Page 1

PORTfÓLIO Gustavo Monteiro


matĂŠrias


Assessoria


Dolores 602 será a última atração do Festival de Vozes Femininas A banda Dolores 602 encerrará a primeira edição do Festival de Vozes Femininas, promovido pelo Centro Cultural Nem Secos, no próximo domingo, dia 4. A partir das 20h, o público poderá conferir o repertório do grupo, que varia entre clássicos e canções contemporâneas. O som da banda é permeado pela aura do Rock and Roll, possibilitando interpretações únicas de sucessos como “Miss You” dos Rolling Stones e “Não vou ficar”, de Roberto Carlos. Para participar do evento, é necessário levar um quilo de alimento ou um livro. Dolores 602 se formou há cerca de um ano e conta com Débora Ventura nos vocais e violão, Isabella Figueira na bateria, Camila Menezes na voz e no baixo e Táskia Ferraz na guitarra. Elas já se apresentaram em lugares bem distintos, como o IV Festival de Música do Sistema Penitenciário e o Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto. Com influências que transitam entre a MPB e o Rock and Roll, a banda vem conquistando um público diversificado por onde toca. Portanto, não poderia ficar de fora do Festival Vozes Femininas.

O Festival celebra a ascensão das mulheres na cena musical mineira e conta com a participação de outras sete artistas. Milena Torres, Cáustica, Zaika dos Santos e Michelle Oliveira se encarregam do som no sábado, às 16h. Já no domingo, também às 16h, as meninas do Dolores 602 dividem o palco com Nathy Faria, Hello Acústica e Uai Soul. Centro Cultural Nem Secos

Há mais de três anos, o Centro Cultural Nem Secos difunde a cultura para o público belo-horizontino, trabalhando com um sistema voluntariado, em que o espaço oferece o local e as bandas compartilham seu som. Idealizado e gerido pelos integrantes do grupo Nem Secos, o Centro Cultural oferece, gratuitamente, diversas opções de entretenimento e cultura, como música, cinema e literatura. “Nosso interesse é levar arte e cultura de graça para a população”, salienta Carlos Linhares, um dos responsáveis pela instituição, que prevê a continuidade do Festival de Vozes Femininas. Mais informações: (31) 9838-9630

ESTADO DE MINAS - 04/09/2011


Circuito Latino será lançado em grande festa no Nelson Bordello Mais de 569 milhões de habitantes, 20 países, cerca de 14,1% da superfície da Terra. Mambo, samba, merengue, Gabriel García Marquez, Mario Vargas Llosa e Frida Kahlo. A riqueza cultural da América Latina foi o ponto de partida da criação do Circuito Latino, projeto idealizado pelo músico e ator colombiano Javier Galindo, que visa à difusão da latinidade em Belo Horizonte. Depois de algumas parcerias, o projeto tomou corpo e tem seu lançamento revelado: próxima quarta-feira, dia 20, às 19h, no bar Nelson Bordello. O Circuito Latino é uma tentativa de juntar agentes culturais, bares, bandas, grupos e coletivos que incentivam a valorização do universo latino-americano na capital mineira. Por meio de exposições, oficinas, apresentações teatrais e musicais, o projeto busca intercambiar as culturas dos países da América Latina entre as comunidades de origem latina de Belo Horizonte. “Devido à pouca divulgação desse universo criar uma rede de lugares que já apresentam Galindo. Segundo ele, o Circuito Latino tem em outras iniciativas que assumam a mesma na cidade.

em BH, acho que será muito proveitoso esse olhar latino-americano”, salienta Javier grandes possibilidades de se desmembrar responsabilidade de promover a latinidade

Apoiadores como o Café Arcângelo, Espaço Esquina, Bar Godofredo e Nelson Bordello, aderiram ao projeto, bem como os grupos teatrais Primeira Campainha e Teatro 171. O Circuito Latino conta, também, com a colaboração de outros parceiros: a banda Unión Latina, o grupo de djs Latino Club, a Morelli Idiomas e o Fenestra Ateliê de Comunicação.


Noite de lançamento Para comemorar o nascimento do Circuito Latino, o bar Nelson Bordello receberĂĄ em seu palco o Latino Club, alĂŠm dos mĂşsicos Gabriel Guedes e Eloi de Paula. Os integrantes da banda UniĂłn Latina, Braulio Mangualde, Bruno Malaguti e Javier Galindo tambĂŠm levarĂŁo VHX JLQJDGR j IHVWD 'XUDQWH DV DSUHVHQWDo}HV VHUmR H[LELGRV HP XP WHOmR Ă€OPHV FRORPELDQRV H IRWRJUDĂ€DV GRV SURMHWRV GHVHQYROYLGRV QR (VSDoR  1D RFDVLmR WDPEpP serĂĄ sorteado um drink do CafĂŠ Arcângelo.

