Page 1

A

i n f o r m a ç ã o

p r o f i s s i o n a l

i m p r e s c i n d í v e l

Nº16

PARCEIRO

www.gymfactory.pt

instrutores

inverno 2017

6€

16

PROFISSÃO

A

O PAPEL DO STRENGTH AND CONDITIONING SPECIALIST NO DESPORTO

informação

O atleta necessita à sua volta profissionais capazes de o apoiar FISIOTERAPIA

A REEDUCAÇÃO POSTURAL APLICADA ÀS AULAS DE GRUPO EM GINÁSIO Atua tanto ao nível da prevenção como terapia

profissional

ESPECIALIDADE

EXERCÍCIO NA GRAVIDEZ

Porque não aproveitar as suas vantagens?

MERCADO

DO FITNESS PENSADO AO FITNESS SENTIDO

Como concretizar a missão a que nos propomos de melhorar vidas

imprescindível Gym Factory


A

i n f o r m a ç ão

inverno 2017 número 16 Editora: Inés Ledo editora@gymfactory.net

pr of i s s i on al

i m pr e s c i n dível

editorial instrutores

Diretor: Armando Moreira portugal@gymfactory.net Equipa AGAP João Pimentel José Luis Costa Fabio Lopes portugal@gymfactory.net Administração Susana López administración@gymfactory.net Redação Teresa Carmona redacción@gymfactory.net Imprensa e comunicação Carlos Cordeiro prensa@gymfactory.net Audiovisuais Natalia Burdallo info@gymfactory.net Design e layout Javier Ojeda redaccion@gymfactory.net Contribuições: Frederico Abreu Sara Faria André Manz Patrícia Matias Luís Rebelo Mário Sá José Vilaça-Alves, PhD Edita: LENUGYM S.L. Domicilio social: Calle Espartaco 14 28794 Guadalix de la Sierra Publicidade Tel: 911 274 774 publicidad@gymfactory.net Distribuição: Ecological Mailing 916 78 00 09 - www.ecomail.es ISSN: 2174-6168 Depósito legal: M-675-2005 Proibida a reprodução total ou parcial de textos, desenhos, gráficos e fotos sem autorização prévia do editor. GYM FACTORY não se responsabiliza pelas opiniões expressas pelos autores, nem se identifica necessariamente com as mesmas.

O ano termina

com o lançamento oficial da GYM FACTORY, a Feira do FITNESS e das Instalações Desportivas® que terá lugar nos dias 11 e 12 de Maio na IFEMA, Feira de Madrid. Como novidade, este ano ocorre um excelente Congresso Internacional de Gestão desportiva no dia 10, destinado aos grandes operadores, a todos os interessados em conhecer as últimas tendências e estudos do nosso mercado. Uma oportunidade única, seguida de dois dias de Feira: dia 11 para profissionais e dia 12 para instrutores e público especializado. Nesta última edição do ano, desejo aos nossos leitores que aproveitem esta temporada de Natal, que tenham para descansar com a sua família e entes queridos nestes dias fascinantes. Também esperamos que reserve um pouco de tempo para ler esta publicação, criada 100% em Portugal com conteúdos cuidadosamente escolhidos para proprietários, responsáveis e instrutores do setor, que com os artigos especializados dos nossos autores, lhe trará importantes informações úteis para os seus ginásios. Feliz Natal e um Novo Ano cheio de saúde e prosperidade!

Inés Ledo Editora 16

g y m fa c t o ry


instrutores

resumo

inve r no 2017

65 AGAP

10º ENCONTRO NACIONAL FOTORREPORTAGEM Enorme sucesso do 10º Encontro Nacional AGAP. Assista ao vídeo ou passe os olhos por alguns dos bons momentos vividos nos dias 29 e 30 de setembro no Lagoas Park Hotel, por onde circularam mais de 450 pessoas ao longo dos 2 dias.

61

Nutrição desportiva AMINOÁCIDOS Existem mais de 300 aminoácidos na natureza mas apenas 20 são usados na formação das proteínas. A partir destes 20, o organismo consegue sintetizar milhares de proteínas com diferentes funções.

59

Personal training

66  Notícias 65  10º encontro nacional

AGAP 61  Nutrição desportiva 59 Personal training 57 Mercado 55 Especialidade 53 Treino 51 Profissão 49 Fisioterapia 44 Especialistas Gym Factory g y m fa c t o ry

16

PERSONAL TRAINING MANAGER // 5 CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS (1ª PARTE) Hoje é absolutamente decisivo o processo de recrutamento e seleção do profissional que ocupa a função. Pretendemos ainda ajudar a identificar as 5 características fundamentais que um Personal Training Manager deve possuir.

53

Treino

TREINO EM CIRCUITO De forma muito genérica podemos definir que o treino em circuito é um conjunto de exercícios físicos realizados um após o outro, que podem ou não ser repetidos, com pouco ou nenhum tempo de pausa.


notícias

REUNIÃO-GERAL COM ASSOCIADOS AGAP

AMPLIFIQUE OS SEUS EVENTOS n O inovador sistema de localização da DAREYOUspot permite, com custo mínimo, incrementar a exposição dos patrocinadores, melhorar a segurança/controlo da prova e diferenciar a experiência dos participantes. A geolocalização, de todos os participantes, permite o acompanhamento do desenrolar da prova em qualquer lugar e momento, aumentando assim o seu público potencial. Acrescenta também um elemento importantíssimo de segurança, de controlo de percurso e de classificação. O envolvimento dos seguidores transforma-se ao conseguirem acompanhar os seus atletas favoritos e a todo o momento poderem enviar mensagens de apoio. A DAREYOUspot torna mais simples o planeamento e execução da sua prova, aumenta as receitas e diminui os seus custos. Para mais informações: www.dareyouspot.com

n Têm estado a decorrer ações de inspeção por parte da Autoridade Tributária (AT) a vários ginásios acerca das operações isentas de IVA. A AGAP gostaria de reunir os Ginásios-Associados para debater o tema, com partilha de alguns casos, e recolher informações ou sugestões: 4ª feira, 6 de dezembro, 10h3012h30, Hotel na região Centro. Ainda, abordar-se-á o trabalho desenvolvido pela AGAP em sede de negociação do Orçamento de Estado com vista a uma diminuição da taxa de IVA.

