Issuu on Google+


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 1


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 2


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 3


Editorial Reflexões Hoje, onde vivo, a chuva deu uma trégua. Pela manhã percebi que a estação é verão e já fazia algum tempo que eu não via o meu amigo sol, para mim sinônimo de vida. Também sei que a vida atualmente só tem valor quando ela serve de ‘moeda’ de troca ou, representa interesses maiores para aquele que dela se apropria. Esgotados ou contrariados os motivos, ela não vale nada, dádiva maior que o ser humano pode receber. Nos grandes centros, ou seja, lá o lugar, o risco de perdê-la se faz presente, sem dó ou piedade, na maior exaltação da bestialidade daquele que lha tira, ou então, friamente negocia através dela para que seus objetivos sejam alcançados. Não como aconteceu no Mali. uma vida ficou três anos esperando por um momento: Viver ou morrer. A missão que deveria resgatá-lo fracassou. Avaliaram mal o poder dos sequestradores Fundamentalistas. Então ele foi assassinado. Embora possa vir a ser considerado um ‘Mártir’, sua vida esgotou-se de forma estúpida e inglória. o que podemos fazer pela preservação da vida?

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013

4


Fundador e Diretor Responsável: José Heitor da Costa Fundado em 12/09/2012 Presidente: Jaldete Vieira Garcia Vice-presidente: José Heitor da Costa Diretor Executivo: Valberto Garcia Diretor Comercial: João Pedro Gutierrez Teixeira Diretora de Publicidade: Carmem Lúcia Diretora de Projetos Gráficos e Web Designers: Iza Souza Diretor e Editor de Esportes: João Costa Diretor de Assuntos Internacionais: Gilmar Freitas Repórteres: Afonso Aquino. Pinheiro Junior. Rodrigues Taú. Wanda Lacerda. Álvaro Cintra. João Mendes. contato@jhcmidiadigital.com Cel: +55 (11) 98178-5433 Conselho Administrativo Presidente: Jaldete Vieira Garcia Vice-Presidente: José Heitor da Costa

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 5


Turismo Vista aérea da Cidade do Rio de Janeiro

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 6


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 7


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 8


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 9


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 10


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 11


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 12


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 13


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 14


Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

Rotieh Atsoc para JHCMídiadigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 15


Noticias Maduro diz que Chávez está tranquilo, sereno e confiante

B

rasília – O vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, informou que o presidente Hugo Chávez está “muito tranquilo, sereno e consciente”. Maduro disse ter visitado Chávez, em Havana, Cuba, há quatro dias. Hospitalizado há mais de um mês para o tratamento de combate ao câncer, o presidente venezuelano não é visto em público desde o começo de dezembro. A oposição cobra um pronunciamento e imagens recentes dele. "Em termos gerais, ele [Chávez] está muito tranquilo, sereno e consciente de todas as fases que vem passando no pós-operatório”, ressaltou o vicepresidente. Maduro disse ter visitado Chávez, no dia 14, e que a "infecção [respiratória] foi controlada". Maduro disse ainda que, nos próximos dias, pode ocorrer uma reunião dos médicos que cuidam do presidente, que informarão sobre a evolução do seu estado de saúde e quando ele poderá retornar a Caracas, capital venezuelana. A ausência física de Chávez na política do país gerou uma onda de incertezas e especulações, além de polêmicas. A principal divergência com a oposição foi a confirmação, por órgãos oficiais, sobre a legalidade do adiamento da data da posse. A cerimônia estava marcada para o último dia 10 e a nova data não foi definida, pois é aguardada a recuperação do presidente. Maduro disse ainda que, mesmo ausente fisicamente, Chávez está presente em todos os atos na Venezuela. "Hugo Chávez é presidente e vai continuar assim. Temos um critério muito claro do papel do presidente”, destacou. “Enfrentamos uma guerra miserável na mídia [envolvendo Chávez], de ataques à sua vida”, disse. “É uma suposta falta temporária. Há um governo funcionando, um escritório ativo.” A nomeação do novo ministro das Relações Exteriores, Elias Jaua, nesta semana envolveu críticas porque o decreto foi assinado por Chávez. A oposição levantou dúvidas sobre a assinatura do presidente, uma vez que ele está hospitalizado desde o começo de dezembro. Maduro reiterou que o documento assinado por Chávez é verdadeiro, portanto, válido. Na visita a Havana, Maduro disse ter conversado com o presidente de Cuba, Raúl Castro, e o ex-presidente Fidel Castro sobre a ampliação de acordos de cooperação bilateral nas áreas de saúde, educação, esporte, cultura e

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 16


economia. Também mencionou a decisão de intensificar as parcerias com a Argentina para o desenvolvimento regional. A Venezuela e a Argentina negociam parcerias para a comercialização de energia e o fornecimento de arroz, leite em pó, carne bovina e de frango, além de tecnologia para a fabricação de tanques, bombas de gás e de abastecimento de combustível. Também estão em curso acordos para aumentar o número de voos entre os dois países.

Lobby de armas dos EUA acusa Obama de “Ipocrisia Elitista”

I

niciativa em favor de leis mais rígidas de controle de armas de fogo recebe críticas do lobby de armas e elogios da sociedade civil. Senadores sinalizam que não será fácil aprovar plano no Congresso. O presidente dos EUA, Barack Obama, deverá enfrentar dura resistência no Congresso ao seu pedido por leis mais rígidas de controle de armas de fogo no país. "Estou seguro de que haverá uma oposição suprapartidária contra as suas propostas", disse em comunicado o senador republicano Lindsey Graham. O senador reage assim à exigência de Obama de que, entre outros, seja proibida a venda de fuzis de assalto e carregadores com mais de dez balas de munição. O presidente norte-americano também quer uma verificação mais rigorosa dos compradores de armas de fogo. Também o líder da bancada democrata no Senado, Harry Reid, reagiu com

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 17


reservas ao anúncio. Segundo o jornal Washington Post, Reid declarou que o presidente fez "sugestões cuidadosamente elaboradas". Ele disse que irá considerar em breve "um projeto de legislação que aborda a violência por armas e outros aspectos da violência em nossa sociedade." O político democrata declarou ainda estar preocupado que seu partido venha a perder votos nas próximas eleições parlamentares, em novembro de 2014, principalmente em regiões rurais com muitos defensores do uso de armas. Somente legisladores podem apresentar projetos de lei no Congresso, não o presidente. Presidente quer aumentar controle sobre compradores de armas

Críticas da NRA Além de seu pedido por uma legislação mais rigorosa das armas de fogo no país, o presidente norte-americano assinou, nesta quarta-feira (16/01), 23 ordens executivas que reforçam o cumprimento da legislação existente e que não precisam de apreciação pelo Congresso. A iniciativa de Obama acontece quatro semanas após o massacre de 20 crianças e seis adultos numa escola de Newtown, cidade do estado norte-americano de Connecticut. Poucas horas após o anúncio do presidente, a Associação Nacional de Rifles dos EUA (NRA, na sigla em inglês), principal lobby de armas do país, publicou um vídeo na internet em que acusa Obama de "hipocrisia elitista". O presidente se posiciona contra o emprego de vigilância armada nas escolas, mas guardacostas acompanham diariamente suas filhas até a escola, argumentou o lobby de armas. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 18


A NRA critica ainda que somente portadores de armas "honestos e justos" seriam afetados. As crianças continuariam correndo o risco de um novo massacre, disse o lobby de armas. "Nossa prioridade maior é proteger nossas crianças e nossa sociedade", assinalou a organização.

Elogios para Obama Projeto de Obama prevê investigar vendedores de armas

No entanto, segundo pesquisa de opinião da agência de notícias AP, a ira dos entrevistados frente ao massacre em Newtown supera até mesmo a fúria sentida após os atentados de 11 de setembro de 2001. Segundo a pesquisa, seis em cada dez cidadãos do país defendem leis mais rigorosas de controle de armas, e 84% dos entrevistados declararam ser a favor de averiguações mais rigorosas de proprietários de armas. Os apoiadores de um controle mais acirrado de armas de fogo elogiaram a iniciativa de Obama. Numa primeira reação ao discurso do presidente, o diretor da Coalizão para Parar a Violência de Armas de Fogo, Josh Horwitz, disse que o presidente deu um passo adiante "incrivelmente significativo". O Centro de Política de Violência (Violence Policy Center), organização de pesquisa que faz trabalho de lobby contra armas de fogo em Washington, declarou que a iniciativa de Obama irá deter a "violência cotidiana por armas de fogo", que destrói "muitas famílias e vizinhanças". Associações de médicos também expressaram seu apoio a Obama. A Coalizão para Parar a Violência de Armas de Fogo apelou aos cidadãos norteamericanos para que façam pressão sobre deputados e senadores. Obama admitiu que não será fácil impor a iniciativa. Ela só terá êxito se "o povo norteamericano exigir". Segundo estimativas, existem por volta de 200 milhões de armas de fogo nos EUA. Desde o massacre de Newtown, elas já ocasionaram a morte de 900 pessoas no país.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 19


Catarina promove ensaio sensual durante noite de autógrafos em SC Ensaio foi publicado neste mês de janeiro em uma revista masculina. Catarinense vendeu primeira vez na internet por R$ 1,5 milhão.

Catarina Migliorini fez noite de autógrafos em Itapema (Foto: Ed Soul/RBS TV)

A

catarinense Ingrid Migliorini, que ficou conhecida por leiloar a virgindade na internet por R$1,5 milhão, participou, na noite desta quinta-feira (17), de uma noite de autógrafos em Itapema, Litoral Norte de Santa Catarina, a fim de promover o ensaio sensual e a revista masculina para a qual posou nua. Cerca de 50 pessoas estavam no local por volta das 21h. O público, composto de parentes, amigos e fãs, cercaram a jovem para bater fotos e receber autógrafos.

Catarina diz que adorou fotos do ensaio e também escolha do tema (Foto: Ed Soul/RBS TV)

Segundo a jovem, ela adorou o resultado do ensaio. "Eles escolheram o tema e eu gostei. Achei uma mistura de inocência e perversidade. Neste momento, é mais ou menos assim que me sinto, de modo geral", comenta a jovem. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 20


Catarina diz que adorou fotos do ensaio e também escolha do tema (Foto: Ed Soul/RBS TV)

O leilão da virgindade, com o qual a jovem ficou mundialmente conhecida, fez parte de um projeto que também previa a gravação de um documentário sobre a preparação para a primeira vez. A produção é do australiano Justin Sisely, que promoveu os lances por meio do 'Virgins Wanted', site divulgado ao público no dia 15 de setembro de 2012 e cujos lances terminaram em 24 de outubro. Um japonês arrematou o leilão por R$1,5 milhão de reais. A garota de 20 anos, em entrevista ao G1, revelou já conheceu o japonês durante um jantar em Sydney, na Austrália. Porém, segundo ela, até esta quinta (17), não havia uma previsão para ocorrer a primeira vez.

Governo pode aumentar quantidade de álcool na gasolina em abril

O

objetivo seria reduzir a importação do combustível, já que a safra brasileira de cana-de-açúcar tem condições de abastecer o mercado.

A área técnica do governo fala em aumentar a quantidade de álcool na gasolina para reduzir a importação do combustível. A diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, disse, durante umevento no Rio, que é possível a partir de abril passar de 20% para 25% o percentual de álcool na gasolina porque a safra de cana-de-açúcar tem condições de abastecer o mercado. O objetivo é reduzir o impacto de um aumento do combustível na inflação, e também baixar pela metade a importação de gasolina da Petrobras. Em Brasília, o Ministério de Minas e Energia não confirmou estudos sobre mudanças na mistura. A União da Indústria de Cana-de-açúcar disse que não foi avisada das intenções do governo, e que o anúncio teria de ser feito logo para os produtores se programarem.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 21


Brasil conseguiu reduzir casos de hanseníase e Dengue em 30%, diz OMS

A

Organização Mundial da Saúde, OMS, destaca a queda de casos de hanseníase no Brasil e na África, ao contrário do que aconteceu em outras regiões do mundo. Relatório da agência sobre 17 doenças tropicais negligenciadas revela que 711 milhões de pessoas no mundo receberam tratamento para pelo menos uma das infecções deste tipo, em 2010.

Os dados estão no relatório "Mantendo a Iniciativa para Superar o Impacto Global de Doenças Negligenciadas", publicado, na quarta-feira, em Genebra. O documento analisa o período entre 2004 e 2011.

Dengue No Brasil, a queda foi de 31% se comparado aos resultados de 2010. Outros países de língua portuguesa, como Angola e Moçambique, registraram uma diminuição de 75% nos casos da doença. O documento cita 17 doenças tropicais negligenciadas entre elas a leishmanioese, a malária, o verme da Guiné, a cegueira do rio e a doença de Chagas, entre outras. Uma outra infecção, considerada pela OMS, como negligenciada é a dengue. Nesta entrevista à Rádio ONU, de Genebra, a médica Regina Ungerer, coordenadora do site "e-português", falou sobre a prevenção da dengue.

