Page 1

Escola de Condução

Telf. 917649814 Email: ec.olhoazul@iol.pt Blog: ecolhoazul@blogspot.com

Consultas de Fisiatria com o Dr.Carlos Machado Tratamentos de Fisioterapia com a Fisioterapeuta Nélia Viana Acordos: MEDIS; Zurich; SAMS; Mútua dos Pescadores; CA; outros em apreciação. Rua da Bemposta lote 82 r/c Esq. (junto à Clínica DR. José Carlos) Contactos: 283959990 ou 969858881

S. TEOTÓNIO

VILA NOVA DE MILFONTES

ESCOLA VIVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. MANUEL CANDEIAS GONÇALVES - ODEMIRA - ALENTEJO Director Dr. Jorge Mendes Editor Dr. José Coutinho Ano de Fundação: 1995

A crise económica aos olhos de uma estudante de economia

No início, a inflação…. As famílias começaram a perder poder de compra e foram obrigadas a “puxar os cordões à bolsa”. Os bens supérfluos, esses que até então se consumiam exageradamente, deixaram de fazer parte da lista de compras das famílias menos abastadas. página 2

Do Infantário para a Secundária, numa manhã divertida

Ano XV Número 36 Abril de 2009 Jornal Escolar Gratuito

INICIATIVA DOS PROFESSORES DE FÍSICA E QUÍMICA

Ex-alunos voltaram à escola para ajudar os mais novos

Página 4

A iniciativa partiu dos professores de Ciências Físico-Químicas, com o objectivo de trazer à nossa escola todos os Jardins-de-Infância do concelho de Odemira, o que, por sinal, não é coisa fácil visto que o número destas instituições tem vindo a aumentar cada vez mais! página 3

Representámos Portugal em Bruxelas numa Feira de Ciência Uma delegação da nossa escola representou Portugal numa Feira Mundial de Ciência em Bruxelas. A Ângela Mestre, a Ana Colaço, a Solange e o Samuel, todos do 12º A, foram apresentar os seus projectos e conhecer novos sítios e novas gentes. Desta vez não se tratou de um concurso, apenas uma mostra. página 8

CURSOS PROFISSIONAIS - 2009/2010 - CURSOS PROFISSIONAIS TÉCNICO DE RECURSOS FLORESTAIS E AMBIENTAIS

TÉCNICO DE APOIO PSICOSSOCIAL

ARTES DO ESPECTÁCULO iNTERPRETAÇÃO TÉCNICO DE CONTABILIDADE


ESCOLA VIVA ABRIL 2009

[OPINIÃO, CRÍTICA] adjetivo atualidade

aspecto/aspeto

leem

Ele para o carro. Ela foi para Lisboa.

hão de cocó/cocô

A PARTIR DE 2014 VAI SER ASSIM ALFABETO O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram introduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a ser: A B C D E F G H I J K L M N O P Q RS T U V WX Y Z. As letras k, w e y, que na verdade não tinham desaparecido da maioria dos dicionários da nossa língua, são usadas em várias situações como, por exemplo, nos empréstimos externos (show, playground, windsurf, kung fu, yang, William, kaiser, Kafka). SEQUÊNCIAS CONSONÂNTICAS É neste capítulo que as alterações serão mais significativas, pois serão retiradas das palavras muitas consoantes que não são articuladas, mas algumas variantes registadas no Vocabulário da Academia Brasileira de Letras também certamente deixarão de existir. A)- Conservam-se, sem alteração, no novo acordo, quando são invariavelmente proferidas nas duas línguas cultas de Portugal e Brasil: compacto, convicção, convicto, ficção, friccionar. Mas, se a pronúncia for diferente nos dois países, no novo acordo haverá dupla grafia: aspecto/aspeto, cacto/cato, caracteres/carateres, facto/fato. B)- No novo acordo, há muitas palavras onde estas consoantes desaparecem, passando a escrever-se: ação, acionar, adjetival, adjetivo, adoção, adotar, afetivo, apocalítico, ativo, ato, ator, atual, atualidade, batizar, coleção, coletivo, contração, correção, correto, dialetal, direção, direta, diretor, Egito, eletricidade, exatidão, exceção, fator. Nas sequências interiores mpc, mpç e mpt, se o p for eliminado, o m passa a n: assunção, perentório, suntuoso. C)- Nas sequências bt, gd, mn, tm, o novo acordo deixa que seja facultativo conservar ou suprimir a consoante muda, o que dará lugar a duplas grafias, mas permite continuar com a grafia anterior: amígdala/amídala, amnistia/anistia, aritmética/arimética, assumpção/assunção, aspecto/aspeto, omnipotente/onipotente, omnisciente/onisciente. PALAVRAS COM ACENTOS A)- Palavras esdrúxulas: sem alteração, pois os hábitos de escrita nos dois países mantêm-se. Assim, na língua comum passam a ser admissíveis duplas grafias das palavras proparoxítonas (esdrúxulas), para atender à diferença de timbre entre Portugal e Brasil: académico/acadêmico, anatómico/anatômico, António/Antônio, blasfémia/blasfêmia, cénico/cênico, cómodo/cômodo, efémero/efêmero, fenómeno/fenômeno. É, porém, fêmea e estômago em Portugal e no Brasil. B)- Agudas acentuadas: sem alteração, pois os hábitos de escrita dos dois países mantêm-se. Assim, na língua comum, passam a ser admissíveis duplas grafias para atender à diferença nas pronúncias cultas da língua: bebé/bebê, bidé/bidê, canapé/canapê, caraté/caratê, cocó/cocô. C)- Graves acentuadas: sem alteração, pois os hábitos de escrita nos dois países mantêm-se. Neste caso, na língua comum passam a ser admissíveis duplas grafias para atender à diferença nas pronúncias cultas da língua: bónus/bônus, fémur/fêmur, Fénix/Fênix, pénis/pênis, pónei/pônei, sémen/sêmen, ténis/tênis, tónus/tônus, Vénus/Vênus. D)- Deixam de ter acento diferencial: «Ele para o carro» e «Ele foi para Lisboa»; «Esse gato tem pelos brancos.» e «Ele correu pelos caminhos estreitos.». Não obstante, permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a forma do passado do verbo poder (pretérito perfeito do indicativo), na 3ª pessoa do singular; pode é a forma do presente do indicativo, na 3ª pessoa do singular. Para além disso, também permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo, por é preposição. E)- As terminações verbais êem deixam de ser acentuadas: creem, deem, leem, veem, descreem, releem, reveem. HÍFEN É suprimido nas formas monossilábicas do verbo haver: hei de, hás de, há de, hão de. MAIÚSCULAS/MINÚSCULAS Passam a escrever-se com inicial minúscula os meses e estações do ano: outubro, primavera, janeiro, novembro. Será opcional escrever com minúscula: as disciplinas escolares (ex.: na aula de matemática), nos axiónimos e hagiónimos (ex.: senhor doutor Joaquim da Silva, santa Filomena), em palavras usadas reverencialmente, aulicamente ou hierarquicamente, logradouros (ex.: palácio da Cultura, igreja da Estrela, avenida da Liberdade.). É, porém, necessária maiúscula quando a palavra faz parte dum nome consagrado (ex.: os produtos Serra da Estrela). Recolhido por José Coutinho, professor

Somos distinguidos pelo sucesso!

J

á estávamos à espera! É o costume! Não se esperava outra coisa! Pois é, o BIGEO, o nosso Clube de Ciências, voltou a levar o nome da escola ao mais alto galardão do sucesso. A Fundação Calouste Gulbenkian atribuiu-lhe cinco mil euros para desenvolvimento de projectos de investigação científica. A Ângela, a Ana Colaço, a Solange e o Samuel foram a Bruxelas participar numa Feira de Ciência de nível mundial. A Susana Caetano, a Vanessa Viegas, o Rúben Campos e a Cláudia Viana vão aos EUA participar noutra Feira de Ciência de nível mundial. Mérito dos alunos? Claro que sim! Mérito apenas dos alunos? Claro que não! Há muita «entrega pedagógica» da Dra. Paula Canha nestes e noutros êxitos dos alunos do BIGEO. Dentro desta onda de sucesso estão também os professores do Grupo de Docência de Educação Física. A Rita ganhou o Campeonato Distrital de Corta-Mato e a Madalena ficou em terceiro lugar. No primeiro período lectivo, Futsal Feminino, Voleibol Feminino e Andebol Feminino e Masculino; no segundo período lectivo, Basquetebol 3x3 e Badminton. Estas actividades, para além de serem uma pedrada no charco da monotonia do ano escolar, proporcionam aos alunos o desenvolvimento do espírito de competição, do companheirismo e do respeito pelo

2

EDITORIAL José Coutinho Editor

adversário e pelo resultado. Ainda dentro desta dinamização da escola para além das aulas, estão todos os professores que organizaram as muitas visitas de estudo que aconteceram neste período lectivo e de que, por falta de espaço, o nosso jornalinho não pode dar total testemunho. Foram muitas mas oportunas, porque estamos numa escola onde existem alunos que não conheciam, por exemplo, a capital do país. Excelente foi a nossa segunda participação no Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos realizado na Covilhã. Fomos representados por três alunos acompanhados por um docente de Matemática. O Fernando Eliziário, do 12º B, conseguiu um honroso sétimo lugar. Por fim, o Miguel, o Diogo, a Catarina, a Gabriela e o Cláudio brilharam na sessão distrital do Parlamento dos Jovens. Em Lisboa, os nossos “deputados” podem ganhar o passaporte para Estrasburgo. De facto, o sucesso distingue-nos. Quem o tem, entra na História. Quem não o tem, cai no esquecimento e cedo desaparece. Uma Santa Páscoa.

