O alcorão e a undade das religiões 20 pgs arq 19

Page 1



1ª Edição

Brasília Hoeck Aureo Souza Miranda 2014


©2014 Todos os direitos reservados para: Hoeck Aureo Souza Miranda

www.bookess.com/profile/hoeck/about/. 1ª Edição 2014 Capa e iluminuras: Diagramação: Revisão textual: Revisão técnica: Revisão de conteúdo:

Regis Danton Regis Danton Lia Cruz Lia Cruz prof. Sylvio Fausto Gil

Fotos com código: Cortesia da Patttern in Islamic Art www.patterninislamicart.com

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Ficha catalográfica elaborada pelo bibliotecário Miguel Ângelo Bueno Portela, CRB1 – 2756

M672a

Miranda, Hoeck O Alcorão e a unidade das religiões [recurso eletrônico] / Hoeck Miranda. – BRASILIA: Hoeck Aureo Souza Miranda, 2014. 436 p. : il. ; 23 cm. Inclui bibliografia. ISBN 978-85-918109-0-1. 1.Religião. 2 Alcorão. 3 Religiões Comparadas. I. Título CDD 201.5

CDU 2-65


Exortação “Dize: Não perscrutaste o Alcorão? Lede-o, a fim de que possais, porventura encontrar a Verdade pois este Livro é verdadeiramente a Senda Reta. É o Caminho de Deus para todos os que estão nos céus e todos os que estão na terra.” (SEB, p.38)1 Bahá´u´lláh (1817-1892)


Página impressa do Alcorão na Andaluzia, no século XII, referente à 15ª Surata - Al Hijr ( Wikimedia Commons - um acervo da Wikimedia Foundation)


Agradeço À Deus, Todo-Poderoso, O Sábio, O Sustentador. Aquele que: Criou o ser humano à Sua imagem e semelhança; e lhe concedeu a capacidade inigualável de O conhecer e adorar; e através dos Mensageiros, concedeu-lhe a guia infalível e a educação perfeita, e pais para o gerarem e ampararem com carinho e amor; e lhe destinou toda a criação para o seu desenvolvimento; e lhe concedeu o dom extraordinário da compreensão; e me agraciou com pais e uma família maravilhosa; esposa e filhos que me amam, e são pacientes e compreensivos comigo; e me ofereceu grandes oportunidades para o meu crescimento; e colocou nos caminhos de minha vida amigos extraordinários; e me concedeu a graça de reconhecer o Seu Manifestante, Bahá’u’lláh; e me inspirou e concedeu a capacidade e a oportunidade para elaborar este livro; e os meios para publicá-lo; e me tem agraciado com o Seu amparo; e tem sido infinitamente paciente comigo e perdoado as minhas faltas; e me inspirado e ajudado a trilhar o caminho do bem; e me tem guiado e fortalecido para produzir bons frutos; e me indicado o caminho da verdade; e me dado infinitas razões para dizer

“eu Te amo”.


TUR 0103 - Teto da Mesquita Selimye em Edirne, Turquia (Edirne: nome atual da antiga Adrianópolis, onde viveu Bahá´u´lláh)


Índice

9

Índice

Índice Índice ��������������������������������������������������������������������������������������������������9 Introdução �������������������������������������������������������������������������������������� 13 Agradecimentos Específicos ���������������������������������������������������������� 21 Sobre a Tradução do Alcorão ��������������������������������������������������������� 24 A Minha Jornada Até o Alcorão ������������������������������������������������������ 38 O Alcorão como Fonte Inspiradora da Unidade das Religiões ����� 60 A Estação da Recompensa ������������������������������������������������������������� 65 A Estação da Unidade ��������������������������������������������������������������������� 69 A Estação da Nação Única ������������������������������������������������������������� 80 A Estação da Unidade dos Mensageiros ��������������������������������������� 97


