Issuu on Google+

REGULAMENTO  DA  PRIMEIRA  ELEIÇÃO  PARA  CONSELHEIROS  DE  ARQUITETURA  E   URBANISMO  DO  BRASIL  E  PARA  CONSELHEIROS  DE  ARQUITETURA  E  URBANISMO  DOS   ESTADOS  E  DO  DISTRITO  FEDERAL (Instituído  pela  Deliberação  25/CCEARQ-­‐CONFEA  de  13  de  maio  de  2011)   Capítulo  I Disposições  Gerais   Artigo  1º:  A  Primeira  Eleição  para  Conselheiros  de  Arquitetura  e  Urbanismo  do  Brasil  e   para   Conselheiros   de   Arquitetura   e   Urbanismo   dos   Estados   e   do   Distrito   Federal   será   realizada  em  26  de  Outubro  de  2011,  de  acordo  com  o  presente  Regulamento.   Parágrafo   único:   Todos   os   Conselheiros   eleitos   de   acordo   com   este   Regulamento   cumprirão   mandato   que   se   iniciará   na   data   da   posse   e   se   encerrará   no   dia   31   de   dezembro   de   2014,   podendo   ser   reconduzidos,   na   forma   prevista   no   artigo   36   da   lei   12.378/2010.   Artigo  2º:  A  convocação  para  a  eleição,  com  a  fixação  do  calendário  eleitoral,  será  feita   pela   Coordenadoria   das   Câmaras   Especializadas   de   Arquitetura   -­‐   CCEARQ,   mediante   Edital,   publicado,   no   mínimo,   95   (noventa   e   cinco)   dias   antes   do   dia   estabelecido   para   a   eleição.   Parágrafo  1º:  A  CCEARQ  publicará  o  Edital  de  Convocação  da  Eleição  e  os  demais  eventos   de  divulgação  necessários,  nos  termos  deste  Regulamento,  no  Diário  Oficial  da  União  e   em  sitio  eletrônico  da  eleição.   Parágrafo   2º:   Os   Coordenadores   das   Câmaras   Especializadas   de   Arquitetura   dos   CREAs   darão  publicidade,  nas  respectivas  jurisdições,  ao  Edital  de  Convocação  da  Eleição,  assim   como  os  demais  eventos  de  divulgação  necessários,  nos  termos  deste  Regulamento, no   sítio  eletrônico  da  eleição  e  nos  locais  públicos  de  avisos  dos  respectivos  CREAs.   Artigo   3º:   As   Câmaras   Especializadas   de   Arquitetura   deverão   manter,   à   disposição   dos   interessados,  cópias  de  todas  as  normas  e  instruções  que  regulam  o  processo  eleitoral,   bem  como  dos  modelos  apropriados  à  sua  operacionalização.   Artigo  4º:  Os  CREAs  deverão  prover  dotação  orçamentária  para  cobrir  as  despesas  com  o   processo   eleitoral,   nos   termos   do   artigo   57   da   Lei   12.378/2010,   cabendo   ao   Coordenador   da   respectiva   Câmara   iniciar   os   processos   de   realização   dessas   despesas,   mediante  deliberação  da  CCEARQ.   Capítulo  II: Comissões  Eleitorais   Artigo   5º:   A   Eleição   será   coordenada   e   conduzida   por   uma   Comissão   Eleitoral   Nacional  –   CE  Nacional,  e  por  Comissões  Eleitorais  em  todos  os  Estados  e  no  Distrito  Federal  –  CE-­‐ UF  (Unidades  da  Federação).


