Issuu on Google+

1

Para mim é uma grande honra e um enorme desafio fazer a conferência inaugural no Seminário sobre os 50 anos do Golpe de 1964 organizado pela Biblioteca Nacional. Fui convidada para falar sobre como o Brasil de hoje lida com o seu passado ditatorial, a partir da minha experiência enquanto historiadora e, ao mesmo tempo, vítima do Estado repressor implantado pela ditadura civil militar iniciada em 1964. E é exatamente desse duplo lugar que pretendo fazer algumas reflexões e expor algumas das minhas angústias, dilemas e perplexidades sobre como, hoje, eu e o Brasil lidamos com o passado ditatorial. Como historiadora, sei que o historiador, para fazer história, precisa se separar do testemunho. Sei também dos riscos que corremos quando, ao invés de decifrarmos a memória e usá-la como fonte de nossas pesquisas, tentamos substituir a história pela memória. Por isso, ao falar desse duplo lugar, tentada pela memória e desafiada pela história, certamente vou correr alguns riscos. Esclarecido o lugar da minha fala, é preciso dizer sobre o que vou falar. O título dessa conferência é “O presente do passado”. Falar sobre o passado, sobretudo sobre o chamado passado sensível não é tarefa fácil. E para quem foi “vítima”, uma “sobrevivente” desse passado, a tarefa se torna ainda mais difícil. A relação entre passado, presente e futuro é complexa e, desde os tempos mais remotos, tem sido objeto de preocupação de filósofos e historiadores. Sabemos que cada presente resssignifica tanto o passado como o futuro. Ou seja, é a partir das experiências do presente e das expectativas do futuro que o passado é reconstruído. E, é por isso, que a memória, diferentemente do que pensa o senso comum, não é apenas passado. Ela é presente e é futuro. E como muitas são as reconstruções sobre o passado, muitas são as memórias que disputam um mesmo passado. Assim, do mesmo modo que existe uma constante tensão entre passado, presente e futuro, existe, dito de outro modo, uma relação também tensionada entre as lembranças do passado, as experiências ou vivências do presente e as expectativas do futuro. Se muitas são as memórias, as experiências e as expectativas, qual o “presente do passado” devo escolher para falar nesse seminário? Qual a minha memória e quais as memórias que estão em disputa sobre o regime militar? A partir desse passado, qual é o presente e qual o futuro que queremos para o país? Qual a minha expectativa diante do meu passado, diante das minhas experiências?


2

Sem pretender fazer uma exposição exaustiva e linear sobre o regime instalado no Brasil com o golpe de 64, buscarei aqui entrelaçar a memória e a história. Ou seja, farei algumas considerações sobre o período, priorizando marcos e aspectos que considero importantes - sociológica e pessoalmente - e que podem ajudar a pensar o Brasil de hoje. Entre as questões selecionadas, escolhi duas que estão diretamente relacionadas: tortura e anistia. Sem dúvida, de todas as minhas lembranças sobre o período ditatorial, a mais forte é a minha experiência com a tortura. Sobre as minhas torturas falei no depoimento público que dei a Comissão da Verdade em de abril do ano passado. Mas, apesar do muito que eu já disse, continuo sendo solicitada para falar elas. E a cada solicitação, surgem novas lembranças e novas dores. Às vezes tenho a sensação que essa é uma história sem fim. É como se a ponta de um novelo de linha, de dimensão quase infinita, apenas tivesse começado a ser desatado. Passados mais de quarenta anos, o passado e o presente nunca estiveram tão próximos. Sobre a minha anistia, apenas gostaria de registrar o quanto foi emocionante, quando, em uma sessão solene realizada no Ministério da Justiça em Brasília, em junho de 2008, recebi do Estado brasileiro um pedido de perdão por todas as atrocidades que o próprio Estado brasileiro havia cometido contra mim. Contudo, o que mais interessa discutir aqui é como se chegou a Lei de Anistia e qual o seu sentido para a sociedade brasileira. Qual a diferença entre perdão e esquecimento? Por que, diferentemente de outros países da América Latina, o Brasil não julgou criminalmente os seus torturadores? É possível sermos um país mais justo e democrático se esquecermos o nosso passado ditatorial? Por que a tortura, que existe desde tempos mais remotos e que não foi uma invenção da ditadura, continua sendo utilizada até os dias de hoje no nosso país, um país onde vigora um regime democrático, ainda que com muitas imperfeições? Não por acaso - tortura e anistia - estão na ordem do dia. Dois acontecimentos recentes, talvez exemplares, podem ajudar na reflexão que estou tentando aqui fazer sobre o passado e o presente. Em primeiro lugar remeto ao depoimento do coronel Paulo Malhães na Comissão da Verdade do Rio de Janeiro e que foi publicado, em parte, no jornal O Globo no último dia 16/3/2014. Ao assumir a responsabilidade pelo desaparecimento do então deputado federal Rubens Paiva, preso em sua residência no Rio de Janeiro em janeiro de 1971 e cujo corpo até hoje não foi encontrado, o torturador Paulo Malhães, de forma didática, explicou