10 A Estação da Orientação ��������������������������������������������������������������113 A Estação da Missão de Jesus �����������������������������������������������������120 A Estação da Criação Divina ���������������������������������������������������������122 A Estação do Sinal de Deus ���������������������������������������������������������126 A Estação da Exortação e da Advertência �����������������������������������133 A Estação dos Crentes em Deus �������������������������������������������������� 137 A Estação dos Conhecedores ������������������������������������������������������� 140 A Estação do Testemunho de Deus ��������������������������������������������� 148 A Estação do Evangelho ������������������������������������������������163 A Estação das Boas Ações ����������������������������������������������������������� 170 A Estação da Obediência ��������������������������������������������������������������182 A Estação da Segurança ���������������������������������������������������������������194 A Estação da Paciência ����������������������������������������������������������������198 A Estação dos Escolhidos ������������������������������������������������������������� 211


Índice

11

A Estação dos Livros ���������������������������������������������������������������������220 A Estação dos Desatentos ������������������������������������������������������������ 227 A Estação do Caminho Reto ���������������������������������������������������������232 A Estação da Prosperidade ����������������������������������������������������������234 A Estação da Confirmação ����������������������������������������������������������� 242 A Estação da Decisão ������������������������������������������������������������������ 249 A Estação dos Períodos ��������������������������������������������������������������� 257 A Estação dos Antepassados �������������������������������������������������������264 A Estação do Serviço a Deus ��������������������������������������������������������268 A Estação da Mensagem �������������������������������������������������������������� 275 A Estação das Obras Enfeitadas �������������������������������������������������� 287 A Estação dos Mensageiros Sucessivos ��������������������������������������294 A Estação dos Laços Partidos ������������������������������������������������������303 A Estação da Palavra ��������������������������������������������������������������������309


12 A Estação dos Crentes e dos Descrentes ������������������������������������ 314 A Estação da Verdade ������������������������������������������������������������������� 321 A Estação do Sinal ������������������������������������������������������������������������ 327 A Estação da Incumbência Sagrada ��������������������������������������������333 A Estação dos Profetas �����������������������������������������������������������������349 A Estação do Livro Confirmador ���������������������������������������������������353 A Estação da Equidade �����������������������������������������������������������������356 A Estação da União �����������������������������������������������������������������������363 A Estação do Prometido ����������������������������������������������������������������368 Conclusões ������������������������������������������������������������������������������������395 Citações �����������������������������������������������������������������������������������������399 Bibliografia �������������������������������������������������������������������������������������430


Introdução

13

Introdução

E

ste livro é a realização de um grande desejo de compartilhar os conhecimentos adquiridos com o estudo do Alcorão. Ele contém as observações de um ocidental que nasceu em um país com liberdade religiosa, vive no mundo cristão e, após diversos estudos relacionados direta ou indiretamente ao islamismo, descobriu ensinamentos extraordinários no Alcorão, que, no seu entender, precisam ser conhecidos pelas sociedades que tem a sua cultura religiosa diferente do Islamismo - principalmente a sociedade ocidental. O mundo ocidental vive um momento decisivo em sua história. Ele atingiu um desenvolvimento material expressivo, com realizações extraordinárias, mas parece estar perdido diante do seu próprio desenvolvimento. Nas relações sociais no mundo ocidental tem prevalecido o individualismo sobre o trabalho em equipe; o ter sobre o ser; o bem estar individual sobre o coletivo; o imediatismo sobre as conquistas de longo prazo; um sentimento de orgulho entre os seus habitantes que os faz pensar viverem na civilização correta, comparada


