Issuu on Google+

Museu  Virtual  de  O.almologia   Sociedade  Portuguesa  de  O.almologia  


Missão     •  Reunir  imagens  relativas  a  equipamento,  peças   e  livros  de  colecionadores  privados  e   institucionais  que  revelam  a  história  da   oftalmologia  portuguesa  e  internacional.   •  Sempre  que  possível,  as  peças  estarão   devidamente  identi=icadas  por  designação,   fabricante  e  colecionador.  Acompanhar-­‐se–ão  de   texto  ilustrativo  acerca  do  seu(s)  autor  (es),  da   sua  génese,  do  seu  fabrico,  da  sua  evolução   histórica,  da  sua  manipulação  e  das  suas   aplicações  em  oftalmologia.  


Visão     •  Pretende-­‐se  que  este  seja  um  espaço  virtual  aberto  à   comunidade  de  oftalmologia  mas  também  ao  público   em  geral.     •  Será  um  espaço  cuja  autoria  se  prevê  partilhada  por   todos  os  colecionadores  individuais  ou  organizações   que  queiram  associar-­‐se  e  apresentar  as  suas  peças   aos  seus  pares  e  ao  público  em  geral.     •  Bastará  manifestar  o  seu  desejo  e  vontade  de   colaborar  junto  dos  órgãos  de  comunicação  da  SPO.  


Valores     •  É  nossa  intenção  desenvolver  futuramente   conteúdos    e  eventos  que  permitam  e  facilitem   experiências  educacionais  temáticas  com  base   nas  referidas  peças,  contribuindo  assim  para  o   enriquecimento  da  história  e  da  cultura   oftalmológicas.      

Coordenação       Helena  Prior  Filipe Isabel  Almasqué  

   


1.     OFTALMOSCÓPIO  DE  HIRSCHBERG   Isabel  Almasqué  


Introdução:     Antes   da   invenção   do   o.almoscópio   muito   se   especulava   acerca   do   que   estaria   por   trás   do   “buraco   negro”   misterioso   que   representava   o   oriDcio   pupilar.   ExisHam   numerosas   teorias   que   pretendiam   explicar   a   razão   pela   qual   a   pupila     parecia   luminosa   em   determinadas   condições.   Alguns   pensavam   ser   um   fenómeno   de   fosforescência,   outros   atestavam   que   a   luz   absorvida   durante   o   dia   pelo   globo   ocular,   irradiava   na   escuridão,   outros   ainda   pensavam   ser   um   fenómeno   eléctrico   relacionado  com  a  acHvidade  das  células  nervosas.      


Mas   foi   Bénédict   Prévost,   professor   de   filosofia   na   cidade   francesa   de   Montauban   que,   em   1810,   explicou   que     a   pupila   só   adquiria   um   aspecto   luminoso   quando   uma   fonte   de   luz   exterior   penetrava  no  globo  ocular.     Embora   a   descoberta   do   o.almoscópio   seja   oficialmente   atribuída   ao   alemão   Hermann   von   Helmholtz   em   1851,   sabe-­‐se   que,   em   1847,   o   matemáHco   inglês     Charles   Babbage,   Hnha   já   construído   um   instrumento   que   conHnha   os   elementos   essenciais   do   futuro   o.almoscópio:   uma   fonte   de   iluminação,   um  espelho  para  reflecHr  essa  luz  no  fundo  ocular  e  uma  lente   para  corrigir  as  ametropias.    


Após   1851,   foram   muitas   as   variantes   introduzidas   no   o.almoscópio   de   Helmholtz   na   tentaHva   de   melhorar   a   observação  do  fundo  ocular.     Nomes   como   Ruete,   Meyerstein,   Coccius,   Jaeger,   Liebreich,   Burow,  Anagnostakis,  Hirschberg,  Loring  e  muitos  outros  ficaram   para  sempre  ligados  à  história  deste  instrumento.  


As   imagens   mostram   um   o.almoscópio   de   Hirschberg   (1)   de   cerca   de   1880,   composto   por   uma   haste   de   marfim   e   duas   cabeças   separadas:   a   primeira   é   composta   por   um   espelho   reflector   perfurado   no   centro,   com   uma   inclinação   de   cerca   de   60º,  tal  como  no  o.almoscópio  de  Helmholtz,  e  um  suporte  para   colocar   uma   única   lente   para   correcção   das   ametropias;   a   segunda,   que   representa   já   um   avanço   técnico   em   relação   à   primeira,   tem   um   espelho   reflector   perpendicular   à   linha   de   observação,  com  um  oriDcio  central,  à  frente  do  qual  se  podem   interpor  lentes  posiHvas  ou  negaHvas  de  várias  potências  através   de  dois  discos  de  Rekoss  intermutáveis  que  rodam  à  volta  de  um   eixo  central,  semelhantes  àqueles  que  ainda  hoje  se  uHlizam  nos   o.almoscópios   directos.   Foi   este   passo   que   veio   permiHr   uma   visualização  mais  níHda  do  fundo  ocular.    


(1)  Julius  Hirschberg  (1843-­‐1925)  –  O.almologista  alemão.     Inventou   o   termo   campimetria   para   denominar   o   estudo   do   campo   visual   numa   superDcie   plana;   em   1879,   foi   o   primeiro   a   usar   o   electro-­‐íman   para   extrair   um   corpo   estranho   do   globo   ocular;  em  1886  desenvolveu  o  teste  de  Hirschberg  para  estudo   do  estrabismo;  autor  de  Geschichte  der  Augenheilkunde,  história   da   o.almologia   em   onze   volumes,   que   escreveu   entre   1899   e   1917.  


Oftalmoscópio  de  Hirschberg  (1880)   Haste  de  mar:im,  duas  cabeças  separadas  e  dois  discos  de  Rekoss      


OCalmoscópio  de  Hirschberg   (1880)    Cabeça  com  espelho  côncavo,     cabeça  com  espelho  inclinado   e    discos        de      Rekoss    com   lentes  posiRvas  e  negaRvas.          


OCalmoscópio  de  Hirschberg  (1880)                Cabeça  com  espelho  côncavo  e     disco  de  Rekoss  montado.  


MUSEU VIRTUAL DE OFTALMOLOGIA