Issuu on Google+

_____ TECTURA KELLY MARTINS


ÍNDICE________________________________

INTERVENÇÃO URBANA/ESPAÇO PÚBLICO_____________

OCUPAÇÃO QUARTEIRÃO EM CENTRO HISTÓRICO________________

RECUPERAÇÃO ESTRADA NACIONAL/ VIA DE ACESSO À CIDADE______________________________________

EQUIPAMENTOS____________________________________

PROJECTO RESTAURANTE_____________________________________

PROJECTO PISCINAS__________________________________________

PROJECTO CASA DO SILÊNCIO_________________________________

02


________________________________________

_____________________________________________________

(PÁG. 6 A 11) ____________________________________________________4º ANO

(PÁG. 12 A 15) ____________________________________________________ 5ºANO

_____________________________________________________

(PÁG. 16 A 21) ____________________________________________________ 1ºANO

(PÁG. 22 A 27) ____________________________________________________ 2ºANO

(PÁG. 28 A 31) ____________________________________________________ 3ºANO

03


________________________________________

HABITAÇÃO________________________________________

PROJECTO DE HABITAÇÃO COLECTIVA__________________________

ESTÁGIO___________________________________________

CURRICULUM VITAE_________________________________

04


________________________________________

_____________________________________________________

(PรG. 32 A 35) ____________________________________________________5ยบ ANO

_____________________________________________________

___________________________________________ 2010/2011

05


OCUPAÇÃO DE QUARTEIRÃO, CENTRO HISTÓRICO DE VISEU CONCURSO DE IDEIAS PARA REVITALIZAÇÃO DE UM QUARTEIRÃO

c

t en

ro

hi

ó st

ri

co

centro histórico

06


N

ANÁLISE

A morfologia da cidade é constituída por dois tecidos de carácter diferente. O primeiro refere-se ao tecido histórico que define um urbanismo de traçado medieval. Deste modo, os percursos são claramente sinuosos. O segundo representa um tecido mais recente que dá resposta a diferentes preocupações e necessidades. O quarteirão em análise serve de transição entre os dois tecidos, pois, parte ilustra o tecido histórico e outra parte representa o tecido mais recente. Tal, obriga as novas intervenções a estabelecerem um diálogo formal coerente e harmonioso com as pré-existências, criando relações que simultaneamente serão de proximidade e de distinção. Dentro do quarteirão existem alguns elementos que permaneceram desde a época medieval. Entre eles estão: parte da muralha, o local de duas das suas portas, a fonte e um portal.

07


OCUPAÇÃO DE QUARTEIRÃO, CENTRO HISTÓRICO DE VISEU CONCURSO DE IDEIAS PARA REVITALIZAÇÃO DE UM QUARTEIRÃO

edifícios de habitação e comércio com 2/3 pisos que seguem a linguagem arquitectónica do centro histórico

Rua Direita

a

Rua Mouzinho de Albuquerque

comércio tradicional pouco apelativo

Lar de Santo António

a

Largo Mouzinho de Albuquerque

algum tráfego pedonal e automóvel Rua da Carqueija

parque verde existente

campo de futebol integrado

praça central

Rua do Gonçalinho

lojas de desporto

a rua pouco movimentada, ladeada por habitação

edifícios de habitação colectiva, de linguagem arquitectónica claramente mais recente que os restantes edifícios constantes no restante quarteirão

escola de dança

café com esplanada

entrada de acesso ao estacionamento subterrâneo 200 lugares

limite da área de intervenção

Avenida Capitão Silva Pereira

a

08

ruína existente reabilitada de apoio à creche

creche com ATL

via com muito tráfego automóvel, ladeada por edifícios de habitação colectiva com comércio no rés-do-chão


GERAL

ENTRADA

CRECHE E ATL

ENTRADA

CORTE PELA AVENIDA CAPITÃO SILVA PEREIRA

PROBLEMA A praça e os edifícios envolventes solucionam o problema da revitalização e caracterização de um vazio urbano pertencente ao centro histórico, criando movimento e adesão de muitas pessoas para actividades pouco valorizadas na cidade. Podemos concluir que Viseu tem carências ao nível de espaço público e equipamentos e, por conseguinte há hábitos com pouca presença no quotidiano dos habitantes. Entre eles estão as actividades ligadas às artes e ao desporto. Existe portanto, a necessidade de incutir novas preferências através do espaço público e dos equipamentos que se desenham para a ocupação do território urbano.

