Issuu on Google+

2 CRÔNICAS Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

1 2 3 4 5 6 7 8 9

Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

10 11 12 13 14 15 16 17 18

Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

19 20 21 22 23 24 25 26 27

Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

28 29 30 31 32 33 34 35 36

2 Crônicas 1 Salomão pede sabedoria; a sua força e riqueza Salomão deu início ao seu reinado com uma piedosa visita pública ao santuário de Deus. os que com expressivo afã andam após as coisas deste mundo, provavelmente se decepcionarão, enquanto os que se encomendam à providência de Deus, têm maior consolo; podemos dizer que têm o maior consolo possível. os que fizerem deste mundo o seu objetivo não serão bem sucedidos no porvir, e também se decepcionarão aqui; porém, os que fazem do mundo porvir o seu objetivo, não somente o alcançarão com a plena satisfação, mas terão também neste mundo a satisfação de que o seu caminho será bom para eles. Estejamos contentes ainda que não tenhamos as grandes coisas que os homens geralmente cobiçam, mas que normalmente resultam ser laços fatais para a alma.

2 Crônicas 2 A mensagem de Salomão a Hirão acerca do templo; o trato com Hirão Salomão informa Hirão sobre os serviços particulares que deveriam ser desempenhados no templo. Os mistérios da verdadeira religião não procuram se esconder; esta é uma das diferenças entre estes e as


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 2 superstições pagãs. Salomão dedicou-se a dar a Hirão pensamentos grandiosos e elevados a respeito do Deus de Israel. Não devemos estar assustados nem nos envergonhar, ao aproveitarmos cada oportunidade que tivermos para falarmos a respeito de Deus, e devemos imprimir nos demais um sentimento profundo da importância de seu favor e serviço. Agora que o povo de Israel está próximo à lei e do culto a Deus, as nações vizinhas estavam dispostas a ser ensinadas por eles na verdadeira religião, assim como os israelitas estiveram dispostos, nos dias de sua apostasia, a ser infestados com a idolatria e as superstições de seus vizinhos. Um rei sábio e piedoso é uma prova do amor especial do Senhor pelo seu povo. Quão grande foi, então, o amor de Deus para com os cristãos, ao dar o seu Filho Unigênito para que seja o Príncipe e o Salvador deles.

2 Crônicas 3 A edificação do templo Há um relato mais detalhado da construção do templo em 1 Reis 6. Deveria ser construído no lugar que Davi preparara, não somente o local que comprara, senão naquele que fora estabelecido por ordem divina. As instruções completas nos capacitam a realizarmos o nosso trabalho com certeza e, a partir daí, procedermos confortavelmente. Bendito seja Deus, pois as Escrituras são suficientes para equipar completamente o homem de Deus em prol de toda a boa obra. Examinemos cuidadosa e diariamente as Escrituras, e supliquemos ao Senhor que nos capacite para entender, crer e obedecer sua Palavra, a fim de que a nossa obra e o nosso caminho sejam aclarados, e que tudo possa começar, continuar e terminar nEle. Que, ao contemplarmos a Deus, em Cristo, que é o seu verdadeiro Templo, mais glorioso do que o de Salomão, sejamos uma casa espiritual, uma habitação de Deus em Espírito.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry)

3

2 Crônicas 4 O mobiliário do templo Aqui há um relato detalhado do mobiliário da casa de Deus. Sem portas do lado de fora nem do lado de dentro, esta era uma tipificação da graça do Evangelho, e era sombra das boas coisas vindouras, das quais Cristo é a essência. Havia um altar de bronze, cuja confecção não foi mencionada no livro dos Reis. Sobre este eram oferecidos todos os sacrifícios, e santificava o dom. o povo que adorava nos átrios podia ver que os holocaustos eram queimados. Assim podiam ser levados a considerar o grande sacrifício que seria oferecido no devido tempo, para tirar os pecados e colocar fim à morte, algo que o sangue de touros e de bodes não podia fazer. E com a fumaça dos sacrifícios, os seus corações poderiam ascender ao céu, em santo desejo para com Deus e seu favor. Em todas as nossas devoções devemos manter o nosso olhar fixo na fé em Cristo. O mobiliário do templo, quando comparado ao do tabernáculo, mostrava que a Igreja seria ampliada e os seus adoradores multiplicados. Bendito seja Deus, pois existe suficiente perdão, provisão e bênçãos para todos em Jesus Cristo.

2 Crônicas 5 Versículos 1-10: A arca posta no templo; 11-14; O templo é cheio com a glória de Deus. Vv. 1-10. A arca tipificava Cristo e, como tal, era um sinal da presença de Deus. Esta promessa de graça: "Eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos" (Mt 28.20), traz a arca até as nossas reuniões religiosas se, por meio da fé e da oração, invocarmos esta promessa. E devemos estar mui desejosos de receber esta bênção. Existe verdadeira satisfação na alma quando o Senhor Jesus Cristo é formado nela, quando a lei é escrita no coração e a arca do pacto é instalada, de maneira que se converta em templo do Espírito Santo.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 4 Vv. 11-14. Deus tomou posse do templo com uma nuvem. Deste modo, expressou a sua aceitação ao templo, que para Ele é o mesmo que o tabernáculo de Moisés, e assegurou ao seu povo que Ele mesmo estaria ali. Se quisermos que Deus habite em nossos corações, devemos preparar-lhe lugar; tudo mais deve ser desprezado. o verbo se fez carne; e virá novamente a seu tempo, como fogo do ourives: "Porque é vindo o grande Dia da sua ira; e quem poderá subsistir?" (Ap 6.17). Que Ele nos prepare para este dia.

2 Crônicas 6 A oração de Salomão na dedicação do templo Deve ser observada a ordem da oração de Salomão. Primeiramente, ele ora por arrependimento e perdão, que é a principal bênção e o único fundamento sólido das demais misericórdias; em seguida, ele pede por misericórdias temporais. com isso, ensina-nos com que devemos nos preocupar, e o que devemos pedir em nossas orações. o Senhor Jesus Cristo também nos ensina isto em sua perfeita oração modelo, na qual existe um único trecho pelas bênçãos exteriores e o restante dela por bênçãos espirituais. o templo tipifica a natureza humana de Cristo, em quem habita corporalmente toda a plenitude da divindade. A arca tipifica a sua obediência e os seus sofrimentos, pelos quais os pecadores arrependidos têm acesso a um Deus reconciliado e, assim, a comunhão com Ele. Jeová fez de nossa natureza o seu lugar de repouso para sempre, na pessoa do Emanuel, por Ele habita com a sua Igreja e nela se deleita, uma Igreja de pecadores redimidos. Que o nosso coração chegue a ser o seu lugar de repouso; que o Senhor Jesus Cristo habite ali através da fé, ao consagrar o nosso coração como seu templo, e transbordar para fora dele o seu amor que ali está. Que o Pai nos contemple em seu Ungido e através dele; que Ele se lembre de nós e nos abençoe em todas as áreas de nossa vida, conforme a sua misericórdia para com os pecadores em Cristo e por Ele.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry)

