Issuu on Google+

JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Uma publicação do Colégio de Umbanda Sagrada Pai Benedito de Aruanda Expediente: Rubens Saraceni Alan Levasseur

Colaboradores desta edição: 104 anos de Umbanda – pág 02 Rubens Saraceni Caderno de perguntas – pág 03 Rubens Saraceni Caderno do Leitor – pág 04 Rodrigo Correia dos Santos Alexandre Cumino Thiago Paiva de Carvalho Heldney Cals Rodrigo Queirós Pai Caio de Ogum Laura Aragutti André G. Santos Priscila Toledo Psicografias – pág 14 Ronaldo Figueira Hellen Costa Carla Guedes Juliana Vellico Renato Figueira Noticias e Outros – pág 19 Babalorixá Saul de Ogum Jose Carlos Sampaio Mauri Mauro Eventos – pág 21 Sandro Mattos Visita de Portugal – pág 23 JNU Orações – pág 24 Juliana Rachel Velico Nucleo Pai Tomé Cursos e Anuncios – pág 25 Ultima Página – pág 27 Kelly Albrecht

ACONTECE:

Pagina 1


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

EDITORIAL UMBANDA, 104 ANOS DE EXISTENCIA! Desde a data histórica de 15 de novembro de 1908 até hoje, 104 anos já se passaram e o legado de Pai Zelio Fernandino de Moraes e do Senhor caboclo das Sete Encruzilhadas só tem crescido e auxiliado a milhões de pessoas. Este jornal virtual, fundado no dia 15 de novembro de 2010, justamente em homenagem a Pai Zélio e à Umbanda, presta mais uma vez a reverencia ao saudoso fundador e Pai espiritual de todos os seguidores da umbanda destacando em seu editorial uma biografia resumida, do maior de todos os umbandistas. Fonte Weekpedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Z%C3%A9lio_Fernandino_de_Morais Zélio Fernandino de Morais (São Gonçalo, 10 de abril de 1891 — 3 de outubro de 1975) foi um médium brasileiro. É considerado o anunciador da Umbanda.

Biografia Zélio nasceu em família tradicional de Neves, distrito de São Gonçalo. Em fins de 1908, então com dezessete anos de idade, Zélio preparava-se para o ingresso na carreira militar, na Marinha do Brasil, quando foi acometido por uma inexplicável paralisia, que os médicos não conseguiam debelar. Certo dia, ergueu-se no leito, declarando "Amanhã estarei curado!". No dia seguinte, de fato, levantou-se normalmente e voltou a caminhar, como se nada lhe houvesse acontecido: os médicos não souberam explicar o ocorrido. Os seus tios, padres da Igreja Católica, surpreendidos, também não souberam explicar o fenômeno. Um amigo da família, então, sugeriu uma visita à Federação Espírita do Estado do Rio de Janeiro (então sediada em Niterói), presidida, na ocasião, por José de Souza. Na ocasião, manifestou-se por intermédio de Zélio a entidade que se denominou Caboclo das Sete Encruzilhadas, que anunciou a fundação de uma nova religião no Brasil, a Umbanda. Foi fundada, no dia seguinte, em virtude dessa manifestação, a Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade. A partir de 1918, por orientação da mesma entidade espiritual, Zélio viria a fundar mais sete tendas de Umbanda: Tenda Nossa Senhora da Guia (c. 1918) Tenda Nossa Senhora da Conceição Tenda Santa Bárbara Tenda São Pedro Tenda Oxalá Tenda São Jorge (1935) Tenda São Jerônimo (após 1935) Aos 55 anos, passou a direção da Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade para as suas filhas Zélia de Moraes Lacerda e Zilméia de Moraes Cunha (já mortas). Feito isso, fundou a Cabana de Pai Antônio, em Cachoeiras de Macacu, no estado do Rio de Janeiro.

Pagina 2


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

CADERNO DE PERGUNTAS 1ª Pergunta: --Por favor, gostaria de saber se é possível alguém ter na cabeça todos os orixás, todos atuando em equilíbrio, não somente o pai e a mãe de cabeça. Desculpe, não sei como me expressar direito. Não trabalho em nenhum terreiro, mas me identifico muito com a Umbanda e tenho esta dúvida já faz algum tempo. Desde já agradeço pela atenção e aguardo a sua resposta. Naiara 1ª Resposta: R- Naiara, boa noite. Normalmente, todos os orixás de uma pessoa sempre estão em equilíbrio. Só quando surge algum problema na vida da pessoa dentro do campo de algum deles é que é preciso fazer alguma coisa a respeito, tal como: - Tomar passes para se reequilibrar; fazer alguma oferenda na natureza ou tomar um banho de ervas e um amaci para restabelecer o equilíbrio no campo do orixá que esta dando sustentação à pessoa até que seja solucionado no plano material o problema, que pode ser uma demanda, uma magia negra, uma obsessão, etc. 2ª Pergunta: - Meu nome é Marcia e moro em Salvador-Bahia. Estou na dúvida quanto à diferença entre os Orixás Omolú e Obaluayê. São diferentes ou é uma mesma entidade? Pesquisando na Internet são o mesmo (um seria quando mais novo e outro quando velho) e a imagem é a mesma. Já no site de vocês dá a entender que são dois orixás diferentes. Se puderem me explicar, eu agradeço. Desculpem a minha ignorância no assunto, mas gosto do tema e estou tentando aprender mais. Já li alguns livros de Rubens Saraceni e se eu morasse em São Paulo faria cursos com ele. Agradeço a atenção de vocês e aguardo resposta. Um abraço, Marcia. 2ª Resposta: R- Marcia, boa noite. Os nomes Omulu e Obaluaie referem-se a dois aspectos de um mesmo orixá, segundo a Tradição Nagô, usada no Candomblé para o estudo dos Orixás, tal como Oxalufon e Oxaguiã se refere aos dois aspectos do orixá Oxalá. Mas, pense um pouco! A incorporação de Omulu é de uma forma e a de Obaluaie é de outra, um é ágil e aguerrido, dançando ereto e o outro é calmo e lento, dançando curvado. E o mesmo acontece com os dois Oxalás, o novo e o velho. Foi a partir dessas diferentes manifestações que os dois aspectos de um mesmo mistério foram separados, colocando Obaluaie como par vibratório de Nanã e Omulu como par vibratório de Iemanjá, porque, segundo a espiritualidade que inspirou os livros psicografados por mim, estes dois aspectos de um mesmo mistério referem-se a dois orixás, um deles não nomeado, ainda que atuem em campos semelhantes. E a mesma separação foi feita em relação a Iansã e Logunan, pois Iansã rege o tempo relacionado ao clima (chuva, ventos, raios, tempestades, etc,) e Logunan rege o tempo relacionado à cronologia (segundos, minutos, dias, semanas, meses, anos décadas, séculos, milênios, eras cronológicas, passado, futuro e presente). A leitura dos comentários deve ser apurada para se compreender os muitos aspectos de um mesmo mistério, onde cada um dos seus aspectos é regido por um orixá diferente, ainda que os mesmos, regidos por um mistérios tenham pontos de contatos ou pontos em comum, fato este que precisa ser destacado para não gerar confusão quando se estuda os Orixás. O mesmo se pode afirmar sobre os Orixás Euá e Iemanjá, muito parecidas, mas diferentes porque se referem a dois aspectos de um mesmo mistério. Euá é a moça virgem e solteira e Iemanjá é a mulher adulta que se tornou mãe. Ou seja: toda filha de Euá se torna filha de Iemanjá Iemanjá, caso se case e venha a ter filhos. Se o estudo dos orixás for aprofundado encontraremos mais pontos de contato entre mais alguns outros. Foi a partir dessas diferenças que os espiritos que transmitiram os livros psicografados por mim fizeram determinadas separações e nomeações dos orixás regentes das sete irradiações divinas, pondo um pouco de ordem na identificação das Sete Linhas de Umbanda, outro tema controverso dentro da nossa religião, onde cada autor fez as suas sete linhas e classificou as dos outros como erradas. Pagina 3


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

CADERNO DO LEITOR Umbanda – Meio Ambiente e Responsabilidade Social Por Rodrigo Correia dos Santos Os pontos mágicos de maiores intensidade no mundo Umbandista é “a mãe natureza”, elemento importantíssimo para elevar e equilibrar energeticamente os Guias e seus médiuns. O que me entristece muito é a falta de senso de alguns médiuns em relação à responsabilidade social e ambiental. Sábado passado mesmo passei em frente a uma praça na zona oeste de São Paulo, tinha uma oferenda que praticamente “acabou” com a praça, geograficamente e ambientalmente falando. Muita sujeira espalhada pela praça, garrafas (quebradas), alguidares, taças, isso é “crime” contra o meio ambiente - lei nº9. 605 e também esta ajudando a denegrir o nome da Umbanda perante a sociedade em que vivemos. Na cidade de São Paulo existem espaços demarcados e preparados geograficamente e juridicamente para pratica de despachos, firmezas e limpezas como Santuário dos Orixás dirigido pelo Pai Ronaldo Linares em São Bernardo do Campo, o Vale dos Orixás localizado em Juquitiba com pessoas preparadas em recolher e cuidar do meio ambiente, para que os médiuns possam abrir suas oferendas com tranquilidade sem serem perturbados ou agredidos verbalmente por qualquer pessoa. O médium, ao abrir sua oferenda nas vias públicas e praças tem a obrigação de recolher todos os resíduos do trabalho e jogar no lixo e não jogar em qualquer terreno baldio. O orixá ou o guia espiritual precisa de tempo para canalizar, irradiar e projetar no campo espiritual em beneficio de quem for. Por isso as oferendas devem ser feitas em locais adequados para essas nossas práticas. Não polua ainda mais o meio ambiente e as cidades aonde vivemos. Para a nossa Umbanda Sagrada crescer e se firma ainda mais, devemos ter a “consciência” de nossos atos e saber respeitar o espaço das outras pessoas e o ambiente aonde vivemos, e sim preservar e não agredir a nossa principal fonte de energia tanto dos nossos Orixás quanto dos próprios médiuns. Texto pelo médium Rodrigo Correia dos Santos E-mail: rodrigo_pernny@hotmail.com correia.rodrigopernny@gmail.com