Parágrafo   1º:   A   CCEARQ   constituirá,   em   reunião   anterior   à   publicação   do   Edital,   a   CE   Nacional,  integrada  por   5  (cinco)  Coordenadores  Titulares  na  CCEARQ  e  não  candidatos,   sendo  1  (um)  Presidente  eleito  entre  seus  pares,  2  (dois)  Titulares  na  Comissão  e  2  (dois)   Suplentes  na  Comissão.   Parágrafo   2º:   As   Câmaras   Especializadas   de   Arquitetura   constituirão,   em   reunião   anterior   à   publicação   do   Edital,   as   CE-­‐UF,   integradas   por,   no   mínimo,   4   (quatro)   membros   Arquitetos,   Arquitetos   e   Urbanistas   ou   Engenheiros   Arquitetos,   preferencialmente   Conselheiros   Regionais,   sendo   1   (um)   Presidente   eleito   entre   seus   pares,  2  (dois)  Titulares  na  Comissão  e  1  (um)  Suplente  na  Comissão.   Parágrafo   3º:   A   critério   da   respectiva   Câmara,   a   composição   da   CE-­‐UF   poderá   ser   ampliada,   em   função   da   quantidade   de   Conselheiros   a   eleger   em   cada   Estado   e   no   Distrito  Federal.   Parágrafo   4º:   Não   poderão   integrar   as   Comissões   Eleitorais   referidas   no   caput   deste   artigo  os  candidatos,  seus  pais,  irmãos,  filhos,  cônjuges  e  ex-­‐cônjuges,  sócios  e  ex-­‐sócios,   representantes  e/ou  empregados.   Parágrafo  5º:  Os  membros  da  CE  Nacional  não  poderão  ser  integrantes  das  CE-­‐UF.   Parágrafo   6º:   O   Presidente   de   uma   Comissão   Eleitoral   poderá   propor   à   CCEARQ   ou   à   Câmara   Especializada   de   Arquitetura,   conforme   o   caso,   a   substituição   de   membro   da   Comissão  que  não  comparecer  a  três  reuniões  sem  justificativa  aceita  pelo  Presidente  da   CE.   Parágrafo   7º:   Qualquer   manifestação   institucional   sobre   o   processo   eleitoral   caberá   única  e  exclusivamente  aos  Presidentes  das  Comissões  Eleitorais.   Parágrafo   8º:   À   CE   Nacional   caberá   a   expedição   de   atos   e   normas   necessários   à   complementação  do  presente  Regulamento.     Capítulo  III: Candidaturas   Artigo   6º:   É   elegível   o   Arquiteto,   Arquiteto   e   Urbanista   ou   Engenheiro   Arquiteto   que   satisfaça  os  seguintes  requisitos,  na  data  do  pedido  de  registro  da  Chapa:   I  -­‐  ter  plenos  direitos  civis  brasileiros  conforme  a  legislação  em  vigor;   II   -­‐   pertencer   ao   colégio   eleitoral   da   Unidade   da   Federação   em   que   esteja   se   candidatando,  com  comprovação  através  da  Carteira  de  Identidade  Profissional  ou  outro   documento  hábil  emitido  pelo  CREA;  


III  -­‐  não  ter  integrado  a  CE  Nacional  ou  uma  CE-­‐UF  de  que  trata  este  Regulamento;   IV   -­‐   não   estar   cumprindo   pena   por   condenação   pela   Justiça,   bem   como   por   Tribunais   de   Contas   da   União,   dos   Estados,   do   Distrito   Federal   e   dos   Municípios,   por   sentença   ou   decisão  transitada  em  julgado.   Artigo  7º:  Na  primeira  reunião  da  CE-­‐UF,  será  aberto  o  Processo  Administrativo  Eleitoral,   cujos   autos   conterão   todo   e   qualquer   documento   e   registro   pertinente   à   eleição,   cronologicamente  ordenados,  com  as  respectivas  páginas  numeradas  e  rubricadas.   Parágrafo  1º:  Os  autos  do  Processo  Administrativo  Eleitoral  serão  iniciados  pelo  Termo   de   Abertura   e   finalizados   pelo   Termo   de   Encerramento,   conforme   os   Anexos   1   e   2   deste   Regulamento.   