Eu e esse meu coração

Page 1


Eu e Esse meu Coração

Eu e este meu Coracao.indd 1

04/09/18 16:10


C.C. Hunter

Eu e Esse meu Coração Tradução Denise de Carvalho Rocha

Eu e este meu Coracao.indd 3

04/09/18 16:10


Título do original: This Heart of Mine. Copyright © 2018 Christie Craig Publicado mediante acordo com St. Martin’s Press, LLC. Copyright da edição brasileira © 2018 Editora Pensamento-Cultrix Ltda. 1ª edição 2018. / 9ª reimpressão 2022. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. A Editora Jangada não se responsabiliza por eventuais mudanças ocorridas nos endereços convencionais ou eletrônicos citados neste livro. Esta é uma obra de ficção. Todos os personagens, organizações e acontecimentos retratados neste romance são produtos da imaginação do autor e usados de modo fictício. Editor: Adilson Silva Ramachandra Editora de texto: Denise de Carvalho Rocha Gerente editorial: Roseli de S. Ferraz Produção editorial: Indiara Faria Kayo Editoração Eletrônica: Join Bureau Revisão: Vivian Miwa Matsushita

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação(CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Hunter, C. C.

Eu e esse meu coração / C. C. Hunter; tradução Denise de Carvalho Rocha. – São Paulo: Editora Jangada, 2018. Título original: This heart of mine. ISBN 978-85-5539-121-7 1. Ficção norte-americana I. Título. 18-19689

CDD -813 Índices para catálogo sistemático: 1. Ficção: Literatura norte-americana 813 Iolanda Rodrigues Biode – Bibliotecária – CRB-8/10014

Jangada é um selo editorial da Pensamento-Cultrix Ltda. Direitos de tradução para o Brasil adquiridos com exclusividade pela EDITORA PENSAMENTO-CULTRIX LTDA., que se reserva a propriedade literária desta tradução. Rua Dr. Mário Vicente, 368 — 04270-000 — São Paulo, SP Fone: (11) 2066-9000 http://www.editorajangada.com.br E-mail: atendimento@editorajangada.com.br Foi feito o depósito legal.


Para o doador e a família do doador de quem meu marido recebeu um rim e uma sobrevida: muito obrigada por nos conceder a preciosa dádiva do tempo. Para a dra. Anna Kagan, nefrologista de transplantes que tratou meu marido, cujo temperamento amoroso ao cuidar de seus pacientes me inspirou a criar a dra. Hughes, personagem deste livro. Obrigada por sua bondade e por todo o esforço que fez para manter meu marido vivo e bem. Obrigada também pelo abraço sincero que me deu na UTI; ele aqueceu a minha alma e disse muito não só sobre a sua grande capacidade como médica, mas sobre a pessoa maravilhosa que você é sob o jaleco. Para o dr. Bree, cardiologista do meu marido, que nos assegurou que o coração dele funcionaria melhor se fizesse um transplante de rim. Suas palavras nos deram esperança, quando outros pareciam querer roubá-la de nós. Para meu marido, que enfrentou uma doença grave sem quase nunca reclamar. Você estabeleceu padrões tão altos em termos de coragem e superação que não sei se vou conseguir um dia alcançá-los, mas vou tentar. Obrigada por ser o homem que é. O homem que eu amo.

5

Eu e este meu Coracao.indd 5

04/09/18 16:10


Agradecimentos

Escrever um livro exige tanta dedicação que, muitas vezes, o autor só consegue escrever se tiver o apoio das pessoas à sua volta. Por isso, quero agradecer à minha família, aos meus amigos e à minha agente, Kim Lionetti, que, depois de ouvir essa ideia, disse: “Você vai escrever este livro!”. À minha nova editora, Sara Goodman, que assumiu o projeto editorial já em andamento e ajudou-o a se tornar o que ele é hoje – obrigada por todo o seu trabalho. E para Rose Hilliard, que fez este livro decolar e cuja crença em mim e no meu talento nunca vacilou.

