Page 1

EspecialPiauí

www.portalodia.com/especialpiaui

Este Caderno é parte integrante da Edição Nº 16.358 do Jornal O DIA • Terça-feira, 19 de outubro de 2010 | Editora: Nildene Mineiro

Avanços econômicos contrastam com antigos problemas. Oportunidades surgem, o estado luta para crescer, mas esbarra na falta de estrutura.

UM ESTADO QUE CAMINHA PARA O FUTURO

Mais nova fronteira do minério e da celulose Piauí amarga o terceiro IDH mais baixo do Brasil A segunda justiça mais cara do País

Exibindo o segundo maior índice proporcional de crescimento

Pesquisas do IBGE, do Ministério da Educação, além da

econômico do Brasil, a produção de riquezas no Piauí cresce

Fundação Cepro e do Anuário do Piauí, lançado pelo Editora

em ritmo quase chinês, economia com melhor desempenho no

O DIA, estão entre as fontes de pesquisa, que incluem ainda

mundo. Porém, enquanto a produção de bens e serviços entra

dados do Ministério do Trabalho e Emprego e da Secretaria de

em marcha acelerada, os indicadores sociais ainda fazem do

Fazenda do Estado.

estado um dos que mais têm a avançar no País em qualidade de vida. Para fazer frente a esse desafio, nada mais elementar do que conhecer os pontos positivos e negativos dessa realidade.

Conforme segue, o levantamento revela algumas surpresas sobre o estado, exploradas ao longo desse caderno especial comemorativo aos 188 anos da adesão do Piauí à independência do Brasil.


Economia

EspecialPiauí - 2

Maior taxa de emprego e a segunda economia que mais cresce no País

O Produto Interno Bruto (PIB) representa a soma de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região durante um período determinado período. O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. De acordo com a Fundação Cepro, o PIB do Piauí acumula crescimento de mais de 36% entre os anis de 2003 e 2009. Em 2009, o IBGE divulgou que o Brasil apresentou redução 0,2% de seu PIB, ainda como reflexo da crise econômica que abalou o mundo em 2008. Mesmo com a retração nos primeiros trimestres do ano, o País conseguiu esboçar reação nos três últimos meses do ano passado, quando apresentou elevação de 2% no PIB. Com isso, a economia brasileira emplacou o sexto melhor entre os

países do G20, o grupo das 20 economias mais desenvolvidas do mundo. O melhor desempenho foi o da China, que registrou aumento de 8,7% do PIB em 2009. Na contramão da crise que reverberou no mercado brasileiro, a economia piauiense anda a passos quase chineses, se considerada acertada a estimativa da Fundação Cepro, segundo a qual o PIB do Piauí para 2009 deverá ter um aumento de 6,07%. O valor nominal do PIB de 2009, de acordo com a projeção divulgada este ano, ficou em R$ 15.854 bilhões, maior 907 milhões de reais em relação a 2008 (R$14.947 bilhões). Mesmo em projeções mais conservadoras, como a divulgada em março deste ano pelo Jornal Gazeta Mercantil, que prevêm um crescimento do PIB para o Piauí da ordem de 3,03%, o estado ainda assim está entre as economias que

mais crescem no País, ficando atrás apenas de Pernambuco, com uma projeção de 4,9%. De acordo com a consultoria citada pelo jornal, dois fatores foram importantes para o crescimento do Nordeste acima da média da economia nacional: os investimentos sociais do governo federal e o aumento do salário mínimo. A análise vai ao encontro do que diz o estudo Contas Regionais do Piauí - PIB estimativa 2009, da Fundação Cepro. O relatório aponta que, entre os anos de 2003 e 2009, o estado já acumula um crescimento de 36,07% com aumento médio anual de 5,15%. Com esse resultado, o PIB de 2009, em termos monetários, é maior 80,63% que o alcançado em 2003 (R$ 8.777 bilhões). Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, a taxa de crescimento do emprego

no Piauí (6,49%) foi maior que a registrada para o Nordeste (4,74%) e para o Brasil (3,11%). Entre os setores, mais uma vez se destacou a construção civil, tendo o Piauí (26,36%) registrado taxas expressivas em relação ao Nordeste (14,93%) e ao Brasil (9,17%). Para os consultores da Cepro, é justamente a construção civil que irá determinar a dinâmica do crescimento do PIB nos anos seguintes. “Isso já pode ser constatado pelo expressivo indicador do consumo de cimento (16,82%), resultado das obras do Programa Aceleração do Crescimento (PAC), da nova política habitacional implantada no País com linhas de crédito para a classe média e da implantação dos programas habitacionais direcionados para a população de baixa renda”, analisa Sebastião Carlos da Rocha Filho, que assina o estudo.