A CELL-WELLBEING AVANÇA NO MERCADO PORTUGUÊS COM O LANÇAMENTO DO S-DRIVE NO DESPORTO n Participamos no 10ºEncontro da AGAP com a apresentação do SDRIVE que é um sistema biotecnológico revolucionário, não invasivo, que permite a avaliação epigenética do individuo através do bulbo capilar. Através da conversão das frequências eletromagnéticas registadas em linguagem digital, em apenas 15’, faculta a informação fundamental necessária para a otimização do nosso sistema fisiológico. Ao longo da nossa vida quotidiana, estamos sujeitos aos efeitos da nossa alimentação, meio ambiente e estilo de vida. O impacto destas influências na expressão dos nossos genes é a Epigenética. Podemos constatar que, a maior parte das pessoas vive bastante aquém do seu potencial epigenético. Na Cell-Wellbeing, procuramos consciencializar cada individuo sobre quais

são os fatores relevantes para a otimização do seu sistema epigenético, por forma a recuperar o controlo do seu Bem-Estar. A otimização faz-se refletir em todas as áreas da vida do indivíduo: família, trabalho, lazer e desempenho no desporto. A Cell-Wellbeing dedicou 10 anos de pesquisa desenvolvendo uma tecnologia que destaca os indicadores epigenéticos específicos de cada individuo, tais como os nossos genes e a nossa impressão digital. A informação é usada para gerar relatórios nutricionais, adaptados às necessidades epigenéticas da pessoa, por períodos de 90 dias. Planear uma dieta com base no perfil epigenético, que aborda a singularidade de cada pessoa, é promover a expressão ideal do gene!

SPORT is PARTY! A feira do desporto A favor da saúde, do bem-estar e da atividade física. Contra o sedentarismo e a obesidade.

sport is PARTY!

¡La Feria del deporte!

16 y 17 Junio 2018 w w w.spo rt ispa rt y.co m

40.000 visitantes en dos días

n No próximo ano 2018 realiza-se em Madrid a primeira edição Sport is Party! Um evento desportivo que combina lazer e cultura, onde crianças e adultos podem desfrutar de mais de 120 atividades de 60 modalidades. Um evento original e diferente em que atividades exibicionais, participativas e competitivas de todas as disciplinas desportivas são combinadas, com áreas de exposição e num ambiente 100% recreativo e desportivo. Os visitantes deste grande evento vão recordar-se para sempre de uma experiência única e transformadora, com a versatilidade de uma das mais modernas e melhores instalações de feiras do mundo, como a Feira de Madrid. Paralelo ao evento - numa perspetiva fundamentalmente profissional - serão realizados seminários relacionados com desporto e a saúde. Dois dias frenéticos, 100% ativos, onde se esperam 40 mil visitantes no maior evento multidesportivo para 100% da população. Sportisparty.com

16

g y m fa c t o ry


64 / 65

10ยบ encontro nacional AGAP

Enorme sucesso do

10

ยบ ENCONTRO NACIONAL

29 E 30 DE SETEMBRO, CENTRO DE CONGRESSOS LAGOAS PARK HOTEL

g y m fa c t o ry

16


10º encontro nacional AGAP

NOS DIAS 29 E 30 DE SETEMBRO realizou-se o 10º EN da AGAP. O evento realizado no Centro de Congressos do Lagoas Park Hotel recebeu oradores do mais alto nível entre os quais o espanhol Pablo Viñaspre, Christian Munaier (Brasil) e Brent Darden (EUA). De Portugal estiveram destacadas figuras do fitness, como Ricardo Cláudio da Manz, Bernardo Novo da Solinca, Amâncio Santos da Fitness Hut, entre outros. A conferência foi inaugurada com o seminário de Christian Munaier que partilhou as chaves do departamento comercial do século XXI, tendo destacado o papel do marketing digital como uma das ferramentas para obter novos leads e inscrições. De seguida, Pablo Viñaspre, gerente da WSC Consulting, falou sobre os indicadores de gestão a serem levados em conta na gestão de ginásios.

16

g y m fa c t o ry


62 / 63

10º encontro nacional AGAP

A última apresentação do dia foi em nome do consultor norte-americano Brent Darden, que mostrou 40 ideias inovadoras usadas por ginásios. Após a apresentação de Darden, os participantes arrancaram para um Club Tour com 150 pessoas em 3 autocarros, iniciado no Estádio da Luz. O dia continuou com um tour por vários clubes em Lisboa – Jazzy, The Code, Fitness Hut Alfragide, Solinca Alfragide e, por fim, Fitness Factory Venda do Pinheiro, onde se celebrou com um beberete, a cargo da Precor. O dia de sábado recebeu várias Autoridades do Desporto, comemorando assim a Semana Europeia

g y m fa c t o ry

16


10º encontro nacional AGAP

do Desporto. Houve apresentações que procuraram enfatizar o papel da atividade física e da alimentação no bem-estar geral da população. Enquanto isso, as palestras de Pablo Viñaspre e Christian Munaier visavam os gerentes de instalação e uma mesa redonda final com a participação do diretor de expansão da cadeia de lojas TRIB3, Rod Hill. Em jeito de balanço, numa escala de 1 a 10, 92,5% dos participantes que responderam à questão “Como classifica o 10EN de uma forma global?” avaliaram acima de 8. Continuam a existir situações reportadas a melhorar, diversas sugestões, mas no

geral os associados, convidados e parceiros saíram muito satisfeitos pelos conteúdos e pelo ambiente único que se vive nos Encontros Nacionais, sempre pela mão da AGAP. A Gym Factory TV foi o Media Partner oficial do evento e, em conjunto com André Barbosa, disponibilizam-lhe uma foto reportagem. Assista ao vídeo:

16

g y m fa c t o ry


60 / 61

nutrição desportiva

AMINOÁCIDOS

Os aminoácidos são compostos orgânicos que constituem as unidades básicas das proteínas. A sua estrutura envolve um carbono central α (C) ao qual se encontram ligados um grupo amina (NH2), um grupo carboxílico (COOH), um hidrogénio (H) e uma cadeia lateral genericamente representada pela letra “R”. Os grupos R variam de aminoácido para aminoácido e determinam as suas propriedades bioquímicas e funções.

EXISTEM MAIS DE 300 aminoácidos na natureza mas apenas 20 são usados na

formação das proteínas. A partir destes 20 aminoácidos o organismo consegue sintetizar milhares de proteínas com diferentes funções. O músculo-esquelético constitui o maior reservatório de aminoácidos, tanto na sua forma livre como ligados, designando-se por peptídeos. Os aminoácidos ligam-se através de ligações peptídicas que se estabelecem entre o grupo amina e o grupo carboxílico de dois aminoácidos diferentes, libertando uma molécula de água.

g y m fa c t o ry

16

Classificação A nível nutricional os aminoácidos podem classificar-se em essenciais ou não essenciais. Os aminoácidos essências são aqueles que o organismo não consegue sintetizar pelo que devem ser obtidos através da ingestão de alimentos. A este grupo pertencem 9 aminoácidos: isoleucina, leucina, valina, fenilalanina, metionina, treonina, triptofano, lisina e histidina. Os aminoácidos não essenciais são sintetizados pelo organismo e incluem a glutamina, alanina, asparagina,


ácido aspártico, ácido glutâmico, serina, arginina, glicina, prolina, tirosina e cisteína. Este grupo inclui os aminoácidos condicionalmente essenciais (arginina, cisteína, glutamina, prolina e tirosina) que, em certas circunstâncias tais como o crescimento ou doença, tornam-se nutricionalmente essenciais.

