Issuu on Google+

Siga-nos no facebook ABRIL 2013 | ANO VI | N.º51 | MENSAL | €5

PEDRO

MOTA SOARES “JULGO QUE A RESPOSTA À CRISE ESTÁ, FUNDAMENTALMENTE, NA REDUÇÃO DO PESO DO ESTADO” ESPECIAL ANIVERSÁRIO ROSTOS DA FRONTLINE

GRANDE PRÉMIO DE MACAU 60.ª EDIÇÃO

ANDRÉA NATAL COPACABANA PALACE

JOÃO CUPERTINO PAIXÃO PELA FOTOGRAFIA

TOP TEN

O MELHOR DOS MELHORES

SALÃO AUTOMÓVEL DE GENEBRA NOVIDADES SOBRE RODAS

6


EDITORIAL

ESPERANÇA NO FUTURO

Pedro Mota Soares, ministro da Solidariedade e da Segurança Social, revelou em entrevista à FRONTLINE que, para si, a política é “um compromisso” em que, numa “perspetiva de missão”, se empenha francamente. Ciente de que, até este momento, “Portugal não acautelou o futuro”, Mota Soares acredita que se o tivéssemos feito, teríamos percebido que “não nos podíamos manter num rumo em que o que gastávamos hoje não teria cabimento, sequer, com o que produzíamos amanhã”. O ministro refere ainda que “a reforma do sistema [Segurança Social] está a ser estudada precisamente para que a sua sustentabilidade seja assegurada e a continuidade acautelada”. É necessário “um sistema que permita mais liberdade de organização do futuro, especialmente para os mais jovens”, sublinha. Para Pedro Mota Soares, é agora tempo de “resgatar esse mesmo futuro” e para tal é necessário “agir em consonância, não cedendo às tentações das gerações anteriores, e não desejando um Estado que nunca conseguiremos suportar”. Rostos da FRONTLINE Ao longo das últimas 10 edições, a política foi, sem dúvida, um tema sobre o qual nos debruçámos, prova disso são as diversas capas que lhe dedicámos. Dando protagonismo tanto ao Governo como à oposição, entrevistámos António José Seguro, secretário-geral do PS, o principal partido da oposição;Teresa Morais, secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade; Cecília Meireles, a então secretária de Estado do Turismo; Álvaro Santos Pereira, ministro da Economia e do Emprego; Carlos Zorrinho, líder parlamentar da bancada do PS; Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, e Álvaro Beleza, dirigente nacional do PS e responsável pela área da Saúde. Por outro lado, é de referir ainda uma preocupação especial com a economia, nomeadamente com a entrevista a Luís Mira Amaral, atual CEO do Banco BIC, e com a justiça, com a entrevista ao bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho e Pinto. Outra das áreas abordadas foi o desporto, com destaque para a entrevista a Luís Filipe Vieira, presidente do Sport Lisboa e Benfica.

4/FRONTLINE

Grande Prémio de Macau Realizado pela primeira vez em outubro de 1954 como uma corrida para amantes locais do desporto automóvel, o Grande Prémio de Macau transformou-se naquela que muitos consideram a melhor prova em circuito urbano do mundo. A competição automóvel foi a fórmula encontrada pelas autoridades locais para promoverem Macau enquanto destino turístico, em contraponto com a vizinha Hong Kong. As corridas tornaram-se assim um dos ex-líbris macaenses. Celebrando no presente ano a sua 60.ª edição, este evento promete, como sempre, não desiludir. Copacabana Palace, hotel maravilhoso Andréa Natal assumiu, recentemente, as funções de gerente geral do Copacabana Palace. Revelando, em entrevista à FRONTLINE, que este é um cargo “muito exigente”, refere que conta com “uma equipa muito boa, a dar suporte em todas as áreas”. Para a gerente geral, o hotel clássico, quase a celebrar 90 anos, “é um oásis na cidade”, talvez por isso seja capaz de atrair tanta gente jovem, que procura um serviço diferenciador. Alvo de um processo de remodelação onde foram investidos cerca de 12 milhões de euros, o Copacabana Palace está preparado para receber eventos como o Mundial de Futebol e os Jogos Olímpicos. Aniversário Mantendo o compromisso de levar até aos leitores informações relevantes e atualizadas sobre diversas áreas, a FRONTLINE orgulha-se de completar mais um ano de existência. Nesta edição de aniversário, incluímos um Top Ten baseado nas escolhas de toda a equipa, que viajou nestes seis anos por vários destinos no mundo. Agradecendo a todos os que connosco têm percorrido esta estrada, nomeadamente anunciantes, parceiros e leitores, prometemos continuar sempre na linha da frente. Uma vez mais, toda a equipa da FRONTLINE está de parabéns!


SUMÁRIO

8/ NEWS 14/ G RANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares 26/ O PINIÃO

14

José Caria Isabel Meirelles Carlos Zorrinho Fernando Santo Adalberto Campos Fernandes

32/

E M FOCO

44/

G  RANDE ANGULAR

Especial Aniversário Recuperação de Portugal

48/ E SPECIAL

44

Grande Prémio de Macau

54/

D  OSSIER

60/

H  OTELARIA

66/

M  AGAZINE

João Cupertino Andréa Natal Marketing Olfativo

60

6/FRONTLINE FICHA TÉCNICA Diretor: Nuno Carneiro | Diretores Adjuntos: João Cordeiro dos Santos e Casimiro Gonçalves | Editora: Ana Laia | Chefe de Reda­ção: Patrícia Vicente | Colaboradores: Fernanda Ló, Filomena G. Nascimento, Isabel Meirelles, José Caria, M. Sardinha, Maria João Matos, Rui Calafate, Rui Madeira | Revisão: Helena Matos | Fotografia: David Pisco, Eduardo Grilo, Fernando Piçarra, João Cupertino, Luis Filipe Catarino/Presidência da República, Nuno Madeira, Vítor Pires | Diretor Comercial: Miguel Dias | Consultor de Publicidade: Carlos Tavares | Sede: Airport Business Center Avenida das Comunidades Portuguesas Aerogare, 5º piso–Aeroporto de Lisboa 1700 – 007 Lisboa - Portugal | Tel. 210 998 039 | E-mail: geral@hvp-design.pt | Registada no ICS com o n.º 125341 | Depósito Legal n.º 273608/08 Impresso num país da U.E. | www.revistafrontline.com | Facebook: RevistaFRONTLINE


70/

70

T  OP TEN FRONTLINE

72/ E M DESTAQUE

Salão Automóvel de Genebra

76/ M OTORES BMW

82/ O N THE ROAD 86/ S OCIAL

International Club of Portugal

72

88/ L IVROS 90/ JOIAS 92/ R ELÓGIOS 94/ E XPOSIÇÃO 96/ M ÚSICA 98/ AGENDA

76

FRONTLINE/7


NEWS Grande Real Villa Itália Hotel & Spa lança brunch

O Grupo Hotéis Real acaba de criar, no Grande Real Villa Itália Hotel & Spa, o Brunch à Boca do Mar, inspirado na qualidade e tradição da gastronomia portuguesa. O conceito reflete o próprio posicionamento do Grupo, que prima pela tradição e os elementos tipicamente portugueses. Ao melhor da gastronomia nacional, junta-se o cenário do mar de Cascais. A oferta é completa e diversificada, numa refeição que conjuga dois momentos que se fundem num só: o pequeno-almoço e o almoço. No primeiro momento, destacam-se o pão de Mafra, os pastéis de nata, as compotas de frutos caseiras, a charcutaria portuguesa e os sumos naturais. No segundo momento, é de realçar a variedade de entradas e saladas, tais como os pastelinhos crocantes de bacalhau, a morcela assada com maçã e a salada de polvo. Nos pratos de peixe primam o pica-pau de peixe com lâminas de amêndoa tostada e espetada do mar com três variedades de peixe. Já na oferta de carnes, a alheira é o ingrediente chave no prato de almôndegas. O chef Paulo Pinto oferece ainda pica-pau salteado à portuguesa ou crocante de leitão. Para finalizar, entre as sobremesas estão os tradicionais arroz-doce, leite-creme, travesseiros, pratas de Cascais, entre muitos outros. Os visitantes poderão também selecionar a sua combinação de ingredientes e assistir à confeção dos seus pratos de risotto e massas no show cooking, descobrindo os segredos do chef para as melhores receitas de domingo.

Terraço BA prepara-se para a primavera

O Terraço BA, no Bairro Alto Hotel, repensou a sua carta e apresenta novas propostas para a primavera, que reforçam as opções de quem escolhe este espaço para um almoço no centro da cidade, sempre acompanhado de uma vista única internacionalmente reconhecida. Salada vegetariana de papaia e queijo fresco e sanduíche vegetariana são algumas das novidades mais leves e saudáveis da carta que se apresentam como agradáveis opções para almoços descontraídos e rápidos. E para que desfrute ao máximo da experiência, o Terraço lança também novos cocktails: Challenge (Gin com sementes de cardamomo, alfazema e sumo de lima), Daiquiri de Morango e Caipirinha de Maracujá. Na carta, apesar das novidades, será possível encontrar as referências de sempre, como o prego do lombo em bolo de caco e queijo da ilha, o hambúrguer Bairro Alto e, como não podia deixar de ser, o Mojito, considerado um dos melhores da cidade. Eleito, em 2011, o 4.º Melhor Terraço de Hotel do Mundo, o Terraço BA é um espaço único e acolhedor.

Grant’s True Tales está de volta

O maior evento de storytelling em Portugal, o Festival Grant’s True Tales, está de volta para a segunda edição, com muitas novidades. A decorrer nos dias 11, 12 e 13 de abril, no Teatro São Jorge, em Lisboa, o festival vai contar com um cartaz repleto de personalidades nacionais que se destacam em diferentes áreas, da música à representação, passando pela escrita e televisão, que vão partilhar com o público histórias verdadeiras, contadas na primeira pessoa. Nesta edição do Festival Grant’s True Tales, o ator Joaquim de Almeida será o anfitrião do evento e, juntamente com muitos outros storytellers, vai contar algumas histórias verdadeiras. Ana Bacalhau, Carlos do Carmo, Herman José, Nuno Markl, Sandra Barato Belo e Valter Hugo Mãe estão também já confirmados no cartaz.

MSC Preziosa em Lisboa

Lisboa recebeu no passado dia 16 de março, o MSC Preziosa, o 12.º navio da frota da MSC Cruzeiros, com capacidade para 4345 passageiros e 1390 tripulantes. Lisboa foi a primeira cidade a receber o navio após a saída do estaleiro em St. Nazaire, França. Na cerimónia estiveram presentes cerca de 180 pessoas, convidados da companhia e imprensa, que assistiram à habitual troca de placas entre o comandante do navio, Giuliano Bossie, e as autoridades portuárias de Lisboa. Após a capital portuguesa, o MSC Preziosa fez escala em Cádis e Casablanca, e ainda em Valência, Marselha e Génova. Aqui decorreu a cerimónia de batismo do navio, no dia 23 de março, com a presença de Sophia Loren, num grandioso e exclusivo evento na companhia de celebridades internacionais, convidados especiais e ilustres artistas.

8/FRONTLINE


NEWS Zenith patrocina exposição de pintura e escultura

A Zenith patrocina a exposição de pintura e escultura do artista Agostinho Santos, que está patente de 23 de março a 7 de maio, na Marcolino Art Gallery, no Porto. A exposição intitulada Confidências da cor da palavra apresenta mais de 20 trabalhos, de conceção recente, em tela, acrílico e guache. A Zenith apoia esta iniciativa que visa a promoção dos artistas e da cultura da cidade do Porto e tem também em exposição algumas peças excecionais, como o El Primero Turbilhão, o novo Pilot Doublematic em ouro rosa, e outras peças de alta relojoaria da manufatura suíça. Confidências da cor da palavra pretende ser uma reflexão/homenagem à fusão da palavra com a imagem, através de textos e de personagens como José Saramago, Manuel António Pina, Pedro Abrunhosa, Álvaro Magalhães, Valter Hugo Mae, Gonçalo M. Tavares, Ilda Figueiredo, Albano Martins, Manoel de Oliveira, Mário Cláudio e Miguel Miranda, entre outros.

Lisboa eleita o segundo “Melhor Destino Europeu 2013”

Lisboa foi eleita o segundo “Melhor Destino Europeu 2013”, com base nos resultados da votação numa lista de 20 cidades propostas pela Associação dos Consumidores Europeus. Com apenas 439 votos de diferença da cidade vencedora, Istambul, a capital portuguesa ficou à frente de Viena, Barcelona, Amesterdão, Madrid, Valeta, Nice, Milão e Estocolmo. A posição alcançada por Lisboa atribui-lhe o direito de utilização do logo “European Best Destinations 2013” nas suas comunicações, site e documentos oficiais. O posicionamento de Lisboa enquanto destino turístico de eleição tem vindo a consolidar-se, de forma sustentada, e o reconhecimento dessa mesma evolução confirma-se através dos diversos prémios atribuídos pelas mais prestigiadas entidades do setor do Turismo a nível mundial.

Escola Nacional de Saúde Pública promove curso A Escola Nacional de Saúde Pública, da Universidade Nova de Lisboa, apresenta o curso de Extensão Universitária - Políticas e Estratégias de Sistemas e Organizações de Saúde (PESOS), que se realiza de 10 de maio a 15 de novembro de 2013. A coordenação está a cargo de Adalberto Campos Fernandes, Carlos Costa e Paulo Sousa. Neste contexto de mudança e, simultaneamente, oportunidade, é pertinente a apresentação de um curso com esta natureza (curso de extensão universitária destinado a licenciados que exercem funções na área da saúde, preferencialmente, em lugares de chefia/coordenação/direção intermédia) e conteúdos, onde são abordados temas como: a organização e governação dos sistemas de saúde; o financiamento e modelos de gestão, planeamento e gestão estratégica; acesso, equidade e avaliação económica; produção e desempenho das organizações de saúde; e qualidade, segurança do doente e governação clínica. O Curso de PESOS tem como finalidade a aquisição, aprofundamento e desenvolvimento de conhecimentos e de competências avançadas para o estudo e análise de temas e realidades no domínio das políticas e estratégias de saúde.

Lisboa Marriott Hotel com nova diretora de Vendas & Marketing

Maria Manuela Durão é a nova diretora de Vendas & Marketing do Lisboa Marriott Hotel. Com formação em Turismo e Gestão pelo Instituto de Novas Profissões, Maria Manuela Durão é uma das muitas mulheres que ajudam a afirmar a qualidade da hotelaria que se faz por cá, mesmo quando se trata de cadeias internacionais. Com 13 anos de experiência na indústria hoteleira e na área de vendas e marketing, ao longo da sua carreira passou por várias cadeias nacionais e internacionais. Começou o seu percurso profissional em 1990, no departamento de Reservas Individuais e Grupos, no Hotel Penta Courbevoie – Paris, transitando um ano depois para promotora de vendas Corporate do Hotel Sofitel Lisbon Liberdade. Desempenhou ainda funções de direção de vendas em diversas cadeias hoteleiras, nomeadamente Grupo Accor (1994-2000), Le Meridien Park Atlantic Lisboa (2004-2008), Tiara Hotels & Resorts (2008-2010), Sleep Hotels (2012-2013).

10/FRONTLINE


E X C L U S I V O

CRUZEIROS HALCON VIAGENS

13 NOITES DESDE

PARTIDA A 10 DE ABRIL DE LISBOA

FIORDES DA NORUEGA

PARTIDA A 31 DE MAIO DE LISBOA

899€

AVIÃO DESDE LISBOA COM DESTINO A SAN JUAN 3 NOITES EM PUERTO RICO + 10 NOITES DE CRUZEIRO A BORDO DO BRILLIANCE OF THE SEAS

AVIÃO LISBOA-COPENHAGA-LISBOA 1 NOITE EM COPENHAGA + 7 NOITES DE CRUZEIRO A BORDO DO VISION OF THE SEAS

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO EXTERIOR COM VIGIA:

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

870€ + TAXAS: 422€ | TOTAL: 1.292€

899€ + TAXAS: 316€ | TOTAL: 1.215€

5 NOITES DESDE

324€

MEDITERRÂNEO PARTIDA A 25 DE ABRIL DE BARCELONA

9 NOITES DESDE

BÁLTICO

SAÍDA A 20 DE JULHO DE LISBOA

1.179€

5 NOITES DE CRUZEIRO A BORDO DO LIBERTY OF THE SEAS

AVIÃO LISBOA-ESTOCOLMO-LISBOA 2 NOITES EM ESTOCOLMO + 7 NOITES A BORDO DO VISION OF THE SEAS

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

324€ + TAXAS: 138€ | TOTAL: 462€

1.179€ + TAXAS: 345€ | TOTAL: 1.524€

CARAÍBAS ORIENTAIS SAÍDA A 23 AGOSTO DE LISBOA

8 NOITES DESDE

1.150€

CARAÍBAS OCIDENTAIS SAÍDA A 30 AGOSTO DE LISBOA

8 NOITES DESDE

1.100€

AVIÃO LISBOA-MIAMI-LISBOA 1 NOITE EM MIAMI + 7 NOITES A BORDO DO OASIS OF THE SEAS

AVIÃO LISBOA-MIAMI-LISBOA 1 NOITE EM MIAMI + 7 NOITES A BORDO DO OASIS OF THE SEAS

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

1.150€ + TAXAS: 620€ | TOTAL: 1.770€

1.100€ |TAXAS: 620€ | TOTAL: 1.720€

BÁLTICO

SAÍDA A 30 AGOSTO DE LISBOA

8 NOITES DESDE

999€

AVIÃO LISBOA-COPENHAGA-LISBOA 1 NOITE EM COPENHAGA + 7 NOITES A BORDO DO VISION OF THE SEAS PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

999€ | TAXAS: 359€ | TOTAL: 1.358€

DE LISBOA A MIAMI SAÍDA A 28 DE OUTUBRO DE LISBOA

14 NOITES DESDE

553€

AVIÃO MIAMI-LISBOA 1 NOITE EM MIAMI + 13 NOITES A BORDO DO VISION OF THE SEAS PREÇO BASE POR PESSOA EM CAMAROTE DUPLO INTERIOR:

553€ | TAXAS: 446€ | TOTAL: 999€

RNAVT. 2281

870€

DE PUERTO RICO A LISBOA

8 NOITES DESDE

Consulte uma agência Halcon Viagens para conhecer o itinerário e respectivas condições correspondentes a cada programa.

707 200 201

Halcon.pt


NEWS Hotel Cascais Miragem apresenta nova carta

Os chefs de cozinha do Hotel Cascais Miragem, Peter Beckers e Elias Silva, criaram um delicioso menu de primavera-verão, inspirado em sabores frescos, texturas leves e muita cor como a época sugere. De entre as principais sugestões, destacam-se o lombo de lavagante salteado em caramelo de citrinos; dueto de linguado e polvo com xarém de amêijoas; magret de pato roti com pera rocha e fricassé de cogulemos selvagens. A partir de junho, regressam os famosos jantares “Brisas Tropicais”, num mundo de sensações gastronómicas interessantes, criativas e deliciosas. O Restaurante Gourmet está aberto diariamente para jantares das 19h30 às 22h30. Reservas para 210 060 600 ou para geral@cascaismirage.com

The Beautique Hotel Figueira abre portas

Situado no coração de Lisboa, em plena Praça da Figueira, o The Beautique Hotel Figueira abriu as suas portas no passado dia 7 de março, numa inauguração oficial conduzida pelo presidente da Câmara, António Costa. Com um conceito único na Baixa lisboeta, este hotel de categoria de quatro estrelas superior, assinado por Nini Andrade e Silva, oferece uma experiência de visita única. Pensado e desenvolvido ao pormenor, tem como fonte de inspiração a Figueira, alma do espaço que se reflete em todos os pisos. Como se de uma escultura se tratasse, a “Figueira” nasce no piso -1 e cresce até ao topo do hotel. Todo o espaço é envolvido por elementos da árvore, presentes nos detalhes e pormenores decorativos: nos tons das paredes e mobiliário em castanho e verde, alusivos às cores da natureza; nos 50 quartos onde se encontram grandes fotografias de folhas de figueira, figos e troncos; nos corredores onde existem projeções multimédia com imagens de figos e paredes esculpidas; ou no piso -1 onde está uma das mais bonitas peças desenhadas por Nini Andrade e Silva, um grande lavatório em forma de figo aberto, esculpido de forma magistral, que será sem dúvida uma referência deste novo espaço. O conforto, o requinte, a elegância e o serviço são o cartão de visita desta unidade que, além de um ginásio exclusivo para hóspedes, conta ainda com um restaurante tipicamente português, o Honra – com assinatura de Olivier –, um bar e um spa com banho turco, sauna e duas salas de massagem, com uma vista privilegiada sobre a cidade de Lisboa. O The Beautique Hotel Figueira é um hotel orgulhosamente chique, contemporâneo, confortavelmente moderno, nascido para o estilo e para o luxo sustentável.