A crise económica aos olhos de uma estudante de economia

N

o início, a inflação…. As famílias começaram a perder poder de compra e foram obrigadas a “puxar os cordões à bolsa”. Os bens supérfluos, esses que até então se consumiam exageradamente, deixaram de fazer parte da lista de compras das famílias menos abastadas. Com o passar do tempo, essa inflação começou afectar, até, os bens de necessidade primária – sim, os bens alimentares e de higiene! Aí, as famílias viram-se obrigadas a consumir apenas o necessário… Depois, uma súbita desinflação… Estava instalada a crise! Um Banco privado americano entrou em falência… A este seguiu-se outro e outro e outro! A cada dia que passava, os sinais da crise instalavam-se na nossa sociedade. Na Banca americana, na inglesa e depois em todas as outras, as acções, de todas as empresas, começaram a cair e atingir valores negativos históricos… Posteriormente, os Governos intervieram … Como é normal, primeiro Bush – Obama ainda não tinha tomado posse – e depois os Governos europeus tentaram assegurar os depósitos da população, que estava em pânico com o medo de perder as reservas

Isabel Rodrigues, 11ºC

de uma vida, e estabilizar a situação dos bancos nacionais. Com isto, a dificuldade ao crédito aumentou… Os Bancos não concediam créditos a ninguém, nem mesmo a outros Bancos! Diziam que os seus devedores podiam falir de um dia para o outro! Mais uma vez, o Governo teve de intervir! Proporcionou empréstimos mais avultados às Instituições Bancárias e chegou, inclusivé, a nacionalizar algumas… Depois disto, alguns Bancos, os mais atrevidos, recomeçaram a emprestar dinheiro às famílias e às empresas. No entanto, estes são uma minoria… A grande maioria dos Bancos ainda não o fez e tornou o acesso a créditos mais difícil! Como era inevitável, o mal propagou-se para a chamada “economia real”: os que

tinham comprado casa ou carro com recurso ao crédito, viram-se obrigados a “entregar as chaves”, não conseguiam pagar os juros; os jovens à procura do primeiro emprego, não o conseguiram... Resumidamente: o endividamento e o desemprego aumentaram. Perante isto, o Governo foi obrigado a intervir novamente. Determinados a pôr fim a esta depravada crise, que pensavam ser uma recessão do tipo clássico, começaram a adoptar a medidas de Keynes: maior investimento público e ajudas directas às empresas e famílias. O que podemos concluir sobre isto? A crise afecta todos… Desde os maiores até aos mais pequenos. Desde os mais ricos até aos mais pobres.

Mas a verdade é que não afecta todos de igual forma: os pobres continuam pobres; os ricos estão mal, mas mesmo assim ainda são ricos; e a classe média está dividida: os que têm emprego e poucas dívidas e os outros que vão, agora, de mal a pior, sem emprego e com dívidas. Um dia, Thomas Jefferson disse “Acredito que as instituições bancárias são mais perigosas para as nossas liberdades do que o levantamento de exércitos. Se o povo Americano alguma vez permitir que Bancos privados controlem a emissão da sua moeda, primeiro pela inflação, e depois pela deflação, os Bancos e as empresas que cresceram à volta dos Bancos privarão o povo de toda a propriedade até os seus filhos acordarem sem abrigo no continente que os seus pais conquistaram.” O nosso mundo… esse, vai de mal a pior! Esta crise não é, em nada, igual à de 1929… Ninguém sabe de onde ela provém… Em toda a história, apenas Thomas Jefferson previu algo assim! Em 1802…


3

[NOTÍCIA, REPORTAGEM]

ESCOLA VIVA ABRIL 2009

Do Infantário para a Secundária, numa manhã bem divertida!

Miguel Monteiro, 11º A

F

oi no passado dia 28 de Janeiro de 2009 que a nossa escola foi “surpreendida” com a chegada de 21 “futuros alunos”. Com todo o prazer, o 11ºA recebeu estes Srs. Cientistas de idades compreendidas entre os 2 e os 5 anos, acompanhados pela educadora Clara e pela auxiliar Tina. A iniciativa partiu dos professores de Ciências Físico Químicas, com realce para a professora Fernanda Almeida, com o objectivo de trazer à nossa escola todos os Jardins-de-Infância do concelho de Odemira, o que, por sinal, não é coisa fácil visto que o número destas instituições tem vindo a aumentar cada vez mais! Este projecto nasceu com o objectivo de suscitar a curiosidade pela ciência, ou melhor, pôr os pequeninos a “brincar falando a sério”, assistindo a experiências e participar directamente nelas, o que para eles se tornou na atracção máxima do dia.

CURSOS PROFISSIONAIS OFERTA PARA 2009-2010

À chegada à nossa escola, as crianças foram contempladas com uma visita guiada pela escola (os blocos de aulas, o polivalente, o bar, a secretaria, entre outros). Foi depois dos visitantes observarem os alunos da escola em intervalo que se passou à prática. Para deixar os pequeninos mais à vontade, criouse uma personagem real “ O cientista maluco”. Um aluno do 11ºA, vestido a rigor, fez com que se ouvisse, por todo o Bloco A, os risos e gargalhadas destes pequenos! Fomos, assim, desta forma, a sorrir, para o La-

boratório de Química, onde foram criadas várias estações nas quais os convidados iriam realizar várias experiências com a vital ajuda e supervisão dos alunos do 11ºA. Fizeram-se quatro experiências ao todo, sendo elas as seguintes: 1ªEstação: “ Electromagnetismo”; 2ªEstação: Mudança de cor dos indicadores de ácidos e de bases; 3ªEstação: Visualização do som através de um osciloscópio virtual; 4ªEstação: de forma a termi-

nar esta visita em grande, realizámos, com os devidos cuidados, uma experiência, que foi, sem dúvida alguma, a mais adorada pelos meninos, a reacção do sódio com água, provocando assim uma mini-explosão e uma chama. Por fim encaminhámos o grupo de crianças para o refeitório, onde elas usufruíram de um almoço na “Escola dos grandes”. Foi neste ambiente de diversão e de muita fome que nos despedimos dos nossos “mini-colegas”.

Da central Termoeléctrica ao Centro de Artes de Sines

Patrícia Nunes, Patrick Lenehan, Teresa Silveira, Beatriz Cavaco,10º A

N

o passado dia 9 de Janeiro, os alunos de Ciências e Tecnologias do 10º ano realizaram uma visita de estudo a Sines. Partiram de Odemira pelas 9:30h rumo ao seu destino. Depois de uma curta viagem de cerca de uma hora, chegaram ao primeiro local de visita, a Central Termoeléctrica. A Central Termoeléctrica está em funcionamento desde a década de 70 devido à crise petrolífera. A utilização do carvão foi a alternativa arranjada para combater a crise do petróleo. Esta Central Termoeléctrica produz cerca de 18% da energia de todo o país, sendo a maior central nacional. A Colômbia e a África do Sul são os maiores fornecedores de carvão da Central. As suas duas políticas ambientais são a segurança e a qualidade. Os gases que resultam da combustão do pó de carvão como o dióxido de enxofre (SO2) e os poluentes característicos desta combustão (NOx

– Óxidos de azoto) são os mais prejudiciais para o ambiente . Brevemente as Centrais de Setúbal e do Carregado irão encerrar devido a terem atingido o limite permitido no que diz respeito à libertação de fumos para a atmosfera.

A Central de Sines, para poder continuar a funcionar, reduziu todas as emissões de gases para um terço dos valores legais. Num futuro próximo, a Central de Sines vai começar a produzir gesso passando os fu-

mos por água com calcário. O calcário reage com o dióxido de enxofre transformando-se em gesso, para assim os gases poderem ser libertados para a atmosfera limpos de SO2. Terminada a visita à Central Termoeléctrica, os alunos deslocaram-se à Escola Básica 2,3 Vasco da Gama por volta das 12:00h para almoçarem. As instalações da escola eram boas e os alunos gostaram de lá almoçar e de conviver com outros colegas. Posteriormente, às 14:00h os alunos foram visitar o Centro de Artes de Sines, onde puderam ver várias pinturas de Miguel Telles da Gama bem como algumas fotografias interessantes tiradas pelo mesmo. De seguida a comitiva deslocou-se, a pé, até ao Museu Vasco da Gama (antigo castelo de Sines), atendendo à proxi-

