Issuu on Google+

Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 1

JORNAL DE UMBANDA.COM.BR LEVANDO CONHECIMENTO E INFORMAÇÃO A TODOS Diretor: Rubens Saraceni

Jornalista Responsável: Wagner V. Costa

Editoração e Arte: Alan Levasseur

FESTA DE YEMANJÁ 2010 Mais uma vez o Colégio de Umbanda Sagrada Pai Benedito de Aruanda e a AUEESP realizaram a já tradicional festa em homenagem a Yemanjá em Mongaguá, festa essa que já vem sendo feita desde 1998, quando pai Rubens Saraceni reuniu alguns amigos dirigentes de tendas de Umbanda e juntos ergueram a primeira tenda coletiva à beira mar. Dalí em diante o numero de tendas foi aumentando de ano para ano e a partir de 2004 o Colégio começou a alugar uma barraca profissional de grandes eventos para abrigar sob um mesmo palio tantas pessoas. E de ano para ano o numero de centros que se reuniam para homenagearem a Mãe Yemanjá era cada vez maior, chegando ao auge em 2007, quando 145 centros se reuniram e se irmanaram sob o palio de uma barraca com 1680 metros, com cerca de 4800 médiuns umbandistas cantando, vibrando e girando numa harmonia única e antes nunca vista nos festejos anuais realizados à beira mar em louvor à nossa Mãe Yemanjá. Este ano tudo se repetiu mais uma vez e o Colégio e a AUEESP reuniram cerca de 3000 médiuns dentro de um mesmo espaço e mais umas mil pessoas ao redor da tenda, em uma festa religiosa coroada por um tempo bom, por um céu estrelado e por uma vibração única de Fé, Amor e Fraternidade entre os umbandistas.

Altar da festa de Yemanjá-2010-do Colégio de Umbanda e da AUEESP.

Tronqueira de Pomba Gira da festa de Yemanjá-2010-do Colégio de Umbanda e da AUEESP. Fotografias fornecidas por Sonia Lima de Oliveira


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 2

EDITORIAL O NATAL NA UMBANDA Estamos em Dezembro, um mês mágico que altera o estado de espírito das pessoas, principalmente dos umbandistas, que já comemoraram Yemanjá, Yansã e Oxum no começo dele. Ainda temos o dia 25, quando a cristandade comemora o nascimento do Mestre Jesus no mundo todo e temos o dia 31, quando todos comemoram a passagem do ano com uma explosão de alegria e votos de que o ano que começará seja de paz, saúde e prosperidade.

Para os umbandistas a comemoração do natal cristão é algo natural, até porque a maioria dos seus seguidores e médiuns praticantes veio da religião cristã. Inclusive, muitos umbandistas seguem uma corrente doutrinária denominada Umbanda Cristã, muito parecida com o Espiritismo Kardecista. Na maioria dos seus centros os umbandistas colocam em seus altares a imagem do Mestre Jesus no seu degrau mais alto, prestando-lhe uma reverencia e adoração sublime devido seu

sincretismo com o Orixá Oxalá, o maior dos orixás cultuados na Umbanda. Esse respeito e reverencia ao Mestre Jesus enobrece ainda mais a umbanda, a mais tolerante das religiões existentes no Brasil, já que ela acolhe em seus centros os seguidores de todas as outras com amar e respeito, sem constrangê-los com perguntas sobre a religião que seguem e sim, os auxiliam onde elas não podem ou seus sacerdotes não sabem como lidar: a Mediunidade e os problemas espirituais de fundo karmático! Nesse ponto a Umbanda é única entre as religiões! Seus dirigentes e médiuns, assim como todos os Guias Espirituais, acolhem os seguidores de outras religiões como irmãos e os auxiliam como podem e da melhor forma possível, livrando-os de suas perturbações de fundo espiritual, auxiliando-os na cura de suas doenças, auxiliando-os a conseguirem um emprego, quebrando demandas das quais são vitimas, etc. E isso sem perguntarlhes quais as suas religiões, Fonte: Internet sem atribuir às suas crenças religiosas a causa de suas dificuldades e nem os obrigando a se converterem para que, aí sim, sejam ajudados pelos sagrados Orixás e pelos Guias Espirituais de Umbanda. Não vemos isso acontecer nas outras religiões, onde o usual, assim que sabem a religião de quem adentra em seus templos é ir alertando-os ou acusando-os de seguirem uma religião errada, ou pagã, ou do diabo, etc. Nesse aspecto a Umbanda é única e insuperável porque todos


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 3

os umbandistas acreditam que Deus é único, esta presente na vida de todos e em todas as religiões, não importando a forma que usam para cultuá-lo e adorá-lo. Inclusive, é comum aos seguidores das outras religiões regirem com palavras ofensivas à nossa religião e à nossa pessoa assim que ficam sabendo que seguimos a religião Umbanda, dando a entender que só eles cultuam e adoram Deus. Essa postura intolerante por parte da maioria dos seguidores de outras religiões para conosco, os umbandistas, provavelmente é uma decepção para o mestre Jesus, que não fundou nenhuma religião e não pregou a intolerância, mas vê entre os seus seguidores uma reação não fraterna aos seus irmãos em Deus que professam outras crenças religiosas. Os umbandistas seguem a Umbanda, mas respeitam todas as outras religiões e a crença dos seus seguidores e não temem entrar em suas igrejas porque nesse quesito estão anos-luz à frente dos demais, já que sabe que só há um Deus, criador de tudo e de todos e existem suas divindades, espalhadas entre as muitas religiões existentes na face da terra, com Jesus Cristo incluído entre elas e ao qual respeitam e amam. No dia em que todas as religiões e todos os seus seguidores pensarem e agirem como prega a Umbanda e os umbandistas nesse mundo haverá mais fraternidade verdadeira e menos miséria, doenças, crimes, racismo e intolerância. Mas isso talvez seja esperar demais dessa humanidade pecadora que discrimina seus semelhantes só porque seguem uma religião diferente, ainda que todos saibam que só há um Deus e que todos somos seus filhos... que todos somos irmãos perante Ele, o nosso Divino Criador! Por ser como são e por amarem e respeitarem o Mestre Jesus os umbandistas comemoram o Natal e lhe rendem merecida homenagem, pois, pelo menos nessa data cristã os cristãos de fato se mostram mais fraternos e tolerantes. Nesse natal, que o amado mestre Jesus abençoe a todos! Feliz Natal Umbandistas! Pai Rubens Saraceni e-mail: contato@jornaldeumbanda.com


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 4

Conversa com um Executor da Lei Certo dia eu estava em um terreiro e ouvia um irmão reclamar que estava passando por um momento de “turbulências” em sua vida. Nada dava certo, perdera o emprego, uma doença o acometera o relacionamento com sua esposa estava cada vez pior. Ele reclamava e reclamava quando notei a aproximação de um guardião próximo a ele e pude observar a conversa. Esse irmão médium também notou a aproximação e tomou a iniciativa de começar a conversa: - Salve Senhor Guardião! - Salve moço, está reclamando de que ai? - Sabe seu Guardião, minha vida anda bem complicada, cheia de problemas. - Você ainda não viu problema de verdade moço. - Não vi? Perdi meu emprego, estou doente, brigo todo dia com minha esposa. O senhor não está vendo? - Estou sim... Sou eu que estou lhe aplicando um corretivo. - O Senhor? Como assim? O que eu fiz para ser castigado? - Você não sabe moço? - Não, não sei. Eu sempre faço tudo direitinho. - Ha, ha, ha... - – Soltou uma longa gargalhada e falou: - Moço, pare de se lamentar e preste atenção em sua vida, em seus atos, suas palavras, sentimentos e em tudo que você faz. Se eu estou atuando em sua vida dessa forma é porque pela Lei estou amparado, pois sou um Executor da Lei Maior e, se estou amparado, é porque você merece o castigo. - Mereço o castigo? - Moço, como você reage ao sucesso de seus colegas de trabalho. - Ex-colegas, o Senhor quis dizer, não é? Agora não tenho nem um emprego. - Sim, moço, ex-colegas. - Bem... – Ficou ele pensativo e o Guardião continuou: - Sentia inveja deles, praguejava e quando tinha oportunidade fazia fofocas e prejudicavaos, correto?

- Está certo Guardião, eu agia assim mesmo. – Reconheceu o médium. - Mesmo depois de todos os seus guias lhe avisarem, correto? - Sim Senhor. – respondeu abaixando a cabeça. Moço, quando alguém erra sem conhecimento, sem saber que está errando, a Lei Maior dá um jeitinho de avisá-lo, mas quando esse alguém depois de tiver sido avisado continua errando, ai a Lei Maior executa a sentença determinada pela Justiça Divina. - Entendo Senhor. - Esse é um exemplo dos erros que você vem cometendo mesmo após ser avisado e que por isso e por mais algumas coisas está passando por essa pequena execução da Lei Maior. - O que devo fazer para me livrar dessa execução Guardião? -Primeiro, parar de se lamentar e começar a aprender com tudo isso que está acontecendo. Comece a mudar seu íntimo e a corrigir seus atos. Desta forma, terá sua sentença amenizada ou suspensa de acordo com seu esforço e merecimento. - Está bem Guardião, vou me esforçar para parar de reclamar e mudar isso tudo. - Tudo aquilo que você fizer de correto e que representar uma mudança positiva em sua vida, será contado como ponto positivo e, por mim, essa ação será amparada e utilizada para amenizar sua sentença. Mas tudo aquilo que você fizer que representar um ponto negativo, por mim também será anotado para pesar em sua balança e você responderá por ele. - Obrigado Senhor Guardião por me instruir e permitir corrigir meus erros! - Agradeça ao Pai Maior, moço! É Ele quem permite a todos o aprendizado e a evolução. Salve moço! - Salve, Senhor Guardião! Eu, que acompanhava a conversa toda fiz a mesma coisa, agradeci ao Pai Maior pela oportunidade de participar de tão grande lição. Salve os Senhores Executores da Lei Maior que nos permitem aprender com as adversidades da vida. Por: André G Santos e-mail: Andre.gsantos@setecaminhos.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 5

ORAÇÃO À OXUMARÉ Eu sou o Arco-Íris Divino Através de meu Pai, de sua Lei e Justiça, distribuo a renovação aos Filhos da Terra, Do centro do Amor Divino, suas Sete irradiações descem até aos homens, e EU as renovo, Sou o inicio quando se chegou ao fim; e sou o fim de todos os inícios, Sou a pureza e a inocência, a virtude e o renascimento. Eu sou o esquecimento do velho para que o novo possa nascer. Através de meus filhos diretos restrinjo os excessos no coração dos homens: A paixão e a fúria serão por mim consumidas, até que só o amor perdure. Qual luz que passe pelo prisma, meu amor se espalha pelo mundo; Divido-o com todos, até com aqueles que não sabem de mim. Sob meu manto multicolorido estão todos os inocentes, Portanto aí daqueles que atentarem contra eles! Como serpente hei de abraçá-los, e no meu abraço deixarão suas lágrimas Até que transmutem sua sombra num arco-íris de amor. Eu sou Oxumaré! Por Sarah Siqueira e-mail: sarahsiqueira@hotmail.com