Chef Executivo da Fortaleza do Guincho distinguido Vincent Farges, chef executivo da Fortaleza do Guincho, que conta já com uma estrela Michelin, foi distinguido pela Academia Internacional de Gastronomia com o “Prix du Chef de l’Avenir”. O prémio, decidido em Assembleia-Geral da Academia, em França, visa reconhecer os talentos emergentes da cozinha internacional e é uma das categorias dos “Grands Prix et Prix”, atribuídos anualmente por este organismo. Ao lado do chef Vincent Farges estão outros nomes de peso da alta cozinha mundial: o sueco Magnus Nilsson, do restaurante Fäviken, considerado um dos melhores do mundo; e o catalão Jordi Cruz, do ABAC, com duas estrelas Michelin, entre outros. Mas não é a primeira vez que a equipa da Fortaleza do Guincho é distinguida pela Academia Internacional de Gastronomia. No ano passado, Inácio Loureiro, o escanção do restaurante, recebeu o “Prix du Sommelier”, que destaca profissionais do setor pelos seus conhecimentos e habilidade na harmonização dos vinhos com a comida. No ano do seu 15.º aniversário, a Fortaleza continua em grande e com motivos para celebrar!

24 Horas de Le Mans: revelado o Alpine N.º 36

Depois do anúncio, no passado dia 8 de março, da participação da equipa Signatech-Alpine nas 24 Horas de Le Mans e no European Le Mans Series, foi revelado, no Atelier Renault em Paris, o protótipo que ostentará o número 36 ao longo da temporada de 2013. O regresso da Alpine às provas de resistência, depois de 35 anos de ausência, representa mais um capítulo no processo de ressurgimento da marca antes da comercialização, em 2016, do primeiro modelo desenvolvido pela Société des Automobiles Alpine-Caterham. Anunciada foi também a formação que participará nas 24 Horas de Le Mans: Nelson Panciatici e Pierre Ragues – que disputarão todo o campeonato ELMS –, aos quais se juntará Tristan Gommendy para a prova no mítico circuito de la Sarthe.

12/FRONTLINE


NOVO CIVIC 1.6 DIESEL 3,6L/100KM - 120CV

Máximas prestações, consumo mínimo, graças ao novo motor 1.6 i-DTEC com Earth Dreams Technology, que incorpora novas tecnologias de última geração, garantindo uma condução dinâmica e eficiente. Venha conhecê-lo.

CONHEÇA AS NOVAS PROPOSTAS IRRECUSÁVEIS NUM CONCESSIONÁRIO HONDA.

Consumo combinado de combustível (L/100km): 3,6 a 3,7: emissões de CO2 (g/km): de 94 a 98

www.honda.pt


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

“É IMPORTANTE QUE O AJUSTAMENTO TENHA EM CONSIDERAÇÃO O ESFORÇO QUE O POVO PORTUGUÊS TEM VINDO A ASSUMIR HEROICAMENTE” por Nuno Carneiro

Natural de Lisboa, Pedro Mota Soares é licenciado em Direito e especializado em legislação laboral. Foi presidente da Juventude Popular entre 1996 e 1999. Entre 2002 e 2005 ocupou o cargo de secretário-geral do CDS-PP, fazendo também par te da sua Comissão Diretiva. Na Assembleia da República, foi deputado, vice-presidente e presidente do Grupo Parlamentar do CDS. Foi ainda deputado municipal de Oeiras e de Cascais. Par ticipou nas negociações entre o CDS e o PSD que conduziram à formação da coligação que permitiu a formação do XIX Governo Constitucional, que viria a integrar como ministro da Solidariedade e da Segurança Social. Para Pedro Mota Soares, este é um compromisso que assumiu “numa perspetiva de missão” e no qual se empenha “francamente”. Na sua opinião, e até este momento, “Por tugal não acautelou o futuro”, pois se o tivesse feito, “teria percebido que não nos podíamos manter num rumo em que o que gastávamos hoje não teria cabimento, sequer, com o que produzíamos amanhã”, afirma. Para o ministro, é agora tempo de “resgatar esse mesmo futuro”. 14/FRONTLINE


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

FRONTLINE/15


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

Em 1996, foi eleito presidente da Juventude Centrista/Popular e desempenhou essas funções até ao final de 1999. De que forma a sua militância e, em especial, a sua presidência na Juventude Popular contribuíram para o homem e para o político que é hoje? Em resultado de muitos quadros de reconhecida craveira que por ali passaram ou a influenciaram, a Juventude Popular (JP) é hoje, e tem sido, uma escola de valores extremamente positiva. Muitos são aqueles que cresceram com referências como Adriano Moreira. E a este propósito, dizia o professor sobre a necessidade da escala de valores a adotar: “a realidade é como a roda que está sempre em andamento e mudança e cujo eixo são os valores que acompanham a roda mas não andam. Sem valores, o poder da palavra não é suficiente nem eficaz”. Parte dos meus valores foram consolidados na JP e identifico-me bastante com estas palavras. Para si a política é... Servir. Citando o recentemente eleito Papa Francisco, “o verdadeiro poder é servir”. A política tem de ser um serviço e um compromisso. Um compromisso que

16/FRONTLINE

assumi e em que, numa perspetiva de missão, me empenho francamente. Hoje estou ministro, não “sou” ministro. Mas a atitude de serviço será sempre total. Como surgiu o seu interesse pela política? Resultante de um processo de constante e gradual compromisso a que tive de ir respondendo e que me agrada bastante. Quando se gosta do que se faz, a motivação é outra e a entrega também. Antes de iniciar funções como ministro, ganhou notoriedade sendo a face mais visível do Grupo Parlamentar do CDS. Como classifica e descreve o trabalho desse grupo parlamentar, quer ao longo dos anos de oposição ao Governo de José Sócrates, quer neste contexto em que o CDS faz parte do Governo? Os nossos deputados sempre se pautaram pela qualidade das intervenções e pela capacidade de trabalho. Enquanto fui líder parlamentar, sempre contei com a dedicação de todos para que o CDS fosse sempre o grupo parlamentar mais produtivo. Este espírito de entrega


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

Os portugueses são capazes de suportar mais medidas de austeridade?

“JULGO QUE A RESPOSTA À CRISE

ESTÁ, FUNDAMENTALMENTE, NA REDUÇÃO DO PESO DO ESTADO”

aliado à massa crítica é para mim uma mais-valia. É algo que deve continuar a ser uma marca CDS. Mas confesso que tenho saudades de quando só trabalhava 12 horas por dia (risos). Foi precisamente enquanto líder parlamentar que se destacou como uma das vozes mais visíveis do CDS na crítica à governação socialista. Entre as principais “vítimas” desses anos encontram-se os jovens. De que forma é que, em sua opinião, as gerações futuras se viram prejudicadas pelas políticas seguidas pelos governos PS? O que está a ser feito pelo atual Governo para minimizar os efeitos provocados por esses governos? Durante esse período, Portugal não acautelou o futuro. Se o tivesse feito, teria percebido que não nos podíamos manter num rumo em que o que gastávamos hoje não teria cabimento, sequer, com o que produzíamos amanhã; um rumo em que a insustentabilidade era crescente e o futuro era hipotecado; um rumo em que o pagamento da fatura e as reformas que se impunham eram sistematicamente

adiadas. Esse rumo hipotecou as gerações futuras. Cabe-nos agora o trabalho de resgatar esse mesmo futuro. O país atravessa uma grave crise financeira que tem provocado significativos problemas a nível social. O momento que vivemos provocará profundas mudanças na nossa forma de viver. Como é que os jovens deverão perspetivar o seu futuro tendo em conta o que se passa em Portugal e no mundo? O momento constitui um enorme desafio e apela ao melhor de cada um de nós. Portugal deverá saber reinventar-se e restruturar-se para ultrapassar este período. Certas reformas, nomeadamente na Administração Pública, terão de ser estruturais e abrangentes por forma a garantir que no futuro não voltemos a padecer dos erros do passado. As rescisões amigáveis no Estado têm esse objetivo e estamos muito focados na necessidade de encontrar francos pontos de equilíbrio que permitam uma redução estrutural. Os jovens deverão agir em consonância, não cedendo às tentações das gerações anteriores, e não desejando um Estado

que nunca conseguirão suportar. Só assim melhorarão o seu futuro e não deixarão para a geração seguinte a mesma herança que receberam. Os portugueses são capazes de suportar mais medidas de austeridade? Julgo que a resposta à crise está, fundamentalmente, na redução do peso do Estado, numa transformação daquelas que são hoje as atribuições do Estado e numa mudança das suas responsabilidades. Uma reforma do Estado é desejável. Mais do que uma dieta, é preciso reformular o Estado. Até para assegurar o modelo social europeu que desejamos manter. O seu ministério é a principal face daquilo a que o Governo chama de “ética social na austeridade”. O exemplo mais notório dessa ética social está evidenciado no Programa de Emergência Social. De que forma esse programa é capaz de contrabalançar a austeridade com que os portugueses têm de viver? O Programa de Emergência Social inscrito nestes dois últimos orçamentos

FRONTLINE/17


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

Quais as maiores dificuldades que encontrou no exercício do seu cargo?

“É TEMPO DE A UNIÃO EUROPEIA PERCEBER

QUE NÃO PODE SER RÁPIDA A SALVAR BANCOS E LENTA A SALVAR AS PESSOAS”

do Estado, com uma verba de cerca de 630 milhões de euros, foi desenhado para o combate à exclusão social, para proteger aqueles que têm mais dificuldades e mitigar ou salvaguardar dos sacrifícios aqueles que a eles não podem responder. Nesse sentido definiram-se cinco pilares prioritários: famílias, idosos, pessoas com deficiência, instituições sociais e voluntariado. O conjunto de medidas que visam responder a estas prioridades já está em andamento e a sua execução financeira no ano de 2012 rondou os 100%. Foi por via do Programa de Emergência Social que atualizámos as pensões mínimas, sociais e rurais para um milhão de portugueses, para 40% do universo dos pensionistas, quando no Governo anterior tinham sido congeladas; que criámos a majoração no subsídio de desemprego para casais sem trabalho com filhos a cargo; que avançámos com o Programa Nacional de Microcrédito, com as tarifas sociais de energia e de transportes, o Banco de Medicamentos ou com a Rede de Cantinas Sociais. São perto de 50 medidas que estão a servir de para-choques da austeridade que nos foi imposta.

18/FRONTLINE

Quais as maiores dificuldades que encontrou no exercício do seu cargo? Desde o início que tinha a perceção de que este ajustamento iria ter um forte impacto social e, nesse sentido, definimos políticas que o mitigassem junto do público mais vulnerável. Quis desde cedo trazer à colação as entidades europeias, para que acompanhassem este processo, por forma a evitar um aumento da exclusão social, sobretudo resultante da questão do desemprego. A resposta ainda me parece insuficiente, embora alguns sinais já se vejam. É tempo de a União Europeia perceber que não pode ser rápida a salvar bancos e lenta a salvar as pessoas. Acha viável começar a pensar em reformar o sistema, nomeadamente libertando os cidadãos de parte das contribuições para a Segurança Social e conferindo-lhes mais liberdade de escolha? Este Governo já arrancou com um estudo que permita obter resposta para problemas que sabemos existirem e que devem ser assumidos. Durante muitos anos foram ignorados. A sustentabilidade


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

da Segurança Social é afetada pela diminuição da natalidade, mas também, resultante do aumento do desemprego, pela diminuição das receitas contributivas e do aumento da despesa com subsídios e outras prestações sociais. Importa pois encontrarmos soluções que mais uma vez devolvam o futuro às gerações seguintes. Dele também depende o futuro. Referiu que “o aumento da taxa de desemprego em Portugal é muito preocupante” e exige “reformas estruturais que possam efetivamente relançar a economia” e “devolver a esperança” a quem se encontra nesta situação e “desonerar o esforço para a segurança social”. O que é que pode ainda ser feito fazer para minimizar esta situação? A construção de uma resposta concertada a nível europeu parece-me fundamental. A necessidade de uma atenção particular a uma maior eficácia ao investimento que promova o emprego, enquanto se finaliza um processo de consolidação financeira que permita passar a uma segunda fase da legislatura menos onerosa do ponto de vista fiscal, deve ser a via a seguir.

Passada esta fase, terá de existir uma política fiscal mais favorável à família e às empresas, que promova o crescimento e a empregabilidade. Até quando está assegurada a continuidade do pagamento das reformas através do organismo da Segurança Social? A reforma do sistema está a ser estudada precisamente para que a sua sustentabilidade seja assegurada e a continuidade acautelada. As reformas ditas “douradas” deverão ser evitadas pelo ónus que colocam no sistema. Nesse sentido, um sistema que permita mais liberdade de organização do futuro, especialmente para os mais jovens, poderá ser uma resposta adequada, muito embora o seu timing deva ser acautelado dentro do panorama económico-financeiro que Portugal atravessará nos próximos anos. Depois dessa meta, como ficará o moral dos portugueses que sempre descontaram parte do seu vencimento para a Segurança Social? O que lhes resta? A base do sistema deve ser salvaguardada pelo sistema público. A salvaguarda

dos direitos adquiridos para medidas futuras deverá ser prevista para que seja garantido o princípio de contrato social e solidariedade entre gerações que lhe foi conferido na sua génese. Como ministro, tem dado seguimento a propostas antigas do CDS para um aprofundamento das relações entre o Estado e as instituições sociais. Que importância têm, afinal, estas instituições para a eficácia do apoio social que é prestado no nosso país? Hoje a Economia Social tem uma forte influência no PIB português – estima-se que represente cerca de 5% – e no mercado de trabalho nacional, empregando cerca de 250 mil empregos diretos, 5,5% do emprego remunerado, mais do que a totalidade do emprego do sistema financeiro. Este setor tem potencial para, mesmo em contraciclo, crescer e passar a representar tanto para a economia portuguesa quanto o Turismo, que tem sido visto como o futuro do país. É tempo também de passarmos a enquadrar a Economia Social da mesma forma e trabalharmos para que

FRONTLINE/19


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

“UM EURO

MAL GASTO NOS SISTEMAS SOCIAIS É UM EURO QUE É RETIRADO A QUEM É MAIS FRACO E MAIS POBRE”

chegue aos 10% do PIB, até porque são as instituições deste setor que, muitas vezes, por nunca se deslocalizarem, promovem a economia local, combatem a desertificação e contribuem para o saldo positivo da balança comercial. A Lei de Bases da Economia Social, agora aprovada por unanimidade, tem os alicerces para edificarmos um setor vencedor, economicamente competitivo, e uma rede de solidariedade mais abrangente e de malha mais fina. De que forma pensa racionalizar a atribuição do Rendimento Social de Inserção (RSI) e que mecanismos propõe para uma fiscalização mais eficaz? As prestações sociais têm sempre um risco moral associado: apesar de se ter condições para trabalhar, ser preferível ficar a recebê-las encostado ao Estado. Esse risco deve ser diminuído. Bem como também deverá ser diminuída a permeabilidade das prestações sociais à fraude e ao abuso. É nisso que temos vindo a fazer alterações, por forma a dar o apoio a quem efetivamente precisa. Foi essa lógica que imperou quando tratámos de avançar com um verdadeiro contrato de inserção, em que para além dos direitos passaram a existir deveres: sejam mínimos de frequência escolar e cuidados de saúde dos filhos, seja a participação em atividades socialmente úteis. Quem quebrar estas, entre outras regras, perde o direito à prestação.Além de que não tem direito a ela quem tiver 25 mil euros de património imobiliário ou bens móveis, ou esteja em prisão preventiva ou a cumprir pena de prisão. Um euro mal gasto nos sistemas sociais é um euro que é retirado a quem é mais fraco e mais pobre. É por isso que é tão importante combater a fraude e o abuso que certas prestações podem gerar. Quando o CDS estava na oposição criticava o RSI. Agora considera que a sua existência se justifica? O problema principal do RSI é o seu estímulo à dependência e permeabilidade

20/FRONTLINE

à fraude e ao abuso. O RSI deve ter um carácter transitório, que não estimule a permanência ou dependência da prestação, para que a pessoa possa regressar ao mercado de trabalho o mais brevemente possível. Em 2004, o tempo de permanência no RSI era de 8 meses. Em 2011 encontrava-se nos 32 meses. Considera que o RSI, desde logo na situação atual, poderá ser contraproducente no que toca a uma procura mais ativa de emprego por parte de muitos beneficiários? Com a criação da Atividade Socialmente Útil, em que estes beneficiários prestam apoio às autarquias, bibliotecas, museus ou instituições sociais, mantêm-se hábitos de trabalho e valorização pessoal, aproximam-se beneficiários de possíveis agentes empregadores futuros e estimula-se o seu regresso ao mercado de trabalho. Assim diminui-se o risco moral de que falava há pouco. Segundo o presidente da Cáritas, existem muitos portugueses que recusam receber o RSI devido ao estigma que existe em torno desta medida. Concorda com esta afirmação? Em sua opinião, por que motivo é que tal acontece? O RSI, como qualquer outra prestação social, terá de chegar a quem, efetivamente, dela precisa. O estigma não existirá no dia em que assim for, pois a confiança na justiça social da sua atribuição foi reforçada e a solidariedade nunca é questionada. Instituições como a Cáritas, o Banco Alimentar e até as próprias autarquias têm falado num aumento do número de pessoas que recorrem à ajuda alimentar. É previsível que a procura aumente ainda mais em 2013? Cientes do impacto deste período de ajustamento económico-financeiro a que


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

FRONTLINE/21


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

“É POR ISSO QUE

É TÃO IMPORTANTE COMBATER A FRAUDE E O ABUSO QUE CERTAS PRESTAÇÕES PODEM GERAR”

22/FRONTLINE

Portugal foi submetido, acautelámos a criação de um programa de emergência alimentar, mais comummente conhecido por Rede de Cantinas Sociais. Eram cerca de 60 cantinas e hoje ultrapassam já as 770 de norte a sul do país, rentabilizando estruturas já existentes. De uma dotação de 2 milhões de euros, este Governo reforçou a resposta em 50 milhões de euros, precisamente para amparar o impacto da crise junto dos mais desfavorecidos. Foi uma resposta criada por antecipação. E é isso que se exige de um Governo. Mas assumimos também que queremos que esta resposta seja transitória e excecional, para tempos que são excecionais e também transitórios. Esta resposta deve manter-se nos anos mais difíceis da crise e ser reduzida quando tivermos crescimento económico e redução do desemprego.

Pedro Passos Coelho afirmou recentemente “que todas as previsões apontam para que em 2014 a economia portuguesa recupere em termos de crescimento”. Concorda com estas previsões? É importante que o ajustamento tenha em consideração o esforço que o povo português tem vindo a assumir heroicamente e que, nesse sentido, possa acompanhar as necessidades promotoras da economia que permitam evitar a degradação de emprego. Só para dar um exemplo de áreas com que lido diretamente, a aposta na economia social, como já há pouco referia, pode muito bem ser um vetor para promover essa empregabilidade e esse crescimento. Hoje 5,5% do PIB, amanhã, quem sabe 10%, sem que no futuro se deslocalize o que garante a sustentabilidade económica de um país.


GRANDE ENTREVISTA Pedro Mota Soares

FRONTLINE/23


OPINIÃO José Caria

PORQUE NÃO TE CALAS? A

s mais recentes declarações de António Borges sobre a necessidade de baixar o salário mínimo nacional trouxeram-me à memória a célebre tirada do rei Juan Carlos, na XVII Cimeira Ibero-Americana, perante o despropósito verbal do malogrado presidente venezuelano, Hugo Chávez: “Porque não te calas?” Não me interessa aqui discutir a validade económica do consultor governamental, mas sim assinalar a falta de sentido de oportunidade que o mesmo tem revelado, num ciclo de intervenções que nem os opositores deste Governo teriam conseguido melhor se o objetivo fosse desgastar politicamente Passos Coelho. Mas a culpa de Borges é repartida. Por um lado, é de quem o deixa falar, e aí reside o calcanhar de Aquiles deste Governo – a total ausência de estratégia política e de uma estratégia de comunicação. Até no plano tático as falhas são de palmatória, quadro que só contribui para adensar um clima de “mistério” sobre o que se passará nos bastidores da entourage política do atual primeiro-ministro. Por outro lado, a culpa é do Borges, porque padece, num grau já avançado, do mal ancestral e epidémico duma franja esclarecida de povo que povoa Portugal – a compulsiva necessidade de opinar, a qual, pela sua própria natureza cultural, é castradora da iniciativa do fazer. De facto é mais fácil falar do que fazer, é mais fácil

PASSOS COELHO DEVIA COMEÇAR POR AÍ. MANDAR CALAR TODOS OS QUE ANDAM A FALAR DE MAIS E SABER RODEAR-SE DAQUELES QUE SABEM O QUE FALAR E QUANDO FALAR

jcaria@netvisao.pt

26/FRONTLINE

criticar do que empreender, é preferível justificar do que reconhecer. Se calhar está na hora de arranjarmos um Juan Carlos, mesmo que não seja rei, que diga a toda esta gente: “Porque não se calam?” Passos Coelho devia começar por aí. Mandar calar todos os que andam a falar de mais e saber rodear-se daqueles que sabem o que falar e quando falar. Porque, na verdade, este é o único problema que este Governo tem. Porque, na verdade, pese embora tenham existido opções políticas erradas, que se chegue à frente quem, no quadro de condicionantes externas em que o país se encontra, revele coragem para agarrar “o boi pelos cornos”. Os portugueses não querem políticas cegas, discursos ocos ou promessa vãs. O descontentamento que grassa no país não é um ciclo de erosão virtual, é real. E é tão perigoso para o PSD como o é para socialistas, bloquistas ou comunistas. E todos estes estão cumplicemente a alinhar num jogo de oportunidade política que pode redundar na sua perdição e deixar clivagens sociais que poderão levar décadas a regenerar. O esforço exigível, a uma pessoa, a um grupo, a um povo, para ver reconhecida a generosidade dessa entrega, implica sempre um caminho comum, uma meta temporal e uma clara compreensão do que está em jogo. Passos Coelho ainda está a tempo de dialogar com os portugueses, mesmo que tenha de recorrer a um qualquer Juan Carlos para mandar calar quem está apostado em não ver este país avançar.


