Issuu on Google+

Expediente: Pai Rubens Saraceni Pai Alan Levasseur

J o r n a l Quinzenal Jornal Nacional da Umbanda

São Paulo, 01 de Abril de 2012.

mironga de pai omolu Pág.19

Edição: 33

Ano: 02

contato@jornalnacionaldaumbanda.com.br

MENSAGEM DO EXU MARABÔ.

O tempo é a função e lógica da vida de cada um. Não é a vida que depende do tempo. A natureza age em tudo devagar e silenciosamente para que você perceba que é preciso mudar. É o primeiro sinal dos Orixás, Guias, Caboclos e Protetores Espirituais, para que você valorize mais e respeite o que já tem. Pág. 20

Contas de lagrimas de Nossa Senhora Quando os negros vieram da África, já escravizados e batizados pelo catolicismo, aportaram no Brasil trazendo sua cultura religiosa e seus costumes. Abordaremos sobre uma tradição de cunho religioso, que são as contas, que os negros usavam para fazer seus colares (Guias) e adornos em reverência e pedir proteção para seu orixá, um estigma externo de preservação de seus vínculos identitários. Pág. 21 JORNAL NACIONAL DA UMBANDA ED. 33 INDICE DE MATÉRIAS EDITORIAL

Delegada Margarette Barreto A Delegada de Polícia, Dra. Margarette Barreto, recebeu, no último dia 27 de março, o VIII Prêmio Excelência Mulher 2012, pelos relevantes serviços prestados à sociedade. . Pág. 15

DESMISTIFICANDO PROFECIAS

Segue um texto para desmistificar um pouco as profecias e trazer uma linguagem simples, ofertando ânimo extra para nossas ações como sincronizadores biosféricos: Os corpos que não refinarem suas energias não conseguirão ficar encarnados dentro da terceira dimensão, pois a quarta dimensão estará instalada. Pág.12

Religiões, ora, religiões (Antonio Santos) pág. 02

CADERNO DO LEITOR

Dia Nacional da Umbanda(Sandra Santos) pág. 04 Espiritualmente Genial - Tirinha (JNU) pág. 05 Golpe Visa - importantissimo (Vanessa S.Batista) pág. 07 Intolerancia Religiosa (JNU) pág. 08 Dinheiro é febre e não o problema(Junior Pereira) pág. 09 Clamor ao Pai Omolu (Marcelo Cordeiro) pág. 10 São Jorge(Evandro de Ogum ) pág. 11 Conciencia Umbandista (Ogan Jonathan Barros) pág. 12 Desmistificando Profecias (Barbara B.) pág. 12 Oração ao Preto Velho Pai Manoel (Cicera C.Neves) pág. 14 Delegada Margarette Barreto(Sandra Santos) pág. 15

DOUTRINA

Muitos sabem fazer planos... (Glauco Segala) pág. 16 Alicerce (Nilceia Tocaceli) pág. 16 Uma Luz no fim do tunel (Evandro de Ogum) pág. 19

PSICOGRAFIA

Mensagem do Exu Marabô (Evandro Mendonça) pág. 20

BENEFICIOS PARA A SAUDE

Contas de Lagrimas de Nossa Senhora (Adriana Quadros) pág. 21 Meu Rosario(Adriana Quadros) pág. 23 Tipos de filhos de Santo (Internet) pág. 23 A Figa (Adriana Quadros) pág. 24 Uma pequena Cronica (Marco Boeing) pág. 25 MAGIA, OFERENDAS E TRABALHOS UMBANDISTAS Mironga de Pai Omolu (Cicera C. Neves) pág. 25 ESPAÇO DO LEITOR. pág. 26 Fazer ou não Curso de Sacerdócio (Simone Machado) pág. 27

CURSOS E EVENTOS

Cursos de Magia, Sacerdocio e Outros. pág. 27

ÚLTIMA PÁGINA

Muitos vêm, alguns ficam outros vão (Marco Boeing). pág. 31

Jornal Nacional da Umbanda

● página 01

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

EDITORIAL

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

RELIGIÕES, óra as religiões!

Antonio Silva Toda religião tem seus fundamentos e sua finalidade na vida dos que a ela se convertem, e não pode haver uma mistura de fundamentos e finalidades de outras, senão a pessoa fica dividida entre duas orientações religiosas diferentes. Respeito todas as religiões e aos seus seguidores que me respeitam. E não vejo problema algum em alguém deixar uma e seguir outra. Mas quem muda para outra religião deve ser fiel a ela e não deve ficar com um pé em uma e o outro em outra, senão não estará sendo sincero consigo e com as duas religiões que esta seguindo simultaneamente. Muito me entristece quando ouço pessoas afirmarem, todas orgulhosas, que seguem tanto a umbanda quanto o candomblé, simultaneamente, mas que, depois de alguns anos sem se decidirem por uma das duas, abandonarem a ambas e se tornarem seguidores de uma outra, que lhes fez o favor de limpar suas cabeças e religiosidade, enfraquecidas devido os conflitos gerados por orientações religiosa semelhantes em alguns pontos e conflitantes em outros, tal como acontece entre o catolicismo e o protestantismo, conflitos estes que só aumentam com o passar do tempo. Não a nada de errado nas pessoas que seguem a Umbanda ou o Candomblé, porque são religiões, logo, contam com o amparo divino aos seus seguidores. Mas eu, pessoalmente, sempre oriento a quem se encontra nesta situação que opte pela que vibrar mais forte em seu intimo, porque elas não estão agindo corretamente diante de Deus e dos Sagrados orixás ao seguirem as duas ao mesmo tempo. Ressalto que esta é minha opinião e nada mais, porque não sou como muitos que acreditam que esta divisão do ser entre duas religiões não acarreta problemas. Acarreta sim! Mas só o tempo irá mostrar isto a ele, mas aí já será tarde. O fato é que, de alguns anos para cá muitos umbandistas acabaram por ir até algum Candomblé para fazerem suas “cabeças”, porque lhes foi dito que, aí sim, estariam em dia com seus orixás e passariam a ter uma força muito grande, uma vez que é no Candomblé que esta a força dos orixás. A maioria, se não todos, mesmo tendo feito a “cabeça” no Candomblé, continuaram tocando os seus trabalhos de umbanda como faziam antes, mas acrescentaram as consultas particulares, antes só feitas por dirigentes de centros de Candomblé, e passaram a fazer todo tipo de ebós, pois isto dá dinheiro, muito dinheiro para eles, que também se tornaram novos fazedores de “cabeças”, também cobrando caro para fazê-las, porque tinham que recuperar o dinheiro investido na sua feitura, caríssima! Em muitos dos centros, supostamente de umbanda, dirigidos por estes “cabeças feitas”, os guias não podem cortar uma demanda se antes o consulente não pagar um certa quantia para tanto, como se a espiritualidade que atua na umbanda precisasse ser remunerada para ajudar os necessitados. É um absurdo tais procedimentos, mas, infelizmente, estão aumentando a cada dia. Se antes, só uns poucos assim procediam, constrangendo os verdadeiros umbandistas, que praticam a verdadeira caridade espiritual, hoje são muitos que assim procedem sem o menor constrangimento, e sempre usando o nome da Umbanda. O senso de caridade esta se esvanecendo e essa nova modalidade de supostos umbandistas esta avançando mais e mais a cada dia, e chegará um tempo que será difícil encontrar um verdadeiro centro de que pratique a caridade aos necessitados de auxilio espiritual, levando-a a um beco e descaracterizando completamente, pois não foi esta a mensagem do Senhor Caboclo das Sete Encruzilhadas, que determinou que a Umbanda havia sido fundada para a pratica da caridade. Lamentavelmente, essas pessoas não estão nem um pouco preocupadas com suas evoluções através da pratica da caridade espiritual e sim, só querem fazer atendimentos particulares e cobrar para fazer ebós e “novas cabeças”, que passarão a ser dependentes deles, devido às ameaças veladas aos que pensam em se afastar dos seus domínios. A espiritualidade verdadeira da Umbanda esta observando todo esse desvirtuamento, tanto da Umbanda quanto do Candomblé, que, por causa do que descrevemos acima, dera, origem ao que se denominou “Umbandomblé”, algo que nem é umbanda nem é candomblé, mas sim, é uma mistura de ambos, com ambos descaracterizados. A Religião Umbanda já em pagando um preço muito alto de uns anos para cá devido essas pessoas Jornal Nacional da Umbanda

● página 02

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

que, sem o menor constrangimento, se dizem umbandistas, mas com a cabeça feita no candomblé, fato este que lhes permite fazer o que bem entendem dentro dos seus terreiros, pois ora é de umbanda e ora é de candomblé. Tudo em acordo com seus interesses! Mas ela, segundo a Espiritualidade, sobreviverá, porque a Lei Maior, mais dia menos dia colocará para fora dela essas pessoas com dupla religiosidade, mas que não são fiéis nem à umbanda nem ao candomblé, e sim, só são fiéis aos seus interesses. Lamentavelmente, lá na frente, quando o acerto de contas chegar, muitos se arrependerão dessa duplicidade de culto, mas aí já será tarde porque já estarão do outro lado da vida e tudo o que ganharam em cima das desgraças alheias lhes voltarão como Karma pesadíssimo, a ser pago da forma mais dolorida possível. Paciência! Cada um colherá do outro lado da vida o que semeou aqui na terra. Esta é a Lei de Deus, ensinada em todas as religiões, em todos os tempos e em todos os lugares. Inclusive, isto é ensinado tanto na Umbanda quanto no Candomblé, só não seguindo o que ela determina os que são movidos por este desvirtuamento das finalidades dessas duas religiões maravilhosas, quando praticadas sem que interesses financeiros se sobreponham. Quanto ao Candomblé, também já esta começando a pagar um preço altíssimo por muitos dos seus seguidores terem se tornado “fazedores de cabeça” de umbandistas e de quem mais aparecer em seus centros, pois estão fazendo a cabeça até de quem não é médium e não incorpora Guias Espirituais ou Orixás. Se antes só entrava para fazer a cabeça quem bolasse para o Santo, hoje até quem tem encosto esta sendo obrigado a se recolher para seu “suposto santo”, mas que não incorpora. E isto, esse oportunismo em cima de pessoas ingênuas e desconhecedoras da verdadeira mediunidade que permite a alguém incorporar seus Guias ou Seus Orixás, já esta se voltando contra o Candomblé, pois são, a cada dia, milhares e milhares de pessoas que, mesmo não podendo e não devendo fazer tais coisas, no entanto estão sendo induzidas a fazê-las, uma vez que soltam sobre elas um terror falso de que, se não as fizerem, irão sofrer muito mais do que já estão sofrendo. Com o tempo, elas percebem que foram enganadas e se afastam revoltadas contra essas pessoas que as enganaram. Mas não se revoltam só contra elas, e sim, contra o próprio Candomblé, pois foi a ele que lhe disseram que deveriam seguir para serem ajudadas. Como a ajuda não veio, mas as últimas economias se foram, alguém tem que ser responsabilizado, e é justamente a Religião Candomblé que paga esse elevado preço, que é o de ser associado à exploração de pessoas sofridas, e que só precisavam de uma boa orientação espiritual e de algum auxilio dos Orixás, mas que nada lhes custasse além dos elementos que deveriam comprar e oferendar, eles mesmos, para serem ajudados, que é como se faz na Umbanda. A descaracterização esta visível e só não a vê quem não quer. Ela esta visível nos centros de Umbanda cujos dirigentes fizeram suas cabeças e depois obrigam seus filhos espirituais a fazerem-nas com eles. Esta visível nos centros onde, se os guias vêm uma demanda contra alguém não podem corta-la e devem mandar a pessoa para o dirigente cortar, a troco de uma remuneração vultuosa. Esta visível nos supostos umbandistas que dão atendimento com seus “supostos guias” e estes mandam a pessoa necessitada procurarem seu aparelho, pois ali, dentro do centro não é possível corta-la, de tão forte que é o trabalho feito contra ela, já assustando-a. Lamentavelmente os sinais estão aumentando a cada dia e a tendência é piorar cada vez mais. Então, que ninguém reclame de outras religiões quando os seguidores da Umbanda e do Candomblé os abandonar, pois só estarão procurando um auxilio mais barato. E que ninguém dentro dos cultos afros fique apontando os “supostos pastores”, que tiram tudo dos seus seguidores em nome de Deus e de Jesus, pois no lado de cá a coisa não anda melhor ou menos barata para alguém ser ajudado de fato, certo? E que ninguém reclame pela falta de “clientes”, pois com tantos “fazedores de cabeças” disponíveis no mercado, já esta faltando cabeças para sustentar a tantos! A concorrência esta brava!

