de Jerusalém, presidente gratíssimo, Pôncio Pilatos; regente na Baixa Galiléia, Herodes Antipas, pontífice do sumo sacerdote Caifás; magnos do templo, Alis Almael, Robas Acasel, Franchimo Centauro; cônsules romanos da cidade de Jerusalém Quinto Cornélio Sublime e Sixto Rusto, no mês de março e dia XXV do ano presente – EU, Pôncio Pilatos, aqui presidente do Império Romano, dentro do Palácio e arqui-residência. Julgo, condeno e sentencio à morte JESUS, chamado pela plebe de Cristo Nazareno, e Galileu de nação, homem sedioso, contra a lei mosaica – contrário ao grande imperador Tibério Cesar”. “Determino e ordeno que esta, que se lhe dê morte na cruz, sendo pregado com cravos como todos os réus, porque congregando e ajuntando homens, ricos e pobres, não tem cessado de promover tumultos por toda a Judéia, dizendo-se filho de Deus e Rei de Israel, ameaçando com a ruína de Jerusalém e do Sacro Templo, negando o tributo a César, tendo ainda o atrevimento de entrar com ramos e em triunfo, com grande parte da plebe, dentro da cidade de Jerusalém”.

“QUE SIRVA DE EXEMPLO AOS MALFEITORES”...

“Que seja ligado e açoitado, e que seja vestido de púrpura e coroado com alguns espinhos, com a própria cruz aos ombros para que sirva de exemplo a todos os malfeitores, e juntamente com eles, sejam conduzidos dois ladrões homicidas, saindo logo pela porta sagrada, hoje Antoniana, e que se conduza Jesus ao monte público da justiça, chamado Calvário, onde, crucificado e morto ficará seu corpo na cruz, como espetáculo para todos os malfeitores, e que sobre a cruz se ponha em diversas línguas, este título :Iesus Nazarenus, Rex Iudeorum”. “Mando, também, que nenhuma pessoa de qualquer estado ou condição se atreva temerariamente a impedir a justiça por mim mandada, administrada e executada com todo o rigor, segundo os Decretos e Leis Romanas, sob pena de rebelião contra o Império Romano”. “Testemunhas da nossa sentença, pelas doze tribos de Israel: Rabaim Daniel, Rabaim Joaquim Banicar, Banbasu, Larè Petuculani. Pelos fariseus: Bullieniel, Simeão, Ranol, Babbine Mandoani, Bancurfossi. Pelos hebreus: Matumberto. Pelo Império Romano e pelo presidente de Roma: Lúcio Sextilo e Amâncio Chilicio”. (zair schuster-jornalista-historiador-folclorista)

“A VIAGEM DE EFIGÊNIA ROLIM...”

Dinah Ribas Pinheiro, que deu à estante paranaense um livro de suma importância, “A viagem de Efigênia Rolim nas asas do peixe voador”, está eufórica com o relançamento da obra, programado para dia 4, na Livraria FNAC, no Barigui Shopping. Mais contente ainda porque virá de Paris, para a noite de Dinah, a jornalista francesa Régine Fernandis, que aqui estudou e se formou jornalista na UFPR (1972) numa turma de que faziam parte, entre outros, a escritora, Adélia Lopes, deste I&C, e Marilu Silveira. O grupo, inseparável, incluía também Rosirene Gemael, que morreu ano passado. “A viagem de Efigênia Rolim nas asas do peixe voador” resulta em profunda imersão na vida e obra da artista popular, encontrável especialmente na feirinha do Largo da Ordem, aos domingos. Detentora de medalha do Mérito do Ministério da Cultura, a artista popular compõe seus trabalhos a partir de papel de balas.

José Palazzo M. de Oliveira é graduado em Engenharia Elétrica e mestre em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, e doutor em Informática pelo Instituto Nacional Politécnico de Grenoble. Leciona no Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Confira a entrevista. IHU On-Line – Quais são as características centrais da sociedade tecnocientífica? José Palazzo M. de Oliveira – As características atuais, vinculadas à minha área de atuação: o ensino, podem ser caracterizadas como a visão distorcida da realidade de que a utilização de tecnologia é a solução para todos os problemas do ensino. Estas posições são fontes de contravalores criados pela radical racionalidade do que é tido como “ciência e tecnologia”. Ciência e tecnologia podem ser importantes como ferramentas para apoiar modelos pedagógicos, mas nunca a salvação do ensino. IHU On-Line – À medida que a tecnologia evolui, quais são os desafios e desassossegos que ela traz para a vida humana? José Palazzo M. de Oliveira – Precisamos ter consciência de que a tecnologia é apenas uma ferramenta e, se não construirmos valores humanos e éticos, estas novas tecnologias não trarão uma ruptura positiva na educação, mas uma baixa na qualidade da comunicação, do estudo e do comportamento social. Não é possível substituir a universidade, como fonte de estudo, pensamento filosófico, crítica de valores sociais e humanismo, por ferramentas computacionais. IHU On-Line – Qual é o sentido, as implicações e os desafios teóricos e práticos da contemporaneidade tecnocientífica para a vida cotidiana? José Palazzo M. de Oliveira – O principal desafio da contemporaneidade tecnocientífica é conseguirmos fazer a união da pesquisa científica com o Humanismo e com os valores éticos e morais. Está na hora de darmos um basta à visão meramente econômica da sociedade e percebermos que este materialismo está nos levando para a atual crise moral e ética. IHU On-Line – O senhor ressalta que a tecnologia não é a solução para todos os problemas da difusão do conhecimento e reitera a necessidade de construirmos valores humanos e éticos para que as tecnologias tenham um novo renascimento. Que valores devem ser resgatados numa era em que há uma supervalorização da técnica? José Palazzo M. de Oliveira – Essencialmente o respeito pelo próximo considerando a natureza multiétnica e multicultural das decisões sobre a pesquisa para permitir uma integração harmoniosa dos parceiros neste projeto de ampliação do conhecimento humano. IHU On-Line – Quais são os desafios de se pensar e fazer ética numa civilização tecnocientífica? José Palazzo M. de Oliveira – O principal desafio é não aceitar o modelo corrente, em que as pessoas e as organizações são avaliadas pelo que têm e não pelo que são. Isso se aplica à carreira acadêmica: o essencial é a qualidade intrínseca da pesquisa e não a supervalorização da tecnologia e dos produtos. Em um ambiente de liberdade de pesquisa, de integração da pesquisa com o ensino, e dessas com a extensão, assim como a valorização dos aspectos humanos, há espaço para novas ideias e para a abertura de novos horizontes. Este é o modelo de universidade humboldtiana; a Alemanha criou este modelo no século XIX e obteve, no início do século XX, uma das maiores concentrações de Prêmios Nobel.

A secretária estadual da Família e Desenvolvimento Social e primeira dama Fernanda Richa, foi homenageada com almoço realizado pelo Conselho da Mulher Executiva (CME) da Associação Comercial do Paraná (ACP). Ela recebeu o troféu Mulher Simplesmente Mulher 2013. Na foto, Irene Morva, diretora do diário Indústria&Comércio, Elvira Ramon, a secretária de estado, Fernanda Richa e Edson Ramon, presidente da ACP.

MORTES ENVOLVENDO POLICIAIS

Mortes e agressões causadas por policiais em serviço passarão a ter obrigatoriedade de investigação. É o que determina o Projeto de Lei 4471/2012 aprovado na Comissão de Segurança da Câmara dos Deputados. O objetivo é abolir dos registros policiais o uso dos termos “resistência seguida de morte” e “autos de resistência” em caso de lesão corporal grave, morte ou qualquer dano a qualquer direito. O projeto determina que em todos os casos de morte violenta, envolvendo agentes do Estado, seja realizado o exame de corpo de delito. Atualmente esse exame é opcional. O texto ainda torna obrigatória a documentação fotográfica da cena do delito. A ideia é que esses casos sejam investigados com mais rigor, como um homicídio ou crime convencional.

OPINIÃO DE VALOR

FERRAMENTAL COMPPUTACIONAL NÃO PODE SUBSTITUIR UNIVERSIDADE “Não é possível substituir a universidade, como fonte de estudo, pensamento filosófico, crítica de valores sociais e humanismo, por ferramentas computacionais”, afirma o pesquisador. Confira a entrevista. Ao analisar o uso da tecnologia a partir da sua área de atuação, o ensino, o professor José Palazzo é enfático: “ciência e tecnologia podem ser importantes como ferramentas para apoiar modelos pedagógicos, mas

Efigênia Rolim, a “Rainha do Papel”, e a jornalista e escritora Dinah Ribas Pinheiro.

nunca a salvação do ensino”. Crítico às posições que veem na tecnologia a possibilidade de transformar o ensino, o pesquisador diz que se trata de uma “visão distorcida da realidade”. Na entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail, ele reitera que “precisamos ter consciência de que a tecnologia é apenas uma ferramenta e, se não construirmos valores humanos e éticos, estas novas tecnologias não trarão uma ruptura positiva na educação, mas uma baixa na qualidade da comunicação, do estudo e do comportamento social”. Diante das evoluções técnicas da sociedade tecnocientífica, Palazzo destaca que o desafio “é conseguirmos fazer a união da pesquisa científica com o Humanismo e com os valores éticos e morais. Está na hora de darmos um basta à visão meramente econômica da sociedade e percebermos que este materialismo está nos levando para a atual crise moral e ética”. Tecnologia, computação e educação foram os temas abordados por Palazzo na quarta-feira, 13-03-2012, na atividade inaugural do I Seminário – XIV Simpósio Internacional IHU: Revoluções Tecnocientíficas, Culturas, Indivíduos e Sociedades, que se iniciou neste mês no Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Um cérebro + computador...

CARTAS (correspondências para a coluna: aroldo@cienciaefe.org.br)

NOVA LEITORA

POR ORA, O NAMORO

Gostei muito da sua coluna, obrigado por encaminhá-la. Um abraço, Ester Proveller, Curitiba.

Prezado jornalista: tenho me indagado sobre quanto tempo durará o namoro da mídia mundial com o novo Papa. Por ora, as opiniões estão, aparentemente, favoráveis, em cima especialmente da pregação franciscana do pontífice. Mas quando ele deixar bem claro que nunca mudará temas que envolvem doutrina – como o direito à vida do feto, e que não aceitará a eutanásia – como ficaremos? Maridalva Knopp Krause, Florianópolis, SC.

PELO SITE: O UNIVERSIDADE Li o Jornal Universidade, pelo site www.cienciaefe.org.br. Parabéns... Desejo-lhe uma abençoada Semana Santa, Jorge Tarachuque,C.Ss.R Missionário Redentorista Paramaribo SURINAME


Geral/Curitiba Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A4 | Indústria&Comércio abnoticias@abcom.com.br

AB Notícias EXPORTAÇÃO LIBERADA Após impasses de ordem sanitária o Paraná voltou a exportar carne de frango para a Rússia. Isso graças a duas cooperativas, a C.Vale de Palotina, e a Lar, de Matelândia, ambas do oeste do estado. As exportações para a Rússia estavam proibidas desde 2011, quando o governo russo restringiu a comercialização também com outros estados como o Mato Grosso e o Rio Grande do Sul. Estes ainda não conseguiram a liberação para a exportação da carne.

PANIFICAÇÃO EM ALTA Pela sexta vez seguida, a panificação brasileira atinge um crescimento de mais de 10%. Os resultados de 2012 mostram um aumento no faturamento de 11,6% em relação a 2011. Ao todo foram 70,29 bilhões de reais movimentados pelo setor. O consumo do pão em si permanece estagnado em 33,5 quilos por habitante ao ano, porém o crescimento se explica pelas inovações do setor com outros produtos de panificação que atraíram mais o consumidor.

VACINAÇÃO Aproximadamente 2,7 milhões de doses da vacina trivalente chegaram ao Paraná. A vacina é usada para a imunização contra três principais tipos de gripe, A/H1N1, A/H2N3 e influenza B. O estado tem cerca de 2,4 milhões de pessoas fazendo parte dos grupos de risco, que incluem idosos, crianças de 6 meses a 2 anos, indígenas, gestantes, detentos e profissionais da saúde. O período da campanha de vacinação será entre 15 e 26 de abril.

SUCESSO Um levantamento da Confederação Nacional da Indústria, realizado entre 2010 e 2012 apontou que em apenas um ano após sua graduação, alunos formados em cursos técnicos do Senai alcançaram um aumento de 24% em sua renda, que gira em torno de 2,6 salários mínimos. Cerca de 40 mil pessoas participaram da pesquisa, que mostrou que 72% dos formados conseguem emprego logo no primeiro ano após a formatura.

COOPERATIVA A cidade de Francisco Beltrão, sudoeste do estado, contará agora com uma nova cooperativa. Trata-se da Cooperave, Cooperativa dos Avicultores do Paraná. Com o objetivo de agregar os avicultores da região, a Cooperave pretende engrenar no setor de venda de insumos e equipamentos a preço justo para os produtores. A sede está localizada junto à Associação de Avicultores, no Mercado do Produtor, no bairro da Cango.

GRACILIANO EM ESTUDO Uma minuciosa análise das personagens femininas das obras do consagrado escritor Graciliano Ramos é lançada em livro. De autoria do professor da Universidade Estadual de Londrina, UEL, Marcos Hidemi de Lima, o livro reúne personagens centrais e também periféricas dos romances “São Bernardo”, “Angústia” e “Vidas Secas”. Com preço de 25 reais, a obra pode ser adquirida na Livraria da UEL.

PARAQUEDISMO A Colônia Vitória, em Entre Rios, recebe até sábado um curso de paraquedismo. O curso, no valor de 650 reais, é realizado pelo grupo Lobo PQD, de Guarapuava. A oficina, com aulas teóricas e práticas, é voltada para os iniciantes, que pretendem dar seu primeiro salto e também para quem deseja se aprimorar no esporte. Paraquedistas de toda a região são aguardados pelos organizadores do evento.

ENERGÉTICOS Uma pesquisa realizada pela Universidade de Conecticut, nos Estados Unidos, revelou que o consumo de bebidas energéticas pode afetar o ritmo cardíaco. Segundo o estudo, feito com pessoas entre 18 e 45 anos, esse tipo de bebida eleva a pressão arterial, podendo levar a doenças cardíacas. Os pesquisadores também alertam que pessoas que já possuem problemas cardíacos devem evitar o consumo do líquido.

CURITIBA

Preço de produtos de Páscoa têm variação de até 60% Entre os ovos, maior variação foi de 66%, menor preço R$ 22,98 e o maior, R$ 38,28

O

s preços de ovos de Páscoa em Curitiba apresentam variação de até 66%. O dado faz parte de pesquisa feita pelo serviço Disque Economia, da Secretaria Municipal de Abastecimento, realizada em nove estabelecimentos comerciais. Foram verificados também os preços de outros produtos típicos da época de Páscoa, como pescados. Entre os ovos, a maior variação foi de 66,58%, do produto de 375g. O menor preço encontrado foi de R$ 22,98 e o maior, R$ 38,28. A menor variação de preços entre os ovos foi de 8,07%, no produto de 700g, cujos preços oscilaram entre R$ 43,38 e R$ 46,88. A menor oscilação de preços no segmento de chocolates, de 6,31%, foi de Columba Pascal de Frutas, com 500g. Os preços encontrados ficaram entre R$ 12,67 e R$ 13,47. Os pescados apresentaram variações de até 26,64%, no Bacalhau do Porto. O menor preço do produto foi de R$ 29,99 e o maior, R$ 37,98. A diferença de preços no azeite de oliva em embalagem de

Pesquisa feita pelo Disque Economia, revela variação nos preços dos chocolates

250 ml foi ainda maior, de 34,76%, com preços que variaram entre R$ 6,07 e R$ 8,18 a unidade.

A pesquisa foi feita com os produtos mais comercializados na Páscoa e o resultado completo pode

Colégio Estadual investe em responsabilidade social O Colégio Estadual do Paraná que iniciou suas atividades antes mesmo do Paraná se separar da província de São Paulo com o nome de “Liceo de Coritiba”, por volta de 1846, está desenvolvendo ações para demonstrar que responsabilidade social é dever de todo gestor público. Os alunos do ensino fundamental assistiram na tarde da última terça-feira (26), uma palestra sobre prevenção ao uso de drogas. Com uma linguagem acessível e voltada para o público jovem a palestra abordou a promoção humana da saúde e o fenômeno das drogas, trabalhando temas como o uso, o abuso e a dependência das substâncias psicoativas. A platéia que lotou o auditório foi convidada a refletir sobre o impacto do uso de drogas na vida das pessoas, quer na vida pessoal, profissional e social. No período noturno os alunos do ensino médio assistiram à palestra de Fabiana Silva Santos, que prestou serviços junto à extinta Secretaria Municipal Anti-Drogas e faz parte da equipe de profissionais e especialistas na área, liderados pela Dra Rosane Ferrante Neumann, Coordenado-

PR projeta corredor rodoviário para região Sudoeste

Alunos do Colégio Estadual do Paraná assistem palestra sobre prevenção ao uso de drogas

ra do REAGE, e ex - Superintendente e Diretora de Inteligência da Secretaria Anti-Drogas. A palestrante foi convidada pela Coordenadora de Biologia do Colégio Estadual do Paraná, Samyra de Lourdes Stphan. Também participou do evento a presidente do Instituto Interna-

ser acessada aqui, pelo link www. disqueeconomia.curitiba.pr.gov.br ou pelo telefone (41) 3262-6564.

cional de Prevenção as Drogas (IIPDROG), Luzia Messias da Silva. Com ações como esta o Colégio Estadual do Paraná, a diretora Laureci Schmitz Rauth e os professores visam conscientizar os alunos e incentivar outras instituições e governantes a realizarem ações de responsabilidade social.

O governador Beto Richa disse ontem que o governo inicia a partir de maio os estudos para a implantação do novo corredor rodoviário do Sudoeste, que vai cruzar 12 municípios e ampliar a capacidade de tráfego das estradas que cortam a região. A primeira etapa é a elaboração do projeto executivo das obras que precisam ser feitas em rodovias estaduais entre Realeza e Palmas, num trajeto que começa na BR-163 e termina na BR-153. O corredor deverá ter trechos duplicados, implantação de terceiras faixas, viadutos, trincheiras e pontes ao longo de 287 quilômetros de rodovias. Serão investidos R$ 10,2 milhões na elaboração dos estudos de topografia e de projetos. “Retomamos a capacidade do Estado de planejar e executar as obras necessárias para ampliar o desenvolvimento do Paraná. Este corredor é um exemplo deste trabalho”, disse Richa.

José Avelar de Melo Curitiba-PR

CAMINHADA ECOLÓGICA O município de Santa Maria do Oeste, centro do estado, realizará a 2ª Caminhada Internacional da Natureza. Com foco no combate aos problemas ambientais, o evento acontecerá no dia 7 de abril. A concentração se dará em frente à prefeitura, onde os participantes deverão seguir para a Comunidade Reservado. Mais informações pelo telefone (42) 3644-1362 ou pelo email dpturismo.smo@hotmail.com

AB TURISMO O grupo AB Comunicação, desenvolvedor do AB Notícias, comunica que a partir de hoje o AB Turismo passará a ser enviado aos meios de comunicação às quartas-feiras por volta das 15h. O AB Turismo tem como objetivo divulgar o turismo de todo o estado, com foco em apresentar novos pontos turísticos e rotas alternativas para a família paranaense.

CAPACITAÇÃO A população de Ibiporã, norte do estado, poderá participar de um curso de capacitação. O Programa Bom Negócio, oferecido pela Secretaria Municipal do Trabalho via Agência do Trabalhador, está com inscrições abertas. O projeto, através de consultoria e acompanhamento, visa desenvolver a mão de obra local. Mais informações pelo telefone (43) 3178-0223.

TEMPO DE SAÚDE.

SAÚDE NÃO TEM PREÇO OFERECE REMÉDIOS DE GRAÇA E UMA VIDA MELHOR PARA OS BRASILEIROS. O programa Saúde Não Tem Preço do Governo Federal oferece remédios de graça para milhões de brasileiros com hipertensão, diabetes e asma. Ao mesmo tempo em que garante o acesso ao tratamento das doenças, também representa uma economia para esses brasileiros, que podem usar o dinheiro em outras necessidades. 

‡ Mais de 26 mil farmácias credenciadas em todo o Brasil. ‡0DLVGHPLOK}HVGHEHQH´FLDGRV ‡ Descontos de até 90% em outros itens e medicamentos pelo programa Farmácia Popular. PROCURE UMA FARMÁCIA DA REDE AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR E APRESENTE CPF, DOCUMENTO COM FOTO E RECEITA MÉDICA VÁLIDA. MELHORAR SUA VIDA, NOSSO COMPROMISSO.


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A5

Dominó Holdings S.A. e Empresa Controlada em Conjunto CNPJ nº 02.358.947/0001-02 Av. do Batel, 1.230 - Bloco B, Conj. 703 - Batel - Curitiba - Paraná - CEP 80420-907 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (valores expressos em milhares de reais) ATIVO

Notas Explicativas

DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (valores expressos em milhares de reais)

Controladora em conjunto

2012

Consolidado proporcional

2011

2012

Reapresentado

CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber de clientes, líquido Estoques Impostos e contribuições a recuperar Juros sobre o capital próprio Depósitos vinculados Outras créditos e contas a receber NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Depósitos vinculados Contas a receber de clientes Ativos financeiros contratuais Impostos e contribuições a recuperar Imposto de renda e contribuição social diferidos Depósitos judiciais Outras créditos e contas a receber Investimentos Imobilizado, líquido Intangível

5 6 7 8

6 7 18 17 8 9 10 11

Total PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Notas Explicativas

1.060 834 34.674 23 36.591

84.726 116.079 9.426 12.367 5.601 7.229 235.428

49.808 97.579 10.841 5.714 2.617 4.497 171.056

-

-

8.509 5.856 11.202 355

17.996 5.729 37 333

226 226 843.955 10 8.105 852.296 885.433

216 216 802.804 1 8.105 811.126 847.717

121.459 48.000 255 195.636 1.026 1.654.029 78.825 1.929.516 2.164.944

72.178 43.191 255 139.719 1.026 1.591.088 40.719 1.772.552 1.943.608

Controladora em conjunto

Consolidado proporcional

2011

NÃO CIRCULANTE Empréstimos, financiamentos e debêntures Contratos de concessão Impostos e contribuições Provisões Planos de aposentadoria e de assistência médica Títulos a pagar Créditos para aumento de capital Receitas a apropriar Outras contas a pagar Patrimônio líquido Capital social Reserva de reavaliação em controlada Ajustes de avaliação patrimonial em controlada Outros resultados abrangentes em controlada Reserva de lucros

12

45.212 35.433 1.965 15.753 37.760

61.033 28.884 1.856 11.042 24.192

39.971

31.521

61.435

46.414

44.588

8 33.443

19.906 939 1.129 2.188 11.913 233.633

13.821 981 2.069 7.152 197.444

12 15 16 17

-

-

288.530 31.280 1.796 137.521

268.776 31.411 4.800 101.689

28 29

-

-

278.678 4.639

193.489 6.029

13 30 14

-

-

342.162 3.576 2.284 1.090.466

323.558 2.138 931.890

19.a

251.929

251.929

251.929

251.929

19.b

38.551

40.626

38.551

40.626

30 29 14

19.f

Total

7.369

8.780

7.369

8.780

(60.099) 603.095 840.845 885.433

(12.198) 525.137 814.274 847.717

(60.099) 603.095 840.845 2.164.944

(12.198) 525.137 814.274 1.943.608

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ABRANGENTES EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (valores expressos em milhares de reais) Notas

Controladora

Explicativas

Consolidado

em conjunto 2012 2011

Lucro Líquido do Exercício em Controlada em Conjunto Outros Resultados Abrangentes Ganhos e perdas atuariais em controlada Efeito do imposto de renda e contribuição social Resultado Abrangente do Exercício

111.472 (60.099) (91.059) 30.960 51.373

Reapresentado

93.084 (12.198) (18.482) 6.284 80.886

Custo dos Produtos e Serviços Lucro Bruto Receitas (Despesas) Operacionais Comerciais Administrativas Planos de aposentadoria e assistência médica Programa de participação nos resultados Resultado de equivalência patrimonial Provisão para contingências Juros sobre capital próprio Outras despesas operacionais

24

proporcional 2012

111.472 (60.099) (91.059) 30.960 51.373

-

25 25 28 21

25

Lucro antes do Resultado Financeiro Resultado Financeiro Despesas financeiras Receitas financeiras

18

2011

Reapresentado

93.084 (12.198) (18.482) 6.284 80.886

Consolidado proporcional 2012 2011

Reapresentado

-

Reapresentado

737.825

605.437

(284.538) 453.287

(252.457) 352.980

(1.379) 116.398 115.019 115.019

(1.751) 98.378 96.627 96.627

(52.839) (138.394) (18.698) (8.486) (35.833) (1.938) (256.188) 197.099

(46.707) (96.706) (14.610) (3.566) (18.324) (3.337) (183.250) 169.730

(3.912) 365 (3.547)

(3.777) 234 (3.543)

(58.352) 10.847 (47.505)

(56.180) 8.628 (47.552)

111.472 111.472

93.084 93.084

149.594 (38.122) 111.472

122.178 (29.094) 93.084

-

-

-

-

111.472

93.084

111.472

93.084

26 26

Lucro antes do Imposto de Renda e Contribuição Social Imposto de Renda e Contribuição Social Lucro Líquido do Exercício Variações no Patrimônio Líquido da Controlada em Conjunto não decorrente de Resultado

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

2011

17 1.897 -

28

23

Reapresentado

64 4.553 -

15 16

Receita Operacional Líquida

Lucro Líquido do Exercício da Controlada em Conjunto

2012

Reapresentado

Controladora em conjunto 2012 2011

2011 Reapresentado

8.568 3.481 21.062 26 33.137

2012 CIRCULANTE Empréstimos, financiamentos e debêntures Empreiteiros e fornecedores Contratos de concessão Impostos e contribuições Salários e encargos sociais Dividendos e juros sobre o capital próprio Planos de aposentadoria e de assistência médica Cauções e retenções contratuais Receitas a apropriar Títulos a pagar Outras contas a pagar

Notas Explicativas

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 - (valores expressos em milhares de reais) Controladora em conjunto 2012 2011 Reapresentado

Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais Lucro Líquido do exercício Ajustes para Conciliar o Resultado as Disponibilidades Depreciações e amortizações Equivalência patrimonial Custo das baixas do imobilizado Perdas na realização de créditos Imposto de renda e contrib. social diferidos Provisões Plano de aposentadoria e assistência médica Juros sobre financiamentos Variações monetárias sobre financiamentos Variações monetárias sobre outras contas Remuneração do AFAC Redução (Aumento) dos Ativos Operacionais Contas a receber de clientes Impostos e contribuições a recuperar Depósitos judiciais Estoques Depósitos vinculados Outros créditos e contas a receber

111.472

93.084

111.472

93.084

1 (116.398) (4.925)

(98.378) (5.294)

51.648 1.664 4.087 (24.605) 35.833 18.698 30.617 739 6.601 18.604 255.357

51.500 2.912 3.744 (15.384) 18.324 14.610 31.594 3.147 18.316 221.847

(1.913) (10) (3) (1.926)

3.658 (22) 3.636

(22.715) (5.941) (4.809) 1.416 6.503 (2.732) (28.278)

(19.348) 103 (5.263) (311) (1.974) (180) (26.973)

47 2.656 (7) 2.696

17 (1.403) (12) (1.398)

6.549 (22) (4.876) 13.567 (43) 4.705 (1.271) 5.176 23.786

5.314 289 (2.550) 3.868 (384) (1.012) (12) 2.737 8.250

(4.155)

(3.056)

250.865

203.124

(23.000) -

(9.000) -

65.283 (23.000) (30.595) (62.111)

34.058 (9.000) (31.758) (59.293)

(23.000)

(9.000)

(50.423)

(65.993)

(10) 34.674

10.881

(165.524) -

(123.068) -

34.664

10.881

(165.524)

(123.068)

7.508 1.060 8.568

(1.175) 2.235 1.060

34.918 49.808 84.726

14.063 35.745 49.808

Aumento (Redução) dos Passivos Operacioanais Empreiteiros e fornecedores Contratos de concessão Impostos e contribuições Salários e encargos a pagar Cauções e retenções contratuais Receitas a apropriar Títulos a pagar Provisões Outras contas a pagar Disponibilidades Líquidas Geradas palas Atividades Operacionais Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamentos Financiamentos obtidos Pagamentos de juros sobre o capital próprio Pagamentos de juros sobre financiamentos Amortizações de financiamentos Disponibilidades Líquidas das Atividades de Financiamentos Fluxo de Caixa das Atividades de Investimentos Aplicação no imobilizado Juros sobre capital próprio recebidos Disponibilidades Líquidas das Atividades de Investimentos AUMENTO NO (REDUÇÃO DO) SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES No Início do Exercício No Fim do Exercício

Consolidado proporcional 2012 2011 Reapresentado

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 - (valores expressos em milhares de reais)

Saldos em 31 de Dezembro de 2010 Lucro líquido do exercício Realização da reserva de reavaliação Ajuste de avalição patrimonial Realização do ajuste de avaliação patrimonial Ganhos e perdas atuarias em controlada IRPJ e CSLL sobre ganhos e perdas atuariais em controlada Total do resultado abrangente do exercício Destinação do lucro líquido: -Constituição de reserva legal -Dividendos propostos (juros sobre capital próprio) -Retenção de Lucros Saldos em 31 de Dezembro de 2011 Lucro líquido do exercício Realização da reserva de reavaliação Ajuste de avalição patrimonial Realização do ajuste de avaliação patrimonial Ganhos e perdas atuarias em controlada IRPJ e CSLL sobre ganhos e perdas atuariais em controlada Total do resultado abrangente do exercício Destinação do lucro líquido: -Constituição de reserva legal -Dividendos propostos (juros sobre capital próprio) -Retenção de Lucros Saldos em 31 de Dezembro de 2012

Capital Social

Reserva de Reavaliação em Coligada

Reserva Legal

Reserva de Lucros

Ajustes de Avaliação Patrimonial

Outros Resultados Abrangentes

Lucros Acumulados

Total

251.929 251.929 251.929

42.693 (2.067) (2.067) 40.626 (2.075) (2.075) 38.551

32.635 4.654 37.289 5.574 42.863

429.754 58.094 487.848 72.385 560.233

11.907 (3.127) (3.127) 8.780 (1.412) (1.412) 7.368

(18.482) 6.284 (12.198) (12.198) (72.577) 24.676 (47.901) (60.099)

93.084 2.067 3.127 98.278 (4.654) (35.530) (58.094) 111.472 2.075 1.412 114.959 (5.574) (37.000) (72.385) -

768.918 93.084 (18.482) 6.284 80.886 (35.530) 814.274 111.472 (72.577) 24.676 63.571 (37.000) 840.845

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (EM MILHARES DE REAIS) 1 - Contexto Operacional A Dominó Holdings S.A. é uma sociedade anônima de capital fechado, que tem como objeto social a participação em outras sociedades. Em 31 de dezembro de 2012, participa com 34,7474% (34,7474% em 2011) no capital social total da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, uma Sociedade de Economia Mista que tem por objetivo social, por delegação do Estado do Paraná e de seus municípios, a exploração de serviços de saneamento básico, principalmente a distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto sanitário, além da realização de estudos, projetos e execução de obras relativas a novas instalações, ampliações de redes de distribuição de água e redes de coleta e tratamento de esgoto sanitário, e prestação de serviços de consultoria e assistência técnica em suas áreas de atuação. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR também colabora com órgãos e entidades federais, estaduais, municipais e outras em assuntos pertinentes ao desenvolvimento de seus objetivos básicos. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, por meio de concessões municipais, presta serviços de tratamento e distribuição de água e coleta e tratamento de esgoto. As renovações dos contratos têm, em média, seu prazo de validade definido entre 20 e 30 anos. De um total de 346 sedes municipais operadas, aproximadamente 19,9% dos contratos estão em processo de renovação por estarem vencidos, 6,1% vencem de 2013 a 2020 e 74,0% foram renovados tendo seus vencimentos após 2020. Para os casos de concessões que não forem renovadas, quando do seu vencimento, o município deverá ressarcir à Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR os valores contábeis residuais dos ativos relacionados à concessão. Os bens patrimoniais decorrentes dos Contratos de Programas, elaborados de acordo com a Lei 11.445/2007 – Marco Regulatório, que estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico, são registrados no ativo intangível. Para os bens cuja vida útil econômica ultrapassar o prazo contratual, é constituído Ativo Financeiro com base no valor residual.

as Normas Internacionais de Contabilidade – IFRS. As demonstrações contábeis foram autorizadas para emissão pela Diretoria da Companhia em 20 de março de 2013. Reclassificações de exercícios anteriores Em atendimento ao preconizado no CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, tendo por objetivo presevar a comparabilidade das demonstrações contábeis, reclassificou o balanço patrimonial do exercício findo em 31 de dezembro de 2011 para apresentar o imposto de renda e contribuição social ativos e passivos pelo valor líquido. Os efeitos dessas reclassificações na Dominó Holdings S.A. em 31 de dezembro de 2011 estão apresentados a seguir: Ativo Imposto de Renda e Contribuição social Diferidos Total Ativo Passivo Não circulante Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos Total do Passivo

2011 Divulgado

Reclassificação

2011 Reclassificado

112.025 1.983.455

(39.847) (39.847)

72.178 1.943.608

39.847 1.983.445

(39.847) (39.847)

1.943.608

2.2 Mudança de Prática Contábil

2.1 Declaração de Conformidade

Até o exercício de 2011 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR tinha como prática contábil o registro de ganhos e perdas atuariais advindos dos Planos de Aposentadoria e Saúde mantidos para seus colaboradores, no resultado do exercício. Conforme permitido no Pronunciamento Técnico CPC 33 emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, em 2012 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR alterou a forma de registro de referidos ganhos e perdas, passando a registrá-los diretamente no patrimônio líquido (Outros Resultados Abrangentes).

As demonstrações contábeis estão sendo apresentadas em conformidade com a Lei 6.404/76, complementada pelas Leis 10.303/2001, 11.638/2007 e 11.941/2009, e foram elaboradas de acordo com as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária brasileira, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e, ainda, com base nas normas e procedimentos contábeis estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM, em convergência com

Dessa forma, conforme requerido pelo Pronunciamento Técnico CPC 23 – Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro, tendo por objetivo preservar a comparabilidade das demonstrações contábeis entre os exercícios, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR reapresentou os saldos do balanço patrimonial e da demonstração de resultado do exercício de 2011. Os efeitos produzidos por reflexo na Dominó Holdings S.A. em 31de Dezembro de 2011 estão apresentados a seguir:

Apenas a concessão do município de Curitiba possui regras que determinam um custo pela concessão a ser pago pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, conforme indicado na nota 15. 2 - Apresentação das Demonstrações Contábeis

cmyk

Balanço Patrimonial Passivo Patrimônio Líquido Reserva de Lucros Outros Resultados Abrangentes em Controlada Total do Passivo Demonstração do Resultado Receitas (Despesas) Operacionais Resultado da Equivalência Patrimonial Lucro Antes dos Impostos e Contribuições Imposto de Renda e Contribuição Social Lucro Líquido do Exercício

2011 Divulgado

Ajuste

2011 Reapresentado

814.274 512.939

12.198

814.274 525.137

847.717

(12.198) --------------------------

(12.198) 847.717

2011 Divulgado

-------------------------Ajuste

2011 Reapresentado

86.180

12.198

98.378

80.886 80.886

12.198 12.198

93.084 93.084

As demonstrações das mutações do patrimônio líquido, dos fluxos de caixa e do valor adicionado, relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, também estão sendo reapresentadas para refletir os efeitos da alteração. Considerando que a referida mudança de prática contábil não gerou qualquer efeito sobre o balanço patrimonial de abertura em 1 de janeiro de 2011 (em comparação com o balanço patrimonial de 31 de dezembro de 2010, anteriormente divulgado), o referido balanço não está sendo apresentado. 2.3 Base de Mensuração As demonstrações foram preparadas com base ao custo histórico. 2.4 Moeda Funcional e Moeda de Apresentação Todos os valores apresentados nas Demonstrações Contábeis, incluindo os valores inseridos nas notas explicativas, estão expressos em milhares de reais, exceto aqueles indicados de outra forma. 3 - Demonstrações Contábeis Consolidadas Conforme previsto pela Instrução CVM no 247 de 27 de março de 1996, considerando a existência de um acordo de acionistas para a administração compartilhada da Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR, cuja eficácia está sendo discutida entre as partes signatárias, na data base de 31 de dezembro de 2012, em que a Dominó Holdings S.A. possui uma participação acionária de 34,7474% (34,7474% em 2011), foram elaboradas demonstrações

Continua...