Morcegos

" É uma doença causada pelo mosquito, então você tem que controlar a transmissão do mosquito. Você tem que controlar o seu habitat, que o mosquito da dengue gosta de água limpa. Água da chuva que fica retida em recipientes na rua, quando tem lixo, em pneus velhos, em vasos de planta. Coisas que também são da responsabilidade da própria pessoa, de uma própria comunidade, de ajudar a controlar porque não basta só você matar o mosquito." A OMS está preocupada com os casos de raiva humana transmitida por morcegos, principalmente em áreas remotas da região amazônica, com destaque para o Brasil, a Colômbia, o Equador e o Peru. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 22


Planos O documento destaca planos do Brasil de eliminar o tracoma, a principal causa mundial da cegueira prevenível. Os desafios, citados no relatório, incluem o combate à doença de Chagas, uma das infecções que mais afetam o país. A agência da ONU prevê, por exemplo, que o tratamento, somente, para a esquistossomose deve atingir 235 milhões de pessoas pelos próximos cinco anos.

Tratamento Cerca de 711 milhões de pessoas no mundo receberam tratamento para pelo menos uma das principais doenças tropicais negligenciadas em 2010. O relatório destaca progresso, sem precedentes, nos últimos dois anos mostrando que o mundo está mais perto de eliminar muitas doenças que afetam os mais pobres. De acordo com a OMS, o avanço deve-se a uma nova estratégia global que inclui o fornecimento regular de qualidade garantida, o custo-benefício de medicamentos e apoio de parceiros globais no combate às doenças tropicais negligenciadas. (Rádio ONU em Nova York)

Dengue tem potencial de se transformar em pandemia mundial Por Agência EFE

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 23


G

enebra - A dengue é a única Doença Tropical Desatendida (ETD) que se expandiu na última década, sua incidência se multiplicou por 30 nos últimos 50 anos e tem o potencial real de se transformar em epidemia mundial, segundo adverte um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS). "Manter o impulso para superar o impacto global das Doenças Tropicais Desatendidas" é o título do segundo relatório que a OMS realiza para determinar o estado no mundo. Este relatório analisa o impacto que as ETD têm no mundo e sugere políticas públicas que poderiam ser aplicadas para reduzir ou inclusive erradicar sua incidência. Das 17 doenças que inclui a OMS no grupo ETD, a dengue é a única que representa uma "ameaça global". Em 2012, a dengue foi a doença viral ligada a um mosquito que mais rápido se expandiu no mundo; em 2010 foi detectado pela primeira vez na Europa, por isso que todas as regiões do mundo tiveram alguma incidência. No último meio século, a incidência da dengue se multiplicou por 30, e sua expansão faz crer, aos cientistas, que a doença tem as condições para se transformar em uma verdadeira pandemia mundial. "A doença está presente em 150 países e não há uma região no mundo onde não esteja presente; se não for controlada corretamente, pode se transformar em uma verdadeira pandemia", afirmou em entrevista coletiva o especialista da OMS Raman Velaywdhan. A dengue já é uma doença endêmica em 100 países do mundo, incluindo quase todas as nações da América Latina e o Sudeste Asiático; entre 50 e 100 milhões de pessoas contraem a doença anualmente; 500 mil delas sofrem com a versão mais grave, conhecida como hemorrágica; e cerca de 22 mil morrem. Mas os centros de pesquisa especializados elevam o número de pessoas em risco de contrair a dengue de 2 a 3,6 milhões e os infectados de 50 a 500 milhões, enquanto a globalização acelera ainda mais a incidência do mal.

Quadrilha de falsos policiais é presa após sequestrar comerciante em SP Grupo abordou vítima na região da zona leste da capital paulista. Após perseguição policial, foram apreendidos coletes da Polícia Civil, algemas e lacres plásticos iG São Paulo | 18/01/2013 10:37:43 JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 24


A

Polícia Militar prendeu uma quadrilha de falsos policiais civis após libertar uma comerciante de um sequestro na região do Morumbi, na zona sul de São Paulo, nesta madrugada. Os criminosos foram presos na Marginal Pinheiros após uma perseguição policial que durou mais de 10 km. Segundo a PM, os bandidos estavam na zona leste da capital quando abordaram a comerciante. Eles teriam pedido documentos da lanchonete da vítima. Como ela estava sem a documentação, foi avisada que seria levado ao Distrito Policial.

Nivaldo Lima/Futura Press

Grupo foi preso após mais de 10 km de perseguição; comerciante havia sido sequestrada A corporação acredita que informações sobre a comerciante foram pesquisadas nas redes sociais. Uma equipe do 4º Batalhão da PM desconfiou de uma susposta viatura quando passava pela região do Ceagesp, na zona oeste de São Paulo. O veículo tinha vidros escuros e giroflex. Foram apreendidos coletes, algemas e lacres plásticos. A vítima passa bem. Os criminosos, todos maiores de idade, foram encaminhados ao 91º DP.

Causa revolta jantar promovido pelo PT para ajudar a pagar as multas do STF a petistas condenados no mensalão Por Redação - Rádio Gospel FM JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 25


U

m jantar causou revolta na população. O evento foi promovido pela Juventude do PT de Brasília com o intuito de ajudar a pagar as multas aplicadas pelo STF aos “companheiros” do partido que foram condenados por participarem no ‘mensalão’, o maior esquema de corrupção conhecido no Brasil. A população que soube da ação ficou revoltada e se manifestou contra o ato. Dos 170 convites oferecidos, 150 foram vendidos até o final do evento. No entanto, compareceram cerca de 70 pessoas à Galeteria Gaúcha, restaurante localizado em um dos barros nobres da cidade. Não havia nenhum nome de expressão na sigla.

Com ingressos de R$ 100, R$ 200, R$ 500 e R$ 1 mil, o PT arrecadou pelo menos R$ 15 mil. O valor total, contudo, não foi informado, conforme orientação da direção nacional do partido. Do total levantado, serão retirados os custos do jantar – R$ 46 por pessoa, inclusos o buffet e bebida não alcoólica. A iniciativa beneficia o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-tesoureiro Delúbio Soares e os deputados José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP), condenados a pagar, juntos, R$ 1,8 milhão. Para um dos organizadores, Pedro Henrichs, porém, o valor não é o mais importante. A intenção era espalhar a iniciativa pelo País, ideia que já parece ter dados frutos. “O pessoal do Rio Grande do Sul vai promover um evento semelhante na segunda quinzena desse JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 26


mês”, disse. Sem tumulto. Apesar do pouco movimento, uma moradora da região que soube do jantar pelo noticiário, decidiu fazer um protesto silencioso. A advogada Marília Gabriela Ferreira de Faria, de 31 anos, chegou à porta do restaurante com um recado escrito em uma folha de papel: “Querem ajudar seus amigos? Dividam com eles parte da pena restritiva de liberdade”. Ela classificou a iniciativa do jantar como imoral, apesar de saber que não é ilegal. “Quem ajuda bandido também está contribuindo para o crime.” O cartaz foi deixado na porta do restaurante, até que um dos militantes presentes retirou a placa. Marthius Sávio Lobato, advogado do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato – um dos condenados pelo STF – foi uma das presenças mais marcantes da noite. Lobato afirmou ter comparecido a convite do PT Brasília, não tendo contribuído com a arrecadação. No discurso ele ressaltou que não houve desvio de recursos públicos no mensalão. “Direito e Justiça não podem ser separados. O processo não terminou. Há batalhas a serem enfrentadas. Todos sabemos de fato o que ocorreu ao longo do processo, que demonstra que houve injustiça.” (*) Com informações do Jornal Estado de São Paulo

Juiz de Macaé manda recolher 50 tons de cinza e outras publicações "impróprias" Jornal do Brasil

A

Justiça de Macaé determinou o recolhimento dos livros da trilogia Cinquenta Tons de Cinza e outras publicações consideradas “impróprias” das livrarias da cidade. O juiz Raphael Baddini de Queiroz Campos, da 2ª Vara de Família, da Infância, da Juventude e do Idoso de Macaé determinou que esses livros só poderão ser expostos em embalagens lacradas. De acordo com o magistrado, a decisão foi tomada depois dele verificar pessoalmente, em uma livraria da cidade, muitas crianças perto das vitrines onde livros com conteúdo erótico estavam expostos. O juiz afirma, em seu argumento, que livros com material pornográfico só podem ser vendidos "lacrados e com classificação indicativa na capa", ou seja, com a advertência de que são proibidos para menores de 18 anos, como determina o artigo 78 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). O magistrado determina ainda a “fiscalização com devida aplicação da penalidade administrativa nos casos de constatação de infração”.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 27


Livros foram considerados "impróprios" e só poderão ser expostos em embalagens lacradas

“50 Tons de Cinza" narra a relação entre uma estudante ingênua e um empresário bon vivant e é recheado de cenas de sexo explícito e sadomasoquismo. A trilogia "Cinquenta Tons" da britânica E. L. James já vendeu mais de 40 milhões de cópias em todo o mundo.

Líbia: tribunal começa a julgar filho de Muammar Kadafi 17 de Janeiro de 2013 • 14h25 • atualizado às 14h46

S

aif al Islam, um dos filhos do antigo ditador líbio Muammar Kadafi,compareceu nesta quinta-feira pela primeira vez diante de um tribunal líbio. A primeira audiência do julgamento de Saif al Islam ocorreu no tribunal penal de Zenten, no sul do país, indicou o porta-voz do procurador-geral líbio Taha Baara. Saif al Islam Kadafi é acusado de "cumplicidade na troca de informações e a obtenção de documentos suscetíveis de atentar contra a segurança nacional", acrescentou o porta-voz. Recai sobre ele a acusação de trocar informações durante a visita de uma delegação do Tribunal Penal Internacional (TPI), no 7 de junho de 2012, em Zenten, onde Saif al Islam Kadafi está detido. O governo da Líbia deteve o filho de Kadafi e solicitou que ele fosse julgado no país ao invés de apresentar-se perante ao TPI, uma vez que o Conselho de Segurança encarregou o Tribunal de investigar o conflito na Líbia. O TPI determinou a sua captura ao acusá-lo de crimes contra a humanidade.

Depois da visita feita em junho a Saif al Islam, a Líbia deteve quatro funcionários do TPI. Trípoli os acusa de ter violado a "segurança nacional líbia". As autoridades locais acusavam a conselheira do advogado designado pelo Tribunal para representar o filho de Kadafi de levar consigo uma carta codificada de um dos homens mais procurados pela justiça líbia, Mohamed Ismail, braço-direito de Saif al Islam. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 28


Esportes Motocross | Sessão de Fotos da Equipe Oficial Red Bull/KTM 2013

S

essão com belas fotos da equipe oficial Red Bull/KTM 2013 com curvas, saltos, tortos e as motos KTM oficiais, Factory Edition. Pilotos Marvin Musquin – 95, Ryan Dungey – 05 e Ken Roczen, 94.

Fotos: Simon Cudby

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 29


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 30


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 31


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 32


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 33


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 34


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 35


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 36


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 37


Ken Roczen, 94.

Marvin Musquin

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 38


Ryan Dungey

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 39


Melhores Fotos do Red Bull Cross Choice 2012 no Brasil Fotos: www.redbull.com.br

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 40


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 41


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 42


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 43


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 44


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 45


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 46


CAPA Quem é quem no conflito no Mali, onde cantar é considerado crime por rebeldes 15 de janeiro de 2013, em Análise, Conflitos em andamento, Geopolítica, Operações Militares,Relações Internacionais, por Nicholle Murmel

O

Mali enfrenta uma de suas mais graves crises desde que o país africano se tornou independente da França, em 1960.

Após um pedido do governo malinês, a França enviou tropas ao país, para conter o avanço de rebeldes fundamentalistas islâmicos. Em abril de 2012, militantes, muitos dos quais ligados à rede Al-Qaeda, assumiram o controle de vastas áreas no norte do país. Entre outras restrições, os rebeldes proibiram todo tipo de música, considerando cantar ou tocar qualquer tipo de música não-islâmica um crime, bloquearam JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 47


sinais de rádio e confiscaram telefones celulares, substituindo toques de música por versos do Alcorão. O Exército havia assumido o controle do país, através de um golpe, no mês anterior. Na ocasião, os líderes do golpe acusaram o governo recém-eleito de ser frouxo com os militantes islâmicos. Nesse meio tempo, se aproveitando da distração dos militares, os rebeldes fizeram rápidos avanços na sua investida. Após um acordo intermediado pelo bloco regional da África Ocidental Ecowas, o governo civil foi restaurado no sul do país. O líder do Parlamento tomou posse como presidente interino, mesmo assim a junta militar ainda exerce grande influência no governo e a incerteza política no país permanece. O Mali, um país no oeste africano sem acesso ao mar, é uma das nações mais pobres do mundo. Acompanhe a seguir um guia sobre quem são os principais protagonistas do conflito do Mali.