“ APLAUSOS ” Pena não ter encontrado no meu teclado nenhuma tecla que pudesse expressar o que estou sentindo nesse momento, para descrever em uma só palavra, digo: “APLAUSOS”, é isso que a 1ª Edição do Jornal de Umbanda.com merece. Incontáveis aplausos! Vários textos e pontos cantados, diversos assuntos, com um único propósito: levar ao leitor informação de qualidade, informação que só acrescenta coisas positivas; informações que nos fazem pensar na nossa responsabilidade, que nos fazem somente o bem. Oxalá nos permita ter inúmeras edições e a cada uma sentirmos essa sensação que descrevo agora, essa vontade de querer mais, que a cada edição cada leitor se sinta motivado a enviar suas opiniões, seus textos e venham fazer parte desta Egrégora do Bem, venham se descobrir possuidores de uma das peças deste quebra-cabeça Divino. Aplausos a todos que fizeram parte desta idéia, a todos que fizeram parte desta edição e a todos que irão se unir a nós. Parabéns à Umbanda, essa religião que agora tem mais um meio pra mostrar a que veio, mais uma chance de hastear sua Bandeira Branca de Oxalá. Oxalá nos abençoa! Por: Rosimeire Delaqua de Souza Aparecido e-mail: rosi.rosiaparecido@gmail.com

Anuncie Conosco Anuncie conosco e alcance um público diferenciado. Maiores informações pelo e-mail: contato@jornaldeumbanda.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Cabocla Aroeira Cheguei! Cheguei! Sou Aroeira! Cheguei!

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 6

O sol quando se põe... Eles simplesmente amam a natureza Porque também fazem parte dela Assim como vocês também! Então antes de procurar um terreiro... Antes de procurar uma casa de oração... Pense e reflita como você anda por dentro... Como anda realmente seu coração... Se é como um pássaro Que nada pede e muito canta Ou se só pede e nunca tem nada a oferecer Nenhuma melodia... Nenhuma palavra amiga... Só sofrimento a oferecer... Então filho é hora de mudar! É hora de crescer! É hora de procurar trabalho espiritual! É hora de evoluir! É hora de oferecer! É hora de saber que aqui na terra ... Algo bom está pra acontecer ! É sua missão pedindo pra nascer... É a caridade pedindo pra acontecer... Procure um trabalho mediúnico Procure uma casa e vá se oferecer! Pois depois de uma noite escura... Tem sempre um dia lindo pra nascer!

Sou cabocla, sou faceira Aonde passo, levanto poeira... Das matas eu trago, um pedaço de toco E uma folha de bananeira Pra descarregar: tomem banho de aroeira! Se tem problemas, os fio tem... Entregue a Oxalá, vosso coração Aonde tem ódio, rancor e tristeza Faz como faz o caboclo com o peixe Envolva na folha de bananeira e põe na brasa E espeta no seu coração, como uma flecha o perdão! Se tem conhecimento nessa terra, Se tens mesmo meu filho evolução Prova mostrando aos que te ofendem Que perdoar é como benzer com charuto Limpa a alma e traz amor ao coração! Se os fio observar O canto dos pássaros E pensem, por que é que eles cantam? Se nada lhe pagam... Se nada recebem... Eles cantam porque amam... O sol quando se abre CABOCLA AROEIRA

Mensagem recebida pela médium: Roberta Coutinho

DEPOIMENTO: Eu Aprendi! Bom, gostaria de expressar o muito do que eu aprendi. Sou uma pessoa muito questionadora e não vou acreditando logo que certo conhecimento me chega. Vou atrás, à busca do sentido do que me foi dito. De uns tempos para cá tenho lido muitos e muitos livros, mas sempre referente ao mundo espiritual. Já li muitos escritores que estão fazendo um trabalho lindo e cito alguns: Eliza Maseli, Zibia Gaspareto, Luis Fernando, Eliana Machado Coelho, Monica de Castro, Robson Pinheiro entre muitos outros! Enfim, cheguei a ler os mesmo livros até três vezes, todos muitos gostosos de ler e aprender, mas o que me chamou a atenção foram os livros de nosso mestre Rubens Saraceni. A maioria dos livros dele li, li sim até três vezes, pois sempre me identifiquei com todo este trabalho realizado por ele tanto na Umbanda quanto na Magia, onde temos nos beneficiamos sempre. Por esse trabalho Divino que ele vem realizando é que eu o admiro e respeito muito, mas agora vou falar o que eu aprendi nas psicografias dele: Lendo todas as suas psicografias aprendi a amar ainda mais os nossos mentores espirituais, nossos sagrados Orixás, enfim hoje respeito muito também o “Senhor Príncipe das Trevas” por saber o quanto é divino o trabalho que ele realiza nas esferas negativas, quebrando de vez todo


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 7

um “eu acho, eu penso, me falaram”, a respeito dele e vejo quantos dos nossos irmãos em Olurum ainda estão na ignorância desse conhecimento. Lamento por esses irmãos que ainda não se elevaram a ponto de saber o quanto o Príncipe das faixas negativas é importante para nossa evolução. Assim como a Luz ë importante para nossa evolução a escuridão também o é para se alcançar o equilíbrio perfeito na Criação. Muito agradecido pela oportunidade de expressar um pouco do que sinto. Que nosso amado Pai Olorum abençoe todos que buscam entende-Lo. Por: Francisco M. O. Filho

MALIDICENCIAS Por: Laerte Nogiri e-mail: Fábia_satia@yahoo.com.br

O que mais ouvimos das pessoas são reclamações, independente de qual religião pertença ou siga; Se sou uma pessoa religiosa e pratico a caridade; Se trabalho no centro espírita semanalmente; Se vou à missa, confesso e comungo todos os domingos; Se vou ao templo e deixo os guias espirituais incorporarem em mim e aconselharem as pessoas; Enfim, todos seguem sua fé da forma que, segundo seus conhecimentos, é a correta. Mas muitos se perguntam: - Então porque nada dá certo na minha vida, porque os meus caminhos estão fechados e tudo está complicado, embaraçado, é só dividas a pagar e tão pouco a receber? Porque nós, seres humanos, só nos lembramos das coisas boas que fazemos e nos esquecemos do que fazemos de ruim para nós mesmos e para os nossos semelhantes. Há dois mil anos atrás nosso mestre Jesus nos ensinou o “ORAI E VIGIAI”. Mas, quantos de nós entenderam e seguem seus ensinamentos?

Se você está em oração, em comunhão com DEUS e com suas Divindades precisa vigiar? Com certeza não. Então o nosso mestre Jesus está nos dizendo através das parábolas, que o Orai não significa oração a DEUS, mas algo mais sutil que nos passa despercebido e quando o fazemos devemos vigiar, então chegamos aos nossos “pensamentos”. Quando pensamos, o fazemos de forma mental no silêncio mais profundo da nossa “alma”, onde todos nós realizamos as mais poderosas das orações, que trazem em si poderes realizadores de ações construtivas e positivas, quanto de ações destrutivas e negativas. São a essas “orações” que Jesus se referia em seus ensinamentos. Nós seres humanos, nos acostumamos a reagir de forma negativa quando somos contrariados, desde as coisas banais até quando somos repreendidos pelos nossos erros, sejam elas feitas pelos nossos pais ou pelos nossos superiores dentro desta cadeia hierárquica material; Automaticamente começamos a pensar uma forma de revidar à ofensa recebida e começamos pelas maledicências. A maledicência é a pessoa gerar através dos pensamentos, malícias tendenciosas que venham denegrir a honra e o caráter de uma pessoa, seja elas verdadeiras ou mentirosas. Mas o que a pessoa não sabe é que está se tornando uma fonte geradora de uma “magia negra” mental devastadora na sua própria vida e das pessoas suas vítimas. A princípio parece ser algo inconseqüente. Mas se formos ver os desdobramentos desta ação, veremos a conseqüências nefastas. Enquanto a pessoa gera no seu interior, mentalmente esta determinando,visualizando, movimentando energias e potencializando-as


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

com sentimentos negativos. Assim, vai refazendo por diversas vezes até se dar por satisfeito para então colocar em execução a segunda parte do seu plano. A parte dois é relatar suas malícias para todos os seus amigos, colegas e conhecidos, destilando o veneno gerado no seu intimo, tendo em cada um que vier a comungar esse mesmo sentimento negativo mais uma fonte geradora dessa ação negativa. A soma dessas ações geradas por diversas pessoas afins formam uma onda vibratória gigantesca e devastadora, levando a destruição onde alcançar, separando família, levando a falência de empresas, assim como, também vai separando irmãos de um mesmo caminho, entre tanto outros males na vida das pessoas vitima das infâmias. A lei Divina, que a tudo e a todos ordena determina para cada ação uma reação. E assim sendo, toda a primeira reação se faz no sentido de esclarecimentos junto a todos os envolvidos no assunto em questão. E os mesmos se defendem dizendo nada saberem ou nada terem feito. Só que não sabem que o “NADA” é um estado da Criação Divina, denominado Plano das Intenções. Portanto, tem uma Divindade regente muito conhecida no ritual de Umbanda Sagrada como “ORIXÁ EXÚ MIRIM,” onde seu campo preferencial de atuação na vida dos seres humanos é justamente o campo das intenções. No campo das intenções os exus-mirins são os executores da Lei Maior. Assim, compreendemos que todas as nossas intenções altruístas nos propiciam a paz, harmonia, prosperidade e a aberturas dos nossos

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 8

caminhos na evolução dos sete sentidos da vida. Mas se as intenções são maléficas então o inverso acontece nas vidas de todos os seres humanos que agem de forma negativa. Então as pessoas, por mais religiosas e caridosas que possam ser, mas que acham que é algo natural e inconseqüente pensar mal de alguém, elas tem uma vida cheia de conflito e atribulações e vivem lamentando a falta de sorte ou colocando a culpa em alguém que supostamente possa estar fazendo trabalhos negativos contra si e seus familiares, esquecendo-se dos ensinamentos do mestre Jesus quando disse isso: “não deseje ao teu semelhante o que não deseja para si mesmo”. Para mudarmos a nossa vida devemos treinar diariamente a sermos positivos, usando como a arma principal as nossas intenções altruístas. E, quando os comentários maldosos chegarem até nós na formas de fofocas ou de outros meios, devemos usar primeiro de três sentidos da vida que são: EMOÇÃO, RACIOCÍNIO E MOVIMENTOS. (1)- Devemos decantar o nosso emocional para ouvirmos sem fazer comentários sobre o assunto. (2)- Usarmos do nosso racional para analisarmos se são verdadeiras ou falsas as informações. (3)- Fazer movimentos que direcionam os objetivos destas informações; Se destrutivas e negativas, agir como agente pacificador com argumentos construtivos e salutares para todos. Assim, com trabalhos diários bem intencionados, irão se libertar das amarras que os prendem nos trabalhos negativos do passado.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 9

