Page 1

Manual da Igreja Adventista do SĂŠtimo Dia


Manual de Igreja Igreja Adventista do Sétimo Dia Revisão 2008 17ª Edição

Publicadora SerVir, S. A. Sabugo - Portugal


Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia Título Original: Seventh-Day Adventist Church Manual (Revised 2005 17th Edition) Copyright © 2005 by Secretariat, General Conference of Seventh-Day Adventists Editado em Portugal por: PUBLICADORA SERVIR, S.A. Rua da Serra, 1 Sabugo 2715-398 ALMARGEM DO BISPO Tel.: 219 62 62 00 Fax.: 219 62 62 01 Internet publicadora@pservir.pt Director Geral: Enoque Pinto Tradução e Diagramação: Publicadora SerVir Direitos de Tradução e Publicação em Língua Portuguesa Reservados para a Publicadora SerVir S.A.

Não é permitida a reprodução total ou parcial deste livro, ou a sua cópia transmitida, transcrita, armazenada, num sistema de recuperação, ou traduzido em qualquer linguagem humana, ou de computador, sob qualquer forma ou por qualquer meio electrónico, mecânico, manual, fotocópia ou outro, ou divulgado a terceiros, sem autorização prévia por escrito dos titulares do Copyright.

2ª Edição em Portugal


ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO Desenvolvimento Histórico da Igreja Adventista do Sétimo Dia Desenvolvimento Histórico do Manual da Igreja . . . . . . . . Conteúdo do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alterações do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . Esclarecimento de Significado . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uso do Termo Conferência (Associação), etc. . . . . . . . . . . Nota . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Esta Edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . .

21 21 23 23 25 25 25 25

CAPÍTULO 1 Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . 27 A Autoridade da Igreja na Igreja Primitiva . . . . . . . . . . . . 27 A Autoridade da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia . . . 27 CAPÍTULO 2 A Igreja do Deus Vivo . . . . . . . . . . . . . . Nenhum Muro de Separação . . . . . . . . . O Supremo Objecto da Consideração de Cristo A Oposição do Inimigo . . . . . . . . . . . . A Igreja Completa em Cristo . . . . . . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

29 29 30 31 32

CAPÍTULO 3 Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia . . . . . . 35 CAPÍTULO 4 Organização Fundada em Princípios Divinos A Base Bíblica da Organização . . . . . . . A Importância Vital da Organização . . . . . O Propósito Divino da Organização . . . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

49 49 50 51

CAPÍTULO 5 A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia . . 53 Formas de Governo Eclesiástico . . . . . . . . . . . . . . . . . 53


6

MANUAL DA IGREJA Quatro Níveis Constitutivos da Organização Adventista do Sétimo Dia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 As Instituições da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 A Conferência Geral é a Mais Alta Autoridade . . . . . . . . . . 55

CAPÍTULO 6 Os Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Condição de Membro numa Base Espiritual . . . . . . . . . O Baptismo é um Requisito do Evangelho . . . . . . . . . . . O Baptismo é um Requisito Prévio para Ser Membro da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Modo do Baptismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Ministros Devem Instruir Cabalmente os Candidatos Antes do Baptismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exame Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aliança Baptismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Voto Baptismal e Baptismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Voto Baptismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Voto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Voto (Alternativo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Certificado de Baptismo e Compromisso . . . . . . . . . . Compromisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Boas-vindas aos Candidatos . . . . . . . . . . . . . . . . . Aceitação de Membros que Não Sejam Conhecidos . . . . . Cerimónia Baptismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Situação Regular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Transferência de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Transferência de Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . . Método de Concessão de Cartas de Transferência . . . . . Emissão da Carta pelo Secretário . . . . . . . . . . . . . . Método Alternativo para a Transferência de Membros . . . Posição do Membro Durante o Intervalo da Transferência Recepção de Membros Perturbada por Condições Mundiais Inclusão nos Relatórios Estatísticos . . . . . . . . . . . . . Se o Membro não For Aceite . . . . . . . . . . . . . . . . . Não Conceder Cartas a Membros sob Disciplina . . . . . .

. 59 . 59 . 59 . 60 . 60 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

61 61 62 62 62 63 64 64 64 66 66 66 67 67 67 67 68 68 69 69 69 70 70


Índice Geral Cartas Concedidas Apenas aos Membros em Situação Regular Não Votar a Carta sem a Aprovação do Membro . . . . . . . O Conselho da Igreja Não Pode Conceder Cartas . . . . . . A Igreja da Conferência (Associação)Missão/Campo Local . . . Grupos Organizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Questões Relacionadas com a Admissão e a Exclusão de Membros Admissão de Membros por Profissão de Fé . . . . . . . . . . Remoção de Nomes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de Membros Afastados . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rebaptismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pessoas de Outras Comunidades Religiosas . . . . . . . . . . Apostasia e Rebaptismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rebaptismo Impróprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CAPÍTULO 7 Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres . . . . . . . . . . . . . . . As Suas Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aptidão Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aptidão Religiosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Igreja Tem de Ser Protegida e Alimentada . . . . . . . . . . Respeito e Deferência Devidos a Ministros e Oficiais da Igreja Não Ter Pressa em Confiar Cargos de Responsabilidade . . . Os que se Opõem à Unidade Não São Aptos para Exercer Cargos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . É Perigoso Escolher Aqueles que se Negam a Cooperar com os Outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . É Exigido o Estatuto de Membro Para Poder Ser Eleito . . . . . Período de Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Ancião da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Importância do Cargo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um Dirigente Religioso da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . Capaz de Ministrar a Palavra . . . . . . . . . . . . . . . . . Período de Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ordenação do Ancião Local . . . . . . . . . . . . . . . . . Formação e Preparação dos Anciãos Locais . . . . . . . . . A Obra do Ancião da Igreja é Local . . . . . . . . . . . . . .

7 70 70 71 71 72 73 73 74 75 75 75 76 76 77 77 77 77 78 79 80 81 81 81 82 82 82 82 83 83 83 84 84


8

MANUAL DA IGREJA Fomentar Todos os Ramos de Actividade da Igreja . . . . . . 84 Relações Entre o Ancião e o Ministro Ordenado . . . . . . . 85 Direcção dos Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja . . . 85 A Cerimónia Baptismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 A Cerimónia de Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Cooperar com a Conferência (Associação)/Missão/Campo . . 86 Promover a Obra Missionária Mundial . . . . . . . . . . . 87 Fomentar a Fidelidade no Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . 87 Distribuição de Responsabilidades . . . . . . . . . . . . . . 87 O Primeiro Ancião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O Ancião não é Delegado Ex Officio . . . . . . . . . . . . . 88 Limitação da Autoridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O Director de Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O Diácono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Importância do Cargo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 O Conselho dos Diáconos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Os Diáconos Devem Ser Ordenados . . . . . . . . . . . . . . 90 Os Diáconos Não Estão Autorizados a Presidir . . . . . . . . 91 Deveres dos Diáconos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 A Diaconisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Os Deveres das Diaconisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 O Conselho das Diaconisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 O Secretário da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Um Cargo Importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Nenhum Nome Pode Ser Acrescentado ou Eliminado da Lista de Membros Sem um Voto da Igreja . . . . . . . . . . . . . . 94 Transferência de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Correspondência com os Membros . . . . . . . . . . . . . . 94 Credenciais dos Delegados à Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Os Relatórios Devem Ser Enviados Pontualmente . . . . . . . 95 Os Registos da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 O Tesoureiro da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Um Trabalho Sagrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 O Tesoureiro Tem à Sua Guarda Todos os Fundos da Igreja . 96 Os Fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo . . . 96


Índice Geral Os Fundos da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . Os Fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . Os Fundos da Igreja Local . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Fundos das Organizações Auxiliares . . . . . . . . . . Salvaguarda do Propósito dos Fundos . . . . . . . . . . . Dinheiro para Pedidos Pessoais de Literatura . . . . . . Método Adequado de os Membros Entregarem Dinheiro à Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recibos para os Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . O Devido Método de Remeter Fundos Para a Conferência (Associação)/Missão/Campo . . . . . . . . . . . . . . Conservação dos Comprovativos . . . . . . . . . . . . . Os Livros Devem ser Conferidos . . . . . . . . . . . . . . As Relações com os Membros são Confidenciais . . . . . O Coordenador de Interessados . . . . . . . . . . . . . . . . Um Oficial da Igreja Desligado da Comunidade da Igreja . . Cerimónia de Tomada de Posse . . . . . . . . . . . . . . . . Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Envolver Todos os Membros no Ministério . . . . . . . . Ministérios dos Pequenos Grupos . . . . . . . . . . . . . Grupos de Estudo da Bíblia . . . . . . . . . . . . . . Grupos de Interesse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grupos Missionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Começar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Formação e Preparação dos Anciãos Locais . . . . . . . A Cerimónia de Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . Preparação para o Serviço Baptismal . . . . . . . . . . . Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja . . . . . Um Cargo Importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Correspondência com os Membros . . . . . . . . . . . . Relatórios a Serem Fornecidos Pontualmente . . . . . . . Dinheiro para Pedidos Pessoais de Literatura . . . . . .

9 . . . . . .

. . . . . .

96 97 97 97 98 98

. . 98 . . 99 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

99 99 99 100 100 101 101 101 101 103 104 105 105 106 106 106 107 107 107 108 108 108

CAPÍTULO 8 Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . . . 109 Princípios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Culto Espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109


10

MANUAL DA IGREJA O Objectivo dos Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja Reverência pela Casa de Culto . . . . . . . . . . . . . . Deve Ensinar-se a Reverência às Crianças . . . . . . . . O Decoro e o Silêncio no Lugar de Culto . . . . . . . . . O Planeamento das Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . A Hospitalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Oradores Não Autorizados nas Nossas Igrejas . . . . . . Lugar da Música na Adoração . . . . . . . . . . . . . . . . . O Lugar da Música no Culto Divino . . . . . . . . . . . . Cantar com o Espírito e o Entendimento . . . . . . . . . Escolha dos Dirigentes do Coro . . . . . . . . . . . . . . Executantes de Música na Igreja . . . . . . . . . . . . . . Os Serviços Religiosos de Sábado . . . . . . . . . . . . . . . A Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Culto Divino de Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . A Santidade da Hora do Culto de Sábado . . . . . . . . . A Forma do Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Anúncios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Oração em Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Serviço da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Cerimónia do Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . . Pão e Vinho Não Fermentados . . . . . . . . . . . . . . . Um Memorial da Crucificação . . . . . . . . . . . . . . . Uma Proclamação da Segunda Vinda . . . . . . . . . . . O Anúncio do Serviço da Comunhão . . . . . . . . . . . A Celebração do Serviço da Comunhão . . . . . . . . . . Duração do Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preliminares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pão e Vinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Celebração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quem Pode Participar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Todos os Membros Devem Participar . . . . . . . . . . . Quem Pode Dirigir o Serviço da Comunhão . . . . . . . . Comunhão para os Doentes . . . . . . . . . . . . . . . . A Reunião de Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

109 109 110 110 111 111 112 112 112 112 113 113 114 114 114 114 115 115 116 116 117 118 118 119 119 119 119 120 120 120 120 120 121 121 122 122 123


Índice Geral A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . O Clube de Desbravadores . . . . . . . . . O Clube de Tições . . . . . . . . . . . . . . As Reuniões Missionárias da Igreja . . . . . Datas das Reuniões . . . . . . . . . . . Fornecimento de Publicações no Sábado As Reuniões Administrativas . . . . . . . . O Conselho da Igreja e as Suas Reuniões . . Definição e Função . . . . . . . . . . . . Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . O Trabalho do Conselho da Igreja . . . . Comissões Designadas pelo Conselho . . As Reuniões do Conselho Escolar . . . . . . A Associação Lar e Escola . . . . . . . . . . Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Forma do Culto . . . . . . . . . . . . A Forma do Culto . . . . . . . . . . . . Mais Longa . . . . . . . . . . . . . . Mais Curta . . . . . . . . . . . . . . O Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . Pão e Vinho . . . . . . . . . . . . . . . . A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . A Hora das Reuniões . . . . . . . . . . . Reuniões Administrativas . . . . . . . . Comissões Designadas pelo Conselho . .

11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

124 124 124 124 125 125 125 126 126 127 128 128 128 130 130 130 131 131 132 132 133 133 133 134 135 135 135 136 137

CAPÍTULO 9 Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais . . . O Departamento dos Ministérios Pessoais . . . O Conselho dos Ministérios Pessoais . . . . O Director dos Ministérios Pessoais . . . . . O Secretário dos Ministérios Pessoais . . . . Serviços à Comunidade/Sociedade de Dorcas

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

139 139 140 140 140 141


12

MANUAL DA IGREJA O Centro de Serviços à Comunidade . . . . . . . . . . Os Homens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . O Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência . . O Coordenador da Escola Bíblica . . . . . . . . . . . O Departamento da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . O Conselho da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . O Director . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Vice-Director . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Vice-Secretário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário do Fundo de Investimento . . . . . . . . O Director da Escola Cristã de Férias . . . . . . . . . O Director da Música . . . . . . . . . . . . . . . . . O/a Pianista e/ou Organista . . . . . . . . . . . . . . Os Directores das Divisões da Escola Sabatina . . . . A Divisão de Extensão . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Monitores da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . A Reunião dos Monitores da Escola Sabatina . . . . . As Lições da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . As Ofertas da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . O Dinheiro para Despesas . . . . . . . . . . . . . . . O Relatório Trimestral . . . . . . . . . . . . . . . . . A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . Declaração de Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas . . O Conselho dos Ministérios dos Jovens Adventistas . . O Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . Os Oficiais da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . O Director e o Vice-Director dos Jovens . . . . . . . . O Secretário-Tesoureiro e o Vice-Secretário-Tesoureiro O Conselheiro da Sociedade dos Jovens Adventistas . Actividades dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . . . . . O Voto do Juvenil Adventista . . . . . . . . . . . . . . A Lei do Juvenil Adventista . . . . . . . . . . . . . . As Classes J. A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

141 141 141 142 142 143 144 144 144 144 145 145 145 145 145 146 146 146 147 147 148 148 148 150 150 150 151 151 151 152 152 153 153 154 155 155 155


Índice Geral Especialidades dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . O Clube de Desbravadores . . . . . . . . . . . . . . . . . O Clube de Tições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Educação Cristã e a Escola da Igreja . . . . . . . . . . . Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário de Educação da Igreja . . . . . . . . . . . Associação Lar e Escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Propósito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Director . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário-Tesoureiro . . . . . . . . . . . . . . . Ex Officio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Conselho Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Relações do Conselho Escolar com as Igrejas Locais . . Período de Mandato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Deveres dos Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Departamento de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . Importância da Comunicação Eficaz . . . . . . . . . . Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário de Comunicação e o Seu Trabalho . . . . . O Conselho de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . Relacionamento com os Outros Departamentos da Igreja Nos Grandes Centros Adventistas . . . . . . . . . . . . Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Departamento dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . . O Director dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . . Vice-Director dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . Conselho dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . . . Actividades dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . . A Sociedade dos Ministérios da Saúde . . . . . . . . . .

13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

155 156 157 157 157 158 158 158 158 159 159 160 160 160 160 160 160 161 161 161 162 162 162 163 163 163 163 164 164 164 165 165 165 165 165 166 166


14

MANUAL DA IGREJA A Oferta do Sábado Mundial dos Ministérios da Saúde Departamento de Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . O Director de Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . Departamento dos Ministérios da Família . . . . . . . . . Conselho dos Ministérios da Família . . . . . . . . . O(s) Director(es) dos Ministérios da Família . . . . . Departamento dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Directora dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . Qualificações da Directora dos Ministérios da Mulher O Conselho dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . Departamento dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Coordenador dos Ministérios da Criança . . . . . . O Conselho dos Ministérios da Criança . . . . . . . . Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa Associações de Liberdade Religiosa . . . . . . . . . . Associação de Liberdade Religiosa na Igreja Local . . O Director de Liberdade Religiosa da Igreja Local . . A Cerimónia de Tomada de Posse . . . . . . . . . . . . . Departamento dos Ministérios das Publicações . . . . . . O Conselho dos Ministérios das Publicações . . . . . O Coordenador dos Ministérios das Publicações . . . Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Conselho dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . O Secretário dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . Os Homens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . Centro de Serviços à Comunidade . . . . . . . . . . . O Coordenador da Escola Bíblica . . . . . . . . . . . O Director . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dinheiro para Despesas . . . . . . . . . . . . . . . . Declaração de Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas . . O Secretário-Tesoureiro e o Vice-Secretário-Tesoureiro da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

166 166 167 167 168 168 169 169 169 170 170 170 171 172 172 173 173 174 174 174 174 175 175 175 175 176 177 177 177 178 178 179 179 180

. . . . 180


Índice Geral A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . O Clube de Tições . . . . . . . . . . . . . . . . . O Secretário de Educação . . . . . . . . . . . . . Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Trabalho do Secretário de Comunicação . . . . O Conselho de Comunicação . . . . . . . . . . . O Director dos Ministérios da Saúde . . . . . . . O Conselho dos Ministérios da Saúde . . . . . . . O Director de Mordomia . . . . . . . . . . . . . O Conselho dos Ministérios da Família . . . . . . O(s) Director(es) dos Ministérios da Família . . . O Conselho dos Ministérios da Mulher . . . . . . O Conselho dos Ministérios da Criança . . . . . . O Coordenador dos Ministérios da Criança . . . . O Director de Liberdade Religiosa da Igreja Local O Conselho dos Ministérios das Publicações . . . O Coordenador dos Ministérios das Publicações .

15 . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

CAPÍTULO 10 Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja . . . . . . . . . . Um Ministério Divinamente Designado . . . . . . . . . . . . . O Presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo . . . Os Pastores e Directores de Distrito Não São Executivos . . . . O Presidente e o Conselho da Conferência (Associação/Missão/ Campo Dirigem os Directores Departamentais . . . . . . . . . O Trabalho dos Directores Departamentais Não é Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Relação do Ministro Ordenado com o Trabalho da Igreja . . . . As Igrejas Não Elegem o Pastor . . . . . . . . . . . . . . . . . Ministros Licenciados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Instrutores Bíblicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gerentes de Centros Adventistas de Publicações . . . . . . . . O Pastor Deve Auxiliar o Evangelista . . . . . . . . . . . . . . O Presidente e o Conselho Dirigem os Obreiros da Conferência (Associação)/Missão/Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . Credenciais e Licenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

181 181 181 182 182 182 183 183 184 184 185 185 186 186 187 187 188

. . . .

189 189 189 190

. 190 . . . . . . .

190 191 192 192 193 193 194

. 194 . 195


16

MANUAL DA IGREJA Credenciais Desactualizadas . . . . . . . . . . . . . . . . Destituição de um Ministro . . . . . . . . . . . . . . . . Obreiros Reformados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ministros sem Credenciais que Servem nas Nossas Igrejas

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

196 196 196 197

CAPÍTULO 11 A Eleição da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 A Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 Quando é Escolhida a Comissão de Nomeações . . . . . . . . 199 Como é Escolhida a Comissão de Nomeações . . . . . . . . . 200 Quem Deve Ser Membro da Comissão de Nomeações . . . . . 200 O Trabalho da Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . 201 A Comissão de Nomeações Deve Consultar os Prováveis Futuros Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 Um Membro Pode Ir Falar à Comissão de Nomeações . . . . 203 As Discussões da Comissão de Nomeações São Confidenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 A Apresentação do Relatório à Igreja . . . . . . . . . . . . . 204 Objecções ao Relatório da Comissão de Nomeações . . . . . 204 Vagas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 Eleição de Delegados à Assembleia da Conferência (Associação)/ Missão/Campo Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 Escolha dos Delegados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 O Dever dos Delegados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206 Responsabilidade dos Oficiais da Conferência (Associação)/Missão/ Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207 Os Membros do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo Representam Toda a Conferência (Associação)/Missão/ Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207 CAPÍTULO 12 Finanças Evangélicas . . . . . . . . . . . A Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . O Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . Generosidade Sistemática e Unidade Como Deve Ser Utilizado o Dízimo .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

209 210 212 212 213


Índice Geral

17

Como Deve Ser Entregue o Dízimo . . . . . . . . . . . . . . Os Obreiros e os Oficiais da Igreja Devem Dar o Exemplo na Entrega do Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Entrega do Dízimo é uma Obrigação Bíblica . . . . . . . . As Ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Ofertas da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . Outras Ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Donativos Especiais a Campos . . . . . . . . . . . . . . . . Auxílio aos Pobres e Necessitados . . . . . . . . . . . . . . . O Orçamento da Igreja para Gastos Locais . . . . . . . . . . Modelo de Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Orçamento da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conselhos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre Solicitações de Fundos . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre Métodos Não Recomendáveis de Angariar Dinheiro para as Igrejas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre os Dízimos e as Ofertas Não Serem um Depósito Pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre Evitar Dívidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre o Financiamento de Edifícios da Igreja . . . . . . . . . Sobre o Manuseamento e a Escrituração dos Fundos . . . . . Sobre a Revisão de Contas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CAPÍTULO 13 Normas de Vida Cristã . . . . . . . . . . . O Alto Chamado de Deus em Cristo Jesus O Estudo da Bíblia e a Oração . . . . . . . Relações com a Comunidade . . . . . . . A Observância do Sábado . . . . . . . . . Reverência Pelo Lugar de Culto . . . . . . Saúde e Temperança . . . . . . . . . . . . O Vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . A Simplicidade . . . . . . . . . . . . . . . A Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rádio e Televisão . . . . . . . . . . . . . Recreação e Divertimento . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .

213 213 213 214 214 214 214 215 215 216 216 217 217 218 218 219 219 219 220 221 221 222 223 223 225 225 227 228 229 229 230


18

MANUAL DA IGREJA A Música . . . . . . . . . . . As Relações Sociais . . . . . Acompanhamento dos Jovens Namoro e Casamento . . . . Conclusão . . . . . . . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

CAPÍTULO 14 Disciplina Eclesiástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Princípios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Tratar os Membros que Erram . . . . . . . . . . . . Tentar a Reconciliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Autoridade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Igreja Tem a Responsabilidade de Corrigir o Pecado . . . Os Não Consagrados Resistem à Disciplina da Igreja . . . As Regras e os Regulamentos São Necessários . . . . . . . Organizações Independentes . . . . . . . . . . . . . . . . . Salvaguarda da Unidade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . Conciliação de Dissensões Entre os Membros . . . . . . . . Conciliação de Queixas de Membros Contra a Igreja . . . . Conciliação de Queixas da Igreja Contra Membros . . . . . Administração da Disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Disciplina por Censura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Disciplina por Remoção da Lista de Membros da Igreja . . . . Razões Para Disciplinar Membros . . . . . . . . . . . . . . . . Prontidão e Sensatez no Processo de Disciplina . . . . . . . . . Cuidado ao Disciplinar os Membros . . . . . . . . . . . . . . . Nem Ministros Nem Igrejas Devem Determinar Provas de Discipulado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Numa Reunião Devidamente Convocada . . . . . . . . . . . O voto da Maioria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Conselho da Igreja Não Pode Excluir Membros . . . . . . O Membro Tem o Direito de Ser Ouvido para se Defender . Os Membros Não Podem Ser Representados por Advogados Não se Excluirão Membros por Não Frequentarem as Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Membros que Mudam de Residência Sem Informar a Igreja .

. . . . .

231 232 234 234 236

. . . . . . . . . . . . . . . . . .

237 237 237 238 240 240 241 242 242 243 244 245 245 246 247 248 248 249 250

. . . . . .

250 251 251 251 251 251

. 252 . 252


Índice Geral

19

Não se Excluirão Membros por Motivos Pecuniários . . . . . Exclusão de um Membro a Seu Pedido . . . . . . . . . . . . Notificação aos Membros Removidos da Comunhão da Igreja Readmissão de um Membro de Igreja Excluído . . . . . . . . Direito de Apelar Para Obter a Readmissão . . . . . . . . . . Transferência de Membros sob Censura . . . . . . . . . . . .

252 253 253 253 254 254

CAPÍTULO 15 Casamento, Divórcio e Novo Casamento . . . . . . . . . . . Ensinos Bíblicos Acerca do Casamento . . . . . . . . . . . A Origem do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . A Unidade do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . A Perpetuidade do Casamento . . . . . . . . . . . . . . A Intimidade Sexual no Casamento . . . . . . . . . . . Parceria no Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Efeitos da Queda Sobre o Casamento . . . . . . . . Restauração e Cura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Ideal Divino a Ser Restaurado em Cristo . . . . . Unidade e Igualdade a Serem Restauradas em Cristo Graça Acessível a Todos . . . . . . . . . . . . . . . A Função da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinos Bíblicos Acerca do Divórcio . . . . . . . . . . . . O Propósito Original de Deus . . . . . . . . . . . . . . Casamentos que Podem Ser Destruídos . . . . . . . . . A Graça Divina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Motivos para Divórcio . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinos Bíblicos Acerca do Novo Casamento . . . . . . . . A Posição da Igreja Sobre o Divórcio e o Novo Casamento O Ministério da Igreja Local Pelas Famílias . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

255 255 255 255 255 255 256 256 257 257 257 257 257 257 257 258 258 258 258 259 262

CAPÍTULO 16 Organização, Fusão e Dissolução de Igrejas Organização de uma Igreja . . . . . . . . Fusão de Igrejas . . . . . . . . . . . . . . Dissolução e Expulsão de Igrejas . . . . . Perda de Membros . . . . . . . . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

265 265 267 268 268

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .


20

MANUAL DA IGREJA Disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Cuidado com os Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo Actuará em Todos os Casos . . . . . . . . . . . . . . . . As Propriedades, os Fundos e os Registos da Igreja . . . . .

269 271 . . 271 271

CAPÍTULO 17 O Púlpito Não É um Fórum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273 APÊNDICE Esboço das Crenças Doutrinárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 Índices . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283 Índice Remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283 Índice de Passagens Bíblicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307 Índice dos Excertos do Espírito de Profecia . . . . . . . . . . . . 316


21

Introdução Desenvolvimento Histórico da Igreja Adventista do Sétimo Dia Em cumprimento do plano divino, o Movimento Adventista iniciou a sua caminhada profética para o reino no ano de 1844. Em número reduzido, e carregando frequentemente as tristes recordações de terem sido expulsos das suas igrejas por terem aceitado a doutrina do Advento, os pioneiros do Movimento enfrentaram inicialmente algumas incertezas. Sentiam-se seguros quanto às doutrinas que mantinham, mas inseguros quanto à forma de organização a adoptar, se alguma devesse na realidade ser adoptada. Efectivamente, a maioria deles lembrava-se tão bem da maneira como as fortes e bem organizadas igrejas tinham usado a sua força para se opor à verdade do Advento, que instintivamente receava qualquer ordem ou administração centralizada. Apesar de tudo, alguns dos dirigentes pioneiros começaram a compreender com crescente clareza que seria indispensável alguma forma de administração para se manter a boa ordem e para que o Movimento se pudesse tornar forte. A convicção deles foi grandemente apoiada pelas mensagens da pena de Ellen G. White. O resultado foi que, em 1860, se escolheu um nome para a Igreja, o de Adventista do Sétimo Dia, e se criou uma instituição legal para manter a propriedade da Igreja. Seguiu-se, em 1861, a organização da nossa primeira Conferência (Associação), a de Michigan. Isto envolveu a organização de igrejas locais cujos membros assinaram uma aliança, e a organização de várias igrejas num único corpo para constituir aquilo a que hoje chamamos uma associação local. Foi então decidido entregar aos pastores documentos de identificação, de modo a proteger as igrejas contra impostores que pudessem tentar explorá-las. Em 1863 organizou-se a Conferência Geral, agrupando assim numa única instituição as várias associações locais que entretanto tinham sido criadas. Isto conferiu ao Movimento Adventista uma orientação coordenada e organizada. Desenvolvimento Histórico do Manual da Igreja À medida que a Conferência Geral se reunia em assembleia ano após ano, começaram a tomar-se decisões sobre vários assuntos de ordem ecle-


22

MANUAL DA IGREJA

siástica, num esforço para definir as regras apropriadas às diferentes situações na vida da Igreja. Em 1882, a assembleia da Conferência Geral votou a preparação de “instruções aos oficiais de igreja, para serem impressas na Review and Herald ou em forma de folheto”. – Review and Herald, 26 de Dezembro de 1882. Esta decisão revelou o crescente reconhecimento de que uma determinada ordem era indispensável para que a organização funcionasse de modo eficiente, e de que a uniformidade nessa ordem exigia que os seus princípios de orientação fossem impressos. Foram então publicados os respectivos artigos mas, na assembleia da Conferência Geral de 1883, quando se propôs que esses artigos fossem agrupados definitivamente sob a forma de um Manual da Igreja, a ideia foi rejeitada. Os irmãos temiam que isso pudesse vir a tornar a Igreja formal e tirar aos seus ministros a liberdade de tratar os assuntos de ordem eclesiástica de acordo com o seu desejo individual. No entanto, este receio – reflectindo sem dúvida a oposição que se tinha verificado vinte anos antes a qualquer forma de organização da Igreja – evidentemente em breve veio a desfazer-se. As assembleias anuais da Conferência Geral continuaram a tomar decisões sobre assuntos de ordem da Igreja. Por outras palavras, de modo lento mas seguro, foram produzindo a matéria para um Manual da Igreja. Em algumas ocasiões, certos irmãos influentes procuraram reunir num livro, ou em forma de folheto, as regras geralmente aceites para a vida da Igreja. O mais significativo esforço neste sentido foi provavelmente um livro de 124 páginas organizado pelo bem conhecido pioneiro J. N. Loughborough, intitulado A Igreja, sua Ordem e Disciplina, publicado em 1907. O livro do pastor Loughborough, apesar de ter sido de certo modo um empreendimento pessoal, abordava muitos dos tópicos agora abrangidos pelo nosso Manual da Igreja, e ocupou durante muito tempo um lugar de honra no Movimento. Entretanto, o Movimento continuou a crescer rapidamente tanto no país (Estados Unidos) como fora dele. Foi, portanto, visando o interesse da própria ordem e devida uniformidade que durante muito tempo tinham sido o nosso objectivo, que o Conselho da Conferência Geral votou, em 1931, publicar um Manual da Igreja. J. L. McElhany, então vice-presidente da Conferência Geral para a América do Norte, e mais tarde presidente da Conferência Geral durante catorze anos, foi encarregado de preparar o manuscrito. Este manuscrito foi cuidadosamente examinado pelo Conselho


INTRODUÇÃO

23

da Conferência Geral e depois publicado em 1932. A frase de abertura do prefácio da primeira edição observa bem que “se tornou cada vez mais evidente a necessidade de um manual sobre a administração da Igreja para preservar as nossas práticas e normas denominacionais”. Note-se a palavra preservar. Não houve aqui qualquer tentativa de criar tardia e subitamente todo um modelo de administração da Igreja. O que houve foi um esforço para, primeiro, preservar todas as boas decisões tomadas durante os anos e, segundo, acrescentar algumas regras que o nosso contínuo crescimento e complexidade pudessem exigir. Ver Capítulo 1: Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja no que diz respeito à função do Manual da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Conteúdo do Manual da Igreja A Assembleia Geral de 2000 autorizou a reclassificação de algum do material existente no Manual da Igreja e aprovou o processo de modificações. O conteúdo deste Manual da Igreja, conforme apresentado em capítulos e secções dentro desses capítulos, está dividido em dois tipos de materiais. O conteúdo principal de cada capítulo é de valor mundial e aplica-se a todas as igrejas. Reconhecendo a necessidade de variações, foi acrescentado outro material de natureza clarificadora, aparecendo como Notas no fim de alguns capítulos e que é dado como orientação. As Notas têm subtítulos e referem-se a páginas específicas. Alterações no Manual da Igreja Compreendendo cada vez melhor a importância de se fazer tudo “decentemente e com ordem” na nossa obra mundial, e que as decisões sobre a administração da Igreja não devem exprimir apenas a opinião mas também a plena autoridade da Igreja, a assembleia da Conferência Geral de 1946 adoptou o seguinte procedimento: “Todas as mudanças ou revisões de normas que devam ser introduzidas no Manual terão de ser autorizadas pela assembleia da Conferência Geral.” – General Conference Report, Nº. 8, p. 197 (14 de Junho de 1946). No entanto, em diferentes partes do mundo, as circunstâncias locais exigem por vezes decisões especiais. Consequentemente, o Concílio Outo-


24

MANUAL DA IGREJA

nal de 1948, que havia votado submeter as propostas de revisão à consideração da Assembleia da Conferência Geral em 1950, também votou: “Que cada Divisão, incluindo a Divisão Norte-Americana, prepare um ‘Suplemento’ ao novo Manual da Igreja, de modo nenhum para o modificar mas contendo matéria adicional aplicável às condições e circunstâncias que prevaleçam na respectiva Divisão, devendo os manuscritos destes suplementos ser submetidos à aprovação do Conselho da Conferência Geral antes de ser impressos.” – Autumn Council Actions (Resoluções do Concílio Outonal), 1948, pág. 19. As mudanças ou revisões no Manual da Igreja, com excepção das Notas (ver mais abaixo), só podem ser feitas por resolução de uma Assembleia da Conferência Geral, em que os delegados do corpo mundial de crentes se encontram reunidos e se pronunciam sobre a execução das revisões. Se algumas revisões forem consideradas necessárias por qualquer dos níveis constitutivos (ver págs. 54-56), tais revisões devem ser submetidas ao nível constitutivo imediatamente superior, para um mais amplo conselho e estudo. Se forem aprovadas, as revisões sugeridas serão então submetidas ao nível constitutivo seguinte para nova avaliação. Qualquer revisão proposta deverá depois ser remetida à Comissão do Manual da Igreja da Conferência Geral. Esta comissão apreciará todas as emendas ou revisões recomendadas e, caso sejam aprovadas, preparará a sua apresentação no Concílio Anual e/ou na Assembleia da Conferência Geral. Se qualquer das organizações devidamente constituídas considerar necessárias revisões das Notas que se encontram no fim de alguns capítulos do Manual da Igreja, tais revisões devem ser submetidas à organização imediatamente superior, para avaliação. Se forem aprovadas, as revisões sugeridas devem ser encaminhadas para as organizações superiores, para avaliações adicionais, até serem recebidas pela Comissão do Manual da Igreja. Esta comissão avaliará as propostas e, se forem aprovadas, serão votadas pelo Conselho Executivo da Conferência Geral, no último Conselho Anual do quinquénio, para serem coordenadas com as alterações do conteúdo principal que o Conselho Executivo da Conferência Geral recomendará à próxima Assembleia da Conferência Geral. No entanto o Conselho Executivo da Conferência Geral poderá efectuar alterações nas Notas em qualquer Conselho Anual. Uma nova edição do Manual da Igreja é publicada depois de cada


INTRODUÇÃO

25

Assembleia da Conferência Geral. Recomenda-se que os dirigentes, em todos os níveis da Igreja, ajam sempre de acordo com a edição mais recente do Manual da Igreja. Esclarecimento de Significado As igrejas devem dirigir-se à Conferência (Associação) local para qualquer conselho relativo ao funcionamento da igreja ou acerca de dúvidas que surjam sobre o texto do Manual da Igreja. Caso não se chegue a um mútuo entendimento ou acordo, o assunto deverá ser apresentado à União para esclarecimento. Uso do Termo Conferência (Associação), etc. Cada igreja Adventista do Sétimo Dia organizada é membro da irmandade de igrejas conhecida como uma Associação, a qual é um corpo unido e organizado de igrejas num estado, país ou território. Até que seja alcançado o estatuto pleno de Associação (ver o Working Policy da Conferência Geral), pode ser usado o título de Missão, Secção, ou Campo para designar a organização colectiva das igrejas locais. No Manual da Igreja, o termo Associação ou União de Associações pode também aplicar-se a uma Missão ou a uma União de Missões. Nota: Dado o facto de que, em alguns países, incluindo Portugal, existe a organização designada por União de Igrejas, sem passar pelo elo intermédio do Campo/Missão/Conferência (Asssociação), todo o relacionamento oficial das igrejas locais é efectuado directamente com a Administração da respectiva União. Esta Edição A presente edição incorpora todas as revisões e acréscimos aprovados até à Assembleia da Conferência Geral de 2005 inclusive.


27 CAPÍTULO 1

Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja A Autoridade da Igreja na Igreja Primitiva – Como Criador, Redentor e Mantenedor, Senhor e Rei de toda a criação, só Deus é a fonte e a base da autoridade para a Igreja. Ele delegou autoridade aos Seus profetas e apóstolos (II Cor. 10:8). Portanto, eles ocuparam uma posição crucial e única na transmissão da Palavra de Deus e da edificação da Igreja (Efés. 2:20). Na Igreja primitiva, os anciãos e bispos tinham grande autoridade. Uma das suas funções principais era o cuidado pastoral em geral e a orientação (Actos 20:17-28; Heb. 13:17; I Pedro 5:1-3), com tarefas especiais tais como instruir na sã doutrina e refutar aqueles que a contradiziam (I Tim. 3:1, 2; Tito 1:5, 9). Aqueles que governavam bem deviam ser “estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina” (I Tim. 5:17). A Igreja tinha a responsabilidade da pureza na doutrina e na prática. Devia “provar se os espíritos são de Deus” (I João 4:1) ou, para usar a terminologia de Paulo, “examinar tudo” e “reter o bem” (I Tes. 5:21). O mesmo se aplicava no que se refere ao exercício da disciplina da Igreja (Mat. 18:15-17). O exercício da disciplina abrangia tudo desde a admoestação privada e carinhosa (cf. Mat. 18:16; Gal. 6:1) à exclusão de membro da Igreja (Mat. 18:18; I Cor. 5:11, 13; II Cor. 2:5-11). A Igreja tinha autoridade para estabelecer as condições de membro e as regras pelas quais a Igreja seria governada. A Autoridade da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia A aprovação feita na Sessão de 1946 da Assembleia Geral de que “todas as mudanças ou revisões dos estatutos” do Manual da Igreja deveriam ser “autorizadas pela sessão da Assembleia Geral,” reflecte a concepção do estatuto de autoridade das sessões da Assembleia Geral que existe há muito tempo. Na sessão de 1877 foi tomada esta deliberação: “Decidido que a mais alta autoridade abaixo de Deus entre os Adventistas do Sétimo Dia seja a vontade do corpo desse povo, expresso nas


28

MANUAL DA IGREJA

decisões da Assembleia Geral quando actuando dentro da jurisdição apropriada; e que todos, sem excepção, deverão submeter-se a essas decisões, a não ser que se possa provar que estejam em desacordo com a Palavra de Deus e o direito individual de consciência.” – Review and Herald, vol. 50, Nº 14, pág. 106. Em 1909 Ellen White escreveu: “Quando, numa Assembleia Geral, se exerce o juízo dos irmãos reunidos de todas as partes do campo mundial, a independência pessoal e o juízo particular não devem ser obstinadamente mantidos, mas renunciados. Nunca deveria um obreiro considerar como virtude a persistente defesa da sua posição de independência, contrária à decisão do corpo geral.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 408. Muito antes disso – em 1875 – Ellen White tinha escrito sobre o mesmo tema: “A Igreja de Cristo está em perigo constante. Satanás está a tentar destruir o povo de Deus, e não podemos confiar na maneira de pensar e na opinião de um só homem. Cristo deseja que os Seus seguidores se unam no âmbito da igreja, observando a ordem, tendo regras e disciplina, e todos sujeitos uns aos outros, considerando os outros melhores que eles próprios.” – Testimonies, vol. 3, pág. 445. Nestas palavras inspiradas, na sessão de 1877 da Assembleia Geral, e pela necessidade de regras bem definidas que são exigidas pela boa ordem, é que se encontra a base deste Manual da Igreja e do seu direito sobre todos nós, tanto ministros como leigos. O conteúdo do Manual da Igreja é a expressão da maneira como a Igreja Adventista do Sétimo dia compreende a forma de vida cristã e o governo e disciplina da Igreja baseada nos princípios bíblicos. Expressa a autoridade de uma sessão da Assembleia Geral devidamente reunida. “Deus ordenou que todos os representantes da Sua Igreja de todas as partes do mundo, quando reunidos em Assembleia Geral, tenham autoridade.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 408.


CAPÍTULO 2

A Igreja do Deus Vivo Pertencer à Igreja de Deus é um privilégio único que produz grande satisfação na alma. É propósito divino reunir um povo desde os confins da Terra, para o agrupar num único corpo, o corpo de Cristo, a Igreja, da qual Ele é a Cabeça viva. Todos quantos são filhos de Deus em Cristo Jesus são membros deste corpo e, dentro desta relação, podem desfrutar o companheirismo mútuo e também o companheirismo com o seu Senhor e Mestre. As Escrituras fazem referência à Igreja usando expressões como “a igreja de Deus” (Actos 20:28), “o corpo de Cristo” (Efés. 4:12), “a igreja do Deus vivo” (I Tim. 3:15), sendo este último nome o termo escolhido para título do presente capítulo introdutório. A palavra igreja é usada no texto bíblico pelo menos em dois sentidos: no sentido geral, aplica-se à Igreja em todo o mundo (Mat. 16:18, I Cor. 12: 28), e também num sentido particular à igreja numa cidade ou província. Vejam-se as seguintes passagens, onde são mencionadas igrejas locais: a igreja em Roma (Rom. 1:6 e 7), a igreja em Corinto (I Cor. 1:2), a igreja em Tessalónica (I Tess. 1:1). Notem-se também as referências feitas a igrejas provinciais: as igrejas da Galácia (I Cor. 16:1), as igrejas da Ásia (I Cor. 16:19), as igrejas da Síria e Cilícia (Actos 15:41). Cristo, como Cabeça da Igreja e seu Senhor vivente, tem amor profundo aos membros do Seu corpo. Deve ser glorificado na Igreja (Efés. 3:21). Por meio da Igreja o Senhor revelará “a multiforme sabedoria de Deus” (Efés. 3:10). Dia a dia Ele “alimenta” a Sua Igreja (Efés. 5:29), e o Seu maior anelo é fazer dela uma “igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Efés. 5:27). Nenhum Muro de Separação Cristo procurou, por preceito e exemplo, ensinar a verdade de que com Deus não deveria haver muro de separação entre Israel e as outras nações (João 4:4-42; 10:16; Luc. 9:51-56; Mat. 15:21-28). O apóstolo Paulo escreveu: “Os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa, em Cristo, pelo evangelho” (Efés. 3:6).


30

MANUAL DA IGREJA

Tão-pouco deveria existir entre os seguidores de Cristo qualquer preferência de casta, nacionalidade, raça ou cor, pois todos são de um mesmo sangue, “para que todo aquele que n’Ele crê não pereça mas tenha a vida eterna”. Os eleitos de Deus formam uma irmandade universal, uma nova humanidade, “porque todos vós sois um, em Cristo Jesus” (João 3:16; Gál. 3:28). “Cristo veio a esta Terra com uma mensagem de misericórdia e perdão. Lançou o fundamento de uma religião através da qual judeus e gentios, pretos e brancos, livres e servos, estão ligados numa irmandade comum, reconhecidos como iguais à vista de Deus. O Salvador tem um amor sem limites por cada ser humano.” – Testimonies, vol. 7, pág. 225. “Deus não reconhece distinção alguma de nacionalidade, raça ou casta. É o Criador de todo o homem. Todos os homens são de uma família pela criação, e todos são um pela redenção. Cristo veio para demolir toda a parede de separação e abrir todos os compartimentos do templo a fim de que toda a alma possa ter livre acesso a Deus... Em Cristo não há nem judeu nem grego, servo nem livre. Todos são aproximados pelo Seu precioso sangue.” – Parábolas de Jesus, pág. 386. O Supremo Objecto da Consideração de Cristo Aqueles que, ao Seu serviço, são incumbidos de cargos de liderança devem ter “cuidado da igreja de Deus” (I Tim. 3:5); hão-de “apascentar a igreja de Deus” (Actos 20:28); e sobre os ombros de alguns pesará “cada dia o cuidado de todas as igrejas”, como aconteceu com o amado apóstolo dos gentios (II Cor. 11:28). Os seguintes excertos dos escritos do Espírito de Profecia ilustram o grande amor de Cristo pelo Seu povo reunido na fraternidade da Igreja. “Testifico a meus irmãos e irmãs que a Igreja de Cristo, débil e defeituosa como possa ser, é o único objecto na Terra ao qual Ele dispensa o Seu supremo cuidado. Enquanto estende a todo o mundo o Seu convite para que venham a Ele e sejam salvos, comissiona os Seus anjos para que dispensem divino auxílio a cada alma que a Ele vem em arrependimento e contrição, e Ele vem pessoalmente pelo Seu Espírito Santo para o meio da Sua Igreja. ‘Se Tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas temido. Aguardo ao


A Igreja do Deus Vivo

31

Senhor; a minha alma O aguarda, e espero na Sua Palavra. A minha alma anseia pelo Senhor, mais do que os guardas pelo romper da manhã, sim do que aqueles que esperam pela manhã’. ... ‘Espere Israel no Senhor, porque no Senhor há misericórdia e n’Ele há abundante redenção. E Ele remirá a Israel de todas as suas iniquidades.’ “Ministros e toda a Igreja, seja esta a nossa linguagem, provinda de corações que respondem à grande bondade e amor de Deus a nós como um povo e como indivíduos: ‘Espere Israel no Senhor, desde agora e para sempre’. ‘Vós que assistis na casa do Senhor, nos átrios da casa do nosso Deus, louvai ao Senhor, porque o Senhor é bom: cantai louvores ao Seu nome porque é agradável. Porque o Senhor escolheu para Si a Jacob, e Israel para Seu tesouro peculiar. Porque eu conheço que o Senhor é grande e que o nosso Deus está acima de todos os deuses’. Considerai, meus irmãos e irmãs, que o Senhor tem um povo, povo escolhido, a Sua Igreja, para ser Sua propriedade, a Sua própria fortaleza, que Ele mantém num mundo revoltado e ferido pelo pecado; e é decisão Sua que nenhuma autoridade seja nela conhecida, nenhuma lei por ela seja reconhecida senão a Sua própria.” – Testemunhos para Ministros, págs. 15 e 16. A Oposição do Inimigo “Satanás tem uma grande confederação, a sua igreja. Cristo chama-lhe a sinagoga de Satanás, porque os seus membros são filhos do pecado. Os membros da igreja de Satanás têm estado a trabalhar constantemente para lançar fora a lei divina e tornar confusa a distinção entre o bem e o mal. Satanás está operando com grande poder nos filhos da desobediência e por meio deles, para exaltar a traição e a apostasia como verdade e lealdade. E neste tempo, o poder da sua satânica inspiração está movendo os instrumentos vivos a fim de promoverem contra Deus a grande rebelião que começou no Céu.” – Testemunhos para Ministros, pág. 16. “Neste tempo, a Igreja deve usar as suas lindas vestes – ‘Cristo justiça nossa’. Há claras e decididas distinções a ser restauradas e apresentadas ao mundo por meio do exemplo, ao exaltar os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. A beleza da santidade deve aparecer no seu brilho original, em contraste com a deformidade e trevas dos infiéis, os que se revoltaram contra a lei de Deus. Reconhecemos assim a Deus e a Sua lei, fundamento


32

MANUAL DA IGREJA

do Seu governo no Céu e através dos Seus domínios terrestres. A Sua autoridade deve ser mantida distinta e clara perante o mundo; e não deverão ser reconhecidas leis algumas que entrem em conflito com as de Jeová. Se, em desafio às divinas disposições, fosse permitido ao mundo influenciar as nossas decisões ou as nossas acções, estaria derrotado o desígnio divino. Ainda que o pretexto seja aceitável, se a Igreja vacilar neste ponto, está contra ela escrita nos livros dos Céus a negação dos mais sagrados encargos e traição ao reino de Cristo. A Igreja deve, com firmeza e decisão, manter os seus princípios perante todo o Universo celestial e os reinos do mundo; firme fidelidade na manutenção da honra e santidade da lei de Deus atrairá a atenção e a admiração do próprio mundo, e, pelas boas obras que notarão, muitos serão levados a glorificar o nosso Pai do Céu. A pessoa fiel e verdadeira é portadora das credenciais do Céu, e não de potentados terrestres. Todos os homens saberão quem são os discípulos de Cristo, escolhidos e fiéis, e conhecê-los-ão, quando coroados e glorificados, como os que honraram a Deus e a quem Ele honrou, concedendo-lhes a posse dum peso eterno de glória.” – Testemunhos para Ministros, págs. 16 e 17. A Igreja Completa em Cristo “O Senhor proveu a Sua Igreja com habilitações e bênçãos, para que possa apresentar ao mundo a imagem da Sua própria suficiência, e a Sua Igreja seja completa n’Ele, uma contínua representação de outro mundo, do próprio mundo eterno, de leis mais elevadas que as terrenas. A Sua Igreja deve ser um templo construído segundo a semelhança divina, e o angélico Arquitecto trouxe e utilizou a Sua celeste vara de ouro, a fim de que cada pedra seja talhada e ajustada pela medida divina, e polida para que brilhe como um emblema do Céu, irradiando em todas as direcções os claros raios do Sol da Justiça. A Igreja deve ser alimentada com o maná do Céu, conservando-se sob a guarda exclusiva da Sua graça. Vestida com a completa armadura de luz e justiça, ela entra no seu conflito final. A escória, o material imprestável, será consumido, e a influência da verdade testifica ao mundo do seu carácter santificante e enobrecedor. ... “O Senhor Jesus está a fazer experiências em corações humanos por meio da manifestação da Sua misericórdia e abundante graça. Ele está a efectuar transformações tão assombrosas, que Satanás, em toda a sua jac-


A Igreja do Deus Vivo

33

tância triunfalista, com toda a sua confederação do mal unida contra Deus e as leis do Seu governo, fica a contemplá-las como a um forte inexpugnável aos seus sofismas e enganos. São para ele incompreensível mistério. Os anjos de Deus, serafins e querubins, os poderes comissionados para cooperar com os agentes humanos, presenciam com admiração e gozo como homens decaídos, outrora filhos da ira, estão, pela escola de Cristo, a desenvolver caracteres segundo a semelhança divina, para serem filhos e filhas de Deus, para desempenharem uma parte importante nas ocupações e prazeres dos Céus. “Cristo deu à Sua Igreja amplos recursos, a fim de que Ele possa receber avultada contribuição de glória dos Seus remidos, Sua possessão adquirida. Dotada da justiça de Cristo, a Igreja é Sua depositária e, em plena e final manifestação, deve nela aparecer a riqueza da Sua misericórdia, amor e graça. A declaração, na Sua oração intercessória, de que o amor do Pai é tão grande para connosco como para com Ele mesmo, o Filho unigénito, e de que onde Ele estiver estaremos nós, sendo para sempre um com Cristo e o Pai, é uma maravilha para as hostes celestes, e é a Sua grande alegria. O dom do Seu Santo Espírito, rico, amplo e abundante, deve ser para a Sua Igreja como uma circundante muralha de fogo, contra o qual os poderes do inferno não prevalecerão. Na Sua incontaminada pureza e imaculada perfeição, Cristo considera o Seu povo como a recompensa de todos os Seus sofrimentos, humilhação e amor, e o complemento da Sua glória – Cristo, o grande centro de que irradia toda a glória. ‘Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro’.” – Testemunhos para Ministros, págs. 15-19. A Igreja Adventista do Sétimo Dia dedica-se inteiramente aos supramencionados princípios de unidade da Igreja de Cristo. Pela paz e o poder proporcionados pela justiça de Cristo, esta Igreja empenha-se em vencer todas as barreiras que o pecado ergueu entre os seres humanos.


CAPÍTULO 3

Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia Os Adventistas do Sétimo Dia aceitam a Bíblia como o seu único credo e mantêm certas crenças fundamentais como sendo o ensino das Escrituras Sagradas. Estas crenças, do modo como são aqui apresentadas, constituem a compreensão e a expressão do ensino das Escrituras por parte da Igreja. Poderão esperar-se revisões a estas declarações numa sessão da Assembleia da Conferência Geral, sempre que a Igreja seja levada pelo Espírito Santo a uma compreensão mais completa da verdade bíblica ou encontre melhor linguagem para expressar os ensinos da Santa Palavra de Deus. 1. As Escrituras Sagradas As Escrituras Sagradas, o Velho e o Novo Testamentos, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo. Nesta Palavra, Deus transmitiu ao homem o conhecimento necessário para a salvação. As Escrituras Sagradas são a infalível revelação da Sua vontade. Constituem o padrão do carácter, a prova da experiência, o autorizado revelador de doutrinas e o registo fidedigno dos actos de Deus na História. (II Ped. 1:20, 21; II Tim. 3:16, 17; Sal. 119:105; Prov. 30:5, 6; Isa. 8:20; João 17:17; I Tess. 2:13; Heb. 4:12.) 2. A Trindade Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas co-eternas. Deus é imortal, omnipotente, omnisciente, acima de tudo e sempre presente. Ele é infinito e está além da compreensão humana, mas é conhecido por meio da Sua auto-revelação. É para sempre digno de culto, adoração e serviço por parte de toda a criação. (Deut. 6:4; Mat. 28: 19; 11 Cor. 13:13; Efés. 4:4-6; 1 Ped. 1:2; 1 Tim. 1: 17; Apoc. 14:7.)


36

MANUAL DA IGREJA

3. O Pai Deus, o Eterno Pai, é o Criador, a Origem, o Mantenedor e o Soberano de toda a criação. Ele é justo e santo, compassivo e clemente, tardio em irar-Se, e grande em constante amor e fidelidade. As qualidades e os poderes manifestados no Filho e no Espírito Santo também constituem revelações do Pai. (Gén. 1:1; Apoc. 4:11; I Cor. 15:28; João 3:16; I João 4:8; I Tim. 1:17; Êxo. 34:6, 7; João 14:9.) 4. O Filho Deus, o Filho Eterno, encarnou em Jesus Cristo. Por meio d’Ele foram criadas todas as coisas, é revelado o carácter de Deus, efectuada a salvação da humanidade e julgado o mundo. Sendo para sempre verdadeiramente Deus, Ele tornou-Se também verdadeiramente homem, Jesus, o Cristo. Foi concebido do Espírito Santo e nasceu da virgem Maria. Viveu e experimentou a tentação como ser humano, mas exemplificou perfeitamente a justiça e o amor de Deus. Pelos Seus milagres manifestou o poder de Deus e atestou que era o Messias prometido por Deus. Sofreu e morreu voluntariamente na cruz pelos nossos pecados e em nosso lugar, foi ressuscitado dentre os mortos e ascendeu para ministrar no santuário celestial em nosso favor. Virá outra vez, em glória, para o livramento final do Seu povo e a restauração de todas as coisas. (João 1:1-3, 14; Col. 1:15-19; João 10:30; 14:9; Rom. 6:23; II Cor. 5:17-19; João 5:22; Luc. 1:35; Filip. 2:5-11; Heb. 2:9-18; I Cor. 15:3, 4; Heb. 8:1, 2; João 14:1-3.) 5. O Espírito Santo Deus, o Espírito Eterno, desempenhou uma parte activa com o Pai e o Filho na Criação, Encarnação e Redenção. Inspirou os escritores das Escrituras. Encheu de poder a vida de Cristo. Atrai e convence os seres humanos; e os que se mostram sensíveis são renovados e transformados por Ele, à imagem de Deus. Enviado pelo Pai e pelo Filho para estar sempre com os Seus filhos, concede dons espirituais à Igreja, habilitada a dar testemunho de Cristo e, em harmonia com as Escrituras, guia-a em toda a verdade. (Gén. 1:1, 2; Luc. 1:35; 4:18; Actos 10:38; II Ped. 1:21; II Cor. 3:18; Efés. 4:11, 12; Actos 1:8; João 14:16-18, 26; 15:26, 27; 16:7-13.)


Crenças Fundamentais

37

6. A Criação Deus é o Criador de todas as coisas e revelou nas Escrituras o relato autêntico da Sua actividade criadora. Em seis dias fez o Senhor “os céus e a Terra” e tudo o que tem vida sobre a Terra, e descansou no sétimo dia dessa primeira semana. Assim Ele estabeleceu o Sábado como perpétuo monumento comemorativo da Sua completa obra criadora. O primeiro homem e a primeira mulher foram formados à imagem de Deus como obra-prima da Criação, foi-lhes dado domínio sobre o mundo e atribuiu-se-lhes a responsabilidade de cuidar dele. Quando o mundo foi concluído era “muito bom”, proclamando a glória de Deus. (Gén. 1; 2; Êxo. 20:8-11; Sal. 19:1-6; 33: 6, 9; 104; Heb. 11:3.) 7. A Natureza do Homem O homem e a mulher foram formados à imagem de Deus com individualidade, o poder e a liberdade de pensar e agir. Conquanto tenham sido criados como seres livres, cada um é uma unidade indivisível de corpo, mente e espírito, e dependente de Deus quanto à vida, respiração e tudo o mais. Quando os nossos primeiros pais desobedeceram a Deus, negaram a sua dependência d’Ele e caíram da sua elevada posição abaixo de Deus. A imagem de Deus, neles, foi desfigurada, e tornaram-se sujeitos à morte. Os seus descendentes partilham dessa natureza caída e das suas consequências. Nascem com fraquezas e tendências para o mal. Mas Deus, em Cristo, reconciliou consigo o mundo, e por meio do Seu Espírito restaura nos mortais penitentes a imagem do seu Criador. Criados para a glória de Deus, eles são chamados para O amar e uns aos outros, e para cuidar do seu ambiente. (Gén. 1:26-28; 2:7; Sal. 8:4-8; Actos 17:24-28; Gén. 3; Sal. 51:5; Rom. 5:12-17; II Cor. 5:19, 20; Sal. 51:10; I João 4:7, 8, 11, 20; Gén. 2:15.) 8. O Grande Conflito Toda a humanidade está agora envolvida num grande conflito entre Cristo e Satanás, a respeito do carácter de Deus, da Sua lei e da Sua soberania sobre o Universo. Este conflito originou-se no Céu quando um ser


38

MANUAL DA IGREJA

criado, dotado de liberdade de escolha, por exaltação própria se tornou Satanás, o adversário de Deus, e conduziu à rebelião uma parte dos anjos. Ele introduziu o espírito de rebelião neste mundo, quando conduziu Adão e Eva ao pecado. Este pecado humano resultou na deformação da imagem de Deus na humanidade, na desordem do mundo criado e na sua consequente devastação por ocasião do dilúvio mundial. Observado por toda a criação, este mundo tornou-se o palco do conflito universal, dentro do qual será finalmente vindicado o Deus de amor. Para ajudar o Seu povo nesse conflito, Cristo envia o Espírito Santo e os anjos leais, para o guiar, proteger e amparar no caminho da salvação. (Apoc. 12:4-9; Isa. 14:12-14; Ezeq. 28: 12-18; Gén. 3; Rom. 1:19-32; 5:12-21; 8:19-22; Gén. 6-8; II Ped. 3:6; I Cor. 4:9; Heb. 1:14.) 9. A Vida, a Morte e a Ressurreição de Cristo Na vida de Cristo, de perfeita obediência à vontade de Deus, e no Seu sofrimento, morte e ressurreição, Deus proveu o único meio de expiação do pecado humano, de modo que aqueles que aceitam pela fé esta expiação possam ter a vida eterna, e toda a criação possa compreender melhor o infinito e santo amor do Criador. Esta expiação perfeita vindica a justiça da lei de Deus e a benignidade do Seu carácter; pois ela não somente condena o nosso pecado mas também garante o nosso perdão. A morte de Cristo é substituinte e expiatória, reconciliadora e transformadora. A ressurreição de Cristo proclama o triunfo de Deus sobre as forças do mal e, para os que aceitam a expiação, assegura a vitória final sobre o pecado e a morte. Ela proclama a soberania de Jesus Cristo, diante do qual se dobrará todo o joelho, no Céu e na Terra. (João 3:16; Isa. 53; I Ped. 2:21, 22; I Cor. 15:3, 4, 20-22; II Cor. 5:14, 15, 19-21; Rom. 1:4; 3:25; 4:25; 8:3, 4; I João 2:2; 4:10; Col. 2:15; Filip. 2:6-11.) 10. A Experiência da Salvação No Seu infinito amor e misericórdia, Deus fez com que Cristo, que não conheceu pecado, Se tornasse pecado por nós, para que n’Ele fôssemos feitos justiça de Deus. Guiados pelo Espírito Santo, sentimos a nossa necessidade, reconhecemos a nossa pecaminosidade, arrependemo-nos


Crenças Fundamentais

39

das nossas transgressões e temos fé em Jesus como Senhor e Cristo, como Substituto e Exemplo. Esta fé que aceita a salvação advém do divino poder da Palavra e é um dom da graça de Deus. Por meio de Cristo somos justificados, adoptados como filhos e filhas de Deus, e libertados do domínio do pecado. Por meio do Espírito, nascemos de novo e somos santificados; o Espírito renova a nossa mente, escreve a lei de Deus, a lei de amor no nosso coração, e recebemos o poder para levar uma vida santa. Permanecendo n’Ele, tornamo-nos participantes da natureza divina e temos a certeza da salvação agora e no Juízo. (II Cor. 5:17-21; João 3:16; Gál. 1:4; 4:4-7; Tito 3:3-7; João 16:8; Gál. 3:13, 14; I Ped. 2:21, 22; Rom. 10:17, Luc. 17:5; Mar. 9:23, 24; Efés. 2:5-10; Rom. 3:21-26; Col. 1:13, 14; Rom. 8:14-17; Gál. 3:26; João 3:3-8; I Ped. 1:23; Rom. 12:2; Heb. 8:7-12; Ezeq. 36:25-27; II Ped. 1:3, 4; Rom. 8:1-4; 5:6-10.) 11. Crescimento em Cristo Pela Sua morte na cruz, Jesus triunfou sobre as forças do mal. Aquele que subjugou os espíritos demoníacos durante o Seu ministério terrestre, quebrou o seu poder e assegurou a sua destruição final. A vitória de Jesus dá-nos a vitória sobre as forças do mal que continuam a procurar controlar-nos, enquanto caminhamos com Ele em paz, alegria e na certeza do Seu amor. Agora, o Espírito Santo habita no nosso interior e dá-nos poder. Continuamente consagrados a Jesus como nosso Salvador e Senhor, somos libertos do fardo dos nossos actos passados. Deixamos de viver em trevas, sob o temor dos poderes do mal, na ignorância e no vazio da nossa antiga maneira de viver. Nesta nova liberdade em Jesus, somos chamados a crescer até atingirmos a semelhança do Seu carácter, comungando com Ele diariamente em oração, alimentando-nos da Sua Palavra, meditando nela e na Sua providência, cantando em Seu louvor, reunindo-nos para adorá-l’O e participando da missão da Igreja. Ao dar-nos a nós mesmos, em amoroso serviço, aos que nos rodeiam, e ao testemunharmos da Sua salvação, a Sua presença constante connosco, através do Espírito, transforma cada momento e cada tarefa numa experiência espiritual. (Sal. 1:1, 2; 23:4;77:11, 12; Col. 1:13, 14; 2:6, 14, 15; Lucas 10:17-20; Ef. 5:19, 20; 6:12-18; 1 Tes. 5:23; 2 Pe. 2:9; 3:18; 2 Cor. 3:17, 18; Fil. 3:7-14; 1 Tes. 5: 16-18; Mat. 20:25-28; João 20:21; Gál. 5:22-25; Rom. 8:38, 39; 1 João 4:4; Heb. 10:25.)


40

MANUAL DA IGREJA

12. A Igreja A Igreja é a comunidade de crentes que confessam a Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Em continuidade com o povo de Deus nos tempos do Velho Testamento, somos chamados para fora do mundo; e unimo-nos para prestar culto, para comunhão, para instrução na Palavra, para a celebração da Santa Ceia, para o serviço a toda a humanidade e para a proclamação mundial do evangelho. A Igreja recebe a sua autoridade de Cristo, o qual é a Palavra encarnada, e das Escrituras, que são a Palavra escrita. A Igreja é a família de Deus. Adoptados por Ele como filhos, os seus membros vivem na base do novo concerto. A Igreja é o corpo de Cristo, uma comunidade de fé, da qual o próprio Cristo é a Cabeça. A Igreja é a noiva pela qual Cristo morreu para que pudesse santificá-la e purificá-la. No Seu regresso triunfal, Ele a apresentará a Si mesmo Igreja gloriosa, os fiéis de todos os séculos, a aquisição do Seu sangue, sem mácula nem ruga, porém santa e sem defeito. (Gén. 12:3; Actos 7;38; Efés. 4:11-15; 3:8-11; Mat. 28:19, 20; 16:13-20; 18:18; Efés. 2:19-22; 1:22, 23; 5:23-27; Col. 1:17, 18.) 13. O Remanescente e a sua Missão A Igreja universal compõe-se de todos os que verdadeiramente crêem em Cristo; mas, nos últimos dias, tempo de difundida apostasia, um remanescente foi chamado a guardar os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. Este remanescente anuncia a chegada da hora do Juízo, proclama a salvação por meio de Cristo e assinala a aproximação do Seu segundo advento. Esta proclamação é simbolizada pelos três anjos de Apocalipse 14; coincide com a obra do julgamento no Céu e resulta numa obra de arrependimento e reforma na Terra. Todos os crentes são convidados a ter uma parte pessoal neste testemunho mundial. (Apoc. 12:17; 14:6-12; 18:1-4; II Cor. 5:10; Judas 3, 14; I Ped.1:16-19; II Ped. 3:10-14; Apoc 21:1-14.) 14. Unidade no Corpo de Cristo A Igreja é um corpo com muitos membros, chamados de toda a nação, tribo, língua e povo. Em Cristo somos uma nova criação; distinções de raça, cultura e nacionalidade, e diferenças entre grandes e pequenos, ricos e


Crenças Fundamentais

41

pobres, homens e mulheres, não devem ser motivo de dissensões entre nós. Todos somos iguais em Cristo, o qual por um só Espírito nos uniu numa comunhão com Ele e uns com os outros; devemos servir e ser servidos sem parcialidade ou reserva. Mediante a revelação de Jesus Cristo nas Escrituras partilhamos a mesma fé e esperança, e empenhamo-nos em oferecer a todos um mesmo testemunho. Esta unidade encontra a sua fonte na unidade do Deus triuno, que nos adoptou como Seus filhos. (Rom. 12:4, 5; I Cor. 12: 12-14; Mat. 28:19, 20; Sal. 133:1; II Cor. 5:16, 17; Act. 17:26, 27; Gál. 3: 27, 29; Col. 3:10-15; Efés. 4:14-16; 4:1-6; João 17:20-23.) 15. O Baptismo Pelo baptismo confessamos a nossa fé na morte e na ressurreição de Jesus Cristo, e atestamos a nossa morte para o pecado e o nosso propósito de andar em novidade de vida. Assim reconhecemos Cristo como Senhor e Salvador, tornamo-nos Seu povo e somos aceites como membros pela Sua Igreja. O baptismo é um símbolo da nossa união com Cristo, do perdão dos nossos pecados e do nosso recebimento do Espírito Santo. É por imersão na água e depende de uma afirmação de fé em Jesus e da evidência de arrependimento do pecado. Segue-se à instrução nas Escrituras Sagradas e à aceitação dos seus ensinos. (Rom. 6:1-6; Col. 2:12, 13; Act. 16:30-33; 22:16; 2:38; Mat. 28:19, 20.) 16. A Santa Ceia A Santa Ceia é uma participação nos emblemas do corpo e do sangue de Jesus, como expressão de fé n’Ele, nosso Senhor e Salvador. Nesta experiência de comunhão, Cristo está presente para encontrar-Se com o Seu povo e fortalecê-lo. Participando da Ceia, proclamamos alegremente a morte do Senhor até que Ele volte. A preparação para a Ceia envolve um exame de consciência, arrependimento e confissão. O Mestre instituiu a cerimónia do lava-pés para representar uma renovada purificação, para expressar a disposição de servirmo-nos uns aos outros em humildade semelhante à de Cristo, e para unir os nossos corações em amor. O Serviço da comunhão é franqueado a todos os cristãos crentes. (I Cor. 10:16, 17; 11:23-30; Mat. 26:17-30; Apoc. 3:20; João 6:48-63; 13:1-17.)


42

MANUAL DA IGREJA

17. Dons e Ministérios Espirituais Deus concede a todos os membros da Sua Igreja, em todas as épocas, dons espirituais que cada membro deve empregar em carinhoso ministério para o bem comum da Igreja e da humanidade. Concedidos por intermédio do Espírito Santo, o qual os distribui a cada membro como Lhe apraz, os dons provêem todas as aptidões e ministérios de que a Igreja necessita para cumprir as suas funções divinamente ordenadas. Segundo as Escrituras, estes dons abrangem ministérios como a fé, a cura, a profecia, a pregação, o ensino, a administração, a reconciliação, a compaixão, o serviço abnegado e a caridade, para ajudar e estimular as pessoas. Alguns membros são chamados por Deus e dotados pelo Espírito para funções reconhecidas pela Igreja em ministérios pastorais, evangelísticos, apostólicos e de ensino, particularmente necessários para habilitar os membros para o serviço, edificar a Igreja para levá-la à maturidade espiritual, e promover a unidade da fé e do conhecimento de Deus. Quando os membros utilizam estes dons espirituais como fiéis despenseiros da multiforme graça de Deus, a Igreja é protegida contra a influência demolidora das falsas doutrinas, tem um crescimento que provém de Deus e é edificada na fé e no amor. (Rom. 12: 4-8; I Cor. 12:9-11, 27, 28; Efés. 4:8, 11-16; Actos 6:1-7; I Tim. 3:1-13; I Ped. 4:10, 11.) 18. O Dom de Profecia Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é uma característica identificadora da Igreja remanescente e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como mensageira do Senhor, os seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade e proporcionam conforto, orientação, instrução e correcção à Igreja. Eles também tornam claro que a Bíblia é a norma pela qual deve ser provado todo o ensino e experiência. (Joel 2:28 e 29; Actos 2:14-21; Heb. 1:1-3; Apoc. 12:17; 19:10.) 19. A Lei de Deus Os grandes princípios da lei de Deus são incorporados nos Dez Mandamentos e exemplificados na vida de Cristo. Exprimem o amor, a vontade e os propósitos de Deus acerca da conduta e das relações humanas, e são


Crenças Fundamentais

43

obrigatórios para todas as pessoas, em todas as épocas. Estes preceitos constituem a base do concerto de Deus com o Seu povo e a norma de referência no julgamento divino. Por intermédio da acção do Espírito Santo, eles apontam o pecado e despertam o sentimento da necessidade de um Salvador. A salvação é inteiramente pela graça, e não pelas obras, mas o seu fruto é a obediência aos Mandamentos. Esta obediência desenvolve o carácter cristão e resulta numa sensação de bem-estar. É uma evidência do nosso amor ao Senhor e da nossa solicitude para com os nossos semelhantes. A obediência da fé demonstra o poder de Cristo para transformar vidas, e dá portanto força ao testemunho cristão. (Êxo. 20:1-17; Sal. 40:7, 8; Mat. 22:36-40; Deut. 28:1-14; Mat. 5:17-20; Heb. 8:8-10; João 15:7-10; Efés. 2:8-10; I João 5:3; Rom. 8:3, 4; Sal. 19:7-14.) 20. O Sábado O bondoso Criador, após os seis dias da Criação, descansou no sétimo dia e instituiu o Sábado para todas as pessoas, como um memorial da Criação. O quarto mandamento da imutável lei de Deus requer a observância deste Sábado do sétimo dia como dia de repouso, adoração e ministério, em harmonia com o ensino e a prática de Jesus, o Senhor do Sábado. O Sábado é um dia de deleitosa comunhão com Deus, e uns com os outros. É um símbolo da nossa redenção em Cristo, um sinal da nossa santificação, uma prova da nossa lealdade e um antegozo do nosso futuro eterno no reino de Deus. O Sábado é o sinal perpétuo do eterno concerto de Deus com o Seu povo. A alegre observância deste tempo sagrado de uma tarde a outra tarde, de pôr do Sol a pôr do Sol, é uma celebração dos actos criadores e redentores de Deus. (Gén. 2:1-3; Êxo. 20:8-11; Luc. 4:16; Isa. 56:5, 6; 58:13,14; Mat. 12:1-12; Êxo. 31:13-17; Ezeq. 20:12, 20; Deut. 5:12-15; Heb. 4:1-11; Lev. 23:32; Mar. 1:32.) 21. A Mordomia Somos despenseiros de Deus, responsáveis pelo uso apropriado do tempo e das oportunidades, capacidades e posses, e das bênçãos da Terra e seus recursos, que Ele colocou sob o nosso cuidado. Reconhecemos a Sua qualidade de proprietário prestando um serviço fiel a Ele e aos nossos semelhantes, e devolvendo os dízimos e dando ofertas para a proclamação


44

MANUAL DA IGREJA

do Seu evangelho e para a manutenção e o crescimento da Sua Igreja. A mordomia é um privilégio que Deus nos concede para desenvolvimento no amor e para a vitória sobre o egoísmo e a cobiça. O mordomo regozija-se nas bênçãos que advêm aos outros como resultado da sua fidelidade. (Gén. 1:26-28; 2:15; I Crón. 29:14; Ageu 1:3-11; Mal. 3:8-12; I Cor. 9:9-14; Mat. 23:23; II Cor. 8: 1-15; Rom. 15:26, 27.) 22. A Conduta Cristã Somos chamados a ser um povo piedoso que pensa, sente e age em harmonia com os princípios do Céu. Para que o Espírito recrie em nós o carácter do nosso Senhor, só nos envolvemos naquelas coisas que produzam na nossa vida pureza, saúde e alegria segundo o modelo de Cristo. Isto significa que as nossas diversões e entretenimentos devem corresponder aos mais altos padrões do gosto e da beleza cristãos. Embora reconheçamos as diferenças culturais, o nosso vestuário deve ser simples, modesto e cuidado, próprio daqueles cuja verdadeira beleza não consiste no adorno exterior, mas no ornamento imperecível de um espírito manso e tranquilo. Significa também que, sendo o nosso corpo o templo do Espírito Santo, devemos cuidar dele de maneira inteligente. Junto com adequado exercício e repouso, devemos adoptar a alimentação mais saudável possível e abster-nos dos alimentos imundos identificados nas Escrituras. Visto que as bebidas alcoólicas, o tabaco e o uso irresponsável de medicamentos e narcóticos são prejudiciais ao nosso corpo, também devemos abster-nos dessas coisas. Em vez disso, devemos empenhar-nos em tudo o que submeta os nossos pensamentos e o nosso corpo à disciplina de Cristo, o qual deseja a nossa integridade, alegria e bem-estar. (Rom. 12:1, 2; I João 2:6; Efés. 5:1-21; Fil. 4:8; II Cor. 10:5; 6:14 a 7:1; I Ped. 3:1-4; I Cor. 6:19, 20; 10:31; Lev. 11:1-47; III João 2.) 23. O Casamento e a Família O casamento foi divinamente estabelecido no Éden e confirmado por Jesus como uma união vitalícia entre um homem e uma mulher, em carinhoso companheirismo. Para o cristão, o compromisso matrimonial é com Deus bem como com o cônjuge, e só deve ser assumido entre pessoas que partilham da mesma fé. Mútuo amor, honra, respeito e responsabilidade


Crenças Fundamentais

45

constituem a estrutura dessa relação, a qual deve reflectir o amor, a santidade, a intimidade e a constância da relação entre Cristo e a Sua Igreja. No tocante ao divórcio, Jesus ensinou que a pessoa que se divorcia do cônjuge, a não ser por causa de relações sexuais ilícitas, e se casa com outra, comete adultério. Conquanto algumas relações de família possam ficar aquém do ideal, os consortes que se dedicam inteiramente um ao outro, em Cristo, podem alcançar uma afectuosa unidade por meio da orientação do Espírito e a instrução da Igreja. Deus abençoa a família e pretende que os seus membros se ajudem uns aos outros a alcançar completa maturidade. Os pais devem ensinar os seus filhos a amar o Senhor e a obedecer-Lhe. Pelo seu exemplo e pelas suas palavras, devem ensinar-lhes que Cristo é um disciplinador carinhoso, sempre terno e solícito, desejando que eles se tornem membros do Seu corpo, a família de Deus. A crescente intimidade familiar é uma das características da mensagem final do evangelho. (Gén. 2:18-25; Mat. 19:3-9; João 2:1-11; II Cor. 6:14; Efés. 5:21-33; Mat. 5:31, 32; Mar. 10:11, 12; Luc. 16:18; I Cor. 7:10, 11; Êxo. 20:12; Efés. 6:1-4; Deut. 6:5-9; Prov. 22:6; Mal. 4:5, 6.) 24. O Ministério de Cristo no Santuário Celestial Existe um santuário no Céu, o verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem. Cristo ministra ali em nosso favor, tornando acessíveis aos crentes os benefícios do Seu sacrifício expiatório oferecido, uma vez por todas, na cruz. Ele foi empossado como nosso grande Sumo Sacerdote e começou o Seu ministério intercessório por ocasião da Sua ascensão. Em 1844, no fim do período profético dos 2300 dias, iniciou a segunda e última etapa do Seu ministério de expiação. É uma obra de juízo investigativo, a qual faz parte da eliminação definitiva de todo o pecado, prefigurada pela purificação do antigo santuário hebraico, no Dia da Expiação. Nesse serviço típico, o santuário era purificado com o sangue de sacrifícios de animais, mas as coisas celestiais são purificadas com o perfeito sacrifício do sangue de Jesus. O juízo investigativo revela aos seres celestes quem dentre os mortos dorme em Cristo e é, portanto, em Cristo, considerado digno de ter parte na primeira ressurreição. Também torna manifesto quem, dentre os vivos, permanece em Cristo, guardando os mandamentos de Deus e a fé de Jesus, e está, portanto, preparado, em Cristo, para a trasladação ao Seu reino eterno. Este julgamento vindica a


46

MANUAL DA IGREJA

justiça de Deus em salvar os que crêem em Jesus. Declara que aqueles que permaneceram leais a Deus receberão o reino. A terminação do ministério de Cristo assinalará o fim do tempo da graça para os seres humanos, antes do Segundo Advento. (Heb. 8:1-5; 4:14-16; 9:11-28; 10:19-22; 1:3; 2:16, 17; Dan. 7:9-27; 8:13, 14; 9:24-27; Núm. 14:34; Ezeq. 4:6; Lev. 16; Apoc. 14:6, 7; 20:12; 14:12; 22:12.) 25. A Segunda Vinda de Cristo A segunda vinda de Cristo é a bendita esperança da Igreja, o grande ponto culminante do evangelho. A vinda do Salvador será literal, pessoal, visível e universal. Quando Ele voltar, os justos falecidos serão ressuscitados e, juntamente com os justos que estiverem vivos, serão glorificados e levados para o Céu, mas os ímpios irão morrer. O quase completo cumprimento da maioria das linhas da profecia, bem como a condição actual do mundo, indicam que a vinda de Cristo é iminente. O tempo exacto desse acontecimento não foi revelado, e somos, portanto, exortados a estar preparados em todo o tempo. (Tito 2:13; Heb. 9:28; João 14:1-3; Act. 1:9-11; Mat. 24:14; Apoc. 1:7; Mat. 26:43, 44; I Tess. 4:13-18; I Cor. 15:51-54; II Tess. 1:7-10; 2:8; Apoc. 14:14-20; 19:11-21; Mat. 24; Mar. 13; Luc. 21; II Tim. 3:1-5; I Tess. 5:1-6.) 26. Morte e Ressurreição O salário do pecado é a morte. Mas Deus, o único que é imortal, concederá a vida eterna aos Seus remidos. Até àquele dia, a morte é um estado inconsciente para todas as pessoas. Quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifestar, os justos ressuscitados e os justos vivos serão glorificados e arrebatados para se encontrar com o seu Senhor. A segunda ressurreição, a ressurreição dos ímpios, ocorrerá mil anos mais tarde. (Rom. 6:23; I Tim. 6:15 e 16; Ecles. 9:5, 6; Sal. 146:3, 4; João 11:11-14; Col. 3:4; I Cor. 15: 51-54; I Tess. 4:13-17; João 5:28, 29; Apoc. 20:1-10.) 27. O Milénio e o Fim do Pecado O milénio é o reinado de mil anos, de Cristo com os Seus santos, no Céu, entre a primeira e a segunda ressurreições. Durante esse tempo serão


Crenças Fundamentais

47

julgados os ímpios mortos; a Terra estará completamente desolada, sem habitantes humanos com vida, mas ocupada por Satanás e os seus anjos. No fim desse período, Cristo com os Seus santos e a Cidade Santa descerão do Céu à Terra. Os ímpios mortos serão então ressuscitados e, com Satanás e os seus anjos, cercarão a cidade; mas fogo de Deus os consumirá e purificará a Terra. O Universo ficará assim eternamente livre do pecado e dos pecadores. (Apoc. 20; I Cor. 6:2, 3; Jer. 4:23-26; Apoc. 21:1-5; Mal. 4:1, Ezeq. 28:18, 19.) 28. A Nova Terra Na Nova Terra, em que habita justiça, Deus proverá um lar eterno para os remidos e um ambiente perfeito para a vida, o amor, a alegria e a aprendizagem, eternamente, na Sua presença. Pois aqui o próprio Deus habitará com o Seu povo, e o sofrimento e a morte terão já passado. O grande conflito estará terminado, e o pecado nunca mais voltará a existir. Todas as coisas, animadas e inanimadas, declararão que Deus é amor; e Ele reinará para todo o sempre. Ámen. (II Ped. 3:13; Isa. 35; 65:17-25; Mat. 5:5; Apoc. 21:1-7; 22:1-5; 11:15.)