5

2 Crônicas 7 A resposta de Deus à oração de Salomão Deus concedeu uma resposta de graça à oração de Salomão. As misericórdias de Deus para com os pecadores dão-se a conhecer de uma maneira maravilhosa, para impressionar por sua majestade e santidade a todos os que as recebem. o povo adorava e louvava a Deus. Quando Ele se manifesta aos pecadores como fogo consumidor, o seu povo pode regozijar-se nEle, como a luz deles. Sim, eles tinham razão para dizer que Deus é bom. Graças às misericórdias do Senhor, não somos consumidos, mas somente o sacrifício que é feito em nosso lugar, pelo qual devemos estar muito agradecidos. E os que com fé verdadeira contemplam o Salvador, que agonizou e morreu por causa do pecado do homem, por esta visão, encontram a sua piedosa tristeza acrescida, e aumenta o seu ódio pelo pecado, a sua alma torna-se mais vigilante e a sua vida mais santificada. Salomão efetuou com prosperidade tudo quanto se propôs a fazer para adornar a casa de Deus e a sua residência. os que começam pelo trabalho para Deus, certamente seguirão triunfantes em seus próprios empreendimentos. Para elogio de Salomão, todas as obras por ele começadas foram concluídas; foi pela graça de Deus que Salomão prosperou em suas realizações. Temamos o desagrado do Senhor e não pequemos, esperemos em sua misericórdia e andemos em seus mandamentos.

2 Crônicas 8 As edificações e o comércio de Salomão Às vezes, requer-se mais sabedoria e decisão para governar uma família sob o temor a Deus, do que para dirigir um reino famoso. A dificuldade aumenta quando o homem tem uma esposa que o atrapalhe, ao invés de uma ajudadora idônea.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 6 Salomão contemplou os holocaustos conforme a lei de Moisés. Se os sacrifícios não fossem trazidos constantemente, o altar seria construído em vão, e em vão desceria fogo do céu. A nós são pedidos sacrifícios espirituais, que deveremos oferecer diária e semanalmente; bom é termos um método de devoção estabelecido. Quando o serviço do templo esteve bem organizado, foi dito que a casa do Senhor foi aperfeiçoada. A obra era o assunto principal, e não o lugar; o templo esteve sem ser terminado até que todos os empreendimentos fossem concluídos. Canaã era um país rico e, contudo, teve que trazer ouro de ofir. os israelitas eram um povo sábio; porém, tiveram que recorrer ao rei de Tiro para que tivessem o auxílio de homens que conhecessem os mares. A graça, e não o ouro, é a melhor riqueza, e o conhecimento de Deus e de sua lei é a melhor dádiva. Ao deixar que os filhos deste mundo lutem pelos bens desta vida, como filhos de Deus, coloquemos o nosso tesouro no céu, porque onde estiver a nossa riqueza, ali também estará o nosso coração.

2 Crônicas 9 Versículos 1-12: A rainha de Sabá; 13-31: As riquezas de Salomão e a sua morte. Vv. 1-12. Este relato já foi considerado em 1 Reis 10; contudo, como o nosso Salvador o propôs como um exemplo para o buscarmos (Mt 12.42), não devemos nos descuidar deste, sem observar que os que conhecem o valor da verdadeira sabedoria não evitam dores e nem custos para obtê-la. A rainha de Sabá expôs-se a muita tribulação e gastos para ouvir a sabedoria de Salomão. Assim, ao aprender dEle como servir a Deus e cumprir o seu dever, considerou-se bem compensada por seus esforços. A sabedoria celestial é esta pérola de alto valor pela qual, se deixarmos todas as demais coisas, faremos um excelente negócio. Vv. 13-31. Os fatos aqui mencionados assinalariam que a prosperidade atraiu a mente de Salomão e de seus súditos, ao amor pelas


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 7 coisas curiosas e incomuns, ainda que fossem inúteis em si mesmas. A sabedoria e a verdadeira felicidade estão sempre unidas; porém, não existe uma aliança assim entre a riqueza e o gozo das coisas desta vida. Então, familiarizemo-nos ao Salvador, para que encontremos o repouso para a nossa alma. Aqui Salomão reina com riqueza e poderio, com felicidade e plenitude, características que jamais foram encontradas juntamente em qualquer dos reis que o sucederam desde então; pois os mais conhecidos dentre os grandes príncipes da terra alcançaram a fama através de suas guerras, enquanto Salomão reinou durante quarenta anos em profunda paz. cumpriu-se a promessa que Deus lhe fizera, de lhe conceder riquezas e honra como nenhum rei os teve e jamais os terá. o brilho com que Salomão aparece tipifica a glória espiritual do reino do Messias, e não é senão uma fraca representação de seu trono, que está acima de todas as potestades. Aqui Salomão está próximo da morte e deixa toda a sua riqueza e poder a um que seria um néscio, e ele estava consciente disto! (Ec 2.1819). Isto foi não somente vaidade como aflição de espírito. o poder, a riqueza ou a sabedoria são capazes de agir como escudo ou preparar alguém para o golpe da morte; porém, sejam dadas graças a Deus que dá a vitória ao crente verdadeiro, até mesmo sobre este temível inimigo, através de nosso Senhor Jesus Cristo.

2 Crônicas 10 Roboão e a rebelião das dez tribos Os conselhos moderados são os mais sábios e melhores. A amabilidade fará o que a violência jamais será capaz de realizar. A maioria das pessoas gosta de ser tratada amavelmente. As boas palavras custam somente um pouco de negação de nós mesmos; porém, conseguem grandes coisas. Não é necessário fazer algo para arruinar os homens; basta deixá-los abandonados ao seu próprio orgulho e paixões. Assim, qualquer que seja o estratagema e o desejo dos homens, Deus


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 8 realiza a sua própria obra a favor de todos, e cumpre a Palavra que disse anteriormente. Nenhum homem pode legar a sua prosperidade aos seus herdeiros, de forma superior à sua sabedoria; porque os nossos filhos serão geralmente afetados pela nossa conduta, seja esta boa ou má. Então, busquemos as coisas boas que serão nossas para sempre, e anelemos a bênção de Deus para a nossa posteridade acima das riquezas e da exaltação humana.

2 Crônicas 11 Versículos 1-12: Roboão proíbe a guerra contra Israel; 13-23: Os sacerdotes e os levitas encontram refúgio em Judá. Vv. 1-12. Algumas palavras boas teriam evitado a rebelião dos súditos de Roboão; porém, toda a força de seu reinado não foi capaz de trazê-los de volta. É vão contender com o propósito de Deus quando este não nos é dado a conhecer. Mesmo os que são despojados da verdadeira fé prestarão alguma atenção à Palavra de Deus em cenas ocasiões, e esta lhes impedirá de executar más ações, às quais eles se inclinam por natureza. Vv. 13-23. Quando os sacerdotes e os levitas chegaram a Jerusalém, foram seguidos pelos israelitas devotos e piedosos. os que se propuseram em seus corações a buscar ao Senhor Deus de Israel, deixaram a herança de seus pais e foram a Jerusalém para terem livre acesso ao altar de Deus, e distanciarem-se da tentação de adorar os bezerros. O melhor para nós é o que é excelente para a nossa alma; em todas as nossas opções devemos procurar as vantagens religiosas acima de toda a conveniência exterior. Aonde quer que estejam os fiéis sacerdotes do Senhor, deve também encontrar-se o seu povo fiel. E quando for provado que estamos dispostos a deixar os nossos interesses mundanos, enquanto somos chamados a fazê-lo pela causa de Cristo e de seu Evangelho, teremos uma boa evidência de que somos realmente seus discípulos. Deve ser do mais alto interesse de uma nação proteger a religião e o povo religioso.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry)

