Issuu on Google+

“O que não mata engorda!”

Estudo britânico indica que a “regra dos cinco segundos” é real. Pg. 2

O Colapso do sistema

Estudo diz que a chamada civilização industrial pode entrar em colapso Pg. 10

App capaz de melhorar sua audição

Hearing Guardian V1: o software capaz de melhorar sua capacidade auditiva. Pg. 4

Novas pulseiras da Worn & Wound

Humanos farejadores

Imprima sua CASA!

Como seu celular pode Salvar sua vida

As tradicionais pulseiras trançada de nylon foram reinventadas em couro flexível do iconico curtume de Chicago Horween. Pg. 7

Aparelho de mais de 6 metros de altura imprime estruturas e aposentos personalizados que podem ser montados como uma casa. Pg. 14

Os humanos são capazes de perceber mais de 1 trilhão de odores, diz estudo. Pg. 8

Instruções de sobrevivência Pg. 16


Sumário EDIÇÃO 02 | Ano 2 Tiragem 10 EXEMPLARES

“O que não mata engorda!”

Estudo britânico indica que a “regra dos cinco segundos” é real Pg. 2

App capaz de melhorar sua audição

Hearing Guardian V1: o software capaz de melhorar sua capacidade auditiva Pg. 4

Novas pulseiras da Worn & Wound

As tradicionais pulseiras trançada de nylon foram reinventadas em couro flexível do iconico curtume de Chicago Horween Pg. 7

Humanos farejadores

Os humanos são capazes de perceber mais de um trilhão de odores, diz estudo Pg. 8

O Colapso do sistema

Estudo diz que a chamada civilização industrial pode entrar em colapso Pg. 10

Imprima sua CASA!

Aparelho de mais de 6 metros de altura imprime estruturas e aposentos personalizados que podem ser montados como uma casa Pg. 14

Como seu celular pode Salvar sua vida Instruções de sobrevivência

Pg. 16


“O que não mata engorda!”

Estudo britânico indica que a regra dos cinco segundos é real

U

m grupo de estudantes do ultimo ano do curso de Biologia da Aston University, de Birmingham, Inglaterra, fez uma descoberta que vai fazer a alegria dos gulosos e desastrados de plantão: a famosa “regra dos cinco segundos” é real. Segundo os pesquisadores, a passagem do tempo realmente é um “fator considerável” na transferência de bactérias do chão para um pedaço de comida. Trabalhando sob a tutela do professor de microbiologia Anthony Hilton, os estudantes monitoraram quão rapidamente a Escherichia coli e outras bactérias comuns se espalham de superfícies em ambientes fechados para torradas, macarrão e outras comidas grudentas. Os testes forneceram evidências que suportam a veracidade da regra dos cincos, segundo a qual um alimento ainda está apropriado para consumo se tiver caído a menos de seis segundos no chão. Além disso, eles também descobriram que o tipo de piso também é crucial para a transferência dos micro-organismos, surpreendentemente constatando que o carpete é o tipo de chão mais seguro.

Consumir comida derrubada no chão ainda possui um risco de infecção, já que depende muito de quais bactérias estão presentes no piso naquela hora. No entanto, as descobertas desse estudo vão trazer um leve alívio àqueles que vêm empregando a ‘regra dos cinco segundos’ por anos, a despeito do consenso geral de que ela é apenas um mito”, disse Hilton. Vale lembrar que os riscos aumentam exponencialmente em ambientes externos, áreas públicas e hospitais – para não falar de banheiros. E aí, pronto para começar a mergulhar atrás daqueles escorregadios pedaços de lanche? V


Grupo de estudantes do último ano de Biologia da Aston University indica que o tempo é um fator considerável para a transferência de bactérias do chão para a comida derrubada.


App capaz de melhorar sua audição

Hearing Guardian V1: o software capaz de melhorar sua capacidade auditiva

C

omo está a sua audição? Você é capaz de distinguir claramente os sons mesmo em ambientes ruidosos? A preocupação nem sempre está presente e muitas vezes negligenciamos os nossos ouvidos, seja ouvindo música alta em fones de ouvido ou mesmo nos expondo a volumes acima do recomendado em baladas e shows.

