Issuu on Google+

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO – MS.

1. Apresentação

O IASB realizou no dia 29 de fevereiro de 2008 as atividades de manutenção e monitoramento das espécies nativas plantadas há três meses pelo projeto Plante Bonito, realizado pela instituição. O Projeto Plante Bonito, que prevê ações de reflorestamento, visando contribuir na melhoria da qualidade ambiental das áreas degradadas, além de ajudar a minimizar os efeitos das emissões de gases na atmosfera (efeito estufa), realizou o plantio de 104 mudas de espécies nativas às margens do córrego Restinga, em 29 de novembro de 2007, na área urbana de Bonito. Dessas mudas plantadas, 86 foram demarcadas com estacas para auxiliar o seu monitoramento. Essas mudas plantadas fornecidas pelo Viveiro Municipal, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Bonito e patrocinadas pelas empresas: Hotel Pousada Águas de Bonito, Agência Águas de Bonito Turismo e Lima Limão Conveniência.

2. Atividades Realizadas

Para garantir o desenvolvimento e acompanhar o processo de crescimento das mudas, o IASB realiza atividades de manutenção e monitoramento das espécies plantadas. Estas atividades estão prevista para serem realizadas no intervalo de três meses, sendo que as atividades de manutenção serão realizadas conforme a necessidade das mudas em absorver umidade do solo para sua sobrevivência e proteção contra animais, previstas por um período de dois anos.


Manutenção das mudas

Entre as atividades de manutenção, destaca-se a realização de coroamento nas arvores que foram plantadas e que estavam demarcadas por estacas, sendo que o restante das mudas havia se perdido no mato que cresceu. Esse coroamento exerce a função de proteger as mudas ainda frágeis e diminuir a competição com as plantas invasoras. Como as áreas escolhidas para os plantios encontram - se em estados de degradação, e necessário recompor a fertilidade natural do solo, que aumenta com o passar do tempo. Para isso foi realizada a incorporação de folhas e galhos próximo as arvores, que servirão de adubos naturais ao solo através do processo da decomposição realizados por microorganismo que se alimentam desses compostos, produzindo húmos e liberando minerais que novamente servem da alimento para as plantas (Arl, 2006). A recoberta do solo com folhas e galhos também se torna essencial para não deixar o solo exposto, aumentando a sua retenção de umidade. Isso é essência no auxilio da mudas para suportar o estresse hídrico causado com sua retirada do viveiro, onde obtinha boas condições de umidade e luminosidade. A disponibilidade de água no solo durante os estágios iniciais de desenvolvimento das plantas jovens, assume certa importância, tendo em vista que a escassez de água pode atrasar o crescimento ou provocar elevada mortalidade das mudas (Paiva & Poggiane, 2000). Considerando esses fatores, as mudas logo após o plantio passam por um período de adaptação as novas condições impostas e não se desenvolvem com muito vigor.


Colocação de palha próxima a muda

2.2 Monitoramento do crescimento das mudas

Para

o

monitoramento

do

crescimento

foram

selecionados

20

exemplares de mudas que estavam com estacas, considerando as diferentes condições de luminosidade em que se encontra cada uma delas. Além dessa árvores selecionadas, todas as outras se apresentavam vigorosas após três meses de plantio, e não foi observada a morte de mais nenhuma muda além das

seis

que

foram

constatadas

após

um

mês

da

realização

do

reflorestamento. Foi realizado a medida da altura do caule das mudas a anotadas as condições em que elas se encontram. Esses dados estão expressos na tabela a seguir:

Número da estaca 01 02 03 05 09 12 19 63 50 49 54

Nome popular da árvore Canafístula Peroba Ingá Aroeira Peroba Tarumã Chico – magro Angico Ingá Ipê Tarumã

Altura do caule (cm) 20.5 15 21 19 16 26 69 16 39 18 17

Luminosidade Sombra Sombra Sombra Sombra Sombra Sombra Meia sombra Meia sombra Sombra Meia sombra Sol


82 44 42 45 46 38 37 34 83 89

Ingá Canafístula Embaúba Aroeira Angico Angico Tarumã Tarumã Embaúba Chico – magro

12 31 51 40 49 15 33 18 44 39

Sol Sol Sol Sol Meia sombra Sol Sol Sombra Sol Sombra

As estacas das mudas selecionadas foram demarcadas com barbante na ponta para facilitar o continuo acompanhamento do crescimento das mudas, através do qual pretendemos avaliar a adaptação das espécies às condições naturais em que se encontra o solo e as condições de sobrevivência impostas pelo ambiente.

Medição da altura do caule

3. Referencia Bibliográfica:

- Arl, Valdemar. É Cuidando da Terra que a Gente Conserva o Planeta Água. Caderno técnico nº 01. ed. Berthier, Passo Fundo- RS. 2006. - PAIVA, ARY VIEIRA & POGGIANE, FABIO. Crescimento de Espécies Arbóreas Nativas Plantadas no Sub-Bosque de um Fragmento Florestal. Scientia Forestalis, nº 57. p. 147-151, jun. 2000.


2008_Fev_Monit_Corrego Restinga