Issuu on Google+

POP

Especial

A vida breve dos astros O poder de Madonna Os melhores lanรงamentos de CDs, DVDs e muito mais....

pop.com.br Nยบ 2 โ€ข Dezembro 2010 R$ 8,90

Burlesque

O encontro de Divas

A intimidade de

BRITNEY


Sumário

EDIÇÃO 1 | DEZEMBRO 2010 | WWW.POP.COM.BR FOTO DA CAPA: VINICIUS POPOLIN | ARTE: SÉRGIO MAGGI Fotos: Divulgação

Entrevista:

Britney Spears • Pág 06

Especial:

A vida breve dos astros • Pág 12

E mais... Giro POP • Pág 11 Cinema:

Burlesque • Pág 26

Mundo artístico • Pág 18 Ensaio Fotográfico • Pág 20 Anota aí • Pág 25

TV: Pedro Henrique estréia • Pág 30

Fica a Dica • Pág 28 POP • Dezembro de 2010 • 3


Opinião • O que nós achamos •

O adeus à duas grandes picaretagens da TV

E

stamos nas duas últimas semanas da Fall Season 2009-2010. Em uma temporada de TV tão intensa, mas com tantas coisas ruins que foram ao ar, chega a ser uma vitória moral quando duas produções que recebiam destaque em diversos blogs/sites de TV justamente pela baixa oferta ao público em termos de qualidade (a.k.a. histórias que qualquer um de nós, com boa vontade e bom senso, faríamos melhor) são canceladas. E mais: foram muito mais comemoradas do que renovações de séries que muita gente gosta. Este post é a homenagem do Spin-Off para estas séries que tanto conteúdo inútil nos deram para achincalhar produtores, roteiristas e atores, e que, honestamente, vamos sentir saudades de baixar o porrete nelas. Vamos começar pela mais nova. Flash Forward (ABC/AXN): Eu, Eduardo Moreira, fui um daqueles que foi estupidamente enganados pelo conceito, e mais

ainda, pelo seu episódio piloto, que é um dos melhores que eu vi na vida. Mas, a vida ensina a não julgar nada pelas aparências. Mesmo que seja um julgamento positivo. E todas as vezes que eu penso em Flash Forward, me vem junto o sentimento de revolta contra mim mesmo. Por ter acreditado em um piloto muito bom, por ter ficado para ver o que iria acontecer depois de 6 meses, no que representavam estes 2 minutos e 17 segundos… enfim, descobri no episódio 07 o que tudo isso significava: que eu era um perfeito idiota por continuar a assistir a trama. Já Heroes (NBC/Universal) é um caso de amor e ódio. Amor porque eu amava detonar esta série no Spin-Off Podcast. Ódio porque, a cada vez que vejo um promo, um teaser ou qualquer coisa da série, logo me vem à mente “como uma série pode ter um promo tão bom e, ao mesmo tempo, ser uma série

tão lixo?”. Mais ainda: é sempre bom lembrar que a série de Tim Kring teve a honra de ser indicada ao Emmy de Melhor Série Dramática de 2006, em sua primeira temporada, o que é um feito para poucas séries. E isso ocorreu com justiça, pois a Season 1 de Heroes é realmente muito boa. Porém, depois disso, em compensação… Elas tiveram seus cancelamentos anunciados, e isso foi mais comemorado do que várias renovações que vi ao longo dos anos. Produções que, em seu enredo, revelavam o quão infeliz pode ser um canal de TV que investe nestes produtos. Não precisamos mais colocar estas séries no upfront 2010-2011, teremos sempre um lugar especial no nosso pensamento, pois serão casos a serem lembrados sempre de “como jamais um canal de TV deve fazer”. R.I.P.

Quem trabalha aqui?

POP REVISTA POP | Nº 1 Presidente: Guilherme Popolin Site: www.pop.com.br 4 • Dezembro de 2010 • POP

GRUPO DE COMUNICAÇÃO POPOLIN & POPOLIN S/A Av. Aretuza do Parque, Nº 4.000 CEP: 89.0000.0000 - Londrina - Paraná Editor-chefe: Guilherme Popolin

Reportagem/Imagens: Google e Google Imagens

Diagramação: Guilherme Popolin

Assinaturas: 3333-3333

Orientação: Prof. Mario Benedito Sales

Contato/E-mail: pop@popolin.com

Filiado ao:


Destilando • O espaço do leitor •

“ A edição passada trouxe uma matéria especial sobre Clark Gable e trilhas sonoras do cinema. Além de informação sobre música, cinema e TV.

Tudo pode dar certo

Óbvio que as situações apresentadas se tornam um prato cheio para Allen, pois que o próprio viveu situação semelhante na vida real há uma parcela autobiográfica em seus longas). Talvez por isso, seu texto esteja particularmente inspirado, com diálogos e situações que irão com certeza levar o espectador ao riso. Sua vitalidade ainda é capaz de nos presentear. Marcio Santos Administrador Curitiba - PR

Coitadinho do Clark Gable . Esse sempre foi mulherengo e quando chegou a Marilyn, para infelicidade dela, o coroa não estava em sua melhor forma. Que pena.... Se fosse na década de 30 provavelmente haveria um affair entre Clark e Marilyn Sônia Pereira Empresária - São Paulo - SP

Quero Ver Novamente

Breath Away do grupo Berlin. Na realidade, a música é melhor do que o filme. Parabéns pela publicação! Há poucos dias assisti a Patricia Silva “Encontro Explosivo” na teloAdvogada na (após ler a resenha da ediCuritiba - PR ção passada) e me lembrei do filme que transformou Tom Cruise em mega-astro: “Top Nesse momento estou Gun - Ases Indomáveis”. Ver- aproveitando o wifi do Starbudadeira mania nos anos 80, o cks que cai de tempos em temlonga-metragem tem na trilha pos, mas que dá pra quebrar o sonora a bela canção “Take galho. Lendo a notícia de que My Breath Away”, da meteó- o Carl Barat e o Pete Doherty rica banda Berlin, vencedora vão se juntar novamente me do Oscar de melhor canção e animou. Para ressuscitar a misucesso tão estrondoso quanto nha querida banda do coração. o filme. O filme foi premiado Ronaldo Corrêa com o Oscar de melhor canEstudante São Paulo - PR ção com a música Take My

Libertines

Trilha Sonora

“O Rei Leão” é, com certeza, uma das melhores animações de todos os tempos! A versão para crianças da tragédia shakespeariana até hoje ainda impressiona pela beleza de suas imagens e enorme carisma de seus personagens, muito bem adaptados para o grande público. Memorável ainda a sua canção tema, uma das grandes composições de Elton John. Adorei a matéria! Kátia Assis Professora Londrina - PR

Trauma

Alguns traumatizados com a porcaria que foi As Loucas Aventuras de James West logo devem ter gelado a espinha quando viram conceitos parecidos - tecnologia e western - inundando Cowboys & Aliens. O filme é baseado numa série de HQs que narra a saga da união entre cowboys e índios apache na luta contra aliens que invadiram o Velho Oeste. A direção é de Jon Favreau me agradou. Boa reportagem! Anderson Moreira Editor Curitiba - PR POP • Dezembro de 2010 • 5


