Page 1

A SIMBÓLICA MAÇÔNICA


Jules Boucher

A SIMBÓLICA MAÇÔNICA ou A Arte Real Reeditada e Corrigida de Acordo com as Regras da Simbólica Esotérica e Tradicional

Tradução Frederico Ozanam Pessoa de Barros

BIBLIOTECA MAÇÔNICA PENSAMENTO


Título original: La Symbolique Maçonnique. Copyright © 1948, 1979 Dervy-Livres, Paris. Copyright da edição brasileira © 1984 Editora Pensamento-Cultrix Ltda. Texto revisto segundo o novo acordo ortográfico da língua portuguesa. 1a edição 1984 2a edição 2015 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. Imagens e Pranchas: Luÿs Rabuf Projeto gráfico e diagramação: Verba Editorial Revisão de texto: Ana Lucia Mendes Antonio

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Boucher, Jules A simbólica maçônica ou a arte real reeditada e corrigida de acordo com as regras da simbólica esotérica e tradicional / Jules Boucher ; tradução Frederico Ozanam Pessoa de Barros. — 2. ed. — São Paulo : Pensamento, 2015. — (Coleção Biblioteca maçônica Pensamento) Título original: La symbolique maçonique. ISBN 978-85-315-1884-3 1. Maçons 2. Maçonaria — História I. Título. II. Série. 14-08301

CDD -366.109

Índice para catálogo sistemático: 1. Maçonaria : Sociedades secretas : História 366.109

Direitos de tradução para a língua portuguesa adquiridos com exclusividade pela EDITORA PENSAMENTO-CULTRIX LTDA. Rua Dr. Mário Vicente, 368 — 04270-000 — São Paulo, SP Fone: (11) 2066-9000 — Fax: (11) 2066-9008 E-mail: atendimento@editorapensamento.com.br http://www.editorapensamento.com.br que se reserva a propriedade literária desta tradução. Foi feito o depósito legal.


Sumário

Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     11 Introdução I. Símbolos e simbolismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     13 II. Forma particular da iniciação maçônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     16 III. Valor tradicional e místico da iniciação maçônica . . . . . . . . . . . . . . . . . .     17 Capítulo I Os Instrumentos 1. Esquadro e Compasso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      21 2. Malho e Cinzel  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      29 3. Perpendicular e Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      33 4. Régua e a Alavanca   . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      36 5. A Trolha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      39 6. Quadros de Recapitulação do Simbolismo dos Utensílios . . . . . . . . . . . .      40 Capítulo II O Aprendiz 1. O Gabinete de Reflexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       45 O pão e a bilha de água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       45 O enxofre, o sal e o mercúrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       47 A bandeirola: “vigilância e perseverança” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       48 Os ossos, a caveira, a foice e a ampulheta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       48 V.I.T.R.I.O.L.(O) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .      49


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

As três perguntas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       49 O testamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       50 2. Os Metais  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       51 3. Preparação Física do Recipiendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       53 4. A Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       57 5. As Três Viagens e os Quatro Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       58 Saber, querer, ousar e calar-se . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       61 Nota sobre o tetramorfo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       62 6. A Taça e a Bebida Amarga  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       66 Nota a respeito da “tábua de esmeralda” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       69 Nota sobre a “cor verde” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       69 7. O Juramento  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       70 8. A Espada Flamejante   . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       74 O arco de aço  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       77 9. Os Três Pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       77 As abreviaturas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       79 O alfabeto maçônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       81 Os anagramas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       82 10. A Era Maçônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       83 Capítulo iii A Oficina 1. O Templo e a Loja   . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       97 Os templos na antiguidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       99 A loja de São João   . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    100 2. A Abóbada estrelada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    103 3. O Delta Luminoso e os Triângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    104 4. O Quadrado Oblongo  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    110 5. Os três pilares: sabedoria, força e beleza  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    113 Nota sobre as Sephirot  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    117 6. Os Oficiais e seus Lugares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    118 7. A Circulação no Templo  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    125 8. Os Candelabros  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    129 9. As Fumigações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    132 10. O Livro Sobre o Altar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    134