OPINIÃO Isabel Meirelles

VISA GOLD, INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL?

A

s atuais lacunas de investimento nacional e, em especial, estrangeiro fizeram com que, legislativamente, se aprovasse, de forma muito inteligente, pelo menos em tese, uma legislação no sentido de atrair esta seiva da economia para Portugal. Assim, o artigo 90.º-A da Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, conforme alterada pela Lei n.º 29/2012, de 9 de agosto, prevê a concessão de uma autorização de residência a nacionais de Estados terceiros, para efeitos do exercício de uma atividade de investimento, uma vez verificado o preenchimento de determinados requisitos. As condições para a aplicação do regime especial de concessão e renovação de autorização de residência, com dispensa de visto de residência, para atividade de investimento em território nacional, conhecido por ARI, ou Visa Gold, preveem determinados requisitos quantitativos. Com efeito, se houver uma transferência de capitais no montante igual ou superior a um milhão de euros, ou a criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho, ou, finalmente, a aquisição de bens imóveis de valor igual ou superior a 500 mil euros, o cidadão de um país terceiro pode obter, de forma quase automática, a autorização de residência em Portugal, extensível à sua família. O pensamento que subjaz a este raciocínio é que as vantagens de Portugal pertencer à União Europeia e ao espaço Schengen são enormes e capazes de atrair pessoas de nacionalidades que têm dificuldades de obter vistos para exercer a sua atividade empresarial e que por vezes passam longos dias nas embaixadas a mendigá-los, com obstáculos inultrapassáveis. Por outro lado, ao contrário das outras autorizações de residência em que há a vinculação de estada durante seis meses consecutivos ou oito meses interpolados, a ARI apenas implica a obrigatorieda-

de de permanecer sete dias por ano em território nacional. Contudo, e pelo menos para já, a teoria não se tem revelado bem-sucedida e a prática tem gorado as expetativas criadas. As causas estão, desde logo, nas elevadas taxas que cada investidor ou membro da sua família deve pagar, no caso 500 euros para apreciação do processo e mais 5 mil euros aquando do seu deferimento. Com efeito, estes montantes são discutíveis, inclusive sob o ponto de vista da sua designação, pois aparentam-se mais a um imposto, considerando que a taxa é o exato valor de um serviço prestado ao operador económico. Porém, o pior é a concorrência de outros países como a Irlanda e o Chipre, que adotaram legislações semelhantes, mas com valores menores de aquisição, respetivamente de 400 mil e 300 mil euros. Contudo, o pior está para vir com a Espanha a fazer quase dumping e a colocar a fasquia em montantes que se presume, aquando da aprovação da legislação prevista para abril, que rondem os 160 mil euros! Isto significa que se não queremos, por um lado, ter o tão necessário investimento desviado para os nossos vizinhos e ser invadidos, na mesma, graças à livre circulação, pelos detentores de autorização de residência espanhola, temos que tomar medidas rápidas e firmes. E elas são claras e equitativas, bastando uma pequena alteração legislativa no sentido de baixar os valores, pelo menos, para o nível dos adotados pela Espanha. Talvez, assim, tenhamos os almejados charters de chineses de que, noutro contexto, falava um conhecido futebolista, mas que representam aquilo que Portugal precisa para sair desta situação de apagada e vil tristeza.

AS VANTAGENS DE PORTUGAL PERTENCER À UNIÃO EUROPEIA E AO ESPAÇO SCHENGEN SÃO ENORMES

Advogada, Especialista em Assuntos Europeus

FRONTLINE/27


OPINIÃO Carlos Zorrinho

FRANCISCO E A UNIÃO EUROPEIA Q uem diria há alguns anos, ou mesmo meses, que as réstias de esperança que ainda vão flamejando na União Europeia no momento em que escrevo este texto seriam provenientes não dos decisores europeus, cada vez mais controlados pela cegueira tecnocrata dos mercados, mas de um Papa que veio de Buenos Aires e que com uma simplicidade desarmante mostrou ao mundo um novo caminho de desapego, humildade e empatia. A partir duma crise financeira iniciada nos Estados Unidos da América, Merkel e os seus seguidores, entre os quais se destacaram sempre na cabeça do pelotão Passos Coelho, Vítor Gaspar e Carlos Moedas, imbuídos dum facciosismo ideológico quase demencial, feriram a identidade humanista e solidária da União Europeia, garante de mais de meio século de integração exemplar à escala global. Será que um Papa não europeu poderá ser o guardião do templo, protegendo a chama da fraternidade e da solidariedade, para a reacender no coração dos europeus e do mundo? Não sei. Talvez estejamos apenas a assistir a um “estado de graça” mais forte do que o habitual. No entanto, só a admissão racional desta hipótese já merece reflexão. É um enorme clarão que contrasta com o cinzento forte que nos chega de Berlim e Bruxelas. A Estratégia de Lisboa, concebida em 2000 na nossa capital, estava inspirada num sonho cosmopolita e

na vontade de fazer do modelo social europeu um referencial de sustentabilidade para uma globalização amiga do ambiente, capaz de suster as alterações climáticas e de melhorar a qualidade de vida das populações usando o conhecimento e as novas tecnologias. Passaram apenas 13 anos e desse sonho nada ou quase nada resta. A Europa é hoje um território de recessão e desilusão, comandada pelos mercados, com milhões de desempregados e uma juventude cada vez mais prisioneira duma armadilha que não merecia. Francisco é portador de mais esperança para uma Europa de paz e desenvolvimento do que todos os funcionários das instituições europeias tomadas de assalto pela frieza dos poderosos sem compaixão e treinados para não sentir ou pelo menos para não mostrarem que sentem. Funcionários que deveriam ser políticos e que deixam a revolta política a alguns que sendo funcionários ainda remam contra a maré. Não esperemos de Francisco mais do que ele nos pode dar. Todos conhecemos os trabalhos de Hércules que esperam o novo Papa. A esperança legítima é que os líderes europeus percebam a força que pode ter a liderança quando exercida com convicção, determinação e propósito, e que se inspirem no novo Papa para se despojarem das vestes da submissão, devolvendo a alegria ao povo e o progresso às nações.

A EUROPA É HOJE UM TERRITÓRIO DE RECESSÃO E DESILUSÃO, COMANDADA PELOS MERCADOS, COM MILHÕES DE DESEMPREGADOS E UMA JUVENTUDE CADA VEZ MAIS PRISIONEIRA

Professor universitário e deputado do PS

28/FRONTLINE


OPINIÃO Fernando Santo

O ESTADO SOMOS NÓS O

s períodos de crise obrigam a tomar consciência de que o Estado, entendido como entidade abstrata com recursos ilimitados, afinal depende das receitas obtidas junto das empresas e dos cidadãos, o que obriga a controlar a despesa. Durante as últimas décadas, a pressão para mais e melhores serviços, num desejo legítimo e crescente, raramente foi condicionada pela limitada capacidade em produzir riqueza e cobrar impostos. Gerimos ao contrário, primeiro a despesa conveniente, depois a receita e, porque nunca chegava, contraíamos empréstimos para financiar o défice. Cada grupo, mais ou menos organizado, reivindicou direitos e interesses, e quem teve mais capacidade para impor pressão e exigir contrapartidas, mais conseguiu. Muitos destes interesses começaram por, a pretexto da demagógica defesa do interesse público, que sempre mobilizou apoios, conseguir legislação que obrigasse a mais e mais exigências, mais serviços privados para os satisfazer, mais organização pública e mais despesa. O que era simples passou a complexo, com teias legislativas, custos de contexto e dificuldades acrescidas para concretizar qualquer investimento ou atividade. O recente pedido de apoio externo e o corte nos rendimentos fez-nos recordar igual pedido na década de 80 do século passado. Para comparar é preciso recordar que a elevada desvalorização da moeda entre 1980 e 1989 reduziu brutalmente o poder de compra dos portugueses. Devido às elevadas taxas de inflação, 100 escudos em 1980 valiam apenas 23 em 1989, implicando uma

significativa desvalorização dos salários e aumento dos encargos com dívidas. O euro deu-nos o que nunca tínhamos tido, estabilidade cambial, juros reduzidos e estatuto de país com moeda forte e capacidade de endividamento. Infelizmente foi preciso a crise para percebermos a composição da despesa, como é financiada ou reduzida através de cortes, o peso dos impostos e a dimensão da dívida pública e dos juros. Foi um choque conhecer esta realidade e a situação a que chegámos. Apesar de todas as dificuldades nos últimos 18 meses a despesa pública reduziu mais de 12.000 milhões de euros, as dívidas do Estado às empresas também diminuíram substancialmente, pese embora o corte nos orçamentos. No caso específico do Ministério da Justiça, apesar do orçamento de 2012 ter uma dotação com menos 25% do que em 2011, foi possível reduzir a dívida a mais de 90 dias de 53,5 milhões de euros no final de 2011, para 7,3 milhões de euros no final de 2012 e encerrar o ano com um saldo positivo de 42,4 milhões de euros, sem ter sido posto em causa o serviço público. A crise obrigou-nos a um rigor orçamental e a uma racionalização que nunca deveriam ter desaparecido, questionando a despesa antes de se assumir o compromisso, de forma direta ou com parcerias. A redução da despesa e do défice são condições essenciais para credibilizar o país e diminuir os encargos com os juros da dívida pública. O nosso problema não é o euro, mas a necessidade de aumentar a produção de riqueza para suportar a despesa que assumimos. É esse o grande desafio.

A CRISE OBRIGOU-NOS A UM RIGOR ORÇAMENTAL E A UMA RACIONALIZAÇÃO QUE NUNCA DEVERIAM TER DESAPARECIDO

Secretário de Estado da Administração Patrimonial e Equipamentos do Ministério da Justiça

FRONTLINE/29


OPINIÃO Adalberto Campos Fernandes

A UNIÃO EUROPEIA E A LIVRE CIRCULAÇÃO DE DOENTES

A

União Europeia aprovou uma diretiva – que terá de ser transposta para os Estados-membros até 25 de outubro de 2013 – que permite aos cidadãos europeus recorrerem aos serviços de saúde em qualquer Estado-membro, sendo reembolsados pelo país de origem. Este documento vai no sentido de aprofundar os princípios comunitários, facilitando uma maior integração de direitos, nomeadamente nas áreas que têm que ver com o acesso a cuidados de saúde de qualidade e em tempo útil. Embora o documento incorpore um quadro restrito de exceções, os seus princípios normativos têm como objetivo fulcral fomentar a livre circulação de doentes no espaço comunitário. A nova diretiva prevê que os doentes que optem pelo tratamento noutros países possam ser acolhidos em unidades que integrem uma rede europeia destinada a fazer cumprir este objetivo. No entanto, está prevista a possibilidade de os Estados introduzirem mecanismos de pré-autorização, particularmente nos casos de maior complexidade ou que impliquem um risco elevado para o doente. Esta nova forma de mobilidade específica dos cidadãos utilizadores de cuidados de saúde tem aspetos positivos, suscitando, ainda assim, algumas preocupações no que diz respeito à salvaguarda da segurança e da qualidade dos cuidados de saúde dos doentes que procuram cuidados transfronteiriços.

Um dos aspetos mais sensíveis tem que ver com o acesso desigual à informação, por parte dos cidadãos, gerador de desequilíbrios nas condições de acesso e de utilização. Por outro lado, a diretiva parece induzir uma lógica individualizada de consumo, preterindo os princípios da integração de cuidados nas suas diferentes fases – prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação. Do ponto de vista das oportunidades, a implementação da diretiva de livre circulação de doentes contribuirá para submeter os sistemas de saúde a uma mais intensa comparação internacional, induzindo, deste modo, uma mais exigente orientação para a qualidade e um enquadramento da “competição” mais focado nos critérios da excelência clínica, do rigor e da segurança dos cuidados. Este contexto de abertura e de comparabilidade, entre sistemas de saúde e entre países, pode contribuir, igualmente, para clarificar o acesso à informação, em saúde, estabelecendo pontos nacionais de contacto e melhorando a resposta às necessidades, em saúde, dos cidadãos, reforçando a cooperação entre os diferentes países da União Europeia no interesse dos seus doentes. Um aspeto adicional, muito importante, será a eliminação progressiva dos riscos de insegurança jurídica, nomeadamente no que se refere aos direitos de proteção dos cidadãos face às necessidades de cuidados de saúde fora dos seus países de residência.

ESTE CONTEXTO DE ABERTURA E DE COMPARABILIDADE, ENTRE SISTEMAS DE SAÚDE E ENTRE PAÍSES, PODE CONTRIBUIR, IGUALMENTE, PARA CLARIFICAR O ACESSO À INFORMAÇÃO, EM SAÚDE

Docente da ENSP UNL

30/FRONTLINE


por José Caria

OS ROSTOS DA Mais um ano cumprido e mais 10 personalidades marcantes da nossa vida política, económica e social, da esfera empresarial e da sociedade civil voltaram a dar rosto à FRONTLINE. São testemunhos que marcam e moldam a nossa realidade.Testemunhos de pessoas, cujas ideias, projetos e paixões assumiram, na conjuntura em que foram produzidos, determinados significados que hoje provavelmente já poderão ter outra leitura, mas cujo efeito não se diluirá no tempo. Aqui ficam, em síntese, traços e afirmações expressas por todos eles nas suas entrevistas à revista.

32/FRONTLINE


EM FOCO Especial Aniversário

AS PESSOAS NÃO AGUENTAM MAIS SACRIFÍCIOS” António José Seguro

E

m abril de 2012, António José Seguro afirmava em entrevista à FRONTLINE que assumia um compromisso de “fazer política de forma diferente” e que o PS estava a fazer uma oposição “honesta e construtiva ao atual Governo”, apresentando “uma alternativa política merecedora da confiança e do entusiasmo dos portugueses”. Para o líder da oposição, a tónica do seu discurso político nessa altura, de que o Governo funcionava mal e não estava a contribuir para a resolução dos problemas, não era diferente do que afirma hoje, nem tão-pouco a convicção já expressa de que “as pessoas não aguentam mais sacrifícios”, ou a preocupação com o “aumento brutal do desemprego”. Chegar à liderança do Partido Socialista não era um sonho antigo mas sim um imperativo que o atual líder do partido descreveu como o dever cívico de se candidatar à liderança do PS, em nome de uma ideia para Portugal e pelas causas e pelos princípios por que sempre se bateu. O passado, mesmo o seu passado político, é algo que remete para outros momentos de conversa, preferindo focar sempre o discurso no futuro, no futuro de um país que, nas suas palavras, “precisa de viver um novo ciclo político com políticos que não prometam uma coisa

antes de eleições e façam o contrário quando chegam ao Governo. O futuro Governo tem que ganhar a confiança dos portugueses”. António José Seguro não esconde que assumir uma liderança nos tempos em que o fez era um desafio de grande risco, desafio esse que mesmo alguns amigos tentaram dissuadi-lo de enfrentar. Mas a consciência dos tempos difíceis que vivemos foi um dos motivos mais fortes que o fizeram avançar: “Ser líder de um partido que perdeu as eleições, suceder a um líder que foi primeiro-ministro durante seis anos e fazer oposição a um Governo com maioria absoluta nunca foi tarefa fácil para ninguém, em qualquer partido democrático. Meti-me ao caminho sabendo que iria enfrentar tempestades, umas previsíveis, outras inesperadas. Estou preparado para enfrentar todas as dificuldades, pois sei onde quero chegar e qual o caminho a percorrer.” Não revelou surpresas, e mesmo em relação ao estado a que o país chegou, António José Seguro foi taxativo ao afirmar que chamou a atenção para essa possibilidade, em vários momentos, através de várias intervenções, e o seu maior receio para um futuro próximo veio inevitavelmente a concretizar as palavras

então proferidas: “O aumento brutal do desemprego. Atualmente, há mais de 1 milhão e 200 mil portugueses desempregados. Em cada dia que passa, há cerca de 900 portugueses que ficam desempregados. Se o atual Governo teimar na sua política ‘do custe o que custar’, temo por mais desemprego e agravamento da nossa economia.” E a reboque caiu o tema da austeridade, deixando Seguro um recado amargo: “Quando assumi a liderança do PS, remei contra a maré. Chamei a atenção para se olhar para a economia e o emprego. Na altura foi muito criticado. Felizmente, hoje, o caminho que defendo faz parte de um consenso muito alargado: a necessidade de uma agenda para o crescimento e o emprego.” Em toda a entrevista, apenas uma resposta poderá ter hoje, um ano depois, interpretações diferentes. Quando questionado sobre a possibilidade de o Governo cumprir o seu mandato até ao fim, António José Seguro foi inequívoco: “O atual Governo tem todas as condições para cumprir o mandato.Tem uma maioria absoluta no Parlamento. Se terminar mais cedo o seu mandato, a responsabilidade é do PSD e do CDS-PP.” Tudo a seu tempo.

FRONTLINE/33


EM FOCO Especial Aniversário

FALTAM MULHERES NOS CARGOS DE LIDERANÇA” Teresa Morais

A

afirmação de que faltam mulheres nos cargos de liderança em Portugal não é nova, mas a atual secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade confessa “que a possibilidade de realmente contribuir para mudar a situação das mulheres, no sentido de lhes ser reconhecida a participação igualitária a que têm direito na vida pública e privada”, é muito motivante. O desafio, aceitou-o por gostar do trabalho parlamentar e também por pensar que, no momento que o país atravessava, ninguém deveria recusar a oportunidade e o dever de participar na vida pública do seu país. Não é propriamente uma novata na política e cumpriu o seu primeiro mandato entre 2002 e 2005, quando integrou as listas do PSD a convite de Durão Barroso, tendo regressado ao Parlamento em 2009, pela mão de Manuela Ferreira Leite, por quem expressa uma admiração convicta e não esconde que tem pena de não a ter visto chegar ao cargo de primeiro-ministro: “Com a eleição de Manuela Ferreira Leite teríamos ganho uma governante competente e íntegra, que teria sabido interromper o ciclo de endividamento e de incapacidade de cumprimento dos compromissos que nessa altura já se vivia,

34/FRONTLINE

apesar dos esforços do então Governo para iludir a situação. Portugal teria entrado mais cedo no caminho de rigor e de contenção que, em minha opinião, tem necessariamente de percorrer; acredito mesmo que se teria evitado o pedido de ajuda externa.” Em relação ao atual primeiro-ministro, a sua convicção também não é abalada, revelando total confiança no “projeto do líder do PSD para regenerar Portugal”, assim como sempre destacou que tem particular gosto em poder dizer que tem tido do ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares total apoio nas iniciativas que lhe tem proposto. Quanto à sua visão do Parlamento, pouco mudou na opinião que trazia de fora, mas não deixa de enfatizar que, enquanto deputada, “aquilo que me surpreendeu no Parlamento, relativamente à visão que o cidadão comum tem dele, foi o volume de trabalho que os deputados muitas vezes têm e que o cidadão comum desconhece ou não valoriza”. Partilha da opinião de que o número de deputados deveria ser reduzido e que 180 deputados, conforme consta da proposta do PSD, seriam suficientes para assegurar a representação do país. Outro facto ao qual não foge

na resposta prende-se com a atual presidência da Assembleia estar nas mãos de uma mulher. Mas Teresa Morais é taxativa na sua resposta: “O facto de serem duas mulheres não produz automaticamente o resultado de uma boa relação. Neste caso concreto, estas duas mulheres relacionam-se muito bem. Tenho uma grande admiração pela sua inteligência e foi para mim um momento muito especial, o da eleição de Assunção Esteves como presidente da Assembleia da República.” E as mulheres caem inevitavelmente neste diálogo, particularmente no que respeita à falta (ou não) de mulheres nos cargos de liderança em Portugal. Para a secretária de Estado, essa falta é notória, considerando que se a situação evoluiu em termos de liderança política e de representação das mulheres nos órgãos de soberania, o mesmo não aconteceu com os cargos de liderança económica, onde as mulheres estão sub-representadas nos conselhos de administração das empresas públicas e privadas, apresentando Portugal números muito inferiores à média europeia. Tudo isto sem esquecer aquela que tem sido, desde sempre, uma das suas bandeiras, a luta contra a violência doméstica.