Serviço Lançamento Circuito Latino Local: Nelson Bordello. Rua Aarão Reis, 554 – Centro – Belo Horizonte Horårio: A partir das 19h Entrada: R$ 7,00

ENTREVISTA AO VIVO PARA O JORNAL DA TV BRASIL - 22/07/2011 Gustavo Monteiro Assessor de Imprensa Fenestra Ateliê de Comunicação (31) 9838-9630 gustavo@fenestra.com.br


13 de Julho de 2011

PRINCIPAL / SALA DE NOTICIAS O

k

SALA DE NOTÍCIAS Imprimir

SALA DE NOTICIAS NOTICIAS DO DIA GALERIA DE FOT OS

Catálogo da exposição "Paisagens Deslocadas" é lançado no MAP Publicado em 17/02/2011 18:25:16

A artista plástica Elisa Campos lançará o catálogo da exposição de sua autoria, intitulada “Paisagens Deslocadas”, nesta sexta-feira, dia 18, às 18h30, no Museu de Arte da Pampulha (MAP). Em seguida, haverá um bate-papo com a participação do arquiteto e professor universitário Augustin Tugny, cujo ensaio crítico sobre o trabalho da artista está presente no catálogo. A entrada é franca e a promoção é da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura e do museu, que fica na avenida Otacílio Negrão de Lima, 16.585. Os participantes do lançamento receberão o catálogo gratuitamente. O catálogo é um registro fotográfico da bem-sucedida mostra, que segue em cartaz no MAP até o dia 20 de março. Segundo a artista, a peça propõe mostrar o percurso da exposição. O horário e o dia do lançamento foram escolhidos em função da lua cheia, que poderá ser vista a partir de uma projeção instalada no museu. “A ideia é que a gente consiga ver a lua a partir da imagem refletida que será projetada na cúpula”, explica. O professor Tugny participa do trabalho com um retrato crítico da exposição que procura refletir sobre cada detalhe das intervenções da artista no museu. “As instalações de Elisa desmentem nossas expectativas e nos colocam em uma situação de solicitação visual múltipla, que se encontra exacerbada pelas condições institucionais da apresentação das obras de arte”, disse. A exposição “Paisagens Deslocadas” propõe um passeio pelos bastidores do Museu de Arte da Pampulha, incitando o público a explorar espaços antes restritos aos visitantes por meio de instalações fotográficas, vídeos e projeções. Elisa Campos já coordenou o Departamento de Artes Plásticas do MAP e, atualmente, é professora de Artes Gráficas na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Desde 1991, a artista tem apresentado trabalhos em todo o Brasil.

| Voltar


13 de Julho de 2011

PRINCIPAL / SALA DE NOTICIAS O

k

SALA DE NOTÍCIAS Imprimir

SALA DE NOTICIAS NOTICIAS DO DIA GALERIA DE FOT OS

Lagoa do Nado recebe segunda exposição do projeto DiverCidades Publicado em 12/07/2011 14:22:47

O Centro Cultural Lagoa do Nado (CCLN) exibe a segunda exposição contem plada pelo projeto DiverCidades. "Ora com outros olhos, ora com outras m ãos", da artista plástica Aline Midori, em cartaz de 12 deste m ês a 31 de agosto, explora a sensibilidade tátil por m eio de esculturas e instalações. No decorrer da m ostra, algum as intervenções artísticas serão realizadas a fim de propiciar ao público experiências extravisuais. A exposição, entendida pela artista como uma "expoação", consiste na exibição de diversas obras feitas com papel, tecido, massa e imagens em suporte bidimensional. Midori destaca o "Varal de Ideias e Interrogações" como uma instalação que merece atenção especial. Por meio dela, o público poderá pendurar textos e imagens que descrevam as sensações percebidas na mostra, possibilitando à artista conhecer um pouco os anseios e expectativas dos visitantes. Midori ressalta a importância da participação dos portadores de necessidades visuais na exposição. A artista, que já ministrou oficinas artísticas a esse público específico, exalta a relevância de sua inserção nas atividades. "Eles usufruem do passeio ao Parque Ecológico e ao Centro Cultural Lagoa do Nado, ganham mais estímulo à produção artística e relatam um bocado do que sentem", diz. "Ora com outros olhos, ora com outras mãos" convida os usuários do CCLN a participar de três intervenções, que acontecem durante a exposição. Dia 22 deste mês, Midori vendará os visitantes, que serão incentivados a tocarem as obras e as sentirem "com outros olhos". Já no dia 7 de agosto, a artista promoverá uma ação conjunta com o público na produção de quadros pintados com os pés, cotovelos e outros membros do corpo, confeccionando uma arte "com outras mãos". E no dia 21, ela preparou uma surpresa para o público, que só será revelada no momento da atividade. O resultado dessas intervenções será transformado em uma nova obra pela artista. "Há momentos em que me entrego a uma prática silenciosa, individual. Mas, há outros momentos, que só têm sentido se as ações artístico-corporais forem realizadas com outras pessoas", enfatiza Midori quanto à importância da parceria entre público e artista. Projeto DiverCidades


Tornar Página Inicial Expediente Fale Conosco

Ok

quarta-feira, 13 de julho de 2011.