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

Capítulo iv O Quadro do Aprendiz 1. O Templo de Salomão e as Duas Colunas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    148 O templo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    148 As duas colunas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    151 Jachin e Boaz, os nomes das duas colunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    154 O lugar das colunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    155 As cores das colunas .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    157 2. As Romãs, os Lírios e as Correntes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    158 As romãs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    159 Os lírios  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    160 As correntes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    162 3. Os Três Degraus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    162 4. O Piso Mosaico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    164 Nota sobre o jogo de xadrez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    166 5. As Três Janelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    170 6. A Pedra Bruta, a Pedra Cúbica e a Pedra Cúbica Pontiaguda . . . . . . . . .    172 A Pedra bruta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    172 A Pedra cúbica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    174 A Pedra cúbica pontiaguda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    178 Nota sobre os dados dos antigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    181 Nota a respeito do “machado”  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    182 7. A Borda Dentada e a Cadeia de União . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    184 8. A Prancha de Traçar  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    189 Nota sobre os quadrados mágicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    190 9. As Duas Luminárias: o Sol e a Lua  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    191 10. A Porta do Templo  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    195 Capítulo v Os Ritos Maçônicos 1. Os Ritos e as Obediências  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    202 O grande oriente da França . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    202 A grande loja da França  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    202 A grande loja mista: “o direito humano”  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   204


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

A grande loja nacional independente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     204 2. A Hierarquia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     205 Os graus do escocismo e as cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     209 3. A Regularidade Maçônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     212 4. Deus, o Grande Arquiteto do Universo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     215 Capítulo vi O Companheiro 1. As Corporações Obreiras e seus Diferentes Ritos  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     220 As cores das corporações obreiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     223 O bastão dos companheiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     223 Os brincos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     224 O “tour de France”   . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     224 Estado atual das corporações obreiras .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    224 “Sumário das práticas ímpias, sacrílegas e supersticiosas que são executadas pelos companheiros seleiros, sapatei­ros, can­teiros, cuteleiros e chapeleiros, quando recebem os cha­mados companheiros do dever . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    227 2. O Grau do Companheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    232 3. A Estrela Flamejante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    236 O “ankh” egípcio  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    237 O número de ouro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    239 4. A Letra “g” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    250 A letra “e” do templo de delfos  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    255 5. O “Quadro” do Companheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    257 Capítulo vii O Mestre 1. A Arte Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     264 2. A Lenda de Hiram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     267 3. A Acácia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     279 4. A Câmara do Meio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     285 5. Hiram Ressuscita  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     289


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

6. O “Chapéu” dos Mestres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     291 7. Os “Filhos da Viúva” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     292 8. O “Quadro” do Mestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     296 9. O Grau do Mestre Ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     300 Capítulo viii Os “Adornos” do Maçom 1. O Avental  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     305 2. Os Cordões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     315 3. As Joias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     321 4. As Luvas Brancas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     323 Capítulo ix As Atitudes e os Gestos 1. As Marchas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     328 2. Os Sinais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     335 3. Os Toques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     342 4. As Acoladas  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     343 5. As Baterias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     345 6. A Cadeia de União . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     347 Capítulo x As Palavras 1. As Divisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     356 2. As Aclamações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     357 Liberdade, equidade, amizade  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     358 3. Palavras Sagradas e Palavras de Passe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     361 4. Dicionário das Palavras Sagradas e das Palavras de Passe . . . . . . . . . .     362


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

Apêndice Lenda dos três magos que visitaram a grande abóbada e descobriram o centro da ideia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    373 Índices Índice dos Autores Citados e de suas Obras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    379 Índice das Ilustrações  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    386 Índice das Pranchas   . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    390


