Issuu on Google+

Comércio

Aposentadorias

Exportações de aves têm recorde no Brasil

Garibaldi defende substituição de fator previdenciário

Social

ECONOMIA | B1

Páscoa solidária distribui chocolates para crianças carentes

ECONOMIA | B1

NEGÓCIOS | B4

CURITIBA, SEXTA-FEIRA A DOMINGO, 15 A 17 DE ABRIL DE 2011 Ano XXXIV | Edição nº 8357 | R$ 1,50 | WWW.ICNEWS.COM.BR

Indústria &Comércio DIÁRIO. MAIS QUE NOTÍCIAS. INTELIGÊNCIA. CONHECIMENTO.

Ricardo Almeida / SECS

Governo do PR vai denunciar atos lesivos na gestão pública

Fábio Campana Um dos maestros O deputado Caíto Quintana (PMDB) é um dos mais indignados com o diagnóstico do Paraná depois de oito anos de Requião e Pessuti apresentado pelo governo Richa. Só parte dessa indignação decorre de solidariedade para com o exgovernador.

Pedro W ashing ashingtt o n Realidade nacional No momento em que o PSD (Partido Social Democrático) começa a tomar forma, tirando massa política de outros partidos como o DEM, PP, PPS, PR e até PMDB, (pelo descontentamento de Marina Silva até o PV pode ser esvaziado), movimento liderado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso começa a tomar corpo. Discute o papel da oposição, até agora sem rumo.

Documentos são diagnóstico da situação estrutural e administrativa do Estado

O

Governo do Paraná vai encaminhar na segunda-feira (18) ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público Estadual o diagnóstico da situação estrutural e administrativa do Estado e os documentos que deram origem ao relatório elaborado pela Secretaria Especial do Controle Interno. "São evidências de irregularidades e atos lesivos ao patrimônio público e denunciá-las é nosso dever de ofício", afirmou o secretário de Controle Interno, Mauro Munhoz. Os indícios da prática de atos irregulares podem levar ao enquadramento dos agentes públicos.

Aroldo Murá “CEMITÉRIO” IMPEDIA LEITURA DE LIVROS

"São evidências de irregularidades e atos lesivos ao patrimônio público e denunciá-las é nosso dever de ofício", afirmou o secretário de Controle Interno, Mauro Munhoz

Angelo Antônio Dallegrave era um homem bom, julgava-se fazendo um bem, quando estabeleceu e cultivou o chamado “Cemitério” na Biblioteca Pública do Paraná. Para aquela sala do terceiro andar, fechada a sete chaves, iam todas as obras que ele considerada ou imorais ou impróprias. A Biblioteca, na segunda parte desta abordagem sobre os projetos do seu novo diretor, Rogério Pereira, dará prioridade às oficinas de criação e o projeto “O Escritor na BPP”.

Justiça obriga prefeitura a licitar licenças de táxis

PÁGINA A3

VINO VIT A ES T. TA ST

Bacalhau com vinho, a combinação perfeita da Semana Santa Estamos nos aproximando de mais uma celebração no mundo cristão da Páscoa. Como sempre enfatizamos aqui em nossa coluna, A História foi feita pelo Vinho. PÁGINA B5

Paranaguá amplia exportação de açúcar APPA

O Juízo da 1ª Vara Cível de São José dos Pinhais concedeu tutela antecipada em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Paraná, obrigando o poder público a realizar licitação para o serviço de táxi. O juiz Anderson Ricardo Fogaça reconheceu a inconstitucionalidade da lei municipal que permitia aos atuais permissionários dos táxis continuar prestando o serviço até 2015 sem que houvesse licitação.

As exportações de açúcar pelo Porto de Paranaguá cresceram nos primeiros três meses de 2011. Até março, o Porto exportou 491 mil toneladas do produto, enquanto no mesmo período do ano anterior foram 431 mil toneladas.

MUNICÍPIOS DO PARANÁ | B8

GERAL | A5

EDITORIAL

ENFIM UM DEPUTADO EXEMPLAR O que você acha de um deputado federal que abre mão dos salários extras (14° e 15° salários), reduz sua verba de gabinete e o número de assessores a que teria direito, de 25 para apenas nove? Além disso, reduz em mais de 80% a cota interna do gabinete, o chamado “cotão”: de R$ 23.030 mensais para apenas R$ 4.600? Não contente, abriu mão também de toda verba indenizatória, de toda cota de passagens aéreas e do auxílio-moradia, tudo também em caráter irrevogável. Sozinho vai economizar aos cofres públicos mais de R$ 2,3 milhões (isso mesmo R$ 2.300,000) nos quatro anos de mandato. Se os outros 512 deputados seguissem o seu exemplo, a economia seria superior a R$ 1,2 bilhão. “A tese que defendo e pratico é a de que um mandato parlamentar pode ser de qualidade custando bem menos ao contribuinte. Esses gastos excessivos são um desrespeito ao contribuinte, finalizou com chave de ouro o deputado federal José Antonio Reguffe (PDT-DF), o modelar autor das ações citadas acima. Votamos com o relator.

Informe da Câmara Municipal de Curitiba Cidade ganha usina de reciclagem de sólidos NACIONAL | A2

Saúde&BemEstar

Cuidado você pode estar hipertenso e não sabe

Kopenhage apresenta nova identidade visual

No dia 26 de abril, comemora-se o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

Para agregar ainda mais valor aos produtos da Páscoa, a Kopenhagen buscou um refinamento que apenas as mais sofisticadas grifes possuem.

PÁGINA A4

NEGÓCIOS | B4

Indicadores CÂMBIO MAIORES ALTAS TECTOY FII RBRESID1 COBRASMA ELETROBRAS ENCORPAR

SCHLOSSER B2W VAREJO TECTOY NADIR FIGUEI CEEE-D

CENTRAL DE ATENDIMENTO: 41 3333.9800 CMYK

GERAL | A5

COTAÇÃO 0,05 136,64 0,16 42,00 17,99

6,80 0,11 0,04 12,50 2,50

MAIORES ALTAS TELEMAR N L BRASIL TELEC AMBEV ALL AMER LAT MMX MINER

GAFISA PDG REALT MRV SANTANDER BR REDECARD

COTAÇÃO 59,80 16,05 46,50 13,12 11,22

10,04 9,19 13,15 18,09 22,57

E-MAIL: PAUTA@INDUSCOM.COM.BR

Moeda

Compra

Venda

Dólar turismo 1,5400

1,7000

Dólar comercial 1,5780

1,5800

Dólar paralelo 1,5900

1,7300

Euro

2,2879

2,2863

Ouro (Grama/R$): 188,14


“A sabedoria torna bons os homens. A simulação da sabedoria torna-os péssimos." Juan Luis Vives

Nacional

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A2

Previsão do tempo

AB Notícias

fonte: www.simepar.br

abnoticias@abcom.com.br

Na sexta-feira o tempo continua instável nas regiões paranaenses. A frente fria continua atuando sobre a Região Sul e mantém a Mín.: 13° instabilidade atmosférica bastante elevada sobre os três Máx.: 25° estados. No Paraná o tempo fica abafado e são esperadas chuvas, principalmente ao longo da tarde. Não descarta-se o risco de temporal localizado, especialmente nas áreas mais próximas da divisa com Santa Catarina e fronteira com a Argentina.

CAFÉ GERANDO RENDA Produtores da região de Apucarana, Norte do Estado, comemoram os bons resultados do café. Os que estão colhendo produtos com boa qualidade recebem entre 450 e 500 reais pela saca, enquanto os que produzem com qualidade inferior, entre 250 e 300 reais. A Secretaria de Agricultura destaca que a boa rentabilidade se deve também à baixa no estoque mundial, o que beneficia os produtores paranaenses. Apucarana é o terceiro maior local produtor do Estado, com 4,4 mil hectares.

PLANEJAMENTO FAMILIAR A procura por cirurgias de vasectomia e laqueadura tem aumentado em Umuarama, no Noroeste. Em 2010, foram 418 ao total, sendo 198 laqueaduras. Em 2009 foram apenas 131 procedimentos, o que representa um aumento de 219%. A procura tem aumentado a cada ano devido à opção consciente dos casais sobre planejamento familiar. A prefeitura também realiza programas sociais sobre o assunto.

PARCERIA

BONS NEGÓCIOS

Appa estabelece acordo de com o porto de Ghent Objetivo é a troca de informações operacionais, tecnológicas e comerciais

A

Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), assinou na tarde de terça-feira (05), um protocolo de intenções com o Porto de Ghent, na Bélgica. O protocolo foi firmado com a presença do secretário de estado de infraestrutura e logística, José Richa Filho, do superintendente dos portos de Paranaguá e Antonina, Airton Vidal Maron e do diretor-presidente do Porto de Ghent, Christophe Peeters. A assinatura foi realizada durante a feira Intermodal South América, que acontece em São Paulo até o próximo dia 07 e é a maior feira da América Latina no setor de logística e transportes. O objetivo do protocolo é a troca de informações operacionais, tecnológicas, comerciais, além de modelos de gestão. O acordo entre os portos visa ainda o desenvolvimento de ações em conjunto, promovendo o fomento tecnológico e cultural, com o objetivo de desenvolver as atividades comerciais e intensificar o tráfego marítimo entre os portos. Para o secretário José Richa Filho, o acordo de cooperação entre a Appa e o porto de Ghent irá abrir possibilidades de negócios aos portos paranaenses, além de possibilitar o intercâmbio de experiências. "O Porto de Ghent é estratégico na Europa e firmar uma parceria com ele nos trará muitos benefícios. A Europa é sempre um mercado de possibilida-

des, que nos permite ter bons parceiros comerciais", disse Richa Filho. O superintendente dos portos do Paraná, Airton Vidal Maron, ressaltou que o termo de cooperação vai permitir, entre outras coisas, aumento na movimentação de mercadorias pelos portos signatários. "O Porto de Ghent é referência na Europa no setor de biocombustíveis e eles tem grande interesse em importar produtos desta natureza. Fora isso, a troca de experiências será muito proveitosa para nós", disse Maron. Segundo o diretor-presidente do Porto de Ghent, Christophe Peeters, a parceria com os portos paranaenses vai permitir o aumento na importação de energia sustentável. Ele disse que o porto belga assinou um contrato com uma empresa instalada no Porto de Paanaguá para construção de um tanque com capacidade para armazenar 300 mil metros cúbicos de etanol e que ficará pronto em 2013. "Nossa expectativa é que a demanda na Europa por biocombustíveis só aumente a partir de agora. Temos em Ghent um centro de estudos para pesquisas de biocombustíveis de segunda geração e esta troca com o Paraná será muito útil também neste campo", disse. Espanha - O secretário José Richa Filho e o superintendente da Appa, Airton Vidal Maron, firmaram com representantes do Porto de Barcelona a intenção de assinatura de mais um convênio

O município de São José dos Pinhais tem 108 empresas formais no ramo da cerâmica e outras 30 em fase de formalização, sendo hoje o maior pólo do setor na Região de Curitiba. Em 2010, o setor teve um crescimento de mais de oito por cento, gerando 1.300 empregos diretos e 5.200 indiretos. A cidade participa e se destaca na 4ª Expocer – Feira de Fornecedores para a Indústria Cerâmica e Mineral, que trata também de assuntos para desenvolvimento da tecnologia no setor.

ESPORTE EM FOCO Pelo menos 18 atletas de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, participam do Circuito Brasileiro Paraolímpico, durante este final de semana. Ao todo, 500 esportistas da regional Rio-Sul estão inscritos. Esses representantes de sete Estados vão disputar vagas nas etapas nacionais do circuito. É uma fase para descobrir talentos e incentivar o esporte.

APOIANDO FOZ O aeroporto de Foz do Iguaçu pode vir a ter novo atendimento governamental com a sugestão de uma parceria Público-Privada, PP. Essa proposta já tem admiração e o apoio de figuras representativas não só na cidade e do trade turístico, como de industriais, comerciantes e políticos. A senadora Gleisi Hoffmann entende que em maio tal proposição poderá estar em mãos da presidente Dilma Roussef. Hoje o aeroporto tem 266 vôos diários e uma média de 135 mil embarques e desembarques mensais. Este ano o aeroporto deve ultrapassar a sua capacidade limite, de 1,5 milhão de passageiros, conforme destaca a jornalista Fabiula Wureister, da Gazeta do Povo.

Secretário José Richa Filho e o superintendente da Appa, Airton Vidal Maron, firmaram com representantes do Porto de Barcelona

de cooperação. O objetivo do acordo é fidelizar e intensificar o tráfego de produtos entre os portos paranaenses e o porto de Barcelona. Foi marcada para o próximo dia 23 de maio a assinatura do protocolo na Espanha, quando o ministro dos Portos Leonidas Cristino estará em Barcelona integrando uma missão do setor portuário brasileiro. O objetivo do acordo entre a Appa e o Porto de Barcelona é a troca de experiências para o desenvolvimento de projetos conjuntos no âmbito portuário com a finalidade de aumentar a agilidade e eficiência das transações comerciais entre ambos os portos. A Intermodal South America é o mais importante encontro de negócios dos setores de logística, transporte de carga e de comércio internacional das Amé-

ricas. Este ano, a Appa participa da feira com 20 empresas parceiras. De acordo com o superintendente da Appa, o objetivo é mostrar a integração entre os atores portuários e apresentar as soluções logísticas adotadas nos portos paranaenses para o fluxo de mercadorias. O estande dos portos de Paranaguá e Antonina é compartilhado com a ALL, Fospar, Fransilva, TWJM, Multitrans, Pasa, CPA, Álcool do Paraná, Fortesolo, Ponta do Felix, Teapar, Marcon, Porto Seco de Maringá, Cargill, Rocha, Matini Meat, Sal Diana, Cattalini, Grano Logística, TCP, Harbor, InterAlli, Céu Azul, Coamo, Sea Logic, Gransol e Cotriguaçu. A feira acontece entre os dias 05 a 07 de abril, no Transamérica Expo Center, em São Paulo, e está aberta apenas para profissionais, das 13 às 21h.

FEIRA E RECREAÇÃO A 21ª Feira do Peixe Vivo acontece nos dias 20 e 21 de abril no município de Araucária, na região de Curitiba. A festa, já tradicional, promove a comercialização de peixes como tilápias e carpa, beneficiando os piscicultores locais. Oferece ainda atividades recreativas para as crianças, feira gastronômica e prêmio para o produtor que apresentar o maior peixe. A feira será no Parque Cachoeira.

ESTACIONAR EM MARINGÁ As vagas de estacionamento destinadas a idosos e deficientes não tem sido respeitadas em Maringá. O Conselho Nacional de Trânsito define que cinco por cento delas sejam destinadas a idosos e dois por cento para deficientes, mas o Estacionamento Rotativo (Estar) no município reserva menos. Além disso, muitos motoristas insistem em parar nessas vagas sem estarem habilitados para usá-las.

NOSSA JUSTIÇA No Brasil, em quase 70% das ações por crime de injúria racial ou racismo quem ganha é o réu. É o que mostra uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Isso acontece especialmente pela dificuldade de se conseguir provas comprovando o crime. A pesquisa analisou Tribunais de Justiça de todos os Estados entre 2007 e 2008.

REFORMA NA RODOVIÁRIA O terminal rodoviário José Cattani, em de Pato Branco, no Sudoeste, vai receber reformas para facilitar o acesso de pessoas com deficiência física. As obras devem começar já no primeiro semestre, com um investimento de 120 mil reais. A rodoviária também terá reformas nos telhados e na pintura, a fim de deixá-lo mais bonito para os turistas que chegam.

MEIO AMBIENTE

EXPEDIENTE

Medida garante repasse de veículos ao IAP Uma medida de compensação ambiental, prevista no licenciamento para implantação da Unidade de Destilaria de Álcool Etílico Carburante da Cooperativa Agrícola Regional de Produtores de Cana Ltda, localizada no município de Amaporã, região Norte do Estado, garantiu a doação de

seis novos veículos aos escritórios regionais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Os carros, cujo valor total é de R$ 327 mil, irão reforçar a frota dos escritórios regionais de Jacarezinho, Cianorte e Paranavaí. O presidente do Instituto Ambiental do Paraná, Luiz

Tarcísio Mossato Pinto, lembrou que a medida de compensação ambiental é prevista por lei federal. "Os veículos reforçarão a infraestrutura dos escritórios regionais, permitindo melhores condições de trabalho em campo na realização de vistorias. licenciamentos e fiscalizações",

disse o presidente. Segundo ele, os veículos foram repassados aos escritórios com mais necessidades. Todos os veículos entregues, em sua maioria caminhonetes, são propícios para o trabalho em campo e para as condições de trabalho em áreas rurais.

Informe da Câmara Municipal de Curitiba Cidade ganha usina de reciclagem de sólidos O vereador Felipe Braga Côrtes (PSDB) participou da inauguração da Usina de Recicláveis Sólidos Paraná (Usipar), localizada em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. Com um investimento inicial de R$ 7 milhões, ocupando uma área de 54 mil metros quadrados, a empresa, aberta recentemente, vai atuar na reciclagem de sobra de materiais da construção civil em Curitiba. O parlamentar foi convidado pelos empresários Adonai Aires de Arruda, Adilson Penteado, Silvio Gaspar, representando a Empartic, e Alexandre Graeser

Blaszezyk por se preocupar com as questões referentes ao setor. Em 2005, Felipe Braga Côrtes elaborou documento, anexado à lei de autoria do presidente da Câmara de Curitiba, João Cláudio Derosso (PSDB), e da então vereadora Roseli Isidoro (PT), com os procedimentos indicados para a coleta do material e implantação de transbordos. De acordo com o documento, a coleta de resíduos deve ser feita em instalações de recebimento em diversas regiões da cidade, indicadas pela prefeitura.

Diário

Indústria&Comércio Fundado em 2 de setembro de 1976 Fundador e Presidente Odone Fortes Martins Reg.Prof. DRT/PR: 6993 (ofm@induscom.com.br) Administração Irene Morva Martins (diretoria@induscom.com.br) Diretor de Redação Eliseu Tisato Reg.Prof. DRT/PR: 7568 (editor@induscom.com.br) Redação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fone: (41) 3333.9800 E-mail: pauta@induscom.com.br Publicidade Legal e Assinaturas: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3334.4665 e-mail: publegal@induscom.com.br

Parque Gráfico e Circulação: Rua Imaculada Conceição, 205 - Curitiba - PR Fones: (41) 3333.9800 | 3322.1012 Direção e Comercial: Rua Presidente Faria, 533 Centro - Curitiba - CEP: 80020-290 Fone: (41) 3322.1012 e-mail: diretoria@induscom.com.br comercial@induscom.com.br

NEW CAST PUBLICIDADE & MARKETING BRASÍLIA E RIO DE JANEIRO Atendimento : Flávio Trombieri Moreira – Cel.: (61) 8155 2020 Endereço: SRTVS Quadra 701 Bloco K Sala 624 – Edifício Embassy Tower – Brasília DF - Cep.: 70.340 – 908 Fone/Fax: (61) 3223 4081 E-mail: new.cast@uol.com.br / new.cast@hotmail.com

Os artigos assinados que publicamos não representam necessariamente a opinião do jornal.


GeralEstadual Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A3 | Indústria&Comércio prpress@terra.com.br

aroldo@cienciaefe.org.br

Aroldo Murá G.Haygert DE QUANDO O “CEMITÉRIO” ESCONDIA LIVROS VETADOS A Biblioteca Pública do Paraná que o jornalista e editor Rogério Pereira está começando a dirigir não guardou memória de um dos espaços que faziam o “de- Rogério Pereira: projetos leite e a curiosidade “ dos jovens freqüentadores da BPP, nos 1950 a 1960. Era a sala chamada de “Cemitério”, que o pessoal de minha geração sabia identificar muito bem, no terceiro andar, defronte à sala da direção geral. Fechada a sete chaves, só seu guardião tinha acesso ao espaço. Sobre nós ela exercia o fascínio do fruto proibido, gerava mil e um vôos. O “Cemitério” tinha, como zeloso guardião, o bibliotecário Ângelo Antônio Dallegrave, que na sala, geradora de surdos protestos, escondia todos os livros que ele considerava “imorais” ou “impróprios”. Dallegrave era também o censor, aquele que criou seu próprio “index librorum prohibitorum” – a relação dos livros proibidos. O catálogo das proibições estava na cabeça dele e com ele desapareceu.

O “CEMITÉRIO” – 2 Homem bom, religioso, zeloso da interpretação de um catolicismo ultramontano, pré-Concílio Vaticano II, o professor Dallegrave ali depositava livros “imorais ou que se opusessem à fé”, como me recorda uma antiga bibliotecária. Lá se escondiam das vistas do leitor obras como as de Pitigrilli, Cassandra Rios, Oscar Wilde (alguns), títulos que contestassem dogmas da fé cristã, o Kamasutra, volumes que de alguma forma procurassem passar informações sobre sexo para as novas gerações e, até, os de apologética protestante. E obras que fizessem apologia do espiritismo também entravam nas proibições, especialmente quando pregavam teses reencarnacionistas. A propósito: Geraldo Dallegrave, irmão de Ângelo, depois se tornaria um dos mais férteis autores brasileiros anti-kardecismo.

O “CEMITÉRIO” - 3 “A Carne”, de Julio Ribeiro, e “O Ateneu”, de Raul Pompéia, não devem ter escapado da indexação.

O novo diretor certamente um dia tratará de levantar esse capítulo, e outros da memória da instituição. Afinal, a BPP tem história: foi dirigida por alguns ícones da vida paranaense, como o filósofo Castilho, o professor e filósofo Ubaldo Puppi, o jurista José Lamartine Correa Lyra, o gramático Luiz Gonzaga Paul, a bibliotecária Marilena Zicarreli Millarch...

BIBLIOTECA PARA OS DIAS DE HOJE Rogério tem planos ousados. Não necessariamente caros. Os mais imediatos implicam – como abordei ontem – informatizar a BPP, fazendo com que os consulentes tenham em cada sala acesso aos dados informatizados sobre o acervo. É o mínimo que se pode esperar de uma biblioteca pública, enfim. Enquanto a burocracia corre, com licitações e tomadas de preço, Rogério toma algumas decisões que, de alguma forma, poderão fazer a BPP re- Ennio Marques cuperar o Ferreira: testemunha brilho de outros anos. Isto porque até o final dos 1970s o espaço da Biblioteca era de uma efervescência cultural sem par. Querem exemplo: Ennio Marques Ferreira e Eduardo Rocha Virmond podem falar sobre a grande exposição de arte dos muralistas mexicanos, lá realizada no começo dos 1960s. Foi preciso acurada engenharia Eduardo Rocha Virmond: para a monmuralistas na BPP tagem de obras de muralistas como Rivera e Tamayo (nomes que não exigem apresentações).

MAIS ALEGRE, MAIS AREJADA Sabe Rogério Pereira que o prédio histórico da BPP não comporta alterações arquitetônicas, por motivos óbvios. Mas está disposto a garantir à casa uma certa alegria, com a pintura de paredes com cores vivas, tudo

para tornar o ambiente mais agradável. Mais que isso: o projeto de recuperação da importância da BPP, como centro cultural que foi no passado, já começa a se materializar: de 27 a 29 deste mês, começa a série de oficinas, como a Oficina de Crônica, a cargo de Roberto Werneck. As oficinas ocorrerão o ano todo, com escritores ensinando ou sugerindo as criações literárias o ano todo.

MAIS ALEGRE, MAIS AREJADA – 2 Enfim, tornar a BPP mais alegre e mais arejada é ótimo. Até porque o novo diretor quer fazê-la reviver grandes dias, como os tempos – quem sabe – que recebia grandes mostras oficiais de arte. Uma delas, o Salão Paranaense. Tão importante quanto o Paranaense, que por lá passou, foi o auditório da BPP, com a apresentação de filmes de arte que não encontravam espaço nos cinemas comerciais. E, em consequência, nasceu ali, e cresceu, com repercussão na intelligentsia local, a Cinemateca da BPP.

Panorama Político Pedro Washington

Realidade nacional No momento em que o PSD (Partido Social Democrático) começa a tomar forma, tirando massa política de outros partidos como o DEM, PP, PPS, PR e até PMDB, (pelo descontentamento de Marina Silva até o PV pode ser esvaziado), movimento liderado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso começa a tomar corpo. Discute o papel da oposição, até agora sem rumo. O partido fundado por Kassab, prefeito de São Paulo, arregimenta descontentes das outras agremiações. Pode vir a ser nos próximos tempos, a quarta força da Câmara, com extensão em todos os estados e municípios. “Dissidência” bem vista pelo Palácio do Planalto que, em relação à oposição aposta no “quanto mais fraca melhor”! Esse fato comprova que não apenas a opinião pública mostra-se insatisfeita com a política brasileira. Um partido a mais não muda nada. Essenciais seriam as reformas e partidos fortes, com programas definidos e respeitados. Não é o caso do PSD. Mais um amorfo como o PMDB. Nesse item só o PCdoB e o PT ainda apresentam alguma coerência. A tentativa de FHC, embora com afirmações à revista Interesse Nacional que possam dar margem a desvirtuamento, como, “deixar de disputar o povão com o PT, que o conquistou por políticas populistas e se aproximar da classe média”, tem sentido. Inclusive a criação do Observador Político, um site de relacionamento apartidário para se discutir os grandes temas nacionais, dos quais o Congresso passa ao largo. Até porque, esse foi um problema de Brasília desde sua criação, a ponto de merecer o epíteto de “ilha da fantasia”. Ainda hoje deixa os que lá estão, fora da realidade. Nem os modernos meios de comunicação que trazem e levam informações instantaneamente, foram capazes de inserir Brasília no contexto nacional.

Explicação Há quem não entenda a necessidade de deputados federais ( e estaduais) voltarem às suas bases semanalmente, atividade extremamente desgastante. É nelas que se abastecem para levar reivindicações a Brasília (e Curitiba). Não fora isso e seriam todos, isolados e alienados. Não por acaso, por viverem a realidade, especialmente os prefeitos do interior reivindicam a revisão do pacto federativo.

De cima para baixo Cristovão Tezza: depoimento

Por ora, há que se saudar a disposição da nova direção em promover o evento periódico “Um Escritor na BPP”. Começará em maio, com Cristóvão Tezza. Promete ser o início de uma série de depoimentos de bons escritores que, gravados, depois serão editados em livro. Enfim, sopram ventos novos na casa que ainda é orgulho de Curitiba, às vezes subutilizada, é verdade. Mas que tem um amplo compromisso com seu passado. E que, perseguindo o futuro, vai se desfazendo da idéia de ser um “depósito de livros”.

RECUPERADO Deu um susto nos amigos a internação do jornalista Celso Nascimento, no final de semana, no Hospital N.S. das Graças. Só susto, graças. Está tudo OK com ele. Na semana que vem, volta à coluna de análise política que, certamente, faz um dos maiores índices de leitura na Gazeta do Povo.

Este será o tema principal da 14a Marcha dos Prefeitos a Brasília. Da Capital Federal só têm vindo para os municípios, novas obrigações, sem os recursos correspondentes. Daí a saudade que os que viveram à época têm, do único presidente do período revolucionário, Castelo Branco, que deu força ao municipalismo. De lá para cá aumentam as exigências, sem dinheiro novo.

Municipalismo no sangue Este colunista, na dedicatória do primeiro (1983) dos 5 livros que produziu sob o título Paraná Político, escreveu: “A meu pai, Benedito Dias de Almeida (Sinhô), que sentiu na alma a angústia de ser vereador e prefeito de pequena cidade do interior, num país de economia centralizada”.

Efeito colateral Uma decisão a discussão antecipada pelo PSD B e PMDB, sobre as eleições de 2012, produziu no PT. Alegando sua dedicação ao Plano Nacional de Educação, em discussão na Câmara Federal, do qual é Relator, o deputado Ângelo Vanhoni já retira seu nome da disputa municipal. Abre espaço para a disputa entre Dr. Rosinha e Tadeu Veneri.

Contra o tempo A propósito de 2012: não estranha que o PSD de Kassab (partido já inicia com dono) seja em princípio composto por quem, portador de mandato, não tem que participar dessa disputa. As 500 mil assinaturas necessárias para dar forma jurídica ao partido a tempo de apresentar candidatos a essa disputa, precisam estar no TSE um ano antes, isto é, até 1º de outubro.

Em choque

ENCONTRO

Richa realiza em Londrina a 1º audiência pública do governo

O

governador Beto Ri cha realiza nesta sex ta-feira (15/04), em Londrina, a primeira audiência pública do Governo do Estado. O encontro será realizado a partir das 10h, no Parque de Exposições Ney Braga, e vai reunir integrantes do primeiro escalão da administração estadual, entidades representativas de setores econômicos e de classe, moradores e lideranças políticas do Norte paranaense. "Esta será a primeira de uma série de audiências que faremos em todo o Estado para ouvir a população que vive no interior, buscando trabalhar em parceria no aproveitamento de oportunidades e na resolução de problemas. Teremos um diálogo permanente com os paranaenses", afirma o governador Beto Richa, que promoveu mais de 300 audiências públicas quando era prefeito de Curitiba. Segundo Richa, a proximidade do gestor público com a população permite uma visão

mais apurada da situação de cada localidade e ajuda no desenvolvimento de projetos e programas que podem contribuir com o desenvolvimento econômico e social. "Este é um canal direto do cidadão com o governo para discutir a resolução de problemas na infraestrutura, educação, saúde, segurança e outras áreas que precisam de atenção do Estado", completa o governador. "Todos ficarão à disposição dos participantes da audiência para encaminhar pedidos e demandas que surgirem no encontro", informa Richa. ao encontro os secretários Fernanda Richa (Família e Desenvolvimento Social), DurPRESENÇA A audiência acontece du- val Amaral (Casa Civil), Luiz rante a 51ª Exposição Agro- Carlos Hauly (Fazenda), pecuária e Industrial de Lon- Norberto Ortigara (Agriculdrina (ExpoLondrina - 2011), tura), Michele Caputo Neto no recinto José Garcia Moli- (Saúde), José Richa Filho na. Além de Richa, do vice- (Infraestrutura e Logística), governador Flávio Arns, que Jonel Iurk (Meio Ambiente), também é secretário da Edu- Cezar Silvestri (Desenvolvicação, e do líder do governo mento Urbano), Reinaldo de na Assembléia Legislativa, Almeida Cesar (Segurança deputado estadual Ademar Pública), Maria Tereza Uille Traiano, estarão presentes Gomes (Justiça), Luiz Cláu-

dio Romanelli (Trabalho) e Vitor Hugo Baselli Dantas, responsável pelos Assuntos da Região Metropolitana de Londrina. Também foram convocados para a audiência os presidentes da Sanepar, Fernando Ghignone, da Copel, Lindolfo Zimmer, da Cohapar, Mounir Chaowiche, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Florindo Dalberto, do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Tarcisio Mossato Pinto.

Com mais R$ 24,1 mil reais no bolso mensalmente, por ora em caráter liminar que pode ser alterado, o senador Requião está todo faceiro. Especialmente por ter derrubado a decisão de Beto Richa, um dos muitos inimigos que tem.

Paraná terá plano diretor para transporte coletivo O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) fará uma radiografia do transporte coletivo intermunicipal, que ainda opera com modelos de 40 anos atrás. A vencedora da licitação para elaborar o Plano Diretor do Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado do Paraná foi a paranaense Engefoto, empresa de consultoria de engenharia de transportes e geomática (uso da geografia e da informática). O investimento previsto para o estudo é de R$ 3,7 milhões. De acordo com o diretorgeral do DER, Amauri Medeiros Cavalcanti, existe a necessidade de rever os atuais contratos das linhas de transporte coletivo intermunicipal. Para isso, a empresa contratada realizará um estudo multidisciplinar com a finalidade de apresentar soluções modernas para o serviço. A elaboração de um estudo prévio, segundo o DER,

evita a composição de um sistema baseado apenas em dados empíricos, o que seria prejudicial à sociedade. Por isso, a importância do plano diretor, que atenderá as necessidades dos usuários para as próximas décadas, acrescentou Amauri Medeiros Cavalcanti. O plano diretor exigirá a elaboração de complexas estatísticas de movimentação de ônibus de passageiros no Estado, acompanhadas de estudos econômicos por microrregião, levantamentos demográficos de fluxo de pessoas e análise de infraestrutura e otimização dos traçados, com a finalidade de obter um cálculo justo de tarifas. A previsão é que o trabalho seja concluído em 12 meses, após o que o DER poderá licitar os trajetos. Segundo o DER, os dados do estudo serão obtidos com a colocação de entrevistadores nas rodoviárias


Saúde&BemEstar Indústria&Comércio

Ronco e apnéia do sono

Divulgação

reportagem@induscom.com.br Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A4

PREVENÇÃO

Cuidado você pode estar hipertenso e não sabe Divulgação

N

o dia 26 de abril, comemora-se o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. A campanha desenvolvida pelo Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia traz como tema para 2011 a prevenção, diagnóstico, tratamento e controle da hipertensão. No Brasil, estima-se que há 50 milhões de pessoas hipertensas, segundo dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). Porém, apenas 50% dos casos são diagnosticados e a outra metade não sabe que apresenta a doença. Ainda de acordo com a SBH, dos diagnosticados, apenas 40% estão em tratamento, o que representa aproximadamente 10 milhões de pacientes. Para o cardiologista do

No Brasil estima-se que há 50 milhões de pessoas hipertensas.

Hospital Nossa Senhora das Graças, Alexandre Alessi o desafio da campanha é conscientizar a população sobre este importante fator de risco cardiovascular, que causa as duas doenças que mais matam pessoas no Brasil: o acidente vascular cerebral e o infarto

do miocárdio. “Se a doença for tratada corretamente há uma redução de 50% de derrame (AVC), 30% de infartos do miocárdio e 50% de desenvolver insuficiência cardíaca e insuficiência renal”, enfatiza o cardiologista. A hipertensão arterial ou

pressão alta é uma doença caracterizada pelo aumento de pressão do sangue na parede das artérias, que fica acima dos valores considerados normais. “A maioria dos hipertensos não apresenta nenhum sintoma no início da doença, a única maneira de saber se a pressão está alta é aferi-la regularmente”, explica. Quando está maior ou igual a 140/90 mmHg (14 por 9) a pessoa pode sentir dores de cabeça, cansaço, tontura e ter sangramentos pelo nariz. Existem alguns fatores que potencializam os sintomas da hipertensão, entre eles: excesso de peso, alimentação não saudável, ingestão excessiva de sal, sedentarismo, consumo elevado de bebida alcoólica, diabetes, idade acima de 55 anos e histórico familiar.

EM MAIO

O ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler, da Köhler Ortofacial e membro da Associação Brasileira de Sono, participou, em Curitiba, do 2º Curso Multidisciplinar de Atualização em Ronco e Apnéia Obstrutiva do Sono em Adultos. “Os ortodontistas e ortopedistas faciais vêm ocupando gradativamente seu espaço nas equipes médicas interdisciplinares que atuam na área de normalização do sono, sempre com atuação delimitada com base nos consensos médicos. As anormalidades morfológicas craniofaciais – área de atuação dos ortodontistas – estão entre as inúmeras causas geradoras dos distúrbios do sono”, ressalta Köhler.

Vacinação contra a gripe Caixa de Assistência dos Advogados do Paraná (CAA/PR) deu início, à campanha de vacinação contra a gripe para os advogados de Curitiba e região, regularmente inscritos na OAB Paraná, com valores subsidiados.O preço normal da vacina é de R$ 60,00. Com o subsídio da Caixa dos Advogados, o custo será de R$ 20,00 para advogados e de R$ 40,00 para dependentes. A campanha segue até o dia 11 de maio e os interessados devem solicitar liberação para atendimento pelo fone 0800-645 2005.

Manipulação Homeoterápica

Curitiba recebe Congresso Internacional sobre doenças sexualmente transmissíveis Os Congressos DST/AIDS, de 18 a 21 de maio, cujo tema “O impacto das DSTs na mulher”, estão com as vagas ao fim. É aberto a profissionais da área de saúde, estudantes de graduação, pós-graduação e Organizações Não-Governamentais (ONGs), quem tenham interesse em conhecimentos sobre as DSTs, em especial a AIDS. As inscrições para quem gostaria de participar dos resumos de temas livres e pôsteres a serem divulgados nas datas do evento foram finalizadas no último dia 31 com 654 trabalhos inscritos. O evento conta com convidados internacionais como Estados Unidos, Inglaterra, Argentina, Chile, África do Sul, Cuba, Honduras, Uruguai, Peru, República Dominicana e Honduras. O Comitê Executivo conta com renomados profissionais das mais importantes universidades do País. Da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e médicos do Hospi-

Divulgação

O congresso terá como tema principal “O impacto das DSTs na mulher”

tal de Clínicas (HC), o presidente do congresso Newton Sergio de Carvalho que é professor e chefe do departamento de Tocoginecologia do Setor de Ciências da Saúde; e Claudete Regiane, chefe do

Setor de Ciências da Saúde. Newton Sergio de Carvalho abordará a respeito do HPV e câncer genital e anal em um dos simpósios. Outros profissionais também enfatizarão a transmissão das DST e as pre-

venções de cada agente. Oficinas tratarão de questões sexuais nas áreas educativas, preventivas, institucionais, religiosas e meios de comunicação, entre outras. O Congresso será pontuado no Conselho Nacional de Acreditação (CNA) para várias especialidades médicas na maioria com 10 pontos, e estarão em pauta cursos de pré-congressos como: DSTs para profissionais da rede de atenção básica à saúde, vigilância epidemiológica das DST e assuntos sobre sexualidade, vulnerabilidade e prevenção das DST/HIV/AIDS, no dia 18 de maio de 2011 com vagas limitadas e contará com o Work- shop “Fique sabendo: como fazer?”, que fará testes rápidos do HIV para os participantes nos stands do Departamento de DSTs/AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Mais informações sobre o congresso e critérios para inscrição no site www. dstaids2011.com.br.

COMPORTAMENTO

Compensa fazer uma plástica apenas para se vingar do ex-marido? Divulgação

Uma matéria do inglês Daily Mail publicada recentemente, traz informações sobre o que seria uma tendência comportamental entre as britânicas: a realização de plásticas como forma de vingança contra os ex-maridos. Este “novo recomeço” está sendo apelidado de “cirurgia de vingança”. Segundo estatísticas divulgadas no começo do ano, as mulheres divorciadas respondem, hoje, por um quarto de todas as cirurgias plásticas realizadas no Reino Unido. E muitas deste grupo admitem que se submetem a diversos procedimentos cirúrgicos para “surpreender” ou para “atacar o brio” do excompanheiro. Nos EUA, local onde todas as idéias podem ser comercializadas, algumas clínicas de cirurgia plástica já oferecem

CMYK

Não são somente as mulheres divorciadas que chegam aos consultórios de cirurgia plástica com este desejo: o de se reinventar”.

pacotes de divórcio para homens e mulheres, que procuram a cirurgia, depois de uma separação. Apesar dos benefícios da cirurgia plástica serem inegáveis, antes ou logo após uma separação, o que os estudiosos do tema se perguntam é se é correto tirar proveito da infelicidade e da

fragilidade alheias. “Não são somente as mulheres divorciadas que chegam aos consultórios de cirurgia plástica com este desejo: o de ‘se reinventar’. O executivo desempregado, a filha preterida, o adolescente com mamas aparentes, a sexagenária que acabou de fi-

car viúva, a modelo que não pode perder um grande trabalho no exterior, a imigrante japonesa insatisfeita com suas pálpebras e muitos outros pacientes acalentam o mesmo desejo: virar uma página da vida, transformandose em ‘outra pessoa’”, diz o cirurgião plástico, Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

Para essa Páscoa, a farmácia de manipulação Homeoterápica desenvolveu uma loção hidratante com aspecto e essência de chocolate. ”A manteiga de cacau é um produto muito procurado nessa época do ano e a essência de chocolate tem um aroma que provoca estímulos. Dessa forma, ambos são aliados da indústria cosmética, pois são ricos em componentes nutritivos e auxiliam na hidratação da pele e dos lábios”, afirma Eneida Janiscki Da Lozzo, Mestre e Doutora em Bioquímica, responsável pela Homeoterápica Farmácia de Manipulação. Homeoterápica que fica na Rua Marcelino Nogueira, 73 (41) 3356-1187, Bacacheri.

Aulas de hatha yoga. As Faculdades Integradas Espírita estão com a participação aberta em aulas práticas de hatha yoga. A atividade é ministrada por estagiários do curso sequencial de Yoga com ênfase em Yogaterapia da instituição, sob a supervisão de professores, e ocorre de segunda a sexta-feira, das 17h45 às 18h45. O investimento é a doação de alimentos não perecíveis ou latas de leite em pó, que serão revertidos à Escola Rural Onofre Soares. Mantida pelas FIES em São José dos Pinhais, a instituição atende 260 crianças carentes. Mais informações no www.faculdade espirita.com.br ou pelos telefones (41) 3111-1745 begin_of_the_skype_highlighting

Cuidado com a pele A Clínica Onodera Estética, oferece mais de 30 tratamentos para rejuvenescimento, hidratação, acne e manchas, que visam a uma pele mais bonita e tonificada, como, por exemplo, os resultados obtidos com os tratamentos a laser Harmony e a depilação definitiva Light Sheer. Os tratamentos faciais estão com promoção de descontos progressivos. A cada sessão que a cliente adquirir, ela terá mais descontos. Na primeira compra serão 5% de desconto, na segunda, 10%, na terceira, 20%, na quarta, 30% e, na quinta, 40%. Os descontos não são cumulativos. Rua Augusto Stresser, 572 Juvevê. Telefone: 41 3049-2444 begin_of_the_skype_highlighting / end_of_the_ skype_highlighting.

Saúde dos olhos Engana-se quem pensa que é necessário usar óculos de sol apenas quando está exposto ao sol. É preciso cuidar e muito bem da saúde dos olhos e para isso, protegê-los mesmo estando a sombra. A proteção a sombra se faz necessária em virtude de radiações ultravioleta UVA e UVB que prejudicam o cristalino, a retina e a córnea. O óculos é um acessório obrigatório para cuidar bem da saúde dos olhos. Segundo Felipe Rigoni, sócio-proprietário da LUV Eyes Style, diz que “as pessoas devem usar um óculos para cada ocasião”. Estando dentro do carro ou próximo a uma janela, lembre-se de fazer uso do querido óculos de sol. Desta forma, as pessoas podem utilizar o óculos de sol como um acessório. “Temos um preço diferenciado para que as pessoas possam comprar diversos modelos, que combinem com a ocasião e com a roupa que vão usar”, comenta o sócio- proprietário da loja.


Geral Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A5 | Indústria&Comércio

Fábio Campana

Contexto Político Um dos maestros O deputado Caíto Quintana (PMDB) é um dos mais indignados com o diagnóstico do Paraná depois de oito anos de Requião e Pessuti apresentado pelo governo Richa. Só parte dessa indignação decorre de solidariedade para com o ex-governador, que o demitiu em abril de 2006 e o substituiu por Rafael Iatauro. Caíto também procura se preservar porque, como chefe da Casa Civil do penúltimo governo Requião, foi um dos maestros do caos e do fracasso daquela gestão. Cabia a Caíto dar suporte para iniciativas fracassadas de Requião como baixar o pedágio (não baixou nem acabou) e loucuras como aquela de proibir o plantio e a exportação de soja transgênica no Paraná, contrariando legislação federal (provocou a perda da importância de Paranaguá como porto graneleiro). Para escapar das consequênci-

editor@fabiocampana.com.br

as desse passado nebuloso, Caíto lança mão da retórica de causídico da progressista Planalto. Argumenta, por exemplo, que o passivo trabalhista levantado pelo diagnóstico de Richa incluiria ações que remontam a governos anteriores a Requião. Diante de um quadro desastroso, de um rombo constatado de R$ 4,5 bilhões, esse argumento não é nada, não é nada mesmo.

Licitação Vai acabar a festa dos milhões do contrato guarda-chuva com a empresa de fotocópias H. Print que dura mais de seis anos. De aditivos em aditivos alguém enchia o papo. Alguns órgãos acabavam por pagar pelo uso de outros e nada sabiam sobre o controle feito pela Secretaria de Administração. O sistema de cálculo da divisão dos custos era indecifrável. Este contrato foi denunciado aqui no blog nos últimos anos e também na coletiva feita pelo secretario da Casa Civil Durval Amaral. Vai ter nova licitação

nos próximos dias, por determinação do governador Beto Richa (PSDB) e do secretario da Administração Luis Eduardo Sebastiani.

Só dois Foi fundado nesta quarta-feira (13), simbolicamente em Brasília, o Partido Social Democrático (PSD). Do Paraná, somente dois parlamentares estavam presentes no evento, os deputados Eduardo Sciarra (ex-DEM) e Ney Leprevost (ex-PP). Sciarra é o responsável por comandar o partido no Estado e promete agregar outros paranaenses ao PSD até a entrega da ata de fundação ao Tribunal Superior Eleitoral, dentro de 60 dias. Já Ney Leprevost ficou responsável por estruturar o PSD em Curitiba e na Região Metropolitana.

Requião também Requião mostrou-se escandalizado com a nomeação do ex-ator Valter Pagliosa para o cargo de chefe regional do IAP. O resultado foi a demissão de Pagliosa do car-

go e da instituição. Mas não questionou a nomeação da atriz Ittala Nandi para coordenar a Escola Superior Sul-Americana de Cinema e TV do Governo do Estado, criada pelo próprio Requião, levando em conta seu vasto currículo cinematográfico e televisivo. A competência e dedicação de Ittala no governo são inquestionáveis. Mas também é inquestionável que a atriz trabalhou em diversos filmes com conteúdo erótico. No filme “Luz del Fuego”, por exemplo, parte do elenco atuava mais sem roupa do que vestido.

Bronze indesejado O Paraná está em terceiro lugar no ranking de número de mortes em acidentes de trânsito. A estatística foi divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Sangari, no segundo caderno complementar do Mapa da Violência. Um bronze indesejado. Segundo o estudo – que traz dados de 2008 – ocorreram no Paraná 3.217 mortes em função de acidentes de trânsito. Em São Pau-

lo, onde ocorreu o maior número de mortes, 7.499 perderam a vida no trânsito. Em segundo lugar nesta estatística, Minas Gerais, onde morreram 4.001 pessoas neste tipo de acidente.

Na mira A prefeitura de Dois Vizinhos está na mira do Ministério Público. Três ações por improbidade administrativa foram movidas contra a administração municipal. As denúncias são de irregularidades em licitações, contra o prefeito José Luiz Ramúski, um funcionário do Departamento de Compras e empresários da região. Os processos apontam falta de competitividade nos editais, por falta de participantes, o que teria gerado prejuízo de 180 mil reais aos cofres públicos. Uma das licitações se refere ao transporte de doentes para outras cidades, outra é sobre monitoramento de alarmes e a terceira sobre o auxílio em velórios e funerais para a população de baixa renda.

FISCALIZAÇÃO

CRESCIMENTO

TCE e Ministério terão acesso a atos lesivos na gestão pública

Porto de Paranaguá amplia exportação de açúcar

Indícios da prática de atos irregulares podem levar ao enquadramento dos agentes públicos

O

Governo do Paraná vai encaminhar na segun da-feira (18) ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público Estadual o diagnóstico da situação estrutural e administrativa do Estado e os documentos que deram origem ao relatório elaborado pela Secretaria Especial do Controle Interno. O trabalho conta com apoio da Procuradoria Geral do Estado. "São evidências de irregularidades e atos lesivos ao patrimônio público e denunciá-las é nosso dever de ofício", afirmou o secretário de Controle Interno, Mauro Munhoz. Os indícios da prática de atos irregulares apontados na documentação podem levar ao enquadramento e responsabilização dos agentes públicos por improbidade administrativa e infração às legislações eleitoral (Lei n° 9.504/97 - VI, Art. 73), de licitações (Lei n° 8.666/93) e de responsabilidade fiscal (Lei n° 8.429/92). "O Tribunal de Contas poderá considerar inelegível o gestor que não respeitou as normas e leis e a Justiça poderá responsabilizar e penalizar as

pessoas envolvidas", afirmou o secretário. A principal questão diz respeito à Secretaria de Desenvolvimento Urbano e ParanaCidade, onde foram encontradas irregularidades como licitações de obras civis na modalidade de registro de preços, o que é vedado pela Lei de Licitações; convênios e contratos assinados durante período eleitoral; e falta de recursos para honrar compromissos assumidos no último ano de gestão. Um exemplo de irregularidade encontrada na Sedu é o Programa de Recuperação Asfáltica de Pavimento (Recap). Foram assinados 335 convênios do Recap com prefeituras, sem que o Estado tivesse recursos financeiros para honrar os compromissos. Faltam R$ 35 milhões em caixa, na conta de restos a pagar, que são necessários para atender os R$ 70 milhões previstos no programa. "Esse é o típico flagrante de desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal e um comportamento que deve ser varrido da administração pública para sempre", disse o secretário. Apenas cinco convênios

foram concluídos no prazo. Do restante, além de grande parte ter sido assinada durante o período eleitoral, em 2010, nenhum possui termos aditivos de prazo. Estão sendo cancelados 320 contratos do Recap e serão honrados apenas os pagamentos de obras que as prefeituras conseguiram iniciar antes de 31 de dezembro de 2010. O modelo irregular de licitação para obras, na modalidade de registro de preços, também foi usado na gestão passada na Sedu para construção de Centros de Referência de Assistência Social, escolas, centros da juventude e centro de saúde da mulher e da criança. Em muitas dessas obras, a publicação do termo de adesão se deu em período eleitoral, ou não houve a publicação no Diário Oficial do segundo termo aditivo. Em algumas escolas municipais, além do registro de preços, foram feitos aditivos contratuais antes do início das obras e também transferências voluntárias, na forma de convênio com prefeituras, sem que houvesse plano de trabalho. Outras receberam autorização para contratação da execução da obra

pela Secretaria de Educação e pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano antes mesmo da assinatura do termo de adesão ao convênio pelas prefeituras.

Pagamento O secretário Mauro Munhoz também está preparando para encaminhamento ao Ministério Público Estadual e Federal e ao TCE documentos relacionados à questão do pagamento indevido de encargos especiais a comissionados, o chamado "turbinamento". Foram identificados 419 casos, com gasto total de R$ 12 milhões, no período de 2005 a 2010. Por meio desse procedimento, pessoas contratadas em cargos comissionados recebiam salários de cargos superiores, numa manobra que resultou em aumentos de até quatro vezes sobre o vencimento original. "Estamos apurando os detalhes, porque essa medida foi autorizada por meio de um decreto, o que contraria a lei, e o agente público deve ser responsabilizado", disse Munhoz. Também está sendo estudada a forma de enquadramento e responsabilização nas questões ligadas à área de

saúde.Vários hospitais recém-inaugurados não oferecem condições estruturais de funcionamento, por problemas de projeto, como falta de área de estacionamento e de necrotério (Hospital de Reabilitação de Curitiba), impossibilidade de instalar equipamentos para esterilização (Hospital de Ponta Grossa), e impossibilidade de fazer cirurgias (Hospital de Guaraqueçaba), entre outros casos igualmente graves. Paralelamente ao encaminhamento das denúncias das irregularidades encontradas aos órgãos competentes, a Secretaria de Controle Interno está trabalhando em um projeto para mudar a contabilidade da prestação de contas do Estado. "Vamos mudar o enfoque da contabilidade para o patrimônio, com novos modelos de demonstrações contábeis, para evitar que no futuro venham a se repetir situações como as que encontramos. O balanço apresentado pela gestão anterior aponta superávits, mas não aponta os impactos econômicos e financeiros de dívidas e compromissos a pagar, que muitas vezes nem sequer foram listados", explicou Munhoz.

PROJETO

Certificação do Tecpar estimula produção de orgânicos no PR Foi positiva a participação do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) na Mercosuper, a Feira e Convenção Paranaense de Supermercados, que aconteceu nesta semana no Expotrade, em Pinhais. A participação do Tecpar pelo 4º ano consecutivo contribui para estimular o comércio e a certificação de alimentos orgânicos. No estande montado na feira foram expostos produtos certificados pelo Tecpar e os representantes do instituto apresentaram as vantagens da produção e certificação de orgânicos. Para a representante da divisão de certificação do Tecpar, Tânia Carvalho, houve uma evolução no co-

mércio de orgânicos a partir da certificação. "Nós tivemos produtos expostos no estande do Tecpar em anos anteriores que ganharam projeção e escala de produção, e hoje participam da Mercosuper com estande próprio", disse Tânia. É o caso da chácara produtora de hortaliças e legumes Sabores da Natureza, que depois de três anos expondo seus produtos no estande do Tecpar, teve um crescimento de 100% nas vendas e, neste ano, participou da Mercosuper com estande próprio. "Quando decidimos passar a processar e empacotar o nosso produto, buscamos a certificação do Tecpar, que abriu as portas para o

mercado. Dobramos a nossa produção, que chega hoje a 50 toneladas de hortaliças e legumes por mês", afirma a proprietária da chácara, Priscila Strapasson. Neste ano os produtos em exposição no estande do Tecpar foram a Castanha do Brasil, da empresa Econuts; a Cachaça Porto Morretes; Café Saquarema; Hortaliças Prima Verde, de Minas Gerais; os ovos da Gralha Azul Avícola e as hortaliças e legumes da SOS Verdinhas Strapasson. Na opinião do técnico do Tecpar Danilo Grapiuna, o avanço dos orgânicos e a crescente procura por certificação geram benefícios econômicos e sociais. "Se por um lado o consu-

midor desfruta de alimentos saudáveis e com menos agrotóxicos, por outro as empresas, ao buscarem a certificação, agregam valor ao seus produtos, adotando práticas de produção adequadas e sustentáveis", disse Grapiuna, explicando que o processo de certificação exige da empresa o cumprimento de uma série de boas práticas no manejo do alimento, práticas ambientais e no trato com os colaboradores e todos os envolvidos na exploração da matéria-prima. A Econut, por exemplo, que comercializa Castanhas do Brasil na região amazônica, recentemente certificada pelo Tecpar, mantém uma organização sem fins lucra-

tivos para desenvolver projetos sociais, chamado Instituto Excelsa. Entre os projetos, a empresa distribui gratuitamente mudas de castanheira e dá apoio técnico ao plantio para a comunidade local, que fica a cerca de 220 km de Manaus, no município de Itacoatiara (AM). A empresa também condiciona a venda de castanhas ao plantio de uma castanheira na região. "Nós estamos fazendo estudos para medir o carbono que é extraído da atmosfera por uma castanheira para poder quantificar o benefício ambiental desse projeto", afirma a sócia-gerente da Econut, Ana Luiza Vergueiro.

As exportações de açúcar pelo Porto de Paranaguá cresceram nos primeiros três meses de 2011. Até março, o Porto exportou 491 mil toneladas do produto, enquanto no mesmo período do ano anterior foram 431 mil toneladas, o que representou um aumento de 14% no volume. Em abril, teve início a safra sucroalcooleira, que se estende até março de 2012. A expectativa do terminal que mais exporta açúcar por Paranaguá, a Pasa (Paraná Operações Portuárias), é que o crescimento das exportações do produto para a safra 2011-2012 seja pequeno. De acordo com gerente-geral da Pasa, Pérsio Souza de Assis, os volumes não apresentarão aumento representativo porque não houve grande aumento na área de plantio da cana-de-açúcar. "Na safra passada, exportamos por Paranaguá 3 milhões de toneladas de açúcar. Esta safra, temos a expectativa de exportar 3,2 milhões de toneladas", calcula. ÁLCOOL De janeiro a março, foram exportados pelo Porto de Paranaguá 21,6 mil toneladas de etanol. O resultado é 26,2% superior do verificado no mesmo período do ano passado. No entanto, a expectativa é que a exportação do produto não sofra grandes alterações também. De acordo com Assis, a maior parte da produção brasileira de etanol será destinada para consumo interno, desfavorecendo as exportações. INVESTIMENTOS - Hoje, a maior parte do açúcar a granel que chega a Paranaguá para exportação vem por ferrovia (70%). A Pasa, que é a maior exportadora de açúcar pelo Porto de Paranaguá, conta com uma estrutura de seis moegas ferroviárias, três rodoviárias e dois armazéns que juntos têm capacidade para 174 mil toneladas. De acordo com Assis, a empresa está investindo num projeto de ampliação para a próxima safra que irá dobrar a capacidade de fluxo de cargas pelo terminal em Paranaguá, passando de três milhões para seis milhões de toneladas por safra. "Estamos construindo mais uma moega ferroviária, outra rodoviária e um novo armazém, com capacidade para 70 mil toneladas", disse.


