Page 1

1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

CONSTRUINDO O PROJETO “CUIDAR DO QUE TEMOS E CRESCER COM QUALIDADE” e-mail marcio.isabel.uft@gmail.com

I.

Introdução

Ao completar 08 anos desde sua implantação, a Universidade Federal do Tocantins (UFT) vivencia um momento de expansão e qualificação das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Imensos foram os desafios enfrentados nestes últimos anos para elevarmos a nossa Universidade ao patamar de terceira instituição de maior produção científica da região Norte e se tornar referência no ensino superior do Estado do Tocantins. Avaliando esse percurso institucional, entendemos que para continuarmos avançando na consolidação dessa jovem Universidade, temos que cuidar bem do que já foi construído e buscarmos a expansão, não somente quantitativa, mas com garantia de qualidade, em que não somente os resultados serão priorizados, mas, sobretudo a formação da pessoa, do profissional com autonomia e visão emancipatória. No ensino de graduação, dos atuais 48 cursos, 18 foram implantados após a criação da UFT. Os resultados positivos dos processos de avaliação dos cursos de graduação efetuados pelo Ministério da Educação, em que todos os cursos avaliados obtiveram o conceito 4 de um máximo de 5 pontos, refletem que estamos avançando com qualidade. Refletem, sobretudo, o esforço empenhado da Universidade para a qualificação dos professores e dos técnico-administrativos, pela discussão e reformulação de todos os projetos pedagógicos dos cursos, pela implementação de programas de melhoria da aprendizagem. Saímos de pouco mais de 200 professores para mais de 700 docentes concursados e aproximadamente 600 técnicoadministrativos, sendo XXX são doutores ou estão em doutoramento e XXX são mestres. Os esforços na pós-graduação foram tecnicamente muito bem conduzidos face ao rigor da avaliação da CAPES/MEC, elevando a UFT de 01 programa de mestrado em 2004 para 13 programas de mestrado e 03 doutorados em 2011. Esses dados revelam que o caminho para a qualificação, o investimento em infraestrutura para pesquisa e pós-graduação foram acertados. Todo esse dinamismo se deve, indubitavelmente, ao compromisso e competência dos seus gestores e ao empenho de todos que fazem a nossa universidade. No campo da pesquisa científica, iniciamos com 13 alunos de iniciação científica e atualmente contamos com 429. Os grupos de pesquisa criados chegaram à marca de 128 grupos cadastrados no CNPq, sendo o maior número nas ciências humanas (35), seguido da área das ciências agrárias (27).


2 Na assistência estudantil, a UFT apresentou uma evolução importante no tocante ao atendimento aos nossos mais de 13.000 alunos distribuídos nos 07 campi. Foram licitados 03 restaurantes universitários para atender toda a comunidade universitária (alunos, técnicoadministrativos e professores). Cerca de 500 estudantes são contemplados com bolsa permanência, todo semestre, atendendo aos estudantes com vulnerabilidade social. No âmbito da Extensão e da Cultura, a preocupação com a integração universidade/sociedade esteve no cerne do compromisso social da UFT e construiu ao longo destes oito anos um leque de possibilidades de interação com a comunidade. Coerente com o Plano de Desenvolvimento Institucional, a Universidade buscou priorizar o acesso da comunidade aos conhecimentos científicos, tecnológicos e culturais como forma de promover a integração com a universidade e de contribuir para o desenvolvimento regional. Todas essas ações estiveram pautadas em cinco eixos principais: promoção da cidadania, apoio à diversidade étnico racial; apoio ao desenvolvimento estudantil; apoio à permanência acadêmica e à arte e cultura. A gestão institucional buscou criar as condições favoráveis à elevação dos padrões de desempenho da vida acadêmico-administrativa por meio da criação de sinergias entre os diversos setores da Instituição e a gestão dos campi universitários. Esse processo foi construído de forma participativa, por meio do planejamento estratégico que implicou em discussão com a comunidade acadêmica sobre as políticas, programas institucionais, demandas de infraestrutura e equipamentos necessários aos laboratórios de ensino e pesquisa, aos ambientes para professores e salas de aula. Foi também implantada de forma sistemática a avaliação institucional como forma de aprimorar os processos de gestão e do planejamento institucional. Todas essas ações buscaram prioritariamente melhorar a gestão com vistas a sua modernização e disponibilização à comunidade acadêmica das condições adequadas ao funcionamento acadêmico-administrativo da Universidade. Considerando a diversidade de estrutura dos campi universitários, foi elaborado e proposto ao Ministério da Educação um Plano de Expansão e Consolidação dos campi de Arraias, Miracema, Tocantinópolis, Porto Nacional e Gurupi. Esse projeto tem como objetivo a superação dos problemas gerados pela oferta de apenas dois cursos na maioria desses campi, o que inviabiliza a flexibilização curricular, o desenvolvimento de atividades de ensino e pesquisa interdisciplinares e a promoção de uma ambiência acadêmica. Referido processo já foi aprovado, inclusive em audiência dos diretores dos campi com o Ministro da Educação e encontra-se em processo de instauração dos debates pela comunidade acadêmica e sociedade em geral. Todo esse resultado passa sem sombra de dúvida sobre a discussão conceitual, filosófica e prática acerca do papel da universidade na sociedade, assim como sobre sua missão técnico-científica, enquanto produtora e difusora de conhecimentos científicos, culturais e técnicos que constituem patrimônio da humanidade. À Universidade compete promover o desenvolvimento educacional e a produção de conhecimento e tecnologias no estado do Tocantins pautados por princípios de democratização, autonomia, indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão e compromisso social fomentado de forma conjugada com a qualidade de suas ações e resultados. Esse cenário nos leva a refletir sobre o entendimento dos paradigmas atuais e o papel das universidades públicas, o que exige de todos nós uma profunda reflexão sobre as


