Issuu on Google+

Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 0

Orixá Oxóssi – do ioruba Òsóòsi Janeiro. Mês dedicado a Oxóssi, que pelo sincretismo é São Sebastião, tendo como data comemorativa o dia 20 de Janeiro. Pág.03

Vale dos Orixás em Juquitiba O Vale mantido por Pai Jamil Rachid, na cidade de Juquitiba/SP. Mais um paraíso voltado para as práticas Umbandistas. Confira matéria, fotos e instruções de como chegar. Pág.03

Réveillon pelo Mundo

Oferendas para o Orixá Oxóssi

Uma grande festa com show Algumas sugestões de de luzes, queima de fogos e oferendas para o Orixá Oxóssi, para trazer muita comemoração. Confira prosperidade e fartura algumas fotos desta grande para sua casa e sua festa pelo mundo. Pág.05

família. Pág.06

Oxóssi Caçador - Internet

Pontos de Oxóssi Colocamos apenas alguns pontos de Oxóssi. No site, você poderá baixar 920 pontos captados na Internet. Pág.25

Oração ao Pai Oxóssi pág.06 Significado de alguns dos nomes indígenas Confira nesta edição o significado de alguns nomes e dialetos indígenas falados nos terreiros pelos caboclos. São alguns nomes indígenas e dialetos de tribos Indígenas do Brasil. pág.07

Confira

na matéria sobre drogas e alcoolismo, a relação de entidades amparadoras e centros de tratamento e apoio aos dependentes químicos, além de uma grande relação com telefones e endereços de entidades assistenciais em varias localidades de São Paulo, interior e Litoral. Pág.26


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 1

EDITORIAL Em janeiro a Umbanda comemora com festas e louvações um dos orixás mais cultuado por seus adeptos e seguidores: OXÓSSI! Ele é o patrono da linha dos Caboclos e Caboclas da Umbanda assim como é tido como o guardião divino dos mistérios vegetais, que vão desde as raízes até as sementes. Em seu culto tradicional no Candomblé Oxóssi tem toda uma fundamentação, que difere em alguns pontos com a que recebeu na Umbanda, mas isto não diminui sua divindade e sim a engrandece ainda mais porque o popularizou de tal forma que até quem não é seguidor de algum culto afro brasileiro o conhece. Em função do sincretismo desenvolvido durante o período da escravidão, onde seus cultuadores não podiam pronunciar seu nome em Yorubá senão seriam castigados, ocultaram-no por traz da imagem de São Sebastião e daí em diante esse santo cristão e católico tornou-se um dos mais cultuados no Brasil. Na umbanda, em seu inicio, logo Oxóssi destacou-se porque os caboclos que davam seus pontos cantados aludiam a ele como o Pai das Matas, o protetor dos fracos e oprimidos, o cortador de demandas, o propiciador de curas milagrosas com suas ervas sagradas e o encaminhador de espíritos sofredores. Tantos são os auxílios prestados pelos Caboclos(as) que essa linha de trabalhos espirituais destacou-se desde o inicio da Umbanda, já com o Caboclo das Sete Encruzilhadas, o Espirito fundador da Umbanda, realizando trabalhos miraculosos que impressionavam quem os assistiam ou por eles eram beneficiados, chegando ao relato de uma ressuscitação, fato esse que será descrito na edição especial que estamos preparando em homenagem a Leal de Souza, o primeiro escritor umbandista e será enviada a todos os cadastrados em nosso NEWSLETTER até o dia 20/01/2011. Sim, estamos preparando uma edição especial onde mostraremos aos umbandistas atuais como era a Umbanda em seu inicio, denominada então pelo Caboclo e por Pai Zélio como LINHA BRANCA DE UMBANDA E DEMANDA, desfazendo muitas dúvidas e confusões criadas desde então por aqueles que negam a autoria e o mérito dos pais da nossa religião. Quem inicia algo encontra muitas dificuldades e tem que supera-las uma a uma se quiser ver florir sua iniciativa. E foi o que fez Pai Zelio de Morais e a imensa legião de Caboclos que acompanhavam o Caboclo das Sete Encruzilhadas, não desanimando nunca, mesmo vendo que o crescimento descontrolado da Umbanda, que fugiu ao controle deles, trouxe para dento dela os oportunistas, os exploradores, os charlatães, os embusteiros, os falsificadores da verdade, os desvirtuadores e os deturpadores daquilo que eles praticavam e pregavam como UMBANDA. Mas a tudo OXOSSI tem visto e no tempo certo tem mostrado a cada um deles os seus erros e a causa de suas quedas espirituais, quedas essas devido não seguirem o que os altivos caboclos ensinam e praticam: a CARIDADE! SARAVÁ OXÓSSI, SARAVÁ TODOS OS CABOCLOS E CABOCLAS DA UMBANDA! Por: Pai Rubens Saraceni.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 2

– do ioruba Òsóòsi Textos retirados da internet por: Marcos Mozol

Janeiro. Mês dedicado a Oxóssi, que pelo sincretismo é São Sebastião, tendo como data comemorativa o dia 20/01.

Caboclo Flecheiro - Internet

demonstrando muita coragem, se apresentou novamente diante do Imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusando-o de inimigo do Estado. Perplexo com tamanha ousadia, Diocleciano ordenou que os guardas o açoitassem até a morte. O fato ocorreu no dia 20 de janeiro de 288. A chegada ao Brasil: Durante a diáspora negra, muitos escravos que cultuavam Oxóssi não sobreviveram aos rigores do tráfico negreiro e do cativeiro, mas, ainda assim, o culto foi preservado no Brasil pelos sacerdotes sobreviventes e Oxóssi se transformou em um dos orixás mais populares,

Um pouco de História: São Sebastião nasceu em Milão, na Itália, de acordo com Santo Ambrósio, por volta do século III, embora haja

versões de que tenha nascido em Narbonne, na França. Pertencente a uma família cristã, foi batizado ainda criança.

Mais tarde, tomou a decisão de engajar-se nas fileiras romanas e chegou a ser considerado um dos oficiais prediletos do Imperador Diocleciano. Contudo, nunca deixou de ser um cristão convicto e ativo. Fazia de tudo para ajudar os irmãos na fé, procurando revelar o Deus verdadeiro aos soldados e aos prisioneiros. Secretamente, Sebastião conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Até mesmo o governador de Roma, Cromácio, e seu filho, Tibúrcio, foram convertidos por ele. Em certa ocasião, Sebastião foi denunciado, pois estava contrariando o seu dever de oficial da lei. Teve, então, que comparecer ante o imperador para dar satisfações sobre o seu procedimento. Diante do Imperador, Sebastião não negou a sua fé e foi condenado à morte, sem direito à apelação. Amarrado a um tronco, foi varado por flechas, na presença da guarda pretoriana. No entanto, uma viúva chamada Irene retirou as flechas do peito de Sebastião e o tratou. Assim que se recuperou, tanto no Candomblé, onde se de caça. É um caçador tão tornou o rei da nação Ketu, habilidoso que costuma ser quanto na Umbanda, onde é homenageado com o epíteto patrono da linha dos caboclos, "o caçador de uma flecha só", uma das mais ativas da pois atinge o seu alvo no religião. primeiro e único disparo, Nas sete linhas de tamanha a precisão. Umbanda, o Trono do Oxóssi é a expansão dos Conhecimento; limites, do seu campo de ação, Seu habitat é a floresta, sendo enquanto a caça é uma simbolizado pela cor verde na metáfora para o Umbanda. Sendo assim, conhecimento, a expansão roupas, guias e contas maior da vida. Ao atingir o costumam ser confeccionadas conhecimento, Oxóssi acerta o nessas cores, incluindo, entre seu alvo. Por este motivo, é as guias e contas, no caso de um dos Orixás ligados ao Oxóssi e, também, seus campo do ensino, da cultura, caboclos, elementos que da arte. Nas antigas tribos recordem a floresta, tais como africanas, cabia ao caçador, penas e sementes. que era quem penetrava o Seus instrumentos de culto mundo "de fora", a mata, são o ofá (arco e flecha), trazer tanto a caca quanto as lanças, facas e demais objetos folhas medicinais. Além, eram


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

os caçadores que localizavam os locais para onde a tribo poderia futuramente mudar-se, ou fazer uma roça. Assim, o orixá da caça extensivamente é responsável pela transmissão de conhecimento, pelas descobertas. O caçador descobre o novo local, mas são os outros membros da tribo que a instalam neste novo lugar. Assim, Oxóssi representa a busca pelo conhecimento puro: a ciência, a filosofia. Apesar de ser possível fazer preces e oferendas a Oxóssi para as mais diversas necessidades da vida, pelas características de expansão e fartura desse orixá, os fiéis costumam solicitar o seu auxílio para solucionar problemas no trabalho e desemprego. Afinal, a busca pelo pão de cada dia, a alimentação da tribo, costumeiramente cabe aos caçadores. Por suas ligações com a floresta, pede-se a cura para determinadas doenças e, por seu perfil guerreiro, proteção espiritual e material. É o caçador por excelência, mas sua busca visa o conhecimento. Logo, é o cientista e o doutrinador, que traz o alimento da fé e o saber aos espíritos fragilizados tanto nos aspectos da fé quanto do saber religioso. O Orixá Oxóssi é tão conhecido que quase dispensa um comentário. Mas não podemos deixar de fazê-lo, pois falta o conhecimento superior que explica o campo de atuação das hierarquias deste Orixá regente do polo positivo da linha do Conhecimento. O fato é que o Trono do Conhecimento é uma divindade assentada na Coroa Divina, é uma individualização do Trono das Sete Encruzilhadas e em sua irradiação cria os dois polos magnéticos da linha do Conhecimento. O Orixá Oxóssi rege o polo positivo e a Orixá Obá rege o polo negativo.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 4

Oxóssi irradia o conhecimento e Obá o concentra. Oxóssi estimula e Obá anula.

Oxóssi vibra conhecimento e Obá absorve as irradiações desordenadas dos seres regidos pelos mistérios do Conhecimento. Oxóssi é vegetal e Obá é telúrica. Oxóssi é de magnetismo irradiante e Obá é de magnetismo absorvente. Oxóssi está nos vegetais e Obá está em sua raiz, como a terra fértil onde eles crescem e se multiplicam. Oxóssi é o raciocínio hábil e Obá é o racional concentrador. OFERENDA: Velas brancas e verdes; cerveja, vinho doce e licor de caju; flores do campo e frutas variadas, tudo depositado em bosques e matas. ARQUÉTIPO: As pessoas consideradas “filhos de Oxóssi” são alegres, expansivas, preferem agir à noite, como os caçadores. São faladores, ágeis e de raciocínio muito rápido. Sabem lutar e alcançar o que almejam, como que lançando uma flecha e acertando o alvo. Sabem dominar, mas quando raivosos, ferem as pessoas com palavras e atitudes, como se fosse dada uma flechada. Quando amam, são zelosos e fieis, não toleram ser enganados. São muito trabalhadores e honestos. OKE ARÔ, MEU PAI!

Colégio Tradição de Magia Divina Rua Irmã Carolina, nº 272 – Belenzinho/ SP. E-mail: contato@colegiodemagia.com.br Fone: 11- 2796.9059


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 5

O Réveillon no mundo foi marcado por um grande show de luzes proporcionado pelos fogos de artifício. Milhares de pessoas lotaram os lugares mais conhecidos do planeta para comemorar a chegada de 2011. A roda gigante mais famosa do mundo foi o cenário para a queima de fogos em Londres. Já a festa em Paris foi comemorada em grande estilo na Torre Eiffel. Na Austrália, a festa aconteceu na baía de Sydney. A ponte Harbour se transformou numa cascata de luzes. No Japão, milhares de balões subiram aos céus assim que o Ano-Novo foi anunciado. Em Nova York, no entanto, a preocupação era com um novo ataque terrorista. À segurança foi rigorosa, com policiais por toda a parte. Mas a festa foi bonita em Times Square, um dos cartões-postais mais conhecidos do mundo.

