Issuu on Google+

Guia de

tipografia


Obra originalmente publicada sob o título Typography Workbook: A Real-World Guide to Using Type in Graphic Design ISBN 978–1–59253–301–5 Copyright © 2004 by Rockport Publishers Capa: Paola Manica Preparação de originais: Eliete Belleza Leitura final: Verônica Amaral Editora Sênior — Bookman: Arysinha Jacques Affonso Editora responsável por esta obra: Elisa Viali Projeto: Timothy Samara Editoração: Techbooks

S187g

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

Samara, Timothy. Guia de tipografia : manual prático para o uso de tipos no design gráfico / Samara Timothy ; tradução técnica: Priscila Lena Farias. — Porto Alegre : Bookman, 2011. 240 p. : il. color. ; 23 cm.

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T TISBNT978–85–7780–770–3 T T T T T T T T T T Tipografia. T T T T T T T T T T T1. Design T Tgráfico. T 2. T T TI. Título. T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T TCDUT655.26 T T T T T T T T T T T TnaT T TAnaTPaulaTM. Magnus T T —T T T T Catalogação publicação: CRB 10/2052 T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à T T EDITORA T T S.A.T T T T T T T T T T T T T T T T T T ARTMED® (BOOKMAN® COMPANHIA EDITORA é uma divisão da ARTMED® EDITORA S. A.) T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Av. Jerônimo de Ornelas, 670 — Santana 90040–340 — Porto Alegre — RS T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Fone: (51) 3027–7000 Fax: (51) 3027–7070 T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, sob quaisquer formas mecânico, gravação, T Tou por T quaisquer T T meios T (eletrônico, T T T T T T fotocópia, T T distribuição T T Tna Web T T T T T e outros), sem permissão expressa da Editora. T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Unidade São Paulo Av. — Pavilhão TEmbaixador T T Macedo T TSoares, T 10.735 T T T T5 —TCond.TEspace T Center T T T T T T T T T Vila Anastácio — 05095–035 — São Paulo — SP Fone: T (11) T 3665–1100 T T Fax: T (11)T3667–1333 T T T T T T T T T T T T T T T T SAC T 0800 T 703–3444 T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T NA T CINGAPURA T T T T T T T T T T T T T T T T T T T IMPRESSO PRINTED IN SINGAPORE T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T


T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Timothy T T TSamara T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T usoT de T T T T T T T Manual T T T prático T T T para T To T T T T T T T T T tipos T T no T design T T T gráfico T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Tradução técnica: T T T T Priscila T TLena T Farias T T T T T T T T T T T Doutora e Semiótica T T T emTComunicação T T T T TpelaTPUC-SP T T T T T T T T Professora da FAU-USP e do Centro Universitário SENAC T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T 2011 T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

Guia de

tipografia

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T


Guia de Tipografia

sumário

Fundamentos da Tipografia 10

A Mecânica do tipo|12 A caixa de ferramentas visuais

Iniciais

Princípios do desenho de letras 14 Os fundamentos do design tipográfico

Variações do alfabeto 22

A tipografia está em todos os lugares|6

A óptica do espacejamento 26

Prefácio

Forma e contraforma no texto

Tipos falantes|8

A mecânica espacial dos parágrafos 32 Parágrafos em sequência 40

Uma conversa com Philippe Apeloig

B Forma e função|44 Definindo o quadro geral

Espaço: a fronteira tipográfica 46 Cor tipográfica 52 A textura visual da linguagem

Ponto, linha e plano 56

Apêndices Índice de colaboradores 238 O autor 240

O repertório tipográfico expandido

Desenvolvendo hierarquias 60 Elucidando o conteúdo

O grid tipográfico 66 Criando o espaço arquitetônico

Referências 240

Quebrando o grid 76

Agradecimentos 240

Sistemas tipográficos 80

Abordagens organizacionais alternativas

C Expressando o que não foi dito|82 Imagem e emoção na tipografia

Integrando tipo e imagem 84 A tipografia enquanto imagem 96 Transformando palavras em figuras

Cor na expressão tipográfica 102


Práticas Tipográficas 110 apresentando entrevistas com:

