Page 34

34

LIBERDADE POR UM MOMENTO Poxa, nunca vi quadro mais divino! Sem dúvida expressa tudo que sinto e desejo: árvores, cachoeiras, aves, quanta paz... E as cores vivas só poderiam ser de um espanhol, sangue caliente...Cadê minha mulher? Sem dúvida deve estar de papo com alguém, contando o que comprou. Nem está aí com artes e artistas. Sua cabeça só gira em torno de coisas supérfluas: roupas, restaurantes, festas, colunas sociais... Já estou cansado dela e de tudo lá de casa. Isso de excursão também é dose. Corre daqui, corre dali... Levanta-se cedo, pega ônibus e lá vem o monitor também apressado em cumprir a pauta do dia. Enfim, mal se conhecem os lugares, mal se come...mal se aproveita nada. Sabe de uma coisa, estou de “saco cheio”. Só trabalhei na vida e sou banco vinte e quatro horas. Chega. Mais alguns passos, desço a escadaria e estou livre. Vou desaparecer. Tenho algum dinheiro nos bancos da Suíça e posso viver sossegado. Lá em casa, todos ficarão bem, pensarão que morri e desfrutarão de tudo que deixei. Agora, ou nunca... Finalmente, a rua, o sol, a natureza tão linda! Um dia, voltarei para o Brasil com outra identidade e irei desfrutar as praias maravilhosas da Bahia. Arranjarei outra companheira que saiba aproveitar as coisas boas da vida. Chega de pressão, sufoco, trabalho e da futilidade do meio social em que vivo. Nada como um pouco de céu, de simplicidade, de vida, de descobertas interiores...

Folhas de Outono - http://houdelier.com  

Livro de Maria Beatriz Sandoval Camargo

Advertisement