Jornal Nacional da Umbanda

● página 03

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

CADERNO DO LEITOR

Agora sim: 15 de Novembro DIA NACIONAL DA UMBANDA por Sandra Santos

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), do Senado Federal instituiu no dia 20/03/2012, o dia 15 de Novembro como DIA NACIONAL DA UMBANDA, através do Projeto de Lei da Câmara nº 187, de 2010. Em 03/08/2005, o então deputado federal Carlos Santana (PT/RJ), apresentou a ementa, que tramitou por várias comissões, foi arquivada, desarquivada, sendo enviada em dezembro de 2010 ao Senado Federal, e agora aprovada na Comissão, que teve o senador Roberto Requião como Presidente, e a senadora Ana Rita como Relatora, que escreveu em sua análise: - “A umbanda, religião nascida no Brasil, apresenta expressiva difusão no seio de nossa população. A adesão a esse culto eminentemente sincrético não se incompatibiliza, inclusive, com a filiação a cultos mais tradicionais, tais como o catolicismo e o espiritismo kardecista... A umbanda expressa vivamente seu caráter nacional, juntamente com suas raízes africanas, nas manifestações culturais, que incorporam a música e a dança... Após décadas em que sofreu perseguição policial, juntamente com outros cultos afrobrasileiros, a umbanda conquistou e consolidou seu espaço na sociedade nacional, revelado publicamente, entre outras ocasiões, nas festas de ano novo... É certo que, por sua dimensão religiosa e por seu significado cultural, a umbanda faz jus ao reconhecimento oficial do Estado brasileiro, consagrado na instituição de uma data nacional para sua comemoração”. Um evento desse porte, importantíssimo para a comunidade umbandista, não pode deixar de mencionar nomes, e por este motivo, gostaria de registrar minha gratidão e agradecimentos especiais, ao exdeputado Carlos Santana (RJ), que aceitou e apresentou esse Projeto. Ao amigo, irmão e deputado federal Vicentinho do PT (SP), que desde o primeiro momento abraçou a causa dessa comunidade. Ao seu chefe de gabinete Paulo César, pelo empenho e correria durante a última semana. Aos companheiros Cássio Ribeiro e Josa Queiroz, presidente e vice da FUCABRAD, pelas inúmeras reuniões e idas à Brasília. Ao Pai Rubens Saraceni do Colégio de Umbanda Sagrada e ao Pai Milton Alves, presidente do SINAFRO, pelas inúmeras conversas e aprendizados. Aos presidentes de Federações co-irmãs de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, entre outros, pela luta diária, árdua e constante na preservação da Sagrada Umbanda, e ainda pessoas como os irmãos Etiene Sales, Fátima Damas, Marcelo Fritz (RJ), Paulo Tharsisio (PR), e do jovem Michael Felix (DF), que representam tantas vozes, tanto trabalho por esse Brasil à fora, e que escrevem um pedaço dessa religião, diariamente. Enfim, esse Projeto de Lei é também um reconhecimento ao trabalho sério de todos os umbandistas, que levam ao mundo inteiro, com amor e muita dignidade essa Bandeira de Oxalá. É dedicado a todos os nossos Decanos, como os Pais Ronaldo Linares, Jamil Rachid e Pedro Miranda, histórias vivas da Umbanda paulista e carioca. Aos umbandistas que já partiram e principalmente aos que virão. Salve o médium Zélio Fernandino de Moraes, Saravá Caboclo das Sete Encruzilhadas !!! “Um sonho que se sonha só, é só um sonho, um sonho que se sonha junto, é realidade” (Paulo Freire) Sandra Santos Presidente da AUEESP Também foram aprovadas as seguintes datas: PL153/10, que institui o Dia do Aniversário do Buda Shakyamuni; PL204/09, que cria o Dia Nacional dos Direitos Humanos; PL233/09, que cria o Dia Nacional da Educação Ambiental; PL276/09, que estabelece o Dia Nacional de Valorização da Família. Jornal Nacional da Umbanda

● página 04

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Espiritualmente Genial”

Senhor , está muito pesada, vou cortar um pedaço...

Jornal Nacional da Umbanda

● página 05

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Senhor, cortarei um pedacinho mais... Eu assim poderei carregá-la melhor...

Senhor , muito obrigado....

Use sua cruz como ponte , atravesse e siga em frente.... Jornal Nacional da Umbanda

● página 06

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Ah! è muito pequena a minha cruz, eu não posso atravessar.....

Nada nesta vida é por acaso ! Muitas vezes, queremos nos livrar da “cruz” que nos é dada, mas para tudo tem um ‘para quê’ e um ‘por quê’... Deus nunca nos manda algo que não possamos suportar... E se formos abreviar estes caminhos, certamente teremos problemas ! Não é preciso dizer MAIS NADA!

Golpe VISA – Importantíssimo! Vanessa S Batista

Se você divulgar menos pessoas sofrerão esse trauma... Divulguem! Golpe fácil de cair - veja que eles não pedem senha Leia, pois é muito bem feito: Você recebe uma chamada e a pessoa diz: - Estamos ligando do Departamento de Segurança da VISA (por exemplo). Meu nome é ‘Fulano’ e meu número de identificação funcional é ‘tal’. -O sr. comprou tal coisa (qualquer coisa bem estranha, como um dispositivo Anti Telemarketing) no valor de R$ 497,99, de uma empresa em Porto Alegre? É óbvio que você responde que não, ao que se segue: - Provavelmente seu cartão foi clonado e estamos telefonando para verificar. Se isto for confirmado, estaremos emitindo um crédito ao seu favor. Antes de processar o crédito gostaríamos de confirmar alguns dados: - O seu endereço é tal? (Isto pode ser encontrado facilmente das listas telefônicas via Internet). Após responder “sim”, o golpista continua: - Qualquer pergunta que o sr. tenha, deverá chamar o número 0-800 que se encontra na parte traseira de seu cartão e falar com nosso Departamento de Segurança. - Por favor, anote o seguinte número de protocolo ... O bandido lhe dá então um número de 6 dígitos e pede: - O sr. poderia lê-lo para confirmar? Aqui vem a parte mais importante da fraude. Ele diz então: - Desculpe, mas temos que nos certificar de que o sr. está de posse de seu cartão. Por favor, pegue seu cartão e leia para mim o seu número. Feito isto, ele continua: - Correto. Agora vire o seu cartão e leia, por favor, os 3 últimos números (ou 4 dependendo do cartão). Estes são os seus Números de Segurança (Pin Number), que você usa para fazer compras via Internet, para provar que está com o cartão! Depois que você informa os referidos números, ele diz: - Correto! Entenda que era necessário verificar que o seu cartão não estava perdido nem tinha sido roubado, Jornal Nacional da Umbanda ● página 07

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

e que o sr. estava com ele em seu poder. Isso confirma que o seu cartão foi mesmo clonado, infelizmente. - O sr. teria alguma outra pergunta? Depois que você diz que não, o ladrão agradece e desliga. Provavelmente, em menos de 10 minutos, uma compra via internet será lançada no seu cartão, e muitas outras, caso você não perceba a fraude até a chegada do extrato. É quase inútil fazer denuncias à polícia. Até nos USA é difícil o rastreamento destas ligações. Caso receba este tipo de ligação, você pode falar para o bandido desligar que você mesmo fará a ligação para o 0800 da sua operadora. Mas, mesmo que você desligue, fica claro que a melhor maneira é estar alerta e comunicar a todo o mundo sobre a existência de mais este golpe. Assim sendo, por favor, passe isto a todos seus amigos. A informação é a nossa proteção!

E-mail: tayzemachado@oi.com.br Vanessa.S.Batista@kcc.com

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

JNU COMICIN de Limeira recebe notícia sobre racismo religioso e toma as primeiras providências. O COMICIN - Conselho Municipal dos Interesses do Cidadão Negro de Limeira recebeu no dia 19/03 comunicado de três jovens (Laiane, Kailla e Jucelia) que vieram da Bahia trabalhar em um restaurante em Limeira - SP, notícias de violação da Lei 7.716/89. Duas delas são do Candomblé e a outra é Católica. Elas relataram que no restaurante onde prestavam serviços eram constantemente perseguidas, assediadas, humilhadas, agredidas verbalmente e até fisicamente (uma delas). Por fim foram demitidas. Os fatos foram narrados na presença dos conselheiros Cleusa Santos e José Benedito de Barros e mais duas testemunhas (Sara e Andreza). A primeira providência tomada foi a elaboração de uma representação e posterior encaminhamento à Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região de Campinas-SP para apuração de crimes raciais relacionados ao trabalho. A segunda providência foi a realização de depoimento à imprensa escrita e televisiva. Após o trabalho de imprensa, o Conselheiro José Benedito de Barros e o Conselheiro José Carlos Brandino, que também é membro da Comissão de Igualdade Racial da OAB, acompanharam as três jovens à Delegacia Você pode se cadastrar na da Mulher, onde foi lavrado Boletim de Ocorrência e A.U.E.E.S.P., sendo pessoa física ou tomada a termo as declarações das vítimas. jurídica. Aguarda-se o desfecho. Enquanto isso é imPode ser associado individual, portante que se de ampla publicidade ao ocorrido para incentivar outras pessoas, que também sofrem núcleo (centro, associação), colaborador o preconceito e a discriminação, a procurarem apoio jurídico ou colaborador físico. para tomada das medidas legais cabíveis. Se você acredita que vale a pena Segue abaixo cópia do texto da representação lutar por nossa religião, venha juntar-se protocolizada junto à Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas-SP) para a apuração a nós, que nada mais queremos além de suposta violação da Lei 7.716/89, a chamada Lei de ver a Umbanda crescer e de valorizar de Crimes Raciais. nossas práticas religiosas e nosso

A.U.E.E.S.P.

(José Benedito de Barros, Conselheiro do Comicin)

sacerdócio.