GUARDIÃO SETE – O CHANCELER DO AMOR. Por Alexandre Cumino. Peço licença para compartilhar algumas passagens e frases. Pretendo aos poucos e dentro da minha limitação de tempo, digitar, eu mesmo, algumas palavras que me marcaram, neste e em outros títulos. Só peço que entendam que um mistério é como é, e não temos como bloquear o seu fluir natural por meio dos nossos sentidos espirituais, pois, se tentamos bloquear o seu fluir, somos atormentados pelas energias geradas em nosso intimo por ele, assim que inicia sua abertura em Pagina 4


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

nosso mental, porque é nele que o trazemos adormecido (o mistério) desde que fomos gerados pelo nosso Senhor e Divino Criador. As nossas múltiplas encarnações têm como função amadurecer nossa herança genética divina, herdada de Deus, o nosso Divino Pai e Divino Criador. Quando nossa herança amadurece, tal como uma semente, ela germina e um mistério da vida aflora em um ou em vários de nossos sentidos espirituais. E a partir desse momento deixamos de comandar nossa vida, pois perdemos nosso livre-arbítrio e passamos a ser comandados por uma vontade e uma força mil vezes superior a tudo que que possam imaginar. Passamos a ser guiados pelo poder do Senhor do mistério que herdamos do nosso Divino Criador. Daí em diante nossa vida não nos pertence mais porque nos tornamos uma extensão espiritual do nosso Senhor e Divino Criador. Deixamos de ser espíritos “comuns” e nos tornamos seres “incomuns”, dotados de um poder de realização imensurável porque nos tornamos um mistério em nós mesmos, uma manifestação espiritual e uma individualização do Senhor do nosso mistério, que é impessoal e é coletivo.”. Pg.9-10 “Guardião Sete - O Chanceler do Amor”, Rubens Saraceni, Ed. Madras, p.155).

Certamente muitos poderão não concordar com as opiniões e afirmativas do prof. Olavo de Carvalho. Entretanto, basta olharmos nossa sociedade e constatar que efetivamente o processo de imbecilização encontra-se em andamento e a todo vapor, utilizando-se de todas as ferramentas e mecanismos disponíveis e que alguns dirigentes, representantes e "líderes" sub-repticiamente e de forma oculta e silenciosa, "instalam", como verdadeiros "chips" na mente e alma da população brasileira. Eles limitam sua inteligência, sua capacidade crítica, sua criatividade, sua iniciativa, sua vontade... Acovardam e amedrontam para a vida, para o trabalho, para a educação. São amplamente conhecidas as ferramentas e mecanismos utilizados nesta empreita: TV, internet, cultura de magazine, álcool, drogas, sexo, violência, banalização da vida e do relacionam ento humano, materialismo, enfim, a conta aí esta para todos que duvidam ou duvidaram. Prof. Giuseppe D'Agostino E-mail: giuseppedagostin@uol.com.br

MEMÓRIA CÓSMICA E O VÉU DA INDULGÊNCIA. Texto de Thiago Paiva de Carvalho. Vislumbrando o panorama da realidade que acomete as mentes dos habitantes desta faixa vibratória, conhecida como dimensão ou estagio grosseiro da matéria, (cujas propriedades armazenam elementos depuradores, transmutadores, responsável pela ascensão do espírito imortal) depreende-se que haja algum fenômeno, condicionamento, mecanismo, programação para assim retardar, amortecer, ocultar da consciência dos seres encarnados suas devidas existências pregressas, pois nota-se que a maioria que está matriculada no curso da “carne”, ignora sua gênese, origem cósmica, centelha do Criador da Vida, dos Mundos, sobretudo, experiências, vivencias, méritos, derrotas e infortúnios anteriores a essa nova identidade, logo, percebendo no contato diário, o desconhecimento total de sua natureza imortal, eterna. Absorvendo os efeitos provocados diariamente pelas ações humanas, deduz-se que a noção, compreensão da magnitude da “Vida”, esta velada pelas naturais correspondências vibratórias que emanamos de nossos íntimos, isto é, mente-coração. Portanto, diante do cenário atual das relações, hábitos, paradigmas, teor sentimental e os respectivos valores, torna-se denso, improvável nossos sensores, antenas captarem conteúdo, informações relacionadas a existências sutis, elevadas. Em decorrência dessa conjuntura ofuscamos a possibilidade do acesso ao banco de dados riquíssimo da Vida Maior, ou seja, a Lei das Afinidades se torna presente. Pagina 5


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Na busca pela transcendência e, por conseguinte as transformações de condicionamentos complexos arraigado pelo espírito reencarnacionista, (condutas, concepções, apegos a coisas fugazes, sentimentos e etc..) que nosso Pai Criador Olorum, com seu Amor inexorável a tudo e a todos, confia aos seus representantes, agentes de inteligências imensuráveis, promover a misericórdia divina, com esquecimento das vidas passadas do espírito em posse de novo corpo, que podemos denominar por mera complementação, como o “Véu da Indulgência”. Pois imagine se soubéssemos na integra de momentos, ocasiões, fatos sejam positivos ou negativos. De uma forma mais explicita: rememorarmos as desilusões, mortes, desafetos entre outras hipóteses típicas do patamar evolutivo de nossos espíritos! Possivelmente ficaríamos absortos, apáticos, atônitos e/ou alimentaríamos novamente sentimentos que provocaram nossa derrocada outrora. Assim, por não possuímos ainda sentimentos nobres de fraternidade, cumplicidade, respeito, resignação, sobretudo Amor, continuamos com o manto, o Véu da Indulgência. Com isso podemos retornar a “carne”, e amar quem um dia nos odiou; proporcionar a vida há quem um dia a ceifou e naturalmente rompendo os elos cármicos sob a regência implacável da Lei da Causa e Efeito, e gradualmente modelando o padrão energético espiritual na senda do Amor Universal. Essas elucubrações, esse estado de existência consciente das maravilhas que a Vida Maior possui em sua infindável, inesgotável realidade que acredito que impele nossos amigos invisíveis a fomentar, disseminar o Bem, a Luz, para um dia partilhamos com eles do mesmo cálice da felicidade eterna.

E-mail: thiagopcarvalho@terra.com.br Integração Umbandista Cacique Águia Branca.

02/Novembro – (FINADOS) Por Rodrigo Correia dos Santos Estou aqui em frente o computador procurando desvendar todas as minhas dores em relação a este dia, que, para alguns seres humanos como eu é o dia de relembrar a dor, que já vivenciamos no plano físico e lembrar-se dos períodos de alegria que nossos entes queridos brevemente passaram conosco aqui em terra. O outro lado dessa moeda, o plano espiritual, que está com uma vibração calma e serena e, porque não, feliz em poder rever seus entes queridos, pois nesse período é aonde diversos espíritos têm a permissão para deixar um pouco suas missões e rever seus entes queridos, mesmo não os enxergando a olhos nus, mas sentindo vibratoriamente uma leve sensação de amor e ternura, que nós aqui no plano físico devemos nos apegar pra enfrentar todas as dificuldade. Esse também é um período de muita reflexão, pois muitos espíritos estão em busca de luz, de perdão e estão se redimindo à vontade do nosso Pai Maior. Nós umbandista, que temos a missão de ensinar e doutrinar tanto os espíritos quantos as pessoas aqui na terra, para nós é tempo de refletirmos sobre nossos atos, porque lá na frente chegará o dia da nossa passagem e quem irá pegar em nossa mão vai ser nosso Pai Omolu, que dos guiara nesse caminho, ainda inserto para onde iremos. Faça desse dia que o seu amor ao próximo vibre o mais forte e sincero possível e que o seu amor pela vida vibre constantemente e lembre-se que nossos entes queridos sempre estarão à nossa volta, apenas estão em um plano que ainda não temos a permissão de atravessar. Eleve seus pensamentos e diga obrigado ao ente querido por tudo que ele te ensinou aqui na terra e comemore com ele nesse dia 2 Novembro. E lembre-se que nossa caminhada aqui na terra é só a primeira parte de nossa missão. Muito obrigado a todos do plano espiritual, que nos ensinam constantemente em nossos caminhos e sei que um dia nos veremos novamente. “Texto em homenagem a Solange Maria José da Silva e Manuella Correia da Silva”. Amo vocês! E-mail: rodrigo_pernny@hotmail.com correia.rodrigopernny@gmail.com Pagina 6


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

UMBANDOTERAPIA - A TERAPIA DE UMBANDA. Por Heldney Cals. "Homem conheça-te a si mesmo, para poder conhecer os deuses e reconhecer o Deus que habita em ti". Hipócrates Quanto se diz que a Umbanda é muito mais do que uma religião, tenho que dá toda razão. Pois a Umbanda fornece um mundo de possibilidades, que muitas vezes passam despercebidas por seus próprios adeptos. Uma delas é a capacidade terapêutica que a Umbanda possui de forma intrínseca nos seus trabalhos mediúnicos. Hoje, dentro do segmento espiritualista em geral, muito se valoriza a palavra terapia, mas será que existe uma compreensão real desse termo? Terapia é um termo oriundo do grego que significa “servir a Deus”, ou “tratar através de Deus”. Ou seja, é um conjunto de processos que visam o alívio ou a cura de determinados problemas através de Mistérios Divinos. A busca da cura através de Deus, do sagrado sempre existiu e continuará a existir. A prova disso é procura crescente que as terapias com enfoques espiritualistas ou holísticos têm tido nos últimos anos, visto que a nossa ciência clássica nem sempre é possuidora de todas as respostas. O interessante é observar que mesmo dentro das atuais ferramentas holísticas cada vez mais nos afastamos do conceito de Deus e tentamos “cientificar” os ensinamentos, ou fundamentos das mesmas, tornando-a mais próxima da medicina alopática. Não é que exista nada de errado com o modelo citado, mas sua ação e fundamentação são diferentes dos modelos espiritualistas. Assim, entendendo que terapia é curar com ou através Deus, encontramos na Umbanda um excelente agregado de métodos e experiências que tratam os mais variados tipos de problemas. Na Umbanda temos: Olorum (Deus); Orixás (divindades); Guias espirituais (Mestres de Luz); Conceitos; Doutrina e liturgia religiosa; Magia; Passe energético e espiritual; Alinhamento de chacras; Mediunidade; Desobsessão; Quebra de Magia Negativa; Aconselhamento espiritual; e tantos outros recursos que visam o equilíbrio, o bem-estar, a transformação e desenvolvimento humano, que o leva a processos de cura em vários campos e sectores da vida. Mas como se processa a terapia na Umbanda? Por mais que eu venha a dissertar sobre isso, será sempre uma visão parcial e limitada dos inúmeros caminhos terapêuticos que a Umbanda oferece. Podemos dizer que essa terapia espiritual, magística e religiosa da Umbanda se processa através de métodos e estados diferentes, pois o processo se dá tanto nos assistentes como nos seus médiuns. Sem querermos estabelecer uma ordem, vamos tentar formata-la da seguinte forma: 1. O consulente, que já cansado de tentar auxílio de várias outras maneiras, procura na Umbanda o “milagre” que transformará sua vida. Normalmente esse primeiro contato se dá em busca de soluções quotidianas, das quais os Guias tentam, dentro do possível, auxiliar da melhor maneira possível, aconselhando, realizando passes espirituais e receitando alguma oferenda magística de modo a criar um campo propiciador do objetivo por ele (o Guia) pretendido em função das necessidades do assistido. Aqui as coisas podem seguir duas vertentes: a. O consulente sente rápidas melhoras e isso traz uma maior confiança e abertura de sua parte, o que facilita muito a ação de sua cura e transformação interior. b. O consulente não sente melhoras, ou se recusa a escutar os conselhos dos Guias; aqui também teremos duas variantes: I. Aquele que não querem melhorar ou aprender, e esperam que os outros e a vida façam tudo que eles querem para se sentirem melhor. Pagina 7