9

2 Crônicas 12 O castigo de Roboão por ter abandonado ao Senhor Quando Roboão sentiu-se forte, a ponto de não ter o que temer em relação a Jeroboão, despojou-se de sua profissão exterior de bondade. Muito comum, ainda que lamentável, é que os homens pareçam muito dedicados a buscar e servir a Deus quando têm problemas, enfrentam perigos, ou estejam à beira da morte; porém, deixam de lado toda a sua religião após receberem uma misericordiosa libertação. Deus rapidamente permitiu que Judá tivesse problemas, para despertar o povo ao arrependimento antes que endurecessem os seus corações. Desta maneira, devemos ter a Deus como justo e julgarmo-nos a nós mesmos quando somos submetidos às repreensões da providência divina. Se o nosso coração se humilhar sob providências humilhantes, a aflição terá feito a sua obra; será então retirada ou mudada a sua propriedade. Quanto mais compararmos o serviço a Deus com outros empreendimentos, aquele nos parecerá mais razoável e fácil. As pessoas pensam geralmente que as leis da sobriedade são duras? Os efeitos da intemperança são muito mais duros. o serviço a Deus representa a perfeita liberdade; a dedicação à nossa concupiscência é a absoluta escravidão. Roboão nunca se estabeleceu apropriadamente em sua fé. Nunca desprezou completamente a Deus; porém, não se comprometeu de coração a buscar ao Senhor, vejamos qual foi a sua falta: ele não serviu ao Senhor porque não o buscou; não orou ao Senhor como Salomão, a fim de pedir sabedoria e graça; não consultou a Palavra de Deus; não a procurou como seu oráculo, nem seguiu as suas ordens; não seguiu algo de sua religião, porque não colocou nela o seu coração, nem chegou a uma determinação constante a este respeito. Roboão fez o mal, porque nunca se decidiu pelo bem.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry)

10

2 Crônicas 13 Abias vence Jeroboão Jeroboão e o seu povo mereceram, por causa de sua apostasia e idolatria, o severo castigo permitido a Abias executar contra eles. Do caráter de Abias (1 Rs 15.3) fica patente que não era verdadeiramente religioso; contudo, recobrava o ânimo com a religião de seu povo. É comum que os que negam o poder da piedade orgulhem-se de sua forma. Muitos que têm pouca fé em si mesmos valorizam-na nos demais. Porém, era certo que havia uma multidão de adoradores piedosos em Israel, e esta era a causa mais justa. Em sua angústia, quando o perigo estava por todos os lados, onde buscariam o livramento senão do alto? É um consolo indescritível que o nosso caminho para o alto esteja sempre aberto. Eles clamaram ao Senhor com uma oração fervorosa, agregando ao clamor da oração o grito da fé, e chegaram a ser mais do que vencedores. Jeroboão escapou da espada de Abias, porém, Deus o derribou; não há como escapar de sua espada.

2 Crônicas 14 A piedade de Asa; fortalecimento do seu reino Asa quis agradar a Deus e procurou apresentar-se aprovado perante Ele. Felizes são os que andam segundo esta regra, não para fazer o bem aos seus próprios olhos, ou aos olhos do mundo, mas para fazer o bem aos olhos de Deus. Por nossa experiência pessoal sabemos que é bom buscar ao Senhor, pois Ele nos dá descanso. contrariamente, seguir o mundo somente nos traz vexames. Asa consultou o seu povo, para que eles utilizassem agradavelmente a paz de que desfrutavam. E concluiu, juntamente com eles, que não deveriam estar ociosos e nem confiados. Um formidável exército de etíopes invadiu o reino de Asa. Este mal recaiu sobre eles para provar a sua fé em Deus. A oração de Asa é curta, mas é a linguagem verdadeira da fé e da esperança em Deus. Quando


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 11 seguimos adiante em o nome de Deus, o resultado será a prosperidade, e todas as coisas contribuem para o bem dos que são favorecidos por Ele.

2 Crônicas 15 O povo faz um pacto solene com Deus A obra da reforma completa parecia tão difícil de ser realizada, que Asa não foi suficientemente corajoso para empreendê-la, até que teve a certeza da ajuda e da aceitação divina. Ele e o seu povo ofereceram sacrifícios a Deus; ações de graças pelos favores recebidos, e súplicas por favores vindouros. As orações e os louvores são agora os nossos sacrifícios espirituais. De livre e espontânea vontade, o povo fez um pacto de buscar a Deus fervorosamente, cada um de per si. O que é a religião senão buscar a Deus, inquirir nEle, e apelar a Ele em todas as ocasiões? Se não trabalharmos de coração em nossa religião, convertemo-la em nada; Deus deve ter o nosso coração completamente, ou não terá nada. A nossa devoção a Deus, nosso Salvador, deve ser reconhecida e demonstrada pública e solenemente. O que é feito com hipocrisia nada mais é do que trabalho forçado.

2 Crônicas 16 Asa busca o auxílio dos sírios; a sua morte Um profeta do Senhor repreendeu Asa com simplicidade e fidelidade, por ter ele se aliado com a Síria. Deus sente desgosto quando o homem não confia nEle, mas deposita a sua confiança em um braço de carne mais do que no poder e bondade divinos. É uma atitude néscia apoiarmo-nos em uma cana descascada, quando temos a Rocha dos séculos para nos apoiarmos. Para convencê-lo do quão néscio era, o profeta mostra a Asa que ele, dentre todos os homens, não tem razão para desconfiar de Deus porque encontrará nEle um auxílio muito grande. As muitas experiências que temos da bondade de Deus para conosco agravam as situações em que não cremos nEle; porém, observemos quão enganoso é o nosso coração! Confiamos em Deus


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 12 quando não temos mais alguém ou algum recurso em que confiar, quando a necessidade nos impele a Ele; porém, quando temos outros recursos em que nos apoiar, somos dados a depender muito deles. Observemos o desagrado de Asa diante desta reprovação. O que é o homem quando Deus o deixa entregue a si mesmo? Aquele que abusou de seu poder para perseguir o profeta de Deus foi abandonado, a fim de usufruir ainda mais do poder para esmagar os seus próprios súditos. Dois anos antes de morrer, Asa sofreu de uma enfermidade em seus pés. o seu dever era utilizar os serviços médicos, mas a sua atitude néscia e o seu pecado foram confiar e esperar deles o que deve ser alcançado somente da parte de Deus. Em todos os conflitos e sofrimentos temos que guardar especialmente o nosso coração, para que este possa ser perfeito diante de Deus pela fé, paciência e obediência.

2 Crônicas 17 Josafá fomenta a religião em Judá; a sua posteridade. Josafá deu-se conta de que o seu povo era, geralmente, muito ignorante; portanto, propôs-se a ensiná-lo. o ensino público da Palavra de Deus constitui-se, em todas as épocas, no grande método para fomentar o poder da santidade. Através dele, o entendimento é informado, e a consciência é despertada e dirigida. Temos um relato detalhado da prosperidade de Josafá; porém, não foi um exército formidável que impediu que as nações vizinhas intentassem algo contra Judá, mas, sim, o temor de Deus que caiu sobre eles, quando Josafá reformou o seu país e estabeleceu nele um ministério de pregação. As ordenanças de Deus são a força e a segurança de um reino, mais do que os soldados e as armas de guerra. A Bíblia nos pede que notemos a mão de Deus em todos os sucessos, ainda que esta atitude não seja diariamente levada em conta por todos, como deveria ser. Porém, todos devem empregar os talentos que possuem e ser fiéis mesmo no pouco.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 13 Estabeleçamos a adoração a Deus em nossas casas. Uma família é uma grande responsabilidade. Porque não a instruiríamos no livro da lei de Jeová, como Josafá fez com os seus súditos? Porém, sejamos coerentes. Não recomendemos uma coisa e façamos outra. comecemos nós mesmos. Recorramos ao Senhor Deus de Israel, e em seguida peçamos aos nossos filhos e servos que sigam o nosso exemplo.

