__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1


2 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 3


4 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


Editorial E aí galera, tudo bom?

Direção

Em edições pontuais tomo o lugar do nosso amigo Sidney Gritti e escrevo o editorial, mas nada é por acaso, nessa edição teremos uma novidade que quero trazer em primeira mão, é a "Resenha que dá voz", nela teremos dois cantores de estilos musicais diferentes: Rodriguinho - cantor e compositor de pagode, e MC Gui - cantor e compositor de funk; um com 40 e outro com 20 anos, ambos apaixonados por arguile. Vamos contar de forma rápida mas muito bem explicada como e porque são adeptos do arguile e a influência desse em suas carreiras. Definitivamente, uma matéria para compartilhar com os mais velhos! Obviamente teremos também as colunas de Macário, Sakamoto e Spider com a opnião de cada um sem censura! Nosso correspondente internacional, Jekelo, explica como são vistos e recebidos os produtos brasileiros em terras espanholas. Campanelli vem com suas dicas magistrais de como manter o sabor de sua sessão por mais tempo e Sidney "Netão" nos traz o saudosismo para falar do pessoal "underground" dessa parada de vídeos e tudo mais sobre o arguile. Você gosta de cerveja, arguile e festa? Então não percam a matéria sobre a 2ª Oktberfest que ocorrerá em São Paulo e unirá arguile e cerveja na mesma festa! Deixo para vocês essa edição inesquecível!

Guilherme Vieira Lineu Jr. Fábio Vilariño

Colaboradores

Eduardo Macário Felipe Campanelli Gabriel Sakamoto Raphael Silveira Vinicius Gregoraci Welton “Spider” Roberto Jekelo

Projeto Gráfico Guilherme Vieira

Fotografia

Guilherme Vieira

Jornalista Responsável Sidney Gritti

Gráfica Lineu Jr.

Logística

Caio Costa

Revisão

Barbara Sales

Site

www.hookahbrasilexp.com.br

Abraços!

Facebook A revista HBE não se responsabiliza pelas opiniões aqui emitidas. O conteúdo de anúncios aqui publicados são de total responsabilidade dos anunciantes. O artigo 5 da Constituição Federal, assegura o direito de expressar nossas convicções e alternativas, mesmo sendo contra-hegemônicas, tanto o direito de receber quanto o de difundir informações são garantias fundamentais amparadas nos artigos 13.1 e 13.2 da Convenção Interamericana de Direitos Humanos, 19.1 e 19.2 do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos e do artigo 4 da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

fb.com/hookahbrasilexperience

Contato

contato@hookahbrasilexp.com.br

Impressão:

6.000 exemplares

CNPJ

27.337.714/0001-46

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 5


6 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


Sumário //Resenha que da voz

Bate-papo especial com os músicos Rodriguinho e Mc Gui.

//2º São Paulo Oktoberfest

Os meses de setembro e outubro trarão grandes novidades para todos os amantes de Narguile e de uma boa cerveja.

pg.18

//Como recebemos os produtos brasileiros na Espanha

Por dentro da 'aceitação' dos produtos nacionais na Espanha!

pg.36

//Underground

pg.40

O saudosismo nos bate e faz relembrar de como detalhes simples fazem a diferença.

Gabriel Sakamoto pg. 11

pg.44 Welton “Spider” pg. 17

Eduardo Macário pg.13


//Espaço do Leitor

Aproveite sua sessão e registre-a. Nos envie fotos do momento “relax” do seu dia. Encaminhe fotos, textos e artigos para o endereço leitor@hookahbrasilexp.com.br

8 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 9


10 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


Gabriel Sakamoto sakamoto@hookahbrasilexp.com.br

A paixão que se transforma em exigência! Num mercado tão quente e cheio de novidades, não podemos deixar de notar como o consumidor se torna cada vez mais exigente na qualidade dos produtos e esforço máximo das empresas envolvidas nas criações. Mas já parou pra pensar que essa rigidez poderia também ser aplicada aos estabelecimentos? Lojas precisam estar no mesmo nível de seus produtos e lounges estarem adequados com o manuseio e preparo de todos os processos, não aplicando somente em saber indicar a cor ou o sabor para se degustar em um tempo médio de sessão. Sinto que em alguns momentos não temos uma percepção tão grande com relação a esse assunto por parte da clientela. Exija sempre a qualidade no atendimento, pois sua experiência de consumo necessita ser completa, independente do que vá degustar ou adquirir.

repercutem em um mercado mais adequado para atender os novos consumidores, esses que irão levar a informação adiante. Tudo isso contribui para uma expansão cada vez mais positiva do nosso universo do arguile. E os processo mais organizados e sérios de lounges levará a uma apreciação mais complexa do que simplesmente uma sessão com o sabor predileto. Uma vez feito de forma inapropriada torna a impressão ruim e leva a experiência negativa. Espero por dias ainda melhores nos estabelecimentos, sabendo que boa parte já contribui com seus esforços e dedicação. A exigência deve ser feita com argumentos, zero ignorância e total compreensão dos procedimentos.

YOUTUBE.COM/ARGUILECAST

ARGUILECAST

As vendas com qualidade 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 11


12 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


Eduardo Macário macario@hookahbrasilexp.com.br

A necessidade incita criatividade Já parou pra pensar em como foi a evolução do mundo do arguile? Em meio a gambiarras da vida, muitos acessórios surgiram no mercado nesses últimos anos. Pense no abafador, por exemplo: quantas vezes não enrolamos o rosh com papel alumínio, pra ajudar no cozimento da sessão? Até que alguém pegou uma lata, fez alguns furos, colocou uma alça e BINGO! Tivemos um abafador improvisado. A ideia funciona e com um projeto bem feito você consegue solucionar o problema de muitas outras pessoas também. Depois tivemos o primeiro Controlador de Calor do mercado, substituía o papel alumínio e facilitava sua vida na hora de preparar o rosh. Perceba como esse tipo de inovação acaba gerando tendências. Depois do controlador de calor, muitas marcas o utilizavam como parâmetro de tamanho da cuba do rosh. Outro exemplo ainda mais recente são as piteiras individuais

penduradas no pescoço. É a solução de um problema que sempre foi apontado pela mídia, e que pode tanto ser um simples brinde dado em algum evento até um acessório mais premium pensado no dia a dia. E já temos mais de uma marca fabricando esse tipo de produto. Isso gera uma concorrência saudável, opções de compra, empresas mais estruturadas, um mercado com mais opções ao consumidor. A necessidade incita a criatividade, que incita o progresso. Onde vamos parar? Onde nossa imaginação nos levar.

facebook.com/canalduarguile youtube.com/canalduarguile

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 13


//Dica HBE

Nem tudo que é bom dura pouco Por: Felipe Campanelli Fotos: Guilherme Vieira

Salve, salve galera da revista HBE! Sei que todos gostam de preparar seu arguile, sentar e fumar tranquilamente, porém nem sempre a sessão é tranquila né pessoal?

po pode fazer com que a essência seque e queime, deixando sua sessão com o gosto horrível!

Se você já sofreu ou sofre com o problema do rosh “torrar” do nada, saiba que a solução é muito simples! Trago algumas dicas para evitar que isso aconteça. Não exagere com os carvões. Deixar muitas peças no rosh por muito tem14 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

Carvões, somente o necessário.


//Dica HBE

Utilize sem medo.

Outra dica, hoje quase 100% dos arguiles nacionais vem com respiro, alguns com vários, então o utilize! Mas não em excesso, pois pode causar perda de sabor. Outro fator que pode fazer com que o gosto da sua essência suma rápido, é pouca essência no rosh. Utilize um rosh que caiba a quantidade necessária para que dure o tempo que você deseja na sua sessão. Se quiser fumar por mais tempo, use um mais fundo, caso o contrário, use um mais raso, para evitar desperdícios e ter uma sessão mais agradável, sem ter a sensação de que poderia ter rendido bem mais.

