Issuu on Google+

Festival de Ilustração 2009

Homenageado

J. Carlos 1


2


Festival de Ilustração 2009

De 7 a 13 de dezembro

Homenageado

J. Carlos 3


Créditos

FESTIVAL DE ILUSTRAÇÃO - 2009

Patrocinio

CCBB, SUZANO

Festival de Ilustração CCBB, SUZANO

Catálogo

Adriana Pinto, Carlos Henrique , Herbeson Alves

Diagramação, Editoria e Projeto Gráfico

Adriana Pinto, Carlos Henrique , Herbeson Alves CP - Brasil Catalogação na Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ M87S. Festival de Ilustração 2009 ( 7 a 13 de dezembro de 2009 - Rio de Janeiro, RJ ISBN 978 -85 -99505-15-2 1-Arte - Brasil - Festival - Catálogos. IV. Titulo 07-4398 CDD : 720.981 / CDU : 72 036 (81) 7.12.2009

4


APRESENTAÇÃO Atuamos há mais de 85 anos no setor de papel e celulose. Temos como missão destacar-se entre os 10 mais rentáveis conglomerados empresariais privados do país, a partir de uma visão que reune controle familiar, gestão profissional de alta performance e parceria com o mercado de capitais. Nossa trajetória tem sido marcada pela capacidade de inovar, de assumir riscos e ousar na proposta de novos modelos de negócio e produtos, na busca de soluções geradoras de valor para a organização e a sociedade. Para manter a competitividade aliada a esse perfil, difundimos práticas sustentáveis nos vários níveis da organização. Investimos na construção de relacionamentos duradouros, marcados pelo respeito e confiança recíprocos, com colaboradores, consumidores, clientes, fornecedores, comunidades e demais públicos do nosso relacionamento.

5


6


Homenageado

J. Carlos

7


J. Carlos

Batucando na mesa de plástico de um dos cafés dentro do campus da PUC (Pontifícia Uni-

versidade Católica), no Rio de Janeiro, o cartunista Cássio Loredano se empolga ao falar de

J. Carlos. O samba de Noel Rosa e Orestes Barbosa, “Positivismo”, de 1936, é evocado para ilustrar a diversidade de assuntos e temas tratados pelo jovem compositor de Vila Isabel, em sambas, marchas. maxixes e fox trotes, verdadeiras crônicas daqueles tempos cariocas. E surge na comparação com um dos nossos maiores artistas gráficos, basicamente conhecido até pouco tempo por conta de cerca de 600 desenhos. J. Carlos é muito mais que isso; é o nosso Noel Rosa do traço, como nos lembra Loredano. E a comparação não é a toa. Em sua vida profissional, produziu em torno de 100 mil desenhos, entre charges, cartuns, caricaturas, ilustrações vinhetas, letras capitulares (que eram marcas registradas de revistas a que emprestou seu traço), logotipos, desenhos infantis e de publicidade, dirigiu uma dezena de revistas, reformulou a maioria delas, e fundou uma modernidade gráfica que serviria de base, ainda que indiretamente, para tudo o que viria a ser chamado de design anos depois. Por trabalhar com a efemeridade das revistas, semanais e mensais, seus desenhos e páginas permaneceram por décadas submersos nos arquivos, servindo de alimento a traças, fungos e demais devoradores de papel. Nos anos 1990, Loredano, um dos nossos maiores caricaturistas, que havia também trabalhado como repórter e redator no começo da carreira, conseguiu uma bolsa da prefeitura do Rio – que bancou uma pesquisa a respeito do mestre J. Carlos, englobando os períodos entre 1902 -1921 e 1935-1950 de sua produção. Começava então um projeto que culmina com o lançamento do Portal Memória Gráfica Brasileira (MGB).

