Issuu on Google+

MANUAL DO TRABALHADOR


Manual do Trabalhador 7 Principios do Grupo JCN 1. Nosso compromisso é cultivar produtos agrícolas, com responsabilidade e sustentabilidade, usando as melhores tecnologias. 2. Cultivar a busca constante por melhores resultados garante uma vantagem competitiva duradoura. Buscamos a excelência na gestão do negócio. 3. Humildade é um hábito a ser cultivado; reconhecer a importância das pessoas e respeitá-las é um lema no nosso dia a dia. Reconhecer as falhas e fazer diferente é um passo de evolução. 4. Administrar com responsabilidade sempre, gerando empregos e colaborando com o crescimento da nação. 5. Respeitar o meio ambiente nos dá a perspectiva do amanhã. 6. A liderança pelo exemplo é a única forma de disseminar os princípios do Grupo JCN. Atitudes e ações são mais poderosas que palavras. 7. Pessoas é o grande diferencial que torna possível nossa atuação no mercado. A relação de confiança com nossos colaboradores garante a qualidade de nossos resultados.

Apresentação O Ma¬nual do Trabalhador do Grupo JCN é o conjunto de orientações sobre as regras disciplinares, de segurança e higiene no trabalho que facilitarão sua relação com a empresa. Nosso objetivo é ter um ambiente de trabalho seguro e com muito respeito nos relacionamentos. Cumprir as normas da empresa e as orientações de seu líder ajudará na conservação de sua sáude e evitará os riscos de acidentes no exercício de suas atividades. As orientações deste Manual foram passadas no Treinamento de Integração realizados pelo Técnico de Segurança e ou Administrativo da Fazenda. Este Manual é seu guia para tirar dúvidas de segurança e normas de disciplina da empresa. Está dividido em duas partes: Regimento Interno e Normas de Higiene e Segurança. Juntos, com seriedade e responsabilidade, trabalhamos melhor!

Regras de Disciplina Estas regras falam do que é permitido ou não no ambiente de trabalho e valem para todos os empregados de qualquer cargo. Servem para estabelecer boas relações entre empregado e empresa, e criar condições saudáveis no ambiente de trabalho.

2


Índice 04

Controle de Frequência

04

Férias

04

Comportamento no Ambiente de Trabalho

05

Utilização dos Veículos

05

Almoxarifado

05

Proibições

06

Sanções Disciplinares

07

Normas Gerais de Segurança no Trabalho

08

Equipamentos de Proteção - EPI

09

Transporte Coletivo

09

Aplicação de Defensivos Agrícolas

10

Armazenagem dos Defensivos

10

Segurança em Equipamentos

11

Saúde do Trabalhador

12

Conduta em Caso de Acidente

12

Alojamentos

12

Refeitório 3


Manual do Trabalhador 1. Controle de Frequência (Registro Eletrônico do Ponto) 1.1 O empregado deve registrar pessoalmente o seu ponto na entrada, no intervalo para refeição e descanso e na saída do trabalho. 1.2 Qualquer falha na marcação do ponto deve ser comunicada ao líder imediato na mesma data da ocorrência. 1.3 A falta ao trabalho, deve ser comunicada à empresa antecipadamente ou no dia em que ocorrer. 1.4 As saídas durante o expediente só podem ocorrer quando autorizadas pela liderança. 1.5 As saídas particulares estão sujeitas aos descontos no salário.

2. Férias 2.1 O empregado tem direito as férias após um ano de contrato de trabalho ininterrupto; serão descansadas em data programada pela empresa. 2.2 As faltas injustificadas interferem no número de dias de férias. 2.3 Perde o direito a férias o empregado com mais de 32 faltas ou que tenha recebido auxílio-doença por mais de 6(seis) meses, mesmo se descontínuos, durante o período aquisitivo.