09


OCUPAÇÃO DE QUARTEIRÃO, CENTRO HISTÓRICO DE VISEU CONCURSO DE IDEIAS PARA REVITALIZAÇÃO DE UM QUARTEIRÃO

CORTE PELA RUA DO GONÇALINHO

CORTE PELAS TRASEIRAS DA RUA DO GONÇALINHO

CORTE PELO LAR DE SANTO ANTÓNIO

CORTE PELO ESPAÇO PÚBLICO/PRAÇA

10


CONCEITO SOLUÇÃO O conceito geral da proposta é criar um percurso orgânico através da implantação do edificado. Deste modo, o espaço público é caracterizado por uma praça central que permite deixar respirar o alçado do lar de Sto António. Para esta praça convergem todos os percursos. É definida por um equipamento desportivo e dois espaços comerciais de apoio. Os percursos junto com a praça definem o espaço público. São ambos pavimentados de modo a estabelecer uma relação harmoniosa.

Mancha de Intervenção

11


ce

nt

ro

hi

st

ór

ic

o

RECUPERAÇÃO DA ESTRADA NACIONAL Nº216 VIA DE ACESSO À CIDADE DE PONTE DE LIMA

enquadramento estrada nacional nº 216

12


N PONTE DE LIMA é uma pequena cidade que se localiza no Norte de PORTUGAL e, que possui características muito singulares. A sua pequena escala, procura desenvolver uma morfologia urbana que aproxime a escala da cidade à ESCALA HUMANA. Tal, leva a que a edificação não cresca excessivamente em altura, predominando a tipologia habitacional FAMILIAR - moradia unifamiliar -, cujo desenho e apropriação espacial, impõe a existência de logradouro e jardim privado. A cidade possui algumas tradições como: * Festival de Jardins * Festas tradicionais * Comércio de Animais A IDENTIDADE de Ponte de Lima, baseia-se na NATUREZA, destacando-se por isso, a Avenida dos Plátanos e a Avenida Feijó.

ó

6

ij

nº21

Fe

onal

a

naci

id

ada

en

estr

av

ANÁLISE 13


REPSOL permeável JACARANDÁ CATALPA OLAIA TEIXO MEDRONHEIRO CATAPEREIRO OU PEREIRA-BRAVA MAGNÓLIAS

RECUPERAÇÃO ESTRADA NACIONAL Nº216 VIA DE ACESSO À CIDADE DE PONTE DE LIMA BORDO OU PLÁTANO-BASTARDO

impermeável

impermeável TÍLIA DE AS

FOLH

DES

GRAN

CATALPA

espaço público requalificado

OUTONO/INVERNO Sem folhas

BORDO OU PLÁTANO-BASTARDO

eável imperm

PRIMAVERA/VERÃO Flores: brancas amarelas-creme

OUTONO/INVERNO Flores: amarelo-dourado castanho-arruivado Fruto: Castanho

impermeável OLAIAS JACARANDÁ MEDRONHEIR O

TÍLIA DAS FOLHAS GRANDES

PRIMAVERA/VERÃO Flores: amarelo-esverdeado Fruto: verde-avermelhado

CATALPA OUTONO/INVERNO Frutos PRIMAVERA/VERÃO Flores: brancas amarelas

impermeável

MEDRONHEIRO

OLAIA

OUTONO/INVERNO Folha: persistente Flores: vermelhas Fruto: vermelho

OUTONO/INVERNO Caduca; Castanha Fruto: mantém-se até Dezembro

PRIMAVERA/VERÃO Flores: amarelas Folhas: verde escuro Fruto: amarelo

PRIMAVERA/VERÃO Flores: rosa-avermelhada Folhas: verde-avermelhada Fruto

JACARANDÁ OUTONO/INVERNO Caduca PRIMAVERA/VERÃO Flores: roxas, azuis Folhas: verdes Fruto: verde, castanho claro