•Entrevista•

A versão americana da revista OK! entrou na mansão da princesa do pop e conseguiu a primeira entrevista dela em dois anos - que a POP publica com exclusividade para o Brasil. Nela, a cantora, que semana passada voltou ao topo das paradas dos Estados Unidos, mostra tudo o que os paparazzi não conseguem mostrar Reportagem: Mary Ann Narbom | Tradução: Mônica Alves | Fotos: Cliff Watts

A

geladeira está coberta de coloridos e cintilantes ímãs. ‘’Eu te amo, mamãe’’, está escrito em um deles. Uma convidativa academia, pintada de vermelho e amarelo, com garras de alpinismo, e um balanço de pneu dão graça ao jardim da frente. A piscina, nos fundos, é rodeada por uma cerca viva, para não deixar as crianças se aproximarem muito. Essa mansão em Beverly Hills foi construída pela proprietária, que passa por uma dramática transformação pessoal. Em sua primeira entrevista em dois anos, Britney Spears, 26 anos, está pronta para falar sobre seu mundo e seu esforço em reverter os acontecimentos ruins de sua vida. Para compreender o quanto ela se superou é preciso entender, primeiro, o quanto Britney desceu ao fundo do poço. A separação de Kevin Federline, 30 - com quem se 6 • Dezembro de 2010 • POP

casou em setembro de 2004 - e por conseqüência a batalha pela guarda dos filhos, Sean Preston, 3, e Jayden James, 2, levaram Britney a uma queda documentada a cada instante por dúzias de paparazzi. A saúde da cantora ficou abalada. Seus filhos foram, nãointencionalmente, prejudicados. Os maus acontecimentos atingiram o auge com duas internações de Britney em janeiro de 2008. Em fevereiro, seu pai, o chef Jamie Spears, 56, se tornou seu tutor. Sobre os cuidados dele, de médicos e advogados, a cantora começou o processo de reconstrução de sua vida. Britney e Kevin chegaram ao fim da disputa pelas crianças em julho. Kevin ganhou a custódia de Preston e Jayden (que Britney chama carinhosamente de JJ) e ela garantiu o direito de visita. Atualmente, ela fica com os meninos às segundas, quartas e sextas até a tarde do sábado.


Britney posa para Cliff Watts, em ensaio exclusivo para a POP POP • Dezembro de 2010 • 7


Como resultado de seus esforços, Britney conquistou, em outubro, mais um pernoite com as crianças. A seguir trechos da entrevista. Como é o dia com seus filhos? Quando estou com as crianças, faço panquecas para eles. Adoro fazer compras para os garotos. Com frutas vermelhas ou simples? Simples, com maple syrup (melaço extraído da seiva do plátano, árvore típica da América do Norte). Também passeamos. Gosto de fazer exercícios com eles. Normalmente nadamos. Aí, tiram uma soneca das 12h às 15h e depois leio pra eles. O que você lê? O livro Os Ursos Berenstain ou qualquer outro que tenha carros na história. Eles gostam de carros? Sim! Assistimos ao filme Carros nove milhões de vezes! Jogam videogame juntos? Não. Nós gostamos de ler e fazer arte. Eles gostam de brincar do lado de fora da casa com seus carrinhos. Você canta para os garotos? Claro. Na verdade, escrevi uma canção para o novo disco chamada My Baby. É uma linda canção. Eles aprenderam a cantar essa música? Sim, eu começo e eles acompanham. Como foi que eles aprenderam a nadar? Foi você quem os ensinou? Os dois pularam na água. Bem, JJ quase pulou. Preston se jogou e JJ achou que podia seguir o irmão. Depois de pular, ele começou a gritar, “mamãe, mamãe, mamãe”. Preston quase nada sozinho, mas deixamos as bóias para a segurança dele. Eles dividem um quarto em sua casa? Eles têm quartos separados, perto do meu, no andar de cima

Durante os mais de 10 anos de carreira, a cantora sempre apresentou um visual invejável 8 • Dezembro de 2010 • POP

da casa. Os meninos têm preferência na hora de se vestir? Preston tem. Ele prefere camiseta e sapato e sempre me diz o que quer vestir. Para comemorar o aniversário dos dois, em setembro Preston fez 3 anos no dia 14 e Jayden 2 anos, dois dias antes -, você reuniu a família no jardim de casa... Eu queria um festa tradicional, com os amigos e seus filhos. Mas uma coisa pequena, só 15 ou 20 pessoas. Para servir, pedi a meu pai para preparar sorvete. Como se sentiria se seus filhos quisessem fazer parte da indústria do entretenimento? Se quiserem e se tiverem talento, vou apoiá-los. Mas eles terão de expressar esse interesse por eles mesmos. Gostaria de vê-los engajados nisso? Eu prefiro que não, mas vou amá-los incondicionalmente. Eu só quero que eles tenham a infância o mais normal possível. Você cozinha? Sim, a minha empregada e eu cozinhamos juntas. Qual sua especialidade? Amo arroz e frango assado. As crianças adoram meu espaguete. Eu acho que por alguma razão eles gostam mais do meu macarrão do que o da casa do pai deles. E o que tem de especial no espaguete da mamãe? Acho que é o molho. Faço com muito amor. Hora da receita. Queremos ela já! Não posso dividir meus segredos. Mas para prepará-lo levo menos de uma hora. Você assiste a muita televisão? Atualmente, não. Ando ocupada. Quando as crianças estão aqui, prefiro que brinquem no jardim ou leiam. Não assistiu nem mesmo ao seriado How I Met Your


“Estou saudável, feliz e otimista quanto ao meu futuro” Mother, do qual participou duas vezes? Não vejo esse tipo de coisa na TV. Gosto de ver filmes. Então gosta de ir ao cinema? Às vezes. Fui ver Mamma Mia e achei um pouco bobo. Já Hancock eu amei. Depois de seus filhos, o que é mais importante pra você? Ir ao estúdio fazer música e gravar. Ajuda a arrumar a casa? Claro. Eu fico louca se a empregada faz todo o trabalho. Se ela fizer tudo, o que sobra pra eu fazer? Sou uma faxineira fanática. Tirar o pó e limpar as janelas são minhas tarefas preferidas. Sempre foi assim? Sim, desde pequena. Cresci vendo a minha mãe limpar a casa o tempo todo. O que está ouvindo agora? Eu gosto muito da Rihanna, acho ela ótima. Hilary Duff é incrível. E gosto do novo CD da Madonna e também do da Leona Lewis. Vai a algum show da Madonna? Com certeza. Devo ir em novembro, quando ela se apresenta aqui em Los Angeles. Quais seus objetos de desejo? Amo meus jeans True Religion, que são tão confortáveis e vestem superbem. Como está a relação com a sua mãe? Ótima. Hoje, admiro ainda mais a minha mãe. E com a sua irmã, Jamie Lynn, que foi mãe aos 17 anos de sua sobrinha, Ma-