3 fragilidades que a UFT apresenta. A contínua qualificação de nossa universidade demanda necessariamente a criação de espaços de debates sobre o contexto mundial, sobre os caminhos e descaminhos vivenciados pela educação superior e pela ciência e tecnologia, assim como o enfrentamento de questões postas pelo contexto tocantinense e pela região Norte. Passa, sobretudo, pela busca do aprimoramento de nossos esforços no sentido de concretizar a nossa missão como instituição pública de ensino superior, pela reformulação de pensamento, de procedimentos e da implementação de novas metodologias de ensino e aprendizagem. Neste contexto, a comunidade universitária terá, sobretudo, que consolidar o projeto democrático implantado, assegurando a participação de todos no processo de construção de uma instituição que está apenas começando sua grandiosa trajetória, fundamentada no tripé: ensino, pesquisa e extensão. Acreditamos firmemente que isto somente será possível num espaço do diálogo, de companheirismo e, sobretudo, de valorização do ativo intelectual da UFT, formado por professores, servidores e estudantes. É fundamental que busquemos o envolvimento de todos os segmentos da comunidade acadêmica e da sociedade em geral, de forma participativa. Com vistas a contribuirmos com esse processo, apresentamos o Projeto CUIDAR DO QUE TEMOS E CRESCER COM QUALIDADE, construído a partir das contribuições formuladas pelos cursos, campus, colegiados, núcleos de pesquisa e extensão, grupos de trabalho, setores e órgãos que compõem o corpo da UFT. Acreditamos que esse compromisso, que ora estamos assumindo, somente será possível se entendermos a Universidade como um espaço de diálogo, de companheirismo, de ciência, do saber, da técnica, da arte e da cultura - um projeto ousado, mas que valorize e busque ser referência no ensino, pesquisa e extensão e internalize, sobretudo, o pensamento acerca do conceito e do papel de uma Universidade pública para a sociedade. A partir desse cenário, algumas questões nortearão os debates e as nossas proposições: 1. Quais pressupostos e metas serão priorizados no sentido de permanecermos focados no caminho da excelência? 2. Como aperfeiçoar as articulações entre as áreas do conhecimento dos campi universitários de forma a se estabelecer uma nova organização espacial, acadêmico, administrativo e fomentar o intercâmbio entre os cursos de graduação, a pós-graduação, as linhas de pesquisa e extensão e a mobilidade discente? 3. Como valorizar o que já construímos e expandirmos com garantia de qualidade? 4. Quais avanços poderão ser implementados para o aperfeiçoamento da gestão institucional com vistas à consolidação da missão institucional? Entendendo a Universidade como uma instituição estratégica que garante a soberania de uma nação, pois é essencialmente em seu meio que se formam os cidadãos preparados para assumir as lideranças científicas, culturais e políticas do País, apresentamos


4 alguns princípios que deverão nortear as ações do “Projeto Cuidar do que temos e Crescer com Qualidade” sem perdermos de vista o projeto maior da UFT, que está delineado em seu Plano de Desenvolvimento Institucional e em seus documentos legais. O “Projeto Cuidar do que temos e Crescer com Qualidade” busca o engajamento da comunidade acadêmica nos debates sobre os caminhos a serem trilhados pela UFT rumo a excelência. Por meio do diálogo aberto, propositivo e comprometido com a ética e a transparência do serviço público federal toda a comunidade acadêmica será incentiva a promover um amplo debate sobre todas as temáticas relevantes que contribuirão para continuarmos construindo uma grande Universidade: a UFT. II.

Princípios do “Projeto Cuidar do que temos e Crescer com Qualidade”

Os princípios que nortearão esse Projeto são: 1. Transparência, planejamento e gestão participativa. 2. Consolidação e expansão com garantia de qualidade. 3. Discussão e implantação de uma nova organização espacial e acadêmicoadministrativa. 4. Qualificação dos processos de ensino e aprendizagem. 5. Valorização e qualificação dos servidores. 6. Aprimoramento da política estudantil. 7. Inserção Social, respeito à pluralidade e compromisso da universidade para com o desenvolvimento regional. Apresentamos a seguir as linhas de ação que serão privilegiadas com vistas à consecução dos princípios acima elencados:

1. TRANSPARÊNCIA, PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA A definição das prioridades e ações que visam ao desenvolvimento e consolidação do “Projeto Cuidar do que temos e Crescer com Qualidade” será pautada pelos princípios de autonomia, transparência administrativa e de gestão comprometida com a participação da comunidade acadêmica. As decisões sobre a aplicação dos recursos serão tomadas por meio de processos envolvendo representantes do corpo docente, discente e técnico-administrativos democraticamente escolhidos. A captação de recursos será regida por uma política de transparência, desde a arrecadação até os critérios de alocação. Serão estabelecidos canais de comunicação com a comunidade acadêmica e sociedade em geral com vistas a tornar públicas as ações da UFT.


5 A proposta que apresentamos acredita que somente a gestão participativa e inovadora possibilita às pessoas tomarem decisões condizentes com o contexto regional, com os anseios da comunidade interna e externa e com o crescimento institucional, pois respeita, além da pluralidade das ideias, a autonomia e torna a todos corresponsáveis pelas decisões tomadas, sejam acadêmicas ou administrativas, garantindo, ainda, a transparência, a visibilidade das ações e o bem-estar da comunidade. Linhas de ação: a) Planejamento  Fortalecimento das instâncias democráticas como conselhos e órgãos representativos de todos os segmentos da Universidade.  Reorganização dos Conselhos Superiores da Universidade tornando-os instâncias de discussão e decisão de questões voltadas para as finalidades macro-institucionais, repassando para as Câmaras os aspectos de cunho administrativo-operacional.  Realização de diagnósticos internos e dos fatores externos à Instituição para identificação de necessidades, definição de prioridades e decisão quanto à aplicação dos recursos orçamentários buscando agregar a esse processo os aspectos formativos e políticos.  Planejamento a curto, médio e longo prazo dos processos financeiros, administrativos e pedagógicos com envolvimento das diversas instâncias gestoras e representativas da Instituição.  Incentivo ao envolvimento da comunidade acadêmica na formulação, execução, acompanhamento e controle social dos processos desenvolvidos na Instituição de forma a garantir a gestão transparente dos processos administrativos, financeiros e pedagógicos.  Promoção de acompanhamento e avaliação sistemática dos processos institucionais e de forma retroalimentar as ações do planejamento. b) Operacionalização do Processo de Gestão Participativa  Criação de Comissões de Acompanhamento de Gestão Estratégica setorizada.  Aprimoramento das ações de comunicação à comunidade acadêmica no que se refere ao planejamento, execução e avaliação dos processos educativos nas dimensões financeira, administrativa e pedagógica. Para sua viabilização implementará meios para: • • • •

disponibilizar no portal da transparência as metas, despesas realizadas e cronograma de execução das ações, em conformidade com os planos (curto, médio e longo prazo); promover debates sobre o andamento das questões de planejamento nos conselhos superiores; manter uma ouvidoria operante no portal da transparência; incentivar a participação da comunidade universitária, por diversos meios presenciais e não presenciais - nos debates e tomadas de decisões.


