Page 42

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ATAQUE AMPLIADO A INCÊNDIOS FLORESTAIS 2007

2007

dando pelo contrário ênfase às situações em que as oportunidades de controlo da cabeça do incêndio são bastante limitadas (ver Anexo 1). 2. A tabela ignora que a capacidade de supressão dos meios de

ƒ

combate é limitada pelo comportamento do fogo e pressupõe que o ataque directo à cabeça do incêndio é efectivo e seguro em incêndios de elevada intensidade, nomeadamente quanto a sua velocidade excede 700 m/h. Tal não é o caso, pelo que a linha “Ataque na cabeça do incêndio” não deveria ser preenchida nessas situações. 3. A tabela subestima (“sob reserva” e “interdito”) a possibilidade de

ƒ

conduzir operações de fogo táctico nas situações extremas. 4. A regra empírica velocidade do fogo = 3% da velocidade do vento (em

ƒ

unidades de km/h) constitui uma aproximação grosseira que é útil somente em matos altos (>1,5 m) ou fogo de copas em floresta e quando a humidade do combustível é inferior a 5%. Com base em simulação do comportamento do fogo seria possível derivar factores de ajustamento para diferentes tipos de vegetação. Tal como já referido, o uso de simuladores do comportamento do fogo, em tempo real ou para elaborar tabelas para situações específicas, conduziria a um planeamento mais efectivo e rigoroso dos meios a afectar ao incêndio. Esta melhoria não é porém favorecida pelo generalizadamente reduzido nível de formação e conhecimento em comportamento do fogo.

5. Número de ocorrências e ataque ampliado As análises comparativas anteriores procuraram isolar o efeito das condições meteorológicas, cuja variação inter-anual explica em Portugal cerca de 80% da variação na área ardida (Pereira et al. 2003) 3 .

Pereira, M.G., R. M. Trigo, C. C. Câmara, J. M. C. Pereira, S. M. Leite. 2003. Synoptic patterns associated with large summer forest fires in Portugal. Agriculture and Forest Meteorology 129, 11-25. 3

Protocolo ANPC/UTAD

Relatório final

30

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ATAQUE AMPLIADO A INCÊNDIOS FLORESTAIS  

Este trabalho foi realizado no âmbito do Protocolo entre a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) e a Universidade de Trás-os-Montes...

Advertisement