A Escolha A todo instante, milhares de seres humanos alternam sua vibrações mentais, passando de um estado positivo para outro negativo, atraindo com isso espíritos afins com suas vibrações mentais. Alguns escolhem viver na dor, outros no amor, mas independentemente de suas escolhas, há os amados Orixás atuando em suas vidas para que se aperfeiçoem na longa caminhada rumo à perfeição esperada pelo Criador. Temos o amado Pai Oxalá qualificando-os a partir de seus magnetismos; Mãe Oyá, dando a forma final e estabilidade aos seres; Mamãe Oxum, concebendo na vida de cada um tudo que é

necessário; Pai Oxumaré, renovando tudo na vida dos seres; Pai Oxossi, expandindo uma faculdade que o ser tenha em potencial; Mãe Obá, concentrando uma faculdade que se tornou dispersiva; Pai Xangô, desenvolvendo no íntimo do ser o seu senso de razão; Mãe Egunitá, alimentando energeticamente as faculdades mentais dos seres em desequilíbrio; Pai Ogun, ordenando e colocando cada coisa em seu devido lugar; Mãe Yansã, dando direção e encaminhando cada um para o seu correto caminho da evolução; Pai Obaluaiê, transmutando as coisas a partir dos seus magnetismos; Mãe Nanã,

Guias ou colares na Umbanda Esses colares são conhecidos por diversos nomes: (colar de santo, fio de santo, fio de contas e etc.), mas muitas pessoas têm dificuldades e a curiosidade de entenderem seus significados e porque as guias são tão importantes dentro da nossa umbanda. As guias ou colares, como desejarem, é a forma de proteção dentro do chão sagrado do “terreiro” e quando houver uma queda ou interferência de vibração negativa, ela pega direto na guia do médium como se fosse um PARA-RAIO para protegê-lo do mal que possa vir atingi-lo durante o trabalho. Criação da Guia A construção de uma guia tem alguns fundamentos básicos, para que se obtenha sucesso ao terminá-la. 1. O médium tem que ter a humildade e ser fiel ao povo que carrega, respeitando sempre sua falange e legião;

decantando e renovando tudo que está prejudicando e paralizando as suas evoluções; Mãe Yemanjá, dotando os seres de suas faculdades, criando as condições ideais para melhor evoluírem; e Pai Omulú, dando estabilidade ao que vai sendo criado para que os seres possam evoluir em paz, harmonia e equilíbrio. Enfim, basta escolher estar receptivo para usufruir da inesgotável fonte geradora de bons fluidos emanadas dos Amados Orixás, gerados pelo Divino Criador Olorum. Por: Adelmo Felipe Nogueira e-mail: adelmo.felipe@gmail.com

2. Pedir à “entidade” que mostre com todos os detalhes possíveis como quer a guia, para que nada possa dar errado durante o processo da construção; 3. Durante o processo, automaticamente você já estará imantando sua guia a determinado “Orixá” ou “entidade”, se quiser cantar pontos do orixá referente à guia que está sendo construída. Ajuda muito, porque isso faz com que o orixá ou a entidade esteja presente durante a construção dela. As guias são as identidades dos orixás dentro do terreiro e mostram a linha que trabalham se for uma só; a entidade que for cruzada mostrará na guia as suas duas linhagens, independente da guia ser de miçangas, de palha, de búzios, de cristal e porcelana ou de contas de lágrimas de nossa senhora.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Brajas das entidades Os médiuns que usam brajas dentro do terreiro são pessoas que possuem um preparo maior do que os outros. E quando a entidade pede um braja é porque ela chegou num alto grau de sua evolução. O braja mostra que nessa determinada linhagem ele é o líder “comandante” e ele esconde todos os segredos da entidade. O máximo que irá identificar será com quem o médium trabalha. O médium tem que ter total consciência na hora de pôr um braja no pescoço devido a responsabilidade perante os orixás. Muitas vezes o médium não tem o devido preparo para usar um braja. Mas, se sua entidade quer um, isso significa que o médium terá que dedicar-se de corpo e alma

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 10

aos estudos o mais rápido, porque a entidade já foi coroada no espiritual e o médium terá que correr para evoluir. As entidades não trabalham sozinhas e algumas coisas ou a maioria delas, a entidade busca direto do seu médium que, por isso mesmo terá que estudar muito. Quando os médiuns usam guias normais quer dizer ambos estão evoluindo juntos. Curiosidades A entidade, ao cruzar a guia no médium quando esta incorporada revela o seu alto grau de evolução. Isso não quer dizer que ela seja melhor que as outras, mas sim suas responsabilidades sobre ela aumentaram. Por: Rodrigo Correia e-mail: correia.rodrigopernny@gmail.com

CENTRO ESPÍRITA JOÃO VICENTE TERREIRO DE UMBANDA FUNDADO EM 23 DE ABRIL DE 1975 Rua Carnaúba 256 Senador Camará – RJ CEP: 21842-010 www.cejv.com.br Mensagem do Caboclo Sete Flechas em sessão de Pretos Velhos do dia 13 de novembro de 2010, celebrando os 102 anos da Umbanda. Comemoramos o dia da Umbanda, religião que vocês abraçaram e professam!É importante que o umbandista esteja sintonizado com estas datas e momentos; é importante que o umbandista esteja interessado por sua prática mediúnica, não somente querendo saber para que serve essa erva, ou para que banho serve aquela outra, qual “amansa marido”, “busca rabo de saia”, “amansa vizinho” . Não tem a prática da Umbanda esta diretriz; não é este o intuito de uma religião que busca o contato com a divindade, pois, como toda religião, busca o aprimoramento do ser humano. Então, que os umbandistas busquem através da prática sadia, da assiduidade, da cobrança sadia para com vocês mesmos de vosso aprimoramento interior, de vossa busca de sintonia com vossos guias, conhecerem estes companheiros de jornada que são vossos guias, tendo para com eles não o respeito do medo, mas o respeito que se tem por qualquer ser humano, porque os guias nada mais são do que seres humanos desencarnados que acompanham vocês e querem a vossa melhora. Então queiram também a melhora de si mesmos para que auxiliem os trabalhos de vossos guias e que possam com isto melhorarem o ambiente, a vibração dos terreiros, para que se tornem locais de higienização de corações, de instrução de seres humanos, de melhora dos adeptos para que as consultas não sejam apenas pedidos de soluções de pendências judiciais, pagamentos de cobranças... que o ser humano perceba que a Umbanda, como qualquer religião, nada mais faz do que esclarecer o ser humano, que melhora-o para que ele tome conhecimento de si, de suas responsabilidades para consigo; para se libertar de qualquer bengala; de qualquer forma de religiosidade dependente de dogmas e fanatismos.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 11

É papel de vocês umbandistas praticarem a caridade com vossa religião, melhorando a si mesmos. Possa vossa boa vontade para com a religiosidade passar de simples ostentação e se transformar em labuta interior. De vossa melhora depende a melhora de todo o movimento de vossa religiosidade.

Texto ditado pelo Senhor Guardião Exu Caveira do Mar, juntamente com Guardião Exu Maré: Eu sou Exú Caveira do Mar, venho na irradiação da Geração, filho de Omulu e Iemanjá, que me acolheu em seus braços, como só uma mãe o faz. Fui errante em muitos dos meus desatinos, hoje galgo minha evolução em busca de minha paz interior.Meu maior campo de ação é contra aqueles que atentam contra a Vida, que é Sagrada perante o Criador, e isso ocorre das mais variadas formas e em todos os sentidos. Na Umbanda, o meu campo preferencial de atuação é contra “magos negros” travestidos em pele de cordeiro. Com estes tenho meus ajustes ao “meu jeito”. (há, há, há!) Sou contra os que brincam com a fé alheia, esses levo ao fundo (paralisação) do mar, onde são esgotados e purificados, (e isso demora) e posteriormente são encaminhados, mas não sem antes darem provas de seus valores já modificados. Gosto de trabalhar em limpezas de pessoas, livrando-as de espíritos vampirizadores e negativados, pois comigo estes aprenderão a

dar valor à vida alheia, já que ninguém tem o direito de fazer isso com seus semelhantes. Minha marca (bandeira) é essa: uma caveira, encimada por duas espadas (em reverencia a Lei, a Ogum), acima de ondas do mar, porque lá eu sou o Executor que se redime até hoje de suas falhas e fraquezas. Oportunidade única que agarrei com todas minhas forças: a Benção de ser amparado pelo Senhor da Vida, O Criador, nos braços do Guardião da Vida e da Senhora da Geração! Atotô Meu Pai! Salve minha Mãe! E o axé de Caveira do Mar ao dispor de quem precisar (há, há, há!). Salve a Força do povo do mar! Salve Sr Exu Guardião Caveira do Mar! Obrigada, meu Amado Guardião Exu Maré! Por: Simone Ribeiro Machado www.casadaluzdourada2.blogspot.com www.templodenana.blogspot.com TEUS. Templo de Nanã Buruquê e Ogum Megê

AO RUFAR DOS TAMBORES A INFLUÊNCIA DA MÚSICA AFRICANA NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA Cultura é um conceito de várias acepções, sendo a mais corrente a definição genérica formulada por Edward B. Tylor, segundo a qual cultura é aquele todo complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e aptidões adquiridos pelo homem como membro da sociedade. Quando dois povos diferentes passam a conviver juntos, a bagagem cultural desses se mistura influenciando uma na outra, melhorando alguns costumes e rejeitando outros dando origem à novos conceitos de vida. No Brasil, na época da povos africanos, também veio milenar que foi se adaptando e escravidão com a vinda dos para cá toda uma cultura influenciando os costumes já


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

existentes aqui, e essas influências e adaptações continuam até os dias de hoje. Uma dessas influências foi, certamente, na música popular. E segundo os compositores Martinho da Vila, Ney Lopes e outros, toda a música das Américas tem origem no continente africano. Acredita-se que o Samba angolano, que deu origem à palavra Samba, é parente distante do principal ritmo do Brasil, mas é irmão mais velho dos sons da América Central. Grande parte da música da América do Sul de colonização espanhola também recebeu influência da África, que é a mãe popular brasileira. No Brasil os tambores das nações Bantu e Iorubana se misturaram nas senzalas, ritmando as cantorias da Umbanda e do Candomblé. Os rituais afro-religiosos nos

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

legaram os Jongos, Afoxés e Caxambus, bem como os Congos do Espírito Santos e muitas outras manifestações regionais. Na Bahia os batuques aleatórios foram ganhando forma e surgiram as Cantigas de Capoeira, os Sambas de Roda e tudo que se chama hoje de Axé Música. No Rio de maneira mais dolente a cadência das batidas foi se definindo dando origem ao Samba de Raiz, como numa reação química em cadeia foram nascendo outras formas como o Samba de Partido Alto, o Samba de Enredo, o de Breque, o Sincopado, o Samba Choro, a mais simples foi sendo ritmada nas cordas dos violões resultando no samba Bossa Nova, com influência harmônica do Negro Jazz Tradicional.