7

Eu e este meu Coracao.indd 7

04/09/18 16:10


13 de maio

–A

cabou, Eric. Aceite isso. Desista, ok? – As palavras ecoam do celular para a noite escura. Eric Kenner se senta à mesa do quintal e ouve a mensagem de Cassie uma, duas, três vezes. Ouvindo a bomba da piscina vibrar, sentindo a dor em seu peito vibrar. – Não vou desistir. – A dor fica mais forte. Não é justo! Ele não consegue aceitar. Olhando para trás, vê a luz acesa no quarto da mãe. São apenas oito horas da noite, mas ela já vai dormir. Provavelmente tomou outro calmante. A mãe também não consegue aceitar. Por que a vida tem que ser tão difícil? Será que jogaram uma praga nele? Eric aperta a tecla para repetir a mensagem. Espera ouvir a voz de Cassie fraquejar, indicando que ela não queria dizer o que disse. Mas a voz dela não fraqueja, só o coração dele. Ele se levanta de repente e derruba a cadeira, fazendo-a bater com força contra o concreto. Ele arremessa o móvel na piscina. A cadeira flutua, mas ele se sente afundando, se afogando.

9

Eu e este meu Coracao.indd 9

04/09/18 16:10


Anda a esmo pelo deque e depois resolve entrar. Atravessa a cozinha, a sala de estar e para em frente a um cômodo esquecido, o escritório do pai. O pai saberia o que fazer. Eric entra. Quando fecha a porta, a fechadura faz um clique, rompendo o silêncio. O cômodo cheira a poeira, mofo e livros antigos. Através da janela, a iluminação do jardim da frente derrama uma luz prateada no cômodo. As paredes beges estão envelhecidas. O espaço parece solitário e abandonado. O enorme relógio na parede já não se move. Ali, o tempo foi interrompido – assim como a vida do pai. O olhar de Eric pousa na bandeira, a mesma que o oficial militar lhes entregou no dia do sepultamento. Ela está sobre o sofá de couro desgastado, ainda dobrada, como se esperasse que alguém a guardasse. Eles chamaram o pai de herói – como se isso tornasse mais fácil aceitar a morte dele. Ledo engano. Aquela teria sido a última missão do pai. No dia em que partiu, prometeu mundos e fundos – acampar com os filhos, refazer o motor do antigo Mustang parado na garagem... Promessas que morreram com ele. Eric contorna a mesa de mogno e desaba na cadeira. Ela range como se reclamasse de que ele não é o homem que seu pai foi. Eric se inclina para a frente e abre a primeira gaveta. Engolindo um nó na garganta, que mais parece um pedaço do seu coração partido, seus olhos se fixam num objeto. Ele estende o braço e o pega. É pesado e frio contra a palma da mão. Olha para a arma. Talvez possa consertá-la. Se encontrar coragem.

10

Eu e este meu Coracao.indd 10

04/09/18 16:10


1 Um mês antes 13 de abril

–M

as que puta sorte! – Eu me deito na minha colcha rosa, com o celular no ouvido, sabendo que Brandy está nas nuvens, e fico feliz por ela. Olho na direção da porta para me certificar de que minha mãe não está por perto, prestes a me dar uma bronca pelo palavrão. Mais uma vez. Ela não está. Ultimamente, não consigo mais controlar o meu linguajar. Mamãe culpa os programas de TV. Ela talvez tenha razão. Mas uma garota tem que ter alguma diversão, não é? – Aonde ele vai te levar? – pergunto. – No Plabo’s Pizza – A voz de Brandy já não tem o mesmo tom agudo de euforia. – Por que... por que você não vem conosco? – No seu encontro? Está louca? – Você vai ao médico, depois poderia... – Não. Mas não mesmo! – Eu ainda odeio ir ao consultório médico. Se as pessoas olharem com atenção, podem ver o tubo que entra no meu corpo. Mas não é nem por isso. – Eu prefiro morrer do que ficar segurando vela... – Não diga isso nem brincando! – A bronca magoada de Brandy faz a voz dela ficar mais aguda outra vez. Mais cheia de dor.