PRAÇAS requalificação do espaço ESPAÇOS PÚBLICOS

re-desenho de entroncamento

espaço público requalificado

equipamento ou serviço

habitação colectiva

moradia unifamiliar com logradouro/jardim

vazio urbano 2ª fase de intervenção: requalificação com habitação colectiva, comércio e espaço público

14

PLANTA 1/2000 VEGETAÇÃO E ESPAÇOS PÚBLICOS

re-desenho da largura da via, implementação em toda a sua extensão de passeios e barreiras vegetais. Desenho do chão e de estacionamentos.


PROBLEMA

permeável JACARANDÁ CATALPA OLAIA TEIXO MEDRONHEIRO CATAPEREIRO OU PEREIRA-BRAVA MAGNÓLIAS

Estrada Nacional Nº216: * Via de acesso à cidade de Ponte de Lima * Notório contraste da via em relação à restante morfologia da cidade * Centro histórico com uma linguagem claramente definida e diferente da linguagem correspondente ao crescimento da cidade. * via descontextualizada, com carência de tratamento urbano, ao nível de tratamento dos passeios, iluminação pública, cruzamentos, sinalização, mobiliário urbano adequado, desenho de pavimento, largura de via, valorização do peão ---> aproximação da via à escala humana da cidade.

BORDO OU PLÁTANO-BASTARDO TÍLIA

passeio:

DE FOLHAS GRANDES

PASSEIO

CATALPA

lajetas deBETÃO betão0,05m 0,05m ESTRADA LAJETA DE ASFALTO 2 CAMADAS --> DESGASTE 0,08m INC ALMOFADA DE --> MASSAME 0,08 almofada deAREIA areia0,05m 0,05m TOUTVENANT 0,20m TOUTVENANT 2 CAMADAS --> 0,30 + 0,30 = 0,60 tout venant 0,20m TERRA TERRA terra

1,500

2,500

7,0

PERFIL TIPO 1 ESC. 1/50

impermeável

impermeável OLAIAS JACARANDÁ MEDRONHEIRO

impermeável

Perfil Tipo passeio: PASSEIO

TÍLIA DE FOLHAS PEQUENAS

lajetas deBETÃO betão0,05m 0,05m ESTRADA LAJETA DE ASFALTO 2 CAMADAS --> DESGASTE 0,08m INCLINAÇÃO 1% ALMOFADA DE --> MASSAME 0,08m almofada deAREIA areia0,05m 0,05m TOUTVENANT 0,20m TOUTVENANT 2 CAMADAS --> 0,30 + 0,30 = 0,60m tout venant 0,20m TERRA TERRA terra