O presidente interino Dioncounda Traoré, de 70 anos, há muito tinha ambições presidenciais, mas ele esperava chegar ao poder por meio das eleições marcadas para abril de 2012. Ele completou sua educação superior na antiga União Soviética, na Argélia e na França, onde obteve um doutorado em matemática. Traoré regressou ao Mali para dar aulas em uma universidade, antes de se envolver com a política. Ele foi membro-fundador do partido político Aliança para a Democracia no Mali, em 1990. Entre 1992 e 1997, foi ministro das pastas de Defesa e Relações Exteriores. Em 2007, foi eleito presidente da Assembleia Nacional Malinesa. Ele foi um aliado do presidente deposto Amadou Toumani Touré, que se tornou extremamente impopular. Por conta disso, muitos malineses veem Traoré com desconfiança. A situação se agravou em maio de 2012, quando golpistas atacaram Traoré em seu escritório, obrigando-o a buscar tratamento médico na França. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 48


Quando os rebeldes fundamentalistas islâmicos lançaram uma nova ofensiva, entrando na cidade de Konna, no centro do país, o presidente interino recorreu à França, o antigo poder colonial, para obter ajuda militar. Ele declarou estado de emergência no país, argumentando que os rebeldes queriam ampliar suas ”atividades criminais” por todo o país.

O líder golpista O golpe de março de 2012 parece ter sido um movimento espontâneo, nascido de um motim na base militar de Kati, a cerca de 10 km do palácio presidencial em Bamako. Ele foi liderado por um oficial de média patente, o capitão Amadou Sanogo, um dos poucos oficiais que não fugiram da base de Kati quando os soldados iniciaram a revolta e se dirigiram à sede do governo. O militar, que está na faixa dos 30 anos, é de Segou, a segunda maior cidade do Mali, há cerca de 240km da capital do país, Bamako, onde seu pai trabalhou como enfermeiro de um hospital. O jornalista Martin Vogl descreve Sanogo como um homem vigoroso, confiante e carismático.

O capitão Amadou Sanogo fala à imprensa em campo militar de Kati, perto de Bamako (Foto: AFP)

O capitão passou toda sua vida profissional no Exército e recebeu parte de seu treinamento nos Estados Unidos, inclusive treinamento de inteligência. Sanogo já insinuou que poderá exercer um papel no futuro político do Mali, apesar de formalmente ter entregue o poder.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 49


Os rebeldes O Movimento Nacional pela Libertação de Azawad (MNLA) e o grupo islâmico Ansar Dine são os dois principais grupos envolvidos na tomada de poder no norte do Mali – uma área do tamanho da França.

Oeste da Áfric (Mujao).

Outros pequenos grupos também estão participando dos combates, como o Movimento pela Unidade e Jihad no

Apesar de terem objetivos distintos, o MNLA e o Ansar Dine juntaram suas forças para realizar combates conjuntos, entre eles um que resultou na captura de Timbuktu, mas existem séries tensões entre os dois grupos rebeldes, que já chegaram a se enfrentar. O MNLA quer a independência da sua terra natal tuaregue, no norte do Mali, chamada de Azawad. Entre os oficiais do grupo rebelde estão tuaregues malineses que, quando no exílio na Líbia, combateram ao lado das forças do coronel Muammar Khadafi quando este teve que enfrentar uma revolta popular contra o seu governo. Após a derrubada de Khadafi, eles regressaram ao Mali, bem treinados e trazendo armamentos pesados. Mas são os guerrilheiros islâmicos do Ansar Dine e do Mujao que agora controlam três das principais cidades da região, Timbuktu, Gao e Kidal. Os grupos têm conexões com a facção da Al-Qaeda no norte da África, conhecida como Al-Qaeda no Magrebe Islâmico, cuja especialidade é sequestrar ocidentais em troca de resgates. O Ansar Dine diz não lutar pela independência e quer manter a integridade territorial do Mali. Mas o grupo quer introduzir a lei islâmica – conhecida como sharia – em todo o país. Ansar Dine e Mujao seguem a vertente wahabista do Islã, a mesma variante adotada pela milícia Talebã, enquanto que a maior parte dos muçulmanos do Mali segue o islamismo sufi. Os dois grupos tentaram impor sua versão do Islã destruindo templos sufi, que eles afirmam promover a idolatria, na cidade de Timbuktu, que é um Patrimônio Mundial da Humanidade. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 50


Isso fez com que eles se tornassem extremamente impopulares entre muçulmanos sufi. A ONU diz que a destruição de templos pode representar um crime de guerra. De acordo com o analista Andy Morgan, os combatentes islâmicos são bem mais ricos que o MNLA, em parte graças ao dinheiro obtido como resgate na troca por ocidentais sequestrados e pelo tráfico de cocaína, haxixe e cigarros. França O presidente francês, François Hollande, enviou tropas ao Mali apesar de dizer que a França não quer mais interferir em assuntos de suas ex-colônias africanas. Em dezembro do ano passado, a França rejeitou um pedido do presidente da República Centro-Africana, François Bozize, para que fossem enviadas tropas para ajudar a conter o avanço rebelde rumo à capital, Bangui. Na ocasião, o líder francês afirmou: “Esses dias acabaram”. Mas poucas semanas depois, a França interveio no Mali, enviando tropas para a capital, Bamako, e atacando posições rebeldes. A França entrou no conflito porque a ameaça no Mali parte de militantes islâmicos, não de rebeldes seculares. E a intervenção se deu após o Ansar Dine ter encerrado uma trégua que estava em vigor desde o ano passado, quando seus combatentes avançaram rumo ao sul do país, entrando na estratégica cidade de Konna, em 10 de janeiro. O governo francês temia que os rebeldes marchassem até Bamako, transformando o Mali no que Hollande chamou de ”um Estado terrorista” que poderia ameaçar o restante da África e da Europa.

Países vizinhos Atualmente comandado pelo presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, a Comunidade Econômica dos Estados do Oeste Africano (Ecowas, na sigla em inglês), bloco formado por países da África Ocidental, vem pedindo a intervenção militar no Mali desde que os rebeldes capturaram o norte do país, em abril de 2012. Mas o Conselho de Segurança da ONU adiou a aprovação da missão, levantando dúvidas sobre se a força regional estava preparada adequadamente para intervir.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 51


A Ecowas diz que pretende mandar suas tropas ao Mali dentro de poucos dias. O efetivo do bloco no país deverá ser de 3 mil homens. Com a aprovação da Ecowas, Burkina Faso vem mediando negociações entre os rebeldes e o governo do Mali. Mas as conversações falharam após o avanço rebelde em Konna. FONTE: BBC Brasil

Opération Serval – intervenção francesa no Mali 14 de janeiro de 2013, em Conflitos em andamento, Diplomacia, Operações Militares, Relações Internacionais, por Nicholle Murmel

O

presidente francês, Françoise Hollande, aprovou na última sext-feira (11) o envio de tropas francesas para ajudar o Exército do Mali a combater células islamitas armadas. A decisão foi tomada após conversas e um acordo com o presidente malinense, Dioncounda Traoré.

Atualmente, o Mali enfrenta a ação de grupos terroristas que ameaçam a estabilidade política e social do país. Os radicais islâmicos já vinham ocupando o norte do Mali há cerca de nove meses. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 52


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 53


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 54


INTERNACIONAL Frota de Boeings 787 fica no chão para inspeção Chilena LAN para de utilizar 787 Dreamliner

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 55


C

ompanhias aéreas ao redor do mundo trabalhavam nesta quinta-feira para rearrajarem voos depois que Europa, Japão e Índia se juntaram aos Estados Unidos na suspensão dos voos do jato 787 Dreamliner, da Boeing, para investigação de problemas relacionados a baterias. O moderno avião produzido com compósitos de carbono tem sido afetado por problemas recentes que incluíram um pouso de emergência de um voo da All Nippon Airways (ANA) na quarta-feira depois que luzes de alerta indicaram problemas em uma bateria, levantando preocupações sobre o uso de baterias de íon de lítio no modelo. Segundo a Mizuho Securities, manter todos os 787 em terra pode implicar em custo somente para a ANA de cerca de US$ 1,1 milhão por dia. A agência de aviação dos EUA, FAA, decidiu na quarta-feira manter em terra temporariamente o mais novo avião comercial da Boeing, afirmando que as companhias aéreas teriam que demonstrar que as baterias são seguras antes que os jatos possam voltar a voar. A FAA não deu detalhes sobre quando isso poderá acontecer. Outras autoridades nacionais seguiram a decisão nesta quinta-feira. A medida é a primeira do tipo contra uma avião de passageiros norte-americano desde que o DC-10, da McDonnell Douglas, teve seu certificado suspenso após um acidente fatal em Chicago, em 1979, disseram analistas. A Boeing vendeu cerca de 850 unidades do novo avião e 50 já foram entregues até agora. Cerca de metade destes estavam em operação no Japão. O restante está em poder de companhias aéreas na Índia, América do Sul, Polônia, Catar e Etiópia, e também nos Estados Unidos. O avião tem preço de tabela de US$ 207 milhões. Com a maior parte da frota do Dreamliner em terra, engenheiros e autoridades estão fazendo inspeções de urgência, principalmente sobre as baterias e complexos sistemas eletrônicos do modelo, e companhias aéreas estão tentando preencher os buracos em suas programações de voos.

Autoridades no Japão e na Índia afirmaram que não está claro quando o Dreamliner poderá voltar a operar. Um porta-voz da Agência Europeia de Segurança da Aviação afirmou que a região vai seguir a decisão da FAA. No continente, apenas a polonesa LOT Airlines tem o 787 em sua frota. A empresa informou que vai buscar ressarcimentos por eventuais perdas junto à Boeing.

Entenda Depois de seis incidentes registrados apenas no início de 2013, a Boeing enfrenta desconfiança com seu 787 Dreamliner. As aéreas japonesas All Nippon Airways (ANA) e Japan Airlines (JAL) decidiram nesta quarta-feira suspender as operações das suas aeronaves do modelo, que tem no total cerca de 50 unidades entregues até o momento, enquanto o governo americano ordenou uma "inspeção a fundo" tanto do desenho da aeronave como do processo de produção. No entanto, o efeito nas ações da companhia é pequeno, com queda de 3% em cinco dias. Segundo informa a revista Fortune, os investidores entendem que os incidentes foram pequenos problemas mecânicos, e não de design da aeronave, com custo pequeno de reparo. Também não é a primeira vez que o projeto tem pequenos deslizes. No final de 2011, quando entregou a primeira JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 56


unidade do Dreamliner, o projeto já estava com três anos de atraso. Em desenvolvimento por quase uma década, o avião tem estrutura leve e promete economia de 20% de combustível. A aeronave de longo alcance custa cerca de US$ 200 milhões e tem aproximadamente 800 pedidos ainda a serem entregues. Recentemente a Boeing acelerou a linha de produção do modelo, mas descartou que esse tenha sido o motivo dos incidentes. “A Boeing compartilha do mesmo compromisso com a segurança em viagens de avião que o governo americano. Também defendemos 100% a integridade do 787 e do rigoroso processo que levou a sua certificação e entrada em serviço”, afirmou um comunicado da empresa no último dia 11. Sobre o incidente desta quarta-feira, Lori Gunter, porta-voz da Boeing, limitou-se a dizer que a empresa está "ciente do evento e trabalhando com o cliente", segundo a CNN. A Boeing informou ter registrado 1.203 encomendas para jatos e entregue 601 novos aviões em 2012, um desempenho que coloca a empresa americana à frente da rival Airbus na disputa pelo posto de maior fabricante de aeronaves do mundo. Com as 601 entregas, a Boeing supera a estimativa da Airbus de entregar 580 unidades no ano passado. Os números da companhia europeia serão divulgados apenas em 17 de janeiro, mas a marca alcançada pela Boeing torna praticamente certo que a americana irá reconquistar a liderança do setor, ocupada pela rival há décadas.