PublicidadeLegal Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A7 | Indústria&Comércio SÚMULA DE EMISSÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO A empresa Votorantim Cimentos S/A, torna público que recebeu do IAP - Instituto Ambiental do Paraná, licença de operação para a atividade de Extração Mineral (Filito). Endereço: Estrada Rural do Canelão, Km 03 (lado direito), Bairro Capinzal/ Mossunguê, Itaperuçu, Paraná. Validade 21/03/2015

Steel Work - Caldeiraria e Fabricação de Estruturas Metálicas Ltda torna público que requereu à Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba a renovação da licença de operação,para fabricação de estruturas metálicas,caldeiraria pesada e serviços de tratamento e revestimentos em metais, situada a Rua Dep. Joao Ribeiro Junior, 94 CIC 81350-220 Curitiba-Pr.

3º OFÍCIO DE REGISTRO CIVIL E 15º TABELIONATO DE PESSOAS NATURAIS Município e Comarca de CURITIBA, Estado PARANÁ BEL. MÔNICA MARIA GUIMARÃES DE MACEDO DALLA VECCHIA Registradora Designada F AÇO

T RAV . N ESTOR

EDITAL DE PROCLAMAS

SABER QUE PRETENDEM SE CASAR :

F AÇO

01- SILVANO DA LUZ DE SOUZA e ELISÂNGELA CORDEIRO; 02- MARCELO YUGI ONO e ZANDRA LÉA SALOMÃO WATANABE. SE ALGUÉM SOUBER (QUINZE ) DIAS .

DE ALGUM IMPEDIMENTO, OPONHA- O NA FORMA DA LEI NO PRAZO DE

15

CURITIBA, 14 DE ABRIL DE 2011

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA HOTEL CURITIBA CAPITAL S/A CNPJ nº 4130001772-7 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Na forma do art. 123, Lei nº 6.404/76, ficam convocados os Senhores Acionistas da Companhia HOTEL CURITIBA CAPITAL S/A. para reunirem-se em Assembléia Geral Ordinária, a realizar-se no dia 26 de abril de 2011, às 17:00 horas em 1a convocação e às 17:30 horas em 2a convocação, na Avenida Sete de Setembro, nº 5190 - Batel, em Curitiba, Paraná, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: a)Análise das contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras relativas ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2010, publicadas no Jornal Industria e Comércio de 25 de março de 2011, fls. B4 e no Diário Oficial do Estado, de 25 de março de 2011, fls. 62; b)Deliberar sobre a destinação dos resultados relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2010. Curitiba, 06 de abril de 2011. FELIPE BISCAIA DEMETERCO Diretor Presidente

CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Ficam os associados da COOPERADI-Cooperativa de Trabalho de Profissionais em Radiologia do Paraná, CONVOCADOS para Assembléia Geral Extraordinária a realizase em sua sede, na Avenida Winston Churchill, 176 - sala 1, no dia 27 de abril de 2011, em 1ª. Chamada às 19,00 hs., 2ª chamada às 20,00 hs., e 3ª. Chamada às 21,00 hs. ORDEM DO DIA: ALTERAÇÃO DO ESTTUTO SOCIAL Ronaldo Adriano Bino Diretor Presidente

SECCIONAL BRASIL S/A CNPJ 83.491.985/0001-22 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA CONVOCAÇÃO São convocados os acionistas a se reunirem em Assembléia Geral Ordinária no dia 29 de abril de 2011 às 11:00 horas, na sede social, na Av. Juscelino K. de Oliveira, 915 - CEP 81280-140 - CIC - Curitiba.- Pr., a fim de deliberarem a seguinte ordem do dia: a) Prestação de contas dos administradores, exame, discussão e votação das demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010. b) Deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e distribuição dos dividendos; c) Eleição dos membros do conselho de administração. Joecy Wermelinger Araújo de Abreu - Presidente do Conselho

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL Nº 2009.70.00.017066-0/PR EXEQUENTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : VIRIATO XAVIER DE MELO FILHO EXECUTADO : CASSIO ANDRADE DE MORAES EDITAL Nº 5021883 CITAÇÃO de CASSIO ANDRADE DE MORAES, inscrito no CPF/MF sob o nº 082.117.499-12, para que, nos termos do art. 652 do CPC - Lei 11.382/2006, pague, no prazo de 03 (três) dias, a quantia de R$ 12.285,04 (doze mil, duzentos e oitenta e cinco reais e quatro centavos), valor fornecido pelo credor, atualizado até junho/2009, a ser devidamente atualizado monetariamente à época do efetivo pagamento, acrescida das custas processuais e honorários advocatícios fixados em 10% sobre o valor principal, ficando ciente de que, em havendo pagamento integral no prazo acima estipulado, a verba honorária será reduzida pela metade (art. 652-A do CPC - Lei 11.382/2006), ou, no mesmo prazo, nomeie bens à penhora, sob pena de serem penhorados tantos bens quantos bastem para satisfazer o crédito, nos termos do art. 652, §1º, do CPC (redação dada pela Lei nº 11.383/ 2006). INTIMAÇÃO do devedor de que tem o prazo de 15 (quinze) dias, para opor embargos à execução, independente de penhora, depósito ou caução (art. 736 e 738 do CPC - Lei 11.382/06), bem como de que, no mesmo prazo, se o devedor reconhecer o crédito do credor e comprovar o recolhimento de 30% (trinta por cento) do valor em execução, inclusive custas e honorários de advogado, poderá requerer o pagamento do restante em até 06 (seis) parcelas mensais, devidamente corrigidas e acrescidas de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, nos termos do art. 745-A, do CPC (Lei 11.382/06). E para que chegue ao conhecimento do interessado, por este estar em lugar incerto e não sabido, é expedido o presente Edital de Citação e Intimação, com prazo de 30 (trinta) dias. DADO E PASSADO, nesta cidade de Curitiba - PR, 17 de fevereiro de 2011. Danielle Perini Artifon Juíza Federal Substituta

ALLL3

ALL - AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 - NIRE nº 413.000.19886 Companhia Aberta Edital de Convocação Assembleia Geral Ordinária e Assembleia Geral Extraordinária Ficam convidados os acionistas da ALL - América Latina Logística S.A. (“Companhia”) para se reunirem na sede desta, localizada na cidade de Curitiba, Estado do Paraná, na Rua Emílio Bertolini, 100, Bairro Cajuru, CEP 82.920-030, no dia 29 de abril de 2011, às 16:00 horas, a participar da Assembleia Geral Ordinária e Assembleia Geral Extraordinária (“Assembleias”) para deliberação das seguintes matérias que compõem a ordem do dia: Em Assembleia Geral Ordinária: (1) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2010; (2) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e distribuição de dividendos; (3) eleger os membros do Conselho de Administração da Companhia; (4) fixar o valor da remuneração global a ser paga aos administradores da Companhia no exercício de 2011; (5) instalar e eleger os membros do Conselho Fiscal em razão do término de mandato; (6) fixar o valor da remuneração global a ser paga aos membros do Conselho Fiscal da Companhia no exercício de 2011. Em Assembleia Geral Extraordinária: (7) ratificar os valores pagos à conta da remuneração global atribuída aos administradores da Companhia para o exercício de 2010; e (8) aprovar, na forma do art. 32, § 5º, do Estatuto Social da Companhia, o Regimento Interno do Conselho Fiscal da Companhia. Informações Gerais: Os seguintes documentos foram publicados em 02/03/2011 no “Diário Oficial do Estado do Paraná” e nos jornais “Indústria & Comércio” de Curitiba e o “O Dia SP” de São Paulo: (a) relatório anual da administração; (b) demonstrações financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010; e (c) parecer dos auditores independentes. Os documentos e informações referidos no parágrafo anterior e os demais previstos na Instrução CVM nº 481, de 17 de dezembro de 2009, foram apresentados à Comissão de Valores Mobiliários, por meio do Sistema de Informações Periódicas (IPE), nos termos do art. 6º de referida Instrução, e encontram-se à disposição dos Senhores Acionistas, na sede social da Companhia, no seu site de Relações com Investidores (www.all-logistica.com/ri), e nos sites da BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (www.bmfbovespa.com.br) e da Comissão de Valores Mobiliários (www.cvm.gov.br). Observamos que nos termos do art. 3º da Instrução CVM nº 165/91, alterada pela Instrução CVM nº 282/98, e do art. 141, § 1º, da Lei 6.404/76, o percentual mínimo de participação no capital votante da Companhia, necessário à requisição da adoção do voto múltiplo para eleição de membro do Conselho de Administração, é de 5% (cinco por cento) e sua requisição deverá ser realizada pelos acionistas até 48 (quarenta e oito) horas antes da Assembléia. O acionista ou seu representante legal deverá comparecer às Assembleias munido de documento que comprove sua identidade. Os acionistas participantes da Custódia Fungível de Ações Nominativas da - BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros que desejarem participar das Assembleias deverão apresentar extrato atualizado de sua posição acionária fornecido pela instituição custodiante no período de 48 horas antecedentes à realização das Assembleias. Solicita-se que os instrumentos de mandato com poderes especiais para representação nas Assembleias Gerais a que se referem o presente edital sejam depositados, na sede da Companhia, no Departamento Societário, até 26 de abril de 2011. Curitiba, 14 de abril de 2011. Wilson de Ferro de Lara Presidente do Conselho de Administração

Industrias J. Bettega S.A. CNPJ MF 76.490.614/0001-60 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Convidamos os senhores acionistas a reunirem-se em Assembléia Geral Ordinária, a se realizar na Sede Social da Empresa, sito à Avenida República Argentina, 3.021 1 º andar, salas 101 a 106 em Curitiba, Estado do Paraná, às 15:30 horas como primeira chamada e 16:30 horas como segunda chamada no dia 20 de Abril de 2.011, a fim de deliberarem sobre as seguintes ordens do dia; a) Leitura, discussão e aprovação do Balanço Patrimonial e Demonstrações Financeiras do Exercício de 2.010. b) Deliberação sobre a destinação a ser dada ao resultado do exercício; c) Fixação de honorários da Diretoria para o presente exercício. d) Outros assuntos de interesse social Curitiba, 04 de Abril de 2.011. Rubens Arles Bettega Diretor Presidente

BEMATECH S/A

CNPJ/MF Nº 82.373.077/0001-71 - NIRE Nº 4130000927-9 20ª ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E 45ª ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Na forma das disposições legais e estatutárias, ficam convocados os Senhores Acionistas da BEMATECH S.A. para participarem da 20ª Assembleia Geral Ordinária e 45ª Assembleia Geral Extraordinária, a se realizar no dia 28 de abril de 2011, às 9:00 horas, no Hotel Howard Johnson São José dos Pinhais, localizado na Avenida Rui Barbosa, 9500, em São José dos Pinhais, Estado do Paraná, a fim de discutirem e deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: I) Em Assembleia Geral Ordinária: a) Tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010; b) Deliberar sobre a destinação do resultado do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010; e c) Eleger os membros do Conselho de Administração e fixar a remuneração global dos administradores. II) Em Assembleia Geral Extraordinária: a) Deliberar sobre a destinação do saldo existente em Reserva de Lucros; b) Ratificar o pagamento de dividendos à conta da Reserva de Recompra de Ações e Reserva de Lucros, conforme deliberado pela 257ª Reunião do Conselho de Administração, realizada em 08 de novembro de 2010; c) Alterar o caput do artigo 5º do Estatuto Social, para referendar e consignar o número de ações representativas do capital social da Companhia em razão do cancelamento de ações mantidas em tesouraria, conforme deliberado pela 251ª Reunião do Conselho de Administração, realizada em 05 de agosto de 2010; d) Alterar o parágrafo treze do artigo 23 do Estatuto Social, para modificar o número de reuniões ordinárias do Conselho de Administração para seis reuniões por ano; e e) Consolidar o Estatuto Social. Nos termos do Artigo 3º da Instrução CVM n° 165/91, alterada pela Instrução CVM n° 282/98, o percentual mínimo de participação no capital social votante necessário à requisição da adoção do voto múltiplo é de 5% (cinco por cento). As informações e documentos previstos na Instrução CVM n° 481/09 relacionados às matérias a serem deliberadas na 20ª Assembleia Geral Ordinária e 45ª Assembleia Geral Extraordinária, assim como as demais informações e documentos relevantes para o exercício do direito de voto pelos acionistas, estão disponíveis aos acionistas na sede da Companhia, no site www.bematech.com.br/ri e no site da CVM - Comissão de Valores Mobiliários - www.cvm.gov.br. Os acionistas da Companhia interessados em acessar as informações ou sanar dúvidas relativas às propostas acima deverão contatar a área de Relações com Investidores da Companhia, por meio do telefone 11-2122-4653 ou via e-mail: ri@bematech.com.br. Os acionistas poderão participar da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária se depositarem, na sede da Companhia, até 2 (dois) dias úteis da data da sua realização (i) comprovante expedido pela instituição financeira depositária das ações escriturais de sua titularidade ou em custódia, na forma do art. 126 da Lei n° 6.404/1976; e (ii) instrumento de mandato devidamente regularizado (art. 18 do Estatuto Social), na hipótese de representação do acionista. Os acionistas poderão, ainda, votar pela internet, pelo sistema “Assembleias Online”, sem quaisquer custos, mediante cadastro no site www.assembleiasonline.com.br. São José dos Pinhais, 13 de abril de 2011. Marcel Martins Malczewski - Presidente do Conselho de Administração. (13, 14 e 15/04)

FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - PR CARTÓRIO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS, ACIDENTES DO TRABALHO, PRECATÓRIAS CÍVEIS E CORREGEDORIA DO FORO EXTRAJUDICIAL. Eliane Leocadia Porrat Ivanoski Escrivã R. Mauá, 920, 4º Andar - Edifício C.C. Essenfelder - Alto da Glória CURITIBA-PR - CEP 80.030-200 Consultas pelo site www.assejepar.com.br EDITAL DE ARREMATAÇÃO AUTOS Nº 0005307-28.2011.8.16.0001 LOCAL: Cartório da Vara de Registros Públicos, Acidentes do Trabalho e Precatórias Cíveis do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba - PR, sito na Rua Mauá, 920 4º. Andar, Edifício C.C. Essenfelder, Alto da Glória, nesta Capital. O Doutor IRAJÁ PIGATTO RIBEIRO, MM. Juiz de Direito da Vara de Registros Públicos, Acidentes do Trabalho e Precatórias Cíveis do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, no uso das atribuições que lhe são conferidas por Lei. FAZ SABER a todos quantos o presente Edital virem, ou dele conhecimento tiverem, que nos autos de CARTA PRECATÓRIA N. 0005307-28.2011.8.16.0001, proveniente dos autos de AUTOFALÊNCIA N. 001/1.05.0333211-2, em que figura como ré a EMPRESA HASS DE TRANSPORTES LTDA, em trâmite perante o Juízo de Direito da Vara de Falências, Concordatas e Insolvências da Comarca de PORTO ALEGRE-RS., nos termos da Lei n. 11.101/2005, foram designadas datas para arrematação em hasta pública de bens da Massa Falida de EMPRESA HASS DE TRANSPORTES LTDA, CNPJ/MF N. 92.660.539/0001-95, representada por seu Síndico, Dr. FRANCISCO MACHADO, com escritório profissional na Rua Carlos Von Koseritz, 45 Bairro Higienópolis em Porto Alegre- RS, sob a supervisão do Ministério Público, na modalidade de leilão por lances orais (Lei n. 11.101/05, Art. 142, e parágrafo 3°), a realizar-se na sede deste Juízo, na Rua Mauá, 920, 4º Andar - Edifício C.C.Essenfelder - Aldo da Glória, nesta Capital, na forma que segue: DIA 18 DE MAIO DE 2011, ÀS 15:30 HORAS, por lanço igual ou superior ao valor da avaliação judicial e , não havendo licitantes ou não sendo alcançado o patamar fixado, fica, desde logo, designado o DIA 01 DE JUNHO DE 2011, ÀS 15:30 HORAS, no mesmo local, pelo maior lanço, desde que não seja por preço vil ( Lei n. 11.101/2005, Art. 142, I, parágrafo 3º). DESCRIÇÃO DO BEM: "IMÓVEL CONSTITUÍDO PELA ÁREA DE 4.816,82 METROS QUATRADOS, LOCALIZADO NA CIDADE INDÚSTRIA DE CURITIBA, NO LOCAL DENOMINADO TERMINAL DE CARGAS, ÁREA SUL, SITUADA ENTRE AS RUAS AT-30 E AT-31, OCUPANDO PARTE DA ÁREA PERTENCENTE À URBS, COM AS DEMAIS DESCRIÇÕES E CARACTERÍSTICAS C O N S T R A N T E S D A M AT R Í C U L A N . 1 9 . 6 0 3 D O C A RT Ó R I O D A 8 ª . CIRCUNSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA DESTA CAPITAL. VALOR AVALIAÇÃO: Bem avaliado em R$ 560.000,00 (Quinhentos e sessenta mil reais), em 25/03/2011. ÔNUS: Nada consta dos autos. Não havendo expediente forense nas datas acima mencionadas, fica desde logo designado o primeiro dia útil subseqüente. NADA MAIS. DADO E PASSADO nesta cidade de Curitiba-PR, aos doze dias do mês de Abril do ano de dois mil e onze. Eu (ass.) (ÂNGELA APARECIDA FANTIN SALOWSKI), Escrivã Designada, que digitei e subscrevi. IRAJÁ PIGATTO RIBEIRO Juiz de Direito

SABER QUE PRETENDEM CASAR - SE :

1 - DANIEL SUCHA HEIDEMANN E HELLEN JANAÍNA PAIXÃO DOS SANTOS 2 - FABIANO MURILO COSTA GARCIA E GIANNA CARLA RUBINO LOSS. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de 15 dias. Lavro o presente Edital de Proclamas para ser publicado e afixado em lugar de costume. CURITIBA, 14 DE ABRIL DE 2011

COOPERATIVA DE TRABALHO DE PROFISSIONAIS EM RADIOLOGIA DO PARANÁ - CNPJ. 03.012.321/0001-02

SÚMULA DE EMISSÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO A empresa abaixo torna público que recebeu do IAP, Licença de Operação para o empreendimento a seguir especificado:Empresa: WALDINEI MARTINS E CIA LTDA;Atividade: RECAPAGEM DE PNEUS ; Município: FAZENDA RIO GRANDE; Validade: 31/03/2015.

1º O FÍCIO DO REGISTRO C IVIL 13º T ABELIONATO L EÃO B EL . R ICARDO A UGUSTO DE L EÃO - O FICIAL DE C ASTRO , 271 - CEP 80.020-120 C ENTRO - C URITIBA - PR

CARTÓRIO DE SANTA FELICIDADE IRIO DAS CHAGAS LIMA – OFICIAL Av. Manoel Ribas, 6031 - Fone (41) 3372-1671 – CEP 82020-000 – CURITIBA – PARANÁ EDITAL DE PROCLAMAS F AÇO

SABER QUE PRETENDEM SE CASAR :

1- ANDRÉ RICARDO STRUJAK COM RENATA CESIUK; 2- MARLON NEPOMOCENO LEAL COM ELIS CRISTINA DA SILVA; 3- ALBERT FRANK COM ROSANE MOTTIN DE GODOI; 4- MARCOS ROBERTO OLIVEIRA COM TATIANE SCORSIN. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de 15 (quinze) dias. Curitiba, 14 de abril de 2011 IRIO DA CHAGAS LIMA Oficial

ACTAS FOMENTO MERCANTIL S/A CNPJ/MF SOB N.º 04.470.643/0001-50 EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Pela presente, ficam convocados todos os acionistas a comparecerem na Assembléia Geral Ordinária da sociedade empresária ACTAS FOMENTO MERCANTIL S/A, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob n.º 04.470.643/0001-50, a ser realizada em Curitiba/PR, Av. Sete de Setembro, 4211 (Hotel Four Points Sheraton) às 14:30 horas do dia 29 de abril de 2011., a fim de tomar conhecimento e deliberar sobre a seguinte ordem do dia: a) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras do ano-calendário encerrado em 31.12.2010; b) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos; c) eleição dos administradores Curitiba, 07 de abril de 2011. ACTAS FOMENTO MERCANTIL S/A Marcelo Gaboardi Diretor Presidente

CESBE PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF Nº 09.438.590/0001-03 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Pelo presente Edital ficam convocados os Senhores Acionistas desta empresa para se reunirem em Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no dia 28 de abril de 2011, em primeira convocação às 13h00, e em segunda convocação às 13h30, em sua Sede Social, sita à Rua João Negrão, 2226, 1º andar, nesta Capital, com a seguinte Ordem do Dia: a) Tomada de Contas da Administração, exame, discussão e votação do Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras e do parecer dos Auditores Independentes, relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2010; b) Deliberação sobre a destinação do lucro líquido e distribuição de dividendos; c) Fixação dos honorários da Diretoria para o exercício de 2011. d) Outros Assuntos de interesse social. Curitiba, 14 de abril de 2011. CARLOS DE LOYOLA E SILVA Diretor Presidente

Empresas&Produtos Franquia do segmento educacional ganha mercado de Cascavel O setor de franquias vem seguindo o ritmo de crescimento da economia brasileira. Modismos em alguns segmentos, como na alimentação, mas um bom investimento em áreas cruciais, como a educação superior e de capacitação. Pensando neste mercado, os diretores da Faculdade Inspirar, de Curitiba, Esperidião Aquim e Marcelo Xavier, criaram um modelo de franquias com o intuito de expandir os cursos de pós-graduação e extensão em Cascavel.Especialista em cursos da área de saúde, a Faculdade criou um padrão de negócios baseado nos valores das unidades da capital paranaense. O modelo da Inspirar enquadra-se no segmento de franquias da terceira geração, pois oferece treinamento inicial de toda a operação do negócio, manuais operacionais e para a gestão da franquia nas áreas de marketing, finanças e pessoas, suporte contínuo, supervisão de rede, software próprio, além de uma oficina de planejamento estratégico aos franqueados onde é feita a customização do plano de negócios. Para o responsável pela formatação das Franquias Inspirar, Ricardo Ribeiro, o modelo é um investimento de alto retorno. “Pela experiência da franqueadora, por tratar-se de um dos segmentos mais prósperos do mercado, pelo baixo investimento, pela alta rentabilidade do negócio, pelo suporte para captação de alunos e gestão do negócio”, explica. O custo da marca tem preço tentador: taxa da franquia

Nissan encerra ano fiscal 2010 com crescimento de 30% da rede de concessionários Ao término do ano fiscal 2010, a Nissan do Brasil registrou um crescimento de 30% em sua rede de concessionárias. No período entre os dias 1º de abril de 2010 e 31 de março de 2011, a companhia abriu 25 pontos de vendas. Hoje conta com 109 concessionárias em todo Brasil. Foram 12 pontos de vendas inaugurados entre abril e dezembro de 2010 e 13 em 2011, sendo que em fevereiro deste ano foi aberta a 100ª unidade, na cidade de Itumbiara, sul de Goiás. Nos últimos 30 dias, a companhia registrou o recorde de unidades abertas em um único mês. Foram nove ao total. Esta expansão integra o plano de crescimento da Nissan no Brasil, lançado em 2010 e que tem o objetivo de passar de 1% para 5% de participação de mercado até o final de 2014, período em que quer dobrar o atual número de concessionárias no país. Com este representativo crescimento da rede, a Nissan do Brasil se prepara para a chegada do Nissan March, que será o primeiro popular japonês no Brasil. O veículo será lançado no segundo semestre deste ano, e será responsável por aumentar de 22% para 65% sua cobertura de mercado.

Anglo American promove ações educativas sobre a biodiversidade do Cerrado O projeto “A biodiversidade vai para a escola” é uma iniciativa inédita, que prevê a capacitação científica de professores para ensinar sobre a riqueza da fauna e flora do Cerrado e a distribuição gratuita de material didático para as escolas da região de Niquelândia e Barro Alto. Com o material em mãos, os mestres ganham uma ferramenta para fomentar a curiosidade e a discussão sobre a importância da conservação desse ecossistema para seus alunos. Foram produzidos sete livros, que abordam plantas, peixes, insetos, répteis, anfíbios, aves e mamíferos. O programa “A biodiversidade vai para a escola” foi desenvolvido com linguagem descontraída, imagens e ilustrações, para facilitar o aprendizado e a conscientização do público infanto-juvenil acerca do ciclo da vida na região.


Extinta ação de procurador contra integrante do MPF O ex-procurador da Fazenda Nacional Glênio Sabbad Guedes, que acionou a Justiça Federal para cobrar indenização por danos morais e materiais do delegado federal Elmiz Antônio Rocha Júnior, e do procurador da República, Marcelo Figueiredo Freire, pelos 21 dias que ficou preso na Penitenciária de Bangu 8, sofreu nova derrota. Na terça-feira (12/4), dia em que a ConJur noticiou a iniciativa do ex-procurador, o juiz da Raffaele Felice Pirro, da 1ª Vara Federal Cível, extinguiu a ação contra Freire, sem entrar no seu mérito, “tendo em vista que a Justiça Federal não tem competência para apreciar e julgar a presente demanda, por se tratar de conflito entre particulares, dado que autor e réu são pessoas físicas”. O processo contra o delegado Elmiz foi extinto em março, pelo juiz da 17ª Vara Cível, Eugênio Rosa de Araújo, que entendeu tratar-se de um caso de “causa

de pedir imprópria para ser apreciada na jurisdição escolhida”. Guedes é acusado de, junto com o publicitário mineiro Marcos Valério Fernandes de Souza — denunciado no Supremo Tribunal Federal por coordenar o mensalão —, de montar um esquema de corrupção no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o “Conselhinho”, onde atuava como representante da Procuradoria da Fazenda. De acordo com a denúncia, ele receberia propina do publicitário para interferir no julgamento das punições estipuladas pelo Banco Central e pela Comissão de Valores Mobiliários contra diretores e instituições financeiras. Segundo a denúncia, um dos bancos beneficiados por este esquema era o Banco Rural, o mesmo onde Valério teria movimentado recursos do mensalão. Pelo mesmo motivo, ele foi expulso do serviço público.

Justiça&Direito

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | A8

PLENÁRIO

TJ-RJ terá de reanalisar ação sobre aplicação de lei Princípio da reserva de plenário consta do artigo 97 da Constituição

A

2ª Turma do Superi or Tribunal de Justiça determinou que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro reanalise a aplicação da lei local que restringe o parcelamento do crédito do ICMS sobre bens destinados ao ativo fixo do contribuinte. Para o STJ, o TJ-RJ não obedeceu ao princípio da reserva de plenário ao declarar a Lei 3.188/1989 inconstitucional. O relator, ministro Mauro Campbell (foto), aplicou a Súmula Vinculante 10 do Supremo Tribunal Federal, segundo a qual viola a cláu-

sula de reserva de plenário a decisão de órgão fracionário de tribunal que, apesar de não declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, afasta sua incidência no todo ou em parte. O recurso foi interposto pelo Estado do Rio de Janeiro contra uma empresa contribuinte, que pedia a manutenção da decisão do TJ-RJ. O Estado afirmou que ao legislador estadual cabe estabelecer condições para a escrituração dos créditos do ICMS, observada sempre a prerrogativa do contribuinte de não ver esvaziado o di-

reito à não cumulatividade do imposto. O princípio da reserva de plenário consta do artigo 97 da Constituição, segundo o qual os tribunais só podem declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo pelo voto da maioria absolu-

ta de seus membros ou dos membros do órgão especial. O TJ-RJ informou que não houve afronta a esse princípio, porque a lei não foi apreciada pela inconstitucionalidade, mas pela legalidade, com base na Lei Complementar 87/96.

O Tribunal de Justiça de São Paulo anulou compromisso de compra e venda e o cancelamento de registro de matrícula de um imóvel. A decisão foi fundamentada no desequilíbrio dos valores ajustados nas transações e na caracterização de vício de consentimento. A decisão é da 4ª Câmara de Direito Privado. O relator foi o desembargador Natan Zelinschi. O caso envolveu compra e venda e cessão de direitos de imóvel. Na primeira transação, os apelantes compraram o bem por R$ 15 mil. No dia seguinte, o mesmo imó-

vel foi vendido por R$ 72 mil. Além disso, as partes se envolveram em relações nas quais não há recibos de pagamentos ou mesmo depósitos bancários. A turma julgadora entendeu que o negócio estava maculado por notória irregularidade. De acordo com a turma julgadora, as relações de negócios devem primar pelo equilíbrio e, segundo os desembargadores, não há no processo nada que justificasse a majoração do preço do imóvel “em proporções estratosféricas”. Ainda no entendimento dos julgadores

ficou caracterizado o vício de consentimento e outra solução não haveria a não ser a de a anulação do instrumento de cessão de direitos. “Saliente-se que não se identifica nos autos que os apelantes tivessem algum relacionamento com Midas, personagem mitológico que a tudo que tocava transformava em ouro”, destacou o relator do recurso, desembargador Natan Zelinschi, numa alusão ao repentino aumento do valor do imóvel que em 24 horas aumentou em quase 500%. O apelante justificou o au-

mento dizendo que o imóvel foi comprado pelo valor venal e em seguida vendido pelo valor de mercado. Alegaram, ainda, que o preço total combinado não foi pago porque havia crédito em relação a venda de outro bem. A turma julgadora também não aceitou os argumentos da defesa. De acordo com o relator, questões abrangendo acerto de contas não podem favorecer a pretensão dos apelantes, principalmente porque a documentação não prova a existência de pendência financeira entre as partes

Mato Grosso quita todas suas Requisições TJ paulista anula contrato de compra e venda de Pequeno Valor Com muitas conciliações, o estado de Mato Grosso acabou com suas pendências de Requisição de Pequeno Valor que ainda tramitavam na Justiça. Só nessa quarta-feira (13/4) foram firmados três acordos em que cerca de R$ 3,8 milhões serão pagos a 600 servidores. De acordo com o juiz conciliador, José Luiz Leite Lindote, isso só aconteceu por causa do trabalho da Central de Conciliação de Precatórios Requisitórios do TJ-MT, que tem priorizado contatos com os entes públicos para que eles quitem débitos antigos, cujos credores geralmente são servidores públicos.

Em dois dos três processos coletivos julgados nessa quarta-feira, os beneficiários são policiais e bombeiros militares e, no terceiro, trabalhadores do setor agropecuário. Uma delas foi iniciada em 1992. De acordo com o presidente da Associação dos Sargentos e Subtenentes, Oficiais Administrativos, Especialistas Ativos e Inativos da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Mato Grosso, Luciano Esteves, a Central de Conciliação desempenhou papel fundamental para a liberação das verbas trabalhistas através dos contatos feitos com o governo do estado.

AGENTE FIDUCIÁRIO

Na execução extrajudicial, escolha pode ser unilateral A exigência de praxe de comum acordo entre credor e devedor na escolha do agente fiduciário para promover a execução extrajudicial não deve ser levada ao pé da letra no caso de contrato vinculado ao Sistema Financeiro de Habitação. O entendimento foi confirmado pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça durante julgamento de um Recurso Repetitivo, devendo nortear outros processo sobre a mesma questão. Dois mutuários questionavam um leilão judicial feito pela Caixa Econômica Federal de um imóvel adquirido pelas regras do SFH. Para eles, a escolha do agente fiduciário caberia ao devedor. A dupla argumentou também que o prazo de dez dias previsto para a notificação do devedor para que ele pudesse purgar a mora não foi cumprido.

A decisão do STJ mantém entendimento do juízo de primeiro grau e do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, que julgaram o pedido improcedente. O relator do caso na Corte Especial, ministro Benedito Gonçalves, explicou que a escolha unilateral do agente fiduciário não é capaz, por si, de acarretar nenhuma nulidade no processo de execução extrajudicial. O dano deveria, dessa forma, ter sido provado nos autos. A possibilidade da escolha unilateral, contou, é prevista pelo Decreto-Lei 70, de 1966. Ao comentar o suposto descumrpimento do prazo de dez dias, o ministro ressaltou que a atitude não impôs nenhuma sanção ao agente fiduciário. Pelo contrário, a não observação ao prazo representa benesse ao devedor, que teria mais tempo para saldar a dívida.

EXEMPLO SUPERIOR

Não se aplica princípio da insignificância para reincidente A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou pedido de Habeas Corpus de um condenado pela tentativa de furto de dois DVD’s no valor de R$34,90. Por considerar que ele é reincidente da prática de pequenos furtos, o tribunal afastou a aplicação do princípio da insignificância. Ao negar o pedido com base na reincidência, o ministro relator Marco Aurélio observou que “se consi-

derarmos, de forma isolada, o valor do objeto da res [da coisa], nós concluiremos que há insignificância e que a própria sociedade não tem interesse nessa espécie de persecução criminal”. Ao julgar o caso, o ministro Luiz Fux demonstrou sua preocupação com a Teoria da Insignificância “porque as jurisprudências dos tribunais têm um caráter exemplificativo para a sociedade. Então, se nós chegarmos

aqui para dizer que furtar DVD´s não é crime, nós estamos exatamente tornando antijurídica uma conduta que é notoriamente ilícita”. O impetrante foi condenado à pena de 9 meses e 10 dias de reclusão e ao pagamento de multa, por ser reincidente. A Justiça mineira não permitiu a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direito, com base em sua conduta social.

STF decide sobre irregularidade em precatórios de quatro estados O Supremo Tribunal Federal julgou quatro Reclamações sobre supostas ilegalidades no pagamento de dívidas judiciais do Poder Público por precatórios. Na primeira das Reclamações era discutido o pagamento pela desapropriação de um imóvel na capital paulista. O município de São Paulo dizia que a ordem do presidente do Tribunal de Justiça do estado, de sequestro de rendas públicas, teria desrespeitado o que foi decidido pelo STF na Ação Direta de Inconstitucionalidade 1098. Segundo o município, ao julgar a ADI, o Supremo conferiu ao presidente do TJ competência para corrigir quaisquer requisições de valores que não estejam em conformidade com os parâmetros do título judicial cuja dívida seja paga por precatório, como considerava ser o caso, em que foram incluídos juros compensatórios em continuação, e o valor do débito su-

biu de R$ 33 milhões para R$ 50 milhões. A ministra relatora Cármen Lúcia disse que essa ADI não tem pertinência com o caso porque nela foi considerado constitucional a requisição de complementação de depósitos insuficientes, desde que se trate de diferenças causadas por erros materiais, aritméticos, ou de inexatidões de cálculos. No caso, o precatório era sujeito ao parcelamento do artigo 78 do Ato das Disposições Transitórias, cujo pagamento foi interrompido. O mesmo entendimento

foi expresso no julgamento da segunda Reclamação, em que o município de Divinópolis (MG) contestou ato do presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que determinou o sequestro de verbas públicas para pagar precatório pela desapropriação de imóvel.

UERJ O tribunal julgou procedente a Reclamação apresentada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro contra decisão do presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Justiça penhora R$ 6 milhões de diretor da Fiesp Empresa que manipula a sua movimentação financeira em detrimento de seus credores pode ter desconsiderada sua personalidade jurídica. A tese foi aplicada pela 34ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo para penhorar os bens de Roberto Giannetti da Fonseca, diretor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), e de seu irmão, Marcos Giannetti da Fonseca, sócios-diretores da empresa Silex Trading. O valor corrigido da penhora é de R$ 6 milhões. A decisão é importante, pois a Justiça desconsiderou a personalidade jurídica de uma sociedade anônima, o que não é usual. De acordo com os autos, a Ogao Limited moveu uma ação de execução de título extrajudicial contra a Silex Trading, pois não recebeu uma comissão de intermediação de venda de ônibus para a Fundación Fondo Nacional de Transporte Urbano, empresa de transportes do governo da Venezuela. Por duas vezes, a Ogao solicitou a desconsideração da personalidade jurídica da empresa durante o processo, porém, os pedidos foram negados.


Martini Meat S/A Armazéns Gerais Rod. Br 277, s/n km 06 83203-540 – Colonia Santa Rita Paranaguá – PR CNPJ: 75.294.801/0001-06

Demonstrações financeiras para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Balanços patrimoniais Controladora Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber de clientes Impostos a recuperar Partes relacionadas Outras contas a receber

Não circulante Realizável a longo prazo Partes relacionadas Imposto de renda e contribuição social diferidos Impostos a recuperar

31/12/09

1/1/09

31/12/10

3.229 4.291 2.128 350 522

3.761 4.227 1.752 476

903 3.268 202

3.366 4.584 2.684 350 573

10.520

10.216

4.373

11.557

450

-

-

-

735 875

723 288

902 -

735 875

2.060

1.011

902

1.610

Investimentos

25.971

8.300

6.819

8.300

Imobilizado

79.309

80.085

61.805

100.193

3.686

16

36

3.686

Intangível

111.026

121.546

89.412

99.628

Demonstrações de resultados

Consolidado

31/12/10

69.562

73.935

113.789

Controladora Passivo

31/12/09

1/1/09

31/12/10

1.359 7.568 1.146 550 931 7.512 122 115

5.985 22.706 655 695 985 84

4.857 13.632 1.317 679 559 112

1.672 7.568 1.212 629 1.137 7.512 131

19.303

31.110

21.156

19.861

33.429 648 1.320 8.764

13.772 837 969 -

3.922 1.354 71 -

33.429 648 1.320 8.764

9.762 660

9.550 953

9.468 1.251

13.004 660

-

-

2.000

-

54.583

26.081

18.066

57.825

26.647 3.939 17.074 -

23.440 1.259 17.738 -

18.338 157 18.380 (2.162)

26.647 3.939 17.074 -

47.660

42.437

34.713

47.660

121.546

99.628

73.935

125.346

Patrimônio líquido Capital social Reservas de lucros Ajuste de avaliação patrimonial Prejuízos acumulados

Reservas de lucros Capital social

Reserva de capital

Reserva legal

Retenção de lucros

Ajustes de avaliação patrimonial

(Prejuízos) lucros acumulados

Total

18.338

157

-

-

18.380

(2.162)

34.713

Realização do custo atribuído, líquido de impostos

-

-

-

-

(642)

642

-

Utilização da reserva de capital para compensação de prejuízos acumulados

-

(157)

-

-

-

157

-

5.102

-

-

-

-

-

5.102

Lucro líquido do exercício

-

-

-

-

-

2.622

2.622

Destinações: Reserva legal Reserva de retenção de lucros

-

-

131 -

1.128

-

(131) (1.128)

-

23.440

-

131

1.128

17.738

-

42.437

-

-

-

-

(664)

664

-

3.207

-

-

-

-

-

3.207

Lucro líquido do exercício

-

-

-

-

-

3.443

3.443

Destinações: Juros sobre capital próprio Reserva legal Reserva para retenção de lucros

-

-

172 -

2.508

-

(1.427) (172) (2.508)

(1.427) -

26.647

-

303

3.636

17.074

-

47.660

Saldos em 31 de dezembro de 2009 Realização do custo atribuído, líquido de impostos Aumento de capital

Saldos em 31 de dezembro de 2010

Diretoria em 31 de dezembro de 2010 Celso Antonio Frare

Diretor Presidente

Blásio José Munchen

Diretor Superintendente

Luiz Roberto Braga Silva Pinto

Diretor Administrativo/Financeiro

Marcelo Treiffelis – Contador CRC PR 043959/O-0

Confira nossas demonstrações financeiras completas, acompanhadas do relatório dos auditores independentes emitido pela KPMG Auditores Independentes, e aproveite para conhecer melhor a Martini Meat. Acesse www.martinimeat.com.br

Consolidado

31/12/10

31/12/09

31/12/10

52.201

40.707

59.083

(6.225) (314)

(3.905) (19)

(6.833) (314)

45.662

36.783

51.936

(28.195)

(21.715)

(34.138)

17.467

15.068

17.798

Vendas Administrativas e gerais Resultado da equivalência patrimonial Despesas financeiras, líquidas Outras despesas operacionais, líquidas

(501) (3.743) (654) (6.148) (1.598)

(569) (4.108) (4.616) (1.844)

(501) (4.584) (6.183) (1.724)

Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social

4.823

3.931

4.806

(1.380)

(1.309)

(1.363)

3.443

2.622

3.443

Receita operacional bruta Serviços prestados Deduções Impostos sobre as receitas de serviços prestados Devoluções e abatimentos Receita operacional líquida Custos dos serviços prestados Lucro bruto

Não circulante Financiamentos e empréstimos Arrendamento mercantil Provisão para contingências Contas a pagar por aquisição de controlada Imposto de renda e contribuição social diferidos Outras contas a pagar Adiantamento para futuro aumento de capital

Demonstrações das mutações do patrimônio líquido

Aumento de capital

Controladora

Consolidado

31/12/10

Circulante Fornecedores Financiamentos e empréstimos Arrendamento mercantil Impostos e contribuições a recolher Salários e férias a pagar Contas a pagar por aquisição de controlada Partes relacionadas Outras contas a pagar

125.346

Saldos em 1 de janeiro de 2009

Em milhares de reais

Imposto de renda e contribuição social corrente e diferido Lucro líquido do exercício

Demonstrações dos fluxos de caixa - método indireto Controladora Fluxos de caixa das atividades operacionais

Consolidado

31/12/10

31/12/09

31/12/10

3.443

2.622

3.443

2.971

2.348

3.547

1.170 982 6.180 200 654

1.795 4.602 261 -

1.170 1.689 6.395 168 -

15.600

11.628

16.412

(69) (1.809) (4.626) (1.153)

(1.022) (2.314) 1.128 (2.718)

(690) (2.919) (4.244) (335)

7.943

6.702

8.224

(8.370) (6.706) -

(25.210) (1.481)

(8.866) (6.639) -

(15.076)

(26.691)

(15.505)

3.207 (1.427)

5.102 -

3.207 (1.427)

34.156

27.048

34.568

(23.966) (5.369)

(6.046) (3.257)

(24.085) (5.377)

Caixa líquido proveniente das atividades de financiamentos

6.601

22.847

6.886

(Redução) aumento do caixa e equivalentes de caixa

(532)

2.858

(395)

3.761 3.229

903 3.761

3.761 3.366

(Redução) aumento do caixa e equivalentes de caixa

(532)

2.858

(395)

Pagamento de imposto de renda e contribuição social

1.179

1.048

1.195

Lucro líquido do exercício Ajustes por: Depreciação e amortização Provisões para créditos de liquidação duvidosa e contingências Variações monetárias não realizadas Custo residual do ativo imobilizado baixado Imposto de renda e contribuição social diferidos Equivalência patrimonial

Variações nos ativos e passivos: Aumento em contas a receber Aumento em outros ativos (Redução) aumento em fornecedores (Redução) em contas a pagar e provisões Caixa líquido proveniente das atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimentos Aquisições de imobilizado Pagamentos por aquisição de controlada Aquisição de propriedade para investimento Caixa líquido usado nas atividades de investimentos Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Aumento de capital Juros sobre capital próprio Empréstimos, financiamentos e arrendamentos mercantis captados Empréstimos, financiamentos e arrendamentos mercantis pagos Juros pagos

Demonstração do aumento do caixa e equivalentes de caixa No início do exercício No fim do exercício

Uma empresa do Grupo Ouro Verde


Economia Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B1 | Indústria&Comércio

VENDAS

Exportações de aves têm o melhor trimestre dos últimos três anos Brasil exportou 7,7% a mais de aves e produtos do setor em relação ao ano passado Taxa de juros para pessoa física aumenta Flávia Albuquerque

As taxas de juros das linhas de crédito para pessoa física apresentaram em março uma elevação de 0,05 ponto percentual, passando de 6,73% em fevereiro para 6,78% ao mês em março. Os dados são da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Para as empresas, a taxa de juros média geral aumentou 0,06 ponto percentual no mês, correspondente a uma elevação de 1,55% no mês, passando de 3,86% ao mês em fevereiro para 3,92% ao mês em março. De acordo com o coordenador de pesquisas e vicepresidente da entidade, Miguel José Ribeiro de Oliveira, as elevações estão ligadas às medidas que vêm sendo implementadas pelo Banco Central para frear o consumo interno e reduzir a inflação.

Além das carnes de frango (principal produto negociado), peru, pato, ganso e outras aves, foram exportados ovos e material genético

Marli Moreira

No primeiro trimestre deste ano o Brasil exportou 7,7% a mais de aves e produtos do setor do que em igual período do ano passado, com o embarque de 973 mil toneladas. O volume representou um aumento de 23,6% no faturamento do setor, que fechou o trimestre em US$ l,988 bilhão. Além das carnes de frango (principal produto negociado), peru, pato, ganso e outras aves, foram exportados

ovos e material genético. Esse desempenho foi o melhor dos últimos três anos e sinaliza que os países importadores já conseguiram sair da crise financeira internacional de 2008, segundo análise do presidente da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Francisco Turra. “O volume das vendas de frango nos surpreendeu”, disse ele, observando que a reação do mercado foi melhor nos meses de janeiro e fevereiro, quando as exportações

do produto aumentaram em 14,8%. No trimestre, as vendas externas de frango cresceram 10,1%, com 933 mil toneladas embarcadas e faturamento de US$ 1,866 bilhão, valor 28,3% acima do registrado no mesmo período de 2010. O principal destino continua sendo o Oriente Médio, que importou 361,8 mil toneladas (alta de 13,8%). Em valor, a expansão foi bem maior: 36,2%, totalizando US$ 673 milhões.

LAGOA SANTA PARTICIPAÇÕES S/A

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

CNPJ: 02.763.734/0001-58 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 - (Em reais) ATIVO CIRCULANTE Disponível Caixa e Banco C/ Movimento Aplicações Financeiras Outros Créditos a Receber Impostos a Recuperar Lucros a Receber NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Adiantamento p/ Aumento de Capital Investimentos Participações Societárias em Coligadas Imobilizado Adiantamento de Imobilizado Terrenos e Edificações Máquinas e Equipamentos Móveis, Utensílios e Instalações Equipamentos de Informática Veículos (-) Depreciação Acumulada Intangível Direito Uso Linha Telefônica Marcas e Patentes

2010 6.416.168,45 5.387.763,40 21.773,84 5.365.989,56 1.028.405,05 1.028.405,05 29.672.954,28 5.586.766,64

2009 4.439.360,26 4.417.614,85 33.870,13 4.383.744,72 21.745,41 21.745,41 25.121.768,35 5.584.066,64

5.586.766,64 19.409.094,31

5.584.066,64 17.002.126,99

19.409.094,31 4.375.143,33 37.000,00 4.642.251,06 16.652,88 85.980,67 28.190,96 70.042,66 (504.974,90) 301.950,00 1.950,00 300.000,00 _______________ 36.089.122,73 _______________

17.002.126,99 2.233.624,72 37.000,00 2.449.423,88 5.296,88 85.980,67 24.577,00 70.042,66 (438.696,37) 301.950,00 1.950,00 300.000,00 ______________ 29.561.128,61 ______________

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores de Bens e Serviços Obrigações Fiscais e Sociais Obrigações Fiscais Contribuições Sociais Obrigações Trabalhistas Outras Obrigações

2010 2.699.240,30 1.950.000,00 169.703,36 109.167,15 60.536,21 27.496,28 552.040,66

2009 63.870,54 18.250,00 20.202,74 9.423,83 10.778,91 21.479,71 3.938,09

324.439,15 324.439,15

325.639,33 325.639,33

33.065.443,28 15.990.373,00 15.990.373,00 17.075.070,28 486.361,91

29.171.618,74 15.990.373,00 15.990.373,00 13.181.245,74 259.260,21

16.588.708,37

12.921.985,53

NÃO CIRCULANTE Creditos de Acionistas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Capital Social Realizado Reservas Reserva Legal Lucros a Disposição da Assembléia

_______________ ______________ 36.089.122,73 ____________ 29.561.128,61 _____________ Reconhecemos a exatidão do presente Balanço Patrimonial que apresenta o saldo de R$ 36.089.122,73 (trinta e seis milhões, oitenta e nove mil, cento e vinte e dois reais e setenta e tres centavos) tanto no ativo como no passivo.

TOTAL DO ATIVO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em Reais) Receita Operacional Bruta Receita de Aluguel Deduções da Receita Bruta Impostos sobre Vendas Receita Líquida Lucro Bruto Receitas (Despesas) Operacionais Despesas Administrativass Outras Receitas Resultado Positivo de Equivalencia Patrimonial Resultado na Alienação de Imobilizado Encargos Financeiros Líquidos Resultado Operacional Provisão IRPJ e Contribuição Social Lucro Líquido do Exercício Lucro por ação

2010

2009

350.581,54 350.581,54 (32.428,85) (32.428,85) 318.152,69 318.152,69 4.468.219,64 (592.760,41) -

317.606,06 317.606,06 (29.378,64) (29.378,64) 288.227,42 288.227,42 4.972.052,16 (457.037,15) 2.925,57

4.004.862,51 469.849,81 586.267,73 4.786.372,33 (244.338,36) 4.542.033,97 0,28

5.005.913,22 27.000,00 393.250,52 5.260.279,58 (75.075,52) 5.185.204,06 0,32

DEMONSTRAÇÃO DOS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em Reais) 2010

2009

Saldo Inicial do Exercício 12.921.985,53 8.246.569,21 Ajuste de Exercício Anterior (527,53) Distribuição de Lucros (648.209,43) (250.000,00) Constituição de Reserva Legal (227.101,70) (259.260,21) Resultado Líquido do Exercício 4.542.033,97 5.185.204,06 Lucros a Disposição da Assembléia Geral 16.588.708,37 12.921.985,53

TOTAL DO PASSIVO

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em Reais) 2010 2009 FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE OPERACIONAL . Lucro do exercício 4.542.033,97 5.185.204,06 . Depreciações e amortizações 89.069,41 89.498,67 . Baixa de ativos imobilizados (30.150,19) (29.400,00) . Resultado com participações societárias (4.004.862,51) (5.005.913,22) . Resultado em aplicações de renda variavel 40.580,00 . Outros ajustes ao resultado (113.819,01) 19,96 Resultado líquido ajustado 482.271,67 279.989,47 . Variação das contas a receber 21.745,41 . Variação nas contas de fornecedores 1.931.750,00 18.250,00 . Variação de obrigações fiscais/sociais 155.517,19 . Variação de outras obrigações 548.102,57 . Variação de outros ativos e passivos 672,58 3.977,92 Caixa líquido proveniente das atividades operacionais 3.140.059,42 302.217,39 FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO . Operações com participações, imobilizado e intangível (2.796.388,41) (840.411,21) . Recebimento de lucros e dividendos 1.278.587,15 735.915,60 . Aporte de recursos em sociedades investidas (2.700,00) (99.603,38) . Redução de investimentos em titulos mobiliários 194.484,10 Caixa líquido proveniente das atividades de investimento (1.520.501,26) (9.614,89) FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE DE FINANCIAMENTO . Pagamento de juros s/ capital próprio (1.200,18) (20.311,74) . Pagamento de lucros e dividendos (648.209,43) (250.000,00) Caixa líquido das atividades de financiamento (649.409,61) (270.311,74) AUMENTO LÍQUIDO 970.148,55 22.290,76 DAS DISPONIBILIDADES 970.148,55 22.290,76 DISPONIBILIDADES: No Início 4.417.614,85 4.395.324,09 No Final do Exercício 5.387.763,40 4.417.614,85

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - (Em reais) PERÍODO DE 01/JAN./2009 A 31/DEZ./2010 CONTAS ESPECIFICAÇÕES SALDOS EM 31/DEZ./2008 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO CONSTITUIÇÃO DE RESERVA LEGAL SALDOS EM 31/DEZ./2009 AJUSTE DE EXERCÍCIO ANTERIOR DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO CONSTITUIÇÃO DE RESERVA LEGAL SALDOS EM 31/DEZ./2010

CMYK

CAPITAL SOCIAL REALIZADO 15.014.740,00 975.633,00 15.990.373,00 15.990.373,00

RESERVA LEGAL

Em segundo lugar na lista dos maiores clientes estão os países da Ásia. Pela primeira vez, informou Turra, a China está entre os dez principais mercados, superando a Venezuela. Para a Ásia seguiram 252 mil toneladas, 6,6% mais do que no mesmo período do ano passado, gerando uma receita de US$ 545,2 milhões. O executivo observou que o mercado externo está aquecido e, por isso, os empresários querem ampliar a presença do produto brasileiro na Ásia. Malásia e Indonésia já demonstraram interesse de importar produtos avícolas brasileiros. Em média, o Brasil exporta 35% do que produz no setor, sendo 39% para o Oriente Médio, seguido pela África e União Europeia, ambos os mercados com fatia de 12%. A grande ameaça ao setor, segundo Turra, são o câmbio sobrevalorizado e os custos de produção em alta com a elevação do preço do milho, o principal insumo da produção avícola. Ele destacou que a desvalorização do dólar frente ao real “já chegou a um limite insuportável”, colocando em risco a previsão de crescimento no ano de 3% a 5%. “Tem empresas que já falam em reduzir turnos de trabalho”, disse Turra, porque já começam a ter dificuldades de oferecer produtos a preços mais vantajosos do que os concorrentes.