Falar com Sandra Santos Fone: (11) 2954-7014 E-mail: sandracursos@hotmail.com Jornal Nacional da Umbanda

● página 08

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) PROCURADOR (A)-CHEFE DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO – CAMPINAS, ESTADO DE SÃO PAULO. LAIANE SACRAMENTO JARDIM, (...); KAILLA VIANA DOS SANTOS, (...); e JUCELIA VIKY SANTOS SPINOLA, (...), com fundamento nos arts. 5º, XLII, da Constituição Federal, e 1º e 4º da Lei Federal nº 7.716/89, vêm encaminhar REPRESENTAÇÃO contra a TARU GOLD CULINÁRIA JAPONESA, estabelecida à Rua Capitão Flamínio Ferreira, 337, Limeira- SP, em decorrência dos fatos a seguir expostos. A empresa Taru Gold Culinária Japonesa é um restaurante que serve comidas típicas japonesas. As autoras foram contratadas para prestar serviço nesse estabelecimento. Laiane começou a trabalhar no dia 08/12/2011 e demitida n dia 28/12/2011; foi readmitida no dia 07/02/2012 e demitida no dia 18/02/2012. Kailla foi admitida no dia 29/02/2012 e demitida no dia 18/03/2012. Jucelia foi admitida no dia 24/01/2012 e demitida no dia 18/03/2012. A moradia de todos os funcionários é adjunta ao próprio restaurante O restaurante é administrado por um dos sócios, o senhor Antonio. Sua esposa, de nome Celia Souza, é adepta da religião cristã de denominação evangélica. Laiane é católica. Kailla e Jucélia são da religião de matriz africana denominada Candomblé. Celia Souza não se conforma com fato de ter funcionárias que não sejam evangélicas e, desde a contração das funcionárias supra citadas, tem causado a elas diversos constrangimentos: assédio moral para que elas se convertam, exorcismos para expulsar demônios, ameaças de demissão, restrição de acesso a setores da residência dos funcionários e do próprio restaurante, agressões verbais e, no caso de Jucélia, agressão física. A empresa demitiu Laine e Kailla sem explicitar razão plausível, apenas mencionou que, para o bem da casa não poderiam ficar. Essas funcionárias foram demitidas sem aviso prévio, causando-lhes transtornos, pois se vêm sem emprego da noite para o dia e, consequentemente, sem moradia. Jucélia, por sua vez, viu-se obrigada a pedir demissão após as agressões verbais e físicas que sofreu de Celia Souza. A jornada diária de trabalho era de 9,5 a 10,5 horas. Os 10% recebidos dos clientes a título de serviços não eram repassados aos trabalhadores. Não há registro em carteira. Quanto às condições de funcionamento, observa-se a falta de equipamento essencial que é a câmara fria para guardar e conservar os peixes. Diante da gravidade dos fatos narrados, solicitamos que sejam apurados os indícios de irregularidades praticadas pela empresa, no tocante ao crime de racismo religioso, assédio moral, dano moral e aos ilícitos trabalhistas, fazendo-se JUSTIÇA.

Pede deferimento. Limeira, São Paulo, 20 de março de 2012.

O DINHEIRO É FEBRE E NÃO UM PROBLEMA... Por Junior Pereira

Olá a todos, meus irmãos e irmãs, Venho trazer uma pequena reflexão para nossas vidas! Já tiveram o cuidado de analisar, em algum momento, qual o significado da febre em nosso corpo? O porquê dele existir em nossas vidas? Muitas irão dizer que é algo simples e que muitas vezes não é necessário medicar, pois passa rápido. Porém, por diversas vezes acabamos dando condições da “tal febre“ se manifestar em nós. E qual o resultado disso? O porquê disso? Digo e reforço sempre que a febre é resultado de vários fatores mal administrados no dia a dia. Se existe febre, são vários os motivos e que muitas vezes o corpo nos avisa e nós, infelizmente não nos atentamos a isso. Há também a febre emocional que nos domina simplesmente por administramos mal nossos sentimentos, sejam eles quais forem. Mas a febre também se manifesta em nossa vida financeira. E não vamos ser hipócritas em falar que vivemos bem sem dinheiro e que não traz felicidade. Ele traz sim, pois sem dinheiro não fazemos nada, absolutamente nada nos dias de hoje. Ou alguém pensa ao contrário? Jornal Nacional da Umbanda ● página 09

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Não quero ser materialista, até porque não faz parte do meu perfil, porém precisamos entender como nos relacionamos com o nosso dinheiro, para que ele possa ser uma solução e nunca um problema para nós. Mas em determinado momento, o dinheiro quando mal administrado, vira febre e não se resume em um problema. Quando fazemos mal uso dele deixamos de orçá-lo em nosso dia a dia e o tratamos de uma maneira irresponsável e impensável, trazendo assim grandes sintomas, mas que eu resumo em FEBRE... Sim, febre, pois ele nunca foi um problema. O que aconteceu foi que você não se cuidou, não preveniu e muito menos se atentou, aos alertas da vida. O problema financeiro é como febre, aparenta ser o problema, mas na verdade é o sintoma de outros problemas. Não adianta agora, na atual situação olhar para trás de se lamentar por erros e mais erros, existentes por talvez alguns anos. Não se cura uma febre de um dia para o outro. Talvez ninguém morra por uma febre, mas por ela com certeza ficamos imunes e criamos condições de outras doenças se fazerem presentes em nós, ocasionando ai sim um grande problema. A febre é um alerta de que algo não vai bem. Talvez venha dizer: PARE! E você não para, pois não entende o que a vida fala para você. Por isso existe a febre, para que te “ pare “ por um instante, você analise o que esta fazendo e comece a reavaliar valores e conceitos, até então únicos a você. Dinheiro não é problema na vida de ninguém. Ele é o que você é para ele. O que você espera dele. E se nesse instante, ele é como uma febre para você, então entenda: Analise os sintomas e não somente o fato presente. E diante disso, você vai entender a gravidade existente na sua vida, e não no seu dinheiro. Afinal, o problema é muito maior do que simplesmente o seu dinheiro. Se ele não dura, observe seu planejamento e não os seus gastos. Perca mais tempo planejando, e não executando. E perceba, se você esta ou não com FEBRE.

E-mail: juniorpereira@hotmail.com

CLAMOR AO PAI OMULU. Marcelo Cordeiro

“Amado Pai OLORUM, aqui, diante de ti e diante de vossos Mistérios Divinos, peço a permissão para invocar as correntes DESENCOVADORAS de nosso PAI OMULU”. “PAI OMULU, neste momento, eu esse vosso servo encarnado ungido pelas Sete Linhas de Umbanda Sagrada, lhe peço que vossas falanges espirituais DESENCOVADORAS atendam a este meu CLAMOR e venham até mim e até aos meus irmãos encarnados aqui presentes para nos auxiliar, desencovando trabalhos de magias, feitiçarias e amarrações realizadas contra nós ou contra as forças espirituais que nos assistem. PAI OMULU, vos que sois o curador de todos os males que afetam tanto nosso corpo físico como nosso espírito, peço que sejam PARALISADAS todas as transferências energéticas negativas aos nossos Sete Campos, Sete Corpos, Campos Metal, Espiritual, Vibracional e Mediúnico. Peço ainda, PAI OMULU, que todas as pessoas que de alguma forma estejam ligados a nós, sejam elas afetas ou desafetas, também passem a receber este beneficio de auxilio de vossas falanges espirituais DESENCOVADORAS e que sejam PARALISADAS todas as perturbações e ligações energéticas negativas que por ventura existam em nós. PAI OMULU vos peço ainda que se as ligações existentes entre eu e estes meus irmãos encarnados estejam sendo utilizadas por espíritos ativados negativamente contra algum de nós ou por espíritos trevosos vingativos ou perseguidores, então que vossas falanges os VERGUEM e PARALISEM a tudo e todos, nos livrando destas influências e manipulações maléficas à nossa vida. Conceda ainda PAI OMULU a todos nós que estamos interligados de alguma forma, a oportunidade de PURGARMOS nossos erros e assim nos livrarmos dos sentimentos negativos gerados por nós e em nós. AMEM! Jornal Nacional da Umbanda

● página 10

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Aguardar o tempo necessário para a realização de todo o trabalho espiritual... AGRADECIMENTO: “Amado Pai OLORUM, vos agradecemos a oportunidade de estarmos aqui e sermos atendidos por um de vossos Mistérios Divinos, representados por nosso Pai OMULU e suas falanges espirituais de DESENCOVADORES e agradecidos que estamos lhe pedimos a benção e a proteção, tanto para nós como para todos os que de alguma forma estejam ligados a nós” AMÉM!

E-mail: msccordeiropires@hotmail.com

SÃO JORGE Evandro de Ogum

São Jorge é Santo e está no céu sim, tanto quanto OGUM está no ORUM , ARES e MARTE no OLIMPO. O sincretismo é real, e importantíssimo para a preservação do MITO, que mantem a devoção a esta energia divina, perpetuando-a. A devoção a São Jorge veio da época das cruzadas, espalhando-se rapidamente pelo ocidente. A imagem que nós conhecemos de São Jorge lutando contra o dragão é uma lenda, mas como o verdadeiro guerreiro lutou contra satanás defendendo a fé, ele nos convida a lutar pelo bom combate. São Jorge é padroeiro da Inglaterra, Portugal, Lituânia e Geórgia. O Papa Paulo VI, para agradar aos protestantes que são contra o culto dos Santos, aboliu o culto dos Santos que não tinham registros históricos, mas somente relatos tradicionais, como é o caso de São Jorge. São Jorge é Santo e está no céu sim, e uma devoção a este Santo combatível deve ser praticada. “A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul. Ela foi travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, composta por Brasil, Argentina e Uruguai. A guerra estendeuse de dezembro de 1864 a março de 1870. Existia forte presença negra entre as tropas brasileiras. As tropas jamais deixaram de invocar a proteção de Ogum, seja diretamente ao orixá, seja na forma de São Jorge, o que talvez explique algumas expressões presentes nos pontos cantados, como “Ogum jurou bandeira nos campos do Humaitá”. Humaitá é o nome de uma localidade onde ocorreu uma das mais importantes batalhas desta guerra, sendo ao mesmo tempo o nome atribuído à região do mundo invisível - no ORUM - que se acredita seja a morada de Ogum. São Jorge (Ogum) é considerado um mártir dos primeiros tempos do Cristianismo. Durante a Idade Média, transformou-se num símbolo idealizado da coragem guerreira e do desapego cristão. Nenhum fato de sua lenda pode ser realmente confirmado. É um mito resistente, que sobrevive ganhando sempre novas roupagens , simboliza o principio marcial da força e da determinação guerreira. No BRASIL sob a roupagem de OGUM é sem dúvidas um dos SANTOS mais populares. No simbolismo do mito de São Jorge, perceba que na imagem imortalizada de SÃO JORGE, o SANTO não mata o dragão , ele é submetido à sua lança. A lança simboliza a consciência, O dragão o negativismo como força cósmica. O cavalo branco é a força espiritual. O guerreiro (Jorge) faz uso da consciência (lança) e submete o negativismo (dragão) apoiado sobre a força espiritual (cavalo branco . Como tudo nesta existência um grande simbolismo oculto. Saravá Ogum Salve Jorge http://evandrodeogum.blogspot.com

Jornal Nacional da Umbanda

● página 11

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

CONSCIÊNCIA UMBANDISTA. Ogã Jonathan Barros

Estudar a Umbanda é fundamental e acredito que na nossa vida dentro da religião e principalmente em nossa passagem na terra temos que ter firmeza e harmonia. A Harmonia é o caminho para nossa evolução e ela depende do amor, do conhecimento, da fé, da geração, da justiça, da lei e de nossa ligação com o sagrado, pois somos todos instrumentos do Divino Criador. Existe um ditado que ouvimos em nossa religião que é mais ou menos assim: - “Existem duas portas por onde entramos na Umbanda, a do amor ou da dor”. Uma nova porta se abriu, a porta do conhecimento, pois por desconhecimento muitos deixam de lado sua ligação com o divino, e caminham por estradas escuras e perigosas. Essa nova porta se abriu pela necessidade do conhecimento de nós Umbandistas ou “não”, há a necessidade de uma consciência religiosa e não só de terreiro. A falta de entendimento sobre a religião de Umbanda traz erros de condutas, pessoas despreparadas, mal instruídas, criticas e acusações contra nossa religião. Mas graças a essa porta do conhecimento temos Jornais, cursos ministrados por Sacerdotes Umbandistas e umbandistas multiplicadores que ajudam no desenvolvimento de uma consciência religiosa de Umbanda, explicada, firmada em seus conceitos próprios e fundamentos. Sou também um aprendiz e multiplicador dessas informações, pois amo a Umbanda, minha religião, religião brasileira, religião da manifestação do espírito para a caridade, religião que é aprender com os mais evoluídos e ensinar os menos evoluídos, religião como qualquer outra, mas com fundamentos próprios, religião fundamentada na existência de um Deus único e na sua manifestação onipotente, onisciente e onipresente através de suas divindades, religião de nossos guias e mentores espirituais, religião dos nossos guardiões Exu e Pomba Gira, Exu Mirim, Pretos Velhos, Caboclos, Boiadeiros, Baianos, Marinheiros, Malandros e todas as linhas de trabalho. “Devemos estudar e nos esclarecer para ser formadores de opinião sobre nossa religião, depois devemos nos esforçar em esclarecer o que é Umbanda e multiplicar as informações. Portanto estudar a Umbanda é um começo, um meio e um destino”. Saravá Umbanda! E-mail: johnathan_mb@hotmail.com

DESMISTIFICANDO PROFECIAS Barbara B.