Design de tipos|112

Stein Øvre e Frode Slotnes Creuna Design | Noruega

Design de livros|122

Fons Hickmann Fons Hickmann m23 | Alemanha

Textos e capas

Textos colaterais|136 Catálogos e relatórios anuais

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

Design de sites|148

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T Impressos T T promoções T T efêmeros| T T T 160T T T T Anúncios, eTpropaganda T T T T T T T T T T T T T T Cartazes| T T T T170T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T movimento| T Tipografia T T T T em T T T T T T 182T T Animações e aberturas de filmes T T T T T T T T T T T T T T Identidade T T T T visual| T T T 194T T T T T Logotipos e sistemas de identidade corporativa T T T T T T T T T T T T T T Tipografia T T T T ambiental| T T T T T 208 T T T Sinalização, design de exposições e tipografia arquitetônica T T T T T T T T T T T T T T Publicações| T T T T T 218T T T T T T T T Jornais, T Trevistas T eTboletins T T T T T T T T T Embalagem| T T T T T 228T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

Wout de Vringer e Ben Faydherbe Faydherbe/DeVringer | Holanda Denise Korn

TKornTDesign T | EUA T T T T T T T T T T T TDavid TPidgeon T T | Austrália T T T Gollings+Pidgeon T T T T T T T Sonnoli TLeonardo T T T T T T CODEsign | Itália T T T T T T T TDaniel T Boyarski T T T T T Carnegie Mellon University | EUA T T T T T T T TFrankTRocholl T T T T T KearneyRocholl | Alemanha T T T T T T T TGiorgio T Pesce T T T T T Atelier Poisson | Suíça T T T T T T T TMichael T Ian T Kaye T T T T | EUA TAR Media T T T T T T TTakuTSatohT T T T T | Japão TTakuTSatohTDesign T O≤ce T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T


T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T A tipografia nosTenvolve do dia T T em T todos T Tos momentos T T T T T — T dos T mundanos T T T itens T Tlistados T T T T T T T T T T nas contas que pagamos e nas etiquetas de alimentos aos bombardeios de experiências T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T alfabéticas em cartazes, na Internet e na TV. Passamos por milhares de mensagens T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T tipográficas todos os dias, a maioria das quais ignoramos ou nem mesmo enxergamos. T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T simples humano A tipografia está no cruzamento T TentreTo belo T e oTútil. T TProjetar T com T tipos T significa T Tcompreender T T a inexorável T T T Tdescrições T T Te objetivas T Tde como T oTolhoT T T vê as formas, e do que o cérebro humano faz com a funcionalidade de sua natureza: uma funcionalidade Assim como uma pintura, é algo para se olhar e cuja não, por forma pode ser contemplada. pintura, T Diferente T T deTuma T T Tdefinida T não T porTmodas T ouTfilosofia, T mas T peloTsimples T T Tinformação T Tque foi T vista. T Queiramos T T ou T T exemplo, T T uma forma mais escura sempre vai parecer espacialmente e poderoso mecanismo da percepção humana. é concretamente funcional, já que serve para ser lida. T entre T a tipografia T T e aT T T T T T T T T T T T T TmaisT T queTumaTformaTmaisTleve.TNossaTvisãoTdo T próxima Podemos fazer um paralelo mundo exterior está geneticamente instalada em nós. Há milhares de anos, a humanidade descobriu um modo arquitetura — o projeto de uma casa será inútil se ela não T daTchuva. T A tipografia T T Tde compartilhar T T Tpensamentos T T —Ta linguagem T T— T T deTforma T eficiente T Tcom tipografia T T significa T T T de tal T T ficar em pé, ou se não nosTproteger Trabalhar que não pode ser lida não é mais tipografia. Contudo, longe forma que seus membros, tanto hoje quanto no futuro, controlar maneiras de se manipular objetivamente a T T T T T T Tpudessem T Tcompreender T T oT T T T T T Tpercepção T T T T T T T T T T que estava sendo dito. A da banal textura cinza que este rígido imperativo parece em seus próprios termos, e os designers indicar, a tipografia, enquanto formaT de comunicação, tem Tlinguagem T T T T T T Té uma T função T deTgrupo; T porTmaisTque nos T T Ttipográficos T Tpodem T explorar T TessesTcódigos T visuais T para T T consideremos indivíduos isolados, dependemos do potencial para expressões profundas e emocionais. expandir o âmbito da percepção humana. comum para as T T T T T T Tentendimento T T T Tenquanto T TbaseT Tpalavras T que T T T T T T T T T T T T proferimos. Quando tal conhecimento é codificado para Assim como tudo o que é funcional, a tipografia pode se T T T T T T Ttransmissão T T visual, T contamos T T também T Tcom T T T Tapresentar T Tem diferentes T T níveis T deTqualidade. T T uma suposição ComoT T compartilhada a respeito destes códigos visuais — as podemos estimar os atributos de algo que parece ser T T T T T T Tformas T das Tletras T— T T Tde nossos T TolhosTe Tfundamentalmente T T T subjetivo? T T A metáfora T T daT T T e comT as limitações arquitetura ainda melhor, de um carro, é útil para nos dar uma T T T T T T Tmentes T para T interpretá-los. T T TAs regras T que T governam T T o T Tou, T T T T T T T T T T design tipográfico não são, como alguns querem nos fazer resposta. Chegaremos ao nosso destino quer estejamos Elas são T T T T T T Tcrer,Ta dogmática T Tescravidão T Tda criatividade. T T T T T Tdirigindo T um Tcarro Teconômico T Tou um T sedan T esporte T Tde T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T 6