CAPÍTULO 4

Organização Fundada em Princípios Divinos A correcta organização provém de Deus; baseia-se em princípios divinos. “Método e ordem manifestam-se em todas as obras de Deus, em todo o Universo.” – Testemunhos para Ministros, pág. 26. As miríades de estrelas que atravessam velozmente o espaço movem-se em perfeita ordem. Na estrutura de cada planta que cresce e de cada criatura vivente que se move na Terra, temos uma demonstração maravilhosa de ordem e sistema. Existe no Céu uma organização absoluta e impecável. “Os anjos trabalham harmoniosamente. Perfeita ordem caracteriza todos os seus movimentos.” – Testemunhos para Ministros, pág. 28. “A ordem é a lei do Céu e deveria ser a lei do povo de Deus sobre a Terra.” – Testemunhos para Ministros, pág. 26. A Base Bíblica da Organização Quando Deus chamou do Egipto os filhos de Israel e os escolheu para Seu povo peculiar, proporcionou-lhes um impressionante sistema de organização para lhes regular o procedimento, tanto nos assuntos civis como nos religiosos. Diz-nos a mensageira do Senhor que “o governo de Israel caracterizou-se pela organização mais completa, maravilhosa tanto pela sua abrangência como pela sua simplicidade. A ordem, tão admiravelmente revelada na perfeição e arranjo de todas as obras criadas de Deus, era manifesta na economia hebreia. Deus era o centro da autoridade e do governo, o Soberano de Israel. Moisés desempenhava o papel do seu chefe visível, em virtude da indicação divina, a fim de administrar as leis em Seu nome. Dos anciãos das tribos foi mais tarde escolhido um concílio de setenta, para auxiliar Moisés nos negócios gerais da nação. Vinham em seguida os sacerdotes, que consultavam o Senhor no santuário. Chefes ou príncipes governavam as tribos. Abaixo destes estavam os maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinquenta e maiorais de dez; e, por último, oficiais que poderiam ser empregados no desempenho de deveres especiais”. – Patriarcas e Profetas, pág. 389.


50

MANUAL DA IGREJA

Quando examinamos a Igreja do Novo Testamento, encontramos a mesma perfeição na sua organização. Não podia ser de outra maneira, pois é de origem divina. O próprio Cristo, que formou a Igreja, “colocou os membros no corpo, cada um deles como quis” (I Cor. 12:18). Foi Ele mesmo quem lhes concedeu dons e talentos adequados às funções que lhes eram confiadas, e os organizou num corpo vivo e activo, do qual Ele é a Cabeça. “Porque assim como, num corpo, temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros.” (Rom. 12:4, 5). “E Ele [Cristo] é a cabeça do corpo da igreja: é o princípio e o primogénito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência.” (Col. 1:18). “Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.” “Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.” “Ora, vós sois o corpo de Cristo, e Seus membros em particular. E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.” (I Cor. 12:4, 5, 12, 27, 28). A Importância Vital da Organização Assim como não pode haver um corpo humano vivo e activo sem que os seus membros estejam organicamente unidos e funcionem juntos sob um comando central, não pode haver uma igreja viva que cresça e prospere, sem que os seus membros estejam organizados num corpo unido, e todos eles desempenhem os deveres e as funções confiadas por Deus, sob a direcção de uma autoridade divinamente constituída. Sem organização, nenhuma instituição ou movimento pode prosperar. Uma nação sem governo organizado logo se transformaria num caos. Uma empresa comercial sem organização fracassaria. Assim ocorreria com a Igreja. Sem organização, desintegrar-se-ia e pereceria. Para que se desenvolva saudavelmente e cumpra a sua gloriosa missão,


Organização Fundada em Princípios Divinos

51

que consiste em proclamar o evangelho da salvação a todo o mundo, Cristo deu à Sua Igreja um sistema de organização simples mas eficiente. O êxito dos seus esforços para realizar essa missão depende do leal cumprimento desse plano divino. “Alguns têm apresentado o pensamento de que, ao nos aproximarmos do fim do tempo, todo o filho de Deus agirá independentemente de qualquer organização religiosa. Mas fui instruída pelo Senhor de que nesta obra não há coisa que se assemelhe a cada homem ser independente. Todas as estrelas do céu estão sujeitas a lei, cada uma influenciando a outra a fazer a vontade de Deus, prestando obediência comum à lei que lhes controla as acções. E para que a obra do Senhor possa avançar de maneira sadia e com solidez, deve o Seu povo unir-se.” - Testemunhos Para Ministros, pág. 489. “Como se regozijaria Satanás se pudesse ter êxito nos seus esforços de se insinuar entre este povo, e desorganizar o trabalho, num tempo em que é essencial uma completa organização, e será este o maior poder para excluir levantamentos espúrios, e para refutar alegações não sustentadas pela Palavra de Deus! Desejamos manter uniformemente as linhas, para que não haja colapso do sistema de ordem que foi construído por um trabalho sábio e cuidadoso. Não se deve dar permissão a elementos desordenados que desejam dominar a obra neste tempo.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 489. O Propósito Divino da Organização “Aumentando o nosso número, tornou-se evidente que, sem alguma forma de organização, haveria grande confusão, e a obra não seria levada avante com êxito. A organização era indispensável para prover a manutenção do ministério, para levar a obra a novos campos, para proteger dos membros indignos tanto as igrejas como os ministros, para a conservação das propriedades da Igreja, para a publicação da verdade pela imprensa e para muitos outros fins.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 26. “No nosso trabalho devemos considerar a relação que cada obreiro mantém com os outros obreiros que estão ligados à causa de Deus. Devemos lembrar-nos de que os outros, como nós mesmos, têm uma obra a fazer em conexão com esta causa. Não devemos fechar a mente ao conselho. Nos nossos planos para levar avante a obra, deve a nossa mente unir-se a outras mentes.


52

MANUAL DA IGREJA

“Nutramos o espírito de confiança na sabedoria dos nossos irmãos. Devemos estar dispostos a procurar a opinião e o conselho dos nossos companheiros de trabalho. Ligados como estamos ao serviço de Deus, devemos reconhecer individualmente que somos parte de um grande todo. Devemos buscar a sabedoria de Deus, aprendendo o que significa ter um espírito paciente e vigilante, e ir ao nosso Salvador quando estamos cansados e deprimidos.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 500. “Como membros da Igreja visível e obreiros na vinha do Senhor, todos os cristãos professos devem fazer tanto quanto possível para preservar a paz, a harmonia e o amor na Igreja. Notai a oração de Cristo: ‘Para que todos sejam um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste’. A unidade da Igreja é a prova convincente de que Deus enviou Jesus ao mundo para o salvar.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 263. “Pelos laços de terno amor e simpatia ligou o Senhor consigo mesmo todos os homens. A nosso respeito diz Ele: Vós sois ‘cooperadores de Deus: vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus’. Devemos reconhecer essa relação. Se estivermos ligados a Cristo, constantemente manifestaremos piedosa simpatia e tolerância para com aqueles que estão lutando com toda a capacidade que Deus lhes deu para levar os seus fardos, da mesma forma que nós nos esforçamos para levar os fardos que nos são designados.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 495.


CAPÍTULO 5

A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia O mandato do Salvador à Igreja, de pregar o evangelho a todo o mundo (Mat. 28:19, 20; Mar. 16:15), compreendia não só a pregação da mensagem mas também a salvaguarda do bem-estar daqueles que aceitavam essa mensagem. Isto implicava o trabalho de apascentar e recolher no aprisco o rebanho, assim como dar atenção a problemas de relacionamento mútuo. Uma situação deste género exigia organização. No início, os apóstolos constituíam um conselho que, de Jerusalém, dirigia as actividades da igreja que começava a formar-se (Actos 6:2; 8: 14). Quando o grupo daquela cidade se tornou tão numeroso que a administração dos seus assuntos práticos passou a ser um problema, foram eleitos diáconos para cuidar dos assuntos administrativos da igreja (Actos 6:2-4). Mais tarde, formaram-se outras congregações, não somente na Ásia mas também na Europa, o que exigiu novas providências em matéria de organização. Verificamos que, na Ásia Menor, foram ordenados anciãos “em cada igreja” (Actos 14:23). Parece também evidente, da leitura do relato divino, que a extensão da obra pelas várias províncias do Império Romano exigiu a organização de igrejas no que poderíamos chamar conferências (associações), as quais, ao que parece, incluíam as igrejas de determinada província, como “as igrejas da Galácia” (Gál. 1:2). Assim, passo a passo, se organizou a Igreja primitiva. À medida que foram surgindo as necessidades, Deus guiou e dirigiu os chefes da Sua obra de maneira que, em conselho com a Igreja, se desenvolveu uma forma de organização que salvaguardou os interesses da Sua obra ao mesmo tempo que esta se foi estendendo a todas as terras. Formas de Governo Eclesiástico Há, geralmente, quatro formas reconhecidas de governo eclesiástico, que podem sumariar-se do seguinte modo: 1. Episcopal – a forma de governo eclesiástico por bispos, geralmente com três ordens de ministros, a saber: bispos, sacerdotes e diáconos.


54

MANUAL DA IGREJA

2. Papal – a forma de governo eclesiástico em que o papa é revestido de autoridade suprema. Ele governa a igreja por intermédio dos cardeais, arcebispos, bispos e sacerdotes. Nem a igreja local, nem os membros individualmente, têm qualquer autoridade na administração da igreja. 3. Independente – a forma de governo eclesiástico que reconhece a cada congregação local da igreja a supremacia absoluta dentro do seu próprio domínio. Esta forma é geralmente conhecida por congregacionalismo. 4. Representativa – a forma de governo eclesiástico que reconhece que a autoridade da Igreja repousa nos seus membros, ao mesmo tempo que delega a responsabilidade executiva nos corpos e dirigentes representativos para o governo da Igreja. Esta forma de governo eclesiástico reconhece também a igualdade da ordenação de todo o ministério. A forma representativa de governo eclesiástico é a instituída na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Quatro Níveis Constitutivos da Organização Adventista do Sétimo Dia Entre os Adventistas do Sétimo Dia há quatro níveis constitutivos, desde o crente individual até à organização mundial da obra da Igreja: 1. A igreja local, um corpo organizado, unido, de crentes individuais. 2. A Conferência (Associação) local ou Campo/Missão, um corpo organizado, unido, de igrejas num estado, província ou território (ver pág. 25). 3. A União de Conferências ou de União de Missões, um corpo unido, de Conferências (Associações), Missões ou Campos, dentro de um território mais vasto. 4. A Conferência Geral, a unidade mais ampla da organização, abrange todas as uniões em todas as partes do mundo. As Divisões são secções da Conferência Geral, com responsabilidade administrativa que lhes é atribuída em áreas geográficas designadas. “Cada membro da Igreja tem participação na escolha dos oficiais da igreja. A igreja escolhe os oficiais das Conferências. Os delegados escolhidos pelas Conferências escolhem os oficiais da União de Conferências, e os delegados escolhidos pela União de Conferências escolhem os oficiais da Conferência Geral. Com este sistema, cada Conferência, cada instituição, cada igreja e cada indivíduo, quer directamente quer por meio de representantes, participa na eleição dos homens que assumem as principais responsabilidades na Conferência Geral.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, págs. 240, 241.


A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia

55

As Instituições da Igreja No âmbito destes quatro níveis constitutivos, a Igreja mantém em funcionamento uma variedade de instituições. Os Adventistas do Sétimo Dia vêem no mandato evangélico e no exemplo do Senhor e dos Seus apóstolos a responsabilidade de seguidores de Cristo para servir a pessoa em todos os seus aspectos. Na sua obra de expansão mundial, têm portanto seguido o mesmo modelo desde o princípio, no desenvolvimento de instituições de educação, saúde, publicações, e outras. Na teologia e filosofia de actuação da Igreja Adventista do Sétimo Dia, tais instituições têm sido desde o seu começo partes integrantes da Igreja, instrumentos directos na execução do seu mandato divino. Por isso, a Igreja Adventista do Sétimo Dia utiliza as instituições que possui e administra denominacionalmente, como instituições de saúde, casas publicadoras, indústrias de alimentos saudáveis e instituições educacionais, como partes integrantes do sistema para a execução dos ministérios de saúde, publicações e ensino; são portanto indispensáveis e inseparáveis em relação ao ministério total da Igreja na sua missão de levar o evangelho a todo o mundo. As múltiplas unidades da Igreja mundial, sejam congregações, Conferências (Associações), instituições de saúde, casas publicadoras, escolas, ou outras organizações, todas elas encontram a sua unidade organizacional na Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, onde têm representação. É por meio delas que a Igreja mundial se expande, em nome de Cristo, ao encontro das necessidades de um mundo angustiado. A Conferência Geral é a Mais Alta Autoridade A Conferência Geral em sessão, e o Conselho Executivo entre as sessões, é a mais elevada organização na administração da obra mundial da Igreja, e está autorizada pela sua constituição a criar organizações subordinadas para promover interesses específicos em várias secções do mundo; entende-se, pois, que todas as organizações e instituições subordinadas em todo o mundo reconhecerão a Conferência Geral como a mais alta autoridade, abaixo de Deus, entre os Adventistas do Sétimo Dia. Sempre que surjam diferendos no seio de, ou entre organizações e instituições, é procedimento apropriado apelar para a organização imediatamente superior


56

MANUAL DA IGREJA

até chegar à Conferência Geral em sessão, ou ao Conselho Executivo no seu Concílio Anual. Durante o intervalo entre estas sessões, o Conselho Executivo constitui o organismo dotado de autoridade para decidir sobre todas as questões em que possa surgir uma diferença de pontos de vista. A decisão do Conselho pode ser revista numa sessão da Conferência Geral ou na reunião anual do Conselho Executivo. “Fui muitas vezes instruída pelo Senhor de que o juízo de homem algum deve estar sujeito ao juízo de outro homem qualquer. Nunca deve a mente de um homem ou a de uns poucos homens ser considerada suficiente em sabedoria e autoridade para controlar a obra, e dizer quais os planos que devam ser seguidos. Mas quando, numa Assembleia geral, é exercido o juízo dos irmãos reunidos de todas as partes do campo, independência e juízo particulares não devem obstinadamente ser mantidos, mas renunciados. Nunca deve um obreiro considerar virtude a persistente conservação da sua atitude de independência, contrariamente à decisão do corpo geral. “Por vezes, quando um pequeno grupo de homens, aos quais se acha confiada a direcção geral da obra, tem procurado, em nome da Conferência Geral, exercer planos imprudentes e restringir a obra de Deus, tenho dito que eu não poderia por mais tempo considerar a voz da Conferência Geral, representada por esses poucos homens, como a voz de Deus. Mas isto não equivale a dizer que as decisões de uma Conferência Geral composta de uma assembleia de homens representativos e devidamente designados, de todas as partes do campo, não deva ser respeitada. Deus ordenou que os representantes da Sua Igreja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa Conferência Geral, devam ter autoridade. O erro que alguns estão em perigo de cometer é dar à opinião e ao juízo de um homem, ou de um pequeno grupo de homens, a plena medida de autoridade e influência de que Deus revestiu a Sua Igreja, no juízo e voz da Conferência Geral reunida para fazer planos para a prosperidade e avanço da Sua obra. “Quando este poder, que Deus colocou na Igreja, é entregue inteiramente a um só homem, e ele é revestido da autoridade de servir de critério para outros espíritos, acha-se então mudada a verdadeira ordem da Bíblia. Os esforços de Satanás sobre o espírito de tal homem seriam os mais subtis, e, por vezes, quase dominantes; pois o inimigo teria a esperança de, por meio do seu espírito, poder influenciar muitos outros. Demos à mais altamente organizada autoridade na Igreja aquilo que somos propensos a dar


A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia

57

a um único homem ou a um pequeno grupo de homens.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, págs. 408, 409. Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja – (Ver Capítulo 1)


CAPÍTULO 6

Os Membros da Igreja A Condição de Membro numa Base Espiritual As sérias e solenes obrigações de um membro da Igreja devem ser inculcadas a todos os que desejam ser nela admitidos. Todos devem ser fielmente instruídos quanto ao que significa tornar-se membro do corpo de Cristo. Só aqueles que derem provas de ter experimentado o novo nascimento e de estar desfrutando uma experiência espiritual no Senhor Jesus se acham preparados para ser aceites como membros da Igreja. A todo o candidato à qualidade de membro, antes que seja baptizado e recebido na comunhão da Igreja, deve ser ministrada completa instrução sobre os ensinos fundamentais e as práticas da Igreja com eles relacionadas. Toda e qualquer pessoa que procure ser admitida na Igreja deve ser informada sobre os princípios que esta defende. Esta é uma relação espiritual. Só podem entrar nela os que estão convertidos. Só assim se pode manter a pureza e a dimensão espiritual da Igreja. É dever de todos os pastores instruir os que aceitam os princípios da verdade, para que possam entrar para a Igreja numa saudável base espiritual. Embora não exista uma idade mínima exigida para o baptismo, é recomendado que as crianças muito novas que expressem o desejo de ser baptizadas sejam incentivadas a entrar num programa de ensino que possa levar ao baptismo. “Aos membros da igreja, a quem... [Deus] chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz, compete manifestar a Sua glória. A igreja é a depositária das riquezas da graça de Cristo; e pela igreja será a seu tempo manifesta, mesmo aos ‘principados e potestades nos céus’ (Efés. 3: 10), a final e ampla demonstração do amor de Deus.” – Actos dos Apóstolos, pág. 9. O Baptismo é um Requisito do Evangelho O Novo Testamento institui o baptismo como o rito para a admissão na Igreja. “Portanto ide, ensinai todas as nações, baptizando-as em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas


60

MANUAL DA IGREJA

que Eu vos tenho mandado; e eis que Eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos” (Mat. 28:19, 20). “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja baptizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” (Actos 2:38). O Baptismo é um Requisito Prévio para Ser Membro da Igreja – “Cristo fez do baptismo o sinal de entrada para o Seu reino espiritual. Fez disto uma condição indiscutível, que deve ser cumprida por todos os que desejam ser reconhecidos como estando sob a autoridade do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Antes que o homem possa encontrar um lar na igreja, antes de passar o limiar do reino espiritual de Deus, deverá receber a marca indelével do nome divino: ‘O Senhor Justiça nossa.’ Jer. 23:6. “O baptismo é uma soleníssima renúncia ao mundo. Aqueles que são baptizados no triplo nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, no próprio início da sua vida cristã declaram publicamente que abandonaram o serviço de Satanás e se tornaram membros da família real, filhos do Rei celeste. Obedeceram à ordem: ‘Saí do meio deles, e apartai-vos, ... e não toqueis nada imundo.’ Para eles cumpre-se a promessa: ‘Eu vos receberei, e Eu serei para vós Pai e vós sereis para Mim filhos e filhas, diz o Senhor todo-poderoso’. II Cor. 6:17, 18. “Os princípios da vida cristã devem ser claramente explicados àqueles que vieram recentemente para a verdade. Ninguém pode confiar na sua profissão de fé como prova de ter uma ligação redentora com Cristo. Não devemos apenas dizer ‘creio’, mas também praticar a verdade. É pela conformidade com a vontade de Deus nas nossas palavras, actos e carácter, que provamos a nossa ligação com Ele.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 389, 390. O Modo do Baptismo – Os Adventistas do Sétimo Dia crêem no baptismo por imersão e aceitam como membros apenas os que foram baptizados desta maneira. Aqueles que reconhecem o seu estado de perdidos como pecadores, que sinceramente se arrependem dos seus pecados e experimentam a conversão, podem, após uma instrução apropriada, ser aceites como candidatos ao baptismo e ao estatuto de membros da igreja.


Os Membros da Igreja

61

Os Ministros Devem Instruir Cabalmente os Candidatos Antes do Baptismo – O pastor não deverá apresentar qualquer candidato para o baptismo e para ser membro da igreja, sem que possa satisfazer a igreja por meio de um exame público, mostrando que o candidato está bem instruído e apto para dar esse passo (ver subtítulo abaixo até à pág. 66). Nas igrejas onde baptismos frequentes poderiam diminuir o significado de um exame público, deverá seguir-se um plano alternativo. O trabalho do pastor só estará completo depois de ter instruído cabalmente os candidatos e de estes conhecerem bem e terem aceitado e decidido seguir todas as crenças fundamentais da Igreja e respectivas práticas com elas relacionadas, e se encontrarem preparados para assumir as responsabilidades de membros da igreja. As igrejas devem insistir na aplicação desta regra como um princípio que regula a aceitação de novos membros. Através do seu Conselho, as igrejas devem insistir em que os candidatos sejam instruídos individualmente e também, sempre que possível, sejam ensinados numa classe baptismal. “A prova do discipulado não é aplicada tão escrupulosamente quanto deveria ser àqueles que se apresentam a si mesmos para o baptismo. Importa perceber se estão meramente a adoptar o nome de Adventistas do Sétimo Dia ou se, realmente, estão a colocar-se ao lado do Senhor, para renunciar ao mundo e separar-se dele, e não tocar nada imundo. Antes do baptismo, deve proceder-se a um cuidadoso interrogatório acerca da experiência dos candidatos. Este interrogatório não deve ser feito de um modo frio e reservado, mas com mansidão e bondade, encaminhando-se os recém-convertidos para o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo. As exigências do evangelho devem ser estudadas a fundo com os candidatos ao baptismo.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 393. “Ao darem evidência de que compreendem plenamente a sua posição, devem ser aceites.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 128. Exame Público – A igreja tem o direito de saber o que se refere à fé e à atitude de cada indivíduo que deseja tornar-se membro da igreja. É justo, portanto, que seja feito um exame público de todos os candidatos, antes do baptismo, preferentemente em presença da igreja. No caso de se verificar que isto seja impraticável, deverá então ser feito perante o Conselho da Igreja ou perante uma comissão por este designada, como o conselho dos anciãos, cujo relatório deve então ser apresentado à igreja antes do bap-


62

MANUAL DA IGREJA

tismo. Usando-se a alternativa mencionada na secção anterior, deve dar-se aos candidatos a oportunidade de expressarem publicamente o seu desejo de se unirem à igreja e de serem identificados com ela e por ela. Aliança Baptismal – A denominação adoptou como aliança baptismal um sumário das crenças doutrinárias, preparado especialmente para a instrução dos candidatos ao baptismo, juntamente com o Voto Baptismal e o Certificado de Baptismo e o Compromisso. Deve ser entregue, a todos os que são aceites como membros da igreja pelo baptismo, um texto impresso desta aliança, com o Certificado do Baptismo devidamente preenchido. No caso dos que são recebidos por profissão de fé, também lhes será entregue um certificado apropriado. Este sumário das crenças doutrinárias foi preparado especialmente para a instrução dos candidatos ao baptismo. Todo o candidato deverá estar devidamente familiarizado com os ensinos contidos neste esboço e com os deveres prescritos para os crentes, demonstrando na prática a sua disposição para aceitar todas as doutrinas ensinadas pelos Adventistas do Sétimo Dia e os princípios de conduta que constituem a expressão exterior desses ensinos, porque “pelos seus frutos os conhecereis”. Os futuros membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, antes do baptismo ou da aceitação por profissão de fé, devem ser cuidadosamente instruídos, pelas Escrituras, nas crenças fundamentais da Igreja, conforme são apresentadas no Capítulo 3 (ver pág. 35) deste Manual da Igreja. A fim de ajudar os evangelistas, pastores e outras pessoas a ministrar esta instrução e a baseá-la nas Escrituras, tornando-a ao mesmo tempo prática, foi preparado especialmente para o efeito um esboço que aparece como apêndice nas páginas 277-281 deste Manual da Igreja e também no Manual Para Ministros. Voto Baptismal e Baptismo Voto Baptismal – Os candidatos ao baptismo, ou os que são recebidos na comunhão da igreja por profissão de fé, devem afirmar a sua aceitação das crenças doutrinárias da Igreja Adventista do Sétimo Dia em presença da igreja ou de outro corpo devidamente designado (ver pág. 61). O pastor ou ancião deve dirigir as seguintes perguntas ao(s) candidato(s), podendo as respostas ser expressas oralmente ou pelo gesto de levantar a mão.


Os Membros da Igreja

63 Voto

1. Crê que há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas co-eternas? 2. Aceita a morte de Jesus Cristo no Calvário como o sacrifício expiatório pelos seus pecados, e crê que, pela graça de Deus, através da fé no Seu sangue derramado, é salvo do pecado e da sua penalidade? 3. Aceita Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal e crê que Deus, em Cristo, perdoou os seus pecados e lhe concedeu um novo coração, e renuncia aos caminhos pecaminosos do mundo? 4. Aceita pela fé a justiça de Cristo, seu Intercessor no santuário celeste, e aceita a Sua promessa da graça transformadora e poder para viver uma vida de amor centrada em Cristo, no seu lar e perante o mundo? 5. Crê que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, e que constitui a única regra de fé e prática para os cristãos? Compromete-se a dedicar regularmente tempo para a oração e o estudo da Bíblia? 6. Aceita os Dez Mandamentos como uma transcrição do carácter de Deus e uma revelação da Sua vontade? É seu propósito, pelo poder da presença de Cristo no seu coração, guardar esta lei, incluindo o quarto mandamento, que requer a observância do sétimo dia da semana como o Sábado do Senhor e o memorial da Criação? 7. Aguarda a breve vinda de Jesus e a bem-aventurada esperança, quando “isto que é mortal... se revestir da imortalidade”? Enquanto se prepara para encontrar o Senhor, vai testemunhar da Sua amorosa salvação, usando os seus talentos no esforço para ganhar outros, ajudando-os a estar prontos para o Seu glorioso aparecimento? 8. Aceita o ensino bíblico dos dons espirituais, e crê que o dom de profecia é uma das características identificadoras da igreja remanescente? 9. Crê na organização da Igreja? É seu propósito adorar Deus e apoiar a Igreja através dos seus dízimos e ofertas, do seu esforço pessoal e influência? 10. Crê que o corpo é o templo do Espírito Santo; e vai honrar Deus cuidando do mesmo, evitando o uso daquilo que é prejudicial, abstendo-se de todos os alimentos imundos, do uso, fabricação ou venda de bebidas alcoólicas; do uso, fabricação ou venda de tabaco em qualquer das suas formas, para consumo humano; e do uso indevido ou do tráfico de narcóticos ou outras drogas? 11. Conhece e compreende os princípios bíblicos fundamentais, tal


64

MANUAL DA IGREJA

como são ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia? Propõe-se, pela graça de Deus, cumprir a Sua vontade organizando a sua vida em conformidade com estes princípios? 12. Aceita o ensino do Novo Testamento no tocante ao baptismo por imersão, e deseja ser baptizado dessa maneira como expressão pública da sua fé em Cristo e de que Ele lhe perdoou os seus pecados? 13. Aceita e acredita que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a Igreja remanescente da profecia bíblica, e que pessoas de todas as nações, raças e línguas são convidadas a fazer parte da sua comunhão, e a ser nela aceites? Deseja ser membro desta congregação local da Igreja mundial? Voto (Alternativa) 1. Aceita Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, e deseja viver a sua vida num relacionamento salvador com Ele? 2. Aceita os ensinos da Bíblia tal como são expressos na Declaração de Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e compromete-se, pela graça de Deus, a viver em harmonia com esses ensinos? 3. Deseja ser baptizado como expressão pública da sua fé em Jesus Cristo, ser aceite como membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia e apoiar a Igreja e a sua missão, sendo mordomo fiel, através da sua influência pessoal, dos seus dízimos e ofertas e de uma vida de serviço? Certificado de Baptismo e Compromisso – Será provido um espaço para o novo membro assinar o certificado como confirmação deste compromisso. Após o baptismo, será dado ao candidato um Certificado de Baptismo e Compromisso, como um documento do seu concerto. O compromisso dirá o seguinte: Compromisso 1. Creio que existe um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas co-eternas. 2. Aceito a morte de Jesus Cristo no Calvário como o sacrifício expiatório pelos meus pecados, e creio que, pela graça de Deus, através da fé no Seu sangue derramado, sou salvo do pecado e da sua penalidade.


Os Membros da Igreja

65

3. Aceito Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador pessoal, e creio que Deus, em Cristo, perdoou os meus pecados e me concedeu um novo coração, e, assim, renuncio aos caminhos pecaminosos do mundo. 4. Aceito pela fé a justiça de Cristo, reconhecendo-O como meu Intercessor no santuário celeste, e aceito a Sua promessa de graça transformadora e força para viver uma vida de amor, centrada em Cristo, tanto no meu lar como perante o mundo. 5. Creio que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, a única regra de fé e prática para os cristãos. Comprometo-me a passar regularmente algum tempo em oração e estudo da Bíblia. 6. Aceito os Dez Mandamentos como uma transcrição do carácter de Deus e uma revelação da Sua vontade. É meu propósito de, pelo poder da presença de Cristo no meu coração, guardar esta lei, incluindo o quarto mandamento, que requer a observância do sétimo dia da semana como o Sábado do Senhor e o memorial da Criação. 7. Aguardo a breve vinda de Jesus e a bem-aventurada esperança, quando “isto que é mortal se revestir da imortalidade”. Enquanto me preparo para o encontro com o Senhor, estou decidido a testemunhar da Sua amorosa salvação e, usando os meus talentos no esforço pessoal de ganhar almas, a fim de ajudar outros a preparar-se para o Seu glorioso aparecimento. 8. Aceito o ensino bíblico dos dons espirituais, e creio que o dom de profecia é uma das características de identificação da Igreja remanescente. 9. Creio na organização da Igreja. Tenho o propósito de adorar a Deus e sustentar a Igreja com os meus dízimos e ofertas, esforço pessoal e influência. 10. Creio que o meu corpo é o templo do Espírito Santo, e quero honrar a Deus cuidando dele, evitando o uso de tudo aquilo que é prejudicial; abstendo-me de todos os alimentos imundos, do uso, fabrico ou venda de bebidas alcoólicas; do uso, fabrico ou venda de tabaco em qualquer das suas formas para consumo humano; e do uso indevido ou do tráfico de narcóticos ou outras drogas. 11. Conheço e compreendo os princípios bíblicos básicos, como são ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. Estou na disposição de, pela graça de Deus, cumprir a Sua vontade, organizando a minha vida em conformidade com estes princípios.


66

MANUAL DA IGREJA

12. Aceito o ensino do Novo Testamento acerca do baptismo por imersão, e desejo ser baptizado dessa maneira como manifestação pública da minha fé em Cristo e do Seu perdão dos meus pecados. 13. Aceito e creio que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a Igreja remanescente da profecia bíblica, e que pessoas de todas as nações, raças e línguas são convidadas a entrar e ser nela aceites. Desejo ser membro desta congregação local da Igreja mundial. Boas-vindas aos Candidatos – Depois dos candidatos terem respondido afirmativamente às perguntas precedentes diante dos membros da igreja ou outra entidade devidamente designada, ou de ter sido dada à igreja a certeza de que tais respostas já foram dadas, deve pedir-se aos membros da igreja que votem sobre a aceitação dessas pessoas na igreja, desde que se submetam ao baptismo, cuja celebração não deve ser indevidamente retardada. Aceitação de Membros que Não Sejam Conhecidos – Durante a preparação para o baptismo dos seus conversos, um evangelista deverá convidar o pastor ou o ancião a visitar as suas classes baptismais e travar conhecimento com essas pessoas. Estes contactos permitirão à igreja estar mais bem preparada para receber os novos membros na sua comunhão. Este procedimento geral não se aplicará ao caso de crentes isolados que desejem unir-se à igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Cerimónia Baptismal – Nesta cerimónia, os diáconos devem fazer os preparativos necessários e ajudar os candidatos masculinos a entrar na água e a sair dela. (Ver pág. 91) As diaconisas devem ajudar os candidatos femininos. (Ver pág. 93) Deve ter-se o cuidado de providenciar vestuário adequado para os candidatos. São preferíveis os roupões de tecido pesado. Se não os houver, devem os candidatos ser instruídos a vestir-se de modo que se apresentem modestamente. No fim da cerimónia baptismal, devem cumprimentar-se fraternalmente os candidatos com um aperto de mão, e deve o pastor ou o ancião proferir algumas palavras de boas-vindas em nome de toda a igreja.


Os Membros da Igreja

67 Situação Regular

Todos os membros são considerados como estando em situação regular, a não ser que se encontrem sob a disciplina da igreja. (Ver págs. 246-251) Transferência de Membros Transferência de Membros da Igreja – Quando um membro se muda para uma área diferente, o secretário da igreja que tem o registo desse membro deve escrever ao secretário da respectiva Conferência (Associação)/Missão/Campo, pedindo que um pastor da nova localidade faça uma visita pastoral a essa pessoa. Esta intervenção pastoral poderá facilitar o processo da transferência. O secretário da igreja que tem o registo desse membro deve também notificá-lo da intenção de fornecer o seu novo endereço a um pastor da nova localidade. Um membro da igreja que se mude de uma localidade para outra por um período de tempo superior a seis meses deve pedir imediatamente uma carta de transferência para uma igreja próxima do seu novo local de residência. No caso do membro se mudar para uma área isolada onde não exista igreja a uma distância razoável, o procedimento habitual é o de pedir para passar a pertencer à igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo. A carta de transferência em questão é válida por seis meses, a contar da data de emissão, e fica automaticamente anulada no caso de a pessoa não ter sido aceite dentro do referido prazo. Método de Concessão de Cartas de Transferência – O pedido de uma carta de transferência deve ser feito ao secretário da igreja à qual o membro deseja unir-se. O secretário envia então esse pedido ao secretário da igreja de onde o membro deseja ser transferido. Ao receber o pedido, este secretário apresenta-o ao pastor, se for um ministro ordenado, ou ao ancião da igreja, que por sua vez submete o pedido ao Conselho da Igreja. Depois da devida consideração, este Conselho dirige à igreja uma recomendação, que poderá ser ou não favorável, relativamente àquele pedido. (Ver mais abaixo, e também nas págs. 68-76, 94, 254, 268, 269.) O pastor ou o ancião dá então conhecimento dessa recomendação à igreja, anunciando que se trata da primeira leitura. A decisão final é tomada na semana seguinte,


68

MANUAL DA IGREJA

altura em que o pedido é novamente apresentado e a igreja se pronuncia por meio de voto. O propósito de deixar passar o intervalo de uma semana é o de dar a qualquer membro a oportunidade de, por alguma razão válida, objectar a concessão da carta de transferência. Esta objecção não deverá normalmente ser apresentada em público, mas sim confiada ao pastor ou ancião, cujo dever é convocar o Conselho da Igreja para que a considere. Deve conceder-se ao objectante a oportunidade de comparecer perante o Conselho para apresentar as suas objecções. Se estas não forem baseadas em motivos válidos, a pessoa que as tiver levantado deverá ser admoestada a retirá-las. Por outro lado, se forem baseadas em motivos válidos, é dever do Conselho proceder à investigação que possa ser necessária. Neste caso, a votação final para a concessão da carta pela igreja ficará adiada até que o assunto tenha sido satisfatoriamente esclarecido. Se as dificuldades envolverem relações pessoais, deverão fazer-se todos os esforços para que haja uma reconciliação. Se estiverem envolvidas ofensas públicas, poderão ser necessárias medidas disciplinares. No caso de algum lapso espiritual, far-se-ão esforços no sentido de reabilitar o membro em questão. Emissão da Carta pelo Secretário – Quando a igreja tiver, por voto, concedido a carta de transferência, o secretário da igreja preencherá o formulário usual utilizado para esse fim, e o remeterá ao secretário da igreja à qual o membro solicitante pretende passar a pertencer. O secretário desta igreja entregará a carta ao pastor ou ancião da igreja, que por sua vez a apresentará em primeiro lugar ao Conselho da Igreja para recomendação, após o que será apresentado o pedido à igreja no seu próximo serviço de culto regular. Segue-se, depois, o adiamento da votação pelo prazo de uma semana, e só então se faz a votação final, aceitando-se a pessoa como membro. O secretário da igreja que o recebe escreve então o nome do membro e a data da admissão no registo da igreja. O secretário preenche também a parte da carta de transferência que irá ser devolvida, certificando que o membro foi aceite, e a enviará ao secretário da igreja de onde o membro foi transferido. (Ver, também, a página 94.) Método Alternativo para a Transferência de Membros – Uma Divisão pode aprovar métodos alternativos para a transferência de membros de uma igreja para outra dentro da Divisão, mas quando os membros pedem


Os Membros da Igreja

69

transferência para uma igreja de outra Divisão, deve ser seguido o ‘Método de Concessão de Cartas de Transferência’ acima indicado. Posição do Membro Durante o Intervalo da Transferência – Em nenhuma circunstância deverá o secretário da igreja que concede a carta de transferência retirar o nome do membro do registo da igreja enquanto não tiver recebido em devolução a parte da carta que certifica ter sido o membro aceite na comunhão da igreja para a qual se transferiu. Seguir outro qualquer plano seria privar o membro da comunhão da igreja durante o período da transferência, um procedimento que nunca deve ser seguido. O secretário, o ancião, o pastor e o presidente da Conferência (Associação)/ Missão/Campo são todos responsáveis pela aplicação uniforme do plano acima indicado, em todas as igrejas. Recepção de Membros Perturbada por Condições Mundiais – Devido a condições mundiais, poderá haver casos de pessoas acerca das quais não seja possível enviar nem receber qualquer comunicação da igreja onde elas se acham registadas como membros. Em tais casos, a igreja do sítio onde elas estão a residir, em consulta com a Conferência (Associação)/Missão/ Campo, depois de certificar-se da situação dessas pessoas, deve recebê-las por profissão de fé. Se, mais tarde, for possível estabelecer comunicação com a igreja da qual procedem, a igreja que as recebeu deve enviar-lhe uma carta para comunicar o que foi feito. Inclusão nos Relatórios Estatísticos – No fim de cada trimestre e de cada ano, quando se fazem os relatórios estatísticos da igreja, todos os membros para os quais tenham sido emitidas cartas de transferência, mas cujos certificados de aceitação ainda não tenham sido recebidos, deverão ser incluídos no número de membros da igreja que emitiu as cartas de transferência. Quando o respectivo certificado tiver sido recebido, atestando que o membro foi aceite pela igreja que o recebeu, então o seu nome será retirado do registo da igreja da qual foi transferido, e excluído do próximo relatório estatístico trimestral. A igreja que o recebeu inscreverá o nome dele no seu registo de membros e incluí-lo-á no próximo relatório estatístico trimestral.


70

MANUAL DA IGREJA

Se o Membro não For Aceite – A igreja para a qual é enviada a carta de transferência tem a obrigação de receber o membro, a menos que tenha conhecimento de alguma razão justificável e suficiente pela qual não lhe deva conceder esse privilégio. No caso de a igreja não receber o membro, o secretário deve devolver a carta à igreja que a emitiu, com uma explicação completa das respectivas razões. O membro ficará então na mesma posição em que se encontrava antes de ter sido feito o pedido de transferência, isto é, pertencendo à igreja que a concedera. Esse membro deverá cooperar com a sua igreja no esclarecimento de qualquer questão que seja levantada pela igreja que recusou aceitá-lo como membro. Não Conceder Cartas a Membros sob Disciplina – Em nenhum caso deverá a igreja votar uma carta de transferência para um membro que esteja sob disciplina. Fazê-lo seria uma violação do espírito da regra áurea. Cartas Concedidas Apenas aos Membros em Situação Regular – As cartas de transferência só são concedidas aos membros que estejam em situação regular perante a igreja. Não é correcto formular numa carta de transferência declarações que qualifiquem o membro. Se um membro que se mudou para outro lugar se tiver tornado frio e indiferente, o ancião da igreja poderá, para ter a certeza de como proceder em relação à carta de transferência, apresentar o assunto ao ancião da igreja da localidade para onde o membro se mudou, antes que a transferência seja concedida. Não Votar a Carta sem a Aprovação do Membro – Em caso nenhum deve a igreja votar a concessão de uma carta de transferência contra o desejo ou pedido do membro em questão, nem deve igreja alguma aceitar no seu seio um membro perante uma carta concedida em tais circunstâncias. Ser membro da igreja é uma relação pessoal do indivíduo com o corpo de Cristo. A igreja deve reconhecer esta relação e evitar qualquer procedimento que possa ser considerado arbitrário. Por outro lado, o membro tem a obrigação de reconhecer o bem-estar da igreja e fazer todo o esforço possível para evitar a esta os problemas relacionados com a ausência dos seus membros. Quando alguém se muda para longe da igreja a que pertence, tem o dever de cooperar de bom grado neste assunto, pedindo a sua carta de transferência.


Os Membros da Igreja

71

No caso de uma igreja que é expulsa da irmandade das igrejas por um voto da assembleia da Conferência (Associação)/Missão, é necessário, para salvaguardar a comunhão dos membros fiéis com a igreja, transferir provisoriamente todos os membros da igreja expulsa para a igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo, excepto aqueles que se recusem a ser assim transferidos. A qualidade de membros destes últimos será considerada sem efeito por ocasião da expulsão da igreja. A igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo fica então autorizada a emitir cartas de transferência para os membros fiéis, conforme lhe sejam solicitadas, e a lidar com os outros casos do modo que seja necessário. (Ver as págs. 268-271.) O Conselho da Igreja Não Pode Conceder Cartas – O Conselho da igreja não tem autoridade para votar cartas de transferência nem receber membros de outras igrejas por carta. As suas atribuições nesta matéria são limitadas a fazer recomendações à igreja. O voto quanto a todas as transferências de membros, favorável ou desfavorável, deve ser dado pela igreja. (Ver págs. 67 e 88.) O/a secretário/a não tem autoridade para eliminar do registo da igreja ou a ele acrescentar quaisquer nomes, excepto na sequência de um voto da igreja. Quando um membro morre, não é necessário qualquer voto para o excluir do registo, devendo o secretário limitar-se a anotar a data da sua morte. A Igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo Os membros isolados devem unir-se à igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo, que é um corpo organizado em benefício dos crentes dispersos que, de outro modo, estariam privados dos privilégios de pertencer a uma igreja. Os membros idosos e os doentes que residam nos arredores de uma igreja local organizada devem fazer parte da igreja local. É esta igreja que tem o dever e a responsabilidade de ministrar a esses membros. Eles não devem ser transferidos para a igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo, visto que esta outra não se destina a funcionar em substituição da igreja local. Conquanto os dirigentes da Conferência (Associação)/Missão/Campo sejam os dirigentes da igreja da sua Conferência (Associação)/Missão/Campo, eles próprios devem ser


72

MANUAL DA IGREJA

membros da igreja da localidade onde residem. A igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo não tem a função de incluir no seu seio os obreiros da dita Conferência (Associação)/Missão/Campo. Os pastores e obreiros devem unir-se às igrejas locais das comunidades onde residem. O presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo será o primeiro ancião da igreja da sua Conferência (Associação)/Missão/Campo, e o trabalho normalmente realizado pelo secretário e pelo tesoureiro da igreja será exercido pelo secretário-tesoureiro da Conferência (Associação) /Missão/Campo. Qualquer assunto normalmente tratado numa igreja local pelo seu Conselho, neste caso da igreja da Conferência (Associação), que não dispõe de Conselho próprio, será resolvido pelo Conselho da mesma Conferência (Associação)/Missão/Campo. Este conselho também designará os delegados da igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo que deverão assistir às respectivas assembleias. Grupos Organizados Onde exista um certo número de crentes isolados que residam próximo uns dos outros, poderá organizar-se um grupo de crentes para a confraternização e o culto em comum, com o objectivo de se desenvolverem e virem a formar um igreja organizada. Este conjunto de crentes pode ser organizado como grupo por aprovação do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, e pode subsequentemente ser dissolvido por voto do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Quando o Conselho de uma Conferência (Associação)/Missão/Campo aprova a organização de um grupo, essa organização pode ser efectuada pelo pastor do distrito ou por algum outro pastor designado pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, que, em consulta com os membros locais, designará, dentre os membros baptizados desse grupo, um director e um tesoureiro. Todas as demais nomeações, como a dos dirigentes da Escola Sabatina, das Actividades Leigas e da Sociedade dos Jovens, devem ser feitas por votação dos membros baptizados do grupo, em reunião presidida pelo pastor do distrito ou por outra pessoa que para isso tenha sido autorizada pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. O director do grupo não deverá ser ordenado para esse cargo e não terá autoridade para desempenhar as funções de que é investido um ancião da


Os Membros da Igreja

73

igreja. Todavia, onde circunstâncias excepcionais o justifiquem, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo poderá nomear uma pessoa com experiência da igreja e com capacidade de liderança, para servir como ancião desse grupo. O tesoureiro do grupo manterá cuidadoso registo de todo o dinheiro recebido e desembolsado, e enviará pontualmente cada mês os dízimos e ofertas, excepto os fundos recolhidos para propósitos locais, ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo, que é também o tesoureiro da igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Uma vez que todos os membros baptizados de um grupo organizado são membros da igreja da Associação/Missão/Campo, o grupo não possui o direito de administrar a disciplina da igreja. Todos os assuntos desse tipo devem ser referidos ao Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, que é também o Conselho da igreja da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, cujo presidente é o ancião desta igreja. Um grupo de crentes assim deve, com o tempo, crescer e desenvolver-se até ao ponto de requerer a organização de uma igreja regular. A direcção do grupo deve, portanto, promover e fomentar todas as campanhas e actividades da igreja que são normalmente promovidas nas igrejas regulares, preparando assim os membros para responsabilidades mais amplas relacionadas com a organização plena da igreja. Questões Relacionadas com a Admissão e a Exclusão de Membros Admissão de Membros por Profissão de Fé – Há quatro circunstâncias em que pessoas que aceitaram a mensagem Adventista do Sétimo Dia podem ser aceites na igreja local por profissão de fé: 1. Um cristão praticante, vindo de outra comunidade cristã, que já tenha sido baptizado por imersão segundo a norma adoptada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. 2. Um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia que, devido a condições mundiais, não tenha a possibilidade de obter uma carta de transferência da igreja do local onde residia. (Ver pág. 69.) 3. Um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia cujo pedido de transferência de membro não obteve resposta de espécie alguma da igreja de que é membro. Neste caso deve-se procurar a ajuda da Conferência (Associação)/Missão/Campo. No caso da igreja requerente estar localizada


74

MANUAL DA IGREJA

numa outra Conferência (Associação)/Missão/Campo, deve-se procurar a ajuda de ambas as Conferências (Associações)/Missões/Campos. 4. Uma pessoa que já era membro, mas cujo registo foi alterado ou suprimido por ter sido dada como membro desaparecido, porém na realidade permaneceu fiel à sua profissão cristã de crente. Deve exercer-se todo o cuidado na admissão de membros, se tiverem sido previamente membros de outra igreja dentro da denominação. Não faltam exemplos de pessoas excluídas da comunhão de uma igreja, que mais tarde se apresentaram a outras igrejas para serem aceites por profissão de fé. Quando uma pessoa solicita a sua admissão por profissão de fé, deve ser feito o mais cuidadoso inquérito a respeito da sua anterior experiência. Os oficiais da igreja devem procurar o conselho e a ajuda do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Deve dispensar-se o tempo suficiente para estender as investigações tanto quanto se torne necessário ao esclarecimento de todos os factos. No caso de uma pessoa pedir a sua admissão como membro da igreja por profissão de fé, e se descobrir que ainda é membro de outra igreja da denominação, não se deve tomar nenhuma providência para recebê-la sem que a igreja que a tem no seu registo lhe conceda uma carta de transferência. Se, depois de seguir o processo de transferência (ver pág. 67), a igreja recusar concedê-la, o membro pode apelar para o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, caso se considere que a carta foi negada injustamente. A igreja de que a pessoa é membro, ou o Conselho da respectiva Conferência (Associação)/Missão/Campo, é o organismo próprio para decidir se o seu procedimento anterior foi de molde a qualificá-lo para ter uma carta de transferência. Seguindo-se este procedimento, contribuir-se-á para que seja mais apreciado o carácter sagrado da condição de membro da igreja, e para que sejam corrigidos os erros, quando necessário. Nenhuma igreja tem o direito de negar uma transferência, a não ser que a pessoa esteja sob disciplina. Quando uma pessoa eliminada procura ser readmitida, a readmissão como membro da igreja é normalmente precedida de rebaptismo. (Ver pág. 253, 254.) Remoção de Nomes – A eliminação de nomes do registo da igreja deve fazer-se unicamente através de um voto da igreja, por concessão de cartas de transferência, ou por exclusão, excepto no caso dos membros falecidos. (Ver pág. 94.)


Os Membros da Igreja

75

Lista de Membros Afastados – Cada igreja deve ter uma única lista de membros. Em nenhuma circunstância se deve manter mais de uma lista de membros. O registo da igreja deve conter os nomes de todos os membros. Os nomes devem ser acrescentados a esta lista unicamente por voto da igreja, depois de a pessoa interessada ter pedido a sua admissão por profissão de fé, por baptismo ou por carta de transferência. Rebaptismo O rebaptismo é mencionado especificamente numa só passagem da Bíblia (Actos 19:1-7), onde o apóstolo Paulo o aprova para um grupo de cerca de 12 crentes. O seu baptismo anterior tinha sido o de João, que era um baptismo de arrependimento. Além do arrependimento, o baptismo cristão está associado a uma clara compreensão do evangelho e a uma entrega pessoal ao mesmo, aos ensinos de Jesus e à recepção do Espírito Santo. Com esta compreensão alargada e maior entrega, o seu rebaptismo foi aceitável. Pessoas de Outras Comunidades Cristãs – Com base nas Escrituras, pessoas de outras Comunidades Cristãs que tenham abraçado a mensagem Adventista do Sétimo Dia e que tenham sido previamente baptizadas por imersão, podem pedir o rebaptismo. Mas o exemplo de Apolo sugere que o rebaptismo pode não ser exigido. É evidente que o caso de Actos 19 foi especial, já que também se diz que Apolo recebeu o baptismo de João (Actos 18:25) e não há registo de que tenha sido rebaptizado. Aparentemente, parece que alguns dos apóstolos receberam o baptismo de João (João 1:35-40), mas não há registo de subsequentes rebaptismos. Tendo como base a aceitação de verdades novas importantes, Ellen G. White apoia o rebaptismo, na medida em que o Espírito leve o novo crente a pedi-lo. Isto está de acordo com o padrão adoptado em Actos 19. Pessoas que tenham anteriormente experimentado um baptismo de crente, devem avaliar a sua nova experiência religiosa e decidir se desejam ser rebaptizadas. “Este [o rebaptismo] é um assunto em que cada indivíduo tem de tomar conscienciosamente a sua decisão no temor de Deus. Este assunto deve ser cuidadosamente apresentado no espírito de brandura e de amor. Depois, o dever de insistir pertence unicamente a Deus; dê-se-Lhe a oportunidade de operar na mente por meio do Seu Espírito Santo, de modo que o indivíduo seja perfeitamente convencido e satisfeito no que respeita a esse importante passo.” – Evangelismo, pág. 373.


76

MANUAL DA IGREJA

Apostasia e Rebaptismo – Embora a apostasia tenha existido claramente na igreja apostólica (ver Heb. 6:4-6), as Escrituras não abordam o tema do rebaptismo. Ellen G. White apoia o rebaptismo no caso de os membros terem caído em apostasia e vivido de tal forma que a fé e os princípios da Igreja foram publicamente violados. Nesse caso devem, se houver reconversão e pedido de readmissão como membros, entrar na Igreja como ao princípio, através do baptismo. (Ver págs. 253, 262.) “O Senhor requer decidida reforma. E quando uma alma está verdadeiramente reconvertida, seja ela rebaptizada. Renove ela o seu concerto com Deus, e Deus renovará o Seu concerto com ela.” – Evangelismo, pág. 375. Aquilo a que aqui se faz referência, claramente, não é à repetição contínua de um reavivamento espiritual na experiência do crente, mas a uma mudança radical de vida. Rebaptismo impróprio – Tendo como base o ensino bíblico e a orientação de Ellen G. White, o rebaptismo deve acontecer apenas em circunstâncias especiais e deve ser relativamente raro. Administrá-lo repetidamente, ou com base em emoções, deprecia o significado do baptismo e representa uma compreensão errada da gravidade e do significado que as Escrituras lhe atribuem. Um membro de igreja cuja experiência espiritual se tenha tornado fria, necessita de um espírito de arrependimento que leve ao reavivamento e à reforma. Essa experiência deve ser seguida da participação nas ordenanças do lava-pés e da Santa Ceia, como demonstração de uma nova purificação e envolvimento no corpo de Cristo. Logo, o rebaptismo não é necessário. Correctamente aplicado, o baptismo torna-se a avenida de entrada na Igreja. O baptismo é, fundamentalmente, a prova da entrada numa aliança salvadora com Cristo, que deve ser permanente, e deve ser tratado como uma solene e alegre recepção na família de Deus.


CAPÍTULO 7

Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres A escolha de oficiais para a igreja ou para a Conferência (Associação)/ Missão/Campo é um assunto importantíssimo. A prosperidade da obra depende em grande parte da sua liderança. Deve-se exercer o maior cuidado quando se chamam homens e mulheres para posições de sagrada responsabilidade. Devem procurar-se cuidadosamente as seguintes qualificações naqueles que são nomeados para cargos da igreja: As Suas Qualificações Aptidão Moral – “E tu, dentre todo o povo, procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinquenta, e maiorais de dez.” (Êxodo. 18:21). “Escolhei, pois, irmãos, de entre vós, sete varões de boa reputação cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio.” (Actos 6:3). “Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo.” (I Tim. 3:7). “E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idóneos, para também ensinarem os outros.” (II Tim. 2:2). Aptidão Religiosa – “Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo [ancião] seja irrepreensível, marido de uma [só] mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado; não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria casa, tendo os seus filhos em sujeição, com toda a modéstia; (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?) não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém, também, que tenha


78

MANUAL DA IGREJA

bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo. Da mesma sorte, os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados ao vinho, não cobiçosos de torpe ganância; guardando o mistério da fé, numa consciência pura; e também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis. Da mesma sorte, as mulheres sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo. Os diáconos sejam maridos de uma [só] mulher, e governem bem os seus filhos e as suas próprias casas. Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.” (I Tim. 3:1-13). “Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza. Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá. ... Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.” (I Tim. 4:12-16). “Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei; aquele que for irrepreensível, marido de uma [só] mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. Porque convém que o bispo seja irrepreensível, como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante; retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina, como para convencer os contradizentes. Porque há muitos desordenados, faladores vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão, aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância.” (Tito 1:5-11). “Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. ... Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina, mostra incorrupção, gravidade, sinceridade, linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer do nós.” (Tito 2:1, 7 e 8). A Igreja Tem de Ser Protegida e Alimentada – O apóstolo Paulo, na sua obra administrativa, convocou “os anciãos da igreja” (Actos 20:17).


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

79

Aconselhou-os então: “Olhai pois por vós, e por todo o rebanho, sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que Ele resgatou com o Seu próprio sangue. Porque eu sei isto, que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão ao rebanho; e que, de entre vós mesmos, se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.” (Actos 20:28-31). “Aos presbíteros [anciãos] que estão entre vós, admoesto eu, que sou, também, presbítero [ancião] com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há-de revelar: Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.” (I Ped. 5:1-3). Respeito e Deferência Devidos a Ministros e Oficiais da Igreja – “Rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós, e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; e que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós.” (I Tess. 5:12 e 13). “Os presbíteros [anciãos] que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina.” (I Tim. 5:17). “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a Palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.” “Obedecei aos vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão-de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos será útil.” (Heb. 13:7 e 17). “Os crentes de Tessalónica foram muito incomodados por homens que chegaram ao seu meio com opiniões e doutrinas fanáticas. Alguns andavam ‘desordenadamente, não trabalhando, ... fazendo coisas vãs’. A igreja tinha sido devidamente organizada, e os seus oficiais tinham sido designados, a fim de agirem como ministros e diáconos. Porém havia alguns rebeldes e impetuosos, que recusavam sujeitar-se aos que exerciam os cargos de autoridade na igreja. Não somente se arrogavam o direito de exercer o juízo


80

MANUAL DA IGREJA

pessoal mas o de impor publicamente as suas opiniões à igreja. Em vista disto, Paulo chamou a atenção dos tessalonicenses para o respeito e a consideração devidos aos que tinham sido escolhidos para ocupar os cargos de autoridade na igreja.” – Actos dos Apóstolos, págs. 261 e 262. “Muitos há que não avaliam a santidade da relação da igreja, e são contrários a submeter-se à disciplina e restrição. A direcção que seguem mostra que exaltam o próprio juízo acima do da igreja unida; e não cuidam de guardar-se para que não estimulem um espírito de oposição à voz da mesma. Os que ocupam uma posição de responsabilidade na igreja podem ter faltas semelhantes às de outras pessoas, e podem errar nas suas decisões; não obstante, a Igreja de Cristo na Terra investiu-os de uma autoridade que não pode ser levemente estimada.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, págs. 444 e 445. Não Ter Pressa em Confiar Cargos de Responsabilidade – “Em muitos lugares encontramos homens a quem foram confiadas apressadamente posições de responsabilidade como anciãos da igreja, quando não estavam aptos para esse cargo. Não exercem o domínio próprio. A sua influência não é boa. A igreja está continuamente em dificuldades como consequência do carácter defeituoso do dirigente. As mãos foram impostas com demasiada pressa sobre esses homens.” – Testimonies, vol. 4, págs. 406 e 407. “Escreve o apóstolo Paulo a Tito: ‘Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses presbíteros, como já te mandei: Aquele que for irrepreensível, marido de uma [só] mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. Porque convém que o bispo [ancião] seja irrepreensível, como despenseiro da casa de Deus’. Convém que os nossos ministros considerem essas palavras e não ponham alguém a exercer um cargo sem muita reflexão e oração, para que Deus, pelo Seu Espírito, possa designar a pessoa da Sua aceitação. “Diz o apóstolo inspirado: ‘A ninguém imponhas apressadamente as mãos’. Em algumas das nossas igrejas se passou demasiado cedo à organização de igrejas e ordenação de anciãos, com manifesto desprezo da regra estabelecida na Bíblia. Em consequência, surgiram grandes dificuldades na igreja. Não se devem eleger e ordenar dirigentes que não provarem ser aptos para essa obra de responsabilidade.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 260 e 261.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

81

Os que se Opõem à Unidade Não São Aptos para Exercer Cargos – “Têm ultimamente surgido entre nós homens que professam ser servos de Cristo, mas cuja obra se opõe àquela unidade que nosso Senhor estabeleceu na igreja. Têm métodos e planos de trabalho originais. Desejam introduzir mudanças na igreja, segundo as suas ideias de progresso, e imaginam que deste modo se obtenham grandes resultados. Esses homens precisam de ser discípulos em vez de mestres na escola de Cristo. Estão sempre desassossegados, aspirando realizar alguma grande obra, fazer algo que lhes traga honra a si mesmos. Precisam de aprender a mais proveitosa de todas as lições: a humildade e fé em Jesus. ... “Professores da verdade, missionários, oficiais da igreja, podem efectuar uma boa obra pelo Mestre, se tão-somente purificarem a sua própria alma pela obediência à verdade. ... Como membros do corpo de Cristo, todos os crentes são animados pelo mesmo espírito e a mesma esperança. Divisões na igreja desonram a religião de Cristo perante o mundo, e dão ocasião aos inimigos da verdade para justificar o seu procedimento. As instruções de Paulo não foram escritas apenas para a igreja dos seus dias. Era desígnio de Deus que viessem até nós.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 79 e 80. É Perigoso Escolher Aqueles que se Negam a Cooperar com os Outros – “Deus pôs na igreja, como Seus auxiliares indicados, homens de talentos diferentes para que, mediante a sabedoria de muitos, seja feita a vontade do Espírito. Os homens que agem de conformidade com os seus próprios fortes traços de carácter, recusando aliar-se a outros que têm tido mais longa experiência na obra de Deus, ficarão cegos pela confiança própria, incapazes de discernir entre o falso e o verdadeiro. Não é seguro escolher tais pessoas para líderes na igreja; pois seguirão o seu próprio juízo e planos, sem consideração pelo juízo dos seus irmãos. É fácil para o inimigo agir por intermédio dos que, necessitando eles próprios de conselho a cada passo, se encarregam do cuidado das almas na sua própria força, sem ter aprendido a mansidão de Cristo.” – Actos dos Apóstolos, pág. 279 (Ver pág. 89). É Exigido o Estatuto de Membro Para Poder Ser Eleito Os membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia com o estatuto regular podem ser eleitos para posições de liderança nas igrejas locais de que são membros. (Ver págs. 199-207). Poderá fazer-se excepção para os seguintes:


82

MANUAL DA IGREJA

1. Estudantes que são membros regulares mas que, para efeitos de educação, vivem longe da sua casa e frequentam regularmente igrejas na área da sua residência temporária. 2. Um obreiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo que tiver sido designado pela Conferência (Associação)/Missão/Campo para duas ou mais congregações. 3. Um ancião local que, quando necessário e com a recomendação do conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, poderá ser eleito para servir em mais do que uma igreja. (Ver pág. 84). Outras excepções poderão ser consideradas pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Período de Serviço O período de serviço para os oficiais da igreja e das organizações auxiliares será de um ano, excepto onde a igreja local, numa reunião administrativa, vote ter eleições de dois em dois anos, a fim de facilitar a continuidade e o desenvolvimento dos dons espirituais e eliminar o trabalho ocasionado pelas eleições anuais. Embora não seja aconselhável que uma pessoa permaneça indefinidamente num determinado cargo, os oficiais podem ser reeleitos. O Ancião da Igreja Importância do Cargo – No trabalho e na organização da igreja, se não tiver sido nomeado um pastor pela Conferência (Associação)/Missão/ Campo, o cargo de ancião corresponde à posição mais elevada e mais importante. Nos parágrafos anteriores foi apresentada a idoneidade moral e religiosa dos anciãos, bem como dos outros dirigentes da igreja. Um Dirigente Religioso da Igreja – O ancião local deve ser alguém reconhecido pela igreja como um bom dirigente religioso e espiritual, bem como ter uma boa reputação “para com os que estão fora”. Na ausência do pastor, o ancião é o líder religioso da igreja e, tanto por aquilo que diz como pelo seu próprio exemplo, deve continuamente procurar conduzi-la a uma experiência cristã mais profunda e completa.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

83

Capaz de Ministrar a Palavra – O ancião deve ser capaz de dirigir os serviços religiosos da igreja. Nem sempre é possível à Conferência (Associação)/Missão/Campo prover assistência pastoral a todas igrejas; consequentemente, o ancião deve estar preparado para ministrar na Palavra e na doutrina. No entanto, não deve ser escolhido principalmente pela sua posição social, nem pela sua capacidade como orador, mas sobretudo pela sua vida consagrada e pela sua capacidade como dirigente. Isto deverá ser tido em conta pela comissão de nomeações ao preparar o seu relatório para as eleições da igreja. Período de Serviço – O ancião, como todos os demais dirigentes da igreja, é eleito para um período de um ou dois anos, conforme tenha sido determinado pela igreja local. (Ver pág. 82.) Não é aconselhado que uma pessoa sirva indefinidamente, mas o ancião pode ser reeleito. A igreja não tem, entretanto, qualquer obrigação de o reeleger, podendo escolher outro para o ancianato, sempre que uma mudança lhe pareça aconselhável. Ao ser eleito um novo ancião, o anterior deixa de funcionar como tal, mas pode ser eleito para qualquer outro cargo da igreja. Ordenação do Ancião Local – A eleição para o cargo de ancião não chega para qualificar alguém como ancião. É necessária a ordenação antes de um ancião ter autoridade para desempenhar esse cargo. Durante o intervalo entre a eleição e a ordenação, o ancião eleito pode funcionar como dirigente, mas não pode administrar as ordenanças da igreja. A cerimónia da ordenação só pode ser dirigida por um ministro ordenado, com credenciais da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Por um gesto de cortesia poderá convidar-se um ministro ordenado que esteja de visita, para participar na cerimónia. Todavia, apenas mediante solicitação específica dos oficiais da Conferência (Associação)/Missão/ Campo/ local poderá um ministro ordenado que esteja de visita, ou um ministro ordenado aposentado, dirigir a ordenação. O sagrado rito da ordenação deve ser realizado com simplicidade na presença da igreja, e poderá incluir um breve esboço do cargo de ancião, das qualidades requeridas, e dos principais deveres que o ancião estará autorizado a desempenhar em benefício da igreja. Depois da exortação, o ministro, assistido por outros ministros ordenados e/ou anciãos locais


84

MANUAL DA IGREJA

ordenados que estejam a participar na cerimónia, ordenarão o novo ancião por meio da oração e da imposição das mãos. (Ver pág. 266.) Depois de este ter sido ordenado como ancião da igreja, não se requer que haja nova ordenação no caso de voltar a ser eleito para esse cargo, ou se outra igreja o eleger como seu ancião, desde que se tenha mantido em situação regular perante a igreja. Quem já tiver sido ordenado como ancião está, por esse facto, qualificado para posteriormente exercer também o cargo de diácono. Formação e Preparação dos Anciãos Locais – A Associação Ministerial, em cooperação com os departamentos, promove a formação e preparação dos anciãos locais, se bem que o pastor tenha a principal responsabilidade de formar os anciãos locais. (Ver Nota 3, pág. 106) A Obra do Ancião da Igreja é Local – A autoridade e o trabalho de um ancião local ordenado limitam-se à igreja na qual foi eleito para esse cargo. Não é permissível que o Conselho de uma Conferência (Associação)/ Missão/Campo confira por voto a um ancião local a prerrogativa que é dada a um pastor ordenado, de servir noutras igrejas como ancião. Se existir a necessidade deste tipo de serviço, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo pode recomendar à igreja ou às igrejas que requeiram os serviços do ancião de outra igreja, que elejam e convidem o ancião de uma igreja próxima para as servir também a elas. Deste modo, por eleição, uma pessoa poderá, quando necessário, servir em mais de uma igreja ao mesmo tempo. Quando se fizer um arranjo deste tipo, deverá ser em consulta com o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo. No entanto, esta autoridade é inerente à igreja e não ao Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. A única maneira de alguém se qualificar para servir a igreja em sentido geral é através da ordenação para o ministério. (Ver os parágrafos seguintes.) Fomentar Todos os Ramos de Actividade da Igreja – Sob a direcção do pastor, e também na falta de um pastor, o ancião local é um dirigente espiritual da igreja, e é responsável pelo desenvolvimento de todos os departamentos e actividades do trabalho da mesma. O ancião deve manter uma relação de ajuda mútua com todos os outros oficiais da igreja.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

85

Relações Entre o Ancião e o Ministro Ordenado – Nos casos em que o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo designe um ministro ordenado para trabalhar como pastor de uma igreja, este deve ser considerado como o dirigente mais categorizado, e o ancião local como seu ajudante. A tarefa de ambos está estreitamente relacionada, e devem, portanto, trabalhar harmoniosamente. O ministro não deve reservar para si mesmo a totalidade das responsabilidades, mas partilhá-las com o ancião local e com os outros dirigentes. O ministro que serve regularmente a igreja como pastor actua como presidente do Conselho da Igreja. (Ver também págs. 128, 191.) Pode haver, entretanto, circunstâncias em que seja aconselhável que o ancião desempenhe esta função. A obra pastoral da igreja deve ser partilhada por ambos. O ancião deve, aconselhando-se com o pastor, ajudá-lo nas responsabilidades pastorais, que incluem visitar os membros de igreja, atender aos doentes, preparar ou dirigir serviços de unção e cerimónias de dedicação de crianças, e alentar os desanimados. Nunca é demais salientar a importância desta parte do trabalho de um ancião que, como subpastor, deve exercer constante vigilância sobre o rebanho. Se o pastor designado for um ministro licenciado, a igreja ou as igrejas locais por ele atendidas devem elegê-lo como ancião. (Ver pág. 192) Pelo facto de o pastor ser designado para a sua posição na igreja local pela Conferência (Associação)/Missão/Campo, serve a igreja como obreiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo, e é responsável perante o Conselho da própria Conferência (Associação)/Missão/Campo. Não obstante, mantém uma atitude de solidariedade e cooperação com a igreja local, e trabalha em harmonia com todos os planos e normas da mesma. O ancião, por ter sido eleito pela igreja local, é naturalmente responsável perante essa igreja e também perante o seu Conselho. (Ver pág. 84) Direcção dos Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja – Sob a direcção do pastor, ou na ausência de um pastor, o ancião é responsável pelos serviços religiosos da igreja e deve dirigi-los ou encarregar alguém de o fazer. Os serviços de Santa Ceia devem sempre ser dirigidos por um pastor ordenado ou pelo ancião. Somente os ministros ordenados ou os anciãos ordenados, em exercício, estão qualificados para o fazer. O pastor é quem actua geralmente como presidente da reunião administrativa, e na sua ausência deverá ser o ancião a tomar a presidência da mesma.