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

II. E aqueles que querem entender e aprender como podem fazer para se ajudar; claro que esse comportamento está implícito no primeiro caso, o que sentiu as melhoras. Nesse caso como no primeiro, é normal que o iniciante na Umbanda queira aprender um pouco sobre o novo universo que a ele se apresenta. Na sua busca de entendimento ele logo se depara com uma das leis de Umbanda que diz: “Quem deve paga. Quem merece recebe!”. Essa lei flui de forma natural a todos nós e a achamos justa, e logo esse consulente quer saber mais, pois interessa a ele também se tornar merecedor ou mais merecedor. 2. Aqui começa a segunda etapa, a do aprendizado, o da instrução e a doutrinação. Lembro que esse processo dura a vida toda, o tempo todo, temos que procurar aprender, conhecer e se melhorar. Nesse processo o iniciado vai aprendendo, conhecendo, se auto avaliando, se transformando, se melhorando. E à medida que essa transformação, essa melhora acontece, um novo ser começa a surgir, sua maneira de estar com os outros, na vida também se transforma, o que inevitavelmente trará uma nova consequência, situações mais favoráveis, mas também novos desafios. E à medida que novos desafios surgem ele quer saber mais, quer aprender sobre Deus e seus mistérios e à medida que aprende, vai conhecendo mais sobre ele mesmo e quer mais meios e forças para supera-los. Nesse período o consulente já alterou sua fé, já enxerga Deus, os Orixás, os Guias de outra forma, ele já não escuta os Guias unicamente como o aflito que quer ver resolvidos seus males, ele escuta como aquele que acredita, que confia, que de todo coração quer crescer, se desenvolver e se tornar uma pessoa melhor. E tudo isso, ele passa muitas vezes sem se aperceber, pois o processo é quase sempre muito subtil. 3. Normalmente aqui começa um terceiro estágio de seu tratamento, de seu desenvolvimento e ele é convidado por um dos Guias da casa a se desenvolver de uma forma mais ativa sua mediunidade; pois até então ele só a desenvolvia através de comunicação com os Guias e com alguns rituais e orações. 4. Aqueles que aceitam, começam a desenvolver sua mediunidade de Umbanda de uma forma mais ativa e o processo de cura se torna mais intenso, pois ele vai aprendendo a sentir o sagrado “dentro” dele de outra forma. Ele começa a sentir a força dos Guias, dos Orixás e esse sentir já faz por si mesmo uma transformação, já faz uma cura. Com o tempo, ele começa a aprender com seus Guias, pois à medida que seus Guias vão aconselhando, ensinado outros assistentes, vão ensinando ao seu médium também. Ele vai aprendendo uma nova forma de ver a vida, pois muitas vezes a visão, ou a ação do Guia é contrária àquilo que ele pensa e acredita. E por confiar no “seu” Guia, ele começa a refletir sobre “suas” próprias verdades. Com o tempo ele começa, de forma imperceptível a “absorver” as qualidades de seus Guias e Orixás, sua personalidade vai lentamente e naturalmente sendo moldada através do contato e do serviço ao sagrado que vibra dentro dele. Uma poderosa reforma íntima começa a acontecer através de sua proximidade estreita com os Guias e com os Orixás A oportunidade de trabalhar e se desenvolver com diversos Guias, com diversas linhas de atuação dá ao médium de Umbanda um aprendizado impar. Pois além das características individuais de “seus” Guias, ele absorve uma valiosa forma de conhecimento e transformação através dos modelos (arquétipos) sociais que se apresentam nas diversas linhas de trabalho. Os Guias que atuam na Umbanda se apresentam dentro de uma determina estrutura psíquica social que facilitam o trabalho de cura e transformação levado a cabo por esses missionários da luz. O médium de Umbanda, agora umbandista, aprende a conhecer, respeitar e amar o diferente: de exu a preto velho, passando por caboclos, baianos, boiadeiros, crianças e etc. Ele vai aprendendo a conviver com o negro, com o branco, com o índio, com o humilde, com o sarcástico, com o doce, com bravo, etc. Assim os arquétipos sociais e comportamentais trazidos pelos Guias, criam um impacto doutrinário que associado aos mistérios dos Orixás acoplados em cada linha de trabalho e em Pagina 8


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

cada Guia vai moldando a psique do médium, o fazendo manifestar suas qualidades inconscientemente auxiliando em todos os aspectos de sua vida. E sem se dar conta, motivado pela vontade de ser melhor, de se sentir melhor, de aprender, de crescer o médium vai superando bloqueios, mentais, emocionais, psíquicos, comportamentais e espirituais. E vai desenvolvendo uma tranquilidade, uma serenidade dentro dele e o vai deixando mais confiante de viver e vivenciar a vida, pois ele sabe e sente que ele e o sagrado são apenas um, que os dois são partes de uma banda. Templo Escola “Umbanda com fundamento e conhecimento”. Dirigentes responsáveis: Heldney Cals e José Santiago. E-mail: lendas.de.aruanda@gmail.com

SEXTO SENTIDO SENSORIAL Reflexões acerca da mediunidade e sua real natureza Por Rodrigo Queiroz (Este texto compõe o material de apoio para o curso on-line "MEDIUNIDADE NA UMBANDA", mais informações abaixo). Todo aquele que nasce num corpo sadio, traz consigo cinco sentidos sensoriais que chamamos de básicos: audição, visão, tato, olfato e paladar. É natural ao ser humano e muitas vezes não se dá tanta atenção sobre a complexidade que estes sensores apresentam, talvez porque estes são comuns a todos e são estimulados e vivenciados desde que nascemos. A criança Aos pais mais atentos, é possível perceber o processo de maturação destes sensores no indivíduo. A criança nasce com a visão muito turva que vai “clareando” ou “amadurecendo” num prazo de até seis meses, após este período é que a criança realmente enxerga o mundo a sua volta. O tato é mais sensível pela boca, por isso é que a criança até seus dois anos terá o hábito de levar tudo à boca, pois é a partir da sensibilidade oral que a criança percebe, diferencia e identifica texturas, formatos, consistências, bem como o paladar. O adulto Bem, para nós já adultos, andar e correr é algo “automático”, não precisamos de esforços e cálculos, entretanto observe uma criança no inicio da aprendizagem, há medo, calcula-se bem um ou dois passos, é preciso ter algumas certezas de segurança, algo a se apegar para não cair, dar três ou quatro passos, por algum período é um desafio incrível e a sensação de satisfação e superação ao atingir o objetivo que normalmente é sair do braço da mãe e andar quatro passos aos braços do pai é impagável. O assunto Toda esta introdução é para que possamos refletir sobre a mediunidade como mais um sentido sensorial que todos nascem, reservando suas particularidades e especificidades, a mediunidade está para todos e é um sensor como os acima citados, porém este “sexto sentido” vem à luz do indivíduo mais tardiamente, comumente na adolescência, sem regras, pode acontecer já na maturidade bem como em tenra infância. Já superamos o período histórico em que a mediunidade fora tratada como histeria, loucura ou possessão demoníaca. Quando a mediunidade se apresenta num meio familiar em que o ambiente é de espiritualistas, tudo será mais fácil, entretanto cabem algumas considerações em todas as circunstâncias. Vemos a mediunidade ser tratada ao longo dos tempos como um “dom supremo” coisa de gente “superdotada espiritualmente”, fantástico, seres superiores e coisa do tipo, há também aqueles que tratam a mediunidade como um castigo, uma penitência, um karma, uma dívida… CONTINUE LENDO EM http://rodrigoqueiroz.wordpress.com/2012/08/30/o-sexto-sentidosensorial-2/