Funções Como unidades básicas que constituem as proteínas, os aminoácidos têm uma função essencial no crescimento, reparação e manutenção dos tecidos. Para além da sua função principal como componentes das proteínas os aminoácidos apresentam outros papéis importantes no organismo: • metabolismo e absorção de nutrientes: transporte de nutrientes, síntese e degradação proteica, síntese e oxidação da glicose; • sinalização celular; • síntese e secreção de hormonas (insulina, glucagon, hormona de crescimento, glucocorticoides, prolactina, epinefrina); • função imunitária (proliferação das células T, maturação das células B, produção de anticorpos) • reprodução e lactação (espermatogénese, fertilidade, ovulação, esteroidogénese ovariana, implantação do embrião, lactogénese) • balanço ácido-base, transmissão de impulsos nervosos, defesa antioxidativa;

res como é o caso da glutamina, arginina e os aminoácidos de cadeia ramificada (valina, leucina e isoleucina). Os aminoácidos de cadeia ramificada representam um terço dos aminoácidos presentes no tecido muscular e têm especial interesse para os desportistas, já que podem ser metabolizados diretamente no músculo, ao contrário de outros aminoácidos essenciais, que são metabolizados no fígado. Os objetivos da suplementação com estes aminoácidos passam pela estimulação da síntese proteica muscular, diminuição da taxa de degradação proteica após o exercício e prevenção da fadiga central.

LASTONRED Nome do produto Ingredientes Modo de utilização Conteúdo Função

GOLDNUTRITION Nome do produto Ingredientes Modo de utilização

Conteúdo Função

• crescimento e desenvolvimento fetal.

Fontes de aminoácidos Os alimentos com teores elevados de aminoácidos essenciais são considerados de alto valor biológico. Nestes estão englobados os alimentos de origem animal como a carne, peixe, ovos e laticínios e alguns de origem vegetal como a soja, quinoa e amaranto. Outras fontes de aminoácidos de origem vegetal incluem as leguminosas, cereais integrais, pseudocereais (quinoa, amaranto e trigo sarraceno), frutos gordos, cremes de frutos gordos e sementes. As proteínas de vários alimentos de origem vegetal são constituídas por todos os aminoácidos essenciais, no entanto, a quantidade de um ou dois aminoácidos poderá ser baixa. Numa dieta vegetariana, deverá haver o cuidado de ingerir uma diversidade de alimentos de origem vegetal para, através da complementaridade dos seus aminoácidos, atingir as recomendações quer proteicas quer em aminoácidos.

Suplementação No mundo desportivo, alguns aminoácidos são bastante utilizados sob a forma de suplementos alimenta-

ULTRA BCAA 8:1:1 100% aminoácidos ramificados (L-Leucina, L-Isoleucina e L-Valina) 2 tomas (4 comprimidos) após o treino 400 comprimidos Promover recuperação e aumento da massa muscular

CREATINE POWER MIX 4g de creatina creapure. Fase de carga: Tomar 4 doses por dia, durante 5 dias- ao pequeno-almoço antes e após o treino. Fase manutenção: Tomar 1 dose 30 a 40 minutos antes do treino, durante 8 semanas. 1kg. A creatina desempenha um papel muito importante na transferência de energia e na reposição das reservas celudares de energia e ATP. É fundamental para alimentar o processo de contração muscular. CREATINE POWER MIX é uma fórmula composta por creapute- creatina mais pura, segura e de maior qualidada do mercado, sendo obtida através de um processo patentado.

GOLDNUTRITION Nome do produto Ingredientes Modo de utilização Conteúdo Função

BCAA´S 2g L-Leucina; 1g L- Isoleucina; 1g L-Valina 2 comprimidos antes e 2 comprimidos após o treino 60 ou 180 comprimidos Os BCCA´S são aminoácidos fundamentais para a preservação de tecido muscular e estimulam a produção de insulina. A toma de BCAA´S previne a fadiga central e fortalece o sistema imunitário.

Sara Faria

Nutricionista. Licenciatura em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto – FCNAUP. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra - FMUC.

16

g y m fa c t o ry


58 / 59

personal training

5

PERSONAL Training Manager Características Fundamentais

1

Humildade.

A humildade é a característica distintiva dos líderes mais evoluídos. Jim Collins cunhou o termo “Liderança de Nível 5” para ilustrar como os melhores líderes transformaram as suas empresas e equipas em exemplos de grande sucesso, usando a humildade como catalisador da mudança, motivação e empenho. Podemos concluir, facilmente, que a função do líder é servir as suas equipas para que estas possam desenvolver o seu trabalho no máximo da sua capacidade de performance. Uma liderança humilde promove relações fortes, estimula a criatividade e a participação de todos. A humildade tem o poder de inspirar e atrair os outros.

g y m fa c t o ry

16

PARTE 1

Num mercado onde o serviço de Personal Training ocupa, cada vez mais, um espaço de maior importância na organização estrutural e operacional dos clubes de fitness, a figura do Coordenador de Personal Training (PTM) é já uma realidade na maioria das marcas que querem desenvolver o seu departamento de personal training com mais rigor, competência e níveis superiores de performance. Assim sendo, torna-se absolutamente decisivo o processo de recrutamento e seleção do profissional que ocupa a função. Pretendemos com este artigo ajudar a identificar as 5 características fundamentais que um Personal Training Manager deve possuir:

2

Foco.

Estar focado e manter o foco é uma das características mais importantes de um líder, em qualquer mercado ou processo. Nas estruturas de personal training os objetivos comerciais da equipa - e o cumprimento dos mesmos estão sempre relacionados com a capacidade de foco de todos os elementos. Esse foco deve ser alimentado e potenciado pelo coordenador, diariamente. Para que isso aconteça com sucesso, o coordenador deve ser capaz de construir planeamentos individualizados, baseados em análise estatística específica. Precisa de ser capaz de construir um conjunto de indicadores Benchmarks diários, que todos os elementos da equipa


devem conhecer e operacionalizar. A capacidade de construir este tipo de planeamentos irá permitir um melhor follow up e uma gestão de agenda muito mais eficiente e eficaz.

3

Resiliência.

Os desafios associados à função de PTM são diários e constantes. O recrutamento, o planeamento de integração, o treino técnico e comercial da equipa, no fundo todo processo de supervisão pedagógica e comercial, requerem a capacidade de resolver problemas, adaptar-se a mudanças, lidar positivamente com a pressão e, maioritariamente, tomar decisões estrategicamente produtivas, contornando o stress. Autocontrolo emocional, otimismo, capacidade de análise e empatia são um somatório de características que podem ajudar a definir o perfil de resiliência de cada um.

4

Capacidade de Comunicação.

Se a comunicação é a base de toda a atividade humana, então a capacidade de comunicar eficazmente é a base de todos os processos de liderança. Para o PTM, comunicar de forma orientada com cada um dos elementos da equipa, respeitando a sua singularidade, pode ser um desafio. Comunicar com a gestão do clube, equipas comerciais e clientes poder ser um desafio ainda maior. Transformar estes desafios em oportunidades positivas de onde se retira valor acrescentado para a equipa como um todo, marcará seguramente a diferença na performance global da equipa e do departamento. Capacidade de escuta, comunicação não-verbal, confiança, feedback eficaz, simpatia e respeito são características fundamentais para podermos comunicar de forma aberta e eficiente.

