Page 7

15 a 31 de agosto de 2017 - 6/7

Deveriam funcionar, mas não funcionam arco da cultura Construído ao lado da Feira do Guará para servir de apoio para pequenas apresentações, está praticamente abandonado e com sinais de depredação

antiga casa da cultura Espaço nobre, mas com construção precária, precisando de reforma. Está desativado e entrou na compensação da Parceria Público Privada do Cave. Não há previsão de reforma ou utilização praça da moda O local deveria ser construído como palco para desfiles de moda. Na verdade, o que há é um grande descampado com piso em cimento, e que serve apenas para algumas feiras itinerantes e abrigar trailleres. Não há informação se a administração autorizou algum deles para funcionar no local

Artigo Produtor e ex-morador diz que esperava mais apoio

O Guará é uma cidade com a qual tenho a maior simpatia. Morei na QI 23 no início dos anos 90 e fiquei por algum tempo. Um dos meus passatempos era descer pros quiosques e ficar papeando com os senhorezinhos que sempre paravam por ali contando seus causos. E que causos! Curiosamente, muita gente do Rio de Janeiro e de Minas. Há poucos meses, coordenei uma atividade pela Fundação Palmares naquela cidade: o Circuito Cultural da Dança Afro Brasileira. Estacionamos nosso caminhão-palco em frente à Casa da Cultura e ali ficamos por três dias. Pensei: opa, vamos ver o que minha cidade tem para oferecer 20 anos depois. Tenho que ressaltar que fiquei impressionado com a qualidade do equipamento cultural daquela administração regional: uma arena de atividades, uma estrutura ampla e estruturada para receber toda sorte de atividades artísticas e muitos servidores de prontidão. Ao lado, um forrozinho com a galera da melhor idade. Aproveitei pra dançar um xotezinho. A Administração Regional se responsabilizou por acionar os artistas para que fizéssemos uma grande festa cultural para a comunidade. Para minha surpresa, nenhum artista local se apresentou para utilizar da nossa estrutura (e que estrutura!). A comunidade também não se aproximou. Fizemos mais 14 cidades e, mesmo naquelas que não tinham o mesmo porte ostentado pelo Guará, o resultado foi extremamente positivo. Fiquei encafifado com isso. O que aconteceu com a arte e com os artistas da cidade? A Administração não possuía um cadastro e não sabia de nada que acontecia fora de suas paredes. Então para que uma Gerência de Cultura? Eu vejo a arte acontecer em várias cidades da nossa Brasília, independentemente de gerências ou de administrações regionais e, mesmo no Guará, sei que temos heróis da resistência artística buscando seu espaço. Tenho certeza que temos mais que o forrozinho do centro de convivência de idosos para oferecer à nossa Brasília. Se você sabe, me diga por favor: onde a arte acontece no Guará? João Carlos Corrêa - coordenador de Difusão Cultural da Funarte

Pdf ed 203 certo  
Pdf ed 203 certo  
Advertisement