Publicidade Legal Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A6 | Indústria&Comércio

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (EM MILHARES DE REAIS)

Continuação

contábeis consolidadas de forma proporcional à participação da Dominó Holdings S.A. 4 - Principais Práticas Contábeis As principais práticas adotadas na elaboração das demonstrações contábeis foram: a) Caixas e Equivalentes de Caixa Incluem o caixa, os depósitos bancários e as aplicações financeiras que são demonstradas ao custo, acrescidas dos rendimentos auferidos de acordo com as taxas pactuadas com as instituições financeiras, calculadas pro rata die e apropriadas mensalmente. Uma aplicação financeira se qualifica como equivalente de caixa quando tem vencimento de três meses ou menos da data da contratação. b) Contas a receber de clientes Incluem os serviços medidos e faturados, ainda não recebidos, e as receitas decorrentes do abastecimento de água e da coleta de esgoto, ainda não faturadas, contabilizadas por estimativas pelo regime de competência, conforme o consumo estimado entre a data da última leitura e o final de cada mês, tendo por base o consumo médio de cada cliente. O saldo de contas a receber referente a parcelamentos foi ajustado a valor presente. c) Provisão para perdas na realização de créditos Foi constituída com base na análise dos valores vencidos e em montantes considerados suficientes pela Administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR para cobrir eventuais perdas nas realizações das contas a receber de clientes. d) Estoques Os estoques são formados principalmente por materiais de manutenção e conserto, registrados por seus custos médios de aquisição, no Ativo Circulante. Os valores contabilizados não excedem seus custos de reposição ou de realização. e) Investimentos O investimento representativo da participação acionária na Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR é avaliado pelo método de equivalência patrimonial. No consolidado, os investimentos são avaliados pelo custo de aquisição, deduzidos de provisão para perdas, quando aplicável. f) Capitalização de juros e encargos financeiros Os juros e demais encargos financeiros relacionados a financiamentos de bens do imobilizado e do intangível em andamento, são apropriados ao custo dos mesmos, até a conclusão da construção e/ou instalação do bem, após esse período os referidos encargos são apropriados como despesa financeira. g) Imobilizado É demonstrado pelo custo de aquisição ou construção, incluindo reavaliações procedidas pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR em anos anteriores e os ajustes de avaliação patrimonial ao novo custo atribuído, deduzido das depreciações calculadas pelo método linear, de acordo com as taxas indicadas na nota 10. O imobilizado da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR não supera o seu provável valor de recuperação. Quando existe algum indicador de que o ativo imobilizado pode não ser recuperável, o mesmo é submetido ao impairment test. h) Intangível O intangível registrado na Dominó Holdings S.A. está representado principalmente pelos valores dos ágios pagos nas aquisições de controladas, e pelos gastos com a compra e implementação de software. Esses ativos são avaliados pelo custo de aquisição, deduzido da amortização acumulada. A amortização dos ativos intangíveis com vida útil definida é calculada pelo método linear. O intangível registrado na Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, refere-se ao custo de aquisição, contratação, Direito de Uso e Contratos de Programas. A amortização é calculada pelos prazos de vigência dos contratos, mencionados nas notas explicativas 11 e 15. O intangível não supera seu provável valor de recuperação. Quando existe algum indicador de que o ativo intangível pode não ser recuperável, o mesmo é submetido ao impairment test; A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, em atendimento a Lei 11.638/07, Interpretação Técnica ICPC 01 – Contrato de Concessão e Lei 11.445/07 – Marco Regulatório do Saneamento, registra no intangível os bens patrimoniais vinculados aos Contratos de Programas e efetua a amortização de acordo com os prazos dos contratos ou pela vida útil dos bens, dos dois o menor, caso a vida útil dos ativos ultrapasse o prazo do contrato é constituído ativo financeiro. i) Imposto de Renda e Contribuição Social São registrados com base no lucro tributável e alíquotas vigentes, sendo para o IRPJ 15% mais adicional de 10% aplicável sobre o lucro excedente ao limite estabelecido pela legislação, e para a Contribuição Social 9%. O imposto de renda e contribuição social diferidos foram calculados com base nas alíquotas vigentes destes impostos conforme CPC 26 e 32, que trata das diferenças temporárias base destes impostos, conforme nota 18. Quando da sua constituição, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR efetuou análises que demonstram serem estes impostos recuperáveis pelas suas operações futuras. Impostos diferidos ativos e passivos são apresentados líquidos uma vez que existe um direito legal ou contratual para compensar o ativo fiscal contra o passivo fiscal. j) Passivo Circulante e Não Circulante Todos os passivos são registrados pelos valores conhecidos ou estimados e, quando aplicável, atualizados pro rata die, até a data de encerramento das demonstrações contábeis, com base nos indicadores e encargos pactuados, sem necessidade de ajuste a valor presente. k) Apuração dos resultados As receitas e despesas são reconhecidas com observância ao regime de competência. A receita de fornecimento de água e coleta de esgoto, inclui montantes faturados pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR aos clientes em uma base cíclica (mensal) e montantes não faturados, os quais são calculados com base no consumo estimado, da data de medição da última leitura até o fim do período contábil. l) Juros sobre o capital próprio Foram calculados de acordo com a legislação vigente, respeitando o limite de variação da Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP, aplicada sobre o patrimônio líquido ajustado. Os juros sobre o capital próprio são registrados como despesa financeira e reclassificados para o patrimônio líquido para fins de apresentação e divulgação das demonstrações contábeis. m) Transações com partes relacionadas A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR realiza transações comerciais com diversas partes relacionadas, destacando o Estado do Paraná, a Companhia Paraense de Energia Elétrica – COPEL e alguns municípios, em condições usuais de mercado, conforme demonstrado na nota 22. n) Benefícios pós-emprego concedidos aos empregados A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR mantém um plano misto de aposentadoria (contribuição definida durante a fase laboral e benefício definido com renda vitalícia para os aposentados e pensionistas e para benefícios de risco) e na área de saúde patrocina um plano de benefícios médicos e odontológicos para seus empregados, dependentes e aposentados, cujos efeitos são reconhecidos pelo regime de competência e de acordo com os critérios estabelecidos pela Deliberação CVM 600, conforme demonstrado na nota 28. A partir do exercício de 2012 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR adotou nova prática contábil descrita na nota explicativa 2.2. o) Questões ambientais As operações da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR estão sujeitas a riscos ambientais, os quais são amenizados por procedimentos operacionais rígidos e investimentos em equipamentos e sistemas de controle de poluição. As despesas com questões ambientais contínuas são reconhecidas ao resultado quando incorridas e os investimentos em novos equipamentos e sistemas são capitalizados. A administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR acredita que a provisão definida para perdas, relacionadas a questões ambientais é necessária atualmente com base na legislação ambiental em vigor no Brasil. p) Uso de estimativas A elaboração das demonstrações contábeis, em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, requer que a administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR utilize estimativas e premissas que afetam os montantes divulgados nestas informações e notas explicativas. Os resultados efetivos poderão ser diferentes de tais estimativas. Estimativas e premissas são revistas de uma maneira contínua. Revisões com relação a estimativas contábeis são reconhecidas no exercícios em que as estimativas são revisadas e em quaisquer exercícios futuros afetados. q) Concessões A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR registra a infraestrutura utilizada para operação dos serviços públicos de saneamento básico da seguinte forma: No Ativo Imobilizado os Bens Patrimoniais decorrentes de Contratos de Concessão, e no Ativo Intangível os decorrentes de Contratos de Programas, em observância as novas regras da Lei 11.445/07 – Marco Regulatório, que estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico. Os valores são depreciados ou amortizados até a data de término do período contratual de cada Contrato de Programa. O valor remanescente do ativo intangível a ser reembolsado à Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR pelo poder concedente é reclassificado do ativo intangível para ativo financeiro. r) Pronunciamentos novos ainda não em vigor em 31 de dezembro de 2012 Listamos a seguir as normas emitidas que ainda não haviam entrado em vigor até a data de emissão das demonstrações contábeis. Esta listagem de normas e interpretações emitidas contempla aquelas que a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR de forma razoável espera que produzam impacto nas divulgações, situação financeira ou desempenho mediante sua aplicação em data futura. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR pretende adotar tais normas quando as mesmas entrarem em vigor. Normas Vigência IAS 1 - Apresentação das Demonstrações Para os exercícios iniciados em Financeiras - Apresentação de Itens de ou 1º de julho de 2012 Outros Resultados Abrangentes IAS 19 - Benefícios aos Empregados (Emenda)

Para os exercícios iniciados em ou 1º de janeiro de 2013

IAS 32 - Compensação entre Ativos Financeiros e Passivos Financeiros - Revisões da IAS 32

Para os exercícios iniciados em ou 1º de janeiro de 2014

IFRS 7 - Divulgações - Compensação entre Ativos Financeiros e Passivos Financeiros - Revisões da IFRS 7 IFRS 9 - Instrumentos Financeiros: Classificação e Mensuração IFRS 13 - Mensuração do Valor Justo

Para os exercícios iniciados em ou 1º de janeiro de 2013

5 - Caixa e Equivalentes de Caixa Apresenta a seguinte posição: Descrição Caixa Depósitos Bancários Livres Depósitos Bancários Vinculados Aplicação Automática Mais Itaú Aplicações Financeiras (1) Itaú Aplicação Auto Mais CDB DI Santander Caixa FI Sanepar I Rdan Fixa (2) Itaú Corp Plus Referenciado (3) Totais

b)A movimentação da provisão para perdas na realização de créditos foi a seguinte: Consolidado Proporcional 2012 2011 Descrição Saldos no Início do Exercício (28.417) (25.144) Valores Registrados como Despesa (4.087) (3.744) 260 470 Baixas, Líquidas das Recuperações (32.244) (28.417) Saldos no Final do Exercício ------------------------- -----------------------------c)O saldo de provisão para perdas na realização de créditos a receber apresenta a seguinte composição: Consolidado Proporcional 2012 2011 15.711 14.460 7 37 16.527 13.920 32.244 28.417 ------------------------- ------------------------------

Descrição Clientes Particulares (1) Órgãos do Governo Federal (1) Prefeituras Municipais (2) Totais

(1) Registro de perdas das contas vencidas há mais de 180 dias. (2) É constituída provisão para os créditos vencidos há mais de 2 anos. Com o intuito de estimar os montantes de provisão para perdas na realização de créditos, a serem reconhecidos no período, a administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR realiza análises de suas contas a receber, especialmente sobre os montantes vencidos, levando em consideração a composição dos saldos de contas a receber por idade de vencimento e a expectativa de recuperação em cada classe de consumo. 7 - Impostos e Contribuições a Recuperar Apresenta a seguinte composição:

Controladora em Conjunto 2012 2011 3.481 834 3.481 834 ------------------------3.481 834 -

Descrição Imposto de Renda a compensar (1) Contribuição Social a compensar (1) Impostos e Contribuições retidos Outros tributos a compensar Totais Curto Prazo Longo Prazo

Consolidado Proporcional 2012 2011 6.717 3.719 1.950 950 3.957 1.280 98 98 12.722 6.047 ------------------------------------12.367 5.714 355 333

(1)Estes valores referem-se aos saldos negativos do exercício de 2012, relativos ao pagamento mensal por estimativa do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica – IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro – CSLL em comparação com o lucro real apurado. Estes valores estão sendo atualizados pela SELIC. 8 - Outros Créditos e Contas a Receber A composição apresenta os seguintes valores: Controladora em Consolidado Conjunto Proporcional 2012 2011 2012 2011 Descrição Adiantamentos a Empregados 1.052 984 Pagamentos Reembolsáveis 537 1.191 Depósitos Dados em Garantia 26 23 976 1.015 Depósitos Vinculados 1.848 1.195 3.072 367 Cheques, Títulos e Outros 26 23 7.484 4.752 Totais ---------------------------------------------------------Curto Prazo 26 23 7.229 4.497 Longo Prazo 255 255 9 - Investimentos Controladora em Conjunto Descrição 2012 2011 Empresa controlada em conjunto 843.955 802.804 ----------------------------------------------843.955 802.804 ----------------------------------------------O investimento na controlada em conjunto Companhia de Saneamento do Estado do Paraná SANEPAR, pode ser resumido como segue: Descrição Patrimônio líquido Resultado do exercício Percentual de participação Equivalência patrimonial Juros sobre o capital próprio creditados pela controlada em conjunto

2012 2011 2.428.830 2.310.399 335.756 284.276 34,7474% 34,7474% 116.398 98.378 41.892

40.793

10 - Imobilizado Apresenta a seguinte composição: Controladora em Conjunto 2012 2011

Por Contas Depreciação Custo Acumulada

Descrição Sistemas de Água Sistemas de Esgoto Resíduos Sólidos Administração Outras Imobilizações Projetos e Obras em Andamento Estoques para Obras Totais

Valor Líquido

991.066 932.216 1.114 50.109 8.089

(337.180) (191.183) (779) (27.770) (4.600)

10

1

218.425 14.522 2.215.541

(561.512)

10

218.425 192.258 14.522 13.245 1 1.654.029 1.591.088

-------------------- --------------------

Por Natureza Descrição

Valor Líquido

Consolidado Proporcional 2012 2011

--------------------

653.886 741.033 335 22.339 3.489

-------------------- -------------------- --------------------

2012 Taxa de Depreciação

Terrenos Poços Barragens Construções Civis Benfeitorias Tubulações Ligações Prediais Instalações Hidrômetros Macromedidores Equipamentos Móveis e Utensílios Equipamentos de Informática Veículos Máquinas, Tratores e Similares Ferramentas Projetos e Obras em Andamento Estoques para Obras Totais

653.001 708.867 381 20.532 2.804

2011

Depreciação Custo Acumulada

Valor Liquido

2,86% 2% *1,84% 2% *1,95% 3,33% 6,67% 10% 10% *6,23% 7,14%

20.571 29.500 47.654 439.930 3.271 1.054.899 133.018 15.740 42.020 1.127 118.624 8.949

(9.183) (13.623) (103.630) (479) (237.502) (45.831) (7.257) (22.243) (662) (61.788) (5.378)

20.571 20.317 34.031 336.300 2.792 817.397 87.187 8.483 19.777 465 56.836 3.571

19.790 20.027 34.936 337.747 2.144 787.194 80.359 7.666 20.356 536 55.305 2.481

*19,82% *13,05% *19,35% 6,67%

37.015 21.982 8.071 223

(28.961) (18.005) (6.834) (136)

8.054 3.977 1.237 87

10.430 4.964 1.568 81

-

218.425 14.522 2.215.541

(561.512)

218.425 192.259 14.522 13.245 1.654.029 1.591.088

O saldo da conta “Projetos e Obras em Andamento” em 31 de dezembro de 2012, refere-se a 210 obras de ampliação e implantação de Sistemas de Abastecimento de Água em 102 localidades, no montante de R$203.467 (R$70.699 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.); 274 obras relativas a Sistemas de Coleta e Tratamento de Esgotos em 101 localidades, no montante de R$344.698 (R$119.774 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e ainda R$80.444 (R$27.952 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) de investimentos em diversos projetos e obras operacionais nos sistemas operados pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Durante o exercício de 2012 foram capitalizados pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, juros e demais encargos financeiros, incorridos sobre os recursos e empréstimos que financiaram as obras da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, no montante de R$15.709 (R$5.458 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). A taxa média utilizada para determinar o montante dos custos de empréstimo passíveis de capitalização foi de 9,7%. A movimentação do ativo imobilizado durante este exercício é a seguinte:

Para os exercícios iniciados em ou 1º de janeiro de 2015 Para os exercícios iniciados em ou 1º de janeiro de 2013

Controladora em conjunto 2012 2011

que em 31/12/2012, alocava 79,42% dos recursos em Operações Compromissadas NTN-B, os quais possuem opção de recompra das quotas pelo banco, 10,21% em Títulos Públicos Federais (LFT e LTN) e 10,37% em CDB de Instituição Financeira de primeira linha (76,69%, 23,31% e 0% respectivamente em 2011); (3) O Fundo ITAÚ CORP PLUS REF DI FICFI tem como objetivo acompanhar a variação do CDI através de aplicações que alocam, no mínimo 95% de seus recursos em títulos ou operações atreladas a esse indicador. A carteira é composta por títulos públicos e até 50% em títulos privados de baixo risco de crédito sendo que em 31/12/2012, alocava 73,81% dos recursos em renda fixa, 24,80% em Operações Compromissadas e 1,39% em outras aplicações. 6 - Contas a Receber de Clientes a) Os saldos de contas a receber de clientes apresentam a seguinte composição por vencimento: Consolidado Proporcional 2012 2011 Descrição Contas a Receber Vincendas 42.318 35.854 Contas a Receber de Parcelamentos 6.351 7.764 Ajuste a Valor Presente (406) (589) 31.369 25.579 Contas a Faturar (Consumo não Faturado) 79.632 68.608 Contas a Receber Vencidas, líquidas: De 1 a 30 dias 23.024 17.965 De 31 a 60 dias 5.786 4.275 De 61 a 90 dias 2.884 1.728 De 91 a 180 dias 4.891 4.034 Mais de 180 dias 37.962 35.115 (32.244) (28.417) Provisão para perdas na realização de créditos 42.303 34.700 ------------------------- ------------------------121.935 103.308 Totais de Contas a Receber, líquidas ------------------------- ------------------------Curto Prazo 116.079 97.579 Longo Prazo 5.856 5.729 ------------------------- ------------------------Do total de contas a receber vencidas, líquidas das perdas na realização de créditos, o montante de R$8.882 (R$7.497 em 2011), referem-se a pendências de Prefeituras Municipais; R$28.571 (R$22.271 em 2011) de Particulares; R$4.850 (R$4.932 em 2011) do setor Estadual e Federal.

Consolidado proporcional 2012 2011

188 188

-

1.164 5.261 188 6.613

1 606 3.281 3.888

8.380 8.380 8.568

1.060 1.060 1.060

8.380 56.519 13.213 78.112 84.726

1.060 44.860 45.920 49.808

(1) As aplicações financeiras possuem características de curto prazo, de alta liquidez e com baixo risco de mudança de valor. São constituídas por fundos de renda fixa aplicados em Fundos de Investimentos, com remuneração média de 99,71% do CDI (98,93% em 2011); (2) O Fundo CAIXA FI Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR I RENDA FIXA é exclusivo para as aplicações da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR sendo

Descrição Imobilizado Terrenos Poços Barragens Construções Civis Benfeitorias Tubulações Ligações Prediais Instalações Hidrômetros Macromedidores Equipamentos Móveis e Utensílios Equipamentos de Informática Ferramentas Veículos Máquinas, Tratores e Similares Subtotais Imobilizado Operacional Projetos e Obras em Andamento Estoques para Obras Totais Imobilizado

2011

Adições

Depreciação

Baixas

Transferências

2012

19.790 20.027 34.936 337.747 2.144 787.194 80.359 7.666 20.356 536 55.305 2.481

1.017 111 16 1.378 78 6.962 9 402 4 5.429 1.374

(424) (832) (8.064) (58) (20.819) (3.648) (820) (3.652) (94) (5.052) (299)

(13) (21) (1) (13) (161) (1) (372) (770) (27)

(236) 616 (89) 5.260 629 44.073 10.628 1.236 3.441 23 1.924 42

20.571 20.317 34.031 336.300 2.792 817.397 87.187 8.483 19.777 465 56.836 3.571

10.430 81 4.964

517 15 93

(2.814) (8) (982)

(80) (1)

1 (1) (97)

8.054 87 3.977

(53)

1.237

1.568

-

(278)

-

1.385.584

17.394

(47.844)

(1.459)

67.397 1.421.071

192.259 13.245 1.591.088

145.069 1.277 163.751

(47.844)

(174) (1.634)

(118.729) 218.425 14.522 (51.332) 1.654.029

11 - Intangível Apresenta a seguinte composição: Controladora em Conjunto 2012 2011

Consolidado Proporcional 2012 2011

Valor Líquido

Valor Líquido

Por Contas

2012

Descrição

Custo

Amortização Acumulada

24.316 37. 305 30.078 183

(16.211) (18.496) (8.178) (33)

8.105 -

8.105 -

8.105 18.809 21.900 150

8.105 1.474 -

43.476 7.254 142.612

(16.068) (4.801) (63.787)

8.105

8.105

27.408 2.453 78.825

28.858 2.282 40.719

Ágio na aquisição de Investimentos – SANEPAR Sistemas de Água Sistemas de Esgoto Resíduos Sólidos Direito de Uso e Operações de Sistemas Outros Ativos Intangíveis Totais

Por Natureza Descrição Ágio na aquisição de Investimentos - SANEPAR Terrenos Poços (1) Barragens (1) Construções Civis (1) Benfeitorias (1) Tubulações (1) Ligações Prediais (1) Instalações (1) Hidrômetros (1) Macromedidores (1) Equipamentos (1) Móveis e Utensílios (1) Equipamento de Informática (1) Programas de Informática (1) Veículos (1) Máquinas, Tratores e Similares (1) Ferramentas (1) Direitos de Uso de Linhas de Transmissão Proteção e Preservação Ambiental Concessão do Município de Curitiba (2) Concessão do Município de Cianorte (3) Totais

Consolidado Proporcional 2012 2011

Taxa de Amortização

Custo

Amortização Acumulada

3% 3% 3% 3% 3,33% 3,33% 7% 10% 10% *6,23% 7% *19,82% 20% *13,05%

24.316 472 2.393 270 12.597 83 32.310 5.557 960 2.304 65 5.007 40 495 7.657 784

(16.211) (975) (176) (3.798) (15) (10.844) (2.502) (400) (1.231) (37) (2.463) (20) (455) (5.201) (707)

8.105 472 1.418 94 8.799 68 21.466 3.055 560 1.072 28 2.545 20 40 2.456 77

8.105 44 12 8 50 15 32 8 19 2.286 -

*19,35% 7%

524 4

(488) (3)

36 1

-

*6,25%

53

(36)

17

16

Valor Líquido

20%

3.245

(2.158)

1.087

1.267

3%

43.434

(16.046)

27.388

28.835

5%

42 142.612

(22) (63.787)

20 78.825

22 40.719

(1) Bens patrimoniais referentes às renovações contratuais, anteriormente denominadas de concessão plena para concessão de operação, através de contratos de programas que tem por objeto a prestação de serviços públicos de saneamento básico, onde a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR detém a posse e a gestão dos bens adquiridos ou construídos durante a vigência dos contratos. A amortização ocorre pelo prazo de vigência dos contratos (30 anos) ou pela vida útil dos bens (dos dois o menor), caso a vida útil dos ativos ultrapasse o prazo do contrato é constituído ativo financeiro. (2) Custo do Contrato de Concessão onerosa, com prazo de vigência de 30 anos, cuja taxa de amortização é parte integrante dos custos relacionados à prestação de serviços saneamento para o município de Curitiba, conforme mencionado na nota 15. (3) O Custo do Contrato de Concessão com a Prefeitura Municipal de Cianorte para operação dos serviços públicos de coleta, tratamento e disposição final de resíduos sólidos, pelo prazo de 20 anos. A movimentação do ativo intangível durante este exercício é a seguinte: Descrição Ágio na aquisição de Investimentos - SANEPAR Terrenos Poços Barragens Construções Civis Benfeitorias Tubulações Ligações Prediais Instalações Hidrômetros Macromedidores Equipamentos Móveis e Utensílios Equipamento de Informática Programas de Informática Veículo Máquinas, Tratores e Similares Ferramentas Direitos de Uso de Linhas de Transmissão Proteção e Preservação Ambiental Concessão do Município de Curitiba Concessão do Município de Cianorte Totais Intangível

Baixas

Transferências

2012

8.105 44 12 8 50 15 32 8 19 -

2011

Adições Amortização 30 11 (189) 38 16 168 5

(14) (2) (95) (1) (228) (50) (21) (81) (2) (80) (1)

(7) (2) (1) (10) (11) -

442 1.378 96 9.078 61 21.606 3.092 534 1.155 30 2.449 16

8.105 472 1.419 94 8.799 68 21.466 3.055 560 1.072 28 2.545 20

-

-

(38)

-

78

40

2.286 -

1.502 -

(1.332) (21)

-

98

2.456 77

-

-

(17) -

-

53 1

36 1

16

2

(2)

-

1

17

1.267

190

(370)

-

-

1.087

28.835

-

(1.447)

-

-

27.388

22

-

(2)

-

-

20

40.719

1.773

(3.804)

(31)

40.168

78.825

a) Reserva de Reavaliação e Atribuição do Novo Custo A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR procedeu reavaliações parciais de seus ativos em 1990 e 1991 e atribuição de custos ao Imobilizado em 2010, cujos saldos em 31 de dezembro de 2012 e 31 de dezembro de 2011, líquidos de depreciação acumulada, são de R$200.232 (R$69.575 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$215.435 (R$74.858 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), respectivamente. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR entende que a manutenção da reavaliação é adequada, visto que os bens reavaliados estão contabilizados a valores razoáveis de mercado e plenamente recuperáveis por suas operações, os quais serão mantidos até a sua efetiva realização. A Dominó Holdings S.A. efetuou o registro proporcional à sua participação desta reavaliação, mantendo reserva destacada em seu patrimônio líquido, no montante de R$38.551 Em 31 de dezembro de 2012 (R$40.626 em 2011), líquido dos efeitos tributários. b) Análise do Valor de Recuperação dos ativos De acordo com o CPC 01 (R1), aprovado pela Deliberação CVM 639/10, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR realizou estudo técnico para determinar o valor recuperável de seus ativos, utilizando as seguintes premissas: • As unidades geradoras de caixa, identificadas para o teste de recuperabilidade dos ativos, foram os segmentos de negócio de água e esgoto; • Para apuração do valor recuperável dos ativos, ou unidades geradoras de caixa da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, foi adotado o método do valor em uso, ou seja, o valor gerado de caixa pelo uso destes ativos; • As estimativas de fluxos de caixa foram projetadas para um período de cinco anos, como sugere o CPC 01 (R1) no seu item 33b; • Os comparativos, para obtenção de possíveis valores de ativos não recuperáveis, foram realizados com base em moeda constante, ou seja, foram desconsiderados os efeitos da inflação; • As projeções das receitas, nos fluxos de caixa, foram baseadas nos seguintes indicadores: o aumento médio do número de ligações (crescimento vegetativo), consumo médio em m 3 por ligação e a tarifa média por m3; • O valor contábil dos ativos (ou unidades geradoras de caixa), na data final das estimativas dos fluxos de caixa, também foram considerados como valor recuperável. O referido procedimento é baseado nos contratos de concessão, haja vista que os mesmos preveem ressarcimento pelos municípios no caso de não renovação ou quebras de contratos; • As projeções de despesas, nos fluxos de caixa, foram realizadas por grupo de análises e projetadas com base na média dos últimos cinco anos de cada análise em relação a receita bruta; • A taxa de desconto utilizada, para trazer os valores apurados nos fluxos a valor presente, foi de 6,81%. O referido percentual foi baseado no Custo Médio Ponderado de Capital (WACC), como sugere o CPC 01 (R1) no seu item 56. O estudo técnico nos levou a concluir que o Ativo Imobilizado e Intangível que estão em operação, gerando fluxos de caixa, são plenamente recuperáveis, não sendo necessário constituir provisão para redução ao valor recuperável. c) Estudo sobre a vida útil econômica dos Bens Patrimoniais Em atendimento a Lei 11.638/2007, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, em 17 de agosto de 2009, constituiu comissão interna, composta por funcionários da empresa, com reconhecida competência em suas áreas de atuação, para realizar estudo técnico para apuração da vida útil remanescente do ativo imobilizado e intangível e consequente definição das novas taxas de depreciação/amortização a serem aplicadas no âmbito da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Para o desenvolvimento do estudo técnico o Ativo Imobilizado e o Intangível foram segmentados em grupos de bens de acordo com a sua natureza e representatividade. No primeiro grupo, para o qual foi dado maior importância e peso no estudo, encontram-se os bens que representam uma parte significativa do valor total do imobilizado e intangível da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, entre os quais cita-se as tubulações de redes de água e de esgoto e unidades construtivas (barragens, estações de tratamento de água e de esgoto e demais construções civis). No segundo grupo estão os itens de importância relativa conforme a quantidade de bens e seu valor total com relação ao imobilizado e intangível, entre os quais encontram-se máquinas, equipamentos e veículos, sendo que para esse grupo os estudos foram focados no histórico da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e nas características construtivas que interferem na expectativa de durabilidade. Para os demais itens do imobilizado e intangível, tais como móveis, utensílios, microinformática, telecomunicações, equipamentos eletromecânicos e ferramentas, foi considerado o histórico de utilização, reposição e baixa dos bens. No exercício de 2011 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR constitui uma comissão interna para revisão do estudo técnico realizado no exercício de 2009, a qual concluiu que neste intervalo de tempo não ocorreram novos fatos, evidências, tecnologias, paradigmas e renovação significativa dos bens que justifique alterações no tempo de vida útil utilizado. Desta forma, a comissão recomendou a manutenção da vida útil e da taxas de depreciação atualmente utilizados para os exercícios de 2011 e 2012. 12 - Empréstimos, Financiamentos e Debêntures a) A composição de empréstimos, financiamentos e debêntures é a seguinte:

Descrição Repasses do Banestado/Itaú (BID e BIRD): - Paraná Urbano – BID II (1) Caixa Econômica Federal – CEF (2) Banco do Brasil S/A (3) Município de Maringá – CEF/CURA Debêntures (4) Debêntures 2ª Emissão (5) BNDES (6) Subtotais

Taxa de Juros Anual Nominal

Vencimento Indexador Final

Consolidado Proporcional 2012

2011

11,57%

-

2014

-

3.291

6,92% a 14,01% 8,18% 6,48% 9,38% 7,67% 7,57% a 8,25%

TR TR TR TJLP TJLP TJLP

2033 2014 2014 2012 2024 2023

232.623 18.804 27 20.781 61.507 333.742

228.511 32.536 47 15.383 50.041 329.809

Parcelas Vencíveis a Curto Prazo Empréstimos e Financiamentos Debêntures

(45.212) (45.027) (185)

(61.033) (45.650) (15.383)

Parcelas Vencíveis a Longo Prazo

288.530

268.776

Continua...


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A7 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (EM MILHARES DE REAIS)

Continuação

TR = “Taxa Referencial”, taxa de juros estabelecida mensalmente pelo Banco Central do Brasil. A taxa acumulada da TR para o ano, findo em 31 de dezembro de 2012, foi de 0,29% (1,21% em 2011). TJLP = “Taxa de Juros de Longo Prazo”, taxa de juros estabelecida trimestralmente pelo Banco Central do Brasil. Em 2012, a taxa anual da TJLP foi de 5,75% (6,0% em 2011). Os covenants e as cláusulas restritivas vinculadas aos empréstimos, financiamentos e debêntures estão sendo divulgados na nota explicativa 28. (1) Banestado/Itaú (Agente Financeiro do Programa Paraná Urbano – BID II) – empréstimos com recursos oriundos do Sistema de Financiamentos Municipais, cujo Órgão Gestor é o Serviço Social Autônomo - Paranacidade. Os empréstimos são garantidos pelas receitas próprias da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. A taxa de administração está incluída na taxa de juros. Os juros são calculados com base na TJLP, acrescidos de uma margem de 5% ao ano. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR quitou antecipadamente em 29/06/2012 o saldo deste financiamento tendo em vista o benefício financeiro estimado de R$53. (2) Caixa Econômica Federal – formado por 219 contratos firmados com a Caixa Econômica Federal, com recursos oriundos do FGTS, utilizados para aumentar e melhorar a cobertura dos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, de diversas cidades do Estado do Paraná, bem como para o desenvolvimento institucional com a implementação de programas de melhorias operacionais e redução de perdas. Esses empréstimos são garantidos em parte pelo sistema de abastecimento de água de Curitiba, na forma de penhor industrial, no montante de R$145.185 (R$50.448 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e pelas receitas próprias da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Mediante o Contrato de Repactuação de Garantia e Outras Avenças nº 411 PGFN/CAF, de 25/04/2008, 35 contratos que a União adquiriu da Caixa, por força da MP nº 2196-3, de 2001, passaram a ser garantidos por 16% do total da arrecadação proveniente do pagamento das tarifas de água e esgoto no Estado, até o limite do saldo devedor total atualizado dos referidos contratos. A taxa média ponderada de juros é de 6,77% ao ano, acrescida da taxa de administração de até 2,00%, havendo contratos sem taxa de administração e outros com percentuais de 1,00%, 1,01%, 1,41% e 2,00% ao ano. A taxa de risco de crédito é de até 1,70% ao ano, havendo contratos com taxas de risco de 0,30%, 0,50%, 1,00% e 1,70% ao ano. O prazo final para pagamento é em 2033. Adicionalmente, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR deverá manter junto à Caixa Econômica Federal, na vigência dos contratos de financiamentos, uma conta reserva, cujo saldo em 31/12/2012 é de R$8.426 (R$2.928 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), R$7.884 em 2011, (R$2.739 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), equivalente a um encargo mensal, valor esse registrado em depósitos vinculados no Ativo Não Circulante. (3) Banco do Brasil S/A – empréstimo relativo ao refinanciamento de dívidas junto à CEF – Caixa Econômica Federal. Esses empréstimos são garantidos pelas receitas próprias da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e pelo Estado do Paraná. A taxa de administração é de 0,10% ao ano, acrescida da taxa de juros. (4) Debêntures 1ª Emissão – emitidas em 15/12/2002 para colocação em 4 séries, com valor nominal unitário de um milhão de reais, sendo: a 1ª série com 95 debêntures, a 2ª série com 55 debêntures, a 3ª série com 50 debêntures e a 4ª série com 20 debêntures, totalizando 220 debêntures no montante total de R$220.000, as quais foram colocadas pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR em 20/12/2002, 06/06/2003, 28/07/2005 e 29/04/2008, respectivamente. Essas debêntures eram do tipo simples, nominativas, escriturais, sem emissão de cautelas e certificados, não endossáveis e não conversíveis em ações, com garantia flutuante nos termos do artigo 58 § 1º, da Lei 6.404/76, e com garantia adicional de vinculação de 20% da receita arrecadada proveniente da prestação de serviços de água e esgotamento sanitário. Os contratos das debêntures foram encerrados em dezembro de 2012, tendo suas últimas parcelas pagas em 14/12/2012. (5) Debêntures 2ª Emissão – emitidas em 15/08/2011 para colocação em 3 séries, com valor nominal unitário de trinta e nove mil, quinhentos e quinze reais e cinquenta e três centavos, sendo: a 1ª série com 3.000 debêntures, a 2ª série com 3.000 debêntures e a 3ª série com 4.000 debêntures, totalizando 10.000 debêntures no montante total de R$395.155. Em 22/06/ 2012 ocorreu a colocação de R$59.273 referente a 1ª série. Essas debêntures são do tipo simples, não conversíveis em ações, com garantia real para distribuição privada. As debêntures da 1ª e 3ª séries serão amortizadas em 121 parcelas mensais e sucessivas com remuneração de 1,92% ao ano, acima da TJLP - Taxa de Juros de Longo Prazo, divulgada pelo Banco Central, com carência de 36 meses. A 2ª série será amortizada em 10 parcelas anuais e sucessivas com remuneração de 9,195575% (taxa de referência + 1,92%) ao ano, base 252 dias úteis, incidentes sobre o Valor Nominal Unitário Atualizado pelo IPCA, com carência de 37 meses. (6) BNDES – formado por 3 contratos firmados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, com recursos originários do Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT e do Fundo de Participação PIS/PASEP, que serão utilizados na perfuração de poços no Aquífero Guarani e sua operacionalização e, também, para a ampliação e otimização dos sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário em diversos municípios do Estado do Paraná. Esses empréstimos são garantidos pelas receitas próprias da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e pela conta reserva, mantida junto à Caixa Econômica Federal, com saldo não inferior às 03 próximas parcelas vincendas, cujo saldo em 31/12/2012 é de R$10.511 e R$7.932 em 2011 (R$3.652 e R$2.756 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), registrado em Depósitos Vinculados no Ativo Não Circulante. Os contratos são amortizados da seguinte forma: (i) dois contratos tiveram o início da amortização após o período de carência, em 108 parcelas mensais e sucessivas, com vencimentos a partir de maio de 2010 e janeiro de 2011, respectivamente, e estão sendo remunerados a taxa de 2,5% ao ano, acima da TJLP – Taxa de Juros de Longo Prazo, divulgada pelo Banco Central do Brasil; e (ii) um contrato teve início da amortização, após o período de carência, em 138 parcelas mensais e sucessivas, vencendose a primeira parcela em agosto de 2011, e será remunerado à taxa de 1,82% ao ano, acima da TJLP. No caso de a TJLP ser superior a 6% ao ano, o montante que vier a exceder esse índice será incorporado ao saldo devedor principal. Os percentuais de 2,5% e 1,82% ao ano acima da TJLP, acrescido da parcela não capitalizada da TJLP de 6% ao ano, incidirão sobre o saldo devedor do principal, já compreendida a parcela capitalizada. O montante de juros apurado será pago trimestralmente durante o período de carência e mensalmente durante o período de amortização do principal. b) Os empréstimos, financiamentos e debêntures apresentam a seguinte movimentação: Descrição Saldos no início do exercício Liberações Juros e Taxas Variações Monetárias Transferências Amortizações Saldos no final do exercício

Consolidado Proporcional 2012 2011 Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo 61.033 268.776 60.054 292.006 65.283 34.058 30.617 31.594 739 3.147 46.268 (46.268) 60.435 (60.435) (92.706) (91.050) 45.212 288.530 61.033 268.776

c) Os vencimentos de longo prazo dos financiamentos e debêntures estão assim distribuídos: Anos de Vencimento 2014 2015 2016 2017 2018 2019 a 2033 Total

Consolidado Proporcional Financiamentos Debêntures Total 32.122 32.122 27.205 681 27.886 24.974 2.042 27.016 23.542 2.042 25.585 24.660 2.042 26.702 135.431 13.788 149.218 267.934 20.595 288.529

13 - Créditos para Aumento de Capital: a) A composição dos Créditos para Aumento de Capital é a seguinte: Consolidado Proporcional 2012 2011

Descrição Empréstimos e Financiamentos Paranásan – Contrato subempréstimo – Estado/JBIC Paranásan – Acordo Formal – Estado do Paraná Outros – Acordo Formal – Estado do Paraná Total de Empréstimos e Financiamentos (1) Saldo de Dividendos/Juros sobre o Capital Próprio (2) Paranásan – Liberações ocorridas na vigência do contrato (3) Remuneração (4) Saldo até 31 de dezembro de 2012

64.300 54.261 8.969 127.530 6.118 61.606 146.908 342.162

64.300 54.261 8.969 127.530 6.118 61.606 128.304 323.558

(1) Saldo de Empréstimos e Financiamentos, transformado em Créditos para Aumento de Capital, conforme Termo de Resilição celebrado entre a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e o Estado do Paraná em 18 de dezembro de 2003. (2) Saldo de Dividendos/Juros sobre o Capital Próprio decorrente do encontro de contas realizado, em 15 de dezembro de 2003, entre a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e o Estado do Paraná. Os créditos de Juros sobre o Capital Próprio do exercício de 2002, no valor de R$34.743, possibilitaram a quitação de débitos relativos a faturas de água e esgoto, no montante de R$17.135, e o saldo remanescente de R$17.608, a favor do Estado do Paraná, foi transferido para a conta de Créditos para Aumento de Capital. (3) Recursos repassados na forma do acordo de empréstimo BZ-P13, firmado entre o Estado do Paraná e o “JBIC – Japan Bank for International Cooperation”. Estes valores foram registrados diretamente como Créditos para Aumento de Capital, conforme previsto na Cláusula Terceira do Termo de Resilição Amigável, de 18 de dezembro de 2003. (4) Remuneração dos saldos dos créditos destinados a aumento de capital, existentes em 31 de dezembro de 2003 e aportes realizados na vigência do contrato, pela TJLP – Taxa de Juros de Longo Prazo, conforme acordo entre a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e o Estado do Paraná, aprovado pela 9ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração, em 13 de setembro de 2005. 14 - Outras Contas a Pagar A composição em 31 de dezembro apresenta os seguintes valores: Descrição Programas Vinculados à Agência Nacional de Águas - ANA Contratos e Convênios com Terceiros Provisões trabalhistas e tributárias Convênios com Prefeituras Municipais Cauções e Valores a Reembolsar Totais Curto Prazo Longo Prazo

Controladora em Conjunto 2012 2011

--------------------

Consolidado Proporcional 2012 2011

8 8

3.054 6.453 1.720 2.970 14.197

2.859 3.271 8 1.708 1.444 9.290

8 -

11.913 2.284

7.152 2.138

15 - Contrato de Concessão A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR possui contrato de concessão onerosa para exploração de serviços públicos de abastecimento de água e de coleta, remoção e tratamento de esgoto sanitário com a Prefeitura Municipal de Curitiba, pelo prazo de 30 anos, assinado em 06 de dezembro de 2001. Com base neste contrato, foi fixado o montante a ser pago pela concessão, num total de R$125.000 (R$43.434 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), devidos em parcelas distintas no decorrer do contrato, corrigidos com base na variação do IPCA divulgado pelo IBGE. O saldo em 31 de dezembro de 2012 é de R$95.675 (R$33.245 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), sendo R$5.654 (R$1.965 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) registrados no passivo circulante e R$90.021 (R$31.280 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) no passivo não circulante . Em 31 de dezembro de 2011, o saldo era R$ 95.739 (R$33.267 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) sendo R$5.342 (R$1.856 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) registrados no passivo circulante e R$90.397 (R$31.411 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) no passivo não circulante. 16 - Impostos e Contribuições A composição em 31 de dezembro apresenta os seguintes valores: Descrição COFINS a pagar PIS/PASEP a pagar ISS – Parcelamento (1) COFINS – Parcelamento (2) Impostos e contribuições retidos na fonte Total dos impostos e contribuições