11

Eu e este meu Coracao.indd 11

04/09/18 16:10


– É só uma figura de linguagem – justifico, mas em muitos sentidos não se trata apenas disso. Eu estou de fato morrendo. Já aceitei isso. As pessoas da minha vida é que não. Então, para elas, eu finjo. Ou tento fingir. – Mas se você... – Pode parar. Não vou ficar segurando vela. O silêncio paira no ar. É então que percebo: meu comentário sobre a “puta sorte” da minha amiga faz com que ela sinta pena de mim. Brandy está preocupada com a possibilidade de eu estar com inveja. E tudo bem, talvez eu esteja um pouco mesmo. Mas minha avó costumava dizer que não há nada de errado em ver alguém com um lindo vestido vermelho e pensar: “Quero um vestido como o dela”. Só não é legal pensar: “Quero um vestido como o dela e quero que ela tenha uma verruga no nariz”. Eu não desejo que Brandy tenha verrugas. Ela gosta de Brian há anos. Ela merece Brian. E eu, não mereço algo melhor que as cartas ruins dadas a mim pelo destino? Pode apostar que sim. Mas o que posso fazer? Chorar? Fiz isso, mas já superei essa fase. Agora tenho uma lista de coisas para fazer antes de morrer. E tenho meus livros. Os livros fazem parte da lista. Quero ler uma centena. Pelo menos uma centena. Comecei depois de ter alta no hospital da primeira vez em que sobrevivi a uma infecção causada pelo meu coração artificial. Estou no décimo oitavo livro agora. Nem vou mencionar quantos eram romances água com açúcar. – Leah – Brandy começa a falar de novo. A campainha da porta me faz consultar o relógio cor-de-rosa sobre a mesa de cabeceira. Hora de estudar. Álgebra. Odeio essa matéria. Mas quase gosto de odiar álgebra. Porque eu já a odiava antes de ficar doente. Odiando as mesmas coisas que odiava antes, eu me sinto mais como eu costumava ser. – Tenho que desligar. A sra. Strong está aqui.

12

Eu e este meu Coracao.indd 12

04/09/18 16:10


Bato os calcanhares na lateral da cama e os bicos de Pato Donald das minhas pantufas abrem e fecham. Ultimamente, ando com mania de usar pantufas de personagem de desenho animado. Elas dão aos meus pés um ar feliz. Mamãe comprou três pares para mim: Mickey, Pato Donald e Dumbo. – Mas... – Brandy tenta novamente. – Não. Mas você vai me contar tudo depois. Todos os detalhes picantes: se ele beija bem, se tem um cheiro bom, quantas vezes você o flagrou espiando seu decote. Sim, estou com um pouco de inveja. Mas não sou uma cadela sem coração. Bem, talvez eu seja. Eu realmente não tenho coração, mas não sou uma cadela. Carrego um coração artificial numa mochila. Ele me mantém viva. – Eu sempre te conto tudo – garante Brandy. Não conta, não, mas costumava contar. Olho para o ventilador de bolinhas girando no teto. Até Brandy pisa em ovos quando fala comigo, com medo de dizer algo que me lembre da minha triste sina, algo que me leve a sentir pena de mim mesma. Estou farta disso. Odeio quando as pessoas ficam fazendo rodeios em vez de falar a verdade. – Leah! – mamãe me chama. – Tenho que ir. – Desligo, pego a mochila onde carrego meu coração e me preparo para enfrentar a aula de álgebra. Tenho um ódio mortal dessa matéria, mas ela é o item número um da minha lista de coisas a fazer antes de morrer. Bem, não álgebra propriamente, mas me formar no Ensino Médio. E não quero que me entreguem o diploma de bandeja. Quero conquistá-lo. Vejo minha mãe na entrada da sala de jantar, que agora é uma sala de estudos. Ela está esfregando as palmas das mãos nos quadris. É um tique nervoso, mas não tenho ideia da razão do nervosismo dela agora. Sobrevivi à última infecção e à anterior. Ela ouve meus passos e olha para mim, franzindo a testa. Outro sinal de que a coisa é séria. Eu paro. Por que ela está tão nervosa? – O que foi? – A sra. Strong não pôde vir hoje. – Ela se afasta pelo corredor com mais rapidez do que disparou as palavras apressadas.