6

Somente no Brasil, estima-se que pelo menos 28 milhões de pessoas sofram de zumbido ou tenham algum grau de perda de audição. A consequência da exposição a esses ambientes ruidosos pode acabar resultado em problemas como os ci-

tados anteriormente. Outro fator agravante é o envelhecimento natural.

Como anda a suacapacidade auditiva? A boa notícia é que é possível não apenas testar a sua capacidade auditiva como também adotar medidas preventivas e regenerativas. Tudo isso utilizando um teste online e um software com tecnologia sul-coreana. Essa é a proposta do site Biosom, serviço online que reúne, além dos testes online e do software para download, informações sobre problemas auditivos.


Ao acessar a página inicial do Biosom, na aba “Problemas de Audição”, clique em “Avalie sua Audição”. Você será direcionado para um teste em que terá que identificar uma sequência numérica tendo como som de fundo vários ambientes distintos. Ao final, basta cadastrar seu email para receber os resultados. Teste online disponibilizado no site da Biosom, aliado a software disponível para Windows e Mac, previne e até mesmo melhora a sua capacidade auditiva.

Baixando o Hearing Guardian V1

les que sofrem de zumbido no ouvido.

Independente dos resultados obtidos na avaliação, você pode também fazer o download gratuito do software Hearing Guardian V1. Tratase de um aplicativo desenvolvido pela Earlogic, disponível para Windows e Mac, que tem como propósito testar, diagnosticar e recuperar a audição perdida devido ao envelhecimento e/ou ruído excessivo. O programa é ideal para aque-

O software pode ser baixado, podendo ser utilizado gratuitamente por 14 dias. Após esse período é preciso adquirir um plano de acesso ao software, com valores de investimento que variam de acordo com o pacote sele7 cionado (mensal, trimestral, semestral e anual).

>>


>>

Melhorando a sua capacidade auditiva

O Hearing Guardian V1 testa as condições auditivas de frequências da cóclea, responsável pela nossa audição. Depois de testadas as frequências auditivas, ele emite um sinal que protege e fortalece as células ciliadas localizadas na cóclea. Caso haja um dano sutil em uma faixa de frequência específica, continuar ouvindo o som de sinais na mesma frequência, com um volume apenas audível, servirá como proteção e estímulo para que essa região se recupere com o passar do tempo. “Uso Biosom há 5 meses e durante esse período notei que o volume do meu zumbido diminuiu, conseguindo assim conviver melhor com 8 ele. Uso duas vezes ao dia, por 30 minutos, e continuarei usando para

tentar eliminar totalmente”, destaca o empresário Adílson Souza. Para fazer o download do software, basta acessar - www.biosom.com.br - e clicar em “Faça Agora o Download Grátis”. Em seguida, você deverá preencher um cadastro simples, com informações que incluem nome, endereço de email, propósito do uso, profissão e data de nascimento. Em seguida você receberá no email indicado um link para fazer o download do software Hearing Guardian V1. V


Novas pulseiras da Worn & Wound

As tradicionais pulseiras trançada de nylon foram reinventadas em couro flexível do iconico curtume de Chicago Horween

H

á alguns meses atrás, a famosa marca Worn & Wound, localizada em NYC apresentou sua pulseira de relógio Modelo 1 Horween e o público foi a loucura. A campanha fez tão sucesso que os permitiu reforçar sua relação com o curtume de Chicago, resultando na nova pulseira de relógio Horween Leather NYC Nato. Tradicionalmente feita com um resistente tecido, a evolução do Worn & Wound faz com que o famoso couso seja usado para um visual mais sofisticado. Para os mais tradicionais, as bordas inacabadas da pulseira preserva o estilo grosseiro no qual o Nato é conhecido. Graças ao fino design do Nato, a pulseira estreita é uma boa fora de renovar um vintage Submariner ou um novo Shinola. Disponível em três cores convencionais – oliva, preto e grafite – com as opções de aço fosco e preto, as pulseiras do Nato feitas em NYC já estão disponíveis no Worn & Wound ou no site por $59 dolares. V


