Page 1

Shabat Hacchodesh quarto

dos

preparação

Este shabat é o

shabatot para

especiais

Pessach.

De

de

maneira

semelhante a que se fez nos anteriores, são retirados dois sefer torá e a leitura do maftir é feita do segundo livro. Neste shabat Hachodesh, lê-se um trecho da parashá Bô, que falando do mês de Nissan, mas sem lhe dar esse nome, define-o como o primeiro dos meses do ano.

Anúncio do mês de Nissan Neste Shabat, anunciamos o mês de Nissan, que começa terça feira. É o primeiro dos meses, conhecido como o mês da primavera e dos milagres, por conta da saída do Egito. Mês da primavera, Nissan permite a todos sair do Lugar Estreito (mitsraim) para um lugar mais amplo. Assim como as pessoas saem de suas casas e os animais de suas tocas depois do inverno, a sensação é de libertação. Aquele que passou pelo mar de escuridão e frio do inverno e olha desde a outra margem, emerge em gratidão e canto. Anualmente a experiência do fim do inverno traz memórias da historia de libertação coletiva, quando saímos da grande noite e nos descobrimos diante de um novo dia cheio de possibilidades. Extraído do site da Confederação judaica do Brasil

Shabat na sinagoga de A Hebraica Prédica: Sylvia Lohn Chazan: David Kullock Musicista: Beto Borger Baalei Koré: Rony e Daniel Grabarz Horários Kabalat Shabat: 6ª f. 19h30 Schacharit: Sab 10 hs Mincha, Maariv e Havdalá: sab 17h30

CJ ‫נ‬EW ‫ם‬ Sinagoga Ano XVI nº 697 Sábado, 29 de março de 2014 Shabat, 29 de Adar II de 5774 Shabat Tazria Shabat Hachodesh Abençoamos o mês de Nissan que começa terça-feira. Lua nova em Jerusalém 2ª feira 31 mar 2014 as 3h54min30seg


outros, ou seja, o mal físico dessa doença é uma consequência de um mal moral/psíquico. Uma outra particularidade da tzaraat é que a pessoa que contraía tal doença (chamada em hebraico de metzora) só ganhava o status de metzora e, portanto, de impuro, quando um kohen (sacerdote) assim o declarava. Dessa maneira, novamente vemos que a condição física da pessoa era uma consequência de uma atitude mental/ espiritual. Apesar de essa ser uma doença totalmente afastada do nosso universo de tempo e de entendimento, existe um conceito a ela associado que permanece atual e relevante até hoje, que é a associação intrínseca entre o plano físico, o plano do corpo, e o plano espiritual, da mente e da alma. Embora durante muitas décadas a ciência e a medicina tenham se esmerado em contestar e se opor à religião, insistindo em encontrar para tudo uma explicação racional comprovada pelos métodos científicos, vemos que, em especial no campo da medicina e das doenças, mas também em outros aspectos da vida, acontecem coisas totalmente inexplicáveis, como recuperações de casos terminais, “acasos” impensáveis, consequências inesperadas, etc.

Parashá Tazria: A força e o poder da alma David Rosenberg Krausz, de Jerusalém

Lemos nesta semana a parashá de Tazria que trata de leis relativas a diversos tipos de purezas e impurezas, bem como os procedimentos rituais a elas associados. Uma das impurezas mais curiosas tratadas nessa parashá é a doença conhecida como tzaraat, normalmente traduzida para o português como lepra. A tzaraat é vista pela Torá como uma consequência do pecado da maledicência, isto é, de falar mal dos

É claro que não há muito como provar que existe algo espiritual que de certa forma influi e controla o corpo e a parte física do mundo, mas podemos ver empiricamente como a fé, a alegria e a determinação são capazes de superar, em inúmeros casos e contextos distintos adversidades e dificuldades inimagináveis. Esse conceito nos lembra de que, apesar de vivermos em um mundo material e em um corpo finito, temos dentro de nós algo transcendente, algo infinito, uma parte do próprio D’us, que é nossa alma, a qual, sabendo entendê-la e usá-la realmente pode nos levar a conquistas e superações impensáveis!


Cultura Judaica News Texto: David Rosenberg Krausz e Mauricio Mindrisz Ilustrações: Rúbem Castro Cultura Judaica News Sinagoga (CJ ‫נ‬EW ( Sinagoga ‫ם‬é de responsabilidade do Depto. de Cultura Judaica de A Hebraica.

CJNews