86

MANUAL DA IGREJA

A Cerimónia Baptismal – Na ausência de um pastor ordenado, o ancião deverá solicitar que o presidente do campo local tome as devidas providências para a realização do baptismo dos que desejam unir-se à igreja. (Ver pág. 61) Um ancião da igreja local não deverá oficiar no serviço baptismal sem primeiro ter obtido autorização do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo. A Cerimónia de Casamento – Na cerimónia de casamento, as perguntas, os votos e a declaração matrimonial são dirigidos unicamente por um ministro ordenado, excepto nas regiões onde os Conselhos das Divisões tenham votado aprovar que determinados ministros licenciados ou comissionados, que tenham sido ordenados como anciãos locais, possam dirigir a cerimónia do casamento. (Ver págs. 192, 193) Quer um ministro ordenado, licenciado ou comissionado, quer um ancião local, podem oficiar proferindo o pequeno sermão, oferecendo a oração ou dando a bênção. (Ver Nota 4, pág. 106). Cooperar com a Conferência (Associação)/Missão/Campo – O pastor, o(s) ancião(s) e todos os oficiais da igreja devem cooperar com os administradores e os directores de departamentos da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, na execução dos planos locais, assim como da União, da Divisão e da Conferência Geral. Devem informar a igreja de todas as ofertas regulares e especiais, e devem promover todos os programas e actividades da igreja. O ancião deve trabalhar em estreita relação com o tesoureiro da igreja e assegurar-se de que todos os fundos da Conferência (Associação)/Missão/ Campo são remetidos ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/ Campo no fim de cada mês. O ancião deve dedicar pessoal atenção ao envio do relatório do secretário da igreja ao secretário da Conferência (Associação)/Missão/Campo, certificando-se de que isto se faz pontualmente no fim de cada trimestre. O ancião deve considerar importante toda a correspondência proveniente do escritório da Conferência (Associação)/Missão/Campo. As cartas cujo conteúdo requeira que se façam anúncios na igreja devem ser apresentadas no seu devido tempo. O primeiro ancião, na ausência do pastor e em cooperação com ele, deve cuidar de que sejam eleitos os delegados para as assembleias da


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

87

Associação/Missão e os seus nomes enviados, pelo secretário, ao escritório da Associação/Missão. O ancião deve aconselhar e ajudar os oficiais da igreja a cumprirem as suas responsabilidades de cooperação com a Conferência (Associação)/ Missão/Campo na execução de todos os planos e normas, e no cuidado de preencher com exactidão e remeter pontualmente todos os formulários de relatórios. Promover a Obra Missionária Mundial – Outro aspecto importante do trabalho do ancião consiste em fomentar a nossa obra missionária mundial. Isto deve ser feito por meio de um estudo cuidadoso da nossa obra mundial e apresentando as suas necessidades à igreja. O ancião deve estimular os membros da igreja a participar pessoalmente, tanto nas ofertas como no trabalho em favor da causa das missões. Uma atitude amável e o uso de tacto, por parte do ancião, muito fará para estimular a generosidade dos membros da igreja, tanto nos cultos regulares da igreja como na Escola Sabatina. Fomentar a Fidelidade no Dízimo – Como fiel dizimista, o ancião pode fazer muito para animar os membros da igreja a entregar um dízimo fiel. (Ver págs. 212-214, 279, 281 crença 27). Quem quer que deixe de dar o exemplo neste importante assunto não deve ser eleito para o cargo de ancião nem para qualquer outro cargo da igreja. A entrega do dízimo pode ser fomentada por meio da apresentação pública do privilégio e da responsabilidade bíblicos da mordomia, e pelo trabalho pessoal com os membros. Este trabalho deve ser feito com tacto e numa atitude de quem ajuda. O ancião deve considerar confidenciais todos os assuntos financeiros concernentes aos membros da igreja e não deve colocar essa informação nas mãos de pessoas não autorizadas. Distribuição de Responsabilidades – Na distribuição dos deveres atinentes às actividades da igreja, deve ter-se o cuidado de não pôr demasiada responsabilidade sobre os ombros daqueles que se mostram voluntários, esquecendo outros que talvez tenham menos talentos. Deve-se evitar a escolha de uma única pessoa para vários cargos, a menos que as circunstâncias o tornem necessário. O ancião, especialmente, deve ser libertado de outras responsabilidades para atender com eficiência aos muitos deve-


88

MANUAL DA IGREJA

res do seu sagrado cargo. Pode, nalguns casos, ser aconselhável pedir ao ancião que dirija o trabalho missionário da igreja, mas mesmo isto deve ser evitado se houver outra pessoa capacitada para o fazer. O Primeiro Ancião – Nas igrejas que tenham muitos membros, é aconselhável eleger-se mais de um ancião. As responsabilidades desse cargo poderão ser demasiado grandes para uma única pessoa, e devem ser partilhadas por tantas pessoas quantas sejam necessárias para fazer o trabalho. Neste caso, um dos eleitos será designado como “primeiro ancião”. O trabalho deve ser distribuído entre os anciãos de acordo com a sua experiência e capacidade. O Ancião Não é Delegado Ex Officio – Para servir como delegado nas assembleias da Conferência (Associação)/Missão/Campo, o ancião deve ser eleito pela igreja como delegado. Um ancião não é delegado ex officio. Limitação da Autoridade – Um ancião não tem autoridade para receber nem demitir membros da igreja. Isto só se pode fazer por votação da igreja. O ancião e o Conselho da Igreja poderão recomendar que a igreja vote a admissão ou a demissão de membros. (Ver págs. 67, 71.) O Director de Igreja Ocasionalmente, em igrejas recentemente organizadas e às vezes noutras mais antigas, não há ninguém que possua a experiência nem as qualificações necessárias para servir como ancião. Em tais circunstâncias, a igreja deve escolher alguém para ser conhecido como “director”. Na ausência de um ministro, o director é responsável pelos serviços da igreja, incluindo as reuniões administrativas. O director deve dirigir pessoalmente as reuniões ou pedir a alguma outra pessoa que o faça. Um director da igreja não pode presidir a nenhuma das ordenanças da igreja, administrar o baptismo, dirigir a Santa Ceia, nem realizar a cerimónia de casamento, nem tão-pouco presidir a reuniões administrativas quando seja necessário disciplinar algum membro. Deve fazer-se um pedido ao presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo para que um pastor ordenado presida a estas reuniões.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

89

O Diácono O cargo de diácono é descrito no Novo Testamento (I Tim. 3:8-13), onde se emprega o termo grego diakonos, do qual deriva o vocábulo português “diácono”. A palavra grega é interpretada de várias maneiras como “servo, ministro, servidor e servente”, e nos círculos cristãos adquiriu o significado particular que agora se atribui a “diácono”. A Escritura confirma claramente esta função na igreja do Novo Testamento: “Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.” (I Tim. 3:13). Com base nessa autoridade, a igreja elege alguns dos seus membros para que prestem serviços eminentemente práticos, cuidando de diversos aspectos das reuniões, assim como da propriedade da igreja. O diácono é eleito para servir durante um ou dois anos, conforme for determinado pela igreja local (Ver pág. 83) Importância do Cargo – No relato da escolha dos homens que ficaram conhecidos como os sete diáconos da igreja apostólica, segundo está registado em Actos 6:1-8, é-nos dito que foram escolhidos e ordenados para atender os interesses da igreja. Mas o chamado para o cargo de diácono abrangia mais do que cuidar dos negócios da comunidade cristã em rápido crescimento. Os diáconos estavam empenhados numa parte importante da obra do Senhor, que requeria qualificações quase tão exigentes como as do ancião. (Ver I Tim. 3:8-13.) “O facto de terem sido esses irmãos ordenados para a obra especial de olhar pelas necessidades dos pobres não os excluía do dever de ensinar a fé. Ao contrário, foram amplamente qualificados para instruir a outros na verdade; e se empenharam na obra com grande fervor e sucesso.” – Actos dos Apóstolos, pág. 90. Estêvão, o primeiro mártir cristão, e Filipe, posteriormente chamado “o evangelista”, encontravam-se entre os primeiros sete diáconos escolhidos na Igreja cristã (Actos 6:5 e 6; 8:5-26; 21:8). Esta medida inspirada resultou em grande progresso no desenvolvimento da obra da Igreja primitiva. “A designação dos sete para tomarem a direcção de ramos especiais da obra mostrou-se uma grande bênção para a Igreja. Estes oficiais tomaram em cuidadosa consideração as necessidades individuais, bem como os interesses financeiros gerais da Igreja; e, pela


90

MANUAL DA IGREJA

sua gestão acautelada e piedoso exemplo, foram, para os seus colegas, um auxílio importante em conjugar os vários interesses da Igreja num todo unido.” – Actos dos Apóstolos, pág. 89. A designação de diáconos na igreja hoje, por meio de eleição, produz bênçãos semelhantes na administração da igreja, aliviando os pastores, anciãos e outros oficiais, de deveres que podem muito bem ser desempenhados pelos diáconos. “O tempo e a força dos que, na providência de Deus, foram colocados em posições de mando e responsabilidade na igreja, devem ser despendidos no trato com assuntos de maior peso, que demandem capacidade especial e largueza de coração. Não é o plano de Deus que tais homens sejam solicitados na solução de assuntos de pequena monta, que outros são bem qualificados para manejar.” – Actos dos Apóstolos, pág. 93. O Conselho dos Diáconos – No caso de uma igreja ter um número de diáconos suficiente para justificar a formação de uma comissão de diáconos, é conveniente organizá-la, tendo como presidente o primeiro diácono ou chefe dos diáconos, e outro diácono actuando como secretário. Um grupo assim constituído proporciona um meio bem ordenado de distribuir responsabilidades e coordenar a contribuição dos diáconos para o bem-estar da igreja. Também provê uma oportunidade de preparação para irmãos mais novos, devidamente seleccionados para serem diáconos, a fim de receberem instruções a respeito dos seus deveres. O chefe dos diáconos é membro do Conselho da Igreja. Os Diáconos Devem Ser Ordenados – Um diácono recém-eleito não pode desempenhar as suas funções sem que tenha sido ordenado por um pastor consagrado, possuidor de credenciais actualizadas da Conferência (Associação)/Missão/Campo. O sagrado rito da ordenação deve ser efectuado com simplicidade na presença da igreja, por um ministro ordenado, e pode consistir numa breve referência à função do diácono, às qualidades requeridas desse servo da igreja e aos principais deveres que ele estará autorizado a desempenhar na igreja. Após uma breve exortação à fidelidade no serviço, o ministro, com a ajuda de um ancião quando apropriado, ordena o diácono por meio de uma oração e da imposição das mãos. (Ver pág. 266.) Se este já tiver sido orde-


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

91

nado uma vez como diácono, e tiver mantido a sua qualidade de membro, não é necessário que seja novamente ordenado, mesmo que se tenha transferido de uma igreja para outra. Quando expirar o período de serviço para o qual tiver sido eleito, precisa de ser novamente eleito se tiver de continuar a servir como diácono. Se alguém que tenha sido ordenado como ancião for eleito para diácono da igreja, não é necessário que seja ordenado como diácono; a sua ordenação para ancião abrange também este cargo. Os Diáconos Não Estão Autorizados a Presidir. – O diácono não está autorizado a presidir a nenhuma das ordenanças da Igreja, nem a realizar a cerimónia de casamento. Não pode presidir a nenhuma das reuniões administrativas da Igreja, nem oficiar na recepção ou transferência de membros. Nos locais onde a Igreja não tenha ninguém autorizado a realizar tais tarefas, a Igreja deverá contactar, para o efeito, a Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Deveres dos Diáconos – O trabalho dos diáconos envolve uma larga variedade de serviços práticos para a igreja, incluindo: 1. Apoio a Serviços e Reuniões. Nas reuniões da igreja, os diáconos são geralmente responsáveis por dar as boas-vindas aos membros e às visitas que vão chegando ao templo, e de ajudá-los, se necessário, a encontrar lugares para se sentar. Também devem estar prontos a colaborar com o pastor e com os anciãos para que as reuniões realizadas na igreja decorram de um modo suave e agradável. 2. Visita aos Membros: Uma responsabilidade importante dos diáconos é visitar os membros da igreja nos seus lares. Em muitas igrejas isto é organizado dividindo-se o território onde os membros residem, por zonas, e designando-se um diácono para cada zona, esperando-se que ele visite cada lar pelo menos uma vez por trimestre. 3. Preparação dos Serviços Baptismais. Os diáconos devem ajudar nos serviços baptismais, cuidando de que se prepare o baptistério e se aqueça a água, e de que os candidatos masculinos sejam atendidos tanto antes como depois da cerimónia. Devem desempenhar a sua parte nos preparativos necessários para esta cerimónia, a fim de que não haja confusão ou atraso. (Ver Nota 5, pág. 107).


92

MANUAL DA IGREJA

4. Apoio aos Serviços da Santa Ceia. Na celebração da ordenança do lava-pés, os diáconos ou as diaconisas provêem tudo o que for necessário para o serviço, tais como: toalhas, bacias, água (a uma temperatura confortável para a ocasião), baldes, etc.. Depois da cerimónia, devem cuidar de que os objectos e toalhas usados sejam lavados e repostos no seu devido lugar. Após a Santa Ceia, deve exercer-se grande cuidado quanto ao destino a dar a qualquer sobra de pão ou vinho, depois de todos terem participado destes emblemas. Todo o vinho que sobre, que tenha sido abençoado, deve ser respeitosamente derramado na terra. Todo o pão que sobre, que tenha sido abençoado, deve ser enterrado, queimado ou destruído respeitosamente de uma outra forma qualquer, mas em caso algum deve ser usado de forma vulgar. 5. Cuidar dos Doentes e dos Pobres. Outra importante responsabilidade dos diáconos é o cuidado dos doentes, o socorro aos pobres e a ajuda aos desafortunados. Deve destinar-se dinheiro do fundo de pobres da igreja para este trabalho. O tesoureiro, mediante recomendação do Conselho da Igreja, entregará aos diáconos ou às diaconisas o que for necessário utilizar nos casos de necessidade. Esta obra será da responsabilidade particular dos diáconos e das diaconisas, mas a igreja deverá manter-se plenamente informada sobre as necessidades, a fim de mobilizar o necessário apoio dos seus membros. 6. Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja. Em algumas igrejas, onde a responsabilidade pelo cuidado e manutenção da propriedade da igreja não está entregue a uma comissão de construção, os diáconos têm esta responsabilidade. (Ver Nota 6, pág. 107). A Diaconisa As diaconisas estavam incluídas no grupo daqueles que trabalhavam oficialmente nas primeiras igrejas cristãs. “Recomendo-vos Febe, nossa irmã, diaconisa da igreja de Cencreia, para que a recebais no Senhor de modo digno, como convém a santos, e a assistais em tudo o que ela de vós precisar, porque também ela ajudou a muitos, a mim inclusive.” (Rom. 16: 1, 2, Bíblia de Jerusalém). A diaconisa é eleita para o seu cargo pelo período de um ou dois anos, conforme o determinado pela igreja local. (Ver pág. 82.) A esposa de um


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

93

homem escolhido para diácono não se torna diaconisa por esse facto, nem se espera que a igreja escolha a esposa de um diácono para ser diaconisa pelo motivo de o seu marido ser diácono. A diaconisa deve ser escolhida do ponto de vista da consagração e outras qualidades que a habilitem a desempenhar os deveres do cargo. A igreja pode organizar um serviço apropriado para a tomada de posse das diaconisas no seu cargo, dirigido por um ministro ordenado detentor de credenciais actualizadas. Os Deveres das Diaconisas – As diaconisas servem a igreja numa larga variedade de serviços importantes, incluindo: 1. Apoio aos Serviços Baptismais. As diaconisas devem ajudar nos serviços baptismais, cuidando de que as candidatas femininas sejam atendidas tanto antes como depois da cerimónia. Dando conselhos e prestando o auxílio necessário relativamente ao vestuário apropriado para o baptismo. Devem prover-se roupões de material apropriado. Nas igrejas em que se usam estes roupões, as diaconisas devem cuidar de que eles sejam lavados e cuidadosamente repostos no seu lugar para uso futuro. (Ver pág. 66) 2. Apoio aos Serviços da Santa Ceia. As diaconisas assistem na celebração da ordenança do lava-pés, dando ajuda especial às visitas femininas ou àquelas que estão há pouco tempo na igreja. É dever das diaconisas providenciar tudo o que é necessário para este serviço, tal como certificar-se que as toalhas de mesa, toalhas para o lava-pés etc. usadas na celebração da ordenança sejam lavadas e cuidadosamente guardadas. (Ver pág. 118) As diaconisas devem fazer os necessários preparativos para a mesa da comunhão, incluindo: prepararem o pão e o vinho, disporem a mesa da comunhão, deitarem o vinho nos cálices, colocarem os pratos com o pão sem fermento e cobrirem a mesa com a toalha preparada para esse fim. Tudo isto deve ser feito antes de começar a cerimónia. 3. Cuidar dos Doentes e dos Pobres. As diaconisas devem fazer a sua parte no cuidado dos doentes, dos necessitados e dos infelizes, cooperando com os diáconos neste trabalho. (Ver pág. 92) O Conselho das Diaconisas – Onde tiverem sido eleitas diversas diaconisas, deve formar-se uma comissão dessas pessoas, presidida pela primeira diaconisa e tendo uma outra como secretária. Esta comissão está autorizada a atribuir deveres a cada uma das diaconisas e coopera estreitamente com a comissão de diáconos, especialmente na recepção e boas-vindas aos membros e visitantes, e na visitação aos lares.


94

MANUAL DA IGREJA O Secretário da Igreja

Um Cargo Importante – O secretário da igreja tem um dos mais importantes cargos da igreja, de cuja devida administração depende muito o funcionamento eficiente da igreja. Como todos os outros oficiais da igreja, o secretário é eleito pelo período de um ou dois anos conforme a determinação da igreja local (ver pág. 82); mas, devido às importantes e especializadas funções desse cargo, é conveniente escolher alguém que possa ser reeleito para repetidos períodos de serviço, a fim de dar continuidade à manutenção do registo da igreja e aos respectivos relatórios. Em igrejas grandes pode ser eleito um vice-secretário. O secretário da igreja actua como secretário em todas as reuniões administrativas da igreja e deve fazer um registo correcto de todas essas reuniões. Se, por qualquer motivo, o secretário tiver de estar ausente de alguma reunião, devem ser tomadas providências para que o vice-secretário esteja presente, a fim de redigir as minutas das actas. (Ver Nota 7, pág. 107). Nenhum Nome Pode Ser Acrescentado ou Eliminado da Lista de Membros Sem um Voto da Igreja – Deve haver sempre um voto tomado pela igreja para acrescentar ou excluir um nome da lista dos membros, excepto no caso de morte de um membro. Nenhum nome deverá ser acrescentado ou retirado da lista unicamente por resolução do Conselho da Igreja. O secretário não tem autoridade para acrescentar nem eliminar nomes da lista de membros sem um voto da igreja. Quando um membro morre, o secretário deve, sem perda de tempo, registar a data do falecimento ao lado do respectivo nome, no Livro de Registo. (Ver pág. 74). Transferência de Membros – O secretário da igreja trata de toda a correspondência com os membros e as igrejas relativamente à transferência de membros. (Ver as págs. 67-71). Correspondência com os Membros – O secretário deve esforçar-se por manter contacto com os membros ausentes, por meio de correspondência (Ver Nota 8, pág. 108) Credenciais dos Delegados à Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo – O secretário, mediante autorização do Conselho da


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

95

Igreja, emite as credenciais destinadas a todos os delegados eleitos para representar a igreja em qualquer sessão da Conferência (Associação)/ Missão/Campo local, e envia-as prontamente ao secretário da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Todos os formulários para registos, relatórios, credenciais, cartas de transferência, etc., são fornecidos pelo escritório da Conferência (Associação)/Missão/Campo. (Ver págs. 205, 206). Os Relatórios Devem Ser Enviados Pontualmente – Compete ao secretário da igreja fornecer pontualmente certos relatórios. Alguns deles são anuais, enquanto outros são trimestrais. É essencial que sejam enviados ao secretário da Conferência (Associação)/Missão/Campo na data especificada. A informação requerida para esses relatórios deve ser obtida do tesoureiro, do secretário dos Ministérios Pessoais, dos diáconos, do secretário da Escola Sabatina, do secretário da Sociedade dos Jovens, do professor da escola da igreja e dos registos do próprio secretário da igreja. (Ver Nota 9, pág. 108) Os Registos da Igreja – O secretário da igreja é o conservador dos registos da igreja. Esses registos devem ser preservados cuidadosamente. Todos os registos e livros de contabilidade dos vários oficiais da igreja são propriedade da igreja; deverão ser entregues ao novo secretário eleito pelo secretário cessante no fim do seu mandato, ou à igreja em qualquer momento, a pedido do pastor ou do ancião. O Tesoureiro da Igreja Um Trabalho Sagrado – O tesoureiro é chamado para uma tarefa importante e é eleito, como os outros oficiais, pelo período de um ou dois anos, conforme tenha sido determinado pela igreja local. (Ver pág. 82.) Nas igrejas grandes, pode considerar-se aconselhável eleger também um vice-tesoureiro. O tesoureiro pode estimular grandemente a fidelidade na devolução do dízimo e aprofundar o espírito de liberalidade da parte dos membros da igreja. Uma palavra de conselho dada no espírito do Mestre ajudará o irmão ou a irmã a entregar a Deus com fidelidade o que Lhe pertence em matéria de dízimos e ofertas, mesmo em tempo de escassez financeira.


96

MANUAL DA IGREJA

O Tesoureiro Tem à Sua Guarda Todos os Fundos da Igreja – O tesoureiro da igreja tem à sua guarda todos os fundos da igreja. Estes são: 1) os fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 2) os fundos da igreja local, e 3) os fundos pertencentes às organizações auxiliares da igreja local. Todos os fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo, da igreja local e das suas organizações auxiliares são depositados pelo tesoureiro numa conta bancária à ordem em nome da igreja. Esta é uma conta bancária separada, que não deverá ser combinada com nenhuma conta pessoal. Nalguns países é mais conveniente utilizar uma conta postal. O excedente dos fundos da igreja poderá ser depositado numa conta de poupança, com autorização do Conselho da Igreja. Quando existam saldos importantes reservados para projectos de construção ou outros especiais, o Conselho da Igreja pode autorizar o seu depósito em contas bancárias separadas. Esses depósitos, porém, deverão ser movimentados pelo tesoureiro. Os Fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo – Os fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo, que incluem os dízimos, todos os fundos missionários regulares e todos os fundos para projectos especiais e instituições da Conferência (Associação)/Missão/Campo, são fundos em custódia. No fim de cada mês, ou mais frequentemente a pedido da Conferência (Associação)/Missão/Campo, o tesoureiro da igreja enviará ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo a importância total dos fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo recebidos durante esse mês. A igreja não pode tomar emprestados, utilizar ou reter estes fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo para qualquer propósito. Os Fundos da Escola Sabatina – Todas as ofertas da Escola Sabatina para as missões serão entregues semanalmente ao tesoureiro da igreja pelo secretário-tesoureiro da Escola Sabatina, mantendo o tesoureiro da igreja cuidadoso registo de todas essas ofertas. Estes fundos missionários são enviados ao escritório da Conferência (Associação)/Missão/Campo, segundo o esquema descrito nas págs. 95-100 deste Manual da Igreja. Os fundos para as despesas da Escola Sabatina também devem ser entregues semanalmente ao tesoureiro da igreja para serem guardados em custódia,


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

97

às ordens do conselho da Escola Sabatina (ver pág. 143), para fazer face às despesas correntes da Escola Sabatina. Os Fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas – Os fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas têm que ver tanto com os Jovens Adventistas como com os Juvenis Adventistas, e os fundos de cada sociedade devem ser conservados separadamente nos livros da tesouraria da igreja. As ofertas da sociedade para as missões e para a obra geral da igreja ou para empreendimentos da Conferência (Associação)/Missão/Campo deverão ser entregues ao tesoureiro da igreja o mais breve possível depois de terem sido recebidas, para serem enviadas ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Todo o dinheiro recebido para as despesas da sociedade será prontamente entregue ao tesoureiro da igreja, para ser guardado em custódia por conta da sociedade. O fundo de despesas da Sociedade dos JA será desembolsado pelo tesoureiro da igreja por ordem do conselho da sociedade. (Ver pág. 148.) O dinheiro do fundo de despesas da Sociedade dos Juvenis será desembolsado por ordem do director da Sociedade dos Juvenis Adventistas. Os Fundos da Igreja Local – Os fundos da igreja local incluem fundos de despesas da igreja, fundos de construções e reparações da igreja, e o fundo para os necessitados. Estes fundos pertencem à igreja local e são desembolsados pelo tesoureiro unicamente com autorização do Conselho da Igreja ou de reuniões administrativas da igreja. Contudo, o tesoureiro da igreja pagará com dinheiro proveniente dos fundos para as despesas da igreja local todos os gastos autorizados pelo Conselho da Igreja, como alugueres, zelador, água, luz, combustível, seguro, limpeza, etc.. O tesoureiro deverá ter o cuidado de pedir recibos de todas as facturas pagas. Os Fundos das Organizações Auxiliares – Os fundos das organizações auxiliares incluem fundos para actividades missionárias da igreja, vida familiar, Sociedade dos Jovens Adventistas, Sociedade de Dorcas (Serviço de Assistência Social Adventista), despesas da Escola Sabatina, e a parte dos fundos dos Ministérios da Saúde pertencentes à igreja, e poderão incluir os fundos da escola da igreja. Todas as importâncias recebidas por estas organizações e a elas destinados serão prontamente entregues ao


98

MANUAL DA IGREJA

tesoureiro da igreja pelos secretários das respectivas organizações ou pelos diáconos. Estes fundos pertencem às organizações auxiliares da igreja. Só podem ser utilizados por ordem da organização auxiliar a que pertencem. O tesoureiro passará recibos de todos os fundos recebidos, incluindo os depositados por qualquer das organizações subsidiárias da igreja. Ao receber qualquer dinheiro do tesoureiro da igreja, o secretário de cada organização entregará um recibo apropriado ao tesoureiro. Salvaguarda do Propósito dos Fundos – Quando é levantada uma determinada oferta para as missões mundiais ou para qualquer empreendimento geral ou local, todas as importâncias colocadas nas bandejas ou sacos das ofertas (salvo diferente indicação do ofertante) serão consideradas como parte dessa oferta determinada. É da máxima importância que todas as ofertas e dádivas entregues por qualquer pessoa à igreja, destinadas a um fundo ou propósito específico, sejam utilizadas para essa finalidade. Nem o tesoureiro da igreja nem o Conselho da Igreja têm autoridade para desviar quaisquer importâncias dos objectivos para os quais tiverem sido dadas. Os fundos das organizações auxiliares, uma considerável proporção dos quais frequentemente representa donativos feitos para propósitos específicos, destinam-se à parte especial do trabalho da igreja a que as respectivas organizações auxiliares se dedicam. Esses fundos são mantidos em custódia pelo tesoureiro da igreja e também eles não podem ser tomados por empréstimo ou de algum modo desviados, pelo tesoureiro ou pelo Conselho da Igreja, dos objectivos para os quais foram recebidos. Quando uma organização auxiliar se extingue, a igreja, numa reunião administrativa regular, pode, por voto, indicar qual o destino a dar a quaisquer fundos restantes na conta da mesma organização auxiliar. Dinheiro para Pedidos Pessoais de Literatura – Em locais onde não exista uma Livraria da Igreja, as importâncias respeitantes a pedidos pessoais de livros, folhetos, revistas e assinaturas de periódicos devem ser entregues ao tesoureiro. (Ver Nota 10, pág. 108) Método Adequado dos Membros Entregarem Dinheiro à Igreja – O tesoureiro deverá insistir no sentido de que todo o dinheiro entregue pelos membros da igreja, além das colectas regulares, seja colocado nos envelo-


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

99

pes dos dízimos e ofertas, instruindo cada membro a discriminar as várias rubricas e quantias conforme indica o envelope, e a certificar-se de que o dinheiro incluído equivale ao total mencionado. Os membros deverão assinar o seu nome e indicar o seu endereço, e colocar o envelope na bandeja das ofertas ou entregá-lo pessoalmente ao tesoureiro, o qual deverá conservar esses envelopes para que sirvam de comprovantes até que todas as contas tenham sido revistas pelo verificador da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Os membros que entregam os seus dízimos e ofertas por meio de cheque ou vale postal devem, sempre que seja legalmente possível, emitir esses cheques ou vales em nome da igreja e não de qualquer pessoa individualmente. Recibos para os Membros da Igreja – De todas as importâncias recebidas, ainda que sejam diminutas, devem ser imediatamente passados recibos, e o tesoureiro da igreja deve manter um registo rigoroso de todos os recebimentos e pagamentos. Todas as ofertas gerais que não se encontrem dentro de envelopes devem ser contadas pelo tesoureiro na presença de outro oficial da igreja, de preferência um diácono, e deve ser entregue um recibo a esse oficial. O Devido Método de Remeter Fundos Para a Conferência (Associação)/Missão/Campo – Na remessa de fundos ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, todos os cheques, ordens de pagamento ou vales do correio devem ser pagáveis à organização, onde isso seja legalmente possível, e não a qualquer pessoa individualmente. O duplicado da folha do livro da tesouraria da igreja deve acompanhar a remessa. Os impressos próprios para esse efeito são fornecidos pela Conferência (Associação)/Missão/Campo. Conservação dos Comprovativos – Devem obter-se documentos comprovantes ou facturas e recibos de todo o dinheiro recebido e desembolsado de acordo com o sistema da Conferência (Associação)/Missão/ Campo local. Os Livros Devem ser Conferidos – O tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, ou outra pessoa indicada pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, confere os registos


100

MANUAL DA IGREJA

financeiros da igreja, geralmente uma vez por ano. Os livros da tesouraria da igreja e outros registos relacionados com o trabalho do tesoureiro da igreja, do tesoureiro da escola da igreja e do tesoureiro de qualquer outra organização, podem ser pedidos e examinados em qualquer momento pelo revisor de contas da Conferência (Associação)/Missão/Campo, pelo pastor, pelo director distrital, pelo ancião dirigente da igreja, ou por qualquer outra pessoa autorizada pelo Conselho da Igreja, mas não devem ser facultados a pessoa alguma não autorizada. (Ver pág. 220.) Nas reuniões administrativas regulares da igreja devem ser apresentados relatórios de todos os fundos recebidos e desembolsados. Uma cópia desses relatórios deve ser fornecida aos oficiais dirigentes da igreja. Quando se inscreve no relatório o número de pessoas dizimistas na igreja, a esposa e os filhos menores que não recebem salário, mas são membros da igreja, devem ser contados também como dizimistas além do chefe da família, quando se saiba que este é fiel nesse sentido. As Relações com os Membros São Confidenciais – O tesoureiro deve lembrar-se sempre de que as suas relações com os membros individualmente são estritamente confidenciais. Deve ser cuidadoso em nunca fazer qualquer comentário sobre o dízimo entregue por algum membro, nem sobre os seus rendimentos ou algo relacionado, excepto com aqueles que com ele partilham da responsabilidade da obra. Pode ser causado grande dano se esta norma não for observada. O Coordenador de Interessados É importante que os muitos interessados suscitados por meio da acção missionária da igreja sejam atendidos prontamente. Com esta finalidade, deve ser eleito um coordenador de interessados por ocasião da eleição dos oficiais da igreja. (Ver págs. 80, 199, 200.) Esta pessoa é membro do Conselho da Igreja e do conselho dos Ministérios Pessoais, e trabalha directamente com o pastor e com a pessoa que preside ao conselho dos Ministérios Pessoais. Os deveres abrangidos por este cargo incluem: 1. Manter uma lista organizada de todos os interessados obtidos pela igreja de todas as fontes como Serviços em favor da Comunidade, Campanha das Missões, evangelismo público, estudos bíblicos, pregação leiga, contactos de Testemunho por Cristo, revistas missionárias, evangelismo da


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

101

Escola Sabatina, evangelismo da colportagem, evangelismo de saúde e temperança, rádio-TV, e literatura missionária da igreja. 2. Ajudar o pastor e o presidente do conselho dos Ministérios Pessoais no alistamento e recrutamento de membros qualificados para prosseguir os contactos. 3. Entregar ao Conselho da Igreja um relatório mensal do número de interessados conseguidos e do número daqueles que estão a ser assistidos. Quando o contacto com um interessado se acha suficientemente desenvolvido, deve ser partilhado com o pastor. Um Oficial da Igreja Desligado da Comunidade da Igreja Quando um oficial da igreja é desligado da igreja e posteriormente vem a ser readmitido como membro da igreja, esta resolução não reconduz a pessoa no seu cargo anterior. Cerimónia de Tomada de Posse Todos os oficiais da igreja recém-eleitos podem ser incluídos numa cerimónia de tomada de posse dirigida por um ministro com uma licença ou uma credencial actualizada. (Ver pág. 174.) Se não houver nenhum ministro acessível, um ancião ordenado da igreja pode dirigir a cerimónia de tomada de posse.

Notas Estas notas contêm material explicativo a respeito da forma como as igrejas locais devem proceder em aspectos particulares. Uma igreja local pode adoptar formas alternativas para lidar com tais assuntos. Estes métodos alternativos devem estar em harmonia com os princípios e prática geralmente aceites pela organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia. 1. Envolver Todos os Membros no Ministério (ver pág. 77) – O termo bíblico laos, de que deriva a palavra ‘leigo’, abrange todo o povo de Deus, incluindo os clérigos. Pode ser usada no sentido de associados no ministério. “Não somente sobre o ministro ordenado repousa a responsabilidade de sair a cumprir esta missão. Todo o que haja recebido a Cristo é chamado


102

MANUAL DA IGREJA

a trabalhar pela salvação dos seus semelhantes.” – Actos dos Apóstolos, pág. 110. “Mas a graça foi dada, a cada um de nós, segundo a medida do dom de Cristo. Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens.” (Ef. 4:7, 8) “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.” (Ef. 4:11, 12). Quando Jesus deixou este planeta, o Espírito Santo foi dado aos Seus seguidores, providenciado a todos um ou mais dons para o ministério, “repartindo particularmente, a cada um, como quer”. (1 Cor. 12:11). Todos aqueles que recebem o Espírito Santo recebem um dom (pelo menos) para servir, que o Espírito destina ao uso no ministério para Cristo. (Partes deste material são citações do Manual para Ministros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, cap. 11, pág. 121). O Espírito Santo impele-nos a encontrar um ministério em que o dom possa ser usado para servir outros e atraí-los para Cristo. Neste plano não existe uma hierarquia. Todos são ministros que realizam um ministério, para o qual foram especialmente dotados. Um Ministério Baseado nos Dons – Todos os membros de igreja devem ter um ministério apropriado, como parte da estratégia global de missão da congregação. Algumas igrejas podem decidir dar esta responsabilidade à Comissão de Nomeações. Funções novas, não incluídas neste Manual de Igreja, devem ser aprovadas pelo Conselho da igreja antes de serem feitas as nomeações pela Comissão de Nomeações. Todos os nomes que constam do registo da igreja devem ser examinados com cuidado e oração, e todos os membros consultados antes de os envolver num ministério. A Comissão de Nomeações pode ter de funcionar, de forma regular, ao longo do ano, com reuniões mensais ou semanais (dependendo do tamanho da igreja) para cumprir este trabalho. Algumas igrejas podem chamar à Comissão de Nomeações ‘Comissão de Desenvolvimento dos Ministérios’, deixando claro que há expectativas especiais em relação ao envolvimento total de todos os membros. Se a Comissão de Nomeações/Comissão de Desenvolvimento dos Ministérios for indicada como permanente, deve ter o aval da congregação, que, por sua vez, votará a aprovação das pessoas nomeadas.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

103

A igreja pode decidir, em alternativa, nomear as duas comissões – uma de nomeações e a outra dos ministérios. A primeira nomearia pessoas para prencher as funções normais indicadas pelo Manual da Igreja, enquanto que a segunda nomearia todos os outros membros que devessem servir em ministérios apropriados. Há material disponível, baseado na compreensão bíblica dos dons espirituais, caso as igrejas desejem envolver todos os membros no ministério. Este material providencia formação e ferramentas específicas para a Comissão de Desenvolvimento dos Ministérios. O material está preparado de maneira a poder ser usado pelas igrejas que decidem não ter uma Comissão de Desenvolvimento dos Ministérios, e que preferem fazer as coisas de maneira mais tradicional. 2. Ministérios dos Pequenos Grupos (ver pág. 125) – Moisés organizou Israel em grupos de dez (Êx. 18). Jesus escolheu um grupo de doze e passou a maior parte do Seu ministério com eles. Ensinou muitas vezes nos lares (Mat. 13:36; 17:25; Marcos 9:33; 10:10). A Igreja do Novo Testamento centrava as suas actividades nos pequenos grupos, na comunhão, no estudo, na partilha, na oração e nas refeições em comum (Actos 2:42, 46). Em muitas regiões do mundo, a Igreja Adventista do Sétimo Dia começou com igrejas locais que eram pequenos grupos informais e que se reuniam em casas particulares. Ellen G. White enfatiza: “A formação de pequenos grupos, como uma base de esforço cristão, é um plano que tem sido apresentado diante de mim por Aquele que não pode errar. Se houver grande número na igreja, os membros devem ser divididos em pequenos grupos, a fim de trabalharem não somente pelos outros membros, mas também pelos descrentes.” – Evangelismo, pág. 115. Já em 1871 ela escrevia instruções específicas (“How to Conduct Meetings” – ‘Como Dirigir Reuniões’), que eram iguais em propósito e na prática aos ministérios dos pequenos grupos de hoje. (Ver Review and Herald, 30 de Maio de 1871; reimpresso em Testimonies, vol. 2, págs. 577-582). A vida do corpo está nas suas células. Se a célula morre, o corpo pode vir a morrer. Se a célula é saudável, o corpo é saudável. Quando as células se multiplicam, o corpo cresce. Um estudo feito sobre os movimentos da igreja mostra que todos os grandes reavivamentos foram influenciados pelo acesso fácil à Bíblia e pela organização dos crentes em pequenos grupos de amigos.


104

MANUAL DA IGREJA Grupos de Estudo da Bíblia

Propósito – Os grupos de estudo da Bíblia têm o objectivo de reavivar os membros e de atrair os não membros. Proporcionam um meio excelente de voltar a ter um elo de ligação com os membros inactivos. Uma das grandes ênfases destes grupos é a comunhão. Tanto o tamanho pequeno como o ambiente informal são mais propícios à comunhão do que o ambiente normal da igreja. Mesmo as pessoas que não se sentem preparadas para se identificarem com a igreja, sentem-se à vontade com a atmosfera não ameaçadora de um pequeno grupo. Formato – Os grupos não devem ser mais pequenos do que quatro nem maiores do que quinze pessoas. Devem reunir-se com regularidade – semanal, bissemanal ou, pelo menos, mensalmente. Podem reunir-se em casas particulares, num local de trabalho, ou em salas de reunião da comunidade. Normalmente, as reuniões duram uma hora ou duas e, em geral, incluem quatro partes: a) Partilha: O grupo deve dedicar o começo de cada reunião aos momentos de partilha. A partilha de alegrias, bênçãos e desapontamentos é uma forma natural de começar uma reunião. Alivia tensões, proporciona uma atitude honesta e aberta e cria um espírito caloroso. O diálogo é a chave do sucesso. Não se deve permitir que ninguém domine o grupo. b) Estudo da Bíblia: O grupo pode escolher um livro da Bíblia ou usar lições para o estudo da Bíblia. Os membros estudam durante a semana partes do material distribuídas de comum acordo, e discutem-nas com o grupo nas reuniões. O dirigente procura resposta para perguntas como: ‘O que é que o autor quer dizer neste texto?’ e ‘O que é que Deus me está a dizer, através desta passagem?’ c) Oração: O grupo prepara uma lista de temas de oração, incluindo pedidos e agradecimentos. É importante que orem uns pelos outros, assim como por projectos específicos em que o grupo possa estar envolvido ou interessado. Deve ser dado tempo para que todos os que queiram façam uma pequena oração. d) Testemunho: O grupo passa algum tempo a analisar oportunidades para testemunhar escolhendo programas em que poderia envolver-se.


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

105

São feitos planos para a implementação desses programas, e em reuniões posteriores, pode haver a partilha dos resultados e experiências do testemunho. Também deveria ser consagrado tempo à preparação dos membros do grupo, equipando-os com métodos eficazes de testemunho. Nos grupos que sejam frequentados regularmente por membros de igreja inactivos e/ou por não membros, o objectivo central deve ser levá-los a Jesus Cristo. Grupos de Interesse Os pequenos grupos podem reunir-se na igreja e ser constituídos por pessoas com interesses específicos. Por exemplo: pessoas interessadas em vida familiar, em formação de pais, em como enfrentar a vida, em classes de estudo da Bíblia sobre saúde física, mental e espiritual (entre muitos outros).Também pode haver classes especiais na Escola Sabatina, como grupos de apoio para pessoas com necessidades específicas, assim como grupos de actividades. Grupos Missionários Os pequenos grupos podem ser apoiados pela igreja local, como um primeiro passo no início do trabalho em comunidades não alcançadas antes, do mesmo modo que as Escolas Sabatinas Filiais e as reuniões em casas particulares têm sido usadas pela Igreja Adventista do Sétimo Dia desde o século XIX. Um pequeno grupo que se reúne numa casa particular para estudar a Bíblia, para comungar e adorar requer pouco ou nenhum investimento financeiro, e elimina a barreira dos custos no avanço da missão da igreja. Nas zonas onde a organização não pode recrutar mais pastores por razões financeiras, os grupos missionários de uma zona metropolitana ou rural podem continuar ligados a uma igreja estabelecida. Os líderes dos pequenos grupos funcionam sob a supervisão do pastor distrital.


106

MANUAL DA IGREJA Como Começar

O Conselho dos Ministérios Pessoais normalmente inicia os ministérios dos pequenos grupos, e o Conselho da igreja dá a sua aprovação final ao programa e aos líderes indigitados. Isto é uma protecção contra a formação de grupos ‘paralelos’. O pastor não tem que ser membro permanente de nenhum dos grupos. No entanto, deve ter a supervisão geral de todos os grupos. A maior contribuição que o pastor pode dar é no recrutamento e preparação de líderes, entre os membros da igreja. Esses líderes leigos convidam amigos, conhecidos e vizinhos para se unirem aos seus grupos. Na primeira reunião deve ser preparada uma declaração escrita que explica os objectivos do grupo e as regras básicas. O grupo deve ser convidado a ajudar na preparação desse documento breve e conciso (em geral, tem apenas uma página). Normalmente, deve incluir um acordo sobre reuniões semanais durante um certo período de tempo; um compromisso de estar presente, a não ser em caso de doença ou de ausência da cidade; um compromisso de ler, entre as reuniões, o material indicado, um voto de sigilo perante confidências; um compromisso de evitar afirmações negativas sobre outras pessoas ou organizações e um compromisso de convidar outras pessoas para integrar o grupo. Aqueles que não estejam de acordo com a declaração devem sentir-se livres de deixar o grupo. 3. Formação e Preparação dos Anciãos Locais (ver pág. 84) – Embora recaia sobre o pastor a primeira responsabilidade de formar os anciãos locais, as Conferências (Associações)/Missões/Campos são encorajadas a agendar encontros periódicos organizados para esse fim. No sentido de apoiar um espírito de equipa entre o pastor e o ancião recomenda-se que os pastores também estejam presentes nesses encontros. Directores de grupos que desempenhem o papel de anciãos locais também devem ser convidados a estar presentes. 4. A Cerimónia de Casamento (ver pág. 86) – Em alguns países ou Estados, um ministro deve estar legalmente nomeado e registado, a fim de poder oficiar a cerimónia civil do casamento. Em muitos países, o ministro pode oficiar na cerimónia da igreja, mas o contrato de casamento é legalmente assinado pelo oficial do registo civil que, habitualmente, ocupa o


Os Oficiais da Igreja e os Seus Deveres

107

seu lugar na igreja e escuta a fórmula aprovada da declaração matrimonial. Noutros países, o pastor não pode, de modo algum, realizar a cerimónia, porque se admite que esta é uma responsabilidade do Estado e é considerado como um contrato civil. Em tais casos, os nossos membros, habitualmente, reúnem-se no lar, ou num lugar de culto, onde se realiza uma cerimónia especial dirigida por um pastor ordenado, para pedir a bênção do Senhor sobre o casal. (Ver págs. 234-236, 255-262) 5. Preparação para o Serviço Baptismal (ver pág. 91) – Os diáconos devem ajudar nas cerimónias baptismais, assegurando que o local onde se vai realizar o baptismo esteja preparado e que os candidatos masculinos sejam atendidos quer antes quer depois da cerimónia. 6. Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja (ver pág. 92) – É responsabilidade dos diáconos cuidar que o edifício da igreja se mantenha limpo e em bom estado de conservação e que o terreno no qual se encontra esteja limpo e atractivo. Isto inclui o trabalho do zelador. Em igrejas grandes é muitas vezes necessário empregar um zelador. Os diáconos devem recomendar ao Conselho da Igreja uma pessoa apropriada, o qual deve decidir, por voto, empregar tal pessoa como zelador; ou então o Conselho da Igreja pode autorizar os diáconos a empregar um zelador. Deve-se obter autorização do Conselho da Igreja para todas as despesas de conservação mais importantes. Todas as facturas de reparações, água, luz, combustível, etc., são apresentadas ao tesoureiro da igreja para pagamento. 7. Um Cargo Importante (ver pág. 94) – Estas minutas devem ser registadas no Livro de Actas da Igreja, com indicação da data e hora da reunião, do número de presentes, incluindo um relatório de todas as resoluções tomadas. O secretário deve também fazer uma lista de quaisquer comissões designadas nessas reuniões, entregando à pessoa que preside uma lista dos membros de cada comissão, juntamente com os respectivos termos de referência e um esboço do trabalho que lhe é pedido que faça. O Livro de Actas da igreja poderá ser obtido na Casa Publicadora. Este Livro de Registo da Igreja inclui um espaço para registar os membros da igreja, com as colunas necessárias para mostrar como e quando os membros foram recebidos ou removidos. Este registo deve ser mantido cronologicamente e os dados que justificam cada apontamento também


108

MANUAL DA IGREJA

devem ser registados na secção reservada ao registo das minutas de resoluções relativas aos membros. O registo deve ser mantido com exactidão e em dia, de modo a mostrar a situação oficial de todos eles. 8. Correspondência com os Membros (ver pág. 94) – O Secretário da igreja deve esforçar-se por manter correspondência com os membros ausentes, transmitindo-lhes notícias interessantes sobre o progresso da igreja e animando-os a relatar, cada trimestre, as suas próprias actividades cristãs. Convém que o secretário lhes escreva frequentemente. 9. Relatórios a serem Fornecidos Pontualmente (ver pág. 95) – Devem ser fornecidas todas as informações pedidas nos formulários. Deve dar-se especial atenção à transferência de membros e aos membros recebidos ou removidos por diferentes causas, conforme o formulário indica. O Secretário da Conferência (Associação)/Missão/Campo tem de informar trimestralmente o secretário da União/Conferência (Associação)/Missão e a União/Conferência (Associação)/Missão, tem de informar a Divisão. E o secretário da Divisão, por sua vez, informará a sede da Conferência Geral, acerca destes importantes dados; qualquer omissão ou atraso dos relatórios afecta seriamente o trabalho em toda a sua extensão. A fiel atenção a todos os pormenores especificados nos formulários dos relatórios ajuda grandemente a manter um registo exacto da obra mundial da Igreja. 10. Dinheiro para Pedidos Pessoais de Literatura (ver pág. 98) – Em áreas onde não exista uma delegação do Centro Adventista de Publicações, os membros podem colocar as importâncias das encomendas pessoais de literatura, brochuras, folhetos, revistas e assinaturas periódicas num envelope, com o pedido devidamente preenchido e entregá-lo ao secretário dos Ministérios Pessoais da igreja. O tesoureiro da igreja, então, remete tanto o pedido como o dinheiro para pagar essa literatura ao Centro Adventista de Publicações ou, no caso de este não existir, à Casa Publicadora. No fim de cada trimestre, o secretário do Departamento dos Ministérios Pessoais apresentará à igreja, na reunião administrativa trimestral, um relatório do estado das suas contas com o Centro Adventista de Publicações, ou a Casa Publicadora, e entregará uma cópia do mesmo ao tesoureiro da igreja. (Ver págs. 140, 176 nota 2)


CAPÍTULO 8

Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja Princípios Gerais Culto Espiritual – “Embora Deus não habite em templos feitos por mãos humanas, honra, com a Sua presença, as assembleias do Seu povo. Ele prometeu que, quando se reunissem para O buscar, reconhecendo os seus pecados, e para orarem uns pelos outros, reunir-Se-ia com eles por meio do Seu Espírito. Mas os que se reúnem para O adorar devem afastar de si tudo aquilo que é mau. A menos que O adorem em espírito e em verdade e na beleza da Sua santidade, o seu encontro não terá nenhum valor. Destes, o Senhor declara: ‘Este povo honra-Me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de Mim. Mas em vão Me adoram.’(Mateus 15: 8, 9). Os que adoram a Deus devem adorá-l’O ‘em espírito e em verdade; ‘porque o Pai procura a tais que assim O adorem.’ (João 4:23).” – Profetas e Reis, pág. 31 (edição da Publicadora SerVir, Agosto de 2007.) O Objectivo dos Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja – A experiência do cristão é o renascimento espiritual, alegria da reconciliação, missão fiel e humilde obediência a Deus (II Cor. 5:17; Filip. 2:5-8). Tudo o que o cristão faz ou em que participa, incluindo os serviços religiosos e reuniões da igreja, é um testemunho dessa nova vida em Cristo e um partilhar dos seus frutos no Espírito Santo. O objectivo dos serviços religiosos e reuniões da igreja é adorar a Deus pela Sua obra criadora e por todos os benefícios da Sua salvação; compreender a Sua Palavra, os Seus ensinos e os Seus desígnios; comungar uns com os outros em fé e amor; dar testemunho da nossa fé pessoal no sacrifício expiatório de Cristo na Cruz; e aprender como cumprir a comissão evangélica de fazer discípulos em todo o mundo (Mat. 18:19, 20). Reverência pela Casa de Culto – “Para a alma crente e humilde, a casa de Deus na Terra é como que a porta do Céu. Os cânticos de louvor, a oração, a Palavra ministrada pelos embaixadores do Senhor, são os meios que Deus proveu para preparar um povo para a assembleia lá do alto, para aquela reunião sublime na qual coisa nenhuma que contamine poderá ser admitida.


110

MANUAL DA IGREJA

“Da santidade atribuída ao santuário terrestre, os cristãos devem aprender como considerar o lugar onde o Senhor Se propõe encontrar-Se com o Seu povo. ... O próprio Deus deu as instruções para o Seu culto, elevando-o acima de tudo quanto é terreno. “A casa é o santuário da família; e o aposento ou a floresta o lugar mais recôndito para o culto individual; mas a igreja é o santuário da congregação. Devem existir ali regulamentos quanto ao tempo, lugar e maneira do culto. Nada do que é sagrado, nada do que está ligado ao culto divino, deve ser tratado com negligência ou indiferença. Para que os homens possam verdadeiramente glorificar Deus, importa que na associação de ideias façam distinção entre o que é sagrado e o que é profano. Os que têm ideias amplas, nobres pensamentos e aspirações, são os que têm associações que fortalecem todos os pensamentos sobre as coisas divinas. Felizes os que possuem um santuário, luxuoso ou modesto, seja no meio de uma cidade ou entre as cavernas das montanhas, no humilde aposento particular ou nalgum deserto. Se for esse o melhor lugar que lhes é dado arranjar para esse fim, Deus o santificará pela Sua presença e será santidade ao Senhor dos Exércitos.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 193 e 194. Deve Ensinar-se a Reverência às Crianças – “Pais, exaltai o padrão do cristianismo no espírito dos vossos filhos; ajudai-os a entretecer a pessoa de Jesus na sua experiência; ensinai-os a ter o maior respeito pela casa de Deus e a compreender que quando entram ali devem fazê-lo com o coração comovido, ocupando-se com pensamentos como estes: Deus está aqui, esta é a Sua casa. Devo alimentar pensamentos puros e guiar-me pelos mais santos propósitos. Não devo conservar no meu coração orgulho, inveja, ciúme, suspeitas, ódio ou engano; porque estou na presença de Deus. Este é o lugar onde Deus vem ter com o Seu povo e o abençoa. O Altíssimo e Santo, que habita na eternidade, me vê, esquadrinha o meu coração, e lê os meus mais secretos pensamentos e actos da minha vida.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 196 e 197. O Decoro e o Silêncio no Lugar de Culto – “Quando os crentes penetram na casa de culto, devem guardar a devida compostura e tomar silenciosamente o seu lugar. ... Conversas vulgares, cochichos e risos, não devem ser permitidos na casa de culto, nem antes nem depois do serviço. Uma ardente e profunda piedade deve caracterizar todos os adoradores.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

111

“Se faltam alguns minutos para o começo do culto, os crentes devem entregar-se à devoção e meditação silenciosa, elevando a alma em oração a Deus para que o culto se torne para eles uma bênção especial, operando a convicção e conversão nas outras almas. Devem lembrar-se de que estão presentes ali mensageiros do Céu. Perdemos geralmente muito da suave comunhão com Deus pela nossa falta de quietude e por não nos entregarmos à reflexão e oração. O estado espiritual da alma necessita muitas vezes de ser passado em revista, e o espírito e coração ser elevados para o Sol da Justiça. Se os crentes, ao entrarem na casa de oração, o fizessem com a devida reverência, lembrando-se de que se acham ali na presença do Senhor, o seu silêncio redundaria num testemunho eloquente. Os cochichos, risos e conversas, que se poderiam admitir em qualquer outro lugar, não devem ser sancionados na casa em que Deus é adorado. Cumpre preparar o espírito para ouvir a Palavra de Deus, a fim de que esta possa exercer impressão e influir sobre a alma.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 194. O Planeamento das Reuniões da Igreja – Cada igreja deve planear os seus serviços e reuniões segundo lhe pareça necessário. Os mais essenciais para o culto, o estudo e a actividade da igreja são o serviço de culto de Sábado, a cerimónia da Santa Ceia, a reunião de oração, a Escola Sabatina, a reunião de jovens e a reunião missionária da igreja. As reuniões administrativas para atender devidamente os assuntos da igreja são também essenciais. A Hospitalidade – Em todas as igrejas se deve cultivar o espírito de hospitalidade. Não há nada mais nefasto para a vida espiritual da igreja do que um ambiente frio e formal, que exclua a hospitalidade e o companheirismo cristãos. Os membros devem cultivar este elemento essencial da vida e experiência cristãs. Isto deve ser feito especialmente em relação com o culto a Deus. Todo o visitante que venha adorar connosco deve ser recebido cordialmente e deve-se-lhe fazer sentir que é bem-vindo. Os oficiais da igreja têm o dever de designar alguém que se encarregue especialmente de dar as boas-vindas aos visitantes que assistem aos serviços da igreja. “Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos” (Heb. 13:2).


112

MANUAL DA IGREJA

Oradores Não Autorizados nas Nossas Igrejas – Em nenhuma circunstância deve o ministro, o ancião ou outro oficial da igreja convidar estranhos ou quaisquer pessoas não autorizadas para dirigir os cultos nas nossas igrejas. Aqueles que tenham sido destituídos do ministério, ou que tenham sido excluídos da comunhão da igreja noutros lugares, ou pessoas astutas a quem a igreja não conferiu qualquer autoridade, não devem ter permissão de, com palavras plausíveis, conseguir o acesso aos nossos púlpitos. Deve exercer-se um grande cuidado para evitar que isto aconteça. Toda a pessoa digna da confiança das nossas igrejas poderá identificar-se e apresentar as devidas credenciais. Pode haver ocasiões em que seja próprio que as nossas congregações escutem discursos de funcionários do Governo ou dirigentes cívicos. Todos os demais devem ser excluídos dos nossos púlpitos, a menos que lhes seja outorgada autorização especial da parte da administração da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Todo o ancião, pastor e presidente da Conferência (Associação) tem o dever de zelar pelo cumprimento desta regra. (Ver págs. 194, 195, 196, 273-276.) Lugar da Música na Adoração O Lugar da Música no Culto Divino – “A música pode ser uma grande força para o bem; não fazemos, entretanto, o máximo com esse ramo de culto. O canto é feito em geral por impulso ou para atender a casos especiais, e outras vezes deixa-se que cantores sem qualidade o façam, e a música perde o devido efeito no espírito dos presentes. A música deve ter beleza, emoção e poder. Ergam-se as vozes em hinos de louvor e devoção. Chamai em vosso auxílio, se possível, a música instrumental, e deixai ascender a Deus a gloriosa harmonia, em oferta aceitável.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 457 Cantar com o Espírito e o Entendimento – “Nos seus esforços para alcançar o povo, os mensageiros do Senhor não deverão seguir os caminhos do mundo. Nas reuniões que se celebram, não deverão recorrer a cantores mundanos e exibições teatrais para despertar o interesse. Como se poderá esperar que aqueles que não têm nenhum interesse pela Palavra de Deus, que nunca a leram com o desejo sincero de compreender as suas verdades, possam cantar com o espírito e o entendimento? Como poderá o seu cora-


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

113

ção estar em harmonia com as palavras do canto sagrado? Como poderá o coro celestial participar duma música que é apenas uma forma? ... “Nas reuniões que celebramos, escolham-se algumas pessoas para tomar parte no serviço de canto. Seja o canto acompanhado com instrumentos musicais habilmente tocados. Não nos devemos opor ao uso de música instrumental no nosso trabalho. Esta parte do culto deve ser cuidadosamente dirigida, pois é o louvor a Deus pelo canto. “O canto não deverá ser sempre executado apenas por uns poucos. Sempre que possível, permita-se que toda a congregação participe.” – Testimonies, vol. 9, págs. 143 e 144. Escolha dos Dirigentes do Coro – Deve haver muito cuidado na escolha dos dirigentes do coro ou das pessoas que se encarregam da música nos serviços religiosos da igreja. Apenas aqueles que se sabe que são inteiramente consagrados devem ser escolhidos para esta parte do trabalho da igreja. A escolha de dirigentes não consagrados pode causar um dano incalculável. Aqueles a quem falte discernimento para a devida e apropriada selecção da música para o culto divino não devem ser escolhidos. A música profana, ou que seja de natureza duvidosa ou questionável, nunca deverá ser introduzida nos nossos serviços religiosos. Os dirigentes do coro devem trabalhar em estreita colaboração com o pastor ou o ancião da igreja, a fim de que a escolha de músicas especiais se harmonize com o assunto do sermão. O director do coro está sob a direcção do pastor ou dos anciãos da igreja e não trabalha independentemente deles. Deve aconselhar-se com eles, não somente quanto à música a ser executada, mas também no tocante à escolha de quem deverá cantar e tocar. O director do coro não é membro ex officio do Conselho da Igreja. Executantes de Música na Igreja – A música sagrada é uma parte importante do culto público. A igreja deve ser muito cuidadosa na escolha dos membros do coro e de outros músicos que representem correctamente os princípios da igreja. Os membros do coro e os outros músicos ocupam um lugar de grande visibilidade nos cultos da igreja. As suas capacidades musicais são apenas uma das qualificações que devem possuir. É preferível que sejam membros da igreja, da Escola Sabatina, ou da Sociedade de Jovens Adventistas, e, na sua aparência pessoal e maneira de vestir, devem dar o exemplo de modéstia e decoro. Pessoas consagradas, possuidoras de


114

MANUAL DA IGREJA

um carácter exemplar, correctamente vestidas, proporcionam uma influência positiva quando se envolvem na apresentação dos números musicais dos serviços. Qualquer plano respeitante ao uso de um uniforme no coro é uma opção a decidir pela própria igreja. As igrejas podem decidir ter vários coros. A organização de coros infantis deve ser incentivada como meio eficaz de nutrição espiritual, unindo as crianças à família da igreja, e de actividade missionária. Os Serviços Religiosos de Sábado A Escola Sabatina. – A Escola Sabatina tem sido correctamente chamada “a igreja ao estudo”. É um dos mais importantes serviços celebrados em ligação com a obra da nossa Igreja. Sábado após Sábado, a maior parte dos nossos membros e milhares de amigos interessados se reúnem na Escola Sabatina para estudar sistematicamente as verdades da Palavra de Deus. Todos os membros da igreja devem ser incentivados a frequentar a Escola Sabatina e também a trazer visitantes. Cada Escola Sabatina deve procurar prover programas apropriados a todos os níveis etários. Foram desenvolvidos materiais e recursos para ajudar nesta importante tarefa e podem ser obtidos do Campo/Missão/Conferência (Associação)/União/ Divisão. O tempo habitualmente dedicado a esse serviço é de uma hora e dez minutos. Isto, entretanto, não impede que qualquer campo local adopte um tempo mais longo ou mais curto, se assim o desejar. Ao organizar-se o programa, deve ter-se o cuidado de reservar pelo menos trinta minutos para o estudo da lição. O Culto Divino de Sábado. – O serviço do culto de Sábado é a mais importante de todas as reuniões da igreja. É nele que os membros se reúnem semana após semana para se unirem na adoração a Deus em espírito de louvor e gratidão, para ouvirem a Palavra de Deus, para obterem força e graça para enfrentar as lutas da vida, e para saberem qual é a vontade de Deus acerca do que devem fazer para ganhar almas. Reverência, simplicidade e pontualidade devem caracterizar todo o serviço de adoração. A Santidade da Hora do Culto de Sábado – O culto a Deus é a mais elevada e a mais santa experiência que possam ter os homens, e deve exercer-se o maior cuidado ao fazer os planos para este serviço religioso.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

115

“Não tendes acaso o dever de utilizar alguma técnica, dedicar algum estudo e planeamento à questão de dirigir as reuniões religiosas – no sentido de como devem ser conduzidos de maneira a produzirem a maior quantidade de bem e deixarem a melhor impressão em todos os que a elas assistem?” – E. G. White em Review and Herald, 14 de Abril de 1885, pág. 225. “O nosso Deus é um terno e misericordioso Pai. O Seu serviço não deve ser considerado como um exercício penoso e entristecedor. Deve ser um gozo adorar o Senhor e tomar parte na Sua obra. ... “Cristo, e Ele crucificado, eis o que deve constituir o tema das nossas meditações, das nossas conversas, e das nossas mais gratas emoções. ... “Ao exprimir-Lhe a nossa gratidão, estamo-nos aproximando do culto que Lhe é prestado pelas hostes celestes. ‘Aquele que oferece sacrifício de louvor Me glorificará’ [Salmo 50:23]. Cheguemos, pois, com reverente alegria ao nosso Criador, com acções de graças e voz de melodia’ [Isaías 51:3].” – Aos Pés de Cristo, 6ª ed., págs. 105 e 106. A Forma do Culto – O culto do Sábado de manhã consiste em duas partes principais: A atitude de louvor e adoração por parte da congregação, expressa em hinos, na oração e nas ofertas; e a mensagem da Palavra de Deus. (Ver Nota 1, pág. 131.) Não prescrevemos uma fórmula ou ordem específica para o culto público. Em geral, uma ordem de culto breve ajusta-se melhor ao verdadeiro espírito de adoração. Devem-se evitar longos preliminares. Os exercícios de abertura não devem, em nenhuma circunstância, consumir o tempo requerido para o culto e a pregação da Palavra de Deus. (Para formas de culto sugestivas, ver Nota 2, pág. 132) Os Anúncios – Deve ter-se o maior cuidado com a extensão e a espécie dos anúncios durante o serviço do culto de Sábado. Caso se refiram a assuntos não especificamente relacionados com o culto do Sábado nem com a actividade da igreja, os ministros e oficiais da mesma devem ter o cuidado de os excluir, mantendo também neste aspecto o devido espírito da observância do Sábado. Muitas das nossas igrejas maiores editam boletins impressos que incluem a ordem do culto e também os anúncios da semana. Onde isto se faz existe pouca ou nenhuma necessidade de anúncios orais. Quando não se usam estes boletins, muitas igrejas acham preferível fazer os anúncios antes do começo do culto, propriamente dito. (Nota 2, pág. 132)


116

MANUAL DA IGREJA

Também se deve dedicar a devida atenção aos diversos departamentos da igreja, para a promoção dos interesses pelos quais são responsáveis, mas deve ter-se muito cuidado quando se programam as respectivas apresentações, para salvaguardar o tempo necessário à pregação da mensagem da Palavra de Deus. A Oração em Público – “Cristo inculcou nos Seus discípulos a ideia de que as orações deviam ser curtas, expressar precisamente o que eles desejavam, e nada mais. ... Um ou dois minutos são tempo suficiente para uma oração comum.” – Testimonies, vol. 2, pág. 581. “Quando orardes, sede breves, ide directamente ao ponto. Não pregueis um sermão ao Senhor nas vossas longas orações.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 60. “Os que orarem e os que falarem, pronunciem palavras adequadas, e falem em tons regulares, claros e distintos. A oração, se for feita de forma adequada, é um poder para o bem. É um dos meios utilizados pelo Senhor para comunicar às pessoas os preciosos tesouros da verdade. Mas, devido à voz defeituosa daqueles que a proferem, a oração não é o que deveria ser. Satanás regozija-se quando as orações dirigidas a Deus são quase inaudíveis. “Aprenda o povo de Deus a falar e a orar de maneira que represente adequadamente as grandes verdades que possui. Sejam claros e distintos os testemunhos apresentados e as orações pronunciadas. Assim Deus será glorificado.” – Obreiros Evangélicos, pág. 88. O Serviço da Comunhão Na Igreja Adventista do Sétimo Dia, o serviço da comunhão é celebrado geralmente uma vez por trimestre. Este serviço abrange a ordenança do lava-pés e a Santa Ceia. Deve ser uma ocasião muito sagrada e alegre para a congregação, bem como para o ministro ou ancião. Dirigir o serviço da comunhão é indubitavelmente um dos deveres mais sagrados que um ministro ou ancião é chamado a desempenhar. Jesus, o grande Redentor deste mundo, é santo. Os anjos declaram: “Santo, santo, santo, Deus omnipotente, que eras, e que és, e que hás-de ser.” Portanto, visto que Jesus é santo, os símbolos que representam o Seu corpo e o Seu sangue também são santos. Sendo que o próprio Senhor escolheu os emblemas profundamente


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

117

significativos do pão não levedado e do fruto da videira não fermentado, e usou o meio mais simples para lavar os pés aos discípulos, deverá haver grande relutância em introduzir símbolos e meios alternativos (excepto em condições de verdadeira emergência), para que não se perca o significado original da cerimónia. Do mesmo modo, deve haver cautela na ordem do serviço e nas partes tradicionais desempenhadas pelos ministros, anciãos, diáconos e diaconisas no serviço da comunhão, para que a substituição e a inovação não favoreçam a tendência de tornar comum aquilo que é sagrado. O individualismo e a independência de acção e prática podem tornar-se uma expressão de falta de interesse pela unidade e comunhão da igreja nessa ocasião tão abençoada e sagrada. O desejo de mudança pode neutralizar o elemento comemorativo dessa cerimónia instituída pelo próprio Senhor antes da Sua paixão. A cerimónia da Santa Ceia é tão sagrada hoje como quando foi instituída pelo próprio Jesus Cristo. Jesus está ainda presente quando se realiza esta sagrada ordenança. Lemos: “É nestas ocasiões, indicados por Ele mesmo, que Jesus Se encontra com o Seu povo, e o revigora pela Sua presença.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 716. A Cerimónia do Lava-pés – “Depois, tendo lavado os pés aos discípulos, Ele disse: ‘Eu vos dei o exemplo, para que como Eu vos fiz, façais vós também’. Nestas palavras Cristo não somente estava a ordenar a prática da hospitalidade. Queria também significar mais do que a lavagem dos pés dos hóspedes para lhes tirar o pó dos caminhos. Cristo estava aí a instituir um serviço religioso. Pelo acto de nosso Senhor, esta cerimónia tornou-se numa ordenança consagrada. Devia ser observada pelos discípulos, a fim de poderem conservar sempre em mente as Suas lições de humildade e serviço. “Esta ordenança é a preparação designada por Cristo para o serviço sacramental. Enquanto o orgulho, a desinteligência e a luta pela superioridade forem nutridos, o coração não pode entrar em associação com Cristo. Não estamos preparados para receber a comunhão do Seu corpo e do Seu sangue. Por isso Jesus indicou que se observasse primeiramente a comemoração da Sua humilhação.” – Idem, pág. 650 No acto de lavar os pés aos discípulos, Cristo levou a cabo uma limpeza mais profunda: a de lavar o coração das manchas do pecado. O partici-


118

MANUAL DA IGREJA

pante experimenta o sentimento da indignidade quanto ao recebimento dos sagrados emblemas antes de experimentar a limpeza de todo o seu ser (João 13:10). Jesus desejava “lavar-lhes do coração a discórdia, o ciúme e o orgulho. ... O orgulho e o interesse egoísta criaram dissensão e ódio. Mas tudo isso lavou Cristo ao lavar-lhes os pés. ... Olhando para eles, Jesus podia dizer: ‘Vós estais limpos’.” – Idem, pág. 646. A experiência espiritual que reside no âmago do lava-pés ergue-o de um costume comum para uma cerimónia sagrada. Transmite uma mensagem de perdão, aceitação, segurança e solidariedade, principalmente de Cristo para com o crente, mas também entre os próprios crentes. Essa mensagem é expressa numa atmosfera de humildade. Pão e Vinho Não Fermentados – “Cristo está ainda à mesa em que fora posta a ceia pascal. Diante d’Ele estão os pães asmos usados no período da Páscoa. O vinho pascal, [livre de fermento] está sobre a mesa. Jesus emprega estes símbolos para representar o Seu próprio sacrifício imaculado. Nada que estivesse corrompido por fermentação, símbolo do pecado e da morte, podia representar o ‘Cordeiro imaculado e incontaminado’ (I Ped. 1:19).” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 712. Nem o “cálice” nem o pão continham elementos de fermentação, dado que, na tarde do primeiro dia da Páscoa hebraica, toda a levedura ou fermentação tinha sido removida das suas habitações (Êx. 12:15, 19; 13: 7). Por isso, apenas sumo de uva não fermentado e pão não levedado são apropriados para uso no serviço da comunhão; por esta razão, deve ser exercido grande cuidado na preparação ou aquisição destes elementos. Nas áreas mais isoladas do mundo, onde não se encontrem facilmente uvas nem sumo ou concentrado de uvas, a sede da associação aconselhará ou ajudará na sua aquisição para as igrejas. Um Memorial da Crucificação – “Participando na Santa Ceia, do pão que é partido e do fruto da vide, apresentamos a morte do Senhor até que Ele venha. As cenas dos Seus sofrimentos e morte são assim avivadas na nossa mente.” – Primeiros Escritos, pág. 217. “Quando recebemos o pão e o vinho simbolizando o corpo partido de Cristo e o Seu sangue derramado, unimo-nos, pela imaginação, à cena da comunhão no cenáculo. Parece-nos que estamos a atravessar o jardim consagrado pela agonia d’Aquele que levou sobre Si os pecados do mundo.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

119

Testemunhamos a luta mediante a qual foi obtida a nossa reconciliação com Deus. Cristo crucificado apresenta-Se entre nós.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., págs. 719, 720. Uma Proclamação da Segunda Vinda. – “A Santa Ceia aponta para a segunda vinda de Cristo. Foi destinada a conservar viva essa esperança na mente dos discípulos. Sempre que se reuniam para comemorar a Sua morte, contavam como Ele ‘tomando o cálice, e dando graças, deu-lhes, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o Meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de Meu Pai.’ Nas tribulações, encontraram conforto na esperança da volta do seu Senhor. Indizivelmente precioso era para eles o pensamento: ‘Todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.’ I Cor. 11:26.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 659. O Anúncio do Serviço da Comunhão – O serviço da comunhão pode ser apropriadamente incluído como parte de qualquer serviço de culto de adoração. No entanto, para lhe dar a devida ênfase e tornar a comunhão acessível ao maior número de membros possível, faz geralmente parte de um culto de Sábado, de preferência no penúltimo Sábado de cada trimestre. No Sábado precedente à sua celebração, deve ser feito um anúncio chamando a atenção para a importância do próximo serviço da comunhão, para que todos os membros possam preparar o seu próprio coração e ter a certeza de que quaisquer desavenças entre eles terão sido resolvidas. Deste modo, quando se aproximarem da mesa do Senhor na semana seguinte, o serviço poderá trazer-lhes a bênção desejada. Aqueles que não se encontrem presentes por ocasião do anúncio deverão ser notificados e convidados a participar. A Celebração do Serviço da Comunhão – Duração do Serviço – O tempo não é o factor mais significativo no planeamento do serviço da comunhão. Todavia, poderá obter-se maior participação e mais profundo impacto espiritual: 1. Eliminando todos os assuntos estranhos ao culto de adoração neste dia especial.


120

MANUAL DA IGREJA

2. Evitando demoras antes e depois do lava-pés. 3. Tendo as diaconisas posto o pão e o vinho sobre a mesa da comunhão com a devida antecedência. Preliminares – A parte introdutória do serviço deve incluir apenas alguns anúncios muito breves, um hino, uma oração, a oferta e um curto sermão antes da separação para o lava-pés. Mais adoradores serão encorajados a ficar até ao fim do serviço se a primeira parte do mesmo tiver sido breve. O Lava-pés – Cada igreja deve ter um plano para suprir as necessidades dos seus membros, para a cerimónia do lava-pés. (Ver Nota 3, pág. 133). Pão e Vinho. – Após o lava-pés, a congregação reúne-se novamente para participar do pão e do vinho. (Ver Nota, 4, pág. 133). Celebração – O serviço pode encerrar com uma apresentação musical ou com um hino pela congregação, seguido da despedida. Qualquer que seja o modo de o terminar, deverá ser em tom jubiloso. A comunhão deve ser sempre uma experiência solene, mas nunca uma experiência sombria. Os erros foram corrigidos, os pecados foram perdoados e a fé reafirmada. É uma ocasião de festa. Que a música seja vibrante e alegre! Por vezes, é levantada uma oferta para os pobres enquanto a congregação sai. Depois do serviço, os diáconos e as diaconisas limpam a mesa, recolhem os copos e, respeitosamente, desfazem-se de todo o pão ou vinho abençoados que tenham sobrado, derramando o vinho na terra e queimando, enterrando ou destruindo de qualquer outra forma adequada, o pão, mas nunca permitindo que voltem a ser usados de forma vulgar. Quem Pode Participar – A Igreja Adventista do Sétimo Dia pratica a comunhão aberta. Todos os que entregaram a sua vida ao Salvador podem participar. As crianças aprendem o significado deste serviço observando os outros participar. Depois de receberem instrução formal em classes baptismais e de fazerem a sua entrega a Jesus pelo baptismo, ficam então preparadas para elas mesmas participarem no serviço. “O exemplo de Cristo proíbe que se exclua alguém da Santa Ceia. É verdade que o pecado conhecido exclui o culpado. O Espírito Santo ensina isto claramente. (I Cor. 5:11.) Mas, para além disto, ninguém deve julgar. Deus não deu ao homem a responsabilidade de decidir quem poderá apre-


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

121

sentar-se nestas ocasiões. Pois quem pode ler o coração? Quem é capaz de distinguir o joio do trigo? ‘Examine-se pois o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice’. Pois ‘qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor’. ‘Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.’ (I Cor. 11: 28, 27, 29.) “Quando os crentes se reúnem para celebrar estas cerimónias, estão presentes mensageiros invisíveis aos olhos humanos. Talvez haja um Judas no grupo, e se assim for, também ali estão mensageiros do príncipe das trevas, que acompanham todo aquele que recusa ser regido pelo Espírito Santo. Anjos celestes também se encontram ali. Estes visitantes invisíveis estão presentes em todas estas ocasiões. Podem entrar pessoas que não são, no íntimo, servos da verdade e da santidade, mas que desejam tomar parte no serviço. Não devem ser proibidas. Há ali testemunhas que estiveram presentes quando Jesus lavou os pés dos discípulos e de Judas. Olhos mais do que humanos contemplam a cena.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., págs. 715, 716. Todos os Membros Devem Participar – “Ninguém se deve excluir da comunhão por estar presente, talvez, alguém que seja indigno. Todo o discípulo é chamado a participar publicamente, e a dar assim testemunho de que aceita Jesus como seu Salvador pessoal. É nestas ocasiões, indicadas por Ele mesmo, que Jesus Se encontra com o Seu povo, e o revigora pela Sua presença. Corações e mãos indignas podem mesmo dirigir a cerimónia; mas Jesus encontra-Se ali para ministrar aos Seus filhos. Todos quantos ali chegam com a sua fé baseada n’Ele, serão grandemente abençoados. Todos quantos negligenciam estes períodos de privilégio divino serão prejudicados. Deles poder-se-ia dizer: ‘Nem todos estais limpos’.” O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., págs. 716, 717. Quem Pode Dirigir o Serviço da Comunhão – O serviço da comunhão deve ser dirigido por um ministro ordenado ou um ancião da igreja. Os diáconos, ainda que ordenados, não podem dirigir o serviço, mas podem ajudar distribuindo o pão e o vinho aos membros.