Pagina 9


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

MEU DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO. Por Alexandre Cumino. Conheci a Umbanda em 1995. Ao visitar um terreiro, uma das primeiras coisas que ouvi de um preto velho foi: “você é cavalo meu filho”. De formação espírita, não entendi muito bem o que queria dizer esta afirmação e logo um cambone me explicou que a entidade estava dizendo que sou médium de incorporação. Meu coração bateu mais forte, não sabia no que implicava aquela afirmação, pensei que quisessem que eu ficasse para trabalhar ali naquele terreiro, na época bem longe de casa. Logo respondi que era espírita (kardecista), então ouvi a resposta de que poderia trabalhar em qualquer lugar com esta mediunidade. Foi uma mistura de emoções, pois aquele ambiente me fascinou e encantou: música, defumação, altar, ritual, símbolos, magia, incorporação e tudo realizado por uma gente muito simples. Eu queria aquilo para mim também, uma comunicação direta com a espiritualidade, contato com meus guias e mentores. Embora tivesse uma formação espirita, nunca víamos espíritos incorporados no espiritismo e sempre havia uma orientação para não chamar espíritos que era muito perigoso. O máximo que praticávamos em casa como kardecistas era o “Evangelho no Lar”. Mas agora eu desejava este contato direto, esta religiosidade mediúnica que combinava pretos velhos, caboclos, baianos, orixás, santos católicos, velas e etc. Alguns dias depois, já estava junto de um pequeno grupo dando início a um trabalho de Umbanda. Ninguém sabia nada de Umbanda, mas havia uma amiga que incorporava entidades de Umbanda e estas entidades sabiam o que estavam fazendo, assim comecei meu desenvolvimento mediúnico. Como boa parte dos médiuns, comecei a incorporar sem saber nada sobre Umbanda, passei a cambonar/auxiliar os guias espirituais e aprender com eles algo sobre a prática mediúnica umbandista. Mas continuava sem saber nada sobre a religião, nada sobre a combinação de tantos elementos em um mesmo contexto, não sabíamos nada sobre a Umbanda de fato, mas já começávamos um trabalho de atendimento mediúnico. No final daquele ano, conhecemos Rubens Saraceni, que viria a se tornar meu Pai Espiritual. Pedimos a ele que nos adotasse, pois não tínhamos ideia do que estávamos fazendo, sabíamos apenas que era muito bom receber caboclos, pretos velhos, crianças e outras entidades para dar passe e consulta. Com o Rubens, e por meio da literatura psicografada por ele, começamos a entender um pouco melhor a Religião de Umbanda e logo tudo começou a se harmonizar em nossas mentes, a mediunidade passou a fluir muito mais naturalmente. Com informação, passamos a ter muito mais segurança do que estávamos praticando. Já havia lido muitos livros de Umbanda, além da formação espírita, mas ainda ficava por entender tantas contradições na literatura Umbandista. Aos poucos passamos a ter contado com as informações da espiritualidade sobre a Umbanda num contexto mais amplo. Além dos trabalhos de terreiro, surgiu o primeiro Curso Livre de Teologia de Umbanda Sagrada, ministrado pelo amigo, irmão e agora meu Pai Espiritual, Rubens Saraceni. Comecei a compreender melhor tudo o que praticávamos no terreiro, o conhecimento passou a ser organizado e sistematizado para que, além de aprender, pudesse ensinar também. Surgiu o Curso de Sacerdócio de Umbanda Sagrada, no ano de 2000, no qual passei a fazer estudos práticos e mediúnicos, tive a oportunidade de trabalhar mediunicamente junto do Rubens e ser apresentado às manifestações dos 14 Orixás e muitas linhas de trabalho. O desenvolvimento mediúnico passou a ganhar outra forma e dedicação diferenciada, pois o que antes era realizado durante as sessões de atendimento, agora ganhava forma e método. Começou a ser idealizado o curso de desenvolvimento mediúnico, o Rubens passou a dar um modelo de Escola Mediúnica Umbandista, por meio do Colégio de Umbanda Sagrada Pai Benedito de Aruanda. Hoje temos muito mais informação, aplicamos uma metodologia teórica e prática, tanto no desenvolvimento mediúnico, quanto no sacerdócio de Umbanda. Fazemos o mesmo trabalho de terreiro, no entanto com muito mais propriedade e direcionamento. Pagina 10


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Hoje montamos grupos de desenvolvimento mediúnico e sacerdócio de Umbanda com o objetivo de auxiliar aqueles que receberam a mesma missão que cada um de nós, trabalhar mediunicamente na Umbanda... Agora em Setembro estamos começando novas turmas de Desenvolvimento Mediúnico e Sacerdócio de Umbanda no Colégio de Umbanda Sagrada Pena Branca, em São Paulo. Desenvolvimento para médiuns que já incorporam ou não (às quartas feiras à noite) e Sacerdócio para médiuns que já trabalham na Umbanda, que já incorporam e dão passe e consulta com seus guias (às quintas feiras à noite). COLÉGIO DE UMBANDA SAGRADA CABOCLO PENA BRANCA. Tel.: (11) 5072-2112 / 3441-9637 Próximo ao metrô saúde – SP. E-mail: alexandrecumino@uol.com.br

ADMITEM-SE MÉDIUNS DE UMBANDA. NÃO PRECISA TER EXPERIÊNCIA. Por Pai Caio de Ogum. Requisitos necessários:  Vestir-se de branco no corpo e na alma.  Colocar os pés no chão entendendo a força do solo.  Amar Olorum sobre todas as coisas.  Acreditar e louvar Orixá como energia suprema.  Cantar, cantar e cantar para as forças da Umbanda.  Enxergar o terreiro como um templo de luz, paz e caridade.  Louvar suas guias como a Olorum.  Deixar do lado de fora do templo a angústia, tristeza, desafeto, ódio e principalmente fraqueza.  Ter prazer, alegria e dignidade de ser Umbandista.  Respeitar os Guias como mestres de ensinamentos.  Agradecer mais do que pedir.  Viver Umbanda em vossos atos seja no templo ou fora dele.  Confiar em vossos guias mesmo sem ainda conhecê-los.  Concentrar-se no congá de vossa Tenda, pois ele é a sua luz, sua energia e seu momento sublime. Interessados, deverão comparecer nos devidos locais a seguir para entrevista:  Estrada da vida sem número: procurar por Ogum.  Pedreira do monte santo sem número: procurar por Xangô.  Oceano das águas sagradas sem número: procurar por Iemanjá.  Bambuzal da coroa maior sem número: procurar por Iansã.  Reino da mata real sem número: procurar por Oxóssi.  Cachoeira do amor eterno sem número: procurar por Oxum.  Praça da divina alegria sem número: procurar por Cosme e Damião.  Calunga da divina saúde sem número: procurar por Obaluaiê.  Estrada da sagrada evolução sem número: procurar por Nanã.  Horizonte da luz maior sem número: procurar por Oxalá. Ao comparecerem nos locais descritos, favor, saudar as porteiras de segurança, pedindo licença aos Senhores Exus, Pomba Giras e Exus Mirins. Não se esqueçam de portarem os seguintes documentos:  RG: Rogar ao Grande Mestre Olorum.  CPF: Compreensão, Paz, Fraternidade.  Comprovante de residência: Endereço de vosso coração. Pai Caio de Ogum inspirado pelo Caboclo Pena Vermelha da Tenda de Umbanda Ogum de Ronda, Santa Bárbara Guerreira e Caboclo Pena Vermelha. Texto enviado por Laura Aragutti E-mail: enfaragutti@hotmail.com

Pagina 11


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

UMA CONVERSA SOBRE O AMOR Por André G. dos Santos. Em uma noite dessas, enquanto participava dos sete dias de conexão com Mamãe Oxum, me vi em um desdobramento astral durante a madrugada. Quando tomei consciência estava diante de uma bela preta velha de olhar sereno e amoroso. - Boa noite fio – cumprimentou-me. - Boa noite vovó. - Trabalho bonito esse que estão fazendo para Mamãe Oxum – comentou e continuou – Pena que nós não conseguimos entender a dimensão desse Amor Divino! Percebendo meu silêncio e reflexão continuou: Já começa que não entendemos que o principal amor é o amor próprio. Passamos a vida toda tentando amar o que está fora de si, quando o principal, amar a si próprio, não fazemos. Culpamo-nos, nos punimos e, quase sempre, deixamos de fazer as coisas para nós mesmo para fazer pelos outros. E esse é só um dos amores! Tem o amor à família, que desprezamos, maltratamos, ficamos ausentes... Tem o amor ao próximo... Ah, o amor ao próximo... Como somos hipócritas, só amamos o próximo até não ter que arregaçar as mangas e ajudara-los – falou isso soltando um belo riso. Tem o amor dos namorados, noivos e casais... Tão confuso isso hoje em dia, amores separados pelos interesses próprios, cada um tem suas coisas, tudo tem contrato, não se respeitam, o carinho fica para depois do acerto dos bens. Falta respeito, carinho, reciprocidade. Claro que estou generalizando, mas fio, daqui o que mais temos visto hoje é isto! Lagrimas começaram a correr dos meus olhos e ela me abraçou confortando... Ela sabia o porquê das lágrimas, mas não disse nada, apenas abraçou-me. Apenas continuou baixinho... E tem o amor da fé... Esse o povo brasileiro conhece bem, mas só o usa com fervor quando está precisando, quando a dificuldade bate a porta, quando alguém está doente. Não se lembram do agradecimento diário por tudo o que são e recebem de Deus. Afastou-me um pouco e olhou meus olhos – E eu perguntei: E qual é ou quais são os mais importantes? Ela deu um sorriso e respondeu: Todos eles são importantes igualmente. Cada um é parte de um belo quebra-cabeça onde, quando um falta, fica incompleto – e continuou – É preciso pensar, viver, sentir, doar-se, sorrir, agradecer, empenhar-se em todos eles. Só assim teremos uma vida plena e feliz. E se não fizermos isso, não estaremos cumprindo nossa maior missão em vida: Ser feliz e fazer feliz. – E despediu-se Fique com Deus, fio amado, que Mamãe Oxum lhe abençoe e que você sempre se lembre... Cometemos erros, mas nunca é tarde para concerta-los. Salve toda a linha dos Pretos-velhos e Pretas-velhas. Ora yê yê ô Mamãe Oxum! Sacerdote André Santos. E-mail: andre.gsantos@setecaminhos.com.br

UMBANDA, A MINHA RELIGIÃO! Por Pri Toledo. Conheci a minha religião, por ser uma pessoa que precisava de ajuda. Não fui atrás, vivendo em uma família ex espírita e atualmente católica, fiquei anos ouvindo ”reze e peça para passar, melhorar.”. Mas mesmo rezando, nunca passava! Em 2010, um casal de amigos nos mostrou que o que acontecia comigo, podia ter um fim rápido, com uma ajuda espiritual. E assim foi! Desde então fiquei muito agradecida, e senti dentro do meu peito, que ali era o meu lugar. Comecei a frequentar, tomar passes e cada vez mais me interessar, ler, aprender a teologia, estudar. A espiritualidade me chamava! Pagina 12