5

Formação Avançada.

O serviço de personal training deverá sempre ser entendido como um processo tecnicamente avançado. A sua supervisão técnica e pedagógica é uma das responsabilidades mais importantes para qualquer PTM. Garantir a implementação de todos os protocolos de avaliação, planeamento e controlo, bem como a correta interpretação dos mesmos por todos os elementos da equipa é fundamental para que todo o processo culmine com sessões de treino extraordinárias. Para isso, o PTM deverá ser um profissional apaixonado pelo treino e com níveis de formação técnica consolidados e atualizados. Ser certificado por instituições de formação técnica de referência é muito importante para que possa, com maior legitimidade, ajudar a equipa. Esta deverá ser transversal ao processo de angariação de novos clientes. “Pode não ser o vosso foco principal de atenção, mas não podem ignorar as vendas! Por isso, pensem no assunto, revejam a vossa atitude, treinem os skills de vendas e estejam na linha de frente da revolução” (Peters, 2001). Formação e conhecimento em processos de influência e vendas serão uma contribuição extraordinária para toda a equipa, sobretudo nos momentos de integração de novos elementos. Para uma função em full time, que tem como principais responsabilidades, recrutamento, treino, definição e cumprimento de objetivos comerciais e que assenta uma relação de extrema proximidade com o gestor do clube, o domínio destas 5 Luís Rebelo características assume um papel preponderante no alto desempenho profissional do Personal Training Manager. Pós-Graduação em Gestão de Ginásios e Health Clubs. Pós-Graduação em Direção Na próxima edição da revista continuaremos a explorar Técnica de Ginásios e Health Clubs. o tema “Personal Training Manager // 5 Características Especialista em Gestão de Equipas de Fundamentais - 2ª PARTE”. Personal Training.

16

g y m fa c t o ry


56 / 57

mercado

Do FITNESS pensado ao FITNESS sentido

Quando, há 20 anos, as primeiras aulas aeróbicas começaram a fazer sucesso em Portugal, seria ainda prematuro antever a explosão que, volvidas as décadas, os mercados do exercício físico e do bem-estar (e até da alimentação saudável!) teriam no nosso país.

T

emos assistido a uma proliferação e aumento consecutivos de novas metodologias de treino e de abordagens diferentes dos próprios ginásios e health clubs que chegam aos portugueses com uma oferta cada vez mais personalizada e adequada às suas necessidades e rotinas reais. E é precisamente esta realidade que, hoje, faz com que a dinâmica na área tenha disparado, bem como a exigência de uma maior intervenção qualitativa, atenta e atualizada de todos os profissionais que nela se movem. Quando, há 20 anos, o mercado do Fitness existia como novidade por si só, seria ainda prematuro antever a popularidade que as redes sociais assumiriam na sua visibilidade e divulgação ou o grau de importância de que se revestira a partilha dos últimos quilómetros de corrida percorridos na marginal de Oeiras.

g y m fa c t o ry

16


Atualmente, estamos perante uma realidade completamente distinta, com espaço para o comentário e intervenção direta do público, que exige também mais. Falamos de um universo, por isso mesmo, obrigatoriamente, mais competitivo. Paradoxalmente, ou de forma complementar, é também um universo com mais informação, escolha e uma maior consciência global de que todos temos o privilégio de atuar numa área que contribui, realmente, para vidas mais saudáveis e felizes, independentemente da forma. Se, há uns anos, o mercado do Fitness e a sua própria oferta eram essencialmente racional – que localização escolher para o ginásio, que programas oferecer, quais os passos da coreografia a decorar – hoje o público e as suas dinâmicas exigem muito mais, um upgrade que passa, diariamente, por novas questões como: • Que personalidade deve o ginásio ter? • Que ações deve realizar para as transmitir? • Como concretizar, efetivamente, a missão a que nos propomos de melhorar vidas? E esta última é, sem dúvida, o turning point. Porque ter um ginásio ou health club não é o mesmo que fazer parte de um negócio na área da saúde, mas não deixa de ser negócio cuja premissa é tornar mais saudáveis os seus clientes. E até que ponto são suficientes os equipamentos para esse fim, no espaço de cardio, musculação e treino funcional ou mesmo as aulas de grupo? A necessidade de tornar cada vez mais multidisciplinar esta área, numa dicotomia que mantém a especialização, é premente. Por isso, assistimos a um maior enquadramento de parcerias que promovem, por exemplo, acompanhamento nutricional ou a criação de eventos próprios e dias abertos à comunidade. É um caminho diferente, mais completo, para pessoas mais saudáveis a todos os níveis: físico (corpo e organismo) e mental. O resultado é uma maior eficácia na missão proposta. Porque o Fitness, nesta ótica, passa a ser sentido. Há um maior envolvimento e sentimento de pertença, não ao espaço do ginásio ou clube mas a uma comunidade que acredita e partilha outro tipo de valores. Que privilegia o bem-estar, o cuidado com o corpo, a saúde e a qualidade de vida. E que então

depois escolhe, em função de tudo isso, o espaço que melhor o transmite para si. Um outro exemplo desta elevação do conceito são as campanhas de solidariedade e o alcance e impacto que conseguem obter, neste mesmo âmbito. A neozelandesa Les Mills, empresa fundadora dos programas mais populares de aulas de grupo em todo o mundo, leva a cabo este ano uma dessas mesmas campanhas que já nem sequer é local, mas para todos os países que queiram aderir. Chama-se “Move the World” e visa fazer chegar água potável aos países de África. A sua implementação não poderia estar mais dentro do que vimos antes: implica a organização de eventos próprios em cada ginásio, envolvendo os seus sócios e motivando-os para um objetivo comum que os lembra que, tal como eles que pretendem ser mais saudáveis, também está ao seu alcance contribuir para propagar esse efeito. Por outro lado, esta união por objetivos comuns aumenta também o sentimento de pertença e de identificação com os espaços que o incentivam. Em Portugal, e porque já existe um evento que une os principais players do mercado do Fitness - #Portugalfit, é lá que ganha também palco esta campanha, revertendo a ida de cada pessoa ao evento (devidamente comprovada com fotografia partilhada nas redes sociais) em 50 cêntimos para a UNICEF – entidade destinatária. São ações que refletem a conjuntura e exigência de um público cada vez mais informado, participativo, com ferramentas para participar e uma voz ativa. Mas, acima de tudo, a maior consciência e conhecimento de todos os envolvidos neste mercado porque, quanto mais se sabe e se é exposto a novas tendências de treino e correntes de pensamento saudável, maior responsabilidade existe em personalizar opções, oferecer maiores resultados e intervir, realmente, de forma positiva e com qualidade, na vida das pessoas.