Humanos farejadores

Os humanos são capazes de perceber mais de 1 trilhão de odores, diz estudo

V

ocê já deve ter ouvido por aí que nós, seres humanos, não somos os melhores farejadores do reino animal, não é mesmo? Pois de acordo com o The Verge, um novo estudo apontou que o nosso olfato pode ser muito mais apurado do que se pensava. Segundo a pesquisa, os humanos são capazes de perceber mais de um trilhão de odores e, conforme explicaram os cientistas que conduziram os experimentos, essa estimativa é inclusive bem modesta! O estudo envolveu uma série de cálculos mirabolantes e a participação de 26 voluntários que “emprestaram” seus narizes em nome da ciência. Durante os experimentos, os cientistas — da Universidade Rockefeller e do Instituto Médico Howard Hughes dos EUA — solicitaram que os participantes cheirassem três frascos, cada um contendo uma mistura de 128 moléculas odoríferas diferentes.

10

Farejadores Dois dos recipientes continham exatamente a mesma combinação de moléculas, enquanto que o terceiro frasco apresentava uma combinação diferente, e os voluntários tinham que identificar os cheiros presentes ali. Depois, a partir dos dados estatísticos coletados durante os testes, os pesquisadores conseguiram determinar que os humanos são capazes de distinguir dois odores diferentes quando mais da metade de seus componentes são distintos. Isso significa que se menos de 50% das moléculas que compõem dois odores são idênticas, o nosso olfato é capaz de detectar essa diferença. Com essa informação em mãos, os pesquisadores resolveram descobrir quantas misturas diferentes de odores existentes no mundo apresentavam essa característica — a de contar com uma diferença de mais de 50% entre os seus componentes — e, então, determinar quantos odores conseguimos distinguir.


Contas e mais contas Entretanto, considerando que existem bilhões de moléculas odoríferas em todo o planeta, imagine a dificuldade de se fazer um cálculo desses! Assim, para facilitar um pouco as coisas, os cientistas resolveram limitar o número de moléculas em apenas 30 e partir para as contas.

Conforme explicaram, o resultado de “um trilhão” engloba apenas a quantidade de odores que podem ser criados a partir da combinação de 10, 20 e 30 moléculas extraídas da mistura de 128 usada no estudo. Portanto, o número ao qual os cientistas chegaram está, na verdade, longe de refletir a quantidade real de odores que os seres humanos são capazes de distinguir. V


O Colapso do sistema

Estudo diz que a chamada civilização industrial pode entrar em colapso

U

m novo estudo, patrocinado pelo Goddard Space Flight Center, da NASA, destacou a perspectiva de que a civilização industrial global pode entrar em colapso nas próximas décadas, devido à exploração insustentável de recursos e distribuição de riquezas cada vez mais desigual. Notando que os avisos de “colapso” são muitas vezes vistos como controversos, o estudo tenta dar sentido a dados históricos interessantes que mostram que o processo de ascensão e colapso é realmente um ciclo recorrente encontrado ao longo da história do mundo. Segundo informações do estudo, “os casos de interrupção civilizacional grave devido ao colapso vertiginoso têm sido bastante comum”. O projeto de pesquisa é baseado em um modelo novo e interdisciplinar chamado “Ser humano e natureza dinâmica”, liderado pelo matemático aplicado Safa Motesharrei, do National Science Foundation e National Socio-environmental Synthesis Center, em associação com uma equipe de recursos naturais e cientistas sociais dos Estados Unidos.


Cientistas constataram que a exploração desenfreada de recursos naturais e distribuição de renda desigual serão os fatores responsáveis por isso.

>>


>> levantes que explicam o declínio civilizacional e que podem ajudar a determinar o risco de colapso de hoje, como população, clima, água, agricultura e energia.