Austrália

Rússia

Copacabana Indonésia

Paris

Envie-nos sua matéria, seu texto o seu comentário. Vamos transformar o Jornal de Umbanda na sua cartilha, fazer dele um meio de trocar informações, divulgar, aprender e ensinar. É um jornal para todos. Envie para o e-mail: contato@jornaldeumbanda.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 6

OFERENDAS A OXÓSSI E AOS CABOCLOS: As oferendas ao Orixá Oxóssi e aos Caboclos devem ser feitas em locais que contenham arvores, tais como: Matas, bosques, praças ajardinadas com grandes arvores. Os elementos colocados nas oferendas seguem as determinações dos Guias Espirituais, sendo que vários já são de conhecimento geral, entre os quais citamos a cerveja, as velas verdes e brancas, os charutos, as frutas, fitas verdes e brancas, ramos de samambaia, pemba verde, sementes, etc. Por: Rubens Saraceni

Oh meu Pai Oxóssi, Pai do Conhecimento, Rei das Florestas, matas e aldeias, peço-lhe que com sua flecha certeira, com seu conhecimento e sua sabedoria, me ajude a conhecer e entender a mim mesmo e também aos meus irmãos. Peço também que expanda minhas faculdades mentais, para que eu saiba discernir entre o bem e o mal, O certo e o errado, para que neste plano terreno eu não erre tanto, para que eu possa cumprir aqui, com doutrina, sabedoria e equilíbrio tudo o que me foi designado pelo Pai Maior. Amém. Salve meu Pai Oxossi! OKÊ, ARÔ! Por Cicera C. Neves

PRECE A OXÓSSI Senhor Oxóssi, Pai que gera em Si e de Si o conhecimento. Envolva-nos em teu Manto Esclarecedor para que Teu Divino Mistério se manifeste em nossa vida de forma plena. Tú que és a qualidade de Deus que entre tantas, Nos permite saber mais sobre nós mesmos e sobre a Criação. Manifesta-se em nós. Envolva-nos. Ensina a Teus filhos como ser parte de Vosso Mistério. Nas Matas, No Verde, Na Diversidade dos Vegetais, ensinaste a todos nós Como a variedade de tudo que o Pai Criador fez, nos leva de forma natural de volta a Ele. Afasta de nossa vida o Mal, o Negativismo, e tudo que atraímos com condutas erradas nossas ou de nossos irmãos, ainda perdidos nas trevas da ignorância. Dê-nos Sua Benção, Proteção e Faça por nós tudo aquilo que estiver em nosso merecimento receber, e nos for útil em nossa caminhada. Amém. Enviado por: Nelson S. Junior


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 7

Alguns nomes indígenas e seus significados Abá criatura, pessoa, família, tribo, nação Abaeté homem, pessoa, família ou tribo honrada Abana cabelo forte Abaré companheiro do homem Abati cabelos dourados Abaé outra pessoa Acauã grande ave de rapina Aci mãe, matriarca Acira quela que corta Aimara vegetação Aimberê rijo, inflexível, forte Airetama colméia Airumã estrela Airy palmeira Aisó formosa Aiyra filha Ajaguanã guerreiro forte Ajira sobrinha Ajuricaba muito irritável, agrupamento de marimbondos Amana água que vem do céu Amanacy mãe da chuva Amanara dia de chuva Amanayara senhora da chuva Amandy dia de muita chuva Anahi bela flor do céu Anajá grande palmeira Anajé espécie de gavião Anami nome de árvore Anauá árvore de flor Aneci graciosa Andirá morcego Antã viril Apiúna pintado de preto Apoema aquele que vai mais longe Apuã monte, montanha Apuana aquele que corre Aquira gomo de vegetais Arabi lindas lágrimas Aracaê pássaro briguento Aracema bando de papagaios Araci aquela que é doce como mel Araci a mãe do dia, a aurora Araciara ave que se alimenta do mel Aracunda papagaio forte Aracê despontar Araguaci pássaro bonito Araguarino rio dos papagaios Arajuba mel dourado Arani mal tempo

Araponga pássaro grande Arapuã tipo de abelha Araquem pássaro que dorme Arari espécie de arara amarela Araribóia espécie de cobra Araripe água dos papagaios Araruna espécie de pássaro preto Ararê amigo dos papagaios Aratama cheio de papagaios Arati ao amanhecer Araí riacho doce Araíba mau tempo ou tempestade Araípe dentro do riacho doce Aricema o broto da palma Arinhã galinha Arinos tribo Aruana sentinela Atiara um fio de luz Atibá espécie de pomar, muitas árvores de frutas Atibaia ave sã Avaré homem amigo Avati ser encantado da mitologia guarani Açucena singela e branca flor Bambuí rio dos bambus Bartira planta com flores coloridas Bocaiuva palmeira Boyrá objeto precioso Brenho mata fechada Bretã ligeiro com peixe Buriti árvore da vida Cabuçu vespa grande Caeté mata frondosa Cairu árvore de folhas escuras Caiubi folha colorida Caiuá aquele que mora no mato Cajaty grande árvore Camapuã colina Cambuci vaso de água Cmbuquira arbusto Camby leite materno Cambyçara aquele que alimenta Camocim vaso com água Camury peixe robalo Canará cana de açúcar Canindé arara azul Canirim broto de flor Capotira flor do mato Caramuru homem do fogo Carioca casa de homem branco Caturama boa sorte

Cauã gavião Cauê homem sábio e bom Cayari riacho dos cajás Caápua aquele que mora no mato Ceci mãe do pranto Coari mãe do dia Diarum onça preta Ednaré ser mitológico Eirapuã estrela Enarê deus dos rios Endi pessoa luminosa EREÍMA não possuí nome Eçaí aquela que gosta de festas Eçaiara aquela que foi esquecida Eçaúna olhos escuros Grajaú homem poderoso Guacira aquela que corta Guapira onde o vale começa Guaraçema fuga das garças Guaratinga garça clara Guaraúna garça escura Guaçu grande Gurinhém cantar de pássaros Iaceê aquele que lê os pensamentos Iacina borboleta com asas douradas Iamana flauta Iandara metade do dia Iara mãe da água Iataí tipo de abelha Ibacém fruta doce Ibarama pomar Ibaretama o céu Iberaba o brilho da água Ibiacema montanha de terra Ibiaci bondosa terra Ibiama a vertente do rio Ibiara cerra das araras Ibiajara senhor do planalto, cavaleiro do planalto Ibirajá planta que da frutos Ibiúna terra escura Ibotira flor delicada Ibotirama local de flores Ierê movimento das ondas Igapi chuva miúda Iguaba fonte de água potável Iguatemi rio ondulante Iguaçu muita água Inaiê águia solitária Inema água parada Ipanema impraticável, imprestável


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Ipoema pássaro do pântano Ipojuca pântano Ipupiara deus raivoso das águas Ipuã ilha Iracema nascida do mel Iraci abelha rainha Iramaia mãe do mel Irani rio de mel Irapuã colméia Iraputã mel vermelho Iratama muitas abelhas Irati cêra de abelha Iraê gosto de mel Itajuí riacho onde se encontra ouro Itambé pedra pontuda Itagi machado de pedra Itanema cobre Itapema pedra Itaperuna pequena aldeia no meio da floresta Itapoã pedra redonda Itatiba pedreira Itaú rio das pedras Itaúna pedra preta Ivair rio das flechas Ivaí rio de frutos Iúna rio escuro Jabotão árvore de tronco preto Jaci lua Jaciaba cabelos de lua, raios de luar Jaciara nascer da lua, luar Jacicoê madrugada Jaciema movimento da lua Jaciendi o reflexo da lua Jacimar lua boa para a guerra Jacobina espécie de árvore Janaína rainha da família Jandaia papagaio Jandira aquela que gosta de mel Japira espécie de árvore Jari riacho cercado por frutos Jarina espécie de palmeira Jacara espécie de palmeira Jupi planta com espinhos Jupira qualquer planta comestível Juraci aquela que fala o bem Jurandir trazido pela luz do céu Jurandira sabor de mel nos lábios Jurecê aquela que faz o bem Jurema planta com espinhos

Acesse:

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

Jussara espécie de palmeira Kaluanã guerreiro Kanauã dançarino Kaolin bela jovem Kerexu luz crescente Kuana doce perfume Kumari comadre Laciara espelho da lua Lacirandy luar Magé feiticeiro Maiara a sábia Mairarê o amanhã Majuí andorinha Manacá espécie de flor Maraneíma donzela, vírgem Marani o que provoca rixas Maraíra pessoa que aprecia mel Marã aquele que resolve Mauá aquele que é elevado Mira pessoa Moacir o que faz sofrer Moama aquele que faz armadilhas Moara aquela que auxilia no parto Naara pessoa jovem, vivaz, astuta Nadi mãe biológica, progenitora Neputira campo florido Obajara aquele que luta contra Obiru folha seca Opira aquele que cuida Oribá aquele que é alegre Pacaembu riacho das pacas Paquetá rio cheio de pacas Paracambi encontro de rios Paraguaçu mar imenso Paranaguá enseada do grande rio Paraopeba rio das águas rasas Parati mar branco Pavuna lagoa de águas turvas Peri espécie de planta, esteira Piatã pedra dura Pindara aquele que pesca Piraju peixe dourado Pirajá local onde se prepara os peixes Pitangui rio das crianças Pocema brado de guerra Poguira proteger Poranga beleza Porã aquele que possui beleza Potira espécie de planta

pág. 8

Quraciema nascer do sol Quaraçã luz do sol Raoni chefe, grande guerreiro Raíra homem Sabará pedra reluzente Sami aquele que tem o olhar inquieto Sucupira espécie de árvore TABAJARA o senhor da nossa aldeia Taciatã sofrer Taciguara aquele que come formigas Tacira arma cortante Taiguara aquele que foi libertado Tainá estrela Tainaçã estrela da tarde Tamandaré aquele que foi fundador de um povoado Tapira mamífero Tapiraçá aquele que tem olhos de anta Tecoara alegria Tecobiara aquele que foi substituído Teça aquele que tem olhos atentos Tibiriça sentinela da serra Toriba felicidade Tupã Grande Pai, progenitor Ubaúna embarcação pequena Uberaba água cristalina Ubiraci árvore com boa madeira Ubirajara senhor da lança, aquele que faz lanças Ubiratã árvore de madeira dura, boa para fazer lanças Upiara o que luta contra mal Upira alimento Ururaí rio dos lagartos Viatã flecha rija Vivá forte como a natureza Yakecan o som do céu Como cada região territorial, tem sua geografia, fauna e flora peculiares, os nomes variavam em função do ambiente em que vivia cada tribo. fonte: Claudia Baibich www.caboclosnaumbanda.blogspot.com

- mais dicionários para consulta


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Enviado por: Elisabete Mitiko Watanabe e-mail: elisabetemws@yahoo.com.br

Tem sido cada vez mais recorrente as notícias sobre casos de intolerância religiosa. São leis impedindo determinados ritos, policiais invadindo terreiros, entre outras situações. Em nosso cotidiano percebemos, por diversas vezes, uso pejorativo de alguns termos da Umbanda. Referem-se a Exu, com sinônimo de coisa ruim. A macumba como coisa do mal, a pais de santos como charlatães. Recentemente, passou na televisão uma matéria sobre a existência de vida pós-morte, que foi gravada no Santuário Nacional da Umbanda. Neste programa, médiuns incorporados foi motivo de chacota e o tom foi desacreditar o que estava acontecendo. Embora o programa fosse de comédia, considero que o assunto poderia ter sido tratado de forma mais respeitosa, como o foi com as outras religiões consultadas. Comentando a matéria da televisão, Alexandre Cumino disse: “Mas a culpa é nossa também, que muitas vezes ocultamos a identidade de Umbandista e ficamos sempre calados quando nos desrespeitam”. A Umbanda é linda e merece respeito, mesmo por aqueles que não são umbandistas. Não vemos notícias sobre invasão de Igrejas ou Templos, por que o respeito pelo sagrado ali já está consolidado. E a reflexão que deixo é: o que cada um de nós (médiuns, simpatizantes, assistência) temos feito em nosso cotidiano para consolidar a Umbanda enquanto religião e, portanto, sagrada? Sabe-se que mesmo em nosso meio, também há desconhecimento do que se faz durante os trabalhos num Terreiro. Alguns médiuns não sabem por que se bate cabeça, por que o Guia fuma e bebe? Por que se risca um ponto? Por que se acende uma vela e o que é e para que serve uma oferenda? A Umbanda evoluiu. Dizer que o Guia sabe tudo e que o médium não precisa fazer nada já não

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 9

serve mais. Os médiuns precisam sair do comodismo e buscar conhecimento. Vai um apelo a todos: estudem, entendam o que vocês estão fazendo e saibam defender a Umbanda quando alguém ofender alguns de nossos fundamentos. E, principalmente, assumam a Umbanda como religião e não apenas como um lugar para buscar socorro quando se precisa. Além disso, o conhecimento pode dar um upgrade nas nossas relações com os Guias. Tem uma história e vou pedindo licença ao meu amigo Walter para contá-la. Em todos os seus atendimentos mediúnicos, o Guia receitava banho de arruda, e ele entendia boldo. Falava em chá de camomila, ele entendia boldo. Tudo para ele era boldo. Na sua insegurança, ele indicava aquilo que era do seu conhecimento, afinal uma erva de Pai Oxalá não faria mal a ninguém. Até que ele foi levado pela Espiritualidade a fazer um curso de ervas e ele passou a entender o que precisava ser feito. Quer dizer, o Guia sabia o que estava fazendo, mas ele não entendia, pois ainda não possuía o conhecimento necessário para traduzir exatamente o que o Guia queria dizer. E por experiência própria posso dizer que a gente só ama o que conhece. A cada dia que passa; a cada nova informação, tenho certeza que estou no lugar certo. Sinto-me abençoada e acolhida pela luz dos Sagrados Orixás. Emociono-me com a humildade dos guias e com as lições de amor do Preto Velho, aprendo com as chacoalhadas dos amigos Exus. Isto tudo me dá a certeza de que tudo está no caminho certo e que a mão de nosso Pai Olorum está em tudo e todos. Que o Pai Olorum nos abençoe.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 10

Visita ao Vale dos Orixás do Pai Jamil Rachid em Juquitiba.