122

MANUAL DA IGREJA

Comunhão para os Doentes – Se alguns membros estiverem doentes ou, por qualquer outro motivo, não puderem ausentar-se do seu lar para assistir à cerimónia da comunhão na casa de culto, poder-se-á realizar para eles um serviço especial em casa. Este serviço só pode ser oficiado por um ministro ordenado ou por um ancião da igreja, que pode ser acompanhado e auxiliado por diáconos ou diaconisas que ajudam no serviço regular. A Reunião de Oração “As reuniões de oração devem ser as mais interessantes que se realizem; são, no entanto, muitas vezes fracamente dirigidos. Muitos assistem ao culto de pregação, mas negligenciam as reuniões de oração. Também nisso se exige reflexão. Precisamos pedir sabedoria a Deus, e fazer planos para dirigir essas reuniões de maneira a torná-las interessantes e atractivas. O povo tem fome do pão da vida. Se o encontrarem na reunião de oração, ali irão buscá-lo. “Longas e fastidiosas palestras e orações são inadequadas em qualquer parte, e especialmente na reunião de oração. Os que estão sempre prontos a falar, tomam a liberdade de sacrificar o testemunho dos tímidos e retraídos. Os mais superficiais têm, geralmente, mais a dizer. Longas e formais são as suas orações. Fatigam os anjos e os que os escutam. As nossas orações devem ser breves e directas. Que as longas e enfadonhas petições fiquem para o nosso aposento particular, caso alguém queira fazer alguma dessa espécie. Deixai que o Espírito de Deus entre no vosso coração, e Ele daí expelirá toda a seca formalidade.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 457. A reunião de oração semanal tem uma importância tão grande que se devem fazer esforços especiais para garantir que ela tenha êxito. Estas reuniões devem começar a tempo, mesmo que estejam apenas duas ou três pessoas presentes. Deverá fazer-se um breve estudo bíblico ou a apresentação de um texto dos Testemunhos. Quinze ou vinte minutos são suficientes. Seguidamente conceda-se aos membros tempo para orarem e testemunharem. Varie-se de semana a semana o esquema da reunião. Depois do estudo, uma vez dediquem-se alguns momentos a um período de orações. Na vez seguinte, reservem-se esses momentos para testemunhos, terminando com algumas orações e um cântico. Se os membros não tiverem a possibilidade de se deslocar ao lugar habitual para a reunião de oração, poderão efectuar-se reuniões em casas particulares, com grande proveito para todos os que nelas participarem.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

123

A Sociedade dos Jovens Adventistas * A Sociedade dos Jovens Adventistas é a organização de actividade e companheirismo para os jovens seniores na igreja local. Sob a liderança de um director eleito, os jovens devem trabalhar juntos no desenvolvimento de um vigoroso ministério jovem, o qual abrange o desenvolvimento espiritual, mental e físico de cada indivíduo, a interacção social cristã e um activo programa de testemunho que apoie os planos gerais da igreja local para a conquista de almas. O objectivo da Sociedade dos Jovens Adventistas deve ser envolver cada jovem em actividades significativas que o vinculem mais estreitamente à igreja e o preparem para o serviço útil. Devem programar-se reuniões regulares de jovens todas as semanas. Recomenda-se que estas reuniões tenham lugar nas sextas-feiras à noite ou nos sábados à tarde. Tais reuniões podem ser realizadas nos lares de responsáveis membros da igreja ou como reuniões públicas mais amplas, na igreja. Visto que o programa dos jovens não deve ser separado do resto da igreja, as reuniões públicas da Sociedade dos Jovens Adventistas devem ser franqueadas a todos os membros da igreja. No entanto, devem ser planeadas e dirigidas pelos próprios jovens. Nas igrejas mais pequenas, o programa precisa de ter necessariamente, uma índole de envolvimento familiar. (Ver Nota, 5, pág. 134) É importante que o programa dos jovens na igreja local seja coordenado com o trabalho de todos os departamentos que exercem o ministério em prol das crianças e dos jovens. Para incentivar esta cooperação e coordenação, o director dos Ministérios Pessoais, o director dos Ministérios da Saúde, o director da divisão de jovens da Escola Sabatina, o director da escola da igreja, o director do Clube dos Desbravadores, o director do Clube de Tições e outros dirigentes que possam ser necessários são membros do Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas, o qual é responsável pelo planeamento do programa do ministério jovem na igreja local. (Ver pág. 151) (Ver Nota 6, pág. 135) Embora um programa de ministério jovem bem sucedido na igreja local inclua uma vigorosa Escola Sabatina de jovens, deve haver um tempo e um * Abreviatura aceite do nome oficial completo “Sociedade dos Jovens Adven-

tistas do Sétimo Dia”


124

MANUAL DA IGREJA

lugar específico para mais interacção, companheirismo, recreação, testemunho missionário e preparação da liderança, elementos que fazem parte dos conceitos a pôr em prática na Sociedade dos Jovens Adventistas. A Sociedade dos Juvenis Adventistas O propósito da Sociedade dos Juvenis Adventistas é semelhante ao da organização da Sociedade dos Jovens Adventistas mais velhos: formar o carácter, prover intercâmbio social, dar preparação de liderança e envolver os jovens mais novos no serviço cristão. Nos países onde há escolas das igrejas adventistas, a Sociedade dos Juvenis Adventistas faz normalmente parte do currículo espiritual da escola. (Ver Nota 7, pág. 135) O Clube de Desbravadores O Clube de Desbravadores também provê o tipo de programa necessário para os Juvenis, e nalgumas regiões tem substituído a Sociedade dos Juvenis Adventistas na igreja local. Onde coexistam os dois, terá de haver uma estreita coordenação e cooperação entre o Clube de Desbravadores e a Sociedade de Juvenis Adventistas. Os Desbravadores reunir-se-ão de acordo com as normas departamentais da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. O Clube de Tições O Clube de Tições provê um programa especializado e próprio para o rápido desenvolvimento das crianças da igreja local, bem no começo da idade escolar. Destina-se a fortalecer a participação dos pais no desenvolvimento da meninice dos seus filhos. As suas reuniões e outras actividades devem ser efectuadas de acordo com as normas da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, delineadas nos manuais do Clube e em coordenação com outras organizações relacionadas com os jovens e a família na igreja local. As Reuniões Missionárias da Igreja A comissão do Salvador faz recair sobre a igreja a incumbência de proclamar o evangelho a todo o mundo. Isto coloca também sobre cada


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

125

membro, individualmente, a responsabilidade de levar a mensagem da salvação a tantos quantos seja possível. O Salvador “deu poder aos Seus servos, e a cada um a sua obra”. Marcou uma reunião com os Seus onze discípulos depois da Sua ressurreição, com o propósito de lhes transmitir conselhos e animá-los, e, nessa ocasião, deu a comissão evangélica aos discípulos e à igreja congregada, que contava mais de quinhentos irmãos. Foi essa a primeira reunião missionária da igreja cristã; e não iria certamente ser a última. Como parte permanente e definida das reuniões da igreja cristã, a reunião missionária recebeu a aprovação divina em todos os tempos. É-nos dito, por intermédio do Espírito de Profecia: “Deus confiou-nos nas mãos uma obra muito sagrada, e temos necessidade de reunir-nos para receber instruções, a fim de estarmos preparados para realizar este trabalho.” – Testimonies, vol. 6, pág. 32. (Itálico nosso.) Datas das Reuniões – O primeiro Sábado de cada mês é geralmente reconhecido como o Sábado Missionário da Igreja. O culto de adoração desse Sábado focaliza o evangelismo leigo, mas, além dos Ministérios Pessoais, outros departamentos também podem ter a oportunidade de apresentar os seus interesses nesses dias especiais. Isto, entretanto, deverá fazer-se cuidadosamente, de comum acordo com os departamentos implicados. (Ver Nota 8, pág. 135) Fornecimento de Publicações no Sábado – Reconhece-se em geral que o Sábado costuma ser o momento mais oportuno para que o secretário dos Ministérios Pessoais ponha as publicações nas mãos dos membros. Métodos que sejam objectáveis e tendam a distrair a atenção da congregação do verdadeiro culto e reverência devem ser postos de parte no dia de Sábado. As Reuniões Administrativas Podem realizar-se reuniões administrativas da igreja, devidamente convocadas pelo pastor, uma vez por mês ou uma vez por trimestre, de acordo com as necessidades da igreja. Os membros que se encontrem em situação regular no registo da igreja que realiza a reunião administrativa podem assistir e votar. Não se


126

MANUAL DA IGREJA

aceitarão votos por procuração ou carta. A fim de se manter um espírito de estreita cooperação entre a igreja local e a Conferência (Associação)/ Missão/Campo, a igreja deve aconselhar-se com os oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo sobre todos os assuntos de maior importância. Os oficiais (presidente, secretário, tesoureiro) da Conferência (Associação)/Missão/Campo a que a igreja pertence podem assistir sem voto (a menos que este lhe seja concedido pela igreja) a qualquer reunião administrativa dentro do território da Conferência (Associação)/Missão/ Campo. Entende-se que uma reunião administrativa da igreja, para poder ser correctamente considerada como tal, deverá ter sido convocada durante um culto regular de Sábado, com o devido anúncio da hora e do local dessa reunião. Nestas reuniões, a que o pastor deverá presidir (ou combinar com o ancião para que presida na sua ausência), dever-se-á informar completamente a congregação a respeito do trabalho da igreja; e, no fim de cada ano, devem apresentar-se relatórios que abranjam as actividades da igreja durante o ano todo. Sempre que possível, os relatórios devem ser apresentados por escrito. (ver Nota 9, pág. 136). O Conselho da Igreja e as Suas Reuniões Definição e Função – O Conselho da Igreja compõe-se dos principais oficiais da igreja. São-lhe atribuídas diversas responsabilidades importantes, mas o seu encargo de maior relevância é o alimento espiritual da igreja e a obra de planear e promover o evangelismo em todos os seus aspectos. A grande comissão de Jesus torna o evangelismo – a proclamação das boas-novas do evangelho – a função primordial da igreja (Mat. 28:18-20). Por conseguinte, também a função primordial do Conselho da Igreja é actuar como o principal órgão directivo da igreja local. Quando o Conselho dedica o seu maior interesse e as suas mais vigorosas energias ao evangelismo por parte de todos os membros, reduz-se ou evita-se a maioria dos problemas da igreja. Uma forte e positiva influência é sentida na vida espiritual e no crescimento dos seus membros. Entre as responsabilidades do Conselho da Igreja, encontram-se as seguintes: 1. Alimentação espiritual 2. Evangelismo em todos os seus aspectos


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

127

3. Preservação da pureza doutrinária 4. Defesa das normas cristãs 5. Recomendação de alterações no número dos membros 6. As finanças da igreja 7. Protecção e conservação dos bens da igreja 8. Coordenação dos departamentos da igreja O conselho é eleito anualmente pelos membros da igreja, por ocasião da eleição regular dos oficiais da igreja. (Ver pág. 82). Membros – Os seguintes oficiais da igreja devem ser membros do Conselho da Igreja: Ancião ou anciãos Primeiro diácono Primeira diaconisa Tesoureiro Secretário Director dos Ministérios Pessoais Secretário dos Ministérios Pessoais Coordenador dos Homens Adventistas Coordenador dos Ministérios das Publicações Coordenador da Escola Bíblica Director/a da Assistência Social Adventista e/ou das Dorcas Director da Escola Sabatina Director dos Ministérios da Família Directora dos Ministérios da Mulher Coordenador dos Ministérios da Criança Secretário da Educação Director da Associação Lar e Escola Director da Sociedade dos Jovens Adventistas Director dos Desbravadores Director dos Tições Coordenador de Interessados Presidente da Comissão de Comunicação ou Secretário de Comunicação Director dos Ministérios da Saúde Director de Mordomia Director de Liberdade Religiosa


128

MANUAL DA IGREJA

Em muitos casos, dois ou mais destes cargos são exercidos pela mesma pessoa. A igreja, se o desejar, pode eleger mais membros para o seu Conselho. O ministro designado pelo campo local para ser o pastor da igreja é sempre membro do Conselho dessa igreja. Oficiais – O presidente do Conselho da Igreja é o ministro designado para ser o pastor da igreja. Se o pastor preferir não desempenhar esta função ou caso se ache impossibilitado de estar presente, poderá providenciar para que o ancião da igreja actue como presidente a título ocasional. O secretário da igreja actua como secretário do Conselho e é responsável pela conservação das actas das reuniões. Reuniões – Visto que o trabalho do Conselho da Igreja é vital para a actividade, a saúde e o crescimento da igreja, ele precisa de se reunir pelo menos uma vez por mês. Nas igrejas maiores poderá ser necessário haver reuniões mais frequentes. Convém marcar a hora da reunião para o mesmo dia da mesma semana de cada mês. (Por exemplo: a primeira segunda-feira de cada mês.) A reunião do Conselho da Igreja é anunciada no culto regular do Sábado. Deve fazer-se o máximo esforço possível para que todos os membros do conselho estejam presentes em cada uma das reuniões. Cada igreja deve determinar numa das reuniões administrativas regularmente convocada, o número de membros do Conselho que têm de estar presentes para constituírem um quórum. Não são aceites votos por procuração ou carta. O Trabalho do Conselho da Igreja – 1. Planear o evangelismo em todas as suas fases. Visto que o evangelismo é a obra primordial da igreja, o primeiro ponto da agenda de cada reunião do Conselho da Igreja deve relacionar-se directamente com a evangelização do território missionário da igreja. Além disso, uma vez em cada trimestre do ano, toda a reunião do Conselho da Igreja poderá perfeitamente ser dedicada a planos para o evangelismo. O Conselho da Igreja deverá estudar as recomendações do Conselho do campo local sobre os programas e métodos de evangelização,


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

129

determinando a melhor maneira de poderem ser postos em prática pela igreja. O pastor e o Conselho da Igreja iniciarão e desenvolverão planos para campanhas de evangelismo público. 2. Coordenar os programas de acção missionária dos departamentos. O Conselho da Igreja é responsável pela coordenação do trabalho de todos os seus departamentos. Isto inclui os programas de acção missionária dos Ministérios Pessoais, da Escola Sabatina, dos Ministérios da Criança, da Mulher, dos Jovens, dos Ministérios da Saúde e da Educação. Cada um destes departamentos elabora os seus planos de acção missionária, dentro da sua própria esfera. Para evitar conflitos na divisão do tempo e competição para obter colaboradores voluntários, e para se conseguirem os melhores resultados possíveis, é essencial haver coordenação. Antes de completar e anunciar os planos para qualquer programa, cada departamento deve submeter os seus planos à aprovação do Conselho da Igreja. Os departamentos também relatam ao Conselho da Igreja o progresso e os resultados dos seus programas de acção missionária. O Conselho da Igreja poderá sugerir aos departamentos o modo como os respectivos programas podem contribuir para a preparação e a realização de uma campanha de evangelismo público e para o posterior acompanhamento dos interessados por ela suscitados. 3. Estimular e ajudar os departamentos de acção missionária da igreja a alistarem todos os membros e as crianças nalguma forma de trabalho missionário pessoal. Devem ser dirigidas classes de preparação em diversas facetas do ministério da acção missionária. 4. Cooperar com o coordenador de interessados da igreja, para assegurar que todo o interesse na mensagem, que tenha sido relatado e despertado por qualquer fonte, seja pessoal e prontamente seguido por um leigo designado para isso. 5. Estimular cada departamento a apresentar pelo menos um relatório trimestral ao Conselho da Igreja e ao conjunto dos membros da igreja, numa reunião administrativa e/ou em reuniões de Sábado. 6. Os pormenores da administração da igreja devem ser considerados pelo Conselho, e, por sua vez, o tesoureiro deverá relatar regularmente a situação das finanças da igreja. Deve-se examinar a lista dos membros


130

MANUAL DA IGREJA

da igreja, inquirindo sobre a condição espiritual de todos os membros e tomando providências para visitar os doentes, os desanimados e quaisquer membros que se tenham afastado. Os outros oficiais devem prestar informações sobre o trabalho de que são responsáveis. Comissões Designadas pelo Conselho – O Conselho da Igreja não deve permitir que outras actividades interfiram no planeamento para o evangelismo. Caso outras actividades consumam tempo em demasia, o Conselho pode designar comissões para cuidar de aspectos específicos das actividades da igreja, como projectos financeiros ou de construção. Estas comissões farão então recomendações ao Conselho da Igreja. Deste modo os recursos do conselho são preservados para a sua tarefa primordial – o evangelismo. (Ver Nota 10, pág. 137). As Reuniões do Conselho Escolar Nas igrejas onde existe uma escola de igreja, a sua actividade é geralmente orientada por um Conselho Escolar. Elege-se uma pessoa encarregada de presidir às reuniões deste Conselho. Escolhe-se um secretário para se encarregar das actas das reuniões e decisões do Conselho. Este Conselho deve reunir-se periodicamente. A pessoa que o preside poderá convocar reuniões especiais quando haja necessidade disso. Algumas igrejas preferem que o próprio Conselho da Igreja, ou uma comissão por este designada, actue também como Conselho Escolar. A Associação Lar e Escola A Associação Lar e Escola é organizada pela igreja local para coordenar as actividades da escola, do lar e da igreja. Recomenda-se que as reuniões se efectuem mensalmente. Deve ser dada atenção à educação dos pais e também ao apoio a prestar à escola na obtenção de recursos necessários, como colaboração voluntária de familiares dos alunos em serviços escolares, de livros, materiais de ensino, e equipamento. Os materiais para ajudar os dirigentes da Associação Lar e Escola podem ser obtidos através do Departamento da Educação.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

131

Notas Estas notas contêm material explicativo a respeito de como as igrejas locais podem proceder em determinados aspectos. Elas podem adoptar formas alternativas de lidar com tais itens. Estes métodos alternativos devem estar em harmonia com os princípios aceites e adoptados pela organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia em geral. 1. A Forma do Culto. (ver pág. 115.) – Quando os ministros sobem à plataforma e se ajoelham, os membros que compõem a congregação também devem, de cabeça curvada, implorar a presença e a bênção de Deus. Um reverente silêncio prepara o espírito para o hino inicial e o programa que se seguem. Existem duas partes muito importantes no serviço do culto: 1. A congregação responde com louvor e adoração expressos nos hinos, nas orações e nas ofertas. 2. A mensagem da Palavra de Deus. A pessoa que traz a mensagem e distribui o pão da vida deve sentir plenamente o carácter sagrado desta obra e deve estar cabalmente preparada para isso. Também aquele que conduz os adoradores à presença de Deus por meio da oração pastoral desempenha talvez a função mais sagrada de todo o serviço do culto e, com um sentimento de temor, deve reconhecer humildemente a importância desta responsabilidade. O costume aconselha que se ajoelhe de frente para a congregação, e que esta, por sua vez, se mantenha voltada para a plataforma e, na medida do possível, de joelhos. A oração deve ser breve, mas incluir adoração, agradecimento, e mencionar as necessidades pessoais dos adoradores, bem como do grande campo mundial. É apropriado haver uma música ou um hino especial imediatamente antes do sermão. Vem, a seguir, o que deverá ser uma das partes mais importantes da hora do culto – o acto de alimentar espiritualmente o rebanho de Deus. Benditos são os resultados que para a glória de Deus sempre se sucedem quando uma congregação é verdadeiramente alimentada e sente que “Deus visitou o Seu povo”. A oferta é uma parte vital da hora do culto. Ao mesmo tempo que somos aconselhados: “Adorai o Senhor na beleza da santidade”, também


132

MANUAL DA IGREJA

somos exortados: “Trazei oferendas, e entrai nos Seus átrios” (Sal. 96: 8 e 9). Assim, a apresentação das nossas ofertas a Deus tem com toda a naturalidade o seu lugar como parte do serviço do culto. O ancião, especialmente se for um ministro licenciado, colabora com o pastor regular no planeamento da ordem do culto. Se a igreja não tiver um pastor regular, a responsabilidade do culto será do ancião, que o deverá dirigir ou tomar providências para que outra pessoa o faça. No caso de se encontrar presente um ministro ordenado, o ancião naturalmente lhe dará o lugar e o convidará para se encarregar do culto. De vez em quando poderá realizar-se uma reunião de testemunhos e louvor, ou ser concedido o tempo a determinados membros, para contarem as suas experiências no trabalho missionário. 2. A Forma do Culto (ver pág. 115) – São sugeridas a seguir duas formas de culto. Ordem de Culto Mais Longa Prelúdio de órgão Anúncios Entrada do Coro e dos Ministros Doxologia Invocação Leitura das Escrituras Hino de Louvor Oração Hino ou Música Especial Oferta Hino de Consagração Sermão Hino Bênção A congregação fica de pé ou sentada por alguns instantes em oração silenciosa Poslúdio de órgão.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

133

Ordem de Culto Mais Curta Anúncios Hino Oração Oferta Hino ou Música Especial Sermão Hino Bênção A congregação fica de pé ou sentada por alguns instantes em oração silenciosa. 3. O Lava-pés (ver pág. 120) – Os homens e as senhoras devem dispor de áreas separadas para o lava-pés. Onde escadas ou a distância constituírem um problema, devem ser feitos arranjos especiais para os que têm dificuldade em se movimentar. Em lugares onde seja socialmente aceitável e onde o vestuário seja de molde a não prejudicar o pudor, poderão fazer-se arranjos separados para que marido e esposa ou pais e filhos baptizados possam participar uns com os outros na cerimónia do lava-pés. Para ajudar as pessoas tímidas ou sensíveis que possam considerar uma experiência embaraçante a escolha de quem com elas participe na cerimónia do lava-pés, devem ser designados dirigentes da igreja cuja responsabilidade durante o lava-pés seja a de ajudar essas pessoas a encontrar com quem participar na cerimónia. 4. O Pão e o Vinho (ver pág. 120) – Pode-se entoar um hino enquanto a congregação volta a reunir-se e os ministros e anciãos oficiantes tomam os seus lugares à mesa sobre a qual foram colocados o pão e o vinho, e os diáconos ocupam os seus lugares na primeira fila de assentos da igreja. É retirada a toalha que cobre o pão. Pode ler-se uma passagem adequada da Escritura, como I Coríntios 11:23, 24; Mateus 26:26; Marcos 14:22 ou Lucas 22:19; ou pode ser apresentado um breve sermão nesta altura do serviço, em vez de anteriormente. Isto pode ser especialmente eficaz se o sermão salientar o significado do pão e do vinho de maneira que a sua mensagem esteja ainda fresca na mente dos participantes no momento em que se distribuem os emblemas. Os que oficiam ajoelham-se normalmente enquanto é pedida a bênção sobre o pão. A congregação pode ajoelhar-se


134

MANUAL DA IGREJA

ou permanecer sentada. A maior parte do pão a ser servido é geralmente partida com antecedência, deixando-se uma pequena porção em cada bandeja para ser partida pelos anciãos ou os pastores. O ministro e os anciãos passam aos diáconos as bandejas que contêm o pão, e em seguida os diáconos servem a congregação. Durante este tempo poderá optar-se por uma das seguintes escolhas: fazer ouvir um trecho de música especial, testemunhos, um resumo do sermão, leituras escolhidas, canto pela congregação, música de órgão ou piano convidando à meditação. Cada pessoa deve reter a sua porção do pão até que o ministro ou ancião oficiante tenha sido servido. Quando todos já se tiverem sentado, o dirigente convida todos a participar do pão ao mesmo tempo. Oferecem-se orações silenciosas enquanto o pão é comido. O ministro lê em seguida uma passagem adequada, como as de I Coríntios 11:25, 26; Mateus 26:27-29; Marcos 14:23-25; ou Lucas 22: 20. Os que dirigem ajoelham-se enquanto é oferecida uma oração sobre o vinho. De novo, os diáconos servem a congregação. As actividades sugeridas para os momentos durante a distribuição do pão poderão ser retomadas nesta altura. Depois de os ministros ou anciãos oficiantes terem sido servidos, todos os adoradores participam do vinho ao mesmo tempo. Um método opcional é o de o pão ser abençoado e partido, e, em seguida, o pão e o vinho serem colocados no mesmo tabuleiro e distribuídos pela congregação. O adorador retira então ambos os emblemas do tabuleiro na mesma altura. O pão é comido, seguindo-se uma oração silenciosa. Em seguida, depois da oração sobre o vinho, este é bebido, seguindo-se nova oração silenciosa. Se os bancos ou assentos estiverem equipados com receptáculos para os cálices, torna-se desnecessário recolhê-los antes de terminar o serviço. 5. A Sociedade dos Jovens Adventistas (ver pág. 123) – Materiais úteis para ajudar os dirigentes da Sociedade de Jovens Adventistas da igreja local podem ser obtidos dos departamentos dos Jovens da Divisão, da União e da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Entre esses materiais encontra-se o Youth Ministry Accent, um periódico trimestral publicado pelo Departamento de Jovens da Conferência Geral. Também há muitos folhetos disponíveis, os quais abrangem um amplo leque de tópicos para ajudar o ministério jovem. Estes podem ser obtidos dos departamentos dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo local.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

135

6. A Sociedade dos Jovens Adventistas (ver pág. 123) – O plano de organização da Sociedade dos Jovens Adventistas é delineado sucintamente no Capítulo 9: “Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais”. Poderão obter-se informações pormenorizadas através do director dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo. É essencial que cada igreja estude o seu próprio perfil dos jovens e das famílias, os seus recursos, pessoal, instalações e relações da escola, desenvolvendo o melhor ministério jovem tendo em conta esses factores. Nalguns lugares pode ser escolhido outro termo em vez de “sociedade”, como “comunhão” ou “acção”, mas o nome “Jovens Adventistas” deve ser usado sempre, para identificar claramente a organização. 7. A Sociedade dos Juvenis Adventistas (ver pág. 124) – Cada classe é considerada uma sociedade separada, com o professor como director e alunos eleitos como oficiais da sociedade. Onde não há uma escola da igreja, costuma existir um reduzido número de juvenis que normalmente são integrados no programa geral dos jovens, com um envolvimento de carácter familiar. 8. A Hora das Reuniões (ver pág.125) – Para desenvolver e fortalecer ainda mais o espírito missionário entre os membros da igreja, devem realizar-se reuniões dos Ministérios Pessoais, utilizando um ou mais dos seguintes métodos: a. Uma reunião dos Ministérios Pessoais semanal de dez minutos, celebrada cada Sábado, imediatamente depois de ter terminado a Escola Sabatina e antes do culto de adoração. b. Uma reunião missionária, no meio da semana, combinada com a reunião semanal de oração. Neste caso, a primeira metade da reunião poderá ser dedicada a uma mensagem de edificação, seguida de um período de orações, recordando que o culto é vital no crescimento espiritual e na preparação para o serviço. O restante tempo da reunião poderá ser dedicado ao treino para a obra do evangelismo leigo. Os membros são instruídos nos métodos de ganhar almas e têm a oportunidade de apresentar, para discussão geral, quaisquer problemas que tenham encontrado no evangelismo leigo. c. Reuniões missionárias em diversas ocasiões, segundo melhor se adapte às condições locais. O conselho dos Ministérios Pessoais deve fazer planos cuidadosos para tornar as reuniões missionárias da igreja


136

MANUAL DA IGREJA

ocasiões de reavivamento espiritual e preparação prática, e cuidar de que sejam efectuadas com a mesma regularidade e continuidade das demais reuniões da igreja. 9. Reuniões Administrativas (ver págs. 125/126) – Os relatórios podem compreender as seguintes actividades: a. Um relatório do secretário, mostrando o número actual de membros da igreja, o número dos membros recebidos e dos transferidos para outras igrejas. Deve anotar-se também o número, embora não necessariamente os nomes, dos que tenham sido excluídos da igreja durante o ano, assim como daqueles que tiverem falecido. Naturalmente, será de interesse para todos os membros da igreja uma breve informação sobre as decisões do Conselho da Igreja nas suas reuniões. b. Um relatório do director dos Ministérios Pessoais, fazendo uma exposição das actividades missionárias, incluindo as actividades de acção social, juntamente com quaisquer planos para trabalho futuro. Em seguida deve ser apresentado um relatório do secretário dos Ministérios Pessoais. c. Um relatório do tesoureiro, mostrando o total dos dízimos recebidos e remetidos ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo; também uma descrição pormenorizada das ofertas missionárias recebidas e remetidas; e uma exposição que mostre os fundos locais da igreja recebidos e desembolsados. d. Um relatório dos diáconos e diaconisas concernente às visitas feitas aos membros, às suas actividades em favor dos pobres, e quaisquer outros aspectos do trabalho sob a sua responsabilidade. e. Um relatório do secretário da Sociedade de Jovens que resuma as actividades efectuadas no sector missionário e noutros sectores, pelos jovens da igreja. f. Um relatório do secretário da Escola Sabatina, que especifique o respectivo número de membros e outros dados relativos à Escola Sabatina. g. Um relatório do tesoureiro relativo ao estado financeiro da escola da igreja, com pormenores quanto às suas necessidades de equipamento e outros assuntos. h. Um relatório do director ou professor da escola da igreja, abrangendo temas como o número de matrículas, o progresso educacional da escola, os baptismos de alunos e os resultados de esforços feitos pelas crianças em programas de acção missionária.


Os Serviços Religiosos e Reuniões da Igreja

137

i. Um relatório do director da Associação Lar e Escola, abrangendo as actividades e necessidades dessa organização. j. Um relatório do secretário de Comunicação, abrangendo a imprensa, a rádio, a televisão e outras actividades correlativas que envolvam a igreja e a comunidade. 10. Comissões Designadas pelo Conselho (ver pág. 130) – Nas igrejas muito grandes, o Conselho poderá designar uma comissão para planeamento evangelístico. Ela compor-se-á dos directores dos departamentos de acção missionária, sob a presidência de um ancião. Esta comissão prestará um relatório ao Conselho da Igreja e também assumirá a tarefa de coordenar os programas de acção missionária dos diversos departamentos.


CAPÍTULO 9

Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais A estrutura da Igreja, sob a orientação do Espírito Santo, é vital para o crescimento espiritual dos membros e para o cumprimento da missão da Igreja. E “todo o corpo, bem ajustado e ligado, pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para a sua edificação em amor” (Efés. 4:16). Os elementos mais importantes da estrutura da igreja local são as funções dos oficiais da igreja (ver Capítulo 7) e as organizações auxiliares ou departamentos. Este capítulo é uma descrição da sua finalidade, objectivos, liderança, funções, e actividades. Espera-se que os departamentos da igreja local cooperem com os departamentos correspondentes do Campo/Missão/Conferência (Associação), União e Divisão. O trabalho dos departamentos da igreja local está intimamente ligado à obra do pastor, pois ambos estão igualmente envolvidos no mesmo programa da Igreja. O pastor actua como conselheiro das comissões de todos os departamentos e, estes, ajudam em ligação com a igreja, a implementar o seu programa. Em caso de emergência, ou quando as circunstâncias o exigirem, o pastor pode convocar uma reunião de qualquer comissão ou departamento da igreja, para tratar de assuntos do interesse da igreja. Cada igreja local deve utilizar os serviços dos departamentos descritos neste capítulo para nutrir os seus membros e realizar a missão que Cristo confiou à Igreja Cristã e especialmente à Igreja remanescente, no fim do tempo. (Mat. 28:19; Apoc. 10:11; 14:6) O Departamento dos Ministérios Pessoais O Departamento dos Ministérios Pessoais provê recursos e prepara os membros para unirem os seus esforços com o ministério e os oficiais da igreja na proclamação final do evangelho da salvação em Cristo. O objectivo do departamento é envolver todos os membros no serviço activo da conquista de almas para Deus.


140

MANUAL DA IGREJA

O Conselho dos Ministérios Pessoais – O Conselho dos Ministérios Pessoais orienta os esforços missionários da igreja local e actua sob a direcção do Conselho da Igreja. Deve reunir-se pelo menos uma vez por mês. Este Conselho deve ser composto pelas seguintes pessoas: o director dos Ministérios Pessoais (presidente), o secretário dos Ministérios Pessoais, o coordenador dos Ministérios das Publicações, o pastor, um ancião, o tesoureiro da igreja, o/a director/a da Sociedade de Dorcas/Assistência Social Adventista, o/a secretário/a da Sociedade de Dorcas/Assistência Social Adventista, o director dos Homens Adventistas, o coordenador de Interessados, o director dos Ministérios da Saúde, o secretário de Comunicação, o director da Escola Sabatina, o director dos Jovens, o coordenador do Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência, o coordenador dos Ministérios da Criança, a directora dos Ministérios da Mulher, o director da Assistência Social Adventista, ou o director dos Serviços em Favor da Comunidade, o coordenador da Escola Bíblica e outros membros que forem considerados necessários. O Conselho dos Ministérios Pessoais pode designar subcomissões para tarefas especializadas, segundo achar necessário. Todas as subcomissões apresentam o seu relatório ao Conselho dos Ministérios Pessoais. (Ver Nota 1, pág. 175) O Director dos Ministérios Pessoais – O director dos Ministérios Pessoais é eleito pela igreja para dirigir a formação e a actividade da igreja no trabalho missionário prático, e é ele que preside ao Conselho dos Ministérios Pessoais. O director dos Ministérios Pessoais pode necessitar de assistentes que coordenem a Escola Bíblica por Correspondência, os Estudos Bíblicos, a distribuição de literatura, a campanha de recolha de fundos Um Milhão em Acção (Campanha das Missões), o Ministério dos Grupos Pequenos, o treino e preparação dos membros e outros meios de melhorar a conquista de almas. É dever do director apresentar à igreja, no culto missionário mensal e nas reuniões administrativas, um relatório de todas as actividades missionárias da igreja. O Secretário dos Ministérios Pessoais – O secretário dos Ministérios Pessoais é eleito pela igreja e desempenha a função de representante do Centro Adventista de Publicações ou da Casa Publicadora para todos os departamentos da igreja. O secretário trabalha em estreita ligação com o director dos Ministérios Pessoais no desenvolvimento dos programas de acção missionária da igreja. (Ver Nota 2, pág. 176)


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

141

Serviços à Comunidade/Sociedade de Dorcas – Os Serviços à Comunidade/Sociedade de Dorcas é um aspecto importante dos Ministérios Pessoais da igreja. O/A director/a desta sociedade, e o/a vice-director/a, se o cargo for necessário, juntamente com o/a secretário/a-tesoureiro/a, são eleitos/as na eleição regular da igreja. Esta sociedade angaria e prepara roupas, alimentos e outras provisões para os pobres, necessitados e desafortunados. Esta organização trabalha em estreita cooperação com os diáconos e as diaconisas da igreja. Os Serviços à Comunidade/Ministério das Dorcas, no entanto, abrange mais do que prestar ajuda material; envolve também a educação de adultos, visitação, trabalhos domésticos, enfermagem caseira, aconselhamento e outros serviços. O departamento dos Ministérios Pessoais da igreja é o primeiro responsável por este trabalho. O Centro de Serviços à Comunidade – Onde a igreja dirige um centro de assistência social, o Conselho dos Ministérios Pessoais é o órgão responsável pela sua administração. O director do centro é nomeado pelo Conselho dos Ministérios Pessoais, e é membro deste Conselho. (Ver Nota 4, pág. 177). Os Homens Adventistas – Os Homens Adventistas são outro grupo subsidiário dentro do departamento dos Ministérios Pessoais. (Ver Nota 3, pág. 177). O Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência – Por meio deste ministério, o Conselho dos Ministérios Pessoais da igreja local deve prestar atenção especial aos membros e a não membros que tenham deficiências. Deve organizar programas para testemunhar às pessoas com deficiência, fazer recomendações ao Conselho da Igreja acerca de possíveis medidas que tornariam as instalações da igreja mais acessíveis às pessoas com deficiências físicas, ajudar a igreja com soluções para o transporte dessas pessoas, e aconselhar os dirigentes dos departamentos e da igreja acerca do possível envolvimento de membros com deficiências físicas ou outras. O coordenador do Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência serve de elo de ligação com organizações como as associações de apoio a pessoas com deficiência, e promove programas especiais para estas pessoas, na igreja local.


142

MANUAL DA IGREJA

O Coordenador da Escola Bíblica – O coordenador da Escola Bíblica é eleito para organizar e coordenar o ministério evangelístico da Escola Bíblica da igreja junto da comunidade local. O coordenador da Escola Bíblica deve trabalhar em íntima colaboração com o pastor, com o coordenador de Interessados da Igreja e com o director dos Ministérios Pessoais. (Ver Nota 5, pág. 177) O Departamento da Escola Sabatina A Escola Sabatina é o principal sistema de educação religiosa da Igreja Adventista do Sétimo Dia e tem quatro objectivos: estudar as Escrituras, companheirismo, penetração missionária na comunidade e enfatizar as missões mundiais. Em cooperação com as Divisões mundiais, a missão específica do Departamento da Escola Sabatina da Conferência Geral é distribuir as Lições da Escola Sabatina para todos os níveis etários, prover esquemas para a programação da Escola Sabatina dentro do contexto das várias culturas nas Divisões mundiais, proporcionar recursos e sistemas de treino para os professores da Escola Sabatina e promover as ofertas da Escola Sabatina para as Missões mundiais. “A Escola Sabatina é um importante ramo do trabalho missionário, não só porque proporciona a jovens e velhos o conhecimento da Palavra de Deus, mas por despertar neles o amor pelas suas verdades e o desejo de as estudar por si mesmos; ensina-os, sobretudo, a regular a vida pelos seus santos ensinos.” – Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 10, 11. “A Escola Sabatina, devidamente dirigida, é um dos grandes instrumentos divinos para trazer almas ao conhecimento da verdade.” – Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 115. Os dirigentes, monitores e a totalidade dos membros devem cooperar com os outros departamentos da igreja em toda a obra missionária e actividade em prol da salvação de almas, assim como empenhar-se energicamente no evangelismo da Escola Sabatina por meio das classes regulares da Escola Sabatina, e actividades como Dias de Decisão, Classes Bíblicas dos Pastores, Dias das Visitas, Escolas Cristãs de Férias e Escolas Sabatinas Filiais, incluindo os Círculos de Estudos Bíblicos para Crianças e as Campanhas de Evangelização para Crianças. Nas igrejas em que há o Departamento dos Ministérios da Criança, as Escolas Cristãs de Férias, as


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

143

Escolas Sabatinas Filiais para Crianças, os Círculos de Estudos Bíblicos para Crianças e as Campanhas de Evangelização para Crianças estarão sob a direcção do Departamento dos Ministérios da Criança. (ver págs. 170172) Do mesmo modo, todos os departamentos da igreja devem trabalhar em união com a Escola Sabatina para a edificação da mesma e para que todo o trabalho da igreja seja tão eficiente quanto possível. Os oficiais da Escola Sabatina devem ser membros da igreja local. São eleitos por um ou dois anos, conforme o determinado pela igreja local. (Ver pág. 82.) Os oficiais que fazem parte do Conselho da Escola Sabatina são eleitos do mesmo modo e ao mesmo tempo que os oficiais da igreja. A lista dos dirigentes da Escola Sabatina e dos seus auxiliares a eleger pela igreja é a seguinte: o director, com um ou mais vice-directores; o secretário, com um ou mais vice-secretários; um director para cada uma das divisões, incluindo a divisão dos adultos e a divisão de extensão; um director da Escola Cristã de Férias e um secretário do Fundo de Investimento. O Conselho da Escola Sabatina – O Conselho da Escola Sabatina é o órgão administrativo desta instituição. Compõe-se do director (que actua como presidente), dos vice-directores, do secretário (que actua como secretário do Conselho), dos vice-secretários, os directores das divisões, do secretário do Fundo de Investimento, do director dos Ministérios Pessoais, do coordenador dos Ministérios da Criança, do director da Escola Cristã de Férias, de um ancião (designado pelo Conselho da Igreja ou pela comissão dos anciãos), e do pastor. Quanto antes possível, após a eleição dos oficiais, o director deve convocar uma reunião do Conselho da Escola Sabatina para nomear, segundo seja necessário para as várias divisões, outros oficiais que não fazem parte do Conselho da Escola Sabatina. Estes podem incluir os vice-directores das divisões, os secretários das divisões, os directores musicais, as pianistas e/ou organistas, e os recepcionistas. Além dos oficiais mencionados no parágrafo anterior, o Conselho da Escola Sabatina nomeia os monitores para todas as divisões. Devem considerar-se cuidadosamente as necessidades de todos os grupos. É aconselhável que se consultem os dirigentes das divisões, particularmente na escolha de monitores para as divisões das crianças. Dada a importância de manter a integridade das verdades que estão a ser ensinadas, deve exercer-se grande cuidado na escolha dos monitores da


144

MANUAL DA IGREJA

Escola Sabatina. O tempo atribuído à lição deve ser, pelo menos, de trinta minutos. Todos os monitores devem ser membros da igreja em situação regular. O Conselho da Escola Sabatina é responsável pelo bom funcionamento de toda a Escola Sabatina, através da direcção do seu presidente, o director, ou superintendente. O Conselho deverá reunir-se com regularidade, segundo for necessário, para a devida coordenação do programa de todas as divisões. Deverá também certificar-se de que os materiais de apoio, incluindo as Lições da Escola Sabatina, preparadas pela Conferência Geral, sejam supridos em quantidade suficiente e a tempo. O Director – O director da Escola Sabatina é o oficial que dirige este departamento. Logo que seja eleito deve começar a fazer planos para o normal e eficaz funcionamento desta escola. O director deve familiarizar-se com os planos do Departamento da Escola Sabatina da Conferência (Associação)/Missão/Campo, e espera-se que ele actue em conformidade com as decisões do Conselho da Escola Sabatina. (Ver Nota 6, pág. 178). O Vice-Director – Podem ser eleitos um ou mais vice-directores para que ajudem o director. Aos vice-directores podem ser atribuídas outras responsabilidades específicas, tais como: promover o evangelismo da Escola Sabatina e as Missões mundiais; coordenar a ênfase missionária semanal e planear e promover os alvos de ofertas; promover e coordenar os planos e as actividades evangelísticas na comunidade; e cuidar dos membros, examinando os registos da Escola Sabatina e comparando-os com os registos dos membros da igreja e, então, fazer e executar planos para aumentar a frequência à Escola Sabatina e o número de membros. Tais planos devem incentivar o envolvimento individual, e das classes, para contactar novos membros e membros que não estejam a ser assíduos. O Secretário – Fidelidade, exactidão e cortesia cristã são especialmente necessárias no trabalho do secretário da Escola Sabatina. (Ver Nota 7, pág. 178). O Vice-Secretário – Na ausência do secretário, um vice-secretário assume as responsabilidades. O vice-secretário deve estar presente a todas as reuniões da Escola Sabatina, pronto para auxiliar fazendo qualquer coisa que lhe seja solicitada pelo director ou pelo secretário.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

145

Caso se deseje, o vice-secretário pode actuar como secretário da reunião dos monitores e comunicar ao secretário qualquer ocorrência que deva ser registada. O Secretário do Fundo de Investimento – O secretário do Fundo de Investimento lidera a promoção do Plano de Investimento para as Missões. Incentiva essa actividade em todas as divisões da Escola Sabatina, mantendo todos os membros informados sobre o progresso do plano. O Director da Escola Cristã de Férias – O Director da Escola Cristã de Férias organiza, promove e empreende o evangelismo na comunidade através da Escola Cristã de Férias anual. (Em algumas igrejas esta responsabilidade pode ser atribuída ao coordenador dos Ministérios da Criança). O Director da Música – O Conselho da Escola Sabatina pode nomear um director da música, para dirigir a música da escola e planear, com o director da divisão, a apresentação deste aspecto do serviço religioso de cada Sábado. Como expressão de adoração, deve haver o cuidado de escolher música que glorifique Deus. Os cantores devem ser escolhidos com tão grande cuidado como o que é exercido para as outras partes do serviço da Escola Sabatina, e devem ser aferidos pelas mesmas normas. (Ver pág. 112). O/a Pianista e/ou Organista – Na Escola Sabatina que use pianistas ou organistas como músicos, eles são nomeados pelo Conselho da Escola Sabatina. Os Directores das Divisões da Escola Sabatina – O Conselho da Igreja elege um director para cada divisão da Escola Sabatina. Se forem necessários vice-directores, estes podem ser nomeados pelo Conselho da Escola Sabatina. Mais informações sobre a idade dos membros de cada divisão, desde os mais novos até aos adultos, encontram-se em detalhe no Manual da Escola Sabatina, que pode ser obtido na Casa Publicadora SerVir ou no Departamento da Escola Sabatina da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Os deveres dos directores das divisões incluem a organização do programa semanal da Escola Sabatina. Cada divisão deve seguir o programa sugerido e delineado para essa divisão no Manual da Escola Sabatina e


146

MANUAL DA IGREJA

deve incluir sempre determinado período de tempo para a ênfase missionária e para o estudo da Bíblia e troca de ideias, de acordo com o nível etário dos que pertencem a essa divisão da Escola Sabatina. Os directores das divisões precisam de se certificar de que há instalações e suficientes exemplares da Lição da Escola Sabatina para todos os membros e visitantes, bem como material para promover os alvos, diagramas e outros materiais de ensino que forem necessários. A Divisão de Extensão – A Divisão de Extensão cuida dos que se acham impossibilitados de frequentar a Escola Sabatina, devido à idade ou doença. Informações especiais sobre o trabalho do director da Divisão de Extensão da Escola Sabatina podem ser encontradas no Manual da Escola Sabatina. Os Monitores da Escola Sabatina – Todos os monitores são escolhidos pelo Conselho da Escola Sabatina e aprovados pelo Conselho da Igreja, para o período de um ano. Tais pessoas devem ter aptidão para ensinar e estar dispostos a procurar formas de tornar o seu ensino mais claro. Devem ser cuidadosos na sua preparação, assíduos e pontuais e dar à classe um exemplo no estudo diário da Lição da Escola Sabatina. Deve fazer-se um esforço especial para escolher, para as crianças e jovens, monitores entre os membros que tenham, no seu coração, um especial interesse e habilidade para os ajudar nas suas necessidades. Todos os monitores devem ser incentivados a participar em cursos de preparação publicados pela Conferência Geral e/ou Divisão e disponíveis através do Departamento da Escola Sabatina da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. A Reunião dos Monitores da Escola Sabatina – Recomenda-se que cada Escola Sabatina realize uma reunião semanal dos monitores. Esta reunião deve ser dirigida pelo director, embora outra pessoa possa ser indicada para dirigir o estudo da lição do Sábado seguinte. Obtêm-se os melhores resultados quando a reunião dos monitores é realizada antes do Sábado, pois isso dá oportunidade para estudo pessoal, quer antes, quer depois da reunião; é também provável que ela se torne menos apressada do que se for realizada no Sábado de manhã. Deve dar-se tempo suficiente para a reunião dos monitores e pelo menos três coisas devem ser feitas:


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

147

uma análise proveitosa da lição do Sábado seguinte, uma breve análise de um ou mais alvos da Escola Sabatina e a discussão de algum problema geral que requeira atenção. As Lições da Escola Sabatina – Compreendendo que “ninguém, a não ser os que fortalecem o espírito com as verdades da Escritura, poderá resistir no último grande conflito” (O Grande Conflito, pág. 593), os dirigentes do Departamento da Escola Sabatina devem fazer tudo o que for possível para incentivar o estudo regular e sistemático da Palavra. A Lição da Escola Sabatina destina-se a estimular o hábito de se deliciar diariamente com a Palavra de Deus. Esta prática consagrada pelo tempo, muito tem contribuído para manter a unidade cristã em toda a Igreja mundial. A Conferência Geral publica um Guia de Estudo da Lição da Escola Sabatina para cada divisão da Escola Sabatina. Cada membro pode ter acesso a esses materiais através do Guia de Estudo da Lição da Escola Sabatina apropriado à sua idade. A Conferência Geral e/ou a Divisão produzem auxiliares apropriados para ajuda que deverão estar acessíveis a todos os dirigentes e monitores da cada divisão da Escola Sabatina. As Ofertas da Escola Sabatina – Todas as ofertas da Escola Sabatina devem ser cuidadosamente registadas pelo secretário e entregues ao tesoureiro da igreja com a maior brevidade possível. Quando forem recebidas ofertas da divisão de extensão, geralmente no fim do trimestre, devem ser adicionadas às ofertas da Escola Sabatina já recebidas. Com excepção do dinheiro para despesas, todas as ofertas da Escola Sabatina são ofertas da Conferência Geral e devem ser enviadas na sua totalidade pelo tesoureiro da igreja à Conferência (Associação)/Missão a fim de serem transferidas para a Conferência Geral. Estes fundos incluem a oferta regular semanal da Escola Sabatina, a oferta do Décimo Terceiro Sábado, o fundo de investimento da Escola Sabatina, e as ofertas natalícias. São todas fundos missionários, cada uma das quais deve ser identificada separadamente no sistema regular de relatórios, desde a igreja local até à Conferência Geral. Isto é necessário para permitir à Conferência Geral a atribuição das percentagens usadas para projectos especiais de acordo com as normas da Igreja. Nenhuma oferta missionária pode ser retida pela igreja local ou pela Conferência (Associação)/Missão/Campo.


148

MANUAL DA IGREJA

O Dinheiro para Despesas (ver Nota 8, pág. 179) – Muitas Escolas Sabatinas levantam ofertas em datas determinadas, para as suas despesas. A oferta para as despesas da Escola Sabatina e a oferta para as missões não devem ser consideradas como uma só oferta e divididas de acordo com determinada fórmula ou percentagem acordada. As ofertas para as despesas da Escola Sabatina devem ser completamente separadas das ofertas para as missões. O Relatório Trimestral – Este relatório deve ser preenchido imediatamente depois do último Sábado do trimestre, e enviado pelo correio, antes da data limite estabelecida, ao director do Departamento da Escola Sabatina e dos Ministérios Pessoais da Conferência (Associação)/Missão/ Campo. Deve ser lido na reunião administrativa trimestral da igreja. O secretário deve enviar esse relatório ao director do Departamento da Escola Sabatina e dos Ministérios Pessoais da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, no formulário próprio, colocar uma cópia no arquivo permanente do secretário e providenciar cópias para o director da Escola Sabatina, e para o pastor. A Sociedade dos Jovens Adventistas A Sociedade dos Jovens Adventistas é um departamento através do qual a igreja trabalha em prol dos seus jovens e por intermédio deles. “E Moisés disse: Havemos de ir com os nossos meninos, e com os nossos velhos, com os filhos dos nossos filhos e com as nossas filhas, com as nossas ovelhas e os nossos bois havemos de ir; porque festa do Senhor temos” (Êxodo 10:9). “E estas palavras que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por testeiras entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais da tua casa, e nas tuas portas” (Deut. 6:6-9). “Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza” (I Tim.4:12). “Temos hoje um exército de jovens que muito podem fazer se forem devidamente dirigidos e animados. ... Queremos que eles sejam abençoados por Deus. Queremos que desempenhem uma parte em planos bem organizados para ajudar outros jovens.” – Ellen G. White, General Conference Bulletin, 29 e 30 de Janeiro de 1893, pág. 24.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

149

A serva de Deus recomendou o estabelecimento de uma organização de jovens em cada igreja e disse de que espécie deveria ser esta organização. “Que haja um grupo formado, algo parecido com a ordem da Christian Endeavor Society...” – Conselhos Sobre Saúde, pág. 537. “Organizem-se grupos em todas as igrejas para realizar este trabalho.” – Signs of the Times, 29 de Maio de 1893. “Quando os jovens entregam o coração a Deus, não cessa, por isso, a nossa responsabilidade em seu favor. É preciso que eles se interessem na obra do Senhor, e sejam levados a ver que Ele espera que façam alguma coisa para que a Sua causa avance. Não basta mostrar quanto se precisa fazer, e insistir com os jovens para tomar parte. É mister ensinar-lhes a maneira de trabalhar para o Mestre. Exercitá-los, discipliná-los, treiná-los nos melhores métodos de atrair almas para Cristo. Ensinai-os a experimentar, quieta e despretensiosamente, auxiliar os seus jovens companheiros. Disponham-se sistematicamente vários ramos de trabalho missionário, nos quais eles possam tomar parte, e dêem-se-lhes instruções e auxílio. Assim aprenderão a trabalhar para Deus.” – Obreiros Evangélicos, pág. 210. “Com tal exército de obreiros como o que poderia fornecer a nossa juventude devidamente preparada, quão depressa a mensagem de um Salvador crucificado, ressuscitado e prestes a vir poderia ser levada a todo o mundo!” – Mensagens aos Jovens, pág. 196. Conquanto deva existir uma activa Sociedade dos Jovens Adventistas em cada igreja, é importante que o programa dos jovens não seja isolado do resto da igreja. Além da sua participação na organização dos jovens, eles devem ser integrados na liderança responsável e envolvidos no programa de toda a igreja. Deve haver jovens anciãos, jovens diáconos e diaconisas, etc., trabalhando com oficiais da igreja experientes. Em todos os sectores da obra da igreja deve haver jovens em actividade. “Para que a obra possa avançar em todos os ramos, Deus pede vigor, zelo e coragem juvenis. Ele escolheu a juventude para ajudar no progresso da Sua causa. Planear com clareza de espírito e executar com mãos valorosas, exige energias novas e sãs. Os jovens, homens e mulheres, são convidados a consagrar a Deus a força da sua juventude, a fim de que, pelo exercício das suas faculdades, mediante vivacidade de pensamento e vigor de acção, possam glorificá-1’O, a Ele, e levar salvação aos seus semelhantes.” – Obreiros Evangélicos, pág. 67.


150

MANUAL DA IGREJA

Declaração de Missão – O foco principal do ministério jovem é a salvação dos jovens por meio de Jesus Cristo. Entendemos que o ministério jovem é a obra da Igreja conduzida para, com e pelos jovens.* A nossa tarefa é: 1. Levar os jovens a compreenderem o seu valor pessoal e a descobrirem e desenvolverem os seus dons e capacidades espirituais. 2. Preparar e equipar os jovens para uma via de serviço com a Igreja de Deus e a comunidade. 3. Assegurar a integração dos jovens em todos os aspectos da vida e liderança da igreja, para que participem plenamente na missão da Igreja. (Ver Nota 9, pág. 179) Objectivos – Como resposta a estas inspiradas directrizes, foi organizado o Departamento dos Jovens para dar preparação de liderança e prover recursos materiais e planos de evangelização para a Sociedade dos Jovens Adventistas nas igrejas locais. O Espírito de Profecia expõe os objectivos da organização dos jovens da seguinte maneira: 1) Preparar os jovens para trabalhar por outros jovens; 2) recrutar os jovens para que ajudem a sua igreja e “os que professam ser observadores do Sábado”; e 3) trabalhar “a favor dos que não são da nossa fé”. – Signs of the Times, 29 de Maio de 1893. No esforço de alcançar estes objectivos, os jovens são chamados a: 1) Orar juntos, 2) estudar a Palavra juntos, 3) comungar juntos em interacção social cristã, 4) actuar juntos em pequenos grupos na execução de planos bem traçados para dar testemunho, 5) desenvolver tacto, habilidade e talento no serviço do Mestre, e 6) animarem-se uns aos outros no crescimento espiritual. O Alvo da Sociedade dos Jovens Adventistas é: “A Mensagem do Advento a Todo o Mundo Nesta Geração.” O Lema é: “O Amor de Cristo nos Constrange.” Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas – Há três categorias de membros na Sociedade dos Jovens Adventistas. (Ver Nota 10, pág. 180) * Adoptado pelos Directores de Jovens da Conferência Geral e das Divisões em Julho de 1993


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

151

O Conselho dos Ministérios dos Jovens Adventistas – Este Conselho é a organização coordenadora responsável pelo planeamento geral do programa do ministério dos jovens na igreja local (ver pág. 123). É composto pelos oficiais eleitos da sociedade mais o director dos Ministérios Pessoais, o director da divisão dos jovens da Escola Sabatina, o director dos Ministérios da Saúde, o director do Clube de Desbravadores, o director do Clube de Tições, o director da escola da igreja (se houver), o conselheiro e o pastor. O director dos Jovens Adventistas, que é membro do Conselho da Igreja, preside ao Conselho dos Ministérios dos Jovens Adventistas. O Conselho deve reunir-se tantas vezes quantas forem necessárias para planear e dirigir um ministério jovem bem-sucedido na igreja local. As reuniões do Conselho devem dispor de tempo para a oração, para estudo de meios que ajudem os jovens espiritualmente e para planos referentes a actividades de testemunho. O Conselho também será responsável por fazer com que sejam programadas reuniões regulares dos jovens na igreja local. Para que o ministério jovem alcance eficazmente os seus objectivos, deve haver planos de curto e longo prazo. O Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas – O Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas é responsável, na igreja local, pelas actividades dos jovens a partir dos 16 anos e actua em coordenação com os outros grupos de jovens por meio do Conselho dos Ministérios dos Jovens Adventistas. Onde há o programa dos Desbravadores ou dos Tições, a Sociedade dos Jovens Adventistas incluirá esses membros mais novos numa Sociedade Juvenil. Os Oficiais da Sociedade dos Jovens Adventistas – Um dos principais factores do êxito de qualquer Sociedade dos Jovens Adventistas é a sua liderança. Quando os oficiais são cristãos dedicados e activos, com iniciativa e habilidade para organizar e inspirar os outros, a obra irá avante, jovens serão salvos e preparados para o serviço de Deus, e a igreja inteira será fortalecida. Os oficiais da Sociedade dos Jovens Adventistas eleitos pela igreja são os seguintes: o director, o vice-director, o secretário-tesoureiro, o vice-secretário-tesoureiro, o director do coro ou da música, o pianista ou organista, e o conselheiro, o qual pode ser um dos anciãos locais. Visto


152

MANUAL DA IGREJA

que a música desempenha um papel muito importante na formação do carácter dos jovens, os músicos devem ser escolhidos com tanto cuidado como os outros oficiais da Sociedade dos Jovens Adventistas (ver pág. 112). Este grupo constitui o núcleo do Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas, o qual, em consulta com os jovens, nomeia outros oficiais, como: o director social, o director devocional, o bibliotecário, o director de publicidade e os chefes de grupos de acção. Nas igrejas mais pequenas, uma mesma pessoa terá necessariamente de assumir diversas responsabilidades. O maior número possível de jovens deve estar envolvido no planeamento e na execução do programa da Sociedade. O Director e o Vice-Director dos Jovens – O director dos Jovens, como seguidor de Jesus, deve revelar na sua vida as qualidades de um cristão genuíno, profundamente interessado na conquista de almas e possuidor de um entusiasmo contagiante. A fim de conseguir motivar os jovens para trabalharem juntos e para assumirem responsabilidades, o director manter-se-á em segundo plano – guiando, aconselhando e animando os jovens, ajudando-os a ganhar experiência e a sentir a alegria de alcançar os seus próprios objectivos. Será necessário estudar o perfil da juventude da igreja e procurar envolver cada jovem na Sociedade. O director dos Jovens manter-se-á em íntimo contacto com os pastores e conselheiros, e com o director dos Jovens da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, aproveitando todas as oportunidades de treinamento no serviço, conduzindo a sociedade a uma relação de cooperação com a igreja e com a Conferência (Associação)/Missão/Campo. O vice-director auxiliará o director dos Jovens neste trabalho e, na ausência do director, presidirá ao Conselho da Sociedade dos Jovens e exercerá as funções de director. Também lhe serão designadas certas responsabilidades, segundo as determinações do Conselho. Nas igrejas mais pequenas, o Conselho pode atribuir ao vice-director o cargo de secretário-tesoureiro. O Secretário-Tesoureiro e o Vice-Secretário-Tesoureiro – Como no caso dos outros oficiais, a primeira qualidade requerida do secretário-tesoureiro é a espiritualidade e a dedicação. Deve conhecer o Senhor, poder falar por experiência pessoal, e sentir profundo interesse pelos jovens. O secretário-tesoureiro manterá um registo das actividades da


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

153

sociedade, e enviará um relatório mensal, em formulários especiais, ao director dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Também animará os jovens a relatarem as suas actividades de testemunho, durante o período de dez minutos dos Ministérios Pessoais, no fim do estudo da lição da Escola Sabatina nas classes. (Ver Nota 11, pág. 180) O vice-secretário-tesoureiro (se necessário) auxilia o secretário-tesoureiro no seu trabalho, em mútua colaboração, e actua também na ausência do secretário-tesoureiro. O Conselheiro da Sociedade dos Jovens Adventistas – Este pode ser um ancião ou outra pessoa qualificada, membro do Conselho da Igreja, que compreenda cabalmente os objectivos da sociedade e simpatize com os jovens e os seus problemas. Actua como guia ou conselheiro dos oficiais da Sociedade de Jovens Adventistas e reúne-se regularmente com eles por ocasião das reuniões do Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas. Será alguém que os jovens amem e a quem recorram em busca de conselho. Coopera com o director dos Jovens na apresentação das necessidades da sociedade perante o Conselho da Igreja. O conselheiro deve travar conhecimento com o director dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo local, mantendo-o informado acerca de quaisquer alterações no quadro dos oficiais e de outros assuntos relacionados com a Sociedade dos Jovens Adventistas. Juntamente com os oficiais da sociedade, deve assistir aos congressos de preparação dos jovens da Conferência (Associação)Missão/Campo local, para que acompanhe o passo de todos os desenvolvimentos no ministério jovem e seja deste modo mais eficiente no seu papel de conselheiro. Seria bom que o conselheiro exercesse esta função durante um período de vários anos, por razões de continuidade. Actividades dos Jovens Adventistas – À medida que os jovens crescem no seu relacionamento com Jesus Cristo, o Departamento dos Jovens procura providenciar-lhes programas dinâmicos e activos adaptados às suas idades, que proporcionem um ambiente propício ao desenvolvimento dos dons espirituais, como preparação para esta vida e para a vida futura. Entre elas encontram-se as seguintes: 1. Devocionais e Educativas – Devoção Matinal, Ano Bíblico, Série Encontro, Semana de Oração dos Jovens Adventistas, Conferências Bíbli-


154

MANUAL DA IGREJA

cas Para os Jovens, Curso de Preparação do Ministério Jovem, Curso de Preparação de Dirigentes dos Desbravadores, Clube do Livro dos Jovens Adventistas, classes de preparação de Guias, Líderes e outras funções de chefia correlacionadas, Especialidades dos Jovens Adventistas, Clube “Ar Livre”, e outros. 2. Testemunho – Voz da Mocidade, Grupos de Amizade, Escolas Sabatinas Filiais, Operação Lareira, Ajuda no Caso de Desastres, Estudantes Missionários, Festivais de Fé, Congressos Jovens, Grupo de Canto, Serviços em Favor da Comunidade, Grupo de Literatura e Correspondência, Grupos de Testemunho e Música Jovem. 3. Recreativas – Social para Salvar, exploração da Natureza, clubes “Ar Livre”, Acampamento dos Jovens Adventistas, programas musicais, Especialidades dos Jovens, Medalha de Prata, Medalha de Ouro. A Sociedade dos Juvenis Adventistas A Sociedade dos Juvenis Adventistas tem como objectivos a preparação dos juvenis para a liderança e serviço cristãos, e o máximo desenvolvimento das possibilidades de cada indivíduo. Nas igrejas onde existem escolas, a Sociedade dos Juvenis Adventistas faz parte do currículo escolar, sendo o professor o dirigente dessa sociedade. Quando a Sociedade dos Juvenis Adventistas tem lugar na escola da igreja, cada sala de aula é considerada uma sociedade, chamando-se membros em preparação os alunos dos dois primeiros anos. Os alunos dos dois anos seguintes são membros regulares da Sociedade dos Juvenis Adventistas. Embora o professor seja director ou conselheiro da sociedade, devem ser os alunos a dirigir as reuniões, que geralmente se realizam durante o período da primeira aula. Os alunos dirigentes – que poderão incluir um director aluno, um vice-director aluno, um secretário, um tesoureiro, um director de música, um pianista e qualquer outra responsabilidade de liderança que a classe decida ter – são escolhidos pela classe, sob a orientação do professor. Geralmente, os dirigentes exercem as suas funções pelo período mínimo de um mês a um trimestre, a fim de dar a todos os alunos a oportunidade de preparação para liderança e responsabilidade. O Clube de Desbravadores tem tomado o lugar da Sociedade dos Juvenis Adventistas nalgumas igrejas, visto que o seu programa abrange os


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

155

mesmos objectivos, além das muitas mais oportunidades. Onde haja um Clube de Desbravadores e uma Sociedade de Juvenis Adventistas, deve existir íntima coordenação e cooperação entre os dois, e o director da Sociedade de Juvenis Adventistas fará parte do Conselho da direcção do Clube de Desbravadores (conforme determina o Manual dos Desbravadores) e vice-versa. (Ver Nota 12, pág. 181). Os membros da Sociedade dos Juvenis Adventistas aprenderão e, pela graça de Deus, procurarão seguir os ideais do Voto e da Lei do Desbravador. O Voto do Juvenil Adventista Pela graça de Deus Serei puro, bondoso e leal, Guardarei a Lei do Juvenil Adventista, Serei servo de Deus e amigo de todos. A Lei do Juvenil Adventista A Lei do Juvenil Adventista ordena-me: Observar a Devoção Matinal Cumprir fielmente a parte que me corresponde. Cuidar do meu corpo. Manter a consciência limpa. Ser cortês e obediente. Andar com reverência na casa de Deus. Ter sempre um cântico no coração. Ir onde Deus mandar. O Voto e a Lei são os mesmos que os dos jovens seniores. Classes J.A. – Seis classes de desenvolvimento pessoal são oferecidas aos juvenis: Amigo, Mensageiro, Pesquisador, Pioneiro, Guia e Líder. É concedida uma insígnia aos que se qualificam em cada classe. Também se oferecem classes de desenvolvimento às crianças dos 6 aos 9 anos: Abelhinhas Laboriosas, Luminares, Edificadores e Mãos Ajudadoras. Especialidades dos Jovens Adventistas – Um amplo número de Especialidades dos Jovens Adventistas – em artes e ofícios, saúde e ciência,


156

MANUAL DA IGREJA

artes domésticas, mecânica, trabalho missionário, Natureza, actividades ao ar livre e actividades recreativas – inclui níveis de aperfeiçoamento em todas elas, tanto para os juvenis como para os jovens. A obtenção de uma insígnia especial “Master”, por distinção nas especialidades, constitui mais um desafio para os jovens. O Clube de Desbravadores O Clube de Desbravadores é um programa centrado na igreja, que responde ao espírito de aventura e exploração que se encontra em cada criança. Isto inclui mais actividades elaboradas cuidadosamente ao ar livre, exploração da Natureza, ofícios, passatempos ou vocações do que é possível ter normalmente numa Sociedade de Juvenis Adventistas. Neste ambiente, a ênfase espiritual é bem recebida, e o Clube de Desbravadores já demonstrou devidamente a sua influência para ganhar almas. Em muitas igrejas locais, os Clubes de Desbravadores têm substituído a Sociedade de Juvenis Adventistas tradicional, e, onde exista uma escola da igreja, o Clube de Desbravadores deverá suplementar o trabalho da Sociedade de Juvenis Adventistas. As actividades do Clube de Desbravadores incluem acampamentos, exposições, estudo de especialidades, exploração da Natureza, estudo da Bíblia, projectos de testemunho, excursões pelo campo, ciclismo e muitas outras aventuras interessantes. Os jovens de 10 a 15 anos podem tornar-se membros do Clube de Desbravadores por meio de uma cerimónia especial de admissão. O emblema triangular tem sido adoptado internacionalmente, embora por vezes com uma modificação no nome “Desbravadores”, devido a problemas de tradução e equivalência local. Os membros usam o uniforme dos Desbravadores com as suas insígnias, em todas as funções do clube, incluindo a reunião semanal do clube, as exposições e acampamentos dos Desbravadores, e a ida à igreja na manhã do Sábado no Dia dos Desbravadores. Em algumas igrejas, os grupos etários são divididos entre o Clube de Desbravadores Juniores e o Clube dos Desbravadores Adolescentes. Quando os desbravadores mais velhos atingem os quinze anos, podem tornar-se membros da equipa de auxiliares, mediante um programa de preparo para a liderança. O director dos Desbravadores e o(s) vice-director(es) são eleitos pela igreja por ocasião das eleições gerais, para períodos de um ou dois anos.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

157

(ver pág. 82). Se forem eleitos dois vice-directores, deverão ser um de cada sexo. Um dos vice-directores também pode desempenhar a função de secretário e tesoureiro do clube. O director é membro do Conselho da Igreja e também do Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas. Outros membros da direcção dos Desbravadores são os monitores de especialidades e aulas da Natureza, e os conselheiros, que são responsáveis por uma unidade de seis a oito Desbravadores. Muitos materiais úteis podem ser obtidos através do director dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. O Clube de Tições O Clube de Tições é um programa centralizado nos pais e na igreja, o qual provê aos pais um instrumento utilizável em relação aos seus filhos de 6 a 9 anos de idade e destina-se a estimular a imensa curiosidade das crianças pelo mundo à sua volta. Este programa abrange actividades específicas para essa idade que envolvem tanto os pais como as crianças em actividades recreativas, tarefas simples, apreço pela criação efectuada por Deus e outras actividades que são de interesse para essa idade. Tudo é executado com um objectivo espiritual que prepare o terreno para a participação na igreja, como Desbravador. (Ver Nota 13, pág. 181). O director do Clube de Tições, e os seus assistentes imediatos, são eleitos pela igreja por um período de um ou dois anos, por ocasião das eleições gerais. (Ver pág. 82) Os auxiliares adicionais são escolhidos pela direcção administrativa do clube. O director é membro do Conselho da Igreja e do Conselho dos Ministérios dos Jovens Adventistas da igreja local. Os materiais necessários podem ser adquiridos junto do director da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. A Educação Cristã e a Escola da Igreja Filosofia – A igreja possui um sistema escolar para assegurar que os seus jovens recebam uma equilibrada educação física, mental, espiritual, social e profissional, em harmonia com as normas e os ideais denominacionais e com Deus como a fonte de todo o valor e verdade moral. O interesse expresso da igreja é a restauração, no ser humano,


158

MANUAL DA IGREJA

da imagem do seu Criador, resultando no desenvolvimento óptimo da pessoa na sua totalidade, tanto para esta vida como para a vida futura. A Igreja dirige as suas próprias escolas, desde o Jardim de Infância até à Universidade, com o objectivo de transmitir aos seus filhos os seus próprios ideais, crenças, atitudes, valores, hábitos e costumes. As escolas seculares procuram preparar cidadãos patrióticos e respeitadores da lei, e ensinar certos valores; as escolas adventistas visam, além disso, desenvolver cristãos adventistas do sétimo dia leais e conscienciosos. Um verdadeiro conhecimento de Deus, comunhão e companheirismo com Ele no estudo e no serviço, e semelhança com Ele no desenvolvimento do carácter, são a fonte, o meio e o propósito da educação adventista do sétimo dia. Objectivos – As escolas dirigidas pela Igreja empenhar-se-ão em fornecer a todos os seus alunos uma educação enquadrada na ciência da salvação. Os fundamentos e os ramos comuns do conhecimento devem ser estudados para desenvolver a proficiência na sua utilização. Especificamente, estas escolas empenhar-se-ão na formação de cada aluno através da valorização dos princípios dos Ministérios da Saúde, do domínio dos processos fundamentais de aprendizagem, e ensinando a ser um digno membro da família, técnicas vocacionais, educação cívica, boa ocupação dos tempos livres e maturidade ética. Visarão alcançar objectivos de dedicação espiritual, realização pessoal, adaptação social, responsabilidade cívica, missão e serviço mundial, e capacidade económica, por meio de um ensino cristocêntrico, de elevada qualidade. O Secretário de Educação da Igreja. – Reconhecendo que uma percepção global e uma visão clara da educação cristã – cujos objectivos finais se harmonizem com os da redenção – só se podem desenvolver e promover lembrando constantemente à igreja a missão preeminente dessa educação, cada igreja deve eleger um secretário de Educação para promover e prestar apoio à educação cristã. O secretário de Educação deverá ser membro do Conselho Executivo da Associação Lar e Escola, e actuará em cooperação com esta Associação. (Ver Nota 14, pág. 181) Associação Lar e Escola Propósito – O propósito da associação é duplo:


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

159

1. Promover a educação dos pais. 2. Unir o lar, a escola e a igreja nos seus esforços para proporcionar às crianças uma educação cristã adventista. Objectivos – 1. Educar os pais em cooperação com a igreja e a escola na sua tarefa de promover o desenvolvimento integral da criança – “o desenvolvimento harmónico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais”. – Educação, pág. 13. 2. Promover a cooperação entre pais e professores no processo educativo. 3. Fornecer orientação para o estabelecimento de um ambiente de amor e disciplina no lar, em que os valores cristãos dos Adventistas do Sétimo Dia possam ser implantados nas crianças através do estudo da Bíblia, da oração, do culto familiar e do exemplo dos pais. 4. Proporcionar uma oportunidade para os pais e professores desenvolverem uma relação positiva na sua obra em favor das crianças. 5. Apoiar a escola da igreja no seu esforço de se harmonizar mais plenamente com os princípios da educação cristã na filosofia, no conteúdo e na metodologia. 6. Fortalecer a relação entre o lar e a escola promovendo actividades como: a. Fornecer sugestões à administração e ao conselho directivo para melhorar o programa. b. Encorajar a comunicação frequente entre o lar e a escola. c. Encorajar os pais a visitar a escola. d. Encorajar os professores a visitar os lares dos alunos. e. Fornecer serviços voluntários na medida em que sejam solicitados pela escola. f. Ajudar a prover a escola com equipamentos e instalações adicionais não fornecidos pela igreja ou pela Conferência (Associação)/Missão/ Campo. 7. Procurar atingir o alvo de matricular todas as crianças da igreja na escola da igreja. Deve fazer-se um esforço sério no sentido de se providenciarem meios para que as crianças desfavorecidas frequentem a escola da igreja, de modo que nenhuma criança Adventista do Sétimo Dia seja privada da oportunidade de receber uma educação Adventista do Sétimo Dia. Membros – Os membros da igreja e os patrocinadores da escola são membros da Associação.


160

MANUAL DA IGREJA

Oficiais – Todos os pais de alunos são encorajados a participar activamente na Associação Lar e Escola. Todavia, os oficiais desta associação devem ser membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Os oficiais são: um director, um vice-director, um secretário-tesoureiro, um bibliotecário, e o secretário de Educação da igreja. (Ver pág. 202) Para que haja continuidade, é recomendado que alguns dos oficiais sejam reeleitos para um segundo mandato. O Director – O director da Associação Lar e Escola deve ser um membro da igreja com experiência e êxito na educação de crianças e cuja mente esteja aberta a novas ideias, que seja alguém com capacidade para ensinar, e que creia na importância da Educação Cristã. O Secretário-Tesoureiro – O secretário-tesoureiro deve manter os registos da Associação e enviar relatórios ao director do Departamento de Educação da Conferência (Associação)/Missão/Campo, no começo e no fim do ano lectivo. Os fundos da Associação devem ser canalizados através do tesoureiro da igreja ou da escola, mantidos numa conta separada e verificados de acordo com a praxe denominacional. Ex Officio – O director da escola é membro ex officio do Conselho da Associação Lar e Escola, em virtude do seu cargo. O Conselho Escolar Membros – O órgão administrativo de qualquer escola de igreja que funcione ligada a uma única igreja será uma comissão eleita pela igreja ou um Conselho Escolar designado pelo Conselho da Igreja. Portanto, este órgão pode ser um Conselho Escolar separado, o próprio Conselho da Igreja, ou um Conselho Escolar do Conselho da Igreja designado para esse efeito. No caso de duas ou mais igrejas se unirem para ter uma escola, o corpo administrativo deve ser composto por elementos de todas as igrejas. (Ver Nota 15, pág. 182) Um ou mais membros do Conselho Escolar podem ser escolhidos dentre os membros do Conselho da Igreja, de forma a que o Conselho Escolar fique intimamente relacionado com o Conselho da Igreja.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

161

O pastor da igreja deverá ser membro do Conselho Escolar. Quando a escola é mantida por mais de uma igreja, a prática geral é que os pastores das igrejas interessadas sejam membros do Conselho Escolar. Nos colégios secundários e escolas primárias, o director ou o professor local deve ser membro do Conselho Escolar. Alguns dos membros do Conselho Escolar podem ser pais dos alunos que frequentam a escola, de modo a se poder tirar proveito dos pontos de vista e das opiniões dos pais, resultantes da observação e experiência directa com os filhos. Oficiais – Os oficiais consistirão em um presidente e um secretário. Nos Conselhos Escolares conjuntos que dirijam uma escola patrocinada por duas ou mais igrejas, devem ser nomeados também um tesoureiro, um vice-presidente e um vice-secretário. No caso de uma escola que pertence a uma só igreja, o presidente deve ser eleito pela igreja; no caso de uma escola que pertence a duas ou mais igrejas, o presidente deve ser eleito pelo Conselho Escolar entre os seus próprios membros, na primeira reunião após a sua eleição. No caso de não ser possível um acordo entre as igrejas, a nomeação será feita pela Comissão de Educação da Conferência (Associação)/Missão/Campo. O director da escola é geralmente designado como secretário do Conselho Escolar. Relações do Conselho Escolar com as Igrejas Locais – Onde duas ou mais igrejas mantenham uma escola conjunta, qualquer decisão do Conselho, que implique obrigações financeiras para as igrejas, deve ser submetida aos respectivos Conselhos de Igreja para aprovação. Período de Mandato – Onde se escolha um conselho escolar independente, um de dois planos pode ser seguido com referência ao tempo em que os membros são eleitos e ao período do seu mandato: (1) Todos os membros podem ser eleitos no fim do ano civil ou fiscal e actuar durante um ano; (2) os membros do primeiro Conselho podem ser escolhidos para períodos de um, dois e três anos, respectivamente, sendo os membros novos escolhidos cada ano subsequente para um período de três anos. O propósito deste plano é ter um núcleo de membros experimentados no Conselho, para garantir a continuidade de uma eficiente orientação educativa.