RESULTADOS ACUMULADOS

TOTAL GERAL

-

8.246.569,21 (527,53) (250.000,00)

259.260,21 259.260,21 227.101,70 486.361,91

5.185.204,06 (259.260,21) 12.921.985,53 (648.209,43)

23.261.309,21 (527,53) (250.000,00) 975.633,00 5.185.204,06 29.171.618,74 (648.209,43)

4.542.033,97 (227.101,70) 16.588.708,37

4.542.033,97 33.065.443,28

1. CONTEXTO OPERACIONAL Lagoa Santa Participações S/A tem por objeto social a participação em outras sociedades, como sócia quotista ou acionista, bem como a prática dos procedimentos inerentes a tal participação. Em 20 de maio de 2009, os sócios quotistas deliberaram e aprovaram a transformação do tipo societário, passando de sociedade empresaria limitada para sociedade anônima de capital fechado. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, em consonância com a Lei das Sociedades por Ações, alterada e atualizada com as disposições das leis nº 11.638/07 e 11.941/09. Em simetria com os Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, a empresa adotou as avaliações e os procedimentos necessários para a apresentação das demonstrações contábeis em conformidade com novas Práticas Contábeis. Os efeitos inflacionários são reconhecidos através da atualização monetária dos ativos e passivos, sujeitos à indexação ou variação cambial, e estão refletidos no resultado do exercício. 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS Dentre os principais procedimentos adotados para a elaboração das demonstrações contábeis ressaltamos: a) Apuração do resultado As receitas, despesas e provisões são escrituradas dentro do período em que foram auferidas ou incorridas, estando, portanto, registradas conforme sua competência. As operações com taxas pré-fixadas são registradas pelo valor de resgate. As operações com taxas pós-fixadas estão atualizadas até a data do balanço. A apropriação dos efeitos no resultado do exercício é efetuada com observância ao regime de competência dos exercícios. b) Estimativas contábeis Foram utilizadas estimativas para a contabilização de determinados ativos, dentre as quais destacamos a determinação da vida útil dos bens integrantes do ativo imobilizado e a expectativa de realização dos ativos intangíveis. c) Caixa e Equivalentes de Caixa Estão representados pelo caixa e recursos mantidos em instituições bancárias de primeira linha, representados por depósitos a vista e aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, cujos saldos não estão expostos a riscos significativos de mudança de valor. As aplicações financeiras estão demonstradas pelo custo de aplicação, acrescidas dos rendimentos correspondentes, apropriados até a data do balanço. d) Investimentos em Participações Societárias A empresa participa nas sociedades Blocaus Pré-Fabricados Ltda.; DCL Administração e Participação Ltda., BMFD Administração Empreendimentos e Participações Ltda., Veloz Incorporação e Construção Ltda., Porto a Porto Comércio Importação e Exportação Ltda. e Miranda Services Inc, onde os investimentos foram avaliados pelo método da equivalência patrimonial. e) Imobilizado Está demonstrado ao custo de aquisição ajustado por depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear, a taxas estabelecidas pela legislação fiscal em função do tempo de vida útil, fixado por espécie de bens, como segue: Edificações 4% a.a Móveis, utensílios e instalações 10% a.a Máquinas e equipamentos em geral 10% a.a Equipamentos de informática 20% a.a Veículos 20% a.a f) Intangível Está demonstrado ao custo de aquisição, o qual não supera a expectativa dos benefícios a serem gerados com a utilização desses ativos. g) Passivo circulante e não circulante Demonstrado por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicáveis, os encargos e as variações monetárias incorridas. h) Provisão de férias A provisão de férias foi constituída para cobertura dessas obrigações, vencidas e proporcionais, bem como os respectivos encargos sociais calculados até a data do balanço. i) Imposto de Renda Calculado à razão de 15% sobre o Lucro Real apurado trimestralmente nos termos da legislação tributária, acrescido de adicional calculado à razão de 10% sobre a parcela desse lucro presumido que ultrapassou a R$ 60.000,00 em cada trimestre. j) Contribuição Social sobre o Lucro Calculada à razão de 9% sobre o Lucro Real apurado trimestralmente nos termos da legislação tributária. 4. PATRIMÔNIO LÍQUIDO O capital social subscrito e integralizado está dividido em 15.990.373 ações nominativas, no valor de R$ 1,00 cada uma, pertencentes a acionistas domiciliados no País. 5. COBERTURA DE SEGUROS São mantidas coberturas de seguros, sobre os itens componentes do ativo imobilizado sujeitos a riscos, em montante julgado suficiente para cobrir eventuais sinistros. 6. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Em 31 de dezembro de 2010 a sociedade não possuía qualquer contrato de troca de índices (SWAP) ou que envolvesse operações com derivativos. A sociedade não utilizava em 31/dez./2010 linhas de empréstimos e financiamentos. FERNANDO CORREA DE OLIVEIRA ROGERIO BERTOL Diretor Contador CPF: 506.504.599-19 CRC/PR O28432/O-5

Garibaldi defende substituição de fator previdenciário Carolina Pimentel

O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, defende a substituição do fator previdenciário por outro mecanismo na concessão das aposentadorias. No entanto, o ministro disse que ainda não há uma definição no governo sobre essa troca. O fator previdenciário é um cálculo usado para desestimular o trabalhador a solicitar a aposentadoria de maneira precoce. Com isso, ele contribui por mais tempo, o que influencia a redução do déficit da Previdência Social. A fórmula leva em conta o tempo de contribuição, a idade e a expectativa de vida da população. Quanto mais novo o trabalhador requisitar a aposentadoria somada a uma expectativa de vida alta da população, o valor do benefício será menor. “O governo ainda não tem uma conclusão, um projeto que leve a essa alternativa tendo em vista que o fator previdenciário representa um ganho de R$ 10 bilhões. Eu acredito que exista alternativa que poupe mais o previdenciário desse sacrifício, que represente o fator, que além do mais, não é muito transparente”, disse após participar do programa de rádio Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) em parceria com a EBC Serviços. Durante o programa, numa referência à música de Chico Buarque de Hollanda, Garibaldi afirmou que o fator previdenciário é a “Geni” do sistema previdenciário, visto como “maldito” pela maioria dos aposentados. “Todo mundo atira nesse fator. Só espero não ser atingido. Ele não pode ser substituído simplesmente, precisamos achar uma alternativa melhor ”, disse.

AGÊNCIAS O ministro Garibaldi Alves espera que o corte no Orçamento do governo federal não afete o plano de expansão de agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A meta do ministério é criar mais 720 agências em dois anos, que custam, em média, R$ 800 mil cada unidade. Garibaldi Alves tentará cortar gastos de custeio como forma de manter a expansão. “Acredito na sensibilidade da presidenta Dilma Rousseff”, disse. “Corte é corte. Às vezes, ninguém escapa dele. Estamos procurando uma forma de escapar de um corte mais severo”, acrescentou.


PublicidadeLegal

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B2

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

FUND AÇÃO ECUMÊNICA DE PR OTEÇÃO AO EX CEPCION AL FUNDAÇÃO PRO EXCEPCION CEPCIONAL Av. Pref. Lothário Meissner, n.º 836 - Jardim Botânico - Curitiba Paraná CNPJ-MF n.º 76.693.076/0001-01 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXER CÍCIOS FINDOS EM 31.12.10 E 31.12.09 - (Valores em R$) EXERCÍCIOS BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT OU DÉFICIT DO EXERCÍCIO

2010

2009

ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades . Caixa e Bancos . Aplicações Financeiras Créditos . Convênios a Receber . Doações Call Center a Receber . Importações em Andamento . Adiantamento de Férias . Adiantamentos a Empregados . Cheques a Receber . Receitas Bazar S.R.F. a Receber . Depósitos/créditos a Compensar . Empréstimos C.E.F.Funcs. . Outros créditos a receber . INSS à Compensar . Valores a Recuperar Estoques . Materiais Consumo Cepe Importados . Bazar FEPE . Materiais consumo Cepe Nacionais . Mat.P/Móveis FEPE Aplicação de Recursos de Convênio . Convênio Fas/FMCA N.3648 a Receber . Convênio FMAD a Receber Despesas Antecipadas . Prêmios de Seguro a Vencer . Editel Lista Telefônicas ATIVO NÃO CIRCULANTE Ativo Realizável a Longo Prazo . Depósitos Trabalhistas . Depósitos tributários investimentos . Obras de Artes Imobilizado . Benfeitorias Imov.FEPE . Máquinas e Acessórios . Equipamentos e Instalações . Terrenos . Veículos . Móveis e Utensílios . Hardware . Equipamentos de Reabilitação . Direitos s/Linhas Telefônicas . Outras Imobilizações . Benfeitorias Cejuc-Imóvel Terceiros . Amortiz.Acum.Benf.Imóv.Terc.Subsede . Depreciações Acumuladas Intangível . Software . Depreciação Acumulada Software

2.472.109,74 629.986,67 78.547,87 551.438,80 1.429.206,08 927.106,21 29.442,30 385.586,99 77.326,45 200,00 3.408,50 0,00 104,25 1.536,71 2.203,29 968,73 1.322,65 407.545,23 304.918,97 3.708,84 97.085,48 1.831,94 0,00 0,00 0,00 5.371,76 5.371,76 0,00 3.142.123,27 282.428,78 28.937,06 253.491,72 5.980,00 5.980,00 2.848.355,04 1.896.109,12 13.470,00 1.550.080,89 750.000,00 138.180,81 347.596,90 200.178,79 82.812,89 18.258,57 56.741,91 838.782,48 (838.782,48) (2.205.074,84) 5.359,45 68.850,40 (63.490,95)

2.176.880,37 1.103.211,60 36.547,20 1.066.664,40 611.445,89 430.185,01 26.047,80 58.983,23 75.532,20 250,00 9.750,50 1.050,00 665,00 1.558,04 3.115,16 0,00 4.308,95 443.474,39 387.605,30 6.134,35 47.855,72 1.879,02 10.275,46 10.275,46 0,00 8.473,03 7.814,53 658,50 3.019.673,76 233.620,05 37.250,40 196.369,65 5.480,00 5.480,00 2.771.567,46 1.850.057,04 13.470,00 1.282.032,63 750.000,00 169.272,81 341.161,22 203.046,88 84.808,23 18.258,57 56.585,86 838.782,48 (838.782,48) (1.997.125,78) 9.006,25 68.850,40 (59.844,15)

TOTAL DO ATIVO

5.614.233,01

5.196.554,13

PASSIVO

2010

PASSIVO CIRCULANTE . Fornecedores . Importações a Pagar . Salários Dezembro a pagar . Rescisão de Contrato a Pagar . Provisão para Férias . Provisão FGTS 13º Salário . Encargos Sociais a Pagar . Impostos e Taxas a Pagar . B.Brasil S.A. C/14218-2 . Outras obrigações Recursos de Projetos e Convênios Atividades de Saúde . Convênio Ministério da Saúde . ( - ) Conv. Ministério da Saúde . Convênio 30/05 Seti - Espectrometria . ( - ) Conv. 30/05 Seti - Espectrometria . Conv.Secretaria de Saúde do Pr.Cemepar . ( - )Conv.Secretaria de Saúde do Pr.Cemepar . Convênio FAS 3831 Ref.Triagem Neonatal . ( - )Convênio FAS 3831 Ref.Triagem Neonatal Atividades de Assistência Social . Convênio Fundo Municipal Apoio ao Deficiente . ( - )Convênio Fundo Munic. Apoio ao Deficiente . Convênio FAS 3005 . ( - ) Conv. FAS 3005 . Convênio FAS/FAD 3611 . ( - )Convênio FAS/FAD 3611 . Convênio FAS/FMCA 3648 . ( - )Convênio FAS/FMCA 3648 . Convênio FAS 3832 . Convênio ABEC . ( -) Convênio ABEC Recursos de Projetos e Convênios Atividades de Educação . Convênio MEC/PDDE . ( - ) Conv. MEC/PDDE . Convênio Secretaria de Educação do Pr. . ( - ) Conv. Secretaria de Educação do Pr. . Convênio Pref.Municipal de Pinhais . ( - ) Conv. Pref.Municipal de Pinhais . Convênio Pref.Municipal de Piraquara . ( - )Conv. Pref.Municipal de Piraquara . Conv. Pref.Municipal de Almirante Tamandaré . ( - ) Conv.Pref.Municipal de Alm. Tamandaré . Conv. Pref.Municipal de Colombo . ( - ) Conv. Pref.Municipal de Colombo PASSIVO NÃO CIRCULANTE . Provisão para Contigências Trabalhistas . Pis Sub judice PATRIMÔNIO LÍQUIDO . Patrimônio Social . Déficit do Exercício TOTAL DO PASSIVO

1.247.142,37 59.473,61 673.206,06 33.418,21 1.184,07 210.946,23 9.763,17 84.350,28 19.200,77 1.829,70 120.517,81 33.252,46

2009 1.001.446,76 50.692,16 304.194,74 0,00 0,00 223.041,31 9.815,91 79.033,71 22.201,14 0,00 5.225,08 307.242,71

0,00 16.456,87 0,00 (16.456,87) 0,00 1.056.045,52 0,00 (759.078,27) 461.391,94 519.358,05 (461.391,94) (519.358,05) 20.000,00 0,00 (20.000,00) 0,00 0,00 0,00 30.000,00 (30.000,00) 0,00 0,00 10.561,95 (10.561,95) 25.000,00 0,00 0,00

14.956,37 (14.956,37) 30.000,00 (30.000,00) 11.061,00 (11.061,00) 10.275,46 0,00 0,00 42.702,94 (42.702,94)

0,00 16.188,44 0,00 (16.188,44) 846.539,59 912.857,89 (846.539,59) (912.857,89) 39.679,25 32.151,60 (39.679,25) (32.151,60) 23.040,00 23.076,55 (17.280,00) (23.076,55) 17.786,61 24.000,00 (15.294,15) (24.000,00) 0,00 2.201,40 0,00 (2.201,40) 404.921,66 300.346,50 144.774,88 98.600,00 260.146,78 201.746,50 3.962.168,98 3.894.760,87 4.126.249,63 3.926.477,84 (164.080,65) (31.716,97) 5.614.233,01 5.196.554,13

( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

Períodos de 01.01.10 a 31.12.10 e 01.01.09 a 31.12.09 2010 RECEITA OPERACIONAL BRUTA / FEPE 7.255.217,20 Atividades de Saúde Serviço de Ref. emTriagem Neonatal do Paraná Habilitação e Reab. da Pessoa com Deficiência Convênios 5.069.533,60 . Convênio SUS Laboratório/Triagem Neonatal 4.592.238,22 . Convênio SUS AME-BPA C.S.M. Consultas 7.089,00 . Convênio SUS Sede/Subsede/ Acompanha470.206,38 mento de Pacientes em Reabilitação Receitas Diversas 25.937,94 . Receita Centro de Pesquisa 1.600,00 . Descontos Obtidos 163,02 . Receita Congresso CEPE 0,00 . Receitas Captações Recursos Congresso 0,00 . Doações Pessoa Jurídica 24.174,92 Recuperações Diversas 736.125,92 . Recuperação INSS Patronal 473.090,30 . Recuperação Cofins 152.864,15 . Recuperações Diversas 110.171,47 Despesas Operacionais - Saúde (4.500.968,92) . 100% de Gratuidade . Despesas com Pessoal (2.507.735,20) . Salários/13ºSl.e Férias (1.765.262,30) . FGTS (195.692,50) . Isenção INSS - Patronal (473.090,30) . Prov.Procs.Trabalhistas (40.000,00) . Vales Transportes (33.690,10) Despesas Gerais (1.821.959,87) . Gastos Gerais (1.821.959,87) Despesas Tributárias (171.273,85) . Impostos e Taxas (18.409,26) . Isenções Cofins (152.864,15) . Despesas Fiscais (0,44) Atividades de Assistência Social Receitas Diversas 500.829,94 . Doações de Pessoas Físicas 354.747,45 . Doações de Orgãos Públicos 36.663,03 . Doações Pessoa Jurídica 22.970,59 . Receitas Doações Bazar Rede Solidária 71.757,80 . Receitas Proj.Captações de Recursos 14.691,07 Recuperações Diversas 246.643,23 . Recuperação INSS Patronal 126.443,87 . Recuperação Cofins 15.037,86 . Recuperações Diversas 105.161,50 Despesas Operacionais-Assistência Social (991.219,14) . Despesas com Pessoal (634.821,55) . Salários/13ºSl.e Férias (471.805,47) . FGTS (27.352,61) . Isenção INSS - Patronal (126.443,87) . Vales Transportes (9.219,60) Despesas Gerais (335.894,74) . Gastos Gerais (335.894,74) Despesas Tributárias (20.502,85) . Impostos e Taxas (5.464,99) . Cofins (15.037,86) Atividades de Educação Escola de Educação Especial Ecumênica Receitas Diversas 15.034,45 . Doações de Orgãos Públicos 3.401,00 . Doações Pessoa Jurídica 1.400,00 . Receitas Alim.S.M.Educação Curitiba 9.110,50 . Descontos Obtidos 5,01 . Receita Aluguel 550,00 . Receita Curso Nead 0,00 . Dividendos Telecom 567,94 Recuperações Diversas 504.328,04 . Recuperação INSS Patronal 276.901,29 . Recuperação Cofins 451,04 . Recuperações Diversas 226.975,71 Despesas Operacionais - Educação (1.233.641,86) . 100% de Gratuidade . Despesas com Pessoal (807.846,88) . Salários/13ºSl.e Férias (350.357,67) . FGTS (68.988,65) . Isenção INSS - Patronal (276.901,29) . Prov.Procs.Trabalhistas (50.033,52) . Vales Transportes (61.565,75) Despesas Gerais (422.415,50) . Gastos Gerais (422.415,50) Despesas Tributárias (3.379,48) . Impostos e Taxas (2.918,42) . Cofins (451,04) . Despesas Fiscais (10,02) Atividades Meios Receitas Diversas 2.280,76 . Descontos Obtidos 2.037,19 . Dividendos Telecom 243,57 . Outras Receitas Operacionais 0,00 Recuperações Diversas 154.503,32 . Recuperação INSS Patronal 99.927,72 . Recuperação Cofins 2.977,98 . Recuperações Diversas 51.597,62 Despesas Operacionais (773.556,20) . Despesas com Pessoal (566.211,21) . Salários/13ºSl.e Férias (372.864,63) . FGTS (47.103,81) . Isenção INSS - Patronal (99.927,72) . Prov.Proc.Trabalhista (26.465,85) . Vales Transportes (19.849,20) Despesas Gerais (200.593,67) . Gastos Gerais (187.850,10) . Outras Despesas Operacionais (12.743,57) Despesas Tributárias (6.751,32) . Impostos e Taxas (3.751,52) . Cofins (2.977,98) . Despesas Fiscais (21,82) Resultados Financeiros Líquidos 80.088,27 . Despesas Financeiras (16.896,68) . Receitas Aplicações Financeiras 96.984,95 RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO/FEPE 164.080,65 Déficit do Exercício/FEPE (164.080,65)

2009 7.272.350,65

4.887.047,41 4.510.415,35 0,00 376.632,06 76.535,36 1.790,00 0,00 41.580,82 2.600,00 30.564,54 647.945,58 417.344,35 148.907,49 81.693,74 (4.315.599,89) (2.248.990,02) (1.557.255,01) (211.372,43) (417.344,35) (25.000,00) (38.018,23) (1.901.731,08) (1.901.731,08) (164.878,79) (15.889,55) (148.907,49) (81,75) 517.048,53 343.087,08 29.488,47 33.749,29 106.676,00 4.047,69 250.653,68 124.840,10 15.511,46 110.302,12 (920.677,98) (663.165,71) (465.821,25) (59.831,62) (124.840,10) (12.672,74) (233.862,30) (233.862,30) (23.649,97) (8.138,51) (15.511,46)

18.283,20 0,00 0,00 7.958,20 0,00 600,00 9.725,00 0,00 601.114,98 397.251,02 548,50 203.315,46 (1.401.790,81) (1.017.241,75) (460.102,04) (71.524,98) (397.251,02) (25.000,00) (63.363,71) (379.399,54) (379.399,54) (5.149,52) (4.601,02) (548,50) 0,00 35.054,92 2.001,57 613,23 32.440,12 238.666,99 98.276,19 3.909,94 136.480,86 (780.343,18) (536.540,86) (366.702,20) (58.845,46) (98.276,19) (44,27) (12.672,74) (236.124,28) (236.124,28) 0,00 (7.678,04) (3.767,05) (3.909,94) (1,05) 114.344,24 (13.372,87) 127.717,11 31.716,97 (31.716,97)

( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Do Exercício findo em 31 de dezembro de 2010 - (Valores em R$) NOTA 1 – CONTEXTO OPERACIONAL A FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL - FEPE, é uma instituição civil de direito privado, fundada em 23 de março de 1959 em Curitiba Paraná, sem fins lucrativos declarada de utilidade pública Federal, Estadual e Municipal destinada a realizar pesquisa, prevenção e diagnóstico nas áreas de educação, de saúde e a inclusão da pessoa com deficiência. NOTA 2 – Apresentação das Demonstrações Contábeis e efeitos contábeis e efeitos pelas Leis nº 11.638/07 - 11.941/09 – 12.101/09 e Decreto 7.237/10 As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as determinações da Lei nº 6.404/76, adotando e incorporando as alterações promovidas pelas Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, apresentadas comparativamente com as levantadas em 31/12/09, expressas em reais, e conjugadas com as normas de contabilidade para entidades sem fins lucrativos, consubstanciadas nas determinações da Lei nº 12.101/ 09 e Decreto nº 7.237/10 das entidades beneficentes de assistência social. As demonstrações contábeis incorporam os Pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e as normas Brasileiras de Contabilidade do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) em vigor até a data de conclusão da elaboração das demonstrações contábeis. Em função das alterações promovidas na legislação societária brasileira pelas Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, a entidade passou a elaborar e divulgar no presente exercício a Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), em substituição à Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR), e, a Demonstração do Valor Adicionado (DVA), comparativamente ao exercício findo em 31/12/09. As práticas contábeis modificadas em função das alterações na legislação societária não afetaram o resultado ou o patrimônio líquido da entidade no período abrangido pelas demonstrações contábeis divulgadas. Dessa forma, a entidade optou por publicar as demonstrações contábeis dos exercícios de 2010 e 2009 comparativamente ajustadas como se as novas disposições pelas Leis nº11.638/07 e nº 11.941/09 sempre estivessem em vigor, na forma facultada pelo Pronunciamento técnico CPC 13. Em abril de 2000, o Conselho Federal de Contabilidade emitiu a Resolução CFC nº 877, estabelecendo procedimentos contábeis para as entidades sem fins lucrativos, assim, a Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional - FEPE, esta apresentando as Demonstrações Contábeis segundo as disposições contidas na referida resolução. NOTA 3 – Procedimentos Contábeis Dentre os principais procedimentos adotados para a preparação das demonstrações contábeis, ressaltamos : Aplicações Financeiras – Estão demonstradas ao custo de aquisição, acrescido das remunerações contratadas proporcionalmente até a data do balanço. Contas a Receber – Engloba os créditos faturados até 31.12.2010, contabilizados com base no regime de competência. Estoques – Os materiais em estoque e almoxarifado, classificados no ativo circulante, estão registrados ao custo de aquisição e avaliados pelo método PEPS. Imobilizado – Os bens do ativo imobilizado estão registrados ao custo de aquisição ou construção, deduzido a depreciação calculada pelo método linear, tomando-se por base os saldos contábeis registrados nas respectivas contas. Intangível – Demonstrados pelo custo de aquisição, deduzido a depreciação calculada pelo método linear, tomando-se por base os saldos contábeis registrados nas respectivas contas. Correção Monetária – Os efeitos inflacionários sobre as demonstrações contábeis não foram reconhecidos nas posições patrimonial e econômica do exercício findo em 31.12.2010, consoante as disposições da lei 9.249/95 que revogou as normas que regiam a correção monetária do balanço. Importações a Pagar - Estão atualizadas pelas taxas do euro e dólar até a data do balanço. O fechamento do câmbio está previsto para o primeiro semestre do exercício de 2011. Provisão de Férias – Os direitos adquiridos pelos funcionários no tocante a férias, apresentam-se quantificados e provisionados dentre as obrigações constituídas. Receitas e Despesas Operacionais – As receitas e despesas operacionais estão registradas, segundo o regime de competência. NOTA 4 – PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL – PIS Em 08 de junho de 2005 a entidade protocolou Ação Ordinária Declaratória Condenatória nº 2005.70.00015331-0 (6ª Vara Federal de Curitiba), visando a obtenção do reconhecimento ao direito a imunidade tributária sobre a Contribuição para Programa de Integração Social – PIS, conforme define o artigo 195, parágrafo 7º da Constituição Federal, combinado com o Artigo 14 do Código Tributário Nacional. Mesmo entendendo ser inconstitucional a entidade optou em reconhecer no Passivo Exigível o montante correspondente à obrigação “sub judice”, em observância aos princípios fundamentais de contabilidade, da Prudência e da Competência.

CMYK

O montante provisionado corresponde a R$ 260.146,78 (Duzentos e sessenta mil, cento e quarenta e seis reais, e setenta e oito centavos), e os valores foram atualizados conforme a Legislação. NOTA 5 – APLICAÇÃO DE RECURSOS Na Atividade Institucional No exercício de 2010 a Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional – FEPE aplicou integralmente na sua atividade institucional, o valor do imobilizado, intangível e investimentos conforme ficou evidenciado na Demonstração dos Fluxos de Caixa, totalizando R$ 285.236,64. Para a manutenção da estrutura das atividades assistenciais, a entidade aplicou desde a sua constituição no ativo investimentos, imobilizado e intangível com a seguinte composição em 31.12.10 : EM 31/12/2010 SAÚDE EDUCAÇÃO ASSIST. ATIV. TOTAL SOCIAL MEIO FEPE INVESTIMENTOS 180,00 0,00 0,00 5.800,00 5.980,00 INVESTIMENTOS 180,00 0,00 0,00 5.800,00 5.980,00 ATIVO IMOBILIZADO 1.139.342,02 854.506,51 626.638,11 227.868,40 2.848.355,04 ATIVO IMOBILIZADO 2.356.884,94 1.767.663,71 1.296.286,72 471.376,99 5.892.212,36 DEPRECIAÇOES ACUM. (1.217.542,92) (913.157,20) (669.648,61) (243.508,59) (3.043.857,32) INTANGÍVEL 2.143,90 1.607,92 1.179,15 428,78 5.359,75 SOFTWARE 27.540,16 20.655,12 15.147,09 5.508,03 68.850,40 DEPRECIAÇOES ACUM. (25.396,66) (19.047,20) (13.967,94) (5.079,25) (63.490,65) Em Atendimentos Gratuitos Na área da Saúde a FEPE foi credenciada através da Portaria GM-MS 822, de 06 de Junho de 2001 e da Portaria nº 354 de 31 Agosto de 2001 da Secretaria de Assistência a Saúde, a prestar serviços com procedimentos do Programa Nacional em Triagem Neonatal no Estado do Paraná. Por meio deste programa, mais conhecido como Teste do Pezinho, a entidade oferece aos recém-nascidos paranaenses, a triagem neonatal, o diagnóstico precoce, o acompanhamento e o tratamento para as seguintes doenças congênitas: Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Fibrose Cística, Doenças Falciformes e outras Hemoglobinopatias Através de repasse dos recursos da Secretaria Municipal da Saúde, a Instituição presta atendimentos de habilitação e reabilitação das pessoas com deficiência. A Escola de Educação Ecumênica presta atendimentos nos programas de Educação infantil (Estimulação Precoce e Pré-Escolaridade), Ensino Fundamental e Ed. Profissional Inicial. Na Assistência Social a instituição realiza ações voltadas a identificação dos fatores econômicos, culturais e sociais que possam determinar as demandas da população atendida. A Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional – FEPE, aplicou na sua atividade assistencial, na Área de Saúde, Assistência Social e Educação os recursos de sua arrecadação, como segue em 31 de dezembro : DEMONSTRAÇÃO DAS APLICAÇÕES EM GRATUIDADE Receita Operacional Bruta 2010 2009 Atividades de Saúde 5.831.597,46 5.611.528,35 Atividades de Assistência Social 747.473,17 767.702,21 Atividades de Educação 519.362,49 619.398,18 Atividades Meios 156.784,08 273.721,91 Receita Operacional Bruta 7.255.217,20 7.272,350,65 Rec. Financeiras 96.984,95 127.717,11 Receitas 7.352.202,15 7.400.067,76 Custo das Aplicações em Gratuidade Atividades de Saúde 4.500.968,92 4.315.599,89 Atividades de Assistência Social 991.219,14 920.677,98 Atividades de Educação 1.233.641,86 1.401.790,81 Atividades Meios 790.452,88 793.716,05 Total das Gratuidades Oferecidas 7.516.282,80 7.431.784,73 Tributos e Contribuições A Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional - FEPE é uma entidade sem fins lucrativos e, portanto, goza de benefícios fiscais, cujas isenções obtidas estão contabilizadas consoante disposições emanadas do Conselho Nacional de Assistência Social, conjugadas com Ordens de Serviço do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, Normas Brasileiras de Contabilidade, Resolução CFC nº 877 e legislação tributária vigente, como seguem: Isenções Obtidas da FEPE 2010 2009 Contribuição Patronal do INSS 976.363,18 1.037.711,66 COFINS 171.331,03 168.877,39 Total das Isenções Usufruídas 1.147.694,21 1.206.589,05

Exercícios findos em 31.12.10 e 31.12.09 2010 Receitas . Convênios . Outras Receitas Operacionais . Recuperações Diversas Insumos Adquiridos de Terceiros . Materiais Consumidos . Energia e Serviços de Terceiros . Outras Despesas Operacionais Retenções . Depreciações e Amortizações Valor Adicionado Bruto . Receitas Financeiras . Doações Recebidas Total do Valor Adicionado a Distribuir . Salários e Encargos . Despesas Tributárias Capital de Terceiros Despesas Financeiras Déficit do Exercício Total do Valor Destinado ou Distribuido

5.069.533,60 100.726,10 1.641.600,51

2009 4.887.047,41 210.032,63 1.738.381,23

(1.464.395,31) (1.484.949,32) (104.228,83) (108.204,25) (946.422,94) (915.642,89) (265.816,70) 4.030.996,43 96.984,95 443.356,99 4.571.338,37 4.516.614,84 201.907,50

(242.320,74) 4.084.344,07 127.717,11 436.889,38 4.648.950,56 4.465.938,34 201.356,32

16.896,68 (164.080,65) 4.571.338,37

13.372,87 (31.716,97) 4.648.950,56

( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA INDIRETO Exercícios findos em 31.12.10 e 31.12.09 2010 Fluxos De Caixa das Atividades Operacionais . Déficit do Exercício (164.080,65) . Doações Patrimoniais 256.846,02 . Ajustes do Exercício Anterior (25.357,26) . Depreciação e Amortização 211.595,86 . Aumento/redução de Estoques 35.929,16 . Aumento/Red. Contas a Receber (807.484,73) . Aumento/Red. Despesas Antecipadas 3.101,27 . Aumento/Red. a pagar Fornecedores e Prov. 61.837,74 . Aumento/Red.de Projetos e Convs.a Prestar Contas (273.990,25) . Depósitos Trabalhistas e Tributários (48.808,73) (=) Caixa Líquido Proveniente das atividades operacionais (750.411,57) Fluxos de Caixa das Atividades de Investimentos . Compras do Investimento (500,00) . Compras do Imobilizado (284.736,64) . Compras do Intangível 0,00 . Recebimentos Venda de Ativos Imobilizado 8.050,00 .(=) Disponibilidades líquidas geradas nas atividades de Investimentos (277.186,64) . Aumento (redução) das disponibilidades (473.224,93) . Disponibilidades no início do exercício 1.103.211,60 . Disponibilidades no fim do exercício 629.986,67

2009 (31.716,97) 74.126,49 0,00 177.117,48 84.955,51 1.243.876,36 2.876,46 (794.969,81) (34.985,37) (61.507,93) 659.772,22 (180,00) (210.473,67) (2.275,00) 58.730,00 (154.198,67) 505.573,55 597.638,05 1.103.211,60

( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Exercícios findos em 31.12.10 e 31.12.09 _______________________________________________________________________________________ Eventos Patrimônio Superávit/ DéfiTotal Social cit do ____________________ Exercício _____________________________________________________________ ______ Saldos em 01.01.09 4.164.883,80 (312.532,45) 3.852.351,35 Transf.p/Patrimônio Social (312.532,45) 312.532,45 0,00 Doações Patrimoniais 74.126,49 0,00 74.126,49 Déficit do Exercício 0,00 (31.716,97) (31.716,97) Saldos em 31.12.09 3.926.477,84 (31.716,97) 3.894.760,87 Transf.p/Patrimônio Social (31.716,97) 31.716,97 0,00 Doações Patrimoniais 256.846,02 0,00 256.846,02 Ajustes Exercs.anteriores (25.357,26) 0,00 (25.357,26) Déficit do Exercício 0,00 (164.080,65) (164.080,65) Saldos em 31.12.10 4.126.249,63 (164.080,65) 3.962.168,98 ( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE Encerrado em 31/12/2010 - R$ Déficit do Exercício Ajustes Exercícios Anteriores Déficit do Exercício Abrangente

2010 (164.080,65) (25.357,26) (189.437,91)

2009 (31.716,97) 0,00 (31.716,97)

( As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis )

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Do Exercício findo em 31 de dezembro de 2010 - (Valores em R$) continuação NOTA 6 – Recursos de Projetos e Convênios. Conforme registro na conta patrimonial do Passivo Circulante, a entidade aplicou recursos de Projetos e Convênios de forma segregada nas Atividades de Saúde, Assistência Social e Educação. NOTA 7 – Contingências As contingências existentes na data de 31 de dezembro/10, correspondem ao montante de R$ 144.774,88, oriundo de processos trabalhistas e foram provisionados para fazer face ao pagamento de eventual perda dos processos, conforme Parecer Jurídico. NOTA 8 – Patrimônio Líquido O Patrimônio Líquido está representado na moeda atual, cuja composição é a seguinte em 31 de dezembro : Contas 2010 2009 Patrimônio Social 4.126.249,63 3.926.477,84 Déficit do Exercício (164.080,65) (31.716,97) Patrimônio Líquido 3.962.168,98 3.894.760,87 Os ajustes de exercícios anteriores refere-se ao cancelamento de procedimentos de exames laboratoriais do convênio SUS no valor de R$ 21.795,95, cancelamento parcial do convênio da Prefeitura Municipal de Piraquara no valor de R$ 1.608,00 e estorno de atualização de depósitos trabalhistas no valor de R$ 1.953,31. NOTA 9 – Contas de Compensação Ativa e Passiva Em 2010 e 2009 a entidade reconheceu na escrituração contábil, contas de compensação Ativas e Passivas, convênios e recursos recebidos de transferências derivadas da lei orçamentária e concedidas por órgãos do setor público para entidades de iniciativa pública e privada, em atendimento às disposições da resolução CFC 922, de 13/12/01, cuja composição é a Seguinte: Contas de Compensação 2010 2009 Convênio Secret. .Est.Educação do Pr. 846.539,59 913.884.78 Convênio FAS N.3005 2.500,00 2.500,00 Convênio FAS N.3611 0,00 11.061,00 Convênio FAS N.3831 20.000,00 0,00 Convênio FAS N.3832 25.000,00 0,00 Convênio Pref.Munic. de Pinhais 11.501,47 0,00 Convênio Pref.Munic. de Piraquara 7.680,00 5.760,00 Convênio Pref.M.Almirante Tamandaré 5.418,67 6.000,00 Convênio 30/05 SETI 0,00 296.967,25 Totais 918.639,73 1.236.173,03 Curitiba, 31 de dezembro de 2010. Laura Stival TC-CRC-PR 35.179/O-5 Mario Gabriel Choinski Diretor Tesoureiro

José Alcides Marton da Silva Diretor Presidente

PARECER DO CONSELHO FISCAL 1- Examinamos a documentação, as demonstrações contábeis e os balanços patrimoniais da Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional , dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009. 2- Em nossa opinião somos de parecer favorável a aprovação das respectivas demonstrações contábeis e os balanços patrimoniais da Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional, levantados em 31 de dezembro de 2010 e 2009. Curitiba, 31 de Março de 2011. Alberto Hoffmann Paulo Sérgio Dobicz Fátima Hiromi Del Mouro

RELATÓRIO DO (S) AUDITOR(ES) INDEPENDENTE(S) SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS À DD. DIRETORIA DA FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE CURITIBA – PR RELATÓRIO DO (S) AUDITOR(ES) INDEPENDENTE(S) SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Examinamos as demonstrações financeiras da FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração das demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o comprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas, quando lidas em conjunto com as notas explicativas que as acompanham apresentam adequadamente, em seus aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da FUNDAÇÃO ECUMÊNICA DE PROTEÇÃO AO EXCEPCIONAL – FEPE em 31 de dezembro de 2010, o desempenho de sua operações e seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Curitiba, 25 de março de 2011 UHY MOREIRA – AUDITORES CRC RS 3717 S PR JORGE LUIZ M. CEREJA MARCELO ACOSTA TORRES Contador CRC RS 43679 S PR Contador CRC RS 50246 Sócio – Responsável Técnico Auditor


PublicidadeLegal Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2010 | B3

CORITIBA FOOT BALL CLUB C. N. P. J. 75.644.146/0001-79 BALANÇOS PATRIMONIAIS ENCERRADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E DE 2009 - (Em R$). 31/12/2010

31/12/2009

31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE Fornecedores 1.825.086 1.984.690 374.653 120.278 Empréstimos e Financiamentos 9.906.292 6.229.769 3.706.677 598.525 Obrigações Fiscais e Tributárias 1.380.630 908.934 17.707.515 11.605.368 474.635 370.128 Obrigações Sociais e Trabalhistas 546.486 576.440 707.652 1.165.039 Provisões Trabalhistas Obrigações com Outras Entidades Desportivas 2.939.056 894.156 80.473 Antecipações Recebidas 6.414.630 2.038.773 470.246 Total do Ativo Circulante 5.263.617 2.334.443 Outras Obrigações Total do Passivo Circulante 42.758.468 22.669.603 NÃO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Valores a Receber 1.950.000 Empréstimos e Financiamentos 2.887.940 8.070.457 Obrigações Fiscais e Tributárias 34.859 7.858 Depósitos Judiciais 2.295.752 2.203.483 Obrigações Sociais e Trabalhistas 663.530 1.519.729 Valores Mobiliários 63.510 Parcelamentos Timemania Lei 11.345/06 21.417.049 21.449.732 Permanente Receitas a Apropriar 5.601.419 30.000 Investimentos 299.811 328.116 Total do Passivo Não Circulante 30.604.797 31.077.776 Imobilizado 45.743.000 46.807.010 PATR. LÍQUIDO/PASSIVO A DESCOBERTO Intangível 5.447.773 2.202.432 Patrimônio Social 26.320.061 26.320.061 Reserva de Reavaliação 3.088.712 3.088.712 Déficits Acumulados (41.772.085) (29.217.158) Total do Ativo Não Circulante 55.736.336 51.604.551 Total do Patr. Líquido/Passivo a Descoberto (12.363.312) 191.615 TOTAL DO ATIVO 60.999.953 53.938.994 TOTAL DO PASSIVO 60.999.953 53.938.994 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis. CIRCULANTE Disponibilidades Valores a Receber Adiantamento a Fornecedores Outros Títulos a Receber Despesas Antecipadas

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E DE 2009. (Em R$).

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E DE 2009. (Em R$). 31/12/2010 RECEITA OPERACIONAL BRUTA 30.696.209 Mensalidades 9.314.283 Competições 15.823.206 Transações de Atletas 2.103.644 Patrimoniais 957.394 Patrocínio/Subvenção 2.230.612 Outras Receitas 267.070 (-) Deduções da Receita Bruta (1.490.305) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 29.205.904 CUSTOS OPERACIONAIS (31.487.626) Futebol Profissional (28.653.422) Futebol Categorias de Base (2.193.624) Direitos Feder. de Atletas/Custo Formação (640.580) SUPERÁVIT (DEFICIT) OPERACIONAL BRUTO (2.281.722) (DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS (11.650.768) Administrativas e Marketing (8.966.085) Resultado Financeiro Liquido (2.663.150) Outras (Despesas) Receitas Operacionais (21.533) DÉFICIT DO EXERCÍCIO (13.932.490)

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E DE 2009 (Em R$) 31/12/2010 31/12/2009 Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais Déficit Líquido do Exercício

Saldo em 31 de Dezembro de 2008

Patrimônio Social

Reserva de Reavaliação

Déficits Acumulados

Total

26.320.061

3.088.712

(22.866.745)

6.542.028

-

-

(9.791.294) 3.440.881

(9.791.294) 3.440.881

26.320.061

3.088.712

(29.217.158)

191.615

-

-

(13.932.490) 1.377.563

(13.932.490) 1.377.563

26.320.061

3.088.712

(41.772.085)

(12.363.312)

Déficit do Exercício Ajustes de Exercícios Anteriores Saldo em 31 de Dezembro de 2009 Déficit do Exercício Ajustes de Exercícios Anteriores Saldo em 31 de Dezembro de 2010

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E DE 2009 (Em R$). NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL.

NOTA 2 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS PELO CLUBE. As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com a legislação brasileira e normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, através da Resolução no. 1.005/04 que aprovou a NBCT 10.13 que trata dos aspectos contábeis específicos em entidades desportivas profissionais, e ainda da Resolução 877/ 00 e suas alterações posteriores que aprovaram a NBCT 10.19 que trata dos aspectos contábeis de entidades sem finalidade de lucros. Estas demonstrações contábeis foram elaboradas em conformidade com os Princípios Fundamentais de Contabilidade, expressos através da Resolução CFC 1.282/10. As principais práticas adotadas pela entidade, para a elaboração das Demonstrações Contábeis são as seguintes: 2.1. Apresentação das Demonstrações Contábeis -Os valores estão expressos em reais; -Composto por Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultado do Exercício, Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido e Demonstração do Fluxo de Caixa. 2.2. Apuração do Superávit/Déficit do Período As receitas e despesas são apuradas em conformidade com o regime contábil de competência do exercício. 2.3. Segregação de Prazos Realizáveis e Exigíveis

2.4. Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa A provisão foi constituída pelo valor estimado para cobrir eventuais perdas na realização das contas a receber e outros créditos. 2.5. Critérios de Avaliação -Os investimentos são atualizados pelo método da equivalência patrimonial; -O imobilizado está demonstrado pelo custo histórico de aquisição. Os bens e direitos foram depreciados/amortizados, conforme taxas definidas na legislação; -Os montantes intangíveis estão avaliados pelo custo incorrido na aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de amortização acumulada. 2.6. Convergência às Normas Internacionais. Em aderência ao processo de convergência com as normas internacionais de contabilidade, Lei 11.638/2007, diversas normas e orientações foram emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e pelo Conselho Federal de Contabilidade. A entidade adotou as principais determinações trazidas pela nova ordem contábil estabelecida, exceto quanto à avaliação de recuperabilidade de ativos e quanto aos critérios de depreciação (CPC 01, Resolução CFC 1.292/10 e CPC 27, Resolução CFC 1.177/09). NOTA 3 - VALORES A RECEBER. Nesta conta estão registrados os valores a receber no curto prazo de patrocinadores, de royalties e também decorrentes de transações com atletas. 31/12/2010 31/12/2009

Patrocínios a Receber 2.800.000 Cessão Direitos sobre Atletas a Receber 125.0000 Prêmios Solidariedade a Receber 575.240 Direitos s/ Licenciamento da Marca a Receber 354.347 Outros Valores a Receber 37.677 (-) Provisão para Créditos Liquidação Duvidosa (185.587)

410.000 185.587 2.938 -

Totais

598.525

3.706.677

Detalhamento Longo Prazo Patrocínios a Receber Totais

31/12/2010 31/12/2009 1.950.000 1.950.000 -

O recebimento dos valores de patrocínio - longo prazo - estão previstos para ocorrer nos exercícios de 2012, 2013 e 2014. NOTA 4 - OUTROS TITULOS A RECEBER. Detalhamento Clube dos Treze Coritiba Futebol S/A Adiantamentos a Funcionários

31/12/2010 31/12/2009 667.182 696.194 390.770 11.458 107.087

Totais

707.652

1.165.039

NOTA 5 - DEPÓSITOS JUDICIAIS. Nesta conta estão registrados os montantes oriundos de depósitos judiciais e valores bloqueados judicialmente através de instituições financeiras. Detalhamento

31/12/2010 31/12/2009

Depósitos Judiciais Bloqueios Judiciais por Inst. Financeiras

2.198.671 97.081

1.900.417 303.066

Totais

2.295.752

2.203.483

NOTA 6 - IMOBILIZADO. São considerados como Imobilizado, os bens e direitos tangíveis que tenham por objeto a manutenção das atividades da entidade, ou exercidos com esta finalidade. Composição

Terrenos Edificações Máquinas e Equipamentos Instalações Móveis e utensílios Veículos Direitos s/ Linhas Telefônicas Computadores e Periféricos Benfeitorias Direito Uso Software Totais

Custo

31/12/2010 Amortiz. Acum.

31/12/2010 Deprec. Saldo Custo Acum. Saldo 31/12/2009 14.321.050 - 14.321.050 14.321.050 33.198.102 (2.954.363) 30.243.739 31.571.663 583.401 311.070 209.113 77.295

(414.904) (48.555) (42.817) (45.898)

168.497 262.515 166.296 31.397

105.460 217.249 93.056 42.117

9.625

-

9.625

9.625

401.946 632.119 77.854

(238.568) (309.515) (23.955)

163.378 322.604 53.899

208.104 194.172 44.514

49.821.575 (4.078.575) 45.743.000 46.807.010

Saldo Saldo 31/12/2009

Custo com Formação de Atletas 3.633.898 (641.316) 2.992.582 865.700 Direitos Federativos de Atletas 3.130.000 (674.809) 2.455.191 1.336.732 Totais 6.763.898 (1.316.125) 5.447.773 2.202.432 O Custo com Formação de Atletas representa os custos incorridos com a manutenção das categorias de base da entidade e é composto por custos de origem direta e indireta, rateados conforme os critérios estabelecidos pela sua administração. As amortizações relativamente aos atletas profissionalizados são proporcionais aos prazos dos contratos celebrados com os mesmos. Em 2010 houve baixas e amortizações do custo com formação de atletas com relação aos atletas que se desvincularam do clube e também dos atletas que foram profissionalizados. Em 2010 também foram ativados os custos com formação de atletas dos anos de 2008, 2009 e 2010 no montante total de R$ 2.742.733. Os Direitos Federativos de Atletas representam a imobilização de gastos realizados na contratação de atletas profissionais junto a outras entidades de prática desportiva. As amortizações são proporcionais aos prazos dos contratos celebrados com os atletas. NOTA 8 - EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS. Detalhamento Circulante 31/12/2010 31/12/2009 Empréstimos Bancários 3.787.201 2.413.475 Ingresso Fácil - Pré Venda e Venda Ingressos Ltda 303.335 Palmital Serv. Técnicos e Partic. Ltda 2.200.000 2.136.667 Confederação Brasileira de Futebol 3.777.994 1.001.692 Outros Empréstimos de Terceiros 825.900 374.600 (-) Encargos Financeiros a Transcorrer - CBF (684.803) Totais

Os Ativos Realizáveis e os Passivos Exigíveis em prazo inferior a 365 dias estão classificados como circulantes.

Detalhamento Circulante

NOTA 7 - INTANGÍVEL. Composição

9.906.292

6.229.769

Detalhamento Longo Prazo 31/12/2010 31/12/2009 Empréstimos Bancários 2.546.643 Palmital Serv. Técnicos e Partic. Ltda 1.753.333 3.953.333 Outros Empréstimos de Terceiros 1.134.607 1.570.481 Totais 2.887.940 8.070.457 NOTA 9 - OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS. Detalhamento 31/12/2010 31/12/2009 Remunerações a Pagar 3.294.822 3.825.154 Encargos Sociais a Recolher 5.816.531 3.387.088 IRRF sobre folha e acordos trabalhistas 8.596.162 4.393.126 Totais 17.707.515 11.605.368 NOTA 10 - OBRIGAÇÕES COM OUTRAS ENTIDADES DESPORTIVAS. Valores devidos a outras entidades desportivas, decorrentes da aquisição de Direitos Federativos e Econômicos sobre atletas profissionais de futebol. NOTA 11 - ANTECIPAÇÕES RECEBIDAS. Recebimentos antecipados de valores decorrentes de direitos de transmissão de imagem. NOTA 12 - PARCELAMENTO - TIMEMANIA - LEI 11.345/06. A entidade aderiu ao programa de parcelamento de tributos e contribuições denominado Timemania instituído através da Lei 11.345 de 14 de setembro de 2006 e Decreto 6187/07 de 12 de dezembro de 2007, o qual propiciou o parcelamento de débitos federais, previdenciários e FGTS, em até 240 meses. Detalhamento 31/12/2010 31/12/2009 FGTS - Timemania 5.545.903 5.560.282 PGFN - Timemania 4.882.059 4.674.795 Previdência Social - Timemania 6.332.371 6.626.997 Receita Federal - Timemania 4.656.716 4.587.658 Totais 21.417.049 21.449.732 O saldo devido à Previdência Social (R$ 6.332.371 em 2010) encontra-se em fase de consolidação, sujeito a alterações que podem trazer reflexos importantes nos exercícios subseqüentes. NOTA 13 - RECEITAS A APROPRIAR. Detalhamento 31/12/2010 Ingresso Fácil Pré-Venda e Venda de Ingres. Ltda Receitas de Patrocínios a Apropriar 5.114.654 Globosat Programadora Ltda 347.700 Sociedade Radio Emissora Paranaense 139.065 Totais 5.601.419 Detalhamento dos períodos de apropriação das receitas: Períodos 31/12/2010 Em Em Em Em Em

2010 2011 2012 2013 2014

Totais

31/12/2009 30.000 30.000 31/12/2009

3.651.419 650.000 650.000 650.000

30.000 -

5.601.419

30.000

NOTA 14 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO. 14.1 - PATRIMÔNIO SOCIAL O saldo do Patrimônio Social da entidade é composto dos resultados obtidos no decorrer de sua operação. 14.2 - RESERVA DE REAVALIAÇÃO O saldo na conta de Reserva de Reavaliação em 31/12/2010 no montante de R$ 3.088.712 é referente à reavaliação do imóvel do Centro de Treinamento situado na cidade de Colombo - Paraná, realizada em 08/08/ 2001 conforme Laudo de Avaliação, e será mantida até sua efetiva realização. 14.3 - DETALHAMENTO DOS AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES Em 2010 os ajustes foram decorrentes principalmente da apropriação dos custos com formação de atletas dos anos de 2008 e 2009, entre outros. Em 2009 os ajustes foram decorrentes principalmente da redução do saldo de parcelamento da Previdência Social no programa Timemania e das baixas e amortizações do custo com formação de atletas decorrentes de atletas da categoria de base que se desvincularam do clube e também daqueles que foram profissionalizados pelo clube nos anos anteriores, entre outros. Detalhamento 31/12/2010 31/12/2009 Complemento Impostos, Multas e Juros - Timemania (448.094) Redução Parcel. Timemania Prev. Social - Súmula 8 7.163.794 Baixas e Amortizações do Custo com Formação de Atletas - Anos Anteriores (3.008.320) Apropriação dos Custos com Formação de Atletas de 2008 e 2009 1.645.922 Outros ajustes de anos anteriores (268.359) (266.499) Totais 1.377.563 3.440.881 Jair Cirino dos Santos Presidente do Conselho Administrativo CPF: 168.210.339-00

(13.932.490) (9.791.294)

Ajustes para Conciliar o Resultado ao Caixa

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis

O Coritiba Foot Ball Club é uma entidade de caráter civil, de prática desportiva, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado, constituída na forma da lei, cuja atividade principal é o desenvolvimento e manutenção de equipe de futebol profissional, tendo por fim a busca dos melhores resultados nas competições de âmbito estadual, nacional e internacional que venha a disputar.

31/12/2009 41.374.287 7.866.182 20.533.830 8.005.290 1.136.284 3.523.715 308.986 (2.449.576) 38.924.711 (35.321.482) (30.351.666) (2.112.878) (2.856.938) 3.603.229 (13.394.523) (10.035.274) (3.369.940) 10.691 (9.791.294)

Adilson Miranda Contador CRC PR-040.721/O-9

(Aplicados nas) Atividades Operacionais Depreciação e Amortização Resultado do Cálculo da Equivalência Patrimonial Déficit Ajustado

3.255.591 7.368.380 23.533 (10.691) (10.653.366) (2.433.605)

Variações nos Ativos e Passivos Variações nos Ativos Aumento / Redução em Valores a Receber (2.650.765) (1.101.201) Aumento / Redução Adiantamentos a Fornecedores (104.507) (136.803) Aumento / Redução em Despesas Antecipadas 80.473 318.863 Valores a Receber de Longo Prazo (1.950.000) Depósitos Judiciais Realizados (92.269) (575.254) Variações nos Passivos Aumento / Redução de Fornecedores Aumento / Redução Obrigações Fiscais / Tributárias Aumento / Redução Obrigações Sociais e Trabalhistas Aumento / Redução Obrigações com Outras Entidades Desportivas Antecipações Recebidas Aumento / Redução Outras Obrigações Aumento / Redução Parcelamento Timemania Receitas a Realizar Ajustes de Exercícios Anteriores Disponibilidades Geradas nas Atividades Operacionais

(159.604) 498.697

959.662 438.969

5.215.994 6.462.365 2.044.900 (384.749) 6.414.630 1.568.527 (400.783) (32.683) (6.474.913) 5.571.419 (170.357) 1.377.563 3.440.881 17.782.375 2.376.680

Atividades de Investimentos Aquisição de Bens e Direitos (454.189) Apropriação de Custos com Formação de Atletas (2.742.733) Aquisição de Direitos Federativos/ Econômicos de Atletas (2.240.000) Baixa de Investimentos de longo prazo 63.510 Dividendos Recebidos 4.772

(426.334) 30.480

Disponibilidades Líquidas Geradas pelas Ativ. de Investimentos

(5.368.640)

Atividades de Financiamentos Empréstimos de Terceiros/Bancários Atualização Monetária de Empréstimos Recebimento de Empréstimos Pagamento de Empréstimos

4.500.000 8.050.000 591.870 791.041 55.881 (6.597.864) (8.518.761)

Disponibilidades Líquidas Geradas pelas Ativ. de Financiamentos

(1.505.994)

378.161

254.375 120.278 374.653

(74.618) 194.896 120.278

Aumento/(Diminuição) nas Disponibilidades Disponibilidades - No início do Período Disponibilidades - No Final do Período

(395.854)

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ao CORITIBA FOOT BALL CLUB Att. Diretoria Examinamos as demonstrações contábeis do CORITIBA FOOT BALL CLUB, que compreendem o Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e de 2009, a Demonstração de Resultado do Exercício, a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido e a Demonstração do Fluxo de Caixa, emitidas para os exercícios findos naquelas datas, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da Sociedade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da sociedade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da sociedade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Base para opinião com ressalva As demonstrações encerradas em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 não contemplam de forma adequada os valores dos investimentos na formação de atletas incorridos nos exercícios, que deveriam constar em conta ativa, entretanto encontram-se parcialmente contabilizados em contas de resultado. Em 31 de dezembro de 2010 e de 2009 não foram constituídas provisões para contingências trabalhistas, tributárias, cíveis e desportivas decorrentes de ações administrativas e judiciais em andamento ou a serem constituídas. Não foi possível avaliar o impacto de ambos os valores acima no resultado e demais demonstrações encerradas em 31 de dezembro de 2010 e de 2009. Opinião com Ressalva Em nossa opinião, exceto pelos possíveis efeitos dos assuntos descritos no parágrafo "Base Para Opinião com Ressalva", as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do CORITIBA FOOT BALL CLUB, em 31 de dezembro de 2010 e de 2009, o desempenho de suas operações para os exercícios findos naquelas datas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Ênfase As demonstrações contábeis foram elaboradas no pressuposto da continuidade normal das atividades da entidade. Considerando que o Coritiba Foot Ball Club em suas operações normais não gerou resultado suficiente para cobrir os custos e despesas operacionais em 2010, apresentando um Passivo a Descoberto no valor de R$ 12.363.312, a continuidade das operações fica sujeita à redução dos custos operacionais e, cumulativamente, à captação de novos recursos financeiros, além de outras medidas administrativas que visem estabelecer um fluxo de caixa capaz de determinar o equilíbrio financeiro da entidade. Curitiba, 04 de Março de 2011. Odirlei Acir Tedesco Contador - CRC-PR 27.910/O-0 AXCEL AUDITORES INDEPENDENTES S/S. CRC-PR 005261/O-2

Não faça sua publicação sem antes nos consultar. Publicidade Legal é coisa séria. Estamos há 35 anos no mercado. Fone 3333-9800

Aurora se consolida como expressão do cooperativismo Com um mix de 700 produtos, entre carnes de aves e suínos, lácteos e pizzas, a Coopercentral Aurora completa, nesta sexta-feira (15/ 04), 42 anos de crescente participação no mercado nacional. Consolidou-se como uma das maiores expressões do cooperativismo brasileiro e ocupa vitoriosa posição entre os maiores grupos agroindustriais do país. Com sede em Chapecó (SC), a Aurora reúne 13 cooperativas singulares que, no conjunto, representam mais de 60 mil produtores rurais. A Aurora nasceu, em 1969, da reunião de oito cooperativas de produção agrícola que perceberam a importância estratégica da conjugação de esforços, em grau superior, para superar a condição de fornecedor de matéria-prima a que estavam destinados os produtores rurais. Ao organizar a produção em nível regional e obter uma oferta em escala, a Coopercentral Aurora criou as bases para a industrialização da produção gerada pelos associados das cooperativas singulares filiadas. A determinação e o arrojo dos dirigentes cooperativistas - tendo à frente o pioneiro Aury Luiz Bodanese - permitiram construir uma estrutura agroindustrial capaz de absorver, transformar e conquistar mercado para essa produção. Ao completar 42 anos, a Coopercentral Aurora apresenta resultados em duas dimensões. Na dimensão interna, processa a matériaprima gerada pelos produtores rurais.