TRAÇO DE UNIÃO (Martinho da Vila e João Bosco)

Um canto triste ecoou e penetrou nos corações O canto se harmonizou no dedilhar de violões Ao que encontrou se misturou Se enriqueceu, se ritmou E então ficou mulato assim Extasiando as multidões Este canto é da senzala, irmão Chegou aqui com a escravidão E cresceu nos trabalhos dos canaviais É mais que um canto, é uma oração Este canto é muito forte, irmão É um forte traço de união É linda a sua história E a história deste canto É a mesma história desta Nação

pág. 12

No Nordeste brasileiro se dança e canta o Coco, o Xote, o Xaxado, o Baião, a Ciranda, o Frevo e o Maracatu, além da grande variação de repentes, todos com influência africana. De tudo que se pode chamar de música brasileira, incluindo a produzida no Sul do país, aonde é muito presente a cultura européia, nada ficou alheio as emanações culturais das senzalas. Nada acontece por acaso e nesse caso, da união dos povos de lá com os de cá, isto é, dessa mistura genial de povos diferentes, surgiu a Música Popular Brasileira, rica em sons, ritmos e melodias que hoje influencia outros povos de além-mar. Assim foi e assim será. Segue uma composição feita por Martinho da Vila e João Bosco:

E como é bom pra se entregar Descontrair nos Carnavais Pular nos blocos, nos salões E nos pagodes tão legais Me faz chorar, me faz sorrir Me faz sofrer, me faz vibrar Sem ele, eu sei, não viverei É como o amor, é como o ar Calangos, baiões, carimbós e fandangos Batuques, xaxados e jongos Misturas do povo de cá Fandangos, xaxados, batuques e jongos Baiões, carimbós e calangos Origem nos povos de lá Por: ANDERSON R. FARIA Email: andersonogum56@hotmail.com


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 13

ÉTICA Todos nós vivemos em uma sociedade. Como sociedade engloba pessoas, opiniões e regras sociais, fazendo parte desse todo temos também nossas próprias regras e opiniões. Há momentos em que calar nossa opinião própria é sinal de respeito para com o próximo. Aquela coisa de não invadir o espaço alheio, não ferir a individualidade, não magoar o outro! Mas há também ocasiões que calar representa omissão, momentos esses que expor nossa opinião torna-se não só necessário mas indispensável.A escolha cabe somente à nossa consciência.Cobramos muito dos outros, ainda julgamos muito. Será sinal de ética sermos especialistas em apontar defeitos alheios, principalmente não estando a pessoa em questão presente para se defender ou explicar? Ou o mais acertado seria abordar e conversar com a pessoa sobre o problema que supostamente a envolve? Definitivamente acho mais respeitosa a segunda opção, pois assim seriam conversados os prós e os contras dando assim chance de mostrar seus motivos, errar novamente ou não e mesmo analisar a fundo se vale a pena para ela certas atitudes.Mas falar de ética é muito amplo, abrange muito mais coisas que, se formos falar, algumas horas não seriam suficientes. Um exemplo figurativo bem grosseiro e popular, mas com eficácia de aprendizado é o do macaco; será ele um ser ético quando esconde o próprio rabo (geralmente sujo!) para apontar o dos outros como se fosse ele próprio um ser evoluidíssimo e livre de erros e defeitos? Que feio, não? Feio mesmo é nos portarmos, mesmo sem percebermos, como macacos.Quando entrarmos no mérito da questão ética, vale mais perguntar: sou ético?, que perguntar: ele é ético? Isso não significa sermos omissos com os problemas que nos cercam, mas sermos críticos primeiramente com nós mesmos. Respeito, compreensão, acertos, erros, cobrar, expor, pausa, atitude, falar, calar, etc. ÉTICA é tudo isso e muito mais, sendo importante observar o que é mais necessário para cada momento.................................................................................................. por: Ângelo Rodrigues Anastácio e-mail: angeloanastacio@ig.com.br

DUPLO GRAU DE CONSCIÊNCIA Por:Húmus Reflexione e-mail: homohominilupus7@gmail.com

Como toda e qualquer religião, a manifestação da fé se materializa através do homem, que se difere espiritualmente em graus de evolução, uma vez que uns são mais

desenvolvidos que outros em questões éticas, morais, filosóficas e espirituais. Dentro da umbanda os manifestadores desta maravilhosa fé divergem muito nas questões de como recebem essa benção, que é a mediunidade. Uns aceitam isso como um poder, outros como um dom e ha aqueles que a consideram apenas um instrumento.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

Sem proferir juízo de valor ou dizer o que é certo ou o que é errado, pergunto-me o quanto os defeitos humanos influenciam nos fins da fé, mais especificamente na umbanda e na forma de como se manifestam os guias espirituais, independente das formas e meios. O fato é que adoto a idéia de que o médium é apenas instrumento da fé, de Deus e de seres superiores e bem mais evoluídos, e não alguém com poderes ou dotado de um dom que o faz melhor que seus semelhantes. Tem que, antes de tudo, aprender a conviver com a sua consciência, suas necessidades, seus desejos e suas falhas humanas, que corriqueiramente conflitam com os valores e ensinamentos espirituais. A pergunta é a seguinte: - consegue um ser humano viver de acordo com o que prega? E daí, questiona-se até certas terminologias, como por exemplo, “Pai de Santo”. Como um ser humano pode se autodenominar dessa forma? Não seria uma blasfêmia dizer-se pai de um santo? Quanto a fraqueza humana interfere na pureza da Umbanda? Chega a ser utópico desejar que uma pessoa, instrumento da Umbanda, não a utilize para fins e

pág. 14

necessidades próprias, sujando essa maravilhosa fé com pecados humanos e deixando espíritos menos desenvolvidos se aproveitarem dessa falha. Por fim, o intuito dessas minhas perguntas é abrir uma reflexão sobre como a Umbanda se manifesta e como deve ser manifestada, para não deixar as fraquezas humanas interferirem; para sermos humildes o suficiente para entender que somos apenas um instrumento, um meio de bondade e luta contra a maldade, e não seres dotados de poderes!

INIMIGOS OCULTOS “Aquele que quiser ser o maior seja o menor e o servidor de todos.” Jesus Cristo

Por: Mãe Lurdes de Campos Vieira

Os Templos espirituais estão sujeitos a ataques de espíritos obsessores do plano inferior, adversários que se agregam com as mais perversas intenções. Esses inimigos gratuitos traçam diretrizes de perseguição e procuram se infiltrar, para invadir, dominar e destruir os trabalhos dos locais sagrados. A verdadeira fortaleza de uma casa espiritual está na vivência e no estudo do aspecto doutrinário, que deverá ser colocado em evidência, fortalecendo moralmente os adeptos. Considerando que os Templos possuem poderosas proteções espirituais, esses inimigos obsessores agem diretamente no campo dos sentimentos dos médiuns, aproveitando brechas, deslizes, sugerindo pensamentos, estimulando irritações, ciúme, fofocas, indignação, melindres, disputa de cargos, funções, tarefas etc. Essa é a única forma de não serem barrados pelas correntes protetoras, pois os Guias Espirituais protetores não podem violar o livre-arbítrio dos adeptos. Isso é, inclusive, um teste para muitos trabalhadores e freqüentadores das casas espirituais. Os representantes das esferas inferiores apostam na reprovação dos envolvidos que se esquecem de vigiar e de orar, além de cultivarem o pessimismo, a irritação, os palavrões etc., entrando em sintonia com a faixa vibratória negativa. Com os encarnados vibrando no mesmo padrão e com as falanges negativas tão bem preparadas com mentes inteligentes explorando as inferioridades humanas, é muito difícil salvá-los e, muitas vezes, é difícil salvar até o Templo. Esses irmãos ainda não despertaram, ainda estão em aprendizado e não vivenciam as informações que recebem. Aqueles que já fazem sua reforma íntima e vivenciam o que lhes é ensinado, devem revestir-se de humildade e saber compreender os irmãos desequilibrados e não vigilantes, perdoando-os, vendo neles as virtudes que já conquistaram, encorajando-os amorosamente para vencer suas dificuldades morais e desenvolverem sua mediunidade. É preciso agir com tolerância,


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 15

compreensão e fraternidade, para eles não se deixarem contaminar pelas influências nocivas dos espíritos perturbadores. Os trabalhadores discretos, respeitáveis, idealistas, desejosos do bem, saberão fazer brilhar a própria luz, sintonizando-se com os planos superiores, protegendo-se naturalmente da infiltração das sombras, contribuindo para a continuidade e sobrevivência da Casa. Uma Casa Espiritual é um Templo Sagrado, onde, por meio da oração e da fraternidade, se exaltam a Lei Maior e a Justiça Divina. Aqueles que são orgulhosos, vaidosos e soberbos, que guardam os ensinamentos apenas nos lábios, os que trabalham por pura vaidade, os invejosos, mesquinhos, maledicentes, melindrosos e insatisfeitos, vibram na mesma sintonia dos invasores e caem facilmente em suas teias, ligando-se a eles por cordões negativos. Cada um terá de vencer pelo próprio esforço, evitando a proliferação de fofocas, que são fatais em casos de ataques espirituais. Disciplina e amor devem andar juntos, com a convivência pacífica entre médiuns, além de prudência e bomsenso. O estudo doutrinário constante é de extrema importância, pois disciplina as atividades e dá o sustentáculo para o empenho no trabalho. Aqueles que não estiverem firmes doutrinariamente poderão ser levados de roldão e não estranhem se na casa houver certa evasão. Os arquitetos inferiores também agem no campo dos instintos humanos, das sensualidades, estimulando tendências inferiores; agem também nas promoções beneficentes, quando os cooperadores entregam-se a brincadeiras, piadas, maledicência, competição, inveja e ciúme. Enfim, todas as reuniões recebem a visita das falanges negativas, pois os trabalhadores imprudentes cooperam para aumentar o problema, à medida que oferecem brechas. Os encarnados estão sendo experimentados e precisam estar alerta, pois somos todos responsáveis pela continuidade dos nossos trabalhos. Lembramos que os adversários são igualmente nossos irmãos em Deus, mas enganados quanto aos caminhos das verdades eternas. São almas sofredoras que guardam angústias e dramas terríveis e, se já caminhamos um pouco, é preciso que compreendamos os que estão na escuridão. Nenhuma alma deverá ser perdida, pois o obsessor de hoje poderá ser o trabalhador de amanhã. Sejam firmes no trabalho e vigilantes. Façam sua reforma íntima, com tolerância e discrição nas atividades espirituais, para ajudar a vencer as influências negativas, com a renovação e cura das almas. A mediunidade bem equilibrada exige estudo assíduo e atuação despretensiosa. O médium deve aplicar as informações que recebe primeiramente a si mesmo, trabalhando interiormente para fazer-se merecedor de uma assistência espiritual superior e poder receber fraternalmente, socorrendo, no que lhes for possível, os que necessitam de ajuda. “Nada é maior que a felicidade de ver as criaturas humanas dos dois planos reerguerem-se e caminharem para o próprio progresso.” 1.