Incidentes Em 7 de janeiro, um Dreamliner sem passageiros a bordo pegou fogo no aeroporto internacional de Boston, nos EUA, enquanto estava estacionado em um portão. O fogo, em um avião operado pela Japan Airlines, foi apagado pelo Corpo de Bombeiros local. Não houve feridos. No dia seguinte, um vazamento de combustível obrigou um também da Japan Airlines a cancelar sua decolagem e voltar ao portão de embarque em Boston.No incidente, o avião havia se afastado do portão e se preparava para decolar rumo a Tóquio, quando foi descoberto o vazamento de cerca de 40 galões de combustível. Não houve incêndio nem feridos. Em 9 de janeiro, a ANA cancelou um voo com o Dreamliner por um amiso de problema no sistema, que não veio a se confirmar. No dia 11, um voo da mesma operadora sofreu atraso depois de vazamento de combustível. No mesmo dia, outro avião da companhia teve o vidro do cockpit trincado. No dia 13, o avião da JAL que teve vazamento de combustível em Boston voltou a ter o mesmo problema. Na manhã de 16 de janeiro, um 787 da ANA teve de fazer uma aterrissagem de emergência no aeroporto da cidade de Takamatsu, no sul do Japão, após ter sido detectada fumaça na cabine. O avião, que voava com 129 passageiros entre Tóquio e Ube, desviou de rota, aterrissando 35 minutos depois da decolagem. O piloto do voo e as autoridades aeroportuárias confirmaram que os indicadores da cabine detectaram um problema em uma das baterias do avião. Ninguém ficou ferido. Depois de seis incidentes registrados apenas no início de 2013, a Boeing enfrenta desconfiança com seu 787 Dreamliner. As aéreas japonesas All Nippon Airways (ANA) e Japan Airlines (JAL) decidiram nesta quarta-feira suspender JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 57


as operações das suas aeronaves do modelo, que tem no total cerca de 50 unidades entregues até o momento, enquanto o governo americano ordenou uma "inspeção a fundo" tanto do desenho da aeronave como do processo de produção. No entanto, o efeito nas ações da companhia é pequeno, com queda de 3% nos últimos cinco dias. Segundo informa a revista Fortune, os investidores entendem que os incidentes foram pequenos problemas mecânicos, e não de design da aeronave, com custo pequeno de reparo. Também não é a primeira vez que o projeto tem pequenos deslizes. No final de 2011, quando entregou a primeira unidade do Dreamliner, o projeto já estava com três anos de atraso. Em desenvolvimento por quase uma década, o avião tem estrutura leve e promete economia de 20% de combustível. A aeronave de longo alcance custa cerca de US$ 200 milhões e tem aproximadamente 800 pedidos ainda a serem entregues. Recentemente a Boeing acelerou a linha de produção do modelo, mas descartou que esse tenha sido o motivo dos incidentes. “A Boeing compartilha do mesmo compromisso com a segurança em viagens de avião que o governo americano. Também defendemos 100% a integridade do 787 e do rigoroso processo que levou a sua certificação e entrada em serviço”, afirmou um comunicado da empresa no último dia 11. Sobre o incidente desta quarta-feira, Lori Gunter, porta-voz da Boeing, limitou-se a dizer que a empresa está "ciente do evento e trabalhando com o cliente", segundo a CNN. A Boeing informou ter registrado 1.203 encomendas para jatos e entregue 601 novos aviões em 2012, um desempenho que coloca a empresa americana à frente da rival Airbus na disputa pelo posto de maior fabricante de aeronaves do mundo. Com as 601 entregas, a Boeing supera a estimativa da Airbus de entregar 580 unidades no ano passado. Os números da companhia europeia serão divulgados apenas em 17 de janeiro, mas a marca alcançada pela Boeing torna praticamente certo que a americana irá reconquistar a liderança do setor, ocupada pela rival há décadas.

JHCMídiaDigital

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 58


JHCMídiaDigital

Na fábrica da Boeing em Everett, no estado americano de Washington, quatro 787 Dreamliners são montados enfileirados num gigantesco galpão

JHCMídiaDigital

Uma cabine idêntica à do avião real proporciona treinamento realista para os pilotos do Boeing 787

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 59


Os pilotos da ANA vão, agora, fazer voos de teste em rotas reais antes de começar a levar passageiros no 787

Funcionários da Boeing enfrentaram a chuva para acompanhar a entrega do 787 à ANA, ontem, na fábrica da empresa no estado de Washington

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 60


Radicais islâmicos dizem que mataram refém francês na Somália

G

rupo radical islâmico Al Shabaab, ligado à rede terrorista Al Qaeda, afirmou que matou o agente do serviço secreto francês Denis Allex, sequestrado pelo grupo em 2009 na Somália. A morte é anunciada cinco dias após uma operação de resgate frustrada. Em mensagem no Twitter, os militantes dizem que o homem foi morto na quarta-feira, às 19h30 locais. Nesse dia, os extremistas declararam que a decisão para matar Allex foi unânime e ocorreu mais de três anos depois de «exaustivas negociações». O porta-voz de operações militares do grupo armado, xeque Abdiasis Abu Musab, confirmou a ação à agência de notícias Reuters. «Deixa que os muçulmanos desfrutem da sua execução e que os franceses chorem», afirmou. Apesar de terem anunciado a morte, o grupo, no entanto, não deu pormenores sobre como ocorreu a morte, nem divulgaram fotos do corpo do francês. A atitude foi diferente do que ocorreu com os restos mortais de um militar morto no sábado, numa tentativa de resgate frustrado. O silêncio sobre o modo que ocorreu o assassinato aumentam as suspeitas de que o anúncio da morte seja falso. França acredita que Allex foi morto na

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 61


operação de sábado e acusou os militantes de manipularem a mídia com as recentes declarações. Allex foi um dos dois agentes da DGSE, o serviço secreto francês, sequestrado pela Al Shabaab em Mogadício, em Julho de 2009. O seu colega Marc Aubriere escapou um mês depois, mas Allex está preso desde então em condições que o governo francês afirmava serem «desumanas». Na carta, os rebeldes disseram que conseguiram muita informação sobre o funcionamento do serviço de inteligência francês durante os interrogatórios realizados nos últimos três anos e meio, o que lhes permitiu «um melhor entendimento do funcionamento do aparelho de inteligência da França». Allex é um dos nove franceses sequestrados na África, dos quais cinco estão no Níger, dois em Mali e outro na Nigéria, e a maioria deles em mãos do grupo terrorista Al Qaeda no Magrebe Islâmico. Um número indeterminado também está retido por terroristas num campo de gás no sul da Argélia . Ainda não há confirmação sobre o número de cidadãos do país europeu sequestrados na ação.

Grupo islamita argelino faz 41 reféns estrangeiros

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 62


Crise de reféns na Argélia mata vários estrangeiros

Forças militares argelinas bombardearam a plataforma de gás da BP em In Amenas, na Argélia.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 63


S

ão os mais recentes desenvolvimentos neste sequestro, que envolve várias dezenas de estrangeiros e locais, quase todos empregados pela petrolífera britânica. De acordo com o líder do grupo islamita que atacou a plataforma, pelo menos 34 reféns morreram, mas de acordo com a agência de notícias Reuters, as vítimas mortais são oito dos sequestradores e seis dos estrangeiros. Os raptores atacaram a estrutura ontem, duas pessoas morreram durante a investida, uma delas um cidadão britânico. Eram mais de 40 os estrangeiros no complexo no momento do sequestro. Entre eles estão cidadãos americanos, franceses, japoneses, britãnicos e noruegueses. O grupo islamita que executou o sequestro, e que atua no sul da Argélia, Katiba Moula Thamine, é também conhecido como Brigada Mascarada, e é considerado o braço regional da Al Qaeda. Há também informação de que pelo menos 180 argelinos que trabalhavam para a BP tenham conseguido escapar do complexo industrial.

Bundesbank repatria reservas de ouro

O

Banco central da Alemanha vai repatriar parte das reservas de ouro que detém no estrangeiro. O Bundesbank vai recuperar cerca de 700 toneladas de ouro que guarda em Nova Iorque, Paris e Londres. A Alemanha tinha disperso o ouro, pondo-o a salvo de uma eventual invasão

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 64


soviética. Há 12 anos começou a repatriá-lo. O Bundesbank guarda, atualmente, nos seus cofres menos de um terço do ouro total que possui. Deixará de ter ouro em Paris, tendo em conta a existência do euro.

Recurso a lenha para aquecimento faz disparar a poluição na Grécia

O

ar está a tornar-se, literalmente, irrespirável nas principais cidades gregas. A subida exponencial do preço do gasóleo para aquecimento, cerca de 48% desde o ano passado, está a fazer com que os gregos regressem a métodos mais tradicionais, como a combustão de lenha. Conclusão: a poluição atmosférica está a atingir níveis perigosos para a saúde pública, sobretudo em

Atenas.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 65


Mas, no meio de tudo isto, há quem se beneficie e muito. Um produtor de madeira afirma que, no seu bairro, “havia três ou quatro lojas de abastecimento de lenha. Agora são cerca de vinte. E estão todas cheias de clientes. No entanto, os preços já estão a baixar”, devido ao aumento da concorrência. Os números registrados são esclarecedores: na capital grega, a concentração de dióxido de enxofre e de monóxido de carbono disparou para valores três vezes superiores aos limites estabelecidos.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 66


Moda Tênis “de grife” Raf Simons se une à Adidas para uma coleção cápsula de cinco modelos esportivos por CARLA VALOIS | MODA

Um dos modelos da coleção de Raf Simons para a Adidas ©Reprodução

Em seu desfile masculino de Outono/Inverno 2013, que aconteceu nesta quartafeira (16.01) em Paris, Raf Simons tornou pública uma parceria, digamos, inesperada. O diretor criativo da Christian Dior se uniu à marca alemã Adidas para desenvolver cinco modelos de tênis, que chegam às lojas em julho.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 67


Raf Simons Outono/Inverno 2013

A coleção criada por Simons foi baseada nos modelos de alta-performance da Adidas, usados para esportes ao ar livre e corridas. Todos os itens têm pontos coloridos, incluindo aplicações de silicone em rosa, verde, azul e bordô. A Adidas já contou com colaborações de Yohji Yamamoto e Opening Ceremony e tem Stella McCartney como parceria fixa desde o final de 2004. Adidas, Raf Simons

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 68


Prada X Dolce & Gabbana: os dois extremos da moda italiana por JULIANA LOPES | MODA Direto de Milão

Looks dos desfiles masculinos da Dolce & Gabbana e da Prada Inverno 2013 ©FFW/ImaxTree

Olhando para a temporada masculina de Outono/Inverno 2013 em Milão, vemos um importante traço da moda italiana hoje. Se a moda revela o espírito do tempo, ao menos ao que se refere a gosto e comportamento, existe um ponto curioso a estudar. Pra quem já está afiado nas tendências, tudo parece normal, mas cá entre nós: não é admirável que, na moda, existam gostos tão opostos que dividem espaço com a mesma força? Nessa edição de Milano Moda Uomo essa dicotomia ficou clara. Dois grandes nomes da moda italiana, dos quais ainda se fala incansavelmente, são Prada e Dolce & Gabbana. Agora, pense em Prada. E pense em Dolce & Gabbana. O que tem a ver uma com a outra? A Prada é como a escola de Bauhaus, tem um lugar cativo no coração dos modernos que parece ser eterno. Bem capaz de que se Miuccia puser todo mundo vestido de triângulo, ou mesmo não colocar nenhum modelo na passarela e nos apresentar um belo de um vazio, a plateia vai delirar. Ela é a rainha do conceitualismo fashion e ninguém tasca. Pra qualquer coisa que a marca fizer vai se arranjar uma razão conceitual misteriosa, ainda que a marca nunca assuma. E o amor pela Prada seguirá tolerante e devoto. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 69


Desfile masculino da Prada Inverno 2013, apresentado em Milão ©Juliana Lopes

A Dolce & Gabbana é aquele personagem exuberante que, entre a elite dos entendidos, não se sabia bem se era “cool” dizer que gostava ou não. Costumavase achar legal na moda (isso é velho, mas ainda reina um pouco) o blasè, o impávido, o sem sentimentos. O que é dramático soa, ou soava, cafona. Mas o mundo girou e hoje não há fashionista que não tenha um brinquinho, um brilhinho, uma rendinha barroca em seu armário. Que tenham sido os parceiros Domenico Dolce e Stefano Gabbana a darem o pontapé inicial da tendência, difícil afirmar, mas que a marca personificou esse gosto pelo tradicional carregado de elementos rococó, não há dúvida. Aquele coque baixo da viúva siciliana vestida de preto, com brincões em arabescos, a importância pelo enfeite em si, tudo isso virou sinônimo da marca entre os consumidores e críticos. O segredo parece que foi apenas ser autêntico. Pura sorte e aposta no que tinha no coração (a moda hoje começou a ter coração, vamos nos acostumar a essa novidade). Prada inspira geometria, intelectualismo. A Dolce & Gabbana, curvas, beleza. E na principal semana masculina de moda no mundo, entre Burberry, Zegna, Armani, Bottega Veneta e outros nomes, veja o que as duas marcas criaram, cada uma delas numa extremidade.

A receita de Stefano e Domenico para os homens neste inverno Desde a temporada passada, quando homens não-modelos, vindos do Sul da JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 70


Itália, invadiram a passarela numa atitude que arrancou aplausos comovidos, esperava-se que a dupla não fosse arredar o pé da Sicília. A região tem mais do que servido de inspiração para os dois. Virou um lugar sagrado, onde todas as referências podem ser usadas à enésima potência, sem disfarces. Temos ali a memória e ainda existência do povo rústico italiano que dá valor à religião, à (grande) família reunida em torno de uma bela mesa apetitosa, à exuberância de sentimentos, corpos e gestos. Um mundo onde não cabem personagens andróides como Lady Gaga, onde a mulher é o mulherão tradicional e o homem é puramente masculino, sem toques de androginia. A devoção, aquele ardor espiritual de uma existência genuína e crente chegou ao ponto de virar mesmo o tema da coleção. Os estilistas levaram nada menos que um grande altar para a passarela, com escultura e flores sob medida.