162

MANUAL DA IGREJA

As vagas são preenchidas da mesma maneira que para qualquer outro cargo na igreja, entendendo-se que a pessoa que preenche a vaga o fará apenas durante o resto do período que correspondia ao seu antecessor. Reuniões – O Conselho Escolar deve reunir-se em ocasiões e locais regulares, pelo menos uma vez por mês, durante o ano escolar. Qualificações – Os membros do Conselho Escolar devem ser escolhidos em virtude da sua consagração, crença e fidelidade aos princípios da Educação Cristã e lealdade para com eles, do seu bom senso e tacto e da sua experiência nos assuntos escolares, bem como do seu critério e capacidade de gestão financeira. Devem crer na orientação e nas recomendações educacionais da denominação, e estar dispostos a segui-las. Visto que o Conselho da escola primária ou do colégio secundário é uma importante organização da igreja local, os membros desse Conselho devem ser escolhidos com grande cuidado. Pessoas que não acreditem nas escolas cristãs ou não simpatizem com o respectivo programa não devem ser nomeadas como membros do Conselho Escolar. A convicção quanto aos planos de origem divina, assim como a fé, o valor e a compreensão, são essenciais para o bom êxito neste e noutros empreendimentos. Deveres dos Oficiais – O presidente convoca as reuniões, preside-as e zela pelo cumprimento das decisões do Conselho. Também assina, juntamente com o secretário, todas as ordens financeiras emitidas por este último. O presidente é membro ex officio da comissão de inspecção da escola da igreja e colégio secundário. Esta comissão tem a responsabilidade de inspeccionar e avaliar a escola de igreja e o colégio secundário e respectivas actividades. O secretário mantém um registo de cada reunião num livro de actas permanente, emite ordens para o pagamento de contas e obrigações e encarrega-se da necessária correspondência do Conselho. Quando uma única igreja mantém uma escola, o trabalho do tesoureiro é em geral exercido pelo tesoureiro da igreja ou por um vice-tesoureiro da mesma, que recebe as mensalidades e outras importâncias, faz pagamentos por ordem do secretário mediante documentos assinados por este e pelo presidente, mantém cuidadosa escrituração de todo o dinheiro que passa pelas suas mãos, registando-o devidamente num livro de contabilidade


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

163

apropriado, e, em cada reunião mensal, presta um relatório pormenorizado ao Conselho. Num Conselho conjunto, em que estão envolvidas duas ou mais igrejas, é nomeado, pelo Conselho Escolar, um tesoureiro para fazer esse trabalho. Departamento de Comunicação Importância da Comunicação Eficaz – A igreja tem recebido ao longo dos anos instrução divina referente à importância do uso dos modernos meios de comunicação na disseminação do evangelho. Temos sido aconselhados: “Precisamos de utilizar todos os meios justificáveis para colocar a luz diante das pessoas. Utilize-se a imprensa, e empregue-se cada meio de propaganda que chame a atenção para a obra.” – Testimonies, vol. 6, pág. 36. “Descobrir-se-ão meios para alcançar os corações. Alguns dos métodos usados nesta obra serão diferentes dos que foram usados na mesma no passado.” – Evangelismo, pág. 105. Organização – A organização deste ministério requer a adesão e o apoio de todo o obreiro denominacional, de todo o leigo e de toda a instituição Adventista do Sétimo Dia. O Departamento de Comunicação promove o uso de um sólido programa de relações públicas e de todas as técnicas e meios de comunicação modernos na proclamação do evangelho eterno. Isto requer a eleição de um responsável de comunicação em cada igreja e, onde for necessário, um Conselho de Comunicação. O Secretário de Comunicação e o Seu Trabalho – O secretário de Comunicação da igreja tem a responsabilidade de reunir e difundir notícias. Quando surjam oportunidades, apresentará pessoas de interesse em programas de entrevistas na rádio e na televisão, e tomará providências para que se publiquem notícias sobre essas pessoas. Fará todo o esforço possível para manter um relacionamento de amizade e cooperação com os editores e outras pessoas ligadas aos meios de comunicação. (Ver Nota, 16, pág. 182). O secretário de Comunicação cooperará com o departamental de Comunicação da Conferência (Associação)/Missão/Campo no implementar dos programas da Conferência (Associação)/Missão/Campo no campo local e


164

MANUAL DA IGREJA

apresentando os relatórios solicitados. Também apresentará relatórios periódicos nas reuniões administrativas da igreja. O Conselho de Comunicação – Numa igreja grande, uma Comissão de Comunicação pode mais adequadamente lidar com as muitas facetas do programa de comunicação da igreja do que um secretário que trabalhe sozinho. Esta Comissão, presidida pelo secretário de Comunicação, será eleita por ocasião da eleição geral dos oficiais da igreja. Individualmente, os membros da Comissão podem ter responsabilidades específicas no sector da comunicação, como o trabalho com a imprensa, com os produtores dos meios de comunicação e o pessoal da Internet e com os meios de comunicação internos da igreja. Nos lugares onde haja uma instituição da igreja, deverá convidar-se uma pessoa do respectivo departamento de relações públicas a tomar parte nas reuniões da Comissão. (Ver Nota 17, pág. 182) O pastor, como principal responsável pelo programa de comunicação da sua igreja, trabalhará em estreita colaboração, na qualidade de conselheiro, com o secretário de Comunicação e/ou a Comissão de Comunicação. Relacionamento com os Outros Departamentos da Igreja – Para servir adequadamente a igreja, o secretário de Comunicação deve ser informado acerca dos planos e acontecimentos programados. Qualquer departamento auxiliar da organização da igreja poderá designar alguém para fornecer ao secretário de Comunicação ou à Comissão de Comunicação notícias das actividades desse departamento. Nos Grandes Centros Adventistas – Se várias igrejas numa cidade resolverem criar uma Comissão central de Comunicação, cada secretário de Comunicação deve ser membro dessa Comissão central e trabalhar em harmonia com qualquer plano geral que melhor coordene a utilização de notícias e outras actividades relacionadas com os meios de comunicação das diversas igrejas. A iniciativa da organização desta comissão deverá caber ao departamental de Comunicação da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. As reuniões desta comissão central devem ser convocadas e presididas por um presidente eleito pelo grupo. O Departamento de Comunicação da Divisão, União e Conferência (Associação)/Missão/Campo local providenciam instruções pormenoriza-


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

165

das para os secretários de Comunicação, e, através de material impresso, correspondência e outros meios, prestam auxílio e incentivo permanentes. Qualificações – O secretário de Comunicação deve ser cuidadosamente escolhido, tendo em conta: 1) a sua aptidão para representar devidamente a igreja, 2) raciocínio claro, 3) capacidade de organização, 4) capacidade de redigir notícias de uma maneira agradável e persuasiva, 5) desejo de cumprir a tarefa designada, 6) facilidade em iniciar novas relações pessoais. Departamento dos Ministérios da Saúde A igreja aceita a sua responsabilidade de levar o conhecimento de Cristo a todo o mundo e acredita que isso inclui uma obrigação moral de preservar a dignidade humana pela obtenção de níveis óptimos de saúde física, mental e espiritual. Além de ministrar aos que estão doentes, esta responsabilidade abrange a prevenção da doença mediante uma educação sanitária eficiente e liderança na promoção de uma boa saúde livre de tabaco, álcool, outras drogas e alimentos imundos. Onde for possível, os membros são incentivados a adoptar um regime alimentar essencialmente vegetariano. O Director dos Ministérios da Saúde – Para planear e promover um programa eficiente na igreja, é necessário que seja escolhido um director dos Ministérios da Saúde. Deve ser uma pessoa orientada para a saúde e interessada em promover as normas da igreja acerca de uma vida saudável entre os membros e a comunidade, mediante programas de saúde dirigidos pela igreja. Deve ser capaz de desenvolver programas e prestar informações que sejam representativos dos ideais e da filosofia da Igreja Adventista do Sétimo Dia e integrá-los num eficaz testemunho espiritual e físico. (Ver Nota 18, pág. 183) Vice-Director dos Ministérios da Saúde – Os deveres do vice-director consistem em ajudar o director nas suas responsabilidades. Conselho dos Ministérios da Saúde – Nos lugares em que for praticável, pode-se nomear um Conselho dos Ministérios da Saúde. Este Conselho tem a finalidade de proporcionar aos membros da igreja e à comuni-


166

MANUAL DA IGREJA

dade uma liderança interessada no âmbito do viver saudável, e cooperar nas actividades para a salvação de almas, por meio de um programa viável dos Ministérios da Saúde e de ênfase espiritual. (Ver Nota 19, pág. 183) Se o pastor não desempenha as funções de presidente deverá ser membro ex officio do Conselho. Actividades dos Ministérios da Saúde – O Conselho dos Ministérios da Saúde, em colaboração com o Conselho dos Ministérios Pessoais, dirigirá o desenvolvimento de um calendário de actividades dos Ministérios da Saúde que incluirão programas como planos para deixar de fumar, cursos de culinária, aulas de saúde, programas de controlo do stress e outros empreendimentos relacionados. A Sociedade dos Ministérios da Saúde – Em algumas áreas os Ministérios da Saúde ou Sociedades de Temperança poderão estabelecer-se como entidades distintas das outras organizações da igreja. O director da Conferência (Associação)/Missão/Campo deve ser envolvido no estabelecimento deste tipo de organizações. A Oferta do Sábado Mundial dos Ministérios da Saúde – A totalidade da oferta é enviada à Conferência (Associação)/Missão/Campo local para ser distribuída, de acordo com o regulamento, entre a Conferência Geral, a Divisão, a União e a Conferência (Associação)/Missão/Campo. Em resposta a um pedido feito à Conferência (Associação)/Missão/Campo, até 25 por cento da oferta recebida na igreja local poderão reverter para a igreja, para programas dos Ministérios da Saúde. Departamento de Mordomia O Departamento de Mordomia foi organizado para ajudar os membros a tornarem-se mordomos eficientes e para impulsionar a implementação do plano divino de generosidade sistemática em toda a igreja. Visto que a responsabilidade do mordomo abrange a gestão apropriada da vida em todos os seus aspectos, os conceitos de mordomia incentivam o devido cuidado e uso do templo do corpo, do tempo, das capacidades e das posses materiais. O departamento ajuda a planificar e organizar os recursos da igreja, a fim de completar a obra. Os seus objectivos espirituais e financeiros resumem-


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

167

-se na seguinte declaração: “Quando eles despertarem e colocarem as suas orações, riquezas e todas as suas energias e recursos aos pés de Jesus, a causa da verdade triunfará.” – Testimonies, vol. 4, pág. 475. O Director de Mordomia – O Director de mordomia, eleito pela igreja, é escolhido pela sua capacidade de promover os conceitos e objectivos delineados pelo Departamento de Mordomia e deve possuir as seguintes qualidades: 1) ser um líder espiritual; 2) ser alguém que pratique os princípios da mordomia cristã; 3) compreender o programa espiritual e financeiro da igreja; 4) estar disposto a dedicar tempo a planear, organizar e liderar na área de responsabilidade que lhe compete, colaborando com o director de Mordomia da Conferência (Associação)/Missão/Campo, com o pastor e com o Conselho da Igreja. O Director de Mordomia actua como um elo de ligação entre o Departamento de Mordomia da Conferência (Associação)/Missão/Campo e a congregação. (Ver Nota 20, pág. 184) Departamento dos Ministérios da Família O superior objectivo dos Ministérios da Família é fortalecer a família como centro de discipulado. A família foi estabelecida por criação divina como a instituição humana fundamental. Ela é o primeiro e principal ambiente onde se aprendem os valores e se desenvolve a capacidade de relacionamento íntimo com Deus e com os outros seres humanos. Os Ministérios da Família são um ministério de graça que reconhece como normativos os ensinos bíblicos acerca da família e sustenta os elevados ideais divinos para a vida familiar. Ao mesmo tempo, leva a compreender a degradação experimentada por indivíduos e famílias neste mundo decaído. Assim, o Departamento dos Ministérios da Família procura ajudar as famílias a esforçarem-se por atingir os ideais divinos e, ao mesmo tempo, transmitir-lhes sempre as boas novas da salvadora graça de Deus e da promessa de crescimento possível por meio do Espírito que habita em nós. O Departamento dos Ministérios da Família concentra a sua atenção no relacionamento entre pessoas. Preocupa-se com as necessidades dos casais, dos pais e dos filhos, com as necessidades familiares dos solteiros e de todos os membros do círculo mais amplo da família quando passam pelas


168

MANUAL DA IGREJA

previsíveis fases da existência e enfrentam inesperadas mudanças na sua vida. Este departamento empenha-se em apoiar e estimular a existência de famílias moralmente saudáveis. Ajuda as pessoas a formar e manter relações de família sólidas, porque reconhece que as famílias cristãs saudáveis dão origem a membros fortes para o reino de Deus e apresentam um testemunho convincente à comunidade em que estão inseridas. O Departamento dos Ministérios da Família promove compreensão, aceitação e amor no seio de cada família e na mais ampla família de Deus, e favorece a reconciliação e bom relacionamento entre as gerações, de acordo com a mensagem de Elias, em Malaquias 4:5, 6. Transmite esperança e oferece apoio aos que têm sido ofendidos e prejudicados por abusos, disfunção familiar e relacionamentos desfeitos. O Departamento dos Ministérios da Família ajuda a obter idoneidade numa variedade de correctos comportamentos necessários nas relações entre pessoas. Provê oportunidades de crescimento por meio da educação e enriquecimento da vida familiar. Encoraja os indivíduos, os casais e as famílias a procurarem aconselhamento profissional quando necessário. Um ministério adequado em favor das famílias inclui: orientação pré-nupcial acessível a todos os casais antes do casamento; oportunidades para fortalecer o matrimónio; educação dos pais, com atenção prestada às necessidades especiais de pais ou mães solteiras e de padrastos e madrastas; instrução em família para evangelismo familiar; e ministérios de apoio para ajudar famílias com necessidades especiais. O Conselho dos Ministérios da Família – Para enfrentar mais eficientemente as necessidades das famílias na igreja, o Conselho da Igreja pode criar um Conselho dos Ministérios da Família, presidido pelo(s) director(es) dos Ministérios da Família. (Ver Nota 21, pág. 184) O/s Director(es) dos Ministérios da Família – Uma pessoa ou um casal, marido e mulher, pode(m) ser eleito(s) para servir como director(es) dos Ministérios da Família. Estas pessoas devem ter uma atitude positiva acerca de Deus, de si próprias, dos outros, e da igreja. Os directores devem ser modelos de sólidos e crescentes relacionamentos familiares, e mostrar um sincero interesse em promover o bem-estar de todas as famílias. Para que possam ser eficientes, é necessário que os directores dos Ministérios da Família tenham uma compreensão do plano redentor de Deus ao lidar


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

169

com as rupturas de relacionamento provocadas pelo pecado. É também importante que o(os) director(es) seja(m) capaz(es) de manter a confidencialidade e saber quando e como devem encorajar as pessoas em situações críticas a procurar aconselhamento profissional. (Ver Nota 22, pág. 185). Departamento dos Ministérios da Mulher O Departamento dos Ministérios da Mulher existe para enaltecer, encorajar e desafiar as mulheres Adventistas do Sétimo Dia na sua caminhada diária como discípulas de Jesus Cristo e como membros da Sua Igreja mundial. A missão dos Ministérios da Mulher é, no sentido mais amplo, comum a todos os cristãos – exaltar Cristo na igreja e no mundo. Objectivos – Este ministério procura: 1. Promover o crescimento e a renovação espirituais entre as mulheres. 2. Afirmar que as mulheres são de inestimável valor em virtude da sua criação e redenção, habilitá-las para o serviço na igreja e apresentar a visão das mulheres acerca dos assuntos da igreja. 3. Ministrar em favor do amplo espectro das necessidades das mulheres ao longo da vida, tendo em devida conta as perspectivas multiculturais e multiétnicas. 4. Estabelecer a ligação e cooperar com outros departamentos especializados da Igreja para facilitar o ministério das mulheres e para as mulheres. 5. Desenvolver a boa-vontade entre as mulheres, na Igreja mundial, que encorage os laços de amizade, apoio mútuo e a produtiva troca de ideias e informação. 6. Orientar e incentivar as mulheres Adventistas do Sétimo Dia criando meios para o seu envolvimento na Igreja, ao procurarem alcançar o seu potencial em Cristo. 7. Encontrar formas e meios de incentivar cada mulher Adventista do Sétimo Dia a usar os seus dons para complementar os talentos de outras pessoas ao trabalharem lado a lado para promover a missão global da Igreja. A Directora dos Ministérios da Mulher – A directora dos Ministérios da Mulher é eleita pela igreja para desenvolver ministérios específicos para educar as mulheres e prepará-las para o serviço de Deus e da igreja. Ela actua como presidente do Conselho dos Ministérios da Mulher, e incentiva planos e ideias que aproveitem ao máximo a contribuição da missão


170

MANUAL DA IGREJA

dos Ministérios da Mulher para a missão da igreja. Como presidente ela é responsável pela elaboração da agenda, a moderação da discussão e por desenvolver a coesão do grupo, através da participação pessoal, oração e companheirismo. Também actua como membro do Conselho da Igreja, integrando programas e actividades para mulheres no programa mais amplo da igreja. É da sua responsabilidade manter a igreja informada sobre a contribuição dos Ministérios da Mulher para o programa da igreja. O meio de ligação da directora para treino e recursos materiais é a Directora do Departamento dos Ministérios da Mulher da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Qualificações da Directora dos Ministérios da Mulher – A directora dos Ministérios da Mulher deve ser uma mulher de natureza sensível e solícita, que se preocupe com os ministérios e os interesses das mulheres, mantenha equilíbrio nas suas perspectivas, de modo a representar um amplo espectro de mulheres e tenha a capacidade de encorajar outras mulheres a cultivarem os seus dons espirituais. Deve ser capaz de trabalhar com as mulheres na igreja, com o pastor e com o Conselho da Igreja. O Conselho dos Ministérios da Mulher – A directora dos Ministérios da Mulher trabalha com o pastor e o Conselho da Igreja para estabelecer um Conselho dos Ministérios da Mulher que promova um ministério para as mulheres na igreja. Este conselho deve ser composto por pessoas interessadas nas necessidades e actividades para as mulheres. Para formar uma equipa equilibrada, os membros devem ser pessoas com talentos e experiência diversas. (Ver Nota 23, pág.185) Departamento dos Ministérios da Criança O Departamento dos Ministérios da Criança existe para desenvolver a fé das crianças desde o nascimento até à idade de 14 anos, levando-as a criar uma união com a igreja. Procura proporcionar múltiplos ministérios que levarão as crianças a Jesus e que farão delas discípulos na sua caminhada diária com Ele, e assim coopera com o Departamento da Escola Sabatina e com outros departamentos para providenciar educação religiosa para as crianças.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

171

Missão – A missão do Departamento dos Ministérios da Criança é alimentá-las espiritualmente, levando-as a um relacionamento de amor e serviço com Jesus. O departamento procura concretizar essa missão através do desenvolvimento de: – Ministérios orientados para a graça, nos quais todas as crianças experimentarão o amor incondicional de Jesus, terão a certeza de ser aceites e perdoadas e se dedicarão a Ele. – Ministérios inclusivos, nos quais os voluntários que ministram e as crianças a quem eles ministram serão valorizados independentemente da sua raça, cor, língua, género, idade, capacidades ou circunstâncias socioeconómicas, e serão envolvidos sem discriminação. – Ministérios de liderança, nos quais os voluntários recebem formação, experiência e qualificações para efectuarem um ministério eficaz junto das crianças. – Ministérios orientados para o serviço, nos quais as crianças têm a oportunidade de servir na prática as pessoas na sua vizinhança ou cidade, estabelecendo assim um padrão de trabalho em favor dos outros que pode, certamente, continuar pela vida fora. – Ministérios de cooperação, que envolvem o trabalho com outras entidades, como os Ministérios da Família, Escola Sabatina e Ministérios Pessoais, Ministérios da Juventude, Educação, Mordomia e outros departamentos, para alcançar objectivos comuns. – Ministérios seguros, através dos quais as igrejas: a) escolhem voluntários com boa formação moral e espiritual; b) adoptam métodos para proteger as crianças de abusos físicos, emocionais, sexuais ou espirituais, e para proteger a igreja de acusações. – Ministérios evangelísticos, nos quais as crianças que não estão incluídas na família da igreja entram em contacto com o amor de Jesus através de programas de evangelização como as Escolas Cristãs de Férias, Escolas Sabatinas Filiais para crianças, Círculos de Estudo da Bíblia para crianças e Campanhas de Evangelização para crianças. (Ver Nota 24, pág. 186) Ellen G. White salienta a importância dos Ministérios da Criança, quando diz: “Nunca será de mais acentuar a importância da educação ministrada à criança nos seus primeiros anos. As lições que a criança aprende durante os primeiros sete anos de vida têm mais a ver com a formação do seu caráter do que tudo o que ela aprenda em anos posteriores.” – Orientação da Criança, pág. 193.


172

MANUAL DA IGREJA

“É ainda verdade que as crianças são as pessoas mais susceptíveis aos ensinos do evangelho; o seu coração acha-se aberto às influências divinas, e forte para reter as lições recebidas. Os pequeninos podem ser cristãos, tendo uma experiência em harmonia com os seus anos. Precisam de ser educados nas coisas espirituais, e os pais devem proporcionar-lhes todas as vantagens, para que formem caracteres à semelhança do de Cristo.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 436. “Crianças de oito, dez ou doze anos têm idade suficiente para decidir acerca da sua religião pessoal. Não ensinem os vossos filhos dizendo-lhes que, no futuro, quando tiverem idade suficiente, poderão arrepender-se e crer na verdade. Se forem correctamente instruídas, as crianças muito jovens podem ter ideias claras acerca da sua situação de pecadoras, e do método de salvação através de Cristo.” – Testimonies, vol. 1, pág. 400. “Quando Jesus disse aos discípulos que não impedissem as crianças de ir ter com Ele, falava a todos os Seus seguidores em todos os tempos – aos oficiais da igreja, aos ministros, auxiliares e todos os cristãos. Jesus está atraindo as crianças, e ordena-nos: ‘Deixai os meninos, e não os estorveis de vir a Mim’, como se quisesse dizer: Eles virão, se os não impedirdes.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 438. O Coordenador dos Ministérios da Criança – O coordenador dos Ministérios da Criança é eleito pela igreja para pôr em prática ministérios específicos que alimentem a fé das crianças, de maneira a desenvolverem um relacionamento de amor e serviço com Jesus. Deve ser um indivíduo de excelente moral e ética, que demonstre amor e entrega a Deus e à igreja, e que tenha capacidade de liderança, experiência e paixão pelo trabalho com crianças. (Ver Nota 25, pág. 186) O Conselho dos Ministérios da Criança – O coordenador dos Ministérios da Criança trabalha com o pastor e com o Conselho da Igreja, para estabelecer um Conselho dos Ministérios da Criança, que proporcione ministérios para as crianças da igreja. Esse Conselho deve ser composto por pessoas escolhidas em função do seu interesse e perícia no trabalho com crianças. Geralmente os membros serão os dirigentes das divisões da Escola Sabatina, o director das Escolas Cristãs de Férias, os dirigentes dos Juvenis e dois ou três outros membros que tenham a paixão do ministério pelas crianças. (Ver Nota 24, pág 186)


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

173

Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa O Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa (RPLR) promove e defende a liberdade religiosa, com ênfase particular na liberdade de consciência. A liberdade religiosa inclui o direito humano de cada pessoa ter ou adoptar a religião da sua própria escolha; de mudar de crença religiosa de acordo com a sua consciência; de manifestar a sua religião individualmente ou em comunidade com participantes da mesma crença, no culto, observância, prática, testemunho e ensino, salvaguardando o respeito pelos direitos equivalentes dos outros. Dado que a liberdade religiosa inclui o direito de cada pessoa observar dias de repouso e culto de acordo com os preceitos da sua religião, o departamento apoia activamente o direito de os Adventistas do Sétimo Dia guardarem o Sábado em obediência ao quarto mandamento da Palavra de Deus. O departamento também observa e interpreta acontecimentos correntes que podem reflectir o cenário profético. Para salvaguardar a liberdade religiosa, o Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa encoraja, onde seja possível, a separação entre a Igreja e o Estado, como foi recomendada pelo nosso Senhor quando disse: “Dai pois a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mat. 22:21). “A união da Igreja com o Estado, não importa quão fraca possa ser, conquanto pareça levar o mundo para mais perto da igreja, não leva, na realidade, senão a igreja para mais perto do mundo.” – O Grande Conflito, pág. 239. O Estado nunca deve invadir o domínio distinto da Igreja para afectar de alguma maneira a completa liberdade de consciência ou o direito de professar, praticar e promulgar crenças religiosas; e a Igreja nunca deve invadir o domínio distinto do Estado, excepto, onde seja apropriado, para fazer valer o princípio moral acima da orientação política. O departamento procura precaver-se contra intrusões em matéria de liberdade religiosa, particularmente em vista das perseguições profetizadas em Apocalipse 13. “É nosso dever fazer tudo ao nosso alcance, a fim de advertir contra o perigo iminente.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 152. Associações de Liberdade Religiosa – O Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa executa muitas das suas funções através da Associação Internacional Para a Defesa da Liberdade Religiosa e respectivas associações filiadas em todo o mundo.


174

MANUAL DA IGREJA

Associação de Liberdade Religiosa na Igreja Local – Cada igreja é considerada uma Associação informal da Liberdade Religiosa, e cada membro da igreja é um membro da Associação. O pastor ou o ancião local é o presidente desta Associação em cada igreja local. O Director de Liberdade Religiosa da Igreja Local – O director de Liberdade Religiosa da igreja local deve ser eleito e deve trabalhar em estreita cooperação com o pastor ou o director distrital em todos os aspectos da liberdade religiosa e cooperar com o departamento da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou União. Deve ser uma pessoa de influência espiritual positiva, capaz de enfrentar o público em geral, interessado em assuntos públicos, hábil a escrever, e preocupado com a preservação da liberdade do povo de Deus para fazer o serviço do Mestre. (Ver Nota 26, pág. 187). A Cerimónia de Tomada de Posse Por ocasião de uma cerimónia de tomada de posse (ver pág. 101) de oficiais da igreja local recentemente eleitos, devem ser também incluídos os oficiais das organizações auxiliares. Departamento dos Ministérios das Publicações O Departamento dos Ministérios das Publicações é organizado para coordenar e promover o evangelismo pela literatura na igreja local, sob a supervisão do Conselho dos Ministérios das Publicações e da organização das publicações correspondente do campo. Apoia os departamentos da igreja local na promoção, venda e distribuição de revistas de assinatura e de outra literatura missionária. O departamento trabalha com o pastor e com os departamentos da igreja no planeamento de formas sistemáticas de envolver os membros da igreja no cumprimento desses objectivos. “Há muitos lugares onde a voz do ministro não pode ser ouvida, lugares que só podem ser alcançados pelas nossas publicações – livros, revistas e folhetos cheios com as verdades da Bíblia de que o povo necessita.” – O Colportor Evangelista, pág. 4.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

175

O Conselho dos Ministérios das Publicações – O Conselho dos Ministérios das Publicações é nomeado pelo Conselho da Igreja e trabalha sob a sua direcção. Deve ser presidido pelo coordenador dos Ministérios das Publicações. O pastor, o director dos Ministérios Pessoais e o secretário dos Ministérios Pessoais são membros ex officio desse Conselho. Os seus membros devem ser escolhidos com base no seu interesse e experiência no evangelismo pela literatura. (Ver Nota 27, pág. 187) O Coordenador dos Ministérios das Publicações – O coordenador dos Ministérios das Publicações é eleito pela igreja para dirigir as actividades de evangelismo pela literatura da igreja. (Ver Nota 28, pág. 188)

Notas Estas notas contêm material explicativo a respeito da forma como a igreja local pode proceder em determinados aspectos. Ela pode adoptar formas alternativas de lidar com esses assuntos. Estes métodos alternativos devem estar em harmonia com os princípios geralmente aceites de organização e funcionamento da Igreja Adventista do Sétimo Dia. 1. O Conselho dos Ministérios Pessoais (ver pág. 140) – Este Conselho tem as seguintes responsabilidades: a) Organizar as reuniões missionárias da igreja, estudar o seu campo de actividade missionária e alistar todos os membros da igreja em ramos de serviço definidos. b) Envolver os membros em actividades de trabalho missionário patrocinadas pelo Departamento dos Ministérios Pessoais, tais como: 1. Distribuição de literatura e circulação de periódicos missionários incluindo revistas de assinaturas. 2. Inscrições em cursos bíblicos. 3. Serviços em Favor da Comunidade e/ou actividades da Sociedade de Dorcas. 4. Programas de penetração tais como cursos para deixar de fumar, cursos de culinária, seminários sobre controlo do stress, etc.. 5. Actividades missionárias, tais como: estudos bíblicos, visitação a interessados, reuniões públicas de evangelização, evangelismo através de seminários e outros planos e projectos.


176

MANUAL DA IGREJA

c) Planear e implementar a campanha anual de recolha de donativos (ex. campanha Um Milhão em Acção, antiga Campanha das Missões). d) Treinar e dirigir os membros no testemunho cristão como, por exemplo: 1. Dirigindo ou organizando cursos sobre a maneira de dar estudos bíblicos, métodos de testemunho pessoal, execução de programas de Serviços em Favor da Comunidade e providenciando serviços de socorro em calamidades. 2. Fazendo demonstrações práticas de como realizar este trabalho. e) Estimular o relatório do trabalho realizado, através do secretário dos Ministérios Pessoais. f) Supervisionar as actividades da igreja dos Serviços em Favor da Comunidade, e actuar como Conselho directivo do Centro de Serviços à Comunidade. g) Cooperar com o Departamento dos Ministérios Pessoais da Conferência (Associação)/Missão/Campo local na execução do seu programa. h) Autorizar o desembolso dos fundos dos Ministérios Pessoais da igreja local. i) Planear e dirigir as reuniões semanais e mensais dos Ministérios Pessoais segundo a programação do calendário da igreja. 2. O Secretário dos Ministérios Pessoais (ver pág. 140) – Os deveres do secretário dos Ministérios Pessoais são os seguintes: a) Actuar como secretário do Conselho dos Ministérios Pessoais, redigindo as actas das suas reuniões e tomando parte activa na implementação dos planos do departamento. Deve manter um registo dos relatórios de trabalho missionário realizado pelos membros da igreja e preencher e enviar com prontidão, cada trimestre, todos os relatórios solicitados e outras informações sobre essas actividades, ao Departamento dos Ministérios Pessoais da Conferência (Associação)/Missão/Campo. b) Apresentar à igreja um relatório das actividades dos Ministérios Pessoais durante o culto mensal no Sábado dos Ministérios Pessoais e nas reuniões administrativas da igreja. c) Ser responsável por todas as transacções da igreja com a Publicadora SerVir ou com outros fornecedores. Deve manter cuidadosamente as contas com os fornecedores, usando um talonário de pedidos em duplicado e, em cooperação com o tesoureiro da igreja, tomar providências para que as contas sejam pagas rapidamente, sendo o pagamento de contas importantes feito mensalmente.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

177

d) Chamar a atenção da igreja para as publicações e materiais de apoio disponíveis para utilização. e) Planear ofertas periódicas para poder preparar e fornecer aos membros materiais dos Ministérios Pessoais, quando estes não são providos através do orçamento da igreja ou do plano de ofertas aprovado pela Conferência (Associação)/Missão/Campo. Para esse fim, pode ser levantada, no primeiro Sábado de cada mês, uma oferta para os Ministérios Pessoais da igreja. Se esta oferta não for suficiente, podem ser levantadas outras ofertas por ocasião da reunião semanal dos Ministérios Pessoais. O uso desses fundos missionários da igreja local é decidido pelo Conselho dos Ministérios Pessoais. f) Anotar pormenores dos serviços e relatórios do trabalho efectuado pelos membros da igreja e ser pontual em enviar um resumo, no tempo designado, para o director dos Ministérios Pessoais da Conferência (Associação)/Missão/Campo. 3. Os Homens Adventistas (ver pág. 141) – Os principais programas missionários levados avante por este grupo, são os esforços de pregação, o ministério nas prisões e os Serviços em Favor da Comunidade. 4. Centro de Serviços à Comunidade (ver pág. 141) – Quando várias igrejas, num mesmo distrito, se unem para pôr em funcionamento um centro de Serviços à Comunidade, essas igrejas devem nomear para o dirigir um Conselho Directivo composto por representantes de todas as igrejas participantes e presidido pelo pastor do distrito. Se um centro for administrado por dois ou mais distritos de igrejas, o Conselho Directivo desse centro deve compor-se de representantes das igrejas empenhadas nesse trabalho e também de representantes nomeados pelo Conselho do campo local. O Conselho elege o seu próprio presidente, mas, por vezes, é presidido pelo director dos Ministérios Pessoais ou dos Serviços à Comunidade, da Conferência (Associação)/Missão/Campo. 5. O Coordenador da Escola Bíblica (ver pág. 142) – O trabalho do coordenador inclui recrutar voluntários, providenciar formação sobre como dar estudos bíblicos e fazer visitas, encomendar as lições dos cursos por correspondência e outros materiais, e estabelecer um plano para inscrever alunos e promover a escola. As lições da Escola Bíblica são provi-


178

MANUAL DA IGREJA

denciadas através de vários meios, incluindo materiais impressos, recursos para pequenos grupos, vídeo e DVD, e por Internet. 6. O Director (ver pág. 144) – O director deve: a) Servir a igreja como administrador de todas as divisões da Escola Sabatina. Pelo facto de ser o director geral, não é obrigatoriamente o director da divisão dos adultos, embora possa ser eleito como director desta divisão ou de qualquer outra. b) Estudar e seguir os conselhos e as orientações que se encontram nos livros Conselhos Sobre a Escola Sabatina de Ellen G. White e Manual da Escola Sabatina, publicado pelo Departamento da Escola Sabatina da Conferência Geral. Deve encorajar a igreja a pôr estes livros à disposição dos dirigentes e professores de todas as divisões da Escola Sabatina. c) Inteirar-se dos planos destinados a promover o programa missionário mundial da Igreja e incentivar a Escola Sabatina a dar com tal espírito de sacrifício que os leve a apoiar de todo o coração as missões mundiais. d) Convocar e presidir as reuniões do Conselho da Escola Sabatina, para cuidar das necessidades imediatas, incluindo as recomendações referentes ao preenchimento das vagas de oficiais ou de monitores. e) Receber dos dirigentes das divisões todos os elementos da agenda referentes ao funcionamento e às finanças da Escola Sabatina e apresentá-los ao Conselho da Escola Sabatina. f) Implementar as decisões do Conselho da Escola Sabatina. g) Ser o dirigente geral da reunião dos monitores. Embora outros tenham atribuições especiais, como, por exemplo, o estudo da lição, o director deve assumir a direcção da reunião dos monitores, procurando torná-la uma parte vital do trabalho da Escola Sabatina e, por meio dela, esforçar-se para formar um grupo de monitores forte e espiritual. 7. O Secretário (ver pág. 144) – Os deveres do secretário são os seguintes: a) Manter todas as anotações requeridas no formulário oficial provido pela Conferência (Associação)/Missão/Campo, para efectuar um relatório trimestral da Escola Sabatina, completo e exacto, e enviar o formulário pontualmente às pessoas apropriadas. Apresentar perante a Escola Sabatina relatórios apropriados do trabalho realizado por este departamento. b) Distribuir materiais aos professores e recolher os respectivos cartões de registo e sacos de ofertas.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

179

c) Assegurar que as várias divisões da Escola Sabatina tenham os materiais necessários. d) Manter um registo das ofertas semanais da Escola Sabatina, das ofertas para os projectos especiais do Décimo Terceiro Sábado, das Ofertas Natalícias, do Fundo de Investimento e do dinheiro para as despesas locais, se estas não estiverem incluídas no orçamento das despesas da igreja e entregar ao tesoureiro da igreja todas as ofertas. Os relatórios financeiros mantidos pelo secretário devem estar de acordo com os do tesoureiro da igreja. e) Encomendar, por intermédio do secretário dos Ministérios Pessoais, todo o material para a Escola Sabatina, aprovado pelo Conselho desta última. f) Guardar as actas das reuniões do Conselho da Escola Sabatina. 8. Dinheiro para Despesas (ver pág. 148) – Todo o dinheiro para as despesas da Escola Sabatina deve ser registado pelo secretário, entregue ao tesoureiro da igreja local e usado apenas para esse fim, de acordo com a autorização do seu Conselho. Em muitas igrejas, as despesas da Escola Sabatina são incluídas no orçamento da igreja e realizadas conforme a autorização do Conselho da Escola Sabatina. 9. Declaração de Missão (ver pág. 150) – Para cumprir a nossa tarefa: a) Efectuaremos um ministério equilibrado, incorporando a dinâmica bíblica de companheirismo, educação, adoração e missão. b) Procuraremos manter a relevância e eficiência no ministério relacionando todos os ministérios com as necessidades dos jovens. É imperioso que estejamos informados das suas percepções, interesses e sugestões e que atentemos para elas. Um ministério eficaz torna-se possível numa atmosfera de amor, aceitação e perdão. Efectuaremos constantes pesquisas para descobrir áreas que requeiram atenção. Procuraremos efectuar experiências e inovações nos nossos programas, porque reconhecemos a natureza em constante mudança, que os jovens possuem hoje em dia. c) Encontraremos inspiração na Palavra de Deus, e na nossa história, e teremos fé em Deus quanto ao futuro. A nossa filosofia encontrará expressão numa ampla variedade de estilos e programas nos ministérios ordenados por Deus. d) Faremos avaliações periódicas, para assegurar que o nosso objectivo principal esteja a ser cumprido.


180

MANUAL DA IGREJA

10. Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas (ver pág. 150) – Há três categorias de membros na Sociedade dos Jovens Adventistas: 1. Membros regulares. – Jovens dos dezasseis aos trinta anos de idade que são membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia em situação regular e que, adoptando os objectivos da Sociedade, desejam envolver-se em serviço activo para Cristo, podem inscrever-se como membros regulares. 2. Membros Associados. – Jovens que não são membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, mas que possuem ideais cristãos e desejam estar ligados aos jovens da Igreja no trabalho missionário, devem ser aceites como membros associados. Tais membros não podem ser eleitos para cargos na Sociedade, mas devem ser cordialmente recebidos em todos os aspectos do trabalho da Sociedade e nos seus grupos, e incentivados a tornarem-se membros regulares logo que seja possível. 3. Membros Honorários. – Membros adultos da Igreja que apoiam os jovens podem inscrever-se como membros honorários. Muitas pessoas que passaram dos trinta anos de idade gostariam de continuar a assistir às reuniões da Sociedade dos Jovens Adventistas e de participar em tudo o que for possível. Sempre que seja recomendável, deverão receber um cartão de membro honorário. Não são incluídos como membros no relatório do secretário e relatam as suas actividades missionárias de maneira regular, por meio da igreja. Ao se unirem à Sociedade dos Jovens Adventistas, os novos membros assumem o seguinte compromisso de membros: “Por amor ao Senhor Jesus, prometo tomar parte activa no trabalho da Sociedade dos Jovens Adventistas, fazendo tudo quanto puder para ajudar os outros e para terminar a obra do evangelho em todo o mundo.” 11. O Secretário-Tesoureiro e o Vice-Secretário-Tesoureiro (ver pág. 152) – Outra importante responsabilidade do secretário-tesoureiro consiste em manter um registo fiel das receitas e dos gastos de todos os fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas. Os fundos da sociedade são entregues à guarda do tesoureiro da igreja e mantidos em custódia até que o seu desembolso seja autorizado pelo Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas. Este Conselho também examinará cada trimestre os registos financeiros da sociedade e zelará por que sejam verificados uma vez por ano pelo tesoureiro da igreja. Muitas igrejas incluem a organização dos jovens no seu orçamento.


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

181

12. A Sociedade dos Juvenis Adventistas (ver pág. 155) – As actividades da Sociedade dos Juvenis Adventistas incluem a boa leitura, o estudo da Bíblia e concursos bíblicos, música e programas organizados por eles com recursos fornecidos pelo monitor e pelo Departamento dos Jovens da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Visto que a música é um elemento muito importante no programa dos jovens, deve ter-se o cuidado de prover músicas que glorifiquem a Deus (ver pág. 112). Os líderes devem ser animados a desenvolver ideias de programas originais que envolvam a participação dos alunos. Devem ser planeadas actividades de testemunho, e cada ano pode ser adoptado um projecto missionário especial, no qual se aplique uma parte das ofertas da Sociedade. Também podem ser promovidas actividades sociais. Algumas reuniões da Sociedade dos Juvenis Adventistas devem ser dedicadas ao estudo das Classes JA, como preparação para a investidura perto do fim do ano escolar. 13. O Clube de Tições (ver pág. 157) – Exemplos de actividades apresentadas no Manual dos Tições abrangem elementos tais como: excursões em dias especiais, estudo e aplicação de histórias bíblicas, revelação de talentos, actividades na Natureza, ofícios, desenvolvimento de aptidões sociais e muitos outros. O clube tem a sua própria bandeira, uniforme, emblemas, insígnias, distintivos e lenços, que são diferentes dos usados pelos Desbravadores e não devem ser misturados ou confundidos com eles. Um programa completo das actividades do clube envolve a preparação dos pais no desenvolvimento das crianças e a compreensão de como serem modelos de pais cristãos em que todos desejam tornar-se. 14. O Secretário de Educação (ver pág. 158) – Os deveres do secretário de educação serão os seguintes: a) Ser responsável pela promoção regular da educação cristã e planear, com o pastor e o director da Associação Lar e Escola, programas periódicos ou reuniões que enfatizem os valores da educação cristã. b) Estabelecer contactos com todas as famílias Adventistas do Sétimo Dia que tenham crianças em idade escolar ou jovens, para incentivar a sua matrícula na escola da igreja ou na escola secundária ou na universidade Adventistas e sugerir possíveis soluções de problemas. c) Onde não houver escola da igreja, fazer todos os esforços razoáveis


182

MANUAL DA IGREJA

para encorajar a igreja a providenciar educação Adventista do Sétimo Dia na região. d) Manter contacto com os estudantes da igreja que frequentem escolas Adventistas do Sétimo Dia ou outras escolas fora da sua igreja de origem. e) Contactar os membros que não têm filhos em idade escolar, encorajando-os a financiarem estudantes Adventistas do Sétimo Dia pobres. f) Manter um censo actualizado de todas as crianças e jovens da igreja. 15. Membros (ver pág. 160) – Nos lugares em que se preferir um Conselho Escolar independente, ele compor-se-á de cinco a sete membros, onde uma só igreja mantenha a escola, e de sete ou mais membros onde duas ou mais igrejas se unam para manter uma escola. Onde duas ou mais igrejas se unam para manter uma escola, deve ser providenciada uma reunião dessas igrejas em acordo com o presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo local. Nessa reunião deverá ser adoptado um plano para a nomeação de um Conselho Escolar conjunto, incluindo a quantidade dos membros e a respectiva distribuição proporcional entre as várias igrejas que mantêm a escola. Esta distribuição deve ser determinada com base na quantidade dos membros das igrejas patrocinadoras, nas obrigações financeiras para com a escola, e na quantidade dos alunos provenientes de cada igreja. 16. O Trabalho do Secretário de Comunicação (ver pág. 163) – O secretário de Comunicação ajudará a organizar o apoio aos programas denominacionais nos meios de comunicação. Isto pode incluir a inserção de anúncios e publicidade para programas de rádio e televisão e para cursos bíblicos por correspondência, a promoção de ofertas a favor do ministério da rádio e da televisão, e a participação em programas de distribuição de materiais de rádio e televisão e da escola bíblica por correspondência. 17. O Conselho de Comunicação (ver pág. 164) – Outras actividades de comunicação que pertencem à esfera de interesses deste Conselho incluem o planeamento de acontecimentos e cerimónias especiais da igreja, a preparação de exposições e desfiles com carros alegóricos, a afixação de anúncios da igreja e o fornecimento de informações sobre a Igreja Adventista do Sétimo Dia a bibliotecas públicas e outros centros de divulgação. A divisão das responsabilidades dependerá grandemente das


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

183

capacidades daqueles que compõem o Conselho. Todas as actividades do Conselho serão coordenadas pela pessoa que o preside. 18. O Director dos Ministérios da Saúde (ver pág. 165) – Os deveres do director dos Ministérios da Saúde incluem as seguintes actividades: a) Delinear, planear e orçamentar, em consulta com o pastor e o Conselho dos Ministérios da Saúde da igreja e com o Conselho da Igreja, programas para o ano, a apresentar tanto na igreja como na comunidade, que realcem a importância da saúde integral e da temperança. b) Promover um contínuo testemunho na comunidade acerca dos efeitos destrutivos do tabaco, do álcool e de outras drogas e substâncias destruidoras da saúde. c) Promover boas relações com outras organizações de saúde e temperança que existam na comunidade. d) Encorajar o estudo dos princípios bíblicos e dos conselhos do Espírito de Profecia acerca da saúde e temperança. e) Encorajar a aplicação dos princípios de uma vida saudável entre os membros da igreja. f) Tomar providências para e incentivar a realização de programas de educação em prol da saúde e temperança, destinados à igreja e à comunidade que ela serve, em estreita cooperação com o director dos Ministérios da Saúde da Conferência (Associação)/Missão/Campo. g) Servir como secretário do Conselho dos Ministérios da Saúde da igreja, excepto quando lhe seja pedido que sirva como presidente. 19. O Conselho dos Ministérios da Saúde (ver pág. 166) – Os membros devem ser nomeados pela igreja e podem incluir: a) O pastor ou ancião local como presidente deste conselho. b) O director dos Ministérios da Saúde da igreja. c) O director dos Serviços à Comunidade. d) O director dos Jovens ou dois representantes do grupo de jovens. e) Três representantes de entre os seguintes: médicos, dentistas, dietistas, enfermeiros, educadores sanitários, director de mordomia ou outros interessados em actividades de saúde e temperança. f) O director da Sociedade dos Ministérios da Saúde quando exista uma em actividade. g) Um representante de uma instituição Adventista de saúde local.


184

MANUAL DA IGREJA

20. O Director de Mordomia (ver pág. 167) – Deverá implementar o programa educativo geral do Departamento de Mordomia, na forma como é apresentado e melhorado periodicamente para atender às contínuas necessidades. Esta responsabilidade inclui ajudar o pastor na preparação do Dia Mundial da Mordomia, dirigir cursos de mordomia, educar no tocante aos dízimos e ofertas, e ensinar os conceitos básicos da mordomia durante as reuniões de Sábado ou em outras ocasiões. As responsabilidades organizacionais do director de mordomia incluem: 1) ser membro do Conselho da Igreja, envolvido e familiarizado com o programa espiritual e financeiro da igreja; 2) ser membro das Comissões Financeira e de Mordomia; 3) ajudar activamente o pastor no Programa Anual de Orientação sobre Mordomia e no respectivo acompanhamento posterior durante o ano, conforme as instruções dadas no Manual de Mordomia. 21. O Conselho dos Ministérios da Família (ver pág. 168) – Embora este Conselho não deva ser demasiado numeroso para preservar a sua eficácia, deve incluir dirigentes da igreja apropriadamente escolhidos, bem como pessoas que compreendam as variadas necessidades das famílias no seio da igreja. Pessoas que tenham enfrentado experiências traumáticas na vida e na família, e que tenham crescido espiritualmente através dessas experiências, podem dar uma contribuição valiosa como membros do Conselho. O Conselho deve incluir pessoas de ambos os sexos e, onde seja possível, pelo menos uma pessoa solteira, um casal, um ou mais pais, e representantes dos vários grupos etários da igreja. Os deveres do Conselho serão os seguintes: a) Ajudar a direcção da igreja a compilar dados demográficos sobre as famílias, tanto dentro da igreja como na comunidade que a rodeia, para identificar grupos específicos necessitados de um ministério em favor das famílias. b) Ajudar a direcção da igreja a avaliar as necessidades dos seus membros no que se refere à educação, enriquecimento e aconselhamento; e a elaborar um plano de utilização dos recursos da comunidade e da igreja para enfrentar essas necessidades. c) Procurar sensibilizar as pessoas para o impacto dos programas da


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

185

igreja sobre a vida familiar em termos de emprego de tempo, energias, dinheiro e outros recursos da família que são necessários. d) Participar com o Departamento de Ministérios da Família da Conferência (Associação)/Missão/Campo na implementação de programas dirigidos à família e promovidos pelo departamento. e) Cooperar com a direcção da igreja na preparação, planificação e realização de actividades adicionais de interesse para a vida familiar, na medida em que sejam necessárias, tanto para apoio da família no seio da igreja como para o trabalho de evangelização dirigido à comunidade. f) Promover um clima de cordialidade e companheirismo, gerando um sentimento de se “pertencer à família” na congregação, e um espírito redentor em relação às famílias que necessitem de apoio e encorajamento. 22. O(s) Director(es) dos Ministérios da Família (ver pág. 169) – Os deveres do/s director(es) do Departamento dos Ministérios da Família são: a) Presidir ao Conselho dos Ministérios da Família. b) Representar no Conselho da Igreja as necessidades e interesses das famílias, e coordenar os planos dos Ministérios da Família com o programa global da igreja. c) Informar o pastor e o Conselho da Igreja acerca das preocupações e realizações dos Ministérios da Família, e encorajar a criação de fundos e outros apoios destinados ao ministério a favor das famílias. d) Identificar na igreja e na comunidade recursos que promovam progresso no relacionamento e proporcionem ajuda para enfrentar necessidades críticas, e atrair para esses recursos a atenção da direcção da igreja e das famílias. 23. O Conselho dos Ministérios da Mulher (ver pág. 170) – As principais responsabilidades do Conselho dos Ministérios da Mulher são as seguintes: a) Avaliar as necessidades e preocupações das mulheres na igreja local e na comunidade, utilizando inquéritos e entrevistas e consultando o pastor e os dirigentes da igreja; b) Sugerir ideias, desenvolver estratégias e cooperar com outros departamentos especializados da igreja para promover programas e actividades que respondam às necessidades das mulheres;


186

MANUAL DA IGREJA

c) Planear e executar estas e outras iniciativas que se relacionem com necessidades específicas e variadas das mulheres, em cooperação com o pastor, com departamentais especialistas e outros dirigentes da igreja; d) Facilitar a participação da igreja local em programas e actividades anuais promovidas pelo Campo/Missão/Conferência (Associação)/União/ Divisão/Conferência Geral, tais como o Dia Internacional de Oração da Mulher, o Dia dos Ministérios da Mulher e ministérios de pequenos grupos para apoiar as mulheres e encorajá-las no serviço. Informações a respeito destes programas estão disponíveis através do Departamento dos Ministérios da Mulher da Conferência (Associação)/Missão/Campo. 24. O Conselho dos Ministérios da Criança (ver pág. 171) – As principais responsabilidades do Conselho dos Ministérios da Criança, são as seguintes: a) Realizar uma pesquisa sobre as necessidades das crianças da igreja e da comunidade, usando inquéritos e entrevistas, aconselhando-se com o pastor e os líderes da igreja. b) Estudar ideias, desenvolver estratégias e cooperar com outros departamentos da igreja na implementação de programas e actividades que ajudem a alimentar espiritualmente as crianças e a torná-las discípulas. c) Planear um calendário anual de actividades para as crianças, coordenando todos os programas com o calendário da igreja, de modo a manter o equilíbrio e a evitar sobreposições ou conflitos. d) Manter um registo actualizado das crianças que participaram em actividades patrocinadas pela igreja, e arquivar esses registos na secretaria da igreja. e) Colaborar com o Departamento dos Ministérios da Criança do Campo/Missão/Conferência (Associação) na implementação de programas com ênfase nas crianças, promovidos pelo departamento. 25. Coordenador dos Ministérios da Criança (ver pág. 172) – As responsabilidades do coordenador dos Ministérios da Criança são: a) Presidir ao Conselho dos Ministérios da Criança. b) Implementar o programa da Escola Sabatina e providenciar formação para os líderes e monitores no uso desse material. c) Planear e implementar um calendário anual de programas para


Departamentos da Igreja e os Seus Oficiais

187

crianças que as aproxime de Jesus e providenciar para que as crianças participem em todas as actividades da igreja. d) Preparar um orçamento para implementar todos os programas e actividades para crianças. e) Servir como advogado dos interesses e necessidades das crianças diante do(s): 1) Conselho da Igreja – mantendo os membros do Conselho informados acerca das preocupações e êxitos, relatando os resultados do inquérito acerca das necessidades das crianças, e encorajando a obtenção de fundos para os programas das crianças. 2) Pastor – trabalhando juntos para tornar interessantes para as crianças os vários aspectos da vida da igreja. 3) Dirigentes das actividades das crianças – apoiando-os e animando-os. f) Tomar as decisões que sejam razoáveis para manter uma boa qualidade moral e ética na liderança das crianças, através de uma análise minuciosa dos líderes voluntários e dos monitores. g) Manter a comunicação com os dirigentes e os pais das crianças, informando-os dos ateliers de trabalho, convenções, reuniões e outros recursos, e animando-os a melhorar na sua compreensão das crianças. h) Procurar oportunidades para passar tempo com crianças, de modo a manter uma ideia clara da sua forma de pensar e das suas necessidades. 26. O Director de Liberdade Religiosa da Igreja Local (ver pág. 174) – Os deveres do director de Liberdade Religiosa são: a) Colaborar com o director das Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou, onde seja o caso, da União, e acatar as sugestões que lhe cheguem através das vias regulares. b) Aconselhar acerca de assuntos que afectem a liberdade religiosa. c) Promover a circulação das revistas e outros materiais de liberdade religiosa aprovados pela Divisão ou pela Conferência Geral. d) Organizar ou facilitar reuniões, seminários, programas e actividades relacionadas com a liberdade religiosa, na medida em que as circunstâncias o aconselhem. 27. O Conselho dos Ministérios das Publicações (ver pág. 175) – Os deveres do Conselho podem incluir o seguinte: a) Ajudar o Campo/Missão/Conferência (Associação), ou a organiza-


188

MANUAL DA IGREJA

ção de publicações adequada para o território, na promoção do Ministério das Publicações, identificando possíveis colportores e recomendando membros de igreja que tenham dons especiais para trabalharem como colportores. b) Combinar com o Departamento dos Ministérios das Publicações do Campo/Missão/Conferência (Associação), ou com a organização de publicações adequada para o território, a realização na igreja de seminários de elucidação sobre a colportagem e realizar seminários de formação para membros que mostraram interesse em tornar-se colportores. c) Promover a compra e leitura de livros do Espírito de Profecia para desenvolvimento e alimentação espiritual pessoal. d) Apoiar os departamentos na selecção e circulação de literatura, como livros missionários, revistas e livros do Espírito de Profecia. 28. O Coordenador dos Ministérios das Publicações (ver pág. 175) – Os deveres do coordenador dos Ministérios das Publicações incluem o seguinte: a) Servir como presidente do Conselho dos Ministérios das Publicações, e ser responsável pela implementação das decisões do Conselho dos Ministérios das Publicações. b) Identificar membros de igreja para servirem como colportores. c) Encomendar material de publicações, segundo as necessidades, através do secretário dos Ministérios Pessoais. d) Enviar relatórios ao Campo/Missão/Conferência(Associação) sobre as actividades da igreja na área dos Ministérios das Publicações/ Colportagem. e) Ser membro do Conselho da Igreja local.


CAPÍTULO 10

Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja Um Ministério Divinamente Designado “Deus tem uma Igreja, e ela tem um ministério designado por Ele. ‘E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo’. “O Senhor tem os Seus agentes designados, e uma Igreja que tem sobrevivido a perseguições, conflitos e trevas. Jesus amou a Igreja, e por ela Se deu a Si mesmo, e Ele a há-de aperfeiçoar, refinar, enobrecer e elevar, de maneira que ela fique firme no meio das corruptoras influências deste mundo. Homens designados por Deus foram escolhidos para vigiar com zeloso cuidado, com vigilante perseverança, a fim de que a Igreja não seja subvertida pelos malignos ardis de Satanás, mas que ela esteja no mundo para promover a glória de Deus entre os homens.” – Testemunhos Para Ministros, págs. 52 e 53. O Presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo O presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo deve ser um ministro ordenado, de experiência e boa reputação. Ele está à testa do ministério evangélico da sua Conferência (Associação)/Missão/Campo e é o pastor geral, ou supervisor, de todas as igrejas. Trabalha pelo bem-estar espiritual e pela edificação das igrejas. Aconselha-as no tocante às respectivas actividades e planos. Tem acesso a todas as igrejas, aos seus cultos, reuniões administrativas e Conselhos da Igreja, sem voto a não ser que este lhe tenha sido concedido pela respectiva igreja, e pode, em virtude do seu cargo, presidir às sessões de qualquer das igrejas quando seja necessário. Tem acesso a todos os registos da igreja, livros de relatórios, etc.. Ele não deixará de lado os oficiais da igreja devidamente eleitos, mas


190

MANUAL DA IGREJA

trabalhará em cooperação com eles. Estes, por sua vez, reconhecendo os vínculos de ligação com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, estão obrigados a consultá-lo no tocante a tudo quanto se relacione com o bem-estar da igreja. Não devem tentar excluí-lo do devido desempenho dos seus deveres. Os Pastores e Directores de Distrito Não São Executivos Os ministros ordenados, nomeados pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo para actuarem como pastores ou directores de um distrito, não substituem o presidente nos seus respectivos campos; não estão revestidos de poderes administrativos como o presidente, mas cooperam com ele na execução dos planos e normas da Conferência (Associação)/Missão/Campo. O Presidente e o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo Dirigem os Directores Departamentais Os directores dos departamentos são empregados pela Conferência (Associação)/Missão/Campo para promover sectores importantes da obra denominacional. A fim de poderem executar com êxito a obra de que estão incumbidos, estes obreiros precisam de ter acesso às igrejas. Deve-se-lhes dar a oportunidade de apresentar e executar os seus planos nas igrejas. Espera-se que estes obreiros manifestem simpatia e consideração por todos os planos da igreja, mesmo que se situem fora dos seus respectivos departamentos. Estes directores estão sob a direcção geral do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo em consulta com o seu presidente, que é o responsável por todos os sectores da obra. O Trabalho dos Directores Departamentais Não é Administrativo Os directores de departamento não estão investidos de autoridade administrativa nem executiva no trabalho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo ou da igreja, mas relacionam-se com o campo na qualidade de conselheiros. O seu trabalho com as igrejas não se processa ao mesmo nível de relação que o do Conselho ou do presidente da Conferência


Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja

191

(Associação)/Missão/Campo, mas é antes um trabalho primordialmente de carácter específico, e é na promoção da actividade própria dos respectivos departamentos que eles trabalham em todo o território da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Não se espera que dêem conselhos acerca das eleições da igreja e outros deveres administrativos, ou qualquer outro ramo de serviço, a menos que o presidente da Conferência (Associação)/ Missão/Campo lhes peça especialmente que o façam. Relação do Ministro Ordenado com o Trabalho da Igreja Quando é nomeado para trabalhar como pastor de uma igreja local, o ministro ordenado é colocado numa posição superior à do ancião ou anciãos locais, e estes funcionam como seus auxiliares. Em virtude da sua ordenação para o ministério, tem capacidade para dirigir todos os ritos e cerimónias da igreja. Deve ser o director e conselheiro espiritual da igreja. Deve instruir os oficiais da igreja nos seus deveres e planear com eles todos os ramos do trabalho e actividade da igreja. Quando um ministro é nomeado pastor de uma igreja pelo Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, entende-se que ele é membro do Conselho da Igreja e actua como seu presidente. No caso de o pastor necessitar de ser dispensado da responsabilidade de actuar como presidente do Conselho da Igreja, então um ancião dessa igreja actua como presidente. É preciso que entre o pastor e o ancião da igreja exista a mais estreita cooperação. (Ver pág. 85.) O ministro, com a ajuda dos anciãos, deve planear e dirigir todos os cultos espirituais da igreja, como o culto regular do Sábado e a reunião de oração, e deve oficiar nos serviços de comunhão e de baptismo. Não deve cercar-se de nenhum grupo especial de conselheiros da sua própria escolha, mas trabalhar sempre em cooperação com os oficiais devidamente eleitos pela igreja. Quando um ministro ordenado da Conferência (Associação)/Missão/ Campo ou algum outro enviado por ela visita uma igreja, espera-se que o ancião local lhe manifeste a devida deferência convidando-o para ocupar o púlpito. Isto também se aplica aos obreiros não ordenados enviados pela Conferência (Associação)/Missão/Campo ou campo local. (Ver págs. 112, 195, 196.)


192

MANUAL DA IGREJA As Igrejas Não Elegem o Pastor

Os pastores, ou pastores auxiliares, não são nomeados nem eleitos para esses cargos pela igreja. A sua relação com a igreja é por nomeação do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, e essas nomeações podem ser modificadas em qualquer altura. (Ver também pág. 85.) Ministros Licenciados A fim de dar aos jovens a oportunidade de demonstrarem a sua vocação para o ministério, especialmente no âmbito da conquista de almas, a Conferência (Associação)/Missão/Campo concede aos prováveis candidatos a credencial de ministro licenciado. A concessão desta credencial confere a oportunidade e o direito de desenvolver o dom ministerial. O ministro licenciado é autorizado a pregar, a empenhar-se no evangelismo, a dirigir o trabalho missionário, a ajudar em qualquer actividade da igreja. Em muitos campos, porém, há circunstâncias nas quais se torna necessário que a Conferência (Associação)/Missão/Campo nomeie um ministro licenciado para assumir a responsabilidade de ser o pastor ou o pastor auxiliar de uma igreja ou de um grupo de igrejas. Para lhe permitir exercer certas funções ministeriais, a igreja ou o grupo de igrejas que ele irá servir pode elegê-lo como ancião local. No entanto, dado que o ministro é empregado pela Conferência (Associação)/Missão/Campo, e por ela nomeado, ele representa essa instituição, a qual pode considerar que a sua autoridade e as suas responsabilidades devam ser ampliadas em maior ou menor grau, segundo as circunstâncias, a fim de habilitá-lo a cumprir satisfatoriamente os seus deveres. O direito de permitir essa ampliação da autoridade e responsabilidade cabe, em primeiro lugar, ao Conselho executivo da Divisão. O seu voto é necessário antes que qualquer Conferência (Associação)/ Missão/Campo possa ampliar a autoridade e a responsabilidade do ministro licenciado. Esse voto definirá específica e claramente quais as funções ministeriais adicionais que um ministro licenciado poderá desempenhar, entendendo-se sempre, porém, que as suas funções como ancião da igreja e as suas funções ampliadas sejam sempre e unicamente restritas à igreja ou ao grupo de igrejas que ele serve. (Ver pág. 84.)


Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja

193

Nos seus votos, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo não irá além do que for autorizado pelo Conselho da Divisão. Não deverá autorizar um ministro licenciado a ir de igreja em igreja, fora da igreja ou do grupo de igrejas das quais ele é ancião local, celebrando ritos da igreja atinentes às funções de um ministro ordenado. Uma decisão do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo não pode substituir a eleição da igreja ou a ordenação para o ministério. Instrutores Bíblicos Um ramo de serviço muito importante é o dos instrutores bíblicos. Isto é reconhecido pelas Conferências (Associações)/Missões/Campos quando empregam pessoas aptas para este ramo da obra. Podem ser transferidos de um lugar para outro, segundo a obra o requeira. Podem ser destacados para trabalhar em ligação com um esforço de evangelização, em cujo caso ficam sob a direcção imediata do evangelista dele encarregado, ou podem ficar a residir em alguma cidade para trabalhar em ligação com uma igreja local. Neste caso, ficam sob a direcção imediata do pastor da igreja mas, como já se viu, estão sob a direcção geral da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. A um instrutor bíblico da Conferência (Associação)/ Missão/Campo não deve ser pedido, excepto mediante acordo especial com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, que desempenhe qualquer cargo na igreja, mas deve ser deixado livre para realizar o seu trabalho pessoal de ganhador de almas. Gerentes de Centros Adventistas de Publicações Estes gerentes são obreiros da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, estando por isso sob a direcção do Conselho e do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Embora tenham um contacto particularmente íntimo com as nossas casas publicadoras, não são escolhidos, eleitos ou dirigidos pelos Conselhos das casas publicadoras, mas sim pela Conferência (Associação)/Missão/Campo. Na escolha destes obreiros, convém considerar a possibilidade de utilizar pessoal disponível que tenha alguma experiência em relação com as nossas casas publicadoras.


194

MANUAL DA IGREJA O Pastor Deve Auxiliar o Evangelista

Quando se pede a um evangelista que dirija um esforço de evangelização numa localidade ou cidade onde já exista uma igreja com um pastor que se ocupa dela, esse pastor deve ser convidado pela Conferência (Associação)/ Missão/Campo a auxiliar o evangelista, dando-se assim ao pastor a oportunidade de se familiarizar com os prováveis futuros membros. O Presidente e o Conselho Dirigem os Obreiros da Conferência (Associação)/Missão/Campo O presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo, juntamente com o respectivo Conselho, dirige os obreiros da Conferência (Associação)/ Missão/Campo nas suas diversas actividades. Tem o dever de pôr os obreiros ao corrente dos planos e orientações do Conselho, e conseguir a cooperação dos obreiros para os levar a efeito. O presidente deve tomar um interesse especial em promover o trabalho de evangelização da Conferência (Associação)/Missão/Campo, fazendo tudo quanto esteja ao seu alcance para estimular um esforço constante de todos os obreiros para ganhar almas. Deve ser activo no recrutamento de jovens para o ministério e ajudá-los na sua preparação. A Conferência (Associação)/Missão/Campo emprega directores de departamentos para que impulsionem ramos importantes da obra denominacional. Todos os obreiros da Conferência (Associação)/Missão/Campo – ministros, instrutores bíblicos, directores de departamentos, etc., – estão sob a direcção do Conselho da mesma Conferência (Associação)/Missão/Campo. Recebem as suas credenciais da Conferência (Associação)/Missão/Campo e é perante ela que são responsáveis, e não perante alguma igreja local da Conferência (Associação)/Missão/Campo. As igrejas podem requerer os serviços ou a ajuda de obreiros da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, dirigindo os seus pedidos ao respectivo presidente, mas em todos os casos a nomeação compete ao Conselho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Podem ser nomeados obreiros para trabalhar em certas igrejas, e quando, no entender do Conselho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, a nomeação deva ser modificada, tem o Conselho a liberdade de o fazer. O obreiro ou a igreja podem apelar para o Conselho da


Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja

195

Conferência (Associação)/Missão/Campo a fim de serem ouvidos quanto à decisão de tirar o obreiro do seu campo de trabalho. Isso será considerado cuidadosamente, à luz das necessidades de toda a Conferência (Associação)/ Missão/Campo, e será tomada uma decisão de acordo com o que se achar correcto. No caso de se verificar uma situação em que o obreiro se negue a cooperar com o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo e recuse trabalhar em harmonia com as respectivas decisões, a sua conduta pode ser considerada como insubordinação, e ser tratada como tal. Em nenhum caso deve o obreiro apelar para a igreja quanto a estas decisões. Qualquer igreja que apoie o obreiro na sua posição em tais circunstâncias fica sujeita à disciplina da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Credenciais e Licenças A obra de Deus tem de ser zelosamente salvaguardada pelos dirigentes responsáveis em cada passo da sua organização, desde a igreja local até à Conferência Geral. Para que os inimigos da obra não tenham acesso aos nossos púlpitos, insiste-se, da maneira mais categórica, em que não seja permitido que pessoa alguma fale a qualquer congregação sem que apresente uma credencial da organização, válida e actualizada. Reconhece-se, no entanto, que há ocasiões em que é apropriado que funcionários do governo ou dirigentes cívicos falem às nossas congregações, mas todas as pessoas não autorizadas devem ser excluídas do púlpito. (Ver págs. 112, 191, 273-276.) As igrejas, na sua capacidade colectiva através da Conferência (Associação)/Missão/Campo, conferem a certas pessoas autoridade para representar e falar em nome da igreja como ministros e obreiros do evangelho. Esta autoridade é representada pela outorga de credenciais, que são documentos escritos, devidamente datados e assinados pelos oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo. A autoridade assim conferida não é pessoal nem inerente ao indivíduo possuidor da credencial, mas inerente ao corpo que confere a credencial, e pode ser retirada em qualquer momento em que exista uma causa suficiente. As credenciais conferidas aos obreiros nunca devem ser consideradas propriedade pessoal, mas sim propriedade da organização que as conferiu. O obreiro é moralmente obrigado a devolvê-las quando a organização o solicite.


196

MANUAL DA IGREJA

São emitidas credenciais oficiais para todos os obreiros Adventistas do Sétimo Dia autorizados, conferidas pelos Conselhos de que estes dependem e por períodos limitados. Credenciais Desactualizadas Conferem-se credenciais para a duração do período do mandato, seja este anual, trienal ou quinquenal. As credenciais são renovadas por voto da assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Se por qualquer razão não for considerado aconselhável renovar a credencial a algum ministro, este deixa de ter funções como obreiro na Conferência (Associação)/Missão/Campo. A posse de credenciais desactualizadas não o autoriza a funcionar em nenhum dos misteres de um ministro. Em tal caso, passa a não ter mais autoridade ou categoria do que qualquer outro membro leigo na igreja. Destituição de um Ministro Um ministro pode ser destituído do seu cargo por voto do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, sem que isso afecte a sua situação de membro da igreja. Quando um ministro é eliminado da igreja e mais tarde volta a ser integrado como membro da igreja, não é por esse facto reintegrado no ministério. Essa pessoa é readmitida na igreja simplesmente como membro leigo. Obreiros Reformados Em todas as Conferências (Associações)/Missões/Campos há obreiros que, por motivo de idade ou estado de saúde, se retiraram do serviço activo. Esta classe de obreiros é merecedora de respeito e consideração. Em muitos casos dedicaram longos anos de colaboração prestada à edificação da causa de Deus. A sua presença é uma bênção e uma ajuda para as nossas igrejas. Os obreiros reformados são em geral membros da igreja mais próxima da sua residência. Podem ser eleitos para qualquer cargo da igreja e, neste caso, actuam livremente em todos os misteres do cargo em que servem.


Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja

197

Também podem exercer as suas funções ministeriais sob a direcção do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Ministros sem Credenciais que Servem nas Nossas Igrejas Pode haver casos de homens que no passado foram ordenados como ministros mas, por qualquer razão válida, não são portadores de credenciais da organização. Podem ser eleitos como anciãos de igrejas e, se a sua ordenação não tiver sido invalidada, esses homens não precisam de ser ordenados como anciãos, mas nas suas funções ficam restritos às actividades e prerrogativas de um ancião local.


CAPÍTULO 11

A Eleição da Igreja Considerando as responsabilidades dos oficiais da igreja e a espécie de trabalho que deles se requer, a eleição desses oficiais é uma tarefa importante. É necessário que este dever seja exercido com oração, de maneira bem ordenada e com seriedade. Só devem ser escolhidas pessoas que cumpram plenamente as tarefas específicas da função para a qual tiverem sido nomeadas. A Comissão de Nomeações Na Igreja Adventista do Sétimo Dia, os oficiais são eleitos anualmente ou de dois em dois anos (ver pág. 82), por intermédio de uma Comissão de Nomeações. Esta Comissão apresenta o seu relatório à igreja, a qual decide então acerca dos nomes apresentados. Este procedimento possibilita o estudo minucioso de cada nome, antes da eleição, e evita o aspecto de competição pública que pode surgir quando as nomeações são feitas no plenário. A Comissão de Nomeações deve estudar as necessidades da igreja e averiguar cuidadosamente a aptidão dos membros para servirem nos diferentes cargos. Por esta razão os oficiais não deverão ser nomeados no plenário ou por votação geral. O Manual da Igreja não determina o número de membros da Comissão de Nomeações. Este variará de cinco membros, numa igreja pequena, a um número maior, numa igreja grande. O número exacto a escolher é deixado ao critério de cada igreja. Este ponto deve ser estudado pelo Conselho da Igreja antes de ser apresentado a esta última. Pode submeter-se, então, uma recomendação adequada à igreja, utilizando um mínimo do tempo reservado ao culto de Sábado. Quando é Escolhida a Comissão de Nomeações – A Comissão de Nomeações deve ser escolhida no princípio do último trimestre do ano eclesiástico e apresentar o seu relatório pelo menos três semanas antes do último Sábado do ano eclesiástico.


200

MANUAL DA IGREJA

Como é Escolhida a Comissão de Nomeações – O ministro, ou na sua ausência o ancião, deve submeter o assunto à atenção da igreja. Esta escolherá então uma Comissão Especial que terá a responsabilidade de nomear a Comissão de Nomeações. Esta Comissão Especial pode ser escolhida de uma das duas maneiras seguintes: 1. Por nomeações directas, verbais ou escritas, feitas pela congregação reunida. Se as nomeações verbais forem feitas pela congregação reunida, deve ficar entendido que nenhum membro poderá indicar mais do que uma pessoa. Desaprova-se qualquer tentativa de uma pessoa ou de um pequeno grupo de pessoas para impor o seu critério ao conjunto dos membros da igreja. Tudo quanto seja de natureza política deve ser evitado. 2. Por autorização dada pela igreja ao seu Conselho para, juntamente com mais cinco a sete pessoas escolhidas pela igreja, de acordo com o parágrafo anterior, funcionar como Comissão Especial. Os passos sucessivos são os seguintes: a. A igreja escolhe por voto uma comissão especial, seguindo um dos dois métodos acima mencionados. b. A Comissão Especial recomenda à igreja nomes para a Comissão de Nomeações, com sugestões para o presidente e o secretário. c. A igreja designa por voto a Comissão de Nomeações, nomeando o presidente e o secretário. d. A Comissão de Nomeações reúne-se para preparar a lista dos oficiais de igreja, que será apresentada à igreja para aprovação. e. A igreja designa por voto os vários oficiais de igreja para o ano seguinte. Quem Deve Ser Membro da Comissão de Nomeações – Somente membros da igreja que estejam em situação regular devem ser escolhidos para membros desta comissão. Devem ser pessoas de raciocínio claro e, sobretudo, que pugnem pelo bem-estar e a prosperidade da igreja. Não existem membros ex offício numa Comissão de Nomeações excepto o pastor ou o director do distrito que actua como presidente da comissão. Se o pastor ou director do distrito achar melhor não presidir à comissão, ou no caso da Conferência (Associação)/Missão/Campo ainda não ter designado um pastor ou director distrital para a igreja, a comissão especial designada pela igreja para nomear a Comissão de Nomeações recomendará à igreja


A Eleição da Igreja

201

o nome de um membro local para actuar como presidente da Comissão de Nomeações. O Trabalho da Comissão de Nomeações – Logo que seja possível após a sua eleição, a Comissão de Nomeações deve ser convocada pela pessoa eleita para actuar como presidente. Orando fervorosamente por orientação, a Comissão deve começar o seu trabalho de preparar uma lista de nomes de oficiais e seus auxiliares a submeter à igreja, lista essa composta de membros em situação regular no registo da igreja que procede às nomeações. Estes nomes serão propostos para os vários cargos e apresentados à igreja por ocasião do culto de Sábado ou numa reunião administrativa da igreja especialmente convocada para o efeito. Ao fazer as suas escolhas, a Comissão pode aconselhar-se com outros que estejam bem informados. Esta Comissão não nomeia o pastor nem o(s) pastor(es) auxiliar(es). Estas nomeações são feitas pelo conselho executivo da Conferência (Associação)/Missão/Campo. A Comissão de Nomeações da igreja ocupa-se dos seguintes cargos: Ancião(s) Diácono(s) Diaconisa(s) Secretário Tesoureiro Vice-tesoureiro ou vice-tesoureiros Coordenador dos Ministérios da Criança Director do coro ou da música Organista ou pianista da igreja Secretário de Educação Director(es) dos Ministérios da Família Directora dos Ministérios da Mulher Coordenador do Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência Director dos Ministérios Pessoais Secretário dos Ministérios Pessoais Coordenador da Escola Bíblica Coordenador dos Ministérios das Publicações Coordenador de Interessados Director dos Serviços à Comunidade


202

MANUAL DA IGREJA

Director da Escola Sabatina Vice-directore(s) da Escola Sabatina Secretário(s) da Escola Sabatina Vice-secretário(s) da Escola Sabatina Directores das divisões da Escola Sabatina, incluindo os directores das divisões dos adultos e da Divisão de Extensão. Secretário do Fundo de Investimento da Escola Sabatina Director da Escola Cristã de Férias Director da Associação Lar e Escola Secretário-tesoureiro da Associação Lar e Escola Director/a da Sociedade de Dorcas/Serviço de Assistência Social Secretário/a-tesoureiro/a da Sociedade de Dorcas/S.A.S. Director da Sociedade de Juvenis Adventistas Vice-Director da Sociedade de Juvenis Adventistas Director da Sociedade de Jovens Adventistas Vice-director da Sociedade de Jovens Adventistas Conselheiro da Sociedade de Jovens Adventistas Secretário-tesoureiro da Sociedade de Jovens Adventistas Vice-secretário-tesoureiro da Sociedade de Jovens Adventistas Director de música da Sociedade de Jovens Adventistas Pianista ou organista da Sociedade de Jovens Adventistas Director do Clube de Desbravadores Vice-director do Clube de Desbravadores Director dos Tições Director de Liberdade Religiosa Secretário de Comunicação ou Conselho de Comunicação Director dos Ministérios da Saúde Director de Mordomia Conselho da Igreja Conselho Escolar Outros dirigentes que a igreja possa julgar necessários, excepto monitores da Escola Sabatina, que devem ser eleitos pelo Conselho da Escola Sabatina e aprovados pelo Conselho da Igreja. Os oficiais da Associação Lar e Escola são nomeados no caso de a igreja local ser a única que mantém a escola. Estas nomeações são transmitidas ao Conselho Escolar, o qual procede à eleição. No caso de ser mais de uma


A Eleição da Igreja

203

igreja a manter uma escola, todo este processo é conduzido pelo Conselho Escolar. (Ver págs. 160-162). O tamanho da igreja determinará, naturalmente, o número de oficiais que devem ser escolhidos. Se a igreja for pequena, muitos dos “vices” poderão ser omitidos. Numa igreja grande, todos os oficiais e directores citados na lista precedente poderão ser necessários. A Comissão de Nomeações Deve Consultar os Prováveis Futuros Oficiais – Depois de escolher para os vários cargos pessoas que sejam membros fiéis e leais da igreja local,* devem os membros da Comissão de Nomeações informar essas pessoas da sua nomeação para os cargos e obter a respectiva concordância para os desempenhar. Um Membro Pode Ir Falar à Comissão de Nomeações – Se algum membro da igreja desejar apresentar-se numa reunião da Comissão de Nomeações a fim de fazer sugestões ou apresentar objecções, deve dar-se-lhe a oportunidade de o fazer. As suas sugestões ou objecções deverão ser consideradas e julgadas depois de ele ter deixado a sala da comissão. Quando isto tiver sido feito e tudo tiver sido esclarecido a contento da Comissão, esta encontrar-se-á em condições de apresentar o seu relatório. As Discussões da Comissão de Nomeações São Confidenciais – Constitui violação da ética cristã e do espírito da regra áurea, que um membro de uma Comissão de Nomeações repita, fora de uma sessão da Comissão, qualquer informação, observação ou conversa referente a qualquer membro cujo nome tenha sido considerado para um cargo qualquer. Uma transgressão neste sentido constitui motivo suficiente para excluir tal membro da Comissão de Nomeações de participar no trabalho da mesma. Todas as investigações e considerações referentes à capacidade dos membros para desempenharem cargos na igreja devem ser confidenciais. No caso de ser necessário que se façam investigações fora da Comissão, deverá fazê-las o próprio presidente da Comissão. Estes princípios aplicam-se ao trabalho de todas as Comissões de Nomeações, tanto no trabalho da igreja como no da Conferência (Associação)/Missão/Campo. * Qualquer excepção a esta regra terá de ser aprovada pela Conferência (Associação)/ Missão/Campo. (Ver pág. 84, “A Obra do Ancião da Igreja é Local”.)