impermeável

1,500

2,500

7,0

4,000

PERFIL TIPO 1 ESC. 1/50

2,500

7,000

4,000

PERFIL TIPO 2 ESC. 1/50

via fechada/ prolongamento permeável do verde zona de recepção das pessoas

TÍLIA DE FOLHAS PEQUENAS

PLÁTANO MAGNÓLIAS impermeável

OUTONO: Folhas amarelas INVERNO: Sem folhas

PRIMAVERA/VERÃO flores: brancas amarelas

tronco cinzento-esverdeado

comércio

OUTONO/INVERNO Sem folhas proposto

PLATANOS

PRIMAVERA/VERÃO flores: Abril e Maio Folhas: verde claro

Preservação de algumas destas árvores existentes 4,000

2,500

7,000

4,000

PERFIL TIPO 2 ESC. 1/50

BORDO OU PLÁTANO-BASTARDO

re-desenho do cruzamento MAGNÓLIA TÍLIA

reajustamento da largura da via

CONCEITO SOLUÇÃO

OUTONO/INVERNO Folha caduca

DE FOLHAS GRANDES

CATALPA

espaço verde existente e preservado

PRIMAVERA/VERÃO flores: brancas laranjas amarelas rosa perfumadas

espaço público pavimentado

comérci o prop osto

criação de passeios e barreira PAVIMENTO ESPAÇO PÚBLICO EM GRANITO SERRADO PAVIMENTO vegetal dePASSEIOS: LAJETAS DE BETÃO "AFAGADO" protecção

TÍLIA DE FOLHAS PEQUENAS TÍLIA DE FOLHAS PEQUENAS

vel

rmeá

impe

comércio prop osto

via fechada/ prolongamento do verde

PAVIMENTO ESPAÇO PÚBLICO EM GRANITO SERRADO PAVIMENTO PASSEIOS: LAJETAS DE BETÃO "AFAGADO"

zona de recepção das pessoas

MAGNÓLIAS

UNIVERSID comércio proposto

via fechada/ prolongame permeável nto do verde

REQUALIF

DOCENTE ALUNA: Ke

zona de recepção das pessoas

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA - PÓLO DE VISEU PROJECTO INTEGRADO URBANO REQUALIFICAÇÃO DA ESTRADA NACIONAL 203 - PONTE DE LIMA DOCENTE: Arq. Carvalho Araújo ALUNA: Kelly Martins

JANEIRO 2009

MAGNÓLIA impermeáve S l comércio proposto

PLATANOS

15


PROJECTO RESTAURANTE, NELAS, VISEU

centro hist贸rico

16


N

ANÁLISE O terreno de intervenção situa-se numa aldeia que se localiza no munícipio de Nelas, Viseu - Portugal. A aldeia da Barca possui apenas algumas habitações e, não apresenta nenhum tipo de desenvolvimento de traçado urbano. Refere-se a uma aldeia isolada. O terreno em questão, localiza-se na margem de um pequeno rio. Na sua envolvente existem terrenos agrícolas e uma floresta. Existem pequenas construções já em estado de ruína. O acesso ao mesmo, faz-se através de um caminho de terra batida.

PROBLEMA Como dar vida numa zona tão isolada Que possíveis equipamentos propôr Quais os aspectos a valorizar e destacar Que relação com o rio e a natureza Que conceito formal e funcional adoptar

SOLUÇÃO Estabelecer contacto entre as pessoas, o equipamento e a natureza envolvente. Valorizar e preservar o rio e a natureza. Criar vãos que relacionem e aproximem o interior do restaurante com o exterior. Criação de um elemento que formal e funcionalmente, seja claramente diferente do convencional, para que este seja um dos aspectos atractivos do lugar. Pretende-se desta forma tornar a aldeia da Barca um lugar apelativo para muitas pessoas, combatendo o isolamento e a falta de desenvolvimento do mesmo.

17


F MG

CL

CL

DW

F

F

PROJECTO RESTAURANTE, NELAS, VISEU

PLANTA PISO SERVIÇOS

PLANTA PISO RESTAURANTE

18


CORTE LONGITUDINAL

CORTE LONGITUDINAL

ALÇADO POSTERIOR

ALÇADO POSTERIOR ALÇADO POSTERIOR

ALÇADO PRINCIPAL

ALÇADO PRINCIPAL

ALÇADO PRINCIPAL

19


PROJECTO RESTAURANTE, NELAS, VISEU

VISTA A PARTIR DO RIO

VISTA POSTERIOR

20


ESPAÇO DE RECEPÇÃO

HABITÁCULO INTIMISTA

HABITÁCULO INTIMISTA

HABITÁCULOS INTIMISTAS

SALA DE JANTAR INTIMISTA

SALA DE JANTAR

21


PROJECTO PISCINAS, EM MORTÁGUA, VISEU

22


N

ANÁLISE

Mortágua é uma vila portuguesa no região Centro, com cerca de 2 800 de um município com 248,59 km² de é limitado a norte pelo município nordeste por Tondela, a leste por a sul por Penacova e a oeste pela Anadia.

