Page 1

Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014 | Ano XXXViI | Edição nº 9099 | R$ 1,50

Indústria& Comércio DIÁRIO

LÍDER EM INFORMAÇÕES DE NEGÓCIOS E MERCADOS NO PARANÁ. DESDE 1976.

OPINIÃO

Aroldo Murá NOVAS BATALHAS JUDICIAIS VÊM AÍ

Confiança da indústria se recupera e sobe em abril

Tudo indica que novas e intermináveis batalhas judiciais, envolvendo multidões de brasileiros considerados lesados em seus direitos por ações do Governo, estão se preparando. Agora as discussões envolverão servidores públicos em torno de direitos que o STF já reconheceu terem sido ‘esquecidos’ pelas autoridades.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) fechou o mês com alta de 0,3%, atingindo os 96,5 pontos, já descontados os efeitos da sazonalidade, segundo a FGV Economia A3

Página A6

Pedro Washington Meses difíceis à frente São inacreditáveis as confusões em que o atual governo da presidente Dilma se envolve, por conta de trapalhadas de sua equipe. A cada problema surgido e mal resolvido, em seguida vem outra situação ainda mais problemática. Página B3

Brasil já tem 136 milhões de computadores em uso, aponta FGV

O Brasil tem 136 milhões de computadores em uso, aponta pesquisa da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas. O levantamento revela que existem dois computadores para cada três habitantes, uma densidade per capita de 67%. Neste ano, a estimativa é que sejam vendidas 24,8 milhões unidades, o que equivale a uma venda por segundo. Editais na página a7

Acesse a edição digital

www.icnews.com.br

Senado vai recorrer contra CPI exclusiva da Petrobras O presidente do Senado, Renan Calheiros, divulgou nota adiantando que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal para tentar reverter a decisão da ministra Rosa Weber que determinou a instalação

imediata de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar exclusivamente a Petrobras. Renan Calheiros está em viagem oficial a Roma.

Primeiro emplacamento tem queda de 4,5% no PR Paulo Rosa / Detran

Brasil A2

TIM lança Samsung Galaxy S5 com preço especial O Samsung Galaxy S5 chega neste sábado na TIM Store do Shopping Barigui. Para marcar o lançamento, a empresa realizará evento com a presença de DJ, distribuição de cup cakes e espumante. Durante todo o dia os clientes poderão conhecer as funcionalidades do smartphone e as

vantagens das ofertas da companhia. Especialmente neste sábado – durante o evento de lançamento - novos e atuais usuários de planos pós-pagos da TIM poderão adquirir o smartphone por um preço especial: R$ 1.999. Negócios A6

Informações do Detran revelam que de janeiro a março 81.826 novos veículos foram emplacados Geral B4

3

%

IMPOSTO DE RENDA: FAÇA A OPÇÃO POR CURITIBA.

do seu imposto devido pode fazer a alegria de muitas crianças. Doe!

É muito simples! Apenas três passos:

01

No resumo da declaração, escolha a opção Doação diretamete na declaração - ECA.

02

Nessa opção, clique em Novo, escolha no tipo de fundo a opção Municipal e digite o valor a ser doado.

03

Iniciativa: www.fas.curitiba.pr.gov.br | Apoio: Diário Indústria&Comércio

Central de Atendimento: 41 3333.9800 / e-mail: pauta@induscom.com.br

É necessário emitir o DARF. Para isso, vá na opção imprimir e escolha DARF Doações diretamente na declaração -ECA. O recolhimento deve ser feito no banco até 30/04/2014.


Nós demoramos a conversar. Deixamos de oferecer a informação e a possibilidade de debate em torno da Copa do Mundo, mas antes tarde do que nunca.” Gilberto Carvalho, ministro

Se vocês forem a Barcelona, vão ver que o Neymar está muito tranquilo. O time dele é que não está bem. E o Neymar faz parte de um grupo.” Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção

a2 | BRASIL

Odeio ficar sempre igual, adoro mudar radicalmente. Então já estou até pensando no próximo cabelo... eu preciso me reinventar como mulher e como atriz”. Giovanna Antonelli, atriz

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

EDITORIAL coluna@induscom.com.br

Mais uma greve O Brasil tem muitas greves. Até demais! É sinal de que algumas questões estão incomodando os trabalhadores, que percebem a necessidade de cruzar os braços para conseguir melhores condições. As questões financeiras ocupam o topo da lista das reivindicações. O fato demonstra que os salários ainda estão muito baixos. Agora é a vez da greve dos funcionários da Eletrobras, empresa estatal que possui 21 mil funcionários atuando nas 16 empresas que a holding mantém no país. O perigo de uma paralisação neste grupo é que a população pode ficar sem energia elétrica. Pelo menos segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região e a Associação dos Empregados da Eletrobras, isso não irá acontecer. O movimento objetiva pressionar a empresa a efetuar o pagamento sobre Participação dos Lucros e Resultados relativo a 2014 e discutir com os representantes dos empregados os rumos da empresa. Aconteça o que for, o fato é que o cidadão não pode ser lesado por uma greve em um setor indispensável para o cotidiano de todos. As empresas públicas devem funcionar de maneira que valorize mais seus funcionários, para evitar as greves que tanto prejudicam a população.

Previsão do tempo Fonte: www.simepar.br..

13° Máx.: 20°

Mín.:

O tempo fica estável em boa parte do Paraná durante a sexta-feira. A aproximação de uma massa de ar seco e frio contribui para diminuição da nebulosidade no interior do Estado, com temperaturas amenas.

Arte: Roque Sponholz..

Mulheres representam 56% dos beneficiários do INSS

Corpo do dançarino é enterrado sob gritos pedindo justiça

A maior parte dos beneficiários do INSS é formada por mulheres. Elas representam 56% (15,4 milhões) dos mais de 27,7 milhões de beneficiários do Regime Geral da Previdência Social (RGPS). Os homens beneficiários são aproximadamente 12,3 milhões, 44%.

O corpo do dançarino Douglas Rafael Silva foi sepultado ontem em clima de grande comoção, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul da cidade. Sob muitos aplausos e aos gritos de “justiça” e “polícia assassina”, o caixão foi colocado em um jazigo simples.

CPI da Petrobras

Líder do PT no Senado diz que partido não vai recorrer de decisão Entretanto, Humberto Costa deixou claro que o PT não desistiu da ideia de investigar no Congresso Nacional contratos com suspeitas de irregularidades em governos estaduais

O

líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), anunciou ontem que seu partido não vai recorrer da decisão liminar da ministra do Supremo Tribunal Federa (STF) Rosa Weber, que determinou a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) restrita a fatos envolvendo a Petrobras. A manifestação da ministra foi anunciada na quartafeira e respondeu às liminares solicitadas tanto pelos governistas quanto pela oposição. “Quero anunciar aqui o nosso respeito ao entendimento da ministra Rosa Weber e a decisão da bancada do PT, tomada após uma reunião que fizemos agora há pouco, para a qual também consultamos alguns senadores que estavam ausentes, de não recorrer da liminar ao plenário do STF, tendo em vista o mandado de segurança apresentado pela senadora Ana Rita [PT-ES]”, anunciou o líder petista. O mandado de segurança apresentado pela senadora Ana Rita questionava no Supremo o pedido de CPI apresentado pela oposição para investigar contra-

O líder Humberto Costa disse que a decisão de não recorrer da decisão liminar ao plenário do Supremo tem como objetivo “fazer andar mais rápido o processo de instalação da CPI” tos suspeitos de irregularidades na Petrobras. A senadora alegava que, embora tratassem de uma mesma empresa, os fatos não eram relacionados entre si, o que tornaria a CPI inconstitucional e antirregimental. Mas, com a decisão da ministra determinando que a CPI da oposição poderá ser instalada, a tese de Ana Rita foi

Fundado em 2 de setembro de 1976

Fundador e Presidente Odone Fortes Martins Reg.Prof. DRT/PR: 6993 (ofm@induscom.com.br) Diretor de Redação Eliseu Tisato Reg.Prof. DRT/PR: 7568 (editor@induscom.com.br) Redação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fone: (41) 3333.9800 E-mail: pauta@induscom.com.br Publicidade Legal e Assinaturas: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3334.4665 e-mail: publegal@induscom.com.br

Parque Gráfico e Circulação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3322.1012 Direção e Comercial: Rua Presidente Faria, 533 Centro - Curitiba - CEP: 80020-290 Fone: (41) 3322.1012 e-mail: diretoria@induscom.com.br comercial@induscom.com.br

NEW CAST PUBLICIDADE & MARKETING BRASÍLIA E RIO DE JANEIRO Atendimento : Flávio Trombieri Moreira – Cel.: (61) 8155 2020 Endereço: SRTVS Quadra 701 Bloco K Sala 624 – Edifício Embassy Tower Brasília DF - Cep.: 70.340 – 908 Fone/Fax: (61) 3223 4081 E-mail: new.cast@uol.com.br / new.cast@hotmail.com

Os artigos assinados que publicamos não representam necessariamente a opinião do jornal.

a União como maior acionista. “Queremos investigar tudo e todos. Não haverá rigorosamente nada nem ninguém que deixaremos de fora no que diz respeito a essas denúncias que envolvem a Petrobras”, disse. Entretanto, Humberto Costa deixou claro que o PT não desistiu da ideia de investigar no Con-

Internet

Dilma diz que regulamentação do marco civil será discutida com a sociedade A presidenta Dilma Rousseff disse ontem que a regulamentação do Marco Civil da Internet será discutida com a sociedade e reafirmou que a nova lei está na vanguarda da regulamentação internacional sobre a rede. De acordo com ele, a nova legislação vai proteger direitos dos usuários à privacidade e à liberdade de expressão. A Lei

12.965, que institui o Marco Civil da Internet, foi publicada na edição de ontem do Diário Oficial da União. Dilma respondeu a perguntas de internautas pelo Facebook, em um evento online batizado de Face to Face com Dilma (#FaceToFaceDilma), na página do Palácio do Planalto na rede social. Ochat recebeu mais de 1,2 mil perguntas e

comentários, cerca de 900 curtidas e foi compartilhado por mais de 850 usuários do Facebook. “O armazenamento de dados não afeta a liberdade individual porque é vedado às empresas e aos governos a violação da privacidade de dados, seja no que se refere a pessoas, no que se refere às empresas, e ao governo. Ha-

verá um decreto regulamentando essa lei. Ele será discutido amplamente pela internet e com toda a sociedade, para que nós possamos aprimorar cada vez mais esse dispositivo que assegura a privacidade, coibindo eventuais abusos”. A presidenta acrescentou que a regulamentação será discutida com a sociedade.

Ponto de Vista

EXPEDIENTE

Diário Indústria&Comércio

vencida. O líder Humberto Costa disse que a decisão de não recorrer da decisão liminar ao plenário do Supremo tem como objetivo “fazer andar mais rápido o processo de instalação da CPI” e garantiu que a intenção do grupo governista não é evitar a investigação sobre a companhia petroleira que tem

Tratamentos modernos e menos invasivos no combate ao câncer. É preciso informar a população O plano de saúde é um seguro de proteção das pessoas contra o risco de terem que vir a incorrer em despesas médicas. O seguro pode ser administrado pelo governo, por uma entidade particular sem fins lucrativos ou por uma empresa privada. No ano passado, tivemos um grande crescimento neste setor. Foram 50,27 milhões de beneficiários de assistência médica, um crescimento de 4,6% em relação a 2012. No entanto, mesmo com tanta procura, a maioria dos usuários ainda desconhece algumas informações importantes. Entre elas, por exemplo, a resolução de janeiro deste ano e que envolve a nova cobertura de exames e serviços. A atualização da normatização chegou para beneficiar os usuários que, entre outras coisas, passaram a ter direito a 37 drogas orais indicadas

para o tratamento de 56 tipos de câncer, além de 50 novos procedimentos como exames, consultas e cirurgias. As regras, definidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), objetivam beneficiar 42 milhões de usuários e outros 18 milhões em planos exclusivamente odontológicos, individuais e coletivos, em todo o país. Antes da sua publicação, os pacientes de câncer já tinham alguns direitos, como a obrigação do plano em custear o tratamento quimioterápico e de radioterapia, além de exames e demais tratamentos prescritos pelos médicos. Mas, agora, pela primeira vez, as empresas terão de cobrir os custos com medicamentos via oral para o tratamento do paciente em sua própria casa. Com essa inclusão, passam a ser ofertados remédios para o tratamento de tumores de

grande prevalência na população como estômago, fígado, intestino, rim, testículo, mama, útero e ovário. Pela Lei, a forma de distribuição desses medicamentos fica a cargo de cada operadora. Se o plano der cobertura à doença do beneficiário, todo tratamento prescrito pelo médico deve ser custeado. O fornecimento da medicação oral contra o câncer era uma das demandas mais antigas dos usuários. O tratamento quimioterápico, através de medicamentos, teve um destaque muito grande no número de negativas de procedimentos pelos planos nos últimos anos. A insatisfação das pessoas, acompanhada do número gritante de reclamações, e também de ações judiciais, chamou atenção da ANS para incluí-los como cobertura obrigatória.

Gabriela Guerra é advogada especializa em Direito da Saúde


economia | a3

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

RECUPERAÇÃO

Confiança industrial teve ligeiro aumento em abril O Índice de Confiança da Indústria (ICI) fechou o mês com alta de 0,3%, atingindo os 96,5 pontos, já descontados os efeitos da sazonalidade, segundo a FGV

Os dados preliminares de abril indicam queda de 0,2 ponto percentual no Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci), para 84,2%

O

Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV) constatou ligeira recuperação de março para abril no Índice de Confiança da Indústria (ICI), que fechou este mês com elevação de 0,3%, atingindo os 96,5 pontos, já descontados os efeitos da sazonalidade. Segundo a FGV, a “leve alta interrompe a sequência de quedas iniciada em

janeiro passado, mas ainda é insuficiente para impedir que o índice feche o 14º mês consecutivo abaixo da média histórica”. Os economistas da FGV apuraram que o resultado de abril decorre da combinação da melhora das avaliações sobre o momento presente e da piora das expectativas em relação aos meses seguintes. O Índice da Situação

Atual (ISA) avançou 1,1%, para 97,7 pontos, mas, em contrapartida, o Índice de Expectativas (IE) manteve a trajetória de queda, diminuindo 0,5%, para 95,3 pontos. Os dados preliminares de abril indicam queda de 0,2 ponto percentual no Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci), para 84,2%. Na série sem ajuste sazonal

(quando a comparação se dá com o mesmo mês do ano passado), no entanto, o resultado preliminar do Índice de Confiança da Indústria chega a registrar queda de 0,74%, nesse caso apresentando melhora de 0,08 ponto percentual. A prévia da Sondagem da Indústria resulta de consultas a 808 empresas entre os dias 1º e 22 deste mês.

PARALISAÇÃO

Greve na Eletrobras: sindicalistas afastam risco de faltar energia no país A greve de advertência iniciada a partir dos primeiros minutos de quinta-feira pelos funcionários da Eletrobras não vai afetar o fornecimento de energia elétrica e, portanto, não vai prejudicar a população. Esta é informação dada à Agência Brasil pelo diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas

Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região e da Associação dos Empregados da Eletrobras, Emanuel Mendes Torres. Segundo Mendes Torres, o movimento atinge 90% a 95% dos 21 mil funcionários da Eletrobras, que trabalham nas 16 empresas da holding, em todo o país – dos

quais cerca de 4 mil somente no Rio de Janeiro. “A orientação do sindicato foi no sentido de que a parte operacional do Sistema Eletrobras continue a trabalhar normalmente e por isto o fornecimento de energia para a população não será afetado”. O sindicalista disse que o mo-

vimento objetiva pressionar a empresa a efetuar o pagamento sobre Participação dos Lucros e Resultados relativo a 2014 e discutir com os representantes dos empregados os rumos da empresa, que segundo ele vem sendo sucateada nos últimos anos e perdeu a sua capacidade de investimento.

SEUS ATIVOS spada@induscom.com.br ..

Copa do Mundo não aumentará contratações A Sondagem de Serviços e do Comércio do Instituto Brasileiro de Economia (FGV/IBRE) procurou mensurar a vontade das empresas em contratar novos funcionários em função da Copa do Mundo. O resultado mostrou que, “além de temporário, o efeito da Copa do Mundo no mercado de trabalho tende a ser limitado em termos setoriais”, afirmou Aloísio Campelo, economista do IBRE. No setor de Serviços, 78,5% das empresas pesquisadas afirmaram que não pretendem alterar o quadro de funcionários em função da Copa, 10,6% pretendem contratar de forma temporária e apenas 1,9% de forma permanente. As 9,0% restantes não souberam responder. No comércio os números são mais altos. A pesquisa mostrou que 86,5% das empresas não pretendem fazer contratações, 7,8% fariam contratações temporárias, 3,0% permanentes e 2,7% não souberam responder. Segundo Campelo, a Copa demandará mão de obra para atender ao aumento temporário por bens e serviços específicos, mas o efeito será bastante localizado. “A pesquisa traça um painel interessante por estarmos próximos ao evento. As informações foram prestadas diretamente pelas empresas, que a esta altura já possuem alguma noção do volume de vendas esperado”. O economista ainda ressalta que o resultado não deverá ser muito diferente do verificado em outros países. Para ele, é possível que ocorra um aumento grande do movimento nas regiões turísticas das cidades sede e uma diminuição nas regiões puramente voltadas aos negócios, tanto nas cidades sede quanto em outras regiões, com os feriados. “Com o aumento esperado das vendas, aqueles restaurantes que já operam normalmente a plena capacidade não necessitarão de mais gente e o mesmo pode ser considerado no caso das redes hoteleiras”, diz. Na pesquisa, o setor mais otimista para contratações foi o de transportes aéreos, contudo, segundo Campelo, é possível que os novos empregados não sejam associados às atividades fim da empresa e sim ao trabalho em terra de organização, logística e atendimento a turistas. A desaceleração da economia brasileira neste ano pode ser considerado um fator para a cautela adicional das firmas, principalmente em relação à possibilidade de contratações permanentes. Campelo diz que na prática a Copa não deveria ser motivo de contratações, mas que alguns setores em fase de aceleração (como o comércio de móveis e eletrodomésticos) aproveitem o movimento adicional do período para ajustar seu contingente de mão de obra. (FGV/IBRE)

ÍNDICES E INDICADORES ECONÔMICOS MOVIMENTAÇÃO DIÁRIA Informações de 24 de abril de 2014

MAIORES ALTAS DO ÍNDICE BOVESPA Descrição Var. % GOLL4-Gol PN N2 (VST) 6,25 RSID3-Rossi Resid ON NM (VST) 3,68 KLBN4-Klabin S/a PN ES N2 (VST) 2,25 ITSA4-Itausa PN N1 (VST) 2,17 ITUB4-ItauUnibanco PN N1 (VST) 2,15

Descrição Var. % USIM5-Usiminas PNA N1 (VST) 5,47 NATU3-Natura ON NM (VST) 5,15 SUZB5-Suzano Papel PNA N1 (VST) 4,47 PRML3-Prumo ON NM (VST) 2,52 JBSS3-Jbs ON NM (VST) 2,37

Duas perguntas estão no centro das preocupações do empresário da indústria de transformação: “como uma empresa brasileira pode ser competitiva pagando custos de mão de obra superiores aos dos países desenvolvidos, obtendo índices de produtividade de emergentes?” e “como competir num mundo globalizado, arcando com um Custo Brasil asfixiante, muito superior ao custo dos países que temos que enfrentar?”. Há diversos exemplos de distorções de custo no Brasil. Cálculos da MB Associados mostram que, mesmo com o atual esforço do governo para reduzir os preços da energia no país, a tarifa média para a indústria ainda continuará acima da mexicana, e quase o dobro da americana – mesmo sabendo que a matriz de geração do Brasil é uma das mais baratas do mundo. Tributos e encargos setoriais explicam essa incongruência: os encargos cresceram de 13% da conta de energia no ano 2000 para 45%. Segundo o Instituto Aço Brasil, o custo da energia em dólar subiu de US$ 27 para US$ 120 o MWhora em dez anos. O Energy Information Administration dos EUA estima o custo da energia industrial no Brasil em US$ 138/MWh, a se-

gunda mais alta do mundo. Estudo conduzido pela A.T. Kearney revela que a mão de obra chinesa é seis vezes mais barata que a brasileira. Enquanto o faturamento líquido real da indústria de transformação no Brasil cresceu 10,9% de 2004 a 2009, os salários avançaram 31,7%. Pesquisa da Price Waterhouse Coopers concluiu que os nossos custos de produção são em média 60% maiores do que os de outros países como China, México e Índia. Segundo o Departamento de Competitividade da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, os tributos representam 40,3% dos preços dos produtos industriais, considerando-se toda a cadeia. O sistema tributário brasileiro vem dando uma grande contribuição para inviabilizar a nossa indústria de transformação: enquanto, em 2011, a sua participação no PIB caiu para 14,6%, ela arca com 33,9% dos impostos. Uma relação insustentável. É mandatório simplificarmos a arcaica e caótica estrutura tributária que faz com que as empresas brasileiras tenham que gastar muito mais horas do que quaisquer outras para pagar tributos. E o fisco, para conseguir administrar essa parafernália, e tentar reduzir a sonegação

que ela estimula, vem impondo sucessivos custos adicionais às empresas que já cumprem com suas obrigações e lutam para sobreviver, criando pérolas como “substituição tributária”, “sped fiscal” e “resolução 13 do Senado”. Não só temos a mais alta carga tributária entre os países emergentes, gastamos mais horas para conseguir pagá-la, como quitamos muitos impostos antes mesmo de vender os nossos produtos! Yoshiaki Nakano, diretor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, um dos fundadores do Movimento Brasil Eficiente (MBE), escreveu que “o quadro de deterioração e perda de competitividade da indústria brasileira é muito maior do que imaginávamos. Instalou-se um círculo vicioso de pressão de custos e queda de produtividade e das margens de lucro”. O governo federal, ciente do problema, tem implementado medidas de apoio à indústria, que, até aqui, têm sido insuficientes para estimular uma reação dos investimentos, principalmente porque o Custo Brasil continua mantendo a nossa economia pouco competitiva, especialmente a grande maioria dos setores e empresas que têm sido pouco beneficiadas pelas medidas.

Últ. R$ 8,98 R$ 38,10 R$ 7,68 R$ 1,16 R$ 7,80

Neg. 33342 6741 17205 2861 13156

Hora 17:29 17:29 17:29 17:29 17:29

Data 24/04 24/04 24/04 24/04 24/04

Hora 17:29 17:29 17:29 17:29 17:29

Data 24/04 24/04 24/04 24/04 24/04

AÇÕES MAIS NEGOCIADAS DO ÍNDICE BOVESPA Ações mais negociadas do Índice PETR4-Petrobras PN (VST) VALE5-Vale PNA EJ N1 (VST) ITUB4-ItauUnibanco PN N1 (VST) BBDC4-Bradesco PN N1 (VST) USIM5-Usiminas PNA N1 (VST)

ÍNDICES BRASIL Índice Osc. (%) Ibovespa 0,48 IBrX 50 0,46 IBrX 0,36 IBRA 0,37 MLCX 0,42 SMLL -0,02 ISE 0,17 ICO2 0,45 IEE 0,01 INDX -0,99 ICON -0,83 IMOB 1,20 IFNC 1,15 IMAT -0,57 UTIL -0,16

DIA 17/abr 22/abr 23/abr 24/abr

Indústria sofre com falta de competitividade sistêmica

Neg. 8879 11340 9867 10701 21660

MAIORES BAIXAS DO ÍNDICE BOVESPA

DÓLAR

Ponto de Vista

Últ. R$ 13,09 R$ 1,69 R$ 2,27 R$ 9,87 R$ 36,50

DÓLAR DIA 17/abr 22/abr 23/abr 24/abr

EURO DIA 17/abr 22/abr 23/abr 24/abr

Último 51.817 8,796 21,484 1.997 977 1.226 2.441 1.197 25,891 11.411 2.378 655 4.671 1.555 2.708

Abertura 51,569 8,756 21,408 1.989 973 1.226 2.437 1.192 25,932 11,526 2.398 647 4,618 1.564 2.713

COMERCIAL

Compra R$ 2,234 R$ 2,240 R$ 2,224

Venda R$ 2,236 R$ 2,242 R$ 2,226

COMERCIAL

Compra R$ 3,109 R$ 3,098 R$ 3,098

Compra R$ 93,00 R$ 93,00 R$ 91,01 R$ 92,50

INDICADORES / MÊS Poupança antiga (1) Poupança (2) TR* TJLP FGTS (3) SELIC - Déb Fed (4) DI Over (5) UPC *** UFESP FCA / SP UFM Salário Mínimo Salário Mínimo SP (6)

(%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (R$) (R$) (R$) (R$) (R$) (R$)

jan/14 0,6132 0,6132 0,1126 0,42 0,3595 0,85 0,84 22,36 20,14 1,9619 120,69 724 810

Máximo 51,963 8,824 21.560 2.003 980 1.231 2.450 1.200 26,002 11,565 2.404 655 4.672 1.577 2.728

Data/Hora 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:24 24/04 - 17:23 24/04 - 17:24 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:22 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 24/04 - 17:23 Fonte: Bovespa

Var.% -0,260 % 0,260 % -0,710 %

Hora 17:04 17:03 17:03

Venda R$ 2,410 R$ 2,400 R$ 2,390

Compra 0,410 % -0,410 % -0,410 %

Venda 16:00 16:02 16:02

Venda. R$ 3,110 R$ 3,099 R$ 3,099

Var.% 0,700 % -0,350 % 0,000 %

Hora 17:30 18:30 18:30

Var% 0,2155% 0,2155% -1,0800%

Hora 17:24 17:50 17:36 15:50

Data 17/04 22/04 23/04 24/04

PARALELO

Compra R$ 2,140 R$ 2,160 R$ 2,160

OURO - OURO SPOT - BMF (250G)

DIA 17/abr 22/abr 23/abr 24/abr

Mínimo 51,237 8,699 21.260 1.976 967 1.217 2.418 1.184 25,664 11,349 2.362 644 4,611 1.543 2.685

Volume em R$ R$ 4.891.875,00 R$ 3.790.170,00 R$ 3.467.517,00 R$ 2.943.341,00 R$ 2.129.280,00

fev/14 0,554 0,554 0,0537 0,38 0,3005 0,79 0,83 22,36 20,14 1,9619 121,8 724 810

mar/14 0,5267 0,5267 0,0266 0,42 0,2733 0,77 0,76 22,36 20,14 1,9619 121,8 724 810

abr/14 0,5461 0,5461 0,0459 0,41 0,2926 0,81 22,4 20,14 1,9619 121,8 724 810

Ano 2,26 2,26 0,24 1,64 1,23 3,25 ----0,36

6,78 ----

12 meses 6,62 6,43 0,43 5,07 3,44 9,25 ----0,4 18,44 1,6994 108,66 6,78 ----

INFLAÇÃO

REFERÊNCIA ATUALIZADA: ABRIL/2014

Carlos Rodolfo Schneider, empresário em Joinville (SC) e coordenador do Movimento Brasil Eficiente (MBE), crs@brasileficiente. org.br

ÍNDICES INPC / IBGE (%) IPCA / IBGE (%) IPCA Esp / IBGE (%) ICV / DIEESE (%) IPC / FIPE (%) ClasMéd/Ordem (%) IGP-DI / FGV (%) IPA -DI / FGV (%) IPC-DI / FGV (%) INCC-DI / FGV (%) IGP-M / FGV (%) IPA-M / FGV (%) IPC-M / FGV (%) INCC-M / FGV (%) CUB-Sinduscon (%) INPC / IBGE (%) IPCA / IBGE (%) IPCA Esp / IBGE (%) ICV / DIEESE (%) IPC / FIPE (%) ClasMéd/Ordem (%) IGP-DI / FGV (%) IPA -DI / FGV (%) IPC-DI / FGV (%) INCC-DI / FGV (%) IGP-M / FGV (%) IPA-M / FGV (%) IPC-M / FGV (%) INCC-M / FGV (%) CUB-Sinduscon (%)

(%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%)

(%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%)

ago/13 0,16 0,24 0,16 0,09 0,22 0,38 0,46 0,58 0,20 0,31 0,15 0,14 0,09 0,31 0,16 jan/14 0,63 0,55 0,67 1,95 0,94 1,18 0,40 0,12 0,99 0,88 0,48 0,31 0,87 0,70 0,05

Edição: Odailson Elmar Spada

set/13 out/13 nov/13 dez/13 0,27 0,61 0,54 0,72 0,35 0,57 0,54 0,92 0,27 0,48 0,57 0,75 0,24 0,64 0,45 0,44 0,25 0,48 0,46 0,65 0,36 0,50 0,50 0,77 1,36 0,63 0,28 0,69 1,90 0,71 0,12 0,78 0,30 0,55 0,68 0,69 0,43 0,26 0,35 0,10 1,50 0,86 0,29 0,60 2,11 1,09 0,17 0,63 0,27 0,43 0,65 0,69 0,43 0,33 0,27 0,22 0,12 0,17 0,09 0,06 fev/14 mar/14 abr/14 12meses 0,64 0,82 5,62 0,69 0,92 6,15 0,70 0,73 0,78 6,19 0,61 0,81 6,78 0,52 0,74 4,93 0,73 0,71 6,32 0,85 1,48 7,55 1,00 1,91 8,05 0,66 0,85 6,09 0,33 0,28 7,80 0,38 1,67 7,30 0,27 2,20 7,69 0,70 0,82 5,91 0,44 0,22 7,94 0,23 0,08 7,44 Fontes: Folha Online/Valor Econômico/CMA/Empresário Online


a4 | economia

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

PREÇOS

Comércio: Março teve uma tentativa de fraude a cada 17 segundos Em março, a cada 17 segundos, houve uma tentativa de golpe financeiro com o uso de identidade falsa, segundo o Indicador Serasa Experian de Tentativas de FraudesConsumidor. Foram feitas 155.399 operações do gênero, o que representa 1,6% mais do que em fevereiro. No trimestre, as

tentativas cresceram 2,4% e, na comparação entre março deste ano e igual mês do ano passado, foi constatada queda de 4,5%. O setor de telefonia foi o mais visado pelos golpistas com 59.255 tentativas ou 38,1% do total. Essa parcela é ligeiramente inferior à registrada em março de 2013 (38,7%).