Controladora em Conjunto 2012 2011 1.526 1.553 331 337 2.696 7 4.553 1.897

Consolidado Proporcional 2012 2011 5.858 5.063 1.272 1.099 1.359 3.951 5.172 6.468 3.149 17.549 15.842

Curto prazo Longo prazo

4.553 -

15.753 1.796

1.897 -

11.042 4.800

(1) Este valor, refere-se a dívida junto a Prefeitura Municipal de Curitiba, relativa ao ISSQN incidente sobre a execução de serviços complementares a atividade principal da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, referente ao período de 1994 a 1998, a qual foi parcelada em 90 parcelas mensais. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR

quitou antecipadamente em 22/06/2012 o saldo desta dívida tendo em vista o benefício financeiro. (2) Refere-se ao parcelamento da multa da COFINS relativo ao período de setembro/1994 a setembro/1996, em conformidade com a Lei nº 11.941/2009. O débito foi parcelado em 60 prestações mensais, atualizadas pela taxa de juros SELIC frente à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional restando, em 31 de dezembro de 2012, 22 parcelas a vencer. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR impetrou mandado de segurança perante a 2ª Vara da Justiça de Curitiba em 28/06/2011, contestando o valor consolidado da dívida pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, conseguindo liminar em 29/06/2011 para redução do montante da dívida. O processo foi julgado em 06/12/2011 favoravelmente à Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. A Procuradoria Geral da Fazenda Nacional apresentou recurso de apelação em 07/02/2012, o qual foi julgado e teve o provimento negado. Em 15/01/2013 a União apresentou recurso especial, sendo que a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR está aguardando publicação para se pronunciar sobre o recurso especial da União. 17 - Provisões, Passivos Contingentes e Depósitos Judiciais a) Provisões A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR é parte em certos processos judiciais que surgem no curso normal de seus negócios e registra provisões quando a Administração, suportada por opinião de seus assessores jurídicos, entende que existem probabilidades de perdas prováveis. Para as ações de natureza trabalhista, considerando o histórico de julgamento, é constituída provisão da totalidade desses processos. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR acredita que os montantes de provisões registrados são suficientes para cobrir as perdas prováveis. A posição em 31 de dezembro das provisões para ações cíveis, trabalhistas, tributárias e ambientais, é a seguinte: Natureza Ações Trabalhistas (1) Ações Cíveis (2) Ações Ambientais (3) Ações Tributárias Totais

31/12/2011 47.671 52.606 1.317 95 101.689

Adições 16.011 41.068 19.178 699 76.956

Consolidado proporcional Reversões Utilizações (7.249) (4.631) (28.279) (445) (3) (517) 0 0 (35.531) (5.593)

31/12/2012 51.802 64.952 19.974 793 137.521

b) Passivos Contingentes A Dominó Holdings S.A. e a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR suportadas por opinião de seus assessores jurídicos divulgam seus passivos continentes para as quais possui a expectativa de perda possível. Para estas ações não foram constituídas provisões para eventuais perdas, conforme estabelece o CPC 25 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. A posição em 31 de dezembro dos passivos contingentes com expectativa de perda possível para ações cíveis, ambientais e tributárias é a seguinte: Passivos contingentes Consolidado Proporcional 31/12/2012 31/12/2011 32.542 33.201 20.573 2.559 5.646 5.493 58.761 41.253

Controladora em Conjunto 31/12/2012 31/12/2011 1.492 1.417 1.492 1.417

Natureza Ações Cíveis(2) Ações Ambientais (3) Ações Tributárias (4) Totais

(1) As provisões trabalhistas estão relacionadas a reclamações movidas, principalmente, por exempregados da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e de empresas prestadoras de serviços (responsabilidade solidária), reclamando diferenças salariais e encargos trabalhistas. (2) As provisões cíveis relacionam-se a pedidos de indenizações de montantes provisionados em decorrência de ações por reclamações de danos causados a terceiros. (3) As provisões ambientais estão relacionadas a autos de infração emitidos por diferentes órgãos ambientais decorrentes principalmente de vazamento/extravazamento de redes coletoras de esgosto, além de efluentes de estações de tratamento de esgosto em desacordo com o padrão. (4) Na Companhia de Saneamento do Estado do Paraná – SANEPAR as provisões tributárias relacionam-se, basicamente, a questionamentos movidos pela prefeitura municipal de Tambora referente ao ISSQN e do município de Santo Antônio da Platina referente ao IPTU. Na Dominó Holdings S/A os passivos contingentes referem-se a exigência de supostos débitos de Imposto de Renda Retido na Fonte – IRRF. c) Depósitos Judiciais A Dominó Holdings S.A. efetuou depósitos judiciais, que serão recuperados somente no caso de julgamento favorável a Companhia. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR efetuou depósitos judiciais, que serão recuperados somente no caso de julgamento favorável a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. A posição em 31 de dezembro é a seguinte: Depósitos Judiciais Consolidado Proporcional 31/12/2012 31/12/2011 30.790 29.216 15.450 13.053 195 195 1.565 727 48.000 43.191

Controladora em Conjunto 31/12/2012 31/12/2011 226 216 226 216

Natureza Ações Trabalhistas Ações Cíveis Ações Ambientais Ações Tributárias Totais

18 - Imposto de Renda e Contribuição Social a) Demonstração da Conciliação das Despesas de Imposto de Renda e Contribuição Social Registradas no Resultado Controladora

2012 Imposto de Contribuição Renda Social

Descrição

Imposto de Renda

2011 Contribuição Social

Lucro Antes dos Impostos

111.472

111.472

93.084

93.084

Imposto de Renda e Contribuição Social – Alíquotas Vigentes

(16.721)

(10.032)

(13.963)

(8.378)

5.550 5.940 17 -

3.330 3.564 10 -

5.330 (6.119) 15 -

3.198 (3.671) 9 -

-

-

-

-

Benefício da Dedutibilidade dos Juros sobre o Capital Próprio Juros sobre o Capital Próprio Recebidos Equivalência Patrimonial Outros Compensação Prejuízo Fiscal / Base de Cálculo Negativa Totais das Despesas Totais do Imposto de Renda e da Contribuição Social

-

-

Consolidado Proporcional 2012 2011 Imposto de Contribuição Imposto Contribuição Renda Social de Renda Social 154.788 154.788 127.873 127.873

Descrição Lucro Antes dos Impostos Imposto de Renda e Contribuição Social – Alíquotas Vigentes Benefício da Dedutibilidade dos Juros sobre o Capital Próprio Subvenções e Doações Recebidas de Órgãos Públicos (1) Ajustes a Valor Presente de Contas a Receber (1) Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT (2) Incentivo Empresa Cidadã (3) Outros Totais das Despesas

(38.697)

(13.931)

(31.968)

(11.509)

10.576

3.807

10.298

3.708

94

34

41

15

46

17

25

9

194 79 (240) (27.948)

(99) (10.172)

186 60 38 (21.320)

3 (7.774)

Totais do Imposto de Renda e da Contribuição Social

(38.122)

(29.094)

(1) De acordo com a Lei nº 11.941, de 27/05/2009; (2) De acordo com o Decreto 3.000, de 26 de março de 1999 - Regulamento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica; (3) De acordo com o Decreto 7.052, de 23 de dezembro de 2009, que regulamentou a Lei nº 11.770, de 09/09/2008. b)

Imposto de Renda e Contribuição Social Corrente e Diferido

A composição no resultado do período apresenta os seguintes valores: Consolidado Proporcional 2012 2011 (46.170) (32.774) (16.556) (11.704) 18.221 11.454 6.383 3.930 (38.122) (29.094)

Descrição Imposto de renda Contribuição social Realização de imposto de renda diferido Realização de contribuição social diferida Totais

Os impactos tributários relativamente ao reconhecimento de ganhos e perdas atuariais no Patrimônio Líquido estão sendo divulgados na Demonstração dos Resultados Abrangentes. c) Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos A composição das bases para imposto de renda e contribuição social diferidos, sobre ativos e passivos com realização futura, é a seguinte:

Descrição BASES ATIVAS Planos de Saúde e Previdência Redução ao Valor Recuperável de Ativos Provisões Cíveis, Trabalhistas, Tributárias e Ambientais Provisão para Perdas na Realização de Créditos Provisão para PPR Provisão para Plano de Demissão Voluntária Totais BASES PASSIVAS IRPJ Diferido sobre Construções e Benfeitorias Reserva de Reavaliação Atribuição Novo Custo ao Imobilizado Totais

Consolidado Proporcional 2012

2011

Prazo Estimado de Realização

Base de Cálculo

Imposto de Renda

Contribuição Social

Total

Total

15 anos

298.584

74.646

26.873

101.519

70.485

10 anos

1.447

362

130

492

492

5 anos

137.521

34.380

12.377

46.757

34.574

3 anos 1 ano

18.079 10.701

4.520 2.675

1.627 963

6.147 3.638

5.262 1.213

1 ano

1.377

344 116.927

124 42.094

468 159.021

112.026

19 anos 18 anos

55.624 58.411

13.906 14.603

5.257

13.906 19.860

14.395 20.928

5 anos

11.165

2.791 31.300

1.005 6.262

3.796 37.562

4.523 39.846

85.627

35.832

121.459

72.180

Total Líquido

d)Estimativa de realização futura do Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos A composição da estimativa de realização futura dos Créditos e Débitos, é a seguinte:

Períodos de Realização 2013 2014 2015 2016 a 2018 2019 a 2021 2022 a 2024 2025 a 2027 2028 a 2030 2031 Totais

Imposto de Renda 7.996 9.858 4.977 49.309 14.929 14.929 14.929 116.927

Consolidado Proporcional Ativo Fiscal Diferido Passivo Fiscal Diferido Contribuição Imposto Contribuição Social Totais de Renda Social Totais 2.878 10.875 2.102 493 2.595 3.549 13.407 2.102 493 2.595 1.792 6.768 2.102 493 2.595 17.751 67.061 5.746 1.278 7.024 5.374 20.304 4.629 876 5.505 5.374 20.304 4.629 876 5.505 5.374 20.304 4.629 876 5.506 4.629 876 5.506 732 732 42.092 159.023 31.300 6.261 37.563

e) Regime Tributário de Transição A Medida Provisória nº 449/2008, convertida na Lei nº 11.941/2009, instituiu o Regime

Tributário de Transição estabelecendo o tratamento dos ajustes tributários decorrentes dos novos métodos e critérios contábeis introduzidos pela nova legislação. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e a Dominó Holdings S.A. fizeram a opção pelo RTT na entrega da DIPJ do ano-base de 2008, exercício financeiro de 2009. Adicionalmente transmitiram o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT) instituído pela Instrução Normativa 949/2009 da Receita Federal do Brasil, referentes aos anos-calendários de 2008 a 2011. 19 - Patrimônio Líquido a) Capital social O Capital social é composto de 251.928.516 ações ordinárias com valor nominal de R$1,00 cada, totalmente integralizado por pessoas jurídicas residentes e domiciliadas no país. b) Reservas de reavaliação Foi realizado no exercício, transferindo-se para reserva de Lucros, o montante de R$2.075 (R$2.067 em 2011). A realização desta reserva foi efetuada de forma proporcional à realização da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. A movimentação da realização da Reserva de Reavaliação foi a seguinte: Descrição Saldos no início do período Realização da Reserva de Reavaliação Realização dos Tributos sobre Reserva de Reavaliação Saldos no final do exercício

31/12/2012 40.626 (3.144)

31/12/2011 42.693 (3.132)

1.069 38.551

1.065 40.626

c) Remuneração aos acionistas A legislação fiscal permite que as companhias procedam ao pagamento de juros sobre o capital próprio, dentro de certos limites, aos acionistas e tratem esses pagamentos como uma despesa dedutível, para fins de apuração de imposto de renda e contribuição social. Esta distribuição, imputada aos dividendos obrigatórios a serem pagos pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, é tratada para fins contábeis e societários, como uma dedução ao patrimônio líquido de maneira similar aos dividendos. Sobre esses valores é retido imposto de renda na fonte à alíquota de 15%, e recolhido pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR quando do crédito dos juros. Os Juros sobre o Capital Próprio a pagar foram calculados dentro do limite de variação da Taxa de Juros a Longo Prazo - TJLP nos termos da Lei n.º 9249/95, complementada por disposições legais posteriores. O total de Juros foi contabilizado em despesas financeiras conforme requerido pela legislação fiscal. Para efeito destas demonstrações contábeis, esses juros estão sendo apresentados no Patrimônio Líquido, na conta de lucros acumulados. c.1) Remuneração aos acionistas – Dominó Holdings S.A. O estatuto da Dominó Holdings S.A. prevê o pagamento de dividendos baseado na distribuição de 100% dos lucros distribuíveis na forma da legislação vigente. Portanto, a Administração está propondo distribuição dos lucros conforme demonstrado abaixo: 2012 2011 Lucro líquido do exercício Constituição da reserva legal Realização da reserva de reavaliação Ajuste de Avaliação Patrimonial Constituição de reserva de lucros a realizar

111.472 (5.574) 2.075 1.412 (72.385) -

93.084 (4.654) 2.067 3.127 (58.094) -

Base para o cálculo de dividendos Dividendos propostos (Juros sobre capital próprio)

37.000 (37.000)

35.530 (35.530)

-

-

Saldo de dividendos a propor (Juros sobre capital próprio)

O montante de Juros sobre o Capital Próprio apurado em 2012 de R$37.000 (35.530 em 2011) inclui o imposto de renda retido na fonte sobre os acionistas privados, no montante de R$5.550 (R$5.330 em 2011). Baseado no artigo 197 da Lei 6.404/76, alterada pela Lei 10.303/01 e considerando que uma parcela substancial dos resultados da Dominó Holdings S.A. são gerados por equivalência patrimonial positiva, foi proposta pela administração a constituição de reserva de lucros a realizar no montante dos lucros apurados contabilmente, porém ainda não realizados financeiramente. Esta proposta será referendada pela Assembléia Geral dos Acionistas. c.2) Remuneração aos acionistas – Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR A administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR está propondo à aprovação da Assembléia Geral dos Acionistas, a seguinte distribuição dos lucros: Consolidado Proporcional 2012 2011 Lucro Líquido do Exercício Constituição da Reserva Legal Doações e Subvenções Governamentais

116.666 (5.833) (375)

Base para o Cálculo de Dividendos Obrigatórios

98.779 (4.939) (166)

110.458

93.674

Dividendos Obrigatórios (25%) Dividendos Complementares

27.614 27.614

23.418 17.775

Dividendos Propostos (Juros sobre o Capital Próprio)

55.228

41.193

Considerando a participação proporcional da Dominó Holdings S.A., o montante de Juros sobre o Capital Próprio apurado em 2012 de R$41.892 (R$40.793 em 2011). Em razão dos Juros sobre o Capital Próprio não atingirem 50% do lucro líquido do exercício, face ao que estabelece o acordo de acionistas, a Adminstração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, está propondo o pagamento de Dividendos adicionais de R$ 37.199 (R$ 12.800 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), totalizando uma remuneração bruta de R$ 158.944 (R$ 55.228 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) A parcela dos Juros sobre Capital Próprio/Dividendos excedente ao dividendo mínimo obrigatório, no valor de R$ 79.472 (R$ 14.546 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) será mantida em reserva de Patrimônio Líquido da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, até a deliberação da Assembléia Geral Ordinária, quando então, se aprovada será transferida para a rubrica do Passivo Circulante. O montante total de R$ 122.386 (R$ 142.650 em 2011) registrado no Passivo Circulante como Juros sobre o Capital Próprio em 2012, líquido do imposto de renda na fonte, inclui R$ 21.062 (R$ 34.674 em 2011) referente a Dominó Holdings S.A. Os juros sobre o capital próprio, imputados aos dividendos, por ação, foram os seguintes: Ações Preferenciais Ações Ordinárias

2012

2011

0,40993 0,37267

0,30575 0,27796

d) Reserva legal Constituída em conformidade com a Lei das Sociedades por Ações e o Estatuto Social, à base de 5% do lucro líquido de cada exercício, até atingir 20% do capital social integralizado. A reserva legal somente poderá ser utilizada para aumento de capital ou absorver prejuízos acumulados. f) Ajustes de Avaliação Patrimonial Descrição Saldos no início do período Realização dos Ajustes ao Custo Atribuído Realização dos Tributos sobre Ajustes ao Custo Atribuído Saldos no final do exercício

31/12/2012

31/12/2011

8. 781 (2.140)

11.907 (4.738)

727

1.611

7.368

8.780

Constituída em conformidade com o artigo 182 da Lei das Sociedades por Ações, referente aos ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valores atribuídos a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação a valor justo. Foi realizado no exercício, transferindo-se para Lucros Acumulados, o montante de R$1.412, proporcional à participação da Dominó Holdings S.A. (R$3.127 em 2011, proporcional à participação da Dominó Holdings S.A.), líquido do Imposto de Renda e da Contribuição Social. A realização desta conta ocorre na mesma proporção das baixas e depreciações dos bens registrados no ativo imobilizado, aos quais foram atribuídos novos valores. 20 - Acordo de Acionistas O Governador do Estado do Paraná editou o Decreto nº 452, de 13 de fevereiro de 2003, cujo art. 1º indicou a ineficácia do Acordo de Acionistas, datado de 4 de setembro de 1998, firmado entre o Estado do Paraná e a Dominó Holdings S.A., para regular o exercício do direito de voto do Estado na SANEPAR. Adicionalmente, o art. 2º do mencionado Decreto estabeleceu que, em decorrência do art. 1º, ficavam declarados nulos e de nenhum efeito todos os atos, contratos, negócios e deliberações decorrentes do referido Acordo de Acionistas. Contra esse Decreto estadual, a Dominó impetrou Mandado de Segurança que foi denegado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Contra essa decisão, a Dominó interpôs o Recurso Ordinário nº 18.769/PR ao Superior Tribunal de Justiça, e requereu a concessão da Medida Cautelar (MC) nº 8.527/PR para suspender o Decreto estadual e impedir o Estado do Paraná, inclusive por meio de seus representantes no Conselho de Administração e na Assembléia Geral de Acionistas da SANEPAR, de praticar atos que inobservassem, contrariassem ou tendessem a violar o Acordo de Acionistas. Atendendo ao pedido da Dominó, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu a liminar na Medida Cautelar nº 8.527/PR, suspendendo os efeitos do Decreto nº 452/2003 e o processo de aumento de capital com recursos do Adiantamento para Futuro Aumento de Capital. O Estado do Paraná interpôs Agravo Regimental contra essa decisão e a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a liminar concedida, em decisão publicada em 16 de novembro de 2004. O Recurso Ordinário em Mandado de Segurança nº 18.769/PR interposto pela Dominó foi provido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) que consignou a nulidade do Decreto 452/ 03 (que extinguira o Acordo de Acionistas). Esse acórdão foi objeto, por parte do Estado do Paraná, de Recurso Extraordinário, ao qual foi negado seguimento. O Estado do Paraná interpôs então Agravo de Instrumento (AG/RE nº 592.340), ao qual foi igualmente negado seguimento pelo Supremo Tribunal Federal, ensejando a interposição de agravo regimental pelo Estado do Paraná, que foi improvido pela Primeira Turma do STF, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 07.2.08. Tendo em vista a convocação, pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, de Assembléia Geral Ordinária para tratar, entre outros itens, de aumento de capital dessa empresa, constituído por meio de AFACs sob a égide do Decreto nº 452/03, que foi anulado pelo STJ no RMS 18.769, a Dominó interpôs a Reclamação nº 3.016/PR, na qual a Exma. Ministra Relatora Eliana Calmon, da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, concedeu liminar suspendendo a realização da assembléia-geral então designada para o dia 20.10.2008, com o objetivo constante da pauta. A despeito da decisão liminar supra, concedida nos autos da Reclamação nº 3.016, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, convocou nova Assembléia Geral Extraordinária, para o dia 16 de julho de 2009, para deliberar, entre outros assuntos, sobre o aumento de capital da Companhia. Informando a Dominó, nos autos da Reclamação nº 3.016, o descumprimento da liminar, a Ministra Relatora Eliana Calmon, da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, reiterou, mais uma vez, a liminar para suspender a convocação da AGE e a deliberação sobre o aumento de capital. Após a intimação da Procuradoria Geral do Estado do Paraná, da SANEPAR e do Governador do Estado do Paraná, foi interposto pelo Estado do Paraná novo Agravo Regimental, concluso à Ministra Relatora Eliana Calmon. Em 06 de agosto de 2009, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, devido a decisão proferida na Reclamação nº 3.016 que reiterou os termos da liminar e impediu as deliberações sobre o aumento de capital da Companhia, impetrou Mandado de Segurança nº 14.558 contra suposto ato coator da Exma. Ministra Relatora da Reclamação nº 3.016, Eliana Calmon, perante a Corte especial do Superior Tribunal de Justiça, sob relatoria do Ministro Fernando Gonçalves. A petição inicial do Mandado de Segurança foi indeferida de plano. Em sede de Agravo Regimental interposto pela SANEPAR, a Corte Especial do STJ, por unanimidade, negou provimento ao recurso, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 20/04/ 2010. O processo foi arquivado. A Reclamação nº 3.016 foi levada a julgamento em 14/10/2009, e a 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, por 6 votos a 1, julgou-a procedente, nos termos do voto da Ministra Relatora Eliana Calmon. Em face do referido acórdão opôs, o Estado do Paraná, embargos de

Continua...


Publicidade Legal Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A8| Indústria&Comércio

Continuação

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (EM MILHARES DE REAIS)

declaração, que foram rejeitados, por unanimidade, pela 1ª Seção. Contra esse acórdão, o Estado do Paraná opôs novos embargos de declaração. Em 1/10/10 o processo foi atribuído ao Ministro Cesar Asfor Rocha e, conforme julgamento realizado no dia 27/10/2010, rejeitados à unanimidade. O Acórdão proferido no julgamento desses embargos de declaração foi publicado no dia 16 de novembro de 2010. Em 17/2/11, foi certificado o trânsito em julgado. Em 18/2/11, os autos foram arquivados. O Estado do Paraná propôs então Ação Anulatória nº 1.048/2004 contra o Acordo de Acionistas. Ainda em 14 de setembro de 2004, atendendo ao pedido do Estado do Paraná, a 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, concedeu liminar de antecipação de tutela para determinar a suspensão temporária do Acordo de Acionistas. Contra essa decisão, foi interposto pela Dominó o Agravo de Instrumento nº 166.261-7, que foi improvido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, por acórdão objeto de Embargos de Declaração pela Dominó, os quais foram igualmente rejeitados. A Dominó interpôs então Recurso Especial e Recurso Extraordinário, aos quais o Vice-Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná negou seguimento, ensejando, por parte da Dominó, a interposição de Agravos de Instrumento ao Superior Tribunal de Justiça (AG/REsp nº 914.251) e ao Supremo Tribunal Federal (AG/RE nº 663.126). Ambos os Agravos foram providos, determinando-se a subida dos Recursos Especial e Extraordinário. O Recurso Especial foi autuado no Superior Tribunal de Justiça sob o nº 989.937 e o Recurso Extraordinário recebeu o nº 584.532 no Supremo Tribunal Federal. Ambos foram julgados prejudicados em razão da superveniência da sentença e transitaram em julgado. A Ação Anulatória foi julgada procedente confirmando-se a tutela anteriormente concedida e suspensa por decisão do Superior Tribunal de Justiça em Reclamação nº 2.685. Como a apelação da Dominó contra a sentença na Ação Anulatória foi recebida apenas no efeito devolutivo, foi interposto, perante o Tribunal de Justiça do Paraná, Agravo de Instrumento nº 462.778-7, provido por votação unânime da 5ª Câmara Cível do TJPR, conferindo à Apelação nº 484.291-9 o efeito suspensivo pleiteado pela Dominó, em decisão transitada em julgado. A Apelação nº 484.291-9 foi remetida ao Desembargador Revisor José Marcos de Moura com relatório e, após, incluída em pauta, foi julgada procedente, por maioria de votos. Em face do acórdão proferido na Apelação nº 484.291-9 opôs, o Estado do Paraná, Embargos Infringentes, que, devidamente impugnados pela Dominó, foram admitidos pelo Desembargador Luiz Mateus de Lima e distribuídos à 4ª Câmara Cível do TJPR, em composição integral, sob relatoria da Desembargadora Lélia Samardã Giacomet. Remetidos os autos à Procuradoria Geral de Justiça, opinou o Ministério Público pelo provimento dos embargos infringentes, ao passo que, em face desse parecer, apresentou a Dominó nova manifestação infirmando os argumentos do MP. A Dominó apresentou, ainda, petição suscitando o impedimento e, subsidiariamente, a suspeição da Desembargadora Regina Afonso Portes, revisora e membro da 4ª Câmara Cível do TJPR, responsável pelo julgamento dos embargos infringentes. A Desembargadora Revisora Regina Afonso Portes proferiu decisão declarandose impedida para julgar o feito. Com isso, foi designado o Desembargador Luís Carlos Xavier para atuar como revisor, sendo que, após receber os autos, pediu dia para julgamento. Após a elaboração do relatório pela Des. Relatora Lélia Samardã Giacomet, os autos foram conclusos ao Revisor Des. Luís Carlos Xavier. Autos incluídos na pauta de julgamento do dia 8/2/11. Em 7/2/11, as partes apresentaram petição conjunta requerendo o adiamento do julgamento, em razão das tratativas de acordo. Nessa mesma data, foi deferido o pedido de suspensão por 30 dias. Autos incluídos na pauta de julgamento de 15/3/11. Em 11/3/11, foi reiterado o pedido de prorrogação da suspensão do processo. Em 14/3/11, foi deferido o adiamento do julgamento, por mais 60 dias. Em 25/5/11 foi protocolada nova petição conjunta requerendo a prorrogação da suspensão por mais 60 dias. Referido pedido foi deferido em 8/6/11, conforme decisão publicada em 13/6/11. Em 12/8/11, foi protocolada nova petição conjunta requerendo a prorrogação da suspensão por mais 30 dias. Referido pedido foi deferido em 29/8/11, conforme decisão disponibilizada em 31/8/11. Em 30/9/11, foi protocolada nova petição conjunta requerendo a prorrogação da suspensão por mais 60 dias. Em 04/10/11, foi juntada aos autos petição de Jaime Lerner requerendo esclarecimentos das partes quanto às tratativas de acordo, diante de notícia veiculada na imprensa. Em 10/10/11, foi proferido despacho determinando à Dominó e ao Estado do Paraná que prestassem os esclarecimentos solicitados por Jaime Lerner, conforme decisão disponibilizada em 11/10/11. Em 14/10/11, foi protocolada petição pela Dominó esclarecendo que as partes permanecem em tratativas de acordo, razão pela qual, inclusive, foi solicitada a prorrogação da suspensão. Em 17/10/11, o Estado do Paraná protocolou petição para informar que as partes estão em tratativas de acordo, reiterando o pedido de prorrogação do prazo de suspensão. Em 4/11/11, proferido despacho concedendo a prorrogação requerida, conforme decisão publicada em 8/ 11/11. Em 19/1/12, foi protocolada nova petição conjunta requerendo a prorrogação da suspensão por mais 30 dias. Referido pedido foi deferido em 23/1/12, conforme decisão disponibilizada em 30/1/12. Em 22/3/2012 foi proferida decisão deferindo novo pedido de sobrestamento do feito por mais 30 dias. Em 14/5/12 foi reiterado o pedido de suspensão do feito por 30 dias. Em 23/5/12 foi disponibilizada a decisão deferindo o pedido. O pedido foi novamente reiterado em 6/7/12. Em 16/8/12 foi disponibilizada decisão deferindo a suspensão por mais 30 dias. Em 2/10/12 foi certificado o decurso do prazo de 30 dias de suspensão do feito. Em 5/11/12 os autos foram devolvidos pela Des. Relatora Lélia Giacomet com o relatório do julgamento. Em 14/11/12 os autos foram remetidos à Des. Revisora Regina Afonso Portes que reiterou seu impedimento para revisar o feito. Em 14/12/12 foi proferido despacho pela Relatora determinando a remessa dos autos à Seção de Distribuição para a regularização do Revisor, ante o equivoco cometido, ressaltando que o Desembargador Luiz Carlos Xavier é o Revisor do recurso. Em 17/12/12 os autos foram remetidos à Seção de Distribuição. Há contra a Dominó e outros Réus (inclusive um ex-governador do Estado do Paraná), Ação de Improbidade nº 1.476/2004, ajuizada pelo Ministério Público do Paraná em dezembro de 2004, junto à 2ª Vara de Fazenda Pública do Estado do Paraná, que não apresenta pedido de liminar. Em juízo de admissibilidade, as preliminares arguidas em defesa prévia não foram acolhidas, determinando-se o regular processamento do feito. Essa decisão foi objeto de Agravo de Instrumento por parte da Dominó (AI nº 434.106-0), processado sem efeito suspensivo e ao qual foi negado provimento por acórdão objeto de Embargos de Declaração pela Dominó, que restaram rejeitados, ensejando a interposição de recursos especial e extraordinário pela Dominó, inadmitidos em juízo de admissibilidade pelo Presidente do TJPR, de que decorreu a interposição de Agravos de Instrumento aos Tribunais Superiores. A Ministra Relatora Eliana Calmon, da 2ª Turma do STJ, deu provimento ao AIREsp nº 1.154.191, determinando o processamento do Recurso Especial e a respectiva subida dos autos principais ao Superior Tribunal. O Recurso Especial foi autuado no STJ sob o n.º 1.186.389, e distribuído por prevenção do processo 2009/0039142-5, para Ministra Eliana Calmon - Segunda Turma. O Ministério Público Federal apresentou parecer opinando pelo não conhecimento do recurso. Em 10/09/2010 a relatoria do processo foi atribuída ao Ministro Cesar Asfor Rocha, tendo em vista que a Ministra Eliana Calmon assumiu a posição de Corregedora Nacional de Justiça. Em 13/6/2012 foi publicada a inclusão do recurso na pauta da sessão de julgamento do dia 19/6/2012. Em 19/6/2012 o julgamento foi adiado por indicação do Relator. Em 21/6/2012 após o voto do Relator, conhecendo em parte do recurso e, nessa parte, dando-lhe provimento, pediu vista dos autos o Ministro Herman Benjamin. Em 26/6/2012 os autos foram remetidos ao gabinete do Ministro Herman Benjamin. Quanto ao AIRE nº 745.908, após cadastro dos autos no STF, foi proferida decisão determinando o sobrestamento do feito até decisão no Recurso Especial em trâmite perante o STJ. Em 09/5/ 12 o Recurso foi distribuído ao Ministro Cezar Peluso. Na ação de improbidade foi apresentada contestação pela Dominó. Saneado o processo, as partes formularam quesitos, a Dominó apresentou impugnação aos quesitos do Ministério Público. Foram indeferidos quesitos da Dominó por despacho objeto de agravo retido e depositados os honorários periciais por essa ré. Apresentadas petições pelo Ex-Governador Jaime Lerner e por Giovani Gionédis, co-réus na ação, requerendo a suspensão do feito até decisão final na ação anulatória nº 1.048/2004, tal pleito foi indeferido. Iniciada a realização de prova pericial, solicitou o Sr. Perito Judicial a liberação de 50% dos honorários periciais depositados, deferida pelo Juízo da 2ª Vara da Fazenda Pública. Após a apresentação do laudo pericial e a manifestação das partes sobre este, foi designada audiência de instrução e julgamento para o dia 25/08/2010, às 14hs00min. Jaime Lerner arrolou para oitiva em audiência a testemunha Carlos Alberto Teixeira de Freitas, ex-diretor Presidente da SANEPAR. Giovani Gionédis arrolou as seguintes testemunhas: 1) Norton José Siqueira Silva, ex Secretário de Estado da Fazenda do Paraná; 2) Walter Alves de Souza, ex Secretário Municipal de Administração de Curitiba. O Ministério Público do Estado do Paraná protocolou petição declarando não pretender produzir outras provas. Em 24/08/2010 Jaime Lerner protocolou petição informando a impossibilidade de comparecer na audiência de instrução e julgamento. Em razão dessa última petição, foi proferida decisão suspendendo a realização da audiência prevista para o dia 25/08/2010. Posteriormente, foi designada nova audiência de instrução e julgamento para o dia 08/11/2010, às 14hs00min. Em 14/10/2010 a Dominó protocolou petição juntando o laudo pericial da Ação Indenizatória 77/2008 e requerendo a improcedência da ação. Da petição e documentos juntados pela Dominó, foram as partes intimadas na data de 25/10/2010. Devidamente cumprido o mandado de intimação do Sr. Carlos Alberto Teixeira de Freitas, a testemunha compareceu aos autos para informar a impossibilidade de comparecimento na audiência a realizar-se no dia 8/11/ 2010. Em 03/11/2010, o Estado do Paraná protocolou petição requerendo a expedição de ofício para intimação do Governador, para que informe a data, horário e local para ser ouvido. Nessa mesma data, foi protocolada petição por Giovani Gionédis manifestando-se sobre o laudo pericial juntado aos autos pela Dominó, para reafirmar o pedido de improcedência da lide. Em 05/11/2010, foi proferido despacho para suspender a realização da audiência até a oitiva do Governador, a ser realizada em data, horário e local a serem por ele definidos, mediante expedição de ofício. Em 7/2/2012 foram expedidos ofícios ao Governador do Estado do Paraná, Sr. Carlos Alberto Richa e ao Procurador Geral de Justiça do Estado do Paraná, Sr. Olympio de Sá Sotto Maior Neto, a fim de que ambos informem a data, horário e local para serem inquiridos. Em 7/5/2012 foi proferido despacho determinando a renovação do Ofício à Procuradoria Geral de Justiça, em razão da assunção de novo Procurador Geral. Em 11/5/2012 foi expedido Oficio nº. 784/2012 solicitando ao Procurador Geral de Justiça do Estado do Paraná, Sr. Gilberto Giacoia, que designe dia, hora e local para ser inquirido. Em 10/9/2012 foi juntada manifestação do Ministério Público requerendo a expedição de Ofício para oitiva do Dr. Milton Riquelme do Santos, e não do novo Procurador Geral do Estado e do Sr. Rubens Requião de Mello e Silva, e não do novo Governador do Estado. Em 18/10/2012 foi proferido despacho deferindo o pedido ministerial. Em 29/10/2012 foram protocoladas petições por Jaime Lerner e Giovani Gionédis desistindo da oitiva das testemunhas arroladas. Foi ainda ajuizada contra a Dominó e outros, a Ação Popular nº 1.218/2004 perante a 2ª Vara da Fazenda Pública do Estado do Paraná, em que se pretende impugnar ato administrativo praticado, de comum acordo, entre o Estado do Paraná e a Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR, com a anuência de seu acionista majoritário (representado exatamente pelo Estado do Paraná), que recompôs o equilíbrio econômico-financeiro da Companhia e a bonificação de ações decorrente desse reequilíbrio. Na ação, requer-se ainda que a Dominó restitua ao Estado do Paraná suposta vantagem que teria obtido em decorrência dessa bonificação de ações (bonificação que alcançou, proporcionalmente ao número de ações, todos os acionistas da SANEPAR e, portanto, também o Estado do Paraná e os demais acionistas minoritários). Não há pedido de liminar na referida ação. A Dominó ofereceu contestação e especificou provas. Foi determinada a inclusão do Estado do Paraná no pólo ativo. O Juiz, por sua vez, indeferiu o pedido de citação de litisconsortes necessários, decisão esta objeto de agravo retido pela Dominó. Em face da decisão que afastou a preliminar de inépcia da inicial e deferiu a produção de prova oral e pericial contábil foram opostos pela Dominó embargos de declaração, rejeitados, ensejando a interposição de agravo retido por esta. O Sr. Perito apresentou proposta de honorários, que foi objeto de impugnação por Ingo Hubert e Pedro Henrique Xavier. O Juiz proferiu despacho homologando a proposta do Sr. Perito, tendo a Dominó concordado com o cronograma de depósito dos honorários. Quesitos apresentados pelas partes e iniciados os trabalhos periciais, aguarda-se conclusão da perícia. Adicionalmente, foi proposta pela Dominó a Ação Cautelar nº 510/2005, em curso também junto à 2ª Vara da Fazenda Pública do Estado do Paraná, visando restabelecer o direito (violado em Assembléia Geral Ordinária) de a Dominó ser representada por três conselheiros no Conselho de Administração, conforme lhe assegura o Edital de Leilão das ações da SANEPAR. Determinou-se a manifestação do Estado do Paraná antes da apreciação do pedido liminar. A Dominó propôs também a Ação Principal nº 634/2005 correlata a essa Medida Cautelar para o fim de anular a Assembléia Geral Ordinária em que se lhe negou a representação assegurada pelo Edital de Leilão. Não houve apreciação do pedido liminar. Após a oitiva das testemunhas da Dominó, e apresentadas as alegações finais, os autos foram conclusos para sentença. Em 2/9/11, foi proferida sentença, julgando procedente a pretensão deduzida na petição inicial da Ação Ordinária, para o fim de anular a assembleia geral ordinária realizada no dia 25 e 26 de abril de 2005, bem como respectiva ata, nos termos da fundamentação, e condenando os réus, solidariamente, no pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, arbitrados em R$ 2.000,00 (dois mil reais). A Ação Cautelar, por seu turno, foi extinta sem resolução do mérito, em face da prolação da sentença na ação principal, tendo sido fixados honorários de R$ 2.000,00 a serem pagos pelos réus, juntamente com as custas. Em 6/9/11, foi publicada a sentença. Em 26/9/11, foi interposto recurso de apelação pela SANEPAR. Em 11/10/11, foi interposto recurso de apelação pelo Estado do Paraná. Em 24/10/11, foi proferida decisão recebendo os recursos interpostos pelos réus com efeito suspensivo, intimando-se a Dominó para apresentar contrarrazões. Em 31/10/11, foi publicada a decisão supra. Em 16/11/11, foram protocoladas pela Dominó contrarrazões de apelação da SANEPAR e contrarrazões de apelação do Estado do Paraná. Em 19/3/2012 os autos foram remetidos ao Tribunal de Justiça. A Apelação foi autuada sob o nº 902777-2 e distribuída por prevenção ao Desembargador Luiz Mateus de Lima, da 5ª Câmara Cível. Em 7/8/2012 a 5ª Câmara Cível, por unanimidade de votos, conheceu