Prefácio

Parece-me oportuno publicar um compêndio do Simbolismo Maçônico que, por um lado, seja útil aos maçons e, por outro, seja acessível aos profanos. As obras de Léo Taxil, Paul Rosen, Marquès-Rivière e de tutti quanti esforçaram-se por caluniar a Ordem Maçônica e conseguiram fixar no espírito do público uma espécie de clichê que está muito longe da verdade. Para os autores católicos, a Maçonaria continua a ser a “Sinagoga de Satã”, e devemos ser gratos por não acusarem ainda os maçons de praticarem a evocação do anjo decaído! Para outros, a Maçonaria é uma “maffia” que alimenta perigosos projetos políticos e não recua diante do assassinato, se isso for do interesse de seus desígnios. Para outros, ainda, a Maçonaria não passa de uma cooperativa, uma “sociedade de socorros mútuos”. Os antissemitas afirmam que ela é um instrumento nas mãos de Israel, enquanto Max Doumic sustenta que ela é o órgão do imperialismo anglo-saxão. Essas opiniões diversas e contraditórias são todas igualmente falsas. A Franco-Maçonaria é uma associação que guarda bem vivas certas formas tradicionais dos ensinamentos secretos iniciáticos. O que nela domina é o Princípio de Tolerância: tolerância em relação às doutrinas religiosas e políticas, pois ela está acima e fora das rivalidades que as dividem. A Maçonaria abre o caminho à Iniciação — isto é, ao Conhecimento —, e seus símbolos dão ao maçom a possibilidade de acesso a ela. Na verdade, pode ocorrer que certos homens, depois de terem sido Iniciados, continuem profanos; mas tais exceções não devem fazer perder de vista o caráter transcendente da Maçonaria. Tentamos divulgar e restabelecer o simbolismo maçônico. Não pretendemos, de modo algum, dar uma interpretação definitiva, e nisso não em11


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

penhamos nada a não ser nossa responsabilidade. Não se encontrará aqui o reflexo da doutrina desta ou daquela Obediência, mas apenas a opinião de um maçom de boa-fé. Se nosso trabalho, agindo como um fermento, suscitar outros estudos que o corrijam ou que o completem, ficaremos felizes com isso e teremos, então, o sentimento de ter escrito uma obra útil. Os maçons talvez nos critiquem por termos entregue nossos “segredos” aos profanos. Que eles se tranquilizem. Tais pretensos segredos já foram muitas vezes revelados, e aqueles que se divertiam com nossas “momices” serão obrigados, se lerem este livro, a mudar de opinião. J. B.

12


Introdução

I. SÍMBOLOS E SIMBOLISMO A palavra “símbolo” vem do grego sumbolon, sinal de reconhecimento formado pelas duas metades de um objeto quebrado que tornam a se juntar; por extensão, essa palavra significa uma representação analógica relacionada com o objeto considerado. A propósito, é bom fazer aqui uma distinção entre as palavras alegoria, emblema e símbolo. A alegoria (do grego allêgoria) pode ser traduzida literalmente pelas palavras “falar” e “outro”, isto é, “falar de outro modo”. Podemos citar como exemplos de alegorias o apólogo (apo, sobre, e logos, discurso), uma alegoria moral, e a parábola (parabolê, comparação), uma alegoria religiosa. O emblema (do latim emblema, ornamento que se usa) é a representação simples de uma ideia. O boi, por exemplo, é considerado o emblema da força. O símbolo é mais amplo, mais extenso, e sua compreensão relaciona-se intimamente com os conhecimentos já adquiridos por quem o estuda1. O padre Auber2, examinando o símbolo em sua aplicação especial à Sagrada Escritura, distingue quatro sentidos que podem estar ligados ao símbolo em geral: o sentido literal, o alegórico, o moral ou tropológico e, enfim, o anagógico. O sentido tropológico (tropos, mudança; logos, discurso: mudar o rumo da conversa) distingue-se do sentido anagógico (ana, no alto; ago, conduzir: elevar o espírito às coisas do alto) por ter o primeiro um sentido moral, e o segundo, um sentido místico. Esse mesmo padre, analisando o símbolo na aplicação que dele faz a imaginação na interpretação simbólica, faz as seguintes advertências: 13