SERVIÇOS

BANCOS

Em serviços (construtoras, imobiliárias, seguradoras, salões de beleza, pacotes turísticos), os golpistas arriscaram lesar os consumidores 49.768 vezes ou 32 % do total, crescimento de 0,07 ponto em relação ao ano passado.

Em terceira posição, está o segmento bancário, com 30.829 ações ou 19,8% do total. Em 2013, foram registrados 18,9% no mesmo mês. No varejo, ocorreram 12.883 tentativas, o equivalente a 8,3% das investidas. No ano passado, o percentual ficou em 8,1%.

1,66% Em São Paulo, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) caiu 1,66% sobre março e ficou em 109,07 pontos. Em relação a igual mês de 2013, houve recuo de 9,57%.

0,16% Nas empresas com mais de 50 empregados, o indicador teve queda de 0,16%. Os dados são da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Passagem aérea cai e ajuda a reduzir inflação Recuo reflete variação menor de preço em seis das sete capitais pesquisadas. A exceção foi a capital de Pernambuco (Recife), onde o IPC-S subiu para 0,94%

O

Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) voltou a recuar na terceira prévia de abril com a taxa em 0,78% ante 0,86%. A apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) indica que três dos quatro grupos pesquisados reduziram o ritmo de aumentos, dois apresentaram queda e três registraram alta acima do observado na segunda prévia. A principal influência foi observada no grupo educação, leitura e recreação em que os preços recuaram em média 0,49%. Anteriormente o item registrou aumento de 0,32%. Em alimentação, a taxa passou de 1,79% para 1,63%; em habitação, de 0,58% para 0,55% e, em transportes, de 0,58% para 0,50%. Ocorreram avanços nos gru-

pos saúde e cuidados pessoais (de 0,75% para 1,02%); em despesas diversas (de 0,36% para 0,42%). Em comunicação, houve queda menos expressiva (de -0,06% para -0,03%). Os itens que mais pressionaram a taxa foram a batata-inglesa (27,43%), refeições em bares e restaurantes (1,02%), leite tipo longa vida (6,22%), plano e seguro de saúde (0,70%) e gasolina (0,77%). Em sentido oposto, os que ajudaram a reduzir o impacto inflacionário foram passagem aérea (-22,56%), maçã (-4,61%), shows musicais (-1,32%), tarifa de táxi (-1,31%) e tarifa de telefone residencial (-0,36%). Segundo o Ibre, o recuo reflete variação menor de preço em seis das sete capitais pesquisadas. A exceção foi a capital de Pernambuco (Recife), onde o IPC-S subiu

Antonio Cruz/ABr

Painel

Entre os itens que mais ajudaram a reduzir o impacto inflacionário, as passagens aéreas tiveram redução de 22,56% de 0,85% para 0,94%, da segunda para a terceira prévia do mês – uma elevação nos preços de 0,09 ponto percentual. Já a maior variação da segunda para a terceira prévia do mês foi registrada em São Paulo, o

maior parque fabril do país, onde o IPC-S fechou a terceira prévia do mês com elevação de 0,67%. Na capital paulista, a taxa recuou 0,16 ponto percentual: de 0,83% para 0,67%, de um período para outro.

MOVIMENTO

Aeroportos do Brasil registraram 3,5 milhões de passageiros no feriadão Cerca de 3,5 milhões de pessoas passaram pelos aeroportos brasileiros no período de 17 a 22 de abril, que inclui a Semana Santa e o feriado de Tiradentes. O número representa um aumento de 12% na movimentação registrada no mesmo período do ano passado. Segundo avaliação da Secretaria da Aviação Civil, da Empresa

Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), as operações ocorreram dentro da normalidade. Os três aeroportos concedidos à iniciativa privada – Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Brasília (DF) – registraram 1,08 milhão de passageiros durante o feriado, número 16% maior que o

movimento no ano passado (900 mil pessoas). Além disso, 2,41 milhões de pessoas passaram pelos 63 aeroportos administrados pela Infraero, que ainda inclui Confins e Galeão, concedidos recentemente à iniciativa privada. O número é 8% maior que o registrado no mesmo período de 2013. Segundo um levantamento fei-

to pela Secretaria de Aviação Civil com base nos números divulgados pela Infraero, 8,1% dos 15.166 voos em todo o país atrasaram mais de 30 minutos. A situação mais crítica foi registrada no Aeroporto Santos Dumont (RJ), que ficou fechado para pousos e decolagens por algumas horas na manhã do dia 18 por causa do mau tempo.

Um job que faz qualquer publicitário viajar e no final vira um case.

O programa PubliTrip, da ALAP, leva estudantes e profissionais de publicidade, marketing e áreas relacionadas, para um intercâmbio em agências da América Latina, colocando uma experiência internacional no currículo. Regulamento e Ficha de inscrição no site:

www.alap.com.br

Intercâmbio Publicitário


negócios&mercado

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014 | Pág. a5

BELEZA

Lomme Cosmétique estreia no mercado nacional Marca está sediada em Curitiba onde realiza pesquisas contínuas e desenvolve o processo técnico e industrial de toda sua linha

A

Lomme Cosmétique do Brasil estreia no mercado nacional com 12 produtos distribuídos nas linhas corporal e facial elaborados com ativos rigorosamente selecionados com propriedades renovadoras e rejuvenescedoras. A marca está sediada em Curitiba onde realiza pesquisas contínuas e desenvolve o processo técnico e industrial de toda sua linha. São produtos brasileiros sob licença francesa, uma aposta na sofisticação, na qualidade da matéria prima e em formulações especiais que vêm atender um público bem informado e exigente. Além de conterem ativos tensores e rejuvenescedores, os produtos Lomme Cosmétique se classificam dentro da mais moderna categoria do setor: os neurocosméticos, produtos que contém ingredientes que atuam diretamente no cérebro desencadeando diversas sensações de bem estar podendo melhorar o humor, a qualidade do sono e a disposição. Outra característica que diferencia os cosméticos Lomme é a ausência de parabenos em suas fórmulas. Estas substâncias são conservantes químicos

Espaço ME/PE Gustavo Borges Londrina será sede do Meeting Paranaense de Natação MASTER Mais de 200 nadadores de todo o Paraná são esperados para o Campeonato de Natação Master. A I Etapa do XVII Meeting Paranaense acontece no sábado, dia 26 de abril, na Academia Gustavo Borges Londrina. O evento além de instigar o espírito competitivo, também tem como objetivo a integração entre os atletas e o lazer, destinado a nadadores acima de 20 anos. As provas estão divididas por sexo e faixa etária, abarcando diversos tipos de nado: medley, livre, peito, borboleta, costas e também haverá a prova de revezamento, todas realizadas na piscina de 25 metros. Os vencedores levarão o Troféu Ruth Takemura. Para mais informações acesse o site: www.mastersparana.com.br

Shopping Crystal presenteia com carro de luxo no Dia das Mães O Shopping Crystal escolheu um presente sofisticado para a promoção do Dia das Mães do mall: o Volvo V40. Um dos últimos hatches premium a estrear no Brasil, este luxuoso carro 0Km, possui um design convencional, mas que impressiona pelo visual arrojado. Neste Dia das Mães, os clientes do Crystal poderão participar

da promoção e concorrer no sorteio a este lindo automóvel entre os dias 25 de abril a 12 de maio. Para participar, é necessário somar R$ 400,00 em compras nas lojas participantes da promoção e trocar por um cupom. O posto de trocas será instalado no Piso L3 do Crystal. O sorteio acontece no dia 12 de maio.

Erasto Gaertner recebe equipamentos por meio de emendas parlamentares muito polêmicos e alguns estudos científicos os relacionam a sérios problemas de saúde. Esta particularidade torna segura a utilização destes produtos por pessoas alérgicas e até mesmo gestantes. As formulações da Lomme Cosmétique do Brasil foram

adaptadas e criadas levando em consideração as necessidades da pele brasileira, tanto na escolha dos princípios ativos, quanto na qualidade e características de textura, aroma e quantidade. “É o que há de mais moderno no âmbito da cosmética internacional unindo eficientes matérias primas

e alta tecnologia no processo de desenvolvimento”, salienta o supervisor da marca André Luiz C. de Marchi. Ele também destaca que a empresa não faz testes em animais para desenvolver seus produtos e tem como um de seus principais pilares o respeito ao meio ambiente.

O Hospital Erasto Gaertner recebeu diferentes equipamentos provenientes de verbas de emendas parlamentares: modernos focos cirúrgicos com iluminação led, geladeira e macas. Participaram da ação os políticos Ratinho Jr., Dirceu Sperafico e Gustavo Fruet, que, na época do convênio, ainda era deputado federal. Luiz Carlos Hauly, Osmar Serraglio e Takayama doaram compressas, carros de transporte de resíduos, de material de limpeza e criocautérios. Já o ex-deputado federal Alcenir Guerra contribuiu com oito computadores e o deputado Zeca Dirceu, com balanças digitais, esfigmomanômetros, otoscópios e reanimadores manuais. Os equipamentos chegam à instituição de acordo com o pagamento do Ministério da Saúde.

Casa Fiesta recebe Bazar Animal No próximo domingo, das 10 às 17h, o Casa Fiesta Supermercados Alto da XV recebe um projeto muito especial. É o Bazar Animal promovido por ONGs preocupadas com bem-estar e proteção dos animais. Na ocasião será possível adotar (gratuitamente) cães filhotes e adultos, além de

adquirir roupas, acessórios e artigos para seu pet. A renda obtida com a venda destes produtos será revertida para as ONGs participantes investirem em projetos e cuidados com os animais. Quem quiser adotar um cãozinho deve levar CPF, RG e comprovante de residência.

Mesa de peso Os empresários Alessandra Abage Gomes e Jorge Abage Filho reúnem grandes nomes na Irmãos Abage Barigui para discutir o perfil do novo consumidor do mercado imobiliário. No dia 29 de abril, a partir das 19h, um seleto grupo de convidados e profissionais de arquitetura e decoração participa de um interessante debate mediado pelo jornalista Roberto Couto. A mesa redonda conta com ainda com o arquiteto Ivan Wodzinsky, o empresário Carlos Eduardo Canto, João Auada Junior, diretor de Novos Negócios da Tecnisa na Região Sul, o arquiteto Jayme Bernardo e Marina Nessi, franqueada da Casa Cor Paraná.

Excelência para Pets Curitiba recebe um novo conceito em hospital veterinário, o HV Didatus, que tem festa de inauguração no dia 10 de maio, a partir das 15h. Com ambientes alegres, coloridos e limpos, o local apresenta uma proposta diferenciada de cuidados especiais para os animais de estimação. Com

UTI atendida por intensivistas com monitoramento por câmeras e especialidades de atendimento, o hospital recebe também animais exóticos e oferta cursos de imersão de especialidades em nível de pós-graduação em todas as áreas relacionadas à prática da Medicina Veterinária.


a6 | negócios

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

Aroldo Murá G. Haygert Contato com o jornalista: aroldo@cienciaefe.org.br

SERVIDOR TEM DIREITOS SOBRE URV, DIZ STF: NOVAS BATALHAS Há muita possibilidade de estar se desenvolvendo o embrião de nova e interminável batalha judicial nacional, em decorrência de o STF haver julgado procedente ação de um servidor público que lutava na justiça pela metodologia de conversão de seus vencimentos de acordo com a URV. Para que se entenda a possibilidade – que envolveriam R$ bilhões, abrindo portas para funcionários da ativa e aposentados de todo o Brasil, seguem as informações sobre o assunto. Foram prestadas à coluna pela IPQuality Comunicação, de São Paulo:

2 – SÓ UNIÃO PODE DEFINIR REGRAS “Segundo o “Centro Paulista de Apoio Aos Aposentados e Servidores Públicos - CEPAASP” representante do autor da ação, o STF considerou que uma lei estadual não pode estabelecer padrões de conversão, já que é autoridade da União definir regras sobre o sistema monetário. Com a mudança, a Fazenda do Estado de São Paulo foi condenada a fazer o pagamento das diferenças salariais, decorrentes do recálculo dos vencimentos do servidor público Waldivino Belchior, no valor de R$ 212.881, 54.”

3 – ATINGE A TODOS SERVIDORES

O advogado do caso, Vinícius Fiscarelli, explica que outros servidores também têm esse direito, já que a perda da URV foi em todo território nacional. Com isso em qualquer estado e município, servidores estaduais e municipais podem ingressar com a ação, observada a efetiva comprovação do prejuízo. Tem direito servidores públicos aposentados e ativos. Esta perda da URV também ocorreu nos depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Ou seja, pessoas que recolheram ou recolhem FGTS e que tenham começado a trabalhar antes de março de 1994. Além disso, deve-se avaliar, se o município, estado ou união, onde o funcionário presta ou prestou serviço, fez a correta con-

FEIRA

Empresas Randon participam da 21ª Agrishow

versão da URV (lei 8.880/94).”

4 - COMO SURGIRAM AS PERDAS “A URV foi instituída em 1994 durante a mudança do cruzeiro como moeda para o real e determinou os critérios de conversão para a moeda. Ficou determinado que os salários deveriam ser convertidos com base no valor estipulado na data de criação da unidade (1º de março de 1994). Mas alguns estados fixaram como base valores da URV de outras datas (que eram inferiores ao de 1º de março), o que gerou perdas nos vencimentos dos servidores. O CEPAASP presta esclarecimentos gratuitos para qualquer cidadão; é necessário agendamento prévio, endereços e telefones disponíveis em www.cepaasp.org.br/”.

ESTAREI AUSENTE ATÉ 4 DE MAIO

Segurança, alta produtividade operacional e design moderno estão entre os principais atributos da Retroescavadeira RD 406 Advanced

A

s Empresas Randon marcam presença na Agrishow 2014 – Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, de 28 de abril a 02 de maio, em Ribeirão Preto (SP). A empresa apresentará soluções inovadoras para o agronegócio, através de sua linha de produtos. Já o Consórcio Nacional Randon oferecerá condições especiais aos clientes para aquisição dos produtos da marca através de consórcio. A Randon Implementos irá expor um Rodotrem Canavieiro, um Semirreboque Basculante e um Semirreboque Carrega-Tudo. Já a Randon Veículos levará à feira uma Retroescavadeira RD 406 Advanced, 4x4, cabine fechada, motor turbo. Rodotrem Canavieiro Extra Leve – desenvolvido

para o transporte de canade-açúcar picada, o produto possui as dimensões de 9,82 metros em cada semirreboque, usado para a formação de rodotrem em operações de colheita mecanizada. Com tara total de 17.000 kgf, no formato Rodotrem, o equipamento possui chassi central, basculamento superior, descarga hilo e ainda, patola mecânica com acionamento pneumático e instalação elétrica totalmente em LED, além de suspensão pneumática e rodado super single. Sua capacidade para transporte é de 62m³ de cana em cada caixa de carga. Outra característica importante levada em consideração no desenvolvimento deste produto foi a facilidade de manutenção, através da utilização de aços especiais

que podem ser soldados com equipamentos convencionais, já que neste segmento de produto, muitas vezes esta operação é realizada pelo próprio cliente. Além da facilidade na manutenção, a redução de tara em relação aos rodotrens de cana convencionais, atingiu um percentual aproximado de 35% o que permite ao Rodotrem Canavieiro Extra Leve transportar até 48,3 toneladas de carga líquida dependendo das configurações de suspensão, rodas e pneus, de acordo com a legislação vigente. Fruto de fortes investimentos em pesquisa e desenvolvimento o novo Rodotrem Canaveiro Extra Leve Randon reúne todas as características para aumento da produtividade e rentabilidade para os clientes do segmento canavieiro.

Graça a eles, e por insistência de meus amigos diletos, Belmiro Castor e Elizabeth Castor, estarei amanhã, 26, em Roma. Serei parte da multidão que do mundo acorrerá à Cidade Eterna para a canonização de dois símbolos dos séculos 20 e começo do 21: João XXIII e João Paulo II. Belmiro e Elizabeth fizeram questão de ofertar-me a viagem. Iríamos celebrar, com a filha deles, Carolina (que mora na Alemanha) o aniversário de Belmiro em Roma, neste sábado, 26. E no domingo,27, participarí-

Belmiro Castor e Elizabeth

TECNOLOGIA

TIM lança Samsung Galaxy S5 com preço especial

Hélio Puglielli; João Paulo II, o canonizado

amos das celebrações. O Anjo da Morte levou Belmiro antes de ele presenciar e participar das solenidades. Eu mesmo havia desistido da viagem, mas acabei acatando fortes argumentos de Elizabeth e Carol. Na minha ausência, o jornalista Hélio Puglielli fará a coluna (euforbio@yahoo.com.br), pelo que desde já sou grato. E com o que fico honrado.

MEMÓRIA CURITIBANA PERDAS: CAT E VALENTIM Nos últimos dias, novas grandes perdas para Curitiba, com a morte do pediatra e professor emérito da UFPR, Izrail Cat, 90. Ele se tornou essencial na formação de dezenas de formação de médicos no mais respeitado curso de Medicina do Paraná, além de ter, como pediatra, acompanhado milhares de paranaenses nos seus primeiros anos de vida. As opiniões sobre Cat são eloquentes, não fogem de adjetivos como “grande mestre”, “exigente professor”, e “um sábio”. Para mim, foi surpresa saber que Cat foi enterrado num cemitério não judaico. Ele vinha de ampla descendência judaica, os pais chegados da Europa ao Brasil. O enterro segundo o ritual judaico e a guarda de restos mortais (jamais cremação) em local da comunidade religiosa, é preceito quase sempre seguido à risca por esses descendentes de Abrão.

PERDAS: CAT E VALENTIM (2) A outra perda sentida no mundo empresarial e especialmente nas gerações mais velhas de paranaenses, que se formaram com apoio desse livreiro, foi a morte de Valentim Pedri. A missa de sétimo dia dele ocorreu anteontem. Ex-religioso marista nos primeiro anos da

Izrail Cat

A Livraria Paraná rompeu com o quase “monopólio” que então Dude Ghignone e seu pai, José Ghignone, mantinham, com as Livrarias Ghignone. As prateleiras, de início, não tinham grandes variedades de livros. Mas prevaleciam os de qualidade, num tempo em que essa ‘praga da autoajuda’ praticamente se limitava a Dale Carnegie e Norman Vicent Peale. E já era o suficiente.

PERDAS: CAT E VALENTIM (3)

Ocyron Cunha

mocidade, Valentim era um ser humano afável, pacificador, grande capacidade de trabalho e uma visão comercial aguçada. Desses elementos eu mesmo dou testemunho, pois conheci Valentim no ano de 1955, quando ele fundou, com Eugênio Szezech (advogado e dono de enciclopédicos conhecimentos, com incursões pelo mundo da Física, ‘in memoriam’) a Livraria Paraná. Ficava no térreo do Edifício Augusta, na Rua Dr. Murici com Rua das Flores.

A Livraria Paraná tornou-se rapidamente um ‘must’ para faixas de intelectuais e professores. Uns quatro anos depois, a dupla Eugênio e Valentim estabeleceu-se no térreo do antigo Clube Curitibano, da Rua Barão do Rio Branco. Acho mesmo que os dois chegaram a ter alguma sociedade com o então livreiro (Livrobras) muito respeitado que era Ocyron Cunha, depois reitor da UFPR, notabilizado pela correção pessoal e empenho em ampliar o alcance da Federal. O grande salto de Valentim ocorreu quando ele criou, nos anos 70s, as Livrarias Curitiba, hoje uma rede de livrarias com respeitada presença em grandes centros do país. Elas são boas testemunhas de quanto o esforço e a dedicação daquele moço simples dos anos 50 foram frutíferos.

13 DIÁCONOS CASADOS GANHARÃO ORDENAÇÃO Há muitos católicos que ainda não se deram conta que, com o Concílio Vaticano II (1962/65), a Igreja restaurou a categoria de diáconos permanentes, os chamados diáconos casados. O fato é que eles estão presentes em todo o país, auxiliando a vida das paróquias. Podem fazer casamentos, batizados e outras funções litúrgicas. Mas não podem celebrar missas nem ouvir confissões. Nem terão

acesso, como regra, ao sacerdócio. Só excepcionalmente, se forem viúvos, poderão pedir a ordenação sacerdotal.

DIÁCONOS CASADOS (2) A propósito: está marcada para 20 de julho, no ginásio esportivo da PUCPR, a ordenação de 13 novos diáconos de Curitiba. Quase todos os 13 são portadores de formação universitária, casados (obrigatoriamente) e a

média de idade desse grupo é de 38 anos. Eles passaram dois anos estudando na Escola Diaconal São Felipe de Nery, da Arquidiocese de Curitiba, com aulas de Filosofia e Teologia, além de Sagradas Escrituras, Bioética, Geografia Bíblica, História, Homilética, Pastoral, etc. A figura do diácono casado, restaurado com o Vaticano II, foi resultado sobretudo do trabalho de João XXIII.

O Samsung Galaxy S5 chega neste sábado na TIM Store do Shopping Barigui. Para marcar o lançamento, a empresa realizará evento com a presença de DJ, distribuição de cup cakes e espumante. Durante todo o dia os clientes poderão conhecer as funcionalidades do smartphone e as vantagens das ofertas da companhia. Especialmente neste sábado – durante o evento

de lançamento - novos e atuais usuários de planos pós-pagos da TIM poderão adquirir o smartphone por um preço especial: R$ 1.999, com parcelamento em até 12 vezes sem juros no cartão de crédito. Os 30 primeiros clientes a efetuarem a compra ganham uma capa S-View para o Galaxy S5. O evento ocorre das 10 às 22horas. Após o lançamento o

CURITIBA

smartphone será comercializado por R$ 2.299 para novos e atuais usuários de planos pós-pagos da TIM – também com parcelamento em 12 vezes – e por R$ 2.599 no plano pré-pago. Os consumidores que quiserem aproveitar a chegada do Galaxy S5 para se tornarem clientes, podem optar, por exemplo, pelas vantagens do Liberty Express.

3 DE MAIO

Curitiba Pizza na Pedra oferece grande variedade de pratos recebe evento de mídias sociais

Panqueca de camarão é um dos destaques da casa Famosa por suas deliciosas pizzas, a Pizza na Pedra oferece outros pratos para quem quer variar o cardápio. As saladas, caesar ou de beterraba, são opções para aqueles que desejam uma refeição leve e saudável. Um dos destaques da casa é a panqueca de camarão, servida com molho sugo, camarão, catupiry e gratinada com mozzarella. O cliente pode escolher também entre uma das mas-

sas da Pizza na Pedra, como a Lasanha da Casa, com molho branco, brócolis e queijo provolone. O Ravioli de Linguiça Blumenau e o Tagliarini ao Triplo Funghi, com molho vermelho acompanhado de cogumelos e ervas frescas, prometem agradar a todos os paladares. Para fechar as saborosas combinações da Pizza na Pedra, temos os risotos de pera com gorgonzola ou o de aspargo.

No próximo dia 3 de maio, Curitiba recebe o Share – Social Media na Prática, evento voltado a estudantes e profissionais da comunicação que trabalham ou desejam trabalhar com marketing digital e mídias sociais. O objetivo é a troca de informações e experiências com palestrantes que são referência na área em todo o Brasil. Entre eles, já está confirmada a presença de Ricardo Cappra, consultor internacional que trabalhou na campanha on-line de Barack Obama; Marcos Giovanela, diretor de redes sociais da Prefeitura de Curitiba; Ivan Alves, do Magazine Luiza, e Guilherme Gomide, da Agência Casa.


publicidade legal | a7

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014 COMUNICADO Cavo Serviços e Saneamento S/A torna público que entregou para análise à Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba – SMMA, o Relatório Ambiental Prévio – RAP referente à implantação de Unidade de Transbordo de Resíduos Sólidos Urbanos Não Perigosos, situada à Rua João Bettega, 4119, Curitiba/PR, estando o mesmo disponível para consultas dos interessados, no Departamento de Pesquisa e monitoramento da SMMA. Curitiba, 24/04/2014. SÚMULA DO PEDIDO DA LICENÇA PRÉVIA TRIPASERTA APOIO ADMINISTRATIVO PARA FRIGORIFICOS EIRELIME torna público que requereu à Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba - SMMA a Licença Prévia, para preparação de subprodutos do abate, situada à Rua Francisco Lourenço Johnscher, nº 743 - Boqueirão - Curitiba/PR. “Condominio Edifício Parana, situado na Rua Visconde do Rio Branco, 1541 – Curitiba – Paraná, convoca Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada em 28/04/2014 às 19h30min, para, alem de assuntos gerais, apresentar, discutir, deliberar e votar sobre as obras de BENFEITORIAS (recuperação, conservação e melhoramentos) a serem realizados no prédio durante o corrente ano, a saber: 1. Estrutural: recuperação da marquise, laje e pilares da sobreloja; 2. Alvenaria: piso da sobreloja, calçada, pintura garagens; 3. Hidráulica: Troca registros e flanges das caixas d’agua; 4. Segurança: Porta pulmão nas entradas do prédio, sistema de resgate nos elevadores; 5. Serviços: Elevadores – troca da maquinaria; 6. Elétrica: Troca de luminarias das garagens; 7. Diversos: instalação de proteção anti-choque nas colunas das garagens (faltantes). Na ocasião falaremos, tambem, sobre as proximas benfeitorias”.