O alerta da FAO e o agronegócio brasileiro Merece particular atenção o fato de o índice mensal de preços dos alimentos calculado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) ter aumentado pela sexta vez consecutiva em dezembro de 2010, ultrapassando o nível observado durante a recente crise mundial e atingindo seu recorde histórico. O indicador mede a variação dos valores globais de uma cesta de commodities. Sua exacerbada alta devese à majoração de todos os itens monitorados, incluindo cereais, açúcar, carnes, óleos e produtos lácteos. Ao fazer o anúncio, a FAO salientou que os números não se constituem no prenúncio de uma nova crise, mas advertiu sobre o risco de os preços continuarem subindo, o que agravaria a situação de insegurança alimentar em várias regiões do Planeta, suscitando tensões e nervosismo nos mercados.


Negócios Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B4

CHOCOLATES

Kopenhage apresenta nova identidade visual Clássicos renovados e receitas gourmets estão entre as novidades

P

ara agregar ainda mais valor aos produtos mais desejados da Páscoa, a Kopenhagen buscou um refinamento que apenas as mais sofisticadas grifes possuem. A união dos símbolos da flor do cacau com a logotipia Kopenhagen resultou em um monograma e um elemento que irão recobrir as embalagens dos ovos e que serão base para a nova identidade visual da marca. Se as embalagens são lindas, o conteúdo é ainda melhor. Para a edição da Páscoa Kopenhagen 2011 o desejado Ovo 4 Clássicos está de volta. Sucesso no ano passado, mesmo com uma produção arrojada, a procura foi ainda maior. Por isso Língua de Gato, Lajotinha, Chumbinho e Nhá Benta estão de volta, juntos, um dentro do outro. A delícia vem nas versões 350g, por R$ 60, e 650g, por R$ 112,20. Outra novidade que promete agradar em cheio os amantes da Nhá Benta é a versão em ovo da variante do doce lançada no ano passado em comemoração ao sexagenário. É o ovo Nhá Benta Clássicos, com casca de Lajotinha e recheio do legítimo marshmallow da Nhá Benta com mini Chumbinhos e um toque de canela. O produto tem 360g e sai por R$ 67,20. O lançamento chega

em companhia do Capuccino, com casca recheada de creme ganache no sabor da bebida e pérolas de café cobertas por chocolate no interior, com 300g por R$ 75,90; o exótico Ovo Orange, meia casca de chocolate ao leite, meia amargo, ambas com pedacinhos de laranja, 300g, R$ 67,20; Ovo Branco Caramelo e Coco, 300g, por R$ 64,70, chocolate branco crocante com pedacinhos de coco e do Trio Cacau com três ovos em formato do fruto do cacau ao leite, branco e crocante, 300g, R$ 67,30. Com um blend original, sem misturas, a caixa de bombons Origens de Madagascar, Equador e Gana tem um com sabor de viagem, 140g, R$ 55,00. Os bombons da Caixa New Classics, nos sabores chocolate ao leite com cookie rum e com macadâmia, chocolate branco com flocos de arroz e com frutas vermelhas e amargo com laranja e crocante deve agradar quem quer vários sabores em um presente único, de 245g por R$ 49,90. A Barra Nuts, 300g por R$ 49,90, de chocolate ao leite com mix de frutas secas (castanha de caju, pistache, macadâmia e amêndoas) vai surpreender os paladares mais exigentes. E em uma linha de presen-

te decorativo, o Mickey Vintage volta em um ovo Dragê, junto com um relógio retrô que tem como ponteiros os bracinhos do personagem, 300g, R$ 67,20. Uma lata dourada em formato de ovo vem com 300g de Mini Kop, pastilhas de tenro chocolate ao leite, por R$ 78,50. Também nesta Páscoa, fruto de um trabalho iniciado no Natal passado, os clientes poderão levar para casa os tabletes do Instituto Rodrigo Mendes e ainda ajudar a instituição que promove cultura e arte através da inclusão social. São três tabletes no total de 255g por R$ 37,60. Sempre presentes, os ovos Ao Leite e Diet, Crocante, Branco, Amargo, 70% Cacau, Chumbinho, Lajotinha, Nhá Benta, Língua de Gato, Cherry Brandy,

Hestia cria versão online de informativo Trufas, Duas Caras, Cookie, Bar, Damasco, Creme de Avelã, Gianduia, Ganache, Special Nuts, Ovo Cerâmica se unem as exclusivas caixas de bombons e figuras pascais, todos de roupa nova, seguindo a nova padronização. Sabor marcante e beleza incomparável. Esta é a primeira Páscoa da Kopenhagen feita na nova fábrica em Extrema. Atualmente, Kopenhagen representa aproximadamente 60% da produção total do Grupo CRM para a temporada.

CMYK

Ação Social (FAS), através do Instituto Pró-Cidadania de Curitiba (IPCC). "Quando começamos a desenvolver a Pascoa Solidária conseguíamos atender pouco mais de 10 famílias da comunidade. Hoje é um orgulho poder fazer esta grande festa, e colocar um sorriso no rosto de mais de 500 crianças da comunidade", conta o capoeirista e educador social Mestre Déa, fundador do projeto Educando com Arte. A festa Páscoa Solidária Kauande 2011 foi realizada nas dependências do Supermercado Muffato Portão, empresa socialmente responsável que incentiva o projeto cedendo sua estrutura para as aulas gratuitas de capoeira. O evento contou com a tradicional aula coletiva de capoeira, além

A Hestia acaba de disponibilizar a versão online do seu informativo, o Chama. A estrutura e a navegação é clean, intuitiva e interativa. A ferramenta permite salvar a publicação em pdf, encaminhar para os amigos, solicitar informações e compartilhar o arquivo pelas redes sociais sem sair da página, bem como acessar as edições anteriores. No seu sexto ano, a publicação, com periodicidade bimensal, traz informações sobre os últimos acontecimentos do mercado, os produtos e serviços da empresa e as ações de responsabilidade social e sustentabilidade desenvolvidas pela organização, no Paraná e em Santa Catarina. Também é possível acompanhar o andamento das obras. A edição online foi criada pela Econnected Comunicação Digital e pode ser acessada pelo endereço eletrônico (www.chamaonline.hestia.com.br) ou pelo site da empresa (www.hestia.com.br), no ícone do Chama.

Um brinde ao sucesso A Adega Cavalleri comemora o sucesso de vendas do Espumante Moscatel Cavalleri Safra 2010, um dos produtos mais vendidos da vinícola sediada em Bento Gonçalves RS.Elaborado a partir da variedade Moscato Giallo e dos padrões mais modernos de vinificação, o Espumante Cavalleri Moscatel Safra 2010 tem aroma incomparável, corpo extremamente delicado, frescor e cremosidade.O Moscatel da Cavalleri teve sua qualidade reconhecida com a Medalha de Ouro no IV Concurso do Espumante Fino Brasileiro.

Galvão Vendas integra parceria com HSBC para crédito imobiliário

Sazonalidade de consumo

pondendo a 10,6% do potencial de consumo de chocolates e bombons, nesta época do ano.

Já as classes D e E ficam com a parcela de 10,3%, representando o valor significativo de R$ 197 milhões.

Páscoa solidária Kauande distribui meia tonelada de chocolates para crianças carentes A Páscoa chegou mais cedo para os alunos do Projeto Social Educando com Arte, que adota o ensino da capoeira como ferramenta educacional para promover a cidadania em comunidades carentes de Curitiba. Como faz há 22 anos, a Associação de Capoeira Kauande realizou no último domingo (10) uma grande festa, com a distribuição de chocolates na Páscoa Solidária 2011, para cerca de 500 crianças assistidas pelo projeto e seus familiares. Para realizar sua Páscoa Solidária, a Kauande arrecadou mais de 500 quilos de chocolates, biscoitos, doces e guloseimas, frutos de doações de empresas, de pessoas simpatizantes do Projeto Educando com Arte, e da Fundação de

As O primeiro dia da Expo Money, realizado nesta terçafeira (6) no Expo Unimed Curitiba, superou as expectativas da organização do evento. Cerca de 2.090 pessoas foram conferir as novidades dos universos de educação financeira e investimentos, e as palestras do consultor financeiro Gustavo Cerbasi e do economista Luis Carlos Ewald, conhecido por participar do quadro "Senhor Dinheiro" do Fantástico, lotaram as salas.A Clínica Financeira, serviço gratuito de orientação financeira oferecido pelo evento, também foi um sucesso: ao todo foram 20 consultas realizadas durante o dia.

O escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados foi o vencedor do prêmio Deal of The Year 2010 (em português, Operação do Ano 2010), oferecido pelo Latin Lawyer, tradicional publicação inglesa do setor. Em cerimônia realizada em São Paulo no último domingo, dia 3 de abril, dois casos em que o Machado Meyer esteve envolvido foram escolhidos como os mais importantes do ano nas áreas de mercado de capitais e reestruturação de empresas, respectivamente: a capitalização da Petrobras e a reestruturação do grupo pecuarista Independência.Os responsáveis pela operação de capitalização da Petrobrás, atuando pela estatal, foram os sócios Daniel Facó, Giovanni Biscardi e Cristina Tomiyama e os associados Mariana Castello, Marcia Lencastre, Caio Prado e Daniel SzyfmanA reestruturação do Independência teve participação dos sócios Domingos Refinetti, Guilherme Malouf e Alexandre Clápis e dos associados Renata de Oliveira, Mayra Simioni, Renato Maggio, Glaucia Coelho e Marcos Jarne.

te no consumo de chocolates e derivados.

Para exemplificar a mobilização de gastos dos brasileiros nesse item de consumo, Pazzini destaca que a classe C será responsável pela maior parte do valor correspondendo a R$ 769 milhões, ou seja, 40,0% do mercado sazonal de chocolates e bombons, em 2011. Em segundo lugar, com valores muito próximos, está a classe B, que deverá responder por 39,1% desse mercado, ou seja, um valor da ordem de R$ 751 milhões.A classe A, por sua vez, garantirá o consumo equivalente a R$ 204 milhões, corres-

Primeiro dia da Expo Money atrai mais de duas mil pessoas

Machado Meyer leva dois prêmios Deal of the Year 2010

Chocolates estão entre os itens de maior consumo sazonal dos brasileiros Com a expectativa da festejada sazonalidade pelo potencial de consumo de bombons e chocolates em tempos de Páscoa é de se esperar que tais itens movimentem o equivalente a R$ 1,9 bilhão no mercado nacional, nesse período. A informação é de Marcos Pazzini, diretor da IPC Marketing Editora, ao puxar os primeiros números do IPC Maps 2011, banco de dados que mapeia anualmente (no mês de maio) cada um os municípios brasileiros por itens e categorias sociais de consumo do mercado, já indicando gastos superiores R$ 21 bilhões na compra de doces em geral ao longo do ano, sendo R$ 5,2 bilhões somen-

Empresas&Produtos

A Galvão Vendas acaba de integrar a parceria entre a Brasil Brokers e o HSBC na área de crédito imobiliário. O banco irá oferecer uma estrutura exclusiva para atendimento dos clientes da imobiliária. O HSBC disponibilizará 80 profissionais exclusivos que irão auxiliar os corretores e clientes da Brasil Brokers nos processos de aprovação de crédito, documentação e geração de contrato, bem como na negociação das taxas. "A parceria dará mais praticidade e agilidade à concessão dos financiamentos. O cliente poderá ter seu contrato emitido em até trinta dias", conta o diretor-geral da Galvão, Gerson Carlos da Silva.O HSBC financia até 90% do valor dos imóveis, por um período de até 30 anos, com taxas de juros competitivas no mercado, mais TR, conforme o valor do imóvel. A composição de renda pode ser feita com até cinco pessoas, independente do vínculo familiar, e, para mais comodidade, oferece despachante para providenciar gratuitamente a documentação do imóvel e proprietário.

Receitas mais saudáveis em rede de restaurantes de Curitiba A procura por óleos mais saudáveis para a produção de alimentos já é popular há algum tempo entre as donas de casa. Dentro dos restaurantes e lanchonetes essa preocupação também já está tomando conta das cozinhas. O Grupo Kharina, de Curitiba, utiliza gordura de palma na produção dos seus alimentos. A gordura de palma é extraída do coqueiro-de-dendê sem o uso de solventes ou outras substâncias químicas prejudiciais e o seu refino é feito de forma natural - o refino químico, que é convencionalmente realizado, utiliza soda cáustica para neutralização dos ácidos graxos livres. Como a gordura de palma não é submetida a processos de hidrogenação artificial, ela é livre de ácidos graxos trans (gorduras trans), que são os mais prejudiciais à saúde. A adoção da gordura de palma na cozinha é apenas um dos passos do Kharina para se integrar às condições do selo Green Kitchen. Esse selo é concedido a empresas que optem por prática que ajudem na preservação do meio ambiente e que proporcionem mais qualidade de vida.

Papo Musical da Lumen FM apresenta o músico Marcelo Jeneci

d e m u i t a s brincadeiras, cama elástica, jogos educativos e lanches para garotada. O evento contou com o apoio da Prefeitura de Cu-

ritiba, através da FAS, IPCC e Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SMEL), além da Madalozo e Madalozo Alimentos, com os lanches para os participantes.

Nesta quinta-feira (14) o Papo Musical da Lumen FM e Livrarias Curitiba recebem o músico Marcelo Jeneci. Ele vem a Curitiba para apresentar o seu disco de estreia, "Feito Pra Acabar", gravado ao vivo em um estúdio em São Paulo com a produção de Kassin e arranjos de orquestra de Arthur Verocai. Apesar de lançar somente agora seu trabalho de estréia, Jeneci tem uma carreira de dez anos como instrumentista e compositor, marcada por parcerias ilustres com nomes como Chico Cesar, Vanessa da Mata e Zélia Duncan.O Papo Musical acontece dia 14 de abril na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, às 19h30.


Negócios Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B5 | Indústria&Comércio

ATUAÇÃO

Binário inaugura filial neste mês em Curitiba Nova filial atenderá projetos customizados de mobilidade corporativa

P

ara intensificar sua atua ção em toda a região sul, com foco no mercado de médias e grandes empresas, a integradora Binário inaugura neste mês sua filial de Curitiba, que atenderá projetos customizados de mobilidade corporativa, serviços profissionais e integração na área de infraestrutura de redes, o que inclui suporte, consultoria e instalação. De acordo com Luiz Fernando Kasprik, gerente comercial da unidade de Enterprise da empresa, a iniciativa visa um crescimento de 50% no volume de negócios no Sul até o final deste ano. "A Binário já atua há mais de dois anos na região, atendendo operadoras e empresas do setor público. Percebemos que também havia uma demanda junto ao mercado corpo-

rativo. Alguns projetos já estão em andamento com grandes grupos do segmento de varejo, siderúrgica, indústria de metal e mecânica". A nova filial possui uma infraestrutura similar ao da matriz, com data centers, departamentos de pré e pós-venda, administrativo, comercial, além de equipes técnicas da BinarioMobile sua unidade de serviços móveis e da QoS - divisão de serviços e treinamentos da integradora. A Binário também conta como uma filial em Santa Catarina responsável especificamente pela parte de logística e distribuição dos produtos, garantindo um maior suporte às operações na região. "Nosso objetivo é prover ao mercado corporativo regional soluções customizadas. Nossa

equipe de pré-venda analisará a necessidade e o ambiente do cliente e, a partir disso, criamos um pacote de soluções e serviços sob medida. Soluções de rede na modalidade IaaS - Infraestrutura como Serviço - por exemplo, permitem que o cliente mantenha o foco em seu negócio, sem abrir mão de um ambiente de TI atualizado", explica Kasprik. A nova filial está localizada à Rua Teixeira Coelho, 474 - sala 202. A equipe local é composta por Otelo Benatti e Alexandre Durante, responsáveis pela área Comercial.

Sobre a Binário Criada em 2005, em São Paulo, a Binário é uma integradora multimarcas, que possui um vasto portfólio de produtos e ser-

viços de conectividade e telecomunicações, para atender diversos mercado entre os quais, Provedores de Serviços, Corporativo em geral e Governos. Com 120 funcionários e cinco filiais, a Binário ainda conta com uma divisão de serviços e treinamentos (QoS) e com uma divisão de soluções de mobilidade corporativa (BinarioMobile), ofertando desde consultoria, diferentes modalidades de outsourcing, soluções móveis corporativas, até capacitação e treinamento. Dentre as alianças firmadas destacam-se players como: Juniper Networks, Extreme, HP, Aastra, Arbor, Avocent, Bluecat Networks, Empirix, Lighpointe, Packet Design, PeerApp, Polycom, Proofpoint, Riverbed, Sonicwall e Xirrus.

TECNOLOGIA

MSI lança no BR notebook potente para gamers A MSI Computer, uma das maiores fabricantes mundiais de produtos de informática, anuncia o lançamento no mercado brasileiro do notebook GT660. Voltado para gamers, o notebook se destaca pela qualidade do áudio e pelo alto desempenho para o usuário. Para tornar o som mais realístico, o sistema de áudio do equipamento foi projetado pela Dynaudio, fabricante reconhecida pela alta qualidade de caixas acústicas para home theaters. O notebook tem um som nítido e "limpo", em todos os níveis de frequência. O GT660 é equipado com a tecnologia exclusiva TDE (Turbo Drive Engine), que permite o aumento da performance da CPU. Com apenas um toque, o usuário pode ligar o Turbo Drive para

melhorar ainda mais o processamento e o desempenho gráfico do notebook. O laptop possui tela LCD de 16 polegadas com tecnologia LED, teclado adaptado para jogos, processador Intel Core i7, HD de 500 GB, bateria de nove células, dois alto-falantes e subwoofer. O GT660 conta com três slots de memória DDR3, o que resulta em um suporte para até 12 GB de memória RAM.Outro destaque do novo notebook da MSI é o fato de vir com a avançada placa de vídeo NVIDIA GeForce GT 285M (com 1 GB GDDR3 VRAM), que possibilita processamento gráfico superior, ideal para games 3D que exigem alta carga de uso de recursos multimídia. Além disso, a tecnologia Cooler Boost presente no equipamento permite ao usuário, com

um toque, acionar o recurso que aumenta a capacidade de refrigeração da máquina. O laptop vem com duas portas USB 3.0, que têm taxa de transmissão de dados dez vezes mais rápida do que as portas USB 2.0. Com luzes LED em suas bordas que podem ser acionadas com apenas um toque, o GT 660 possui ainda um revestimento especial, que remete a um diamante negro, coberto por uma capa protetora contra riscos e desgaste natural.O notebook GT660 pode ser encontrado nas lojas Colombo, CTIS, Gazin, Saraiva e Walmart, com preço sugerido de R$ 5.999,00. Presente em mais de 25 países, a MSI Computer é uma das maiores fabricantes do mundo de placas-mãe e placas de vídeo.

Também produz notebooks, netbooks (notebooks ultraportáteis), servidores, barebones, eletrônicos de consumo e produtos de comunicação. Em 2008, a companhia de Taiwan faturou US$ 3,03 bilhões em todo o mundo.A MSI iniciou sua operação no Brasil em 2004. A empresa produz localmente suas placas-mãe em Manaus e, atualmente, possui seis distribuidores em todo o território nacional. A companhia oferece, ainda, suporte técnico local e um serviço para conserto de produtos ainda na garantia. A empresa começou a atuar de forma direta no País com produção local de placas-mãe e placas de vídeo, assistência técnica e canal de distribuição, tornando-se a primeira subsidiária da marca na América Latina

Destaques KeraPorcelain tem Porcelanas versáteis e duráveis A Gail Arquitetura em Cerâmica com o intuito de levar qualidade, desenho técnico e beleza para fachadas e diversos ambientes acaba de lançar a linha KeraPorcelain. Feitas de porcelana de alto desempenho técnico, elas são indicadas para paredes de ambientes internos e externos como: fachadas, piscinas, banheiros, cozinhas, áreas de lazer, entre outras.As peças desta linha são fornecidas em placas teladas por ponto de cola no tamanho de 300x300 mm compostas por peças de 48x48x6 mm com junta de 3 mm. Elas podem ser encontradas nas cores cristal brilhante, cristal acetinado fosco, areia berilo, bege citrino, cinza hematita, verde amazonita, azul água-marinha, azul opala e azul turquesa. KeraPorcelain surge como uma opção para quem procura versatilidade e praticidade. Sua linha é composta por oito cores brilhantes e uma acetinada. Essa variedade na paleta de tons permite revestir desde uma fachada com uma cor só ou que se façam diversas combinações em piscinas e demais áreas com beleza e qualidade. Seu acabamento é esmaltado facilitando sua limpeza e tornando seu uso indicado também para espaços internos.A Linha KeraPorcelain se encaixam perfeitamente em fachadas, piscinas e áreas úmidas. Já que a sua porcelana possui baixíssima absorção d'água e expansão por umidade, também é resistente a manchas e produtos químicos. Além disso, suas cores não desbotam mesmo quando expostas ao sol.

FH passa a atender a Netshoes Atenda ao mercado e para comportar o crescimento da empresa, a Netshoes, portal online de venda de artigos esportivos, acaba de fechar contrato com a FH, consultoria parceira em SAP com sedes em Curitiba (PR), São Paulo (SP) e São Leopoldo (RS). A escolha pela compra do ERP SAP vem ao encontro das necessidades do negócio, que desde sua fundação em 2000 cresce vertiginosamente. Atualmente a Netshoes é a maior loja do gênero na América Latina e atua exclusivamente com e-commerce. A escolha pelo pacote de soluções incorporadas ao projeto - PI, SPP, BO, HR - e a implementação da solução fiscal exclusiva da FH Guepardo, colocam a empresa na vanguarda do mercado e entre as empresas que contam com a expertise SAP para gestão de seus negócios.

Franquia do segmento educacional ganha mercado de Cascavel O setor de franquias vem seguindo o ritmo de crescimento da economia brasileira. Modismos em alguns segmentos, como na alimentação, mas um bom investimento em áreas cruciais, como a educação superior e de capacitação. Pensando neste mercado, os diretores da Faculdade Inspirar, de Curitiba, Esperidião Aquim e Marcelo Xavier, criaram um modelo de franquias com o intuito de expandir os cursos de pós-graduação e extensão em Cascavel.Especialista em cursos da área de saúde, a Faculdade criou um padrão de negócios baseado nos valores das unidades da capital paranaense. O modelo da Inspirar enquadra-se no segmento de franquias da terceira geração, pois oferece treinamento inicial de toda a operação do negócio, manuais operacionais e para a gestão da franquia nas áreas de marketing, finanças e pessoas, suporte contínuo, supervisão de rede, software próprio, além de uma oficina de planejamento estratégico aos franqueados onde é feita a customização do plano de negóciosPara o responsável pela formatação das Franquias Inspirar, Ricardo Ribeiro, o modelo é um investimento de alto retorno. "Pela experiência da franqueadora, por tratar-se de um dos segmentos mais prósperos do mercado, pelo baixo investimento, pela alta rentabilidade do negócio, pelo suporte para captação de alunos e gestão do negócio", explica

VINO VITA EST.

Osvaldo Nascimento Júnior osvaldopinheiro@gmail.com

BACALHAU COM VINHO, A COMBINAÇÃO PERFEITA DA SEMANA SANTA Estamos nos aproximando de mais uma celebração no mundo cristão da Páscoa. Como sempre enfatizamos aqui em nossa coluna VINO VITA EST, A História foi feita pelo Vinho, e nada mais importante que ressaltar a importância deste líquido bacante nas cerimônias pascais em especial no cristianismo, e como também estudioso da fé, lembramos que o significado de Páscoa para o judaísmo é passagem, isto é, quando os judeus vindo da fuga do Egito com Moisés à frente atravessam o Rio Vermelho, com destino à Canaã, a Terra prometida.Como nós recebemos esta herança judaica em nossa Bíblia, no Antigo Testamento, com o martírio de Jesus que aconteceu na Páscoa judaica em Jerusalém, que era a cidade importante para os judeus que vinham de todas as partes para visitar o Templo nesta ocasião, fazer seus sacrifícios e dar suas contribuições, passou para o Novo Testamento, onde ocorre a vida de Jesus, como a Páscoa da Ressurreição, devido o mesmo ter ressuscitado no terceiro dia. Como já citamos em outra matéria, a prática e as crenças cristãs derivam diretamente dos rituais gregos e romanos. O emprego do vinho nos sacramentos tem vínculos diretos com o judaísmo, mas é com o culto de Dionísio, deus grego do vinho, e de Baco, seu equivalente romano, que podem ser encontradas as semelhanças mais fortes. Lembramos que a cerimônia da Ceia, onde Jesus reuniu os apóstolos, muito bem retratada nas paredes do Duomo de Milão, era um ritual normal entre os judeus desde aquela época, que se reuniam para comemorar a Páscoa com VINHO, e possivelmente foi com vinho branco, pois o tinto

CMYK

era um vinho mais forte na época e feito de maneira grosseira e não era um luxo, mas uma necessidade, devido as vilas e cidades oferecerem uma água impura – muitas vezes perigosa à saúde . Cumprindo o papel de anti-séptico, o vinho constituía um elemento da medicina rudimentar da época, pois o tinto era um vinho mais forte na época e feito de maneira grosseira. A água, ao contrário do vinho, não é muito bem vista na Literatura. Importante reprisarmos aqui a famosa frase do maior Pensador do Cristianismo São Paulo, que disse a Timóteo,”Deixa de beber água; toma um pouco de vinho para o bem de teu estômago e de tuas enfermidades” Ou o ALCORÃO que nos diz “No fruto da vinha está o remédio da humanidade”. Como o vinho é um complemento da comida e nunca o contrário, vamos nos enveredar pelo campo da enogastronomia, abordando um tradicional prato da semana santa, o BACALHAU. Na semana santa, milhões de brasileiros comem bacalhau na sexta- feira. Antigamente o consumo se estendia à quaresma toda. Os cristãos se alimentavam de peixe em todos os 40 dias que separam a Quarta-Feira de cinzas da Páscoa. A abstinência de carne evoca o sacrifício de Jesus, que segundo a fé cristã, derramou o sangue e ofereceu o corpo para nos salvar. Só o peixe não quebra a penitência. Resta saber por que o cardápio litúrgico incorporou justamente o bacalhau. A maioria dos pesquisadores acredita que foi por ser um peixe salgado. Suportava o transporte para os lugares mais distantes do interior, sem o risco de estragar, numa época em que a refrigeração era desconhecida. Mergulhado em água, o bacalhau adquiria sabor agradável.

O sociólogo paulista Gabriel Bolaffi, autor do livro a Saga Da Comida, oferece uma explicação adicional. Além disso, era um peixe abundante, diz”custava pouco e se tornava acessível aos pobres, na época”.No cardápio de muitas populações constituía uma importante fonte de proteínas. Sorvendo um gole de história, o bacalhau é encontrado nas águas geladas perto do Pólo Norte, onde se situam o Arquipélago de Lofoten, na Noruega, as Ilhas da Islândia, Goelândia e Terra Nova, esta última junto à Península do Labrador, na América do Norte. Ali os navegadores portugueses descobriram o peixe em 1497, solucionando um importante problema das travessias marítimas: a conservação dos alimentos. À partir de então, o bacalhau integrou as provisões das grandes expedições. Uma viagem de Lisboa à costa brasileira, levava aproximadamente três meses. Foram os portugueses que aprimoraram A TÉCNICA DE PESCAR O PEIXE, INVENTARAM O PROCESSO DE SALGA E SECAGEM. Para completar, tiveram o papel histórico da difusão. O bacalhau é um peixe que se reproduz com velocidade impressionante. Graças à sua vitalidade não foi extinto. A pesca indiscriminatória reduziu os estoques do bacalhau nos oceanos, aumentando seus preços. Hoje está controlada. O hábito de se comer este peixe só espalhou-se no Brasil à partir do século 19. Usa-se como marco a vinda de D. João VI. Em 1808, fugindo do exercito de Napoleão, transferiu a sede do Reino para o Rio de Janeiro, aliás assunto muito bem abordado no livro do paranaense Caldeira, sucesso de vendagem no Brasil e Portugal que nos traz maiores esclarecimentos sobre este assunto. Daí a maior difusão do bacalhau em nosso país e ficando tão arraigada que até joje, em especial no Rio

de Janeiro, come-se bacalhau aos domingos inclusive no natal. Mas qual o vinho recomendado ou que combina bem com esta iguaria? No Brasil quase não segue-se um regra como em Portugal, tendo a preferência o vinho tinto. Inúmeras degustações que participei mostraram que o vinho que mais se harmoniza com o bacalhau é o branco encorpado envelhecido em carvalho, como os barricados de Rioja (Viura) Espanha, e os Chardonnais do Novo Mundo bem acarvalhados. Alguns tintos, quando pouco tânicos, isto é não tão fortes, como Gamay, Pinot Noir, como é a preferência dos portugueses. Ressaltamos que nem todo o bacalhau é igual, e tanto o tipo de peixe escolhido quanto os ingredientes da receita fazem a diferença na hora de harmonizar a bebida. E o chocolate que tornou-se a estrela da Páscoa, como se combina com vinho? É, para aqueles que desconhecem esta combinação, damos a dica. Para a sobremesa de Páscoa, nada melhor que os tradicionais chocolates. Para harmonizar com chocolates escuros, com proporções de cacau entre 70% e 90%, os vinhos do Porto estilo Rubi ou LBV são a melhor pedida. Já os chocolates mais doces, recheados com frutas secas, combinam bem com vinhos de uva Tawny, muito usadas no vinho do Porto. Aos nossos amigos leitores(as), desejamos uma Feliz Páscoa, com votos de muitas felicidades, paz e saúde, com muitos brindes com responsabilidade, com o prazer de celebrar a vida com uma taça de vinho, pois você merece este momento. AVOE. BRADO DE EVOCAÇÃO Á BACO POR SEUS SÚDITOS.


Finanças Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B6

INDICADORES FINANCEIROS E ECONÔMICOS IBOVESPA (-0,31%) Intraday: 66.486 - Max: 67.041 - Min: 66.089 - Média Móvel Adaptativa: 66.432 - Ult: 66.278

RESUMO IBOVESPA

FUNDOS DE INVESTIMENTO

Pregão de 14 de abril de 2011 (17h30) Discriminação Negócios Lote Padrão 396.374 Fracionário 13.238 Demais Ativos 3.576 Total a Vista 413.188 Ex Opções Compra 5 Termo 1.729 Opções Compra 104.872 Opções Venda 855 Opções Compra Índice 10 Opções Venda Índice 16 Total de Opções 105.753 BOVESPA Fix 20 Total Geral 520.695 Partic. Novo Mercado 191.801 Partic. Nível 1 184.495 Partic. Nível 2 15.217 Partic. Balcão Org. Tradicional206 Partic. Ibovespa 336.538 Partic. IBrX 50 306.868 Partic. IBrX 100 366.551 Partic. ISE 154.696 Partic. ICO2 226.204 Partic. ITEL 14.390 Partic. IEE 18.731 Partic. INDX 134.280 Partic. ICON 48.490 Partic. IMOB 46.578 Partic. IFNC 64.106 Partic. IVBX2 163.035 Partic. IGC 312.963 Partic. IGCT 305.866 Partic. ITAG 263.879 Partic. MLCX 324.483 Partic. SMLL 52.126

Títulos/mil 1.180.187 781 6.021.222 7.202.190 10 328.484 363.777 9.506 (*) 1 373.286 (**) 7.903.972

Part.(%) 14,93 0,00 76,17 91,12 0,00 4,15 4,60 0,12 0,00 0,00 4,72 0,00 100,00

Valor em R$(mil) 5.987.709,39 5.460,76 40.880,79 6.034.050,95 22,56 138.415,18 190.263,92 15.636,95 431,30 2.700,50 209.032,68 406,94 6.381.928,32

Part.(%) 93,82 0,08 0,64 94,54 0,00 2,16 2,98 0,24 0,00 0,04 3,27 0,00 100,00

192.372 283.360 6.928 22 241.624 225.634 266.798 88.678 160.658 8.616 7.722 96.961 29.561 35.303 37.686 111.177 232.681 222.151 206.361 215.854 60.223

2,43 3,58 0,08 0,00 3,05 2,85 3,37 1,12 2,03 0,10 0,09 1,22 0,37 0,44 0,47 1,40 2,94 2,81 2,61 2,73 0,76

2.221.653,93 2.478.554,07 130.659,51 1.536,93 5.083.931,59 4.712.193,02 5.465.815,80 2.571.963,27 3.195.649,25 181.713,68 231.005,46 1.442.068,92 722.739,27 398.018,33 768.347,75 1.681.986,20 4.588.049,12 4.392.392,38 3.399.203,07 5.002.530,65 628.138,75

34,81 38,83 2,04 0,02 79,66 73,83 85,64 40,30 50,07 2,84 3,61 22,59 11,32 6,23 12,03 26,35 71,89 68,82 53,26 78,38 9,84

Dados de 12/04/2011, coletados em 14/04/2011 FUNDOS DE CURTO PRAZO Nome do Fundo BB CARTEIRA ATIVA FIA CARTEIRA ATIVA II FI ACOES BB CARTEIRA LIVRE I FI ACOES OPP I FIA FI ACOES DINAMICA ENERGIA GERACAO L. PAR FIA LEGG MASON PREV IBRX ATIVO ACOES FI BB ACOES VALE DO RIO DOCE FI LOG FIC FIA OPPORTUNITY LOGICA II FIC FIA SKOPOS MASTER FI ACOES CAIXA FI ACOES VALE DO RIO DOCE OPPORTUNITY SPECIAL FIA BIRD FDO INVEST EM ACOES INVEST EXTERI RT GALAXIA ACOES FUNDO DE INVESTIMENTO BB ACOES PETROBRAS FIA ITAU ACOES VALE FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FI ACOES PETROBRAS HSBC FI ACOES INSTITUCIONAL TEMPO CAPITAL PRINCIPAL FI DE ACOES

Fonte: ADVFN Brasil - OBS: 5 dias TELEMAR N L PNA (+4,97%) Intraday: 56,79 - Max: 59,80 - Min: 56,61 - Média Móvel Adaptativa: 58,41 - Ult: 58,46

Nome do Fundo BB TOP CP FI CP BB CP ADMINISTRATIVO SUPREMO FICFI BB TOP CP 2 FI DE CURTO PRAZO BB CP ADMINISTRATIVO DIF FICFI BB CP ADMINISTRATIVO ABSOLUTO FICFI ITAU CURTO PRAZO FI CAIXA FI CURTO PRAZO BB CP 50 MIL FICFI CAIXA FIC PRATICO CURTO PRAZO FI LIQUIDEZ CP SANTANDER FI CURTO PRAZO BB CP CORPORATIVO 600 MIL FIC FI BB CP ADMINISTRATIVO CLASSICO FICFI ITAUVEST PLUS CURTO PRAZO FICFI SANTANDER FIC FI INTELIGENTE CURTO PRAZO RT ENTERPRISE CURTO PRAZO FI BB CP AUTOMATICO FICFI BNY MELLON ARX CASH FI CURTO PRAZO BB CP ADMINISTRATIVO TRADICIONAL FICFI BB CURTO PRAZO 200 FIC FI

Fonte: Bovespa

Fonte: ADVFN Brasil - OBS: 5 dias GAFISA ON NM (-2,99%) Intraday: 10,36 - Max: 10,33 - Min: 10,01 - Média Móvel Adaptativa: 10,14 - Ult: 10,06

Pregão de 14 de abril de 2011 MAIORES OSCILAÇÕES Mercado a Vista Maiores Altas Ação TECTOY FII RBRESID1 COBRASMA ELETROBRAS ENCORPAR

Atualizado às ON *REC CI 01 ON PNA N1 ON

Preço (R$) 16:57:03 16:20:00 10:24:00 13:25:00 14:35:00

Osc.(%) 0,05 136,64 0,16 42,00 17,99

25,00 20,92 14,29 13,08 12,44

% % % % %

Atualizado às PN DO 21,62 PN *REC PN PN N1

Preço (R$) 17:05:25 17:05:00 16:23:26 16:58:32 14:06:00

Osc.(%) 6,80 0,11 0,04 12,50 2,50

-38,18 -26,67 -20,00 -13,79 -10,71

% % % % %

Ações do IBOVESPA Maiores Altas Ação Atualizado às #TELEMAR N L PNA #MARFRIG ON NM #BRASIL TELEC PN #AMBEV PN #ALL AMER LAT ON NM

Nome do Fundo FI IMOBILIARIO VOTORANTIM SECURITIES FII BB VOT JHSF CIDADE JARDIM CONT TOWER KINEA RENDA IMOBILIARIA FII FI IMOBILIARIO VOTORANTIM SECURITIES II FII CAIXA DESENVOLVIMENTO IMOBILIARIO FATOR VERITA FI IMOBILIARIO

Osc.(%) 59,80 16,97 16,09 46,39 13,04

5,30 % 3,79 % 3,60 % 3,04 % 2,44 %

Preço (R$) 17:48:18 17:45:00 17:46:54 17:45:00 17:45:31

Osc.(%) 10,05 22,47 13,13 6,96 9,19

-2,99 % -2,47 % -2,38 % -2,25 % -2,23 %

Maiores Baixas Ação #GAFISA #REDECARD #MRV #TIM PART S/A #PDG REALT

Atualizado às ON NM ON NM ON NM PN EDS ON NM

MAIS NEGOCIADAS Mercado a Vista Ação Atualizado às Volume (R$ Mil) #PETROBRAS PN EJ 17:07:18 #VALE PNA EJ N1 17:48:50 #OGX PETROLEO ON NM 17:48:50 #GERDAU PN N1 17:48:27 #VALE ON EJ N1 17:11:07

Part.(%) 718.413,07 677.835,61 358.370,28 305.080,23 202.923,14

11,91 % 11,23 % 5,94 % 5,06 % 3,36 % Fonte: Bovespa

Pregão de 14 de abril de 2011 COMPORTAMENTO NO DIA 66.483 9.204 21.543 2.140 1.064 1.785 29.549 10.299 6.102 7.380 2.078 9.508 948 1.410 1.614 937 3.575

Mínimo 66.089 9.144 21.413 2.134 1.059 1.773 29.531 10.260 6.078 7.340 2.065 9.430 943 1.405 1.608 921 3.523

Máximo 67.041 9.280 21.701 2.155 1.072 1.811 29.728 10.395 6.144 7.424 2.091 9.547 956 1.414 1.638 937 3.585

Fechamento 66.278 9.178 21.486 2.138 1.063 1.805 29.572 10.303 6.089 7.363 2.073 9.460 946 1.413 1.631 924 3.539

MÁXIMO E MÍNIMO NO ANO Máximo 71.632 9.957 22.942 2.219 1.138 1.805 30.483 11.206 6.300 7.810 2.218 10.028 1.011 1.451 1.698 1.038 3.812

IBOVESPA IBrX 50 IBrX ISE ICO2 ITEL IEE INDX IVBX-2 IGC IGCT ITAG MLCX SMLL ICON IMOB IFNC

Mínimo 12/1/2011 12/1/2011 12/1/2011 5/4/2011 5/1/2011 14/4/2011 5/4/2011 12/1/2011 5/4/2011 12/1/2011 12/1/2011 5/1/2011 12/1/2011 12/1/2011 5/1/2011 3/1/2011 5/1/2011

64.217 8.965 20.742 2.009 1.009 1.469 27.148 10.021 5.568 6.987 1.986 8.872 915 1.273 1.456 868 3.281

9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 3/1/2011 28/1/2011 10/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 9/2/2011 10/2/2011 10/2/2011 10/2/2011 4/2/2011

EVOLUÇÃO DOS FECHAMENTOS Na IBOVESPA IBrX 50 IBrX ISE ICO2 ITEL IEE INDX IVBX-2 IGC IGCT ITAG MLCX SMLL ICON IMOB IFNC

semanaEm uma semana -3,55% -4,19% -3,69% -4,48% -3,29% -4,09% -1,53% -2,31% -2,04% -3,05% 2,42% 1,67% -1,10% -1,67% -2,28% -3,05% -1,31% -2,17% -2,38% -3,19% -2,50% -3,41% -2,34% -3,39% -3,37% -4,19% -1,19% -1,53% 1,02% 0,28% -3,76% -4,24% -3,15% -4,70%

No mês Em um mês -3,36% -1,33% -4,57% -1,84% -4,01% -0,98% -2,15% 1,51% -2,17% 1,54% 5,70% 15,33% -1,07% 1,74% -2,24% -1,44% -0,52% 2,28% -2,41% 0,85% -2,96% 0,76% -2,78% 1,45% -4,24% -1,17% 0,05% 4,18% 0,13% 3,13% 0,52% 1,68% -4,90% 2,01%

No ano Em um ano -4,37% -6,70% -4,72% -7,30% -3,38% -3,72% 2,46% 6,65% -3,90% 0,00% 24,94% 33,85% 8,55% 21,78% -5,87% -3,55% 0,81% 7,03% -3,49% 4,48% -3,21% 0,78% -3,91% 5,90% -3,40% -4,55% -1,83% 21,39% -3,09% 21,92% -10,85% 9,50% -5,49% 1,32% Fonte: Bovespa

AGRONEGÓCIO Índice Boi Gordo Café Etanol Hid. Milho Soja

PRINCIPAIS BOLSAS Bolsas Bovespa Nasdaq Merval Londres Paris Tóquio Frankfurt DJ BT 20 Dow Jones

Último 66278 2760.22 3381.57 5963.8 3972.78 9653.92 7146.56 37408.44 12285.15

ÍNDICES TR E POUPANÇA % -0.31 -0.04 -0.75 -0.77 -0.83 +0.13 -0.43 +0.30 +0.12

Hora 17:17 16:04 17:00 11:50 11:31 05:20 12:00 16:04 16:30

Data 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 Fonte: CMA

Moedas Dólar Com. Dólar Par. Dólar Tur. Euro x Dólar Euro X Real Dólar Ptax

Compra 1.5780 1.5500 1.5400 1.4490 2.2865 1.5834 1.5805

Venda 1.5800 1.6900 1.6900 1.4491 2.2896 1.5842 1.581

% -0.69 -1.16 -1.16 +0.29 -0.19 -0.13 -0.53

Hora 17:04 16:43 16:43 17:44 17:44 17:53 17:46:23

Data 14/04 11/04 14/04 14/04 14/04 14/04 14/04 Fonte: CMA

Valor 101,73 351,50 1.034,00 29,76 29,60

% -0,35 +2,45 0,00 +0,10 -0,34

Praça Valor % SP 66,95 +0,40 SP 365,52 -1,71 RS 19,25 -0,52 MS 778,42 -0,12 SP 103,16 +0,22 SP 521,46 +1,64 PR . . Camp. 30,15 -0,69 PR 46,64 -0,17 Fontes: Página Rural, BM&F e CEPEA (Cotações de 07/04/2011)

PAPEL Poupanca dia Taxa Referencial Taxa Referencial para o mes presente

VALOR 0.66910 0.0767 0.1212

HORA 07:55 12:22 07:55

DATA 14/04 13/04 01/03

VALOR 0.80 0.62 0.37

HORA 07:55 11:39 07:55

DATA 28/02 14/04 25/03

VALOR 1.314311 11.67 0.25 10.37 1.313244 1.314311 1.313244

HORA 17:04 17:04 07:59 15:52 17:04 08:00 08:00

DATA 13/04 13/04 29/04 11/05 13/04 13/04 13/04

Valor 77.4 1472.80

Hora 14:41:27 21:43

Data 14/04 14/04

INFLAÇÃO PAPEL Indicador Valor Data IGPM (%mes) IPC-FIPE (%mes)

JUROS PAPEL Taxa Selic (%mes) Taxa Selic (%ano) Taxa do FED (%ano) CDB 30 dias (Prefixado) CDI - Over CDI Andima no dia CDI Dia - Cetip

OURO Ouro Spot - BMF (250g) Ouro NY (Onca Troy)

RISCO PAÍS BRASIL

Último 171

% +0.58

Hora 14:33

Data 14/04 Fonte: Bovespa

BASE DE CÁLCULO DE JUROS E REAJUSTES 2010/2011 INPC IPCA IGP-M IGP-DI CUB-PR INCC-DI TR POUPANÇA TJLP Fonte IBGE IBGE FGV FGV SINDUSCON/PR IBGE/CEF B.Central Governo COPOM Mês Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Jan 0,24 0,75 0,63 1,01 0,20 0,64 0,0000 0,5536 0,5000 Fev 0,70 0,78 1,18 1,09 0,18 0,36 0,0000 0,5000 0,5000 Mar 0,71 0,52 0,94 0,63 0,24 0,75 0,0792 0,5000 0,5000 Abr 0,73 0,57 0,77 0,72 0,17 0,84 0,0000 0,5796 0,5000 Mai 0,43 0,43 1,19 1,57 0,38 1,81 0,0510 0,5000 0,5000 Jun -0,11 0,00 0,85 0,34 0,51 1,09 0,0589 0,5513 0,5000 Jul -0,07 0,01 0,15 0,22 5,75 0,44 0,1151 0,5592 0,5000 Ago -0,07 0,04 0,77 1,10 0,20 0,14 0,0909 0,6157 0,5000 Set 0,54 0,45 1,15 1,10 0,27 0,21 0,0702 0,5914 0,5000 Out 0,92 0,75 1,01 1,03 0,12 0,20 0,0472 0,5706 0,5000 Nov 1,03 0,83 1,45 1,58 0,16 0,37 0,0336 0,5474 0,5000 Dez 0,60 0,63 0,63 0,38 0,05 0,67 0,1406 0,5338 0,5000 No ano 6,4652 5,9090 13,9124 11,3058 8,41 7,7717 0,6887 6,8060 6,0000 12 meses 6,4652 5,9090 13,9124 11,3058 8,41 7,7717 0,6887 6,8060 6,0000

SELIC Rec.Fed. Mensal (%) 0,7150 0,6455 0,7150 0,6956 0,7738 0,7883 0,8447 0,8710 0,8579 0,8169 0,8169 0,8710 9,9000 9,9000

DÓLAR B.Central Mensal (%) 5,53 - 2,90 - 0,94 -1,75 5,13 - 1,90 - 2,23 0,34 - 3,14 1,30 0,35 -2,34 -4,26 -4,26

PIB DESEMPREGO Governo IBGE/CEF Trimest.(%) Mensal (%) 9,3 7,20 9,3 7,40 9,3 7,60 9,2 7,30 9,2 7,30 9,2 7,00 6,7 6,90 6,7 6,70 6,7 6,20 5,0 6,10 5,0 5,70 5,0 5,30 7,5 — 7,5 —

SELIC Rec.Fed. Mensal (%) 0,8859 0,8212 0,9455 — — — — — — — — — 2,6800 10,5300

DÓLAR B.Central Mensal (%) 1,39 - 0,06 -1,98 — — — — — — — — — -1,2100 —

PIB DESEMPREGO Governo IBGE/CEF Trimest.(%) Mensal (%) — 6,10 — 6,40 — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — —

2011 INPC IPCA IGP-M IGP-DI CUB-PR INCC-DI TR POUPANÇA TJLP Fonte IBGE IBGE FGV FGV SINDUSCON/PR FGV/CEF B.Central Governo COPOM Mês Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Mensal (%) Jan 0,94 0,83 0,79 0,98 0,08 0,41 0,0715 0,6413 0,5000 Fev 0,54 0,80 1,00 0,96 0,11 0,28 0,0524 0,5719 0,5000 Mar 0,66 0,79 0,62 0,61 0,16 0,43 0,1212 0,5527 0,5000 Abr — — — — — — 0,0369 0,6218 — Mai — — — — — — — 0,5371 — Jun — — — — — — — — — Jul — — — — — — — — — Ago — — — — — — — — — Set — — — — — — — — — Out — — — — — — — — — Nov — — — — — — — — — Dez — — — — — — — — — No ano 2,1549 2,4396 2,4290 2,5713 0,3400 1,1241 0,2822 2,9591 1,5000 12 meses 6,3065 6,2990 10,9478 11,1076 8,1200 7,0985 — — 6,0000 Fonte: Portal Brasil-Economia; Empresário Online; SINDUSCON-PR; IBGE

INSS: CONTRIBUIÇÃO MENSAL

SALÁRIO MÍNIMO PARANÁ

Portaria MPS/MF nº 408, 17/08/2010, atualizada em 01/01/2011

De Maio/2010 a Abril 2011

Valor mínimo Valor Máximo

Fonte de Contribuição

Valor Alíquota Contribuição Documento (R$) (%) (R$) Contribuição

Pró-labore Pró-labore

540 3.689,66

11 11

59,40 405,96

GPS GPS

510 3.689,66 3.689,66

20 20 11

108,00 737,93 405,86

Carnê Carnê Carnê/GPS*

AUTÔNOMO Valor mínimo Valor Máximo Valor Máximo

Cota 1.026,73 100,1679 1.012,72 1.051,91 997.009,10 1,0795

Patrimônio 485.812.400 271.455.000 262.272.900 211.273.600 209.571.300 31.243.750

no Dia no Mês 0,04 0,35 0,04 -0,59 0,04 -0,44 0,04 0,35 0 -0,04 0,05 0,44

no Ano -4,86 0,06 0,82 3 -0,3 4,01

Nome do Fundo FFIE FI MULT CRED PRIV FIC FI MULTIMERCADO PETROS MASTER FRG PLANO BD FI MULTIMERCADO ZEUS FI MULTIMERCADO FI BACO MULTIMERCADO BNPP CHRONOS FI MULTIMERCADO LP CAIXA FI JORD MULTIMERCADO LP SANTANDER FI ANUBIS MULTIMERCADO CARIOCA FI MULTI LONGO PRAZO BB MILENIO 37 FI MULT LONGO PRAZO SAFRA GLOBAL FI MULT CRED PRIV SELECT 1 FIC DE FI MULTI. PREV. FIC FI MULTIMERCADO PETROS MODERADO FPRF2 ALBATROZ FI MULTIMERCADO PREV BRADESCO FI MULTIMERCADO VULCANO OGX 63 MULTIMER CREDITO PRIVADO FICFI OGX 63 MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO FI FI PENTAGONO MULTIMERCADO CRED PRIV FIC FI MULTIM PETROS CREDITO PRIVADO BRADESCO FI MULT CRED PRIV EASYBAND

Cota Patrimônio no Dia no Mês 1,2932 18.420.920.000 -2,91 -6,58 5.264,41 10.226.980.000 0,05 0,39 7,4706 7.742.012.000 -0,22 -0,25 1,3449 6.209.804.000 -0,01 0,65 136,2249 5.815.187.000 0,03 0,32 116,1012 4.811.342.000 0,04 0,33 1,1649 4.711.526.000 0,07 0,31 1,2423 4.675.067.000 0,04 0,34 1,8179 4.657.061.000 0,05 0,35 1,0557 4.467.981.000 0,04 0,24 5.862,21 4.065.174.000 0,04 0,36 3,2957 3.931.150.000 0,11 0,34 4,0984 3.862.108.000 0,05 0,4 6,915 3.592.080.000 0,11 0,31 105,6878 3.345.862.000 0,04 0,35 14,4752 3.331.759.000 0,05 0,36 14,485 3.307.451.000 0,05 0,36 2,29 2.777.716.000 0,05 0,36 2,1128 2.532.884.000 0,06 0,48 3,4043 2.515.649.000 0,05 0,36

no Ano -1,83 3,34 1,89 3,76 2,87 3,03 2,98 2,99 3 2,88 3,06 2,26 3,16 2,3 3,03 3,11 3,11 3,09 3,91 3,11

FUNDOS DE PARTICIPAÇÕES Nome do Fundo FI FGTS BERTIN FIP ENERGIA SAO PAULO FI EM PARTICIPACOES DIBRA FI EM PARTICIPACOES FIP ASAS FIP COLISEU FIC FI PART 114 GJP FIP APX BRAZIL FIP FLORESTAL FIP FIP BRASIL ENERGIA GENERAL ATLANTIC FI EM PARTICIPACOES BTC FIP STAR FIP GIF III FIC DE FI EM PARTICIPACOES FIC FIP JMF GIF III FIP ENERGIA PCH FIP GIF II FIP INFRABRASIL FIP SENIOR A

Cota Patrimônio no Dia no Mês 1,2183 19.687.550.000 0,02 0,21 2.787,22 4.949.066.000 0 0 3,9994 3.185.447.000 0,01 0,05 5.300.940,00 2.865.723.000 -0,74 0,5 16.049,63 2.117.998.000 0 0,01 1.148.722,00 1.499.953.000 0,06 0,61 259,0043 1.413.954.000 0,01 0,05 17.911,92 1.291.019.000 0 0,03 999.681,10 1.230.495.000 0 0 1,0197 1.121.658.000 0,01 0,08 27.725,63 1.117.209.000 0,02 0,22 1,1216 1.052.139.000 -2,22 0,42 2,6005 1.029.544.000 0 0 1,3338 772.606.500 0,04 0,35 101,8186 700.442.400 0 0,01 230,9898 563.834.000 0,01 0,08 102,2154 561.162.600 0 0,01 130.333,60 550.527.900 0 -0,02 69,5881 477.902.300 -0,24 -1,89 16.937,96 453.072.500 0,27 0,05

no Ano 2,08 0 0,45 -0,73 3,02 4,72 0,45 0,96 0 0,71 -1,47 -9,42 42,87 -16,39 1,07 0,68 1,29 -0,2 -14,28 17,06

FUNDOS DE PREVIDÊNCIA

2010

EMPREGADOR Venc. Mai Set Jul Set Jun

FÍSICO Índice Açúcar Algodão Arroz Bezerro Boi Gordo Café Etanol Milho Soja

MOVIMENTAÇÃO DIÁRIA Informações de 14 de abril de 2011

Contribuinte

FUTURO

no Ano 3 1,85 3,01 2,85 2,71 3 3 2,72 1,58 3,01 3 2,86 2,42 1,42 1,45 3 1,86 2,85 1,85 2,14

FUNDOS MULTIMERCADOS

CÂMBIO

ÍNDICES BOVESPA Abertura IBOVESPA IBrX 50 IBrX ISE ICO2 ITEL IEE INDX IVBX-2 IGC IGCT ITAG MLCX SMLL ICON IMOB IFNC

Fonte: ADVFN Brasil - OBS: 5 dias

ÍNDICADORES ECONÔMICOS

Preço (R$) 17:08:30 17:48:12 17:45:00 17:45:00 17:46:00

Cota Patrimônio no Dia no Mês 6,4866 39.704.740.000 0,04 0,35 2,3186 21.748.190.000 0,03 0,22 1,1554 10.753.810.000 0,04 0,35 2,0276 7.983.934.000 0,04 0,33 3,7869 5.406.032.000 0,04 0,32 34,1198 5.247.893.000 0,04 0,35 3,3641 5.046.609.000 0,04 0,35 2,9679 4.996.722.000 0,04 0,32 4,08 4.667.511.000 0,02 0,19 1,6295 3.508.874.000 0,04 0,35 3,4118 3.386.854.000 0,04 0,35 1,4458 2.755.200.000 0,04 0,33 4,6313 2.736.671.000 0,03 0,29 9,0954 2.080.772.000 0,02 0,17 27,2529 1.804.335.000 0,02 0,18 11,5473 1.445.723.000 0,04 0,35 6,1439 1.325.993.000 0,03 0,22 3,2165 1.158.683.000 0,04 0,33 3,2067 1.068.818.000 0,03 0,22 2,5692 976.370.700 0,03 0,25

