Issuu on Google+

André Prochnow! Vou fatiar sua argumentação em pequenas partes para melhor responder, isto é um comportamento que minhas atividades técnicas exigem. Parte 1: Você faz algumas ilações: 1) – estratégia montada; 2) uma personagem; 3) estamos comprovando 4) forma religiosa; 5) devoção e gratidão; 6) meus serviços. Os itens 1 e 2 estão equivocadas; O item 3 foi inevitável para vocês. Agora vocês tem que admitir a verdade exposta, pois, não tem mais como continuar mentindo. Se você escreve ESTAMOS COMPROVANDO, penso que responde por pessoas acima e abaixo de sua hierarquia: é um reconhecimento. Obrigado! O item 4: me pareceu preconceituoso para com as pessoas religiosas, ou, discriminador para com os eleitores; O item 5: segue o mesmo do item anterior. Você quer diminuir quem tem devoção, pois, são como pessoas religiosas, e assim, pessoas menores – Eu não concordo! E quem é grato é quem foi auxiliado. E assim outro grupo de menor importância. Eu também discordo! O item 6: Obrigado por reconhecer que fiz um “bom serviço”. Parte 2: Quanto ao "conhecido efeito psicológico" e sobre "grande herói/vilão" e identidade secreta... Você quer fazer uma análise que nas HQ e nos filmes da Marvel, bem como nas HQs e filmes do Batman é assim. Por causa do bandido, nasce o Batman. Por causa da existência do Batman nascem os vilões. Mas, na vida real não é bem assim. Pois, senão, daqui a pouco vão dizer que nós, o povo, é quem somos os responsáveis pelo surgimento da "sofisticada quadrilha". Não sou herói. Nem sou vilão. Sou apenas Heinz Alfons Fritz. Mas, se é para insistir na comparação: eu existo por causa de vocês, e das mentiras que vocês contaram! Vocês criaram em mim, o que sou hoje. Que tal? Não há personalidades por trás de mim. Vá lá perguntá-los se sabem quem sou eu. O que dirão tanto um lado (PT e aliados) quanto o outro lado (PSDB) é que nenhum deles sabe de minhas origens, e meus objetivos além do que já expus. Fato é que um dos lados se beneficiou do que fiz. Mas, não o fiz por que me mandaram fazer. "Fi-lo porque qui-lo".


Se você reconhece em mim, a experiência das velhas raposas, bem! Quem sou eu para recriminá-los por conhecer velhas raposas? Quem é que conhece melhor as velhas raposas? Quem raposa jovem é! Eu não os conheço. E deles mantenho distância. E vejo ai, mais uma vez, a tentativa de atribuir a mim, o comportamento e a atitudes de outros vossos semelhantes!

Parte 3: Quanto às novas tecnologias, bem! Eu digo a você! Uso muito! Até algumas que você sequer sabe existir. Eu sou deste tempo e tenho que usar o que existe. Porém, veja que estranho: você acha que estou "desviando a atenção do povo". Onde é que EXPOR INFORMAÇÕES é DESMORALIZAR OS ADVERSÁRIOS? Evidente que ai você está dizendo: As verdades combate às mentiras. E, quem mentiu é desmoralizado. E como pessoas ligadas a mim e ao partido que sigo mentiram! Evidente que você os está DESMORALIZANDO. É fato, que, aqueles que você está a defender foram desmoralizados! Mas, não porque usei MENTIRAS contra eles. Eles ficaram desmoralizados quando o que eles diziam não encontraram respaldos nas informações que eles foram obrigados por lei a exibir. Os imorais por si só destroem. E a comparação com o grupo terrorista não me atinge. Não fui eu quem fez terror com pessoas carentes, ameaçando-lhe tomar o que disseram que lhes eram de direito. Quem fez terror com as pessoas indefesas, e que a justiça eleitoral está investigando não fui eu. Logo, você está à semelhança daqueles outros acolá, acusando a mim, e outras pessoas que pensa estar a mim associado de fazer o que é da natureza de certo grupo, que desde os anos 60 tentaram impor ao país a ditadura, e um regime não democrático. Quem tem apoiado ditaduras e grupos terroristas foram Lula, Dilma, Amorim, Garcia e outros. Não queira me colocar neste grupo, pois, a eles não pertenço. Quem apoia terroristas na América do Sul, na África e no Oriente Médio foram estes acima citados neste parágrafo. Não eu! Parte 4: Você não sabe sustentar uma ideia e não sabe defender um tema, então sai atirando para todos os lados possíveis. Agora diz que o que faço é