SÚMULA DE PEDIDO DE LICENÇADE OPERAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES POSITIVO LTDA., CNPJ nº78.791.712/0003-25, torna público que requereu à Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba Licença Ambiental de Operação para o campus da Universidade Positivo, situada na Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300, Curitiba, Paraná. MONDAY – AGROPECUÁRIA, COMERCIO E INDUTRIA S/A. CNPJ Nº 76.082.205/0001-25 CONVOCAÇÃO Convoco os Senhores Acionistas da MONDAY – AGROPECUÁRIA, COMERCIO E INDÚSTRIA S/A, para a Assembléia Geral Ordinária a no dia 09 de maio de 2014, na sede da Companhia, à Rua Rafael Picoli, 1.958, Sala 01, Bairro Country, na Cidade de Cascavel – Paraná, CEP 85.813-220, às 17h00min horas, em primeira convocação, com a presença de ¾ (três quartos) do capital com direito a voto e às 17h30min horas e trinta minutos, em segunda convocação com qualquer número de acionistas, com a seguinte ordem do dia: 1) – analisar e aprovar as contas da Diretoria referente ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2013, 2) eleição de diretoria para o próximo mandato 3) alteração de endereço, 4) aquisição de equipamentos operacionais 5) tratar de assuntos gerais de interesse da Companhia. O Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis, do exercício em questão, já se encontra à disposição na sede da Empresa.

4º Serviço de Registro Civil de Pessoas Naturais e 16º Serviço Notarial da Comarca de Curitiba/PR. ADILSON TABORDA - Titular Rua Voluntários da Pátria, 233, loja 06, Centro – Curitiba-PR fone: 3233-2444 Faço saber que pretendem casar-se: 01 – PEDRO HENRIQUE DE TOLEDO BARROS E ALINE MAREN DARIO 02 - FABIO PINHEIRO DA SILVA E JESSICA LOPES MARINHEIRO 03 - PEDRO HENRIQUE CORDEIRO MACHADO E ANA BEATRIZ RIBEIRO COUTINHO DE MATTOS PESSOA 04 - RAFAEL WERNER E VANESSA CAROLINE DE ALMEIDA 05 - PAULO GROCHOVICZ E ALECSANDRA DACAS FONSECA Se alguém souber de algum impedimento oponha-o na forma da lei, no prazo de quinze (15) dias. Este será afixado no lugar de costume e publicado na imprensa local. Curitiba, 24 de abril de 2014. Adilson Taborda Agente Delegado

Cascavel PR, 22 de abril de 2014. Madalena Smores Silva Diretor - Presidente

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

AVISO DE LICITAÇÃO

HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Processo nº 002770/2014-22 - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 028/2014

AVISO DE LICITAÇÃO Processo nº 001936/2014-93 - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2014 Envio de propostas a partir de 25/04/2014, com abertura para lances na data de 12/05/2014, horário: 10h 00min, disponível no site www.comprasnet.gov.br. Objetivo: Implantação de Pregão Eletrônico, com vigência de 12 (doze) meses, para aquisição parcelada, de bobina para fax e outros. O objeto atenderá o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Os interessados poderão obter todas as informações necessárias a respeito com a Comissão de Licitação pelo telefone (0xx41) 3360-1831. Marcelo Czaikowski - Pregoeiro.

Publique-se.

Prof. Dr. Flavio Daniel Saavedra Tomasich Diretor Geral do HC

Envio de propostas a partir de 25/04/2014, com abertura para lances na data de 12/05/2014, horário: 14h 30min, disponível no site www.comprasnet.gov.br. Objetivo: Implantação de Pregão Eletrônico, com vigência de 12 (doze) meses, para aquisição parcelada, conforme necessidade, produtos para saúde abaixador de língua e outros. O objeto atenderá o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Os interessados poderão obter todas as informações necessárias a respeito com a Comissão de Licitação pelo telefone (0xx41) 3360-1831. Paulo Sérgio Lopes dos Santos - Pregoeiro.

Publique-se.

Prof. Dr. Flavio Daniel Saavedra Tomasich Diretor Geral do HC

1º Ofício do registro Civil 13º Tabelionato Leão Bel. Ricardo Augusto de Leão - Oficial Trav. Nestor de Castro, 271 - CEP 80.020-120 Centro - Curitiba - PR EDITAL DE PROCLAMAS Faço saber que pretendem casar-se: 1 - LUCIANO-AUGUSTO RODRIGUES e GILLYS VIEIRA DA SILVA; 2 - WILSON CESAR SILVEIRA e EDILAINE APARECIDA LUZ. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de 15 dias. Lavro o presente Edital de Proclamas para ser publicado e afixado em lugar de costume. CURITIba, 24 DE ABRIL de 2014

AVISO DE PRORROGAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO N 1151.14 Objeto: AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE FERRO DÚCTIL E VÁLVULA. Esclarecimentos: Prorrogado para até as 17:00 horas do dia 08/05/14 Limite de Acolhimento de Propostas: Prorrogado para até às 09:00 horas do dia 12/05/14. Data da Disputa de Preços: Prorrogada para as 14:00 horas do dia 12/05/14. Motivo: Conforme “Comunicado 01”. Curitiba, 22 de abril de 2014. Antonio Hallage - Diretor Administrativo

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE - UNILIVRE C.N.P.J. 85.075.778/0001-12 2013

2012

116.961,21

45.997,55

11.933,15 16,16 11.916,99

29.743,01 26,99 56,38 29.659,64

OUTROS CRÉDITOS Adiantamentos a Empregados Despesas do Exercício Seguinte

105.028,06 6.478,06 98.550,00

16.254,54 16.254,54 -

NÃO CIRCULANTE Depósitos Judiciais Outras Contas a Receber Imobilizado

275.061,89 132.655,65 120.426,26 21.979,98

253.128,63 117.466,97 120.426,26 15.235,40

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Social Superávit / Déficit do Exercício Doações e Subvenções Ajuste de Exercícios Anteriores

TOTAL DO ATIVO

392.023,10

299.126,18

TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

CIRCULANTE DISPONÍVEL Caixa - Recursos Livres Bancos Conta Movimento - Recursos Livres Bancos Conta Movimento - Recursos de Terceiros Aplicações Financeiras - Recursos Livres

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Nacionais Obrigações Tributárias Obrigações Sociais Obrigações e Provisão de Pessoal Recursos de Entidade Pública Nacional NÃO CIRCULANTE Indenizações Trabalhistas

2013

2012

498.793,47 114.110,35 645,75 108.593,25 275.444,12 -

62.190,49 70.924,54 149,36 41.573,50 112.054,40 (162.511,31)

80.599,88 80.599,88

58.964,94 58.964,94

(187.370,25) 152.826,65 (365.341,00) 25.144,10 -

177.970,75 103.342,14 52.823,48 25.144,10 (3.338,97)

392.023,10

299.126,18

As Notas Explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÕES DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO SOCIAL DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO

SALDO EM 31/12/2011 Ajuste de Exercícios Anteriores Superávit do Exercício Transferência conforme Resolução CFC nº 1.409/12 SALDO EM 31/12/2012 Déficit Exercício Transferência conforme Resolução CFC nº 1.409/12 SALDO EM 31/12/2013

Superávit / Déficit (32.889,85) 52.823,48 32.889,85 52.823,48 (365.341,00) (52.823,48) (365.341,00)

Doações e Subvenções 25.144,10 25.144,10 25.144,10

Ajuste de Exercícios Anteriores 30.985,98 (3.338,97) (30.985,98) (3.338,97) 3.338,97 -

Patrimônio Social 105.246,01 (1.903,87) 103.342,14 49.484,51 152.826,65

Torcedores que forem ao Brasil devem verificar vacinas, diz OMS A Organização Mundial da Saúde (OMS) apelou ontem aos torcedores que viajarem ao Brasil para o Mundial de Futebol que comprovem se têm as vacinas em dia para evitar doenças infecciosas. A mensagem da OMS é divulgada por ocasião da Semana Anual da Vacinação nas Américas, que começa sábado (26) e vai até o dia 3 de maio e cuja

Patrimônio Líquido 128.486,24 (3.338,97) 52.823,48 177.970,75 (365.341,00) (187.370,25)

As Notas Explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

Superávit / Déficit do Exercício Ajustes para Conciliar o Superávit às Disponibilidades: Mais: Depreciação e Amortização Mais: Ajuste de Exercícios Anteriores Superávit Ajustado

2013 (365.341,00)

2012 52.823,48

1.989,42 (363.351,58)

2.120,92 (3.338,97) 51.605,43

Variações nos Ativos e Passivos Variação de Adiantamentos Variação de Impostos a Recuperar Variação de Depósitos Judiciais Variação de Obrigações Tributárias Variação de Obrigações Sociais Variação de Obrigações e Provisões Trabalhistas Variação de Recursos de Entidade Pública Nacional Variação de Fornecedores Variação de Outras Obrigações

(88.773,52) (10.537,92) 1.077,15 (15.188,68) (3.743,96) 496,39 25,36 67.019,75 20.547,24 163.389,72 8.242,53 162.511,31 (128.113,46) 43.185,81 24.328,32 21.634,94 -

Disponibilidades Geradas nas Atividades Operacionais

(9.075,86) (36.569,31)

Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento Pagamento pela Aquisição de Ativo Imobilizado

(8.734,00)

-

(8.734,00)

-

Disponibilidades Aplicadas nas Atividades de Investimentos Disponibilidades Totais Líquidas das Atividades Demonstração da Variação nas Disponibilidades Saldo Inicial das Disponibilidades Saldo Final das Disponibilidades

(17.809,86) (36.569,31) 29.743,01 11.933,15

66.312,32 29.743,01

Aumento / Redução nas Disponibilidades (17.809,86) (36.569,31) As Notas Explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS SUPERÁVIT / DÉFICIT DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Unidades de Reais)

2013 2012 RECEITAS ORDINÁRIAS NÃO-VINCULADAS 979.377,44 680.570,86 Receitas de Venda de Bens e Serviços 979.377,44 680.570,86 CUSTOS E DESPESAS GERAIS NÃO VINCULADOS (1.328.858,88) (619.680,91) Despesas Administrativas (1.328.858,88) (619.680,91) SUPERÁVIT OU DÉFICIT ORDINÁRIO NÃO-VINCULADO (349.481,44) 60.889,95 Receitas / Despesas Financeiras (15.859,56) (8.066,47) SUPERÁVIT OU (DÉFICIT) DO EXERCÍCIO (365.341,00) 52.823,48 As Notas Explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 NOTA 01 -CONTEXTO OPERACIONAL A Universidade Livre do Meio Ambiente – UNILIVRE foi constituída em 20 de julho de 1992, sendo de personalidade jurídica de direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP, por despacho da Secretaria Nacional de Justiça de 12 de dezembro de 2002 e através do processo no MJ nº 08015.014218/2002-64 de 12 de dezembro de 2003, dentro dos preceitos legais estabelecidos na Lei Federal nº. 9.790 de 23 de março de 1999, regulamentada através do Decreto nº. 3.100 de 30 de junho de 1999, atuando dentro do segmento de cunho educativo, cultural e de pesquisa, com atividades de caráter técnico-científico e de práticas inovadoras. Seu objetivo social é criar e consolidar, nos cidadãos, consciência e postura ambientalmente corretas que contribuam para o aprimoramento da qualidade de vida global. Em busca de atingir seus objetivos, a UNILIVRE tem por finalidades: • Promover a pesquisa e desenvolvimento técnico-científico de informações, conhecimentos e o desenvolvimento, gerenciamento e execução de projetos, bem como difundir valores associados, buscando equilíbrio entre os aspectos: ambiental, cultural, econômico, social e espacial, dando suporte ao desenvolvimento sustentável, e; • Desenvolver, estimular e divulgar estudos e pesquisas visando à construção e ampliação de conhecimentos técnicos e científicos e a busca de soluções orientadas a fornecer elementos práticos de gestão para o desenvolvimento sustentável, privilegiando a preservação e conservação do meio ambiente. NOTA 02 -APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As Demonstrações Contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, bem como em conformidade com a Lei nº. 6.404/76 e suas alterações, em principal, as promovidas pelas Leis n os. 11.638/07 e 11.941/09, nos Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), homologados pelos órgãos reguladores a Resolução CFC nº. 1.409/12, que aprova ITG 2002, a qual orienta sobre os aspectos contábeis a serem observados pelas Entidades sem Finalidade de Lucro. A Demonstração do Resultado Abrangente – DRA, exigida pela NBC TG 1000 não está sendo apresentada no conjunto das Demonstrações Contábeis em virtude de não haver resultados abrangentes nos exercícios findos em 2013 e 2012. As principais diretrizes contábeis estão descritas abaixo: a) Os valores estão expressos em Unidades de Reais (R$); b) A denominação de “Recursos Livres” refere-se aos recursos obtidos sem vínculo a condições específicas de aplicação pela Entidade, entretanto, devendo ser destinados de acordo com os seus objetivos sociais; c) A denominação de “Recursos de Terceiros” corresponde aos valores recebidos com finalidades específicas estabelecidas em termos de parcerias e convênios firmados ou doações com as mesmas características; d) Os bens do imobilizado estão demonstrados ao custo de aquisição, deduzidos da depreciação acumulada até a data do encerramento do Balanço pelo método linear, tomando-se por base os dados contábeis registrados nas respectivas contas. A Entidade optou por não efetuar ajustes correspondentes ao valor justo dos bens no exercício de 2013, bem como nos saldos apresentados em comparativo, em função de estimar irrelevantes os efeitos dos referidos ajustes. A estimativa mencionada foi obtida

através da análise e estudos, levando em consideração de seu julgamento as características e utilidades dos bens, tempo de uso, atividade operacional e dispositivos técnicos contidos na Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento – IT 10, aprovada pela Resolução CFC nº. 1.263/09 e no Pronunciamento Técnico – CPC 27, aprovado pela Resolução do CFC nº. 1.177/09. Quanto às taxas de depreciação, a Entidade está estudando novos critérios de vida útil e econômica de seus bens, considerando suas atividades e dispositivos técnicos mencionados na Resolução CFC nº. 1.177/09. e) Recursos de Termos de Parcerias: correspondem aos recursos obtidos com entidades públicas nacionais e internacionais, deduzidos do montante aplicado em suas finalidades; f) Receitas ordinárias não-vinculadas: concernem às receitas obtidas pela Entidade de acordo com seus objetivos sociais e não estão sujeitas as restrições com terceiros; g) Receitas de convênios: referem-se aos recursos que permaneceram em posse da Entidade ao término dos convênios, não estando sujeitos às restrições com terceiros. NOTA 03 -PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As Principais Práticas Contábeis adotadas na elaboração e apresentação das Demonstrações Contábeis resumem-se em: a) Aplicações Financeiras Estão demonstradas pelos valores de contratação, acrescidas das remunerações apropriadas ‘pro rata temporis’, até a data do Balanço. b) Ativo Permanente – Imobilizado Bens Custo de Depreciações Saldo em Saldo em Aquisição Acumuladas 31/12/2013 31/12/2012 Móveis e Utensílios 64.149,10 (64.149,10) Instalações 2.069,94 (2.069,94) Computadores e Periféricos 6.672,00 (4.559,20) 2.112,80 3.447,20 Aparelhos Telefônicos 1.305,00 (1.305,00) Linhas Telefônicas 11.788,20 11.788,20 11.788,20 Aparelhos de Comunicação 8.734,00 (655,02) 8.078,98 Total 94.718,24 (72.738,26) 21.979,98 15.235,40 c)Depreciações / Amortizações do Ativo Permanente Imobilizado As taxa de depreciação são as seguintes, considerando sua utilização normal de um turno de trabalho: Descrição Taxa Anual Móveis e Utensílios 10,00% Computadores e Periféricos 20,00% Instalações 10,00% Máquinas, Aparelhos e Equipamentos 10,00% d) Provisões de Férias Os direitos adquiridos pelos funcionários no tocante às férias apresentam-se quantificados e provisionados dentre as obrigações constituídas, na razão de 1/12 avos pelo período aquisitivo. e) Demais Ativos e Passivos Foram registrados pelos valores dos custos incorridos, atualizados quando legal ou contratualmente exigidos. f) Contingências Passivas A UNILIVRE é parte em processos judiciais e administrativosde natureza trabalhista. A

Aos Diretores e Conselheiros da UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE - UNILIVRE Curitiba - Paraná Examinamos as Demonstrações Contábeis da UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE - UNILIVRE, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013 e as respectivas demonstrações do superávit ou déficit, das mutações do patrimônio líquido social e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as Demonstrações Contábeis A administração da UNILIVRE é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas Demonstrações Contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de Demonstrações Contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas Demonstrações

Contábeis com base em nossa Auditoria, conduzida de acordo com as Normas Brasileiras e Internacionais de Auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos Auditores e que a Auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as Demonstrações Contábeis estão livres de distorção relevante. Uma Auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas Demonstrações Contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do Auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas Demonstrações Contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o Auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das Demonstrações Contábeis da UNILIVRE para planejar os procedimentos de Auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos. Uma Auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das Demonstrações Contábeis tomadas em conjunto.

administração da Entidade, com base em pareceres de seus consultores jurídicos, provisiona integralmente os processos cujo risco de perda sejaclassificado como provável e dos quais os valores sejam mensurados com segurança. Para os exercícios findos em 2013 em relação a 2012 houve um complemento de provisão no montante de R$ 21.634,94,alterando de R$ 58.964,94, para R$ 80.599,88 a qual é considerada adequada para fazer frente a eventuais perdas. Para o exercício de 2014, o montante desta provisão poderá ser ajustado em conformidade com o Parecer Jurídico. g) Composição das Contas Patrimoniais dos Termos de Parceria Os saldos dos recursos provenientes dos Termos de Parceria estão assim compostos: Eventos Valores em Reais Recursos Recebidos do Termo de Parceria 617.401,13 (-) Recursos Aplicados nas Atividades Próprias (613.084,43) Saldo Financeiro do Termo de Parceria 4.316,70 (-) Devolução Encerramento Termos de Parceria (4.316,70) Saldo Contábil do Termo de Parceria 0,00 NOTA 04 -PRESTAÇÕES DE CONTAS Em vista da realização de Termos de Parcerias com entidades públicas nacionais e internacionais, a UNILIVRE qualificada como OSCIP, está obrigada a realizar as prestações de contas em conformidade com a Lei nº. 9.790/99, regulamentada pelo Decreto nº 3.100/99, perante o órgão estatal parceiro. Deve ainda, o Diretor Executivo prestar contas ao Conselho de Administração sobre os relatórios, balanços e demais peças contábeis, submetendo-os à consideração da Assembleia Geral do Conselho de Administração. Conforme legislação específica, a Entidade fica obrigada a elaborar: • Relatório anual de execução de atividades; • Demonstração do déficit ou superávit do exercício; • Balanço patrimonial; • Demonstração dos fluxos de caixa; • Demonstrações das mutações do patrimônio social; • Notas explicativas às demonstrações contábeis. NOTA 05 -AJUSTE DE EXERCÍCIOS ANTERIORES O saldo da conta Ajuste de Exercícios Anteriores é decorrente da retificação de erro imputável a exercícios anteriores que, pela natureza dos ajustes, não podem ser atribuídos a fatos subsequentes, em conformidade com o Parecer de Orientação - CVM nº. 18 e recomendações da Auditoria Externa, cuja composição está demonstrada a seguir: Descrição 2013 2012 Provisões Trabalhistas (3.338,97) NOTA 06 -BALANÇOS PATRIMONIAIS DOS TERMOS DE PARCERIA (CONSOLIDADO) Os Termos de Parceria estão demonstrados através dos Recursos de Projetos em Andamento e Recursos de Projetos Encerrados, sendo os saldos de contrapartida demonstrados do Ativo, grupo disponível, deduzidos das provisões de folha de pagamento dos respectivos projetos. Curitiba, 31 de dezembro de 2013. Ramiro Wahrhaftig Jefferson Juarez Falavinha Superintendente Contador CPF: 321.770.549-15 CRC-PR 051.261/O-5

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Acreditamos que, a evidência de Auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as Demonstrações Contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE - UNILIVRE em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Curitiba (PR), 02 de abril de 2014. PSW BRASIL AUDITORES INDEPENDENTES CRC-PR nº. 5.196/O-2 CVM nº. 9458 EDER ALEXANDRE SOUZA CRC-PR-056.265/O-7

mensagem faz alusão ao futebol: “Vacinação. A tua melhor jogada!”. “Elegemos esse tema como uma chamada à ação para destacar a importância de estar protegido contra as doenças evitáveis mediante vacinação, em particular o sarampo e a rubéola, durante a próxima edição do Mundial de Futebol”, explicou.

ONU

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇOS PATRIMONIAIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Unidades de Reais) ATIVO

Copa do Mundo

Washington e Paris defendem sanções contra o Sudão do Sul Os Estados Unidos e a França apelaram, na quarta-feira (23), ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para que considere a aplicação de sanções contra os responsáveis pelas atrocidades cometidas no Sudão do Sul, informaram diplomatas. “Queremos que o conselho considere um regime de sanções”, declarou a embaixadora norteamericana, Samantha Power, citada por diplomatas, durante sessão de consulta entre representantes dos 15 membros do Conselho de Segurança. O embaixador francês, Gérard Araud, manifestou “pleno apoio” à proposta norte-americana durante o encontro. Segundo a ONU, tropas ligadas ao antigo vice-presidente sul-sudanês Riek Machar, que lutam desde meados de dezembro contra o exército governamental, massacraram este mês centenas de civis por motivos étnicos na localidade de Bentiu. Antes de entrar para a reunião, o diplomata francês tinha declarado aos jornalistas que Paris é a favor da aplicação de sanções e que apoiaria Washington caso a medida fosse proposta. “Nós devemos considerar decisões, poderão ser sanções”, disse ele, lembrando que “as atrocidades são cometidas pelas duas partes” do conflito no Sudão do Sul. O Conselho de Segurança da ONU não anunciou qualquer decisão imediata a esse respeito. A embaixadora da Nigéria, Joy Ogwu, que assume a presidência rotativa do conselho, destacou, no âmbito das consultas, que o órgão “está unido e determinado a fazer com que [esses crimes] não voltem a se repetir”. A maioria dos países-membros apoiou o “envio de mensagem clara” às partes, acrescentou, sem se referir à eventual aplicação de sanções.


Justiça&DIREITO

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014 | Pág. a8

Supremo Tribunal Federal

Registro de infração prescrita em cadastro de servidor é inconstitucional O

Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), ao analisar caso concreto submetido à apreciação da Corte, declarou a inconstitucionalidade do artigo 170 da Lei 8.112/1990 (Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União), dispositivo que determina o registro de eventuais transgressões cometidas nos assentamentos do servidor, mesmo que os fatos tenham sido alcançados pela prescrição. A decisão ocorreu na sessão desta quarta-feira (23), no julgamento de Mandado de Segurança (MS 23262) impetrado por professor titular de medicina da UnB. O autor do MS questionava decisão do presidente da República que, após a regular tramitação de processo disciplinar, aplicou pena de suspensão do autor e determinou a inscrição dos fatos nos assentamentos funcionais. Consta dos autos que, após reconhecer a extinção da punibilidade pela prescrição, o presidente da República chegou a anular a penalidade de suspensão do ser-

vidor, mas manteve a anotação da infração nos assentamentos funcionais, com base no artigo 170 da Lei 8.112/1990. O dispositivo diz que “extinta a punibilidade pela prescrição, a autoridade julgadora determinará o registro do fato nos assentamentos individuais do servidor”. O relator do caso, ministro Dias Toffoli, entendeu que manter a anotação da ocorrência, mesmo após reconhecida a prescrição, viola a princípio constitucional da presunção da inocência. Com esse argumento, Toffoli se manifestou no sentido de conceder a ordem para cassar a decisão que determinou o registro da infração nos assentamentos do servidor e, incidentalmente, declarar a inconstitucionalidade do artigo do Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União. Para o ministro Luiz Fux, uma anotação como essa “tem efeitos deletérios para toda a carreira do servidor”, disse o ministro ao acompanhar o relator. “Atenta

O relator do caso, ministro Dias Toffoli, entendeu que manter a anotação da ocorrência, mesmo após reconhecida a prescrição, viola a princípio constitucional da presunção da inocência contra imagem funcional desse servidor”, concordou o ministro Ricardo Lewandowski. A inconstitucionalidade do

dispositivo legal foi declarada por maioria de votos, vencido nesse ponto o ministro Teori Zavascki, que não declarava a invalidade

HIGI SERV LIMPEZA E CONSERVAÇÃO S.A.