Essência, vá de acordo com a duração desejada.

Mantendo uma boa manutenção do calor no início da sessão, fará com que ela dure mais também. O fator chave é a temperatura, a mantenha “regulada” que dará tudo certo! Espero ter ajudado, até a próxima!

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 15


16 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


Welton “Spider” spider@hookahbrasilexp.com.br

Lounges: Calmaria ou 'Piseiro'? Olá meus amigos, tudo bem? Como passaram esses últimos meses? Espero que bem e com boas sessões! Hoje queria bater um papo sobre lounges por esse nosso Brasil varonil, vocês preferem um lugar tranquilo, som ambiente para ver um jogo e jogar fora uma boa conversa ou uma balada para se divertir tendo o nosso bom e velho arguile? Creio que são coisas distintas, naquele dia que foi cheio, corrido e estressante, nada melhor que uma sessão tranquila, apreciando uma cerveja ou uma bebida de sua preferência, assistindo um jogo, uma luta ou até mesmo curtindo sua sessão com uma boa música em um ambiente agradável e calmo. Como há dias que sua semana foi cheia e naquela sexta quer sair para se divertir com os amigos, tomar uns goles a mais ouvindo uma música animada para mexer o esqueleto (mesmo que seja como eu, peco no quesito dança hahaha).

Acho que tem espaço para os dois ambientes, cada um com seu público e para ocasiões distintas, hoje o crescimento é enorme no seguimento longe estilo balada, cada vez menos abre lounges com a primeira ideia, onde remete bem aos lounges e cafés pelo mundo, que depois de um dia cheio, você quer apenas uma boa bebida e relaxar tranquilo. Tenho medo que isso cada vez menos seja apreciado, não se trata de uma opinião minha, minha preferência por locais tranquilos na maioria das vezes, acho que envolve muito mais que isso, envolve um pouco da tradição em lounges, porém fumamos sem seguir as tradições raízes do arguile (modo de fumar por exemplo) então porque teríamos que seguir isso também? Fica aqui minha reflexão e discussão sobre esse assunto, o que preferem? Acham importante os dois cenários? Um abraço e até a próxima!

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 17


//Resenha que da Voz

Resenha

que da Voz Stande do Tio Bob na Expo Hookah 2018.

Por: Lineu Junior Fotos: Guilherme Vieira

Em primeiro lugar, temos que agradecer a ajuda para a realização dessa entrevista ao Marcelo da Bhraw Bowl e ao Rodrigo da Brasuka. Obrigado amigos! Nos últimos meses, recebemos uma visita ilústre em nosso escritório, o cantor e compositor de Funk, MC Gui, passou para falar um pouco mais sobre a vida dele relacionada 18 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

ao arguile, sobre o lounge Mandelão e projetos futuros. Boa leitura. Guilherme Kaue Castanheira Alves, conhecido como MC Gui, cantor e compositor de funk de São Paulo, completou 20 anos recentemente com uma festa cheia de pompa. Agora tem um lounge também e vai explicar um pouquinho para nós sobre sua vida e óbvio, sobre sua


//Resenha que da Voz trajetório no mundo do arguile. HBE: A primeira pergunta é clássica, quando e com quem você conheceu e fumou arguile a primeira vez? MC Gui: Conheci o arguile através da minha irmã e fumo já tem uns 10 anos. Claro que meus pais não sabiam, fumava escondido. Depois de uns anos que eles descobriram, e eu acabei apanhando um pouco. Acho que para mim fazia mal porque era muito criança e fumava nos arguiles “ching ling” e carvão de pólvora, enfim, conheci e comecei a fumar através da minha irmã e primos que são mais velhos. HBE: Você lembra do primeiro fumo que experimentou? MC Gui: Então, a primeira vez que vomitei nem foi por causa de bebida nem nada, eu nem bebia. Fui

com minha irmã na casa de uma amiga pra gente assistir filme, ai fizeram pipoca e derreteram um chocolate em cima e deixaram o arguile montado, todo mundo foi assistir o filme e eu fiquei na cozinha comendo pipoca com chocolate e fumando alguma coisa que não lembro. Cheguei em casa e vomitei toda a pipoca e falaram um monte, brigaram com a minha irmã porque acharam que ela tinha deixado eu beber e tal e era só pipoca demais mesmo, mas tudo isso é pra falar que não lembro qual essência e sabor eram da primeira vez que experimentei, só lembro mesmo da pipoca com chocolate que me fez passar mal. Não tenho recordação de essências, só me recordo mesmo do carvão de pólvora que tinha gosto e tudo mais e fumava até as cinzas, mas era horrível, não tinha nada bom que me faça recordar daquela época. HBE: Foram passando os anos e você continuou fumando escondido ou você parou e depois voltou conhecendo um pouco mais das coisas? O Marcelo Bhraw o que ele fez que te ensinou a fumar melhor? MC Gui: Na verdade continuei fumando escondido, mesmo quando meus pais souberam e brigaram comigo eu insisti e continuei fumando porque gostava e também não tinha vontade 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 19


//Resenha que da Voz de usar drogas e nem fumar cigarro, então acabei indo para o arguile. Acho que isso foi menos preocupante pra minha família, porque todo mundo sabe ou deveria saber que arguile não é droga, e com certeza não faz esse mal que falam por aí que faz, cada um tem sua opinião e eu respeito a de todos, mas continuei e pronto. Há menos de um ano o Gordassa (Marcelo da Bhraw) me apresentou a Cane Mint que mesmo sendo uma das essências mais caras, é uma das melhores. Faz menos de um ano que eu conheci o que é fumar um arguile de responsa mesmo, que é ter um arguile só pra Cane, que você nunca coloca outra essência e tal. Mas antes fumava Love66 e até hoje se não tem Cane, vou de Love66 ou paçoca com menta, mas quando tem Cane eu não misturo com nada! Mas com 14 anos que foi meu auge com as músicas “Ela quer” e “O bonde passou” que meus pais “aceitaram”. Não que aceitaram e que gostaram, mas acho que por perceberem que eu só queria fumar arguile e não queria droga nem nada, deixaram. Mas eu respeitava, não fumava perto deles nem nada, só no role com alguns amigos mesmo ou alguma coisa assim, mas não fumava todo dia, tinha semana, mês que eu nem sabia o que era arguile, hoje não, hoje fumo todo dia. 20 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

HBE: Mas hoje você fuma todo dia também por conta do Mandelão, que é o seu lounge, certo? MC Gui: Isso, também. Hoje tenho um lounge que é o Mandelão que fica no Tatuapé, o lounge já vai fazer um ano e quando abri já tava fumando todo dia por conta dos amigos que são apaixonados por arguile e que fumam todo dia. Um deles é meu sócio Kaique, a gente se conhece já tem mais de 10 anos, ele era do mesmo bairro que eu, o Imperador, fui nascido e criado lá e a gente sempre andou junto, então meio que fumava todo dia já antes de abrir, agora fumo todo dia em casa, ou no lounge, chamo os amigos, ou fumo jogando CS. HBE: A gente sabe que de fato o arguile faz mal, por conta do monóxido de carbono do carvão, o próprio tabaco e tudo mais, você obviamente tem acompanhamento de seu staff, em algum momento seus médicos falaram para você não fumar para não prejudicar sua voz? MC Gui: Então, os médicos que faço acompanhamento da minha voz para que eu tenha uma melhora constante na voz e também para poder fazer os shows que faço, nunca falaram para parar porque faria mal. Eu sei que faz mal para outras coisas, por conta da fumaça, por exemplo o cigarro de fato não tem tanta


//Resenha que da Voz fumaça, então os médicos sempre falaram dessa quantidade de fumaça ser muito grande. Se faz mal para minha voz não é nada grave ou perceptível, por isso continuo fumando. Tenho professor de canto, fonoaudiólogo e tenho meus cuidados, sei que não tenho calos nas cordas vocais e tudo mais, então sei que não faz tão mal igual ficam falando por aí na rede social ou buzinando no ouvido do pessoal. Ninguém nunca me incentivou a fumar, fumo porque quero, porque sou apaixonado e não vejo problema nenhum.

dos seus seguidores? Exemplo: ‘vou parar de seguir porque você fuma’ ou apareceu mais gente dizendo ‘pô, você também fuma, que legal, vou te seguir’, você quando começou a postar do lounge o pessoal começou a te procurar mais para ir lá e tal?