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Maiores Baixas Ação SCHLOSSER B2W VAREJO TECTOY NADIR FIGUEI CEEE-D

no Ano 0 -0,22 6,28 -2,52 -0,53 -1,85 -2,37 -5,67 9.209,40 -5,58 3,86 -6,04 -3,97 7,54 -4,26 -2,19 -6,28 -2,05 -3,28 0,04

FUNDOS DE CURTO PRAZO

(*) 890 contratos (**) 355 BOVESPAFIX

OSCILAÇÕES

Cota Patrimônio no Dia no Mês 39,5525 34.480.000.000 0 0 69,2522 13.204.810.000 0 0 98,72 12.849.740.000 1 -0,15 254,0731 6.505.666.000 -1,65 -1,49 30.491,01 2.720.599.000 -2 -5,1 59,4235 2.561.253.000 -1,8 -2,99 1.230,91 1.434.886.000 -1,82 -3,09 12,3119 1.387.218.000 -1,99 -2,46 93,094 1.284.160.000 -2,39 -2,11 38,1181 1.283.607.000 -2,42 -2,24 2,3672 1.249.274.000 1,12 3,96 12,276 1.224.994.000 -2,02 -2,59 4,6728 1.222.588.000 -1,97 -2,23 1.263,02 1.188.174.000 -0,66 -2,84 35.547,18 1.107.072.000 -1,94 -2,57 8,1269 1.106.277.000 -3,36 -7,75 111,0751 1.040.828.000 -2,03 -2,62 8,9746 1.026.163.000 -3,54 -8,26 15.534,60 986.740.000 -1,68 -3,26 137,3337 978.111.100 -1,27 -1,65

Pessoa Física Pessoa Física Pessoa Jurídica

Valor mínimo Não definida Valor Máximo Não definida Até 1.106,90 De 1.106,91 até 1.844,83 De 1.844,84 até 3.689,66

540 3.689,66

20 20

108,00 737,93

Carnê Carnê 8,00% 9,00% 11,00% Fonte: Empresário On Line - INSS - Sebrae/PR

R$ 663,00 R$ 688,50(*) R$ 714,00 R$ 765,00 Fonte: Sebrae/PR

IRPF: TABELA PROGESSIVA MENSAL Base de Cálculo Até R$ 1.499,15 De R$ 1.499,16 até R$ 2.246,75 De R$ 2.246,76 até R$ 2.995,70 De R$ 2.995,71 até R$ 3.743,19 Acima de R$ 3.743,19

Cota 1,9239 1,9289 1,9094 190,7564 2,7864 1,9424 1,9342 2,1301 3,5274 4,1742 4,1403 2,0225 3,4524 4,0793 3,8897 3,4747 3,5168 5,0653 1,6495 3,1931

Patrimônio 49.976.520.000 40.191.390.000 16.837.060.000 16.443.450.000 15.702.670.000 11.777.270.000 11.224.800.000 11.195.300.000 9.737.032.000 8.240.931.000 6.837.222.000 5.277.437.000 4.621.452.000 4.393.781.000 4.367.626.000 4.236.001.000 3.586.932.000 3.309.928.000 3.237.578.000 2.992.095.000

no Dia no Mês 0,04 0,36 0,04 0,36 0,06 0,38 0,04 0,36 0,03 0,27 0,04 0,35 0,05 0,38 0,04 0,33 0,04 0,33 0,06 0,32 0,04 0,32 0,04 0,31 0,02 0,26 0,03 0,27 0,03 0,26 0,05 0,3 0,05 0,26 0,03 0,29 0,11 0,11 0,05 0,27

no Ano 3,12 3,12 3,02 3,07 2,27 3,04 3,33 2,83 2,84 2,57 2,75 2,69 2,19 2,27 2,21 2,43 2,03 2,49 0,27 2,15

no Dia no Mês 0,04 0,36 0,05 0,36 0,04 0,36 0,04 0,36 0,05 0,36 0,04 0,36 0,04 0,35 0,04 0,36 0,04 0,35 0,04 0,32 0,05 0,35 0,04 0,35 0,05 0,36 0,04 0,33 0,03 0,22 0,04 0,36 0,04 0,32 0,04 0,34 0,05 0,38 0,04 0,33

no Ano 3,09 3,1 3,09 3,07 3,1 3,05 3,06 3,07 3 2,78 3,11 3,03 3,11 2,82 1,81 3,06 2,78 2,89 3,2 2,8

FUNDOS REFERENCIADOS Nome do Fundo BB TOP DI FI REFERENCIADO DI LP SANTANDER FI REFERENCIADO DI BRAM FI REFERENCIADO DI RUBI ITAU REFERENCIADO DI FI SPECIAL REFERENCIADO DI FI HSBC FI REFERENCIADO DI LP UNIBANCO TOP DI FI REFERENCIADO BB TOP DI C FI REFERENCIADO DI BB TOP PRINCIPAL REFERENCIADO DI LP FI ITAU PERSONNALITE MAXIME REF DI FICFI REAL FI REFER DI CRED PRIVADO BRADESCO FI REFERENCIADO DI UNIAO CORP REFERENCIADO DI FI SANTANDER FIC FI MASTER REF DI BRADESCO FIC DE FI REF DI HIPERFUNDO HSBC FI REF DI CRED PRIV LP EXECUTIVO BB REF DI PLUS ESTILO FIC FI SUPER PREMIUM REF DI PRS FICFI SAFRA DI CREDITO PRIVADO FI REFERENCIADO BB REFERENCIADO DI LP 50 MIL FICFI

Cota 8,6225 71,5609 4,1063 79,9321 104,9958 13,1934 2,1193 8,5864 5,0351 50,0146 86,6046 13,6619 119,8451 65,3457 302,7852 5,7431 2,335 25,5746 120,5431 7,5323

Patrimônio 25.034.960.000 19.526.990.000 16.195.870.000 14.476.190.000 9.912.767.000 9.404.326.000 8.262.873.000 7.552.854.000 6.930.141.000 6.595.932.000 6.262.409.000 5.847.537.000 5.845.719.000 5.383.914.000 5.222.887.000 4.981.041.000 4.736.614.000 4.732.441.000 4.647.746.000 4.488.892.000

FUNDOS DE RENDA FIXA

Faixa I Faixa II Faixa III Faixa IV

A partir de 1º de Janeiro de 2011 FACULTATIVO

Nome do Fundo BRADESCO FI RF MASTER PREVIDENCIA ITAU FLEXPREV RENDA FIXA FI BRASILPREV TOP TPF FI RF SANTANDER FI PREV RENDA FIXA BRADESCO FIC RF VGBL FIX CAIXA FI PREVINVEST RF GESTAO BRASILPREV TOP TP FI RF CREDITO PRIVADO BRADESCO FIC RF VGBL F10 ITAU FLEXPREV XV RF FICFI BRASILPREV RT FIX II FICFI RF ITAU FLEXPREV XII RF FICFI BRADESCO FIC RF VGBL F15 CAIXA FIC PREVIDENCIA RF3 BRADESCO FIC RF PREV FACIL PGBL FIX ITAU FLEXPREV I RF FICFI BRASILPREV RT FIX V FICFI RF BRASILPREV RT FIX FICFI RENDA FIXA ITAU FLEXPREV VI RF FICFI BRASILPREV TOP ATUARIAL FI RF BRASILPREV RT FIX III FICFI RF

Alíquota (%) A Deduzir do Imposto Isento — 7,50% 112,43 15,00% 280,94 22,50% 505,62 27,50% 692,78 Fonte: Receita Federal, Sebrae/PR

Nome do Fundo BB RF IV FI RF LP BB TOP RF MODERADO FI RF LP NOSSA CAIXA TESOURO RF CAIXA FI MASTER RF LONGO PRAZO BB TOP RF ARROJADO FI RF LP BRAM FI RF CAIXA FIC PERSONAL RF LONGO PRAZO SANTANDER FI RENDA FIXA CAIXA FI MASTER PERFORMANCE RF LP CAIXA FIC EXECUTIVO RF LONGO PRAZO BB TOP RF C FI BB RENDA FIXA LP 50 MIL FICFI BB RENDA FIXA LP 90MIL FIC FI ITAU FRANCES RENDA FIXA FI BB RENDA FIXA 5 MIL FIC FI CAIXA FIC ESPECIAL RF LONGO PRAZO BB RF LP VIP ESTILO FIC FI BB RENDA FIXA LP PLUS ESTILO FIC FI HSBC FI RF CRED PRIV LP PERFORMANCE FI RF SANT BAN FENIX

Cota 12,1478 10,0294 7,4361 10,3703 5,3554 11,3454 7,7657 10,1415 1,2982 9,0175 9,964 12,8426 4,119 1.452,88 11,1805 2,6082 13,6106 2,3388 2,2613 21,1833

Patrimônio no Dia no Mês no Ano 28.920.650.000 0,07 0,48 25.710.090.000 0,05 0,36 3,11 23.765.580.000 0,04 0,35 3,03 20.039.550.000 0,04 0,35 2,97 13.844.670.000 0,05 0,36 3,11 10.978.890.000 0,04 0,37 3,15 10.432.630.000 0,04 0,34 2,85 8.563.527.000 0,05 0,37 3,11 8.156.888.000 0,04 0,36 3,01 8.155.560.000 0,04 0,32 2,72 7.859.098.000 0,05 0,36 3,1 7.310.826.000 0,04 0,33 2,82 7.157.238.000 0,04 0,33 2,88 6.862.068.000 0,05 0,37 3,16 6.510.840.000 0,04 0,29 2,52 6.115.172.000 0,04 0,35 2,91 5.388.553.000 0,04 0,34 2,97 4.913.525.000 0,04 0,33 2,82 4.739.115.000 0,05 0,37 3,17 4.470.569.000 0,07 0,58 5,76 Fonte: ANIBD/ANBIMA/BDS

Edição: Odailson Elmar Spada


Agronegócios Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2010 | B7

Indústrias J. Bettega S/A

DEMOSTRAÇÃO DE RESULTADO DOS EXERCÍCIOS

CNPJ 76.490.614/0001-60 Aos Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial, Demonstrações de Resultados, Demonstração de Fluxo de Caixa e demais demonstrações financeiras, relativas aos exercícios findos em 2010 e 2009, em atendimento aos dispositivos legais e estatutários.

BALANÇO PATRIMONIAL EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO

2010

2009

CIRCULANTE

3.176.158

4.060.712

CIRCULANTE

5.085.655

6.004.462

Disponibilidades Clientes Outros Créditos Impostos a Recuperar Estoques Despesas Pagas Antecipadamente

460.868 307.788 484.936 98.647 1.793.509 30.410

464.847 612.552 2.002.373 236.984 707.989 35.967

NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL À LONGO PRAZO CRÉDITOS Créditos e Valores

18.631.868

4.039.306

Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Fiscais Obrigações Sociais e Trabalhistas Outras Obrigações e Provisões Dividendos e Gratificações NÃO CIRCULANTE

1.027.887 990.586 750.342 492.544 629.281 1.195.015 2.674.381

1.547.351 1.142.238 1.179.490 337.239 305.330 1.492.814 846.974

82.300 82.300

136.919 136.919

2.674.381 14.047.990

846.974 1.248.582

IMOBILIZADO Bens em operação (-) Deprec. / Amortização / Exaustão Acum.

18.549.568 25.697.184

3.902.387 10.719.823

2.475.009 2.475.009

2.475.009 2.475.009

(7.147.616)

(6.817.436)

54.151 9.584 44.567 14.447.992 14.447.992 (2.929.162) (2.929.162)

54.151 9.584 44.567 (1.280.578) (1.280.578)

21.808.026

8.100.018

TOTAL DO ATIVO

21.808.026

8.100.018

PASSIVO

2010

Outras Obrigações PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL SOCIAL Capital Social Integralizado RESERVAS DE CAPITAL De Investimentos Incentivados De Correção Monetária do Capital AVALIAÇÃO PATRIMONIAL Avaliação Patrimonial LUCRO OU PREJUÍZO ACUMULADO Prejuízo Acumulado TOTAL DO PASSIVO

2009

* As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Descrição

Em 31 de dezembro de 2008

Capital Social

Reserva de Capital

Reserva de Lucros

Avaliação Patrimonial

Lucros/Prejuízo Acumulados

Total

2.475.009

54.151

1.291.049

-

-

3.820.209

-

-

(12.178) (1.278.871)

-

(2.559.449) 1.278.871

(12.178) (2.559.449) -

2.475.009

54.151

-

-

(1.280.578)

1.248.582

-

-

-

14.447.992

(1.648.584) -

(1.648.584) 14.447.992

2.475.009

54.151

-

14.447.992

(2.929.162)

14.047.990

Ajuste Exercícios Anteriores Prejuízo do Exercício 2009 Absorção de Prejuízo Em 31 de Dezembro de 2009 Prejuízo do Exercício Avaliação Patrimonial Em 31 de Dezembro de 2010

* As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 de dezembro de 2010 e 2009 - (Em Reais) NOTA 01- CONTEXTO OPERACIONAL O objetivo principal da INDÚSTRIAS J. BETTEGA S.A como atividade econômica é o desdobramento de madeiras de Toras de Pinus, transformação em laminados, resíduos, prensa, colagem e fabricação de compensado, com a finalidade de comercialização no mercado nacional e internacional. Seu parque industrial está instalado no município de Bituruna no Estado do Paraná, onde encontram-se também suas áreas de reflorestamento de Pinus.

e) VALORES A RECEBER Em 31 de dezembro de 2010, dos recebíveis da empresa, 20,38% são de operações realizadas Mercado Nacional, 18,45% no Mercado Externo, 37,33% relacionados à venda de bem patrimonial e 23,84% referentes a outros créditos. Os valores a receber estão compostos da seguinte forma: DESCRIÇÃO - Circulante

2010

Em Reais 2009

NOTA 02- APRESENTAÇÃO DOS FATOS CONTÁBEIS As peças contábeis estão elaboradas de acordo com as disposições emanadas da Lei Societária no 6.404/76 que incluem os novos dispositivos introduzidos, alterados e revogados pela Lei 11.638 de 28/12/2007 e pela Lei nº 11.941 de 27 de maio de 2009, da Legislação Fiscal, além de observar as orientações da Comissão de Valores Mobiliários e as instruções do Conselho Federal de Contabilidade.

Clientes Mercado Nacional Clientes Mercado Externo Venda de Bem Patrimonial Outros Valores a Receber

161.566,46 146.221,83 295.915,81 189.020,18

795.243,78 -.1.807.266,76 149.333,71

TOTAL

792.724,28

2.751.844,25

NOTA 03- ATENDIMENTO A LEI 11.638/07 Com a promulgação da Lei nº 11.638/07, que alterou, revogou e introduziu novos dispositivos à Lei n 6.404/76, principalmente no capítulo relacionado à divulgação e preparação das demonstrações contábeis, que vieram a modificar, entre outros aspectos, os critérios de reconhecimento e valorização de ativos e passivos. Essas mudanças nas práticas contábeis entraram em vigor em 01/01/2008.

Em 31 de dezembro de 2010, 39,05% do valor passível de recuperação refere-se a créditos de saldo negativo de IRPJ e CSLL, conforme composição: Em Reais CONTA 2010 2009

A partir do exercício de 2008, a empresa utiliza as instruções da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09 e Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) para a elaboração de suas demonstrações financeiras. A partir de 01/01/2008 (data da transição) e assim sucessivamente para os anos de 2009 e 2010, as demonstrações contábeis foram preparadas considerando as exceções requeridas e inseridas, opcionais e permitidas pelo pronunciamento contábil CPC 13 sendo elas: a) A empresa analisou as alterações promovidas pela Lei n° 11.638/07 e Lei nº 11.941/09 e não identificou efeitos representativos relacionados às alterações que devam ser ajustados contra Lucros Acumulados. NOTA 04- PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS 1. AS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS RESUMEM-SE EM: a) ESCRITURAÇÃO SEGUNDO O REGIME DE COMPETÊNCIA DOS EXERCÍCIOS

f) IMPOSTOS A RECUPERAR

Crédito Cofins Não Cumulativo a Compensar Crédito Pis Não Cumulativo a Compensar CSLL sobre NF Prestador Serviço IRRF s/ Folha e Terceiros a Compensar ICMS s/ Bens do Ativo Imobilizado Ressarcimento Pis Não Cumulativo CSLL Compensar Exercício 2006 IRPJ Saldo Negativo Exercício 2008 IRPJ Saldo Negativo Exercício 2009 CSLL Saldo Negativo Exercício 2009

11.654,54 2.530,25 686,31 8.168,37 30.433,40 6.650,97 1.884,59 17.396,19 13.625,48 5.617,05

686,31 3.996,68 22.308,56 6.650,97 1.884,59 182.309,32 13.625,48 5.522,31

TOTAL

98.647,15

236.984,22

g) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL A empresa optou pela Tributação com base no Lucro Real Anual no exercício de 2010, com apuração de balancetes de suspensão mensais cujo resultado anual apurado monta no prejuízo de R$ 1.648.854 (Um milhão, seiscentos e quarenta e oito mil, oitocentos e cinqüenta e quatro reais) não sendo devido Imposto de Renda e Contribuição Social, mesmo após os ajustes ficais. 2) INVESTIMENTOS Não há, para os exercícios de 2010 e 2009, investimentos relevantes para serem considerados nas peças contábeis.

Um ativo é reconhecido no balanço quando for provável que benefícios econômicos futuros dele provenientes contribuirão para a Empresa e valor ou custo puder ser determinado em bases confiáveis.

3) IMOBILIZADO

DESCRIÇÃO

b) TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E DEPÓSITOS Os títulos, valores mobiliários, aplicações financeiras de liquidez imediata e depósitos (caixa e equivalentes de caixa), estão registrados ao custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos "pró rata" até a data do Balanço. Em 31 de dezembro de 2010 e 2009, encontram-se compostos da seguinte forma: (Em Reais) INSTITUIÇÃO FINANCEIRA MODALIDADE 2010 2009 HSBC S/A Bradesco S.A. ITAÚ S.A. CEF

FAQ-FIF DI 90 DI 90 CDB - FAQ PERS

TOTAL

305.364,62 4.618,22 75.503,89 68.337,11

297.413,72 4.618,22 41.334,62 63.342,41

453.823,84

406.708,97

As aplicações financeiras da Empresa representam aproximadamente 14,29% no final do exercício em análise a sua representatividade do Ativo Circulante, equivalente ao aumento de 4,27% em relação ao exercício findo em 2009. A exemplo de exercícios anteriores as aplicações financeiras possuem o prazo médio das operações de aplicações e resgates de numerários entre 60 e 90 dias. c) PROVISÃO PARA AJUSTE DE RECEBÍVEIS Para o corrente exercício não houve a necessidade de constituição de perdas na realização das contas a receber de clientes e de outros créditos em função da irrelevância do percentual de perdas, em congruência com o determinado pelo CPC. d) ESTOQUES Os estoques, dos exercícios findos em 2010 e 2009, foram valorados de acordo com o critério fiscal, sendo 70% do maior preço de venda para os produtos acabados, 56% do maior preço de venda do produto acabado para os produtos em elaboração. O Almoxarifado está avaliado pelo custo médio de aquisição, líquido dos impostos recuperáveis. Os estoques estão compostos da seguinte forma, para os exercícios de 2010 e 2009: 2010

(Em Reais) 2009

Produtos Acabados Matérias Primas Insumos e Materiais Diversos

1.576.427,47 13.624,40 203.457,70

481.276,44 24.727,05 201.985,66

TOTAL

1.793.509,57

707.989,15

DESCRIÇÃO

O Imobilizado está demonstrado ao custo de aquisição, formação ou construção, corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995, pela Ufir de R$ 0,8287 e em atendimento CPC 13, foi devidamente avaliado a valor presente para exercício de 2010 em atendimento as Leis 11.638/07 e 11.941/09, conforme Laudo de Avaliação Patrimonial. Em Reais TAXA DEPREC. E AMORTIZAÇÃO

2010

2009

MOBILIZADO Bens Imóveis Terrenos Reav. Terrenos Construções 4% Reav. Construções Bens Móveis Veículos 20% Reav. Veículos Máquinas e Acessórios 10% Reav. Máquinas e Acessórios Móveis e Utensílios 10% Reav. Móveis e Utensílios Instalações 10% Software/Equip. Informática 20% Reav. Software/Equip.Informatica Florestas Próprias Reflorestamento Reav. Reflorestamento Florestas em Formação Reav. Floretas em Formação Bens Intangíveis Direito de Uso Telefone Direito de Uso Software

25.697.183,80 10.719.822,92 2.515.555,67 636.752,62 93.850,48 93.851,48 55.755,02 542.901,14 542.901,14 1.823.049,03 10.643.992,92 8.111.053,02 2.306.785,50 2.306.785,50 632.748,15 5.573.075,76 5.142.978,63 1.416.811,05 105.429,50 93.621,92 35.611,02 489.113,57 489.317,55 83.190,02 78.349,42 1.228,35 12.476.847,94 1.911.230,01 1.469.296,14 1.386.467,98 9.530.101,80 524.762,03 524.762,03 952.687,97 60.787,27 60.787,27 754,38 754,38 60.032,89 60.032,89

( - ) Depreciação Acumulada

(7.147.616,48) (6.817.436,44)

TOTAL IMOBILIZADO

18.549.567,32

3.902.386,48

As amortizações e depreciações do imobilizado são calculadas com base no método linear às taxas demonstradas anteriormente levando em consideração a vida útil dos bens e pela exaustão da conta de reflorestamento de acordo com o número de árvores derrubadas mensalmente. Dispêndios decorrentes de reposição de itens do imobilizado são capitalizados quando resultam em aumento da vida útil desse bem e demais gastos são reconhecidos no resultado como despesas. As estimativas de vida útil-econômica de seus ativos imobilizados para atendimento do CPC 13 serão realizadas para que produzam efeito a partir do exercício de 2010. 4) EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS São atualizados pelas variações monetárias incorridas até a data do Balanço e os juros respectivos, estão provisionados. As variações monetárias e os juros, com taxas usuais de mercado, são apropriados em despesas financeiras.

2010 12.046.698 (4.099.687) 7.947.011

2009 10.579.631 (3.136.878) 7.442.753

(8.547.686) (600.675) (2.399.555) (1.825.571) (573.984)

(9.501.841) (2.059.088) (2.827.562) (2.127.988) (699.574)

1.351.376 (1.043.800) 617.483 1.777.693 (1.648.854) -

2.327.201 (841.350) 406.296 2.762.255 (2.559.449) -

(1.648.854)

(2.559.449)

(0,0366)

(0,0569)

As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 2010 E 2009

DESCRIÇÃO

2010

2009

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro/Prejuízo líquido antes do IR e CSLL (1.648.584) (2.559.449) Ajustes por: ( + ) Depreciação 330.180 820.690 ( - ) Lucro na venda de Imobilizado (1.777.963) (2.709.193) ( - ) Duplicatas a receber e outras contas a receber 1.822.201 (1.341.831) ( - ) Adiantamento de valores 240.903 (80.927) ( + ) Tributos a Recuperar 138.337 700.335 ( + ) Variação em despesas exercício seguinte 5.557 13.545 ( -/+ ) Variação em estoques (1.085.520) (275.949) ( - ) Variação ativo não circulante (54.619) (10.078) ( +/- ) Variação em fornecedores (519.465) 951.534 ( - ) Diminuição em obrigações fiscais (431.887) 1.150.211 ( + ) Aumento em obrigações sociais 155.306 98.702 ( -/+ ) Variação em outras obrigações 2.154.096 (28.743) ( - ) Juros Pagos (271.992) (356.064) CAIXA LÍQUIDO CONSUMIDO NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (943.450) (3.627.217) FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO ( + ) Recebimento pela venda de imobilizado 894.600 4.124.245 ( - ) Pagamento pela compra de imobilizado (1.094.510) (1.033.266) CAIXA LÍQUIDO CONSUMIDO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (199.910) 3.090.979 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO ( + ) Recebimento de empréstimo de curto prazo e outras 198.176 274.823 ( - ) Pagamento de dividendos (297.799) (188.914) ( - ) Reservas Estatutárias 1.280.579 ( - ) Outros Financeiros (41.575) CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIMENTO 1.139.381 85.909 AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 3.979 (450.329) Caixa e equivalente de caixa no início do período 464.847 915.176 Caixa e equivalente de caixa no fim do período 460.868 464.847 AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA 3.979 (450.329) As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 de dezembro de 2010 e 2009 - (Em Reais) 5) DAS OBRIGAÇÕES O endividamento da Indústrias J. Bettega S.A está composto por obrigações operacionais mensais, ficando assim demonstrado: Em Reais CREDORES - Circulante

As operações Ativas, Passivas e de Resultado são registradas obedecendo ao regime de competência dos exercícios.

Um passivo é reconhecido no balanço quando a Empresa possui uma obrigação legal constituída como resultado de evento passado, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para liquidá-lo. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido.

DESCRIÇÃO RECEITA OPERACIONAL BRUTA ( - ) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA ( - ) CUSTO MERC. VENDIDAS E EXAUSTÕES LUCRO BRUTO ( - ) DESPESAS OPERACIONAIS ( - ) Gerais e Administrativas ( - ) Despesas Com Vendas OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS ( - ) Despesas Financeiras Receitas Financeiras Ganhos ou Perdas de Capital RESULTADO ANTES DO IRPJ e CSLL ( - )Provisão p/ Contribuição Social ( - )Provisão p/ Imposto de Renda LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Lucro por Ação do Capital Social Final

TOTAL DAS OBRIGAÇÕES

%

Fornecedores em geral Obrigações Fiscais Instituições Financeiras Outras Obrigações Dividendos/Gratificações

1.027.886,80 750.341,57 990.586,52 1.121.825,53 1.195.014,68

13,25% 9,67% 12,77% 14,46% 15,40%

TOTAL

5.085.655,10

CREDORES - Não Circulante

TOTAL DAS OBRIGAÇÕES

%

Instituições Financeiras - Não Circulante Obrigações Fiscais

862.160,33 1.812.220,64

11,11% 23,35%

TOTAL

2.674.380,97

Os valores a pagar a Instituições Financeiras, registrados no Circulante e Não Circulante foram obtidos utilizando-se a taxa de juros de mercado sendo que no Não Circulante estão registrados os valores vencíveis de 2011 a 2014. Nos anos de 2010 e 2009 foram pagos parcialmente aos Acionistas Dividendos relacionados ao exercício de 2005 e Gratificações no montante de R$ 297.799,38 (Duzentos e noventa e sete mil, setecentos e noventa e nove reis e trinta e oito centavos) - ano de 2010 - e R$ 188.914,02 (Cento e oitenta e oito mil, novecentos e quatorze reais e dois centavos) - ano de 2009. 6) PATRIMÔNIO LÍQUIDO a) CAPITAL SOCIAL E DIVIDENDOS O Capital Social está subdivido em 45.000.170 (Quarenta e cinco milhões e cento e setenta) ações ordinárias nominativas, subscritas e integralizadas em sua maioria por pessoas físicas domiciliadas no Brasil, ao valor nominal de R$ 55,00 (Cinqüenta e cinco reais) por lote de 1.000 (mil) ações, perfazendo o total de R$ 2.475.009,00. (Dois milhões, quatrocentos e setenta e cinco mil e nove reais). Para os exercícios de 2010 e 2009 não foram constituídas provisões para destinação de dividendos obrigatórios em função dos prejuízos apurados nos períodos. b) RESERVA LEGAL E RESERVA DE LUCROS SUSPENSOS A Reserva Legal e a Reserva de Lucros Suspensos foram totalmente absorvidas pelo prejuízo apresentado no período, em observação ao art. 189 da Lei 6.404/76. c) AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL Para o exercício de 2010, foi levado a efeito as instruções da Lei 11.638/ 07, Medida Provisória nº 449/08 e Lei 11-941/09 e Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) nº 13 quanto ao Ajuste de Avaliação Patrimonial. Os Ajustes de Avaliação Patrimonial foram apoiados por Laudo Técnico que montaram em R$ 18.619.592,59 (Dezoito milhões, seiscentos e dezenove mil, quinhentos e noventa e dois reais e cinquenta e nove centavos) d) APURAÇÃO DO RESULTADO LÍQUIDO Com base no regime de competência, consideradas as receitas, rendimentos no período, independente da sua realização em moeda, deduzidos das despesas, dos custos, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos, apurou-se o prejuízo no exercício de 2010 no montante de R$ 1.648.854 (Um milhão, seiscentos e quarenta e oito mil, oitocentos e cinquenta e quatro reais). DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE: DIRETOR SUPERINTENDENTE: DIRETOR ADJUNTO: CONTADOR RESP. TC CRC/PR nº 34407/O - 8

RUBENS ARLES BETTEGA LUIZ GUILHERME BETTEGA X. DA SILVA DOMINGOS LUIZ BETTEGA CAMILLE TULLIO

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Diretores, Conselheiros e Acionistas da INDÚSTRIAS J. BETTEGA S/A Examinamos as demonstrações contábeis da Indústrias J. Bettega S/ A, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da J. Bettega S/A é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorções relevantes, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas

demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para a obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentadas nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstancias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da companhia.

pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Indústrias J. Bettega S/A em 31 de dezembro de 2010, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas

Curitiba, 11 de março de 2011. CELSO ANDRÉ GERON CONTADOR - CRC-PR nº 35.004/O-9 PARANÁ AUDITORES ASSOCIADOS S/S - CRC-PR nº 4.282/O-8

DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE RUBENS ARLES BETTEGA

DIRETOR SUPERINTENDENTE LUIZ GUILHERME BETTEGA X. DA SILVA

DIRETOR ADJUNTO DOMINGOS LUIZ BETTEGA

CONTADOR RESP. TC CRC/PR nº 34407/O - 8 CAMILLE TULLIO

Cooperativismo de grão em grão primorosos resultados Com significativa estrutura democrática baseada em seus cooperados e colaboradores, as cooperativas buscam como objetivo central, a valorização contínua da cooperação com ênfase no respeito à diversidade, valorização humana e superação de desafios. Conquistam além da ampliação da produtividade, significativos ganhos financeiros e sociais, atuando com responsabilidade social e desenvolvendo benefícios nas comunidades em que estão instaladas. Perceba como o cooperativismo pode ser uma excelente oportunidade para desenvolver suas competências e fortalecer o seu profissionalismo em vários momentos. Respeito à diversidade - Além de estar relacionada com as diferenças humanas, a diversidade indica a variedade de características que constituem a força do trabalho cooperativo. Aceitar a existência da diversidade permite compreender que as pessoas contam com comportamentos, ações, condutas e reações, algumas vezes, opostas a sua maneira de pensar e agir. O desafio no período atual está em alcançar uma margem competitiva com a valorização das características de cada ser humano, bem como, o reconhecimento por sua contribuição para os resultados coletivos.

Brasil tem novo recorde de exportações do agronegócio O Brasil estabeleceu novo recorde nas exportações do agronegócio e alcançou US$ 79,8 bilhões, um crescimento de 19,7%, entre abril de 2010 e março de 2011. No próximo mês, o país deve superar os US$ 80 bilhões em exportação, um número inédito na história do comércio exterior do agronegócio brasileiro. O mês de março registrou a maior cifra, US$ 7,4 bilhões, o que representa um incremento de 22,6% em comparação ao mesmo período do ano passado. O saldo mensal ficou em US$ 5,9 bilhões. Os dados são apurados pelo Ministério da Agricultura desde 1989. Cinco setores contribuíram significativamente para o aumento do valor no mês de março. São eles: o complexo soja (grão, farelo e óleo) aumentou 26,3%, o que representa receita de US$ 2,05 bilhões. O café teve incremento de 61,9%, o equivalente a US$ 704 milhões; o setor de cereais, farinhas e preparações subiu 183,7%, volume que corresponde a US$ 387 milhões; o item carnes aumentou 18,9%, percentual que corresponde a US$ 1,36 bilhão; e complexo sucroalcooleiro (açúcar e etanol) teve acréscimo de 27,1%, o equivalente a US$ 899 milhões.


Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | B8

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

DESTAQUE

Justiça obriga prefeitura a licitar licenças de táxis

“Cursinho da Gente”

Divulgação

O As inscrições para o pré vestibular da Prefeitura Municipal de Colombo, o “Cursinho da Gente” vão até o próximo dia 15. Os interessados nas 100 vagas que serão preenchidas através de processo seletivo devem se inscrever através do site www.colombo.pr.gov.br e levar a ficha preenchida e impressa com os documentos necessários até os protocolos das Regionais e da Sede da Prefeitura. O pré vestibular pretende atingir jovens que se preparam para ingressar em cursos superiores, além de interessados que já tenham concluído o Ensino Médio, sem limite de idade. Ao todo foram ofertadas 200 vagas, sendo que 100 serão de indicação dos Colégios Estaduais do município e 100 preenchidas através de processo seletivo. O curso será totalmente gratuito incluindo material didático, o prefeito J. Camargo afirma que o espaço está sendo preparado com uma boa estrutura e que tudo está em harmonia para que seja um curso de qualidade e garanta aos estudantes melhores condições de concorrer vagas nas melhores faculdades e universidades.

Juízo da 1ª Vara Cível de São José dos Pinhais concedeu tutela antecipada (semelhante a uma liminar) em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Paraná, obrigando o poder público municipal a realizar licitação para o serviço de táxi na cidade. O juiz Anderson Ricardo Fogaça reconheceu a inconstitucionalidade da lei municipal nº 1.672, de 2011, que permitia aos atuais permissionários dos táxis continuar prestando o serviço até 2015 sem que houvesse licitação. Em 31 de dezembro de 2010, expirou o prazo previsto na lei federal nº 8.987, de 1995, para que as prefeituras realizassem licitação para a outorga a terceiro do serviço público de transporte de passageiros e de bens em veículos de aluguel a taxímetro (táxis). Porém, em São José dos Pinhais, uma lei municipal foi editada no início deste ano a fim de prorrogar o sistema antigo de permissões.

Central de Distribuição de Alimentos fica no Capão da Imbuia

De acordo com o juiz, outros artigos desta lei, que tratam, em especial, da transferência da permissão de táxi para herdeiro ou motorista auxiliar, em caso de morte do permissionário, também ferem as Constituições Federal e Estadual, pois autorizam a outorga da permissão do serviço a pessoas que não participaram de licitação.

LIXO

ASSOCIAÇÃO CIVIL CARMELITAS DA CARIDADE CNPJ/MF nº 79.134.961/0001-49 Demonstração do Superávit ou Déficit dos exercícios findos em 31 De dezembro de 2010 e 2009 - Em R$ 2010 2009 Receitas de serviços 3.018.825,50 2.819.401,60 Receitas com ensino 3.359.082,35 3.110.426,37 (-) Deduções da receita Bonificação concedida (244.952,35) (201.093,90) Abatimentos e devoluções (95.304,50) (89.930,87) (-) Custos dos servicos prestados (2.964.888,43) (2.509.266,23) Custo direto com educação (1.935.212,76) (1.600.979,62) Custo direto com filantropia (1.029.675,67) (908.286,61) Gratuidade de ensino (424.407,80) (331.107,40) Assistência social Centro Vendruna (335.720,41) (318.158,17) Assistência social Santa Cruz (120.669,45) (132.361,21) Assistência social Centro Joaquina (2.590,01) (2.388,99) Demonstração das Mutações do Patrimônio Social dos exerAssistência social - Recursos de terceiros (146.288,00) (124.270,84) cícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 - Em R$ (=) Superávit/(Déficit) bruto 53.937,07 310.135,37 (-) Despesas Administrativas (1.317.612,72) (869.139,94) Patrimônio Superávit Despesas com pessoal (620.064,85) (553.381,93) Social Acumulado Total Despesas gerais (536.568,41) (296.248,96) Saldo em 31.12.2008 2.716.034,19 1.032.508,50 3.748.542,69 Despesas tributárias (25.789,31) (19.509,05) Superávit do exercício – 146.627,06 146.627,06 Despesas com provisões (135.190,15) – Saldo em 31.12.2009 2.716.034,19 1.179.135,56 3.895.169,75 (+) Outras receitas operacionais 734.191,71 560.366,38 Déficit do exercício – (215.326,94) (215.326,94) Receitas com subvenções 146.288,00 124.270,84 Saldo em 31.12.2010 2.716.034,19 963.808,62 3.679.842,81 Receitas com doações e contribuições 97.855,68 19.367,57 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis Receitas patrimoniais 384.883,80 377.144,80 desde a data de sua fundação, que são reaplicados exclusivamente nos objetivos Outras receitas 105.164,23 39.583,17 sociais da instituição 10. Doações Recebidas – Eventualmente a entidade recebe (=) Superávit/(Déficit) antes despesas e doações de pessoas físicas e/ou Jurídicas, a seguir discriminadas receitas financeiras (529.483,94) 1.361,81 2010 2009 (-) Despesas financeiras (16.600,49) (14.282,56) Doações Pessoa Jurídica 76.418,16 12.083,00 (+) Receitas financeiras 330.757,49 159.547,81 Doações Pessoa Física 3.520,60 5.847,66 (=) Superávit/(Déficit) após despesas e Doações em Alimentos 755,91 0,00 receitas financeiras (215.326,94) 146.627,06 Doação em Materiais Diversos 1.829,01 1.436,91 (+) Outras receitas – – Doação de Campanhas e Bazar 15.332,00 0,00 (-) Outras despesas – – Total 97.855,68 19.367,57 (=) Superávit/(déficit) do exercício (215.326,94) 146.627,06 11. Subvenções – Durante o exercício de 2010 foi recebido da Prefeitura Municipal As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis de Campinas, para aplicação em serviços sociais na Assistência Social Centro Vedruna, na cidade de Campinas-SP o montante de R$ 106.652,00 e da Prefeitura Demonstração dos Fluxos de Caixa dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 - Em R$ Municipal de Maringá para a aplicação em serviços sociais na Assistência Social 2010 2009 no Projeto Social Santa Cruz na cidade de Maringá o montante de R$ 39.636,00, 1 - Atividades operacionais (80.136,79) 146.627,06 tendo sido aplicado durante o ano R$ 146.288,00 o valor integral em benefícios Resultado ajustado (215.326,94) 146.627,06 sociais para atendimento a crianças e adolescentes que vivem em área de risco. Superávit ou (Déficit) do Exercício Ajustes ao Resultado: 135.190,15 – Aplicação em Filantropia - recursos de terceiros (+/-) Aumento(Redução) em PCLD 135.190,15 – 2010 2009 404.924,03 41.986,98 FMAS/Sócio-Educ. a Criança/Adolesc de 06 a 14a 65.750,40 61.920,00 Variação nos ativos operacionais (-) Aumento em ativos financeiros – – FMAS/Sócio-Educ. Adolesc.e Jovens de 15 a 24ª 18.489,60 12.960,00 (+) Redução em ativos financeiros 508.508,91 136.103,13 FMAS/Ações Compl.em Situaç Fragilid.Circunstâncial 0,00 19.440,00 (-) Aumento em mensalidades e valores a receber (74.724,05) (90.858,26) FMDCA/Eventuais p/Crianças e Adolescentes 22.412,00 10.132,00 (+) Redução em mensalidades e valores a receber – – Transferência Voluntaria 39.636,00 19.818,84 (-) Aumento em adiantamentos trabalhistas (22.457,70) (4.871,67) Total de subvenção municipal 146.288,00 124.270,84 (+) Redução em adiantamentos trabalhistas – – 12. Gratuidades Concedidas - 2010 – Em atendimento às alterações promovidas – – para o exercício de 2010, conforme art. 13 da Lei 12.101 de 27 de novembro de (-) Aumento em tributos a recuperar – 1.613,78 2009, a Associação concedeu bolsas de estudo integrais e parciais, complemen- (+) Diminuição em tributos a recuperar (-) Aumento em Ativos Especiais – – tadas por ações assistenciais, assim demonstradas: (+) Redução em Ativos Especiais – – Nível de ensino Alunos matriculados Bolsas 100% Bolsas 50% (-) Aumento em despesas antecipadas (6.403,13) – Maternal 43 0 0 (+) Redução em despesas antecipadas – – Educação Infantil 92 1 0 277.165,79 (166.741,51) Ensino Fundamental 458 27 13 Variação nos passivos operacionais (+) Aumento em fornecedores 23.286,73 785,56 Ensino Médio 139 46 8 (-) Redução em fornecedores – – Total 732 74 21 (+) Aumento em obrigações fiscais – 470,40 Percentual (-) Redução em obrigações fiscais (5.919,34) – Aplicação em Filantropia - Recursos próprios Valor R$ s/ receita (+) Aumento em obrigações trabalhistas 233.224,97 – Gratuidade com Ensino Colégio Santa Cruz 424.407,80 15,70% (-) Redução em obrigações trabalhistas – (165.906,41) Assistência Social Vedruna (Gratuidade total) 335.720,41 12,42% (+) Aumento em cheques a compensar e Assistência Social Santa Cruz (Gratuidade total) 120.669,45 4,46% outras obrigações – – Assistência Social Centro Joaquina (Gratuidade total) 2.590,01 0,10% (-) Redução em cheques a compensar e Total da filantropia - recursos próprios 883.387,67 32,68% outras obrigações (13.499,74) (3.786,04) Receita anual efetivamente recebida 2.703.892,88 100,00% (+) Aumento em mensalidades antecipadas 40.073,17 1.694,98 Aplicação além do benefício usufruído 17.628,47 2,04% – – 13. Benefício Usufruído - 2010 – Dos benefícios usufruídos da Previdência (-) Redução em mensalidades antecipadas Caixa líquido gerado/(consumido) nas Social, considera-se a Cota Patronal (20%), o Seguro Acidentes do Trabalho e atividades operacionais 601.953,03 21.872,53 a Cota de Terceiros, incidentes sobre a folha de salários; a Contribuição (20%) sobre remunerações a autônomos, a COFINS sobre a receita de serviços e a 2 - Atividades de investimentos (-) Aquisição de imobilizado e intangível (243.192,61) (39.704,75) CSLL, assim demonstrados: Benefício Usufruído Valor R$ Caixa líquido gerado/(consumido) nas atividades de investimentos (243.192,61) (39.704,75) Previdência Soc. (Quota Empregador) salários + autônomos 463.876,11 358.760,42 (17.832,22) Previdência Social (Quota Empregador) SAT 22.887,18 Aumento/(red.) líquido nas disponibilidades 33.506,17 51.338,39 Previdência Social (Quota Empregador) Terceiros 102.992,32 Caixa e equival. de caixa no início do período 392.266,59 33.506,17 COFINS sobre receita bruta 115.188,93 Caixa e equival. de caixa ao fim do período Contribuição Soc. s/ Lucro Líquido – CSLL (Lucro Presumido) 160.814,66 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis Total dos benefícios usufruídos 865.759,20 14. Informação por segmento 2010 2009 Educação Assist. Social Educação Assist. Social Caixa e equivalentes de caixa 337.768,94 54.497,65 26.082,60 7.423,57 Demais ativos circulantes 1.858.399,33 14.586,97 2.395.189,91 17.910,57 Ativos não circulantes 1.861.768,24 79.930,64 1.630.661,13 67.845,14 Total do ativo 4.057.936,51 149.015,26 4.051.933,64 93.179,28 Passivo circulante 496.869,04 30.239,92 240.431,90 9.511,27 Patrimônio social 3.561.067,47 118.775,34 3.811.501,74 83.668,01 Total do passivo 4.057.936,51 149.015,26 4.051.933,64 93.179,28 Receita de serviços 3.018.825,50 0,00 2.819.401,60 0,00 Custo de serviços (2.359.620,56) (605.267,87) (1.932.087,02) (577.179,21) Despesas administrativas (1.316.233,63) (1.379,09) (869.139,94) 0,00 Outras receitas operacionais 463.720,27 270.471,44 386.064,22 174.302,16 Despesas e receitas financeiras 315.880,26 (1.723,26) 146.539,28 (1.274,03) Superávit/(Déficit) 122.571,84 (337.898,78) 550.778,14 (404.151,08) 15. Seguros – Como medida preventiva a Associação, em função de análises administrativas de risco, adota a política de contratar cobertura de seguros para os bens e direitos sujeitos a riscos, por montante considerado suficientes para cobrir eventuais sinistros. A entidade contrata também seguro escolar, que garante ao aluno cobertura de acidentes pessoais que possam ocorrer com os mesmos.

Balanços Patrimoniais encerrados em 31 de dezembro de 2010 e 2009 - Em R$ Ativo 2010 2009 Passivo 2010 Ativo circulante 2.265.252,89 2.446.606,65 Passivo circulante 527.108,96 Caixa e equivalentes de caixa 392.266,59 33.506,17 Fornecedores 29.452,80 Ativos financeiros 1.528.244,32 2.036.753,23 Cheques a compensar 6.020,60 Mensalidades e valores a receber 314.932,62 240.208,57 Obrigações fiscais 6.158,94 (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (135.190,15) – Obrigações trabalhistas 359.593,17 Adiantamentos trabalhistas 158.596,38 136.138,68 Mensalidades antecipadas 123.162,17 Despesas antecipadas 6.403,13 – Outras obrigações 2.721,28 Ativo não circulante 1.941.698,88 1.698.506,27 Patrimônio social líquido 3.679.842,81 Imobilizado líquido 1.896.169,55 1.666.381,44 Patrimônio social 2.716.034,19 Intangível líquido 45.529,33 32.124,83 Superávit/(déficit) acumulado 963.808,62 Total do ativo 4.206.951,77 4.145.112,92 Total do passivo 4.206.951,77 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis de 31 de dezembro de 2010 (Valores expressos em R$) 1. Contexto Operacional – A Associação Civil Carmelitas da Caridade é uma instituição sem fins lucrativos que se dedica à assistência social e educacional indistintamente a quem dela necessitar, mantida com recursos próprios oriundos de alugueres como também doação de pessoas físicas/jurídicas sendo investidos para atendimento social à que se propôs, recebendo também pequena subvenção de recursos municipal aplicado integralmente em projeto sócio-educativo. Como fonte de recursos a Associação mantém o Colégio Santa Cruz na cidade de Maringá, que destina toda a sua receita no objetivo social da educação, concedendo gratuidade integral e parcial no atendimento às crianças e jovens que nela se abrigam, igualmente destinando parte dos seus recursos no objetivo da assistência social. 2. Apresentação das demonstrações contábeis – As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de conformidade com as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações Técnicas para atender as disposições do Ministério da Educação, do Ministério da Previdência e Assistência Social, e do Ministério da Justiça e está dimensionada consoante às práticas contábeis e o sumário descrito no item 3. Na elaboração das Demonstrações Contábeis, é necessário utilizar estimativas para contabilizar certos ativos, passivos e outras transações. As Demonstrações Contábeis incluem, portanto, estimativas referentes a determinação de provisão para créditos de liquidação duvidosa e outras similares. Os resultados reais podem apresentar variações em relação às estimativas 3. Sumário das principais práticas contábeis – a) Apuração do resultado: As receitas, inclusive as doações, subvenções, bem como as despesas, foram registradas pelo regime de competência, e reconhecida no resultado em função de sua realização. b) Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e equivalentes de caixa incluem caixa, contas bancárias e aplicações financeiras de liquidez imediata que apresentam risco insignificante de mudança de valor. c) Ativos financeiros: Aplicações registradas aos valores nominais acrescidos dos rendimentos correspondentes, auferidos até a data do balanço, que não superam o valor de mercado, de acordo com taxas pactuadas com as instituições financeiras. d) Mensalidades e valores a receber: Reconhecidas em função da realização da receita, tendo como base os valores originais previstos a receber de acordo com sua competência. e) Provisão para créditos de liquidação duvidosa: Constituída com base na análise dos valores a receber de clientes, considerando os prazos de vencimento, histórico de perdas e a experiência da Administração. A Administração considera que a mesma foi calculada em montante julgado suficiente para cobrir prováveis perdas na realização. f) O ativo imobilizado e intangível: Registrado pelo custo de aquisição ou construção das edificações. g) Passivo circulante e não circulante: Demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas até a data do balanço. h) Gratuidades e isenções: As gratuidades relativas à assistência educacional e a assistência social foram registradas em contas específicas de custos. A isenção usufruída, correspondente aos encargos sociais patronais caso a entidade não gozasse da imunidade conferida às entidades de assistência social e filantrópicas sem fins lucrativos, foram registradas em contas de compensação. i) Subvenções: Os recursos recebidos foram reconhecidos no passivo, sendo registrado como receita em função do cumprimento das obrigações por parte da entidade ao longo do exercício, em confronto com as correspondentes despesas incorridas, atendendo às disposições do CPC 07 – Subvenções e Assistências Governamentais. Tais gastos foram registrados em contas específicas de despesas segregando desta forma a assistência social praticada com recursos próprios e de terceiros. 4. Caixa e equivalentes de caixa 2010 2009 Numerário 10.736,59 1.502,23 Banco conta movimento 17.039,09 25.507,89 Banco conta subvenção e convênio 245,21 3.741,40 Aplicações de liquidez imediata 364.245,70 2.754,65 Total 392.266,59 33.506,17 5. Ativos financeiros – Os investimentos em ativos financeiros de curto prazo destinam-se a reservas para re-investimentos em melhorias das instalações e em obras sociais. Enquanto aguarda destinação final para atender as condições estatutárias foram aplicados em instituições bancárias com objetivo de preservar o poder aquisitivo da moeda e propiciar um mínimo de renda de capital. 6. Imobilizado e Intangível Itens 2010 2009 Imobilizado 1.896.169,55 1.666.381,44 Terrenos 165.148,00 165.148,00 Edifícios e construções 489.444,18 489.444,18 Equipamentos e material de uso 168.118,79 130.327,83 Material didático e laboratório 9.945,30 9.945,30 Móveis e utensílios 69.634,70 66.103,21 Máquinas e equipamentos para escritório 13.815,43 13.815,43 Instalação 195.920,50 195.920,50 Computadores e equipamentos eletrônicos 187.283,56 158.297,50 Telefones e assemelhados 9.984,86 9.984,86 Veículos e semoventes 119.825,85 119.825,85 Equipamentos para instrução 5.810,00 4.950,00 Quadra de esportes 302.618,78 302.618,78 Construção em andamento 158.619,60 0,00 Intangível 45.529,33 32.124,83 Software 45.529,33 32.124,83 7. Obrigações Trabalhistas – Representam salários, férias e encargos sociais devidos, reconhecidos pelo regime de competência. 8. Mensalidades Antecipadas – Representam parcelas recebidas por ocasião do registro das matrículas dos alunos efetuadas até a data do balanço, relativas ao exercício seguinte. 9. Patrimônio Social – Resultante de superávits de exercícios anteriores, acumulados

2009 249.943,17 6.166,07 3.475,16 12.078,28 126.368,20 83.089,00 18.766,46 3.895.169,75 2.716.034,19 1.179.135,56 4.145.112,92

Virma Barion – Presidente CPF 172.869.649-68

Varlete de Fátima Bertipalha Malacrida CPF 856.342.399-15 – Contador CRC1PR 41.313/O-0

Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Ilmas. Sras. Diretoras da Associação Civil Carmelitas da Caridade Maringá - PR Examinamos as demonstrações contábeis da Associação Civil Carmelitas da Caridade, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e as respectivas demonstrações do superávit ou déficit, das mutações do patrimônio social e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis: A Administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento das exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança

CMYK

razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva: A Entidade não possui controle individualizado do ativo imobilizado e a depreciação não é efetuada. Para determinação dos saldos e montantes adequados a serem contabilizados, a Administração deverá realizar o levantamento físico e econômico do ativo imobilizado e determinar seu valor

Na decisão, publicada na última terça-feira, 12 de abril, o juiz estipulou prazo de 60 dias para a abertura da concorrência pública para o serviço de táxi em São José dos Pinhais e de 120 dias para a finalização da mesma. O prazo só poderá ser prorrogado uma única vez (por mais 120 dias), mediante justificativa comprovada e

fundamentada. O juiz determinou ainda que o município outorgue, dentro de 60 dias, permissões estritamente provisórias aos ex-permissionários e motoristas auxiliares de táxis para que continuem atuando na cidade até que se conclua o processo de concorrência pública. A prefeitura terá de fornecer relatórios mensais ao Juízo, a fim de que haja o devido acompanhamento e a fiscalização da prestação do serviço de caráter provisório. A decisão judicial proíbe também a regularização de qualquer forma de transferência de titularidade das permissões de táxis, baseada na lei municipal 1.672/ 2011, e veda todo tipo de sucessão, subcontratação, sublocação ou arrendamento dos táxis, proibindo inclusive a exploração de condutores/auxiliares. Caso descumpra as determinações judiciais, o prefeito de São José dos Pinhais, Ivan Rodrigues, terá de pagar multa que pode chegar a R$ 37 mil por dia.

residual e vida útil. Portanto, não foi possível mensurar os efeitos resultantes sobre as demonstrações contábeis. Opinião com ressalva: Em nossa opinião, exceto pelos efeitos do assunto descrito no parágrafo Base para opinião com ressalva, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Associação Civil Carmelitas da Caridade em 31 de dezembro de 2010, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Outros Assuntos – Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior: As demonstrações contábeis relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2009, apresentadas para fins de comparação, foram examinadas por outros auditores independentes, conforme parecer sem ressalvas, datado de 22 de abril de 2010. São Paulo, 25 de março de 2011. & Cia S/S Auditores Marco Antonio de Carvalho Fabbri Independentes Contador CRC 2 SP 17245/O-0 CRC 1 SP 148961/O-2

Usina de reciclagem de resíduos sólidos do paraná se instala em Tamandaré Mais um empreendimento que gera receita e empregabilidade se instala em Almirante Tamandaré. Com um investimento inicial de aproximadamente 6 milhões de reais, a Usina de Reciclagem de Resíduos Sólidos do Paraná USIPAR foi inaugurada no município amanhã. O Prefeito Goinski participou do evento e ressaltou a importância da instalação de uma empresa no município que contribui com a destinação correta de entulhos. A atividade da construção civil gera grandes ou pequenas quantidades de lixo que devem ser destinadas de forma diferente de acordo com suas características. Alguns materiais podem ser reaproveitados e, nesse caso, usinas de reciclagem como é o caso da USIPAR, licenciada pelo IAP, realizam a trituração do material que re-

torna para a construção civil. “A USIPAR atua na proteção do meio ambiente, porque faz a separação e a reciclagem dos resíduos da construção civil”, afirma o empresário da USIPAR, Adonay Arruda. De acordo com Arruda, a Usina absorve hoje 15% do mercado da região metropolitana de Curitiba e já proporcionou a contratação de 28 empregados diretos do município, tendo como previsão a contratação de 60 empregados até o final do ano. Estiveram presentes ainda na inauguração a Vice-Prefeita Dete Pavoni, O Secretário de Industria, Comércio e Turismo Martinho de Souza, o Secretário de Educação e Cultura Romildo de Brito, o Secretário de Administração Gerson Colodel e os vereadores Tonhão da Saúde, Vieira, Nunes e Leonel Siqueira.