Segue um texto para desmistificar um pouco as profecias e trazer uma linguagem simples, ofertando ânimo extra para nossas ações como sincronizadores biosféricos: Os corpos que não refinarem suas energias não conseguirão ficar encarnados dentro da terceira dimensão, pois a quarta dimensão estará instalada. O sistema solar gira em torno de Alcione, estrela central da constelação de Plêiades. Esta foi a conclusão dos astrônomos Freidrich Wilhelm Bessel, Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley, depois de estudos e cálculos minuciosos. Nosso Sol é, portanto, a oitava estrela da constelação - localizada a aproximadamente 28 graus de Touro e leva 26 mil anos para completar uma órbita ao redor de Alcione, movimento terrestre também conhecido como Precessão dos Equinócios. A divisão desta órbita por doze resulta em 2.160, tempo de duração de cada era “astrológica” (Era de Peixes, de Aquário, etc). Descobriu-se também que Alcione tem à sua volta um gigantesco anel, ou disco de radiação, em posição transversal ao plano das órbitas de seus sistemas (incluindo o nosso), que foi chamado de Cinturão de Fótons. Um fóton consiste na decomposição ou divisão do elétron, sendo a mais ínfima partícula de energia eletromagnética, algo que ainda se desconhece na Terra. Detectado pela primeira vez em 1961, através de satélites, a descoberta do Cinturão de Fótons marca o início de uma expansão de consciência além da terceira dimensão. A ida do homem à Lua nos anos 60 simbolizou esta expansão, já que antes das viagens interplanetárias era impossível perceber o Cinturão. A cada dez mil anos o Sistema Solar penetra por dois mil anos no anel de Fótons, ficando mais próJornal Nacional da Umbanda

● página 12

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

ximo de Alcione. A última vez que a Terra passou por ele foi durante a “Era de Leão”, há cerca de doze mil anos. Na Era de Aquário, que está se iniciando, ficaremos outros dois mil anos dentro deste disco de radiação. Todas as moléculas e átomos de nosso planeta passam por uma transformação sob a influência dos Fótons, precisando se readaptar a novos parâmetros. A excitação molecular cria um tipo de luz constante, permanente, que não é quente, uma luz sem temperatura, que não produz sombra ou escuridão. Talvez por isso os hinduístas chamem de “Era da Luz” os tempos que estão por vir. Desde 1972, o Sistema Solar vem entrando no Cinturão de Fótons e em 1998 a sua metade já estava dentro dele. A Terra começou a penetrá-lo em 1987 e está gradativamente avançando, até 2.012, quando vai estar totalmente imersa em sua luz. De acordo com as cosmologias Maia e Asteca, 2.012 é o final de um ciclo de 104 mil anos, composto de quatro grandes ciclos Maias e de quatro grandes eras Astecas. Humbatz Men, autor de origem Maia, fala em “Los Calendários” sobre a vindoura “Idade Luz”. Bárbara Marciniak, autora de “Mensageiros do Amanhecer”, da Ground e “Earth”, da The Bear and Company e a astróloga Bárbara Hand Clow, que escreveu “A Agenda Pleiadiana”, da editora Madras, receberam várias canalizações de seres pleiadianos. Essas revelações falam sobre as transformações que estão ocorrendo em nosso planeta e nas preparações tanto física quanto psíquicas que precisamos nos submeter para realizarmos uma mudança dimensional. Segundo as canalizações, as respostas sobre a vida e a morte não estão mais sendo encontradas na terceira dimensão. Um novo campo de percepção está disponível para aqueles que aprenderem a ver as coisas de outra forma. Desde a década de oitenta, quando a Terra começou a entrar no Cinturão de Fótons, estamos nos sintonizando com a quarta dimensão e nos preparando para receber a radiação de Alcione, estrela de quinta dimensão. Zona arquetípica de sentimentos e sonhos, onde é possível o contato com planos mais elevados à quarta dimensão é emocional e não física. As ideias nela geradas influenciam e detonam os acontecimentos na terceira dimensão, plano da materialização. Segundo as canalizações, a esfera tetra dimensional é regida pelas energias planetárias de nosso sistema solar, daí um trânsito de Marte, por exemplo, causar sentimentos de poder e ira. Para realizar esta expansão de consciência é preciso fazer uma limpeza, tanto no corpo físico como no emocional, e transmutar os elementais da segunda dimensão a nós agregados, chamados de miasmas. Responsáveis pelas doenças em nosso organismo, os miasmas são compostos de massas etéreas que carregam memórias genéticas ou de vidas passadas, memórias de doenças que ficaram encruadas e impregnadas devido a antibióticos, poluição, química ou radioatividade. Segundo as canalizações, esses miasmas estão sendo intensamente ativados pelo Cinturão de Fótons. Os pensamentos negativos e os estados de turbulência, como o da raiva, também geram miasmas, que provocam bloqueios energéticos em nosso organismo. Trabalhar o corpo emocional através de diversos métodos terapêuticos, psicológicos, astrológicos ou corporais ajuda a liberar as energias bloqueadas. A massagem, acupuntura, homeopatia, florais, meditação, yoga, o Tai chi, algumas danças, etc, são também técnicas de grande efetividade, pois mexem com o corpo sutil e abrem os canais de comunicação com outros planos universais. As conexões interdimensionais são feitas através de ressonância e para sobrevivermos na radiação fotônica temos que nos afinar a um novo campo vibratório. Ter uma alimentação natural isenta de elementos químicos, viver junto à natureza, longe da poluição e da radiatividade, liberar as emoções bloqueadas e reprimidas, contribuem para a transição. Ter boas intenções é essencial, assim como estar em estado de alerta para perceber as sincronicidades e captar os sinais vindos de outras esferas. Segundo a Agenda Pleiadiana, de Bárbara Hand Clow, o Cinturão de Fótons emana do Centro Galáctico. Alcione, o Sol Central das Plêiades, localiza-se eternamente dentro do Cinturão de Fótons, ativando sua luz espiralada por todo o Universo. Mas afinal e nós nisso tudo? Jornal Nacional da Umbanda ● página 13

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Nós somos os mais beneficiados com tudo isso. Todos nós, os seres encarnados na Terra, estamos passando por um processo de iniciação coletiva e escolhemos estar aqui nessa difícil época de transição de nosso planeta, que atingirá todo o Universo. Os fótons funcionam como purificadores da raça humana e através de suas partículas de luz, às quais estamos expostos nos raios solares, dentro em breve estaremos imersos nesta “Era de Luz”, depois de 11 mil anos dentro da Noite Galáctica ou Idade das Trevas, como os hindus se referiam a Kali Yuga. Como um sistema de reciclagem do Universo, o Cinturão de Fótons inicia a Era da Luz. Existem diversas formas de a humanidade intensificar sua evolução, desenvolvendo um trabalho de limpeza dos corpos emocionais com o uso de terapias alternativas, como florais, Yoga, Sahaja Maithuna, musicoterapia, cromoterapia, Magia Divina, entre muitos outros. São terapias e práticas que trabalham com a cura dos corpos sutis, evitando que muitas doenças sejam desenvolvidas antes mesmo de alcançar o corpo físico, além de curar outras já instaladas. Cada partícula vai se alojando em todos os cantinhos de nosso planeta trazendo a consciência (Luz), a Verdade, a Integridade e o Amor Mútuo. Cada um de nós tem um trabalho individual para desenvolver aliado ao trabalho de conscientização da humanidade. Os corpos que não refinarem suas energias não conseguirão ficar encarnados dentro da terceira dimensão, pois a quarta dimensão estará instalada. E todos nós redescobriremos a nossa multidimensionalidade e ativaremos nossas capacidades adormecidas dentro da Noite Galáctica. A inteligência da Terra será canalizada para toda a Via Láctea. Todos estes acontecimentos foram registrados no Grande Calendário Maia, que tem 26 mil anos de duração e termina no solstício de inverno, no dia 21 de dezembro de 2012 D.C., que marca a entrada definitiva da Terra dentro do Cinturão de Fótons por 2000 anos ininterruptos. E-mail: bboesel@ig.com.br

ORAÇÃO AO PRETO VELHO PAI MANOEL Enviado por: Cicera C. Neves

Amado preto velho, Pai Manoel! Eu vos peço que abras meus ouvidos para que eu saiba ouvir, ilumina meus olhos para que eu saiba ver, ilumina meu íntimo, minha mente e minha alma, para que eu saiba sentir. Também peço pai Manoel que o Senhor limpe, cure, transmute e transforme todo negativismo do meu íntimo, minhas dores, mágoas e aflições e que na calma dos seus gestos, na doçura e sabedoria de suas palavras eu seja consolado (a) amparado (a) e acolhido (a). Ajude-me a passar com fé pelas duras provações que encontro em meus caminhos, não permita meu pai que a ignorância, a tristeza, a falta de amor, de fé, de humildade tomem conta de mim. E que eu consiga enxergar o amor Divino em cada canto da natureza. Afaste da minha vida tudo e todos que me causam mal. Defuma a minha casa meu Pai, e que na fumaça de suas ervas e elementos sejam recolhidos tudo e todos que por alguma razão estejam alojados nela, em meus corpos espiritual, material e em meus familiares. Peço-lhes luz e proteção para meus sete campos, sete corpos, campos e corpos internos e que nada de negativo adentre sobre eles. Sábio Pai Manoel, eu vos peço também, que nas irradiações de Pai Oxalá, Pai Obaluaiê e Mãe Nanã Buruquê, eu seja curado de todos os males que atingem a minha vida, que eu tenha saúde, fé, amor, humildade e que eu evolua espiritualmente, para que assim eu aprenda a praticar a caridade. Que o senhor esteja sempre comigo. Amém. Sarava Pai Manoel. Sarava toda linha de Pretos velhos. Salve a nossa Umbanda Sagrada.