PALHAÇADA e que vai entrar na Brincadeira. Meu jovem, palhaçada é o que quiseram fazer a nosso município. Cometer tantos erros e ainda convidarnos: venha ver no Portal da Transparência. Apostavam na ignorância e na vida cotidiana de nosso povo que é ocupada desde as primeiras horas até chegar em casa à noite e sem tempo para ir lá conferir. Parte 5: Eu não me auto intitulo de nada. Sempre afirmei: eu sou Heinz Alfons Fritz. Que sou legalista. Mas, não me fiz esta auto intitulação. Quando afirma querer conversar amigavelmente, quer dar a impressão que você é amigável, e que, eu sou beligerante. Esta sua atitude é só um engodo. A sua moralidade não interessa, a não ser, quando sua empresa está em relacionamento com o serviço público. Ai a mim me interessa. E, o que você quis dizer com "eu pago!"? Que tem dinheiro sobrando? Que a conta é pequena e deixa comigo? Não se preocupe com a conta! Eu sei dos vossos contratos com o serviço público. Eu já disse e repito: eu me sustento! Eu sou autossuficiente profissionalmente. Trabalho para a iniciativa privada, pois, tenho conhecimentos técnicos suficientes que pode me suster com todo aparato tecnológico que necessito. Não sou eu quem vive a base de diárias públicas, nem de repasses públicos. Parte 6: Não sou tão graduado e tão aposentado como diz. Quanto as textos "tendenciosos e de mau gosto", eu te digo uma coisa só: recebo centenas de mensagens dizendo o contrário. E me contento em saber que não tenho que agradar a todos. Quando diz para eu usar linguagem coloquial, você está, em minha opinião, menosprezando a capacidade da população, classificando-me como alguém que escreve para um povo que não sabe ler, nem tem acesso a dicionários e que são incultos e incapazes de ler e compreender. Não é verdade! Parte 7: Hummm! Você até se posiciona como especialista em análise textual e literário. Um desperdício de especialista que vive de "comercializar a morte!" Eu posso escrever como me convêm escrever. Posso usar a primeira pessoa! Posso escrever na segunda pessoa! E na terceira pessoa também. Posso usar as figuras de linguagens. São recursos que me são facultados. Não é necessariamente indicativo de vários escritores. Apenas eu! Este seu


equivoco de análise indica que você não passou no teste de análise literária. Não é que sou muitos. Existem muitas formas de se ser e de fazer o que quero fazer. Não é uma limitação minha, é uma limitação sua! Parte 8: No que sou especializado eu sou bom! Sou capaz. E, você está confundindo inteligência com conhecimento. Inteligências em certo grau todos têm. Conhecimento não! Como sou dotado de inteligência, sou capaz de buscar novos conhecimentos. Somos adaptáveis por natureza. E, não queira diminuir as EAD, pois, de forma indireta você vai atingir o governo Federal, que foi quem mais ampliou e financiou tal modalidade de ensino. Se você não sabe o que se ensina à distância, é um reconhecimento de que, você sabe pouco de certas realidades. Se tivesse consultado uma parenta sua, terias te informado sobre isto. E mais! Não existe nenhuma lei que proíba nenhum brasileiro de estudar o que quiser estudar por conta própria. Aliás, esta modalidade de estudo se denomina de autodidata. E, além de legalista, eu também sou autodidata! Parte 9: Eu já sei o suficiente de sua pessoa, de sua empresa, e mais uma vez, em momento algum, nas mensagens que enviei fui beligerante. Não afrontei você e sua família. Mas te garanto que, qualquer pessoa física e jurídicas que fazem serviços para a empresa pública devem saber que os dados são públicos, e se erros existirem, erros serão expostos. Se é imoral. Se é antiético. Se é ilegal e mancha a vossa reputação. Mude de comportamento. Não aceite as imoralidades. Não compactue com as atitudes antiéticas. Se exibir as informações e os valores das transações comerciais entre o serviço público e vossas empresas e familiares e amigos é uma AFRONTA... isto ai, é outra coisa, e, é aconselhável mudar de atitude para que tais afrontas não se perpetue. Parte 10: Não diga que eu fiz algo que não fiz. De fato as pesquisas estão lá no portal da Transparência e revelam mesmo a "história política de geração em geração" de vossa família. Está confirmado!

Heinz Alfons Fritz



Resposta para André Prochnow