Distrito de Viseu, habitantes.É sede área. O município de Águeda, a Santa Comba Dão, Mealhada e por

23


N

PROJECTO PISCINAS, EM MORTÁGUA, VISEU

zona de circulação

Instalações Sanitárias

zona de acesso

"corredor inglês" circulação dos utilizadores

piscinas interiores: Adult./Cr.

café com esplanada e lojas

gabinete médico

gabinete da administração

piscinas exteriores

balneários

hall de entrada

habitação do supervisor

ginásio

24

PROBLEMA qual a melhor sequência de espaços? que percursos criar?


PERFIL TRANSVERSAL

PERFIL TRANSVERSAL

PERFIL TRANSVERSAL PERFIL TRANSVERSAL

PERFIL LONGITUDINAL

PERFIL LONGITUDINAL PERFIL LONGITUDINAL

PERFIL LONGITUDINAL

ALÇADO NASCENTE ALÇADO NASCENTE

PERFIL LONGITUDINAL

PERFIL LONGITUDINAL

PERFIL LONGITUDINAL

PERFIL LONGITUDINAL

ALÇADO NORTE ALÇADO NORTE

ALÇADO NASCENTE

ALÇADO NASCENTE

ALÇADO SUL

ALÇADO SUL ALÇADO SUL

ALÇADO NORTE

ALÇADO POENTE ALÇADO POENTE ALÇADO POENTE

ALÇADO SUL

25


PROJECTO PISCINAS, EM MORTÁGUA, VISEU

CONCEITO SOLUÇÃO ORGANICIDADE COMO CONCEITO ORGANIZADOR DA PLANTA Princípios Hierarquização das diferentes funções; Distinção dos volumes; pé-direitos diferentes; espaço de circulação amplo; circulação e renovação de ar; iluminação zenital; plasticidade; adaptação da forma às funções.

ZONA DE IMPLANTAÇÃO

ZONA VERDE E ZONA DE ESTACIONAMENTOS

1ª FASE: FÁBRICA DE TIJOLO ABANDONADA, RECONVERTIDA EM HABITAÇÃO

MAQUETA GERAL

26

MAQUETA DA PROPOSTA PISCINAS


ALÇADO NORTE

ALÇADO SUL

ALÇADO NASCENTE

COBERTURA

VISTA INTERIOR A PARTIR DA ENTRADA

VISTA INTERIOR ZONA DE CIRCULAÇÃO

27


PROJECTO CASA DO SILÊNCIO, VISEU

28


N

ANÁLISE

ru a Dr . Jo sé Co el ho

TERRENO DE INTERVENÇÃO O terreno de intervenção localiza-se na cidade de Viseu e, tem um carácter urbano, mas o seu estado actual de abandono aproxima-o de uma identidade mais rural. Localiza-se junto ao hospital da cidade e, junto de algumas universidades. Na sua envolvente, é ladeado por três vias de grande tráfego rodoviário. Por outro lado, a Poente apresenta uma vizinhança tranquila, com apenas algumas moradias unifamiliares na proximidade. Numa 1ª fase, definiu-se a ocupação do terreno através do desenho de vias, quarteirões habitacionais e, destacou-se uma zona que se revelou a mais adequada para a implantação de uma Casa do Silêncio, desenvolvida numa 2ª fase.

29


PROJECTO CASA DO SILÊNCIO, VISEU

N

PROBLEMA Para que serve uma Casa do Silêncio? Qual o melhor local para implantá-la? Que programa definir para este equipamento?