6

 Ampliação da atuação da Ouvidoria na Reitoria.  Implantação da Ouvidoria em todos os campi universitários.  Retomada imediata das discussões da Estatuinte com os seguintes desdobramentos: • estabelecimento de novo cronograma de ações em cada campus universitário e de plenárias para deliberação do texto final; • promoção de audiências públicas em cada campus a partir de temáticas específicas; • realização do Congresso da Estatuinte; • aprovação das propostas nos Conselhos Superiores; • reorganização dos espaços consoantes com os termos da Estatuinte.  Atualização do Plano de Desenvolvimento Estratégico da UFT.  Retomada do debate com vistas à atualização do PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional.  Atualização do Projeto Pedagógico Institucional.  Implantação do Programa “Reitoria Itinerante”, com reuniões de trabalho periódicas em cada um dos campi universitários.  Descentralização e aprimoramento da gestão de processos e procedimentos técnicoadministrativos de todos os setores administrativos da UFT e de modo especial os relacionados aos setores de Desenvolvimento Humano, Patrimônio e Materiais; Compras; Secretarias e Setor de documentação; Bibliotecas; Centrais de Estágio e demais setores administrativos, conforme detalhado no item 5. Valorização e qualificação dos servidores do presente Plano de Gestão.  Em relação à Comissão Própria de Avaliação (CPA) e aos processos avaliativos institucionais, a gestão assume o compromisso de que será promovido e assegurado(a): •

o respeito à autonomia regimental e às decisões de competência da CPA;

o comprometimento da gestão em relação à publicação, publicização e observância aos resultados das avaliações institucionais quando do planejamento das ações de toda a Universidade;

a disponibilização de espaço físico, material de consumo, recursos humanos e equipamentos adequados para o desenvolvimento das atividades da CPA e das CSAs;

o suporte necessário para que a sensibilização ao processo de Avaliação aconteça de forma efetiva nos sete campi da UFT;

2) CONSOLIDAÇÃO DOS CURSOS E EXPANSÃO COM GARANTIA DE QUALIDADE. Diante do crescimento e do papel social da UFT, é imprescindível que as ações que vêm sendo desenvolvidas sejam consolidadas. Torna-se imperativo que sejam aprimoradas as


7 condições estruturais e de funcionamento dos campi e cursos e, ao mesmo tempo, que seja discutido um plano de expansão dos campi menores visando à superação de problemas decorrentes da oferta de poucos cursos, da dificuldade de desenvolvimento de atividades interdisciplinares e de proposição de programas de pós-graduação. stricto sensu. Com esse plano de consolidação e expansão será estabelecido na universidade um novo cenário acadêmico e administrativo que assegurará o ensino, pesquisa e extensão de qualidade. Com o intuito de viabilizá-lo, serão propostas as seguintes ações: a) Consolidação e expansão e da graduação e pós-graduação: 

Discussão sobre o processo de interiorização e expansão definindo critérios e indicadores que nortearão as proposições, por meio de: •

realização de amplo debate sobre o perfil e função social de cada campus visando à promoção da expansão da oferta de cursos de graduação e criação de pós-graduação stricto e lato sensu. realização de diagnóstico sobre as demandas regionais e nacionais por formação, levando-se em conta diversos aspectos, inclusive a proximidade de outras universidades e a possibilidade de oferta de cursos complementares (acadêmicos ou tecnológicos). promoção de discussão com setores da comunidade local, não se esquecendo do papel propositivo e de vanguarda da UFT.

 Ampliação do número de cursos de graduação prioritariamente nos campi que oferecem menos de 05 (cinco) cursos.  Incentivo à articulação de pesquisadores nos Institutos Intercampi com vistas à consolidação de linhas de pesquisa, proposição e implantação de (novos) programas de mestrado e doutorado.  Aprimoramento do intercâmbio de estudantes e docentes com instituições nacionais e estrangeiras.  Estruturação de redes de pesquisa e extensão com os novos blocos econômicos e comerciais (MERCOSUL).  Universalização da oferta de língua estrangeira (espanhol e inglês) para docentes e estudantes.  Incremento à política de extensão na graduação e pós-graduação. Em relação à Educação a distância:  Rediscussão e reorganização estrutural da configuração da educação a distância na UFT com a participação dos diretores e docentes envolvidos com essa modalidade de ensino.


8  Incentivo à criação de núcleos tecnológicos de estudos, pesquisas visando à proposição de cursos a distância, preferencialmente, de educação continuada mediados pelas tecnologias digitais de informação e comunicação.  Promoção de seminários internos com vistas à avaliação permanente das atividades de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas com o suporte das tecnologias digitais de informação e comunicação.  Realização de fóruns com priorização de temáticas com vistas à indução de discussões a partir do conhecimento produzido pelos pesquisadores.  Capacitação dos docentes e técnicos para a produção de material e objetos de aprendizagem como suporte às disciplinas presenciais e a distância.  Disponibilização da UFTnet com videoaulas específicas ou como suporte às atividades de monitoria e tutoria da graduação, conferências, resultados de pesquisas, dentre outros. b) Construção e/ou adequação da infraestrutura em todos os campi:  Efetivação de levantamento em todos os cursos de graduação e programas de pósgraduação em oferta visando ao atendimento das demandas para o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão nos próximos 05 anos, no que se refere à: • • • • • •

Salas de aula Laboratórios de ensino Equipamentos e mobiliários em geral Infraestrutura para os professores e técnico-administrativos Climatização Acessibilidade

 Construção/adequação dos espaços de suporte à comunidade acadêmica em todos os campi: • Construção de Restaurante Universitário ou Cantina Universitária. • Construção dos espaços de convivência incluindo espaços para diversos tipos de serviços e atividades. • Ampliação do número de terminais de acesso à informação e aos periódicos no espaço atual da biblioteca. • Ampliação do número de laboratórios de informática.  Construção/adequação dos espaços de suporte às atividades de ensino, pesquisa e extensão em todos os campi: •

Instalação de pontos de tomada de energia elétrica para conexão de notebooks e de rede wireless em diversos espaços dos campi.