Parágrafo   2º:   É   vedada   a   extração   ou   substituição   de   documentos   e/ou   registros   originais  do  Processo  Administrativo  Eleitoral,  em  qualquer  hipótese.   Artigo  8º:  O  pedido  de  registro  de  Candidaturas  para  Conselheiros  Titulares  e  respectivos   Suplentes   deverá   ser   protocolado   no   CREA   da   jurisdição,   até   o   60°   (sexagésimo)   dia   anterior  ao  dia  marcado  para  a  eleição. . Parágrafo   único:   O   prazo   para   os   pedidos   de   registro   de   Candidaturas   se   encerrará   ao   final  do  expediente  normal  de  atendimento  ao  público  do  respectivo  CREA.   Artigo   9º:   O   registro   das   Candidaturas   será   feito   em   Chapas,   contendo   os   nomes   dos   candidatos  a  Conselheiros  no  CAU/BR  e  no  CAU  Estadual  ou  do  Distrito  Federal.   Parágrafo  1º:  As  Chapas  somente  serão  registradas  se  contiverem  o  número  previsto  de   candidatos  a  Conselheiros  Titulares  e  respectivos  Suplentes,  na  forma  dos  Incisos  I  a  IV   do  parágrafo  1º  do  artigo  32  da  lei  12.378/2010.   Parágrafo  2º:  A  cada  Candidato  a  Conselheiro  Titular  corresponderá,  nominalmente,  um   Candidato  a  Conselheiro  Suplente.   Parágrafo   3º:   É   vedado   ao   profissional   candidatar-­‐se   aos   Cargos   de   Conselheiro   no   CAU/BR  e  nos  CAUs  simultaneamente.   Parágrafo  4º  É  vedado  ao  integrante  de  Chapa  registrada  nesta  eleição  ser  estabelecido   como   Conselheiro   representante   das   Instituições   de   Ensino,   na   forma   prevista   na   lei   12.378/2010.   Parágrafo  5º:  São  vedadas  as  candidaturas  isoladas  ou  que  integrem  mais  de  uma  Chapa.   Artigo  10:  O  pedido  de  registro  das  Chapas  será  feito  através  de  requerimento  conforme   o   Anexo   3   deste   Regulamento,   dirigido   à   CE-­‐UF,   em   via   única,   assinado   por   um   dos   integrantes,  pela  qual  será  Responsável,  instruído  obrigatoriamente  com:


I  -­‐  lista  dos  integrantes  da  Chapa  (Anexo  4);   II  -­‐  declarações  dos  integrantes  da  Chapa  (Anexo  5);   III  -­‐  cópias  das  identidades  profissionais  dos  integrantes  da  Chapa  ou  certidão  fornecida   pelo  CREA;   Artigo  11:  Os  CREAs  receberão,  através  dos  seus  sistemas  de  protocolo,  o  requerimento   e   a   documentação   referida   nos   incisos   I   a   III   do   artigo   10   deste   Regulamento   e   os   encaminharão  à  CE-­‐UF.   Parágrafo   1º:   Ao   receber   um   pedido   de   registro,   os   CREAs   fornecerão,   ao   Responsável   pela   Chapa,   recibo   conforme   o   Anexo   6   deste   Regulamento,   no   qual   constarão   instruções  sobre  o  processo  de  registro  das  Chapas.   Parágrafo   2º:   Encerrado   o   prazo   para   o   recebimento   dos   pedidos   de   registro   de   Chapas,   será   imediatamente   lavrada   ata   pela   CE-­‐UF,   conforme   o   Anexo   7   deste   Regulamento,   com  o  dia  e  horário  de  cada  recebimento,  devendo  ser  assinada  por,  no  mínimo,  metade   mais   um   dos   integrantes   da   mencionada   Comissão,   obrigatoriamente   presentes   naquele   momento.   Artigo   12:   A   CE-­‐UF   procederá   ao   registro   das   Chapas,   após   o   exame   da   documentação   contida  no  Processo  Administrativo  Eleitoral  ter  comprovado  que  foram  cumpridas  todas   as  exigências  previstas  neste  Regulamento.   