MC Gui: Acho que assim, senti diferença não por conta do arguile mas por conta da idade, quando tinha 14 anos tinha voz aguda e não sabia trabalhar ela, por isso comecei a fazer e continuo até hoje com aula de canto. Não senti de lá para cá mudança para pior e sim para melhor, não me afetou. Então vejo que a tendência foi sempre melhorar dos 14 para os 20.

MC Gui: Hoje o mundo que a gente vive, se nem Jesus agradou todo mundo, é impossível não ter uma mãe ou alguém do tipo que vai falar que vai parar de seguir, porque tem uma filha com seus 15 anos e não quer que eu influencie e mostre isso. Mas eu juro por Deus que nos 20 milhões de seguidores que tenho nas redes sociais, se uma pessoa falou isso, foi muito. Sempre que divulgo ou mostro algo que tô fazendo, por exemplo bebendo, bebo mas não incentivo ninguém a beber. Como dizem, sou uma pessoa que sou influenciador, mas não porque faço que as pessoas têm que fazer, por exemplo, eu não vou me jogar da ponte porque vi um cantor fazendo isso. As pessoas têm que entender que tem muitas coisas que tem que parar pra pensar se é ou não pra fazer igual por algum motivo.

HBE: Por você ser artista e seus seguidores e até sua música ser para pessoas mais jovens, depois que você abriu lounge e começou a postar no Instagram você fumando, sentiu diferença no comportamento

HBE: E quando você percebeu que queria entrar de cabeça nesse negócio do arguile, a gente brinca que é o mundo do arguile, como você percebeu que ia valer a pena entrar nisso, você conheceu pessoas como

HBE: E desde os 14 anos que você passou a fumar mais e agora que você fuma todo dia, você sentiu alguma mudança na voz?

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 21


//Resenha que da Voz o Marcelo da Bhraw e o Rodrigo da Brasuka, como foi para você esse negócio todo? MC Gui: Cara, foi algo muito rápido, estávamos fumando dentro de casa e acabei frequentando alguns lounges aqui em são Paulo e na minha opinião nem poderiam ter o nome de lounge porque é mais balada do que um lounge de fato e que não tem qualidade no arguile. Queria procurar algo aqui em SP que ia me satisfazer e os clientes que querem qualidade no arguile mesmo, que gostam de fumar um arguile bom, meu primeiro pensamento foi esse. Poderia montar uma balada, mas queria algo do tipo que toca uma música, mas que posso pedir um arguile e fumar de boa. Então sentei com a minha família para montar, no fim, acabei conversando com o Kaique que é meu sócio hoje lá e acabei montando com ele, sem minha família, hoje minha irmã é sócia também porque ela ajudou muito no começo e hoje ela é uma das cabeças lá. HBE: Você pensa em mudar alguma coisa no Mandelão ou hoje ele está do seu agrado? Pensa em ampliar? MC Gui: Muita gente não acredita, mas não abri o mandelão pensando em ser o empresário ou um grande empreendedor, porque graças a Deus tenho minha família por trás 22 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

e eles pensaram em tudo para ter uma segurança com o MC Gui. Montei por hobby, para poder ter um espaço para fumar com amigos e para aproximar também um pouco dos fãs. A gente montou pensando no hobby mesmo e hoje deu certo e o Mandelão é um dos nomes de lounge mais conhecidos em SP e também muito falado no Brasil inteiro. Através do Marcelo (Bhraw) acabei conhecendo vocês e toda a rapaziada e tem gente que deve achar que por eu ser o MC Gui, o pessoal fala que é bom tudo mais pra puxar o saco, só que não, se o pessoal volta e fala que tá bom toda vez, que tem atendimento legal, é porque realmente é bom, né?! Lá a gente mudou muita coisa por conta das dicas do pessoal do arguile e por conta dos clientes, do feedback dos frequentadores. Inauguramos uma nova área recentemente no Mandelão, expandimos e minha intenção é abrir mais pelo Brasil e quem sabe, fora também. Pretendo abrir e ter até franquia, se vierem propostas, podemos estudar sim. HBE: E como é o funcionamento do Mandelão, você ta lá todo dia? MC Gui: Lá abre de quarta a domingo das 21h às 5h, nesses dias se não tiver show estou lá. Às vezes vou em alguma balada ou show de amigos, mas sempre passo no mandelão antes de fechar, as vezes o


//Resenha que da Voz mandelão fecha e fico lá até 8h da manhã com os amigos me divertindo e dando risada. HBE: Eu mesmo (Lineu), já ouvi você falando que ia passar no lounge de outra cidade. Pra você é meio que uma obrigação passar em outros lounges principalmente fora de SP quando vai fazer algum show ou só quando dá tempo mesmo? MC Gui: Fui para Curitiba semanas atrás e antes do show eu passei no Marajah, e curti muito lá, foi bem legal, depois do show até queria voltar lá, mas tinha outros compromissos no dia seguinte, tinha que descansar e acabei não voltando. Mas não sinto que seja uma obrigação não, é um hobby mesmo, gosto de ir curtir um lugar diferente, conhecer pessoas diferentes, gosto mesmo de ir quando posso. O bom de ter um lounge hoje também é que sou um cara que fui muito mimado pela minha família, então tudo peço para os outros fazerem, sabe, não porque eu sou folgado, mas é que pô, mano, tem como você fazer tal coisa para mim? Rsrs E além de tudo isso não sei fazer as coisas, não sei cozinhar, não sei fazer meu rosh direito, tipo, não faria o rosh para vocês aqui, teria vergonha, porque sei que vocês gostam de fumar com qualidade e não sei fazer com a qualidade, por

falta de prática também, quando a gente tem amigo igual o Marcelo e o Rodrigo que sempre que a gente pede e eles podem fazer eles fazem, não tenho muita prática não. HBE: E você fuma em média quantos roshs por dia? Tem dia que você só quer fumar e jogar? MC Gui: Ah mano, depende, tem dia que fumo 10 roshs, tem dia que fumo 5, hoje mesmo, esse é o primeiro. Depois vou para o Mandelão e vou fumar mais alguns, no dia que tô no pique mesmo no role, bebendo com os amigos, fumo uns 10 fácil, depende do que tô fazendo mesmo. Só fumo Cane, por causa do Marcelo, no começo xingava ele porque achava ruim, agora, só cane mesmo. Jogar fumando é Top também! HBE: Você acredita que por ser artista e fumar arguile, ajuda a desmistificar o arguile da droga? MC Gui: Sim, acho que, como disse sou influenciador por estar na mídia, ajuda porque posso provar que isso não é droga, tenho isso na minha cabeça, não é droga e partir do momento que você quer que as pessoas acreditem, você tem que acreditar nisso. Tento passar e passo isso para todo mundo, arguile não é droga, faz mal, mas nada comparado a drogas ou a cigarro, tenho 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 23