e negou provimento aos apelos 1 e 2, mantendo a sentença em reexame necessário e por maioria de votos conheceu e negou provimento ao agravo retido. O Estado do Paraná e a Sanepar opuseram embargos de declaração. Em 13/12/2012 foi publicado o acórdão que rejeitou os embargos de declaração. Em 9/1/2006, a Dominó impetrou Mandado de Segurança nº 327.079-5 com pedido de liminar perante o Tribunal de Justiça do Paraná para suspender e anular ato abusivo e ilegal do Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa do Paraná e da Mesa da Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, consubstanciado no Decreto Legislativo n.º 001/2005, que anulou o acordo de acionistas referente à Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR. O Órgão Especial do TJPR concedeu a segurança ao Mandado de Segurança nº 327.079-5, por maioria de votos, sendo vencido somente o Desembargador Antônio Lopes de Noronha. Publicado o acórdão, o Estado do Paraná opôs embargos de declaração nº 327.079-5/06, rejeitados à unanimidade pelo Órgão Especial do TJPR. Em 19/10/2009, a decisão que concedeu a segurança transitou em julgado. Finalmente, em 14/01/2008, foi ajuizada pela Dominó ação ordinária com pedido de indenização por ato ilícito nº 77/2008, com o fito de condenar o Estado do Paraná ao pagamento de indenização pelos atos abusivos praticados como acionista majoritário da Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR. A Dominó apresentou réplica e indicou as provas que pretendia produzir. O processo foi saneado e foi nomeado como perito judicial o Dr. Cesar Villaça Lins para atuar no feito. As partes formularam quesitos e a Dominó indicou como assistente técnico o Dr. Jarbas T. Barsanti Ribeiro. Após a apresentação do laudo pericial e do parecer técnico do Dr. Jarbas T. Barsanti Ribeiro foi publicado despacho intimando as partes a se manifestarem sobre o laudo do perito. Foi apresentado parecer técnico pelo assistente técnico da Dominó, Dr. Jarbas T. Barsanti Ribeiro, bem como parecer divergente pelo Estado. Após a decisão que encerrou a instrução processual, foram apresentadas alegações finais pela Dominó Holdings e pelo Estado do Paraná. O julgamento foi convertido em diligência, abrindo-se vista ao Ministério Público. Em 27/4/11, os autos foram devolvidos pela Promotora Lais Letchacovski, opinando pela improcedência do pedido. Em 8/7/11, foi proferido despacho nos seguintes termos: “Considerando notícias veiculadas na imprensa acerca de eventual composição amigável entre as partes e o encerramento das inúmeras demandas judiciais existentes, manifestem-se autor e réu, no prazo de 15 (quinze) dias, sobre o interesse no prosseguimento do feito. Intimem-se. Diligências necessárias”. Referida decisão foi publicada no dia 28/9/11. Em 13/10/11, a Dominó protocolou petição esclarecendo que ainda não foi realizado um acordo definitivo com o Estado do Paraná, razão pela qual persiste o interesse processual em obter a prestação jurisdicional sobre a pretensão veiculada na inicial. O Estado do Paraná também protocolou petição informando a não conclusão do acordo e reiterando o pedido de improcedência da ação. Em 19/1/12 a Dominó protocolou petição requerendo a juntada da sentença de procedência da ação ordinária 634/2005 e da cautelar 510/2005. Em 12/11/12 foi publicado despacho indagando as partes a respeito de eventual acordo extrajudicial envolvendo os direitos perseguidos na demanda. 21. Programa de Participação nos Resultados A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR provisionou o montante de R$19.868 (R$6.904 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) a título de Participação nos Resultados do exercício de 2012, o qual encontra-se registrado na conta de Salários e Encargos Sociais, no passivo circulante. Em agosto de 2012, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR efetuou o registro contábil do complemento da provisão do Programa de Participação nos Resultados referente ao exercício de 2011, aprovado em Reunião da Diretoria nº 26/2012 de 10/07/2012 e 5ª Reunião Extraordinária do Conselho de Administração de 10/07/2012 com anuência da Procuradoria Geral do Estado – PGE, no montante de R$4.555 (R$1.583 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). Adicionalmente a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR deve submeter previamente à Procuradoria Geral do Estado a respectiva proposta, indicando claramente: a origem dos resultados; o valor total que pretende distribuir; os ganhos nos índices de produtividade, qualidade ou lucratividade; a avaliação das metas, resultados e prazos pactuados previamente para o período; a evolução dos índices de segurança no trabalho e a evolução dos índices de assiduidade. O pagamento depende de aprovação da Procuradoria Geral do Estado e da Assembléia Geral Ordinária. 22. Partes Relacionadas O Estado do Paraná possui, em 31/12/2012, os seguintes créditos junto a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR: • Créditos para Aumento de Capital, registrado no Passivo Não Circulante, no montante de R$984.713, conforme demonstrado na nota 13, e Juros sobre o Capital Próprio do exercício de 2004 registrado no passivo circulante, no valor de R$ 49.942, cujo montante devido ao Estado do Paraná é de R$ 1.034.655; • Juros sobre o Capital Próprio do exercício de 2012, no montante de R$63.291 e dividendos adicionais propostos de R$ 19.339 totalizando R$ 82.630. Este valor depende de aprovação da Assembléia Geral Ordinária. Além disso, as transações com partes relacionadas são relativas ao fornecimento de água e serviços de esgoto, providos ao Estado do Paraná, cuja receita montou de R$58.891 (R$20.463 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$49.020 (R$17.033 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) para os exercícios de 2012 e 2011, respectivamente. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR também possui transações com a Dominó Holdings S.A. referente a Juros sobre o Capital Próprio no montante de R$35.608 e dividendos adicionais propostos de R$12.800 totalizando R$48.408, sendo que este valor depende de aprovação da Assembleia Geral Ordinária. Os custos com energia da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, os quais são gerados pela Companhia Paranaense de Energia – COPEL (uma das acionistas da Dominó Holdings S.A e controlada pelo Estado do Paraná) foram de R$184.236 (R$64.017 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$167.415 (R$58.172 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), durante os exercícios de 2012 e 2011, respectivamente. Essas operações de vendas e compras têm sido realizadas, aplicando-se as mesmas condições daquelas realizadas com terceiros. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR também transaciona com diversas Prefeituras Municipais do Estado do Paraná o fornecimento de água e a coleta e tratamento de esgoto sanitário, com as quais mantêm contratos de concessões e contratos de programas municipais para prestação de serviços de distribuição de água e coleta e tratamento de esgoto, cuja receita, com esses órgãos municipais, durante o exercício de 2012 montou R$62.442 (R$21.697 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). No exercício de 2011, esta receita montou R$47.221 (R$16.408 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). Essas operações são consideradas, pela administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, como normais de mercado, exceto para algumas Prefeituras Municipais que possuem descontos nas faturas de fornecimento de água e esgotamento sanitário, dependendo do consumo máximo estabelecido em cada contrato especial com o poder público, para obtenção do benefício. Quanto a forma de liquidação financeira desses créditos, além do pagamento na rede bancária autorizada, poderá acontecer por intermédio de encontro de contas com as prefeituras devedoras que possuam créditos junto a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Remuneração dos Acionistas A remuneração global anual dos administradores da Dominó Holdings S.A. para o exercício findo em 31 de dezembro de 2012, foi aprovada pela Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 25 de abril de 2012, no valor de um salário mínimo vigente no país, por mês, para cada um dos membros titulares do conselho e para cada conselheiro fiscal. A remuneração global anual dos administradores para o exercício findo em 31 de dezembro de 2012 foi aprovada pela 48ª/2012 Assembleia Geral Ordinária de 25 de abril de 2012, no montante global de R$7.872 (R$2.735 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), sendo efetivamente pago a quantia de R$6.468 (R$2.247 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). Para o exercício de 2011 a aprovação se deu pela 47ª/2011 A.G.O. de 27/04/ 2011, no montante de R$5.926 (R$2.059 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e pagamento efetivo de R$5.695 (R$1.979 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). 23. Receitas Operacionais A composição das receitas operacionais, por natureza, é a seguinte: Consolidado Proporcional Descrição 2012 2011 Receitas Receitas de Água 506.787 415.833 Receitas de Esgoto 250.675 205.567 Receitas de Serviços 26.364 23.107 Receitas de Resíduos Sólidos 1.600 1.455 Serviços Prestados a Prefeituras 1.483 768 8.689 5.032 Outras Receitas 795.599 651.762 Totais das Receitas Operacionais Deduções das Receitas Operacionais COFINS PASEP Totais das Deduções Totais das Receitas Operacionais, líquidas 24. Custos dos Produtos e Serviços A composição dos custos, por natureza, é a seguinte: Descrição Pessoal Materiais Energia Elétrica Serviços de Terceiros Depreciações e Amortizações Outros Custos Totais

Água 55.550 19.091 59.576 30.939 26.351 18.495 210.002

(47.468) (10.305) (57.773) 737.825

(38.062) (8.263) (46.325) 605.437

Consolidado Proporcional 2011 Total Água Esgoto Total 72.945 45.714 13.738 59.452 26.070 17.463 5.710 23.174 64.775 54.076 5.224 59.301 49.948 27.828 16.093 43.920 46.704 27.704 18.951 46.654 24.096 14.758 5.198 19.956 284.538 187.543 64.914 252.457

2012 Esgoto 17.395 6.979 5.199 19.009 20.352 5.602 74.536

25. Despesas Comerciais e Administrativas A composição destas despesas, por natureza, é a seguinte: Descrição Comerciais Pessoal Materiais Serviços de terceiros Depreciações e amortizações Perdas na realização de créditos Outras despesas Totais das despesas comerciais Descrição Administrativas Pessoal Materiais Serviços de terceiros Depreciações e amortizações Perdas na Realização de Créditos Outras despesas Transferências para custos e despesas comerciais (a) Despesas capitalizadas (b) Totais das despesas administrativas Descrição Outras Despesas Operacionais Despesas Baixa de Ativos Outras despesas Receitas Venda de Ativos Totais de Outras Despesas Operacionais, líquidas

Consolidado Proporcional 2012 2011

Controladora 2012 2011 -----------------

------------------

Controladora 2012 2011 81 1.175 123 1.379 -----------------

58 1.570 123 1.751 -----------------

Controladora 2012 2011 -

-

-

-

23.510 19.121 1.187 1.116 12.195 10.901 1.721 1.863 4.086 3.744 10.140 9.962 52.839 46.707 ------------------ -----------------Consolidado Proporcional 2012 2011 124.587 8.868 32.477 3.223 1 16.100

96.204 7.883 18.594 2.982 10.459

(27.108) (25.725) (19.754) (13.691) 138.394 96.706 ------------------ -----------------Consolidado Proporcional 2012 2011 (1.669) (3.202) (268) (400) -

265

(1.937) (3.337) -------------------------------------------------- -----------------a) Estes valores são primeiramente registrados como despesas administrativas e posteriormente transferidos para custos e despesas comerciais; b) Estes valores referem-se aos gastos administrativos capitalizados, por se relacionarem com

projetos e obras em andamento, alocados diretamente pelas Unidades de Serviços. 26. Resultado Financeiro Consolidado Controladora Proporcional 2012 2011 2012 2011 Descrição Receitas financeiras Variações monetárias e cambiais ativas 2.018 1.485 Aplicações financeiras 352 234 7.319 6.377 13 1.510 767 Outras receitas financeiras Totais das receitas financeiras 365 234 10.847 8.628 Despesas financeiras Juros e taxas de financiamentos e de debêntures Variações monetárias e cambiais passivas Outras despesas financeiras e fiscais Totais das despesas financeiras Totais das receitas (despesas) financeiras e fiscais, líquidas

(25)

-

(25.233)

(27.195)

-

-

(25.832)

(20.973)

(3.887) (3.912)

(3.777) (3.777)

(7.287) (58.352)

(8.011) (56.180)

(3.547) (3.543) (47.505) (47.552) ------------------ ------------------ ----------------------------------27. Instrumentos Financeiros e Riscos a) Classificação e valor justo dos instrumentos financeiros Pela natureza da sua operação e instrumentos financeiros existentes em 31 de dezembro de 2012 e de 2011, a Administração da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e Dominó Holdings S.A.., consideram que os valores contábeis dos ativos financeiros e passivos financeiros reconhecidos nas demonstrações financeiras se aproximam dos seus valores justos. Controladora Consolidado em Conjunto Porporcional Descrição 2012 2011 2012 2011 Ativos Financeiros Caixa e Equivalentes de caixa Contas a Receber de Clientes, líquido Total Passivos Financeiros Empréstimos, Financiamentos e Debêntures Empreiteiros e Fornecedores Título a Pagar

8.568

1.060

84.726

49.808

8.568

1.060

121.935 206.661

103.308 153.116

-

-

333.742 35.433 2.188

329.809 28.884 2.069

Total 371.363 360.762 ---------------------------------------------------- -----------------Caixa e Equivalentes de Caixa: os montantes divulgados no balanço patrimonial, aproximamse do valor justo. O saldo refere-se, basicamente, a aplicações financeiras com características de curto prazo de alta liquidez, realizadas na Caixa Econômica Federal, em fundos de renda fixa, cuja carteira é composta em sua maioria de títulos públicos do Governo Federal. Depósitos Vinculados: Os depósitos vinculados de longo prazo referem-se a programas da Agência Nacional da Água – ANA no valor de R$5.550 (R$1.928 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$5.196 (R$1.805 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011), bem como as reservas mantidas junto à Caixa Econômica Federal, mencionada na nota 12a, no valor de R$ 8.426 (R$2.927 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$7.884 (R$2.739 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011), e R$10.511 (R$3.652 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$7.932 (R$2.756 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011), mencionada na nota 12. Contas a Receber: os montantes divulgados no balanço patrimonial para contas a receber aproximam-se de seus valores de mercado, considerando as provisões constituídas e a ausência de atualizações monetárias sobre a parcela vencida das contas a receber. O saldo de contas a receber de clientes a curto e longo prazo decorrente de parcelamentos foi ajustado a valor presente. Os parcelamentos das contas de particulares são atualizados pela SELIC, acrescida de taxa de administração e de risco e os das contas de órgãos públicos com base nos juros da poupança de 6% ao ano. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR adotou para cálculo do Ajuste a Valor Presente a taxa SELIC para as contas de particulares e os juros da poupança para as contas de órgãos públicos. A movimentação do Ajuste a Valor Presente foi a seguinte: Consolidado Proporcional 2012 2011 (589) (687) 183 98 (406) (589)

Descrição Saldos no Início do Exercício Ajuste a Valor Presente Saldos no Final do Exercício

Contas a Pagar: as contas a pagar a empreiteiros e fornecedores são compromissos vencíveis em um prazo máximo de 30 (trinta) dias, sendo, em razão disso, reconhecidos como valor justo. O prazo médio de pagamentos praticado pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR é de 26 (vinte e seis) dias. Empréstimos, Financiamentos e Debêntures: são contabilizados ao valor justo no início da operação, líquidos dos custos das transações incorridas e, subsequentemente, mensurados pelo custo amortizado. Qualquer diferença entre os valores captados (líquidos dos custos da transação) e o valor de liquidação é reconhecida na demonstração do resultado durante o período em que os empréstimos e financiamentos estejam em andamento, utilizando o método da taxa de juros efetiva, e não incluem encargos futuros em seus saldos. As características e taxas de atualização estão descritas na nota 12, e não representam riscos adicionais para a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR neste momento. Todos os empréstimos e financiamentos, em 31/12/2012, estão relacionados aos investimentos no ativo imobilizado e intangível. Obrigações Contratuais: em relação à 2ª emissão de debêntures simples em emissão privada, não-conversíveis em ação, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR deve manter, durante toda a vigência e até o vencimento final, os seguintes índices: dívida líquida/EBITDA igual ou inferior a 3,0; EBITDA/ROL igual ou superior a 35%; EBITDA/Serviço da Dívida igual ou superior a 1,5. As debêntures da 2ª Emissão contam com garantia real, consubstanciada na cessão fiduciária dos direitos creditórios emergentes da prestação dos serviços de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto, em valor correspondente à parcela mensal de R$29.000, corrigido anualmente pelo IPCA, com data-base de maio de 2011. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR firmou no ano de 2007, três contratos de financiamento com o BNDES e deve manter os seguintes índices econômicos-financeiros, apurados anualmente com base nas Demonstrações Contábeis: cobertura do serviço da dívida igual ou maior que 1,5; margem EBITDA igual ou maior que 35%; dívida bancária líquida/ EBITDA menor ou igual a 3; grau de endividamento menor ou igual a 70%. Os financiamentos contam com vinculação da receita da prestação dos serviços de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto em valor mensal não inferior a R$14.100, corrigidos anualmente pelo IPCA, com data-base de dezembro de 2007. Além disso, os financiamentos estabelecem a necessidade de se manter uma conta reserva, com movimentação exclusiva pelo banco depositário, na qual ficam depositados valores que não podem ser inferiores ao montante equivalente à soma das prestações de amortização do principal e acessórios da dívida, vencíveis nos 3 meses seguintes e cujo saldo em 31 de dezembro de 2012 é de R$10.511 (R$3652 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$7.932 (R$2756 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011). Em 31 de dezembro de 2012, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR está atendendo integralmente às cláusulas restritivas estipuladas quando da emissão das debêntures e financiamento do BNDES. Outras Contas: segundo nosso conhecimento e julgamento, nenhuma outra conta contábil apresenta diferenças relevantes entre os valores registrados contabilmente pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e seus valores prováveis de realização e de mercado Em 31 de dezembro de 2012. Também não conhecemos nenhum fato relevante ou evento subsequente a esta data, que possa impactar de forma significativa os montantes registrados. Risco de negócio: O negócio da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR referese basicamente a captar, tratar e distribuir água, coletar e tratar esgotos sanitários para 345 sedes municipais operadas no Estado do Paraná e 01 sede municipal no Estado de Santa Catarina, para as quais a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR detêm as respectivas concessões municipais, atendendo aproximadamente 10,2 milhões de pessoas com água tratada e 6,3 milhões com o serviço de coleta e tratamento de esgoto. Existem diversos riscos associados, normais ao ramo de negócio da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, porém todos administrados ou amenizados de forma a não impactar, significativamente, os resultados das operações da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Estes riscos são basicamente associados aos seguintes fatores: Risco de Taxa de Juros: risco de taxas de juros é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro flutue devido a variações nas taxas de juros de mercado. A exposição da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR ao risco de mudanças nas taxas de juros de mercado refere-se, principalmente, às obrigações de longo prazo sujeitas a taxas de juros variáveis. Este risco é proveniente da possibilidade da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR vir a incorrer em perdas por conta de oscilações nas taxas de juros que aumentem as despesas financeiras relativas a empréstimos e financiamentos. A composição dos empréstimos e financiamentos da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR expressos em reais sujeitos à taxa de juros variável e fixa estão apresentados abaixo: Consolidado Proporcional 2012 2011 Indexador TR TJLP

723.662 236.817

751.406 197.754

960.479

949.160

Análise de Sensibilidade a taxa de juros: a seguir é apresentado o cálculo de sensibilidade a uma possível mudança na taxa de juros sobre os principais empréstimos e financiamentos sujeitos a taxas de juros variáveis, que possam gerar impactos significativos para a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Se as taxas de juros sobre os empréstimos mantidos em reais variassem em torno de 25% e 50% a mais ou menos, com todas as outras variáveis mantidas constantes, o efeito no lucro antes dos impostos teria sido de R$ 2.177 e R$4.354 a mais ou a menos, principalmente em decorrência de despesas de juros mais baixas ou mais altas nos empréstimos de taxa variável conforme descrito abaixo: Descrição Paraná urbano II Caixa Econômica Federal – CEF Banco do Brasil S/A Debêntures Debêntures 2ª Emissão BNDES Efeitos no Lucro antes da Tributação

Indexador

+ 25%

-25%

+50%

-50%

TJLP TR TR TJLP TJLP TJLP

(50) (391) (60) (310) (275) (1.091)

50 391 60 310 275 1.091

(100) (782) (120) (620) (550) (2.182)

100 782 120 620 550 2.182

(2.177)

2.177

(4.354)

4.354

Risco de Crédito: praticamente toda a população do Estado é cliente da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Considerando nosso tipo de negócio não efetuamos nenhuma análise de crédito, adotando a prática de corte no abastecimento no caso de inadimplência. O nível de perdas na realização das contas a receber é considerado normal para o setor de saneamento. A prática do corte de abastecimento não é aplicada ao Poder Público, entretanto, a Administração vem concentrando esforços no sentido de reduzir os níveis de inadimplência, por meio de negociações com as prefeituras devedoras e a viabilização da prática de encontro de contas com aquelas que possuam créditos junto à Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, caso não haja acordo, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR ingressa com cobrança judicial. Risco de Concessão: os resultados da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR dependem da manutenção das concessões nos municípios em que opera, geralmente os contratos de concessão e contratos de programas têm prazo de duração de 30 anos. Nesses contratos há previsão de cumprimento de metas de ampliação e manutenção dos sistemas de água e esgoto, relacionadas aos índices de atendimento com rede de abastecimento de água e atendimento com rede coletora de esgoto. Em algumas situações, o município concedente

Continua...


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A9 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (EM MILHARES DE REAIS)

Continuação

tem o direito de rescindir os contratos antes de seu término ou ainda não autorizar a sua renovação, mediante indenização dos saldos de investimentos ainda não depreciados/amortizados. Derivativos: Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR e a Dominó Holdings S.A. não possuem contratos de troca de índices (SWAP) ou operações que possam ser caracterizadas como instrumentos financeiros com derivativos, muito menos em aplicações de caráter especulativo ou outros ativos de riscos, e nem suas operações de mercado e de empréstimos e financiamentos estão expostas as flutuações de moedas estrangeiras, não necessitando realizar proteção cambial (hedge). 28. Plano de Aposentadoria e de Assistência Médica A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR é patrocinadora da Fundação Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR de Previdência e Assistência Social – FUSAN, pessoa jurídica sem fins lucrativos, com a finalidade principal de administrar o plano de aposentadoria que objetiva suplementar os benefícios previdenciários aos empregados da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. O plano de aposentadoria administrado pela FUSAN, tem as seguintes características principais: i) aposentadorias programadas, as quais são tratadas como contribuição definida; ii) benefícios de risco (aposentadoria por invalidez, pensão por morte, pecúlio por morte, auxílio-doença e acidente) como benefício definido. Neste exercício a Patrocinadora repassou o montante financeiro de R$21.376 (R$7.428 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$17.805 (R$6.187 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011) como contribuição à FUSAN. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR também é patrocinadora da Fundação Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR de Assistência Social, entidade sem fins lucrativos, que têm como atividade principal a administração do plano de saúde destinado aos colaboradores da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, ativos e aposentados, denominado SaneSaúde. O SaneSaúde é um plano coletivo de assistência médica e odontológica, de autogestão, custeado mediante pré-pagamento, sendo as contribuições efetuadas em média 63,6% pela patrocinadora e 36,4% pelos participantes ativos e aposentados, por meio de contribuições mensais definidas no regulamento do plano, as quais são determinadas anualmente, com base em cálculos atuariais, que leva em consideração as faixas etárias de cada participante, e a existência de fatores moderadores de utilização dos serviços oferecidos. A título de contribuição para esta Fundação, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR repassou financeiramente, neste exercício, o montante de R$33.117 (R$11.507 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) e R$28.540 (R$9.917 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A. em 2011). As reservas técnicas para fins de atendimento às normas estabelecidas pela SPC – Secretaria de Previdência Complementar são determinadas por atuário externo, contratado pela FUSAN (ATU-VERITA - Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda.), a qual emitiu parecer datado de 06 de fevereiro de 2012, sem apresentar nenhum comentário que representasse qualquer risco adicional ou ressalva aos procedimentos adotados pela administração da FUSAN. Adicionalmente, para fins de atendimento às determinações, contidas no CPC 33, aprovado pela Deliberação 600 da CVM, foi contratada a Actuarial – Assessoria e Consultoria Atuarial S/C Ltda., que emitiu relatório detalhado, suportando as informações incluídas nesta nota. A seguir está demonstrada a posição atuarial dos passivos relacionados ao plano de aposentadoria e plano de assistência médica. O Método da Unidade de Crédito Projetada (PUC) foi utilizado para apuração da obrigação atuarial: Demonstração do passivo atuarial: Descrição Valor Presente das Obrigações Atuariais, Total ou Parcialmente, Cobertas Valor Justo dos Ativos Valor Líquido dos Ganhos e (Perdas) Atuariais Totais Curto Prazo Longo Prazo Apuração do passivo atuarial: Descrição Valor presente da obrigação no início do ano Custo de juros sobre a obrigação Custo de serviço passado não reconhecido Custo do serviço corrente Benefícios pagos no exercício Ganhos e (Perdas) atuariais do exercício Obrigação total no exercício de 2012 Valor justo dos ativos do plano no início do ano Juros sobre os ativos do plano Contribuição dos participantes Contribuição da patrocinadora Benefícios pagos no exercício Ganho sobre os ativos do plano no exercício Valor justo dos ativos no exercício Passivo reconhecido no final do exercício

Plano de Plano de Assistência Aposentadoria Médica

2012

2011

236.917 (147.705)

138.412 (1.617)

375.329 (149.321)

311.465 (122.637)

32.223 121.435

40.353 177.148

72.576 298.584

18.482 207.310

8.096 113.339

11.810 165.338

19.906 278.678

13.821 193.489

Plano de Plano de Assistência Aposentadoria Médica

2012

2011

205.797 23.152

124.150 13.966

329.947 37.119

292.315 32.886

784 (14.538)

4.123 (3.069)

4.906 (17.607)

5.608 4.187 (15.604)

53.945

39.595

93.540

10.555

269.140

178.765

447.905

329.947

(120.639) (13.572) (1.276) (5.035) 14.538

(1.999) (225) (3.220) 3.069

(122.637) (13.797) (1.276) (8.255) 17.607

(118.097) (13.286) (1.124) (8.053) 15.604

(21.721)

758

(20.963)

2.319

(147.705)

1.617

(149.321)

(122.637)

121.435

177.148

298.584

207.310

Reconciliação do valor justo dos ativos do plano e da obrigação atuarial: Ativos do Plano Ativo bruto em 31/12/2012 Exigível operacional Exigível contingencial Fundo Previdencial – Desligamentos Fundo de investimentos Fundo administrativo Ativo Previdenciário Líquido Fundos individuais (CD) Patrimônio dos Participantes e de Outras Patrocinadoras Valor Justo dos Ativos em 31/12/2012

Plano de Aposentadoria 344.947 (1.742) (2.933) (150) (694) (306) 339.122 (186.824) (2.977) 149.321

A seguir descrevemos as premissas utilizadas na avaliação atuarial: Hipóteses Econômicas Taxa de Desconto 9,75% ao ano Taxa de Retorno Esperado dos Ativos 9,75% ao ano Crescimentos Salariais Futuros 3,53% ao ano Inflação 5,50% ao ano Crescimento dos Custos Médicos 8,65% ao ano Hipóteses Demográficas Tábua de mortalidade AT–2000 Male (Previdência) e AT-2000 (Saúde) Tábua de mortalidade de inválidos Winklevoss Tábua de entrada em invalidez Light Média Idade de aposentadoria 55 anos % de participantes ativos casados na data da aposentadoria Experiência da FUSAN A seguir apresentamos um resumo dos dados que foram utilizados para a avaliação atuarial dos planos de benefícios oferecidos pela Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR aos seus empregados: Plano de Plano de Assistência Aposentadoria Médica Descrição Participantes Ativos Número 6.834 (a) 2.604 Idade Média 41 49,4 Tempo de Serviço Médio 12,6 Idade Média de Aposentadoria 52,4 Salário de Participação Médio R$ 3.428,41 Folha Mensal R$23.429.753,94 Participantes Aposentados Número 1.688 (b) 4.437 Idade Média 63,7 56,1 Benefício Médio Mensal R$ 1.510,2 Pensionistas Número de Pensionistas 535 Média de Idade de Todos os Pensionistas 54,4 Benefício Médio por Grupo Familiar R$ 967,6 (a) Impacto atuarial sobre os participantes ativos admitidos até 01/03/2002.

(b) Inclui, além dos participantes aposentados, os pensionistas e os dependentes. Distribuição da Massa de Beneficiários e os Prêmios Mensais Totais do Plano de Assistência Médica, Em 31 de dezembro de 2012: Total de Beneficiários1 Valor em reais

Faixa Etária 0 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33 anos 34 a 38 anos 39 a 43 anos 44 a 48 anos 49 a 53 anos 54 a 58 anos 59 anos ou mais 1 Cujo titular foi admitido até 01/03/2002.

2.335 998 35 145 277 722 1.359 1.549 1.692 2.751

96,92 139,15 146,37 166,33 175,00 227,14 238,95 311,09 328,21 355,92

Rentabilidade dos Investimentos No ano de 2012 a FUSAN obteve rentabilidade de 23,48% na sua carteira de investimentos, acima da meta atuarial de 12,30% (juros de 5,75% + INPC/IBGE), considerando a mudança de precificação de parte de seus ativos do critério de marcação na curva para marcação a mercado. Ao desconsiderar a mudança de precificação, a rentabilidade obtida no exercício foi 12,56%, também superior a meta Atuarial. O Conselho Deliberativo da FUSAN aprovou a Política de Investimentos-2013, com o objetivo de parametrizar os investimentos para os próximos 5 anos, conforme estabelece a legislação em vigor. A alocação estratégica da carteira visa atingir os objetivos dos investimentos, descritas no quadro a seguir: Segmento/ Mandato Renda fixa Renda variável Investimentos Estruturados Investimento no Exterior Imóveis Operações com Participantes

Objetivo 76,7 10,8 3,7 0,0 2,5 6,3

Alocação % Mínimo 30,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Máximo 100,0 35,0 10,0 10,0 8,0 15,0

Índice de Referência CDI Ibovespa INPC + 5,8% aa INPC + 5,8% aa INPC + 5,8% aa INPC + 5,8% aa

Meta de Rentabilidade INPC + 5,0% aa INPC + 10,0% aa INPC + 8,0% aa INPC + 5,8% aa INPC + 5,8% aa INPC + 5,8% aa

Composição da carteira de investimentos em 31/12/2012: Plano de Previdência 734.865 136.304 20.452 54.819 12.858 959.298

Descrição Renda fixa Renda variável Imóveis Operações com participantes Estruturados Total

% 76,6% 14,2% 2,1% 5,7% 1,4% 100%

Tipos de investimentos não permitidos: • Day-Trade: é vedada a realização de operações de day-trade nos fundos exclusivos investidos pelo plano; • Financiamentos imobiliários: é vedada a concessão de financiamentos imobiliários, previstos no Segmento de Operações com Participantes, durante a vigência dessa Política de Investimentos; • O investimento em Parcerias Público-Privadas (PPPs) somente será permitido quando a operação fizer sentido econômico-financeiro, em termos relativos às demais alternativas que se apresentem para a FUSAN. Além disso, essa operação deverá necessariamente contar com a aprovação do Conselho Deliberativo; • As operações com derivativos em fundos exclusivos podem ser realizadas somente se e stive r e m e m c onf or mida de c om a s r e str iç õe s e sta be le c i d a s n e s s a Po l í t i c a d e Investimentos; • Não serão permitidos investimentos em papéis ou instrumentos classificados como “Grau Especulativo”, considerando-se a classificação descrita naquela seção. O Plano de Assistência à Saúde da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR, administrado pela Fundação Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR de Assistência Social, é custeado em pré-pagamento, de acordo com a tabela acima, por contribuições mensais da Patrocinadora (Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR) de 70% do valor mensal, cabendo os 30% restantes aos Beneficiários Titulares. Para os Beneficiários Dependentes, a participação da Patrocinadora no custeio do Plano varia de 50% até 70%, escalonada em função da faixa salarial dos Beneficiários Titulares. A seguir demonstramos a projeção das despesas para o exercício de 2013:

Descrição Custo do Serviço Corrente Custo dos Juros Rendimento Esperado do Ativo do Plano Contribuições dos Empregados Totais

Plano de Aposentadoria

Consolidado Proporcional Plano de Assistência Médica

2013

1.492 26.241 (14.400) (1.599)

5.994 17.430 (158) -

7.486 43.671 (14.559) (1.599)

11.734

23.266

34.999

29. Títulos a Pagar A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR mantém operações financeiras junto à FUSAN, as quais estão suportadas por contratos assinados entre as partes para pagamento de dívida referente à dotação especial, determinada atuarialmente e indicada no plano de custeio da FUSANPREV. Essa dívida foi parcelada em 180 prestações mensais a partir de maio de 2001, calculadas anualmente pela “Tabela Price” na taxa real de juros equivalente a 6% ao ano, com atualização do saldo devedor pelo INPC, sendo que até 31/12/2012 foram pagas 139 parcelas. A composição total do saldo de financiamentos em 31 de dezembro de 2012, registrados, em conjunto com outros valores a pagar, como “títulos a pagar”, é de R$19.649 (R$6.828 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), o montante em 2011 era R$23.207 (R$8.064 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). Estes montantes são segregados: R$6.298 e R$5.955 (R$2.188 e R$2.069 proporcionais a participação da Dominó Holdings S.A.) no Passivo Circulante, em 2012 e 2011, respectivamente; e R$13.351 e R$17.352 (R$4.639 e R$6.029 proporcionais a participação da Dominó Holdings S.A. no Passivo Não Circulante, em 2012 e 2011, respectivamente. 30. Receitas a Apropriar Em 08 de março de 2012 a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR firmou contrato de cessão para exploração de serviços financeiros com a Caixa Econômica Federal pelo prazo de vigência de 60 (sessenta) meses, no montante de R$16.250 (R$5.646 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). A receita correspondente a este contrato é reconhecida mensalmente, pelo prazo do contrato de acordo com o regime de competência. O montante reconhecido no resultado durante o exercício de 2012 foi de R$2.708 (R$941 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.). O saldo em 31 de dezembro de 2012 é de R$13.542 (R$4.705 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.), sendo R$3.250 (R$ 1.129 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) registrados no passivo circulante e R$10.292 (R$3.576 proporcional a participação da Dominó Holdings S.A.) no passivo não circulante. 31. Informações por Segmento de Negócios A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR possui dois segmentos claramente identificáveis para divulgação, que são distribuição de água tratada e coleta e tratamento de esgoto sanitário. O lucro operacional por segmento é representado pela receita, deduzida dos custos diretos e despesas operacionais diretas e indiretamente alocáveis a estes segmentos. Os ativos e passivos identificáveis por segmento, estão apresentados separadamente. Os ativos e passivos corporativos, não foram diretamente atribuídos a cada segmento de negócio. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR avalia a performance por segmento, com base em informações geradas pelos registros contábeis, sendo que diversas despesas são alocadas por meio de rateio, na seguinte apresentação:

Água

2012 Esgoto

Receita Operacional Direta Outras Receitas Operacionais Total da Receita Operacional Bruta

528.473 6.252 534.725

Deduções da Receita (PASEP e COFINS) Receita Operacional Líquida

(35.506) 499.219

Descrição

Custo Lucro Bruto

(210.002) 289.217

Consolidado Proporcional Total

Água

2011 Esgoto

Total

256.954 3.919 260.873

785.427 10.171 795.598

433.833 3.594 437.427

212.128 2.207 214.335

645.961 5.801 651.762

(22.267) 238.606

(57.773) 737.825

(28.569) 408.858

(17.756) 196.579

(46.325) 605.437

(74.536) (284.538) (187.543) 164.070 453.287 221.315

(64.914) (252.457) 131.665 352.980

Despesas Comerciais Despesas Administrativas Outras Despesas Operacionais Resultado Financeiro, líquido Programa de Participação nos Resultados Provisões Plano de Aposentadoria e Assistência Médica

(32.479) (84.221) (1.026) (20.786)

(20.360) (52.839) (52.794) (137.015) (643) (1.669) (23.173) (43.959)

(28.938) (58.832) (1.820) (21.961)

(17.768) (36.123) (1.117) (22.047)

(46.707) (94.955) (2.937) (44.009)

(5.217) (21.985)

(3.269) (13.848)

(8.486) (35.833)

(2.209) (11.286)

(1.357) (7.038)

(3.566) (18.324)

(11.498)

(7.200)

(18.698)

(9.005)

(5.605)

(14.610)

Lucro Antes dos Impostos e Contribuições

112.005

42.783

154.788

87.264

40.609

127.873

(29.094)

Imposto de Renda e Contribuição Social

(27.585)

(10.537)

(38.122)

(20.180)

(8.914)

Lucro Líquido do Exercício

84.420

32.246

116.666

67.084

31.695

98.779

Investimentos no Exercício (a) Endividamento – Financiamentos e Debêntures Imobilizado e Intangível, líquidos Depreciações e Amortizações do Exercício Contas a Receber (Curto e Longo Prazo) Quantidade de Usuários – Não Auditado (b) Volume Milhares de m3 Faturados – Não Auditado (c)

76.646

88.868

165.514

46.019

77.049

123.068

153.258 788.273

180.483 333.741 936.466 1.724.739

152.896 743.715

176.913 329.808 879.986 1.623.701

(29.390)

(22.257)

(51.647)

(30.693)

(20.806)

(51.500)

106.802

47.783

154.586

92.339

39.974

132.313

945.984

543.634

-

914.715

506.969

-

192.268

120.522

-

183.923

112.931

-

(a) Os valores investidos em bens de uso administrativo foram alocados proporcionalmente aos investimentos de cada segmento; (b) Os usuários incluídos no segmento de esgoto estão praticamente todos incluídos no segmento de água; (c) Os volumes faturados do segmento de esgoto são derivados dos volumes faturados do segmento de água. 32. Serviços Prestados pelos Auditores Independentes A Dominó Holdings S.A. contratou a empresa BKR – Lopes, Machado Auditores, para a execução dos serviços de auditoria independente das demonstrações contábeis do exercício social de 2012. Não foram executados, pelos referidos auditores, outros serviços que não aqueles relacionados no parágrafo anterior. A Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR contratou a empresa Ernst & Young Terco Auditores Independentes S/S para a execução dos serviços de auditoria independente das demonstrações contábeis do exercício social de 2012 e emissão dos relatórios de revisão especial sobre as informações trimestrais (ITRs) do 3º trimestre de 2012 e dos 1º e 2º trimestres de 2013. O presente contrato tem um prazo de duração de 365 dias, contados a partir de 16 de outubro de 2012. Adicionalmente, a Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR celebrou contrato para a execução de serviços não relacionados com auditoria externa das demonstrações contábeis, em 08/03/2012, com prazo de execução de 120 (cento e vinte) dias, junto à empresa Ernst & Young Terco Auditores Independentes S/S, mediante procedimento licitatório na modalidade Concorrência Nacional, tipo Técnica e Preço, no montante de R$ 2.628 mil, representando o percentual de 996% em relação aos honorários relativos aos serviços de auditoria externa, conforme contrato assinado em 16/10/2012. O objeto dos serviços contratados foram: i) auditoria nos contratados de locação de bens, comodatos, convênios, parcerias, prestação de serviço, incluindo obras e projetos de engenharia firmados pela Sanepar no período de 5 (cinco) anos, e ii) serviços de auditoria no processo de Recursos Humanos da Companhia. A empresa contratada declarou à Companhia as razões que justificam, que a prestação desses serviços não afetaram a sua independência e objetividade na realização dos trabalhos de auditoria independente. 33. Tarifa Social Em 08 de janeiro de 2004, o Governo do Estado do Paraná, por intermédio do Decreto nº 2.460, autorizou a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR a manter o benefício da Tarifa Social para famílias de baixa renda, usuárias dos serviços de água e esgotos. A Tarifa Social tem o objetivo de beneficiar as famílias que moram em imóvel com área construída de até 70 m2 (setenta metros quadrados) e percebam mensalmente até ½ (meio) salário mínimo por pessoa ou no máximo 2 (dois) salários mínimos por família, cujo consumo mensal de água não deverá ultrapassar os 10 m3 (dez metros cúbicos). O valor da tarifa reduzida para os serviços de água, na faixa de consumo de até 10 m3 (dez metros cúbicos), é de R$5,80 (cinco reais e oitenta centavos) por mês. Caso este beneficiário utilize serviço de coleta e tratamento de esgoto pagará mais R$2,90 (dois reais e noventa centavos), perfazendo um total de R$8,70 (oito reais e setenta centavos). Neste exercício, com o benefício da Tarifa Social, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR destinou o montante de R$45.844, representando um percentual de 2,0% da receita operacional bruta, para atendimento à população enquadrada no respectivo Programa. No exercício de 2011, o impacto foi de R$39.227, o que representou um percentual de 2,1% da receita operacional bruta. 34. Seguros A Dominó Holdings S.A. não possui nenhum tipo de seguro ligado às suas operações. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR possui contrato de seguro com a Aliança do Brasil Seguros S/A para a cobertura de seus principais ativos situados em diversas localidades em todo o Estado do Paraná, no montante de R$607.977, com vigência abrangendo o período de 05/12/2012 a 04/12/2013, para cobertura básica, incêndio, vendaval e danos elétricos em equipamentos. Importância Segurada