Arrecadação própria do Estado já ultrapassa repasses do FPE

Secretário de Fazenda do Estado Silvano Alencar

No período que vai de 2002 até 2010, pela primeira vez o Estado do Piauí está arrecadando mais do que repassa a União através do Fundo de Participação do Estado. As informações são da Secretaria de Fazenda do Estado, sobre o acumulado dos oito primeiros meses desse ano. No acumulado do período de janeiro a agosto deste ano, a arrecadação própria do Estado foi 16,2% maior do que repassou a União para Piauí, através do FPE. Outro número animador, de acordo com a Fundação Cepro, é que de 2003 a 2009 o Piauí conseguiu triplicar a arrecadação de ICMS, acumulando um crescimento de 159% no recolhimento desse imposto. A título de comparação, no mesmo período o incremento na arrecadação de ICMS no Brasil foi de 91,31% e de 98,6% no Nordeste.

O secretário de Fazenda, Silvano Alencar, explica que essa maior independência do Estado em relação à União é um fator a ser comemorado, mas não significa, necessariamente, um enriquecimento das contas estaduais, uma vez que desde a crise econômica de 2008 houve uma perda nos repasses do FPE da ordem de 11%. Para fazer frente às obrigações, explica Alencar, o Estado teve que investir em arrecadação, através do uso de novas tecnologias e treinamento de pessoal. “Hoje, você tem um quadro de excelência dentro da Fazenda. Esse é um fator. O outro, que é tão importante quanto esse, é o crescimento da economia. A economia do Estado cresce, várias empresas se instalaram aqui. Então, o crescimento da economia permite também o crescimento da arrecadação”, justifica.

R$

15.698

R$

Não significa, necessariamente, um enriquecimento das contas estaduais, uma vez que desde a crise econômica de 2008 houve uma perda nos repasses do FPE da ordem de 11%.

EM BILHÕES


Saúde

EspecialPiauí - 3

A menor taxa de mortalidade infantil do Nordeste Com uma população estimada de 3 milhões e 193 mil pessoas, o Piauí pode ser considerado um estado jovem, com uma parcela significativa da população entre crianças e adolescentes. Pelo menos 36,6% dos piauienses têm até 19 anos de idade. Esses são dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2009, do IBGE, que revelam ainda, na outra ponta, que os idosos são apenas 11,4% dos piauienses. Porém, é na faixa dos que têm

entre 20 anos e 59 anos que está a maior parte da população, cerca de 52%. A tendência é o estado continuar assim, já que a taxa de fecundidade, que é uma estimativa do número médio de filhos que uma mulher teria até o fim de seu período reprodutivo, é de 2,05 entre os piauienses, o que supera a média nacional, que é de apenas 1,94%. O desempenho do estado na redução desse índice é menos acelerado que o do Brasil, se considerada

a taxa de fecundidade de 2003, quanto a média brasileira era de 2,4% e a do Piauí de 2,3%, então abaixo da média nacional. Um dado a se comemorar é que está no Piauí a menor taxa de mortalidade infantil do Nordeste. Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais 2010, que analisa as condições de vida da população brasileira, Enquanto na região a média é de 33,2% de mortandade entre as crianças, no Piauí

a mortalidade infantil cai para cerca de 26% , contra uma média nacional de 22,5%. O desempenho do estado na redução desse índice também é mais acelerado que o do Brasil. Desde 2003, a mortalidade infantil no Piauí caiu 6,9%, enquanto no Brasil, a queda acumulada no mesmo

período foi de 5,3%. O estudo do IBGE também revela que a expectativa de vida entre os piauienses é de pelo menos três anos abaixo da expectativa média dos brasileiros. A esperança de vida do brasileiro ao nascer é de 73,1 anos, enquanto a do piauiense é de 69,7 anos. Apesar

disso, a boa notícia é que, há três anos, a expectativa era de um ano a menos de vida entre os piauienses. No estado, as mulheres levam vantagem na expectativa de vida, enquanto elas vivem em média 72,8 anos, os homens piauienses têm uma esperança de vida de apenas 66,7 anos.

Piauí amarga a lanterna no serviço de coleta de lixo Na lanterna do País, o Piauí é o último em proporção de domicílios com serviço de coleta de lixo, que chega a apenas 86,3% das residências. Em 13,7% dos casos, o lixo produzido nos lares piauienses é queimado ou enterrado, jogado em terreno baldio ou logradouro, rios, lagos ou mar. A média nacional é de 98,5% de domicílios com acesso ao serviço de coleta, já no Nordeste 95,8% dos domicílios contam com o

serviço. Embora as fossas sépticas estejam presentes em 57,4% das residências no Piauí, a rede coletora de esgoto só chega às casas de 4,1% dos piauienses. O acesso à rede coletora de esgotos é um dos mais baixos do Brasil. Nesse quesito, o Piauí só não perde para os estados do Pará (2,5%) e Amapá (1%), segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, divulgada em 2008 pelo IBGE.