Construção de espaços para atendimento específicos dos cursos e das demandas de atendimento ao público externo, tais como: empresa Junior, escritório modelo, dentre outras demandas dos cursos.


9

 Ampliação/adequação dos espaços administrativos, das secretarias acadêmicas, bibliotecas, centrais de estágio, dentre outros.  Instalação/adequação e estruturação do espaço físico para o SESDUFT, SINTAD, DCE e CAS.  Melhoria do sistema de circulação de veículos e dos estacionamentos em todos os campi.  Construção de passarelas entre blocos em todos os campi.  Promoção da arborização e paisagismo em todos os campi.  Construção de galpões para maquinário, insumos, equipamentos industriais, quando houver.  Criar condições para a implementação do plano diretor de cada campus.

b) Melhoria dos processos de comunicação com a Comunidade Acadêmica:  Estruturação de política de comunicação com ênfase nos seguintes aspectos didáticopedagógicos, culturais como forma de fomentar a comunicação nas seguintes áreas: • Rádio Universitária. • TV Universitária. • Jornal Comunidade. • Editora da Universidade.  Aperfeiçoamento dos canais internos de comunicação, como a ampliação e modernização do sistema de murais internos e implantação dos boletins CONSUNI/CONSEPE, dentre outras ações.  Definição e implantação de política de democratização do acesso à informação e ao conhecimento produzido por meio do(a): • •

Aprimoramento do sistema de acesso à informação e ao acervo da biblioteca com a instalação de computadores e redes conectadas ao SISBIB. Finalização dos procedimentos para implantação do Banco de teses e dissertações e do Repositório Institucional.

 Montagem de estrutura e espaço interativo para videoconferências, palestras e reuniões visando a articulação de grupos de estudos e de pesquisa, assim como forma de socializar atividades e eventos realizados nos diversos campi.

3) DISCUSSÃO E IMPLANTAÇÃO DE UMA NOVA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL E ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA


10

A demanda pela implementação de programa de consolidação contínua dos atuais cursos de graduação, pós-graduação e produção científica nos diversos campi da UFT, assim como de expansão dos campi com menor número de cursos, tem sinalizado de forma recorrente a fragilidade de articulação entre os professores e pesquisadores dos sete campi universitários. A UFT dispõe hoje de um número elevado de mestres e doutores, que, muitas vezes desenvolvem pesquisas similares ou em áreas integradas, mas que não se articulam como forma de fortalecer as linhas de pesquisa e a produção científica e, consequentemente, de ampliar as áreas de oferta da pós-graduação. Como forma de promover a articulação e integração entre as áreas de conhecimento, cursos, programas e produção científica, o “Projeto Cuidar do que temos e Crescer com Qualidade” propõe a discussão e implantação de uma nova organização em Institutos intercampi de ensino, pesquisa e extensão agrupados por área de conhecimento ou linhas de pesquisa e extensão. Linhas de Ação:  Discussão e criação de Institutos intercampi integradores do ensino, pesquisa e extensão congregando pesquisadores das áreas afins ou complementares com vistas ao fortalecimento da produção científica, à proposição de novas linhas de pesquisa e a implantação de programas de pós-graduação stricto sensu.  Discussão e organização de Colegiados Integradores das áreas de conhecimento ou linhas de pesquisa e extensão dos Institutos intercampi integradores do ensino, pesquisa e extensão.  Implementação de núcleos de pesquisas avançadas intercampi em áreas de excelência ou de relevância para a UFT. 

Integração das áreas de conhecimento dos cursos e campi de forma a promover projetos de pesquisa e extensão numa perspectiva inter e transdisciplinar.



Articulação dos cursos de graduação e programas de pós-graduação de áreas afins dos diversos campi a partir dos grupos de pesquisa e extensão multi e interdisciplinares.

 Incentivo à oferta de cursos de pós-graduação lato sensu subsidiados por critérios sistemáticos de avaliação a partir da inter-relação dos pesquisadores.  Implementação de Programa de Mobilidade intercampi e interinstitucional para pesquisadores integrantes dos Institutos de ensino, pesquisa e extensão.  Construção de infraestrutura para dar suporte à mobilidade interna a servidores durante o período de realização das ações atinentes aos Institutos.  Implantação de sistema de grupos de pesquisa em rede visando à ampliação da produção do conhecimento com o suporte técnico da Diretoria de Tecnologias Educacionais.


11

4) QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM Segundo Zabalza (2001: 37), a qualidade é algo construído dia-a-dia e de maneira permanente, ou seja, numa combinação de meios, resultados e pessoas numa lógica permanente e a longo prazo. Nesse sentido, entender a qualidade educativa como processo implica concebê-la dinamicamente, construída de forma planejada com a participação da comunidade universitária e a sociedade. A busca sistemática de ampliação do debate sobre a qualidade do processo de ensino e aprendizagem permeará todas as ações dos cursos e programas da UFT. Linhas de ação: Considerando que a categoria ensino exerce centralidade no processo educativo e que todo estudante tem direito à educação, propomos: a) Implementação de Política de equalização de aprendizagem dos conhecimentos básicos da graduação e introdutórios à graduação por meio de: •

Realização de debate junto à comunidade acadêmica, a partir de diagnóstico de desempenho dos estudantes nos vestibulares, tendo em vista inseri-los em programas de equalização de aprendizagem em áreas de conhecimento específicas.

Ampliação e aprimoramento de programas institucionais de incentivo à aprendizagem como monitorias, tutorias para os estudantes nas áreas básicas e nos anos iniciais dos cursos de graduação.

Implantação de programa de acompanhamento multiprofissional incluindo a assistência psicopedagógica, pedagógica e de profissionais da saúde em todos os campi.

b) Implementação de política de permanência e sucesso na graduação por meio da promoção de: 

Realização de diagnóstico semestral com vistas à identificação dos estudantes em risco de reprovação e/ou evasão, buscando os seguintes indicadores: • Reprovações sucessivas. • Numero elevado de faltas nas atividades acadêmicas. • Indicação de estudantes com baixo rendimento ou com risco de evasão pelos professores da turma.



Implementação de sistema de tutoria com professores e monitores bolsistas em áreas específicas.


12  Implantação de política de permanência dos estudantes indígenas a partir da discussão com os estudantes indígenas e lideranças e as pró-reitorias de Graduação, Assistência Estudantil e Extensão e Cultura. 