13

Eu e este meu Coracao.indd 13

04/09/18 16:10


Ouço alguém na sala de jantar. Fico desconfiada. Hesitante, entro na sala. Minhas pantufas de Pato Donald estancam quando vejo um garoto de cabelos castanhos sentado à mesa. – Merda. – Mordo os lábios na esperança de que não tenha falado alto demais. Ele sorri. Sinal de que ouviu. E o sorriso dele é tão lindo quanto aqueles dos romances água com açúcar que ando lendo. Sorrisos tortos, de deixar as pernas bambas ou a cabeça vazia. Juro que meu coração artificial bate descompassado. Ele é um dos gêmeos Kenner, Eric ou Matt, os dois garotos mais gatos da escola. Eu costumava conseguir distinguir um do outro, mas agora já não tenho certeza de nada. Será que penteei o cabelo? Será que escovei os dentes? Será que estou de sutiã? Passo a língua nos dentes, tentando limpá-los discretamente. Desvio os olhos e fito o chão, balançando para a frente e para trás sobre os calcanhares. Os bicos dos Patos Donalds balançam comigo. Eu deveria correr de volta para o quarto? Mas não iria parecer ainda mais patética aos olhos dele? E, se eu fizer isso, ele vai embora. Levanto o olhar e percebo que não sei se quero que ele vá embora. Gosto de olhar para ele. – Oi – ele cumprimenta. – Oi – repito e percebo que estou escondendo a mochila atrás da perna. Puxo a bainha da minha blusa vermelha para cobrir o tubo que se estende da mochila até o lado esquerdo das minhas costelas, entrando por um orifício que mais parece um segundo umbigo. Sim, estou escondendo a coisa que me mantém viva. – A sra. Strong não pôde vir hoje – esclarece ele, como se percebesse o que estou sentindo e se achasse no dever de justificar sua presença ali. – Ela me pediu para substituí-la. – Por quantos pontos extras na sua nota? – Fico esperando ele me dizer que se ofereceu para vir só por gentileza. E, se for verdade, isso significa que aceitou dar aulas para mim apenas porque sente pena. Nesse caso, não sei se quero ter aulas com ele. Prefiro ser o meio pelo qual ele pode conseguir uma nota melhor.

14

Eu e este meu Coracao.indd 14

04/09/18 16:10


Brandy me disse que todo mundo na escola sabe do meu coração artificial. – Dois pontos extras. Ando meio relaxado ultimamente e não entreguei uma lição de casa. Você vai me fazer conseguir média B. – Você deveria ter exigido pelo menos uns três pontos a mais. Ele sorri novamente. – Não acho que ela concordaria... Eu me aproximo e tento adivinhar qual dos dois gêmeos ele é. Procuro encontrar uma maneira de perguntar, mas tudo em que penso parece estranho. Suponhamos que ele seja Matt. Tenho uma queda por Matt desde o sétimo ano. Pode ser só ilusão, mas no primeiro ano do Ensino Médio achei que ele gostava de mim também. Não que alguma vez tenha se declarado. Ele era do time de futebol e eu, do clube do livro. Ele era popular. Eu... não era. Então comecei a namorar Trent. Um cara do clube do livro. Mas terminei o namoro assim que descobri que meu coração estava morrendo. – São seus livros? – ele pergunta. Não entendo a pergunta, até ele apontar para minha mochila. Droga! Entro ligeiramente em pânico. Já tenho várias respostas prontas que inventei quando mamãe, com medo de eu estar me transformando numa agorafóbica, começou a insistir para que eu saísse um pouco de casa. Mas não consigo me lembrar de nenhuma delas. O silêncio começa a pesar. Então resolvo falar a verdade. – Não. É o meu... coração. – Merda... – Ele cospe minha palavra favorita. Eu solto uma risada. Os olhos dele encontram os meus, e ele também sorri. Aquele sorriso meio torto. Minha mente paralisa. E eu me sinto derreter por dentro. – Ah, você está brincando... Não está? Concordo com a cabeça, depois nego, como se não soubesse a resposta. O sorriso dele vai apagando como uma lâmpada ao se girar o dimmer do interruptor.

15

Eu e este meu Coracao.indd 15

04/09/18 16:10


FIM DA AMOSTRA. GOSTOU? O LIVRO ESTÁ DISPONÍVEL NAS MAIORES LIVRARIAS (TAMBÉM EM FORMATO E-BOOK): amazon: encurtador.com.br/nszBL submarino: encurtador.com.br/atDY5 livraria da vila:encurtador.com.br/htI13 e muitas outras...

NÃO DEIXE DE NOS SEGUIR PARA ACOMPANHAR TODOS NOSSOS LANÇAMENTOS

EDITORA JANGADA @editorajangada


Turn static files into dynamic content formats.

Create a flipbook
Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.