PROGRAMA refeitório sala de refeições inst. sanit. recepção/espera salas de administração habitáculos capela

30

Casa do Silêncio e, sua envolvente natural


Axonometria Rés-do-Chão

Axonometria Piso 1

CONCEITO SOLUÇÃO/SIMBOLOGIA DA FORMA 7 - O número da vida - a união do ternário (espírito) com o quaternário (matéria). Os 7 espíritos ante o trono de Deus. Os 7 sacerdotes da Lei Cósmica. Os 7 Senhores do Carma. Os 7 ciclos da terra (4 ciclos lunares com duração de 7 dias). A origem do calendário atual. A renovação celular do corpo humano (7 em 7 anos). Os 7 orifícios do rosto humano. A plenitude, a ordem perfeita. A medida reguladora da coesão universal: 7 planetas, 7 divindades, 7 metais, 7 notas musicais, 7 cores, 7 dias da semana, 7 chakras, 7 pecados capitais e 7 virtudes que lhe são contrapostas. A lei da evolução.

Axonometria Piso 2

31


ce

nt

ro

hi

st

ór

ic

o

PROJECTO HABITAÇÃO COLECTIVA, PONTE DE LIMA

enquadramento terreno de intervenção: 2ª FASE

32


N PONTE DE LIMA é uma pequena cidade que se localiza no Norte de PORTUGAL e, que possui características muito singulares. A sua pequena escala, procura desenvolver uma morfologia urbana que aproxime a escala da cidade à ESCALA HUMANA. Tal, leva a que a edificação não cresca excessivamente em altura, predominando a tipologia habitacional FAMILIAR - moradia unifamiliar -, cujo desenho e apropriação espacial, impõe a existência de logradouro e jardim privado. A cidade possui algumas tradições como: * Festival de Jardins * Festas tradicionais * Comércio de Animais A IDENTIDADE de Ponte de Lima, baseia-se na NATUREZA, destacando-se por isso, a Avenida dos Plátanos e a Avenida Feijó.

ó

6

ij

nº21

Fe

onal

a

naci

id

ada

en

estr

av

terreno de intervenção

ANÁLISE 33


a

st

po

ba na

ur

c.

es

0

1/ 50

42

,5 40

,5

40

45

45 45 45 45

SOLUÇÃO

Criação de duas plataformas em cotas diferentes. A plataforma superior possui um carácter privado e, é de N uso habitacional. A plataforma inferior tem um carácter público, tendo uma utilização urbana, aberta à cidade. 43

le

ge

nd

a:

a

em

qu

es

at

pl

af ar or es bus ma ac tab tos s en el co tu ec junt ta em o m m a bar às h pr re ab i i i es va ra ta p c ç a ve id vi rd ço ad su ões v al e e q "e erd e ue qu e ip "m am ir en ad to ou es de ro" pa sp ço or e, ve ti es r vo pa de ra ç " m pú co o qu pa b ta e li e co co pa 45 ta dá co 45 ace ssad ta ss o iço 41 às em ha re bi mad .p ves ta ei er ti çõ ra cu me es rs nt o o qu do re e o r p av .e ves i e im .e spa time nt en t a lo spa ço r nto pa o ( es pe r . ja ço d

45

45

pr o

41

F

F

F

F

F

F

F

F

F

34 F

co F

F

cota

42

a

pl at

s

io

N íc

if

ed

45

em

qu

es

af

or

s

cota

42

2

12- pla t 3- pla afo pl t af rm a at o af rm a co t a or 45 m a co t co a 4 ta 1 40 ,5

ma

PROJECTO HABITAÇÃO COLECTIVA, PONTE DE LIMA

40

41

ta 42

42

42 ,5

PROBLEMA

Ocupar um vazio urbano, atribuir-lhe função e identidade; dinamismo ao lugar; integrar o espaço no contexto urbano da cidade; coerência