3. Comportamento no ambiente de trabalho 3.1 Todos os empregados recebem e devem usar uniformes; devem devolvê-los quando se desligar da empresa. 3.2 As trocas somente serão feitas mediante a devolução do uniforme que estava em uso. 3.3 Uniforme danificado dentro do período de 12 meses será descontado do empregado, se comprovado sua responsabilidade. 3.4 Conserve limpo o local de trabalho, assim como sanitários, alojamentos, refeitórios e locais de uso comum. 3.5 Cuide de sua higiene pessoal, tome banho diariamente, mantenha unhas e barbas aparadas, e cabelos curtos ou presos. 3.6 O empregado deve ter manter a ordem e disciplina dentro da empresa. 3.7 Trabalhe com respeito e bom relacionamento com os colegas e liderança, evite brincadeiras de mau gosto com colegas de trabalho. 3.8 Os telefones da empresa só deverão ser utilizados para tratar de assuntos de interesse do serviço e de forma rápida e objetiva.

4. Utilização dos Veículos 4.1 Os veículos da empresa devem ser usados por pessoas autorizadas e para fins de trabalho. É proibido usar para fins particulares, oferecer carona e pernoitar fora da empresa sem autorização. 4.2 As multas e pontos de infração são de responsabilidade do usuário do veículo, conforme Termo assinado pelo empregado.

4


5. Almoxarifado 5.1 O acesso às dependências internas do almoxarifado é restrito apenas ao almoxarife e auxiliares de almoxarifado. 5.2 A retirada de qualquer material do almoxarifado deve ser autorizada por uma liderança, e o almoxarife deve registrar a saída do item no sistema. 5.3 Ferramentas de trabalho cedidas pela empresa devem ser mantidas em perfeitas condições de uso (limpas e em local adequado). 5.4 Para a retirada de uma peça nova, a usada ou danificada deve ser entregue e o almoxarife a guardará no “cemitério de peças”.

6. Proibições 6.1 Permanecer em outros locais de trabalho que não seja o seu. 6.2 Fazer algazarra, brincadeiras e discussões no trabalho. 6.3 Usar palavras ou gestos imorais no ambiente de trabalho. 6.4 Ter atitudes de discriminação por raça, sexo, cor, religião, idade, característica física, origem ou orientação sexual. 6.5 Ter atitudes de assédio moral, como: humilhações, xingamentos e perseguições. 6.6 Fumar no ambiente interno, durante o trabalho e em locais proibidos. 6.7 Retirar do local de trabalho, sem autorização, qualquer equipamento, objeto ou documento. 6.8 Fazer parte de empresa ou iniciativas que sejam concorrentes às atividades da empresa. 6.9 Divulgar e incentivar a insubordinação ao trabalho. 6.10 Usar cartão de visita profissional não autorizado pela empresa. 6.11 Divulgar, assuntos ou fatos privados da empresa. 6.12 Registrar o ponto de outro empregado.

5


Manual do Trabalhador 6.13 Portar arma de qualquer natureza (revolver, faca, estilete, canivete e similares), bebidas alcoólicas, entorpecentes). 6.14 Se apresentar ao trabalho embriagado ou sob o efeito de qualquer espécie de entorpecente. 6.15 Dar ordens para outras pessoas sem ter a autorização para isso. 6.16 Distrair-se no horário de serviço em conversas, leitura e ocupações não relacionadas ao serviço. 6.17 Usar o telefone celular durante o trabalho, exceto em caso do uso ser inerente à atribuição de suas funções. 6.18 Comentar com outras pessoas seu salário e demais verbas recebidas da empresa. 6.19 Fazer serviço para si ou terceiros utilizando tempo, equipamentos, ferramentas ou materiais da empresa, sem autorização. 6.20 Fazer qualquer tipo de comércio nas dependências da empresa. 6.21 Colocar cartazes, dizeres, folhetos, etc. em qualquer local da empresa, sem autorização. 6.22 Recusar a execução de serviço compatível com suas qualificações profissionais, quando decorrente de necessidade extraordinária. 6.23 Receber e/ou acomodar visitas em qualquer dependência da empresa, sem prévia autorização. 6.24 Fazer barulho após às 22h00.