7

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

A TIPOGR

ES OS


T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T luxo, T porém T oTcarroTmais sofisticado nos levará mais rápido e com maior conforto; os materiais usados e a engenharia aplicada T Tsão claramente T T de maior valor. A boa tipografia difere da tipografia ruim da mesma forma — além de ser T T T T basicamente mais funcional e expressiva, ela revela um maior grau de sensibilidade em sua construção, desde a T T até T o espacejamento T composição e a pontuação. A boa tipografia é fácil de usar, bonita de se olhar e consciente da T T T T maneira como as formas são arranjadas para se chegar a esse T resultado. T TOutra Tmetáfora adequada é a comparação entre a comida de um fast-food com a de um restaurante premiado; T T ambas T podem T ser saborosas e saciar a fome, mas a última provavelmente é uma experiência mais T Te rica. T T nutritiva T Tmuitos Tlivros Tsobre tipografia. Este é um guia para Existem navegar no mar de detalhes que dá origem à forma T T T T tipográfica — os desenhos das letras, os espaços entre palavras, T Tas ligaturas, T Talinhamentos e grids — e combinar T T T T T T T T

Prefácio

RAFIA

STÁ E M TO D O S S LUGARES. esses elementos a fim de criar unidades visuais que sejam mais do que a mera soma de suas partes. Ele difere de outros livros sobre o mesmo tema ao enfatizar a relação — óptica e conceitual — entre a constituição da forma tipográfica e os significados que tal forma carrega. Iniciantes podem seguir uma progressão de conceitos básicos à experimentação e à aplicação prática; designers mais experientes podem relembrar ideias já conhecidas e também encontrar novas formas de trabalhar. A meta do designer tipográfico, seja ele novato ou experiente, será sempre a mesma: descobrir como integrar a palavra e a imagem.

Da esquerda para a direita: Stills de animação Qwer Design | Alemanha Página da Internet Rocholl Projects | Alemanha Mural em escada Poulin+Morris | Nova York Embalagem de leite Taku Satoh Design Office | Japão Cartaz Stereotype Design | EUA Capa de livro Gary Fogelson, Pratt Institute (Scott Santoro, orientador) | EUA