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

1o) Jamais usar o sentido acomodatício3 como algo dado por autores sagrados, mas como uma simples apropriação, feita por nós, da linguagem divina ao assunto que estamos tratando. 2o) Não alterar em nada, sob pretexto algum, o sentido literal ou espiritual, que só poderia ser explicado pela Igreja e de acordo com a definição do Concílio de Trento. 3o) Enfim, só usar interpretações acomodadas quando não reprovadas pelos escritos dos doutores e dos mestres autorizados4. O padre Bertaud5, por sua vez, pede que se respeitem as duas regras seguintes: 1o) Que a coisa estudada comporte realmente um simbolismo. 2o) Que, logo que nos encontremos diante de algo que de fato comporte um simbolismo, nos conformemos, para encontrar seu verdadeiro significado, com as regras da simbólica às quais tal coisa está ligada e às quais o autor se sujeitou em sua composição. Tais limitações não foram observadas, de forma alguma, pelos autores religiosos. Huysmans, em seu livro A Catedral, observa “que os simbolistas não se limitaram a converter em cursos de catecismo tratados de Botânica, de Mineralogia, de História Natural e de outras ciências; alguns, entre os quais estão Militão, acabaram aplicando seu processo de interpretação a tudo o que encontravam: uma cítara transformou-se, para eles, no peito dos homens devotos, e os membros do corpo humano se metamorfosearam em emblemas. Assim, a cabeça significava o Cristo; os cabelos, os santos; o nariz, a discrição; as narinas, o espírito de fé; o olho, a contemplação; a boca, a tentação; a saliva, a suavidade da vida interior; as orelhas, a obediência; os braços, o amor de Jesus etc., e esses escritores estenderam seu estilo de exegese aos objetos mais usuais, aos utensílios, inclusive aos instrumentos que estavam ao alcance de qualquer um”6. São precisamente os abusos do simbolismo que, desvalorizando-o, causaram a sua rejeição. Contudo, seu uso, de acordo com as regras tradicionais, parecer ser o único meio de explicar o inefável. “O símbolo”, diz Jean C.-M. Travers7, “é um ser sensciente, com consistência própria, mas através do qual se pode perceber uma relação de significação. Antes de significar, ele já tem, em seu poder, sua natureza própria. Ele se apresenta primeiro como um ser conhecido por ele mesmo, depois apenas como um ser que tem uma relação de significação em outro termo”. O mesmo autor cita estas palavras de Brunetière: “O símbolo é imagem, é pensamento... Ele nos faz captar, entre o mundo e nós, algumas dessas afinidades secretas e dessas leis obscuras que podem muito bem ir além 14


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

do alcance da ciência, mas que nem por isso são menos certas. Todo símbolo é, nesse sentido, uma espécie de revelação”8. O simbolismo é, com efeito, uma verdadeira ciência que tem suas regras precisas e cujos princípios emanam do mundo dos Arquéticos9. Na Maçonaria, o símbolo é constante e latente em todas as suas partes. É preciso, portanto, penetrar pacientemente seu significado. Somente pelo estudo dos símbolos é que se pode chegar ao esoteris10 mo . Apenas considerando o exoterismo dos símbolos, isto é, interpretando-os num sentido quase literal, é que chegaremos a julgar os ritos fora de uso ou caídos em desuso. Damos aqui uma explicação e uma interpretação do simbolismo maçônico; mas não podemos ter a pretensão de possuir a qualidade de “Iniciado”. Diríamos até que é preciso desconfiar prudentemente de todo indivíduo que se gaba ou se vangloria de ser um “Iniciado”, ou, em outras palavras, de ser o único a estar de posse do Conhecimento e da Verdade. “Iniciado” (de initium, começo) quer dizer simplesmente “colocado no caminho”, e o maçom sincero sabe, mesmo quando se tornou Companheiro e Mestre, que ele continua a ser um Aprendiz. Henry Thiriet, lamentando a negligência com a qual alguns tratavam o estudo do simbolismo, escreveu: “Não consigo entender, a não ser como uma enfermidade do espírito, que se possa negar seja o valor, seja a necessidade do simbolismo em nossa Ordem. Os que se obstinam nessa atitude não percebem que estão negando, ao mesmo tempo, o caráter filosófico11 da Franco-Maçonaria e que, desse modo, privam-na de sua virtude essencial”12. O estudo aprofundado dos símbolos e, sobretudo, dos símbolos maçônicos pode levar muito longe. Nesta terra, tudo é símbolo; as próprias palavras, na realidade, não passam de símbolos das ideias. Na vida corrente, são muitos os símbolos de deferência, de amizade, de alegria, de luto etc. O homem que saúda tirando o chapéu ou inclinando a cabeça simboliza com isso a deferência que ele quer manifestar à pessoa saudada; o aperto de mão — que se transformou numa cortesia banal — é um símbolo de afetividade, de cordialidade, de devotamento, de lealdade; sua recusa é símbolo de inimizade. O brinde é um símbolo de amizade e de esperança em alguém ou em alguma coisa. Por que levantar a mão direita por ocasião de um juramento senão para simbolizar a sinceridade? O anel de casamento não simboliza, acaso, a aliança indefectível que deve unir os esposos? etc. 15