7. Sanções Disciplinares 7.1 O empregado que não cumprir as normas estabelecidas neste Regimento Interno estará sujeito à aplicação de penas disciplinares, que podem acarretar: • 7.1.1 Advertência verbal; • 7.1.2 Advertência escrita; • 7.1.3 Suspensão, • 7.1.4 Desligamento por culpa do empregado (justa causa). 7.2 São consideradas como faltas graves os atos abaixo mencionados: • 7.2.1 Embriaguez habitual ou em serviço. • 7.2.2 Prática constante de jogos de azar (praticar jogo proibido): baralho envolvendo dinheiro, rifa etc. • 7.2.3 Ato de indisciplina ou insubordinação: descumprimento de normas da empresa, não acatar ordens da liderança, deixar de obedecer as escalas de trabalho e regimento interno, etc. • 7.2.4 Abandono de emprego. • 7.2.5 Descumprir normas de segurança e trabalhar em condições de risco de vida. • 7.2.6 Ato lesivo à honra e à boa fama ou ofensas físicas (calúnia, injúria, difamação, agressões verbas ou físicas): falar que a empresa está roubando os funcionários, falar que a empresa não é séria, xingar as pessoas, brigar no trabalho, etc.

6


• 7.2.7 Mal procedimento (agir de forma errada com as regras da empresa): utilizar veículo ou telefone da empresa para fins particulares; • 7.2.8 Improbidade (ser desonesto, mau caráter): alterar cartões de ponto, danificar materiais ou produtos das empresas, roubo, furto, atestados médicos falsos etc.; • 7.2.9 Incontinência de conduta (desregramento quanto a vida sexual): levar outra pessoa nos veículos ou mantê-las no local de trabalho para prática de ações sexuais. • 7.2.10 Desídia (desleixo, descaso): atrasos, faltas injustificadas, deixar de encaminhar o veículo para manutenção quando necessário.

Manual de Segurança e Higiene no Trabalho 8. Normas Gerais 8.1 Cumpra todos os procedimentos de segurança da empresa no exercício de suas atividades. 8.2 Use sempre os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) obrigatórios na execução de suas tarefas. 8.3 Respeite as placas de sinalização de segurança, as etiquetas de avisos existentes nas máquinas e veículos, e jamais comece um serviço sem antes ter sido orientado. 8.4 Em caso de dúvida sobre a realização da tarefa solicite ajuda do líder imediato ou de um colega mais experiente. 8.5 É proibido fumar nas dependências da empresa em ambientes fechados ou qualquer ambiente que tenha a permanência de outras pessoas. 8.6 É proibido o uso de celular durante o carregamento e descarregamento de produtos, e durante a operação de máquinas e equipamentos, por motivos de segurança individual e coletiva. 8.7 Informe ao líder imediato se usar qualquer tipo de medicação, seja de uso contínuo ou para tratamento específico. 8.8 São motivos de advertências disciplinares: • Não usar os equipamentos de proteção individual e coletiva (EPIs e EPCs). • Não cumprir as obrigações contidas em ordens de serviços de segurança apresentadas pela empresa. • Trabalhar com o uniforme descaracterizado e/ou descalço, ou ainda, com calçado que não ofereça segurança aos pés.

7


Manual do Trabalhador 9. EPI – Equipamento de Segurança Indivídual Serve para proteger o trabalhador dos riscos a que está exposto no trabalho. Proteção da Cabeça – Chapéu de proteção contra sol e chuva e capuz de segurança para proteção contra respingos de produtos químicos. LIMPEZA - Lavar com água e sabão e deixar secar. Proteção dos Braços e Mãos – Luva e/ou manga de segurança para proteção contra produtos químicos, alergênicos, solventes orgânicos, picadas de animais peçonhetos, materiais abrasivos, escoriantes cortantes e perfurantes. LIMPEZA - Lavar diariamente com água após término do trabalho. Proteção dos olhos e da face – Óculos de segurança para proteção dos olhos e protetor facial de segurança contra respingo de produtos químicos e impacto de partículas volantes. Confeccionado em plástico resistente com proteçao lateral, para proteçao dos olhos. LIMPEZA - Lavar ou limpar com pano limpo sempre que estiver dificultando a visão. Proteção do Tronco – Vestimenta (avental, jaqueta, capa, macacão, etc) para proteção contra riscos de origem térmica, meteorológica e umidade proveniente de operações com uso de água. Protegem também contra animais peçonhentos. Confeccionada em material sintético. LIMPEZA - Lavar com água e sabão. Proteção das Pernas e Pés – Calçado de segurança e perneira de segurança para proteção contra respingos de produtos químicos, ataques de animais peçonhentos. Confeccionada em couro para proteçao total dos pés e pernas contra impactos de objetos. LIMPEZA - Lavar com água e sabão e passar graxa ou sebo. Deixar secar á sombra O uso do Equipamento de Proteção Individual é obrigatório e todo colaborador deve: • Usar apenas para a finalidade a que se destina. • Responsabilizar por sua guarda e conservação. • Comunicar ao líder qualquer alteração que o torne im¬próprio para o uso. • Devolver o equipamento danifica¬do para pegar um novo. OBS. NÃO USAR EPI RESULTA EM PUNIÇÃO ADMINISTRATIVA E A REINCIDÊNCIA “JUSTA CAUSA”.