Jornal Nacional da Umbanda

● página 14

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Delegada Margarette Barreto recebe prêmio Excelência Mulher 2012 A Delegada de Polícia, Dra. Margarette Barreto, recebeu, no último dia 27 de março, o VIII Prêmio Excelência Mulher 2012, pelos relevantes serviços prestados à sociedade. A entrega do prêmio foi no Esporte Clube Sírio, promovido pela Distrital Sul do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) em conjunto com a Fraternidade Aliança Aca Laurência, também em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. A mulher de destaque Nascida em São Paulo, em fevereiro de 1968, Margarette estudou em escola pública. É Delegada de Polícia há 18 anos, formada pela Faculdade de Direito Mackenzie, com especialização em Direitos Difusos e Coletivos pela Escola Paulista do Ministério Público de São Paulo. Fez curso sobre intolerância esportiva na Espanha a convite da Federação Espanhola de Futebol (2008), fez curso Polícia e Comunidade no Instituto Marshav, em Israel e curso de Comando de Incidentes com a Guarda Costeira Americana. Trabalhou na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo de 1989-1993. Ingressou na carreira de Delegada de Polícia em 25 de janeiro de 1993, atuando no interior do Estado nos municípios de Ubatuba e São José dos Campos, em 1998 se transfere para a Capital de São Paulo, onde atua principalmente na periferia da zona sul. Em 2002, é convidada a integrar o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa, onde foi titular da Equipe Especial de Investigação de Crimes contra a Criança e Adolescente. Em novembro de 2004 é convidada a dirigir o GRADI – Grupo de Repressão e Análise aos Delitos de Intolerância, que em 2006 é elevado ao status de Delegacia, sendo chamada de DECRADI – Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, onde recebe várias homenagens por entidades da sociedade civil pela luta dos direitos humanos e em defesa das minorias, dentre elas em 2008, recebe homenagem da Secretaria da Justiça do Estado de São Paulo, no dia da mulher, por sua atuação em defesa da justiça e da cidadania. É professora da Escola Superior da Advocacia em direito homoafetivo, e esta semana foi indicada como membro do Comitê Gestor da Segurança Pública para os preparativos da Copa do Mundo em 2014. Atua desde 2005 no Projeto do Tribunal de Justiça – JECRIM nos Estádios que visa combater a violência no futebol, além de atuar no planejamento e nas operações policiais em grandes eventos.

Jornal Nacional da Umbanda

● página 15

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

DOUTRINA

MUITOS SABEM FAZER PLANOS PORÉM, SÓ UM SABE FAZER PLANOS PERFEITOS.

Oscar Quiroga Neste momento em particular há questões de Aqui na Terra de nossa humanidade há pes- soas de grande poder que ficam planejando isso ou grande porte se colocando em marcha, pois essa aquilo para dominar a natureza, o tempo e todos os luta deixou de ser dispersa em milhares de questiúnrecursos que nosso belo e assustado planeta pro- culas para que ninguém a percebesse. Não! Agora se nota com clareza sua verdadeira dimensão. duz. Perante tudo isso e muito mais, e ainda que Essas pessoas são admiráveis estrategistas e possuem estonteante poder, porém, estão cegas tudo não passe de uma teoria, de um desvario ou de pela soberba e não lembraram de que há um estra- uma suspeita, se você é uma alma viva entre o céu tegista muito mais astuto, porque amoroso, cujo Po- e a terra terá intuição suficiente para perceber que der é, inclusive, a origem do poder que essas pes- algo maior está em marcha, e também receberá o convite para você participar nesse algo maior ativasoas soberbas pensam ser exclusivamente delas. Parece piegas reduzir a complexidade do mente, dentro de suas condições e alcance. Ninguém deve abandonar sua família ou tramomento histórico da atualidade àquela luta sagra- da entre o Bem e o Mal, porém, há algo extrema- balho para participar, do lugar em que se encontra mente verdadeiro nessa proposta, e não valeria a pode lançar sua influência, e no lugar em que se enpena desprezá-la apenas por parecer simples de- contra pode lutar a luta que lhe tocar. E ainda que nada disso faça sentido e, muito mais ou porque nos sentindo além das superstições pelo contrário, você se sinta insultado por estas padeveríamos negar o que as sagradas escrituras têm lavras, mesmo assim perceberá que este não é um a nos ensinar. A luta entre o Bem e o Mal é absolutamente momento comum e, por isso, valerá a pena refletir. Eu posso não ter acertado na descrição do verdadeira e, sem ir mais longe, nós todos estamos envolvidos nessa, através de nossas omissões, de movimento, mas que há algo de dimensões cósminossas comissões e de nossos elevados ou vis an- cas em andamento, ah! Isso sim! seios também. Enviado por Glauco Segalla Esta luta se desenvolve desde sempre, mas E-mail: glauco_78@hotmail.com parece que nos tocou testemunhar ativa e passivamente um dos momentos de recrudescimento.

Alicerce Nilcelia Tocaceli

Certa vez, enquanto eu dormia, um amigo espiritual convidou-me a segui-lo a um local onde, segundo ele, poderia demonstrar-me algumas lições práticas sobre uma importante estrutura no ritual de umbanda. Motivado pela curiosidade e pelo desejo ardente de aprender, livrei-me de qualquer receio e pus-me a volitar juntamente com a entidade amiga. Estava todo feliz pelo fato de estar plenamente consciente de tudo o que estava acontecendo e esperançoso de poder encontrar alguma belíssima colônia espiritual de vibrações elevadas. Qual não foi minha surpresa ao perceber que a entidade estava me levando em direção a uma localidade presente aqui mesmo na terra. O espírito amigo olhou para mim e sinalizou com a cabeça que havíamos chegado ao local onde eu iria ter o meu aprendizado. Não pude disfarçar minha estranheza ao perceber que o referido local nada mais era do que uma casa abandonada e estava mesmo imerso em meus pensamentos quando a entidade convidou-me a sentar no chão, olhou profunda e fixamente em meus olhos e perguntou-me: — Companheiro, qual a estrutura mais importante de uma casa? Eu estranhei a pergunta, mas respondi: — Por acaso seria o teto? — Você porventura poderia justificar sua resposta? Jornal Nacional da Umbanda ● página 16

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

— Bem, penso que sem o teto qualquer casa fica exposta ao clima e à poluição e que, por isso, não importa qual seja sua estrutura, um dia ela vem a baixo. Foi então que ele me fez uma preciosa pergunta: — E se as colunas de uma casa não forem resistentes, por acaso elas aguentariam o peso de um teto ou de qualquer estrutura? Eu nem precisei pensar muito e respondi que isso seria impossível, já entendendo que a espiritualidade estava correta e que a estrutura mais importante de uma casa eram seus alicerces. — O mais importante ainda, continuou o amigo espiritual, é que todos os alicerces da casa não têm a mínima ideia de que é deles a estrutura mais importante, tendo em vista que estão quase sempre revestidos por massas, pinturas ou qualquer outro tipo de ornamento e, não obstante tal fato desempenham o seu papel com extrema perfeição. Eu lhe fiz este questionamento companheiro, porque, como disse anteriormente, eu preciso fazerlhe alguns apontamentos práticos sobre uma importante estrutura do ritual de umbanda que se constitui de seus cambones. E a entidade espiritual, colocando sua destra em minha cabeça dilatou minha percepção mental e sensorial de tal forma que, mesmo sem sair do lugar, fui levado em uma velocidade extremamente rápida a visitar vários terreiros de Umbanda, aonde me foi solicitado que em cada um deles observasse atentamente o trabalho dos cambones em auxiliar a Deus. Assim fiz e quando terminou a minha “imóvel viagem” abri meus olhos e ouvi a pergunta: — E então companheiro, nós visitamos vários terreiros de umbanda e, no que diz respeito aos cambones havia sempre uma situação que se repetia. Diga-me: qual seria esta situação? — Bem, o que eu pude observar é que, independente do terreiro visitado, em cada um deles eu via pelo menos um cambone com uma coloração energética pessoal bem mais apagada que a coloração de todos os outros cambones. Foi então que o amigo espiritual me perguntou: — Você saberia dizer-me o motivo desta sua observação? Diante de minha negativa ele respondeu: — Cada um dos cambones com a coloração apagada representa um médium que não está exercendo devidamente o seu papel de alicerce de uma casa. Diga-me o que você observou no primeiro terreiro visitado. — Bom, no primeiro terreiro eu notei que o

cambone com a energia mais apagada era uma médium que não guardava sigilo de absolutamente nada do que ela escutava as pessoas conversarem com a entidade que ela auxiliava, muito menos se fossem os seus próprios irmãos de fé. — Observaste bem! Respondeu a entidade. - Esta cambone está com sua luz pessoal apagada por estar desvirtuada nos campos do conhecimento religioso ou como dizem vocês na terra, por falar demais e indevidamente. Agora, diga o que você observou no segundo terreiro visitado? — Nesta referida instituição religiosa o cambone com a luz mais apagada era um médium que, ao invés de se concentrar mental e espiritualmente com vistas a auxiliar, via magnetismo energético, o trabalho desenvolvido pelas entidades preferia exacerbar toda sua curiosidade, esquecendo-se de praticar a caridade. — Novamente observaste com extremo apuro como um médium pode apagar sua luz pessoal de forma tão intensa quando se encontra desvirtuado, olvidando a prática do amor ao próximo em detrimento ao apego de sua curiosidade pessoal e despropositada. Mas, diga-me companheiro, o que observaste no próximo terreiro visitado? — Neste terreiro a que se referes, eu vi que um médium realizava suas atribuições de cambone com extrema má vontade e quando dele me aproximei para descobrir o porque eu pude ver que o motivo de tamanha má vontade devia-se ao fato do desejo do médium em trabalhar a favor da caridade não como cambone, mas sim por meio da incorporação, entretanto como isso ainda não lhe era possível, ele cambonava com extrema desfaçatez. — Muito boa a tua observação de como age um médium desvirtuado nos campos da evolução, ou seja, neste caso, desejando praticar a caridade de uma forma que seu próprio merecimento ainda lhe nega e olvidando orgulhosamente o trabalho divino de elevação e evolução espiritual através do ato de cambonar. Na realidade o cambone por você visualizado é um médium que, desta casa espiritual, gostaria de ser teto para que, de acordo com seu modo de ver, pudesse aparecer aos olhos do próximo, se esquecendo que as atribuições desempenhadas por um médium em um terreiro não são outorgadas pelo vão desejo de nenhum ser humano, mas sim, por Deus e que, aos olhos do Criador, todos têm a mesma importância. Agora diga-me: - O que você viu no outro terreiro que visitou? — Bem, no quarto terreiro que visitei eu vi Jornal Nacional da Umbanda ● página 17