Parágrafo   1º:   O   registro   das   Chapas   será   feito   atribuindo,   a   cada   uma,   um   número   de   identificação,  por  sorteio,  e  terá  publicidade  pela  ordem  dos  números  de  identificação,   na  forma  do  Parágrafo  2º  do  artigo  2º  deste  Regulamento,  no  máximo,  em  10  (dez)  dias.   Parágrafo  2º:  O  registro  constará  de  relação  das  Chapas,  com  os  respectivos  números  e   com  os  nomes  de  seus  respectivos  integrantes,  na  ordem  em  que  foram  inscritos.   Parágrafo  3º:  No  mesmo  prazo  de  que  trata  o  parágrafo  anterior,  a  CE-­‐UF  notificará  os   Responsáveis  pelas  Chapas  indeferidas,  por  meio  postal  e  eletrônico,  se  houver.   Artigo  13:  O  Responsável  pela  Chapa  que  tiver  seu  registro  indeferido  poderá  protocolar,   à  respectiva  CE-­‐UF,  defesa  ou  regularização,  inclusive  com  substituição  de  candidatos,  no   prazo  de  até  3  (três)  dias  a  partir  do  recebimento  da  notificação.   Parágrafo  único:  Na  hipótese  de  substituição,  o  candidato  substituto  deverá  ter  atendido   a   todas   as   condições   previstas   no   artigo   6º   deste   Regulamento   na   data   do   pedido   de   registro  da  Chapa  que  venha  integrar.   Artigo  14:  A  CE-­‐UF  julgará  os  argumentos  contra  o  indeferimento  dos  registros  no  prazo   máximo  de  5  (cinco)  dias  a  partir  do  recebimento  dos  protocolos,  quando  notificará  os  


Responsáveis   pelas   Chapas   julgadas,   na   forma   prevista   no   parágrafo   2º   do   artigo   12   deste  Regulamento.   Artigo   15:   A   qualquer   tempo,   as   Chapas   poderão   apresentar   pedido   de   desistência,   que,   caso  seja  protocolado  em  prazo  inferior  a  20  (vinte)  dias  antes  do  dia  da  votação,  não   gerará   efeitos   sobre   a   cédula   eleitoral,   sendo   os   votos   a   elas   destinados   considerados   nulos.   Capítulo  IV: Impugnações   Artigo   16:   Qualquer   eleitor   poderá   solicitar   a   impugnação   de   uma   Chapa   registrada,   mediante   documento   assinado,   protocolado   no   respectivo   CREA,   dirigido   à   respectiva   CE-­‐UF,  até  5  (cinco)  dias  depois  da  publicidade  de  que  trata  o  parágrafo  1º  do  artigo  12   deste  Regulamento,  vedado  o  pedido  de  impugnação  por  meio  eletrônico.   Parágrafo   único:   A   CE-­‐UF,   tendo   recebido   um   pedido   de   impugnação,   notificará   o   Responsável   pela   Chapa   impugnada,   na   forma   prevista   no   parágrafo   2º   do   artigo   12   deste   Regulamento,   no   prazo   máximo   de   5   (cinco)   dias,   a   partir   do   recebimento   do   protocolo.   Artigo   17:   O   Responsável   pela   Chapa   impugnada   terá   até   5   (cinco)   dias   de   prazo,   contados   do   recebimento   da   notificação   de   impugnação,   para   protocolar   defesa   ou   regularização,  inclusive  com  substituição  de  candidatos,  à  CE-­‐UF.   Artigo   18:   A   CE-­‐UF   julgará   os   argumentos   de   defesa   contra   a   impugnação   no   prazo   máximo   de   5   (cinco)   dias   a   partir   do   recebimento   do   protocolo,   quando   notificará   as   partes  interessadas  sobre  o  resultado  do  julgamento,  na  forma  prevista  no  parágrafo  2º   do  artigo  12  deste  Regulamento.   Artigo   19:   A   Chapa   terá   seu   registro   cassado,   sem   possibilidade   de   substituição   ou   regularização,  se  metade  mais  um  de  seus  componentes,  incluídos  Titulares  e  Suplentes,   forem  considerados  inelegíveis  ou  impugnados.   