8

9

Tipos falantes| Uma conversa com Philippe Apeloig

Philippe Apeloig é um designer gráfico cuja extraordinária sensibilidade tipográfica é internacionalmente reconhecida. Combinando uma abordagem modernista que demanda clareza e funcionalidade com um plano pictórico abstrato, tridimensional e muitas vezes dinâmico, as marcas e os cartazes de Apeloig o posicionam não apenas como um inovador, mas também como alguém que conhece totalmente seu ofício. Por trás da tipografia luminosa, textural e pictórica de seus projetos, evidencia-se um profundo conhecimento de como — e por que — os tipos funcionam. Com essa vigorosa compreensão da forma e da função tipográfica, de seu potencial óptico e perceptivo — assim como de suas limitações — Apeloig consegue manipular os tipos de maneiras espantosas sem sacrificar sua utilidade informacional. Apeloig gerencia seu próprio escritório em Paris, na França. Ao se formar pela École Supérieure des Arts Appliqués, foi estagiário do escritório Total Design, em Amsterdã, e trabalhou com April Greiman, em Los Angeles, antes de voltar a Paris como designer e depois diretor de arte do Musée d’Orsay (1985–1987). Nos anos 1990, lecionou tipografia na ENSAD (École Nationale Supérieur des Arts Décoratifs); em 1996 tornou-se consultor do Museu do Louvre e, posteriormente, em 2001, diretor de arte dessa instituição. De 2000 a 2002 trabalhou na Cooper Union, em Nova York, como professor e como curador do Hera Lubalin Study Center for Typography and Design. É também membro da AGI (Alliance Graphique Internationale).

Transport Fluvial cartaz Philippe Apeloig | França

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T Guia de Tipografia T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T


T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T que T T Muitos T designers T T têm Tfascínio T pela T tipografia. T T OT inspirou seu interesse pelo tema? Por que a tipografia seu trabalho, T é um T componente T T tão T forte Tdo T T Tem T T detrimento de outros tipos de imagens e símbolos? T A tipografia T T é um T equilíbrio T Tperfeito T entre T formas, T Timagens T e significados. Sou fascinado pelo modo como as letras T podem T ser Tcombinadas T T deTinúmeras T maneiras T T paraTgerarT forma e sentido. A diversão e o poder associados ao design T comTtiposTqueT T T T T T T T oferece aos leitores uma dimensão é muito T conceitual, T Tinesperada, T T também T T T importante T T paraT mim. Meu interesse pela tipografia foi despertado ao T aprender T Tcaligrafia T naTfaculdade. T TMaisTtarde,Tna Holanda, T T trabalhando no escritório Total Design, descobri a tipografia T modernista T T holandesa, T T queTrepercutiu T Tmeu T T T fascínio anterior pela abstração em tipografia. Ainda lembro de T como T fiquei T impressionado, T T Tenquanto T T T T estudante, ao verT pela primeira vez o Quadrado Negro Sobre Fundo Branco do T suprematista T T Malevitch T T eT T T T T T as pinturas de Mondrian do T período T De T Stijl.TForam Tmomentos T Tde grandes T Trevelações. T T As formas simples, organizadas com grande controle da me causaram T luzTe do dinamismo T T geométrico, T T T T TumTforteT impacto, algo que eu nunca havia sentido antes. A T descoberta T T daT T modernista T T abriu T um T mundo T T tipografia completamente novo para mim. T T T T T T T T T T T Tenho pouco interesse pela ilustração, que carece de uma T qualidade T Ttranscendental. T T TÉ literal T demais. T T T aT Considero tipografia mais direta, conceitual e atraente com seu estrito vocabulário geométrico. Há uma ponte entre o design tipográfico e as belas artes, especialmente porque a tipografia possui uma sutileza complexa. A ideia, o método e a honestidade expressiva são temas centrais do design com tipos. Ao seguir esses princípios e realizar o objetivo de comunicar, tento ir além do puro funcionalismo tipográfico para criar algo novo e libertador. Descreva o tipo de treinamento em tipografia que você teve — o que você aprendeu? Eu aprendi sobre caligrafia muito antes de saber qualquer coisa sobre tipografia, ao estudar artes, em Paris, na École Supérieure des Arts Appliqués. Tive um treinamento tradicional; não havia computadores naquela época. Desenhávamos as letras à mão. Mais tarde, aprendemos sobre a sua composição: letras com serifa, sem serifa, caixa-baixa e caixa-alta, pesos claro e negrito, entre outros elementos. Aprendíamos a copiar as formas e a observar as contraformas. Nosso professor nos ensinou a olhar para os espaços em branco dentro e em volta das letras. Há tantos aspectos nos quais se pode focar em tipografia: suas dimensões técnica, histórica, estilística e semântica precisam ser levadas em consideração. O currículo da minha faculdade era muito bem estruturado, indo do mais básico ao mais complexo.