3

porque, no período da ditadura, era melhor desaparecer com os inimigos do que simplesmente matá-los. Diz ele: “O desaparecimento é mais importante do que a morte porque causa incerteza no inimigo. Quando um companheiro morre, o guerrilheiro lamenta, mas acaba esquecendo. Não é como o desaparecimento que gera uma expectativa eterna”. Prossegue ele: “nada fiz além de cumprir meu dever. Se precisasse faria tudo de novo. Foi tudo racionalizado. Se precisar novamente, estou preparado. Tenho 76 anos, mas ainda posso dar instrução aos mais jovens”. Qual o sentimento que essa fala do torturador Paulo Malhães produz em todos nós, nos perseguidos pela ditadura, nos familiares não só de Rubens Paiva, mas nos familiares de todos os desaparecidos do país? Por que é possível Paulo Malhães falar com tamanha naturalidade e audácia sobre crimes considerados de lesa humanidade e ainda afirmar que se preciso, fará tudo de novo? Esse torturador não deve ser processado e julgado pelos crimes que cometeu? O Estado brasileiro o anistiou? Enfim, qual o impacto que esse e outros depoimentos similares irão produzir na sociedade brasileira? Em segundo lugar remeto, a outro caso também recente e igualmente “estarrecedor, nefando, inominável, infame” como bem descreveu José Miguel Wisnik na sua forte e bela crônica publicada no jornal O Globo, no último sábado, dia 26 de março: o de Claudia Silva Ferreira, baleada no Morro da Congonha, no Rio de Janeiro, em circunstâncias ainda não esclarecidas. Jogada como carga no porta-malas de um carro policial a pretexto de ser atendida, Claudia foi “arrastada à morte, a céu aberto, pelo asfalto no Rio”. Prossegue Wisnik: “É uma imagem verdadeiramente surreal, não porque seja esteja fora da realidade, mas porque destampa (...) uma cena recalcada da consciência nacional, com tudo o que tem de violência naturalizada e corriqueira, tratamento degradante dado aos pobres, estupidez elevada ao cúmulo, ignorância bruta transformada em trapalhada transcendental, além de um índice grotesco de métodos de camuflagem e desaparição das pessoas”. Como disse a filha de Cláudia, em entrevista a uma emissora de televisão, “nem cachorro mereceria o tratamento que deram para minha mãe”. Nunca é demais lembrar que um dos policiais que continuava fazendo seu trabalho de rotina, e que deu a Claudia um “tratamento que nem um cachorro merece”, já tinha anotado na sua ficha profissional a responsabilidade pela morte de treze pessoas. Esses dois casos são reveladores sobre o Brasil de hoje, e se tornam um bom prólogo para tecer algumas considerações sobre o “presente do passado”. Sabemos que o regime implantado com o golpe de 1964 que destituiu João Goulart da presidência da República teve várias facetas e muitas especificidades. Até hoje vencidos e vencedores disputam a memória sobre