ddie (4 meses)? Conversamos ao telefone o tempo todo. Visitá-la foi muito especial, mas também achei um pouco estranho porque ela sempre foi o bebê da casa. E agora o bebê teve um bebê. Confesso que fiquei um pouco chocada. Mas foi bacana, ela estava muito feliz. Quando minha irmã chegou ao hospital, pensamos que ela ficaria o dia em trabalho de parto, mas logo o bebê veio ao mundo. Ficamos muito felizes. No aniversário dos meninos foi o primeiro en-

contro deles com a priminha. Tenho certeza que os garotos vão se sentir, com o tempo, como os irmãos mais velhos de Maddie. De volta ao trabalho. Fale um pouco de seu novo álbum... Acho que está mais urbano. Estou trabalhando com produtores maravilhosos, que deram energia ao disco. Um deles é o Harvey Mason. É o melhor trabalho que já fiz. É uma declaração bastante ambiciosa. O que faz

dele ‘’o melhor’’’? Muito trabalho, acho. Já havia criado tantas composições para um trabalho seu antes? Nunca. Estou compondo todos os dias, aqui no piano da minha sala. É seu trabalho mais maduro? Definitivamente. A imagem será um pouco mais madura também. Os vídeos serão bem diferentes. Quando ele será lançado? Nos próximos seis ou nove meses. Você recebeu boas críticas pela sua aparição em How I Met Your Mother. Voltaria a atuar? Adoraria, se achar o filme certo. Mas há algo em vista? Eu tenho uma participação a caminho. Estou tentando aliar a minha agenda com as crianças. Consegue se imaginar dentro do mercado da moda? Seu eu tiver o time certo a meu lado, sim. Estamos pensando nisso, então é algo que pode acontecer. Provavelmente, começaremos com moda feminina e depois infantil. Eu quero ser original. E talvez trabalharemos com temas, por exemplo, penso numa linha anos 80. Como vê o futuro da sua carreira? Eu quero fazer grandes trabalhos musicais e alguns bons filmes. Que mensagem você gostaria de passar a seus fãs? Que estou saudável, feliz e otimista quanto ao futuro. POP • Dezembro de 2010 • 9


•Perfil•

Leonardo DiCaprio: Talento em construção Você conhece as curiosidades que fizeram de Leonardo DiCaprio um dos galãs de peso de Hollywood? Conheça mais da trajetória do ator, estrela do filme Inception Por: Beatriz Pozzobon | Foto: James Lee

L

eonardo DiCaprio começou cedo na carreira artística: aos 3 anos, participou de um programa educacional da TV americana que se chamava Romper Room. O temperamento difícil do pequeno Leonardo, no entanto, afastou-o do projeto. Após o início ‘desastroso’, decidiu estudar interpretação. Segundo ele, não foi apenas a paixão pela arte de atuar que o levou à carreira. Seu objetivo, naquela época, era mesmo ‘aparecer para as garotas’; ser ator lhe proporcionaria essa exposição. Foi durante cursos de verão que Leonardo juntou-se ao grupo teatral de vanguarda The Mud People. Já cursando o segundo grau, começou a trabalhar em comerciais, filmes educacionais e a aparecer freqüentemente no seriado The New Lassie. Em 1990, o ator assinou seu primeiro contrato com um agente que lhe conseguiria o papel de um adolescente alcoólatra no filme Santa Barbara. Após mais duas aparições pequenas (em Criaturas 3 e Growing Parns), Leonardo conseguiu, finalmente, uma estréia de qualidade no cinema. Escalado para O Despertar de um Homem, contracenou com grandes nomes como Robert De Niro e Ellen Parkin. A imaturidade do ator, em contrapartida ao bom desempenho, não o fez perceber a importância de, naquele momento, estar ao lado de De Niro: ‘Não me preocupei com o que ele poderia pensar sobre mim. Agora sei que era uma confiança ignorante - não tinha idéia do que estava fazendo!’, disse certa vez DiCaprio, durante entrevista. Rumo ao estrelato A partir de O Despertar de um Homem, as atuações seguintes de Leonardo o classificariam como um dos principais nomes da nova geração do cinema na década de 90; ele se transformaria, então, no ‘menino de ouro’ de Hollywood. Em 1993, com apenas 19 anos, foi indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por sua atuação em Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador, produção na qual atuou ao lado de Johnny Deep. A estatueta de ouro não ficou para Leonardo, mas, em compensação, conquistou outros três prêmios importantes: National Board of Review, Chicago Film Critics e Los 10 • Dezembro de 2010 • POP

DiCaprio é discreto sobre sua vida pessoal , que inclui romances com supermodelos mundiais Angeles Film Critics. Sem seguir o estereótipo de menino loirinho e bonitinho que só faz galãs, DiCaprio mostrou sua versatilidade em produções densas, como Diário de um Adolescente (no qual interpretava um jovem com problemas de dependência química), ou polêmicas, como o caso de Eclipse de uma Paixão, longa-metragem em que vivia o papel de poeta francês Arthur Rimbaud, dono de uma tórrida relação homossexual com Paul Verlaine. O ator participou, ainda, da moderna adaptação do clássico de William Shakespeare Romeu e Julieta, trama na qual seu par romântico era a novata Claire Danes.

3X4

Nome: Leonardo Wilhelm DiCaprio Data de nascimento: 11 de novembro de 1974 Signo:

Escorpião O que faz: Ator Comida Preferida: Macarrão


Giro POP • Por Bruno Costa •

Revisite Pandora E

m dezembro, Avatar chegará em Blu-ray em 3-D para quem comprar as novas TVs da Panasonic equipadas com a tecnologia (o longa em 3-D será vendido individualmente só em 2011). James Cameron diz, porém, que todo o material extra que tinha a oferecer já está neste pacote 2-D Avatar - Edição Estendida de Colecionador. Sem o 3-D imersivo do cinema, a sensação de profundidade evidentemente não é a mesma, mas as cores são mais realçadas no 2-D, que é menos escuro. No Blu-ray, enfim dá para atentar com calma para toda a pintura no dorso dos

banshees, por exemplo. Quando não estava satisfeito com as cores, Cameron fazia o diretor de arte Yuri Bartoli pintar de novo, em cima de uma imagem já renderizada, de 190 megapixels, novas tonalidades em cada poro das criaturas de quatro asas. Essa é uma das curiosidades que constam nos extras. Ambas as duas opções de box triplo, DVD e Blu-ray, trazem três versões do filme: os dois lançamentos no cinema e a versão estendida, com 16 minutos inéditos. Como consolação, quem compra o box de DVD leva um quarto disco de brinde, um Blu-ray contendo a primeira versão de cinema.