204

MANUAL DA IGREJA

A Apresentação do Relatório à Igreja – Este relatório é apresentado à igreja em conjunto, e não ao Conselho da Igreja. O Conselho da Igreja não tem jurisdição nestes assuntos. O relatório desta Comissão poderá ser apresentado no culto de Sábado ou numa reunião administrativa da igreja especialmente convocada para o efeito. Quando a Comissão de Nomeações estiver pronta para apresentar o seu relatório, deverá o ministro ou o ancião da igreja dar ao presidente da Comissão de Nomeações a oportunidade de fazer perante a igreja as devidas observações. Deverão ser distribuídas pelos membros cópias do relatório, ou então deverá este ser lido em voz alta pelo secretário da Comissão de Nomeações. O presidente deverá anunciar que o relatório irá ser votado uma ou duas semanas mais tarde. Objecções ao Relatório da Comissão de Nomeações – Todo o membro da igreja tem o direito de levantar objecções ao relatório da Comissão de Nomeações. Qualquer destas objecções deverá ser apresentada pessoalmente à Comissão de Nomeações para consideração antes da segunda leitura do relatório, marcando-se o encontro por intermédio do presidente da Comissão ou do pastor da igreja. Ou então, na ocasião da segunda leitura do relatório, o objector pode pedir que todo o relatório seja devolvido sem discussão à Comissão, para ulterior consideração. O procedimento usual é que o presidente da Comissão aceite a devolução. Todavia, se o pedido se transformar em moção, não fica sujeito a debate e é decidido por voto da maioria. O presidente da Comissão deve, então, anunciar quando e onde a Comissão estará reunida em sessão para ouvir as objecções a qualquer nome. Nessa ocasião, o membro que tem a objecção, ou qualquer outro membro que deseje exercer esse direito, deverá comparecer perante a Comissão. Se a eleição tiver sido adiada devido à objecção de algum membro, seria um caso de extrema seriedade que esse membro deixasse de se apresentar perante a Comissão. Objecções triviais ou sem fundamento não devem ser apresentadas contra nenhum nome; mas se houver razões sérias pelas quais uma nomeação deva ser mudada, essas razões deverão ser apresentadas. A Comissão deve dar a devida consideração às objecções apresentadas. Se forem consideradas justas, deverá substituir


A Eleição da Igreja

205

o nome impugnado. Quando a Comissão apresentar novamente o relatório à igreja, esta deverá retomar a respectiva votação. Todos os membros da igreja devem votar na eleição dos oficiais da sua igreja. A eleição é efectuada pelo voto da maioria dos que se encontrem presentes e efectivamente participem na votação. Vagas – Se um cargo da igreja vagar durante o ano por morte, mudança, renúncia ou outro motivo, o Conselho da Igreja nomeia um sucessor para preencher a vaga durante o resto do período e submete essa nomeação à igreja para eleição. Eleição de Delegados à Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo Local Nas organizações de Conferências (Associações) locais e da União, toda a autoridade administrativa emana dos delegados em assembleia. As igrejas locais da Conferência (Associação) elegem delegados para a Assembleia dessa Conferência (Associação). Estes delegados estão devidamente autorizados a representar as igrejas nas reuniões de trabalho nessas assembleias. A Assembleia da Conferência (Associação) elege oficiais, outorga credenciais e licenças, adopta ou modifica os estatutos, se necessário, e toma outras decisões administrativas. Um dos seus mais importantes actos é a eleição do Conselho Executivo, cujo dever é funcionar em nome dos membros da Assembleia no período entre duas sessões da mesma. Este conselho é investido do poder e autoridade que lhe são delegados por todas as igrejas no território da Conferência (Associação). Escolha dos Delegados – “Dispôs Ele [Deus] as coisas de maneira tal que homens escolhidos sejam enviados como delegados às nossas assembleias. Esses homens devem ser experimentados e provados. Devem ser homens dignos de confiança. A escolha de delegados para assistirem às nossas assembleias é um assunto importante. Esses homens devem fazer os planos que serão adoptados para o avanço da obra, pelo que devem ser homens de discernimento, capazes de raciocinar da causa para o efeito.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 410. O número de delegados de cada igreja para a Assembleia da Conferência (Associação)/Missão é determinado pelas indicações dos estatutos


206

MANUAL DA IGREJA

dessa Conferência (Associação)/Missão. Quando chega o momento de eleger os delegados, o pastor, ou o primeiro ancião em cooperação com o pastor, apresentará o assunto à consideração da igreja. Pode ser formada uma comissão para nomear os delegados, ou pode pedir-se ao Conselho da Igreja que os nomeie. Não se deve permitir que penetre na obra coisa alguma de natureza política. Devem eleger-se para delegados homens e mulheres de piedade e lealdade reconhecidas e que possam comparecer na Assembleia. (Ver págs. 88, 94/95.) Quando a Comissão ou o Conselho da Igreja tiver terminado o seu trabalho, deve apresentar um relatório à igreja, indicando os nomes dos membros que escolheu para delegados. A igreja vota então a nomeação dessas pessoas. Nenhum oficial da igreja é delegado ex officio em virtude do seu cargo. Depois da eleição, o secretário da igreja preencherá os formulários das credenciais de delegado fornecidos para esse fim, e devolvê-los-á ao secretário da Conferência (Associação)/Missão. Os delegados escolhidos tornam-se representantes da igreja para, juntamente com os delegados de outras igrejas da Conferência (Associação)/Missão, participarem na eleição dos oficiais da Conferência (Associação)/Missão e na resolução de todos os outros assuntos administrativos. Os delegados para a Assembleia de uma União de Conferências (Associações)/Missões são escolhidos pelas Conferências (Associações)/Missões locais, e não pelas igrejas. Os delegados à Assembleia da Conferência Geral são escolhidos pelas Divisões e Uniões de Conferências (Associações)/Missões. Os períodos de mandato destas organizações são determinados pelos seus respectivos estatutos. O Dever dos Delegados – Um delegado a uma Assembleia da Conferência (Associação)/Missão ou a uma reunião de delegados não é escolhido para simplesmente representar a igreja ou a Conferência (Associação)/Missão. Quando em sessão o delegado deve ter em vista a obra no seu conjunto, lembrando-se de que é responsável pelo bem-estar da obra em todas as partes do campo. Não é permissível que delegações de uma igreja ou de uma Conferência (Associação)/Missão se organizem ou tentem orientar os seus votos em bloco. Também não é permissível que os delegados de uma igreja grande pretendam a preeminência para dirigir os assuntos da Assembleia de uma Conferência (Associação)/Missão. Cada delegado deve ser sensível à direcção do Espírito Santo e votar de acordo com as suas convic-


A Eleição da Igreja

207

ções pessoais. Qualquer oficial ou dirigente de igreja ou da Conferência (Associação)/Missão que tentasse controlar os votos de um grupo de delegados considerar-se-ia desqualificado para o exercício do seu cargo. Responsabilidade dos Oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo A igreja local não tem qualquer autoridade fora do seu próprio corpo local. Une-se às demais igrejas da Conferência (Associação)/Missão para delegar autoridade e responsabilidade aos oficiais e ao Conselho Executivo da Conferência (Associação)/Missão para prosseguir a obra da dita Conferência (Associação)/Missão entre as assembleias. Esses oficiais são responsáveis perante a Conferência (Associação)/Missão no seu conjunto, e não perante qualquer igreja local. Os Membros do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo Representam Toda a Conferência (Associação)/Missão/ Campo Os membros do Conselho da Conferência (Associação)/Missão são eleitos para representar a obra em todo o território dessa Conferência (Associação)/Missão; não representam meramente uma igreja local, ou distrito, ou alguma particular instituição da Conferência (Associação)/ Missão. Cada membro deve sentir uma clara responsabilidade de fomentar todos os interesses da obra em todas as partes do campo. As decisões e votos do Conselho não devem ser dominados ou influenciados por nenhuma igreja, grupo ou indivíduo. As decisões serão conseguidas depois de um sério e cuidadoso estudo de todos os aspectos dos assuntos que se lhe apresentem, relativos à administração da obra.


CAPÍTULO 12

Finanças Evangélicas O plano evangélico para o sustento da obra de Deus na pregação do evangelho eterno aos homens é por meio dos dízimos e das ofertas do Seu povo. A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem seguido este plano desde os seus primeiros dias. A base bíblica para a entrega do dízimo e das ofertas encontra-se nas passagens seguintes: Lev. 27:30; Mal. 3:8-12; Mat. 23:23; I Cor. 9:9-14 e II Cor. 9:6-15. Observem-se também os seguintes trechos do Espírito de Profecia: “O sistema dos dízimos e ofertas destinava-se a impressionar a mente dos homens com uma grande verdade – a verdade de que Deus é a fonte de toda a bênção às Suas criaturas e de que a Ele é devida a gratidão do homem pelas boas dádivas da Sua providência.” – Patriarcas e Profetas, pág. 525. “Os dízimos e ofertas dados a Deus são um reconhecimento do direito que Deus tem sobre nós, pela criação, bem como o reconhecimento desse mesmo direito que a Deus assiste pela nossa redenção. Pelo facto de todas as nossas capacidades provirem de Cristo, tais ofertas devem reverter de nós para Ele. Devem lembrar-nos sempre o direito que a Deus confere a nossa redenção, o maior de todos os direitos, e que inclui todos os demais. A compreensão do sacrifício feito por nós deve conservar-se viva na nossa mente e exercer sempre influência sobre os nossos pensamentos e planos. Cristo é, com efeito, como Alguém que está crucificado entre nós.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 77. “O dízimo é sagrado, reservado por Deus para Si mesmo. Deve ser levado à Sua tesouraria para ser usado no sustento dos obreiros evangélicos no seu trabalho.” – Testimonies, vol. 9, pág. 249. “Ele deu ao Seu povo um plano para levantamento de fundos suficientes para que ele se mantenha a si mesmo. O plano divino do dízimo é belo na sua simplicidade e equidade. Todos podem praticá-lo com fé e ânimo, pois é de origem divina. Nele aliam-se a simplicidade e a utilidade e não exige muita profundidade de conhecimento para o compreender e executar. Todos podem sentir que lhes é possível ter uma parte em promover a


210

MANUAL DA IGREJA

preciosa obra da salvação. Todos os homens, mulheres e jovens podem tornar-se tesoureiros do Senhor e um agente em prestar atenção às exigências sobre o tesouro. Diz o apóstolo: ‘Cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade’.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 367. “O que foi separado, segundo as Escrituras, como pertença do Senhor constitui a renda do evangelho e deixou de nos pertencer. Equivale a um sacrilégio o acto de um homem retirar algo da tesouraria de Deus para se servir a si mesmo ou a outros nos seus negócios seculares.” – Testimonies, vol. 9, págs. 246 e 247. “Cada membro da igreja deve ser ensinado a ser fiel na entrega de um dízimo honesto.” – Testimonies, vol. 9, pág. 251. “Isto não é uma solicitação humana; é uma das ordenanças de Deus, pela qual a Sua obra deve ser mantida e continuada neste mundo. ... Ninguém pode eximir-se da devolução do dízimo e das ofertas ao Senhor.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 307. “Deus tem feito depender a proclamação do evangelho do trabalho e dos donativos do Seu povo. As ofertas voluntárias e os dízimos constituem o meio de manutenção da obra do Senhor. Dos bens confiados aos homens, Deus reclama uma certa porção – o dízimo. A todos Ele concede a liberdade para decidirem se desejam ou não dar mais do que isto.” – Actos dos Apóstolos, pág. 74. “Deus deu uma orientação especial quanto ao emprego do dízimo. Ele não quer que a Sua obra seja entravada por falta de meios. Para que não seja um trabalho feito ao acaso e com erros, Ele tornou bem claro o nosso dever nestes pontos. Aquilo que Deus reservou para Si não deve ser desviado para nenhum outro desígnio para além daquele para que Deus o especificou. Que ninguém se sinta na liberdade de reter o dízimo, para o empregar segundo o seu próprio juízo. Não devem usá-lo em proveito próprio numa emergência, nem aplicá-lo segundo lhes pareça justo, mesmo naquilo que possa ser considerado como obra do Senhor.” – Obreiros Evangélicos, pág. 224, 225. A Mordomia Os cristãos são mordomos de Deus, depositários dos Seus bens e, como Seus sócios, responsáveis por administrá-los de acordo com as Suas orien-


Finanças Evangélicas

211

tações e princípios delineados, nas Escrituras e no Espírito de Profecia. O conselho divino é: “Requer-se nos despenseiros, que cada um se ache fiel” (I Cor. 4:2). O assunto da mordomia na sua forma mais plena abrange muitos aspectos da vida e da experiência cristã, tais como o nosso tempo, influência e serviço, mas não há dúvida de que a mordomia dos nossos meios é um aspecto vitalmente importante deste assunto. É uma questão que diz respeito a toda a família da igreja. Implica o nosso reconhecimento da soberania de Deus, de que Ele é o proprietário de todas as coisas e nos confere ao coração a Sua graça. À medida que crescemos na compreensão destes princípios, seremos induzidos a apreciar melhor a maneira como o amor de Deus actua na nossa vida. Se bem que este aspecto da mordomia cristã se refira às nossas posses materiais, é, não obstante, alguma coisa que se reflecte muito definidamente na nossa experiência cristã. O Senhor requer de nós certas coisas, a fim de que Ele possa fazer certas coisas por nós. A nossa obediência voluntária ao que o nosso Pai celestial exige coloca este aspecto da mordomia num elevado plano espiritual. O nosso Deus não é exigente. Não exige arbitrariamente que O sirvamos nem que O reconheçamos com as nossas ofertas. Tomou, porém, as providências necessárias para que, quando trabalhamos de acordo com Ele nestas coisas, fluam para o nosso coração grandes bênçãos espirituais. Se, ao contrário, deixarmos de cooperar com Ele na realização dos Seus planos, privar-nos-emos das Suas mais ricas bênçãos quando mais delas necessitarmos. “Deus deseja que todos os Seus despenseiros sejam exactos no cumprimento das disposições divinas. Não devem compensar os planos do Senhor praticando algum acto de caridade, nem dando alguma esmola ou oferta como e quando eles, como agentes humanos, considerem apropriado. É uma política muito pobre tentar o homem melhorar o plano de Deus e inventar um expediente, valorizando os seus bons impulsos numa ou noutra ocasião e substituindo por eles os requisitos divinos. Deus pede que todos apoiem com a sua influência o que Ele estabeleceu. Ele deu a conhecer o Seu plano, e todos quantos com Ele queiram cooperar devem executar esse plano, em vez de se atreverem a tentar melhorá-lo.” – Testimonies, vol. 9, pág. 248.


212

MANUAL DA IGREJA O Dízimo

Os membros da igreja, no reconhecimento do plano bíblico e da solene obrigação que sobre eles repousa como filhos de Deus e membros do Seu corpo, a Igreja, são encorajados a entregar à tesouraria da denominação um dízimo fiel, a décima parte de todas as suas receitas ou rendimentos pessoais. O dízimo não é usado nem gasto pela igreja local, mas sim enviado à tesouraria da Conferência (Associação)/Missão/Campo, a qual, por sua vez, envia um décimo do total dos dízimos recebidos, para a União. Por sua vez, a União envia para a Conferência Geral, ou alguma das suas Divisões, um décimo do total dos dízimos recebidos. Deste modo, a Conferência (Associação)/Missão/Campo, a União e a Conferência Geral são providas de fundos com os quais podem manter os obreiros empregados e fazer face às despesas de administrar a obra de Deus nas suas respectivas esferas de responsabilidade e actividade. Além de entregarem à União dez por cento das suas receitas de dízimos, as Conferências (Associações)/Missões/Campos também enviam através da União, para a Conferência Geral ou para as suas Divisões, uma percentagem adicional dos seus dízimos determinada pelo Conselho Executivo da Conferência Geral ou da Divisão, destinada ao financiamento do programa da Igreja. Estes procedimentos foram desenvolvidos para a recolha e distribuição de fundos em todo o mundo e para a condução dos assuntos económicas da causa. Os aspectos financeiro e administrativo da obra da nossa denominação são de grande importância. Não podem ser separados da proclamação da mensagem da salvação; são sem dúvida uma parte integrante dela. Generosidade Sistemática e Unidade – O plano financeiro da denominação serve um propósito mais amplo do que aquele que aparece nos nossos relatórios financeiros e estatísticos. O esquema é mais do que um meio para reunir e distribuir fundos. É, sob a direcção de Deus, um dos grandes factores de unificação do Movimento Adventista. O povo de Deus é um povo unido. O nosso sistema de dividir os dízimos entre a Conferência (Associação)/Missão/Campo e a União, e entre a União e a Conferência Geral, e de partilhar os fundos com os campos mundiais, contribuiu para


Finanças Evangélicas

213

o cumprimento do maravilhoso propósito de unificar a obra no mundo inteiro. Como Deve Ser Utilizado o Dízimo – O dízimo deve ser considerado sagrado, separado para a obra do ministério, para o ensino da Bíblia, e para financiar a administração da Conferência (Associação)/Missão/Campo no apoio às igrejas e aos esforços missionários do campo. Não deve ser gasto noutros ramos do trabalho, no pagamento de dívidas das igrejas ou instituições, nem em programas de construção. “Foi-me transmitida uma mensagem muito clara e definida para os nossos irmãos. Foi-me ordenado que lhes diga que estão cometendo um erro ao aplicar o dízimo em vários objectivos que, embora bons em si mesmos, não são o objectivo para o qual Deus disse que o dízimo deve ser aplicado. Os que fazem este uso do dízimo estão a afastar-se do plano traçado pelo Senhor. Deus os julgará por estas coisas.” – Testimonies, vol. 9, pág. 248. Como Deve Ser Entregue o Dízimo – O dízimo é do Senhor e deve ser entregue, como acto de adoração, à tesouraria da Conferência (Associação)/Missão/Campo por intermédio da igreja da qual a pessoa é membro. Quando existam circunstâncias extraordinárias, os membros da igreja deverão consultar os oficiais da sua Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Os Obreiros e Oficiais da Igreja Devem Dar o Exemplo na Entrega do Dízimo – Os obreiros da Conferência (Associação)/Missão/Campo, os anciãos e outros oficiais da igreja, e os directores das instituições, devem reconhecer como princípio de boa direcção na Obra de Deus que se dê um bom exemplo neste assunto da entrega do dízimo. Ninguém que não aceite esta norma da igreja deve ser mantido no seu cargo, seja como oficial da igreja local ou como obreiro da Conferência (Associação)/Missão/ Campo. A Entrega do Dízimo é uma Obrigação Bíblica – Embora a devolução do dízimo não se considere uma prova de discipulado, reconhece-se ser uma obrigação bíblica que todo o crente tem para com Deus, e uma das


214

MANUAL DA IGREJA

práticas espirituais em que deve ter parte ao reclamar pela fé a plenitude da bênção na vida e na experiência cristã. “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do Céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança” (Mal. 3:10). As Ofertas Além do dízimo, as Escrituras assinalam o nosso dever de trazer ofertas ao Senhor. A retenção de ofertas, juntamente com a retenção do dízimo, é chamada roubo (Mal. 3:8). A Igreja Adventista do Sétimo Dia, desde o início da sua existência, seguiu a prática de dar ofertas liberais para a causa de Deus. Como resultado, uma grande prosperidade e bênção têm acompanhado a obra. O povo de Deus, na sua totalidade, tem-se unido para sustentar generosamente a causa, dando ofertas proporcionais aos seus rendimentos. As Ofertas da Escola Sabatina – O método mais amplamente seguido para dar sistematicamente é através das nossas Escolas Sabatinas. As ofertas das Escolas Sabatinas são dedicadas à nossa obra missionária. Sábado após Sábado entram somas avultadas por esse meio. Outras Ofertas – Outras ofertas são recolhidas de quando em quando para a actividade missionária e para outros empreendimentos gerais e locais. Quando qualquer oferta é recolhida para a obra missionária mundial ou para empreendimentos gerais ou locais, todo o dinheiro colocado na bandeja das ofertas deve ser considerado parte daquela oferta especial, a menos que o ofertante especifique qualquer outra indicação. Donativos Especiais a Campos – O sustento financeiro da obra missionária mundial da Igreja baseia-se no sistema orçamental. Atribuem--se subvenções aos diversos campos com base nas respectivas necessidades orçamentadas. Esta é uma maneira justa e equitativa de distribuir os fundos. Assegura-se, assim, a cada Campo, o recebimento de uma porção


Finanças Evangélicas

215

justa. Quando se fazem donativos especiais, fora do orçamento regular, a determinado Campo, cria-se uma disparidade em detrimento de todos os demais Campos. Se esses donativos forem feitos com o propósito de iniciar um novo trabalho, esse trabalho assim começado irá debilitar-se quando o donativo especial se tiver esgotado, ou então terá de ser incluído no orçamento para a sua futura manutenção. Deste modo, os outros Campos, com necessidades talvez maiores, mas que não têm a oportunidade de torná-las conhecidas, ficariam privados da sua parte equitativa dos fundos gerais, que teriam sido diminuídos para atender à obra empreendida mediante donativos especiais. Toda a história desta Causa tem demonstrado repetidas vezes como é prudente que todos os nossos membros contribuam generosa e lealmente com as suas ofertas e donativos por meio dos devidos canais, com a satisfação de saber que todos os campos missionários partilham dos benefícios dessas ofertas. Auxílio aos Pobres e Necessitados – Recolhem-se ofertas para os pobres e necessitados com o fim de ajudar os membros da igreja que necessitam de ajuda. Na medida do possível, deve manter-se uma reserva neste fundo para casos de emergência. No entanto, a igreja deve assumir uma atitude generosa para com todos os necessitados, e o Conselho da Igreja pode utilizar verbas do fundo de pobres para apoiar o trabalho de saúde e assistência feito pela igreja junto de famílias na comunidade. O Orçamento da Igreja para Gastos Locais – O método mais satisfatório de prover aos gastos locais da igreja é o plano de orçamento. Antes do início do novo ano, o Conselho da Igreja deve preparar cuidadosamente um orçamento de gastos para sustentar as actividades da igreja durante o próximo período anual. Este orçamento deve incluir todas as reparações, o aquecimento, a luz, o serviço de limpeza (se tiver de ser pago), as despesas da escola de igreja e o salário da professora, o fundo dos pobres, etc.. O orçamento deve ser apresentado à igreja para que o estude e adopte, bem como os planos que garantam a entrada do dinheiro necessário para equilibrar o orçamento durante o próximo ano. O dinheiro necessário para cobrir o orçamento de despesas da igreja pode ser recolhido por meio de ofertas e subscrições. Cada membro, na proporção da sua capacidade financeira,


216

MANUAL DA IGREJA

deve tomar parte no sustento da igreja local, bem como da causa em geral. Modelo de Orçamento – O seguinte orçamento pode servir de modelo. Pode ser adaptado às necessidades de uma igreja de qualquer dimensão. Orçamento da Igreja Receitas prováveis: Ofertas para as despesas da igreja . . Fundo dos pobres . . . . . . . . Subscrições para as despesas da igreja Mensalidades da escola de igreja . . Fundo de beneficência . . . . . . . Total . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . .

€ 110,00 € 190,00 € 1 650,00 € 250,00 € 150,00 . . . . . .

€ 2 350,00

Despesas prováveis: Reparações e pintura do edifício da igreja . . € 330,00 Combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . € 150,00 Zelador e material de limpeza . . . . . . . . € 260,00 Seguro do prédio e dos móveis . . . . . . . . € 130,00 Fundo dos Pobres . . . . . . . . . . . . . . € 250,00 Material para a Escola Sabatina . . . . . . . € 130,00 Despesas de emergência . . . . . . . . . . . € 160,00 Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . € 110,00 Água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . € 30,00 Gás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . € 25,00 Papel e diversos . . . . . . . . . . . . . . . . € 25,00 Lavandaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . € 20,00 Despesas da Escola de igreja . . . . . . . . . € 580,00 Despesas de beneficência . . . . . . . . . . . € 150,00 Total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . € 2 350,00 Devem ser feitas provisões no orçamento de cada igreja para todas as receitas e despesas, incluindo as relativas aos diversos departamentos.


Finanças Evangélicas

217 Conselhos Gerais

Sobre Solicitações de Fundos – As solicitações de fundos estão sujeitas às seguintes regras: 1. Nenhuma Conferência (Associação)/Missão/Campo, igreja ou instituição, sem conselho ou arranjo especial, deve projectar trabalho que requeira a solicitação de fundos fora do seu próprio território. Qualquer solicitação dentro do seu próprio território deve ser feita de harmonia com os métodos de trabalho locais, da União, da Divisão e da Conferência Geral. 2. Para proteger as igrejas de solicitações de fundos não autorizadas ou fraudulentas, ou que nada tenham que ver com a organização, reconhecem-se os seguintes princípios e métodos: a) Os ministros e os oficiais da igreja não devem franquear o púlpito para pedidos de fundos, às pessoas que não tenham reconhecimento ou recomendação das autoridades da Conferência (Associação)/Missão/ Campo. (Ver págs. 112, 191) b) Não será concedida nenhuma autorização para solicitar dinheiro em público nem em particular sem esse reconhecimento. c) Qualquer literatura aprovada para efeitos de solicitação de fundos será entregue apenas a pessoas responsáveis. d) Todos as importâncias com que os nossos irmãos contribuam para qualquer causa em resposta a apelos deverão passar pelos canais regulares da igreja. e) Não será concedida nenhuma autorização a obreiros denominacionais que representem interesses especiais de uma parte do Campo, para solicitarem auxílio em favor da obra em qualquer outra parte do Campo ou em qualquer outra Conferência (Associação)/Missão/Campo, sem combinação com os oficiais da mesma e sem a sua autorização por escrito. f) Os oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo e da igreja darão os passos necessários para impedir toda a solicitação pública não autorizada ou ilegal. 3. Nenhuma outra campanha, fora da Campanha das Missões, que implique o uso de folhetos para a Campanha ou de mealheiros com rótulos da Campanha, deve realizar-se para pedido de dinheiro destinado a trabalho quer em missões nacionais quer no estrangeiro. A União e as Conferências


218

MANUAL DA IGREJA

(Associações)/Missões/Campos devem dar os passos necessários para evitar toda e qualquer violação desta regra. 4. Aos obreiros de outras Divisões, de visita às igrejas da sua pátria ou em contacto com ela por correspondência, pede-se que solicitem dinheiro unicamente para empreendimentos incluídos no orçamento de subvenções, agindo em cooperação com as igrejas e Conferências (Associações)/ Missões/Campos na recolha dos fundos necessários para cobrir as subvenções das quais depende a nossa obra missionária mundial. Todos esses fundos devem passar pelos canais regulares. Sobre Métodos Não Recomendáveis de Angariar Dinheiro para as Igrejas – Os Adventistas do Sétimo Dia sempre se têm oposto energicamente a todos os métodos de natureza questionável de recolha de dinheiro para a obra local ou geral. “Para a obtenção de dinheiro para fins religiosos, a que meio recorrem muitas igrejas? A vendas, comidas, quermesses, e até a rifas e coisas semelhantes. Amiúde, o lugar consagrado para o culto divino é profanado por festanças em que se come e bebe, compra e vende, e as pessoas se divertem. Dessa forma desaparece na mente dos jovens o respeito pela casa de Deus e pelo Seu culto. Enfraquece o domínio próprio. O egoísmo, o apetite e o amor à ostentação são estimulados e fortalecem-se com a prática.” – Beneficência Social, pág. 290. “À medida que a obra de Deus se amplia, pedidos de auxílio aparecerão mais e mais frequentemente. Para que esses pedidos possam ser atendidos, devem os cristãos acatar a ordem: ‘Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa’. Mal. 3:10. Se os professos cristãos levassem fielmente a Deus os seus dízimos e ofertas, o divino tesouro estaria repleto. Não haveria então ocasião para recorrer a quermesses, rifas ou reuniões de divertimento a fim de angariar fundos para a manutenção do evangelho.” – Actos dos Apóstolos, pág. 338. Sobre os Dízimos e as Ofertas Não Serem um Depósito Pessoal – Os dízimos e as ofertas entregues à igreja não formam um depósito para futuro benefício daqueles que os entregam. Esses fundos devem ser usados para os fins normais para os quais foram dados.


Finanças Evangélicas

219

Sobre Evitar Dívidas – O Conselho de uma igreja deve consultar sempre os oficiais da sua Conferência (Associação)/Missão/Campo antes de incorrer em qualquer espécie de dívida. Muitas igrejas se têm encontrado em dificuldades financeiras por terem prematura ou indevidamente feito planos para construir ou comprar edifícios para a igreja ou para a escola da igreja. Isto pode ser evitado se as igrejas se aconselharem antes de se lançar em semelhantes empresas, e seguirem as normas da organização para o financiamento de tais empreendimentos. Sobre o Financiamento de Edifícios da Igreja – As igrejas que pretendam efectuar quer a compra quer a construção de edifícios são advertidas contra contraírem obrigações financeiras que possam envolver os membros em situação de dificuldade; e no tocante a esses empreendimentos, os Conselhos da Conferência (Associação)/Missão/Campo e da União darão cuidadoso parecer em cada caso, tomando em consideração o tamanho da congregação, a sua capacidade financeira e a localização do edifício. Na compra ou construção de propriedades da igreja, em caso nenhum se deve assumir qualquer compromisso nem começar trabalhos de construção, sem que os conselhos da Conferência (Associação)/Missão/Campo local e da União tenham dado a sua aprovação, depois de se certificarem de que as providências financeiras estão em conformidade com as normas estabelecidas. Sobre o Manuseamento e a Escrituração dos Fundos – A recolha e o manuseamento dos fundos destinados à obra do Senhor são uma responsabilidade sagrada. O canal próprio através do qual estes fundos fluem é primeiramente do membro individual para a igreja local. O tesoureiro da igreja recebe os fundos. (Ver págs. 95-100.) Os fundos destinados à igreja local são utilizados consequentemente. Os que se destinam ao uso da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou a propósitos gerais são, pelo tesoureiro da igreja, remetidos ao tesoureiro da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Este, por sua vez, desembolsa os fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo, mas passa ao tesoureiro da União/Conferência (Associação)/Missão os fundos destinados ao uso desta e os fundos para propósitos gerais. O tesoureiro da União/Conferência (Associação)/Missão desembolsa os fundos destinados ao uso da União/


220

MANUAL DA IGREJA

Conferência (Associação)/Missão, mas remete ao tesoureiro da Divisão ou da Conferência Geral todos os fundos dados para propósitos gerais. Todos estes tesoureiros, desde o da igreja local até ao da Conferência Geral, trabalham sob a direcção, quer do Conselho da Igreja quer dos Conselhos das respectivas organizações. Não desembolsam dinheiro algum independentemente do voto específico dos Conselhos responsáveis. Sobre a Revisão de Contas – Todos os livros de escrituração, desde os do tesoureiro da igreja e do secretário missionário da igreja até aos do tesoureiro da Conferência Geral, são submetidos a revisão feita por revisores de contas designados para esse efeito. Esta regra de revisão aplica-se também aos livros de todas as instituições dirigidas pela denominação. Esta prática provê o máximo de segurança no manuseamento dos fundos. (Ver a pág. 100).


CAPÍTULO 13

Normas de Vida Cristã O Alto Chamado de Deus em Cristo Jesus A vida do cristão não é uma leve modificação ou melhoria, mas uma completa transformação da natureza. Representa uma morte do eu e do pecado, e uma ressurreição para uma vida nova, como uma nova pessoa em Cristo Jesus. O coração do cristão torna-se a morada de Cristo pela fé. Isto acontece pela “contemplação de Cristo, observar a Cristo, tendo o nosso querido Salvador como o nosso melhor e honrado amigo, a fim de que não O entristeçamos e ofendamos por qualquer acção”. É assim que nós, os cristãos, “temos a companhia da presença divina”, e é somente quando reconhecemos essa presença que “os nossos pensamentos são levados cativos a Jesus Cristo” (Testemunhos Para Ministros, págs. 387, 388) e os nossos hábitos de vida se conformam com a norma divina. Devemos lembrar-nos de que “como anteparo à tentação, e inspiração à pureza e à verdade, nenhuma influência pode igualar a intuição da presença de Deus.” – Educação, pág. 255. Um pensamento semelhante está expresso em Patriarcas e Profetas, 2ª ed., pág. 218: “Se acalentássemos uma impressão habitual de que Deus vê e ouve tudo o que fazemos e dizemos, e conserva um registo fiel das nossas palavras e acções, e de que devemos deparar tudo isto, teríamos receio de pecar. Lembrem-se sempre os jovens de que, onde quer que estejam, e o que quer que façam, acham-se na presença de Deus. Parte alguma da nossa conduta escapa à observação. Não podemos ocultar os nossos caminhos ao Altíssimo. ... Cada acto, cada palavra, cada pensamento, é tão distintamente notado como se apenas houvesse uma pessoa no mundo inteiro, e a atenção do Céu nela estivesse centralizada.” O amor de Deus estende-se a todas as pessoas, e aos Seus filhos em particular. O Seu ouvido está sempre atento aos pedidos do Seu povo, daqueles que abandonaram o mundo e se entregaram a Ele. Desta sagrada relação nasce um respeito e uma reverência que se manifesta todos os dias e em toda a parte. Como cristãos somos membros da família real, filhos


222

MANUAL DA IGREJA

do Rei celeste. Portanto, não devemos proferir nenhuma palavra, praticar nenhum acto que possa acarretar desonra sobre “o bom nome pelo qual somos chamados”. Em todos os aspectos da vida “estudai cuidadosamente o carácter divino-humano, e inquiri constantemente: ‘Que faria Jesus no meu lugar?’ Esta deve ser a medida do nosso dever.” – A Ciência do Bom Viver, 2.ª ed., págs. 490 e 491. É por meio da igreja remanescente que Deus fará uma demonstração final perante o Universo inteiro da suficiência do evangelho para salvar completamente os homens e as mulheres do poder do pecado. Necessita-se hoje que, como membros dessa igreja, acentuemos novamente as grandes normas de conduta cristã, e renovemos a nossa fidelidade a estes princípios de origem divina. Todos devem atingir as elevadas normas da vida cristã e estar separados do mundo. Para esse fim devemos dar ênfase à advertência do Senhor: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (1 João 2:15). O Estudo da Bíblia e a Oração A vida espiritual é mantida pelo alimento espiritual. O hábito do estudo devocional da Bíblia e da oração deve ser mantido se quisermos aperfeiçoar a santidade. Num tempo em que uma grande inundação de material de leitura flui dos prelos por toda a parte, em que o próprio ar está cheio de milhares de vozes que reclamam ser ouvidas, compete-nos fechar os olhos e os ouvidos para muito do que procura entrar na nossa mente, e consagrar-nos ao Livro de Deus, o Livro de todos os livros, o Livro da vida. Se deixamos de ser o povo do Livro, estamos perdidos e fracassou a nossa missão. Unicamente ao conversarmos todos os dias com Deus em oração e escutarmos a Sua voz falando-nos através da Bíblia, podemos esperar viver a vida que “está escondida com Cristo, em Deus” (Col. 3:3), ou terminar a Sua obra. A oração é uma conversação de duas vias, em que os crentes escutam Deus e falam com Ele. “A oração é o abrir do coração a Deus como a um amigo.” – Aos Pés de Cristo, (6ª ed.) pág. 93. “Pela oração sincera somos postos em ligação com a mente do Infinito”, mas “sem oração constante e diligente vigilância, estamos em perigo de nos tornarmos descuidados e nos desviarmos do caminho verdadeiro.” – Aos Pés de Cristo, (6ª ed.), págs. 100, 99.


Normas de Vida Cristã

223

O lar é a pedra fundamental da igreja, e um lar cristão é uma casa de oração. “Pais e mães”, diz o Espírito de Profecia, “por mais prementes que sejam os vossos afazeres, não deixeis de reunir a vossa família em torno do altar de Deus. ... Os que querem viver uma vida paciente, amorável, satisfeita, devem orar.” – A Ciência do Bom Viver, 2.ª ed., pág. 393. Relações com a Comunidade Se bem que a nossa “pátria está nos Céus, donde também esperamos o Salvador” (Fil. 3:20), estamos ainda no mundo, como parte integrante da sociedade humana, e devemos partilhar com os nossos semelhantes certas responsabilidades nos problemas comuns da vida. Em todas as comunidades onde vivem, os Adventistas do Sétimo Dia, como filhos de Deus, devem ser reconhecidos como cidadãos notáveis pela sua integridade cristã e pela sua obra para o bem de todos. Embora a nossa mais alta responsabilidade seja perante a igreja e a comissão de pregar o evangelho do reino a todo o mundo, devemos ajudar, com os nossos serviços e o nosso dinheiro, até onde seja possível e coerente, todos os esforços correctos no sentido da ordem e do melhoramento social. Conquanto devamos abster-nos de toda a luta política e social, devemos sempre, tranquilamente e com firmeza, manter uma atitude intransigente a favor da justiça e da rectidão nos assuntos cívicos, ao mesmo tempo que uma estrita fidelidade às nossas convicções religiosas. Temos a sagrada responsabilidade de ser cidadãos leais dos governos a que estamos sujeitos, dando “a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mat. 22:21). A Observância do Sábado A sagrada instituição do Sábado é um penhor do amor de Deus à humanidade. É um monumento comemorativo do poder de Deus manifesto na criação original e também um sinal do Seu poder de recriar e santificar a vida (Ezeq. 20:12), e a sua observância é uma prova da nossa fidelidade a Ele. A devida observância do Sábado é uma prova de fidelidade ao nosso Criador e de comunhão com o nosso Redentor. Em sentido especial, o Sábado é uma prova de obediência. A menos que, individualmente, possamos passar nessa prova, como poderemos, de maneira apropriada, apresentar a mensagem do Sábado ao mundo?


224

MANUAL DA IGREJA

O Sábado ocupa um lugar muito especial na vida dos Adventistas do Sétimo Dia. O sétimo dia da semana, do pôr do Sol de Sexta-feira ao pôr do Sol de Sábado (Lev. 23:32), é uma dádiva de Deus, um sinal da Sua graça no tempo. É um privilégio, um encontro especial com Aquele que nos ama e a Quem nós também amamos, um tempo sagrado reservado, pela eterna lei de Deus, um dia de deleite para adorar a Deus e partilhar algo com os outros (Isa. 58:13). O crente acolhe o Sábado com alegria e gratidão. “O amor de Deus ... estabeleceu um limite às exigências do trabalho. Sobre o Sábado Ele põe a Sua misericordiosa mão. No Seu próprio dia Ele reserva à família oportunidade para a comunhão com Ele, com a Natureza e de uns para com os outros.” – Educação, pág. 251. As horas do Sábado pertencem a Deus, e somente para Ele devem ser usadas. O nosso próprio deleite, as nossas próprias palavras, os nossos próprios negócios, os nossos próprios pensamentos, não devem encontrar lugar na observância do dia do Senhor. (Isa. 58:13.) Reunamo-nos, ao pôr do Sol, em volta do círculo familiar e, com oração e cânticos, dêmos as boas-vindas ao santo Sábado, e terminemos o dia com oração e expressões de gratidão pelo Seu maravilhoso amor. O Sábado é um dia especial para o culto no lar e na igreja, um dia de gozo para nós mesmos e para os nossos filhos, um dia para aprendermos mais de Deus por meio da Bíblia e do grande compêndio da Natureza. É um tempo oportuno para visitar os doentes e trabalhar pela salvação das almas. Os assuntos comuns dos seis dias de trabalho devem ser postos de lado. Nenhuma tarefa desnecessária se deve realizar. As leituras e as transmissões seculares de rádio ou televisão não devem ocupar o tempo no santo dia de Deus. “O Sábado não se destina a ser um período de inútil inactividade. A lei proíbe o trabalho secular no dia de repouso do Senhor; o labor que constitui o ganha-pão deve cessar; nenhum trabalho que vise prazer ou proveito mundanos é lícito nesse dia; mas como Deus cessou o Seu labor de criar e repousou no Sábado, e o abençoou, assim deve o homem deixar as ocupações da vida diária e devotar essas sagradas horas a um repouso saudável, ao culto e a boas obras.” – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 214. Um plano de actividades devidamente dirigido em conformidade com o espírito da verdadeira observância do Sábado fará que este dia bendito seja o mais feliz e o melhor de toda a semana, para nós e para os nossos filhos um verdadeiro antegozo do nosso repouso celestial.


Normas de Vida Cristã

225

Reverência Pelo Lugar de Culto Os cristãos que apreciam a omnipotência de Deus, a Sua santidade e amor, manifestarão sempre e em toda a circunstância um espírito de profunda reverência para com Deus, a Sua Palavra e o Seu culto. “A humildade e a reverência devem caracterizar o comportamento de todos os que vão à presença de Deus.” – Patriarcas e Profetas, 2.ª ed., pág. 255. Reconhecerão que “a hora e o lugar da oração são sagrados, porque Deus Se encontra ali”. – Obreiros Evangélicos, pág. 178. Não irão à casa de culto de maneira descuidada, mas com o espírito de meditação e oração, e evitarão toda a conversa desnecessária. Os pais devem instruir reverentemente os filhos sobre como deverão conduzir-se na “casa de Deus”. (I Tim. 3:15.) A instrução fiel e a disciplina no lar, na Escola Sabatina e na igreja durante os dias da infância e da juventude, no tocante à reverência para com Deus e o Seu culto, influirão poderosamente para lhes conservar a lealdade nos anos vindouros. O ministro que tem a noção da santidade do serviço de Deus promoverá a reverência, a simplicidade, a boa ordem e o decoro na igreja, tanto pelo seu exemplo como pela sua instrução e procedimento no púlpito. “O Senhor está no Seu santo templo; cale-se diante d’Ele toda a terra” (Hab. 2:20). Saúde e Temperança O corpo é o templo do Espírito Santo (I Cor. 6:19). “Tanto o vigor mental como o espiritual dependem, em grande parte, da força e actividades físicas. O que quer que promova a saúde física, promoverá o desenvolvimento de um espírito robusto e um carácter bem equilibrado.” – Educação, pág. 195. Por esta razão, os Adventistas do Sétimo Dia procuram viver inteligentemente de acordo com princípios saudáveis de exercício físico, respiração, luz solar, ar puro, uso de água, sono e repouso. Por convicção, eles decidem alimentar-se saudavelmente, escolhendo livremente seguir os princípios de saúde, de domínio próprio e de alimentação saudável. Por conseguinte, abstêm-se do álcool, do tabaco e de drogas que causam dependência, em todas as suas formas. Procuram preservar o seu equilíbrio físico e psicológico evitando todos os excessos.


226

MANUAL DA IGREJA

A reforma da saúde e o ensino da saúde e temperança são partes inseparáveis da mensagem adventista. Recebemos instrução por meio da mensageira escolhida do Senhor no sentido de que “os que estão a guardar os Seus mandamentos deverão ser postos em relação sagrada com Ele e, por meio da temperança observada no comer e no beber, conservar o espírito e o corpo nas condições mais favoráveis para o Seu serviço”. – Conselhos Sobre Saúde, pág. 132. Também “é desígnio do Senhor que a influência restauradora da reforma da saúde faça parte do último grande esforço para proclamar a mensagem do evangelho”. – Medicina e Salvação, pág. 259. Pertencemos a Deus, em corpo, alma e espírito. É, portanto, nosso dever religioso observar as leis da saúde, tanto para o nosso próprio bem-estar e felicidade, como para podermos servir mais eficazmente a Deus e aos nossos semelhantes. O apetite deve ser dominado. A saúde é promovida pela observância esclarecida dos princípios de higiene que têm que ver com ar puro, ventilação, vestuário adequado, limpeza, exercício e recreação apropriados, sono e repouso adequados e alimentação sadia e adequada. Deus proveu para o homem uma abundante variedade de alimento suficiente para satisfazer todas as necessidades dietéticas. As frutas, os cereais, as oleaginosas e as hortaliças preparadas de maneiras simples “constituem, juntamente com leite ou nata, a alimentação mais saudável.” – Christian Temperance and Bible Hygiene, pág. 47. Quando se praticam os princípios da vida sã, não se sentirá a necessidade de estimulantes. O uso de substâncias intoxicantes e de narcóticos de qualquer espécie é proibido pela lei da Natureza. Desde os primeiros dias deste movimento, a abstinência do uso de bebidas alcoólicas e do tabaco foi uma condição para se ser membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia. (Ver págs. 44, 63, 248, 249, 280 – #20.) Deus concedeu-nos uma grande luz acerca dos princípios da saúde, e a moderna investigação científica confirmou abundantemente estes princípios. Eles não podem ser impunemente desatendidos, porque nos é dito que “aqueles que seguem as suas próprias preferências, comendo e bebendo o que lhes apraz, a pouco e pouco tornar-se-ão descuidosos das instruções que o Senhor lhes deu acerca de outros aspectos da verdade e, por fim, serão incapazes de discernir estas, colhendo o que semearam” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 357.


Normas de Vida Cristã

227 O Vestuário

Como Adventistas do Sétimo Dia fomos chamados a afastar-nos do mundo. Somos reformadores. A verdadeira religião que entra em cada aspecto da vida tem de ter uma influência modeladora em todas as nossas actividades. Os nossos hábitos de vida devem alicerçar-se em princípios e não no exemplo do mundo que nos rodeia. Podem os costumes e as modas variar com os anos, mas os princípios de uma conduta correcta são sempre os mesmos. O vestuário é um factor importante no carácter cristão. Nos primitivos tempos da nossa história recebemos instruções sobre a maneira como os cristãos se deviam vestir, cuja finalidade foi a de “proteger o povo de Deus contra a influência corruptora do mundo; bem como promover a saúde física e moral”. – Testimonies, vol. 4, pág. 634. Verdadeiramente, este é um propósito muito amplo! Não há virtude em nos vestirmos de maneira diferente daquela como se vestem os que nos rodeiam, só para sermos diferentes, mas sempre que estejam envolvidos os princípios da boa educação e da delicadeza, ou da moralidade, o cristão consciencioso será fiel às suas convicções em vez de seguir os costumes predominantes. Os cristãos devem evitar a afectada ostentação, e o “adorno profuso”. Devem as roupas ser, quando possível, “de boa qualidade, de cores próprias, e adequadas ao uso. Devem ser escolhidas mais com vista à durabilidade do que à aparência”. O nosso vestuário deve caracterizar-se pela “beleza”, a “graça modesta” e a “conveniência da simplicidade natural”. – Mensagens aos Jovens, 2.ª ed., pág. 352. Para que não chame a atenção, deverá seguir os estilos conservadores e mais razoáveis da época. A adopção de novidades e extremismos da moda, no vestuário de homens e mulheres, indica uma falta de atenção aos assuntos sérios. Independentemente de quão sensatamente se vistam as pessoas em geral, há sempre extremos no vestir que violam as normas da decência, e assim exercem influência directa na predominância das condições imorais. Muitos dos que seguem cegamente as modas são, pelo menos parcialmente, inconscientes desses efeitos, mas os resultados não são por isso menos desastrosos. O povo de Deus deve situar-se sempre entre os conservadores em matéria de vestuário, e “não lhes preocupe a mente o problema do vestuário”. – Evangelismo, pág. 273. Não serão os primeiros a adoptar os novos estilos de vestuário nem os últimos a abandonar os antigos.


228

MANUAL DA IGREJA

“Trajar-se com simplicidade, e abster-se de ostentação de jóias e ornamentos de toda a espécie, está em harmonia com a nossa fé.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 350. É claramente ensinado nas Escrituras que o uso de jóias é contrário à vontade divina. “Não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos,” é a admoestação do apóstolo Paulo. (I Tim. 2:9). O uso de ornamentos de jóias é um esforço para atrair a atenção, em desacordo com a abnegação que o cristão deve manifestar. Nalguns países, o costume de usar aliança é considerado quase obrigatório, tendo-se tornado, no espírito das pessoas, um critério de virtude e, portanto, não é considerado ornamento. Em tais circunstâncias não temos nada contra essa prática. Lembremo-nos de que não é o “adorno exterior” que exprime o verdadeiro carácter cristão, mas “o homem encoberto no coração... um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus” (I Ped. 3:3 e 4). O uso de cosméticos contrários ao bom gosto e aos princípios de modéstia cristã deve ser evitado. O asseio e o procedimento cristão devem ser observados no cuidado da pessoa que continuamente procura agradar e representar correctamente a Cristo nosso Senhor. Os pais cristãos devem fazer valer o peso do seu exemplo, instrução e autoridade para induzir os seus filhos e filhas a vestir-se com modéstia, e assim conquistar o respeito e a confiança daqueles que os conhecem. Considerem-se os nossos irmãos bem vestidos unicamente quando tenham sido atendidas as normas da modéstia no uso de vestuário sóbrio e de bom gosto. A Simplicidade A simplicidade é um traço fundamental da Igreja Adventista do Sétimo Dia, desde a sua fundação. Devemos continuar a ser um povo simples. O aumento da pompa na religião é sempre paralelo a um declínio na força espiritual. Assim como “a vida de Jesus apresentava assinalado contraste” com o aparato e ostentação do Seu tempo (Educação, pág. 77), também deve a simplicidade e o poder da mensagem adventista destacar-se como notável contraste da ostentação mundana dos nossos dias. O Senhor condena “o dispêndio desnecessário e extravagante de dinheiro para satisfazer o orgulho e o amor da ostentação”. – Testemunhos Para Ministros, pág. 179.


Normas de Vida Cristã

229

Em harmonia com estes princípios, a simplicidade e a economia devem caracterizar as nossas cerimónias de fim de curso, os casamentos nas nossas igrejas e todos os demais serviços religiosos. A Leitura Assim como o corpo, o ser interior também necessita de salutar nutrição para renovação e fortalecimento (II Cor. 4:6). A mente é a medida da pessoa humana. O alimento intelectual é, portanto, da máxima importância para a formação do carácter e para a realização dos propósitos da nossa vida. Por este motivo os nossos hábitos mentais devem ser vigiados cuidadosamente. Não existe melhor índice do carácter do que aquilo que escolhemos para ler e ouvir. Os livros e demais publicações encontram-se entre os meios mais valiosos para a educação e a cultura, mas esses elementos devem ser bem escolhidos e correctamente usados. Existe uma abundância de boas publicações, tanto de livros como de revistas; mas existe igualmente uma inundação de publicações perniciosas, geralmente apresentadas da maneira mais atractiva, mas prejudiciais para a mente e para a moral. As histórias de desenfreada aventura e frouxidão moral, quer se trate de factos reais quer de ficção, que se apresentam em muitas revistas e através da rádio, são inconvenientes tanto para jovens como para adultos. “Os que condescendem com o hábito de como que ‘devorar’ uma história excitante, estão simplesmente invalidando a sua força mental e inabilitando o espírito para o pensamento e investigações vigorosos.” – Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. 120. Juntamente com outros maus resultados provenientes do hábito de ler ficção, é-nos dito que essa espécie de leitura “incapacita a mente para a contemplação dos grandes problemas do dever e do destino” e “cria aversão pelos deveres práticos da vida”. – Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. 344. Rádio e Televisão A rádio e a televisão modificaram todo o ambiente do nosso mundo moderno e puseram-nos em fácil contacto com a vida, o pensamento e as actividades de todo o globo. A rádio e a televisão são grandes agentes educativos. Por estes meios podemos ampliar grandemente o nosso conhecimento dos acontecimentos mundiais, assistir a importantes discussões e apreciar a melhor música.


230

MANUAL DA IGREJA

Lamentavelmente, porém, a rádio e a televisão também oferecem aos ouvintes e espectadores, quase continuamente, representações teatrais e muitas influências que não são sadias nem enobrecedoras. Se não formos criteriosos e decididos, a rádio e a televisão transformarão os nossos lares em teatros e cenários de espectáculos vulgares e sórdidos. A segurança, para nós mesmos e para os nossos filhos, está na determinação com que, com a ajuda de Deus, seguirmos a admoestação de Paulo: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fil. 4:8). Recreação e Divertimento A recreação é um refrigério bem apropriado para as faculdades mentais e físicas. A mente vigorosa e sã não requererá divertimentos mundanos, mas encontrará uma renovação de forças na boa recreação. “Muitos dos divertimentos populares no mundo hoje, mesmo entre aqueles que pretendem ser cristãos, propendem para os mesmos fins que os dos gentios, outrora. Poucos há na verdade entre eles que Satanás não torne responsáveis pela destruição de almas. Por meio do teatro ele tem operado durante séculos para excitar a paixão e glorificar o vício. A ópera com a sua fascinadora ostentação e música sedutora, o baile de máscaras, a dança, o jogo, Satanás emprega para derribar as barreiras dos princípios, e abrir a porta à satisfação sensual. Em todo o ajuntamento onde é alimentado o orgulho e satisfeito o apetite, onde a pessoa é levada a esquecer-se de Deus e perder de vista os interesses eternos, ali está Satanás atando as suas correntes em redor da alma.” – Patriarcas e Profetas, 2.ª ed., pág. 460. (Ver pág. 280 – #19.) Advertimos fervorosamente contra a influência subtil e sinistra do cinema, que não é lugar para o cristão. Os filmes encenados para apresentar visualmente e por sugestão os pecados e crimes da humanidade – homicídios, adultérios, roubos e males semelhantes – são em grande medida responsáveis pelo presente desmoronamento da moralidade. Apelamos aos pais, às crianças e aos jovens, para que fujam desses lugares de diversão e se abstenham de assistir a esses filmes que glorificam a representação e os actores profissionais. Se nos deleitarmos no grande mundo da Natureza


Normas de Vida Cristã

231

que Deus criou, e no grande romance que envolve os seres humanos e a maneira como Deus actua em relação a eles, não nos sentiremos atraídos pelas pueris representações teatrais. Uma outra forma de diversão que exerce má influência é a dança social. “O divertimento da dança, segundo é orientado nos nossos dias, é uma escola de depravação, uma terrível maldição para a sociedade.” – Mensagens aos Jovens, pág. 399. (Ver II Cor. 6:15-18; I João 2:15-17; Tiago 4:4; II Tim. 2:19-22; Efés. 5:8-11; Col. 3:5-10.) Não patrocinemos os divertimentos comercializados, unindo-nos às multidões de mundanos, negligentes e amantes do prazer, que são “mais amigos dos deleites do que amigos de Deus”. A recreação é essencial. Devemos esforçar-nos por conseguir que as amizades e recreações do nosso povo se centrem na igreja. Recomendamos que todos os lares onde haja crianças sejam fornecidos de elementos que proporcionem válvulas de escape para as energias criadoras da juventude. Podem conseguir-se formas de associação e recreação sadias por meio de organizações musicais, projectos da Sociedade dos Jovens Adventistas e grupos de actividade missionária. A Música “A música era feita para servir a um santo propósito, a fim de erguer os pensamentos para aquilo que é puro, nobre e edificante, e despertar na alma devoção e gratidão para com Deus.” – Patriarcas e Profetas, pág. 637. Jesus “mantinha comunhão com o Céu através de cânticos”. – O Desejado de Todas as Nações, ed. rev., pág. 71. A música é uma das artes mais sublimes. A boa música não só proporciona prazer mas também eleva a mente e cultiva as mais excelentes qualidades. Os cânticos espirituais foram frequentemente usados por Deus para tocar o coração dos pecadores e levá-los ao arrependimento. A música desvirtuada, ao contrário, destrói o ritmo da alma e arruina a moralidade. Deve ser exercido um grande cuidado na escolha da música. Qualquer melodia que participe da natureza do “jazz”, do “rock”, ou formas híbridas relacionadas, qualquer linguagem que exprima sentimentos tolos ou triviais, serão evitados pelas pessoas verdadeiramente cultas. Usemos apenas a boa música em casa, nas reuniões sociais, na escola e na igreja. (Ver pág. 112.)


232

MANUAL DA IGREJA As Relações Sociais

O instinto social foi-nos dado por Deus, para nosso prazer e proveito. “Mediante o contacto mútuo os espíritos são polidos e refinados; por meio do intercâmbio social formam-se relações e amizades que dão como resultado certa unidade de coração e uma atmosfera de amor que agradam ao Céu.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 438. A correcta associação entre os sexos é de proveito recíproco. Essa associação deve ser mantida num nível elevado e com o devido respeito pelas convenções e restrições que foram prescritas para a protecção da sociedade e do indivíduo. Naturalmente, Satanás tem o propósito de perverter tudo o que é bom; e a perversão do melhor geralmente conduz ao pior. Assim, é sobremodo importante que o cristão adopte normas de vida social muito bem definidas. Hoje em dia, os ideais que tornam seguras e felizes estas relações sociais estão a sucumbir de um modo alarmante. Sob a influência da paixão não restringida por princípios morais e religiosos, a aproximação entre ambos os sexos degenerou assustadoramente em libertinagem e licenciosidade. As perversões sexuais, o incesto e o abuso sexual de crianças imperam com uma intensidade alarmante. Milhões têm abandonado as normas cristãs de conduta e estão a trocar as agradáveis e sagradas experiências do casamento e da paternidade pelos frutos da concupiscência, que levam à amargura e ao remorso. Não só estes males estão a danificar a estrutura familiar da sociedade, mas também a desintegração da família favorece e desencadeia por sua vez estes e outros males. Os resultados em vidas distorcidas de crianças e jovens são preocupantes e despertam a nossa compaixão, ao mesmo tempo que os efeitos sobre a sociedade não são apenas desastrosos mas também cumulativos. Estes males têm-se tornado mais patentes e ameaçadores para os ideais e objectivos do lar cristão. O adultério, o abuso sexual de cônjuges, o incesto, o abuso sexual de crianças, as práticas de homossexualidade e de lesbianismo encontram-se entre as óbvias perversões do plano original de Deus. Na medida em que o propósito de passagens claras da Escritura (ver Êxo. 20:14; Lev. 18:22, 29 e 20:13; I Cor. 6:9; I Tim. 1:10; Rom. 1: 20-32) é negado e que as suas advertências são rejeitadas em troca de opiniões humanas, prevalece muita incerteza e confusão. Isto é o que Satanás deseja. O seu plano tem sido sempre levar as pessoas a esquecer que Deus


Normas de Vida Cristã

233

é o seu Criador e que, quando “criou Deus o homem à Sua imagem”, criou-os “macho e fêmea” (Gén. 1:27). O mundo é hoje testemunha de um ressurgimento das perversões das civilizações antigas. Os resultados degradantes da obsessão do mundo com o sexo, e o desejo e procura do prazer sensual, estão claramente descritos na Palavra de Deus, mas Cristo veio para destruir as obras do diabo e restabelecer a relação dos seres humanos com o seu Criador. Assim, embora caídos em Adão e cativos do pecado, os que estão em Cristo recebem pleno perdão e o direito de escolher de novo o melhor caminho, o caminho da completa renovação. Por meio da cruz e do poder do Espírito Santo, todos podem ser libertos do poder das práticas pecaminosas, ao mesmo tempo que são restaurados à imagem do seu Criador. Compete aos pais e aos guias espirituais da juventude encarar sem falsa modéstia os factos das condições sociais, conseguir ter uma compreensão mais completa dos problemas da presente geração de jovens, manifestar-lhes mais simpatia, procurar com o maior empenho prover-lhes o melhor ambiente e aproximar-se tanto deles, no espírito, que seja possível inculcar-lhes os ideais de vida e a inspiração e a força da religião cristã, a fim de serem salvos do mal que, pela concupiscência, se encontra no mundo. Aos nossos jovens de ambos os sexos, porém, dizemos que a responsabilidade é deles. Independentemente dos erros dos pais, têm o privilégio de conhecer e manter erguidos os mais altos ideais de varonilidade e feminilidade cristãs. O estudo reverente da Bíblia, uma profunda familiarização com as obras da Natureza, uma firme salvaguarda das sagradas faculdades do corpo, a sinceridade de propósitos, a constância na oração e o sincero e abnegado serviço para ajudar os outros nas suas necessidades, formarão um carácter que resistirá a todo o mal e que lhes permitirá ser uma influência para a elevação espiritual da sociedade. As reuniões sociais para adultos e jovens devem ser ocasiões dedicadas, não a diversões levianas e frívolas, mas a uma agradável convivência social e ao aperfeiçoamento das qualidades da mente e da alma. A boa música, a conversação elevada, boas recitações, apropriadas projecções fixas ou animadas, jogos cuidadosamente escolhidos pelo seu valor educativo e, sobretudo, a elaboração e execução de planos dedicados ao esforço missionário, podem compor programas de reuniões sociais que abençoarão e fortalecerão a vida de todos. O Departamento de Jovens da Conferência Geral publicou informação útil e sugestões práticas para a organização de


234

MANUAL DA IGREJA

reuniões sociais e para servir de orientação noutras relações de carácter social. Os lares dos membros da igreja são sem dúvida os melhores lugares para reuniões sociais. Nos grandes centros onde é impossível fazê-las ali, e onde não exista um centro social nosso, deve conseguir-se um local adequado, livre de influências destruidoras das normas cristãs, de preferência a locais habitualmente usados para diversões e desportos comercializados, como salões sociais e ringues de patinagem, que sugerem um ambiente contrário às normas cristãs. Acompanhamento dos Jovens A feliz e cordial associação dos mais velhos com os mais novos é uma das influências mais sadias na vida das crianças e jovens. “Há perigo de tanto os pais como os professores ... deixarem de se pôr suficientemente em relações sociais com os filhos e alunos.” – Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. 68. As nossas escolas e outras instituições têm o dever de cuidar da moral e da reputação daqueles que lhes são confiados. O acompanhamento dos jovens por adultos de confiança é um dever obrigatório para com eles. Este é igualmente um dever do lar. Os pais devem apoiar firmemente os regulamentos das instituições onde colocam os seus jovens e crianças, e instituir no seu lar idênticas salvaguardas. Para tornar isto possível, têm o dever de aprender a ser companheiros bem-vindos dos seus filhos; mas incumbe principalmente aos próprios jovens não fazer da companhia dos pais uma associação cansativa e detestável, mas uma relação honrosa e feliz. Namoro e Casamento O namoro é reconhecido como um período de preparação durante o qual um homem e uma mulher, que já se sentem mutuamente atraídos, passam a conhecer-se melhor, preparando-se assim para o futuro matrimónio. O casamento cristão é uma união divinamente instituída entre um homem e uma mulher crentes, para a consumação do seu amor mútuo, para se apoiarem um ao outro, para partilharem a felicidade, e para a procriação e educação dos filhos, os quais, por sua vez, se tornarão cristãos. De acordo com os desígnios de Deus, esta união perdura até se dissolver pela morte de um dos cônjuges.


Normas de Vida Cristã

235

O casamento é o alicerce da sociedade humana, e o verdadeiro afecto entre o homem e a mulher é ordenado por Deus. “Pesem, os que pretendem casar-se, todo o sentimento e observem todas as modalidades de carácter naquele com quem desejam unir o destino da sua vida. Seja todo o passo em direcção à aliança matrimonial caracterizado pela modéstia, simplicidade, sinceridade e o sincero propósito de agradar e honrar a Deus. O matrimónio afecta a vida futura tanto neste mundo como no vindouro. O cristão sincero não fará planos que Deus não possa aprovar.” – A Ciência do Bom Viver, pág. 359. Deixar de seguir estes princípios no namoro cristão pode conduzir a uma tragédia. A unidade entre marido e mulher nos ideais e propósitos é um requisito para que exista um lar feliz e bem sucedido. As Escrituras aconselham: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis” (II Cor. 6:14). As diferenças de carácter religioso são susceptíveis de estragar a felicidade de um lar cujos cônjuges professam crenças diferentes, e levam a confusão, perplexidade e fracasso na educação dos filhos. “O vínculo da família é o mais íntimo, o mais terno e sagrado de todos na Terra. Foi designado para ser uma bênção à humanidade. E assim o é sempre que se entre para o pacto matrimonial inteligentemente, no temor de Deus, e tomando em devida consideração as suas responsabilidades.” – O Lar Adventista, pág. 18. O culto divino, a observância do Sábado, a recreação, o convívio, o uso dos recursos financeiros e a educação dos filhos são componentes que interferem na felicidade das relações familiares. Dado que diferenças nestas áreas podem com frequência levar a uma deterioração destas relações, ao desânimo e até a uma completa perda da experiência cristã, uma preparação adequada para o casamento deve incluir aconselhamento pastoral pré-matrimonial nestas áreas. “‘Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?’ (Amós 3:3). A felicidade e prosperidade da relação matrimonial depende da unidade dos cônjuges; mas entre o crente e o incrédulo há uma diferença radical de gostos, inclinações e propósitos. Estão a servir dois senhores, entre os quais não pode haver concórdia. Por mais puros e correctos que sejam os princípios de um, a influência de um companheiro ou companheira incrédula terá uma tendência para afastar de Deus.” – Patriarcas e Profetas, pág. 174.


236

MANUAL DA IGREJA

O Espírito de Profecia aconselha constantemente contra o casamento de “cristãos com descrentes” e além disso acautela contra a união com outro cristão que “não aceitou a verdade para este tempo”. – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 123, 121. Há mais probabilidade de que os casamentos perdurem e a vida familiar cumpra o plano divino, se marido e mulher estiverem unidos e mutuamente vinculados por valores espirituais e estilos de vida comuns. Por estas razões, a Igreja Adventista do Sétimo Dia desaconselha fortemente o casamento entre um Adventista do Sétimo Dia e outro que não seja Adventista do Sétimo Dia, e insta fortemente com os ministros Adventistas do Sétimo Dia para não efectuarem tais cerimónias de casamento. A Igreja reconhece que a decisão final relativa à escolha de um cônjuge é uma prerrogativa pessoal de cada indivíduo. Todavia, a Igreja espera que, se o membro escolher um cônjuge que não seja membro da igreja, o casal compreenda e concorde em que, ao pastor Adventista do Sétimo Dia, que se comprometeu a defender os princípios acima delineados, não se deva pedir que realize tal cerimónia de casamento. Se uma pessoa contrai um casamento assim, a Igreja deve demonstrar-lhe amor e preocupação, com o objectivo de ajudar o casal a orientar-se na direcção de uma completa unidade em Cristo. (Para mais informação sobre o assunto do casamento ver cap. 15, Casamento, Divórcio e Novo Casamento.) Conclusão Rodeados dos perigos dos últimos dias, sentindo a responsabilidade de levar rapidamente ao mundo o último oferecimento de salvação, e enfrentando o juízo que culminará no estabelecimento da justiça universal, consagremo-nos de todo o coração a Deus, corpo, alma e espírito, decididos a manter as elevadas normas de vida que devem caracterizar os que esperam a volta do seu Senhor.


CAPÍTULO 14

Disciplina Eclesiástica Princípios Gerais Chama-se a atenção de todos os nossos ministros, oficiais e membros da igreja, para as importantes citações do Espírito de Profecia incluídas neste capítulo. Estas declarações merecem cuidadoso estudo e oração; elas estabelecem, em linguagem clara e inconfundível, a solene responsabilidade que recai sobre os filhos de Deus, de manter a pureza, a integridade e o fervor espiritual da igreja. Se os membros se tornam frios e indiferentes, a igreja deve despertá-los da sua letargia. Se alguns se afastarem da verdade, devem ser feitos esforços para atraí-los de novo ao caminho estreito. Como Tratar os Membros que Erram – “Ao tratar com os membros da igreja que erram, os filhos de Deus devem seguir cuidadosamente as instruções dadas pelo Salvador no capítulo de Mateus.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 200. “Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste o teu irmão; mas se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada. E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra será desligado no Céu.” Mat. 18:15-18. “Os seres humanos são propriedade de Cristo, resgatados por Ele a um preço infinito, vinculados a Ele pelo amor que Ele e o Pai lhes têm manifestado. Que cuidado devemos por isso exercer na nossa relação uns com os outros! O homem não tem o direito de suspeitar mal do seu semelhante. Os membros da igreja não têm o direito de seguir os seus próprios impulsos e inclinações no trato com os seus irmãos que cometeram faltas. Nem devem sequer exprimir qualquer preconceito em relação aos que erram, porque se o fizerem implantam no espírito dos outros o fermento do mal. Informações desfavoráveis a respeito de algum irmão ou irmã são transmitidas de uns para os outros. Praticam-se erros e injustiças pelo facto de alguns não se disporem a obedecer às instruções dadas pelo Senhor Jesus.


238

MANUAL DA IGREJA

“‘Se teu irmão pecar contra ti’, disse Cristo, ‘vai, e repreende-o entre ti e ele só’. Mat. 18:15. Não faleis aos outros da ofensa. Uma pessoa fica a saber, depois outra, e ainda outra, e a notícia continua a espalhar-se e o mal a crescer, até que toda a igreja sofrerá. Resolve o caso ‘entre ti e ele só’. É este o plano divino. ‘Não te apresses a litigar, para depois, ao fim, não saberes o que hás-de fazer, podendo-te confundir o teu próximo. Pleiteia a tua causa com o teu próximo e não descubras o segredo de outro’. Prov. 25:8 e 9. Não tolereis o pecado no vosso irmão; mas não o exponhais a um vexame, aumentando assim a dificuldade, fazendo a repreensão parecer uma vingança. Corrigi-o da maneira indicada na Palavra de Deus.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, págs. 200, 201. Tentar a Reconciliação – “Não permitais que o vosso ressentimento redunde em maldade. Não consintais que a ferida supure, abrindo-se em termos envenenados, que venham a deixar nódoa no espírito dos que vos ouvem. Não admitais que persistam no vosso espírito e no dele pensamentos de amargura. Ide ter com o vosso irmão e, com humildade e sinceridade, destrinçai com ele o assunto. “Seja qual for a natureza da ofensa, ela não impede que se adopte o mesmo plano divino para dirimir mal-entendidos e ofensas. Falar a sós e no espírito de Cristo com a pessoa que praticou a falta bastará, às vezes, para remover a dificuldade. Ide ter com a pessoa que cometeu a falta e, com o coração cheio do amor e da simpatia de Cristo, buscai reconciliar-vos com ela. Arrazoai com ela com calma e mansidão. Não vos exprimais em termos violentos. Falai-lhe em tom que apele para o bom senso, lembrando as palavras: ‘Aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados’. Tiago 5:20. “Levai ao vosso irmão o remédio que cure o mal-estar da desavença. Fazei quanto esteja ao vosso alcance para levantá-lo. Por amor da paz e da unidade da igreja, considerai um privilégio, se não um dever, o fazer isso. Se ele vos ouvir, tereis ganho um amigo. “Todo o Céu toma interesse na entrevista que se efectua entre o ofendido e o ofensor. Se este aceita a repreensão ministrada no amor de Cristo, reconhecendo a sua falta e pedindo perdão a Deus e ao irmão, a luz celestial lhe inundará a alma. A controvérsia estará terminada e restabelecida a


Disciplina Eclesiástica

239

confiança. O santo óleo do amor faz cessar a dor provocada pela injustiça. O Espírito de Deus torna a unir os corações e há nos Céus música pelo restabelecimento da união. “Quando as pessoas deste modo unidas em comunhão cristã fazem orações a Deus, comprometendo-se a proceder rectamente, amar a misericórdia e andar diante d’Ele em humildade, recebem grandes bênçãos e, se tiverem feito injustiças a outros, prosseguirão na sua obra de arrependimento, confissão e restituição, inteiramente dispostas a praticar mutuamente o bem. Este é o cumprimento da lei de Cristo. “‘Se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada’. Mat. 18: 16. Tomai convosco irmãos espirituais, e falai acerca da falta com o que estiver em erro. É possível que ceda ao apelo desses irmãos. Vendo o seu acordo no assunto, talvez se persuada. “‘E se não as escutar’, que se deverá fazer então? Deverão alguns poucos, em reunião de conselho, tomar a responsabilidade de excluir o irmão? ‘Se não as escutar’, continua dizendo Jesus, ‘dize-o à igreja’. Mat. 18:17. Deixai que a Igreja decida o caso dos seus membros. “‘Se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano’. v. 17. Se não atender à igreja, se rejeitar os esforços envidados para reconquistá-lo, é a igreja que deve tomar a si a responsabilidade de excluí-lo da sua comunhão. O seu nome deverá então ser riscado do livro. “Nenhum oficial de igreja deve aconselhar, nenhuma comissão recomendar e igreja alguma votar a eliminação dos livros do nome de alguém que haja cometido a falta, sem que as instruções de Cristo a esse respeito sejam fielmente cumpridas. Se essas instruções tiverem sido observadas, a igreja está limpa diante de Deus. A injustiça tem então que aparecer tal como é e ser removida, para que não prolifere. O bem-estar e a pureza da igreja devem ser salvaguardados para que possa estar sem mancha diante de Deus, revestida da justiça de Cristo. ... (Itálico nosso.) “‘Em verdade vos digo’, prossegue Jesus, ‘que tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra será desligado no Céu’. Mat. 18:18. “Estas palavras de Cristo conservam a sua autoridade em todos os tempos. À igreja foi conferido o poder de agir em lugar de Cristo. É a instrumentalidade de Deus para a conservação da ordem e disciplina entre


240

MANUAL DA IGREJA

o Seu povo. A ela o Senhor delegou poderes para dirimir todas as questões concernentes à sua prosperidade, pureza e ordem. Sobre ela impôs a responsabilidade de excluir da sua comunidade os que dela são indignos, que pelo seu procedimento anticristão acarretam desonra para a causa da verdade. Tudo quanto a igreja fizer em conformidade com as instruções dadas na Palavra de Deus será sancionado no Céu. “Surgem muitas vezes questões graves que têm de ser resolvidas pela igreja. Os ministros de Deus, por Ele ordenados para guia do Seu povo, devem, depois de fazer a sua parte, submeter todo o caso à igreja a fim de que possa haver unidade na decisão a tomar. “O Senhor exige muito cuidado da parte dos Seus seguidores no trato recíproco. A sua missão é elevar, restaurar e curar. Todavia, cumpre não negligenciar a disciplina da igreja. Os membros devem considerar-se alunos duma escola, cumprindo-lhes aprender a formar um carácter digno da sua alta vocação. Na Igreja da Terra, os filhos de Deus devem ser preparados para a grande reunião da Igreja no Céu. Os que aqui levam uma vida de conformidade com a doutrina de Cristo podem ter a certeza de um lugar perpétuo na família dos remidos.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, págs. 201-204. Autoridade da Igreja – “O Redentor do mundo conferiu grande poder à Sua Igreja. Ele declara as regras a serem aplicadas em casos de demanda entre os seus membros. Depois de dar direcções explícitas quanto à orientação a seguir diz: ‘Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu; e tudo [em matéria de disciplina da igreja] o que desligardes na Terra será desligado no Céu’. Assim, até a autoridade celestial ratifica a disciplina da igreja com relação aos seus membros, uma vez que tenha sido seguida a regra bíblica. “A Palavra de Deus não dá licença para que um homem ponha o seu juízo em oposição ao da Igreja, nem lhe é permitido insistir nas suas opiniões contrariamente às dela. Caso não houvesse disciplina e governo eclesiásticos, a Igreja se esfacelaria; não poderia manter-se unida como um corpo.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 390 A Igreja Tem a Responsabilidade de Corrigir o Pecado – “Deus considera o Seu povo, como um corpo, responsável pelos pecados existentes em pessoas dentro da Igreja. Se os dirigentes da Igreja descuidarem a obra de


Disciplina Eclesiástica

241

procurar diligentemente até descobrir os pecados que atraem o desagrado divino sobre a mesma, serão responsáveis por esses pecados.” – Testimonies, vol. 3, pág. 269. “Ele quer ensinar ao Seu povo que a desobediência e o pecado são excessivamente ofensivos aos Seus olhos, e não devem ser considerados levemente. Ele mostra-nos que, quando o Seu povo se encontra em pecado, devem-se tomar imediatamente medidas positivas para tirar esse pecado do meio deles, a fim de que o Seu desagrado não fique sobre todos. Se, porém, os pecados do povo são passados por alto por aqueles que se acham em posições de responsabilidade, o desagrado de Deus estará sobre eles, e o Seu povo, como um corpo, será responsável por esses pecados. “No trato do Senhor com o Seu povo no passado, Ele mostra a necessidade de purificar a Igreja de erros. Um pecador pode difundir trevas que excluam a luz de Deus de toda a congregação. Ao compreender o povo que se estão adensando trevas sobre eles, sem que saibam a causa, devem buscar diligentemente Deus, em grande humildade e abatimento do próprio eu até que os erros que Lhe ofendem o Espírito sejam descobertos e afastados. ... “Caso haja erros claros entre o Seu povo, e os servos de Deus passem adiante, indiferentes a isso, estão por assim dizer apoiando e justificando o pecador, e são igualmente culpados, incorrendo tão certo como ele no desagrado de Deus; pois serão tidos como responsáveis pelos pecados do culpado. Foram-me mostrados em visão muitos casos em que o desagrado de Deus foi atraído pela negligência da parte dos Seus servos quanto a tratar dos erros e pecados existentes entre eles. Os que passaram por alto esses erros têm sido considerados pelo povo muito amáveis e simpáticos, simplesmente porque negligenciaram o desempenho de um claro dever escriturístico. Essa tarefa não agradava aos seus sentimentos; evitaram-na, portanto.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, págs. 334 e 335. Os Não Consagrados Resistem à Disciplina da Igreja – “Muitos há que não possuem o discernimento de Josué nem têm nenhum dever especial de procurar erros e de corrigir prontamente os pecados existentes entre eles. Não estorvem, os tais, aqueles que têm sobre si a responsabilidade desta obra; não obstruam o caminho dos que têm de cumprir este dever. Alguns empenham-se em questionar, duvidar, encontrar falhas, porque Deus não os encarregou de fazer a obra que outros fazem. Esses dificul-


242

MANUAL DA IGREJA

tam, de forma directa, a acção daqueles sobre quem Deus pôs a responsabilidade de repreender e corrigir os pecados predominantes, a fim de que o Seu desagrado se aparte do Seu povo. Se houvesse entre nós um caso como o de Acã, muitos acusariam os que desempenhassem o papel de Josué de terem um espírito mal-intencionado e acusador, pelo facto de investigarem o erro. Um povo perverso não pode brincar com Deus, nem pode desprezar impunemente as Suas advertências. “Foi-me mostrado que a maneira como Acã confessou os seus pecados era semelhante às confissões que alguns dentre nós têm feito e farão. Ocultam os seus erros e negam-se a fazer uma confissão voluntária, até que Deus os descobre, e só então reconhecem os seus pecados. Algumas pessoas persistem no seu mau procedimento, até se tornarem endurecidas. Podem até saber que a Igreja está a sofrer, como Acã sabia que Israel estava enfraquecido diante dos seus inimigos por culpa dele. Não obstante, a sua consciência não os condena. Não aliviam a Igreja humilhando o coração orgulhoso e rebelde diante de Deus e abandonando os seus erros. O desagrado de Deus pesa sobre o Seu povo, e o Senhor não manifestará o Seu poder no meio deste enquanto existirem pecados entre eles, e estes pecados forem fomentados por aqueles que ocupam posições de responsabilidade. “Os que, no temor de Deus, trabalham para livrar a Igreja de obstáculos e para corrigir graves erros, a fim de que o povo de Deus veja a necessidade de aborrecer o pecado e possa prosperar na pureza, e para que o nome de Deus seja glorificado, terão sempre de enfrentar influências contrárias da parte dos que não são consagrados.” – Testimonies, vol. 3, págs. 270 e 271. As Regras e os Regulamentos São Necessários – “Irmãos, nunca permitais que as ideias de alguma pessoa vos perturbem a fé no tocante à ordem e à harmonia que devem existir na Igreja. ... O Deus do Céu é um Deus de ordem, e Ele requer que todos quantos O seguem tenham regras e regulamentos, e preservem a ordem.” – Testimonies, vol. 5, pág. 274. Organizações Independentes – A Igreja, na sua condição de corpo organizado, é o instrumento de Deus para preservar a ordem e a disciplina entre o Seu povo. A sua mensagem da parte de Deus é levada ao mundo


Disciplina Eclesiástica

243

não só pelo testemunho pessoal de cada membro individual mas também pelo testemunho combinado da Igreja como corpo de Cristo. Tal testemunho requer a reconhecida estrutura administrativa que foi estabelecida, com todos os oficiais devidamente eleitos e todos os canais de acção adequadamente organizados, como a Escola Sabatina, os Ministérios Pessoais, o Departamento de Jovens, etc.. A Igreja também reconhece instituições financeiramente independentes cujas actividades contribuem para a consecução dos objectivos da própria Igreja. Portanto, embora todos os membros tenham iguais direitos dentro da Igreja, nenhum membro individualmente ou grupo de membros deve iniciar um movimento ou formar uma organização ou procurar reunir adeptos para alcançar qualquer objectivo ou ensinar qualquer doutrina ou mensagem que não estejam em harmonia com os objectivos e ensinos religiosos fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Tal procedimento resultaria no desenvolvimento de um espírito faccioso e divisionista, na fragmentação do esforço e do testemunho da Igreja, e portanto no impedimento do desempenho das suas obrigações para com Aquele que é a Cabeça e para com o mundo. Salvaguarda da Unidade da Igreja Os cristãos devem fazer todo o esforço para evitar tendências que os dividam e tragam desonra à sua causa. “É propósito de Deus que os Seus filhos se identifiquem em unidade. Não esperam viver juntos no mesmo Céu?... Os que se recusam a trabalhar em boa harmonia desonram grandemente Deus.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 244. A Igreja deve desaprovar toda a acção que ameace a harmonia entre os seus membros, e incentivar coerentemente a unidade. A reconciliação de dissensões dentro da Igreja e entre os seus membros deve, na maioria dos casos, ser possível sem que se recorra a um processo de conciliação provido pela Igreja ou à acção judicial. “Se as dificuldades existentes entre irmãos não fossem expostas a outros, mas francamente tratadas entre eles mesmos, no espírito do amor cristão, quanto mal seria evitado! Quantas raízes de amargura pelas quais muitos são contaminados seriam destruídas, e quão íntima e ternamente poderiam os seguidores de Cristo ser unidos no Seu amor!” – Pensamentos Sobre o Sermão da Montanha, pág. 60; ed. ant. pág. 55. (Ver Mat. 18:15-18 e págs. 238-240.)