DR - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Em 31 de dezembro de 2013 e 31 de dezembro de 2012 - Em reais

CNPJ 78.570.397/0001-44 Rua Omílio Monteiro Soares 1712 CEP 81030-001 Curitiba PR

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 - EM REAIS ATIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa Contas a Receber Estoques Adiantamento a terceiros Impostos a Recuperar Despesas Antecipadas NÃO CIRCULANTE Depósitos Judiciais Empresas Ligadas e Coligadas Pessoas Físicas Ligadas Impostos a Recuperar Imobilizado Depreciações Acumuladas TOTAL DO ATIVO

Nota 4 5 6 7 8

9 10 11 12

2013 19.841.338 3.221.902 14.486.722 373.838 998.864 760.012

2012 13.672.951 1.307.353 9.682.197 621.326 135.446 1.562.409 364.220

15.338.633 1.858.317 3.900.194 814.469 1.417.693 11.213.694 (3.865.733)

17.996.766 3.443.224 5.928.737 426.333 1.417.693 9.655.743 (2.874.964)

PASSIVO

13 14

2013 12.989.114 2.287.325 676.723 3.961.275 6.006.423 1.067 56.302

2012 9.003.796 1.206.158 2.976.151 4.797.760 23.728 -

NÃO CIRCULANTE Obrigações Tributárias Provisões Empréstimos Longo Prazo Outras Obrigações

15 16 17

5.222.516 81.487 446.772 4.069.075 625.182

5.702.913 219.681 3.089.667 2.393.565

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Incentivo Fiscal Reservas de Lucros

18a 18b

16.968.341 12.000.000 2.907.958 2.060.382

16.963.007 12.000.000 2.907.958 2.055.049

35.179.971 --------------------------

31.669.717 --------------------------

CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Sociais e Trabalhistas Provisão de Férias e 13º Salário Dividendos a Pagar Outros Valores a Pagar

Nota

TOTAL DO PASSIVO 35.179.971 31.669.717 ---------------------------------------------------------------------------As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

DMPL - DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 - Valores em Reais Saldo em 31 de dezembo de 2012

Capital Social

Reservas de Capital

Reservas de Lucros

12.000.000

2.907.958

2.055.049

Transações de Capital com os Sócios Lucro Líquido do Período Constituição de Reservas Saldo em 31 de dezembo de 2013

Lucros/Prej Total do Acumulados Patrimônio Líquido -

16.963.007

(106.670)

(106.670)

106.670

106.670

5.334

Demonstração do Resultado Abrangente -

5.334

12.000.000 2.907.958 2.060.382 As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

16.968.341

106.670

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL A sociedade tem como objeto social todas as transações e operações de prestação de serviços nas diversas áreas, tais como: Limpeza, conservação, recepção, zeladoria, jardinagem, marcenaria, telefonia, auxiliares de escritório, carpintaria, ascensoristas, pedreiros, serventes de pedreiro, eletricistas, encanadores, porteiros, almoxarifes, copeiras, merendeiras, mensageiros, remoção de resíduos, lavagem de caixa d´água, limpeza de calhas, dedetização e desratização, manutenção, lavagem e lubrificação de automóveis e ônibus, limpeza de aeronaves/ remoção de lixo, dejetos sanitários, higienização e arrumação de aeronaves, colocação e amarração de carga em aeronaves ou sua retirada e outros procedimentos usuais, limpeza e conservação de aeroportos, rodoviárias e ferroviárias e serviços de engenharia civil. Serviços de gerenciamento, leitura informatizada ou manual de hidrômetros, gasômetros e de medidores de energia elétrica, apuração de consumo, emissão de faturas, coleta de informações, atendimentos a usuários, pesquisas de qualidade e satisfação de usuários e serviços de distribuição de faturas. Movimentação de mercadorias (carga, descarga, deslocamento, arrumação e acomodação de mercadorias sólidas ou líquidas, embaladas ou a granel, que necessite o concurso humano para a sua realização, CBO nº. 9-71.10); Motorista; Auxiliar Administrativo. Serviços de garçom, digitador e vigia. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com observância às disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações. Essas demonstrações financeiras foram elaboradas em conformidade com o procedimento CPC PME R1 de 08/04/2011 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. O Resultado é apurado de acordo com o regime de competência, que estabelece que a receitas e despesas devem ser incluídas na apuração dos resultados dos períodos que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se relacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento. 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Caixa e Equivalentes de Caixa Estão registradas pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço, não excedendo o valor de mercado. b) Contas a receber de clientes São registrados pelo valor faturado e não têm incidência de juros por serem de curto prazo. c) Imobilizado Está demonstrado pelo custo de aquisição. As depreciações são calculadas pelo método linear de acordo com a vida útil estimada dos bens, conforme demonstrado na nota nº 12. d) Contingências Os passivos contingentes são reconhecidos nas demonstrações financeiras quando, com base na opinião de assessores jurídicos e da Administração, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem passíveis de mensuração. e) Demais ativos e passivos São registrados por seus valores de realização ou de liquidação, acrescidos, quando aplicável, dos rendimentos ou encargos incidentes, calculados até a data do balanço. f) Uso de estimativas As estimativas contábeis foram baseadas em fatores objetivos e subjetivos, com base no julgamento da Administração para determinação do valor adequado a ser registrado nas demonstrações financeiras. Itens significativos sujeitos a estas estimativas e premissas incluem os valores residuais do imobilizado, provisão para devedores duvidosos e provisão para contingências. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes devido a subjetividades inerentes ao processo de sua determinação. A Companhia revisa as estimativas e premissas mensalmente. g) Apuração do resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios e inclui rendimentos, encargos e variações cambiais às taxas oficiais, incidentes sobre ativos e passivos circulantes e de longo prazo atualizados pró-rata temporis, bem como, quando aplicável, inclui os efeitos de ajustes de ativos para o valor de realização. 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA São demonstradas pelos recursos disponíveis em caixa, contas correntes bancárias e aplicação financeira. Contas 2013 2012 Caixa 12.789 16.549 Bancos - Contas Correntes 148.558 797.292 Banco - Aplicação Financeira 3.060.556 493.512 Total 3.221.902 1.307.353 5. CONTAS A RECEBER DE CLIENTES Está representada pelos valores a receber decorrente das vendas de seus serviços. 6. ESTOQUES 2013 2012 Estoque de Materiais 373.838 621.326 Total 373.838 621.326

7. IMPOSTOS A RECUPERAR Contas Imposto de Renda Retido na Fonte Contribuição Social Retido na Fonte Obrigações Fiscais a Pagar IRRF Cisão Higi Cargo Ltda ISS a Recuperar Crédito a Ágio na Incorporação INSS a Recuperar Total 8. DESPESAS ANTECIPADAS Contas Prêmios de Seguros a Vencer Aluguéis a Vencer Gastos com Pessoal a Apropriar Encargos Financeiros a Apropriar Depósito Caução Total

2013 101.243 129.936 (795.248) 27.349 18.388 1.517.196 998.864

2012 278.090 159.792 (468.934) 27.349 6.523 1.517.196 42.393 1.562.409

2013 33.343 8.496 472.926 60.183 185.064 760.012

2012 26.397 2.777 311.880 23.166 364.220

9. TRANSAÇÕES COM EMPRESAS LIGADAS E COLIGADAS Corresponde a mútuos que a sociedade mantém com pessoas ligadas, conforme demonstrado: Contas 2013 2012 Higi Serv Cargo Serv. Aux. Transp. Aéreo Ltda. Higi Serv Serviços Ltda Serra Verde Express Best Way Trips Agencia de Viagens Obra Prima S/A Tec. Adm. de Serviços SVE Comércio de Alimentos Ltda - ME

1.563.365 (822.304) 202.823 878.192 1.971.093 107.025

1.378.047 1.216.700 1.735.822 371.918 1.226.249 -

Total

3.900.194

5.928.737

10. TRANSAÇÕES COM PESSOAS FÍSICAS LIGADAS Corresponde a mútuos que a sociedade mantém com pessoas ligadas, conforme demonstrado: Contas Adonai Aires de Arruda Ione Mari da Veiga Sidcley da Veiga

2013 814.469 -

2012 414.741 11.266 326

Total

814.469

426.333

2013 1.390.763 26.930 1.417.693

2012 1.390.763 26.930 1.417.693

11. IMPOSTOS A RECUPERAR A LONGO PRAZO Contas Crédito Fiscal Ágio de Incorporação Créditos Tributários Receita Federal Total

12. IMOBILIZADO Está demonstrado ao custo de aquisição, deduzido da depreciação acumulada. Contas Veículos Benfeitorias em Imóveis Máquinas e Equipamentos Equipamentos de informática Móveis e Utensílios Edificações Instalações Sistemas Aplicativos - Software Terrenos Total

Saldo 2.974.208 352.545 2.069.743 271.805 1.143.455 2.005.992 57.732 39.106 2.299.108 11.213.694

2013 Depreciação (1.763.631) (220.497) (720.959) (135.194) (657.191) (358.915) (9.346) (3.865.733)

Líquido 1.210.576 132.048 1.348.784 136.611 486.264 1.647.077 48.386 39.106 2.299.108 7.347.960

13. EMPRÉSTIMOS E FINANCIMENTOS A empresa possui empréstimos com instituições financeiras no curto prazo: Contas 2013 Banco do Brasil S.A. 240.000 Financiamentos - Leasing de Veículos 436.723 Total 676.723 14. OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS A empresa possui as seguintes obrigações: Contas Salários a pagar Encargos Sociais FGTS INSS Contribuição Sindical Total

do artigo. A decisão de hoje torna definitiva liminar anteriormente deferida para suspender os efeitos do ato questionado.

2013 2.837.998 134.616 524.910 386.398 77.353 3.961.275

2012 1.509.321 167.302 873.381 144.725 536.802 1.729.392 16.641 39.106 1.764.109 6.780.779

2012 2012 2.271.163 408.672 181.269 115.046 2.976.151

2013 2012 OPERAÇÕES CONTINUADAS Receita Líquida Receitas de Serviços 86.468.637 72.090.780 Custos dos Serviços (79.310.774) (63.208.357) Lucro Bruto 7.157.863 8.882.424 Despesas com Vendas (586.358) (540.696) Despesas Administrativas (7.220.959) (5.958.203) Participações nos Lucros de Coligadas Outras Receitas 749.986 378.363 Outros Ganhos (Perdas) Líquidos 100.532 2.761.888 Lucro Operacional Receitas Financeiras 337.854 484.686 (148.601) (173.163) Despesas Financeiras Receitas Financeiras, Líquidas 189.254 311.523 Lucro Antes do Imp de Renda e Contr Social 289.786 3.073.411 Imposto de Renda e Contribuição Social (342.216) (669.095) Lucro do Exercício das Operações Continuadas (52.430) 2.404.317 OPERAÇÕES DESCONTINUADAS Lucro do Exercício de Operações Descontinuadas 159.100 (31.500) 106.670 2.372.817 Lucro Líquido do Exercício --------------------------------------------------------Ações em Circulação no Final do Exercício (milhares) 12.000.000 12.000.000 Lucro Líquido por Ação do Capital Social no final do Período - R$ 0,01 0,20 --------------------------------------------------------As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

DFC - DEMONSTRATIVO DOS FLUXOS DE CAIXA Em 31 de dezembro de 2013 e 2012 - Valores em Reais 2013

2012

106.670

2.372.817

990.769

867.283

Aumento/(Diminuição) das contas dos grupos do ativo e passivo: Clientes Estoques Adiantamento a Terceiros Impostos a Recuperar Despesas Antecipadas Outros Valores Fornecedores Empréstimos de Curto Prazo Obrigações Sociais e Trabalhistas Provisões Trabalhistas Obrigações Tributárias Dividendos a Distribuir Contas a Pagar

4.804.525 (247.488) (135.446) (563.546) 395.792 1.081.167 676.723 985.124 1.208.663 (22.661) 56.302

5.543.292 277.076 59.097 440.654 (8.604) (17) 63.223 1.868.997 (11.303) (14.143)

Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais

Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais Lucro (Prejuízo) Líquido Ajustes por: Depreciação

9.336.594

11.458.372

Fluxos de Caixa das Atividades de Investimento Aquisição de bens do ativo imobilizado Impostos a Recuperar a Longo Prazo Depósitos Judiciais

(1.557.950) (1.584.908)

(1.404.681) (26.930) (517.183)

Caixa Líquido Usado nas Atividades de Investimento

(3.142.858)

(1.948.794)

Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamento Obrigações Tributárias Longo Prazo Empréstimos e Financiamentos Provisões para Contingências Outros Valores Dividendos Distribuídos

(138.194) 1.798.497 (2.642.896) (1.768.383) (1.528.211)

321.597 (8.700.793) (1.224.728) (2.393.565) (3.704.023)

Caixa Líquido Usado nas Atividades de Financiamento

(4.279.187) (15.701.512)

Aumento Líquido de Caixa e Equivalente de Caixa Caixa e Equivalente de Caixa no Ínicio do Período Caixa e Equivalente de Caixa no Fim do Período

1.914.549 1.307.353 3.221.902

(6.191.934) 7.499.287 1.307.353

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras. 15. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Possui obrigações fiscais de longo prazo, conforme demonstrado: Contas 2013 2012 PAES INSS 27.707 55.142 PAES Receita Federal 5.370 Parcelamentos Receita Federal 48.410 164.539 Total Longo Prazo 81.487 219.681 16. PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS A Companhia está sujeita a contingências fiscais, trabalhistas e outras, sendo parte envolvida em processos em andamento tanto na esfera administrativa como judicial, para as quais, quando aplicável, são amparadas por depósitos judiciais. As provisões para perdas prováveis constituídas, inclusive quanto ao prazo de exigibilidade, são estimadas pela administração, amparada por sua assessoria jurídica. As contingências trabalhistas e previdenciárias consistem, principalmente, em reclamações de empregados vinculadas a disputas sobre o montante de compensação pago para demissões. 2013 2012 Trabalhistas e previdenciárias 280.622 280.622 Contingências Cíveis 48.225 170.974 Contingências Tributárias 117.925 1.701.991 Outras 936.080 446.772 3.089.667 17. EMPRÉSTIMOS E FINANCIMENTOS DE LONGO PRAZO A empresa possui empréstimos com instituições financeiras no longo prazo: 2013 2012 Banco do Brasil S.A. 2.760.000 Leasing e Financiamentos de Longo Prazo 1.309.075 Total 4.069.075 18. PATRIMÔNIO LÍQUIDO a) Capital Social O capital social é de R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais), totalmente integralizado e pertencentes a acionistas domiciliados no país. b) Reserva de capital - reserva especial de ágio Esta reserva foi constituída em decorrência do processo de reestruturação societária descrito na nota no 1, em contrapartida ao acervo líquido incorporado. c) Dividendos Aos acionistas são destinados dividendos mínimos obrigatórios de 1% do resultado de cada exercício, depois de constituída a reserva legal de 5% do lucro líquido até o limite de 20% do capital social integralizado. Caberá a Assembléia Geral Ordinária a deliberação sobre a destinação dos lucros acumulados remanescentes em 31 de dezembro de 2013. As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras. DIRETORIA ADONAI AIRES DE ARRUDA Diretor Comercial

EDSON RENATO NEMETZ Gerente Financeiro e Contábil Contador CRC PR 036.844/O-2

Câmara aprova projeto que regulamenta as guardas municipais O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira o Projeto de Lei 1332/03, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que regulamenta a criação e o funcionamento das guardas municipais, permitindo o uso de arma de fogo nos casos previstos no Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03). O texto aprovado é o de uma subemenda do relator pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, deputado Fernando Francischini (SDD-PR), que incorporou negociações com os partidos e o governo. A matéria será enviada ao Senado. Nos termos do Estatuto do Desarmamento, o porte de arma aos guardas municipais será permitido nas capitais dos estados e nos municípios com mais de 500 mil habitantes; e em cidades com mais de 50 mil e menos de 500 mil habitantes, quando em serviço. O direito ao porte de arma poderá ser suspenso em razão de restrição médica, decisão judicial ou por decisão do dirigente com justificativa. Efetivo total Segundo o texto, a guarda municipal não poderá ter efetivo maior que 0,4% da população do município com até 50 mil habitantes. Nas cidades com população maior que 50 mil pessoas e menor que 500 mil, o efetivo mínimo será de 200 guardas; e o máximo, de 0,3% da população. Para municípios com mais de 500 mil habitantes, o índice máximo será de 0,2% da população. Se houver redução de habitantes, o tamanho da guarda será preservado, mas a lei municipal deverá prever seu ajuste posterior. O projeto, que ficou conhecido como Estatuto Geral das Guardas Municipais, também permite a existência das guardas por meio de consórcio em cidades limítrofes. Se virar lei, a proposta se aplicará a todas as guardas municipais existentes, que terão dois anos para se adaptar. Competências Segundo o texto aprovado, a competência geral das guardas municipais é a proteção de bens, serviços, ruas públicas e instalações do município. Entre as competências específicas, destacam-se: cooperar com os órgãos de defesa civil em suas atividades; colaborar com os órgãos de segurança pública, inclusive em ações preventivas integradas; e atuar com ações preventivas na segurança escolar. Entretanto, as guardas municipais não podem ser sujeitas a regulamentos disciplinares de natureza militar. O guarda municipal poderá intervir preliminarmente em situação de flagrante delito; encaminhando à delegacia o autor da infração. A criação de guarda municipal deverá ocorrer por lei, e os servidores deverão ingressar por meio de concurso público. Para ingressar na guarda, o candidato deve ter nacionalidade brasileira; nível médio completo; e idade mínima de 18 anos. O texto exige curso de capacitação específica do servidor, permitindo ao município a criação de órgão de formação, treinamento e aperfeiçoamento.


publicidade legal | a9

DiĂĄrio IndĂşstria&ComĂŠrcio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

ASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS CNPJ 76.497.338/0001-62 Sede: Rua Alferes Poli, nÂş 140 - Centro - Curitiba/PR - CEP 80.230-090

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DO RESULTADO DO PERĂ?ODO (Em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE (Em milhares de reais) ATIVO CIRCULANTE (Nota 4) (Nota 5)

Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber Adiantamentos concedidos Estoques Despesas antecipadas Outros direitos realizĂĄveis NĂƒO CIRCULANTE RealizĂĄvel a Longo Prazo DepĂłsitos judiciais Contas a Receber

(Nota 6) (Nota 7)

Imobilizado IntangĂ­vel TOTAL DO ATIVO

2.013 161.504

2.012 145.308

125.564 11.638 6.806 16.452 476 568

117.508 10.596 6.171 10.105 590 338

187.011

149.605

1.414 1.207 207

956 657 299

184.982 615

148.165 484

348.515

294.913

PASSIVO CIRCULANTE SalĂĄrios e tributos sobre a folha   (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV Antecipação de clientes Fornecedores Tributos e encargos a recolher Obrigaçþes de fĂŠrias e encargos sociais ProvisĂŁo p/ contingĂŞncias trabalhistas/cĂ­veis   3DUFHODPHQWRÂżVFDO Aquisição de imĂłvel operacional Outras contas a pagar NĂƒO CIRCULANTE   (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV   3DUFHODPHQWRÂżVFDO ProvisĂŁo p/ contingĂŞncias trabalhistas/cĂ­veis PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO PatrimĂ´nio social Ajuste avaliação patrimonial SuperĂĄvit do perĂ­odo TOTAL DO PASSIVO E PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO

2.013 69.389 12.372 1.448 21.302 16.443 257 14.491 805 573 1.250 448 3.154 2.877 0 277 275.972 230.014 0 45.958 348.515

(Nota 8) (Nota 9)

(Nota 3-h) (Nota 10)

(Nota 9) (Nota 10) (Nota 3-h)

2.012 59.944 11.972 748 17.582 10.843 151 13.965 1.533 582 1.938 630 4.955 3.812 525 618 230.014 210.488 6.441 13.085 294.913

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstraçþes contåbeis.)

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO (Em milhares de reais) SUPERĂ VIT (DÉFICIT) DO PERĂ?ODO 81.229 (81.229) 0 0 13.085 13.085 (13.085) 0 45.958 45.958

TOTAL GERAL 210.488 0 0 6.441 13.085 230.014 0 0 45.958 275.972

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstraçþes contåbeis.)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTà BEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2.013 E DE 2.012 (Em milhares de reais)

Estado ParanĂĄ

Santa Catarina

Rio Grande do Sul

SĂŁo Paulo Rio de Janeiro

Cidade Curitiba (5) Campo Largo Colombo São JosÊ dos Pinhais Paranaguå Rio Negro Rolândia Florianópolis Lages Blumenau São Bento do Sul Jaraguå do Sul Caçador Porto Alegre (2) Rio Grande Venâncio Aires Arroio do Meio Vacaria Lagoa Vermelha Itatiba Pindamonhangaba Petrópolis

Perdas estimadas para crÊditos de liquidação duvidosa (a) Totais

Movimentação Saldo anterior Reversþes e recuperaçþes Complemento da provisão Saldo Final

Santa Catarina

Ainda, para cumprir seus objetivos sociais, a entidade mantĂŠm atividades comerciais com materiais didĂĄtico-pedagĂłgicos e uniformes. A Entidade foi declarada de utilidade pĂşblica municipal, na cidade de Curitiba, atravĂŠs da Lei nÂş 4.702 de 12 de dezembro de 1.973. NOTA 2. APRESENTAĂ‡ĂƒO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTĂ BEIS As demonstraçþes contĂĄbeis foram elaboradas segundo as prĂĄticas contĂĄbeis adotadas no Brasil, que abrangem, alĂŠm das disposiçþes da legislação societĂĄria brasileira, os Pronunciamentos, Orientaçþes e Interpretaçþes emitidas pelo ComitĂŞ de Pronunciamentos ContĂĄbeis – CPC. As alteraçþes trazidas pela Lei nÂş11.638/07 e pela Lei nÂş 11.941/09 Ă Lei nÂş 6.404/76 estĂŁo sendo observadas integralmente e adotadas quando aplicĂĄvel. Foi adotada, tambĂŠm, a Resolução do Conselho Federal de Contabilidade 1.409/2.012, que se refere j,7*Âą(QWLGDGHVHPÂżQDOLGDGHGH/XFURVDTXDOWUDWDHPHVSHFtÂżFRGRVDVSHFWRVFRQWiEHLV GDVHQWLGDGHVVHPÂżQVOXFUDWLYRV NOTA 3. PRINCIPAIS POLĂ?TICAS CONTĂ BEIS ADOTADAS Dentre os principais procedimentos contĂĄbeis adotados para a preparação das demonstraçþes contĂĄbeis ressaltamos: a) RECEITAS, CUSTOS E DESPESAS As receitas, custos e despesas foram registrados por seus valores originais e de acordo com a sua competĂŞncia. b) PERDAS ESTIMADAS PARA CRÉDITOS DE LIQUIDAĂ‡ĂƒO DUVIDOSA Foram calculadas com base nas perdas avaliadas como provĂĄveis, cujo montante ĂŠ considerado VXÂżFLHQWHSDUDFREULUHYHQWXDLVSHUGDVQDUHDOL]DomRGDVFRQWDVDUHFHEHU As despesas com constituição das perdas estimadas para crĂŠditos de liquidação duvidosa foram registradas na rubrica “Despesas gerais e administrativasâ€? na demonstração do resultado do perĂ­odo. Quando nĂŁo existe expectativa de recuperação de numerĂĄrio, os valores creditados na rubrica “PECLD –Perdas Estimadas para CrĂŠditos Liquidação Duvidosaâ€? sĂŁo, em geral, revertidos e baixados HPGHÂżQLWLYRGRFRQWDVDUHFHEHU c) ESTOQUES Os estoques estĂŁo representados, basicamente, por materiais didĂĄticos e uniformes escolares, avaliados pelos custos mĂŠdios de aquisição, lĂ­quidos de impostos, que nĂŁo superam os valores de recuperabilidade. d) IMOBILIZADO EstĂĄ demonstrado pelo custo de aquisição, acrescido de correçþes monetĂĄrias calculadas atĂŠ 31 de dezembro de 1.995 e de reavaliação, efetuada sobre os imĂłveis, no exercĂ­cio de 1.996, deduzido das suas depreciaçþes e amortizaçþes correspondentes. Atendendo a CPC 27 e a ICPC 10, em 2011 e 2012 a Instituição avaliou os bens imĂłveis e veĂ­culos, trazendo a valor justo, com nova vida Ăştil e valor residual. e) INTANGĂ?VEL EstĂĄ demonstrado pelo custo de aquisição, deduzido das amortizaçþes acumuladas, calculadas pela expectativa de vida Ăştil ou o prazo contratual do direito de uso. f) ANTECIPAĂ‡ĂƒO DE CLIENTES Corresponde aos valores nominais de anuidades educacionais, relativas ao exercĂ­cio seguinte, recebidas antecipadamente. g) OBRIGAÇÕES DE FÉRIAS E ENCARGOS SOCIAIS Foram constituĂ­das com base no regime de competĂŞncia, observando as fĂŠrias transcorridas e ainda nĂŁo gozadas, apropriadas atĂŠ a data de encerramento do balanço. Foram calculadas partindo do nĂşmero de dias de fĂŠrias, convertidos para valor em moeda pelo salĂĄrio atual de cada funcionĂĄrio, acrescidas de um terço constitucional e os respectivos encargos sociais, conforme legislação trabalhista em vigor. h) PROVISĂƒO PARA CONTINGĂŠNCIAS TRABALHISTAS E CĂ?VEIS A entidade possui açþes trabalhistas e cĂ­veis tramitando em juĂ­zo, na qualidade de requerida, cujos valores e riscos associados foram determinados mediante a anĂĄlise dos processos por parte do departamento jurĂ­dico. 2.013 1.066 16 1.082 805 277

2.012 2.141 10 2.151 1.533 618

NOTA 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Incluem o caixa, depósitos bancårios e investimentos de curto prazo compostos por títulos de renda ¿[DUHPXQHUDGRVGHDGDYDULDomRGR&HUWL¿FDGRGH'HSyVLWR,QWHUEDQFiULR¹&',H possuem liquidez imediata. Descrição Caixa Bancos Aplicaçþes Financeiras de Liquidez Imediata Totais

2.013 116 1.833 123.615 125.564

2.012 102 1.019 116.387 117.508

NOTA 5. CONTAS A RECEBER Estão apresentadas pelos valores originais, ajustadas pelas expectativas de eventuais perdas, conforme demonstrado no quadro abaixo: Descrição Mensalidades escolares Cheques em cobrança Financiamentos estudantis Valores a receber de operadoras de cartão Outras contas a receber

2.013 (16.905) 4.383 (5.620) (18.142)

2.012 (15.226) 4.337 (6.016) (16.905)

Descrição Terrenos (GL¿FDo}HV Equipamentos e instalaçþes Móveis e utensílios Veículos Equipamentos de informåtica Benfeitorias em imóveis de terceiros Imobilizaçþes em andamento (-) Depreciação e amortização acumulada Totais



2.013 101.748  9.701 8.633 7.134 15.467 22.971 2.990 (30.007) 184.982

2.012 67.376  9.559 8.073 7.982 13.566 16.585 8.536 (24.197) 148.165

NOTA 7. INTANG�VEL Estå representado pelos valores originais, deduzidos da amortização acumulada, conforme demonstrado no quadro seguinte:

Cidade Curitiba (2) SĂŁo JosĂŠ dos Pinhais Blumenau

Descrição Contingências trabalhistas Contingências cíveis Totais Passivo Circulante Passivo Não Circulante

(16.905) 10.596

NOTA 6. IMOBILIZADO Os imóveis e veículos estão representados pelo seu valor justo e os demais itens pelos valores originais. Quando cabível, deduzidos da depreciação e amortização acumulada, conforme demonstrado no quadro seguinte:

Descrição Sistemas aplicativos Marcas e patentes (-) Amortização acumulada Totais

b) FAE Centro Universitårio: com quatro (4) unidades de ensino superior e pós-graduação, estando assim localizadas: Estado Paranå

(18.142) 11.638

(a) Movimentação das Perdas Estimadas para CrÊditos de Liquidação Duvidosa:



2.013 22.152 2.032 1.509 3.957 130

2.012 21.971 2.187 802 2.496 45

2.013 1.194 432 (1.011) 615

2.012 1.012 432 (960) 484

NOTA 8. SALà RIOS E TRIBUTOS SOBRE A FOLHA Estão representados pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Salårios a pagar Contribuição previdenciåria FGTS PIS IRRF Outros valores e contribuiçþes Totais

2.013 6.079 2.948 1.032 170 1.860 283 12.372

2.012 5.905 2.839 1.006 163 1.908 151 11.972

2.013 4.165 160 4.325 1.448 2.877

2.012 4.208 352 4.560 748 3.812

NOTA 9. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Descrição Financiamento com recursos do BNDES Financiamento – Arrendamentos Mercantis Financeiros Totais Passivo Circulante Passivo Não Circulante 1) Instituição: a) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: b) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: c) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: d) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: 2) Instituição: a) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: b) Modalidade: Prazo: Juros: Garantia: c) Modalidade:



Prazo: Juros: Garantia: d)0RGDOLGDGH 3UD]R Juros: Garantia:

HSBC BANK BRASIL S/A FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 60 meses, com vencimento da última parcela em maio de 2.015. 7,0% ao ano. Nota Promissória. FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 60 meses, com vencimento da última parcela em novembro de 2.017. 2,50% ao ano. Nota Promissória. FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 48 meses, com vencimento da última parcela em janeiro de 2.018. 2,50% ao ano. Nota Promissória. FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 48 meses, com vencimento da última parcela em agosto de 2.018. 3,50% ao ano. Nota Promissória. BANCO BRADESCO S/A FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 60 meses, com vencimento da última parcela em maio de 2.017. 7,70% ao ano. Nota Promissória. FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 60 meses, com vencimento da última parcela em junho de 2.017. 7,70% ao ano. Nota Promissória. FINAME - Financiamento com recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 60 meses, com vencimento da última parcela em novembro de 2.017. 2,50% ao ano. Nota Promissória. $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLUR YHQFLPHQWR¿QDOHPPDUoRGH 1,20 a 1,25% ao mês. Alienação de bens.