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

Todo mundo compreende esses símbolos simples e banalizados. Mas existem outros símbolos menos frequentes, mais ocultos: filosóficos, religiosos, iniciáticos. Às vezes, sua casca é dura de ser quebrada, mas a semente, uma vez libertada, mostra-se mais deliciosa!

II. FORMA PARTICULAR DA INICIAÇÃO MAÇÔNICA Cada “iniciação” tem suas formas particulares, e a iniciação maçônica, derivada das iniciações operativas e das associações de obreiros, liga-se, por um lado, à arte de construir e, por outro, ao mito de Hiram, aos “mistérios antigos”. Certos autores, mais imaginosos do que críticos, afirmaram, sem provas válidas, que a Maçonaria era a continuação da Ordem dos Templários; outros disseram que ela havia sido instituída pela misteriosa Fraternidade dos Rosa-Cruzes (Fama Fraternitas); outros, ainda, quiseram fazer remontar sua origem a tempos imemoriais; alguns chegaram até Adão, por eles transformado no primeiro franco-maçom! Existe certo parentesco entre os símbolos e os ritos maçônicos e aqueles das associações de obreiros. Esses últimos, por certo, são os primeiros, mas não se pode fixar, a não ser aproximadamente, a época em que a Franco-Maçonaria, de operativa, tornou-se especulativa. Voltaremos a esse assunto ao tratar das “associações de obreiros”. A “arte de construir” o Templo ideal: eis o objetivo proposto pela Maçonaria. Esse Templo é, primeiro, o Homem e, depois, a Sociedade. Na iniciação maçônica, o profano, ao “receber a luz”, torna-se Aprendiz maçom; seu trabalho essencial consiste em “desbastar a Pedra bruta”, e para isso bastam-lhe dois utensílios: o Cinzel e o Malho. Quando sua habilidade se tiver desenvolvido, ele se tornará “companheiro” e aprenderá o uso de novos instrumentos. Mais tarde, terá acesso ao grau de “Mestre”, que lhe dará o direito e o dever de ensinar a Ciência Maçônica aos Aprendizes e aos Companheiros. Nos dois primeiros graus, o maçom age sobre si mesmo: de “Pedra bruta” ele se torna “Pedra cúbica” e pode, então, integrar-se em seu lugar no edifício, ou melhor, no Templo ideal. Esse trabalho é de realização mais ou menos demorada; algumas pessoas jamais conseguirão “desbastar a Pedra bruta”, não por falta de capacidade, mas justamente porque não sentem 16


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

necessidade disso. Estes, embora Iniciados ritualmente, não chegaram a receber verdadeiramente a luz. É sobre esses “maçons”, que não são maçons, que o público forma seu julgamento e, por isso, a Franco-Maçonaria, cuja verdadeira grandeza é desconhecida, é caluniada. A forma particular da Iniciação maçônica é expressa pelos símbolos do Esquadro e do Compasso, cujo simbolismo examinaremos adiante. Ragon, Oswald Wirth, Plantageneta, Bédarride, Marius Lepage, Mme. A. Gédalge, Ed. Gloton e muitos outros autores se esforçaram para fazer voltar ao primeiro lugar o estudo do simbolismo maçônico. Eles nos indicaram o caminho, e se, às vezes, nós os criticamos, não desprezamos seus esforços reais e os serviços por eles prestados à Maçonaria.