Altar no desfile masculino da Dolce & Gabbana Inverno 2013 ©Juliana Lopes

Os homens são fiéis àquilo que são, e parece mesmo que cada um deles que estava na passarela não se intimidava com o ambiente e não tentava imitar a clássica figura do modelo que vem pra Milão desfilar. Era como se estivéssemos assistindo a uma verdadeira saída de uma missa, em alguma igrejinha da Itália, com camponeses, homens de negócio, jovens artesãos e todos aqueles personagens do nosso imaginário do mundo italiano. Que ainda existem. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 71


Lustres usados na cenografia do desfile masculino da Dolce & Gabbanna Inverno 2013 ©Juliana Lopes

Os homens do desfile da Dolce & Gabbana Inverno 2013 ©Juliana Lopes

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 72


Tecnicamente pensando, a modelagem e a escolha de cores dividem com a prevalência do branco e preto a estampa florida no fundo preto. Um new-kitch que nos é permitido hoje, nesse momento em que sentimos um certo retorno “às emoções”. Se a estrada das estampas estava já pavimentada para os homens nas últimas temporadas, agora foi a vez de pesar a mão e ser romântico sem a menor hesitação.

A receita da Prada para os homens neste inverno Antes de entrar no desfile, já percebe-se que aqui, no mundo de Prada não existe drama nem o acalorado amor sangrento que propõe a dupla D&G. Existe uma caixa misteriosa de referências que mostram o novo servindo-se de meios não encontrados nas outras casas de moda. Parcerias com artistas peculiares, mistura de valores arquitetônicos e puramente gráficos, abuso de estranhezas e elementos, muito, mas muito brainstorm. E umbrainstorm não linear, para não deixar rastros e ser atemporal, como nos revelou o ilustrador Lok Jansen, que faz projetos para a marca.

Onde mais encontraríamos na plateia um convidado vestido a la Andy Warhol, tirando foto na frente do logo da marca? ©Juliana Lopes

O cenário do desfile nos convida a uma casa modernista, com objetos geométricos, cores primárias e uma frieza conceitual como nos quadros de Mondrian. Ali vemos muito de um racionalismo, como aquele apresentado pelos projetistas da Bauhaus, numa época em que os arabescos da Art Nouveau JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 73


foram completamente assassinados, aparados. O adorno, os enfeites, nada era mais permitido. Mas não podemos dizer que a Prada é isso, apenas. As referências não são tão escrachadas, sempre tem algum elemento que foge ao que seria regra.

Cenografia do desfile masculino da Prada Inverno 2013 ©Juliana Lopes

A atitude dos modelos condiz com essa geometria geral. Vêm caminhando em modo ritmado ao som de uma “pesquisa sonora” que parece beirar um Kraftwerk, ou uma espécie de “música de elevador” anos 70. Difícil imaginar algum desses homens fazendo castelinho de areia sob o sol da Sicília ou agarrando a amiga vestida de rendas na saída da missa. Esse homem poderia passar o verão numa cidade fria, numa biblioteca. Para aquele homem que prefere esbanjar pesquisa e projeto, design sem firulas. Para aquele homem que teria muita vergonha de sair florido numa festa de casamento. E o ponto em comum que podemos encontrar ente esse homem e o italianão com flores na casaca é a simples presença de uma forte referência. Tanto Prada quanto Dolce & Gabbana parecem ter se preocupado muito mais em mostrar quem são do que em criar concretamente características técnicas em suas roupas capazes de inovar o organismo da moda mais diretamente. O que ficou foram propostas de direções. Coração ou intelecto.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 74


ALBERTA FERRETTI Desfiles| Milão

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 75


BELEZA MAQUIAGENS QUE VALEM UMA PLÁSTICA Além de dar um up, a maquiagem correta consegue disfarçar imperfeições como um nariz maior, bochechas salientes, olhos caídos e boca fina. Veja como camuflar esses problemas em poucos minutos para ganhar um visual mais harmonioso.

Por Andressa d’Amato

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 76


RUGAS CAMUFLADAS

Donas de pele mais madura devem ter certos cuidados na hora da maquiagem. “Nada de carregar na produção. Uma base mais _ na e pouco pó compacto, além do uso do primer, irão ajudar a deixar a cútis com uma aparência mais jovem. EVITE> pó compacto, já que ele pode deixar a pele com efeito trincado. APOSTE> bases translúcidas são mais leves e não deixam a pele pesada.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 77


OLHAR PODEROSO

Esfumar a sombra no canto externo do côncavo até perto da sobrancelha ajuda a levantar o olhar. O delineador também é peça-chave para esse efeito. “Dê sempre uma valorizada na parte de cima do olho e tome muito cuidado com o canto externo. Preocupe-se com cílios postiços mal colocados e lápis e delineador mal acabados, pois isso tudo pode aumentar a impressão de um olho caído”. EVITE> lápis preto por dentro dos olhos, pois poderá deixá-los com visual de ainda mais caídos e, também, o uso de sombras coloridas para não evidenciar a região. APOSTE> delineadores para levantar o olhar.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 78


NARIZ PERFEITINHO

No caso do nariz mais aberto, o famoso “batata”, escureça as abas com uma sombra marrom esfumada e ilumine o centro do nariz para amenizar o problema. “Iluminar demais ou não esfumar corretamente são os erros mais comuns nesse caso”, e – que em excesso, o problema poderá parecer ainda maior. EVITE> exagerar na maquiagem para afinar o nariz, já que o disfarce pode ficar visível demais. APOSTE> sombra marrom para criar sombras.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 79


BOCHECHA MAGRINHA

Para amenizar bochechas salientes, o blush marrom é a opção ideal. Aplique-o em uma linha imaginária entre o lóbulo da orelha e o canto externo dos lábios, esfume bem com a ajuda de um pincel. “Para as mais morenas, a cor bronze e marrom são ótimas. Já as mais branquinhas podem optar por tons de pêssego e rosa. EVITE> blushes coloridos. Não deixe a região marcada e nem exagere na dose do produto. APOSTE> blushes nas tonalidades neutras.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 80


Roupas a salvo: dicas de lavagem e secagem

D

e nada adianta ter o armário lotado de peças incríveis se elas não forem bem cuidadas antes, durante e depois do processo de lavagem. Anote estas dicas Conteúdo do site ANAMARIA

Mantenha as roupas bonitas por mais tempo cuidando delas de maneira eficiente O processo de lavagem das roupas é vital para mantê-las bonitas por mais tempo. Confira alguns segredinhos indispensáveis nessa hora: • Separe as peças coloridas, as brancas e as escuras. Lave um lote de cada vez. • Tecidos delicados devem ser lavados à mão ou dentro de saquinhos protetores apropriados. • Manchas de gordura saem mais facilmente se você aplicar um pouco de detergente no tecido ainda seco. Manchas difíceis devem ser tratadas antes da lavagem. • Não exagere na quantidade de sabão: siga sempre a orientação do fabricante. • A etapa do enxágue é muito importante. A roupa deve ficar livre de qualquer resíduo de sabão ou amaciante. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 81


• Se precisar deixar uma peça de molho, confira na sua etiqueta se o processo não pode danificar o tecido. O mesmo vale para o uso de alvejantes. Ao vento • Se não secarem direitinho, muitas vezes as roupas precisam voltar para a máquina. Saiba como evitar esse transtorno: • Lave apenas a quantidade de peças que seu varal comporta com folga. Roupas que secam amontoadas ficam com cheiro de mofo. • Camisas e vestidos podem ir ao varal já no cabide. Dessa forma, fica mais fácil para passar depois e o tecido não deforma. A ferro, sem fogo • É na tábua de passar que podem acontecer os “acidentes” mais graves com as nossas roupas. Veja como evitar manchas de queimado e outros probleminhas: • Regule a temperatura do ferro de acordo com o tipo de tecido. Comece pelas peças que devem ser passadas com o aparelho mais frio. • Tecidos sintéticos podem ficar com a marca do ferro. Use um pano de algodão para protegê-los.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 82


Tecnologia e Ciência Empurrando para trás o deserto com a sabedoria antiga

J

acob Israel Blaustein Instituto de pesquisa do deserto mostra agricultores em muitos países como usar um método de retenção de 2.000 anos de idade da água.

Prof Pedro Berliner em Wadi Mashash, uma das áreas no deserto de Negev utilizando o sistema atualizado antigo para conservar água da enchente.

Antigos recitavam orações judaicas ainda hoje incluem menção especial do orvalho no verão e chuva no inverno. Sobrevivência de Israel na época, e dos israelenses nos tempos modernos, repousa em grande parte sobre a quantidade de água disponível para a agricultura. Enquanto Israel tem respostas para a seca, como a dessalinização da água, os pesquisadores no Deserto de Negev Israel procurar soluções mais sustentáveis que têm sido utilizados na terra desde tempos imemoriais. Baseado em técnicas usadas pelos nabateus antigos, Prof Pedro Berliner, diretor de Israel Jacob Blaustein Instituto de pesquisa do deserto na Universidade Ben-Gurion, no Neguev, está revivendo métodos agrícolas eficazes e naturais do deserto de 2.000 anos atrás. O nabateus resolvido as terras do atual Israel, Jordânia (onde construíram a gloriosa cidade rosa de Petra), Arábia Saudita e Síria. Berliner acredita que seu sistema para fazer o máximo de chuva do deserto raro, quando colocado em um quadro moderno, poderia salvar as pessoas dos países em desenvolvimento com a seca, a desertificação ea fome.Sua técnica atualizado já está em uso no mundo. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 83


Alterando o ecossistema A abordagem Nabatean alteraram o ecossistema da terra através da recolha e canalização enchentes através de canais deserto para fornecer alimentos, lenha e forragem para os animais. "Eles desenvolveram um sistema e que foi copiado para o oeste durante o Império Bizantino," Berliner diz ISRAEL21c. "No final, uma grande parte do norte da África estava sendo cultivada com esta técnica, que ainda é visto hoje na Tunísia." Versão contemporânea de Berlim, o sistema agroflorestal segundo turno, envolve linhas de plantio de árvores com culturas entre as fileiras que ajudam a prevenir a evaporação da água da enchente.Adicionando plantas leguminosas fornece folhas de compostagem, que são um excelente fertilizante para as culturas, entre as árvores. As pessoas sob ameaça de desertificação pode usar esse método sustentável para garantir que eles podem produzir forragem de grãos, a partir das folhas das árvores para animais de pasto e lenha usando os ramos. Uma comunidade inteira pode ser construída em torno de escoamento da chuva de inverno, como explica Berliner quando ele viaja ao redor do mundo, mostrando pesquisadores e agricultores em países como Quênia, Turcomenistão, Uzbequistão, Índia e México como eles podem lutar contra a desertificação olhando para a mãe natureza, a forma os nabateus fez. "É difícil avaliar onde este está sendo usado hoje, porque é uma técnica que pode ser utilizado por qualquer agricultor", diz ele. "É uma das técnicas para combater terras secas em países em desenvolvimento. Eles não precisam para construir um gasoduto para a água. "

Sustentável, solução simples e baixo consumo de energia Em Israel, o sistema agroflorestal escoamento está sendo usado atualmente por beduínos cultivar oliveiras e em Wadi Mashash, a fazenda pesquisa deserto mantido pela Universidade Ben Gurion, onde Berliner faz o seu trabalho de campo. Desertificação - a invasão de terras não aráveis em áreas próprias para a agricultura, uma vez e pastagem - é esperado para piorar à medida que os efeitos do aquecimento global intensificar.Com o aumento da população do planeta, faz assim a necessidade de madeira para combustível e terras para pastagem, mais dois fatores que aumentam muito a desertificação. Técnicas de Inverno de escoamento de cheias ajudou os nabateus sobreviver e proteger suas rotas de comércio - eles especializada no transporte de perfumes JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 84


e especiarias da Arábia Saudita por meio de caravanas de camelos até o porto de Gaza - até que foram conquistados pelos romanos mais poderoso. Mas seu legado em água sobre a terra de Israel vive.

Dez tecnologias que estarão em alta em 2013, segundo o Gartner

A

scensão de dispositivos móveis está no topo da lista, que inclui ainda soluções em memória e lojas corporativas de aplicativos.

Patrick Thibodeau, Computerworld/EUA Primeiro, veio a adoção pesada da plataforma móvel da Apple pelos consumidores, que encantados com a mobilidade forçaram as empresas a apoiar o uso de dispositivos pessoais para fins profissionais. O Android invadiu o mundo corporativo logo depois e chega agora oWindows 8, o mais recente esforço da Microsoft para manter seu império no mundo do PC intacto e ganhar participação de mercado em dispositivos móveis. Para o instituto de pesquisas Gartner, a chegada do Windows 8 esquenta a "batalha de dispositivos móveis", forte aposta para 2013, que está na lista das dez maiores tendências de TI nos próximos meses. O Gartner prevê que em dispositivos legados "90% das empresas vão ignorar implementações do Windows 8, pelo menos até 2014", avalia Peter Sondergaard, que comanda a operação de pesquisa do Gartner. Veja abaixo as dez tecnologias estratégicas para empresas que estarão em alta em 2013 a e vão impactar a TI nos próximos meses, segundo o Gartner.