8


Memória Gráfica Brasileira O MGB, projeto patrocinado pelo Petrobras, nasce com a criação do portal propriamente dito, e a primeira etapa engloba a digitalização das revistas ilustradas dos anos 1920, começando com O Malho e Para todos..., ambas da Sociedade Anônima O Malho, que também era responsável por outras publicações, como a infantil O Tico-tico, Leitura para todos, Ilustração Brasileira, Cinearte e a Semana Sportiva. Todas elas tiveram como diretor de arte J. Carlos. O projeto também lançou recentemente dois belos livros, O vidente míope. J. Carlos n´O Malho (1922-1930), com organização de Loredano, e O desenhista invisível, de Julieta Sobral (ambos lançados pela editora Folha Seca). O primeiro reproduz e contextualiza capas da publicação, que no período referido traziam a assinatura de J. Carlos. Já o livro de Julieta analisa as transformações pelas quais passaram a Para todos... com a chegada do artista gráfico, e de como ele pode ser considerado um dos nossos maiores designers, sem soar anacrônico – uma vez que o termo, surgido algumas décadas depois, serve perfeitamente para definir o trabalho de J. Carlos, ao pensar em soluções gráficas para as páginas do semanário. Loredano o considera dono de uma grande clarividência, para a política, “quase um mediúnico”. Previu, em suas charges, o rompimento da política do café-com-leite três anos antes, quando os barões do café da região do Vale do Paraíba, entre São Paulo e Minas Gerais, se revezavam na presidência do país; apontou com 20 anos de antecedência a data da eclosão da II Grande Guerra; antecipou o desmonte dos países do bloco comunista em 40 anos. Só não conseguiu perceber de antemão a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas, daí a “miopia” no título de um dos lançamentos do projeto. Com esta recuperação da atuação de J. Carlos nos anos 1920, preenche-se a lacuna. Os 20 primeiros anos e os 20 últimos anos da trajetória do artista já haviam sido mapeados por Loredano, graças a outra bolsa da prefeitura do Rio, que rendeu ótimos livros como O Rio de J. Carlos (Prefeitura do Rio/Lacerda Editores,1998), Carnaval – J. Carlos (Prefeitura do Rio/Lacerda Editores, 1999). J. Carlos contra a guerra (Casa da Palavra, 2000), Lábaro estrelado – nação e pátria em J. Carlos (Casa da Palavra, 2000), que basicamente reproduzem o contexto original em que saíram os desenhos do artista, acompanhados de textos que contextualizam a época e comentam o trabalho. Em 2002, publicou ainda O bonde e a linha – um perfil de J. Carlos (Capivara).

9


Caricatura de J. Carlos por ele mesmo.

10


Caricatura de J. carlos com as Missies

Capa da Revista o Malho, por J. Carlos.

11


Ilustração - J. Carlos

12


Ilustração J.Carlos Bomba Atômica

Capa da Revista O Tico Tico

13


Capa da revista Para Todos

14


O violeiro Ilustração J. Carlos

15


16


Convidados

Rui de Oliveira Gilberto Marchi Walter Vasconcelos 17


Rui de Oliveira Ilustrador Rui de Oliveira tem uma longa carreira de importantes trabalhos, sempre premiados. É dele, por exemplo, a direção de arte da abertura das primeiras versões do Sítio do Pica-Pau Amarelo, no período em que trabalhou na Rede Globo, criando aberturas de novelas. Depois transferiu-se para a TV Educativa/RJ, continuando seu trabalho de direção de arte na criação de aberturas e vinhetas, onde atuou até 1983. Trabalha também como animador, trabalho desenvolvido no período em que morou em Budapeste-Hungria, onde também estudou ilustração por 6 anos. Mas seu principal trabalho tem sido mesmo a ilustração editorial, onde já ilustrou mais de 100 livros e projetou mais de 400 capas para as principais editoras do Brasil, ganhando vários prêmios nacionais e internacionais. É também professor, há 25 anos, no curso de Desenho Industrial da Escola de Belas Artes na Universidade Federal do Rio de Janeiro, e autor do livro “Pelos Jardins Boboli”.