III. VALOR TRADICIONAL E MÍSTICO DA INICIAÇÃO MAÇÔNICA A iniciação maçônica é completa em si mesma, quando o maçom, depois de ter galgado sucessivamente os degraus de Aprendiz e de Companheiro, chega ao grau de Mestre. Mas o Iniciado deve poder romper a casca mental, isto é, fugir do racionalismo esterilizante para atingir a transcendência; somente depois de romper essa casca é que se torna possível o acesso à verdadeira iniciação. Todos os símbolos abrem portas, sob a condição de não nos atermos apenas — como geralmente acontece — às definições morais. São muitos os que se declaram “racionalistas” e que qualificam de “simbolistas” — com uma nuança pejorativa — aqueles que tomaram consciência do valor iniciático da Maçonaria. Convém analisar o vocábulo “racionalismo” e os limites por ele impostos. O racionalista (de ratio, razão) recusa-se a levar em consideração tudo o que vai além dos limites de seu entendimento. Sua concepção e seu conhecimento do mundo arriscam-se, por isso, a ser consideravelmente amesquinhados, na medida de sua inteligência e de seu saber. E essa posição intelectual prova ser realmente lamentável. Tal atitude de limitação, para ser lógica, suporia uma vasta cultura; desse modo, o racionalista comum só pode confiar naqueles que professam sua fé — pois existe uma fé — e que se consideram mais “sábios” do que ele próprio. Ele pode, portan17


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

to, ater-se às leis físicas e psicológicas conhecidas e deve rejeitar — como coberto de erros — tudo o que vai além dessas leis. Estranho amesquinhamento de sua concepção do Universo! O racionalista faz alarde de ser “científico” e de que não passa de um “cientista”; ele admite que a “Ciência” faz conhecer as coisas tais como elas são, que ela resolve todos os problemas e que ela basta para satisfazer todos os desejos da inteligência humana. Para admitir um fato, a Ciência exige que ele possa ser repetido à vontade; ela exige também que ele se enquadre em suas leis gerais. Ora, existe uma série de fenômenos que não satisfaz essas condições e cuja realidade não é, absolutamente, objetiva. O racionalista fixa-se em sua concepção e dela faz um dogma, agindo assim como um fanático, exatamente como os fiéis de não importa que religião, de não importa qual Igreja, para os quais não existe salvação fora dos dados teológicos que lhes são próprios. A Ciência não passa de uma crença que se apoia em hipóteses continuamente renovadas; é inútil e ilusório pedir a ela o que não pode dar: o conhecimento espiritual. “O conhecimento ou a inteligência do divino”, diz Jamblique (De mysteres, II, 11), “não basta para unir os fiéis a Deus; se assim fosse, os filósofos, por suas especulações, realizariam a união com os deuses. É a execução perfeita e superior à inteligência de atos inefáveis, é a força inexplicável dos símbolos que fornece o conhecimento das coisas divinas.” Ora, a Franco-Maçonaria é uma verdadeira escola de iniciação, e não, como a julgam comumente, uma associação fraterna com finalidades mais ou menos políticas. A iniciação, tal como a concebiam as antigas “Escolas de Mistérios”, e tal como a praticam ainda as seitas mais ou menos evoluídas da África negra ou da Ásia misteriosa, a iniciação “abre portas” até então proibidas ao Recipiendário. Além do mais, a transmissão ininterrupta dos “poderes” integra o impetrante a Egrégora13 do grupo e o faz participar, independentemente dele, da vida mística e profunda da própria essência dos símbolos. Essa “iniciação” verdadeira é una no tempo, no espaço e nos ritos, embora os costumes sociais ou étnicos daqueles que a praticam sejam diferentes. A iniciação Maçônica torna palpável essa Unidade do Conhecimento através das seitas e dos ritos. Será possível provar a filiação maçônica iniciática mediante fatos precisos? Será possível afirmar que essa filiação é inexistente? 18