//Resenha que da Voz certeza que o arguile faz menos mal que tudo isso. As pessoas têm que entender que não é droga e você fuma se quiser, você experimenta se quiser. As pessoas te julgam por julgar, sofri um acidente de moto e falaram que eu estava drogado, bêbado e não tem nada a ver isso, mas as pessoas já saem falando besteira. Jogo Counter Strike e as pessoas julgam que é um jogo violento, mas não é porque jogo que vou sair matando todo mundo, explodindo bomba, mas as pessoas tão falando que os gamers vão ficar doentes e sair por aí matando todo mundo, mas não tem nenhuma relação isso, as pessoas falam e julgam demais sem conhecer a pessoa, sem entender o que acontece e sem entender ou sem querer entender que o arguile não é droga e que o jogo não vai formar nenhum tipo de serial killer. Se divulgo que fumo o arguile, não é ruim, faço muita propaganda e por dinheiro nenhum vou fazer propaganda de uma coisa que pode fazer mal para os meus seguidores, jamais vou influenciar eles a usarem coisas que façam mal a eles, e nem iria querer usar uma coisa que me faz mal. HBE: Você já conhece um pessoal do mundo do arguile, o Rodrigo (Zóio) e o Marcelo Gordassa da 24 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

Bhraw) que te apresentaram mais pessoas, o que você achou dessas pessoas? O que você achou desse mundo do arguile? MC Gui: Cara, eu geralmente me dou bem com todo mundo que conheço, mas em qualquer mundo que você entra, seja do arguile, da música, de artistas, sempre tem pessoas gananciosas, eu não me dou bem com esse tipo de gente. Nesse um ano que tô conhecendo pessoas no mundo do arguile, já consegui perceber pessoas que se sentem só concorrentes das outras, mas tem tanta gente que não precisa se preocupar, é difícil você se manter no sucesso a vida toda. Então, tenho fé em Deus e Ele me apresentou muita gente boa nesse mundo do arguile, deve ter muita que nesse mundo que devia achar que eu era arrogante, metido, mimado e não, muita gente que conheceu o MC Gui viu que eu sou só mais um. Acho que assim como é gratificante pra mim conhecer eles, é gratificante pra eles me conhecerem também, acredito que eles abriram portas pra mim e eu abri algumas portas pra eles. Acho que é uma troca legal. HBE: Você tem vontade de fazer algum tipo de produto com a marca MC Gui? Tipo um arguile do MC Gui ou uma parceria sua e da Bhraw por exemplo?


//Resenha que da Voz MC Gui: Sim, sim, tenho bastante vontade, mas acho que peguei tanta amizade por eles, que jamais faria algo que fosse de encontro ao produto que eles vendem, mas se fosse para fazer uma parceria faria sim. Tomo bastante cuidado para não bater de frente com os meus amigos. HBE: Você foi no Expo Hookah 2018, o que você achou do evento? O que a molecada fez quando te viu? Você se surpreendeu com bastante coisa? Você tem vontade de ir em outros eventos que acontecerem? MC Gui: Então, tem aquela frase quem não é visto não é lembrado né? Então se to sendo visto ali eu posso fechar parcerias, assim como fechei com a Zomo nesse primeiro evento, estou ajudando a fazer uma essência nova e acho interessante porque além de tudo estou nesse mundo do arguile também então tenho que aparecer sim. Gostei muito da feira porque tinha coisa lá que nem conhecia, tipo o tapetinho Strike para colocar o arguile em cima e tal, eu vou em várias feiras, mas a de arguile realmente fiquei bem espantado e a maioria das pessoas que conheço hoje do arguile conheci lá, foi muito importante ter ido no evento. HBE: No cenário da música, você liga o arguile a alguma coisa? Você tem um clipe que aparece arguile?

Toda vez que você for gravar um clipe agora, você vai querer que apareça o arguile ou você vai gravar algum clipe no Mandelão, como vai ser? MC Gui: Então, tenho o “chapei o coco” e lembrei agora, tem o “tchuk tchuk” também, e eu nem conhecia ninguém ainda na época, nem o Marcelo e já coloquei o arguile porque é uma coisa que gosto e acho que não interfere em nada e ninguém fez um comentário negativo por conta do arguile. Eu gosto, acho legal e sempre que puder, vou colocar. HBE: Gui, muito obrigado, e fica à vontade para mandar um recado aí, falar do Mandelão também, valeu! MC Gui: É isso pessoal, quem estiver por São Paulo tem que ir conhecer o Mandelão Lounge, que fica na rua Coelho Lisboa, 430, no Tatuapé, de quarta a domingo das 21h às 5h. Tem arguile, música, bebida, eu também estarei por lá e agora estamos para abrir o espaço novo do Mandelão. Só que tem que chegar cedo porque já teve fila de 200 pessoas, então cheguem cedo. Vai ser gratificante ver o pessoal lá, o pessoal ir lá é reconhecer todo um trabalho, conheçam o Mandelão! HBE: Obrigado, e todo mundo pro mandelão fumar um rosh! Valeu! 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 25


//Resenha que da Voz Agradecemos aos nosso amigos do TC, Jean e Michel e ao José Luis do Tio Bob por nos proporcionarem esse encontro especial em nosso escritório. Um bate papo franco com o Rodriguinho que nos proporcionou um conteúdo incrível e abriu o jogo sobre seus projetos. Rodrigo Fernando do Amaral Silva, conhecido como Rodriguinho, ex-vocalista grupo de pagode ‘Os Travessos’, tem 40 anos de vida e impressionantes 30 anos de carreira. HBE: Rodriguinho, uma pergunta clássica que sempre fazemos aos nossos entrevistados, como você conheceu e começou a fumar arguile? Rodriguinho: Tive uma experiência

26 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

com arguile 12 ou 13 anos atrás com meu irmão. Ele fumava e sempre levava para todos os lugares, junto com os amigos, isso na época de carvão de pólvora e tudo mais, mas era um “trampo” pra fazer né?! Tinha que cortar o alumínio da mãe e aquela coisa toda que eu não tinha paciência, então parei. Fiquei nessa experiência por volta de 1 mês no máximo, mas aí quebrava alguma coisinha e era difícil de encontrar. Tive outras oportunidades com amigos famosíssimos, que não posso falar o nome, que os caras falavam para eu experimentar e nunca fumei com eles. Depois de um tempo fui pra Curitiba e chegando lá com um amigo no hotel, ele estava com uma mochila nas costas e aí ele perguntou se me incomodava em fumar um arguile e falei que de boa. Aí ele tirou um arguile bonitão, um Amazon na época, bonito demais, uma panelinha, carvão hexagonal, um controlador de calor e falei “pô mudou essa coisa hein?!”. Aí ele me explicou por cima como as coisas estavam, aí fumei por uma hora mais ou menos e disse que gostei e que ia comprar um pra mim. Ele ficou meio espantado, perguntou se tinha gostado mesmo e confirmei que sim! Aí ele ligou para um amigo de uma loja lá e depois de meia hora o


