Issuu on Google+

Comunidade

Planeta GNU

A GPL em ambientes corporativos

GNU de gravata relacionados ao licenciamento de software em ambiente corporativo e a postura correta de um desenvolvedor ao utilizar

Nevrax Design Team

Vamos esclarecer alguns pontos

um pedaço de código licenciado sob a GPL dentro de um aplicativo empresarial. por Christiano Anderson

O

uso da palavra licenciamento dentro de uma equipe de desenvolvimento é algo que gera dúvidas em praticamente todo mundo. Quando um software é desenvolvido dentro de uma empresa, sabemos que o detentor desse código é a própria empresa, e não o funcionário que o escreveu. A maioria dos contratos trabalhistas assinados por programadores e engenheiros de software deixa isto bem claro e o funcionário poderá ser punido com demissão por justa causa caso utilize o código de forma indevida ou divulgue seu funcionamento a terceiros. Algumas companhias adotam uma forma de licenciamento próprio, uma abordagem que tem certas regras e defi ne até que ponto o software pode ser redistribuído ou utilizado na criação de outros aplicativos, seja internamente ou fora da empresa.

94

dezembro 2005

Se o código tiver sido desenvolvido sem nenhuma informação quanto ao seu licenciamento, a princípio ele é código proprietário. Para tornar livre um software, cada desenvolvedor é obrigado a especificar claramente a forma de licenciamento e seu direito de uso. A GPL tem por objetivo garantir a liberdade de executar o código para qualquer propósito, a liberdade de fazer modificações e de redistribuí-las. Isso defi ne um software como Livre. Uma empresa pode criar uma licença própria e defi nir quais liberdades vai dar a seu software. Uma situação muito comum é o desenvolvedor encontrar sob a GPL um software que pode servir de base para desenvolvimento interno. Não existe nada de errado em usar esse código GPL e construir um aplicativo interno baseado nele. Um tópico que gera muitas dúvidas

edição 15 www.linuxmagazine.com.br

é em relação à redistribuição: lendo os termos da GPL com calma, percebemos que essa licença permite a redistribuição, mas não obriga a ela. Dessa maneira, um programador que trabalha para uma empresa pode criar um software tendo como base código GPL, mas não poderá comercializar o software como proprietário nem disponibilizá-lo para terceiros. Entretanto, ele poderá ser usado internamente em uma empresa sem qualquer problema. Se esse software permanecer em uso interno, sem ser divulgado em hipótese alguma, muito menos comercializado, a empresa não estará violando a licença GPL. Logicamente, seria interessante que a empresa viesse a divulgar esse software sob a GPL para contribuir com a comunidade, mas sabemos que no Brasil ainda existem grupos que não se sentem confortáveis para fazê-lo.


Comunidade

Planeta GNU

Outra questão que gera bastante dúvida está na postura do funcionário. O funcionário, em seu ambiente corporativo, está com um software GPL em mãos e um pedaço desse código serviu como base para o desenvolvimento de outro aplicativo de sua empresa. O que acontece se ele pegar essas alterações e divulgar na Internet sem o conhecimento da empresa? O que defi ne essa postura é justamente o contrato de trabalho que esse programador assinou com a empresa que o contratou. O artigo 4 da lei 9.609 diz o seguinte: "Salvo estipulação em contrário, pertencerão exclusivamente ao empregador, contratante de serviços ou órgão público os direitos relativos ao programa de computador, desenvolvido e elaborado durante a vigência de contrato ou de vínculo estatutário, expressamente destinado à pesquisa e desenvolvimento, ou em que a atividade do empregado,

contratado de serviço ou servidor seja prevista ou, ainda, que decorra da própria natureza dos encargos concernentes a esses vínculos." Nesse caso, o funcionário que disponibiliza código indevidamente, mesmo que esteja licenciado sob a GPL, corre risco de rescisão de seu contrato trabalhista por justa causa, sem contar com eventuais ações que a empresa pode mover contra ele. Quem determina o modelo de distribuição do software é o titular dos direitos. Em um ambiente corporativo, o titular é a empresa, não o funcionário. Tendo conhecimento desses fatos, o funcionário pode muito bem ajudar a empresa defi nir um modelo de negócios que seja favorável às suas atividades internas e também favorável a toda a comunidade do Software Livre. Em muitas empresas, o fato de ter seus principais aplicativos sob a GPL não gera nenhum tipo de pre-

juízo. Pelo contrário, em alguns casos a receita da empresa aumenta de forma bastante significativa. Um exemplo diso é a MySQL AB, desenvolvedora original do banco de dados MySQL, que começou como software proprietário e depois teve seu código aberto. As melhorias feitas pela comunidade são significativas e o banco de dados ficou amplamente conhecido devido à ação inovadora e bem planejada da empresa. Pense sempre na possibilidade de divulgar seu código, ainda mais se sua empresa tiver utilizado software livre para desenvolver alguma rotina interna. Pense em retribuir aquilo que você retirou da comunidade. Discuta o assunto com seus colegas e superiores em sua empresa para saber até que ponto o desenvolvimento colaborativo pode ser benéfico. Se tudo for feito de forma clara e consciente, todo mundo só tem a ganhar. ■

������������������������������������������������� ���������������� ����������� ������������� ����������� ����������������� ������������ ���������� ����������������� �������������� ���������� ���������� ����������� �������������� ������������ ������������������ ����������� ������������ ����������� ��������������

������������������������ ��������������������� ������������ ������������������� ��������������������� ��������������������� ������������������� ������������������� ������������������� ����������������������� ������������������ �������������������� �������������������� ������������� ���������������������� ����������������������� ����������������������� ����������������������� ���������������

������������������������� ������������������������� ����������������������� ���������������������� ���������������������� ������������������������ ����������������������� ������������������������ ���������������������� ���������������������� ����������������������� ���������������������� ���������������������� ����������������������� ���������������������� ��������������������� ��������������������� ������������������������ �����������������������

���������������������� �����������������������������������������������������������������


Revista Linux Magazine