N

o momento em que ainda não se completaram três anos sobre a abertura do primeiro curso profissional nesta escola e em que se prepara a realização da primeira formação em contexto de trabalho, é pertinente lançar um olhar sobre o que tem sido o funcionamento destes cursos e quais as perspectivas de futuro neste domínio. Há cerca de três anos, a abertura do Curso Profissional de Técnico de Turismo trouxe profundas alterações ao modo de funcionamento de uma escola habituada aos Cursos Científico-Humanísticos. Para além do regime modular de funcionamento que não era uma novidade absoluta numa escola que já tinha lidado com o ensino recorrente, a maior flexibilidade na gestão dos horários, os mecanismos de compensação das faltas de professores e alunos e, em particular, o facto de a aprendizagem valorizar a aquisição e desenvolvimento de competências para o exercício de uma profissão em articulação com o sector empresarial local, implicaram a resposta a preocupações e a resolução de problemas associados, por exemplo, à necessidade de recorrer a práticas de coordenação e articulação na definição da rede de ofertas formativas que antes não faziam parte dos horizontes da escola. Ultrapassdas que estão, em larga medida, as dificuldades inicialmente sentidas e quando os alunos a frequentarem nesta escola os cursos profissionais representam já 25% do total dos alunos que frequentam o ensino secundário diurno, urge iniciar uma fase de consolidação da oferta da escola neste domínio, através de uma relativa especialização que permita uma gestão mais eficaz dos recursos disponíveis e de uma planificação estratégica que permita reforçar a articulação entre a oferta e a procura. A oferta que a escola pretende apresentar no próximo ano lectivo é já o resultado dessa tentativa. Não voltar, de imediato, a abrir os cursos já oferecidos aguardando os resultados das formações em contexto de trabalho e uma análise mais cuidada das dinâmicas de emprego e apostar noutros cursos que, correspondendo a solicitações do tecido empresarial ou à importância que determinadas actividades têm para a vida económica e socio-cultural do concelho, aproveitem os recursos materiais e humanos existentes no concelho, a experiência acumulada pela escola e até alguma tradição do ensino associado às artes. Assim, no próximo ano lectivo, a escola pretende oferecer o Curso Profissional de Técnico de Contabilidade, oferta formativa que tem vindo a ser solicitada por empresas da região e que pretende formar técnicos aptos a desempenhar tarefas contabilísticas e administrativas inerentes ao funcionamento de empresas e outras organizações. Pretende ainda oferecer o Curso Profissional de Técnico de Recursos Florestais e Ambientais, formando técnicos habilitados a gerir a produção sustentada e a rentabilidade da importante fileira florestal, pelo uso racional dos recursos que esta oferece. Uma outra aposta é o Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial que se pretende que venha a habilitar profissionais qualificados aptos a promoverem o desenvolvimento de grupos e comunidades, intervindo em jardins de infância, creches, lares de idosos, empresas na área da saúde, no domínio dos cuidados sociais e de saúde e da intervenção social e comunitária. Finalmente, a escola pretende oferecer também o Curso Profissional de Artes e Espectáculos - Interpretação, formando técnicos com os conhecimentos teóricos, técnicos e práticos, para intervenção artística no mundo do espectáculo e no campo educativo, enquanto actores, animadores teatrais e de outras actividades de carácter socio-cultural. Jorge Mendes, Presidente da CAP

midade do Centro de Artes. O Castelo de Sines foi renovado em 2008. Em 24 de Novembro do ano passado inaugurou-se o museu, Sines no século XX. Neste museu os alunos tomaram conhecimento da pesca, da agricultura em épocas passadas, bem como de outros assuntos como o 25 de Abril, o fim da Monarquia e o início da

República. Outra das coisas que os alunos demonstraram curiosidade em ver foi o retratamento da casa onde Vasco da Gama nasceu e os seus objectos pessoais. Depois de terminada a visita ao museu, os alunos regressaram a Odemira, chegando à sua terra às 17:30h.


ESCOLA VIVA ABRIL 2009

[NOTÍCIA, REPORTAGEM, OPINIÃO]

4

EX-ALUNOS VOLTARAM À ESCOLA

“Os anos universitários são os melhores da nossa vida!”

Texto e foto de Inês Marques, 11º A

No dia 13 de Fevereiro, pelas 14 horas, na sala A13, os alunos da área de Ciências e Tecnologias tiveram a oportunidade de participar num colóquio com seis dos ex-alunos desta escola que estão neste momento na Universidade ou a estagiar. A iniciativa foi do Departamento de Ciências Físicas e Naturais da nossa escola e o moderador foi o professor Jorge Fidalgo.

Dando início ao evento, a professora Fernanda Almeida fez uma pequena introdução, explicando o que se ia passar naquele colóquio. Os estudantes universitários começariam por se apresentar e seguidamente os alunos puderam expor as suas dúvidas em relação à vida universitária. Os universitários eram o Rúben, estudante de Engenharia do Ambiente na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Francisco, estudante de Engenharia Biológica no Instituto Superior Técnico, o Simão, estudante de Reabilitação Psicomotora na Faculdade de Motricidade Humana, a Nélia, que tirou o curso de análises clínicas no Politécnico de Lisboa e que está a estagiar em Odemira, o André, estudante de Engenharia Mecânica no IST e a Maria João, estudante de Engenharia Física e Tecnológica, também no IST. A primeira questão foi colocada pela professora Fernanda Almeida, acerca dos sentimentos que eles tiveram quando foram para a Universidade. Todos concordaram que tinha

sido uma mudança radical, pois era uma nova vida numa nova cidade à qual eles tiveram de se habituar e no início foi bastante difícil. Alguns sentiram-se bastante sozinhos quando foram para Lisboa e tiveram de passar a ser mais responsáveis e adaptar-se a coisas que não estavam habituados como a utilização de transportes públicos como o metro. O ENSINO É MAIS EXIGENTE Também o ambiente de estudo na Universidade tem um grau de exigência superior ao do secundário. O estudo passa a ser independente, os alunos não têm uma relação tão pessoal com os professores e por essa razão devemos estar sempre sentados na primeira fila para interagirmos. Além disso não devemos ficar alarmados se a nossa primeira nota na Universidade não for o que esperamos, pois a matéria é muito mais difícil. De seguida, foi abordada a questão da escolha do curso. Neste ponto, os universitários disseram que, por vezes, é um erro escolher uma profissão apenas com base na saída pro-

fissional. Devemos escolher algo de que gostamos mesmo. O professor Jorge Fidalgo interveio, acrescentando que também não devemos escolher com base na quantidade de dinheiro que se obtém com uma determinada profissão mas sim com base naquilo que realmente nos interessa. Referiu ainda que os alunos têm tendência para avaliar os professores segundo as facilidades que nos dão, mas que nós devíamos ficar satisfeitos com professores exigentes e que nos levassem ao limite das nossas capacidades, pois só assim ficamos realmente preparados para o que nos espera no futuro. CONSELHOS PARA PREPARAR OS ALUNOS Depois, foi a vez da professora Paula Canha pedir conselhos para preparar bem os seus alunos para a Universidade, referindo ainda que alterou um pouco os seus métodos de maneira a promover a autonomia. A esta questão, eles responderam que, como vivemos numa era tecnológica, é extremamente importante ter bases informáticas aliadas à teoria. Também

VISITA DE ESTUDO A LISBOA E A MAFRA

Artes plásticas, música erudita e José Saramago

Texto de Helena Trindade, 11º A

Nos passados dias 26 e 27 de Fevereiro, as turmas A e D do 11º ano fizeram uma viagem de estudo a Lisboa e a Mafra, com o intuito de suscitar o gosto e o cultivo pelo mundo das artes e da música mais erudita, que as guiou até à exposição do Museu da Gulbenkian intitulada ‘Uma volta ao mundo em dez obras de arte’, a um concerto, à noite, da Grande Orquestra da Gulbenkian e ao Convento de Mafra. No primeiro dia, o 11ºA fez uma visita mais geral pelo Museu onde lhe foram apresentadas todas as peças que constituem a Colecção Calouste Gulbenkian, que engloba um pouco da his-

tória mundial com a passagem pela maioria dos continentes. Por seu lado, o 11ºD teve oportunidade de fazer uma visita guiada mais direccionada para a sua área de estudos e com explicações mais pormenorizadas. À noite assistimos a um con-

certo da Grande Orquestra da Gulbenkian onde tivemos oportunidade de ouvir um solo de harpa e uma peça de Stravinski. Depois do percalço com a pousada, que nos tinha marcado a estadia para o dia errado e de termos de ir passar a noite a

é importante a prática laboratorial e a elaboração de muitos relatórios e apresentações orais. Os alunos devem ainda ter uma boa preparação a nível da língua inglesa, pois algumas aulas são leccionadas neste idioma, para além de que a maioria dos bons livros e artigos científicos estarem escritos em Inglês. Os convidados deram-nos ainda um conselho: não devemos apenas estudar para realizar um teste e depois esquecer a matéria, pois nós voltaremos a utilizar aquilo que estamos a aprender neste momento na nossa vida futura. Os visitantes disseram que é um pouco assustador saber que podem não ter trabalho quando terminarem o curso, uma vez que as taxas de desemprego no país estão bastante elevadas e que, por esse motivo, o estrangeiro é definitivamente uma opção. Mas no tempo em que estivermos desempregados, podemos investir na nossa formação, disseram eles. AS PRAXES Houve ainda tempo para discutir um assunto que assusta alguns alunos: as praxes. Segundo os universitários, algumas são perigosas e humilhantes e por essa razão deveria haver mais controlo na sua organização. No entanto, outras são bastante divertidas e podemos encontrar aí uma oportunidade de integração. No fim, todos eles tinham a mesma opinião: os anos universitários são os melhores da nossa vida, e devemos aproveitar esse tempo ao máximo! Foi bom participar neste colóquio, pois estamos cada vez mais perto de partir para uma nova fase da nossa vida. Porto-de-Mós, acordámos frescos para a viagem até Mafra que nos guiou para o ‘Memorial do Convento’ de José Saramago. Foi em Mafra que visitámos o convento. Enquanto o 11ºD teve oportunidade de ouvir mais explicações e histórias associadas ao convento e que estão relacionadas com a obra de José Saramago, o 11ºA participou numa visita mais histórica sobre a sua construção e sobre D. João V, o rei que o mandou construir. Nessa tarde, seguimos viagem até à Tapada de Mafra, onde tivemos oportunidade de observar e conhecer mais as espécies que lá habitam como Gamos, Veados, Javalis, um Lobo Ibérico, entre muitas outras espécies. Por fim, foram as aves, nomeadamente os falcões, que tomaram conta do espectáculo, demonstrando as suas capacidades de caça, fazendo voos e apanhando ‘presas’ a grande velocidade. Com uma longa viagem de regresso, houve tempo para relaxar e descontrair fomentando o companheirismo e a relação inter-turmas.

