Page 1

nº 670 31/3/14 FILIADO À

FGA Frigorífico

FALTA DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA CAUSA ACIDENTES COM FACA Os patrões ignoram as condições de trabalho dos seus funcionários porque o lucro está acima de tudo

No Frigorífico FGA, localizado no Jaguaré, na cidade de São Paulo está ocorrendo vários acidentes aos trabalhadores, principalmente os trabalhadores que manuseiam faca para o corte de carne. Em virtude das péssimas condições de trabalho, frequentemente os operários empresa têm que se afastar de suas atividades, são cortes na mão, nos dedos, no punho, braço, etc.

A empresa também não cumpre o horário estipulado aos trabalhadores das câmaras frias de 20 minutos a cada 1h40 (uma hora e quarenta minutos) estipulado por lei. Todo o frigorífico tem que pagar o adicional de insalubridade que, nesse caso, e considerado como grau médio, ou seja, o equivalente a 20% (vinte por cento) do salário mínimo vigente no país, correspondente a R$

144,80 (cento, quarenta e quatro reais e oitenta centavos). Os patrões do FGA que vem aumentando os seus lucros dia a dia, agem como se nada tivesse ocorrendo com a situação precária dentro da fábrica. Os trabalhadores do FGA junto com o Sindicato dos Frios realizará reunião para discutir os problemas levantados e exigir que sejam resolvidos imediatamente.

ROCCA

TRABALHADORES NÃO TÊM OPÇÃO DE MÉDICOS

No Frigorífico Rocca, localizado em São Paulo, na Água Rasa, Zona central de São Paulo, os trabalhadores, quando adoecem, têm que correr para o Sistema Único de Saúde (SUS) ou o AMA (Assistência Médica Ambulatorial), o desespero é muito grande, uma porque nunca tem médico, quando tem é somente clínico Geral, não há médico especialista. Os trabalhadores tem que marcar consultas ou fazer algum exame, tem que esperar

uma eternidade, tem casos com prazos de mais de seis meses, ou seja, é uma tortura. Os funcionários do Rocca vêm reivindicando um convênio médico há muito tempo, a empresa tem todas as condições de oferecer esse convênio, mesmo porque o custo para os patrões será ínfimo, uma vez que serão deduzidos no imposto de renda as despesas referentes à assistência médica. Enquanto isso, os trabalhado-

res que vivem doentes por conta das péssimas condições de trabalho existentes dentro da fábrica sofrem duas vezes com a doença, uma por ter contraído e a outra por não ter como se tratar. O Sindicato dos Frios fará, nesta semana, reunião com os trabalhadores e exigirá uma reunião com os patrões para discutir os problemas existentes dentro da fábrica e exigir o atendimento das reivindicações.

Não fique calado! Denuncie os problemas de seu setor de trabalho ou de sua empresa para que possamos tomar providências. Entre em contato por telefone (11) 5584-7040


Órgão da Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carnes e Derivados e do Frio no Estado de São Paulo

2

SEARA/FRIBOI

EMPRESA QUE FOI CONDENADA A 25 MILHÕES POR DANOS MORAIS COLETIVOS ESTÁ DEMITINDO EM MASSA

O Sindicato dos Frios realizará reunião com os trabalhadores do Frigorifico Seara, em Osasco. O Frigorifico Seara, do grupo JBS/Friboi, está reduzindo o número de funcionários drasticamente alegando reestruturação. Até agora já foram demitidos mais de 60 trabalhadores e tinha na fábrica mais nova, mais conhecida como unidade dois cerca de 300 trabalhadores. A Seara é uma das recordistas em acidentes de trabalho. Essa empresa foi condenada a pagar R$ 25

milhões por conta das péssimas condições de trabalho, falta de equipamentos, frio excessivo, etc. Conforme informações dos trabalhadores dessa fábrica, a Seara vai demitir mais uma quantidade de trabalhadores. A empresa, recentemente foi vendida para o grupo JBS/Friboi e como vem ocorrendo com outras empresas adquiridas pelos donos do Friboi, logo após a aquisição, ela faz uma limpa onde foi comparado e a Seara é mais uma que está ocorrendo o mesmo

processo, estão demitindo pessoas doentes, mulheres grávidas, até trabalhadores às véperas da aposentadoria, não é respeitado ninguém. O Sindicato dos Frios estará se reunindo com os trabalhadores e exigirá a imediata reintegrção de todos os trabalhadores, sem nenhuma exceção. É hora de procurar todos os meios para reverter à situação em que os patrões estão colocando os trabalhadores, inclusive ocupar a fábrica até que a situação se resolva.

ESPETINHOS CHURRA BOM EMPRESA NÃO PAGA ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

Empresa localizada no bairro do Limão, zona norte de São Paulo, o Frigorífico Churra Bom apresenta inúmeras irregularidades em suas instalações, colocando em risco as condições de trabalho dos seus funcionários. Para começar, os trabalhadores não recebem o adicional de insalubridade. Conforme a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) “Art. 189. Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.” “Art. 192. O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamen-

te de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.” Na categoria dos Frios o grau é considerado como médio, o trabalhador deveria ter acrescido em seu salário um valor correspondente a 20% (vinte por cento) do salário mínimo, ou seja, valor correspondente, hoje, de R$ 144,80 (cento e quarenta e quatro reais e oitenta centavos); Os equipamentos de proteção e segurança não são adequados às atividades exercidas pelos trabalhadores, por isso há ocorrência de vários acidentes, alguns deles são: perfurar os dedos com os espetos e doenças ocupacionais pelo trabalho repetitivo, para dar conta da produção. No entanto a empresa não fornece o CAT (Comunicado de Acidentes do Trabalho)

para dando a impressão de que não há acidente. Os patrões não estão nem um pouco preocupados com as condições de saúde dos trabalhadores, pois só uma coisa o interessa, a produção em um ritmo desenfreado. Apesar de, na empresa não haver trabalho com estufa, os trabalhadores, nos dias quentes como os que temos atualmente sofrem com o local do refeitório, que é muito pequeno e um calor insuportável, no entanto, não há nem um sistema de ventilação no local, tornando a área insalubre. Está mais que na hora dos patrões do Churra Bom resolver os problemas que os trabalhadores estão sofrendo dentro da fábrica, portanto, o Sindicato dos Frios realizará reunião, nas proximidades da empresa e exigirá uma imediata solução, pois o abuso com os trabalhadores já passou dos limites.

Bfa 670  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you