Issuu on Google+

Gabriel García Márquez

M

t ang

7 7'

DROPS

us


Biografia - 3 Sobre o realismo fantástico - 6 Análise de “Cem Anos de Solidão - 8 Publicações do Autor - 11

kambô us

t ang

7 7'

Redação Ian Pimentel Filipe Laredo

amazon

M

Arte e Diagramação Filipe Laredo

Gabriel Garcia Marquez BIOGRAFIA

Edição Filipe Laredo Fotos Ian Pimentel

“Todo mundo quer viver em cima da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a escarpada.”

Editorial André Silvestre do editor. ia autorização s, sem a prév tro ou e a pi , fotocó ão, gravação a a reproduç Não é permitid

N

ascido em Aracataca, Colômbia, morou boa parte da sua infância com seus avôs maternos e aos 8 anos mudou-se para Barranquilla. Foi bastante influenciado pelo seu avô Nicolás Ricardo Márquez Mejía, veterano da guerra dos mil anos. A convivência com seus avôs e consequentemente as histórias que lhe contavam, geraram inspiração para personagens e histórias do livro Cem Anos de Solidão. Depois que o seu avô morreu, foi viver com seus pais. Já mais velho foi estudar em Bogotá porém não chegou a completar a graduação. Trabalhou em diversos jornais


ber milhares de cartas por mês. Gabriel também se interessava por cinema, tendo escritos diversos roteiros e atuado como diretor em filmes como Erendira, Presságio, Juego peligroso, entre outros. Em 1986 funda a Escola Internacional de Cinema e Televisão de Cuba, um projeto para apoiar novos cineastas da américa latina, ásia e áfrica. Lá lecionava oficinas de roteiros e em certa ocasião com o roteirista brasileiro Doc Comparato, escreveu o livro “Me alugo para sonhar”, uma transcrição do que acontecia nesses eventos. A relação de Gabriel Garcia Marquez e o poder sempre foi bastante intensa como ele mesmo revela. Depois de ter sido premiado, intensificou o seu envolvimento político, atuando como diplomata em questões internacionais.

M

an us t g

7 7'

como El Heraldo, El Espectador e El Universal. Foi correspondente internacional na europa e Nova York, onde acabou sendo perseguido pela CIA por suas críticas. Nesse inteirím já participava de um grupo de escritores para estímulo da literatura. Em 1961 publica seu suposto primeiro romance “Ninguém escreve ao coronel” e em 1965 publica “Cem anos de solidão” que retrata a história da estirpe da família Buendia, obra que ganhou o Nobel da literatura em 1982. Desde jovem, quando leu a primeira frase do romance “A metamorfose” de Franz Kafka, já começava a se inclinar para o lado do realismo fantástico. Cem anos de solidão mudou a literatura latino americana e foi um marco e exemplo para esse tipo de romance. Quando recebeu a carta avisando que tinha ganhado o prêmio Nobel, apesar da felicidade, percebeu que nunca mais teria uma vida tranquila novamente, chegando a rece-


SOBRE REALISMO FANTÁSTICO fantásticas que tem como objetivo direcionar o entendimento do leitor para uma certa realidade. O termo realismo fantástico foi criado pelo crítico de arte Franz Roh, se referindo a um estilo chamado de Neue Sachlichkeit (A nova objetividade). Franz Roh achava que o realismo mágico era parecido em alguns aspectos

com o Surrealismo. Porém o Surrealismo é mais focado em aspectos do subconsciente e aleatoriedade. O realismo mágico é muitas vezes uma válvula de escape para acontecimentos políticos que incomodam os autores. É uma maneira de criar subtextos, mascarar intenções e mostrar um ponto de vista do povo sofrido. Na obra de Gabriel Garcia Márquez pode-se ver que obra tem uma tendência de esquerda e revela muitos aspectos da luta do povo latino americano.

Espaço: -Mínimo e vital; - Dinamizaeactivaoconteúdodasações; - Atmosfera interiorizada -- sempre hoje; -Também possibilita observar as figuras gramaticais dessa época.

an us t g

7 7'

Aspectos normalmente abordados: - Conteúdo de elementos mágicos ou fantásticos percebidos como parte da “normalidade” pelos personagens; - Elementos mágicos algumas vezes intuitivos, mas nunca explicados; - Presença do sensorial como parte da percepção da realidade;

- O tempo é percebido como cíclico, como não linear, seguindo tradições dissociadas da racionalidade moderna; - O tempo é distorcido, para que o presente se repita ou se pareça com o passado; - Transformação do comum e do cotidiano em uma vivência que inclui experiências sobrenaturais ou fantásticas; - Preocupação estilística, partícipe de uma visão estética da vida que não exclui a experiência do real.

M

O

realismo fantástico surgiu na década de 40 apoiado por escritores como Jorge Luis Borges, Alejo Carpentier, Arturo Uslar Pietri, Carlos Fuentes e Gabriel García Márquez. É um gênero originalmente hispano-americano e ficou conhecido após o crescimento do consumo de literatura regional. Nele a realidade mescla-se com alegorias


ANÁLISE DE “CEM ANOS DE SOLIDÃO” “Como la familia Buendía sintetiza y refleja a Macondo, Macondo sintetiza y refleja (ao tiempo que niega) a la realidad real: su historia condensa la historia humana, los estadios por los que atraviesa corresponden, en sus grandes lineamientos, a los de cualquier sociedad, y en sus detalles, a los de cualquier sociedad subdesarrollada, auque más específicamente a las latinoamericanas.” Mário Vargas Llosa, Cien años de soledad. Realidad Total, Novela Total.

