Issuu on Google+


SAÚDE DA MULHER É de conhecimento geral que a higiene pessoal e ambiental são muito importantes para a manutenção da saúde de qualquer pessoa, mas devido às particularidades anatômicas das mulheres, são exigidos alguns cuidados especiais em relação à higiene íntima para evitar diversos transtornos.

Um primeiro cuidado consiste na atenção dispensada diariamente aos órgãos genitais. Quaisquer alterações, tais como ardor, coceira, mau cheiro e dor, são motivos de preocupação. Mesmo na ausência de sintomas, é aconselhável a observação regular desses órgãos com o auxílio de um espelho. Vermelhidão, inchaço, manchas, ferimentos, verrugas, caroços e corrimentos podem indicar perturbações sérias, que necessitam de avaliação médica.

2


Com relação a corrimentos, é preciso levar em conta a existência de uma secreção natural, responsável pela lubrificação da vagina, cujo volume – variável de mulher para mulher – aumenta na gestação e durante a excitação sexual e diminui no climatério. Possui cor clara, não tem cheiro desagradável e não provoca coceira nem ardor. Logo após a menstruação, a secreção é pouco abundante e fluida. Na proximidade da ovulação, ela se torna viscosa, brilhante e transparente, assemelhando-se à clara do ovo. Essas modificações são normais e decorrem da ação de hormônios ligados ao processo reprodutivo. Alterações dessas características devem ser analisadas pelo ginecologista. Um segundo cuidado é a manutenção de limpeza adequada dos genitais. Durante o banho diário, a vulva deverá ser lavada com sabonete neutro e água limpa, abundante e corrente. É preferível o uso de chuveiro, pois águas acumuladas em bacias e bidês facilitam contaminações. Cabe aqui alertar que banhos de assento somente deverão ser feitos se houver recomendação médica. Após evacuar ou urinar, o papel higiênico deverá ser utilizado da frente para trás, de modo a evitar o transporte de micróbios existentes nas fezes, que podem causar infecções vulvares, vaginais, uretrais e renais.

Outras recomendações • Não prenda a urina por muito tempo, urine sempre que sentir vontade. • Evite o uso de roupas muito apertadas. Prefira calcinhas de algodão, que absorvem melhor a secreção natural e o suor. Roupas úmidas facilitam a proliferação de fungos e bactérias. 3


• No período menstrual, o absorvente higiênico deve ser trocado a cada 2 ou 3 horas (tanto o interno quanto o externo). • Desodorantes íntimos e perfumes em geral podem causar reações alérgicas, portanto devem ser evitados. • Não tome banho em águas poluídas. Cuidado com as praias, lagoas e piscinas de água não tratada. • Não mantenha relações vaginais após sexo anal. • Submeta-se a exames de prevenção de câncer ginecológico (Papanicolau) com a frequência recomendada pelo médico. • Escolha criteriosamente o parceiro sexual e prefira o uso de camisinha, pois inúmeras doenças poderão ser transmitidas, entre elas: AIDS, hepatite, herpes genital, tricomoníase, condilomatose (verrugas genitais), gonorreia, sífilis, cancro, etc.

4


Consulta ginecológica Consultas periódicas permitem o reconhecimento precoce de alterações antes que provoquem distúrbios graves. A ida ao médico não poderá ser protelada se ocorrerem sinais ou sintomas envolvendo genitais. Se isso acontecer, será prudente suspender as relações sexuais e procurar ajuda profissional. A vergonha e o medo de sentir dor durante exames ainda hoje são motivos alegados por muitas mulheres para protelarem sua ida ao ginecologista. Porém, a saúde é um bem precioso, que precisa ser preservado, devendose superar temores descabidos e pudores exagerados. Quanto à dor, basta que a mulher relaxe a musculatura para que o médico consiga investigar as condições de seus órgãos genitais sem maiores transtornos e possa indicar o tratamento conveniente. Algumas vezes o tratamento exige aplicação de cremes, pomadas e óvulos, que, para serem eficazes, devem ser introduzidos corretamente com o auxílio de aplicador plástico, cujo tamanho é adequado à colocação do medicamento junto ao colo do útero. Esse aplicador obviamente é de uso individual e deverá ser corretamente higienizado antes e após cada aplicação. Para isso, é suficiente a lavagem com água quente e sabão neutro. As relações sexuais devem ser suspensas durante o tratamento, para evitar a transmissão da doença ao parceiro. Quase sempre é necessário que o tratamento inclua ambos, pois alguns micróbios se alojam nos genitais masculinos sem provocar sinais ou sintomas, constituindo motivos para novas infecções caso não se trate o casal. 5


A importância do autoexame de mamas Infelizmente não existem medidas profiláticas capazes de evitar o câncer de mama. Quase sempre os diagnósticos são feitos tardiamente, quando nem sempre é possível tratamento eficaz. No entanto, existe um método bastante simples que permite a descoberta precoce de alterações, a tempo de serem tratadas com sucesso. É denominado autoexame das mamas. O autoexame consiste na observação cuidadosa da forma, volume e simetria das mamas, aréolas e mamilos e na investigação da presença de lesões superficiais, manchas, abaulamentos, depressões e retrações da pele. Além de exames médicos periódicos, toda mulher deve se acostumar a investigar, mensalmente, uma semana depois da menstruação, as condições de suas mamas. As que atingiram a menopausa devem adotar este cuidado realizando o autoexame sempre no mesmo dia de cada mês. Alterações detectadas em qualquer das fases do autoexame nem sempre traduzem a existência de problemas sérios, porém, indicam a necessidade de consultar o especialista sem demora, iniciativa que poderá preservar a mama e até mesmo salvar a vida.

6


Aprenda a realizar o autoexame

1 – Em frente ao espelho Fique de frente para um espelho com os braços ao longo do corpo. Olhe para suas mamas e procure por caroços, depressões, formas anormais ou quaisquer outras alterações de aparência. Repita o procedimento com os braços elevados acima da cabeça. Com as mãos nos quadris e com seus peitorais esticados, procure por caroços ou alterações.

2 – Deitada Deite-se de barriga para cima, em uma posição confortável, e coloque um travesseiro embaixo de seu ombro esquerdo. Examine toda a sua mama com a mão direita. Mantenha os dedos esticados em cima de seu seio e pressione firmemente de modo delicado, médio e forte, em movimentos circulares menores e maiores.

3 – No chuveiro Ao tomar banho, verifique se há caroços ou endurecimento em suas mamas e axilas. Se as mãos estiverem ensaboadas deslizarão mais facilmente sobre a pele molhada. Examine suas mamas usando o mesmo procedimento na posição deitada. 7


Para mais informações sobre nossos programas, acesse:

ANS-nº359017

www.intermedica .com.br/qualivida


Saúde da Mulher