2 Crônicas 18 A aliança de Josafá com Acabe. Lemos esta história em 1 Reis 22. As riquezas e a honra abundantes dão muita ocasião para se fazer o bem; porém, vão associadas a muitos laços e tentações. os homens não sabem muito sobre os artifícios de Satanás, e não têm consciência do quão enganoso é o próprio coração quando cobiçam riquezas, com a idéia de que serão capazes de fazer o bem com elas. O que seria capaz de ferir aqueles a quem Deus protege? o que poderia amparar aqueles a quem Deus destruirá? Josafá está a salvo, vestido com as roupas reais. Acabe morre, por estar vestido com a sua armadura, porque não é dos ligeiros a carreira, nem a guerra é dos fortes. Devemos ter cautela, para não ser enredados nas ações mundanas dos homens maus; e, mais ainda, devemos evitar nos comprometermos com os seus projetos pecaminosos. Porém, quando eles o invocam, Deus pode e deseja tirar o seu povo das dificuldades e dos perigos em que se envolveu por causa do pecado. Ele tem todos os corações em suas mãos, de modo que facilmente os regata. Bem-aventurado é o varão que coloca a sua confiança no Senhor.

2 Crônicas 19 Josafá visita o seu reino. Cada vez que voltamos em paz para a nossa casa, devemos agradecer a Deus por sua providência, por nos preservar em nossas idas e vindas. E se formos guardados de perigos acima dos que enfrentamos


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 14 diariamente, devemos ser agradecidos de maneira especial. As misericórdias diferenciadas nos colocam sob fortes obrigações. o profeta disse a Josafá que este fez muito mal ao aliar-se a Acabe. Josafá recebe bem a reprovação. observe o efeito que esta teve sobre ele, levando-o a examinar estritamente o seu próprio reino. Pelo que o profeta disse, Josafá se deu conta de que os seus intentos anteriores de reforma agradaram a Deus; portanto, fez o que estava por realizar. Bom é quando os elogios nos estimulam a cumprir o nosso dever. Há diversidade de dons e operações; porém, todos pertencem ao mesmo Espírito e são para o bem público, e cada um de nós deve ministrar aos outros conforme o dom que temos recebido. Bendito seja Deus pelos magistrados e ministros, escribas e estadistas, literatos e empresários. Observemos a tarefa que foi dada pelo decreto do rei. Eles deveriam fazer tudo sob o temor do Senhor, com um coração perfeito e reto. E deveriam fazer com que a sua constante preocupação fosse impedir o pecado, uma ofensa a Deus, e que traz a sua ira sobre o povo.

2 Crônicas 20 Versículos 1-13: O perigo e angústia de Judá; 14-19: Jaaziel anuncia a vitória; 20-30: Ação de graças de Judá; 31-37: A aliança de Josafá com Acazias. Vv. 1-13. Em todos os perigos, públicos ou pessoais, a nossa primeira tarefa deve ser buscar a ajuda de Deus. Daí a vantagem de se ter dias de jejuns e orações nacionais. Do princípio ao fim de nossa busca ao Senhor, devemos nos aproximar dEle humilhados por nossos pecados, confiantes somente em sua misericórdia e poder. Josafá reconheceu o domínio soberano da divina providência, e pediu que o Senhor a exercesse por causa deles. A quem buscaremos e em quem confiaremos para ter auxílio, senão no Deus a quem temos escolhido e servido? Os que utilizam suas posses para Deus podem esperar, com certeza, que Ele lhes retribuirá.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 15 Todo verdadeiro crente é um filho de Abraão, um amigo de Deus, com os quais é estabelecido o pacto eterno, e a eles pertence cada promessa. Temos a certeza do amor de Deus pelo fato de Ele ter habitado em forma humana, na pessoa do Salvador. Josafá menciona o templo como sinal da presença favorável de Deus, e pleiteia contra a injustiça de seus inimigos. Nós bem podemos apelar a Deus contra os que nos devolvem mal por bem. Apesar de possuir um grande exército, ele disse: "Não sabemos o que faremos; porém os nossos olhos estão postos em ti". Vv. 14-19. Uma profecia foi transmitida por um levita no meio da congregação. o Espírito Santo, como o vento, sopra onde quer e sobre aqueles que quer, e anima-os a confiar em Deus. Que o soldado cristão saia contra os seus inimigos espirituais, e o Deus de paz o fará mais do que vencedor. As nossas tribulações resultarão ser o nosso proveito. A vantagem será toda nossa; porém, toda a glória deve ser dada ao Senhor nosso Deus. Vv. 20-30. Josafá exorta suas tropas a ter firme a fé em Deus. A fé inspira o homem a ser verdadeiramente valoroso; nada o ajudará mais a estabelecer o coração em tempos de tremor, do que a firme fé no poder, na misericórdia e na promessa de Deus. Em toda a nossa confiança no Senhor e em nossos louvores a Ele, tenhamos em vista, atenciosamente, a sua misericórdia eterna para com os pecadores através de Jesus Cristo. Jamais um exército foi tão destruído como o de Satanás. Deste modo, Deus costuma fazer com que as pessoas más destruam-se entre si mesmas. Jamais se celebrou uma vitória com ações de graça de maneira tão solene. Vv. 31-37. Josafá manteve-se próximo à adoração a Deus, como fez também o que esteve ao seu alcance para manter o seu povo no mesmo espírito. Porém, depois que Deus fez grandes coisas por ele, que lhe deu não somente a vitória, mas também a riqueza, foi uma atitude extremamente ingrata Josafá fazer uma aliança com um rei ímpio. o que poderia esperar além de Deus se irar contra ele? contudo, parece que


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 16 aceitou a advertência, porque negou-se a unir-se posteriormente a Acazias, quando este o pressionou para fazê-lo (1 Rs 12.49). Assim, a aliança foi rompida, e a repreensão divina produziu o devido efeito, ao menos durante uma temporada. Sejamos agradecidos por qualquer perda que tenha impedido a derrota de nossa alma imortal. Louvemos ao Senhor, que nos buscou e não deixou que perecêssemos em nossos pecados.