14

com as demais civilizações; o consumo de futilidades sobre o consumo de coisas que ajudam a construir a própria vida e a enorme separação social entre os excluídos da atividade econômica e aqueles favorecidos pelos mecanismos de concentração de renda. Desde o final do século XX e de forma mais expressiva neste início de século XXI, vem sendo observado um aumento da intolerância aos estrangeiros, como às pessoas de etnias e culturas diferentes, inclusive nos chamados países ocidentais do primeiro mundo. Estes, já foram considerados referência pelo seu espírito cosmopolita e de integração cultural e racial. No entanto, fatos recentes demonstram que está ocorrendo um retrocesso neste aspecto social. Este retrocesso é acentuado contra os seguidores do Islã e contra os povos do mundo árabe em geral. Tal situação tem gerado um estado de conflito constante, alimentada pela ignorância do mundo ocidental sobre o mundo islâmico. Não obstante, pude observar em iniciativas extraordinárias como o Museu do Mundo Islâmico, em Paris, o enorme fluxo de pessoas interessadas em conhecer mais sobre a extraordinária civilização islâmica a qual tantas contribuições trouxe para a humanidade. Este autor também sofre as influências do ambiente ocidental. Assim, as observações sobre o Alcorão são as observações de um ocidental que teve a felicidade de ter amigos provenientes do mundo islâmico e viver em um país onde


Introdução

15

existe a liberdade de expressão religiosa. Para a minha surpresa - e como não poderia deixar de ser, o Alcorão, sendo fruto da Revelação Espiritual de Deus para a humanidade, é uma fonte inesgotável de conhecimento. Aqui está um aspecto intrigante: porque o Alcorão, sendo uma Fonte tão grande de conhecimentos, é tão pouco estudado e difundido no ocidente? Porque o ocidente, sempre orgulhoso de sua capacidade em buscar conhecimentos, virou as suas costas para o Alcorão? Após ter estudado esse Livro maravilhoso, posso afirmar que ao virar as suas costas para o Alcorão, o ocidente traiu a si mesmo. Você não precisa concordar com esta afirmação. As justificativas para sustentá-la estão apresentadas ao longo deste livro. Ele começou a ser escrito nas primeiras horas da madrugada, do dia 21 de janeiro de 2006, no bloco N, da SQN 403, em Brasília, Distrito Federal. No entanto, a ideia de escrevê-lo foi sendo amadurecida durante o ano de 2005, à medida que progrediam os meus estudos do Alcorão e crescia a minha admiração por este Livro, tanto pelo estilo claro e conciso empregado na exposição de suas verdades, quanto pela universalidade dos conhecimentos que ele descortina aos que se dedicam à sua leitura, estudo e meditação. A conclusão da versão inicial deste trabalho ocorreu cerca


16

da primeira hora da madrugada do dia 26 de setembro de 2008, na SQS 105 em Brasília, após o término da revisão da Introdução e dos Agradecimentos que ele continha. Foram dois anos e oito meses de esforços concentrados e perseverança, de muito estudo e de ganho extraordinário de conhecimentos, aproveitando as horas que seriam vagas e destinadas ao descanso, ao lazer e à convivência familiar. Submeti então, o trabalho à avaliação da Assembleia Espiritual Nacional dos Bahá’ís do Brasil - instância máxima da administração bahá´í no país - para que o trabalho pudesse ser considerado à luz dos ensinamentos bahá´ís e dos inúmeros relacionamentos da comunidade bahá’í com as demais comunidades religiosas no Brasil. Após a recomendação para a sua publicação, tentei obter o interesse das editoras e selos editoriais sediados no Brasil para a publicação do trabalho. Este esforço consumiu muito tempo, e as poucas respostas obtidas chegavam com muito atraso. Apenas três editoras se interessaram em conhecer os originais e finalmente as suas respostas foram negativas. Nem tudo estava perdido, pois a Editora Bahá’í do Brasil me oferecia a possibilidade de publicação do trabalho no formato de livro eletrônico (e-book). Ainda em 2008, pesquisei sobre o mercado de e-books no Brasil e a minha conclusão foi que ele era muito restrito. Porém, as dificuldades para conseguir a publicação do livro