//Resenha que da Voz dono da loja estava no hotel com um setup igualzinho pra mim. Posso afirmar que desse dia em diante fumei todos os dias, isso não tem nem um ano, uns 10 meses no máximo. HBE: Depois desse dia então, você fuma todo dia, em média quantos roshs por dia? Rodriguinho: No mínimo uns 3 roshs por dia, todos os dias e aí vem as descobertas, sou um cara consumista, entro de cabeça em tudo que começo. Pra vocês terem ideia um mês depois entrei de sócio com uma marca de arguile, a Volkano, pra fazer o meu arguile, fiz o Volkano Samba. Fiz poucos exemplares, já devem estar acabando. O cara chegou e perguntou se podia fazer um com meu nome, perguntei quanto custaria, quando ele falou, falei então que queria entrar com participação para fazer, meio a meio de cada e tal, e me dei bem, entrei achando que não ia dar nada. No fim já recuperei a grana que investi, já consegui um pouco mais. Depois disso conheci o Mukai (Mukabowl) ele corta o cabelo no mesmo lugar que eu. O cara falou: “Pô, tem um cara que corta o cabelo aqui que tem uma marca dessas coisas” eu falei: “poxa, legal e tal”. Daí o cara falou que ele queria fazer uma entrevista comigo, o mais engraçado é que eu nunca fiz a entrevista, quando ele ver vai me cobrar! Mas troca-

mos contato e começamos a conversar, era uma sexta e tinha show, aí ele convidou para ir num lounge com ele na terça. Perguntou o que eu fumava, na época estava viciado em Nay, tudo era Nay! Aí ele falou “não pô, tem que fumar Tangiers”. Eu já tinha tido uma experiência, fumando Orange Soda, num show num casamento, comecei a fumar e começou a me dar tontura, minha testa adormeceu. Eu já falei “para com essa porra, tô passando mal, não vou conseguir fazer o show”. Dei o fumo pro meu filho (cantor) Gaab, ele me ligou e falou “porra, que fumo é esse que você me deu, tá louco?”. O Mukai na hora já falou “Para. Você tá fumando errado, vou te levar nos caras que conhecem tudo de Tangiers e você vai ver”. Ele me levou no QG do Tangiers Club, levei dois Kits de Volkano, chegando lá, vi aquela estante deles cheios de Regal, Wookah e tudo mais, fiquei até com vergonha, escondi os Volkanos. No fim, dei os Volkanos de presente para os meninos do TC. HBE: Mas também, quem não fica tímido com aquele monte de arguile lindo? (rsrs) Rodriguinho: Pois é, os caras já perguntaram o que eu queria fumar, já foram montando meu rosh, me receberam super bem. Experimentei um monte de coisa, fui começando a gostar um pouco mais e tal, os caras 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 27


//Resenha que da Voz sempre alertaram “Isso é caminho sem volta, quando fuma Tangiers é sem volta!”. Ficamos lá umas seis horas fumando e já falei: preciso comprar um Wookah, quero um Wookah, onde compra? No site do TioBob, mas me falaram pra eu não comprar que eles iam me levar lá. A primeira vez que fui no Zé pensei que viria um senhor, um “tiozinho”, porém me deixou surpreso “que pessoa, cara gente boa”, nos tornamos amigos. Nesta primeira vez comprei três narguilés, um Wookah, Regal e um Egípicio, os deixei escondido, logo que cheguei em casa, para minha esposa não encrencar (risos). O arguile se tornou um “lifestyle”, levo para os meus shows, monto no palco, já mostrei para toda minha equipe, apresentei a cultura para mais de 100 pessoas com certeza. Recebi algumas críticas por fumar arguile após ter lançado alguns modelos com a minha marca, muito pelo fato de cantar. Em contrapartida, para não ter o lance dos seguidores do meu Instagram de artista misturar as coisas, decidi criar outro perfil, algo dedicado apenas para a cultura, o que curto e criei o @sambashisha. Hoje tenho diversos modelos e marcas de arguiles, Regal Hookah, Wookah, MIG, Sins, Meduse, Kaya, Oduman, Art Hookah, fumo em to28 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

dos, cada dia um diferente, costumo falar aos meus amigos que eu não gosto de deixar um com ciúmes do outro (risos). HBE: Quais são os 5 sabores que mais gosta de fumar e as respectivas marcas? Rodriguinho: A marca que eu mais gosto de fumar é Tangiers, hoje tenho mais de 30 sabores da marca em casa, mas os sabores que mais gosto são: Cane Mint, Summer Soltice, Blueberry 2005, Little Purpple Candy e Sour Grape. Tem mais, mas se eu for listar aqui nós vamos longe (risos). Em minha trajetória no meio do arguile comecei em um nível muito legal, pois já tive contato com pessoas experientes, que me mostraram os atalhos e caminhos do que realmente, para mim, valeria a pena experimentar. Em pouco tempo adquiri muita experiência, acabei me tornando uma espécie de “consultor do arguile” para os amigos que gostam, muitos me perguntam o que comprar, qual sabor e marcas são boas e acabo ajudando tanto eles que me apelidaram de “Pai Tangiers”. O engraçado é como virou realmente o meu estilo de vida! Por exemplo, nesta semana fui fazer uma reunião, estava com meu arguile e perguntei se poderia fumar no local, fui autorizado e acabei pedindo para o Neto, que trabalha comigo preparar um rosh e deixou


//Resenha que da Voz no jeito (risos). O bacana é que todo mundo experimenta, muitas pessoas fazem perguntas sobre e acabo explicando, já senti que isso que faz a diferença, a forma como vou apresentar e falar do arguile, faz total diferença. HBE: Não existe nenhum estudo aprofundado sobre o quão mal faz o arguile para a saúde, mas você por trabalhar com a voz, sentiu alguma diferença? Rodriguinho: Então, senti muita mudança na minha voz...para melhor, mas isso tem uma explicação, é claro. Tenho uma pessoa que me acompanha para cuidar da minha voz e depois de uns cinco meses que estava fumando fui gravar um disco novo na companhia dessa pessoa e falei “Olha, tô fumando arguile, quando te contratei eu não fumava, mas agora tô fumando”. Ela falou “vamos cantar, canta... aí”, “olha, sua voz melhorou demais, qual o princípio disso de fumar arguile?”. Eu expliquei como funcionava, a água, carvão, essência, o princípio do charuto, puxa e já solta a fumaça tal, ela perguntou se me incomodaria se ela experimentasse, disse que não. Ela experimentou, fiz minha doutora fumar, ela falou “Gostoso né? Geladinho, docinho...” Ela já falou, “Tá... entendi porque sua voz melhorou”, nossas pregas vocais, são músculos, como qualquer mús-

culo do corpo, quando procurei por ela, estava com um problema sério na minha voz, minhas pregas vocais estavam espaçadas, frouxas. Qual o exercício para deixar elas rígidas? Respiração. Ela sempre falava para exercitar durante 5 minutos por dia, faço esse exercício por sei lá, 3 horas por dia agora. Ela falou que tínhamos o problema da fumaça, como vamos resolver isso? Perguntou se poderia colocar outro líquido, falei que algumas pessoas colocam por exemplo, bebida alcoólica, que é ERRADO! Ela perguntou se poderia colocar soro fisiológico? “Não sei, vamos testar!”, e deu no mesmo, a gente faz inalação com soro, então geralmente faço a sessão com soro fisiológico antes de show, pois o soro ajuda a hidratar as cordas vocais. A fumaça do cigarro é quente, isso faz com que queime as pregas vocais, já com arguile não encontrei esse tipo de problema, tive sim que fazer alguns ajustes e adaptações por sugestão de minha fonoaudióloga, fumar com soro fisiológico, gelo e essências que me oferecem frescor, isso já foi de encontro com minha paixão por Cane Mint. HBE: Sabemos que você fuma durante os seus shows, em sua plateia, já viu alguma reação diferente do normal? Rodriguinho: A galera pira quando acendo o arguile, a grande maioria 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 29