4

o ocorrido. A disputa começa pelo nome: aquilo foi um golpe, uma revolução ou uma contra revolução? Um divisor de águas na história do país, o golpe de 64 também foi um divisor de águas na minha vida. Em Recife, minha terra natal, eu com 14 anos de idade, era uma entusiasta do governo Jango. Pernambuco era, no pré-64, talvez o estado mais comprometido com as tais reformas de base que tanto me fascinavam. Miguel Arraes, Francisco Julião, Gregório Bezerra, Pelópidas Silveira, Paulo Freire, as Ligas Camponesas, a Reforma Agrária, o Movimento de Cultura Popular, a Campanha de Alfabetização de Adultos, povoavam a minha imaginação. Minha casa era um local de muitos debates. Meu pai fazia parte de um grupo que se reunia nos finais de semana para discutir, arte, literatura, filosofia e política1. Mesmo sem entender muito, eu ficava fascinada com aquelas conversas. Minha mãe, apesar de neta e filha de senhor de engenho era uma solidariedade só. Costumava dizer que a principal função do dinheiro era ajudar os mais necessitados2. Nos dias que antecederam o golpe, o clima visivelmente tenso. Mas, para mim, tudo parecia muito sólido. Por isso, no dia do golpe, meu mundo caiu. Tudo o que parecia tão sólido rapidamente se desmanchou no ar. Lembro do corre-corre, dos livros sendo queimados, dos estudantes baleados, do líder comunista Gregório Bezerra com uma corda no pescoço, sendo arrastado pelas ruas do meu bairro, pelo coronel Villocq Viana, um dos comandantes da Sétima Região Militar, em uma jipe do Exército brasileiro, recebendo dos militares “um tratamento que nem um cachorro merece”. Esse espetáculo ocorreu no dia 2 de abril de 1964. Logo depois do golpe, muitas também eram as notícias sobre as torturas e os desaparecimentos de inúmeros trabalhadores rurais da zona da mata de Pernambuco, inimigos mortais do regime militar, em função da projeção política que haviam conquistado no governo Jango que tinha como uma das suas principais bandeiras a reforma agrária. Sobre esses trabalhadores até hoje pouco se sabe. Em 1964 muitos não tinham nem documento. Embora atores importantes do processo, eram pré-cidadãos. 1

Nos anos 1950 esse grupo fundou o Gráfico Amador, objeto recente de alguns estudos.

2

Pelo lado materno, a família era bem dividida. Chocada ouvi uma tia, essa dona de usina, dizer em tom de preocupação que em breve os trabalhadores da usina não iam mais querer trabalhar porque, com o aumento salarial que conseguiram depois de uma greve, todos tinham comprado rádio de pilha, uma grande coqueluche e novidade tecnológica nos anos 60.


5

De fato, o golpe pegou quase todo mundo de surpresa. Lembro também da véspera do golpe. Nós éramos vizinhos e amigos do então prefeito de Recife, Pelópidas Silveira. No dia 31 de março, antes de irmos para o colégio, meu pai preocupado com o clima político, teve uma rápida conversa com Pelópidas, no portão da casa dele. Ele nós tranqüilizou. Sabia que o comandante do IV Exército, Justino Alves Bastos, estava do nosso lado. No dia seguinte, tanto Pelópidas, como Arraes estavam presos e depostos dos cargos de prefeito e governador. Só anos mais tarde entendi o porquê daquele otimismo. Segundo as análises do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que na época era uma força política importante, havia no Brasil uma contradição principal entre, de um lado, as forças do atraso, representadas pelo latifúndio, apoiado pelo imperialismo, e do outro lado a tal da burguesia nacional, apoiada pelos setores da classe média e pelos trabalhadores. Juntos, em aliança, ajudariam o Brasil a sair do estágio pré-capitalista e se tornar um país capitalista. Completando o quadro, avaliava-se que setores expressivos das Forças Armadas, por pertencer à média ou à pequena burguesia, também estavam do lado do progresso e, portanto, alinhadas com Jango. Talvez por isso, o dirigente comunista Gregório Bezerra, no dia 1 de abril, ao chegar perto da sede do governo, em busca de apoio para tentar barrar o golpe que estava em curso, ao ver a sede toda cercada por policiais, escreveu ele, “fiquei animado, vendo muitos soldados da Polícia Militar limpando e lubrificando fuzis e metralhadoras. Pensei que estavam preparando-se para resisir aos golpistas!”3 Poucas horas depois, Gregório, preso e torturado, estava sendo exibido publicamente pelos militares, como uma espécie de troféu de guerra. Aquela exposição pública de Gregório parecia querer demonstrar não só que eles, os militares, tinham vencido a guerra, mas também que o tratamento dos inimigos, no pós-guerra, ia ser pesado. Ao longo do período ditatorial, a despeito da intensidade, da modalidade e até mesmo da visibilidade ter variado, a tortura, a morte e o desaparecimento foram práticas adotadas pelo regime, como uma política de Estado. Por isso, no depoimento que dei à Comissão da Verdade, eu acusei os ex presidentes da República Humberto Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Médici, Ernesto Geisel e João Batista Figueiredo. A despeito das divergências entre eles e das diferentes conjunturas em que chefiaram o país, todos, sem exceção, foram coniventes e responsáveis pela tortura. 3

Bezerra, Gregório. Memórias. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1979, vol 2, p. 190.