2 Crônicas 21 Versículos 1-11: O mau reinado de Jeorão; 12-20: O final miserável de Jeorão. Vv. 1-11. Jeorão odiava os seus irmãos e matou-os pela mesma razão que caim odiou e matou Abel, porque a piedade deles condenava a sua impiedade. No mistério divino, tais homens às vezes prosperam por certo tempo; porém, o Senhor tem propósitos justos ao permitir tais sucessos, parte dos quais agora já ocorreram, e o restante deles será visto no futuro. Vv. 12-20. Deus enviou uma advertência a Jeorão. O ministério profético de Elias atuou, para que fosse preparado este escrito e previsse os crimes de Jeorão. Foi-lhe dito claramente que os seus pecados o destruiriam. Porém, não devemos nos admirar de que os pecadores não se sintam amedrontados pelo pecado, nem se arrependam pelas ameaças de misérias no outro mundo, quando a certeza da desgraça desta vida, o naufrágio de seu patrimônio, e a ruína da saúde deles não os separa de seus maus rumos. Observemos aqui Jeorão despojado de todas as suas consolações. Assim Deus demonstra de maneira simples que a controvérsia era com ele e a sua casa. Ele matara todos os seus irmãos, com o objetivo de fortalecerse; agora, todos os seus filhos são mortos, menos um. A casa de Davi não deve ser destruída em sua totalidade, como a dos outros reis de Israel, dos que fazem o mal, porque na casa de Davi havia uma bênção: a vinda do Messias.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 17 Os homens bons podem ser afligidos com enfermidades; porém, para eles, são castigos paternais, e com o apoio das consolações divinas, a alma pode habitar confiantemente, ainda que o corpo esteja em dor. Jeorão estava enfermo e pobre, enfermo e solitário; porém, especialmente enfermo e em pecado, enfermo e sob a maldição de Deus, enfermo e sem a graça para suportar esta terrível situação; era um caso deplorável. A maldade e as características dos profanos tornam os homens desprezíveis, até mesmo aos olhos dos que possuem uma religiosidade aparente.

2 Crônicas 22 O reinado de Acazias; Atália destrói a família real. O conselho dos ímpios destrói muitas pessoas jovens, ainda quando apenas iniciam seus passos no mundo. Acazias entregou-se à direção de homens maus. os que nos aconselham para que façamos o mal estão orientando-nos para a nossa destruição; ainda que pretendam ser amigos, estes são os nossos piores inimigos. Observemos e temamos a maldade dos que se tornam más companhias. Os que não temem a infecção devem temer a destruição (Ap 18.4). Aqui temos uma mulher má, que se propôs a destruir a casa de Davi, e uma boa mulher que a preserva. Nenhuma Palavra de Deus cairá por terra. Toda a verdade das profecias, de que o Messias viria de Davi e, através dEle, a salvação do mundo, pareciam agora depender do frágil fio da vida de uma única criança, cuja destruição interessava ao poder que reinava na ocasião. Porém, Deus o propusera, e os esforços da terra e do inferno foram vãos.

2 Crônicas 23 A coroação de Joás e a morte de Atália. Considerarmos a nós mesmos e a cada um dos homens como povo do Senhor, deveria tornar-nos fervorosos para cumprirmos o nosso dever para com Deus e o homem. Assim foi a feliz revolução ocasionada e o


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 18 povo se regozijou. Quando o Filho de Davi está entronizado na alma, tudo está tranqüilo e existe gozo (Leia 2 Rs 6).

2 Crônicas 24 Versículos 1-14: Joás, rei de Judá; a reparação do templo; 15-27: Joás cai em idolatria; os seus servos o matam. Vv. 1-14. Joás mostra-se mais zeloso do que o próprio Joiada quanto à reparação do templo. É mais fácil edificarmos templos do que ser templos para Deus. Porém, reparar lugares para adoração pública é uma boa obra que todos devem apoiar e divulgar. Mais que uma boa obra teria sido feita se fosse promovida por homens ativos; porém, agora está sem ser realizada. Vv. 15-27. Observemos que juízo é para qualquer príncipe ou povo, a morte de homens santos, zelosos e úteis. Notemos quão necessário é que, em matéria de fé, atuemos com base em princípios interiores. Então, perder um pai, um ministro ou um amigo, não seria perder a nossa religião. Em muitas ocasiões, os príncipes e a plebe têm sido afagados, mas para a sua própria ruína. Somente a verdadeira graça capacitará o homem para que dê fruto até o final. Zacarias, filho de Joiada, mensageiro do Senhor, colocou-se em pé e falou ao povo acerca dos pecados de toda nação. A obra dos ministros é tornar patentes os pecados dos homens através da exposição da Palavra de Deus, como lâmpada e luz, e igualmente expor as providências de Deus. Mataram Zacarias a pedradas, no átrio da casa do Senhor. observe as palavras deste mártir, ao morrer: "o Senhor o verá e o requererá". Estas palavras não procedem de um espírito de vingança, mas de profecia. Deus golpeou Joás com grandes enfermidades de corpo ou de mente, ou de ambos, antes que os sírios fossem embora. Se a vingança perseguir os homens, o final de uma tribulação não será nada mais do que o começo de outra. Os seus próprios servos o mataram. Estes juízos


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 19 são chamados de cargas, porque a ira de Deus é uma carga demasiadamente pesada para que um homem a possa suportar. Que Deus nos ajude a ouvir a advertência, a sermos retos de coração e a perseverarmos em seus caminhos até o final.

2 Crônicas 25 Versículos 1-13: Amazias, rei de Judá; 14-16: Amazias adora os ídolos de Edom; 17-28: O abrupto desafio de Amazias. Vv. 1-13. Amazias não era inimigo da religião, mas um amigo frio e indiferente. Muitos fazem o que é bom; porém, não com um coração perfeito. A impetuosidade trabalha para que aconteça o arrependimento, mas a obediência de Amazias ao mandamento de Deus foi para a sua honra. A crença na inteira suficiência de Deus para sustentar-nos em nosso dever e compensar toda a perda e dano em que incorramos, enquanto estivermos a seu serviço, tornará o seu jugo suave e o seu fardo leve. Quando somos chamados a deixar qualquer coisa por amor a Deus e pela nossa fé, devemos nos sentir satisfeitos por saber que Deus é capaz de nos dar muito mais do que isto. Os pecadores convictos, que não possuem a verdadeira fé, colocam sempre objeções à obediência abnegada. São como Amazias; dizem: "Mas o que acontecerá aos cem talentos? O que faremos se, por decidirmos dedicar um dia para repouso e serviço a Deus, perdermos bons clientes? O que faremos sem este ganho? O que faremos se perdermos a amizade do mundo? Muitos pretendem aquietar a sua consciência sob o pretexto de que os costumes proibidos são necessários. A resposta, como nesta situação, é: O Senhor é capaz de dar-nos muito mais do que isto. Ele recompensa, ainda neste mundo, tudo o que for dedicado à sua causa. Vv. 14-16. O maior absurdo foi adorarem os deuses dos povos que Amazias conquistara; pois estes não foram capazes nem sequer de ajudar os seus próprios adoradores. Se os homens considerassem todas estas


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 20 coisas às quais recorrem cada vez que abandonam a Deus, e o quão incapazes são de socorrê-los, não seriam inimigos de si mesmos. A repreensão que Deus enviou através de um profeta era demasiadamente justa para que pudesse ser refutada, mas foi-lhe proibido que dissesse sequer uma palavra a mais. O pecador seguro se regozija por ter silenciado os que o repreendem e controlam; porém, o que é que surge a partir disto? Os que são insensíveis à censura amadurecem para a destruição. Vv. 17-28. Jamais um príncipe orgulhoso foi mais mortificado do que Amazias, nas mãos de Joás, rei de Israel. A soberba do homem o abaterá (Pv 29.23); ele se apressa à sua própria e merecida destruição. o que se exalta será humilhado. o que entra apressadamente em um pleito, não saberá o que fazer ao final, depois que o seu próximo o tenha envergonhado (Pv 25.8). E o que é que somos quando pretendemos estabelecer a nossa própria justiça, ou quando temos a presunção de justificarmo-nos perante Deus, senão espinhos desprezíveis que acreditam ser árvores majestosas? E as diversas tentações, e toda a corrupção, não são como animais selvagens do deserto, que pisotearão o desgraçado orgulhoso e transformarão as suas altivas pretensões em pó? o orgulho do homem o humilhará; a sua ruína poderá ser concluída a partir do momento em que se distanciar do Senhor.