244

MANUAL DA IGREJA

Conciliação de Dissensões Entre os Membros – Deve ser feito todo o esforço para conciliar as dissensões entre os membros da Igreja e conter a controvérsia no menor âmbito possível. “Contendas, discórdias e processos entre irmãos são uma desgraça para a causa da verdade. Os que enveredam por esse procedimento expõem a Igreja ao ridículo dos seus inimigos, e fazem que triunfe a causa dos poderes das trevas. Dilaceram de novo as feridas de Cristo, expondo-O à ignomínia. Desprezando a autoridade da Igreja, mostram que desprezam o Deus que conferiu a autoridade à Igreja.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 84. Processos judiciais são frequentemente movidos num espírito de contenda que revela o egoísmo humano. É esta espécie de processos antagónicos que precisa de ser desaprovada por uma Igreja que procura manifestar o espírito de Cristo. A abnegação cristã levará os seguidores de Cristo a sofrer, “antes, o dano” (I Cor. 6:7), do que “ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos” (I Cor. 6:1). Embora haja, no mundo moderno, ocasiões para recorrer a decisões judiciais de tribunais civis, os cristãos devem preferir a solução no âmbito da autoridade da Igreja, restringindo o recurso a tais decisões aos casos que sejam claramente da jurisdição dos tribunais civis e não do âmbito da autoridade da Igreja, ou quando a Igreja reconheça que não tem os meios adequados a uma solução ordeira. Tais acções judiciais perante tribunais civis nunca devem tornar-se processos vingativos entre adversários, mas resultar do desejo de obter uma arbitragem e resolver as dissensões amigavelmente. Exemplos de tais casos poderão incluir a satisfação de reclamações de indemnizações de seguros, a emissão de decisões judiciais que tenham que ver com os limites e a posse de propriedades, a decisão de algumas questões envolvendo a administração de imóveis, e a concessão da custódia de filhos menores. Conquanto a Igreja deva definir atitudes, dentro do âmbito da prática legal, para evitar o tipo de litígio mencionado em I Coríntios 6, deve manter-se constantemente de sobreaviso para não se desviar da sua missão evangélica assumindo as funções de um magistrado civil. (Ver Luc. 12:13 e 14, e Testimonies, vol. 9, págs. 216-218.) O ideal de Deus para os membros da Sua Igreja é que, se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens (Rom. 12:18). A Igreja deve utilizar o seu processo facilmente acessível e razoavelmente breve, pelo qual podem ser solucionadas muitas desavenças entre os


Disciplina Eclesiástica

245

membros. Se a Igreja não atender ao pedido de ajuda da parte de um membro para conciliar uma dissensão, ou se ela admitir que a natureza do caso o coloca fora do domínio da sua autoridade, terá de se reconhecer que o membro esgotou as possibilidades do processo delineado biblicamente para a solução de dissensões, e que o que ele (ou ela) deva fazer para além desse ponto é um assunto a resolver de acordo com a sua consciência. (Ver SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 698.) Entretanto, quando a Igreja, tentando ajudar na conciliação oportuna e amigável das dissensões entre os seus membros, recomenda uma solução, eles não devem rejeitar sumariamente a recomendação apresentada pela Igreja. Não é uma questão de somenos importância que um membro da Igreja, fora dos processos regulares da mesma, mova uma acção judiciária contra outro membro. “Na verdade, é já realmente uma falta entre vós, terdes demandas uns contra os outros” (I Cor. 6:7). Os membros da Igreja que revelam impaciência e egoísmo pela sua relutância em aguardar e aceitar as recomendações da Igreja na solução dos agravos contra outros membros da Igreja podem adequadamente estar sujeitos à disciplina da Igreja (ver pág. 241, 242), pelo seu efeito perturbador sobre esta última e pela sua recusa de reconhecerem a autoridade da Igreja devidamente constituída. Conciliação de Queixas de Membros Contra a Igreja – Os mesmos princípios que intervêm na solução de dissensões entre os membros também se aplicam à conciliação das ofensas dos membros contra as organizações e instituições da Igreja. Um membro da Igreja não deve mover uma acção judicial contra alguma entidade da Igreja, excepto nas circunstâncias em que a Igreja não tenha tomado as providências adequadas para conciliar ordeiramente o agravo dentro de si mesma, ou quando o caso seja de tal natureza que a solução se encontre claramente fora do âmbito da autoridade da Igreja. Conciliação de Queixas da Igreja Contra Membros – Pode haver ocasiões em que organizações ou instituições da Igreja tenham razões de queixa contra membros da Igreja. Em tais casos, os administradores da Igreja devem, com paciência cristã, ter em mente o conselho bíblico para a


246

MANUAL DA IGREJA

conciliação de disputas entre os cristãos e aplicar esse conselho à resolução dos motivos de queixa da Igreja contra os seus membros. Em vez de pleitear as questões num tribunal secular, a Igreja deve fazer todo o esforço razoável, em cooperação com o membro, para encontrar uma maneira de ordeiramente se conseguir a devida solução do problema. Administração da Disciplina Se um membro cai em pecado, devem fazer-se esforços sinceros para o recuperar. “Se quem errou se arrepende e se submete à disciplina de Cristo, deve-se-lhe dar outra oportunidade. E mesmo que não se arrependa, mesmo que fique fora da Igreja, os servos de Deus têm ainda uma obra para fazer a seu favor. Deve-se tentar fervorosamente convencê-lo a arrepender-se. E por mais grave que tenha sido a ofensa, se ele se entregar ao influxo do Espírito Santo, e, confessando e abandonando o seu pecado, der indícios de arrependimento, deve ser perdoado, dando-se-lhe de novo as boas-vindas ao redil. Os seus irmãos devem animá-lo a seguir o bom caminho, tratando-o como eles desejariam ser tratados se estivessem no seu lugar, olhando por si mesmos, para que não sejam também tentados.” – Testimonies, vol. 7, pág. 263. “Aproximamo-nos do juízo, e os que dão a mensagem de advertência ao mundo devem ter mãos limpas e coração puro. Devem ter uma ligação íntima com Deus. Os pensamentos devem ser puros e santos, a alma sem mácula; devem o corpo, a alma e o espírito ser uma oferta pura e limpa a Deus, ou Ele não a aceitará.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 426. “Deve-se tratar prontamente com o pecado e os pecadores, para que outros não sejam contaminados. A verdade e a pureza exigem que façamos uma obra completa para purificar o acampamento de Acãs. Que os que ocupam posições de responsabilidade não sofram pecado num irmão. Mostrai-lhe que ele, ou tira o seu pecado, ou é separado da Igreja.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, pág. 38. Quando estejam envolvidos pecados graves, devem tomar-se medidas disciplinares. Isto pode ser feito de duas maneiras: 1. Por um voto de censura. 2. Por um voto de remoção de membro da Igreja.


Disciplina Eclesiástica

247

Pode haver casos em que a Igreja não considere a ofensa de gravidade suficiente para justificar a medida extrema da exclusão do membro faltoso, mas suficientemente séria para merecer um gesto de desaprovação. Essa desaprovação pode ser manifestada por um voto de censura. A censura tem um duplo objectivo: 1. Permitir que a Igreja exprima a sua desaprovação de uma ofensa grave que causou desonra à causa de Deus. 2. Impressionar o ofensor com a necessidade de corrigir a sua vida e reformar o seu procedimento, bem como proporcionar-lhe um período de graça e prova durante o qual possa dar esses passos. Disciplina por Censura Um membro faltoso pode ser posto sob censura por voto da igreja em qualquer reunião administrativa da igreja devidamente convocada, sempre que o membro implicado tenha sido notificado. Essa pessoa poderá estar presente, caso o deseje. Um voto de censura é tomado por um período de tempo definido, desde um mínimo de um mês até ao máximo de doze meses; tal voto põe fim à eleição ou nomeação para todo e qualquer cargo que o membro faltoso tenha na igreja e retira-lhe o privilégio de ser eleito para qualquer cargo enquanto estiver sob censura. Um membro sob censura não tem o direito de participar, nem por voz nem por voto, nos assuntos da igreja, nem pode ter qualquer participação pública nos respectivos serviços, tais como o ensino de uma classe da Escola Sabatina, etc.. Tão-pouco pode ser transferido como membro para outra igreja durante o período de censura. Não é, porém, privado do privilégio de participar das bênçãos da Escola Sabatina, nem do culto, nem das ordenanças da casa do Senhor. O voto de censura não deve implicar nenhuma providência que envolva a exclusão do registo da igreja caso o membro não cumpra as condições impostas. Deverá inquirir-se devidamente, no fim do período de censura, se o membro sob disciplina mudou de procedimento. Se o seu comportamento for satisfatório, deve, então, ser considerado como membro em situação regular sem qualquer outro voto. Se não tiver mudado de procedimento, deve o seu caso ser tratado novamente, e administrada a disciplina que seja requerida. Qualquer regresso a algum cargo da igreja deverá ser por eleição.


248

MANUAL DA IGREJA Disciplina por Remoção da Lista de Membros da Igreja

A remoção de um indivíduo de membro da Igreja, que é o corpo de Cristo, é sempre um assunto sério; é o último passo na disciplina que a igreja pode ministrar; é a medida extrema que a Igreja pode tomar. Unicamente depois de as instruções dadas neste capítulo terem sido seguidas e depois de terem sido feitos todos os esforços possíveis para reencaminhar o membro na vereda certa, se deve aplicar esta espécie de disciplina. Será aconselhável obter o conselho do pastor da igreja, ou, caso este não esteja disponível, do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo, antes da Igreja tomar qualquer medida, quando se pense em dar esse passo. Razões Para Disciplinar Membros Entre os pecados graves pelos quais os membros serão sujeitos à disciplina da igreja, acham-se os seguintes: 1. Negação da fé nos fundamentos do evangelho e nas doutrinas básicas da Igreja, ou ensino de doutrinas contrárias aos mesmos 2. Violação da lei de Deus, como a adoração de ídolos, homicídio, roubo, profanação, jogos de azar, transgressão do Sábado e falsidade voluntária e habitual. 3. Violação do sétimo mandamento da lei de Deus no que se refere à instituição matrimonial, ao lar cristão, e às normas bíblicas de conduta moral. 4. Violações tais como fornicação, promiscuidade, incesto, prática homossexual, abuso sexual de crianças e de adultos vulneráveis e outras graves perversões sexuais, e o novo casamento de uma pessoa divorciada, excepto do cônjuge que permaneceu fiel ao voto matrimonial num divórcio por adultério ou por perversões sexuais. 5. Violência física, inclusive violência na família. 6. Fraude ou deliberada falsidade nos negócios. 7. Comportamento desordenado que acarrete opróbrio sobre a causa. 8. Adesão ou participação num movimento ou organização separatista ou desleal (ver págs. 242, 243). 9. Persistente recusa do reconhecimento da autoridade da Igreja devidamente constituída, ou de submissão à ordem e à disciplina da Igreja. 10. O uso, manufactura ou venda de bebidas alcoólicas.


Disciplina Eclesiástica

249

11. O uso, manufactura ou venda de tabaco em qualquer das suas formas para consumo humano. 12. O uso indevido ou tráfico de narcóticos ou outras drogas. A Igreja Adventista do Sétimo Dia reconhece a necessidade de exercer grande cuidado para proteger os mais elevados interesses espirituais dos seus membros, assegurar um tratamento imparcial e salvaguardar o bom nome da Igreja. Nalguns casos de transgressão dos mandamentos de Deus, em que o pecador manifesta profundo arrependimento e faz confissão espontânea e completa, dando mostras de se ter operado uma conversão genuína, pode a Igreja administrar a disciplina pondo o transgressor sob censura por um período de tempo determinado. No entanto, em caso de flagrante violação da lei de Deus, que haja trazido opróbrio público sobre a causa, pode a Igreja considerar necessário, mesmo quando tenha havido uma confissão sincera, que o membro seja excluído da Igreja para proteger o bom nome desta e as suas normas cristãs. Mais tarde, quando seja evidente que a vida dessa pessoa é coerente com as normas da Igreja, poderá o transgressor ser novamente recebido no redil após rebaptismo. A Igreja não pode permitir-se tratar levianamente este tipo de pecados, nem permitir que considerações pessoais lhe afectem as resoluções. Deve assinalar a sua decisiva e veemente desaprovação dos pecados de fornicação, adultério, todos os actos de imprudência moral e outros pecados graves, ao mesmo tempo que deve fazer tudo quanto lhe seja possível para conseguir a recuperação dos que se desgarraram. Enquanto o mundo se torna cada vez mais condescendente em matéria de moral, a Igreja não pode baixar as normas estabelecidas por Deus. Prontidão e Sensatez no Processo de Disciplina A Igreja tem o dever de tratar do processo de disciplina dentro de um tempo razoável e então comunicar as suas decisões com delicadeza e prontidão. A aplicação da disciplina, em si, é um processo doloroso. Uma coisa que aumenta a frustração e o sofrimento do membro individual e da própria igreja local, é a demora na administração da disciplina.


250

MANUAL DA IGREJA Cuidado ao Disciplinar os Membros

“Cristo ensinou claramente que aqueles que perseveram no pecado declarado devem ser desligados da Igreja, mas não nos confiou a tarefa de ajuizar sobre caracteres e motivos. Conhece demasiado bem a nossa natureza para que nos delegasse esta obra. Se tentássemos desarraigar da Igreja os que supomos serem cristãos espúrios, certamente cometeríamos erro. Muitas vezes, consideramos casos perdidos justamente aqueles que Cristo está atraindo a Si. Se devêssemos proceder com essas almas segundo o nosso parecer imperfeito, extinguir-se-ia talvez a sua última esperança. Muitos que se julgam cristãos serão finalmente achados em falta. Haverá muitos no Céu, os quais os seus vizinhos supunham que lá não entrariam. O homem julga segundo a aparência, mas Deus vê o coração. O joio e o trigo devem crescer juntos até à ceifa, e a colheita é o fim do tempo da graça. “Há nas palavras do Salvador ainda outra lição, uma lição de maravilhosa longanimidade e terno amor. Como o joio tem as raízes entrelaçadas com as do bom trigo, assim falsos irmãos podem estar na Igreja, intimamente ligados com os discípulos verdadeiros. O verdadeiro carácter desses pretensos crentes não é plenamente manifesto. Caso fossem desligados da congregação, outros poderiam ser induzidos a tropeçar, os quais, se não fosse isto, permaneceriam firmes.” – Parábolas de Jesus, págs. 71 e 72. Nem Ministros Nem Igrejas Devem Determinar Provas de Discipulado – Um ministro, uma igreja local ou uma Conferência (Associação)/ Missão/Campo não têm autoridade para formular ou determinar provas de discipulado para a denominação. Esta autoridade compete à Igreja no seu todo e é exercida através da organização regularmente constituída na Conferência Geral. Qualquer pessoa que procure aplicar provas além das que são aqui formuladas não representa, portanto, devidamente a Igreja. “Deus está conduzindo um povo, não uns poucos indivíduos dispersos aqui e ali, um crendo numa coisa, outro noutra. Os anjos de Deus estão a fazer a obra que lhes foi confiada. O terceiro anjo está a dirigir e a purificar um povo, e este deve avançar com ele em unidade. Alguns antecipam-se aos anjos que estão guiando este povo, mas têm de retroceder cada passo e prosseguir docilmente, não mais depressa do que é indicado pelos anjos.” – Testimonies, vol. 1, pág. 207.


Disciplina Eclesiástica

251

Numa Reunião Devidamente Convocada – Os membros podem ser disciplinados pela igreja por uma causa suficiente, mas unicamente numa reunião administrativa da igreja devidamente convocada, depois de o Conselho da Igreja ter estudado o caso. A reunião deve ser presidida por um ministro ordenado ou um ministro licenciado que tenha sido ordenado como ancião local da igreja respectiva, ou, na ausência deste e, em conselho com ele ou com o presidente da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, por um ancião local ordenado, da mesma igreja. O Voto da Maioria – Os membros só podem ser excluídos da igreja, ou de algum outro modo disciplinados, por voto de uma maioria dos membros presentes e que participem na votação, numa reunião devidamente convocada. “A maioria da igreja é um poder que deve reger os seus membros individuais.” – Testimonies, vol. 5, pág. 107. O Conselho da Igreja Não Pode Excluir Membros – O Conselho da Igreja pode recomendar à Igreja a exclusão de um membro, mas em nenhuma circunstância tem um Conselho de Igreja o direito de excluir qualquer membro. O secretário da igreja pode eliminar um nome do registo da igreja unicamente mediante o voto da igreja, excepto no caso da morte de um membro. O Membro Tem o Direito de Ser Ouvido para se Defender – Um princípio fundamental de justiça é que todo o membro tem o direito de ser ouvido em defesa própria, e de apresentar provas e testemunhas. Nenhuma igreja deve votar a exclusão de um membro em circunstâncias que o privem desse direito, caso queira exercê-lo. A igreja deve notificar devidamente ao membro a sua intenção de considerar o problema, dando assim à pessoa a oportunidade de se apresentar. Os Membros Não Podem Ser Representados por Advogados – O trabalho da Igreja, na sua administração da ordem e da disciplina, é uma função eclesiástica, e em nenhum sentido tem que ver com procedimentos civis ou legais. Portanto, a Igreja não reconhece a nenhum membro o direito de trazer um advogado para o representar em qualquer reunião ou Conselho da Igreja convocados para administrar ordem ou disciplina, ou para tratar de


252

MANUAL DA IGREJA

quaisquer assuntos referentes à Igreja. Por isso, os nossos membros devem ser informados de que não serão ouvidos se tentarem trazer um advogado a uma reunião para esse efeito. A Igreja deve também excluir todos os que não sejam membros, de qualquer reunião ou Conselho convocado para a administração de ordem ou disciplina, a menos que tenham sido chamados como testemunhas. Não se Excluirão Membros por Não Frequentarem as Reuniões – Os ausentes devem ser cuidadosamente visitados pelos dirigentes da igreja, e cada um deles deve ser encorajado a voltar a frequentar a Igreja, explicando--se-lhe a gravidade de descurar a sua obrigação de membro ausentando-se deliberadamente por períodos de tempo indefinidos e não dando notícias da sua fé e esperança à Igreja. Se, devido à idade, doença ou outra causa inevitável, um membro achar que lhe é impossível assistir regularmente ao culto divino, deve considerar que tem o dever de se manter em contacto com os dirigentes da igreja por carta ou por outros meios. No entanto, desde que uma pessoa seja fiel à doutrina da Igreja, o facto de não assistir às reuniões não será considerado causa suficiente para exclusão. Membros que Mudam de Residência Sem Informar a Igreja. Quando os membros se mudam para longe da sua igreja, têm o dever de participar ao ancião ou ao secretário da igreja o seu novo domicílio e endereço. Na medida em que continuam a ser membros dessa igreja devem reconhecer a sua responsabilidade de comunicar regularmente com a igreja e enviar os seus dízimos e ofertas. É desejável que essa comunicação se processe pelo menos uma vez em cada trimestre. Se, porém, o membro não tiver deixado nenhum endereço nem feito qualquer esforço para contactar com a sua igreja enviando notícias, e caso se verifique ser impossível localizá-lo, então, depois de uma ausência de dois anos, poderá ser eliminado do registo dos membros mediante o voto da igreja, contanto que os oficiais da igreja possam confirmar que se empenharam fielmente em localizá-lo, mas sem êxito. O secretário deverá anotar na coluna correspondente: “Paradeiro desconhecido. Eliminado por voto como desaparecido”. Não se Excluirão Membros por Motivos Pecuniários – Nunca deve um membro ser eliminado do registo da igreja por motivo da sua incapacidade de prestar auxílio financeiro a qualquer dos empreendimentos da igreja. A


Disciplina Eclesiástica

253

condição de membro de igreja assenta primariamente numa base espiritual, no entanto todo o membro tem o dever de, na medida da sua capacidade, ajudar financeiramente a obra da Igreja, mas nunca deve ser privado da sua condição de membro simplesmente por não poder contribuir financeiramente para qualquer das causas da Igreja. Exclusão de um Membro a Seu Pedido – Deve-se exercer grande cuidado ao tratar com um membro que peça a eliminação do seu nome do registo da igreja. Conquanto reconheçamos o direito que cada um tem de decidir se quer ou não pertencer à Igreja, dever-se-á conceder bastante tempo a um tal membro para madura meditação e reflexão, e fazer-se todo o esforço possível para o reconduzir a uma experiência satisfatória. As cartas de demissão devem ser apresentadas ao Conselho da Igreja, que por sua vez as apresentará numa reunião administrativa da igreja, devidamente convocada. Por consideração cristã pelas pessoas em causa, o correspondente voto deve ser tomado sem discussão pública. Notificação aos Membros Removidos da Comunhão da Igreja – Cabe à igreja que exclui um membro da sua comunhão notificar a pessoa, por escrito, da resolução pesarosamente tomada, com a garantia de continuado interesse espiritual e preocupação com ela. Esta comunicação deve, quando possível, ser entregue pessoalmente pelo pastor da igreja ou por uma pessoa designada pelo conselho da mesma. Deve assegurar-se ao membro transviado que a Igreja terá sempre a esperança da sua readmissão e de que um dia possa partilhar da eterna comunhão no reino de Deus. Readmissão de um Membro de Igreja Excluído – Quando um membro de igreja tiver sido excluído, a igreja deve, se possível, manter-se em contacto com ele e manifestar-lhe espírito de amizade e amor, procurando trazê-lo de volta ao redil. Uma pessoa excluída do seio da igreja pode ser recebida novamente como membro, se confessar os erros cometidos e der provas de verdadeiro arrependimento e modificação de vida, e for manifesto que se submeterá plenamente à ordem e à disciplina da Igreja. Tal readmissão deverá, de preferência, fazer-se na igreja de que o membro tiver sido excluído. Isto, entretanto, nem sempre é possível. Neste caso, a igreja onde a pessoa pede para ser readmitida deve procurar obter informação da igreja anterior sobre as razões pelas quais a pessoa foi excluída.


254

MANUAL DA IGREJA

Dado que a exclusão é a mais grave forma de disciplina, o período de tempo antes de uma pessoa excluída poder ser readmitida deve ser suficiente para demonstrar que os problemas que levaram ao voto de exclusão foram solucionados e que não existe qualquer razão para dúvida. A readmissão como membro da igreja é normalmente precedida pelo rebaptismo. Direito de Apelar Para Obter a Readmissão – No caso de os oficiais da igreja se recusarem a atender o pedido de readmissão de um membro excluído, este tem o direito de apelar para a igreja e ser ouvido por ela. A igreja não deve ignorar esse apelo nem recusar-se a ouvir a pessoa. Se o fizer, tem a pessoa o direito de apelar para o Conselho Executivo da Conferência (Associação)/Missão/Campo a que pertence a igreja. Se, após uma audição plena e imparcial, o Conselho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo ficar convencido de que a igreja cometeu uma injustiça, esse Conselho pode recomendar a readmissão do membro removido. Se ainda assim lhe for recusada admissão como membro dessa igreja, pode então o Conselho recomendá-lo para ser membro de alguma outra igreja. Por outro lado, se o Conselho Executivo encontrar bons motivos para apoiar a igreja na sua recusa de readmitir o membro, registará em acta a respectiva decisão. Transferência de Membros sob Censura – Nenhuma igreja deve receber como membro qualquer pessoa que esteja sob censura de outra igreja. Tal procedimento justificaria a própria ofensa pela qual outra igreja teria aplicado a disciplina. A aceitação, como membro, de um indivíduo que esteja sob disciplina é uma violação tão grave das normas da Igreja, que a igreja transgressora pode ser sujeita a disciplina aplicada pelo plenário da Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo.


255 CAPÍTULO 15

Casamento, Divórcio e Novo Casamento Ensinos Bíblicos Acerca do Casamento A Origem do Casamento. – O casamento é uma instituição divina estabelecida pelo próprio Deus, antes da queda, quando tudo, inclusive o casamento, “era muito bom” (Gén. 1:31). “Por isso deixa o homem pai e mãe, e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gén. 2:24). “Deus celebrou o primeiro casamento. Assim esta instituição tem como seu originador o Criador do Universo. ‘Venerado ... seja o matrimónio’; foi esta uma das primeiras dádivas de Deus ao homem, e é uma das duas instituições que, depois da queda, Adão trouxe consigo para cá das portas do Paraíso.” – O Lar Adventista, págs. 25, 26. A Unidade do Casamento. – Deus tencionava que o casamento de Adão e Eva servisse de modelo para todos os casamentos posteriores, e Cristo confirmou este conceito original, dizendo: “Não tendes lido que o Criador desde o princípio os fez homem e mulher, e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mat. 19:4-6). A Perpetuidade do Casamento. – O casamento é um compromisso vitalício do marido para com a esposa, e desta para com aquele, e entre o casal e Deus (Mar. 10:2-9; Rom. 7:2). Paulo assinala que o compromisso de Cristo para com a Igreja é um modelo da relação entre o marido e a esposa (Efés. 5:31 e 32). O desígnio de Deus era que a relação matrimonial fosse tão duradoura como a relação de Cristo com a Igreja. A Intimidade Sexual no Casamento. – A intimidade sexual no casamento é uma dádiva sagrada de Deus à família humana. Constitui uma parte integrante do casamento, só reservada para ele (Gén. 2:24; Prov. 5:5-20). Essa intimidade, destinada a ser exclusivamente partilhada entre o marido e a esposa, promove cada vez maior aconchego, felicidade e segurança, e


256

MANUAL DA IGREJA

possibilita a perpetuação da raça humana. Além de monogâmico, o casamento, da maneira instituída por Deus, é uma relação heterossexual (Mat. 19:4, 5). Parceria no Casamento. – A unidade no casamento é alcançada por mútuo respeito e amor. Nenhum dos cônjuges é superior ao outro (Efés. 5: 21-28). “O matrimónio – união vitalícia – é símbolo da união entre Cristo e a Sua igreja. O espírito que Cristo manifesta para com a Igreja, é o que marido e mulher devem dedicar-se mutuamente.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 96. A Palavra de Deus condena a violência nas relações pessoais (Gén. 6:11 e 13; Sal. 11:5; Isa. 58:4 e 5; Rom. 13:10; Gál. 5:19-21). O espírito de Cristo é amar e aceitar, procurar suster e edificar a outros, e não maltratá-los ou aviltá-los (Rom. 12:10; 14:19; Efés. 4:26; 5:28 e 29; Col. 3: 8-14; I Tess. 5:11). Entre os seguidores de Cristo não há lugar para controlo despótico e abuso de poder (Mat. 20:25-28; Efés. 6:4). Violência no âmbito do casamento e da família é abominável (ver O Lar Adventista, pág. 343). “Nem o marido nem a mulher devem buscar dominar. O Senhor exarou o princípio que guiará este assunto. O marido deve amar a mulher como Cristo à Igreja. E a mulher deve respeitar e amar o marido. Ambos devem cultivar espírito de bondade, resolvidos a nunca ofender ou prejudicar o outro.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, págs. 96 e 97. Os Efeitos da Queda Sobre o Casamento. – A entrada do pecado afectou adversamente o matrimónio. Quando pecaram, Adão e Eva perderam a unidade que tinham desfrutado com Deus e um com o outro (Gén. 3: 6-24). O seu relacionamento passou a ser assinalado pela culpa, vergonha, remorso e dor. Onde quer que reine o pecado, os seus deploráveis efeitos sobre o casamento incluem alienação, deserção, infidelidade, negligência, abuso, violência, separação, divórcio, domínio de um cônjuge pelo outro e perversão sexual. Casamentos que envolvem mais de um cônjuge são também uma expressão dos efeitos do pecado sobre a instituição matrimonial. Tais casamentos, embora praticados nos tempos do Antigo Testamento, não estão em harmonia com o desígnio divino. O plano de Deus para o casamento requer que o Seu povo se eleve acima dos costumes da cultura popular que se acham em conflito com o conceito bíblico.


Casamento, Divórcio e Novo Casamento

257

Restauração e Cura. – 1. O Ideal Divino a Ser Restaurado em Cristo. – Ao redimir o mundo do pecado e suas consequências, Deus também procura restaurar o casamento ao seu ideal original. Isto é previsto para a vida dos que nasceram de novo no reino de Cristo, cujo coração está a ser santificado pelo Espírito Santo e que têm como principal objectivo na vida exaltar o Senhor Jesus Cristo. (Ver também I Ped. 3:7; Pensamentos Sobre o Sermão da Montanha, pág. 64.) 2. Unidade e Igualdade a Serem Restauradas em Cristo. – O evangelho enfatiza o amor e a submissão mútua do marido e da esposa (I Cor. 7:3 e 4; Efés. 5:21). O modelo para a liderança do marido é o abnegado amor e serviço que Cristo concede e presta à Igreja (Efés. 5:24 e 25). Tanto Pedro como Paulo falam sobre a necessidade de respeito na relação matrimonial (I Ped. 3:7; Efés. 5:22 e 23). 3. Graça Acessível a Todos. – Deus procura restaurar a integridade de todos os que deixaram de corresponder ao padrão divino e reconciliá-los consigo (II Cor. 5:19). Isto abrange aqueles que experimentaram o rompimento das relações matrimoniais. 4. A Função da Igreja. – Moisés, no Antigo Testamento, e Paulo, no Novo Testamento, trataram dos problemas causados por casamentos despedaçados (Deut. 24:1-5; I Cor. 7:11). Ao mesmo tempo em que enalteciam e defendiam o ideal, ambos trabalharam de forma construtiva e redentora com os que não atingiram o padrão divino. Semelhantemente, compete à Igreja, hoje em dia, enaltecer e defender o ideal de Deus quanto ao matrimónio, sendo ao mesmo tempo uma comunidade reconciliadora, perdoadora e restauradora, manifestando compreensão e compaixão quando ocorre o rompimento. Ensinos Bíblicos Acerca do Divórcio O Propósito Original de Deus. – O divórcio contraria o propósito original de Deus ao instituir o casamento (Mat. 19:3-8; Mar. 10:2-9), mas a Bíblia não é omissa a esse respeito. Visto que o divórcio ocorreu como parte da decaída experiência humana, foi provida uma legislação bíblica para limitar o dano causado por ele (Deut. 24:1-4). A Bíblia procura coerentemente elevar o casamento e desaconselhar o divórcio, descrevendo as alegrias do amor e da fidelidade conjugal (Prov. 5:18-20; Cantares de


258

MANUAL DA IGREJA

Salomão 2:16; 4:9 a 5:1), comparando a relação de Deus com o Seu povo ao casamento (Isa. 54:5; Jer. 3:1 ), focando as possibilidades do perdão e da restauração matrimonial (Oseias 3:1-3) e indicando a aversão de Deus ao divórcio e à desdita causada por ele (Mal. 2:15 e 16). Jesus restaurou o conceito da instituição do casamento como compromisso vitalício entre um homem e uma mulher, e entre o casal e Deus (Mat. 19:4-6; Mar. 10:69). Muitas instruções bíblicas confirmam o casamento e procuram corrigir problemas tendentes a debilitar ou destruir o fundamento do matrimónio (Efés. 5:21-33; Heb. 13:4; I Ped. 3:7). Casamentos Que Podem Ser Destruídos. – O matrimónio baseia-se em princípios de amor, lealdade, exclusividade, confiança e amparo mantidos por ambos os cônjuges, em obediência a Deus (Gén. 2:24; Mat. 19:6; I Cor. 13; Efés. 5:21-29; I Tess. 4:1-7). Quando estes princípios são violados, o casamento corre perigo. As Escrituras reconhecem que trágicas circunstâncias podem destruir o casamento. A Graça Divina. – A graça divina é o único remédio para os males do divórcio. Quando o casamento falha, os ex-cônjuges devem ser encorajados a examinar a sua experiência e buscar conhecer a vontade de Deus para a sua vida. O Senhor provê conforto para os que foram feridos. Deus também aceita o arrependimento de indivíduos que cometem os pecados mais destrutivos, até mesmo os que acarretam consequências irreparáveis (II Sam. 11; 12; Sal. 34:18; 86:5; Joel 2:12 e 13; João 8:2-11; I João 1: 9). Motivos Para Divórcio. – As Escrituras admitem que o adultério e/ou a fornicação (Mat. 5:32), bem como o abandono da parte de um cônjuge incrédulo (I Cor. 7:10-15) constituem motivos para divórcio. Ensinos Bíblicos Acerca do Novo Casamento Não há nas Escrituras nenhum ensino directo acerca do novo casamento após o divórcio. Entretanto, nas palavras de Jesus, em Mateus 19: 9, encontra-se uma forte indicação da possibilidade do novo casamento da pessoa que permaneceu fiel, embora o seu cônjuge tenha sido desleal ao voto matrimonial.


Casamento, Divórcio e Novo Casamento

259

A Posição da Igreja sobre o Divórcio e o Novo Casamento Reconhecendo os ensinos da Bíblia acerca do casamento, a Igreja está ciente de que as relações matrimoniais, em muitos casos, ficam aquém do ideal. O problema do divórcio e do novo casamento só poderá ser observado no seu verdadeiro aspecto quando for encarado à luz do Céu e contra o fundo histórico do Jardim do Éden. O ponto central do santo plano de Deus para o nosso mundo foi a criação de seres feitos à Sua imagem, que se multiplicassem e enchessem a Terra, e vivessem juntos em pureza, harmonia e felicidade. Ele criou Eva do lado de Adão, e deu-a a Adão como sua mulher. Foi assim instituído o casamento – sendo Deus o autor da instituição e o oficiante do primeiro casamento. Depois de o Senhor revelar a Adão que Eva era verdadeiramente osso dos seus ossos e carne da sua carne, nunca lhe poderia surgir na mente dúvida alguma de que os dois fossem uma só carne. Nem podia surgir na mente de nenhum dos componentes do santo par dúvida alguma de que Deus pretendesse que o seu lar tivesse duração eterna. A Igreja adopta, sem reserva, este conceito do matrimónio e do lar, crendo que qualquer degradação deste alto ponto de vista é uma correspondente degradação do ideal celestial. A crença de que o casamento é uma instituição divina tem a sua base nas Escrituras. Nessa conformidade, todo o pensamento e argumento no intrincado terreno do divórcio e novas núpcias deve ser constantemente harmonizado com o santo ideal revelado no Éden. A Igreja crê na lei de Deus; crê, também, na misericórdia perdoadora de Deus. Crê que a vitória e a salvação podem ser tão seguramente encontradas pelos que transgrediram nesse assunto do divórcio e de novo casamento, como pelos que fracassaram em qualquer das outras santas normas divinas. Nada do que é aqui apresentado tem a intenção de diminuir a misericórdia ou o perdão de Deus. No temor do Senhor, é aqui apresentado o que a Igreja crê serem os princípios e as regras que devem ser aplicados neste assunto do casamento, do divórcio e de novas núpcias. Conquanto o casamento tenha sido realizado primeiramente por Deus só, reconhece-se que as pessoas vivem agora sob governos civis neste mundo; portanto, o casamento tem dois aspectos: o divino e o civil. O aspecto divino é regulado pelas leis de Deus; o civil, pelas leis do Estado.


260

MANUAL DA IGREJA

Em harmonia com estes princípios, as seguintes declarações enunciam a atitude da Igreja Adventista do Sétimo Dia: 1. Quando Jesus disse: “Não o separe o homem”, estabeleceu uma norma de procedimento para a Igreja, sob a dispensação da graça, que devia sempre transcender todas as legislações civis que ultrapassassem a interpretação divina da lei de Deus que governa a relação matrimonial. Dá Deus aí, para os Seus seguidores, uma regra que devem seguir, quer o Estado ou o costume em voga permitam maiores liberdades, quer não. “No Sermão do Monte, Jesus afirmou claramente que não podia haver dissolução do laço matrimonial, a não ser por infidelidade ao voto conjugal.” – Pensamentos Sobre o Sermão da Montanha, pág. 63. (Mat. 5:32; 19:9.) 2. A infidelidade ao voto matrimonial geralmente tem sido considerada como alusão a adultério e/ou prostituição. No entanto, a palavra que no Novo Testamento é traduzida por “fornicação” ou “prostituição” abrange algumas outras irregularidades sexuais. (I Cor. 6:9; I Tim. 1:9 e 10; Rom. 1:24-27.) Portanto, as perversões sexuais, inclusive o incesto, o abuso sexual de crianças e as práticas homossexuais, são também identificadas como abuso das faculdades sexuais e violação do desígnio divino no casamento. Como tal, são um motivo justo para separação ou divórcio. Se bem que as Escrituras permitam o divórcio pelas razões apresentadas mais acima, assim como pelo abandono da parte de um cônjuge incrédulo (I Cor. 7:10-15), devem ser feitos esforços diligentes, pela igreja e pelas pessoas envolvidas, para efectuar uma reconciliação, instando com os cônjuges para que manifestem, um ao outro, um espírito de perdão e restauração semelhantes ao de Cristo. Recomenda-se que a igreja lide de forma amorosa e redentora com o casal, a fim de ajudar no processo de reconciliação. 3. No caso de não se conseguir a reconciliação, o cônjuge que permaneceu fiel ao consorte que violou o voto matrimonial tem o direito bíblico de requerer divórcio, bem como de tornar a casar-se. 4. O cônjuge que violou o voto matrimonial (ver parágrafos 1 e 2, mais acima) estará sujeito à disciplina da igreja local. (Ver Capítulo 14, Disciplina da Igreja, págs. 237-254.) Se estiver genuinamente arrependido poderá ser posto sob censura por um determinado período de tempo, em vez de ser removido do registo de membros da igreja. O cônjuge que não der provas de pleno e sincero arrependimento, será removido do registo de


Casamento, Divórcio e Novo Casamento

261

membros da Igreja. No caso da violação ter causado opróbrio público à causa de Deus, a Igreja, a fim de manter as suas altas normas e bom nome, poderá remover o indivíduo do registo de membros, embora haja prova de arrependimento. Qualquer dessas formas de disciplina deverá ser aplicada pela igreja local de tal maneira que procure atingir os dois objectivos da disciplina eclesiástica: corrigir e resgatar. No evangelho de Cristo, o aspecto redentor da disciplina está sempre ligado à autêntica transformação do pecador numa nova criatura em Jesus Cristo. 5. O cônjuge que violou o voto matrimonial e se tenha divorciado, não tem o direito moral de se casar com outra pessoa enquanto o cônjuge que permaneceu fiel ao voto matrimonial ainda vive e permanece sem casar-se e casto. Se se casar, será removido do registo de membros da igreja. A pessoa com quem se casar, se for membro da igreja, também será removida do registo de membros da Igreja. 6. Reconhece-se que, às vezes, as relações matrimoniais se deterioram a tal ponto que é melhor que o marido e a esposa se separarem. “Aos casados, ordeno, não eu mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido (se, porém, ela vier a separar-se, que não se case, ou que se reconcilie com o seu marido); e que o marido não se aparte da sua mulher.” I Cor. 7:10 e 11. Em muitos desses casos, a guarda dos filhos, o ajuste dos direitos de propriedade, ou mesmo a protecção pessoal, podem tornar necessária uma modificação do status matrimonial. Em tais casos pode ser permissível obter o que em alguns países se chama separação legal. Entretanto, em algumas jurisdições civis, essa separação só pode ser obtida por meio do divórcio. A separação ou o divórcio que resulta de factores como violência física ou em que não está envolvida a “infidelidade ao voto matrimonial” (ver parágrafos 1 e 2, mais acima), não dá a nenhum dos cônjuges o direito bíblico de tornar a casar-se, a menos que, entretanto, a outra parte se tenha casado, cometido adultério ou prostituição, ou tenha morrido. Se um membro da igreja que se tenha assim divorciado tornar a casar-se, sem estas razões bíblicas, será removido do registo de membros da Igreja; e quem se casar com ele, se for membro da Igreja, será também removido. (Ver págs. 248, 249.) 7. O cônjuge que tenha violado o voto matrimonial, que se tenha divor-


262

MANUAL DA IGREJA

ciado, que tenha sido removido do registo de membros da Igreja e que se tenha casado novamente, ou quem se tenha divorciado por outros motivos que não os apresentados nos parágrafos l e 2, e se tenha casado novamente e sido removido da igreja, será considerado inelegível como membro da Igreja, excepto nos casos previstos a seguir. 8. O contrato matrimonial não só é mais sagrado mas também infinitamente mais complexo do que outros acordos nas suas possíveis complicações; por exemplo, o factor dos filhos. Portanto, num pedido para ser readmitido como membro da Igreja, as opções acessíveis à pessoa arrependida podem ser severamente limitadas. Antes que a decisão final seja tomada pela igreja local, o pedido de readmissão será submetido pela igreja, por intermédio do pastor ou dirigente distrital, ao Conselho Directivo da Conferência (Associação)/Missão/Campo, para conselhos e recomendações quanto a quaisquer possíveis passos que a pessoa ou as pessoas arrependidas devam dar para conseguir uma tal readmissão. 9. A readmissão na igreja dos que tenham sido removidos pelos motivos apresentados nos parágrafos precedentes, sê-lo-á normalmente sob a condição de rebaptismo (ver pág. 253). 10. Quando a pessoa que tenha sido removida do registo de membros for readmitida na Igreja, segundo estabelece o parágrafo 8, deverá exercer-se todo o cuidado possível para salvaguardar a unidade e a harmonia na Igreja, não dando a essa pessoa responsabilidade como líder; especialmente em cargo que exija o rito da ordenação, a menos que o caso seja cuidadosamente considerado com a Conferência (Associação)/Missão/Campo. 11. Nenhum pastor Adventista do Sétimo Dia tem o direito de oficiar numa cerimónia de segundas núpcias de pessoa que, sob a estipulação dos parágrafos precedentes, não tenha o direito bíblico de tornar a casar-se. O Ministério da Igreja Local Pelas Famílias A Igreja, como entidade redentora de Cristo, deve ministrar aos seus membros em todas as suas necessidades e atender a cada um deles de tal modo que todos possam desenvolver uma experiência cristã amadurecida. Isto é especialmente verdade quando os membros enfrentam decisões vitalícias, como o casamento, e experiências aflitivas, como o divórcio. Quando o matrimónio de um casal corre o perigo de sucumbir, devem ser


Casamento, Divórcio e Novo Casamento

263

feitos todos os esforços possíveis, pelos cônjuges e pelas pessoas na igreja ou na família que ministram em seu favor, para efectuar a sua reconciliação em harmonia com os princípios divinos para restaurar relacionamentos feridos (Oseias 3:1-3; I Cor. 7:10 e 11; 13:4-7; Gál. 6:1) A igreja local ou outras organizações da Igreja dispõem de recursos que podem ser úteis aos membros no desenvolvimento de um vigoroso lar cristão. Esses recursos abrangem: 1) programas de orientação para pessoas comprometidas que pensam em casar-se; 2) programas de instrução para casais com as suas famílias; e 3) programas de amparo a famílias dilaceradas e pessoas divorciadas. O apoio pastoral é vital no âmbito da instrução e orientação no tocante ao casamento, e de lenitivo e restauração no caso de divórcio. A função pastoral, no último caso, é ao mesmo tempo disciplinar e amparar. Essa função abrange o acto de partilhar informações aplicáveis ao caso; no entanto, a revelação de informações delicadas deve ser feita com muita discrição. Esta solicitude ética, por si só, não deve servir de pretexto para evitar as medidas disciplinares estabelecidas nos parágrafos 1 a 11, mais acima. Os membros da Igreja são convidados a perdoar e aceitar os que falharam, assim como Deus lhes perdoou (Isa. 54:5-8; Mat. 6:14 e 15; Efés. 4:32). A Bíblia recomenda insistentemente que haja paciência, compaixão e perdão no cuidado cristão dos que erraram (Mat. 18:10-20; Gál. 6:1 e 2). Durante o tempo em que as pessoas estiverem sob disciplina, quer por censura, quer por remoção da qualidade de membro, a Igreja, como instrumento da missão de Deus, deve fazer todo o esforço possível para manter um solícito e edificante contacto espiritual com elas.


265 CAPÍTULO 16

Organização, Fusão e Dissolução de Igrejas Organização de uma Igreja As igrejas são organizadas por um ministro ordenado mediante recomendação do Conselho de uma Conferência (Associação)/Missão/Campo. Visto haver tanta coisa envolvida na organização de uma igreja, deve o presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo/, sempre que possível, ser convidado a estar presente. Quando um grupo de crentes baptizados, plenamente instruídos na mensagem, estiver preparado para assumir as responsabilidades de uma igreja organizada, deve pedir-se o conselho do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo e combinar-se uma data para efectuar a organização. Reunidos os crentes baptizados, convém apresentar uma breve recapitulação dos princípios fundamentais da nossa fé, tais como: a crença na Divindade com o carácter pessoal de Deus o Pai, Deus o Filho, e Deus o Espírito Santo, a salvação pela graça mediante a fé, o novo nascimento, o sacerdócio de Cristo, o Segundo Advento, a lei de Deus, o Sábado, a natureza do homem, o estado dos mortos, o juízo, a Igreja, o baptismo, o serviço da comunhão, os dons espirituais, a mordomia cristã, a saúde e a temperança, a unidade da família humana em Cristo Jesus e as normas sociais cristãs. Devem ser citados dois ou três textos representativos para apoiar cada um destes ensinos. Depois disto, deve fazer-se um convite, pedindo a todos os que estejam de acordo com esses princípios, e desejem unir-se em comunhão de igreja, que venham para a frente. Deve registar-se o nome de cada pessoa. Se uma ou mais pessoas já forem membros da Igreja da Conferência (Associação)/ Missão/Campo ou de alguma outra igreja, quem oficia já deverá estar inteirado disso e terá já em mãos as respectivas cartas de recomendação para se unirem a esta nova igreja. Estes membros formarão assim um núcleo. Se, porém, não estiver presente ninguém que já seja membro de outra


266

MANUAL DA IGREJA

igreja, então devem escolher-se três membros presentes (de preferência experientes guardadores do Sábado) para formar o núcleo. Seguidamente, poderão fazer-se-lhes as seguintes perguntas: Aceitam Cristo como vosso Salvador pessoal? Estão em plena harmonia com os princípios de fé que acabam de ser apresentados? Foram baptizados por imersão? Mantêm boas relações mútuas e gozam da confiança uns dos outros? Se estas perguntas forem respondidas afirmativamente, declara-se que os três constituem o núcleo da nova igreja. Depois, um a um, são chamados os nomes constantes da lista. Cada pessoa, pondo-se de pé, responde às perguntas já mencionadas, e então o núcleo vota para receber essa pessoa na comunhão da igreja. Cada pessoa que desta maneira é recebida torna-se membro da igreja e fica apta a votar no próximo nome. Deve ter-se o cuidado de assegurar que haja plena comunhão e amor fraternal entre os que são recebidos como membros. Se surgir alguma dificuldade em qualquer dos casos, numa questão de doutrina ou de relações mútuas, a votação desses casos deve ser adiada, a menos que o assunto possa ser ajustado na ocasião, com amabilidade e tacto. Depois de todos terem sido recebidos, a igreja constitui uma entidade completa e está pronta para a eleição dos oficiais. Deve escolher-se uma comissão de nomeações, da qual será presidente o pastor oficiante. Esta comissão apresentará uma lista de pessoas para preencher os diversos cargos da igreja. Depois de estas terem sido eleitas, os anciãos devem ser ordenados. Após algumas observações relacionadas com os deveres do ancião e as mútuas responsabilidades dos membros, os anciãos devem ser chamados à plataforma e convidados a ajoelhar-se enquanto o ministro oficiante ora e lhes impõe as mãos, significando que a igreja os separa para este serviço. Uma cerimónia semelhante, porém mais curta, deve ter lugar para a ordenação dos diáconos. Quando isto tiver sido feito, a igreja estará completamente organizada e pronta para funcionar. Antes de terminar a reunião, deve fazer-se uma votação para pedir à Conferência (Associação) local que receba a igreja recém-organizada na irmandade das igrejas, por ocasião da sua próxima assembleia da Conferência (Associação) local. Deve ter-se o cuidado de providenciar que todos os oficiais sejam completamente instruídos acerca dos respectivos deveres. A igreja deverá ter os elementos necessários para a Santa Ceia, bem como os utensílios para


Organizarção, Fusão e Dissolução de Igrejas

267

a cerimónia do lava-pés. Ao tesoureiro, ao secretário e aos outros oficiais devem ser fornecidos os necessários livros de registo e talões de recibos. Todos estes pormenores devem merecer cuidadosa atenção, pois a futura prosperidade da igreja depende em grande parte do cuidado exercido na sua organização e instrução. Sempre que seja possível, deverá ser celebrada a cerimónia da Santa Ceia por ocasião da organização da igreja. Fusão de Igrejas Quando for aconselhável fazer a fusão de duas igrejas, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo deve votar uma recomendação nesse sentido. Em reunião devidamente convocada, presidida pelo presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo, ou pelo pastor ou outro ministro ordenado, cada uma das igrejas deve votar sobre o assunto da fusão. Uma vez obtido o voto favorável de ambas as igrejas, deve proceder-se a uma reunião das duas igrejas sob a presidência do presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou, na sua ausência, de um ministro ordenado designado pela mesma Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Deve ser preparada cuidadosamente uma declaração escrita do acordo, em que se indiquem as razões para a fusão das duas igrejas e se mencionem outros assuntos especiais que possam estar envolvidos, tais como a transferência de propriedades, a responsabilidade de compromissos financeiros, etc.. Esta declaração deve especificar as condições do acordo em virtude do qual se efectua a fusão. Deve incluir a nova designação da igreja unida e a desobrigação dos oficiais de ambas as igrejas de todos os seus cargos. A adopção deste acordo pela nova igreja consuma a união das duas igrejas. Escolher-se-á, então, uma comissão de nomeações para nomear os oficiais da igreja unida que deverão servir durante o resto do ano em curso. Deverá arquivar-se uma cópia do acordo na sede da Conferência (Associação)/ Missão/Campo. Quando tiver sido dado este passo, todos os membros de ambas as igrejas ficam englobados na nova organização. Não é permissível eliminar um membro nestas circunstâncias, deixando simplesmente de o incluir na lista de membros no momento da fusão. A nova igreja unida torna-se responsável pela ordem e disciplina de todos os seus membros. Os casos de


268

MANUAL DA IGREJA

membros que se encontrem sob disciplina deverão ser tratados conforme o que se encontra estabelecido neste manual. Os livros e registos de ambas as igrejas passam a pertencer aos registos da nova igreja unida. A Conferência (Associação)/Missão/Campo deverá ser notificada e tomadas as correspondentes decisões na sua próxima assembleia. Dissolução e Expulsão de Igrejas “... Cristo amou a igreja e a Si mesmo Se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela Palavra, para a apresentar a Si mesmo igreja gloriosa, sem mácula nem ruga nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. ... Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como, também, o Senhor à igreja; porque somos membros do Seu corpo.” Efés. 5:25-30. Esta deve ser sempre a atitude assumida para com as igrejas na administração de medidas disciplinares, quer por cada um individualmente quer pela própria igreja no seu todo – sempre ajudar e salvar para a causa de Deus. Pode haver circunstâncias que tornem necessária a dissolução de uma igreja. Poderão ter-se mudado tantos dos seus membros que o restante número deles não seja suficiente para manter uma igreja organizada. Surgem por vezes dificuldades que ameaçam a vida de uma igreja. Nos casos em que a solução destes problemas pareça requerer uma atitude disciplinar, é aconselhável realizar-se uma série de reuniões de reavivamento. Estas reuniões podem ser feitas com o objectivo de reabilitar a igreja do seu estado calamitoso e ajudar os membros a renovar o seu concerto com o Senhor. Isto é melhor do que adoptar medidas que levariam a uma ruptura na igreja e que, possivelmente, tornariam necessário dissolvê-la. As igrejas podem ser dissolvidas ou expulsas da irmandade das igrejas pelas seguintes razões: 1. Perda de Membros – Há ocasiões em que, apesar dos esforços para preservar uma igreja, se perdem tantos membros por mudança de residência ou por morte, ou por apostasia, que a própria existência da igreja fica ameaçada. Em tais circunstâncias, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo deve redigir um voto recomendando à igreja envolvida a sua dissolução.


Organizarção, Fusão e Dissolução de Igrejas

269

Antes de uma igreja votar definitivamente a sua própria dissolução, os membros restantes devem ser convidados a transferir os seus nomes para outras igrejas. Se restarem membros suficientes, isto pode ser feito convocando-se uma reunião que deverá ser presidida pelo presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo, ou por um ministro por ele designado. Nesta reunião podem votar-se cartas de transferência para todos os membros restantes que estejam em situação regular, para se unirem a outras igrejas. Deste modo, a igreja dissolve-se a si mesma, com base na recomendação do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. Ficará assim aberto o caminho para que o Conselho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo redija um voto registando a dissolução da igreja. Se, no entender do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, houver um número de membros demasiado reduzido para a convocação de uma reunião dessa natureza, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo terá autoridade para recomendar a outras igrejas, ou à Igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo, os membros que se encontrem em situação regular. Deste modo é dissolvida a igreja. Se, no momento da dissolução, houver membros que estejam sob disciplina e a quem, portanto, não possam ser concedidas cartas de transferência atestando que se encontram em situação regular, os seus nomes passarão provisoriamente para a Igreja da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, enquanto a administração da Conferência (Associação)/Missão/ Campo toma providências para que, com a maior brevidade possível, se façam todos os esforços para ajudar esses membros a ter uma experiência cristã satisfatória. Se esses esforços forem bem sucedidos, poderão então ser confirmados como membros da Igreja da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, ou poderão ter cartas de transferência para outras igrejas. Se não puderem ser auxiliados nem recuperados, deverão ser excluídos por voto do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo. 2. Disciplina – As ocasiões para a dissolução de igrejas por razões disciplinares são, felizmente, raras, pois a missão da Igreja é buscar e salvar. No caso de subsistirem problemas graves como apostasia, recusa de proceder de acordo com o Manual da Igreja ou rebelião contra a Conferência (Associação)/Missão/Campo, devem fazer-se diligentes esforços


270

MANUAL DA IGREJA

para evitar a necessidade de expulsão. O pastor deve procurar aprofundar a vida espiritual da igreja por meio das suas pregações e do seu ministério de visitação pessoal. Com a cooperação da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, deve efectuar-se uma série de reuniões de reavivamento para levar os membros a renovar o seu concerto com o Senhor. Se estes esforços não forem bem sucedidos, o pastor, em cooperação com o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, deve considerar o caso juntamente com a igreja e com os seus dirigentes, procurando o restabelecimento da saúde espiritual e a reconciliação da igreja, para preservá-la como testemunha de Deus e da Sua verdade salvadora. O espírito de Cristo deve impregnar todos os esforços para ajudar uma igreja que erre, e também todos os aspectos de qualquer disciplina que possa ser aplicada. Este espírito é retratado de um modo magnífico e persuasivo em Efésios 5:25-30, onde Paulo nos diz que Cristo ama a Igreja e deu a Sua vida por ela para poder ter a alegria de a apresentar como Igreja gloriosa ao Seu Pai Celestial. Estas medidas correctivas são preferíveis a permitir a deterioração de relações que poderiam conduzir à expulsão da igreja. No entanto, se falharem todos os esforços para proteger a igreja, o Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo deve estudar cuidadosamente o assunto da expulsão dessa igreja. Caso se decida tomar esta atitude, deve registar-se nas respectivas actas uma recomendação de expulsão, juntamente com uma declaração das razões corroborantes, devendo-se adoptar o procedimento seguinte: a. A decisão de recomendar a expulsão, com as razões que a justificam, deve ser apresentada à própria igreja numa reunião administrativa, para sua informação e consideração. b. No caso de a igreja não aceitar a recomendação, pode responder de uma das seguintes maneiras: 1) Tomar uma decisão de eliminar as causas para disciplina, aceitando as especificações da Conferência (Associação)/Missão/Campo e pedir à Conferência (Associação)/Missão/Campo que rescinda a recomendação de a dissolver ou expulsar. 2) Apelar para o Conselho da União, a fim de que este arbitre a favor da igreja. c. No caso de a igreja permanecer em rebelião, ou do Conselho da União apoiar a recomendação feita pela Conferência (Associação)/Missão/


Organizarção, Fusão e Dissolução de Igrejas

271

Campo de expulsar a igreja, a Conferência (Associação)/Missão/Campo convocará uma reunião do seu Conselho e recomendará que, numa reunião da assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo, se proceda à expulsão da igreja, apresentando as razões para essa recomendação. d. Se a assembleia tomar a decisão de expulsar a igreja, a Conferência (Associação)/Missão/Campo ou missão deverá executar essa decisão. O Cuidado com os Membros – Dentre os membros de uma igreja dissolvida ou expulsa, pode haver membros fiéis que desejem permanecer na comunhão da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Para assegurar o bem-estar desses membros, os seus nomes serão provisoriamente mantidos, durante um período de até noventa dias, na Igreja da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, para dar oportunidade, aos que o desejarem, de confirmar a sua condição de membros da Igreja da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, ou de se transferirem para outra igreja da sua escolha. A sua situação será avaliada pelo Conselho da Conferência (Associação)/ Missão/Campo e, se for satisfatória, poderão ser recomendados para fazer parte da Igreja da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou de uma igreja da sua preferência. Os nomes dos membros de uma igreja dissolvida ou expulsa que estejam sob disciplina serão apresentados ao secretário da Conferência (Associação)/Missão/Campo, para imediata atenção por parte do Conselho da Conferência (Associação)/Missão/Campo, conforme o estabelecido na secção 1, acima, relativamente à dissolução de igrejas devida a perda de membros. A Assembelia da Conferência (Associação)//Missão/Campo Actuará em Todos os Casos – Em qualquer caso de dissolução ou expulsão de uma igreja, seja qual for a razão, será apresentado um relatório dos factos na próxima Assembleia da Conferência (Associação)/Missão/Campo, e feita uma recomendação para excluir a igreja do número das que dela fazem parte. As Propriedades, os Fundos e os Registos da Igreja – Na dissolução ou expulsão de uma igreja por perda de membros ou em virtude de razões disciplinares, todas as ofertas, contas financeiras e todos os bens móveis


272

MANUAL DA IGREJA

e imóveis, quer estejam em nome da igreja local quer da Conferência (Associação)/Missão/Campo ou de outra instituição denominacional com personalidade jurídica, são mantidos em custódia para a Conferência (Associação)/Missão/Campo. Esta última tem, portanto, o direito, a autoridade e o dever de administrar, proteger ou alienar as referidas propriedades e fundos. Todos os livros e registos dessa igreja deverão ser mantidos em custódia pelo secretário e/ou tesoureiro da Conferência (Associação)/ Missão/Campo.


273 CAPÍTULO 17

O Púlpito Não É um Fórum Nenhum ministro, ancião da igreja ou outra pessoa tem o direito de fazer do púlpito um fórum para defender pontos controversos de doutrina ou de procedimento. A Igreja não confere a ninguém o direito de expor os seus pontos de vista pessoais desta maneira. Os membros que pensam que possuem uma nova luz contrária aos pontos de vista oficializados da Igreja devem procurar o conselho de dirigentes responsáveis. “Existem mil tentações disfarçadas, preparadas para os que têm a luz da verdade, e a única segurança para qualquer de nós está em não recebermos nenhuma nova doutrina, nenhuma interpretação nova das Escrituras, antes de submetê-la à consideração dos irmãos de experiência. Apresentai-a a eles, com espírito humilde e pronto para aprender, fazendo fervorosa oração; e, se eles não virem luz nisto, atendei ao seu juízo, porque ‘na multidão de conselheiros há segurança’.” – Testemunhos Selectos, vol. 2, págs. 104 e 105. Este procedimento foi seguido na igreja primitiva. Quando surgiu uma divergência de opinião em Antioquia sobre um assunto importante, os crentes enviaram representantes a Jerusalém, onde o assunto foi submetido à consideração dos apóstolos e anciãos. A decisão deste concílio foi jubilosamente aceite pelos crentes de Antioquia, e assim se preservaram a unidade e o amor fraternal na igreja. O precedente conselho da parte do Senhor não deve de modo nenhum ser considerado impeditivo de que alguém proceda a um estudo diligente das Escrituras, mas antes como uma protecção contra a infiltração de teorias falsas e doutrinas erróneas na Igreja. Deus quer que os Seus filhos investiguem fielmente a Sua Palavra em busca de luz e verdade, mas não que sejam desviados por falsos ensinos. A Bíblia é uma mina de verdade. “A terra... não está tão permeada de veios auríferos nem tão cheia de preciosidades como a Palavra de Deus.” – Parábolas de Jesus, pág. 104. Devemos procurar diligentemente este tesouro. “Ninguém pense que não há mais sabedoria para alcançar. A profun-


274

MANUAL DA IGREJA

deza do entendimento humano pode ser medida, as obras de autores humanos podem ser conhecidas, porém o mais alto, o mais profundo e o mais largo voo da imaginação não pode descobrir Deus. Há a imensidade além de tudo o que podemos compreender. Vimos somente o cintilar da glória divina e do infinito conhecimento e sabedoria; temos estado a trabalhar, por assim dizer, à flor da mina, enquanto ricos veios de ouro estão sob a superfície, para recompensar aquele que cavar em busca dos mesmos. A escavação precisa de se aprofundar mais e mais na mina, e maravilhosos tesouros serão o resultado. Por uma fé correcta, o conhecimento divino tornar-se-á conhecimento humano.” – Parábolas de Jesus, pág. 113. “Ao que está em viva comunhão com o Sol da Justiça, sempre se revelará nova luz sobre a Palavra de Deus. Ninguém deve chegar à conclusão de que não há mais verdades a serem reveladas. O que busca a verdade com diligência e oração encontrará preciosos raios de luz que ainda hão-de brilhar da Palavra de Deus. Ainda se acham dispersas muitas gemas que devem ser reunidas para se tornarem propriedade do povo remanescente de Deus.” – Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 34. Quando nova luz brilha das páginas sagradas para recompensar o diligente pesquisador da verdade, esta não invalidará a antiga. Ao contrário, funde-se com a anterior, tornando-a mais brilhante e dando-lhe maior fulgor. Portanto, “a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Prov. 4:18). Conquanto os filhos de Deus devam estar dispostos a aceitar luz progressiva, nunca devem dar ouvidos a nenhuma voz, por mais devota e plausível que pareça, que pretenda desviá-los das doutrinas fundamentais da Bíblia. “Não devemos aceitar as palavras daqueles que venham com uma mensagem que contradiga os pontos especiais da nossa fé. Reúnem uma quantidade de textos bíblicos e amontoam-nos como prova em torno das teorias que afirmam. Isto tem sido feito repetidamente ao longo dos últimos cinquenta anos. E embora as Escrituras sejam a Palavra de Deus e devam ser respeitadas, a sua aplicação, se mover um pilar do alicerce que Deus sustentou ao longo destes cinquenta anos, é um grande erro. Quem faz uma tal aplicação não conhece a maravilhosa demonstração do Espírito Santo que conferiu poder e força às antigas mensagens recebidas pelo povo de Deus.” – Counsels to Writers and Editors, pág. 32.


O Púlpito Não é um Forum

275

É importante que mantenhamos “a unidade da fé” (Efés. 4:13); igualmente importante é que procuremos em todo o tempo “guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (v. 3). Consequentemente há necessidade de cuidado e de profunda investigação, bem como do conselho dos irmãos. “Deus está guiando um povo do mundo para a exaltada plataforma da verdade eterna – os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. Disciplinará e habilitará o Seu povo. Eles não estarão em divergência, um crendo uma coisa e outro tendo fé e opiniões inteiramente opostas, e movendo-se cada qual independentemente do conjunto. Pela diversidade de dons e governos que Ele pôs na Sua Igreja, todos alcançarão a unidade da fé. Se alguém forma o seu próprio conceito no tocante à verdade bíblica, sem atender à opinião dos seus irmãos, e justifica o seu procedimento alegando que tem o direito de pensar livremente, impondo as suas ideias então aos outros, como poderá cumprir a oração de Cristo? E se outro e outro ainda se levanta, cada qual afirmando o seu direito de crer e falar o que lhe aprouver, sem atentar para a fé comum, onde estará aquela concórdia que existia entre Cristo e o Seu Pai, e para cuja existência, entre os Seus irmãos, Cristo orou? “Posto que tenhamos uma obra individual, e individual responsabilidade perante Deus, não devemos seguir o nosso próprio critério independentemente, sem tomar em consideração as opiniões e sentimentos dos nossos irmãos; pois tal proceder acarretaria a desordem na igreja. É dever dos ministros respeitarem os discernimentos dos seus irmãos; mas as suas relações mútuas, assim como as doutrinas que ensinam, devem ser submetidas à prova da lei e do testemunho; se então, os corações forem dóceis, não haverá divisão entre nós. Alguns inclinam-se a ser desordenados, e apartam-se dos grandes marcos da fé, mas Deus está actuando nos seus ministros para que sejam um na doutrina e no espírito. ... “Passando em revista a nossa história, percorrendo todos os passos do nosso progresso até ao estado actual, posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Quando vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração por Cristo, e de confiança n’Ele como dirigente. Nada temos a recear no futuro, a não ser que nos esqueçamos do caminho pelo qual Deus nos conduziu.” – Testemunhos para Ministros, págs. 29-31. Em vista destas considerações, tem de ser evidente que a Igreja não pode confiar a um indivíduo o direito de expor do púlpito os seus pontos


276

MANUAL DA IGREJA

de vista e opiniões pessoais. O púlpito sagrado deve ser reservado para a pregação das verdades sagradas da Palavra Divina e para a apresentação de planos e normas denominacionais para o progresso da obra de Deus (ver págs. 112, 192, 195, 217, 218). Devemos manter-nos consagrados ao Senhor dia a dia e procurá-1’O para Lhe pedir sabedoria divina no estudo da Sua Sagrada Palavra. Segundo a Sua própria promessa, o Espírito Santo nos guiará em toda a verdade. O coração e a mente devem ser mantidos sempre abertos à iluminação do Espírito Divino, para que os raios da luz celestial iluminem todo o nosso caminho. Se bem que devamos procurar o conselho dos nossos irmãos sobre os assuntos que nos ofereçam problemas, devemos abster-nos de apresentar publicamente quaisquer assuntos que não estejam em perfeita harmonia com os pontos de vista da organização instituída.


277 APÊNDICE

Esboço das Crenças Doutrinárias Este sumário de crenças doutrinárias foi preparado especialmente para a instrução dos candidatos ao baptismo. (Ver pág. 62). 1. O Deus verdadeiro e vivente, a primeira Pessoa da Divindade, é o nosso Pai celestial, e Ele, por meio do Seu Filho, Jesus Cristo, criou todas as coisas. (Mat. 28:18 e 19; I Cor. 8:5 e 6; Efés. 3:9; Jer. 10:10-12; Heb. 1: 1-3; Actos 17:22-29; Col. 1:16-18.) 2. Jesus Cristo, a segunda Pessoa da Divindade e o Filho eterno de Deus, é o único Salvador, que salva do pecado; e a salvação do homem efectua-se pela graça, por meio da fé n’Ele. (Mat. 28:18 e 19; João 3:16; Miq. 5:2; Mat. 1:21; 2:5 e 6; Actos 4:12; I João 5:11 e 12; Efés. 1:9-15; 2: 4-8; Rom. 3:23-26.) 3. O Espírito Santo, a terceira Pessoa da Divindade, é o representante de Cristo na Terra, e conduz os pecadores ao arrependimento e à obediência às ordens divinas. (Mat. 28:18 e 19; João 14:26; 15:26; 16:7-15; Rom. 8:1-10; Efés. 4:30.) 4. Por intermédio de Cristo, os crentes recebem o perdão dos pecados que são abandonados e confessados, e em relação aos quais, na medida das suas possibilidades, é feita restituição. (Efés. 1:7; Col. 1:14 e 15; I João 1: 7-9; Isa. 55:6 e 7; Ezeq. 33:15; Mat. 5:23 e 24; 6:14 e 15.) 5. A Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, e é a completa, suficiente e única regra básica de fé e prática. (II Tim. 3:15-17; II Ped. 1:19-21; Sal. 119:9, 11, 105 e 130; I Tess. 2:13; Isa. 8:20; Jer. 15:16; Heb. 4:12.) 6. Todos os que entram no reino dos Céus deverão ter experimentado a conversão, ou seja o novo nascimento, por meio do qual o homem recebe um novo coração e se torna uma nova criatura. Desta forma, indiferentemente de factores étnicos ou ascendência social, ele torna-se membro de “toda a família nos Céus e na Terra.” (Mat. 18:3; João 3:3; II Cor. 5:17; Ezeq. 36:26 e 27; Heb. 8:10-12; I Ped. 1:23; 2:2; Actos 17:26; Efés. 3: 15.) 7. Cristo mora no coração regenerado, escrevendo nele os princípios da lei de Deus, levando o crente a deleitar-se na obediência aos Seus preceitos e comunicando-lhe poder para essa obediência. (II Cor. 6:16; Sal. 40:8; Heb. 8:10-12; João 14:15; Col. 1:27; 3:16; Gál. 2:20; Efés. 3:14-21.)


278

MANUAL DA IGREJA

8. Ao ascender ao Céu, Cristo começou o Seu ministério como sumo sacerdote no lugar santo do santuário celestial, sendo este santuário o antítipo do tabernáculo terrestre da anterior dispensação. Assim como no tipo, iniciou-se uma obra de juízo investigativo quando Cristo entrou na segunda fase de Seu ministério, no Lugar Santíssimo, prefigurada no serviço terrestre pelo Dia da Expiação. Esta obra do juízo investigativo no santuário celestial começou em 1844, no fim dos 2300 anos, e terminará no fim do tempo da graça. (Heb. 4:14; 8:1 e 2; Lev. 16:2 e 29; Heb. 9:23 e 24; Dan. 8:14; 9:24-27; Apoc. 14:6 e 7; 22:11.) 9. A segunda vinda de Cristo é a esperança da Igreja, a culminação do evangelho, e o alvo do plano da redenção, quando Jesus vier literal, pessoal e visivelmente, com todos os Seus santos anjos. Muitos sinais dos tempos testificam que a Sua vinda está próxima. E o cumprimento quase completo de todas as diversas cadeias proféticas indica que Ele “está próximo, às portas”. (João 14:1-3; Tito 2:11-14; Heb. 9:28; Actos 1:9-11; Apoc. 1:7; Mat. 25:31; Luc. 9:26; 21:25-33; Mat. 24:14, 36-39 e 33.) 10. Os justos mortos serão ressuscitados por ocasião da segunda vinda de Cristo. Juntamente com os justos vivos, serão arrebatados para se encontrarem com o Senhor nos ares, e irão com Ele para o Céu, onde passarão os mil anos conhecidos como o milénio. (Apoc. 1:7; João 5:25, 28 e 29; Oseias 13:14; I Cor. 15:51-55; I Tess. 4:13-18; João 11:24 e 25; 14:1-3; Apoc. 20:6, 4 e 5; Isa. 25:8 e 9.) 11. Os ímpios que estiverem vivos por ocasião da segunda vinda de Cristo serão mortos pelo esplendor da Sua vinda. Estes, juntamente com os ímpios mortos de todos os tempos, esperarão a segunda ressurreição, no final dos mil anos. (II Tess. 1:7-10; 2:8; Judas 14 e 15; Apoc. 20:5, 12 e 15; João 5:28 e 29; Actos 24:15; Isa. 24:21 e 22.) 12. No fim dos mil anos, ocorrerão os seguintes acontecimentos: (a) Cristo e os justos descerão do Céu com a Santa Cidade, a Nova Jerusalém (Apoc. 21:2 e 10); (b) os ímpios mortos ressuscitarão para o juízo final (Apoc. 20:11 e 12); (c) os ímpios receberão o salário final do pecado quando fogo de Deus descer do Céu para os consumir (Apoc. 20:7-10, 14 e 15); e (d) este fogo, que destrói as obras do pecado, purificará a Terra. (II Ped. 3:10-14; Mal. 4:1 e 3; Apoc. 20:8 e 4.) 13. A Terra, purificada pelo fogo e renovada pelo poder de Deus, passará a ser a morada eterna dos remidos. (II Ped. 3:9-13; Isa. 65:17-25; 35: 1-10; 45:18; Mat 5:5; Mal. 4:1-3; Prov. 11:31.)


Esboço de Crenças Doutrinárias

279

14. O sétimo dia da semana é o sinal eterno do poder de Cristo como Criador e Redentor, e é portanto o dia do Senhor, ou seja, o Sábado cristão, que constitui o selo do Deus vivo. Deve ser observado desde o pôr do sol de Sexta-feira até ao pôr do sol de Sábado. (Gén. 2:1-3; Êxo. 16:23-31; 20:8-11; João 1:1-3 e 14; Ezeq. 20:12 e 20; Mar. 1:21-32; 2:27 e 28; Isa. 58:13; Luc 4:16; 23:54-56; 24:1; Actos 17:2; Heb. 4:9-11; Isa. 66:22 e 23; Lev. 23:32.) 15. O casamento é uma das instituições dadas por Deus que tiveram origem no Jardim do Éden, antes do pecado ter entrado no mundo. Jesus honrou a instituição do casamento e defendeu a sua santidade e permanência. O Novo Testamento confirma repetidamente o carácter sagrado da relação matrimonial e recomenda que ela seja assumida com um compromisso de fidelidade e pureza moral durante toda a vida. Intimidades sexuais entre pessoas do sexo masculino e do sexo feminino, fora do casamento, ou entre pessoas do mesmo sexo, são contrárias ao plano divino e condenadas na Bíblia como pecado. Os seguidores de Jesus, pela Sua graça, manterão a pureza moral dentro destas directrizes bíblicas no tocante às relações sexuais. “Porque esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição.” (I Tess. 4:3.) O marido e a esposa cristãos devem amar-se e respeitar-se um ao outro, assim como Deus os ama e respeita. É-lhes ordenado que amem e respeitem os seus filhos, que os tratem com brandura e os ensinem a amar e servir a Deus. Devem utilizar, neste sentido, o culto familiar, a assiduidade à Escola Sabatina e aos outros serviços da igreja e, tanto quanto possível, as escolas dirigidas por ela. Do mesmo modo, os filhos devem cumprir as suas responsabilidades de obedecer aos pais e respeitá-los. (Gén. 2:21-24; Deut. 4:6 e 7; Mat. 19:3-9; I Cor. 6:9-11; Efés. 5:24, 25 e 28; Col. 3:18-21; I Tess. 4:3-8; Heb. 10:23-35; 13:4; I Ped. 3:7.) 16. O dízimo é santo ao Senhor, e constitui a providência tomada por Deus para o sustento do Seu ministério. As ofertas voluntárias são também uma parte do plano de Deus para o sustento da Sua obra em todo o mundo. (Lev. 27:30-32; Mal. 3:8-12; Núm. 18:20-28; Mat. 23:23; Prov. 3:9 e 10; I Cor. 9:13 e 14; II Cor. 9:6 e 7; Sal. 96:8. Ver págs. 43, 63, 65, 87, 209-215.) 17. A imortalidade vem unicamente através do evangelho, e é-nos concedida como um dom de Deus por ocasião da segunda vinda de Cristo. (I Cor. 15:21, 22 e 51-55; Sal. 146:3 e 4; Ecles. 9:5, 6 e 10; I Tim. 6:15 e 16; II Tim. 1:10; I João 5:11 e 12.)