Assim que chegamos, fomos muito bem recepcionados pelo senhor Lima, que gentilmente nos mostrou um pouco deste paraíso localizado na cidade de Juquitiba. Com 21 alqueires, este sítio mantido por Pai Jamil Rachid, possui mais de 7 barracões, onde ficam a disposição para serem realizadas giras e eventos religiosos, o Vale dos Orixás dispõe de cachoeira, córrego, cruzeiro, capela, enfermaria, lanchonete, e locais destinados à cultos e oferendas aos Orixás. Em nossa visita nos deparamos com milhares de pessoas reunidas em virtude do amaci de Oxóssi, que ocorria naquele momento, com a presença de muitos dirigentes, membros e associados. Difícil descrever com a devida riqueza de detalhes a que merece, então estamos disponibilizando aqui no Jornal de Umbanda algumas das muitas fotos que tiramos, e deixamos a disposição de todos em nosso site: http://www.jornaldeumbanda.com.br no menu a esquerda todas as fotos, vídeos e um mapa, com informações de como chegar em mais este paraíso voltado para os umbandistas e praticantes de cultos afro.  Entrada do Vale dos Orixás.

Assim que passar pela entrada. 

 Parquinho dos Erês.

Caminho para a cachoeira. 

 Pai Rubens Saraceni e Sr. Lima (que nos recepcionou).

Sr. Lima, Ogã Dr. Basílio e Pai Rubens Saraceni. .........................


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 11

Pai Rubens Saraceni e Pai Jamil Rachid

Sr. Lima com um médium preparando o Amaci.

Pai Edson, Pai Jamil Rachid, Pai Aguirre, Ogã Dr. Basílio e Pai Rubens Saraceni.

Cachoeira da Mamãe oxum.

Corimba (ao fundo), mães de santo

Tenda Principal onde foi realizado o amaci.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 12

Como Chegar ao Vale dos Orixás do Pai Jamil Rachid em Juquitiba

Cidade de Juquitiba KM 328, logo após o pedágio.

Através da Rodovia Régis Bittencourt, siga em sentido a cidade de Juquitiba. Logo após o pedágio, que custa R$ 1,70 (um real e setenta centavos) tem placas indicando a entrada da cidade de Juquitiba, um pequeno trevo na rodovia. Mantenha-se a direita da pista, seguindo em frente sem entrar na cidade, passando exatos 5 (cinco) quilômetros, exatamente no KM 332, entre a direita, onde tem um ponto de ônibus, e siga em frente pela estrada da França, até o número 200, onde fica o Vale dos Orixás.

KM 332, da Rodovia Régis Bittencourt (BR116). Exatamente 5 quilômetros após a entrada da cidade de Juquitiba. Entre a direita, a entrada tem um ponto de ônibus, exatamente após a placa indicativa do KM 332.

O Vale dos Orixás existe a mais de 20 anos. Entrada franca. Recebe milhares de pessoas de diversos locais, possui estrutura para realização de trabalhos espirituais em barracões ou ao ar livre, também dispõe de lanchonete e enfermaria, as reservas devem ser feitas antecipadamente, maiores informações: União de Tendas telefones: 3085-0738 ou 3062-7450, Associação Paulista telefone: 67265577 site para maiores informações e referencias: http://www.uniaodetendas.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

UM ALERTA SOBRE AS PROJEÇÕES ASTRAIS OU OS CUIDADOS QUE DEVEMOS TER PARA EVITAR "ACIDENTES " O Mundo espiritual ou o Astral reserva perigos quais sejam as formas pensamentos de ódio, etc. que vagam às centenas de milhões pelo Orbe nunca cessando, pois provêm dos pensamentos da humanidade insana, espíritos assediadores e obsessores(encarnados e desencarnados), magos negros de plantão com suas magias nefastas, além de algumas variações criadas pelo mar de projeções de equipamentos magnéticos do mundo material, que se desdobram nos elementos dali originais, podendo provocar danos e obsessões negativas para quem utiliza desse recurso sem tomar os devidos cuidados. Mas se, afinal, é um dom natural de todo ser humano essas "viagens" conscientes ou inconscientes, toda ela segura pelo cordão de prata com suas características de mantenedor da vida no tempo determinado, porque devemos temer ? Realmente não devemos temer, mas sim, nos atentar para evitar esses (e outros) perigos. Além do preparo físico e emocional (relaxamentos e orações), devemos ter uma real intenção e esta deve ser nobre e de caráter positivo(mesmo que seja uma "excursão" de aprendizado ou de relaxamento, diversão, "rever" entes passados e autorizados a nos receber, etc.). Devemos pedir licença ao Pai Olorum, ao Sr. Orixá guardião dos Portais Sagrados mas, também, fortalecer e pedir amparo aos nossos Guias e Protetores e também por eles.

Somos um Terreiro de Umbanda Por Mãe Iassan Ayporê Pery e-mail: vasfilho@editorasaraiva.com.br

Somos um Terreiro de Umbanda. Simplesmente Umbanda. Sem fórmulas mágicas, muito menos tenda de milagres. E consideramos também que mais importante do que ficarmos presos a ideias pré-concebidas de escolas ditas “iniciáticas” de Umbanda, ou

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 13

Assim teremos uma viagem tranquila, positiva e, com certeza, extremamente reveladora inclusive quanto aos perigos que estaremos, assim, livres. Ou, paralelamente, não é dessa forma que nos comportamos quando ainda encarnados, se tivermos que caminhar por lugares sombrios, cheio de armadilhas e seres com consciências congeladas no mal e nos erros? Quando assim, procuramos tomar os devidos cuidados e, se possível, andarmos em companhia de um guia que conheça o local ou um policial com credenciais ! Não é diferente no plano astral em relação às negatividades. Portanto, identifiquem o porque das viagens conscientes e tenham sempre um pensamento nobre justificando obter a autorização dos Seres da Luz. Do contrário estareis se expondo como ovelhas numa alcateia de lobos. Se não tomarmos as devidas precauções, tais experiências lícitas e maravilhosas podem se transformar em sérias armadilhas, pois vemos por aí vários e vários cursos de projeciologia que carecem de fundamentos e transformam-se assim em armadilhas para os vampiros espirituais sempre de plantão. Pois que a sabedoria dos nossos antepassados, pais e mães, sempre nos diziam quando criança : "Antes de dormir, filhos e filhas, rezem agradecendo a Deus e peçam proteção para seu anjo da guarda.” "E quando acordar, agradeçam a Deus, Seus anjos da guarda e peçam proteção para o seu dia ser feliz” Enviado por: Douglas Oliveira Elias e-mail:doug.dedic@ig.com.br

permanecermos presos a conceitos ultrapassados, é buscarmos fazer a caridade incondicional. Não importa qual ritualística cada Terreiro de Umbanda siga. Não importa se "escrevem" Oxoce, Oxóssi ou Oxossi. Não importa se consideram Nanã Orixá dono de "Ori" (coroa) ou não. Não importa se consideram mais Orixás ou menos Orixás... O que realmente deve importar quando se procura um Terreiro de Umbanda não é o Terreiro (se é bonito, feio, pobre, rico, etc.),


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

mas sim A UMBANDA! �� claro, que o cuidado com que a obra física é tratada nos fala dos dirigentes e médiuns do terreiro, mas não nos fala de Caridade. O quanto de Caridade o terreiro pratica. Só indo e assistindo as sessões, as giras, observando como se trabalha, a disciplina, os objetivos, o amor. Não cobrando por absolutamente NADA. Não fazendo "trabalhinhos" de amarração, ou para trazer a "pessoa amada" de volta em "x" dias. Fazendo um trabalho constante de amor e fraternidade espiritual e material/social. A Umbanda é uma religião absolutamente aberta que tem inúmeras diferenças de interpretação, que variam de região para região assim como de terreiro para terreiro. É com a ritualística que nos identificamos ou não num primeiro momento, mas devemos lançar um olhar mais profundo e examinarmos melhor os objetivos da Casa. Se tem atabaques, se tem palmas, como é a abertura, o desenrolar da gira, a que a gira se destina. O "como" pode variar e varia muito. E é com o "como" que nos identificamos ou não. Mas isto não nos fala de Caridade também. Para um Terreiro poder se dizer de Umbanda, lá deve haver amor, compromisso com o próximo, caridade descompromissada, um trabalho constante de solidariedade, disciplina, respeito e estudo. Existem inúmeros sites e livros que falam da "origem" da Umbanda. Uns falam que começou com Zélio de Moraes e o Caboclo das 7 Encruzilhadas, outros falam que veio da África, outros falam que começou na Atlântida... outros... Agora, cá entre nós... isto é realmente importante? Ou simplesmente, em alguns casos, puro preconceito ou vaidade? Por que sublinhei "em alguns casos"? Porque existem muitas pessoas

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 14

honestas nos mais variados segmentos da Umbanda. Nas mais diversas "origens"... O importante é compreender que esta é a verdade de cada um e como tal deve ser respeitada. Mas existem algumas coisas que em absoluto nós não podemos aceitar e muito menos respeitar... é que se cobre por qualquer coisa, não podemos aceitar trabalhos sob encomenda pagos... Não podemos aceitar a falta de compromisso com o Bem, não podemos aceitar que se coloquem como a única "salvação" para aquela alma, que se não realizar um "despacho" ali no seu terreiro, a vida não irá para frente. Isto não é Umbanda! No que acreditamos como origem da Umbanda? Como forma de culto oficial, que tenha começado com Zélio de Moraes. Mas como força? Desde que o mundo é mundo... já que a Umbanda é uma religião naturista, ou seja, cultua e tem como sua base a Natureza. Quanto a Origem Africanista? Sim é claro que acreditamos nela, é só observar os vocábulos... os próprios nomes dos Orixás (a própria palavra Orixá). Não nos propomos a sermos os "donos da verdade". Desejamos apenas divulgar a UMBANDA e não a nós mesmos. Desejamos apenas (...) informar as pessoas que existe mais um terreiro de Umbanda, que pratica a Caridade pela Caridade. Um cantinho onde podemos encontrar os bons conselhos de um Preto Velho, as orientações enérgicas de um Caboclo, e as "dicas" de vida material dos Exus. Mas cada terreiro também tem a sua própria raiz, a sua própria história, e é isto que pretendemos mostrar (...) a Nossa Raiz, a Nossa História. SARAVÁ UMBANDA


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 15

REFLEXÃO A pessoa que me mandou está mensagem é muito séria, famosa, muito bem sucedida profissionalmente e financeiramente. Foi no meio de um bate papo, há alguns dias, quando relatei alguns problemas, que venho enfrentando, que essa pessoa disse que me enviaria está mensagem, tão logo retornasse de uma viagem. E fez isso hoje. A pessoa garante que é milagrosa. Como é de graça, achei que valeria tentar. DINHEIRO Ele pode comprar uma casa, mas não um lar. Ele pode comprar uma cama, mas não o sono. Ele pode comprar um relógio, mas não o tempo. Ele pode comprar um livro, mas não o conhecimento. Ele pode comprar um título, mas não o respeito. Ele pode comprar um médico, mas não a saúde. Ele pode comprar um sangue, mas não a vida. Ele pode comprar o sexo, mas não o amor.