Texto inspirado em E. Cristiano, “Aconteceu na Casa Espírita”, Ed A. Kardec, Campinas 2006


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 16

ORAÇÕES Por: Cícera C. Neves

Prece à Senhora Pomba Gira Senhora Pomba Gira, que atua na luz e na lei do nosso Divino Criador, nós te pedimos que com vossas forças e irradiações divinas a Senhora nos ajude, esgotando em nós todos os vícios que fazem mal à nossa alma, nosso espírito e nosso corpo. Que não sejamos atormentados e vampirizados por nenhum desejo desvirtuado. Que a Senhora equilibre nosso emocional, despertando em nós as vontades do nosso Divino Criador. Pedimos também, Senhora Pomba Gira, que nas irradiações da nossa Mãe Oxum a Senhora nos mostre o melhor meio de amar, respeitar e ajudar a nós mesmos e aos nossos semelhantes, para que assim nosso íntimo seja reformado. E que, nas irradiações de nossa Mãe Iemanjá a Senhora leve para as profundezas do mar sagrado todas as nossas dores, aflições e tormentos, fortalecendo o nosso desejo pela vida. E que, junto com a Mãe Nanã, a Senhora cure todos os males do nosso espírito, da nossa matéria, e com nossa Divina Santa Sara e o povo cigano a Senhora corte, desmanche e quebre todas as ações negativas enviadas a nós para que, livres e felizes, possamos seguir nosso caminho e cumprir nossa missão com vosso amparo divino. Salve a Senhora Pomba Gira Saravá Pomba Gira!

Oração à Mãe Iemanjá Mãe Iemanjá, Rainha do Mar, Mãe Geradora da Vida, peço-lhe que com a força das ondas do seu Mar Sagrado lave-me, banhe-me e dilua, decante nas suas águas meus maus pensamentos, minhas más atitudes, minhas más ações, e que eu nunca

atente contra a minha própria vida nem dos meus semelhantes. Peço também, Minha Mãe, que com o teu manto sagrado eu seja coberta, para que eu tenha saúde, coragem, capacidade e sabedoria para vencer todos os obstáculos desta vida, aceitando o que não pode ser mudado, e assim me tornar uma pessoa melhor. Amém. Salve Mãe Iemanjá!

Prece Para Encaminhar o Espírito de um Irmão Umbandista Que Pai Obaluaê e Pai Omulu recebam o espírito deste irmão em seus domínios, encaminhando-o para os domínios de acerto com a Lei, e que os espíritos de luz acompanhem-no até os senhores executores da Lei. Peço ao nosso Divino Pai Oxalá que ampare esse espírito para que a Lei não seja tão implacável caso o débito dele seja grande, se assim for, que ele não perca a fé no nosso Divino Criador, para que espíritos iluminados e evoluídos possam auxiliar na evolução dele, e que após ter evoluído sob os ditames da Lei, seja encaminhado para o campo reencarnatório caso necessário, se assim for, que as águas do Mar Sagrado purifiquem o espírito dele para um novo reencarne e uma nova missão, sempre amparado pelo nosso Divino Criador e os grandes espíritos de luz. Que assim seja, Amém. Veja mais Orações no menu Orações Umbandistas no site do jornal.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 17

UM ELO DE AMOR E APRENDIZADO Um dia ouvi dizer que os seres humanos foram criados para se unirem e se amarem. Ouvi dizer que existe uma corrente universal ligada em todas as criações de um imensurável campo energético luminoso. Ouvi dizer que existe um grande Criador, que por mais que receba diferentes nomes nos inúmeros idiomas existentes, é Único! Ele, através de mensageiros, nos envia ensinamentos a todos os instantes de nossa vida. Para os maus alunos da eterna escola da vida, o fel e o sofrimento da própria consciência e o denso estado de discórdia, com lembranças que fazem cortar e desintegrar a carne que, para tais, são inesquecíveis. Para os bons alunos, uma vida de eterna beleza, felicidade e trabalho, que consagra um estado de júbilo perante os degraus conquistados diante da infinita escada que nos leva aos céus e à virtude de amar, ajudar e doar aos semelhantes. Corrente universal que liga cada partícula energética deste espaço sideral, trilhando dimensões e estrelas que não acabam nunca, iluminando cada elo de uma infinita obra harmonicamente perfeita.

Por:João Luis Revolta Callefe

A INTOLERÂNCIA, O EVANGELHO E A UMBANDA Evangelho, palavra essa que tem o significado de "boa nova" ou "boa notícia". A palavra evangelista provém da palavra do grego koiné, que significa grego popular ou comum, disseminada com grande propriedade na mensagem cristã. E boas novas e boas noticias é o que a Religião de Umbanda vem trazendo e semeando na seara religiosa onde infelizmente Deus, O Divino Criador, é disputado a “tapas” como propriedade única a serviço de seus fiéis e religiões. Deus, o Divino Criador concebeu e gerou tudo e todos, para que através de sua Criação pudesse manifestar-Se. E Deus manifesta-Se em nós, seus filhos, através dos sentidos divinos dos quais somos herdeiros e O manifestamos em nosso intimo como o sentimento da fé, do amor, do conhecimento, da lei, da vida, da evolução, da justiça, da tolerância, da compreensão, da misericórdia, etc. Ou seja, tudo que seja a manifestação da vontade de se fazer o bem ou a virtude que é representada por Sua Rubens Saraceni - Ed. Madras presença divina. Quando vibramos sentimentos negativos através dos nossos atos, palavras e pensamentos, nos afastamos de Deus e, como na ausência Dele nada existe, então passamos a sentir-nos vazios. Sabemos que os sentimentos negativos não existem por si só, pois o Divino Criador não gerou nada de forma negativa. Portanto, a ignorância é a ausência da sabedoria, o ódio a ausência do amor e a as trevas a ausência da luz, pois com a presença da luz a escuridão dissipa-se, com a presença do amor o ódio cessa e com a presença da sabedoria a ignorância anula-se. Na verdade o mal é a ausência do bem, ou seja, o vicio é a ausência da virtude, e se Deus é virtude, no vicio estamos distantes de Sua presença divina, que é preenchida pelo vazio como sendo o estado da ausência divina em nós. Todas as religiões têm como um de seus principais fundamentos a evangelização que é a boa noticia ou a boa nova da renovação ou a mudança de um estado de consciência anterior para um novo despertar consciente e renovador das virtudes que devemos manifestar através dos nossos sentidos. Embora a palavra evangelizar tomou corpo e foi propagado com maior propriedade pela religião Cristã, o ato de evangelização esta presente em toda religião e deve ser divulgada e


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 18

expandida como base fundamental em seu todo, pois se a religião é acima de tudo um meio de nos voltarmos ou de nos religarmos a Deus, pois fomos concebidos a Sua imagem e semelhança, então somos a extensão da Sua presença quando O manifestamos através dos nossos sentimentos. ANUNCIE AQUI A Umbanda é uma religião que traz em si os caminhos do Amor, da Fé, do Conhecimento, da Evolução, da Justiça, da Lei e da Vida, assim também deve ser para os seus adeptos: caminhos luminosos por Anuncie conosco e onde passam todos aqueles que através dela querem se voltar a Deus A Umbanda é tolerância, paciência, misericórdia, alcance um público compaixão, respeito, amor, a virtude e a vontade que comporta todos esses sentimentos. E assim também diferenciado. Maiores devem ser todos os umbandistas ou qualquer fiel de outra religião, pois sabemos que religião é algo concebido a partir de uma idealização de Deus, e a mesma somente se informações pelo concretiza quando os fiéis que a compõe manifestam esses sentimentos e atitudes a partir de si. Ou não é e-mail: verdade que o cristianismo simboliza a fé, o amor, a caridade, a sabedoria, a compaixão e muitas outras virtudes, justamente porque o Divino Mestre Jesus assim contato@jornaldeumbanda.com.br manifestou essas qualidades de si com tanta intensidade que fundou uma religião ou um corpo religioso com essas qualidades, atributos e atribuições? Devemos entender que não devemos O ecumenismo já se mostrou logo no definir Deus em uma única forma ou religião, pois nascedouro da Umbanda como uma de suas Ele é todas as formas e religiões, e está presente muitas qualidades virtuosas, pois nos centros de em tudo e em todos e, de forma ecumênica, Umbanda há muitas imagens de santos católicos devemos respeitar todas as religiões, pois são e nosso amado mestre Jesus Cristo tem um lugar muitas as formas de chegar ao Pai ou manifestá- especial em nosso coração. A Umbanda, no Lo. Ecumenismo, eis a palavra que melhor define silêncio da manifestação dos espíritos de antigos a Religião de Umbanda, que respeita as varias sacerdotes negros e pajés indígenas já combatem formas de cultuar o Divino Criador. Os a desigualdade e o preconceito racial existente de Umbandistas, portanto a Umbanda, entendem forma arraigada, atendendo há um século os que Deus é a verdade absoluta e manifesta-se brancos que até eles recorrem através dos através das virtudes, que são verdades relativas centros de Umbanda. Religião essa que sintetiza ou meios de chegarem até Ele, pois aquele que toda a sua grandeza na frase celebre e profunda segue as mensagens de Jesus o Cristo chega a do seu fundador, o Caboclo das Sete Deus por meio das virtudes expressa nela. Mas Encruzilhadas que, incorporado no seu médium, o sabemos que aquele que segue Buda (Sidarta saudoso Pai Zélio de Moraes disse: "Com os Gautama) também chega a Deus por meio das espíritos mais evoluídos aprenderemos, aos virtudes expressa por sua mensagem redentora. espíritos menos evoluídos ensinaremos e a Porem jamais devemos afirmar que a nenhum renegaremos” e no dia 16 de mensagem de um ou de outro mestre é a única novembro de 1908 foi fundada a Umbanda. verdade absoluta, pois estaríamos anulando Nascida em solo eivado pelo preconceito, aquela a qual não seguimos e o correto seriamos mas que, em pouco tempo, com a sabedoria dos dizer que são tão somente verdades relativas que pretos velhos e o amor dos caboclos encantou a direcionam a Deus, que a Verdades em Si todos e plantou no coração mais petrificado a mesmo. Portanto, a única verdade absoluta.A semente redentora de sua mensagem razão de acreditarmos em algo não pode anular a humanizadora. razão alheia. Por: Pablo Araújo de Carvalho