2 Crônicas 26 Versículos 1-15: O bom reinado de Uzias em Judá; 16-23: Uzias procura queimar incenso. Vv. 1-15. Enquanto Uzias buscou ao Senhor, e preocupou-se com a religião, Deus fez com que ele prosperasse. Somente são abençoados realmente os que o Senhor faz prosperar, porque a verdadeira prosperidade é uma dádiva dEle. Muitos têm reconhecido que prosperaram enquanto buscavam ao Senhor e cumpriam o seu dever; porém, quando abandonaram a Deus, tudo saiu mal.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 21 Deus jamais abençoa o indolente, e não retém a sua bênção para com o diligente. Jamais suportará que alguém busque o seu rosto em vão. O nome de Uzias foi famoso em todos os países vizinhos. Ser renomado diante de Deus e de um povo bom, atribui ao homem uma verdadeira honra. Uzias não se deleitou na guerra, nem deu excessiva atenção aos esportes; porém, deleitou-se em governar bem. Vv. 16-23. A transgressão dos reis anteriores a Uzias, foi abandonar o templo do Senhor e queimar incenso em altares idólatras. Porém, a transgressão de Uzias foi ir ao lugar santo e procurar queimar incenso no altar de Deus. observe a dificuldade que existe em evitar um extremo sem cair em outro. o orgulho de coração estava no fundo de seu pecado; esta é uma luxúria que destrói a muitos. Ao invés de enaltecer o nome de Deus por gratidão para com aquEle que fizera tanto por ele, o seu próprio coração se enalteceu, para o seu próprio desprezo. A pretensão dos homens de obter o conhecimento que lhes é proibido, e de buscar coisas que sejam demasiadamente altas para eles, deve-se à soberba de seus corações. O incenso das nossas orações deve ser posto, por fé, nas mãos de nosso Senhor Jesus Cristo, que é o Sumo Sacerdote de nossa profissão de fé; de outra forma, não podemos esperar que seja aceito por Deus (Ap 8.3). Ainda que Uzias tenha ficado com raiva dos sacerdotes, jamais se iraria contra o seu criador, e foi castigado por sua transgressão; morreu leproso, rejeitado pela sociedade. o castigo correspondeu ao pecado, assim como o rosto corresponde ao espelho. o orgulho estava no fundo de sua transgressão, e Deus humilhou-o ao desonrá-lo. os que cobiçam honras proibidas desprezam as que são permitidas. Adão esquivou-se da árvore da vida, da qual poderia comer o fruto, por tomar da árvore do conhecimento do bem e do mal, da qual era proibido aproximar-se. Todos os que lerem esta passagem digam: Jeová é justo. E quando o Senhor determinar que é bom excluir homens prósperos e úteis, como vasos quebrados, levantará outros para que ocupem o lugar destes; os


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 22 rejeitados poderão, ao. regozijar-se, renunciar todas as preocupações mundanas e empregar o restante de seus dias em seu preparo para a morte.

2 Crônicas 27 O reinado de Jotão em Judá. O povo fez o que era mau. Provavelmente Jotão desejava a reforma da terra. os homens podem ser muito bons, mas pode-lhes faltar a coragem e o zelo para fazer o que são capazes de realizar. certamente isto culpa o povo. Jotão prosperou e chegou a ser poderoso. Quanto mais constantes fomos na religião, mais poderosos seremos para resistir ao mal e fazer o bem. Às vezes o Senhor tira governantes sábios e piedosos, e manda outros, cujo comportamento néscio e os vícios que possuem castigam um povo que não valorizou a sua misericórdia.

2 Crônicas 28 O mau reinado de Acaz em Judá. Israel teve esta vitória porque Deus estava enfadado com Judá, e fez de Israel a vara de seu furor. Ele lhes recorda os pecados que praticaram. Não convém que os pecadores sejam cruéis. Poderiam eles esperar misericórdia de Deus, se não mostrassem misericórdia e nem justiça aos seus irmãos? Recordemos que os homens são o nosso próximo, nosso irmão, nosso semelhante, e existem ainda os que são os nossos irmãos na fé. E ninguém, que esteja familiarizado com a Palavra de Deus deve ter medo de sustentar que a escravidão é contrária à lei do amor e ao Evangelho da graça. Quem é capaz de reter o seu irmão com escravidão, sem infringir a regra de fazer aos demais o que queremos que os outros nos façam? Porém, quando os pecadores ficam livres, à mercê da luxúria de seus corações, tornam-se ainda mais perversos. Deus lhes ordenou que libertassem os prisioneiros, e eles lhe obedeceram.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 23 O Senhor humilhou muito a Judá. os que não se humilharem sob a Palavra de Deus serão justamente humilhados pelos seus juízos. costuma ser comum que os perversos não tenham um verdadeiro afeto pelos que se rebelam contra eles, nem lhes interessa fazer-lhes o bem. Este é o rei Acaz! Miserável! Os que, ao invés de melhorarem por causa de suas aflições, pioram, são realmente maus e perversos. E em sua angústia transgridem ainda mais, e têm os seus corações mais decididos a fazer o mal. Porém, é de assombrar que os afetos e devoções dos homens estejam mal posicionados, quando confundem o autor de suas tribulações com aquEle que os socorre. O progresso da perversidade e da miséria costumam ser rápidos, e é honroso pensar que o pecador é levado à eternidade com a sua própria maldade.

2 Crônicas 29 Versículos 1-19: O bom reinado de Ezequias em Judá; 20-36: O sacrifício de expiação de Ezequias. Vv. 1-19. Quando Ezequias assumiu o trono, aplicou-se imediatamente à realização de reformas. os que começam empenhados a servir a Deus iniciam suas atividades pelo lado bom, e por isso prosperarão. os que dão as costas aos mandamentos de Deus, também abandonam a Deus. contudo, há os que se descuidam, não lêem e nem abrem a Palavra devidamente, porque esta atitude era representada pelo acender das lâmpadas. Eles também não oram e nem oferecem louvores ao Senhor, porque estas atitudes eram representadas pelo incenso que ardia. o descuido em relação à adoração a Deus foi a causa das calamidades sob as quais caíram. Somente o Senhor é capaz de preparar o coração do homem para a vida de santidade; quando alguém faz bem em pouco tempo, a glória deve ser atribuída a Ele. Nisto se regozijarão todos os que amam o Senhor, ou que amam os seres humanos. os que fazem uma boa obra devem aprender a fazê-la bem. Vv. 20-36. Assim que Ezequias soube que o templo estava pronto, não perdeu tempo. Deveria fazer expiação pelos pecados cometidos


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 24 durante o reinado passado. Não bastou lamentar-se e deixar os pecados; ofereceu uma oferta pelo pecado. o nosso arrependimento e reforma não obterão perdão sem Cristo; Ele foi feito pecado por nós, isto é, oferta por nossos pecados. Os levitas cantavam enquanto as ofertas estavam no altar. A tristeza pelo pecado não deve evitar que louvemos a Deus. o rei e a congregação aprovaram tudo o que foi feito. Não basta somente estarmos no lugar onde se adora a Deus se não o adorarmos de coração. Devemos oferecer nossos sacrifícios espirituais, de louvor e de ação de graças, ao dedicarmos a nossa própria vida e tudo o que possuímos como sacrifício aceitável ao Pai, e somente através do Redentor.