Parágrafo  1º:  As  CE-­‐UF  disponibilizarão  todas  as  suas  decisões  sobre  o  processo  eleitoral   no  sítio  eletrônico  da  eleição.   Parágrafo  2º:  As  comunicações  oficiais  encaminhadas  pela  CE-­‐UF  aos  Responsáveis  pelas   Chapas  deverão  ser  entregues  direta  e  imediatamente  ao  interessado,  mediante  recibo   ou   pelos   Correios   com   Aviso   de   Recebimento,   assim   como   deverão   ser   publicadas   nos   locais  públicos  de  avisos  dos  respectivos  CREAs.   Capítulo  V: Propaganda  Eleitoral   Artigo   20:   A   lista   das   chapas   registradas   definida   no   artigo   12   deste   Regulamento   será  


mantida   no   sítio   eletrônico   da   eleição   até   o   fim   do   processo   eleitoral,   a   título   de   propaganda  eleitoral  mínima.   Parágrafo   único:   A   pedido   da   CE-­‐UF,   a   Câmara   Especializada   de   Arquitetura   deverá   solicitar   ao   respectivo   CREA   que   encaminhe,   aos   eleitores   do   CAU   constantes   em   seu   cadastro,   mensagem   eletrônica   contendo   a   relação   mencionada   no   caput   deste   artigo,   bem  como  o  endereço  do  sítio  eletrônico  da  eleição.   Artigo   21:   A   CE-­‐UF   disponibilizará,   a   critério   das   Chapas,   no   sítio   eletrônico   da   eleição,   complementos  da  propaganda  eleitoral,  restritos  à  divulgação  das  fotos  dos  candidatos  e   de  síntese  de  seus  respectivos  currículos,  além  de  síntese,  de  no  máximo  200  palavras,   da  Carta-­‐Programa  de  cada  Chapa.   Parágrafo   1º:   As   Chapas   poderão   encaminhar,   à   CE-­‐UF,   até   4   (quatro)   mensagens   eleitorais  eletrônicas,  que  deverão  ser  enviadas,  pelo  respectivo  CREA,  aos  eleitores  do   CAU  nele  cadastrados,  cabendo  à  CE  Nacional  regulamentar  o  formato  das  mensagens.   Parágrafo  2º:  A  pedido  da  CE-­‐UF,  a  Câmara  Especializada  de  Arquitetura  deverá  solicitar   ao  respectivo  CREA  a  ampla  divulgação  a  todos  os  demais  assuntos  pertinentes  à  eleição,   utilizando   todos   os   meios   de   que   dispõem,   tais   como   jornais,   informativos,   sítios   eletrônicos  e  quadro  de  avisos  em  sua  sede  e  nas  Inspetorias  dos  respectivos  CREAs.   Artigo   22:   Qualquer   Chapa   pode   representar,   à   CE-­‐UF,   relatando   fatos,   provas   ou   indícios,  para  que  se  promova  apuração  de  abuso  na  propaganda  eleitoral.   Parágrafo   1º:   O   Presidente   da   CE-­‐UF,   de   ofício   ou   mediante   representação,   até   a   proclamação   dos   resultados   da   eleição,   deverá   instaurar   processo   e   notificar   o   Responsável  pela  Chapa  representada,  para  que  protocole  defesa,  no  prazo  de  5  (cinco)   dias   do   recebimento   da   notificação,   acompanhada   de   documentação   e,   se   necessário,   rol  de  testemunhas.   Parágrafo   2º:   O   Presidente   da   CE-­‐UF   pode   determinar   a   suspensão   da   propaganda   abusiva   denunciada,   se   entender   que   seja   necessária   para   preservar   a   normalidade   e   legitimidade  da  eleição.   Parágrafo   3º:   A   CE-­‐UF   decidirá   sobre   a   representação,   em   até   5   (cinco)   dias,   quando   notificará   as   partes   e   divulgará   a   decisão   na   forma   do   Parágrafo   2º   do   artigo   2º   deste   Regulamento.   Artigo   23:   A   decisão   que   julgar   procedente   a   representação   implicará   na   cassação   do   registro  da  Chapa  representada.   Parágrafo   1º:   Se   a   cassação   ocorrer   após   a   eleição,   implicará   na   anulação   dos   votos   e   na   perda  do  mandato  da  Chapa  cassada.   Parágrafo   2º:   Se   a   nulidade   atingir   mais   da   metade   dos   votos,   estará   anulada   a   eleição   e  


