Issuu on Google+

04| 201 4 02 |

MAIS DE TRÊS MIL ALUNOS FICAM SEM AULAS DEVIDO A UMA PRAGA DE LAGARTAS Fonte: G1

Professores e estudantes da Autarquia Educacional da Mata Sul (AemaSul), em Palmares, chegaram na manhã desta segunda-feira (31) para mais um dia de aula e foram surpreendidos com uma grande quantidade de lagartas nas salas e corredores da instituição. De acordo com o presidente da autarquia, Enoelino Filho, apesar de estarem espalhadas por diversos locais do estabelecimento de ensino, a quantidade era maior em dois dos blocos. “Ficamos espantados quando chegamos e nos deparamos com a situação. Isso nunca aconteceu e não sabemos o motivo”, disse. O presidente informou também que a Vigilância Sanitária do município foi acionada. Após uma análise, foi verificado que os insetos são de uma mesma espécie e não são ofensivos. Uma equipe do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), deve ir ao local verificar o motivo da praga e tomar as medidas necessárias. Segundo o engenheiro agrônomo do IPA, Cícero Matias, alguns fatores podem ter contribuído para a infestação. “Soubemos que existem muitas árvores no local, pode ser que as lagartas estejam em busca de alimento. O desequilíbrio biológico também pode ter contribuído para essa invasão, mas vamos analisar e dependendo utilizaremos inseticida biológico para exterminar os insetos”, afirmou. Por precaução, as aulas foram suspensas nesta segunda e terça-feira (1º). Cerca de 3.200 alunos ficarão sem aulas. “Foi necessária essa suspensão, porque será colocado o veneno e em seguida faremos uma limpeza”, comentou ainda o presidente da autarquia. www.grupoastral.com.br.br


JUIZ DE FORA REGISTRA PRIMEIRA MORTE POR DENGUE HEMORRÁGICA NO ESTADO Fonte: G1

Foi confirmado nesta segunda-feira (31) que Juiz de Fora registrou o primeiro caso de dengue hemorrágica em Minas Gerais em 2014. A paciente, uma mulher de 34 anos, estava internada em estado grave no Centro de Terapia Intensiva (CTI) na Maternidade Teresinha de Jesus e morreu na madrugada de domingo (30). De acordo com informações repassadas pela assessoria da Secretaria de Saúde, a Vigilância Epidemiológica informou que a primeira análise dos documentos relativos ao caso confirma o diagnóstico da forma considerada a mais grave da doença. As investigações continuam e a expectativa é de que o laudo seja finalizado até a próxima sexta-feira (4). A assessoria da Secretaria Estadual de Saúde disse ao G1 que ainda não recebeu informações oficiais sobre o caso, mas afirmou que até a última sexta-feira (28) não havia registro de dengue hemorrágica no Estado. A paciente estava grávida, mas já tinha perdido o bebê na última semana. Segundo a assessoria da Maternidade Terezinha de Jesus, a paciente deu entrada na unidade, a princípio, com quadro de pneumonia. Durante o tratamento, exames de sorologia comprovaram o diagnóstico de dengue. A assessoria informou ainda que a mulher perdeu o bebê, mas, a princípio, não era possível verificar se a causa está relacionada à dengue. O corpo foi sepultado na tarde de domingo (30) no Cemitério Municipal. Ainda de acordo com a assessoria da Secretaria Estadual de Saúde, a Secretaria Municipal notifica o diagnóstico para a Superintendência Regional de Saúde que informa ao Estado. A assessoria da Secretaria Municipal informou que estão sendo cumpridas as etapas necessárias para que este encaminhamento seja feito. Até agora, em Juiz de Fora, foram 76 notificações, 29 casos confirmados, 40 descartados e sete ainda aguardam resultado. Já o primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2014, divulgado em fevereiro, apontou índice de infestação de 7,1%, feito pela equipe de Vigilância em Saúde em vistoria a mais de seis mil imóveis. Segundo o Ministério da Saúde, o número atual representa risco de surto da doença e é sete vezes maior do que o máximo indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 1%. www.grupoastral.com.br


CASOS DE FOCOS DE DENGUE SERÃO LEVADOS AO MINISTÉRIO PÚBLICO EM LONDRINA Fonte: londrina.odiario.com

O Comitê de Combate a Dengue em Londrina decidiu apertar o cerco para quem mantém focos de dengue em imóveis da cidade. Uma das resoluções da reunião mensal do grupo, realizada na última sexta-feira (28), é de encaminhamento dos casos reincidentes para o Ministério Público (MP). A gerente de vigilancia ambiental e coordenadora do Controle de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, Mirna Germiniano, destacou que a prefeitura já têm 40 processos administrativos em andamento. “Se tivermos reincidência em alguns desses casos, vamos abrir novo procedimento. A gente sabe que muita gente já procurou se adequar. Mas o importante é não manter foco em casa”, apontou na tarde desta segunda-feira (31). Ela lembrou que ainda estão na mira da Saúde os imóveis comerciais, uma vez que estes pontos concentram grande número do mosquito transmissor da doença, o Aedes Aegypti. O procedimento administrativo antecede diversas sanções aplicadas pelo município. O proprietário irregular ainda tem direito a recorrer, prazo para promover adequações e, por fim, chegar a ser multado. Dependendo da gravidade dos casos, o valor da autuação varia entre R$ 196,00 a R$ 19.619. Nesta segunda-feira, os agentes de endemias iniciaram o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa), para tentar mapear a situação da doença em Londrina. Até a última semana, a doença já havia atingido 154 pessoas no município. Até quinta- (27) tinham sido registradas 1.800 notificações pela rede pública de atendimento.

www.grupoastral.com.br


TecNews - 02/04/14