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

René Guénon é muito categórico a respeito: “Não existem mais no mundo ocidental organizações iniciáticas capazes de reivindicar para si uma filiação tradicional autêntica senão as Associações de Obreiros e a Maçonaria”14. Contudo, ele não fornece nenhum argumento, a não ser especulativo, para apoiar sua tese. Albert Lantoine, o erudito historiador da Maçonaria, pouco suspeito de misticismo, diz a respeito da influência dos Rosa-Cruzes sobre ela: “Para nós há mais do que pontos de contato: há uma interpenetração que fez da velha Maçonaria uma nova Franco-Maçonaria. Aliás, não podemos explicar por outro modo todo esse simbolismo místico... Portanto — e esse ponto é extremamente importante para os decifradores de símbolos —, nós veríamos aí a explicação muito natural, muito simples desse ritualismo que, em lugar de se ter transmitido por sucessivas associações misteriosas, teria sido implantado por inovadores curiosos de reminiscências iniciáticas”15. Seja como for, assim como o movimento se prova caminhando, a Maçonaria prova seu valor iniciático com todo esse aparato simbólico que ela conserva e de que se utiliza.

NOTAS À INTRODUÇÃO 1. A esse respeito, é difícil compreender a explicação dada pelo dicionário Larousse: “O símbolo é constante, o emblema é variável. O símbolo é tido como de origem divina ou desconhecida; o emblema é inventado por alguém. O símbolo tem, com o objeto a que está ligado, uma analogia fácil de ser captada: assim, a tartaruga é o símbolo da lentidão; o emblema, pelo contrário, exige muitas vezes um esforço de inteligência para ser compreendido, porque, em geral, ele associa várias ideias diferentes: assim, uma pomba, fazendo seu ninho num capacete, é o emblema da paz que se segue à guerra”. Existe aqui uma confusão manifesta entre as palavras emblema e símbolo; o que se diz de um reporta-se ao outro. 2. Histoire et Théorie du Symbolisme Religieux, 1884, t. II, p. 50. 3. Chama-se acomodatício o sentido simbólico dado tarde demais e acidentalmente a um texto que não foi feito com vistas a essa aplicação. 4. Op. cit., p. 55. 5. Etudes de Symbolisme dans le Culte de la Vierge, 1947, p. 11 e segs. 6. Plon, 1928, pp. 386-387. 7. Valeur sociale de la liturgie d’après saint Thomas d’Aquin, 1946, p. 125. 8. Op. cit., p. 127. 9. Arquétipo, do grego arché e tupos, protótipo ideal das coisas, ideia que serve de modelo com relação a outras. 10. Esoterismo opõe-se a exoterismo; podemos traduzir livremente esses dois termos por

19


Z biblioteca maçônica Pensamento Z

ensino secreto e ensino público. Hoje, aliás de forma abusiva, a tendência é fazer da palavra esoterismo sinônimo de ocultismo. 11. Diríamos “iniciático”. 12. Esquisse d’une doctrine positive de la Franc-Maçonnerie, 1927, p. 64. 13. Egrégoros (do grego egrêgorein, vigiar); essa palavra designa, no Livro de Henoch, os anjos que haviam jurado vigiar sobre o monte Hermon e se traduz por os Vigilantes. Chama-se de “egrégoro” uma entidade, um ser coletivo saído de uma assembleia. Cada Loja tem o seu egrégoro: cada Obediência tem o seu, e a reunião de todos esses egrégoros forma a grande Egrégora Maçônica. (Pensamos que o costume de escrever egrégoro com dois g é errado e não tem nada a ver com a etimologia). 14. Aperçus sur l’Initiation, 1946, p. 103. 15. La Franc-Maçonnerie chez Elle, 1925, p. 92.

20

1º capítulo simbólica maçônica  
1º capítulo simbólica maçônica  
Advertisement