6

Mas, a questão que fica é saber qual a memória que a sociedade brasileira construiu sobre a ditadura e mais particularmente sobre a tortura. Sem dúvida, há uma disputa de memórias. Ainda que de forma esquemática, gostaria de mencionar duas. De um lado, apesar das suas diferenças, a nossa visão, a visão dos militantes. Do outro lado, a visão dos militares e dos seus aliados civis, também com suas diferenças. Infelizmente essa ainda bastante cristalizada na nossa sociedade. Para os militares e seus aliados civis, nós, os militantes, éramos e continuamos sendo qualificados como “terroristas”. A expressão “presos políticos” chegava a ser negada por muitos. Mesmo os que admitiam a tortura, diziam que o que houve foram “excessos” cometidos por alguns poucos que haviam se desviado do curso do processo revolucionário iniciado em 1964. Nós, através de relatos autobiográficos, filmes, livros e, sobretudo, de organizações que foram sendo criadas como o Grupo Tortura Nunca Mais, buscávamos - e continuamos buscando - reafirmar a prática da tortura e exigir responsabilidade do Estado pelos os crimes cometidos. Outros apelavam para o esquecimento. Certamente os menos jovens lembram da famosa frase do ex presidente João Figueiredo que ao deixar o seu turno em 1985 disse: “esqueçam de mim!” A natureza do regime e a sua periodicidade também tem sido objeto de disputa da memória, assim como objeto de estudo e de disputa entre os diversos especialistas no tema. Embora aqui não seja o lugar para aprofundar a polêmica com muitos colegas historiadores sobre a definição do regime ou sobre a sua temporalidade, alias questões que certamente serão debatidas em outras sessões desse seminário, para mim trata-se de uma ditadura militar que recebeu apoio de setores civis, e que a despeito de suas diferentes fases, vigorou de 1964 até 1985. Como disse Betinho, um dos meus guros, “a ditadura militar brasileira era militar, era ditadura, mas tinha períodos. Cada general tinha seu turno. Havia uma formalidade, que era uma coisa simbólica: a ditadura escolhia o presidente, mas queria que o Congresso ratificasse a decisão do que era feito pelo Comando Militar”4. Ainda que formalmente e de forma bastante limitada, a ditadura brasileira implantada em 64, diferente de outras experiências ditatoriais, conservou alguns instrumentos da liberal democracia como partidos e eleições. Os três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário continuaram existindo, mas, subjugados pelo poder maior, o chamado “poder revolucionário”. Hoje, diferentemente do que pensávamos, graças a estudos de muitos colegas, sabemos os militares não eram burros, tiveram apoio de importantes setores 4

Betinho. In Caminhos da Democracia. Junqueira, Zilda Almeida (org.). Rio de Janeiro, Canal Imaginário, 2009, p. 101


7

civis e muitas foram as divergências entre eles. De fato, cada “turno” teve suas especificidades. Um “turno” foi diferente do outro. Entre os marcos importantes do regime, sem dúvida, um foi o Ato Institucional número 5, decretado em 13 de dezembro de 1968, no turno do general Costa e Silva, sucessor de Castelo Branco. Esse também foi um marco na minha vida, um marco na famosa geração de 68. 1968 foi o ano muito longo, muito intenso, mas também muito breve. Em 1967 eu entrei no curso de Ciências Sociais, o destino quase natural para quem queria transformar o Brasil e mundo. De imediato passei a atuar de corpo e alma no movimento estudantil. Naquele momento o movimento estudantil tinha um papel chave na luta contra a ditadura. Depois de ter passado pela representação de turma, pelo diretório da faculdade, em 1968 acabei eleita para o Diretório Central dos Estudantes. Em 1968 as “passagens” eram muito rápidas. Foi nesse mesmo ano que ingressei na Ação Libertadora Nacional, ANL, cujo dirigente principal era Carlos Marighella, um dos assassinados pela ditadura. Com o endurecimento do regime o movimento estudantil entrou em refluxo. Muitos de nós radicalizamos nossas formas de luta. Queríamos derrubar a ditadura a todo custo e ingressamos em organizações que defendiam a luta armada. Era o caso da ANL, formada a partir de um “racha” do PCB. Para nós, o PCB, com sua crença na tal da burguesia nacional e na defesa do caminho pacífico para derrubar a ditadura, havia perdido o rumo da história. Estudar também havia perdido sentido para mim. A luta agora era outra. Pouco tempo depois, estávamos sendo caçados pela repressão, tendo que viver na clandestinidade. Agora era um caminho sem volta. O medo de ser presa e torturada era grande, mas a certeza da vitória final era maior. Em agosto de 1970 foi presa e levada para um quartel da Polícia do Exército conhecido como PE, situado na Rua Barão de Mesquita número 425, no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. Era naquele quartel que funcionava o Doi Codi. Embora houvesse diversos centros clandestinos de tortura, como a Casa da Morte em Petrópolis, muitos de nós fomos torturados nas dependências oficiais do Exército brasileiro e não em “porões” da ditadura. Agora era o turno do general Médici, período conhecido como “os anos de chumbo”, expressão também controversa. Do meu passado no quartel da PE, embora muito presente, nem sempre dá para lembrar. Como o silêncio e o esquecimento também fazem da memória, vou lembrar aqui apenas de dois fatos. O primeiro, talvez,