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 19

A MORAL MEDIÚNICA “... Se és candidato à mediunidade, se palpita em teus sentimentos a vontade de servir de instrumento à comunicação dos espíritos, analisa quem és para saberes com quem haverás de te comunicar. A mediunidade não depende de qualidades humanas para existir na sua função natural. No entanto, há leis que asseguram a sua posição, no campo em que opera. O médium pode transmitir mensagens de alto teor educativo e científico em favor da humanidade, como também servir de canal para espíritos zombeteiros e pseudosábios. Essa variação está na dependência de como o médium leva sua vida, seus sentimentos e as condições espirituais que vibram em seu coração. É necessário ter compreensão do objetivo do seu mandato e trilhar os caminhos que a ordem e a moralidade impõem, numa vida pautada nas diretrizes da luz espiritual. “O candidato a médium deve suprimir da sua mente toda a ordem de vaidade, todo tipo de impulso que o leva para o orgulho e a prepotência, sempre se esquecendo das ofensas recebidas...” João Nunes Maia pelo Espírito de Miramez – Livro Segurança Mediúnica Temos presenciado a ânsia de vários médiuns iniciantes em dar passividade e receber entidades, sem antes se perguntarem se estão preparados para tal tarefa. Vemos muitos deslumbrados e orgulhosos das suas faculdades mediúnicas, achando que são imprescindíveis num trabalho mediúnico. O médium antes de tudo precisa ser uma pessoa estudiosa das coisas espirituais para que possa entender os fenômenos que se operam no seu aparelho mediúnico. O medianeiro precisa ter certeza das escolhas que está fazendo no campo da mediunidade e acima de tudo precisa ter humildade. A mediunidade é um empréstimo do alto a todo aquele que se viu imbuído de uma missão espiritual e que poderá servir de intermediário entre o plano material e espiritual. JornaldeUmbanda.com Mas isso meus irmãos, em nenhum momento pode ser ou tema de vaidade e orgulho por parte dos médiuns. Temos JornaldeUmbanda.com.br presenciado com muita tristeza e preocupação pessoas com Cadastre-se nos sites acima excelentes faculdades e muitas possibilidades de intercâmbio já para receber as informações contaminado pelo orgulho e a prepotência de que são que sobre o jornal, as matérias, podem, e ninguém mais é. Somente eles são. Médiuns esses eventos, enfim, a partir da edição de Janeiro estaremos que entrando em desequilíbrio, baixam a sua freqüência com o jornal em 3 idiomas, vibratória e abrem o seu campo mediúnico para que disponível para Download, espíritos pseudo-sábios e vibrando no mesmo diapasão que consulta ou somente leitura, através do menu Leia o Jornal o médium vaidoso passa a dar comunicação e ainda passam a Aqui, em e-book ou clicando na ter visões que nada tem haver com a realidade dos fatos. imagem da capa do jornal para Portanto irmãos tende cuidado, os que menos se acham vê-lo na integra em PDF. Escolha a sua maneira de ler o capazes, são os que podem vir a ser, e os que se acham capazes jornal. Acesse! são os que menos são e estão em condições de fazer o intercambio com o mundo espiritual.Precisais cingir-vos da humildade, da coerência, da vontade de serem melhores instrumentos a cada dia, precisais meditar na vossa vida, nos vossos defeitos e nas qualidades que ainda não tendes e precisais


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 20

conquistar para poderem ser apenas instrumentos e nada mais. Irmãos, os espíritos não vos pertencem, apenas vos acompanham em vossas missões que deveriam ser de luz apenas e não de estrelato e exibição. Quanto maior a vaidade menos servil ao intercâmbio com os espíritos. Bem aventurados os simples porque herdarão a terra, bem aventurados os puros porque verão a Deus. Irmãos vos lembrem das palavras do Cristo: muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos. Para servirdes a espiritualidade vossa vida precisa ser limpa e honesta em todos os sentidos. Não podeis servir a Deus e a Mamom... Ou havereis de agradar um e desagradar o outro... Irmãos, pensem... Meditai... Como nos serviremos de vasos quebrados, sujos e sem condições de uso. Portanto irmãos vede desde vossa tenra idade, a necessidade de vos resguardais dos vícios, do sexo desenfreado, dos pensamentos libidinosos, pois onde estiver o vosso tesouro ai também estará o vosso coração. Não vos esqueçais que o Espírito de Deus habita em vós, e nós para levarmos a consolação a esse mundo de duras provas, precisamos de médiuns conscientes da sua missão e revestidos com grande humildade. Irmãos, muitos de vós ainda quereis receber a comunicação de espíritos de alta envergadura, muitas vezes invejais as comunicações de vosso próximo sem vos perguntardes se vivestes como aquele irmão viveu. Se fordes provados como ele foi, se sorveu o cálice amargo que o mesmo já sorveu. Mas apenas quereis ter e não ser. Irmãos muitos de vós não aceitais que para que possamos nos aproximar precisais estar em condições morais e espirituais e o vosso passado ainda pesa em vossos ombros, portanto buscai a reforma interna, transformai defeitos em virtudes, e para entenderdes melhor seu irmão lede a respeito das leis universais da lei de vibração, da lei do ritmo, da lei da sincronicidade, e da polaridade, estudai irmãos, busquem o entendimento o conhecimento, e sede coerentes com a missão espiritual que de sois portadores. Portanto irmãos vivam na luz, para a luz e pela luz! Texto recebido por Emeli de Lima

O Degradê Energético Esta abordagem me foi intuída em meados de Abril ou Maio do ano 2007 quando na época eu estava cursando o Sacerdócio com o Pai Rubens Saraceni. Na época achei uma tremenda maluquice e apesar de ter escrito, não a tornei conhecida a ninguém. Hoje, no entanto, com a abertura do Jornal de Umbanda, creio haver nele espaços para assuntos pouco convencionais. Entendendo também que é necessário o “Pensar Teológico”

na Umbanda, porque muitos já possuem amadurecimento suficiente para isso. O que chamo de pensar teológico? As bases da Teologia da Umbanda Sagrada, já nos foram trazidas pelo Amado Mestre Pai Benedito de Aruanda, através do seu mediador, o Pai Rubens. No entanto são apenas as bases, o lastro para o pensamento teológico. Também é necessário que assim aconteça para que não incorramos na dogmatizaçao dos ensinamentos, como sempre acontece nos ensinos religiosos. Com todo o respeito que lhe devemos: vejam o Espiritismo Dogmático! É oportuno que “os pensamentos” possam ser manifestados agora, pois o mestre encarnado poderá avaliá-los, corrigi-los ou simplesmente descartá-los como delírios.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Então vamos expor o que nos ocorre como entendimento, que é apenas o início de um “pensar” sobre o assunto. Creio que outros irmãos também poderão analisar e quem sabe, com novos acréscimos enriquecerão o que apenas iniciamos. Antes de entrar no assunto propriamente dito, é necessário definir alguns dos termos que serão usados. Freqüência Fundamental: Aqui denominamos como freqüência fundamental, a cada uma das Sete Irradiações Primordiais Divinas, que se propagam como Ondas Vibratórias, alcançando os “limites” de toda a Criação Divina. Essas ondas conduzem energias fatorais e através dos adensamentos energéticos, mudando os seus estados, mas conservando a matriz original, nos chegam ao plano da matéria, dando sustentação às formas que abrigam a Vida, inclusive a nossa. Harmônicos: são freqüências múltiplas inteiros de uma freqüência considerada como fundamental.Exemplo: -Freqüência fundamental de 12 Hz, ao se propagar em determinado meio, produz os harmônicos: 12 x 2 = 24 Hz, 12 x 3 = 36 Hz, 12 x 4 = 48 Hz, etc. Os múltiplos de uma onda têm uma amplitude menor que a da onda original, porém as suas freqüências são maiores, sem perder as características da forma da onda original. Esse espalhamento da onda original, em harmônicos, forma o que chamo aqui de Degrade Energético, onde cada um dos

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 21

harmônicos tem a sua própria freqüência, seu magnetismo, sua cor, seu som, etc. Cada um dos Mentais Divinos, topo de uma hierarquia, recebe em seu grau vibratório o harmônico que lhes dá a sustentação energética, e que é a base de formação de suas hierarquias. Após absorverem essas ondas, sejam puras, mistas ou compostas, as retransmitem em graus de amplitude, de forma que a sustentação seja garantida em todos os níveis vibratórios. É necessário que assim ocorra para que, por efeitos de atenuação, fenômeno que ocorre nas propagações de ondas, “o sinal” não se deforme e se torne inoperante. Cada um dos mentais retransmissores dessas energias funciona como um ponto de reforço e amplificação das freqüências recebidas. Esses múltiplos de todas as ondas irradiadas, em determinado meio, podem coincidir em freqüências iguais, porém não se misturarão porque a sua forma de propagação é diferente. Nesses casos elas se agrupam por modulação, derivando em ondas compostas que dão sustentação não somente às hierarquias mas também às formas do meio que regem, e aos Mistérios Divinos de que são portadoras.Os entrecruzamentos energéticos, magnéticos, vibracionais, podem ser entendidos como a composição de múltiplos de ondas fundamentais, que são representados graficamente nas telas planas, para mostrar que é o resultado da composição desses múltiplos ou harmônicos. Por: José de Brito Irmão e-mail: teologia.magia@gmail.com

Falando de desdobramento espiritual Sobre os tipos de desdobramento Quando falamos de desdobramento espiritual, podemos dizer que encontramos três tipos distintos: Consciente, inconsciente e semi-consciente. No desdobramento inconsciente, o médium desdobra e não mantém seu mental ativo. Acaba por não participar conscientemente da experiência espiritual e nem recorda do acontecido quando acorda. No desdobramento semi-consciente, o médium desdobra e mantém certa consciência do que está acontecendo, mas também pode ser enganado por sua mente que, cria ilusões mentais durante o desdobramento com as experiências pessoais do médium. Este tipo de desdobramento