280

MANUAL DA IGREJA

18. O estado do homem na morte é de inconsciência. Todos os homens, bons e maus igualmente, permanecem na sepultura desde a morte até à ressurreição. (Ecles. 9:5 e 6; Sal. 115:17; 146:3 e 4; Job.14:10-12, 21 e 22; 17:13; João 11:11-14; I Tess. 4:13; João 5:28 e 29.) 19. O cristão é convidado a santificar-se, e a sua vida deve caracterizar-se por um comportamento cuidadoso e pela modéstia e simplicidade no vestuário. (I Tess. 3:13; 4:3 e 7; 5:23; I Ped. 2:21; 3:15 e 3-5; Isa. 3:16-24; I Cor. 10:31; I Tim. 2:9 e 10. Ver págs. 44, 227-234.) 20. O cristão deve reconhecer que o seu corpo é o templo do Espírito Santo. Honrará, portanto, a Deus cuidando do corpo de modo inteligente, participando com moderação do que é bom e evitando o uso do que é prejudicial, abstendo-se de todos os alimentos imundos, do uso, fabrico ou venda de bebidas alcoólicas, do uso, fabrico ou venda de tabaco em qualquer das suas formas para consumo humano, e do uso indevido ou do tráfico de narcóticos ou outras drogas. (I Cor. 3:16 e 17; 6:19 e 20; 9:25; 10:31; II Cor. 7:1; Gál. 5:17-21; 6:7 e 8; I Ped. 2:9-12; I Cor. 10:1-11; Lev. 11:1-8. Ver págs. 44, 63, 65 e 248.) 21. A Igreja não deve ter falta de nenhum dom, e a presença do dom de profecia deve ser uma das características distintivas da Igreja remanescente. (I Cor. 1:5-7; 12:1-28; Amós 3:7; Oseias. 12:10 e 13; Apoc. 12:17; 19:10. Ver págs. 42, 63 e 65.) Os Adventistas do Sétimo Dia reconhecem que este dom se manifestou na vida e no ministério de Ellen G. White. 22. A Bíblia ensina uma organização definida da Igreja. Os membros desta organização têm o sagrado dever de lhe estarem sujeitos, de a sustentar e de participar na sua manutenção. São também admoestados a não abandonar o hábito de se reunirem uns com os outros. (Mat. 16:16-18; Efés. 1:10-23; 2:19-22; I Cor. 14:33 e 40; Tito 1:5-9; Mat. 18:15-18; I Cor. 12:12-28; 16:1-3; Heb. 10:25; Actos 4:32-35; 6:1-7.) 23. O baptismo por imersão simboliza a morte, o sepultamento e a ressurreição de Cristo, expressa abertamente a fé na Sua graça salvadora e a renúncia ao pecado e ao mundo, e é reconhecido como uma condição de entrada na comunhão da igreja. (Mat. 3:13-17; 28:19; Actos 2:38 e 41-47; 8:35-39; 16:32 e 33; 22:16; Rom. 6:1-11; Gál. 3:27; Col. 3:1-3. Ver págs. 60, 63-66.) 24. A ordenança da Santa Ceia comemora a morte do Salvador, e a par-


Esboço de Crenças Doutrinárias

281

ticipação dos membros nesta ordenança é essencial ao crescimento cristão e à comunhão dos crentes. Deve ser precedida da ordenança do lava-pés como preparação para este solene serviço religioso. (Mat. 26:26-29; I Cor. 11:23-26; João 6:48-56; 13:1-17; I Cor. 11:27-30.) 25. A vida cristã inclui uma completa separação das práticas do mundo, tais como jogos de cartas, assistência a teatros e cinemas, bailes, etc., que tendem a enfraquecer e destruir a vida espiritual. (II Cor. 6:15-18; I João 2:15-17; Tia. 4:4; II Tim. 2:19-22; Efés. 5:8-11; Col. 3:5-10. Ver págs. 229-231.) 26. Deus fala-nos através do estudo da Sua Palavra, comunicando-nos luz e força; e a alma une-se a Deus por meio da oração. Estes meios são designados pelo Céu para obtermos a vitória na luta com o pecado e para desenvolvermos um carácter cristão. (Sal. 19:7 e 8; 119:130; João 6:63; 17:17; I Ped. 2:2; I Tess. 5:17; Luc. 18:1; Sal. 55:17; Isa. 50:4.) 27. Cada membro da igreja tem a obrigação de obedecer à sagrada ordem dada por Jesus, utilizando os seus talentos no trabalho pessoal de salvar almas e ajudando a levar o evangelho a todo o mundo. Quando esta obra tiver terminado, Jesus virá. (Mat. 25:14-29; 28:18-20; Apoc. 22:17; Isa. 43:10-12; II Cor. 5:17-20; Rom. 10:13-15; Mat. 24:14.) 28. De acordo com a maneira uniforme como Deus trata com os seres humanos, avisando-os dos acontecimentos futuros que lhes afectarão vitalmente o destino, Ele lançou uma proclamação da volta de Cristo que se aproxima. Esta mensagem preparatória é simbolizada pelas mensagens dos três anjos de Apocalipse 14, e encontra o seu cumprimento hoje no grande Movimento Adventista do Sétimo Dia. Isto deu origem ao povo remanescente, ou Igreja Adventista do Sétimo Dia, que guarda os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. (Amós 3:7; Mat. 24:29-34; Apoc. 14:6-10; Sof. 3:13; Miq. 4:7 e 8; Apoc. 14:12; lsa 26:2; Apoc. 22:14.)


283

Índices Índice Remissivo Abuso sexual, 232, 248, 256, 260

Acompanhamento dos jovens, 234 Aconselhamento: conjugal 168 familiar, 168 pré-matrimonial, 235 Actividades dos Jovens Adventistas: devocionais e educativas, 153 testemunho, 154 recreativas, 154 Actividades Missionárias, Ver Ministérios Pessoais dos Ministérios Pessoais, 175, 176 Adoração pública, 114-116 Adultério, 45, 230, 232, 248, 260, 261 Advento, primeiro, de Cristo, 36 Advento, segundo, de Cristo, 40, 46, 63, 65, 265, 278, 281 Advogados não podem representar membros, 251 Alcoólicas, bebidas, 44, 165, 183, 226, 248, 280 Aliança baptismal, 62 Aliança (de casamento) (anel), 228 Alimentos imundos, 44, 63, 65, 165, 280 Almas: atrair, 149 conquistar, 123, 139, 152, 192 ganhar, 135, 156, 194 salvar, 142, 224, 281 trazer, 142 Alterações ao Manual da Igreja, 23-25 Amigo (classe da JA), 155 Ancião da igreja, cargo importante, 82

conselho dos, 61 coopera com a Conferência (Associação)Missão/Campo, 86 critério para a escolha, 77-82, 83 cuida da eleição dos delegados às assembleias da associação, 86 dirige serviços religiosos e reuniões, 85 dirige serviços de comunhão, 85 dirigente religioso da igreja, 82 distribui responsabilidades, 87 fomenta a fidelidade no dízimo, 87 fomenta toda a actividade da igreja local, 84 formação e preparação do, 84 importância do cargo, 82 limitação da autoridade, 88 membro do Conselho da Igreja, 127 não é delegado ex offício, 88 não pode dirigir cerimónias de casamento, 86 não pode receber nem demitir membros, 88 natureza local do seu trabalho, 84 nomeação, 84 ordenação, 83 participa na transferência de membros, 67 período de serviço, 82 prepara as cerimónias baptismais, 86 preside a reuniões administrativas, 85 primeiro ancião, 88 promove a obra da igreja, 84


284 promove a obra missionária mundial, 87 relacionamento com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, 86 relacionamento com os pastores ordenados, 85 responsável perante a igreja local, 84 trabalho do, 84 Apelar, direito de, 55, 74, 195, 254, 270 Apelos por dinheiro, 217 Aptidão moral e religiosa dos oficiais da igreja, 77 Associação Internacional da Liberdade Religiosa, 173, 174 Associação Lar e Escola, 130, 158-160 conselho executivo, 158 director, 127, 137, 160 membro ex officio, do, 160 membros, 159 objectivos, 159 propósito, 130, 158 reuniões, 130 secretário-tesoureiro, 160 verificação das contas, 160 Associação Ministerial, 84 Associações de apoio a pessoas com deficiência, 141 Ausentes, membros. Ver Membros ausentes Autoridade: Ver Capítulo 1 administrativa, 205 da Conferência (Associação) Missão/Campo, 205, 269, 272 da Igreja, 23, 27, 40, 51, 52, 56, 240, 244, 245, 249 da igreja local, 84, 87, 207 de Cristo, 40 de Deus, 27, 31, 32, 47, 49, 57 de formas de governo, 53, 54

MANUAL DA IGREJA do ancião local, 83, 84, 86 do Conselho da igreja, 71, 98 do director de um grupo autorizado, 72 do Manual da Igreja, 23, 27, 57 do ministro licenciado, 192, 193 do secretário da igreja, 94 do tesoureiro da igreja, 98 sobre fundos, 98 dos directores dos Departamentos, 190 limitação da, 88, 206 na Igreja Primitiva, 27, 77, 78 para estabelecer provas de discipulado, 250 para falar na igreja, 112, 195

Bailes, 281 Ver Dança

Baptismais, classes, 61 Baptismal, cerimónia, 66 aliança, 62 compromisso, 64 voto, 62 Baptismo: candidatos, 59-66, 107, 280 cerimónia de, 86, 91, 93, 107 certificado do, 62, 64 como requisito do evangelho, 59 crenças doutrinárias, 62 crenças fundamentais, 280 de alunos da escola, 137 de conversos de evangelistas, 66 de crianças, 59 de ex-membros, 74, 75, 249, 254, 262 diconisas devem ajudar, 66, 93 diáconos, devem ajudar, 57, 66, 91 exame público antes, 61, 62 imersão, 41, 60, 64, 66, 280 instrução antes, 59-61 modo do, 60


Índice Remissivo quem pode administrar, 86, 191 rebaptismo, 74, 75, 249, 254, 262 requisito prévio, 59, 60, 66, 73 roupões, 66, 93 significado, 59, 60 símbolo de união com Cristo, 41 voto, 61 Bebidas alcoólicas, 44, 63, 65, 183, 226, 248, 280, Bíblia Ver Escrituras, 35, 42, 56, 63, 64, 75, 159, 210, 211, 213, 214, 222, 233, 273, 274, 277, 280, 281 estudo da, 63, 65, 100, 114, 146, 147, 156, 159, 171, 181, 222, 233, planos JA de leitura da (ano bíblico), 153 regras estabelecidas na, 240 Bíblicas: classes, dos pastores, 142 Bíblico, Ano, 153 Bíblicos: cursos, 175 Bibliotecário: da Associação Lar e Escola, 160 da Sociedade dos Jovens Adventistas, 152 Breve volta de Jesus, 46, 63, 65, 278

Cabeça da igreja, 27, 40, 50, 243

Campanha das missões, 176 Campanhas de evangelização, 129, 175, 193, 194 para crianças, 142 Campo (unidade de organização), 25, 52 Campo, igreja do, 67, 71, 72 Campos, donativos especiais a, 215 Candidatos ao baptismo. Ver Baptismo Canto. Ver Música: Cartas de transferência, 67-71, 74, 269 Cartas, jogo, 281

285 Casamento, 44, 232, 248, 255-263, 279 aconselhamento pré-nupcial, 168, 235, 263 aliança de, 228 cerimónia, 86, 88, 91, 106 entre crentes e descrentes, 235, 236 namoro e, 234-236 Casamento, Divórcio e Novo Casamento, 255-263 efeitos da queda sobre o, 256 ensinos bíblicos sobre o, 255, 257, 258 igualdade no, 256 intimidade sexual, 255 novo casamento, 248, 258-262 origem do, 255 perpetuidade do, 255 pode ser destruído, 258 propósito original do, 255, 257 restauração e cura, 257 unidade do, 256 Ceia do Senhor, 40, 41, 92, 93, 116-122, 133, 280, 281 celebração da, 116 diaconisas ajudam na, 93, 120, 116 diáconos ajudam na, 92, 120, 121, 122 direcção da, 85, 116, 121 duração da cerimónia da, 119 eliminação das sobras do pão e do vinho, 92, 120 lava-pés e, 41, 92, 93, 117, 118, 120, 133, memorial da crucificação, 118 para doentes, 122 preliminares, 120 proclamação da Segunda Vinda, 119 quem pode dirigir a, 85, 91, 116, 121, 191


286 quem pode participar na, 120 sumo de uva, 118 uso de pão e vinho não fermentado, 118 Censura da igreja, 246, 247, 249, 260 Centro de Assistência Social, Ver Serviços a Favor da Comunidade Conselho directivo do, 177 Centro adventista de publicações, 108 Cerimónia: baptismal, 66, 91, 107 Exame antes da, 61 da comunhão, 41, 92, 111, 116-122 anúncio da, 119 de admissão, 156 de casamento, 86, 88, 91, 107 de tomada de posse, 174 do lava-pés, 117, 120, 133 Certificado de baptismo, 62, 64 Céu, nossa recompensa, 45, 46, 278 Cinema, 230, 281 Círculos de estudos bíblicos para crianças, 142, 171 Classes: baptismais, 61, 66, 120, de clubes organizados pelos Jovens Adventistas, 154, 181 dos Juvenis Adventistas, 155 Clubes: “Ar Livre”, 154 de Desbravadores, 124, 151, 154, 155 cerimónia de admissão, 156 Conselho da Direcção, 155 director, 123, 127, 152, 156, 202 lei do, 155 voto do, 155 de Tições, 124, 157, 181 actividades, 181 assistentes, 157 director, 123, 127, 157, 202

MANUAL DA IGREJA lei dos, 155 voto dos, 155 do livro, JA, 154 Comissão de: Comunicação, 164 de Nomeações, 199-205, 266, 267 apresentação do relatório à igreja, 204 como é escolhida, 200 considerações são confidenciais, 203 consultar os prováveis oficiais, 203 membros podem comparecer perante a, 203 na organização de uma nova igreja, 265, 267 objecções ao relatório da, 204 quando é escolhida, 199 quem deve ser membro da, 199, 200 Comissionado, ministro, 85 Comportamento no local de culto, 109-111 Compromisso: baptismal, 64 dos Jovens Adventistas, 180 Comprovativos, conservação de, 99 Comunhão com a igreja, 271 baptismo, requisito prévio, 59 com base espiritual, 59 de pessoas divorciadas, 261-263 durante o período de transferência, 68 não manter lista de pessoas afastadas da comunhão da, 75 notificar as pessoas removidas da, 253 oficial da igreja removido da, 101 por profissão de fé, 73, 74 prova de discipulado, 61, 213, 250 qualificações para, 59-62 readmissão de membros, 253, 254


Índice Remissivo recepção na, 60, 66 remoção da, 248-254 requerida para eleição para qualquer cargo, 81 requerida para votar na reunião administrativa, 125 transferência, 67-71, 94, 269, 271 Comunicação, Conselho de, 163, 164, 182, 202 departamento de, 163, 164 secretário do, 163, 164 qualificações do, 165 Comunidade, relações com a, 223 Conduta cristã, 44, 221 Conferência (Associação)/Missão, Campo, Assembleias da, 71, 86, 88, 95, 205, 266, 271, Conselho Directivo da, 72, 74, 82, 84, 85, 99, 191, 192, 193, 194,195, 196, 197, 205, 254, 262, 265, 267-271 credenciais e licenças da, 195 delegados à Assembleia da, 54, 88, 94, 205, 206 departamentos da, 86, 134, 139, 145, 146, 160, 165, 166, 167, 169, 170, 173, 174, 191 direito e autoridade de administrar, proteger ou alienar, 272 fundos da, 86, 96, 97, 166, 271, 272 igreja da, 71, 72, 265, 271 não estabelece provas de discipulado, 250 normas e regulamentos, da, 124, 190 obreiros da, 72, 189-197, 212, 213 oficiais, 77, 126, 195, 207 organização da primeira, 21 presidente, 88, 112, 189, 190, 191, 248, 251, 265, 267, 269 receber e remover membros, 73

287 relacionamento com a, 85, 86, 87, 126, 189-197, 265, 270, 271 relações com a União, 108, 206, 212, 219 relatórios para a, 86, 95, 100, 108, 178 remoção de um ministro, 196 revisor, 99, 100 secretário, 72, 86, 95, 206, 271 tesoureiro, 72, 86, 97, 99, 136, 219, 220, 272 Conferência Geral, administração da, 54, 55 assembleias da, 23-24, 27, 28, 56, 250 autoridade da, 27, 55, 250 Comissão do Manual de Igreja, 24 Conselho executivo da, 22-24, 56, 207, 212 delegados à Assembleia da, 54, 206, 207 departamentos da, 134, 166, 233 da Escola Sabatina, 142 dos Jovens Adventistas, 134, 233 Divisões da, 54, 114, 134, 139, 147, 164, 166, 186, 193, 212, 217, 218, 220 fundos e ofertas da, 142, 144, 147, 166, 214 organização da, 21, 54-57, 195, 250 planos e regulamentos da, 22, 86, 217 relatórios para a, 108 tesoureiro da, 220 Conferências bíblicas, 153 Conselheiro da Sociedade de Jovens Adventistas, 151, 153, 202 Conselho: da Associação Lar e Escola, 160 da direcção dos Desbravadores, 155 da Sociedade dos Jovens, 97, 123, 151


288 das Actividades Leigas, Ver Ministérios Pessoais, Conselho dos, das diaconisas, 93 Directivo da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 72, 73, 74, 84, 85, 99, 191, 192, 193, 194, 195, 196, 197, 205, 207, 219, 254, 262, 265, 267-271 Directivo da Divisão, 219 Directivo da União, 219, 270, 271 dos anciãos, 61 dos diáconos, 90 dos Ministérios Pessoais, 101, 140, 141, 166, 175, 176, 177 dos Ministérios da Saúde, 165, 183 especial, para nomear a Comissão de Nomeações, 200 Conselho Anual, 24, 56 Conselho da Conferência Geral, 22, 23, 24, 55, 56 Conselho da Escola Sabatina, 143, 144, 145, 178, 179, 202 Conselho Escolar, 130, 160-163, 182, 202 conjunto, 160, 182 deveres dos oficiais, 162 membros, 160 oficiais, 161 período de mandato, 161 presidente, 130, 162 qualificações dos membros, 162 representando duas ou mais igrejas, 160-163, 182 representando uma só igreja, 160-162, 182 reuniões, 130, 162 secretário, 130, 158, 160, 162 vagas, 162 Conselho da Igreja, 126-130

MANUAL DA IGREJA autoridade do, 126, 128 definição e função do, 126 membros, 127 não pode conceder cartas de transferência, 71 não pode desviar fundos, 98 não pode receber ou remover membros, 71, 88, 94, 251 pastor, presidente do, 85, 128, 191 pode examinar candidatos ao baptismo, 61 quem compõe o, 127, 128 quorum do, 128 trabalho do, 128-130 votos por procuração ou carta, 128 Consertos ou reparações no edifício da igreja, 92, 97, 107, 215, 216 Coordenador de interessados, 100, 127, 129, 140, 201 Coro, 112, 113, 132 de crianças, 114 dirigentes do, 113 membros do, 113 uniformes do, 114 Corpo de Cristo, 29, 40, 50, 59, 70, 81, 189, 243, 248, Corpo, Templo do E. Santo, 225 Correspondência com membros, 94, 108 Cosméticos, 228 Credenciais e licenças, 83, 90, 101, 112, 195, 205 desactualizadas, 196 dos delegados, 95 ministros sem, 197 Crenças fundamentais, 35-47, 61, 63-65, 277-281 Crianças: abuso sexual de, 232, 248 círculos de estudos bíblicos para, 142, 171


Índice Remissivo Cristo, 29-33, 36-47, 50, 55, 59, 60, 63, 64, 70, 76, 79, 80, 81, 100, 105,115, 116, 117, 118, 119, 120, 121, 139, 149, 150, 153, 165, 169, 172, 180, 183, 209, 221, 222, 228, 233, 236, 237-240, 243, 244, 246, 248, 250, 255-257, 260-262, 265, 266, 268, 270, 275 corpo de, 29, 40, 50, 59, 70, 81,189, 243, 248 segunda vinda de, 46, 119, 278 Critério (juízo) humano, 56, 80, 120, 200, 240, 250, 274, 275 Crucificação, memorial da, 118 Culto de Sábado, 114-116 anúncios, 115 decoro no lugar de, 110, 113, 225 espiritual, 109 forma e ordem do, 115, 116, 131-133 reverência no, 109, 110 Culto público, 109, 111 Cursos bíblicos, 175, 181, 182

Dança, 230, 281. Ver Bailes

Decisão, dias especiais de, 142 Deficiência, Ministério a Favor das Pessoas com, 141, 201 Delegados, às assembleias da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, 72, 205 credenciais, 95, 206 dever dos, 206 escolha dos, 54, 86, 205 para Assembleias da C. Geral, 24, 206 para Assembleias da União, 54 Departamentos da igreja e seus oficiais, 139-188

289 Associação Ministerial colabora com, 84 Comunicação, 163-165 Educação, 129, 130, 157, 158 Escola Sabatina, 129, 142-148, 178, 179, 186 Ministérios da Criança, 129, 142, 143, 170-172, 186 Ministérios da Família, 167, 168, 185 Ministérios da Mulher, 169, 170, 185 Ministérios Pessoais, 125, 129, 139142, 175-177 Ministérios da Saúde, 129, 165, 166, 183 Mordomia, 166, 167, 184 objectivos dos, 139 Relações Públicas e Liberdade Religiosa, 173, 174, 187 Sociedade dos Jovens Adventistas, 123, 129, 134, 148-154, 179, 180 Sociedade dos Juvenis Adventistas, 124, 154, 181 Desbravadores, Clube de, 124, 156, 157 Tições, Clube de, 124, 157, 181 Desavenças, dissenções ou divergências, conciliação de, 244, 245 entre os membros, 119, 244 entre organizações, 55 entre pessoas, 244 na igreja, 245 Desbravadores, Clube de, 124, 156, 157, lei do, 155 voto do, 155 Desenvolvimento Histórico da Igreja ASD, 21 do Manual da Igreja, 21-23


290 Despesas da igreja local, 97, 215, 216 Destituição de um ministro, 196 Destruição dos ímpios, 46, 278 Deus, autor do casamento, 255 o Pai, 36, 265, 277 o Filho, 36, 265, 277 o Espírito Santo, 35, 37, 265, 277 Devoção Matinal, 153, 155 Dez Mandamentos, 42, 63, 65 Ver Mandamentos, Ver Lei de Deus. Diaconisas, 92-93 ajudam na comunhão para os doentes, 122 ajudam no serviço baptismal, 66, 93 ajudam no serviço da Comunhão, 93, 117, 120 cerimónia de tomada de posse, 101 chefe das, 93, 127 Conselho das, 93 cuidado dos doentes e necessitados, 93, 136 deveres das, 93 nomeação, 201 primeira diaconisa, 93, 127 relatório, 136 Diáconos, 89-92 ajudam no serviço baptismal, 66, 91, 107 ajudam nos serviços da Comunhão, 92, 117, 133, 134 ajudam na Comunhão para os doentes, 122 ajudam nos serviços religiosos e reuniões, 91 aptidão religiosa, 77 chefe dos, 90, 127 Conselho dos, 90 contagem das ofertas, 99

MANUAL DA IGREJA cuidam dos doentes e dos necessitados, 92, cuidam da propriedade da igreja, 92, 107 deveres dos, 91 importância do cargo, 89 não podem presidir às ordenanças, 91, 121 nomeação, 201 ordenação para o cargo, 90, 266 primeiro diácono, 90, 127 relatório dos, 95, 136 visitar os membros, 91, 136 Director: da Associação Lar e Escola, 137, 160, 181, 202 da Educação, 158, 181. Ver Educação Cristã e Escola da Igreja da Escola Sabatina, 127, 140, 143, 144, 146, 148, 178, 202 das Divisões da, 123, 142, 145, 146 da música, 113, 143, 145, 151, 154, 201 da Sociedade JA, 123, 127, 140, 152, 183, 202 da Sociedade dos Juvenis, 97, 135, 154, 202 de grupos, 72 de igreja, 88 não pode baptizar nem dirigir outras cerimónias da igreja, 88 devocional, 152 do colégio ou escola secundária, 123, 136, 151, 161 do coro, 113 do distrito, 72, 100, 190, 200, 262 do Serviço de Assistência Social Adventista, 140, 141


Índice Remissivo dos Jovens da Conferência Associação)/Missão/Campo, 152 dos Minstérios Pessoais, 127, 136, 140 social dos JA, 152 Direito de administrar, proteger ou alienar, 272 Direito do membro apelar, 74, 254 Disciplina eclesiástica, 237-254 advogados não podem representar os membros, 251 administração da, 246 a igreja é responsável por, 240, 241 autoridade da igreja, 240 buscar a reconciliação, 238-240 censura, 246, 247, 249 como tratar os membros que erram, 237 conciliação, das ofensas da igreja contra os membros, 245 das ofensas dos membros contra a igreja, 245 de dissensões entre membros, 244 conselho da igreja não pode remover membros, 251 direito de apelar, 254 direito de ser ouvido, 251 instruções de Cristo, 237-240 membros que mudam de residência e não participam, 252 métodos de administrar, 246 não consagrados resistem, 241 não estabelecer provas de discipulado, 250 não frequentar a igreja não é motivo para, 252 não remover por motivos pecuniários, 252

291 notificar os membros removidos, 253 numa reunião devidamente convocada, 251 organizações independentes, 242 pelo voto da maioria, 251 princípios gerais, 237-243 prontidão e sensatez no processo disciplinar, 249 razões para, 248, 249 readmissão após, 249, 253, 254 remoção da lista de membros 249 remoção do membro a seu pedido, 253 salvaguarda da unidade da igreja, 243-246 Discipulado, prova de, 61, 213, 250 Dissolução de igrejas, 268-272 actuação da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 270, 271 cuidado a ter com os membros, 271 disciplina, 269 perda de membros, 268 procedimento a seguir, 268-272 propriedade, fundos e registos da igreja, 271, 272 Distrito, dirigente do, 72, 100, 190, 200, 256 Divertimentos, 218, 230 Dívidas, evitar, 219 pagamento de, não com dízimo, 213 Divindade, a, 35, 36, 265, 277 Divisão de Extensão, a, da E.S., 146 Divisões (da Conferência Geral), 54, 86, 142, 164, 166, 187, 206, 212, 220 Divisões da Escola Sabatina, 123, 142, 145, 146, 202 Divórcio e novo casamento, 255-263


292 Dízimo: ancião, dar exemplo, 87 como é utilizado, 210, 212, 213, 279 dever de todos, 209, 210 deveres do tesoureiro, 72, 73, 95-96, 99 envelopes, 98, 108 fundos da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 96 maneira de entregar, 99, 213 não é depósito pessoal, 218 não é gasto pela igreja local, 96, 212 não é prova de discipulado, 213 novos membros, 63, 65 número de dizimistas, 100 obreiros e oficiais da igreja, dar exemplo, 86, 87, 213 obrigação bíblica, 43, 63, 65, 213, 279, 280 ofertas, além do, 210, 214, 279 propriedade de Deus, 43, 209 relação com situação de membro, 63, 65, 212, 213, 252 relações confidenciais, 100 Dízimo e Ofertas, 43, 63, 65, 96, 99, 209, 210, 218, 219, 252 Doação pessoal, plano de, 214-216 Doação sistemática, 166, 212 Doentes, comunhão para, 122 cuidado dos, 85, 92, 93, 130, 224 Dois mil e trezentos dias, 45, 278 Dom de Profecia, 42, 63, 65, 280 Dons do Espírito, 36, 42, 50, 63, 65, 150, 153, 280 Dorcas, Sociedade de, 140, 141 Doutrinas fundamentais, 35-47 pontos controversos, 273-276 instrução antes do baptismo, 61-65, 277-281

MANUAL DA IGREJA Drogas, 44, 63, 65, 165, 183, 225-226, 249, 280 Duração do cargo dos oficiais, 82

Edifícios. Ver Propriedades da igreja

Educação cristã e escola da Igreja, 157 secretário de, 158 Eleição, da Igreja, 199-207 de delegados, 86, 205, 206 de oficiais da igreja, 82, 127, 189, 199-207, 266 duração do cargo, 87 requer-se que seja membro, 81 Eliminação dos registos da igreja, 94, 251 Encomendas de literatura, 98, 108 Entregas de dinheiro pelos membros, 98 Envelope, pedidos feitos por, 108 Episcopal, forma de governo eclesiástico, 53 Esboço das Crenças Doutrinárias, 277-281 Escola bíblica por correspondência, 140, 182 Escola da igreja, 123, 130, 135, 136, 157-162, 181, 219 fundos da, 97 Escola Sabatina, 111, 114, 123, 142-148 alvos financeiros, 144 anotações, 178 classes, 142, 153 Conselho da, 97, 143, 144, 178,179, 202 departamento da CG, 142 director da, 127, 143, 144, 178, 202 director da divisão dos jovens, 123, 151


Índice Remissivo directores das divisões da, 143, 145, 202 divisão de extensão da, 146 divisão dos jovens, 123, 151 divisões, 123, 145 evangelismo, 100, 128, 129, 142, 144 fundos, 96 igreja ao estudo, 114, 142 importância da, 142-144 Investimento, 143, 145, 147, 202 lição, 144, 146, 147, 153, 178 lugar da, nas ofertas para as missões, 147 materiais da, 144, 146, 147, 178, 179 membros, 114 membros do coro, 113 monitores, 143, 146, 159, 179, 202 música, 113 objectivos, 142 ofertas, 86, 96, 147, 179 para despesas, 96, 148 oficiais, 72, 143-145 pianista e/ou organista, 143, 145, programa, 129 relatórios, 136, 148, 178, 179 reunião de monitores, 146 secretário, 95, 136, 144, 178, 202 secretário-tesoureiro, 96 vice-director, 144, 202 vice-secretário, 144, 202 Escolas cristãs de férias, 142, 143,171, 172 director, 143, 144, 172, 202 Escolas Sabatinas filiais, 142, 154, 202 para crianças, 143 Escrituras Ver Bíblia, 62 Especialidades, JA, 155 Espírito de Profecia, 30, 42, 125, 150, 183, 209, 223, 236, 237, 280

293 Espírito Santo, 30, 33, 35, 41-44, 59, 60, 63-65, 75, 77, 79, 102, 121, 139, 206, 225, 246, 257, 265, 274, 276, 277, 280 dons do, 36, 42, 50, 280 Estatísticos, relatórios, 69 Estruturas da Igreja, 133 Estudos bíblicos, círculo de, para crianças, 142, 171 Evangelismo 100, 125, 126, 128-130, 135, 142, 144, 145, 168, 174, 175 pelos membros, 142, 175 Evangelista, 62, 66, 89, 189, 193, 194 Exame antes do baptismo, 61 Ex officio, 88, 113, 160, 162, 166, 175, 200, 206 Exclusão de membros: cuidado a ter, 250-254 definição de, 246, 247 notificação aos membros desligados, 253 procedimento, 247, 248 razões para, 248, 249 readmissão posterior, 254 reunião devidamente convocada, 251 voto da maioria, 251 Expulsão de igrejas, 268-272 actuação da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 271 cuidado com os membros, 271 disciplina, 269, 270 procedimento a seguir, 269 propriedade, fundos e registos da igreja, 271, 272 Extensão, divisão de, da E.S., 146

Facções, 243

Faculdades sexuais, 260


294 Família, Ministérios da. Ver Ministérios da Família Famílias, ministério da igreja local, 262 Férias, Escolas cristãs de, 142, 145, 172 Fim do mundo, 45, 46, 281 Finanças evangélicas, 209-220 Financiamento da obra mundial, 87, 142, 147, 212-214 Forma de organização na igreja ASD, 53-57 Formas de governo eclesiástico, 53, 54 Fornicação, 45, 248, 258, 260 Fruto da videira, 117 Fumar, planos para deixar de, 166 Fumo. Ver Tabaco Fundamentais, crenças. Ver Crenças Fundamentais Fundos: actividades missionárias. Ver Fundos missionários associação, 73, 147 beneficência, 97 campanha, 176, 217 Conferência (Associação)/Missão/ Campo, 86, 96, 97, 99, 147, 176, 206-207, 212, 213, 217-220 Conferência Geral, 147, 206, 212, 220 dízimo, 43, 63, 65, 209-214, 279 escola da igreja, 97, 162 Escola Sabatina, 96, 178, 179, 214 igreja, 95-100, 209-220 Investimento, 143, 145, 147, 179 manuseamento e escrituração, 96-100, 219, 220 métodos para a obtenção, 217 Ministérios Pessoais, 176, 177

MANUAL DA IGREJA Ministérios da Saúde, 97 missionários, 97, 147, 177 missões mundiais, 142, 212-214 organizações auxiliares, 96, 97, 215, 219 pedidos pessoais de literatura, 98 plano pessoal de ofertas, 214 recibos, 99 relatórios, 100, 136 salvaguarda do propósito dos, 98 Sociedade dos Jovens Adventistas, 97, 180 solicitação ou pedido de, 217, 218 tesoureiro da igreja, cuida, 96-100 Fusão de igrejas, 267

Ganhar almas, 63, 65, 156, 192, 193, 194, 281 Generosidade sistemática, 166, 212 Governo eclesiástico, quatro formas de, 53, 54 Grupos organizados, 72 Guia, (Classe JA), 155

Homem, natureza do, 37

Homens Adventistas, 141, 177 Homossexualidade, 232, 248, 260 Hospitalidade, 77, 78, 111, 117 Humildade, cerimónia da. Ver Lava-pés, 41

Igreja, 27-33

autoridade da, 23, 27, 55, 245 como um todo, 21-25, 27-33, 35, 49-52, 53-57, 59, 64, 66, 76, 189, 212, 214, 237-243, 248, 249 completa em Cristo, 32 Conselho da, Ver Conselho da Igreja


Índice Remissivo corpo de Cristo, 29, 40, 50, 59, 70, 81, 189, 243, 248 Cristo, cabeça da, 29, 40, 50 da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, 71, 72, 265, 271 divisão, 24, 52, 86, 114, 134, 142, 143, 146, 164, 186. 193, 206, 212, 220 Desenvolvimento histórico, 21 do Deus vivo, 29-33 livros de registos financeiros da, 99, 100, 180, 220 nenhum muro de separação, 29 nome, escolha do, 21 oposição de Satanás à, 31 organização da, 53-57 propósito divino para, 29, 51 quatro níveis constitutivos, 54 responsabilidade da, 30, 31, 237-246 significado de, 29 supremo objecto da consideração de Cristo, 30 Igreja – unidade local: actas ou relatórios, 95 Conselho. Ver Conselho da Igreja cooperação com a associação, 86 despesas locais, 96, 97, 147, 148 disciplina. Ver Disciplina da igreja dissolução da, 268-272 direito e autoridade de administrar, proteger ou alienar bens, em caso de, 272 divisões na, 81 eleição de delegados à assembleia da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, 86, 205, 206 eleição de oficiais, 199-205 membros. Ver Membros da igreja

295 não estabelecer provas de discipulado, 250 oficiais da. Ver Oficiais da igreja orçamento da, 216 ordem e disciplina. Ver Disciplina da igreja organização da, 265 organizações auxiliares da, Ver Departamentos pastores nomeados pela associação, 85, 192, 194 preparar orçamento da, 216 prontidão e sensatez no processo discplinar, 249 responsabilidade de agir perante o pecado, 237-249 seguro, 97, 216, 244 união de, 267, 269 Imersão. Ver Baptismo Imortalidade, 37, 46, 63, 65, 279 Ímpios, sorte dos, 46, 47, 278 Imundos, alimentos, 44, 63, 65, 280 Incesto, 232, 248, 260 Independente, forma de governo eclesiástico, 54 Independentes, organizações, 242, 243 Infidelidade ao voto conjugal, 256, 259-262 Instituições de Saúde, 55 Instrução antes do baptismo, 61, 277-281 Instrutores bíblicos, 193, 194 Interessados, coordenador de, 100, 127, 129, 140, 201 Intimidade sexual, 255, 273 Introdução, 21 Investimento, fundo de, 145, 179 secretário do, 145, 146, 202 Irregularidades sexuais, 260


296

Jesus. Ver Cristo

Jogos, cartas, 281 Jogos escolhidos, 233 Jóias, 228 Jovens, Ver Sociedade dos Jovens Adventistas departamento de, 123 Juízo, 39, 40, 43, 45, 246, 265 final, 278 (critério) humano, 55, 56, 79-81, 113, 120, 162, 200, 240, 250, 275, 276 investigativo, 45, 278 Julgamento, Ver Juízo e Juízo Investigativo Juvenis, Ver Sociedade dos Juvenis Adventistas

Lava-pés, ordenança do, 41, 117, 120, 267, 280, 281 preparativos para, 92, 93, 120, 133 Lei de Deus, 31, 42, 45, 248, 259, 265 Leitura, 224, 229 Lesbianismo, 232. Ver Homossexualidade Liberdade Religiosa, Departamento de, 173-174, 187 director, 127, 174, 187, 202 Licenças, credenciais e, 195 Licenciado, ministro, 85, 132, 192, 251 Líder, Classe JA, 155 Lista de membros, uma única, 75 Literatura, 125, 154, 229 distribuição de, 125, 168 evangelismo de, 101 fornecimento ao Sábado, 125 pedidos pessoais, 98, 108 Livros de registo: da igreja, 75, 189, 239, 268, 271, 272

MANUAL DA IGREJA do secretário da, 220 do tesoureiro da, 96-99, 220 Luz, nova, 273-276

Mandamentos. Ver Lei de Deus

Manual da Igreja, 21-25, 27, 28 alterações ao, 23 Comissão do, 24 conteúdo do, 23 desenvolvimento histórico do, 21 Membros associados da SJA, 180 Membros ausentes, 70, 94, 108, 252 eliminação por falta de notícias, 252 não excluir por não frequentarem as reuniões, 252 Membros da igreja, 59-76 admissão, 73, 74 admissão por profissão de fé, 73 advogados não representam, 251 afastados, não uma lista de, 75 aprovação do membro para a sua transferência, 70 associados, JA, 180 baptismo, requisito para ser, 59 cartas de transferência, 67-71 como devem ser tratados, 29, 30, 40, 237, 238, 246, 248, 279 correspondência com, 94, 100, 108 da igreja da Conferência, 71, 72 de grupos organizados, 72, 73 de igreja dissolvida ou expulsa, 268, 269 desaparecidos, 252 direito de apelar para obter readmissão, 254 direito de ser ouvido para se defender, 251 disciplina. Ver Disciplina da igreja do Conselho da Igreja, 127, 128


Índice Remissivo durante o intervalo da transferência, 69 exame público para ser, 61 nenhum muro de separação, 29 notificação dos removidos, 253 que erram, maneira de tratar, 237-254 que não participam, 252 questões a respeito da admissão e remoção de, 73, 74 readmissão de, removidos, 253 rebaptismo de ex-membros, 75, 76, 249, 254, 262 recebimento de, 59, 60, 62, 66, 73, 74-76, 94 relação espiritual, 59 requisitos para ser membro, 59-66 situação dos membros divorciados, 259-262 transferências, 67-72, 94, 265, 269, 271 voto da igreja para receber ou remover, 94 Mensageiro, Classe de, 155 Mensagens dos três anjos, 40, 281 Messias, 36 Milénio, 46, 278 Ministérios da Criança, Departamento dos, 170 Conselho dos, 172, 186 Coordenador, 127, 140, 143, 172, 186, 201 Ministério a Favor das Pessoas com Deficiência, 141 coordenador, 140, 141, 201 Ministérios da Família, 167, 201 Conselho, 168, 184 directores, 168, 185, 201 objectivos, 167, 168

297 Ministérios da Mulher, 169 Conselho dos, 170, 185 directora, 127, 140, 169, 201 objectivos, 169 qualificações, 170 Ministérios das Publicações, 174 Conselho dos, 175, 187 Coordenador dos, 175, 188 Ministérios da Saúde, 165, 183 actividades, 165, 166 Conselho dos, 165, 183 Conselhos do Espírito de Profecia, 183, 225-227 director, 123, 127, 151, 165, 183, 202 actividades do, 183 vice-director, 165 e as organizações de saúde e temperança da comunidade, 183 fundos, 97 oferta mundial, 166 sociedades, 166 Ministérios Pessoais, 125, 129, 139-142, 175-177, 243, alvo, ou objectivo dos, 139, 175, 176 Centro de Serviços à Comunidade, 141, 177 Conselho dos, 100, 136, 140, 141, 175, 176, 179, membros, ou oficiais do, 140 director dos, na igreja local, 123, 127, 136, 140, 143, 201 fundos, 176 Homens Adventistas, 141, 177 primeiro Sábado do mês, 125, 176 reuniões semanais e mensais, 135, 140, 176


298 Secretário dos, 94, 108, 136, 140, 176, 201, trabalho dos, 140, 175 Ministro: comissionado, 85, 86 coopera com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, 86, 270 designado por Deus, 189 destituição do, 196 deve auxiliar o evangelista, 194 deve dar o exemplo no dízimo, 213 dever do, 59, 61 licenciado, 85, 132, 192, 251 não deve determinar provas de discipulado, 250 não deve realizar cerimónias de casamento entre crentes e descrentes, 236 não eleito pela igreja local, 192 nomeado pelo Conselho Directivo da Conferência (Associação)/ Missão/Campo, 72, 82, 85, 192, 194, 200, ordenado, 83, 85, 86, 90, 93, 101,121, 189-197 pastor distrital, 72, 177 preside: Centro de Assistência Social, 177 Comissão de Nomeações, 199-205, 266 Conselho da Igreja, 85, 128, 191 Conselho dos Ministérios da Saúde, 166, 183 às reuniões administrativas, 85, 89, 126, 251, 252 relação com a igreja local, 85, 189-197

MANUAL DA IGREJA respeito devido ao, 79 responsável perante a Conferência (Associação)/Missão/Campo), 85, 189, 190 sem credenciais, 196, 197 Ministros e obreiros, 189-197 Ministros licenciados, 86, 132, 192, 251 Missões mundiais, 142 Monitores da Escola Sabatina, 142-145, 159, 178, 179, 202 Mordomia, 43, 87, 127, 166, 202, 210, 211, 265 Morte, baptismo símbolo da, 280 de Cristo, 38, 39, 41, 63, 65, 118, 280 eliminação da lista de membros por, 73, 94, 205, 251, 268 estado do homem na, 46, 280 do próprio eu, 221 passará, 47 sujeitos à, 37, 46 Movimento Adventista, 21, 212, 281 Movimento(s) separatista(s), 242, 243, 248 Mudanças no Manual da Igreja, 23-25 Mundo, fim do, 45, 46, 278 Muro de separação, nenhum, 29 Música, 112-114 director do coro, 113 director para a Escola Sabatina, 143, 145 director para a SJA, 151, 202 escolhida, 181, 231, 234 lugar da, no culto divino, 112, 123, 131 membros do coro, 113 no serviço da comunhão, 120, 133

Namoro, 234


Índice Remissivo Narcóticos (drogas), evitar, 44, 63, 65, 183, 225, 226, 249, 280 Natureza do homem, 37 Necessitados, 92, 93, 97, 141, 215 Nenhum muro de separação, 29 Noivado, 234 Nomeações. Ver Comissão de Nomeações Normas de vida cristã, 221-236, 248, 249 Notificação aos membros excluídos, 253 Nova luz, 273-276 Nova Terra, 47, 278 Novo casamento, depois do divórcio, Ver Casamento, Divórcio e Novo Casamento atitude da Igreja quanto ao, 259-262 ensinos bíblicos sobre, 259 Novo nascimento, 39, 265, 277 Novos membros, boas-vindas aos, 66

Objecções: à aceitação de cartas de

transferência, 68 à concessão de carta de transferência, 68 ao relatório da comissão de nomeações, 204 Objectivos dos serviços religiosos e reuniões da igreja, 109 Obra missionária mundial, 54, 55, 87, 98, 214 financiamento da, 87, 98, 178, 213, 214 responsabilidade da igreja local, 84 Obreiros: da associação, 189-197, 212, 213 são membros da igreja local, 72

299 Ofertas: Ver Fundos além do dízimo, 43, 214-215, 279 donativos especiais para campos, 86, 214 em geral, 43, 96, 98, 214-215 Escola Sabatina, 147, 179, 214 igreja dissolvida, 271, 272 Ministérios Pessoais, 177 Missionárias da igreja, 97, 177 Missões Mundiais, 96, 98, 136,142, 147, 214 não são depósito pessoal, 218 outras, 144 para pobres e necessitados, 92, 215 para a Rádio e TV, 182 Sociedade dos Jovens, 97, 180 Oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 71, 72, 126, 189-193, 194, 205-207, 213 da Conferência Geral, 54 Oficiais da igreja, 49, 54, 72, 73, 74, 95, 139, 143, 149, 164, 172, 186, 189, 191, 201, 213, 237 ancião, 82-88, 127, 201 cerimónia de tomada de posse dos, 101, 174 cooperar com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, 86 coordenador de interessados, 100, 127, 201 da Associação Lar e Escola, 160, 202 da Sociedade dos JA, 72, 134, 151-153 dar exemplo na devolução do dízimo, 87, 213 deveres dos, 82-88 diaconisas, 92-93, 127, 201 diáconos, 89-92, 127, 201


300 director da Escola Sabatina, 144, 178 director da igreja, 88 director da música, 113, 145, 154, 202 director do coro, 113 director dos Ministérios Pessoais, 123, 127, 136, 140, 142, 151, 201 duração do cargo, 82 eleição, 81, 127, 199-203, não são delegados ex officio, 206 oficiais da Escola Sabatina, 72, 143-145 proteger e alimentar a igreja, 78 qualificações, 77-81 reeleição, 83 relações com a Conferência (Associação)/Missão/Campo, 86 relatórios dos, 129, 130 removidos da comunhão da igreja, 101 respeito devido aos, 79 secretário de Comunicação, 163 secretário dos Ministérios Pessoais, 95, 108, 125, 127, 136, 140, 176, 201 secretário da igreja, 94, 95, 127, 201 tesoureiro, 95-100, 127, 201 Oficiais da Igreja e os seus deveres, 77-108 Oficiais das Uniões, 54 Oficial removido da Comunhão da Igreja, 101 Ópera, 230 Oração: em público, 116 reunião de, 122 Oradores não autorizados nos nossos púlpitos, 112, 195, 217, 273-276 Orçamento da igreja, 216 Ordenação do ancião, 83, 84 do diácono, 90

MANUAL DA IGREJA do ministro, 85, 191 Ordenanças da igreja. Ver Baptismo; Ver Comunhão, Serviço da Organista, 143, 145,152, 201, 202 Organização, 49-52 base bíblica, 49, 280 de uma nova igreja, 265, 266 denominacional 53-57 Fundada em Princípios Divinos, 49-52 necessidade de, 50 propósito, 51 Organização, Fusão e Dissolução de Igrejas, 265-272 Organizações: auxiliares da igreja. Ver Departamentos da Igreja independentes, 243 relações administrativas entre, 55-57, 205-207, 219, 220 separatistas ou desleais, 242, 243, 248 Ostentação, evitar a, 219, 227, 228

Pacto Matrimonial, 235

Padrões Morais. Ver Normas de Vida Cristã Pagamentos em dinheiro pelos membros, 98 Pai, celestial, 32, 211, 270, 277 Eterno, 36 Pão e vinho que sobre, destino a dar, 92, 120 diaconisas preparam, 93 eliminação das sobras, 92, 120 não levedado, 117, 118 símbolo, 118, 119 Papal, forma de governo eclesiástico, 54 Pastor. Ver Ministro


Índice Remissivo actua como presidente dos conselhos ou reuniões, 85, 126, 128, 191, 200 Conferência (Associação)/Missão/ Campo, nomeia o, 82, 85, 192,194, 200, 201 da igreja local, 66, 67, 82-86, 88, 100, 101, 113, 125, 128, 131, 139, 140, 142, 143, 148, 151, 161, 164, 166, 167, 170, 172, 174, 175, 180, 183, 184 185, 186, 187 188, 191, 253, do distrito, 72, 174, 177, 200 relacionamento com o evangelista, 66, 194 Patinagem, 234 Pecado, 31, 33, 37, 38, 43, 46, 117, 118, 169, 230, 238, 240, 246, 249 igreja responsável por corrigir, 240, 250, 257 obras do, destruídas, 278 vitória sobre o, 45, 46, 47, 221, 222, 233, 277, 281 Pecados: pelos quais se podem disciplinar os membros, 246-249, 260-262, 279 perdão dos, 38, 41, 63, 65, 109,118, 120, 179, 238, 246, 258, 277 Pedidos de literatura por envelope, 98, 125 Perversões sexuais, 232, 233, 248, 256, 260 Pesquisador (classe JA), 155 Pianista, 143, 145, 151, 154, 201, 202 Plano pessoal de ofertas, 214, 215 Planos para deixar de fumar, 166 Pobres. Ver Necessitados Pôr do Sol de Sexta-feira e de Sábado, 224 Posição (situação) regular, 67, 70, 81, 125, 200, 247, 269

301 Práticas homossexuais, 232, 248, 260 Práticas lésbicas, 232 Pregador licenciado, 192 Pré-matrimonial, aconselhamento, 235 Primeiro ancião, 88 Primeiro Sábado do mês, reunião missionária, 125, 177 Princípios bíblicos, 63, 65 Princípios de Saúde, 165, 183, 226 Procuração, votos por, não aceites, 126, 128 Profecia: dom de, 42, 63, 65, 280 Espírito de. Ver Espírito de Profecia Professores: escola da igreja, 95, 136, 154, 157-163, 234 Profissão de fé: admissão de membros por, 62, 73, 74 confiança na nossa, 60 Promessas dos membros para as despesas da igreja, 215 Promiscuidade, 248 Propriedades da igreja, 219 construção, 219 reparações, 92, 107 Provas de discipulado, 61, 213, 250 Publicações, 55, 126, 229 Publicidade, director JA de, 152 Púlpito: não é um fórum, 273-276 não franquear para solicitações de fundos não autorizadas, 217 Punição final, 46, 278 Purificação do Santuário, 44, 45, 278

Quermesses, 218

Quorum, do Conselho da Igreja, 128

Rádio e Televisão, 101, 137, 182, 229


302 Razões para disciplinar membros, 248, 249, 260-262 Readmissão de membros removidos, 253, 259 Rebaptismo, 75, 76, 249, 254, 262 Receber membros por profissão de fé, 62, 73, 74 Recibos, 97-99 Recompensa dos justos. Ver Céu Reconciliação, 41, 68, 109, 119, 168, 238, 243, 260, 263, 270 Recreação, 124, 153, 154, 155, 157, 226, 230 Reformados, obreiros, 196 Registos da igreja, 94, 95, 189, 251, 252, 253, 267, 268, 272 Regras financeiras, 217, 218 Regras e regulamentos na igreja, 242 Rei celeste, 60 Relações, entre organizações administrativas, 55, 183, 205-207 entre os membros, 49, 50 com a comunidade, 223. Ver Comunicação, Departamento de matrimoniais, 261 no casamento, 255-257 pessoais, 40, 44, 68, 167, 168, 235, 236, 256, 262, 263, 279 do tesoureiro com os membros, confidenciais, 100 Relações Públicas e Liberdade Religiosa, Departamento de, 173-174 director das, na igreja local, 127, 187, 202 Relações sexuais, 279 Relações Sociais, 232-234

MANUAL DA IGREJA Relatórios: da Associação Lar e Escola, 137, 160 da Comissão de nomeações, 83, 204 dos diáconos e diaconisas, 136 do director, ou professor da escola da igreja, 136 do director dos Ministérios Pessoais, 108, 136, 140 estatísticos, 69 do secretário de Comunicação, 137, 164 do secretário da Escola Sabatina, 136 do secretário da igreja, 86, 94, 95, 108, 130 do secretário dos M.P., 176 do secretário da Sociedade de Jovens, 136, 153 do tesoureiro da igreja, 95-100, 136 Relatórios estatísticos, 69 Remoção do rol de membros, ou da comunhão da igreja, 246-254 a pedido pessoal, 253 Conselho da igreja não pode remover, 251 cuidados necessários, 250-254 comunicação ou notificação aos membros disciplinados, 253 de nomes de membros, 74 de um oficial da igreja, 101 de um pastor ou ministro, 196 disciplina por, 248 do cônjuge faltoso que não se arrepende, 260, 261 do cônjuge que volta a casar sem base bíblica, 261 não remover membros por falta de presença, 252


Índice Remissivo não remover membros por motivos pecuniários, 252 numa reunião administrativa devidamente convocada, 251 pelo voto da maioria dos membros, 251 procedimento, 250-254 razões para, 248, 249 readmissão após, 253, 254, 262 relatório à reunião administrativa, do número de membros removidos, 136 voto para remover da comunhão da igreja, 247 Renascimento espiritual, 109 Reparações, igreja, 92, 97, 107 Representativa, forma de governo eclesiástico, 54 Respeito devido a ministros e oficiais da igreja, 79 Responsabilidade: distribuição de, 87 do ancião da igreja, 82-88 dos oficiais da Conferência (Associação)/Missão/Campo, 189, 190, 194 em tratar com o pecado, 240, 241, 246-248 Ressurreição: de Cristo, 38, 41 primeira, 46 segunda, 46 Retribuição final, 47 Reunião de oração no meio da semana, 111, 122, 135, 191 Reunião missionária: no meio da semana, 135 semanal e mensal, 125, 135 Reuniões administrativas da igreja, 125

303 distribuição de fundos, 96-98 presidente da Conferência (Associação)/Missão/Campo tem acesso às, 126, 189 quando se realizam, 125 quem preside, 85, 88, 91 quem vota, 125 relatórios, 100, 126, 129, 136, 176 secretário das, 94 Reuniões e serviços religiosos, 109-137 Associação Lar e Escola, 130 baptismal, 86 Centro de Serviços à Comunidade, 141, 177 Clube de Desbravadores, 124, 156, 157 Clube de Tições, 124, 157, 181 Comunhão, 116-122 Comunicação, 163-165, 182, 183 Conselho da Igreja, 126-130 actas das, do, 128 Conselho escolar, 130, 160-162 de reavivamento, 268, 270 Escola Sabatina, 142-148, 178 igreja, 111-116 Jovens Adventistas, 123, 148-154, 179, 180 Juvenis Adventistas, 123, 154, 155, 181 Liberdade Religiosa, 173, 174, 187 Ministérios da Criança, 170-172, 186-187 Ministérios da Família, 167-169, 184, 185 Ministérios Pessoais, 125, 135, 139-142, 175-177 Ministérios da Saúde, 165, 166, 183 missionárias da igreja, 124, 135


304 missionárias no meio da semana, 135 oração, 122 monitores da Escola Sabatina, 146 planeamento das, 111 primeiro Sábado do mês, 125, 176, 177 Reuniões sociais, 232-234 Reverência, 109, 110 Revisão de contas, 99, 180, 220 Revisor(es) de contas, 99 Rifas, 234 Ringues de patinagem, 228 Roupões para os baptismos, 66, 93

Sábado, 37, 43, 63, 65, 125, 223, 279

encontro especial com Deus, 224 fornecer literatura ao, 119 observância do, 223, 224, o culto de, 114-116 Sábado Missionário, 125 Sagradas Escrituras. Ver Bíblia Salvação, 35, 36, 38, 39, 40, 43, 51, 63, 109, 125, 139, 142, 149, 150, 158, 166, 172, 210, 212, 224, 236, 259, 265, 277 Santa Ceia: Ver Comunhão, Serviço Santificação, 43, 279 Santificador, 32 Santificados, 39, 257 Santificar, 39, 223, 268 Santuário: celestial, 36, 45, 63, 64, 278 purificação do, 45, 278 terrestre, 110 Satanás, 31, 32, 37, 47, 51, 56, 60,116, 189, 230, 232 Saúde: Ver Ministérios da Saúde director de, 123

MANUAL DA IGREJA princípios de, 158, 183, 225-226 reforma da, 226 Secretário da igreja: apresenta relatórios, 69, 94, 95, 126, 136 cuida das cartas de transferência, 67-72, 94 duração do cargo, 94 importância do cargo, 94 mantém correspondência com os membros ausentes, 94, 108 mantém em dia as actas das reuniões e o registo dos membros, 95 membro do Conselho da Igreja, 127, 128 missionário, 220 nomeação, 201 preenche as credenciais dos delegados, 94, 206 secretário das reuniões administrativas, 94 Secretários das organizações auxiliares. Ver nos nomes das respectivas organizações Segunda ressurreição, 46, 278 Segunda vinda de Jesus, 40, 46, 63, 65, 119, 149, 278, 281 Seguros de edifícios e móveis da igreja, 216 pagamento, 97 pedidos de pagamento dos, 244 Separação dos cônjuges, 260, 261 Separação, nenhum muro de, 29 Serviço de Assistência Social Adventista, 97, 140, 177 director/a, 140, 202 faz parte do Conselho da Igreja, 127 Serviços em Favor da Comunidade, 97, 136, 140, 141, 177, 201


Índice Remissivo Sétimo dia, 35, 37, 43, 63-65, 224, 279 Simplicidade, 228 Sociedade de Dorcas. Ver Serviço de Assistência Social Adventista Sociedade dos Jovens Adventistas, 72, 97, 123, 124, 134, 148 actividades devocionais, 153 actividades educativas, 153 actividades recreativas, 154 actividades de testemunho, 154 alvo, 150 Ano Bíblico, 153 bibliotecário, 152 classes, 155, 181 Clube do Livro, 154 conselheiro, 153, 202 Conselho, 151, 157 declaração de missão, 150, 179 Devoção Matinal, 153, 155 director, 123, 127, 151, 152 director da música, 151 director de grupos de acção, 152 director de publicidade, 152 director devocional, 152 director social, 152 especialidades, 155 lema, 150 membros associados, 180 membros do coro, 113 membros honorários, 180 membros regulares, 180 objectivos, 150 oficiais, 151 pianista/organista, 151, 154, 202 reuniões, 123, 124, 151 secretário, 97, 98, 136 secretário-tesoureiro, 152, 180, 202 Semana de Oração, 153

305 série Encontro, 153 vice-director, 152, 202 vice-secretário-tesoureiro, 152, 180, 196 Sociedade dos Juvenis Adventistas, 154, 181 actividades, 153-157 classes JA, 155 Clube de Desbravadores, 124, 149 conselheiro, 153 currículo escolar, 154 Devoção Matinal, 155 director, 154, 202 dirigentes, 154 especialidades, 155 fundos, 97 membros, 154 objectivos, 148 propósito, 124 reuniões, 124 Solicitação de fundos, 217, 218 Supremo objecto da atenção de Cristo, 30

Tabaco, abstinência de, 44, 63, 65, 165, 183, 226, 249, 280 Teatro, 230, 231 Televisão e Rádio, 101, 137, 182, 229 Temperança: actividades, 101 saúde e, 101, 165, 183, 225, 265 sociedades, 166. Ver Ministérios da Saúde Tesoureiro: da Conferência (Associação)/Missão/ Campo, 72, 126, 212, 219, 272 da Associação Lar e Escola, 160, 202 da escola da Igreja, 160 da igreja. Ver Tesoureiro da Igreja


306 da Sociedade de Jovens Adventistas, 152, 180, 202 da Sociedade de Juvenis Adventistas, 154 do Serviço de Assistência Social Adventista, 141, 202 Tesoureiro da igreja, 72, 95-100 guarda de todos os fundos, 73, 96-98, 147, 179, 180, 219 livros conferidos, 99, 180 membro do Conselho da Igreja, 127 nomeação, 201 recibos para os membros, 99 relações confidenciais com os membros, 100 relatórios, 96, 108, 129, 136, 179, 267 remessa de fundos à Conferência (Associação)/Missão/Campo, 86, 96, 136, 147, 219, 220 salvaguarda do propósito dos fundos, 98 Tições, Clube dos, 124, 157, 181 actividades, 181 director, 127, 151, 157, 202 reuniões, 124 Trabalho missionário pessoal, 63, 65, 139-142, 148-157, 281. Ver Almas Transferência de membros, 67-71, 73, 269 sob censura, 247, 260, 263 Três anjos, mensagens dos, 40, 281 Trindade, 35, 265, 277

União de Conferências (Associações)/

Missões/Campos, 54, 108, 205, 206, 212, 217, 219, 220

MANUAL DA IGREJA autoridade da, 205, 217, 254, 270 delegados: 54, 205, 206 fundos da, 212 relatórios, 108 Unidade na igreja, 40, 84, 212, 238-240, 243 Unidade no casamento, 235, 255-257 Uniformes: do coro, 114 Unindo Igrejas, 267 Uva, sumo de, 118

Vagas em cargos da igreja, preenchi-

mento, 162, 205 Vendas, 218 Vestes Baptismais, 66, 93 do coro, 114 Vestuário, 44, 1014 227, 228, 280 Vida cristã, normas de, 221-236 Vida eterna, 30, 38, 46 Vinda de Cristo, segunda, 46, 63, 65, 278 Vinho (com álcool), 77 Vinho não fermentado,117, 118 Voto: baptismal, 63 alternativo, 64 da maioria, 251 matrimonial, 248, 259-262 Juvenis Adventistas, 155 Jovens Adventistas, 155, 180 por carta ou procuração não aceite, 125, 126, 128 de Censura, 246, 247 dos Desbravadores, 155


307

Índice das Passagens Bíblicas Génesis 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1:26-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37, 44 1:27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233 1:31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 2:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43, 279 2:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 2:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37, 44 2:18-25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 2:21-24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 2:24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255, 258 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37, 38 3:6-24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 6:11, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 6-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 12:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Êxodo 10:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 12:15, 19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 13:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 16:23-31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 18:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 20:1-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 20:8-11 . . . . . . . . . . . . . . 37, 43, 279 20:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 20:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 31:13-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 34:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Levítico 11:1-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 11:1-47 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 16:2, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 18:22, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 20:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232

23:32 . . . . . . . . . . . . . . 43, 224, 279 27:30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 27:30-32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 Números 14:34 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 18:20-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 Deuteronómio 4:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 5:12-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 6:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 6:5-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 6:6-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148 24:1-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 24:1-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 28:1-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 II Samuel 11, 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 I Crónicas 29:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Job 14:10-12, 21, 22 . . . . . . . . . . . . . 280 17:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 Salmos 1:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 8:4-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 11:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 19:1-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 19:7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 19:7-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 23:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 33:6, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 34:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 40:7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 40:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 50:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115


308 51:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 51:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 55:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 77:11-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 86:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 96:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 96:8, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 104 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 115:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 119:9, 11, 105, 130 . . . . . . . . . . . 277 119:105 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 119:130 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 133:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 146:3, 4 . . . . . . . . . . . . 46, 279, 280 Provérbios 3:9, 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 4:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274 5:5-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . 191, 255 5:18-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 11:31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273 22:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 25:8, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238 30:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Eclesiastes 9:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 280 9:5, 6, 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 Cantares de Salomão 2:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 4:9-5:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 Isaías 3:16-24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 8:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35, 277 14:12-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 24:21, 22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 25:8, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 26:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 35 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 35:1-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 43:10-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 45:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278

MANUAL DA IGREJA 50:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 51:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 53 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 54:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 54:5-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 55:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 56:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 58:4, 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 58:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . 224, 279 58:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 65:17-25 . . . . . . . . . . . . . . . . 47, 278 66:22, 23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 Jeremias 3:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 4:23-26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 10:10-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 15:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 23:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Ezequiel 4:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 20:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 20:12, 20 . . . . . . . . . . . . . . . 43, 279 28:12-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 28:18, 19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 33:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 36:25-27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 36:26, 27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 Daniel 7:9-27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 8:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 8:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 9:24-27 . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 Oseias 3:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258, 263 12:10, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 13:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 Joel 2:12, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 2:28, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42


Índice das Passagens Bíblicas Amós 3:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235 3:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280, 281 Miqueias 4:7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 5:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 Habacuc 2:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 Sofonias 3:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 Ageu 1:3-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Malaquias 2:15, 16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 3:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214 3:8-12 . . . . . . . . . . . . . . 44, 209, 279 3:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214, 218 4:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 4:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 4:1, 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 4:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45, 168 Mateus 1:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 2:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:13-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 5:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47, 278 5:17-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 5:23, 24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 5:31, 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 5:32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258, 260 6:14, 15 . . . . . . . . . . . . . . . 263, 277 12:1-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 13:36 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 15:8, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 15:21-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 16:13-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 16:16-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 16:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

309 17:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 18:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 18:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 18:10-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 18:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238 18:15-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 18:15-18 . . . . . . . . . . . 237, 244, 280 18:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27, 239 18:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239 18:18 . . . . . . . . . . . . . . . 27, 40, 239 18:19, 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 19:3-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 19:3-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45, 279 19:4, 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 19:4-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . 255, 258 19:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 19:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258, 260 20:25-28 . . . . . . . . . . . . . . . . 39, 256 22:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . 173, 223 22:36-40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 23:23 . . . . . . . . . . . . . . 44, 209, 279 24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 24:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 281 24:14, 36-39, 33 . . . . . . . . . . . . . 278 24:29-34 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 24:43, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 18 25:14-29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 25:31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 26:17-30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 26:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 26:26-29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 26:27-29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 26:43, 44 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 28:18, 19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 28:18-20 . . . . . . . . . . . . . . . 126, 281 28:19 . . . . . . . . . . . . . . 35, 139, 280 28:19 -35, . . . . . . . . . . . . . . 133, 274 28:19, 20 . . . . . . . . . . 40, 41, 53, 60 Marcos 1:21-32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 1:32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 2:27, 28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 9:23, 24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39


310 9:33 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10:2-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . 255, 257 10:6-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 10:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10:11, 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 14:22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 14:23-25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 16:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Lucas 1:35 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 4:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43, 279 4:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 9:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 9:51-56 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 10:17-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 12:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244 16:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 17:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 18:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 21:25-33 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 22:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 22:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 23:54-56 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 24:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 João 1:1-3, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . 36, 279 1:35-40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 2:1-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 3:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:3-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:16 . . . . . . . . . . . 30, 36, 38, 39, 277 4:4-42 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 5:22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 5:25, 28, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 5:28, 29 . . . . . . . . . . . . . 46, 278, 280 6:48-56 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 6:48-63 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 6:63 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 8:2-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258

MANUAL DA IGREJA 10:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 10:30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 11:11-14 . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 280 11:24, 25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 13:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 13:1-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . 41, 281 14:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . 36, 46, 278 14:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 14:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 14:16-18, 26 . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 14:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 15:7-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 15:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 15:26, 27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 15:41 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 16:7-13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 16:7-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 16:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 17:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35, 281 17:20-23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 20:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Actos 1:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1:9-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 2:14-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 2:38 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41, 60 2:38, 41-47 . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 2:42, 46 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 4:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 4:32-35 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 6:1-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42, 274 6:1-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 6:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 6:2-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 6:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 6:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 6:1-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41, 280 7:38 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 8:5-26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 8:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 8:35-39 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 10:38 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 14:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Actualização Maio 2002


Índice das Passagens Bíblicas 15:41 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 16:30-33 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 16:32, 33 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 17:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 17:22-29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 17:24-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 17:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 17:26, 27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 18:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 19:1-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 20:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 20:17-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 20:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29, 30 20:28-31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 21:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 22:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41, 280 24:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 Romanos 1:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 1:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 1:19-32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 1:20-32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 1:24-27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260 3:21-26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:23-26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 5:6-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5:12-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 5:12-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 6:1-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 6:1-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 6:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36, 46 7:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255 8:1-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 8:1-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 8:3, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38, 43 8:14-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 8:19-22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 8:38, 39 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 10:13-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 10:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 12:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

311 12:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 12:4, 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41, 49 12:4-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 12:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 12:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245 13:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 14:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 15:26, 27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 16:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 I Coríntios 1:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 1:5-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 3:16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 4:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211 4:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 5:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 5:11, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238 6:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244 6:2, 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 6:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244, 245 6:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232, 254 6:9-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 6:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 6:19, 20 . . . . . . . . . . . . 44, 219, 280 5:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 6:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260 7:3, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 7:10, 11 . . . . . . . . . 45, 255, 261, 263 7:10-15 . . . . . . . . . . . . . . . . 258, 260 7:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 8:5, 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 9:9-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44, 209 9:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 9:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 10:1-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 10:16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 10:31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44, 280 11:23, 24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 11:23-26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 11:23-30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 11:25, 26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 11:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119


312 11:27-30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 11:28, 27, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . 121 11:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 12:1-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 12:4, 5, 12, 27, 28 . . . . . . . . . . . . 49 12:9-11, 27, 28 . . . . . . . . . . . . . . . 42 12:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 12:12-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 12:12-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 12:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 12:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 13:4-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 14:33, 40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 15:3, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 15:3, 4, 20-22 . . . . . . . . . . . . . . . . 38 15:21, 22, 51-55 . . . . . . . . . . . . . 279 15:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 15:51-54 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 15:51-55 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 16:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 16:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 16:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 II Coríntios 2:5-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 3:17, 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 4:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229 5:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 5:14, 15, 19-21 . . . . . . . . . . . . . . . 38 5:16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 5:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109, 277 5:17-19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 5:17-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 5:17-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 5:19, 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 6:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45, 235 6:14-7:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 6:15-18 . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 6:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 6:17, 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 7:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280

MANUAL DA IGREJA 8:1-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 9:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 9:6-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 10:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 10:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 11:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 13:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Gálatas 1:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 1:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 2:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 3:27, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 3:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 4:4-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5:17-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 5:19-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 5:22-25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 6:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27, 263 6:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 6:7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 Efésios 1:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:9-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:10-23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 1:22, 23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 2:4-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 2:5-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 2:8-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 2:19-22 . . . . . . . . . . . . . . . . . 40, 280 2:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 3:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 3:8-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 3:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29, 59 3:14-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4:1-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 4:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275


Índice das Passagens Bíblicas 4:4-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 4:7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 4:8, 11-16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 4:11, 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . 36, 102 4:11-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 4:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275 4:14-16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 4:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 4:26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 4:30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 4:32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 5:1-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 5:8-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 5:19, 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 5:21-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 5:21-29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 5:21-33 . . . . . . . . . . . . . . . . . 45, 258 5:22, 23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 5:23-27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 5:24, 25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 5:24, 25, 28 . . . . . . . . . . . . . . . . 279 5:25-30 . . . . . . . . . . . . . . . . 268, 270 5:27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 5:28, 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 5:29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 5:31, 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255 6:1-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 6:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 6:12-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Filipenses 2:5-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 2:5-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 2:6-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 3:7-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 4:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44, 230 Colossenses 1:13, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 1:14, 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:15-19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

313 1:16-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:17, 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 1:27 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 2:12, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 2:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 2:6, 14, 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 3:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222 3:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 3:5-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 3:8-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 3:10-15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 3:16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:18-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 I Tessalonicenses 1:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 2:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35, 277 3:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 4:1-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 4:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 4:3-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 4:3, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 4:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 4:13-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 4:13-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 272 5:1-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 5:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 5:12, 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 5:16-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 5:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 5:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39, 280 II Tessalonicenses 1:7-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 2:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 I Timóteo 1:9, 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260 1:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 1:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35, 36 2:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228


314 2:9, 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 3:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 3:1-13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42, 78 3:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 3:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 3:8-13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 3:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 3:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29, 225 4:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148 4:12-16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 5:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27, 79 6:15, 16 . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 279 II Tim贸teo 1:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 2:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 2:19-22 . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 3:1-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 3:15-17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 3:16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Tito 1:5, 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 1:5-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 1:5-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 2:1, 7, 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 2:11-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 2:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 3:3-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Hebreus 1:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42, 277 1:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 1:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 2:9-18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 2:16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 4:1-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 4:9-11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 4:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35, 277 4:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 4:14-16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 6:4-6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 8:1, 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36, 278 8:1-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

MANUAL DA IGREJA 8:7-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 8:8-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43, 277 8:10-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 9:11-28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 9:23, 24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 9:28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 10:19-22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 10:23-35 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 10:25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39, 280 11:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 13:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 13:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258, 279 13:7, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 13:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Tiago 4:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 5:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238 I Pedro 1:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1:16-19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1:19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 1:23 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39, 277 2:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277, 281 2:9-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 2:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 2:21, 22 . . . . . . . . . . . . . . . . . 38, 39 3:1-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 3:3, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228 3:7 . . . . . . . . . . . . . . . . 257, 258, 279 3:15, 3-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280 4:10, 11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 5:1-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27, 79 II Pedro 1:3, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 1:19-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:20, 21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1:21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 2:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 3:9-13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 3:10-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . 40, 278


Índice das Passagens Bíblicas 3:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 3:18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 I João 1:7-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 1:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 2:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 2:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 2:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222 2:15-17 . . . . . . . . . . . . . . . . 231, 281 4:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 4:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 4:7, 8, 11, 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 4:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 5:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 5:11, 12 . . . . . . . . . . . . . . . . 277, 279 III João 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Judas 3, 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 14, 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 Apocalipse 1:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 3:20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 4:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 10:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 11:15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

315 12:4-9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 12:17 . . . . . . . . . . . . . . . 40, 42, 280 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 14:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 14:6, 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 278 14:6-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 14:6-12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 14:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 14:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46, 281 14:14-20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 18:1-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 19:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42, 280 19:11-21 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 20:1-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 20:6, 4, 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 20:5, 12, 15 . . . . . . . . . . . . . . . . 278 20:7-10, 14, 15 . . . . . . . . . . . . . . 278 20:8, 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 20:11, 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 20:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 21:1-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 21:1-7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 21:1-14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 21:2, 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 22:1-5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 22:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 22:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 22:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 22:17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281


MANUAL DA IGREJA

316

Índice das Citações do Espírito de Profecia e de Outras Fontes Actos dos Apóstolos 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59 74 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210 89 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90 90 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89 93 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90 110 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .102 261, 262 . . . . . . . . . . . . . . . . . .79, 80 279 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 338 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .218 Autumn Council Actions, 1948 19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24 Benificência Social 290 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .218 Christian Temperance and Bible Hygiene 47 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .226 Ciência do Bom Viver (A) 359 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .235 393 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .223 490, 491 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .222 Colportor Evangelista (O) 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .174 Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes 68 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .234 120 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .229 344 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .229 Conselhos sobre a Escola Sabatina 10, 11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .142 34 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .274 115 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .142

Conselhos sobre Saúde 132 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .226 537 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149 Counsels to Writers and Editors 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .274 Desejado de Todas as Nações (O) 68 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 71 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .231 159 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 214 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .224 436 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 438 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 557 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 646 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 650 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 659 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 712 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 715, 716 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .121 716, 717 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .121 716 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 719, 720 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Educação 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .159 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164 77 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .228 105 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 195 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .225 251 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .224 255 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .221 Evangelismo 105 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 115 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .103 273 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .227 373 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75 375 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .76


Índice das Citações do Espírito de Profecia General Conference Bulletin 29, 30, Jan., 1893, p. 24 . . . . . . . .148 General Conference Report, 8 14 de Junho, 1946, 197 . . . . . . . . .23 Grande Conflito (O) 239 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .173 593 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147 Lar Adventista (O) 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .235 25, 26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .255 343 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .256 Manual para Ministros 121, cap. 11 . . . . . . . . . . . . . . . . .102 Medicina e Salvação 259 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .226 Mensagens aos Jovens 196 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149 352 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .227 399 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .231 Obreiros Evangélicos 67 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149 88 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 193 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164 178 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .225 210 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149 224, 225 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210 Orientação da Criança 193 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .171 Parábolas de Jesus 71, 72 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250 104 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .273 113 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273/274 386 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30

317

Patriarcas e Profetas 174 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .236 218 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .221 255 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .225 389 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49 460 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .230 525 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 637 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .231 Pensamentos sobre o Sermão da Montanha 60 (55) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .244 63 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .260 64 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .257 Pés de Cristo (Aos) 93 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .222 100, 99 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222 105, 106 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Primeiros Escritos 217 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 Profetas e Reis 50 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109 Review and Herald vol. 50, 14, pág. 106 . . . . . . . . . . . .28 30 de Maio, 1871 . . . . . . . . . . . . .103 26 de Dezembro, 1882 . . . . . . . . . .22 14 de Abril, 1885 . . . . . . . . . . . . . 115 SDA Bible Commentary Volume 6 698 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .245 Signs of the Times 29 de Maio, 1893 . . . . . . . . .149, 150 Testemunhos para Ministros 15, 16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31 16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31 16, 17 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32


318 15-19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49, 51 28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49 29-31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .275 52, 53 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .189 128 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61 179 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .228 307 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210 387, 388 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .221 426 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .246 489 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .51 495 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .52 500 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .52 Testemunhos Selectos Volume 1 334, 335 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .241 350 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .228 367 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210 390 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .240 444, 445 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .80 457 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112, 122 Volume 2 38 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .246 60 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 79, 80 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .81 84 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .244 104, 105 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .273 123 121 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .236 152 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .173 193, 194 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 194, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110,111 196, 197 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 239 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .167 260, 261 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .80 263 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .52 389, 390 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .60 393 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61 438 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .232 581 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

MANUAL DA IGREJA Volume 3 77 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 96 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .256 96, 97 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .256 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .237 200, 201 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .238 201-204 . . . . . . . . . . . . . . . . 238-240 240, 241 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .54 244 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .243 357 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .226 408 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28 408, 409 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .57 410 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .205 Testimonies, Volume 1 400 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 207 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .250 Volume 2 577-582 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .103 581 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Volume 3 269 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .241 270, 271 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .242 445 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28 Volume 4 406, 407 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .80 475 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .167 634 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .227 Volume 5 107 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .251 274 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .242 Volume 6 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125 36 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 Volume 7 225 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30 263 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .246


Índice das Citações do Espírito de Profecia Volume 9 143, 144 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 216-218 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .244 246, 247 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210 248 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211, 213 249 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 251 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210

319

Manual da Igeja  

Manual da Igreja

Manual da Igeja  

Manual da Igreja

Advertisement