Portanto reveja seus conceitos ENSINAMENTO CHINÊS Um ensinamento chinês deve trazer sorte. O original é mantido na Holanda. Este ensinamento já deu 8 (oito) voltas ao redor da Terra. Agora, ele trará sorte para você. Após o recebimento desta mensagem, você terá sorte isto não é brincadeira. A sorte virá até você, por telefone, por correio ou pela internet. Envie cópia desta mensagem ás pessoas que

precisem de sorte. Não envie dinheiro, pois a sorte não se compra. Não guarde esta mensagem por mais de 96 horas, pois dentro deste prazo ela deve ser enviada. Não se esqueça, não mande dinheiro e nem assine. Envie, simplesmente, e espere para ver o que vai acontecer no 9º dia. Eu estou enviando para você, pois a mensagem deve dar a volta ao mundo. Envie cópias aos seus conhecidos, seus amigos e à sua família. Alguns dias mais tarde, você receberá boas notícias ou terá uma excelente surpresa. Isto é verdade mesmo. Esta mensagem é enviada a título de boa sorte e já deu 8 (oito) voltas ao redor da Terra. E graças a alguém que lhe quer bem, a sorte realmente acaba de ser enviada para você. Você terá BOA SORTE, podendo acontecer em menos de 4 (quatro) dias, a contar do dia do recebimento. É a sua vez agora de encaminhá-la, envie só cópias, pois a fé não tem preço. Enviado por: autoria desconhecida (internet)

Muitos que seguem outras religiões existentes têm por costumes criticarem a nossa religião de Umbanda Sagrada, como sendo umas religiões fetichistas e de muitos Deuses, até mesmos como cultuadores de seres demoníacos, isto para sermos brando com as críticas que recebemos. Mas são necessário que esses irmãos de outros seguimentos religiosos, tenham a tolerância e a humildade de buscar os conhecimentos em fontes idôneas, as verdades sobre a religião de Umbanda Sagrada, pois somente dessa forma estarão seguindo os ensinamentos do nosso irmão Jesus Cristo, quando ele disse: “Conheças a verdade que a verdade vós libertarás”. Hoje a Umbanda Sagrada tem uma vasta biblioteca com vistos de Doutrinas que vem fundamentando a prática religiosa através de uma ciência divina toda sua, não mais precisando recorrer a livros sagrados de outras religiões, como aconteceu no passado.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 16

Assim sendo quero fazer uma síntese comparativa entre a ciência divina e a ciência humana; senão vejamos, até há pouco tempo atrás era algo extraordinário quando a ciência humana se falava em quarta dimensão, quando a ciência divina já se falava em setenta e sete dimensões. Enquanto a ciência humana fala que a partícula básica da matéria é o átomo, hoje essa mesma ciência já conseguiu subdividir o átomo em outras setes partículas menores, sendo que seis eles tem conhecimentos de seus fundamentos na origem do átomo, mas a sétima de nome “Quasídon” eles desconhecem o que faz dentro de um átomo. A ciência divina nos diz que a menor partícula existente na criação são os fatores puros, que são sétuplos: * IGNEOS; * EÓLICOS; * TELÚRICOS; * AQUÁTICOS; * MINERAIS; * CRISTALINOS; * VEGETAIS. A ciência humana fala que o princípio gerador são quatro: Terra, Ar, Água, Fogo. A ciência divina nos diz que os princípios da criação de Deus estão nos fatores puros de Deus, a origem de tudo e de todos, inclusive a nossa criação humana. Há muito a física quântica vem estudando as ondas eletromagnéticas, sendo que o mais famoso destes estudos é a “Teoria das Super Cordas”. Mas, para que esta teoria viesse a se fundamentar eles teriam que chegar a onze dimensões e hoje já se fala que chegaram a trinta e três dimensões. A ciência divina já há muito vem falando sobre ondas vibratórias, ondas fatorais, essenciais, elementais, em correntes eletromagnéticas, em telas vibratórias, etc. A ciência humana até há pouco tempo dizia que a raça humana teve a sua origem no macaco. A ciência divina nos diz que somos gerados por Deus numa centelha divina e vamos absolvendo os fatores puros, simples, duplos e compostos, sempre compatíveis ou completares com os fatores puros originais, e vamos sendo conduzidos por divindades mistérios nos diversos planos da vida, que são sétuplos, até chegarmos à terra que, dentro da ciência divina, é o sexto plano da vida, e nos diz que os primeiros seres humanos a habitar esse abençoado planeta foi há mais ou menos sete milhões de anos atrás, sendo que esses primeiros humanos eram de aparências mais rusticas ou mais parecidos com animais para

poderem suportar as intempéries da época primitiva. Hoje a ciência humana vem a descobrir o mais antigo ancestral humano com data de quatro milhões de anos, caindo assim por terra que o homem tenha origem no macaco, assim como, vem comprovar que a “gêneses” da Umbanda Sagrada tem fundamentos. Mas, continuando com a síntese entre a ciência humana e a ciência divina, podemos acrescentar que a ciência humana vem desprendendo um enorme esforço, junto ao centro espacial “NASA” com milhares de cientista para encontrar vida em outros planetas do nosso universo, até agora sem nenhum sucesso, enquanto a ciência divina nos afirma que o plano espiritual, tanto nestes diversos planetas do nosso Universo, assim como nas setenta e seis dimensões intra planetárias paralelas à dimensão humana, é habitado por trilhões de seres criados por Deus, vivendo e evoluindo, não no grau vibratório humano, mas sim dentro de uma escala divina, onde em um grau vibratório diferente todo um novo Universo foi criado pela Onisciência e Onipotência de Deus.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 17

A ciência humana vem se deparando com fatos descobertos em nosso universo, onde o mais sábio dos cientistas não encontra respostas conclusivas, ou não é verdade que os buracos negros são um enigma? Para a ciência divina os buracos negros existentes no universo são portais multidimensionais, que retiram os excessos de energias do nosso universo material e as enviam aos universos paralelos que estão dentro desta escala divina. Assim como temos portais multidimensionais no sentido contrário, onde os excessos de energias existentes nestes universos paralelos são trazidos para o nosso, porque tudo o que Deus gera nada se perde, mas se transmuta em energias densas ou sublimes e vice versa, sempre de acordo com as necessidades destes universos. A ciência humana vem descobrindo novos planetas e outros sistemas planetários, mas toda essa descoberta se encontra dentro da nossa realidade humana ou no mesmo grau vibratório da nossa dimensão humana. Portanto quanto tempo será necessário para a ciência humana comprovar a veracidade da ciência divina, não importa! Mas o que realmente importa é o que a ciência humana já tem comprovado como verdadeiro e o que a ciência divina tem nos revelado. Deus, o divino criador de tudo e de todos, nos tem dado a através da gênese Umbandista a chave para abrir uma pequenina fresta no mistério da sua criação divina. Assim sendo, a você meu irmão que procura em nossos olhos o argueiro, deverá tirar as traves dos seus olhos e que os tem ofuscado, não deixando ver quão bela e divina é a Religião de Umbanda Sagrada. Porque Deus é pai misericordioso e benevolente para com todos nós, seus amados filhos, Ele criou as diversas vias de evolução, que são as diversas religiões Rubens Saraceni - Ed. Madras existentes em nosso abençoado planeta terra. Possamos um dia todos nós viver em suas diversas moradas e realizarmos o seu desejo. “Quão bom e suave é que possamos viver em união”. Não deixemos que a intolerância religiosa faça morada em nossos corações; Porque Deus é nosso criador e nosso pai eterno, então todos nós somos irmãos eternos. Enviado por: Laerte Nogiri

Os Magos da Tradição de Magia Divina tem como instrumento a Escrita Mágica para o desenvolvimento de seus trabalhos, através das mandalas e cabalas, acessando as potências divinas correspondentes e sua N. M. D ação vibratória respectiva. Quando coloca energias e magnetismos em movimento através de suas vibrações, o Mago não ativa espíritos, pois trabalha com as irradiações vivas do Setenário Sagrado, realizando isso unicamente através de procedimentos magísticos, dispensando o "transporte" ou incorporação. Todas as práticas de Magia Divina consistem da invocação de Deus, sua Lei Maior e sua Justiça Divina, dos Tronos de Deus que manifestam “poderes” divinos agrupados em qualidades distintas, as quais se relacionam com os Sete Mistérios Maiores (Fé, Amor, Conhecimento, Justiça, Lei, Filiado ao Colégio Tradição de Magia Divina Evolução e Geração). Há um par de Divindades -Tronos para cada um destes mistérios a trabalhar nossas virtudes e vícios relacionando estes sentidos com cores, chacras, fatores, elementos, verbos, funções e ações determinadas. Seu método de utilização é extremamente prático, durante o aprendizado ,o neófito (aluno) aprende teoria e pratica, colhendo resultados positivos durante este aprendizado, no qual encontra espaço para testar, exercer e reconhecer a ação do que foi aprendido. Com o desenrolar das aulas são estudados os símbolos, signos e ondas necessários para desenvolver uma ciência que relaciona as divindades aos “Espaços Mágicos”, lembrando os estudos milenares no ocidente e oriente com relação ás Mandalas Hindus e Rosáceas presentes nas mais diversas catedrais.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 18

São formas geométricas que por si só já possuem um poder de realização no inconsciente coletivo e individual de cada um. A Magia Divina não tem um "lado negativo" e os seus praticantes não recorrem aos mistérios opostos aos mistérios da luz. Ela não é "dual" e não tem nenhuma possibilidade de ser invertida e usada para prejudicar a quem quer que seja. Aos magos iniciados também é ensinado como curar espíritos sofredores "encostados" nas pessoas, realizando isso unicamente através de procedimentos magísticos, para que sejam beneficiados com o auxílio indispensável para que retomem suas evoluções. Todo o trabalho magístico realizado por um Mago praticante da Magia Divina visa ao benefício das pessoas atendidas por ele. Assim, a Magia Divina é um bem Divino, colocada à disposição de todos os que desejarem praticá-la com fé, amor, respeito, confiança e determinação. Com sua dinâmica própria, adapta-se às necessidades dos seus praticantes, não obrigando ninguém a renunciar

ao seu modo de ser, pensar ou agir. O Mago praticante de Magia Divina é um servo de Deus, da Sua Lei Maior e da Sua Justiça Divina e, consciente disso, não espera para si maiores benefícios que os que Ele concedeu-lhe quando o criou. E não alimenta o sentimento de superioridade porque sabe que não o é em momento algum ante os olhos de Deus. TODA a magia que praticamos e ensinamos é POSITIVA. Em nosso núcleo todas as iniciações e práticas são apenas com os aspectos positivos da Magia e seus tronos e NÃO ensinamos, praticamos ou recomendamos a Magia Negativa em nossas atividades. Pode ser praticada por qualquer pessoa, independente de sua crença religiosa! Aprenda a fazer limpeza de pessoas e ambientes, energização e equilíbrio de nossas forças naturais e espirituais, desmanche de magias negativas, e encaminhamento de entidades sofredoras!

Na Magia das Sete Chamas Sagradas o Neófito (aluno) aprende a trabalhar com o mistério ígneo. Aprende a grafia mágica, (Magia Riscada) e o uso correto das velas e seus respectivos Tronos. O estudo engloba desde a definição e entendimento do que é Magia Divina, as cores das velas, símbolos, signos, mandalas e cabalas correspondentes ao Setenário sagrado, invocações dos poderes divinos até o estudo dos Tronos de Deus. Essa magia está fundamentada no elemento fogo, obtido por meio das chamas das velas e pelos fundamentos básicos da escrita mágica simbólica e dos Espaços Mágicos. As ondas ígneas irradiadas pelas chamas das velas são a repetição das ondas eletromagnéticas que fluem pelo universo e um dos mais encantadores mistérios do Divino Criador. “Magisticamente, as velas criam passagens ou comunicações com outras dimensões da vida e tanto podem lhes enviar suas energias como podem retirar delas as que estão sendo necessárias a alguém.”