1. Dispositivos móveis No próximo ano, os telefones celulares vão ultrapassar os PCs como dispositivo mais comum de acesso à web em todo o mundo. Será que isso significa que aparelhos móveis vão substituir os PCs? Sim e não, diz o Gartner. Alguns departamentos de TI só precisam suportar dispositivos móveis para profissionais específicos cujas funções exigem mobilidade. Os demais permanecem nos tradicionais computadores. Mas, acrescenta o Gartner, a JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 85


ascensão de dispositivos móveis sinaliza o fim do Windows como plataforma corporativa única. "Até 2015, os embarques de tablets vão atingir cerca de 50% dos embarques de laptop e o Windows provavelmente ficará em terceiro lugar na preferência das pessoas, atrás do Android e do iOs, da Apple", relata David Cearley, analista do Gartner em relatório. "Como resultado, a participação da Microsoft na plataforma do cliente (PC, tablet, smartphone) provavelmente será reduzida para 60% e pode cair para 50%."

2. Mudança de aplicativos nativos para aplicativos web como HTML5 O Gartner nota que os aplicativos nativos não vão desaparecer e "sempre oferecerão a melhor experiência ao usuário e recursos mais sofisticados."

3. Nuvem pessoal substitui a noção de computador pessoal A nuvem vai abrigar todos os aspectos da vida de uma pessoa, diz o Gartner. Por ser um modelo tão vasto e capaz de empacotar recursos infinitos "nenhuma plataforma, tecnologia ou vendedor vai dominá-lo", indica o instituto de pesquisas. Isso também significa que TI terá de suportar quase tudo.

4. Internet das Coisas Tudo vai conectar-se à internet, incluindo câmeras, microfones, realidade aumentada, edifícios e sensores embutidos em todos os lugares. Em muitos casos, ela já se faz presente. A Internet das Coisas vai conduzir novos produtos, como os baseados em uso seguro ou de políticas fiscais. Também levantará novas questões. "Estamos em um momento em que já não é exagero imaginar que muito do que e quem interagimos esteja ligado à internet", aponta Cearley.

5. Cloud computing Como a adoção da nuvem cresce, os departamentos de TI terão de criar "serviços em nuvem" para servir como foco central para gerenciar o acesso à serviços externos. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 86


6. Big Data estratégico Projetos de Big Data estão se tornando mais econômicos para as empresas, graças, em parte, aos servidores e CPUs de baixo custo. Big Data estratégico, acredita o Gartner, fará com que usuários executem projetos não mais isolados. Companhias vão incorporar a análise da grande massa de dados em mais atividades que desempenham. 7. Analytics acionável Analytics acionável é, em alguns aspectos, um subconjunto da sexta tendência (Big Data estratégico). Processamento de baixo custo está fazendo o possível para "realizar análises e simulações para cada ação tomada em um negócio". A maioria das análises hoje se concentra em olhar para a análise histórica, o próximo passo é prever o que pode acontecer.

8. Computação em memória (in-memory) Computação em memória, diz o Gartner, pode ser transformacional. Ela permite que as atividades que consomem horas para serem executadas levem minutos ou apenas segundos. A computação em memória vai se tornar uma plataforma dominante no próximo ano ou dois, já que cada vez mais os usuários buscam consultas em tempo real.

9. Appliances virtuais integrados à ecossistemas Eles não vão acabar com aparelhos físicos e suas vantagens de segurança, mas dispositivos virtuais vão ganhar um lugar de destaque nas operações de TI.

10. Lojas corporativas de aplicativos Lojas empresariais de aplicativos vão transformar os departamentos de TI em gerentes de mercado, proporcionando governança e até mesmo apoiando a "apptrepreneurs". Lojas de aplicativos serão o espaço para encontrar tudo o que o usuário precisa para aprimorar seu trabalho.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 87


Descoberta rede de ciberespionagem que atinge o Brasil

D

e acordo com pesquisadores, a Outubro Vermelho atua há pelo menos 5 anos, coletando dados secretos; não se sabe ainda quem está por trás

Renato Rodrigues Pesquisadores de segurança anunciaram nesta segunda (14) a descoberta uma rede global de ciberespionagem atuando contra centenas de organizações diplomáticas, governamentais e científicas em quase 40 países, incluindo o Brasil - onde pelos menos quatro sistemas foram infectados. A megaoperação foi chamada de Operação Outubro Vermelho (em homenagem ao filme "Caçada ao Outubro Vermelho") pelos experts da Kaspersky Lab, responsáveis pela descoberta. Segundo a empresa, ela está em ação desde 2007. O esquema utiliza mais de 1 000 módulos distintos, customizados para alvos específicos. Esses componentes são direcionados para alvos como PCs individuais, equipamentos de rede da Cisco, smartphones e até pendrives.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 88


De acordo com os experts, a operação também utiliza um complexo sistema de servidores de comando e controle (C&C), semelhante ao utilizado pelo malware Flame, que espionou o Irã. Os atacantes criaram mais de 60 domínios e usaram vários hosts em diferentes países, principalmente Rússia e Alemanha. "É um exemplo incrível de uma campanha de espionagem no ar há anos", escreveu o pesquisador Kurt Baumgartner, da Kaspersky. "Nunca vimos esse nível de individualização dos ataques". A empresa diz que o principal objetivo da Outubro Vermelho é coletar informações secretas e geopolíticas - de empresas e governos. Ainda não se sabe quem está por trás da operação. Embora os autores do malware sejam russos (o principal idioma nos códigos principais), muitos dos exploits foram desenvolvidos na China. O esquema utiliza códigos que atacam falhas no Word e Excel. Os atacantes enviavam e-mails individualizados, que contaminavam o sistema silenciosamente. Na lista dos países atingidos, a Federação Russa aparece em primeiro, seguida pelo Cazaquistão, Azerbaijão, Bélgica, Índia, Afeganistão, Armênia e Irã. Ao todo, máquinas de 39 países, Brasil incluído, foram contaminadas. A infraestrutura de espionagem é complexa. Os servidores C&C primários enviam os dados roubados para uma segunda camada de servidores, que os mandam para uma máquina central - sobre a qual ainda não se sabe nada. Segundo a Kaspersky, a habilidade dos controladores em esconder a identidade é parecida com a dos criadores do Flame - vírus que teria sido desenvolvido nos EUA e Israel para espionar o Irã. "A operação Outubro Vermelha está em operação há pelo menos 5 anos, sem ser detectada", escreveu Baumgartner.

Doze maiores corporativas

ameaças

às

redes

M

alwares para dispositivos móveis, Big Data como aditivo na estratégia contra ameaças e aumento de ataques direcionados vão tirar o sono das empresas.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 89


Da Redação Todos os dias novas ameaças tiram o sono de empresas de diferentes setores da economia. Toda organização tem dados valiosos e sempre há alguém querendo acessá-los ou roubá-los. Veja abaixo as previsões de empresas de segurança para esse segmento em 2013 e desenhe estratégias para blindar o ambiente corporativo. Unisys Corporation

1. Segurança pró-ativa Para a Unisys, empresa de serviços e tecnologia em TI, haverá um aumento expressivo nas medidas pró-ativas de defesa cibernética por parte das organizações, especialmente na área governamental, tendo como principal ação a sincronização de dados em tempo real para descobrir, detectar, analisar e mitigar as ameaças e vulnerabilidades. Por exemplo, as organizações por trás dos ataques DDOS poderão tomar medidas contra os violadores, como apagar automaticamente uma conexão.

2. Utilização de senhas crescerá em 2013 O aumento dos dispositivos móveis, plataformas de mídias sociais e cloud computing criarão a necessidade de mais proteção. “Isso aumentará o risco para os usuários, uma vez que o maior uso de senhas também se reflete em oportunidades para a ação de hackers”, diz.

3. Virus para dispositivos móveis Além disso, uma vez que os consumidores usarão cada vez mais os dispositivos móveis para efetuar transações financeiras, os hackers concentrarão suas ações na criação de vírus e malwares para esses dispositivos.

4. De onde vêm os ataques? Bancos e outras instituições financeiras darão mais ênfase em informações relevantes que os ajude a identificar rapidamente a origem dos ataques e tomar as medidas cabíveis. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 90


5. Ataques direcionados crescem Haverá um aumento no número de ataques dirigidos a determinados grupos ou instituições, como foi o caso do Stuxnet. Os sistemas SCADA serão possíveis alvos.

6. Biometria como sistema de segurança complementar Na opinião da Unisys, veremos um crescimento no uso da biometria na rotina diária das pessoas, desde o reconhecimento da identidade do usuário que utiliza terminais bancários até sistemas de reconhecimento facial que permitirá aos varejistas, por exemplo, identificar as pessoas por gênero, grupo de idade etc e, assim, customizar as ações de marketing para esses consumidores.

Blue Coat 7. Ataques em massa encobrem seu verdadeiro motivo As empresas hoje gerenciam tantos dispositivos que, em um dado momento, dezenas ou mesmo centenas deles podem ser infectados, normalmente com malware originado de ataques maciços. De acordo com a Blue Coat, fornecedora de soluções de segurança web e otimização de redes WAN, quanto maior a empresa, maiores as chances de que o criminoso consiga o sistema infectado de que necessita. Para aprimorar mais o ataque, criminosos acrescentam a um “cavalo de Troia” padrão ferramentas de coleta de informação capazes de explorar ativamente um disco rígido, em vez de esperar que o usuário acesse um site de serviços financeiros.

8. Malware para dispositivos móveis substitui ataques a celulares Com um número cada vez maior de empresas permitindo que seus funcionários acessem a rede corporativa a partir de dispositivos móveis, esses dispositivos se tornarão alvos importantes em 2013. Hoje, o malware chega aos smartphones por meio de mensagens SMS ou embutidos na compra de aplicativos. Em 2013, o malware não virá em um aplicativo. Em vez disso, deverá explorar a segurança do próprio aparelho para identificar informações valiosas e enviáJHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 91


las a um servidor. Além desse novo tipo de ameaça para sistemas móveis, provavelmente, aponta a Blue Coat, assistiremos em 2013 ao surgimento da primeira botnet móvel, que irá encaminhar mensagens de SMS para os servidores de comando e controle.

9. Malnets: se não está quebrado, não é preciso consertar Em 2013, o malware deverá se originar principalmente das grandes malnets (redes de malware) que têm “o malware como modelo de negócio". Essas redes são infraestruturas altamente eficientes no lançamento de ataques e capacidade de infectar os usuários. Neste ano, criminosos virtuais devem refinar seus modelos e investir no desenvolvimento de ataques sofisticados e cada vez mais verossímeis. Contratando tradutores e editores para melhorar o texto, os operadores malnets poderão criar e-mails de phishing que imitem perfeitamente a página real de uma instituição financeira, por exemplo. Eles também investirão em design e kits de software capazes de aumentar a credibilidade de seus ataques e sua probabilidade de sucesso.

10. Big Data é aditivo na estratégia contra ameaças Esperamos que os fornecedores de sistemas de segurança possam explorar o Big Data no sentido de entender melhor as potenciais vulnerabilidades da rede e dos usuários. Todas as soluções de segurança de rede geram registros (logs), que constituem um volume significativo de informações sobre o comportamento dos usuários, o tráfego da rede e muito mais. A interpretação desses dados leva à descoberta de padrões de comportamento frente ao risco, ameaças e anomalias na rede, e, ainda, a correlações entre comportamento e risco. “Isso permitirá construir novas defesas, oferecendo aos usuários melhores alternativas no que diz respeito a padrões de segurança mais efetivos”, assinala.

11. Quais informações compartilhar? A ampla disponibilidade de informações expõe os usuários a ataques pessoais direcionados, que exploram diversos tipos de informação. Diante desses riscos, pessoas que costumavam compartilhar tudo se tornarão mais seletivas quanto ao conteúdo das informações que divulgam e com quem as compartilham. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 92


12. Proteção O cenário de ameaças continuará evoluindo, com os cibercriminosos ajustando e reorientando seus ataques. Frente à convergência dos ataques em massa e dos direcionados, torna-se particularmente importante para a empresa ter uma visão holística de sua segurança, aconselha a Blue Coat. A empresa de segurança recomenda que, para proteger seus dados e seus usuários, as empresas centrem suas defesas na visibilidade de todo o tráfego, incluindo web, não-web e até mesmo SSL. Todas as soluções de defesa criam registros de tráfego. As companhias também precisam entender quem deve utilizar seus dados e como eles devem ser acessados.