André Manz Fundador da Manz

16

g y m fa c t o ry


54 / 55

especialidade

na Gravidez. EXERCÍCIO

Porque não aproveitar as suas vantagens? É bastante seguro continuar ou até começar uma rotina de Exercício Físico durante a Gravidez. Há alguns cuidados a ter, mas os benefícios são infindáveis para a Gestante e para o Bebé. Tem uma relevância extrema que nós, enquanto técnicos, estejamos prontos para ajudar conscientemente esta população.

D

urante muito tempo, o medo do impacto do Exercício na Gravidez impediu, e ainda impede, muitas futuras mamãs de continuar ou iniciar a atividade física. Impediu inclusivamente vários agentes de saúde de aconselhar a prática orientada de Atividade Física. Este fator, em junção com a crescente falta de hábitos de vida saudáveis, trouxe-nos um conjunto de preocupações que, por vezes, atormentam esta fase maravilhosa da vida de um casal. Felizmente, a ACOG (American Congress of Obstetricians and Gynecologists) veio ajudar a trazer alguma luz sobre o assunto e dar-nos diretrizes muito específicas sobre a segurança para a grávida e feto. Essas guidelines podem dividir-se da seguinte forma: • • • •

Recomendações Contraindicações relativas Contraindicações absolutas Sinais de Interrupção do Exercício

g y m fa c t o ry

16

Recomendações

Atualmente o recomendado pela ACOG, em parceria com alguns investigadores, é a prática de exercício físico 5 vezes por semana com a duração de aproximadamente 30 minutos. Os objetivos gerais passam por controlar o ganho de peso durante a gestação consoante o IMC prévio à gravidez (Tabela 1), bem como aliviar alguns desconfortos e prevenir algumas condições inerentes a este período. O treino deve ser fundamentalmente aeróbio entre 60 e 70% da FCMax ou entre 12 e 14 da Escala de Borg, devendo sempre haver uma componente de resistência muscular (preparando os incómodos físicos próprios de ter um bebé) e flexibilidade (há indícios de que ajuda a modelar a tensão arterial na gestante). Não devemos nunca alienar também o Pavimento/Soalho Pélvico. Não apenas o fortalecimento, mas acima de tudo o conhecimento e controlo do mesmo, uma vez que terá de permitir a formação do canal de parto. Os exercícios de Kegel são uma forma bastante conhecida de abordar esta região.


TABELA 1 - GANHO DE PESO RECOMENDADO ACOG / INSTITUTE OF MEDICINE IMC PRÉ GRAVIDEZ (KG/M 2 )

GANHO TOTAL (KG)

GANHO P/ SEMANA 2º/3º TRI (KG)

< 18,5

12,7 – 18

0,450 – 0,590

18,6 – 24,9

11,2 – 16

0,363 – 0,450

25 – 29,9

7 – 11,2

0,223 – 0,318

> 30

5-9

0,181 – 0,272

Contraindicações e Sinais de Interrupção Existem várias contraindicações das quais o Técnico de Exercício Físico deve ter conhecimento. Desde as absolutas, como por exemplo a Doença Cardíaca significativa ou a Placenta Prévia, até às relativas que não impedem a prática mas limitam a mesma (e.g. Anemia ligeira ou o IMC <12). Essas contraindicações devem ser um ponto fulcral na avaliação inicial e balizam todo o planeamento para o treino ao longo da gestação. Independentemente da existência ou não de alguma contraindicação relativa, existem vários sinais claros para a interrupção imediata da pratica de exercício físico, pelo menos até à consulta de

um médico. Entre eles estão o sangramento vaginal ou as contrações dolorosas regulares.

Vantagens A forma encontrada pelos investigadores para avaliar a influência do exercício físico, foi a análise detalhada dos resultados ou outcomes da gravidez. Estes podem ser divididos em 3 categorias: a Gestante/Mãe, o Parto e o Bebé. Sabemos já que a gestante ativa terá menos probabilidade de desenvolver Preeclampsia (uma patologia que não tratada poderá causar complicações severas e pode obrigar a um parto pré-termo), Hipertensão Arterial relacionada com a gravidez e, ainda, Diabetes Gestacional. Há ainda fortes crenças de que a atividade física pré gravidez e durante a gestação pode diminuir a dimensão da Diástase Abdominal (separação do músculo rectus abdominis na zona da linea alba) no pós-parto. Esta ocorrência é uma das maiores problemáticas no pós-parto e toma um papel fundamental na autoestima e sistema emocional da puérpera (mulher no período imediatamente após o parto). Com o aumentar da idade média das mulheres que decidem engravidar, os riscos de disfunções urinárias e sexuais após o parto tornam-se significativos. O reforço muscular do pavimento pélvico tem aqui um papel fundamental e conseguirá até reverter muitos destes casos. Quanto ao parto propriamente dito, sempre que seguidas as recomendações da ACOG, o exercício não provoca qualquer aumento de incidências pré-termo. Há sim fortes indícios que ajuda a reduzir o número de cesarianas e partos distócicos, acelera a primeira fase do parto (dilatação) e pode ainda ajudar a reduzir o número de rasgos e episiotomias. No caso do bebé, este parece ainda beneficiar da prática regular de exercício por parte da mãe, sendo que alguns estudos mostram que a incidência de baixo peso e macrossomia na altura do parto diminuem. ATENÇÃO: sensivelmente a partir da 20ª semana de gestação não devemos promover o decúbito dorsal por mais de 5 minutos devido ao Síndrome Hipotensivo Supino. Esta situação acontece quando o útero tem um tamanho/peso suficiente para pressionar a veia cava inferior e diminuir o retorno venoso daí proveniente. Nesta situação a gestante poderá sentir tonturas, náuseas e dificuldade em respirar. Uma solução temporária (caso o decúbito dorsal seja imprescindível) pode ser a colocação de uma inclinação na zona da cintura escapular ou uma almofada na zona pélvica, apenas para que o útero se desloque ligeiramente.

Frederico Abreu Diretor Técnico do Índice Gym. Personal Trainer. Licenciado em Ciências do Desporto - Educação Física e Desporto Escolar pela FMH.

16

g y m fa c t o ry


52 / 53

treino

Treino em CIRCUITO O treino em circuito foi desenvolvido por Morgan & Anderson em 1953 na Universidade de Leeds – Inglaterra. Inicialmente este protocolo de treino era composto por 9 a 12 exercícios, realizados com intensidade moderada (40 a 60% 1 RM), com um número específico de repetições ou quantidade de tempo. Após o término do número de repetições ou tempo previamente definido, o praticante descolocava-se para outro exercício (Kravitz, 1996).