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 22

faz com que o médium perca muitas vezes o foco na atividade espiritual ou no aprendizado do qual está passando. No desdobramento consciente, o médium depois de desdobrado, mantém sua consciência ativa, tomando decisões como se estivesse acordado e, consegue guardar em sua memória a lembrança de tudo o que aconteceu durante o desdobramento, se assim for permitido. O médium pode desdobrar involuntariamente, ou seja, sem sua própria vontade (é o que ocorre na maioria das vezes) e, normalmente nesses casos, quando consciente, assusta-se com a experiência por desconhecer o que está acontecendo. Existe também o que é chamado de desdobramento amparado (ou assistido) que é quando um guia ou mentor provoca o desdobramento para levar o médium para alguma atividade. Tenho uma experiência que exemplifica o desdobramento amparado bem e vou contá-la a seguir: Uma visita a um centro de reabilitação espiritual Certa vez, deitei-me e adormeci e quando recobrei minha consciência senti uma mão tocar meu braço e ouvi uma voz feminina: “Levante-se meu filho, temos uma visita a fazer.” Sentei-me na cama e percebi que meu corpo físico continuava deitado. Dei-me por conta que já estava desdobrado, e quem causara o desdobramento havia sido aquela senhora a minha frente. Era uma senhora que aparentemente passava dos cinqüenta anos. Tinha os cabelos grisalhos e a pele morena. Perguntei-lhe o seu nome e ela respondeu: “Me chame de Maria”. Quando levantei e olhei à frente, já estávamos frente a um grande portão de ferro que ela abrira com uma chave. Quando adentrei o portão, vi do outro lado uma espécie de aldeia, uma pequena vila cercada por altos muros brancos. A vila tinha chão de terra batida e as simples casas que lá tinham eram feitas de tijolinhos a vista. Havia muitas crianças lá que corriam descalças de um lado para o outro, brincando com a terra e com água. A maioria parecia feliz, gargalhavam e pulavam de um lado ao outro apesar de muitas delas terem problemas físicos aparentes. Maria me apresentou alguns adultos que percebi serem os responsáveis por cuidar daquelas crianças. Todos eram muitos simpáticos e alegres e, em seus olhos eu via muita seriedade. - Esse lugar tem a ver com a Umbanda? Perguntei.

- Tem a ver com um trabalho de reabilitação desses pequenos espíritos. Pertencemos a Deus, mas deixando familiar para você, estamos ligados à Evolução. Percebe os elementos aqui? Realmente a forma plasmada do local com muita terra e água deixava evidente do que ela estava falando. Neste momento percebi uma criança paralisada próxima a um muro e fui a sua direção. Maria me acompanhou e notei que outras pessoas não ligadas ao local, que até então eu não havia percebido, também me acompanharam. Apesar de não mudar em nada sua fisionomia, que tinha os olhos perdidos no nada, a criança começou a dar passinhos para trás conforme eu me aproximava e, só parou quando encostou no muro atrás dela. Neste momento parei em respeito a sua necessidade de manter distância. O que me veio à cabeça foi de projetar energia para essa criança através das mãos e, por estar onde estava, pedir aos Orixás ligados aquele centro, Obaluaiyê e Nanã, para permitirem e ampararem o que eu havia sido intuído a fazer. De minhas mãos projetou-se uma luz branca que cobriu toda aquela criança enquanto as outras pessoas que estavam lá também faziam o mesmo. Só parei quando recebi um esguicho de água no rosto que veio de uma das crianças enquanto as outras davam risada e vinham também na minha direção. Brinquei com essas crianças por um tempo que não sei precisar até que Maria aproximou-se e disse às crianças que o tio precisava voltar para casa.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 23

Abraçou-me, agradeceu dizendo que o pouco que eu havia feito daria resultado quando somado ao pouco de muitos que também ajudavam, mas que ajudavam com muito amor no coração. E nesse momento transformou-se, e o que vi foi uma doce preta-velha a minha frente. Saudei-a sorrindo e ela retribuiu a saudação, pegou-me no braço e conduziu-me até o portão. Agradeci pela oportunidade e pelos ensinamentos e quando dei por mim estava acordado em minha cama e muito feliz pela experiência. Por:André G. Santos e-mail: Andre.gsantos@setecaminhos.com.br

CADERNO CULTURAL por: Alan Levasseur

O Código divide-se em quatro partes: a parte um preocupa-se com a formação de uma “consciência religiosa de Umbanda” para fazer frente aos distratos religiosos assim como ao descaso verificado na mídia para com a religião. A segunda parte fala de magia e busca desmistificar a idéia generalizada de que magia de Umbanda é praticada por qualquer um. As duas últimas estão voltadas para a exposição das bases científicas sobre as quais se assentam as manifestações dos orixás dentro do Ritual de Umbanda Sagrada. Rubens Saraceni - Ed Madras

Tendo em vista que se trata de um livro iniciático, que apresenta a saga espiritual do Cavaleiro do Arco-Íris, o qual é um mistério em si mesmo e um espírito humanizado a serviço do Criador nas diversas dimensões cósmicas do Universo Divino. O leitor iniciado na linguagem hermética perceberá que se trata de um manancial inesgotável de chaves interpretativas, que guardará e usará quando se fizerem necessárias. Não há um só diálogo neste livro que não esteja revelando um mistério ou alguma particularidade ou algum aspecto de algum deles. E, se há algo ainda oculto, é para que o Cavaleiro não infrinja a lei que vela o segredo dos mistérios Rubens Saraceni - Ed Madras

Rubens Saraceni - Ed Madras

De forma romanceada Rubens Saraceni comenta, dentro do que lhe é possível revelar, essa preparação espiritual de Sócrates, o que moldaria e mudaria o pensamento racional ocidental. Neste livro, encontra-se o relato da preparação pela qual passou o espírito de Sócrates antes de seu nascimento em Atenas. O Sócrates antes de Sócrates e sua transição a outras realidades nas quais foi preparado para a missão em solo grego. Nessa existência, com o nome de Simão Beir, ele teve sua família inteira dizimada em um sangrento ataque desferido pelos exércitos assírios em guerra contra os hebreus. Só ele sobreviveu a essa chacina na humilde aldeia em que vivia e partiu, então, em busca de algo que lhe desse um novo sentido em sua vida.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 24

Mais um mistério é desvendado: o da Pomba Gira, Orixá feminino cultuado na Umbanda. Por muitos anos, ela foi estigmatizada sob o arquétipo da “moça da rua”, o que gerou vários equívocos e, por que não dizer, muita confusão, pois diversas pessoas já recorreram a ela para resolver questões do amor, ou melhor, para fazer “amarrações amorosas” à custa de qualquer sacrifício. Agora, Rubens Saraceni, inspirado por Pai Benedito de Aruanda, traz à tona a revelação dos mistérios que envolvem esse Orixá. Ele explica que Pomba Gira não fazia parte do panteão dos orixás e que o seu nome não era revelado na Teogonia nagô. Pomba Gira age no íntimo das pessoas como verdadeira psicóloga. Rubens Saraceni - Ed Madras

Rubens Saraceni - Ed Madras

A Gênese e a Teologia da Umbanda são inseparáveis, já que uma complementa a outra. Ao escrever sobre a sua Gênese, cria-se um tratado teológico e ao escrever a respeito de sua teologia, cria-se uma Gênese divina das coisas. informações aqui contidas vieram diretamente do Magno Colégio de Umbanda Sagrada, do astral, dirigido pelo Mestre-mago Seiman Hamiser Yê, um dos mentores astrais responsáveis pelo Ritual de Umbanda Sagrada, também conhecido na religião como Senhor Ogum Megê “Sete Espadas da Lei e da Vida”. O objetivo principal do Mestre Rubens Saraceni é que os leitores desta Gênese encontrem nela um manancial único sobre Deus e Suas Divindades regentes da evolução dos seres, uma fonte cristalina de conhecimentos. Este trabalho é resultado de anos a fio de estudos e aprendizados com os Mestres da Luz.

TRONQUEIRAS DE EXU E POMBA GIRA


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 25

TRONQUEIRAS DE SEGURANÇA

Normalmente todo terreiro de umbanda tem sua tronqueira ou casa da Esquerda, onde são assentadas as forças espirituais que dão a segurança necessária para a realização dos trabalhos regulares dos centros. Aqui, mostramos algumas tronqueiras feitas à beira mar durante as festas em louvor à Mãe Yemanjá, para darem sustentação e segurança durante a realização desses cultos coletivos a ela. Caminhando pela praia diante das muitas tendas erguidas durante as festas de fim de ano, vemos centenas de tronqueiras, cada uma com seus fundamentos particulares, mas com todas realizando as mesmas funções: dar segurança aos trabalhos ali abertos em um local público! Uma das funções das tronqueiras coletivas e firmar nelas todas as forças de esquerda dos médiuns que participarão dos trabalhos coletivos em homenagem a Yemanjá, a Rainha do Mar. Sejam as tronqueiras grandes e luxuosas ou simples e discretas, o fato é que todas cumprem suas funções e os trabalhos transcorrem em paz e segurança para os médiuns umbandistas. Se prestarem atenção às tronqueiras coletivas verão a variedade de modos de faze-las e de elementos usados para contrui-las.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Todo terreiro tem como regra construir duas tronqueiras, uma para os Exus e outra para as Pombas Giras, os pólos masculino e feminino da linha de forças da esquerda da Umbanda. Os elementos comuns aos dois pólos, os vemos em ambas. Já os específicos, eles distinguem as tronqueiras dos Exus e das Pombas Giras. Desde que tenha sido construída a tronqueira coletiva da Esquerda os trabalhos transcorrem com tranqüilidade. Mas, caso ocorram excessos por parte de algum médium, aí já não é por falta de proteção, e sim, por descuido dele próprio, ainda que os outros médiuns pensem que o que ocorreu deveu-se à falta de segurança no terreiro. Luxuosa ou simples, todas cumprem muito bem suas funções de dar segurança e proteção aos trabalhos e às incorporações dos guias espirituais.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 26


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 27

Aclamação aos Senhores Exus

Senhores Exus, os Senhores que são atuantes e executores da Lei no pólo negativo do nosso Divino Criador, pedindo-lhes licença clamo-lhes pelo vosso amparo e pela vossa proteção Divina para que eu tenha sempre saúde,

coragem,

vigor,

sabedoria,

equilíbrio e alegria, e que também eu não afronte e nem infrinja as leis do nosso

Divino

Criador

neste

plano

terreno, para que assim, quando eu fizer minha passagem, se por falhas minhas na carne eu chegar aos seus domínios,

que

seja

apenas

uma

descida e não uma queda, e que eu esteja amparada pela Lei e não sob a pena dela, para então alcançar a evolução necessária para trilhar novos caminhos em outro plano da vida. Senhores Exus, é respeitosamente que lhes agradeço. Que assim seja, Amém. Por Cicera C. Neves