8


10. Transporte Comunitário 10.1 Os veículos realizam suas manutenções preventivas e corretivas de acordo com a programação da oficina automotiva da empresa. 10.2 Todos os passageiros devem permanecer sentados durante o transporte. 10.3 Os bancos devem ficar presos no assoalho e com o cinto de se-gurança em condições de uso. 10.4 Os veículos devem ser man¬tidos limpos. 10.5 Manter materiais e ferramentas em comparti¬mento fechado e separado das pessoas. 10.6 Todo veículo terá água potável em condições higiénicas para beber e água limpa para higienização do colaborador.

11. Aplicação de Defensivos Agricolas É obrigatório o cumprimento da Instrução de Trabalho de Segurança na aplicação de defensivos agrícolas. Todo empregado que fizer esta função deve passar por treinamento operacional e de segurança para realizar o serviço. Obrigatoriamente, durante o manuseio do produto e aplicação, os colaboradores deverão usar roupa de proteção com troca diária, máscara respiratória, bota de borracha, óculos e luvas imper-meáveis. Descarte da embalagem - Toda embalagem de agrotóxico deve ser recolhida e devolvida ao setor de armazenagem; antes da devolução, as embalagens de plástico devem passar por uma tríplice lavagem e perfuradas para não serem reutilizadas; as embalagens de vidro também devem passar pela tríplice lavagem. Embalagem de saco plástico ou papel deve ser recolhida e não deve ser queimada. Como fazer a Tríplice Lavagem: • Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador; • Adicione água limpa à embalagem até ...... do seu volume; • Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos; • Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador; • Faça esta operação 3 vezes; Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

9


Manual do Trabalhador 12. Armazenagem de Defensivos Devem ser obedecidas as normas de armazenamento descritas no rótulo de segurança dos produtos, isto é: como empilhar, estocar, proceder em casos de vazamentos (contenção) e em casos de acidentes. OBS: O Transporte de produtos perigosos (defensivos, combustíveis, produtos tóxicos, e similares) deve ser realizado conforme as normas do Código de Trânsito Brasileiro que determina treinamentos específicos para condutores de veículos rodoviários transportadores de produtos perigosos.

13. Segurança em Equipamentos 13.1 As máquinas e os equipamentos devem ser inspecionados diariamente, principalmente freios, mecanismos de direção, cabos de tração e outros dispositivos de segurança. 13.2 Devem ser protegidas todas as partes móveis dos motores, transmissões ou partes perigosas de máquinas, equipamentos e implementos, que estejam ao alcance dos colaboradores. 13.3 As roçadeiras devem ter proteção que impeça o arremesso de materiais. 13.4 As máquinas devem ser equipadas com dispositivo de partida e parada que evitem riscos para os operadores. 13.5 O uso do cinto de segurança é obrigatório. 13.6 Nas paradas temporárias ou prolongadas, os operadores devem colocar as máquinas na posição de descanso, com os freios aplicados e aparelhos de controle na posição neutra para não entrar em operação acidental. 13.7 É proibido reparar, ajustar ou lubrificar máquinas em movimento. 13.8 Mantenha faróis, lanternas, sinal sonoro de ré acoplado ao sistema de câmbio de marcha, buzina e retrovisor em perfeito estado de funcionamento. 13.9 Faça uso do protetor auricular para trabalhos realizados em máquinas de cabine aberta. 13.10 Antes de colocar máquina/equipa¬mento em funcionamento o operador deverá olhar embaixo e ao redor da máquina/equipamento para eliminar qualquer interferência que possa resultar em acidente. 13.11 É proibido dar carona em equipamentos.