1


45 44 43 42

42

41

41

45

45

45 45

44 43

45

44 44

43 43

42

42

41

41

41

corte transversal esc. 1/200

42

corte transversal esc. 1/200

planta identificação dos cortes es

45 44

42

42

41

41

42

42

Perfil Transversal

corte transversal esc. 1/200

corte transversal esc. 1/200

43

45 44

43

43

42 41

43

corte longitudinal esc. 1/200

42

Perfil Longitudinal

corte longitudinal esc. 1/200

35


ESTÁGIO Realizei estágio durante nove meses, no atelier em Matosinhos, designado PSPV. Durante o estágio participei em projectos de moradias unifamiliares, edifíos de habitação colectiva, clínica veterinária, e brevemente, no projecto de um hospital. Participei em fases de estudo prévio, licenciamento, aditamentos, e passagem de projecto para elemento 3D.


CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL APELIDO/NOME PRÓPRIO MARTINS, KELLY BAPTISTA MORADA

ZONHO DE CÔTA, RUA DA VENTOSA, Nº4, 3505-240 VISEU

TELEMÓVEL

963594026

CORREIO ELECTRÓNICO

kelly.bmartins@gmail.com kel_lybatista86@yahoo.com

NACIONALIDADE

PORTUGUESA

NATURALIDADE

FRANCESA

DATA DE NASCIMENTO

10 DE FEVEREIRO DE 1986

ESTADO CIVIL

SOLTEIRA

SEXO

FEMININO

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL DATA

JUNHO DE 2004

FUNÇÃO OU CARGO OCUPADO

COLABORADORA NA EXPRIMENTA DESIGN

TIPO DE EMPRESA OU SECTOR

UNIDADE DE PRODUÇÃO E CONTEÚDOS NA ÁREA DO DESIGN, ARQUITECTURA E CULTURA DE PROJECTO

DATA

DEZEMBRO 2009

FUNÇÃO OU CARGO OCUPADO

ELEMENTO DA DIRECÇÃO DO CINECLUBE DE VISEU

TIPO DE EMPRESA OU SECTOR

INSTITUIÇÃO CULTURAL


FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL DATAS

2004-2007

PRINCIPAIS DISCIPLINAS/ COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

PROJECTO, PLANEAMENTO URBANO, DESENHO TÉCNICO E GRÁFICO

NOME E TIPO DA ORGANIZAÇÃO DE ENSINO OU FORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA, PÓLO DE VISEU

DESIGNAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO ATRIBUÍDA

LICENCIATURA EM ARQUITECTURA

DATAS

2007-2009

PRINCIPAIS DISCIPLINAS/ COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

PROJECTO, PLANEAMENTO URBANO, DESENHO TÉCNICO E GRÁFICO, REABILITAÇÃO

NOME E TIPO DA ORGANIZAÇÃO DE ENSINO OU FORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA, PÓLO DE VISEU

DESIGNAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO ATRIBUÍDA

GRAU DE MESTRE (MESTRADO INTEGRADO DE BOLONHA)

APTIDÕES E COMPETÊNCIAS PESSOAIS PRIMEIRA LÍNGUA

PORTUGUÊS

OUTRA(S) LÍNGUA(S)

FRANCÊS

COMPREENSÃO ESCRITA

RAZOÁVEL

EXPRESSÃO ESCRITA

RAZOÁVEL

EXPRESSÃO ORAL

RAZOÁVEL INGLÊS

COMPREENSÃO ESCRITA

RAZOÁVEL

EXPRESSÃO ESCRITA

RAZOÁVEL

EXPRESSÃO ORAL

RAZOÁVEL


APTIDÕES E COMPETÊNCIAS SOCIAIS ESPÍRITO DE EQUIPA CAPACIDADE DE ADAPTAÇÃO A AMBIENTES MULTICULTURAIS CAPACIDADE DE COMUNICAÇÃO E LIDERANÇA