outra  será  convocada,  na  forma  do  artigo  29  deste  Regulamento.   Capítulo  VI: Colégios  Eleitorais  e  Voto   Artigo  24:  Os  Colégios  Eleitorais  são  formados  pelos  Arquitetos,  Arquitetos  Urbanistas  e   Engenheiros   Arquitetos   residentes   em   cada   unidade   da   federação   e   que   constem   no   cadastro  fornecido  pelo  respectivo  CREA  e/ou  pelo  CONFEA.   Parágrafo   único:   A   CCEARQ   solicitará   que   os   CREAs   e/ou   o   CONFEA   disponibilizem,   em   meio  digital,  no  formato  por  ela  definido,  os  cadastros  dos  profissionais  constantes  em   seus  arquivos,  que  irão  compor  os  Colégios  Eleitorais,  até   90  (setenta)  dias  antes  do  dia   da  eleição.   Artigo  25:  O  voto  será  obrigatório  e  será  exercido  diretamente  pelo  Arquiteto,  Arquiteto   Urbanista   ou   Engenheiro   Arquiteto   do   Colégio   Eleitoral   previsto   no   artigo   24   deste   Regulamento,  sendo  facultativo  para  aqueles  com  65  (sessenta  e  cinco)  ou  mais  anos  de   idade.   Artigo  26: Até  30  (trinta)  dias  antes  do  dia  da  eleição,  as  senhas  individuais  de  votação   serão  enviadas,  através  de  remessa  postal  e  por  meio  eletrônico,  se  houver,  a  todos  os   profissionais  que  compõem  os  Colégios  Eleitorais.   Parágrafo  único:  A  qualquer  tempo,  antes  do  dia  da  votação,  o  eleitor  poderá  alterar  sua   senha,  em  área  específica  do  sítio  eletrônico  da  eleição.   Artigo  27: O  profissional  que  deixar  de  votar  deverá  protocolar  justificativa  ao  CAU  do   seu  domicílio  eleitoral,  até  120  (cento  e  vinte)  dias  a  partir  da  sua  instalação.   Parágrafo   1º: Findo   o   prazo   sem   a   apresentação   de   justificativa,   ou   caso   a   justificativa   não  tenha  sido  acatada  pelo  CAU/BR,  o  profissional  passa  a  dever  a  multa  mínima  de  1   (uma)  anuidade,  prevista  no  inciso  IV  do  artigo  19  da  lei  12.378/2010.   Parágrafo  2º: Na  hipótese  de  o  profissional  não  ter  sido  incluído,  por  engano,  no  Colégio   Eleitoral,   ou   se   a   senha   de   votação   for   devolvida,   a   ausência   estará   automaticamente   justificada.   Artigo  28: A  eleição  será  realizada  exclusivamente  pela  Rede  Mundial  de  Computadores   -­‐  INTERNET,  não  sendo,  em  nenhuma  hipótese,  admitido  outro  tipo  de  votação.   Parágrafo  1º: A  votação  se  dará  através  da  Cédula  Eleitoral  do  Sítio  Eletrônico  da  Eleição,   mediante  a  senha  individual  previamente  fornecida.   Parágrafo  2º: A  cédula  eleitoral  do  sítio  eletrônico  da  eleição  poderá  ser  acessada  pelos   eleitores   no   dia   da   eleição,   a   partir   da   00:00h   (zero)   hora   até   as   20:00h   (horário   de   Brasília),  de  qualquer  parte  do  Brasil  ou  do  exterior,  exclusivamente  no  período  de  horas  