10


14. Transporte da Produção Agrícola 14.1 A carga de algodão, soja e milho deverá ser compatível com a carroceria do caminhão e deve ser coberta com lona apropriada, devidamente afixada nas laterias da carroceria, antes de acessar as rodovias. 14.2 A velocidade do veículo durante o transporte deve ser compatível com o acesso trafegado. 14.3 Ultrapassagens somente com margem de segurança, evitando colocar em risco outros veículos que estejam usando a rodovia. 14.4 Procure trafegar com os faróis acesos, para aumentar a visibilidade para os demais veículos. 14.5 Nos caminhões graneleiros abertos é proibido transportar colaboradores sobre a carga e subir na carga em descarregamento.

15. Saúde do Trabalhador Exames Médicos Obrigatórios Periodicamente, ao mudar de função ou ao ser demitido, são realizados exames médicos para avaliar a saúde dos empregados. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PGSSTR/NR 31) A Segurança do Trabalho possui um programa que tem o objetivo de minimizar ou eliminar os riscos que o trabalhador está exposto na realização de seus serviços. Ele é também a base para a equipe da Medicina do Trabalho acompanhar mais de perto a saúde do colaborador em relação ao serviço executado. CIPATR - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho Rural E uma comissão formada internamente na empresa por representantes do empregador e dos empregados com o objetivo de prevenir acidentes e preservar a saúde dos colaboradores. Os representantes da empresa são indicados pela diretoria e os representantes dos empregados são eleitos periodicamente por voto direto; os mais votados passam a representar os empregados nessa comissão, que se reúne uma vez por mês.

11


Manual do Trabalhador 16. Conduta em Caso de Acidentes 16.1 Se você sofrer um acidente de trabalho, com lesão ou não, comunique imediatamente seu líder imediato para que sejam investigadas as causas do fato e definidas medidas preventivas para evitar nova ocorrência. 16.2 Não serão aceitas comunicações de acidentes após o dia da ocorrência, pois fica prejudicada o levantamento do que realmente aconteceu. 16.3 Após qualquer Acidente de Trabalho será realizada a investigação do fato para análise das causas. 16.4 A investigação do acidente é uma obrigação legal da empresa e não tem por objetivo punir o empregado, mas identificar possíveis falhas em máquinas, equipamentos, treinamentos e processos da operação. 16.5 A investigação visa também tomar medidas para que esta situação não se repita com outras pessoas.

17. Alojamentos 17.1 O empregado deve manter organizado e limpo o seu quarto: a cama deve estar arrumada, as roupas e objetos pessoais guardados no armário. 17.2 Conservar todos itens fornecidos pela empresa (armários, cama, roupas de cama), e informar ao zelador do alojamento todo desgaste pelo uso. Danos ou extravios poderão ser descontados do empregado responsável. 17.3 O empregado pode utilizar a lavanderia da empresa para lavar suas roupas pessoais. 17.4 A roupa de cama será lavada uma vez por semana pela zeladoria do alojamento, entregar a roupa de cama suja e retirar a limpa com o zelador. 17.5 Não são permitidas gambiarras nos quartos dos alojamentos para ligar aparelhos eletroeletrônicos. 17.6 Conservar as instalações dos banheiros (chuveiros, pias, portas dos ambientes, assentos sanitários, porta papeis higiênicos, lixeiras e tampas) e após o uso, deixe o ambiente limpo para que outros possam utilizá-lo. 17.7 Não é permitido nenhum barulho nos alojamentos após às 22h00.

12


18. Refeitório 18.1 O acesso ao refeitório somente é permito nos horários de refeições. 18.2 O acesso à dispensa é exclusivo aos profissionais que preparam os alimentos. 18.3 Após as refeições, descarte as sobras de alimentos, guardanapos e copos descartáveis no lixo, que deverá ser mantido tampado. 18.4 Evite o desperdício de alimentos. 18.5 É proibido sair do refeitório com alimentos, para consumo nos alojamentos ou residências.

13


www.grupojcn.com.br falecom@grupojcn.com.br (67) 3562-2385


Manual do trabalhador jcn online