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Certo dia eu e meu marido decidimos vestir o branco, mas não por vaidade, e sim para erguer uma bandeira, fizemos uma escolha, foi uma grande decisão, para a nossa evolução! Entrar para um grupo de irmãos e ajudar o próximo sendo ele quem for aceitando e permitindo ampliar nossas percepções para além dos nossos cinco sentidos, descobrir e obter conhecimentos que outrora não pertenciam a este plano e estar sempre se policiando para não se deixar cegar pela vaidade ou pelo mal? É realmente um grande passo, a se dar, para nós que temos filhos pequenos, foi uma grande transformação! Acredito que muitos outros casais, com muitos mais filhos tenham tomado essa iniciativa, portanto costumo dizer que somos pequenas “formiguinhas” que estão apenas cumprindo com as suas obrigações de cristãos. Mas sabemos que para ser um “Aprendiz dos Guias” um médium e estar sempre no caminho da luz, do amor e da bondade é necessário, se vigiar, se cuidar, cuidar dos seus, abdicar de noitadas, bebidas, e coisas que podem trazer males a saúde e a vida espiritual, tentando sempre estar em equilíbrio e em contato com o nosso Anjo Guardião, O Criador e Nossos Mentores. Muitas pessoas dizem que você não precisa seguir uma religião para ser feliz, ou ter fé. Eu até concordo, pois a fé esta dentro de cada um, nós despertamos ela, e se ela é forte dentro de você, ela irá te guiar sempre para o melhor caminho. Mas é necessário ter disciplina, se doar, se regrar. E isso é difícil se conseguir sozinho, principalmente por levarmos uma vida terrena, muito corrida, muito material, muito cansativa. Costumo dizer que a religião é o combustível que nos leva ao criador. Por isso existe muitas, cada um escolhe aquela que lhe parece ser coerente com o que pensa, que lhe serve, lhe faz feliz. E, claro, isso precisa ser respeitado, certo? Quando você decide ter uma filosofia de vida ou entrar para uma casa, uma igreja, um templo, um terreiro, qualquer que seja o caminho, você tem que estar certo de que a sua escolha irá afetar todos a sua volta. Primeiro porque quando você ama algo, que lhe faz bem, que o transforma, o muda para melhor, você quer propagar, você quer mostrar e tentar ajudar a todos. Porém você terá que se preparar e saber que poderá sofrer com “pré-conceitos” até mesmo da sua família e amigos. Afinal não podemos ter a pretensão, de que agradaremos a todos. “No trabalho mediúnico, por meio dos Guias Iluminados, além de sermos beneficiados, ajudamos pessoas que nem mesmo conhecemos, pois isso é caridade. Mas algumas vezes não conseguimos ajudar os nossos próprios familiares, e por muitas vezes não somos aceitos e reconhecidos.” Isso entristece, e muitas vezes quando visitamos parentes, amigos que nos agridem com palavras, sem que saibam, saímos de suas casas fazendo uma boa “limpeza astral”, pois é o nosso dever como espíritas, ajudar até involuntariamente. Eu mesma, muitas vezes ouço de pessoas que convivem comigo, “rezo para você sair dessa fase ruim, parar de frequentar esses lugares pesados”. “Peça só a Deus e não para espíritos que vagam”; “Você não tem medo de ficar levando seus filhos nesses lugares, que doida”. Mas é preciso levantar a cabeça e seguir em frente! A minha religião é a Umbanda e ela me da força para enfrentar isso, e muitas outras coisas! Como todo ser humano, também temos que lutar contra os nossos próprios defeitos! Para mim ela é o caminho celestial divino, que exige de seus filhos, concentração, presença, muito comprometimento, equilíbrio, disciplina, que nos faz enxergar como verdadeiramente somos, como também nos mostra como o outro é verdadeiramente. Doa a quem doer, é necessário aceitar, e ajudar! Nos mostra onde temos que melhorar e como podemos fazer isso, para assim ser um “meio” de ajuda a muitos outros irmãos! As pessoas muitas vezes falam mal do espiritismo por terem vivenciado algo ruim, e acharem que o que você vive é igual, ou por não conhecerem mesmo e terem medo. Lembre-se a sua vivencia jamais será igual a minha, para cada um o aprendizado será diferente! Muitos não têm o conhecimento, e também não fazem questão de tê-lo, e falam o que “acham que é”. Atitudes, opiniões, pensamentos prontos, que não podemos mudar. Podemos sim, pedir, orar por essa pessoa que nos ataca. Afinal tudo é merecimento nesta vida, não cheguei até aqui sem antes pensar muito e ter que aceitar minha missão. Pagina 13


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Quando você obtém o conhecimento, você sabe que não se pode voltar atrás e que tudo tem a sua hora! E isso porque estou só começando, ainda tenho muito que aprender! Penso que no caminho da fé, da espiritualidade, da doação para com o próximo, da compaixão, da solidariedade, somos sempre testados, e claro que isso poderia vir também de quem mais amamos! Ninguém me disse que seria fácil, sei que é um caminho árduo, com alguns espinhos, muitas dúvidas, descobertas e experiências marcantes, mas ao mesmo tempo cheio de luz, proteção, de amor, de fé, de esperança, ensinamentos, de provações sim, mas de muitas bênçãos! Na abertura da gira, quando ponho minhas contas no pescoço e peço que meu pai Oxalá me faça de instrumento para ajudar meu próximo, ou no final de um dia cansativo, quando elevamos nossos pensamentos, ajoelhamos e oramos ao Congá, percebo e sinto que estou no caminho certo, que tudo o que passei antes, foi apenas uma preparação. Quando minha filha fala que o “Vovô Santinho” está sempre a protegendo e tudo ao redor se torna pequeno, diante de uma criança te mostrando o que você não pode ver, mas pode agradecer. A fé, os ensinamentos passados pelos guias, e a força de uma simples chama acesa, isso é a Umbanda! Saravá! Que todos possamos levar a bandeira do bem, adiante, seja a sua bandeira qual for! Mesmo com muitos obstáculos a frente, nunca desista! Por Priscilla Toledo www.pritoledo.com

PSICOGRAFIAS E MENSAGENS MENSAGENS DOS GUIAS. Enviadas por Hellen Costa

1ª MENSAGEM DO CABOCLO AYMORÉ. A Renovação Saravá, Filhos de Fé! Não importa a religião ou a crença pessoal quando o importante é saber que a renovação dos hábitos deve acontecer "de dentro para fora". O íntimo de cada filho possui vícios adquiridos ao longo das existências e acumula máculas que precisam ser diluídas e desagregadas para que possam prosseguir com suas evoluções. Quando isto acontece há uma verdadeira explosão multicolorida do arco-íris sagrado do Divino Pai Oxumaré. É este Pai Divino que atua por meio de ondas agregadoras e desagregadoras para auxílio de cada um dos irmãos encarnados, desagregando os desequilíbrios e agregando fatores de ordem positiva em suas vidas. Quando sentirem que algo os aflige, em especial problemas relacionados a sentimentos de agonia, paixões, ciúmes, tristezas, se projetem mentalmente para uma cachoeira e, sentados próximos à queda d´água, sintam-se banhados pelas sete cores do Sagrado Arco-Íris do Divino Pai Oxumaré. Ou ainda melhor, prepare a ele uma oferenda e leve ao seu ponto de forças, que é a cachoeira, e disponha os elementos oferendados próximos à queda d´água. Esta oferenda pode incluir flores multicoloridas, mel, vinho licoroso, frutas e fitas nas sete cores do arco-íris. Tenha certeza que o nosso amado Pai Oxumaré irá auxiliá-los dentro da necessidade e do merecimento de cada um. Arroboboi, Sagrado Pai Oxumaré! Que vossa Serpente do Arco-Íris atue em cada irmão, propiciando a renovação em vossos íntimos e em vossas caminhadas através do seu Sagrado Mistério! Aqui me despeço, deixando a todos os irmãos votos de Luz, Paz e Renovação Espiritual e Energética.

Pagina 14


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

2ª MENSAGEM DO SR. EXU MARÉ Caros Irmãos de Fé, A passagem pela superfície da crosta é tão breve quanto um piscar de olhos. É um tempo muito curto se comparado aos milênios necessários para galgar degraus mais elevados na escala evolucionista. Este tempo precioso tem sido frequentemente desperdiçado em atos avessos à Lei do Pai Maior. Tais atos inconsequentes incluem a inveja, a fofoca e a violência de toda a espécie. Então, porque não aproveitar este breve (e importante) estado para aprender a andar para frente? A encarnação é uma dádiva... ela pode acelerar demasias a evolução espiritual... Muitos irmãos se queixam sobre o porquê de suas atuais situações sem ao menos refletir um pouco que seja sobre o seu passado (ou pior, presente ainda). Sem o PERDÃO nossas amarras continuam bem presas. Assim é a Lei e assim sempre será. Algumas coisas são imutáveis. Mas o seu íntimo, irmão, este sim, pode e deve ser transmutado o quanto antes. Aproxima-se a passos largos a época em que o joio será separado do trigo. Nós, Guardiões, estaremos aqui para fazer com que se cumpra a Lei Maior e a Justiça Divina. E você, amigo? O que vai fazer? Sentar-se e lamentar-se? Ou irá ―arregaçar as mangas‖ para que possamos engrossar o nosso exército do Pai? Atentem-se: nem tudo o que parece realmente o é. Com a sensação de mais uma missão cumprida, despeço-me. Exu Maré. E-mail: hellenmcosta@yahoo.com.br www.espacoumbandista.blogspot.com.br

MENSAGEM DO CACIQUE PENA VERDE. Enviado por Ronaldo Figueira Preste atenção! O silencio te afoga em um mar de lágrimas cuja receita não se encontra. Os motivos das causas presentes aparentemente sem razão de ser se encontram nas causas passadas de um tempo distante. Não se pode reduzir a existência a uma simples jornada terrestre quando o espírito é um aventureiro de muitas jornadas. Siga em frente caminhando com passos de vencedor. O Senhor não desampara a ninguém, mas vocês a Ele se negam nos momentos de dúvida e angústia. Na hora da aflição, lembre-se de que ninguém nunca está sozinho. A luz de um congá os ilumina e vos guiam nos rumos da evolução espiritual. Motivos para chorar todos têm. Motivos para sorrir, também. Então faça a sua escolha e lembre-se de que tu és responsável pelas escolhas que faz. Cacique Pena Verde E-mail: paraoronaldo@hotmail.com

AS SETE GRANDES VIRTUDES. Por Carla Guedes. As grandes virtudes que existem estão em um número de sete. A primeira que menciono é a Fé. Aquela que está em todos nós, nos movendo em direção a tudo. Não importa se ela está se manifestando religiosamente em nós, ou não. O que importa é que todos nós estamos nos unindo por motivos em comum. E no final, veremos que estes vários motivos serão essencialmente um. A segunda grande virtude é o Amor. Muitas vezes deturpado, e tendo sua real essência incompreendida. O Amor é Divino, portanto se manifesta de várias formas, pois há de estar em tudo o que existe. Porém o Ser Humano insiste em enxergar o Amor entre o homem e a mulher como o mais sublime de todos. Quando sublime é ele próprio em sua essência. A terceira e muito em falta é o Conhecimento. Perceba que sem esta grande virtude, ficamos estagnados no tempo, limitados pela ignorância. O Ser Humano precisa expandir a sua Pagina 15