//Resenha que da Voz quando solto fumaça dá aquela estendida na mão pedindo para fumar, uns até gritam e tudo mais. HBE: Você frequenta lounges? O assédio bloqueia/priva um pouco na hora de ir em lugares do tipo? Rodriguinho: Eu não frequento muitos lounges, pouco por conta do assédio, tenho amigos donos de lounges e às vezes passo para fumar e bater um papo com eles. Mas não curto muito por gostar de montar meu arguile, usar meus produtos e também por associar as sessões com momentos de prazer e tranquilidade, um momento meu, pois eu gosto de pôr a mão na massa e preparar toda a minha sessão, com meu “ritual”. HBE: Você acha que por ser um artista famoso e mostrar que fuma arguile, ajuda a desmistificar o arguile de droga? Rodriguinho: Óbvio que sim, com certeza sim! Sou um cara com 30 anos de carreira e nunca ninguém me viu bêbado, mesmo porque não bebo, mas nunca me viu em escândalos ou algo assim, minha carreira é exemplar. Então tem fã que me defende quando alguém me critica por fumar, tipo ”pô, o cara nunca fez nada de errado, deixa ele curtir, fumar, se não atrapalha deixa ele”. As pessoas respeitam minha carrei30 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

ra, então quem vê acredita que se o Rodriguinho está fumando é porque com certeza não faz tão mal como falam por aí. HBE: Como é o assédio do público que curte arguile e vai atrás de você? Existem muitas pessoas que acabam passando dos limites, se tornando pessoas chatas e intrusivas? Rodriguinho: Sempre tem. Pela fama mesmo eu recebo em média umas 300 mensagens por dia. Sempre tem um volume muito grande de mensagens, desde as mais legais, dos caras fumando, ouvindo o meu som e mandando alguma mensagem legal até os mais chatos, que acabam passando dos limites e se tornam o outro lado da moeda, aquele que se torna chato por bater na mesma tecla sem saber como vai argumentar ou chegar até mim. Mas o que me deixa feliz é ver que o fato de estar inserido no meio do arguile hoje faz com que as pessoas gostem mais de mim, isso é muito louco, e bem legal. HBE: Exatamente, por isso essa nossa ideia de vincular o arguile com o artista, porque ainda tem muita gente que tem preconceito o que você acha? Rodriguinho: Cara posso dizer com certeza que a grande maioria dos


//Resenha que da Voz meus amigos famosos fumam e não postam nada, tem gente que fuma muito, mais que eu e não postam. Tenho amigos esportistas que fumam, até cigarro, mas não postam, mas até entendo os esportistas, pois é difícil desmistificar isso na cabeça de um torcedor, se o cara joga mal depois de uma foto fumando, vão falar que foi por causa de fumar. Igual os caras que vão na balada, postam e no dia seguinte jogam mal e a “culpa” é de ter ido na balada no dia anterior e tudo mais. Por isso que eu falo, são poucos dos meus amigos famosos que não fumaram ou não experimentaram, ainda! E claro, se um dia aparecer rouco, independente da causa, vão associar ao arguile com certeza, é coisa do brasileiro, não das pessoas, do brasileiro. A gente viaja pelo mundo e a gente vê que é coisa do brasileiro. Eu estou com gripe, eu tossi aqui, vão falar que a culpa é do arguile.

conta do arguile, pois acaba se confundindo devido a minha extensa carreira. Sou um cara muito ativo com meus projetos, gravo músicas novas, clipes e tenho muitos artistas “meus”, que trabalham comigo, então eu estou sempre em atividade e me expondo com as coisas que acabo assumindo. Sempre surge a galera que aparece apenas para criticar e denegrir a imagem por conta do arguile, mas a grande maioria é sempre sem embasamento e são pouquíssimas pessoas. Sou uma pessoa que não esconde de ninguém e nunca escondi, o arguile está presente em meus últimos videoclipes, apenas um não tem, pois não havia contexto para aparecer, mas estava montado no “backstage”. Não pretendo parar por um ou outro falar, se parar vai ser por vontade própria.

HBE: Você como artista e por ter inúmeros seguidores tomou uma decisão sabia de abrir um Instagram específico e focado para o seu público que curte a cultura do arguile. Qual foi a reação dos seus seguidores com isso depois que começou a postar sobre arguile em seu perfil pessoal?

Rodriguinho: Não, não recebi nenhuma crítica ou opinião da imprensa referente a isso, da mesma forma como estamos conversando aqui, dando esta entrevista é da forma como eu atendo, recebo e respondo aos outros veículos de comunicação.

Rodriguinho: É muito difícil saber se perdi ou ganhei seguidores por

HBE: Teve algum jornalista que falou algo por você fumar arguile?

HBE: Como você vê hoje esse cenário da música com o arguile, já tem o Gaab! 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 31


//Resenha que da Voz Rodriguinho: Tem o Gaab, gravamos o clipe no Stay Hookah. A Petra que é minha artista, foi no TioBob e comprou o arguile dela. Então quanto mais pessoas puderem disseminar isso e nos ajudar, melhor! Minha esposa fica brava comigo, porque tenho um filho de 14 anos e sempre pergunto: “Júnior, quer experimentar?”, ele: “não pô, quero não”, já falo: “Júnior, se eu souber que você experimentou na rua, vou arrebentar os seus dentes! O dia que você quiser experimentar você senta do meu lado, vou montar o rosh e você vai experimentar comigo! Se você gostar, a gente vai esperar a idade certa e você vai fumar comigo!”. É a mesma coisa, você deixar seu filho experimentar bebida, não posso ser hipócrita é melhor experimentar comigo, falo isso pra todos os meus filhos! Não quero que comecem a fazer isso por intermédio meu, mas se fizerem, que seja primeiro comigo, porque vai experimentar de uma maneira mais “segura”, porque vou montar e sei o que o meu filho está experimentando, não tem droga, não tem bebida no vaso, vai ser uma coisa bem feita. Não fumo arguile de qualquer pessoa, não fumo! Não é por nojo nem por nada, mas é meu prazer, então vou ter o meu prazer do meu jeito. HBE: Nós chamamos esse “meio” de mundo do arguile, o que você acha 32 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

desse mundo do arguile, das pessoas que você conheceu, o que você achou de tudo isso? Rodriguinho: Cara, para mim foi tudo muito novo, todo mundo que conheci foi nessa base de indicação, até mesmo vocês foi por indicação, tanto que estou aqui, os caras estão comigo, então já conheci pessoas selecionadas, o Zé, os meninos (TC). Eles que sempre falam, vai lá, os caras são gente boa... HBE: Inclusive temos que agradecer ao Zé, sempre que falamos agradecemos a ele, nos ajudou e ainda ajuda muito, os meninos sempre que podem dão uma força. Você comentou sobre o evento ‘Expo Hookah 2018’. O que achou, esperava e imaginou do evento? Se compara a algum outro tipo de evento que você já foi? Rodriguinho: Cara, o evento é bem “profissa” né? Eu cheguei agora então acredito que seja o evento mais top. É bem similar a outros eventos, de música, gospel e tudo mais, porém com outro produto. Confesso que não foi tudo que vi no evento que me surpreendeu, pelo fato de estar com os meninos não tinha grandes novidades pra mim. Já fui com um filtro muito bom, 70% das coisas que tinham no evento já tinha experimentado, acho que a coisa que mais atrapalha deve