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

que a cambone com a luz pessoal mais apagada era uma médium que dava muito trabalho para as entidades no ato de cambonar pelo fato de literalmente se intrometer em tudo que as entidades falavam para as pessoas assistidas no momento das consultas espirituais e, pior, esta pessoa cortava abusivamente as falas das entidades para poder, ela mesma dar consultas aos assistidos, como se ela estivesse no mesmo nível hierárquico e evolutivo das entidades que militam na umbanda. — Muito bem notado companheiro sobre o quanto a vaidade pode influenciar na luz individual de um médium e desvirtua-lo nos campos da fé quando este se esquece do fato de que, apesar de serem nossos irmãos e amigos e de se apresentarem de forma simples e humilde sem fazer nenhum esforço para isso, as entidades que participam do ritual de umbanda são extremamente sábias e infinitamente mais evoluídas moral e intelectualmente do que todo e qualquer médium, devendo, não apenas por isso, serem tratadas com o máximo de respeito e dedicação. Estou gostando de suas observações! Agora diga-me: - O que você observou no terreiro seguinte. — Bom, neste terreiro eu notei que o cambone que possuía a luz pessoal mais ofuscada era um médium que não cuidava de sua preparação ritualística para estar num terreiro de Umbanda servindo Deus e a espiritualidade . — E eu lhe digo que o fato observado por você indica tão somente quanto o médium pode desvirtuar-se nos campos da Lei divina e assim diminuir intensamente o brilho de sua luz pessoal quando vai participar de reuniões sem tomar as devidas precauções com o álcool, a carne vermelha e o sexo esquecendo-se intencionalmente dos fundamentos sagrados destas ditas precauções, ou olvidando-os pelos mais escusos motivos. Mas não se acanhe companheiro, diga o que você notou no terreiro seguinte que foi visitado por você. — Bem, no terreiro seguinte o cambone com a luz mais opaca era uma médium que estava pre-

sente no terreiro, mas sem a menor boa-vontade. — É companheiro, quando se está presente numa gira de umbanda para se praticar a caridade apenas em corpo físico e “esquece” o mental e o emocional em outra localidade perde-se muito o brilho de luz pessoal pelo desejo de se chegar ao final do ano religioso e dizer que participou de todas as giras do ano corrente, valorizando a quantidade em detrimento da qualidade, mostrando claramente um desvirtuamento nos campos da justiça divina. — Mas companheiro, agora, só para finalizar, diga o que você viu no último terreiro que visitou. — No sétimo e último terreiro que visitei eu notei que o cambone que possuía a luz pessoal mais apagada era uma médium que vivia a criticar e podar todas as sugestões e ideias que eram fornecidas pelos seus próprios irmãos de fé, não apenas pela vontade de manter um certo conservadorismo , mas principalmente por uma questão de força, para mostrar quem manda e também para defenestrar as ideias e criações do próximo. — Bem companheiro, neste último terreiro visitado você pôde observar como um médium pode diminuir de maneira tão intensa sua luz pessoal por estar desvirtuado nos campos da vida. Sim, pois posso lhe dizer que as ideias criadoras também estão presentes nos campos da criação divina que permite a evolução da humanidade em todas as áreas da vida. Na realidade isto significa dizer que a ideia criadora, quando gera conhecimento, lei, justiça, fé, evolução e amor, na verdade, está gerando a própria vida no coração e mente de seus companheiros de evolução. E quando um companheiro impede que as ideias sejam escutadas e discutidas ele está, simplesmente, se desvirtuando nos campos da vida por estar atuando contra a própria criatividade humana. Na realidade companheiro, de uma forma ou de outra, em cada terreiro visitado esta noite você pôde observar e compreender o porquê de eu ter trazido você até aqui, nesta casa simples e até mesmo desprovida de beleza física.

Jornal Nacional da Umbanda

● página 18

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Eu te trouxe aqui nesta casa sem pintura, sem reboco e até mesmo sem teto para que você possa ver que, mesmo sem possuir um teto continua de pé porque os seus alicerces estão firmes e, nesse caso, por falta de reboco estão mesmo visíveis. Faça um favor para mim companheiro, diga aos seus irmãos de Umbanda que ser cambone é isso mesmo: - É fazer tudo que lhe é solicitado com amor, carinho e zelo, fazendo o maior esforço para ser visível apenas a pratica da caridade e não a individualidade de cada um. Diga aos seus irmãos que a maior qualidade de um cambone e de todo médium no desenvolvimento de sua mediunidade é isso: - Ser invisível aos olhos humanos e visíveis apenas aos olhos de Deus, sendo verdadeiramente o alicerce de uma casa nova e recente, mas que precisa de fortes sustentáculos para ser duradoura, prática e útil a quantos dela precisarem para morar; uma casa tão simples e humilde quanto esta que agora estou a lhe mostrar nesta noite, uma casa de amor , magia e caridade; uma casa, companheiro, que é minha sua e de quantos precisarem, uma casa chamada Umbanda. Saravá aos Cambones! Saravá Umbanda! E-mail: ncjimenes@yahoo.com.br

Oração: Uma Luz no Fim do Túnel.

Sr. Exú Tiriri Lonan, Srs. Exus, Sras. Pomba Giras e Exus-Mirins Por: Pai Evandro de Ogum

Senhor dos Mundos! Criador da Luz e Trevas, do Sol e da Lua, do Dia e da Noite! Permita-nos hoje nesta noite especial, saudarmos os trabalhadores da escuridão que atuam em Teu Nome no resgate dos irmãos arrependidos e perdidos na lama da ignorância. Trabalhadores que levam aos mais distantes e inóspitos campos da escuridão a Luz no Fim do Túnel àqueles que desejam trilhar novamente o caminho da evolução. Trabalhadores endurecidos pelos próprios erros, no entanto aptos a realizar o importante trabalho de fazer valer a Tua Vontade contra os Arquitetos do Mal. Que os espíritos da Linha da Esquerda da Umbanda e da Kimbanda que trabalham nesta casa através do comando do Sr. Exú Tiriri Lonan, atuem como verdadeiros guardiões dos seus médiuns e de todos aqueles que buscam auxílio, proteção e orientação para suas vidas. Salve as Falanges dos Srs. Exus, Sras. Pomba Giras e Exus Mirins! Salve Sr. Exú Tiriri Lonan! Laroyê Exú! Exú Mojubá!

http://evandrodeogum.blogspot.com

Jornal Nacional da Umbanda

● página 19

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

PSICOGRAFIAS

MENSAGEM DO EXU MARABÔ. Psicografada pelo médium Evandro Mendonça.

O tempo é a função e lógica da vida de cada um. Não é a vida que depende do tempo. A natureza age em tudo devagar e silenciosamente para que você perceba que é preciso mudar. É o primeiro sinal dos Orixás, Guias, Caboclos e Protetores Espirituais, para que você valorize mais e respeite o que já tem. Não é mais hora de esperar, de observar e ignorar o que a lógica está cada vez mais mostrando. Você está vendo o que está acontecendo à sua volta. As Entidades Espirituais têm essa relação com a natureza e o tempo, de fazer e ajudar você sair da inércia e dependência de tudo, para ir à busca daquilo que acredita. O seu caminho explica as forças da sua Entidade, porque tudo que ela toca, espelha a forma mais linda e bela, sublime e harmônica. No entanto, você só percebe e se dá conta disso quando o tempo está no final e você já se encontra em estado de angústia, aflição e sofrimento. Mas saiba que a dor tem essa função. É por esse motivo que quando você está fraco, deprimido, solitário, tristes ou cansado, percebe a presença de suas Entidades. São nesses momentos que todos os seus bens, conhecimentos, lógicas, orgulhos, vaidades e suas objetividades caem por água abaixo, então você quer encontrar alguém ou algo que o conforte, acalme e o leve de encontro aos seus desejos. É nessas horas que aparece um “tipo de fé” que você havia esquecido ou não tinha tempo de lembrar, nem mesmo sabia se existia ou onde buscar, então, nessa hora liberte-se de todo o vazio que está dentro de você, e que não faz parte da sua evolução e missão material e espiritual. Nós Entidades Verdadeiras não queremos que você largue tudo e torne-se ignorante, rebelde, fraco, cego, e projete sua vida totalmente diferente de tudo que já planejou e construiu. A espiritualidade deseja que você compreenda as suas vontades e desejos interiores, e use todos os seus conhecimentos para ir à busca de si mesmo e de sua verdade, sem ilusões. Porém, não permita que o seu conhecimento gere o medo. O medo leva à dúvida. A dúvida faz com que você tenha medo de perder tudo. Medo de arriscar, de amar, de acreditar e até mesmo o medo de não ser compreendido e aceito por todos. Por isso, aprenda a sentir você mesmo, qual o seu desejo; assuma os seus defeitos e as suas qualidades e acredite naquilo que ainda não pode ser explicado. O mundo é o tempo. O tempo é a vida. A sua vida é a obra silenciosa das entidades em união com você mesmo. • Em vez de se julgar tão sábio a seus próprios olhos julgue-se aprendiz de tudo e de todos. • Todos os seus caminhos serão puros perante os seus olhos, mas não esqueça que o grande Oxalá pesa o Espírito. • O seu coração planeja seus caminhos, seus objetivos, seus ideais, seus amores, mas nós lhe dirigimos os passos. • As ansiedades no seu coração lhes deixam sem fé, fracos e abatidos, mas uma boa palavra lhe fortalece e o alegra. • A ira dos insensatos você conhece nas mesmas horas ou dia, mas o prudente encobre a afronta. • Não tema em hipótese alguma o pavor repentino, nem as investidas dos perversos quando vier em direção a você. • Você nunca está só, sempre há alguém a zelar por você. • Em todo o tempo ame o amigo e para as horas da angústia nascerá com certeza um irmão. • Os seus pensamentos fazem o que você é e por isso o bom pensamento é a melhor coisa que existe. • Não deixe de fazer o bem a quem os mereça, estando em suas mãos a capacidade e decisão de fazê-lo. • O que é negligente e insensato nas suas obras é também irmão do desperdiçador. • As ignorâncias poderão produzir indiscutíveis e belos fenômenos, mas só com a noção de responsabilidade, bondade e conhecimento, você conseguirá materializar na terra momentos felizes e definitivos Jornal Nacional da Umbanda

● página 20

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

de sua Fé. • Melhor são os seus frutos do que o ouro, do que o ouro refinado, e os seus ganhos mais do que a prata escolhida. • Vejam então que todos vocês são justificados pelas suas obras, e não somente pela sua Fé. • Seja você mesmo, não queira ser o outro, assim você pode dizer orgulhosamente: eu sou o que sou e o que vim para ser. EXU MARABÔ Atualmente, você se encontra na beira de um apocalipse interior, exigindo de você caminhos diferentes que o leve à tranquilidade, paz e felicidade. A necessidade da busca espiritual tem se tornado mais frequente em sua vida e sem dúvida você tem procurado se libertar da cadeia de insatisfações que o cerca e o une em um sofrimento comum. Proponha-se a encontrar as forças das Entidades em você mesmo e encontre a verdadeira sensibilidade que o ligara definitivamente às Forças e Energias Espirituais da Natureza. Se aceitar a sincronicidade das coincidências, permitirá que as Entidades e os seus mistérios encontrem-se com você. Mas, se você não acredita em si mesmo, não pode acreditar nas Entidades. Se você perde a credibilidade em si mesmo, não é possível que sua consciência dê valor a uma Entidade que você nunca viu. Quando perde o respeito por você mesmo, e não tem o conhecimento do porque disso acontecer, perde as esperanças, a suas referências pessoais e da sua própria vida. Torna-se triste, fraco e desanimado, permitindo que a sua consciência seja dominada por outras pessoas ou até mesmo pela sociedade. Ainda há tempo suficiente. As suas referências ainda se encontram dentro de você. As forças que vêm das Entidades vêm de você mesmo e só o atinge porque você permite. E para que essas mesmas Entidades continuem existindo e tendo forças sobre a sua vida, elas precisam que você crie um elo de ligação concreto e não mais imaginário para que elas posam entrar e viver. Elas não irão mudar a sua personalidade nem o seu jeito de ser e de pensar. Elas vão auxiliá-lo a encontrar a sua missão na vida, com seu caminho, com seu desejo, torná-lo mais feliz, visto que você encontrará a vida que elas tanto tentaram mostrar através das coincidências no dia-a-dia. De agora em diante tenha mais Fé, Confiança; acredite nas Entidades e em você mesmo, e procure se observar a si próprio, pois: • Conhecer e dominar o seu eu pode ser a mais difícil das tarefas da sua encarnação aqui na terra. • Uma dádiva lhe será concedida se você lutar com fé, garra e determinação naquilo que você tanto quer. E-mail: evandrorosul@bol.com.br