Beatlemania no iTunes

Modern Family

Em uma semana na loja virtual iTunes, os Beatles já venderam mais de 2 milhões de músicas e superaram a marca dos 450 mil álbuns. Os números correspondem às vendas globais do grupo desde o anúncio dos Beatles com a Apple, dia 16 de novembro, quando eles começaram a ser comercializados, até a última terça-feira, 23. Segundo a agência de notícias Reuters, entre os discos dos Beatles, Abbey Road foi o mais vendido no iTunes nos Estados Unidos, encerrando a semana em 6º

Uma divertida visão do que significa criar uma família no século 21. Relacionamentos multiculturais, adoção e casamento entre pessoas do mesmo sexo são apenas alguns dos assuntos abordados na série, vencedora do Emmy de melhor série cômica em 2010. Especificações do DVD: lugar no ranking geral. Já o Formato de tela: Wide“Beatles Box Set” ficou em screen Anamórfico 1.78:1; 10º lugar no ranking da Áudio: Inglês (Dolby Digiloja online da Apple. tal); Legendas: Português, A música mais vendida Inglês, Espanhol. Extras: foi “Here Comes the Sun”, Cenas excluídas; Entrevistas do próprio Abbey Road. excluídas; Gag Reel; Erros

de gravação; Real Modern Family Moments; Cenas de bastidores: Before Modern Family; Featurette Fizbo. Making of “Family Portrait”; Cenas de bastidores: Modern Family “Hawai”. POP • Dezembro de 2010 • 11


•Especial•

A vida breve – e intensa – dos astros

Ídolos da música e do cinema que morreram jovens, chamam atenção pela causa de suas mortes e pela carreira deixada para trás. Personalidades que fizeram bastante sucesso, mas durante um curto período. Jovens, ricos e no auge do sucesso, os astros da TV, da música e até do esporte acabaram morrendo muito cedo. A causa? A maioria foi por vícios, alguns por acidentes... Confira essa pequena homenagem Por: Laís Latina | Fotos: Arquivo 12 • Dezembro de 2010 • POP


Confira o nome de todas as celebridades e a matÊria com dados especiais no nosso site POP • Dezembro de 2010 • 13


V

iver intensamente e morrer jovem. Esta conhecida máxima acompanha os astros do rock e do pop desde que esses gêneros musicais passaram a ocupar o topo das paradas, há mais de 50 anos. Os abusos de álcool e drogas e o aparente amor à “vida de excessos” parecem ser características comuns a quase todos que fazem parte do mundo do showbiz musical. Uma recente pesquisa realizada na Inglaterra e publicada no jornal de medicina “Journal of Epidemiology and Community Health” afirma que as celebridades da música têm duas vezes mais chances de morrer jovem do que o restante da população - a idade máxima atingida pelos astros seria 42 anos. A pesquisa fez um levantamento de mais de mil estrelas do pop e do rock que alcançaram o sucesso entre 1956 e 1999, e chegou a conclusão que além da morte vir bem mais cedo para eles, ela geralmente acontece pouco tempo após terem alcançado a fama. Recentemente, dois jovens membros desse grupo vêm chamando muita atenção por estarem “flertando” com a morte prematura. A cantora Amy Winehouse, 23, e o guitarrista e líder dos Babyshambles Pete Doherty, 28, são constantemente pegos com drogas, sofrem overdoses, se envolvem em tumultos, brigas e confusões, além de responderem a inúmeras acusações de infrações de trânsito.

Tudo, aparentemente, sob efeito dos mais variados entorpecentes e de muito álcool. A maldição dos 27 anos No final dos agitados anos 60 e começo dos 70 - época das revoluções cultural e sexual, da experimentação e difusão de vários tipos de droga e da consolidação do rock como gênero musical -, nada menos do que quatro de seus maiores ídolos morreram com a mesma idade, 27 anos. O primeiro foi o guitarrista da primeira formação dos Rolling Stones, o carismático Brian Jones. Tido como o mais experimental dos músicos da banda, Jones abandonou o grupo e foi encontrado morto, afogado em uma piscina, em 1969. A causa da morte nunca foi totalmente esclarecida: a versão oficial classifica como “morte acidental”. O ano de 1970 marcou a despedida de dois grandes nomes do rock. Jimi Hendrix, considerado por muitos o maior guitarrista de todos os tempos, foi encontrado morto em uma cama de hotel, engasgado em seu próprio vômito, após ter ingerido nove pílulas para dormir. No mesmo ano, a cultuadíssima cantora Janes Joplin morreu de overdose de heroína, deixando ainda mais triste toda uma nova geração que adorava rock´n´roll e pensava em mudar o mundo. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. Considerado um dos primeiros poetas do rock pelas letras que escrevia para as canções do grupo, Morrison foi encontrado morto em uma banheira, num quarto de hotel em Paris, no ano de 1971. A versão oficial para a morte foi ataque do coração. Tempo passa, sina continua Na virada dos anos 70 para os 80, outros dois grandes nomes tiveram suas carreiras encerradas precocemente. Em 1979, após anos de dependência de heroína e uma vida marcada por tumultos, confusões e um relacionamento complicadíssimo com a grouppie e também viciada Nancy, o baixista do Sex Pistols Sid Vicious morreu de overdose em Nova York aos 21 anos. Visto por muitos como o maior nome do punk de todos os tempos, Vicious mal sabia tocar seu instrumento, o baixo, e era idolatrado pelo seu comportamento desregrado e suas atitudes contestadoras. Um ano depois, em 1980, o baterista

Nada menos do que quatro ídolos da música morreram com a mesma idade, 27 anos

James Dean e Marilyn Monroe viraram ícones de uma década após suas mortes 14 • Dezembro de 2010 • POP


do Led Zeppelin, John Bonhan, que até hoje é uma das maiores influências para qualquer jovem roqueiro que pretende se aventurar na bateria, foi encontrado morto aos 32 anos. Embora a autópsia não tenha revelado o uso de drogas, Bonhan teria tomado nada menos do que 40 doses de vodka antes de falecer. Suicídio Kurt Cobain, líder do Nirvana , um dos grupos de vida mais curta e ao mesmo tempo um dos mais importantes da história do rock, se matou em abril de 1994. Após uma vida inteira lutando contra a dependência de heroína, Cobain pôs fim a sua vida com um tiro na cabeça, mas muitas pessoas acreditam que se não tivesse se matado, o ídolo maior do grunge teria morrido de overdose, já que teria ingerido uma quantidade mortal de heroína pouco antes de disparar o revólver. No Brasil O fim precoce da carreira de ídolos do rock não é exclusividade de artistas do primeiro mundo. Grandes ídolos dos jovens brasileiros também tiveram suas vidas encerradas cedo demais. O cantor e compositor baiano Raul Seixas, que até hoje tem uma das mais apaixonadas legiões de fãs do país, morreu em decorrência de alcoolismo, agravado pela diabete, em 1989, aos 44 anos. Cazuza, que chegou ao estrelato como líder do Barão Vermelho e depois consolidou uma carreira solo de grande

sucesso, sempre levou uma vida desregrada, cheia de excessos. Morreu com apenas 32 anos, em 1990, em virtude do vírus da Aids. Em 1996, morreu aos 36 anos o “porta voz de uma geração”, como era conhecido o líder da Legião Urbana, Renato Russo. O cantor e compositor, que ainda hoje estampa a camiseta de milhares de adoradores por todo o Brasil, morreu também em conseqüência da Aids, doença que nunca admitiu publicamente.SIL Lindsay Lohan será a próxima celebridade a morrer. Pelo menos é o que mostra a lista realizada pelo tablóide norte-americano “The Globe”, que fez um ranking das próximas mortes de famosos jovens. De acordo com os amigos da atriz, Lindsay admite que tem problemas com drogas, mas não quer tomar nenhuma atitude contra isso. Mas será que ela não está nem um pouco preocupada? Brittany Murphy e Casey Johnson, ambas amigas de Lohan, morreram recentemente. Quem está na lista também é Paris Hilton, Kristen Dunst, Britney Spears e Eminem, e mais alguns descontrolados do mundo hollywoodiano. Ninguém encarnou melhor o espírito live fast, die young que James Dean. Apaixonado por velocidade, o ator morreu aos 24 anos, em 1955, em um acidente automobilístico a caminho de uma corrida. Fez apenas três filmes, mas virou um ícone do cinema.

O fenômeno Mamonas Assassinas: acidente trágico e morte prematura POP • Dezembro de 2010 • 15


Os abusos de álcool e drogas e o aparente amor à “vida de excessos” parecem ser características comuns a quase todos que fazem parte do mundo do showbiz musical. Uma recente pesquisa realizada na Inglaterra e publicada no jornal de medicina “Journal of Epidemiology and Community Health” afirma que as celebridades da música têm duas vezes mais chances de morrer jovem do que o restante da população - a idade máxima atingida pelos astros seria 42 anos. A pesquisa fez um levantamento de

Cazuza e Brittany Murphy 16 • Dezembro de 2010 • POP

mais de mil estrelas do pop e do rock que alcançaram o sucesso entre 1956 e 1999, e chegou a conclusão que além da morte vir bem mais cedo para eles, ela geralmente acontece pouco tempo após terem alcançado a fama. Recentemente, dois jovens membros desse grupo vêm chamando muita atenção por estarem “flertando” com a morte prematura. A cantora Amy Winehouse, 23, e o guitarrista e líder dos Babyshambles Pete Doherty, 28, são constantemente pegos com drogas, sofrem overdoses, se envolvem em tumultos, brigas e confusões, além de responderem a inúmeras acusações de infrações de trânsito. Tudo, aparentemente, sob efeito dos mais variados entorpecentes e de muito álcool. No final dos agitados anos 60 e começo dos 70 - época das revoluções cultural e sexual, da experimentação e difusão de vários tipos de droga e da consolidação do rock como gênero musical -, nada menos do que quatro de seus maiores ídolos morreram com a mesma idade, 27 anos. O primeiro foi o guitarrista da primeira formação dos Rolling Stones, o carismático Brian Jones. Tido como o mais experimental dos músicos da banda, Jones abandonou o grupo e foi encontrado morto, afogado em uma piscina, em 1969. A causa da morte nunca foi totalmente esclarecida: a versão oficial classifica como “morte acidental”. O ano de 1970 marcou a despedida de dois grandes nomes do rock. Jimi Hendrix, considerado por muitos o maior guitarrista de todos os tempos, foi encontrado morto em uma cama de hotel, engasgado em seu próprio vômito, após ter ingerido nove pílulas para dormir. No mesmo ano, a cultuadíssima cantora Janes Joplin morreu de overdose de heroína, deixando ainda mais triste toda uma nova geração que adorava rock´n´roll e pensava em mudar o mundo. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. Considerado um dos primeiros poetas do rock pelas letras que escrevia para as canções do grupo, Morrison foi encontrado morto em uma banheira, num quarto de hotel em Paris, no ano de 1971. A versão oficial para a morte foi ataque do coração. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. Considerado um dos primeiros poetas do rock pelas letras que escrevia para as canções do grupo, Morrison foi encontrado morto em uma banheira, num quarto de hotel em Paris, no ano de 1971. A versão oficial para a morte foi ataque do coração.


Kurt Cobain e Raul Seixas deixaram vários jovens orfãos No final dos agitados anos 60 e começo dos 70 - época das revoluções cultural e sexual, da experimentação e difusão de vários tipos de droga e da consolidação do rock como gênero musical -, nada menos do que quatro de seus maiores ídolos morreram com a mesma idade, 27 anos. O primeiro foi o guitarrista da primeira formação dos Rolling Stones, o carismático Brian Jones. Tido como o mais experimental dos músicos da banda, Jones abandonou o grupo e foi encontrado morto, afogado em uma piscina, em 1969. A causa da morte nunca foi totalmente esclarecida: a versão oficial classifica como “morte acidental”. O ano de 1970 marcou a despedida de dois grandes nomes do rock. Jimi Hendrix, considerado por muitos o maior guitarrista de todos os tempos, foi encontrado morto em uma cama de hotel, engasgado em seu próprio vômito, após ter ingerido nove pílulas para dormir. No mesmo ano, a cultuadíssima cantora Janes Joplin morreu de overdose de heroína, deixando ainda mais triste toda uma nova geração que adorava rock´n´roll e pensava em mudar o mundo. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. Considerado um dos primeiros poetas do

rock pelas letras que escrevia para as canções do grupo, Morrison foi encontrado morto em uma banheira, num quarto de hotel em Paris, no ano de 1971. A versão oficial para a morte foi ataque do coração. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. Considerado um dos primeiros poetas do rock pelas letras que escrevia para as canções do grupo, Morrison foi encontrado morto em uma banheira, num quarto de hotel em Paris, no ano de 1971. A versão oficial para a morte foi ataque do coração. O ano de 1970 marcou a despedida de dois grandes nomes do rock. Jimi Hendrix, considerado por muitos o maior guitarrista de todos os tempos, foi encontrado morto em uma cama de hotel, engasgado em seu próprio vômito, após ter ingerido nove pílulas para dormir. No mesmo ano, a cultuadíssima cantora Janes Joplin morreu de overdose de heroína, deixando ainda mais triste toda uma nova geração que adorava rock´n´roll e pensava em mudar o mundo. O último grande nome dessa geração a morrer com os já “malditos” 27 anos foi o cantor e líder do The Doors, Jim Morrison. A versão oficial para a morte foi ataque do coração.

Grandes ídolos dos jovens brasileiros também tiveram suas vidas encerradas cedo demais

POP • Dezembro de 2010 • 17


•Mundo artístico•

Em busca de um sonho Concursos, testes e programas de TV aparentam ser uma saída para quem busca reconhecimento artístico. Mas, vale abandonar tudo para ir atrás deles? Por: Guilherme Popolin | Foto: Divulgação

É

Thaeme Mariôto venceu o reality show “Ídolos” 18 • Dezembro de 2010 • POP

comum a todo artista um mesmo desejo: ter seu trabalho reconhecido. Fama, sucesso e dinheiro são consequências que vêm com o tempo, mas não são menos importantes. Todo profissional tem os mesmos anseios, mas é na carreira artística, seja como ator, cantor ou modelo que esses aspectos são potencializados. Concursos e testes são os meios que muitas pessoas encontram para mostrarem seus trabalhos e terem seus dons reconhecidos. Vale a pena abandonar e enfrentar tudo para ir em busca de um sonho? Sair de sua cidade natal e ir para as grandes metrópoles submeter-se a testes e programas de TV? Nem sempre. Na maioria dos casos, um choque com uma nova realidade acontece. A pressão e o isolamento contribuem para que muitos desistam, ou que não se entreguem de forma total nas apresentações. Muitos participantes percebem que tudo é ilusório e montado apenas para garantir a audiência, sufocando qualquer tipo de esperança existente. Há 10 anos cantando profissionalmente, Vinícius Zanin, 26 anos, de Rolândia (PR), já participou de vários concursos de grande projeção nacional. Quando se inscreveu para o “Fama” (Rede Globo), “Popstars” e “Ídolos” (SBT), enxergava os programas como uma porta de saída. “A gente, do interior, passa por muita dificuldade em cidades pequenas. Não temos noção de como funciona o esquema desses reality shows”, diz, referindo-se às experiências que vivenciou. “Não temos liberdade como artista. É tudo dirigido para parecer espontâneo, o público não consegue se identificar e


Vinícius Zanin já participou de vários testes assimilar toda a bagagem que a gente leva para o programa”, afirma. Outros rumos Hoje, Vinícius, que é formado em Direito e Jornalismo, por “garantia profissional”, trabalha como jornalista freelancer e canta em uma banda de Blues, além de fazer alguns trabalhos paralelos, como jingles publicitários. “Aqui na região temos que fazer de tudo, mas o meu foco é Blues, rock e pop. É muito importante formar um publico definido”. Para ele, atualmente, a grande rede de computadores é mais importante do que os programas de TV. “A internet é um grande reality show para o artista, mostra quem você realmente é para todo o mundo”, diz. Vinícius Zanin ainda largaria tudo em busca do seu reconhecimento profissional como cantor, dependendo da proposta. “Se tivesse uma oportunidade que completasse o meu trabalho já construído, seria válido. O artista não deve se apegar à sua região, é natural que vá para outros lugares”. Ao contrário dele, foi isso o que mais influenciou a estudante Ana Cláudia Corrêa, 20 anos, a abandonar a competição do programa “Ídolos” (em 2008, na TV Record) e retornar para sua cidade, Rolândia (PR), e para seus estudos, em Londrina (PR). Quando chegou entre os 60 finalistas decidiu voltar para a casa. “Tinha acabado de fazer

18 anos e resolvi que terminaria primeiro a minha faculdade de Nutrição para depois tentar algo mais sério relacionado à carreira de cantora”, conta. Ana Cláudia canta profissionalmente em uma banda desde os 13 anos e foi para o “Ídolos” em busca de experiência profissional. “Sabia que lá eu teria que dar o meu máximo. Queria ver até onde eu conseguiria chegar, seja em extensão vocal, qualidade profissional e resistência emocional”, relembra. O sentimento de que não valeria a pena ficar longe de casa e apostar todas as fichas no “Ídolos” cresceu a cada etapa da competição. “Eu vi muita gente boa sendo eliminada e muita gente que foi apenas para ganhar seus 15 minutos de fama passando para as outras etapas. Isso me retraiu em relação ao programa”, diz. “Os reality shows brasileiros que buscam revelar novos artistas precisam ser mais sérios, menos comerciais e mais artísticos”, é o que pensa Vinícius Zanin. Compartilhando da mesma idéia, Ana Cláudia sentiu que o programa do qual participou era muito instável e não dava segurança ao verdadeiro artista. “A primeira audição não é com os jurados, é com o pessoal da produção. Muitos não entendem de musica, não tem visão artística, de mercado, nem do que o povo vai gostar. Isso foi uma das coisas que me afastou”, revela. POP • Dezembro de 2010 • 19


20 • Dezembro de 2010 • POP


O poder de MADONNA Ensaio Fotográfico POP

Fotos: Francine Utiyama | Styling: Roger Costa

POP • Dezembro de 2010 • 21


A cantora mostrou ao longo dos anos ser mais que um símbolo sexual 22 • Dezembro de 2010 • POP


Mãe e com mais de 50 anos, comcerteza uma dasmulheres mais poderosas POP • Dezembro de 2010 • 23


Ela realmente tem o mundo nas suas mãos 24 • Dezembro de 2010 • POP


Anota aí • Estréias, shows, festas... •

Ozzy Osbourne (Show) Amy Winehouse (Show)

30 de março: Porto Alegre, no Ginásio do Gigantinho 02 de abril: São Paulo, na Arena Anhembi 05 de abril: Brasília, no Setor SRPN do Ginásio de

Esportes Nilson Nelson

08/01: Florianópolis, 07 de abril: Rio de Janei- Summer Soul Festival, na Pachá; ro, no Citibank Hall 11/01: Rio de Janeiro, na 09 de abril: Belo HoriHSBC Arena; zonte, no Ginásio do Mi- 13/01: Recife, Centro de neirinho C o n v e n ç õ e s d e Pe r -

Os Outros Caras (Filme)

Sinopse: Gamble é um contador forense e Hoitz está tentando sair às ruas e se tornar um policial famoso. No Departamento de Polícia, eles idolatram os detetives Christopher Danson e P.K. Highsmith considerada a dupla de policiais mais ?casca-grossa? da cidade. Os dois azarões se veem envolvidos em um caso aparentemente inofensivo, mas que pode vir a ser o maior crime da história da cidade e a grande oportunidade da vida dos dois.

nambuco; 15/01: São Paulo, na Arena Anhembi. As entradas serão comercializadas a partir do dia 22 de novembro pelo site www.livepass.com.br Título original: The Other Guys Diretor: Adam McKay Elenco: Will Ferrell, Mark Wahlberg, Samuel L. Jackson, Christopher Danson, Eva Mendes, Rob Riggle, Damon Wayans Jr. Gênero: Comédia, Policial Duração: 107 mins. Ano: 2010 Data da Estreia : 26/11/2010 Classificação: 14 anos POP • Dezembro de 2010 • 25


Divulgação

•Cinema•

O filme mais glam de 2010

Musical que traz um duelo de divas entre Christina Aguilera e Cher, é o primeiro papel na carreira cinematográfica da cantora de origem equatoriana e a transformou em uma mulher “diferente”