EM FOCO Especial Aniversário

PREOCUPA-ME O ENDEUSAMENTO DO MINISTRO DAS FINANÇAS”

Luís Mira Amaral

N

a sua entrevista à FRONTLINE, o atual CEO do Banco BIC Português revelou o que muitos esperavam ouvir da sua boca: muito poucas expetativas positivas para o futuro imediato no que toca ao crescimento económico de Portugal; medidas exageradas de austeridade vão prejudicar gravemente a economia e “sérias dúvidas” sobre a “capacidade reformista” deste Governo, uma vez que em termos de reformas estruturais a única que foi feita, e que se deveu essencialmente ao espírito de negociação da CIP e à coragem política da UGT, foi a do mercado de trabalho, em sede de concertação social. Em Mira Amaral é difícil encontrar uma linha de separação entre o antigo ministro da Indústria e o atual CEO do Banco BIC, tal é a consistência do seu discurso, onde ressalta sobretudo um pessimismo angustiante para quem quer continuar a tapar o sol com a peneira: “Eu não sei se a Europa está num beco sem saída, a verdade é que está numa situação muito difícil. Mas neste caso, devo dizer-lhe que quem culpa os programas da troika e a senhora Merkel pelo que aconteceu está a ver o filme ao contrário. O que

aconteceu foi que, no tempo das vacas gordas, alguns países como Portugal foram altamente indisciplinados, gastaram demasiado, endividaram-se muito e, depois, quando veio a crise financeira, essa dívida pública que já existia não permitiu mais financiamento externo e chegámos a um impasse.” A austeridade acabou aqui por ser tema central, mas balançando entre o essencial e o inevitável, que outras opções haveria? Para Mira Amaral a questão da austeridade era inevitável, mas o problema é que agora estamos a perceber que o objetivo de redução do défice era demasiado rápido, o aumento de impostos foi excessivamente violento, o que pôs em causa a própria economia. E aqui, nas suas palavras, abrem-se as portas para uma crítica contundente: “O que é que este Governo fez? Chegou e foi muito lesto a cortar vencimentos e pensões! Foi muito lesto a aumentar impostos (...) Para citar uma declaração presidencial, ‘o Governo mudou mas eu não mudei’, continuo a dizer o mesmo que dizia no Governo anterior, e tenho fortes dúvidas de que o atual, passado um ano, execute efetivamente as reformas estruturais

necessárias. Quanto a tudo isto, estou realmente muito preocupado.” Outra preocupação bem expressa pelo ex-ministro da Indústria foi a notória falta de articulação entre Finanças e Economia, principalmente quando se assiste a um endeusamento do ministro das Finanças e uma total incapacidade de intervenção pelo atual ministro da Economia. Para último fica o seu projeto, o Banco BIC Português, onde o grande desafio, depois da compra do extinto BPN, passa por reforçar o código genético da instituição a que preside. Nas suas palavras: “Nós respeitamos o nosso código genético, apostamos em ter agências de retalho de baixo custo oferecendo um bom serviço aos nossos depositantes. Não nos estou a ver fazer, massivamente, crédito à habitação ou ao consumo – o contexto português também não está para isso neste momento –, mas sim a apoiar as boas empresas exportadoras para Angola e para outros mercados. Convém não esquecer que a grande surpresa da economia portuguesa foi a performance do setor exportador, que ultrapassou tudo o que se previa.”

FRONTLINE/35


EM FOCO Especial Aniversário

PORTUGAL É EUROPA” Cecília Meireles

A

os 35 anos de idade, Cecília Meireles, secretária de Estado do Turismo do Governo de Pedro Passos Coelho, foca o principal objetivo da sua legislatura em dar maior destaque ao destino Portugal, mas reconhece que é necessário mudar mentalidades e sobretudo optar por outras estratégias neste setor. Mas o essencial da sua mensagem acaba por ter uma forte componente política quando afirma que “este Governo tem feito um enorme esforço para identificar os erros e as mudanças estratégicas e corrigir a trajetória no que toca ao turismo”. Nesta linha de pensamento, as ideias e prioridades estão bem identificadas e isso mesmo expressou na sua entrevista à FRONTLINE sobre a definição dessas mesmas prioridades para o setor: “Nas últimas décadas o olhar esteve muito centrado sobre a oferta, sobre aquilo que nós construíamos. A ideia era: se construirmos um bom resort, depois aparecerão os turistas para o encher… surgirá a procura. O que se passou foi que a realidade comprovou que não era exatamente assim. A grande reforma é olhar para as coisas ao contrário. É ir buscar os turistas. É ir aos nossos mercados tradicionais e perceber como

36/FRONTLINE

é que nos podemos adaptar àquilo que eles querem. É ir a mercados inovadores e perceber que tipo de oferta é que temos e o que é que pode corresponder àquilo que eles procuram. E depois temos de trazer esses turistas para Portugal. Esta forma de ver as coisas, ao contrário daquela como eram vistas, é a principal mudança.” Mas o reverso da medalha também acaba por estar presente neste desejo de mudança, sobretudo num setor que muito está a sofrer com os efeitos da crise que se vive atualmente. Cecília Meireles reconheceu que neste ano (2012), em concreto, o turismo tem desafios particulares, mas que é importante salientar que, mesmo no ano anterior, contrariamente ao que infelizmente aconteceu com grande parte dos setores da economia portuguesa, o do Turismo cresceu e cresceu até a um ritmo bastante simpático. Mas a secretária de Estado vai mais longe, tentando passar uma mensagem de otimismo nas suas palavras: “Quando estamos a falar de crise, é preciso distinguir as coisas. O setor do Turismo é um setor que tem mostrado uma enorme resistência à crise. É também evidente que o período de insegurança e incerteza que estamos a viver na Eu-

ropa, do ponto de vista dos nossos principais mercados emissores, que são Espanha e Reino Unido, também tem, obviamente, impacto. Por um lado, combate-se com promoção de mensagens-chave e indo à procura de novos mercados. O Brasil iniciou-se como um mercado de aposta e hoje está consolidado.” E com a Espanha aqui ao lado, faria sentido falar numa estratégia de colaboração turística benéfica para os dois países? Aqui, como diz o povo, a receita de Cecília Meireles é a de que cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém ao afirmar que em alguns casos essa colaboração poderia ser benéfica. Mas, mais uma vez, a tónica do seu discurso volta a enfatizar a necessidade de mudança ao afirmar que também aqui temos de olhar ao contrário, de olhar para novos mercados como a China, a Índia ou a América Latina, e perguntar o que é que cada turista destes sítios pode achar mais interessante ao ver dois países em vez de ver só um. E no fim tudo se resume a uma premissa simples sobre a marca que gostaria de deixar no Turismo: “deixar o setor reconhecido como um setor em que temos excelentes profissionais e a mudança de mentalidades que referi”.


EM FOCO Especial Aniversário

AINDA BEM QUE SOU INCÓMODO”

Álvaro Santos Pereira

T

rocou a cidade de Vancouver, no Canadá, para regressar a Lisboa, porque achou que o seu contributo “era importante” para ajudar o país a “ultrapassar as dificuldades” e assim, convidado por Pedro Passos Coelho, assumiu a pasta da Economia. O ministro, que conta com uma vasta experiência académica nessa área, implementou até à data diversas reformas importantes, como, por exemplo, a reforma da lei laboral, mas as opiniões, sejam da oposição, de críticos, até de alguns mais próximos, não o têm poupado ao apontarem-lhe grande fragilidade política e um papel secundário face ao ministro das Finanças, quando Portugal precisa de ter uma aposta forte nesta área. Mesmo assim, Álvaro Santos Pereira não desanima e reconheceu à FRONTLINE que, em apenas um ano, o Governo conseguiu eliminar “constrangimentos à competitividade da economia”, bem como aumentar “a capacidade de financiamento das empresas e suprimir os obstáculos que estavam a impedir que a economia crescesse”. Aos críticos, o ministro afirma que responde sempre da mesma maneira, com trabalho e com as reformas que já foram feitas e mantém

a mesma postura que o motivou a aceitar o desafio que lhe foi lançado por Passos Coelho, sintetizada em poucas palavras: “Sempre tive uma postura muito ativa e crítica sobre a forma como Portugal estava a ser governado ao longo dos últimos anos. Achei que era importante, para além de ter essa postura crítica, contribuir para uma mudança profunda e estrutural do país, senti que era meu dever, enquanto português, dar a minha ajuda.Tenho três filhos pequenos e quero que eles possam ter um futuro em Portugal.” O desânimo também nunca pareceu fazer parte do seu quotidiano, mesmo quando confrontado, na entrevista à FRONTLINE, com o facto de alguma vez ter pensado que nesta altura a situação do país, apesar de tudo o que o Governo tem feito, ainda fosse tão má. As palavras são elucidativas, porque alinhadas no discurso oficial do PSD, quando refere que é preciso ver que, nos últimos anos, a atuação do Governo (PS) esteve mais virada para a retórica e para a propaganda do que para a resolução dos problemas estruturais da economia portuguesa:“Foi com esse cenário que começámos a trabalhar. É na inversão deste modelo que temos vindo a trabalhar. Com a

implementação de reformas estruturais, com o redirecionamento do investimento público, com o fim das obras faraónicas de rentabilidade duvidosa.” E é nesta lógica que Álvaro Santos Pereira estrutura o seu pensamento e o sucesso da sua ação política quando reconhece que é fundamental que os efeitos das medidas de austeridade sejam colmatados com reformas estruturais. E aqui chamou a atenção para o facto de um terço das medidas do Memorando de Entendimento terem sido aplicadas pelo Ministério da Economia e do Emprego. Se é óbvio que têm sido pedidos grandes sacrifícios aos portugueses, o ministro aponta no sentido de que também o Governo provou já que está também empenhado em adotar medidas que estimulem o crescimento da economia, seja através do redirecionamento do investimento público para o tecido produtivo, gerador de riqueza e de postos de trabalho; seja através da criação de medidas que reduzam os constrangimentos ao crescimento das empresas, reconhecendo que o Estado não se pode substituir às empresas na sua atividade, mas pode e deve criar as condições para que estas cresçam e, assim, façam crescer a economia.

FRONTLINE/37


EM FOCO Especial Aniversário

AS CRISES POLÍTICAS NUNCA SÃO DESEJÁVEIS” Carlos Zorrinho

H

á cerca de oito meses atrás, na sua entrevista à FRONTLINE, o líder parlamentar da bancada do PS ainda defendia que Portugal “precisava de visão e estabilidade” e as crises políticas eram sempre algo a evitar. Defendia mesmo que se a queda/demissão do Governo se viesse a confirmar, seria “um péssimo sinal” e que a aposta socialista era a construção de uma alternativa que implicava “uma mudança de paradigma e uma regeneração da forma de fazer política e de fomentar a cidadania e a participação”. Hoje, a realidade é diferente com este mesmo Partido Socialista a abrir portas para essa demissão, mas, à parte desta exceção, o pensamento de Carlos Zorrinho mantém-se atual ao falar da crise e do que Portugal precisa neste momento: “Portugal precisa de visão e estabilidade. A estabilidade por si só é um valor incompleto. A estabilidade na mediocridade ou na ausência de soluções torna-se foco de estagnação e de desesperança. Por isso é importante recuperar uma perspetiva ambiciosa de posicionamento económico e político de Portugal no mundo. Um país

38/FRONTLINE

de média dimensão, bem relacionado, multicultural e com uma localização geoestratégica privilegiada deve assumir-se não como uma periferia irrelevante da União Europeia, mas antes como uma ponte entre potências regionais, fazendo da rede e da combinação criativa uma fonte de criação de riqueza.” Nesta mesma lógica, as palavras já são amargas perante um egoísmo europeu que nunca acreditou que pudesse pôr em causa a matriz essencial de solidariedade que presidiu ao aprofundamento da União Europeia e à criação da União Monetária. Mas quanto a prioridades, aí as palavras já expressavam profunda convicção: “Do maior partido da oposição os portugueses esperam responsabilidade, e o PS tem sido absolutamente responsável, só não podendo evitar que a deriva ideológica obsessiva do Governo tenha levado o PSD e o CDS-PP a afastarem-se cada vez mais do PS e das soluções necessárias para o país (...) O Governo teve todas as condições nacionais e internacionais para atingir as metas da consolidação orçamental sem flagelar as famílias e a economia. Infelizmente, escolheu

outra política que se tem vindo a revelar desastrosa.” E os portugueses aguentariam mais austeridade? Aqui, Carlos Zorrinho apelou à cautela discursiva, colocando o enfoque numa ambivalência entre os “muitos portugueses que já não aguentam a austeridade que têm e outros que poderão fazer mais sacrifícios, mas enfatizando a conclusão óbvia: para além de provocar um sofrimento escusado, a austeridade excessiva esmaga a procura, destrói emprego e não contribui para resolver os problemas estruturais da nossa economia”. O Presidente da República também mereceu um reparo vivo, mas de uma forma institucionalmente correta, para quem respeita a sua magistratura mas discorda do tom e do timing das suas intervenções. Quanto ao futuro, não é o imediato que preocupa Carlos Zorrinho, mas sobretudo aquele que está para vir para os seus filhos: “O meu maior receio é que um conjunto de equívocos e de infelicidades circunstanciais retirem à geração dos meus filhos as condições que a minha geração beneficiou. A geração que cresceu com abril tem um enorme desafio imediato.”


EM FOCO Especial Aniversário

A ORDEM ESTÁ A SER ALVO DE UMA VINGANÇA MESQUINHA” Marinho e Pinto

I

rreverente, controverso, incómodo e mais mil palavras haveria para caracterizar o atual bastonário da Ordem dos Advogados que, sem papas na língua, afirma que “a Ordem está a ser alvo, por parte do Governo e da atual ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, de uma vingança mesquinha, própria de quem não tem visão de Estado, embora preste um serviço público de inegável valor, ao participar na administração da justiça”. E é este mesmo Marinho e Pinto que, ao mesmo tempo, conforme reconheceu à FRONTLINE, se mostra orgulhoso por poder afirmar que a Ordem dos Advogados está agora “mais empenhada na cidadania, menos voltada para os seus interesses corporativos e mais para os direitos e interesses legítimos dos cidadãos”, e que não está dependente do Governo, embora seja “uma associação pública, que exerce competências delegadas pelo Estado”. O cargo que exerce, define-o como muito trabalhoso e exigente de uma disponibilidade total e de uma capacidade de combate e de luta bastante superior àquilo que ele próprio pensava antes de o ter assumido, onde são muitas as frentes em que a ação de um bastonário se

desenrola, nomeadamente no relacionamento institucional com órgãos do Estado, com o Governo, com a Assembleia da República, mas também com o Presidente da República, com os Tribunais, com os magistrados. Mas o sentido acutilante que sempre o caracterizou também se fez logo sentir quando afirmou que se é normal que existam várias advocacias dentro da Ordem, que geram interesses próprios, possuem aspirações próprias, uma delas “tem uma grande influência no aparelho do Estado, no Governo, na Assembleia da República, onde tem os seus deputados, os seus sócios, e que tem vindo a modelar, progressivamente, ao longo das últimas décadas, a advocacia, a configuração legal da advocacia, em favor dos seus interesses específicos, que não são propriamente os interesses da maioria dos advogados”. Quanto à ministra Paula Teixeira da Cruz, a quem acusa de ter demonstrado uma profunda e perigosa ignorância sobre as questões da Justiça, sintetizou a sua posição em parcas palavras, considerando que não está “nem a servir os seus interesses nem os dos portugueses, seguramente só sabendo ela que interesses está a servir, mas que não são

certamente os da Justiça e os dos cidadãos”. Na mesma lógica de crítica acutilante cai o Presidente da República, a quem o bastonário recomendou menos uso do Facebook: “O Presidente da República deveria falar menos pelo Facebook e atuar mais a partir do Palácio de Belém, deveria ser mais interventivo. O Presidente é o principal garante do regular funcionamento das instituições democráticas e elas não estão a funcionar bem.” Por fim, a necessária mudança na Justiça, tema capital que não poderia fugir às palavras do bastonário, para quem é imperativo começar por aqueles que têm poder nos tribunais, os magistrados, reconhecendo que não se pode ser juiz aos 26, 27 ou 28 anos: “Não se pode, em sítio nenhum do mundo. Quando há juízes com estas idades, a justiça é má, de certeza, porque não se tem a maturidade e o bom senso, nem a experiência de vida necessária para julgar os outros.” Salta ainda o problema da sindicância, e aí, mais uma vez as palavras de Marinho e Pinto não oferecem dúvidas quando afirma que não se pode ser titular de um órgão de soberania, como são os Tribunais, e ao mesmo tempo estar organizado em sindicatos.

FRONTLINE/39


EM FOCO Especial Aniversário

PROMETER VITÓRIAS É DEMAGÓGICO” Luís Filipe Vieira

O

atual presidente do Sport Lisboa e Benfica, eleito pela primeira vez a 3 de novembro de 2003, tem sido um homem no relançamento do clube e um dos responsáveis pela construção do novo Estádio da Luz e pelo novo centro de estágios do Seixal. “Anos difíceis em que conseguimos superar enormes obstáculos e inúmeras dificuldades”, relembrou Luís Filipe Vieira na sua entrevista à FRONTLINE, ao falar de um Benfica que é a instituição com o maior número de sócios e, como faz questão em sublinhar, “somos, como costumo dizer, uma pátria de muitos países, em que a lusofonia tem particular destaque”. A primeira pergunta era inevitável, o que é ser-se presidente do Benfica? Orgulho, muito trabalho e sentido de missão ressaltam com alguma modéstia do discurso de Luís Filipe Vieira, para quem não se contabilizam horas nem os sacrifícios que se fazem na dedicação ao clube. Um clube que, pese embora o pendão de vitória do seu presidente, só conseguiu ganhar dois campeonatos nos nove anos de exercício dos seus mandatos. Mas o presidente não se deixou intimidar: “Essa é uma

40/FRONTLINE

pergunta típica de quem desconhece o que era o Benfica há pouco mais de uma década. Se o ponto de partida quando cheguei ao clube fosse o que temos hoje, garanto-lhe que o equilíbrio a nível de resultados desportivos seria totalmente diferente. Dificilmente se consegue ganhar quando não há dinheiro, quando não há infraestruturas, quando temos que lutar com um sistema viciado que anula qualquer tipo de mérito. Foi contra tudo isto, em momentos diferentes e durante anos, que lutámos e tivemos de contrariar. A nossa primeira prioridade foi, como não podia deixar de ser, salvar o Benfica e foi – é bom nunca o esquecer – uma tarefa colossal. Depois foi necessário denunciar uma série de práticas criminosas que viciavam os resultados desportivos. Foram duas duríssimas batalhas travadas de forma contínua. No futebol nada é imediato.” Anos difíceis em que o problema da corrupção na arbitragem foi certamente tema dominante, mas que o presidente do Benfica contorna de uma forma hábil, escusando-se, nas suas palavras, a “entrar por aí”, sem no entanto deixar de referir que “às vezes ainda há demasiadas coincidências, mas a ver-

dade é que toda a gente ficou a saber como é que se construíram durante décadas alguns resultados desportivos em Portugal”. Quanto à Seleção Nacional, Luís Filipe Vieira reconhece que fazem falta mais jogadores do Benfica e que hoje o clube começa a estar em condições para inverter essa situação: “Só no ano passado tivemos 42 atletas do Benfica convocados para as várias seleções jovens de Portugal. Algo inédito e que nunca antes outro clube tinha conseguido. Temos 309 atletas na nossa formação e apenas quatro estrangeiros, o que é um bom indicador do nosso trabalho.” Para o futuro, do presidente ficam duas notas, o facto de em 2015 o Benfica receber a final da Champions no Estádio da Luz, o que significa o reconhecimento da UEFA pelo trabalho desenvolvido pelo clube e por um estádio... e a promessa de que os sócios e simpatizantes podem esperar por um Benfica que entre em campo em todos os jogos com a ambição de os ganhar: “Espero sinceramente um Benfica campeão, mas, como já expliquei atrás, não vou ser demagogo e prometer algo que não depende apenas do nosso trabalho.”