2 Crônicas 30 Versículos 1-12: A páscoa de Ezequias; 13-20: Celebra-se a Páscoa; 21-27: A festa dos pães asmos. Vv. 1-12. Ezequias deu as boas vindas à Páscoa ao convidar todo o Israel para celebrá-la, como se todos fossem os seus próprios súditos. Rendamo-nos ao Senhor, e não digamos que faremos o que nos apraz; decidamos fazer o que Ele quer que façamos. Percebemos na mente carnal uma rigidez, obstinação e inaptidão para obedecer a Deus. Estes modos são aprendidos com os pais incrédulos, e devem ser superados. os que, por meio da graça, têm-se voltado a Deus, devem fazer todo o possível para que os demais também se aproximem dEle. O povo poderá zombar; porém, muitos se humilharão e serão beneficiados, provavelmente aqueles de quem menos se espera. A rica misericórdia de Deus é o grande argumento para dar vigência ao arrependimento; mesmo o mais vil que se submete e se rende será certamente salvo. Ó! Quem dera fossem enviados mensageiros para levar esta boa nova a toda a cidade, aldeias e todo o território! Vv. 13-20. Quanto às ordenanças solenes, é necessário que no serviço a Deus esta obra seja feita de coração; sem isto, ele nada será. onde há sinceridade e decisão de coração, contudo, podem haver muitas


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 25 coisas que não alcancem a purificação do santuário. Estes defeitos precisam da graça que perdoa e sara, porque as omissões no dever são pecados iguais às omissões do dever. Seríamos reprovados, mesmo por causa de nossas melhores obras, se Deus não nos tratasse com estrita justiça. A maneira de obter perdão é quando o buscamos em Deus através da oração; deve ser conseguido ao pedi-lo através do sangue do Senhor Jesus Cristo. Contudo, todo o defeito é pecado e precisa do perdão. Isto deve nos manter humildes. Não devemos desanimar, ainda que nada seja capaz de compensar a falta de um coração preparado para buscar ao Senhor. Vv. 21-27. Muitas orações foram feitas a Deus com as ofertas de paz. Nestas, Israel considerava o Senhor como o Deus de seus pais, um Deus que tem um pacto com eles. Também houve abundância de boa pregação. os levitas leram e explicaram as Escrituras. A fé vem pelo ouvir, e a verdadeira religião tem sempre florescido conforme cresce a fiel pregação bíblica. Cantaram hinos a cada dia: louvar a Deus deve ser uma grande parte de nossa obra nas assembléias religiosas. Após terem guardado os sete dias da festa nesta forma religiosa, tiveram tanto consolo que guardaram, além destes, outros sete dias, e isto fizeram com alegria. os deveres santos devem ser cumpridos com santa alegria. E quando os pecadores se humilham diante do Senhor, podem esperar alegria de suas ordenanças. os que saboreiam esta alegria não se cansarão rapidamente, mas se regozijarão, por poderem prolongar o seu gozo.

2 Crônicas 31 Ezequias destrói a idolatria. Depois da Páscoa, o povo de Israel dedicou-se vigorosamente a destruir os monumentos à idolatria. As ordenanças bíblicas deveriam nos incitar a limparmos da sujeira do pecado, da idolatria e da cobiça os nossos corações, lares e tendas, e entusiasmar os demais para que façam o mesmo. A melhoria que vem após as ordenanças solenes é da maior


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 26 importância para a religião pessoal, familiar e pública. Quando eles experimentaram a doçura da ordenança de Deus na última páscoa, tiveram liberdade para manter o serviço do templo. Os que desfrutam do benefício de um ministério estabelecido não reclamarão pelos gastos que este produz. Em tudo o que Ezequias intentou para o serviço a Deus, foi fervoroso e decidido em seu enfoque e dependência, e prosperou. Mesmo que muitos ou poucos talentos nos tenham sido confiados, podemos melhorá-los e estimular os demais a que façam o mesmo. Tudo o que é empreendido com sincera consideração da glória de Deus triunfará finalmente para a nossa honra e consolo.

2 Crônicas 32 Versículos 1-23: A invasão de Senaqueribe; a sua derrota; 24-33: A enfermidade de Ezequias; o seu próspero reinado e a sua morte. Vv. 1-23. Os que encomendam a sua segurança a Deus devem utilizar os meios adequados, pois se não o fazem, estarão tentando-o. Ezequias reuniu o seu povo e falou-lhe animadoramente. A confiança em Deus nos levantará acima do medo que impera no homem. Que os bons súditos e soldados de Jesus Cristo descansem em sua Palavra, e digam com plena confiança: "Se Deus é por nós, quem será contra nós?" Através do favor de Deus, perdem-se os inimigos e ganham-se amigos. Vv. 24-33. Deus deixou Ezequias a sós para que, através desta prova e de sua fraqueza nela, fosse possível conhecer que seu coração não era tão perfeito em graça, como acreditava ser. É bom que conheçamos a nós mesmos, nossas fraquezas e pecaminosidade, para não nos ensoberbecermos nem confiarmos em nós mesmos, e que sempre vivamos na dependência da graça divina. Não conhecemos a corrupção de nosso coração, nem a descobriremos, se Deus nos deixar entregues a nós mesmos.


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 27 O pecado de Ezequias foi que o seu coração se exaltou. Os homens bons e os úteis precisam estudar as suas enfermidades e atitudes néscias, as suas obrigações com a graça de Deus, para que jamais pensem orgulhosamente sobre si mesmos; antes, roguem com fervor a Deus para que Ele sempre os mantenha humildes! Ezequias devolveu mal a Deus pelos favores que a Ele realizou, e fez ainda destes favores o alimento e o combustível de seu orgulho. Impeçamos toda e qualquer ocasião de pecar; evitemos a companhia, as diversões, os livros e os próprios olhares que sejam capazes de levar-nos a pecar. Encomendemo-nos sempre ao cuidado e à proteção de Deus; roguemos a Ele que jamais nos deixe e nem desampare. Bendito seja Deus, pois a morte finalizará imediatamente o conflito do crente; então o orgulho e todo o pecado serão abolidos. o crente não será mais tentado a reter o louvor que pertence ao Deus da sua salvação.