//Resenha que da Voz ser a vigilância o tempo todo no pé, tipo, mesma coisa que você ir num evento de gastronomia e não poder comer, não faz sentido não poder fumar. Eu tinha o meu stand da Volkano, o tempo que fiquei no stand vendeu bastante, o pessoal comprou bastante, é bem legal você ver isso. HBE: Foi picado pelo bichinho do evento? Então se tiver outros você irá participar com certeza? Rodriguinho: Claro, sendo como expositor ou como visitante mesmo. HBE: Como você enxerga o seu futuro nesse mundo do arguile? Como se imagina daqui 5 anos? Qual sua ideia para isso? Rodriguinho: Cara, sou um artista de berço. Eu quero claro crescer com isso também, ser do tamanho do TioBob, dos meninos da TC, igual a vocês. Um tempo atrás estava em Floripa e foi bem legal. Eu levei o arguile e tal, e levei só um rosh e quebrei! Então fui procurar, e fui numa tabacaria dentro de um shopping, eu entrei e abaixei para olhar os roshs, quando eu levantei o dono da loja me viu e falou, “Pô Rodriguinho eu não tenho nada aqui! Eu sigo você, vejo suas paradas lá e você só fuma coisa boa, tem só coisa boa, o que eu tenho de melhor é esse e esse aqui”. Pô, eu

achei isso sensacional, o cara me reconheceu pelo meu hobby e que gosto de coisa boa. Foi muito legal, esse reconhecimento é o que busco. Consegui juntar esse negócio de música com meu hobby do arguile de um jeito muito certo, então se ganhar dinheiro, lindo! Se não, de boa, sempre brinco: “se você ganha dinheiro com o que você gosta de fazer não é trabalho”, isso é muito legal, já me sinto muito feliz, imagina o Zé, deve ser um cara muito realizado. HBE: E esse seu projeto da Volkano, continua? Como vai ser? Esta pausado vai continuar? Quais os planos para o futuro? Rodriguinho: Junto com a marca Volkano, nós temos um projeto para arguile, o nome já está definido e se chamará Anarchy Samba, um arguile de porte médio onde será produzido com inspiração nos arguiles MIG. Será um arguile completo, com todos os elementos para completar um setup, base, stem, rosh, sem a necessidade de utilizar borrachas ou algum tipo de vedação nas conexões. O projeto é ter um lounge com hora marcada, algo exclusivo, dispor de minha coleção, todos os meus arguiles, desde o meu Samba ao meu Craft Grand Mirage da Meduse, que é o único que tem no Brasil, para que todos possam ter a experiência de fumar em um arguile 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 33


//Resenha que da Voz raro, difícil de manipular e até mesmo o desembaraço de toda vinda dele para cá. Existe a possibilidade ‘de eu’ preparar um rosh e conseguir bater um papo, juntar com a experiência do fã. Hoje eu vejo o lounge para o arguile como o DVD está para a música, quem tem mais led, luz, tv, som alto e potência, quem enfeita e aflora mais as coisas “ganha”, não quero bater de frente com esse nicho do mercado. Quero algo mais exclusivo, pois acredito neste conceito é um mercado que vejo que tem futuro pois meu modo de vida é outro. Porém quero pôr o meu jeito, que quando o cara sentar para fumar ele tenha nítida noção de que é algo realmente diferente, não quero conchavo com nenhuma marca, quero algo com muita qualidade para passar para o cliente a minha experiência. HBE: Dos 60 arguiles que você tem, qual o seu preferido? Seu xodó? Rodriguinho: Cara, não tenho, fumo todos. Mesmo porque brinco que fumo todos para não deixar os outros arguiles com ciúmes. Gosto muito do meu MIG por exemplo, mas não fumo nele todo dia não. HBE: Mas não tem nenhum que você tenha um ciúme maior? Você comentou no início que você começou ‘meio que’ escondido da sua esposa, hoje ela é tranquila com isso? 34 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

Ela fuma seus arguiles ou você não deixa? Rodriguinho: Não tenho ciúmes não. Quanto a mulher, ela pode tudo, não pode contrariar nunca a mulher! Às vezes estou fazendo shows e ela manda mensagem fumando meus arguiles com as amigas dela, então é de boa, é bem legal isso. No Natal ela queria me dar um livro sobre arguile, mas ela não achou e acabou me dando um livro do Pablo Escobar, porque tinha acabado de ver a série, mas eu falei “Pô, isso não tem nada a ver com arguile”, e ela falou que não tinha achado nada, mas é muito bom ver que ela aceita numa boa tudo isso. HBE: No próximo Natal, ela pode te dar a revista HBE, Rodriguinho, encerramos então, agradecemos muito sua vinda aqui, simpatia em pessoa, tem mais algum recado, alguma coisa para falar para a gente? Rodriguinho: Cara, acho que é isso, muito obrigado pelo convite e é isso gente, arguile é bom, eu gosto e “vambora”!


@revistahbe

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 35


//Oktoberfest - A Festa

Por: Rodrigo Devisate Fotos: Guilherme Vieira

Os meses de setembro e outubro trarão grande novidade para todos os amantes de Narguile e de uma boa cerveja A tradicional festa alemã, muito conhecida no Brasil pelos Eventos ocorridos no Sul do país, teve no ano passado a primeira edição realizada em solo paulista, edição que foi um verdadeiro sucesso e neste ano veio consolidar esta grande festividade na cidade,

inclusive já constando shisha possui grande no calendário oficial. importância, onde somente para exemplifiO Evento visa divulgar car e brindar os leitores a cultura alemã através com informação, é um da música, danças típi- dos maiores mercados cas, vestimentas, comi- europeus, sendo que da, muita cerveja e ago- uma parte significativa ra também o Narguile. da população alemã faz uso regular de narguilé Poucos sabem que o se compararmos com mercado alemão da o consumo em nosso

36 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


//Oktoberfest - A Festa Saúde

Vias respiratórias.

país, mas diante de todos os avanços ocorridos e demonstrados nos últimos 5 anos, em pouco tempo este número será diferente.

surpresa foi agraciado formação ao longo dos com um grande abraço tempos. da São Paulo Oktoberfest 2018. Claro que ainda enfrentaremos muitos obsSe quebrava naquele táculos, porém este é instante uma grande um grande passo para Por questões do desti- barreira, vez que dri- o mercado como um no este que vos escreve blamos a ignorância e todo, seja do produtor é apreciador e amante o desconhecimento, ou consumidor, mas da cultura desde o ano abrindo-se uma grande isto não depende só da de 2011, e por ter gran- janela para que possa- organização, mas sim de proximidade à Orga- mos mostrar a cultura de todos àqueles que nização da São Paulo para mais de 140.000 amam e cultuam o NarOktoberfest, após ex- pessoas ao longo de guile. por todos os pontos fa- 11 dias de realização. voráveis, consultou-os E nada melhor do que Voltando ao que inquanto à possibilidade poder desmistificar teressa, a São Paulo de realizar um “even- uma série de abusos Oktoberfest ocorrerá to”, e para sua total cometidos pela má in- na Arena Anhembi, na 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 37


//Oktoberfest - A Festa

Sistema digestivo.

cidade de São Paulo, entre os dias 28 de setembro à 14 de outubro, excetuando-se as segundas, terças e quartas-feiras, onde nos dias de semana os portões serão abertos às 17h. e nos finais de semana às 13h., toda a programação pode ser encontrada no site www.saopaulooktoberfest.com.br. Os ingressos podem ser adquiridos pelo Ingresso Rápido ou diretamente nas Bilheterias, tendo como preço o valor de R$ 49,00 (dias de se-

mana) e R$ 65,00 (finais de semana), dando acesso à todas as áreas do Evento, claro que as leis de meia entrada são respeitadas pela Organização, além do fato de que os visitantes que forem trajados tipicamente terão um desconto exclusivo (vide regulamento no site do Evento).

Stick Hookah, Monge Hookah e Adalya, o Lounge by Tabacaria Ganesha, divulgação na mídia especializada, e claro o principal componente, que nos lê!