Justiça

EspecialPiauí - 4

Valor das custas judiciais é o segundo maior do Brasil

Piauí, Maranhão e Paraíba: baixo IDH e alto custo nos processos judiciais A Justiça no Piauí tem uma das custas processuais mais proibitivas do País. Segundo levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça, os valores cobrados no Piauí só não são mais caros do que os praticados no estado da Paraíba. A título de exemplo, em uma causa no valor de R$ 100 mil, o litigante piauiense desembolsa R$ 4.653,73 em custas judiciais. O valor é quase cinco vezes o que desembolsaria alguém que entrasse com ação similar na justiça paulista. Em São Paulo, o valor pago seria de apenas R$ 1 mil. Somente na Paraíba, o litigante pagaria mais do que no Piauí (R$ 5.190,50). O Distrito Federal é o que lidera o ranking oposto com as custas mais baratas do País, cobrando apenas R$ 296,55 em uma causa no valor de R$ 100 mil. O estudo do CNJ concluiu que, dentre as cinco unidades da federação com IDH mais baixo, três estados – Piauí, Maranhão e Paraíba – estão entre os que praticam valores médios mais altos para as custas. Baseado nisso, o Conselho está elaborando um projeto de lei a ser encaminhado ao Congresso Nacional a fim de unificar o valor das custas judiciais em todo o Brasil.

Delegacias especializadas se concentram na capital

Segundo o CNJ, é no Distrito Federal que são cobradas as menores custas judiciais

tem provocado problemas, uma

Mulher, a capital é a única a contar

Municipais,

vez que juízes estão se recusado a

com uma Delegacia de Proteção

divulgada em 2009 pelo IBGE,

aceitar inquéritos feitos por PM’s e

ao Idoso. É também na capital que

somente dois dos 224 municípios

não por delegados de carreira, que

está a única Delegacia de Proteção

piauienses não possuem Delegacia

conforme reza a Constituição devem

ao Meio Ambiente no Piauí e a única

de Polícia Civil. No entanto, de

comandar a polícia civil.

Delegacia de Proteção à Criança e

Segundo dados da Pesquisa de

Informações

Básicas

ao Adolescente.

acordo com o Ministério Público

Na outra ponta, as delegacias

Estadual, apenas 11 das 98 comarcas

especializadas existentes no Piauí

do interior do Piauí contam com

concentram-se

na

Piauí possuem Casa Abrigo para

delegados civis.

capital. Levantamento do IBGE

atendimento a mulheres vítimas de

Boa parte dessas delegacias no

indica que, embora cinco municípios

violência, sendo que em apenas dois

interior do estado é comandada por

do estado possuam Delegacias

existem instituições como essas com

Policiais Militares. A situação irregular

Especializadas no Atendimento à

endereços sigilosos.

basicamente

Apenas

cinco

municípios

no


Qualidade de vida

EspecialPiauí - 5

IDH do Piauí ainda é o terceiro mais baixo do Brasil Segundo

estimativa

abaixo do Brasil. O País é

saudável

do Banco Central, feita

o 75º em uma lista com 158

esperança média de vida

com

PNAD

países. Com pontuação

ao nascer), acesso ao

(Pesquisa Nacional por

0,813, em 2007, o Brasil

conhecimento (baseado

Amostra de Domicílios

alcançou pela primeira

na alfabetização e na

do

vez 0,800 no relatório,

escolarização) e nível de

índice

o

vida digno (baseado no

Humano (IDH) do Piauí

marco para se falar em

PIB per capita associado

atingiu 0,740 em 2007.

alto

ao poder de compra em

O desempenho só não é

humano,

em

dólares americanos). Os

pior no Brasil do que os

um grupo já composto

países são classificados

dos estados do Maranhão

por outros países em

dentro desses aspectos

e Alagoas, enquadrando

desenvolvimento,

como

em valores médios entre

a população piauiense

Chile, Argentina e México

0 e 1, sendo que a maior

em

de

(o índice da Islândia, país

qualidade

desenvolvimento humano

que lidera o ranking, é de

aproxima do valor 1.

considerado médio em

0,968).