Chamamos de ervas sagradas todos os tipos de plantas e suas partes, pois elas são um mistério da criação e estão na base de sustentação da vida. Na Magia das Sete Ervas Sagradas o Neófito (aluno) aprende a trabalhar com o mistério das ervas, (vegetais), construindo espaços mágicos com elementos vegetais ativando-os e desencadeando ações benéficas, aprendendo a força mágica das plantas e a sua relação com o sagrado, servimo-nos de todos os tipos de plantas, para trabalhar naturalmente com suas propriedades mágicas, evocando Divindades e poderes Divinos, em benefício próprio, de nossos familiares, amigos, vizinhos e demais necessitados que nos procuram. Ministrado por Pablo Santa Clara de Aquino. Formação de novas turmas Contato: (81) 97996179 setenariosagrado@hotmail.com Local: Espaço MC Mente e Corpo em Equilíbrio Candeias- Jaboatão dos Guararapes Rua: Coronel Kleber de Andrade nº 58 30-A


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 19

Por Sandro C. Mattos

De uns tempos pra cá, um assunto que não deveria ser polêmico, tomou conta das diversas listas e comunidades da internet: a Umbanda é ou não cristã? Bem, existem aqueles que defendem a ideia de que a Umbanda não poderia ser cristã, pois esta seria uma religião baseada nos cultos afros. Dentro da visão desses irmãos, apesar do respeito que demonstram, Jesus Cristo é apenas uma figura simbólica, relacionada através do sincretismo criado pelos negros ao Orixá Oxalá, naqueles tempos em que a Coroa Portuguesa, através do poder da Igreja, impunha aos escravos sua fé trazida da Europa. E aí, com o passar do tempo e com a associação dos cultos afros ao espiritismo e ao próprio catolicismo, teria nascido a Umbanda no Brasil. Já os que defendem a ideia da Umbanda como um culto cristão, baseiam-se principalmente nas palavras do Caboclo das Sete Encruzilhadas que em 15/11/1908 informou aos presentes que estava iniciando ali, um novo culto, chamado Umbanda, onde espíritos de negros e índios poderiam praticar a caridade. Disse também que esta nova religião trabalharia baseada nos Evangelhos de Cristo e que teria como Mestre Supremo: Jesus. Então, como poderíamos saber qual corrente tem mais razão. Vejamos: Estamos no início do século XXI, mais precisamente em 2009 (121 anos depois da Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel). Se a Umbanda não é uma religião baseada nos ditames cristãos, porque então os umbandistas continuam com a imagem de Cristo no local mais alto do congá? Afinal de contas não existe mais feitor, sinhozinho ou capitão-do-mato. Nem a perseguição policial que ocorria no início do século XX. Mas estamos lá, ajoelhando, orando e pedindo diante de Sua imagem. Simples: porque no íntimo da grande maioria dos filhos de fé, Cristo é sem dúvida, o Ser de maior expressão espiritual que passou neste orbe. Não bastasse isso, é extremamente comum observarmos nossas Entidades, em especial os Pretos-Velhos, clamando forças a Nosso Sinhô Jesus Cristo. Teriam esses Sábios Guias de Luz, medo do sinhozinho, mesmo na espiritualidade? Ou até mesmo da Igreja Católica? Não, claro que não. Eles pedem e louvam a Jesus (e à Nossa Senhora) com imenso respeito e devoção, assim como rogam aos Orixás, pois sabem que assim poderão nos conduzir à trilha que nos leva ao Pai. Aliás, não podemos esquecer que a escravidão durou centenas de anos e que muitos negros escravos nasceram no Brasil, sendo desde pequenos já se acostumavam com a religião local, tornando-se cristãos desde tenra idade. Além dos Vovôs e Vovós, isso é muito fácil de se perceber numa gira de baianos ou boiadeiros, que rogam a Nosso Senhor do Bonfim e a Bom Jesus da Lapa. Até quando tratamos com Exus de Lei, estes demonstram um respeito e um carinho especial ao “Nazareno”. Alguns o chamam até de “o Coroado” e se mostram satisfeitos em ter enxergado a importância em trabalhar baseado nos ensinamentos D‟Ele. Se não bastasse isso, existe um sem-número de pontos cantados que nos remetem à figura do Messias... “Abre a porta ó gente, que aí vem Jesus, e ele vem cansado com o peso da cruz...”, “Preto-Velho quando vem, ele vem aos pés da cruz, vem trazendo proteção para os filhos de Jesus...” “Jesus nasceu, padeceu e morreu...”, “Seu cavalo corre, sua espada reluz, sua bandeira cobre todos filhos de Jesus...”, “... Xangô mora numa cidade de luz, onde mora Santa Bárbara, Oxumarê e Jesus”, entre outros. Sem contar as preces utilizadas, inclusive o Pai Nosso Umbandista, baseado no Pai Nosso ensinado pelo Mestre há 2000 atrás.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 20

Quanto à relação da Umbanda a outros segmentos, notamos forte influência católica e kardecista (ambas religiões cristãs), somada a cultura e fé afro (influência dos espíritos de negros escravos e de ex-participantes destes cultos que vieram a se tornar umbandistas). Respeitando a visão de todos os filhos desta linda religião, porém, baseado nessas e em outras tantas questões que poderiam ser formuladas, somadas ainda às palavras do Caboclo das Sete Encruzilhadas, particularmente creio sim numa Umbanda CRISTÃ, universalista e cheia fé nos Orixás, Guias e Protetores Espirituais. O objetivo do texto não é criar polêmicas ou discussões, até porque seriam em vão, já que cada pessoa tem o direito de pensar e acreditar no que quiser, mas apenas de colocar alguns pontos que às vezes passam despercebidos mesmo durante os debates. E, além disso, tenho a certeza de que, acreditando N‟Ele ou não, Jesus ampara a todos, assim como os Orixás, que independente até do credo da pessoa, estão sempre abertos a trabalhar em prol da caridade. Que o Mestre Jesus Cristo, chamado carinhosamente por nós de Pai Oxalá, nos cubra com Vosso Manto Sagrado, envolvendo-nos com as energias que Ele traz do Pai Universal - Deus (ou Zambi, Olorum, Tupã,......). Texto escrito em 2006 por Sandro da Costa Mattos - Ogã Alabê da APEU - Associação de Pesquisas Espirituais Ubatuba - Templo de Umbanda Branca do Caboclo Ubatuba - S.Paulo/SP Autor da obra O LIVRO BÁSICO DOS OGÃS, criador da WEB RÁDIO RAÍZES DE UMBANDA. (www.raizesdeumbanda.com ) e apresentador do programa CANTANDO COM OS ORIXÁS, exibido diariamente pela WEB TV SARAVÀ UMBANDA – www.tvsu.com.br Contatos: E-mail: scm-bio@bol.com.br – raizesdeumbanda@hotmail.com Telefone: (11) 2911-4198 ou 7567-3710 Site: www.apeu.rg.com.br e Blog: www.apeuumbanda.blogspot.com

AS ÁRVORES E A UMBANDA Certo dia, um jovem dissidente de nossa religião, dirigindo-se a mim, queixou-se: - Pai Silvio, deixei de seguir a Umbanda por achá-la muito confusa. Não consegui entender o emaranhado de caminhos que me ofereceu, todos se apresentando como detentores da Verdade Máxima, como o único braço de Deus capaz de se estender a mim e salvaguardar-me dos sofrimentos, das angústias, das incertezas, das injustiças e com condições de ajudar-me a encontrar a prometida redenção, do lado de lá, quando eu vier a desencarnar. Afinal, por não saber distinguir qual deles representava a Realidade Inquestionável e a solução para todos os meus problemas, peguei meus apetrechos, minhas guias de firmeza, minhas roupas brancas e tudo o que havia ofertado aos meus protetores espirituais e orixás e despachei nas águas do mar. Não quero mais saber dessas coisas. É um tal de Umbanda de Raiz, Umbanda Branca, Umbanda Omolocô, Umbanda de Jurema, Umbanda Esotérica, Umbanda Cabalística, Umbanda Carismática, Umbanda Sagrada, Umbanda Traçada,

Umbanda Iniciática, Umbanda Tradicional, Umbanda Mística, Umbanda isso..., Umbanda aquilo, arre! Não dá pra entender mais nada! Para mim, Umbanda tem que ser uma coisa só. Umbanda é Umbanda e nada mais! É assim que a defino. Então, depois de ouvir, atentamente, seu desabafo, percebendo que o que lhe faltava era uma transparente orientação lhe expliquei: - Em parte, você está coberto de razão. Umbanda é Umbanda, assim como as são, cada uma dessas segmentações que você acaba de descrever em tom de crítica e reprovação. Porém, não se pode dar àquilo que não estamos habilitados a compreender, interpretações errôneas e vazias. Tais Umbandas, não retratam um braço único do Criador, mas, incontáveis braços e mãos que o Construtor do Universo coloca à disposição de todos os que o procuram, seja lá por que caminhofor. Lembre-se de Sua admirável capacidade de onipresença. Ele está, não somente nas Umbandas que você acaba de mencionar, mas em todos os lugares; do macro ao micro, das gigantescas galáxias às


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

diminutas parcelas atômicas e não faz distinções entre os filhos de Sua criação e suas crenças. Particularmente, vejo a Umbanda como se fora uma esplendorosa árvore frutífera, pois, somente assim é possível clarear este entendimento. - Agora então, Pai Silvio, complicouse, de vez a minha compreensão a respeito deste assunto. – retrucou o rapaz, cheio de dúvidas e de avidez. – Que raios de analogia mais esquisita é essa que o senhor está usando como base para tentar me convencer!? - Não há nada de estranho ou excepcional em minha comparação. – afirmei. – Você nunca reparou na sapiência de que está dotada a Mãe Natureza? Nunca percebeu que suas opções jamais fogem a uma imutável Lei elaborada pelo Pai Onipotente? Ela não cria regras, apenas configura as coisas, de acordo com a situação e suas necessidades de sobrevivência. Assim, se um obstáculo surge à sua frente, não se torna estacionária ou se declara derrotada, contorna-o ou o sobrepõe atingindo o lado oposto para dar continuidade à sua caminhada e ao seu desenvolvimento e, dessa forma, como uma imbatível guerreira, tem-se mostrado vitoriosa na conquista de seus objetivos. - Continuo não entendendo tal similitude! – declarou - As árvores raciocinam? – perguntei-lhe. - É lógico que não! – respondeu. - E você, raciocina? – tornei. - É evidente que sim. – disseme. - E qual dos dois tem se mostrado mais eficaz nos ajustes que devem ser feitos para o alcance do equilíbrio vital, o ser vegetal, que é irracional, ou você que nasceu com o dom da inteligência e com a capacidade do uso da razão para conhecer e julgar a relação das coisas, para deduzir, discorrer, pensar, refletir e considerar? – interpelei-o. - Neste caso, acredito que tem sido a Natureza que, de acordo com o exposto, jamais desiste ou deserta da luta pelos seus propósitos, mesmo diante dos efeitos negativos e das intempéries que lhe tentam cercear o âmbito que lhe é salutar.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 21