BENEFICIOS PARA A SAÚDE “CONTAS DE LÁGRIMAS DE NOSSA SENHORA” A SEMENTE QUE CURA Adriana Quadros

Quando os negros vieram da África, já escravizados e batizados pelo catolicismo, aportaram no Brasil trazendo sua cultura religiosa e seus costumes. Abordaremos sobre uma tradição de cunho religioso, que são as contas, que os negros usavam para fazer seus colares (Guias) e adornos em reverência e pedir proteção para seu orixá, um estigma externo de preservação de seus vínculos identitários. As contas têm um sentido religioso que manifesta a tradição e o encantamento do povo africano. No Brasil, os africanos e seus descendentes tiveram dificuldade no uso de suas contas devido o sistema educativo colonial, pois os Jesuítas reverteram o uso dos colares e adornos da época para o seu sentido religioso no catolicismo. Pretendia-se que o negro se livrasse do paganismo (o catolicismo considerava o povo africano pagão) das contas multicoloridas e da sua devoção aos orixás. As contas foram demonizadas e tiveram uma reconfiguração do seu sentido, santos católicos e orixás se misturavam nas contas. . Os africanos tiveram que se readaptar ao momento de mudança, social, cultural e religiosa, o uso Jornal Nacional da Umbanda

● página 21

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

dos colares e braceletes passou a ser meros enfeites perante a religião imposta, e o negro foi obrigado a usar o terço. Por baixo de suas vestes os colares coloridos e por cima o terço. E para confeccionar este terço os negros colheram no mato uma semente que é muito fácil de encontrar no Brasil, os negros eram devotos de Nossa Senhora do Rosário, pois acreditavam que está Santa os ajudavam a diminuir seus sofrimentos e denominaram está semente de “Lágrima de Nossa Senhora”. Este terço era usado pelos escravos para rezar o Rosário, cantar aos orixás, lamentar, chorar suas dores e contar suas histórias. Ao mesmo tempo em que se cantava para mamãe Oxum através do terço, rezavam-se ave-marias, misturando santos católicos com os orixás gerando energia diversa no corpo do negro. Tudo foi muito difícil para o negro escravizado, mas ele não desistiu, lutou por seus direitos, pelo seu povo, por sua história e amou, teve esperança, paciência e resignação, se adaptando ao novo com muita sabedoria. Voltando as contas! Que conta um conto de um canto que canta, vamos entender um pouquinho desta semente. Nome científico: Coix lacryma-jobi L. A Lágrima de Nossa Senhora é da família das Poaceae, ou seja, trigo, cevada, milho, aveia e arroz. A semente e comestível (farinha) e também é medicinal. Ela é nativa da Índia e gosta de lugares úmidos, como a Amazônia. A planta também é conhecida por outros nomes, como por exemplo: Capiá, capim de nossa senhora, capim de contas, capim miçanga, capim rosário, lágrimas de Jó, lágrimas de Cristo, lágrimas de São Pedro, entre vários outros. Um bom mês para se colher as sementes é maio, ocorrendo em outros também. Na religião de Umbanda está conta (semente) é usada para fazer guias e terço de preto (a) velhos, mas ela tem outras utilidades, como por exemplo: no sul da China são usadas para fabricação de esteiras e artesanatos trançados, algumas tribos indígenas da Amazônia utilizam para fazer adornos na cor natural ou pintando de vermelha, amarelo, azul ou verde. Para os índios os colares previnem contra doenças e forças negativas, são empregadas como planta medicinal pelos caboclos. Também é usada em cervejaria para diferenciar o sabor da bebida produzida. Os africanos também introduziram a semente na fabricação do berimbau, chocalhos e outros instrumentos de percussão. As sementes são usadas para confeccionar joias. O nome lacryma-jobi (nome científico) é uma referência às glândulas lacrimais próximas aos olhos. Seus princípios ativos são: proteínas, sais minerais (cálcio, fósforo e ferro), ácidos graxos e coixans A e B, entre outros. As propriedades medicinais dos seus frutos são: anti leucorréico, tônico, depurativo, emoliente e antiasmático. As sementes promovem a excreção de sujeiras do interior do corpo, tem efeito purificador. As suas propriedades são indicadas em casos de doenças, tais como: reumatismo, lombalgia, edema, apendicite, excitação nervosa, febres, inchaço, males dos rins, espasmos musculares, afecções catarrais, doença do fígado e os frutos fortalecem o baço. A lágrima de nossa senhora favorece alguns órgãos do nosso corpo, que é o baço, rins e o fígado, localizado no chacra esplênico, regido pelo sentido da evolução que é transmutador, e este trono é o regente dos Pretos (a) Velhos na Umbanda. O circulo mágico feito por estas sementes (guia ou terço), trabalha no médium como no consulente através deste chacra, curando, purificando, equilibrando o emocional e também nos ensinando a evoluir sempre. Sendo assim, percebemos como a religião tem fundamento, é preciso estudar. A guia ou o terço feita da semente natural é muito mais que imaginamos ser, é uma sabedoria inquestionável e grandiosa. Obs.: Não faça uso da planta ou semente sem o devido conhecimento, pois a mesma pode causar paralisia motora e depressão respiratória. Jornal Nacional da Umbanda

● página 22

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

“MEU ROSÁRIO”

Meu rosário é feito de contas negras e mágicas. Nas contas de meu rosário eu canto Mamãe Oxum E falo padre-nossos, ave-marias. Do meu rosário eu ouço os longínquos batuques do meu povo e encontro na memória mal adormecida as rezas dos meses de maio de minha infância. As coroações da Senhora, onde as meninas negras, apesar do desejo de coroar a Rainha tinham de se contentar em ficar ao pé do altar lançando flores. As contas do meu rosário fizeram calos nas minhas mãos, pois são contas do trabalho na terra, nas fábricas, nas casas, nas escolas, nas ruas, no mundo. As contas do meu rosário são contas vivas. (Alguém disse um dia que a vida é uma oração, eu diria, porém, que há vidas-blasfemas.) Nas contas de meu rosário eu teço entumecidos sonhos de esperanças. Nas contas de meu rosário eu vejo rostos escondidos por visíveis e invisíveis grades e embalo a dor da luta perdida nas contas do meu rosário. Nas contas de meu rosário eu canto, eu grito, eu calo. Do meu rosário eu sinto o borbulhar da fome no estômago, no coração e nas cabeças vazias. Quando debulho as contas de meu rosário, eu falo de mim mesma outro nome. E sonho nas contas de meu rosário lugares, pessoas, vidas que pouco a pouco descubro reais. Vou e volto por entre as contas de meu rosário, que são pedras marcando-me o corpo-caminho. E neste andar de contas-pedras, o meu rosário se transmuda em tinta, me guia o dedo, me insinua a poesia. E depois de macerar conta por conto o meu rosário, me acho aqui eu mesma e descubro que ainda me chamo Maria. (cadernos negros, n.15, p 23-24, jul./dez.1991). E-mail: adrianaquadro@hotmail.com

TIPOS DE FILHOS DE SANTO: Texto retirado da internet, fonte desconhecida

FILHO DE SANTO JIBÓIA: Só vai nas festas para se empanturrar. FILHO DE SANTO PITBULL: Não deixa ninguém se aproximar do Pai de Santo. FILHO DE SANTO PEQUINÊS: Está sempre lambendo o Pai de Santo. FILHO DE SANTO GATO: Dá o tapa e esconde a mão. FILHO DE SANTO BICHO PREGUIÇA: Na hora da função, cadê ele? FILHO DE SANTO MACACO: Pula de Casa em Casa. FILHO DE SANTO HIENA: Está sempre rindo, mas não sabe do que. FILHO DE SANTO CAVALO: Só serve pra dar coice, cuidado! FILHO DE SANTO CONDOR: Está sempre gemendo nos cantos. FILHO DE SANTO GIRAFA: O corpo esta no chão mas a cabeça esta longe. FILHO DE SANTO ELEFANTE: Impossível não notar sua presença. FILHO DE SANTO URUBU: Só aparece quando a coisa fedeu. FILHO DE SANTO ARANHA: Trabalha muito em sua casa, e ainda tem gente que não lhe dá valor. FILHO DE SANTO VIRA-LATA: Leva Coió, mas sempre volta com o rabo entre as pernas. FILHO DE SANTO SAPO: Está sempre cheio de feitiço. FILHO DE SANTO PAVÃO: Gosta de aparecer mais que os outros. FILHO DE SANTO FRANGO: Novo no Santo, mas gosta de cantar de Galo. Jornal Nacional da Umbanda

● página 23

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

FILHO DE SANTO MICO: Só serve pra fazer os outros rirem. FILHO DE SANTO ZEBRA: Sempre corre do “Leão do Pai de Santo”. FILHO DE SANTO PEIXE: Todos contribuem com a festa e ele NADA. FILHO DE SANTO RINOCERONTE: Debaixo de toda aquela casca dura tem um coração mole. FILHO DE SANTO PAPAGAIO: Repete o que o Pai de Santo diz, mas não sabe o que esta falando. FILHO DE SANTO CORUJA: Fica só de longe observando. FILHO DE SANTO POMBO: Se tiver comida ele vem todo dia. FILHO DE SANTO LEÃO: Se você olhar nos olhos dele ele te avança. FILHO DE SANTO CABRITO: Quando aparece na Casa, é no Sacrifício. FILHO DE SANTO BORBOLETA: Esta sempre voando por ai, e quando aparece é só para enfeitar o Salão. FILHO DE SANTO GRILO VERDE: Quando aparece é para dar Sorte. FILHO DE SANTO BARATA: Ninguém gosta, mas esta sempre na Casa de Santo. FILHO DE SANTO GALINHA D’ANGOLA: Cheio de fundamento. FILHO DE SANTO BEIJA-FLOR: Vem na Casa, fica um pouquinho e vai embora. FILHO DE SANTO TAMANDUÁ: Tem a língua maior que a boca. FILHO DE SANTO UNICÓRNIO: Perfeito, mas todos sabem que não existe.

A FIGA

Adriana Quadros

A figa é um amuleto tradicional no Brasil, mas sua origem está muito longe deste país. Estas podem ser confeccionadas em ouro, prata, marfim, pedras diversas, osso, madeira, entre outros. Sempre acompanhada de lendas e invocações, no entanto nada tem haver com o catolicismo, ela está ligada aos velhos cultos fálicos da Ásia e África.No Brasil colônia, os portugueses usavam a figa, mas alguns padres proibiam o uso destes pelos crentes, sem resultado, pois eles teimavam em usa-las para sua proteção pessoal. Apesar da etimologia “figa” ter origem desconhecida, temos uma vertente bem interessante: do latim “fícus” com a significação de figueira. Em português a figa, em sentido figurado com o feminino, foi simbolizada no fruto da figueira. Mais tarde o órgão masculino foi simbolizado em um pedaço de tronco da figueira ou parreira, que os negros a chamavam de Potência ou Poder negro, o fragmento da árvore era cultuado em honra a Exu, uma manifestação da força da natureza, que representa o falo. As primeiras figas provavelmente foram feitas do tronco da figueira, representando a dualidade feminina e masculina, fertilidade e símbolo da vida. Está árvore é nativa das regiões áridas da Ásia e da África do Norte. Entre os caldeus e cananeus a figueira era tida como o símbolo da vida, fecundidade e proteção, o mesmo ocorria entre outros povos. A figa, em sua evolução, tem datas imemoráveis. Os povos caldeus, cananeus, egípcios, persas, gregos e romanos já a conheciam como amuleto, em diversas formas. Encontradas nos túmulos pré-romanos e nas escavações das cidades de Pompéia e Herculano, destruídas pelo Vesúvio (vulcão), como também Baal, Príapo, Dionísio, Baco e Exu, divindades da fertilidade. A mais conhecida entre nós é a fálica, também chamada de latina, tem sua configuração a mão fechada, onde o polegar está colocado entre o indicador e o médio, representando assim o poder da fertilidade e vitalidade, no qual o dedo polegar simboliza o fálico e o indicador e médio o feminino. Atualmente na África não se vê a figa cultivada como divindade fálica, mas ela permanece como símbolo que evoluiu da árvore até um pedaço de madeira das festividades de Baco, até os nossos dias sob a forma de mão fechada. Como se vê, a figa é usada desde a antiguidade e por várias civilizações, mas o simbolismo é o mesmo até hoje, ou seja, proteção. Encontramos na figa a vitalidade e fertilidade de Exu, senhor do axé, do poder, da proteção, o guardião que vitaliza, desvitaliza ou neutraliza toda e qualquer ação, em tudo e em todos os campos. Alguns pretos (a) velhos (a) na Umbanda utilizam a figa como recurso de neutralização de qualquer ação negativa em seus trabalhos, ou seja, buscam o auxilio do guardião. E-mail:adrianaquadro@hotmail.com Jornal Nacional da Umbanda