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

mente, e isto se faz através do Conhecimento, pois só ele derruba os altos e resistentes muros da ignorância. O Conhecimento vai além do que nós imaginamos, ele desperta a consciência evolutiva do Ser. Por isso só deve ser usado de forma positiva. Quando se usa de um Conhecimento de forma negativa, você volta à estagnação de uma forma muito mais intensa, pois foi você mesmo quem reconstruiu os muros da ignorância à sua volta. Chegamos à quarta virtude, a Justiça. O equilíbrio fundamental que nos permitirá que percebamos as exacerbações ou a carência de algo. Para que optemos e aceitemos o caminho justo para o qual fomos direcionados pela Justiça Divina. Não devemos esquecer que para andar em uma linha reta sem cair, o equilíbrio é algo imprescindível. Vos falo agora sobre a Lei, a quinta virtude. A virtude contrária ao caos. Aquela que ordena a tudo e a todos. A Lei terrena, a Lei do homem, não pode ser esquecida. Porém somente quando o homem for capaz de cumprir as Leis terrenas, será capaz de compreender as Leis Divinas. E somente as compreendendo, é que decidirá traçar o seu caminho conforme as mesmas. Fomos conduzidos então, à Evolução, a sexta virtude. Aquela que todos nós buscamos, porém não chegamos até ela se não conhecermos as outras cinco. Transmutar, acima de tudo, isto é evolução. E o transmutar deve ser contínuo, a todo o momento. Transmutar para o positivo, esse é o objetivo final de todos. Chegaremos todos à Evolução consciencial, quando formos capazes de encontrar Deus, o Divino em tudo o que há na criação, principalmente em nosso interior. Por fim, a última virtude, a Geração. A vida, que é o nosso bem maior, concedido por Deus, nosso Pai Criador. Fomos todos dotados de criatividade, para que sejamos capazes de gerar a todo o momento as essências de Deus, e semeá-las pelo mundo. Reflitam acerca das sete virtudes, tragam-nas para o vosso interior. E então, com o tempo, irá se cristalizar a sabedoria consumidora da ignorância, que irá direcioná-los para de volta para os braços do Pai. Mensagem enviada pela Cigana Sete Saias. Psicografada por Carla Guedes. E-mail: carlitcha_vell@hotmail.com

MENSAGEM DA PRETA VELHA VÓ BALBINA DE ANGOLA. Por Juliana Velico. Durante uma gira de Pretos-Velhos, um dos médiuns do terreiro pediu para Vó Balbina por paz em sua vida, a avozinha com seu jeito simples perguntou: – Filho o que é paz pra você? O médium respondeu: – Paz vó, seria ninguém ficar falando da minha vida, é eu conseguir fazer minhas coisas, ter menos encrencas em minha vida, etc.. E a avozinha então disse: – Filho, essa nega sente em lhe informar que nesse caso, você nunca terá paz nessa vida, mas essa nega tem umas palavras a dizer pra vos mecê que poderá lhe ajudar... Filho nessa vida terrena, vós que estão encarnados sempre terão algum empecilho, problema, negatividade contra os quais terão que lutar; sempre vão existir aqueles que vão desejar o mal a vos mecês, aqueles que fofocarão às suas costas, estejam eles encarnados ou desencarnados. Nessa vida, filho meu, sempre haverá situações onde desculpas terão que ser pedidas e perdão terá que ser dado, amores e amigos que virão e irão, labutas diárias para garantir o sustento de sua família, dissabores com amigos e familiares, decepções internas e externas do teu ser, meio e convívio. Diga-me então meu filho, como é que vos mecês conseguirão a tão desejada paz, se todas essas situações e muitas outras, são vivenciadas por vós diariamente nessa terra? Pois lhe digo filho qual o caminho que haverá seguir. O caminho do conhecimento e reforma íntima, pois a verdadeira paz habita dentro de vós e é aí que terá de procura-la e senti-la. Um exemplo que lhe dou: no fim do dia após uma jornada de trabalho árdua ao invés de reclamar sobre os problemas enfrentados, agradecer por ter Pagina 16


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

conseguido o sustento para tua mesa. Ao se sentir sozinho, não deixe que a tristeza faça morada em teu coração, mas lembre-se de que Pai Olorum nunca abandona seus filhos e que a espiritualidade sempre estará presente em vossa vida, cumpra sua missão na mediunidade com amor e dedicação e no final dos trabalhos religiosos terá aquela satisfação de missão cumprida e caridade feita, ajudando teus irmãos necessitados por intermédio de vossos guias. Lembre-se filho, do Sexto Trono Divino - a Evolução, vos mecê está aqui nessa terra, assim como nós que estamos cá no mundo espiritual; em contínua caminhada evolucionista rumo ao nosso Divino Criador Olorum. Vos mecê é filho dos Orixás, vos mecê é filho de Umbanda, sua missão já foi escrita pelo Senhor do Destino e Destinação e cabe somente a vos mecê decidir como irá cumpri-la: em paz ou caindo em desiquilíbrios e conflitos. Pense nisso! Essa nega já falou o que precisava e espera que tenha conseguido ajudar a vós. Peço a Pai Olorum que lhe abençoe sempre e que nosso Pai Obaluaiê e Mãe Nanã Buruquê lhe amparem em vossa evolução, que sua caminhada seja feita em paz!

RELATO DE UM MEDIUM PSICÓGRAFO UMBANDISTA. Por Renato Figueira. Meus irmãos, eu gostaria de fazer um relato referente a uma experiência na intenção de ajudar a todos que se encontram no mesmo caminho. Em dado momento de minha vida, muito após ter desenvolvido minha mediunidade de incorporação, por circunstâncias da vida, senti a necessidade de desenvolver outro dom; a psicografia. Procurei ajuda nos livros, na internet, em outras pessoas, mas não consegui encontrar nada que me estimulasse. Pelo contrário, encontrei muitas tentativas de me desanimar, mesmo antes de começar. Ouvia dizer que a psicografia é muito perigosa, e assim sendo, não poderia ser feita dentro de casa. Deveria fazer somente no centro espírita. Entretanto, sou da Umbanda, e, nos templos umbandistas não há sessões de desenvolvimento de psicógrafos. Alguns sabichões no assunto dizem que se você não procurar uma “casa séria”, poderá ser vítima de obsessores. Na realidade, muitos desses sabichões nunca pegaram na caneta. Apenas estudam. Falando sobre estudar, busquei na doutrina de Allan Kardec (O Livro dos Médiuns) conhecimentos sobre o assunto. Para minha surpresa, não havia nenhuma restrição quanto ao fato de desenvolver-se sozinho. E comecei a treinar! Fui começando aos poucos. Assim como prescreve o Livro dos Médiuns, procurei um lugar tranquilo de minha casa, em um horário adequado, de modo a ter certeza que não seria interrompido. Assim sucederam minhas primeiras experiências de psicografia. No início, a letra era muito ruim, ilegível. Mas aos poucos foi mudando. A princípio, não sentia nada. Algum tempo depois, passei a sentir uma palpitação somada a uma força que corria em meu corpo como uma corrente elétrica. Senti impulso nas mãos. Em um primeiro momento, esse impulso não era suficiente para escrever com clareza. Dividi meus treinos em duas partes: psicografia mecânica e intuitiva. Mecanicamente, a letra era muito ruim. Então dei maior ênfase à psicografia intuitiva, pois passei a ser fortemente intuído. Sentia que existia um pensamento diferente do meu ditando ideias para mim. O começo foi de muitas dúvidas, pois não sabia se era eu mesmo que, involuntariamente, estaria escrevendo, ou, se, de fato, havia a interferência de outra inteligência sobre mim. Essas dúvidas demoraram a ser sanadas. Mas procurei investigar todas as informações que eram a mim transmitidas. Alguns dados não eram de meu conhecimento, como nomes de Pagina 17


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

localidades situadas em outros países, ou também, passagens bíblicas com os capítulos e versículos ditados corretamente. Claro que demorei a chegar nesse ponto. No princípio, a mensagens eram ditadas vinham de irmãos sofredores. Os espíritos evoluídos são muito sutis. Nossos irmãos, espiritualmente, mais atrasados têm pensamentos mais densos, portanto, mais perceptíveis. Após isso, vieram poemas, orações, mensagens salutares. E, recentemente, pude ter a honra de participar de um lindo trabalho elaborado pelos guias espirituais. Psicografei um livro de autoria de meu caboclo, que será lançado brevemente por uma grande editora. Atualmente, continuo recebendo mensagens de guias da Umbanda e de outros também. Pois bem, minha intenção com esse artigo é estimular e incentivar os irmãos a desenvolverem esse dom que lhes trarão muitas alegrias. Claro que não são todos os médiuns que possuem essa percepção, mas muitos que estão se sentindo tocados, atendam ao chamado. Vossos guias precisam de vocês! Não deem ouvidos àqueles que tentarem desestimulá-los. Escolham a hora e o local adequado. Peguem um papel e caneta e pratiquem diariamente. Deixe a ponta o lápis/ caneta sobre o papel. Caso sinta alguma coisa na sua intuição, escreva-a! Escreva a primeira palavra que vier em sua cabeça. Claro que alguns cuidados de praxe devem ser tomados. Faça uma oração, rogando a Deus que lhe permita desenvolver esse dom e lhe abençoe para o treino do dia. Eu, particularmente, peço a proteção de meu pai Ogum e solicito a presença de meu exu (Fera em Fogo) para segurar minha porteira. Faço uma oração, rogando aos espíritos que se manifestem, com ou sem luz, aqueles que vierem em nome de Deus, sejam bem vindos. Vocês irão perceber que os primeiros espíritos a aparecer serão irmãos espiritualmente desafortunados. Mas não se preocupem, pois os guias estarão coordenando os trabalhos. Quero encerrar dizendo que coloco meu e-mail à disposição para trocarmos ideias e relatos, pois sou novo no assunto também. Mas tenham fé em Oxalá. Nossa Umbanda precisa expandir a mensagem que vem da Aruanda. Para isso precisamos de guerreiros que se alistem nesse novo exército que surge dentro de nossa religião. E-mail: paraoronaldo@hotmail.com

Pagina 18


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

NOTICIAS E OUTROS NOTICIA RELEVANTE!