EM FOCO Especial Aniversário

CASCAIS É ACIMA DE TUDO UM COMPROMISSO” Carlos Carreiras

E

ntrou na política muito novo quando, por influência dos seus pais – fundadores do PSD – participou na fundação da JSD, mas apesar de ter passado por várias empresas dentro e fora do país, é na política “enquanto exercício de cidadania” que o atual presidente da Câmara Municipal de Cascais se sente “sinceramente realizado”. Quanto às eleições autárquicas, marcadas para este ano, está confiante de que vai sair vitorioso, admitindo como natural que a “avaliação positiva” feita pelos munícipes se transforme “numa vitória em outubro próximo”. A aposta em obras que façam a grande diferença na vida das pessoas, a aposta na componente social e ao mesmo tempo a necessidade de criar garantias para que Cascais continue a ser o mais atrativo e o mais competitivo possível, de modo a que, por isso mesmo, se mantenha como uma referência de desenvolvimento económico, têm sido as linhas de orientação estratégica que marcaram este seu mandato à frente do município. E mesmo apesar do contexto da atual crise económica e financeira em que um dos problemas muitas vezes referenciados é o gran-

de endividamento das autarquias, o autarca revela toda a sua tranquilidade, elogiando o trabalho sempre feito pelas diversas forças políticas: “Em Cascais, o endividamento da autarquia nunca foi um problema – e não é um mérito desta maioria, é algo que já está enraizado. Todos os governos locais que foram passando tiveram sempre a preocupação de não suportar níveis de endividamento elevados. Cascais, para aquilo que é a sua capacidade de endividamento, está na ordem dos 40% – tomara que o país estivesse nos 60%, que é o objetivo europeu. Nesta perspetiva, estamos bem, o que não implica que não estejamos preocupados com a evolução das receitas.” Mas esta relativa tranquilidade não esconde aquilo que considera ser “o estado de guerra” que o país vive atualmente, onde não se sabe quem são os exércitos, quais são as suas armas, onde se situam. Uma guerra que considera que se desenvolve em duas frentes, uma externa e outra interna, mas onde a vitória já esteve mais longe: “Quanto à frente externa, estamos a conseguir vencê-la. Passou pela credibilidade de Portugal junto do exterior, quando este Governo

assumiu que estávamos completamente desacreditados, ao ponto de termos de pedir resgate contra a entrega da soberania nacional, e neste ano e meio, o esforço que tem sido feito pelo Governo e, muito especialmente, pelos portugueses tem levado a que a frente externa desta guerra esteja a ser ganha.” Quanto à frente interna, o seu otimismo já se desvanece, onde acredita que, neste momento, os portugueses precisam, mais do que refundar o Estado, refundar o movimento da esperança. Mas apesar deste reconhecimento também nunca escondeu as palavras de crítica ao atual Governo. Chegou mesmo a pedir a demissão do secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, a quem acusou de insensibilidade política quando anunciou o quadro de medidas impostas pela troika:“Foi uma atitude que não foi pensada, e para quem está nestas funções tem que ser pensada.” Quanto a Cascais, sempre evocou o slogan “Um lugar, mil sensações”, para reafirmar a sua convicção de autarca vencedor, como deixou bem expressa na sua entrevista à FRONTLINE: “Cascais é acima de tudo um compromisso.”

FRONTLINE/41


EM FOCO Especial Aniversário

A VISÃO (DO PAÍS) É ATERRADORA” Álvaro Beleza

Á

lvaro Beleza, dirigente nacional do Partido Socialista e responsável pela área da Saúde, onde tem como função “apresentar propostas que garantam a defesa e sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, não poupou a críticas o atual Governo na sua entrevista à FRONTLINE. Ao mesmo tempo que enfatiza que estar na política tem de ser para “contribuir para um país melhor”, acusa o Executivo de Passos Colho de revelar uma total “insensibilidade social para com o sofrimento dos portugueses” e de estar apenas preocupado em “levar por diante a sua política ultraliberal e a sua receita de austeridade a qualquer preço”. O pessimismo é mesmo amargo quando confrontado com a visão que o seu partido tem da situação económica, social e política de Portugal: “A visão é aterradora. E, por isso, o PS tem muito para melhorar quando for Governo. Portugal é neste momento um país governado por meros técnicos mercantilistas sem sensibilidade para os problemas sociais e económicos do país, sem capacidade de fazer reformas profundas, mas apenas cortes

42/FRONTLINE

cegos, sem experiência na economia produtiva, sem engenho nem arte para gerar crescimento e emprego.” Nesta lógica refuta a política de redução do Estado Social que está a ser seguida, particularmente na área da Saúde, considerando que é claramente uma opção ideológica e não uma imposição dos nossos credores: “Por exemplo, em 2011, o novo Governo de Portugal travou o crescimento da despesa em saúde em relação ao ano anterior 10 vezes acima da média de corte da OCDE de 2010 para 2011; em 2012 continua ávido de cortes cegos, a cortar na despesa da saúde o dobro do que a troika lhe pediu, segundo a própria OCDE afirma. A este ritmo não vai haver SNS quando a troika daqui sair e não há regresso aos mercados que nos valha na saúde.” Acabar com as taxas moderadoras nos cuidados primários de saúde, tendo por objetivo imediato cortar em 50% as taxas moderadoras nos cuidados primários e incentivar a ida ao médico de família e não ao hospital, a extinção da ADSE e a consequente fusão dos diversos subsistemas na área da saúde foram igualmente temas

quentes da temática da sua entrevista, mas as questões políticas acabaram por assumir maior relevância no atual contexto político. Para Álvaro Beleza é inequívoco que se o Governo não levar o mandato até ao fim, a culpa será “apenas da sua incompetência e sobranceria”, mas a acontecer, o Partido Socialista está preparado para enfrentar um cenário de eleições antecipadas e sem dúvida que sairá vencedor: “o PS está sempre à altura de qualquer desafio e estou certo de que, seguindo a máxima do nosso secretário-geral, não prometendo o que não poderemos cumprir, falando verdade, isto é, se formos sérios e com sentido de serviço público, os portugueses confiarão de novo no PS, para que Portugal tenha um futuro de esperança”. Mas conseguirá António José Seguro “unir esse PS” para esse futuro? A resposta do dirigente, do político, do médico, do professor universitário, foi inequívoca: “Já conseguiu e entre outros sinais ele foi o elo de reconciliação entre Mário Soares e Manuel Alegre, duas referências da democracia. Quer exemplo mais eloquente de liderança?”


GRANDE ANGULAR

Recuperação de Portugal

FINALMENTE,

BOAS NOTÍCIAS

por M. Sardinha

Regresso aos mercados antes do previsto, alargamento dos prazos das maturidades do empréstimo europeu e flexibilização das metas do défice. Algumas notas positivas para uma economia em sofrimento. 44/FRONTLINE


GRANDE ANGULAR

Recuperação de Portugal

C

om a perspetiva de um 2013 ainda difícil para Portugal e para os portugueses, o ano começou com algumas boas notícias que ajudam a manter viva a esperança de que a inversão das tendências negativas, que vêm sendo regra nos últimos anos, finalmente aconteça. Um inesperado regresso aos mercados por parte de Portugal foi a primeira dessas boas notícias. Com a ajuda do Banco Central Europeu, o Governo de Passos Coelho conseguiu emitir dívida de longo prazo, a cinco e a 10 anos, o que levou a uma elevada procura por parte dos investidores e permitiu uma baixa dos custos soberanos. BESI, Barclays, Morgan Stanley e Deustche Bank participaram nesta emissão de 2,5 mil milhões de euros, em que a procura ultrapassou 4,8 vezes a oferta. Emissão de dívida O presidente do BCE tinha avisado, logo no início do ano, que “as nuvens mais negras que assombravam a zona euro ficaram para trás” e esta emissão de dívida, que teve igual resultado em Espanha, foi uma das provas dessa realidade. Entretanto, Portugal juntou-se à Irlanda e negociou com os restantes países da zona euro uma possível extensão

das maturidades dos empréstimos financiados pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira e pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade, de modo a facilitar o seu regresso aos mercados de dívida secundária, previsto para este ano. Na última reunião do Eurogrupo, em início de fevereiro, os ministros das Finanças europeus chegaram a um acordo de princípio sobre esse prolongamento do prazo dos empréstimos de assistência financeira concedidos a Portugal e à Irlanda, o que acabou por ditar um olhar mais otimista por parte dos mercados a estas economias. Também foi a vez da troika alargar num ano o prazo para Portugal reduzir o défice para valores abaixo dos 3%, passando de 2014 para 2015. A decisão acabou por ser ditada pelo facto de se antecipar que a degradação da economia europeia gerará uma maior recessão no país. Fonte citada pela Reuters dizia que a troika reconhecia os esforços feitos por Lisboa para atingir as metas estabelecidas no plano de resgate, assegurando que “este objetivo [do défice] será atingido em 2015.A recessão neste ano de 2013 será maior, cerca de 2%, o que fará com que a execução orçamental seja mais difícil”, adiantou. Com este prolongamento do prazo, Portugal fica também em melhores condições para

FRONTLINE/45


GRANDE ANGULAR

Recuperação de Portugal

regressar de forma autónoma aos mercados e financiar-se sem constrangimentos. Com todas as notícias de que Portugal continua a ser um “bom aluno” da troika e que terá direito a alguma flexibilidade, as agências de notação financeira foram rápidas a manifestar-se. A primeira foi a Standard & Poor’s, que melhorou mesmo a sua perspetiva sobre a conjuntura económica nacional. A agência deixou cair a classificação de perspetiva “negativa” para adotar uma perspetiva “estável” sobre a solvabilidade nacional a longo prazo da economia portuguesa. O rating ficou ainda assim classificado como BB, o que equivale a um nível de investimento especulativo dois degraus abaixo da classificação “lixo”. Esta notícia levou de imediato o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho a falar num “sinal de recompensa” para os portugueses e a olhar para ela como um “estímulo” para o processo de ajustamento económico. Mas a agência deixou um alerta, assumindo reservas face aos riscos sociais do avanço do corte de 4 mil milhões de euros na despesa do Estado que o Governo negociou com a troika durante a sétima avaliação do memorando de entendimento. Para a Standard & Poor’s existe o risco deste corte anular os benefícios do alargamento dos prazos dos empréstimos europeus e das alterações no ajustamento orçamental.

46/FRONTLINE

Quanto à Moody’s, preferiu não mexer para já no outlook do rating português, mas veio dizer que via com bons olhos a extensão dos prazos de reembolso dos empréstimos a Portugal e à Irlanda, porque isso irá facilitar o regresso em pleno aos mercados.Ainda assim, sugeriu que uma redução da taxa de juro dos financiamentos contribuiria para melhorar ainda mais a situação financeira dos dois países. Nesta agência, o rating nacional continua no nível “Ba3”, já na categoria considerada “lixo”, com perspetivas de evolução negativas. Capacidade líquida de financiamento A fechar o mês de março, os portugueses ficaram a saber que o país teve uma capacidade líquida de financiamento equivalente a 0,4% do PIB no ano passado, o que não acontecia, pelo menos, desde 1995. Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) tiveram em conta uma subida das exportações e uma queda das importações, que acabou por ser determinante para esta evolução positiva das contas externas.Além desta melhoria, o INE salientou também “que se verificou um aumento do saldo das transferências de capital e do saldo das transferências correntes”. Algumas notas positivas para uma economia que continua a destruir emprego e em que os impostos sobre as famílias e as empresas prometem não dar tréguas em 2013.


MOTORES ESPECIAL Salão Automóvel Grande Prémio dede Macau Detroit (NAIAS)

ACELERAR PARA A META Realizado pela primeira vez em outubro de 1954 como uma corrida para amantes locais do desporto automóvel, o Grande Prémio de Macau transformou-se naquela que muitos consideram a melhor prova em circuito urbano do mundo. Celebrando no presente ano a sua 60.ª edição, este evento promete não desiludir. 48/FRONTLINE


MOTORES ESPECIAL Salão Automóvel Grande dePrémio Detroitde (NAIAS) Macau

O

primeiro Grande Prémio de Macau realizou-se pela primeira vez nos dias 30 e 31 de outubro de 1954 e contou com 15 participantes numa prova de 51 voltas ao circuito da Guia (6,2 km), que durou quatro horas. O Triumph TR2 de Eddie Carvalho venceu na prova inaugural, enquanto Gordon “Dinga” Bell estabeleceu a volta mais rápida ao comando de um Morgan. No entanto, o circuito deixava muito a desejar e os comissários relataram que a parte interior “era muito má – muito suja e com areia solta”. A competição automóvel era a fórmula encontrada pelas autoridades locais para promoverem Macau enquanto destino turístico, em contraponto com a vizinha Hong Kong, mas só na década seguinte é que as corridas se tornaram o “ex-líbris” macaense.

Em 1960, o Grande Prémio de Macau fez pela primeira vez parte do calendário internacional de provas automobilísticas na qualidade de “corrida nacional com participação estrangeira”, sendo, também pela primeira vez, realizado de acordo com os regulamentos da FIA relativos a automóveis de desporto e grande turismo. O piloto escocês Martin Redfern, no seu Jaguar XK SS, venceu o 7.º Grande Prémio de Macau. O segundo lugar foi para o americano Grant Wolfkill, num Porsche Spyder, enquanto o terceiro foi para o inglês Jan Bussell, num Ferrari Monza. Na prova, o recorde da volta foi batido 11 vezes – quatro por Redfern, duas por Bussel e cinco por Wolkill, que veio a estabelecer a volta mais rápida com 3:17.20.

FRONTLINE/49


MOTORES ESPECIAL Salão Automóvel Grande Prémio dede Macau Detroit (NAIAS)

Circuito obrigatório O Grande Prémio de Macau atingiu a sua maioridade internacional quando a Fórmula 3 se tornou viveiro de grandes pilotos e, em especial, patamar para subir à Fórmula 1 (F1). Assim, o circuito passou a ser obrigatório no portefólio de um jovem piloto, com aspirações a Campeão do Mundo de F1. O ano de consagração da prova foi 1983, quando um “desconhecido”, de seu nome Ayrton Senna, foi o vencedor. Depois de Senna, quase todos os pilotos que inscreveram o seu nome no pódio da prova do circuito da Guia chegaram à F1. Destaque para nomes como Michael Schumacher, em 1990; David Coulthard, no ano seguinte, e Ralf Schumacher, em 1995. Os últimos pilotos que venceram o Grande Prémio de Macau e chegaram depois à F1 foram Takuma Sato, em 2001, e Lucas di Grassi, em 2005. Por se tratar de um circuito muito difícil, vencer nes-

50/FRONTLINE

ta pista citadina significa, muitas vezes, bastante mais que ser campeão num qualquer campeonato local. Em 2013, o Grande Prémio de Macau irá decorrer em dois fins de semana para assinalar os 60 anos do evento, à semelhança do que aconteceu na 50.ª edição. Cores nacionais As cores da nossa bandeira foram também representadas, primeiro, por Pedro Lamy, que ficou em segundo lugar em 1993, ano em que enfrentou Jorg Muller e perdeu. Em 2000, André Couto subiu ao lugar mais alto do pódio, depois de várias tentativas anteriores frustradas. Tiago Monteiro foi outro nome luso que brilhou na Guia, mas o melhor que conseguiu foi um 9.º lugar, também em 2000. Em 2012, António Félix da Costa venceu o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, entrando para a história ao vencer esta importante e carismática prova do automobilismo mundial.


MOTORES ESPECIAL Salão Automóvel Grande dePrémio Detroitde (NAIAS) Macau

TEDDY YIP Como piloto, dono da lendária Theodore Racing Team ou como patrocinador, Teddy Yip deu um contributo incalculável ao Grande Prémio de Macau, desempenhando um papel primordial para o atual reconhecimento internacional do evento no palco do desporto motorizado. Por tudo isto, o seu nome ficará, para sempre, associado ao Grande Prémio. Desde 1955, e apesar do acidente nos treinos que o impediu de participar na prova, a sua presença deixaria uma marca indelével neste acontecimento automobilístico. Em 1983, ano da estreia da F3 em Macau, a sua equipa incluía o então jovem piloto Ayrton Senna, que veio a alcançar uma impressionante vitória, consagrando-se mais tarde como um dos maiores pilotos de F1. A elevada estima e consideração com que Teddy Yip contava na competição automóvel levá-lo-ia, em 1978, à organização da Corrida dos Gigantes, em comemoração do 25.º Grande Prémio de Macau, com a participação de alguns pilotos mundiais bem conhecidos, como Jackie Stewart e Jacy Ickx. Uma década mais tarde, Yip assumiu de novo o papel principal na organização da Corrida dos Campeões, incluindo nomes lendários como os de Al e Bobby Unser e Geoff Lees. A motivação, entusiasmo e perícia da condução de Teddy ficarão para a história do círculo de corridas de automóveis de Macau e em todo mundo.

FRONTLINE/51


IANUS IANUSPorta dupla batente em vidro branco Porta dupla batente em vidro branco


Longhi Portugal Longhi Portugal Rua Antoine de Saint-ExupĂŠry - Alapraia Rua2765-043 Antoine de Saint-ExupĂŠry - Alapraia Estoril 2765-043 Estoril Tel. +351 21 466 71 10 Tel.www.jrb.pt +351 21 466 71 10 www.jrb.pt geral@jrbotas.com geral@jrbotas.com

F.lli Longhi s.r.l. F.lli Longhi s.r.l. 143 via Indipendenza, via Indipendenza, 20821 Meda (MB) 143 20821 Meda (MB) Tel. +39.0362.341074 r.a. Tel. +39.0362.341074 r.a. www.longhi.it www.longhi.it longhi@longhi.it longhi@longhi.it


DOSSIER Jo達o Cupertino


DOSSIER João Cupertino

UM ESTILO

MUITO PRÓPRIO

Sempre muito ligado à arte de fotografar, João Cupertino mostrou, desde cedo, o seu interesse pela fotografia. Contudo, foi através da sua outra paixão, a música, que despertou verdadeiramente para a fotografia e para o retrato. FRONTLINE/55


EM FOCO João Cupertino

J

oão Cupertino nasceu em Lisboa, onde frequentou os cursos de Direito e de Línguas e Literaturas Modernas da Universidade Clássica de Lisboa. Concluiu o curso de Fotografia no IADE, seguindo depois para o Spéos Institute, em Paris, onde continuou a estudar fotografia e onde foi assistente do fotógrafo Michel Vernet. Foi editor de fotografia da revista Valor, entre 1991 e 1997, do jornal Académico, entre 1993 e 1994, da revista PM - Política Mesmo, entre 1997 e 1998, e consultor de Fotografia do grupo Euronotícias entre 1999 e 2003. Em 1996, decidiu abrir um estúdio próprio e desde então tem colaborado com diversas publicações nacionais e conta com vários trabalhos publicados no estrangeiro. Desde cedo que este profissional ganhou o gosto pela fotografia, porém, foi graças à música, a sua outra paixão, que aprendeu a gostar realmente da fotografia e do retrato. “No início dos anos 80, com o movimento do rock português, comecei a tocar guitarra em algumas bandas e era preciso fazer fotos dos músicos e das bandas. Essa tarefa acabou por recair sobre mim, pois tinha uma máquina reflex de 35 mm, alguma experiência a fotografar e sobretudo muitas noções de enquadramento e perspetiva”, recorda.

56/FRONTLINE

Para João Cupertino, é muito importante estar concentrado “no olhar e no sentir” enquanto fotografa. Para isso, tal como revela, “é necessário dominar a técnica e o equipamento, de forma a que sejam uma extensão natural do fotógrafo e não uma barreira entre o fotógrafo e o seu objeto fotográfico”, conclui. Áreas de interesse Para além da área editorial e de moda, João Cupertino tem trabalhado em áreas como a fotografia publicitária e institucional, para clientes como a Nike, a Deloitte, a Siemens, a Nokia, a TMN, a PT, a Sonae e a BP, entre outros. Paralelamente, e ao longo dos anos, tem também desenvolvido trabalho de autor, contando já com várias exposições em nome individual. Dono de um estilo muito próprio, que dá a conhecer um pouco da sua grande paixão pelo cinema e pela pintura, assegura que não segue nenhuma tendência, já que, tal como revela, o seu trabalho tem acompanhado a sua “evolução pessoal e profissional”. Contudo, não pode deixar de referir nomes como Yousuf Karsh, Annie Leibovitz ou Helmut Newton, fotógrafos que muito admira. No futuro, espera poder continuar o seu percurso artístico e criativo, pois só assim se sente realizado.