Assim contamos com a colaboração de todos para demonstrarmos a força do Narguile, o que proporcionará à diversas pessoas conheceO Narguile se fará pre- rem e terem um maior sente através de um es- contato com tudo que paço em parceria com envolve nossa cultura. o Tio Bob, com marcas como Tom Cococha, Até lá.... EIN PROSIT!!!!!! Predator, Zouk, Sultan,

38 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 39


//Tendência na Espanha

Como recebemos os produtos brasileiros na Espanha Por: Roberto Jekelo

Acredito que vocês gostariam de saber em primeira mão como chegaram os produtos brasileiros na Espanha. Em primeiro lugar, gostaria de enfatizar que antes que houvessem distribuidores na Espanha de produtos brasileiros, descobrimos seu mercado através do Super Bowl. 40 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

Entre os usuários dos fóruns fizemos grandes pedidos para testar os roshs Gran Reserva cuba quadrada. Depois de anos, quando as lojas ganharam força, surgiram empresas dispostas a importar os produtos. Hoje, por exemplo, temos uma empresa que representa a Super Bowl e a Super Hookah aqui na Espanha.


//Tendência na Espanha Por aqui, tivemos cinco anos muito fortes de arguiles tradicionais: Khalil Mamoon, Farida e El Nefes; mas com o tempo saíram de moda e os iniciantes adquirem arguiles alemães de qualidade média fabricados na China. Os consumidores que buscam maior qualidade compram arguiles alemães ou (graças a Deus) brasileiros, que são excelentes. Raramente vemos alguém comprando arguile americanos desde que passou a moda da Starbuzz. É mais comum vermos Regal do que Prometheus e B2. Embora para a Europa pareça mais fácil o acesso ao mercado de arguiles russos, na realidade as regras de importações de produtos russos são mais complicadas que as brasileiras. Temos por aqui um distribuidor forte e que desenvolve um bom trabalho: a Fagon Wholesale, que traz Amazon, Predator Foil, Triton, Mani Sultan, Hookah Blend, Legacy e muitas marcas interessantes. Este distribuidor colocou o Amazon Hookah em um dos pontos mais altos da Espanha, fazendo com que muitas pessoas que antes não teriam acesso, possam adquirir um arguile brasileiro. No dia em que o Legacy chegou às lojas espanholas houve uma loucura e a maior parte foi vendido no primeiro dia. Fazendo uma reflexão, hoje é difícil

novos roshs estrangeiros obterem sucesso na Espanha, já que temos um mercado estabelecido e alguns dos melhores ceramistas. Aproveitamos ao máximo a argila, descobrimos uma argila rosa/roxa altamente refratária que chamo “Purple Danzig”. Temos nosso mercado saturado de roshs, as marcas que mais se destacam são HC, Helium e CyS, compramos roshs estrangeiros apenas para coleção. Sou um grande admirador de arguiles pequenos, que no Brasil vocês ganham de goleada. Tenho o SuperHookah, Hookah King Joker, Marajah Mumbai e Triton Zip, suas sessões perfeitas e portabilidade infinita fazem deles melhor custo benefício. Há dois anos na Espanha o Marajah virou moda, compramos como loucos dos EUA os modelos Mumbai e Dubai. As pessoas da internet sabiam que vivíamos em Madrid somente por publicar fotos do Marajah, assim surgiu o famoso grupo “Shisheros Madrid”. Espero continuar conhecendo nos próximos anos cada vez mais marcas e modelos de arguiles e acessórios brasileiros, pois há muito potencial em seu país. Um grande abraço do seu amigo Jekelo! 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 41


42 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 43


//Papo Cabeça

Underground União.

Por: Sidney Gritti Fotos: Guilherme Vieira

Você que acompanha meus textos na revista pode considerar saudosismo de minha parte sempre levantar analogias sobre a comunidade do arguile atual e o que tínhamos há alguns anos, mas insisto nesse assunto, pois o considero de extrema importância. Sinto que como comerciante e adepto

há mais de 15 anos, o público consumidor, seja de produtos ou informação, influencia muito o rumo que as coisas tomam, por isso estou sempre atento e busco alertar. Não quero ser um “cagador de regras”, muito menos ditar o comportamento ou escolher as pessoas que devem e como devem usar o arguile, po-

44 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

rém o bom senso deve existir e a falta dele aliado aos modismos contemporâneos dos jovens dinâmicos, estão afugentando o público sério que tem muito a contribuir à cultura. Hoje nas redes sociais vence quem “lacra” mais, no bom e chavoso Aurélio, lacrar é se dar bem em uma situação


//Papo Cabeça que na maioria das vezes, implica em tentar humilhar uma pessoa ou fazer piadas para alcançar esse objetivo. Junte isso ao politicamente correto e pronto, temos uma estreita viela em que raramente passa o bom senso e a espontaneidade.

“desmoralizar” qualquer um. Ser engraçadão doa a quem doer é o tipo de infantilidade que impossibilita qualquer discussão séria como as que tínhamos na época do extinto fórum Blog do Arguile.

Essa bactéria que afeta o intelecto da maioria Basicamente, as regras não é exclusividaque não gosto de imde das pessoas que por estão inerentes à fumam arguile, isso comunidade, ou seja, existe em toda esfera para fumar o arguile social brasileira e exerhoje você necessariace um poder sorrateiro mente deve expor, exi- que repele pessoas bir pretensiosamente o sérias que gostariam máximo possível, como de contribuir de fato. em um episódio do Hoje, com certeza se viral outfit. Criar uma ainda vivo, nosso sauatmosfera perfeita para doso Ernesto seria crio clique e subir em toticado e alvo de piadas dos os grupos, páginas ou críticas e os comene perfis possíveis. tários de seus vídeos virariam uma verdadeiE o que fazer quando ra praça de guerra ennão conseguimos uma tre os “haters” versus boa foto? Você pode “lacradores”. Pensem lacrar em postagens de os vídeos do Welton texto ou no tão oportu- “Spider” que hoje estano comentário. Ahhhh, riam fora das grandes os comentários! Eles salas e ilhas de edisão uma verdadeira ções, parecia um bate disputa de piadas “en- papo full time, pensem graçadas”, gifs geniais sobre as reviews no e insultos capazes de Blog do Tio Bob, o per-

sonagem manguinha rasgando seu inglês de “Massachusetts”. As atitudes que tenho observado em várias vertentes do arguile geram consequências negativas, que fazem com que todo avanço que observávamos pararem, o desinteresse aumenta a ponto de sobrar apenas negócio, comércio. Toda a essência está se esvaindo, quem gostaria de revolucionar hoje já se vê como minoria, coagida ou desinteressada em compartilhar benesses e optando pelo anonimato. Ser underground é mais prazeroso, o simples ato de fumar arguile sem se preocupar com julgamentos de qualquer patrulha. Os valores se inverteram e no âmago da cultura, fumar para se divertir e esquecer os problemas tem se tornado cada vez mais custoso.

2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 45


46 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018


DISTRIBUIDOR WWW.TIOBOB.COM.BR

PRODUTOS

A MELHOR ESCOLHA

GUSTO 35

5 ESTRELAS

AUDITADO TRUSTVOX

TARANTULA TANK

PROMOÇÃO FRETE GRÁTIS ODUMAN USE O CUPOM: ODUMANHBE Central de Atendimento

(11) 2702-2192

/sitetiobob /tiobobcampinas

Solicite cotação por atacado @tiobobnarguile @tiobobcampinas atacado@tiobob.com.br 2018/Julho - Hookah Brasil Experience | 47


48 | Hookah Brasil Experience - Julho/2018

Profile for Hookah Brasil Experience

Hookah Brasil Experience - 020 - Julho 2018  

E ai gente, tudo bem? Gostei de escrever o editorial e mais uma vez, estou aqui para adiantar um pouco do que vem nesta edição. Pela capa...

Hookah Brasil Experience - 020 - Julho 2018  

E ai gente, tudo bem? Gostei de escrever o editorial e mais uma vez, estou aqui para adiantar um pouco do que vem nesta edição. Pela capa...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded