Issuu on Google+

Legenda 1 - Marcas Cruciformes, R. Bernardo Xavier Freire, n.º 8. Porta. Ombreira direita, face interna. 2 - Marca Cruciforme, R. da Glória, n.º 22. Porta. Ombreira direita, face externa. 3 - Marca Cruciforme, R. da Glória, n.º 2. Porta. Ombreira direita, face interna. 4 - Marcas Cruciformes, Porta D’El Rei. Porta. Parte interior da cerca, lado direito. Ombreira direita, face interna. 5 - Outra Marca, R. de S. Vicente, n.º 58. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 6 - Marca Cruciforme, R. de S. Vicente, n.º 50. Porta. Ombreira direita, face externa. 7 - Marca Cruciforme, R. de S. Vicente, n.º 36. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 8 - Marca Cruciforme, R. de S. Vicente, n.º 21. Inserida no alçado principal. 9 - Marcas Cruciformes, Largo de S. Vicente (SMAS). Alçado lateral direito. Janela. Ombreira direita, face externa. 1.ª Porta. Ombreira direita, face externa; 2.ª Porta. Ombreira direita, face externa; 4.ª Porta. Ombreira direita, face externa; 5.ª Porta. Ombreira esquerda, face externa. 10 - Marca Cruciforme, R. da Trindade, n.º 10-A. Porta. Ombreira direita, face interna. 11 - Marcas Longitudinais, R. da Trindade, n.º 26. Porta. Ombreira direita, face interna. 12 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 22. Porta. Ombreira direita, face interna. 13 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 53. Porta. Ombreira direita, face externa. 14 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 55. Porta. Ombreira direita, face interna. 15 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 101. Porta. Ombreira direita, face externa. 16 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 111. Porta. Ombreira esquerda, face interna. 17 - Marca Cruciforme, R. do Amparo, n.º 115. Porta. Ombreira direita, face externa. 18 - Marca Cruciforme, R. do Torreão, n.º 34. Porta. Ombreira direita, face externa. 19 - Marca Cruciforme, R. das Taipas, n.º 4. Porta. Ombreira esquerda, face interna. 20 - Marca Cruciforme, R. do Torreão, n.º 9. Porta. Ombreira direita, face interna. 21 - Marca Cruciforme, R. D. Sancho I, n.º 19. Porta. Ombreira direita, face externa. 22 - Marca Cruciforme, R. D. Sancho I, n.º 15. Porta. Ombreira direita, face interna. 23 - Marca Cruciforme, R. D. Sancho I, n.º 3. Porta. Ombreira direita, face externa. 24 - Marca Cruciforme, R. D. Dinis, n.º 10. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 25 - Marcas Cruciformes, R. Rui de Pina n.º 4, 6. Painel entre portas. Porta. Ombreira direita, face interna. 26 - Marcas Cruciformes, R. Rui de Pina, n.º 31. Porta. Ombreira direita, face externa e interna. Ombreira esquerda, face externa e interna. 27 - Marca Cruciforme, Largo do Passo do Biu, n.º 5. Porta. Ombreira direita, face interna. 28 - Marcas Cruciformes, Largo do Passo do Biu, n.º 3. Porta. Ombreira esquerda, face externa. Ombreira direita, face interna. 29 - Marca Cruciforme, Largo do Passo do Biu, n.º 33. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 30 - Marcas Cruciformes e Outra Marca. Av. Bombeiros Voluntários Egitanienses n.º 47/53. 1ª Porta. Ombreira esquerda, face interna. 2ª Porta. Ombreira direita, face externa. Ombreira esquerda face externa. 4ª Porta. Ombreira direita, face interna e externa. Ombreira esquerda, face interna e externa. 31 - Marcas Cruciformes, R. da Paz, n.º 12. 2ª Porta. Ombreira esquerda, face interna. 32 - Marca Cruciforme, R. da Paz, n.º 24. Porta. Ombreira direita, face interna. 33 - Marca Cruciforme, R. da Paz, n.º 19. Porta. Ombreira direita, face externa. 34 - Marcas Cruciformes, R. da Fraternidade, n.º 29, 31. Porta. Ombreira esquerda, face interna e externa. Ombreira direita, face externa. 35 - Marcas Cruciforme, R. da Fraternidade, nº. 36. Porta. Ombreira direita, face externa. Ombreira esquerda, face interna. 36 - Marca Cruciforme, R. da Torre, n.º 33. Painel entre portas. 37 - Marca Cruciforme, R. dos Clérigos, n.º 9. Porta. Ombreira esquerda, face interna. 38 - Marca Cruciforme, R. da Torre, n.º 21. Porta. Ombreira direita, face interna. 39 - Marca Cruciforme, R. Sacadura Cabral, n.º 39. Porta. Ombreira esquerda, face interna. 40 - Marcas Cruciformes, R. Sacadura Cabral, n.º 35. Porta. Ombreira direita, face externa. 41 - Marcas Cruciformes, R. Sacadura Cabral, n.º 28, 24. Porta. Ombreira direita, face externa. Porta. Ombreira esquerda, face externa e interna. Porta. Ombreira direita, face interna e externa. 42 - Marca Cruciforme, R. Sacadura Cabral, n.º 11. Porta. Ombreira direita, face externa. 43 - Marca Cruciforme, R. Dr. António Júlio, n.º 25. Porta. Ombreira direita, face externa. 44 - Marca Cruciforme, Praça Luís de Camões, n.º 36. Porta. Ombreira direita, face interna. 45 - Marcas Cruciformes, R. da Torre, n.º 3, 7. Porta. Ombreira direita, face interna. Porta. Ombreira esquerda, face interna. 46 - Marca Cruciforme, R. Tenente Valadim n.º 62. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 47 - Marca Cruciforme, R. Tenente Valadim, n.º 46. Porta. Ombreira esquerda, face externa. 48 - Marca Cruciforme, Largo Dr. João D’Almeida, n.º 15. Porta. Ombreira direita, face externa. Ombreira esquerda, face externa.

Roteiro das Marcas Mágico-Religiosas

18

15

Os Cruciformes A cruz é um símbolo mágico/religioso cuja emergência no tempo é dificil de apontar com rigor mas que foi apropriada por diversas religiões mono e politeístas. O seu uso é anterior a Jesus Cristo e possui, portanto, um significado que ultrapassa a religião cristã. Ainda assim, parece não haver dúvidas de que foi o Cristianismo (após o século IV e devido ao sonho premonitório do Imperador romano Constantino), que se apoderou da Cruz como símbolo identificador da morte de Cristo crucificado. Mas, mais do que um símbolo representativo do ponto de vista religioso e católico, a marcação de uma cruz possui foros de prática quase mágica, granjeando para pessoas, espaços e artefactos a protecção do mundo sobrenatural. É possível identificar este tipo de marcas tanto em espaços rurais, como urbanos, em imóveis de arquitectura civil, religiosa e militar. Ainda que, verificando-se estas marcas fora dos centros urbanos, a existência de cruciformes gravados em ombreiras de porta e fachadas de edíficios parece ser um fenómeno maioritariamente urbano e regista-se, preferencialmente, nas zonas mais antigas e de tradição medieval das povoações. Contudo, o fenómeno não é característica exclusiva de imóveis datáveis de época medieval, identificando-se também cruzes gravadas em ombreiras de porta em edíficios cuja traça arquitectónica remete a sua construção para os séculos XVI, XVII, XVIII e XIX. Neste contexto, a gravação de uma cruz, deve ser entendida na perspectiva vasta e genérica de acto de sacralização de um espaço tido com herético, em consequência de uma ocupação anterior por membros de um credo religioso minoritário, como foram os judeus. Pode também ser interpretada como resultando da vontade ou necessidade de mostrar objectivamente a adesão a um credo religioso.

Centro Histórico da Guarda

Guia do Património

um lcuogmarVida

16 17

Marcas na Mezuzah O texto do Shemá Israel é uma das orações fundamentais do povo judaico. Constitui uma afirmação do culto monoteísta, que manda recordá-lo a cada momento da vida e procura evitar o seu esquecimento por diversas formas, nomeadamente, pelo dever do crente em escrevê-lo nas ombreiras das portas da sua casa. A obrigação de marcar na Mezuzah, palavra hebraica para ombreira de porta, a adesão ao culto monoteísta judaico, pode explicar a identificação de concavidades de cerca de 10 cm de altura e 2 de largura e outros tantos de profundidade nas ombreiras das portas, geralmente na jamba direita a cerca de 2/3 de altura a partir da soleira da porta. Estas concavidades destinavam-se a abrigar, completamente ou não, um estojo que continha no seu interior um pequeno rolo de pergaminho em que se escreviam, de forma ritual, as palavras de Dt 6,4-9 e 11,13-21, excertos de dois Livros do Antigo Testamento. Para denominar este artefacto religioso, utiliza-se comummente a designação de Mezuzah. A Mezuzah continua hoje a apresentar-se, entre outros artefactos, como um poderoso símbolo identificativo e muito comum numa casa judaica, manifestando-se não só, como o elemento material que lembra a cada família as características do seu Deus mas, simbolizando também a protecção divina dispensada por Deus à Família e Casa judaica.

19

14 13 9 12

20

11

5

10 23

8

6

22 21

7

4 3

26 25

24 2 1

31 43

32

33

42

44 41

45

38 40 39 35

37

47 46

27 28 29

30 Os Rasgos Longitudinais Este género de marcas é constituído por rasgos abertos na pedra, com uma orientação tendencialmente vertical, podendo atingir uma profundidade de 5 cm e um comprimento que pode oscilar entre os 10 e os 50 cm. Apresentam-se isoladamente, ou num conjunto de vários rasgos. Quando se registam nas ombreiras das portas parece não existir preferência pela direita ou pela esquerda, sendo o mais comum registarem-se em ambas. Verifica-se ainda que são identificáveis tanto em imóveis que tiveram um uso habitacional e artesanal, como em edifícios de arquitectura religiosa e militar. Para a explicação deste fenómeno tem sido levantada a hipótese das necessidades do trabalho artesanal e, em algumas povoações, são interpretados, pelos habitantes, como resultando da necessidade dos sapateiros afiarem as sovelas. Noutras localidades, são explicados como consequência do afiar das espadas dos soldados. Contudo, outras abordagens devem ser tidas em linha de conta, dado o tipo de imóveis em que estes se podem identificar. Assim, consideramos que, por detrás desta prática pode estar um ritual de carácter mágico/religioso continuador da velha prática hebraico/judaica de marcar nas ombreiras das portas a adesão a um culto e de, paralelamente, recolher para o interior do espaço construído alguma forma de protecção divina.

34

RIO DIZ A25

SAÍDA ALVENDRE

Centro Histórico da Guarda - Acessos

N

N16 DIRECÇÃO PINHEL

A25 ESPANHA

QUINTA DOS BENTOS BAIRRO DA LUZ

VISEU PORTO COIMBRA

PISCINAS MUNICIPAIS

COVILHÃ CAST. BRANCO LISBOA VICEG A23

Contactos Úteis Agência para a Promoção da Guarda ............................... 271 232 570 Bombeiros Voluntários da Guarda .................................... 271 222 115

48 36

a

O Urbanismo e a Arquitectura no Contexto Judaico Embora a Judiaria da Guarda não apresente grandes diferenças de traçado urbano relativamente ao restante núcleo medieval e espaço intra-muralhas, encontramos, no entanto, características que o identificam e o individualizam da restante área do Centro Histórico. A implantação dos edifícios e o traçado dos arruamentos apresentam-se com uma estrutura irregular e descontínua ladeada por uma malha medieval com um traçado mais ortogonal e racionalista. Verifica-se uma grande compactação urbana, com construção em banda. As ruas ganham um traçado irregular, sem grandes pontos de vista onde as fachadas dos imóveis criam movimento e ondulação entre os seus planos. No campo da arquitectura, podemos constatar que os imóveis possuem uma planta de base trapezoidal onde impera a sobriedade, a robustez, a escala modesta, o recorte das portas e janelas por molduras rectilíneas e o predomínio das paredes em prol dos vãos, entre os quais não existe relação. São na maioria de um ou dois pisos, em alvenaria de granito e vãos assimétricos que transmitem maior dinamismo. A sua ocupação interior distribui-se: habitação no andar superior e comércio no r/chão. A maioria das casas referenciadas possui portas com ombreiras e tosas biseladas de configuração rectilínea e em dois casos em abóbodas de berço. No respeitante aos vãos das janelas estes assumem uma dimensão pequena ou média e apresentam na maioria das vezes entre si decorações diferentes, com irregularidades, sem repetitividade e sem alinhamentos na sua distribuição, em termos de fachada. Estes imóveis possuem uma arquitectura orgânica onde a assimetria, a dissonância e a tridimensionalidade antiperspectiva é preponderante e indiscutível.

Câmara Municipal da Guarda ............................................ 271 220 220 Caminhos-de-Ferro de Portugal ........................................ 808 208 208 Centro Coordenador de Transportes ................................. 271 221 754 Centro de Recepção de Visitantes da Torre de Menagem 271 224 372 Centro de Saúde ................................................................... 271 200 800 GNR ........................................................................................ 271 222 633 Unidade Local de Saúde ...................................................... 271 200 200 Museu da Guarda ................................................................ 271 213 460 Número Nacional de Socorro ............................................. 112 Posto de Turismo .................................................................. 271 205 530 PSP ......................................................................................... 271 222 022 Táxis ....................................................................................... 271 221 863 271 221 209 271 239 163

Créditos Fotográficos Foto a - Virgem em Majestade com o Menino | Museu da Guarda | José Pessoa | Instituto dos Museus e da Conservação, I.P. Restantes fotos - Arménio Bernardo | Agência para a Promoção da Guarda


1 PRAÇA DE LUÍS DE CAMÕES

N

Monumentos e Equipamentos

i

Posto de Turismo

P

Parque s/ Taxa

6 FORTIFICAÇÃO

P Lg. do Torreão

P Parque Coberto T

WC / Sanitários

6 so s

WC

Táxis

co de Pa s Fra nc is

lun tári s Vo mb

os cisco d e Pass

3

R. Rui de Pina

6

Glória

z

R.

R. d

a Pa

R. Ant . Júlio

aS

ilv

eir

a

Com é

rcio

R. D r.

i

7 IGREJA DA MISERICÓRDIA

od

ue

R. do

inh

Lop o de

1

Pr. de Luís de Camões

uz

Carv alho

R. 31 de Janeiro

Mo

de A

Tr.

do

reire R. B. F

Pov

o

R. da

is

R. D. Din

uerq

R

6

cho I

lbuq

eiro

Couc . Paiva

te . Vicen

R. de S

Lg. Passo do Biu

R. D. San

R. Fran

Lg. Espírito Santo

Av. do

4

R

ouzi

nho

imento R. Comandante Salvador do Nasc

ac. R. S

R. d

e

To r

T

re

uqu

2

da

7 erqu

R.

R. M

de ida

R. Vasco da Gama

Lg. João de Almeida

os

Mig uel de

R. M

Ala rcã o

ouzi

nho d

6 6 Lg. das Freiras

ig

R. M

sC lér

arqu

R.

5 JUDIARIA

Lg. Dr. João Soares

R. Alv

9

ês de

Pom

bal

8 Lg. João de Deus

R. Camilo Ca

Te ne nt eV ala

di

m

stelo Branco

Lg .S

es Ro

.P

ed ro

çada

s

R.

do

R. D .

6

9

A construção deste templo, implantado no exterior do perímetro amuralhado, remonta ao reinado de D. João V (1707 - 1750). Destaca-se pela sua imponente fachada principal formada por um corpo central, flanqueado por torres sineiras, ligeiramente recuadas e rematadas por fogaréus e balaustradas. A adornar toda a fachada existem janelões, óculos e um nicho decorado onde se exibe a imagem de Nossa Senhora da Misericórdia. O esplendor desta Igreja barroca é também exponencial no seu interior, de nave única, onde sobressaem o coro alto, os púlpitos e as tribunas laterais. Todavia, são os retábulos de talha dourada e policromada dos altares laterais, colaterais e mor que mais se destacam neste espaço. O templo integra um conjunto arquitectónico formado pela igreja e anexos assistenciais, adossados ao alçado lateral direito, onde funcionava o Hospital da Misericórdia. De planta em U, destaca-se pelas galerias alpendradas, de recorte seiscentista.

e Alb

P

Lg. A mân Paúl dio

iros vale s Ca o d . R

Cab ral

WC

4 IGREJA DE S. VICENTE

A Judiaria da Guarda localiza-se no interior da cidade amuralhada, nas proximidades da Porta D’El Rei. A comunidade Judaica da Guarda, foi durante muito tempo, uma das mais importantes do país, além de ser uma das mais antigas (a primeira referência surge no século XII). Esta comuna, que constituía um mundo à parte dentro da cidade, possuía uma Atafona, dois Açougues, uma Sinagoga e respectivo Mikvé ou espaço para banhos rituais, e um espaço de enterramento para os membros da comunidade. A entrada na Judiaria fazia-se por duas portas: uma localizada no sítio conhecido por Quatro Quinas (local onde confluem três ruas), nas proximidades da Porta D’El Rei e outra localizada no Adro de S. Vicente. A partir de 1496, com o Édito de Expulsão, esta comunidade teve de optar pela fuga ou pela conversão, mesmo que aparente. Alguns terão fugido, outros permaneceram na cidade, saindo da Judiaria, disseminando-se por novas ruas da cidade, mas continuando a judaizar, apesar das proibições. Hoje, por entre o emaranhado de ruas estreitas, conserva-se este bairro de casas térreas ou de um andar, janelas abalconadas e um ou outro alpendre que perpetuam a presença dos Judeus na cidade.

eiro

Lg. S. Vicente

R. da Trindade

p Am

P

R. do Ca rva lho

o .d

Mais de oito séculos de História encerram, na Guarda, uma dualidade cultural e religiosa entre católicos e judeus, legando à cidade uma valiosa herança. Escondidos nas ruas estreitas da urbe existem pormenores únicos da arquitectura civil e militar e também marcas de um património desconhecido e que passa desapercebido ao olhar menos atento. No Roteiro lançamos o desafio de viajar pelo mundo das Marcas Mágico Religiosas existentes no Centro Histórico, levando o visitante a descobrir um conjunto de gravações nas ombreiras das portas que souberam resistir ao passar do tempo. Aqui a simbologia cruciforme impera, acompanhada por vezes de datas e anagramas religiosos, merecendo especial referência pelo valor patrimonial e estético. Ainda que a interpretação destes elementos cruciformes possa não obedecer a uma explicação única, a sua existência pode ser comprovada ao percorrer as ruas da antiga cidadela medieval ainda hoje protegida por visíveis panos de muralha (ver roteiro detalhado no verso).

s Bo

aro

es

os E gita n

d

ROTEIRO DAS MARCAS MÁGICO RELIGIOSAS

6

iens

R. das T aipas

mp oA

5

3 JANELA RENASCENTISTA

De origem medieval, a Igreja de S. Vicente foi reedificada no ano de 1790, conforme inscrição na lápide patente na capela baptismal, pelo Bispo D. Jerónimo Carvalhal e Silva. Possui uma planta simples e a fachada é ladeada por duas elegantes torres sineiras onde se destaca, para além do portal decorado, o orgulhoso brasão episcopal com as armas de D. Jerónimo. A sobriedade do exterior em nada denuncia a beleza e a riqueza do interior. Na nave única, para além do barroco representado no altar-mor, nos laterais e nos dois púlpitos, de talha dourada, é de destacar o programa de azulejos figurativos que cobrem as paredes da Igreja e se desenrolam segundo uma sequência lógica. Na capela-mor estão representadas cenas relacionadas com os Passos da Paixão, a nave apresenta um Programa Mariano, com vários episódios da Vida da Virgem Maria e os painéis da capela baptismal versam a temática do Baptismo de Cristo.

R. d oT orr eão

R.

A construção da Sé Catedral da cidade decorreu ao longo de quase dois séculos, entre 1390 e 1540, aproximadamente, podendo nela ser observados diferentes estilos arquitectónicos: o Românico, o Gótico e o Manuelino. Do primeiro destacam-se os contrafortes, a planta e as duas torres que ladeiam o portal principal. Do Gótico a cruzaria de ogivas que suporta as abóbadas e o portal virado a norte, para a Praça de Luís de Camões. Do Manuelino saliente-se o arco trilobado, as colunas torsas e o portal principal. O interior, de três naves, possui transepto saliente e cabeceira tripartida. Na capela-mor conserva-se o imponente retábulo escultórico maneirista, em pedra de ançã, atribuído à escola de João de Ruão e que corresponde a uma hierarquia do espaço celeste. Sete capelas irradiam ao longo das naves laterais, destacando-se de entre elas a Capela dos Pinas, com um magnífico portal renascentista e a Capela dos Ferros, datada de finais do séc. XVI.

Na Rua Dr. Francisco de Passos ergue-se um austero edifício de três pisos, em cuja fachada, revestida a cantaria de granito, se destaca um interessante janelão quinhentista. Trata-se de uma elegante moldura em meia-cana, correndo desde o peitoril até ao lintel, onde forma um arco contracurvado e trilobado, rematado com cogulhos. Esta destaca-se pela exuberante decoração que apresenta. À esquerda, no sentido ascendente, há um querubim, um diabo, golfinhos e cornucópias. Na parte superior, elementos vegetais estilizados. No lado direito, duas aves que se beijam, um elemento Candelieri (típico da arte renascentista italiana), um medalhão de guerreiro com elmo, um querubim, cornucópias e outros elementos vegetais. Por sua vez, o peitoril, em baixo, apresenta um medalhão com um perfil de guerreiro. A sua execução datará do reinado de D. João III (1521-1557), aquando da construção da Sé da Guarda, salientando-se as semelhanças com a molduração do pórtico da Capela dos Pinas.

P

A fortificação da Guarda é a estrutura edificada que melhor representa o carácter da cidade, e não resulta apenas da altura em que a cidade nasceu, mas também das reformas posteriores realizadas nos reinados de D. Dinis (1279 - 1325), de D. Fernando (1367 - 1383) e de D. João I (1385 - 1433). As muralhas apresentam um traçado irregular, adaptando-se ao terreno em acentuado declive. Das cinco portas originais, que inicialmente rasgavam as muralhas, restam três: a Porta da Erva ou Porta da Estrela, a Porta dos Ferreiros (protegida por uma torre de planta quadrangular, proporcionando uma entrada em cotovelo, datada de finais do século XIII, inícios do século XIV), ambas viradas a nascente, surgindo no lado oposto a Porta D’El Rei. Já no ponto mais elevado da cidade, a 1056m, encontra-se a Torre de Menagem que apresenta uma planta pentagonal irregular e dois andares. Esta faria parte de um amplo complexo defensivo, datando o início da sua construção de finais do século XIII.

R.

aro

2 CATEDRAL

aF rat ern

Localizado em pleno Centro Histórico, este espaço é um dos locais mais emblemáticos da cidade desde o período Medieval. Reza a lenda que logo em 1202, com a transferência da sede da diocese de Idanha-a-Velha para a Guarda, D. Sancho I terá mandado aqui edificar a primeira Sé Catedral. Já no século XIV o local volta a ser escolhido para a construção da terceira Sé Catedral da cidade. Hoje a malha urbana existente no local evidencia uma ampla Praça delimitada por um magnífico enquadramento de edifícios de diversas épocas e estilos. A sul domina a majestade gótica da Sé Catedral, a norte a Praça é fechada por um conjunto de edifícios do séc. XVII, com alpendre, popularmente conhecido como o Edifício dos Balcões. Já no lado nascente é de salientar o edifício dos antigos Paços do Concelho, do séc. XVII com belas gárgulas e algumas esferas armilares, e no lado poente o Solar dos Póvoas, também datado do séc. XVII. Merecem ainda referência a estátua do Rei D. Sancho I, o fundador da cidade, localizada junto à Sé e datada de 1956, e o Solar de Alarcão, datado do séc. XVII e que compreende um imóvel solarengo e uma capela.

8 PAÇO EPISCOPAL E SEMINÁRIO O conjunto arquitectónico edificado nas primeiras décadas do século XVII, durante o domínio filipino, inscreve-se, do ponto de vista arquitectónico, na corrente estética da Contra-Reforma. Apresenta uma planta em U, que ocupa todo o quarteirão e inclui, para além do Paço Episcopal (actualmente Paço da Cultura), uma capela ao centro (futuro Museu de Arte Sacra) e o antigo Seminário Episcopal (onde se encontra instalado o Museu da Guarda, desde 1940). Este conjunto é notável pelas suas vastas proporções e caracteriza-se pela austeridade formal de linhas despojadas, frias e límpidas. Os raros ornamentos dizem respeito às armas do bispo e a elementos que enquadram inscrições no portal principal e no cunhal da fachada. Apresenta no seu interior pátios com alpendre, onde se destacam as colunas de capitel jónico e as cornijas salientes com gárgulas de canhão. Na fachada do templo evidencia-se o nicho e os dois janelões que a decoram.

WC

9 ESPAÇOS MUSEOLÓGICOS

GUARDA – SÉCULOS DE HISTÓRIA

GUARDA – COMÉRCIO COM TRADIÇÃO

A Guarda é um dos principais Centros Urbanos da Beira Interior e apresenta excelentes comunicações com o Litoral, com a vizinha Espanha e com todo o Interior do território nacional. É história e cultura, com um núcleo medieval de excelência, com notáveis edifícios e monumentos, com espaços museológicos e de exposições, com actividades lúdicas e eventos desportivos e com uma cuidada programação cultural. A atribuição da Carta de Foral à Guarda, a 27 de Novembro de 1199, pelo Rei D. Sancho I, marca a origem da cidade mais alta de Portugal. No interior do seu Centro Histórico, herança da cidade medieval que confere a esta zona características singulares, existem muitos locais de interesse que merecem uma demorada visita e um passeio pela tranquilidade dos recantos, onde cada rua representa uma descoberta e um testemunho da sua história com mais de 800 anos.

O Centro Histórico da Guarda, no coração da cidade, apresenta uma grande variedade de actividades comerciais. Ao longo das várias artérias distribuem-se estabelecimentos de restauração, artesanato, produtos regionais e uma grande oferta de artigos de moda e serviços. Aqui poderá saborear o bom queijo da Serra e os inigualáveis enchidos, dos quais se destaca a famosa morcela da Guarda. À noite atreva-se a conhecer os bares disseminados pelo Centro Histórico e o seu ambiente acolhedor, podendo ainda pernoitar numa das unidades hoteleiras ou de turismo de habitação aqui sedeadas. Para além da qualidade e variedade da oferta, do sabor genuíno da gastronomia local e regional, da imagem e do ambiente das lojas e do serviço personalizado ao cliente, o Centro Urbano oferece ainda espaços verdes acolhedores e um vasto património histórico e cultural para um passeio em família.

Museu da Guarda: instalado no antigo Seminário Episcopal e herdeiro do Museu Regional da Guarda, abriu ao público em Junho de 1985. Para além da imponência do edifício onde se encontra instalado, deve destacar-se o precioso acervo que possui, constituído por colecções de arqueologia, numismática, escultura sacra dos séculos XIII a XVIII, pintura sacra dos séculos XVI a XVIII e armaria dos séculos XVII a XX. Tem ainda algumas colecções de cerâmica, fotografia, etnografia regional, pintura e desenho de finais do século XIX e 1ª metade do século XX. Centro de Recepção de Visitantes da Torre de Menagem: neste Centro de Recepção evidencia-se uma pequena exposição de materiais arqueológicos que ilustram as origens do concelho e um equipamento multimédia que permite uma viagem pelo património construído das freguesias do concelho. Já na Torre de Menagem, é exibido um filme 3D onde é possível observar os monumentos da cidade. Ainda na Torre pode subir-se ao terraço e usufruir-se de uma paisagem única do alto dos seus 1056m.  


ROTEIRO