DOSSIER Jo達o Cupertino

FRONTLINE/57


HOTELARIA Andréa Natal

“O COPACABANA PALACE É UM OÁSIS NA CIDADE E UM BELO REFÚGIO” 60/FRONTLINE


HOTELARIA Andréa Natal

por Nuno Carneiro

Andréa Natal assumiu, recentemente, as funções de gerente geral do Copacabana Palace. Revelando que este é um cargo “muito exigente”, conta-nos que tem uma equipa “muito boa” que permite que seja feito um ótimo trabalho. Para a gerente geral, o hotel clássico, que celebra este ano 90 anos, “é um oásis na cidade”, talvez por isso seja capaz de atrair tanta gente jovem, que procura um serviço diferenciador. De modo a estar pronto para receber dois grandes eventos, como o Mundial de Futebol e os Jogos Olímpicos, o Copacabana Palace investiu cerca de 12 milhões de euros na renovação de vários espaços. O próximo grande projeto é o Teatro, que será uma sala multifuncional capaz de receber “temporadas de teatro, de música e também congressos e convenções”, conclui Andréa Natal. Como é ser-se gerente geral de um hotel mítico como o Copacabana Palace e suceder a uma figura tão emblemática como Philip Carruthers? É muito bom porque este é um hotel onde tudo acontece, é como se fosse uma cidade ou uma casa, nós não fechamos, estamos abertos 24 horas. Temos uma equipa muito grande, dividida em três turnos – manhã, tarde e noite –, com quase 600 funcionários. É uma superestrutura, uma equipa de manutenção imensa, uma equipa de segurança enorme, comparada com outros hotéis no Brasil e no exterior. O cargo de gerente geral é muito exigente porque temos não só de tratar da parte operacional, como fazemos um grande trabalho de relações públicas, pois todos os cariocas, todos os brasileiros, se sentem donos deste hotel. Todos querem participar no que acontece no hotel e querem opinar, então, temos de ter um cuidado muito grande, que outros hotéis não têm, com a sociedade, com os brasileiros. Temos uma equipa muito boa a dar suporte em todas as áreas, para que consigamos fazer um trabalho bem feito. Como define o Copacabana Palace? Como um respeitável senhor de 90 anos – que comemoramos este ano. Mas muito atualizado, preocupado com o conforto, com a qualidade do serviço. É um hotel muito clássico, um palácio, é o único palácio que se encontra aberto e a funcionar no Rio de Janeiro, no qual

se descobre todo o tipo de clientes, desde os muito jovens aos mais velhos. O Copacabana Palace é uma unidade que apesar de ter 90 anos atrai muita gente jovem. O Copacabana Palace celebra, a 13 de agosto, 90 anos. Têm algum evento preparado? Queremos realizar um evento parecido com o que fizemos na reinauguração do prédio principal. Queremos criar uma agenda onde possamos ter, durante dois ou três dias, visitas ao hotel. O Copacabana Palace é muito desejado por todos, pelo que iremos ter a colaboração de um historiador e agendar visitas. As pessoas vão poder ligar para o hotel e agendar uma visita guiada para conhecer a unidade, até nos bastidores. O que distingue o Copacabana Palace das outras unidades hoteleiras de cinco estrelas existentes no Rio de Janeiro? O que nos diferencia é o espaço que ocupamos. Este é um hotel praticamente horizontal. Temos campos de ténis, dentro da zona Sul, uma piscina semiolímpica, alguns serviços que outros hotéis não conseguem ter porque a sua estrutura é outra. Quando sobrevoamos a praia de Copacabana, vemos este edifício maravilhoso, com uma fachada linda, bem conservada. O que mais nos diferencia, além deste produto, são os investimentos que são feitos incessantemente, desde

FRONTLINE/61


HOTELARIA Andréa Natal

que a Orient-Express comprou o hotel, não só no produto como na mão de obra. Investimos muito na formação de novas equipas. Temos bastantes portugueses nos restaurantes, na área de guest relations, e o nosso atual gerente operacional é também português. A equipa está sempre em renovação, estamos sempre a contratar novos profissionais. Também temos pessoas que já estão cá há muito tempo, mas que continuam a receber formação e a prestar um bom serviço. O que mais aprecia nesta unidade? Sempre que viajo para a Europa, visito vários hotéis, alguns até mais antigos do que o Copacabana. E embora sejam unidades de luxo, quando volto, normalmente no inverno, entro no Copa e sinto que estou num oásis. Considero este espaço muito especial porque nos remete para outros lugares. Estamos no Rio de Janeiro e a desfrutar de um ambiente muito europeu. Este é um oásis na cidade. O Copacabana Palace é um grande e belo refúgio. Com a sua promoção a gerente geral, tem início um novo ciclo nesta unidade hoteleira. Que novidades podemos esperar? Desde que a Orient-Express comprou o Copacabana Palace, a pessoa que esteve sempre presente em todos

62/FRONTLINE

os processos foi Philip Carruthers. Sinto-me muito o braço direito dele, sempre o acompanhei muito na parte operacional. Hoje estou a avançar para o outro lado, com uma nova equipa. As novidades vão surgir, contudo muitas coisas vão ser mantidas porque é assim que deve ser. Outras, como é natural, requerem mudança. Vamos fazer algumas alterações na equipa, nós queremos atrair os brasileiros e os jovens. Queremos que eles continuem a descobrir o Copa como destino no Rio de Janeiro. Em 2014 o Rio de janeiro vai receber um dos eventos mais importantes no que ao futebol diz respeito. O que é que o Copacabana fez para se preparar para receber o Mundial de Futebol? O que falta ainda fazer? O Copa apoia todos os grandes eventos. Quando a cidade foi candidata a receber os Jogos Olímpicos, todas as decisões foram tomadas aqui dentro e o projeto de candidatura do Rio de Janeiro para receber os Jogos Olímpicos foi apresentado também aqui. A FIFA elegeu a nossa unidade como o FIFA Family Hotel e durante todos os jogos do campeonato do mundo, a FIFA vai estar estabelecida aqui. Para nós este é um evento muito importante, uma vez que os


HOTELARIA Andréa Natal

brasileiros adoram futebol. Acho que vão ser dias e dias de festa na cidade. Durante esse período, temos o hotel praticamente todo ocupado. Vamos receber executivos, e o nosso trabalho vai ser acomodá-los, preparar alguns eventos paralelos – que vão acontecer aqui no hotel – e prestar um bom serviço. O mesmo se vai passar durante os Jogos Olímpicos? Sim, exatamente. O processo de remodelação do Copacabana já está concluído? O que falta ainda fazer? Falamos de que valores, em termos de investimento? No ano passado investimos 30 milhões de reais, cerca de 12 milhões de euros, na reforma de 60 quartos. Todo o 1.º andar e o 2.º, e parte dos 3.º e 4.º andares, onde existiam salas de banho que ainda não tinham sido remodeladas, sofreram alterações. O 6.º andar, por seu lado, foi todo decorado. Ou seja, no Prédio Principal, ou foram feitas obras de reforma ou de decoração. O nosso próximo grande projeto é fazer o Teatro, a grande obra desde a geração Guinle. Esta é a única

área que nunca foi alterada desde a compra do hotel. Nós temos um projeto pronto e devemos conseguir realizá-lo em 2015. Isso é mais uma questão social do que propriamente um negócio... Nós apoiamos muito a área cultural do Brasil como um todo e queremos voltar a ter o teatro, mas queremos que esta seja também uma sala multifuncional. Queremos ter temporadas de teatro, de música e também receber congressos e convenções. Como vê a tentativa de compra do Copacabana Palace por parte do indiano Ratan Tata? Isso são especulações, contudo houve uma tentativa mais agressiva ultimamente. Houve uma OPA hostil em bolsa? Sim, é verdade. Este negócio poderá vir a realizar-se? Não. O hotel não está à venda. Mas fez subir as ações... Ele queria oferecer 11,8 quando as ações estavam a 6.

FRONTLINE/63


HOTELARIA Andréa Natal

PRIMEIRA PESSOA

ANDRÉA NATAL Viagem inesquecível

Alasca

Hotel de sonho? Fazenda da Lagoa Restaurante preferido? O room service Copacabana Palace A cadeia Orient-Express está cotada em bolsa. O que mudou? Nós temos mais acionistas, mas acho que para a nossa rotina, como hoteleiros, não mudou muito. Existem conferências de três em três meses, nas quais participam banqueiros e qualquer pessoa pode ouvir a conference call da Orient-Express. Existem muitas pessoas interessadas em saber como vai a saúde da companhia, que vai muito bem. Este hotel é um dos mais importantes no panorama do grupo Orient-Express. O que é que isto representa para si? Os três primeiros meses do ano são muito importantes para nós, isto porque alguns hotéis estão fechados e o peso cai muito sobre os nossos resultados aqui no Brasil, que nesses meses são muito bons. Então a nossa responsabilidade é muito grande, somos um hotel muito rentável, sempre. A nossa contribuição é muito grande. Para si o Copacabana é… Para mim o Copa é parte integrante da minha vida. Estou aqui há 17 anos. Tenho um carinho muito grande pelo hotel e pela sua história. Esta unidade é, para mim, motivo de orgulho.

64/FRONTLINE

O que valoriza nos outros? Generosidade É apaixonada por… Pela vida Um livro que tenha lido mais do que uma vez Vozes do Deserto Teatro ou cinema? Cinema Poema da sua vida “Tens o dom” Férias na praia ou na cidade? Praia A cidade da sua infância? Petrópolis Sente saudades de... Da minha vida nas Seychelles Viveu tudo o que queria? Acho que todos querem viver sempre mais alguma coisa Figura pública que admira? Joaquim Barbosa (Presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil)


Inipi B, Design by EOOS

Louça e mobiliário de sala de banho, bases de duche, banheiras, sistemas de hidromassagem e bem-estar, acessórios: Duravit é a solução ideal para a sala de banho completa. Para mais informações contacte: Duravit Portugal, Rua Antoine de Saint-Exupéry, Alapraia, 2765-043 Estoril, duravit@jrbotas.com, Telefone 21 466 71 10, www.duravit.com


MAGAZINE Marketing olfativo

FRAGRÂNCIA EMOCIONAL Promover a experiência de sensações inesquecíveis através de fragrâncias é uma arte que se consegue com muita ciência. Uma fórmula perfeita é capaz de recriar, com apenas uma gota, um campo inteiro de flores, como diz Patrick Suskind no seu livro O Perfume. Conheça melhor o marketing olfativo. 66/FRONTLINE


MAGAZINE Marketing olfativo

P

or que razão o cheiro de um creme protetor solar lembra as férias? E porque é que o cheiro de lenha queimada lembra as magníficas noites de Natal em família? Até há bem pouco tempo nunca ninguém tinha parado para pensar nisto, e as empresas não se tinham apercebido do efeito positivo que determinada fragrância pode ter nos clientes.A maior parte das empresas baseia a sua identidade corporativa na imagem (logótipo, patrocínio ou mobiliário) e também no som (música nas lojas ou a melodia de um anúncio televisivo). Contudo, a emoção que um odor evoca pode ser decisiva na hora de adquirir determinado produto e é possível identificá-lo com os valores que a marca pretende transmitir. Por tudo isto, a assinatura olfativa de um empreendimento, de uma marca ou de um produto é cada vez mais importante. O marketing olfativo é, desta forma, um fantástico recurso que tem como objetivo criar empatia entre os clientes,

transformando um espaço num ambiente único. Por explorar o nosso sentido mais fiel, o olfato é uma ferramenta que tem sido utilizada em vários países e os resultados têm sido muito positivos. A Disney, por exemplo, utiliza essa ferramenta há 15 anos nos seus parques temáticos. Um caso de sucesso A i-sensis Perfume Design é uma empresa especializada na criação de fragrâncias como assinaturas olfativas que traduzam, de forma diferenciadora, a mensagem que os clientes pretendem transmitir. Na essência, a i-sensis cria emoções que resultam numa envolvência com a marca e que seja uma ligação afetiva positiva, criadora de bem-estar e de felicidade. A i-sensis pratica metodologias de briefing adequadas a cada caso, para a obtenção de um produto final que se adapta às exigências de uma determinada

FRONTLINE/67


MAGAZINE Marketing olfativo

marca e sirvam para elevar ainda mais o seu prestígio. O processo de briefing é iterativo e interativo, no qual se traduz o desejo do cliente em fragrância, e que só é dado por terminado quando os clientes se sentem surpreendidos e se identificam completamente com a fórmula desenvolvida como o seu aroma. Esta assinatura olfativa pode ser então aplicada em vários suportes, tais como perfumes de uso corporal, velas, reed diffusers e produtos perfumados, sendo estes suportes presentes numa grande variedade de escolhas ao nível de design, acabamento e embalagem. Todos estes produtos são produzidos em regime de private label e sob uma política de “chave na mão”. A importância desta aposta A assinatura olfativa pode ser utilizada por empresas ou marcas, para a aromatização dos espaços corporativos e/ou comerciais, usando uma tecnologia própria patenteada – MySensis e XLSense. A aromatização de espaços apela aos sentidos e define uma personali-

68/FRONTLINE

dade inerente ao espaço, que comunica sofisticação e promove uma atmosfera de bem-estar, atrativa, em sintonia com o ambiente, cores e texturas, reforçando as qualidades do produto e marca. Localizada no dinâmico concelho de São João da Madeira, a i-sensis é uma empresa jovem e inovadora, que foi criada a partir de um spin-out académico de base tecnológica. Na i-sensis a investigação e pesquisa das essências que seguem as tendências de moda mundial na área da perfumaria e a criação de novas soluções perfumadas representam um trabalho contínuo, que tem como objetivo final proporcionar aos nossos parceiros um serviço inovador, eficaz e de alta qualidade. Contactos i-sensis http://www.i-sensis.com/ info@i-sensis.com


TOP TEN FRONTLINE

O MELHOR

DOS MELHORES

Depois destes seis anos a viajar e a conhecer vários destinos, unidades hoteleiras, spas e restaurantes de topo, a equipa da FRONTLINE apresenta aos seus leitores as suas escolhas.

HOTÉIS NACIONAIS MELHOR HOTEL NACIONAL Cascais Miragem TOP TEN - Reid’s Palace - The Yeatman Hotel - Fortaleza do Guincho - Fontana Park Design Hotel - Tiara Park Atlantic Lisboa

-

HOTÉIS INTERNACIONAIS MELHOR HOTEL INTERNACIONAL Four Seasons Koh Samui TOP TEN - Copacabana Palace - MGM Macau - The Plaza Hotel - Mandarin Oriental Hyde Park - The Peninsula Hong Kong

70/FRONTLINE

-

Hotel Cipriani Venice Hilton Millennium Bangkok Hotel Hotel Ritz Madrid Four Seasons George V Paris Sport Hotel Hermitage & Spa

- Farol Design Hotel - Grande Real Villa Itália Hotel e Spa - Vila Vita Parc - Bairro Alto Hotel - Corinthia Hotel Lisbon


TOP TEN FRONTLINE

DESTINOS MELHOR DESTINO Macau TOP TEN - Veneza - Rio de Janeiro - Paris - Lisboa - Nova Iorque

-

Banguecoque Dubrovnick Londres Madrid Porto

SPAS MELHOR SPA Altira Macau TOP TEN - Sport Hotel Hermitage & Spa - The Yeatman Hotel Caudalie Vinothérapie Spa - Blue Lagoon Geothermal Spa - Chiva-Som Spa Hua Hin - Four Seasons Koh Samui - Mandarin Oriental Kuala Lumpur

- Corinthia Hotel Lisbon Longevity Medical Spa - Christopher St. Barth Sisley Spa - Marina Real Spa Grande Real Villa Itália - Banyan Tree Spa Estoril

RESTAURANTES MELHOR RESTAURANTE Robuchon au Dôme (Grand Lisboa Macau) TOP TEN - Restaurante Fortaleza do Guincho - Restaurante Gourmet (The Yeatman) - Blue Elephante (Banguecoque) - Ocean (Vila Vita Parc) - Cantinho do Avillez - Sacramento do Chiado

- Restaurante Gourmet (Cascais Miragem) - António (Taipa - Macau) - The Mix (Farol Design Hotel) - Grill Four Seasons (Palácio Estoril Hotel)

FRONTLINE/71


MOTORES EM DESTAQUE Salテ」o Automテウvel de Genebra

PAIXテグ PELAS QUATRO RODAS 72/FRONTLINE


EM DESTAQUE MOTORES Salão Automóvel de Genebra

Velocidade, potência e dinamismo foram as palavras de ordem de mais um Salão Automóvel de Genebra. Neste certame, onde os construtores de automóveis de todo o mundo competem em pé de igualdade, não faltaram novidades.

FRONTLINE/73


MOTORES EM DESTAQUE Salão Automóvel de Genebra

C

om o recinto da PalExpo ampliado, foram mais de 700 mil os visitantes que este ano não quiseram deixar de conhecer as novidades do Salão Automóvel de Genebra. Mesmo com a crise que atinge o setor a não deixar margem de manobra para que as várias marcas apresentem muitas novidades, a verdade é que os fabricantes automóveis não perdem uma oportunidade para exibirem os seus novos modelos. Numa luta constante pelo baixo consumo, a Audi voltou uma vez mais a marcar pontos, com o A3 e-tron, com emissões de CO2 de apenas 35 g/km. O hatchback de cinco portas, ainda sem data de lançamento, promete uma autonomia de quase 1000 km, com 50 km em modo 100% elétrico. Por seu lado, a BMW apresentou o série 3 GT, um coupé de cinco portas com mais mala e habitabilidade que a berlina. Já a Honda exibiu a recuperação da carroçaria de carrinha que o Civic não dispunha desde a sua 6.ª geração. O Tourer deverá ser lançado ainda este ano, chegando ao mercado em janeiro de 2014. Em estreia europeia, a Mercedes apresentou o muito aguardado CLA, um coupé de quatro portas posicionado abaixo do CLS. Graças a alterações na aerodinâmica e à redução de atrito dos componentes internos, o Nissan Leaf brilhou em

74/FRONTLINE

Genebra, com a extensão da autonomia para 199 km. Já a bagageira cresceu em 40 litros, atingindo os 370. O sonho tornado realidade Apenas acessíveis para multimilionários, o La Ferrari, uma produção limitada a 499 unidades, conta com sistema HY-KERS (similar ao dos carros da F1) e é animado por um motor 6.26 V12 atmosférico de 800 cv acoplado a um motor elétrico de 163 cv, num total de 963 cv. Este acelera dos 0 aos 100 km/h em menos de três segundos e atinge mais de 350 km/h. A MCLaren contrapõe, com 913 cv debitados por um motor V8 biturbo com 737 cv e um motor elétrico de 176 cv, que também acelera dos 0 aos 100 em menos de três segundos. Únicos são também o Lamborghini Veneno, com motor V12 6.5 de 750 cv, 2,8 segundos dos 0 aos 100 km/h, atingindo os 355 km/h, e o Agera S Hundra da Koenigsegg, que conta com um motor V8 5.5 biturbo de 1040 cv de potência. Destaque ainda para as superluxuosas limusinas, cuja estrela foi o novo Rolls-Royce Wraith, com motor 6.6 V12 com 632 cv, que será lançado no final de 2013. Menção ainda para os Bentley Flying Spur, com motor 6.0 V12 biturbo de 625 cv; a estreia mundial do Maserati MC Stradale, com motor V8 de 460cv; e o Aston Martin Rapide S (motor 6.0 V12 atmosférico, 558 cv e 306 km/h de velocidade máxima).


MOTORES BMW

UM CABRIO

PARA CADA OCASIÃO A sensação de liberdade, o desfrutar do sol quente e do ar fresco, sem esquecer o infinito prazer de conduzir a céu aberto, tudo são boas razões para comprar um cabrio. Mas se ainda não está totalmente convencido, a BMW acrescenta mais quatro razões: o Série 1, o Série 3, o Série 6 e o Z4. Boa viagem!