- Pois bem! – advertio ao mesmo tempo em que tentava lhe despertar os sentidos da percepção e da objetividade. – Você nunca se questionou, por que motivo as árvores jamais geram seus galhos todos voltados para um lado só? - Não. – redarguiu ansioso para saber o desfeche de minha narrativa. - Note – prossegui -, que se tal acontecesse, esses vegetais provocariam uma distorção nas regras físicas e na ordem do comedimento e, certamente, tombariam vencidos pelas Leis, do Peso e da Gravidade, fugindo à necessária estabilidade que lhes permite mostrar sua utilidade no reino do qual se ocupam. É por isso que os distribui de forma equânime, simétrica, ascendente e se mantém em frequente crescimento, impulsionados pela natural força de renovação. Cada um desses galhos deve ser visto como as Umbandas que você não conseguiu atinar às verdadeiras finalidades. Todas essas ramificações fazem parte de um processo comum. Invariavelmente, por elas, virão também as flores e depois os frutos que nos alimentarão ou lhes darão a oportunidade de preservação de suas espécies através de selecionadas sementes que, certamente, gerarão. O que se diferencia é tão somente a capacidade produtiva de cada uma; ou seja, umas abundarão mais do que as outras, dependendo do seu preparo interior, mas, isso, acontecerá, exclusivamente, com aquelas que, por livre-escolha e esforço próprio se ajustarem para a obtenção de tal merecimento, enquanto que as demais, apodrecerão e cairão por terra, a qual lhes dará nova destinação (provavelmente saciarão os pássaros, os insetos, ou virarão adubo), já que, no universo, tudo se transforma. Repare, meu irmão, que, apesar da variedade de sendas ofertadas, representadas por essas ramagens, todas irão produzir o mesmo fruto, uma vez que derivam de um mesmo tronco e são alimentadas pelas mesmas raízes, embora umas se voltem para o norte, outras o fazem


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

para o sul, algumas se expandem para o rumo leste e as restantes para o oeste, mas, se você olhar para o seu conjunto, perceberá que todas elas exibem um crescimento direcionando-se para o alto. Assim se dá com a pluralidade umbandista, importando, antes, o lugar-comum entre elas existentes: o AMOR, a CARIDADE, a HARMONIA, a FRATERNIDADE, a EVOLUÇÃO ESPIRITUAL DOS SERES, A PAZ, e a mola propulsora desse conjunto, chamada: FÉ. Depois de escutar minha explanação, compreendeu, o adolescente, a necessidade de tal diversidade e, ruborizado, com os olhos inundados de lágrimas e animado pela obtenção da nova visão respeitante à Sagrada Doutrina da qual houvera desertado, decidiu: - Retornarei às fileiras da Umbanda. Pedirei “maleme” (perdão) a Zambi (Deus), aos Orixás, à Entidade Mentora do humilde templo do qual eu participava, aos meus Guias e Protetores

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 22

Espirituais, ao meu respeitável Chefe-deTerreiro e repararei meu ato impensado, pois, agora, compreendi que, um médium só se faz com paciência, perseverança, estudos, humildade, fidelidade e crença viva nas diretrizes almejadas. Entendi que, sem a junção das árvores não se constrói uma floresta, sem a sua ramagem a árvore é fraca; sem as suas raízes a árvore é morta, ou seja, sem este imenso conjunto de variedades que se convergem a um ideal comum, sustentado por um mesmo fundamento, a UMBANDA perderia sua expressão, sua beleza e seu poder. Já posso perceber, depois de suas palavras, o desanuviamento de minha cegueira, o surgimento de uma transparência, com especial brilho, oriundo desses caminhos, e capacitei-me a reconhecer que são dádivas celestiais a nos ofertar a oportunidade de abrirmos nossos corações para a verdadeira vida; aquela que se insere nas sementes produzidas por esses incomparáveis ELOS, impulsionados pela geratriz da força universal que se traduz, simplesmente, por: ESSÊNCIA DIVINA.

Texto integrante do livro “Casos Reais Acontecidos na Umbanda” de autoria de Pai Silvio Ferreira da Costa Mattos, diretor-presidente , fundador da APEU – Associação de Pesquisas Espirituais Ubatuba e sacerdote do Templo de Umbanda Branca do Caboclo Ubatuba – rua Romildo Finozzi, l37 – Jardim Catarina – Zona Leste – São Paulo – SP – CEP 03910-040 – telefones: (11) 29ll-4l-98 – 2724-95-22 – site: www.apeu.rg.com.br Pai Silvio é autor do romance umbandista: O ARRAIAL DOS PENITENTES – Editora Cristális e apresenta diariamente pela Web TV Guardiões da Luz (www.tvgl.com.br) o programa “SEARA DE UMBANDA” e pela Web TV Saravá Umbanda (www.tvsu.com.br) o programa “Mediunidade e Umbanda”. Enviado por: Pai Silvio Ferreira da Costa Mattos

O PODER DAS OFERENDAS

Não pretendo ensinar “O Pai Nosso” aos vigários” (Ditado popular), pretendo tão somente contar as minhas modestas experiências no campo das oferendas para os Guias e os Orixás.

Não vou ensinar como montar uma Oferenda, quero apenas testemunhar os resultados, a magia desta prática que tantos realizam sem entender sua extensão, sua beleza...


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 23

Meu Deus, quando penso na extensão das dificuldades que passei ... penso também o quanto aprendi com todas elas e principalmente, penso, o quanto recebi com as Oferendas que fui orientada a realizar pelos sagrados Orixás e amados Guias que comandam minha vida. Hoje, entendo melhor os ensinamentos do Mestre Jesus, “Pedi e obtereis, batei e a porta vos abrirás”, para pedir é preciso bater à porta certa, diante do ponto de força certo que se abre, perante a nossa atitude de confiança, amor e humildade. Aceitar nosso Pai, nossa Mãe (Orixás) e diante deles externar a nossa submissão, a santa vontade do Pai Maior (“... seja feita a vossa vontade.”) (Prece do Pai Nosso) e outra. O segredo confiar sempre... um passo harmonizar os nossos pensamentos e após o outro, nós vamos descodificando os sentimentos, nos deixando conduzir pela força Mistérios Divinos. Até quando acompanhamos do Bem. Oferendar os nossos Orixás é nossa alguém numa Oferenda estamos primeira obrigação, assim como os nossos descodificando estes mistérios, difícil?, mas, Guias e Guardiões (Exús, Pomba-gira e Exútudo isto é lindo, é fascinante... Se seus mirim ), e devemos fazer as oferendas todo caminhos estão fechados, é preciso pedir pra ano, para que nossa vida corra nos trilhos que quem???? (Esquerda e Direita) sempre... Se eles dirigem, pulando as pedras que forem está sofrendo injustiça, que porta deve colocadas no nosso caminho. bater???? E se o problema é no amor, vamos Se tivermos um pouquinho que seja de bom chorar com Mãe Oxum... Conhece-te a ti senso, vamos perceber que as dificuldades mesmo”... (Sócrates) Conhecer nossas que ora passamos são exatamente nos pontos dúvidas, nossas dificuldades e vamos que nossos sagrados Orixás regem, onde resolvendo uma após a outra, as fontes divinas precisamos ultrapassar os nossos limites e são inesgotáveis, é só bater, é só pedir, mas é evoluir em suas características positivas. preciso dar a nossa parte e lembre-se os Conhecer a regência de cada Orixá, é ponto Orixás não precisam de nada, quem precisa de partida para sabermos em que porta somos nós, precisamos oferecer os elementos devemos bater, em razão disto, precisamos certos para que retornem para nós na medida estudar para sabermos como devemos pedir certa. Entenderam??? ou seja o que precisamos oferendar. Que universo maravilhoso, tudo está a nossa É claro que nossos Guias nos ajudam volta, é só estudar, pensar e oferendar... bastante, mas, devemos fazer a nossa parte, Vou usar de novo as palavras de Jesus para estudar e observar os resultados de cada encerrar este texto : É DANDO QUE Oferenda, às vezes uma Oferenda nos abre RECEBEMOS...” Enviado por: Sebastiana Penha Campana um portal que teremos que fazer uma outra E-mail: penha.campana@syngenta.com Oferenda diante de outro ponto de força, são várias portas que vão se abrindo uma após a

O médium é a ponte móvel

MENSAGEM Entre as duas margens do Rio da Consciência Infinita. O médium é o olho do furacão Que observa em silêncio o turbilhão silencioso de pensamentos, Vivências e emoções de todas as almas que nadam na Alma do Mundo. O médium é o laço que une as linhas orbitais do espaço-tempo Físico e Astral. O médium é a porta entreaberta. Entre o escuro porão tridimensional e a estrelada Imensidão multidimensional. O médium se mede pelo medo. Quanto menor o medo, melhor o médium: Medo de trabalhar, medo de se dedicar, medo de servir, medo de ousar, medo de realizar... O médium é o meio e não fim. Quando o médium passa a ser o fim e não mais o meio, É o “fim” do médium. (Mensagem de Pai Agostinho das Almas recebida espiritualmente por Vanderlei Alves, médium da T.E.U do Caboclo)


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 24

Gratuito e EM TODO O BRASIL! Um ser humano muito especial, chamado Aroldo Mendonça, integrante do Rotary Clube, formou um banco de leitos hospitalares e cadeiras de rodas e os empresta, sem cobrar nada, só pedindo em troca a sua devolução, quando não é mais necessária. Ele é um anjo da guarda para muita gente. Atualmente, o banco, conta com mais de 600 leitos espalhados por todo o Brasil, já que o Sr. Aroldo conserta e aceita doações das camas hospitalares e cadeiras de roda, mesmo quebradas, ele retira no local e leva para a sua oficina que é especializada nesse tipo de conserto; As doações são as propulsoras dos empréstimos e ajudam a mais e mais pessoas, todos os dias e em todos os pontos do país, sem pedir nada em troca. O frete dos empréstimos fica por conta da pessoa interessada que faz uma espécie de contrato com o Sr. Aroldo por seis meses, sendo renovável por mais tempo, mediante a necessidade do prolongamento do uso do equipamento. Se precisar ligue para o Sr. Aroldo Mendonça: (21) 2266-2501 (21) 2266-2501 ou (21) 9636-8000 (21) 9636-8000 Vale divulgar, não é mesmo? Passe para sua lista de contatos, de modo a chegar a quem precisa. Se alguém conhecer pessoas ligadas a hospitais divulguem também. Acredito que se você não precisa e pode ajudar, vai aí uma ótima causa! VALE LEMBRAR QUE SE VC TIVER CAMAS OU CADEIRAS QUE NAO USE MAIS, TAMBEM PODE AJUDAR, DOE!

www.rotary4480.com.br/sueli2009_2010/pagina.php?pg=projetos&id=512

Antes de me deitar começo a mentalizar e sinto meu Pai a me amparar Capa encarnada, espada encantada cortando toda madrugada Bato cabeça em saudação, pois trago em meu coração sempre muita devoção. Sua espada me guia, sua luz é que me conduz trazendo sua proteção! Tua força é a fortaleza onde deixo toda minha tristeza. Meu Pai, trago sua espada encantada vibrando sempre encarnada em meu nobre coração Agradeço a ti pela minha natureza que és tua com certeza, Suas cores são minha bandeira e ao meu lado também tenho minha mãe santa guerreira OH... Tua força reluzente esta sempre a minha frente; pois tu és minha patente Disciplina é seu estandarte, lealdade seu pendão que trago sempre minhas mãos Pois és alta sua bandeira que acolhe, esta gente Brasileira, Ordenador por natureza, me mostras com clareza o caminho a seguir OH Te saúdo santo Guerreiro que estas sempre altaneiro de espada e lança na mão Pois a ti trago no peito e com todo respeito peço a benção em oração Com os olhos mareados me despeço destes versos que me envolvem o coração Dê-me sua proteção, ordenador da criação. O Pai Ogum meu guia!!! O Pai Ogum meu senhor! Salve todas suas falanges oh meu santo protetor Sarava OGUM!!! Por: Ricardo Siqueira


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 25

Curso de Numerologia A Numerologia é uma ciência que permite o autoconhecimento, por meio do nome e data de nascimento. Aprenda a fazer seu Mapa Numerológico e descubra seus talentos e potencialidades! Cursos Frequentes e Apostilados! Orientadores: Arlete Genari e Elias José Cagnoni Local: Templo de Umbanda Caboclo da Mata (Aldeia da Mata) End.: Al. Eduardo Prado, 254 – Campos Elíseos. Informações e Inscrições: (11) 3361-3633