base

no

IBGE),

de

o

Índice

Desenvolvimento

um

índice

uma escala das Nações

"Para medir os avanços alcançados por um país em três aspectos: vida longa e saudável (baseado na esperança média de vida ao nascer), acesso ao conhecimento (baseado na alfabetização e na escolarização) e nível de vida digno"

considerado

desenvolvimento entrando

Apesar

O Índice de Desen-

(baseado

de

vida

na

se

da

posição

ocupada

na

tabela

brasileira,

de

Unidas que vai de baixo a

volvimento

muito elevado.

foi criado pelo PNUD

2007, o Piauí foi três

A titulo de comparação,

(Programa das Nações

vezes mais eficiente do

é um IDH similar ao da

Unidas para o Desen-

que o Brasil na melhora

Síria, país do Oriente

volvimento) para medir

do índice, já que o IDH

Médio, que ocupa 107ª

os avanços alcançados

brasileiro cresceu 0,006

posição

no

ranking

por um país em três

pontos, enquanto o do

mundial,

32

posições

aspectos: vida longa e

Piauí cresceu 0,019.

Humano

2006

a


Saúde

EspecialPiauí - 6

Piauienses são os que mais morrem por doenças cardiovasculares As cardiopatias, hipertensão, Acidente Vascu-

ças. Em contrapartida, en-

enas 6,7%. O desempen-

vens de 15 a 19 anos. No

entanto, a realidade se

ho só não é melhor que o

Piauí, a população mas-

inverte. O percentual de

lar Cerebral (AVC), enfim

tre

os

do estado de Rondônia,

culina nessa faixa etária

mulheres piauienses na

doenças do aparelho cir-

piauienses são os que

onde 6,5% morrem por

tem o mais baixo índice

faixa de idade entre os 15

culatório, em geral, são a

exibem o segundo menor

doenças

de morte por causas ex-

e 19 anos que morrem de

principal causa de morte

percentual

respiratório.

ternas do Brasil. Entre

causas externas é o maior

entre

piauienses,

causadas por doenças

Considerando os óbitos

os

piauienses,

do País. Uma em cada

chegando a 37,4% dos

do aparelho respiratório.

não causados por doen-

as causas externas são

cinco mortes de mulheres

casos. É o maior índice

Enquanto a média de

ças, mas por causas ex-

o motivo de 79,6% das

piauienses nessa faixa

do Brasil. Para se ter uma

pessoas que morrem por

ternas, como acidentes,

mortes contra uma média

etária é provocada por

idéia, a média nacional é

doenças respiratórias no

homicídios ou suicídios,

nacional de 87,8%.

causas externas (20,4%),

de 29,5%¨de óbitos mo-

Brasil é de 9,8%, no Piauí

os números mais expres-

tivados por essas doen-

esse percentual é de ap-

sivos estão entre os jo-

os

os

brasileiros,

de

mortes

do

aparelho

jovens

Quando

considerado

o público feminino, no

quando o índice nacional é apenas 12,2%.


EspecialPiauĂ­

Publicidade - 7


Educação

EspecialPiauí - 8

Piauí reduz o analfabetismo três vezes mais rápido que o Brasil

O Piauí conseguiu, nos últimos sete anos, quase triplicar o ritmo da redução do analfabetismo em relação ao resto do Brasil. Comparando os dados da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, divulgados este ano e em 2003, o Piauí conseguiu reduzir o analfabetismo em 6,2 pontos percentuais, enquanto o Brasil reduziu em apenas 2,1%. Ainda assim, o Piauí tem o maior índice de analfabetismo do Brasil. Um em cada cinco piauienses com 10 anos de idade ou mais é considerado sem instrução ou possui menos de 1 ano de estudo em instituições formais. A taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade, em 2009, era de 23,4% contra 9,7% de analfabetos no Brasil. Como analfabeto funcional, entende-se, geralmente, a pessoa que, mesmo com a capacidade de decodificar minimamente as

letras,

frases,

sentenças,

textos

curtos e os números, não desenvolve a habilidade de interpretação de textos e de fazer as operações matemáticas básicas.