Colombo recebe Unidade Militar do Corpo de Bombeiros Foi inaugurado na cidade de Colombo, o 3º subgrupamento do Corpo de Bombeiros na última terça-feira. A nova unidade, que leva o nome do coronel Altevir Lopes (in memoriam), está localizada em ponto estratégico, na Rua Felício Kânia, 979, no São Gabriel e irá proporcionar ainda mais agilidade nos atendimentos que já vinham sendo prestados com muita dedicação pelos agentes da Defesa Civil nos 42 bairros do município e Região. De acordo com o prefeito J. Camargo, a nova estrutura representa o compromisso do governo Beto Richa em garantir mais segurança ao povo paranaense. “Estamos muito felizes em receber em nossa cidade, uma Unidade Militar do Corpo de Bombeiros, que somada aos trabalhos de nossos Bombeiros Comunitário, prestará um excelente atendimento não só a nossa população, mas de regiões vizinhas como Bocaiúva do Sul, Adrianópolis e Tunas do Paraná. Quero agradecer ao Governo Estadual por mais essa importante con-

quista e destacar que é com o apoio de parceiros como o governador Beto Richa, que vamos dar continuidade a importantes ações em benefício ao cidadão, que merece respeito e dignidade”, frisou. Na oportunidade, o presidente da Câmara Municipal, vereador Onéias Ribeiro, saudou os presentes, enfatizando a importância do momento. “Sei dos grandes esforços e dos momentos de lutas para que esse dia chegasse. Hoje estamos vivendo um novo tempo, um tempo de muitas idealizações com um único propósito, o de garantir melhores condições a população. Parabéns ao prefeito J. Camargo, pois sei do seu empenho incansável para vivermos numa cidade cada vez mais segura, e ao Governo Beto Richa pelo grande presente”, ressaltou. De acordo com o comandante do 7º grupamento de bombeiros, no qual a Unidade de Colombo faz parte, Ricardo Silva, a readequação garantirá ainda mais qualidade nos serviços oferecidos pelo Corpo de


PublicidadeLegal

Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a17 de abril de 2011 | F1 | Indústria&Comércio

AGRO PASTORIL NOVO HORIZONTE S/A

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais)

C.N.P.J N.º 78.231.701/0001-29 Relatório da Diretoria Senhores Acionistas Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, colocando-nos à inteira disposição dos senhores acionistas para esclarecimentos julgados necessários. A Diretoria

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (em R$) PA S S I V O ATIVO 31/12/2010

31/12/2009

CIRCULANTE

71.807.598,11

73.093.266,63

DISPONIBILIDADES Caixa e Bancos Aplicações Financeiras

64.429.193,06 63.933,38 64.365.259,68

67.345.946,59 38.068,58 67.307.878,01

DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Estoques Adiantamentos a Fornecedores Adiantamentos a Empregados Impostos a Recuperar Outros Direitos Realizáveis DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Clientes Títulos a Receber Impostos a Recuperar Partes Relacionadas Depósitos Judiciais Outros Direitos Realizáveis INVESTIMENTOS Em Controladas Outros Investimentos IMOBILIZADO INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO

7.339.716,73 5.718.282,48 255.000,00 27.216,50 5.054.763,54 5.121.524,93 277.998,20 3.098,20 3.079,74 2.019.362,00 282.728,61 7.492,99 5.734,50 38.688,32 29.037,56 69.642.293,44 69.290.947,50 43.810.841,36 40.914.832,04 6.940.863,51 9.293.863,40 36.850.567,00 19.850.567,00 4.204,79 4.204,79 - 11.757.000,00 15.206,06 6.696,85 2.500,00 22.560.575,32 26.057.767,23 22.510.865,46 26.008.057,37 49.709,86 49.709,86 3.267.790,08 2.314.732,10 3.086,68 3.616,13 141.449.891,55 142.384.214,13

31/12/2010

31/12/2009

CIRCULANTE Fornecedores Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias Créditos de Acionistas Parcelamento Refis Outros Débitos

1.318.992,89 254.403,35 188.166,98 41.021,96 814.454,22 20.946,38

1.126.276,17 192.734,03 143.304,62 36.050,94 563.883,21 159.744,71 30.558,66

NÃO CIRCULANTE Depósitos Judiciais Parcelamento Refis

2.930.700,19 15.206,06 2.915.494,13

246.313,93 6.696,85 239.617,08

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

137.200.198,47 141.011.624,03

CAPITAL SOCIAL

6.517.922,00

3.852.200,00

725.182,37

725.182,37

RESERVAS DE LUCROS

30.054.236,49

30.054.236,49

RESERVA PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL

99.902.857,61 104.278.165,65

RESERVA DE CAPITAL

LUCROS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O. TOTAL DO PASSIVO

-

2.101.839,52

141.449.891,55 142.384.214,13

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PERÍODO DE 31/12/08 A 31/12/10 - Em Reais RESERVAS DE CAPITAL

RESERVA DE LUCROS

3.852.200,00 725.182,37

3.497.920,90

-

130.834.481,24

-

138.909.784,51

-

- 26.556.315,59

-

(26.556.315,59)

-

-

-

-

-

104.278.165,65 -

(104.278.165,65) 2.101.839,52

(563.883,21) 2.665.722,73 (2.101.839,52)

(563.883,21) 2.665.722,73 -

3.852.200,00 725.182,37 30.054.236,49

CAPITAL SOCIAL

Em 31/DEZ/08 Destinação conforme 30ª AGO de 30/ABR/09 Destinação conforme 30ª AGO de 30/ABR/09 Distribuição de Lucros Lucro Líquido do Exercício Lucros a Disposição da A.G.O. Em 31/DEZ/09

RESERVA PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL

LUCROS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O

LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS

TOTAL

104.278.165,65

2.101.839,52

-

141.011.624,03

Reversão de Distribuição de Lucros Aumento de Capital conforme 31ª AGO e 38ª e 39ª AGEs Prejuízo Líquido do Exercício Amortização do Prejuízo Líquido do Exercício

-

-

-

-

563.883,21

-

563.883,21

2.665.722,00 -

-

-

-

(2.665.722,00) -

(4.375.308,77)

(4.375.308,77)

-

-

-

(4.375.308,04)

(0,73)

4.375.308,77

-

Em 31/DEZ/10

6.517.922,00 725.182,37 30.054.236,49

99.902.857,61

(0,00)

-

137.200.198,47

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS 1 - Contexto Operacional A Companhia tem por objetos, essencialmente, a produção florestal em florestas plantadas; a indústria de transformação, no desdobramento da madeira e beneficiamento; e, atividades imobiliárias de imóveis próprios, incluindo incorporação, compra, venda e aluguel de imóveis. 2 - Elaboração e Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais incluem as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, e os demais pronunciamentos contábeis do Conselho Federal de Contabilidade CFC e do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Considerando que a Agro Pastoril Novo Horizonte S/A faz parte de um grupo de sociedades em que os ativos as elevam para a categoria de sociedades de grande porte, conforme parágrafo único do inciso 3º da Lei nº 11.638/07, essa e suas coligadas estão adotando os procedimentos descritos nesse dispositivo legal e na Lei nº 11.941/09. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, a Administração aplicou o presente pronunciamento e, por meio de Relatório de Avaliação, realizado por empresa especializada, não apurou evidências de que o valor contábil de seus Ativos exceda ao seu valor recuperável. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 03 - Demonstração dos Fluxos de Caixa, a Administração incorporou o fluxo de caixa às suas demonstrações financeiras. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 04 - Ativo Intangível, a Administração da Companhia analisou os registros e saldos existentes no Diferido e Imobilizado e, realizou a transferência de valores que se encontram no conceito de Intangível para o grupo específico do Ativo Intangível. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 05 - Divulgação sobre Partes Relacionadas, a Administração da Companhia apurou o saldo e os montantes das transações realizadas com partes relacionadas, cujo resultado é apresentado na Nota 7. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 12 - Ajuste a Valor Presente, a Administração da Companhia aplicou o presente pronunciamento e não apurou valores relevantes que justificassem qualquer ajuste a valor presente, tanto em seus Ativos quanto em seus Passivos. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 16 - Estoques, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e não apurou valores relevantes que justificassem qualquer ajuste a valor presente. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 18 - Investimento em Coligada e Controlada, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, cujo resultado é apresentado na Nota 8. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e os valores devidos encontram-se registrados. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 27 - Ativo Imobilizado, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, concomitante ao Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, cujo Relatório de Avaliação, apresentou a vida útil remanescente dos principais grupos de bens. Considerando que a despesa de depreciação a ser obtida com o resultado da vida útil remanescente daqueles bens não apresentou diferença relevante àquela que está sendo registrada, a Companhia optou por manter os critérios atuais, descritos na Nota 3-f. Adicionalmente, conforme permitido pela Interpretação Técnica ICPC 10, a Administração da Companhia optou por não efetuar o registro do custo atribuído (deemed cost). Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, não tendo contabilizado valores, conforme Nota 12. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 37 - Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade, as demonstrações financeiras foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com os padrões exigidos no referido pronunciamento. Em atendimento aos Pronunciamentos Técnicos CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração; CPC 39 - Instrumentos Financeiros: Apresentação e CPC 40 - Instrumentos Financeiros: Evidenciação; informamos que a Companhia não firmou contratos que pudessem ser considerados como Instrumentos Financeiros na modalidade de Derivativos. Informamos ainda que os valores registrados como disponíveis e os recebíveis advindos das atividades estão registrados contabilmente a valor de realização para o exercício findo em 31/DEZ/10. 3 - Principais Práticas Contábeis a) Apuração do Resultado As Receitas e Despesas são reconhecidas com observância ao Regime de Competência. b) Aplicações Financeiras Estão demonstradas pelo custo de aplicação, com a apropriação dos rendimentos correspondentes até a data do balanço. c) Clientes Os Clientes, do Mercado Interno, estão representados pelos faturamentos ao custo histórico, reduzidos dos valores julgados suficientes, como Perdas Estimadas em Crédito de Liquidação Duvidosa. d) Estoques Os Estoques de Bens a Comercializar estão avaliados pelo custo de aquisição, enquanto que os estoques de Mercadorias para Revenda estão avaliados segundo o critério previsto no art. 296, do Regulamento do Imposto de Renda, aprovado pelo Decreto no 3.000/99. Ambos os estoques não superam os preços de mercado. e) Investimentos As participações relevantes em Controladas são avaliadas pelo método de equivalência patrimonial, considerando seus patrimônios líquidos na mesma data e seguindo as mesmas práticas contábeis. f) Imobilizado Após a aplicação do Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos e do Pronunciamento Técnico CPC 27 - Ativo Imobilizado, descritos na Nota 2, a Companhia manteve o Ativo Imobilizado demonstrado ao custo de aquisição, acrescido de correção monetária até 31/ DEZ/95, deduzido da depreciação acumulada, calculada pelo método linear, observadas as taxas admitidas pela Legislação Fiscal. A partir de 01/JAN/11 os bens do Ativo Imobilizado serão depreciados pelo critério de vida útil remanescente. g) Intangível Está demonstrado aos valores de custo, acrescido de correção monetária até 31/ DEZ/95, ajustados por amortizações acumuladas, calculadas a partir do início em que começam a ser usufruídos os respectivos benefícios, em período que não ultrapassa o prazo máximo estabelecido na Lei no 6.404/76. h) Obrigações São demonstradas pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas. 4 - Clientes O saldo dessa conta está representado pelos seguintes valores:

Descrição

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Clientes (Circulante e Não Circulante) 7.338.100,34 9.461.816,73 Perdas Estimadas em Crédito de Liquid. Duvidosa (142.236,83) (140.736,83) Total 7.195.863,51 9.321.079,90 5 - Títulos a Receber O saldo dessa conta está representado pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Timbó Participações S/A e Outros 19.850.567,00 19.850.567,00 Londres Incorporadora LTDA. 17.000.000,00 Total 36.850.567,00 19.850.567,00 a) Timbó Participações S/A e Outros Refere-se à venda de terrenos, cujos contratos firmados determinam que serão recebidos em até 03/ABR/18, com garantia em conta caução, remunerada a taxa de juros fixa de baixo risco. b) Londres Incorporadora LTDA. Refere-se à cessão de crédito da empresa Compensados e Laminados Lavrasul S/ A, decorrente da venda de território urbano com edificações localizado no Município e Comarca de Marituba, Estado do Pará, inscrição cartográfica municipal nº 09.21.001.1614.001/012578. 6 - Estoques O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Bens a Comercializar 5.024.409,54 5.087.188,93 Mercadorias para Revenda 30.354,00 34.336,00 Total 5.054.763,54 5.121.524,93 7 - Partes Relacionadas Demonstramos as questões relevantes envolvendo partes relacionadas: a) Clientes Do valor total de Clientes, R$ 6.940.863,51 (R$ 9.293.863,40 em 31/DEZ/09) refere-se a vendas realizadas a partes relacionadas, considerando as mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas, exceto quanto ao prazo de realização. Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Compensados e Laminados Lavrasul S/A 6.149.348,71 8.502.348,60 Lavradora Racional de Madeiras Lavrama S/A 791.514,80 791.514,80 Total 6.940.863,51 9.293.863,40 b) Créditos com Partes Relacionadas O valor de R$ 11.757.000,00 em 31/DEZ/09, referia-se a contrato de mútuo com a Compensados e Laminados Lavrasul S/A. c) Fornecedores Do valor total de Fornecedores, em 31/DEZ/09, R$ 148.512,00 referia-se à compra de itens de ativo imobilizado realizada com a Maginco Verde LTDA., cujas operações foram realizadas considerando as mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas. 8 - Investimentos em Controladas Os Investimentos, em Controladas, no valor de R$ 22.510.865,46 (R$ 26.008.057,37 em 31/DEZ/09), estão compostos, substancialmente, por: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 - Avaliados por Equivalência Patrimonial Brascomp – Compensados do Brasil S/A 16.221.234,86 19.826.335,24 Incorporadora e Adm. Arvoredo LTDA. 6.289.629,60 6.181.721,13 Total 22.510.864,46 26.008.056,37 - Avaliados pelo Método de Custo Maginco Verde LTDA. 1,00 1,00 Total 1,00 1,00 Total Geral 22.510.865,46 26.008.057,37 Em 31/DEZ/10 Descrição Em Reais Brascomp – Incorporadora Compensados do Administradora Brasil S/A Arvoredo LTDA. Capital Social Integralizado 4.990.057,00 596.817,00 Patrimônio Líquido 20.451.403,07 6.319.965,43 Resultado do Exercício (5.294.381,94) 108.428,92 Saldo Contábil do Investimento 19.826.335,24 6.181.721,13 Aumento de Capital 597.874,54 Saldo do Investimento 16.221.234,86 6.289.629,60 Equivalência Patrimonial (4.202.974,92) 107.908,47 Em Percentual Participação - Controlada 79,316% 99,520% Em 31/DEZ/09 Descrição Em Reais Brascomp – Incorporadora Compensados do Administradora Brasil S/A Arvoredo LTDA. Capital Social Integralizado 4.235.629,00 596.817,00 Patrimônio Líquido 25.749.490,55 6.211.536,51 Resultado do Exercício 754.428,03 (200.750,71) Saldo Contábil do Investimento 19.216.358,25 6.381.508,24 Saldo do Investimento 19.826.335,24 6.181.721,13 Equivalência Patrimonial 609.976,99 (199.787,11) Em Percentual Participação - Controlada 76,997% 99,520% 9 - Imobilizado

Benfeitorias Embarcações Equip. Computadorizados Ferramentas Instalações Máquinas e Equipamentos Reflorestamento Móveis e Utensílios Terrenos Tratores Agrícolas Veículos Imobilizado Andamento Total

2010 195.680,00 194.500,00 1.180,00 (18.100,46) (18.100,46) 177.579,54 (70.403,39) 107.176,15 (4.482.484,92) (6.086.443,98) 6.168.285,52 (808.292,74) (4.095.066,45) 342.164,03 (3.131,30) (4.375.308,77)

2009 24.670,50 23.101,50 1.569,00 (9.887,40) (9.887,40) 14.783,10 (29.208,23) (14.425,13) 3.867.451,25 (3.470.457,64) 7.025.690,67 (134.490,42) 410.189,88 86.118,62 (49.599,86) 3.853.026,12

-

(320.639,13) (866.664,26)

(4.375.308,77) (4,25)

2.665.722,73 2,59

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) 2010

2009

(4.375.308,77)

2.665.722,73

4.661.280,48 292.020,44 274.193,59 4.095.066,45

109.522,77 369.145,91 150.566,74 (410.189,88)

(16.275.585,12) 2.125.216,39 (17.000.000,00) 66.761,39 277.979,74 (1.736.633,39) 741,51 (9.650,76)

4.953.278,88 15.596,59 5.195.001,00 20.951,00 (188.289,83) (90.841,47) 206,12 655,47

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício Ajuste do Resultado das Disponibilidades Geradas na Atividade Operacional Depreciação e Amortização Baixa de Bens do Permanente Equivalência Patrimonial (Acréscimo) Descréscimo em Ativos Operacionais Clientes Titulos a Receber Estoques Adiantamentos Impostos a Recuperar Outros Créditos Despesas do Exercício Seguinte Acréscimo (Descréscimo) em Passivos Operacionais Fornecedores Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias Crédito de Acionistas Parcelamento de Refis Outros Débitos

3.432.476,98 (2.781.769,35) 61.669,32 (248.763,14) 44.862,36 19.090,08 4.971,02 (3.527.436,60) 563.883,21 3.330.586,56 399.361,79 (9.612,28) 12.095,31

DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (12.557.136,43)

4.946.755,03

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Aplicações no Imobilizado Aplicações no Intangivel Distribuição de Lucros / Dividendos Investimentos em Controladas DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS

(1.518.742,56) (597.874,54)

(945.574,56) (13.370,11) (563.883,21) -

(2.116.617,10) (1.522.827,88)

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Partes Relacionadas

11.757.000,00 (10.557.000,00)

DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 11.757.000,00 (10.557.000,00) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS (APLICADAS) NAS ATIVIDADES (2.916.753,53) (7.133.072,85) REDUÇÃO NAS DISPONIBILIDADES

(2.916.753,53) (7.133.072,85)

Disponibilidades - no início do período Disponibilidades - final do período

67.345.946,59 74.479.019,44 64.429.193,06 67.345.946,59

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

A movimentação do imobilizado para o exercício findo em 2010 foi a seguinte: Descrição

Em Reais Saldo Saldo Líquido Adições Baixas Depreciação Líquido em 31/DEZ/09 em 31/DEZ/10 Benfeitorias 10.086,82 (675,84) 9.410,98 Embarcações 594,82 19.190,00 (738,01) 19.046,81 Equip. Comput. 14.814,59 73.073,64 - (15.121,35) 72.766,88 Ferramentas 16.600,00 (3.552,00) 13.048,00 Instalações 338.910,36 37.000,00 - (79.978,66) 295.931,70 Máq. e Eqtos. 1.234.655,48 1.251.159,92 (251.883,59) (88.941,75) 2.144.990,06 Reflorestamento 356,40 (21,60) 334,80 Móveis e Utensílios 27.414,44 (6.738,08) 20.676,36 Terrenos 383.318,50 - 383.318,50 Tratores Agrícolas 785,88 (236,04) 549,84 Veículos 232.769,37 117.600,00 (22.295,00) (95.487,66) 232.586,71 Imob em Andam. 54.425,44 20.719,00 (15,00) 75.129,44 Total 2.314.732,10 1.518.742,56 (274.193,59) (291.490,99) 3.267.790,08 10 - Intangível O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição

Software Marcas e Patentes Total

Custo Corrigido 6.635,00 1.691,03 8.326,03

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Amortização Valor Líquido Valor Líquido (5.239,35) 1.395,65 1.925,10 1.691,03 1.691,03 (5.239,35) 3.086,68 3.616,13

11 - Parcelamento a Consolidar a) Parcelamento a Consolidar Lei 11.941/09 A Companhia, aproveitando-se dos benefícios instituídos pela Lei No 11.941 de 27/MAIO/09, com a obtenção de redução no valor de R$ 146.541,16, optou pelo parcelamento de débitos originários de ITR e IPI, em 30 prestações mensais, no valor de R$ 13.312,06 cada. Em 30/DEZ/10 entrou com um novo parcelamento, com a obtenção de redução no valor de R$ 1.171.275,75, optando pelo parcelamento de débitos originários de ITR, em 60 prestações mensais, no valor de R$ 37.275,32 cada. A consolidação definitiva dessas obrigações se dará durante o exercício de 2011. b) Parcelamento a Consolidar Lei 12.249/10 A Companhia, em 30/DEZ/10 entrou com um novo parcelamento, com a obtenção de redução no valor de R$ 511.406,42, optando pelo parcelamento de débitos originários do IBAMA, em 60 prestações mensais, no valor de R$ 18.234,45 cada. A consolidação definitiva dessa obrigação se dará durante o exercício de 2011. 12 - Imposto de Renda e Contribuição Social No ano-calendário de 2010, a Companhia optou por tributar a renda com base no Lucro Real anual. Entretanto, não constituiu Provisão para o Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição Social Sobre o Lucro, por ter apurado, em 31/ DEZ/10, Prejuízo Fiscal e Base de Cálculo Negativa para Contribuição Social, respectivamente. A Administração optou por não reconhecer contabilmente os Ativos e Passivos diferidos de imposto de renda e contribuição social, decorrentes das diferenças temporárias (adições e/ou exclusões temporárias). 13 - Capital Social Pertence inteiramente aos acionistas domiciliados no País e está composto de 1.030.000.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, em 31/DEZ/10 e 31/DEZ/09. 14 - Destinações Propostas a) Reserva Legal Em 31/DEZ/10 e 31/DEZ/09 o saldo existente atingiu o limite definido nos termos do art. 193, da Lei no 6.404/76, e conforme definido no estatuto social da Companhia. b) Dividendos

O saldo dessa conta está representado pelos seguintes valores: Descrição

RECEITA BRUTA Receita de Vendas Receita de Alugueis DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA Impostos e Contribuições RECEITA LÍQUIDA CUSTO DAS VENDAS E SERVIÇOS LUCRO (PREJUÍZO) BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas Gerais e Administrativas Receitas Financeiras Despesas Financeiras Equivalência Patrimonial Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais RESULTADO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO IMPOSTO DE RENDA Contribuição Social Imposto de Renda LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Por Lote de 1.000 Ações do Capital Social

Em reais 31/DEZ/10 Custo Depreciação Valor Corrigido Acumulada Líquido

31/DEZ/09 Valor Líquido

16.896,30 (7.485,32) 9.410,98 21.830,98 (2.784,17) 19.046,81 125.939,59 (53.172,71) 72.766,88 24.891,18 (11.843,18) 13.048,00 1.338.376,10 (1.042.444,40) 295.931,70 3.638.041,93 (1.493.051,87) 2.144.990,06 360,00 (25,20) 334,80 85.353,23 (64.676,87) 20.676,36 383.318,50 383.318,50 939.598,40 (939.048,56) 549,84 822.867,64 (590.280,93) 232.586,71 75.129,44 75.129,44 7.472.603,29 (4.204.813,21) 3.267.790,08

10.086,82 594,82 14.814,59 16.600,00 338.910,36 1.234.655,48 356,40 27.414,44 383.318,50 785,88 232.769,37 54.425,44 2.314.732,10

Em 31/DEZ/10 não foram calculados em virtude de não ter sido apurado resultado positivo. 15 - Seguros A Companhia possui cobertura de seguros contra roubo e danos elétricos, em níveis adequados para máquinas e equipamentos: Descrição Pá Carregadeira Caminhões / Veiculos Trator John Deere 5500 Trator John Deere 7505 Total

Vigência 09/JUL/10 a 09/JUL/11 10/JUL/10 a 10/JUL/11 29/SET/10 a 29/SET/11 06/SET/10 a 06/SET/11

Em Reais 150.000,00 3.600.000,00 50.460,00 91.960,00 3.892.420,00

JACOB REICHER DIRETOR-PRESIDENTE

ANA MARIA DOS SANTOS YOSHIDA CONTADORA - CRC/PR - 017018/O-6

Conselho de direitos humanos aponta ausência absoluta do Estado em Belo Monte O Conselho Nacional de Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), órgão consultivo do governo, apontou uma situação de “ausência absoluta do Estado” no canteiro de obras onde será construída a Usina Belo Monte, na região do Rio Xingu. A obra é um dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A avaliação foi apresentada hoje (13), na reunião do conselho, na presença da ministra da Secretaria de Direitos Humanos (SDH), Maria do Rosário. O informe foi feito pelo conselheiro Percílio de Sousa Lima Neto, vicepresidente do CDDPH, que participou de uma visita ao local. Segundo ele, a missão realizada na região do Alto Xingu constatou que, com a ausência do Estado, funcionários do próprio consórcio se intitulam agentes do governo para coagir moradores a abrirem mão de suas propriedades em nome da construção da obra. “Constatamos ausência absoluta do Estado.

Baixo clero da Câmara se mobiliza para salvar Jaqueline Roriz Deputados do chamado “baixo clero” – centenas de parlamentares que têm pouca expressão política na Casa – e integrantes da bancada feminina desencadearam uma operação nos bastidores para salvar o mandato da deputada Jaqueline Roriz (PMNDF), flagrada num vídeo, revelado pelo estadão.com.br, recebendo dinheiro vivo do esquema de corrupção no Distrito Federal. Numa ação embalada pelo discurso corporativista, o grupo pró-Jaqueline tem dois argumentos debaixo do braço. Se ela for cassada por um ato ocorrido antes de ser eleita deputada federal (o vídeo da propina foi gravado em 2006, quando Jaqueline era deputada distrital no DF), um precedente será aberto para que outros parlamentares sejam punidos por irregularidades do passado. Ou seja, livrar Jaqueline seria salvar a própria pele no futuro. O segundo argumento é o de que a prática de caixa dois de campanha, usada na defesa da deputada para explicar o dinheiro, é algo comum entre os políticos. A reportagem acompanhou os passos de Jaqueline nos últimos dias e a flagrou em conversas com deputados pedindo apoio e lamentando problemas de saúde. Ainda sem decidir se vai depor no Conselho de Ética, onde sofre um processo de cassação, ela já entrou em ação para salvar o mandato. E, até agora, ouviu o que queria. “


PublicidadeLegal

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a17 de abril de 2011 | F2

ESINCO INCORPORADORA E ADM. DE IMÓVEIS S/A

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em Reais

C.N.P.J N.º 86.911.336/0001-21

Relatório da Diretoria Senhores Acionistas Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, colocando-nos à inteira disposição dos senhores acionistas para esclarecimentos julgados necessários. A DIRETORIA

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO 2.010

2.009

104.136,62

114.339,03

DISPONIBILIDADES Caixa e Bancos Aplicações Financeiras

29.218,71 1.522,71 27.696,00

42.825,32 1.209,24 41.616,08

DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Impostos a Recuperar

74.917,91 15.855,77 59.062,14

71.513,71 15.855,77 55.657,94

CIRCULANTE

NÃO CIRCULANTE

-

-

IMOBILIZADO

-

-

(EM REAIS)

2.010

2.009

CIRCULANTE

120,00

51,15

Obrigações Fiscais Outras Obrigações

120,00

51,15 -

NÃO CIRCULANTE Receitas Diferidas Custos - Receitas Diferidas

10.203,25 15.855,77 (5.652,52)

10.203,25 15.855,77 (5.652,52)

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

93.813,37

104.084,63

CAPITAL SOCIAL Integralizado RESERVA DE CAPITAL

5.839,24 5.839,24 0,12

5.839,24 5.839,24 0,12

87.974,01 -

98.245,27 -

104.136,62

114.339,03

RESERVAS DE LUCROS LUCROS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O. TOTAL DO ATIVO

104.136,62

114.339,03

TOTAL DO PASSIVO

(As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PERÍODO DE 31/12/08 A 31/12/10 - Em Reais

Em 31 de dezembro de 2008 Destinação para Futuro Aumento de Capital conf. 15ª A.G.O de 30/ABR/09 Reversão de Dividendos conforme 15ª A.G.O de 30/ABR/09 Ajuste de Exercicio Anterior Prejuizo do Exercício Amortização do Prejuízo Líquido do Exercício Em 31 de dezembro de 2009

CAPITAL SOCIAL

RESERVA DE CAPITAL

RESERVA DE LUCROS

5.839,24

0,12

57.986,63

43.420,20

-

-

-

43.420,20

(43.420,20)

-

-

-

630,55 58,23 (3.850,34)

-

0,12

98.245,27

-

5.839,24

Prejuizo do Exercício Amortização do Prejuízo Líquido do Exercício Em 31 de dezembro de 2010

LUCROS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O.

LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS

0,12

107.246,19 -

(4.359,63) 4.359,63 -

87.974,01

-

630,55 58,23 (4.359,63) 509,29 104.084,63

(10.271,26) 10.271,26

(10.271,26) 5.839,24

TOTAL

-

(10.271,26) 93.813,37

(As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis)

2.010

2.009

RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS (10.271,26) Despesas Gerais e Administrativas (15.522,35) Receitas Financeiras 5.677,30 Despesas Financeiras (426,21) Outras Despesas Operacionais -

(3.850,34) (8.684,83) 7.193,65 (671,17) (1.687,99)

PROVISÃO PARA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E IMPOSTO DE RENDA LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO) DO EXERCÍCIO Por Lote de 1000 ações do Capital Social

-

(509,29)

(10.271,26)

(4.359,63)

(0,0031)

(0,0013)

(As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis) DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em Reais FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro Líquido (Prejuízo) do Exercício Ajuste do Resultado das Disponibilidades Geradas na Atividade Operacional Depreciação Baixa de Imobilizado Ajuste de Exercicio Anterior (Acréscimo) Descréscimo em Ativos Operacionais Impostos a Recuperar Acréscimo (Descréscimo) em Passivos Operacionais Obrigações Fiscais Crédito de Acionistas Outras Obrigações DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Reversão de Dividendos DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS (APLICADAS) NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES REDUÇÃO NAS DISPONIBILIDADES Disponibilidades - no início do período Disponibilidades - final do período

2010 2009 (10.271,26) (3.850,34) 1.769,02 22,80 1.687,99 58,23 (3.404,20) (2.856,03) (3.404,20) (2.856,03) 68,85 (1.208,37) (51,15) (496,37) (630,55) 120,00 (81,45) (13.606,61) (6.145,72)

-

630,55

-

630,55

(13.606,61) (5.515,17) (13.606,61) (5.515,17) 42.825,32 48.340,49 29.218,71 42.825,32

(As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis)

NOTAS EXPLICATIVAS 1 - Contexto Operacional A Sociedade tem por objeto a incorporação, administração de imóveis, construção civil, participação societária e imobiliária em geral, fora da faixa de fronteira. Durante os exercícios de 2009 e 2010 não apresentou atividades operacionais. 2 - Elaboração e Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais incluem as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/ 09, e os demais pronunciamentos contábeis do Conselho Federal de Contabilidade - CFC e do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Considerando que a ESINCO Incorporadora e Administradora de Imóveis S/ A faz parte de um grupo de sociedades em que os ativos as elevam para a categoria de sociedades de grande porte, conforme parágrafo único do inciso 3º da Lei nº 11.638/07, essa e suas coligadas estão adotando os procedimentos descritos nesse dispositivo legal e na Lei nº 11.941/09. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, a Administração não identificou qualquer indicativo de que o valor contábil de seus Ativos exceda ao seu valor recuperável. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 03 - Demonstração dos Fluxos de Caixa, a Administração incorporou o fluxo de caixa às suas demonstrações financeiras. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e não contabilizou valores, conforme Nota 6. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 37 - Adoção Inicial das

Normas Internacionais de Contabilidade, as demonstrações financeiras foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com os padrões exigidos no referido pronunciamento. Em atendimento aos Pronunciamentos Técnicos CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração; CPC 39 - Instrumentos Financeiros: Apresentação e CPC 40 - Instrumentos Financeiros: Evidenciação; informamos que a Companhia não firmou contratos que pudessem ser considerados como Instrumentos Financeiros na modalidade de Derivativos. Informamos ainda que os valores registrados como disponíveis e os recebíveis advindos das atividades estão registrados contabilmente a valor de realização para o exercício findo em 31/DEZ/10. 3 - Principais Práticas Contábeis a) Apuração do Resultado As Receitas e Despesas são reconhecidas com observância ao Regime de Competência. b) Aplicações Financeiras Estão demonstradas pelo custo de aplicação, com a apropriação dos rendimentos correspondentes até a data do balanço. c) Obrigações São demonstradas pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas. 4 - Cliente / Receita Diferida Refere-se a venda de um apartamento que se encontra em processo judicial. 5 - Impostos a Recuperar Referem-se, essencialmente, a valores de créditos de IRPJ e CSLL, para os quais foram solicitadas as restituições, formalizadas por meio de PER/DCOMPs.

6 - Imposto de Renda e Contribuição Social No ano - calendário de 2010, a Companhia optou por tributar a renda com base no Lucro Real anual. Entretanto, não constituiu provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro, por ter apurado em 31/DEZ/10, prejuízo fiscal e Base de Cálculo Negativa para Contribuição Social, respectivamente. A Companhia optou por não reconhecer contabilmente os ativos e passivos diferidos de imposto de renda e contribuição social decorrentes das diferenças temporárias (adições e/ou exclusões temporárias). 7 - Destinação e Propostas Reserva Legal Em 31/DEZ/10 o saldo existente atingiu o limite definido nos termos do art. 193 da Lei No 6.404/76 e conforme definido no Estatuto Social da Companhia. Dividendos No ano de 2010 não foram calculados em virtude de não ter sido apurado resultado positivo. 8 - Capital Social Pertence inteiramente aos acionistas domiciliados no País e está composto de 3.273.007 ações ordinárias nominativas, no valor nominal de R$ 1,78406 por lote de 1.000 ações. JULIO ZUGMAN DIRETOR-PRESIDENTE ANA MARIA DOS SANTOS YOSHIDA CONTADORA - CRC /PR 017018/O-6

Arauco Florestal Arapoti S.A. C.N.P.J. MF Nº 07.609.453/0001-69 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e as Demonstrações Financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2.010. Os documentos referentes a essas demonstrações estão à disposição dos senhores acionistas na sede da companhia. Produtos e negócios A empresa dedica-se a produção florestal e comercialização de madeira das espécies de Pinus e Eucalipto. Desempenho A receita Bruta do ano ficou em R$ 64.926 mil (2009 - R$ 47.388), o lucro operacional ficou em R$ 17.389 mil (2009 - 34.168), e o Lucro Líquido do

Exercício ficou em R$ 22.521 mil (2009 - R$ 36.573). Investimentos Em 2010 a empresa investiu R$ 13.987 mil (2009 - R$ 14.317) em plantio de florestas e aquisição de equipamentos. Recursos Humanos Ao final do ano de 2010 a empresa contava com um total de 230 colaboradores lotados nas atividades florestais, administrativas e comerciais. Responsabilidade Ambiental A empresa só utiliza material de reflorestamento próprio para a comercialização, devidamente registrado nos planos de plantio e corte junto aos Órgãos Oficiais. Segue a legislação ambiental criteriosamente, obedecendo os limites de preservação de mata natural, rios e lagos.

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais 2.010 ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar Demais Ativos Circulantes

1.790 6.570 10.028 5.196 452 24.036

NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Tributos a Recuperar Partes Relacionadas Depositos Judiciais Imobilizado TOTAL DO ATIVO

2.010

2.009

169 1.153 2.191 177 4.780 189 8.659

541 1.126 1.150 543 5.100 47 8.507

137.941 100 138.041

143.336 195 143.531

140.620 33.827 234.373 408.820

174.681 33.827 238.415 446.923

555.520

598.961

2.009 12.826 20.112 7.764 2.609 360 43.671

3.110 16 3.126 528.358 528.358

4.599 15.000 6 19.605 535.685 535.685

555.520

598.961

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Salários e Encargos Sociais Impostos e Contribuições Adiantamento de Clientes Juros Sobre Capital Próprio Demais Passivos Circulantes NÃO CIRCULANTE Tributos Diferidos Outras Provisões PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Ajuste de avaliação patrimonial Reservas de Lucros a Realizar TOTAL DO PASSIVO

Destinação dos Lucros Os lucros de 2010 ficarão retidos a disposição do acionista, para decisão sobre sua destinação na Assembléia Geral de Acionistas. Agradecimentos Agradecemos aos nossos clientes pela confiança a nós depositada, aos fornecedores pela parceria, ao público em geral pela atenção dispensada, e ao comprometimento e proatividade de nossos colaboradores, Arapoti, 22 de março de 2.011 A ADMINISTRAÇÃO

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais 2.010

2.009

RECEITA BRUTA DE VENDAS

64.926

47.388

Impostos e Taxas sobre Vendas

(6.972)

(5.707)

RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS

57.954

41.681

(63.961)

(45.605)

Custo dos Produtos Vendidos LUCRO BRUTO Despesas Administrativas Avaliação de Florestas e Outras Despesas LUCRO OPERACIONAL Receitas (Despesas) Financeiras LUCRO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO IMPOSTO DE RENDA Imposto de Renda e Contribuição Social

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Em milhares de Reais Capital Social

Em 01 de janeiro de 2.009 Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício Reserva Legal Reserva Especial de Lucros Aumento de Capital Redução de Capital Dividendos Pagos Juros Sobre Capital Próprio Em 31 de dezembro de 2.009 Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício Reserva Legal Reserva Especial de Lucros Aumento de Capital Redução de Capital Dividendos Pagos Juros Sobre Capital Próprio Em 31 de dezembro de 2.010

190.445 20.236 (36.000) 174.681 8.239 (42.300) 140.620

Reservas De De lucros Lucros à Realizar

2.279 1.828 4.107 1.126 5.233

12.351 254.193 (20.236) (12.000) 234.308 15.771 (8.239) (12.700) 229.140

Ajuste de Avaliação Patrimonial

33.827

33.827

33.827

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Lucro Líquido por Ação

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Cristián Eustáquio Infante Bilbao - Presidente Juan Alvaro Saavedra Florez Carlos Nino Bianchi Figueroa Weine Allan Olof Genfors Glauco Boueri Affonso Davi Augusto Olbertz Roberto Trevisan

CMYK

(3.924) (5.359) 43.451 38.092

17.389

34.168

2.282

5.677

19.671

39.845

2.850

(3.272)

22.521

36.573

0,19

0,23

Lucros Acumulados

Total

225.448 36.573 (1.828) (254.193) (6.000) 22.521 (1.126) (15.771) (5.624) -

464.350 36.573 (36.000) (12.000) (6.000) 446.923 22.521 (42.300) (12.700) (5.624) 408.820

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.010 E DE 2.009 a) Apresentação e Base de Elaboração As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil com base nas disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76, Lei 11.638/97 e CPCs). b) Apuração do Resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios, atualizações a valor justo e não incluiu o efeito da inflação sobre as demonstrações financeiras.

(6.007) (5.829) 29.225 23.396

c) Imobilizado As depreciações do imobilizado são calculadas pelo método linear. Enquanto que a exaustão florestal é calculada sobre os volumes cortados. d) Passivo não Circulante São demonstrados pelos valores atualizados para a data do balanço. e) Capital Social O capital social subscrito e integralizado em 31 de dezembro de 2010 é de R$ 140.620 mil (2009 - R$ 174.681 mil) representado por 121.388.513 ações ordinárias nominativas sem valor nominal (2009 - 157.903.303) DIRETORIA EXECUTIVA Carlos Nino Bianchi Figueroa - Diretor Presidente Leandro Gervasio Suski - Diretor Roberto Trevisan - Diretor

Adir Cortiano Contador CRC-PR 026401/O-0

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO

Em milhares de Reais 2.010

2.009

19.671

39.845

Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro líquido antes do imposto de renda e da contribuição social Ajustes Depreciação e amortização Valor residual do ativo imobilizado baixado Atualização florestas a valor justo Constituição de provisão para contingências Variações nos ativos e passivos Contas a receber Estoques Tributos a recuperar Fornecedores Salários e encargos sociais Tributos a pagar Outros ativos e passivos Caixa proveniente das operações Imposto de renda e contribuição social pagos Caixa líquido proveniente das atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimentos Aquisições de bens do ativo imobilizado

49.547 35.669 891 (29.124) (43.300) 100 21.414 (7.631) 13.542 (2.264) (1.839) (372) 27 1.039 (517) 9.616 50.701 (1.806) 48.895

555 1.245 953 (580) 218 780 (12) 3.159 35.373 (913) 34.460

(13.987) (14.317)

Caixa líquido proveniente das atividades de investimentos (13.987) (14.317) Fluxos de caixa das atividades de financiamento Redução de capital à acionistas (42.300) (36.000) Dividendos e Juros sobre capital próprio pagos (18.644) (12.000) 15.000 18.150 Mútuo com partes relacionadas (45.944) (29.850) (59.931) (44.167) Caixa líquido proveniente das atividades de financiamentos (Redução) Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício

(11.036) 12.826 1.790

(9.707) 22.533 12.826

Emprego na indústria paulista cresce 0,65% em março com a criação de 16,5 mil postos O nível de emprego na indústria paulista apresentou elevação de 0,65% em março com a criação de 16,5 mil novos postos de trabalho. No trimestre, o aumento foi de 2% na comparação com o mesmo período do ano passado. No acumulado do ano foram criados 50,5 mil vagas na indústria. Nos últimos doze meses, o crescimento foi de 2,9% com a criação de 72,5 mil empregos. Com o ajuste sazonal, houve queda de 0,19% no nível de emprego no mês. Os dados estão no levantamento mensal Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo feita pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e divulgada hoje (14). Entre os setores que mais contrataram em março estão: fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (5,7%), produtos alimentícios (2,7%) e bebidas (1,4%). Os setores que registraram queda nas contratações foram couros e artigos de couro e de viagem (-1,6%), produtos de madeira (-1,3%) e celulose, papel e produtos de papel (-0,4%). De acordo com o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini, o mês de março normalmente apresenta resultados positivos. Ele destacou que o resultado de 0,65% foi influenciado pelo setor de açúcar e álcool, que registrou aumento de 0,38% no total de empregos do setor – o que corresponde a uma participação de 58,6% do índice (criação de 9,6 mil postos).

Maioria dos aeroportos de cidades-sede da Copa não estará pronta até 2014 As obras de ampliação de nove dos 12 aeroportos em funcionamento nas 12 cidades que sediarão os jogos da Copa do Mundo de Futebol de 2014 não deverão ser concluídas até o início do evento. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), fundação vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, a situação é preocupante. A demora nas obras também já motivou críticas do presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter. De acordo com os responsáveis por uma nota técnica divulgada hoje (14), em Brasília (DF), considerando-se os prazos médios para elaboração de projetos, obtenção de licenças obrigatórias, realização de licitações públicas e início do serviço, “muito provavelmente não será possível concluir a maioria das obras de expansão dos terminais aeroportuários até a Copa de 2014”.


PublicidadeLegal

Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a17 de abril de 2011 | F3 | Indústria&Comércio

COMPENSADOS E LAMINADOS LAVRASUL S.A.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em Reais

C.N.P.J N.º 83.187.930/0001-23 Relatório da Diretoria Senhores Acionistas Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, colocando-nos à inteira disposição dos senhores acionistas para esclarecimentos julgados necessários. A Diretoria

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (em R$) ATIVO PA S S I V O 31/12/2010

31/12/2010

31/12/2009

26.928.380,15 25.597.757,75 CIRCULANTE Fornecedores 321.784,99 541.670,88 Empréstimos e Financiamentos 321.784,99 541.670,88 Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias 26.401.149,15 24.886.193,31 Parcelamento Refis 12.619.947,93 11.446.186,23 Créditos de Acionistas 66.322,23 44.912,02 Dividendos a Distribuir 14.168,78 25.610,74 Outros Débitos 7.063.190,54 5.559.154,86 6.567.517,30 7.553.504,56 NÃO CIRCULANTE 70.002,37 256.824,90 Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Sociais e Trabalhistas 205.446,01 169.893,56 Obrigações Tributárias Parcelamento Refis 17.785.390,85 26.895.507,97 Depósitos Judiciais Débitos com Partes Relacionadas 1.642.950,53 9.802.529,67 Outros Débitos - 4.764.573,22 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1.127.750,93 2.666.133,70 515.199,60 2.371.822,75 CAPITAL SOCIAL INTEGRALIZADO 16.134.262,26 17.084.410,27 RESERVAS

CIRCULANTE DISPONIBILIDADES Caixa e Bancos DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Adiantamentos a Fornecedores Adiantamentos a Empregados Estoques Impostos a Recuperar Outros Direitos Realizáveis DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Empréstimo Compulsório Eletrobrás Depósitos Judiciais Impostos a Recuperar IMOBILIZADO INTANGÍVEL

8.178,06

TOTAL DO ATIVO

31/12/2009

23.859.574,07 20.272.531,67 5.243.103,39 4.109.368,83 13.869.051,70 13.161.257,88 1.871.751,59 1.448.536,62 454.494,43 267.654,57 272.645,56 93.994,45 1.307.198,48 1.113.974,48 919.073,76 13.593.283,99 29.156.616,24 6.199.348,71 8.502.348,60 2.729.582,69 3.647.000,00 5.916,40 23.665,60 374.185,26 408.968,34 1.127.750,93 1.866.133,70 2.656.500,00 14.708.500,00 500.000,00 7.260.912,94

3.064.117,81

10.936.137,77 10.936.137,77 4.510.231,45

8.568,03 PREJUIZOS ACUMULADOS

4.510.231,45

(8.185.456,28) (12.382.251,41)

44.713.771,00 52.493.265,72 TOTAL DO PASSIVO

44.713.771,00 52.493.265,72

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PERÍODO DE 31/DEZ/08 A 31/DEZ/10 - Em Reais

Em 31/DEZ/08 Ajuste Reserva de Reavaliação Edificações Ajuste de Exercício Anterior - PIS / Cofins Prejuizo Líquido do Exercício Em 31/DEZ/09 Lucro Líquido do Exercício Reserva Legal Dividendos Propostos Absorção da Reserva Legal Em 31/DEZ/10

CAPITAL SOCIAL INTEGRALIZADO

RESERVA DE REAVALIAÇÃO

RESERVA DE LUCRO LEGAL

LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS

TOTAL

10.936.137,77

6.743.028,25

-

(2.023.426,00)

15.655.740,02

-

(2.232.796,80) -

-

2.232.796,80 (116.819,38) (12.474.802,83)

(116.819,38) (12.474.802,83)

10.936.137,77

4.510.231,45

-

(12.382.251,41)

3.064.117,81

-

-

275.199,68 (275.199,68)

5.503.993,61 (275.199,68) (1.307.198,48) 275.199,68

5.503.993,61 (1.307.198,48) -

10.936.137,77

4.510.231,45

-

(8.185.456,28)

7.260.912,94

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

2010 2009 RECEITA BRUTA 80.695.050,07 53.467.871,71 Venda de Produtos 80.379.247,75 52.532.957,40 Revenda de Produtos 315.802,32 934.914,31 DEDUÇÕES (6.872.925,09) (3.428.741,54) Devoluções e Abatimentos (1.509.334,21) (991.940,95) Impostos e Contribuições (5.363.590,88) (2.436.800,59) RECEITA LÍQUIDA 73.822.124,98 50.039.130,17 CUSTO DAS VENDAS E SERVIÇOS (63.801.937,29) (47.155.249,97) LUCRO BRUTO 10.020.187,69 2.883.880,20 RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS (3.041.197,08) (15.358.683,03) Despesas com Vendas (6.980.388,47) (6.374.001,72) Despesas Gerais e Administrativas (6.745.875,77) (6.590.900,03) Receitas Financeiras 3.878.565,13 10.978.427,48 Despesas Financeiras (11.104.600,36) (14.050.023,43) Outras Receitas Operacionais 18.280.502,42 931.603,96 Outras Despesas Operacionais (369.400,03) (253.789,29) RESULTADO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO 6.978.990,61 (12.474.802,83) SOCIAL E IMPOSTO DE RENDA Contribuição Social (403.921,32) Imposto de Renda (1.071.075,68) LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 5.503.993,61 (12.474.802,83) Por Lote de 1.000 Ações do Capital Social 2,46 (5,57) Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em Reais 2010 2009 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro (Prejuízo) do Exercício 5.503.993,61 (12.474.802,83) Ajuste do Resultado das Disponibilidades Geradas na Atividade Operacional 5.071.051,06 2.891.390,24 Depreciação e Amortização 2.529.174,43 2.601.112,23 Baixa de Investimentos 6.451,42 Baixa de Intangivel 274.073,60 Baixa de Imobilizado 2.541.876,63 9.752,99 (Acréscimo) Descréscimo em Ativos Operacionais 6.609.070,85 14.789.215,27 Clientes (1.173.761,70) 5.173.097,98 Adiantamentos (9.968,25) 153.434,90 Estoques (1.504.035,68) 1.159.743,72 Impostos a Recuperar 2.842.610,41 6.672.338,48 Outros Direitos Realizáveis 186.822,53 3.399.400,00 Despesas do Exercício Seguinte (35.552,45) 5.322,94 Depósitos Judiciais 1.538.382,77 (1.774.122,75) Empréstimos Compulsórios 4.764.573,22 Acréscimo (Descréscimo) em Passivos Operacionais (1.021.864,84) 2.546.212,82 Fornecedores (1.169.265,33) 230.765,46 Obrigações Sociais e Trabalhistas 405.465,77 96.573,25 Obrigações Tributárias 561.025,12 162.985,26 Outros Débitos 694.900,72 516.971,58 Crédito de Acionistas (93.994,45) Parcelamento de Refis (681.613,90) 681.613,90 Depósitos Judiciais (738.382,77) 974.122,75 Ajuste de Exercício Anterior - Pis e Cofins (116.819,38) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS (APLICADAS) NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 16.162.250,68 7.752.015,50 FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Aplicações no Imobilizado (4.120.513,08) (4.765.987,79) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES DE“FINANCIAMENTO (4.120.513,08) (4.765.987,79) Atividades de Financiamentos Débitos com Partes Relacionadas (12.052.000,00) 13.508.500,00 Empréstimos e Financiamentos (209.623,49) (22.327.426,77) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS (APLICADAS) NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO (12.261.623,49) (8.818.926,77) DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES (219.885,89) (5.832.899,06) REDUÇÃO NAS DISPONIBILIDADES (219.885,89) (5.832.899,06) Disponibilidades - no início do período 541.670,88 6.374.569,94 Disponibilidades - final do período 321.784,99 541.670,88 Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

N O TA S E X P L I C AT I VA S 1 - Contexto Operacional A Companhia tem por objetos a produção, industrialização e comércio de madeiras em geral: brutas, beneficiadas, laminadas, compensadas; fabricação de esquadrias e móveis e exportação dos produtos de sua fabricação. 2 - Elaboração e Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais incluem as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, e os demais pronunciamentos contábeis do Conselho Federal de Contabilidade - CFC e do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC, e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Considerando que a Compensados e Laminados Lavrasul S/A faz parte de um grupo de sociedades em que os ativos as elevam para a categoria de sociedades de grande porte, conforme parágrafo único do inciso 3º da Lei nº 11.638/07, essa e suas coligadas estão adotando os procedimentos descritos nesse dispositivo legal e na Lei nº 11.941/09. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, a Administração aplicou o presente pronunciamento e, por meio de Relatório de Avaliação, realizado por empresa especializada, não apurou evidências de que o valor contábil de seus Ativos exceda ao seu valor recuperável. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 03 - Demonstração dos Fluxos de Caixa, a Administração incorporou o fluxo de caixa às suas demonstrações financeiras. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 04 - Ativo Intangível, a Administração da Companhia analisou os registros e saldos existentes no Diferido e Imobilizado e, realizou a transferência de valores que se encontram no conceito de Intangível para o grupo específico do Ativo Intangível. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 05 - Divulgação sobre Partes Relacionadas, a Administração da Companhia apurou o saldo e os montantes das transações realizadas com partes relacionadas, cujo resultado é apresentado na Nota 7. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 12 - Ajuste a Valor Presente, a Administração da Companhia aplicou o presente pronunciamento, apurando valor relevante em Impostos a Recuperar, para o exercício de 2009, cujo resultado é apresentado na Nota 6-a. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 16 - Estoques, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e não apurou valores relevantes que justificassem qualquer ajuste a valor presente. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 20 - Custos de Empréstimos, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e não apurou valores relevantes que justificassem qualquer ajuste a valor presente. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, e os valores devidos encontramse registrados. Adicionalmente, conforme Nota 8, efetuou a baixa de ativo contingente. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 27 - Ativo Imobilizado, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, concomitante ao Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos, cujo Relatório de Avaliação, apresentou a vida útil remanescente dos principais grupos de bens. Considerando que a despesa de depreciação a ser obtida com o resultado da vida útil remanescente daqueles bens não apresentou diferença relevante àquela que está sendo registrada, a Companhia optou por manter os critérios atuais, descritos na Nota 3-e. Adicionalmente, conforme permitido pela Interpretação Técnica ICPC 10, a Administração da Companhia optou por não efetuar o registro do custo atribuído (deemed cost). Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e contabilizou valores, conforme Nota 13. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 37 - Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade, as demonstrações financeiras foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com os padrões exigidos no referido pronunciamento. Em atendimento aos Pronunciamentos Técnicos CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração; CPC 39 - Instrumentos Financeiros: Apresentação e CPC 40 - Instrumentos Financeiros: Evidenciação; informamos que a Companhia não firmou contratos que pudessem ser considerados como Instrumentos Financeiros na modalidade de Derivativos. Informamos ainda que os valores registrados como disponíveis e os recebíveis advindos das atividades estão registrados contabilmente a valor de realização para o exercício findo em 31/DEZ/10. 3 - Principais Práticas Contábeis a) Apuração do Resultado As Receitas e as Despesas são reconhecidas com observância ao Regime de Competência. b) Aplicações Financeiras Estão demonstradas pelo custo de aplicação, com a apropriação dos rendimentos correspondentes até a data do balanço. c) Clientes Os Clientes do Mercado Interno estão representados pelos faturamentos ao custo histórico, e para os Clientes do Mercado Externo os valores estão representados pelos custos históricos, acrescidos das variações cambiais, ambos reduzidos dos valores julgados suficientes, como Perdas Estimadas em Crédito de Liquidação Duvidosa. d) Estoques Os Estoques de Produtos Acabados e em Elaboração estão avaliados pelo custo médio de produção e/ou fabricação, enquanto que os demais Estoques foram avaliados pelo custo médio de aquisição, os quais não superam os preços de mercado. e) Imobilizado Após a aplicação do Pronunciamento Técnico CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos e do Pronunciamento Técnico CPC 27 - Ativo Imobilizado, descritos na Nota 2, a Companhia manteve o Ativo Imobilizado demonstrado ao custo de aquisição, acrescido de correção monetária até 31/DEZ/95, e das reavaliações realizadas nos grupos de terrenos e construções. A depreciação é calculada pelo método linear, observadas as taxas que levam em conta o tempo de vida útil dos bens para os itens que foram reavaliados. Para os itens não reavaliados, foram mantidas as taxas admitidas pela Legislação Fiscal, fixadas por espécie de bens, como segue, os quais serão depreciados, a partir de 01/JAN/11, pelo critério de vida útil remanescente: Descrição Porcentagem Imóveis 4% a.a Equipamentos e Instalações 15% a.a. Equipamentos de Escritório 10% a.a. Veículos 20% a.a. f) Intangível Anteriormente classificado como Diferido, está demonstrado aos valores de custo, acrescido de correção monetária até 31/DEZ/95, ajustado por amortizações acumuladas, calculadas a partir do início em que começam a ser usufruídos os benefícios respectivos, em período que não ultrapassa o prazo máximo estabelecido na Lei no 6.404/76. g) Obrigações Sociais e Trabalhistas São demonstradas pelos valores relativos a férias vencidas, proporcionais, respectivos encargos, calculados até a data do balanço e demais valores conhecidos. h) Obrigações São demonstradas pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas.