A cantora e atriz Christina Aguilera (em primeiro plano) em cena do musical “Burlesque”, que estreia nos EUA

o filme, que estreia na próxima semana nos Estados Unidos, Christina interpreta uma menina de cidade pequena com uma grande voz que decide deixar para trás sua rotina entediante para ir em busca de seu sonho. Em Los Angeles, ela encontra o clube “The Burlesque”, que tem como estrela Tess (Cher), e é cativada por seu espetáculo. “A Cher é assombrosa. É estranho falar isso porque ela é um ícone e uma lenda, mas para mim é como uma velha amiga”, disse Christina. “Até hoje nos falamos sempre. Ela é uma pessoa incrível, uma grande profissional que dá ótimos conselhos e tem histórias sensacionais. É única”, acrescentou. A cantora faz a sua estreia em grande estilo na indústria do cinema, embora sua intenção fosse começar “com algumas falas” em uma produção pequena. “É uma pena que isso não aconteceu e agora sou a protagonista de um filme enorme. Quero ver qual é o próximo”, comentou. Mas o que a fez se encantar com “Burlesque” foi a sintonia que encontrou com Ali, sua personagem. “É alguém que vem de um lugar onde sofreu muito e que decide ir

em busca de seu sonho por sua conta. Isso é forte e inspirador, são coisas que admiro”, revelou. O longa-metragem, dirigido pelo também novato Steve Antin, traz às telas uma história que será sucesso entre o “público gay”, prevê a protagonista, que revela que o final fará com que as pessoas saiam dos cinemas “dançando pelos corredores”. “A Cher é assombrosa. É estranho falar isso porque ela é um ícone e uma lenda, mas para mim é como uma velha amiga”, disse Christina. “Até hoje nos falamos sempre. Ela é uma pessoa incrível, uma grande profissional que dá ótimos conselhos e tem histórias sensacionais. É única”, acrescentou. A cantora faz a sua estreia em grande estilo na indústria do cinema, embora sua intenção fosse começar “com algumas falas” em uma produção pequena. “É uma pena que isso não aconteceu e agora sou a protagonista de um filme enorme. Quero ver qual é o próximo”, comentou. Mas o que a fez se encantar com “Burlesque” foi a sintonia que encontrou com Ali, sua personagem. “É alguém que vem de um lugar onde sofreu muito e que decide ir

N

26 • Dezembro de 2010 • POP


Ewald Filho

Os favoritos para o Oscar 2011

C

em busca de seu sonho por sua conta. Isso é forte e inspirador, são coisas que admiro”, revelou. O longa-metragem, dirigido pelo também novato Steve Antin, traz às telas uma história que será sucesso entre o “público gay”, prevê a protagonista, que revela que o final fará com que as pessoas saiam dos cinemas “dançando pelos corredores”.“A Cher é assombrosa. É estranho falar isso porque ela é um ícone e uma lenda, mas para mim é como uma velha amiga”, disse Christina. “Até hoje nos falamos sempre. É estranho falar isso porque ela é um ícone e uma lenda, mas para mim é como uma velha amiga. Ela é uma pessoa incrível, uma grande profissional que dá ótimos conselhos e tem histórias sensacionais. É única”, acrescentou. O longa-metragem, dirigido pelo também novato Steve Antin, traz às telas uma história que será sucesso entre o “público gay”, prevê a protagonista, que revela que o final fará com que as pessoas saiam dos cinemas “dançando pelos corredores”. “É uma pena que isso não aconteceu e agora sou a protagonista de um filme enorme. Quero ver qual é o próximo”, comentou.

ontinua a especulação sobre o prêmio e seus possíveis indicados. A revista Entertainment Weekly, praticamente a única que fala de cinema que restou nos EUA, fez esta semana uma previsão, ainda que sem ter visto todos os filmes, da temporada do fim de ano. Jimmy Porter vem de família pobre e, apesar de ter feito faculdade, vive num pequeno apartamento com a mulher e amigo, e trabalha em uma loja de doces. Ele agride a mulher, chegando a deixá-la ferida com uma queimadura. Ela fica grávida e chega a pensar em aborto. Comentários: Foi recentemente montado em São Paulo por Ulysses Cruz, como Olhe para Trás com Raiva, com Maria Manoella, Sérgio Abreu, sem grande repercussão, este texto clássico de John Osborne, que deu origem ao movimento dos Angry Young Men, que trouxe à cena a vida dos trabalhadores britânicos (antes o teatro só tratava dos ricos e nobres). Apesar de terem colocado um ator já famoso e um pouco velho demais (tinha 22 anos) para o papel, no caso, Richard Burton (antes de virar super

star com o casamento com Elizabeth Taylor), não estragaram o texto, produzido por Harry Saltzman (dos filmes de James Bond). Mas sua presença é considerada a razão do fracasso do filme, em vez de Kenneth Heigh, que havia feito o personagem na peça. Foi a estreia na direção do diretor Richardson (que ganharia o Oscar por As Aventuras de Tom Jones) que, para isso, fundou a produtora Woodfall. Ele era casado, então, com Vanessa Redgrave e pai das atrizes Joely e Natasha Richardson. Com a ajuda do fotógrafo Oswald Morris, ele faz um trabalho interessante, expandindo o texto (Edith Evans como a Nanny do herói, não aparecia no original). Este tipo de filme era chamado de Kitchen sink drama, por mostrar a cozinha e a pia da casa onde tudo mais se desenrola (outro filme semelhante saiu antes e fez mais sucesso, Almas em Leilão / Room at the Top, 57, de Jack Clayton, com Laurence Harvey). O autor, Osborne, depois se casaria com a atriz Mary Ure (1933-75, que morreu depois de noite de estreia de fracassoator Robert Shaw. POP • Dezembro de 2010 • 27


Fica a dica • CDs, DVDs e Livros •

CDs ano histórico para Rihanna: chegou ao primeiro lugar do Top norte-americano de singles (Hot 100) com “Rude Boy”, o que lhe valeu ser aprimeira artista feminina do Séc. XXI a conseguir seis 1ºs lugares neste Top, até a ultrapassar Madonna no LOUD Hot Dance Airplay Chart, Rihanna com sete primeiros lugares. Pop E agora chega “Only Girl “Loud” é o novo disco (In the World)”, o primeiro de Rihanna, e “Only Girl ( single retiradodo seu novo In The World)” é o primeiro álbum de estúdio, “Loud”, single deste novo disco e já editado pela Def Jam/Unitoca na rádio portuguesa. versal Music. Por Marcos Costa Este ano tem sido um

Greatest Hits… So Far!!! P!nk Pop P!nk lança o álbum Greatest Hits… So Far!!!, uma colecção de sucessos que também inclui novas músicas, como o primeiro single “Raise Your Glass”, produ28 • Dezembro de 2010 • POP

zido pelo colaborador de longa data Max Martin e co-escrito por P!nk, “Fuckin’ Perfect” e “Heartbreak Down”. Desde a sua estreia em 2000, P!nk garantiu o seu sucesso segundo as suas próprias regras e sempre grande profissionalismo. Do novo álbum a cantora ja lança nas rádios o segundo single “Fuckin’ Perfect” e divulga o clipe de “Raise Your Glass”, pela Jive. Por Eduardo Cruz