Ativo Edifícios Máquinas, Equipamentos e Veículos Estoque Total

409.540 161.168 37.269 607.977

Adicionalmente a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR possui contrato com a J. Malucelli Seguradora S/A para a emissão de apólices de Seguro Garantia Judicial no montante de até R$100.000, com vigência do contrato no período de 03/11/2011 a 02/11/2013, com a finalidade de garantir valores a serem depositados e/ou substituir os valores já depositados e/ou bens penhorados em processos judiciais de ações trabalhistas, cíveis, tributárias e ambientais. Até 31 de dezembro de 2012, a Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR ofereceu garantias através de seguro garantia em 41 processos judiciais, no montante de R$36.770. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR também firmou contrato com a ACE Seguradora S/A para cobertura securitária na modalidade de responsabilidade civil para conselheiros, diretores e administradores da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR (D & O – Directors and Officers) com abrangência Nacional e Internacional, tendo como limite máximo de Indenização R$ 20 milhões, e vigência do contrato por 365 dias, a partir de 06/02/2012. 35. Eventos Subsequentes Em 29 de janeiro de 2013, foi realizada a 1ª Reunião Extraordinária do Conselho de Administração, que deliberou a destituição do Sr. Fernando Eugênio Ghignone do cargo de Diretor-Presidente, sendo eleito como seu substituto o Sr. Antonio Hallage, que acumulará o cargo de Diretor Administrativo, com mandato até 09 de junho de 2015. A Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR foi autorizada pelo Decreto Estadual nº 7.290, de 20 de fevereiro de 2013, a proceder reajuste tarifário de 6,9% que incidirá nos serviços prestados a partir de 30 dias após a publicação do referido Decreto. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente: Renato Torres de Faria Conselheiros titulares: Renato Torres de Faria Ricardo Coutinho de Sena Benjamin Powell Sessions Kevin Michael Altit Yára Christina Eisenbach Julio Jacob Junior Fabrício Ferreira

Conselheiros Suplentes: Sergio Spinelli Silva Junior Luiz Carlos Brum Ferreira Paulo Roberto Reckziegel Guedes Bruce Hamilton MacLeod Júnior Erlon Caramuru Tomasi Flávio Luís Coutinho Slivinskil Cristiano Hotz Contador: Antonio Carvalho Morais Junior CRC-PR 047683/O-8

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores e Acionistas da Dominó Holdings S.A. Curitiba - PR Examinamos as demonstrações contábeis individuais e consolidadas da Dominó Holdings S.A., identificadas como Controladora e Consolidado, respectivamente, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis individuais de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, e das demonstrações contábeis consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS), emitidas pelo International Accounting Standards Board – IASB, e de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dessas demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para a obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de

distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar a nossa opinião. Opinião sobre as demonstrações contábeis individuais Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Dominó Holdings S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil Opinião sobre as demonstrações contábeis consolidadas Em nossa opinião, as demonstrações contábeis consolidadas acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira consolidada da Dominó Holdings S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho consolidado de suas operações e os seus fluxos de caixa consolidados para o exercício findo naquela data, de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board – IASB e as práticas contábeis adotadas no Brasil. Ênfase Conforme descrito na nota explicativa nº 4.e, as demonstrações contábeis individuais foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. No caso da Dominó Holdings S.A. essas práticas diferem do IFRS, aplicável às demonstrações contábeis separadas, somente no que se refere à avaliação dos investimentos em controladas, coligadas e controladas em conjunto pelo método de equivalência patrimonial, enquanto que

para fins de IFRS seria custo ou valor justo. Conforme descrito na nota explicativa nº 20, o Governador do Estado do Paraná editou o Decreto nº 452, de 13 de fevereiro de 2003, cujo art. 1º indicou a ineficácia do Acordo de Acionistas, datado de 4 de setembro de 1998, firmado entre o Estado do Paraná e a Dominó Holdings S.A., para regular o exercício do direito de voto do Estado na SANEPAR. Adicionalmente, o art. 2º do mencionado Decreto decretou que, em decorrência do art. 1º, ficavam declarados nulos e de nenhum efeito todos os atos, contratos, negócios e deliberações decorrentes do referido Acordo de Acionistas. Em 14 de setembro de 2005 foi aprovado na Assembléia Legislativa do Paraná, Decreto Legislativo n.º 001/ 05 que teve como objetivo sustar os efeitos do acordo de acionistas celebrado em 04 de setembro de 1998 entre o Estado do Paraná e a Dominó Holdings S.A.. A Dominó Holdings S.A. vem tomando inúmeras ações judiciais no sentido de preservar seus direitos conforme descrito na nota explicativa nº 20. Outros Assuntos Conforme mencionado na nota explicativa 2.2, em decorrência da adoção de nova prática contábil pela investida SANEPAR em 2012, as demonstrações contábeis referentes ao exercício anterior, apresentadas para fins de comparação, foram ajustadas e estão sendo reapresentadas como previsto na CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro. Rio de Janeiro, 15 de Março de 2013

CRC-RJ-2026-O

Paulo Buzzi Filho Contador CRC-RJ nº 071138/O-5 “S” PR


Nacional Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A10 | Indústria&Comércio

Senado aprova criação de mais de 2,3 mil cargos no Executivo A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o projeto de lei que cria mais de 2,3 mil cargos em vários órgãos do governo federal. Segundo o relator da matéria, senador Gim Argelo (PTB-DF), o objetivo é repor vagas que serão extintas com a rescisão de contratos trabalhistas com terceirizados. Além disso, o projeto cumpre o que foi estabelecido em termo de conciliação judicial firmado com o Ministério Público do Trabalho. “Com a proposição, busca-se dotar os órgãos envolvidos com quantitativo de cargos suficiente para suprimir a força de trabalho terceirizada, substituindo-a com mão de obra qualificada”, argumentou o relator. A matéria deve ser votada pelo plenário do Senado na próxima semana. Todos os cargos serão preenchidos após realização de concursos públicos. Serão criados 330 cargos analista de comércio exterior, 260 cargos de agente administrativo no âmbito do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (PRF) e 400 cargos de técnico administrativo, de nível intermediário, na carreira de especialista em meio ambiente. De autoria do Poder Executivo, o projeto cria também 93 cargos de técnico administrativo de nível intermediário para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), 83 cargos de analista técnico-administrativo da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e institui, no Plano Especial de Cargos da superintendência, o cargo de analista técnico-administrativo de nível superior.

Brasil faz balanço reestruturar saúde no Haiti O governo brasileiro apresentou hoje (27) um balanço do que foi feito no setor da saúde, três anos após o forte terremoto que devastou o Haiti em janeiro de 2010. Uma das ações trata da reconstrução de dois laboratórios especializados, inaugurados em novembro do ano passado. Os recursos brasileiros para financiar a estratégia, de acordo com a pasta, totalizaram R$ 1 milhão e foram utilizados na reforma das instalações físicas e na compra de equipamentos. Ambas as unidades são responsáveis por realizar exames necessários para a identificação de doenças de interesse em saúde pública, como a malária, a dengue, a tuberculose, a hanseníase e a cólera, que atingiu o Haiti em forma de epidemia, logo após o tremor de terra. Outra ação destacada pelo governo brasileiro inclui a disponibilização, neste ano, de aproximadamente R$ 2 milhões para a contratação de 13 profissionais especializados em prevenção e controle de doenças transmissíveis e para o custeio de apoio operacional, financeiro e material de ações de vigilância no país caribenho. O ministério informou ter doado também 6 milhões de doses das vacinas BCG (formas graves de tuberculose), pólio (poliomielite), DPT (difteria, tétano e coqueluche) DT (difteria e tétano), totalizando R$ 3,6 milhões em investimentos brasileiros. O projeto de reestruturação da saúde no Haiti prevê ainda a formação de agentes comunitários para atuação na atenção básica. Em 2013, foram capacitados 320 alunos. A meta, segundo a pasta, é formar cerca de mil agentes. Até 2014, está prevista a aplicação de aproximadamente R$ 5 milhões para a formação de profissionais no Haiti.

Desemprego

Especialista não espera maior desemprego entre domésticas

A

proposta de emenda à Constituição (PEC) que aumenta os direitos trabalhistas dos empregados domésticos, conhecida como PEC das Domésticas, não deve gerar desemprego e aumentar a informalidade, mesmo ampliando os custos da contratação para os empregadores, avalia a secretária de Avaliação de Políticas e Autonomia Econômica das Mulheres, da Secretaria de Políticas para as

ampliação da demissão, como as pessoas têm dito. Acho que isso é mais uma resistência grande, manifestada por uma camada da sociedade que toda vez que se fala em ampliação de direitos fala que vai ter demissão”, disse Tatau Godinho. A PEC também assegura que os empregados que trabalham em domicílios, caso de faxineiras, jardineiros, motoristas, cozinheiras

Mulheres, Tatau Godinho. Aprovada terça-feira em segundo turno pelo Senado, a PEC garante o direito, entre outras coisas, a ter recolhido o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), receber indenização em caso de demissão sem justa causa, salário-família e seguro-desemprego. Esses itens ainda dependem de regulamentação. “Não acredito que haja uma

e babás, por exemplo, passem a ter a jornada máxima de trabalho estabelecida em oito horas diárias e 44 horas semanais. Para a secretária de Avaliação do Trabalho da Secretaria de Políticas para Mulheres, a aprovação da PEC é uma das garantias de direito mais importantes ocorridas no Brasil nas últimas décadas. Tatau Godinho ressalta que o índice de informalidade entre os trabalhado-

SECCIONAL BRASIL S.A.

CNPJ.: 83.491.985/0001-22 -

RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO

Curitiba - PR

Prezados Senhores: Cumprindo as disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais demonstrações contábeis relativas ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2012 comparados com o período anterior, acompanhadas do parecer de Audiacto Auditores Independentes S/C. A Administração.

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ATIVO

PASSIVO

R$ (1) 2.012

2.011

CIRCULANTE

19.113.619

16.344.778

DISPONIBILIDADES

5.857.491

3.011.360

Caixa e equivalentes de caixa (nota 04)

5.857.491

3.011.360

13.256.128

13.333.418

4.634.026 251.998 8.289.743 76.737 3.624

4.436.745 66.623 8.111.532 717.922 596

29.173.205

29.676.628

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

18.202

801.695

Depósitos judiciais (nota 08)

18.202

801.694

28.997.864

28.741.308

157.139

133.625

DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Impostos a recuperar Estoques (nota 05) Outros créditos Despesas do exercício seguinte NÃO CIRCULANTE

IMOBILIZADO (nota 06) INTANGÍVEL (nota 07)

TOTAL DO ATIVO 48.286.824 46.021.406 (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

RECEITA BRUTA Vendas e serviços Venda de produtos Receita com locações Prestação de serviços DEDUÇÕES Impostos e contribuições RECEITA LÍQUIDA CUSTOS DAS VENDAS E SERVIÇOS LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas financeiras Receitas financeiras Despesas comerciais Despesas gerais e administrativas Outras receitas operacionais Outras despesas operacionais RESULTADO OPERACIONAL PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS RESULTADO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA PROVISÃO P/ IRPJ e CSLL

R$ (1) PERÍODO 01/JAN./12 01/JAN./11 A A 31/DEZ./12 31/DEZ./11 34.009.326 36.631.100 34.009.326 36.631.100 30.666.147 36.103.230 378.629 317.670 2.964.551 210.200 (5.398.408) (5.272.376) (5.398.408) (5.272.376) 28.610.919 31.358.724 (15.514.051) (16.263.097) 13.096.868 15.095.627 (2.422.353) (1.456.460) (17.166) (10.106) 219.740 305.397 (805.573) (603.409) (1.402.011) (1.148.023) 31 108 (417.374) (427) 10.674.515 13.639.167 (430.170) (412.972) 10.244.345

13.226.195

(1.344.539)

(1.249.209)

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 8.899.806 11.976.985 380 512 Por lote de 1.000 ações do capital social final (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

2.011

11.465.741

5.753.806

2.465.661 233.513 452.669 208.489 1.123.719 1.084.903 5.606.940 200 160.239 129.408

492.536 76.703 95.034 96.563 517.536 3.726.022 111.553 486.169 151.691

9.086.089

10.048.851

Provisão p/ contingências trabalhistas/ fiscais (nota 08) 107.601 Juros sobre capital e dividendos a distribuir 87.932 Subvenção federal 197.482 Provisão para IRPJ e CSLL s/ o Lucro (nota 09) 2.436.265

1.150.483 77.412 8.820.956

CIRCULANTE Fornecedores Salários e pró-labore a pagar Imposto de renda pessoa jurídica Contribuição social sobre o lucro Impostos, taxas e contribuições diversas Venda entrega futura Dividendos propostos Adiantamentos de clientes Provisão p/ férias e encargos sociais Outros valores a pagar NÃO CIRCULANTE

PATRIMÔNIO LÍQUIDO (nota 10) Capital subscrito e realizado

33.991.803

30.218.749

1.962.024

1.962.024

Reservas de reavaliação

1.399.617

1.428.496

Reservas de lucros

7.498.562

9.705.196

23.131.600

17.123.033

48.286.824

46.021.406

Ajuste de avaliação patrimonial TOTAL DO PASSIVO

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA R$ (1) 01/JAN./2012 01/JAN./2011 A A 31/DEZ./2012 31/DEZ./2011 FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE OPERACIONAL . Lucro líquido do exercício 8.899.806 11.976.986 . Depreciações e amortizações 669.161 566.739 . Provisões passivas (1.368.811) 9.166.065 Lucro líquido ajustado 8.200.156 21.709.790 . Contas a receber de clientes (197.281) 832.974 . Estoques (178.211) (679.454) . Impostos a recuperar (185.375) . Depósitos judiciais 783.492 (11.704) . Fornecedores 1.973.125 (1.958.769) . Impostos, taxas e contribuições diversas 606.183 (45.462) . Imposto de Renda e Contribuição Social 469.561 (325.254) . Entrega futura 1.084.903 . Outros ativos e passivos 852.804 (682.225) Caixa líquido 13.409.357 18.839.896 FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO . Aplicação (líquido baixas) em imobilizado (901.407) (57.685) . Aplicação em intangível (47.823) (41.243) Caixa líquido (949.230) (98.927) FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE DE FINANCIAMENTO . Dividendos (9.630.525) (11.818.392) . Ajuste de valor patrimonial 127.882 (8.820.957) . Adiantamento de clientes (111.353) Caixa líquido (9.613.996) (20.639.349) 2.846.131 (1.898.380) AUMENTO (REDUÇÃO) DAS DISPONIBILIDADES DISPONIBILIDADES: 2.846.131 (1.898.380) No início do exercício 3.011.360 4.909.740 No final do exercício 5.857.491 3.011.360 (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - R$ (1) PERÍODO DE 01/JAN./2011 A 31/DEZ./2012 RESERVA DE REAVALIAÇÃO CONTAS

CAPITAL SOCIAL

ESPECIFICAÇÕES Saldos em 01/Jan./2011

1.962.024

Reversão realização de reserva Ajuste de valor patrimonial Distribuição de dividendos Lucro líquido do exercício Destinação proposta: . Dividendo mínimo obrigatório . Dividendo adicional

RESERVA LEGAL 418.704

DIVIDENDO ADICIONAL PROPOSTO 8.722.895

(11.630.526)

AJUSTE AO VALOR PATRIMONIAL

RESULTADOS ACUMULADOS

26.320.114 (9.197.081)

12.194.123

Reversão realização de reserva Reversão IRPJ/CSLL Ajuste de valor patrimonial Distribuição de dividendos Lucro líquido do exercício Destinação proposta: . Dividendo mínimo obrigatório . Dividendo adicional Saldos em 31/Dez./2012

1.457.374

RESERVA DE LUCROS

(28.878)

1.962.024

Saldos em 31/Dez./2011

DE BENS PRÓPRIOS

1.428.496

418.704

9.286.492

17.123.033

(28.879)

6.256.809 (248.242)

(9.286.492)

7.079.858 1.962.024

1.399.617

418.704

7.079.858

16.874.791

TOTAL GERAL

-

38.881.111

28.878 376.125 11.976.986

(8.820.956) (11.630.526) 11.976.986

(3.095.498) (9.286.491)

(3.095.498) 2.907.632

-

30.218.749

28.879

8.899.806

6.256.809 127.882 (9.286.492) 8.899.806

(2.224.951) (7.079.858)

(2.224.951) -

376.124

-

27.734.994

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - (Valores expressos em Reais) NOTA 01. CONTEXTO OPERACIONAL A sociedade é constituída por tempo indeterminado e tem por objeto: (a) exploração industrial e comercial no ramo metal-mecânico, incluindo a fabricação de estruturas metálicas e respectiva montagem, assistência técnica, importação e exportação; (b) pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais; (c) gestão de ativos financeiros intangíveis não-financeiros; (d) ser holding de instituições não financeiras; (e) compra, venda e aluguel de imóveis próprios; (f) aluguel de bens móveis, incluindo o aluguel de máquinas e equipamentos sem operador; (g) serviços de engenharia. NOTA 02.APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, em consonância com a Lei das Sociedades por Ações, alterada e atualizada com as disposições das Leis nº 11.638/07 e 11.941/09, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC e normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade CFC. NOTA 03. PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS Dentre os principais procedimentos adotados para a preparação das demonstrações contábeis ressaltamos: a) Apuração do Resultado As receitas, custos, despesas e provisões são escrituradas pelo regime de competência, observando-se o critério "pró rata dia". As operações com taxas pré-fixadas são registradas pelo valor de resgate. As operações com taxas pós-fixadas estão atualizadas até a data do balanço. b) Caixa e Equivalentes de Caixa Estão representados pelo caixa e recursos mantidos em instituições bancárias de primeira linha, representados por depósitos a vista e aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, cujos saldos não estão expostos a riscos significativos de mudança de valor. c) Aplicações Financeiras As aplicações financeiras estão reconhecidas pelo valor nominal aplicado, acrescido dos rendimentos calculados até a data do encerramento do período. d) Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa Foram analisados os créditos vencidos de longa data, e, reconhecidas como perdas de contas a receber aquelas consideradas incobráveis ou de difícil realização. e) Estoques Os estoques de produtos acabados, produtos em elaboração e outros estoques, foram avaliados, respectivamente, pelos custos médios de produção e aquisição, os quais não superam os valores de mercado. f) Imobilizado Está demonstrado ao custo de aquisição, formação ou construção, deduzidos da

depreciação acumulada e de perdas por desvalorizações acumuladas, se aplicáveis. Os custos do ativo são capitalizados até o momento em que esteja em condições previstas para sua entrada em operação. A depreciação é calculada pelo método linear. As taxas de depreciação utilizadas estão de acordo com a expectativa de vida útil dos bens. Os saldos inerentes aos bens imobilizados (imóveis) se encontram apresentados pelo seu justo, não havendo qualquer evidência de fatos que possam refletir em perdas na realização desses ativos. g) Intangível Está demonstrado aos valores de custo de aquisição ou formação, deduzido da amortização acumulada e de perdas por desvalorizações acumuladas, se aplicáveis. A amortização é realizada pelo método linear para ativos intangíveis de vida útil definida com base no prazo de vida útil estimada. h) Provisão para Férias e Encargos Foi constituída para cobertura das obrigações relativas a férias dos empregados, vencidas e proporcionais, com os respectivos encargos sociais, apropriados até a data do balanço. i) Contribuição Social Calculada à alíquota de 9%, sobre a base de cálculo presumida, acrescido nos termos da legislação tributária. j) Provisão para Imposto de Renda Foi calculada sobre o lucro presumido, nos termos da legislação tributária, à alíquota de 15%, mais 10% sobre a parcela desta base de cálculo excedente a R$ 240.000,00. k) Estimativas Contábeis Foram utilizadas estimativas para a contabilização de determinados ativos e passivos, dentre as quais destacamos a determinação da vida útil dos bens integrantes do ativo imobilizado, a expectativa de realização dos ativos diferidos e as provisões necessárias para o registro de passivos provisionados. NOTA 04. CAIXAS E EQUIVALENTES DE CAIXA A composição do caixa e equivalente de caixa discrimina-se da seguinte forma: Descrição

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (Valores expressos em R$ 1)

R$ (1) 2.012

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

res domésticos é elevado, por isso acredita que a lei não vá ampliar ainda mais essa realidade. “Atualmente, dois terços das trabalhadoras domésticas no Brasil não têm carteira assinada. O que esperamos é que a legislação nova faça ampliar na sociedade brasileira a consciência para assinar a carteira dessas trabalhadoras. Tem que formalizar a relação”, disse.

Caixa e bancos Aplicações financeiras

Saldo em 2012 3.651.582 2.205.909

Saldo em 2011 727.282 2.284.078

Total

5.857.491

3.011.360

As aplicações financeiras são compostas basicamente por investimentos de renda fixa e não apresentam distorções em relação aos seus respectivos valores de mercado. As taxas contratadas são compatíveis com o mercado de renda fixa.

NOTA 05. ESTOQUES A composição dos estoques discrimina-se da seguinte forma: Descrição Saldo em 2012 Produtos acabados 2.542.113 Produtos em elaboração 967.641 Matérias-primas 3.580.010 Materiais e componentes diversos 813.437 Estoques de terceiros em nosso poder 129.252 Estoques em poder de terceiros 257.290 Total 8.289.743 NOTA 06. IMOBILIZADO A composição do imobilizado discrimina-se da seguinte forma: Descrição

Saldo em 2011 2.325.199 1.297.486 3.525.933 854.746 63.532 44.637 8.111.532

Imóveis Equipamentos e instalações industriais Móveis e utensílios Outras imobilizações ( - ) Depreciação acumulada

Saldo em 2012 29.527.479 1.914.654 166.468 487.379 (3.098.116)

Saldo em 2011 29.527.479 1.169.730 165.080 332.285 (2.453.266)

Total

28.997.864

28.741.308

NOTA 07. INTANGÍVEL A composição do imobilizado discrimina-se da seguinte forma: Descrição

Saldo em 2012 160.592 103.749 27.101 (134.303)

Software Marcas e Patentes Desenvolvimento (- ) Amortização

Saldo em 2011 133.652 82.867 27.101 (109.995)

Total 157.139 133.625 NOTA 08.PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS TRABALHISTAS/FISCAIS Refere-se ao valor julgado necessário para cobertura de ações conhecidas e em tramitação. O montante provisionado é constituído com base nos valores envolvidos nas respectivas ações e em pareceres da assessoria jurídica. Expectativa Depósito de Perda em Juízo Saldo 2012 Reclamatórias trabalhistas 107.601 18.202 89.399 Total 107.601 18.202 89.399 2011 Reclamatórias trabalhistas Ações fiscais Total

1.038.969 111.514 1.150.483

801.695 801.695

237.275 111.514 348.789

NOTA 09. PROVISÃO DE IRPJ/CSLL - NÃO CIRCULANTE O imposto de renda e a contribuição social sobre o crédito diferido (Ajuste Valor Patrimonial) foi calculado sobre a diferença temporal, com alíquotas desses impostos, definidas atualmente para determinação desses créditos diferidos, em 25% para o imposto de renda e de 9% para a contribuição social. O valor dos tributos (diferidos) sobre o lucro e efeitos temporais, quando realizados e/ou constituídos são registrados na demonstração do resultado do exercício, cujos saldos em 31.12.12 decorrentes dos tributos diferidos, contemplam a movimentação e saldo como segue: Movimentação/Detalhes Saldo em 31/12/2011 8.820.956 Realização por depreciação (127.882) Reversão da provisão (6.256.809) Saldo em 31/12/12 2.436.265 No exercício de 2012 foi, efetuado a reversão de IRPJ/CSLL constituída sobre o incremento de valor justo, apurado sobre o terreno da operação da empresa. NOTA 10. PATRIMÔNIO LÍQUIDO O capital social está representado por 23.395.824 ações sem valor nominal, subdivididas em 23.367.386 ações ordinárias nominativas e 28.438 ações preferenciais nominativas sem direito a voto, pertencentes inteiramente a acionistas domiciliados no País. Aos acionistas é assegurado o dividendo mínimo obrigatório de 25%, calculados nos termos da legislação societária, cujo valor de R$ 2.224.951 encontra-se destacado e classificado no passivo circulante. Por proposta da administração está sendo destacada a reserva de lucros para pagamento de dividendo adicional, no valor de R$ 7.079.858, mantida no patrimônio Líquido à disposição da Assembleia de Acionistas. NOTA 11. SEGUROS Destacamos a posição dos principais seguros mantidos pela empresa na data de 31 de dezembro de 2012: OBJETO MODALIDADE VALOR SEGURADO R$ Edificações, Instalações e Equipamentos Incêndio e outros 5.450.000 Responsabilidade Civil Danos a terceiros 100.000 Outros Danos materiais e pessoais 2.840.000 NOTA 12. RESULTADO FINANCEIRO As despesas e receitas financeiras discriminam-se da seguinte forma: Descrição

Saldo em 2012

Saldo em 2011

4.483 5.854 6.829 17.166

3.168 6.938 10.106

Despesas Financeiras: Bancárias Descontos concedidos / Juros e Multas Variação Monetária Passiva Total (b)

Receitas Financeiras: Juros recebidos Descontos auferidos 104 Rendimentos aplicação financeira 188.820 Variação Monetária Ativa 30.816 Total (a) 219.740 (b)-(a) (202.574) NOTA 13. DESPESAS COMERCIAIS As despesas com vendas discriminam-se da seguinte forma:

110 305.287 305.397 (295.291)

Descrição

Saldo em Saldo em 2012 2011 Salários 45.196 94.423 Encargos Sociais 17.205 41.125 Propaganda e Publicidade 67.449 95.787 Utilidades e Serviços 490.528 287.357 Outras Despesas 64.390 83.874 Materiais Consumidos 120.805 843 Total 805.573 603.409 NOTA 14. DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS As despesas gerais e administrativas discriminam-se da seguinte forma: Descrição Saldo em Saldo em 2012 2011 Salários 398.959 261.539 Encargos Sociais 159.621 146.926 Despesas Instalações, Equip. e Veículos 675.173 434.723 Utilidades e Serviços 78.418 223.183 Outras Despesas 30.443 42.691 Materiais Consumidos 59.397 38.961 Total 1.402.011 1.148.023 NOTA 15. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 a empresa não possuía qualquer contrato de troca de índices (SWAP) ou que envolvesse operações com derivativos. As aplicações financeiras são compostas basicamente por investimentos de renda fixa e não apresentam distorções em relação aos seus respectivos valores de mercado. As taxas contratadas são compatíveis com o mercado de renda fixa. A companhia não possui passivos expostos a taxas de juros flutuantes ou indexação cambial. DIRETORES Maria Izabel de Abreu Dirceu Suerdsoski Prado Conselho de Administração Joecy Wermelinger Araujo de Abreu

Contadora Magdalena Pietrovski CRC/PR 21440/0-5

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ilmos. Srs. Acionistas e Diretores de SECCIONAL BRASIL S.A. Curitiba - PR Examinamos as demonstrações contábeis da SECCIONAL BRASIL S.A, que compreendem o balanço patrimonial na data de 31 de dezembro de 2012 e 2011, as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa na data referida, assim como as notas explicativas. Responsabilidade da administração da empresa sobre as demonstrações contábeis A administração da empresa é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da SECCIONAL BRASIL S.A. para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da empresa. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis

feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sem ressalva Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da SECCIONAL BRASIL S.A., o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o período findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. CURITIBA, 25 de janeiro de 2013. YSA AUDITORES E ASSOCIADOS SS CRC-PR 07.495/0-0 YOSHIHIRO SAKAGAMI CONTADOR CRC-PR 021.736/O-9


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A11 AGRO PASTORIL NOVO HORIZONTE S/A. CNPJ(MF) 78.231.701/0001-29

PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO RIO ANAPU LTDA. CNPJ(MF) 80.608.870/0001-87

AVISO AOS ACIONISTAS

AVISO AOS QUOTISTAS

Comunicamos aos Senhores Acionistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Rua Amazonas, 572, Água Verde, em Curitiba, Paraná, os documentos a que se refere o Artigo 133 da Lei 6.404/1976 com as alterações da Lei 10.303/2001, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Curitiba(PR), 21 de março de 2013. Saul Chuny Zugmann-Diretor.

Comunicamos aos Senhores Quotistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Rua Amazonas, 572, Água Verde, em Curitiba, Paraná, os documentos a que se refere o Artigo 1078 parágrafo 1º do Código Civil - Lei 10406/02, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Curitiba(PR), 22 de março de 2013. Thales Zugman-Administrador.

BELLONI INVESTIMENTOS S/A CNPJ Nº 05.493.875/0001-96

INCORPORADORA E ADMINISTRADORA ARVOREDO LTDA. CNPJ(MF) 06.139.108/0001-46

BALAN C O PAT R I M O N IAL

AVISO AOS QUOTISTAS

Descrição ATIVO CIRCULANTE CIRCULANTE DISPONIVEL DISPONIVEL CAIXA TOTAL DISPONIVEL TOTAL DISPONIVEL TOTAL CIRCULANTE ATIVO NAO CIRCULANTE ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO OUTROS CREDITOS OUTROS CREDITOS SOSSELLA INVESTIMENTO TOTAL OUTROS CREDITOS TOTAL ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO TOTAL ATIVO NAO CIRCULANTE ATIVO NÃO CIRCULANTE INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS ACOES E PARTICIPAC EM OUTRA EMPRESA INVESTIMENTOS TOTAL INVESTIMENTOS TOTAL INVESTIMENTOS IMOBILIZADO TECNICO TANGIVEL TERRENOS IMOVEIS TOTAL TANGIVEL DEPRECIACOES ACUMULADAS IMOVEIS TOTAL DEPRECIACOES ACUMULADAS TOTAL IMOBILIZADO TECNICO TOTAL ATIVO NÃO CIRCULANTE TOTAL ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE OBRIGACOES A CURTO PRAZO OBRIGACOES TRIBUTARIAS E FISCAIS PIS COFINS TOTAL OBRIGACOES TRIBUTARIAS E FISCAIS PROVISOES I RENDA CONTRIBUICAO SOCIAL TOTAL PROVISOES TOTAL OBRIGACOES A CURTO PRAZO TOTAL CIRCULANTE PATRIMONIO LIQUIDO PATRIMONIO LIQUIDO CAPITAL SOCIAL CAPITAL SUBSCRITO TOTAL CAPITAL SOCIAL RESERVA LUCROS LUCRO A DISTRIBUIR TOTAL RESERVA LUCROS PREJUIZOS ACUMULADOS PREJUIZOS ACUMULADOS TOTAL PREJUIZOS ACUMULADOS RESULTADO DO EXERCICIO RESULTADO DO EXERCICIO TOTAL RESULTADO DO EXERCICIO TOTAL PATRIMONIO LIQUIDO TOTAL PATRIMONIO LIQUIDO TOTAL PASSIVO CIRCULANTE

Saldo Atual

240,39d 240,39d 240,39d 240,39d

603.000,00d 500.000,00d 1.103.000,00d 1.103.000,00d 1.103.000,00d

535.632,33d 3.447.537,00d 3.983.169,33d 3.983.169,33d 1.935.448,32d 1.591.691,50d 3.527.139,82d 759.234,78c 759.234,78c 2.767.905,04d 6.751.074,37d 7.854.314,76d

43,14c 199,09c 242,23c 159,27c 191,13c 350,40c 592,63c 592,63c

INEZ PISSININ BELLONI Socia-gerente CPF: 027.888.829-12

Comunicamos aos Senhores Quotistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Av. Senador Ivo D’Aquino, 385, Parque Industrial I, em Canoinhas, Santa Catarina, os documentos a que se refere o Artigo 1078 parágrafo 1º do Código Civil - Lei 10406/02, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Canoinhas(SC), 22 de março de 2013. Julio Zugman-Administrador. COMPENSADOS E LAMINADOS LAVRASUL S/A CNPJ(MF) 83.187.930/0001-23 AVISO AOS ACIONISTAS Comunicamos aos Senhores Acionistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Rua Amazonas, 572, Água Verde, em Curitiba, Paraná, os documentos a que se refere o Artigo 133 da Lei 6.404/1976 com as alterações da Lei 10.303/2001, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Curitiba(PR), 21 de março de 2013. Saul Chuny Zugmann-Diretor Presidente. LAVRADORA RACIONAL DE MADEIRAS LAVRAMA S/A. CNPJ(MF) 76.506.302/0001-06

Se alguém souber de algum impedimento oponha-o na forma da lei, no prazo de quinze (15) dias. Este será afixado no lugar de costume e publicado na imprensa local. Curitiba, 27 de março de 2013. Adilson Taborda Agente Delegado

3º OFÍCIO DE REGISTRO CIVIL E 15º TABELIONATO DE PESSOAS NATURAIS Município e Comarca de CURITIBA, Estado PARANÁ Bel. Mônica Maria Guimarães de Macedo Dalla Vecchia Registradora Designada

  Faço saber que pretendem se casar:   01- JEAN FILIPE DELLÊ e STÉPHANI TAMIRIS MALAQUIAS; 02- LUIZ NOTO CASTANHO e ANA LUCIA DALLE NOGARE.   Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da lei no prazo de 15 (quinze) dias. CURITIba, 27 DE MARÇO de 2013

DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM LICENÇA PRÉVIA

O Departamento de Estradas de Rodagem, torna público que requereu junto ao Instituto Ambiental do Paraná – IAP/PR, a Licença Prévia referente à execução dos serviços de terraplenagem, pavimentação asfáltica e obras de arte especiais da Rodovia PR-415, sendo ampliação da capacidade de tráfego em 3ª pista do trecho Rio Atuba (Div. Curitiba/Pinhais), Ponte do Rio Palmital, numa extensão de 4,00 Km e duplicação do trecho Ponte Rio Palmital - Início da Pista Dupla (Piraquara), numa extensão de 9,90 km.

AVISO AOS ACIONISTAS Comunicamos aos Senhores Acionistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Rua Amazonas, 572, Água Verde, em Curitiba, Paraná, os documentos a que se refere o Artigo 133 da Lei 6.404/1976 com as alterações da Lei 10.303/2001, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Curitiba(PR), 21 de março de 2013. Saul Chuny Zugmann-Diretor Executivo.

SINDICATO DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Pelo presente edital ficam convocados os associados deste Sindicato, por seus representantes legais, para assembléia geral ORDINÁRIA a ser realizada no dia 29 de Abril de 2013, às 17:00 horas, em PRIMEIRA convocação e às 17:30 em SEGUNDA convocação, na Av. Sete de Setembro, 4751, loja 02, Bairro Batel, nesta cidade, a fim de deliberarem, por escrutínio secreto, sobre a seguinte ORDEM DO DIA: a) Exame, discussão e aprovação das contas, bem como das Demonstrações Contábeis relativas ao exercício findo em 31/12/2012; b) Eleição dos membros efetivos e suplentes da Diretoria e do Conselho Fiscal. c) Demais assuntos inerentes à instituição.

4.004,77d 4.004,77d

Felix Archanjo Bordin Presidente

14.174,48d 14.174,48d 7.853.722,13c 7.853.722,13c 7.854.314,76c Saldo

Total

79.897,99

79.897,99

(826,00) (63.667,66) (295,00) (1.290,73) (20.616,80) (1.053,46) (1.813,83)

(1.592,71)

(2.916,28) 76.981,71 76.981,71

(86.696,19) (2.867,29) (12.581,77) (12.581,77) (1.592,71) (14.174,48)

IVO ZAMONER Reg. no CRC - PR sob o No. PR009864O8 CPF: 027.173.109-59 Técnico em Contabilidade

SOSSELLA INVESTIMENTOS S A CNPJ Nº 05.495.137/0001-88 BALAN C O PAT R I M O N IAL Descrição ATIVO CIRCULANTE CIRCULANTE DISPONIVEL DISPONIVEL CAIXA TOTAL DISPONIVEL TOTAL DISPONIVEL TOTAL CIRCULANTE ATIVO NAO CIRCULANTE TIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO OUTROS CREDITOS OUTROS CREDITOS TOTAL OUTROS CREDITOS TOTAL ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO TOTAL ATIVO NAO CIRCULANTE ATIVO NÃO CIRCULANTE INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS ACOES E PARTICIPAC EM OUTRA EMPRESA TOTAL INVESTIMENTOS TOTAL INVESTIMENTOS IMOBILIZADO TECNICO TANGIVEL TERRENOS IMOVEIS TOTAL TANGIVEL DEPRECIACOES ACUMULADAS IMOVEIS TOTAL DEPRECIACOES ACUMULADAS TOTAL IMOBILIZADO TECNICO TOTAL ATIVO NÃO CIRCULANTE TOTAL ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE OBRIGACOES A CURTO PRAZO OBRIGACOES TRIBUTARIAS E FISCAIS PIS COFINS TOTAL OBRIGACOES TRIBUTARIAS E FISCAIS PROVISOES I RENDA CONTRIBUICAO SOCIAL TOTAL PROVISOES TOTAL OBRIGACOES A CURTO PRAZO TOTAL CIRCULANTE PASSIVO NAO CIRCULANTE PASSIVO EXIGIVEL A LONG0 PRAZO EMPRESTIMO BELLONI INVESTIMENTOS TOTAL EMPRESTIMO TOTAL PASSIVO EXIGIVEL A LONG0 PRAZO TOTAL PASSIVO NAO CIRCULANTE PATRIMONIO LIQUIDO PATRIMONIO LIQUIDO CAPITAL SOCIAL CAPITAL SUBSCRITO TOTAL CAPITAL SOCIAL PREJUIZOS ACUMULADOS PREJUIZOS ACUMULADOS TOTAL PREJUIZOS ACUMULADOS RESULTADO DO EXERCICIO RESULTADO DO EXERCICIO TOTAL RESULTADO DO EXERCICIO TOTAL PATRIMONIO LIQUIDO TOTAL PATRIMONIO LIQUIDO TOTAL PASSIVO CIRCULANTE

Saldo Atual

164,29d 164,29d 164,29d 164,29d

903.000,00d 903.000,00d 903.000,00d 903.000,00d

357.088,22d 357.088,22d 357.088,22d 290.707,48d 2.617.411,57d 2.908.119,05d 649.963,44c 649.963,44c 2.258.155,61d 2.615.243,83d 3.518.408,12d

12,44c 57,41c 69,85c 22,96c 20,67c 43,63c 113,48c 113,48c

500.000,00c 500.000,00c 500.000,00c 500.000,00c

3.358.938,04c 3.358.938,04c 250.941,68d 250.941,68d 89.701,72d 89.701,72d 3.018.294,64c 3.018.294,64c 3.518.408,12c

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2012

IRACI PISSININ SOSSELLA EMPRESARIA CPF: 017.614.719-53

AVISO AOS QUOTISTAS

133.305,38c 133.305,38c

(519,36) (2.396,92)

Descrição Receita Operacional ALUGUEIS DE IMOVEIS Deducoes PIS COFINS Receita Líquida Lucro Bruto Despesas Administrativas ANUNCIOS E PUBLICACOES DEPRECIACOES TAXAS AGUA E LUZ SERVICOS DE TERCEIROS Despesas Tributarias CONTRIBUICAO SOCIAL JUROS DE MORA SOBRE DEBITOS FISCAIS Resultado operacional líquido Resultado Antes do IR Provisões PROVISAO I RENDA PREJUÍZO DO EXERCÍCIO

TRANSPORTES, REPRESENTAÇÕES E CONSIGNAÇÕES IZE LTDA. CNPJ(MF) 83.187.922/0001-87

7.738.596,00c 7.738.596,00c

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2012

Descrição Receita Operacional ALUGUEIS DE IMOVEIS Deducoes PIS COFINS Receita Líquida Lucro Bruto Despesas Administrativas ANUNCIOS E PUBLICACOES DEPRECIACOES TAXAS AGUA E LUZ SERVICOS DE TERCEIROS Despesas Tributarias CONTRIBUICAO SINDICAL CONTRIBUICAO SOCIAL Resultado operacional líquido Resultado Antes do IR Provisões PROVISAO I RENDA PREJUÍZO DO EXERCÍCIO

Comunicamos aos Senhores Quotistas que se encontram à sua disposição, na sede social, sita na Rua Amazonas, 572, Água Verde, em Curitiba, Paraná, os documentos a que se refere o Artigo 1078 parágrafo 1º do Código Civil - Lei 10406/02, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Curitiba(PR), 22 de março de 2013. Julio Zugman-Administrador.