AO RUFAR DOS TAMBORES QUERO SER OGAN Você que está pensando em ser Ogan porque gosta dos pontos cantados, do som das batidas dos atabaques e todo o clima de religiosidade, respeito e alegria criado pelas músicas nos trabalhos de Umbanda, mas acha que não conseguiria tocar porque não tem muita coordenação, não conseguiria cantar porque não tem uma voz bonita, é uma pessoa inibida e não consegue apresentar-se em público e outros empecilhos que a sua cabeça venha a criar, saiba que tudo isso não é tão importante e não torna a pessoa incapaz de ser um Ogã de Umbanda. Hoje, já existem técnicas de ensino e aprendizagem, para quem quer aprender a tocar e a cantar e que dão um bom resultado. Existem várias escolas de atabaques, onde se ensina tudo que um Ogan precisa saber como: o posicionamento certo diante dos atabaques, posição das mãos na hora da batida no couro, os toques (ritmos) mais usados na Umbanda, o momento certo de tocar e cantar um ponto, ensinam também repiques, contra tempos, finalizações, ensinam tudo ou quase tudo. Uma coisa muito importante, talvez o mais importante de todos os requisitos para ser um Ogan, e que as escolas não ensinam, porque só depende de você, é a DETERMINÇÃO em aprender. Muitos candidatos ao cargo de Ogan de Umbanda ao iniciarem os estudos para aprenderem a tocar e cantar, quando são colocados em determinadas situações, em que demonstram certa dificuldade, deixam-se abater e muitas vezes desistem de seus objetivos, criando uma frustração que levam para o resto da vida. Quando uma pessoa a pessoa está DETERMINADA em aprender, não existem barreiras, empecilhos, problemas, falta de coordenação, voz feia, inibição, nada faz com que essa pessoa não alcance seus objetivos e isto serve para tudo na vida. Se você quer ser um Ogã de Umbanda, gostaria de tocar e cantar no seu terreiro, então vá em frente, acredite tenha fé em você mesmo, seja DETERMINADO, supere-se e surpreenda-se com todo um potencial musical que existe dentro de você e que está por ser descoberto. Prossiga, estude, pesquise e vá até o fim e quando lá chegar verá que valeu a pena. DETERMINAÇÃO, RESPEITO E HUMILDADE SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERISTICAS PARA SER UM BOM OGAN.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 26

Segue um ponto de minha autoria em homenagem ao nosso Pai Oxossi e a todos os caboclos:

FESTA NA FLORESTA Quando nasceu a cabocla Jurema Os Orixás fizeram festa na floresta Pai Oxossi, veio trazer Um lindo capacete de penas Para coroar, em nome de Oxalá A linda caboclinha Jurema

BIS

Jurema jureminha jurema É filha de Tupinambá Jurema jureminha jurema Foi coroada por Oxalá

BIS

Link da música com o toque http://www.youtube.com/watch?v=q4apM4bLl4g

Saravá aos Ogans

Pai Oxossi veio trazer Um lindo capacete de penas Para coroar, em nome de Oxalá A filha de Tupinambá

Enviado por: OGAN ANDERSON ANDERSONOGUM56@HOTMAIL.COM

(Fonte: Fabiana França Armando) Para ver o arquivo completo, com 500 pontos, entre no site do www.jornaldeumbanda.com.br e você encontra todos no menu á esquerda, confira. 001-GUERREIRO DA MATA

O lírio, o lírio ê, o lírio. (bis)

Sou filho do Vento da Mata, Do Vento que vem e que vai, Ossanha me olhe e me ajude, Oxóssi que é o meu Pai.

O lírio é uma flor tão linda, Que enfeita o Juremá. Seu Serra Negra apanhou, O seu bodoque e a sua flecha, Sua ema foi caçar. Atravessou toda a floresta, Numa noite de luar. (bis) O lírio, o lírio ê, o lírio, o lírio ê, o lírio. (bis)

Guerreiro da Mata eu sou, A vida me ensina a viver, Sou filho do Vento da Mata, Coragem se tens vem me ver.

003-OXÓSSI Sou filho do Vento da Mata... A lança que eu trago eu fiz, Meu arco não atira em vão, Na mata onde eu sou feliz, Levo sempre um escudo na mão.

Quem manda na mata é Oxóssi, Oxóssi é caçador, Oxóssi é caçador. (bis) Eu vi meu pai assobiar, Ele mandou chamar. É na Aruanda auê!

Sou filho do Vento da Mata... Guerreiro de Tribo Valente, A brisa da mata é meu ser, Coragem eu trago na frente, Que Oxóssi me dá pra vencer. 002-O LÍRIO DO CABOCLO O lírio, o lírio ê, o lírio, o lírio ê,

É na Aruanda auá! Seu Pena Verde de Umbanda, Ele mandou chamar. (bis) Veja a lista completa de pontos no site: www.jornaldeumbanda.com.br no menu á esquerda, cerca de 920 pontos de umbanda, sendo 420 deles somente de caboclos. Confira!


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 27

Muitas pessoas ainda teimam em comparar o cigarro de maconha com o cigarro convencional de tabaco, dizendo que o THC faz menos mal do que a nicotina. Pois bem, vamos desvendar esse mistério em duas linhas de raciocínio: 1ª linha – O LADO COMERCIAL/FINANCEIRO A maioria das pessoas não conseguem enxergar que existe uma pressão muito forte por parte das empresas fabricantes de cigarro (tabaco) do mundo todo, em legalizar o comércio da maconha, pois o lucro seria muito, mas muito superior ao do cigarro convencional. Algumas empresas já tem até a parte de marketing pronta para o novo produto, de modo que, assim que for legalizado, entra no mercado no dia seguinte, com campanha publicitária e tudo mais. Agora, imaginem que o cigarro de tabaco é a droga mais consumida no mundo e a maconha, é a quarta droga mais consumida, se esta último tiver seu comercio legal, com certeza, ocupará o primeiro lugar em dias. Mais uma vez as empresas produtoras de cigarros não estão nenhum um pouco preocupadas com a saúde de seus “clientes”. A verdade é uma só, no mundo capitalista em que vivemos, o ser humano é uma simples ferramenta e o principal é o lucro a ser obtido. 2ª linha – O LADO TÉCNICO OU FARMACOLÓGICO A NICOTINA . A nicotina é o principal elemento ativo da planta tabaco (fumo). Uma curiosidade, é que a nicotina, na agricultura é usada como pesticida. SINTOMAS: ardor na garganta, sudorese, hipertensão arterial, arritmia e câncer pulmonar. Que o cigarro faz mal, todos concordamos e temos em nossas mentes os malefícios que essa droga traz aos seus usuários. AGORA VEJAMOS O THC TETRAHIDROCANABINOL (THC) – O THC é o elemento ativo da planta da maconha. Esse elemento é o responsável pelos efeitos maléficos da maconha. SINTOMAS: sonolência, perda de noção de “tempo e espaço” (minutos parecem horas e quilômetros parecem metros), perda de concentração, tendência ao isolamento, impotência sexual, taquicardia, sede, náuseas, perturbações de estado emocional (hora ri, hora chora).Causa dependência. O QUE NÃO SE FALA SOBRE A MACONHA O alcatrão é uma substância encontrada tanto no tabaco como na maconha. Sabe-se que o alcatrão da maconha é MAIS CANCERÍGINO que o do tabaco e também faz com que a defesa do organismo fique menor. Hoje, com os avanços tecnológicos e da engenharia genética, é possível produzir maconha com altos graus de THC, sendo que essa qualidade da maconha é chamada de SKANK, e existem também as cultivadas em águas tratadas (hidro-cultura) que aumente o índice de THC de 8% para 36%.Causa dependência. Tanto o tabaco, como a maconha, são DROGAS e FAZEM MAL a nossa saúde e causam dependência, logo, não importa discutir se uma faz mais ou menos mal que a outra, A VERDADE é que as duas fazem mal, assim seria lógico coibir o uso do cigarro ou permitir o comércio da maconha? ESTATÍSTICA DAS DROGAS MAIS CONSUMIDAS 1º ALCOOL 2º TABACO 3º INALANTES 4º REMÁDIOS 5º MACONHA 6º CRACK 7º COCAÍNA 8º EXCTASY Vejam que as mais consumidas são permitidas por lei a quinta droga mais consumida é a primeira das ilegais:

Uso de drogas entre jovens de 13 a 18 anos ALCOOL 84%

TABACO 40% CRACK 22% MACONHA 10% COCAÍNA 5%

Enviado por: www.miltonmussini.com.br E-mail - milton@miltonmussini.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 28

Enviado por: Roselaine e-mail: roselaine19@gmail.com

CAPS AD – Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas Descrição: Dependentes de álcool e drogas recebem atendimento especializado nos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas/CAPS ad. O CAPS ad é um serviço especializado em saúde mental que atende pessoas com transtornos decorrentes do uso ou abuso de álcool e outras drogas. É um serviço ambulatorial territorializado que integra uma rede de atenção substitutiva à internação psiquiátrica, que tem como princípio básico a inserção social. Compreende ações de assistência (medicação, terapias, oficinas terapêuticas, atenção familiar) na perspectiva da reinserção social, além de realizar ações de prevenção e capacitação de recursos humanos da rede básica. DISQUE DROGAS O Disque Drogas presta informa��ão e orientação relacionadas ao uso de drogas. O horário de funcionamento é de 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h. Telefones: 0800-7713163 / 3105-2645 SITE: www.prefeitura.sp.gov.br Clique em Saúde Clique em Assistência a dependentes de álcool e droga CENTRO CAPS ad Centro R. Frederico Alvarenga, 259 5° andar - Anexo B Pq. D. Pedro II - 01020-300 Telefones: 3241-0901 3241-54.60

NORTE CAPS ad Casa Azul Pirituba R. Lino Pinto dos Santos, 203 Telefone: 3835-2905 e 3632-0052

LESTE CAPS ad Jardim Nélia R. Domingos Martins Pacheco, 1.910 Itaim Paulista Telefone: 6963-3802, 6563-1413 e 6572-1948 CAPS ad Ermelino Matarazzo R. José Muniz Ribeiro,100 Ermelino Matarazzo - 03807-010 Telefone: 6544-4896 CAPS ad São Mateus R. Joaquim Gouveia Franco, 150 Cidade São Mateus - 03961-020 Telefone: 6119-8143 e 6110-8146

SUL CAPS ad Jabaquara Praça Barão de Japurá, 1 Vila Guarani - 04313-160 Telefone: 5011-1583 CAPS ad Santo Amaro R. São Benedito, 2400 Santo Amaro - 04735-005 Telefone: 5522-4833 e 5523-3566 CAPS ad Jardim Ângela R. Ivirapema, 41 Jd. Ranieri - 04941-010 Telefone: 5833-2838 CAPS ad Vila Mariana Av. Ceci, 2.101 Vila Mariana - 04065-004 Telefone: 275-3432

AMOR EXIGENTE O Amor-Exigente é um programa de auto e mútua ajuda que desenvolve preceitos para a organização da família, que são praticados por meio dos 12 Princípios Básicos e Éticos da espiritualidade e dos grupos de auto e mútua-ajuda que através de seus voluntários, sensibilizam as pessoas, levando-as a perceberem a necessidade de mudar o rumo de suas vidas e do mundo a partir de si mesmas.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 29

Há 26 anos o Amor-Exigente (AE) atua como apoio e orientação aos familiares de dependentes químicos. O Programa eficaz estendeu-se também ao trabalho com Prevenção, passando a atuar como um movimento de proteção social Amor-Exigente, pois desestimular a experimentação, o uso ou abuso de tabaco, do álcool e de outras drogas, assim como lutar contra tudo o que torna os jovens vulneráveis, expostos à violência, ao crime, aos acidentes de trânsito e à corrupção em todas as suas formas são também propostas do Amor-Exigente. Atualmente, o movimento conta com 10 mil voluntários, que realizam, aproximadamente, 100 mil atendimentos mensais por meio de reuniões, cursos e palestras. São 536 grupos no Brasil, 2 na Argentina, 1 no Peru e 9 no Uruguai, além de 350 grupos em fase experimental e 249 Subgrupos de Jovens na Sobriedade. A FEBRAE- Federação Brasileira de Amor-Exigente - teve sua fundação instituída em 18 de novembro de 1994. Surgiu da necessidade de congregar os grupos que vinham atuando na linha do Programa Amor-Exigente (AE), de modo a favorecer maior eficiência e melhores resultados. Com o alto nível de credibilidade do Programa, mais e mais grupos de ajuda mútua, para dependentes químicos e familiares, foram-se instalando. Assim, para preservar a integridade da proposta de trabalho com Amor-Exigente, sua linha de funcionamento e objetivos, foi instituída a FEBRAE. Em 2009, com a criação do Novo Estatuto, o nome da federação mudou para FEAE Federação de Amor-Exigente, acolhendo assim os grupos que nasceram fora do país e ampliando as fronteiras para a atuação do movimento. Atendimento Geral faleconosco@amorexigente.org.br Departamento Financeiro financeiro@amorexigente.org.br Departamento Administrativo adm@amorexigente.org.br