ENSINO BÁSICO O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado em 2007 para medir a qualidade de cada escola e de cada rede de ensino. O indicador é calculado com base no desempenho do estudante em avaliações do Ministério da Educação e em taxas de aprovação. Assim, para que o Ideb de uma escola ou rede cresça é preciso que o aluno aprenda, não repita o ano e frequente a sala de aula. O índice divulgado no ano passado revela que até o quarto ano do ensino fundamental o desempenho do Piauí é o terceiro melhor do Nordeste. Com nota 4, os estudantes piauienses só ficam atrás do desempenho atingido pelos alunos do Ceará e de Pernambuco. Os alunos do Piauí estão acima da média do Nordeste, que foi de 3,8, mas abaixo da nota média nacional que foi de 4,6. Já nas séries finais do ensino fundamental, a nota dos alunos piauienses cai para 3,8, mas ainda se mantém acima da média do Nordeste - que em 2008 foi 3,4 – porém, está abaixo da média nacional, que é nota 4. Quando se trata da nota dos alunos do ensino médio, o Piauí amarga a pior nota do Nordeste – nota 3, bem abaixo da média nacional que é de 3,6 -, puxada pelo desempenho ruim dos alunos das escolas públicas. O Ideb indica que o ensino médio estadual do Piauí é o pior do Brasil, com nota 2,7, numa lista onde o mais bem conceituado é ensino médio público do Paraná, com 3,9. Por outro lado, a rede particular no Piauí ajudou a puxar a média do ensino médio para cima, já que entre as redes particulares, atingiu o sétimo melhor desempenho do País, atingindo nota 5,7 no Ideb. No desempenho comparado com outros estados, a nota empata com a rede de ensino médio particular do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

Um em cada três piauienses se encontra nessa situação, segundo uma análise das condições de vida da população brasileira divulgada este ano pelo IBGE. O analfabetismo funcional atinge 37,5 % da população piauiense com 15 anos ou mais de idade, contra 20,3% de analfabetos funcionais entre a população brasileira.

ENSINO SUPERIOR Em compensação, o Piauí é o estado brasileiro com a maior parcela de frequentadores do ensino superior matriculados em universidades públicas. Dos piauienses que chegaram ao ensino superior, 46,4% frequentam cursos em instituições públicas contra um média nacional de 22,2% da população ocupando bancos universitários públicos, segundo dados do IBGE.


Cultura

Estado concentra os mais antigos registros do homem americano Em 1991, a UNESCO inscreveu na lista de Patrimônio Cultural da Humanidade o Parque Nacional da Serra da Capivara. Localizado no Sudeste do Piauí, o parque entrou para a seleta lista por ser a área de maior concentração conhecida de sítios pré-históricos do continente americano. O Parque Nacional ocupa áreas dos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa, Brejo do Piauí e Coronel José Dias. As pesquisas, na região, foram iniciadas em 1970 e desde então as descobertas se acumularam. As escavações já permitiram a descoberta dos mais antigos vestígios, até hoje conhecidos, da presença

Estima-se que os vestígios deixados pelo homem préhistórico no local remetam a pelo menos 50 mil anos atrás, com base em análises do Carbono-14

humana nas Américas. Estima-se que os vestígios deixados pelo homem pré-histórico no local remetam a pelo menos 50 mil anos atrás, com base em análises do Carbono-14 e a da Termoluminescência, alguns dos principais métodos hoje em uso para datação. Atualmente, estão cadastrados 406 sítios, dos quais cerca de 360 apresentam pinturas rupestres. Os demais sítios são aldeias, cemitérios, acampamentos. Os dados são da Fundação Museu do Homem Americano, que alerta que esses números não são definitivos, uma vez que continuamente são descobertos novos sítios.

São milhares de inscrições rupestres espalhadas entre 360 dos 406 sítios de São Raimundo Nonato - PI

Os ângulos da Pedra Furada. O Piauí é o berço do homem americano com 406 sítios arqueológicos

EspecialPiauí - 9


EspecialPiauĂ­

Publicidade - 10


Investimentos

EspecialPiauí - 11

Piauí: a mais nova fronteira do minério do Brasil Desde que a Vale do Rio Doce anunciou a construção de uma usina piloto para exploração de níquel no Sul do Piauí, em 2005, os requerimentos de exploração mineral na região praticamente dobraram anualmente, de acordo com o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Segundo informações publicadas pela agência Estado, os requerimentos saíram de 192 em 2005 para 1.491 no ano passado. A informação publicada em material produzido pela mídia nacional este ano é de que o Piauí é a “nova fronteira do minério” no Brasil. O título surgiu quando a empresa GME4, que tem como sócio o grupo Opportunity, de Daniel Dantas, lançou um Road-Show em Xangai, Londres e Nova York para negociar a venda de uma mina de minério de ferro, localizada no Estado do Piauí, avaliada em US$ 2,4 bilhões. Anunciando a intenção de não sair do empreendimento, o grupo colocou à venda para empresas da China, Japão, Coréia ou Reino Unido apenas 80% da mina, que tem reservas estimadas de 800 milhões de toneladas.

Jorge Lopes - Coordenador de Projetos Estratégicos

Segundo o Coordenador de Projetos Estratégicos do Governo do Estado, Jorge Lopes, o negócio acabou sendo fechado com um grupo indiano. De acordo com informações do Instituto Brasileiro de

As pesquisas da Vale também relevaram um outro potencial no estado: a existência de uma reserva de calcário de cerca de 200 milhões de toneladas. O calcário é utilizado na indústria de fertilizantes, insumos siderúrgicos e até para a fabricação de cimento.

de níquel do Brasil, com potencial estimado de 80 milhões de toneladas.