Descrição Passivo Circulante Passivo Não Circulante Totais

272.352 247.622 24.021 709 (28.099) (25.769) (1.489) (841) 244.253 (200.488) (187.294) (13.194) 43.765 (30.997) (43.735)  

 2.022 12.768 1.315 (998) 13.085

2.013 573 0 573

ProvisĂľes para contingĂŞncias 31/12/2013 31/12/2012 0C

48.381 C

PERĂ?ODOS 01/JAN./2.013 01/JAN./2.012 A A 31/DEZ./2.013 31/DEZ./2.012

FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS SuperĂĄvit do PerĂ­odo 45.958 Ajustes ao resultado: Depreciação e amortização 6.619 Baixa de bens do ativo imobilizado 1.271 Receita na alienação de bens do ativo imobilizado (1.071) ProvisĂŁo para as obrigaçþes “sub judiceâ€? 1.202 ProvisĂŁo para contingĂŞncias cĂ­veis e trabalhistas 1.082 ReversĂŁo da ProvisĂŁo para contingĂŞncias cĂ­veis e trabalhistas (2.151)  -XURVSURYLVLRQDGRVGHRSHUDo}HVÂżQDQFHLUDV   Resultado lĂ­quido ajustado 53.058 Variaçþes nas contas a receber com clientes (1.042) Variaçþes nos adiantamentos concedidos (635) Variaçþes nos estoques (6.347) 9DULDo}HVQRVFUpGLWRVGHÂżQDQFLDPHQWRVDHVWXGDQWHV   DepĂłsitos efetuados para obrigaçþes “sub judiceâ€? (1.888) DepĂłsitos realizados de obrigaçþes “sub judiceâ€? 1.414 Outras variaçþes ativas (172) Variaçþes nas contas a pagar com fornecedores 5.600 Variaçþes nos adiantamentos de clientes 3.720 Variaçþes nas obrigaçþes com funcionĂĄrios 400 9DULDo}HVQDVREULJDo}HVFRPSDUFHODPHQWRÂżVFDO     Variaçþes nas obrigaçþes com aquisição de imobilizado (688) Variaçþes nas obrigaçþes de fĂŠrias e encargos sociais 526 Outras variaçþes passivas (76) Caixa lĂ­quido proveniente das atividades operacionais 53.428 FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aplicaçþes no Ativo Imobilizado (44.857) Recursos da venda de bens do Ativo Imobilizado 1.071 Caixa lĂ­quido usado nas atividades de investimento (43.786) FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Recursos obtidos com Instituiçþes Financeiras 0 Recursos pagos para Instituiçþes Financeiras (1.335) -XURVFDSLWDOL]DGRVGHRSHUDo}HVÂżQDQFHLUDV     &DL[DOtTXLGRSURYHQLHQWHGDVDWLYLGDGHVGHÂżQDQFLDPHQWR (1.586) VARIAĂ‡ĂƒO LĂ?QUIDA DO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 8.056 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 8.056 No inĂ­cio do perĂ­odo 117.508 1RÂżPGRSHUtRGR  

13.085 6.558 998 (1.315) 1.018 2.151 (2.491)  20.105 (1.784) 32 4.886  (1.248) 55 54 (4.304) 5.332 1.803  (1.131) 1.632 (519) 25.074 (15.532) 1.315 (14.217) 2.485 (2.034)  

350 11.207 11.207 106.301 

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstraçþes contåbeis.) PIS sobre a Folha de Pagamento Totais

6.807 C 55.188 C

5.606 C 53.987 C

6.807 D 55.188 D

5.606 D 53.987 D

(a) No dia 26/08/2011, houve trânsito em julgado, no Supremo Tribunal Federal, da ação declaratória cumulada com repetição de indÊbito. Em 15/12/2011, a Fazenda Nacional concordou com levantamento parcial dos valores pleiteados. Considerando que o valor levantado em 2011 não contemplava juros de mora pela SELIC, foi protocolado em 10/01/2012 pedido de complementação de alvarå para pagamento de juros moratórios, o qual veio a se realizar no decorrer do exercício de 2013. NOTA 12. PATRIMÔNIO L�QUIDO 5HIHUHVHDRUHVXOWDGR Gp¿FLWVXSHUiYLW DSXUDGRHPFDGDSHUtRGRLQFRUSRUDGRDRSDWULP{QLRVRFLDO para manutenção dos objetivos sociais da Entidade. 2 VXSHUiYLW GR SHUtRGR HVWi VHQGR PDQWLGR HP FRQWD HVSHFt¿FD HQTXDQWR QmR DSURYDGR SHOD DVVHPEOHLDGHDVVRFLDGRVDSyVDVXDDSURYDomRVHUiWUDQVIHULGRGH¿QLWLYDPHQWHSDUDDFRQWDGR Patrimônio Social. A Entidade não remunera os membros componentes de sua diretoria, conselheiros, associados ou equivalentes e não distribui ou concede vantagens sob nenhuma forma.

Limites de cobertura 45.990 1.670 1.000 931 35.000 10.500 3.500 3.150 100% Tabela FIPE 3.900 13.000 1.300

NOTA 14. AÇÕES ASSISTENCIAIS A instituição, exercendo sua responsabilidade social e promoção da educação, desenvolve projetos voltados à promoção humana, social e ambiental, como: a) projeto virtudes e atitudes; b) programa de escolas associadas da UNESCO; c) pastoral escolar e universitåria; d) inclusão social de crianças e MRYHQVFRPGH¿FLrQFLDLQWHOHFWXDOH HGXFDomRGHFULDQoDVHPFRPXQLGDGHVFDUHQWHVI SURMHWRVGH sustentabilidade, dentre outros. Na årea de educação, a entidade promove a inclusão social por meio da concessão de bolsas GH HVWXGRV D DOXQRV FDUHQWHV DWUDYpV GH DYDOLDomR GR SHU¿O VRFLRHFRQ{PLFR EHP FRPR FRQFHGH bolsas de estudos a funcionårios e seus dependentes. Desde 2005, aderiu ao PROUNI - Programa Universidade para Todos, disponibilizando vagas no ensino superior e de acordo com os critÊrios estabelecidos pelo programa governamental.

2.012 582 525 1.107

DepĂłsitos Judiciais 31/12/2013 31/12/2012 0D

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DOS FLUXOS DE CAIXA (Em milhares de reais)

Descrição RISCOS CORPORATIVOS Incêndio, raio, explosão, danos elÊtricos e outros Responsabilidade civil Lucros cessantes por incêndio Equipamento, instalaçþes e outros TRANSPORTE DE ALUNO Danos corporais e materiais passageiros Danos corporais e materiais de terceiros Danos morais passageiros/terceiros Outros VE�CULOS Veículos Invalidez permanente ou morte Danos corporais e materiais Danos morais

NOTA 11. TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES “SUB JUDICEâ€? 2V GHSyVLWRV MXGLFLDLV UHODFLRQDGRV FRP RV SURFHVVRV MXUtGLFRV GDV FRQWULEXLo}HV HVSHFLÂżFDGDV DEDL[RHVWmRFODVVLÂżFDGRVQRJUXSRÂł3DVVLYR1mR&LUFXODQWH´DSUHVHQWDQGRRVVHJXLQWHVVDOGRVQR encerramento do exercĂ­cio:

Contribuição Previdenciåria sobre a Folha de Pagamento (a)

295.883 268.146 26.249 1.488 (28.249) (25.776) (1.558) (915) 267.634 (221.525) (207.210) (14.315) 46.109 (36.837) (51.460)       4.582 9.272 47.149 (10.463) 45.958

NOTA 13. COBERTURA DE SEGUROS Destacamos, a seguir, a posição dos principais seguros mantidos pela Entidade na data de encerramento do exercício:

NOTA 10. PARCELAMENTO FISCAL 5HIHUHVHDR3DUFHODPHQWR(VSHFLDOQRVWHUPRVGD/HLFRQ¿UPDGRSHOD6HFUHWDULDGD 5HFHLWD)HGHUDOGR%UDVLOWHQGRYHQFLPHQWR¿QDOHPRXWXEURGH Estå representado pelos valores originais acrescidos dos encargos cabíveis e diminuídas as parcelas quitadas, atÊ a data do balanço, como segue:

Descrição

RECEITA BRUTA Serviços educacionais Materiais didåticos e uniformes Outros serviços prestados DEDUÇÕES DA RECEITA Bolsas educacionais Serviços e vendas canceladas ICMS sobre vendas RECEITA L�QUIDA CUSTOS Custos dos serviços prestados Custos dos materiais vendidos SUPERà VIT BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas gerais e administrativas 'HVSHVDV¿QDQFHLUDV 5HFHLWDV¿QDQFHLUDV Outras receitas operacionais RESULTADO OPERACIONAL Outras receitas Outras despesas SUPERà VIT DO PER�ODO

(As notas explicativas integram o conjunto das demonstraçþes contåbeis.)

PERĂ?ODO DE 01/JAN./2.012 A 31/DEZ./2.013 PATRIMĂ”NIO AJUSTE AVALIAĂ‡ĂƒO DESCRIĂ‡ĂƒO CONTAS SOCIAL PATRIMONIAL SALDOS EM 01/JAN./2.012 56.215 73.044 ReversĂŁo do SuperĂĄvit do PerĂ­odo 2.011 para o PatrimĂ´nio Social 81.229 0 Incorporação do Valor Justo Ativo Imobilizado 73.044 (73.044) Reconhecimento Valor Justo Ativo Imobilizado 0 6.441 SuperĂĄvit do PerĂ­odo 0 0 SALDOS EM 31/DEZ./2.012 210.488 6.441 ReversĂŁo do SuperĂĄvit do PerĂ­odo 2.012 para o PatrimĂ´nio Social 13.085 0 Incorporação do Valor Justo Ativo Imobilizado 6.441 (6.441) SuperĂĄvit do PerĂ­odo 0 0 SALDOS EM 31/DEZ./2.013 230.014 0

NOTA 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus Ê uma pessoa jurídica de direito privado, de QDWXUH]DDVVRFLDWLYDDSROtWLFDGH¿QVHGXFDFLRQDLVVHP¿QVOXFUDWLYRVHFRPGXUDomRLQGHWHUPLQDGD Para o cumprimento dos seus objetivos estatutårios, a Associação mantÊm as seguintes unidades educacionais: a) ColÊgio Bom Jesus: ensino infantil, fundamental e mÊdio. Correspondendo a vinte e sete (27) unidades, estando assim localizadas:

PERĂ?ODOS 01/JAN./2.013 01/JAN./2.012 A A 31/DEZ./2.013 31/DEZ./2.012

48.381 D

NOTA 15. BENEF�CIOS FISCAIS $ ,QVWLWXLomR QD FRQGLomR GH HQWLGDGH VHP ¿QV OXFUDWLYRV QRV WHUPRV GD OHJLVODomR YLJHQWH VH EHQH¿FLRX GRQmRUHFROKLPHQWRGHWULEXWRVHFRQWULEXLo}HV$VHJXLUHVWmRHVWLPDGRVRVSULQFLSDLV benefícios: Valores estimados 2.013 2.012 Descrição Imposto de Renda – IRPJ 11.466 3.247 Contribuição Social – CSLL 4.136 1.178 Contribuição Social sobre o faturamento – COFINS 9.014 8.231 Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN 13.482 12.417 NOTA 16. BENEF�CIOS A FUNCIONà RIOS A Entidade mantÊm plano de previdência privada à disposição de todos os colaboradores, com contrapartida da Instituição, sendo que a sua contribuição não excede a do funcionårio no plano. Remuneração AtÊ R$ 1.000,00 De R$ 1.000,01 a R$ 2.000,00 Acima de R$ 2.000,00 GUIDO MOACIR SCHEIDT PRESIDENTE CPF/MF 975.965.408-30

Contribuição Funcionårio mínimo de 1% mínimo de 2% mínimo de 3%

Contribuição Instituição atÊ 4% atÊ 3% atÊ 2%

Curitiba, 31 dezembro de 2.013

LUĂ?S SĂ–THE CONTADOR CRC/SP 185.763/O-7 T-PR CPF/MF 777.233.769-87

RELATĂ“RIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTĂ BEIS Ilmos. Srs. Associados e Diretores da ASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS Curitiba - PR. Examinamos as demonstraçþes contĂĄbeis da ASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS, que compreendem o balanço patrimonial levantado em 31 de dezembro de 2.013 e as UHVSHFWLYDVGHPRQVWUDo}HVGRUHVXOWDGRGRSHUtRGRGDVPXWDo}HVGRSDWULP{QLROtTXLGRHGRVĂ€X[RV GHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRÂżQGRQDTXHODGDWDDVVLPFRPRRUHVXPRGDVSULQFLSDLVSUiWLFDVFRQWiEHLV e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração da ASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS sobre as demonstraçþes contĂĄbeis A administração da Entidade ĂŠ responsĂĄvel pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstraçþes contĂĄbeis, de acordo com as prĂĄticas contĂĄbeis adotadas no Brasil, e pelos controles internos que ela determinou como necessĂĄrios para permitir a elaboração de demonstraçþes contĂĄbeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes

Nossa responsabilidade ĂŠ a de expressar uma opiniĂŁo sobre essas demonstraçþes contĂĄbeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigĂŞncias ĂŠticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoĂĄvel de que as demonstraçþes contĂĄbeis estĂŁo livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidĂŞncia a respeito dos valores e divulgaçþes apresentados nas demonstraçþes contĂĄbeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstraçþes contĂĄbeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstraçþes contĂĄbeis da ASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS para planejar os procedimentos de auditoria que sĂŁo apropriados QDVFLUFXQVWkQFLDVPDVQmRSDUDÂżQVGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHDHÂżFiFLDGHVVHVFRQWUROHV internos da Entidade. Uma auditoria inclui, tambĂŠm, a avaliação da adequação das prĂĄticas contĂĄbeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contĂĄbeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstraçþes contĂĄbeis tomadas em conjunto. $FUHGLWDPRVTXHDHYLGrQFLDGHDXGLWRULDREWLGDpVXÂżFLHQWHHDSURSULDGDSDUDIXQGDPHQWDUQRVVD opiniĂŁo.

OpiniĂŁo sem ressalva Em nossa opiniĂŁo, as demonstraçþes contĂĄbeis acima referidas apresentam adequadamente, em WRGRVRVDVSHFWRVUHOHYDQWHVDSRVLomRSDWULPRQLDOHÂżQDQFHLUDGDASSOCIAĂ‡ĂƒO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operaçþes HRVVHXVĂ€X[RVGHFDL[DSDUDRSHUtRGRÂżQGRQDTXHODGDWDGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV adotadas no Brasil.

Curitiba, 28 de fevereiro de 2.014. AUDIACTO AUDITORES INDEPENDENTES SS CRC-PR 04.618/O-9

SANDRO GABRIEL DA SILVA KAIBER CONTADOR CRC-PR 045891/O-1


a10 | publicidade legal

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

RELATÓRIO DA DIRETORIA

OBRAS SOCIAIS E CUL TURAIS FELICIAN AS FELICIANAS CULTURAIS MANTENEDORA CNPJ nº 76.582.543/0001-26 Rua Dr. Joaquim Ignácio S. da Motta, 144 CEP 81520-280. - CURITIBA - PARANÁ

Em cumprimento às disposições estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012, acompanhadas das Notas Explicativas e dos Pareceres dos Auditores Independentes e do Conselho Fiscal.

A partir de 2010, a aprovação das premissas utilizadas pela administração da entidade está vinculada à prestação futura de contas ao Ministério da Educação e, até 2009, ao Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS.

A diretoria da OBRAS SOCIAIS E CULTURAIS FELICIANAS agradece a todos os funcionários, colaboradores, doadores, clientes, fornecedores e demais parceiros, pelo relacionamento consubstanciado na confiança, honestidade e seriedade, que forma a base para a realização dos objetivos sociais da entidade.

5 Aplicações financeiras Mantidas junto a instituições financeiras e representadas por quotas de fundos de investimento em renda fixa e certificados de depósitos bancários, com remuneração atrelada à variação do CDI – Certificado de Depósito Interbancário e liquidez imediata.

Como de costume, permanecemos à disposição de V.Sas. para prestar quaisquer esclarecimentos necessários.

Não há na carteira de investimentos da entidade aplicações em mercado de risco que pudessem gerar provisões para ajuste a valor de mercado.

Balanço patrimonial em 31 de dezembro - Em reais Ativo Circulante Caixa e bancos Aplicações financeiras Mensalidades escolares a receber Demais créditos a receber Não-circulante Realizável a longo prazo Depósitos e cauções Imobilizado

2013

2012

139.543 664.636 303.736 1.738 1.109.653

179.605 288.460 378.942 31.931 878.938

0 126.763 12.154.170 11.971.663 13.263.823 ___________ 12.977.364 ___________

Notas explicativas da administração às demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 - Em reais (continuação)

Passivo e patrimônio líquido Circulante Fornecedores Mensalidades escolares antecipadas Obrigações fiscais e sociais Provisão para férias Financiamentos Patrimônio líquido Patrimônio social Superávit (déficit) do exercício

2013

2012

76.358 538.755 1.374.396 393.345 500.000 2.882.854

52.313 425.193 1.261.265 339.047 0 2.077.818

10.899.546 (518.577) 10.380.969 13.263.823 ___________

10.305.788 593.758 10.899.546 12.977.364 ___________

6 Mensalidades escolares a receber Os valores a receber não consideram multa, juros ou qualquer forma de atualização monetária por atraso em seus pagamentos e são originários, basicamente, das mensalidades nos últimos meses do exercício. O valor apresentado está líquido de provisão para créditos de realização duvidosa no montante de R$ 1.370.422 (R$ 1.249.775 em 2012). A entidade concede normalmente prazo médio inferior a 30 dias para pagamento das mensalidades, considerado como parte das condições comerciais normais ou inerentes das suas operações, sem que isso leve à caracterização de uma atividade de financiamento, não havendo necessidade de ajustes a valor presente, por sua irrelevância. 7 Imobilizado A entidade não adotou a prática de reconhecer os efeitos da inflação nas demonstrações contábeis até 31 de dezembro de 1995 e não mantém controle individual dos bens que estão em operação.

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações contábeis.

Demonstração do superávit dos exercícios findos em 31 de dezembro - Em reais 2013

2012

22.200.914 22.657.118 516.176 (972.380)

20.294.218 20.708.745 550.461 (964.988

Custos e despesas operacionais Gratuidades: assistência social Gratuidades: assistência educacional Despesas com pessoal Despesas administrativas e gerais

(22.754.273) (1.879.740) (4.209.236) (13.751.698) (2.913.599)

(19.733.952) (1.735.086) (3.423.664) (11.625.163) (2.950.039)

Resultado financeiro Despesas financeiras (-) Receitas financeiras

34.782 33.492 (82.944) (101.000) 117.726 ____________ 134.492 ____________ (518.577) ____________ 593.758 ____________

Receitas operacionais Serviços educacionais Contribuições e doações Devoluções e abatimentos

Superávit (déficit) do exercício

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações contábeis.

Demonstração das mutações do patrimônio líquido Em reais

Em 31 de dezembro de 2011 Transferência para o patrimônio social Superávit do exercício Em 31 de dezembro de 2012 Transferência para o patrimônio social Déficit do exercício Em 31 de dezembro de 2013

Patrimônio Superávit (déficit) social acumulado Total 9.475.533 830.255 10.305.788 830.255 (830.255) 593.758 593.758 ---------------------------------10.305.788 593.758 10.899.546 593.758 (593.758) (518.577) (518.577) ---------------------------------10.899.546 (518.577) 10.380.969 ------------------------------------------------------------------- ----------------------------------

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações contábeis.

Demonstração dos fluxos de caixa dos exercícios findos em 31 de dezembro Em reais Fluxo de caixa das atividades operacionais Superávit (déficit) do exercício Valores que não afetam o caixa: depreciações Redução (aumento) nas contas do ativo Mensalidades escolares a receber Demais créditos a receber Depósitos e cauções Aumento (redução) nas contas do passivo Fornecedores Mensalidades escolares antecipadas Obrigações fiscais e sociais Provisão para férias Caixa e equivalentes de caixa gerados pelas atividades operacionais Fluxo de caixa das atividades de investimentos Aplicações no imobilizado Caixa e equivalentes de caixa utilizados nas atividades de investimentos Fluxo de caixa das atividades de financiamentos Financiamentos captados Caixa e equivalentes de caixa gerados nas atividades de financiamentos Caixa e equivalentes de caixa (Caixa, bancos e aplicações financeiras) líquidos gerados (aplicados) no exercício Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no fim do exercício

2013

2012

(518.577) 939.387 420.810

593.758 1.020.510 1.614.268

75.206 30.193 126.763

58.572 (24.441) 10.687

24.045 113.562 113.131 54.298 537.198

(36.765) (58.978) 132.806 6.515 88.396

958.008

1.702.664

(1.121.894)

(1.517.678)

(1.121.894)

(1.517.678)

500.000

---------------------------

500.000

---------------------------

336.114 468.065 804.179 ---------------------------

184.986 283.079 468.065 ---------------------------

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações contábeis.

Notas explicativas da administração às demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 - Em reais 1 Contexto operacional 1.1 Objetivo social A entidade constitui-se em uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos ou econômicos, com caráter exclusivamente beneficente, cultural, filantrópico, educacional, assistencial e promocional, que tem por finalidade social: (a) difundir a educação e o ensino, criando, instalando e mantendo estabelecimentos de ensino em seus vários graus, oferecendo, inclusive, cursos livres, profissionalizantes e universitários e propagando a educação da cidadania; (b) assistir às crianças, os jovens e os adultos nos âmbitos social, educacional, profissional e espiritual; (c) desenvolver atividades pastorais, promovendo a formação integral da pessoa; (d) criar, congregar, dirigir e manter outras instituições assistenciais que visem à beneficência, à promoção humana, à educação, à cultura, à evangelização, ao ensino e à assistência social. Com o objetivo de promover a prestação de serviços à comunidade e aos necessitados, a entidade poderá, na prestação de seus serviços, conceder gratuidades, totais ou parciais, inclusive na utilização ou cessão de seus bens móveis e imóveis a terceiros. Visando ao desenvolvimento de suas atividades estatutárias, a entidade poderá firmar contratos e convênios com outras instituições congêneres e afins, públicas ou privadas. No exercício de suas finalidades, a entidade não faz e não fará qualquer distinção ou discriminação de raça, sexo, nacionalidade, idade, cor, credo religioso, político e condição social, em restrita observância às normas legais aplicáveis às entidades beneficentes de assistência social e educação. A entidade é imune de impostos e contribuições nos termos da Constituição Federal de 1988, artigo 150, inciso VI, alínea C e artigo 195, parágrafo 7; foi declarada de utilidade pública pelos Governos Federal, do Estado do Paraná e do Município de Curitiba; encontrava-se registrada, até 2009, no Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS (sob renovação até 2009, com pedido administrativo e judicial) e, desde 2010, recebeu do Ministério da Educação o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social - CEBAS. Atualmente, as obras educacionais e assistenciais são prestadas nas seguintes unidades: • Sede provincial em Curitiba - PR • Colégio Nossa Senhora Assunção em Curitiba - PR • Colégio Nossa Senhora Assunção em Niterói – RJ • Escola Madre Angela em Niterói – RJ • Comunidades assistenciais: Niterói – RJ, Feira de Santana – BA, Bravo – BA, Uberaba – PR, Antonina – PR, Japurá - AM 1.2 Fatores de risco e seu gerenciamento Em decorrência de suas atividades, a administração da entidade assume riscos inerentes às suas operações relacionados com mercado, legislação em vigor, reputação, sistema operacional e de gestão, solvência, crédito, liquidez, oscilação de moeda, utilização de operações de avais, fianças, garantias etc., além de riscos alheios ao seu controle como moratória, fechamento parcial ou total dos mercados, alteração na política monetária e risco soberano do país. O monitoramento dos mencionados riscos encontra-se sob a responsabilidade dos gestores da entidade, a partir da adoção de análises e controles que visam a minimização dos seus efeitos, cuja utilização, todavia, não garante a completa eliminação dos fatores de risco inerentes a que a entidade está sujeita. (a) Política de gestão de riscos financeiros A entidade segue política de gerenciamento de risco, que orienta em relação a transações e requer a diversificação de transações e contrapartidas. Nos termos dessa política, a natureza e a posição geral dos riscos financeiros é regularmente monitorada e gerenciada a fim de avaliar os resultados e o impacto financeiro no fluxo de caixa. (b) Risco de crédito A política de crédito considera o nível de risco de crédito a que está disposta a se sujeitar no curso de seus negócios. A diversificação de sua carteira de recebíveis, a seletividade de seus clientes, assim como o acompanhamento dos prazos de financiamento de clientes por segmento de negócios e limites individuais de posição são procedimentos adotados a fim de minimizar eventuais problemas de inadimplência em seu contas a receber. No que diz respeito às aplicações financeiras e aos demais investimentos, a entidade tem como política trabalhar com instituições de primeira linha. (c) Risco de liquidez É o risco de a entidade não dispor de recursos líquidos suficientes para honrar seus compromissos financeiros, em decorrência de descasamento de prazo ou de volume entre os recebimentos e pagamentos previstos. Para administrar a liquidez do caixa em moeda nacional e estrangeira, são estabelecidas premissas de desembolsos e recebimentos futuros, sendo monitoradas pela área de Tesouraria. (d) Risco de mercado Consiste na possibilidade de perda relativa a variações relacionadas a parâmetros de mercado tais como: taxa de juros, taxa de câmbio, índices de preços, ocasionando flutuações nos preços dos ativos indexados por esses parâmetros. (i) Risco com taxa de juros O risco associado é oriundo da possibilidade de a entidade incorrer em perdas por causa de flutuações nas taxas de juros que aumentem as despesas financeiras relativas a financiamentos captados no mercado. A entidade monitora continuamente as taxas de juros de mercado com o objetivo de avaliar a eventual necessidade de contratação de novas operações para proteger-se contra o risco de volatilidade dessas taxas. (ii) Risco com taxa de câmbio O risco associado decorre da possibilidade de a entidade vir a incorrer em perdas por causa de flutuações nas taxas de câmbio, que reduzam valores nominais faturados ou aumentem valores captados no mercado. A entidade não apresenta operações significativas em moeda estrangeira. (e) Riscos operacionais Consiste nos riscos de perdas resultantes dos processos internos, pessoas, sistemas insuficientes ou falhos e/ou eventos externos. Inclui o risco legal, fraudes internas, fraudes externas e recursos humanos. Conjuntura econômica de 2013 O desempenho da economia global superou expectativas em 2013. Nos Estados Unidos, a então esperada retomada gradual do crescimento econômico deu lugar a um desempenho acima das expectativas dos principais indicadores, em especial do mercado de trabalho e PIB, o que suportou a decisão do FED em anunciar o início da retirada dos estímulos da economia a partir de janeiro de 2014. Na Europa, o ano de 2013 foi marcado pelo início da reversão de um panorama recessivo e pela retomada gradual da atividade econômica. Apesar de ainda mostrar contração em 2013, sem dúvida foi pavimentado o caminho para o crescimento da economia da zona do Euro em 2014. Quanto à China, importante motor da economia global, o PIB do país manteve-se estável em 2013 quando comparado com o ano anterior. O cenário favorável da economia global contribuiu para uma maior aversão ao risco dos investidores e, consequentemente, um movimento de menor liquidez global para os mercados emergentes. A especulação sobre a retirada dos estímulos monetários da economia norte-americana marcou o desempenho dos mercados ao longo de todo o segundo semestre de 2013, detonando um movimento global de valorização do dólar em relação às moedas em geral e às de mercados emergentes, principalmente o Real. A desvalorização do Real em relação ao Dólar trouxe um novo componente de risco ao já deteriorado cenário prospectivo para a inflação brasileira. Importante ressaltar que este cenário já vinha sendo pressionado pela manutenção de uma política fiscal expansionista e por um mercado de trabalho ainda aquecido (baixos índices de desemprego), o que manteve a inflação de serviços em um patamar desconfortável. Apesar da elevação da Selic em 275 pontos-base para 10% a.a. pelo Banco Central para combater tais pressões inflacionárias, o IPCA de 2013 (5,91%) foi superior ao do ano anterior (5,84%). O cenário de maior inflação foi acompanhado pelo crescimento da economia abaixo das expectativas em 2013. A economia brasileira encerrou 2013 com um crescimento de 2,3%. O ano de 2014 deve trazer desafios adicionais. A esperada recuperação da economia global deve manter escasso o fluxo de capitais para o Brasil, o que pode ser agravado pela situação fiscal do país em ano de eleição presidencial e por especulações em relação a até que ponto tal situação pode vir a contribuir para uma redução do rating de risco soberano brasileiro. O Real depreciado mantém aceso o risco inflacionário e, mais uma vez espera-se que o IPCA siga em torno dos níveis de 6% em 2014 e 5,60% em 2015, ainda não convergindo para a meta. Para os demais indicadores da economia, o boletim FOCUS aponta para um PIB de 2% em 2014 e 2,5% em 2015, Dólar encerrando a R$2,45 em 2014 (R$2,50 em 2015) e Selic a 11,50% ao final de 2014 (12,50% em 2015). 2 Apresentação das demonstrações contábeis As demonstrações contábeis foram elaboradas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, especialmente aquelas contidas na Norma Brasileira de Contabilidade Técnica – NBCT no. 10.19, que trata dos aspectos contábeis das entidades sem finalidade de lucros, consubstanciadas nos Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e disposições complementares emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC e Instituto dos Auditores Independentes do Brasil – IBRACON. Uso de estimativas Na elaboração das demonstrações contábeis são utilizadas estimativas contábeis para a mensuração e reconhecimento de certos ativos e passivos das demonstrações contábeis. A determinação dessas estimativas levou em consideração experiências de eventos passados e correntes, pressupostos relativos a eventos futuros, e outros fatores objetivos e subjetivos. Itens significativos sujeitos a estimativas incluem: a seleção de vida útil do ativo imobilizado; a provisão para créditos de liquidação duvidosa; as taxas e prazos aplicados na determinação do ajuste a valor presente de certos ativos e passivos e a provisão para contingências. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes dos registrados nas demonstrações contábeis devido às imprecisões e julgamento, inerentes ao processo de sua determinação. A entidade revisa suas estimativas e premissas anualmente. Medida Provisória (MP) 627/13 Essa MP introduziu modificações nas regras tributárias e eliminou o Regime de Tributação Transitória – RTT. A entidade concluiu que não há efeitos significativos a serem registrados em 31 de dezembro de 2013. Esta análise será revisada pela Administração quando promulgada a Lei, uma vez que poderão existir ajustes ou alterações em sua redação final. 3 Resumo das principais práticas contábeis (a) Receitas e despesas As receitas provenientes de doações e contribuições de terceiros são registradas por ocasião do seu recebimento. As despesas e as demais receitas são registradas pelo regime de competência de exercícios. Uma receita não é reconhecida se há uma incerteza significativa da sua realização. (b) Instrumentos financeiros Os instrumentos financeiros somente são reconhecidos a partir da data em que a Entidade se torna parte