Coalizões Comunitárias com AmorExigente coalizao@amorexigente.org.br Informações Gerais info@amorexigente.org.br

Presidência presidente@amorexigente.org.br

SITE: www.amorexigente.org.br Telefones: 11 3311-72.26 19 3252-2630 19 3252-3968 19 3305-5538 19 3305-5539 19 3305-5543

Grupo “Santo Antônio de Lisboa” R: Euclides Pacheco Igreja Santo Antônio de Lisboa Quintas-feiras das 20h00 ás 22h00 Coordenadores: Vitor e Lurdes Telefone: 2746-14.40

Grupo “Girassol” EMEI Quintino Bocaiúva Metrô Carrão Terças-feiras das 20h00 ás 22h00 Coordenadora: Cristina Hara Telefone: 9183-48.03

Assistente Social assistentesocial@amorexigente.org.br

NARCÓTICOS ANÔNIMOS Narcóticos Anônimos é uma associação comunitária de adictos a drogas em recuperação. Iniciado em meados de1953, o movimento de NA é um dos maiores e mais antigos deste tipo, com aproximadamente quarenta mil reuniões semanais em 130 países. Entre no site para entender o que é Narcóticos Anônimos e o que seu programa de recuperação oferece a adictos a drogas. Vamos descrever como os serviços de NA estão organizados nacional e internacionalmente, falaremos como Narcóticos Anônimos coopera com outros no que diz


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 30

respeito a abuso de drogas em suas comunidades e, finalmente, vamos fornecer informações sobre afiliação à NA e indicadores do sucesso de Narcóticos Anônimos. SITE: www.na.org.br Entre no site e procure o grupo de reuniões mais próximo de sua residência. Telefones: São Paulo/SP 11 3101-96.26 (procure pelo Antônio) Mauá/SP 11 3852-66.55 Vale do Paraíba/SP 12 9775-67.79 Baixada Santista/SP 13 3289-86.45 ALGUNS GRUPOS NA ZONA LESTE: MÓOCA Rua da Mooca, 3,911 Igreja Nossa Senhora do Bom Conselho Segudas-feiras ás 20h00 Sextas-feiras ás 20h30 TATUAPÉ Praça Silvio Romero Salão da igreja (entrada ao lado) Coordenador: Leandro Telefone: 7836-74.15 Segundas-feiras 18h00 ....fechada (somente usuários)

CENTRO DE REABILITAÇÃO - CORONEL EDSON FERRARINI É um serviço ambulatorial, isto é, sem internação, prestado à sociedade com a finalidade de prevenir, orientar e recuperar dependentes do álcool, tabagismo e das drogas. Fundado em julho de 1979, o CENTRO DE RECUPERAÇÃO CORONEL EDSON FERRARINI realiza reuniões GRATUITAMENTE todas as Terças e QuintasFeiras a partir das 19:30h, dirigidas aos dependentes e aos seus familiares. COMO FUNCIONA : Terapia em grupo, dirigida e orientada pelo próprio psicólogo Coronel Edson Ferrarini há mais de 30 anos. Com uma vasta experiência profissional, uma sólida formação acadêmica em Direito e Psicologia com especialização em Álcool e

20h00 ....fechada (somente usuários) 22h00 ... fechada (somente usuários) Terças-feiras 18h00 .....fechada (somente usuários) 20h00 .... reunião aberta (permitida a presença de familiares) Quartas-feiras 18h00 .... fechada (somente usuários) 20h00 .... fechada (somente usuários) Quintas-feiras 18h00 .... fechada (somente usuários) 20h00 .... reunião aberta (permitida a presença de familiares) 22h30 .... fechada (somente usuários) Sextas-feiras 18h00 .... fechada (somente usuários) 20h00 .... fechada (somente usuários) Sábados 16h00 .... fechada (somente usuários) 18h30 .... fechada (somente usuários) 22h30 .... fechada (somente usuários) Domingos 10h00 .... fechada (somente usuários) 18h30 .... fechada (somente usuários)

Drogas, e uma constante atualização através de cursos e viagens ao exterior, o psicólogo CORONEL EDSON FERRARINI DESENVOLVEU UMA TÉCNICA PIONEIRA DENOMINADA "ESPELHOTERAPIA". Essa técnica devolve a autoestima ao dependente, acionando a sua vontade para deixar do álcool e das drogas, aprendendo a valorizar a família e se dando permissão para ser feliz, sem as drogas. TELEFONES: 11 3886-6789 11 3886-6793 centroderecuperacao@coroneledsonferrarini.c om.br eferrarini@al.sp.gov.br SITE: www.coroneledsonferrarini.com.br TRATAMENTO ESPIRITUAL CENTRO ESPÍRITA “A CAMINHO DA LUZ” Av. Sapopemba, 648 - Água Rasa


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

São Paulo / SP 03345-000 Fone: 2965-0317 Secretaria: 2ª a 6ª das 10 às 22 horas Sábado e Domingo 08h30min às 11h00min horas centro@centroacaminhodaluz.com.br SITE: www.centroacaminhodaluz.com.br GRUPO REVIVER Equipe formada por voluntários espíritas do Centro Espírita A Caminho da Luz, treinados

NÚCLEO ASSISTÊNCIAL ESPÍRITA PAZ E AMOR EM JESUS R: Isidro Tinoco, 53 Tatuapé Fone: 2295-93.49 SITE: www.pazeamor.org Tratamento espiritual para dependência química Segundas-feiras das 20h20 ás 20h40 FEESP – FEDERAÇÃO ESPÍRITA DE SP R: Maria Paula, 140 Centro Fone: 3115-55.44 SITE: www.feesp.com.br ATENDIMENTO: Segunda a Sexta-feira das 8h30 ás 19h00

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 31

em dependência química, como agentes multiplicadores, que implantaram o tratamento para dependentes químicos e seus familiares no próprio centro espírita onde atuam. Sábados ás 15h00 TRATAMENTO COM PSICÓLOGOS SEAPP – Serviço de atendimento psicológico, psicopedagógico e Fonoaudiológico R: Dentista Barreto, 687 Vila Carrão Telefone: 2092-86.42 http://www.capsnossolar.org.br/prog_seapp.asp

Sábados das 11h00 ás 16h00 Domingos das 13h00 ás 16h00 Procurar o DEPOE (departamento de encaminhamento e orientação) e pedir par fazer tratamento de DEPENDÊNCIA QUIMICA. GRUPO ESPÍRITA SOCORRISTA ITAPORÃ R: Santa Gertrudes, 527 Tatuapé Fone: 2097-94.70 Passar na ORIENTAÇÃO e pedir tratamento espiritual específico para drogas. Segundas ás 14h30 Quartas-feiras ás 19h30 SITE: www.itaporan.org.br

Por Arlete Genari (MTB 32.855)

Título: Formulário Mágico e Terapêutico Autor: Fernandez Portugal Filho Gênero: Magia/Terapia Páginas: 320 – 16x23 cm Editora: Madras Editora R$ 42,90 Essa obra consiste em duas partes. A primeira, Formulário Mágico, explica o que é magia e apresenta várias fórmulas mágicas, que podem ser usadas no dia a dia por qualquer pessoa, independentemente de ser um mago ou não, e a melhor fase da Lua para a sua eficácia. Também discorre sobre incensos e sua utilização como um elemento mágico por meio dos aromas e do fogo, bem como ensina o leitor a preparar o próprio incenso, apresentando mais de 150 receitas com as suas respectivas finalidades. Ainda nessa parte, trata de perfumes, banhos de ervas, pós mágicos, loções e sais de banho, todos acompanhados por receitas e suas propriedades. A segunda parte... e Terapêutico, traz uma série de informações acerca de várias formulações bastante eficazes e que, se usadas de maneira correta, podem oferecer muitos benefícios à saúde e proporcionar bem-estar. Entre estas estão as receitas de caldos, vitaminas e sucos terapêuticos, sachês aromáticos e também a utilização da fitoterapia, com receitinhas o tempo da vovó.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 32

Título: Ifá - O Senhor do Destino Autor: Fernandez Portugal Filho Gênero: Magia/Terapia Páginas: 200 – 16x23 cm Editora: Madras Editora R$ 29,90 De acordo com a tradição ioruba, Ifá é um òrìÿá muito importante, pois era chamado periodicamente por Ôlödùmaré, para que, com sua sabedoria, consertasse o mundo. Para os iorubas, Ifá é quem conhece com profundidade a alma humana, a nossa vida e o que viemos fazer neste mundo. Ele é também o único meio de se chegar ao orixá e obter suas bênçãos. É por meio da adivinhação de Ifá que podemos saber o que desejam os orixás, como devemos nos comportar e ainda como nos proteger das forças maléficas. Essa obra pretende mostrar aos praticantes dos cultos de origem africana a importância de Ifá na Nigéria, no Benin, no Togo, em Cuba e em outros países onde a diáspora africana se fez presente. O texto inclui os versos de Ifá, por meio de cada Odù, ou o ojú odù, a caída dos odù e a dos orixás que correspondem nessa caída, formando a impressão do odù, com a indicação do odù, na adivinhação do oráculo de Ifá e a magia correspondente a cada odù. Uma série de explicações preliminares sobre o culto a Ifá levará o leitor à compreensão desse tema. Há também uma lista de entidades voltadas para o estudo e a divulgação da cultura e da religião ioruba. Título: Os Orixás na Umbanda e no Candomblé Autor: Diamantino Fernandes Trindade Ronaldo Antônio Linares Wagner Veneziani Costa Gênero: Religião/Tradições Páginas: 312 – 16x23 cm Editora: Madras Editora R$ 39,90 Orixás são divindades cultuadas na Umbanda e no Candomblé. Eles influem diretamente os mensageiros espirituais, que são as entidades incorporadas pelos médiuns durante os trabalhos realizados nos terreiros, a fim de auxiliar as pessoas que buscam um conforto espiritual para as mais diversas situações do seu cotidiano. Nessa obra, os autores apresentam as características dos Orixás e de seus “filhos”, as suas atuações na Umbanda e no Candomblé, as oferendas, os dias da semana, as cores, os pontos e outros atributos importantes relacionados a eles. O livro inclui também a história do início da Umbanda, com Zélio de Moraes, e algumas lendas a respeito dos Orixás. Os autores utilizam-se de uma linguagem clara e objetiva, o que facilita o entendimento tanto do leitor umbandista quanto daquele que quer conhecer ou saber um pouco mais sobre os Sagrados Orixás. Os Orixás na Umbanda e no Candomblé trata-se de um guia prático sobre essas divindades da Natureza.

Título: Jogo de Búzios Autor: Ronaldo Antônio Linares Gênero: Oráculo Páginas: 112 – 14x21 cm Editora: Madras Editora R$ 21,90 Jogo de Búzios foi idealizado por Ronaldo Antônio Linares, com o intuito de apresentar as especificidades desse conhecido oráculo sob a ótica umbandista, bem como desmistificar as comparações entre as religiões afro-brasileiras, Candomblé e Umbanda, que, em virtude do sincretismo sofrido no decorrer do tempo, foram consideradas como sendo a mesma. A abordagem das respectivas crenças ao utilizarem-se dos búzios também é distinta, e não considerar esse fato trará tanto problemas de compreensão como de interpretação na hora da consulta. Nesse livro, o autor preocupou-se em dirimir todas as dúvidas com relação ao assunto: como se preparar para jogar, o que dizem os búzios de cada Orixá, consagração da peneira, entre outras. “Antes de mais nada, o poder de adivinhar consiste em uma habilidade passível de aprendizado. Segundo os nupes, qualquer pessoa que tenha „boa cabeça‟ (memória e sagacidade) se encontra apta a desenvolver essas práticas.”


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Janeiro de 2011.

Edição: 05

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 33


Jornal Nacional da Umbanda 05