8

estimulada pelo dever da memória, onde assumo o papel de testemunha (e menos o de memorialista ou de historiadora) foi o meu encontro, numa daquelas madrugadas, com Bacuri, Eduardo Leite, militante também da ANL. Os dois totalmente estropiados, ele, certamente, mais do que eu. Em absoluto silêncio, tendo com pano de fundo os gritos dos torturadores, trocamos olhares de cumplicidade, quase um pedido de socorro mútuo. Não sei quantas pessoas encontraram com Bacuri antes do seu assassinato, que ocorreu em dezembro de 1970. Só sei que o ódio dos caras por ele era muito grande. Estavam indignados com os colegas da Cenimar que deixaram era semi morto e não tinha conseguido arrancar nada dele. A minha outra lembrança é a de uma prostituta da Lapa de nome Laura. Ela ficou na minha cela por dois dias, antes de ser solta. Recebi ordens expressas para conversar com ela e tentar diminuir a situação de “quase loucura” que ela se encontrava. Laura havia conhecido nas noites da Lapa um uruguaio com quem deixou seu telefone, para um possível segundo encontro. O uruguaio, acho que era um militante Tupamaro, uma forte organização de combate à ditadura no Uruguai, foi preso com o endereço de Laura no bolso. Ela desconhecia totalmente os nossos códigos. Literalmente em “estado de pânico”, me perguntava o tempo todo quem éramos, o que tínhamos feito de tão grave, o que era “ponto” e “aparelho”, o que significava terrorista, o que era o tal do comunismo. Muito machucada, Laura não dizia que nunca podia imaginar que houvesse no mundo um inferno igual àquele. Nunca soube como e se Laura conseguiu sobreviver depois te ter estado naquele inferno. Ao lado da brutalidade e ilegalidade, o regime tinha também uma faceta legal. Foi por conta dessa faceta e de suas ambigüidades que eu, depois de presa durante um ano e quatro meses, sem ter sido julgada, tive, depois de uma tremenda batalha judicial, relaxamento da minha prisão preventiva, segundo expressão jurídica da época, Embora com restrições e com vários processos correndo nas auditorias militares, aos poucos, consegui retomar minha vida. Em 1973, ainda em plena “anos de chumbo”, retomei meus estudos na Universidade Federal a Fluminense, UFF, estudos que haviam sido interrompidos desde 1969, em Pernambuco. Na UFF ninguém sabia da minha história. Embora com uma vida legal, eu me sentia vivendo uma espécie de semi clandestinidade. De vez em quando, no momento em que eu ia ser julgada ou quando a situação ficava