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 28

ULTIMA PAGINA DROGAS, PAIS E FILHOS – CRACK, A “PEDRA” DA VEZ! Amados irmãos, nesta edição quero falar sobre uma droga que antes tinha como alvo usuários de baixo poder econômico e agora está presente em todas as classes sociais, é o CRACK. Essa terrível droga é derivada da cocaína, ou melhor, é feita com a borra que sobra do refino da cocaína, logo, até as drogas hoje, são reaproveitáveis, pois o que antigamente se jogava fora, hoje se faz o CRACK. Ele foi descoberto ou inventado nos anos 70, nos Estados Unidos e chegou ao Brasil na década de 90. É apresentado em forma de pedra e sua cor é amarelada. Seu poder de dependência psíquica e física é fortíssimo, agindo diretamente no sistema nervoso central do usuário. Segundo alguns estudos já realizados e comprovados por Universidades renomadas do mundo todo, dependendo da resistência do organismo de uma pessoa, ela pode chegar ao grau de dependência do CRACK na 4ª vez em que fizer uso da droga, ou em alguns casos o simples fato de experimentar a droga pode dar início ao processo de dependência. A droga é fumada em cachimbos improvisados denominados de “maricas”. Por ser uma droga fabricada de forma reaproveitavel, seu custo é mais baixo e por isso no início de sua aparição, era consumida por pessoas de baixa renda, mas como dissemos no início, hoje o CRACK também é consumido por usuários de todas as classes sociais, inclusive, pesquisas mostram o aumento do seu uso em jovens entre 14 a 25 anos de classe média e alta. Por ter um poder de dependência muito alto, o estado de “prazer artificial” que essa droga causa no usuário também é alto, por isso o seu poder de sedução esta atingindo todas as camadas sociais, ou seja, todos os jovens. Assim como o tempo de atingir o sistema nervoso central é rápido, cerca de 5 segundos, após o uso, a duração do seu efeito também é curta, chegando a cerca de vinte minutos, comparando-se com drogas sintéticas como o exctasy que seu efeito dura cerca de 12 horas, o do CRACK é muito curto. Cabe também salientar que depois do término do seu efeito, o usuário entra em um estado de profunda depressão, logo, o próprio organismo da pessoa o lembra que se usar a droga vai ficar feliz e sentir “prazer” novamente, fazendo com que o indivíduo torne a fazer uso do entorpecente, entrando em um ciclo vicioso, dependente e diário. A falta da droga leva o usuário a um estado de quase loucura e fascinação pelo CRACK, que faz com que a pessoa saia em busca da substância a qualquer preço, elevando assim, o aumento dos “pequenos furtos e roubos”, ou seja, devido à busca incontrolável pela droga, o dependente pratica furtos e roubos de tênis, relógios, pulseiras, celulares, rádios automotivos, pequenos objetos de dentro da própria casa, etc., e o estado de loucura e obsessão são tamanhos, que a pessoa perde o senso do certo e errado, pratica esses crimes e até mata para conseguir uma pedra da droga, pois uma das características dos efeitos dessa substância, além do alto grau de “prazer”, é a liberação da agressividade por parte do usuário, gerando assim, como já dissemos o aumento da violência urbana. A recuperação de um dependente de CRACK é difícil, demorada e requer o máximo de apoio, dedicação, paciência e amor por parte da família do usuário, sendo que na maioria das vezes o início do tratamento é feito de modo involuntário (contra a vontade do doente) e em clínicas de internação. Diante de todo o exposto é que pedimos aos pais o máximo da prática de amor para com os filhos e o máximo de atenção, devendo às vezes, os pais, assumirem o papel de


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 29

detetives dos filhos, fazendo buscas nas suas mochilas, carteiras, gavetas, etc. e em qualquer sinal de uso de drogas, antes mesmo de falar com o jovem, procurar a ajuda de um especialista. Até a próxima edição. Paz e luz a todos. Força Sempre! Por:Babalaô Milton Mussini www.miltronmussini.com.br E-mail - milton@miltonmussini.com.br

IMPORTANTE: Saiu no jornal O Estado de São Paulo Epidemia nacional, crack já está em pelo menos 3.871 cidades brasileiras Rafael Moraes Moura - O Estado de S.Paulo

O consumo de crack já se alastrou pelo País, atingindo sem distinção grandes centros urbanos e zonas rurais, aponta pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM) divulgada ontem. Levantamento feito com 3.950 cidades mostra que 98% dos municípios (3.871) enfrentam problemas relacionados ao crack. "Estamos falando de uma geografia do crack", disse o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. "O problema alcançou uma dimensão nacional. Não está mais nas grandes cidades, mas nas áreas rurais", completou. Para a confederação, a principal promessa para conseguir alterar essa realidade, o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, lançado em período préeleitoral para servir de vitrine à campanha de Dilma Rousseff (PT), "não aconteceu". "Saímos da eleição. E alguém discutiu isso?" Conforme o estudo, até agora, apenas 3,39% das cidades brasileiras fizeram convênio com o governo federal para conseguir recursos do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, lançado em maio. Em São Paulo, foram ainda menos: 2,50%. A CNM alega que o plano limitou o acesso dos municípios às ações ao estabelecer como requisito para os beneficiários uma população acima de 20 mil habitantes. O estudo conclui que uma das grandes dificuldades apresentadas é o financiamento das ações, que tem persistido em forma de subfinanciamentos em todos os programas ou políticas de governo. Apenas 24,6% recebem auxílio financeiro do governo federal, 13,8% do estadual e 3,6% de outras instituições. A maior parte dos municípios que já estão com o plano contra o crack em execução utiliza recursos próprios para enfrentar o problema, totalizando 62,4%. A Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad) rebateu as críticas, alegando que dos R$ 410 milhões previstos para o plano neste ano, R$ 285 milhões estão sendo executados. Já teriam sido destinados pela Senad R$ 73 milhões para a abertura de leitos em hospitais e comunidades terapêuticas, criação de Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs) e capacitação de agentes que atuam na rede de atendimento ao usuário de droga, entre outras ações. "Na verdade, o plano vem tendo uma implementação extremamente positiva e uma execução satisfatória", afirmou a secretária-adjunta da Senad, Paulina Duarte. Paulina classificou como "temerário" o dado de que 98% dos municípios brasileiros enfrentam problemas com crack. "Se nós fizermos um estudo epidemiológico, não vamos encontrar nenhum município sem caso, agora há lugares com consumo maior, outros menores", argumentou. Segundo ela, os municípios com menos de 20 mil habitantes foram contemplados em editais e liberações de verbas pontuais - ao contrário do que diz a CNM.


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 30

Quanto tempo... Quanto se passou para que pudéssemos vislumbrar mais um ato em prol da Umbanda Sagrada, pela Internet. Muito? Pouco? Tudo começou com o Movimento Chega, e dele surgiu a idéia de uma TV pela Internet. Isso em setembro de 2005. Após algumas reuniões, entramos no ar com o escopo do site da TV Umbandista, sendo que, logo em seguida, fundamos a TV Orixás e a TV Espiritualista. Provamos ser viável o uso da Internet como poderosa ferramenta de divulgação da nossa religião e sempre estivemos no suporte técnico do Colégio de Umbanda Sagrada “Pai Benedito de Aruanda” e sempre batalhamos lado a lado com nosso Mestre, Sacerdote e Pai Espiritual Rubens Saraceni. Depois veio o PDU (Portal de Defesa da Umbanda), o Colégio Virtual de Umbanda Sagrada (www.cvus.com.br), onde são ministrados os cursos on-line E agora, temos a grata surpresa de, mais uma vez, prestarmos o apoio e suporte ao Jornal de Umbanda . com. E qual a intenção do Jornal? Mais uma vez e como todas as idéias inovadoras acima citadas, levar ao público umbandista e simpatizante da religião de Umbanda Sagrada, artigos, textos, anúncio de eventos umbandistas, resumindo, divulgando a Umbanda Sagrada, e tudo escrito pelo próprio leitor e para o leitor. Uma forma diferente de cativar, não só os umbandistas, os magos ou aqueles que gostam das obras de Rubens Saraceni, mas também, em alguns casos, para os que desconhecem o que é a Umbanda Sagrada. Ou seja, temos visto constantemente no Colégio e na grande maioria das vezes, através do nosso irmão Rubens, inovações para que possamos divulgar a religião, a doutrinação e o trabalho de seus adeptos e a explanação aos leigos o que é a religião, inovações essas que abraçamos com amor e carinho para com os Sagrados Orixás e às suas linhas de trabalho, e auxiliamos como podemos, pois a religião está acima de qualquer ego, de qualquer condição social, de qualquer etnia, de qualquer interesse. A Religião de Umbanda está fundamentada na simplicidade, no amor ao próximo, na caridade. Um trabalho incessante e que não pararemos por aqui. Em breve, teremos o Jornal em três línguas diferentes: Português, Inglês e Espanhol, para que possamos levar a doutrina ao mundo todo. Para fechar esse primeiro contato com vocês, deixo duas frases para explanar a nossa vontade de levar a Umbanda até onde for possível: “Avante, filhos de fé, como a nossa Lei não há...” (Hino da Umbanda) “É hora, é hora, é hora, Caboclo, é hora de trabalhar” (Ponto de chamada de Caboclo) por: Marcos Mozol

Anuncie Conosco Anuncie conosco e alcance um público diferenciado. Maiores informações pelo e-mail: contato@jornaldeumbanda.com.br


Jornal de Umbanda

São Paulo, 15 de Dezembro de 2010.

Edição: 03

contato@jornaldeumbanda.com.br

pág. 31

NOTA DE FALECIMENTO Faleceu na madrugada de hoje (14/12/2010), em decorrência de diabetes, Tata Pércio de Xangô, babalorixá do Candomblé de São Paulo do Ilé Alákétu Asè Airá, localizado na Vila Batistini em São Bernardo do Campo, uma das maiores lideranças religiosas de São Paulo. O velório será realizado no Asè e o sepultamento será amanhã, em São Bernardo do Campo. À família e amigos nossas sinceras condolências. Rubens Saraceni, e todos do Colégio de Umbanda Pai Benedito de Aruanda juntamente com a equipe do Jornal de Umbanda prestam suas homenagens a Táta Pérsio e se solidarizam com sua Familia Carnal e Religiosa, neste momento de profunda tristeza.

Táta Pérsio

Que Olodumare, o Grande Pai esteja de braços abertos para receber seu Filho Querido. Cemitério Baeta Neves: R. Giacinto Tognato, 1793 - Vila Baeta Neves – São Bernardo do Campo – SP Tel: (11) 4125-5823.

Estatistica de acesso segundo a WEB BIZ no periodo de 30 dias


Jornal Nacional da Umbanda 03