4 - Clientes O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Clientes Mercado Interno e Externo 12.710.310,40 11.673.307,82 Perdas Estimadas em Crédito de Liquid. Duvidosa (90.362,47) (227.121,59) Total 12.619.947,93 11.446.186,23 5 - Estoques O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Produtos Acabados 3.128.841,17 2.526.955,02 Produtos em Elaboração 788.103,49 414.767,58 Matéria-prima 2.170.019,87 1.624.618,62 Almoxarifado 904.970,05 788.574,84 Mercadorias para Revenda 26.024,67 188.828,98 Estoque em Poder de Terceiros 45.231,29 15.409,82 Total 7.063.190,54 5.559.154,86 6 - Impostos a Recuperar O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Circulante PIS / Cofins 4.040.467,99 6.251.276,74 ICMS 269.941,94 704.099,12 IPI 27.317,59 27.317,59 IRRF sobre Aplicações Financeiras 88.138,68 IRPJ 1.565.045,96 199.666,78 CSLL 664.743,82 283.005,65 Total 6.567.517,30 7.553.504,56 Não Circulante PIS / Cofins 237.331,07 2.939.595,78 (-) Ajuste a Valor Presente - AVP (607.985,64) ICMS 277.868,53 40.212,61 Total 515.199,60 2.371.822,75 a) PIS / Cofins - Ajuste a Valor Presente - AVP Os saldos de PIS e Cofins foram ajustados a valor presente, em 31/DEZ/09, com base em taxa de juros específica, que reflete a natureza desses ativos, e considerando o prazo médio de realização. Em 2010, considerando que a maior parte do saldo registrado no Não Circulante foi realizado, efetuou-se a reversão do referido ajuste, a qual foi registrada no resultado. 7 - Partes Relacionadas Demonstramos as questões relevantes envolvendo partes relacionadas: a) Clientes Do valor total de Clientes em 31/DEZ/10, R$ 169.522,00 refere-se a vendas realizadas a partes relacionadas (R$ 111.429,45 em 31/DEZ/09), considerando as mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Lavradora Racional de Madeiras Lavrama S/A 166.922,00 28.829,45 Agro Pastoril Novo Horizonte S/A 2.600,00 82.600,00 Total 169.522,00 111.429,45 b) Fornecedores Do valor total de Fornecedores Circulante em 31/DEZ/10, R$ 171.141,69 referese a compras de matéria-prima, R$ 11.000,00 à compra de imobilizado e R$ 500,00 a aluguel de sala, realizadas com a Lavradora Racional de Madeiras Lavrama S/ A. Adicionalmente, R$ 30.000,00 refere-se a compra de imobilizado realizada com a Brascomp Compensados do Brasil S/A: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Lavradora Racional de Madeiras Lavrama S/A 182.641,69 312.070,28 Agro Pastoril Novo Horizonte S/A 30.000,00 Total 212.641,69 312.070,28 O valor total de Fornecedores Não Circulante refere-se a compras de matériaprima, realizadas com a Agro Pastoril Novo Horizonte S/A. Todas as transações foram efetuadas considerando as mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas: c) Débitos com Partes Relacionadas O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Agro Pastoril Novo Horizonte S/A - 11.757.000,00 Incorporadora e Adm. Arvoredo LTDA. 2.499.000,00 1.849.000,00 Maginco Verde LTDA. 157.500,00 1.102.500,00 Total 2.656.500,00 14.708.500,00 Os débitos com Incorporadora e Administradora Arvoredo LTDA. refere-se a contrato de mútuo. O débito com a Maginco Verde LTDA. refere-se a compra de terreno, cujo contrato firmado determina que será recebido em 24 parcelas, até 30/MAR/12. 8 - Empréstimo Compulsório Eletrobrás O valor de R$ 4.764.573,22, em 31/DEZ/09, refere-se à Ação Ordinária Declaratória Cumulada com Condenatória, contra a Centrais Elétricas Brasileiras S/A - Eletrobrás e a União Federal, para obtenção da correção monetária plena dos valores pagos, a título de empréstimo compulsório e os reflexos dessa correção nos juros desse empréstimo. Em 2010, em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingente, a Administração efetuou a baixa desta provisão ativa contra o resultado. 9 - Imobilizado O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Custo Depreciação Valor Valor Corrigido Acumulada Líquido Líquido Benfeitorias 1.551.787,17 (847.563,48) 704.223,69 1.061.629,03 Edificações 3.442.895,08 (1.930.399,68) 1.512.495,40 1.593.107,92 Equip. Computadorizados 583.643,21 (459.643,73) 123.999,48 67.040,14 Florestas 33.269,36 (22.287,81) 10.981,55 12.977,75 Ferramentas 1.404,00 (1.404,00) Instalações 1.524.283,53 (1.388.538,36) 135.745,17 230.083,13 Máquinas e Equip. 24.510.512,63 (21.305.319,44) 3.205.193,19 4.196.391,29 Móveis e Utensílios 219.507,26 (153.613,67) 65.893,59 83.825,85 Imobilizado Andamento 3.549.319,78 - 3.549.319,78 2.728.977,66 Terrenos 5.042.777,86 - 5.042.777,86 6.942.777,86 Tratores e Implementos 1.150.622,89 (762.620,80) 388.002,09 Veículos e Acessórios 2.784.113,91 (1.388.483,45) 1.395.630,46 167.599,64 Total 44.394.136,68 (28.259.874,42) 16.134.262,26 17.084.410,27 A movimentação do imobilizado para o exercício findo em 2010 foi a seguinte: Descrição Saldo Em Reais Saldo Líquido Adições Baixas Depreciação Líquido 31/DEZ/09 31/DEZ/10 Benfeitorias 1.061.629,03 9.164,44 (305.125,01) (61.444,77) 704.223,69 Edificações 1.593.107,92 (80.612,52) 1.512.495,40 Equip.Comput. 67.040,14 85.205,97 (28.246,63) 123.999,48 Florestas 12.977,75 (1.996,20) 10.981,55 Instalações 230.083,13 26.100,00 (2.389,01) (118.048,95) 135.745,17 Máquinas e Equip. 4.196.391,29 1.370.316,93 (320.335,06) (2.041.179,97) 3.205.193,19 Móveis e Utensílios 83.825,85 3.420,25 (2.934,08) (18.418,43) 65.893,59 Imob em Andam. 2.728.977,66 820.342,12 - 3.549.319,78 Terrenos 6.942.777,86 - (1.900.000,00) - 5.042.777,86 Tratores e Implem. - 442.000,00 (53.997,91) 388.002,09 Veículos e Aces. 167.599,64 1.363.963,37 (11.093,47) (124.839,08) 1.395.630,46 Total 17.084.410,27 4.120.513,08 (2.541.876,63) (2.528.784,46) 16.134.262,26

10 - Intangível O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Custo Amortização Valor Valor Corrigido Acumulada Líquido Líquido Marcas e Patentes 6.142,33 6.142,33 6.142,33 Softwares 106.211,95 (104.176,22) 2.035,73 2.425,70 Total 112.354,28 (104.176,22) 8.178,06 8.568,03 11 - Empréstimos e Financiamentos O saldo dessas contas está composto pelos seguintes valores: Descrição Em reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Vencimento Não Circulante / Final Circulante CirculanteNão Circulante Finames Santander - Finame Tecmatic 2010 17.919,48 Itau BBA - J Malucelli 2013 51.200,04 63.999,95 Bradesco - Linck 2015 99.999,96 333.333,44 Bradesco - Eletro Diesel Manos 2015 42.222,76 185.777,24 Bradesco - Nórdica Veiculos 2015 171.111,16 752.888,84 Bradesco - Bruno Industrial 2014 27.666,78 117.583,22 392.200,70 1.453.582,69 17.919,48 Adto. Contratos de Câmbio Banco Banrisul 2010 278.592,00 Banco Itau Bank S/A 2011 2.166.063,72 - 3.907.109,60 Banco Bradesco S/A 2011 4.923.885,95 - 4.881.140,80 Banco Citibank S/A 2011 980.248,41 - 1.880.496,00 ABC Brasil S/A 2011 3.835.652,92 11.905.851,00 - 10.947.338,40 Outros BRDE – Acordo 2013 696.000,00 1.276.000,00 2.668.000,00 Banco Itau S/A 2011 875.000,00 - 2.375.000,00 Banco Santander S/A 2010 800.000,00 1.571.000,00 1.276.000,00 5.843.000,00 Total 13.869.051,70 2.729.582,69 16.808.257,88 Os Finames estão pré-fixados à taxa mínima de juros de 3,8% a.a. e máxima de 6,3% a.a., mais TJLP, tendo como garantias a alienação fiduciária dos bens. Os adiantamentos de contratos de câmbio estão sujeitos à variação da taxa do dólar, tendo como garantias fiança e aval. Os 3 acordos efetuados com o BRDE, em 08/JUL/05, determinam que os valores renegociados serão pagos em 100 prestações mensais, fixas, sucessivas e, se somadas as parcelas de cada acordo, o total é de R$ 58.000,00, mensal. Em caso de impontualidade nos pagamentos, haverá cobrança de juros moratórios de 1% a.a.. Do valor total renegociado, já foi paga a importância de R$ 3.828.000,00, até 31/DEZ/10, restando 34 parcelas. O perfil de vencimento do Não Circulante está assim demonstrado: Descrição Em reais 2012 2013 2014 2015 Total BRDE - Acordo 696.000,00 580.000,00 - 1.276.000,00 Finames 448.699,81 410.299,77 390.583,10 204.000,01 1.453.582,69 Total 1.144.699,81 990.299,77 390.583,10 204.000,01 2.729.582,69 12 - Parcelamento REFIS Durante o exercício de 2010 a Companhia optou por efetuar a liquidação dos valores que estavam sujeitos a consolidação definitiva da obrigação. 13 - Imposto de Renda e Contribuição Social No exercício de 2010, a Companhia adotou o cálculo da Contribuição Social e Imposto de Renda sobre o lucro, aplicando as regras do Regime de Tributação, com base no Lucro Real. A provisão de Imposto de Renda é constituída à alíquota de 15%, acrescida de adicional de 10% sobre o lucro tributável; e a de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é constituída à alíquota de 9%, antes do Imposto de Renda ajustado nos termos da legislação vigente. Os valores de Imposto de Renda e Contribuição Social que afetaram o Resultado do Exercício de 2010 são demonstrados como segue: Descrição Em Reais CSLL IRPJ Lucro antes do IRPJ/CSLL e após CSLL 6.978.990,61 6.575.069,29 (+) Contribuição Social 403.921,32 (+) Adições 938.665,04 938.665,04 (-) Exclusões (1.506.206,06) (1.506.206,06) (-) Compensações (1.923.434,88) (1.923.434,88) (=) Base de Incidencia da CSLL e IRPJ 4.488.014,71 4.488.014,71 IRPJ e CSLL no Resultado do Exercicio 403.921,32 673.202,21 (-) Incentivos PAT (26.928,00) (=) IRPJ após os Incentivos 646.274,21 (+) IRPJ Adicional 424.801,47 (=) Total IRPJ e CSLL 403.921,32 1.071.075,68 14 - Capital Social Pertence inteiramente aos acionistas domiciliados no País, composto por 2.241.011.839 ações ordinárias nominativas, em 31/DEZ/10 e 31/DEZ/09, no valor nominal de R$ 4,88 por lote, de mil ações. 15 - Destinações Propostas a) Reserva Legal Em 31/DEZ/10, foi calculada, nos termos do art. 193, da Lei no 6.404/76, a razão de 5% do Lucro Líquido Ajustado do Exercício. b) Dividendos Em 2010 os dividendos foram provisionados de acordo com o art. 202, § 2o, da Lei no 6.404/76, a razão de 25% do Lucro Líquido Ajustado do Exercício, conforme a seguir: Descrição 31/DEZ/10 Lucro Líquido do Exercício 5.503.993,61 (-) Reserva Legal (275.199,68) (=) Base de Cálculo aprovada pela Diretoria 5.228.793,93 (x) Percentual dos Dividendos 25% (=) Dividendos Propostos 1.307.198,48 16 - Seguros A Companhia possui cobertura de seguros contra incêndio e riscos diversos, em níveis adequados para os Estoques e Imobilizado, com a seguinte composição: Bens Segurados Vigência Em Reais Fábrica – Av. Ivo D’Aquino, 385 - Canoinhas 18/MAI/10 A 18/MAI/11 16.650.000,00 Fábrica – Estrada Geral, s/n Timbó Grande 19/OUT/10 a 18/MAI/11 10.050.000,00 Escritório - R São José, 780 Timbó Grande 03/ABR/10 a 03/ABR/11 209.000,00 Escritório – Rua Luigi Galvani, 42 – São Paulo 11/OUT/10 a 11/OUT/11 326.000,00 Pá Carregadeira Volvo L70D 05/MAR/10 a 05/MAR/11 150.000,00 Pá Carregadeira Volvo L70E 17/AGO/10 a 17/AGO/11 300.000,00 Carregadeira Trator Escavo Volvo L70F 22/JUN/10 a 22/JUN/11 500.000,00 Caminhão MB L 2638 PL MCV 0787-MCV 0767 09/OUT/10 a 09/OUT/11 400.000,00 Caminhão Volvo PL MAV 3892 MAV 3902 29/OUT/10 a 04/MAI/11 400.000,00 Toyota Hilux 4x4 PL MHT 3307 - ano 2010 09/AGO/10 a 04/MAI/11 200.000,00 Caminhão Volvo PL MHZ 7148-7008-7058 28/OUT/10 a 25/ABR/11 600.000,00 3 Reboq (Julietas) 2010 PL MHZ 0758-0648-0698 11/JAN/11 a 25/ABR/11 188.000,00 Veiculos - Frota 04/MAI/10 a 04/MAI/11 2.000.000,00 Total 31.973.000,00 SAUL CHUNY ZUGMANN ANA MARIA DOS SANTOS YOSHIDA DIRETOR-PRESIDENTE CONTADORA CRC/PR 017018/O-6

OPINIÃO

Azedou o ICMS dos Láteos Gilson J. Rasador

Conforme já tivemos oportunidade de manifestar em ocasiões anteriores, quando se trata de ICMS, tem sido uma rotina os Estados nos surpreenderem com leis, decretos, regulamentos, portarias, instruções, comunicados e outros atos administrativos, inconstitucionais e ilegais, editados para aumentar a já exorbitante carga tributária ou para instituir vantagens em favor de determinados contribuintes em detrimento de outros. É o que ocorre com o recente Decreto n. 56.855, do dia 16 deste mês, editado pelo Governo de São Paulo que, com induvidosa violação aos princípios da igualdade tributária e da livre concorrência e às limitações ao poder de tributar definidas pelo artigo 152 da Constituição, beneficia as indústrias de produtos lácteos localizados no Estado, em prejuízo daqueles estabelecidos noutras unidades da Federação. Com efeito, o indigitado decreto do Governo paulista retira, por um lado, o leite esterilizado (longa vida), o iogurte e o leite fermentado do rol de produtos integrantes da cesta básica de alimentação do trabalhador, elevando a alíquota de incidência do ICMS para 18% e, por outro, concede aos laticínios produzidos no Estado crédito presumido calculado sobre o valor das saídas internas, de 14%, para leite longa vida, e de 7,5%, para leite fermentado e iogurte. Com isso, os produtos oriundos de fabricantes estabelecidos em São Paulo serão onerados com apenas 4% (18% - 14%), no caso de leite longa vida, e de 10,5% (18%-7,5%), no caso de leite fermentado e de iogurte. Enquanto isso, nas saídas de produtos industrializados noutras unidades da Federação, o ICMS deverá ser pago pela alíquota de 18%. Como visto, os fabricantes domiciliados em outros Estados passam a ter a competitividade seriamente comprometida, na medida em que, por ato do Governo de São Paulo, pagarão 14% a mais de ICMS no caso de leite longa vida, e 7,5% no leite fermentado e no iogurte. Também não é difícil inferir que em um setor econômico, como é o caso do mercado de produtos lácteos, onde as margens de lucratividade são diminutas e a concorrência é bastante acirrada, 14% ou 7,5% a mais de custo tributário resulta na retirada do leite e do iogurte oriundos de outros Estados do mercado consumidor paulista. Medida de tamanho impacto representa, conforme dissemos antes, em afronta ao princípio constitucional da igualdade tributária, o qual, de forma peremptória, veda à União, aos Estados e aos Municípios instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontram em situação equivalente. Também há completo desrespeito à norma que emana do artigo 152 da Lei Máxima do País, que proíbe que os Estados e Municípios estabeleçam diferença tributária entre bens e serviços de qualquer natureza em razão da sua procedência ou do destino. Com igual intensidade resulta violado o princípio da livre concorrência, insculpido pelo artigo 170, IV da Constituição, na medida em que, em razão do crédito presumido criado através do decreto editado pelo Governo de São Paulo em favor de indústrias aqui localizadas, os comerciantes de produtos lácteos fabricados fora do território terão de competir em condições extremamente desvantajosas. Vê-se, então, que o Governo de São Paulo, que através de Comunicado CAT pretenda eliminar os efeitos de benefícios fiscais concedidos por outras unidades da Federação, agora adota mais uma medida inconstitucional para impedir que produtos de outras origens concorram com aqueles aqui fabricados. Neste cenário, espera-se que as demais unidades Federadas, na defesa dos interesses dos produtores e das indústrias localizadas em seus territórios, proponham as medidas cabíveis junto ao Supremo Tribunal Federal, caso contrário não restará aos produtores e próprias indústrias prejudicadas alternativa outra senão bater às portas do Judiciário na busca do direito de serem tratados com igualdade tributária, de não terem seus produtos discriminados e de terem a livre concorrência ameaçada. Gilson J. Rasador é Diretor da Pactum Consultoria Empresarial Ltda


PublicidadeLegal

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a17 de abril de 2011 | F4

LAVRADORA RACIONAL DE MADEIRAS LAVRAMA S/A

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em Reais

C.N.P.J N.º 76.506.302/0001-06 Relatório da Diretoria Senhores Acionistas Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, colocando-nos à inteira disposição dos senhores acionistas para esclarecimentos julgados necessários.

31/12/2009

11.591.362,09

13.605.124,10

DISPONIBILIDADES Caixa e Bancos Aplicações Financeiras

2.312.224,47 257.861,97 2.054.362,50

2.697.305,20 359.730,73 2.337.574,47

DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Adiantamentos a Fornecedores Adiantamentos a Empregados Estoques Impostos a Recuperar Outros Créditos

9.156.795,45 3.838.014,62 5.000,00 15.490,14 2.905.586,44 2.389.904,25 2.800,00

10.856.121,22 3.894.452,96 699.257,89 17.581,33 3.922.938,03 2.321.491,01 400,00

122.342,17

51.697,68

20.058.302,29

14.602.874,79

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Depósitos Judiciais Impostos a Recuperar Outros Créditos

2.099.007,03 1.652.105,67 445.967,43 933,93

1.484.941,18 1.452.216,30 31.790,95 933,93

INVESTIMENTOS Participações em Coligadas e Controladas

5.617.368,63 5.617.368,63

5.969.504,69 5.969.504,69

12.338.413,44

7.141.481,86

3.513,19

6.947,06

31.649.664,38

28.207.998,89

CIRCULANTE

DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE NÃO CIRCULANTE

IMOBILIZADO INTANGIVEL

TOTAL DO ATIVO

RECEITA LÍQUIDA CUSTO DAS VENDAS E SERVIÇOS

31/12/2010

31/12/2009

CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias Parcelamento Refis Adiantamentos de Clientes Outros Débitos

3.193.143,99 707.680,84 1.505.601,00 665.811,23 131.233,37 164.918,96 17.898,59

2.043.331,49 638.071,91 673.335,91 512.440,22 47.540,84 100.372,71 35.050,00 36.519,90

NÃO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Tributárias Depósitos Judiciais Provisão CODEF Parcelamento Refis

5.730.509,19 791.514,80 2.229.653,08 234.595,90 1.652.105,67 421.059,13 401.580,61

2.460.036,38 791.514,80 58.613,56 7.132,66 1.452.216,30 150.559,06

22.726.011,20

23.704.631,02

PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL SOCIAL INTEGRALIZADO

2.817.000,00

2.817.000,00

10.304,12

431.363,25

1.645.196,05

1.645.196,05

RESERVA PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL

18.253.511,03

18.811.071,72

TOTAL DO PASSIVO

31.649.664,38

28.207.998,89

RESERVA DE CAPITAL RESERVA DE LUCROS - LEGAL

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - PERÍODO DE 31/DEZ/08 A 31/DEZ/10 - Em Reais CAPITAL SOCIAL INTEGRALIZADO Em 31/DEZ/08

LUCROS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O.

LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS

TOTAL

-

22.345.300,54

-

27.238.859,84

(3.534.228,82)

(3.534.228,82)

431.363,25

1.645.196,05

-

-

-

22.345.300,54 (22.345.300,54) -

-

-

-

(3.534.228,82)

-

3.534.228,82

-

2.817.000,00

431.363,25

1.645.196,05

18.811.071,72

-

-

23.704.631,02

Reclassificação Provisão CODEF Prejuízo Líquido do Exercício Amortização do Prejuízo Líquido do Exercício Em 31/DEZ/10

RESERVA PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL

2.817.000,00

Destinação conforme 89ª AGO de 30/ABR/09 Prejuizo Líquido do Exercício Amortização do Prejuízo Líquido do Exercício Em 31/DEZ/09

RESERVA DE RESERVA DE CAPITAL LUCROS - LEGAL

2010

2009

29.151.017,52 29.131.019,78 19.997,74

19.266.916,98 19.264.661,95 2.255,03

(978.084,62) (252.608,62) (725.476,00)

(1.327.473,32) (983.048,60) (344.424,72)

DEDUÇÕES Devoluções e Abatimentos Impostos e Contribuições

A Diretoria

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (em R$) ATIVO PAS S I V O 31/12/2010

RECEITA BRUTA Venda de Produtos Revenda de Produtos

- (421.059,13) -

-

-

-

(557.560,69)

(421.059,13) (557.560,69)

-

-

-

(557.560,69)

-

557.560,69

-

2.817.000,00

10.304,12

1.645.196,05

18.253.511,03

-

-

22.726.011,20

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Financeiras.

28.172.932,90

17.939.443,66

(21.429.430,56)

(12.906.856,18)

6.743.502,34 (7.292.981,50) (2.121.521,92) (4.300.822,70) 952.623,40 (1.744.525,10) (352.136,06) 475.611,27 (202.210,39) (549.479,16)

5.032.587,48 (8.566.816,30) (2.020.288,38) (2.666.129,39) 1.519.151,44 (3.804.135,00) (2.014.116,55) 573.179,45 (154.477,87) (3.534.228,82)

(3.108,20) (4.973,33) (557.560,69)

(3.534.228,82)

(0,89)

(5,65)

LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas com Vendas Despesas Gerais e Administrativas Receitas Financeiras Despesas Financeiras Equivalência Patrimonial Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais RESULTADO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E IMPOSTO DE RENDA Contribuição Social Imposto de Renda PREZUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Por Lote de 1.000 Ações do Capital Social

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em Reais 2010

2009

Prejuízo do Exercício Ajuste do Resultado das Disponibilidades Geradas na Atividade Operacional Depreciação, Amortização e Exaustão Baixa de Imobilizado Baixa de Outros Investimentos Equivalência Patrimonial

(557.560,69)

(3.534.228,82)

2.279.482,78 1.770.600,31 156.746,41 352.136,06

3.542.494,56 1.420.640,27 107.099,39 638,35 2.014.116,55

(Acréscimo) Descréscimo em Ativos Operacionais Clientes Adiantamentos Estoques Impostos a Recuperar Outros Créditos Despesas Antecipadas Depósitos Judiciais

1.014.615,43 56.438,34 696.349,08 1.017.351,59 (482.589,72) (2.400,00) (70.644,49) (199.889,37)

2.903.009,19 4.028.560,53 (597.331,56) 326.240,19 (823.796,67) (400,00) 7.315,70 (37.579,00)

995.921,57 69.608,93 153.371,01 311.155,77 (18.621,31) (35.050,00) 315.567,80 199.889,37

(69.058,67) 71.070,47 102.820,07 (547.161,31) 4.386,51 11.314,82 250.931,77 37.579,00

3.732.459,09

2.842.216,26

Aplicações no Imobilizado

(7.120.844,43)

(422.295,72)

DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS

(7.120.844,43)

(422.295,72)

Empréstimos e Financiamentos

3.003.304,61

(3.400.560,92)

DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO

3.003.304,61

(3.400.560,92)

DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS APLICADAS NAS ATIVIDADES

(385.080,73)

(980.640,38)

REDUÇÃO NAS DISPONIBILIDADES

(385.080,73)

(980.640,38)

Disponibilidades - no início do período Disponibilidades - final do período

2.697.305,20 2.312.224,47

3.677.945,58 2.697.305,20

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

Acréscimo (Descréscimo) em Passivos Operacionais Fornecedores Obrigações Sociais e Trabalhistas Obrigações Tributárias Outros Débitos Adiantamentos Parcelamento Refis Depositos Judiciais DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS GERADAS (APLICADAS) NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Financeiras.

N O TA S E X P L I C AT I VA S 1 – Contexto Operacional A Companhia tem por objetos a produção, industrialização e comércio de madeiras em geral: brutas, beneficiadas, laminadas, compensadas; fabricação de esquadrias e móveis e exportação dos produtos de sua fabricação. 2 – Elaboração e Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais incluem as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, e os demais pronunciamentos contábeis do Conselho Federal de Contabilidade – CFC e do Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC, e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Considerando que a Lavradora Racional de Madeiras Lavrama S/A faz parte de um grupo de sociedades em que os ativos as elevam para a categoria de sociedades de grande porte, conforme parágrafo único do inciso 3º da Lei nº 11.638/07, essa e suas coligadas estão adotando os procedimentos descritos nesse dispositivo legal e na Lei nº 11.941/09. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos, a Administração aplicou o presente pronunciamento e, por meio de Relatório de Avaliação, realizado por empresa especializada, não apurou evidências de que o valor contábil de seus Ativos exceda ao seu valor recuperável. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa, a Administração incorporou o fluxo de caixa às suas demonstrações financeiras. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 04 – Ativo Intangível, a Administração da Companhia analisou os registros e saldos existentes no Diferido e Imobilizado e, realizou a transferência de valores que se encontram no conceito de Intangível para o grupo específico do Ativo Intangível. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 05 – Divulgação sobre Partes Relacionadas, a Administração da Companhia apurou o saldo e os montantes das transações realizadas com partes relacionadas, cujo resultado é apresentado na Nota 6. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 12 – Ajuste a Valor Presente, a Administração da Companhia aplicou o presente pronunciamento e não apurou valores relevantes que justificassem qualquer ajuste a valor presente, tanto em seus Ativos quanto em seus Passivos. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 18 – Investimento em Coligada e Controlada, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, cujo resultado é apresentado na Nota 7. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 25 – Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento e os valores devidos encontram-se registrados. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 27 – Ativo Imobilizado, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, concomitante ao Pronunciamento Técnico CPC 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos, cujo Relatório de Avaliação, apresentou a vida útil remanescente dos principais grupos de bens. Considerando que a despesa de depreciação a ser obtida com o resultado da vida útil remanescente daqueles bens não apresentou diferença relevante àquela que está sendo registrada, a Companhia optou por manter os critérios atuais, descritos na Nota 3-f. Adicionalmente, conforme permitido pela Interpretação Técnica ICPC 10, a Administração da Companhia optou por não efetuar o registro do custo atribuído (deemed cost). Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 32 – Tributos sobre o Lucro, a Administração da Companhia aplicou esse pronunciamento, tendo contabilizado valores, conforme Nota 12. Em atendimento ao Pronunciamento Técnico CPC 37 – Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade, as demonstrações financeiras foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com os padrões exigidos no referido pronunciamento. Em atendimento aos Pronunciamentos Técnicos CPC 38 – Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração; CPC 39 – Instrumentos Financeiros: Apresentação e CPC 40 - Instrumentos Financeiros: Evidenciação; informamos que a Companhia não firmou contratos que pudessem ser considerados como Instrumentos Financeiros na modalidade de Derivativos. Informamos ainda que os valores registrados como disponíveis e os recebíveis advindos das atividades estão registrados contabilmente a valor de realização para o exercício findo em 31/DEZ/10. 3 – Principais Práticas Contábeis a) Apuração do Resultado As Receitas e as Despesas são reconhecidas com observância ao Regime de Competência. b) Aplicações Financeiras Estão demonstradas pelo custo de aplicação, com a apropriação dos rendimentos correspondentes até a data do balanço. c) Clientes Os Clientes do Mercado Interno estão representados pelos faturamentos, ao custo histórico, e no caso dos Clientes do Mercado Externo os valores estão representados pelo seu custo histórico, acrescido das variações cambiais, ambos reduzidos dos valores julgados suficientes, como Perdas Estimadas em Crédito de Liquidação Duvidosa. d) Estoques Os Estoques de Produtos Acabados foram avaliados, segundo o critério previsto no art. 296, do Regulamento do Imposto de Renda, aprovado pelo Decreto no 3.000/99, enquanto que os demais estoques foram avaliados pelo custo médio de aquisição, os quais não superam os preços de mercado. e) Investimentos As participações relevantes em Coligadas e Controladas são avaliadas pelo método de equivalência patrimonial, considerando seus patrimônios líquidos na mesma data e seguindo as mesmas práticas contábeis. f) Imobilizado Após a aplicação do Pronunciamento Técnico CPC 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos e do Pronunciamento Técnico CPC 27 – Ativo Imobilizado, descritos na Nota 2, a Companhia manteve o Ativo Imobilizado demonstrado ao custo de aquisição, acrescido de correção monetária até 31/DEZ/95. A depreciação é calculada pelo método linear, observadas as taxas admitidas pela Legislação Fiscal, fixadas por espécie de bens, os quais serão depreciados, a partir de 01/JAN/11, pelo critério de vida útil remanescente. g) Intangível Está demonstrado aos valores de custo, acrescidos de correção monetária até 31/DEZ/ 95, ajustados por amortizações acumuladas, calculadas a partir do início em que começam a ser usufruídos os benefícios respectivos, em período que não ultrapassa o prazo máximo estabelecido na Lei no 6.404/76. h) Obrigações Sociais e Trabalhistas São demonstradas, essencialmente, pelos valores relativos salários e ordenados a pagar, pró-labore a pagar, INSS e FGTS a recolher e a férias vencidas, proporcionais e respectivos encargos, calculados até a data do balanço e demais valores conhecidos. i) Obrigações São demonstradas pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas. 4 – Clientes O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Clientes Mercado Interno e Externo Perdas Estimadas em Crédito de Liquidação Duvidosa Total

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 3.838.014,62 4.304.054,00 (409.601,04) 3.838.014,62 3.894.452,96

10 – Empréstimos e Financiamentos

5 – Estoques

O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores:

O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição

Em reais

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 785.674,58 1.219.981,79 2.078.083,46 2.702.956,24 41.828,40 2.905.586,44 3.922.938,03

Produtos Acabados Produtos em Processos Matéria-Prima Total 6 – Partes Relacionadas

Demonstramos as questões relevantes envolvendo partes relacionadas: a) Clientes Do valor total de Clientes, R$ 182.641,69 (R$ 312.070,28 em 31/DEZ/09), refere-se a vendas realizadas a Compensados e Laminados Lavrasul S/A, considerando as mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas. b) Fornecedores Do valor total de Fornecedores (Circulante e Não Circulante), referem-se a partes relacionadas: Descrição Agro Pastoril Novo Horizonte S/A Brascomp - Compensados do Brasil S/A Compensados e Laminados Lavrasul S/A Total

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 791.514,80 791.514,80 107.180,58 172.468,96 28.829,45 963.983,76 927.524,83

Essas transações são originárias de compra de matéria-prima e/ou de itens de ativo imobilizado, sendo efetivadas nas mesmas condições que teriam sido negociadas com partes não relacionadas, exceto quanto ao prazo de realização. 7 – Participações em Coligadas e Controladas Os Investimentos, em Coligadas e Controladas, no valor de R$ 5.617.368,63 (R$ 5.969.463,33 em 31/DEZ/09), estão compostos, substancialmente, por: Descrição

Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09

- Avaliados por Equivalência Patrimonial Brascomp - Compensados do Brasil S/A Compensados e Laminados Lavrasul S/A Itaúba Com. Export. de Manufaturados LTDA. - Avaliados pelo Custo Outras Participações Total

4.162.474,07 1.241.616,11 213.237,09 5.617.327,27

5.240.793,81 523.964,15 204.705,37 5.969.463,33

41,36

41,36

5.617.368,63

5.969.504,69

Em 31/DEZ/10 Descrição

Brascomp Compensados do Brasil S/A Capital Social Integralizado 4.990.057,00 Patrimonio Líquido 20.451.403,07 Resultado do Exercício (5.294.381,94) Saldo Contábil do Investimento 5.240.793,81 Saldo do Investimento 4.162.474,07 Equivalência Patrimonial (1.078.319,74) Participação - Controlada

20,353%

Compensados e Itaúba Com. Export Laminados Lavrasul De Manufaturados S/A. LTDA. 10.936.137,77 50.000,00 7.260.912,94 214.783,53 5.503.993,61 8.573,88 523.964,15 204.705,37 1.241.616,11 213.237,09 717.651,96 8.531,72 Em Percentual 17,100% 99,280%

Brascomp Compensados do Brasil S/A

Compensados e Itaúba Com. Export Laminados Lavrasul De Manufaturados S/A. LTDA.

Em 31/DEZ/09 Descrição

Capital Social Integralizado 4.235.629,00 Patrimonio Líquido 25.749.490,55 Resultado do Exercício 754.428,03 Saldo Contábil do Investimento 5.079.555,56 Saldo do Investimento 5.240.793,81 Equivalência Patrimonial 161.238,25 Participação - Controlada

20,353%

10.936.137,77 3.064.117,81 (12.474.802,83) 2.677.131,54 523.964,15 (2.153.167,39) Em Percentual 17,100%

50.000,00 206.189,94 4.887,30 226.892,78 204.705,37 (22.187,41) 99,280%

8 – Imobilizado O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Custo Depreciação Valor Valor Corrigido Acumulada Líquido Líquido Benfeitorias 521.088,68 (444.096,63) 76.992,05 62.998,73 Imobilizado em Andamento 1.277.767,46 - 1.277.767,46 477.739,09 Edificações 491.953,98 (389.505,11) 102.448,87 122.127,55 Equip. Computadorizados 145.027,70 (93.080,01) 51.947,69 27.026,13 Reflorestamento 52.716,62 (29.841,64) 22.874,98 26.037,94 Ferramentas 24.214,42 (13.583,91) 10.630,51 12.568,35 Instalações 985.743,28 (470.253,71) 515.489,57 381.007,47 Máquinas e Equipamentos 17.990.756,39 (9.555.916,52) 8.434.839,87 5.382.024,89 Móveis e Utensílios 121.350,62 (88.494,44) 32.856,18 28.259,45 Terrenos 600.333,45 - 600.333,45 557.833,45 Tratores e Implementos 1.211.496,87 (256.542,76) 954.954,11 Veículos e Acessórios 497.673,64 (240.394,94) 257.278,70 63.858,81 Total 23.920.123,11 (11.581.709,67) 12.338.413,44 7.141.481,86 Descrição

A movimentação do imobilizado para o exercício findo em 2010 foi a seguinte: Em Reais Descrição Saldo Líquido Adições Baixas Depreciação Saldo Líquido em 31/DEZ/09 em 31/DEZ/10 Benfeitorias 62.998,73 17.244,00 (3.250,68) 76.992,05 Imob em Andam. 477.739,09 860.306,64 (60.278,27) - 1.277.767,46 Edificações 122.127,55 - (19.678,68) 102.448,87 Equip. Comput. 27.026,13 38.105,00 - (13.183,44) 51.947,69 Reflorestamento 26.037,94 (3.162,96) 22.874,98 Ferramentas 12.568,35 1.315,60 (3.253,44) 10.630,51 Instalações 381.007,47 211.066,03 - (76.583,93) 515.489,57 Máq. e Eqtos. 5.382.024,89 4.576.696,01 (83.810,93) (1.440.070,10) 8.434.839,87 Móveis e Utensílios 28.259,45 9.700,00 (5.103,27) 32.856,18 Terrenos 557.833,45 42.500,00 600.333,45 Tratores e Implem. - 1.112.899,96 - (157.945,85) 954.954,11 Veículos e Aces. 63.858,81 251.011,19 (12.657,21) (44.934,09) 257.278,70 Total 7.141.481,86 7.120.844,43 (156.746,41) (1.767.166,44) 12.338.413,44 9 – Intangível O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Em Reais 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Descrição Custo Amortização Valor Valor Corrigido Acumulada Líquido Líquido Software 31.467,00 (28.987,65) 2.479,35 5.913,22 Marcas e Patentes 1.033,84 1.033,84 1.033,84 Total 32.500,84 (28.987,65) 3.513,19 6.947,06

Descrição

31/DEZ/10 Circulante

Vencimento Final

31/DEZ/09 Não Circulante/ Circulante Não Circulante

Empréstimo Estrangeiro Itaú BBA Nassau Branch

2013

693.021,48 1.056.290,53 693.021,48 1.056.290,53

-

Finames Itau - Indumec Itau - Komatsu Itau - J Malucelli ABC Brasil - Linck ABC Brasil - Stemac ABC Brasil - Atlas Copco Itau - Nórdica Veículos Itau - Eletro Diesel Manos

2011 2013 2013 2015 2015 2015 2013 2013

58.613,57 123.666,69 300.333,31 42.666,64 85.333,36 105.263,16 359.649,16 61.473,67 220.280,71 22.909,09 78.272,71 58.666,70 117.333,30 6.080,00 12.160,00 479.339,52 1.173.362,55

199.988,56 199.988,56

Adto. Contratos de Câmbio Banco Banrisul Banco Bradesco S/A Banco Itau S/A Banco ABC Brasil S/A

2010 2010 2010 2011

333.240,00 333.240,00

-

435.300,00 78.354,00 18.306,91 531.960,91

1.505.601,00 2.229.653,08

731.949,47

Total

O Empréstimo Estrangeiro está sujeito à variação da taxa do dólar, acrescido de taxa de juros de 7% a.a., tendo como garantia aval.

Com o apoio do ex-governador paulista José Serra, o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), apresentou nesta terça-feira, 12, um projeto de lei que viabiliza a realização de campanha eleitoral durante as prévias partidárias na eleição presidencial de 2014. A medida, que se adotada valerá para todos os partidos, foi apresentada por Dias em reunião de bancada com a presença de Serra, que defendeu o projeto. Na avaliação de tucanos favoráveis às eleições primárias, a antecipação do processo estimularia a “oxigenação” do partido, já que exigiria o recadastramento de filiados e uma campanha massiva para novas filiações. “Toda vez que um partido realiza a democracia interna, ele se fortalece perante a sociedade”, avalia o líder tucano na Câmara dos Deputados, Duarte Nogueira (SP). “O governador Geraldo Alckmin também já se manifestou favoravelmente às prévias”, acrescenta. As eleições primárias chegaram a ser defendidas dentro do PSDB em 2009 pelo então governador de Minas Aécio Neves, que postulava a indicação à Presidência. Na época, Serra resistiu à proposta e conseguiu que Aécio retirasse sua candidatura. Com o mineiro visto como favorito para 2014, a situação se inverteu. “Ele (Serra) tem simpatia pela proposta. Acredita que possa ser o instrumento de revitalização partidária que todos desejam.

Os Finames estão pré-fixados à taxa mínima de juros de 4,5% a.a. e máxima de 6,3% a.a., mais TJLP, tendo como garantia a alienação fiduciária dos bens. Os adiantamentos de contratos de câmbio estão sujeitos à variação da taxa do dólar, tendo como garantias fiança e aval. O perfil de vencimento de Empréstimos e Financiamentos, do Não circulante, está assim demonstrado: Descrição 2012 Empréstimo Estrangeiro Finames Total

710.472,86 543.341,97 1.253.814,83

2013

Em reais 2014

2015

Total

345.817,66 351.109,86 189.645,93 89.264,80 696.927,52 189.645,93 89.264,80

1.056.290,52 1.173.362,56 2.229.653,08

11 – Parcelamento REFIS A Companhia, aproveitando-se dos benefícios instituídos pela Lei No 11.941 de 27/ MAIO/09, com a obtenção de redução no valor de R$ 83.100,80, optou pelo parcelamento de débitos originários de Autos de Infração de INSS, em 30 prestações mensais, no valor de R$ 8.603,18 cada. Adicionalmente, em 30/DEZ/10, a Companhia entrou com um novo parcelamento, com a obtenção de redução no valor de R$ 162.347,35, optando pelo parcelamento de débitos originários do ITR, em 60 prestações mensais, no valor de R$ 5.140,07 cada. A consolidação definitiva dessas obrigações se dará durante o exercício de 2011. 12 – Imposto de Renda e Contribuição Social No exercício de 2010, a Companhia adotou o cálculo da Contribuição Social e Imposto de Renda sobre o lucro, aplicando as regras do Regime de Tributação, com base no Lucro Real. A provisão de Imposto de Renda é constituída à alíquota de 15%, acrescida (quando aplicável) de adicional de 10% sobre o lucro tributável; e a de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é constituída à alíquota de 9%, antes do Imposto de Renda ajustado nos termos da legislação vigente. Os valores de Imposto de Renda e Contribuição Social que afetaram o Resultado do Exercício de 2010 são demonstrados como segue: Descrição

Em Reais

Resultado antes do IRPJ/CSLL e após CSLL (+) Contribuição Social (+) Adições (-) Exclusões (-) Compensações (=) Base de Incidência da CSLL e IRPJ IRPJ e CSLL no Resultado do Exercício (-) Incentivos PAT (=) Total IRPJ e CSLL

CSLL (549.479,16) 1.505.361,94 (906.546,28) (14.800,95) 34.535,55 3.108,20 3.108,20

IRPJ (552.587,36) 3.108,20 1.505.361,94 (906.546,28) (14.800,95) 34.535,55 5.180,33 (207,00) 4.973,33

13 – Capital Social Pertence inteiramente aos acionistas domiciliados no País e está composto de 626.000.000 ações ordinárias nominativas, no valor nominal de R$ 4,50 por lote de mil ações, em 31/DEZ/10 e 31/DEZ/09. 14 – Destinações Propostas a) Reserva Legal Em 31/DEZ/10 não foi calculada em virtude de não ter sido apurado resultado positivo. Além disso, informamos que o saldo existente já atingiu o limite definido nos termos do art. 193, da Lei no 6.404/76. b) Dividendos Em 31/DEZ/10 não foram calculados, em virtude de não ter sido apurado resultado positivo. 15 – Seguros A Companhia possui cobertura de seguros contra incêndio e riscos diversos, em níveis adequados para os Estoques e Imobilizado, bem como para os veículos, com a seguinte composição: Bens Segurados Faz. Cacumbangue - Cel. Dom. Soares/PR - Fab/Casas Edifícios - Antonina/PR Escritório Rua Amazonas Toyota Hilux /SRV 3.0 4x4 Placa AGR 9922 Escavadeira Komatsu Mod PC 160 LC+73 série B20843 Cabeçote Processador Valmet Mod 360.2 série 212308 Jeep Gran Cher Laredo 4x4 4.0 V6 G Placa AGR 0151 Volkswgen Kombi Standard 1.4 Mi Placa ASN 0639 Caminhão Volvo VM-310 chassi 93KKOFOD6BE124465 Trator Volvo Mod L70F 2010 chassi VCE070FE00071800 Total ISAC CHAMI ZUGMAN DIRETOR-PRESIDENTE

Vigência

Em Reais

17/MAI/10 a 17/MAI/11 09/NOV/10 a 09/NOV/11 20/JUN/10 a 20/JUN/11 02/AGO/10 a 02/AGO/11

15.500.000,00 600.000,00 1.800.000,00 200.000,00

19/ABR/10 a 19/ABR/11

530.000,00

19/ABR/10 a 19/ABR/11

180.000,00

20/JUL/10 a 20/JUL/11

200.000,00

20/JUL/10 a 20/JUL/11

200.000,00

22/OUT/10 a 22/OUT/11

200.000,00

28/SET/10 a 28/SET/11

500.000,00 19.910.000,00

ANA MARIA DOS SANTOS YOSHIDA CONTADORA - CRC/PR – 017018/O-6

Não faça sua publicação sem antes nos consultar. Publicidade Legal é coisa séria. Estamos há 35 anos no mercado. Fone 3333-9800 CMYK

Serra apoia projeto que viabiliza eleições primárias em 2014

Para Alckmin, avaliação negativa sobre artigo de FHC foi 'equivocada' O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), considerou hoje "equivocada" a avaliação negativa feita sobre o artigo escrito pelo expresidente Fernando Henrique Cardoso e divulgado na segundafeira, sob o título "O Papel da Oposição". No texto, feito para a revista Interesse Nacional, o tucano criticou o que chamou de "falsidades ideológicas" do PT e ressaltou que o PSDB deve se aproximar da classe média e parar de disputar com o PT a influência sobre "os movimentos sociais e o povão".Após evento na capital paulista, o governador elogiou o expresidente como o grande responsável pela inclusão social no País e ressaltou que as iniciativas de um governo precisam ser sempre voltadas aos mais carentes. "Eu acho que o texto foi tirado do contexto, uma avaliação equivocada", afirmou. "Ele (FHC) é o grande responsável pela inclusão social no Brasil, por atender a população mais pobre". O governador citou iniciativas do ex-presidente que, segundo ele, ajudaram a população de menor renda. "O Plano Real, por exemplo, à medida que tirou o imposto inflacionário, melhorou a renda da população".


Internacional Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | F5 | Indústria&Comércio

ECONOMIA

Para Dilma, agenda dos Brics não prevê confronto com países Países buscaram interesses comum e defender uma reforma no sistema monetário

A

tao, da China, Dimitri Medvedev, presidente da Rússia, e Manmohan Singh, premiê da Índia. Sobre a Líbia, tema sobre o qual todos os membros dos Brics se abstiveram, exceto da África do Sul, que votou a favor da resolução da ONU, os líderes demonstraram preocupação com as mortes de civis, resultantes dos bombardeios autorizados pela ONU, e reiteraram a importância da busca por soluções diplomáticas.

ma monetário é dado no mesmo parágrafo em que os países dizem reconhecer que a crise internacional expôs as deficiências do sistema atual. Os países se comprometem a fortalecer a parceria dos Brics pelo desenvolvimento de forma pragmática e reitera que essa cooperação é “inclusiva e não de confronto”. O comunicado dos cinco países pediu atenção também para os riscos do grande fluxo de capitais para as economias emergentes. Esse fluxos, em países como o Brasil, com câmbio livre, geram valorização da moeda local e consequências variadas, como a perda de competitividade de exportações.

presidente Dilma Rous seff disse, durante o ter ceiro encontro de cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), na China, que as cinco nações “não se organizam contra nenhum grupo de países” e defendeu que a “verdadeira prosperidade tem de ser compartilhada por todos”. “A agenda dos Brics não se define por oposição a nenhum outro grupo. Queremos agregar”, disse. “Somos a favor de um mundo multipolar, sem hegemonias nem zonas de influência”, acrescentou. Durante o encontro, os países buscaram consenso em alguns temas de interesse comum e defenderam uma reforma no sistema monetário internacional “com reservas internacionais de ampla base”, uma alusão às propostas de diversificar a atual dependência do dólar como moeda de referência. O documento faz menção ao apoio dos países à atual discussão sobre a composição da cesta de moedas do FMI. Não houve, no entanto, menção à proposta especifica de incluir o yuan nesse sistema de reservas do fundo — o Direito Especial de Saque (SDR, na sigla em inglês). O apoio à reforma do siste-

REFORMAS

CRÉDITO Entre os planos de ação, previstos pelo comunicado conjunto, está uma maior cooperação entre os bancos de desenvolvimento de cada país para fomentar investimentos. Dessa cooperação, já surgiu uma proposta, acatada pelos cinco países, de desenvolver um mecanismo de concessão de crédito cruzado em moeda local. Após a declaração dos líderes, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que esse mecanismo de financiamento em moeda local teria como ob-

jetivo principal estimular e facilitar investimentos entre os países do grupo. Os países delinearam também bases para uma cooperação maior na ONU (Organização das Nações Unidas) destacando que, neste ano, todos os cinco membros do grupo fazem parte do Conselho de Segurança. No entanto, apenas Rússia e China são membros permanentes com

poder de veto. “Estamos todos os Brics no Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o poder de desenvolver um trabalho conjunto e entendimento de que o uso da força não pode ser precipitado e a diplomacia e negociação devem ser privilegiadas”, disse Rousseff ao lado do presidente Jacob Zuma, da África do Sul, do presidente Hu Jin-

O comunicado conjunto reiterou o apoio dos países do grupo a uma reforma nos organismos multilaterais, como a ONU, o Banco Mundial e o FMI, que aumente a participação dos países emergentes e em desenvolvimento. O presidente russo falou da importância de se garantir a segurança alimentar e disse que o grupo tem visões compartilhadas sobre a necessidade de redução da volatilidade no preço das commodities. Ainda não está claro se o Brasil assumiu algum compromisso concreto a esse respeito, já que é contra a imposição desse tipo de controle. O tema será discutido no encontro do G-20 na França na semana que vem.

SIDERQUIMICA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS S.A. CNPJ Nº 73.586.976/0001-61

RELATÓRIO DA DIRETORIA De acordo com as disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V. Sas. as demostrações contábeis do período findo em 31 de dezembro de 2010, colocando-nos à disposição dos senhores para quaisquer esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários. São José dos Pinhais, 12 de abril de 2.011.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO 2010 E 2009 - (Em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DEZEMBRO 2010 e 2009 - (Em reais) PASSIVO ATIVO 2010 2010 2009 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponível e aplicações financeiras 463.713 221.057 Fornecedores 24.452.496 Contas a receber 37.231.552 44.502.561 Instiuições financeiras 33.197.084 Adiantamento para Importação 601.869 1.644.315 Obrigações trabalhistas 832.279 Estoques 38.201.527 21.597.913 Impostos e taxas a recolher 9.056.415 Impostos a recuperar 8.142.771 3.721.917 Outras contas a pagar 1.736.006 Outros creditos 3.583.394 3.702.894 Dividendos propostos 2.900.000 Despesas do exercicio seguinte 528.614 432.996 72.174.281 Antecipação Distribuição de Dividendos 7.942.350 2.330.150 NÃO CIRCULANTE 96.695.789 78.153.803 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Instituições Financeiras 20.350.263 Outras Contas a receber 2.400.000 2.400.000 Conta Corrente Pessoa Ligada 3.323.950 3.323.950 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 5.723.950 5.723.950 PERMANENTE Capital social 21.476.363 Investimentos 231.515 212.596 Reserva Legal 333.519 Imobilizado 11.717.161 9.737.231 Reserva de Lucros 67.201 Intangivel 33.212 8.803 11.981.888 9.958.630 21.877.083 TOTAL DO ATIVO 114.401.627 93.836.383 TOTAL DO PASSIVO 114.401.627 AS NOTAS EXPLICATIVAS SÃO PARTE INTEGRANTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO EM 31 DEZEMBRO 2010 e 2009 - (Em reais) 2010 RECEITA OPERACIONAL Receita de vendas de produtos e serviços 233.873.728 Impostos incidentes sobre vendas (47.045.736) Vendas canceladas e amostras (2.811.998) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 184.015.994 CUSTO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS VENDIDOS LUCRO BRUTO

LUCRO (PREJUÍZO) OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Despesas financeiras LUCRO OPERACIONAL OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS LUCRO ANTES DAS PROVISÕES PROVISÃO IRPJ / CSLL LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO LUCRO POR AÇÕES

17.760.322 37.098.545 752.263 1.834.402 772.865 1.009.312 59.227.710

12.931.407 12.931.407 21.476.363 178.528 22.375 21.677.266 93.836.383

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM 31 DE DEZEMBRO 2010 E 2009 - (Em reais) 2009

216.968.845 (45.072.459) (2.913.599) 168.982.786

(128.089.998) (118.546.111) 55.925.996 50.436.675

DESPESAS/RECEITAS - OPERACIONAIS Vendas (22.755.849) Gerais e administrativas (25.369.114) (48.124.963)

2009

(18.133.131) (20.733.785) (38.866.915)

7.801.032

11.569.759

4.495.709 (8.427.343) (3.931.634)

2.405.535 (12.611.263) (10.205.728)

3.869.398

1.364.031

820.136

979.689

4.689.534

2.343.720

(1.589.718)

(1.281.286)

3.099.817 0,14

1.062.434 0,05

AS NOTAS EXPLICATIVAS SÃO PARTE INTEGRANTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

2010 2009 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro líquido 3.099.817 1.062.434 Ajustes por: Depreciação e amortização 2.104.773 1.819.047 5.204.590 2.881.481 Aumento/Diminuição em fornecedores 6.692.174 (4.825.389) Aumento/Diminuição em outras contas a pagar 10.155.858 (907.985) Aumento/Diminuição nas contas a receber 7.271.009 (3.039.930) Aumento/Diminuição nos estoques (16.603.615) 9.291.469 Aumento/Diminuição nas outras contas a receber (8.966.725) 3.879.450 Caixa líquido proveniente das atividades operacionais 3.753.291 7.279.096 Fluxos de caixa das atividades de investimento Equivalência patrimonial (18.919) 61.188 Venda imobilizado - valor residual 1.495.388 221.472 Aquisição imobilizado (5.604.499) (1.840.278) Aquisição investimento Caixa líquido usado nas atividades de investimento (4.128.030) (1.557.618) Fluxos de caixa das atividades de financiamento Empréstimos líquidos tomados 3.517.395 (4.706.882) Dividendos propostos (2.900.000) (1.009.312) Integralização de capital Ajuste de exercício anteriores Caixa líquido usado nas atividades de financiamento 617.395 (5.716.194) Redução líquida de caixa e equivalente de caixa 242.656 5.284 Caixa e equivalente de caixa no início do período 221.057 215.773 Caixa e equivalente de caixa no fim do período 463.713 221.057 242.656 5.284 AS NOTAS EXPLICATIVAS SÃO PARTE INTEGRANTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO 2010 E 2009 - (Em reais) CAPITAL SOCIAL 21.476.363

RESERVA LEGAL 125.406

RESERVA DE LUCROS 22.375 1.062.434 -

TOTAL

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 21.624.144 LUCRO LIQUIDO DO EXERCICIO 1.062.434 AJUSTE DE EXERCICIOS ANTERIORES DESTINAÇÕES: RESERVA LEGAL 53.122 (53.122) DIVIDENDOS PROPOSTOS (1.009.312) (1.009.312) AUMENTO DE CAPITAL SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 21.476.363 178.528 22.375 21.677.266 LUCRO LIQUIDO DO EXERCICIO 3.099.817 3.099.817 DESTINAÇÕES: RESERVA LEGAL 154.991 (154.991) DIVIDENDOS PROPOSTOS (2.900.000) (2.900.000) SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 21.476.363 333.519 67.201 21.877.082 AS NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO SÃO PARTE INTEGRANTE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CMYK

1-CONTEXTO OPERACIONAL A companhia, com sede e Unidade Industrial em São José dos Pinhais- Paraná, à BR 376 Km 625, tem como atividades preponderantes a Pesquisa, desenvolvimento, industrialização e Comercialização de Especialidades Quimicas. 2-APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, Lei nº 6.404/76, e as alterações na legislação societária introduzidas pela Lei nº 11.638/07, aprovada em 28 de dezembro de 2007 e os Pronunciamentos Contábeis (CPC). As demonstrações financeiras são de responsabilidade da administração da sociedade. 3 - RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS. 3- 1 Valor presente. A empresa elaborou cálculos relacionados ao ajuste a valor presente de ativos e passivos considerando os prazos médios de recebimentos e pagamentos, os quais não indicaram nenhum ajuste a valor presente a ser registrado. 3 - 2 Iinstrumentos financeiros - Valor Justo Os valores registrados de disponibilidades, contas a receber e contas a pagar se aproximando valor justo, conforme orientação do CPC 14 e IN CVM 475/08, devido ao vencimento a curto prazo deste instrumento. 3 - 3 Resumo das demais práticas contábeis: a- Imobilizado - estão avaliados ao custo, deduzidos das depreciações pelo método linear, de acordo com as taxas admitidas pela legislação fiscal vigente. b- Os ativos realizáveis e os passivos exigíveis em prazo de um ano são demonstrados como circulante, acrescidos, quando devido, dos rendimentos e encargos proporcionais até a data do balanço. c-Os ativos e passivos em reais, sujeitos a indexação contratual e legal, são corrigidos nas datas dos balanços, pela aplicação correspondente ao índice. Ganhos e perdas decorrentes das variações monetárias, são reconhecidos no resultado em bases correntes. d- Investimentos - São decorrentes de participações societárias, avaliadas pelo método da equivalência patrimonial. e-O Imposto de Renda e a Contribuição Social, são registrados pelo regime da competência de exercicios,calculados levando-se em consideração a legislação fiscal e reconhecimentos do resultado dos exercícios. f- A preparação das demonstrações financeiras, requer que a Administração efetue estimativa e adote premissas, no seu melhor julgamento, que afetam os montantes apresentados de ativos e passivos, assim como os valores de receitas e despesas. Os valores reais podem diferir daqueles estimados. g- Os resultados são apurados pelo regime de competência dos exercicios. 4- ESTOQUES Matéria-Prima Embalagens Produto Acabado Custo Acabado em Consignação 5- IMOBILIZADO Equipamentos Administrativos/ Industriais Edificações Imóveis Instalações Administrativas/Industriais Móveis e Utensílios Terrenos Veículos Menos: Depreciação Acumulada Imobilizações em Andamento Intangível TOTAL

2.010 28.944.323 412.655 8.107.247 737.303 38.201.527

2.009 17.716.561 308.300 2.409.132 1.163.919 21.597.913

10.204.805 1.264.436 154.557

8.531.193 1.264.436 479.557

2.841.951 504.549 31.078 5.219.586

2.795.937 486.599 1.181.078 2.763.482

(8.910.434) 406.633 33.212 11.750.373

(8.098.911) 333.861 8.803 9.746.034

6- PATRIMÔNIO LÍQUIDO a- Capital Social O Capital Social, de R$21.476.363,00, esta dividido em 7.158.072 ações ordinárias com direiro a voto, e 14.318.291 ações preferenciais sem direito a voto. b- Dividendos Aos acionistas é garantido, de acordo com a Lei 6404/76 e o Estatuto Social, dividendo mínimo de 25% do lucro líquido do exercício, ajustado de acordo com a legislação. A proposta de destinação do dividendo mínimo obrigatório aos acionistas será efetivada na Assembléia Geral Ordinária a que serão submetidas as demonstrações financeiras do exercício. c- Reserva Legal É constituída a razão de 5% do lucro líquido apurado em cada exercício social, nos termos do artigo 193 da Lei 6404/76, até o limite de 20% do capital social. 7- SEGUROS A política da companhia é contratar cobertura de seguros para os bens do imobilizado sujeitos a risco e por montantes suficientes para cobrir eventuais sinistros.Modalidades contratadas: Incêndio, danos materiais e pessoais, responsabilidade civil e roubos.