C

em anos de solidão está devidamente encaixada na lista dos melhores livros de todos os tempos. Ele é tanto uma experiência de leitura prazerosa, proporcionada pela magnífica narrativa do autor, quanto uma experiência sobre a américa latina em si. O livro,

provavelmente,inclinou-se politicamente a Gabo, um livro que expõe por meio de metáforas e alegorias, as feridas mais profundas dessa terra. “Al principio, José Arcadio Buendía era una especie de patriarca juvenil, que daba instrucciones para la siembra y consejos para la crianza de niños y animales, y colaboraba con todos, aun en el trabajo físico, para la buena marcha de la comunidad. Puesto que su casa fue desde el primer momento la mejor de la aldea, las otras fueron arregladas a su imagem y semejanza.” (P. 17). No ínicio do livro por exemplo, percebemos o momento em que os Buendia chegam e fundam Macondo. Cada casa tinha a mesma distância do rio, a mesma porção de luminosidade e o mesmo tamanho. No desenrolar do romance

percebemos a situação sendo modificada aos poucos. A partir do momento em que Macondo vai sendo “contaminada” por povos, governos e culturas externas, o caráter social igualitário vai perdendo força. A primeira grande transformação na comunidade surge quando Úrsula encontra o caminho para sair do brejo e comunica Macondo ao mundo. Chegam, por esse caminho, muitos imigrantes que vão apresentar o comércio ao povo macondino. “La escueta aldea de otro tiempo se convirtió muy pronto en un pueblo activo, con tiendas y talleres de artesanía, y una ruta de comercio permanente por donde llegaron los primeros árabes (P. 49)”. O artesanato, representado por Úrsula montando “un negocio de animalitos de caramelo” (P. 49) ou por Aureliano aprendendo a trabalhar a prata, e o comércio acelera

o desenvolvimento independente da sociedade. Ocorre então que as figuras institucionais começam a se apresentar através o corregedor Apolinar Moscote (P. 69), a igreja do padre Nicanor Reyna (P. 101) e o poder de polícia se instala (P. 108). Depois disso, uma guerra civil se


Sabendo da forte ligação que Gabo tem com política, poder e causas sociais, esses temas acabam sendo frequentes e formam a característica autoral do seu trabalho. Somado aos eventos fantásticos que ocorrem de maneira extremamente normal e os textos sem capítulos, que dão a entender que o romance poderia ter sido contado por uma avó tentando ninar uma criança, Cem Anos de Solidão é uma obra maravilhosa. Para quem gostaria de entender, de uma forma artística, qual é o sentimento de ser membro da américa latina, o sentimento de ser colonizado e esquecido, essa obra é perfeita. Ela ultrapassa a realidade de uma forma tão sutil que quase podemos tocá-la, cheirála e amá-la. Macondo existe. Existe em todos que já se sentiram como um Buendía, solitário e sonhador. *Obra

utilizada:

Edição

comemora-

tiva da Real Academia Española, 2007.

PUBLICAÇÕES DO AUTOR Romances In Evil Hour 1962 One Hundred Years of Solitude 1967 The Autumn of the Patriarch 1975 Love in the Time of Cholera 1985 The General in His Labyrinth 1989 Of Love and Other Demons 1994 Novelas Leaf Storm 1955 No One Writes to the Colonel 1961 Chronicle of a Death Foretold 1981 Memories of My Melancholy Whores 2004 Coleções de contos Innocent Eréndira, and Other Stories 1978 Collected Stories 1984 Strange Pilgrims 1993 Não ficção The Story of a Shipwrecked Sailor 1970 The Solitude of Latin America 1982 The Fragrance of Guava 1982 Clandestine in Chile 1986 News of a Kidnapping 1996 A Country for Children 1998 Living to Tell the Tale 2002

an us t g

M

cultura escrita e oral. Ao longo da estirpe, conhecimentos antigos e importantes foram mantidos no quarto de Melquíades e poucos se arriscavam a decodificar o material. Esse pequeno detalhe, que não parece ter importância, mas que é envolto em uma aura mágica (já que os livros e anotações não apodrecem nem reagem ao tempo) é importantíssimo no clímax final do livro. Situação alegoricamente associada a cultura latina, que sofre de preconceitos e falta de ação. Esse mesmo conceito de descaso e esquecimento pode nos levar a temática central do livro, a solidão. Assim como outros livros que Gabriel Garcia Marquez publicou, esse livro trata a solidão quase como uma doença, que persegue, no caso do Cem Anos de Solidão, toda a estirpe dos Buendia. Os personagens vão evoluindo e tornando-se cada vez mais solitários, introspectivos e fora de alcance.

7 7'

inicia (P. 125) para durar vinte anos. A chega do primeiro alcaide, após o fim da guerra, fecha o primeiro ciclo de vida da, enfim, cidade. Quando a companhia bananeira norteamericana decide entrar em Macondo, uma cidade industrial representado por Aureliano Triste e sua fábrica de gelo, para convertê-la em monoprodutora de banana, a segunda transformação se inicia. O povo antigo da cidade se mistura com gringos, sujeitos que não se importam com a cultura local, vindos apenas atrás das ofertas de emprego da companhia. Os donos de terras se transformam em trabalhadores assalariados agrícolas e a cidade já não se reconhece mais. “Los funcionarios locales fueron sustituidos por forasteros autoritarios” e “los antiguos policías fueron reemplezados por sicarios de machetes” (P. 273) Outro aspecto que também é abordado, é o descaso com a


M

M

a n t s g

7 7'

u

7 7'

an us t g


Drops - Gabriel Garcia Marquez