CINQUENTA ANOS DE REVOLUÇÃO CUBANA

1

de Janeiro de 2009: 50 anos passados desde a revolução cubana. Sim! 50 anos passados desde o dia em que Cuba se livrou dos “gringos” e o seu povo correu as ruas gritando “viva la revolucion”, frase esta que continua a ecoar nas mentes de quem “vê” cuba. 50 Anos passados sob o domínio de Fidel, sem liberdade de expressão, a viver apenas com o essencial, sem “oportunidade de adesão ao consumismo” e, no entanto, uma taxa de analfabetização baixíssima, num país onde todos têm acesso ao ensino e a cuidados hospitalares. Em Portugal, vivemos numa democracia (entenda-se demo = povo, cracia = poder), onde temos liberdade de expressão (temos!), e também onde os nossos governantes têm a total liberdade de nos ignorar. Temos liberdade de expressão e, nem por isso, somos mais livres nem felizes. Vivemos dependentes dos nossos vícios, futilidades, competições e lamúrias; muitos esperam que a felicidade lhes bata à porta! Introduzimos o consumismo nas nossas vidas como se de uma religião se tratasse; seguimos os seus princípios como fiéis. As empresas substituem os seus trabalhadores por máquinas, a taxa de desemprego aumenta e consequentemente o número de compradores diminui - as empresas falem. Os produtos desvalorizam e com eles desvalorizam-se os nossos princípios. Antes, a oportunidade de jogar 5 minutos num gameboy a preto e branco era um momento “sagrado” para qualquer miúdo. Hoje, ter a playstation 2, não só implica comprar a 3 assim que possível, como também não passa de um facto banal! Compramos e deitamos fora, compramos e deitamos fora. A tecnologia - o bem do século XXI - parece transformarse no seu preciso mal. Ouvimos falar em globalização, está na moda e entramos na onda. Aceitamos tudo o que nos é dito sem sequer levantar dúvidas; apostamos em tudo o que é grande (grandes empresas, grandes empreendimentos). O pobre empobrece, o rico enriquece. Perdemos valores históricos, perdemos personalidade e originalidade. Somos cada vez mais iguais. Hoje em dia, já podemos ver no Algarve os mesmos cenários de Cabo Verde, do Havai, da Florida, do Brasil…: resorts esplêndidos, palmeiras, águas azuis e brilhantes e areias claras, acompanhados por um sol radiante e um calor constante. Se precisarmos de um cuidado hospitalar, não temos alternativa: 3 horas (no mínimo) à espera por uma consulta imediata onde somos mal recebidos, ou meses à espera de uma consulta especializada. Lá, enquanto nós nos lamentamos, eles dançam ao som da Salsa, do Mambo, da Rumba - mesmo sabendo que em casa não têm mais que o essencial. Agora, Fidel está incapaz de continuar a liderar o país, deixando-o nas mãos do seu irmão. Os cubanos já têm acesso a alguns bens materiais; em breve, nem todos terão acesso livre aos cuidados hospitalares (segundo Raul Castro). Prevejo, então, uma futura Cuba entregue também ao consumismo. Consigo até imaginar as famosas ruas de Havana preenchidas por MC Donald (s) e Pizza Hut (s), carros modernos e música que não vem mais com “cheiro a mofo” dos velhos instrumentos nem tocada pelo típico velhote cubano, mas sim de telemóveis que circulam nas mãos de toda a gente. Neste momento, só tenho pena de uma coisa: não ter conhecido a Cuba de Fidel. Gabriela Müller, 11º E


5

[NOTÍCIA, REPORTAGEM, CRÍTICA]

ESCOLA VIVA ABRIL 2009

Curso Profissional de Técnico de Processamento e Controlo de Qualidade Alimentar

Aprender com situações reais Os alunos do Curso Profissional de Técnico de Processamento e Controlo de Qualidade Alimentar realizaram nos dias 2 e 3 de Março mais uma Visita de Estudo, no âmbito das aulas práticas das disciplinas técnicas do curso, a unidades fabris do Ramo Alimentar. Na visita participaram também as turmas de Biologia do 12º ano no contexto da Unidade de Produção de Alimentos e Sustentabilidade, num ambiente divertido e de sã camaradagem. Foram visitadas as unidades produtivas da Nova Delta – Torrefacção, moagem e embalamento de cafés e misturas solúveis – em Campo Maior. Acompanhou-se o percurso de produção desde a entrada do grão até ao armazenamento das embalagens já prontas a sair para o mercado. No Museu do Café pudemos apreciar painéis ilustrativos da História do Café, maquinaria e utensílios antigos, apreciar o aroma dos diversos tipos de grãos de café e uma estufa com cafeeiros onde se observou o fruto, uma lustrosa cereja vermelha no interior da qual estão os grãos de café! Finalizámos com uma saborosa e aromática prova de degustação do produto, oferecida pela em-

presa. Uma visita que se recomenda! No 2º dia, de manhã, visitámos as instalações da Serraleite em Portalegre onde seguimos a linha de produção de leite UHT desde a recepção do produto cru até ao armazém de produto acabado. Infelizmente, nesse dia a unidade não estava a laborar, pois trata-se de uma fábrica pequena e o leite tem de ser em quantidade suficiente para laboração contínua, mas foram visitados todos os sectores da linha de produção e feitas as devidas explicações, o que talvez não fosse possível se a mesma estivesse em pleno funcionamentoNo final da visita procedeu-se à prova de degustação do produto final, um clássico Galão Alentejano oferecido pela empresa. De tarde, em Castelo Branco, visitámos a fábrica de iogurtes Danone. Iniciámos com o visionamento de um DVD promocional e ilustrativo da linha de produção, controlo de qualidade e dos preceitos de higiene e segurança. Fizemos depois o percurso ao longo da linha de fabrico. Como a fábrica se encontra em remodelação, a observação do embalamento dos iogurtes ficou um pouco condicionada. Para terminar em beleza seguiu-se a tradicional prova de degustação

do produto final, com a diversa gama de produtos Danone à disposição dos visitantes. Como recordação ainda recebemos um artigo promocional. Longa a viagem de regresso a casa mas com a convicção de

“Economistas” foram a Lisboa Nos passados dias 16 e 17 de Fevereiro, os alunos de Economia, dos 10º e 11º anos, e os colegas de Sociologia, do 12º ano, deslocaram-se a Lisboa para ficarem a saber um pouco mais sobre Economia. No dia 16 de manhã, os estudantes visitaram a exposição “O Dinheiro no Ocidente Peninsular: do Artigo Padrão ao Euro” do Banco de Portugal, onde conheceram a história da evolução da moeda. Sabiam que um jumento ou um boi valiam uma quantia previamente estipulada, na época do Artigo Padrão? Ou que existem milhões de Euros falsos em circulação e nós não os conseguimos distinguir dos verdadeiros? Estas e muitas mais curiosidades foram desvendadas no Banco de Portugal. Depois, na parte da tarde, os alunos foram ao ISEG (Instituto

Superior de Economia e Gestão) no âmbito do “Dia aberto aos Professores e Alunos do Secundário”. No ISEG, assistiram a uma palestra, orientada pelo Dr. Telmo Vieira, um dos mais prestigiados “professores da casa”, sobre “Empreendedorismo” e realizaram uma visita guiada à Biblioteca da Universidade. No final desta visita, os alunos foram brindados com uma actuação da Tuna Académica do ISEG. Depois do jantar, foi hora de cinema… O filme “Quem quer ser Milionário?” superou todas as expectativas e foi reconhecido como um verdadeiro vencedor de Óscares. A noite foi passada na Pousada da Juventude de Lisboa, onde as três turmas conviveram madrugada dentro. No dia 17 de manhã, os alu-

No dia 24 de Março, os alunos Miguel Patrício (10º D), Diogo e Silva (11ºB), Cláudio Oliveira (11º E), Gabriela Müller (11ºE) e Catarina de Almeida (12ºA) participaram no Parlamento dos Jovens no Instituto Português da Juventude (IPJ), em Beja. A nossa escola foi muito bem representada, contando com a óptima participação dos nossos mandatários, não dando muitas hipóteses às escolas adversárias. Desde cedo se percebeu que estavam ali para ganhar e nada mais interessava. Depois de um debate algo acesso, com algumas trocas entre as demais escolas, o Projecto de Recomendação proposto pela nossa escola não foi aprovado por apenas um voto de diferença, mas uma das medidas foi, mais tarde, aprovada e adicionada ao Projecto de Recomendação base sobre a cidadania, recebendo muitos aplausos. Aquando da escolha das escolas que vão representar o distrito de Beja no Parlamento dos Jovens a nível nacional, os

Piedade Barradas Professora

2 dias bem passados e bastante significativos em termos pedagógicos, pois o contacto com as realidades dos processos produtivos são extremamente importantes para estes alunos. Isabel Rodrigues, 11º C