Definição no planejamento semestral de eixo transversal articulador do ensino, pesquisa e extensão das disciplinas do curso e inserção dos estudantes em ações e programas ou projetos interdisciplinares.



Proposição de ações indutoras da integração do ensino, pesquisa e extensão nos cursos de graduação e pós-graduação.  Implementação de política de assistência a estudantes com necessidades especiais por meio de: • Estruturação do Núcleo de Apoio ao estudante aos estudantes com necessidades especiais em todos os campi com equipamentos, softwares, assistência especializada. •

Concessão de monitores-bolsistas para acompanhamento de estudantes com necessidades especiais que demandarem tal assistência.

Promoção de atendimento especializado por meio de parcerias com outros órgãos federais e estaduais para dar assistência aos estudantes com necessidades especiais.

Promoção de acompanhamento técnico especializado com vistas a garantir a acessibilidade plena dos estudantes às atividades de ensino, pesquisa e extensão.

 Realização de eventos temáticos que priorizem o diálogo e discussão de experiências nacionais e internacionais na área de ensino e aprendizagem, e eventual aplicação.  Problematização das características estaduais, regionais e locais como os principais alvos do processo de ensino-aprendizagem, sem desconsiderar as questões nacionais e internacionais.  Criação de condições institucionais aos docentes para o desenvolvimento de práticas de ensino que articulem os ambientes presenciais e virtuais, com utilização das tecnologias digitais da informação e comunicação.  Fortalecimento do Programa de Formação contínua de professores da UFT.  Implantação plena do Fórum das Licenciaturas.  Proposição e implantação do Fórum dos Bacharelados.  Fortalecimento e/ou implantação do Centro de Línguas em todos os campi.  Estabelecimento de uma relação mais orgânica entre as instâncias das pró-reitorias de ensino, pesquisa e extensão com as coordenações de curso e professores na promoção de subsídios e num movimento de ação-reflexão-ação com vistas ao aperfeiçoamento do processo ensino-aprendizagem na instituição.


13 

Fortalecimento das ações de articulação com a Educação Básica, especialmente, dos cursos de licenciatura, com vistas a fortalecer os conhecimentos básicos dos estudantes ingressantes na graduação.



Implementação de política de estabelecimento de novas parceiras com instituições públicas e privadas receptoras de estagiários e de fortalecimento das parcerias exitosas.



Promoção de espaços formais para ampliação do diálogo entre Universidade e o setor produtivo visando à preparação teórica e prática dos alunos ao longo das atividades de estágio.



Ampliação de oportunidades para a realização de estágios em universidades estrangeiras por meio de convênios e parcerias.

c) Política de fortalecimento da articulação do ensino, pesquisa e extensão:  Promoção de ações efetivas com vistas à ampliação da articulação dos projetos de pesquisa e de extensão ao currículo dos cursos de graduação.  Reestruturação das Câmaras de Ensino, pesquisa, pós-graduação, extensão e assuntos estudantis com vistas a subsidiarem os Conselhos Superiores (Consepe e Consuni) com proposições que induzam a articulação do tripé da universidade.  Implantação do sistema digital de divulgação das pesquisas e dos projetos de extensão desenvolvidos na UFT integrado a grupos de pesquisa, redes locais de pesquisa e principalmente aos trabalhos realizados nas diversas áreas do conhecimento da UFT. •

Finalização do processo de implantação do banco de teses e dissertações (BDTD) e Repositório Institucional (RI).

 Promoção de ações efetivas com vistas a levar a UFT a assumir a 2ª posição em produção científica da região Norte, por meio de: • •

ampliação de recursos para as linhas de pesquisa aprovadas no Projeto Pedagógico do curso; implementação de política mais intensa de concessão de auxílio financeiro para participação em eventos com apresentação de trabalhos;

definição de política de auxílio financeiro para publicação da produção científica dos pesquisadores institucionais.

implantação de política de publicação de revistas digitais.

implementação de novo modelo de distribuição das bolsas PIBIC/PIVIC por meio de seleção do projeto do professor que será responsável pela seleção no campus.

revisão dos critérios mínimos para a seleção de bolsistas.

 Implementação de ações efetivas com vistas à efetivação da realização das ações extensionistas em todos os cursos, por meio de:


14

• •

dotação de recursos específicos para as linhas de extensão aprovadas no Projeto Pedagógico do curso; implementação de política de concessão de auxílio financeiro para participação em eventos com apresentação de trabalhos de extensão;

definição de política de auxílio financeiro para publicação da produção da produção de conhecimento gerada a partir dos projetos de extensão.

implementação de programas de extensão articulando a graduação e programas de pósgraduação

 Consolidação das Coordenadorias de Pesquisa e Pós-Graduação, assim como de Extensão e Cultura do campus.  Implantação de Programa de Fomento à Pesquisa na UFT por meio da: •

Criação de fundo de pesquisa através da prestação de serviços e contribuição dos projetos aprovados.

Aprimoramento do Programa de Reconhecimento da UFT em relação ao trabalho desenvolvido pelos pesquisadores visando à concessão de auxílio publicação e de participação em eventos, por área de conhecimento.

 Criação da Menção de Destaque em Pesquisa para os professores que se destacarem na pesquisa nas diversas áreas do conhecimento e de Destaque em Extensão para os projetos de referência em extensão.  Criação do Prêmio Jovem Cientista do campus e da UFT.  Criação do Prémio para os projetos de extensão de destaque na Universidade.  Implantação da Láurea Acadêmica aos estudantes de graduação que se destacarem no ensino, pesquisa e extensão no campus e na Universidade.  Realização do Congresso Científico de forma itinerante em cada campus. 

Aprimoramento da sistemática de realização do Seminário Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão articulando os diversos eventos científicos, extensionistas, culturais da graduação e pós-graduação.

 Integração das demandas tecnológicas das Empresas Incubadoras às pesquisas acadêmicas institucionais.  Fortalecimento dos programas de intercâmbio com instituições nacionais e internacionais visando à ampliação da mobilidade estudantil e docente para complementação de estudos.

5) VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES.