OXUM, PADROEIRA DE PORTO ALEGRE E OGUM, PADROEIRO DO RIO GRANDE DO SUL! Vimos por meio de este jornal virtual transmitir uma noticia importante sobre nossa sagrada Umbanda, que, conforme a reunião realizada no dia 20 de outubro, às 10h da manhã, na cidade de Esteio/RS, junto às principais associações e federações de Umbanda do Estado do Rio Grande do Sul, que compõem a CONFURBRÁS - Conselho Superior de Umbanda e das Religiões Afro-brasileiras do Estado do Rio Grande do Sul, ficou definido, de forma unânime, que o Orixá Oxum passa a ser padroeira de Porto Alegre e o Orixá Ogum, patrono do Estado do Rio Grande do Sul. Ambos os projetos serão encaminhados, respectivamente, à Câmara de Vereadores de Porto Alegre e à Assembleia Legislativa do Estado. Desde já agradecemos a vossa atenção, pedindo que se possível noticiar estas conquistas em nome dos umbandistas do Estado do Rio Grande do Sul. Babalorixá Saul de Ogum. Presidente da CONFURBRÁS E-mail: sauldogum@gmail.com

DIA DE IEMANJÁ É OFICIALIZADO.

LEI Nº 14.893, DE 29 DE OUTUBRO DE 2012. (Projeto de lei nº 1154/11, da Deputada Leci Brandão - PC do B). Institui o “Dia de Iemanjá” O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Artigo 1º - Fica instituído o “Dia de Iemanjá”, a ser comemorado, anualmente, em 2 de fevereiro, passando essa data a integrar o Calendário Oficial do Estado. Parágrafo único - vetado. Artigo 2º - vetado. Artigo 3º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.. Palácio dos Bandeirantes, 29 de outubro de 2012 GERALDO ALCKMIN Eloisa de Sousa Arruda Secretária da Justiça e da Defesa da Cidadania Sidney Estanislau Beraldo Secretário-Chefe da Casa Civil Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa, aos 29 de outubro de 2012. Enviado por Jose Carlos Sampaio E-mail: josesampaio@PREFEITURA.SP.GOV.BR

Pagina 19


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

PROGRAMA: CONSCIÊNCIA PRÓSPERA O programa Consciência Próspera vem com a proposta de desenvolver pensamentos (ideias), sentimentos (vibrações) e ações (comportamentos, hábitos, atitudes) direcionadas ao reconhecimento da Consciência Divina como sendo a Fonte de todo suprimento, prosperidade, abundância e riquezas mentais, emocionais, financeiras, materiais e espirituais. Com participação de convidados especiais, especialistas nas diversas áreas do desenvolvimento humano, sempre compartilhando suas experiências de sucesso: Físico, Mental, Financeiro, Emocional e Espiritual. É um espaço de tempo, de aprendizado e interação dedicado a você, web-telespectador. Que quer desenvolver um novo sentimento de possibilidade, libertando crenças limitadoras e praticando novas formas de percepção e realização pessoal. “Todos os dias, sob todos os pontos de vista, cada vez melhor!” Para conhecer o formato do programa acesse o Canal “Consciência Próspera” no YouTube: http://www.youtube.com/user/ConscienciaProspera/videos AGRADECIMENTO! Enviado por maurimauro29@gmail.com Boa tarde a todos do corpo editorial do jornal nacional da umbanda Meu nome é Mauri e escrevo a vocês com grande emoção e lagrimas nos olhos pela grande obra que fazem em nome do bem maior. Eu descobri que sou medium ha muito pouco tempo, porem, ao frequentar algumas casas descobri que meu lugar é na Umbanda, mas em nenhum lugar encontrei tal mensagem. O que vocês fazem é algo divino, com fundamento e proporções talvez inimagináveis a uma consciência terrena. Eu descobri vocês ha dias e desde então tenho vivido experiências que achei nunca viver e nem sequer existirem. De alguma forma tudo que vocês fazem parece me trazer paz e luz e traduzir algo que penso que já estava em mim ou ensinar de uma forma tão divina que comprime isso em meu espirito e me enche de uma emoção tão desconhecida, que me fez querer viver pela Umbanda, que através desse jornal descobri ser paz amor e caridade, algo que vocês deixam explicito, mas que, de nenhuma forma pareça ser de forma forçada. Acredito que esta é a origem de um trabalho q derrubara barreiras no futuro e ira revolucionar o mundo no amanha, pois mesmo a maior das arvores, em seu berço é apenas uma muda. Eu tenho 20 anos e anseio pelo dia em que conhecerei vocês e o mestre Rubens, não para idolatra-lo, mas sim para agradecer a vocês, ao astral e aos orixás por tal ensinamento e dedicação ao próximo encarnado ou não, pois essa é a nossa diferença. Pois descobri que a umbanda, que o caboclo das 7encruzilhadas fundou com alicerce nas palavras de que com os mais sábios aprenderemos aos menos evoluídos ajudaremos, mas a nenhum renegaremos existi e como numa corrente luminosa vibrante toca a todos sem nenhuma distinção. Com vocês descobri que existe uma obra divina sendo feita com humildade e caridade nas palavras do Mestre Jesus ―vinde a mim todos os que estão cansados e oprimidos que eu vos aliviarei‖. E foi dessa forma que me senti ao ler uma pagina da internet, deus realmente é onipotente e misterioso em sua natureza e usando os orixás e vocês fez isso comigo não restam mais palavras pra agradecê-los só me resta a emoção da descoberta da verdade em seu sentido e principio mais puro....luz...paz. Espero um dia aprender ao lado de vocês e quem sabe caminhar com vocês ganhando pais mães e irmãos espirituais e carnais Um abraço de um irmão emocionado em seu agradecimento.....muito obrigado. E-mail: maurimauro29@gmail.com

Pagina 20


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

EVENTOS 2º ENCONTRO AMIGOS DA APEU - CURIMBA, ENERGIA E ARTE. Por Sandro Mattos No dia 21 de outubro aconteceu, no Teatro Décio de Almeida Prado, situado nas dependências do CEU Aricanduva, na zona leste da cidade de São Paulo, o 2º ENCONTRO AMIGOS DA APEU, que teve como tema deste ano: CURIMBA, ENERGIA E ARTE, demonstrando para a sociedade, a beleza e a importância da musicalidade dentro da religião umbandista. O Mestre de Cerimônia, Pai Silvio Mattos, conduziu o evento com grande maestria e muita espontaneidade, deixando a plateia à vontade, como se estivesse verdadeiramente em casa. Antes da abertura do evento, um lindo vídeo mostrou fotos de membros da APEU com seus diversos amigos e companheiros de jornada na senda religiosa, deixando claro que esta é uma instituição aberta a todos e que tem um rol de amizades bastante significativo, independente do segmento ao quais estes irmãos pertencem. Como no encontro de 2011, já no cadastramento, vários representantes da sociedade umbandista foram agraciados com uma medalha com o dístico da APEU. O palco, ornamentado com tambores de diversos tipos e tamanhos, chamou a atenção do público, tão logo as cortinas se abriram para que fosse entoado o Hino da Umbanda pela Curimba da APEU. As apresentações deste ano foram bem diversificadas, o que foi muito gratificante não só para os organizadores, como, principalmente, para aqueles que estavam presentes como expectadores. Num misto de cânticos, toques, danças, mensagens e transmissão de ensinamentos, o que se viu e ouviu foi mesmo muito especial. Ordem das apresentações: - Escola de Curimba Razão para Viver (Mestre Pedro) - Templo de Umbanda Cabocla de Iansã (Pai Renato e Mãe Jacira) - Grupo Filhos do Cacique - Cia de Dança Alegria Cigana - Curimba da APEU - Pai Juruá (Templo da Estrela Azul) - Sandro Bernardes - Luci Rosa - Mestre Obashanan (Willian de Ayrá) - TUFO (Yá Sandra de Oxum) - Povo de Fé, Música Afro Brasil - Grupo Filhos do Axé - Cia de Cultura Popular Lelê de Oyá (Maracatu) Além dos representantes de cada uma das apresentações convidadas, também foram agraciados com troféus, por sua importância dentro da religião: - Ogã Juvenal (diretor da SOUESP e da União de Tendas de Umbanda e Candomblé do Estado de SP) - Dra. Juliana Ogawa (representando a OAB/SP) Pagina 21


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

- Pai Antônio de Oxalá (Oxalá Ilê Capiatá Paraguay) - Armando Ferrazzi (Jornal Umbanda Brasil) Sendo um evento da música religiosa, a APEU não poderia deixar de premiar as webs rádios presente, que vêm fazendo um belo trabalho de divulgação da nossa fé: - Eduardo Silva (Rádio Vinha de Luz) - Rogério Xoroquê (Rádio Umbanda Popular Brasileira) Como não poderia deixar de ser, não deixaram de destacar a importância da Web Rádio Raízes de Umbanda de Sandro Mattos (Alabê e diretor da APEU). No meio do evento, outro vídeo foi apresentado; este com uma retrospectiva de fotos do 1º Encontro, realizado no ano passado. Sem dúvida esta foi uma tarde especial, onde todos os filhos da APEU puderam sentir de perto, a amizade e a sinceridade dos que lá estiveram e que, por várias vezes, manifestaram a importância de seu trabalho, que visa, não só o crescimento espiritual, como a união dos seus irmãos de fé. A Diretoria da APEU agradece a todos que se fizeram presentes, sem esquecer-se daqueles que colaboraram para a realização deste evento, destacando, além dos seus membros: Prefeitura do Município de São Paulo Ayom Records CEU Aricanduva Mano Ritto - Grupo Daya Imagens Bahia Borges e Sá Advogados Casa de Velas Santa Rita Rádio Raízes de Umbanda Ateliê Aruanda Grupo Crianças de Aruanda (APEU) RAS Eventos Vereador Quito Formiga Conchitas Roupas Ciganas Diretora de eventos: Telma Brito Ilê Asé Yá-Ogum Direção geral: Sandro Mattos Texto de Ogã Sandro Mattos. Site: www.apeu.rg.com.br

Pagina 22


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

VISITA PAI CLAUDIO E PAI BERNARDO (ATUPO – PORTUGAL) EM VISITA AO COLÉGIO DE UMBANDA O colégio de Umbanda sagrada Pai Benedito de Aruanda recebeu no último dia 10 a visita do Pai Claudio e Pai Bernardo, dirigentes da ATUPO – Associação Templo de Umbanda Pai Oxalá – Localizado na cidade de Braga em Portugal. A visita aconteceu durante a gira de iniciação dos alunos do curso de sacerdócio, que ficaram muito felizes com a visita dos ilustres irmãos umbandistas de Portugal. Inclusive durante as incorporações de Ogum e dos caboclos as entidades do Pai Claudio incorporaram nele e deixaram seu axé para todos os presentes. O Pai Claudio através da ATUPO vem desenvolvendo há muitos anos todo um trabalho religioso, social e cultural que tem engrandecido a Umbanda e despertando entre os portugueses o respeito e admiração pela nossa religião. Pai Claudio, Pai Rubens e Pai Bernardo O Pai Rubens enalteceu o trabalho dos visitantes para os futuros sacerdotes Umbandistas destacando a importância da seriedade que cada sacerdote deve dedicar a Umbanda, pois assim ela será levada a todos os povos da Terra e será vista por todos como uma religião evolucionadora dos seres humanos e que tem entre as suas praticas a da caridade espiritual para com todos que entrarem nos seus centros, porque tal como no Colégio, na ATUPO os trabalhos com os guias são caritativos. Abaixo um pouco da Historia da ATUPO.