Mineração (Ibram), a jazida de ferro encontrada pela

Cerca de 65% do níquel consumido no mundo hoje

GME4 no Piauí é pequena se comparada a Carajás e

é empregado na fabricação de aço inoxidável (indústria

semelhante a outras na Bahia e Minas Gerais e Mato

de construção metalomecânica e aços especiais para

Grosso. Mas o Instituto de Desenvolvimento do Piauí

a indústria aeronáutica, entre outros) e outros 12%,

(Idepi) espera que, com essas descobertas, o estado

em superligas de níquel. O Brasil tem a terceira maior

já esteja em quarto lugar em reservas do mineral, com

reserva do mundo. Somente no Piauí, a expectativa da

potencial para ultrapassar a Bahia, hoje na terceira

Vale do Rio Doce é produzir de 30 mil a 35 mil toneladas

posição.

de níquel por ano.

A usina de ferro negociada fica a 20 km do traçado

As pesquisas da Vale também relevaram um outro

da ferrovia Transnordestina, infraestrutura logística que

potencial no estado: a existência de uma reserva

acentua o potencial de minério da região, uma vez que

de calcário de cerca de 200 milhões de toneladas. O

vai ligar o sul do Piauí aos portos de Pecém, no Ceará,

calcário é utilizado na indústria de fertilizantes, insumos

e Suape, em Pernambuco, e deve ser concluída no ano

siderúrgicos e até para a fabricação de cimento.

que vem, pelas estimativas do governo federal.

A estimativa é de que as descobertas tenham

Mas o projeto de exploração com maior impacto e o

grande impacto na região, especialmente na geração

que fez o Piauí entrar para o radar da mineração mundial

de emprego. “Cada emprego criado na mineração

foi encampado pela Vale do Rio Doce. Em 2003, a

corresponde a outros 13 ao longo da cadeia produtiva”,

empresa aplicou cerca de R$ 2 milhões em sondagens

disse à agência Estado o diretor de Assuntos Minerários

e descobriu no município de Capitão Gervásio de

do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Marcelo

Oliveira, a 545 quilômetros de Teresina, a maior reserva

Tunes.

Minério de Ferro Mina do Piauí é avaliada em 2,4 bilhões de dólares


EspecialPiauĂ­

Publicidade - 12


Investimentos

Produção de eucalipto chega a 38 municípios piauienses Pelo menos 38 municípios do Piauí já estão plantando eucalipto com vistas a produzir matériaprima para a fábrica da Suzano Papel e Celulose, que deverá começar a ser construída ano que vem na região de Nazária, município desmembrado ano passado da capital. Mais de mil empregos já estão sendo gerados nesses municípios sob atuação da Suzano e a previsão é de que mais 7,5 mil postos de trabalho sejam gerados com a construção da fábrica. De acordo com o coordenador de Projetos Estratégicos do Governo do Estado, Jorge Lopes, quando estiver em pleno funcionamento, em 2014, a fábrica da Suzano deverá criar mais de 2,3 mil empregos diretos. Mas, ele informa que o negócio do eucalipto no Piauí está em franca expansão,

ultrapassando a produção, inicialmente, voltada para a celulose. “Outros projetos estão acontecendo no nosso estado, empresas plantando eucalipto para tirar estacas para mandar para vinícolas; tem empresas plantando eucalipto para colher essa energia para suas cerâmicas”, informa. Consciente das críticas de que o eucalipto produziria um “deserto verde” reduzindo a biodiversidade, o coordenador de Projetos Estratégicos rebate, informando que nos 38 municípios as plantações de eucalipto não chegam a 5% da área territorial. Exibindo material científico sobre as vantagens do eucalipto, Jorge Lopes faz questão de informar: “Todas as leis estão sendo obedecidas, assim como a sustentabilidade ambiental

Em posição estratégica, Teresina atrai investimentos comerciais e industriais Localizada em posição estratégica para o escoamento de produtos para o Maranhão, Ceará, Pernambuco e Tocantins, Teresina tem atraído cada vez mais investimentos, tanto no setor de distribuição de mercadorias quanto industrial. Este ano, ainda, deve ser anunciada a instalação de uma fábrica de fogões na capital piauiense e a Coca-cola deverá anunciar em breve a localização da nova fábrica que pretende construir na cidade. As informações são do coordenador de Projetos Estratégicos do Governo do Estado, Jorge Lopes. “Nós estamos com duas lojas do Wal-Mart, o grupo Carvalho se expandindo mais ainda, temos o Carrefour começando, shoppings se ampliando, como é o caso do Teresina Shopping. Esse é o Piauí que nos orgulha”, ressalta. Lopes informa que o grupo BMG está ultimando os aspectos burocráticos para a implantação de uma indústria de fogões que funcionam como uma miniusina de energia à base de biomassa. O equipamento, batizado de BMG Lux , além de servir para cozinhar, tem capacidade de gerar energia suficiente para acender três lâmpadas e ligar uma televisão ou outros equipamentos de baixo