E

studos epidemiológicos têm demons-

trado forte relação entre a inatividade física e presença de fatores de risco cardiovascular como hipertensão arterial, resistência à insulina, diabetes, dislipidémia e obesidade (Rennie, McCarthy, Yazdgerdi, Marmot & Brunner, 2003). O exercício físico representa a prática de atividade física de um modo planeado e estruturado com o objetivo de melhorar a eficiência e a capacidade do sistema cardiorrespiratório e da força muscular associada com a capacidade funcional e da saúde dos indivíduos (Powell, Paluch & Balir, 2011). O exercício físico representa a forma mais eficaz da redução dos fatores de risco de: (i) Doenças Cardiovasculares (DCV), nomeadamente a doença cardíaca coronária (Li & Siegrist, 2012) e o acidente vascular cerebral (Li & Siegrist, 2012) (ii) Diabetes, nomeadamente no seu aparecimento, superando os efeitos da dieta e da medicação (Walker, O’Dea, Gomez, Girgis, & Colagiuri, 2010) e o seu controlo (Oliveira, Simoes, Carvalho, & Ribeiro, 2012); (iv) Depressão (Mammen & Faulkner, 2013).

além disso, também é clara a importância de uma avaliação antes da prescrição, seja por que dose ou tipo de estímulo for. Por conseguinte, a elaboração de um plano de treino em circuito deverá depender sempre das características bio psicofisiológicas do praticante, associado às suas necessidades e objetivos.

Objetividade do treino em circuito O treino em circuito é uma das tendências atuais do fitness (Thompson, 2016). Portanto, conforme se comprova, existe hoje uma grande procura por todos aqueles que são apaixonados pelo movimento e/ou por quem necessita de promover a sua saúde de forma genérica e prevenir a doença, para que possa viver mais e melhor.

Avaliar antes de prescrever exercício físico

Treino em circuito: o que é, como prescrever, vantagens e benefícios associados

Parece ser consensual na comunidade científica os benefícios da prática regular de exercício físico. Para

De forma muito genérica podemos definir que o treino em circuito é um conjunto de exercícios físicos realiza-

g y m fa c t o ry

16


dos um após o outro, que podem ou não ser repetidos, com pouco ou nenhum tempo de pausa. A prescrição de exercício físico em contexto de treino em circuito dependerá, como acima mencionado, das características, necessidades e objetivos do praticante, no entanto, devemos respeitar alguns princípios metodológicos: • Dar preferência aos exercícios com complexidade e espaço de movimentação limitados • Considerar os meios e tempo disponível • Selecionar a carga dos exercícios em função das capacidades a desenvolver • Estabelecer a sequência dos exercícios, observando as seguintes regras: o Aumento gradual da carga o Alternância das partes do corpo solicitadas e dos grupos musculares envolvidos no exercício o Alternância dos movimentos de flexão com movimentos de extensão.

As vantagens da utilização deste método de treino são muitas: • Permite um controlo e doseamento eficientes da carga do treino • Possibilita a participação simultânea de um grande número de praticantes

• Permite o uso eficaz de exercícios com conteúdo e identidade diversificados de forma a resolver em simultâneo diferentes tarefas do treino • Permite evitar a monotonia em consequência da alternância de estações • Permite a dosagem individual da carga • Pode ser aplicado para diferentes objetivos numa sessão de treino: o Aquecimento o Meio suplementar de treino (descanso ativo) o Conteúdo principal do treino. A utilização do treino em circuito acarreta um elevado dispêndio energético. Revela-se também muito eficaz na melhoria da capacidade aeróbia e anaeróbia, na componente cardiovascular, na diminuição da resistência à insulina, da gordura abdominal e consequentemente na diminuição do peso corporal (adaptado de Buchheit & Laursen, 2013). O exercício físico, particularmente o treino de força em circuito, é um dos método de treino comprovados para reduzir o declínio acelerado da força muscular exibida por adultos mais velhos (adaptado de Buch et al, 2017).

Mário Sá

Mestre em Educação Física e Desporto pela Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias em Lisboa (2014). Formador de Educação Física e desportos de combate. Formador ao nível do treino de força, Doutorando nessa área.

16

g y m fa c t o ry


50 / 51

profissão

O Papel do Strength and Conditioning Specialist no DESPORTO O Desporto é um espetáculo que desperta paixões, considerado uma arte e uma forma de cultura. O Desporto é influenciado pela sociedade e influencia a mesma. Nesta sociedade em que ser mais forte, chegar mais longe e mais alto está de tal forma exacerbado, as exigências físicas, psicológicas e sociais que se pede ao seu principal interveniente (o atleta) são enormes.

g y m fa c t o ry

16

PARA CONSEGUIR ESTAR AO NÍVEL

das exigências anteriormente referidas, o atleta necessita à sua volta de um conjunto alargado de profissionais capazes de o apoiar na sua mais ou menos curta carreira profissional. Entre eles surge aquele que é responsável pela potenciação da sua condição física e por tentar fazer com que ele se mantenha nesse nível elevado pelo maior período de tempo durante a sua carreira desportiva, o Strength and Conditioning Specialist (SCS). O SCS é um profissional com conhecimentos superiores ao nível do desenvolvimento da condição física dos atletas e na prevenção e recuperação de lesões. Estes profissionais podem atuar quer em desportos individuais quer em desportos coletivos. Nestes últimos, podem trabalhar com a globalidade da equipa ou com cada atleta individualmente. A sua importância no contexto desportivo tem sido reconhecida principalmente em países como os EUA, Inglaterra e Austrália. Uma vez que atua em contextos diversos no âmbito desportivo e não está confinado a uma modalidade desportiva específica, o SCS necessita de ter uma formação superior no mínimo, ao nível da licenciatura em Ciências do Desporto. Contudo, será necessária uma formação


especializada e contínua extra para se tornar num verdadeiro SCS. Esta formação superior é necessária porque os SCS necessitam de competências na melhoria das capacidades físicas, principalmente da capacidade motora força e de todas as suas formas de manifestação, de prevenção e recuperação de lesões e de liderança. Desta forma terá de ter conhecimentos avançados de Anatomia, Fisiologia, Cinesiologia, Psicologia e Treino Desportivo, só conseguidos através de uma formação superior e contínua. O desenvolvimento e a otimização da capacidade do sistema neuromuscular de gerar tensão (capacidade motora força) é o principal foco do SCS, pois, é através desse desenvolvimento e otimização que se consegue melhorar a forma de manifestação de força potência muscular, que tem um papel importantíssimo na maioria dos gestos desportivos que ditam o sucesso ou insucesso de um jogo ou competição. Ao olhar de um leigo, o desenvolvimento desta capacidade parece simples. Contudo, o número de variáveis que têm de ser manipuladas para ir de encontro aos princípios do treino desportivo, e desde logo respeitar o seu primeiro princípio, o da individualidade biológica, é de tal forma vasto que é necessário muito conhecimento e experiência para o conseguir fazer. Para se conseguir que os atletas a manifestem, de forma adequada e nos momentos certos, primeiro tem-se de criar adaptações neuromusculares, tendinosas, articulares e de padrão de movimento que preparem o atleta para o treino necessário para desenvolver essa capacidade. Depois, é necessário o desenvolvimento das formas de manifestação de força que servem de base ao desenvolvimento e otimização da potência muscular. Por fim, é necessário desenvolver esta capacidade de modo a se conseguir uma transferência ótima para o gesto desportivo onde esta vai ser aplicada.