destinado  à  votação.   Parágrafo  3º: O  voto  será:   I   –   válido,   se   o   eleitor   preencher   o   campo   de   votação   da   cédula   eleitoral   com   uma   identificação  de  Chapa  regularmente  registrada  pela  CE-­‐UF.   II   – anulado,   se   o   eleitor   preencher   o   campo   de   votação   da   cédula   eleitoral   com   uma   identificação  de  Chapa  sem  registro  regular  pela  CE-­‐UF.   III   – deixado   em   branco,   se   o   eleitor   deixar   de   preencher   o   campo   de   votação   da   cédula   eleitoral.   Parágrafo  4º: A  cédula  eleitoral:   I   –   apresentará   ao   eleitor   a   Chapa   selecionada,   assim   que   sua   identificação   for   preenchida   no   campo   de   votação,   exibindo   os   nomes   dos   candidatos   Titulares   e   Suplentes,  na  ordem  em  que  foram  inscritos.   II   – permitirá   que   o   preenchimento   do   campo   de   votação   possa   ser   corrigido   pelo   eleitor.   III  – informará  ao  eleitor  que  o  voto  escolhido  será  nulo,  assim  que  uma  identificação  de   Chapa  não  registrada  pela  CE-­‐UF  for  preenchida  no  campo  de  votação.   IV   – informará   ao   eleitor   que   o   voto   será   deixado   em   branco,   ao   ser   acionado   o   comando  de  confirmação,  sem  o  preenchimento  do  campo  de  votação.   Parágrafo   5º: O   acionamento   do   comando   de   confirmação,   sem   a   correção   ou   preenchimento   do   campo   de   votação,   encerrará   a   participação   do   eleitor,   que   terá   validado,  anulado  ou  deixado  em  branco  o  seu  voto,  conforme  o  caso.   Parágrafo   6º: O   sistema   de   votação   incluirá   a   possibilidade   de   impressão   de   comprovante  de  votação.   Artigo   29: Havendo   nova   eleição,   será   a   mesma   realizada   no   prazo   de   até   30   (trinta)   dias,   a   partir   da   data   da   homologação   dos   resultados   pelas   CE-­‐UF   e   a   convocação   para   a   mesma  deverá  ser  feita  pela  CE  Nacional,  no  Diário  Oficial  da  União,  admitido  o  exercício   do  voto  exclusivamente  aos  profissionais  que  tiverem  votado  na  eleição  anulada.   Artigo   30: As   correspondências   encaminhadas   aos   eleitores   contendo   as   senhas   individuais   para   votação   e   que   forem   devolvidas,   serão   destinadas   ao   remetente e   ficarão  sob  sua  guarda  até  o  encerramento  do  processo  eleitoral.   Artigo   31: A   CCEARQ,   mediante   licitação   pública,   providenciará   a   contratação   de   empresa  especializada  para  promover  auditoria  no  ambiente  citado  no  parágrafo  1º  do  


artigo  28  deste  Regulamento,  antes,  durante  e  após  a  eleição.   Artigo   32: Após   a   votação,   a   cédula   eleitoral   permitirá   a   impressão   de   relação   dos   votantes   e   não   votantes   em   cada   Estado   e   no   Distrito   Federal,   que   será   anexada   ao   Processo  Administrativo  Eleitoral  pela  respectiva  CE-­‐UF.   Artigo   33:   Nos   CAUs   Estaduais   e   do   Distrito   Federal,   será   assegurada   a   representação   proporcional   das   chapas   concorrentes   que   tiverem   obtido   número   de   votos   igual   ou   superior   ao   número   de   votos   válidos   em   cada   Estado   ou   no   Distrito   Federal,   dividido   pelo   respectivo   número   de   Conselheiros,   definido   na   forma   dos   incisos   I   a   IV   do   parágrafo  1º  do  artigo  32  da  lei  12.378/2010.   Parágrafo   1º:   No   cálculo   da   proporcionalidade   prevista   no   caput   deste   artigo,   a   maior   fração   será   arredondada   para   o   número   inteiro   imediatamente   superior   e   as   demais   frações  serão  arredondadas  para  o  número  inteiro  imediatamente  inferior.   