consumo, como rádio. Alimentado a lenha, o fogão promete reter ainda a fuligem produzida. A empresa que fabrica o equipamento já conta com uma unidade em Minas Gerais e inaugurou outra no Acre, apostando especialmente em áreas rurais onde a energia elétrica tem demorado a chegar. No ano passado, a BMG anunciou que o investimento na fábrica em Teresina será de cerca de R$ 15 milhões. “O grupo já está entrando com um projeto junto à Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Teresina para receber os incentivos necessários para se instalar aqui. Falei com o presidente da BMG, doutor Flávio Guimarães, e ele disse que está vindo ao Piauí esses dias para que a gente possa fazer o lançamento dessa fábrica”, reforça Jorge Lopes. No tocante à industrialização, ele também ressalta o papel da Bunge, instalada em Uruçuí desde 2002, com isenção de 100% de impostos, por 15 anos sobre a soja, farelo, óleos e em todos os produtos fabricados. O coordenador lembra ainda a instalação da empresa de cimento Nassau, em Fronteiras, pela facilidade de obtenção de matéria-prima para a produção.

respeitada”. O coordenador chama a atenção para o fato de os projetos de manejo florestal incentivarem a convivência com outras culturas e a manutenção de floresta nativa. “Pode-se plantar eucalipto e plantar o milho, o feijão, casar também com a pecuária. Os dados são que a floresta [de eucalipto] recupera muito mais o solo que plantações a céu aberto, ela expõe menos o solo e evita o assoreamento, contendo mais a areia para não ir para os rios”, diz. Jorge Lopes acrescenta que, no Piauí, os produtores estão sendo incentivados a melhor aproveitar os pequizais nativos, investindo no valor agregado para a comercialização dos frutos, assim como a aproveitar a florada do eucalipto para a produção de mel.

EspecialPiauí - 13

PRODUTIVIDADE Considerado como "árvore de negócios", pelos inúmeros produtos e derivados resultantes da sua cultura, o eucalipto é dez vezes mais produtivo no Brasil para a fabricação de celulose do que outras árvores utilizadas em países de clima frio. No País, a região Nordeste é tida pela Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP) como a "grande fronteira para a indústria da celulose". Na região, Piauí e Maranhão concentram as novas aquisições de ativos florestais da Suzano Papel e Celulose. Apesar de permanecer ainda em aberto a forma de escoamento da produção de celulose produzida pela Suzano no Piauí e Maranhão, se por Pecém (CE) ou Itaqui (MA), o empreendimento foi impulsionado por dois fatores fundamentais: o baixo custo para aquisição de terras e a criação de uma variedade tropical, o “super eucalipto”, desenvolvido pela EMBRAPA e adaptado ao semi-árido. A expectativa da Suzano é obter aqui a mesma produtividade de florestas plantadas em outros estados, com a vantagem de pagar, na aquisição de áreas de plantio, cerca de um décimo do preço pago em outras regiões produtoras de eucalipto no Brasil.

Vista área de Teresina - cidade recebe novos investimentos


EspecialPiauĂ­

Publicidade - 14


Energia

EspecialPiauí - 15

Usinas eólicas e gasoduto são alternativa para desafio energético Um dos maiores desafios para manter e até mesmo acelerar o ritmo de crescimento da economia piauiense é a matriz energética. Garantir energia através de fontes como usinas eólicas e o gasoduto não só é um projeto viável como já está em andamento. A intenção é, com isso, atrair novas indústrias. O coordenador de Projetos Estratégicos do Governo do Estado, Jorge Lopes, explica que a descoberta de gás natural em Capinzal do Norte (MA) pode ser o impulso que faltava para a construção do gasoduto que vai ligar Fortaleza a São Luís passando por Teresina, um projeto de importância estratégica para a atração de novos empreendimentos industriais para a capital piauiense. O projeto do gasoduto possui 985 quilômetros de extensão, partindo de Caucaia (CE) com destino a São Luís (MA), passando por Teresina e atravessando um total de 37 municípios. Só na sua construção, a obra deverá criar 3,1 mil novos postos de trabalho. O projeto já se encontra licenciado pelo IBAMA e a autorização de construção foi emitida pela Agência Nacional de Petróleo em 2006, mas o início da construção ainda permanece incerto. A descoberta de gás no estado vizinho, no entanto, pode ser o impulso que faltava para a obra sair do papel.