das disposições contratuais dos instrumentos financeiros. Quando reconhecidos, são inicialmente registrados ao seu valor justo acrescido dos custos de transação que sejam diretamente atribuíveis à sua aquisição ou emissão, exceto no caso de ativos e passivos financeiros classificados na categoria ao valor justo por meio do resultado, onde tais custos são diretamente lançados no resultado do exercício. Sua mensuração subseqüente ocorre a cada data de balanço de acordo com as regras estabelecidas para cada tipo de classificação de ativos e passivos financeiros. (c) Ativos financeiros Os principais ativos financeiros reconhecidos pela Entidade são: caixa e equivalentes de caixa, aplicações financeiras e contas a receber de clientes. Esses ativos financeiros são classificados entre as categorias abaixo de acordo com o propósito para os quais foram adquiridos ou emitidos: c.1) Ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado: incluem ativos financeiros mantidos para negociação e ativos designados no reconhecimento inicial ao valor justo por meio do resultado. São classificados como mantidos para negociação se originados com o propósito de venda ou recompra no curto prazo. A cada data de balanço são mensurados pelo seu valor justo. Os juros, correção monetária, variação cambial e as variações decorrentes da avaliação ao valor justo são reconhecidos no resultado quando incorridos na linha de receitas ou despesas financeiras. c.2) Investimentos mantidos até o vencimento: ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis com vencimentos definidos para os quais a Entidade tem intenção positiva e a capacidade de manter até o vencimento. Após reconhecimento inicial são mensurados pelo custo amortizado pelo método da taxa efetiva de juros. Esse método utiliza uma taxa de desconto que quando aplicada sobre os recebimentos futuros estimados, ao longo da expectativa de vigência do instrumento financeiro, resulta no valor contábil líquido. Os juros, atualização monetária, variação cambial, menos perdas do valor recuperável, quando aplicável, são reconhecidos no resultado quando incorridos na linha de receitas ou despesas financeiras. c.3) Disponíveis para venda: Ativos financeiros que não se qualificam nas categorias acima. Na data de cada balanço são mensurados pelo seu valor justo. Os juros, atualização monetária e variação cambial, quando aplicável, são reconhecidos no resultado quando incorridos, e as variações decorrentes da diferença entre o valor do investimento atualizado pelas condições contratuais e a avaliação ao valor justo são reconhecidas no patrimônio social na conta de ajustes de avaliação patrimonial enquanto o ativo não for realizado, sendo reclassificadas para o resultado após a realização, líquida dos efeitos tributários. (d) Passivos financeiros O principal passivo financeiro reconhecido pela Entidade é o passivo circulante. Esse passivo financeiro é classificado entre as categorias abaixo de acordo com a natureza dos instrumentos financeiros contratados ou emitidos: d.1) Passivos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado: incluem passivos financeiros usualmente negociados antes do vencimento e passivos designados no reconhecimento inicial ao valor justo por meio do resultado. A cada data de balanço são mensurados pelo seu valor justo. Os juros, atualização monetária, variação cambial e as variações decorrentes da avaliação ao valor justo, quando aplicáveis, são reconhecidos no resultado quando incorridos. d.2) Passivos financeiros não mensurados ao valor justo: passivos financeiros não derivativos que não são usualmente negociados antes do vencimento. Após reconhecimento inicial são mensurados pelo custo amortizado pelo método da taxa efetiva de juros. Os juros, atualização monetária e variação cambial, quando aplicáveis, são reconhecidos no resultado quando incorridos. (e) Caixa, bancos e equivalentes de caixa Incluem caixa, saldos positivos em conta movimento, aplicações financeiras resgatáveis no prazo de 90 dias das datas dos balanços e com risco insignificante de mudança de seu valor de mercado. As aplicações financeiras incluídas nos equivalentes de caixa, em sua maioria, são classificadas na categoria “ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado”. (f) Mensalidades a receber As mensalidades a receber são avaliadas pelo montante original da venda de serviços e outras, deduzida a provisão para créditos de realização duvidosa dessas contas a receber. O giro do contas a receber da Entidade é de curto prazo, em média inferior a 30 dias, não havendo necessidade de ajustes a valor presente. A provisão para créditos de realização duvidosa é estabelecida quando existe uma evidência objetiva de que a entidade não será capaz de cobrar todos os valores devidos de acordo com os prazos originais das contas a receber. O valor da provisão é a diferença entre o valor contábil e o valor recuperável. (g) Demais ativos circulantes e não circulantes Os demais ativos são apresentados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e variações monetárias auferidos. Um ativo é reconhecido no balanço quando for provável que seus benefícios econômicos futuros serão gerados em favor da Entidade e seu custo ou valor puder ser mensurado com segurança. Os ativos e passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação é provável que ocorra nos próximos doze meses. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. (h) Imobilizado Está demonstrado pelo seu valor de custo histórico de aquisição e deduzido da depreciação, calculada pelo método linear, às taxas anuais que levam em consideração a vida útil-econômica dos bens (Nota 7). Quando o valor contábil de um ativo é maior do que o valor recuperável estimado, ele é imediatamente reduzido ao valor recuperável. Ganhos e perdas em alienações são determinados pela comparação dos valores de alienação com o valor contábil e são incluídos no resultado operacional. Reparos e manutenção são apropriados ao resultado durante o período em que são incorridos. O custo das principais renovações é incluído no valor contábil do ativo no momento em que for provável que os benefícios econômicos futuros que ultrapassarem o padrão de desempenho inicialmente avaliado para o ativo existente fluirão para a entidade, sendo depreciados ao longo da vida útil restante do ativo relacionado. Os bens do imobilizado são revistos para se identificar perdas por “impairment” sempre que eventos ou alterações nas circunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser recuperável. A perda por “impairment” é reconhecida pelo montante em que o valor contábil do ativo ultrapassa o valor recuperável, que é o maior entre o preço líquido de venda e o valor em uso de um ativo. (i) Provisão para recuperação de ativos A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Quando tais evidências são identificadas, e o valor contábil líquido excede o valor recuperável, é constituída provisão para deterioração ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. A entidade não identificou indícios de perda do valor recuperável de seus ativos. (j) Provisões As provisões são reconhecidas quando a entidade tem uma obrigação presente legal ou implícita como resultado de eventos passados; é provável que uma saída de recursos seja necessária para liquidar a obrigação e uma estimativa confiável do valor possa ser feita. Quando a entidade espera que uma provisão seja reembolsada, por exemplo, por um contrato de seguros, o reembolso é reconhecido como ativo separado, mas somente quando esse reembolso é virtualmente certo, ou seja, é mais que provável que ocorra. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. (k) Passivos circulantes Demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicável, os encargos monetários e financeiros incorridos até a data do balanço. (l) Passivos contingentes Decorrem de processos judiciais, inerentes ao curso normal de operações, envolvendo aspectos cíveis e trabalhistas, e são quantificados por meio de critérios que permitam sua mensuração de forma adequada, apesar da incerteza inerente ao prazo e ao valor. As contingências são classificadas como prováveis, para as quais são constituídas provisões; possíveis, somente são divulgadas sem que sejam provisionadas, e remotas, não requerem provisão ou divulgação. (m) Benefícios a funcionários A entidade não mantém planos de previdência privada ou qualquer plano de aposentadoria para seus funcionários e dirigentes, assim como quaisquer benefícios pós sua saída da entidade. (n) Superávit do exercício É incorporado pelo patrimônio social no encerramento do exercício social. (o) Demonstração do Resultado abrangente A entidade não apurou registros contábeis de outros resultados abrangentes, sejam receitas ou despesas, diferentes daqueles que já estão apresentados na demonstração do superávit do exercício findo em 31 de dezembro de 2013. 4 Imunidade, isenção, gratuidade e aplicação de recursos em obras sociais Em face de seu caráter exclusivamente educacional, beneficente, cultural, filantrópico e assistencial, sem finalidade de lucro, a entidade usufrui de imunidade para o Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ sobre o lucro, a Contribuição Social sobre o Lucro – CSLL, a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS, a contribuição ao Programa de Integração Social – PIS e isenção da contribuição patronal ao Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. As gratuidades concedidas por meio das várias obras e projetos educacionais e de assistência social, nos termos do Decreto 7.237/2010 e do art. 13 da Lei 12.101/2009, estão resumidas a seguir: 2013 2012 (I) Gratuidade educacional Receitas de serviços educacionais 22.657.118 20.708.745 (-) Devoluções e abatimentos (972.380) (964.988) (-) Gratuidade educacional (bolsas a alunos) (4.209.236) (3.423.664) (-) Mensalidades a receber no fim do exercício (303.736) (378.942) (+) Mensalidades a receber no início do exercício 378.942 437.514 (120.646) (221.147) (-) Devedores incobráveis, líquido Receitas efetivamente recebidas 17.430.062 16.157.518 % de gratuidade educacional (Bolsas a alunos/receitas recebidas) 24,15% 21,19% (II) Gratuidade de assistência socialReceitas operacionais, incluindo as financeiras 22.318.640 20.428.710 Gratuidade de assistência social (1.879.740) (1.735.086) % de gratuidade social sobre receitas operacionais 8,42% 8,50% % de gratuidade total (educacional mais assistência social) sobre receitas operacionais, incluindo as financeiras 27,28% 25,25% Benefícios com imunidades e isenções Isenção da cota patronal do INSS 3.059.836 2.665.187 Imunidade da COFINS (3% menos a incidente sobre receitas financeiras) 664.729 610.114 Imunidade do PIS (0,65% menos o incidente sobre a folha de pagamento) 30.133 36.853 Imunidade do IRPJ (25%) (105.644) 124.440 Imunidade da CSLL (9%) (46.672) 53.438

Terrenos Edificações Móveis, utensílios, instalações Informática Veículos Outros bens

2013

2012

% Taxa anual deprec.

Custo

Depreciaç. acumulada

Líquido

Imobilizado líquido

530.961 14.639.682

4.288.217

530.961 10.351.465

530.961 10.156.529

4

3.732.568 1.083.630 150.460 144.279

2.559.892 1.008.753 138.346 132.202

1.172.676 74.877 12.114 12.077

1.246.358 10.422 0 27.393

10 20 20 20

20.281.580 8.127.410 12.154.170 11.971.663 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------8 Contingências (a) A entidade é parte em demandas judiciais, decorrentes do curso normal de operações, envolvendo aspectos cíveis e trabalhistas. A Administração, com base em informações de seus assessores legais e análise das ações judiciais pendentes, constituiu provisão em montante considerado suficiente para cobrir as perdas potenciais das ações em curso. (b) Inspeções fiscais: de acordo com a legislação em vigor, os tributos federais, estaduais e municipais, os encargos sociais e suas respectivas declarações acessórias estão sujeitos a exame pelas autoridades fiscais, por períodos que variam de 5 a 30 anos. 9 Patrimônio social Está demonstrado pelo montante dos superávits apurados, líquidos dos eventuais déficits, a valores históricos, que vêm sendo destinados integralmente à manutenção e ao desenvolvimento dos objetivos sociais da entidade. Em caso de dissolução ou extinção da entidade, o eventual patrimônio social remanescente será destinado à instituição congênere ou a outra entidade pública. A entidade não concede remuneração, vantagem ou benefícios aos seus associados, membros da diretoria, conselheiros, instituidores, benfeitores ou equivalentes, nem distribui resultados, lucros, bonificações, dividendos, participações ou parcela de seu patrimônio. 10 Cobertura de seguros A política da entidade é manter cobertura de seguros para os bens do imobilizado, sujeitos a riscos e por montantes julgados suficientes para cobrir sinistros, considerando a natureza de suas atividades e orientação dos seus consultores de seguros. As premissas de risco adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria de demonstrações contábeis, consequentemente, não foram examinadas por nossos auditores independentes. 11 Instrumentos financeiros (a) Identificação e valorização dos instrumentos financeiros A entidade participa de operações envolvendo instrumentos financeiros (aplicações financeiras em fundo de investimento) com o objetivo de aplicar seus recursos financeiros disponíveis ou financiar suas atividades, bem como de reduzir a exposição a riscos de mercado, moeda e taxas de juros. Considerando a natureza dos instrumentos, os valores registrados no ativo e no passivo circulante têm liquidez imediata ou vencimento, em sua maioria, em prazos inferiores a três meses. Considerando o prazo e as características desses instrumentos, que são sistematicamente renegociados, os valores contábeis aproximam-se dos valores justos. (b) Caixa e bancos, aplicações financeiras, mensalidades a receber e outros ativos circulantes, fornecedores, tributos e outros passivos circulantes Os valores contabilizados aproximam-se dos de realização, estando, quando aplicável, destacados na correspondente nota explicativa os rendimentos ou encargos financeiros auferidos ou incidentes, os quais refletem as condições usuais de mercado. (c) Derivativos A entidade não possui operações com instrumentos financeiros não refletidas nas demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e de 2012, assim como não realizou operações com derivativos financeiros (SWAP, mercado e termo de opções, troca de moedas ou indexadores, entre outros). 12 Autorização para conclusão das demonstrações contábeis Essas demonstrações contábeis foram aprovadas pela Diretoria e autorizadas para emissão em 16 de abril de 2014. (i) Diretoria em exercício (mandato até 13/01/2014) Presidente: Maria Aparecida Pinto Vice-presidente: Marina Lazara do Carmo Secretária: Maria Aparecida Vilas-Bôas Diretora Financeira: Genoveva Thomacheski Contadora: Grace Maciel Rocha, CRC-PR 038.411/O-9 Diretoria eleita para mandato de 13/01/2014 a 13/01/2020 Presidente: Maria Aparecida Vilas-Bôas Vice-Presidente: Maria Aparecida Pinto Secretária: Maria José da Cunha Diretora Financeira: Genoveva Thomacheski (ii) Conselho Fiscal (mandato até 13/01/2014) Presidente do Conselho: Ivonete Vasconcelos Santos Conselheira: Mônica Gorges Conselheira: Gabriela Skowronski Conselho Fiscal eleito para mandato de 13/01/2014 a 13/01/2020 Conselheira: Gabriela Skowronski Conselheira: Aldeide da Costa Quaresma Conselheira: Ofélia Lima de Sêne

PARECER DO CONSELHO FISCAL O Conselho Fiscal da OBRAS SOCIAIS E CULTURAIS FELICIANAS, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, declara haver procedido ao exame dos Balanços Patrimoniais e das demais demonstrações contábeis relativas aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 de 2012 bem como do parecer dos auditores independentes para aquelas datas, tendo concluído que as referidas demonstrações contábeis representam adequadamente a posição patrimonial e financeira da entidade e, por seus membros abaixo assinados, manifesta-se pela sua aprovação, ressaltando que o superávit apurado nos exercícios sejam revertidos para o patrimônio social e destinados à manutenção e ao desenvolvimento dos objetivos sociais da entidade. Curitiba, 16 de abril de 2014 Presidente do Conselho: Aldeide da Costa Quaresma Conselheiras: Gabriela Skowronski e Ofélia Lima de Sêne

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Paraná, 16 de abril de 2014 Às Administradoras OBRAS SOCIAIS E CULTURAIS FELICIANAS 1 Examinamos as demonstrações contábeis da entidade sem fins lucrativos OBRAS SOCIAIS E CULTURAIS FELICIANAS, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013 e as respectivas demonstrações do superávit (déficit), das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e das demais notas explicativas. RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2 A Administração da entidade é responsável pela elaboração e a adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. RESPONSABILIDADE DOS AUDITORES INDEPENDENTES 3 Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. 4 Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. 5 Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalvas. BASE PARA OPINIÃO COM RESSALVAS 6 A administração da entidade (i) não adotou a prática de reconhecer até o exercício findo em 31 de dezembro de 1995 os efeitos da inflação nas demonstrações contábeis, mediante a sistemática de correção monetária do balanço, como requerido até então pelas práticas contábeis adotadas no Brasil, (ii) não mantém controle individual dos bens do imobilizado, e (iii) não apurou a vida útil econômica e o valor residual dos bens constantes do seu ativo imobilizado para fins de atendimento aos CPC 27 e ICPC 10 Ativo Imobilizado e sua aplicação inicial, que determinam que o método de depreciação a ser utilizado a partir de 1º. de janeiro de 2010 deve refletir o padrão de consumo pela entidade dos benefícios econômicos futuros. Em decorrência e por falta de análises e controles específicos, não foi praticável mensurarmos os efeitos da adoção desses procedimentos sobre as demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013. 7 A entidade, por não ter fins lucrativos, obtém de terceiros parte de suas receitas de doações e contribuições. Em razão das doações serem espontâneas, só podem ser identificadas quando recebidas e registradas contabilmente; por essa razão, nossas verificações das receitas ficaram restritas, exclusivamente, aos valores constantes dos registros contábeis. 8 Conforme mencionado nas Notas 1 e 4 às demonstrações contábeis, a entidade é imune à incidência de tributos sobre suas receitas e isenta da contribuição patronal de seguridade social. A renovação do registro de assistência social até 2009 foi pleiteada administrativa e judicialmente. No momento, não é possível determinar se algum passivo deveria ter sido reconhecido em decorrência deste assunto. OPINIÃO COM RESSALVAS 9 Em nossa opinião, exceto pelos eventuais efeitos, quantificados ou não, decorrentes dos assuntos mencionados nos parágrafos 6 a 8 (Base para opinião com ressalvas), as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da OBRAS SOCIAIS E CULTURAIS FELICIANAS em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e aplicáveis a entidades sem finalidade de lucros. ÊNFASES 10 Nossa opinião não está ressalvada em virtude dos assuntos mencionados nos parágrafos 11 e 12 abaixo. 11 Conforme mencionado na Nota 8 às demonstrações contábeis, encontram-se sob defesa demandas cíveis e trabalhistas. Em decorrência da avaliação da administração e dos assessores legais, foi constituída provisão em montante considerado suficiente para cobrir as perdas potenciais das ações em curso. 12 Como mencionado nas Notas 1.2 e 2 às demonstrações contábeis, a administração adota medidas para monitoramento dos fatores de risco inerentes às suas atividades que, entretanto, para aqueles alheios ao seu controle, não é praticável garantir sua eliminação. AUDITORIA DOS VALORES CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO ANTERIOR 13 Anteriormente, examinamos as demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, apresentadas para fins de comparação, sobre as quais emitimos parecer, datado de 24 de abril de 2013, com as mesmas ressalvas e ênfases mencionadas nos parágrafos 6 a 8, 11 e 12. GlobalConsulting Contadores e Consultores CRC 2SP022990/O-4 Edilson José Filho Sócio-diretor Contador CRC 1SP122938/O-0 S-PR


Diário Indústria&Comércio

publicidade legal | a11

Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

INTERNACIONAL

ESTUDANTES

Curitiba sedia evento de negócios cooperativos

Oi abre 260 vagas para o programa Geração Estágio Oi está selecionando 260 estudantes de todas regiões do país para o programa Geração Estágio. Entre as vagas, 99 são para alunos do curso superior, que participam do programa Geração Estágio Nível Superior, e 161 são para alunos de cursos técnicos que serão selecionados para o Geração Estágio Nível Técnico. As oportunidades estão distribuídas pelas nove regionais da companhia. Para a Regional Sul, que abrange o Paraná, há 09 vagas para estagiários de nível Superior e 24 para os de cursos técnicos. As inscrições para essas vagas devem ser feitas até o dia 10/05 e a seleção acontecerá ao longo do mês de maio. O Geração Estágio Nível Superior inclui oportunidades para estudantes de áreas como Engenharia, Matemática, Estatística, Economia, Administração, Ciências contábeis e Direito. O programa tem duração de um ano a dois anos. Para os interessados no Geração Estágio Nível Técnico, há vagas para técnico em Telecomunicações, Eletrotécnica, Elétrica, Eletrônica, Mecânica e Mecatrônica, cuja duração é de seis meses a um ano. Para participar do processo

De 15 a 17 de maio, a capital paranaense será palco para a Expocoop 2014

C

uritiba será anfitriã da Expocoop 2014, maior feira internacional de negócios cooperativos do mundo, entre os dias 15 e 17 de maio, na Expo Unimed Curitiba. Em sua nona edição, o foco do evento é fornecer às cooperativas a oportunidade de negociar seus produtos com o mercado nacional e internacional, criando

parcerias e abrindo contatos com o consumidor. Além da exposição, comercialização, divulgação de produtos e inovações tecnológicas, haverá oportunidades para as cooperativas brasileiras, tais como: rodadas de negócios, ações de internacionalização, bolsa de investimentos, ne-

tworking para alianças estratégicas e promoção da intercooperação com o mercado nacional e mundial. Participam do evento cooperativas de 15 países: China, Canadá, México, Estados Unidos, Costa Rica, Paraguai, Argentina, Portugal, Espanha, Timor Leste, Turquia, Namíbia, África do Sul,

Índia e Irã. Em média, 6 mil visitantes devem passar pela feira. São fornecedores, consumidores, entidades que representam e dão suporte ao sistema cooperativista, entre outros interessados. Paralelamente ao evento, estão previstos congressos, palestras, seminários, workshops e conferências.