Parágrafo   2º:   Na   aplicação   da   proporcionalidade   prevista   no   caput   deste   artigo,   prevalecerá   a   ordem,   do   primeiro   ao   último,   dos   candidatos   a   Conselheiros   inscritos   por   cada  uma  das  chapas  concorrentes,  saindo  os  últimos  da  chapa  majoritária  e  entrando   os  primeiros  da  chapa  minoritária.   Capítulo  VII: Resultados  da  Eleição   Artigo  34:  Os  resultados  da  eleição  serão  anunciados  pela  CE  Nacional  de  imediato,  no   Sítio   Eletrônico   da   Eleição,   logo   após   a   apuração   dos   votos,   e,   depois   de   homologados   pelas   CE-­‐UF,   serão   publicados   pela   CE   Nacional   mediante   Edital,   na   forma   prevista   no   Parágrafo   1º   do   artigo   2º   deste   Regulamento,   no   prazo   máximo   de   5   (cinco)   dias   contados  a  partir  do  dia  seguinte  ao  da  eleição.   Parágrafo   1º:   Os   recursos   e   pedidos   de   impugnação   contra   o   resultado   das   eleições   deverão   ser   protocolados   à   respectiva   CE-­‐UF,   no   prazo   de   5   (cinco)   dias,   contados   a   partir  da  data  da  publicação  do  resultado.   Parágrafo  2º:  A  CE-­‐UF  divulgará  o  resultado  do  julgamento  dos  pedidos  de  impugnação   em  até  5  (cinco)  dias,  na  forma  prevista  no  Parágrafo  2º  do  artigo  2º  deste  Regulamento.   Artigo   35:   Ultimado   o   processo   eleitoral,   a   CE-­‐UF   encerrará   o   Processo   Administrativo   Eleitoral   e   expedirá   Diplomas   aos   eleitos   para   os   respectivos   CAUs   e   para   o   CAU/BR,   conforme  o  Anexo  9  deste  Regulamento,  que  os  habilitarão  ao  exercício  dos  mandatos.   Parágrafo  único:  O  Conselheiro  eleito  somente  tomará  posse  mediante  a  apresentação   do  Diploma  previsto  no  caput  deste  artigo.   Artigo   36:   Os   profissionais   diplomados   Conselheiros   Titulares   e   Suplentes   do   CAU/BR   tomarão  posse  perante  a  Coordenadoria  das  Câmaras  Especializadas  de  Arquitetura  do  


CONFEA.   Parágrafo   1º:   O   Conselheiro   Federal   Suplente,   a   seu   critério,   poderá   tomar   posse   perante  a  sua  respectiva  Câmara  Especializada  de  Arquitetura.   Parágrafo   2º:   O   Presidente   do   CAU-­‐BR   será   eleito   por   seus   pares,   na   Primeira   Reunião   Plenária,  até  10  (dez)  dias  depois  da  posse  dos  Conselheiros.   Artigo   37:   Os   profissionais   diplomados   Conselheiros   Titulares   e   Suplentes   dos   CAUs   Estaduais   e   do   Distrito   Federal   tomarão   posse   perante   a   Câmara   Especializada   de   Arquitetura  do  respectivo  CREA.   Parágrafo   único:   Os   Presidentes   dos   CAUs   Estaduais   e   do   Distrito   Federal   serão   eleitos   por   seus   pares,   na   Primeira   Reunião   Plenária   de   todos   os   CAUs,   até   10   (dez)   dias   depois   da  posse  dos  Conselheiros.   Capítulo  VIII: Disposições  Finais   Artigo   38:   Os   casos   omissos   neste   Regulamento   serão   examinados   e   decididos   pela   CE   Nacional,  quando  apresentados  pelas  CE-­‐UF,  ou  diretamente  pelos  interessados.   Parágrafo  1º:  Os  prazos  constantes  deste  Regulamento  são  contados  em  dias  corridos.   Parágrafo  2º:  Se  o  vencimento  do  prazo  se  der  em  dia  não  útil,  ficará  automaticamente   prorrogado  para  o  dia  útil  imediatamente  seguinte.     Brasília,  13  de  maio  de  2011.     Arquiteto  Jorge  Raineski Coordenador  da  CCEARQ  


Regulamento das eleições