pela falta de matriz energética. “A gente tinha uma

Em agosto desse ano, a OGX, companhia de petróleo e

empresa aqui que usava o gás liquefeito de petróleo e

gás do grupo EBX do empresário Eike Batista, anunciou

acabou tendo problema e dificuldade pelo preço do gás.

que encontrou gás a uma profundidade de 1.654 metros

Com esse gás natural, vai facilitar muito a chegada de

no poço de Capinzal do Norte (MA), a aproximadamente

empresas na área, porque constantemente as nossas

300 quilômetros da capital, São Luis.

cerâmicas são eleitas as melhores do Brasil”, ressalta.

A estimativa é de que a produção diária de gás no Brasil vai aumentar 25% com a descoberta de gás natural na

ENERGIA EÓLICA

Desenvolvimento Energético é um encargo

Bacia do Parnaíba, já que a reserva anunciada possuiria

Jorge Lopes espera que o Piauí atraia, naturalmente, indústrias de fabricação de piso para construção civil. “Porque o gás natural é muito importante para a queima do piso, ele dá uma uniformidade ao acabamento”, explica.

*CDE - Conta de

setorial, estabelecido em

entre 10 e 15 trilhões de pés cúbicos de gás natural. Se

Para incrementar a oferta de energia, outro projeto em

confirmado, o volume corresponderá a quase metade das

andamento é a ampliação da produção de energia eólica.

reservas confirmadas de gás da Bolívia, que, de acordo

O Governo do Estado deverá oferecer em leilão, ainda

com o governo boliviano, somam aproximadamente 19

este ano, um potencial de mais de 350 megawatts para

ANEEL com a finalidade

trilhões de pés cúbicos.

exploração dessa fonte energética no litoral piauiense.

de prover recursos para

lei, e pago pelas empresas de distribuição, cujo valor anual é fixado pela

o desenvolvimento

Jorge Lopes explica como a descoberta pode ter impacto

Para se ter um idéia do volume negociado, a primeira

direto no desenvolvimento industrial do Piauí. “Para esse

usina eólica do Piauí, Usina Eólica Pedra do Sal, em

projeto, o que estava faltando era justamente o manual de

Parnaíba, foi construída em 2008 pela Tractebel Energia,

enquadramento, enquadrar o projeto dentro dos recursos

do grupo SUEZ, e tem capacidade para gerar 18

a competitividade

do CDE (Conta de Desenvolvimento Energético)*. E não

megawatts, energia comercializada para a Eletrobrás. A

da energia elétrica

saía esse manual porque a questão era como repor o

usina só começou a operar no início de 2009 e opera com

gás. Mas, agora, com essa oferta privada e com esse gás

20 aero geradores.

energético dos estados. Os recursos são usados para viabilizar

produzida a partir de fontes eólicas (vento), pequenas usinas

sobrando do governo federal, eu creio que esse projeto,

O investimento da Tractebel despertou o interesse

quando concluído, vai atrair muitas empresas para o

de outros projetos. Atualmente, as solicitações de

gás natural e carvão

nosso estado”, comenta o coordenador.

licenciamento ambiental para instalação de parques

mineral nas áreas

Com abastecimento de gás natural garantido, Jorge

eólicos somam 10 empreendedores, 19 empreendimentos

Lopes espera que o Piauí atraia, naturalmente, indústrias

e 304 aerogeradores para uma produção de mais de 500

de fabricação de piso para construção civil. “Porque o

megawatts.

hidrelétricas, biomassa,

atendidas pelos sistemas elétricos interligados, e universalizar o serviço de energia

gás natural é muito importante para a queima do piso,

Embora a energia gerada por uma central eólica

elétrica. É da CDE que

ele dá uma uniformidade ao acabamento”, explica,

custe entre 60% e 70% a mais que a mesma quantidade

saem, por exemplo, os

acrescentando que a qualidade da argila disponível no

gerada por uma usina hidrelétrica, a energia do vento tem

Piauí já é reconhecida nacionalmente.

a vantagem de ser inesgotável e causar menor impacto

Porém, os investimentos no setor têm sido barrados

Gás natural é uma carência da matriz energética do Piauí. Nesta foto, exemplo de um gasoduto.

ambiental, além de receber incentivos da CDE.

recursos para financiar empreendimentos como o Programa Luz para Todos.


EspecialPiauĂ­

Publicidade - 16

Especial Dia do Piauí  

Caderno especial em comemoração ao aniversário do Piauí, produzido e encadernado no Jornal O Dia!

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you