4º Serviço de Registro Civil de Pessoas Naturais e 16º Serviço Notarial da Comarca de Curitiba/PR. ADILSON TABORA - Titular Rua Voluntários da Pátria, 233, loja 06, Centro – Curitiba-PR fone: 3233-2444 Faço saber que pretendem casar-se: 01 – DANIEL MORO DA CUNHA E PATRICIA DERKSEN E SILVA 02 – CARLOS AUGUSTO COGO E GESIELE DASKO 03 – ROBSON LUIZ VENTURA DOS SANTOS E JOSIELE HISTER 04 - TIAGO OTTO MARTINS E PATRICIA SCHIPITOSKI MONTEIRO 05 – LUCIANO STORELLI E CLAUDIA FERNANDA DE FREITA 06 - PAULO MARCIO BORGES DANIEL E FERNANDA DE FRANÇA SCOVINO

Saldo

Total

23.905,02

23.905,02

(152,34) (703,05)

(693,00) (104.696,46) (295,00) (367,55) (6.164,68) (253,12) (0,37)

(281,17)

(855,39) 23.049,63 23.049,63

(112.216,69) (253,49) (89.420,55) (89.420,55) (281,17) (89.701,72)

IVO ZAMONER Reg. no CRC - PR sob o No. PR009864O8 CPF: 027.173.109-59 Técnico em Contabilidade

Curitiba, 27 março de 2013.

S/A MOAGEIRA E AGRICOLA CNPJ Nº.78.143.146/0001-83 Assembléia Geral Ordinária EDITAL DE CONVOCAÇÃO

BN SECURITIZADORA S.A. CNPJ/MF 11.630.002/0001-80 NIRE 413.000.790-99 ATA DA 5ª (QUINTA) ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DATA, HORA E LOCAL: Aos 20 dias do mês de Março do ano de 2013, às 14:00 horas, na sede social localizada na Avenida Cândido Hartmann, nº 570, conjunto 194, Champagnat, CEP 80.730440, Curitiba, Paraná. CONVOCAÇÃO: sendo dispensada a convocação, nos termos do Parágrafo 4º, do Artigo 124, da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, face a presença confirmada de todos os acionistas. PRESENÇA: reuniram-se os acionistas da sociedade, representando a totalidade do capital social da BN SECURITIZADORA S.A., MARCELO BRATTI NUNES e IONE DAS GRAÇAS BRATTI NUNES. Para presidir a Assembleia foi eleito por unanimidade a Sra. IONE DAS GRAÇAS BRATTI NUNES, que aceitando a incumbência convidou a mim, MARCELO BRATTI NUNES para secretariá-la, no que aceitei, assim se constituindo a mesa e dando-se início aos trabalhos. ORDEM DO DIA: I – Redução do capital social da Sociedade; II – Outros assuntos de interesse da sociedade. DELIBERAÇÕES: I – Redução capital social da Sociedade - Os acionistas decidem por unanimidade pela redução do capital social desta sociedade de R$ 1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil Reais) para R$ 50.000,00 (cinquenta mil Reais); II - Da Ordem do Dia - A Sra. Presidente ofereceu a palavra aos presentes para tratarem de assuntos de interesse social e, como ninguém se manifestou, os trabalhos foram suspensos pelo tempo necessário à lavratura da presente Ata. Reabertos aos trabalhos, esta Ata foi lida e, de forma unânime, aprovada e assinada pelos presentes, que autorizaram sua publicação sem as suas assinaturas, conforme Artigo 130, Parágrafo Segundo, da Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Na qualidade de Presidente e Secretário da Assembléia, declaramos que a presente é cópia fiel da Ata original lavrada no livro próprio, Curitiba, 20 de março de 2013. (a.a.) IONE DAS GRAÇAS BRATTI NUNES – Presidente, MARCELO BRATTI NUNES – Secretário. IONE DAS GRAÇAS BRATTI NUNES Presidente da Mesa MARCELO BRATTI NUNES  Secretário da Mesa

   

 

  

São convidados os Senhores Acionistas da S.A. Moageira e Agrícola para se reunirem em Assembléia Geral Ordinária no dia 30 de Abril de 2013, às 9:30, na sede social a Rua da Liberdade, nº.207, em Irati-Pr., para tomarem conhecimento e deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA a)- Apreciação e aprovação do relatório da Diretoria, Balanço Patrimonial e Demonstrações Financeiras, referentes ao exercício de 2012; b)- Destinação do Resultado do Exercício encerrado em 31 de Dezembro de 2012; c)- Eventuais assuntos de interesse social. Aviso: acham-se a disposição dos senhores acionistas, na sede social da empresa, os documentos a que se refere o Artigo 133 da Lei nº. 6.404,76, relativos ao exercício de 2012. Irati, 25 de Março de 2013.-MARCELO VOSNIKA Diretor

ACADEMIA DE CULTURA DE CURITIBA – ACCUR Rua XV de Novembro, 1050 – Curitiba – Paraná. ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO O Presidente da Academia de Cultura de Curitiba – ACCUR, no uso de suasatribuições e na forma dos Artigos 10º, 14º e Parágrafo Segundo, 16º – Parágrafo Primeiro e Inciso IV, e 18º – Incisos III, IV e §§ 1º e 2º, todos do Estatuto da ACCUR, pelo presente E D I T A L CONVOCA os Acadêmicos (as) que estejam no gozo de seus direitos estatutários para participarem da ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA que será realizada no dia 28 de Março de 2013, na Sede do Círculo de Estudos Bandeirantes, sito na Rua XV de Novembro, 1050, em Curitiba, Estado do Paraná, às 19h00 em Primeira Convocação com número legal de participantes, ou às 19h30 com qualquer número de presenças, com a seguinte: ORDEM DO DIA: 1º - PRESTAÇÃO DE CONTAS pela Diretoria referente ao exercico financeiro de 2012; 2º - Lançamento Oficial do SITE da ACCUR; e 3º - ASSUNTOS DIVERSOS do interesse da ACCUR.

                                                                                          

 

AÇÃO MONITÓRIA Nº 2008.70.00.016431-9/PR  AUTOR : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF    ADVOGADO : NEY DE OLIVEIRA RODRIGUES   : DELMARI DIAS  RÉU : ITAPUA INDUSTRIA E COMERCIO DE PRODUTOS QUIMICOS LTDA EPP  : LUIZ FELIPE MENDES   : ORACI DOS SANTOS 

EDITAL N.º 7006991

Curitiba, 26 de Fevereiro de 2013 Acadêmico João Darcy Ruggeri - Presidente da ACCUR

COMUNICADO PÚBLICO A Vivo S.A., operadora do Serviço Móvel Pessoal no Estado do Paraná, em atenção ao disposto no Regulamento do Serviço Móvel Pessoal, aprovado pela Resolução da ANATEL nº 477/07, informa a seus clientes e ao público em geral que ocorreram dificuldades pontuais e temporárias na prestação do serviço, nas localidades e períodos informados abaixo: Período Motivo Início Fim 25/03/2013 25/03/2013 Instabilidade no suprimento de Ibaiti 10h42min 12h22min energia elétrica. 25/03/2013 25/03/2013 Instabilidade no suprimento de Mandirituba 12h35min 13h25min energia elétrica. 25/03/2013 25/03/2013 Alto Paraná Instabilidade em equipamento. 19h30min 22h33min 26/03/2013 26/03/2013 Quatro Barras Instabilidade em equipamento. 01h53min 19h26min 26/03/2013 26/03/2013 Instabilidade no suprimento de Marilândia do Sul 05h25min 06h04min energia elétrica. A Vivo agradece a compreensão de seus clientes e reafirma o compromisso com a qualidade de seus serviços. Localidade

Vivo S.A. CNPJ nº 02.449.992/0001-64



PRAZO: 20 (VINTE) DIAS A DRA. TANI MARIA WURSTER, MMª. Juíza Federal Substituta da 1ª Vara, na forma da lei,   FAZ SABER que todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem que, perante este Juízo e Secretaria da 1ª Vara Federal, tramitam os autos de AÇÃO MONITÓRIA n.º 2008.70.00.016431-9, movida pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL contra ITAPUA INDUSTRIA E COMERCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS LTDA EPP E OUTROS, constando dos autos que os réus ITAPUA INDUSTRIA E COMERCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS LTDA EPP (CNPJ nº 00.710.439/0001-08); LUIZ FELIPE MENDES (CPF nº 008.314.289-45); e ORACI DOS SANTOS (CPF nº 927.453.85887) encontram-se em lugar incerto e não sabido, pelo presente edital, com prazo de 20 (vinte) dias, que será publicado na forma da lei e afixado em lugar de costume na sede deste Juízo, o qual está situado à Av. Anita Garibaldi, 888, Ahú, nesta capital, ficam os executados supra mencionados, por meio deste, INTIMADOS para que efetuem o pagamento, em conta judicial vinculada aos autos, de R$ 529.074,16(quinhentos e vinte e nove mil setenta e quatro reais e dezesseis centavos), atualizados para 04/2012, no prazo de 15 (quinze) dias, em conformidade com a decisão de fl. 620, a qual deferiu a intimação por edital, a teor do disposto nos arts. 232, III, e 475-J, §1º do CPC, e para que não alegue ignorância, mandou a MMª. Juíza Federal expedir o presente edital, na forma da lei. Nesta cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos dezenove dias de março de dois mil e treze. Eu, (a), Carla Sarturi, Diretora de Secretaria, o conferi e subscrevi.

Tani Maria Wurster Juíza Federal Substituta

CLUBE ATLÉTICO PRIMAVERA EDITAL DE CONVOCAÇÃO O Presidente do Conselho Diretor do Clube Atlético Primavera, no uso de suas atribuições estatutárias, convoca os sócios patrimoniais, na plenitude dos seus direitos sociais e quites com as suas obrigações perante a Tesouraria e Secretaria do Clube, para a ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA a ser realizada no dia 14 de abril de 2013, às 10h00min, na sede social do Parque Recreativo Comendador José Pedroso de Moraes, sito na Rua Alexandre Meguer nº 4170 (antiga Estrada Primavera, n º 319), Juruqui – Almirante Tamandaré –Pr, com a seguinte Ordem do Dia: a) eleição do Conselho Deliberativo, do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal para o biênio 2013-2015 Os associados impossibilitados de comparecer poderão ser representados por procuração. A assembléia geral instalar-se-á, ordinariamente, em primeira convocação, com maioria simples dos associados e, em segunda convocação após 30 minutos do horário marcado para sua realização com qualquer número de presentes. Almirante Tamandaré, 28 de março de 2013 ANTONIO CARLOS ROCHA MOREIRA Presidente do Conselho Diretor


Negócios Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | A12 | Indústria&Comércio

cazemek@yahoo.com.br

CarlosZemek “Pensamentos de Artistas” O objetivo desta coluna não é apenas falar de arte, mas sim falar sobre o aspecto filosófico e psicológico das artes; ajudar o público a desvendar as mensagens e símbolos ocultos nas artes, oferecendo uma visão mais íntima e profunda da inspiração, ideias e pensamentos que conduzam o processo criativo dos artistas.

O Centro Cultural de Pinhais realiza exposições mensalmente, além de palestras, teatro e outras atividades. Nesta oportunidade, fui convidado como participante e curador para realizar uma mostra. O título da exposição é “BELEZAS DA NATUREZA”, e meu projeto foi destacar diversos olhares sobre o meio ambiente natural. A exposição estará aberta ao público a partir de 08 de abril no hall de entrada do Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann, no bairro Estância Pinhais, centro de Pinhais. Com a finalidade de mostrar diversos aspectos da natureza, convidei dois fotógrafos, Cristina Piscoliche, especializada em fotografias de paisagens e arquitetura, e o jornalista, escritor e fotógrafo Eduardo Bettega, para expor fotos relacionadas com o assunto. O mar, a montanha, os rios, as plantas e a paisagem natural são o foco dos trabalhos. Cristina Piscoliche foi premiada com o primeiro lugar, na categoria fotografia, no 1º Salão regional de poema ilustrado Prêmio Diego J. Zamit, Comodoro Rivadavia, Argentina, em 2012. Eduardo Bettega é especialista em Comunicação Social, pós-graduado pela PUC – PR, 2002. Para essa exposição, foram escolhidas quatro imagens expressivas, produzidas em viagem que ele realizou em dezembro de 2012 à ilha nordestina de Fernando de Noronha. Para enriquecer mais a exposição e mostrar outras linguagens, foram convidadas as artistas plásticas Valéria Sípoli e Mercedes Brandão, quem com uma instalação relacionada com os pássaros tenta conscientizar o público sobre a necessidade de preservar a natureza, Mercedes, entre outras exposições, participou em 2011 e 2012 da “Muestra Internacionl de Arte Postal Ciudad de Ceuta – España”. Valéria Sípoli participou de várias exposições, entre elas a exposição “LIVRO ARTE”, da Câmara Municipal de Araucária – PR. Ela foi premiada com Menção Honrosa no Salão do AAMA, Curitiba, em 2012. As diferentes técnicas abordam o assunto da exposição “Belezas da Natureza”, organizando um mosaico caleidoscópico no qual percepções diferentes permitem expressões artísticas baseadas na admiração e respeito pelo meio ambiente. Coube-me a participação com arte digital. Atualmente milhões de artistas do mundo inteiro dedicam seu tempo ao trabalho de arte utilizando processos digitais e virtuais. É uma nova maneira de trabalhar as imagens de maneira criativa, dado que arte engloba o conceito de estética. E arte digital é também uma maneira de comunicar emoções, sentimentos, percepções, pensamentos, conceitos e ideias. É a nova tecnologia a serviço do instinto humano de autoexpressão estética. A exposição “Belezas da Natureza” estará aberta para visitação de 08 a 29 de abril no Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann, Rua 22 de Abril, 305, no bairro Estância Pinhais, centro de Pinhais. * Carlos Zemek é curador e artista plástico. Contato pelo fone: (41) 9831-2389 – e-mail: cazemek@yahoo.com.br

Cervejaria Devassa inaugura segunda casa em Curitiba Local traz uma imagem desenvolvida pela franquia para o biênio 2013/2014

A

Cervejaria Devassa abre, no dia 04 de abril, sua segunda casa em Curitiba. Localizada no Alto da XV, novo pólo gastronômico e de lazer da capital paranaense, o local tem capacidade para 200 pessoas e traz uma nova imagem, mais clean, sofisticada, imponente e moderna, desenvolvida pela franquia para o biênio 2013/2014. A casa mantém o conceito e o cardápio das demais cervejarias da marca, que nasceu no Rio de Janeiro. O grande diferencial é o exclusivo chope Devassa, que só pode ser degustado na casa. Em homenagem à mulher brasileira, o chope Devassa oferece opções para todos os gostos: Loura, Ruiva, Negra, Índia e Sarará. E, a partir deste ano, a Cervejaria agrega ao cardápio outras cervejas especiais, suas primas EisehnBahn e Baden Baden, todas pertencentes ao portfólio da Brasil Kirin, detentora das marcas no mercado. Além disso, a Devassa Itupava tem um deck voltado para a rua, seguindo a tradição da Devassa Praça da Espanha, perfeito para um happy hour e os finais de semana de sol. Outro diferencial são as mesas no recuo da calçada no nível da rua, um conceito carioca que foi muito bem aceito pelos curitibanos. As casas da Itupava e da Praça

Foto: Fernando Smak

EXPOSIÇÃO DE ARTES VISUAIS NO CENTRO CULTURAL DE PINHAIS

CRESCIMENTO

As nova casa da Itupava e que já existe na Praça da Espanha são as duas únicas lojas da rede a ter lareira em seu interior

da Espanha são as duas únicas lojas da rede a ter lareira em seu interior, uma proposta voltada ao inverno e adaptada ao clima da capital paranaense. Entre os destaques do cardápio, os petiscos com nomes irreverentes, como a Carnuda (fumegante frigideira de filé ao molho roti da casa, com cubos de cebola, salsa, queijo prato derretido e aipim crocante), o Bem

Dotado (meio metro de linguiça fresca grelhada, acompanhada de uma saborosa cesta de pães) e o Piu-Piu (pequenos bocados de coxa, sobrecoxa e peito de frango sequinhos, com lascas de alho). O local é ideal para um encontro ou uma reunião de amigos, sempre em clima de irreverência e descontração que são marcas registradas

Aker Solutions ganha contrato de longo prazo com a Petrobras O escopo de fornecimento abrange 60 conjuntos de árvores de natal submarinas verticais, sistemas de controle submarinos, ferramentas e peças de reposição para fornecimento no período de 2014-2018. “A Aker Solutions tem a honra de trabalhar com um dos líderes mundiais em operações em águas profundas. Este acordo de longo prazo confirma a nossa parceria com a Petrobras e reflete nossa dedicação ao mercado brasileiro", diz Øyvind Eriksen, presidente executivo da Aker Solutions. A Petrobras vai utilizar os 60 conjuntos de árvores de natal submarinas no desenvolvimento de campos do pré-sal localizado a 300 quilômetros da costa de São Paulo, na Bacia de Santos. "Estamos comprometidos com o desenvolvimento da indústria submarina no Brasil através do desenvolvimento de nossa expertise

brasileira, apoiada pela nossa rede de competência internacional", diz Luis Antonio Araujo, presidente da Aker Solutions no Brasil. A Aker Solutions decidiu investir mais e expandir no Brasil devido a este contrato de US$ 800 milhões com a Petrobras e às previsões futuras de mercado para a indústria brasileira de petróleo e gás. Uma nova fábrica de equipamentos submarinos será instalada em Curitiba, no estado do Paraná, 800 km ao sul do Rio de Janeiro. Este novo centro de tecnologia vai substituir a atual planta em 2015 e empregará cerca de 1100 pessoas. Apenas os primeiros conjuntos de poço do novo contrato serão produzidos na fábrica existente, enquanto os restantes serão fabricados, montados e testados na nova instalação. "Continuamos nossos esforços para estabelecer capacidades de produção em grande escala com

base nas tecnologias desenvolvidas para a Petrobras durante nossos primeiros projetos do pré-sal. Nossa comprovada tecnologia para o présal dá à Aker Solutions uma forte posição neste mercado, e isso será usado para aumentar ainda mais o nosso conteúdo local, como por exemplo, através do fornecimento local de sistemas de controle submarino. A Aker Solutions tem investido continuamente no desenvolvimento de know-how e expertise de seus funcionários no Brasil", diz Araujo. A Aker Solutions também está investindo em outras áreas da indústria offshore brasileira. No ano passado, a empresa anunciou que vai construir uma nova unidade de serviços para o seu negócio de equipamentos de perfuração em Macaé, a 180 quilômetros a nordeste do Rio de Janeiro, expandindo significativamente sua capacidade de atender ao mercado de perfuração em rápido crescimento no país.

Telex lança aparelho auditivo totalmente invisível no ouvido Que tal um aparelho auditivo que ninguém vê e ainda por cima tem alta qualidade de som e melhora a compreensão da fala logo no primeiro momento? Esta é a novidade que a Telex Soluções Auditivas lança no mercado brasileiro. O Claris Di é o menor aparelho auditivo do mundo e fica completamente escondido no canal interno do ouvido, garantindo elegância e eficiência de som para quem sofre de problemas de audição. O Claris Di se encaixa confortavelmente dentro da orelha, de forma que o usuário nem vai lembrar

que está usando o aparelho. Com isso, ele pode manter em segredo a perda auditiva, pois não há nenhuma mudança notória na aparência. Além disso, seu posicionamento no canal auditivo não afeta o uso de fones de ouvido ou telefone, nem a forma como o usuário usa óculos ou como arruma o cabelo. "O Claris Di é um aparelho revolucionário, que melhora de imediato a audição e a compreensão da fala, porque tem alta qualidade e clareza no som. E o que é melhor, é totalmente invisível aos olhos. Agora ninguém tem mais desculpas para não usar um aparelho auditivo.

O homem e a mulher que têm perda auditiva podem agora ouvir normalmente mantendo sua discrição e elegância", explica a fonoaudióloga Isabela Pereira Gomes, gerente de produtos da Telex. Devido à sua localização na orelha, o Claris Di captura os sons da mesma forma que o ouvido faz normalmente, sem que ninguém perceba. E baseado na tecnologia Premium da Telex ele preserva e amplifica os sons fazendo com o que o usuário ouça sempre de forma clara e seja capaz de participar com tranquilidade de todas as situações e momentos da vida.

da Devassa. A Cervejaria Devassa Itupava possui valet e estacionamento conveniado exclusivo (Rua Padre Germano Mayer, 1366, a apenas 30 metros). Com projeto do arquiteto Gustavo Salles e execução do engenheiro Paulo Fabiano Maingue, a nova casa vai funcionar, inicialmente, de terça a domingo, a partir das 17h.

Ouro Fino apoia o projeto Doze Belas 2013 A empresa Águas Ouro Fino é uma das apoiadoras da terceira edição do projeto Doze Belas. A iniciativa tem como objetivo a valorização da mulher e a realização de ações sociais e, para isso, promove um concurso que elege 12 representantes. Neste ano, foram 2.858 mulheres inscritas. Na primeira etapa, foram selecionadas 30 finalistas e no dia 22 de março, as Doze Belas do ano foram definidas. Na quinta-feira, dia 28 de março, a organização do projeto promove o primeiro evento com a participação das 12 eleitas, com um coquetel na loja Momentum&Design. Nessa recepção às Belas de 2013, a Ouro Fino estará presente com suas charmosas águas da linha gourmet. Além disso, a empresa vai promover também degustação de outros produtos como o energético Insano Extreme Energy Drink. As Doze Belas dessa terceira edição: Ana Beatriz Soder (34 anos), Debora A. Santos (49 anos), Elizabeth M. de Castro (60 anos), Ivone de Souza (44 anos), Jocymara Nicolau (41 anos), Josiane Apter (53 anos), Laura Rodrigues (53 anos), Maria Inez Santa Rita (61 anos), Melody D. Choinski (37 anos), Morgana Pisseti (49 anos) e Samira khelili (53 anos), Thaís Mansur (35 anos). Ao longo do ano, o Projeto Doze Belas vai realizar diversas campanhas em benefício das ações desenvolvidas pelo Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense). A primeira delas é a campanha do chocolate e as doações serão feitas no evento de recepção, dia 28 de março.


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B1

Dilma defende reformas no FMI e CSNU A presidenta Dilma Rousseff defendeu as reformas do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Dilma disse que é necessário dar mais espaço, nos órgãos multilaterais, aos países em desenvolvimento. A presidenta discursou durante a 5ª Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em Durban, na África do Sul. “Nesses fóruns é importante que se reflita o peso do Brics e dos países em desenvolvimento para que a governança seja mais democrática”, destacou a presidenta, que discursou hoje por duas vezes, na cúpula. Para o governo brasileiro, é necessário modificar a estrutura do FMI de tal forma que os países em desenvolvimento tenham mais espaço, que a equipe do fundo reflita a diversidade de nacionalidade, gênero e formação acadêmica e profissional, assim como modernize as linhas de pensamento no que se refere às economias mundial e domésticas, superando a prevalência do defendido pelas economias avançadas. O governo do Brasil também quer a reforma do Conselho de Segurança, que é responsável pela definição de políticas de preservação da população civil e cuja estrutura é do final da 2ª Guerra Mundial. Atualmente, o órgão tem 15 assentos, dos quais apenas cinco são permanentes, os demais são rotativos e substituídos a cada dois anos. O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, também apoiou as reformas defendidas por Dilma. Segundo o indiano, a reforma do conselho deve visar ao combate à pirataria e ao terrorismo. “Usando a sabedoria e a capacidade para ultrapassar esses desafios, reafirmando a importância que coloca o trabalho do Brics para o benefício dos povos do mundo”, disse.

Projeto de lei estabelece rapidez nos julgamentos contra idoso A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que estabelece o rito sumaríssimo (caminho mais rápido para um processo de causas pequenas) no julgamento de crimes contra idoso. A proposta, de autoria da deputada Sandra Rosado (PSB-RN), altera o Estatuto do Idoso para permitir a nova tramitação para crimes com penas de até dois anos. A matéria segue agora para o Senado. Atualmente, o rito sumaríssimo é previsto apenas para crimes cuja pena seja de até quatro anos de prisão, entretanto, a Lei dos Juizados Especiais trata dos crimes com menor potencial ofensivo, classificados como aqueles com pena de até dois anos. Esses ritos são definidos no Código de Processo Penal. “Não seria razoável que, impondo um tratamento penal mais rigoroso aos autores de crimes contra o idoso, o estatuto permitisse, ao mesmo tempo, a aplicação de mecanismos despenalizadores”, disse a deputada Sandra Rosado (PSB-RN). A deputada lamentou o fato de idosos atingidos por crimes acabarem morrendo sem ver a Justiça atuar. Sandra Rosado argumentou que o procedimento sumaríssimo está previsto no Estatuto do Idoso para acelerar os processos de crimes contra os idosos.

exterior

Em cinco anos, cerca de 300 mil brasileiros retornaram do exterior Os brasileiros voltaram, principalmente, do Japão, da Espanha, de Portugal, da França e dos Estados Unidos

A

crise econômica internacional associada a problemas específicos em alguns países, como o terremoto seguido por tsunami no Japão (em 2011), provocou o retorno de 300 mil a 400 mil brasileiros que estavam no exterior para o Brasil. Os números são do Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, e referem-se ao período de 2007 a 2012. A estimativa é que cerca de 2,5 milhões de pessoas vivem fora do país. Os brasileiros voltaram, principalmente, do Japão, da Espanha, de Portugal, da França e dos Estados Unidos, além do Paraguai. Porém, o Itamaraty informou que os dados são baseados em estimativas, pois vários estão em situação ilegal, o que dificulta a precisão das informações. O único país, segundo o Itamaraty, que é exceção é o Japão, pois todos os imigrantes são cadastrados pelo governo japonês. De 2007 a 2012, o número de brasileiros no país caiu de 313 mil para 193 mil. A avaliação é que o terremoto seguido por tsunami no Nordeste do Japão agravado por explosões e vazamentos nucleares, em março de 2011, tenha provocado o retorno. De acordo com o Itamaraty,

foram eliminadas ações consideradas discriminatórias em relação a brasileiros no exterior, como era o caso da Espanha até o ano passado. Negociações entre autoridades brasileiras e espanholas, segundo o ministério, acabaram com essas barreiras. A diretora do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior, Luiza Lopes da Silva, disse que os problemas de impedimento fora do país, quando ocorrem, são pontuais. Em geral, segundo ela, são questões relativas à adequação de documentos. A diplomata acrescentou que a preocupação do governo é dar condições para que todos os que retornam do exterior tenham condições de se reinserir na sociedade e no mercado de trabalho. “No momento que o imigrante volta não acaba o problema. O retorno do imigrante não é fácil porque os caminhos que ele pode percorrer não são divulgados. De uns anos para cá, estamos fazendo esforços para levar essas informações ao exterior. Estamos fazendo a divulgação desses dados”, disse Luiza Lopes.

Financiamento

Os brasileiros que moram no

De 2007 até o ano passado, ao menos 300 mil brasileiros deixaram o exterior de volta para o país motivados pela baixa econômia internacional e problemas específicos de cada região

exterior podem contratar um financiamento para a casa própria, na Caixa Econômica Federal, e contar o tempo de trabalho fora do país para aposentadoria. O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) também pode ser resgatado no exterior. Essas são algumas das informações que estão

no Portal do Retorno, primeiro site a centralizar os dados sobre programas e serviços destinados aos brasileiros que estão no exterior e pretendem voltar ao país, lançado pelo governo. As informações sobre compra da casa própria, contribuição social, cursos de qualificação e apoio

S.A. MOAGEIRA E AGRICOLA

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - (em milhares de Reais)

RUA DA LIBERDADE, 207 - IRATI - PARANÁ CNPJ - 78.143.146/0001-83 RELATÓRIO DA DIRETORIA Prezados Senhores acionistas: em cumprimento as disposições legais e estatutárias que regem nossa sociedade, submetemos a apreciação de Vossas Senhorias as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício social de 2012, comparativas com as de 2011. Ao final consignamos nossos agradecimentos aos clientes, fornecedores, funcionários e colaboradores pelo apoio a Companhia no ano que passou. Irati, 22 de Março de 2013. BALANÇOS PATRIMONIAIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - (em milhares de Reais) ATIVO CIRCULANTE

2012 46.583

2011 39.747

2.940 7.861 2.240 2.114 258 31.162 8

4.821 7.439 4.711 1.956 107 2.500 18.206 7

NÃO CIRCULANTE

24.394

17.645

Depósitos Judiciais Investimentos Imobilizado

45 5.123 19.226

45 137 17.463

70.977

57.392

Disponibilidades Clientes Impostos a Recuperar Adiantamentos a Fornecedores Outros Créditos Valores a Receber Estoques Despesas do Exercício Seguinte

TOTAL DO ATIVO

PASSIVO CIRCULANTE Instituições Financeiras Fornecedores Obrigações Sociais Obrigações Tributárias Credores Diversos NÃO CIRCULANTE Empréstimos e Financiamentos Instituições Financeiras Credores Diversos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva Legal Lucros Acumulados TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

2012 41.382 27.498 9.816 325 962 2.781 7.808 5.871 1.937 21.787 12.000 598 9.189 70.977

2011 32.222 22.290 5.713 207 2.085 1.927 5.250 15 5.235 19.920 12.000 445 7.475 57.392

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (em milhares de Reais)

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Resultado do Exercício Constituição da Reserva Legal Juros sobre o Capital Próprio SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Resultado do Exercício Constituição da Reserva Legal Juros sobre o Capital Próprio SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

Capital Social

Reserva Legal

Lucros Acumulados

Patrimônio Líquido

12.000 12.000 12.000

190 255 445 153 598

4.034 5.096 (255) (1.400) 7.475 3.067 (153) (1.200) 9.189

16.224 5.096 (1.400) 19.920 3.067 (1.200) 21.787

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (em milhares de Reais) NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A empresa é uma Sociedade Anônima de Capital Fechado tendo como objetivo social preponderante a industrialização de trigo em grão. NOTA 02 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As Demonstrações Contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, disposições da Comissão de Valores Mobiliários - CVM, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC. 2.1 Demonstração do Resulado Abrangente - DRA A Demonstração do Resultado Abrangente, exigida pela NBC TG 1000 não está sendo apresentada no conjunto das Demonstrações Contábeis em virtude de não haver resultados abrangentes no exercício findo em 2012 e 2011. NOTA 03 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As Demonstrações Contábeis estão estruturadas de acordo com as normas contábeis de uso corrente e em conformidade com as disposições vigentes na legislação societária, onde aplicável, apresentando-se de forma comparativa com as do exercício anterior. As Demonstrações Contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, apresentadas de forma conjunta com as Demonstrações Contábeis de 2011, foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil até 31 de dezembro de 2012 , levando em conta as seguintes e principais diretrizes: a) Apuração do Resultado O resultado é apurado pelo regime de competência do exercício. Os rendimentos e encargos incidentes sobre os Ativos e Passivos Circulantes, bem como os efeitos de ajustes de valores do Ativo para o valor de realização ou de mercado, quando aplicável, e estão reconhecidos no resultado. b) Ajustes para Atender Perdas Prováveis na Realização de Créditos Foram procedidos os ajustes relativos às perdas prováveis na realização de créditos junto a clientes, considerando-se os critérios fiscais de dedutibilidade disciplinado pelos Artigos 9º a 12º da Lei nº 9.430/96. c) Estoques Os estoques foram avaliados ao custo médio de aquisição ou produção, líquidos de impostos recuperados, não superando os preços de mercado. d) Imobilizado Registrado pelo custo de aquisição, formação ou construção, deduzido da depreciação acumulada calculada pelo método linear atá a data do encerramento do balanço, tomando-se por base os dados contábeis registrados nas respectivas contas. A Empresa optou por não efetuar os ajustes correspondentes ao valor justo dos bens no exercício de 2012, bem como nos saldos apresentados em comparativo, em função de considerar irrelevantes os efeitos dos referidos ajustes. A estimativa mencionada foi obtida através da análise e estudo técnico, levando em consideração, no julgamento, as caracteristicas e utilidades dos bens, o tempo de uso, e a atividade operacional e dispositivos técnicos contidos na Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento - IT10, aprovada pela Resolução CFC nº. 1.263/09 e no Pronunciamento Técnico - CPC 27, aprovado pela Resolução do CFC nº. 1.177/09. Quanto as taxas de depreciação, a Empresa está estudando novos critérios de vida útil e econômica de seus bens, considerando suas atividades próprias e dispositivos técnicos mencionados na Resolução CFC nº. 1.177/09. NOTA O4 - CONTAS RELEVANTES ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS a) Tributos a Recuperar Em 2011, a empresa optou por efetuar a recuperação de créditos tributários do PIS e da COFINS, calculados de forma presumida, a que se refere o Artigo 8º da Lei nº. 10.925/04. A recuperação dos créditos tributários compreendeu o período de junho de 2008 até dezembro de 2011. Por prudência, a administração da empresa não usufruiu os referidos créditos tributários nas correspondentes datas de apuração em virtude da legislação vigente na época não ser clara a respeito do assunto, adotando o procedimento de recuperação somente em 2011 com base na Lei nº. 10.350/10. Para a data base de dezembro de 2012, a administração realizou compensações dos créditos de COFINS, para quitação dos débitos de IRPJ e CSLL anual.

b) Estoques Estoques 2012 2011 Matéria-Prima 30.004 17.985 Produtos Acabados 1.094 165 Insumos e Embalagens 64 56 Total dos Estoques 31.162 18.206 c) Despesas do Exercício Seguinte Composto pelos valores de Prêmios de Seguros e de Assinatura, ainda não computados no Resultado do Exercício em obediência ao Regime de Competência, sendo apropriados mensalmente pelo critério pro-rata-temporis. d) Depósitos Judiciais Compreendido por Depósitos Judiciais, referente aos Encargos de Capacidade Emergencial, cobrados pela Companhia de Energia Elétrica do Paraná - COPEL. e) Imobilizado e Investimentos Custo Depreciação Taxa Valor Residual Corrigido Acumulada Depr. 2.012 2.011 Investimentos 5.123 0% 5.123 137 Terrenos 957 0% 957 957 Edificações e Instalações 732 (27) 4% 705 705 Máquinas e Equipamentos 11.869 (5.261) 10% 6.608 6.256 Móveis e Utensilios 285 (186) 10% 99 99 Veículos 310 (32) 20% 278 278 Equipamentos de Informática 116 (67) 20% 49 49 Reavaliação do Ativo Imobilizado 3.492 (1.927) 15% 1.565 1.565 Outros - Em construção 8.965 0% 8.965 7.554 TOTAL 31.849 (7.500) 24.349 17.600 f) Instituições Financeiras - Circulante Composto por empréstimos na modalidade EGF junto as Instituições Financeiras do Banco do Brasil, Banco HSBC, Banco Itaú, Sicoob e Citibank, com taxas médias de juros na ordem de 5,50% ao ano e modalidade FINAME, para aquisição de Bens do Ativo Imobilizado ou ampliação de suas unidades. g) Instituições Financeiras - Não Circulante Compreende valores devidos por financiamento na modalidade de FINAME, em decorrência da aquisição de Bens do Ativo Imobilizado ou ampliação de suas unidades e pagamentos a serem realizados pela aquisição da empresa Secacereal Comércio de Cereais Ltda. h) Obrigações Tributárias As obrigações tributárias correspondentes ao ano de 2012 estão assim compostas: Composição 2012 IRRF a Recolher 11 ICMS a Recolher 6 FUNRURAL a Recolher 100 ISS a Recolher 10 ICMS Autonômos 7 COFINS a Recolher 49 IRRF Estimativa 2012 549 CSLL Estimativa 2012 222 Outros 8 Total 962 i) Lucros Acumulados Os saldos positivos dessa conta deverão ser transferidos para Reservas de Lucros, entretanto, a Empresa não decidiu em assembléia qual será a devida destinação desse saldo, bem como o critério a utilizar, permanecendo os valores nessa epígrafe, até que seja acordado a destinação necessária e critérios adequados. NOTA 05 - CAPITAL SOCIAL O Capital Social é de R$ 12.000 mil, dividido em 1.950 mil, ações ordinárias nominativas sem valor nominal Irati, 31 de dezembro de 2012. DIRETORIA MARCELO VOSNIKA ROBERTO VOSNIKA MARCOS VOSNIKA LUIZ ANTONIO CONDE

psicológico, entre outras, estão no portal lançado hoje. O portal tem uma navegação simples com links para os diversos órgãos que atuam na prestação de serviços. Do lado esquerdo da página, há as seções orientando sobre os documentos que devem ser providenciados antes de deixar o país.