Crepúsculo – Um amor de vampiro… Inês Marques, 11ºA “Crepúsculo” (cujo titulo original é Twilight) é, actualmente, um dos mais populares livros escritos para jovens adultos com mais de 8 milhões de cópias vendidas pelo mundo e traduzido para mais de 20 idiomas diferentes. Foi escrito em 2005 pela autora americana Stephenie Meyer de 34 anos. Qual será então o segredo para o sucesso do livro que destronou a série de Harry Potter? Twilight é uma moderna história de amor, recheada de acção e perigo, entre um vampiro e uma humana. Tudo começa quando Bella Swan, uma adolescente de 17 anos, filha de pais divorciados, decide ir viver com o seu pai para a chuvosa e pequena cidade de Forks em Washington. Ela não espera que algo de especial ocorra na sua vida na nova cidade. No entanto, tudo muda quando Bella conhece o misterioso e fascinante Edward Cullen, um rapaz diferente de todos os outros que ela conhecera. Inteligente e divertido, ele vê a beleza interior de Bella e, rapidamente, eles são levados por um apaixonado e decididamente pouco ortodoxo romance. Bella sabe que Edward esconde um segredo. Ele tem a capacidade de correr mais rápido do que qualquer criatura, consegue parar um carro em andamento com as suas próprias mãos e, para além destes poderes sobrenaturais, ele tem também uma beleza sobre-humana, com pele de porcelana, olhos dourados e uma voz e um cheiro hipnotizantes. A rapariga descobre então que Edward é um vampiro, tal como todos os membros da família Cullen. Mas esta família de vampiros é diferente das outras, pois eles não se alimentam de sangue humano nem têm presas, o que não significa que não se sintam tentados pelo odor do sangue das pessoas. Para Edward, Bella é tudo aquilo por que ele esperou durante 90 anos (apesar de ter mais de um século de vida, Edward aparenta ter 17 anos, pois foi esta a idade em que foi transformado em vampiro). Ela é a sua alma gémea. Mas quanto mais próximos eles ficam, mais Edward tem de lutar para resistir ao apelo que o sangue de Bella lhe faz. Para além deste difícil problema, outro inconveniente surge nas suas vidas quando um grupo nómada de vampiros chega à cidade e um deles, James, decide caçar Bella a todo o custo. Penso que o livro, para além de estar bem escrito, é cativante e misterioso, tornando difícil parar de o ler. A autora explica perfeitamente toda a acção e, por essa razão, quase que sentimos que fazemos parte do enredo. Enquanto o lemos, o perigo e acção estão junto a nós e, acima de tudo, somos hipnotizados pela paixão que há entre as duas personagens principais. Uma paixão rara e quase irreal. A adrenalina que nos envolve faz com que queiramos parar apenas na última letra da história. É uma leitura agradável e fascinante, na medida em que não é mais uma das habituais histórias de amor em que é tudo muito bonito e cor-de-rosa.

Ler é saber... nos deslocaram-se ao “Mercado de Benfica”para perceberem o conceito de “Economias Paralelas”. Durante a hora de almoço, tiveram uma hora livre, na zona do Chiado, que foi aproveitada para compras e para relaxar. A última actividade desta vi-

sita de estudo foi “A (pequena) Flauta Mágica”… Um musical infantil baseado na obra de Mozart, que está em cena no Teatro Nacional S. Carlos. Foi uma visita animada em que o convívio e diversão foram as palavras de ordem.

nossos deputados ficaram em segundo lugar, muito perto da primeira escola nomeada, a Escola Profissional de Moura. Desta forma, Diogo e Silva e Gabriela Müller irão representar-nos nos próximos dias 25 e 26 de Maio, em Lisboa. Após esta já esperada conquista, Diogo e Silva foi ainda nomeado porta-voz da equipa, sendo mais um motivo de orgulho para a nossa escola. No final desta sessão, procedeu-se à eleição da escola no âmbito do projecto “Euroescolas” entre a nossa escola e a escola de Aljustrel. Escusado será dizer que saímos vencedores (diga-se indiscutível) e também seremos representados pelos alunos Diogo e Silva e Gabriela Müller a nível nacional. Se os nossos alunos conseguirem uma boa prestação e se ficarem seleccionados nas primeiras dez escolas, teremos a possibilidade de ir, outra vez, a Estrasburgo, França. Em suma, a nossa participação ficou em muito boas mãos, tendo sido um dia repleto de vitórias e muita boa disposição. De salientar, ainda, os dotes musicais dos nossos alunos que rechearam a viagem de ida e volta. Como cá chegámos, isso já não sei responder. Marta Ribeiro, Professora

Rita Rodrigues, 11º A

Um livro… pode tratar-se de uma autobiografia, de um conto, de uma enciclopédia, de uma monografia, de um dicionário, de um romance, de um ensaio ou até mesmo de uma peça de teatro… não importa a categoria que ocupa na linha da organização humana, mas aquilo que nos transmite, o prazer que temos em folhear cada uma das páginas daquele que é a excelência do conhecimento e da sabedoria. Para os veneradores do livro, escolher aquele que se situa no topo das suas preferências não é uma tarefa fácil! Cada história deixa-nos uma mensagem, cada personagem uma marca, cada descrição conduz-nos à divagação, ao sonho, é um apelo à criatividade e imaginação. Um livro não se resume ao que tem escrito, mas à interpretação que cada um faz do que lê. Para ti, uma vida nova, de Tiago Rebelo é uma história simples, intensa e emotiva, que nos coloca perante uma realidade próxima. Uma história de amor, que, devido aos inúmeros entraves, não consegue ser bem sucedida, contudo leva as personagens a fazerem escolhas que irão mudar radicalmente as suas vidas. Cristina deslocava-se habitualmente ao Guincho para fazer surf. Lá esquecia todo o mundo à sua volta. Quando vestia o fato e se dirigia para o mar deixava para trás a sua agenda totalmente preenchida e com ela todas as preocupações e solicitações enquanto esposa de um bem sucedido empresário no ramo da comunicação social e directora da sua mais recente aquisição, o diário O Popular. No meio daquele cenário inundado pelo azul e branco dos tubos, Cristina não sonhava que se iria apaixonar por um dos jornalistas do diário de que era directora, e que por ele deixaria tudo o que até ali mais prezava para trás. Não se trata de nenhum clássico ou sequer de um best seller, no entanto a imprevisibilidade e actualidade da acção permitem-nos “devorar” cada página.


ESCOLA VIVA ABRIL 2009

[DESPORTO, OPINIÃO]

NOTÍCIAS DO DESPORTO No passado dia 10 de Março decorreu a 5ª edição do Torneio de Badminton Professor José Nogueira.

6

Textos de Isabel Rodrigues, 11º C

Torneio de Badminton José Nogueira

O número de alunos inscritos foi elevado e assistimos a jogos de grande qualidade entre os atletas, pelo que ficou provada, mais uma vez, a motivação dos alunos da nossa escola para esta modalidade. A final feminina realizou-se entre a Daniela Jacinto e a Patrícia Nunes, ambas do 10ºA. A vencedora foi a Daniela Jacinto e verificou-se, uma vez mais, a boa forma desportiva das “caloiras” da nossa escola! Segundo o nosso jornal conseguiu apurar, os finalistas masculinos pretendiam adiar a final devido à elevada fadiga de um dos jogadores, que iria jogar o seu sexto jogo consecutivo. No entanto, esta alteração não foi permitida pelos Professores que estavam a organizar o torneio. Assim, a final masculina foi disputada entre o Paulo Rosa do 12ºD, o detentor do título de campeão do ano lectivo passado, e pelo Nuno Inácio do uma notável prestação ao longo de os participantes pelo excelente torneio 12ºC. Numa final muito bem disputada e todo o torneio! que nos proporcionaram. Felicitamos os vencedores e todos renhida, o Nuno saiu triunfante após

Torneio de Basquetebol 3x3 Depois de no passado ano lectivo não se ter realizado, o Torneio de Basquetebol 3x3 voltou à nossa escola no dia 16 de Fevereiro! Durante todo o torneio pudemos assistir a jogos bem disputados, quer da parte feminina, quer da parte masculina da competição. Na final feminina, voltaram a encontrar-se as equipas SW e Dream Team. Sim, voltaram a encontrar-se porque estas equipas já tinham disputado a final dos torneios de Futsal e de Andebol, realizados no 1º período lectivo. Mais uma vez, as SW saíram vencedoras, derrotando, assim, por 5-2, as Dream Team. Da final masculina, que foi disputa-

da entre os Iraque e os Mais Que Bons Ainda, saíram vencedores, por 8-0, os Mais Que Bons Ainda. Os vencedores deste torneio foram apurados para representar a nossa escola no torneio “COMPAL 3x3” que se realizou a 6 de Março, em Santiago do Cacém. Fomos representados por duas equipas de juniores masculinos, uma das quais conseguiu chegar às meias-finais do torneio, e por uma equipa de juniores femininos. Um muito obrigado a estas três equipas que transmitiram a ideia de que o nosso estabelecimento de ensino é uma escola de adeptos do desporto.

Corta-Mato Este ano lectivo, o Corta-Mato Distrital decorreu em Serpa, no passado dia 11 de Fevereiro. De acordo com a Professora Ana Rosa, a nossa escola foi bem representada e assistiram-se a boas provas. É de destacar a classificação de duas atletas femininas: a Rita, do 10ºC, que ficou em 1º lugar no escalão Juvenis Femininos e a Madalena Guerreiro, do 12ºA, que ficou em 3º lugar no escalão de Juniores Femininos. A Rita foi apurada para os nacionais de Corta-Mato que decorreram no passado dia 21 de Março. Mais uma vez a nossa escola foi muito bem representada, uma vez que a Rita se classificou entre as 20 primeiras atletas em competição. Os nossos parabéns às atletas que levam o nome da nossa escola cada vez mais alto.

Voleibol

MELHOR JOGADOR DO MUNDO

Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro nasceu a 5 de Fevereiro de 1985 no Funchal, Madeira. A história de Ronaldo começa à porta de casa. Os vizinhos mais velhos ficavam encantados com a forma como Cristiano dominava a bola. Pelo aniversário, pedia sempre, a todos os familiares e amigos, uma bola como prenda. Apenas uma bola chegava, não era necessário mais nada! De manhã até à noite, ela era a sua companheira. Dizia que tinha nascido para jogar futebol… E acertou! Deu os primeiros pontapés na bola, de modo sério, num clube madeirense chamado Andorinha. Desde logo, começou a destacar-se dos colegas de equipa e por tal começou a despertar a cobiça dos dois maiores clubes da Madeira (Marítimo e Nacional).