15 O desenvolvimento humano configura-se como condição essencial para o fortalecimento institucional. Em nosso projeto, a Universidade precisa participar de forma ativa e decisiva das mudanças por que passa a sociedade e utilizar este momento como uma oportunidade estratégica de interferir no processo formativo e de desenvolvimento da região sem perder de vista seus mais importantes valores e tradições dentre os quais se destaca a busca da excelência, entendida como qualidade socialmente referenciada. Para tanto, a valorização dos recursos humanos é vital como forma de potencializar a massa crítica da Universidade. A formação contínua dos docentes e técnicos é crucial para que a UFT se consolide cada vez mais como produtora e difusora das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na Instituição. Além disso, é necessário que estejamos atentos à saúde e bem-estar das pessoas, em todos os seus aspectos, buscando formas de integrar a melhoria da qualidade das atividadesfim da Universidade à busca de melhores condições de trabalho e de produção de conhecimento. Linhas de ação: 1. Docentes:  Consolidação e expansão dos programas de pós-graduação institucionais.  Estruturação dos laboratórios de ensino em todos os campi universitários.  Dotação dos recursos, meios físicos e laboratoriais necessários para os projetos de pesquisa institucionais com vistas à incrementação da produção intelectual e a socialização do conhecimento.  Estruturação das condições de trabalhos dos professores por meio de: • disponibilização de salas para os professores; • otimização de aquisição e disponibilização de materiais para suporte às aulas práticas, dentre outros.  Implementação de programas de formação contínua de natureza didático-pedagógica e novas tecnologias para os professores.  Implantação de Programa de mobilidade docente intercampi visando ao desenvolvimento de projetos específicos, à realização de pesquisas e ao fortalecimento dos Institutos intercampi integradores do ensino, pesquisa e extensão, dentre outros.  Implementação de programas de intercâmbio com instituições nacionais e internacionais visando à mobilidade docente para participação de projetos de pesquisa ou estudos específicos.  Dotação de recursos para a publicação de livros, artigos pela Editora da UFT a partir de critérios específicos.  Ampliação dos recursos para participação em eventos com apresentação de trabalhos científicos.


16

 Ampliação do debate sobre questões acadêmico-administrativas, calendários, carga horária docente e regime de trabalho.  Revitalização dos projetos de cultura na Universidade.  Humanização das relações de trabalho, por meio de: • Fortalecimento de política de incentivo à ambiência cultural na Universidade englobando atividades relacionadas a teatro, música, dança, cinema, eventos literários promovidos tanto nos campi quanto na localidade. •

Disponibilização de roteiro cultural da cidade e do estado no portal do professor e do estudante.

2. Técnico-Administrativos 3. Técnico-Administrativos  Implantação de forma plena dos Comitês de Valorização dos Servidores TécnicoAdministrativos, em todos os campi, para atuação imediata, com garantia de estruturação de espaço físico, equipamentos e disponibilização de tempo para execução das atividades. 

Encaminhamento do documento elaborado por Comissão sobre a implantação do turno contínuo à Procuradoria, para parecer final, visando à definição de parâmetros consistentes com vistas à extensão do turno contínuo aos setores na Universidade em for comprovada a adequação aos parâmetros necessários para sua implantação.

 Comprometimento em relação à implantação de política de capacitação e qualificação (graduação, pós-graduação lato e stricto sensu) dos técnico-administrativos de forma a valorizar a sua atuação profissional, por meio de: •

Definição de áreas estratégicas para a busca de parcerias com outras IFES visando à oferta de mestrados acadêmicos e profissionais para os servidores da UFT.

Implementação de oferta de vagas em programas de pós-graduação stricto-sensu – mestrado e doutorado - institucional para capacitação dos técnico-administrativos.

Incentivo à oferta de programa de mestrados profissionais, em áreas estratégicas para a carreira técnico-administrativa, a partir da articulação de pesquisadores das diversas áreas de conhecimento.

Promoção de cursos de aperfeiçoamento, de línguas estrangeiras e capacitação dos profissionais que atuam no setor técnico-administrativo de forma a prepará-los para continuar seus estudos na graduação ou em programas de pós-graduação (especialização, mestrados e doutorados).

Rediscussão do programa de capacitação dos técnicos com vistas a melhor definir os recursos a serem empenhados para o estabelecimento de convênios, quantitativo a ser liberado por período, os prazos para liberação, o recebimento de bolsas, dentre outros aspectos, nos diversos setores da Instituição


17

 Implantação de políticas de reconhecimento e valorização das contribuições dos servidores técnico-administrativos à Universidade.  Valorização dos profissionais que atuam no setor técnico-administrativo por meio de política de incentivo à participação na gestão a partir da atuação profissional e de mérito profissional, da racionalização de cargos e competências, ou seja, de direcionamento dos servidores às suas especialidades e formações.  Adequação do quadro de pessoal às necessidades institucionais.  Adequação das condições de trabalho para os servidores com necessidades especiais, incluindo apoio e assistência psicossocial.  Implementação de ações e infraestrutura que propiciem a melhoria da qualidade de vida, tais como: estímulo ao ciclista (vestiários e bebedouros em pontos estratégicos), promoção de atividades esportivas, culturais e acadêmicas, entre outros.  Inserção no Plano Diretor dos campi de espaços destinados ao Centro de Convivência, espaços de promoção de atividades esportivas, culturais e acadêmicas e de apoio aos servidores.  Reorganização da gestão dos trabalhos técnico-administrativos com vistas à promoção de descentralização e aprimoramento da gestão de processos e procedimentos técnicoadministrativos de todos os setores administrativos da UFT. Para sua viabilização serão promovidas as seguintes ações nos setores de: • Desenvolvimento humano: • intensificação das ações de formação dos técnicos que atuam na área técnica de desenvolvimento humano; • criação de fórum permanente de discussão entre os técnicos de todos os campi e reitoria com vistas a aprimorar as ações do desenvolvimento humano; • aprofundamento do processo de descentralização das atividades do setor para os campi da universidade. • Patrimônio e materiais: • criação de fórum de discussão dos técnicos com vistas a melhorar as atividades administrativas; • implantação de gestão de almoxarifado que permita maior eficiência na distribuição dos bens adquiridos; • aprimoramento da gestão de patrimônio; • aprimoramento da gestão de transporte de modo a otimizar a realização das atividades acadêmicas e administrativas. • Compras: • aprimoramento dos mecanismos de aquisição de bens e serviços realizados; • proposição de gestão autônoma e descentralizada de compras por meio da criação de Unidades Gestoras Executoras (UGE’s), com previsão de CNPJ por campus. • Secretarias e Setor de documentos:


18 •

Implantação do protocolo eletrônico e certificação digital de documentos como forma de propiciar o acesso aos arquivos digitalizados pelas secretarias acadêmicas nos campi.