DIRETOR DIRETOR DIRETOR Técnico em Contabilidade CRC-PR 15.666/O-7

RECEITA BRUTA DE VENDA E SERVIÇOS (-) DEDUÇÕES Abatimentos e Devoluções Impostos RECEITA LÍQUIDA (-) CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS LUCRO BRUTO (-) DESPESAS / RECEITA OPERACIONAIS Despesas Com Vendas Despesas Gerais e Administrativas Despesas Financeiras Outras Receitas Operacionais LUCRO LÍQUIDO ANTES DOS IMPOSTOS Provisão para o Imposto de Renda Provisão para a Contribuição Social sobre o Lucro LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

2012 2011 75.855 68.359 (2.671) (1.446) (498) (342) (2.173) (1.104) 73.184 66.913 (60.286) (53.543) 12.898 13.370 (8.571) (6.325) (5.015) (3.708) (3.288) (1.626) (1.041) (1.988) 773 997 4.327 7.045 (975) (1.427) (285) (522) 3.067 5.096

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (em milhares de Reais) 2012 2011 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro Líquido do Período 3.067 5.096 Mais: Depreciação 1.180 907 Menos: Lucro na Alienação de Ativo Imobilizado 9 74 Mais: Encargos Financeiros Líquidos 2.752 1.697 LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO 7.008 7.774 VARIAÇÕES ATIVAS E PASSIVAS Clientes (422) (1.841) Impostos a Recuperar 2.471 (4.045) Outros Créditos (152) (100) Adiantamentos à Fornecedores (158) (940) Valores a Receber 2.500 Estoques (12.956) 1.639 Fornecedores a Pagar 4.103 (859) Obrigações Sociais e Tributárias (1.005) 1.828 Credores Diversos 2.791 1.886 DISPONIBILIDADES GERADAS NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

4.180

5.342

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Recebimentos pela Venda de Ativo Imobilizado Pagamentos pela Compra de Ativo Imobilizado

5.128 (7.938) (9.729)

DISPONIBILIDADES GERADAS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS

(7.938) (4.601)

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Recebimentos de Empréstimos Bancários Pagamentos de Empréstimos Bancários Pagamento de Juros sobre o Capital Próprio

50.375 40.322 (47.298) (38.801) (1.200) (1.400)

DISPONIBILIDADES GERADAS NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS

1.877

121

REDUÇÃO NAS DISPONIBILIDADES

(1.881)

862

DISPONIBILIDADES NO INÍCIO DO PERÍODO DISPONIBILIDADES NO FINAL DO PERÍODO VARIAÇÃO NAS DISPONIBILIDADES

4.821 2.940 (1.881)

3.959 4.821 862

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores e Acionistas da S/A MOAGEIRA E AGRÍCOLA. Irati - Paraná Examinamos as Demonstrações Contábeis da S/A MOAGEIRA E AGRICOLA, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as Demonstrações Contábeis A administração da S/A Moageira é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas Demonstrações Contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de Demonstrações Contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas Demonstrações Contábeis com base em nossa Auditoria, conduzida de acordo com as Normas Brasileiras e Internacionais de Auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos Auditores e que a Auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as Demonstrações Contábeis estão livres de distorção relevante. Uma Auditoria envolve a execução dos procedimentos selecionados para a obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas Demonstrações Contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do Auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas Demonstrações Contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o Auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das Demonstrações Contábeis da S/A Moageira para planejar os procedimentos de Auditoria que são apropriados nas circunstãncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos. Uma Auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contabeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das Demonstrações Contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de Auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as Demonstrações Contábeis acima referidas apresentam adequadamente , em todos os aspecitos relevantes, a posição patrimonial e financeira da S/A MOAGEIRA E AGRÍCOLA em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Curitiba (PR), 25 de março de 2013 PSW BRASIL AUDITORES INDEPENDENTES CRC-PR nº. 5.196/O-2 CVM nº. 9458 GEOVANI GOMES ZAGOTO Contador CRC-PR-035.215/O-3

EDER ALEXANDRE SOUZA Contador CRC-PR-056.265/O-7


Especial Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B8 | Indústria&Comércio

Rozandra Texlusk Fixa homenageada Rozandra Texlusk Fixa (foto), proprietária de uma franquia Maxifarma foi uma das homenageadas, de Curitiba, com Prêmio Mulher Empreendedora da Fecomércio, . “Estou muito feliz com a indicação e com o prêmio. É um reconhecimento do meu trabalho, então o recebo com alegria. A mulher hoje é batalhadora, corre atrás dos seus objetivos e conquista seu espaço”, afirmou a empresária. Após atuar nove anos em uma multinacional, Rozandra queria mais reconhecimento por seu trabalho. Deixou tudo e começou a vender roupas e bijuterias. O marido, que sempre atuou no ramo farmacêutico, desfez uma sociedade que mantinha e, juntos, decidiram abrir a própria farmácia. Só os dois tocavam o pequeno estabelecimento, para economizar e dar conta do aluguel. Os preços justos e o bom atendimento conquistaram clientes e fizeram a farmácia prosperar. Hoje, ocupando 220 m2 e com oito colaboradores, já estudam uma forma de ampliar a empresa.

Daviane Chemin na ABRH-PR

A gerente corporativa de Recursos Humanos do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná – Fiep, Daviane Chemin (foto), assumiu oficialmente o cargo de presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH/PR, para a Gestão 2013-2015 da entidade. A solenidade de posse aconteceu no Auditório Mário de Mari, na sede da federação no Jardim Botânico (Cietep), em Curitiba, na última quarta-feira (20). Em seu discurso de posse, Daviane Chemin ressaltou o papel da ABRH como entidade voltada ao desenvolvimento de empresas e de competências das lideranças, e também destacou o compromisso da associação com a gestão de pessoas. “A ABRH pretende trazer experiências e apostar em pessoas, num processo de educação realmente transformador para os nossos profissionais paranaenses”, disse.

Preocupação com o turismo

Valorização

Curitiba vai conhecer as eleitas do Projeto “Doze Belas 2013” Nesta quinta-feira, 28, será realizada apresentação das doze mulheres eleitas do projeto “Doze Belas” que representarão a beleza real das mulheres curitibanas . A solenidade acontece na Momentum & Design, a partir das 20h00min na Rua Desembargador Costa Carvalho, 208 no Batel. Foram quase três mil inscrições. O Projeto Doze Belas também possui um importante cunho social e neste ano, o projeto firmou parceria com o Provopar, instituição estadual que atende pessoas em situação de vulnerabilidade social. Estão planejadas ações que incluem arrecadação de chocolates para a Páscoa, arrecadação de cobertores para a campanha Doe Calor, arrecadação de alimentos não perecíveis e a realização de uma feijoada beneficente. Este ano o projeto escolheu como madrinha a primeira dama Fernanda Richa, que “representa a garra, a coragem e a determinação de todas aquelas mulheres que são mães, donas-de-casa e trabalhadoras”, enfatiza a comissão organizadora do evento. Com a missão de resgatar a beleza da mulher real em sua totalidade, ‘Doze Belas’ valoriza a essência feminina nas diferentes etapas da vida, exaltando os traços e estilos únicos que toda mulher possui. O projeto que encanta, tem como foco

Conheça mais sobre as escolhidas do “Projeto Doze Belas: Realiza

e Concretiza Sonhos”: Samira Khelili tem 53 anos, é mãe de três filhos e trabalha em um Banco de Desenvolvimento; Jocymara Nicolau tem 41 anos e uma arquiteta apaixonada pela sua profissão; Ana Beatriz Soder tem 34 anos, é médica veterinária e acredita que ajudar e curar animais é uma missão, um maravilhoso presente de Deus; Ivone de Souza tem 44 anos, é mãe de seis filhos e, após superar um grave problema de saúde, decidiu dedicar sua vida a ajudar o próximo; Maria Inês de Souza Santa Rita tem 61 anos, é aposentada e trabalha voluntariamente na Rede Feminina de Combate ao Câncer, do Hospital Erasto Gaertner; Thais Mansur tem 35 anos, é mãe de uma linda menina e trabalha há 10 anos na Companhia Siderúrgica Nacional, onde coordena a logística externa; Josiane Bohn Apter tem 53 anos e é uma mulher dinâmica. Trabalha com imóveis e é Conselheira da Diretoria Social do Alphaville Graciosa Clube. É mãe, esposa, tia, amiga e orgulha-se de sua bela história de amor que já dura mais de 30 anos e gerou um belo presente que é seu filho; Melody Darcie Choinski tem 37 anos e é casada há 15. A união gerou

três filhos e a família é sua grande paixão. Uma mulher dinâmica que concilia trabalho, afazeres domésticos e mesmo na correria do diaa-dia não dispensa o almoço diário junto com seus filhos; Laura Rodrigues Rocha tem 53 anos é psicóloga, casada mãe de dois filhos e escritora, possuindo dois livros publicados. Em 2008 sofreu um grave acidente que a deixou paraplégica, mas as dificuldades nunca a impediram de correr atrás de seus sonhos e realiza-los cada vez mais; Débora Santos tem 49 anos, é mãe de dois filhos e psicopedagoga, atuando como Coordenadora Pedagógica e Orientadora Educacional. Está escrevendo um livro sobre liderança feminina e acredita na importância da colaboração, por isso, semanalmente realiza trabalhos voluntários; Elizabeth Machado de Castro tem 60 anos, é mãe, esposa, avó e profissional. Apaixonada por moda dedica-se a transformar sonhos em realidade, através de roupas sofisticadas e elegantes. Morgana Pisseti tem 49 anos, e é uma mulher que valoriza imensamente os amigos e a família. Atua no ramo da construção civil e mesmo em meio a cálculos e edificações, não deixa seu lado feminino de lado.

Samira Khelili

Jocymara Nicolau

Ana Beatriz Soder

Ivone de Souza

Josiane B Apter

Maria Ines Santa Rita

Thais Mansur

Melody Choinski

Laura Rocha

Debora Santos

Elizabeth de Castro

Morgana Picetti

a busca por 12 belas mulheres que representem garra, força, coragem, determinação, que são trabalhadoras, mães, donas de casa, avós, empresárias.

PARCEIROS

Para a realização do Projeto e visando a concretização dos sonhos das doze eleitas, Maribel Souza conta com o apoio de um grande time, todos engajados em realizar o melhor para estas belas mulheres. Na grande lista de parceiros, estão: Elite Vip Service, Fernando Pires – O mago dos sapatos, Grupo Semmler, Lis Escudeiro, Luciana Krizanowski, TSG Eventos, Águas Ouro Fino, Amanda Cidral, L’Oficiel Cabeleireiro e Estética, Grupo Tereza Zanchi, Mib Cine, Flash Curitiba, Grey House Iluminação, Cristiano Machado Pâtisserie Suprême, Keune, Midia Mania, Pousada Chapéu de Sol, -Mario Santana, Paola Robba, Poko Pano, Monreale, Momentum & Design, Maria Ignez Simões, Cinemaskope e Tiomkim, dentre outras parcerias de sucesso que são confirmadas semanalmente. A assessoria de imprensa desta edição do projeto está a cargo de Isabelle Fiedler Rodrigues.

AS DOZE BELAS

Aqui as eleitas

A presidente da ABRACCEF-Associação Brasileira de Centros de Convenções e Feiras , Margareth Pizzato e a empresária Sueli Gulin Calabrese agendaram encontro do Superintendente do Instituto Municipal de Turismo de Curitiba, Paulo Roberto Colnaghi com o ministro do Turismo, Gastão Vieira, para discutir assuntos voltados ao programa de turismo da capital paranaense. Eles aproveitam a reunião do Conselho Nacional de Turismo que faz sua 39ª reunião realizada segunda-feira (25), em São Paulo, durante a realização do Congresso Nacional de Hotéis (Conotel). Entre os assuntos em discussão estão as ações previstas no Plano Nacional de Turismo para estimular a visitação nos parques nacionais.

Qualidade de Vida

Graduada em Psicologia, especialista em Terapia Individual e Familiar Sistêmica Tayana Passos dedica-se ao desenvolvimento da qualidade de vida pessoal e profissional, através de consultoria de relacionamento e bem-estar, num trabalho generalista que é aprofundado de acordo com a necessidade de cada um, de forma personalizada, com pessoas de todas as idades e oferecendo atendimento individual, de casal, familiar ou corporativo. Segundo ela “Atualmente, é imprescindível aprender a gerenciar o tempo, administrar com qualidade os relacionamentos pessoais e profissionais, aumentar o poder de decisão de posicionamento, aprimorar a confiança e autoestima, melhorar a performance no trabalho e propiciar uma maior assertividade na resolução de possíveis conflitos que surgem no cotidiano. Estes são alguns dos objetivos que a consultoria de relacionamento e bem-estar pode auxiliar a cada um.”

Francisca Cury no IPCC

A arquiteta e empresária Francisca Cury (foto) tomou posse na quarta (20) como nova presidente do Instituto Pró-Cidadania de Curitiba (IPCC), associação civil sem fins lucrativos que atua em projetos de caráter assistencial, educacional, beneficente e cultural em apoio à Prefeitura de Curitiba. Além de Francisca, tomaram posse como novos diretores do IPCC o vice-presidente, Celso Garcia; a 1ª secretária, Roberta Rosa Martins; a 2ª secretária, Gladys Camargo Cardon; o 1º tesoureiro, Camilo Turmina; e a 2ª tesoureira, Irmã Anete Giardino. Francisca Cury assume a presidência do Instituto em substituição a Helena Pereira Oliveira, que dirigia a instituição desde novembro de 2007. Todos os cargos de direção do IPCC são exercidos voluntariamente.


Publicidade Legal Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B3

transportes

Opinião

Redução do custo Brasil é urgente, diz Sérgio Souza

coluna@induscom.com.br

Procedimentos complementares em cirurgia plástica: benefícios e riscos Atualmente, existem diversos procedimentos estéticos tanto para tratamento da face quanto para o contorno corporal, que são muito úteis para correção de pequenas alterações, complementando e, em alguns casos, até substituindo uma intervenção

o país paga quase R$ 200 bilhões por ano por ineficiência nos modais de transporte

cirúrgica. Deve-se, no entanto, ter muito cuidado para que a

D

realizados no consultório, dispensarem anestesista, serem pouco

urante o debate sobre os modais de transportes na reunião realizada na Comissão de Infraestrutura , o senador Sérgio Souza (PMDB-PR) ressaltou a urgência de reduzir o custo Brasil (conjunto de dificuldades estruturais e econômicas que encarecem o investimento), para garantir a eficiência do sistema portuário, principalmente o de Paranaguá, no Paraná, o segundo maior do país. "Nós estamos assistindo a algumas filas nos portos para descarregamento da supersafra que o Brasil está produzindo. Nós estamos vendo as filas de navios atracados, sendo que alguns estão deixando as baías, os portos brasileiros rumo a outros países para carregar, dada a demora que está ocorrendo aqui." Preocupado com a situação, Sérgio Souza disse que o Brasil paga quase R$ 200 bilhões por ano por ineficiência nos

modais de transporte e crise de armazenagem. "Nós precisamos de um pouco mais de velocidade, porque, ao final de tudo isso, quem paga a conta, não tenho dúvida nenhuma, é o cidadão brasileiro, produtor ou consumidor", afirmou o senador. Membro da Comissão Mista da Medida Provisória (MP) 595, que incentiva a abertura dos portos à iniciativa privada, o senador participou ontem nesta terça-feira de uma audiência pública com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e governadores para discutir o problema no sistema portuário. Sérgio Souza elogiou a presença da ministra e disse que a aprovação da MP dará mais eficiência e rapidez aos portos brasileiros. "O Governo está tentando dar um dinamismo necessário para nós conseguirmos escoar a nossa produção de hoje e a quantidade que virá amanhã", defendeu.

agressivos e de menor custo se comparados com as cirurgias, acabam sendo muito atraentes para quem anseia melhorar sua aparência e por alguma razão, até compreensível, tem receio de ser operado ou anestesiado. Por essas razões, o terapeuta precisa agir com honestidade não iludindo o paciente e este, por sua vez, deve tomar muito cuidado quando lhe são propostas essas terapias estéticas. Em outras palavras, é necessário que se compreenda que procedimentos simples, em geral, obtêm resultados limitados, ou seja, não existem terapias milagrosas capazes de resolver casos complexos dispensando os métodos cirúrgicos. É aí que se encontra o perigo da tão combatida superindicação (quando um procedimento é insuficiente e ineficaz

Segundo o senador, os navios atracados nos portos brasileiros estão deixando as baías rumo a outros países para carregar em função da demora

DOURADA – CORRETORA DE CÂMBIO LTDA. CNPJ Nº 76.641.497/0001-99 Curitiba – PR

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADES TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Carteira Própria Certificado de Privatização OUTROS CRÉDITOS Rendas a Receber Diversos

R$ mil 2012 2011

nota 4 nota 5 nota 5 nota 6 A

OUTROS VALORES E BENS Despesas Antecipadas NÃO CIRCULANTE INVESTIMENTOS Outros Investimentos

nota 6 B

IMOBILIZADO DE USO Outras Imobilizações de Uso INTANGÍVEL Ativos Intangíveis ( - ) Armotizações Acumuladas TOTAL DO ATIVO

2.644 328 1.904 1.903 1 404 376 28

3.178 254 2.692 2.691 1 222 198 24

8 8

10 10

43 31 31

31 31 31

1 1

-

11 13 (2)

-

2.687

3.209

PASSIVO

R$ mil 2012 2011

CIRCULANTE

136

760

OUTRAS OBRIGAÇÕES

136

760

Sociais e Estatutárias Fiscais e Previdenciárias Diversas

62 74

629 55 76

2.551

2.449

1.850 79 622

1.850 70 529

nota 6 C

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital: De Domiciliados no País Reserva Legal Reserva de Lucros

TOTAL DO PASSIVO

2.687

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

2º Semestre 2012 343

RECEITAS DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Resultado de Operação c/Títulos e Valores Mobiliários Resultado de Operação de Câmbio RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS DESPESAS/RECEITAS OPERACIONAIS Receita de Prestação de Serviços Despesas de Pessoal Outras Despesas Administrativas Despesas Tributárias

233 369

291 445

343

602

736

(130)

(203)

(317)

608 (307) (214) (217)

1.234 (594) (562) (281)

1.167 (531) (625) (328)

213

399

419

RESULTADO OPERACIONAL

-

RESULTADO NÃO OPERACIONAL

-

Fluxos de caixa das Atividades Operacionais Lucro líquido ajustado do exercício 142 Lucro líquido do exercício 141 Ajustes ao lucro líquido: Depreciações e amortizações 1 Variações dos Ativos e Obrigações 63 (Aumento) redução em títulos e valores mobiliários 713 (Aumento) redução em outros créditos (66) (Aumento) redução em outros valores e bens Aumento em outras obrigações (584) Disponibilidades Líquidas aplicadas (geradas) nas Atividades Operacionais 205 Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos Alienação/redução de imobilizadode uso/diferido 1 Disponibilidades Líquidas aplicadas (geradas) nas Atividades de Investimentos 1 Fluxos de caixa das Atividades de Financiamentos Lucros distribuidos (78) Juros sobre o capital próprio (85) Disponibilidades Líquidas geradas nas Atividades de Financiamentos (163) Aumento (Redução) de Caixa e Equivalentes de Caixa 43 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício/semestre 285 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício/semestre 328

(18)

RESULTADO ANTES DA TRIBUTAÇÃO SOBRE O LUCRO

213

399

401

IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL

(72)

(134)

(135)

LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO

141

265

266

0,14

0,27

0,27

Lucro por 1000 quotas

2º Semestre 2012

736

108 235

3.209

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO

R$ mil Exercício Exercício 2012 2011 602

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

R$ mil Exercício Exercício 2012 2011 267 265

267 266

2 (17) 788 (182) 1 (624)

1 (237) (291) (55) 3 106

250

30

(13)

18

(13)

18

(78) (85)

(82)

(163) 74 254 328

(82) (34) 288 254

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ mil CAPITAL SOCIAL

EVENTOS

RESERVA LEGAL

RESERVAS DE LUCROS

LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

TOTAIS 2º SEMESTRE 2012

Exercício 2012

Exercício 2011

SALDOS NO INÍCIO DO PERÍODO

1.850

70

529

-

2.573

2.449

2.264

1 - LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO

-

-

-

265

141

265

266

2 - JUROS S/CAPITAL PRÓPRIO

-

(85)

(85)

(85)

(81)

-

-

-

(141) 56

(141) 56

(141) 56

(135) 54

-

9 -

(9) 180 (78)

(180) -

(78)

(78)

-

1.850

79

622

-

2.551

2.551

2.449

-

9

93

-

(22)

102

185

- Juros Pagos - Economia Tributária 3 - DESTINAÇÕES - Reserva Legal - Reserva Lucros - Lucros Distribuidos SALDOS NO FINAL DO PERÍODO MUTAÇÕES DO PERÍODO

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Quotistas da DOURADA CORRETORA DE CÂMBIO LTDA. Curitiba – PR Examinamos as demonstrações financeiras da Dourada Corretora de Câmbio Ltda., que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício e semestre findos naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Corretora é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Valores em R$ mil) NOTA 1. CONTEXTO OPERACIONAL A instituição está habilitada à prática das atividades que lhe são atribuídas pela regulamentação aplicável, atuando basicamente na intermediação de operações no mercado de câmbio de taxas flutuantes. NOTA 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2012 foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, com atendimento integral da Lei nº 11.638/07 e Lei 11.941/09, e pronunciamentos emitidos pelo CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis e aprovados pelo CFC - Conselho Federal de Contabilidade e normas da Comissão de Valores Mobiliários e instruções do Banco Central do Brasil. NOTA 3. PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS Dentre os principais procedimentos adotados para a elaboração das demonstrações financeiras, ressaltamos: A) APURAÇÃO DO RESULTADO O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios para apropriação de receitas, custos e as despesas correspondentes.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO

sua indicação seja correta, pois, por serem passíveis de serem

distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Corretora para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Corretora. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Dourada Corretora de Câmbio Ltda., em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício e semestre findos naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Curitiba (PR), 15 de fevereiro de 2013. VETOR AUDITORES INDEPENDENTES S/S CRC PR 005529/O-1 CVM 10.979 GEOVANI GOMES ZAGOTO CONTADOR CRC PR 035215/O-3 CARLOS RIVADAVIA FERREIRA DINIZ CONTADOR CRC PR 039239/O-3

para solucionar o problema para o qual foi indicado). A toxina botulínica, por exemplo, se aplicada com técnica adequada e com moderação, é muito eficaz no tratamento e eliminação temporária (seis meses) de rugas da testa, em torno dos olhos e dorso do nariz. Porém, se for aplicada em excesso pode causar ptose (queda) dos supercílios ou elevação exagerada do canto das sobrancelhas, sem falar em supressão quase que total da mímica e expressão facial, por quebrar o equilíbrio dos músculos da face. Ao paralisar totalmente um grupo muscular, acaba fazendo predominar a ação dos seus antagonistas (que fazem o movimento contrário) provocando expressões grotescas, muitas vezes incondizentes com a emoção que o paciente desejaria expressar. Os preenchimentos faciais temporários, por sua vez, em especial o ácido hialurônico, podem ser utilizado com sucesso no aumento dos lábios, atenuação de sulcos faciais muito profundos ou rugas que fazem a face ”pesar” e parecer envelhecida. Um erro infelizmente comum, realizado por terapeutas sem formação em cirurgia plástica e mesmo médica, é tentar tratar a flacidez facial (que exigiria a retirada cirúrgica do excesso de pele e sua suspensão e tração corretas) com preenchimentos agressivos, volumosos, simplesmente distendendo a pele da face que se torna entumescida, com alteração do seu relevo natural, adquirindo um aspecto “inchado”,”artficial” e disforme. A dermomicropigmentação feita adequadamente pode proporcionar ao paciente uma maquiagem permanente agradável, definir o contorno labial e palpebral. As aréolas com perda parcial ou total por câncer, infecções ou necrose das mamas podem ser pigmentadas com excelente resultado estético, muitas vezes, nesse caso, superando até a cirurgia reconstrutiva. Se forem utilizados, no entanto,

B) ATIVO CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE Os valores estão demonstrados pelo valor de aplicação ou de aquisição, acrescidos de rendimentos incorridos até a data do balanço. Os valores desses ativos, quando aplicável foram deduzidos de provisão para ajuste ao valor de mercado. As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas a moedas estrangeiras são atualizadas até a data do balanço.

técnicas e equipamentos inadequados ou pigmentos de baixa qua-

C) INVESTIMENTOS Estão demonstrados ao custo de aquisição, atualizado conforme título patrimonial da bolsa e ajustados pela provisão para perdas quando aplicável.

que devem ser monitorados sempre pelo cirurgião assistente. Existem

D) IMOBILIZADO Está demonstrado ao custo de aquisição, ajustado por depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear, a ta-xas estabelecidas em função do tempo de vida útil, fixado por espécie de bens, como segue: - Instalações 10% a.a. - Equipamentos e Instalações de Escritório 10% a.a. - Equipamentos de Processamento de Dados 20% a.a. E) PASSIVO CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE Demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicável, os encargos e as variações monetárias incorridas.

lidade, as frustrações podem ser grandes e de difícil solução. São procedimentos feitos por técnicos micropigmentadores, mas ainda os peelings químicos e abrasivos que são ótimos para manchas e cicatrizes superficiais. A carboxiterapia, que consiste em injeções de CO2 abaixo da pele, tem sua ação benéfica no tratamento de estrias e cicatrizes, pelo estímulo à oxigenação que ela promove nos tecidos. A laser terapia e a luz pulsada têm também suas indicações e podem trazer benefícios específicos.

F) PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO A provisão para o Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o lucro líquido foram constituídas na forma da legislação fiscal, sendo aplicadas às alíquotas de 15% mais o adicional de 10% da parcela que exceder a R$ 20.000,00 mensais, para o imposto de renda e 15% para a contribuição social conforme Lei n°11.727 de 23 de junho de 2008.

este consulte sempre um cirurgião plástico especialista para que

NOTA 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

se necessário, outro(s) profissional (is) da sua confiança caso ele

Disponibilidades em Moeda Nacional Disponibilidades em Moeda Estrangeira Total

2012 200 128 328

2011 85 169 254

NOTA 5. TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS 2012 2011 1.903 2.691 Carteira Própria - Cotas de Fundos Mútuos de Renda Fixa 2.691 - Certificados de Depósito Bancário 1.903 1 1 Vinculados a Aquisição de Empresas Estatais - Certificados de Privatização 1 1 1.904 2.692 Total NOTA 6. COMPOSIÇÃO DE SALDOS DO BALANÇO PATRIMONIAL 2012 A) ATIVO CIRCULANTE OUTROS CRÉDITOS 28 Diversos - Impostos a compensar 28 B) ATIVO NÃO CIRCULANTE OUTROS CRÉDITOS 31 Diversos - Títulos Patrimoniais 31 C) PASSIVO CIRCULANTE OUTRAS OBRIGAÇÕES 74 Diversas - Provisão p/Pagamentos a Efetuar 59 - Credores Diversos no País 15

2011 24 24 31 31 76 61 15

NOTA 7. ESTRUTURA RISCO DE MERCADO E RISCO OPERACIONAL A Dourada considera de suma importância a Gestão do Risco de Mercado e Risco Operacional e está amplamente focada na criação de políticas e procedimentos para atendimento a Resolução 3.464 CMN (Estrutura Risco de Mercado) e 3.380 CMN (Estrutura Risco Operacional), para proporcionar uma monitoração consistente das suas operações e garantindo uma mitigação permanente. Diante disto vem tomando providência quanto à adequação a fim de assegurar a observância das normas legais e regulamentares. NOTA 8. JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - Juros Provisionados No segundo semestre de 2012 foram calculados juros sobre o capital próprio, nos termos da Lei n°. 9.249/95, artigo 9°, no valor de R$ 141 mil. Observando as disposições da Circular n°. 2.739/97, do Banco Central do Brasil, o referido valor foi objeto de ajuste da conta de Despesas para Dividendos e Bonificações a Pagar de forma a não produzir efeito no Resultado do Semestre e Exercício. - Efeitos Tributários Os efeitos da economia tributária relativa a esses juros provisionados foram acrescidos aos encargos de Imposto de Renda e Contribuição Social na Demonstração do Resultado, pelo valor de R$ 56 mil. NOTA 9. DESTINAÇÕES PROPOSTAS - Reserva Legal Calculada à alíquota de 5% do lucro líquido do exercício conforme legislação vigente. - Distribuição de Resultados NOTA 10. CAPITAL SOCIAL Pertencente inteiramente a quotistas domiciliados no país, é composto de 1.850.000 quotas, no valor nominal de R$ 1,00 cada.

Diretoria NABI KEMMEL MELLEM Diretor ELIANA F. FORMIGHIERI MELLEM Diretora NILVIO LUIZ DEPINÉ Técnico Contábil CRC 16646/O-9-PR CPF: 183.738.529-72

O fundamental para orientação e segurança do paciente é que ele oriente o tratamento mais adequado para o seu caso e indique, próprio não tenha experiência com o tipo de terapêutica mais indicada. O paciente precisa ter em mente que é muito arriscado inverter a sequência correta de qualquer tratamento médico, ou seja, em primeiro lugar consultar o especialista, expor a ele seus anseios, dúvidas e expectativas, e seguir o tratamento que este entender ser o melhor para o seu caso. Infelizmente, por força da publicidade enganosa e má orientação, o que se vê é que as pessoas, muitas vezes, antes do médico, procuram o procedimento, caindo num esquema de “tratamento” em que o mais importante passa a ser o comércio do produto e o benefício atribuído a ele pelo comerciante e não a real necessidade do paciente. Isso acaba ocorrendo por que dessa forma a função do médico como orientador do diagnóstico e terapêutica está descaracterizada e enfraquecida. Nessa relação distorcida, o terapeuta assume o papel de mero objeto executor do procedimento eleito pelo paciente como o ideal baseado em informações próprias obtidas geralmente através de propagandas, sites ou informações de outrem sem qualquer embasamento científico.Esta é a melhor receita do insucesso, portanto nada recomendável por quaisquer profissionais responsáveis. *Dr. Pedro Alexandre, Cirurgião Plástico - drpedroalexandre@bol.com.br - www.drpedroalexandre.com.br


Judiciário Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B4 | Indústria&Comércio www.justicaedireito.com

Opinião

coluna@induscom.com.br

Guarda dos filhos e alienação parental É sabido que, em grande parte das vezes, as desavenças ou desacordos e ressentimentos profundos marcam as desconstituições das uniões de pessoas, sejam matrimoniais ou de fato. É próprio do ser humano descarregar a culpa pela falência do casamento ou da união na pessoa do outro consorte. Nessa constatação da realidade, na medida em que surgem as desavenças e vai sucumbindo a união com outra pessoa, crescem as mágoas e a articulação de ideias de modo a atingi-la, e fazê-la soçobrar em suas aspirações. Desfeita a união conjugal, transforma-se a visão positiva que tinha um consorte a respeito do outro, e passa a abjurá-lo e a atingi-lo com toda sorte de acusações e defeitos que imagina, inventando quadros e situações que, na realidade, não existem. Assim, de um momento para o outro, o ex-cônjuge ou convivente é desqualificado e considerado mau caráter, perigoso, viciado, tarado e por aí afora, inventando-se ou deturpando-se fatos, de modo a não mais permitir a convivência e sequer o contato com os filhos, sendo que, antes, revelava todas as condições de excelente pai ou mãe. O mais grave está no fato de usar filhos como instrumento de vingança pelo fim do casamento, incutindo na sua mente ideias negativas e deturpadas, procurando que eles percam os sentimentos de afeto e se revoltem contra o progenitor com o qual não convivem, e, inclusive, se neguem a permanecer com ele nos períodos de visitas assegurados em acordos ou imposições judiciais; de igual modo, idêntico desvio pode ser intentado pelo progenitor que tem os filhos consigo em horários de visitas ou permanência temporárias. A torpeza da conduta, muitas vezes, assoma patamares intoleráveis, influindo o filho na criação de imagens e ideias mentirosas, negativas e falsas do outro progenitor, buscando criar uma resistência ou desconformidade com a sua presença ou visitas. É desencadeado um processo de destruição, de desmoralização, de descrédito do ex-parceiro perante os filhos, numa verdadeira ‘lavagem cerebral’, com o fim de comprometer a imagem do pai ou mãe. Narram-se maliciosamente fatos que não ocorreram ou não aconteceram na forma descrita. O filho é programado para odiar e acaba aceitando como verdadeiras as falsas memórias que lhe são implantadas. Tudo para afastar de quem ama e de quem também o ama. Tal comportamento é conhecido como alienação ou assédio parental, sendo que a maioria dos casos ocorre no âmbito materno, tendo em vista que a guarda definitiva é preponderantemente dada à mãe, constituindo um dos motivos mais frequentes o sentimento de vingança pela ruptura do casamento, ou as razões que deram motivo à separação. Justamente em vista desse conjunto de situações parece apropriada a recente Lei n. 12.318, de 26 de agosto de 2010, oriunda de um projeto de lei apresentado pelo Deputado Federal Regis de Oliveira, a qual dispõe sobre a alienação parental. A fim de dar um cobro a condutas tendentes a causar alienação dos filhos, ou influenciá-los negativamente em relação ao outro progenitor, várias as medidas estabelecidas pela lei. O art. 2º bem expressa a alienação parental ou atos de influência negativa dos pais e outras pessoas parentes ou próximas dos menores, de modo a criar oposição ou aversão a um dos progenitores: Aponta o art. 3º os direitos e valores feridos pelas condutas constitutivas de abuso de influência ou de alienação parental. Dessa forma, tem-se que a constatação de alienação parental importa em procedimento judicial, inclusive com a concessão de medidas cautelares ou de antecipação de tutela, para preservar a integridade psíquica e afetiva do filho, nos termos do art. 4º da referida Lei. As medidas para a apuração poderão ser realizadas na fase de instrução, se não se afigurar a urgência de seu deferimento. Naturalmente, serão expedidas as providências judiciais, seja em fase preliminar ou em sentença, as quais, de acordo com o art. 6º, consistem em declarar a ocorrência de alienação parental e advertir o alienador; ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado; estipular multa ao alienador, determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão, dentre outras. Ressalta o caráter pedagógico e educativo da lei, no sentido de conscientizar os pais e criar uma mentalidade que leva a erradicar a alienação parental, já que difícil provar casos de tal prática, levando os filhos a geralmente sonegar as informações, dado o constrangimento que decorre da relação familiar. *Carine A. Rizzardo / Arnaldo Rizzardo / http://www.rizzardoadvogados.com.br/

Após discussão sobre meta, vai à sanção MP da Alfabetização na Idade Certa O Plenário do Senado aprovou, em votação simbólica, o projeto de lei de conversão (PLV 2/2013) que institui incentivos e apoio técnico e financeiro da União a estados e municípios com o objetivo de promover a alfabetização de todas as crianças até os 8 anos (terceiro ano do ensino fundamental). A matéria segue para sanção presidencial. O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa será implementado com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do Ministério da Educação. O PLV 2/2013 é oriundo da Medida Provisória (MP) 586/2012 e recebeu críticas de vários senadores, principalmente da oposição, que defenderam como meta a alfabetização no primeiro ano do ensino fundamental (crianças de 6 anos) ou, no máximo, até os 7 anos (segundo ano do ensino fundamental). Emenda para fixar o limite em 6 anos, apresentada pelo senador Alvaro Dias (PSDB-

PR), foi rejeitada por 38 votos a 24, com uma abstenção. Para o senador tucano, a meta aos 8 anos “é politicamente confortável para o MEC”. Já a base do governo defendeu a proposta para impulsionar, por exemplo, a alfabetização nas regiões Norte e Nordeste, que estão atrasadas em relação às outras regiões. Durante o debate, senadores da base afirmaram que uma meta mais ambiciosa poderá ser incluída no Plano Nacional de Educação (PNE), ainda em tramitação no Senado (PLC 103/2012). O relator do PNE, senador José Pimentel (PTCE), prometeu avaliar a possibilidade dessa inclusão. Os senadores Alvaro Dias, Aloysio Nunes Ferreira (PSDBSP), Cristovam Buarque (PDTDF), Lúcia Vânia (PSDB-GO), Cássio Cunha Lima (PSDBPB), José Agripino (DEM-RN), Roberto Requião (PMDB-PR), Cyro Miranda (PSDB-GO) e Randolfe Rodrigues (PSOLAP) ocuparam a tribuna manifestando-se por uma meta mais ambiciosa.

Justiça&Direito Comissões

Senadores questionam hidrelétricas sem reservatório Discussão fez parte da audiência pública sobre Energia e Desenvolvimento do Brasil A tendência de se construírem usinas hidrelétricas a fio d’água ao invés de usinas com reservatórios e o investimento em fontes renováveis de energia foram os principais assuntos levantados pelos senadores no debate desta na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) do Senado. A discussão fez parte da audiência pública sobre Energia e Desenvolvimento do Brasil que trouxe pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade de São Paulo (USP). Além dos senadores, os cidadãos também puderam participar por meio do Alô Senado. Eles fizeram perguntas sobre vários temas que foram lidas pelo presidente da CI, senador Fernando Collor (PTB-AL), e respondidas pelos professores. Hidrelétricas sem reservatório O senador Flexa Ribeiro (PSDBPA) questionou o motivo que levou à decisão de parar de construir hidrelétricas com reservatórios no

Brasil e a substituição pelas usinas a fio d’água. As hidrelétricas a fio d’água são aquelas que não dispõem de reservatório de água ou o têm em dimensões menores. É o caso da decisão adotada para a construção da Usina de Belo Monte, no Pará. Para Flexa Ribeiro, essa decisão é incorreta e o Brasil estaria jogando energia fora. - Foi mostrado aqui pelos professores que o grande problema da energia é guardá-la. A única forma de gerar energia com reserva é por meio de reservatórios, em que se pode equilibrar períodos de seca e períodos de enchentes. Sem isso, vamos ter de compensar com energias que não tem como reservar, que é o caso da eólica, você tem que gerar e consumir, senão vai se perder – afirmou o senador. De acordo com o professor da Unicamp Sérgio Bajay, a partir do momento em que o Brasil deixa de construir reservatórios, o problema da complementação técnica passa

a ser uma necessidade. Para Bajay, ou o país volta a construir usinas hidrelétricas com reservatório, ou deve usar as termelétricas como backup. O professor defende que o governo estabeleça uma política de priorização de locais onde a construção de reservatórios tenha menor impacto ambiental e social. - Voltar a construir usinas com reservatório não é uma panaceia. A gente sabe que, na região Norte, a topografia local não favorece muito a construção de reservatórios, mas mesmo lá existem ainda sítios onde reservatórios poderiam ser construídos – afirmou Bajay. O professor disse desconhecer se existe uma decisão oficial de que o país não construa mais usinas hidrelétricas com reservatórios. Para ele, seriam decisões pessoais de alguns dirigentes do setor elétrico para facilitar o licenciamento ambiental diante da forte pressão dos movimentos ambientalistas. Para Bajay, os reservatórios pode-

PARIDADE DE ARMAS

Se MP não está presente, juiz não precisa interrogar testemunha

O MP também argumentou que os quesitos que seriam formulados às testemunhas de acusação foram previamente repassados à juíza

Se o representante do Ministério Público não compareceu à audiência, o juiz não é obrigado a formular perguntas às testemunhas que a própria acusação arrolou. Afinal, ele não é um substituto ou porta-voz do MP. A conclusão é da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que manteve, no dia último dia 14, ato da juíza Patrícia Stelmar Netto, da 2ª Vara da comarca de Teutônia, que se recusou a ler os questionamentos do MP em Audiência de Instrução do fim de janeiro. O promotor do caso estava em férias. Na Correição Parcial que opôs contra o ato da magistrada, o MP sustentou que ela atuou com ‘‘error in procedendo’’ — o erro que se comete por não se obedecer a

determinadas normas processuais —, já que a ausência do promotor foi devidamente justificada. O recurso jurídico-penal visa à correção de atos ou omissões do juiz que importem inversão tumultuária de atos e fórmulas processuais. O MP também argumentou que os quesitos que seriam formulados às testemunhas de acusação foram previamente repassados à juíza. Assim, em face da negativa de inquirição, entendeu que foram ofendidos os artigos 201 e 203 do Código de Processo Penal (CPP). Pediu, pois, a anulação da audiência e a marcação de uma nova data para inquirição das vítimas e testemunhas do caso criminal. ‘‘Ainda que não esteja vedado

ao magistrado ordenar, de ofício, a realização de provas e diligências que entenda pertinentes à elucidação do caso, tal não vai ao ponto de substituir, na íntegra, os misteres da acusação, sob pena de violação ao princípio do devido processo legal, da imparcialidade do juiz, em afronta ao Estado Democrático de Direito’’, afirmou o desembargador José Conrado Kurtz de Souza, que relatou o recurso no colegiado. O desembargador-relator também atentou para o fato de que, se o defensor do réu é obrigado a comparecer à audiência para obter a prova que almeja, desobrigar-se o Ministério Público, titular da ação penal, desse ônus implicaria evidente afronta à “paridade de armas’’.

riam ter uso múltiplo, diminuindo, dessa forma, seu impacto ambiental e social. - Se no Brasil a gente tivesse priorizado ao longo do tempo que um determinado reservatório, além de servir para armazenar água e, indiretamente, energia elétrica, também fomentasse projetos de irrigação, navegação, controle de cheias e piscicultura, a oposição local a essas obras seria muito menor, pois os principais beneficiários seriam as populações ribeirinhas – afirmou. Fontes Renováveis de Energia O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) defendeu que o Brasil invista em tecnologia para a produção de fontes renováveis de energia, como a eólica, pelo vento, e a fotovoltaica, pelo sol. Para Arruda, os empresários brasileiros devem sentir segurança na capacidade de o país produzir energia boa e na existência de mercado para essa energia.