18


Ilustração - Rui de Oliveira

19


Ilustração e Pintura de Rui de Oliveira

Pelos Jardins Capa de Livro

20


Os magos de Rui de Oliveira

Mar e destroรงos

21


Gilberto Marchi Gilberto Marchi Ferreira, pintor e ilustrador, nascido em São Paulo no dia 04 de dezembro de 1947. Residente em São Paulo, estudou desenho e pintura com Lubra, Ettore Federighi e Amadeu Scavone. Lecionou desenho e pintura na Escola Panamericana de Arte, de 1969 a 1976. Como retratista, tem trabalhos em coleções privadas. Dentre os retratos podemos citar o do Sr. Governador Mário Covas. Na área editorial realizou ilustrações para as revistas: Realidade, Tv Guia, Nova, Playboy, Claudia, Quatro Rodas, Veja, Isto É, Balanço Anual, Hyppus, capas de várias edições das Edições Edibolso. Ilustrou mais de 20 livros infantis de Regina Sormani Ferreira, nas edições realizadas pelas Editoras: Paulinas, Paulus, Pioneira e Loyola. Cartazes de eventos entre os quais: Copa do mundo de Ginástica Olímpica 1978, “Aleluia Gretchen “- de Silvio Bach, Gilberto Marchi “Lúcio Flávio, passageiro da Agonia” - de Hector Babenco, “Chão Bruto” - de Dionísio Azevedo, este premiado na Holanda. Criação de out-doors para publicidade e espetáculos de circo. Só para o “ Holiday on Ice” realizou out-doors por 18 anos.

22


Tela pintada com acrĂ­lico

Tela pintada com acrĂ­lico - Natal

23


Arte a traço/nanquim e colorida no Photoshop.

Cena com farol Ilustração a traço e colorida no Photoshop.

24


Ilustração a guache, 1ª viagem de descida para Santos.

25


Walter Vasconcelos Walter Vasconcelos é o segundo do dueto que foi pra Aracaju dar umas palestras. Ele pertence à categoria “ilustrações que não consigo fazer nem com uma arma apontada na cabeça e que ele faz com um pé nas costas fumando um cigarrinho”, categoria essa que o Paulo Cavalcante também faz parte. Vasconcelos é editor de arte da revista “Ciência Hoje das Crianças” e junto com o Cavalcante produzem uma revista de arte independente chamada “Papel Brasil”. Também faz muitos trabalhos além mar. O trabalho do Walter Vasconcelos é uma mistura de ilustração, design gráfico e criatividade que sai em jatos. Mas apesar dessa mistura, é muito bem humorado (o detalhe do Laboratório Santeria me dá vontade de criar um estúdio com o mesmo nome). Ele usa muito sapientemente elementos gráficos e tipografia, e cada trabalho seu tem que parar pra ver com calma com uma lupa, porque tem mais detalhes que uma toalhinha de bandeja.

26


Ilustração com Ilustrator e traços a mão

Ilustração com Ilustrator e traços a mão Walter Vasconcelos

27


Ilustração com Ilustrator e traços a mão Walter Vasconcelos

O Raio X - Walter Vasconcelos

28


Ilustração com Ilustrator e traços a mão Walter Vasconcelos

29


30


Premiados Samuel Casal Adriano Renzi Orlandeli 31


Samuel Casal Samuel Casal nasceu em 1974 e é ilustrador profissional desde 1990. Ilustrador freelancer, quadrinhista e gravurista, colabora com publicações nacionais e internacionais, enquanto toca guitarra e tatua os amigos nas horas vagas. Ilustrações editoriais Revistas Editora Abril ,Revistas Editora Globo, Página 22 +(Fundação Getúlio Vargas), Tam Magazine e Tam Kids, Revista Rossi, Revista Florense, Folha de São Paulo. Exposições Coletiva - “3 Formas de Traços” V FIHQ-PE (Recife/2004) Coletiva - “O Que é Brasil” (Mundo dos Quadrinhos/2005/Senac SP) Individual - Gravuras em Linóleo “Espécies Em Tintas” (Museu do Trabalho/2005/Porto Alegre) Coletiva - “Football Heroes” (2006/EUROPA) Coletiva - Freaky People (St.Petersburgo/Moscou/2006/Russia) Coletiva - Oderzo Inquieta (Palazzo Foscolo/2007/Itália) Outros Capa para o DVD “Delírios de um Anormal” (Coleção Zé dCaixão) Gravuras em Linóleo para a Revista Experience Nº 8 (Mattioli1885/Itália)