Merry Christmas II You Mariah Carey Pop “Merry Christmas II You” é o 13º album da carreira de Mariah Carey. Este novo disco é o 2º na carreira de Mariah alusivo ao Natal. Tem 4 músicas originais da

cantora, incluindo o 1º single “ Oh Santa”. Inclui também “ All I Want For Christmas is You”, o standart multi-platinado numa versão regravada patra este album. Neste disco Mariah conta com alguns dos produtores mais famosos de sempre: Randy Jackson ( American Idol’s) Jermaine Dupri e James Poyser ( The Roots, Lauryn Hill) e ainda Marc Shaiman , já nomeado 5 vezes para os Grammy’s. pela Island Us. Por Claudia Stting

single chama-se Express, lançado em 3 de novembro de 2010. Até cogitouse ser The Beautiful People, mas não chegou a ser enviado para as rádios. Os dois números de Cher são, “Welcome to Burlesque”, Burlesque [Soundtrack] composição de Lindsey Steven, Gerrard Mattew Vários Pop R.T e Midnigth Charlie, e trilha sonora do filme “You Haven’t Seen the Last do Burlesque estrelado por of Me” de Diane Warren, Cher e Christina Aguile- essa última já tem remixes ra. Será lançado em 22 de oficiais feitos por djs como novembro, 2010 pelo selo Almighty, pela RCA. RCA Records. O primeiro Por Luciana Shake


Fica a dica

DVDs

Ao Vivo em NY Ivete Sangalo Musical Quem não pôde ir ao show de Ivete Sangalo no Madison Square Gardem, em Nova York, e que serviu para a gravação do quarto DVD da carreira da canto-

ra, já tem data para conferir a apresentação na sala de casa. É que o DVD “Multishow ao vivo Ivete Sangalo no Madison Square Garden” chega às lojas no dia 7 de dezembro. A expectativa é que o trabalho seja lançado com no mínimo 50 mil cópias, o que já garante um disco de ouro para a baiana. Quem não pôde ir ao show de Ivete Sangalo no Madison Square Gardem, em Nova York, e que serviu para a gravação do quarto DVD da carreira da cantora, já tem data para conferir a apresentação na sala de casa. Lançado pela Universal. Por Pedro Lara

vos. E durante uma crise econômica, as belas pessoas que costumavam frequentar a clínica deles, decidem serem seletivas também... E não frequentar mais. Assim, não espere que os doutores McNamara e Troy descartem qualquer oportunidade de movimentarem o caixa, não importa o quanto fria ela possa ser. Ok, talvez eles precisem Nip/Tuck pensar um pouco mais so6ª Temporada bre um pedido que o goverSérie no fez para realizarem uma Experimente os episó- lipoaspiração em um condios finais desta arrojada denado à morte bem acima série! do peso. Qual o problema Um corte, um ponto, entre vocês?! Lançado pela alguma lipoaspiração... Warner. Eles são cirurgiões seleti- Por Sandra Jonas

Livros centenas de entrevistas e uma cuidadosa reconstituição biográfica e histórica, o jornalista David Remnick empreendeu uma viagem às raízes do presidente americano, refazendo os passos de sua educação “política, racial e sentimental”. A investigação começa pela vasta e intrincada árvore genealógica do presidente. Filho de um queniano ausente, Ponte, A Obama conseguiu coDavid Remnick municar-se com uma nova Biografia geração de norte-americaÉ a mais completa bio- nos. Lançado pela Compagrafia já escrita sobre Ba- nhia das Letras. rack Obama. Através de Por Junior Rezende

nos mostra o maior poder do Universo. Descubra como O Poder pode fazer você conquistar tudo o que quiser. A escritora revela através deste livro que no momento da criação foi liberado um grande poder. Este poder está dentro de você, está em todas as coisas. Aqueles que dominam esse poder são os Poder, O que mudam o mundo. A Rhonda Byrne investigação começa pela AutoAjuda vasta e intrincada árvore Nesta obra Rhonda Byr- genealógica do presidente. ne, mesma autora do fenô- Lançado pela Agir. meno editorial O Segredo, Por Murilo Morés POP • Dezembro de 2010 • 29


•TV•

Pedro Henrique Monteiro sempre interpretou papéis cômicos na carreira. Atualmente, ele é Diego, o ingênuo residente da série global “S.O.S. Emergência” Reportagem: Larissa Leles

P

apéis cômicos são constantes na carreira de Pedro Henrique Monteiro. Desde o início, ainda no teatro amador, até a chance de interpretar Diego, o ingênuo residente da série global “S.O.S. Emergência”. “Comecei fazendo esquetes e peças com amigos. Sempre fui muito ligado ao teatro”, revela. A TV nunca foi o foco na carreira do ator. Enquanto seus colegas estreavam no veículo, Pedro direcionava sua arte para a “Invisível Companhia de Teatro”, grupo experimental de comédia criado no Rio de Janeiro. O primeiro contato com a televisão foi na série “Quase Anônimos”, do canal pago Multishow. Por conta deste trabalho, o ator chamou a atenção de Marcius Melhem, redator do humorístico dominical e foi convidado para fazer um teste na Globo. “Fiquei muito feliz de ter conseguido o papel. Foi meu primeiro teste para a televisão. E sempre tive medo de testes”, confessa. Prevista para ter apenas cinco episódios, a série agradou e, além de uma temporada inicial de 13 episódios, garantiu uma segunda temporada. “É um trabalho feito com muito prazer e com um grande elenco”, valoriza. No programa, Diego é um médico recém-formado que tenta colocar em prática os ensinamentos da faculdade. Porém, se assusta com o contrastes entre o que aprendeu e o que 30 • Dezembro de 2010 • POP

Divulgação

Pedro Henrique estréia na TV aberta

acontece no dia a dia do Hospital Isaac Rosenberg. “O mais legal é que o personagem tem um perfil, mas apresenta coisas novas a cada episódio”, garante. A experiência na televisão rendeu a Pedro uma vontade de se firmar no veículo. Por isso, no próximo ano ele pretende conciliar a TV e seus planos de voltar ao palcos. “Nunca pensei que fosse gostar tanto do ritmo de trabalho na TV. Agora posso diversificar mais minha carreira, confessa. Prevista para ter apenas cinco episódios, a série agradou e, além de uma temporada inicial de 13 episódios, garantiu uma segunda temporada. “É um trabalho feito com muito prazer e com um grande elenco”, valoriza. No programa, Diego é um médico recém-formado que tenta colocar em prática os ensinamentos da faculdade. Porém, se assusta com o contrastes entre o que aprendeu e o que acontece no dia a dia do Hospital Isaac Rosenberg. “O mais legal é que o personagem tem um perfil, mas apresenta coisas novas a cada episódio”, garante. A experiência na televisão rendeu a Pedro uma vontade de se firmar no veículo. Por isso, no próximo ano ele pretende conciliar a TV e seus planos de voltar ao palcos. “Nunca pensei que fosse gostar tanto do ritmo de trabalho na TV. Agora posso diversificar mais minha carreira, confessa.



Revista "POP"