T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T T aprendi a ser aberto TComTa minha T experiência T T acadêmica, T e cuidadoso ao explorar a tipografia. Afinal, é uma maneira usando elementos visuais. Tde expressar T T minhas T ideias T T Mais tarde, fui introduzido ao computador. Esse modo Tde trabalhar T TcomTextraordinária T T rapidez e versatilidade expandiu meus horizontes. Há uma longa história por trás Tda tipografia, T T e essa T história T Tse enriquece a cada dia com os novos avanços tecnológicos. Agora, tudo é possível. TContudo, T aoTmesmo T tempo T T que as novas tecnologias proporcionam um sentido de T T T T T Tnovidade e liberdade no design, ainda acho que o design mais impactante é simples. Ttambém T oTmaisT T T da tipografia. A tipografia TDescreva T aTsua abordagem T T T é meu ponto de partida para o design. Cada conceito é em termos de tipos: Ttraduzido T T T T T a seleção de uma fonte, a forma das letras e, é claro, a dimensão semântica dos tipos. TVejoT T como T formas T abstratas T os tipos que carregam muitos significados. Devem primeiro atrair a atenção e então Tcomunicar. T TCadaTpessoa TusaTe transforma os tipos de uma maneira, e isso mostra a personalidade do designer — é TalgoT T T T T individual e único. TAs preocupações T T Ttipográficas T T específicas de um designer variam dependendo do projeto. O que é T(tipograficamente) T T T importante T T para você quando realiza o design de um cartaz? A tipografia é uma preocupação Tcentral T noT T T T design de cartazes. A forma e a função do tipo devem andar juntas. A tipografia deve ser vivaz, legível, expressiva, atraente a ponto de prender a atenção e nunca neutra ou meramente decorativa. Também precisa ser adequada ao contexto — os tipos em um cartaz, por exemplo, também precisam ser fortes e impactantes. Cartazes são destinados a locais públicos sobre os quais o designer não tem controle algum. Em um primeiro momento, eles são visualizados à distância. A experiência de olhar para um cartaz é comunitária, não uma experiência individual como aquela que se tem com livros. Cartazes vivem nas ruas como obras de arte que podem falar e interagir com o público. Descreva o processo de concepção do cartaz intitulado Transport Fluvial (Transporte Fluvial). Transport Fluvial é um cartaz encomendado pela empresa Voies Navigables de France . Foi planejado para promover um congresso sobre transporte fluvial e desenvolvimento econômico. Esse meio de transporte ainda é muito útil hoje, mesmo concorrendo com o transporte aéreo, ferroviário e rodoviário. Eu observei os portos ao longo dos rios. A paisagem plana que circunda um rio é extensa, e o rio é repleto de possibilidades. Queria que o meu cartaz evocasse o sentimento de estar imerso na paisagem sem

Tipos falantes: Uma conversa com Philippe Apeloig

usar elementos decorativos ou figurativos. Ao mesmo tempo, o desafio econômico e as implicações do redesenvolvimento do transporte fluvial deveriam estar presentes no cartaz. Esforcei-me para atingir esses objetivos usando elementos mínimos, sem imagens, ilustrações ou barcos. A sensação de espaço e a atmosfera local são evocadas pelo efeito de perspectiva aplicado ao título, que se torna cada vez menor ao aproximar-se da linha do horizonte. O subtítulo encontra-se no horizonte, dentro de caixas que evocam contêineres prontos para serem carregados. Escolhi usar preto para o texto e cores suaves para o fundo de modo a criar uma tensão bem marcada entre os dois, que também aponta para o poderoso impacto da modernidade no meio ambiente. Qual design tipográfico mais o influenciou? A vanguarda russa, o De Stijl holandês e o design modernista me influenciaram por décadas.Também me estimula o uso criativo da tipografia presente em vários cartazes de A. M. Cassandre [designer francês ativo nas décadas de 1920 e 1930]. Também sou influenciado pela arquitetura. A maneira como os arquitetos lidam com o espaço tridimensional é similar ao modo como os designers gráficos lidam com a superfície bidimensional de uma página impressa. Como você se sente em relação a regras em tipografia? Existe alguma que jamais deveria ser quebrada? A principal preocupação deveria ser a fácil leitura dos tipos, mesmo quando levada aos limites da legibilidade. Para mim, criar um cartaz que seja impossível de ler ou compreender representa uma falha da parte do designer.


Guia de Tipografia