Page 1


Dados do Setor

5


Dados do Setor

6


Modelo médico – hegemônico, hospitalocêntrico e procedimento centrado

Incorporação acrítica de tecnologias

Saúde como ausência de doenças desconsidera outros determinantes

Consumo excessivo de procedimentos de alto custo

Poucas práticas de promoção da saúde e prevenção de doenças Ausência de avaliação de resultados

Atuação desarticulada, desintegrada e pouco cuidadora – Fragmentação do cuidado

Assistência dividida por segmentos (ambulatorial, hospitalar com e sem obstetrícia e odontológico) Pagamento por procedimento

Sistema de alto custo e baixo impacto


8

8


Rol de procedimentos DLP Diretrizes de utilização Sistema de informação de produtos / assistencial

Promoção e prevenção Progr. Qualificação


       

Saúde da Criança Saúde do Adolescente Saúde do Adulto Saúde do Idoso Saúde da Mulher Saúde do Homem Saúde Mental Saúde Bucal


27%

1842 operadoras 73%

Responderam a RI

N達o responderam a RI

47,4%

52,6%

641 operadoras realizam programas 12

12

Ops que desenvolvem programas Ops que n達o desenvolvem programas


• Baixa abrangência e cobertura; • Falta de consistência técnica, muitas vezes baseados em ações sem eficácia; • Pequena preocupação com a avaliação do impacto; • Estratégias e ações fragmentadas; • Não adoção de equipe multiprofissional.


 Incentivo ao desenvolvimento de Programas de Saúde  IN n 1/2008 – DIOPE /DIPRO n 4 / 2011  Cadastro, monitoramento e investimento dos Programas  Alteração no plano de contas / DIOPE


1) Envio completo das informações do Sistema de Informações de

Produtos – SIP e do Documento de Informações Periódicas – DIOPS; 2) Cobertura mínima pelo programa de 20% da população-alvo; 3) Elaboração de estratégia de identificação e ingresso da populaçãoalvo no programa; 4) Sistema de informação estruturado, utilizado para registro e acompanhamento da população beneficiada pelo programa; 5) Utilização de indicadores para o monitoramento de processos e resultados dos programas, baseado em referências bibliográficas; 6) Elaboração de um “Plano de Ação” para o programa e suas referências bibliográficas; 7) Designação de um coordenador para o referido programa; 8) Atuação de equipe multiprofissional nas atividades propostas pelo programa.


CADASTRO PROGRAMAS

Divulgação Divulgação aprovação aprovação Monitoramento anual / ANS

Alteração Alteraçãoplano planode decontas contas:: registro registrode devalores valorespara paraoo Programa Programa Amortização Amortizaçãodos dosvalores valorespara para reprovados reprovados


 A acreditação implica em processo rigoroso de avaliação. Operadoras com Programa acreditado terão o programa aprovado mediante apresentação de certificado.  Instituições acreditadoras devem seguir a metodologia do Manual de Promoção a Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças, ANS, 3ª. edição.


De um modo geral, a população segurada apresenta perfil etário mais envelhecido do que o conjunto da população brasileira.

19 •

19


Capacidade Funcional

Variaç ão

de ati v

idade

Reabilitação e garantia de qualidade de vida

Idade


 Incentivos para participação em programas para promoção da saúde  Inscrição de Programas de Prevenção que não visam alocação de investimentos (diops). Formulário de inscrição e monitoramento a ser avaliado  Consulta pública com ampla participação (70% usuários)  Possibilidade de premiação e bonificação Estímulo à adesão


 Programa para Gerenciamento de Crônicos  Programa para População- alvo  Promoção do Envelhecimento Ativo ao Longo do Curso da Vida  Disponível cartilha de orientação no site


(ANS, 2011)


Número de operadoras com programas de promoção e prevenção no período de 2000 a 2008 500 450

Número de programas

400 350 300 250 200 150 100 50 0 2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Ano Criança

Adolescente

Adulto/Idoso

24

Mulher

Mental

Bucal


 Integralidade da assistência  Efetividade de Programas e intervenções


Palestra ministrada pela Dra. Kylza Estrella no dia 23/03, no SIBRAD 2012  

Como a ANS avalia e reconhece os programas de promoção e prevenção desenvolvidas na saúde suplementar?

Advertisement