Os interesses do Nacional falaram mais alto e o Cristiano acabou por entrar para as escolas do Nacional da Madeira. No entanto, os grandes clubes portugueses começaram a ficar intrigados com o “puto maravilha” de que se falava e o Sporting decidiu jogar pelo seguro e contratou Ronaldo para ingressar nas suas camadas jovens. Tinha apenas 11 anos. Das camadas jovens do Sporting até à equipa principal “foi um pulinho”. Com apenas 17 anos estreia-se na equipa principal do clube leonino num jogo contra o Moreirense. Foi neste dia que Ronaldo nasceu para a Europa. Sir Alex Fergunson ficou maravilhado com o prodígio luso e não descansou até o ter no seu plantel, o que veio a acontecer em 2003.

As competições da equipa feminina de Voleibol continuam, mas as nossas meninas não têm tido muita sorte. Neste período, a nossa equipa apenas disputou dois jogos. No primeiro jogo, a 14 de Janeiro, a nossa equipa recebeu a de Santo André e sofreu uma pesada derrota por 3-0. No segundo, no dia 11 de Março, a nossa equipa foi até Grândola, onde voltou a perder, desta vez por 3-2. Está agendado para dia 15 de Abril, aquele que pode ser, ou não, o último jogo da equipa da nossa escola. As nossaas alunas irão deslocar-se a Santo André para defrontar aquela que é a equipa mais forte da competição. Em declarações ao nosso jornal, a professora Ana Rosa exprimiu a sua esperança de chegar à final, que se irá realizar no próximo dia 20 de Abril, em local a determinar. A nível individual foi, recentemente, distinguido com a “Bota de Ouro” e com o prémio de “Melhor Jogador do Mundo”. Criticado por uns, idolatrados por outros, Cristiano corre pelas bocas do Mundo! São muitos os que o criticam pela forma arrogante de ser, mas, quer gostem quer não, ELE É O MELHOR DO MUNDO.

Futebol vs Modalidades Amadoras

A

ctualmente, o futebol move multidões e em Portugal isso não é excepção. Por outro lado, desportos como o atletismo, basquetebol, andebol ou ginástica passam despercebidos aos olhos de muita gente. Afinal, o que tem o futebol de especial para ser tão amado e os outros desportos para serem tão ignorados? O futebol é desde há muito o desporto de eleição dos portugueses. Tal sucesso pode dever-se, em parte, à grande importância e relevo que a comunicação social lhe dá, ou então aos grandes sucessos que os clubes portugueses (Benfica, Porto e Sporting) tiveram no passado. No entanto, tais sucessos passados na nossa selecção de hóquei em patins não serviram de muito para prestigiar essa modalidade. Portugal é das selecções com mais títulos europeus e mundiais, mas isso não tem contribuído de todo para levar as pessoas a encher os pavilhões de hóquei. Não é só de “Ronaldos” ou de “Figos” que o povo português se deve orgulhar, pois temos muitos outros atletas nacionais que devem ser valorizados. Nélson Évora ou Naide Gomes no atletismo, Diana Gomes ou Diogo Carvalho na natação, Frederico Gil ou Michelle Larcher de Brito no ténis, Vanessa Fernandes no triatlo, João José ou Miguel Maia no voleibol, Carlos Carneiro no andebol, Nuno Merino nos trampolins, Cândido Barbosa no ciclismo ou Telma Monteiro no judo não são devidamente reconhecidos pelo bem que já fizeram ao desporto nacional. Ao questionarmos uma criança de dez anos acerca do seu ídolo no desporto a resposta é bastante óbvia. Cristiano Ronaldo é o eleito de todas as crianças. Sim, é verdade, é um caso de muito sucesso e é normal que o seu esforço seja reconhecido por todos, inclusive pelos mais pequenos que nele se inspiram. Pelo contrário, se realizássemos um inquérito a questionar a população acerca dos atletas anteriormente referenciados, as respostas seriam claras. A maioria deles nem saberia da sua existência. É caso para perguntar: “Afinal, quem é o culpado pelo facto de todos estes desportos não serem devidamente reconhecidos a nível nacional?”. Sem patrocínios, dificilmente algum desporto consegue ir em frente. O futebol vai porque tem patrocínios e visibilidade na comunicação social permitindo aos clubes tornarem-se profissionais (com mais ou menos dificuldades financeiras), ao contrário do que acontece, por exemplo, no andebol que já viu a sua liga profissional (que de profissional tem muito pouco!) quase extinguirse por falta de apoios aos clubes, que sobrevivem com imensas dificuldades, e ate à própria Federação Nacional de Andebol. Em segundo lugar, a comunicação social também tem uma parte da culpa. Diversos telejornais são capazes de colocar uma notícia sobre o sucesso da selecção nacional de futebol em primeiro lugar (como o que aconteceu na altura do Euro 2004, por exemplo), mas já não o são quando o sucesso chega de outra modalidade. Em suma, é necessário incutir nos nossos jovens o gosto por estes desportos que são tão ignorados, pois não existe só futebol. É preciso, também, que os patrocinadores apoiem tanto estes desportos como o futebol para que no futuro seja possível ouvir uma criança dizer “Quero ser como a Michelle de Brito” ou “ O meu ídolo é o Nélson Évora”. Só desta maneira é que Portugal conseguirá evoluir todas as suas modalidades e deixar grandes nomes na história do desporto. Se nos outros países já se aposta numa variedade a nível desportivo, por que não fazer o mesmo em Portugal? Está na hora de mudar a mentalidade de todas as pessoas para que não se orgulhem apenas do sucesso futebolístico, mas sim de todo sucesso desportivo nacional. Cláudio Guerreiro, 11º D


7

[PASSATEMPOS, MÚSICA, LIVROS]

ESCOLA VIVA ABRIL 2009

Horóscopo do mês

CARNEIRO Amor: Investe em relações antigas e expressa os teus sentimentos com clareza; Relacionamentos: estarás em plena harmonia com a tua família; Realização pessoal: continuação do clima ideal para fazer mudanças nos teus hábitos de vida; Ponto forte: a vitalidade e a energia física mantêm-se em alta; Ponto fraco: a vitalidade e a energia física. GEMEOS Amor: Durante este período podes vir a enfrentar alguns problemas emocionais e afectivos; o romantismo não vai adornar este mês; Relacionamentos: mais possessivo e ciumento durante todo o mês, será conveniente conter os teus pensamentos e não deixá-los descontrolados; Realização pessoal: faz caminhadas e aproveita o que de melhor a natureza te traz; Ponto forte: energia e estado geral de saúde dos melhores, não sendo de admirar que te sintas mais optimista e cheio de força; Ponto fraco: esea tende a ser um mês de gastos. LEÃO Amor: este vai ser um mês cujo magnetismo pessoal vai estar em alta; o teu poder de sedução e conquista vão aproximar-te das outras pessoas; Relacionamentos: alguns momentos desagradáveis, mas como vais estar mais afectivo, as reconciliações serão rápidas; Realização pessoal: Vais sentir-te mais voltado para fazer coisas que quebrem a rotina; Ponto forte: Esta é uma boa fase ao nível da saúde; Ponto fraco: as tuas preocupações podem gerar altos níveis de stress.

Catarina Lóios, 11º D

BALANÇA Amor: é possível que ocorram alguns dissabores devido à falta de tempo para a tua relação; Relacionamentos: vais sentir despertar em ti uma forte sensibilidade e empatia com as outras pessoas; Realização pessoal: é importante que procures manter a calma e relaxar o mais possível; Ponto forte: simpatia e facilidade em estabelecer amizades; Ponto fraco: algum cansaço fisico. CAPRICÓRNIO Amor: a sensualidade vai fazer-se sentir durante todo o mês e a paixão vai voltar á tua vida; Relacionamentos: vais preferir estar longe de toda a relação que te possa trazer desarmonia e mal-estar; Realização pessoal: a tua vitalidade tenderá a aumentar e a sentir-te-ás com mais força e energia para enfrentar os desafios; Ponto forte: período positivo a nível escolar; Ponto fraco: alguma falta de paciência para com os outros.

A maior banda de rock português comemora este ano o trigésimo ano de vida, com lembranças de muitos concertos e de onze álbuns na bagagem. A banda decidiu comemorar esta longa carreira no mundo da música com um concerto que ocorreu trinta anos depois, no mesmo dia em que deram o seu primeiro, a 13 de Janeiro, no Pavilhão de Portugal. Neste aniversário foram tocadas algumas das músicas que sairão no próximo álbum previsto para Março. A criação deste grupo deveu-se à vontade de Zé Pedro que depois de assistir a um concerto de punk em Mont-de-Marsan em França, decidiu juntamente com Zé Leonel e Paulo Borges formar os Delirium Tremens. Após a entrada de Kalú na banda, mudaram o nome para Xutos & Pontapés, depois do nome ‘Beijinhos & Parabéns’ não ter sido aceite. Logo a seguir entra Tim para o lugar de Paulo Borges e a longa carreira destes ícones do rock’n’roll começa. Hoje em dia a banda é constituída por Zé Pedro, Kalú, Tim, João Cabeleira e Gui. Vivem para os concertos ao vivo o que os faz ter uma ligação enorme com os fãs que, com os braços cruzados, o grande símbolo da banda, os seguem para todo o lado. Prometem continuar com a mesma energia e a acreditar na força do rock’n’roll por muito mais tempo, partilhando canções que deixaram marca e novas canções com o público, que abrange várias gerações. Helena Trindade, 11ºA

SAGITÁRIO Amor: este mês não será a melhor época para encontrar um novo amor; Relacionamentos: verás aumentada nesta altura a tua participação em assuntos que envolvem a família; Realização pessoal: antes de tomares alguma decisão importante, pondera bem todas as consequências; Ponto forte: grande proximidade com uma nova amizade; Ponto fraco: HORIZONTAIS: poderás passar por algumas confusões e mal-entendidos.