OBRA PRIMA S.A. TECNOLOGIA E ADM. DE SERVIÇOS

DR - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Em 31 de dezembro de 2013 e 31 de dezembro de 2012 - Em reais

CNPJ 84.920.792/0001-02 Rua Omílio Monteiro Soares 1637 CEP 81030-001 Curitiba PR

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 - EM REAIS PASSIVO

ATIVO

CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa Contas a Receber Adiantamentos a Terceiros Estoques Impostos a Recuperar Despesas Antecipadas

NÃO CIRCULANTE Depósitos Judiciais Investimentos Imobilizado Depreciações Acumuladas

Nota 4 5 6 7 8

9 10

2013

2012

4.610.331 550.692 3.981.555 15.933 44.661 17.491

4.309.242 833.488 3.314.777 3.406 7.588 62.638 87.344

812.067 182.587 900.729 (271.250)

Nota

CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Sociais e Trabalhistas Provisões Férias e 13º Salário Obrigações Tributárias Dividendos a Pagar

11 12 13

NÃO CIRCULANTE Obrigações Tributárias Empresas Ligadas e Coligadas Provisões

1.159.553 127.486 343.796 900.729 (212.458)

14 15 16

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas de Lucros Prejuízo do Exercício

17

TOTAL DO PASSIVO 5.422.398 5.468.795 __________ __________ As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

TOTAL DO ATIVO

2013

2012

2.404.006 68.917 495.934 993.454 231.029 614.672

1.987.899 80.926 14.417 362.310 757.599 25.975 746.672

1.574.511 26.015 1.490.466 58.030

1.756.869 26.015 1.383.622 347.232

Lucro Bruto Despesas com Vendas Despesas Administrativas Participações nos Lucros de Coligadas Outras Receitas

641.987 (3.968) (421.341) (343.796) -

972.483 (1.739) (488.861) 343.796 146.711

Lucro Operacional

(127.118)

972.390

48.291 (102.000) (53.709)

37.375 (57.868) (20.493)

1.443.881 1.612.000 112.027 (280.146)

1.724.027 1.612.000 112.027

5.422.398 __________

5.468.795 __________

Lucro do Exercício das Operações Continuadas

(180.826)

951.897

(99.320)

(50.945)

(280.145,98)

900.952

Lucro do Exercício de Operações Descontinuadas Lucro Líquido do Exercício Ações em Circulação no Final do Exercício (milhares) Lucro Líquido por Ação do Capital Social no final do Período - R$

Demonstração do Resultado Abrangente

1.612.000

112.027

-

1.724.027

-

-

(112.000)

(280.146) -----------------------------------------

788.952 -----------------------------------------

1.612.000

1.612.000

DFC - DEMONSTRATIVO DOS FLUXOS DE CAIXA Em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Valores em Reais

Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais Lucro (Prejuízo) Líquido Ajustes por: Depreciação Resultado da Equivalência Patrimonial

1.612.000

112.027

(280.146)

(280.146)

(280.146)

(280.146)

1.443.881

(280.146)

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 e 2012 7. TRIBUTOS A RECUPERAR Contas 2013 2012 IR sobre aplicações financeiras 4.158 3.800 IR e CSLL retidos na fonte 26.195 34.242 PIS e COFINS retidos na fonte 456 1.050 INSS a recuperar 13.852 23.546 Total 44.661 62.638 8. DESPESAS ANTECIPADAS Contas 2013 2012 Prêmios de Seguros a Vencer 609 813 Gastos com Pessoal a Apropriar 16.882 86.531 Total 17.491 87.344 9. INVESTIMENTOS Corresponde a investimentos que a sociedade mantém com pessoas ligadas, conforme demonstrado: ATIVO Contas 2013 2012 Serra Verde Express - 343.796 Total - 343.796 10. IMOBILIZADO Está demonstrado ao custo de aquisição, deduzido da depreciação acumulada. Contas

2013 Depreciação 79.598 3.646 4.676 18.955 138.462 4.598 21.315 212.250

2012

Saldo Líquido Terrenos 195.208 195.208 195.208 Edificações 443.132 363.534 381.258 Instalações 7.950 4.304 5.099 Máquinas e Equipamentos 10.936 6.260 7.354 Móveis e Utensílios 41.052 22.097 26.203 Veículos 148.286 9.824 39.480 Computadores e Periféricos 11.535 6.937 8.091 Benfeitorias em Bens Terceiros 42.630 21.315 25.578 Total 900.729 629.479 688.271 11. EMPRÉSTIMOS E FINANCIMENTOS A empresa possuía em 2012 empréstimos com instituições financeiras no curto prazo: Contas 2013 2012 Financiamentos - Leasing de Veículos 14.417 Total 14.417 12. OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS A empresa possui as seguintes obrigações: Contas 2013 2012 Salários a pagar 310.801 281.486 Encargos 9.169 FGTS 101.556 50.309 INSS 83.577 21.346 Total 495.934 362.310 13. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Possui obrigações fiscais de curto e longo prazo, conforme demonstrado: Contas 2013 2012 Pis a Pagar 32.133 4.058 Cofins a Pagar 148.003 18.692 Iss a Pagar 1.523 1.632 IR e CSLL a Pagar 47.517 Impostos Retidos na Fonte a Recolher 1.853 1.593 Total Circulante 231.029 25.975 14. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS - Não Circulante Contas FGTS - 0,5% PIS - Judicial COFINS - Judicial Total Longo Prazo

Chocoleite apresenta crescimento de 37% no mercado paranaense

(0,17) 0,49 --------------------------------------------------------------------------------As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

Total do Patrimônio Líquido

Transações de Capital com Sócios Outros Resultados Abrangentes Reralização da Reserva de Reavaliação Tributos s/Realização da Reserva de Reavaliação Reclassificações de Resultado Abrangentes Lucro Líquido do Período Reversão de Reservas Constituição de Reservas

BEBIDAS

OPERAÇÕES DESCONTINUADAS

Prejuízos Acumulados

2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com observância às disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações. Essas demonstrações financeiras foram elaboradas em conformidade com o procedimento CPC PME R1 de 08/04/2011 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. O Resultado é apurado de acordo com o regime de competência, que estabelece que as receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração dos resultados dos períodos que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se relacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento. 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Títulos e valores mobiliários Estão registradas pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço, não excedendo o valor de mercado. b) Contas a receber de clientes São registrados pelo valor faturado e não têm incidência de juros por serem de curto prazo. c) Imobilizado Está demonstrado pelo custo de aquisição. As depreciações são calculadas pelo método linear de acordo com a vida útil estimada dos bens, conforme demonstrado na nota nº 10. d) Contingências Os passivos contingentes são reconhecidos nas demonstrações financeiras quando, com base na opinião de assessores jurídicos e da Administração, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem passíveis de mensuração. e) Demais ativos e passivos São registrados por seus valores de realização ou de liquidação, acrescidos, quando aplicável, dos rendimentos ou encargos incidentes, calculados até a data do balanço. f) Apuração do resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios e inclui rendimentos, encargos e variações cambiais às taxas oficiais, incidentes sobre ativos e passivos circulantes e de longo prazo atualizados pró-rata temporis, bem como, quando aplicável, inclui os efeitos de ajustes de ativos para o valor de realização. 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA São demonstradas pelos recursos disponíveis em caixa, contas correntes bancárias e aplicação financeira. Contas 2013 2012 Bancos - Contas Correntes 50.749 250.792 Banco - Aplicação Financeira 499.943 582.696 Total 550.692 833.488 5. CONTAS A RECEBER DE CLIENTES Está representada pelos valores a receber decorrente das vendas de seus serviços. 6. ESTOQUES 2013 2013 Estoque de Materiais 7.588 Total 7.588

10.117.660 (9.145.177)

Imposto de Renda e Contribuição Social

Reservas de Lucros

1. CONTEXTO OPERACIONAL A sociedade tem por objeto social a prestação de serviços nas diversas áreas de mãode-obra, tais como: limpeza, asseio, conservação, reparo, pintura e reformas em edificações, bens, instalações, escritórios, depósitos, recrutamento e seleção de pessoal, serviços de digitação e processamento de dados, atendimento e portarias, serviços de cantina, copa, alimentação e hospedagem, operações de centrais telefônicas, serviços de recepção rotineira e de eventos e outros serviços técnicos e administrativos, transporte de documentos, distribuição interna e externa de correspondências, emendas, objetos e materiais, limpeza, manutenção e conservação de pátios, ruas, jardins, praças e áreas verdes, coleta de lixo, produção de mudas, florestas e ornamentais em viveiros, plantio de grama e ajardinamento, implantação e manutenção de florestamento e reflorestamento em áreas de usinas e outros, execução de instalações e manutenções elétricas e hidráulicas, dedetização e desratização, locação de equipamentos rodoviários e agrícolas, representações comerciais, projetos de engenharia, construção civil e seus complementos, limpeza e conservação, carga e descarga de aeronaves, não incluso o agenciamento de carga e descarga aérea.

11.603.015 (10.961.028)

Lucro Antes do Imp de Renda e Contr Social

Capital Social Integralizado

Saldo em 31 de dezembo de 2013

2012

Receitas Financeiras Despesas Financeiras Receitas Financeiras, Líquidas

DMPL - DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Valores em Reais

Saldo em 31 de dezembro de 2012

2013 OPERAÇÕES CONTINUADAS Receita Líquida Receitas de Serviços Custos dos Serviços

seletivo do Geração Estágio Nível Superior, os candidatos devem ter domínio do pacote Office e ter previsão de formatura entre dezembro de 2015 e dezembro de 2016. Para o Geração Estágio Nivel Técnico, é necessária a previsão de formatura em dezembro de 2014 ou Junho de 2015. Os estudantes que tenham pendência de carga horaria de estagio obrigatório também são elegíveis ao estagio. O processo seletivo inclui provas online, painel para desenvolvimento de case e entrevistas com a área de RH e gestores. Além da bolsa-auxílio, a Oi oferece aos estagiários plano de celular, vale transporte, vale alimentação, seguro de vida e plano de desenvolvimento elaborado especialmente para o grupo As inscrições podem ser feitas no site www.oi.com. br/euquerotrabalharnaoi ou pela página da Oi no Facebook (http://www.facebook.com/ OiOficial). A Oi vem desenvolvendo uma série de iniciativas para envolver seus colaboradores mais novos na formatação e na promoção das ações da companhia para o público jovem.

2013 10.583 5.010 10.423 26.015

2012 10.583 5.010 10.423 26.015

Aumento (Diminuição) das contas dos grupos do ativo e passivo Clientes Adiantamentos a Terceiros Impostos a Recuperar Despesas Antecipadas Outros Valores Fornecedores Empréstimos Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias Provisões Trabalhistas Dividendos a Distribuir Contas a Pagar Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais Fluxos de Caixa das Atividades de Investimento Aquisição de bens do Ativo Imobilizado Depósitos Judiciais Outros Créditos Caixa Líquido Usado nas Atividades de Investimento

2013

2012

(280.146)

788.952

58.792 343.796

58.847 (343.796)

666.777 12.527 (17.977) (69.853) (7.588) (12.008) (14.417) 133.623 205.054 235.855 (132.000)

436.887 7.588 35.387 12.590 (606) (39.790) 14.417 (173.689) (88.933) 225.331 745.503

1.122.436

1.678.687

(55.101) -

(1.274) 26.594 -

(55.101)

25.319

Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamento Obrigações Tributárias Outros Valores 289.201 Empréstimos e Financiamentos (1.639.332) Dividendos Distribuídos Caixa Líquido Usado nas Atividades de Financiamento (1.350.131) Aumento Líquido de Caixa e Equivalente de Caixa Caixa e Equivalente de Caixa no Início do Período Caixa e Equivalente de Caixa no Final do Período

(282.796) 833.488 550.692

(289.201) (277.016) (400.000) (966.217) 737.789 95.700 833.488

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras. 15. TRANSAÇÕES COM EMPRESAS LIGADAS E COLIGADAS Corresponde a mútuos que a sociedade mantém com pessoas ligadas, conforme demonstrado: Contas 2013 2012 Higi Serv Limpeza e Conservação S.A. 1.971.093 1.226.249 Higi Serv Cargo Serv. A. T. Aereos Ltda (480.000) Higi Serv Serviços Ltda (7.809) 150.191 Best Way Trips Ag. de Viagens e Turismo Ltda 7.182 7.182 Total 1.490.466 1.383.622 16. PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS A Companhia está sujeita a contingências fiscais, trabalhistas e outras, sendo parte envolvida em processos em andamento tanto na esfera administrativa como judicial, para as quais, quando aplicável, são amparadas por depósitos judiciais. As provisões para perdas prováveis constituídas, inclusive quanto ao prazo de exigibilidade, são estimadas pela administração, amparada por sua assessoria jurídica. As contingências trabalhistas e previdenciárias consistem, principalmente, em reclamações de empregados vinculadas a disputas sobre o montante de compensação pago para demissões. 2013 2012 Trabalhistas e previdenciárias 58.030 58.030 Outras 289.202 58.030 347.232 17. PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social O capital social no valor de R$ 1.612.000 (hum milhão, seiscentos e doze mil reais), pertencentes a acionistas domiciliados no país, As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras. DIRETORIA ADONAI AIRES DE ARRUDA Diretor Presidente

EDSON RENATO NEMETZ Gerente Financeiro/Contábil Contador CRC PR 036844/O-2

Com 54 anos de história e cerca de 80 colaboradores, a Chocoleite Indústria de Alimentos passou a investir fortemente no mercado paranaense. Em 2013, a média mensal de vendas no Estado, em especial na região de Curitiba, era de R$ 280 mil. No primeiro trimestre de 2014, este número aumentou para R$ 444 mil, o que representa um incremento de 37% nas vendas. A ideia é continuar investindo na região com expectativa de ampliar ainda mais as vendas. A empresa, que teve um faturamento de R$ 56 milhões no último ano, possui em seu mix de produtos bebidas lácteas, iogurtes, queijos, cremes de leite, entre outros. O principal item da empresa é o achocolatado Chocoleite, que tem produção mensal de 320 toneladas. Recentemente, o Grupo Chocoleite passou a apostar no segmento de bebidas não alcoólicas, como o energético Boys & Girls e os refrescos da marca Campestre. No último ano, foi investido R$ 1,5 milhão no desenvolvimento de novos produtos e linhas de produção, conforme comenta o sócio-diretor da Chocoleite, Guilherme Gumz Utech. “A ampliação do nosso mix não para por aí. Agora estamos trabalhando no desenvolvimento de sucos, isotônicos e novos achocolatados”. A meta para 2014 é faturar R$ 60 milhões.


a12 | publicidade legal

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

Empresa pagará indenização de R$5 mi por corte ilegal A Justiça anulou o ato administrativo emitido pelo Município de Balneário Camboriú,que permitia o corte de vegetação nativa de Mata Atlântica em um terreno localizado na Estrada da Rainha. Com isso, a empresa Silva Packer Construtora e Incorporadora – dona do imóvel – está proibida de realizar qualquer corte ou supressão de vegetação nativa no local. A decisão mantém liminar obtida em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público de Santa Catarina, por meio da 5ª Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú. A sentença estabelece, também, que a empresa retire todo o material de construção civil ou de aterro depositado no imóvel para que a área de vegetação degradada possa se recuperar. Para isso, a Silva Parker deverá apresentar à Fundação do Meio Ambiente (FATMA) um Plano de Recuperação de Área Degradada. A empresa e seus sócios deverão pagar uma multa de R$5 milhões pelo corte ilegal realizado, independentemente da recuperação ambiental do terreno. De acordo com a ação, o Município de Balneário Camboriú autorizou, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, o corte de 30 árvores em imóvel da Silva Parker em que será construído um condomínio residencial. O Promotor de Justiça André Otávio Mello explica que esse ato administrativo é ilegal, pois o município não tem convênio com a FATMA para poder conceder autorizações de corte ou supressão de mata.

USINAS DE RECICLÁVEIS SÓLIDOS DO PARANÁ S.A. CNPJ: 09.458.786/0001 - 60

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (Valores em Reais)

BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO Circulante Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber de clientes Impostos a recuperar Outros ativos circulantes Não Circulante Realizável a Longo Prazo Adiantamento a sócios Imobilizado Imobilizado Tangível Imobilizado Intangível TOTAL DO ATIVO

ATIVO

31/12/2013 731.571,51 413.205,82 262.973,26 22.137,31 33.255,12 2.059.534,36 142.592,98 142.592,98 1.916.941,38 1.877.351,67 39.589,71

PASSIVO

31/12/2012 214.261,16 86.712,70 74.557,83 38.562,88 14.427,75 2.109.103,00 73.137,49 73.137,49 2.035.965,51 1.996.043,11 39.922,40

Circulante Fornecedores Obrigações Sociais Obrigações Tributárias Financiamentos Adiantamento de clientes Não Circulante Financiamentos Longo Prazo Mútuos com sócios Adiantamentos de sócios Patrimonio Líquido Capital Social Prejuízos acumulados TOTAL DO PASSIVO 2.791.105,87 2.323.364,16 As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

31/12/2013 462.490,92 48.691,13 60.665,69 67.473,88 186.036,19 99.624,03 498.346,27 84.266,51 279.079,76 135.000,00 1.830.268,68 2.240.000,00 -409.731,32 2.791.105,87

31/12/2012 376.550,08 116.613,86 50.492,80 36.329,77 153.129,52 19.984,13 503.191,91 224.112,15 279.079,76 1.443.622,17 2.240.000,00 -796.377,83 2.323.364,16

Demonstrações dos fluxos de caixa - método indireto Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 - (Em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Saldos em 31/12/2011 Integralização de capital Aumento de capital Ajuste de exercício anterior Resultado do exercício

1.257.132,00

Saldos em 31/12/2012

2.240.000,00

Resultado do exercício

-

Saldos em 31/12/2013

2.240.000,00

982.868,00

Capital a integralizar

Adiant. para aum. capital

Prejuízos acumulados

(25.608,00) 25.608,00

25.609,35 (25.609,35)

(460.290,22)

-

-

Total

(284.747,82) (51.339,79)

796.843,13 (1,35) 982.868,00 (284.747,82) (51.339,79)

(796.377,83)

1.443.622,17

386.646,51

386.646,51

(409.731,32)

1.830.268,68

As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

NOTAS EXPLICATIVAS 1 Contexto operacional A empresa foi criada em 2 de janeiro de 2008, tendo por objeto social a reciclagem de materiais sólidos, tratamento e disposição de resíduos não perigosos, coleta de resíduos não perigosos, comércio atacadista de resíduos e sucatas metálicas e não metálicas. 2 Apresentação das demonstrações financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária e os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e as normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC). Resumo das principais práticas contábeis a. Apuração de resultado O resultado das operações é apurado em conformidade com o regime contábil de competência do exercício. As receitas são reconhecidas mensalmente, com base nos contratos de prestação de serviços. Uma receita não é reconhecida se há uma incerteza significativa na sua realização. b. Estimativas contábeis A elaboração de demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração use de julgamento na determinação e registro de estimativas contábeis. Ativos e passivos significativos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem o valor residual e recuperabilidade do ativo imobilizado. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados, devido a imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A Administração da Companhia revisa as estimativas e premissas periodicamente. c. Moeda funcional A Administração da Companhia definiu que sua moeda funcional é o real, de acordo com as normas descritas no CPC 02 - Efeitos nas Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis. d. Instrumentos financeiros Instrumentos financeiros não-derivativos incluem aplicações financeiras, investimentos em instrumentos de dívida e patrimônio, contas a receber e outros recebíveis, caixa e equivalentes de caixa, empréstimos e financiamentos, assim como contas a pagar e outras dívidas. Instrumentos financeiros não-derivativos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido, para instrumentos que não sejam reconhecidos pelo valor justo através de resultado, quaisquer custos de transação diretamente atribuíveis. Posteriormente ao reconhecimento inicial, os instrumentos financeiros não derivativos são mensurados conforme descrito abaixo. Instrumentos financeiros ao valor justo através do resultado Um instrumento é classificado pelo valor justo através do resultado se for mantido para negociação, ou seja, designado como tal quando do reconhecimento inicial. Os instrumentos financeiros são designados pelo valor justo através do resultado se a Companhia gerencia esses investimentos e toma decisões de compra e venda com base em seu valor justo de acordo com a estratégia de investimento e gerenciamento de risco documentado pela Companhia. Após reconhecimento inicial, custos de transação atribuíveis são reconhecidos nos resultados quando incorridos. Instrumentos financeiros ao valor justo através do resultado são medidos pelo valor justo, e suas flutuações são reconhecidas no resultado. Em 31 de dezembro de 2013 e 2012, a Companhia não possuía nenhum instrumento classificado ao valor justo através do resultado. Instrumentos mantidos até o vencimento São ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis com vencimentos definidos e para os quais a Companhia tem a intenção positiva e capacidade de manter até o vencimento seus instrumentos de dívida, esses são classificados como mantidos até o vencimento. Investimentos mantidos até o vencimento são mensurados pelo custo amortizado utilizando o método da taxa de juros efetiva, deduzido de eventuais reduções em seu valor recuperável. Instrumentos disponíveis para venda Os investimentos da Companhia em instrumentos de patrimônio e de certos ativos relativos a instrumentos de dívida são classificados como disponíveis para venda. Posteriormente

31/12/2013 31/12/2012 Receita com prestação de serviços 2.389.195,10 1.843.659,52 Receita de venda de produtos 389.627,12 Impostos sobre receitas -240.779,59 (151.293,67) Receita Liquida 2.538.042,63 1.692.365,85 Custo dos serviços prestados e produtos vendidos -1.400.580,44 (802.824,03) Lucro bruto 1.137.462,19 889.541,82 Despesas Operacionais Despesas comerciais -40.265,54 (5.588,46) Despesas administrativas -340.062,25 (719.954,04) Outros resultado operacionais 6.967,75 Resultado antes de despesas financeiras 757.134,40 170.967,07 Despesas financeiras líquidas -119.974,75 (76.075,02) Resultado operacional 637.159,65 94.892,05 Imposto de renda e contribuição social -250.513,14 (146.231,84) Resultado líquido do exercício 386.646,51 (51.339,79) Resultado por ação 0,17 -0,02 As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras.

ao reconhecimento inicial, são avaliadas pelo valor justo e as suas flutuações, exceto reduções em seu valor recuperável, e as diferenças em moeda estrangeira destes instrumentos, são reconhecidos diretamente no patrimônio líquido, líquidos dos efeitos tributários. Quando um investimento deixa de ser reconhecido, o ganho ou perda acumulada no patrimônio líquido é transferido para resultado. Em 31 de dezembro de 2013 e 2012, a Companhia não possuía nenhum instrumento classificado como disponível para venda. Outros Outros instrumentos financeiros não-derivativos são mensurados pelo custo amortizado utilizando o método de taxa de juros efetiva, reduzidos por eventuais reduções no valor recuperável. e. Redução ao valor recuperável O ativo imobilizado tem o seu valor recuperável testado, no mínimo, anualmente, caso haja indicadores de perda de valor. f. Ativos circulante e não circulante • Contas a receber de clientes As contas a receber de clientes são registradas pelo valor faturado, incluindo os respectivos impostos diretos de responsabilidade tributária da Companhia, menos os impostos retidos na fonte, os quais são considerados créditos tributários. Em função do prazo do recebimento, o cálculo do valor presente tem efeito imaterial e, portanto, não foi registrado. • Imobilizado Registrado pelo custo de aquisição, formação ou construção, inclusive juros e demais encargos financeiros capitalizados, com base em laudo de avaliação emitido por avaliador independente. A depreciação é calculada pelo método linear às taxas mencionadas na nota 6, e leva em consideração o tempo de vida útil estimado dos bens. g. Passivos circulante e não circulante Os passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis acrescidos, quando aplicável dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridas até a data do balanço patrimonial. Em função do prazo do pagamento, o cálculo do valor presente tem efeito imaterial e, portanto, não foi registrado. • Provisões Uma provisão é reconhecida no balanço quando a Companhia possui uma obrigação real legal ou constituída como resultado de um evento passado, e é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas. • Imposto de renda e contribuição social O imposto de renda e a contribuição social do exercício corrente são calculados com base nas alíquotas de 15%, acrescida do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente de R$ 240 mil, para imposto de renda e 9% sobre o lucro tributável para contribuição social sobre o lucro líquido. O lucro tributável é apurado de acordo com as regras do lucro presumido definidas na legislação fiscal. 3 Caixa e equivalentes de caixa 2013 2012 Caixa 4.480,25 1.763,87 Bancos 144.401,24 11.594,88 264.324,33 73.353,95 Aplicações financeiras 413.205,82 86.712,70 As aplicações financeiras, de alta liquidez, são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor. Dessa forma, tais aplicações financeiras foram consideradas como equivalentes de caixa nas demonstrações de fluxo de caixa. 4 Contas a receber de clientes Contas a receber de clientes consistem de valores relativos a valores faturados sobre contratos de prestação de serviços e de venda de produtos. 5 Impostos a recuperar Referem-se substancialmente a crédito de ICMS sobre aquisição de bens para o ativo imobilizado.

Diário Indústria&Comércio

2013 2012 Fluxos de caixa das atividades operacionais Resultado líquido do exercício 386.646,51 (51.339,79) Ajustes para conciliar o resultado às disponibilidades geradas pelas atividades operacionais: Depreciação e amortização 165.335,33 158.782,49 Ajuste de exercício anterior - (284.747,82) Variações nos ativos e passivos Redução (aumento) em contas a receber (188.415,43) (52.355,03) Redução (aumento) em impostos recuperáveis 16.425,57 (2.128,78) Redução (aumento) em outros ativos (18.827,37) 261.086,62 (Redução) aumento em fornecedores (67.922,73) 110.565,22 (Redução) aumento em obrigações sociais e tributárias 41.317,00 (24.755,79) (Redução) aumento em outros passivos 79.639,90 27.053,29 Disponibilidades líquidas geradas (aplicadas) pelas atividades operacionais 414.198,78 142.160,41 Fluxos de caixa das atividades de investimentos Compras de imobilizado (46.311,20) (602.056,67) Disponibilidades líquidas geradas (aplicadas) nas atividades de investimentos (46.311,20) (602.056,67) Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Aumento de capital 982.868,00 Adiantamentos a sócios (69.455,49) (73.137,49) Adiantamentos de sócios 135.000,00 Empréstimos e financiamentos (106.938,97) (425.368,66) Disponibilidades líquidas geradas (aplicadas) nas atividades de financiamentos (41.394,46) 484.361,85 Demonstração do aumento nas disponibilidades No início do exercício 86.712,70 62.247,11 No fim do exercício 413.205,82 86.712,70 Aumento (redução) nas disponibilidades 326.493,12 24.465,59 As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Financeiras. 6 Outros ativos circulantes Outros ativos circulantes referem-se substancialmente a adiantamentos a fornecedores e funcionários. 7 Imobilizado tangível Taxa de Depreciação (a.a.) 2013 2012 Máquinas e equipamentos 10% 1.500.643,60 1.476.886,10 Terrenos 245.587,17 245.587,17 Benfeitorias e edificações 4% 374.297,77 374.297,77 Outros 10% e 20% 119.500,36 96.946,66 Depreciação acumulada (362.677,23) (197.674,59) 1.877.351,67 1.996.043,11 8 Imobilizado intangível Em 31 de dezembro o imobilizado intangível é representado pelo custo com registro de marcas e patentes. 9 Empréstimos e financiamentos São representados por operações de capital de giro, segregados entre circulante e não circulante de acordo com o vencimento das operações. Em 31 de dezembro o saldo é representado por: Credor 2013 2012 Banco Itaú (leasings) 270.302,70 377.241,67 Total 270.302,70 377.241,67 Circulante 186.036,19 153.129,52 Não circulante 84.266,51 224.122,15 10 Patrimônio líquido O capital social em 31 de dezembro é de R$ 2.240.000,00 e está representado por 2.240.000 ações ordinárias nominativas com valor nominal de R$1,00, totalmente subscritas e integralizadas. 11 Instrumentos financeiros Os saldos contábeis dos instrumentos financeiros constantes no balanço patrimonial, quando comparados com os valores que poderiam ser obtidos na sua negociação em um mercado ativo ou, na ausência destes, com o valor presente líquido ajustado com base na taxa vigente de juros no mercado, se aproximam, substancialmente, de seus correspondentes valores de mercado. A Companhia não possuía instrumentos financeiros derivativos em 31 de dezembro de 2013 e 2012. Diretor Responsável: Adonai Aires de Arruda Contador: Marcos de Bem Guazzelli CRC 38.133/O-0 PR


MODA&CIA

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014 | b1

Adélia Maria Lopes adeliamarialopes@yahoo.com.br

Ângela Ro Ro, teclado, voz e...