9

mais tensa, eu dava um sumiço. Foi na UFF, que conheci Renato. Com outros colegas, criamos o Centro de Estudos Noel Nutels. Juntos, também fizemos muitas pesquisas aqui, na Biblioteca Nacional. O Centro Noel Nutels era uma espécie de refúgio intelectual para extravasar a nossa militância reprimida. Além de cursos, seminários e da criação de uma revista Contraponto, discutíamos questões da conjuntura internacional e nacional. Vivi na UFF quase uma “revolução cultural”. Era como se eu tivesse aterrissado em outro planeta. Foi em meados da década de 1970 que a luta pela anistia, apesar de pautada desde os primeiros momentos de implantação do regime, ganhou maior densidade. Em 1973, Ulisses Guimarães, o presidente da agremiação partidária oposicionista MDB, o contraponto da Arena, lançou-se candidato à presidência da República. Sabendo que a disputa era um jogo de cartas marcadas, declarou-se o "anticandidato". Em uma campanha simbólica, percorreu o país de norte a sul, levantando a bandeira da anistia e denunciando os crimes da ditadura. A eleição presidencial através do Colégio Eleitoral foi realizada em de janeiro de 1974 e conforme o previsto, o general Ernesto Geisel foi o vitorioso, mas não foi por acaso que, nas eleições parlamentares de outubro daquele ano, o MDB obteve uma consagradora vitória sobre a Arena. Essa vitória sinalizava para muitos setores da sociedade a importância de utilizar os canais institucionais para desestabilizar o regime. Conforme expressão da época devia-se “comer a ditadura pelas beiradas”. Geisel, articulador do projeto de distensão lenta, segura e gradual do regime, fazia todos os tipos de manobra para não perder o controle da situação e enfraquecer as oposições que vinham num crescendo. A repressão investiu brutalmente contra os partidos de esquerda que haviam sobrevivido, ainda que parcialmente, aos “anos de chumbo.” As demais organizações, que depois do golpe, mas, sobretudo, depois de 1968, haviam optado pela luta armada, estavam praticamente destroçadas. Foi no turno do Geisel que vários militantes do Partido Comunista Brasileiro (PCB), do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e da Ação Popular (AP) foram presos, torturados e assassinados. O turno do general Geisel, o chamado “turno da distensão” foi particularmente duro para mim. Em 4 março de 1976, Alexandre, meu marido na época, foi seqüestrado e torturado naquele mesmo quartel que havíamos sido torturados seis anos antes. Agora os presos eram colocados em pequenas caixas, sem luz, geladas, hermeticamente


10

fechadas e com alternâncias de sons estridentes. A repressão estava mais sofisticada. Nesse torto e tortuoso processo de distensão do regime, a oposição crescia e os movimentos sociais começam a explodir em muitos lugares, entre eles o da anistia. Nessa cruzada oposicionista em torno das liberdades democráticas e da bandeira da anistia, o assassinato de Vladimir Herzog, diretor da TV Cultura de SP, ocorrido em 25 de outubro de 1975, nas dependências militares, representou um marco. A versão oficial, divulgada nos jornais, inclusive através de fotos, era de que o jornalista havia se suicidado na cela, dez horas após a sua prisão. O episódio gerou diversas mobilizações. Nesse mesmo ano, mães e mulheres de perseguidos políticos organizaram Movimentos Femininos pela Anistia em diversos estados do país. O movimento se estendia também para fora do Brasil, onde era grande o número de exilados. Lembro também que fazíamos discussões infindáveis para saber se deveríamos votar ou não nos chamados candidatos progressistas do MDB, para o Legislativo, o único lugar onde havia eleições diretas. Fui num dessas reuniões históricas na casa de Fernando Gasparian, da editora Paz e Terra que conheci Sérgio Ferreira. Lembro do Sérgio, nadando em certo sentido contra a corrente, fazendo um discurso brilhante e inflamado na defesa do voto nulo. Mas Sergio, apesar da sua bela argumentação, não me convenceu e eu me filiei ao MDB que passou a ser minha nova trincheira na luta contra a ditadura. Em 1978, foi criado, no Rio de Janeiro, o Comitê Brasileiro pela Anistia, o CBA, com a palavra de ordem anistia ampla, geral e irrestrita. Em pouco tempo, comitês foram se espalhando em outros estados, alguns se organizando por bairro, por categoria profissional, etc. A sede do CBA no Rio era no Flamengo no prédio que hoje sedia o Colégio de Altos Estudos da UFRJ. As reuniões do CBA eram semanais e ali se encontravam ex presos e muitos familiares de presos, mortos e desaparecidos políticos. Todos na busca de alguma notícia. Foi ali que conheci Agostinho, meu atual marido. Agostinho era o pai “adotivo” de Juliana, filha de Honestino Guimarães, ex presidente da UNE e um dos muitos desaparecidos políticos. Até hoje o seu corpo não foi encontrado. Em meados de 1979, já no turno do general João Figueiredo, continuando o projeto de distensão, agora chamado de abertura, no dia