VALDIVINO JOSÉ DOS REIS CPF:393.191.059-87

AMARILDO T. COLODEL CONTADOR CRC: 032.956/O-0 PR.

Grã-Bretanha prepara mais restrições à imigração O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, anunciou que será adotada uma política de controle mais rígido sobre a imigração no país. Segundo ele, há “abusos” e fraudes no sistema que autoriza estrangeiros a viver no país. Em discurso na cidade de Southampton (no Sul do país), Cameron disse que quer manter a “imigração boa” e restringir a “imigração em massa”. Nos próximos 12 meses, só poderão entrar na GrãBretanha, no máximo, 20,7 mil trabalhadores qualificados de fora da União Europeia e mil considerados “talentos excepcionais”, como cientistas, acadêmicos e artistas. Segundo o primeiro-ministro, as medidas vão ajudar a limitar a 80 mil o número de vistos anuais concedidos a estudantes. Cameron afirmou que a ideia é limitar a emissão de vistos concedidos a estudantes, a maridos e mulheres de residentes, a trabalhadores qualificados e a solicitantes de asilo. De acordo com ele, será combatida a eventual prática de casamentos forjados para a obtenção de documentos. O primeiro-ministro disse ainda que a imigração causa tensão e “desconforto” em comunidades britânicas e que muitos imigrantes não têm interesse em se integrar à sociedade local.

Conselho da Europa critica restrições à entrada de imigrantes do Norte da África O Conselho da Europa criticou a política adotada por alguns governos que integram o bloco da União Europeia de impor restrições à entrada de imigrantes do Norte de África. A declaração, emitida pelo órgão, foi uma resposta aos governos da França e da Itália que anunciaram limitações ao ingresso de pessoas oriundas de vários países africanos. No fim deste mês, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, reúnem-se para discutir a questão dos imigrantes africanos. Nos últimos meses aumentou a procura deles por refúgio em decorrência da crise política que atinge os países do Norte da África. No documento, divulgado hoje, o Conselho da Europa informou ser “inaceitável” que os governos europeus enviem os imigrantes indesejados para países que “não respeitam o direito internacional dos refugiados e os direitos humanos”. A crítica do Conselho da Europa é uma mensagem aos italianos que vetaram a entrada dos imigrantes e os enviaram de volta aos países de origem. O governo da Itália assinou acordos para repatriar cidadãos procedentes da Tunísia e Líbia.


Internacional Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2011 | F6 | Indústria&Comércio

SISTEMA FISCAL

Obama propõe reduzir em US$ 4 bi o déficit público dos EUA Sugestão do presidente inclui diminuir despesas do plano de saúde do aposentado

O

toda a sociedade. A sugestão do presidente inclui diminuir despesas do plano de saúde do aposentado e reestruturar o sistema fiscal para que sejam eliminadas as isenções que beneficiam os indivíduos e empresas. "Perdemos o curso [dos acontecimentos] e devemos viver dentro de nossas possibilidades, devemos reduzir o déficit e voltar a um caminho que nos permita pagar nossa dívida", disse Obama. Segundo o presidente, o foco da sua campanha à reeleição será a saúde. Em 2012, há eleições presidenciais nos Es-

presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, propôs um plano para reduzir o déficit fiscal em US$ 4 trilhões nos próximos 12 anos - terminando em 2023. A dívida pública norte-americana é US$ 14,3 trilhões. Obama sinalizou que o corte vai afetar as Forças Armadas e os chamados ricos norte-americanos, mas deve proteger aposentados e a classe média. O anúncio ocorreu na Universidade George Washington, na capital norte-americana. As medidas, segundo Obama, exigirão “sacrifícios” de

tados Unidos e ele já anunciou que tentará um segundo mandato. Os cortes deverão poupar programas de saúde pública, segurança social e de ajuda aos desfavorecidos. O presidente anunciou o fim dos benefícios fiscais para os mais ricos, aprovados pelo seu antecessor, George W. Bush, e renovados em dezembro passado como parte de um acordo com os republicanos para ampliar os cortes de impostos para a classe média. "Não podemos permitir cortes de impostos para todos os milionários e bilionários”. Segundo Obama, também

serão revisados os valores destinados às Forças Armadas. "Assim como temos de encontrar maneiras de economizar em programas domésticos, nós teremos de fazer o mesmo com a [área da] Defesa".“Não só temos de eliminar o desperdício e melhorar a eficiência e a competitividade, mas também proceder a uma revisão fundamental das missões dos Estados Unidos e mudanças no nosso papel no mundo”. Durante o discurso, Obama indicou que pretende conter o envolvimento das tropas norte-americanas em ações militares no mundo.

Uruguai aprova fim da Lei da Anistia em votação polêmica Observador, informou que os senadores aprovaram especificamente quatro artigos da chamada ‘Lei da Caducidad’, sob argumento de que “violam a constituição e carecem de valor jurídico”. As mudanças afetam os militares que ainda não respondem a processo judicial, segundo parlamentares da base governista e da oposição. Segundo a imprensa local, o resultado foi comemorado no plenário da Casa. “Vai ser aber-

O Senado uruguaio apro vou no fim da noite des ta terça-feira, 11, um projeto de lei que anula a Lei de Anistia do país. A medida poderá abrir caminho para o julgamento de militares policiais acusados de crimes na ditadura militar, entre 1973 e 1985. Após mais de 12 horas de debates, a votação terminou quase empatada, com 16 votos a favor da anulação e 15 votos contra. O site Observa, do jornal El

ta uma discussão jurídica sobre esta medida a partir de agora”, disse o senador da oposição e ex-presidente, Luis Alberto Lacalle.

do legislativo. Mujica era guerrilheiro quando foi preso, inclusive em regime de prisão solitária, nos anos da ditadura uruguaia.

O senador Rafael Michelini, que apoiou o fim da lei de anistia, afirmou que “hoje é um dia histórico”. O texto deverá ser enviado para a Câmara dos Deputados e a expectativa é que caberá ao presidente José ‘Pepe’ Mujica sancionar ou rejeitar a medida

Condenação

“Dia histórico”

A votação contou com apoio de grande parte da base governista, mas gerou questionamentos entre alguns parlamentares do bloco. A chamada Lei de Caducidad entrou em vigor em 1986 e foi submetida a dois plebisci-

tos populares - em 1989 e em 2009 - que a mantiveram em vigor. No entanto, mais recentemente a lei tem sido alvo de ataques neste país de pouco mais de três milhões de habitantes. Mais importante, no fim de março, a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) condenou o Uruguai em um caso interposto por familiares de duas vítimas da ditadura militar e determinou que o país

Arauco do Brasil S.A. C.N.P.J. MF Nº 76.518.836/0001-44

Evo Morales enfrenta a pior crise desde que assumiu o governo da Bolívia Há uma semana, o presidente da Bolívia, Evo Morales, enfrenta a mais aguda das crises já registradas durante seu governo. Várias categorias profissionais, lideradas por professores e aposentados da zona rural, comandam protestos em La Paz reivindicando reajuste médio de 15% nos salários e benefícios. Os protestos geraram embates entre manifestantes e policiais. Em reação aos protestos, o governo convocou reuniões extraordinárias e chamou os manifestantes para o diálogo. Paralelamente, o ministro da Casa Civil da Presidência, Oscar Coca, assegurou hoje (14) que os manifestantes não correm risco de perder os empregos. Porém, Coca cobrou deles o fim das paralisações e o retorno ao trabalho. As informações são da agência estatal de notícias a ABI – Agência Boliviana de Informações. Há sete dias, professores, aposentados da zona rural, motoristas de transportes públicos e de caminhões, assim como funcionários do Conselho Nacional de Saúde, protestam na Bolívia.

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e as demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2.010. Os documentos referentes a essas demonstrações estão à disposição dos senhores acionistas na sede da companhia. Curitiba, 22 de março de 2.011 A ADMINISTRAÇÃO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais 2.010 ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar Demais Ativos Circulantes

7.472 84.993 121.261 21.080 12.771 247.577

NÃO CIRCULANTE REALIZAVEL A LONGO PRAZO Partes Relacionadas Impostos a Recuperar Depósitos Judiciais e Outras

TOTAL DO ATIVO

40.966 82.518 78.622 17.779 10.685 230.570

33.515 6.189 39.704

5.259 35.689 7.048 47.996

55.286 805.082 116.784 977.152

79.611 704.267 115.866 3.623 903.367

1.264.433

1.181.933

Investimentos Imobilizado Intangível Diferido

2.010

2.009

35.553 5.499 21.743 20.349 15.285 1.738 6.271 16.300 122.738

39.809 7.104 26.556 32.926 39.094 2.822 12.309 160.620

8.533 158.261 229.492 96.840 493.126

1.251 144.796 219.330 116.537 481.914

2.009 PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Salários e Encargos Sociais Impostos e Contribuições Financiamentos Partes Relacionadas Adiantamento de Clientes Dividendos a Pagar Demais Passivos Circulantes NÃO CIRCULANTE Financiamentos Tributos diferidos Provisão para Tributos e Outras Partes Relacionadas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reservas Legal Reservas de Lucros a Realizar Ajuste de Avaliação Patrimonial

558.119 1.507 1.895 8.082 129.584 (50.618) 648.569 1.264.433

TOTAL DO PASSIVO

511.667 1.507 2.356 6.762 59.693 (42.586) 539.399 1.181.933

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Em milhares de Reais

Em 1º de janeiro de 2009 Aumento de Capital Realização da Reserva de Reavaliação Lucro Líquido do Exercício Reserva de Lucros a Realizar Em 31 de dezembro de 2009

511.667

419

1.088

1.793 (445)

563

6.762

(16)

59.693 461 8.032

(42.586)

419

1.088

1.348

547

8.082

61.398 129.584

- 539.399

(8.032)

1.320

(50.618)

68.989 (1.320) (6.271) (61.398) -

46.452 68.989 (6.271) 648.569

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.008, 2009 E 2.010 a) Alteração na Lei das Sociedades por Ações As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil com base nas disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76, Lei 11.638/97 e CPCs). (b) Aspectos Societários Em 07 de Abril de 2010 foi efetuada a incorporação total da Empresa Dynea Brasil S/A sendo a mesma extinta nessa data. Em 31 de Dezembro de 2009 foi efetuada a incorporação total da Empresa Arauco do Brasil S/A (Antes denominada Tafisa Brasil S/A), sendo a mesma extinta nessa data. (c) Apuração do Resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios e não incluiu o efeito da inflação sobre as demonstrações financeiras.

(d) Estoques Os estoques são demonstrados ao custo médio, inferior aos custos de reposição ou aos valores de realização. (e) Permanente As participações em sociedades controladas são avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e as depreciações do imobilizado são calculadas pelo método linear. (f) Passivo Circulante e Não Circulante São demonstrados pelos valores atualizados para a data do balanço. (g) Capital Social O capital social subscrito e integralizado em 31 de dezembro de 2010 é R$ 558.119 mil (2009 R$ 511.667), representado por 42.139.695 ações ordinárias nominativas sem valor nominal (2009 - 38.679.369).

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

DIRETORIA EXECUTIVA

Matías Jorge Domeyko Cassel - Presidente Juan Alvaro Saavedra Florez Manuel Enrique Bezanilla Urrutia Cristián Eustáquio Infante Bilbao Gonzalo José Zegers Ruiz-Tagle Antonio Roberto Luque Guerrero

Carlos Nino Bianchi Figueroa - Diretor Presidente Leandro Gervasio Suski - Diretor Davi Augusto Olbertz - Diretor Roberto Trevisan - Diretor Aldo Isaac Lopez Morales - Diretor Heron Pereira - Diretor Nicolás Felipe Correa Sorraghan - Diretor Deise Martins da Silva - Diretora Adir Cortiano Contador CRC-PR 026401/O-0

CMYK

RECEITA BRUTA DE VENDAS Impostos e Taxas sobre Vendas RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS Custo dos Produtos Vendidos LUCRO BRUTO Despesas com Vendas Despesas Administrativas Outras Receitas (Despesas)

2.010

2.009

1.000.589

494.617

(234.724)

(134.617)

765.865

360.000

(594.299)

(289.641)

171.566

70.359

(68.901) (25.916) 2.261 (92.556)

(28.856) (16.753) (4.807) (50.416)

LUCRO OPERACIONAL ANTES DAS PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS E DO RESULTADO FINANCEIRO 79.010

19.943

RESULTADO DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS Equivalência Patrimonial 1.630

4.203

RESULTADO FINANCEIRO Receitas (Despesas) Financeiras Líquidas

(6.310)

7.065

LUCRO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO IMPOSTO DE RENDA

74.330

31.211

Imposto de Renda e Contribuição Social

(5.341)

7.405

LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 68.989

38.616

1,64

1,00

Lucro Líquido por Ação

Reservas de capital Reservas de Reavaliação Ajuste de Lucros Reservas Capital Incentivos Lei nº De Lucros avaliação (prejuízos) Social fiscais 6.158/70 Próprios Coligadas Legal à Realizar patrimonial acumulados Total 195.279 419 1.088 14.772 579 6.762 21.077 (55.581) - 184.395 316.388 316.388 (12.979) (16) 12.995 38.616 38.616 38.616 (38.616) -

Aumento de Capital 46.452 Realização da Reserva de Reavaliação Ajuste Líquido da Avaliação Patrimonial Lucro Líquido do Exercício Reserva legal Dividendos Minimos Obrigatórios Reserva de Lucros a Realizar Em 31 de dezembro de 2.010 558.119

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais 2.010 Fluxos de caixa das atividades operacionais Prejuízo líquido antes do imposto de renda e 74.330 da contribuição social Ajustes Depreciação e amortização 49.241 Resultado da equivalência patrimonial (1.630) Contingências de depósitos judiciais (142) Juros, variações monetárias e cambiais sobre empréstimos, (16.080) contingências e depósitos judiciais 31.389 Variações nos ativos e passivos Contas a receber 3.974 Estoques (34.832) Tributos a recuperar 1.037 Fornecedores (10.362) Salários e encargos sociais (2.012) Tributos a pagar 2.417 (337) Outros ativos e passivos (40.115) Caixa proveniente das operações 65.604 Juros pagos (6.927) (3.184) Imposto de renda e contribuição social pagos Caixa líquido proveniente das atividades operacionais 55.493 Fluxos de caixa das atividades de investimentos Aquisições de bens do ativo imobilizado (104.458) Aquisição de Investimentos (26.372) Aporte de Capital em Investida Recebimento de mútuos ativos 5.259 Recebimento de dividendos Caixa líquido proveniente das atividades de investimentos (125.571) Fluxos de caixa das atividades de financiamento Amortização de empréstimos (56.232) Pagamento de mútuos - principal (21.732) Ingressos de empréstimos 48.806 Ingressos de mútuos 5.000 Aumento de capital social 46.452 Caixa líquido proveniente das atividades de financiamentos 22.294 (Redução) Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa (47.784) 40.966 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício Companhia (6.818) Saldo Empresa Incorporada 14.290 7.472

2.009

31.211 26.664 (4.203) (252) (14.673) 7.536 (1.913) 12.397 3.969 (1.766) (302) (14.816) (796) (3.227) 35.473 (6.460) 29.013 (30.658) (311.565) (14.000) 13.125 21.700 (321.398) (35.523) (25.204) 24.000 316.388 279.661 (12.677) 51.445 38.768 2.198 40.966

Presidente do Timor critica sugestão de manter tropas estrangeiras no país até 2020 O presidente do Timor Leste, José RamosHorta, disse que o prazo máximo para as tropas australianas permanecerem no país será 2012. Horta rechaçou a recomendação feita pelo instituto australiano de estratégia, denominado Australian Strategic Policy Institute, para que militares ficassem até 2020. Para o presidente, a situação no Timor Leste é “positiva”. Por decisão do Conselho de Unmit, as tropas estrangeiras serão retiradas do Timor Leste em 2012, depois das eleições presidenciais. “Hoje são menos de 500 homens e mulheres na Força de Estabilização Internacional, e apenas duas companhias são operacionais. As outras são de serviços de apoio e isso mostra que a situação é de calmaria no Timor Leste”, afirmou o presidente. Porém, Ramos-Horta admitiu que há aspetos a melhorar no Timor Leste, especialmente nas áreas de forças policiais e militares. Mas, segundo ele, esses esforços devem partir do Estado. “Acredito que, no decorrer deste ano, vamos consolidar ainda mais a reforma das instituições de defesa e segurança, modernizálas e profissionalizá-las”, disse.


Tecnologia Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a 17 de abril de 2010 | F7

LICENCIAMENTO

Transferência óptica de dados a partir de telas chega ao Brasil Nova técnica captura informações de telas de computadores e caixas eletrônicos, seja a cores, cinza ou preto e branco

A

certeza da sua eficácia e eficiência. Também confere segurança aos clientes que desejarem adquirir o produto e eventualmente usá-lo em escritórios e filiais nos EUA”, garante Alexandre Cagnoni, diretor de Tecnologia da BRToken. Esse licenciamento faz parte do plano de internacionalização da BRToken e, como resultado imediato, torna-a a única empresa autorizada a comercializar, no território norte-americano, produtos com tecnologia de leitura de dados de tela para uso específico em um token. Como explica Cagnoni, esse pioneirismo se soma ao fato, reconhecido pelo mercado desde 2008 – com o lançamento do SafeSIGNATURE –, de a empresa ser “a primeira no mundo a desenvolver uma tecnologia para leitura de dados de transações, utilizando um token equipado com um sensor, a partir de uma imagem piscante em uma tela de computador, laptop, caixa eletrônico ou até mesmo projeção”.

BRToken – especializada em produtos inovadores contra crimes cibernéticos, que fabrica soluções em autenticação forte com assinatura eletrônica de transações e tecnologia de ponta 100% nacional – adquiriu, no início de março de 2011, o licenciamento de uma patente da pointSET (empresa norte-americana especializada em invenções) chamada Methods and Apparatus for Transferring Data from a Display Screen, numerada como US 6,466,145. A invenção, patenteada pela pointSET, trata da transferência óptica de dados a partir de telas de computadores e caixas eletrônicos e amplia os potenciais para aplicação dos produtos da BRToken. O acordo fechado entre as empresas é para licenciamento exclusivo da patente nos EUA pelo período de três anos, tornando-se perpétuo após esse prazo inicial. O licenciamento demonstra que a BRToken “domina por completo a tecnologia e tem absoluta

branco e preto, coloridas ou em tons de cinza. Por isso, segundo Cagnoni, “complementa o que pensamos e montamos

A invenção da pointSET trata de formas de captura de informações de uma tela, usando imagens piscantes, sejam

em termos de tecnologia. Na BRToken, implementamos a tecnologia pensando sempre em uma área piscante para re-

Arauco Forest Brasil S.A. C.N.P.J. MF Nº 00.198.057/0001-47 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e as demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2.010. Os documentos referentes a essas demonstrações estão à disposição dos senhores acionistas na sede da companhia. Curitiba, 22 de março de 2.011 A ADMINISTRAÇÃO

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais CONTROLADORA 2.010 2.009 ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar Partes Relacionadas Demais Ativos Circulantes

3.378 3.526 10.559 1.711 5.003 632 24.812

NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Impostos a Recuperar 14.527 Depósitos Judiciais e Outras 453 14.980 Investimentos Imobilizado

TOTAL DO ATIVO

148.769 580.522 729.291 769.083

1.673 1.483 2.804 1.142 288 7.390

CONSOLIDADO 2.010 2.009

67.502 3.529 15.117 2.066 5.003 838 94.055

1.673 1.483 2.804 1.142 288 7.390

15.498 389 15.887

14.527 453 14.980

15.498 389 15.887

532.911 532.911

710.798 710.798

532.911 532.911

556.188

819.833

556.188

CONTROLADORA 2.010 2.009 PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Salários e Encargos Sociais Impostos e Contribuições Partes Relacionadas Financiamentos Adiantamento de Clientes Dividendos a Pagar Demais Passivos Circulantes

CONSOLIDADO 2.010 2.009

4.870 1.526 1.277 46.983 456 471 6.768 1.301 63.652

502 809 628 6.141 146 348 3.976 465 13.015

4.978 1.566 1.658 46.983 456 471 6.768 1.301 64.181

502 809 628 6.141 146 348 3.976 465 13.015

54.984 8.410 77.537 754 141.685

69.772 7.363 78.013 666 155.814

54.984 8.410 77.537 754 141.685

69.772 7.363 78.013 666 155.814

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social 401.855 Reservas de Capital 6 Reservas de Lucros 132.669 Ajuste de Avaliação Patrimonial 29.216

234.431 6 123.706 29.216

401.855 6 132.669 29.216

234.431 6 123.706 29.216

563.746 769.083

387.359 556.188

563.746 50.222 819.833

387.359 556.188

NÃO CIRCULANTE Partes Relacionadas. Financiamentos Tributos Outros Passivos

Participação Minoritários TOTAL DO PASSIVO

Capital Reserva social de capital 234.431 6

Em 1º de janeiro de 2009 Lucro líquido do exercício Reserva legal Dividendos a pagar- R$ 1,99 por ação (Nota 12) Reserva especial de lucros

Legal 1.416

234.431

Em 31 de dezembro de 2009 Incorporação dos não controladores Aumento de Capital (Nota 12) Lucro líquido do exercício Reserva legal Dividendos a pagar- R$ 1,61 por ação (Nota 12) Reserva especial de lucros

6

3.204

35.769 -

35.769 -

(3.976) (120.502)

(3.976)

(3.976)

120.502 120.502

-

29.216 387.359

-

387.359

167.424 11.755

6.442 43.466 314

6.442 210.890 12.609 -

167.424

401.855

Em 31 de dezembro de 2010

6

3.791

Consolidado Total do Participação Patrimonio Total Minoritários Liquido 355.566 355.566

35.769 (1.788)

11.755 (587)

587

66.864

Impostos e Taxas sobre Vendas

(10.313)

RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS 56.551 Custo dos Produtos Vendidos LUCRO BRUTO Despesas Administrativas Avaliação Florestas e Outras Despesas

(2.792) (8.376)

(2.792)

8.376 128.878

-

29.216 563.746

(2.792) 50.222

613.968

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.010 E DE 2.009 a) Alteração na Lei das Sociedades por Ações As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil com base nas disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76, Lei 11.638/97 e CPCs).

c) Imobilizado As depreciações do imobilizado são calculadas pelo método linear. Enquanto que a exaustão florestal é calculada sobre os volumes cortados.

b) Apuração do Resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios, atualizações a valor justo e não incluiu o efeito da inflação sobre as demonstrações financeiras.

e) Capital Social O capital social subscrito em 31 de dezembro de 2010 é R$ 401.855 mil (2009 - R$ 234.431), representado por 2.764.457 ações ordinárias nominativas sem valor nominal (2009 - 1.993.723).

d) Passivo Não Circulante e Exigível a Longo Prazo São demonstrados pelos valores atualizados para a data do balanço.

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

DIRETORIA EXECUTIVA

Matías Jorge Domeyko Cassel - Presidente Juan Alvaro Saavedra Florez Manuel Enrique Bezanilla Urrutia Cristián Eustáquio Infante Bilbao Gonzalo José Zegers Ruiz-Tagle Antonio Roberto Luque Guerrero

Carlos Nino Bianchi Figueroa - Diretor Presidente Leandro Gervasio Suski - Diretor Davi Augusto Olbertz - Diretor Roberto Trevisan - Diretor Aldo Isaac Lopez Morales - Diretor Heron Pereira - Diretor Deise Martins da Silva - Diretora Adir Cortiano Contador CRC-PR 026401/O-0

46.602

66.864

46.602

(6.281) (10.313)

(6.281)

40.321

40.321

56.551

(57.422) (42.681) (57.422) (42.681) (871)

(2.360)

(871)

(2.360)

(10.292) (10.022) (10.457) (10.022) 27.042 16.750

46.597 36.575

27.042 16.585

46.597 36.575

LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO 15.879

34.215

15.714

34.215

Equivalencia Patrimonial Receitas (Despesas) Financeiras

975 (2.451)

LUCRO (PREJUÍZO) ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO IMPOSTO DE RENDA 14.403 Imposto de Renda e Contribuição Social LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Participação Minoritários

Lucro Líquido por Ação

Lucros Ajuste de De lucros (prejuízos) Avaliação à Realizar acumulados Patrimonial 90.497 29.216

1.788

RECEITA BRUTA DE VENDAS

LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Em milhares de Reais Controladora Reservas

CONTROLADORA CONSOLIDADO 2.010 2.009 2.010 2.009

16.682

50.897

(310) 16.682

15.404

50.897

(2.648) (15.128)

(3.315) (15.128)

11.755

35.769

12.089

-

-

11.755

35.769

11.755

35.769

4,25

17,94

4,25

17,94

(334)

35.769 -

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de Reais Controladora 2010 2009 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro (Prejuízo) líquido antes do imposto 14.403 de renda e da contribuição social Ajustes Equivalência patrimonial (975) Avaliação de floresta a valor justo (26.886) Depreciação e amortização 44.077 Valor residual do ativo imobilizado baixado 71 Provisão para contingências 90 Juros, variações monetárias e cambiais sobre empréstimos,contingências 2.307 e depósitos judiciais 33.087 Variações nos ativos e passivos Contas a receber (2.046) Estoques (7.755) Tributos a recuperar (569) Outros ativos (408) Fornecedores 4.368 Salários e encargos sociais 717 Tributos a pagar 65 Adiantamentos de clientes 123 834 Outros passivos Caixa proveniente das operações 28.416 Juros pagos (2.794) Imposto de renda e contribuição (1.569) social pagos Caixa líquido proveniente das 24.053 atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimentos Aporte de Capital Social em investimentos (147.794) Aquisições de bens do ativo imobilizado (64.873) Caixa líquido aplicado nas (212.667) atividades de investimentos Fluxos de caixa das atividades de financiamento Ingresso de financiamentos 11.312 Amortização de financiamentos (10.449) Partes Relacionadas Ativo (5.000) Partes Relacionadas Passivo 39.032 Amortização de mútuos (12.000) 167.424 Aumento de capital social Caixa líquido proveniente das (aplicado nas) atividades de financiamentos 190.319 Aumento (redução) líquido de caixa 1.705 e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no 1.673 início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício 3.378

50.897

Consolidado 2010 2009 15.404

50.897

(45.959) 29.452 151

(26.886) (45.959) 44.077 29.452 71 90 151

(16.668) (17.873)

2.302 (16.668) 35.058 17.873

333 1.470 1.568 (373) (3.532) 191 (538) (791) (400) 15.801 (10.036)

(2.046) 333 (12.313) 1.470 (924) 1.568 (614) (373) 4.476 (3.532) 757 191 235 (538) 123 (791) 834 (400) 25.586 15.801 (2.794) (10.036)

(4.294)

(2.026)

(4.294)

1.471

20.765

1.471

(15.094) (188.722) (15.094) (15.094) (188.722) (15.094) 7.402 (10.000) (2.598) (16.221)

11.312 7.402 (10.449) (5.000) 39.032 (12.000) (10.000) 210.890 233.785

(2.598)

65.829 (16.221)

17.894

1.673

17.894

1.673

67.502

1.673

presentar os bits 1 e 0, respectivamente. A invenção da empresa norte-americana dá outras ideias e possibilidades, como uso de cores ou tons de cinza para representar diferentes valores. Além disso, também prevê formas de implementação com um maior número de sensores”, enquanto que a empresa brasileira implementa a tecnologia usando um único sensor. O licenciamento da patente, reforça César Lovisaro, diretor comercial da empresa brasileira, “auxilia muito a BRToken a pensar em novos produtos e soluções com alterações na tecnologia, além de permitir a atuação no mercado americano com no mínimo três anos de exclusividade”. Desse modo, para ele, é preservado o pioneirismo da empresa brasileira como “a primeira no mundo a implementar tecnologia para assinar e autenticar transações”. Licenciar para uma empresa que compartilha da nossa visão, e é capaz de, rapidamente, trazer ao mercado norteamericano produtos e soluções baseadas na nossa tecnologia patenteada é um marco importante para a pointSET”, explica John Lin, presidente e CEO da pointSET. “Nós acreditamos que a BRToken poderá levar esta tecnologia a novos campos de aplicação, concedendo, assim, o direito de sublicenciar outras empresas para utilização em outras aplicações.”

Abinee vê exagero nas 100 mil vagas da Apple no Brasil O otimismo quanto às consequências da vinda de uma fábrica de produtos da Apple no Brasil não foi acompanhado pela Associação Brasileira das Empresas Eletroeletrônicas (Abinee). Em entrevista a Rogerio Jovaneli, da INFO Online, o presidente da entidade, Humberto Barbato, disse que os 100 mil empregos prometidos pelo ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, são exagerados. “Esses números estão um pouco inflados. Todo o setor elétrico/eletrônico brasileiro emprega diretamente 175 mil pessoas. Não dá para imaginar que só uma empresa vá gerar 20 mil empregos por ano e um total de 100 mil em cinco. Isso está fora de qualquer quadro”, afirmou. Sobre os trabalhadores que darão expediente no empreendimento, Barbato disse que a Foxconn, que produz para a Apple, sofrerá com falta de mão de obra por aqui. “Antigamente, não se optava pela formação em cursos de engenharia e tecnologia porque não havia oportunidades. Com o crescimento do mercado, começou faltar mão de obra especializada. A nossa indústria sofre com a carência de profissionais qualificados. O país forma muito mais na área de Humanas do que em Exatas.”


PublicidadeLegal

Indústria&Comércio | Curitiba, sexta-feira a domingo, 15 a17 de abril de 2011 | F8

FESTIVIDADE

MOINHOS UNIDOS BRASIL - MATE S.A. CNPJ: 76.496.702/0001-70 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO - R$ 1,00 ATIVO 2010

2009

CIRCULANTE DISPONIBILIDADES Caixa e Bancos Contas Movimento Aplicações de Liquidez Imediata

5.814.456 2.337.143 35.820 2.301.323

6.539.734 3.671.202 41.046 3.630.156

DIREITOS REALIZÁVEIS Clientes Estoques Créditos Tributários Outros Créditos DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE NÃO CIRCULANTE

3.427.312 2.120.090 1.161.423 116.660 29.139

2.822.262 1.739.300 831.218 221.554 30.190

50.001 879.677

46.270 4.649.064

38.995 38.995

3.338.046 3.108.019 230.027

DIREITOS REALIZÁVEIS A LONGO PRAZO Partes Relacionadas Depósitos Judiciais INVESTIMENTOS IMOBILIZADO INTANGIVEL TOTAL DO ATIVO

N O T A S E X P L I C A T I V A S - continuação

PAS S I V O 2010

2009

CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Remunerações e Provisões Obrigações Tributárias Obrigações Tributárias Parceladas Outros Valores a Pagar

1.234.901 594.525 19.391 262.125 118.861 103.239 136.760

1.348.096 362.105 229.735 287.359 159.049 100.018 209.830

NÃO CIRCULANTE Empréstimos e Financiamentos Obrigações Tributárias Parceladas Partes Relacionadas Provisão para Contingências

2.360.197 3.084 1.324.906 993.212 38.995

1.635.970 22.361 1.383.582 230.027

3.099.035 7.584.100 99.666 552.755 (5.137.486)

8.204.732 13.211.232 99.666 552.755 (5.658.921)

6.694.133

11.188.798

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Capital Reserva de Lucros Prejuízos Acumulados

415.900 823.073 888.071 17.609 7.047 6.694.133 11.188.798 TOTAL DO PASSIVO Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO R$ 1,00

FLUXO DE CAIXA INDIRETO EM 31 DE DEZEMBRO R$ 1,00

2010

2009

RECEITA OPERACIONAL Venda de Produtos

19.744.554 19.744.554

18.902.869 18.902.869

DEDUÇÕES Cancelamentos de Vendas Tributos Incidentes sobre as Vendas

(3.706.974) (615.842) (3.091.132)

(3.722.324) (452.721) (3.269.603)

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA

16.037.580

15.180.545

CUSTOS DAS VENDAS Custos de Produção

(8.204.887) (8.204.887)

(6.508.792) (6.508.792)

7.832.693

8.671.753

(6.360.669)

(6.303.596)

(6.360.669) -

(6.296.885) (6.711)

1.472.024

2.368.157

(690.966)

(1.125.219)

RESULTADO OPERACIONAL APÓS OS ENCARGOS FINANCEIROS

781.058

1.242.938

RESULTADO ANTES DOS EFEITOS TRIBUTÁRIOS

781.058

1.242.938

(259.623)

(216.841)

521.435

1.026.097

0,0762

0,1299

LUCRO BRUTO DESPESAS OPERACIONAIS Despesas Administrativas e Comerciais Outras Receitas (Despesas) RESULTADO OPERACIONAL ANTES DOS ENCARGOS FINANCEIROS Despesas Financeiras Líquidas

Provisão para IRPJ e CSLL RESULTADODO EXERCÍCIO Por Ação do Capital Social Final

Caixa Gerado no Período Lucro Liquido do Exercício Depreciação e Amortização Venda de Ativo Imobilizado Resgate de Ações por Acionistas Minoritários Redução capital social Ativos Operacionais Clientes Estoques Créditos Tributários Outros Ativos Circulante e não Circulante

2010

2009

(4.577.248) 521.435 112.549 415.900

1.636.951 1.026.097 185.122 449.230

(5.627.132)

(23.498) -

2.690.270 (380.790) (330.205) 104.894

101.597 194.460 (259.017) (201.595)

3.296.371

367.749

Passivos Operacionais Fornecedores Remunerações e Provisões Obrigações Tributárias Provisão para Contingencias Outros Passivos Circulantes e não Circulante Juros s/ Capial Próprio

(152.559) 232.420 (25.234) (95.643) (191.032)

(31.747) (51.668) 77.333 (195.787) 54.556

(73.070) -

28.844 54.975

Atividades de Investimentos Aquisição de Imobilizado Investimentos Atividades Financeiras Novos Financiamentos Pagamentos de Financiamentos

(58.113) (58.113) 763.591 993.212 (229.621)

(497.566) (81.666) (415.900) (16.152) 2.097.962 (2.114.114)

RESUMO DO FLUXO DE CAIXA Caixa Gerado no Período Aplicação em Ativos Operacionais Originado por Passivos Operacionais Aplicação em Investimentos Originado por Atividades Financeiras

(4.577.248) 2.690.270 (152.559) (58.113) 763.591

1.636.951 101.597 (31.747) (497.566) (16.152)

Aumento (Redução) Liquido das Disponibilidades

(1.334.059)

1.193.083

3.671.202 2.337.143

2.478.119 3.671.202

1.334.059

(1.193.083)

Disponibilidades Saldo no Inicio de Período Saldo no Final do Período Aumento (Redução) das Disponibilidades Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DE 31/DEZ/07 A 31/DEZ/10 - R$ 1,00 CAPITAL REALIZADO

RESERVA DE INCENTIVOS FISCAIS 99.666

RESERVA LEGAL

PREJUIZOS ACUMULADOS

TOTAL GERAL

EM 31/DEZ/08

13.211.232

552.755

(6.661.520)

7.202.133

Resgate de Ações por Acionistas Minoritários Lucro do Exercício Constituição de Reserva Legal Reversão de Reserva Legal EM 31/DEZ/09

13.211.232 (5.211.232) (415.900) -

99.666

51.305 (51.305) 552.755

(23.498) 1.026.097 (51.305) 51.305 (5.658.921)

(23.498) 1.026.097 8.204.732

-

26.071 (26.071)

(415.900) 521.435 (26.071) 26.071

(5.211.232)

7.584.100

99.666

552.755

(5.137.486)

Redução Capital Social: Restituição para acionista Transferencia de quotas da Sociedade MAI Lucro do Exercício Constituição de Reserva Legal Reversão de Reserva Legal EM 31/DEZ/10

521.435 3.099.035

Obs.: As notas explicativas integram o conjunto das Demonstrações Contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS 1 Contexto Operacional A MOINHOS UNIDOS BRASIL - MATE S.A é uma sociedade por ações de capital fechado e tem como objeto social a compra, beneficiamento, venda e exportação de erva mate e outras ervas para infusão. 2 Apresentação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, destacando-se a aplicação do Pronunciamento Técnico PME – Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (NBCT 19.41 – Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas), aprovado pela Resolução CFC NO 1.255/09, com exigibilidade para os exercícios iniciados a partir de 01/JAN/10. Dentre as práticas contábeis inclusas no Pronunciamento Técnico PME – Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas, adotadas pela Entidade, destacam-se: · Redução ao Valor Recuperável de Ativos: a Administração não identificou qualquer indicativo (fontes internas e externas) de que o valor contábil de seus Ativos exceda ao seu valor recuperável; · Demonstração dos Fluxos de Caixa: a Administração incorporou os fluxos de caixa às suas demonstrações financeiras; · Ativo Intangível: a Administração analisou os registros e saldos existentes no Imobilizado, procedendo à segregação dos valores que se encontram no conceito de Intangível; · Divulgação sobre Partes Relacionadas: A Administração da Companhia apurou o saldo e os montantes das transações realizadas com partes relacionadas, cujo resultado é apresentado na nota 07. De acordo com a Lei nº 11.941/09, as modificações no critério de reconhecimento de receita, custos e despesas computadas na apuração do lucro líquido do exercício, introduzidas pela Lei n o 11.638/07 e pelos arts 37 e 38, da referida Lei nº 11.941/09, não terão efeitos para fins de apuração do lucro real da pessoa jurídica, optante pelo Regime Tributário de Transição – RTT, devendo ser considerados para fins tributários, os métodos e critérios contábeis vigentes em 31/DEZ/07. 3 Principais Práticas Contábeis a) Aplicações de Liquidez Imediata As Aplicações de Liquidez Imediata estão registradas pelo valor original, acrescidas dos rendimentos auferidos até as datas de encerramento das Demonstrações Financeiras, apuradas pelo critério pró- rata temporis, que equivale aos seus valores de mercado. b) Contas a Receber As contas a receber de clientes são reconhecidas pelo regime de competência e estão refletidas pelo valor presente, estimado de realização. c) Provisão para Perdas com Crédito de Liquidação Duvidosa A provisão para perdas com crédito é fundamentada em análises dos créditos pela administração, que leva em consideração o histórico e os riscos envolvidos em cada operação e, é constituída em montante considerado suficiente para cobrir as prováveis perdas na realização das contas a receber. d) Estoques Os estoques estão registrados ao custo médio de aquisição ou da produção e não excedem os seus custos de reposição ou valores de realização, deduzidos de provisões para perdas, quando aplicável. e) Imobilizado Os Bens do Imobilizado estão registrados ao custo de aquisição, menos a depreciação acumulada. A depreciação é calculada pelo método linear, observadas as taxas que levam em conta o tempo de vida útil dos bens. O valor contábil líquido do Ativo Imobilizado, assim como de outros ativos de longa duração não excedem ao seu valor recuperável, em conformidade

CMYK

com disposições do CPC 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos. f) Ativo Intangível O Intangível está registrado pelo custo de aquisição e refere-se a software de manutenção de sistema corporativo, deduzido da amortização acumulada. g) Demais Ativos Os demais ativos estão demonstrados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias e cambiais auferidos (em base “pró-rata” dia) e provisão para perda, quando julgada necessária. h) Passivos Os passivos demonstrados incluem os valores conhecidos e calculáveis, acrescidos dos encargos e das variações monetárias e cambiais incorridos (em base “pró-rata” dia). i) Empréstimos Os Empréstimos e Financiamentos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo líquido dos custos de transação incorridos, posteriormente são mensurados ao custo de amortização com base no método da taxa de juros efetivos e, estão demonstrados pelos valores de contratação, acrescidos dos encargos pactuados, que incluem juros e atualização monetária ou cambial incorridos. j) Outras Obrigações Os valores das obrigações são classificados no Passivo Circulante, exceto quanto às parcelas que podem ser liquidadas, após 12 meses, da data de encerramento do Balanço e das Demonstrações Financeiras. k) Provisão para Contingências As provisões para contingências fiscais, trabalhistas e outras são constituídas com base na expectativa de perda provável nas respectivas ações em andamento, manifestada pelos consultores jurídicos internos e externos da Companhia, o que ocasionaria uma provável saída de recursos para liquidação das obrigações. Os passivos contingentes classificados como perdas possíveis, não são reconhecidos contabilmente, apenas divulgados nas notas explicativas, quando individualmente relevante, e, os classificados como remotos, não requerem provisão e nem divulgação. l) Provisão para o Imposto de Renda A provisão para imposto de renda é constituída à alíquota-base de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10%. A contribuição social sobre o lucro antes do imposto de renda é calculada considerando a alíquota de 9%. m) Receitas As receitas de vendas são reconhecidas no resultado, quando todos os riscos e benefícios inerentes ao produto ou serviço são transferidos para o cliente. Uma receita não é reconhecida quando há incerteza significativa de sua realização. n) Resultado O resultado das operações é apurado em conformidade com o regime contábil de competência de exercícios. 4 Aplicações de Liquidez Imediata O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Instituições Financeiras Modalidade Em R$ 1,00 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Banco Itaú S.A Fundo de Investimentos 2.297.602 2.627.304 HSBC Bank Brasil S.A Fundo de Investimentos 998.987 Banco Bradesco S.A Fundo de Investimentos 2.707 2.885 Banco Bradesco S.A Poupança 40 Caixa Econômica Federal Fundo de Investimentos 1.014 940 Total 2.301.323 3.630.156 As aplicações em fundos de investimentos no Banco Itaú, HSBC, Bradesco, e Caixa Econômica Federal, correspondem a recursos de curtíssimo prazo, disponíveis no encerramento do exercício.

5 Estoques O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição

Em R$ 1,00 31/DEZ/10 31/DEZ/09 426.116 235.351 134.092 113.778 576.026 461.146 25.189 20.943 1.161.423 831.218

Produtos Acabados Produtos em Elaboração Matéria-Prima Embalagem Total

6 Créditos Tributários O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Em R$ 1,00 2010 2009 IPI a Recuperar 11.471 11.640 IRPJ Estimativa 2009 159.344 Contribuição Social Estimativa 2009 50.570 IRPJ Estimativa 2010 47.373 Contribuição Social Estimativa 2010 57.816 Total 116.660 221.554 7 Transações com Partes Relacionadas Os saldos relativos a operações com partes relacionadas são com os acionistas, pessoas físicas, composto por: Descrição Em R$ 1,00 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Ativo Não Passivo Não Ativo Não Passivo Não Circulante Circulante Circulante Circulante Conta Corrente com Acionista 993.212 3.108.019 Total 993.212 3.108.019 O saldo em 31/12/2009 da conta corrente com o acionista é proveniente, basicamente, da compra e transferência das ações da Empresa Moinhos Unidos Internacional CV. A compra foi formalizada por meio de contrato de compra e venda de ações. O saldo em 31/12/2010 da conta corrente com o acionista é proveniente, da redução de Capital Social com restituição ao acionista. 8 Investimentos Em 30/10/2009, a Companhia adquiriu 415.900 quotas, no valor de R$ 415.900,00 da Empresa Moinhos Administração de Imóveis LTDA., sendo R$ 415.794,81 integralizados em imóveis e o restante em moeda corrente. O investimento representou uma participação societária de 99,98% do capital social da investida. Entretanto, até 31/DEZ/09 a investida não havia ainda iniciado as atividades operacionais e consequentemente não possuía naquela data um balanço contábil, não sendo necessário, portanto, realizar a avaliação do investimento pelo método da equivalência patrimonial. Logo o montante do investimento R$ 415.900,00 está contabilizado pelo custo de aquisição. Em AGE 30/06/2010 a Companhia transferiu 415.900 quotas da sociedade Moinhos Administração de Imóveis LTDA para o acionista majoritário. 9 Imobilizado O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Em R$ 1,00 Descrição Custo Depreciação Líquido 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Máquinas e Equipamentos 2.489.819 (2.232.602) 257.217 307.548 Veículos 799.447 (324.339) 475.108 502.723 Móveis Utensílios 612.866 (522.118) 90.748 77.800 Total 3.902.132 (3.079.059) 823.073 888.071 A depreciação é calculada pelo método linear, utilizando a taxas de 4% para instalações e edificações, 10% para móveis, utensílios, máquinas e equipamentos e, 20% para veículos e equipamentos de informática. 10 Empréstimos e Financiamentos O saldo de empréstimos e financiamentos contraídos junto às instituições financeiras está assim demonstrado: Descrição

Vcto.

Encargos

Banco Itaú S/A 12% a. a ACC - Adiantamento Contrato de Cambio Banco Itaú S/A 30/SET/10 12,24% a.a Banco Itaú S/A 31/OUT/10 21,78% a.a. Banco Itaú S/A 31/03/212 12,24% a.a HSBC Bank Brasil S/A 31/OUT/11 17,31% a. a Arrendamento Mercantil Total

Em R$ 1,00 31/DEZ/10 31/DEZ/09 Não Não Circulante Circulante Circulante Circulante 363 121.884 363 12.084

3.084

121.884 69.379 18.056 12.083

15.417

6.944

-

8.333

6.944

19.028 19.391

3.084 3.084

107.851 229.735

22.361 22.361

Sobre os empréstimos e financiamentos incidem taxas de juros específicas para cada modalidade, negociadas com as respectivas instituições financeiras. Para os Adiantamentos de Contrato de Cambio foi dado as instituições financeiras a garantia de notas promissórias com acréscimo de 25% do valor do contrato. O arrendamento mercantil está contabilizado e demonstrado de acordo com a Lei nº 11.638/07 e CPC PME. O vencimento final do Não Circulante se dará em 2012. 11 Remunerações e Provisões O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: Descrição Salários a Pagar Contribuição Sindical Obrigações Previdenciárias Salários a Pagar Encargos Sociais s/ Provisão Provisões Trabalhistas Total

Em R$ 1,00 2010 2009 58.073 47.322 208 220 78.783 67.905 90.463 81.821 34.598 30.091 60.000 262.125 287.359

12 Obrigações Tributárias Parceladas a) Parcelamento Especial Lei 11.941/09 Em novembro de 2009, a Companhia optou por migrar o saldo da dívida do Paes, Lei 10.684/03, para o novo parcelamento especial da Lei nº 11.941/09. Em 31/12/2009, o valor contabilizado no Passivo Circulante é de R$ 100.017,97 e no Passivo não Circulante de R$ 1.383.581,88. Em 31/12/2010 é de R$ 103.239,41 e R$ 1.324.905,87 respectivamente. b) Montante do Parcelamento Especial Lei 11.941/09 pago no Período O montante recolhido, a título de Parcelamento Especial Lei no 11.941/09, correspondente ao período de 01/JAN/10 a 31/DEZ/10, foi de R$ 182.400,00. c) Pagamento Regular dos Tributos A opção pelo PAES e agora pelo parcelamento especial da Lei nº 11.941/09, traz implícita a obrigatoriedade do pagamento regular dos tributos mensais da Companhia como condição essencial para manutenção das formas de pagamento, previstas nesse programa, bem como para a manutenção de seus benefícios ficais. 13 Provisão para Contingências O valor dos processos trabalhistas e tributários avaliados pelos assessores jurídicos como sendo de risco possível foi de R$ 122.000,00 para os quais nenhuma provisão foi constituída, tendo em vista que as práticas contábeis adotadas no Brasil não requerem a sua contabilização. 14 Imposto de Renda e Contribuição Social A Companhia adota o cálculo da Contribuição Social e Imposto de Renda sobre o Lucro, aplicando as regras do regime de tributação com base no Lucro Real. A provisão de Imposto de Renda é constituída à alíquota de 15% acrescido do adicional de 10%, e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é constituída à alíquota de 9%, antes do Imposto de Renda ajustado nos termos da legislação vigente. Os valores da Contribuição Social e Imposto de Renda que afetaram o Resultado do Exercício de 2010 estão demonstrados no quadro a seguir: Descrição Em R$ 1,00 Em 31/DEZ/10 CS IRPJ Lucro contábil antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social 781.057 715.729 Efeitos dos Ajustes para Adequação da Lei nº 11.638/07 e CPC's publicados (+) Adições efetuadas no LALUR 174.650 239.978 (-) Exclusões efetuadas no LALUR (=) Base Positiva da CSLL e Lucro Real 955.707 955.707 (-) Compensação Base Cálculo Negativa CSLL e Prejuízo Fiscal (229.845) (61.055) (=) Base de Incidência da CSLL e do IRPJ 725.862 894.652 Contrib Social e Imposto de Renda no Resultado do Exercício 65.328 199.663 (-)Incentivo Fiscal de Dedução do Imposto (5.368) (=) Valor Registrado na Demonstração de Resultado 65.328 194.295 15 Capital Social O capital social subscrito é de R$ 7.584.100,00, dividido em 6846.000 ações ordinárias nominativas, em 31/DEZ/10 sem valor nominal. 16 Destinações Propostas a) Reserva Legal Calculada nos termos do art. 193, da Lei nº 6.404/76, a razão de 5% do Lucro Líquido do Exercício. b) Resultado do exercício O resultado apresentado de R$ 521.435, será destinado à amortização do saldo de Prejuízos Acumulados. 17 Honorários dos Administradores Durante os exercícios de 2009 e de 2010 os honorários pagos aos administradores foram de R$ 576.000,00 e R$ 588.000,00, respectivamente, apropriados como despesas. 18 Seguros A Companhia possui cobertura de seguros contra incêndio e riscos diversos no valor de R$ 5.050.000,00 Aramis Antonio Athayde Fontana Henrique Luiz Boldrine de Almeida Fontana Ana Dalgiza de Almeida Fontana Fábio Hiroshi Oshiro Luiz Antonio Molinetti

Diretor Presidente Diretor Diretora Diretor Administrativo Financeiro Contador CRC/PR no 26.594/O-4

Evento do Centenário da Imigração Holandesa Foi um sucesso a Festa do Centenário da Imigração Holandesa, realizada em Carambeí, região dos Campos Gerais no Paraná, de 1 a 4 de abril. De sábado a segunda-feira, mais de 35 mil pessoas, incluindo visitaram o Parque Histórico de Carambeí, construído para retratar o modo de vida dos primeiros holandeses que vieram ao Paraná em 2011, e que concentrou a maior parte das solenidades. Apenas no domingo, aproximadamente 20 mil visitantes, incluindo pessoas de outros estados, Holanda e Estados Unidos, prestigiaram as celebrações. Com atrações diversas, incluindo shows e apresentações, a festa foi opção de passeio durante os quatro dias. O dia 2, quando foi inaugurado o parque, começou com Desfile Histórico, que teve participação da Fanfarra Municipal. Estiveram presentes o vice-governador Flávio Arns, o Embaixador da Holanda no Brasil, Kees Rade, o prefeito de Carambeí, Osmar Rickli, e o presidente do Rabobank Brazil, Erik Peek, Gerente de Marketing da AGCO, Eduardo Nunes e a Diretora de Comunicação da Tetra Pak, Elisa Prado, além de autoridades e representantes das demais empresas patrocinadoras. "A Holanda foi e continua sendo muito importante para o desenvolvimento do Paraná. Essa festa mostra a pujança e a força de uma comunidade que se uniu e se organizou por meio do trabalho, contribuindo para tornar o Paraná uma referência em cooperativismo", disse o vice-governador. A Vila Histórica, que possui edificações típicas do país europeu, como igrejas, roda d'água, moinhos, paióis e até um barracão de ordenha, assim como o Monumento do Imigrante, foi inaugurada com discurso do presidente da Associação do Parque Histórico de Carambeí (APHC), Dick Carlos de Geus. "Em 2011 estamos comemorando também o Ano da Holanda no Brasil. O parque veio para mostrar um pouco dessa história que tanto nos orgulha", afirmou Dick. O domingo teve início com culto ecumênico, que contou com a participação dos corais da Igreja Protestante Reformada e da Fundação ABC. O show de motocross e o campeonato de bike dividiram a atenção com a apresentação de outros grupos folclóricos e o lançamento do livro da APHC. E para encerrar a Festa do Centenário, show com Sérgio Reis.

Novos passos Os dois últimos setores do parque serão concluídos até 2012. São eles o Centro Cultural Amsterdam, que reproduzirá um quarteirão da cidade européia, e o Parque das Águas. Nessa segunda planta serão retratadas as principais tecnologias e soluções holandesas no controle dos fluxos de água para o desenvolvimento sustentável. Segundo Dick de Geus, o parque buscará parcerias com instituições que trabalhem com tecnologia limpa. "Constituir uma Escola de Águas para fomentar o aprimoramento dos conhecimentos é uma meta do parque. Ela contará com uma estrutura de fazenda, modelo mirim, que permitirá a experiência sobre técnicas agropecuárias", explica. O parque funciona de terça-feira a domingo, das 14 às 18 horas. A entrada custa R$ 7,00. Alunos de escolas públicas, idosos acima de 65 anos e pesquisadores têm acesso gratuito. Para visitação em grupos, é necessário agendar na secretaria do parque - 42-3231-5063.


15-04-11 Indústria&Comércio