Recursos O relatório propõe que, de acordo com os registros históricos, as civilizações (mesmo avançadas e complexas) são suscetíveis a entrar em colapso, levantando questões sobre a sustentabilidade da civilização moderna: “A queda do Império Romano e os igualmente (se não mais) avançados Impérios e Dinastias Han, Maurya e Gupta, assim como tantos mesopotâmicos, são testemunho do fato de que as civilizações avançadas, sofisticadas, complexas e criativas podem ser frágeis e inconstantes”. Ao investigar a dinâmica homem/natureza desses casos de ​​ colapso no passado, o projeto identifica os fatores inter-relacionados mais re-

De acordo com a pesquisa, esses fatores podem levar a colapso quando eles convergem para gerar duas características sociais cruciais: o alongamento de recursos devido à tensão colocada sobre a capacidade de carga ecológica e a estratificação econômica da sociedade em elites de [ricos] e massas [pobres]. “Estes fenômenos sociais têm desempenhado um papel central no caráter ou no processo do colapso nos últimos cinco mil anos”, diz o estudo. Atualmente, altos níveis de estratificação econômica estão ligados diretamente ao consumo excessivo de recursos. O estudo desafia aqueles que argumentam que a tecnologia vai resolver esses desafios, aumentando a eficiência: “A mudança tecnológica pode aumentar a eficiência da utilização de recursos, mas também tende a aumentar tanto o consumo de recursos per capita como a escala de extração de deles, de modo que, os efeitos políticos ausentes e os aumentos no consumo, muitas vezes compensem o aumento da eficiência do uso dos mesmos”.


Cenários Avaliando uma gama de diferentes cenários, Motesharri e seus colegas concluíram que, de acordo com as condições que refletem de perto a realidade do mundo de hoje, eles acreditam que o colapso é inevitável. Um desses cenários é a própria civilização: “Parece estar em um caminho sustentável por muito tempo, mas, mesmo usando uma taxa de esgotamento ideal e começando com um número muito pequeno de elites, elas, eventualmente, consomem muito, resultando em uma escassez nas massas que, eventualmente, provoca o colapso da sociedade. É importante notar que este tipo de colapso é devido a uma escassez induzida por desigualdade em vez de um colapso da natureza”.

O estudo adverte que enquanto alguns membros da sociedade podem soar o alarme de que o sistema está se movendo em direção a um colapso iminente e, portanto, defendem mudanças estruturais para a sociedade e (a fim de evitá-lo), as elites e aqueles que as apoiam se opõem a fazer essas alterações. No entanto, os cientistas apontam que os piores cenários não são totalmente inevitáveis, e sugerem que a política apropriada e as mudanças estruturais podem evitar o colapso, se o caminho não se abrir em direção a uma civilização mais estável. As duas soluções são fundamentais para reduzir a desigualdade econômica, de modo a garantir uma distribuição mais justa dos recursos e para reduzir drasticamente o consumo de destes, baseando-se em meios renováveis m ​​ enos intensivos. Os cientistas também incluem nessas soluções a redução do crescimento da população. Embora o estudo seja em grande parte teórico, uma série de outros estudos mais empiricamente focados têm alertado que a convergência de alimentos, água e crises de energia poderia criar uma “tempestade perfeita” dentro de cerca de 15 anos . V


Imprima sua CASA!

Aparelho de mais de 6 metros de altura imprime estruturas e aposentos personalizados que podem ser montados como uma casa

A

té agora, a impressão 3D tem sido usada para criar peças e itens relativamente pequenos, mas um projeto de arquitetos holandeses está mudando isto. Com uma impressora de 6 metros de altura, a equipe está construindo partes para a montagem de uma casa em tamanho real. O projeto, conhecido como “3D Print Canal House”, utiliza uma versão gigante da popular impressora 3D da marca Ultimaker . A empresa de arquitetura Dus encomendou a máquina quando decidiu que seus moldes de residência, feitos em proporções menores por impressão 3D, poderiam ser transformados em realidade – e no tamanho adequado para abrigar pessoas! A impressora gigante é chamada KamerMaker , que significa “construtor de quarto “, e é exatamente isso o que ela faz: constrói uma série de salas e quartos que podem ser montados entre si para formar uma casa inteira.

16

Até agora, a impressora já produziu um canto da casa com um pedaço de uma escada parcialmente anexada. A peça inteira pesa cerca de 180 quilos.


Vantagens da casa impressa Os arquitetos veem vários benefícios para a impressão 3D de casas e residências, que vão muito além das possibilidades de personalização de ambientes. Os responsáveis pelo projeto acreditam que a técnica pode ser uma solução para o problema habitacional de metrópoles e grandes cidades, especialmente com o aumento populacional. Outro benefício é a reciclagem de resíduos, já que a impressora pode reaproveitar materiais normalmente desperdiçados para aplicar como parte dos componentes da estrutura residencial. A impressão 3D de casas eliminaria ainda os custos de transporte de materiais de construção.