Adequação dos espaços físicos e de logística para a guarda documental específica. • Implantação de forma plena do módulo acadêmico do Sistema de Informação do Ensino (SIE) visando à:  ampliação da autonomia das secretarias acadêmicas nos campi;  implantação do sistema de reajuste de matrícula on line;  aperfeiçoamento de procedimentos e emissão de novos relatórios.  finalização do sistema eletrônico de matricula e lançamento de notas (diário eletrônico) para os programas de mestrado e doutorado. • Otimização das rotinas administrativas, especialmente as de cancelamento de vínculo como forma de tornar o trabalho dos(as) secretários mais especializados. • Bibliotecas: • Continuidade do processo de modernização das bibliotecas com prioridade para:  implantação de forma plena do módulo bibliotecas do Sistema de Informação do Ensino (indexação de periódicos, CDS, DVDS, folhetos e aprimoramento de outros serviços e procedimentos).  implantação do Sistema de Bibliotecas (SISBIB) na sua integridade, fortalecendo os trabalhos dos setores especializados;  ampliação do Comitê Gestor do SISBIB incluindo a participação discente, favorecendo as decisões técnicas;  implantação e estabelecimento de cronograma efetivo de reuniões do Comitê Gestor das Bibliotecas; • Realização de planejamento estratégico e participativo para o SISBIB, com objetivos e orçamento anual para viabilizar a implementação de:  Política de aquisição e preservação do acervo;  Política de Disseminação Seletiva de Informação (DSI);  Política de Extensão para as bibliotecas;  Política de formação contínua dos servidores da biblioteca;  Política de estruturação do quadro de servidores concursados. • Discussão e implantação de política de preservação e recuperação do acervo. • Implementação de banco de itens para aquisição informatizada e manutenção do registro do acervo adquirido. • Criação do portal das bibliotecas aglutinando todas as fontes de referência bibliográfica. • Planejamento e reestruturação do sistema de acesso à informação e ao conhecimento produzido na UFT. • Implantação do Banco de Teses, Dissertações, Monografias e Repositório Institucional e respectivas funções. • Implementação de sistema de orientação ao usuário da biblioteca e integração do sistema de acesso e senha à biblioteca e aos demais serviços aos usuários da comunidade acadêmica.  Reestruturação da estrutura organizacional de forma a propiciar à gestão geral do SISBIB maior autonomia e abrangência de atuação. • Criação de fórum de discussão dos(as) bibliotecários(as) com vistas a melhorar as atividades do setor. • Centrais de Estágio: • informatização dos dados dos estudantes segurados;


19 • • • •

rediscussão dos formulários e procedimentos para formalização do estágio curricular obrigatório e não obrigatório; estruturação das Centrais de Estágio de forma a ampliar a sua atuação junto às empresas e instituições de ensino; qualificar e capacitar os servidores do Setor com vistas a sua profissionalização na área; finalização e aprovação do Regulamento das Centrais de Estágio.



Implementação de serviço de creche para os filhos pequenos de técnicos e estudantes (idade a ser definida por estudo específico).



Fortalecimento das ações do atendimento multiprofissional, incluindo a assistência psicossocial, pedagógica e de profissionais da área de saúde em todos os campi.



Ampliação das condições de permanência nos campi nos intervalos do trabalho por meio da construção de Centro Integrado de Convivência Universitária e do Restaurante Universitário ou Cantina Universitária.

6. APRIMORAMENTO DA POLÍTICA ESTUDANTIL A política de assistência deve estar focada na formação cidadã do discente, culturalmente aberta e ligada à fomentação do saber e da cidadania política. Considerando as condições socioeconômicas dos estudantes, especialmente da região Norte, compete à Universidade viabilizar também meios de elevar a condição econômica dos discentes “vulneráveis socialmente” a um patamar mais condizente ao exercício do direito de ser estudante. Nesse sentido, a Universidade buscará, por meio da política de assistência estudantil, inserir os discentes no domínio dos pilares do conhecimento, missão do ensino superior, a partir de um projeto humanístico no campo da cultura, das ciências, da política e das artes. Como forma de viabilizar essa formação cidadã, propomos:  Implementação de Programa de Formação Ampliada por meio de: • Promoção de incentivo à cultura. • Incentivo ao esporte. • Apoio à participação em eventos. • Apoio à qualificação acadêmica. • Incentivo à inserção cidadã. • Incentivo à representação estudantil. • Fortalecimentos dos programas de intercâmbio nacional e internacional. 

Discussão com o Diretório Central do Estudantes (DCE) e Centros Acadêmicos (CAs) sobre os princípios e orientações que norteiam os recursos do PNAES para definição dos critérios para distribuição de bolsas-assistência. (bolsa permanência, bolsa instrução, bolsa transporte; bolsa aluguel, auxílio xerox etc.) visando ao:



Discussão sobre a viabilidade de instituição de fundo cumulativo para os estudantes através de percentuais extraídos das verbas arrecadadas em projetos ou por meio das


20 inscrições dos vestibulares para viabilizar a participação de inscritos com apresentação de trabalhos em eventos científicos, a ser gerenciado por um conselho com representantes eleitos e indicados pelos pares e pelas pró-reitorias visando ao:



Aprimoramento do Programa de Assistência Básica para os estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Concessão de auxílio transporte e/ou vale transporte para alunos que não foram contemplados com a bolsa permanência.

Concessão de recursos para participação em eventos culturais e científicos.

Implementação de serviço de creche para os filhos pequenos de técnicos e estudantes (idade a ser definida por estudo específico).



Construção de casa do estudante e/ou auxílio moradia para pagamento de aluguel.



Implementação de política de assistência a estudantes com necessidades especiais por meio de: • Estruturação do Núcleo de Apoio ao estudante aos estudantes com necessidades especiais em todos os campi com equipamentos, softwares, assistência especializada. •

Concessão de monitores-bolsistas para acompanhamento de estudantes com necessidades especiais que demandarem tal assistência.

Promoção de atendimento especializado por meio de parcerias com outros órgãos federais e estaduais para dar assistência aos estudantes com necessidades especiais.