11

28 de agosto de 1979, depois de aprovada no Congresso, foi sancionada uma lei da Anistia. Como forma de pressão para conquistar uma anistia ampla geral e irrestrita, os presos políticos haviam feito uma greve de fome que durou 32 dias e sensibilizou muitos setores da sociedade. Mas o projeto aprovado não foi o nosso projeto. A anistia era concedida a todos os brasileiros, com exceção daqueles que tivessem cometido crimes de sangue. Segundo algumas leituras, a lei garantia o perdão aos "dois lados": seja aos que combateram o regime militar, desde que não houvessem cometido crimes de sangue, seja aos que eram agentes da ditadura e que haviam praticado crimes de sangue, crimes hediondos como torturas e assassinatos. Ou seja, aquela anistia, era totalmente incoerente. Essa leitura foi possível porque a lei concedia anistia aos crimes políticos e chamados crimes conexos. Mas a tortura não é, e nunca foi, crime político, nem um crime conexo ao crime político. Entretanto, como a ditadura não reconhecia a tortura, a lei, obviamente, nada dizia sobre a tortura. E os agentes do Estado ficaram anistiados em função dos tais dos crimes conexos. Ao contrário de outros casos na América Latina, no Brasil, a anistia não foi concedida por regimes posteriores à queda dos governos militares, mas outorgada pelo regime ditatorial, através de uma negociação com a oposição. Por isso, muitos de nós, avaliávamos que mesmo limitada, aquela era a anistia possível. Hoje, no Brasil vivemos o que alguns autores chamam de “transição inconclusa”. Ou seja, diferentemente de outros países como a Argentina onde houve um forte trauma diante da violência, no Brasil os passos ainda são tímidos para enfrentar o passado de impunidades e a sensação de frustração diante da impunidade é grande. Paradoxalmente, hoje o Brasil - ao mesmo tempo que é signatário de numerosas convenções internacionais que consideram a tortura crime imprescritível -, é réu em ação movida pelo Centro de Justiça e Direito Internacional (Cejil) na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), acusado de proteger os responsáveis pela tortura, assassinato e desaparecimento de presos políticos durante a ditadura militar. Na nossa Constituição de 1988 a tortura é considerada um crime inafiançável. Acho importante mencionar aqui duas pesquisas que sinalizam para as dificuldades que o Brasil de hoje tem para lidar com essas questões: anistia e tortura. A pesquisa sobre a anistia foi realizada pelo IPEA em 2012.


12

Indagadas se tinham conhecimento sobre a Lei de Anistia 42,9% nunca ouviram falar. 31,9% ouviram, mas não sabiam o que era. Apenas 24,3% sabiam. Das 24,3% que sabiam, apenas 22,2% concordavam com a revisão e punição apenas para os agentes da repressão; 45% incluíram a punição à esquerda armada e 32% não queriam qualquer investigação ou punição. A outra é uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos da Violência da Universidade se São Paulo, USP em 2010, onde 50% da população de 11 capitais concordavam, em parte, ou totalmente com o uso da tortura para obter provas contra suspeitos. Esses dados são preocupantes. Mas o momento é propício para que o debate. Nesse sentido, a Comissão da Verdade, ainda que instalada tardiamente e das dificuldades que enfrentou para se constituir e das dificuldades que continua enfrentado, está tendo um papel muito relevante. Espero que não só os trabalhos da Comissão da Verdade, mas atividades diversas, seminários como esse organizado pela Biblioteca Nacional e a atuação firme de entidades como a Anistia Internacional, o Grupo Tortura Nunca Mais, a Comissão dos Familiares dos Mortos e Desaparecidos e de outros grupos que tem se organizado para enfrentar a precariedade dos direitos humanos o Brasil de hoje, somem seus esforços para tentar banir a tortura do nosso país e levar aos tribunais para julgamento os responsáveis por crimes contra a Humanidade, crimes imprescritíveis e que foram e continuam sendo praticados por agentes do poder público, por representantes do Estado. Finalizo essa conferência lembrando que no Brasil de hoje, cidadãos e cidadãs, como Claudia Silva Ferreira que apenas saiu de casa para a rotina do seu trabalho e garantir o sustento de sua família, continuam recebendo um tratamento semelhante ao que nós, presos durante o regime ditatorial iniciado com o golpe de 1964, recebemos do Estado brasileiro: “um tratamento que nem cachorro merece”. Dulce Pandolfi 27/3/2014


Texto dulce golpe de 64 biblioteca nacional 2