Mas, não só a potência muscular é necessária, em termos físicos, para o desenvolvimento da performance desportiva de um atleta. A velocidade, a mobilidade articular e a resistência cardiorrespiratória são igualmente necessárias. Estas têm sempre como base a capacidade do sistema neuromuscular de gerar tensão, dependendo o seu desenvolvimento da forma e timings da sua geração e da intensidade e duração da aplicação de uma resistência ao corpo do atleta. Só controlando de forma plena estas variáveis é que é possível dar uma base de suporte em termos físicos para que o atleta consiga desempenhar as suas tarefas técnico/táticas, exigidas pela sua modalidade desportiva. Outra função importante do SCS é procurar prevenir e recuperar as lesões desportivas. O atleta na sua carreira desportiva tem um período de ascensão, um período de manutenção da sua performance e um período de decréscimo da mesma. Por muito que seja difícil esta última fase na carreira de um atleta, ela vai acontecer e de uma forma mais ou menos abruta de acordo como o atleta treine e se prepare nessa fase e durante as duas fases anteriores. Ou seja, dado que a carreira de um atleta vai sempre acabar, conseguir que este mantenha os seus níveis de performance ótimos quase até ao final da sua carreira será um dos papéis fundamentais do SCS. A prática desportiva é potencialmente lesiva. As estruturas do nosso corpo não estão preparadas quer biologicamente quer estruturalmente para os níveis elevadíssimos de exigência física e mental requeridas aos atletas. No Desporto existem dois tipos de lesões, as traumáticas e as não traumáticas. As traumáticas são difíceis de prevenir pois não dependem só da condição física e psicológica do atleta, dependendo de um ou mais fatores externos. Por seu lado, as não traumáticas dependem essencialmente de um excesso ou inadequado uso das estruturas neuro-músculo-tendinosas. Assim, o papel de observar as particularidades de cada atleta e adequar o processo de treino (exercícios, resistência aplicada e duração de aplicação da mesma) às mesmas é da responsabilidade do SCS, tentando que o treino seja o menos lesivo possível e compensando os desequilíbrios provocados pelo treino específico da modalidade. Para finalizar, e em termos de conclusão, o SCS tem um papel fundamental no Desporto. Quem comanda equipas desportivas e carreiras desportivas de atletas deve estar atento à necessidade de introduzir este profissional nas suas equipas técnicas, pois só têm a lucrar com isso. Devido à sua importância, dentro de uma equipa técnica o SCS deve ter em conta a necessidade da sua formação superior. O SCS pode atuar quer em contexto de equipa quer individualmente, no espaço físico do clube ou em contexto de personal training, nos ginásios e academias preparados para o efeito.

José Vilaça-Alves, PhD Doutorado em Ciências do Desporto e Mestre em Ciências do Desporto com Especialização em Treino de Alto Rendimento Desportivo.

16

g y m fa c t o ry


48 / 49

fisioterapia

REEDUCAÇÃO POSTURAL APLICADA

A

ÀS AULAS DE GRUPO EM GINÁSIO A Reeducação Postural Global é uma técnica exclusivamente aplicada por fisioterapeutas, fundamentada na anatomia, biomecânica, cinesiologia e osteopatia. Foi desenvolvida por Philippe Souchard em meados de 1982, com bases teóricas nas cadeias musculares e técnica da antiginástica de Françoise Mésières (década de 50). Consiste na aplicação de posturas ativas, estáticas, maioritariamente sob contrações isométricas, com o objetivo de alongar cadeias musculares encurtadas e fortalecer as cadeias fragilizadas, promovendo o equilíbrio muscular geral em associação com o trabalho respiratório.

g y m fa c t o ry

16


“Confiança e segurança para o seu ginásio”


46 / 47

fisioterapia

T

rata os diversos distúrbios morfológicos, do sistema neuro-músculo-esquelético, lesões provenientes de atividades físicas, correção de desvios posturais (com melhores resultados em fase de crescimento), lesões causadas por movimentos repetitivos, má ergonomia escolar ou laboral, sequelas pós-traumáticas, hérnias discais, algumas doenças respiratórias, queixas relacionadas à dor, entre outras. A prática é indicada desde a infância ou adolescência até à terceira idade e aplica-se a ambos os géneros. Atua tanto ao nível da prevenção como curativo em patologias agudas ou crónicas, mesmo em indivíduos sadios.

OS PRINCIPAIS DESVIOS POSTURAIS Os desvios posturais podem ser consequência de uma modificação na coluna vertebral, gerando outras compensações de ordem muscular e que afetam diversas estruturas do corpo. Os principais desvios da coluna são: a escoliose determinada pela presença de uma ou mais curvaturas em vista de perfil. A hiperlordose, que se pode verificar tanto na coluna cervical, como lombar, e a hipercifose, que se manifesta na coluna torácica. Tais curvaturas, desenvolvem-se na infância e adolescência, e estabilizam na fase adulta. A ausência do tratamento dos desvios posturais pode causar dor e deformidades no decorrer da vida. A formação desses desvios ocorre, geralmente, na prática de posturas incorretas no cotidiano, ao trabalhar, estudar ou dormir.

SESOPERCEÇÃO E IMAGEM CORPORAL Através da visualização da posição corporal no espelho, ou por orientação da fisioterapeuta, no que diz respeito à perceção do corpo no espaço, nas variadas posturas, o utente deve proceder à autocorreção das diversas estruturas do corpo quando solicitadas verbalmente, o que envolve o grupo como um todo, em sincronia de movimentos de execução lenta e manutenção estática da postura sob contrações isométricas desde o início, evoluções e até ao fim da postura. Todas as evoluções posturais são trabalhadas em associação com ciclos respiratórios prolongados. As estruturas que o utente não consegue perceber nem autocorrigir, a fisioterapeuta, de forma individualizada e de acordo com o padrão postural pessoal, reposiciona, ao tocar de forma confiante e alinha os pontos de referência em cada um dos utentes presentes em sala. A imagem corporal é importante para que ocorra o equilíbrio da relação do corpo físico com a mente, sendo possível manter a boa postura, associado a estímulos sensoriais e modelos posturais corretos, dado que, recordar a manutenção da postura requer disciplina diária.

g y m fa c t o ry

16

O INÍCIO Esta terapia é precedida de uma avaliação individual, que consiste numa inspeção detalhada da postura do utente, seja, relação de proporção, assimetrias, característica da dor e dor posicional, caso o utente se queixe, bem como a palpação refinada. Ouvir o relato de sua apresentação postural cotidiana. Em alguns casos, é solicitado o estudo imagiológico e, com bases na anatomia e biomecânica, obtemos um diagnóstico postural e cinesiológico funcional. Damos seguimento à escolha das posturas apropriadas à classe em geral, com atenção às especificidades de cada indivíduo e damos início à prática da Reeducação Postural em grupo.