Promoção de acompanhamento técnico especializado com vistas a garantir a acessibilidade plena dos estudantes às localidades do campus e às atividades de ensino, pesquisa e extensão.



Fortalecimento das ações do atendimento multiprofissional, incluindo a assistência psicossocial, pedagógica e de profissionais da área de saúde em todos os campi.



Implementação de Política de Assistência estudantil com o suporte de professores, técnicos e estrutura física e laboratorial.



Construção de Centro Integrado de Convivência Universitária (lanchonetes, banco etc., incluindo instalações para CAs e DCE, SINTAD, SESDUFT).



Construção de Restaurante Universitário ou Cantina Universitária nos campi que não foram contemplados até 2011.

 Incentivo permanente a grupos de ação cultural comunitária como os de teatro, coral, conjuntos de sopro, grupos de dança, folclore regional, entre outros.  Criação de um Fórum permanente de diálogo entre Administração e as representações discentes, para discussão de assuntos estudantis.


21  Incentivo a criação de cursos e/ou espaços que beneficiem a comunidade, tais como: cursinho pré-vestibular, núcleo de cidadania e direitos humanos, cursos de leitura e escrita, etc.  Incentivo ao fortalecimento dos espaços lúdico e/ou pedagógicos do campus, tais como: sala de áudio e vídeos, brinquedoteca, laboratórios, etc. 8. INSERÇÃO SOCIAL, RESPEITO À PLURALIDADE E COMPROMISSO SOCIAL DA UNIVERSIDADE PARA COM O DESENVOLVIMENTO REGIONAL. A responsabilidade social representa um compromisso contínuo das instituições com o comportamento ético. Nesta percepção, as universidades, sejam elas públicas ou privadas, ocupam um papel relevante na tomada de decisão em favor da construção de uma nova consciência global de desenvolvimento de uma região. Esta postura caracteriza-se pelos constantes compromissos e cooperações que o ensino superior vem desenvolvendo em favor das camadas menos privilegiadas da sociedade. A socialização do conhecimento se transforma em fator decisivo no processo de hominização e de modo peculiar da humanização do ser humano. Além disso, cabe à Universidade contribuir para o fortalecimento das ações e dos princípios básicos para o convívio social democrático, como o respeito mútuo e o repúdio às discriminações de quaisquer espécies. Linhas de ação:  Efetivação de diagnóstico das produções científicas, técnicas, culturais da UFT que apresentem maior inserção e demanda social e identificação de meios para torná-las mais acessíveis para setores específicos da sociedade.  Ampliação do diálogo entre as áreas dos cursos de graduação e programas de pós-graduação na perspectiva de inserção, inclusão da comunidade e sociedade em geral, por meio dos egressos.  Incentivo a criação de cursos e/ou espaços que beneficiem a comunidade, tais como: cursinho pré-vestibular, núcleo de cidadania e direitos humanos, cursos de leitura e escrita, etc.  Estabelecimento de parceria com a Secretaria de Estado da Educação a fim identificar estudantes indígenas do Ensino Médio - potenciais candidatos ao vestibular pelo sistema de cotas da UFT - para a formação de grupos de orientação pré-vestibular, sob a monitoria dos alunos indígenas da UFT.  Implantação de empresas juniores e incubadoras de empresas nos diversos campi da UFT.  Implantação de Corredores Ecológicos entre as Áreas de reserva do campus para aulas de educação ambiental aos alunos do município, quando possível.  Elaboração e distribuição de portfólio com cursos de capacitação a serem oferecidos à comunidade em geral.


22



Fortalecimento do Grupo de Trabalho de Atendimento e Acompanhamento dos estudantes indígenas da UFT para garantir a permanência e o sucesso na graduação, por meio do Programa de Monitoria Indígena (PIMI).

 Promoção, em cada campus, por meio da Comissão Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da UFT, palestras, encontros e seminários para sensibilizar a comunidade acadêmica quanto à diversidade cultura e étnico-racial do Tocantins, visando diminuir comportamentos de preconceito e discriminação. 

Fortalecimento e promoção do acesso e permanência de estudantes negros, índios, alunos com necessidades especiais e alunos estrangeiros.

 Manutenção do entendimento de que as ações de inclusão social e a expansão das demandas sociais promovem o desenvolvimento sustentado e a equidade social. Estas são algumas propostas construídas com a participação de professores, técnicoadministrativos, estudantes, gestores que compõem a versão Preliminar de nosso “PROJETO CUIDAR DO QUE TEMOS E CRESCER COM QUALIDADE” Sendo a participação e efetiva de todos o esteio deste Projeto, a atual versão não tem caráter inflexível e será enriquecida pelas contribuições de todos os segmentos, para que tenhamos uma administração democrática e transparente e com tratamento equânime a toda a comunidade acadêmica. Após o debate com toda a comunidade acadêmica de todos os campi, enriquecido pelas contribuições geradas pela participação de professores, alunos, técnico-administrativos e demais segmentos da sociedade, estaremos finalizando Projeto de Universidade que simbolize mais do que um conjunto ordenado de ações, mas um projeto ousado, coerente com as nossas demandas e, que internalize, sobretudo, o pensamento acerca do conceito e do papel desta Universidade para a sociedade. A certeza que nos move é a garantia de um projeto democrático e participativo da nossa Universidade, pois assegurado este princípio básico de qualquer instituição pública, o restante é mais fácil de ser construído, por mais complexo que seja... pois a construção é coletiva, é um processo permanente... em que todos devem participar. Acreditamos que a Universidade é, sobretudo, um espaço de diálogo, de companheirismo, de ciência, de saber, de técnica, arte, cultura... e, mais ainda, acreditamos que em uma Instituição de ensino superior o papel de todos nós é ousar e também sonhar... É ter ousadia para fazer, e inovar... pois uma grande Universidade somente é possível se todos os seus campi, os seus cursos, programas e projetos estiverem fortalecidos e buscarem a excelência, não como mera junção de resultados positivos, mas como espaço de produção de conhecimento e de garantia de cidadania e formação para a autonomia. Que a produção do conhecimento, a participação coletiva, a harmonia e a amizade, sejam marcas indeléveis da história da construção da UFT, da qual todos nós possamos ser protagonistas... Envie suas propostas para o e-mail: márcio.isabel.uft@gmail.com


Projeto de Gestão  

Apresentamos o Plano de Gestão do Prof. Márcio e da Profª. Isabel

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you