APTIDÕES E COMPETÊNCIAS TÉCNICAS CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA NA ÓPTICA DO UTILIZADOR, NOMEADAMENTE, NOS SEGUINTES PROGRAMAS: MS WINDOWS, MS WORD, MS POWERPOINT, ARCHICAD E ARTLANTIS FORMAÇÃO EM PHOTOSHOP FORMAÇÃO DE AUTOCAD 2D CARTA DE CONDUÇÃO

CARTA DE CONDUÇÃO Nº VS-185184 3

ACÇÕES DE FORMAÇÃO

Estatuto e Deontologia -

24 e 25 Maio de 2010: 8h

Código Civil e Direitos de Autor - 25 Maio de 2010: 2h Ordenamento do Território e Urbanismo - 26 Maio de 2010: 4h Edificação - Enquadramento Legal - 27 Maio de 2010: 4h Desenho Universal e Acessibilidades - 26 Maio de 2010: 2h Desempenho Energético dos Edifícios - 25 Maio de 2010: 2h Proposta de Honorários - 26 Maio de 2010: 2h Segurança em Obra - 27 Maio de 2010: 2h


CONFERÊNCIAS Arq. Florian Nagler, Alemanha, 20-05-2005 Arq. Marcel Meili, Suiça,13-05-2005 Arq. Nikolaus Hirsch, Alemanha, 08-04-2005 Arq. Vittorio Magnago Lampugnani;”permanent architecture and the modern city”; 02-06-2006 Arq. Peter St John; “as built”; 24-05-2006 Arq. José Fernando Gonçalves; “obras recentes”; 19-05-2006 Arq. Jonathan Sergison; “weiterbauen/keep on building”; 16-03-2006 Arq. ANDREJ HRAUSKY; “Arquitectura Eslovena”; 30-10-2006. Arq. HERMANN CZECH "A ARQUITECTURA DE ADOLF LOOS E JOSEF FRANK"; 28-05-2007 Arq. José Nuno Beirão; “Cidade Induzida e flexibilidade urbana”; 27-04-2009 Arq. José Forjaz; 07-05-2009 Arq. Gonçalo Byrne; 08-05-2009 Arq. Raúl Hestnes Ferreira (2007) Arq. António Mata (Núcleo de Arquitectos de Viseu) (2007) Arq. Daniel Carrapa (Blogue A Barriga de um Arquitecto) (2007) Arq. Carlos Veloso -Teatro Municipal da Guarda (2008) Arq. Daniel Carrapa (Blogue A Barriga de um Arquitecto) (2008) Arq. Carlos Flores Pazos(Madrid): “Arquitectura Construtivista Soviética” (2008) Arq. Gonçalo Byrne: “Obras Recentes” (2008) Arq. Luís Santiago Baptista: “o lugar das revistas na Arquitectura” (2009) Arq. Peter Zumthor, Lisboa 2008 Arq. Jorge Kol de Carvalho, Viseu Conferência proferida: Apresentação de trabalho de projecto de 2ªano, em 2006 na open house, realizada na Universidade Católica Portuguesa - Pólo de Viseu Arq. Grafton Architects pelas arquitectas Shelley McNamara e Yvonne Farrell: "Em Trânsito #033" (2010) Arq. Lynch Architects, pelo arquitecto Patrick Lynch: "Em Trânsito #034", (2010) Arq. Francisco Vieira de Campos e Arq, António Leitão Barbosa com moderação do Arq. Manuel Graça Dias: "3ª Palestra Dão-se Explicações 10", (2011) Arq. Siza Vieira, Arq. Carlos Castanheira, Arq. Rita Almada e Arq. Catarina Almada com a moderação do Arq. Pedro Gadanho: "4ª Palestra Dão-se Explicações 10", (2011) Arq. José Gigante: "5ª Open House - Festa da Arquitectura", (2011) Arq. João Luís CArrilho da Graça: "5ª Open House - Festa da Arquitectura", (2011)


portf贸lio


arquitectura