Os blocos de construção que estão sendo produzidos levam cerca de uma semana para serem impressos e têm uma estrutura interna em forma de colmeia, que virá ser preenchida com um tipo de espuma que tem a mesma rigidez que o concreto, dando sustentação para casa.

O “3D Print Canal House”, em Amsterdã, está aberto para visitação do público, que pode ver a máquina gigante funcionar por um preço de € 2,50 (ou US$ 3,50). A casa inteiramente impressa deve ficar pronta dentro de apenas 3 anos e deverá abrigar um museu de design assim que todas as suas peças estiverem montadas. V

17


S

e você estiver perdido em uma ilha deserta ou sozinho no meio de uma floresta que parece muito distante de qualquer traço da civilização, existem algumas formas de sobreviver com a utilização do seu próprio celular. Você pode até ter pensado que isso significa pedir auxílio por mensagem ou ligações para pessoas conhecidas, mas na nossa situação hipotética você estaria sem sinal ou bateria. “Mas, se estou sem bateria e sem sinal, como posso utilizar meu celular para sobreviver?” A resposta é um pouco cruel, porque você vai precisar se desprender do afeto pelo aparelho para que possa quebrá-lo. Pois é! Nós precisamos utilizar as peças que estão dentro do celular para que todos os instrumentos sejam criados. Mas temos certeza que você prefere sobreviver a manter o smartphone intacto. 18


Preciso de uma faca!

Para onde é o norte?

Há dois modos de construir uma faca com as peças de seu smartphone. O primeiro deles envolve a utilização da placa de circuitos do aparelho e o segundo a carcaça metálica — mas ambos exigem a presença de uma pedra achatada. O processo que utiliza a placa de circuitos é simples: utilize a pedra para lixar a placa até torná-la mais afiada. O segundo processo, que utiliza a carcaça metálica do celular, é um pouco mais complexo. Será preciso utilizar a pedra para “martelar” a estrutura por diversas vezes, dobrando uma das pontas da carcaça para frente e para trás repetidas vezes. Após algumas repetições, a estrutura será quebrada e você terá uma faca.

Andar em círculos não é algo muito recomendado para quem está perdido em uma floresta. Por isso, é muito interessante ter uma bússola em mãos. Para fazer uma com peças de um smartphone, você precisará de um altofalante e um cabo metálico. Todos esses itens serão somados a uma folha e uma poça-d’água. Para isso, remova o ímã do alto-falante e estique o cabo metálico presente nele. Esfregue o cabo no ímã para magnetizá-lo e então coloque o cabo em uma folha, que deve estar na poçad’água. Devido ao magnetismo, essa bússola vai apontar para o Norte.

Como fazer fogo?

Montando lanças

Depois de criar as facas que ensinamos anteriormente, você pode utilizar as estruturas metálicas ou placas apontadas para fazer lanças. Para isso, basta utilizar algum fio ou cordão para amarrar a sua nova “ponta de lança” em algum galho ou graveto. Isso pode ajudar a coletar frutas de árvores altas com mais facilidade.

Sinalizando sua localização

Viu algum avião ou navio que podem resgatar você, mas está longe demais para que eles possam vê-lo? Você pode usar sua tela de LCD para mostrar a todos onde está! Isso acontece porque ela possui diversos pequenos espelhos em algumas camadas. Basta fazer com que a luz do sol reflita nesses espelhos e vá em direção aos seus possíveis salvadores.

Separe alguns materiais que possam entrar em chamas com facilidade, como folhas secas e gravetos secos. Próximo a eles, faça com que as pontas de um fio metálico do smartphone encostem no polo negativo e no polo positivo da bateria. Em instantes o cabo ficará completamente quente e entrará em chamas. Nesse momento, encoste o cabo nos gravetos para iniciar a pequena fogueira. É importante lembrar que cada cabo pode ser usado apenas uma vez, já que eles são completamente desintegrados após o aquecimento. Também é importante tomar cuidado para não se queimar durante o processo. V



Vols - Curiosidades