D

iferentes entre si, mas iguais no que toca ao prazer de condução, os quatro modelos cabrio que lhe apresentamos contam com um fantástico comportamento dinâmico, elegância e beleza. Por exemplo, o BMW Série 1 Cabrio apresenta um sensacional design e uma enorme intensidade desportiva. Já o BMW Série 3 Cabrio, com a capota rígida retráctil, oferece o mais puro prazer de condução 365 dias por ano. O BMW Série 6 Cabrio é a síntese perfeita de formas claras, movimentos fluidos e comportamento dinâmico isento de compromissos. E o BMW Z4 é a perfeita reencarnação do clássico roadster. Equipado com uma atraente capota rígida retráctil, garante o mais puro prazer de condução com a capota aberta ou fechada. Série 1 Cabrio: singular prazer de condução A luz do sol reflete no capot alongado do Série 1 Cabrio e os últimos raios solares perdem-se, lentamente, nos marcantes contornos da robusta carroçaria. O encantador design exterior do BMW Série 1 Cabrio deixa transparecer uma harmoniosa linguagem de formas, inspirada na atlética dinâmica. Com a capota fechada, o BMW Série 1 Cabrio ostenta as suas linhas claras, que destacam o seu carácter puramente desportivo. Com a capota aberta, o veículo apresenta um visual mais achatado e longo, com uma traseira alongada e elegante. Alojando-se automaticamente na bagageira em apenas 22 segundos, a capota oferece ao

76/FRONTLINE

condutor e aos passageiros o singular prazer de viajarem a céu aberto. À noite, as luzes da cidade brilham nas superfícies côncavas e convexas da carroçaria, envoltas pelas luzes de destaque LED e pelos farolins traseiros. Desportivo, vigoroso, dinâmico, o BMW Série 1 Cabrio exibe toda a sua potência logo no primeiro confronto visual. A forma e o design são a consequência lógica das inovações técnicas e da potência que caracterizam o cobiçado veículo. Não é por acaso que o condutor se sente bem a bordo do BMW Série 1 Cabrio, logo desde o primeiro momento. Todas as superfícies, todas as linhas, todos os botões e demais elementos de comando do painel de instrumentos do BMW Série 1 Cabrio estão posicionados no sítio certo e perfeitamente orientados para o condutor. Os engenheiros da BMW estabelecem novos critérios em cada nova geração de motorizações para obterem uma maior dinâmica e eficiência, como provam os motores a gasolina e diesel do BMW Série 1 Cabrio. O motor de seis cilindros em linha BMW TwinPower Turbo do BMW 135i Cabrio combina um turbocompressor TwinScroll com o comando variável das válvulas, Valvetronic, e a injeção direta a gasolina. O evoluído propulsor debita 225 kW (306 cv) de potência, um vigoroso binário de 400 Nm com um consumo médio de combustível de 8,6 litros aos 100 km percorridos. Já o BMW 125i Cabrio convence através da velocidade máxima de


MOTORES BMW

FRONTLINE/77


MOTORES BMW

238 km/h, debitando uma potência de 160 kW (218 cv) e cumprindo os 0 a 100 km/h em 6,8 segundos. Os motores de quatro cilindros em linha dos BMW 120i e 118i Cabrio ostentam um comportamento particularmente eficiente. A injeção direta a gasolina de alta precisão, o comando das válvulas e o comando variável do veio de excêntricos, duplo-VANOS, permitem baixar consideravelmente o consumo médio de combustível. O BMW 120i Cabrio consome 6,8 litros e o 118i apenas 6,5 litros aos 100 km. O motor diesel de quatro cilindros do BMW 123d Cabrio, dotado de Twin Turbo de geometria variável e sistema de injeção Common Rail da terceira geração, convence pelo espontâneo desdobramento de potência. Debita uma potência de 150 kW (204 cv) e um sumptuoso binário com um consumo bastante moderado de apenas 5,3 l/100 km. Mais económicos são os motores dos BMW 118d e 120d Cabrio que apresentam fantásticos níveis de consumo de 4,8 e 5,0 l/100 km, respetivamente. O ímpeto do BMW 135i Cabrio com injeção direta a gasolina, TwinScroll Turbo e transmissão automática de sete velocidades com dupla embraiagem, impressiona

78/FRONTLINE

logo nos primeiros quilómetros percorridos. O condutor decide se deve desfrutar da aceleração do potente propulsor com a capota aberta ou fechada. A singular combinação entre a extraordinária dinâmica e a inédita sensação de condução a céu aberto no BMW Série 1 Cabrio entusiasma sobretudo em percursos sinuosos. Série 3: linhas fluidas e desportivas A capota rígida retráctil do BMW Série 3 Cabrio abre-se e o sol inunda todo o habitáculo em menos de 23 segundos. O para-brisas de design perfeito permite ao condutor e aos passageiros desfrutarem do bonito panorama a céu aberto. Se o tempo mudar, a capota fecha muito rapidamente. O teto é composto por três elementos que ao abrir deslizam uns sobre os outros, quando se prime o respetivo botão no comando remoto, mesmo a partir do exterior do veículo. Graças a esta compacta construção foi possível conceber as fluidas linhas desportivas e a elegante traseira. O BMW Série 3 Cabrio convence pela longa distância entre eixos, capot alongado e generosa grelha em forma


MOTORES BMW

de rim. Com a capota fechada, destacam-se as dinâmicas linhas do tejadilho em forma de coupé. Quando aberta, a traseira apresenta-se mais lisa e o para-brisas mais curto, aumentando a agradável sensação e prazer de viajar a céu aberto. No interior, o BMW Série 3 Cabrio oferece uma temperatura agradável, mesmo em dias de calor intenso, graças à tecnologia SunReflective que evita que a pele dos bancos e forros aqueça em demasia. A pele reflete os raios infravermelhos do sol, tornando agradável a temperatura dos bancos mesmo nos dias mais quentes de verão. Como é possível melhorar um motor que já foi seis vezes premiado com o apetecido galardão Engine of the Year Award? A resposta é o turbocompressor TwinScroll, o comando variável das válvulas Valvetronic e a injeção direta de alta precisão. Cada uma destas três tecnologias foi especialmente desenvolvida em conjunto, complementando-se de forma revolucionária. Assim, formam um conjunto no âmbito do BMW TwinPower Turbo, que equipa o BMW 335i. Resultado: uma invejável potência de 225 kW (306 cv),

com 400 robustos Nm disponíveis em quase todo o regime de rotação e um funcionamento particularmente suave da unidade motriz, que oferece um consumo bastante comedido de 8,8 l/100 km. Por outro lado, os potentes propulsores de seis cilindros em linha a gasolina, instalados no modelos BMW 325i e BMW 330i debitam uma potência de 160 e 200 kW (218 e 272 cv) respetivamente. Estes dois modelos oferecem um desdobramento de potência ideal e uma eficiente combustão. O motor de quatro cilindros a gasolina do BMW 320i é particularmente eficiente, graças à injeção direta de alta pressão a gasolina e à construção de baixo peso em alumínio. O motor de 125 kW (170 cv) garante a necessária propulsão, acelera dos 0 aos 100 km/h em 9,1 segundos e atinge a velocidade máxima de 228 km/h. O consumo combinado ronda os 6,8 litros por cada 100 km percorridos. O motor diesel de seis cilindros em linha que anima o BMW 330d oferece um robusto desdobramento de potência com um arranque forte, sendo bastante económico em termos de consumo. O bloco diesel de 3 litros de cilindrada dotado de um turbocompressor TwinScroll

FRONTLINE/79


MOTORES BMW

acelera dos 0 aos 100 km/h em apenas 6,4 segundos e atinge a velocidade máxima de 250 km/h, eletronicamente limitada. Série 6: formas vigorosas Formas vigorosas e linhas fluidas estendem-se por todo o exterior do BMW Série 6 Cabrio, como uma irresistível corrente de água. O design do BMW Série 6 Cabrio promete, logo à primeira vista, isto porque a alongada carroçaria e a larga traseira acentuam a aparência vigorosa e o carácter desportivo do BMW Série 6 Cabrio. As generosas superfícies fundem-se com o fluido vivo das linhas distintas, formando um elegante jogo de luz e sombras. Com a capota aberta, o BMW Série 6 Cabrio põe a descoberto todo o esplendor e exclusividade do seu distinto interior. Quando está fechada, a alongada capota em lona acentua as já de si vistosas formas da carroçaria, salientando as elegantes linhas em forma de coupé e o impressionante e exclusivo carisma do BMW Série 6 Cabrio. Também os faróis de xénon distinguem a presença carismática do BMW Série 6 Cabrio. Os inconfundíveis aros das luzes LED acentuam a marcante secção frontal do veículo com a generosa grelha em forma de duplo rim levemente inclinada para a frente e o alongado capot, que realçam a aparência dinâmica e desportiva do elegante BMW Série 6 Cabrio, sempre pronto para arrancar.

80/FRONTLINE

Com o BMW Série 6 Cabrio não custa percorrer longas distâncias, isto porque basta um pequeno toque no acelerador para mobilizar toda a força do potente propulsor BMW V8 TwinPower Turbo a gasolina. Sinta em todas as curvas o contacto do BMW Série 6 Cabrio com a estrada. Conduzir transforma-se no seu desporto favorito. O motor de oito cilindros com dois turbocompressores duplo-VANOS e injeção de alta precisão debita uma potência de 407 cv (300 kW), exibindo um binário máximo de 600 Nm. O BMW Série 6 Cabrio acelera dos 0 aos 100 km/h em 5,0 segundos e apresenta um consumo médio de apenas 10,7 l/100 km, com emissões de CO2 combinadas de 248 a 249 g/km. São valores bastante comedidos se levarmos em conta a generosa potência do propulsor V8 a gasolina. A transmissão automática desportiva de oito velocidades Steptronic garante um regime ótimo de rotações permanente e oferece uma engrenagem das mudanças praticamente impercetível e um excelente conforto em viagem. A BMW EfficientDynamics engloba um conjunto de medidas inteligentes que permitem reduzir sensivelmente o consumo de combustível e as emissões de CO2, aumentando ao mesmo tempo a performance do BMW Série 6 Cabrio e o prazer de conduzir. O objetivo é simples: evitar perdas de energia utilizando-a eficazmente – por exemplo através da regeneração da energia de travagem. A bateria é carregada durante a


MOTORES BMW

fase de desaceleração ou travagem com a energia que antes serviu para acelerar o BMW Série 6 Cabrio. Juntam-se ainda muitas outras inovações como a direção assistida elétrica e uma apurada aerodinâmica. É possível aumentar sensivelmente a potência dos motores do BMW Série 6 Cabrio e reduzir consideravelmente o consumo de combustível, através do TwinPower Turbo e da injeção direta a gasolina. Z4: exigências do condutor O Z4 é um roadster que só a BMW sabe fabricar. Este apresenta proporções clássicas, capot alongado, para-choques compactos e uma posição de condução baixa, próxima do eixo traseiro, que permite um contacto perfeito com a estrada. Desde a moderna linguagem estética, passando pelas linhas marcantes e contornos suaves, até às poderosas cavas das rodas traseiras, tudo define este automóvel único. O primeiro roadster BMW com capota rígida retráctil apresenta uma sofisticada mecânica que viabiliza a construção de um descapotável com uma traseira esguia e elegante, típica de um roadster. Os dois componentes do tejadilho em alumínio são alojados automaticamente na mala em escassos segundos. Com a capota fechada, o tejadilho assume a forma de um coupé. Os generosos vidros laterais e o óculo traseiro garantem uma visibilidade perfeita em redor do veículo.

Os motores de quatro cilindros a gasolina que equipam o BMW Z4 Roadster utilizam a mais inovadora tecnologia BMW TwinPower Turbo, impressionando pela sua elevada dinâmica e reduzido consumo. Este pack tecnológico permite reduzir o consumo, fruto do comando variável das válvulas e da injeção de elevada precisão. Simultaneamente, o turbocompressor TwinScroll e o duplo-VANOS aumentam a potência e a capacidade de resposta. Os factos falam por si: o BMW Z4 sDrive28i debita uma potência de 245 cv (180 kW) com um binário de 350 Nm, acelerando dos 0 aos 100 km/h em 5,5 segundos. O consumo atinge os 6,8 l/100 km, com emissões de CO2 de 159 g/km. O motor BMW TwinPower Turbo do BMW Z4 sDrive20i debita valores igualmente admiráveis: o propulsor que o alimenta ostenta uma potência de 184 cv (135 kW), consumindo apenas 6,8 litros de combustível aos 100 km, acelerando dos 0 aos 100 km/h em apenas 6,9 segundos. O nível de emissões de CO2 atinge os 159 g/km. O BMW Z4 sDrive18i é um veículo simultaneamente económico no consumo. Já os motores a gasolina de seis cilindros em linha que animam o BMW Z4 Roadster oferecem a combinação ideal entre peso e potência, a par de um perfeito equilíbrio de massas e um rolamento confortável e suave. O bloco BMW TwinPower Turbo montado no BMW Z4 sDrive35i, dotado de dois turbocompressores, duplo-VANOS e injeção de alta precisão, exibe uma generosa potência de 225 kW (306 cv) e tem um funcionamento extremamente suave.

FRONTLINE/81


ON THE ROAD Suzuki Insight Swift Honda

QUALIDADE SUPERIOR O Honda Insight, cujo ciclo de vida se iniciou, no nosso país, em 2009, foi alvo de uma série de melhorias, que em conjunto permitem que este modelo se torne mais eficiente, aerodinâmico, prático e muito elegante. No conjunto das alterações, destaque para um design exterior renovado, interior melhorado e ainda algumas modificações mecânicas. Tudo isto permite a este modelo ser o primeiro da Honda com emissões de CO2 abaixo de 100 g/km, a que se juntou, já este ano o novo Civic 1.6 diesel. Em termos de alterações exteriores, são de referir a nova grelha IMA (em cinza e com lente azul), os novos para-choques dianteiro e traseiro, as novas jantes, a antena em formato barbatana, o novo spoiler traseiro, a alteração das cores dos faróis traseiros agora melhor integrados, a nova moldura da matrícula, o novo formato do portão da bagageira com friso na cor da grelha dianteira, ou os novos deflectores de roda. Já no inte-

82/FRONTLINE

rior, o condutor e os ocupantes descobrem um novo odómetro com escalas de maior precisão para leitura facilitada e aspeto sofisticado, um painel navi com formato renovado, bem como um novo apoio de braço mais largo e confortável. Mantendo as especificações do sistema IMA, os melhores consumos de combustível obtêm-se através de melhores índices aerodinâmicos (conseguidos pelos novos designs de para-choques e otimização de componentes) conjugados com a redução de consumos de energia (na bomba de combustível e controlo do motor de combustão) e maior eficiência da relação motor de combustão/transmissão (ao nível da redução de atrito do motor e eficácia da caixa CVT). O Insight tem como principal destaque o motor 1.3 i-VTEC, que conjugado com o motor elétrico reclama consumos na ordem dos 4,4 l/100 km.


ON THE ROAD Mercedes-Benz BMW Série 3 E 300 BlueTEC HYBRID

BAIXOS CONSUMOS E EMISSÕES REDUZIDAS O construtor alemão apostou em mais um modelo familiar híbrido, falamos do Mercedes-Benz E 300 BlueTEC HYBRID, o primeiro veículo de passageiros premium que une a tecnologia elétrica a uma unidade a gasóleo. De referir que, ao contrário do S400 Hybrid, o E 300 BlueTEC HYBRID pode circular somente no modo inteiramente elétrico. Os consumos baixos e as emissões bastante reduzidas permitiram-lhe obter, no seu país de origem, a Alemanha, o cobiçado certificado ambiental da TÜV Süd, tornando-se assim no modelo de luxo mais económico do mundo, com a classe de eficiência A+. O Mercedes-Benz E 300 BlueTEC HYBRID apresenta uma potência combinada de 231 cv e está disponível na carroçaria mais executiva (limousine) com quatro portas e na versão carrinha (station). A parte térmica utiliza o conhecido bloco a gasóleo de 2143 cc com 204 cv às 4200 rpm e um binário máximo de

500 Nm disponíveis a partir das 1600/1800 rpm. A parte elétrica é assegurada por um motor de 27 cv, instalado no eixo da frente (a transmissão do E “convencional“ é traseira), que funciona com uma tensão nominal de 120 V. O motor elétrico é geralmente utilizado na fase de arranque (altura em que normalmente ocorre uma elevada emissão de gases), sendo que, entre os 15 e os 20 km/h, entra em funcionamento o motor diesel. A velocidade máxima deste automóvel é de 242 km/h, o qual acelera dos 0 aos 100 km/h em 7,5 seg. Apesar destes excelentes valores, o consumo combinado é de 4,2 litros e as emissões de CO2 homologadas são de 109 g/km. A caixa de velocidades é automática, tem sete velocidades (7G-tronic) e é servida por uma embraiagem multidisco, capaz de efetuar transferências mais suaves entre as relações.

FRONTLINE/83


ON THE ROAD BMW X3 Nissan Leaf

CONDUÇÃO ESTÁVEL E TRANQUILA Com um design totalmente novo, o Nissan Leaf foi construído com base numa plataforma única. No seu coração está a avançada bateria laminada de iões de lítio desenvolvida pela Nissan, uma tecnologia que, finalmente, faz do veículo elétrico uma premissa real. A bateria resulta de décadas de investigação e desenvolvimento: a Nissan utilizou baterias de iões de lítio, pela primeira vez, no protótipo elétrico Prairie Joy, em 1996. Desenvolvida pela Automotive Energy Supply Corporation (AESC), uma joint-venture entre a Nissan e a NEC, a nova bateria tem capacidade para armazenar o dobro da energia da geração anterior. Ao contrário das convencionais baterias cilíndricas, as células laminadas finas e compactas utilizadas oferecem maior flexibilidade em termos de conceção e design do veículo. O Nissan Leaf armazena a sua energia em 48 módulos da bateria de iões de lítio, com quatro células de bateria dentro de cada módulo. O avançado design laminado permite a fácil integração sob o piso do veículo, otimizando assim o espaço do habitáculo e proporcionando ao Nissan Leaf um centro de gravidade baixo para uma condução estável e tranquila. O desempenho dinâmico provém do motor elétrico de 80 kW (108 cv) que gera, instantaneamente, o binário máximo de 280 Nm – equivalente ao binário de um convencional motor V6 2.5 a gasolina – desde o arranque. O resultado é uma rápida aceleração, em harmonia perfeita com o habitat natural urbano e suburbano do Nissan Leaf. Extremamente fácil de conduzir, de referir que o motopropulsor elétrico não “entra em ralenti” e apenas roda quando o veículo está em movimento. Para iniciar o motor, o condutor apenas tem de pressionar o botão de arranque e a eletricidade começa a fluir para o motor. Utilizando um comando elétrico, o condutor seleciona a posição “D” (Condução) e o veículo inicia a deslocação. Tão simples como isto. Uma carga completa proporciona uma autonomia potencial de 175 km, uma distância que satisfaz as exigências de condução diária da maioria dos automobilistas.

84/FRONTLINE


Axor Starck Organic Follow your Head and your Heart

▸ E assim já pode ter uma escultura de Philippe Starck em sua casa! E que até deita água... num equilíbrio perfeito de design, tecnologia, ecologia e poupança – the Head and the Heart! Para mais informações visite-nos em HANSGROHE PORTUGAL •Rua Antoine de SaintExupéry • Alapraia • 2765-043 Estoril •Tel.: 21 466 71 10 •hansgrohe@jrbotas.com • www.head-and-heart.com • www.hansgrohe-int.com


SOCIAL International Club of Portugal

1

3

8

2

4

6

5

7

9

A SAÚDE EM ANÁLISE O International Club of Portugal promoveu mais um almoço-debate no Fontana Park Hotel. O orador convidado foi Maria de Belém, deputada do PS, que apresentou um debate subordinado ao tema “Saúde – Coesão Social e Economia”. Maria de Belém falou da importância do sistema de saúde para a coesão social num momento de profundas desigualdades. A deputada do PS e

antiga ministra da Saúde aproveitou o evento para dizer que “o país passa a vida a deitar malas de dinheiro pela janela” e recordou a importância “do sistema de saúde que construímos”, referindo que “o debate dos custos nunca está adiado”. O evento contou, como já é habitual, com a participação de várias personalidades das mais diversas áreas da nossa sociedade.

1. Camilo Lourenço e José Gabriel Chimeno | 2. Maria de Belém e Manuel Ramalho | 3. Ana Moura | 4. Fátima Roque | 5. Joaquim Pina Moura e Embaixador de Espanha | 6. Maria Adelaide Lucas Pires | 7. Andreia Mano | 8. Maria de Belém e José Zaluar | 9. Maria de Belém

86/FRONTLINE


Inserido no primeiro design hotel de Lisboa, o Fontana Park Hotel, situado junto ao Saldanha, o Restaurante Saldanha Mar assume-se como um dos restaurantes de eleição em Lisboa. Um espaço com identidade própria, pleno de luz natural e com uma decoração moderna onde poderá saborear o melhor da gastronomia portuguesa. É o local ideal para dar a conhecer os sabores de Portugal a quem vem de fora ou a quem é amante da nossa gastronomia.

FONTANAPARK

HOTEL

Rua Engº Vieira da Silva, 2 1050-105 LISBOA - PORTUGAL - Tel.: +351 210 410 600 - Fax: +351 213 579 244 geral@fontanaparkhotel.com - www.fontanaparkhotel.com


LIVROS

“Os regimes que reprimem a liberdade da palavra, difunde, fazem como as crianças que

HISTÓRIA DA MEDICINA PORTUGUESA DURANTE A EXPANSÃO Germano de Sousa Temas e Debates

NÓS PODEMOS! Jacques Généreux Clube do Autor

MORTE COM VISTA PARA O MAR Pedro Garcia Rosado TopSeller

Sou de opinião que a chamada pequena história, a história do quotidiano, a história de uma ciência ou de um determinado setor da sociedade, torna mais percetível e esclarece melhor a grande História. Sou tamb��m dos que se honram da sua profissão e, como tal, gosto de investigar e divulgar o seu passado, seguindo aliás, e com humildade, o exemplo maior de notáveis médicos historiadores que desde o século XIX têm abordado aspetos diversos da história da medicina portuguesa ao tempo da Expansão, como Maximiano de Lemos, Luís de Pina, Augusto Silva Carvalho, Ferreira de Mira, Mário Carmona, José de Vasconcelos e Menezes e outros. Com este livro procurei fazer uma reflexão sobre o que foi a história da atividade médica e assistencial em Portugal e nas terras descobertas durante um período tão intenso.

Segundo João Ferreira do Amaral, economista e professor catedrático, este livro é uma crítica lúcida do processo europeu de integração económica e monetária e uma contribuição muito valiosa para o debate cada vez mais intenso e alargado, que vai fazendo o seu caminho, sobre a sustentabilidade da zona euro e a refundação da União Europeia. Pedro Adão e Silva, professor universitário e comentador político, vai mais longe: em democracia, o soberano somos todos nós. Pelo que, como bem demonstra Jacques Généreux, “nós podemos” negociar a arquitetura da zona euro e não devemos aceitar nem o discurso da culpa moral sobre a crise, nem tomar como fatalidade a austeridade que nos é imposta.