Introdução

17

por uma editora comercial me ajudaram a pensar mais profundamente sobre a possibilidade de publicação no formato eletrônico. Com isto o tempo passou e, em 2012, após a minha aposentadoria no serviço público federal, retomei a revisão do trabalho e também fui estimulado por ter encontrado pessoas que poderiam me ajudar a melhorá-lo. Assim, contratei duas pessoas amigas, Lia e Regis, para realizarem os serviços profissionais de revisão linguística e de editoração, respectivamente. Em 2012, o mercado editorial para o livro eletrônico já havia evoluído muito e essa possibilidade havia se tornado importante para mim. Como químico, e tendo atuado por pouco tempo no controle de qualidade do Programa Nacional do Material Escolar do Ministério da Educação e da Cultura, estive preocupado com os custos de publicação e os aspectos ambientais que envolvem a produção de papel e de tinta gráfica. Concluí que a publicação por meio eletrônico seria uma excelente opção. Eu e o Regis consultamos o suficiente sobre como aproveitar essa possibilidade e conduzimos o trabalho adiante. Nesse tempo conheci o prof. Sylvio Fausto Gil da Universidade Federal do Paraná, que também havia estudado o Islã sobre aspectos de interesse acadêmico. Convidei-o então para fazer a revisão do conteúdo da primeira versão. As suas observações foram muito valiosas e se somaram a outras de


18

enorme valor recebidas de Lia, no seu trabalho de revisão linguística. Em setembro de 2012 me deparei com o fato de que as duas traduções do Alcorão do idioma árabe para o idioma inglês que eu conhecia - até então consideradas excelentes traduções por diversos especialistas - apresentavam diferenças significativas em alguns versículos. Isto me obrigou a suspender temporariamente o trabalho de revisão e ampliar a minha pesquisa entre as diversas traduções disponíveis na Internet e também a solicitar informações sobre como proceder, aos estudiosos bahá’ís nesse assunto. Assim, através da ajuda das amigas Manijeh Kiana e Renata Valadares, as minhas dúvidas foram encaminhadas ao estudioso bahá’í Sr. Vahid Rafatí, que me deu importantes orientações sobre como eu deveria proceder. A atualização da primeira versão com as minhas ideias mais amadurecidas, somadas às contribuições maravilhosas recebidas do prof. Sylvio Fausto Gil, de Lia e do Sr. Vahid Rafati, resultou em uma nova versão que foi apresentada à Assembleia Espiritual Nacional dos Bahá´is do Brasil para reavaliação. Alguns meses depois recebi o arquivo contendo as observações sobre o texto do trabalho, acompanhado de uma carta com orientações sobre como eu deveria proceder.


Introdução

19

O texto que elaborei foi submetido a um processo de revisão executado com muito cuidado e atenção. Ele demandou tanto correções ortográficas que ainda haviam passado despercebi-das, revisão das traduções do inglês para o português dos textos selecionados do Alcorão Sagrado, bem como a revisão de meus comentários sobre o tema “a vinda do Consolador” e também sobre o tema “o ensino do princípio bahá´i da revelação progressiva da religião eterna de Deus”. Isto demandou a necessidade de procurar o apoio de um especialista no idioma árabe e que também conhecesse o idioma português. Tive a felicidade de ser apresentado e contar com a colaboração maravilhosa, desprendida e dedicada do professor Abdulbari Naser, que ministra cursos sobre o idioma árabe no Instituto de Cultura Árabe-Brasileira, ICAB, em Brasília e também no Instituto Rio Branco do Ministério das Relações Exteriores. O resultado desse esforço foi extraordinário e demandou uma revisão de todo o trabalho, resultando em uma terceira versão que está sendo apresentada ao público. Peço a Deus que tenha alcançado o propósito de oferecer aos leitores um trabalho que os ajude a compreender a inter-relação do Islã com as demais religiões, as quais foram reveladas por Deus para a educação da humanidade, através de um processo progressivo e contínuo. Sou grato a Deus por ter-me dado forças para conduzir


20

este trabalho atÊ o fim e permitido que os esforços realizados produzissem os seus frutos, com a conclusão deste trabalho.