EDITORIAS Agenda Cultural Cidades Cultura Economia Esportes Internacional Nacional Polícia SOS BR-381 Galeria de Fotos

CULTURA Fonte: 22/01/2011 01:00 - sábado, 22 de janeiro de 2011.

Alfredo vai virar a mão em Ipatinga Espetáculo abre a programação da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança Divulgação

COLUNISTAS Cláudio Humberto

Fernando Rocha

Lair Ribeiro

Mário Márcio

Paula Jácome

O espetáculo conta a história de um homem que segue à risca a receita repassada por um psiquiatra e causa situações muito engraçadas

Alfredo é um homem comum, proprietário de uma empresa que passa por dificuldades. Ele tem um contador que não o deixa em paz e um sócio que só sabe lhe fazer cobranças. Estressadíssimo com tantos problemas profissionais e familiares, Alfredo resolve procurar um terapeuta que promete resolver todos os seus problemas com uma receita realmente inusitada. Esse é o enredo de “Alfredo Virou a Mão”, comédia que chega a Ipatinga na próxima terça (25) e quarta-feira (26), às 20h, no Teatro do Centro Cultural Usiminas. O espetáculo, que está na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, conta com a produção de Rômulo Duque, profissional com mais de 30 anos de experiência. O produtor já montou sucessos como “O Inimigo do Povo”, de Henrik Ibsen e “Um Grito Parado no Ar”, de Guarnieri. O autor da peça, João Bethencourt, falecido em 2006, deixou sua marca na dramaturgia ao desafiar os que o criticavam pela maneira simples e irreverente de escrever. Dizia-se encantado pela arte do teatro, principalmente pela diversão que lhe traziam as comédias de costume.

A direção do espetáculo ficou a cargo de Ilvio Amaral, um dos mais conceituados diretores de comédia de Belo Horizonte. Entre os atores participantes da peça está Fernando Veríssimo, que ficou anos em cartaz em Ipatinga no papel da irmã Dolores, na peça “Santinhas do Pau Oco”. Em 2010, atuou na primeira fase da novela da Rede Globo, “Ti Ti Ti”, no papel de Raí. Estão no elenco, também Marísia do Prado, Marcelo Campos, Wolney Oliveira, Guilherme Oliveira, Marcio Miranda, Abdon Braga, Flávia Fernandes e Paula de Sá. “Alfredo virou a mão” abre a programação da 8ª edição da Campanha de Popularização de Ipatinga, que apresenta 35 espetáculos nos espaços do Centro Cultural Usiminas e do Teatro Zélia Olguin. Organizada pelo Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Sinparc), com o patrocínio da Usiminas, a Campanha busca aproximar o grande público do teatro e reafirmar as artes cênicas. “A ideia é que o projeto leve mais espectadores a um número maior de espetáculos. Para isso, oferecemos uma programação rica com diversidade de gêneros e estilos”, conta Dílson Mayron, coordenador do projeto. A peça

Com duração de 1h10, o espetáculo conta a história de um homem que segue à risca a receita repassada por um psiquiatra e isso causa situações engraçadíssimas. Esse “novo” homem deixa todos perplexos. Ele consegue afastar os inconvenientes, mas ao mesmo tempo, as situações embaraçosas colocam sua masculinidade em questão. O executivo precisa se desdobrar para esclarecer a situação. A primeira encenação do texto aconteceu em 1983 com Cláudio Corrêa e Castro no papel título. Campanha de popularização

Entre os dias 25 de janeiro e 20 de fevereiro a comunidade poderá assistir a diversas atrações. A iniciativa conta, mais uma vez, com o patrocínio da Usiminas por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura. Os ingressos são vendidos a preços populares (R$ 8). As vendas ocorrem nos postos localizados na Praça 1°de Maio (Centro de Ipatinga) e no Shopping do Vale, em frente à Praça de Alimentação. Na bilheteria do teatro do Centro Cultural os ingressos serão vendidos a R$20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Assim como em 2010, grande parte dos espetáculos são produções locais. No último ano, o projeto trouxe mais de 17 mil pessoas aos Espaços Culturais da Usiminas. Programação da semana da campanha CENTRO CULTURAL USIMINAS

Espetáculo: Alfredo virou a mão Marísia do Prado e Rômulo Duque (BH) Dia: 25 e 26/01, terça e quarta-feira Horário: 20h Local: Teatro do Centro Cultural Usiminas Classificação: 10 anos Duração: 1h10 Espetáculo: Santinhas do Pau Oco Santinhas do Pau Oco Produções de Comédia (Ipa) Dia: 27 e 28/01, quinta e sexta-feira


Contato (31) 98389630 g2monteiro@yahoo.com.br

Portfólio Gustavo Monteiro  

Matérias jornalísticas e trabalhos de assessoria de imprensa do jornalista Gustavo Monteiro.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you