Nas traseiras de uma moradia isolada nas Caldas da Rainha, um professor de Direito reformado aparece morto à machadada na casa onde vivia sozinho. Patrícia, inspetoracoordenadora da PJ, pede ajuda ao seu ex-marido Gabriel Ponte, antigo inspetor da Polícia Judiciária, que assim regressa ao mundo da investigação criminal. Meses antes, o professor tinha contactado Patrícia, sua antiga aluna e amante, para denunciar a existência de um esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro em torno do projeto de um empreendimento turístico gigantesco nas falésias da costa atlântica. As primeiras provas apontam para que este homicídio seja resultado de um affair com uma mulher casada, mas poderá o professor ter sido assassinado por saber demais?

88/FRONTLINE


LIVROS

por se incomodarem com a verdade que ela fecham os olhos para não serem vistas.”

Karl Ludwig Borne (1786-1837, Escritor alemão)

BREVE HISTÓRIA DA EUROPA John Hirst Dom Quixote

O DIÁRIO SECRETO DE VÍTOR GASPAR António Ribeiro A Esfera dos Livros

GRANDES CHEFES DA HISTÓRIA DE PORTUGAL Ernesto Castro Leal, José Pedro Zúquete Texto Editores

A civilização europeia não é a mais antiga da história universal, porém é única e irrepetível porque soube impor-se como nenhuma outra antes. Navegou, lutou, conquistou, evangelizou. Agiu quando mais ninguém arriscou, pelo que a história da evolução humana confunde-se com a europeia. Hoje, todos os países à face da Terra usam as descobertas científicas e as tecnologias de origem europeia. Este livro expõe – resumidamente como poucos –, toda a História da Europa. É um livro obrigatório em qualquer biblioteca. John Hirst é professor emérito do departamento de História da Universidade La Trobe, em Melbourne, Austrália. Escreveu várias obras de referência, nomeadamente Looking for Australia e Breve História da Europa.

“Há anos que sigo com particular curiosidade e assaz entusiasmo o singular percurso político da chanceler. Guardo todos os discursos que a Senhora Chanceler faz e tenho um vasto arquivo em vídeo com todas as suas visitas por este mundo… confesso que tenho uma coleção de Barbies vestidas com os diferentes guarda-roupas que a chanceler utilizou nas suas viagens… e sou até o autor de um blogue amador dedicado exclusivamente a enaltecer as grandes qualidades de líder e de senhora da Excelentíssima Chanceler Angela Merkel (achei que era respeitosamente adequado dar ao meu blogue o título de: “A Chanceler Mais Doce”).” Tem nas suas mãos O Diário Secreto de Vítor Gaspar. O mais temido ministro das Finanças alemão… Perdão, português, desde António de Oliveira Salazar.

Numa altura em que Portugal atravessa mais um momento conturbado, erguemse vozes clamando por alguém que lidere o país na direção da prosperidade. Alguém que se destaque pelas qualidades de autoridade, competência, poder de decisão e capacidade de liderança; em suma, um “chefe”. Mas a chefia não se limita a ações, traduzse, também, por ideias, que, embora nem sempre vencendo no tempo em que foram pela primeira vez formuladas, acabarão por marcar o nosso destino. Ao longo da nossa História várias foram as figuras que, em determinado momento ou área, personificaram os valores que associamos a um bom líder. Este livro aborda os temas da chefia e da liderança e a figura do chefe, o seu trajeto, influência e simbolismo, em várias áreas humanas, sociais e políticas.

FRONTLINE/89


JOIAS Franco Pianegonda

INSPIRADAS

NA MULHER Com as novas coleções de joias, o conhecido designer italiano Franco Pianegonda pretende inspirar as mulheres a florescerem e a liderarem o seu caminho. Atreva-se a descobri-las e sinta-se verdadeiramente mulher.

F

ranco Pianegonda faz obras de arte em forma de joias. Para que nada falhe, o artista faz questão de ser ele próprio a desenhar cada uma das joias e supervisiona pessoalmente a produção, realizada nas pequenas oficinas da região de Veneto. Nas suas novas criações o designer volta a usar pedras preciosas do Amazonas, para sublinhar o crescente poder das mulheres, sublinhando a sua sensualidade e mistério. My Heart é uma declaração pessoal de Franco, que acredita que o amor une todos os corações do mundo. My Revelations é uma coleção muito especial, pois é inspirada no desejo de Franco ver todas as pessoas, especialmente as mulheres, a viverem o potencial de felicidade na vida. Em termos de materiais, as joias da coleção My Revelations são produzidas em prata conjugada com pedra jaspe vermelha e amarela e pedra sodalite azul.

90/FRONTLINE


Rua de S達o Nicolau, 106 1100-549 Lisboa Tel.: 213 477 347 Tlm. 913 023 182 E-mail: Pedro@mala.pt


RELÓGIOS Officine Panerai

UMA HISTÓRIA

MARCANTE Lançados em 1936, os modelos Radiomir, da Officine Panerai, são hoje apresentados com as mesmas formas, mas numa versão mais fina. Os novos modelos são dotados de uma força e de um fascínio conferidos pela história da marca.

A

Officine Panerai nasceu em Florença, onde o artesão Giovanni Panerai abriu a primeira relojoaria da cidade em 1860. A Orologeria Svizzera funcionava como oficina ao mesmo tempo que se converteu na primeira escola de aprendizes de relojoaria da cidade. Foi depois Guido Panerai, neto do fundador, quem expandiu o negócio e lhe deu novo impulso, especializando-se em instrumentos de alta precisão e tornando-se fornecedor de mecanismos para a Marinha Real Italiana. Em vésperas da II Guerra Mundial estes instrumentos desempenharam inclusive um papel mais estratégico. Foi, então, desenvolvido o protótipo do relógio Radiomir, criado para operações subaquáticas. Este tornou-se o primeiro relógio da marca e também o primeiro modelo subaquático da história da relojoaria, que permitia mergulhar até uma profundidade de 200 metros. Em 1993 foi apresentada a primeira coleção dirigida ao público, com três modelos de edição limitada, inspirada nos relógios produzidos para as operações militares da II Guerra Mundial. Hoje, a Officine Panerai conta já com uma história de mais de 150 anos, sempre com uma profunda ligação ao mar. Os Radiomir apresentam-se agora renovados, mas com uma importância que só o peso da história lhes pode dar.

92/FRONTLINE


Life with new view Life Life Lifewith with withaaaanew new newview view view

A, SSSA SA AA BB BB OO OO RR RR EEEIEIIEIEEEOO OOMM MM EEELELLH LH HH OO OO RR RRDD DD AA AAVV VV I IIDID DD A, A, A, CO O. CO CO CO MM MMVV VV I IISISSTA STA TA TASSSO SO OO BB BB RR RR EEEEOO OOOO OO CC CC EEEA EA AA NN NN O. O. O. O Hotel Farol inaugurou uma nova esplanada sobre o mar, OOO Hotel Hotel Hotel Farol Farol Farol inaugurou inaugurou inaugurou uma uma uma nova nova nova esplanada esplanada esplanada sobre sobre sobre oomar, omar, mar, onde pode degustar o melhor da cozinha Japonesa, no onde onde ondepode pode podedegustar degustar degustarooomelhor melhor melhorda da dacozinha cozinha cozinhaJaponesa, Japonesa, Japonesa,no no no restaurante Sushi Design ou o melhor prato mediterrânico, restaurante restaurante restaurante Sushi Sushi Sushi Design Design Design ou ou ou oomelhor omelhor melhor prato prato prato mediterrânico, mediterrânico, mediterrânico, no The Mix. no no no The The The Mix. Mix. Mix. O terraço foi criado para poder usufruir em qualquer época OOO terraço terraço terraço foi foi foi criado criado criado para para para poder poder poder usufruir usufruir usufruir em em em qualquer qualquer qualquer época época época do ano, da melhor vista, da melhor refeição, com um do do doano, ano, ano,da da damelhor melhor melhorvista, vista, vista,da da damelhor melhor melhorrefeição, refeição, refeição,com com comum um um ambiente acolhedor e um serviço personalizado, onde ambiente ambiente ambienteacolhedor acolhedor acolhedoreeeum um umserviço serviço serviçopersonalizado, personalizado, personalizado,onde onde onde cada cliente é um amigo! cada cada cada cliente cliente cliente ééum éum um amigo! amigo! amigo! O Sushi Design e o The Mix, oferecem aos seus clientes, OOO Sushi Sushi Sushi Design Design Design eeo eoo The The The Mix, Mix, Mix, oferecem oferecem oferecem aos aos aos seus seus seus clientes, clientes, clientes, durante a semana, ao almoço, o Menu executivo, pelo durante durante duranteaaasemana, semana, semana,ao ao aoalmoço, almoço, almoço,oooMenu Menu Menuexecutivo, executivo, executivo,pelo pelo pelo valor de 28€ por pessoa. valor valor valor de de de 28€ 28€ 28€ por por por pessoa. pessoa. pessoa. A equipa do Hotel Farol espera por si! AAequipa Aequipa equipa do do do Hotel Hotel Hotel Farol Farol Farol espera espera espera por por por si!si!si!

Av. Rei Humberto II de Itália, 7 2750-800 Cascais-Portugal • T: 214 823 490 • events@farol.com.pt • reservations@farol.com.pt • www.farol.com.pt Av.Av.Av. Rei ReiRei Humberto Humberto Humberto II IIdeIIdeItália, deItália, Itália, 7 72750-800 72750-800 2750-800Cascais-Portugal Cascais-Portugal Cascais-Portugal • • • T:T:214 T:214 214 823 823 823 490 490 490 • • • events@farol.com.pt events@farol.com.pt events@farol.com.pt• • • reservations@farol.com.pt reservations@farol.com.pt reservations@farol.com.pt • • • www.farol.com.pt www.farol.com.pt www.farol.com.pt


ESPECIAL EXPOSIÇÃO Férias na neve Teresa Gonçalves Lobo

CRIAÇÃO CONTEMPORÂNEA O Museu de Artes Decorativas Portuguesas, no âmbito do seu projeto artístico “Um Outro Olhar”, recebe até 24 de junho a exposição i em pessoa, de Teresa Gonçalves Lobo, que pretende confrontar caminhos diferentes, interligar saberes e técnicas distintas, bem como inverter os espaços de criação. 94/FRONTLINE


EXPOSIÇÃO ESPECIAL Teresa Gonçalves Férias na Lobo neve

P

retendendo dar especial atenção a projetos de criação contemporânea, “Um Outro Olhar” convida artistas portugueses a usarem a sua criatividade em articulação com os técnicos e os mestres das oficinas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva - FRESS, tendo por fio condutor um tema ou técnicas específicas. Os resultados desse encontro de artista e artesão são apresentados ao público no museu, no final de todo o processo criativo. A 4.ª edição deste projeto tem por tema o Desenho e materializa-se em dois momentos: através dos desenhos técnicos de construção de mobiliário pertencentes ao espólio da FRESS e apresentados no MUDE; e no Museu de Artes Decorativas Portuguesas, através do convite feito à artista Teresa Gonçalves Lobo, que agora se apresenta com o título i em pessoa.

Do atelier de Teresa Gonçalves Lobo saíram também gravuras, produto de um processo íntimo de criação e execução, de técnica apurada e renovada, de fazer e refazer. O conjunto, 10 gravuras assinadas, feitas sobre papel japonês, fez nascer um álbum de família, família i, encadernado manualmente nas oficinas de encadernação e de passamanaria da Fundação. Este projeto faz parte de uma estratégia que se tem vindo a afirmar na FRESS, privilegiando sempre a manufatura, os materiais e as técnicas tradicionais das artes e ofícios, colocando-os ao serviço de um conceito artístico inovador que vai ao encontro de um novo olhar sobre a imaterialidade dos saberes e do seu valor patrimonial integrado. As obras produzidas deixam de ser simples objetos funcionais e decorativos, para transportarem consigo sinais de uma inovação conceptual.

Síntese virtuosa O projeto i em pessoa parte da letra “i”, ora desenhada direita, ora inclinada, ora pintada, ora sombreada, ora gravada, ora sozinha, ora em grupo. E por fim construída em madeira, transformada em escultura para sentar. Do desenho e traço delicado, sempre sobre papéis artesanais, passando pelas maquetas em 3D, e estudos apurados de ergonomia e equilíbrio das linhas, chegamos às cadeiras manufaturadas i chair e i chair-long, saídas das oficinas de serração, marcenaria, talha e polimento da FRESS, numa síntese virtuosa que une artista e mestres artesãos.

A exposição é composta por desenho, gravura e mobiliário: - Quarenta e dois desenhos originais da artista; - Um álbum original de 10 gravuras, do qual foi feita uma edição assinada e numerada de 1 a 50, que estará à venda na loja do museu; - Duas peças de mobiliário que estarão expostas, enquanto resultado de todo o processo criativo e técnico: a i chair (venda mediante encomenda); a chaise-longue i chair-long (edição limitada de 25 unidades – venda mediante encomenda).

FRONTLINE/95


MÚSICA HOW TO DESTROY ANGELS Welcome oblivion

“O TEXTO DEVE SER O SENHOR E NÃO O SERVO DA MÚSICA”

How to Destroy Angels é o nome do projeto paralelo de Trent Reznor dos Nine Inch Nails, que se junta à sua esposa, Mariqueen Maandig, e ainda a Atticus Ross. Rob Sheridan é ainda o diretor criativo da banda e considerado o quarto membro do projeto. O primeiro avanço em single é o tema “How long”, que apresenta um vídeo realizado por Shynola.

VÁRIOS ARTISTAS Gala Lirica 20th Anniversary Celebrando o aniversário do Gran Teatro de la Maestranza, esta gala lírica reuniu um conjunto de artistas incontornáveis no mundo da ópera. Monserrat Caballé, José Carreras, Pilar Lorengar, Teresa Berganza ou ainda Plácido Domingo dão a sua prestação a partir de Sevilha. Um conjunto de canções reunidas em CD e em DVD, num espetáculo a não perder.

Claudio Monteverdi

DIDO Girl who got away Uma das artistas britânicas mais bem sucedidas de sempre regressa agora com o seu álbum mais sólido até à data. O muito antecipado quarto disco de Dido, intitulado Girl Who Got Away fará com que todos voltem a apaixonar-se pela cantora. Dido voltou a reunir-se com o seu irmão Rollo Armstrong – que produziu a maioria do álbum – e também colaborou com nomes como Brian Eno, Jeff Bhasker, Rick Nowels e Greg Kurstin para criar um disco de 11 temas, caracterizado por uma excelente sonoridade eletro-pop reveladora e autobiográfica.

ADRIANA PARTIMPIM Partimpim Tlês Adriana Calcanhotto, um nome consagrado da MPB, encanta e conquista crianças com a sua voz doce e canções educativas no projeto PARTIMPIM. Sob o pseudónimo de Adriana Partimpim, a artista cria um universo lúdico e inocente que atrai crianças e adultos. O Projeto Partimpim é inovador por ser um dos poucos produtos infantis voltados para o desenvolvimento cultural da criança. Partimpim Tlês é o terceiro álbum do Projeto Partimpim e segue a proposta dos primeiros: apresenta o que há de mais rico na MPB numa versão voltada para o público infantil mas que também apela ao público adulto. O álbum traz canções de compositores como Chico Buarque, Jorge Ben Jor, Dorival Caymmi, Gonzaguinha e outros nomes de peso da música brasileira.

JAY-JAY JOHANSON Best of 1996-2013 O cantor sueco Jay-Jay Johanson lançou o seu álbum de retrospetiva de carreira – Best of 1996-2013. O trabalho inclui grandes sucessos que marcaram a música eletrónica para sempre, como “So tell the girls that I am back in town”, “It hurts me so”, “Because of you” ou ainda “On the radio”. O disco apresenta-nos ainda o inédito “Paris”, que Jay-Jay Johanson gravou para participar no festival da canção em representação da Suécia, este ano.

96/FRONTLINE


AGENDA 16 e 17 de maio Hard Club e TMN ao Vivo DANKO JONES

26 de maio Pavilhão Atlântico ONE DIRECTION

O canadiano Danko Jones traz a Portugal a sua máquina bem oleada de rock n’ roll para dois concertos, dia 16 de maio no Hard Club e dia 17 de maio no TMN ao Vivo. Os concertos servem de apresentação ao novo álbum, Rock and Roll is Black and Blue, editado em setembro do ano passado. Com sete álbuns de originais já editados, Danko Jones representa o rock n’ roll à antiga, direto, forte e intenso, sem contemplações. Ao longo dos últimos anos, o músico canadiano estabeleceu uma relação única com o público português, que acorre em massa aos seus concertos. No formato power trio, sempre acompanhado de um baixista e de um baterista, os concertos de Danko Jones são conhecidos pela intensidade máxima, capaz de fazer suar a sala, e pela atitude de palco do músico canadiano, que não deixa o espetáculo em mãos alheias.

A espera chegou ao fim! Os One Direction vão embarcar numa digressão europeia que passa por Portugal, dia 26 de maio, para a estreia da banda britânica em terras nacionais. Os bilhetes para o concerto esgotaram no primeiro dia em que foram colocados à venda. Após venderem 12 milhões em pouco mais de um ano, a maior banda pop do mundo anunciou uma digressão europeia para maio e abril. Com 18 datas marcadas, vai passar por França, Noruega, Suécia, Alemanha, Bélgica, Holanda, Itália, Espanha, Suíça, Portugal e Dinamarca.

18 de maio Centro de Espetáculos de Troia DEOLINDA Após quatro anos em que dominaram os tops de vendas com os multiplatinados Canção ao Lado e 2 Selos e um Carimbo, acumulando distinções como dois Globos de Ouro, um prémio Amália Rodrigues e um Songlines Music Award, os Deolinda regressam à estrada para apresentar Mundo Pequenino, o seu terceiro disco de originais. O novo álbum é produzido pelos Deolinda e por Jerry Boys, prestigiado produtor e engenheiro de som inglês vencedor de seis Grammys, com uma carreira iniciada nos míticos Abbey Road Studios, em 1965. Mundo Pequenino é editado com o selo da Boom Studios, com distribuição da Universal Music Portugal. O primeiro single é o tema “Seja Agora”.

23 a 29 de maio Teatro Camões LA VALSE A Sagração da Primavera faz 100 anos (1913-2013) e este programa da Companhia Nacional de Bailado celebra-os. Para isso contamos não só com a força da coreografia de Olga Roriz e com a excelência dos bailarinos da Companhia, como com a interpretação musical da Orquestra Sinfónica Portuguesa num raro encontro vivo entre música e dança.

98/FRONTLINE

29 de maio Pavilhão Atlântico IRON MAIDEN A Maiden England Tour marca o terceiro capítulo na história dos Iron Maiden, uma viagem que começou em 2004 com o DVD “The Early Days” e a consequente “Early Days Tour”, de 2005. A segunda parte começou em 2008 com o DVD “Live After Death” e a inovadora “Somewhere Back In Time World Tour”, de 2008/2009, onde atuaram para mais de 2 milhões de fãs em quase 40 países, voando entre concertos nos cinco continentes, no Boeing 757 da banda, chamado Ed Force One, todo personalizado com a imagem do DVD “Flight 666” e pilotado pelo vocalista Bruce Dickinson. Agora com Maiden England, a banda vai recriar o espetáculo da “Seventh Son Tour”, de 1988, tocando muitas músicas dessa digressão lendária e do concerto em VHS de 1989, “Maiden England”, que dá nome a esta digressão.

31 de maio Centro Cultural de Belém CARTA BRANCA A SÉRGIO GODINHO Para Sérgio Godinho cumpre-se, neste concerto, o desejo de fazer as canções do livro Caríssimas 40 Canções – Sérgio Godinho & As Canções dos Outros, porque são elas os seus “incentivos criadores e lúdicos, e nelas cabem todos os sentimentos, dos mais distendidos aos mais extremados”, e porque “uma versão tem de ser uma outra forma de ato criativo”. Das 40, o “escritor de canções” elegerá algumas “para essa função transformadora da sua vida no palco.” E acrescenta que, com essas, cruzará pontes para as suas próprias canções, das quais cantará algumas.


Invista em arte aerodinâmica. Mercedes-Benz CLA. Indomável.

Uma Marca da Daimler

Bom investimento é um automóvel com o melhor coeficiente aerodinâmico de sempre num modelo de produção em série: 0.23. Um verdadeiro recorde mundial. O retorno? Uma maior economia de combustível, graças a um design que privilegia uma maior fluidez do ar sobre o automóvel, criando menor resistência e resultando numa maior poupança de combustível. Uma verdadeira obra de arte. E de economia. Contact Center: 707 200 699 - www.mercedes-benz-trends.com

Consumo combinado (l/100 km): 4,2 a 6,2. Emissões CO2 (g/km): 109 a 144. Recomendamos Óleo Original Mercedes-Benz. Conheça as condições Mercedes-Benz Financiamento.


FRONTLINE 51