2 Crônicas 33 Versículos 1-20: A maldade e o arrependimento de Manassés; 2125: O malvado reinado de Amom em Judá. Vv. 1-20. Vimos a maldade de Manassés; aqui temos o seu arrependimento, que é um caso memorável das riquezas da misericórdia e do perdão de Deus, e do poder de sua graça renovadora. Privado de sua liberdade, separado de seus maus conselheiros e companheiros, sem qualquer perspectiva além de terminar os seus dias em uma prisão miserável, Manassés pensou no que se passara; começou a clamar por misericórdia e libertação. confessou os seus pecados, condenou-se a si mesmo, humilhou-se diante de Deus e detestou-se como monstro ímpio e cruel. Porém, esperou ser perdoado através da abundante misericórdia do Senhor. Então Manassés soube que Jeová é Deus, capaz de livrar, que era o Deus da salvação; aprendeu a temê-lo, confiar nEle, amá-lo e obedecerlhe. A partir deste momento, teve um novo caráter e andou em novidade de vida. Quem sabe que torturas de consciência, que suspiros de dor, que


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 28 medo da ira, que remorso e agonia suportou quando contemplou os seus muitos anos de apostasia e rebelião contra Deus, ao dirigir milhares de pessoas ao pecado e à perdição, em sua culpa sangrenta por perseguir os filhos de Deus? E quem pode reclamar que o caminho ao céu esteja bloqueado, quando vê que entra um pecador como este? Mesmo que pensemos o pior sobre nós mesmos, aqui está o exemplo de um homem tão mau, que mesmo assim encontra o caminho do arrependimento. Não neguemos a nós mesmos o que o próprio Senhor Deus não nos tem negado. Não é o pecado que fecha o céu para o pecador, pois há perdão no Salvador; o que lhe fecha o céu é a sua própria impenitência. Vv. 21-25. O pai de Amom fez o mal; porém, este fez ainda pior. Quaisquer que tenham sido as advertências ou as acusações que recebeu, jamais se humilhou. Foi imediatamente cortado em seus pecados, e converteu-se em advertência para todos os homens, a que não abusem do exemplo da paciência e misericórdia de Deus para com Manassés, e venham a considerá-la como um alento para que prossigam no pecado. Que Deus nos ajude a ser honestos, cada um de nós consigo mesmos, e a pensarmos corretamente acerca do nosso próprio caráter, antes que a morte nos deixe em um estado irreparável.

2 Crônicas 34 O bom reinado de Josias em Judá. Como os anos da infância não servem para os nossos semelhantes, assim a nossa juventude mais tenra deveria ser dedicada a Deus, para que não desperdiçássemos algo do breve espaço de vida restante. Felizes e sábios são os que buscam ao Senhor, e preparam-se para serem úteis mesmo em sua idade mais tenra, enquanto outros andam em busca de prazeres pecaminosos, contraem maus hábitos e estabelecem relações destrutivas. o que seria capaz de expressar a angústia evitada pela piedade logo nos primeiros anos de vida, e os seus benditos efeitos?


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 29 O exame e a vigilância diligentes de si mesmos nos convencerão de quão enganoso e perverso é o nosso coração, e da pecaminosidade de nossa vida. Aqui somos exortados a humilharmo-nos diante de Deus, e buscá-lo como fez josias. Aqui, ensina-se aos crentes a não temerem a morte, mas a dar-lhe as boas-vindas quando esta vier nos apartar do mal vindouro. Nada é capaz de acelerar a ruína de um povo, nem de fazê-lo amadurecer mais para a sua própria perdição, do que os seus descuidos quanto aos intentos de reforma. Não vos enganeis; ninguém é capaz de escarnecer de Deus. A corrente e o movimento permanente dos afetos somente se movem por ordem do que levanta os mortos em delitos e pecados. contemplamos a formosura peculiar da graça que o Senhor outorga àqueles que em seus anos de ternura procuram conhecer e amar o Salvador. Jesus, a aurora do alto, já lhe visitou? você pode atribuir à sua juventude o conhecimento desta luz, que é a vida do homem, como fez josias? Essa é indescritível felicidade de nos familiarizarmos com Jesus desde os nossos primeiros anos de vida!

2 Crônicas 35 Versículos 1-19: A Páscoa é celebrada por Josias; 20-27: Josias morre em uma batalha. Vv. 1-19. A destruição da idolatria, realizada por Josias, foi relatada com mais detalhes no livro dos Reis. Aqui se narra a celebração formal e solene da Páscoa. A ceia do Senhor recorda a Páscoa mais do que qualquer outra das festividades judaicas, e a devida observância desta ordenança é prova de crescente piedade e devoção, Somente Deus pode tornar os nossos corações verdadeiramente santos, e prepará-los para os seus santos serviços; porém, há deveres que são nossa obrigação e, ao cumpri-los, alcançamos esta bênção do Senhor. Vv. 20-27. A Escritura não condena a conduta de Josias, de fazer oposição a Faraó. Porém, parece-nos que Josias tem a culpa de não consultar ao Senhor assim que advertido. Sua morte provavelmente foi


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 30 uma reprovação por sua precipitação, e um juízo contra um povo mau e hipócrita. O que leva uma vida de arrependimento, fé e obediência, não pode ser afetado pela maneira súbita pela qual possa vir a ser retirado. O povo o lamentou; mas muitos dos que sentem a dor pelos sofrimentos não abandonam os pecados que fizeram Deus enviar tais juízos. Porém, isto somente pode tirar os juízos. Se culpamos Josias, devemos estar alertas para não ser cortados de uma maneira desonrosa, para a nossa profissão de fé.

2 Crônicas 36 Versículos 1-21: A destruição de Jerusalém; 22-23: A proclamação de Ciro. Vv. 1-21. A ruína de Judá e de Jerusalém foram graduais. os métodos que Deus adota para chamar de volta os pecadores por sua Palavra, através de seus ministros, pela consciência e por providências, são todos exemplos de sua compaixão para com eles, e do seu desejo de que nenhum deles pereça. observemos aqui o terrível caos que é produzido pelo pecado e, à medida que valorizamos o consolo e a continuidade de nossas bênçãos terrestres, mantenhamos este verme afastado de suas raízes. Eles araram e semearam a sua terra por muitas vezes no sétimo ano, quando esta deveria ter repousado, e agora estavam sem arar e sem semear durante setenta anos, que são dez vezes sete anos. Ao final, Deus não sofrerá prejuízos em sua glória por causa da desobediência dos homens. Se eles se negaram a permitir que a terra repousasse, Deus a faria repousar. Que lugar a justiça divina perdoará se Jerusalém tiver perecido? Se esta delícia do Senhor foi cortada pelos males que cometeu, não sejamos altivos, mas temamos. Vv. 22 e 23. Deus prometera restaurar os cativos e reconstruir Jerusalém, ao final de setenta anos e, o tempo fixado, o tempo de


2 Crônicas (Comentário Bíblico de Matthew Henry) 31 favorecer Sião por fim chegou. Ainda que a religião tenha sido derribada, não havia sido expulsa; ainda que o seu povo tenha sido corrigido, não foi abandonado; ainda que tenha sido arrojado à fornalha, não se perde ali, nem é deixado por mais tempo do que o necessário para separar o bastardo. Ainda que Deus contenda por muito tempo, não contenderá para sempre. Antes de encerrar o nosso comentário sobre o livro das crônicas dos reis de Israel e Judá, que contém o fiel registro dos fatos e dos feitos, pensemos que desolação o pecado introduziu no mundo, e até mesmo na Igreja. Tremamos pelo que é assim narrado, ainda que no caráter de algumas poucas almas bondosas descubramos que o Senhor não fica sem as suas próprias testemunhas. E quando tivermos contemplado este fiel retrato da natureza do homem, comparemo-lo com a mesma natureza que é renovada pela graça do Todo-poderoso, através da justiça do Senhor Jesus Cristo, o nosso Salvador, que justifica e adorna a alma.


2 Cronicas - M. Henry