CCJ aprova manual de conduta para agente público federal Os detentores de cargo ou emprego público federal deverão sujeitar sua conduta a uma série de regras de modo a resguardar informação privilegiada e prevenir ou impedir conflito de interesses. Limites específicos à atuação de servidores de alto escalão, durante e após o exercício da função, estão sendo fixados em projeto de lei da Câmara (PLC 26/2012), aprovado, pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). De acordo com o projeto, elaborado pelo Poder Executivo ainda na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conflito de interesse é a situação gerada pelo confronto entre interesses públicos e privados, que possa comprometer o interesse coletivo ou influenciar, de maneira imprópria, o desempenho da função pública. Ministros; dirigentes de autarquias, fundações e empresas públicas ou sociedades de economia mista; agentes públicos passíveis de negociar informação privilegiada em troca de vantagem econômica são alguns dos altos funcionários alcançados pela proposta. Todos terão de responder por eventuais desvios perante a Comissão de Ética Pública (CEP).

franciscocunha@macedocunha.com.br

Dr.FranciscoCunha DIREITOS RECONHECIDOS AO COMPANHEIRO DA RELAÇÃO HOMOAFETIVA Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em maio de 2011, ao julgarem a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277 e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 132, reconheceram a união estável para casais do mesmo sexo. Com a decisão, a relação entre pessoas do mesmo sexo constitui união estável com direitos e deveres recíprocos. No mesmo sentido, o Egrégio Supremo Tribunal Federal entendeu por bem excluir do artigo 1.723 do Código Civil “qualquer significado que impeça o reconhecimento da união contínua, pública e duradoura entre pessoas do mesmo sexo como família.” Desta forma é clara a não diferenciação entre

família hetereoafetiva e homoafetiva, seja na esfera pública sejana privada. A partir da referida decisão, casos como a inclusãodecompanheiro homoafetivocomo dependente em clube social passou a ser recorrente. Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo ilustra a hipótese: CLUBE UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA -INCLUSÃO DE COMPANHEIRO COMO DEPENDENTE DE SÓCIO TITULAR PROCEDÊNCIA CONFIRMADA INTERPRETAÇÃO CONFORME A CONSTITUIÇÃO FEDERAL AO ART. 1.723 DO CÓDIGO CIVIL RECONHECIMENTO DA UNIÃO HOMOAFETIVA COMO FAMÍLIA DESCARACTERIZADA INTROMISSÃO DO ES-

TADO EM ASSUNTOS INTERNOS DO CLUBE JURISPRUDÊNCIA - APELO DESPROVIDO(TJSP, Apelação n. 0132644-15.2011.8.26.0100, Rel. Des. Fortes Barbosa, 6ª Câmara de Direito Privado, j. 29/12/2012) Nesse cenário, as decisões do STF trouxeram o efetivo reconhecimento da união homoafetiva como entidade familiar, sendoinegável, como o do exemplo dado pelo Tribunal paulista, a possibilidade de o sócio titular pleitear a inclusão do companheiro como dependente, inclusive, diante da “interpretação conforme a Constituição”, desnecessária se torna a convocação de assembleia para alterar os estatutos do clubevisando reconhecer tal direito.


Economia Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B5

campo

Abate de bovinos aumentou 8% em 2012 e bateu recorde

Redução dos preços interno e externo e aumento das exportações contribuíram O abate de bovinos em 2012 foi o maior desde 2007, com alta de 8% em relação a 2011, informou nesta quarta-feira (27/03) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O instituto aponta a redução dos preços nos mercados interno e externo e o aumento das exportações como as principais causas que elevaram o número para 31,118 milhões de cabeças, superando os 30,713 milhões de cinco anos antes. A pesquisa também mostra que o abate de bovinos no quarto trimestre de 2012 foi o maior desde o

início da série histórica, em 1997, com 8,186 milhões de animais. O trimestre teve aumento de 1,7% ante o terceiro trimestre, e de 11,1% em relação ao último trimestre de 2011. Apesar da alta nacional no ano passado, o Nordeste foi a única região em que o abate caiu (-0,3%), resultado que foi puxado principalmente pelas diminuições de 24,5% em Pernambuco e de 11,5% no Ceará. Já o Centro-Oeste elevou o abate em mais de 1,4 milhão de bovinos, ampliando a participação na produção nacional de 36,5%

para 38,5%. A evolução fez cair a participação das outras regiões, mesmo que todas tenham tido altas: Norte (aumento de 220.072), Sudeste (elevação de 413.799) e Sul (crescimento de 191.621). A pesquisa também mostrou que o abate de suínos cresceu pela sétima vez seguida em 2012, com 35,980 milhões de cabeças, o que representa 3,2% de acréscimo. A produção se concentra principalmente no Sul. A região foi responsável por 65% da produção nacional, com destaque para Santa Catarina, com 24,8%

do total brasileiro, seguida pelo Rio Grande do Sul (18%) e Paraná (16%). Na contramão, o abate de frangos caiu 0,9% com o aumento dos insumos de produção (milho e soja). A retração foi a segunda em dez anos, antecedida pela do ano de 2009, impactado pela crise financeira internacional. Na comparação do último semestre de 2012 com o último de 2011, houve queda de 3,3%. Liderada pelo Paraná, a Região Sul é a maior produtora nacional de frangos, com 58,6% do total nacional.

Vendas nos supermercados brasileiros registram queda de 1,33% em fevereiro

Governo Central registra o pior déficit primário para o mês de fevereiro desde 97 Sem a antecipação de impostos que garantiu receita recorde em janeiro nem manobras fiscais que tenham reforçado os cofres públicos, o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou déficit primário de R$ 6,413 bilhões em fevereiro. O resultado é o pior para o mês desde o início da série histórica, em 1997, e o pior para todos os meses desde setembro de 2009, quando o déficit havia atingido R$ 7,81 bilhões. O déficit primário é o rombo nas contas do governo desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. Nos dois primeiros meses de 2013, o Governo Central economizou R$ 19,778 bilhões, 24,5% a menos que o superávit de R$ 26,205 bilhões registrado no mesmo período do ano passado. Em janeiro, o Governo Central tinha registrado superávit de R$ 26,190 bilhões, o segundo melhor resultado mensal da história, só perdendo para dezembro do ano passado, quando o superávit havia totalizado R$ 28,3 bilhões. No primeiro mês do ano, no entanto, as receitas do governo foram reforçadas pela arrecadação atípica de Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas, principalmente do setor financeiro, que decidiram antecipar o pagamento dos tributos. Em fevereiro também não ocorreu o pagamento de divi-

dendos de estatais que poderiam aumentar o caixa do governo. Os dividendos são uma parcela do lucro que as empresas repassam aos acionistas. No caso das empresas estatais, o Tesouro é o maior acionista dessas companhias, portanto recebe a maior fatia. Nos dois primeiros meses do ano passado, a receita com dividendos havia totalizado R$ 4,962 bilhões. Uma das causas, tanto para o resultado negativo em fevereiro como para a queda do superávit primário no acumulado de 2013, foi o fato de que as receitas cresceram em ritmo menor que as despesas neste ano. Em janeiro e fevereiro, as receitas líquidas do Governo Central aumentaram 7%, enquanto os gastos subiram 13,9% na comparação com os mesmos meses de 2012. As despesas de custeio (manutenção da máquina pública) aumentaram 27,5%, enquanto os investimentos subiram 28,7%. O único tipo de gasto que iniciou o ano sob controle foram as despesas com o funcionalismo público, que subiram apenas 2,7% nos dois primeiros meses de 2013. A maior expansão ocorreu, no entanto, com os gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), cujas despesas somaram R$ 7,6 bilhões em janeiro e fevereiro, alta de 73,5% em relação ao acumulado no mesmo período do ano passado.

Confiança do empresário do comércio tem nona queda consecutiva em março

Os itens com maiores altas em fevereiro, em relação ao mês anterior, foram: farinha de mandioca (19,29%), tomate (16,17%) e cebola (14,3%). As maiores quedas foram registradas nos preços do arroz (-2,42%), do creme dental (-1,74%) e do óleo de soja (-1,68%)

As vendas nos supermercados brasileiros tiveram queda de 1,33% em fevereiro na comparação com igual período do ano passado, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira (27/03) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em relação a janeiro, a retração foi maior, com queda de 3,26%. No acumulado do ano, o setor registra alta de 0,25% na comparação com o primeiro bimestre de 2012. Para a associação, a queda interanual é justificada porque a base

de comparação é muito forte, tendo em vista que fevereiro do ano passado recebeu os efeitos do aumento do salário mínimo. Em 2012, o acréscimo foi 11,58% em relação ao ano anterior. A entidade acredita que em março as vendas devem voltar a apresentar crescimento. A pesquisa traz ainda a variação do valor da cesta Abras Mercado, que considera o preço de 35 produtos incluídos na lista dos mais consumidos no país. A cesta subiu 2,25%, passando de R$ 348,90 em janeiro para R$ 356,75 no último

Índice usado no reajuste do aluguel tem taxa mais baixa

Fluxo cambial volta a ser positivo

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) atingiu 0,21% em março, ante 0,29% em fevereiro. A taxa também é menor em relação a igual mês do ano passado (0,43%). No acumulado do ano, o índice alcança 0,84%. Nos últimos 12 meses, a taxa está em 8,06%. Essa última variação é a usada como base de cálculo na renovação do valor do aluguel. O levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que o resultado foi influenciado, principalmente, por um dos três componentes da taxa, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), com variação de 0,01% ante 0,21%. Entre os motivos que levaram a essa estabilidade estão a redução no subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção (-0,65%). No subgrupo matérias-primas brutas, a taxa passou de -1,58% para -0,78%.

cmyk

O saldo da entrada e saída de dólares (fluxo cambial) do país voltou a ficar positivo, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (27/03) pelo Banco Central. Na semana passada, o saldo positivo ficou em US$ 1,254 bilhão. Neste mês, até o último dia 22, o saldo positivo foi US$ 264 milhões. Neste ano, já foram registradas saídas de dólares maiores que as entradas em janeiro (R$ 2,386 bilhões) e fevereiro (R$ 105 milhões). Na semana passada, o fluxo financeiro (investimentos em títulos, remessas de lucros e dividendos ao exterior e investimentos estrangeiros diretos, entre outras operações) ficou positivo em US$ 148 milhões, mas o resultado ainda foi insuficiente para reverter o saldo do mês até o dia 22, que ficou negativo em US$ 1,089 bilhão. O fluxo comercial (operações de câmbio relacionadas a exportações e importações) ficou positivo em US$ 1,106 bilhão, na semana passada, e em US$ 1,353 bilhão, no mês até o dia 22. De janeiro até 22 de março,

mês. O acréscimo ficou acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que foi 0,6% no período. Na comparação com fevereiro de 2012, quando a cesta custava R$ 316,10, o aumento chega a 12,86%. Os itens com maiores altas em fevereiro, em relação ao mês anterior, foram: farinha de mandioca (19,29%), tomate (16,17%) e cebola (14,3%). As maiores quedas foram registradas nos preços do arroz (-2,42%), do creme dental (-1,74%) e do óleo de soja (-1,68%).

Na comparação entre regiões, o Norte apresentou a cesta mais cara do país, com R$ 416,04, seguida pela Região Sul, com R$ 380,99. O conjunto de produtos mais baratos foi identificado na Região Nordeste (R$ 307,87). O maior acréscimo da cesta, entre janeiro e fevereiro, também foi registrado no Norte do país, uma alta de 6,1%. Houve leve queda nos preços dos alimentos da Região Sudeste (de R$ 343,44 para R$ 343,18) e Centro-Oeste (de R$ 330,72 para R$ 328,39).

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) teve leve queda de 0,2% em março deste ano. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), essa é a nona queda consecutiva do indicador, que em fevereiro teve redução de 2,6%. “O empresário percebe que a renda vai crescer menos, que o emprego não tem muito para onde crescer, que o crédito está ficando mais caro, que tem inflação mais forte este ano. Então ele sabe que não vai conseguir repetir o resultado (de vendas) do ano passado”, disse o economista da CNC Fabio Bentes. Apesar de ser o nono índice negativo consecutivo, o resultado de março mostra uma redução no ritmo de queda do indicador. Para a CNC, o índice deste mês é “praticamente estável”. “Não dá para dizer que 2013 vai ser um ano perdido.

Os empresários estão tendo uma avaliação menos pior da economia”, disse Bentes. Entre os quesitos avaliados pelo CNC, houve queda principalmente naqueles referentes ao momento atual da economia e dos negócios. O subíndice das Condições Atuais caiu 4,1%, com piora nas avaliações referentes ao momento atual da economia (-7,7%), do setor (-2,7%) e da empresa (-2,2%). Já o subíndice de Expectativas do Empresário do Comércio subiu 1,5%, com melhora nas avaliações sobre a economia (1,3%), o setor (1,9%) e a empresa (1,1%). O subíndice de Investimentos do Empresário do Comércio também subiu (1,1%), devido à melhora nas avaliações sobre a expectativa de contratação de funcionários (5,6%) e o nível atual dos estoques (0,4%). Apesar disso, houve queda de 3,1% no nível de investimentos da empresa.

Alimentos puxam queda do IPP em fevereiro, mas elevam acumulado em 12 meses

O setor de alimentos teve a queda de preços (-2,56%), com influência de -0,51 ponto percentual no índice final

Na semana passada, o saldo positivo ficou em US$ 1,254 bilhão. Neste mês, até o último dia 22, o saldo positivo foi US$ 264 milhões

o saldo do fluxo cambial ficou negativo em US$ 2,227 bilhões. Nesse período, o fluxo comercial

registrou saldo negativo de US$ 2,712 bilhões e o financeiro ficou positivo em US$ 486 milhões.

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) teve variação de -0,33% em fevereiro de 2013 na comparação com janeiro do mesmo ano, informou nesta quarta-feira (27/03) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerando 23 setores da indústria de transformação, o índice mede a evolução média dos preços sem o impacto de impostos e frete. O setor de alimentos teve a queda de preços (-2,56%), com influência de -0,51 ponto percentual no índice final. Já o de atividades de perfumaria, sabões e produtos de limpeza (3,02%) teve a maior tendência positiva, e mesmo assim ficou atrás, em termos de impacto,

do setor de refino de petróleo e produtos de álcool, que, apesar de ter subido 1,56%, pesou com 0,17 ponto percentual. Das 23 atividades analisadas, 13 tiveram alta dos preços. Com o resultado, o índice acumulado em 2013 é -0,43%, já que o IPP de janeiro caiu 0,10% em relação a dezembro de 2012. Já no acumulado de 12 meses, há alta de 7,73%, com destaque para o avanço no preço dos alimentos (11,90%), do fumo (23,32%), outros produtos químicos (14,60%) e papel e celulose (12,26%). Nessa contagem, o setor de alimentos continua sendo o que mais pesa, com 2,23 pontos percentuais.


Negócios Indústria&Comércio | Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B7

CURITIBA

Opinião

Fiep orienta a gestão das relações trabalhistas

A APOLOGIA DAS FORMAS

Primeiro encontro mostrou exemplos de redução de conflitos laborais Foto: Mauro Frasson/Fiep

A

Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) realizou na terça-feira (26) o primeiro encontro de participantes do Grupo de Apoio Sindical (GAS). Criado no ano passado pela Fiep, o GAS realiza treinamentos com o objetivo de auxiliar as empresas na melhoria de seu ambiente interno e no relacionamento com os colaboradores, a fim de garantir melhores condições nas discussões de questões trabalhistas. Durante o encontro, foram apresentados os casos da Brose do Brasil e da Fiat Automóveis, dois exemplos bem sucedidos de gestão de recursos humanos. Participaram do evento presidentes e executivos de sindicatos industriais, além de empresários e gestores de recursos humanos que passaram por capacitações do GAS – ao todo, 84 empresas já foram atendidas pelo grupo. O gerente da Central de Relações com Sindicatos e Coordenadorias da Fiep, Milton Bueno, explica que o grupo foi criado atendendo a uma solicitação das instituições sindicais filiadas à Federação, que pediam um maior apoio da entidade em questões trabalhistas. “Precisamos atrair nossos colaboradores para que sejam nossos parceiros e temos muitos exemplos bem sucedidos nessa relação entre empresas e seus trabalhadores. É importante que cada vez mais possamos praticar isso nas indústrias”, afirmou. O consultor Marino Rodilha – que ministra os treinamentos do GAS junto com Roberto Karan, outro especialista na área – afirma que a atuação do grupo não está focada unicamente no momento da negociação de acordos ou convenções coletivas entre empresas e trabalhadores. “Esse é apenas o fim do processo. O que mostramos é que as empresas precisam trabalhar todo esse processo, adotando ações que mudem o cenário antes da negociação”, declarou Rodilha. Ele explica que entre os pontos abordados nas capacitações do GAS estão o planejamento em relações trabalhistas, a comunicação entre empresa e colaboradores e o rela-

André Lorenzini, gerente de RH da Fiat Automóveis, durante encontro do GAS

cionamento com o poder público.

Exemplos

No primeiro encontro de participantes do GAS foram apresentados dois casos de grandes empresas que já adotam estratégias bem sucedidas de gestão de recursos humanos e, assim, reduzem os conflitos nas relações trabalhistas. O primeiro foi o da Brose do Brasil, multinacional de autopeças que emprega 750 funcionários em sua fábrica de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A gerente de recursos humanos da empresa, Georgia Rassi, explica que as iniciativas adotadas têm como objetivo aumentar o nível de comprometimento dos trabalhadores. Entre elas, ações que ampliem a integração entre os colaboradores e algumas que envolvam também seus familiares. A empresa inclusive mantém, junto a sua sede, um edifício social voltado para momentos de lazer e descontração dos trabalhadores. “Esse local sempre está cheio, o que quebra bastante os entraves que existem nas relações do dia a dia. Todo mundo tem uma interação no lazer e isso se reflete nos resultados da empresa”, disse Georgia.

Segundo ela, no entanto, outros dois aspectos são importantes para criar uma relação de confiança entre a empresa e seus colaboradores. Um é o fato de que a gestão de pessoas não é um assunto exclusivo do departamento de recursos humanos. “O RH é um agente facilitador, mas o tema é tratado como importante por todo o primeiro escalão da companhia. Isso faz uma grande diferença”, explicou. O segundo é a comunicação direta e transparente com os colaboradores. “Isso não precisa ser feito por meios sofisticados. Quando temos algo importante para comunicar, se necessário até paramos a linha de produção por alguns minutos para conversar com os colaboradores”, contou. A reinvenção de formas de comunicação e diálogo entre empresas e colaboradores também foi destacada como fundamental pelo gerente de recursos humanos da Fiat Automóveis, André Lorenzini. “As pessoas querem saber o que está acontecendo ou o que vai acontecer com elas, com suas famílias, com a empresa. Mas é preciso sempre contextualizar o discurso para o funcionário. E isso não se faz uma vez ao ano, mas tem que ser

um exercício diário”, disse. A montadora, que tem 21,5 mil funcionários atuando em sua planta em Betim (MG), é um dos casos mais bem sucedidos do país na gestão das relações trabalhistas. Lorenzini ressalta que a empresa não registra uma greve em sua fábrica há 30 anos. Mas para que as negociações trabalhistas sejam bem sucedidas e as paralisações evitadas, a atuação da empresa deve ser permanente. “Não adianta acreditar que criando ações de RH aos 40 minutos do segundo tempo é que vamos resolver os problemas. Temos que atuar nos 365 dias do ano nas relações trabalhistas”, reafirmou. “Negociação não é conflito. As empresas precisam ter uma relação tranquila com seus colaboradores e evitar o conflito, porque senão a empresa já entra perdendo”, acrescentou. Segundo o gestor de RH da Fiat, estratégias de gestão das relações trabalhistas podem ter diferenças de acordo com as características e o porte da empresa, mas isso não pode impedir que sejam implantadas. “Cada empresa tem uma realidade diferente, mas muita coisa pode ser utilizada por todas”, concluiu Lorenzini.

Sul registra aumento no índice de confiança entre pequenos e médios empresários O Santander e o Insper divulgaram na quarta-feira (27) o Índice de Confiança do Empresário de Pequenos e Médios Negócios no Brasil (IC-PMN) referente ao segundo trimestre de 2013. A região Sul registrou aumento em relação ao primeiro trimestre, atingindo 74,7 pontos na pesquisa. O indicador mostra um aumento geral na confiança de 2,7% em relação ao primeiro trimestre (75,2 pontos contra 73,2 pontos), sinalizando que os empresários encontram-se mais otimistas com a economia do que no período imediatamente anterior. O resultado também é

ligeiramente superior ao valor registrado no segundo trimestre de 2012 (75 pontos). “Esse resultado deve-se a melhora da economia que deve acontecer no próximo trimestre”, afirmou José Luiz Rossi, professor do Insper. O aumento da confiança foi generalizado nas seis questões investigadas (economia; ramo de atividade; faturamento; lucro; empregados e investimento). O índice também indica crescimento generalizado do otimismo entre todos os setores da atividade econômica, com destaque para o comércio e a indústria. A confian-

ça dos empresários do comércio subiu de 72,6 pontos no primeiro trimestre para 75,7 pontos no segundo trimestre - aumento de 4,3%, o que o posicionou como o setor mais confiante. Já na indústria, o índice passou de 73,3 pontos para 75 pontos - aumento de 2,3%. O setor serviços apresentou o menor crescimento. “O indicador de confiança está retornando aos melhores níveis históricos e indica crescimento da economia brasileira para o segundo trimestre. O Santander continua apoiando fortemente os empresários no crescimento de suas empresas, com produtos/

Prêmio Oi Tela Viva Móvel tem inscrições abertas até 7 de abril O mercado brasileiro de conteúdo para celulares, smartphones e tablets vem crescendo ano a ano, e o Prêmio Oi Tela Viva Móvel representa a consagração dos projetos mais inovadores e bem sucedidos no país. A edição deste ano traz como novidade a inclusão de três categorias: Educação, Governo e Saúde. Além disso, o júri foi estendido e contará com seis jornalistas: André Mermelstein (Tela Viva), Bruno Rosa (O Globo), Cristina De Luca (Now! Digital), Elis Monteiro (Mobile Xpert), Fernando Paiva (Mobile Time) e Nick Ellis (TechTudo e Meio Bit). As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 7 de abril, através do site www.telavivamovel.

com.br. São 12 categorias: Carteira Eletrônica; Comunidade e Rede Social; Educação; Foto, TV e Vídeo; Governo; Livro, Jornal e Revista; Localização e Navegação; Mobile Marketing; Música; Saúde; SMS e MMS; e Tablets. Podem concorrer produtos e serviços relacionados a conteúdo móvel lançados comercialmente no Brasil em 2012. O regulamento completo encontra-se disponível no referido site. O júri selecionará até quatro finalistas por categoria, que concorrerão, depois, em votação popular pela Internet, que ficará aberta por duas semanas a partir do fim de abril. Serão entregues dois troféus por categoria: um de voto popular

e outro de escolha do júri. Além disso, haverá um troféu de Grand Prix Popular para o case com maior votação dentre todas as categorias e outro de Grand Prix do Júri para o projeto mais bem avaliado pelos jurados, também dentre todas as categorias. Os vencedores serão conhecidos na noite de 16 de maio, após o primeiro dia de debates do seminário Tela Viva Móvel, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. O Prêmio Oi Tela Viva Móvel é organizado pela Converge Comunicações (editora responsável pelos sites e revistas Mobile Time, Teletime, Tela Viva, TI Inside) e patrocinado pela Oi.

serviços inovadores e totalmente adequados às suas necessidades, afinal, o segmento de PMEs representa 25% do PIB”, afirma Gilberto Abreu, diretor de Segmentos do Santander.

coluna@induscom.com.br

Em razão de um relacionamento com investidores para um projeto “Cult” e “jazzista”, ainda não desenvolvido no Brasil, e por uma dessas felizes coincidências da vida encontrei o produtor e músico Mayuto Corrêa aqui em Curitiba em 2008. Radicado nos EUA desde a década de setenta, Mayuto também transita entre produtores de estrelas pop da geração de 80 como Sting e o falecido Michael Jackson. Conversamos um pouco de tudo, entre vários assuntos, sobre o Brasil da atualidade e algumas histórias do músico que me relatou sobre trabalhos com estrelas como B.B. King, Neil Sedaka, George Benson, Frank Sinatra, Quincy Jones, Sammy Davis Jr, Marvin Gaye, entre vários outros nomes top da música internacional. Dentre o que falamos o amigo artista me dizia, “..depois de um longo tempo de ditadura num país, temos um longo tempo de balbúrdia”. A frase do músico juntamente com o projeto ficaram congelados no tempo, mas como um iceberg, vivo e em movimento. É bem possível que ainda possamos ouvir um pouco de Jazz POP, aqui pelas pedras onde tropeiros de São Paulo paravam antes de chegarem a Porto Alegre, o destino final. Quem sabe possamos revalorizar o descanso, agora para os tímpanos, ouvindo a boa música e não o barulho tecnológico Em razão do mundo novo, constantemente me comunico com o artista pela web, e certamente ainda realizaremos um bom “Jazz” em Curitiba. Em razão de muitos trabalhos de Design Gráfico que fiz para artistas e grupos “underground” sempre estive muito próximo da área musical. Digo sempre que a época da “Disco Music”, retratada aqui no Brasil como “Discoteca”, teve uma criatividade exuberante do instrumental e isto foi muito em função do baixo ser evidenciado de uma forma fantástica nas composições. Apenas para tentar exemplificar a riqueza do estilo musical em questão, Bee Gees é a representação da época e do formato “Disco”. Via de regra, as artes são convergentes em concepção referente aos movimentos desencadeados periodicamente. Isto ocorre por vários motivos, seja pela maneira involuntária o que seria o “inconsciente coletivo”, ou seja na troca de informações entre profissionais que transitam entre os meios. Assim a literatura, o cinema, a música, as artes plásticas, a arquitetura e o design, por exemplo, apresentam obras que nos remetem a análises muito próximas, e nos fazem ratificar o entendimento também histórico da sociedade. E por vezes nos parece uma unidade, parece composto em conjunto. Na realidade tudo é realizado separadamente e, em muitas vezes, em países diferentes. Vejamos um comparativo de mudanças dos anos sessenta para os anos cinquenta, este, de certa forma, um respirar constante do pós-guerra. No Brasil aparece o tal “cinema novo” com Glauber e a Bossa Nova de João, mas já tínhamos cinema com a Atlântida e toda uma geração de atores específicos para a mídia. A Bossa transformou aquela música melancólica que tínhamos, e o mundo escutou um “molho” que até hoje os americanos tentam reproduzir e não conseguem. Do outro lado do planeta, Felini apresentava uma nova ótica para a Luz e a Câmera. Mas também era tudo muito diferente do que Hollywood havia produzido, e o questionamento foi se “tudo não estaria muito comercial” e “menos artístico”. Mas também existiriam a posteriori as ebulições naturais como o “maio de 68” dos franceses, e se anexaria os protestos da América pela guerra do Vietnã e a revolução dos costumes com o movimento Hippie. Evidente que é sempre mais fácil, e é necessário, esperar o tempo para se poder compreender os fatos. Mas não é muito difícil verificarmos já num primeiro momento que vivemos uma decadência muito acentuada a partir do início do século XXI. Com propriedade, posso me atrever a dizer que o design teve um empobrecimento de tal forma que o espectador mais sofisticado podeir do choro compulsivo à raiva frenética. Aventureiros, decoradores de ambiente de segunda linha posando de Designers (sem criar nada) encostando um sofá mal feito ao lado de uma cadeira conceitual(aquele móvel “desfuncional” no qual não é possível sentar). “Irmãos”(vou suprimir o sobrenome) vendendo marketing de imagem para o Design brasileiro. Assim a gente não vai a lugar algum. Precisamos exportar com lucro. Mas para isso os EUA tem que se interessar por nós, não a república da Zambia. Mas então para não irritar os que estão no poder atual, pergunto aos músicos se não existiriam profissionais mal preparados sem métrica e fazendo barulho? , aos artistas plásticos se as pinturas não estariam sem proporção de escala ?, aos escritores, se não existem aqueles que escrevem crônicas querendo se passar por romancistas ?. Quem sabe entenderemos esta balbúrdia do planeta, como dizia meu amigo Mayuto, mais tarde, bem mais tarde. *Renato Olivetti é Designer Industrial –PUC-PR/ www.rennato.com.br


Especial

3

Curitiba, quinta-feira a domingo, 28 a 31 de março de 2013 | B8 | Indústria&Comércio

Nem te Conto Fátima Ortiz

a

margem arte&atitude

moda&cia

Adélia Maria Lopes adeliamarialopes@yahoo.com.br

Boas atrações no Paiol

Q O fotógrafo Edu Camargo, da UV Studio, abre nesta quinta 28 a exposição “Mãos de Fátima”, que faz parte da programação do Festival de Curitiba. Ela fica em cartaz até 7 de abril no Memorial de Curitiba, com entrada franca. No vernissage, às 19h, haverá performance da homenageada, a atriz Fátima Ortiz. “São 15 imagens, onde fica aparente a essência expressiva de Fátima, trazendo na ponta dos dedos a magia do teatro”, diz Edu.

Carnafacul

Estação, Mueller e Palladium.

Pela primeira vez, Curitiba será palco para uma das maiores micaretas do Brasil, o Carnafacul, agendada para 27 de abril, numa realização da Seven, Euphoria e All Entretenimento, no Expotrade, em Pinhais. Mc Naldo, Turma do Pagode, Jammil e Uma Noites, Henrique & Diego e Diana Dinas estarão no palco e nos trios elétricos por dez horas. Os ingressos já estão disponíveis e custam de 245 a 45 reais (primeiro lote). À venda nos shoppings

Utopiazada

Oito grafiteiros do Utopia Crew, movimento criado em Curitiba há onze anos, expõem na Galeria Teix (Vicente Machado, 666, fone 3018-2732). A mostra Utopiazada abre nesta quintafeira 28, às 19h, e pode ser vista até 30 de abril. A galeria também lançará 50 black books, caderno usado pelos grafiteiros para reunir idéias. E sediará oficina de stencil nos dias 3, 4, 10 e 11 de abril, com João Marcos, expositor ao lado de Célio Beck, Cleverson Café, Deleon (Dstak), Hope, Lucas Only, Sergio Chaos e Wagner Now.

uatro bons espetáculos estão programados no acolhedor Teatro Paiol pela mostra oficial do Festival de Curitiba. Nesta primeira semana, as atrações são Faca nas Galinhas, produção paulista, e O Líquido Tátil, com o grupo mineiro Espanca!, que está em cartaz. Bem recebido pela crítica em São Paulo, o drama Faca nas Galinhas é de autoria do escocês David Harrower, tendo como personagens um humilde casal – ela, uma camponesa; ele, um lavrador e o um tema clássico universal, a submissão feminina. Apaixonado por cavalos, o marido (Cláudio Queiroz) sempre deu mais atenção a eles do que para a própria mulher (Eloisa Elena). A vida de subimissão em relação ao companheiro parecia não ter fim até o dia em que ele sofre um acidente no estábulo e ela é enviada para cobrir a sua falta. No estábulo, a camponesa conhece um moleiro (Thiago Andreuccetti) e vê despertar inquietações adormecidas e reflexões que mudarão completamente o destino dos três. Poética, a peça é repleta de simbologias e de cenas que mostram muitos lados de uma mulher – doçura, inconformismo, frieza. Confira nesta sexta

29 e sábado, às 21h no Teatro Paiol. Já o drama O Líquido Tátil, uma realização do grupo mineiro Espanca!, tem sua última apresentação no Teatro Paiol às 21h desta quinta dia 28. Para sua produção, o grupo deixou Belo Horizonte para conviver, durante um mês, com Daniel Veronese, o aclamado autor e também diretor do espetáculo. A peça, escrita em 1997, retrata um núcleo familiar em que três pessoas falam sobre as artes, cinema e teatro, além de temas íntimos. Depois de estrear em Minas, o Espanca levou a peça para São Paulo, onde teve também boa receptividade. Já nos dias 1 e 2 de abril, entra em cena, às 21h, Maria Miss, peça baseada no conto Esses Lopes (Tutameia), de Guimarães Rosa. Adaptada por Evill Rebouças e dirigida por Yara de Novaes, os atores Tania Casttello, Daniel Alvim e Cacá Amaral vivem a história da sertaneja Flausina, que padece nas mãos de seus primos machistas. Mas não sofre para sempre, amém. Na última semana (dias 6 e 7), o Paiol recebe Ficção, montagem da Cia Hiato, de São Paulo, que com feriu a Thiago Amaral o prêmio Questão de Crítica de melhor ator. Escrita por

Faca nas Galinhas

O Líquido Tátil

Ficção

Na abertura

Maria Miss Leonardo Moreira e dirigida por Marcio Abreu, a peça reúne cinco espetáculos curtos independentes, em que cada ator é também autor de seu próprio solo. Interligados, os textos tem um denominador comum: a necessidade da

“Curitiba tem sorte”. Frase do deputado Ângelo Vanhoni ao discursar na abertura do Festival de Curitiba, representando a ministra da Cultura, Marta Suplicy. É que, ao citar a Lei Rouanet, revelou que 87% dos recursos ficam com Rio e São Paulo. Cabem apenas 13% para os projetos culturais de todo país. Assim, é uma sorte contar com o patrocínio Renault e Itaú para o maior evento teatral do país. Mesmo assim os ingressos subiram para 60 reais, para suprir os gastos de produção. Já o prefeito Gustavo Fruet considerou o festival “o melhor presente que a cidade poderia oferecer para a população”. Curitiba faz 320 anos nesta sexta dia 29.

Bom exemplo

A holding Higi Serv, em parceria com a rede Nissei, a empresa levará mais de 300 crianças e idosos, de várias instituições, para ver a peça de teatro O Flautista de Hamelin, no Teatro Falec. Serão 40 convidados em cada sessão, com direito a transporte e acompanhamento até o teatro.

Pelo mundo

1- Joel Kriger, aluno da Academia Gustavo Borges Barigui, embarca neste sábado 30 para o Nepal para escalar o monte Everest. Com 59 anos, o atleta amador, já conquistou os montes Kilimanjaro (2010) e Aconcágua (2011). 2- O Coro da Camerata Antiqua de Curitiba representará o Brasil na Bienal de Coros na cidade alemã de Aachen em junho. Neste ano, a Camerata protagoniza a Série Ritornello, dedicada aos que construíram uma carreira musical erudita em Curitiba e hoje trabalham em outros países.

ficção e nossa impossibilidade de abandoná-la, tanto na vida real quanto nas artes. Os cinco monólogos são apresentados em sequência, com um intervalo de meia hora entre o terceiro e o quarto atos.

Dramaturgias Curitibanas, o livro O lançamento do livro Dramaturgias Curitibanas 2011/2012 acontece às 19h desta quintafeira 28, no Teatro Novelas Curitibanas, com distribuição gratuita na ocasião. A obra reúne textos de seis autores curitibanos, selecionados pelo Edital Oraci Gemba – Fomento em Literatura Dramática do Fundo Municipal da Cultura. São eles: “23 de Setembro”, de Diego Fortes; “Otto e Maria”, de Enéas Lour; “Encontros Diários”, de Lígia Souza Oliveira; “Medeia”, de

Luiz Felipe Leprevost; “Miguel Bakun, Sua Natureza...”; de Luiz Roberto Meira; e “O Beijo”, de Silvia Monteiro. Diego Fortes, em fragmentos diversos, revela o “23 de Setembro” da vida de Maria Elena, que une o Chile e o Brasil. Enéas Lour propõe uma história de amor, “Otto e Maria”, que tem como cenário o Brasil e a Alemanha nos tempo da 2ª Guerra Mundial. Já a trama lírica de “O Beijo”, de Sílvia Monteiro, se desenrola numa bucólica

Paranaguá do século XIX. Ligia Souza Oliveira, em seu “Encontros Diários”, retrata a relação entre duas crianças que conversam e um rato que espreita num espaçotempo deslocado. Luiz Felipe Leprevost mostra uma Medeia renovada ao abordar a condição da mulher em nossos dias. E Luiz Roberto Meira, com “Miguel Bakun, Sua Natureza...”, percebe um choque entre o mundo real e a natureza delicada do artista.

Banho de imagem na Ópera de Arame Surreal, multimídia, sonora e úmida, a peça Homem Vertente dá um banho visual, a começar pelos 15 mil litros de água que vertem no palco. Foi o que a plateia pôde contemplar na noite dessa terçafeira 26, na abertura do Festival de Curitiba. Mas só uma cena foi mostrada. Devido à complexidade tecnológica, o espetáculo só será apresentado na íntegra na sua estreia, neste sábado dia 30. Coproduzido pelo festival com o grupo argentino Ojalá, sob direção de Pichón Baldinu, o espetáculo deve ir para outros palcos do país. O curitibano Leandro Knopfholz adquiriu dos argentinos o direito de produção no Brasil.


Diário Indústria&Comércio  

jornal, economia, curitiba, parana, brasil, negocios, bovespa, financas, aroldo mura, pedro washington, ayrton baptista, eliseu tisato, bet...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you