Palavras Cruzadas

ESCORPIÃO Amor: um novo amor pode entrar na tua vida durante este período; Relacionamentos: mais aberto e comunicativo, vais sentir um maior desejo de conviver e de relacionarte com os outros; Realização pessoal: dedicar-te-ás àquela actividade desportiva que há muito tens vontade de praticar; Ponto forte: grande força interior disponível; Ponto fraco: alguns problemas económicos.

TOURO Amor: muito possivelmente vais conhecer um novo amor saído do teu ciclo de amigos; Relacionamentos: epoca de maior convívio social e familiar; Realização pessoal: novos lugares e novos conhecimentos vão pautar todo este mês, pelo que é positivo saires para viveres; Ponto forte: momentos de aventura e paixão; Ponto fraco: um aumento das AQUÁRIO tensões interiores tendem a diminuir a tua vitalidade e a au- Amor: bom período para fazeres uma surpresa e levares o teu amor a jantar fora ou a passear. Relacionamentos: mentar a tua sensibilidade a problemas físicos. durante este mês vasi sentir que tens muito para dar e consequentemente as pessoas ao teu redor vão retribuir com CARANGUEJO Amor: inviste no teu verdadeiro amor, não é altura para no- muito amor; Realização pessoal: boa altura para escrevevas conquistas; Relacionamentos: maior realce na tua vida res e procurares consolidar ideias que há muito gostarias de afectiva com os amigos e conhecidos; Realização pessoal: concretizar; Ponto forte: vitalidade e boa disposição; Ponprocura vencer a solidão e a sensação de incapacidade; Pon- to fraco: alguma desmotivação a nível escolar. to forte: algum investimento em exercício físico; Ponto fraPEIXES co: alguma quebra emocional. Amor: aproveita para passar um período sozinho e conhecer-te melhor; Relacionamentos: alargua os teus horiVIRGEM Amor: vais sentir que chegou a altura de falar sobre os zontes, contacta com pessoas novas fora do teu circulo de teus sentimentos à pessoa que inunda os teus pensamentos; amigos; Realização pessoal: sentir-te-ás com as energias Relacionamentos: vais dar por ti rodeado dos amigos e da renovadas se praticares qualquer tipo de desporto; Ponto família; Realização pessoal: aplicaca de forma enérgica e forte: serás recompensado pelas tuas boas acções; Ponto ousada as tuas energias na concretização das tuas ambições; fraco: falta de tempo para assuntos pessoais. Ponto forte: altura propícia para tomares iniciativas; Ponto fraco: vontade de efectuares gastos desnecessários.

Série Luz e Escuridão por Stephenie Meyer – Composta por quatro livros (Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse e Breaking Down, o último ainda por editar em português), esta saga conta a história de Bella e Edward, uma humana e um vampiro que vão ter que lutar contra as regras dos seus dois mundos para poderem consumar o seu amor mútuo. Parece a típica história de amor com toque de gore, mas não é. Para além da narrativa profunda e cuidada há ainda carros velozes, jogos de basebol e lobisomens metidos pelo meio, fazendo deste livro a história de vampiros perfeita para quem não gosta de histórias de vampiros… Sin City por Frank Miller – São sete os livros que compõem esta série, passada numa cidade recheada de vício e pecado, onde os polícias são corruptos e os piores monstros são capazes dos actos mais heróicos. Uma das novelas gráficas mais famosas do mundo, esta série vale pela narração, mas sobretudo pelas imagens fortes, num estilo de film noir, onde são raros os apontamentos de cor. O rapaz ostra e outras histórias por Tim Burton – Um conjunto de poemas agridoces, onde Tim Burton destila, mais uma vez, uma candura irónica a que já estamos habituados. Em tom de humor negro, estas são histórias de meninas, meninos e pequenos híbridos que não encontram o seu lugar no mundo dos ditos “normais”. Não foge ao registo, mas também não desilude, e até podemos dizer que impressiona, quanto mais não seja pelas imagens da autoria do próprio Tim. Woody Allen, Taschen – Uma biografia interessante e bem organizada sobre um grande realizador, guionista, actor, escritor… Este livro passa pelas várias fases de Woody, desde os tempos de comediante ao de realizador de culto, e é valorizado pela escolha cuidadosa das imagens a Leonor Nunes que a Taschen já nos habituou. Um must-have para todos os cinéfilos e fãs do autor. 11º D

Xutos & Pontapés 30 anos a dar música

1

2

3

4

Maria Helena Fernandes Professora 5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

1.Sentimento terno; barba de espiga 1 de cereais; consoante isolada;2.Ano- 2 tações; ave trepadora semelhante ao 3 papagaio; símbolo químico do cro- 4 5 mo; 3.Consoante isolada; obrigar a 6 aceitar; basta !; planta apiácea apli- 7 cada em culinária; 4.Verão; muito 8 grandes; consoante isolada; 5.Tra- 9 var; dupla vogal; pretérito imperfei- 10 to do verbo IR, segunda pessoa do 11 singular;6.Vogal isolada; pronome 12 pessoal inglês; consoante isolada; 13 montanha do Norte de África; vogal 14 isolada; 7.Vaso nocturno; congénito; 15 consoante isolada; 8.Condimentados; abrigo; 9.Dilatado; vogal isolada; colorido; 10.Citrino semelhante ao limão; princípio de RILHAR ; iniciais do primeiro canal televisivo português; divindade solar egípcia; 11.Pega do tacho; acontecimentos extraordinários; determinante feminino plural; 12.Consoante isolada; clarão; faria doação de; 13. Prefixo de negação; taberna; consoante isolada; pronome interrogativo; 14.Biscoitos em forma de número; vogal isolada; chispa; 15.Serviço de mensagens; vogal isolada; as cinco vogais fora de ordem; consoante isolada. VERTICAIS: 1.Preposição; vogal isolada; edifícios nobres; 2.Pedra de moinho; abrev. de SENHOR; líquido amargo destilado pelo fígado; nem não nem sim; 3.Inflamação do ouvido; deitar na cama; duas consoantes diferentes; 4.Pretérito mais-que-perfeito do verbo RAMIFICAR; acto, depois do Acordo Ortográfico; 5.Clube desportivo lisboeta; falas como os gatos; 6.Consoante isolada; vogal isolada; vogal isolada; estúpidos; 7.Ficar raro; vereador; fiel amigo; 8.O que se respira; abreviatura de NÚMERO; sozinha; 9.Felino; prefixo de negação; IR em Inglês; apelido de um ‘prémio Nobel’ italiano, da literatura; 10.Fécula alimentícia extraída do rizoma de algumas plantas marantáceas e zingiberáceas; interjeição que expressa desagrado; suspiro; 11.Cont. prep. EM com o art. def. A; coima; possuir; início de GURU; 12.Organização de defesa do consumidor; cont. da prep. A com o art. def. OS; a alma; 13.Divindade egípcia; uma vogal e uma consoante; classe; 14.Caminhos de ferro Portugueses; vogal isolada; conjunto das plantas de uma determinada região; interjeição que pode exprimir troça ou malícia;15.Antónimo de FINO; rezas; conjunção.

MÃE

Passam mulatas sambando, os músicos tamborilando e os gigantones rindo, em gargalhada alvar. Em Torres, o Magalhães e as suas meninas nuas, afinal, em biquíni ( tapa acolá, tapa aqui e tapa ali ) Tribunal proibindo Tribunal permitindo. Eis que avançam lá de Braga A revolta, o susto, a raiva ! As crianças perguntando, Os pais barafustando, A polícia policiando ! Ai Courbet, que ideia triste pintares o buraco por onde saíste ! Há partes do corpo tão belas, Para mostrares nas tuas telas – por exemplo, as orelhas. Se tens pintado orelhas Róseas e redondinhas, Tudo ficava em sossego, Não irritavas as velhas. Assim, a crise adensou-se, A paz mundial tremeu !, Só porque alguém quis mostrar O sítio por onde nasceu ! A autoridade proibindo A autoridade permitindo.

Passam mulatas sambando, os músicos tamborilando e os gigantones rindo, em gargalhada alvar. O Ministro freeporteando, no Congresso, Diz que fica ! Não há TV, nem jornal, ( Nem Deus, dizemos nós ) Que o façam descer à Terra ( tal se disse do Titanic e mesmo assim foi a pique … ) Passa breve o Carnaval E a Quaresma também. E com três letras apenas Se escreve a palavra MÃE. Maria Helena Fernandes Março de 2009 (Tentativa de celebrar, em maus versos, o que deve ter sido um dos Carnavais portugueses mais ricos em acontecimentos picarescos.)