P

or seus comemorativos 35 anos de música, a cantora e compositora Ângela Ro Ro volta a pegar a estrada e faz um atalho em Curitiba, onde há anos não comparece. E parece “feliz da vida”, pela foto de Bob Wolfenson. O show está agendado para os quatro primeiros dias de maio, no Teatro da Caixa que começa a venda de ingressos neste sábado. Ela vai ao palco no formato de teclado, voz e humor ácido, sempre de agrado da plateia à espera algumas picardias no ar. O repertório, do blues ao bolero, está focado na sua fase mais recente, mas não se esquece da clássica Amor, Meu Grande Amor, de 1979. Em vários momentos, Ângela faz duo com o tecladista e arranjador Ricardo MacCord. Destaque do repertório extraído do CD/DVD Feliz da Vida!,

de 2013: a faixa-título composta com Paulinho Moska e Capital do Amor, dela e Jorge Vercillo. No show, a voz rouca/louca de Angela Ro Ro também brilha em obras de Cole Porter, Vinicius de Moraes e Tom Jobim. Compositora, tem músicas suas gravadas porMaria Bethânia, Ney Matogrosso, Barão Vermelho, Marina Lima, Simone e Zélia Duncan. Em Feliz da Vida!, Angela mostra parcerias inéditas, além de Moska e Vercillo, com Ana Carolina, Lana Braga, Sandra de Sá, Carlota Marques, Mario de Castro, Antonio Adolfo e Ricardo MacCord, diretor musical do show. Imperdível: de quinta-feira dia 1º a sábado às 20h e domingo às 19h, no Teatro da Caixa Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 280). Ingressos a 20 e 10 reais. Fone 2118-5111. Não recomendado para menores de 14 anos.

Iracema, das páginas ao palco Os artistas curitibanos da Casa Selvática estreiam o espetáculo multimídia Iracema 236ml – O Retorno da Grande Nação Tabajara. Leonarda Glück, autora e diretora, faz uma releitura da triste história de amor entre a índia Iracema e o português colonizador Martim, do

romance escrito em 1865 por José de Alencar. No elenco estão Danielle Campos, Clarissa Oliveira, Stéfano Belo, Ricardo Nolasco, Mari Paula e Manolo Kottwitz. E o cenário digital faz referência às grandes telas no século XIX, além de marcos histó-

ricos brasileiros, como a Semana de Arte Moderna e o movimento tropicalista. Confira: Teatro Novelas Curitibanas, sempre de quinta a domingo, 20h, até 25 de maio. Entrada franca.

Pedreira, reggae, rock e teste Depois do comportado show de Roberto Carlos, a segunda vez que a Pedreira Paulo Leminski reabre para o público será neste sábado 26, com mais de vinte atrações distribuídas em quatro palcos. Devido aos entraves judiciais, por conta dos silenciosos moradores ao redor, o espaço testa novo horário: abertura dos portões às 12h e o início dos shows às 13h. Começa com agito do rock e termina, 40 minutos depois da

meia-noite, com a calma do reggae, quando todos os artistas vão homenagear Bob Marley, ao lado do jamaicano Al Griffiths, filho de Albert Griffiths, do The Gladiators. Outro teste pelo qual o Estação Pedreira passará é a questão de acesso e trânsito ao final do show. O público de Roberto Carlos, formado na grande maioria de senhoras e senhores, além de deficientes físicos e visuais, amargou quase duas

horas em filas, aguardando ônibus, sem protestar. O público agora é outro. São fãs de Motorocker, O Rappa, Raimundos, Planta e Raiz, Criolo, Bloco do Rio Belém, Fernanda Abreu, Mario Broder (Farofa Carioca) e Pedro Quental (Monobloco). Já que as vias próximas estarão bloqueadas para o tráfico, respeitando a justiça, haverá ônibus mais caros (22 ou 11 reais, ida e volta), saindo do Museu Oscar Niemeyer e das praças 29 de Março, Oswaldo Cruz, Rui Barbosa e Eufrásio Correa. As saídas começam às 11h. E as passagens são vendidas apenas pelo Disk Ingressos, até esta sexta às 23h. Outro acesso, menos chato, é por táxi. Mas na saída, haja táxi! Ao lado, a Ópera de Arame também receberá shows, das 15 às 23h, sendo escalados Terceiro Estado, Relespública, Nasi, Curumin, Rael da Rima, Karol Conká, Real Coletivo Dub, Dazaranha, Nina Becker, Regra 4 e Michelle Mara. Aqui o homenageado é Raul Seixas. Ingressos: de 80 a 310 reais. Produção DC 7 e Prime.

Nem te Conto! Bom cinema

1-Vista e amada no recente festival Varilux, entra em préestreia a comédia Eu, Mamãe e os Meninos, vencedor do César, a maior premiação do cinema francês, de melhor ator, roteirista, filme, edição e melhor filme de estreia. O diretor, o estreante Guillaume Gallienne, conta como cresceu, por conta da mãe, pensando ser uma menina. Haverá duas sessões no Cineplex do Shopping Novo Batel: sexta 25 e sábado, às 20h30.

2- O 3º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, que começa dia 28 de maio, além de filmes, oferece oficinas, com inscrições até 2 de maio. Elas são: Introdução ao universo da direção de arte - com Monica Palazzo (Cores), Preparação de elenco - com Amanda Gabriel (O Som ao Redor) e O som no cinema - com Alessandro Laroca. Inscrições grátis, pelo http://olhardecinema.com.br/. Para voluntários, inscrição no mesmo site. 3- Hoje Eu Quero Voltar Sozinho é o programa do Cine Cult, que o Cinemark Shopping Mueller exibe às 19h10 desta segunda-feira 28 e na terça. Dirigido, produzido e roteirizado por Daniel Ribeiro, o filme é uma ótima surpresa do recente cinema brasileiro. Conta a história de um menino cego, superprotegido pela mãe, e que ao fazer uma amizade na escola tem sua vida iluminada.

Emporium Handmade

Neste sábado 26 e domingo, a loja Eco Nativa abriga o 1º Emporium Handmade, feira reunindo moda, arte, design, gastronomia e música, com trinta expositores de Curitiba, Rolândia, Jaraguá do Sul, Balneário Camboriú e Florianópolis. Segundo Meroly Felizardo, da Fu*Chik Acessórios, a ideia é incentivar o artista e colocá-lo em contato direto com o público. (Rua Frederico Cantarelli, 566. Bigorrilho, das 12 às 20h. Entrada franca).

Comes&Bebes

1-O Clube de Degustação Saint Germain em parceria com a importadora Porto a Porto realizou apreciação dos mais premiados single malts do mundo, produzidos pela destilaria Glenfiddich, pioneira na fabricação do mais puro malte escocês. Christiano Protti, embaixador da Glenfiddich no Brasil, explicou que o uísque da empresa tem um mínimo de maturação de 12 anos em barris de carvalho

americano e espanhol. Na Saint Germain Ecoville, tem Wh Glenfiddiche Single Malt 15 Anos e 18 Anos. 2- A 2ª Vinada Cultural do Passeio Público, neste sábado 26, a partir das 10h, o cachorro-quente (seis reais) de 14 barracas será consumido ao som de Gaiteiros de Lume, Daniel Miranda, Cordas e Sanfonas, Thunder Kelt e Trio em Casa, além da peça Outros Quinhentos.

Pedalada Cultural

Promovida pelo Método DeRose, neste domingo 27, a partir das 9h, a Pedalada Cultural vai deixar livros num percurso de 12km. A saída e a chegada acontecem da sede do Cabral. Inscrições até sábado, pelo fone 3252-4036. A participação é um livro.

4- O Cinemark Mueller exibe Don Giovanni, ópera de Mozart, com a Royal Opera House, de Londres. Duração de 3h40, incluindo um intervalo. Sessões neste sábado 26 e domingo às 11h, na segunda às 15h e terça dia 29, às 19h. Ingressos a 50 e 25 reais. 5- Neste sábado 26, às 13h55, ao vivo e em alta definição, os cines UCI Estação e Palladium exibem a ópera Così fan Tutte, de Mozart. Este é o penúltimo espetáculo da atual temporada do Metropolitam Opera House, de Nova York. Pela primeira vez, o maestro James Levine irá reger para o Met. Ingressos a 60 e 30 reais.

Memórias do Subterrâneo

A Faculdade Estácio Curitiba passa a sediar, nesta semana, apresentações teatrais. E começa com Memórias do Subterrâneo, solo do ator Emerson Rechenberg. Produção da Casa de Artes Helena Kolody, que comemora uma década e os 150 anos de publicação do conto de Dostoievski. (Às sextas-feiras, 19 e 21h, e aos sábados, 21h, até 17 de maio. Av. Senador Souza Naves, 1715, Cristo Rei. Fone 3592-2701).


geral | b3

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

Linha de financiamento

Panorama Político Pedro Washington

prpress@terra.com.br

Meses difíceis à frente

São inacreditáveis as confusões em que o atual governo da presidente Dilma se envolve, por conta de trapalhadas de sua equipe. A cada problema surgido e mal resolvido, em seguida vem outra situação ainda mais problemática. Como a que enfrentará agora em função da solução simplista de 2013, para as dificuldades da indústria automobilística. A suspensão do IPI, aumentou a venda de carros e caminhões, num cenário já saturado pelos poucos investimentos nas infraestruturas viárias. E ainda anunciam mais montadoras por aqui! Uma imprevidência! Do mesmo modo, a supressão do IPI temporário sobre a “linha branca”, representou um aumento expressivo no consumo de energia, num país que já convivia com dificuldades no setor, tendo que se valer das caras e poluentes termoelétricas para evitar apagões. Isso antes mesmo de viver o drama representado pela natureza hostil, que fez chover exageradamente onde não há tanta necessidade e produziu uma estiagem fantástica que quase imobiliza a antes aparentemente imbatível rede de usinas hidrelétricas (além de comprometer o abastecimento de água nas cidades maiores); tão importante que o país se dera ao luxo de criar dificuldades para as PCHs, Pequenas Centrais Hidrelétricas, menos prejudiciais pelas pequenas áreas inundadas e capazes de gerar, somadas, o volume de uma Itaipu. Além de não priorizar novas formas de geração. Não contente, o governo anunciou com o estrépito habitual a eleitoreira notícia da redução de preço da energia. Visivelmente, como se viu mais à frente, num momento inoportuno! O aumento de consumo, na contra-mão do combate à inflação e de todos os problemas descritos, também estimulado pela criação de crédito especial para mobiliar o Minha Casa. Tudo isso e mais os problemas gerados pelas exigências da Fifa, cujo padrão cabe bem em Dubai, não num país que ainda tem um pé no terceiro mundo. Vem aí por conta disso, as exigências que a cada dia se acentuam dos servidores públicos de várias categorias, amparados também pela pressão eleitoral. Vão ser meses complicados esses próximos!

A Fomento Paraná vai financiar a elaboração de projetos de aterros sanitários e outras soluções para gestão de resíduos sólidos nos municípios

Estado oferece ajuda para municípios acabarem com lixões A medida é uma solução para que os municípios paranaenses possam cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que determina o fim dos lixões até 3 de agosto

A

que determina o fim dos lixões até 3 de agosto de 2014. “Além de financiar a execução das obras, a Fomento Paraná concordou em incluir no financiamento o custo da elaboração do projeto, o que vai facilitar muito a vida dos prefeitos que precisam atender à legislação”, explica o secretário estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antonio Caetano de Paula Júnior. “O Governo do Paraná está apoiando os municípios para resolvermos esta

Trânsito

Urbanismo

Acesso a SJP será bloqueado nos próximos quatro sábados

Ação integrada de fiscalização realizou 18 operações neste ano

Nos próximos quatro sábados (26 de abril e 3, 10 e 17 de maio), o acesso a São José dos Pinhais pela Avenida Marechal Floriano Peixoto será totalmente bloqueado, novamente, em mais uma etapa de obras da ponte sobre o canal extravasor paralelo ao Rio Iguaçu, no final da Avenida Marechal Floriano Peixoto, quase divisa com São José dos Pinhais. Os trabalhos serão realizados sempre entre 8h e 18 horas, período no qual o trânsito para São José dos Pinhais será desviado antes do Terminal do Boqueirão, através da Rua Dr. Bley Zorning, que dá acesso à Avenida Salgado Filho e, na sequência, à Avenida Com. Franco (Av. das Torres), que deverá ser utilizada para se chegar a São José dos Pinhais. O acesso à cidade da região metropolitana também não poderá ser feito pela Rua João Miqueletto e seu acesso ao Zoológico Iguaçu.

questão de gerenciar o resíduo urbano”, completa. Para ajudar os municípios a eliminar os lixões, a Secretaria do Meio Ambiente está estimulando a organização de consórcios intermunicipais para partilhar a solução dos problemas. Atualmente, 161 cidades estão formando consórcios para gerenciamento dos resíduos sólidos. “A Agência Francesa abriu uma linha de financiamento, por meio da Fomento Paraná, para financiar projetos públicos e privados

de gestão de resíduos sólidos, mas os prefeitos precisam manifestar o interesse porque o prazo está correndo e acaba em 3 de agosto”, alerta o coordenador do Comitê Gestor do Programa Paraná Sem Lixões, Laerty Dudas. As tratativas com a Agência Francesa de Desenvolvimento para obter a linha de financiamento estão em andamento desde agosto de 2013. Uma missão da AFD virá ao Paraná em maio, quando devem ser apresentados os pedidos de financiamento.

Reunião do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) Municipal em Segurança Pública, que aconteceu na manhã de ontem, na Prefeitura de Curitiba A Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) realizou neste ano 18 operações, com 90 estabelecimentos vistoriados, 62 fechados e 15 regularizados em Curitiba. Nas operações, foram emitidas 47 notificações, 22 autos de infração e 23 autos de embargo. O balanço foi apresentado pelo secretário municipal do Urbanismo, Reginaldo Cordeiro, durante reunião do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) Munici-

pal em Segurança Pública, que aconteceu na manhã de ontem, na Prefeitura de Curitiba. Cordeiro lembrou que a fiscalização urbana é diária e acontece independentemente das ações integradas, que reúnem forças de segurança. Os bairros das regionais Matriz e Santa Felicidade são os que receberam maior número de operações. “No total, desde o início da Operação em 2013, quase 500

estabelecimentos foram vistoriados”, disse Cordeiro. Como resultado, houve 202 interdições, 281 notificações, dez embargos e 72 estabelecimentos regularizados, desde o início de 2013. O principal objetivo das operações é verificar questões de documentação (alvarás), segurança (saídas de emergência, extintores, gás), higiene (conservação de alimentos, banheiros), meio ambiente (poluição sonora), entre outras.

ENXUGAMENTO DA MÁQUINA

Richa envia à ALEP proposta de fusão da Secretaria de Governo e Casa Civil O Governador Beto Richa encaminhou nesta semana à Assembleia Legislativa do Paraná mensagem e anteprojeto de lei propondo a fusão da Secretaria Estadual de Governo à Casa Civil. Com isso, o Governo do Paraná passa a ter 19 secretarias de Estado. “O governador dá prosseguimento às medidas administrativas para garantir o enxugamen-

Lugar errado Uma das características marcantes dos poderes legislativos, é legislarem sobre assuntos de menor importância, reclamando quando decisões fundamentais que deveriam ter sido atacadas são desviadas para decisão do Judiciário. Caso de normas eleitorais, que caberiam numa reforma do setor, sempre adiada. Ou como ainda agora, com o presidente do Senado presente Maurilio Cheli/SMCS

Fomento Paraná – instituição financeira de desenvolvimento pertencente ao Governo do Estado – vai financiar a elaboração de projetos de aterros sanitários e outras soluções para gestão de resíduos sólidos nos municípios. Os recursos são de uma linha de financiamento disponibilizada pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). A medida é uma solução para que os municípios paranaenses possam cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos,

to da máquina pública”, disse Cezar Silvestri, que atualmente acumula os cargos de secretário estadual de Governo e secretário chefe da Casa Civil. “Enquanto outros estados e o Governo Federal criam cada vez mais cargos, o Paraná, em uma medida exemplar, já extinguiu mais de mil cargos e fez a fusão de secretarias, garantido uma estrutura enxuta e eficaz”, destacou

o secretário. Fusão Com a fusão, Cezar Silvestri continuará respondendo pela chefia da Casa Civil. “A Casa Civil é uma secretaria chave dentro da estrutura do Estado. Só tenho que agradecer ao governador Beto Richa pela confiança e não medirei esforços para dar continuidade ao excelente tra-

balho que vinha sendo feito pelo ex-ministro e deputado federal, Reinhold Stephanes”, completou Silvestri. Discussão A mensagem deverá ser lida pela Assembleia no inicio da próxima semana, depois irá para discussão e aprovação na CCJ e posteriormente segue para a votação em Plenário.

como o da Câmara, em impulso de religiosidade antes desconhecido em ambos, deslocando-se para Roma a uma solenidade que caberia a representação religiosa do país, quando a decisão da ministra Rosa Weber é anunciada. De lá anuncia seu descontentamento e as medidas que tomará ao regresso. Decisão que não teve coragem de tomar quando em suas mãos.

Entendimento difícil As dificuldades vividas pelo governo do Paraná, em relação às folhas de pagamento que instrumentalizaram a oposição nas críticas pela não obtenção dos empréstimos anteriormente, são as mesmas que vive, com dificuldades para atender ás exigências de categorias funcionais como o magistério, incitados pelos sindicatos das categorias, estes quase sempre vinculados ao PT. As greves de agora poderão ser creditadas aos mesmos que antes apontavam o erro do governo no cumprimento da LRF.

Pressão perigosa A pressão do presidente do PT, Rui Falcão, pela renúncia de André Vargas ao mandato, aumenta a irritação do parlamentar paranaense com parcelas do partido. Num momento sensível em que a CPI da Petrobras é acatada liminarmente pela ministra Rosa Weber; em que o ex-presidente a atual presidente da em-

presa são convocados a novos depoimentos; a Justiça Federal do Paraná abre processo contra o doleiro Alberto Yousseff, com íntimas ligações com ex-diretores da empresa que ainda podem ser processados, mais um companheiro bem informado descontente é o que menos o partido precisa agora.


b4 | geral

Diário Indústria&Comércio Curitiba, sexta-feira a domingo, 25 a 27 de abril de 2014

CARRO ZERO

Ayrton Baptista

Primeiro emplacamento tem queda de 4,5% no PR

MAIS FÁBRICAS

Dados revelam que de janeiro a março 81.826 novos veículos foram emplacados Paulo Rosa/Detran

Quatro multinacionais estão em negociação com a prefeitura de Ponta Grossa. Uma delas é a empresa francesa Senoble, destaque mundial no setor de lacticínios. Está previsto o investimento inicial de R$ 200 milhões na fábrica que será instalada na cidade.

No primeiro trimestre de 2013 foram 85.722 cadastrados

O

número de primeiro emplacamento de veículos registrou queda de 4,5% no Paraná no primeiro trimestre de 2014, em comparação com o mesmo período do ano passado. Dados do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) revelam que de janeiro a março 81.826 novos veículos foram emplacados. No primeiro trimestre de 2013 foram 85.722 cadastrados. “Este indicador é um ter-

mômetro do mercado de carros novos no país. Com o fim da redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a venda de veículos zero quilômetro caiu”, explica o diretor-geral do Detran, Marcos Traad. O número de emplacamentos de carros registrou queda de 3%. O emplacamento de motos foi 12% menor que no ano passado e o de caminhões registrou redução de 14%. Em contrapartida, o número

de caminhonetes novas emplacadas no Paraná aumentou 2% ante ao primeiro trimestre de 2013. CIDADES Do 81.826 novos emplacamentos no Paraná, 70% foram feitos nos municípios do interior e 30% na Capital. Curitiba registrou queda acima da média do Estado, com redução de 7% no número de emplacamentos de janeiro a março, na comparação

ao primeiro trimestre de 2013.

CUSTO MENOR

RENDA LUCRATIVA

Pato Branco, sudoeste, contará com um novo sistema de telefonia e internet. Os prédios públicos que antes operavam com sinal via rádio, passarão a funcionar com internet de 100 mega bytes de velocidade, o que deve diminuir os custos para os cofres públicos da prefeitura.

O cultivo de sorgo-vassoura é um dos destaques de Paiçandu, norte paranaense, com lucros que ultrapassam 30 mil por alqueire. Segundo dados da prefeitura, o plantio da matéria prima - que serve para a fabricação de vassouras - ocupa cerca de 400 alqueires no município e atrai cada vez mais agricultores.

RECURSOS PARA O OESTE

BRASIL Os números paranaenses acompanham a tendência nacional. Dados da Federação Nacional de Veículos Automotores (Fenabrave) revelam que em todo país 1.226.816 veículos foram emplacados nos três primeiros meses de 2014. Em relação ao mesmo período de 2013, a queda apresentada é de 0,5%.

O governo do Estado destinará R$ 3 milhões para o município de Medianeira, oeste paranaense. Os recursos serão utilizados na melhoria da estrutura urbana e viária, beneficiando especialmente os bairros que ainda não possuem ruas pavimentadas.

CURSOS GRATUITOS A prefeitura de Ibiporã, norte-central, está com inscrições abertas para cursos profissionalizantes. As aulas têm início dia 28 de abril. As oportunidades são para informática básica, auxiliar de marceneiro e auxiliar de confecção.

Meio Ambiente

CONSTRUÇÃO CIVIL

GERAÇÃO DE EMPREGOS

Bosque João Paulo II é preparado para comemorações de canonização

Acontece entre os dias 2 e 3 de junho, o ‘Encontro Nacional para Inovação da Construção Civil’. O evento será em Curitiba e pretende debater novas alternativas para a indústria da construção. A programação inclui uma feira de exposições e palestras com profissionais de todo o país.

Umuarama, noroeste do Paraná, registrou o quinto melhor resultado na geração de empregos no Estado durante o mês de março. Segundo o Cadastro Geral de Empregados (Caged), o município é responsável por 63% das vagas formais disponíveis na região que abrange 21 cidades.

liza a pintura no portal da avenida Mateus Leme, em uma parceria com a comunidade polonesa, que doou as tintas.

Ricardo Almeida/SMCS

A canonização do Papa João Paulo II será celebrada em Curitiba, neste domingo (27), no bosque que leva o nome do pontífice polonês, no Centro Cívico. O local recebe obras de manutenção e benfeitorias e até domingo estará pronto para receber os visitantes. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente ficou responsável pela revitalização do paisagismo e implantação de um pórtico dentro do bosque, onde será instalado um banner comemorativo. Também estão ocorrendo podas nas árvores da rua que dá acesso ao local e recolocação da placa de inauguração, que havia sido furtada. O portal polonês ganhou identificação. A Secretaria Municipal de Obras Públicas rea-

História

O bosque João Paulo II foi eternizado durante a passagem do papa por Curitiba, na década de 1980. Uma das sete casas típicas polonesas que pertencem ao acervo do local foi montada na ocasião dentro do estádio Couto Pereira, durante a solenidade com o pontífice, que a visitou. As casas, que simbolizam as habitações típicas polonesas do início da colonização na região de Curitiba, por volta de 1878, são feitas de troncos de pinheiro encaixados. Instaladas no centro do bosque, elas abrigam a história

300 MORADIAS

O local recebe obras de manutenção e benfeitorias e até domingo estará pronto para receber os visitantes e a cultura dos imigrantes. Com 48 mil metros quadrados, o bosque, que foi um projeto do paisagista Burle Marx, conta

Posicionamento

FACIAP lidera luta no PR favor de lei que alivia a Substituição Tributária No último dia 8 de abril, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal aprovou o PLS 323/2010, que alivia a carga tributária das micro e pequenas empresas e estabelece limites para a imposição da Substituição Tributária pelos Estados. Para o setor produtivo, trata-se do início de uma importante vitória. Agora, a votação segue para o Plenário e a FACIAP – Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná mobiliza todo o empresariado paranaense mobiliza todo o sistema de Associações Comerciais paranaenses para pressionar os parlamentares na busca da aprovação integral do projeto. O presidente da FACIAP, Rainer Zielasko, é um dos grandes defensores da revisão da Substituição

Tributária. “O papel do Simples Nacional se tornou completamente distorcido com a implantação da Substituição Tributária nas micro e pequenas empresas. Quem perde em competitividade e desenvolvimento econômico é o Brasil, precisamos reverter essa situação e por isso contamos com a mobilização de todos”, afirma. A ampliação da Substituição Tributária reduz, na prática, os benefícios do tratamento diferenciado das microempresas, previsto na Constituição e na Lei Complementar 123/2006. Presidentes de Associações Comerciais paranaenses já se manifestaram a favor da aprovação da PLS:“Sem sombra de dúvidas, todas as mudanças nas leis que beneficiem as pequenas e micro empresas são importantes, pois

estamos vivendo um momento muito difícil já que elas não suportam mais tanta burocracia e a excessiva carga tributária. Nossa luta continua para que o Projeto seja aprovado na sua totalidade, para que tenhamos ainda melhores condições de trabalho para nossas empresas e a ACIFI - Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu está plenamente engajada nesta mobilização junto á nossos associados para que isso aconteça” - Roni Temp, presidente da ACIFI (Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu) “Mesmo diante de tanta turbulência no cenário econômico nacional, o índice de desemprego no país é considerado baixo em função do elevado número e da grande diversidade das micro e pequenas empresas.

ainda com portal polonês, ciclovia, palco, sanitários, parquinho, loja de artesanato, casas típicas, sede de escoteiros.

Artesã aposta no turismo da Copa para vender produtos No momento em que o País se prepara para sediar o maior evento esportivo do planeta, muitas pessoas apostam em fazer da Copa do Mundo uma ótima oportunidade de negócios. É o caso da artesã Ariane Santos, que projetou e desenvolveu um porta post-it e marcador de livro com diferentes ilustrações dos principais pontos turísticos de Curitiba. “Pesquisei o que os turistas gostariam de levar como lembrança. Investi em materiais, consegui um bom preço para o produto final e abracei esta oportunidade com unhas e dentes”, disse ela.

Castro, centro do Paraná, investirá R$ 60 milhões na construção de conjuntos habitacionais. As obras se concentraram nos bairros Nova Castro e Jardim Alvorada. O projeto prevê 300 residências até meados de 2015.

CONTANDO HISTÓRIA O grupo Fio da Meada traz a Londrina espetáculos para o público infantil. O ‘Contações de Histórias’ é uma das atrações comandadas pelos artistas, e será entre os dias 26 e 27 de abril. A atração é aberta a crianças de todas as idades.

CESARIANA O Brasil é recordista em cesarianas. Em média, 52% dos partos realizados no país não são naturais. Na rede privada, esse número sobe para 83%, sendo que o recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de apenas 15%.

OBRAS NA EDUCAÇÃO A Escola Estadual do Campo São Salvador, em Cascavel, na região Oeste, será revitalizada. Serão feitos reparos na cobertura, no forro e nas calhas, além da substituição das portas das salas de aula e as luminárias do prédio. O investimento é de R$ 100 mil.

Diário Indústria&Comércio  

jornal, economia, curitiba, parana, brasil, negocios, bovespa, financas, aroldo mura, pedro washington, ayrton baptista, eliseu tisato, wal...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you