32


Ilustração Velho Oeste - Photoshop

33


Cinema formula do dinheiro- Photoshop

34


ApocalĂ­pse - Ilustrator

35


Adriano Renzi Adriano Renzi é formado em design gráfico pela UFRJ - Escola de Belas Artes, e com pós-graduação em Ilustração pela University of the Arts (UARTs), Filadelfia, onde foi agraciado por prêmios como Ronald Bienganski Memorial Award por melhor performance e desenvolvimento do ano e Promissing Artist Award, bem como parte do Dean's List. Atualmente está no programa de mestrado da ESDI, Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ (foco em design e usabilidade de interface e arquitetura de informação) Curriculum Lattes Exposições: - ELY Project (Hamilton Hall, Philadelphia), - MAM-Rio, - IlustraBrasil1 (Senac-SP), - IlustraBrasil2 (Senac-SP e Centro Cultural Justiça Federal-RJ), - IlustraBrasil3 (Senac-SP e Centro Cultural Justiça Federal-RJ), - IlustraBrasil4 (Senac-SP e Centro Cultural Justiça Federal-RJ), - IlustraBrasil5 (Senac-SP e Centro Cultural Justiça Federal-RJ), - Sueños en papel (museo el trompo mágico, México), - Festival Internacional de Humor e Quadrinho 2007 (Recife, PE)

36


Gato emaranhado - Pintura

37


Bal達o Fantasia - Aquarela

38


Tempo perdido - Grafite e Gis de cera

39


Orlandeli Walmir Americo Orlandeli é cartunista e ilustrador, formado no curso de Publicidade e Propaganda da faculdade Unilago de São José do Rio Preto. Atua na área de cartum e ilustração desde 94. Autor da revista Grump , pela Editora Escala; colabora com o livro Front da Via Lettera; publicou no jornal O Pasquim 21 ; na revista Bundas; revista Look , distribuída no Japão; entre outros. É co-autor do livro Humor pela Paz e a falta que ela faz , da Editora Virgo e participou como organizador e co-autor do livro Central de Tiras da Via Lettera. Autor da tira em quadrinhos Grump. Ilustrador do jornal Diário da Região. Trabalhos publicados em vários veículos, tais como: Revistas Mundo Estranho, Men´s Health, Saúde, Superinteressante, Época, Jornal Folha de São Paulo, entre outros. - Ganhador do Troféu HQ Mix como melhor revista de Humor de 2002 (Grump). Teve trabalhos selecionados em diversos salões nacionais e internacionais, destacando. - Menção honrosa no Salão Carioca de Humor (2005) - Finalista no 2º Festival Internacional de Humor Gráfico das Cataratas do Iguaçu - 3º lugar Salão de Porto de Galinhas (2005) - 1º lugar no Salão de Humor de Paraguaçu Paulista - 2005 (tiras) - 3º lugar XVII Salão Carioca de Humor 2006 (caricatura) - 1º lugar FIHQ (Festival Internacional de Humor e Quadrinhos) 2006 (cartum) - Premiado no 31º Prêmio Abril de Jornalismo, na categoria visual/infografia. - Menção Honrosa 1º Salão Internacional de Humor pela Floresta Amazônica - 2007 - 1º lugar no 35º Salão Internacional de Humor de Piracicaba - 2008 (tiras)

40


Corvo desempregado-Photoshop

41


Vip Room - Photoshop

42


Cobra anel - Photoshop

43


www.ccbb.com.br

44

9300201544778672171349


catalogo de Ilustração