ESCOLA VIVA ABRIL 2009

[ÚLTIMA PAGINA]

Testemunho de uma ex-aluna da escola

Verdes anos… É com imenso prazer que escrevo estas linhas, passados 19 anos sobre o meu 10º ano, na “Turma de Jornalismo” desta Escola. Foi nesse ano que lançamos mãos ao projecto do Jornal “Escola Viva”, numa base muito experimental e apenas no circuito aluno/professor, para efeitos avaliativos. Tenho acompanhando a sua evolução, leio atentamente cada edição que, gentilmente, me chega por correio. Devo confessar que me sinto orgulhosa. Não só pela qualidade, como pela prova do que uma escola, no seu conjunto alunos/professores/auxiliares de educação, consegue fazer – o próprio produto jornal e todas as actividades ali relatadas. As iniciativas dos clubes, onde destaco o BGEO, os vários artigos de opinião, as visitas de estudo, as reflexões sobre temas da actualidade, enfim uma panóplia de textos, com muita qualidade, num jornal que muito dignifica a Secundária. Voltando atrás, foi naquele tempo que o “bichinho do jornalismo me picou”. O efeito ainda dura! Decidi, com muita convicção, ao longo do 9º ano, na Turma de Saúde (odiei!), que queria seguir jornalismo. Em boa hora foi criada uma turma para aquela área e, então, começaram as aventuras e desventuras de pretensões de projectos editoriais, reportagens, entrevistas, notícias. Acredito que o professor Coutinho tenha desesperado com aquele pequeno grupo de refilões! Ainda como estudante do 12º ano, colaborei durante alguns meses com o Boletim Municipal “Notícias de Odemira” (a vida dá com cada volta!) e com o semanário “Diário do Alentejo”, através de um homem que deu muito a Odemira, Deodato Santos. Recordo, não com saudade (tudo a seu tempo!), mas com orgulho, os bons momentos que eu e o meu grupo de amigos vivemos naqueles anos. Lembro-me dos primeiros programas da nossa turma na saudosa Rádio Praia, das inúmeras peças de teatro (até na disciplina de Filosofia!), a Comemoração do Dia do Ambiente, os convívios com outras escolas, os primeiros passos no associativismo, as grandes campanhas eleitorais para a Associação de Estudantes com direito a debates e entrevistas, entre tantas outras experiências… Naqueles verdes anos não tínhamos computadores, muito menos Internet, telemóveis, MP3, TV Cabo. A nossa criatividade era o melhor mecanismo para ocupar os tempos livres. Encontrei bons professores, exigentes e rigorosos (como deve ser, pois não é com facilitismo que se aprende!), dos quais me lembro dos nomes, das conversas, dos conselhos, das “argumentações”… Alguns deles são ainda professores na Secundária de Odemira e saberão, certamente, de quem falo… Só lhes agradeço o profissionalismo e a paciência que tiveram para uma turma que inventava actividades para não ter aulas! Foram anos fundamentais na minha formação, de muito estudo e trabalho, que me deram boas bases para seguir os estudos universitários na área de Comunicação Social. Trabalhei como jornalista estagiária na Antena 3 e resolvi rumar ao Sul, para a Rádio Voz da Planície (Beja), pois percebi que a vida de Lisboa é muito mais apelativa para estudar e aproveitar… do que para trabalhar. E voltei às minhas raízes, porque acredito que esta terra merece e quero contribuir para construir um melhor concelho, pelo menos mais informado! Estou no Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara desde 1998. Gosto imenso do que faço e da equipa que integro, nas várias vertentes da comunicação autárquica, num mundo que vai do jornalismo puro e duro (sem favores e com rigor, baseando o meu trabalho nos factos), assessoria de imprensa, promoção, relações públicas, protocolo municipal, participação na organização da FACECO, até à definição de campanhas publicitárias. Grito a sete ventos que temos uma excelente equipa, dinâmica e profissional. O boletim, o site, a agenda, os comunicados de imprensa, toda a imagem dos eventos municipais, a fotografia, os filmes, edições especiais, etc, com muitos e apertados prazos preenchem o nosso dia-a-dia, num ritmo que às vezes assusta. Não quero terminar sem deixar uma palavra de incentivo a todos aqueles que frequentam hoje a Secundária de Odemira: façam desta uma escola grande, dinâmica e viva. Aproveitem estes anos, no início da vossa juventude, mas não deixem de estudar, de trabalhar arduamente, pois estes anos de formação são essenciais ao vosso futuro, seja ele seguir para os estudos académicos ou ingressar no mundo do trabalho. E não se percam por caminhos sem saída. Nem vale a pena experimentar. A vida é demasiado boa para a desperdiçarmos!

Dra. Isabel Vilhena Gabinete de Imprensa e Relações Públicas Câmara Municipal de Odemira

8

CAMPEONATO NACIONAL DE JOGOS MATEMÁTICOS 2009, NA COVILHÃ

Fernando Eliziário ficou em sétimo lugar

N

o passado dia 13 de Março, realizou-se, na Covilhã, a quinta edição do Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos. Fernando Eliziário, do 12º B, conseguiu um honroso sétimo lugar no «Jogo do Rastros». Para além do Fernando, participaram neste campeonato mais oito alunos do nosso concelho, a saber, dois da nossa escola (Rúben Campos, do 11º A, e Daniel Godinho, do 2º ano do Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos) e seis da EB 2,3 Eng. Manuel Rafael Amaro da Costa - S. Teotónio, acompanhados pelos docentes Jorge Nogueira e Liliana Martins. A aluna Luísa Eliziário da escola de S. Teotónio ficou em 4º lugar, também no «Jogo do Rastros». Nestes jogos participaram cerca de 1400 alunos em representação de 277 escolas, pelo que os resultados conseguidos pelos representantes de Odemi-

ra foram excelentes. Na Covilhã, a nossa comitiva ficou alojada na Pousada da Juventude das Penhas da Saúde (Serra da Estrela), facto que proporcionou a alguns ver neve

os dias de realização do campepela primeira vez. O apoio da Câmara Municipal onato. O nosso muito obrigado. de Odemira foi extraordinário, Jorge Nogueira uma vez que nos ofereceu não Liliana Martins só o transporte mas também o (professores) alojamento e refeições durante

FEIRA MUNDIAL DE CIÊNCIA

Represantámos Portugal em Bruxelas

U

ma delegação da nossa escola representou Portugal numa Feira Mundial de Ciência em Bruxelas. A Ângela Mestre, a Ana Colaço, a Solange e o Samuel, todos do 12º A, foram apresentar os seus projectos e conhecer novos sítios e novas gentes. Desta vez não se tratou de um concurso, apenas uma mostra. Cada projecto preparou um poster em Inglês e treinou o suficiente para consegui explicar o que tem andado a investigar por cá… Mas, eles descobriram rapidamente que não eram, afinal, os únicos portugueses no evento: havia um grupo de pequenos alunos de uma escola internacional de Bruxelas, filhos de portugueses a viver na Bélgica. Pequenos, mas com grandes cabeças, já que os nossos alunos odemirenses ficaram impressionados com o desembaraço com que aqueles miúdos defendiam os seus projectos científicos bem complexos para a sua idade. Descobriram, então, que naquela escola fazem projectos de ciência desde a mais tenra idade. O que a nossa delegação mais apreciou foi conhecer gente de todo o mundo. Os grupos que mais conviveram com os portugueses foram os mexicanos, russos, espanhóis e suíços. No jantar internacional parece que a mesa que fez mais sucesso foi a nossa: linguiça, queijos, pão alentejano, licor de noz… até medronho havia!... Ouviu-se cantar o fado e viram-se paisagens da nossa terra. A Ana Colaço cantou ao vivo “chamar a música”. Mas, também se dançou sevilhanas, a polka e outras

danças de todo o mundo. Mais triste foi a gastroenterite que atacou a delegação portuguesa e que fez dois dos seus elementos experimentar os hospitais de Bruxelas… Dizem que a culpa foi das “molhengas” que os belgas põem em tudo o que comem!!! A Solange aproveitou para aperfeiçoar o seu francês e espanhol, e também para aprender algumas palavras em russo. A Ângela Mestre e o Samuel fica-

ram orgulhosos do seu inglês: não pensaram que iam conseguir comunicar tão facilmente! A Ana Colaço, que está com o seu grupo a fazer um programa de promoção de saúde na APCO, acabou por fazer algumas dinâmicas com alunos participantes na feira. Foi um sucesso. Na opinião dos nossos alunos, apesar de terem uma comida intragável, os belgas têm uma das mais belas praças do mundo. Mesmo à chuva (sol como o

nosso não há…) os nossos alunos percorreram a cidade num peddy-paper muito divertido. No final houve trocas de emails, postais, moedas e até doces tradicionais. Os mexicanos, que tinham estado sempre muito preocupados com os portugueses doentes, no final ofereceram à Solange a bandeira do seu país… Paula Canha (Resumo do que eles me contaram)

Consultas de Fisiatria com o Dr.Carlos Machado Tratamentos de Fisioterapia com a Fisioterapeuta Nélia Viana Acordos: MEDIS; Zurich; SAMS; Mútua dos Pescadores; CA; outros em apreciação

S. TEOTÓNIO

Director: Dr. Jorge Mendes; Editor: Dr. José Coutinho; Redactores: Leonor Nunes, Catarina Lóios, Isabel Rodrigues, Rita Rodrigues, Helena Trindade, Catarina Müller, Inês Marques; Colaboradores: Patrícia Nunes, Patrick Lenehan, Teresa Silveira, Beatriz Cavaco, Miguel Monteiro, Dra. Piedade Barradas, Dra. Marta Ribeiro, Dra. Isabel Vilhena, Dra. Paula Canha, Dr. Jorge Nogueira, Dra. Liliana Martins, Dra. Helena Fernandes, Cláudio Guerreiro, Vanessa, Susana, Ângela, Francisco, Liza, Débora, Mariana, Solange, Samuel, Fernando Celso, Pedro, Bruno, Ana Pacheco, Joana Anacleto, David, Nadine, Filipa, Fernando, Inês, Alexandra, Ana Colaço, Ângela Martins, Diogo, Madalena, Pedro Loução, Ana Vilhena, Nicole, Catarina Almeida; Paginação: Dr. José Coutinho; Revisão: Dra. Maria Emília Pina; Impressão: Gráfica Santiago Lda, Santiago do Cacém; Tiragem: 600 exemplares; Propriedade: Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves - Odemira; E-mail: info@esec-odemira.rcts.pt

Escola Viva - Ed. 36  

Jornal da Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves - Odemira

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you