● página 24

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

UMA PEQUENA CRÔNICA Marco Boeing

Um médium iniciante foi falar com o Dirigente do terreiro, estava ansioso em saber algumas coisas: - Pai, preciso saber urgente quem são meus Orixás e com quais entidades vou trabalhar. - E por que esta pressa meu filho? - respondeu o dirigente. - É que tenho amigos em outro terreiro e quando souberam que eu estava frequentando a Umbanda, me fizeram estas perguntas e eu não soube responder. - Vou te ensinar a resposta, quando te perguntarem novamente responda: “Sou filho do Orixá Humildade e do Orixá Caridade, as entidades com as quais vou trabalhar são Fé, Amor, Paciência, Perseverança.” O médium ficou olhando sem entender as palavras do dirigente que continuou: - Na Umbanda não temos de nos preocupar quem são nossos Orixás, temos o dever de cultuar a todos com a mesma fé e amor, de nossas entidades o que menos vai importar é seu nome, devemos sim nos preocupar em ajudá-las a transmitir para aqueles que as procurarem as energias positivas e a paz que procuram. E-mail: mboeing@ics.curitiba.pr.gov.br

MAGIA, OFERENDAS E TRABALHOS UMBANDISTAS MIRONGA DE PAI OMULU. Enviado por: Cicera C. Neves

1 lençol branco 1 vela roxa 1 copo com água 1 prato branco 1 folha de mamona Colocar o lençol estendido sobre o chão. Colocar a folha de mamona sobre o prato. Consagrar a vela a Deus e oferecer a Pai Omulu e colocá-la sobre a folha. Coloque também sobre a folha da mamona o copo com água. Coloque o prato com os elementos (a folha da mamona, a vela acesa e copo com água) na ponta do lençol onde vai ficar sua coroa (cabeça). Deite-se sobre o lençol de forma que seu corpo fique todo sobre ele, de rosto para cima, estique os braços do lado do corpo e espalme as mãos para cima, fique deitado por pelo menos 30 minutos. Eleve o pensamento em Deus e a Pai Omulu, mentalize tudo que precisa nesse momento, inclusive a cura. Peça que seja decantado, transmutado todo seu negativismo, que seja curado seu espírito, sua matéria, que sejam cortadas todas as ações negativas atuantes sobre você. Peça para curar e encaminhar para o lugar de merecimento todos os espíritos que possam estar em sua casa, em alguns dos seus campos precisando de socorro. Peça para reordenar e reequilibrar o seu íntimo e sua mente, peça fé e coragem para seguir adiante, peça amparo e sustentação na sua caminhada. Peça também pela sua família. Ao levantar-se agradeça a Deus e a Pai Omulu. Faça tudo com fé e respeito, se for do seu merecimento, verás quantos benefícios obterás. Ao terminar a vela, pode retirar o lençol, o prato e o copo e usá-los normalmente. A água do copo, e se sobrar restos da vela e a folha da mamona podem ser colocadas na terra (sempre pedindo licença).

Salve Pai Omulu. Salve nossa Umbanda Sagrada! Jornal Nacional da Umbanda

● página 25

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

ESPAÇO DO LEITOR Parabéns!

Senhores, parabéns por mais, mais essa edição do jornal nacional de umbanda! Tenho lido com atenção as edições do jornal que me enviam, cada vez melhores e mais elucidativas, insuperável a cada edição. Parabéns a todos que contribuem e colaboram, passando seus conhecimentos e vivências tão preciosas. . Lamentável a atitude de certas pessoas, desconhecedoras das leis espirituais e da doutrina espírita, especialmente a nossa Umbanda, que atacam de forma ofensiva e de maneira ostensiva o nosso amado Mestre Rubens Saraceni. Deixo aqui o meu repúdio à atitude execrável de quem age e é movido pela inveja e falta de capacidade própria. Tenho um profundo respeito e apreço pelo nosso Mestre Rubens, que ao longo dos cursos que tive o privilégio e (acredito) o merecimento de fazer em seu colégio, ensinou-me A SER ALGUÉM MELHOR DO QUE FUI OUTRORA, ajudando-me e tendo oportunidade de ajudar meus semelhantes. Continuo ainda tendo esse privilégio, recebendo por e-mail as edições do jornal que me enviam e enriquecem cada vez mais os meus conhecimentos. Obrigada pelo carinho da atenção. Deixo aqui meu afetuoso abraço, na irmandade dos nossos sagrados Orixás. Joselita Maria Gonzaga. Subject: Jornal Nacional da Umbanda Ed 32

MEUS PARABÉNS!

O jornal esta maravilhoso, muito rico, muitos temas para se meditar a respeito. Muita luz para aqueles que se encontram na penumbra. Que Olorum, com sua força maior abençoe a todos que contribuíram e que seus “guias” continuem a intuílos cada vez mais para que possam fazer esta caridade de nos auxiliar no entendimento para a evolução. Beijo no coração de todos os irmãos. Namastê iara_fsilva@hotmail.com Subject: Jornal Nacional da Umbanda Ed 32

Parabéns Irmãos!

Cada edição é uma benção, estou maravilhado diante de tantas matérias educadoras, esclarecedores e restauradoras. Deus vos ilumine cada vez mais. A matéria de Rubens Saraceni é muito importante, sou até suspeito em dizer, pois sou um grande admirador dele, apesar de não conhecê-lo fisicamente, mais em espirito nos conhecemos. Que Deus o ilumine e a todos irmãos Umbandista. Parabéns Jornal Nacional da Umbanda! To: vigilanciaaricanga@hotmail.com Subject: Jornal Nacional da Umbanda Ed 32

Jornal Nacional da Umbanda

● página 26

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

FAZER OU NÃO CURSO DE SACERDÓCIO? Simone Machado

Amigos e irmãos! Vou tecer alguns comentários particulares sobre fazer ou não um Curso de Sacerdócio Umbandista. Ser médiuns, muitos podem ser, mas receber a missão de abrir um terreiro nem todos têm, e quando assim é, então começamos a olhar tudo com outros olhos. Durante anos, fomos preparados como médiuns, mas agora, a responsabilidade é outra, maior. A mediunidade em si já é uma grande responsabilidade. Agora, dirigir um terreiro, cuidar da parte material, espiritual e muitas vezes pessoal de cada médium é um grande trabalho mesmo! Nessas horas começamos a pensar mil coisas e muitas vezes percebemos que nos faltam mais respostas. Obviamente aprendemos com nossos Guias, mas e o resto todo? E os fundamentos de cada coisa? Por que isso é assim e não assim? A Umbanda evolui ou tudo tem que ser do jeito que sempre foi? Como vai se processar então a evolução dos médiuns? Realmente existem “coisas novas” ou simplesmente elas não explicadas? Muitas dúvidas me assombraram, mas meus Guias sempre me conduziram às respostas, seja através de minha mãe Iolanda Neves ou através de mentores espirituais ou mestres umbandistas. Quando soube da possibilidade do mestre e Pai Adriano Camargo vir a POA para ministrar esse curso, imediatamente fui buscar orientação com meu mentor, o qual me incitou a fazer sim. E, nesses 2 anos de curso, eu realmente mudei muito, aprendi o que nem imaginava, descobri tantas coisas, que sempre estiveram ao meu alcance, mas eu precisava me preparar para tantas coisas lindas. Hoje, unindo as minhas formações vejo o quanto é importante estudar e aprender sobre nossa religião, e quando digo isso, não falo de aprender a fazer trabalhos para Orixá, falo em algo mais abrangente, a postura sacerdotal, humana, mediúnica, consciencial, tudo isso eu ainda estou aprendendo muito. Em meu Templo, tudo isso é repassado, pois penso que o “pensar e estudar” é vital para cada médium, não somos mais como antigamente na cultura, no pensamento, na tecnologia, na medicina, etc. E, como disse um sábio: - “Quando sua mente se expande ela jamais volta ao mesmo tamanho”. Agradeço de forma publica ao Pai Adriano Camargo e a Mãe Andréia por toda essa oportunidade, pela disposição, carinho e verdade. Agradeço a minha Mãe Iolanda que, mesmo tendo em seu centro um ritual fixo e lindo, sempre me estimulou a buscar, estudar e aprender. Vale sim e muito, buscar e aprender em um curso de formação sacerdotal. Se você quer transformações, vá e busque! E-mail: chamadourada@ig.com.br

CURSOS E EVENTOS

Jornal Nacional da Umbanda

● página 27

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Jornal Nacional da Umbanda

● página 28

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Jornal Nacional da Umbanda

● página 29

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

Jornal Nacional da Umbanda

● página 30

www.jornalnacionaldaumbanda.com.br

São Paulo, 01 de Abril de 2012. Edição: 33 contato@jornaldeumbanda.com.br

ÚLTIMA PAGINA

MUITOS VÊM, ALGUNS FICAM OUTROS VÃO... A Umbanda é uma religião que acolhe a todos, não faz nenhum tipo de distinção entre as pessoas que atende, e por conta disto a entrada de pessoas nas correntes mediúnicas é uma coisa normal e constante. Algumas casas têm critérios para aceitação de novos membros, outras não, mas uma coisa que nunca deveria ser deixada de lado é o Livre Arbítrio das pessoas. Sou totalmente contra o que alguns dirigentes fazem, semeando o medo em pessoas que “tem mediunidade”. Ouvimos muitas e muitas vezes estes dirigentes afirmarem categoricamente que os problemas da pessoa são causados por sua mediunidade “não desenvolvida”, quase que obrigando o ser a entrar na corrente. E o mesmo ocorre quando uma pessoa demonstra o desejo de se afastar da casa, onde veladamente ela é levada a crer que sua vida vai “desandar” por culpa desta decisão. O agravante é o uso da Espiritualidade, dos Orixás e das Entidades para fazer estas ameaças, como se fossem eles os responsáveis pelos “castigos” que o “desistente” vai sofrer dali em diante. Não tenho como acreditar que Entidades de Luz, Forças puras da natureza irão, de alguma forma, prejudicar uma pessoa apenas por ela ter feito uso de seu Livre Arbítrio, ao escolher não participar ou deixar de participar de uma corrente de Umbanda. Logo eles que nos ensinam sempre que o livre arbítrio é um direito que nos foi “concedido” por Deus. Esta ultima parte do texto vai diretamente aos dirigentes e para aqueles que aspiram ser dirigentes um dia: Será que é valido ter em nossas casas pessoas que ali estejam apenas por medo de serem “castigados”, pelas entidades, por pensarem que sua vida vai “andar para trás” se não desenvolverem? A Umbanda precisa sim de médiuns que a amem, e que a pratiquem por conta deste amor, só assim a sua essência será mantida. Marco Boeing Dirigente da ASSEMA/ Curitiba. E-mail: mboeing@ics.curitiba.pr.gov.br

Jornal Nacional da Umbanda

● página 31


Jornal Nacional da Umbanda Ed 33