AS POSTURAS E OS MATERIAIS Trabalhamos posturas corporais, nomeadamente, rã no ar, rã no chão, asa delta, posturas sentadas com e sem apoio, posturas cruzadas nas posições deitada, sentada e em pé, de pé contra a parede, de pé no meio, entre outras adaptações pertinentes ao grupo que se apresente em sala. Como materiais, fazemos uso do bastão, essencial para o alinhamento e correções, bolas suíças (em posturas adaptadas), rolos posturais e bolas de ténis.


SEMPRE NÃ&#x20AC; FRENTE


44 / 45

fisioterapia

A utilização desta técnica em aula de grupo em ginásio, proporciona ao utente, uma maior capacidade de concentração, de autoperceção, autocorreção, alívio de dores e o acesso a uma terapia especializada a um valor económico. Decorre assim uma satisfação para o utente, para o ginásio que dispõe de um serviço exclusivo e para a fisioterapeuta que visualiza nos seus utentes o reconhecimento e a gratificação do seu trabalho.

APLICAÇÃO DA TÉCNICA Temos como postura base, o alinhamento do occipital, omoplatas e sacro. Secundariamente, os pés paralelos e unidos, joelhos semi-fletidos e pelve em retroversão, bem como, os braços ligeiramente afastados do corpo, sempre sob tensão de alongamento ativo. Dentro destas correcções atentamos para o perfeito alinhamento da cabeça em todos os planos, o desenrolar e rebaixar dos ombros, mantendo-os nivelados, enfatizando a aproximação das omoplatas, os cotovelos geralmente apresentamse estendidos, salvo algumas posturas. Posiciona-se corretamente a coluna lombar e o sacro, bem como atentamos para a posição dos joelhos e pés, sempre dentro da individualidade de cada corpo, dado que, cada utente apresenta desvios posturais diferentes e, tais posturas, devem ser desenvolvidas para cada desvio específico. Durante a execução da técnica de Reeducação Postural são incutidos ao utente o trabalho de sensopercepção, acerca do posicionamento das estruturas no espaço, mapeamento, esquema e imagem corporal.

entre o início e o fim de execução sendo, por vezes, necessária uma pausa de poucos segundos para descanso e retoma da postura e subsequente evolução final.

RESULTADOS A utilização desta técnica em aula de grupo em ginásio, proporciona ao utente, uma maior capacidade de concentração, de autoperceção, autocorreção, alívio de dores e o acesso a uma terapia especializada a um valor económico. Decorre assim uma satisfação para o utente, para o ginásio que dispõe de um serviço exclusivo e para a fisioterapeuta que visualiza nos seus utentes o reconhecimento e a gratificação do seu trabalho. Após cinco anos de atuação profissional neste método, é possível visualizar resultados satisfatórios em cerca de 90% dos casos, a médio prazo, dependendo da frequência, da continuidade da terapia e da perceção de autocorreção no decorrer do cotidiano. Esta é uma técnica especializada e uma mais-valia para a aplicabilidade e dinamização das aulas de grupo.

METODOLOGIA Como metodologia aplicada em ginásio, o grupo deve ser limitado a 6 utentes em sala. Com a frequência de 1 ou 2 vezes por semana. Uma sessão possui duração de 30 minutos, dentre os quais, trabalhamos 3 posturas, sendo uma deitada, uma sentada e uma em pé; cada postura tem uma duração aproximada de 10 minutos

g y m fa c t o ry

16

Patrícia Matias Fisioterapeuta Licenciada pela Universidade de Fortaleza; Pós-Graduação em Fisioterapia Cardiovascular e Pneumofuncional pela Universidade de Fortaleza.


especialistas A GYM FACTORY conta com colaboração dos melhores especialistas no panorama do Fitness em Portugal e Espanha, conhecedores profundos das diferentes áreas imprescindíveis para o bom funcionamento da instalação desportiva. Se deseja saber mais sobre estes especialistas, entra no nosso site: www.gymfactory.net

André Manz

Sara Faria

José Vilaça-Alves, PhD

Patrícia Matias

n Fundador do Grupo MANZ no ano de 1991, intervém em diversas áreas de negócio: FORMAÇÃO, EVENTOS E VINHOS. n Referência n.º 1 na formação de profissionais de Fitness. n Responsável pela realização da maior Convenção de Fitness da Europa. n Organizador do maior evento português de cultura pop japonesa em Portugal. n Responsável do PortugalFit, o maior evento de fitness realizado em Portugal, totalmente dedicado a todos os amantes de um estilo de vida ativo e saudável.

n Nutricionista n Licenciatura em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto – FCNAUP n Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra – FMUC n Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas n Trabalha na área clínica e desportiva em ginásios e clínicas privadas.

n Doutorado em Ciências do Desporto e Mestre em Ciências do Desporto com Especialização em Treino de Alto Rendimento Desportivo. n Professor Auxiliar Convidado do Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde UTAD e membro integrado do Centro de Investigação em Ciências do Desporto, Exercício e Desenvolvimento Humano n Coordenador da pósgraduação em Strength Conditioning Specialist da Bwizer n Membro Fundador da Associação Portuguesa dos Técnicos de Exercício Físico (APTEF)

n F isioterapeuta Licenciada pela Universidade de Fortaleza; n P ós-Graduação em Fisioterapia Cardiovascular e Pneumofuncional pela Universidade de Fortaleza; n F ormação em Reeducação Postural Global (RPG)/ Reposturarse pela Escola Brasileira de Osteopatia e Terapia Manual; n P ioneira na aplicação e adaptação de técnicas de Reeducação Postural Global em ambiente de ginásio com sessões em grupo. Ginásio Fitness Gym – Castelo Branco n F ormação Socorrista – Suporte Básico e Avançado de Vida; n F ormação Mesoterapia Homeopática; n F isioterapeuta e Responsável Técnica em Clínicas Privadas e Ginásio – Brasil e Portugal;  estranda em Cuidados nM Paliativos – Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias; nA  utora de cinco artigos, palestrante convidada em Congressos e Seminários – Brasil e Portugal.

Luís Rebelo Frederico Abreu n Diretor Técnico do Índice Gym n Personal Trainer n Licenciado em Ciências do Desporto - Educação Física e Desporto Escolar pela FMH n Mestre em Gestão do Desporto - Organizações Desportivas pelo ISEG em parceria com a FMH n Especialista em Exercício na Gravidez e Pós-Parto e Treino para Hipertrofia n Professor de Educação Física

n Business Development - iCoach n Formador - Manz Produções n Pós-Graduação em Gestão de Ginásios e Health Clubs n Pós-Graduação em Direção Técnica de Ginásios e Health Clubs n Especialista em Gestão de Equipas de Personal Training n Coordenador Estratégico e Operacional de mas de 80.000 Sessões de PT Vendidas n Certificações Internacionais em Coaching, PNL e Linguagem Corporal

Mário Sá n Mestre em Educação Física e Desporto pela Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias em Lisboa (2014). n Formador de Educação Física e desportos de combate n Formador ao nível do treino de força, Doutorando nessa área. n Personal Trainer n Trabalha em diferentes ginásios

16

g y m fa c t o ry

Gym Factory Instrutores nº16  
Gym Factory Instrutores nº16  
Advertisement