Mais um sucesso do programa espacial brasileiro em 2012 Mustafá Ali Kanso

O

utro importante passo para o Programa Espacial Brasileiro foi realizado em 8 de dezembro último, com o lançamento do foguete de sondagem VS30/Orion realizado pela Agência Espacial Brasileira no Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) no Maranhão.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 93


Sendo o último estágio da Operação IGUAÍBA o lançamento foi realizado às 20 horas (horário de Brasília) num voo preciso de 680 segundos com um apogeu de cerca de 450 km e um percurso total de 335 km. Uma equipe de mais de 200 profissionais foi envolvida na Operação. A carga útil embarcada foi composta por diversos instrumentos científicos e tecnológicos como parte do programa de: • Estudos da ionosfera e alta atmosfera do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e Agência Espacial Brasileira (AEB). • Desenvolvimento de sistema GPS para uso espacial, realizado em cooperação entre a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) O VS-30/ORION V10 é um foguete de 8.870 mm de comprimento composto por dois estágios e o módulo de carga útil. O motor do segundo estágio (Improved Orion) foi fornecido pelo Centro Espacial Alemão (DLR), que está como parceiro na campanha. O restante do veículo, incluindo as partes mecânicas, pirotécnicas, eletrônicas e a plataforma da carga útil são nacionais e desenvolvidas pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) – organização subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Durante a operação de preparação para o lançamento do veículo (cerca de 6 horas), foram interligadas as estações de telemetria e rastreio do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Natal (RN), de modo que esta unidade funcionasse como uma Estação Remota, ou seja, realizasse a coleta de dados de voo à distância, além da uma unidade móvel de telemetria, doada pelo DRL e operada pelo IAE, que também realizou a coleta de informações durante o voo. Com esta operação, o Centro de Lançamento de Alcântara alcançou a marca de nove operações realizadas em 2012. Além da Iguaíba, as operações realizadas em 2012 pelo Centro foram: • Quatro lançamentos de Foguetes de Treinamento Básico (FTB) (Operações Falcão); • Dois lançamentos de Foguetes de Treinamento Básico (FTB) (Operações Águia)

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 94


• Um teste com um protótipo do Veículo Lançador de Satélite (VLS) (Operação Salina); Operação IGUAÍBA – 2012 De acordo com os dados fornecidos pela Agência Espacial Brasileira a Operação IGUAÍBA pode ser assim caracterizada: Período da Campanha: 19/11/2012 a 15/12/2012 Veículos: Um foguete de treinamento intermediário (FTI) e um Foguete de sondagem VS-30/ORION Organizações Envolvidas: DCTA, AEB, CLA. CLBI, IAE, UFRN, INPE e DLR Missão Atribuída: Realizar o lançamento e o rastreio do foguete de sondagem VS-30/ORION V10 portando uma carga útil científica com experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), de forma a permitir não apenas a realização desses experimentos em voo suborbital, mas também assegurar a transmissão e recepção das medidas realizadas durante esse voo. Missão Deduzida: • Apoiar o projeto de pesquisa Estudos da Ionosfera e Alta Atmosfera com Experimentos Embarcados a Bordo de Foguetes e Satélites do Instituto Nacional de Atividades Espaciais, permitindo que organizações de ensino, pesquisas e desenvolvimento realizem experimentos científicos e tecnológicos por meio de voos suborbitais. • Apoiar o desenvolvimento de um sistema GPS para uso espacial, realizado em cooperação entre a UFRN e o IAE, com suporte financeiro da AEB. • Manter a operacionalidade dos centros de lançamento, proporcionando treinamento operacional às diversas equipes envolvidas em campanhas de lançamento. • Interligar as estações (Telemetria, Radar e CTDL) do CLA e do CLBI, de forma adequada e operacional. • Dar prosseguimento ao Programa Espacial Brasileiro, em coordenação com a Agência Espacial Brasileira (AEB). (Fontes: CLA/ DCTA/ AEB / IAE Imagem: IAE)

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 95


NATUREZA O horripilante pulga devoradora de língua Natasha Romanzoti

S

ó de olhar para foto, sinto meu estômago revirar e minha pele se contorcer. O nome desse monstrinho é pulga-do-mar (Cymothoa exigua). O parasita, um crustáceo isópode, se acomoda na base da língua do peixe Luciano (Lutjanus guttatus), devorando-a inteira e literalmente tomando seu lugar. (Agora você imagina ter um troço nojento desses, com cabeça, garras e tudo como língua e esse é o roteiro do mais assustador filme de terror da história). Não sei por que a natureza foi tão cruel com Luciano. A pulga entra na boca do

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 96


peixe através de suas brânquias. Então, começa a extrair seu sangue cortando a língua do animal através de seus três pares de pernas com garras fronteiras. Conforme o parasita cresce, menos sangue chega até a língua do peixe até que, eventualmente, o órgão atrofia. Em seguida, a pulga substitui a língua do peixe, anexando o seu próprio corpo aos músculos do topo da língua (em muitos casos, 90% da língua do peixe deixam de existir, com o crustáceo em seu lugar). O peixe é capaz de utilizar o parasita como uma língua normal (exceto pelo fato de que é tudo, menos normal). Estudos mostram que não há indicação de redução do poder de alimentação ou de respiração no animal. Esse é o primeiro caso conhecido (em animais) de substituição funcional de uma estrutura do hospedeiro por um parasita. Exceto virar sua língua, aparentemente a pulga-do-mar não causa qualquer outro dano ao peixe hospedeiro. Também, pudera… O parasita faz parte da família Cymothoidae. Várias espécies desta família também são isópodes parasitas, que provavelmente não causam altas taxas de mortalidade nas centenas de peixes marinhos e de água doce que parasitam. [DesertMuseum,ScienceBlogs, ubermore, Abril]

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 97


SAÚDE Transplante de fezes é usado para tratar infecção intestinal

Americana Melissa Cabral fez transplante de fezes no ano passado (Foto: Gretchen Ertl/The New York Times)

E

studo holandês diz que técnica é melhor que tomar apenas antibiótico. Bactéria resistente 'Clostridium difficile' causa diarreia, vômito e febre.

Um estudo holandês publicado esta semana é o primeiro a testar a eficácia de um transplante de fezes para tratar pacientes com infecção intestinal, em comparação com o uso de antibióticos normais. Os resultados aparecem na revista científica "The New England Journal of Medicine". Os pesquisadores analisaram três grupos diferentes. O primeiro incluía 16 pessoas doentes - com diarreia causada pela bactéria Clostridium difficile - que receberam um antibiótico chamado vancomicina, lavagem intestinal e fezes de indivíduos normais, por meio de uma sonda que ia do nariz até o estômago ou o intestino delgado. Os outros dois grupos reuniam 13 voluntários cada - um tratado com vancomicina e lavagem, e o outro, apenas com o remédio. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 98


No primeiro caso, 15 participantes ficaram livres do problema, e nos demais, três e quatro pessoas se curaram, respectivamente. Segundo os autores, o transplante de fezes de um indivíduo saudável para outro com infecção intestinal grave pode reequilibrar rapidamente a flora bacteriana, o que muitas vezes não é controlado com antibióticos, já que a Clostridium difficile é bastante resistente. De acordo com o coloproctologista Carlos Frederico Marques, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) e do Hospital Sírio-Libânes, esse tratamento pode levar até dois ou três meses, e idosos são um grupo mais suscetível. A técnica já foi usada em 500 pessoas em todo o mundo, como último recurso para combater esse tipo de infecção. Nela, a diarreia costuma ter longa duração - de cinco a dez dias -, o risco de recorrência é de 20% a 50% e a pessoa fica muito debilitada, com risco de desidratação pela perda de líquidos e, às vezes, vômitos e febre. Segundo o jornal "The New York Times", 300 mil americanos ficam doentes em hospitais por ano em decorrência do Clostridium difficile e 14 mil morrem anualmente. Isso porque cepas cada vez mais tóxicas têm surgido, e os custos de tratamento ultrapassam os R$ 2 bilhões a cada ano. O que não se sabe ainda é quais bactérias do intestino têm poderes "curativos", já que o órgão contém centenas ou até milhares de tipos de micro-organismos. Por essa razão, as fezes têm sido transplantadas praticamente intactas, apenas diluídas em líquido (como água salgada). "O transplante ainda está em estudo, e não adianta só falar em eficácia, precisamos saber a segurançadisso. Acho que a pesquisa deve ser vista com ânimo, mas também com cautela", diz Marques.

Infecção incomum Segundo o coloproctologista Fábio Guilherme Campos, do Hospital SírioLibanês, a infecção por essa bactéria não é comum no Brasil - ele vê um ou dois casos por ano - e ocorre geralmente em ambientehospitalar, quando o paciente é tratado com antibióticos, o que não precisa ser em altas doses ou por um período prolongado. Isso porque os medicamentos matam os micro-organismos invasores, mas também aqueles que vivem e fazem bem ao corpo, como a Escherichia coli no JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 99


intestino grosso, que protege a região dos ataques do Clostridium difficile. "Essa é uma bactéria oportunista, capaz de viver sem oxigênio e sobreviver aos antibióticos. Ela, então, cresce de forma desordenada", explica Campos, que também é professor livre docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). O diagnóstico, de acordo com ele, é feito por um exame de fezes. O médico diz que raramente esse quadro é grave. Portanto, fazer um transplante de fezes seria como "matar uma formiga com um tiro de canhão", em vez de simplesmente pisar em cima dela. "Uma proposta melhor, mais fácil e efetiva seria usar probióticos, medicamentos em pó ou cápsulas que contêm bactérias fracas e modificadas, como os lactobacilos, para restabelecer o equilíbrio do intestino", afirma Campos. Sobre a nova técnica, o coloproctologista acredita que ela não deva "pegar", por ser muito invasiva e oferecer risco de contaminação pela sonda, o que poderia piorar a situação. "Apesar disso, muitas dessas pesquisas acabam servindo para tratar outras situações. Se ficar comprovado que o transplante consegue estabilizar a flora e recuperar a parede do intestino, tornando-a mais espessa, ele poderia ser usado, por exemplo, para impedir que bactérias fossem parar no sangue e causassem uma infecção generalizada", destaca Campos.

Paciente tratada Uma das pacientes que já passaram por um transplante fecal é a americana Melissa Cabral, de 34 anos, que não participou do estudo holandês. Segundo "The New York Times", ela contraiu a bactéria Clostridium difficile em julho do ano passado, após tomar antibiótico para tratamento dentário. A mulher teve crises frequentes de diarreia, vômito e febre alta, e acabou perdendo 12 quilos e seis meses de trabalho. Inicialmente, ela rejeitou a ideia de fazer um transplante de fezes, por sentir nojo, mas acabou ficando desesperada e testou o método em novembro. Em um dia, segundo Melissa, todos os sintomas desapareceram. Fonte: Portal G1

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 100


Fatos em foco Contagem regressiva contra a violência

R

IO DE JANEIRO – Anderson Silva, atual campeão da categoria peso-médio do Ultimate Fighting Championship, é um dos porta-vozes do “Conte até 10. Paz. Essa é a atitude”. A campanha, lançada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), quer conscientizar o público de que alguns segundos de reflexão podem evitar um ato de violência. (Cristophe Simon/AFP) Para diminuir o número de homicídios por impulso ou motivo fútil, campanha ‘Conte Até 10. Paz. Essa é a Atitude’ terá brigas de carnaval, bullying nas escolas e violência no futebol como alvos em 2013. Os garotos propaganda da campanha de valorização da vida“Conte até 10. Paz. Essa é a Atitude”: os judocas Sarah Menezes e Leandro Guilheiro e os lutadores do Ultimate Fighting Championship (UFC) Anderson Silva e Júnior Cigano. RIO DE JANEIRO, Brasil – De 2011 a 2012, 83% dos crimes com motivação esclarecida em São Paulo foram causados por “impulso ou motivo fútil”, como discussão no trânsito, briga

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 101


por ciúme e desavenças no futebol. Este é um dos resultados chocantes de um estudo do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que investigou os motivos de homicídios em 16 estados brasileiros. Para mudar o quadro, o CNMP lançou, em novembro, a campanha de valorização da vida “Conte até 10. Paz. Essa é a Atitude”. O objetivo é conscientizar as pessoas de que poucos segundos de reflexão podem evitar um ato de violência. “Você vê no jornal uma notícia de assassinato com a mesma resignação de uma notícia sobre chuva. A violência está banalizada”, diz a juíza federal Taís Ferraz, conselheira da campanha. “Percebemos que precisávamos lembrar que isso não é normal, que as pessoas têm que se indignar com a violência.” Uma das metas para 2012 do CNPM, do Ministério da Justiça e do Conselho Nacional de Justiça era concluir investigações de homicídios sem solução. Conforme os estados foram fazendo seus levantamentos para o estudo do CNPM, promotores de justiça reportaram um número surpreendente de homicídios por impulso ou motivos banais: entre 25% e 83% dos crimes, dependendo do estado. Para completar, o Mapa da Violência 2012, do Ministério da Justiça, registrou 49.932 homicídios no Brasil em 2010. A média de 26,2 assassinatos para cada grupo de 100.000 habitantes está muito acima do que é considerado aceitável pelas Organizações das Nações Unidas (ONU) – 10 para cada 100.000 – e coloca o Brasil entre os 20 países mais violentos do mundo. “A maioria dos assassinatos por impulso não são cometidos por pessoas que vivem do crime, e sim por gente comum, que perdeu a cabeça”, diz Taís. “Vimos que, além da punição, era preciso fazer uma campanha de sensibilização e prevenção com toda a população brasileira.” Nesta primeira fase, jingles, vídeos e demais peças publicitárias estão sendo veiculados gratuitamente em jornais, revistas, rádios, TVs e portais da internet. Segundo o CNMP, cerca de 30 emissoras de televisão abertas e a cabo, 115 rádios, 35 revistas e 40 jornais aderiram à campanha. Os garotos propaganda são quatro atletas campeões de esportes de confronto físico. Um deles é o campeão mundial de peso médio do Ultimate Fighting Championship (UFC), Anderson Silva. No vídeo, o lutador, com os músculos à mostra, diz o que é capaz de fazer quando é provocado por um desconhecido na rua: “Sou capaz de deixar para lá!”. Os outros atletas são Sarah Menezes, campeã de judô dos Jogos Olímpicos de JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 102