Pagina 23


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

ORAÇÕES Oração ao Amado Pai Oxalá Amado Pai Oxalá, Fé Cristalina do Divino Criador Olorum, humildemente e em reverência me coloco de joelhos perante a vós e elevo meu coração ao alto em oração, para que assim, eu possa agradecer e fortalecer o laço que me liga ao senhor. Pai Oxalá, lhe agradeço por todas as suas bênçãos em minha vida, pela religiosidade que me guia, pela espiritualidade que me ampara, pela vossa Fé que me irradia. Agradeço por estar sempre comigo, em todos os momentos; iluminando-me nos momentos de trevas, dando-me forças nos momentos de desesperança, orientando-me nos momentos de descrença; momentos esses que tentam me afastar do meu caminho de luz junto à espiritualidade e tentam fazer com que minha fé nos sete Sentidos Divinos se enfraqueça, com isso trazendo desequilíbrios e conflitos em minha vida. Mas sempre que vos rogo, amado Pai Oxalá, todo mal é afastado pela infinita luz cristalina que de vós emana e assim minha fé se fortalece e sigo renovada em minha caminhada rumo ao nosso Divino Criador Olorum. Então nesse momento também lhe peço amado Pai, que nunca desista de mim e que me mantenha sempre irradiada com vossos atributos sagrados para que eu possa ter sempre a fé necessária: A Fé na minha religiosidade sem fanatismos; A Fé no Amor que une a criação Divina; A Fé no Conhecimento que nos faz crescer; A Fé na Justiça que nos mantém racionais; A Fé na Lei que nos ordena; A Fé na Evolução que nos faz seguir em frente em nossa caminhada; A Fé na Geração que está sempre criando oportunidades para que possamos melhorar como pessoas e ajudar nossos irmãos. Que minhas Intenções sejam repletas de fé, que eu tenha a Vitalidade necessária para caminhar com fé e que sempre brote em mim o Desejo de servir com fé ao nosso Divino Criador. Que eu nunca perca a fé em mim como pessoa e um bem divino, que eu possa ser um instrumento de luz ao vibrar minha fé e assim irradiar a todos os meus irmãos que necessitem de ajuda. Que eu consiga me manter sempre em harmonia para alcançar a minha paz interna, onde então eu possa estar em contato com o senhor amado Pai. E que essas bênçãos sejam estendidas a todos os meus irmãos encarnados e desencarnados que estejam precisando de auxílio, sempre dentro da necessidade e o merecimento de cada um de nós. Obrigada por ouvir minha prece amado Pai Oxalá. Oxalá yê meu pai! Juliana Rachel Velico E-mail: juvelico@gmail.com

ORAÇÃO À POMBA GIRA SETE PONTAS DE LANÇAS. Oração psicografada pela médium Adriana Takahashi. Amado Divino Criador Olorum, venho de joelho, diante de Ti, rogo pela vossa guarda e proteção, e peço que Sr faça presente em minha vida através do mistério da Senhora Pomba gira Guardiã Sete Pontas de Lanças. Senhora Pomba gira Sete Pontas de Lanças Peço que vosso mistério divino me envolva em sua Vibração vivas e divinas e recolha de meu íntimo todos os sentimentos desordenados, sentimentos viciados que esteja me afastando de meu caminho. Pagina 24


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

Enviem suas lanças purificadoras e redirecionadoras removendo todos os obstáculos de meu percurso. Remova de minha vida toda a maldade, calúnia, difamação injustiça, peço que afaste todos os espíritos negativos que atrai para mim devido a minha frequência vibratória de sofrimento, peço que seu escudo e sua lança sagrada alcancem o maior número de espíritos que esteja ligado direto ou indireto a mim através dos cordões energético da vida, possibilitando um novo começo para eles também. Que a Sagrada Lança do arrependimento possa despertar e fazer que todos os espíritos paralisados em seus erros pecados crimes contra o Divino Criador possam se arrepender intimamente e recolher seu negativismo, e começar a caminhar para frente reparando todo o crime, erros e pecados. Peço que me ampare em meus momentos difíceis, para que nunca desista de caminhar rumo ao divino criador, que espera que eu um dia na eternidade possa tornar um de seus mistérios divino e iluminar toda a criação independentemente o meio que eu estiver. Eu vos agradeço por colher minha prece e sei que através de minha fé em vosso poder sempre serei auxiliado pelas suas guerreiras de luz da lei e da vida. E peço que a vibração do amado Pai Oxalá derrame sua luz clareando sempre seu caminho em suas atribuições divino. Sarava Senhora Pombo Gira Sete Pontas de lança. E-mail: nucleopaitome@gmail.com.

CURSOS, ANUNCIOS E OUTROS A.U.E.E.S.P. Você pode se cadastrar na A.U.E.E.S.P., sendo pessoa física ou jurídica. Pode ser associado individual, núcleo (centro, associação), colaborador jurídico ou colaborador físico. Se você acredita que vale a pena lutar por nossa religião, venha juntar-se a nós, que nada mais queremos além de ver a Umbanda crescer e de valorizar nossas práticas religiosas e nosso sacerdócio.

Falar com Dra. Miriam Rua Irmã Carolina n° 272 – Belenzinho. contato@colégiodemagia.com.br

Falar com Sandra Santos Fone: (11) 2954-7014 E-mail: sandracursos@hotmail.com

Fone: (11) 2796-9059

Pagina 25


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

Pagina 26

contato@colegiodeumbanda.com.br


JORNAL NACIONAL DA UMBANDA. São Paulo, 15 de novembro de 2012. Edição 49.

contato@colegiodeumbanda.com.br

ÚLTIMA PÁGINA SACRIFÍCIO OU CONTRIBUIÇÃO? Por Kelly Albrecht

Culturalmente aprendemos que a vida é repleta de sacrifícios e batalhas, ouço muitas pessoas encontrando dificuldades para tudo, isso é difícil, aquilo é difícil, empecilhos, imprevistos, muitas coisas atrapalhando seus planos, sonhos, muitas limitações que impedem realmente de começar a enxergar soluções. Como resolver sem dificultar? O que eu faço sem me lamentar ou culpar? E a mensagem oculta de sacrifício continua implícita, gravada na mente. É por isso que muitas fontes que poderiam transmitir mensagens capacitadoras: - elas persistem na ideia. Não importa, o que quer que você faça haverá sacrifício! Novelas mostram diariamente do ingênuo ao vilão, todos passam sacrifícios, ou seja, existe um limite, não se esforce muito porque não adianta, você esbarrará no limite, você terá que se sacrificar! A mídia procura disseminar a viver no automático, alimenta a distração porque é um alivio ao “sacrifício” e a grande maioria das pessoas vive nesse ritmo. O que poderíamos ter aprendido em lugar disso é o modelo de contribuição, ou achamos mesmo que nosso Criador quer sacrifício? Tivemos um grande modelo de contribuição que deixou muitos exemplos sobre milagres possíveis para aqueles que acreditam, Ele contribuiu ativamente e o Criador nos abençoou com o beneficio de controlar nossa mente e sermos capazes de dirigi-la para qualquer finalidade. Ora, estamos no controle da nossa mente, também estamos no controle da nossa vida e se é isso que acontece são nossos pensamentos a fonte geradora de tudo que vivemos. No automático, você perde o controle de seus pensamentos e vive conforme o ritmo alienado, alguns lampejos de pensamentos ocorrem mais ainda não são suficientes. Afastados do senso de contribuição que não é de domínio material, existe a contribuição muito mais expressiva, quando usamos forças que são nossas como afeto, paciência, compreensão, palavras de estimulo e muitas outras ofertas generosas que não necessitam de nenhum recurso material, só requer um pouco de dedicação, tempo e pensamento! Fica a pergunta: Como posso contribuir? Contribuindo no trabalho, na família, nos locais que frequenta, nas redes sociais que participa! Você começa a assumir o controle sobre sua vida levando-a para circunstancias de gratidão, de bem estar. Sairá do sacrifício para o controle firme sobre o seu futuro. Não importa o ontem, importa de hoje em diante e todos merecem novas oportunidades. Pare de acreditar que teu passado te condena isso é conversa pra “boi dormir”. Ontem enquanto uma ONG local fazia uma campanha em beneficio de crianças carentes, eu ouvia perplexa a queixa de muitas pessoas “Nossa que apelação!”, e me pergunto, até onde chega o nível de alienação, sem sombra de dúvida, muitos não se importam com a triste realidade de crianças abandonadas à própria sorte e a quem pense “eu não tenho culpa disso”! Novamente não precisa ter sacrifício, nem culpados, precisamos aprender a contribuir, perder a desculpa de pensar: Eu sozinho não posso mudar o mundo! Cara, você faz a sua parte (do jeito que puder), eu faço a minha parte e cada um faz a sua, o que lhe parece agora? Parafraseando o filósofo Mario Sergio Cortella: “Somos um entre seis bilhões e 400 milhões de indivíduos, que compõem uma única espécie entre 3000 bilhões de espécies identificadas que vive num planetinha que gira em torno de uma estrelinha que é uma entre 100 bilhões de estrelas que compõem uma única galáxia entre outras 200 bilhões de galáxias num dos universos possíveis...”. Pense nisso! Pare de se sacrificar e comece a contribuir, você verá o milagre. Kelly Albrecht Coach e Psicóloga E-mail: lly.cristina@ig.com.br

Pagina 27


Jornal Nacional da Umbanda Ed 49