Londres (2012); Leandro Guilheiro, bronze no judô nos Jogos de Atenas (2004) e Pequim (2008); e Júnior Cigano, lutador de peso pesado do UFC. Todos abriram mão de seus cachês. “Fiquei feliz por ter sido convidado para essa campanha junto com outros atletas de esportes de luta. Podemos mostrar que esporte, mesmo de luta, não é sinônimo de violência”, diz Guilheiro. O judoca diz que o resultado do estudo do CNPM sobre os motivos dos homicídios no Brasil foi determinante para que ele aceitasse o convite. “Tantas mortes por motivos bobos te faz pensar. Vi que vale a pena colaborar em prol da sociedade”, diz ele, que aparece ao lado de Sarah Menezes na campanha. “Sarah é fundamental nesta campanha, já que as estatísticas de violência contra a mulher ainda são chocantes.” No vídeo, Sarah diz que foge da briga e Guilheiro completa: “Sua vida vale mais que qualquer discussão”. Em 2013, a campanha será expandida. No alvo, estarão as brigas de carnaval, bullying nas escolas e violência nos estádios de futebol. “Teremos uma ação específica para o carnaval, estamos produzindo material didático sobre bullying, com selo do Ministério de Educação e Cultura, para distribuir nas escolas e jogadores de futebol vão participar da campanha nos estádios”, diz Taís. No fim de 2013, o estudo sobre motivos de homicídios será repetido para que se avalie a eficácia da campanha. “A campanha está sendo acompanhada ainda por uma proposta de uniformização nacional dos critérios de registro e classificação dos crimes”, revela a juíza, confiante numa diminuição dos casos de homicídios por motivos banais ao longo de 2013. ( Flávia Ribeiro para Infosurhoy.com)

Fardas, câmeras e ação no Distrito Federal

N

a região de Brasília, grupo de elite da Polícia Militar faz teste de sistema norte-americano e registra operações em vídeo.

Por Olívia Nascimento Equipamento testado pelo Batalhão de Patrulhamento Tático Motorizado (Rotam) do Distrito Federal tem câmera acoplada aos óculos, à farda ou ao boné dos policiais e permite a gravação de áudio e imagem de operações de rotina e registro de flagrantes. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 103


BRASÍLIA, Brasil – O Distrito Federal tem policiais que parecem saídos do filme “RoboCop”. Desde 26 de novembro, pequenas câmeras foram acopladas aos óculos, à farda ou ao boné de 18 integrantes do Batalhão de Patrulhamento Tático Motorizado (Rotam), grupo de elite da Polícia Militar do DF. Importados dos Estados Unidos, 18 kits da marca Axon Flex estão sendo testados pela corporação. Em uma madrugada de dezembro, durante uma ronda em Ceilândia, cidade a 35 km de Brasília, os policiais encontraram uma porção de droga com um ciclista. Segundo o tenente-coronel Leonardo Sant’Anna, comandante da Rotam, o flagrante não costuma ser fácil, pois traficantes e usuários desenvolveram práticas, como a de esconder os entorpecentes na rua, para se desvincular das evidências. Dessa vez, porém, toda a operação foi gravada. O equipamento auxilia a Rotam na investigação de crimes que acontecem diariamente na região, como casos de sequestros-relâmpago, tráfico de drogas e tiroteios. As câmeras filmam até 12 horas. Os vídeos podem ser transmitidos para um smartphone que também faz parte do kit e descarregados em uma central de dados que fica na sede do batalhão. O policial escolhe o momento de ligar o microfone da câmera. As imagens são acompanhadas de referências que identificam o policial autor do registro, a data, horário e tipo de ocorrência. A tecnologia custa US$ 1.200 nos Estados Unidos e não ainda não são vendidos no Brasil. Um sistema de buffer interno armazena, mesmo não gravando, 30 segundos de imagem. “Assim, em um exemplo simples, se for percebida uma tentativa de roubo, ao ligar o equipamento para gravar depois de ver o início desse crime, as imagens vistas antes de ligá-lo não ficam perdidas”, explica o comandante. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 104


Utilidade A expectativa maior é de que a tecnologia, se adquirida e implantada no Distrito Federal, colabore com o combate ao tráfico de drogas. “Os bandidos descobriram que podem frear as ações da PM criando fatos inverídicos e mentindo, diante da dificuldade de provas por parte de policiais”, diz. “Agora isso acabou. A imagem gerada por policiais é uma ferramenta muito poderosa contra a má fé de quem faz parte do mundo do crime.” Outra vantagem das filmagens com o kit é a proteção ao policial. O comandante Sant’Anna afirma que, no Brasil, policiais não possuem assistência jurídica. “Isso significa dizer que policiais estão sempre vulneráveis à possibilidade de comprovar a legalidade de suas ações”, completa. “Se um brigão que resolve xingar e atacar cidadãos precisar ser contido e preso, escoriações das algemas ou marcas decorrentes da contenção feita se voltam contra o policial e também contra a população denunciante. Isso precisa acabar.”

Teste Os 18 policiais da Rotam passaram por um treinamento específico para testar os kits Axon Flex. Se a Polícia Militar adquirir os equipamentos, o processo de compra leva de quatro a cinco meses, calcula o comandante Leonardo Sant’Anna. Dezoito kits Axon Flex, importados dos EUA, estão sendo testados pelo Batalhão de Patrulhamento Tático Motorizado (Rotam) do Distrito Federal. Além da câmera, há um smartphone que recebe e transmite as imagens capturadas. A expectativa inicial é que, além de todos os policiais do Batalhão de Patrulhamento Tático Motorizado, outras unidades da PMDF utilizem as câmeras. Em janeiro, o Batalhão de Trânsito começou a experimentar seis das 18 câmeras que estavam com a Rotam. No trânsito, as filmagens poderão registrar flagrantes de embriaguez ao volante, por exemplo. JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 105


Sant’Anna diz que a tecnologia pode ser útil também para a Polícia Civil, principalmente em casos de cumprimento de mandados de busca e apreensão, filmagens de local de crime por parte de equipes forenses e escoltas de presos.

Ferramenta de apoio Vasco Furtado, professor de computação da Universidade de Fortaleza (Unifor) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pondera que a tecnologia não deve ser vista como solução dos problemas de segurança. “De uma forma geral, tudo que vem para controle é bem-vindo. Às vezes, porém, apela-se demais para tecnologia, como se ela conseguisse resolver problemas que são estruturais”, diz Furtado. “Tecnologia é apoio, serve como ferramenta gerencial e deve apoiar uma mudança organizacional.” CIDADE

DA

GUATEMALA

Um grupo de 664 policiais, treinados táticas

em

de

técnicas

campo,

e

entrou

recentemente no combate ao narcotráfico

na

Guatemala,

que se tornou um ponto de transbordo de drogas e um foco de cartéis mexicanos.

Tripulantes a bordo do cúter Marlin, um barco patrulha de 87 pés baseado em Fort Myers Beach, no estado americano da

Flórida,

cocaína

descarregou

avaliada

em

mais

de US$ 11 milhões (R$ 22 milhões) em 3 de janeiro em St. Petersburg, também na Flórida. A apreensão ocorreu durante a Operação Martillo. (foto JHCMídiaDigital)

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 106


Meio Ambiente Brasil debate acordo para banir mercúrio na próxima década por Manuela Alegria

P

aís defende prazo maior para a proibição do uso do químico na mineração e na indústria; ricos não querem pagar a conta

O governo brasileiro vai impor condições para aceitar um acordo internacional para banir o uso do mercúrio no garimpo e quer garantias de que prazos sejam criados para o estabelecimento de programas e financiamento para que pequenos mineradores possam abandonar o produto. O tema começa a ser debatido amanhã, em Genebra, na última rodada de negociações na Organização das Nações Unidas (ONU) para a criação de um tratado que controle o uso do mercúrio, seja na mineração ou na indústria. O assunto volta a abrir um confronto diplomático entre países ricos e emergentes. O Brasil defenderá um período de transição, entre 2020 e 2025, até que o químico seja banido, enquanto países ricos insistem que sua proibição deve ocorrer já em 2020. Há um consenso de que as emissões geradas pelo mercúrio precisam ser limitadas. Para a ONU, o mercúrio está entre os dez químicos mais ameaçadores para a saúde humana e o ambiente. Alguns dos animais no Ártico teriam quantidade de mercúrio no sangue 12 vezes superior ao normal no período pré-industrial. Debate. Governos ainda não se entendem sobre como reduzir as emissões de mercúrio. Parte do problema seria a mineração. Entre os séculos 18 e 19, estima-se que a humanidade jogou 350 mil toneladas de mercúrio nos solos, em busca do ouro, principalmente nos EUA. Hoje, são os pequenos mineradores da América Latina, da Ásia e da África que mais usam o produto. O mercúrio permite que o ouro seja identificado mais facilmente. O processo seguinte é o de esquentar o amálgama formado. O mercúrio é liberado para a atmosfera, enquanto o ouro pode ser usado. Novas tecnologias já existem, mas sua implementação custaria dinheiro, ações concretas e prazos para banir gradualmente o elemento químico. A avaliação do governo brasileiro é de que só banir o produto não funcionaria, pois criaria um mercado clandestino. Outro argumento é de que, em muitos países em desenvolvimento, o mercúrio que acaba nos garimpos vem de exportações de países ricos. Na Europa, o produto é proibido – mas não sua exportação. Para os emergentes, banir o mercúrio dos garimpos exige ação dos países JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 107


ricos, além de um financiamento para pagar por uma transição. Outro obstáculo para um acordo é o uso industrial do produto, principalmente nos países que usam carvão como fonte de energia. “O maior confronto é sobre quem vai pagar pela conta de uma transformação no modelo”, declarou Ludovic Bernaudat, especialista da ONU. Uma das metas do acordo era pôr um teto na emissão do mercúrio. Mas China e Índia, os dois maiores usuários hoje, rejeitaram o plano caso o acordo não venha acompanhado de um mecanismo para financiar a transformação tecnológica dessas países ou simplesmente transferir tecnologia já existente. Os países ricos não querem financiar sozinhos esse plano. Uma alternativa poderá ser o estabelecimento de metas nacionais, com datas diferenciadas para cada governo.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 108


Gastronomia Por Paulo Veríssimo, da Universidade Anhembi Morumbi Professor de cozinha Regional Brasileira, Cozinha Européia e Mediterrânea, Garde Manger entre outras

Mjadra (arroz com lentilha) INGREDIENTES •

50 g de arroz agulhinha

tipo 1

65 g de lentilha

150 ml de azeite de

oliva comum

500 g de cebola pera

800 ml de água (se

necessário acrescentar

mais)

Sal a gosto

MODO DE PREPARO Lavar a lentilha e colocar em uma panela com água para cozinhar. Fazer o mesmo com o arroz. Quando estiverem cozidos e macios. Escorrer cada um e reservar. Fritar a cebola, cortada em julienne (tiras finas e compridas), no azeite até ficar caramelizada (bem dourada). Juntar o arroz e a lentilha cozidos à cebola dourada para finalizar o cozimento. Acrescentar o sal e misturar bem. Servir quente.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 109


Galinhada

INGREDIENTES •

½ frango de leite

50 g de arroz agulhinha tipo 1

80 g de tomate débora

60 g de cebola pera

1 dente de alho roxo

20 g de gordura de porco

1 ramo de salsa fresca

1 ramo de cebolinha verde fresca

1 folha de louro

Água quente a gosto

Sal a gosto

Pimenta-do-reino preta moída a gosto

MODO DE PREPARO Limpar e cortar o frango em pedaços (nas juntas). Dourar o frango na gordura quente. Abaixar o fogo, juntar a cebola e o alho finamente picados e refogar. Adicionar o arroz e o tomate grosseiramente picado, temperar e refogar. Acrescentar água e cozinhar em fogo lento até o arroz ficar macio. Salpicar com o cheiro verde (salsa e cebolinha) picado.

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 110


Doce de goiaba

Ingredientes •

500g de goiaba vermelha

500ml de água

250g de açúcar refinado

2 cravos da índia

1 canela em pau

MODO DE PREPARO Descasque as goiabas, retirando só a pele. Corte-as ao meio e tire todas as sementes. Em uma panela, coloque as goiabas, cubra com água, acrescente o açúcar, o cravo e a canela e leve à fervura. Não deixe passar dos 105ºC. Quando estiverem cozidas, tire as goiabas do fogo, reduza a calda, apure. Coloque em um refratário ou compoteira

Tempo/Rendimento: 30 minutos / Porções: 4

JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 111


JHC Mídia Digital - Edição 016 Ano 2013 112


Contato contato@jhcmidiadigital.com Cel: +55 (11) 98178-5433 www.jhcmidiadigital.com


JHCMídia Digital - Edição 016 Ano 2013